Você está na página 1de 72

APOSTILA

'

4.

. ESTADO DE GOIÁS

CERES/1992
-

1
ESTADO DE GOIS

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, CULTURA E. DESPORTOS.



DELEGACIA REGIONAL DE :CERES

SECRET- ARIA DA.EDUCAÇÃO,CULTURA E DESPORTO.

-PROFESSORA: TEREZINHA VIEIRA DOS SANTOS

DELEGADA REGIONAL DE ENSINO

PROFESSORA: DIVA ALCIONE LOCATELE ROMEIRO

CHEFE DO DEPARTAMENTO PEDAGÕGICO

PROFESSORA: DIVA PEREIRA SOUZA

ELABORAÇÃO:

PROFESSORA: DARCI LEMES LIMA

DATILOGRAFIA.: PROFESSORA MARIA DULCINEIA CARNEIRO


Ça.
lfg.: •

itntat,tr igietnert”MPUMW...!•••••
r
r• axe

PCIP
••• ••• • •••••••.•••.. •••• •••••••••••••• •• ••

lado de Goicis T OCA NI 1 14S

) POLÍTICO — ADMINISTRATIVA
•••.

111.1:
iotten •
. : • v Imre t. ne
Po. ...ri hl.
.k.h
ao

•• .•

• 0,41 Trg 1 ti
. •
.,, • •
.4,w., ••!

.*. . •••• ..•••••• NI a' •

,‘1,1ketu de Des.,.01..“rii ti•h.bo


1,1 .1 „ft ror*
' . • • •

/ciur
pot ittme •,1 I , • • •r dr • II it
* IL ipso • Irrt . • •• • •• • è •
1
.1 . .(:•••••• ••• ((t1
,••0,•..t.• • i

104•A 1.11111
—1989
t •••,• n •
o . t•I
wmat
• •••••'.."..,...
'ti
. • • t•w., •
vl Piei is
a • AVrerrIll
‘,4 11•• •
, • , •
.
i• 1. I .41
, ‘,1 i• • ••••• •
0111 .
41.•0•111 ••••11 :• ,1•11
es4
t• ••1,‘ • •, I e . r 4,
(,) .• •
.•


I•
•••• II •

•••• ••••• t . •••••,


19.•1:11
.att•et•iat. o .4 .• ii
•• • ••
ir•le • '• ••• • ;
'4\ • I. 40.

•• 1• - .. 4 " ."•••• ;.. it..1,1 :11,'. •••••Po ntO 11


.. .• ir.:1.4' i.! . .
• enrytitl
Mei, . ., .i
• ..., .i. ..- .....?‘.
. • I .. .,i ...' I •

.. alloos.v.4 ‘...'...... !* Ilto It te i . , . . rn:11,, . ,


i, ........200 14
.• • • • • . •• ' •••
to...Ã...•

s..
, • • É .. i.
N. .•••
• ...
4• 1
..•• -..•':a....••••• i t e êt i' .• ,' ..
PILO,
; .... ::
:.
`. - •
.............. •• %Iam.. ..... - .. **x .... .<44...4;•:,........ •

(.5 ; . . • 9s.....,..,. •• ••••e ' ...•' '•


. .: .,...,.:•..., i
..1..'
"1"1 ..' " . • ',ris.: ..
' ..Pei...• •
e ... .. , i'''';'..".""••-
la il ! . ir •••• I •
.. i'" .... iii .r. ...........• .... .....-.......• r•
‘,..

DF
....... ...... 1~4..4 -- \• .
!R 14 I
k. . • .• •, •' •I 1.)
h( tt.e
..,. .., I
r (1


elarr•M•vt
.
k.• , .• • 4, ; ri • et 'ri "i 't .1 1 " .
,• '.'. . • (..a t th.r.
rt ..
• I ' A , 1I/ ' (.1' At
/ .00 . al .4 1 .:
tR: i ‘'• . „ .,
\. •
• . ... . . . ) : ., ' •.'
, 1" . :t:"i. l'r '' '''1 ....:•:.:(
.i.
.e .t.
...../.
..,:
4 : : •(. q, . t• • eV
.. ..1
; Ir•II;I •ti l;
" :..,,
-,„ „,! . :: ::: • '"
.1.”
.:1""
•' .• ,..1
:
.▪ ......,...... ti1
...I it e ... ..., .. , .. •em , 48, ....
f(4%, mia 1
. . a4.
4.((!lt.Ara IN A.,. . •
..a'':".;*;
..
.1..,.
t -1 .
.. .. .. • . * . • j, • ,
:*
: .. •• . i . .. ..t.iptit:..
. .,, e.,..;.. ; •1 ( . • • n.......,..-e, ,,,,,,, ,,,,i .
.h...•,..., 41!ft••••

.• 1W•a•••••ai
.. • •
. ,•.:( 1,...., . iv..,,,,a•istiti,:i• .


. . ...
e
.. ..' • . . .....' ...". ••••••1 e I •911
e aprt.,.
. . ,
.. •I ,r ... ... .
• rità *é ',mous . ..! _, •• ... .
• Ittili.t.i. . ••••• • ...• ..:`•
.....• J
. . . • ... ' "."...* • • ' I "1" " . A . • Atd. $ ?......;•).A.4. /
.
„„,„..„„,,; • •• ..•••_.•
.
t
!:
• - o
t !...,,e. ,, . el,,,,,
-r• •• •.•t ,,,, c...k •' • • * •
* .• .slo, ..*
,,,„r„$,,, , i
...• -..p'iííne,,,..,
. ,,,,.... i .,,,,
• . .. . • ! . :',.,,,,..in r .•,'"••'• .4 1,

•.•
tttNIat;.•••• ! .
'
lirr.1::
4, • Mi., 1...,•• st ; .,
. flutt•at., rif ..c n••• yo
it 1
,,,,,;,,,,.. .
. .. .P.,) 'AI...,„-''',.
• .. -
- , •I g...it..
. á' .1 4 ...hl.% •• ., .
• .
.y• Ne., 'VS
..

.•• .. a • ..- . ...


*tin4t.'. . * !..1 •,.
.... ..,..,,. ' '" .. • l' t., vi.(... : • .. ..
• - e"''',:`,...,;44,:". ‘ • Ittl lAtjA
Cata ;(.4.4(11 • - .4 . „, ,, i„,,t , ..":: .• ---,, . -.
, 'a '.."'•1:1 !,
...
.'..14 i
,,,,,... .
,' ..... e 4" l's"A•.. '''...,..?, t ....... -‘1/ ã ...',., .... ... ,r,,,,..
...... ..... .„..
.1 ,.1..,,. ..,.
.
..s. .......,.. . ...... 1.........:—, ist,„17,,, •
!.... ? • •• i si ........, ...--"")

... • • -••• .. . • • e.,,,,,,,,
‘..... .4 ,.L.:1::7:
1. ...,14:::: ti. ,,‘ •
,...• /
•• • ti? •• .X. t,,;
„,,, •
1,1,1 as. hio •
• ......•••••••:•,, • 1

- .4.. ••• % .,,À„., ,Likyr211:....


.

„,,,.. . ...... •••••.-. .


MO,A.
..• i : ••11,C(.01,..•, y•.?...:.1
,A
: ta
.1 • . ..1..: „...r.... . 1 .j..t
::..
•• •,t1 , . ..,,..1

.•
..4 til CO . ,••••••• •'••
OtO .I...1 t .,
, , •. ,..i i tHètlt Ut..à . •••• - ' :
.
•• • •
•••111

..
••• I t.
!••. •
..
. e.”.r f••••I• • -• - • • •....•I' lev4
•• ... ...
,....., pur.,,:, r (.14,V( .1 . ;„..• ....,..: VIA ”' :,•• 4
. •.- •: ,•...
. ,
. ;Aro. j( rui h/ •,,,ki• •
. . •
iif.y . nn11•••• ... .. , ,,...„ . •. '
,..,, ./..., 11 ,,

•••• .
.
• . 't
...
. • 1,,,, à
.4'

: •••
... ...
• 1..1. ..S.'...11.'
,r,,, - . ft, ., i'yer.Ps' - ..,
'1;./ •4 ••
, .•!. 447,
r .1
rtr. t . 11,••41`iii • f. ., _ :',.ti
,„;./ ::„>-----,J. ...
é• : f •• • -. - ..,.- ..!,r.,."\...3`"^' d'
• • ... .,,r, ,.1)-, • I• •,
•••• tatu ' f.._.. 0 .,,/
---7-.7. 'Q

or'k
.
••.
t ftn.r, IR A .•
.•.,, . ..• .. • ._ ..._,•••••--4
Itanual
...• ..étt 1. ; .4•4• 1:4.;., I .-) 1 tl
..1,s \
.,......••••:..;,;4.,
itls
o
tgC01.# •1 : a ,no e. no
g 1rk *O tr. 41,14

•• s••••••••••••••••••••• ••••••••.

re
12.•~121, •-‘,~ittailalLINCPWIPIMPJ
M.me. lagait
4.1.1.0.1,•••••• •
Ws ,•>

110

te-
(
GOIÁS BERÇO DE OURO

GOIÁS sois o berço de ouro,

Deste GIGANTE BRASIL, tesouro.

Tua pu jança em teu povo 'expressa,

Toda esperança que em teu peito encerra.

TERRA de lordes, duques e duquesas,

De nobres antes bandeirantes audaz.

Homens de todas as castas em sua terra agreste

Desde os nativos índios carajãs.

Rios soberbos banham suas encostas,

Orgulhosos de si com as mais belas cas'catas,.

Das mais longinquas nascentes se desatam

Sobre os diversos rinc-Oes de soberba mata.

Belos)u fantes)sobre a relva virgem,

Todos se juntam ao grande mar. bravio.

Mais parecendo um OCEANO ATLÂNTICO

Que mesmo simples e navegãveis rios.

A.G.M.
rr
• •
••

. •
• • 4

APOSTILA ID1 GOIÁS


o
o

iNDICÊ •

UNIDADE I - Périódo Colonial


••


Iocalítação . dé Aspectos Naiva.i Masciffièn-

to de Galãs. • á

.o •

4

1 - Localiaçã'o Geográfica dé CólâSt

Em relação as -AáerIcas.

Goflii rát parte do brasil.. •

c) Em que região brasileirA está .GolAâ.


1.1 - _Visão geral dag !tesotregtOés.

1.2 - Destaque dasMictorregioeg.


• •

41.

7.- Asectos naturais e sua inf1iiiia na vida do Éstadd, ontem e

hoje. •


- Relevo

- Vegetação •

- Fauna

d).- Hidrografia

e) - Clima

- Nascimento de Gol:ás
k

3.1 - Goiás Territgrio dos . índl.ogl

3.2 - Como viviam e vivem os Tfidiós,

- O processo de . Coionit4ão


UNIDADE II - Período Imperial.

VIda rural e fazendas pastorlà4

A:Independnia ffi Gois Rio Araguaia e suà im-


portSncia econCiMica.

1 7 Características da vida rural ê alocalização das fazendas

pastoris.

2 - A InAepend'encia e seus efeitos na polflitá adminl,strp.tiVa

de GoiSs.

- A importAncia econotnica Rio •AragUalái

UNIDADE In Período kepúblicanõ,

Republica em Gol㧠- Alteraçgeb-Adniiftis rajtivaã-



Caracterfsticas .ecóüõfflicas e geiclaiS EgtÉâdã dé

Ferro - 1930 O Papel e a AçãO ci(i, Estado Demórt

ctacia - CotistAtülãó Ifflpo.aãffiéia Aàtãtd_O ê

Itiàüá.tiiat QuesCèiêá 8ócialà

d'ade e TraftspOrle§ Aspeêtos cultütais,

Gois na primeita

2 - AltetaçOes da Política Adminarat.iva.


3 - CaracLers1Icas EconO'nlicaã é Sociais do Petiodo.

- A Estrada de Ferro e seus efeitos econõmicos e Sociais

- A Revoluçiio de 1930 e a mudahça dá Cap tal,

6 - O Papel 'e a Açi.dp E§tado democtáticó.

.a) Poder Executivo.

Poder. Leg slativo.

Poder ãudicrário

Símbolos.

A eleiço como forMagde pattlCipaçã'o demoèt atida

A importãncia d a Cánstutuição,páta so ciedade democráticà


9 - A importSncia da Produç"ão Agrria, dó cnmgtcío e da in-


e dastrià goiana.
é

10.-.As quest -oes Sociais.


a) Qauntos somoS, o que fazemos e como vivemos.
e 13). 0 "exodo rural e as invas -oes urbanas.

Subempregadoidesempregado, •

A questão do menor.
A qmestão da sartde e habitação.
Educação e analfabetismo.
11 Sistema de Comunicação é Transporte do Estado.
12 Aspectos Culturais.
a) Manifestaç'f3es folcl -oricas e Artçaicas.
é

13) 0 homem e a defesa do melo ambiente (eco ogia).


• •



4

America do Sul e uma das grandes areas do continente .ameri-.

cano. O Brasil estS. situado nela e ocupa quase a metade de sua

are a.

(Consulte o mapa, abaixo, e veja como o .Brasil e o maior paIs

da AmJrica do Sul, e Conhe0 Éambgm .. - os países vizinhos que

fazem limites com o Brasil e o: que no se limitam com :ele).

.„

.-.„, o (51;i‘ten%,.
.' i`i-
1 "-.\ . 5: '?\'' ).VeNEZUELA ( o rz..,2-,/,`,
, „.r'ct,i3. -
1 n000lt;--1--- i t,'I' 6 ii;,4 •
‘," ) uNtlfli
r tOLÔMDIA r-\ '/----/
L 011Af 'O/?
r. -/ ,
EQÜÁ,VOR. `'-• •

\ •

<(\ ijnÁSIL
/' /)

Aj
!..1,, Mdriiovfdtiú
É3ún Mr09

OCEANO OCEANO
PACIFICO AiLAN ICO

Países que n.ão limitam com o i3rasil.

Pa-ises *Capitais
Equador Quito
Chile Santiago

Palses que limitam com o Bràit.

Pa-ises

Guiana Francesa Calon'a^,

Suriname - Patamario

Guiana Geotgé Town

Venezuela Catacas

01
UNIDADE

Perrodo Colonial - Localização Geogr5fla Aspectos Naturais-

Nascimento de Gois.

k;\

1- Localização Geogr5fica de Cols.

á) Em relação as Americas.

São trs ás Amgricas!

America do Norte.

. America Central.

AmJrica do Sul.

Consulte o mapa das Amé"ricas foclizet A Amei-ca do Su

Brasil; demais palses degtà Ê6 ÉStado.de

AWMCA
DC)
NORTE

r:..

AMÉrlidA

.\rs.nÉnicA
Ci DO ORMIL
o <St)
,

'o •
CL.

00
ColGmbia llogotS.

Peru Lima

Bolçitria Lã Pi2

Paragpai Assunção
é

Brasil BraSilia

. Uruguai Montividgu

Argentiná Buenos Aires

Em relação aS Amgricas, Goi se localiza no Btasil, fazendo

pa,.rte da regiaão Centro Oeste deste pis.

Portanto Gois, faz partfe da Amgricá do Sul, Isto significa

que as Amricas Central e do Norte, icam ao norte em relação

Gois.

b) GotS's faz parte do Brasil4

O Brasil esta localizado ha 'Ame


.rica dó Sul. Ele e banha

do a Leste pêlo Oceano Atiãncio.

O •Brasil possui uma área 'de .3.511.9E5 Km 4 Com essa area

o Brasil e o quinto pais mais extenso do globo terrestre. SÚa

p.ópulaç-ao de mais ou menos 150.000.600 de habitantes

O Brasil g titila Repriblica.Pederativa. Ele et á dividido em


26 Utados e õ Distrito Fed ã
- tal:
Brasília qte se localiza tio niStrito Federal à tal)itál dó

Brasil. O Distrito Federai focaliza eit

Observe.° mapa do Brasil localizando Estados é â


....,i"t, DIVISÂÕ POLI E IlEGIÓNIJA
5-11..iwp.w f \ -
1
(.—:-.'‘. ,•:"\.nonAi‘r pe ,
---r.-"('''')
..'%. AMÁPR
)
tOwdot M.C.PÁ

1/4 "\,..\ e ,e,.f.( Ir ,


I. ..-^,,, 9111421.1,) si. tu,. Afq104/10(10
9 ... .. do reimituló
E tail, i 1? --.. .
1-0,t.T.,á do Noronh.
M..UØ .
AMAZONAS it 1 s. ' i
,AnA , .451AnANISÃo .., \ nio ànAtioé
.)
i 1 roto .!\,,tA ptlit.i!.1 Jogo Penai
ruo
AcnE 137erittl,4,-•
.• Votho :,. , t,„. , • .r.,,,,, ,,...,....-,,,,,e,.
11c.11.: \N„ ::"i''''
11À1-11Á
• .1,•.41(09. )( , Iiii itj*/*'.1'51 '.''
'1..13 ::•,'''.: , "?., i i ,s , .1' Sáividor .s
tvi.4,;,,e.t1;,;, ¡,.t. À .,. ,,,,.. ,.:' •
I .á,I.,
,11 Viék ...,. .,., ,..1/ 13feltilnr;-
....,. / '‘.:,.....
(O Zsai,x2 •'°°IA 5 ii
noiánié
.v. • f
atnAlê . -, I
MA to On o á s o‘- ts hM
130 5111. i- -._ ..• ,r-.,w . SANy0
•é ,
C rnp
issAÕ ,
o,,oni
..f, .b
VR6'll

1 pAtims),
rAuld ,t . — • nto
..,. .,.. . n,:
,, ._A___,_-rs, h,..tt
::..JÁNLIII0 ,
.. ..fi , _— co
...rlê,.„ C,..o..n'..t/cdrnlo
..
ÁtoiA0
4001 ,,ó. ... . g . . • I11 t , /.
ntotAn . "1....:,....:SANtA irMÁI1114À O
Nono( 3T :!--\
U . ...• • '' .. i 1 1.0,10+0,011i
01 ,,0 Ateu,.
itli . 41,,, , oci
1310 C
.,
.. e. , •
RÉGiÃO
1;1101.5 te
)
,i,.. '
SUL
c•G
••••

ESTADOS CAPITAIS

Amazonas Manguls

BelÉm

Acre 'Riti 'Branco

Roraima Boa Vistd.

Amapá Mácapã

RondGnia Porto Velho

'Tocantins Pálfflas

Maranhão Sao türèt.



Piauí_ Tereàlná

Cear Fortaleza

Rio Grande do Norte Natal

Parái6a .ioãó Pes§oa

Pernambuco ^ Rècifé

Alagoas Macgió
Serg i pe Aracaju

Bahia Salvador

São Paulo Sao Paulo

Rio de Janeiro Rio de Janeiro

Espírito Santo Vit6rIta

Minas. Gerais 13elo Horizonte

Paran-a Curitiba

Santa Catarina Élorian6polis

Rio grande do Sul Porto Alegre

_Mató Grosso CufabS.

Máto Grosso dó Sul Campo Grande

GoiSs_ GOIA'nía

Ngs nascemos no brasil. .Somos brasileiros.

..1116s morámos no Estado de GoiS Goi59 faz parte do

Brasil . Êle -e um Éstado Erág'iíeiro e se localiza bem no

Centro-Sul do Brasil.

c) Em que região brasileírá ettáz Góis?

Observe o mapa.

s imo •
jodlio
sÃo
Pimgp —1vbE .4 ••'
SieriEino
jAnAPÁ

SUL MARINA
1 SUDESTE
ntoãrtiki41)eçr
:3•CENTRO-OESTE ' Oca ntit,•):,


N ORDEáTE
Ç' .
•NORTE
Regi Nordeste

Lik Clima quente e às vezes tom raita de chuvas em certas —áreas,

ocasionando grandes secas; por Isso o góverno construiu gran-

des lagos artificiais, chamados acudes, os principais são osái

Oras e General Salgado.

Nas -áreas .onde predominam chapadas e planaltos 1i chuvas


regulares. Em - ogtras regloes, coin ao norte do Maranhiío e no li


toral da Balda,: as chuvas s-áo frequentes, contribuindô para '

mel. horees condiçOes dg vida com um clima tropical -unildo.


A .
Destacam-se tamb -él m , as plantaçães de algod -ao, coco e si-

sal; criação de gado; indiIstriaá...de extração de sal etc,

O rid mais importante desta região..é" o Rio Sao:FrancisCo.


Estadós Siglas * Capitais . •


,4

Maranhão S-ão Lutá


• •

• Teresláa
Cearã Fortaletà

Rio Grande do Norte. RN. Natal

• Parai:6a PB

João Pessoa,

Pernambuco PE Recife

Alagoas At Macei6

Sergipe Aracaju

Bahia BA Salvador
• •

Estude . o Mapa da regia houdeste obsérvan o os seu Èstadós.,

siglas e capitais, não se esqueça de pint-à.-lo


.

—121IEGIÃO NORDESTE: DIVISÃO POUTICA


APpdpfle00

.Intól
Jogo roglod 8 Èfitficío. ettpltfili
Moronhilo Sgo
tere5Inn
• Cear, ICE)
tliô Grande tio Norte MO)
torialetá .
Natal -
Paraíba fP0) João Pessoi
Pernambuco ir'El
Alagoas (AO Macelà
Seruipe (SE) Aracaju
nahla (DAI Salvador
••• • ••• •• • .• •

MINAS CtnAIS

07 •
seu clima é". quente e amido. Os seus rios são v5ricis e . o mais

importante e o :Amazonas, que e o maior do mundo 'em volume '

de açouP.. ossui grandes florestas, como a floresta AmauGni-

CQ 0 onde h a grande quentidade de -ãrv.ores como,, ,eringueira

(de 'onde se extrai o lalte "le çe eâra:fazer borracha). En

cántram-se aímda castanheiras, cacaueiros, plantas medicinais

etc.

A sua .fauna •riquIssima, com Muita variedade de. animais.

'Éstades S 1 glas C.apitais

Acre AC Rio Branco

RondGnia R.0 Porto Velho

Amazonas AH Manaus

RerSima RR. Boa Vista

Macapã

Pari PA Bel. em

Toca'ntins TO Palmas

- Confira no mapa da regio norte,o, seus Estados,

siglas e capitais.

o REGIÃO NORTE: DIVISÃO POLÍTICA


il e
l/14 4,O
/ AM A Estados . capitais
í
eo
; Amazonas (AM Manaus
Pará (PA) Belém
Acre (AC) Rio Branco
Rondônia MO) Porto Velho
Tocantins (TO) Palmas
Amapá (AP) Macapã
TotANfiNs
e
Roraima (FM) boa Vista
'Pidnins
Regi'ão, Sudeste

Região montanhosa, cortada Por grande ri! , com chuvas consr

tnntes. guma região rica em ouro, chumbo, .ferro, diamantes

muitas fontes de "águasii, termais. Cultivam-se cafe, algodo, fumo,

cana-de-aç(Icar e frutas. Asi4incipais fontes de .rilquezas da

Regio Sudeste sao. industria, extraçi-ío de Mingrios, o cultivo

de caf e.

E a região mais populosa e povoada do Brasil. Seus princi—

pais rios: São Francisco, Paraná, ParanáIba do Sul e Tiet.

Estados siglas Capitais

Esp;:rito Sant(*) ES • VIt-oria

Rio de Janeiro RJ Ria de Jafieíro

Minas Gerais MG Selo Horizonte

Síín Paulo SP São Paulo

Conuite o mapT,1 da regi5ío Sudeste i entificadio cada Es - ado,

gla e Capital.

BEGIÃO SUDESTE: DIVISÃO POLIIICA


es.r. Estados Capitais
Espirito Santo (ES) Vitória
GOIÁS ílio do Janeiro (RJ) r1k <Jo Janeiro
Minas Gerais (MG) Bei-o Ho'rizonte
MINAS C1E11415 São Paulo (SP) S5o Paulo
s.,
.,
N4A1-'..-.) s'.' MO
• Peio Ilerizoyit:
nSIOSSO ;O . O
DO '.'...1.11 ''Ill ‘1•1'0..r.4'.-, • itória. N.

,‘,.., ttko rAtilo XI, . o° . Av


..4,,....,..:.,... S"
---m-r---,. . .,,
'I
,t•iit4,¡•• ',(r.111P' DF IAIIElf10
.!tr. -• 11e-d Janeiro
,-.--:-.
-•!
'''''z's . tiMco
t ...,"1.
I'I.'s 4 '§-,:::. . j. —_.,.....— Cnpricáritio
. '''!•`;' ..:"(iitro"..-Pi;uio
PAilikNA

(Á.

03
REGIÃO SUL

A Regio Sul. -
g a Menor região brasileira. Ela possui o

clima mais frio do rialà.

O relevo
formado por planaltos e planícies.

Os principais tioá dessa região sao Paranã, Uruguai.

Cultiva-se arroz,
milhos
fejj-ao, erva-mate, fumo) trigo,

algodão e batàta. O clima da ãegião Sul


o subtropicul, com'

altas ..emperaturas no verid e baixas


te
mperaturas no inverno.

'Esse clima muito favorece o plantio de frutas, como uva, maça

para, laranja e outras. Na regro sul


a criação de gado bovino

(boi,vaca) ouvinc“ovethas). sufnos(porcos)


equinos (çavalo,
ros .,ete)
e de grande
importãncia eco ca. 'A extraç-:ao mine
ral
oferece como o seu mais importante
ptoduto o carvão. 'Rã #
reserva
S de chumbo, cobre, estanho e ouro.

EstsdOs
Igla
Capitais'
Paranã:
-.
PR
Curitiba
Santa Catarina
SC •

Fi orian6po1is
Rio Grande do Sul
R8.
Porto Alegre,

Veja o mapa da
Região ui e identifLque os ÉstadoS, Siglas
Capitais. Wi.io •
esqueça de p.iála-fo ó

[1.1r.GIA0 biVISÃO POLiticA


MATO f.V1OSSO
•••..• •

-- " N no SUL SÃÕ PAIRÓ


2,
1f...tópico do Cru),
l.eriff
PArIAGLiÁi.)/: h:st.PA"A"A
f .
CiJrItibn
CO ".•• •
'
.••

AnGENTINA
CATAPIN Éstndos .
- gz. . ..
fnorr.isporis Paraná (Pr)
• Curitiba
. Santa Catarina (s(")
mo Of1ANDE . - rlorianópolig
4,/ o nió Gra nde do Sul (11S) '
DORX .> Porto Alegro
'io Alegro g l"'
.

.rilirird, , ,Nh.
. •-• ii" '. .
. A;
UP,UGliAI
V
!1A • - 71\ •
••••
/
•••••••••,•,......•••••••••.•.....•.••••.••••.•••••••.•

O9 é
Regiao Centro Oeste
- as faz .
Esta e a regá lão brasileira da qual o Estado de Goi

parte. O Zistrito Federal es_a lambem nesta regi_ao, localizado

no Estado de Goi - as. Ai fica a cidade de Bras(lia sede do

governo brasileiro. g a Unica regiãb brasileira que nFlo e

banhada pelo Oceano Abl'antico.


,..
--- a territorial. Seu
2 a segunda regao
i do Brasil em extens()

clima e tropical, sendo a temperatura nmena nas partes mais '

altas .6 no sul da regi7io. 9/relevo da Região Centro Oeste .

apresento um longo planalto, onde aparece chapadas com eleva-


hã grandes elevaçes nesta regro
çoes forman do serras . Não
na Chapada dos Veadeiro
A maio):: altitude encontra - se em Goias,

ó pico Pouso Alto com 1.700 m d altitude. A. parte mais baixa

-
dessa regiio fica no EnLado.de Mató. Gr.osso . que e á pianc02

do- Pan.lanal.
,
-
O extrativismo, a. agricOltora e a pecuaria saó as princi

pais riquezas econGmicas da Regro dentro Oeste.

-se artoz, milho, ma.ndio-


Na agrí,èultura
. cultivam
- - i
de minerais, como o vris -r
ca, cafe e soja, na grandes r.eservas
magans, ferro, ouro, esmeraldas, etc.
tal de rocha, diamante,

Siglas Capitais
Estados

MT Cuiabã
Mato Grosso

MS Campo Grande
Mato Grosso de Sul

DF • Brasília
Distrito Federal

• Go. GoiSnia
Gois
P-1

Counsulte o mapa da região Centro Oeste, identifique déus

Estados, siglas e capitaais Pinte-os com lindls COre S.

1 •
CENT110-0ESTE: DIVISÃO POLitiCA •••••• Ma.. ....a..
•••• • • • •••••• • •• • ••••••••••••• ••••••..,.....•••••••••••••
• ..r.•• • .•••••••*•• •••• •••

ÃMAZONA9 ,,
t f% PARA
o
/1 g
normôNIÁ

- i:•1` •:;) ' 4. TOCANTINS'
/p 717
)
)
MAIO CMOSSO ti,- 4, ,,....,-;‘ nAtílÁ
• i
! ,',,'0V.
.
.' 1 - • ..
i n.r. pq;,•
`‘,1,•!....., . . .CUifibi i :1
nouVIA Uomiltpo
,!‘ ~Ag Estião4 Capitalá
• i • •

""•-• , I MAIOhenOnSWY--,-. to(ii'à (GO) • Guiânia


ire,timp% tnri(yo rs
Mato Grosso (Mi) Cuinhá .
i'AnAGUAI 't • • DOU' . tOtõ PAUL0 Matti C.Irosr,b do Sol (MS) Campo Grande
I .,
; .... • ,i,. .,.... Distrito Federá! (DF)
I -.44f PAHANik •••••••• •,•••• ••...•••••••.«.••••••. -
••••.••••••

1.1 VisTà'o geral das meorregiOes e microtregi-C)es.

O Estado de Goiíís está'


. localizado na Regi7to Centro Oeste,

COM uma. arca de 355.037KM - e tem uma populaçao. estimada em

4.032.01$ habitantes.

Limite do EStado dé Goiãs.

Ao Norte - O Estado do Tocantin à

Ao Sul . Mato groSào Sul e Minas Gerais.

A Leste -.Minas Gerais e Balda.

A Oeste - Mato Grosso.

Observe o mapa e identifique estes limites;


(
\
rOcá/Vit,;./
N. e

PAA M (11105n9

s
I :4e19,1

_ í j
MIPIAS nr nnis
41~41'
.-.1
,. ,
.. r.t.11.
W
t • .. - I ...
* C,ItInd •
1 ivisra,
s : .-
, do Estado em mesorregi oes e microrrep)oes. Le-
-

vanJo eia conta as vatiaçes de clima 0 ve,geta, os á P.é


t9s culturais C economicas e a separação do Estado dp

Tocantins, fz-se nova divião das mesorfegies e microrre-


.,
s do cisca:10. de k.-.0.1a,

Observe o map..a e identifique a sua nl


- esortgiÃo e - microrre,
'-.

gião• r“.ntandb-as em cores diferentes

...1-c)cAutItsis
M.R. do
Vão do
- NORTE \{.3 O IAN O Pa wn F3À,11A
1.11. do Ch,:,,pad.
Voadolu
M.R. do Pot a riga/ II
e e

IA O

do Cotos
f
b.É. )
1
M.11. . )
Eidnrno do-Biasflia
m.11. do
Araga;çhs M
ik.d.11. Anicjiw t m.n. do(' m

ipor á GcJiAnia gio
1,453. do Valo du'--"I 5elo Rio
.. ti() dos Bois 311. dó
\ •
f t. Gcluno gr Mola Po t tio
M II. do
‘r (-aum. 3'

SUL _ 21: . kl... O


r. ,,_.....t...- --- ----\--,----
t---- ---\ , • ,).-N / • • MINAS
---
ouirinópolis GEMAIS

MO !Mi

o
Veja quantas o as mesori:egies em que foi. dividido ó EsCado ,

de Gois.

I - Mesorregião do Noroeste.Goiano.

I17--MesorregCÃo do Norte Goiano.

III-Mesoreegiã'o do Leste Goiano.

1V -Mesorregi;ío do Sul Goiano.

V -Mesorregião doOeste Goiano.


á

I .Me,sorregião do noroeste glano.

Nela ficam as seguintes micrregiÁies e seus municipíos.

1 7.-- t4icrorregi5to de São Miguel. do Araguaia.

WunicTpios •

Crix:As Mundo NOvo de Gois

MozarlSnAla 8-à# o Miguel do Araguaia




Nova CrLs -ás.

2 77-- Microrregião do Rio Vermelho.

Araguapaz

- Aruan-Ã Faina

Goiãs Itapirapu:4'

Jussara MatrIchã

Santa F6 de Caias

13
3 - Microrregio de Aragarças.

Munic'ipios

Aragarças *Diorama

Arenpoli,;3 Montes Claros de Gois

Baliza Piranhas

Bom Jardim de Gois

- II - Mesorregião do Norte Goiano..

Nela estio as seguintes microrregies e seus- mánicipos.

1 - MicrorregGo de Porngatu.

Munier_pios

Camp;norte Mutunopolis

Campinorte Nique15ndia

Campos Verdes 'Novo Planalto

.Estr.ela do Norte Porangatu


a
Formoso St Teeza de Gois
a' Trezinha de Goiás
Mina 0-1 St
'Trombas Uruaçu

2 .Microrregião de Chapada dos Vead'ed.ros.

Município

Alto Paraiso do Gois Nova Roma

Cavalcante Siio João D'Aliança

Colinas do Sul Terezinha de Gois

71.1- Meigsorregi:ão do Centro Goiano.

Nela ficam as. seguintes microrregi^je„5 e seus municçpio.

1- Microrregião de Ceres.

:.rorregião tem. destaque :para ngs, pois nela L4U


Obs: Esta mi ,

o.nosso munícipio.

14
Municípios

Barro Alto Nova Amé'ríca

Carmo do Rio Verde Nova Ci5ria

Ceres Pítar de Colãs

Ciangsia Rialma
Cuarinos Rianãpolís

Hidrolina Rubiataba

Itap'aci Santa Isabel

Itapuranga s7i0 Luís do.Norte

Morro Agudo Urnana

2 ,-.. Micr-orregião7de Coi-ânla

Municípios

Aparecida (e Co.“inia. pap;.;

Aragoi5Inía Ilidrohrindia

Bela Vista de Corás Leopoldo de BálhJes

13onfin6poli Ner("Spolis

Colania Senador Canedo

Coianira Trindade

Microrre.giã'o (e An5po_is.

Município

An6polis • Itaguaru

Araçu Itatiçu

Brazabantes jaraguaã

Caturai Nova Venezd

Damolndia Ouro Verde de ColAS

Heitoraí Petrolina de Coiãd

Inhumas anta Rosa de Coi.As

itaberai São Francisco de CoUis

Itaguar Taquaral de Colas

4 — microrregiã'o de Ipóríi •
Municípios

Ámoringvoiís Israciandia

Cachoeira de Gois Ivolndia

Carrego do 0.!Iro Jaupaci

Faznda Nova. Maiporã

Tpor5 'Novo Brasil

5 Microrre.g.i5io (e Anteuns.

Munici:píos

Adel'ãndiá Moss.Smédes•

Americano do Brasil .
§azarlo

Anicuns Sauclerlãndia

Aurilndia Santa. P.)-117)ara de Gois

Avel-inC;polis ao Luís dos MOntes Belos


.
Turvanla

Mcsorregio do Leste.Co.ano.

Nesta regio ficam as seguintes microrregra- o e seus muni.-

C 11) I. O S

-. Microfregiã'o do Entorno de Brasrlia

Munici:píos:

Abadínia ViziSnia

Água Fria de Gois Mimoso de Gois

Alexnia Padre Bernardo

Cabeceirac: Pirnpol ia

CoruhthS. de Gois Flanaltina

Cristalina :St9 Ant9 do Descobertó

Formosa

- Hícrorregio do Vão do Parana

- Municípios:

Alvorada do NOrte .Monte Alegre de Gois*

.Campos Belo Posse

Damn5polis g.
tio Domingos.

Flores de GoiSs Simol:S'odta

1.6
,25

do Sudeste Goiano.

Munic:ípios:

- à -
'Apore Palestina d Golas

Caip"Jinía Portelandia

Doverl'andia -- Rio Verde

Jatai Santa Helena de Goi -as

Mauril5ndia Santa Rita raguala

Mineiros • -Spolis
Serran(

Monttvidiu

5 .uicrorregio do Vale (o rio dos Bois.

Municfpios:

Acretrina nãlmeir6polls

Campestre de - Gois' Palmeirais dé ColAs

Cearina Paraina

'Edealina S7:10 João dó Par na

Turvan ia

Indiara Varjo

Jandaia

6 Microrregião de Quirinpolis.

Municípios:

Cachoei_ra:. Alta Itarum7i .

Caçu Paraniguara
. ,
Gouvertandia. QuIriopolis
n

- Sào Simao
Ita j a

1.2 - Destaque dá microrregio locf.

A nossa microrregião rdí parte dés rorregio (o Centro Goiano. •

Sf.1 relevo e; formàdo.por g,randes chapadas e serras de Maior des-

taque nesta '.r-eglao e a Serra dós Pírineítâ. Seus- pr. .nc:ipáis rios

ao , Rio das Almas, Cornmb,Ã e Uru. Seu clima tem duas es aroes
.1

definida.at seco e diu roo h nossa Microrregiito 'o clima e que

17
Sua riqueza se baseia na pecuSria, agricultura.

Nessa mi.crorregio e formada por 18 munici. pios.(olhar seus

nome': on diss'uiso das micror:egij)es).

2 - Aspectos naturais e sua infiue


-ncia o a vi da do Es todo

ontem e hoje..

r...0 * relevo de .Go.i.ãs.


-

O relevo do nosso Estado e formado por um grande pli-

nalto, chamado Planalto Centrai.

Neste planalto aparecem os chnpoadCjes e as grandes chapadas ãn

vezes chamadas serras, e ruja altibude varia, no tendo gran-

des elevaçes. O ponto mais elevado do nosso Estado c-:;, o pico

Pouso Alto, na chapada dos Veadèítos, com . 1.700m de altitude.


7,
Algumas serras de'Goiãs..•

Serren,das Divises

Serra dos Pírineus ón e nasce o rio das Almas)•

Serra (10. Toconhão

Chapad .-.
. 1 dos Veadeiros

. -
4 .Serra Geral de Goi.;,s ou Esp!p:Ao Mestre na divisa com

a Bailia e Minas Gerais

Chapapadas São Domingos, Tagtiatinga, Duro.

Nas altas Cabeceiras do rio Araguaia, as serra.s.

Dourada, Rio Claro e Caiapo.

'Consulte o mapa de relevo e localize as serras e chapadas que.

voce estudou,

18
.
1
TOCAM I. I MS 1
'rk

,)
.• Sn
) SAI IIA
ulmo Gn -Isso .,

.. • , piN .
.: ,....,/ Chni,-,(11 1(5 '" `-t•
4--.,--,1-_-‘
o8 t, •dm '.'- ( A
:-:5 ‘,. p)
f
,0 . ,„, e, ,vea do stó u?z, (x) 4
;
O6' 1 v3) 1 ? 'z), 1
.---1
/,, C.: ) ::. ,i3
r • ......
( --97 - if :,' .ã'.. \ . i Ir) Chapad,1-7 )‘ i ri-11.01 --././
.,,L, ---,
.- 1.1
: ,
f\i? vd,
,,7 -t)
il h'-'*- ( ... 'o f
)3 ,/ 4
- , ---7/
çi-
k
V'; . ‘-I
...,,--,
,-. 1,
f . :,. .,\'', )
. ,. . ,) 4
.” (?t3 • ..„N tc, .,/, )
,5
1 ç—

,/ d'.6 _ j) . Q ,
i„) k1 ii
.s" '''
e-% I( ii
b0 Sa, (5 4/ r% •

r.,..........) 1 X ov , ,* ,) ,,,/
:-;* /

/ ‘ C'T ' '/ '. )


_i*
'\., (
e',....-1 -., 1
I
,, .) ••
‘,
‘-St '?..);,,
\ 's.' G ("1 1 IY S
'`.. ákx -Á •
( ... • , ,":96N --"'
_},.):( } ,6-'1 ''.
,15,-',,,,,, -
N,;k, N''' ..,,..n\., --
.'.,---. .— .,•- ,-,-,--y---F--
,.,'
'11,1',..
MATO GROSSO
...,
A, . MINAS GEF(;15
DO SUL .i

••••••••••

Os terrenos de Gõiãs oferjt!m grande(;. possibilidn ,Ye ao

,desenvolvimento de vãries atividades produtivas como:plan -

tio de arroz, milho, feijão, cana-de-açu-car, (estes produtos

~ destaque, tambjmu em nosso muníci* pio)


saoproduzidos
. )e

Grande paute do solo goiano constitui- se de extensas

pastagens, que favorecem ã criação do gado bovino;.

b) Vegetaçao de Golas. •

O solo, o clima e a intensidade das chuvas contribuem para

a variedade da Vegetação 'de corás.

Os diferentes tipos de vegetaçÃo são.

O Cerrado - A maior Ote dó Estado 'de Gois Voberta por


.
vegetaçao. Esta ve. getaçíío e fornada por arvores retorcidas,

de cascas grossa e altura entre 3 e 10 -metros, próximas uma

- das vezes em chapad -o'es


das outras. S-ão encontradas na mã'tb.i.a.

Exemplos de plantas de cerrados, pequízeiros, lobeíias lixeira

mangabeirn, ,pau-terra,et 11 tambem plantas rsdcini, corno !


\,
,L)
caroba, quíneira, barbai 11110
passaros de variadas espectes enriquecem á noss5fauncv) alél m de

peixes,•jacr6s tartaruagas, e outros anfíbios nos rios e la-

gos espalhados por todo o Bstado.

'A fauna para o . ho. mem, g muito importante, pois algti de po-

voar os cerrados, fldrestas, campos, rios .e lagos' nos foln'ecem

alimentos como carne)ovos, etc.

Para proteger as floteâtas, a flora e a • fauna, foram cria-

dos pelo governo, parques e reservas florestais, onde são prol-

das,
' a pesca, a derrubada das arvoreS e a caça.

No Eatado forma criadosi

Parque Nacional cias Emas em Mineiros do Sf.uldoeste do ,Estado

Parque Nacional das chapadas do g Veadeiros Nos municiplo de


á

Alto Paraíso e CaValcante..


t

.Parque. Nacional de Brasil'.

d) Hidrógrafía de Goi5s.

Hidrografia - aparte . da geogr tia que estuda 08 r:ios 5

lagos, mares, etc.

r•
Tres bacias hidrográfAs coletam as'agtias de Gólãs.

Bacia AmazGnica - Esta bacia e formada por muitos rios e en

tre estes est-a,o OS seguintes rios goianos. Araguaia, Mara-t—

nhã() e'Paran

Bacia do S-ao Franclâco - g repeáentada, em ColAs, pélas ca-.

choeirs dos fios Preto e' Urucuia.

Bacia do Paraná" - O rio Paraníba e seu' afluente


rr,

40

4
21
Florestas tropicais - uma pequena parte do Estado de Golas

e cobeutã por arvores grande aproveit;d:.s pela ndilstr ri e

o Cc-
qU , tambm reehem o nome de madeira de Lei, tais como

13,-11.sam o, o M n Imbui_n, .
ogo, it
dro a. Per(ç* ba a AroPi

b - a, etc.

As ,-,irvores de nossas matas, cerrado, nos fornece madeiras,

conservam 4mídde do ár e a nascPLte dos rios. Tnmb - em puri

ficam o ar, evitando a. poluicao produzia pela fumara dos ve:i

culos, chamins das f;--ibricas.

Como proteger as florestas cerrados e Campos? Quanddo as arve-


.

res sao derrubadas, (leve-se fazer o reflorestaniento, isto e,

plantar novas arvores

evitar
OlJtra manei. - ;. de proteger as florestas (:), cerrados
.,.
a propagaçao do fogo, treinar equip- és para apagar e e.'vitar a

.propagaçao do fogo, no deixar fogueiras al-') 5s passeios e ji(1ue

niques, no soltar•bales.

' Campo - nossos campos ocupam as partes maisaltas. A vege-

-haçao - e baixa e' sem arvores. Os campos sao utilizados para pe-
.
a.

c) Fauna de Goiãs.

A nossa fauna j). muito rica.

Na floresta encottram -se: macacos, preguiças, onças, tamanduas

an:as lobos, porcos-do mato, etc. As capivaras, pacas e :tntas

sao encontradas as margens dos rios, NLYs cerrados encontram -se

os seguintes animais: ema, seriema, tatu etc. Nos Campos e cerr

rados encontramos aves corredoras . , passamos, coelhos, preas,

v .:Indos gavi(-jes, corujas e,cobras.

o
Principis rio Cot:11.102

a
i./c, no 3„pn os riu s cwe voce esta es— “daddo).

;1 1 ‘r \r"iaçs Nr-v•-r\\,,,,,f,r'
19
•,—
,,,,
)i ,,,,.1) ç-....., f,.e.
x,.., ----1‘ --', s' \\ .. ; i , laitAD,
,..,...,
\''''' 3 1'44l,\
,...,,,,j, il 10 1.)'
t II 11

,
tfr )I MIP GERAdq
DO '.zT; ( IL.
t(li

..,•••••••., • •• ••• •••••• • • •••••••,•••••••••••. • • ...A..." ••••0••••••..,••••,.....~.4. . .8. .• ,10.4,1À1,11.4

- 2 7.
O rio Araguaia - Nasce na serra do Cai:11)6 na divisa do nosso ,

Estado com o Mato Grosso, ao sul do territ6rio {Nano. Parte

do seu percurso corre paralelamente 4,0 rio Tocantins; indo'

desaguar neste mesmo rio', prximo a cidade de Sao Joio do

Araguaia, no norte do Estado do Tocantins.

Seguindo para o norte, suas ::íguas, se dividem em dois 1

braços, formando a maio ilha fluvial do mundo:g uma

especificamente tocantinense. Ali vivam os índias Carajãs..

Com suas lindas praias, o Araguaia _apresenta um impo_

tante ponto turístico para os Estados que ele atravessa.

Afluentes do rio Araguaia: rios Vermelho , Caiap,5, Crixãs

Aví,. Claro e do Peixe.

.0 rio •Paranalba nasce na serra da Mata da Cordã, em Minas

. Gerais, n serve de limite entre esse Etndo e.GoiAs bem ao '

sul.

É um dos aflientes do. rio Paran.ã. Ele muito cheio de ,

cachoeiras.

Nas imediaços.da cidade dé Itumbiara, no sul do 2stado,

es tA a cachoeira Dourada, onde se localiza a maior bidrelé--

trica de CoiSs.

faranaaa não e tira rio navégavel. Afluentes do rio Parai-'

narba, em Goiíls: rio Apor, corrente, rio claro, rio dos

Bois, Meia-Ponte, Corumba, So Marcos.


.0 rio Marnnho , nasce na lagoa 'VaFmosa, prgximo cidade

de Formosa.

Síi-o seus arluentes rio rio Llru t


r

, Rio das Almas - Nasce na parte daerra.dos pirineus, per-

to da cidade de Pirín6pol'is ,e desagua no rio Maranhão.

Influncia dos rios em nossa vida.

23
sio v.provelt.dos pelo brwHn p;3.ra pesca, abastecer *
*.
de a Lidades, para pavegnçac., turiewo, ele.
'ar

A qmcda d':T
- igun de um rio aproneited' para a instala
1
71, f3

INF; usilt,ls P1. - ricas produzeA enrrgin necessãría

o t-..J.:so conorto e para o fur.cionamento das ináristrta.

Os rios ser-:pre desempeuharau papel lúportante na vida e

eul- n .., ÃÁ.a de homem. (F., nossos r i os f-- ciii.unm como. unica via de

.t .E,?,u:rt(,t, a penetraço dos bandeirantes na RegiÃ;o Centro —

e.:j.,mn (e Cíãs.

O el_ wn dm Golas varia de regiao para reg.çao g j uentf-:

C seca no uorie( F.:,


,Lady e aílicílo (mais frio) no sul.

dt.r!4 esfaes bem derini(las 0 da seca, que vai de Abril

C agur ou das chuvas, cl.z.te. —Vai da Outubro


a

A li

Na moic-c parte do Éstdr) o -clima t.ropleat.

O clima de Gois favorece a criaçao de gado e a agricultura.

O Clima exerce influncia na vida das pessoas, do, animais

e das plantas. O vestuãrío, a limentaço, o cultivo da te.rra,

c-ríçao de animais , ate os tipos de casa d ,pendem do c1ima.

Nn.seim'ento de Goigs.

is goianos tambem tmol*s a nossa Hist:Cria, pois Hist-5r a

a narrativa dos Latos, acontecim e ntos importantes da hámánir—

taru'm a narrativa de tudo que acontece na vida social

fle uru.. comunidade, uma sociedade. NGs somo gente, formamos,

21
un)a sociL.dade. Em nossa meio ocorrem acoutecimenlos importan-
Les que sao règistrados e narrados, por isso nos temos
a noá-
sa Histgria.

Antes dor_ portugueses chegarem Gois, viviam aqui muitas;


tribos de - indio, que chegaram
bem antes da"descoberta do Bra-
q i•l
- pelos p )rtuguese.

3.1 - Goi - as TerritGrio do índios.

Nos seloos do Antigo Estado de Gois viviam.varlas naçoes

indígenas, destacando-se -os Calaw5s, os Ravante*s, os Cararás,'


os 2uirirFis.ou Crix5s, os Xet:entes os Apinajs, os
Goyazes.
í\tualmente a maioria das tribos iLd -
igenas esto ewLintas.
As que sobreviveram encontram-se na 80
,1 :uase totalidade no a-
tual. E , tado do Tocantjn s.

3.2 - Como viviam e'vivem os :7:ndios.

Chegando os portugueses ao Srasil, enconrarnm aqui como

.donos
de toda terra apenas os nativos ou rndíos. Eles viviam

em grupos, com um chefe o cacique „ muito respeitado, e'o

3e especie de feiticeiro ou curandeiro que exercia grande '

influncia bre a tribo.

Alimentavam-se de caça e pesca. Viviam quase nug.


tinham reli
et O (:1 in

_um deus, que chamava Tupi. Gostavam de


miisica da dança, fabricando seus instrumentos musicais.. Respei.

tnvact .a famíld, cabendd


as mulheres a fabricaço de tecidos,'

bebidas fermentadas, cuídàvam dos filhos e da cozinha. O- ho.r,

meus dedicavam-se derrubada das matas e ao plan"ío, ã caça,


n pesca, ao fabrico 'de arma...

Muitas t -cibos se dedicavam a arte,


. trabalhando em ceraui-
#1.

ca P fazendo peças, como potes,,panelas e/çiutros utonsIli;)s.

Fabricavam tfilubm suas arlas. Pintavam o corpo e se dedicamam

a arte plumãría .(feitas de penas de piissaros)..

Os hábíAos e a cultura . do 8 indçgcnas Inflenciaram muito

a nossa vida.
:
* lIantçao Alitintos fe itor; se (, pipoca,

etc.

de loca idade •• - i g a,

et C.

_io s GuLant, , taqur earnauba lpe, ctr

110ffle (.4.0 - Jeare, rtxtla, snbta tatu arar etc.

1'' osteoco .
- (j de tona
- Uso de redes pira dormir, I P.bi:

1.,rifthr.1 frequentemen.e,-tnicsde caçar e .(.-1..scár com .arffia-

dilhas, etc.

Atua Jteente existem no Br;rdi ou menos 180,000 índio

v iincipilmente nos E.strdos 'do Am az: 9, Para, Maran -Leo

Gron Tocantim, e Coi. P40->:'. mo a cidaode Rub at

a reserva d , adio Tapuin.b,

19(,7, e C4overno FUNA (Fundçao Na cio

i:al de '
',1.1(1.;.. o) ar.:cuidar d p o I. rn S, do f ndio.


p -r.' o c s Coionizaça.o.

(,! a f. r. d ^~
do —ido e da exis n

d2 io-vu;_,Idos na plan3Te_e de Pirai:11:11.ga, os colonizadores

guer,cc 1:(5 se fix a vam i beira-mar ou ec ii has prox ws ao li Lo-

era erigindc. povr.;,-.:do, ora feitorias, ingIesez . e outros.

Co padres Jesuítas ../ffird,:r,


,...tm o Co. _gio de So Paul) a 25

d? Jorai.ro de

Eu .(,
:tou. no de Colgg.o de f;',;7n Pnuloa popuiç i o foi ersceri.

CO, apesar a vida Ii


f ' erra. Em 1560, o arraial

r(? 2(.,r Po doigio foi elevado•a. c311,44.çao de ílila e passo, a.

o Paulo de 1ira tin

Esf.a vila era a porta aberta para o erGo para o inte-

rior f- c) BrJsíl.

foi Dom Marcos de Noronha, futuro conde do Arcos. Em 1824 •

Goi-a's f
* oi elevada i categoria de província. Foi nomeada pelo

Imperador, Dom Pedro I, Caetano Maria Lopes Gama, como presi-


a
dente de Goiás.

A cidade de Gois foi c'apital da Capitania, da Provincía

e do Estado de GoUis, durante quase 200 anos.

Em 1937, foi fundada a cidade de GoiSnia, que passou a ser a



capital (.1(; nosso Estado. A transferncia da capital para Goiã
eia foi feita no governo de Pedro tudovico

UNIDADE II

Periodo Imperial - 1322 -1839 Vida rural e fazendas lj'astoriS

A Indepndncia em Gois Rio Araguaia e sua im


, •

portando economLca.

1 - Caracterls icas dá vida rural e a localizaço das fazendas

pastoris.
. -
Com o fim da mlne,raçno Se desenvolveu a pecú7iria e agrirul

tora em GoiSs. A agf. icultura era de subsisticia, ou seja, quem


-
plantava, so plantava para 94ustento da '; famrlia ou das pessoas

cre moravam na fazenda.


'CoUís perdeu sua importnficiceconõmica quando esta fase da mi


neraçao acabuu. As pessoas que ficaram aqui, começaram a formar


as grandes fazendas de cr açao de gado, isoladas uma das outras.
:

Nestas,fozendas trabalhavam os empregados (vaqueiros, meeiro,,

jau..,:nços e . escrtivos). O dono de faíe -enda era o grande-p.i- pprét5.---.


ti

rio de: terras' ou um ta ftÈndiArl)(dono de extensa propriedade tu


*d. *

ral). Èssé p£0 ietario possuia grades pôdres e todos s que


0

trabalhavam na fazenda eram obrigados a obedecer suas ordens .Ele

era chamado de coronel.

No período imperial a população de . Goiás vivia.espa_Kada.nas

fazendas e sítios. Era quase toda rural. Ag cidades eram *poucas

e -em muita importancia.


29
Os negros forais trazidos para o 1rasii para trabalhar como

escravos. Eles eram aprisiona- dos, em suas aldeias n. África, e

transportados para en nos pores de navios negreiros.

Muitos morriam durante as viagens, que eram feitas n‘as pio

res condices. Mesmo assim o comercio de escravos era lucrât

vo para os traficantes.

Quando aqui chegaram, os negros eram vendidos como ob3étos

nos mercados de escrovos. Trabalhraram primeiramente.


- nas la

.vouras de .caf. Faziam tamb'jm serviços doms - ícos nas casas do

senhores ricoç.

Os escravos negros nao tinham nenhum direit6, pois eram

considerados seres . inferiores. Castigados de multas formas,

chegavam a morrer devido aos maus tratos.

Muitos negrog se revoltavam contra o's cast i gos e Vescra-

vído Fugiam para o interior .onde formavam povoaçoes chamada

quilombos. Ali viviam em Iiberdade, .faziam pljantaçes e c mercla

lizavam com seus vizinh()s. O quilombo mais importante foi o de

Palmares, no Estado de Alagoas.


~
4.2 A det'adncía das Minas e a Organi,açao Administrativa de

Por volta de 1,580, o ouro começou a diminuir. Os minerado- 41 1,


res para sobreviver dà!dicavam à lavoura, ao com - cio e él1- e a-

çao de gado bovino. Surgiram novas cidades nessa Pi poca: Rio

verde, Jaragurt, Mineiros, Mortínhos Palmeira de Go

.ns . etc.
Gois viu terminar o ciclo do ouro no . per:rodo republicano

ganhAo,,porem, nova fisionomia econGmLca coW'a lavoura e a pe-

cuari a.
A organizaç-a- o polatca lidmitiístrativa de Gois teve inicio
em 1729 quando Bartolomeu Bueno da Silva Filho, foi nomeado

sliperaPndente, das minas de Goiás. E, 17/18 o terrítiSrío

Goiano separou-se do governo de São Páulo, criando assim a ca- 11/

pitania de Gois. 13 primeiro capitão-geral danosa capitania

28
Com a ctia-ao de gado, ao redor dos currais f6ram surgindo 1,2

quenos povoado que hoje são cidades como:. Rio Verde, jatai,

Mineiros, Morri_nhos, Campinns(lio e I {.,ada a CoUtn.a), Patmei.-

n)s de Goiãs e Pedro Afonso.

2.. A Irdep'end'jne.a e seus efeitos na política administrativa

de (.oiãs.

Quando or4 - portugueses descobriram o Brasil em 1500, fica.-


,
mo sy'colnía de Portugal.

Em • 18I5 o Brasil deixou de ser colEinia e passou a ser

Reino Unido a Portugal,Çeom a vinda. da Família fteal.o prin-

e pe regente D. 3(- ao) a881.111 nosso pais passou a ser sede do

reino portugus.

Eli F321, o rei D. toa() VI, voltou para Portugal deixando

seu filhó D. Pedro como príncipe regente do Brasil.

Como Portugal, queria que o Brasil voltasse a ser t'ua co -

1Áinia novamente,' exigiu que o prrnêipe fosse para Portugal.

penar de receber ordens par;) estudar em Portugal, D.Pedro

resolveu ficar no Brasil. E: ontava com o apoio de sua aspo

sà- D. Luopól.diáa e Jos cio,' mi listco do' Reino e de-

muitos outros brasileiro.

Revoltado com as exigncias de Portugal, P. Pedro procla,--

nossa Independeneía as margens do Riacho. .1piranga (Sao

Paulo) no dia 7 de setembro de 1822.

Ao chegar em S-o Paulo D. Pedro foi coroado imperador do

Brasil, com o título de D. Pedro 1,

Nosso P'ais passa a viver um novo período poli"


. ico-adminis

trativo, o TtT,rio. As unidades administrativas do Brasil dei-

xam de chamar capitanias e passam a .charit'r províncias e seus

vernantes, presidentes de prov ncia

Go^)iAs, somente em 1824 f)i, elevada a categoria de pr;vinc ia

quapdo foi nomado, pelo Imperador D.Pedro I., e 19 presidente dé

Gois Caetano Maria Lopes Gama. ,Em Gois a Indepéndenci sign

30
ficou ,apenas mudançàs de Governo. A sítuaço econonica dá popu-

laço 'permaneceu a mesma. Quem trabalhava nas grandes fazendas , ,

continuou pobre e dependente dos fazendeiro.

Quem . participou da Independncia em Goitls foram ftrneing,jos

piiblieos, gente do ext.- cito, da Igreja (catiStica) e de faniliaa,

ricas como os Rodrigues Jardim, oVil.eury, os Buthes. Essas fa-

mTlias tiveram uma grande participaçao na vida pddltica de Gois

durante Lodo o período de Gois província (império) a.té‘ 19 pe-

ríodo dá Rep6blica Velha.

A'eausa de maior apoio a indepencre:ncia em Gois, per todo em

que se implantava o imprio no Brasil, foi. o descontentamento

com a admini_straçã'o'colonial. Os empregados píiblicon tinham seue

sa1.5.rios sempre em atraso, pois o que arrcadavam (recebiam) não. .


dava para pagar as despesas..

3. Rio Araguaia e sua impót - nncia ecun omica.

- A importancia dos rios na vida do homem.

Os rios tem grande importílncia na vida e economia dó homen4

Atravs dos rios Tiet, raratba do Sul /Paraníi e outros, os ban-.

10
deirantes entraram para o interior do Brasil, fazendo do nosso

país o maior dx Amgr'íca do Sul. 1' inibem descobriram minas de ouro

prata, diamantes. As regioes centrais do Brasil foram povoadas.

Os bandeirantes para chegar a Goiãs seguiam varíos caminhos:

um camUnho saía de São Paulo pelo rio Tiet, outro com inicio

no Rio de Janeiro, atrav'js do Rio Paraíba do Sul, Chegavarse as

Minas nié'm destes, era utilizado outro caminho baiano e as vias


fluviais do rio Araguaia e Tocantins pelo quais chegavam, ao

mar evitando ils dif -releis camtnhadas prir terra. O rio Ara-

guaia que serviu como um dos caminhos par0s bandeirantes chega00

ate ao nosso Estado, nasce .na serra do Caiao, ao Sul do terra()


-111
rio Goiano; na divisa com o.Mato Grosso. O rio Aragl.laía corre la

do a Indo com o rio Tocantins, no qual des:igua pr5xlmo a cidade


de .Sto jo;io do AraOlia, no px're,mo norte 416 Estado d.o.Tecan-

A m,
i.jor ilha fluvía.1 do mundo, que J; a .do iSananal se localiza

1 'PO rio Aragu:iia, 'leia moram o indíos Caraj5s.

Aflntes, do rio Araguaia. Rio Calap6, kio Claro, r i o Ver-

molho, rio Peixe, rio Crixa:;-;10-t..0 rio Aray,unia"j de grande im,

porC:incirt economica, poque postmi grande qunntidade de peixes

botos, tartarugas e outros animais selvagens. Suas. praias "são

lindas .e a:.uriem grande numero .de .turistas, possuindo tambe

(b,-1'- ande trecho nnvvgavel,•Os habitante de •suas margensdedicam--


se ;--, s áf:ividades agopecuarlas.

1).NIDADE rti

4
Perçndo Prpubticano: RepCb.ica em GoíSs Alteravio adm

tívas earecteri's . C a r3 econí3micas e sociais

- Estrada de ferro - 1930 - 0 papel e

çao do Estado - Democracia - Constituição-

ImporCiincia ApAria e Indus ial Quest:6es

Sociais - Comunicação é Transportes - As

pectos Culturais.

1. Gois na Primeira Repriblica.

D. Pedro 1 governou o Brasil de 1622 a 1831. devido gran-

des difículdndes no governo, renunciô o trpno erti favor de seu fi

lho Pedro de Alentara que tinha apenas 5 anos de idade por isso

n ao podia se tornar imperador do Brasil. De 1831 'a 1840 algumas

pesso4s governnramo Brasit3 no luggr do ,p,xincipe herdeiro. Essas'

pessoas foram chamadas regentes, Portanto entre o 19 e II?

do, houve o Período Regeo:eial.

r.
Em 1340, com 15 anos de idade, Pedro de Alcãntara tornou- e im-
perader do Brasil, com o titul9de. bom Pedro It. O seu governo foi

32
de 23 de julho 184.0 a 15 de novembro de1889. J5 no fim do Se-

gundo. Reinado, a filha de Dom Pedro II, princeía Isabel assí,-

nou a lei Aurêa (m . 1.3 de maio de 1.888, pondo fim ao regime de

escravido no Brasil. o

Os senhores de escravos 'não ficaram satisfeitos com a abo

e formaram um partido contra o regime rperial, resui

tI.::: no
' afastamento de Dom Pedro Il i do Governo, pois este a

estava idoso e f,em forças para resolver os problemas que sur-

7inm em muitas partes do Brasil.


Compunha o partido Republicano, que foi creséendo_z NUL-

tarès, polaicos, jornalistas, fàzendeiros, decidiram afastar


D. Pedro II e assumir 74overno, no dia 15 de novembro de 1839

quando o Brasil deixou de ser Imprio para ser Repiíblica,_pas


sando•à ser . governdo.li.or. um . presedebte. O primeírã'Presidel'ite
da kepCibizi.ca do Brasil foi b Marechal Dodoro da •Fonseca.

A prociamç -j.o da Repriblica pouco influenciou a situação

de Goiíís. Depois da Repribilca a0, invgs de Provi- nela - GoUts

passou a ser Estado. .E como na poca da independncia houve-


ram lutas pelo poder entre os ,coron é
- is, lutas que existiam at'e'.
POUCO tempo atríís 4 Odvida do povo continuou sem .mudanças.

2 - Altera es ta poli:tico Administrativa em CoíAs período dal,


RepCiblica Velha.

Como ja citamos no Item . anterior, com a proelamaçao da RpbGblIca

Ç.:(.il55,‘") deixa de se chamai: Prov - incia, e passa, como as demais

provfnciP.s do Brasí, a chamar, Estado de Gois.

(Como o grasil e um pais bem grande 8.511.965Km 2de extell.,


são,'ele esta diViddc, por regi(
"Se",;,as regi.es se d.videm em

Estados, .os Estados em Municidos). A vi i i pouco mudou com a

proclamação da Republica, em GoVris. A administraço continuou

a ser feita pbr um presidente ate 1930, quando este passou a •


ser chamado de tnetventor e mais tarde Governador. O primeiro
41
presidente do Estado de GOiás no período da Republica Velha

1889.-1930, foi Rodolfo Gustavo da Paixão é á ele:eUir,qm-se':

mil tos outros que so se preocuparam em di-put., r o po.der,.ía.yti


procurar promover o progresso do Estado.

. Pedro Luduvico Teixeira, em 1930, assumiu .a -administração do

Estado como interventor (Governador não eleito, mais indica-

do pelo presidente da Repçiblica), o qual govefnou o Estado de

Gois ate 1945. :

3. - Carateristicas econ;Smicas e socials . do Estado de Gois no

período da Repíiblica Velha - 1889 - 1930.

a) -Econõmicas

"Depois da mineração, Gois passou a produzir quase 'q e so.. pr.a.

ra *consumo da pr6pria família e pessoas que viviam nos latifiín

.dios. O produto que Gois vendia para outros estados era o ga-

dõ Dava- se muita.atttçad a pecugria, ficandoá concen—

raçao de rehdas nas mão do coronl(grande proprietãvio).

Gois temos muitos quflmetros de estradas • asfal.tadas, mas


gc2", em
. no foi sempre assim.

. As primeiras estradas que existiam- eram de chio e estreitas.

A primeira estrada asfaltada foi inaugurada em 1921 e ligava

- à capital( a cidade de Gois) a estaçao da.estrada de ferro.

O 19 carro de boi chegou a Gois em 1824: Outros meios de trans

portes que se utilizavam em Gois: barco, cavalo(as tropas )

charretes etc.

A. indilstria Lambem no se desenvolvia com rapidez naquela epo

ca em Gois pois toda conâtração de *éstorços - estava voltada

para a pecuria e agricultura.

A indiistria era artesanal e dom-estica, praticamente cada fa-

zenda produzia o que precisava. Em led surgiram, as primeiras

fabricas de utensalt, de ferro, ut lizaidosna lavouras. Produ--


,
zia m panos geralmente de algodão e lã, tecidos em teares. O

Algodão er a p lantado, colhido, depois retiravam o caroço (com

a mo ou atraves de eScaroçador) fiavam em rodas as vezes atra

ves de muitir"ão enquanto os homens limpavam os pastos as mu-

314
lheres fiavam e novelavam as linhas que apí;s eram ting das,

ordidas'e tecidas obtendo-se assim panos para calças, len,-


ç6is etc.

O comercio nao tinha grande moviemntção de compra e vendas,

pois praticamente se produzia tudo o que era necessiinio. Quan8

do: havia excedente praticava-se a troca (ao matar uma va-


ca, trocavà,..-se carne por outro produto ou emprestauw-se

aquela quantidade, pois no havia geladeira e nem freezer

r a congelar ou conservar a carne. Ou secava-se parte desta,j5

salgada n9 sol. (este era um dos processos pnra *conservar a


.carne).

Poucos produtos eram vendidos para outros estados. As tropas.

cargueiras, formadas por muítos cavalos, mulas, burros', carre.-

gados de couro, solas", peles, borracha(de mangahat.


ra), fibras
de madeira, (4gavam át -
e os centros comerciais do lito*al, de

onde voltavam Larregados de sal, ferragens, panos, medicamen-


tos, querosene, café. em í: igrão, etc..

Nestas'viagens geralmente gastavani de 6 a 9 meses para ir ate

ao litoral e voltar, "à GoUts.

As casas de comgrcia eram os armazems ou vendas, que ao


r
dor agrupana pequeno niírneto,- de casas.
b).
3

Com o fim da mineração em ColAs' o dono da mina deixou de ser pop


deroso e que.
Y5parece para ocupar este poder e o grande proprie-

tãrío de terras, que passou a Ser Cliàmado-de `IlatífdndiSrion

(dono de grande quantidade' de terra) na fazenda, grande proprie

dade, quem mandava era o dono, hamado de coronel.


O) •
NO - período em/estamos estudando, Republica Velha, hpvia
poucos corongis em Soí ás.
- As de mais pessoas eram os erm_
. (.
pregados, como :
.os sitiantes, os vaqueiros, os meeirds., os ya-
gunços í
etc. que 9bedeciam, o coronel, de manei..ra absoluta, sem

questionai-, sem perguntar'porque?'Todos eram obrigadós a obedecer.


Na epo c a de eleiçC)P es o coronel escolhia um candidato, que
sw,
muitas vezes era ele mesmo, e mandaua que seus subordinados

votassem. Todos eram obrigados a/votar. Aquele que desobedece


Ut.
se, sofria castigos 0)odia at (
. ; ser morto. O poder do coronel

era de acord6 com o numero de votos que conseguia para o seu

candidato.

As eleiçes se realizavam aSsím. No dia das eleiçOa es, os ca



bos eleitorais dos coronjís, entregavam a cgdula fechada e

preenchidas aos eleitores e os acompanhavam ate a hora de vo

tação, que nada mais era do queDdepositar cgdula,antes

- preenchida, na urna pelo eleitor. Este voto era chamado de '

votó de cabresto" ou seja voto obrigado e vigiado. Neste pe-

.ríodo s6 votavam os homens maiores de 21 anás. No votavam•as


-
mulheres, os padres e os soldados.. E assim a participãçao, po

pular era miníma,-na vida política. Somente estudavam os filhos

dos I cpron e
- is , que ia paia a Europa. A educaço praticamente

consistia em ler, escrever e contar.(Quando muito estudava, lia

.-se atp o quarto. livro).

No período da Repiiblica Velha, em algumas fazendas j5. exis

-tia um professor, para ensinar os filhos dos mais abastados.As

mulheres aprendiam os afazeres dom'esticos(cozinhar, fiar la-

var roupas, etc), so se apresentavam aos vizitantes se fossem

chamadas na sala. Os casamentos eram realizados por determina-


-
çao-do pai ou do cornoel, praticamente não havia namoro. O

. ,pry
rl sr)les e so tinha o necessãrio para o uso'pessoal(geralmen
ao

te uma roupa para passeio e poucas para o Uso di-ãrio).

. .
, - A Estrada de ?erro e seus efeitos econ .Omicos e sociais.
4.
o

A primeira estada de ferro construida em Gois, lic) contribuiu

muito para melhorar os nossos transportes, pois era muito pè-

quena apenas com 287 Km. Nas matas das margens do rio Paranaiba

começam ser alcaççadas no final do s -eculo XIX, pelá Rede Minei

ra de Viaçao e pela estrada,de •17'rro Mogiana, a aberturpo Mato

36
Grosso de Goi -as
ocupação agrícola viria mais arde, com a

construçao da Estrada de Ferro de Gois, cujos trihos che-

garrem atã Anpolis em 1935.

Com a e6trada de ferro Gois teve maior facilidade para ex-

portar seus produtos no sul do Estado, por -


em isto represen-
tou muito-pouco para nossa economia.

No campo Social, facilitou a penetração de pessoas para o

interior 'do Estado e a fiindaçã'o de alguns povoados, qúVimai,s

tarde se transformarmm em cidades.

Vãríos sao os meios de transportes que contribuem para o


desenvolvimento socio -
economico do nosso Estado, entre eles os
tão: Ferrovias, Hidrovias, ,Rodovias, Aerovias.
- Ferrovias: Goiãs, -
hoje posui apenas 750Km deliníiás fgrreas
No.EStado de Col.- as existem os seguintes terminais:

*Pires do Rio - estação de carga e passageiros.


* Goiania -.Terminal de carga e passagerchs.
c

'As- ferrovias, tambéd m, transportam cimento e parte


. do com-
bgt -
ivel destinados ab abastecimento de Brasilia. g no su do
Estado, que encotramos a maior -
concentração deste transporte..

5. - A Revoluçã'o de 1930 e â mudança da Capital.

A RevoluWde 1930, tambgm não teve participaçao da popu-

laço, não havia consci;ncia dó valdt de patticipaçao na vida •


polrtica,da populaça°.

ESta revolução foi uma revolução feita por grupos da classe do

minante descontentes corno Governo ÉèAerà1(Minas ;


RíoGrande do
Sul) de militares (grupo tektist4) e das classes mgdias.

A par icipaç -
ão direta de Gois na Revoluçâ'o de 1930, limitou-se,

a ação pessoal de .13 . Pedro latdovico, que fora nomeado interven

ter e depois eleito governador atg 1945.

A revoluç -ão 11 -
.50 provocou mudanças sociais porem rouxe um re-

37
noVaçâ'o política. MuitOs polí icos mais jovens e snciosos em

trabalhar pelo desenvolviemtio do estado, pass.analp a ocupar'

cargos de`governo do Estado.

A Mudança da Cápi a

Antes a sede do Governo do Estado'na Cidade de Goi-às. Em 1932

o Interventor, Pedro Ludovico Teixeira assinou decreto nomeando

uma comissão para estudos sobre a localIzaço da . futura capital.

O local escolhido, fica no minic -ipi:o de Campinas (hoje bairro

de Goiãnia) devido o(lima'agradavel, terreno plano e prõximo

a estrada de ferro facilitando o tranSporte.do s produtos. Em

24 de outubro de 1933, foi lançado a pedra fundamental, aonde

boje esta o Palácio das Esmeealdas.

Em 1935, foi criado o munic-ipio da nova cai ta., que recebeu o

nome de Goi:-Inia.

O primeiro prefeito foi o professor Venerando de Freitas B• or-

g'es.

Eli:1 1937,
. a sede do Governo transferida para Goi'às nia.

Em 1942 oficialmente, Gol-à.nia foi inaugurada. .•: •

A construção de GoiSnia contribuiu para o desenvolvimento de Gol-

as, pois foi um marco de uma nova etapa bist6rica.

As transformaçes econmicas, sociais, acontecem lentamen-

te coma construç'ío de Goiânia, Gois que sempre era visto -como

um. pedaço do Brasil que nada produzia, ocupando um lugar de

grande iferioridade na Federação, passa a se destacar no cenario


• •

nacional pois a pr6pria população golan)_ense, começou a pensar

no grandeza do futuro, esquecendo, o passado.

Novas estradas forarb abertas, facilitando a imigraç -ão detitro do.

Estado e com os demais Estados Brasileloos:


Foram criados , colê'gios e • faculdades; bancos hospitais,
bit P1
comercios etc, que contribuiram para o desenvolv to do nosso

'^
Estado. Por isso, a Revolução de 1930 ea construção de Colania,
o
sao considerados marcos de uma nova etapa histOrica de Gois,

6. - O papel e a ação do Estado democrãtíco.

Num Estado democrãtieo o povo participa da escolha dos gover

nantes, trabalham de acordo com o interesse e necessidade do po

vo, ou seja, o povo escolhe seus representantes atravgs do voto

e ao assumirem seus cargos devem procurar realizar obras em be

nefício do povo, como construir e manter escolas, hospitais,

estradas, creches, ordem pilblica, transpo'rte etc.


X

Os governantes n.o - Estado democFatico, administram o b em

publico, que o bem de todos os cidadãds de um Eátado ou País.

O cidado contribuiu, com impostos, taxas e o governo, no Es-

tado democrãtico, administra esta contribuição, distribuindo-as

para cada setor segundo porcentagem estabel.ecidapor .

No estado democr á
- tico, 9 governo não governa sozinho. Ele divi-

de suas responsabilidades com outras pessoas que Ocupam cargos '

importantes.

O governo dô Estado de GoiA's, assim como os demais estado.s bra-

sileiro, g constituído de trs poderes Executivo, legislativo e

judiciâtio.

a) - Poder Executivo.

O poder executivo aprova e executa as leis para atender'


~ •
as necessidades da populaça°, coordena a política e dirige toda

ladministraçTio do Estado.'

exercido pelo governador e seus auxil a ee s


. Poder Legislativo

poder Legislativo tem a responsabilidade de _ elaborar

as leis de acordo com as necessidades da populaça°. E repre-

sentado pelos deputados Estaduais.

c) . Poder Judici -ario

poder Judiciãrio - e aquere que interpreta .as leis e

julga os casos do não cumprimento dessas leis, condenando ou

absorvendo tanto particulares, como o proprlo governo.

Esse poder exercido pelos desembargadores e juizes.

Estado si5 ser bem administrado se os trãs poderes Ira,—

balharem em harmonia um com o outro e tiverem, como meta

trabalho, a melhoria de vida da •população.

governador e o vice-governador exercem suas atividades

nw PalSrio da Esmeraldas, sede do Poder Executivo. Os deputados

estaduais atuam na Assemblgia Legislativa sede do Poder Le-

g .11ativo . e os desembargadores e juizes, no Palãcio da Justiça

7—Sede do Poder Judicãrio

Governo Estadual

- Poder Po cfe r

Executivo JudiciArio

Elabora as Executa as Faz cumprir

Leis Leis as Leis

-
Deputados Governador

Estadyais Vice-gover-

nador:Secre-

tãríos.

40
As sedes dos tres poderes estaduais localizap-se no municlpio

de Goiãnia,. Cap tal do Estado de Go15.s.

7--Simbolos

Quando assistimos ãs compêtiç'ãos esportivas mundiais como, por

exemplo as olimpiadas ou as éorridas de FOmula T, podemos obse'r_


- -
..., a eus, e toca-
var que, por ocasiao da entrega da medalhs ou trof

o Hino Nacional e hastaeada a Bandeira do pais de cada cam-


do

peão.
or isso s"ão chamados
e a bandeira representam o pais,
O hino.

símbolos d patria.
JCUS SfA1113010S.
Os Estados tambm tenl

Os sibolos do Estado de Goiíis sap os seguintes:

r--A Bandeira
Criada por 'Joaquim P3onifáci0 de* Siqueira. Possui quatro cores '

verdd, amarela, azul e branca.


-
É constituida de umretnguodividido em oito faixas hórizon

tais,
sendo as quatro faixas ipares na cor verde e as faixas

pares na cor amarela.


. cortando
.no canto superior, aparece um ret5ngul0 azul
A esquerda,
primeiras faixas da bandeira, onde esto c'onco estrelas'
as .tre

representando o. Cruzeiro do Sul.

41
3o

Escudo

O escudo també- m chamado de Bras7to de Armas aparece impresso

em papC,
Tis, documentos e verculos oficiais, no edificíos das I

representaçoes e repart çc-;es pUblicas e quais.

O Escudo sempre apresenta caractristicas do Estado, è cada

gura existente tem um significado.


~
--Sua forma de coraçao significa que Goiãs estã no coraçao•do

Brasil.

tres partes em que o coração estã di“dido repreentam os

tres rios principais: Tocantins, Araguaia, Paranàíba.

- Sobre fundo azul, aparece o cometa de Biella que representa

o rio Araguaia, circunda4d0 a ilha cio Bananal (obs.: o símbolo

do cometa, devera ser retirado do nosso escudo, pois a Ilha do


~
Bananal no mais pertence ao Estado de Gois, ela é" uma ilha '

que pertence ao Estado d Tocan.tina).

1—Sobre o fundo ouro, aparece mim osango vermelho representando

nossas riquezas minei- kis.-

- Em cima, uma paisagem com dois bois simbolizando a pecuaria,

principal atividade do Estado.

- Os feixes de arro3 e cafg, localizados no alto, e os ramos de

cana e futo de ambos os lados do escudo, representam nossos pro

dutos agrícolas.

- O po.to em chamas simboliza •o feito de Bartolome- u Bueno da

.Silva, ao ameaçar . os índios (roies caso nao revelassem o lo


___ •
cal das minas de ouro.

41.
O Himb do'Estado de Gois.

..A letra do Uno do Estado de CoiSs foi escrita pelo frofessor


.:,
- usica foi composta pelo Profes
._...
. Ananio Euz-ebio de Abreu e a m

..s.
sor Cust5dio Fernandes Ci
1
Hino de Gois, assim como o Rino Nacional-, devem ser
O
/cantados em j;g, em atitude de. respeito e civismo..
ouvidos c/

No coraç'ão do Brasil,

domínio da Primavera,

se estende á terra Goiana

que nós legou Anbaguera,.

o bandeinante atrevido,

desbravador do sertao

em cada pedra abalada

• deixou da audãcia um padr -áo.

E cada pico azulado,



no dorso da serra erguida,

recorda a lenda encontrada

de algum tesouro escondido.

outrora terra esquecida

Mas sempre augusta no porte

viveu a lei do estino,

vergada aos lances da sorte.

Depois, volvida; alentada,

do grato influxo esta fonte

do vil metal reluzente.

tornou -se Estado possante


la„ dando sujes toes para melhora-ria . Estando trabalhando

e participando ativamente na vida social, politica e escolar

estaremos ajudando Gois a ser um dos mais importantes Estados

brasileiros.

8 - A importSneía da constituiyio para a sociedade democríitéca.

Const tuiçÃo - Lei Maior (maxima) de um Estadó ou País.

A constituiçã'o regualementa. e organiza a vida política do ES

tado.

.É preciso conhecer e saber a importSncia da nossa constl - uiç.ão

para que saibamos quais os nossos direitos e deveres.

g que voce saiba, que todos nos temos dirillos a educaçao, sau-

de transporte e trabalho que Oevem ser proporcionado pelo

.governo, mas tambgm temos devert para com_ o Estado,pagando

'impostos e taxas, votando, cu dade dos bens - ublicos oferec'l

do( praças, arborização, escolas, hospitais, transportes).

9 - A importncia da produç-ão agrãría, do com'ercio, e *da in-



dilstria GoiSna.

A) Produç ão Agrãría

* Pecuãria

Chama-se de pecuãria a*críação de gado. Em CoíSs a •CriaçÃo de

e umantividadebeconomica9 mais importante do Estado.

Criam-se tambem, suínos (porcos) caprinos(cabra,bode) asininos

(asno, jumento) muares(mula), equinos (cavalo), ovinos (car-

neiros)
E hoje estante, orgulhosa,

no labutar do progresso,

riquezas, dons naturais

ostentas effl vasto recesso.

A eleiç -a- o como forma de participaç ã


- o democrãtica

Muros escritos com nomes de candidatos e sLglas partidãrias

propagandas de rãdíos, horS. rlos psblí - icolfna TV', cartazes etc.,

toda esta movimentação, e" conhecida corno • campanha polaica, feita

para escolha dos nossos representantes, que deverç.ão ocupar s

cargos pUblicos atraves dos quiis, cuidar -ão da administray-lo . dos

bens 1)U- bile° , em beneficio do povo.

Eleição é' o Mesmo que escolha, por6m parà participar desta

escolha precisa eatisfazer, ós requisitos da lei (constituição)»

Veja "como o nilmero de eleitores cresceu áo .Brasil, desde quando

-começou votar em 1881, até. hoje.

Pela primeira constituição apenas votavam os homens ricos..

'No periodo.da RepCbLica Velha (1889-1930) passam a votar todos

os homens que tivessem mais de 2. 1 anos e fossem alfabetizados.

Em 1982 puderam votar, homens e •mulheres maiores dell/g-anos que

fossem alfabetizados. Em 1985, os analfabetos tambJm consegui-

ram o direito de voto, e pela cons tuiço de 1982 'esse direi-

to- foi estendido aos jovens .com mais de 16 anos.

0 voto uma das maneiras de participarmos da vida poll:tica

atraves dele podemos escolher governanteS que trabalham pela

melhoria das condiçoes de vida do povo.

56 votar no basta. Podemos també'm parÉi'cipar da vida política,

em ---
nossa comunidàde, bairro, ci'dade, comparecendO ?is reuntoes

para ajudar nas de- cises que podem trazerbeneficio para majotía

da populaço.

Mesmo que voce' ainda não vossa votar, voc j- : pode participar

da vida política de sua comunidade, preocupando-se 'com sua esco-

4
Em Gois, a pecuSría tem se desenvolvido, e portanto aumenta-

a produção de leite, carne, couro, G,

Agricultura

- A agricultura consiste no tnabalho de. cultivar a terra

produzir vegetais iiteis. Para tanto que teH nhatios alimentos

outros como arroz, feljz.ao, soja, aigodo, trigo, cafe, mi

lho e outros produtos agrícolas, o homem prepara a terra para

plant-ios.

Hoje ainda existem lavradores que prepara o solo utilizando'

as qdi macias, enxadas e arados e'colhem manualmente os prodM-

tos plantado. Esta prãtíca g muito Crabalhosa é o l''ndimento

pouco. Es.te tipo de agricultura e. chamado primitiva ou de

subsistncia.

A agricultura científica, consiste no emprego de mãquinas


agfrciolas. e o agricultor conta com a orientação de agronomo

no preparo da terra, na seleção de sementes, no emprego de..'

inceticidas e com outros recursos, Assim se consegue maior '

melhor produção e o solo g conservado.

Graças aos modernos sisLemas e processos da lavoura mecaniza-

da, ao processos e aos mjéodos de irrigaço e drenagem, à' de-

fesa e proteço do solo e ao incentovo do Governo do Estado,


a agriculura goiana tem se desenvolvido.


~
Os principais produtos agrícolas cultivados em Gois, sao:ar-

ro5, algodão, milho, fumo, .ftij-ão, sota., cafe ,melancia, alho

cana-de-açucar, abacaxi, banana etc.

- Coméf rcio

O Comgrcio favorece o desenvolvimento de um Estado, ou pais

. 146 ' •
A compra e venda de mercadorias exiáe boas es - radas transpor-

tes rãpidos e meios decomunicauio eficienté.

Depois da pecu;íria e agricultura e o com ecio .


que malsse

destaca na economia goian-a.

O Estado de GoiSs exporta(vende para outros países ou estados)

arroz, feifão, algod;io, gado, soja, minerais etc.

Importa(compr.a mercadorias de outros países, estados) rem -e-

açiicar, sal, mãquinas ett.

Indristria

A jndt-istria em Gois tem se dèsenvolvido com maior rapidz

nos Caímos anos por causa da riqu .eza do subsolo, da agroper

cuãria, da grande quantidade da mat -jria prima .que :txistem no

Estado. Devido outras condiçes favorãveis, como: energia ele--

trica, transporte, telecomunicaçges.

As principàis indGstrias do Estado de Gois são: indiístrias de

produtos ali4enticios 0 e minerais não metãlicos(calcSrio, ci


mentos, pedras preciosas, etc.) .de madeiras, de construção c

vil, de m5veis ., vestu - ario, calçados reme'díos, etc.

Os principais centros industriais de Gois: Anãpol, Goiania

Jat,Niquel'ândía, Palmeiras . de Gois, Itumbiara e Ceres.

O Artesanato

Antigamente sg havia o trabalho artesanal, ou seja as :

pessoas trabalhavam com suas ferramentas simples, fazendo um

produto de cada vez.

O artecanatJ em Goiãs, apesar de pouco divulgado e rico e

variado. Encontr amos


- trabalhos artesanais feitos em cerSmica -

tecelagem, pedra de sabão, palhas e madéiras.

A cidade de Gois e Piiinõs polis, são os principais centtos ar-

tesanais de
10 - As quest.;;es Sociais.

a) Q ti a rito S somos, o que fazemos e como vivemos.

A populaça° do nosso Estado tem crescido bastante nos tliltimos

anos, devido o surgimento de rodovias que facilitaram o trans

porte 1 0'a construçao de Brasília, etc,

Segundo o I.B.G.E. (Instituto de Brasileiro deGeografía e Es-

tatística) a popula .ço de Gois de 4.022.978 habaantes;

As pessoas que 'nascem em GoiSs.são chamadas de goianas.

Como em todo Brasil e população goiana originou-se dos• elemen

tos: branco, negro e .i_ndío.

Goiãs tem lima populaçã'o bem variada em tipos. humanos, vejamos

'alguns., com suas atividades:

O boiadeiro - cuida do 'gado.

O garimpeiro -trabalha nas rtreas de míneraço.

O opetario - trabalhador da zona urbana (da cidade) exerce

sua p. rofísso naa regiC;es industrializadas ou

seja em fabricas.

O lavrador 7 mora nas fazendas, • Onde prepara a. terra, pia-

'ta, colhe e armazena os produtos agrícolas.

Outros tipos ii01?)rtantes tambem são: Professores, bancarlos,

medieos, comerciantes etc. Nos ) •


gok_pnes vivemos na.regiao do

Brasil, por isso recebemos muitas pessoas ou fam3lias.

.A . pre .sença das mais variadas, partes do pais. , dí-1 ao Estado de

Gol as uma característica toda especial. Eles procuram apren-

der nossos costumes e nos apte ndeffios os costumes deles tais

corpo .aiimentaçõ, cexint igas , • lendas, artesanato..

Existem alguns tipos de comj_das que por vSríos Motivos e ra-


tf l

zoes, tornaram-se tipicas do nosso Estado, entre eles: Empa

dCjes de Gois., arroz com pequi, guariroba, feijoada goiana,

peixe telha, pamonha, sopa de milho verde, galínhada, doces


,1 et,
caseiros, pao de queijo, assados de caça, (anta,capivara,veado
tatu e c .

b) O exodo rural e as invasoes urbanas.

O (
-^;_xodo rtáral - e a salda das pessoas que moram no cmmr

po chãcaras, e fazendas) 'para a 'cidade.

A saida do homen do dKipo est diretamente ligada ao crescímen.

to e modernizaçaci.áa agropecuãria, que favorece a economia do

Estado , porem prejudica árandemente a popula ao-que vide- e


trabalha na zona rural.

SaCS. causas para que o homem que vive no campo abandone suas

terras em busca de melhores condíços de vida na cidade:•precã

ria qualidade de vida, mecanização da lavoura, o desenvolvimen

to da pecu -
ária que exige extensas terras e pouca mao dQ•obra,

falta de.recurSos.

Na -
esperança de encontrar um trabalho seguro, um sAlãrio maior

e, melhores condiç -
c;es paraçiver, nas grandes cidades, 54ue na

maioria da vezes torna problti!mas seios como:

sem dinheiro no tendo onde . morar acaba indo para a


s favelas

4/
onde as condiç'óes devida s::ío mçnimas (m_p alimentaç -iío, nao

existe 5.gua tratada., esgoto, luz, etc.).

- 1
\1:to encontram vagas nas escolas; nem serviço Adequado etc.

Em Gois, o . problema -do .jxodo rural iv-


io e to grave quanto em

ouros estados do Brasil, pois tanto hã. boas ofertas para o '

uso da maCi de obra nas cidades, como hã boas oportunidades

economicas, tanto nas cidades como na zona rural.

Para solucionar o problema do -- xodo rural


preci3o dar con-

diçCSes de vida para o homem do campo: qferecendo-lhe terras

que possa plantar, cultivar, pagar preço digno pelos produtos

agr pecuãrios; escola para seus filhos, luz eleé-


trica, á
- gua e

esgoto, transporte, boas estradas. Em nosso Estado, o governo

49
O menor a partir dos l2 anospode e deve ter sua Carteira de

trabalho. ge for empregado, tem direito a receber pelo menos

o saíã.rio mrnimo, s(5


- pode ganhar menos quando estiver apren-

dendo uma profisso.

O menor deve trabalhar meio perTodo e estudar na outra par-

te do .dia. Em Gois e em todo Brasil, nas grandes cidades '

encontra - se um tiGmero grande de crianças e adolescentes que

sofrem, por que seus pais ganham baixos salArios, ou não ga

nham; esto desempregados e muitas vezes, os filhos saem p_

las ruas pedindo comida, dinheiro. Nesta situação, muitos 1Sas

sam a Viver nas ruas, onde dormem nas praças, calçadas, pois

n ao tem casa para morar, não tem eond çoes de frequentar esco

la. Para sobreviver pedem esmolas fazem peqtienosserviÇOS.

A falta de melhores condiçCies de vida aumenta a violncia nas

cidades (assaltos, rafico de drogas)

É preciso que nõ's seres humanos lutemos pra não cair nesta si

ti aço, para isso valorizando o estudo e0 trabalho;.


-io
Tamb -jm é" preciso que o governo di--! maior at"(iç -Eió para educau

saUde 2 moradia saneamento biísico etc.

e) - A questao da saude e habi açao.

Sem boa saude, alimentaçao, morando mal a grande maioria


501.4ft, )7 la 117
do povo brasileiro' - - Recebem assist;;nc1a medica

de maneira precãria. Ale'm disso não tem dinheiro para comprar


.
remedlos. Os hospitais geralmente est.ão'concent. rados nas gran

Aes cidades. Uma deciso importante do governo seria a insta-

laç"ão de postos de snde.nos munictplos, construir, rede de El-,

gua tratada -e de esgoto.

eada criança, adolescente, jovem e adulto deve zelar pela sua .

higiene pessoal, tomando banho , escovando os dentes apos ca-

da refeiçao, lavando e penteando os cabelos, cortando


urtn ab

51
atravj
,
..s dos .C.)
-r -los oficiais, tem procurado incentivar a fixa -

-çao do tr.abalb:.:dor rural em suas terra.

- Subemprego - desemprego

As cidades n'iío s-iío preparadas pnra receber tanta gente que

muda da zona rural (campo.) para a zona urbana (cidade).

Essa movimentaçao de pessoas, chama-se migraçao.

Migrante - pessoa que muda de um lugar para outro.

As cidades não estão preparadas, as pessoas que v ;-=-10 chegando

nem sempre tem parentes, começam ganhando pouco passam a morar

de aluguel ou em favela, vivendo uma vida difi,icíl i.153 vezes

maid do que antes.

Geralmente o homem do campo nao aprende outra profissao, nao

tem oportunidade de estudar. Ao chegar na grande cidade se sub-

mete ao subemprego(guardadbres de carro na rua, vendedores de

semaforos (sinaleiro) vendedores ambualantes, os camelE, s, )is-

caleiros, etc.

Em tempos de crise, de dificuldades econ6micas as pessoas fi-

cam desempregadas dos seus serviços, o que. dificulta a subsís

tc-incia da família ou do trabalhador .

A ques:ao do menor.

Pata garnti- os direitos da criaçO iio Brasil, esta em vi-

gor o Estatuto da Criança.

Porem no sao todas as crianças que - em o privilér gio de viver

desfrutando de sua • - nf - ancia. 'Muitas crianças trabalham desde

cedo, porque o que os pais ganham no (15 para as despesas da fa

mçlja— * Meninos e meninas , vendem doces, tomam conta de carros

ajudam na roça, engraxam sapatos, cuidam de criação, entregam

jornal, etc..

50
lavando roupas, calçados, limpando bem a casa e colocando o

lixo no lugar apropriado.

l'oradia

Outro problema g a moradia. E.nquanto em algumas Sreas i

das grandes cidades brasileiras surgem ou crescem novos

bairros ricos, com residncins modernas e luxuosas, em outras

areas vizinhas, vao surgindo as favelas, os cortiços e demais .

habitar.oes prer arins t I!Ds ultimos anos nas grandes cidades au

mentou muito o numero da populaça° favelada.


•••

O tipo de moradia que mais surgiu nos ratimos anos, casa

prof)iia da periferia. Casinha que o . trabalhador constr6i, com

ajuda de .familiares, e amigos, nos fins de semana —e feriados'

num lote de terra (.i:- ue conseguiu nu periferia da cidade.

Pra resolver o problr..ma, o governo tem constr.uido casas

pulares Em ConÁs, atualmente o governo tem feito os mutires

da moradia, mas mesmo assim nem todar as fame-- • br a S j_ lei.

rai-; tem sua

Para tentar refíolver esta sítUnrao e preciso o governo dar I


5

condiçcs, para que o homem do campo permaneça Condi.çOes t

ia estudJdas anterwormente.

;Áo e Analfabetismo.
Educaç-

A escola nem sempre existiu; no hav)a escola nem profes-

sor: a educaço se fazia pela convívn.cia os adultos transmi-

1:151 seus conhecimentos aos mais novos atrav es da fala e

açoes praticas.

Atualmente a escola existe COD1 objetivo de educar e preparar

o homem para viver bem em sociedade.

Nas escolas se ensina a - wit cr ias escolares


,. ,
novas n.eriç oe.1,

52
L

P"ortugUes, Matemã ica, Estudos Sociais etc, as cincias,

as artes, a preparaçao para . o trabalho e o exercícios da

cidadania.

A escol'a e: muito importante em nossas vidas, pois nela


que adquirimos conhecimentos bíísicos e . especificos para

exercer•um.a profissão.

Precisamos frequentar a escola desde criança, pois ho-

je preciÃ3o ter estudo(dipióma) para conseguir "um emprego

melhor.. Todos devem ser alfabetizados para que se tenha

conscieTneía dos noSsos direitos e deveres. Para que o níTveX

dpx, vi_da da população venha melhorar e possa quebrar


- o, rici
oso circulo de mise-ria-analfabetismo.

Os alunos devem se organizar í dentro da


sala.de aula e da
. escola para discutir os problemas, integrando a escola ná
comunidade.

A educação no Estado tem mélhorndotOs governos, tanto mu-

nicipal como estadual tem "empenhado para que as crianças pos

sam estudar..

II - Sistema de Comunicaçao e transporte do Estado.

. V - arios são os meios de comunicação em Goi


- as. Estes

sao: radio, telefone, televiso, telex, imprensa, correios.

teljgrafos, empresas como Telegoias, Embratel.

Os meios de transportes favoreuem o desenvolvimento entre os

habitantes, estimulando o desenvolvimento do Estado ou País.

0 sistémde transporte 6
formado por. ferroiias, rodovias,
hidrovias e aerovias.

- Ferrovias .

Atualmente Coias possuí cerca de 750 Km de 1inlia de es-

53
trada de ferro. As cidades benefiada.por . ferrovias,.em Goiãs.

An5polis,GoiSnia, Pires do Mo etc.

As ferrovias transportam cimento e parte do combust:ivel.

O sulç,do Estado se beneficia maisdeste tipo de transporte.

Rodovias

A rede rodoviiíria do Estado de Gois e formada pelas

estradas federais. estaduais e municipais.

Algumas estradas importantes.

BR - 153 - Corta o Estado na di.reço sul-norte ab o ;23-

tado de Tocantins (esta BR -beneficia tambJm a nossa regido

que e a microreglao de Ceres).


,

BR -050 Liga grasília - ao litoral p ulista, medindo no

trecho"goiano 325 km

- BR 364 - 'Fica no sudoeste goiano, sua extensaG dentro

do Estado de 430 km.

BR /452 Trecho Ttumbiara - Rio Verde. g uma “a de es-

coamento dos produtos nricolas do sudoeste,

que atav -jsida com a BR 153, ao sul,

liga Gois aos grandes centros consumidores.

A secretaria de transportes, atraves dos seus c---)rgo.s DERGO


(departamento de EStradas e - Rodagem do EstadO de Goiãs),,

CRISA(ConnO'rcio Rodoviário Intermunicipal.S.A.) respon-

savel pela manutençao e conservaço da rede rodoviãria de

54
Hidrovias

A navegaço fluvial.
apresenta pequena movimentaçao nos

grandes rios que banham o Estado. S0 navegãveis em alguns

t'renhos os rios Araguaia e Tocantins.

Aerovias

O aeroporto de maior movimentaço do Estado (e Gois,

o de Colania.

Em Anãpolis está.
localizado una das Bases A -è'reas do Ba:
sil, ela serve
para decolagem e pouso dos avies supeisGni

Companhia aereas que servem Gol -


as:
• VASP, VARIG e Brasil
Ce.tral.

!.)

12 - Aspectos Culturais.

á)Man¡festaç'Oes focl6ricas e artísticas

O folclore goiano 'tem sofrido influ&hcia de outros Es aL

dos do Brasil, de países estrangeiros e •tambí;m dos índios . e'


dos negros.

Como herança indígena, nas cidades de aragu e GoíSs,

dança-se "Tapuio ea.


Catira". Nestas cidades como . tainbm em Ca-

talo são praticadas danças de origem africanas como: "Congo",

Moçamkique" o ."Capopg-cacunda

Em víírlas cidades goianas são realizadas durante o ano,

festas, religiosas. Ex. Comemoraçes da Semana Santa em Gois


Folia de Reis ,
Cavalhadas de Pirenopolis, e Santa Cru z .

- Folclore: Conjunto de fenda's, cantigas, danças, costumes,

tradiç'6es e outras crendiçO'es


populares.

.55
Tudo que o povo inventa, cria e passa de pai para filho.

Atraçoes turisticas em Golas.

O turismo constitui uma grande fonte de renda para o

EStado.

Pontos turTsticos:

. Rio Araguaia, Pio Quente etc.

. Cidades como: Pirenje opolís, Go“is, Formosa, Caldas Novas

Goiãs nas Artes.

José. Joaquim da Veiga Vale, Siron Franco, são aluns

representantes da escultura e pintura em golas.

Nas letras temos: _Lins dos Guímar-a- es Peixoto Bretãs


CLN. witcx,

.(Cora Coralina) Bernardo Élis etc.

b) O homem e a defesa do meio Ambiente (Ecologia).

. Nos seres humanos, depedemps dos recursos naturais.

Isto faz com que o homem faça mudaimas onde vive, desmatando

retirando do subsolo matgrias-primas como petrleo, ferro,

calcãrio , etc.

Porm se esta exploraç-às o n.o for controlada, se no souber

usar tecnicas no prepano do solo para o plantio, se utilizar

os produtos agrotxicos para matar as pragas de modo exagera


.
do, entao o meio ambiente ser a preiudlcado, as arvores vao

morrer, a terra ficara seca e fraca no produzindo mais ali-


-
'mentos, os rios diminuem suas aguas os peixes contaminados

morrem.
. ,
Outra pr'íitica que. multo prejudica o meio ambionte em que vi
. -
vemos sio as queimadas, quando a fauna os animais o cerrado,
e

das matas,(tatu, codorna, ciriema, veado etc), e a flora(arvo-

res, plantas, medicinais, flores, frutos etc.) sao destruidos,

preciso que tenha pessoas que 1-10 aceitem a destruição do

meio ambiente, do nosso mílnicípio, Estado r. e Paçs.


e

5Cr
- Dos Direitos

Art.225 - Todos tem direito ao meio ambiente ecologi-

camente equilibrado, bem de uso comum do po

vo e esssencial ã sadia qualidade de vida,

importando-se ao Poder Priblico coletivi-

dade o dever de preserv:4-la para as presentes

e futuras geraçoes.

O que podemos fazer para defender o meio ambiente, onde

vivemos?

- Cuidando da nossa sala de aula, nio .j ogando lixo fora do

lugar, nao estragando as plantas etc.

Esperamos que voce' tamb -em se torne um ecologista, lutando

la preservaço do local em que voc vive.

-- io
Se alunos e professores quiserem poder: de modo cons,

ciente atravi es •de estudos da Ecologia, evitar a destruíção.do

meio ambiente em que vive, evitando assim que os rios, lagos

matos animnis . e o pr6prío homem venhamser destruí- dos.

57
A antiga GoíSs Velha, jã'era pequena demais

Resolveram transferir a ,capital para Goiãnía


ç
Sendo o maior evento da nossa histría.

Sonhos, sonhos de esperança,

Sonhos que se tornaram uma realidade.

Gois Estado da Uni-iío

Em grupos caminhavam os bandeirantes,

E hoje de mos dadas caminha o Goiano

Irmão.

Se 'algum dia na vida passar a.guem por . voc'.e

Que sorri com sorriso sincero

N -ao rocei, c.1-l1ie sua mo.

Elè e Goiano, Goiano que traz na alma,

O canto da gaivota na manha do Araguala

O canto da paz e da união.

Lenita

25/,05/92
GOIÁS TERRA DE . OURO

No s-J'culo XVII, o Brasil era dominado,

seculo do sonho e do ouro,.

Minas Gerais j5 era conhecida

e ja começava a ser explorada.

Sonhavam os bandeirantes,

Em explorar terras estranhas.

Wiío importavam se era nortel ou sul,

Ao chegar em GoiSs tudo queriam saber. A'

para obrigar os indíos a falar,

Ameaçaram colocar fogo na agua.

11c.nol pos fogo e os indíos


pegando '

Com medo o chamaram de Anhanguera,


- •
E mostraram onde tinha minerlos.

A mineraç -ao aumentava, vinham muitos migrantes

Aqui, ali, acolS, surgia: um povoado*

Vila Nova, Meia Ponte, Porto Real,


;.‘
Outros no sul t.amb -Jm surgiam.

Gois com a mineraç-


,ao crescia.

At hoje
hoje os seus garimpos s^aTo faladas.

A pe, a cavalo, cada dia mais gente -chegava.

os rios começaram a ser explorados,

Sem saber que começava a acabar com

a natureza.