Você está na página 1de 486

Arlene Eisenberg,

Heidi Murkoff,
Sandee Hathaway, BSN.

O Que Esperar
Quando Você
Está Esperando
Tradução de
PAULO FRÓES

Prefácio do Dr. Richard Aubry,


Diretor de Obstetrícia do Centro de Ciências Médicas
aa Universidade Estadual de Nova York, em Syracuse

8~ EDIÇÃO

EDITORA RECORD
RIO DE J ANEIRO • SÃO PAU LO

2000
Este livro não encontra-se disponível em nenhuma livraria da cidade, por conta
disso fomos obrigados a tirar uma fotocópia e digitalizá-la.
Foram deletadas somente as páginas em branco e este é o motivo para que,
algumas vezes, pule a numeração natural das páginas. Isto deve ser percebido
somente no início de cada capítulo. O conteúdo original foi preservado.

CIP-Brasil. Catalogação-na-fonte
Sindicato Nacional dos Editores de Livros, RJ.

Eisenberg. Arlene
E37o O que espera r quando você está esperando I
g• ed. Arlene Eisenberg, Heidi E. Murkoff, Sandee E.
Hathaway; tradução de Paulo Fr6es. - s• ed. -
Rio de Janeiro: Record, 2000.

Traduçã o de: What to expect when you' re


expect ing
Apêndice

f. Gravidez. 2 . Parto. 3. Pós- parto. I.


Murkoff, Heidi Eise nberg. 11. Hataway, Sande~
Eisenberg. 111. Titulo.

CDD- 618.24
93 -045 6 CDU- 618.2

Título ori ginal norte-americano


WHAT1D EXPECf WHEN YOU'RE EXPECTING

Copyright © 1984, 1988, 199 1 by Arlene Eiscnberg,


Heidi E. Murkoff e Sélndee E. Hathaway

Direitos exclusivos d e publicação em língua portuguesa para o Brasil


adquiridos pela
DISTRIBUIDORA RECORD DE SERVJÇOS DE IMPRENSA S.A.
Rua Argentina 171 -Rio de Janeiro, RJ -2092 1-380- Tel.: 585-2000
que se reserva a propriedade literária desta tradução
Impresso no Brasil

ISBN 85-01-03520-3
PEDIDOS PELO REEMBOLSO POSTAL
Caixa Postal23.052
Rio de Janeiro, RJ - 20922-970 IDITORA AIILIADA
A Emma, que inspirou este livro ainda no útero, que fez o melhor que pôde
para que continuássemos a escrever depois que de lá saiu, e que, estamos
confiantes, um dia fará bom uso dele.
A Howard, Erik e Tim, sem os quais este livro seria inviável de várias
maneiras.
A Rache/, Wyatt e Ethan, que apareceram um pouco tarde para nossa
primeira edição, mas cujas gestações muito contribufram para esta.
OBRIGADA, UM MILHÃO DE VEZES
ntre um filho acrescido à prole e para nós um privilégio trabalhar com um

E um livro levado ao prelo há mui-


to em comum. Para que ambos
cheguem a bom termo, faz-se mister a
médico tão extraordinário.

Ao Colégio Americano de Obstetras e


conjugação de certos elementos: tempo, Ginecologistas (particularmente a Mort
esforço, cuidado, dedicação - à parte Lebow, Florence Foelak e Kate Rud"
uma dose salutar de preocupação. Am- don), à Academia Americana de Pe4ia-
bos requerem, ademais, a cooperação in- tria (sobretudo a Michelle Weber e
tegrada de várias pessoas. Cumpre Carolyn Kolbaba) e a Contemporary Pe-
ressaltar: na gestação de nosso livro fo- diatrics (e a seu editor Jim Swan) pela
mos, nesse particular, muito felizes, e às .enorme quantidade de material e de in-
pessoas que dela participaram só nos res- formações que nos cedeu, pela boa von-
ta agradec~r. afetuosamente: tade em responder nossas perguntas e
por nos ajudar a manter o livro atua-
A Elise e a Arnold Ooodman, nossos lizado.
agentes, pelos conselhos, o apoio, a con-
fiança e a amizade. Aos muitos médicos que nos ajudaram
a dirimir dúvidas, sobretudo a John Se-
A Suzanne Rafer, da produção editorial, vers, Irving Selikoff, Michael Starr, Mi-
não só pelas sugestões lúcidas, mas tam- chelle Marcus, Roy Schoen e a centenas
bém pela paciência, pelo senso de humor de outros que nos escreveram.
(de uue muito precisou) e pela capacida-
de inlinda num trabalho que, por vezes, Sem a participação de três homens este
parecia interminável. livro jamais teria sido escrito. São eles
Howard Eisenberg, Erik Murkoff e Tim
A Shannon Ryan, por t<:~nt a eficiê n ci<:~, Hathaway . Quando alguém fala em
inteligência e tantos sorrisos. A Kathie exemplos de pai e marido pensamos ne-
Ness, pela <.:riteriosa preparação de ori- les. Agradecemos a eles pela inspiração
ginais desta segunda edição. e pelo apoio.

A Bert Snyder, Ina Stern, Saundra Pear- Aos que tanto nos ajudaram na primei-
son, Stevc Garvan, Janet Harris, Andrea ra edição: Susan Aronson Stirling, desig-
Glickson, Cindy Frank, Jill Bennett, Ni- ner, Judith Cheng, pela ilustração da
cole Dawkins, Barbara McClain , Tom capa, e Carol Donner, pela ilustração do
Starace, Anne Kostick, e todas as outras texto; e também a Henry Eisenberg, M.
pessoas da Workman que nos ajudaram D., Ann Appelbaum e Beth Fal k.
na primeira e segu •1da edições deste li-
vro. Um agradecimento também muito A amigas como Sarah Jacobs pelas mui-
especial a Peter Workman, por ser um tas idéias e sugestões.
editor tão espedal.
Às centenas de leitoras que nos escreve-
A Richard Aubrey, M. D., nosso impres- ram, nos lelefonaram ou que conversa-
cindível conselheiro médico. A qualida- ram conosco pessoalmente, pelo~ co-
de deste li vro muito deve a ele pela mentários e sugestões.
leitua lúcida e crítica do original. Foi
SUMÁRIO

Prefácio à Segunda Edição: Uma Segunda Palavra do Médico ... ........... 21

Prefácio : Uma Palavra do Médico .............................................. 22


Introdução à Segunda Edição: Por que Este Livro Renasceu ••.... .. .. .. .. • . 24

Introdução: Como Nasceu Este Livro .. •• .. ... .. .. •.. .. . • .. .. •.. . ... ... .. .. .. • . 26

- - - - - - - - - - Parte 1 - - - - - - - - - -
NO PRINCÍPIO

Capítulo 1: Você Está Grávida? ........................... 31


AS P REOCUPAÇÕES COMUNS ............................................... 31
Sinais de Gravidez • Testes de Gravidez • Gravidez: Sinais de Pre-
sunção • Gravidez: Sinais de Probabilidade • Gravidez: Sinais de
Certeza • Como Fazer o Teste de Gravidez • A Data Provável
do Parto

0 QUE É IMPORTANTE SABER: QUEM A ASSISTIRÁ


DURANTE O PARTO? ................... ............ ......... .......... 37
Uma Retrospectiva • Que Espécie de Paciente É Você? • Obste-
tra? Clínico Geral (Médico de Família)? Parteira Habilitada? •
Tipo de Atendimento • Encontrando o Candidato • Os Vários
Tipos de Parto e de Assistência à Parturiente • Para Fazer a Es·
colha • Para Tirar o Melhor Proveito da Relação Médico-Paciente
• Protegendo-se Contra os Erros Médicos

Capítulo 2: Agora que Você Está Grávida 48

AS PREOCUPAÇÕES COMUNS .. ... ............ .......................... .... 48


A História Ginecológica • Abortos Anteriores • Fibromas • In-
suficiência Cervical • A História Obstétrica que se Repete • A Ce-
sariana que se Repete • A História Familiar • Gestações Muito
Próximas • Tentando a Sorte Pela Segunda Vez • Quando a Fa·
mllia É Grande • A Mãe Solteira • Ser Mãe Depois dos 35 • A
Idade e o Teste para a Síndrome de Down • A Idade do Pai •
lnseminaçtlo Artificial ("llebe de Proveta") • Para Quem VIve
em Grandes Altitudes • As Objeções Religiosas à Assistência Mé-
dica • Incompatibilidade Rh • Obesidade • Herpes • Sinais e Sin-
tomas do Herpes Genital • Outras Doenças Sexualmente
Transmissíveh (DST) • Medo de Contrair AIDS • Hepatite B •
DIU Ainda Im plantado • As Pílulas Anticoncepcionais na Ges-
tação •· Espermicidas • Provera • Dietilestilbestrol (DES) • Pro-
blemas Genéticos • Para Quem É Contra o Aborto

O QU~ É IMPORTANTE SABER: SOBRE O DIAGNÓSTICO


PRE-NATAL ....... . . . .. . .............. . ... .. . ... ........... . ............... 73
Amniocentese • Ultra-sonografia • Complicações da Amniocen-
tese • Fetoscopia • Dosagem de Alfafetoproteína no Sangue Ma-
terno • Amostragem de Vilosi dades Coriônicas • Como Reduzir
os Riscos em Qualquer Gestação • Outros Tipos de Diagnóstico
Pré-Natal

Capítulo 3: Durante Toda a Gravidez 83


AS PREOCUPAÇÕES COMUNS .... . ...... .................... .. . .. ........... 83
- -"-... Álcool • Cigarro • Como A bandonar o Hábito de Fumar • Quan-
do Outras Pessoas Fumam • Uso de Maconha • Cocaína e Ou-
tras Drogas • Cafeína • Alguns Perigos em Perspectiva •
Substitutos do Açúcar • Gatos em Casa • O Estilo de Vida Du-
râhte a Gestação • Saunas, Banhos Quen tes de Imersão etc. • Ex-
posição a Microondas • Almofadas e Cobertores Elétricos • Raios
X • Riscos Domiciliares • Poluição Atmosférica • Deixe a Sua
Casa Respirar • Para Eliminar a Poluição Doméstica: a Solução
Verde • Riscos Ocupacionais • Silêncio. por Favor

0 QUE É IMPORTANTE SABER: A SORTE DO BEB~ ............... 105


Ponderando Riscos Versus Benefícios

Capítulo 4: A Dieta Ideal l09


Nove Prlnclplos Elementares para Nove Meses de Alimentação
Sadia • Os Doze Componentes Diários da Dieta Ideal • A Pres·
criçào de Vitaminas
A CLASSIFICAÇÃO DOS ALIMENTOS PARA A DIETA IDEAL ......... 119
Alimentos Ricos em Proteína • Lanches Ricos em Proteína • Ali-
mentos Ricos em Vitamina C • Alimentos Ricos em Cálcio • Lan-
ches Ricos em Cálcio • Verduras, Legumes e Frutas • Outros
Legumes e Frutas • Grãos e Cereais Integrais • Alimentos Rlcos
em Ferro • Alimentos Ricos em Gordura
ALGUMAS RECEITAS IDEAIS PARA A GESTANTE ...................... 123
Sopa Creme de Tomate • Batatas ao Forno • Mingau de Aveia
Especial • Broas Integrais • Panquecas de Leitelho e Trigo lnte·
g1al• Milk Shake Duplo • Biscoitos de Figo • Biscoitos de Aveia
com Frutas • As Proteínas na Dieta Vegetariana: Combinações
Compl~tas • Os Laticfnios na Dieta Vegetariana: Combinação
Protéica Completa • Iogurte de Frutas • Daiquiri de Morango •
Sangria Virgem

- - - - - - - - - - Parte 2
OS NOVE MESES:
Da Concepção ao Parto

Capítu~o 5: O Primeiro Mês .................................. 133

A PRIMEIRA COJ\SULTA ..................................................... 133

O Aspecto Físico no Primeiro Mês

OS SINTOMAS FÍSICOS E EMOCIONAIS ... .... .. .. .. .. .. .. ...... ....... .... 135

AS PREOCUPAÇÕES COMUNS .................................................... .


Fadiga • Depressão • As Náuseas Matinais • Saliva em Excesso
• Micção Freqüente • Alterações nos Seios • Complementos Vi-
tam(nicos • Gravidez Ectópica • A Condição do Bebê • Aborto
Espontâneo • Os Possíveis Sinais de Aborto Espontaneo • Estresse
• Relaxar É Fácil• Medo'Excessivo com Relação à Saúde do Be-
bê • Carregando Outras Crianças no Colo

O QUE É IMPORTANTE SABER: ATENDIMENTO MÉDICO


REGULAR ................................................................... 149
Programação das Consultas • Cuidados com as Outras Partes do
Corpo • Quando Chamar o Médico • Quando em Dúvida •

Capítulo 6: O Segundo Mês .................................. 153


A CONSULTA .................................................................... 153
OS SINTOMAS COMUNS ............................ . .......................... 153

AS PREOCUPAÇ0ES COMUNS ............................................... 153


Modificações Venosas • O Aspecto Ffsico no Segundo M€s • A
Compleição Física: Alguns Problemas • A Expansão da Cintu.-
ra • Perdendo a Forma • Azia e Má Digestão • Aversões e Dese-
jos Alimentares • Aversão ou Intolerância ao Leite • Colesterol
• A Dieta sem Carne Vermelha • A Dieta Vegetariana • Os Ali-
mentos Pouco Nutritivos: Guloseimas, Petiscos • Para Fugir (de
Vez em Quando) à Dieta Ideal• As Refeições Ligeiras • Aditivos
nos Alimentos • Lendo Rótulos • Comendo com Segurança

O Q UE É IMPORTANTE SABER: EM BUSCA DE SEGURANÇA 167

Capítulo 7: O Terceiro Mês ............... ............. ....... 169

A CONSULTA .............. ........ ............. .............. .. . .. .............. 169

os SINTOMAS COMUNS . •. •..... .. ... ..... ..... ... ... . ....... . .......... ... ... 169
O Aspecto Flsico no Terceiro Mês

AS PREOCUPAÇÚES COMUNS ............................................... 171


Prisão de Ventre (Constipação) • Fla tulência (Gases) • Ganho de
Peso • Dor d e Cabeça • Insônia • Estrias • Batimento Cardíaco
do Bebê • Desejo Sexual • Sexo Oral • Cólicas Após o Orgasmo
• Gêmeos • Cistos do Corpo Lúteo

0 Q UE É IMPQRTANTE SABER: 0 GANHO DE PESO DURANTE


A GESTAÇAO ............ ..... .. ............... .. ......... .... .......... . ... 182
· Distribuição do Ganho Pondera/

Capítulo 8: O Quarto Mês 185


A CONSULTA .................................................................... 185

Os SINTOMAS CoMuNs .. .. .... ... ....................... . ........ ........ ... . 185


O Aspecto Ffsico no Quarto Mês

As PREOCUPAÇÕES COMUNS ......... .... ...... .......... ... .. .. ...... ..... 187
Pressão Alta (Hipertensão Arterial) • Açúcar na Urina • Anemia
• Falta de Ar • Esquecimemo • Tintura de Cabelo e Permanentes
• Sangramento e Entupimento Nasal • Alergias • Secreção Vagi-
nal • Movimentos Fetais • O Aspecto Físico da Gestante • Roupa
para Geslantes • A Realidade da Gravidez • Conselhos Indesejáveis

O QUE É IMPORTANTE SABER: FAZENDO SEXO DURANTE


A GRAVIDEZ ................ . ..... ..... .. ......... . . ...... .. ......... ..... 199
A Sexualidade Du rante a Gestação • Quando se Deve Restringir
e. Atividade Sexual• Desfrutar mais do Sexo, Mesmo Quando se
Pratica Menos
Capítulo 9: O Quinto Mês ..................................... 205
A CONSULTA ...... ... ............................. ..... ...... .......... ......... 205
OS SINTOMAS COMUNS ....................................................... 205

O Aspecto Físico no Quinto Mês

AS PREOCUPAÇÕES COMUNS .......... .................... ................. 207


Fadiga • Desmaios e Tonteira • Teste de Hepatite., Posição para
Dormir • Dores nas Costas • Carregando Crianças mais Velhas
no Colo • Problemas nos Pés • Crescimento Rápido do Cabelo
e das Unhas • Aborto Tardio • Dor Abdominal • Alterações na
Pigmentação da Pele • Outros Sintomas Estranhos na Pele • Pro-
blemas Dentários • Viagens • Jantando Fora, no Me!hiJr Estilo
• Comendo Fora • O Uso de Cinto de Segurança • Esportes •
Visão • Placenta Prévia (Implantação Baixa da Placenta) • O Úte-
ro e as Influências Externas • A Silhueta da Barriga no Quinto
Mês • A Maternidade

O QUE É IMPORTANTE SARER: OS EXERCÍCIOS DURANTE


A ORA VIDEZ .............. ................ .. .. .. ...... .... ......... ...... . 225
Os Benef:cios da Prática de Exercícios • Como Desenvolver um
Bom Programa de Exercícios • Não Fique A f Sentada ... • Prati-
cando Exercícios com Segurança • A Escolha dos Exercfcios Cor-
rC'tos Durante a Gravidez • Para Quem Não Pratica Exercícios

Capítulo 10: O Sexto Mês ...................................... 235


A CONSlJLTA ....................... .. ..... ... ................................... 235

OS SII\'TOMAS COMUNS ....... ...... .......... .......... ........ .............. 235


O Aspecto Ffsico no Sexto Mês

AS PREOCUPAÇÕES COMUNS ..... ........... .. ..... ............................ ..


Dor e Entorpecimento das Mãos • Sensação de Formigamento •
Os Chutes do Bebi: • Cãibras nas Pernas • Sangramento Retal
e Hemorróidas • Coceira Abdominal • Toxemia ou Pré-eclâmpsia
• Permanecendo no Emprego • Os Movimentos Desajeitados na
Gestação • As Dores do Parto • O Trabalho de Parto e o Parto

O QUE É IMPORTANTE SABER: A PREPARAÇÃO FORMAL


PARA O PARTO .... ......................... ......... .................... 246
Os Benefícios dos Cursos Preparatórios • A Escolha do Curso
• As Escolas de Pensamento Mais Comuns
Capítulo 11: O Sétimo Mês ................................... 251

A CONSULTA ......... ...... ............... .... ................................... 251

OS SINTOMAS COMUNS ...................... ..................... ... ......... . 251

O Aspecto Fisico no Sétimo Mês

AS PREOCUPAÇÕES COMUNS ............................................... 253


Aumento da Fadiga • Preocupações Quanto ao Bem-Estar do Bebê
• Edema (Inchação) das Mãos e dos Pés • Aumento da Tempera-
tura Cutânea • O Orgasmo e o Bebê • Trabalho de Parto Prema-
turo • Crescem as Responsabilidades • Acidentes • Não Retenha
(A Urina) • Dor Lombar e nas Pernas (Ciática) • Erupções na
Pele • Soluços Fetais • Sonhos e Fantasias • Bebê d e Baixo Peso
• Planejamento do Parto

0 QUE É IMPORTANTE SABER: TUDO SOBRE A


MEDICAÇÃO DURANTE O PARTO .............................. 265
Quais os Medicamentos Analgésicos mais Usados? • Para Tomar
a Decisão

Capítulo 12: O Oitavo Mês 272

AS CONSULTAS .................................................................. 272

Os SINTOMAS C OMUNS ....................................................... 272

O Aspecto Flsico no Oitavo Mês

AS PREOCUPAÇÕES COMUNS .......................... ....... ...................... ... 2í4


Falta de a r • Pressão (do Bebê) nas Costelas • Incontinência por
Estresse • O Ganho de Peso e o Tamanho do Bebê • A Silhueta
da Barriga: Muitas Variações • Apresentação e Posição do Bebê
• A Silhueta da Barriga no Oitavo Mês • A Posição do BeM •
Sua Segurança Durante o Parto • A Adequação Física para o Par-
to • O Trabalho de Parto e o Parto na Gravidez Gemelar • Um
Banco de Sangue Próprio • A Cesariana • Cesariana: Questões
a Serem Discutidas com o Obstetra • Os Hospitais e o Número
elu Cqsarlonas • Fa~endo do Parto Cesdreo um Assunto de Famf-
1/a • A Scgurançu nas Vlaaens • Dlrlalndo • comruçoca do Rrn~t·
ton Hicks • Banho • O Relacionamento com o Marido • Fazendo
· Sexo no Oitavo Mês
O QUEÉ IMPORTANTE SABER: FATOS SOBRE A AMAMENTAÇÃO
Por que o Seio É Melhor • Por que Algumas Preferem a Mama-
deira • Como Fazer a Escolha • Quando Não se Pode ou Não
se Deve Amamentar • As Mamadeiras

Capítulo 13: O Nono Mês ................................... .. 296


As CoNSULTAS .... .. .... ........ ... ....... ........ .. ....... ............ ... ..... 296
Os SINTOMAS COMUNS .. .. ........ .. ......... ... .. ... .... .................... i.97
O Aspecto Ffsico no Nono Mês

As PREOCUPACÕES COMUNS .... ..... ... .. .... ...................... ....... 298


Alterações nos Movimentos Fetais • Receio de Outro Trabalho
de Parto Prolongado • Sangramento, Manchas nas Roupas de Bai-
xo • Menor Distensão Abdominal e Insinuação • A Hora do Par-
to • As Salas de Trabalho de Parto e de Parto • Auto-induzir o
Trabalho de Parto?• A Gestação Prolongada • Como Vai o Be-
bê? • O Rompimento da Bolsa d' Água em Público • O que Levar
para o Hospital• Aleitamento. • Maternidade)

0 QUE É IMPORTANTE SABER: A


O FALSO TRABALHO DE PARTO, O TRABALHO
~SE'PREMONITÓRIA,
DE PARTO VERDADEIRO ................... . ....... ........ ... ...... 308
Sintomas do Pré-parto (Período Premonitório) • Sintomas do Fal-
so Trabalho de Pano • Sintomas do Trabalho de Parto Verda-
deiro • Quando Chamar o Médico

Capítulo 14: O Trabalho de Parto e o Parto 312


AS PREOCUPAÇÕES COMUNS .............................. . ................ 312
Desprendimento do Tampão Mucoso • Ruptura da Bolsa d'Água
• Líquido Amniótico Escuro (Tingido de Mecônio) • Indução do
Trabalho de Parto • Trabalho de Parto Abreviado • Quando Te-
lefonar para o Médico Durante o Trabalho de Parto • Trabalho
de Parto com Fortes Dores nas Costas • Contrações Irregulares •
Não Chegar ao Hospital a Tempo • Lavagem Intestinal (Enema)
• Parto de Emergência a Caminho do Hospital • Raspagem dos
Pêlos Púbicos • Parto dfl Emergência Quando se Estd Sozinha •
Admlnlstraçlo de Líquidos por Via Intravenosa • Monitorizaçao
Fetal• Parto Domiciliar de Emergência (ou no Consultório) • Re-
ceio de Ver Sangue • Episiotomia • Receio do Estiramento Vagi·
na I ao Parto • Receio de Ser Amarrada à Mesa de Parto • Uso do
Fórceps • O Estado do Bebê • Tabela do lndice de Apgar
O QUE É IMPORTANTE SABER: OS ESTÁGIOS DO PARTO ...... 330

Posições para o Trabalho de Parto

O PRIMEIRO ESTÁGIO DO PARTO : O TRABALHO


DE PARTO ....................................... ........................... 332
A Primeira Fase: Latente ou Precoce • A Segunda Fase: Trabalho
de Parto Ativo • Quandu Você Não Está Fazendo Progressos" A
Caminho do Hospital• A Terceira Fase: Trabalho de Parto Tran-
sicional • Dor: Fatores de Risco

O SEGUNDO ESTÁGIO DO PARTO: OS ESFORÇOS


EXPULSIVOS E O PARTO ............................................ 342

Nasce o Bebê • Ao Olhar o Bebê Pela Primeira Vez

O TERCEIRO ESTÁGIO DO PARTO: A EXPULSÃO


DA PLACENTA OU SECUNDAMENTO .. .. .. .. . .. .. .. .. . .. .. .. .. 348

O PARTO NA APRESENTAÇÃO PÉLVICA (NÁDEGAS) ...... 349

CESARIANA: O PARTO CIRÚRGICO ................................ 350

Parte 3
ATENÇÃO ESPECIAL

Capítulo 15: Quando a Gestante Adoece ............. 355

AS PREOCUPAÇÕES COMUNS .... ... . ........ .. .. ........ ............. ... . ... 355
Gripe ou Resfriado • Doenças Oastrintestinais • Rubéola • Toxo-
plasmose • Citomegalov!rus (CMV) • A Quinta Doença (Eritema
Infeccioso) • Infecções Estreptocócicas • Doença de Lyme • Sa-
rampo • lnfecçêo Urinária • Hepatite • Caxumba • Varicela (Ca-
tapora) • Febre • Tomar ou Não Tomar Aspirina • Medicamentos
• Ervas Medicinais

O QUE É IMPORTANTE SABER: PARA MANTER A SAÚDE ...... 368

Capítulo 16: Enfrentando uma Doença Crônica 370


AS PREOCUPAÇOES COMUNS ..... , ... .... ............... .... .... . .......... 370
Diabetes • A Gestante Diabética e os Exercfcios • Asma • Hipe.--
tens!lo Arterial Crônica • Esclerose Múltipla • Distúrbios do Ape-
tite • Incapacidade Física • Epilepsia • Fenilcetonúria • Doença
das Coronárias (Coronariopatia) • Anemia Falciforme • Lúpus Eri-
tematoso Sistêmico (LES)

O QUE É IMPORTANTE SABER: CONViVENDO COM


A GESTAÇÃO DE ALTO RISCO .................................... 384
Grupos de Mútua Ajuda para Gestantes

Capítulo 17: As Complicações da Gravidez 387


CONDIÇÕES QLE PODEM CAUSAR PREOCUPAÇÃO DURANTE A
G ESTAÇÃO .... ... .... . . .. .. .. ................... ........... ........ ........ ... 388
Hiperrmese Gravídica • Gravidez Ectópica • Aborto Espontâneo
ou Precoce • Sangramento no Primeiro Trimestre • Sangramento
no Segundo e no Terceiro Trimestres • Em Caso de Aborto Espon-
tâneo • Aborto Tardio • Doença Trofoblástica (Mola Hidatifor-
me) • Mola Hidatiforme Parcial • Coriocarcinoma • Quando se
Descobre Alguma Anomalia Congênita • Diabete$ Gestacional•
Infecção Amniótica (Corioamnionite) • Toxemia Gravfdica (Pré-
eclâmpsia) • Eclâmpsia • Retardo do Crescimento lntra-uterino
• Para Reduzir os Riscos do Bebê que Está em Risco • O Baixo Peso
em Gestações Sucessiras • Placenta Prévia • Placenta Acreta • Des-
colamento Prematuro da Placenta • Rompimento Prematuro das
Membranas (Amniorrexe Prematura) • Prolapso de Cordão •
Trombose Venosa • Trabalho de Parto Prematuro

CONDIÇÕES QUE PODEM CAUSAR PREOCUPAÇÃO DURANTE O


PARTO ........ .... ............................................................. 407
Inversão Uterina • Ruptura Uterina • Distócia de Ombro • Sofri-
mento Fetal • Primeiros Socorros para o Feto • Sofriment9 Fetal
• Lacerações Vaginais e Cervicais • Hemorragia Pós-parto • In-
fecção Puerpera l

PARA ENFRENTAR A PERDA DA ORA VIDEZ .......... .... ... ................... 411
Retardo do Crescimento Fetal na Gravidez Gemelar • Perda de um
G~meo • Por qu~?
- - - - - - - - - - Parte 4 - - - - - - - - - -
ENFIM O PUERPÉRIO:
O Pai e o Próximo Bebê

Capítulo 18: O Puerpério: A Primeira Semana .. 421

Os SINTOMAS ......................................... . ......................... 421

AS PREOCUPAÇÕES COMUNS ............ ... ................. ................ 422


Sangramento • Sua Condição no Puerpério • As Dores do Puer-
pério • Dor na Região Perineal• Dificuldade em Urinar • Evacua-
ção • Transpiração Excessiva • Leite em Quantidade Suficiente •
lngurgitamento Mamário • lngurgitamento em Quem Não Está
Amamentando • Vínculo Materno • Quando Chamar o Médico •
Alojamento Conjunto • Já em Casa • A Recuperação Depois da
Cesariana

0 QUE É IMPORTANTE SABER: INICIAÇÃO


AO ALEITAMENTO ........................ ............................. 436
Fundamentos da Amamentação ao Seio • O Bebê e o Seio- Uma
União Perfeita • Quando Vem o Leite • Feridas Mamilares (Ra-
chaduras e Fissuras) "A Dieta Ideal no Aleitamento • Complica-
ções Ocasionais • Amamentação Depois de uma Cesariana • O Uso
de Medicamentos e a Amamentação • Aleitamento de Gêmeos

Capítulo 19: O Puerpério: As Primeiras


Seis Semanas .................... ........................................... .
OS SINTOMAS ..... .............................................................. 444

A CONSULTA NESTE PERÍODO ......... .. ........... .. ....................... 444

AS PREOCUPAÇ0ES COMUNS ................................... ........... . . . 44-S


Febre • Depressão • Retorno ao Peso eà Forma Anteriores à Gra-
videz • Leite Materno • Convalescença da Cesariana • Retorno à
Atividade Sexual • Falta de Interesse em Sexo • Facilitando a Volta
à Atividade Sexual• Engravidar Novamente • Queda de Cabelos
• Banhos de Bnooclra • Exnustdo
.
O QUE É IMPORTANTE SABER: READQUIRINDO A FORMA . .. 456
Regras Elementares • Primeira Fase: 24 Horas Depois do Parto •
Segunda Fase: Três Dias Após o Parto • Terceira Fase: Depois do
Checkup Puerperal

Capítulo 20: O Pai Também Engravida ............... 460


As PREOCUPAÇÕES COMUNS ................................................ 460
Sentimento de Abandono • Receio do Sexo • Mau Humor • Im-
paciência com as Oscilações de Humor de Sua Mulher • Sintomas
por Afinidade • Ansiedade a Respeito da Saúde de Sua Mulher •
Ansiedade a Respeito da Saúde do Bebi: • Ansiedade Perante as
Mudanças da Vida • A Aparência de Sua Mulher • O Marido Pros-
trado Durante o Trabalho de Parto • Vínculo Pai/Filho • Exclu-
são Durante o Aleitamento • Perda do Apetite Sexual Depois do
Parto

Capítulo :!1: Preparando-se para os Próximos


Filhos ....................................................................... 472

Apêndice
Os Exames Comuns Feitos Durante a Gestação • Tratamentos Não-
medicamentosos Durante a Gravidez • Para Manter a Umidade •
O Aporte Ideal de Calorias e Gorduras

f.ndice .......................................................................... 485

Posfácio ..................................................................... so3


PREFACIO A SEGUNDA EDIÇÃO 21

Uma Segunda
Palavra do
Médico
uitas pessoas que vêem meu no- alguns conselhos, baseados no bom sen-

M me na capa deste livro me tele-


fonam e me agradecem por tê-
lo escrito. Eu lhes agradeço pelo telefo-
nema e pelo cumprimento, mas explico:
so, que você pode seguir para evitar tais
complicações."
Esse enfoque construtivo, estou certo,
é o que ajudou este livro, redigido por
Não fui eu que o escrevi. O meu papel, leigas em medicina, a adquirir tanta acei-
dig'l-lhes, não foi o de autor, mas de tação entre os médicos e muitos outros
conselheiro médico, o responsável por profissionais de saúde. Não só é reco-
colocar todos os pingos nos "is" de na- mendado (ou dado) a novas pacientes.
tureza obstétrica, anatômica e biológica. por muitos ginecologistas e obstetras, co-
E como elas me regozijo com esta cria- mo também passou a ser empregado por
ção das autoras. Tudo o que escrevi esses médicos e as respectivas esposas. Os
no prefácio da primeira edição norte- meus residentes lêem-no para aprender
americana de 1985 continua valendo até a melhor discernir as preocupações e in-
hoje. Mas com esta segunda edição re- dagações das gestantes, o que lhes aju-
vista e ampliada, que endosso comple- da a prestar um atendimento melhor,
tamente, vejo que as autoras consegui- mais empático.
ram melhorá-lo ainda mais. Sem dúvida, o casal que espera um fi-
O livro está bem mais atualizado e é lho adora o livro. Os médicos o respei-
muito maJs abrangente. Trata com gran- tam. Bis ai duas boas razOei para o
des pormenores das gestações de aJto ris- estrondoso sucesso de O que Esperar
co, das segundas gestações, e da perda Quando Vod Está Esperando. E não he-
da gravidez. Os temas continuam a ser sito em a ventar urna terceira hipótese pa-
.tratados com sensibilidade, clareza e ra explicar tanto êxito: os bebês o
-acuidade. As autoras partem de um sin- apreciam tamb6m.
; gelo ponto de vista: há coisas com que
toda a gestante responsável deveria se Dr. Richard Aubry
preocupar. Mas em seguida acrescentam
o que habitualmente se omite: "Vão aqui
22 PREFÁCIO

Uma Palavra
do Médico
ivemos a melhor época para se o problema do tempo. Não raro se ex-

V ter um filho. Nas décadas mais


recentes, verificou-se uma melho-
ra extraordinária no desfecho das gesta-
cedent em explicações demasiado dentÍ·
ficas e se mostram extremamente reti-
centes nas questões psicológicas e emo-
ções humanas - para as gestantes e para cionais que afligem os casais.
os bebês. As mulheres entram na gravi- Muitos são os que tentam preencher
dez mais sadias; o atendimento pré-natal a lacuna com livros, com artigos de re-
é melhor e mais completo; e as materni- vistas e com instrução em salas de aula.
dades substituíram as mesas de cozinha Esses, embora muitas vezes tenham
e as camas de quatro colunas como o lu- grande utilidade, com freqüência tam-
gar ideal para se dar à luz. bém contêm uma série de inexatidões do
No entanto, ainda há muito por fazer. ponto de vista médico, além de alardear
Para nós, da medicina acadêmica, fica informações alarmantes e desnecessárias,
cada vez mais evidente que não bastam ou de insistir desproporcionalmente nas
médicos com boa formação e equipa- falhas do atendimento obstétrico, levan-
mentos sofisticados. Para reduzir ainda tando suspeitas e dúvidas que prejudi-
mais os riscos da gestação e do parto é cam a relação entre os pais e os obstetras.
preciso casais grávidos mais participati- A necessidade de um livro que propor-
vos. E para participar mais, os casais cione aos leitores informações precisas,
precisarão de informações mais comple- atualizadas e corretas do prisma médi-
tas e exatas, não apenas sobre o parto, co, com a devida ênfase nos aspectos
mas sobre os importantíssimos nove me- nutricional, pessoal e emocional da ges-
ses que o precedem; não apenas sobre os tação, há muito se fazia sentir. E é com
riscos que a gestação apresenta, mas so- satisfação que a vemos ser atendida por
bre as medidas, quer para minimizá-los, um livrinho de fácil leitura, eminente-
quer para eliminá-los; e não apenas so· mente prático.
bre os aspectos médicos da gravidez, mas As três autoras- todas com longa vi-
também sobre os aspectos psicológicos vência nos problemas da gestação - nos
e de estilo de vida. presenteiam com essa nova perspectiva:
De que modo podem os pais obteres- a de informações corretas que permitam
se tipo de informação? As t:scolus s~:cun­ aos casais d~:semp~uhar o seu papel cen·
dárias e superiores decerto não admi tem trai em todo o processo gestatório, sem
o acréscimo de mais uma disciplina nos ameaçur os obstetras e as parteiras com
currículos: Curso Básico de Como Fa- quem terão de trabalhar em Intima e pro-
zer Bebes. Os profissionais responsóvels dutiva harmonia,
pelo atendimento obst.étrico têm também O livro é de estllo vivo, atual, de gran-
PREFÁCIO 23

de acuidade e equilírrio. No entanto, reza ao serem abordados a genética,


quatro aspectos de sua estrutura e de seu a teratologia, o trabalho de parto pré-
conteúdo merecem comentário especial: termo, o parto, a cesariana e, uma vez
mais, a lactação - são extraordi-
• O enfoque adotado, da gestação cen- nários.
trada na família- com o envolvimen-
to do marido em todo o processo Em tudo e por tudo, creio ser este li-
gestatório e com um capítulo a ele de- vro de leitura obrigatória não só pelos
dicado - é excelente e muito im- futuros papais mas também por obste-
portante. tras e enfermeiras e, enfim, por todos os
envolvidos no atendimento de gestantes.
• A organização cronológica, funda- A principio, sei perfeitamente, parece ser
mentalmente prática - a responder uma rota meioàfastada da que um cau-
com sensibilidade todas as preocupa- teloso professor de medicina deveria se-
ções maiores e menores que porven- guir. Mas estou convicto: só com pessoas
tura surjam mês a mês -, torna-o de bem-informadas e re~ponsáveis e com
fá..:i l consulta e permite que os pais se profissionais também bem-informados e
tranqüilizem no momento oportuno. responsáveis a trabalharem em mútuo
entendimento, em mútua cooperação é
• A ênfase dada à gestação, à nutrição que chegaremos perto de nossa meta co-
e ao estilo de vida, além dos enfoques mum - a de bebês, mamães e famílias
bastante sensatos quanto à lactação e sadias. E, enfim, de uma sociedade não
i dimensão psicológica da maternida- menos sadia.
de, torna o livro muito valioso e úni-
co nesse particular. Dr. Richard Aubry

• Os pormenores médicos corretos e


atualizados- cabendo ressaltar a ela-
24 INTRODUÇÃO À SEGUNDA EDIÇÃO

Por que
Este Livro
Renasceu
az oito anos, quando eu estava pa- durante a gestação e o puerpério. Em-

F ra dar à luz minha filha Emma,


que eu e minhas co-autoras conce-
bemos a idéia de escrever este livro. Tí-
bora tivéssemos conseguido responder as
dúvidas de muitos com nosso pequeno
livro, as de muitos outros não chegamos
nhamos um só objetivo: tranqüilizar o a esclarecer.
casal que espera um filho. Muitas dessas questões são esclareci-
Oito ano~ depois, esse mesmo objeti- das nesta segunda edição. Chegamos a
vo não se modificou. Mas para alcançá- acrescentar um capítulo sobre as Com-
lo tivemos que modificar bastante nos- plicações da Gravidez. Mas, por favor:
so livro. para poupar os casais de preocupações
Desde o lançamento da primeira edi- desnecessárias recomendo que não o
ção nos Estados Unidos fomos coletan- leiam, a menos que ocorra uma dessas
do muitas outras informações, a tal complicações.
ponto que acabamos conseguindo con- O mais importante porém é que não
vencer os editores da necessidade de uma o modificamos naquilo que os leitores
ampla revisão. mais gostaram: os conselhos e as reco-
Essa revisão em grande medida diz mendações práticas, apresentados passo
respeito a questões obstétricas. Mas diz a passo. O enfoque empátlco. As expli-
respeito também a questões que interes- cações simples de complexos a~suntos
sam sobretudo ao casal grávido. Os lei- médicos. E, naturalmente, o discurso
tores da primeira edição responderam a tranqüilizador.
nosso pedido: escreveram-nos falando de Não há li-tro sobre a gestação que pos-
suas preocupações e de suas vlvenclus su cobrir e antecipar todas as d1Ívldas c

Planejando com Anteced~ncia


Se vocl' ainda nào está grávida, mas está
planejando um bebê, leia primeiro o último
capítulo deste livro . Aí você encontrará !O·
I das as lnforma~Oes necessárias para uma gra.
videz bem-sucedida e um bebê saudável.
POR QUE ESTE LIVRO RENASCEU 25

questões que surgem durante ela: teria Obrigada, queridos leitores, por todo
esse livro de ocupar bem mais do que o apoio e por todas as sugestões que nos
uma prateleira na estante. Afinal, cada deram. Continuem nos escrevendo. Fa-
gestação tem as suas peculiaridades e só remos o que estiver em nosso alcance pa-
nos Estados Unidos ocorrem mais de 3 ra continuar lhes respondendo.
milhões e meio de gestações por ano. Es-
peramos, porém, esta nova edição de O Heidi E. Murkoff
que Esperar Quando Você Estd Espe- Nova York
rando chegue perto desse "livro ideal".

'•

.,
26 INTRODUÇÃO

Como
Nasceu
Este Livro
u estava grávida: e se num dia era a secreção vaginal sanguinolenta que li-

E
cupada.
a mulher mais feliz do mundo, nos
dois seguintes era a mais preo-
ve no nono.
Preocupada, até mesmo, em estar me
sentindo bem (''ora, não estou com pri-
Preocupada com o vinho que tinha be- são de ventre... Não sinto náuseas ... Não
bido à noite no jantar, e com o gim- urino com mais freqüência .•• - tem de
tônica que'tinha bebido várias vezes an- haver alguma coisa errada!").
tes do jantar nas minhas primeiras seis Preocupada em achar que não seria
semanas de gestação - depois de dois capaz de suportar as dores durante o tra-
ginecologistas e de um exame de sangue balho de parto ou de ver sangue duran-
me terem convencido de que eu não es- te o parto. E preocupada em não poder
tava grávida. amamentar, já que todos os livros diziam
Preocupada com as sete doses de Pro- que no nono mês meus seios deveriam es-
vera que um dos médicos me prescreveu tar cheios de colostro.
para fazer vir a menstruação que decer- Onde encontrar uma palavra que me
to só esutvn ntrnsnda, mns que duas se- tranqüilizasse dizendo que tudo estava
manas mais tarde viemos a saber que era Indo bem? Nao nos livros sobre gestaçllo
uma gestação já lá pelo segundo mês. que se empilhavam na minha mesinha-
Preocupada com o café que tinha be- de-cabeceira. Não encontrei uma única
bido e com o leite que não tinha; e com referência sobre a inatividade fetal du-
o açúcar que havln comido e com as pro- rante alguns dias no quinto mês como
teínas que não havia. fenômeno comum e normal. Nem uma
Preocupada com as cólicas no meu referência às quedas acidentais da ges-
terceiro mês e com os quatro dias no tante- que quase sempre são inócuas
quinto em que não senti o menor movi- para o bebê.
mento fetal. Ao discutk os meus sintomas, os meus
Preocupada com o desmaio que tive problemas ou os receios, era em geral de
ao perambular pelo hospital onde seria forma tão alarmante que a discussão
feito o parto (nunca cheguei a ver o ber- acabava por aumentar minha preocupa-
çário), com o tombo de barriga que le· ção. "Nunca tome Provera, a não ser
....; "" nitavo mês no meio da rua e com que sua única Intenção seja abortar",
COMO NASCEU ESTE LIVRO 27

adv~.:rtia um livro- sem acrescentar que ro de gestantes que a náusea e os dese-


a mu:. her que o tomou cria um risco tão jos alimentares juntos. Noventa e qua-
pequeno de anomalias congênitas para tro em cada cem mulheres se preocupam
o bebê que o aborto indesejado nunca com a normalidade do bebê, e 93 07o se
deve ser considerado. "Há evidências de preocupam com a própria segurança e a
que um único 'porre' durante a gestação do bebê durante o parto. É maior o nú-
pode afetar alguns bebês, dependendo do mero de mulheres (91 OJo) que se preocu-
estágio de desenvolvimento já por ele pa com o seu aspecto físico do que com a
atingido" -sem levar em conta que al- própria saúde (81 OJo) durante a gestação.
guns abusos no início da gestação, tão E a grande maioria se preocupa simples-
comuns em mulheres que ainda não sa- mente por estar muito preocupada. ·
bem que estão grávidas, parectm não ter Mas embora um pouco de preocupa-
qualquer efeito sobre o embrião em de- ção seja normal para o casal esperando
senvolvin tento. bebê, o excesso de preocupação represen-
Decerto também não encontrei alívio ta o desperdício - inútil - de um tem-
para as minhas pre0cupações ao abrir o po que poderia ser de bem maior
jornal, ouvir rádio ou ver televisão. A felicidade. Apesar de tudo o que ouvi-
mídia em tudo e por tudo só faz apavo- mos, lemos, e de tudo com que nos preo-
rar a gestante, vendo perigos por todos cupamos, nunca antes na história da
os cantos: no ar que respiramos, nos ali- reprodução humana foi tão seguro ter
mentos que comemos, na água que be- um filho - conforme Erik e eu desco-
bemos, no dentista, na farmácia, e até brimos depois de ficarmos preocupados
mesmo em casa. durante sete meses e meio, quando dei
A minha obstetra me consolou um à luz uma garotinha mais sadia e mais
poUI:o, naturalmente, mas só quando eu bonita do que eu seria capaz de sonhar.
reunia forças e tomava coragem para lhe Assim, foi de nossas preocupações que
telefonar. (Receava que minhas preocu- nasceu este livro. Ele é dedicado aos ca-
pações parecessem tolas e o que pudesse sais de todas as partes (mas sobretudo à
ouvir em resposta. Ademais, como eu minha co-autora e irmã, Sandee, e a seu
poderia ficar incomodando-a quase to- marido, Tim, cujo primeiro filho está em
dos os dias?) disputa cerrada para ver se vem ao mun-
Estaria eu (e o meu marido Erik- do antes do que este livro), e foi e scrito
que se preocupava com tudo o que eu me na esperança de que ajude os futuros pa-
preocupava e mais alguma coisa) sozinha pais e as futuras mamães a se preocupa-
t\lll minhas preocupações? Longe disso. rem menos e a desfrutarem mals da
Preocupação, segundo determinada pes- gestação.
quisa, é uma das queixas mais comuns
durante a gestação: atinge maior núme- Heidi E. Murkoff
Parte]--

NO,
PRINCIPIO
1
Você
Está Grávida?
" será que estou mesmo grávida?" da gravidez incipiente. Felizmente, po-
Eis a primeira dúvida da futu- de ser dirimida de imediato graças aos
ra mamãe que se manifesta ao testes de gravidez existentes e ao exame
despontarem os sinais mais precoces médico.

As PREOCUPAÇÕES COMUNS

SINAIS DE GRAVIDEZ co do bebê. Captado por volta de lO se-


manas (ou, via de regra, por volta de 12
"S6 apresento alguns dos sinais... Serd que semauas) através de um sensível instru-
mesmo assim estou grávida?" mento de exame, o sonar Doppler, ou
então por volta de 18 a 20 semanas, atra-

V ocê pode apresentar todos os sinais


e sintomas de uma gestação incipien-
te e não estar grávida. Ou, pelo contrá-
vés do estetoscópio comum,' ajuda a
confirmar com exatidão o diagnóstico -
ao lado de um dos testes hormonais e do
rio, pode exibir apenas alguns desses exame médico.
sinais e, no enta ato, estar grávida de fa-
to. Os sinais precoces de gravidez são
meros indícios da existência do ciclo ges- TESTES DE GRAVIDEZ
tacional: cumpre dar-lhes atenção, toda-
via, não se deve atribuir a eles um valor "0 médico disse que pelo exame e pelo teste
absoluto cómo indicadores definitivos de gravidez eu n/Jo estou grllvida, mas com cer-
desse estado. teza sinto que estou."
Enquanto alguns sinais apontam tão-
pesar do extraordinário progresso
somente para a possibilidade de uma ges-
- tação -sinais de presunção - , outros
já denunciam com maior probabilidade
A da moderna ciência médica, o seu
papel no diagnóstico da gravidez fica,
a sua exlstOncla. Mas, desses sinais pre-
coces, nenhum confirma de fato a 1
0 diagnóstico de gravidez pode ser feito ainda
aravldez. antes através da ultra-sonografla ou de um toa-
De fato, o primeiro sinal clínico de te em amostra de sangue, embora nA o sejam pro-
certeza da gravidez é o batimento cardfa- cedimentos de rotina.
32 NO PRINCÍPIO

por vezes, em posição secundária. A deles se equipara à intuição de certas w.u-


acuidade dos diversos testes é bastante lheres quando começam a "seutir" que
variável e, em certas ocasiões, nenhum estão grávidas - às vezes alguns dias

GRAVIDEZ: SINAIS DE PRESUNÇÃO


SINAL QUANDO SURGE OUTRAS CAUSAS
POSSÍVEIS
Amenorréia (falta de Em geral, do inicio ao Viagem, fadiga, estresse,
menstruação) fim da gravidez m•!do de estar grávida,
problemas ou afecções
hormonais, obesidade ou
emagrecimento extremos,
suspensão do uso da p!lula,

Náuseas (não só 2-8 semanas após a


aleitamento
Intoxicação alimentar,
-
matinais, mas a qualquer concepção tensão, infecção e muitas
hora do dia) outras doenças
Micção freqüente Em geral, 6-8 semanas
-
Infecção urinária, uso de
- após a concepção diuréticos, tensão, diabetes
Seios congestionados e Já alguns dias após a Uso de anticoncepcionais,
doloridos concepção menstruação iminente
Mudança de pigmentação Primeiro trimestre Menstruação iminente
dos tecidos vaginal e
cervical•
Maior pigmentação da Primeiro trimestre Desequilíbrio hormonal ou
aréola mamária (área ao efeito de gravidez anterior
redor do mamilo);
elevação das minúsculas
glândulas perimamilares
Estrias gravldicas (a Primeiro trimestre Desequilíbrio hormonal ou
princípio vermelhas) sob efeito de gravidez anterior
a pele dos seios e,
depois, do abdome
Desejos por certos Primeiro trimestre Dieta Insuficiente, tensão,
-
alimentos Imaginação ou menstruação
iminente
Bl<,~urv~;in•untg dl! liuh11 Quarto ou quinto mes Desequilíbrio hormonal ou
que vai do umbigo ao 11folto do 1r11vl~n amorlo .-
púbis
•Sinais de gravidez verificados no exame médico.
VOC~ ESTÁ GRÁVIDA? 33

após a concepção. Os testes ora existen- vem se tornando possível graças à faci-
tes são, basicamente, de três tipos - e, lidade de execução e de leitura- o teste
vale destacar, nenhum deles exige para feito em casa, ao menos nos EUA, atin-
a sua conclusão o sacrifício de coelhos ge a confiabilidade dos feitos em labo-
ou de outros animaizinhos. ratório (sendo que alguns fabricantes
acusam precisão diagnóstica de quase
Testes de gravidez feitos em casa. São ho- 100%). Isso quer dizer que o resultado
je muito mais precisos do que no passado positivo correto é mais provável do que
e de execução muito mais simples. Como o negativo. Qual a vantagem? A priva-
o teste de urina feito no laboratório, o cidade e o imediatismo dos resultados.
diagnóstico é feito pela identificação da Além disso, em virtude da acuidade diag-
gonadotrofina coriônica (o hormônio nóstica que já se vem alcançando na gra-
gravídico conhecido pela sigla hCG) em videz ainda incipiente -ou seja, antes
amostra urinária. Nos EUA alguns já da mulher considerar a possibilidade de
chegam a indicar a presença do hormô- consultar o médico - o teste cria a opor-
nio 14 dias após a concepção (ou seja, no tunidade de um correto atendimento pré·
primeiro dia da falha menstrual) e permi- natal já nos primeiros dias da concepção.
tem a leitura em 5 minutos, em amostra Mais precisamente, ror ocasião do im-
urinária de qualquer hora do dia. • plante embrionário no útero. Entretan-
Quando feito corretamente - o que to, alguns são bastante dispendiosos.
Mais ainda: como não se vai confiar in-
•No Brasil, encontram-se à venda vários desses teiramente nos resultados, convirá repeti-
testes, todos baseados no mesmo principio. (N. lo, o que só faz aumentar o custo. (Há
do T.) testes nos EUA que já vêm com dois kits
na embalagem.) Convém portanto que

GRAVIDEZ: SINAIS DE PROBABILIDADE


SINAL QUANDO SURGE OUTRAS CAUSAS
POSSÍVEIS
Amolerimento do 2-8 semanas após a Retardo menstrual
útero : do colo concepção
uterino•
- --
Aumento do voiL me 8·12 semanas Tumor, fibromas
uterino• e do abdome
-Contrações
-- ind1lores Na gravidez incipiente, Contrações Intestinais
intermitentes crescendo em freqüência
com o avanço da gravidez

Movimentos fetais Percebidos pela primeira vez Gases, contrações


por volta de 16-22 semanas intestinais
d«' i1413Uiçilu

•stnals de gravidez verificados no exame médico.


36 NO PR!NC(P!O

A DATA PROVÁVEL médico a calculem com a maior exatidão


possível. Há elementos que podem aju-
DO PARTO dar nesse particular, mesmo quando a
mulher não sabe quando se deu a con-
"Estou tentando planejar minha licença da gra· cepção e tampouco quando se deu a ovu-
11idez. Como 110u saber a data cena do pano?" lação mais recente (algumas mulheres
sabem quando estão ovulando em virtu-
vida seria bem mais simples se pu- de de dores no flanco e de cólicas que du-
A déssemos ter certeza de que a data
provável do parto é de fato o dia em que
ram por algumas horas, além da
eliminação vaginal de mucosidades fila-
este ocorrerá. Não é esse o caso, porém, mentosas, claras . Se estiverem acom-
na maioria das vezes. Segundo determi- panhando o ciclo, podem perceber o
nadas pesquisas, de cada cem mulheres, declínio da temperatura um pouco antes
apenas quatro darão à luz exatamente no da ovulação seguido de uma elevação).
dia previsto. Para as demais, como a gra- Dentre os elementos que ajudam nes-
videz a termo normal pode perdurar por se sentido, o primeiro é o tamanho do
38 a 42 semanas, o parto ocorrerá no in- útero, cujo aumento é percebido por oca-
tervalo de duas semanas antes ou duas sião do primeiro exame interno. Esse
semanas depois dessa data. aumento d1: tamanho corresponde ao es-
É por isso que se fala em data prová- tágio de gravidez suspeitado. Depois sur-
vel do parto (DPP). Trata-se apenas de girão outros indícios importar,tes, que
uma estimativa estatística. Costuma ser em conjunto permitem melhor aferir a
calculada da seguinte maneira: anote o duração da gestação: o ;urgimento do
primeiro dia do início do último perío- batimento cardíaco fetal (identificado
do menstrual (UPM), acrescente mais se- por volta de 10-12 semanas com o sonar
te dias. Subtraia três meses e você tem Doppler ou ao redor de 18 a 22 semana~
a data pFovável - um ano depois, na- com o estetoscópio comum); e a posição
turalmente. Por exemplo, digamos que do fundo-de-útero (altura do útero) a ca-
o seu último período menstrual tenha co- da consulta (ao redor da vigésima sema-
meçado a 11 de abril. Somando sete dias na atinge a altura do umbigo). Se todas ·
temos o dia 18 de abril. Diminuinao três essas indicações parecerem >:orrespouder
meses vemos que a data provável do par- à data calculada pelo médico, você po-
to será a 18 de janeiro do ano seguinte. derá ter quase certeza de sua correção -
Se a sua menstruação vem a interva- ou seja, é bem provável que o bebê nas-
los de 28 dias, é maior a probabilidade ça duas semanas antes ou depois dela.
de parto próximo da data prevista. Contudo, se não corresponderem, é pos-
Quando os ciclos se dão a intervalos sível que o médico resolva fazer uma so-
maiores, porém, é provável que o parto nografia entre a 12 ~ e a 20~ semana (o
seja depois da data estimada; quando a melhor, segundo alguns, é fazer o exa-
Intervalos menores, é provável que seja me entre a 16~ e a 20~ semanas), que
antes. apontará com mais exatidão para a ida-
No entanto, se os seus ciclos são irre- de gestacional do feto. Já outros médi·
gulares, é possfvel que esse cálculo não cos fazem rotint!iramente a sonogra."ia,
funcione. Suponhamos que vocc não te- para calcular com maior exatidão a da·
nha ficado menstruada nos últimos três ta provável.
meses e que repcntinamllntc se descubra Ao uproximur·se o parto, advlrl\o aln·
grávida. Quando se deu a concepção? da outros indfcios a apontarem para a
Como a data provável do parto tem a data do grande evento: as contrações ute·
sua importância, é preciso que você e o rinas - indolores - podem se tornar
VOC~ ESTÁ GRÁVIDA? 37

mais freqüentes (causando possivelmente o bebê sabe ao certo quando se dará o


menos desconforto), o feto se move em seu nascimento. (Para maiores detal hes,
direção à pelve (insinuação), o colo ute- ver Menor D istensão Abdominal e Insi-
rino se adelgaça e reduz (apagamento) e, nuação p. 300; e A Hora do Parto, p.
por fim, se dilata. São indícios de gran- 301.)
de utilidade, mas não definitivos - só

0 QUE É IMPORTANTE SABER:


QUEM A ASSISTIRÁ DURANTE
O PARTO?
mbora bastem duas pessoas para cionamento com o parteiro. Em vez de

E a concepção de um bebê, são ne-


cessárias ao menos três - a mãe,
o pai e um profissional da área de saúde
ser um membro participante da equipe,
a futura mamãe era confinada, mais ou
menos, ao papel de espectadora, obe-
-para que a transição do ovo fertiliza- dientemente sentada no banco de reser-
do ao nascimento do bebê transcorra va enquanto o capitão obstétrico entrava
co"n segurança e tenha pleno êxito. Su- em ação.
pondo que você e o seu companheiro já Hoje, o atendimento obstétrico admi-
so: tenham encarregado da concepção, o te tantas opções quanto existem mé-
dP.safio seguinte está em escolher o ter- dicos nas Páginas Amarelas. Como ca-
ceiro membro dessa equipe. E tendo cer- be a você fazer a escolha, eis o segredo
teza de qu\.: você será capaz de conviver
para o bom desfecho: harmonizar o pro-
e de trabalhar com a pessoa escolhida-
fissional correto com a pessoa que vo-
sobretudo na hora do parto.2
cê é.

UMA RETROSPECTIVA
QUE ESPÉCIE DE
P ara as futuras mami'es de trinta anos
atrás, essa escolha não recebia a de-
vida '::onsideração. Naqueles dias, o aten-
PACIENTE É VOCÊ?
ara. encontra_r o tipo de profissional
dimento obstétrico não admitia inda-
gações ou maiores questionamentos: as
P mats convemente ao seu caso, cum-
pre ponderar, em primeiro lugar, u es-
poucas opções referentes ao parto fica-
pécie de paciente que você é.
vam a cargo do médico. Ati: a escolha
do obstetra não fazia grande diferença: Será você, leitora, do tipo que acredi-
todos se pareciam muitíssimo. Mais ain- ta que "os médicos sabem mais" porque,
da: como a parturiente costumava estar afinal, são todos formados? Dará pre-
Inconsciente durante o parto, acabava ferência ao médico que toma todas as de-
não tendo muita importância o seu rela- cisões sem a consultar, sentindo-se mais
segura quando todos os últimos recursos
tecnológicos são empregados no seu
1
à claro que você pode e deve, teoricamente, atendimento? Será que, nas suas fanta-
fazer essa opção mesmo antes da concepção. sias médicas, aquele homem circunspecto
34 NO PRINCÍPIO

GRAVIDEZ: SINAIB DE CERTEZA


SINAL QUANDO SURGE OUTRAS CAUSAS
POSSÍVEIS
Visualização do embrião 4-6 semanas após a Nenhuma
ou do saco amniótico através concepção
da ultra-sonografia•

Batimento cardíaco fetal• 10-20 semanas•• Nenhuma

Movimentos fetais sentidos Depois de 16 semanas Nenhuma


através do abdome•
-
•Sinais de gravidez verificados no exame médico.
••Dependendo do aparelho utilizado.

o médico saiba qual a marca e o tipo de a concepção. Diversamente daquele, po-


teste utilizado para decidir se há neces- rém, é executado por profissionais, que
sidade ou não de novo exame de urina. têm mais chance, pelo menos em teoria,
Isso, evidentemente, nos EUA. de conduzi-lo corretamente. Se for esta
A principal falha desses testes se dá a sua opção, telefone para o consultó-
quando o resultado é falso-negativo: o rio do seu médico ou o laboratório um
exame dá negativo e a mulher está grá- dia antes e peça as instruções para a co-
vida. Conseqüência: a gestante adia a leta da urina. Embora seja este o teste
primeira consulta ao médico e deixa de de mais baixo custo, não fornece tantas
se cuidar. Por outro lado, com o resul- informações quanto o de sangue, como
tado positivo, talvez a mulher não veja veremos a seguir.
motivo para procurar o médico, já que
a primeira razão seria exatamente essa , Teste de gravidez feito em amostra de
a do diagnóstico da gravidez. Portanto, sangue. Essa prova, mais elaborada, fei-
aquela que fizer uso desse tipo de teste ta no sangue, exibe uma precisão de pra-
deve saber que ele não substitui a con- ticamente IOOOJo já uma semana após a
sulta e o exame pelo médico. O acom- concepção (salvo os erros de laborató-
panhamento clínico depois do teste é rio). Ajuda também a prever a data pos-
essencial. Se o resultado for positivo, se· slvol do parto através da mcnauraçAo
rá preciso o exame físico para confirmá- exata de hCG no sangue, já que o teor
lo e depois um completo checkup pré- sérico desse hormônio se modifica no de-
natal. Se for negativo e a regra ainda não correr da gravidez. As vezes o médico pe-
tiver vindo, a paciente c o médico terão de o exame Je urina e o de sangue para
de descobrir por qu~. se certificar duplamente do diagnóstico.

TeJte de aravldet f~ito em laboratório. Independentemente do teste es~olhido,


Como o anterior, é capaz de Identificar a probabilidade do cllagnóstlco correto
11 hCG na urina com uma exatidão de de gravidez aumenta quando <• teste é
quase I OOOJo - e já ao 7? ou IO? dia após acompanhado pelo exame médico. Os si-
VOCê ESTÁ GRÁVIDA? 35

Como Fazer o Teste de Gravidez


Para melhorar as chances de que o teste fei· • Não contamine o material antes de iniciar
to em casa seja mais exato, certifique-se de: o teste. Use-o só uma vez.

• Ler as instruções da "bula" antes de usá· • Se houver período de espera, nao exponha
lo. Não se afobe, por mais aruiosa que es· ao calor a amostra urinária.
teja pelos resultados. Se for necessária a
urina da primeira micção matinal, espere • Só torne a fazer novo teste depois de al-
até a manhã seguinte para fazê-lo. guns dias.

• Cronometre-o com exatidão: use relógio


com ponteiro de segundos.

nais físicos de gravidez - o crescimen- mais ou menos uma semana. Talvez


to e o amolecimento do útero, ao lado seja cedo demais para o diagnóstico
da alteração da textura da cérvice (ou co- exato. Há casos em que o bebê chega
lo uterino)- podem ser confirmados pe- sete meses e meio ou oito meses depois
lo médico já por volta de seis semanas do médico ou/e do teste de gravidez
de gestação. Com<) ocorre com os testes, terem concluído que a mulher não está
entretanto, o diagnóstico de "grávida" grávida.
feito pelo médico tem precisão maior do Se o teste continuar dando resultado
que o de "não-grávida" -apesar des- negativo e a mulher ainda não tiver
ses resultados falso-negativos serem bas- menstruado, é preciso certificar-se (com
t: mte incomuns. Tais resultados são mais o médico, evidentemente) de que não se-
freqüentes no início da gravidez, quan- ja caso de gravidez ectópica -a gravi-
do o corpo da mulher ainda não produz dez que ocorre fora do útero. (Ver p. 142
hCG em quantidade suriciente para que para os sinais indicativos desse tipo de
os resultados dos testes sejam positivos. gravidez.)
Quando a mulher apresenta os sinto- É possível, naturalmente, experimen-
mas da gravidez incipiente (as regras que tar todos os sinais e sintomas da gravi-
não vieram- uma ou duas-, a sensa- dez incipiente sem se estar grávida.
ção de inchação dos seios e a dor ao tocá-
los, a náusea matinal, a micção freqüen- Nenhuma dessas manifestações, iso-
te. a fadlaa) e percebe que está arávida ladas ou em conjunto, é prova indiscu-
-com ou sem teste, com ou sem exame Uvel de gravidez. Depois de um segun-
- convém agir como se estivesse, ado- do teste de gravidez e de um segundo
tando todas as precauções necessárias, exame físico que confirmem que a mu-
até que prove o contrário, ou seja, que lher não está grávida, é preciso conside-
nlo esteja arávida. Nem os exames e nem rar a "gravidez" de origem psicológica
os médicos são Infalíveis. É preciso co- -ou porque voce a deseja multo, ou
nhecer o próprio corpo - pelo menos porque não a quer de forma alguma.
·externamente- mais do que o médico. Mesmo assim, os sintomas podem ter
Solicite um segundo teste (de preferên- ainda uma outra causa que deve ser In·
. ela no sangue) e outro exame depois de vestigada pelo médico .

38 NO PRlNC(PlO

de avental branco, a tomar-lhe o pulso, mentos; que não veja incongruência em


se enquadra na descrição do Dr. Kilda· usar um monitor fetal e uma sala de par·
re? Se for esse o seu caso, convém recor· to ao mesmo tempo; e que esteja mais
rer a um obstetra tradicional, com aquela interessado na saúde da mãe e do bebê
aura de semideus e com aquela dedica· do que nas próprias preferências pes·
ção inabalável à sua própria doutrina de soais. Esse profissional deverá ver a re·
atendimento. !ação médico-paciente como aqL ela em
Contudo, talvez a leitora creia que o que cada um contribua com o melhor de
st:u corpo e a sua saúde sejam assuntos si.
apenas da sua própria conta e de mais
ninguém. Talvez tenha idéias definidas No entanto, independentemente do
sobre a gestação e o parto, e gostaria de tipo de paciente que você é, se na sua
prosseguir por todo o processo gestató· opinião o futuro papai deve ter igual
rio com a menor interferência possível participação no processo da gestação
do profissional de saúde. Nesse caso, e do parto, é preciso ter certeza de que
convém não recorrer a uma assistência o escolhido ou a escolhida concordam
mais tradicional e procurar um médico com isso. A atitude do obstetra em ge-
ou uma parteira habilitada, que ceda a ral já se revela na primeira consulta,
você o papel principal, mas que também por vezes até mesmo ao marcá-la . O
a oriente na produção do seu bebê. AI· pai foi convidado a participar do exa-
guém que permita que você tome ,as de· me médico e da consulta? As p(:rgun-
cisões sobre o seu parto na medida do tas feitas por ele receberam a devida
clinicamente aceitável; alguém que se consideração? A discussão foi voltada
mostre dogmático apenas em lhe autor· para o casal ou só para a mãe? Ficou
gar o poder decisório. Só não vá presu- claro que o pai poderá participar do
mir que um obstetra dessa nova linha trabalho de parto e também do par-
doutrinária venha a se revelar menos to?
dogmático nas suas crenças e opiniões
que um obstetra tradicionaL
Pode ser ainda que você tenha uma OBSTETRA? CLÍN~CO
postura intermediária entre as duas GERAL (MÉDICO DE
apontadas. Talvez prefira um médico
que lhe permita uma maior participação, FAMÍLIA)? PARTEIRA
um que tome as decisões baseado na pró· HABILITADA?
prla experiência e no próprio conheci-
mento, mas que sempre a inclua nesse o limitar a formação daquele que
processo. Nesse cnso, o médico deverá
ter uma postura situada entre dois extre-
A lhe prestará o atendimento obsté·
trico em três categorias gerais - que
mos: nem será a estrela, nem será mero sem dúvida lhe configurarão a perso-
orientador ou consultor; que nem se nalidade -, esutr4 a leitora facilitando .
mostre escravo da doutrina obstétrica, a tarefa de encontrá-lo, mas a conduta
nem escravo de suas vontades e desejos. e a doutrina do profissional, mesmo
Que dê preferência ao parto natural mas sendo fatores Importantes, não silo tu-
que não venha a hesitar se houver neces- do. Cumpre dar a devida atenção à for-
sidade de parto por cesariana para ga- mação médica dessa pessoa, que me-
rantir a segurança do bebê (ou a sua lhor venha atender às suas necessida-
própria); que não se mostre dogmático des.
auamo ~.o empre.gQ o•.\ não ó: mediei!.-
VOC~ ESTÁ GRÁVIDA? 39

O obstetra. Se a sua gravidez for de alto capaz de lhe fazer ver a gravidez como
risco/ tal vez convenha recorrer a um parte normal da vida, e não como d oen-
especialista capaz de enfrentar qualquer ça. Caso sobrevenham complicações, re-
complicação possível da gestação, do tra- correrá ao parecer de um especialista,
balho de parto e do parto: um obstet ra. embora possa permanecer incumbido do
1..! possível até achar um subespecialista seu caso.
dentro da própria especialidade obstétri-
ca: alguém especializado em gestações de A parteira habilitada: Se o seu d esejo
alto risco ou mesmo um subespecialista for por um profissional cuja ênfase ve-
em medicina materno-infantil. nha a se colocar sobre você como pes-
Se a sua gestação for normal do pon- soa e não como paciente, por alguém
to de vista obstétrico, você pode ainda com disponibilidade de tempo suficien-
optar pelo obstetra (como fazem oito em te para você, com muito respeito pelos
cada dez mulheres), por um médico es- seus sentimentos e pelos seus problemas,
pecializado em medicina de família, com alguém bastante flexível e com pendor
experiência em obstetrícia (antigo clíni- para o "parto natural", então a sua
co geral) (como procedem cerca de JOOJo escolha vai recair sobre urna parteira
a 120Jo das mulheres) ou mesmo por uma ou obstetriz habilitada (apesar de mui-
parteira habilitada especializada (a esco- tos médicos atenderem sobejamente a
lhida em 1OJo a 2% dos casos). tais requisitos). Embora se trate vez ou
outra de profissional especializada, com
O médico de famma. A medicina fami- vasto ~reinarnento em gestações de bai·
liar é especialidade relativamente recen- xo risco e capaz de ntender aos par-
te, que representa na realidade um tos não-complicados, tem essa profis-
retorno à antiga clínica geral - à qual sional maiores chances de considerar
recorriam todos os membros de uma a sua gravidez mais urna condição hu·
mesma famflia. A principal diferença en- mana do que condição médica. • Caso
tre ~. clínica geral e a medicina familiar seja essa a sua opção, certifique-se de
~tá no tipo de treinamento profissional: que se trata de uma profissional ha-
o médico se especializa, no decurso de bilitada; uma parteira leiga não pode
alguns anos, no atendimento médico pri- oferecer a você e ao seu bebê o melhor
.nário (que inclui a obstetrícia) após ter- tratamento.
minar o seu curso de graduação. Esse
especil'lista será capaz de lhe atender
corno generalista (clínico geral), como TIPO DE ATENDIMENTO
ginecologista e obstetra e, no devido tem-
leitora já escolheu o profissional
po, como pediatra. Ciente da dinâmica
de toda a sua fam{iia, se mostrará inte-
ressl\do em todos os aspectos da sua saú-
A que lhe prestará o atendimento. Te-
rá que decidir, em seguida, qual o tipo
de, nilo apenas na sua gestação. Será de assistência ao parto que melhor con-
vém ao seu caso. Os tipos de assistência
ltradlclonalmente, a gravidez de alto risco ~
4
aquela ~m gestante que já teve problema gesta- A parteira habilitada pode ser ou não uma en-
tório ()I euresso; em gestante com afecção cllni- fermeira.
ca FOmo diabetes , hipertensllo; ou doenças •No Brasil, em reglOes com grande precarleda·
cardlacas em gestante com problema relaciona- de de qualquer tipo de assist~ncla, onde nllo hâ
do ao fator Rh ou com outro problema gen6tl· médico e nem parteira habilitada, os partos do-
c:o; em gestante com menos de 17 nu com mais miciliares ainda são muitas vezes feitos por "cu-
de 35 anos (embora não seja comprovado o al- riosas'', não raro sem qualquer instruçiio mais
to risco em gestantes de 30 a 40 anos). elementar e sem recurso alg'J..'ll.. (N. do T.)
J

40 NO PRINCfPlO

mais comuns e suas possíveis vantagens cê esta escolha poderá ser negativa ou
e desvantagens são os seguintes: positiva.

Atendimento médico individualizado. O Atendimento misto. O atendimento é fei-


médico intervém sozinho, recorrendo a to por um ou mais obstetras e por uma
outro quando não puder estar presente. ou mais enfermeiras obstétricas. As van-
Aqui no Brasil é prática comum o aten- tagens e desvantagens são semelhantes às
dimento individualizado, seja por obs- do atendimento em equipe. Há no entan-
tetra, seja por clínico geral, seja por to uma outra vantagem: a enfermeira,
parteira. A principal vantagem dessa em algumas de suas consultas, poderá
modalidade de atendimento é que ages- lhe dedicar mais tempo e atenção, en-
tante é acompanhada pelo mesmo pro- quanto nas outras você poderá contar
fissional durante toda a gravidez, o que com a experiência do médico. Você ain-
vai permitir um melhor entendimento en- da poderá se beneficiar do parto assisti-
tre ambos, com mais empatia. A princi- do pela parteira, sabendo que o médico
pal desvantagem é que, se o médico não vai estar por perto r.aso surjam compli-
puder estar presente ao parto, você tal- cações.
vez seja atendida por outro que lhe é des-
conhecido.' Outro problema desse tipo Maternidades intra e extra-hospital ares.
de atendimento é que talvez durante o Nos EUA têm surgido maternidades tm
meio da gestação a leitora descubra que que o atendimento é feito sobretudo por
não morre de amores por seu obstetra. parteiras habilitadas: o médico só inter-
Poderá ser difícil mudar de médico a es- vém em caso de necessidade. Esses cen-
sa altura dos acontecimentos, por várias tros de atendimento à gestante ora se
razões. situam dentro de hospitais, ora fora de-
les. O atendimento só é prestado ages-
Atendimento médico em equip'!. Dois ou tantes com gravidez de baixo risco.
mais médicos da mesma especialidade as- Há mulheres que dão preferência a es-
sistem conjuntamente as pacientes, em sa forma de atendimento, o que para elas
sistema de rotatividade. É o tipo de as- se configura numa vantagem. A princi-
sistência que pode ser prestada tanto por pal desvantagem aparece quando surge
obstetras como por clínicos de família. alguma complicação durante a gravidez
A vantagem está em que, ao ser vista por (como ocorre cerca de 20o/o a 300Jo das
um profissional diferente a cada consul- vezes): a mulher terá de recorrer ao mé-
tO, a leitora poderá conhecer todos, e, ao dico e dar inicio a um novo relaciona-
terem inicio as dores do parto, terá a cer- mento; caso a compllcaçllo ocorra
teza de encontrar ao seu lado, na sala de durante o trAbalho de parto ou no parto
parto, um rosto que lhe é familiar. A (como ocorre em 10% a 15% dos casos),
desvantagem está em que talvez você não o médico - estranho à parturiente - se-
aprecie todos os médicos da equipe da rá chamado para atendimento de emer-
mesma forma e em geral não poderá es- gência. Nas maternidades lndepe!:tdentes,
colher o que irá atendê-la ao nascimen- não vinculadas a hospital, as cc•mplica-
to de seu filho. Além disso, as diferentes ções podem obrigar a transferência pa-
opiniões dos vários médicos podendo ser ra centro médico com maiores recursos.
reconfortantes ou Inquietantes, para vo·
Parteiras habilitadas (parto em c:asa).
'O problema pode ser contornado se você en- Nos poucos estados norte·amerh:anos em
trar em contato com o médico substituto antes que essa forma de atendimento é perrni·
do parto. tida, va-se que essas parlelras oferecem
VOC~ ESTÁ GRÁVIDA? 41

uma vantagem: o atendimento é perso- OS VÁRIOS TIPOS DE


nalizado e o parto é feito em casa (se a PARTO E DE ASSISTÊNCIA
gestante preferir). Contudo, por vezes
surgem complicações que obrigam a pre- À PARTURIENTE
sença de um obstetra em questão de mi-
nutos. Portanto, a menos que a parteira unca antes teve a mulher tanto con-
trabalhe em associação com um médico,
que possa rapidamente intervir em situa-
N trole sobre a gestação e o parto
quanto hoje. Durante milênios sempre
ções de emergência e que haja possibili- coube à natureza e a seus caprichos de-
dade de transporte imediato para um cidir o destino obstétrico da mulher. No
hospital, o risco para a mãe e para a início deste século, porém, esse destino
criança podem ser significativos. passou a ficar nas mãos do médico. Ho-
je em dia, enfim, embora a natureza e
o médico ainda interfiram em certa me-
ENCONTRANDO O dida, cabe à mulher e ao parceiro um nú-
CANDIDATO mero bem maior de decisões. A mulher
já pode escolher o momento de engravi-
á com uma idéia razoável do tipo de dar (graças aos modernos métodos de
J profissional e ua espécie de atendi-
mento desejados, onde você poderá en-
controle anticoncepcional e de previsão
da ovulação) e muitas vezes, salvo em ca-
contrar alguns possíveis candidatos? Eis so de complicações, em que condições
algumas boas fontes de informação: dará à luz. São várias as modalidades de
parto existentes, mesmo dentro de um
• J seu ginecologista ou clínico geral hospital-maternidade. Fora do hosp ital,
(caso tenha experiência obstétrica), há ainda um número bem maior de
desde que lhe agrade o seu estilo de opções.
atendimento. (Os médicos costu mam Embora o parto de sua preferência
recomendar outros com doutrinas se- não deva ser o único fator a influenciar-
melhantes às suas próprias.) lhe a escolha do profissional e da equi-
pe assistencial, trata-se de fator impor-
• Os amigos e amigas que tiveram filhos tante que deve ser discutido des de o
recentemente e cuja conduta adotada inicio. (Convém lembrar, contudo, que
durante a gestação e o parto tenha si- a decisão final às vezes só é tomada ao
do do seu agrado. fim da gravidez, sendo que muitas só
mesmo na hora do parto.) Entre as di-
• Umn parteira, se voce tiver a felicida- versas opções de parto hoje existentes ca-
de de já conhecer uma. be considerar algumas, que poderao ter
grande influência na escolha do médico
' • As entidades médicas locais, que po- e do hospital:
1 dem lhe fornecer uma lista de obs-
tetras. A assistência centrada na famflla. Esse
tipo de atendimento, embora visto como
• Um hospital ou maternidade próximos ideal por muitos, ainda não é uma reali-
1 de sua residência. dade em muitos hospitais, embora se sin-
ta uma forte tendência nessa direção. Há
• Os postos de saúde locais. uma série de critérios (ASPO/Lnma~c)
que visam esse ideal: normas hospitala-
• At. Páginas Amarelas, se as demais res voltadas para a assistência centrada
fontes falharem. na famllia; programas de preparação ao
42 NO PRINCÍPIO

parto baseados nessas diretrizes; atendi- cama confortável - que costuma se con-
mento ao trabalho de parto sem interfe- verter em "mesa de parto".
rência tecnológica desnecessária e com Em muitos hospitais a mulher é trans-
ênfase nas necessidades psicológicas e so- ferida da sala de parto para a de pós-
ciais; uma atmosfera em que se fomen- parto (com o bebê, nos casos de alo-
ta a cnnversa, a mútua ajuda e o mútuo jamento conjunto) depois de uma hora.
conhecimento, onde são feitas adapta- Noutros hospitais, mais progressistas,
ções segundo as diferenças culturais e on- a mulher pode permanecer na mesma
de se estimula a amamentação já na sala durante toda a revisão clínica do
primeira hora após o parto, desde que pós-parto - às vezes com o marido e
não haja contra-indicações; programas com outros parentes, que a tudo presen-
de preparo da mulher para o aleitamen- ciam .
to e para os cuidados com o recém- É claro que se recomenda esse tipo de
nascido, que permitem que a amamen- sala de parto para as gestações de baixo
tação tenha início o mais cedo possível, risco, sem possibilidade de maiores com-
mesmo antes da alta hospitalar. Uma das plicações durante o parto. Em vários
modalidades de alojamento conjunto, hospitais, contudo, como a demanda
mãe e bebê ficam num mesmo quarto, desse tipo de sala de parto excede em
confortável, mobiliado, com banheiro, grande medida a oferta, em geral ficam
com espaço suficiente para acomodar os nela as gestantes que chegam primeiro.
parentes e outros auxiliares, além de Por isso, pode-se não encontrar uma
equipamento médico e dos pertences da quando se precisa. Felizmente, esse tipo
parturiente, com berço e sofá-cama pa- de assistência ao parto pode ser condu-
ra que algum familiar possa ali dormir. zido, dentro da mesma doutrina, em hos-
Convém ta,!llbém haver uma área próxi- pitais mais tradicionais.
ma para que as pessoas que acompa-
nham o trabalho de parto possam des- Cama de parto. A mesa de parto dura
cansar esporadicamente. e plana, em que provavelment~ a sua
mãe lhe deu à luz, vem perdendo te;·re-
Sala de partos. Há algum tempo, a mu- no para a cama mais confortável e que,
lher que ia ter um filho ficava na sala de graças ao acionar de uma alavanca, se
trabalho de pano, tinha o bebê na sala transforma em "cama de parto". Em ge-
de partos e depois se recuperava na sala ral, a cabeceira pode ser elevada dt> tal
de pós-parto. O bebê lhe era tirado ime- forma que a parturiente fique em posi-
diatamente após o parto e levado para ção de cócoras ou de semicócoras, com
o berçário, onde era atendido por trás de rebaixamento dos pés da cama para o
janelas de vidro. Hoje já é possível para trabalho do obstetra ou da parteira. De-
a mulher internada ficar na mesma sala pois do parto é só trocar os lençóis e
ou quarto durante todo o período do acionar uns botões ou alavancas e pron-
parto e mesmo após, onde também fica to - você já está de novo na cama, re-
o bebê. Há salas de parto equipadas pa- pousando.
ra a assistência ao parto normal e ao par-
lo llompllcado (nu mr1lorln dos hospitais, Cadeira de pauto. Os que defeudem o
as cesarianas e outras complicações sao parto de cócOJ'llS prcferemn cadolrul\ cu·
feltns numa sola de parto Isolada ou no ma. A cadeira permite que a mulher fi.
centro cirúrgico). Mesmo ussim, o seu que sentudn durante o purto. Como a
aspecto muitas vezes é o de um quarto posição facili ta o auxílio em casos gra-
de hotel, com iluminação baixa, quudros ves, teoricamente acelerando o trahalho
na parede, cortinas na janela, armários, de parto, é uma modalidade atraeme pa-
VOC~ ESTÁ GRÁVIDA? 43

ra gestantes e muitos obstetras. Por ve- Parto debaixo d'água. Trata-se de um


zes, entretanto, a maior pressão exerci- conceito ainda não muito aceito pela co-
da pela cabeça do bebê contra a pelve, munidade médica. Embora o parto re-
quando a mãe está na posição rle cóco- crie o ambiente intra-uterino, e embora
ras, pode causar excessiva laceração do as mulheres que o vivenciaram o apro-
perlneo. Er.1bora essas lesões possam ser vem como experiência gratificante, o ris-
corrigidas, prolongam a recuperação e o co de afogamento do bebê ainda é
desconforto no pós-parto. seriamente considerado por muitos obs-
tetras e por muitos hospitais. Por mais
Parto de Leboyer. Quando o obstetra remoto que seja esse risco, ainda o jul-
francês Frederick Leboyer propôs a teo-
gam muito grande para aceitar essa mo-
ria do parto sem violência, a comunida-
dalidade como rotina.
de médica o ridicularizou. Hoje muitos
dos procedimentos que propôs, que vi-
sam tornar mais tranqüila a chegada do Parto em casa. Para algumas mulheres
recém-nascido ao mundo, viraram roti- a idéia de internação para ter um filho
na. Muitos são os partos feitos sem a for- quando não estão doentes não parece
te iluminação que antes parecia tão muito atraente. O que as atrai é o parto
necessária, na premissa de que a ilumi- domiciliar. O recém-nascido chega ao
nação suave pode tornar mais gradual e mundo numa atmosfera de amor e de ca-
menos traumática a transição do útero rinho, no seio da família. Há um risco:
escuro para o mundo exterior tão ilu- caso surjam complicações, os recursos
minado. Torna-se desnecessário segu- para o atendimento de emergência não
rar o bebê pelas pernas e dar tapinhas: estarão ao alcance. Para muitas mulhe-
preferem-se maneiras menos violentas res a maternidade ou o hospital permi-
para estimular-lhe a respiração quan- tem que o parto se realize num ambiente
do ela não começa espontaneamente. a um só tempo familiar e "técnico": os
Em alguns hospitais, o cordão umbili- recursos tecnológicos também estarão à
cal é seccionado imediatamente; nou- disposição. Já as gestantes que insistem
tros, que seguem o método de Leboyer, no parto domiciliar precisam se certifi-
o cordão é preservado enquanto a mãe car de que serão atendidas por obstetra
e o bebê entram em contato pela primei- ou por parteira habilitada. E de que o
ra vez, man tendo-se o elo fisico entre transporte para um hospital próximo se-
ambos durante esse primeiro conheci- ja possível em caso de necessidade. Na
mento mútuo. E embora o banho quen- Inglaterra, os partos feitos em casa não
te recomendado por Leboyer para a são incomuns, embora se mantenha de
atenuação da chegada do bebê e para fa- prontidão uma ambulância completa-
cilitar a transição do melo aquoso para mente equipada para um atendimento
o seco não seja procedimento comum em emergencial, pronta para transportar a
hospitais, vem sendo cada vez mais o de mãe e, se o parto já tiver ocorrido, para
colocar o bebê nos braços e no colo da transportar o recém-nascido ao hospital
mãe. em caso de urgência.
A despeito da crescente aceitação das
multas teorias de Lcboyer, o purto den-
tro dessa doutrina ainda não atingiu uma PARA FAZER
larga fulxo du popuhtçllo. A ~:&~stunte que A ESCOLHA
P.Stiver interessada nesse tipo de parto de-
ve conversar com o obstetra ou procu-
rar por um que siga a doutrina. Depois de identificado o possivel pro-
fissional que a atenderá, telefone e
44 NO PRINCfPIC•

marque consulta para emrevista. Não vá Antes de tomar a decisão final, veja
desprevenida: formule antecipadamente se o médico lhe inspira de fato confian-
algumas perguntas que na sua opinião ça. A gravidez é uma das vivências mais
ajudarão a sincronizar o seu relaciona- importantes da vida- você não vai que-
mento com o médico, para que não se rer colocá-la nas mãos de um marinhei-
estimulem atritos de personalidade. Mas ro de primeira viagem em quem você não
não crie a expectativa de concordar em acredite , em quem você não confie.
tudo - isso nilo ucont ccc nos cusamcn-
tos mais felizes. Talvez para você seja
importante que o médico ou o obstetra PAllA TIRAR O MELHOR
saiba ouvir e saiba explicar. Será que ele PROVEITO DA RELAÇÃO
atende a essa exigência? Se você estiver
preocupada com os aspectos emocionais MÉDICO-PACIENTE
da gravidez, será que ele leva suas quei-
xas a sério? Convém também perguntar-
lhe sobre as questões, das arroladas a se-
guir, que você considerar mais importan-
A escolha do profissional ideal para
você é a penas a primeira etapa. Pa-
ra a grande maioria das mulheres, que
tes: parto natural versus parto com nem querem ceder toda a responsabili-
anestesia versus parto com uso de medi- dade pa ra o profissional, e nem assumir
cação (não anestésica) contra a dor; sozinhas inteiramente, a etapa seguinte
amamentação; indução do trabalho de consiste em fome ntar um bom relacio-
parto; uso de monitorização fetal; lava- namento com ele. Eis como:
gem intestina l (uso de clister); uso de fór-
ceps; parto cirúrgico (cesariana); qual- • Quando, no intervalo entre as consul-
quer outrfl assunto que a preocupe. É a tas, surge alguma coisa que você acha
única maneira de garantir que não irão que vale a pena mencionar, anote-a
ocorrer surp resas desagradáveis no últi - para não vir a esquecê-la na próxima
mo minuto. consulta . (Para tal, é de ajuda afixar
Talvez o mais importante na primeira listas em lugares convenientes - na
consulta seja permitir que o médico ve- po rta da geladeira, na sua bolsa, na
nha a conhecer o tipo de pessoa que vo- sua mesa de trabalho, na mesinha-de-
cê é. Pelas reações dele, perceberá se ele cabeceira - para que você não tenha
se sente ou não à vontade com você. trabalho em anotar o que deseja; or- 1
Talvez também queira saber algo a ganize as listas antes de cada visita ao )
respeito do hospital onde ele trabalh a. médico.) Essa é a única maneira devo- ~
Convém verificar se o hospital dispõe de cê ter certeza de que nada foi esqueci-
Instalações necessârlas para um bom do, de que você irá relatar todos os
atendimento -sala de partos, quartos sintomas. B voce ntlo perderá tempo, I
individuais, unidade de tratamento in- e nem fará o médico perder o dele,
1
tensivo neonatal, alojamento conjunto, tentando lembrar-se do que você ia 1
sala para parto de Leboyer etc. Convém mesmo perguntar. f
também ver se há flexibilidade na roti-
na do hospital (vou ser obrigada a fazer • Leve junto com a lista de perguntas j
lavagem intestinal e a raspar os pêlos do uma caneta e um bloco para que você
períneo?), Ver uunbóm se admitem a possa anotar as orientações dadas pe- 1
presença do pai durante o parto, seja na- lo seu médico. Multas pessoas flcnm '
tural ou cesáreo. Em que po~lçao você multo nervosas na presença do médi·
será atendida durante o parto? Ficará dc= co para que depois se lembrem de tu·
costas? Ficará de cócoras? etc. do o que ele falou. Se ele não lhe der
VOC~ ESTÁ GRÁVIDA? 45

Protegendo-se Contra os Erros Médicos


Ao admitirem que a relação médico-paciente • Siga as recomendações médicas: data e ho-
na obstetrfcia moderna requer a parceria, a rário da consulta, ganho de peso, repou-
participação mútua, e que quando o resul- so na cama, exercícios, medicamentes,
tado fica nquém das cxpco.:tntivus nem sclll· vitnminns, c nssi m por dinntc -11 tulo Sl'f'
prc n fulhn ~ dullt~dku, os doutl>l'l'S tulo 111ub que dispouhn de outrn rc..:omcudu <,'ll uut~­
se permitem l'icur senuu.Jos ..:omu pmos en- dica rcspcitadu que lhe oriente em cou-
quanto os pacientes ficam a atirar a esmo em trário.
a1vos irdefesos. Reagem , e inclusive em ra-
ras ocasiões, viram a mesa: imputam o crru • Não permita que ninguém lhe trate sob in-
aos próprios pacientes que os acusam de in- tluência cen a de drogas ou bebidas alcoó-
cúriA ou erro médico (malpract ice)•. Apesar licas. Se assim proceder, estará se cum-
disso, embora estejam em crescimento os ca- pliciando ao crime.
sos desse tipo nos tribunais (nos norte-
!1fllericdnos, por exemplo), você não precisa • Sempre alerte o médico sobre efeitos ad-
se preocupar se terá de pagar ou não seu mé- versos óbvios de algum medicamento ou
dico um milhão de dól:tres por não tomar as tratamento, assim como qualquer sintoma
vitaminas que ele ou ela prt:screveu. Você importante durante a gestação. Também
9recisa se preocupar, entretanto, se a culpa não deixe de lhe dizer quando achar que
do erro médico lhe for atribufda, pois, nes- a conduta por ele adotada estiver incorre-
se caso, o pr~ço a ser pago poderá ser bem ta (ver p. 44).
mais alto: talvez esteja em jogo a sua vida
ou a vida do bebê. • Nunca ameace ou alarme, sob outros a;-
Portanto, para que você nao acabe sendo pectos, um médico de modo a interferir no
acusada, recebendo uma pena de talião, to- tratamento que esteja recebendo.
me as seguintes precauções:
• Cuide-se bem. Siga a Dieta Ideal (ver p.
• Diga toda a verdade e nada mais que a v.:r- 109), faça repouso e exercícios, e evite so-
dade. Não forneça ao médico ou à médi- bretudo as bebidas alcoólicas, o cigarro,
ca uma história médica incompleta. Faça-o e outras drogas ou medicamentos não pres-
saber dos medicamentos ou urogas de que critos , depois de saber que está grávida,
você faz uso- !feitos ou ilícitos, fanna- ou, melhor ainda, ao começar a tentar
cológicos ou não (inclusive fumo e álcool) . conceber.
Informe-o também das enfermidades ou
cirurgias passadas ou recentes. Se achar que não pode seguir as instruções
médicas ou prosseguir com a conduta tera-
• Não recuse exames necessários: raio X, pêutica recomendada, certa ou errada, sem
oxam~s de sangue çtc. B tampouco o~ me- dt1vhla nllo acredita ou eonf!a na pauoa ce.
dicamentos, a menos que você tenha uma colhida para acompanhá-la e ao seu bebê du-
segunda opinião autorizada que a façH mu- rante a gravidez, o trabalho de parto e o
dar de Idéia. parto. Nesse caso, o melhor a fazer~ mudar
de médico.
• Siga as instruções com atenção ao
submeter-se a um procedimento médico. •o termo malpractlce da Unsua lnsteaa, aqultra.
Você não pode culpar o radiologista por duzido por lncllria ou erro m~ico, refere-se a urna
conduta m~ica (diasnóstica ou terapêutica, por
uma radioarafia borrada, fora de foco, ca· exemplo) que romPt oom oa prlnclptoa ICIRis ou
10 tenha se mexido quiUldo lhe pediram pu· as regras da pronsslo a nm de que o m~dlqo obte·
ra ficar parada. nha alguma vantagem pessoal; é um termo legal ou
jurldlco. (N. do T.)
46 NO PRINCiPIO

as in formações adequadas voluntaria- mente, antes de terem sua eficácia e


mente, faça as perguntas antes de ir segurança comprovadas através de
embora, evitando assim confusão ao pesquisas controladas. Se for je fato
chegar em casa. Indague sobre coisas uma conquista legítima, é bem possí-
como os efei tos colaterais deste ou da- vel que o médico já tenha ouvido fa-
quele tratamento , por quanto tempo lar dela ou talvez queira saber mais a
tomar determinada medicação se al- respeito. Seja legítima ou não, você e
guma for prescrita, quando se comu- ele só terão a lucrar mediante essn tro-
nicar com ele sobre qualquer pro- ca de informações.
blema.
• Ao ouvir alguma coisa que não cor-
• Embora você não vá chamar o médi-
responde ao que o médico lhe disse,
co por qualquer incômodo pélvico me-
peça -lhe a opinião sobre o assunto.
nor , não deve hesitar em consultá-lo
Mas sem desafiá-lo: apenas para ter
se não conseguir resolver o problema
melhores informações.
lendo um livro como este, ou se achar
que não dá para esperar até a próxi-
• Se você suspeitar de que o seu médico
ma consulta. Mesmo que suas preocu-
está errado a respeito de alguma coi-
pações lhe pareçam tolas, não receie
sa (por exemplo, aprovando as rela-
por isso. A menos que o médico seja
ções sexuais quando você já tem uma
recém-formado, já terá ouvido todas
história de aborto), diga a ele. Não vá
essas queixas antes. Prepare-se para
supor que o médico, mesmo com o
ser clara, específica, ao relatar os sin-
prontuário ou sua ficha na mão, sem-
tomas. Em caso de dor, é preciso
pre lembrará de todos os aspectos de
aponlar a exata localização, a dura-
sua história clínica e pessoal - tam-
ção, o tipo (aguda, surda ou em cóli-
bém é da sua responsabilidz,de ajudá·
ca) e a intensidade. Se possível, ex-
lo a evitar possíveis erros. O melhor
plique-lhe o que a agrava e a alivia-
a fazer nessa situação é expor-lhe co-
a mudança de posição, por exemplo.
mo você percebe o caso e falar de to·
Em caso de cor rimento vaginal, des-
das as suas pn ocupações sem desa-
creva a cor (vermelho vivo, vermelho
fiá-lo. Quase sempre a gesta.nte desco-
escuro, acastanhado, rosa ou amare-
bre que o profissional realmente se im-
lado), indique quando começou e re-
porta com o problema e recebe a
vele a intensidade. Também é preciso
crítica de bom grado.
descrever os sintomas que o acompa-
nham (febre, n áusea, vômito, cala- Se tiver algum desentendimento a
frios, diarréia). (Ver Quando Chamar respeito de qualquer assunto- por ter
o Médico, p. 1S1.) ficado esperando, por não conseguir
a resposta a uma pergunta formulada
• Ao ficar sabendo de alguma novida- etc. - não deixe de comunicá-lo. Os
de em obstetrícia, não vá para a pró- desentendimentos não discutidos, não ·
xima consulta já dizendo ao médico comunicados, prejudicam a relação
que "precisa daquilo". Em vez disso, médico-paciente.
proQllro 1aber a oplnlllo do proflaNio·
na! a respeito: se ele vê nesse novo pro- • Se o seu relacionamento com o tn~CII•
cedimento algo de valor. Muitas vezes, co se deteriorar irreparavelmente, pen-
os jornais, as revistas e a televisão no- se no que significa a mudança de
ticiam progressos médicos prematura- médico. Ele provavelmente não deve
VOC~ ESTÁ GRÁVIDA? 47

gostar de atritos e confusão mais do Considere, em vez disso, que o pro-


que você. Não espere, contudo, um blema no atendimento que vem rece-
bom atendiml!nto obstétrico se você fi- bendo talvez tenha origem em você
car trocando regularmente de médico, mesma.
atrás de um que acate as suas ordens.
- - 2- -
Agora Que
Você Está
Grávida
As PREOCUPAÇÕES COMUNS
---------------------------------------------------~~
gora que você deixou de se preo- te a gravidez atual. Tudo o que já lhe

A cupàr com o resultado do teste de


gravidez, por certo já começará a
ter muitas outras dúvidas: A minha ida-
ocorreu nessa esfera- gestações, abor-
tos espontâneos ou provocados, cirurgias
ou infecções - pode ou não ter conse-
de ou a de meu marido terá algum efei- qüências sobre a sua gestação atual. Tu-
to sobre a gravidez ou sobre o noss,o do deve ser contado ao médico. São
bebê? De que modo o feto pode ser af\: .. informações que permanecerão em se-
tado por afecções crônicas ou por pro- gredo graças ao sigilo profissional. Não
blemas genéticos? Nosso estilo de vida se preocupe com o que o médico acha ou
anterior faz alguma di fere nça? Será que deixa de achar. A função dele é cuidar
minha história obstétrica vai se repetir? da gestante e do bebê. Não compete a ele
O que fazer para reduzi r possíveis riscos
que eu possa apresentar·?
julgar você. 1
A HISTÓRIA
GINECOLÓGICA ~~~=:~::,:,~e
atual?" ~~~:~~:~~tinlra
gravidez J
"NDo mencionei umu gravidez pr~viu u me11
ob~tetru porque ocorreu quu11do u/111Ju 1100 1!.1'· rovttvclmcnte
1111111 caslldll. Dl!verlu ter 1111!/lcltmlulo?" P ram recentes e
não . Sobretudo ~e f~- ,
se ocorreram
meiro trimestre. técnica do aborto,
A
prt- ,
no
nos '
hlstórlu ginecológica pr·cgr·essa tl!m,
A para o obstetra, tanta importância
quanto as informações colhidas duran-
EUA, u:m evohrldo. O~ que foram t't.:l·
tos antes de 1973 criavam maior risco de
aborto espontâneo no segundo trimestre
AGORA QUE V OC~ ESTÁ ORÁ VIDA 49

- a técnica enfraquecia o colo uterino, cutir o problema ctos fibromas com o


tornando-o insuficiente. Desde aquela médico para que fique melhor informa-
época, naquele país, as técnicas de abor- da da sua condição geral e dos possíveis
to no primeiro trimestre evoluíram e riscos no seu caso em particular; para
não acarretam mais esse tipo de lesão que reduza os riscos em gestações futu-
cervical. ras (ver p. 81); e prestar particular aten-
Os abortos múltiplos no segundo tri- ção aos sintomas que indicam problema
mestre (entre 14 e 26 semanas), contu- iminente (p . 151).
do, parecem aumentar o risco de aborto Às vezes a mulher com fibroma per-
futuro no terceiro trimestre ou, seja, de cebe uma pressão ou dor no abdome.
parto prematuro. Caso você tenha sofri- Embora deva informar ao médico, não
do aborto depois do terceiro mês, veja costuma significar nada de mais impor-
p. 256 para saber como reduzir os riscos tante. O repouso e os analgésicos segu-
de parto prematuro. ros (ver p. 366) durant~ quatro ou cinco
Em qualquer caso, deixe o médico dias costumam trazer-lhe alívio. Às ve-
ciente dos abortos. Quanto mais ele sou- zes os fibromas degeneram ou se torcem,
ber a respeito de sua prévia história gi- causando dor abdominal não raro a com-
necológica, melhor será o atendimento. panhada de febre. Em ocasiões esporá-
dicas (raras) requerem intervenção cirúr-
gica. Se o médico achar que o fibroma
FIDROMAS vai interferir no parto vaginal, p oderá
optar pela cesariana.
"Tivejibromas durante vários ano$ e nunca me
causaram problema. Mas agora que estou grá· "Removi dois jibromas alguns anos atrás. Se-
vida fiquei preocupada. " rá que tem problema por agora estar grd~ida?"

a maioria dos casos a remoção de


O s fibromas ocorrem mais habitual-
mente em mulheres com mais de 35
anos. Nos EUA, o número de mulheres
N fibromas não interfere em gravidez
subseqüente. A cirurgia extensa para a
grávidas nessa faixa etária tem crescido . remoção de fibromas maiores, entretan-
Assim, os fibromas começam a se tor- to, enfraquece o útero, às vezes de tal
nar relativamente comuns durante a gra- forma que este não resiste. ao trabalho
' videz (ocorrem em 1 a 2 mulheres em de parto. Se for esse o caso- segundo
t 100). A grande maioria das gestantes a avaliação do médico-, a solução es-
com fibromas chegam ao termo sem tará no parto cesáreQ. Convém à gestan-
complicações vinculadas à condição. Por te se familiarizar com os primeiros sinais
vezes, entretanto, essas pequenas neopla- de trabalho de parto precoce que come-
slas benignas, qut se desenvolvem na pa- ce antes da data prevista para a cirurgia
redeintema do útero, causam problema: (ver p. 258). Nesse caso, convém ir ime-
aumentam um pouco o risco de gravlde:t diatamente ao hospital: trata-sede emer-
ectópica, de aborto espontâneo, de pla- gência obstétrica.
centa prévia (placenta com implante bai-
;:o), de descolamento prematuro da
; Placenta (da parco~ uterina) , d ~ tra ba- INSUFICIÊNCIA CERVICAL
}ho de parto pn:maturo. de ruptura pre-
coce da bolstt d'úguu, dé nao progrcssllo "11••e um aborto nrJ qulntu me~· tio nr/111111 pri·
dó. parto, de mulformaçuo l't:tal. c de muiru Brtl vhlet.. O m4tlicrJ me tllsse f/111! foi cuu-
apresentaçllo cefálica anômulu. Para ml· .l'ado por illl'uflc/Oncla da cdn•lt:l!. Acubo de
nlmlzar esses riscos, a gestante deve: dis- .\'uber que estou grávida de nm-o e ,ç6 em pen-
50 NO PRINCÍPIO

Sllr que possa ter o mesmo problema fico apa- no início do segundo trimestre (12 a
vorada. " 16 semanas) para evitar a repetição da
tragédia. O procedimento, bastante sim-
gora que a sua insuficiência cervical ples, é feito no hospital depois de con-
A foi diagnosticada, o médico deverá
ser capaz de prevenir novo aborto. A in-
firmada uma gravidez normal pelo ultra-
som. Depois da cirurgia e de 12 horas
suficiência cervical, em que o colo ute- de repouso no leito, permite-se que a
rino se abre prematuramente ao ser paciente já vá ao banheiro sozinha, e
submetido à pressão do útero e do feto 12 horas depois já pode voltar às ati·
vidades normais. Talvez se proíba a re-
em crescimento, ocorre mais ou menos
lação sexual por toda a gestação. Pode
em uma ou duas de cada cem gestações.
também haver necessidade de exames
Acredita-se que seja responsável por
médicos freqüentes. Em certos casos
200Jo a 250Jo d e todos os abortos espon- raros, em lugar da cerclagem se lança
tâneos no segundo trimestre. O proble- mão do repouso absoluto e de um d1s·
ma pode decorrer de enfraquecimento positivo chamado pessário para sus-
hereditário da cérvice (o colo do útero); tentar o útero. O tratamento pode tam-
de exposição da mãe ao dietilestilbestrol bém ser iniciado quando o ultra-som
(DES; ver p. 70) quando ainda se acha- ou o exame vaginal mostram que a cér-
va no útero da própria mãe; de extremo vice está se abrindo, mesmo que não
e.;tiramento ou de pronunciadas feridas tenha ocorrido aborto espontâneo pré-
laceradas da cérvicedurante um ou mais vio.
partos; de cirurgia ou de tratamento a la- A época de remoção dos pontos de-
ser de lesão do colo uterino; de D&E ou penderá em parte da preferência do mé-
de abor.to traumático (sobretudo, nos dico e em parte do tipo de sutura. Em
EUA, quando feit<>s antes de 1973). A geral são removidos algumas semanas
gravidez múltipla (gêMeos) pode também antes da data provável do parto; em al-
levar à insuficiência cervical. Nesse últi- guns casos só são removidos depois de
mo caso, porém, o problema não se re- iniciado o trabalho de parto, a menos
petirá em gestações subseqüentes com que ocorra infecção, hemorragia ou
um só feto. rompimento prematuro das membranas.
Costuma ser diagnosticada quando Independentemente da conduta tera·
a mulher aborta no segundo trimestre pêutica adotada, são boas as chances da
depois de experimentar o apagamento gravidez chegar a termo. MeJmO assim,
(adelgaçamento) indolor progressivo e a gestante deverá estar alerta para os si-
dilatação da cérvic:e sem contrações ute- nais de problema iminente no segundo
rinas aparentes e sem sangramento va· e no inicio do terceiro trimestres: pres·
ginal. O ideal seria o médico conseguir são no baixo-ventre, srcreção vaginal
fazer o diagnóstico antes de ocorrer o com ou sem presença de sangue, micção
aborto, para que a gravidez prosseguis- excessivamente freqüente, sensação de
se de modo normal. Ultimamente a so- corpo estranho na vagina. Em vigência
nografia vem se mostrando promissora de qualquer um desses sint01nas, vá ime-
para esse fim. diatamente para o consultório do médl·.
Em caso de aborto em gestação pré- co ou para o pronto-socorro mais
via por lnsuflolênçla cervical 6 preciso In· próximo. (Para outras informações so-
formar Imediatamente o obstetra do bro o aborto csponUlneo no seaundo trl•
problema na gravidez atual. A cerclagem mestre, ver p. 212.)
(sutura do orifíci<> cervical) pode ser feita
AGORA QUE VOC~ ESTÁ ORÁ VIDA Sl

A HISTÓRIA OBSTÉTRICA a anemia ferropriva e ajuda também a


QUE SE REPETE evitar as cãibras nas pernas. (Mesmo po-
rém que o curso gestacional não trans-
"Minha primeira gravidez foi um transtorno corra com muita tranqüilidade, a dieta
- devo ter sentido todos os sintomas mostra- bem-feita favorece o desenvolvimento e
dos no livro. Será 4ue vai ~·er de novo assim?" a saúde do feto.)

Ganho de peso. O ganho constante de


E rn geral, a primeira gravidez antec~pa
muito bem como serão as gestaçoes
seguintes, sendo tudo a mesma coisa.
peso e a sua manutenção dentro dos li-
mites recomendados (entre 10 e 15 qui-
los) ajudam a melhorar o bem-estar:·os
Portanto, no seu caso, os inrômodos se-
exercícios são particularmente importan-
rão mais prováveis do que no caso de al-
tes na segunda gestação e nas subseqüen-
guém que não os tenha tido. Mesmo
tes, porque os músculos abdominais vão
assim, há esperança de que a sua sorte
se mostrando mais flácidos, deixando-a
mude dessa vez. Todas as gestações, co-
mais suscetível a uma ampla variedade
mo todos os bebês, são diferentes. Se,
de dores, sobretudo nas costas.
por exemplo, o enjôo matinal ou o de-
sejo alimentar a atormentaram durante
Aptidão ffsica. A prática de exercidos
a primeira gravidez, pode ser que nem
corretos e por tempo suficiente (ver
sejam perceptíveis na segunda (ou vice-
orientação à p. 225) ajuda a melhorar o
versa, naturalmente). Não obstante a
bem-estar geral. Os exercícios são espe-
sorte, a predisposição genética e a exis-
cialmente importantes na segunda gesta-
tência prévia de vários sintomas em ges-
ção e nas subseqüentes, porque os
tação anterior sejam determinantes de
como será a gravidez atual, outros fato- músculos abdominais costumam ficar
mais flácidos, deixando-a mais suscetí-
res- inclusive alguns que estão sob nos-
vel a uma ampla variedade de dores e
so controle - podem modificar o
desconfortos, sobretudo a dor lombar.
prognóstico em certa medida. Entre es-
ses fatores estão:
Ritmo de vida. A vida apressada, frené-
tica, comum a tantas mulheres hoje em
Estado geral de saúde. A boa condição dia, pode agravar ou mesmo desencadear
, física favorece o transcurso mais cômo- um dos sintomas mais incômodos da
do da gestação. Em termos ideais, con- gravidez -o enjôo matinal -e também
~ vém dar a devida atenção a afecções exacerbar outros como a fadiga, a dor
crônicas (alergias, asma, problemas nas nas costas e a má digestão. A ajuda bem-
costas) e tratar infecções persistentes (in- vinda nos afazeres domésticos, o descan-
fecção urinária, vaginite) antes de engra- so do que a deixa nervosa (inclusive a
vidar (ver Capítulo 15). Depois de presença dos outros filhos), a redução
grávida, continue a cuidar de si mesma das responsabilidades no trabalho e a
e da gravidez. eliminação das tarefas que não têm prio-
ridade durante algum tempo são elemen-
A dieta. Embora não ofereça qualquer tos que ajudam bastante (ver p. 207 para
prantia, a Dieta Ideal oferece à gestan- outras dicas).
te a melhor probabilidade de uma ges-
\1010 trallqUilo. AJuda a mlnlrnlzar o 011 ou&roA filhos. AI aestantes que já têm
enj&o matinal e a lndlgestllo: ajuda u outros fllhos para cuidar às vezes nem
combater a fadiga, a constipação e as he- têm tempo para perceber os Incômodos
morróidas: evita as infecções urinárias e da no' a gestação. Outras, que têm filhos
52 NO PRINCÍPIO

mais velhos, acabam por agravar os sin- e mais segura para você e para o seu
tomas da gravidez. O enjôo matinal, bebê.
por exemplo, pode ser agravado nos
momentos de estresse (mandá-los para a "Tive ~ma gravidez muito tranq/Jila, no meu
escola, pôr a mesa para o jantar, estão primeiro filho. Por isso mesmo me foi um cho-
entre essas situações); a fadiga pode au- que o trabalho de parto de 42 horas com 5 ho-
mentar quando não se tem tempo para ras de esforços expulsivos para fazer nascer o
repousar; mesmo a constipação pode se beb§. Estou feliz por ter engravidado de novo,
acentuar quando a gestante não conse- mas morta de medo de que o trabalho de par·
gue ir ao banheiro quando sente vonta- to seja como o primeiro. "
de. Atenuar isso tudo pode não ser fácil,
mas vale a pena tentar: dedique mais elaxe. Desfrute a gravidez. Tire a
tempo a si mesma. A empregada nessa
hora pode ajudar muito (ou uma amiga),
R idéia da cabeça. segundo parto e
O
os subseqüentes, a não ser por posi-má
única solução em muitos casos. ção da cabeça do bebê ou por alguma
complicação imprevista, costumam ser
"Minha primeira gra~idez foi dijlcil. Tive vá· mais fáceis que o primeiro. Graças à ex-
rias complicações sérias. Agora que engravi· periência do útero e eo maior relaxamen-
dei de novo estou muito nervosa. " to do canal do parto. Todas as fases do
trabalho de parto são mab breves . O es·
gravidez cheia de complicações não forço expulsivo em geral diminui dras-
A antecipa novas complicações em ges-
tações futuras. Muitas vezes a tempes-
ticamente.

tade na primeira pode significar calmaria


na segunda. Se a causa das complicações A CESARIANA
tiver sido lima infecção ou um acidente, QUE SE REPETE
é difícil que essas tornem a ocorrer. Nem
ocorrerão também se foram determina- •'11\•e meu primeiro filho por cesariana. Me dis·
das pelo estilo de viver que agora foi mo- serum que nunca poderia ter parto ••aginal por
dificado (fumar, beber, usar drogas), causa de uma unormalidade pélvica. Quero ter
pela exposição a riscos do meio ambien- seis filhos, como minha mãe. Mas sei que trls
te (ao chumbo, por exemplo) a que não cesariaflus é o limite."
mais se está exposta, ou pela falta de
atendimento médico no início da gesta-
ção (desde que você já esteja sendo aten-
dida na gravidez atual) .
D iga isso a Ethel Kennedy, a indômita
esposa de Robert F. Kennedy, que
foi submetida a 11 cesariauas numa épo-
Se a causa tiver sido algum problema ca em que o procedimento não tinha
crônico de saúde -diabetes, hiperten- a simplicidade e nem a segurança qut
são-, o controle do problema ant~s de tem hoje. É claro, às vezes nâo são pos-
engravidar ou no inicio da gestação fre- síveis tantos partos cesáreos. Muito há
qUentemente evita as compllcnçOes. tle depender do tipo de inçisílo feita e
Se você teve uma complicação especí- do tipo de cicatriz que se formou. Fa-
fica na primeira gestação que agora gos- le com o obstetra a respeito: só ele, fa-
taria de evitar, é boa idéia discuti-la com miliarizado com o seu histórico, po-
o obstetra pura vc:r o que pode ser feito. derá lhe dizer se isso é posslvel ou não.
Nilo lmportu o probh.:mu ou u cuusu Tulvcz você tenhu urnu surpresa ugra·
(mesmo quando "desconhecida"}, as di- dável.
cas na resposta à pergunta anterior aju- Quem se submeteu a múltiplas cesaria-
dam a tornar a gravidez mais tranqtiila nas, contudo, pode apresentar maior ris·
AGORA QUE VOC~ ESTÁ GRÁVIDA 53

co de rompimento uterino causado pe- mo era comum no passado, não poderá


las contrações do trabalho de parto (em ser tentado o parto vaginal em virtude
virtude das numerosas cicatrizes lá exis- do risco de rompimento uterino. Se o
tentes) . Por esse motivo, é preciso ficar motivo da cesariana tiver sido um que
alerta para os sinais do trabalho de par- não se repita (sofrimento fetal, infecção,
to (eliminação de pequena quantidade de apresentação de nádegas, toxemia) é
sangue, ruptura da bolsa, contrações; ver muito possível que agora o parto seja va-
p. 308), nos meses finais da gravidez. Ao ginal. Se o motivo estava numa doença
despontarem, cumpre notificar o médi- crônica (diabetes, hipertensão, cardiopa-
co e ir para o hospital imediatamente. tia) ou um problema de correção impos-
Deve-se notificá-lo também se em qual- sível (anormalidades da bacia, por
quer momento da gravidez aparecer, sem exemplo) provavelment ~o parto terá de
-.:xplicação evidente, dor abdominal per- ser mais uma vez por cesariana. Não
sistente ou hemorragia. confie apenas na memória: é preciso che-
car no antigo prontuário o tipo de inci-
"Tive meu úftimo filho por cesariana. Estou são feita anteriormente.
grflvicfa novamente e me pergunto qual a chan· Se você realmente quer agora o parto
cr. que tenho de ter um parto vaginaL" vaginal, discuta logo essa possibilidade
com o médico. Alguns médicos ainda se
"lJ maumavezcesariana" .
uma cesanana, sempre
era, até pouco
atêm ao velho adágio e não permitem à
mulher que já fez cesárea entrar em tra-
templ.l, uma lei obstétrica, se não gra- balho de parto. Se você quer de fato o
vada em pedra, pelo menos gravada no parto vaginal, terá de encontrar um mé-
útero das mulheres que tivesssem se sub- dico disposto a acompanhá-la desde o
metido a um ou mais partos cirúrgicos. irúcio do trabalho de parto ao parto. Por
Hoje o American College o f Obstetrics questão de segurança, o hospital deverá
and Gynecology preconiza conduta bem estar preparado para uma cesárea de
diversa. Eis aqui a nova diretriz ofi- emergência, caso se faça necessária.
cial daquela entidade norte-americana: É importante que você e o médico ga-
as cesarianas sucessivas não devem ser rantam a segurança do parto vaginal:
consideradas uma rotina; a norma deve
ser o Parto Vaginal Após Cesariana. A • Siga à risca as instruções no curso pre-
experiêr,c'a mostra que entre 5007o a 8007o paratório ao parto, para que consiga
das mulheres submetidas a cesárea são um bom trabalho de parto e que mi-
capazes de ter um trabalho de parto e um nimize o estresse ao organismo.
parto normais em gestações subseqüen-
tes. Mesmo as que se submeteram a vá- • Avise o médico quando surgirem os
rias cesarianas ou as que têm gravidez primeiros sinais de trabalho de parto
gemelar. (p. 308).
A possibilidade do parto vaginal vai
depender do tipo de Incisão uterina (a in- • Concorde em usar pouca medicação
cisão abdominal pode ser diversa) e do (ou nenhuma) durante o trabalho de
motivo que a levou ao primeiro r arto ci- parto e o parto. A medicação pode en-
rúrgico. Se a incisão tiver sido a trans- cobrir sinais de rutura iminente.
versa baixe. (pela região Inferior do
lltero), que é o que ocorre em 951r/o das • Diga ao médico imediatamente se sur-
mulheres atualmente, são boas as chan- gir alguma dor espontânea ou à pal-
ces de parto vaginal; no caso da incisão pação entre as contrações.
Vertical clássica (pelo melo do útero), co-
54 NO PRINCÍPIO

Não obstante boas as chances de par- o parto vaginal for bem-sucedido, você
to normal, mesmo a gestante que nunca estará evitando os dois ou três dias de
fez cesariana exibe 200Jo ou mais de pro- dor abdominal que se seguem à cesaria-
babilidade de vir a necessitar de uma. na. Vale a pena tentar.
Não se desaponte; por tanto, se acabar
tendo de repeti-la. O que importa, enfi m,
é que o seu filhi nho maravilhoso nasça A HISTÓRIA FAMILIAR
dentro de toda a segura nça possível.
"Recentemente descobri que minlul mile e duas
"Fiz a primeira cesárea depois de um longo e de suas irmlls perderam os filhos logo depois
agonizante trabalho de parto. O médico me dis· do nascimento. Ninguém sabe por quD. Isso JJ().
se para tentar dessa vez o parto vaginal, mas de acontecer comigo?"
prefiro a cesárea para evitar aquela provação."

A o lermos o que os fi rmes oponentes


da cesárea têm a dizer, concluímos
A história familiar de enfermida de ou
de morte do feto era quase sempre
mantida em sigilo, como se perder um
rapidamente que o meio médico é o ex- filho fosse algo de pecaminoso ou de que
clusivo responsável pelo grande número se devesse ter vergonha. Hoje sabemos
de cesáreas realizadas hoje em dia. Mas que o conhecimento da história das ge-
muitas vezes não se fala do o utro lado rações pregressas ajuda a melhorar a
da história: as cesáreas sucessivas (que saúde da geraçao atual. Embora a rr.or-
compõem pelo menos um terço do total te de dois bebês em circunstâncias seme-
de cesáreas realizadas ao ano) são mui- lhantes possa não passar de coincidência,
tas vezes feitas a pedido da gestante. E conviria procurar Hm geneticista parare-
o motivo é muito simples: desejam evi- ceber aconselhamento. O médico pode
tar outro kabalho de pa rto prolongado recomendar um.
e do loroso. Todo casal que não ~abe a respl!ito de
É normal que o ser humano não quei- possíveis anomalias hereditárias na famí-
ra sofrer - trata-se de um reflexo auto- lia de cada um d eve procurar descobrir,
mático que visa protegê-lo das agressões. perguntando às pessoas mais velhas. Co-
Os olhos piscam quando deles se apro- mo o d iagnóstico pré-natal é possível pa-
xima um objeto pontudo; recuamos ra - ra m uitas doenças hereditárias, esse tipo
pidamente a mão da chama do fogo. São de informação torna possível prevenir
atos que faze m sentido. Mas embora pa- problemas antes que ocorram ou tratá-
reça lógico fazer a cesárea sj paru ~vi ­ los ao ocor rerem.
tar as dores d o trabalho de parto, não
é. É verdade que o trabalho de parto po- ''H6 v6rlas hi.st(Jrlos em nossa famllia sobre be·
de ser mais doloroso que a cesárea, mas bes que pareciam bem ao nascer mas que de·
as suas conseqüências não são maiores pois foram ficando cada vez mais do11ntes.
do que as desta. O risco cresce com o Acabaram mo"endo ainda pequenos. De110 me
parto cirúrgico e não o bstante seja mui- preocupar?"
to pequeno (a chance de morrer durante
o parto vaginal é de uma em 10.000 e a
de morrer durante o parto clrúraico é de
4 em 10.000), aumentá-lo sem razao nllo
E ntre as principais causas de doença e
morte nos primeiros dias e nas pri-
meiras semrtnas de vida estio o que ho·
tem lógica alguma. je conhecemos como erros inatos do
Lembre-se também de que dessa vez m'!tabolismo. Os bebês que nas•:em com
o ttabulho de: parto provavelmonte será esse tipo de anomalia aenétlca não pos·
multo mais fácil e multo mais breve. Se s uem uma e112lma ou outra substAncla
AGORA QUE VOCí3 ESTÁ GRÁVIDA 55

qufmica, o que impossibilita o metabo- dimento e as devidas precauções, entre


lismo de algum elemento particular da as quais:
dieta; qual o elemento vai depender da
enzima em falta. O irônico é que a vida • O melhor atendimento pré-natal, co-
do bebê está em risco tão logo inicie a meçando logo que for descoberta a
alimentação. gravidez. Como em qualquer gestação
Felizmente esses distúrbios, na gran- de alto risco, provavelmente é melhor
de maioria, podem ser diagnosticados começar com um obstetra, ou com
durante a gestação. Muitos podem ser uma enfermeira obstétrica, em aten-
tratados. Portanto, considere-se uma dimento individualizado. Convém
mulher de sorte se ficar sabendo desse seguir escrupulosamente as determina-
diagnóstico ainda antes do parto. Cer- ções do médico e não faltar às colt-
tifique-se de agir e tomar as providências sultas.
de acordo com o diagnóstico. Discu·
ta a informação com o médico e tam- • A de aderir à Dieta Ideal (ver p. 109),
bém, se for necessário, com um gene- que deve ser seguida senão religiosa-
ticista. mente, pelo menos fielmente. É pos-
sfvel que o seu organismo ainda não
tenha tido oportunidade de repor as
GESTAÇÕES MUITO reservas utilizadas no processo gesta-
PRÓXIMAS tório anterior. Depois do parto, sobre-
tudo se você estiver amamentando,
"Voltei ajicor grá~ida dois meses e meio após poderá estar em desvantagem nutricio-
nascer meu primeiro filho. Fico cismando com nal. Isso significa que precisa compen-
o efeito que isso possa ter sobre a minha saú- sar essa desvantagem para que nem
de e a de meu no~o .filho." você e nem o feto se vejam em priva-
ção nutricional. Dê particular atenção
concepção antes da plena recupera- às proteínas (pelo menos 100 g ao dia)
A ção de gestação e parto recentes vai
sobrecarregar-lhe o organismo, mas não
e ao ferro (fazer uso de terapêutica
complementar).
de preocupações debilitantes. Portanto,
er.n primeiro lugar, relaxe. Embora se- • Ganho de peso suficiente. O seu novo
ja rara a concepção nos primeiros três bebê não se importa se você teve tem-
rneses dé puerpério (qu~se um milagre po ou não de eliminar os quilos a mais
quando o recém-nascido vem sendo ama- que o seu irmâozinho ou irmãzinha
mentado ao seio), é situação que pe- veio a colocar em você. Vocês dois
ga outras mães de surpresa também. necessitarão do aumento de 10 a 15 kg
E na grande maioria tiveram patto nor- também nesta gestação. Portanto,
mal, filho normal, e foi pequeno o seu 11em pense em emagrecer, mesmo nes-
desgaste. sa fase incipiente. O ganho de peso
No entanto, é essencial ter ciência do gradual, devidamente supervisionado,
tributo que pode ser pago por duas ges- será mais fácil de perder depois - es-
taçOes consecutivas: tudo se há de fazer pecialmente se adquirido através de
para compensá-lo. A concepção nos pri- uma dieta de alta qualidade e porque
meiros tres meses de puerp~rlo faz a no- voce vai estar ocupada com duas
va gestante Ingressar em grupo de alto crianças pequenas. Certifique-se de
risco, que, contudo, nesse caso, não que a falta de tempo ou de energia não
auarda um prognóstico sombrio como a impeçam de comer bem. Alimentar
parece, mormente.oom o próprio aten· e ouldar dos fllhoa que já tem ni\u de·
NO PR!NC{P!O

ve prejudicar a alimentação e o cuida- colher um) ou nade no clube etc. Mas


do do filho que está para vir. Acom- evite correr e outros exercícios desgas-
panhe com atenção o seu ganho de tantes.
peso e, se não evoluir como o espera.
do (ver p. 182), controle a ingestão de • Elimine ou minimize todos os outros
calorias com mais cuidado e siga as su- fatores de risco da gravidez, como o
gestões à página 110 para aumentar o cigarro e o álcool (ver p. 81). O corpo
ganho de peso. e o bebê não devem ser submetidos a
outros estresses.
• Desmame o seu filhinho mais velho
imediatamente, se você estiver ama- TENTANDO ASORTE PELA
mentando. Ele já colheu muitos dos
benefícios do aleitamento ao seio, e o SEGUNDA VEZ
desmame nesse estágio não deve ser di- "Meu primeiro filho foi perfeito. Agora que es·
fícil nem traumático para o bebê, em- tou grá vidu de novo, fico com medo de não ter
bora possa não ser confortável para tanta sone dessa vez."
você. Algumas mulheres continuam a
amamentar, mas tentar reunir as for-
,
pouco provável que um ganhador
ças para a gestação e a amamentação
pode ser uma batalha perdida para
E da loteria esportiva venha a ganhá-
la de novo, não obstante as suas chan-
qualquer uma. ces sejam iguais às de qualquer outro
apostador. A mãe que teve um bebê
• Repouse - repouse mais do que for "perfeito", contudo, não apenas tem
humanamente possível. Para isso é grande chance de ganhá-lo novamente
mister sua própria determinação e o como também essa chance é maior do
auxílio de seu marido e de outras pes- que antes de uma gestação bem-suce-
soas também. Estabeleça prioridades: dida. Além disso, a cada gestação a
deixe tarefas doméstiws menos impor- mãe tem a chance de melhorar um pou-
tantes por fazer e se obrigue a deitar quinho as probabilidades- pela elimi-
nação de quaisquer fatores negativos
quando o seu outro filho estiver dor- existentes (fumo, bebida, uso de drogas)
mindo. Deixe o papai dar-lhe quantas e pela acentuação dos positivos (melhor
mamadeiras puder durante a noite, e alimentação, exercícios e atendimento
deixe-o também cozinhar, limpar a ca- obstétrico).
sa e cuidar do bebê (sobretudo os cui-
dados que requerem suspendê-lo ou
carregá-lo). QUANDO A FAMÍLIA
É GRANDE
• Exercícios - o suficiente para que se
mantenha em forma e relaxe. Mas sem "Estou grdvida pela 6'CXta .,cz. Serd que hd ris·
excessos. Se você nllo consesue encon· co mt~lor J)lll'tl mim ou pllrtl u bobl!"
trar hora para os exercícios regulares,
faça-os em conjunto com as ativida- empre se postulou, segundo o conhe·
des físicas ·do dia-a-dia. Saia com seus
filhos para um rápldo passeio. Entre
S cimento médico tradicional, que as
mulheres com cinco ou muls filhos fazem
para um curso de ginástica para ges· crescer o risco para si mesmas e para os
tantes (ver p. 230 para saber como es- bebês a cada nova gestação. Talvez isso
AGORA QUE VOC~ ESTÁ GRÁVIDA S1

fosse verdadeiro antes do progresso da car o parto cirúrgico e a recuperação.


obr.tetrícia atual - e talvez ainda o seja Por outro lado, não exagere no con-
para as gestantes que não recebem aten- trole da dieta e certifique-se de estar
dimento adequado. De qualquer forma, ganhando peso o suficiente.
o melhor atendimento obstétrico dos dias
de hoje ~ria uma excelente chance da • Minimize todos os riscos da gravidez
grande multípara (mulher com mais de -ver p. 81.
cinco filhos) ter filhos normais e sadios.
Em recente pesquisa viu-se que o maior • Dê particular atenção aos sinais que
risc :• riepois da quinta gestação é o da podem significar algum problema du-
gestação múlt ipla (gêmeos, trigêmeos, rante a gestação, o trabalho de parto
quadrigêmeos etc.) e o da trissomia do ou o puerpério (ver pp. 151 e 429).
21, um distúrbio cromossômico.' Des- Uma pesquisa revelou que, embora
frute portanto de sua graviJez e de sua não haja maior risco da multípara e
grande família. Mas tome algumas pre- de seu novo bebê morrerem durante
cauções: a gravidez e o parto, há maior risco
de complicações como apresentação
• Considere o teste pré-natal se você ti- anômala (nádegas etc.), de descola-
ver mais de 30 anos (não espere até os mento prematuro da placenta, rompi-
35), já que a incidência de filhos com mento uterino e hemorragia puerpe-
problemas cromossômicos parece au- ral, além da necessidade de fórceps ou
mentar mais rapidamente em mulhe- de parto cirúrgico.
res com múltiplas gestações.

• Certifique-se de conseguir toda a aj u- A MÃE SOLTEIRA


da que puder. E deixe de lado as tare-
fas menos essenciais. Ensine os filhos "Sou solteira, estou grdvlda, efeliz por isso-
mais velhos a serem mais auto- mas também um pouco nervosa por entrar nis-
suficientes (mesmo os pequeninos po- so sozinlul. "
dem aprender a se vestir, a guardar os
brinquedos etc.) A exaustão não con- 6 porque você não tem marido não
vém a nenhuma mulher grávida, so-
t•retudo para aquela que já tem muitos
S quer dizer que ficará sozinha duran-
te a gravidez. A espécie de apoio de que
filhos para tomar conta. você precisa poderá vir de outras fontes
que não de um marido. Uma boa amiga
• Controle o peso. As mulheres que têm ou algum parente com quem tenha inti-
várias gestações costumam Ir ganhan- midade e se sinta bem (a mlle, uma tia,
do uns quilinhos a mais a cada uma uma sobrinha, uma prima) podem par-
delas. Se for esse o seu caso dê aten- ticipar e segurar a sua mão, do ponto
ção à dieta e controle o peso (ver p. de vista emocional e físico, por toda a
182). O peso em excesso aumenta al- gravidez. Essa pessoa pode, de várias
guns riscos, sobretudo o do trabalho formas. desempenhar o papel do pai
de parto difícil. Pode tamb6m compU- durante os nove meses e tamb6m depois
- acompanhando-a nas consultas de
pré-natal e nas aulas sobre o parto,
'Embora, segundo essa pesquisa, ter uma fami- ouvindo-a quando precisar desabafar
Ua arande niio pareça criar maiores riscos para
os bebês, outra pesquisa demonstrou que a ca- suas preocupações e temores e também
da bebe cresce o risco da mAe desenvolver, mais a sua alegre expectativa, ajudando-a a
tarde, diabetes lnsulino-independente. arrumar a casa e a vide. pe.-:e. a chegada
58 NO PRINC(PIO

do bebê, atuando como instrutor, como as novas descobertas médicas vêm rapi-
ponto de apoio e como intermt'diário du- damente reduzindo esses riscos.
rante o trabalho de parto e o parto. O principal risco relativo à reprodu-
Talvez você queira ter em mente o ção enfrentado por uma mulher na sua
seguinte ao ler este livro: as muitas refe- faixa etária é não engravidar, devido à
rências ao "marido" e ao "futuro- fertilidade reduzida. Uma vez superado
papai" não foram colocadas para excluir esse obstáculo e a mulher tendo engra-
você. Como a maioria de nossas leitoras vidadc•, o risco mais comum e notório
são de famílias tradicionais, é apenas enfrentado pela mãe de mais idade é o
mais simples usar estes termos consisten- de ter um bebê com a s!ndrome de
temente do que tentar incluir todas as Down. Este risco aumenta com a idade:
1 em 10.000 l)ara as mães com 20 anos,
outras possibilidades que existem. Espe- cerca de 3 em 1.000 para as mã•es com
ramos que você compreenda e que, ao 35 mos, e 1 em 100 para as mães com
ler o livro, perceba que se destina tanto 40 anos. Especula-se que essa e outras
a você quanto às futuras mamães anormalidades cromossômicas, não obs-
casadas. tante ainda relativamente raras,. sejam
mais comuns em mulheres com mais ida-
de por causa dos ovócitos que, presen-
SER MÃE DEPOIS DOS 35 tes na totalic1ade desde o nascimento, são
mais antigos também e, por issl>, mais
"Tenho 38 anos e fiquei gr{lvido pela prlmeirfl expostos a raios X, a medicame-ntos, a
pez - e provavelmente ;ela última. É muito infecções etc. (Sabe-se, contudo, que o
Importante Pflrtl mim que o meu filhinho sejfl ovo nem sempre é responsável por essas
Sllllio, rtUlS fll ü S()bre os riscos do grrzvidez fl/JÓS anormalidades cromossomiais. Pelo me-
()$ 35." nos 250Jo dos casos de Down se vinculam
a uma falha no esperma do pai. Ver p.
60.)
A o engravidar depois dos 35 você es-
tará em boa companhia - e que se
desenvolve a cada dia. Embora o núme-
Embora a s!ndrome de Down (carac-
terizada por retardo mental, rosto acha-
ro de gestações venha declinando ~ntre tado, obliqilidade dos olhos) não seja
as mulheres com 20 anos, tem se eleva- passível de prevenção atualmeme, pode
do rapidamente entre as com mais de 35. ser diagnosticada in utero através do
Existem casos de mulheres que têm seu diagnóstico pré-natal (ver p. 73) como
primeiro filho ou que iniciam uma se- muitas outras afecções genéticas. Esse
,aunda famflia após os 40 ou mesmo 4S exame diagnóstico hoje faz parte da ro-
anos. tina de avaliaç!o das gestantes com mais
Se voce tem mais de 3S anos, porém, de 35 anos e das que se encontram nou-
sabe que nada na vida se faz com com- tras categorias de alto risco, inclusive das
pleta isenção de riscos. A gestação, em que apresentam baixo teor de alfafeto-
qualquer idade, é um exemplo. E, em· protelna- AFP (ver p. 78). Muitas ve-
bora atualmente os riscos sejam bem pe- zes, a sonografia apresenta a mesma
quenos, eles de fato aumentam um utilidade (p. 76). Caso se descubra a exis-
pouco com o progredir da idade. A tência de síndrome de Down ou de ou-
maioria das mães mais velhas, contudo, tra anormalidade, os pais precisarilo
acha que os benefí<:los de dar ln!clo u decidir com o au1dllo do jcmctlclsta, do f
uma família no momento certo suplan- pediatra, do especialista em medicina l
tam sem sombra de dúvida quaisquer ris- materno-fetal e de outros profissionais ~
caa P:"tlverrmnjac!a• pelo. fato de que se devem ou não dar prosseguimento à
AGORA QUE VOCt! ESTÁ GRÁVIDA

gravidez. • Para essa decisão convém que ser feita in ut~ro através da amniocentese,
os pais saibam que a criança com slndro- da amostragem de vilosidades coriônicas,
me de Down tem a possibilidade de uma do ultra-som e de outros procedimentos
vida razoável, embora.abaixo de um ní- mais recentes (ver Diagnóstico Pré-natal,
vel ideal. São excepcionalmente amoro- p. 73). Consegue-se hoje reduzir o risco
sas e a grande maioria aprende, com de anomalia congênita grave a um nJvel
intervenção precoce\ a tomar conta de comparável ao das mulheres mais jovens.
si mesmas, inclusive aprendendo a ler e Certos medicamentos e a supervisão mé-
a escrever. dica diligente podem às vezes interrom-
Além do maior risco de síndrome de per o trabalho de parto precoce. A mo-
Down, as mães com mais de 35 têm nitorização fetal eletrônica durante o
maior risco de apresentar hipertensão ar- trabalho de parto pode revelar a ocorrên-
terial (sobretudo quando ganham mui- cia de sofrimento fetal, permitindo que
to peso), diabetes e doenças uma série de rápidas manobras protejam
cardiovasculares - doenças comuns nos o feto de maior trauma.
gruoos mais velhos de um modo geral e Por mais bem-suc~didos que sejam es-
que costumam ser controladas. São tam- ses progressos técnicos na redução do ris-
bém gestantes mais propensas ao abor- co gestacional em mulheres com mais de
to, sobretudo por problemas 35, eles quase perdem a importância
embrionários que impedem o pleno de- quando a mãe adota certas condutas pa-
senvolvimento do feto. Como as pesqui- ra melhorar as suas chances e as de seu
sas são contraditórias, não se sabe se bebê- através de exercícios, dieta e um
nt:sse grupo etário o trabalho de parto atendimento pré-natal de qualidade. Só
e o parto são mais prolongados, mais di- a idade reprodutora adiantada não bas-
fíceis ou mais complicados. Mesmo que ta para colocar a mãe em grupo de alto
sejrun, a diferença entre as gestantes mais risco: só ingressa nessa categoria por um
novas e mais velhas é pequena. Em al- acúmulo de fatores de risco. Quando a
gumas mulheres mais velhas, a redução gestante forceja por eliminar ou minimi-
do tônus muscular e da flexibilidade ar- zar ao máximo tais fatores, será capaz
ticular pode contribuir para a dificulda- de descontar muitos anos de seu perfil
de no trabalho de parto, mas em muitas gestatório - igualando, praticamente, as
outras, graças a uma excelente condição chances de dar à luz um bebê sadio às
física decorrente de um estilo de viver de qualquer outra mãe mais jovem. (Ver
mais s11dio, isso não é problema. A Redução dos Riscos em Qualquer Ges-
Apesar dos riscos, que, como vere- tação, p. 81.)
moJ, sAo bem menores do 4ue a maio- E ainda há outras vantagens. Em tese,
ria s JJ.!Õe, as gestantes com mais idade as mulheres dessa geração - melhor
dos dias de hoje têm muito a seu favor. nível educacional (mais da metade já
A ciência médica, por exemplo. A iden- freqüentou a faculdade), muitas traba-
tificação de anomalias congênitas pode lham profissionalmente, mais estabili-
zadas - transformam-se em melhores
•A legislação brasileira, completamente anacrô- mães graças a sua maturidade e estabili·
nica na questão do aborto provocudo, proscre- dade. Por serem mais velhas e por jã te-
ve os abortos terap@ut icos, Inclusive nos casos rem conquistado o seu lugar ao sol, têm
de patologia ovular. (N. do T.) menos chance de se ressentirem das exi-
2E11a lntervençllo, que abrRniiO o treinamento
gências criadas pelo bebê. Uma pes-
dos pais e também a exposição dll\rlu do bebe
a um programa especial, pode ter um efeito ex- quisa mostrou que aceitam melhor a
traordinário sobre as crianças com deficiência maternidade e mostram mais paciência e
mental outras características q'.'P. figo favoráveis
'•
60 NO PRINCÍPIO

ao desenvolvimento dos filhos. Embora do, a amniocentese deixa de ser prova


talvez não estejam no melhor de sua con- essencial - desde que não haja outras
dição física, podem estar distanciadas em indicações para ela exceto a idade da ges-
relação à idade dos filhos e sentirem mais tante. Convém discutir as opções e as
a mudança do estilo de viver por já es- preocupações com o médico ou com o
tarem melhor assentadas na vida, pou- geneticista se for o caso.
cas são as que se arrependem de ter filho.
A maioria, com efeito, se sente feliz
diante dessa possibilidade. A IDADE DO PAI
"Só tenho 31 anos, mas meu marido tem mais
A IDADE E O TESTE PARA de 50. A idade paterna adiantada traz riscos
A SÍNDROME DE DOWN para o beM?"

"Ten/10 34 anos. Devo ter meu filho dois me· urante grande parte da nossa histó·
ses antes de completar os 35. Devo fazer ai·
gum exame para saber se meu filho tem a
D ria, acreditou-se que a responsabi·
!idade do pai no processo reprodutor se
sfndrome de Down?" limitava à fertilização. Foi só no século
atual (tarde demais para evitar '}ue algu-
probabilidade dessa anomalia não mas rainhas fossem degoladas por não
A cresce repentinamente para a mulher
com 35 anos. O risco aumenta gradual-
gerarem um herdeiro homem) qu.e sedes-
cobriu que é no esperma do pai que se
mente dos 20 em diante, com o maior acha o elemento genético que determina
salto ocorrendo na mulher com mais de o sexo da criança. E somente nos últi-
40. Portanto, não há resposta científica mos anos é que se começou a verificar
direta para justificar ou não o diagnós- a hipótese de que talvez o esperma do pai
tico pré-natal quando a mulher tem de mais idade possa contribuir para cer-
aproximadamente 35 anos. A marca dos tas anomalia:; congênitas como a sín-
35 anos é arbitrária: foi escolhida pelos drome de Down. Corno os ovócitos da
médicos na tentati va de identificar o mulher de mais idade, os gametas primá-
maior número possível de casos de sln- rios do pai de mrlis idade (esperma não-
drome de Down sem expor as gestantes desenvolvido) apresentam urna maior ex-
e os fetos a quaisquer riscos inerentes aos posição aos riscos do meio ambiente e
métodos de diagnóstico pré-natal. Al· podem, em tese, contu genes ou cromos·
guns recomendam esse diagnóstico em somas alterados ou lesados. E das pou·
mulheres que completam 35 anos duran- cas pesquisas que se têm feito, provém
te a gestação, outros não. alguma evidência de que aproximada·
Em muitos casos, o médico sugere fa- mente em 25o/o a 30!1/o dos casos de sln·
zer a dosagem de AFP (ver p. 78) em pri- drome de Down a falha cromossomlal
meiro lugar, antes da mulher com menos proveio do pai. Parece existir taml:>ém
de 35 anos submeter-se à amniocentese. um maior risco da slndrome quando o
O baixo teor dessa protelr. a no sangue pai tem mais de 50 anos (ou mais de SS,
aponta para a possibilidade, não a pro· dependendo da pesquisa), embor<t a as-
bubllldllde, de slttc.lromo do Down fotlll, aociaçllo estatística seja maia fraca do
justificando a amniocentese a seguir. que no caso da idade materna.
Embora o toste nao permita a ldontifl· Maa as ovldenciaa continuam lncon•
cação de todos os casos, ~ útil recurso clusivas, sobretudo em virtude da lnsu·
para a triagem dos casos possíveis. Ca- fic!Gncia das pesquisas existentes. A
so o resultado seja normal, por outro la· elaboração de pesquisas em grande es·
AGORA QUE VOCE ESTA GRAVllJA OI

cala, mais conclusivas, se revela difícil forem iguais- idade, exposição a DES,
por dois motivos. Em primeiro lugar, a número de fetos (gravidez gemelar), por
síndrome de Down é relativamente rara exemplo -, não há aumento significa-
(cerca de 1 ou 2 casos em 1.000 nascidos tivo de complicações como prematurida-
vivos). Em segundo lugar, na maioria de, hipertensão durante a gravidez,
dos casos, ambos os pais são de mais ida- trabalho de parto prolongado, ~.:ompli­
de, tornando complicado o esclarecimen- cações no parto ou necessidade de parto
to do papel independente da idade cirúrgico. Nem parece aumentar a pro-
paterna. babilidade do bebê nascer com anoma-
Portanto, se a idade paterna adianta- lias. O que há é um ligeiro aumento do
da pode ou não ser vinculada à síndro- índice de aborto espontâneo, embora tal-
me de Down e a outras anomalias vez esse aumento se deva à minuciosâ ob-
congênitas é questão, em grande medi- servação e monitorização da gestante que
da, sem resposta. Os especialistas acre- engravidou dessa forma: são logo iden-
ditam na existência de alguma provável tificados todos os casos de aborto. Isso,
ligação (embora não se saiba em que ida- evidentemente, não ocorre na população
de tenha início), mas o risco há de ser geral. Nessa, muitos casos de aborto es-
certamente muito pequeno. Por ora, os pontâneo ocorrem e passam despercebi-
especialistas em aconselhamento genéti- dos ou não são notificados.
co não recomendam a amniocentese com No princípio, contudo, existem algu-
base exclusivamente na idade paterna. mas diferenças entre a gestação desse ti-
Se, contudo, a leitora for passar o resto po e as demais. As primeiras seis
da gestação se preocupando com os pos- semanas costumam gerar muito mais
síveis - mas improváveis -efeitos des- apreensão, muito mais ansiedade: o tes-
se fator sobre o seu bebê, recomendamos te positivo não necessariamente signifi-
discutir o assunto com o obstetra para ca Ql'e a gestação está em andamento; as
ver se há justificativa para a amnio- diversas tentativas podem significar
centese. grande sobrecarga emocional e financei-
ra para o casal; e não se sabe de imedia-
to quantos dos embriões em tubos de
INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL ensaio vão se desenvolver e transformar-
("BEBÊ DE PROVETA") se em fetos. Mais: se a gestante abortou
em tentativas prévias, poderá ter de res-
"Estou esperando um filho graças à insemino· tringir as relações sexuais e outras ativi-
ç4o onijicial. Será que tenho chance de ter um dades físicas; talvez até seja obrigada a
be~ tllo Slldio q1111nto o dos outras gestante~·?" fazer repouso absoluto na cama. Duran-
te os primeiros dois meses talvez tenha
inseminação artificial, feita em labo- também de fazer uso de progesterona pa-
A ratório, não modifica a probabilida-
de da gestação de um bebê sadio: essa
ra ajudar a gestação incipiente. Passada
essa fase, porém, a gravidez deverá
probabilidade é a mesma do bebê gera- transcorrer como qualquer outra - ex-
do na cama.3 Pesquisas recentes mos- ceto quando é gemelar, como costuma
tram que se todos os outros fatores ocorrer em 50Jo a 250Jo desses casos. Em
caso de al!meos, consulte p. 179.
!Embora se disponha de menor nómero de In· Como as outras gestantes, além de tu-
formaçOes sobre a OIFJ' (Transfcr&ncla de Oa· do Isso, a gestante que lançou mllo da
metal lntrafaloplana) e a lnscmlnaçllo
lntratubária, presume-se que para os bebês con· lnseminaç!o artificial pode melhorar
cebidos por esses novos métodos o quadro seja bastante a probabilidade de ter um filho
muito semelhante. saudável através da l!$Sistência médica
62 NO PRlNCIPlO

diligente, da boa dieta, do ganho de pe- ra todas as gestantes) antes de chegarem


so moderado, do devido equilíbrio entre à exaustão.
o repouso e os exercícios, e da renúncia Embora se deva conseguir um.a boa
a certos hábitos: de beber (bebidas alcoó- gestação sem maiores problemas c:m lo-
licas), de fumar e de fazer uso de medi- calidades situadas a grandes altitudes, as
camentos sem receita médica. Ver p. 81 mulheres que não estão habituadas à at-
para algumas dicas sobre a redução dos mosfera menos densa podem encontrar
riscos gestacionais. sérias dificuldades. Alguns médicos re-
comendam adiar as viagens ou vi:;itas a
tais localidades (ver p. 216) até depois do
PARA QUEM VIVE EM parto
GRANDES ALTITUDES
"Será que o fato de morar em grande altitude AS OQJEÇÕES RELIGIOSAS
C4usa problemas durante 11 gravidez?" À ASSISTÊNCIA MÉDICA
esde que já se esteja habituado ares- "A minha religillo me impede de reco"er ao
D pirar o ar menos denso das grandes
altitudes, a chance de ter problemas não
atendimento médico. Sobretudo durante agra-
videz, que é um processo n11turaL Meus paren-
será a mesma da gestante que, depois de tes porém insistem que minha lltitude é
morar trinta anos ao nível do mar, aca- perigosa."
ba de se mudar para lá. As mulheres que
residem nessas cidades exibem de fato les estão certos. Numa pesquisa de-
uma probabilidade um pouquinho maior
de certas complicações, tais como hiper-
E monstrou-se que as gestantes quere-
cusam o atendimento médico por moti-
tensão e re~nção hídrica, baixo peso do vos religiosos têm uma probabilidade
feto ao nascer (ou seja, pequeno para a 100 vezes maior de morrer durante o par-
idade gestacional) etc. Entretanto, com to em relação às mulheres que recorrem
a devida assistência pré-natal e com os a esse atendimento. Além disso, a pro-
devidos cuidados que dispensar a si mes- babilidade de morte do feto ao parto é
ma (dieta ideal, ganho ponderai adequa- três vezes maior. É preciso decidir se con-
do, abstenção de álcool e de outros vém assumir esses riscos por conta pró-
medicamentos e de outras drogas), ages- pria. Você está disposta a assumi-
tante conseguirá minimizar bastante es- legalmente esses riscos caso algum pro-
se maior risco. O mesmo se deve dizer blema fetal pudesse ter sido evitado pe-
com relação ao hábito de fumar: o da lo tratamento obstétrico? Há tribunais
gestante e o de qualquer outra pessoa. nos EUA que consideram a mãe respon-
O fumo , que priva o reto de oxigênio e sável quundo o comportamento desta
que interfere com o seu bom desenvol- tem possibilidade de causar lesão ou pre-
vimento em qualquer altitude, parece ter juízo ao feto gerado.
efeito ainda mais prejudicial nessa situa- As pessoas que vêem nessa atitude
ção: chega a duplicar a redução do peso uma atitude perigosa não estarão prova-
médio do feto ao nascer. Os exercícios velmente insinuando que os princípios
extenuantes também podem privar o fe- religiosos não sejam importantes. É a vi-
to de oxlgenio, semeio recomendado às da humana que csti\ om Joao. nllo um
gestantes que moram a jlrandes altitudes principio religioso. E é a vida humana
que deem prcferancla à marcha rápida de duas pessoas, da gestante e do bebê,
e não aojogglng, por exemplo, e que a principalmente.
interrompam (conselho allás que vale pa- Por fim, convém saber que pratica-
AGORA QUE VOC2 ESTÁ GRÁVIDA 63

mente todas as doutrinas religiosas são ternos poderão atravessar a placenta e


perfeitamente compatíveis com o aten- chegar ao feto, onde vão atacar as hemá-
dimento obstétrico seguro e de boa qua- cias fetais. O fenômeno pode causar uma
lidade. Recomendamos à gestante dis- anemia no concepto, de intensidade mui-
cutir o assunto com três médicos, por to leve (se os níveis de anticorpos da mãe
exemplo. É bem possível que encontre al- forem baixos) ou muiw grave (se os ní-
gum disposto a adaptar-se com seguran- veis forem altos). Apenas em ocasiões
ça às suas convicções religiosas. muito raras, os anticorpos podem se for-
mar nas primeiras gestações, em reação
ao sangue fetal que extravasa da placenta
INCOMPATffiiLIDADE RH para o sistema circulatório materno:-
Hoje, a prevenção do desenvolvimen-
"0 médico me disse que sou Rh negativo emeu to de anticorpos Rh é o segredo para pro-
marido, Rh positivo. Disse-me para nilo me teger o feto quando há incompatibilidade
preocupar, mas minha m4e perdeu seu segun· do fator. Alguns médicos fazem um du-
do filho por c11uso do doença Rh." plo cerco ao problema. Na 28~ semana,
a gestante Rh negativa que não exibe an-
odos os seres humanos herdam um ticorpos no sangue recebe uma dose de
T tipo de sangue que será Rh positivo
(fator Rh dominante) ou negativo (au-
imunoglobulina Rh. Ministra-se outra
dose dentro de 72 horas após o parto, se
sência do fator). O teste do fator Rh é o bebê for Rh positivo. (A vacina tam-
obrigatóiio em todas as gestantes no iní- bém é administrada depois de aborto,
cio d~ gravidez. Se uma mulher tem Rh espontâneo ou provocado, de amniocen-
positivo (85% dos casos) ou se ambos o tese ou de hemorragia durante a gravi-
têm, ela e o marido são negativos, não dez.) Ao ministrar-se agora a irnunoglo-
há motivo para maiores preocupações. bulina conforme necessário se estará eli-
Se, nc. entanto, a mulher é Rh negativo minando sérios problemas em gestações
e o marido posi.ivo, então todas as ges- futuras.
tações devem ser conduzidas sob estrita Se as provas mostrarem que a mulher
vigilância obstétrica. desenvolveu anticorpos Rh pregressa-
Na época da sua mãe, a incompatibi- mente, pode-se usar da amniocentese
lidade Rh era de fato um problema gra- (ver p. 74) para verificação do tipo de
víssimo. No entanto, graças aos pro- sangue do concepto. Se for Rh positivo,
gressos da medicina, sua preocupação e portanto incompatível com o da mãe,
em perder o bebê devido a essa concli- acompanha-se regularmente o nível de
ção não mais se justifica. anticorpos da mãe. Se os níveis se mos-
Em primeiro lugar, sendo essa a sua trarem perigosamente elevados, se fará
prlmeJra gestaçao, pouca ameaça há ao uma série de exames para avaliar a con-
bebe. O problema só se manifesta quan- dição fetal. Se algum desses exames in-
do o fator Rh adentra a circulação ma- dicar ameaça ao feto, apontando para o
terna, de Rh negativo, durante o parto desenvolvimento de eritroblastose fetal
(aborto espontâneo ou não) de uma (também conhecida corno doença herno-
criança que tenha herdado o fator Rh do lítica ou Rh), talvez se faça necessária
pai. O organismo da mãe, ao reagir imu- uma transfusão de sangue Rh negativo.
noloatcamente à subsUlncla "estranha", Em caso de atave incompatibilidade, o
desenvolve anticorpos contra esta. Os que é raro, a transfuslo fetal poderá ser
anticorpos, em si, são inócuos, até que feita ainda in urero. O mais comum é a
ela engravide novamente. Se o próximo espera até imediatamente após o parto.
beb~ for Rh positivo, os anticorpos ma- Nos casos leves, quando é baixo o nível
64 NO PRIHC(PIO

de anticorpos, pode não haver necessida- Por fim, talvez haja necessidade de par-
de de transfusão. Os médicos, contudo, to cirúrgico que será dificultado pelo vo-
estarão de prontidão para a transfusão lume do tecido subcutâneo abdominal
ao parto, se houver necessidade. (dificuldade existente durante o ato ci-
O uso das vacinas Rh tem reduzido a rúrgicó e durante a recuperação da
necessidade de transfusão, nesses casos operação).
de incompatibilidade Rh, para menos de O atendimento obstétrico de alta qua-
1o/o. Talvez no futuro esse recurso trans- lidade, como se dá com outras gestações
fusional heróico venha a se transformar de alto risco, pode favorecer bastante a
num milagre médico do passado. condição da gestante obesa e do feto. É
bem possível que você seja submetida,
desde o início, a um maior número de
OBESIDADE exames do que as gestantes de baixo ris-
co: ultra-sonouafia precoce para deter-
"Já estou com um excesso de peso de uns 30 minar com mais exatidão a data provável
quilos. Serd que estou colocondo a minha ges· do parto e o mesmo exame, em fase pos-
tllç4o e meu filho em risco?" terior, para determinar o tamanho e a
posição do bebê. Será necessário pelo

A s gestantes obesas, na grande maio-


ria, junto a seus filhos, atravessam
todo o ciclo gestatório e o parto sem
menos um teste de tolerância à glicose ou
de triagem para dial'etes gesta;:ional,
provavelmente no final do segundo tri-
maiores problemas. Mesmo assim, os ris- mestre, para ver se você está ou não de-
cos aumentam na proporção do excesso senvolvendo sinais de diabetes. Além dis-
de quilos adquiridos: e isso não só du- so, ao fim da gestação, várias outras
rante a gravidez. O risco de hipertensão provas diagnósticas poderão ser fdtas
e de diat>etes, por exemplo, aumenta para monitorizar a condição do b'!bê.
quando se está obesa. Essas duas condi- Os cuidados consigo mesma também
ções podem complicar a gestação (sob a serão importantes. O médico recomen-
forma de pré-eclâmpsia e de diabetes ges- dará a abstinência do cigarro e a redu-
tacional). Pode também ser difícil de afe- ção de todos os demais riscos que se
rir com exatidão a data provável do acham dentro do controle da gestante
parto: a ovulação exibe muitas vezes (ver p. 81 ). A dieta é importante: é pre·
grande variação em obesas. Além disso, ciso evitar o ganho excessivo de peso. Na .
certos parâmetros tradicionais para ava- maioria das ocasiões, as gestantes obe·
liação da data (a altura do fundo uteri- sas podem ganhar menos do que os 12
no, o tamanho do útero) podem ser a 15 quilos recomendados durante a gra·
indecifráveis em virtude das várias cama- vldez sem interferir de forma adversa no
das de gordura. O abdome com excesso peso ou na saúde do feto.• Entretanto,
de gordura pode também impossibilitar essa dieta de menor conteúdo· calórico
ao m~dico a devida avaliação do tama- não deverá situar-se abaixo das 1.800
nho e da posição fetal pela palpação, calorias e deverá basear-se em alimen-
fazendo-se por vezes necessária a avalia- tos ricos em vitaminas, sais minerais e
ção com recursos tecnológicos para que
10 evitem surpresas durante o parto. Se 4
As definições variam, mas em geral uma mu·
o fttó for multo mcalor do que a m4dlu lhor ê ~onsldurudll obun 111 o ~u u t,u~o QNIIYII
poderllo ainda surgir diflculdades duran- 120% aotm t do peso Idual, ~ondo quo fUI! por•
te o parto, fenômeno comum em mães centagern na obesidade extrema~ d<• 150U/o. Alo
stm, uma mulher que devesse pesar SO qutlos estâ
obesas (mesmo nas obesas que não co- obesa quando pesa 6<' e ê muito obesa quando
mem em demasia durante a gestação), pesa 7S quilos.
AGORA QUE VOC~ ESTÁ GRÁVIDA 6S

proteína (ver a Dieta Ideal, p. 109). Ca- divante durante a gestação (a forma mais
da refeição e cada mordida são particu- comum da infecção em relação à infec-
larmente importantes nesses casos. Tam- ção primária) a probabilidade de infec-
bém importante é a suplementação de vi- tar o feto é de apenas 20Jo a 3%. Mesmo
taminas e de sais minerais. Os exercícios entre os bebês de maior risco, as gestan-
praticados de forma regular, dentro das tes que têm o surto herpético primário
diretrizes recomendadas pelo obstetra, ao se aproximar o parto só expõem os
ajudam a gestante a manter o ganho de filhos a um risco de 300Jo a 400Jo (60%
peso dentro de limites razoáveis sem que a 75% deles escapam da infecção). E em-
seja necessário reduzir drasticamente a bora a infecção primária na gravidez in-
ingesta alimentar. cipiente aumente o risco de aborto
Para a próxima gestação, caso você es- espontâneo ou de parto prematuro, a in-
teja planejando outra, tente manter-se o fecção dessa natureza é relativamente
mais perto possível de seu peso ideal, an- rara.
tes da concepção. A gestação terá evo- Assim, se você contraiu o herpes an-
lução mais tranqüila. tes da gestação, o que é o mais prová-
vel, não fique muito preocupada: o risco
do bebê é pequeno. Com o devido diag-
HERPES nóstico e com o correto tratamento mé-
dico, esse risco pode ser reduzido ainda
"Ansiava por um teste positivo de gravidez, mais.
mas, agora que engravidei, estou apavorada, A melhor forma de prevenir a maio-
pois tenho herpes genital. " ria das infecções herpéticas em recém-
nascidos seria através da triagem da
om a notável exceção da (sín-
AIDS doença em todas as gestantes antes do
C drome da imunodeficiência adquiri-
da), o herpes ultimamente tem conquista-
parto. Aquelas que apresentassem teste
positivo seriam então submetidas a par-
do uma duvidosa distinção: das doenças to cirúrgico, que reduz enormemente a
sexualmente transmissíveis, é a que mais chance de contaminação do bebê. Mas
tem aparecido nos jornais e revistas com não se dispõe de um exame de triagem
manchetes alarmantes. E os artigos mos- de baixo custo; tal exame só costuma ser
tram que o contágio não se limita aos feito em mulheres com história cünica de
adultos através do ato sexual: os bebês infecção herpética.
são também atingidos ao atravessarem o Muitos médicos só fazem o teste quan-
canal do parto infectado. Embora a do- do a gestante desenvolve as lesões geni-
ença só possa trazer alguns aborrecimen- tais perto da data do parto. Se a cultura
tos para os adultos, para os recém-nas- for positiva, repete-se o exame no prazo
cidos pode se tornar grave em virtude da de uma semana para que, quando tiver
imaturidade de seu sistema imunológico. início o trabalho de parto, se saiba se a
Decerto se justifica a preocupação, infecção ainda está em atividade.'
mas, apesar do alarde das manchetes, a Se a cultura mais recente for positiva,
histeria não. Em primeiro lugar, a infec- ou principalmente se as lesões herpéticas
ção neonatal é bastante rara - a inci- estiverem presentes ao ter início o traba-
dência oscila entre I em 3.000 e I em lho de parto ou por ocasião da ruptura
M.OOO p!lrloH. Em seaundo luanr, embo- da bolsa d'4aua, costuma-se indicar o
ra ainda seja bastante grave, parece que 'Como as drOIIBS antlvlrals ainda ntlo foram
hoje ~ mais branda nos recém-nascidos aprovadas no Estados Unidos para uso nn gra-
que a contraem do que antigamente. Ter· videz, o seu uso naquele país é reservado para
c:eiro, se a mãe tiver herpes genital reei- as situações em que há risco de vida.
66 NO PRINC{PIO

Sinais e Sintomas do Herpes Genital


Como é por ocasião da infecção primá- fase em que a doença pode ser transmitida.
ria que há maior probabilidade de transmis· Se você tiver herpes genital, cuide para
são herpética ao feto, o obstetra deverá ser não transmiti-lo ao companheiro (que tam·
informado da existência ou não dos seguin· bém deverá ter cuidado se tiver a infecção).
tes sintomas: febre. cefaléia, mal-estar, dores Evite as relações sexuais enquanto apresen·
por um ou dois dias, acompanhados de dor tar lesões; lave bem as mãos com água e sa·
genital, de prurido genital, de dor à micção, bão após usar o toalete; tome banho
de secreção vaginal ou uretra! e de dor à pai· diariamente; mantenha as lesões limpas, se-
pação da virilha (adenopatia inguinal), além cas e recobertas por maisena (em pó); e use
das lesões características: pequenas vesículas calcinha de algodão, evitando o uso de rou·
que acabam apresen tando crostas. A cura em pas apertadas e que causem atrito na região
geral se dá no prazo de duas a três semanas, atingida.

parto cirúrgico. Por causa do pequeno Gonorréia. Sabe-se há muito tempo que
risco de contaminação fetal depois da eli- a gonorréia causa conjuntivite, cegueira
minação da bolsa, a cesariana costuma e grave infecção generalizada no feto que
ser realizada quatro a seis horas depois passa pelo canal do parto infectado. Por
do rompimento das membranas, exceto esse motivo, recomenda-se a pesquisa la-
se o feto não tiver maturidade o suficien- boratorial da doença em todas as gestan-
te para o parto imediato. tes, em geral na primeira consulta no
Os recém-nascidos em risco de infecção pré-natal (ver p. 134). Particularmente
herpética costumam ficar isolados de ou- em gestantes com alto risco de doença se-
tros recém~nascidos para prevenção de xualmente transmissível, às vezes o exa·
possível disseminação do processo infec- me é repetido ao fim da gestação. Cons-
cioso. No caso improvável da infecção tatada a presença da doença, impõe-se
ocorrer, o tratamento com agentes antivi- o tratamento imediato com antibióticos.
rais permitirá reduzir o risco de lesão per- Ao término do tratamento, providencia·
manente. Se a mãe apresentar infecção em se outra cultura para certificar-se a cu-
atividade. poderá mesmo assim cuidar do ra. Toma-se ainda uma precaução extra:
bebê e amamentar se tomar certas precau- colocam-se gotas de nitrato de prata ou
ções para evitar a transmissão do vírus. pomada de antibiótico nos olhos do
recém-nascido logo ao nascimento. (Es-
sa conduta pode aguardar até uma hora
OUTRAS DOENÇAS depois do parto - porém não mais -
SEXUALMENTE caso você queira manter um contato vi-
sual com o bebê, antes de mais nada.
TRANSMISSÍVEIS (DST)
Sífilis. Há muito tem_po que jâ se r-:co-
"Ouvi dizer que o herpes pode ser perigoso PQ· nhece na sífilis a causa de deformidades
l'fl o feto. Isso é verdade em relaçllo tls outras ósseas e dentárias do feto, além de lesões
doenças sexualmente transmlsslve/s!" progressivas do sistema nervoso, de na-
timorta !idade e de lesões cerebrais. O
má notícia: sim, outras DST que exame que permite diagnosticar a doen-
A há
representam risco para o feto. A boa
notícia: a maioria é de fácil diagnóstico
ça é rotina na primeira consulta do pré-
natal. A antibioticoterapla da gestante
e tratamento. infectada antes do quarto mês, ocasião
AGORA QUE voca ESTÁ GRÁVIDA 67

em que o processo começa a cruzar a piloma humano. Exibem características


barreira placentária, quase sempre evi- variáveis: desde a lesão que mal é visí-
ta as lesões fetais. vel à nítida verruga, macia, avelud ada e
plana ou à que exibe aspecto de couve-
Clamídia. Reconhecida recentemente co- flor. Também variam de cor: desde a to-
mo agressora fetal em potencial, a infec- nalidade pálida à escuro-avermelhada.
ção por clamídia é .t10je de maior Altamente contagiosas, as verrugas são
noti fi :ação do que a gonorréia nos Es- de tratamento particularmente relevan-
tados unidos. É a infecção mais comum te, não só porque podem ser transmiti-
das transmilida.; pela gestante ao feto- das ao bebê ou mesmo impedir o parto,
fato que justifica a triagem diagnóstica como também porque 5o/o a ISo/o d os ca-
da doença em todas as gestartes, sobre- sos evoluem para a inflamação cerviCal
tudo nas que mantiveram múltiplos par- que por seu turno progride para o cân-
ceiros sexuais no passado (comporta- . cer do colo uterino. O tratamento em ge-
mento que aumenta o risco da infecção). ral é tópico e deve ser prescrito pelo
Já que metade das mulheres com essa in- médico - não fazer uso de remédios
fecção é assintomática, muitas vezes a contra as verrugas venéreas vendidos sem
doença passa despercebida (quando não receita médica. Se houver necess idade,
se faz o teste diagnóstico). as maiores podem ser removidas no fi-
O tratamento imediato do processo an- nal da gravidez por congelamento, por
tes ou dut ante a gestação permite a pre- termocauterização ou por terapia a laser.
venção da doença ao feto durante a pas-
sar,em pelo canal d0 partO (pneumonia, AIDS (Síndrome da lmunodeficiêncla
que costuma feliz.meme ser branda, e in- Adquirida). A infecção pelo vírus HIV
fecções oculares, que de vez em quando durante a gestação, além de ser ameaça
são de maior gravidade). Embora o me- à gestante, é também ameaça ao feto.
lhor fosse tratar a doença antes da con- Uma grande proporção (a estatística os-
cepção, o tratamento da gestante também cila entre 20% a 65%) dos recém·
previne a transmissão fetal. O uso de po- nascidos de mães aidéticas (identificadas
mada de antibiótico ao parto protege o pela positividade sorológica) desenvolve
recé..n-nascido das infecções oculares. a infecção nos primeiros seis meses.
Suspeita-se que a própria gestação tal-
Vaginite incspecífica. Também conhe- vez acelere o progresso da doença na
cida como vaginite por Gardnerella, a mãe. Por essas razões, algumas mulhe·
vaginite inespecífica pode causar compli- res infectadas preferem dar fim à gesta-
cações gestacionais, como, por exemplo, ção. Antes de tomar qualquer atitude,
a ruptura prematura das membranas e porém, em caso de positividade deve-se
a infecção intra-amniótica, que podem repetir o teste sorológico (não é exato e
levar a trabalho de parto prematuro. às vezes pode ser positivo em quem não
AliUi'll oapcclallsto• acreditam quo as tom a doença)•. Se o soaundo teste for
gestantes devem ser submetidas à triagem positivo, o aconselhamento t'onnal e as
dlagnóstica, incluindo a doença no rol diversas opções terapêuticas passam a ser
das que são pesqulsadas por ocasião da mandatórios, embora não se saiba se o
primeira consulta. tratamento da gestante vai prevenir a
Verrugas venéreas, ou genltals. As ver· 60cas!ona1mente, uma mulher que teve vários
rugas sexualmente transmitidas podem fllhos apresentará. teste falso-positivo para o
Hl V. Se você tiver família grande e o teste for
~glr em qualquer localização na região positivo, discuta essa possibilidade com o
genital. São causadas pelo vírus do pa- médico.
68 NO I'R INCIP IO

doença fetal. Talvez convenha informar- dico se preocupa com a sua saúc'e e lhe
se sobre novas condutas experimentais oferece a oportunidade de fazer o teste.
no tratamento de gestantes com AIDS.
Se você suspeitar de ter contraído
qualquer doença sexualmente transmis- HEPATITE B
sível, verifique com o médico se fez o tes-
te que permita identificar a doença. Se "Sou portadora de hepatite B e acabo de sa-
ainda não o fez, peça para fazê-lo. Se o ber que estou grdvida. Será que vou prejudi-
resultado for positivo, cuide para seguir car o meu filho?"
o devido tratamento (seu e do parceiro,
aber que você é portadora de hepatite
se necessário). O tratamento protege a
saúde da gestante e também a do bebê. S B é a primeira etapa para evitar que a
condição venhu a prejudicar o bebê. Em-
bora o filho de portadora (a que possui
MEDO DE CONTRAIR AIDS determinado antígeno) exiba risco eleva-
do de infecção, o tratamento nas primei-
"Tanto eu quanto meu marido tivemos vdrios ras 12 horas depois do parto com vacina
parceiros antes de nos encontrarmos. Sei que da hepatite B e com imunoglobulina qua-
a AIDS às vezes não se manifesta durante anos se sempre previne essa infecção. ln!rorme
e nilo consigo me ver livre do medo de tê-la con· portanto ao obstetra da sua condição de
traldo e de transmiti-la a meu bebê." portadora para que ele determine até que
ponto você é capaz de transmitir a doen-
esmo que os dois tenham tido múl- ça e para que o bebê seja tratado, se ne-
M tiplos parceiros, o risco de terem
contraído AIDS é pequeno, caso ne-
cessário. Para outras informações sobre
as hepatites, consultar p. 363.
nhum de vocês dois se encontre em gru-
po de alto risco (hemofílicos, uso de
drogas injetáveis, ou que tiveram rela- DIU AINDA IMPLANTADO
ções sexuais com parceiros bissexuais ou
com homossexuais masculinos ou ainda "Uso DIU h6 dois anos e agora descobri que
com usuários de drogas injetáveis). Mas estou grdvida. Será posslvellevar a gestaçtJo
se isso não lhe basta para afastar o me- at~ o fim?"
do, ou se o medo está começando a vi-
ngravidar durante o uso de meios an-
rar um problema sério durante a
gestação, converse com o médico. Con-
sidere a possibilidade de fazer um teste
E ticoncepcionais é sempre um pouco
perturbador, mas acontece. As chances
de AIDS. de acontecer com o DIU são de 1-5 em
100, dependendo do tipo de dispositivo
"Fiquei surpresa quando o m~dico me per· usado e da inserção correta. A mulher
guntou se eu queria fazer um teste de AIDS que concebe em uso de DIU e não quer
- eu ntJo acho que esteja em grupo de alto interromper a gravidez tem duas opções
risco." - que devem ser logo discutidas com o
médico: deixar o dispositivo no lugar ou
conduta desse m6dlco vem se tor- removê-lo. Para saber qual das duas 01,.
A nando cada vez mais comum. mé-
dico pergunta à aestante se aostaria de
O ções preferir vai depender se o cordao
para removê-lo está visível ou não na cér-
fazer o teste, tenha ela ou n!lo história vlce. Se nao estiver vlalvol, 6 multo boa
pregressa de comportamento de risco. a chance da gravidez evoluir sem proble·
Por isso, não se ofenda. Alegre-se: o mé- mas com o DIU no lugar. Este simples·
AGORA QUE VOCI! ESTÁ GRÁ VIDA 69

rr.ente será empurrado de encontro à pa- tico, é muito pequeno o risco de certo;>
rede uterina pelo saco anmiótico em ex- tipos de anomalia fetal quando a gestan-
pansão que circunda o bebê. Durante o te concebeu nessas circunstâncias. A dis-
parto, costuma ser eliminado junto com cussão sobre o assunto com o obstetra
a placenta. Se no entanto o cordão for permitirá afastar os receios.
visível já no início da gravidez, as chan-
ces de uma gravidez mais segura são
maiores se for removido tão logo possí- ESPERMICIDAS
vel, depois de confirmada a concepção.
Se não for removido, há uma significa- "Dmcebi, mesmo usando espem1icida com dia-
tiva probabilidade de aborto espontâneo; fragma, e tornei a usfl./o várias vezes antes de
ao ser removido, esse risco é de apenas saber que estava grflvida. A substOncia pode ter
2007o. Se isso não a tranqüiliza, lembre- afetado o esperma antes diJ concepçilo, ou o em·
se de que o risco de abortamento em to- brião depois dela?"
das as gestações conhecidas é de aproxi-
madamente 15% a 20%. stima-se que cerca de 300.000 a
Prosseguindo com a gestação manten-
do o DIU no lugar, cumpre estar alerta,
E 600.000 mulheres usavam espermici-
da por ocasião da concepção e nas pri-
durante o primeiro trimestre, para cer- meiras semanas de gestação, antes de
tos sinais- sangramento, cólicas, febre saberem que estavam grávidas. Assim,
-, porque o dispositivo aumenta o ris- os possíveis efeitos dos espermicidas du-
co de complicações gestacionais preco- rante esse período são de grande interesse
ct.:s. (Ver Gravidez Ectópica, p. 142, O para muitas gestantes e para as que vão
Aborto Espontâneo, p. 144.) Cumpre escolher um método contraceptivo.
notificar imediatame:1te o obstetra des- Felizmente, o que se verificou até ago-
S{S sintomas. ra é alentador. O elo entre o uso de es-
permicidas e a incidência de certas
anomalias congênitas, especificamente a
AS PÍLULAS síndrome de Down e algumas deformi-
dades dos membros, é tênue e especula-
ANTICONCEPCIONAIS tivo. Pesquisas mais recentes e mais
NA GESTAÇÃO convincentes não revelam o aumento da
incidência de tais defeitos, mestno com
"Engravidei mesmo tomando plfu/a. E conti· o uso contínuo de espermicidas no ini-
nuei tomando por um m€s porque niio sabia que cio da gravidez. Assim, consoante as me-
estava grflvida. Agora e:.·tou preocupada com lhores informações existentes, a leitora,
o efeito (rue isso pode ter tido sobre o meu be· se for esse o seu caso, e as demais
b!" 299.999 a 599.999 futuras mamães po-
dem relaxar - parece que não há nada
ideal seria que você tivesse interrom- para se preocupar.
O pido o uso de anticoncepcional três
meses antes de engravidar, ou pelo me-
Talvez convenha, porém, adotar um
meio contraceptivo diverso e talvez mais
nos dois ciclos menstruais completos an- seguro, no futuro. E como qualquer
.tes. Mas a concepção nem sempre espera substância química a que se expõe o fe-
pelas condlçOus ldeals e, às vezes, n mu- to OU O ombrlllo é SUSJ)elta, se você con·
lher engravida mesmo tomando a pllu- tinuar a usar o espermicida, talvez deva
la. A despeito dos avisos que voce pos- abandoná-lo antes de engravidar nova-
sa ter lido na bula do remédio, não há mente - presumindo-se que a próxima
motivo para alarme. Do prisma estatls- gravidez será planejada.
70 NO PRINCIPIO

PROVERA DIETILESTILBESTROL
(DES)
"No m& passado o médico me deu Provera
para que a minha regra viesse. Descobri que "Minha mile tomou esse remédio quando me
estava grávida. A hula dizia que as gestan- esperava. Será que isso pode afetar aminha gra-
tes nunca devem usar o remédio. Será que o videz ou o meu bebê de algum modo?"
beM vai ser normal? Devo considerar o abor-
to?" ntes que se soubesse dos perigos em

omar progesterona (no caso, Prove-


A usar estrogênios sintéticos (como o
dietilestilbestrol) para prevenir o abor-
T ra) durante a gravidez, embora não
seja recomendável, não justifica um
tamento, mais de um milhão de gestan-
tes os tomou. Agora que suas filhas,
aborto- o que lhe dirá o obstetra, pro- muitas com anomalias estruturais elo
vavelmente. Nem é motivo para preocu- aparelho reprodutor desde o nascimen-
pação. O que está na bula não visa to (na grande maioria sem maior signi-
tão-somente à sua proteção, mas à do la- ficado ginecológico ou obstétrico), estão
boratório que produziu o remédio: os la- em idade reprodutora, preocupam-se es-
tas com os possíveis efeitos de sua expo-
boratórios se protegem das ações
judiciais. De fato, algumas pesquisas sição aos estrogênios sobre a gestação.
Felizmente, tais efe'.tos parecem ser mí-
apontam para um risco de 1:1.000 de cer- nimos para a maior parte das mulheres
tas anomalias congênitas em embrião ou -avalia-se que pelo menos 80o/o das que
feto exposto à Provera, mas esse risco só foram expostas à droga são capazl!s de
está um pouco acima do que se observa ter filhos.
para as mesmas anomalias em qualquer As mulheres com as anormalidades
outra gestaÇão. mais acentuadas, contudo, parecem exi-
Não se tem certeza de que Provera bir maior risco de certos problemas ges-
cause ou não anomalias congênitas. Al- tacionais: gravidez ectópica (provavel-
guns médicos que a prescrevem para im- mente por causa de malformação das
pedir o abortamento acham que só trompas de Falópio), aborto espomâneo
parece que o medicamento cau:e anoma- no segundo trimestre e parto prematuro
lias - ajudando por vezes a gestante a (em geral por enfraquecimento ou insu-
manter uma gravidez difícil, pois do con- ficiência cervical, já que a cérvice, pelo
trário abortaria. É provável que sejam peso do feto em crescimento, poderá se
necessários ainda muitos anos de pesqui- abrir prematuramente). Em virtude dos
sa em milhares e milhares de gestantes riscos envolvidos em todas essas compli-
para que se determinem definitivamen- cações, é importante que você aconselhe
te seus efeitos, caso existam, sobre o fe- o seu médico da exposição ao DES.'
to (das progesteronas em geral). Pelo que Também é importante que você tenha
se sabe atualmente, se a Provera é de fa· conhecimento dos sintomas dessas com-
to teratog~nlca (substância que pode cau- pllcnçOcs. Ca 10 ocorram, notifique Ime-
sar danos ao embrião ou feto), há de ser diatamente o médico. Quando He sus-
um dos mais fracos (ver A Sorte do Be- peita de insuficiência cervical, será to-
bê, p, 105). Risque esse Item da sua lista mada uma de duas condutas. Ou :1e pro·
de preocupações.
'Em virtude do risco de complicações na gravi-
dez, discreto porém real, as mulheres <'xpostas
ao dietilestilbestrol devem ser acompanhadas pe-
lo obstetra dul'ante toda a gestação.
AGORA QUE VOCS ESTÁ GRÁVIDA 71

videnciará o fechamento por sutura tington) costumam já ter sido identifica-


(pontos) em torno da cérvice entre a 12~ das na família, mas podem não ser do
e a 16~ semana de gestação, ou se fará conhecimento de todos. Eis por que é im·
o exame regular da cérvice para identi- portante manter o histórico das condi-
ficação precoce de sinais de abertura pre- ções de saúde da família.
matura. Quando são identificados tais Na maioria dos casos, entretanto, é
sinais, nova conduta será tomada para baixo o risco de transmissão dos proble-
prevenir o parto prematuro. mas genéticos e raramente se necessita do
aconselhamento. Em muitos casos, o
obstetra conversará com o casal a respei·
PROBLEMAS GENÉTICOS to das questões genéticas mais comuns,
encaminhando ao geneticista ou subes-
"Fico achando que talvez tenha algum proble· pecialista em medicina materno-fetal só
ma genético e não saiba. Será que devo procu- os que dele de fato precisam:
rar aconselhamento genético!"
, • Os casais em que ambos apresentam

E provável que tragamos conosco um


ou mais de um gene deletério, capaz
de causar distúrbios genéticos de maior
positividade no exame, sendo porta-
dores de afecção genética.

ou menor gravidade. Felizmente, porém, • Os pais que já tiveram um ou mais fi-


como muitos deles (doença de Tay- lhos com anomalias genéticas.
Sachs, fibrose cística, entre outros) re-
querem para sua manifestação a combi- • Os casais que têm conhecimento de a}.
nação com um outro, o do pai, em guma anormalidade hereditária num
mesma localização, raramente atingem ramo de suas famílias. Em alguns ca-
os nossos filhos. Um dos pais (ou am- sos, como ocorre em certas talasse-
bos) pode se submeter a exame para rnias (anemias hereditárias comuns em
identificação de alguns desses distúrbios pessoas de origem mediterrânea), a in·
antes ou durante a gestação. O exame, vestigação genética (DNA) dos pais fa-
contudo, só tem sentko se houver pos- cilita a interpretação do teste fetal
sibilidade de manifestação acima da mé- feito posteriormente.
dia de ambos os progenitores serem
portadores daquela afecção particular. A • Casais em que um dos cônjuges tem
incticação muitas vezes decorre da origem anomalia congênita (cardiopatia con·
étnica ou geográfica. Os casais judeus, gênita, por exemplo).
por exemplo, cujas famllias são oriun-
das da Europa Ocidental, apresentam • Gestantes em que se descobriu exame
maior risco da doença de Tay-Sachs. (Na de triagem positivo (para pesquisa de
maioria dos casos, o médico recomenda anomalias fetais).
a um dos cônjuges fazer o exame; o ou-
tro só o fará, necessariamente, se o do • Os casais formados por pessoas com
primeiro for positivo.) De forma seme- íntimos laços consangüíneos, pois nes-
lhante, os casais negros apresentam ris- tes é maior o risco de problemas he-
co de traço falc!mlco (anemia reditários na prole (em primos de
falclforme) e devem fazer o exame. primeiro grau o risco é de 1 em 8, por
As doenças que podem ser transmiti- exemplo).
das através de um único gene de um só
portador (hemofilia, por exemplo) ou só • As mulheres com mais de 35 anos.
por um dos pais afetado (coréia de Hun-
72 NO PRINCfPlO

O geneticista, especializado em here- tá na tranqtiilização que quase sempre


dogramas e temas afins, dirá ao casal traz.
quais as chances de ter um filho sadio e Embora sejam muitos os casais que
<1s orientará no sentido de ter ou não fi- optem pelo término da gravidez quando
lhos. Se a mulher já estiver grávida, o ge- é descoberta ·alguma anomalia fetal, o
neticista indicará qual o examt! exame também tem validade quaado não
apropriado a fazer no pré-natal. se cogita em aborto como opção terapêu-
O aconselhamento genético tem pou- tica. Quando a anomalia descoberta é fa-
pado o sofrimento de milhares e milha- tal, cria-se a oportunidade de luto por
res de casais de alto risco que poderiam parte dos pais antes do parto,
ter tido filhos com graves problemas. O eliminando-se o choque que sentiriam
aconselhamento é mais oportuno antes por ocasião da hora do parto. Quando
há outros tipos de anomalia presente, os
da gestação, ou no caso de parentes pró- pais já ganham um ponto de partida pa-
ximos, antes de se casarem. Mas nunca ra começarem a se preparar para a che-
é tarde demais, mesmo depois de confir- gada do futuro deficiente. Quando as
mada a gravidez. anomalias são identificadas depois do
Se o exame revelar grave anomalia fe- parto, as reações negativas são inevitá-
tal, o casal vai enfrentar o dilema de in- veis - negação, ressentimento, culpa.
terromper ou não a gestação*. Embora Tais reações podem comprometer seria-
caiba ao casal a decisão final, o aconse- mente o elo entre o filho deficiente e os
lhamento genético ajuda muito também pais. O diagnóstico pré-natal permite a
neste sentido . elaboração dessas manifestações negati-
vas já durante a gravidez. Os pais pode-
rão já aprender tudo o que acharem
PARA QUEM É necessário sobre a condi~o particular da
criança, antecipadamente. Estarão assim
CONTRA O ABORTO preparados para garantir o melhor con-
vívio possível com seu novo bebê. Hoje
"Meu marido e eu somos contra o aborto. Por também já é possível conceber a idéia do
que entllo devo fazer a anmio1:entese?" tratamento intra-uterino da condição em
certos casos, e de uma série de precau-
ções que visarão a melhorar as condições
amniocentese não convém apenas do bebê.
A àqueles casais que consideram a pos-
sibilidade de aborto caso se descubra
Portanto, se o aia&nóstlço pré-natal
estiver indicado, não o rejeite de imedia-
to. Converse com o médico, com um ge-
através dela alguma anormalidade fetal neticista ou com algum especialista em
mais grave. Para a grande maioria dos medicina materno-fetal. Essas pessoas
casais que esperam um filho, o melhor lhe ajudarão a esclarecer as opções ex.is-
motivo para o diagnóstico pré-natal es- temes antes de você tomar a sua decisão.
Não deixe, enfim, que o fato d·: ser con-
tra o aborto a impeça e aos médicos de
conseguir valiosas informações em po-
tcnclol.
;A leg!slaç4o brasileira, profundamente anacrô-
nica nesse particular, nA o açata o abortamento
provocado por lndlcaçOes ovulare• (doenças ge-
n~ticaa, viroses maternas no primeiro trimestre,
uao de aubltAnçlas teratoaenlcaa otc.) (N. do T.)
AGORA QUE VOC~ ESTÁ GRÁVIDA i3

0 QUE É IMPORTANTE SABER:


SOBRE O DIAGNÓSTICO PRÉ-NATAL
, menino ou menina? Vai ser loiro • As que foram expostas a infecções que

E como a avó, JU de olhos verdes co-


mo o avô? Será que vai ter a voz
do pai e a habilidade da mãe para con-
podem causar anomalias congênitas
(rubéola, toxoplasmose etc.) ...

tas ou- que Deus o proteja! -será que • As que foram expostas desde a con-
vai ser ao contrário? Na gravidez, é bem cepção a alguma substância que talvez
maior o número de perguntas que o de tenha sido prejudicial ao bebê em de-
respostas: é assunto vivo para nove me- senvolvimento. (O médico pode aju-
ses de discussões à mesa, de especulação dar a esclarecer se o diagnóstico
dos vizinhos, e de palpites nas rodinhas pré-natal se justifica no seu caso em
de escritório . particular.)
Há, no entanto, uma questão que não
é motivo para palpites casuais: uma que • As que não foram bem-sucedidas nas
os pais, na grande maioria, e\ itam co- gestações anteriores ou as que têm fi-
lhos com anomalias congênitas.
mentar e em que muitos deles nem mes-
mo querem pensar: "Será que o bebê Em mais de 95% dos casos, o diagnós-
está bem?" tico não revela anormalidades aparentes.
Até pouco tempo, era questão a ser No restante, traz um desenlace alentador
respondida só ao nascimento. Hoje, po- para o casal aflito, pois ficam sabendo
rém, algumas dessas dúvidas podem ser que seu bebê não está bem. Entretanto,
esclarecidas, até certo ponto, já na sex- junto com o aconselhamento genético,
ta semana após a concepção, mediante as informações servem para as decisões
o diagnóstico pré-natal. que vão ser tomadas a respeito dessa e
Em virtude dos riscos inerentes, não das futuras gestações. Entre as possíveis
obstante pequenos, trata-se de conduta opções estão:
a ser individualizada. Os pais, na grande
maioria, continuam no joao da espera, Continuar a gravidez. Esta é a opção
com a feliz certeza de que a probabilida- mais comum quando a famllla percebe
de de seu filho estar bem seja razoável. que a anomalia descoberta permitirá um
Mas para aqueles cujas preocupações re- convívio razoável com o futuro filho ou
presentam mais do que o nervosismo quando os pais são contra o aborto sob
normal dos futuros pais, os benefícios do quaisquer circunstâncias. A família, sa-
bendo antecipadamente o problema que
diagnóstico pré-natal suplantam os ris-
lhe espera, poderá tomar certas provi-
cos inerentes. Entre as candidatas para dências (emocionais e práticas) para re-
o diagnóstico pré-natal estão: ceber o filho com necessidades especiais
ou para enfrentar o parto de uma crian-
• As com mols do 3S anos. ~o que dificilmente sobreviverá.

• As que tem história familiar de doen- Terminar a gravidez. Se o exame mos-


ça genética e/ou stlo portadoras gené- trar que a anomalia será fatal ou extre-
ticas da doença. mamente lncapacltante, tenha sido
---------·-----~-----

74 NO PRINCfPIO

confirmada por geneticista ou por novo tram haver algum problema com o bebê
exame, são muitos os pais que optam devem ser confirmados por novos exa-
pela interrupção da gravidez. Nesse ca- mes ou mediante consulta com outros
so, o exame criterioso dos produtos da profissionais. A decisão apressada de ter-
concepção torna-se obrigatório. Pode minar a gravidez por vezes leva ao abor-
ajudar a determinar a probabilidade to de feto normal.
de repetição em futuras gestações. A Apresentaremos a seguir os métodos
maioria dos casais, armada dessas infor- mais comuns de diagnóstico pré-natal.
mações e sob a orientação do médico
ou do geneticista, tenta novamente, na
esperança de que o resultado do exame AMNIOCENTESE
e o desenlace da gestação lhes sejam
favoráveis dessa vez. Quase sempre o
são. A s células, as substâncias químicas e
os microorganismos existentes no li-
quido arnniótico que circunda o feto pro-
Tratamento pré-natal do feLO. É opção piciam urna ampla gama de informações
que só existe para alguns casos, em- - a constituição genética fetal, a con-
bora espere-se que, no futuro, venha dição atual, o grau de maturidade - a
a abranger número cada vez maior. O respeito deste novo ser humano. Por
tratamento consiste na transfusão de isso, o exame de certo volume desse
sangue (como para a doença Rh), ci- líquido, através da amniocentese, trans-
rurgia (drenar uma obstrução vesical, formou-se num dos principais recursos
por exemplo), ou administração de en- no diagnóstico pré-natal. O exame é re-
zimas e de medicamentos (como na de comendado nos seguintes casos:
esteróid~ para acelerar o desenvolvi-
mento pulmonar do feto que precisa ser • Quando a mãe tem mais de 35 anos.
retirado do ventre materno prematura- Cerca de 800Jo a 90% de todas as am-
mente). Com o avanço tecnológico, um niocenteses são feitas com indicação,
número maior de cirurgias pré-natais, exclusivamente fundada na idade ma-
manipulações genéticas e outros trata- terna adiantada. Tenta-se a!sim veri-
mentos fetais pode também se tornar ficar se o feto exibe síndrome de
lugar-comum. Down, que é mais prevalentt: entre os
filhos de mães nessa faixa t!tária.
Doação de órgãos. Se o diagnóstico in-
dicar que as anomalias fetais são incom- • Quando o casal já teve um J'ilho com
patíveis com a vida, como acontece anormalidade cr ornossomial - corno
quando falta quase todo o encéfalo, é a síndrome de Down - ou com dis·
posslvel doar um ou mais órsilos para túrbio metabólico - como a sfndro-
outro bebê que deles necessite. Alguns me de Hunter.
pais acham que essa atitude pelo menos
os consola um pouco da perda sofrida. • Quando o casal já teve um filho ou
O neonatoloalsta, nestas circunstâncias, tem algum parente com anomalia do
pode prestar Informações valiosas a es- tubo neural. (Antes porém provavel-
se respeito. mente se pesquisará o teor de alfafe-
Naturalmente é Importante recordar toprotefna (AFP) no sangue da Mãe.)
que nada é perfeito, nem mesmo o diag-
nóstico pré-natal realizado por sofistica- • Quando a mãe é portadora de distúr-
dos recursos tecnológicos. Por esse bio genético ligado ao X, hemofilia,
motivo, todos os resultados que mos- por exemplo (em que a chance de a
AGORA QUE VOC~ ESTÁ ORÁ VIDA 7S

mãe transmiti-lo à prole é de 500Jo ). A A amniocentese pode também ser fei-


amniocentese permite identificar o se- ta no último trimestre para estimar a ma-
xo da criança, mas não se ela herdou turidade dos pulmões do feto.
o gene.
Como é feita? Depois de vestir roupa
• Quando ambos os pais são portado- apropriada e de esvaziar a bexiga, a ges-
res de distí•rbio autossômico recessi- tante é colocada na mesa de exame. Fi·
vo, de doença de Tay-Sachs ou de ca deitada de costas, o abdome é
anemia falciforme, por exemplo, em exposto. O feto e a placenta são então
que exibem uma chance em quatro de localizados pelo ultra-som, para gue o
terem filho ou filha atingido pelo mal. médico os evite durante o procedimen-
to. (Antes já terá sido feito um exame
• É necessário avaliar a maturidade do ultra-sonográfico mais detalhado para
pulmão fetal (um dos últimos órgãos identificação de anomalias fetai~. visí-
a amadurecer, a ficar pronto para fun- veis.) Providencia-se a seguir a anti-
cionar por conta própria). sepsia abdominal com solução anti·
séptica apropriada. Em alguns casos se
• Quando se sabe que um dos pais é faz uso de anestesia local por injeção (co-
portador de alguma afecção genéti- mo a utilizada pelos dentistas). Como a
ca, como a coréia de Huntington, por dor sentida durante a anestesia é a mes-
exemplo. Essa doença é de transmis- ma sentida durante a passagem da agu-
são autossômica dominante: a pro- lha de amniocentese, alguns médicos a
babilidade do bebê herdar a doença é omitem. Em seguida, insere·se a agulha
de 500Jo. de amniocentese (uma agulha longa e
oca) através da parede abdominal até o
• Quando os resultados de provas labo- interior da cavidade uterina. Retira-se
ratoriais de triagem (dosagem de al- uma pequena quantidade de líquido. O
fafetoprote!na, sonografia, dosagem pequeno risco de punção acidental do fe-
de estriol ou/e de hCO) se revelam to é ainda mais reduzido pelo uso do
anormais e a avaliação do líquido am- ultra-som como guia. Os sinais vitais da
niótico se faz necessária para deter- gestante e o batimento cardíaco fetal são
minar se há de fato alguma anormali- verificados antes e depois do procedi-
dade fetal. mento, que não deve demorar mais de
30 minutos. Em mulheres Rh negativas
Quando é feita? A amniocentese diag- costuma-se fazer uma injeção deimuno·
nóstica costuma ser feita entre a 16~ e globulina Rh depois da arnniocemese pa-
a 18~ semanas de gestaçllo, ernbora por ra prevenir possíveis complicações
vezes o seja mesmo na 14~ ou mais tar- vinculadas a esse fator.
de, na 20~. A exlqtlibllldade da amn.io- Salvo quando tiver importância para
centese antes desse período- entre a lO~ o diagnóstico, os pais têm o direito de
e 14~ semana - encontra-se atualmente que não se lhes diga o sexo da criança,
em estudo. O resultado da maioria dos ao vir o resultado, preferindo conhecê-
tJutmes, em virtude da cultura de célu- lo à modo antiga, na sala de parto.
las feita em laboratório, leva de 24 a 35 (Lembre-se que a troca de resultados,
dias para ser divulgado, nao obstante al· embora rara, pode acontecer.)
gun:; como o da doença de Tay-Sachs,
o c.a s!ndrome de Hunter e o das falhas É procedimento seguro? As mulheres, na
do tubo neural poderem ser feitos ime- grande maioria, experimentam não mais
diatamente. do que algumas hor?.$ de cólica leve de·
76 NO PR INCÍPIO

pois do exame; é raro o sangramento va- (quando a placenta se conforma num


ginal discreto ou a perda de líquido am- conglomerado de cistos, como um cacho
niótico. Embora menos de I em 200 de uva, impossibilitando a embriogêne-
casos evoluam com infecção ou com ou- se), filho com anomalias genéticas ou
tras complicações que podem ser causa- congênitas, ou já se submeteu a parto ce-
doras de aborto, a amniocentese, como sáreo. Serve também para:
todos os demais exames diagnósticos no
pré-natal, só deve ser feita quando os be- • Verificar a data provável do parto,
nefícios superam os riscos. conferindo se esta condiz com o tama-
nho do bebê. 1
ULTRA-SONOGRAFIA • Determinar a condição fetal quando
advento da ultra-sonografia tornou há risco acima do normal de alguma
O a ciência obstétrica muito mais exata
e a gestação uma experiência muito me-
anormalidade (ou quando a preocupa-
ção com tal risco é maior). Para essa
nos problemática para muitos casais. finalidade, a ultra-sonografia transva-
Através da reflexão de ondas sonoras pe- ginal pode ser feita mais precocemen-
las estruturas internas, consegue-se vi- te e ainda se revela mais precisa.
sualizar o feto sem os riscos do exame
radiológico. Quando o sistema usado • Excluir o diagnóstico de gravidez por
possui tela de TV, tem-se a oportunidde volta de sete semanas quando se 5US·
única de se "ver" o bebê - pode-se até peita de exame falso-positivo.
conseguir uma fotografia para mostrar
aos amigõs e à família-, embora tal- • Determinar a causa de sangramento
vez seja preciso um especialista para que ou de pequenas perdas hemllrrágicas
se consiga distinguir a cabeça das náde- no início da gravidez - prenhez tu-
gas na imagem borrada. bária, ovo anembrionado (quando o
A ultra-sonografia de nível I costu- embrião deixou de se desenvolver e
ma ser feita para determinação da data não é mais viável).
do parto. O exame ultra-sonográfico
mais pormenorizado (nível 2) é usado
para outras finalidadess diagnósticas KAJguns médicos acreditam que essa prática de-
mals complexas. A ultra·sonografia é veria ser rotineira porque a verificação prévia da
recomendada quando a mãe apresenta data reduz a pos;lbUJdade da lnduçao desneces-
sária ao parto quando se supOe (incorretamen-
histórico obstétrico mais complicado . te) que o bebe seja póa-maturo, o que, por sua
Por exemplo, quando já teve prenhez ec- vez, reduz a necessidade de uma cesariana por
tópica (tubária), mola hidatiforme motivo de lnsucessn da Indução do parto.

Complicações da Amniocentese
Embora lt:jam nar""· eatlmii·Se que de· dlco. H6. multo buu probnbllldad~ de que o
pois de I entre 100 procedimentos, aproxJ- escowucnto se detenho ddpols de uii!Un~ lll11s,
madamente, haja algum escoamento de mas o repouso no leito e a observuçlio dili-
Uquldo amnlótlco. Se perceber tal escoamen- gente costumam ser recomendados ate que
to pela vagina, informe de Imediato ao mé- isso ocorra.
AGORA QUE VOC~ ESTÁ GRÁVIDA 77

• Localizar DlU implantado, presente Quando é feito o exame? Dependendo da


por ocasião da concepção. indicação, a ultra-sonografia pode ser
realizada em qualquer momento a par-
• Localizar o feto antes da amniocente- tir da quinta semana de gestação até o
se e dt.rante a biópsia de uma amos- parto. A ultra-sonografia transvaginal
tra do cório. pode ser empregada mais precocemente
do que o procedimento transabdominal
• Determinar a condição do feto quan- -para verificação de gravidez gemelar
do não se detecta o batimento cardía- ou anormalidade do desenvolvimento
co fetal por volta da 14~ semana com fetal.
o sonar Doppler ou quando não se
identifica qualquer movimento fetal
por volta da 22~. Como é feito o exame? O exame ultra-
sonográfico ora é feito através do abdo-
• Diagnosticar a existência de fetos múl- me (transabdominal), ora através dava-
tiplos, sobretudo quando a mãe fez gina (transvaginal). Às vezes é feito pelas
uso de estimulantes da fertilidade e/ ou duas vias, dependendo da necessidade do
quando o útero é maior do que o es- caso. O exame é rápido (5 a 10 minutos)
perado. e indolor, exceto pelo incômodo causa-
do pela bexiga cheia necessária para o
• Determinar se o crescimento uterino exame transabdominal (motivo pelo qual
excepcionalmente rápido se deve a ex- a maioria das mulheres parece preferir
cesso de líquido amniótico. o transvaginal). Durante o exame, por
qualquer das duas vias, a gestante per-
• Determinar a condição da placenta, manece deitada de costas. No exame
quando a deterioração desta pode ser transabdominal, espalha-se-lhe sobre o
a responsável pelo retardo do cresci- abdome uma película de óleo ou de gel
mento fetal ou pelo sofrimento fetal. que serve para melhorar a condução do
som. O transdutor do aparelho então
• Visualizar a placenta para determinar percorre lentamente o abdome. No
se o sangramento tardio durante a gra- transvaginal, uma sonda ultra-sônica é
videz se deve à placenta prévia ou a inserida na vagina. Os instrumentos re-
descolamento prematuro (placenta gistram os ecos de pulsos ultra-sônicos
abruptio). Também se pode visualizar
coágulos de sangue por trás da pla- que provêm das várias partes do bebê.
centa. Com a ajuda de um técnico ou do médi-
co presente, a gestante conseguirá iden-
• Determinar o tamanho fetal quando tificar o batimento cardíaco, a curvatura
se contempla parto pré-termo ou da coluna vertebral, a cabeça, os braços
quando se pensa em pós-maturidade e as pernas. Às vezes se consegue visua-
(bebê pós-maturo). lizar ligeiramente o bebê sugando o po-
legar. Noutras tantas consegue-se dis-
• Avaliar a condição do feto pela obser- cernir os órgãos genitais e o sexo da
vação da atividade fetal, dos movi- criança, embora dentro de urna proba-
mentos respiratórios, do volume do bilidade inferior a lOOo/o. (Se você não
liquido amniótico (ver Perfil Biofísi- quiser saber antecipadamente o sexo do
co, p. 304). bebê, nilo deixe dP. r;w!:;~r q~~·.~~ o
médico.)
• Verificar apresentação de nádegas ou
outras posições incomuns do feto ou É seguro? Em 25 anos de uso clínico e
do cordão antes do parto. de pesquisas, não se conhe~;em riscos: só
78 NO PRINCIPIO
--------------------
se verificaram benefícios. Todavia, de- quido amniótico são observados,
vido à possibilidade, embora pequena, podendo-se ainda retirar uma amClstra de
de que efeitos colaterais possam vir a sur- sangue da junção do cordão umbilical
gir no futuro, a recomendação corrente com a placenta e também um pt!queno
é de que só seja feito dl_lrante a gestação fragmento de tecido fetal ou placentário
quando existirem indicações válidas. para exame.
Pesquisas recentes feitas na Inglaterra,
entretanto, sugerem que os benefícios da É procedimento seguro? O exame ainda
ultra-sonografia de rotina durante a ges- traz consigo um risco relativamente im-
tação são tantos que ultrapassam quais- portante: a chance de perda fetal oscila
quer riscos inerentes. entre 3o/o e 5%. Embora o risco seja mais
elevado que o das demais provas diag- 1
nósticas, é contrabalançando pelos be-
FETOSCOPIA nefícios, em certos casos, do diagnóstico
e possível tratamento ou correção de al-
fetoscopia é a ficção científica que guma anomalia fetal.
A rapidamente vai se tornando uma
realidade médica. Numa viagem tão fan-
tástica quanto as escritas por lsaac Asi- DOSAGEM DE
mov, um instrumento, como um
telescópio em miniatura, provido de lu- ALFAFETOPROTEÍNA
zes e de lentes de aumento, é introduzi- NO SANGUE MATERNO
do através de minúsculas incisões no
abdome e útero até o saco amniótico, on- elevação do teor de alfafetoprotei-
de mostr.a o feto e o fotografa. Ao mes-
mo tempo, a fetoscopia permite o
A na (AFP) no sangue da gestante -
uma substância produzida pelo feto -
diagnóstico, mediante amostragem do é capaz de indicar anomalias do tub(•
sangue e dos tecidos, de diversas doen- neural como, por exemplo, espinha bí-
ças do sangue e da pele que não são de- fida (uma deformidade da coluna verte-
tectadas pela amniocentese. Por ser bral) ou anencefalia (ausência do
procedimento de risco relativamente ele- encéfalo ou de parte dele). O teor anor-
vado, contudo, e pela disponibilidade de malmente baixo pode indicar maior ris-
outros recursos diagnósticos mais segu- co de sfndrome de Down ou de alguma
ros para identificação dos mesmos dis- outra anomalia genética. Trata-se ape-
túrbios, a fetoscopia não é empregada nas de um exame laboratorial de tria-
em larga escala. gem: o resultado anormal impõe uma
exploração clínica mais aprofundada pa-
Quando é feita? Usualmente, depois da ra confirmar a existência do problema.
16~ semana.
Quando é feita? Entre a 16~ ea 18~ ,
Como é feita? Depoi~ de degermar o ab- semana.
dome com anti-séptico e de anestesiá-lo
(anestesia local), o médico faz diminu- Como é feita? É exame simples que só
taalnolaOo• no abciOJno • no \\tero. Com requer uma amostra de sangue materno.
a ajuda do ultra-som para guiar o Ins- ~ o rol!ultullo rovulw- 1110r ttnormoJmuntt ;
trumento, a seguir um fibroendoscópio elevado, faz-se um segundo exame. So
é Introduzido através das incisões até a nesse o resultado duplicar o valor encon·
cavidade uterina. Com esse periscópio trado no primeiro, parte·se para umas&.
em miniatura, o feto, a placenta e o ll- rie de outros exames que visam confir·
AGORA QUE VOC~ ESTÁ GRÁVIDA 79

mar ou excluir a existência de anomalia AMOSTRAGEM DAS


do tubo neural: ultra-sonografia (para VILOSIDADES CORIÔNICAS
ver se se trata de gravidez gemelar, para
confirmar a data prevista do parto, pa-
ra identificar anomalias fetais); amnio-
ce~tese, para verificar o teor de
Diversamente da amniocentese, a
amostragem das vilosidades coriô-
permite identificar anomalias fetais
nicas
alfafetoprote!na e de acetilcolinP.sterase em fase muito precoce da gestação -em
nc• líquido amniótico. De cada 50 mulhe- fase em que o aborto é menos complica-
res com leitura anormalmente elevada na do e menos traumático. Embora ainda
IJrimeira avaliação, apenas uma ou duas menos comum do que a amniocentese,
tcriio confirmada a existência de anor- o método vem ganhando popularidade.
malictade fetal. Nas outras 48, os exames Também vem sendo empregado experi-
mostrarão outras causas para a elevação mentalmente no segundo trimestre em
encontrada: gravidez gemelar, gravidez lugar da amniocentese por causa da ra-
mais adiantada do que o previsto inicial- pidez dos resultados e por causa da uti-
mente, leitura original inexata. Além dis- lidade quando não se tem acesso ao
so, embora a elevação do teor de AFP ãmnio, como acontece quando há mui-
não costume ser causa de alarme, os mé- to pouco líquido amniótico (oligoi-
dicos poderão recomendar maior repou- drâmnio).
so e maior vigilância da gestante: há Acredita-se que o exame venha a ser
nesses casos um risco um ):ouco maior capaz de identificar praticamente todas
de lnixo peso ao nascer ou de prematu- as 3.800 (mais ou menos) anomalias ge-
ridade. néticas ou cromossômicas existentes. E
Se o teor de AFP for muito baixo, no futuro talvez seja possível o tratamen-
também se recorrerá à ultra-sonografia, to ou a correção intra-uterina de muitas
ao aconselhamento genéticu e/ ou à am- dessas condições. No momento, o exame
niocentese para verificar se o concepto é de grande utilidade para identificar
sofre de síndrome de Down ou de outro afecções genéticas para as quais se dis-
defeito cromossômico. põe de recursos tecnológico-diagnósti-
cos: doença de Tay-Sachs, anemia falei-
O exame é seguro? O teste de triagem ini- forme, a maioria dos tipos de fibrose
cial não cria qualquer outrc risco para cística, as talassernias e a síndrome de
a gestante ou para o bebê além do ine- Down. A pesquisa de outras doenças es-
rente a c1ualquer outro exame de sangue. pecíficas (fora a slndrome de Down) só
O principal risco é que o resultado falso- costuma ser feita quando há história
negativo falso-positivo pode levar a ou- familiar da doença ou quando se sabe
tros exames de acompanhamento que serem os pais portadores do gene. As
apresentem maior risco- e em casos ra- indicações do exame são as mesmas da
ros ao aborto terapêutico ou acidental de amniocentese, embora o mesmo não sir-
uma criança perfeitamente normal. An- va para avaliar a maturidade do pulmão
tes de tomar qualquer decisão baseada fetal. Ocasionalmente, é necessário fa-
em exames feitos no pré-natal, certi- zer a amostragem e a amniocentese.
fique-se de que os resultados foram ava-
lindos por médico experiente ou por ge- Quando é feita? Em geral entre a 8~ e
lllllh:latu o6poctullie(ldo no aatmnto. P.:çQ a 12P IOitH\110 11 41nttt a 9~ e a 11 ~ sem!\-
uma segunda oplnlllo em caso de duvi- na para a amostragem transabdomlnal.
da. Os profissionais especializados em O procedimento transabdominal tam-
medicina materno-fetal podem ser de ex- bém é empregado experimentalmente no
trema ajuda. segundo e no terceiro trimestre.
80 NO PRINCIPIO

Como é feita? Talvez um dia se torne um Como as vilosidades coriônicas são de


~xame para ser feito em consultório, mas origem fetal, ao examiná-las o médico
por ora só é realizada em centros médi- tem um retrato completo da constituição
cos. A princípio a amostragem das célu- genética do feto em desenvolvimento.
las era sempre realizada por via vaginal Como são muitas as células colhidas
e cervical (amostragem transcervical). durante o procedimento, o estudo diag-
Hoje, às vezes é feita por incisão abdo- nóstico pode começar quase que ime-
minal (amostragem transabdominal). diatamente sem precisar do tempo de
Nenhuma das duas vias é indolor: o in- espera (semanas) para o crescimento
cômodo pode ser muito discreto, mas de células em laboratório, como cos-
também pode ser muito grande. tuma ocorrer no caso da amniocentese.
No procedimento transcervical, ages- Dependendo das células amostradas,
thllte fica deitada na mesa de exame e os resultados ficam prontos em um ou
insere-se por via vaginal um longo tubo dois dias (quando são empregadas célu-
(sonda ou cateter) até o útero. Sob a las do meio do cório) ou até em uma
orientação do ultra-som, o médico po- semana (quando se utilizaram as células
siciona a sonda entre o revestimento ute- mais internas).
rino e o cório, a membrana fetal que
acabará conformando a face fetal da pla- O procedimento é seguro? Embora seja
centa. Faz-se então, por corte ou sucção, relativamente recente, as pesquisas reve-
a amostragem das vilosidades coriônicas lam por enquanto que é de segurança
(projeções digitiformes do cório) que ser- aceitável e bastante fiel nos resultados.
virão para o estudo diagnóstico. As vilosidades coriônicas, de onde são
No procedimento transabdominal, a tiradas as células para teste, desaparecem
paciente também permanece deitada na com o desenvolvimento fetal , portanto
mesa de exame, de barriga para cima. O acredita-se não haver perigo em removê-
ultra-som serve para determinar a loca- las. O exame aumenta a possibilidade de
lização da placenta e para visualizar as aborto em 1o/o aproximadamente (o do-
paredes uterinas.' Ajuda também o mé- bro do risco da amniocentese). Porém é
dico a encontrar um lugar seguro para um risco que muitas se dispõem a assu-
inserir a agulha. Na área escolhida faz- mir em vista das informações diagnósti-
se a anti-sepsia e a infiltração de anesté- cas mais precoces que o exame propicia
sico local. Ainda sob a orientação do sobre o feto. Há também um ligeiro ris-
ultra-som, o médico insere uma agulha- co de término da gravidez em decorrên-
guia através do abdome e da parede cia de informações incorretas, já que
uterina até a margem placentária. Em uma anormalidade conhecida como mo-
seguida, por dentro da agulha-guia, é saico pode ser identificada nas vilosida-
introduzida uma aaulha mais fina que des e nao ocorrer no feto. Esse risco pode
permitirá fazer a amostragem. Essa agu-
lha é rodada e Introduzida e retirada lS ser eliminado pela confirmação do diag-
a 20 vezes por amostragem, para ser en- nóstico de mosalcismo através da amnJo.
fim removida com a amostra de células centese.
para estudo. Depois do procedimento pode ocorrer
um breve sangramento vaginal qu<~ não
deve ser causa de preocupação, embora
deva ser notificado ao médico. É preci-
'AI mulheres com placenta localizada n11 pro· so informá·lo tamb~m se o .~angramen­
fundldade da região posterior do útero, ou com
nbromaa nas paredes uterinas, silo boas candl· to dura tres ou mais dlas. Em virtude do
datas para esse tipo de ult.ra·sonografia. pequeno risco de infecção, convém
AGORA QUE VOC~ ESTÁ GRÁVIDA 81

Como Reduzir os Riscos em Qualquer Gestação


Atendimento médico correto. Mesmo ages- congênitas, sobretudo o da slndrome alcoó-
tação de baixo risco tem seu risco aumenta- lica fetal (resultado do excessivo abuso alcoó-
do se não houver o devido atendimento lico) e o efeito alcoólico fetal (resultado do
pré-natal. O acompanhamento regular por consumo moderado de álcool). (Ver p. 83.)
profissional, com inicio já na suspeita de gra-
videz, é conduta vital para as gestantes. (Se Abstinência de drogas. Todas as drogas iH-
a gestante estiver em grupo de alto risco, citas são perigosas para o feto e devem ser
cumpre escolher obstetra com experiência na evitadas durante a gravidez. Medicamentos
sua condição particular.) No entanto, assim só devem ser usados quando os beneficios su-
como é importante ter um bom médico, é peram os riscos, e só quando aprovados ou
também fundamental ser uma boa paciente. prescritos por médico ciente da gestação. (Ver
Recomenda-se a participação ativa no aten- p. 89)
dimento médico - · formulando perguntas,
relatando os sintomas - sem tentar, contu- Prevenção do risco das toxinas ocupacionais
do, fazer o papel do médico. (Ver p. 44.) e do melo ambiente. Embora tudo o que to-
camos, respiramos, comemos e bebemos não
A dieta. A Dieta Ideal (ver p. 109) oferece seja tão perigoso quanto nos fariam crer as
à gestante as melhores chances de êxito na manchetes de jornal, é prudente evitar ris-
ge~tação e de saúde do concepto. cos conhecidos (excesso de raios X, chumbo
etc.; consultar os itens individualmente).
O condicionamento flslco. Convém começar
a gravidez com o corpo bem-condicionado, Prevenção e tratamento imediato das Infec-
com bom tônus muscular, embora nunca seja ções. Cumpre prevenir, sempre que possível,
tarde demais para dar inicio a um melhor todas as infecções - desde o resfriado co-
condicionamento. O exerclcio regular pode mum, infecções urinárias e vaginites, até as
evitar a constipação e melhorar a respiração, corriqueiras doenças sexualmente transmis-
a circulação, o tônus muscular e a elastici- síveis. Ao contrair alguma, porém, é mister
dade da pele, contribuindo para uma melhor tratá-la prontamente por médico que saiba
gestação, com maior bem-estar, e para um que você está grávida.
parto mais fácil e mais seguro. (Ver p. 225.)
Cuidado com a slndrome da supermulher.
Ganho ponderai. O ganho de peso gradual, Muitas vezes bem-sucedidas no trabalho e
constante e moderado, ajuda a prevenir uma motivadíssimas em tudo que fazem, as mães
ampla variedade de complicações - diabe- de hoje tendem ao exagero nos empreendi-
tes, hipertensão, varizes, hemorróidas, bai- mentos e na eficiência em conduzi-los. O re-
xo peso fetal ao nascimento e parto difícil em pouso suficiente durante o ciclo gestatório é
virtude de feto muito grande. (Ver p. 182.) bem mais Importante do que a atividade ex-
cessiva, sobretudo nas gesta•;Oes de alto ris·
Renl\ncl1111o h~bllo de rumar. Cumpre aban- co. Nilo espere que o corpo peç!l desclln•o
donar o hábito já ao Inicio da gestação para para só então diminuir o ritmo de trabalho.
reduzir os muitos riscos à mãe e à criança, Se o médico recomendar o começo da licença-
entre os quais o de prematuridade e o de bai- maternidade antes do planejado, siga o seu
xo peso ao nascimento. (Ver p. 85.) conselho. Há pesquisas que apontam maior
incidência de prematuridade entre as gestan-
Altstlnêncla alcoólica. O consumo muito ex- tes que trabalham até o momento do parto,
cepcional de bebidas alcoólicas ou a completa quando a atividade envolve esforço físico ou
abstlnencia reduzlrAo o risco de anomalias longos perlodos em pé•

.:-
82 NO PRINCÍPIO

informá-lo ainda do surgimento de fe- do consideram-se esses resultados em


bre alguns dias depois do exame.'0 função da idade materna.
Cor..1o muitas gestantes sentem-se fí-
sica e emocionalmente esgotadas depois • Amostragem do sangue fetal (cordo·
do exame (não é incomum cair na cama centese). Retira-se sangue do cordão
e dormir horas a fio depois dele), há umbilical ou da veia hepática fetal pa-
quem recomende a volta para casa do ra análise. É um pouco mais seguro do
hospital em carro com motorista e o en- que a fetoscopia quando feito sob
cerramento das atividades pelo resto do orientação ultra-sônica. Além disso,
dia. permite identificar as mesmas con-
dições.

OUTROS TIPOS DE • Amostragem da pele fetal. Retira-se


DIAGNÓSTICO PRÉ-NATAL para análise um minúsculo fragmen-
to da pele fetal. O método é particu-
rata-se de um campo do conheci men- larmente útil na identificação de <.:ertas
T to médico que vem se expandindo ra-
pidamente. Novos métodos vêm sendo
afecções cutâneas congênitas.

constantemente avaliados. Além dos re- • Mapeamento por ressonância nuclear


cursos convencionais mencionados aci- magnética. Embora ainda ele caráter
ma, há outros que vêm sendo experimental, o método parece pro·
empregados experimentalmente ou só de missor: talvez venha a permitir uma
vez em quando. Entre estes estão: imagem mais nítida do feto (interna
e externamente) que a fornecida pelo
• Triagem de hCG no sangue materno. ultra-som.
Talvez venha a tornar-se no mais im-
portante exame (mais do que a idade • Radiografia (raio X). Depois de ser o
materna) para indicar quais as gestan- método mais comum de avaliação do
tes que devem ser submetidas à amnio- feto, foi quase que completamente
centese para identificação da síndrome substituído pela ultra-sonografia.
de Down. O teor elevado de hCG no
sangue da gestante aponta, segundo os • Ecocardiografi'l. Permite a identifica-
pesquisadores, para maior risco de fi- ção de cardiopatias congênitas.
lho com a síndrome (mongolismo).
Essa gestante passa então a ser candi- • Exame de sangue materno para iden-
data à amniocentese. A exatidão do tificação do sexo do bebê. Embora
resultado aumenta quando se associa ainda experimental, talvez se configu-
o exame à dosagem de alfafetoproteí- re de grande valia na identificação de
na (ver p. 78) e à de estriol no sangue certas doenças hereditárias que aco-
(o baixo teor tem valor preditivo de metem apenas os bebês do sexo mas-
slndrome de Down), sobretudo quan· culino.

10
Jâ que há a possibilidade de escoamento de
humâclos porn o slsternu clrculutórlo da mtl~. ai·
guns médicos acreditam que toda mulher com
fo.tor Rh neao.tlvo deveria receber uma lmuno-
atobullna ch11111"dQ Allti·D·I!Iobulln!\ antes ~~~
amostragem das vilosidades corlônlcas.
--3
Durante
Toda a ....

Gravidez
As PREOCUPAÇÕES COMUNS
s gestantes estão sempre preocu- em frangalhos durante a gestação. Ao

A padas. O motivo de suas preo-


cupações, porém, tem se modifi-
cado no decurso de várias gerações, à
conhecê-las mais a fundo, a gestante po-
derá adquirir maior controle sobre elas
e melhorar as chances de boa saúde pa-
medida que a medicina obstétrica- e o ra o bebê.
casal grávido - vai descobrindo cada
vez mais o que interfere e o que não in-
terfere na saúde e no bem-estar do con- ÁLCOOL
cepto. Nossas avós, vulneráveis a uma
ampla variedade de velhas histórias, te- "Bebi v4rias vezes antes de saber que esta1·a
miam ver um macaco durante a gestação grávida. Receio que o álcool possa ter prejudi·
porque os filhos poderiam nascer com cado o bebe. "
cara de macaco, ou evitavam dar palma-
das na barriga com receio de a criança "Agora, pois, guarda-te, não be-
nascer com algum sinal em forma de bas vinho, ou bebida forte, e
mão. Já nós, vulneráveis à avalanche de não comas coisa imunda; porque eis que
Informações pelos modernos meios de tu conceberás e darás à luz um fllho ... ''
comunicação (às vezes apavorantes, nou- É o que diz o anjo do Senhor à mulher
tras sem qualquer fundamento), temos de Manoá, em Jufzes 13, 4. Mulher de
outros medos: Será que o ar que respiro sorte. Ela pôde substituir o vinho pela
está poluído? A água que bebo é potá- água quando Sansão não passava de me-
vel? Será que o meu emprego, ou o há- ro brilho no olhar do pai. Muito poucas
bito de fumar do meu ma~tdo, ou aquela de nós somos informadas de antemão de
xícara de café que tomei pela manhã, são que vamos engravldar. E como multas
prejudiciais à saúde do bebê? E o raio vezes só ficamos sabendo lá pelo segun-
X que f1z no dentista? Sao prcocupaçOcs do mes, somos capazes de fazer eoisM
que, por vezes, podem deixar os nervos que não faríamos se tivéssemos subido
84 NO PRINCÍPIO

antes. Como beber com muita freqüên- persistente são relacionados à dose:
cia . Eis por que essa é uma das preocu- quanto mais se bebe, maior o perigo em
pações mais comuns trazidas ao médico potencial para o bebê. Entretanto, mes-
na primeira consulta. mo o consumo moderado (3 ou 4 drin-
Felizmente, também é uma das que ques ao dia ou a bebedeira ocasional com
podem facilmente ser postas de lado. 5 ou mais drinques) durante toda ages-
Não há prova de que alguns drinques tação se relaciona a uma ampla varieda-
ocasionais ao começar a gestação sejam de de problemas, inclusive maior risco
prejudiciais ao embrião em desenvolvi- de aborto espontâneo, prematuridade,
mento. De fato, uma pesquisa recente re- baixo peso ao nascer e complicações du-
velou que as mulheres que tomaram duas rante o trabalho de parto e o parto. Tam-
ou três bebedeiras ao início da gestação bém se vincula a um efeito alcoólico fetal
têm probabilidade de terem filhos com (EAF) um pouco mais sutil, que se ca-
anomalias estruturais ou com retardo de racteriza por numerosos problemas de
crescimento igual à das abstêmias. desenvolvimento e de comportamento.
Quem continua a beber pesadamente Inclusive um a dois drinques por dia au-
durante a gravidez expõe o bebê a uma mentam o risco de aborto espontâneo,
série de riscos. Isso não surpreende se vo- de natimortalidade, de anorm<.lidr.des do
cê entender que o álcool entra na corren- crescimento e de problemas do desenvol-
te circulatória fetal aproximadamente na vimento.
mesma concentração que entra na cor- Embora algumas mulheres bebam um
rente circulatória materna. Cada drinque pouco durante a gravidez- um copo de
e cada chope que a gestante toma é divi- vinho à noite , por exemplo - e ainda
dido com o bebê. Como o feto demora consigam aparentemente dar à luz um
duas vezes mais tempo para eliminar o bebê sadio, não há garantia de que seja
álcool do organismo em comparação à uma cond uta saudável. A dose diária de
mãe, poderá ficar já fora de seus limites álcool segura durante a gravidez, se é que
enquanto a'mãe apenas começa a sentir- há, não é conhecida.
se alegre. Tudo o que se sabe sobre o álcool e
O consumo pesado de álcool (defini- sobre a grav idez nos leva a sugerir que,
do como o de cinco a seis drinques de embora você não deva se preocupar por
destilados por dia, ou de cinco a seis co- ter bebido sem saber que estava grávida,
pos de vinho ou cerveja) durante toda a convém ser prudente e parar de beber pe·
gravidez pode resultar, além de muitas lo resto da gravidez- exceto talvez to-
e graves complicações obstétricas, naqui- mando meio copo de vinho numa festa
lo que se conhece como a síndrome al- ou num aniversário Uunto com alimen-
coól ica fetal (SAF). Considerada como to, já que o alimento reduz a absorção
a ressaca que dura a vida inteira, a con- do álcool).
diçllo faz o bebê nascer pequeno para a Para algumas mulheres Isso ~ fácil -
idade gestacional, em geral com deficiên- as que enjoam com o álcool ao inicio da
cia mental, com múltiplas deformidades gravidez, o que pode perdurar até o par-
(sobretudo da cabeça e do rosto, dos to. Para outras, sobretudo as que cos·
membros, do ooraçllo e do alatcma ner• tumum "rela~tar" com coquc:t6ls no fim
voso central) e causa também elevado do dia ou que tomam vinho ao jantar,
coeficiente de mortalidade neonatal. No a abstinência poderá necessitar de redo·
decorrer da vida, os portadores da sfn- brado esforço. talvez até de mudança no
drome apresentam sérias dificuldades de estilo de vida. Quem bebe para relaxar
aprendizado. deve buscar outras formas de relaxamen·
Os riscos relacionados ao alcoolismo to: música, banhos quentes, mas~agem,
DURANTE TODA A GRAVllJ.bZ

exercício, leitura. Se beber já é uma ati· senvolvimento. Contudo, está bem do-
vidade inserida no ritual diário a que cumentado que fumar durante a gesta·
u leitora não está disposta a renunciar, ção - sobretudo depois do quarto mês
recomendamos um bloody mary sem - é ato capaz de aumentar as chances
vodca (virgin mdry) no almoço, sidra de um amplo leque de complicações da
efervescente, suco de uva ou bebidas gravidez. Com efeito, o uso de cigarro
maltadas, sem álcool, no jantar, e de· constitui uma das principais causas de
pois, na hora do coquetel, suco de fruta problemas pré-natais. Entre as mais gra·
com água tônica, daiquiri de morango, ves estão o sangramento vaginal, o abor-
ou ainda sangria sem álcool (ver p. 128), to espontâneo, a implantação placentária
SP.rvidas na hora habitual, nos copos ha- anormal, o descolamento prematuro de
bituais e com a cerimônia habitual.' Se placenta, a ruptura precoce das membra·
o marido a acompanhar (ao menos nas e o parto prematuro. Tem-se sugeri:
quando estiwr com você), fica bem mais do que até 14% dos partos pré-termo nos
fácil seguir a recomendação. Estados Unidos se relacionam ao fumo.
Nos Estados Unidos, o uso de álcool Há também fortes evidências de que
durante a gravidez é causa importante de o tabagismo da gestante interfere de for·
retardo mental e de anomalias congêni· ma direta e adversa no desenvolvimento
tas em geral; todos esses problemas po- do concepto in utero. O risco mais co·
dem ser prevenidos. Quanto mais cedo mum é o de baixo peso ao nascer. Em
a pessoa deixa de beber durante a gravi· nações industrializadas, como os Esta·
dez tanto m~nor o risco para o bebê. As dos Unidos e a Inglaterra, o tabagismo
que se recusarem a renunciar ao hábito parece explicar um terço dos casos de be-
ou a procurar o auxílio dos Alcoólicos bês pequenos para a idade gestacional.
Anônimos ou ainda de um médico es· E essa é a principal causa de doença e de
pecializado no assunto ou mesmo de ai· mortalidade perinatal (imediatamente
gum outro programa de trata:nento do antes, durante ou após o parto).
alcoolismo podem considerar o aborto Mas há outros riscos em potencial. Os
preventivo e o adiamento de nova ges- bebês de mães fumantes têm maior pro-
tação até que a enfermidade esteja sob babilidade de sofrer de apnéia (pausas
controle. respiratórias) e duplicada probabilidade
de morrer em decorrência da sfndrome
de morte súbita do lactente (morte no
CIGARRO berço). Em geral, os bebês das fuman·
tes não são tão sadios quanto os bebês
"Fumo htJ dez anos. Isso prejudicarfJ o beM?" das não-fumantes ao parto. Os filhos de
fumantes de três maços por dia apresen·

F dizmente, não há provas evidentes de


que o hábito de fumar antes da ges·
tação - mesmo durante dez ou vinte
tam também um quadruplicado risco de
baixo escore de Apgar (ou seja, escore
baixo na escala padrão que serve para
anos- venha a prejudicar o feto em de- avaliar a condição do recém-nascido ao
nascer), o que significa não serem tão sa-
dios quanto os outros bebes. Hli ainda
1Embora a substltuiçilo de bebidas alcoólicas evidências de que, em média, nunca
por bebidas não alcoólicas semelhantes no as· acompanham, em termos de desenvolvi·
pecto .Jossa funcionar para algumas pessons, pa- mento, os filhos de não-fumantes, de que
ra outras (alcoólatras) pode servir como
estimulante n desencadear o desejo de beber. Se talvez tenham deficiências físicas e inte·
for esse o seu caso, evite qualquer bebida ou clr· lectuais mais prolongadas e de que apre-
cunstância que a faça lembrar-se do álcool. sentem hiperatividade. Uma pesquir,~
86 NO PRINCÍPIO

Como Abandonar o Hábito de Fumar


Descobrir a motivação pars o tabagismo. Por • Se você fuma para reduzir as tensões e re-
exemplo, você fuma por prazer, para estimu- laxar, deve tentar os exercícios. Ou as téc-
lação ou para relaxamento? Para reduzir a nicas de relaxamento. Ou tricotar ouvindn
tensão e a frustração, para ter alguma coisa música. Ou dar um longo passeio a pé. Ou
na mao ou na boca, para satisfaze r um de- tentar uma massagem. Ou fazer amor.
sejo? Talvez a leitora fume por hábito, acen-
• Se você fuma por prazer, deve buscá-lo
dendo o cigarro sem pensar. Descobertos os
noutras fontes, de preferência em situações
motivos do hábito fica mais fácil abandoná-
em que não entre o cigarro. l r ao cinema,
lo e substituí-lo por ou tras fontes de sa-
visitar butiques para bebês, ir a um mu-
tisfação.
seu , ir a um concerto ou ao teatro, j~ntar
Descobrir a motivação para o abandono do com uma amiga alérgica a cigarro. Ou ter.-
hábito. Estar grávida é uma boa razão. tar algo mais ativo, como o tênis.
Escolher o método para abandonar o vicio. • Se você fuma por hábito, deve evitar as si-
Será melhor parar de vez ou devagarzinho? tuações em que fuma habitualmente e os
De uma forma ou de outra, determine quan- amigos fumantes; freqüentar lugar onde
do será o "último dia", não muito distante. seja proibido fumar.
Para a ocasião, planeje um dia cheio de ati-
• Se você associa o cigarro com alguma be-
vidades: coisas que você não associe ao
bida, com algum alimemo ou com as re-
cigarro.
feições, deve evitar essas bebidas e esses
Tentar sublimar a \IOntacle premente de fu· alimentos e passar a fazer as refeições nou-
mar. Entre os elementos que ajudam estão tro local. (Digamos que a leitora fume sem-
os segui nte~: pre dois cigarrO'i com o café da manhã mas
nunca na cama. Tome o café na cama du-
• Se você fuma sobretudo para manter as
ranre alguns dias.)
mãos ocupadas, deve tentar brincar com
um lápis, com as contas de um colar, de • Ao sobrevir a vontade premente de fumar,
um rosário, com palha; polir a prataria, inspire profundamente diversas vezes, com
criar uma nova receita nutritiva, escrever uma pausa entre as inspirações. Ao fim,
uma cana, tOcar piano, aprender a pintar, prenda a respiração enquanto acende um
fazer bonecos de pano , fazer palavras cru- fósforo. Expire lentamente, apagando o
zadas, desafiar alguém para uma partida fósforo. Finja que era um cigarro e
de xadrez- qualquer coisa que a faça es- esmague-o no cinzeiro.
quecer do cigarro.
11• \lllçl nlo reaJJIJn rumar um c1111tro, nlo
• Se voe~ fuma por gratificação oral, deve se desespere. Retorne ao programa, sab<,n-
buscar um substituto: chicletes sem açú- do que cada cigarro que você deLcar de fu -
car, legumes crus, pipoca, uma fatia de p!lo mar estará ajudando o bebê.
Integral, palitos, uma piteira sem cigarro.
Olhe para o cigarro como um problema de
Evitar os chocolates, as balas etc.
fácil soluçilo. Quando você era fumante não
• Se você fuma para a própria estimulação, lhe deixavam fumar no cinema, no metrô,
deve procurar fazer uma caminhada ligei- em certas lojas e até mesmo em alguns res-
ra , ler um livro Interessante, bater um bom taurantes. E pronto. Agora voce tem de COR•
papo. É preciso ter certeza de que a dieta vencer a sl mesma que n!lo lhe é permitido
contém todos os nutrientes essenciais c de rumar, e ponto final. Nilo há alternatil'o.
que as refeições são feitas com a devida fre-
qüência, evitando o mal-estar do baixo teor
de açúcar no ~angue .
DURANTE TODA A GRAVIDEZ 87

revelou que aos 14 anos os filhos de fu- fumar ainda na gravidez inicial- antes
mantes são mais propensos às doenças do quarto mês -,consegue reduzir os
respiratórias, têm menor estatura que a riscos de lesão fetal aos ruveis das não-
dos filhos de não-fumantes e costumam fumantes. Embora quanto mais cedo lar-
ter menor êxito na escola. gar o cigarro melhor, o abandono do há-
Acreditava-se que o motivo para to- bito, mesmo no último mês, ajuda a
das essas dificuldades estava na insufi- preservar o fluxo de oxigênio para o be-
ciente nutrição pré-natal dessas crianças: bê durante o parto. Para algumas mu-
as mães •fumavam em vez de comerem lheres, a renúncia ao hábito é mais fácil
durante a gravidez. Pesquisas recentes, na gestação incipiente, ao desenvolver'!m
porém, não confirmam essa teoria; as repentina repulsa pelo cigarro --prová_:
fumantes que se alimentam e que ga- vel aviso de um corpo intuitivo. Se no
nham tanto peso quanto as não-fuman· entanto você não tiver a boa sorte da
tt.!S ainda dão à luz filhos menores. A aversão natural, recomendamos tentar
causa parece residir na intoxicação pelo grupos de ajuda mútua como o dos Fu-
monóxido de carbono e na redução do mantes Anônimos. Ou peça ao seu mé-
oxigênio fetal, através da placenta. o ga- dico a indicação de outros recursos
nho desmedido de peso - de dezoito locais. Você pode até mesmo tentar a
quilos ou mais- é capaz de reduzir um hipnose.
pouco o risco de baixo peso para o feto, Entre os sintomas de abstinência apre-
não obstante o excesso de peso gere ou- sentados pela maioria das pessoas ao
tros riscos para a mãe e para a criança. tentar deixar de fumar estão os seguin-
De fato, ao fumar, a gestante confina tes, que variam de pessoa para pessoa:
o bebê num ''ambiente uterino'' cheio de ânsia por cigarro, irritabilidade, ansie-
fumaça. O batimento cardíaco fetal se dade, inquietude, dormência ou formi
acelera, o bebê apresenta tosse e escarro gamento nas extremidades, tonteira,
e, pela oxigenação insuficiente, o bebê fadiga e distúrbios do sono e do apa-
não se desenvolve plenamente. relho digestivo. A princípio, algumas
As pesquisas revelam que os efeitos do pessoas percebem também o comprome-
consumo de cigarros, como os do álcool, timento do desempenh) físico e mental.
são dependentes da dose: o tabaco reduz A maioria passa durante algum tempo
o peso do bebê ao nascer na proporção a tossir mais, já que o organismo agora
direta do número de cigarros fumados: se vê em condições de eliminar todas as
a fumante de um maço por dia apresen- secreções que se acumularam nos
ta em relação à não-fumante uma pro- pulmões.
t:labllldadc 1~00/o maior de dar à luz uma Tonte diminuir o nervosismo de~or­
criança de baixo peso. Portanto, a redu- rente da falta de nicotina aumentando a
?ilo do número de cigarros fumados por ingestão de frutas, de suco de frutas, de
dia já pode ajudar. Entretanto, essa pos- leite e de verduras. Elimine temporaria·
tura pode ser ilusória: a fumante muitas mente o consumo de carne de vaca, de
vezes compensa com tragadas mais fre- aves, de peixe e de queijo; evite a cafeí-
qüentes e mais profundas, fumando mais na, que só faz exacerbar os sintomas de
intensamente cada cigarro, o que tam- abstinência. Repouse bastante (para
b6m acontece ao tentar reduzir os riscos combater a fadiga) e faça exercícios (pa-
usando cigarros de baixo teor de alcatrão ra substituir o estímulo proporcionado
e mcotina. pela nicotina). Evite a concentração In-
A situação, contudo, não é de todo telectual excessiva durante alguns dias,
ruim. Algumas pesquisas revelam que, se necessário e se possível, dedicando-se
quando a gestante renuncia ao hábito de a tarefas amenas e indo por exemplo ao
88 NO PRINC{PJO

cinema ou a outros lugares em que é que afligem os bebês de fumantes não se


proibido fumar. manifestam imediatamente. O lactente
Os piores efeitos da abstinência duram aparentemente sadio pode transformar-
de alguns dias a algumas semanas. Os be- se numa criança que vive doentinha, que
nefícios, entretanto, duram pelo resto da é hiperativa ou que tem problemas de
vida- para você e para o bebê. (Para aprendizado.
outras dicas, consulte p. 94). Além do efeito do cigarro sobre o be-
bê durante a gravidez, há também o efei-
"Minlw cunlwda fumou dois maços [J()r dia du· to do convívio com você, depois de
rante 'lS tres gestações. Não teve nenhuma com· nascido, em ambiente enfumaçado. Os
plicaçlJo e os filhos nasceram fones e sadios. bebês de pais fumantes adoecem mais do
Por que devo parar de fumar?" que os bebês de não-fumantes: a proba-
bilidade de internação hospitalar nos pri-
odos nós sabemos de histórias de meiros anos de vida até a idade escolar
T pessoas que venceram desafiando a
sorte - do paciente com câncer que ti-
é maior.
Assim, você pode perceber que deixar
nha uma chance de sobrevida de lOo/o e de fumar é o melhor a fazer.
que viveu pelo resto de seus dias, da ví-
tima de um terremoto que foi encontra-
da viva depois de passar dias presa nos QUANDO OUTRAS
escombros de um prédio sem água e sem PESSOAS FUMAM
comida. Estas histórias nos causam ad-
miração. Mas não há o que admirar na "Deixei de fumar, mas meu marido continua
gestante que resolve desafiar a natureza com dois maços por dia e alguns dos meus c~
fumando durante toda a gravidez para legas de trabalho fumam como clwminés. Te·
depois de nove meses constatar que dá mo que isso possa de algum modo prejudicar
à luz um filho absolutamente sadio. o bebê."
Durante a gestação não existem certe-
zas absolutas, só probabilísticas. Mas ato de fumar - e isso vai se tor-
podemos fazer várias coisas para aumen·
tar ainda mais essa certeza probabilísti-
O nando cada vez mais evidente - não
afeta só a pessoa com o cigarro nabo-
ca. Deixar de fumar é uma delas e das ca: afeta os que estão à sua volta. Inclu-
mais simples de favorecer a sorte para sive o feto em desenvolvimento cuja mãe
que tenhamos uma gestação sem compli- está perto do fumante. Assim, se o seu
cações e para que tenhamos um filho sa- marido (ou qualquer outra pessoa den-
dio. É possível que você, mesmo tro de casa ou no trabalho, na escriva-
fumando durante toda a gravidez, venha ninha ao lado) fuma, o corpo do b~bê
a ter um bebê saudável, mas à custa de vai se contaminar com os resíduos da fu·
um importante risco de que o bebê so- maça do cigarr :> tanto como se a própria
fra de alguma das conseqüências arro- gestante fumasse.
ladas à p. 8S. A sua cunhada teve sorte
(talvez tenha sido favorecida por fato-
res hereditários ou de outra natureza que 1
É posslvel que a raZIIo dos beb~s nllo serem de
podlllll pcrfult"tnlllltú nllo UHlllr t1 lhe f11 • bui)(O po~u ~•tQJII 110rato I!O QUU Ulu llíhlulrlr•
vorecer) 1 ; mas talvez você esteja de fa- peso em excesso por consumo excessivo de ce·
to a fim de arriscar a sorte, não é Iorlas. O aporte calórico adma do que ~e costu·
mesmo? Apesar disso repare que talvez ma necessitar pode, em alguns casos, reduz.Jr o
risco do bebê da fumante nascer pequeno para
essa sorte não seja tão verdadeira assim. a idade gestaclonal - ou seja, menor do que a
Alguns dos déficits físicos e intelectuais média -, mas pode causar outros problemas.
DURANTE TODA A GRAVIDEZ 89

Se o marido não conseguir parar de Costuma-se recomendar aos casais qw~


fumar, peça-lhe para fazê-lo fora de ca- estão tentando ter filhos que se abste-
sa ou noutra sala, longe de você e do be- nham do uso de maconha, por ser dro-
bê. O abandono do hábito, decerto, seria ga capaz de interferir na concepção. Mas
melhor, não só para a própria saúde se você já estiver grávida, não há por que
do fumante mas também para o ulte- se preocupar com o seu hábito pregres-
rior bem-estar do bebê. As pesquisas so - não há evidências de que prejudi-
revelam que o hábito de fumar dos pais que o feto.
-do pai <'U da mãe - é capaz de causar Fumar maconha durante a gravidez,
problemas respiratórios em seus filhos, porém, é história que parece ter um des-
comprometendo-lhes o desenvolvimento fecho menos feliz. Algumas pesquisas
pulmonar até a maturidade. Esse hábi- mostram, embora não todas, que as ges-
to pode aumentar as chances de que os tantes canabistas (usuárias de maconha)
filhos também se tornem fumantes. quando só fazem uso de um cigarro de
É provável que você não consiga fa- maconha por mês exibem maior proba-
zer com que seus amigos e colegas de tra- bilidade de: ganhar peso insuficiente; so-
balho abandonem o hábito, mas talvez frer de hiperemese gravídica (vômito
consiga fazê-los não fumar perto devo- pronunciado e crônico), que quando sem
cê. Isso fica fácil quando há leis prote- tratamento pode interferir seriamente no
gendo os não-fumantes nos locais em estado nutricional da gestante; ter traba-
que se mora ou em que se trabalha. Se lho de parto perigosamente acelerado,
não houver leis nesse sentido, tente a per- prolongado ou interrompido, ou ter de
suasão empática - mostre-lhes por submeter-se a parto cirúrgico; ter bebê
exemplo a matéria neste livro que trata com baixo peso ao nascer (embora seja
dos efeitos prejudiciais do cigarro sobre pequeno o aumento do risco); apresen-
o feto. Se isso de nada adiantar, tente ou- tar traços de mecônio no líquido amnió-
tros recursos, por exemplo, mudando o tico durante o trabalho de parto (uma
seu escritório para outro lugar durante complicação que pode indicar sofrimen-
toda a gestação. to fetal); e ter um bebê que necessite da
reanimação cardiorrespiratória depois
do parto. Embora não haja nítida evi-
USO DE MACONHA dência de maior incidência de malforma-
ções em filhos de canabistas, têm sido
"Eu costumo~ufumar maconha socialmente- relatados casos com características seme-
consentia faz No somente em festas- duron· lhantes à da Sfndrome Alcoólica Fetal
te uns 10 anos. Serd que Isso poderio prejudi- (ver p. 84), além de tremores, anorma-
car o beM que estou esperando? Fumar lidades da visão e choro que lembra a
maconha durante a gcstaçOu ~ perisuso?" abstinência na fase de recém-nascido.
Demonstrou-se tamb~m que a rnaconha
orno ocorria com o cigarro há vinte interfere na função placentária e no sis-
C anos, não se têm ainda as evidências
dos efeitos do uso da maconha. Logo,
tema endócrino fetal, podendo afetar a
gestação a bom termo. Segundo as evi-
os que a usam hoje não passam de co- dências disponíveis, o governo norte-
baias testando uma substância cujos americano adverte que a maconha usa-
riscos ainda estilo por serem documen- da pela gestante f'Odc ser pcriao!lu pnra
tados. E como a maconha atravessa a a saúde do feto.
placenta, as mulheres que fumam duran- Assim, a maconha deve ser encarada
te a gestação fazem de seus bebês cobaias como qualquer outra droga ou fármaco
também. durante a gravidez: CIJ.m,, re não fazer
90 NO PRINCÍPIO

uso de qualquer deles, a menos que ne- o risco para o bebê. Entretanto, mesmo
cessários e prescritos pelo médico. Se vo- o consumo esporádico ao fim da gravi-
cê já tiver fumado maconha no inicio da dez pode ser perigoso. Por exemplo, bas-
gestação, não há por que se preocupar. ta usá-la uma vez no terceiro trimestre
Como a maioria dos efeitos negativos da para desencadear contrações e anorma-
maconha parece ocorrer com a evolução lidades do batimento cardíaco fetal.
da gestação, é muito improvável que o Diga ao médico se já fez uso de cocaí-
feto tenha sido prejudicado. Toda ges- na desde que está esperando um filho.
tante que se vê com dificuldade em aban- Quanto mais o médico souber a n :spei-
donar a maconha deve comunicar ao seu to de seus hábitos, mais estará pre]para-
médico ou recorrer a auxílio profissio- do para dar-lhe um melhor atendimen-
nal tão logo seja confirmada a gravidez. to. Se tiver dificuldade em renunciar ao
hábito completamente, procure de ime-
diato auxilio profissional.
COCAÍNA E As gestantes que usam drogas de qual-
quer tipo - outras a}{'m das pres·~ritas
OUTRAS DROGAS pelo médico que sabe que você est1i grá-
vida- colocam também em risco a saú-
"Cheirei cocoiM uma semana antes de desco- de do bebê. Todas as drogas ilícitas
brir que estava grá•·ida. Agora estou preocu- (inclusive a heroína, a metadona, o
pada. N4o sei o que posso ter causado ao meu crack, o LSD e o PCP) e todos os medi-
beM" camentos prescritos de que se abusa (nar-
cóticos, tranqüilizantes, sedativos,

N ão se preocupe com o uso anterior


de cocaína. Apenas certifique-se de
que não vai .mais usá-la. O uso inadver-
comprimidos para emagrecer) podem
causar sérios problemas para o feto em
desenvolvimento e/ou para a ge!.tação
tido antes de saber que estava grávida com o uso continuado. Verifique com o
pode não ter maior significado, mas o médico todas as drogas que está usando
uso persistente durante a gravidez pode ou já fez uso durante a gravidez. Se ain·
ser catastrófico. A cocaína, além de atra- da estiver usando qualquer tipo de dro-
vessar a barreira placentária, pode lesá- ga procure auxílio profissional: médico
la, reduzindo o fluxo de sangue para o especializado em adicção, grupos de mú-
feto e retardando o crescimento fetal. tua ajuda etc. É preciso abandonar o há·
Também pode causar uma série de ou- bito agora.
tras complicações: aborto espontâneo,
trabalho de parto prematuro e natimor-
talidade. No bebê que sobrevive há o CAFEÍNA
risco de acldemevascular ao nascer e ue
nwnerosos outros efeitos crônicos. Entre ·'É d(jlcil poru mim começur um diu sem tomar
esses estão a diarréia, a irritabilidade, o minhas duas x/coras de cafl. Mas li que a CO·
choro persistente e outras alterações do felna é copoz de causar anomalias congDnitas
comportamento, além de anormalidade e baixo peso ao nascimento. É verdade?"
do ritmo respiratório e das ondas cere-
braü .. Suspeita-se também que esses be-
bes apresentem maior risco de slndrome
de morte sllblta (morte no berço). Mas
S egundo as pesquisas científicas mais
recentes, provavelmente nllo. A cafel·
na (encontrada no caf6, no chá, nas colas
isso ainda não foi comprovado. e noutros refrigerantes) e a sua parente,
Sem dúvida, quanto mais freqüente o a teobromlna (encontrada no chocolate),
uso de cocaína pela gestante, tanto maior atravessam a placenta e entram na circu-
DURANTE TODA A ORAVIDEZ 91

Alguns Perigos em Perspectiva


Os jornais, o rádio e a televisão bom- mizá-los ou eliminá-los, se for o caso. Os fa-
bardeiam a toda hora o público com os ris- tores sobre os quais não temos controle mes-
cos que a mulher grávida enfrenta hoje em mo quando estamos grávidas não costumam
dia. Se déssemos atenção a tudo que lemos, ter maiores impactos sobre o desfecho da ges-
vemos e ouvimos, provavelmente teríamos tação: as que trabalham em terminais de ví-
que deixar de comer, de beber, de respirar deo, as que se expõem à poluição da cidade
e de tr1balhar para não nos expormos a tão por monóxido de carbono, a breve exposi-
famigerados riscos. Mas uma coisa é certa: ção a cheiro de tinta, de inseticidas etc. Im-
nunca foi tão seguro engravidar como hoje portância têm os fatores sobre os quais temos
em dia. Nunca foi tão grande a chance de ter- controle: atendimento médico regular de boa
mos filhos com boa saúde. Os riscos do meio qualidade, a dieta, o hábito de beber, de fu-
ambiente, quase sempre, são simplesmente mar, de fazer uso de drogas (licitas ou iHci-
~eóricos : só uma pequena fração de todas as tas). Não adianta a mulher se preocupar com
ano1nalias congênitas e das complicações du- cheiro de tinta da sala recém-pintada se con-
rante a gravidez se deve a eles, salvo raras tinuar a fumar um maço de cigarro por dia
e notórias exceções. durante toda a gravidez. É preciso que se
O que a futura mamãe deve fazer? ln- preocupe com aqueles fatores que definiti-
forrn:u-se bem a respeito desses riscos neste vamente têm algum efeito sobre o bem-estar
capltulll, colocá-los na devida perspectiva e do bebê.
tomar então a atitude necessária para mini-

!ação fetal. Entretanto, embora as pri- O mesmo se pode dizer das colas, que
meiras pesquisas em animais de experi- além disso podem conter substâncias
mentaçilc mo.>trassem numerosos efeitos químicas questionáveis e açúcar em ex-
prejudiciais da cafeína sobre o feto ani- cesso. Terceiro, a cafeína pode exacer-
mal em dt:senvolvimento, as pesquisas bar as oscilações de humor comuns na
em ser~s humanos até agora não mos- gravidez, podendo interferir também no
tram ef~itos adversos em decorrência do repouso oportuno. Quarto, pode inter-
uso moderado - até três xícaras de café ferir na absorção de ferro de que você
por dia ou seu equivalente com outras e o bebê tanto necessitam. Quinto, pes-
bebidas cafeinadas - durante a quisas recentes parecem mostrar que o
gravidez. consumo de cafeína durante a gestação
Mesmo assim, há algumas razões vá- pode resultar no desenvolvimento final
de diabetes pelo bebê. 3 Por fim, o fato
lidas para abandonar as bebidas cafei- de que muitas mulheres perdem o gosto
nudus QUr&mte a sem11;llo, ou pelo menos pelo café no Inicio da gestação sugere
para reduzir o consumo. Em primeiro lu- que a mãe natureza considera a substiln-
gar, a cafeína tem um efeito diurético, cia inadequada para as gestantes.
promovendo a perda de llquidos e de cál-
cio - ambos vitais para a saúdt: mater- Como vencer o hábito do café? O pri-
na e fetal. ~e você estiver com problema meiro passo, desde que haja motivação,
de micção freqüente a cafeína só o acen-
tuará. Seaundo, o café e o chá, especial- 3Esses pesquisadores descobriram que os países
mer.te quando tomHdos com creme e om qu• o contumo de caf6 é mais elevado tam-
açúcar, causam saciedade sem ser nutri- b6m apresentam a maior lncldencla de diabetes;
a hipótese é que a cafelna cruza a placenta,
tivos: podem até prejudicar o seu apet he acumula-se no p4ncreas fetal e acaba por lesar
por alimentos de maior valor nutritivo. as células que depois produzirão Insulina.
92 NO PRINCÍPIO

é simples durante a gestação: oferecer ao mudando também a bebida que o


bebê o começo de vida mais sadio possí- acompanha.
vel. A seguir, é preciso determinar o mo-
tivo do hábito, quais as bebidas que Para minimizar os sintomas de abstinên·
podem ser usadas para satisfazer essa ne- cia da cafeína. Acontece com qualquer
cessidade. Se for questão de paladar ou viciado em café, chá ou refrigeranti!S sa-
de conforto proporcionado pela bebida bor cola: uma coisa é dizer que vai aban-
quente, é só passar para algum substitu- donar o vício, outra coisa é abandoná-lo.
to que não contenha cafeína (mas que A cafeína é uma droga adictiva: os que
não entre em lugar do leite, dos sucos ou param repentinamente o consumo pode-
de outras bebidas nutritivas). 4 Quem rão experimentar os sintomas de absti-
faz uso de bebida de sabor cola só pelo nência: cefaléia, irritabilidade, fadiga e
prazer do paladar pode passar a fazer letargia, entre outros. Por isso é uma boa
uso de outros refrigerantes sem cafeína, idéia suprimi-lo gradualmente- come-
embora os refrigerantes não devam ter çando pela rtdução a um nível pr~tica­
vez numa dieta para gestantes; dê prefe- mente seguro de duas x.ícaras ao dia (com
rência aos sucos naturais de frutas sem alimento para atenuar o efeito sobre o
adoçá-los artificialmente (de melão, de organismo) durnnte alguns dias. Então,
mamão, de morango etc.) e em todas as depois de habituada a duas xícaras, gra-
combinações possíveis. Já quem bebere- dualmente diminuir o consumo ciaria·
frigerantes por serem refrescantes poderá mente: passar a red Jz:ir um q.Jarto de
encontrar mais prazer nos sucos e nas xícara por dia até uma xícara e, por fim,
águas minerais, com ou sem gás. Se a fal- mitigada a necessidade da droga, passar
ta de cafeína for percebida muito inten- para nenhuma. Outra opção seria usar
samente, a renúncia ao hábito poderá ser produtos descafeinados junto com os ca-
reforçada através de exercícios físicos e feinados até conseguir a completa elimi-
de alimentação saudável, rica em proteí- nação dos últimos.
na e carboidratos complexos, ou através De qualquer forma, a abstinência se-
de atividades que animem a gestante: rá menos incômoda e mais fácil de ven-
dançar, praticar jogging, fazer sexo. Em- cer se você der atenção às seguintes
bora se sofra um pouco, durante alguns sugestões:
dias, depois de abandonado o café, lo-
go sobrevém um bem-estar extremo. • Mantenha o teor de açúcar no sangue
(Decerto a gestante ainda sentirá a fadi- mais elevado- e com ele o seu nível
ga normal da gravidez incipiente.) {e energia. Adote o hábito das refei·
Se a gestante beber café, chá ou bebi- ções pequenas e freqüentes com ali·
das sabor cola para se ocupar, que se mentos ricos em proteínas e em car·
ocupe com algo mais proveitoso para o boidratos complexos. Certifique-se de
bebe. Por exemplo, tricotar, sair para tomar 0s complementos vitamínicos.
comprar o berço, descascar legumes pa-
ra o jantar. Se voe~ faz uso de bebida ca- • Faça exercícios fora de casa todos os
felnada como parte do seu ritual diário dias.
(hora do cafezinho, ao ler o jornal, ao
ver TV), deve mudar o local desse ritual, • Durma o suficiente- o que provavel·
monte vul s"r mnhJ l'áoll Mom l\ cul'ol011.

'Embora os chás descafelnados nllo estejam Se achar que a vida sem cafeína não
contra-indicados, cuidado com os medicinais ou serve para você, não se desesp•!re. Segun·
com o uso maciço de chá de ervas; ver p. 368. do as evidências, uma ou dua~ xícaras de
DURANTE TODA A GRAVIDEZ 93

café ao dia não devem causar nenhum cesso de aditivos, escassez de nutrientes)
problema. e as gestantes deveriam ter critério ao
consumi-los. Pode-se usar esse tipo de
adoçante para adoçar um iogurte, por
SUBSTITUTOS DO AÇÚCAR exemplo. Mas a ingestão exagerada de
bebidas diet não seria.
"N4o quero ganhar muito peso. Posso usar Durante a gestação, os melhores ado-
adoçantes?" çantes são as frutas e os sucos n aturais
nutritivos. Nos últimos anos, os produ-
ostuma ser uma surpresa desagradá- tos adoçados inteiramente com frutas e
C vel para as adeptas de dieta, mas o
uso de substitutos do açúcar raramente
suco de frutas concentrado têm prolife-
rado nas casas de produtos naturais e nos
ajuda a controlar o peso. Talvez por- supermercados. Aliás é o que recomen-
que a pessoa imagine ter poupado mui- damos sempre (ver Dieta Ideal, p. 126):
tas calorias ao substituí-lo e exagere, por- o uso de produtos naturais em detrimen-
tanto, nos alimentos. Mesmo que os to de todos os artificiais em que chamam
adoçantes garantissem o controle de pe- a atenção o excesso de substâncias
so, recomenda-se cautela com o seu uso químicas.
em gestantes.
Infelizmente, não são muitas as pes-
quisas sobre o uso de sacarina durante GATOS EM CASA
a gravidez. As pesquisas em animais,
contudo, revelam um aumento no cân- "Tenho em casa dois gatos. Ouvi dizer que ga-
cer da prole quando as fêmeas grávi- tos silo um risco para ojêto. Podem paSSJlr uma
das ingerem a substância. Somando-se a doençu. Devo me livrar deles?"
isso as evidências de que os adoçantes
rovavelmente não. Como você con-
cruzam a placenta humana e são elimi-
nados muito vagarosamente pelo feto,
torna-se conduta prudente não usar sa-
P vive com eles há algum tempo, é bem
provável que já tenha contraído a doen-
carina durante os preparativos para a ça, a toxoplasmose (ver p. 358), e que te-
gravidez, por ocasião da concepção e nha desenvolvido imunidade a ela.
mesmo durante a gravidez. Não se preo- Estima-se que metade da população
cupe, entretanto, sobre a sacarina con- norte-americana já foi infectada (a esti-
sumida antes de saber que estava mativa em outros países - na França,
grávida, já que os riscos, se é que exis- por exemplo -chega a 900Joda popula-
tem, são decerto multo pequenos. ção). Além disso, os índices de infecção
Por outro lado, as pesquisas não re- são bem mais elevados em pessoas que
velaram efeitos adversos decorrentes do têm gatos ou que comem carne crua com
uso das quantidades típicas do adoçao- freqüência ou que bebem leite não-
te aspartame (várias marcas no merca-
do) pela maioria das mulheres durante 1
a gestação .1 O aspartame compõe-se de As mulheres com fenllcetontlria, todavia, pre-
cisam limitar a ingestão de fenilalanina . Em ge-
dois aminoácidos comuns (fenilalanina ral, são advertidas pr ra ndo fazer uso de
e ácido aspártico), mais metano!: os mé- aspartame. Insinua-se que algumas mulheres-
dlc:os, na molorla, aprovam o U8o mo· uma entre lO ou at• entre 50- podem nllo mc-
derado desse adoçante pelas gestantes. tabollz.ar a fenllalllnlno tom •Miblr •lnttllllllft d"
Porém muitos produtos que já vêm ado- problema. Ainda não se comprovou a tese de que
essas mulheres pudessem comprometer o cére-
çados com aspartame não silo satisfa- bro do bebê por consumirem aspartame em gran-
tórios do ponto de vista nutricional (ex- de quantidade.
94 NO PRlNC(PlO

O Estilo de Vida Durante a Gestação


Você está grávida-:- de repente começa a cor, de aborrecimento, de fadiga ou de soli-
ver o mundo de forma muito diferente. E se dão. Adote as refeições pequenas e freqüen-
ames os seus hábitos só diz.iam respeito avo- tes para afastar sempre a fome. Procure diluir
cê, agora dizem respeito a duas pessoas: vo- os aborrecimentos e ressentimentos imedia-
cê e seu bebê. Velhos hábitos podem agora tamente, antes deles tomarem conta de vo-
tornar-se maus hábitos que você está com cê. Repouse bastante- ouça quando o seu
pressa de mudar. corpo lhe diz que vá com calma. E se vQCê
Felizmente, existem várias estratégias que se sentir muito só ou aborrecida, parta para
a podem ajudar nesse sentido. alguma atividade estimulante: participe de
grupo de gestantes, faça algum curso inte-
Elimine as tentações. Tire da sua vista tudo ressante. Deixe o marido saber que está pre-
o que pode ser prejudicial: o vinho na gela- cisando de mais atenção- e dos motivos que
deira, o licor bem à mostra no bar, os bom- a levam a precisar dessa atenção agora mais
bons no vidro num armário da cozinha e do que nunca .
assim por diante.
Insista no relaxamento. Muitas vezes é a ten-
Passe para os substilutos. Aprenda a fazer são que nos torna suscetíveis e que nos faz
drinques sem álcool, adote as f rutas, prefi- esquecer nossas boas intenções. Tire vários
ra o pão integral ao pão branco etc. momentos de descanso durante o dia para fa-
zer simples excrdcios de relaxamento (ver p.
Outras dicas para vencer os obstáculos. Um 147).
elos principais o bstâ~ulos para se mudar ele
hábito é o esquecimento: facilmente esque- Aprenda a dizer não. À segunda xicara de
cemos ele o.ossos objeti vos quando a tenta- café, ao cigarro que lhe é oferecido, ao co-
ção está por perto. Colt= fotografias de b~bê; po borbulhante que passa à sua frente, aos
sadios e fofinhos na porta da geladeira, no bombons. Seja educada mas firme: "Você
ar'Tiário da cozinha, na porta do bar, na sua sabe que eu adoro bombom, vó, mas meu fi-
m,'Sa de trabalho. Coloque-as também na sua lho é muito jovem ainda para eles." Ou en-
carteira: toda vez que for pegar dinheiro para tão diga: "Obrigada, mas vou brindar ao seu
comprar uma besteirinha "proibida" , a fo- aniversário com suco de laranja, meu bebê
tografia não lhe deixará esquecer. Se o seu ainda é menor de idade."
vício é omitir o café da manhã, cole por den-
tro da porta da sala o seguinte lembrete: Encontre um aliado. O marido é a opção ló-
"Você já serviu o café da manhã para o seu gica, mas pode ser qualquer outra pessoa, do
filho hoje?" trabalho, da famOia ou seja quem for que fi-
que muito tempo junto a você. O aliado de-
Seja toleruute com voe~ mesma. Se você co- verá aderir às novas re~ras do jogo quando
meter o deslize de tomar, por exemplo, um estiver com você; isso ajuda a reforçar a sua
copo de cerveja ou de ~lnho, nAo se de por rcsoluçll.o e a eliminar multas tentaçOes.
vencida: volte à luta, persista. Tente desco-
brir o que a levou a reincidir no vicio. Pro- Se você nlo conseguir mudar de hábitos so-
cure evitar tals situações. zinha, peça ajuda. Alguns hábitos são mais
di freeis de mudar do que outros. Se tiver di-
Identifique e reprima os sentimentos que a ficuldade com algum potencialmeme perlgo-
f1111:em fraqu~jar. SAo muhas 1u pouon5 que: ~o. StljU rumur, beber OU Ultlr drOII"S, trute
acham dtrrcll manter 11 dlc:ta, evitar o álcool, de procurnr ojudu prol'lsslonal ou ni111U111 jru·
o Clilarro, as drOII81 ou mudar outros hábl· pode miltua u)udn.
tos negativos em momentos de fome, de ran·
DURANTE TODA A GRAVIDEZ 9S

pasteurizado (veículos que transmitem a as mulheres. As que forem imunes po-


doença). Se você ainda não fez o exame dem relaxar (teste positivo), as demais
para saber se já ad11uiriu a imunidade no devem tomar as precauções necessárias
pré-natal, é improvável que venha a fazê- para prevenir a infecção. Já outros mé-
lo ?gora - a menos que mostre sinto- dicos acham que o custo desse teste não
mas cta doença (embora alguns médicos justifica os possíveis benefícios.
façam o exame regularmente em gestan-
tes que convivem com muitos gatos).
Se você fez o exame e não é imune, ou SAUNAS, BANHOS
se não tem certeza de que seja ou não,
tome as seguintes precauções: QUENTES DE IMERSÃO ~
ETC.
• Chame o veterinário para ver se os ga-
tos têm a infecção. ~e um deles tiver, "Nós temos banheira em casa. Posso usá-la en-
e..1tregue-os a outra pessoa para tomar quanto estiver grávida?"
co ~.1ta deles durante pelo menos seis se-
manas - pe rio do em que a doença é ocê não precisa aderir ducha fria.
à
transmissível. Se não tiverem a infec-
ção, mantenha-os livres dela, não lhes
V Mas é bom evitar os banhos prolon-
gados de imersão em água quente. Tu-
dando carne crua, não os deixe pas- do o que faz a temperatura do corpo
sear na rua, nem caçar camundongos subir além de 38,9°C e a mantém duran-
ou passarinhos (que podem transmi- te algum tempo nesses níveis - banho
tir a toxoplasmose aos gatos) ou con- de banheira, banho de chuveiro muito
viver com outros gatos. Peça a outra quente, muito tempo na sauna (seca ou
pessoa para limpar o caixotinho ou a a vapor), trabalho físico excessivo em
casinha. Se tiver de ser vo,;ê mesma, época de calor, ou até uma virose - é
use luvas e lave as mãos ao acabar. Se potencialmente perigoso para o embrião
dormem em caminha com palha, esta ou o feto em desenvolvimento, sobretu-
deve ser trocada diariamente porque do nos primeiros meses. Algumas pes-
os oócitos que transmitem a doença quisas mostraram que o banho de
se tornam mai~ contagiosos com o imersão em água quente (ou a imersão
tempo. em piscina térmica) não eleva a tempe~
ratura da mulher a n.lveis perigosos ime-
• Use luvas ao jardinar. Não deixe os diatamente - leva pelo menos 10
seus filhos brincar na areia em que ga- minutos (ou mais, se os ombros e os bra-
tos possam ter depositado as fezes. ços não estiverem submersos ou se a tem-
Lave as frutas e verduras, especial- peratura da água for inferior a 3 8,9°C)
mente as da horta doméstica, com de- -, mas como varia a reação de cada um
tergente (enxaguando completamente) e também variam as circunstâncias, to·
e descasque e/ou cozinhe os legumes. me as devidas precauções: prefira o cer·
to pelo incerto e não entre na piscina ou
• Não coma carne bovina crua ou mal- na banheira. Mas não se acanhe em mo-
cozida. Não beba leite não-pasteuri- lhar os pés.
zado; em restaurantes peça sempre Se você tem dado alguns mergulhos
carne bem passada. em águas mais quentes, provavelmente
nâo há motivo para alarme. As pesqui-
Há médicos lnsl~tlndo para que o tes- sas mostram que as mulheres saem do
te seja feito de rotina antes da fecunda- banho antes do corpo atingir os 38,9°C:
ção ou no início da gestação em todas porque se sentem incomodadas. É pro-
96 NO PRINCfPIO

vável que você também tenha a mesma Em primeiro lugar, certifique-se de


atitude. Mas, se estiver preocupada, fa- que não há escapamentos no forno. Não
le com o obstetra a respeito sobre a pos- o opere se o selo da porta estiver danifi-
sibilidade de fazer uma ultra-sonografia cado, se o forno não fecha direito, ou
• ou algum outro exame pré-natal para se se tem alguma coisa presa na porta. Pa-
tranqüilizar. ra testar a presença de escapamento, so-
A permanência prolongada na sauna licite a ajuda de serviço especializado.
também não se recomenda, embora não Não fique junto ao forno enquanto es-
existam evidências concretas. A sauna tiver em funcionamento. Por fim , siga
em fins de semana é costume na Finlân- à risca as instruções do fabricante.
dia, mesmo para gestantes, e apesar dis-
so as anomalias do sistema nervoso
central que se atribuem à hipertermia ALMOFADAS E
(perigosa elevação da temperatura do
corpo) não são comuns nos bebês naque- COBERTORES ELÉTRICOS
le país. Apesar disso, os especialistas
norte-americanos recomendam evitar as "Usamos cobertores elétricos durante todo o
saunas. inverno. Isso é seguro para o bebê que estou
esperando?"

EXPOSIÇÃO A ocê pode se aconchegar mais ao seu


MICROONDAS V companheiro. Mas se os pés dele es-
tiverem tão frios quanto ')S seus, au-
"Li que a exposiçilo a forno de microondas é mente a temperatura do ambiente, se
perigosa para o feto em desenvolvimento. De- dispuser de aquecimento central, ou
1'0 deixar de usar o nosso até o nascimento do
aqueça a cama com o cobertor e desli-
bebU?" gue-o antes de entrar nela. Os cobertores
elétricos podem elevar muito a tempera-
tura do corpo. Embora seu uso não te·
O forno de microondas pode ser o
melhor amigo da futura mamãe,
permitindo a feitura de refeições rápidas
nha sido associado à lesão fetal, em tese
esse risco existe. Além disso, embora us
e nutritivas. Mas como tantos outros de pesquisas sejam contraditórias, alguns
nossos milagres modernos, fala-se que pesquisadores dizem haver também al-
pode ser também uma ameaça moderna. gum risco decorrente do campo eletro-
O nosso comprometimento pela exposi- magnético criado por esses cobertores.
ção às microondas é ainda questão mui- Portanto, seria prudente tentar outras
to controvertida. É necessário pesquisar formas de aquecimento. Mas não se
muito mais sobre o assunto para que se preocupe com as noites em que você já
venha a conhecer a resposta defintiva. dormiu sob ele - mesmo em tese, a
Acredita-se, contudo , que dois tipos chance de que o bebê tenha sofrido le-
de tecido humano - o fe to em desen- são é extremamente remota.
vo lvimento e o olho - sejam particu- Seja cautelosa também ao usar uma
larmente vulneráveis aos efeitos das almofada elétrica (que costuma ser usa·
microondas, por terem pouca capacida- da em lugar da bulsa de água quente).
de de dissipar o culol' pol' elas g,e1·udo . s~ o se u uso foi recomendado p~:lo mé·
Assim, em vez de desligar o forno de mi· dico, envolva-a numa toalha para redu-
croondus, a sestuntc dllvo etornar alau· zir a lransmlssdo de calor, limlle as
mas precauções. aplicações u lS minutos e não durma
com ela. ·
DURANTE TODA A ORA V !DEZ 97

Os colchões de água que dispõem de cundação), persistindo algum risco de


aquecimento elétrico também têm sido lesão do sistema nervoso central du-
vinculados a problemas na gravidez. Pa- rante toda a gravidez. Mas isso só em
rece que aumentam o risco de aborto es- altas doses.
pontâneo. Para os cientistas, esse efeito
seria decorrente do campo eletromagné- • Quando há verdadeira exposição do
tico ali gerado. Embora o risco deva ser útero. O s equipamentos de hoje são
muito pequeno, procure mudar para ou- capazes de se restringir a irradiar a
tro tipo de colchão ou então durma no área que precisa ser examinada. Pro-
sofá até o bebê chegar. tegem o restante do corpo da exp os i-
ção à radiação. Os exames, na grande
maioria, podem ser feitos com um
RAIOS X avental de chumbo a cobrir o abdo-
me e a pelve da mãe (e portanto o úte-
"Tirei radiografia dos dentes antes desaber que ro). Entretanto, mesmo o raio X
o1~1ava t:rávida.
Será que prejudiquei o bebê?" abdominal dificilmeute é perigoso, já
que praticamente nunca emite mais do

N ão se preocupe. Primeiro, para ara-


diografia dentária, os raios X não
apontam na direção do útero. Segundo,
que 10 rads.

Naturalmente não convém assumir ris-


o avental de chumbo protege de forma cos desnecessários, por menores que se-
eficaz o útero e o bebê contra a radiação. jam. Por isso é que se recomenda o
Determinar a segurança de outros ti- adiamento de raio X de rotina até apés
ro~ de raio X durance a gravidez é algo o parto. Já os riscos necessários são ou-
mais complicado, mas está claro que o tra questão. Como a probabilidade de le-
exame radiológico-diagnóstico raramen- são do feto pela exposição à radiação X
te representa ameaça ao embrião ou ao é pequena , a saúde da gestante não deve
feto. Três são os fatores que determinam ser posta em perigo pelo adiamento de
se a radiação X será ou não prejudicial: um exame genuinamente necessário.
Além disso, os pequenos riscos do exa-
• A quantidade de radiação. A lesão me radiológico durante a gravidez po-
grave ao embrião ou ao feto só ocor- dem ser minimizados pela observação
re com doses muito elevadas (50 a 250 das seguintes indicações:
rads). Parece não ocorrer qualquer le-
são a doses inferiores a 10 rads. Co- • Informar sempre o médico solicitante
rno os modernos equipamentos ra- e o técnico da radiologia sobre a
diológicos raramente emitem mais do gravidez.
que 5 rads durante um exame diagnós-
tico típico, tais exames não represen- • Nunca fazer radiografia, mesmo den-
tam problema durante a gravidez. tária, durante a gestação quando os
benefícios não suplantarem os riscos.
• Quando a exposição ocorre. Mesmo (Ler Ponderando Riscos versus Be-
1 em altas doses, parece não haver ris- nefícios, p . 106.)
f co teratogênico ao embrião antes do
t implante (do sexto ao oitavo dia após • Não fazer a radiografia se outro pro-
a fec undação). Há um risco um pou- cedimento diagnóstico, mais seguro,
co maior ele lesão durante ~ período puder ser usado em seu lugar.
Inicial da formação dos órgãos do be·
bê (terceira à quana semana após a fe- • Havendo necessidade de exame radlo-
98 NO PRINCÍPIO

lógico, certificar-se de que será feito mãos. Assim é que, apesar do alarde que
em instituição devidamente licenciada, se faz a respeito dos perigos que nos dr-
ou que seja submetida a inspeção fre- cundam, repetimos: a gestação e o par-
qüente. O equipamento deve estar em to nunca foram tão seguros ~:orno hoje.
boas condições e ser operado por téc- Não obstante ser desnecessário aban-
nico devidamente treinado, sob a su- donar a casa e mudar-se para um quar-
pervisão de radiologista (de tempo to esterilizado, algumas precauções de-
integral). O equipamento radiológico certo se justificam quando se trata ctos
deve permitir, sempre que possível, a riscos domiciliares:
exposição apenas da menor área ne-
cessária. O útero deve ser protegido Produtos de limpeza. Como muitos pro-
por avental de chumbo. dutos de limpeza vêm sendo usados já
há muito tempo e nunca se notou cor-
• Cumpre seguir com atenção as instru- relação entre casas limpas e anomalias
ções do técnico- sobretudo a de não congênitas, é improvável que os desin-
se mexer durante o exame- para que fetantes de ban'1eiro ou de cozinha ou
não se tenha de repetir a chapa. que os lustra-móveis venham a com-
prometer o bem-estar do bebê. Com efei-
• O mais importante, contudo, se hou- to, é provável que verdadeiro seja o con-
ver necessidade de alguma radiogra- trário: a eliminação de bactérias e de
fia, é não perder tempo se preocu- outros microorganismos pelo cloro, pe-
pando com as possíveis conseqüên- lo amoníaco e por outro~ agentes de lim-
cias. É maior o perigo para o bebê peza é bem capaz de proteger o bebê
quando a gestante se esquece de usar graças à prevenção de infecções.
o cinto de segurança. Não há pesquisa a demonstrar que a
inalação incidental e ocasional de de-
sinfetantes domésticos comuns tenlla
RISCOS DOMICILIARES efeitos deletérios sobre o feto em de-
senvolvimento; por outro lado, tam-
"Quanto mais leio, mais me convenço de que bém não há pesquisa demonstrando que
u fmicu forma de proteger o bebê nessa época a inalação freqüente seja completamen-
é passando o resto da gravidez truncada num te segura. Se a leitora já se "expôs" aos
quano esterilizado. Até minha casa oferece ris· produtos de limpeza, não há motivo pa-
cos." ra preocupação. Mas, pelo resto de sua
gravidez, procure fazer a sua limpeza de
s ameaças que a gestante e o bebê casa com mais prudência. Faça do seu
A enfrentam, em decorrência do cres-
cente número de riscos ambientais, inclu-
nariz, t: das recomendações seguintes, o
indicador de possíveis substâncias qulmi-
sive no próprio quintal de casa, perdem cas perigosas:
rapidamente a relevância quando com-
rarudus as amcnçaa enfrentadas por nos· • Quando o produto apresentar cheiro
sos avós, quando a moderna obstetrícia forte ou gases, não o aspire direJ:amen·
ainda engatinhava. Todos os perigos do tt:. Use-o em área com boa ventilação,
meio ambiente juntos (à exceção do ál- ou não o use de forma alguma.
cool, do tabaco e de outros medicamen-
tos) silo bem menos ameaçadores à • Use spray para pulverlzaçllo em vez de
gestante e ao bebê do que os criados por aerossóis.
uma parteira inexperiente ao atender os
nossos ancestrais sem sequer lavar as • Nunca misture amoníaco com produ·
DURANTE TODA A ORAVIDEZ 99

tos clorados (mesmo quando não es- ciais à vida. Embora o jejum não seja
tiver grávida); a mistura gera gases por certo uma recomendação médica, os
letais. seres humanos são capazes de sobrevi-
ver até por uma semana sem alimento,
• Procure evitar produtos cujos rótulos mas só por alguns dias sem água. Em ou-
tenham advertências quanto à toxi- tras palavras: há mais que se preocupar
cidade. se a gestante deixar de beber do que se
fizer o contrário.
• Use luvas de borracha durante a lim- É verdade que, há algum tempo, acar-
t peza. Poupam a pele de suas mãos e retava graves riscos às vidas dos que be-

I
impedem a absorção cutânea de subs- biam a água de torneira. Mas a forma
tâncias potencialmente tóxicas. moderna de tratamento da água veio
eliminá-los, ao menos nas regiões desen-
' Chumbo. Não que as gestantes precisem volvinas do globo. Embora haja quem
I de alguma coisa a mais para se preocupar,
mas nos últimos anos descobriu-se que o
suspeite de que se tenha criado uma no-
va ameaça ao concepto pelas substâncias
chumbo- que há muito se descobrira ser químicas empregadas na purificação da
o causador da redução do Ql em crianças água, não há evidências conclusivas de
que o ingeriram de tinta que se soltava de que isso seja verdade. Ademais. nas ci-
brinquedos - pode também afetar ages- dades em que se utilizam sistemas com
tante e o feto. A exposição maciça coloca filtros no processo de pu.rificação, em lu-
a gestante em risco de hipertensão indu- gar das substâncias químicas, está elimi-
zida pela gravidez e inclusive em risco de nado qualquer risco dessa natureza.
perder o bebê. O bebê fica exposto a uma
série de problemas, desde graves distúr- Inseticidas. Embora alguns insetos, co-
bios do comportamento e de natureza mo certas mariposas, sejam bastante da-
neurológica a anomalias congênitas de nosos às árvores e às plantas de um
menor importância relativa. Os riscos são modo geral, e outros o sejam à nossa
multiplicados quando ,J bebê é exposto ao sensibilidade estética, como as baratas e
chumbo no útero e continua a ser expos- as formigas, dificilmente representam
to depois do nascimento.. risco à saúde dos seres humanos - mes-
Felizmente, é bastante fácil evitar a ex- mo dos grávidas. Via de regra, é mais se-
posição ao metal e as conseqüências que guro conviver com eles do que
essa acarreta. Eis como: como a água de eliminá-los através de inseticidas, alguns
beber é fonte comum de chumbo, dos quais foram vinculados a anomalias
certifique-se de que a sua não o contém congênitas.
(ver adiante). As tintas são também fonte Naturalmente, os vizinhos podem não
de chumbo. Se a tinta da parede de sua concordar - a menos que alguém tam-
casa vai ser removida, afaste-se da casa bém esteja grávida ou tenha filhos pe-
durante o trabalho. Há ainda outras fon- quenos. Nos casos em que a pulverização
tes: pratos antigos, louça feita em casa de Inseticida está sendo felt.u por toda a
e também muito velhgs etc. Em caso de vizinhança, só convém sair à rua depois
dúvida, não as use para servir ou para de dissipado o cheiro, coisa que pode le-
guardar alimentos, particularmente os var de dois a três dhs. Dentro de casa
mais ácidos (vinagre, tomates, vinho, re- convém manter fechadas as janelas. Se
frigerantes etc.). o síndico resolveu fazer a cledetizaçllo de
todos os apartamentos de seu prédio, pe-
Água de torneira. A água só fica atrás ça para não fazer no seu, se possfvel. Ca-
do oxigênio no rol das substâncias essen- so contrário, certifique-se de que todos
100 NO PRINCÍPIO

os armários estejam fechados, para evi- tintas de látex eram muito mais seguras.
tar a contaminação do seu conteúdo, e Recentemente constatou-se que podem
de que todas as superfícies de prepara- conter quantidades excessivas de mercú-
ção de alimentos estejam cobertas. Pro- rio. As normas do governo uorte-ameri-
cure passar uns dois dias em casa de cano hoje exigem que as tintas não con-
parentes ou de amigos e ventile o seu tenham esse elemento. Mas como ainda
apartamento o mais que puder. Os inse- não se sabe que novos riscos as tintas nos
ticidas só geram perigo enquanto persis- reservam, não se pode considerar a pin-
tirem os gases. Quando estes já tiverem tura uma atividade recomendável à ges-
assentado, é preciso lavar bem todas as tante - mesmo para aquela que tenta
superfícies em que são preparados os 1\li- desesperadamente manter-se ocupada nas
mentos junto à área dedetizada. últimas semanas de espera. Ficar se equi-
Em caso de exposição acidental a in- librando no alto de escadas no mínimo é
seticidas ou herbicidas, não se alarme. perigoso, e o cheiro de tinta pode causar
A exposição breve, indireta, dificilmen- náusea. É bom que o futuro papai, ou al-
te causará algum mal ao bebê. O que faz guma outra pessoa, se encarregue desse
crescer o risco é a exposição freqüente, aspecto dos preparativos.
prolongada, à semelhança da exposição Durante a pintura, fique fora de casa.
ocupacional a substâncias químicas (co- Ficando ou não dentro de casa, porém,
mo numa fábrica ou campo fortemente é preciso abrir bem as janelas para a boa
pulverizado). ventilação do ambiente. Cumpre evitar a
exposição aos removedores de tinta, sem-
Toxicidade das tintas. Em todo o reino pre altamente tóxicos, independentemen-
animal, o período que antecede o nasci- te de sua natureza. E não participe do
mento (ou !:\,postura de ovos) é o de emo- processo de remoção (seja de que manei-
cionada preparação para a chegada da ra for), sobretudo se a tinta a ser remo-
nova prole. Os pássaros arrumam os ni- vida contém mercúrio ou chumbo.
nhos, os esquilos recobrem as casinhas
nas árvores com folhas e raminhos, os
pais humanos se embrenham por entre POLUIÇÃO ATMOSFÉRICA
pilhas de papel de parede e tecidos os
mais variados. "Parece que quando se est6 grávida nem res-
E quase sempre pinta-se o quarto do pirar é seguro. A po/uiç4o atmosférica urbana
tão esperado bebê. Isso, nos dias em que prejudiCil o beM?"
as tintas se baseavam em arsêrúco ou
chumbo, podia criar uma ameaça à saú-
de do concepto. Durante algum tempo
passou-se a acreditar que as modernas
Q uem vive junto a um terminal rodo-
viário ou passa a noite numa cabi-
ne de pedágio de uma rodovia sempre

Deixe a Sua Casa Respirar


Embora a correta vedaçllo do doml· fctar todas u abcnuraa e todas as frctta.1 nas
cfUo ajude, nos Estados Unidos, a reduzir o portas e Janelas. É preciso deixar que um
consumo de energia, também aumentará o pouco de ar fresco entre e que um pouco do
rltco de polulçtlo do ar ambiente (no Interior ar no Interior sala. Se o tempo permitir, man-
da casa). Portanto, recomenda-se ntlo cala· tenha as janelas ubcrtus.
DURANTE TODA A GRAVIDEZ IOI

Para Eliminar a Poluição Doméstica: a Solução Verde


Não há como eliminar totalmente a polui- ja prejudicial a você ou ao bebê, não é difí-
ção dentro de casa. Os móveis, as tintas, os cil fazer alguma coisa para reduzi-la. Muito
carpetes, as cortinas, todos podem despren- simples: coloque plantas no interior da ca-
der poluentes na atmosfera que se respira sa: as plantas têm a capacidade de absorver
dentro de casa. Mesmo que não haja com- gases nocivos e de liberar oxigênio no am-
provação de que essa forma de poluição se- biente, além de enfeitá-lo.

congestionada decerto está expondo o de descarga não está ficando enferruja-


concepto a um excesso de poluentes e pri- do. Nunca dê partida no carro com as
vando· o de oxigênio. Mas o ar de uma portas da garagem fechadas; mantenha
grande metrópol~ quando nela se respira fechada a porta traseira da camionete
norr.1almente, não chega a criar maiores quando o motor estiver ligado; evite
riscos, sobretudo ao se levar em conta a entrar em filas nos postos de gasolina,
outra possibilidade- deixar de respirar. com os carros a expelirem monóxido
Em todo o mundo, são milhões de mulhe- de carbono; ao dirigir em tráfego pe-
res que vivem e que respiram nas grandes sado, feche a janela do carro.
cidades e dão à luz milhões de bebês sa-
dios. Mesmo no decênio de 60, quando se • Nos Eslados Unidos muitas cidades
vivia o auge da poluição em lugares co-
mo Los Angeles e Nova Yorlc, não foram possuem um sistema de alarme em ca-
documentadas lesões ao concepto. so de poluição atmosférica maciça. A
O ato de respirar cotidianamente, por- recomendação é de que a gestante fi-
tanto, não terá efeitos deletérios para o que em casa, com as janelas fechadas
bebê. No entanto, na mãe intoxicada por e o ar-condicionado ligado, caso tenha
monóxido de carbono o feto parece na- um. De resto, é seguir as instruções
da sofrer na gestação incipiente (embora dadas aos moradores do lugar que se
C• possa na intoxicação por essa substân- acham em maior risco.
cia em gestação mais adiantada). Thdavia,
é de bom senso evitar a exposição a do- • Recomenda-se não correr, não cami-
ses muito elevadas de qualquer poluente. nhar e não andar de bicicleta em ro-
Eis como: dovias congestionadas, nem fazer
exercícios ao ar livre quando a polui-
• Evitando as salas cheias de fumaça por ção atmosférica é intensa: durante a
per!dos prolongados e freqüentes. atividade física se respira mais ar -
Lembrar que os charutos e os cachim- e também mais poluição.
bos, por não serem inalados, enfuma-
çam ainda mais o ambiente do que os • Certifique-se da devida ventilação dos
cigarros. Peça à família, aos seus con- fogões a gás, das lareiras e dos fogOes
vidados e aos colegas de trabalho pa- a lenha de sua casa. Se não estiver cor-
ra nao fumarem na sua presença. reta, a casa pode encher-se de monó-
xido de carbono e de outros gases
• Verifique se o seu carro está co111 o es- possivelmente perigosos.
capamento em ordem, se nl\o há vaza-
mento de gases tóxicos e se o cano • Preserve o ar em torno do lavanderia
doméstica com folha.gP.ns. As plantas
102 NO PRINCÍPIO

vivas melhoram a qualidade do ar gunda, estuda-se um pequeno grupo de


dentro e ao redor da casa. mulheres que apresentou desfecho ges-
tacional desfavorável, tentando-se des-
• Se você trabalhar em terminal de ôni- cobrir se todas rartilharam de um fator
bus ou numa cabine de pedágio em ro- de risco em comum. Nas duas formas,
dovia movimentada, considere a os resultados auferidos não permitem
possibilidade de uma transferência respostas definitivas ao proble~na: fun-
temporária para o serviço de escritó- cionam como meros indicadores.
rio para eliminar mesmo o risco hipo- Pelo que se sabe hoje, é certo que de-
tético de que a poluição possa terminados ambientes de trabalho apre-
prejudicar o bebê. sentam riscos às gestantes - indústrias
químicas, centros cirúrgicos, setores de
radiologia etc. Outros ambientes até ago-
RISCOS OCUPACIONAIS ra são considerados com in~:erteza, da-
da exigüidade das pesquisas efetuadas
"Ouve-se falar muito dos perigos no focal de para que se lhes comprove a segurança
trabalho, mas como sa!Jer se o ambiente onde - ou a insegurança. Na maioria dos am-
se trabalha é seguro?" bientes de trabalho, muitas das preocu-
pações sobre possíveis riscos são
ó muito recentemente é que se come- injustificadas.
S çaram a explorar e a identificar os ris-
cos ocupacionais e as ameaças que pai-
D~mos a seguir um resumo do que se
sabe (e do que não se sabe) sobrr. a se-
ram sobre a fertilidade de trabalhadores gurança em certas profissões e ocupações
e trabalhadoras e sobre o bem-estar de durante a gravidez.
seus filhos ainda em gestação. As pesqui-
sas têm se revelado inconclusivas, como Trabalho em escritório. Hoje, nos Esta-
acontecé'sempre que se tenta verificar as dos Unidos, são mais de lO milhões de
relações de causa e efeito entre fatores mulheres que se sentam atrás de escriva-
do meio ambiente e complicações gesta- ninhas e que operam terminais de com-
tórias. Em primeiro lugar, é difícil sepa- putador. Muita controvérsia ainda existe
rar todos os possíveis fatores de risco sobre os possíveis riscos para as gestan-
existentes na vida de urna mulher, ou tes da radiação emitida por tais termi-
provar que o desfecho desfavorável não nais. As pesquisas feitas ness(: sentido,
tenha sido causado por alguma intercor- desde o início da década de 80, têm sido
rência genética. Em segundo lugar, em- inconclusivas. Un1a déssas pesquisas
bora muitas pesquisas freqüentemente mostrou aumento na incidência de abor-
propiciem resultados curiosos, não há to entre mulheres que usavam os termi-
como aplicá-los aos seres humanos, já
que a experlmentaçllo nestes não é, ob- nais durante mais de 20 horas por
viamente, exeqüível. semana. Mas a causa desses abortos es·
Logo, os efeitos no homem só podem ponttlneos poderia estar em qualquer OU·
ser determinados através de pesquisas tro fator não-Identificado, já que a
epidemiológicas, que silo conduzidas de radiação dos terminais 6 baixa (inferior
duas formas: na primeira, grandes gru- à da luz do sol). Sem dúvida fazem-se ne-
pos de mulheres expostas a certas subs· cessárias pesquisas mals prolonaadas pa·
tllnclas são acompanhados para se ra esclarecer o assunto com certeza. Mas,
verificar qual o desfecho de sua gestação até que se tenham as conclusões, o pâ·
(se houve abortamento, se o filho nas- nlco não se justifica, multo menos tro-
ceu com anomalia congênita etc.); na se- car de emprego. Entretanto, se a questão
DURANTE TODA A GRAVIDEZ 103

a preocupa, talvez prefira tomar algumas • Certifique-se de que os óculos são


precauções para minimizar os riscos pos- apropriados ao uso do terminal.
síveis. Considere o seguinte:
Profissões da área de saúde. Desde o dia
• Nenhum problema gestacional foi en- em que o primeiro médico atendeu o pri-
contrado e'11 gestantes que faziam uso meiro paciente, todos os profissio"nais de
de terminais por menos de 20 horas na saúde (médicos, veterinários, dentistas,
semana. Se você usar o terminal du- enfermeiras, técnicos de laboratório etc.)
rante menos de vinte horas, parece que passaram a arriscar com freqüência a
conseguirá eliminar até mesmo os ris- própria vida para salvar a de outras pes-
cos teóricos. soas . Embora os riscos façam parte ine-
vitável do trabalho, convém que a
• Se o problema à saúde está na radia- profissional da área de saúde, sobretu-
ção, afirmam alguns, então é mais pe- do quando grávida, se proteja o mais que
rigoso sentar atrás do terminal do que puder. Entre os poss!veis riscos estão a
na frente da tela (a parte de trás emi- exposição a gases anestésicos (seja por
te mais radiação). Se você trabalha em escapamento no centro cirúrgico ou pe-
posição inconveniente, atrás de vários lo que é eliminado pelos pacientes no
terminais, por exemplo, tente mudar pós-operatório imediato), a substâncias
o local da mesa de trabalho. químicas (óxido de etileno e formaldel-
do, por exemplo) usadas na esterilização
• Outras medidas- uso de avental pro- de equipamentos, à radiação ionizante
tetor, de filtro sobre a tela (contra a (usada no diagnóstico e no tratamento
radiação não-ionizante) - têm se de várias doenças)/ a agentes antineo-
mostrado controversas. Para alguns plásicos (contra o câncer) e a infecções,
são absolutamente ineficazes. como a hepatite B e a AIDS. Dependen-
do do risco em particular a que se está
Embora não se tenha provado que os exposto, é preciso tomar várias precau-
terminais possam ser causa de aborto, há ções ou passar par.1 uma especialidade
evidências de que podem causar vários mais segura durante algum tempo.
desconfortos físicos: dor no pescoço, no
punho, no braço, nas costas, além de O trabalho em fábricas. A segurança do
tonteira e dor de cabeça. Tais problemas ambiente de trabalho numa fábrica de-
rodem complicar os já inerentes à gra- pende do que lá se fabrica, por exemplo,
videz. Para reduzi-los, tente o seguinte: e do esclarecimento a respeito de higie-
ne e segurança do trabalho por pan~e de
• Não fique sentada o tempo todo du- quem a administra. As gestantes devem
rante o dia - levante-se e caminhe, evitar uma série de substâncias no am-
mesmo que seja na mesma sala. biente de trabalho. Entre essas estão: os
agentes alquilantes, o arsênico, o benze-
• Faça exercícios de alongamento ou de
relaxamento (ver p. 230) periodica- 6
mente enquanto estiver sentada no Multos técnicos que trabalham em ralos X
diagnósticos de baixa dosagem não ficarão ex-
terminal. postos a nfvels perigosos de radiação. Recomen-
da-se. por~m, que mulheres em época de trnbn-
• lllle cadeira de altura ajustável com lho de parto, c que executem serviço com uma
apoio para a parte baixa das costas. dosagem mais elevada de radlaçao, usem um dls-
positivo que mantenha o registro da exposição
Certifique-se de que o teclado e o mo- diária, para assegurar que a exposição cumula-
nitor ~:stejam em altura c:ômoda. tiva anual não exceda os nfveis de segurança.
104 NO PRINC(PIO

no, o monóxido de carbono, os hidro- se recuperar do parto e do puerpério.


carbonetos clorados, o dimetil sulfóxido, (Ver p. 241 para outras recomendações.)
os compostos mercuriais orgânicos, o
chUirbo, o litio, o alumínio, o óxido de Outras ocupações. As professoras e as
etileno, a dioxina e as bifenilas pliclora- assistentes sociais que lidam com crian-
das. Sempre que forem instituídos os de· ças pequenas podem entrar em contato
vidos protocolos de proteção ocupacio- com infecções potencialmente perigosas,
nal, a exposição a tais toxinas pode ser como a rubéola. As que lidam com ani-
evitada. mais, que trabalham em açougues ou que
inspecionam açougues e frigoríficos po-
Aeromoças e comissárias c1e bordo. Thm- dem estar expostas à toxoplasmose (em-
se sugerido que o vôo em grandes altitu-
des expõe a tripulação a excessiva radia-
ção solar (sobretudo em quem voa com
freqüência). A radiação é mais intensa
junto aos pólos e menos intensa no equa-
bora possam já ter desenvolvido a
imunidade, caso em que o bebê não es-
tará em risco). As que trabalham em la-
vanderias também se expõem a uma série
l
l
de infecções. Se você trabalhar em lugar
dor. Recomenda-se que as pessoas que onde há risco de infecção, tome as pre-
voam por longas distâncias, sobretudo na cauções necessárias. Vacine-se, se for o
proximidade dos pólos, considerem a mu- caso, ou use luvas, máscaras etc. (Ver as
dança para rotas mais curtas a menor al- várias infecções separadamente.)
titude durante a gravidez. Ou que dêem Artistas, fotógrafas, esteticistas, ag,ricul-
preferência ao trabalho no solo. Se estiver toras e muitas outras profissionais podem
preocupada a respeito, discuta o assunto estar expostas a uma ampla variedade de
com o médico- ele pode tranqüilizá-Ia. substâncias químicas possivelmente peri-
gosas durante o seu trabalho. Quem traba-
Trabalho físico extenuante. Todo o tra- lha com substâncias suspeitas deve tomar
balho que erfvolve grande esforço físico, certas precauções, que em alguns casos po-
que exige muito tempo de pé, que exige de significar não fazer a pane do trabalho
mudança de turnos etc ., aumenta o ris- que envolve o uso de tal substância N:lo
co de aborto precoce e tardio, além de se preocupe em excesso com a exp03içio
aumentar o de parto prematuro e de na- que já ocorreu: na maioria dos casos a ex-
timortalidade. Se voce estiver num des- posição que não foi maciça o suficiente
ses casos, peça a transferência para para causar problemas na mãe dificilmen-
alguma atividade men os extenuante até te causará alguma lesão no feto.

Silêncio, por Favor


De todos os riscos ocupacionais, o rui- se a exposlçAo ao ruldo em excesso poderia
do t um dos mais prevalentes: já se sabe há causar anomalias congênitas deram resulta-
multo tempo que causa perda dn audlçdo nas dos contraditórios. Tampouco se sabe se as
pessoas expostas regularmente. Mas não se vibrações, que muitas ve1.cs acompanham o
sabe como poderia afetar o bebê dentro da ruldo, são prejudiciais. Até que se saiba mais
barriga da mae - se~ que chcgu n ufctó·lo. sobre o a~sumo, convém que 11 gestante que
Descobriu-se que o ruldo aumenta o risco de trabalhe em ambiente com ruído em dema-
aborlo óapontAnto olll nnhni\IM, mua nllo o&• ~lu ou qu~ u•tuJu oxpuMt" n vlbr11~a ~ !Ont"
tá claro se tem o mesmo efeito em seres hu- conseguir uma transferência temporária do
manos. As pesquisas que visavam determinar setor, só por medida de precaução.
DURANTE TODA A ORA VJDEZ lOS

0 QUE É IMPORTANTE SABER:


A SORTE DO BEBÊ
-----------·------------------------------------------
uando um jogador de roleta apos- Muitas vezes é dificí1irno dizer se de-
ta no seu número de sorte, suas terminada droga é teratogênica de fato,

º
chances de acertar são bastante mesmo quando seu uso pareça estar vin-
r as. O mesmo se dá quando ages- culado à ocorrência de certas anomalias
tante, inadvertidamente ou não, coloca congênitas . Digamos que apareça uma
em jogo a sorte do bebê, expondo-o a te- anomalia, por exemplo, em bebês cujas
ratógenos, substâncias potencialmente mães fizeram uso de determinado an-
lesivas a ele. Quase sempre, ao se jogar tibiótico para o tratamento de alguma
com a sorte do bebê, nada lhe acontece, infecção durante a gravidez que se acom-
ele nada sofre. panhava de febre alta. A causa da ano-
Embora a isso se dê o nome sorte, são malia poderia estar na febre ou na in-
vários os fatores que a determinam, co- fecção, não no medicamento. Ou então,
mo no caso da roleta, cuja interrupção conforme se conjetura no caso do Prove-
do movimento depende do peso da roda, ra, que era usado para prevenir o aborto
do atrito que encontra e da força com espontâneo, as malformações vinculadas
que é rolada. Assim, entre os fatores que a seu emprego talvez nada tenham a ver
determinam a sorte do bebê estão: com o medicamento, mas se apresentam
apenas porque a droga evitou o aborto
A potência das substâncias teratogêni- de um embrião já malformado.
cas. São muito poucas as substâncias te-
ratogênicas potentes. A talidomida, por A suscetlbllidade do feto ao teratógeoo.
exemplo, droga usada no inicio da dé- Assim como nem todas as pessoas expos-
cada de 60, causava sérias deformidades tas às gripes e resfriados sucumbem, nem
em todos os fetos a ela expostos no úte- todo feto exposto a uma droga terato-
ro, num momento particular de seu de- gênica é afetado por ela.
senvolvimento (1 entre 5 de todos os
bebês expostos em qualquer momento Quando o feto foi exposto à substfincia
pré-natal). Outro medicamento, o Accu- teratoaênlca? O período gestacional em
tane, usado no tratamento da acne, só que os teratógenos, na maioria, silo ca-
mais recentemente conhecido como te- pazes de causar dano é muito breve. A
ratogênico, causnva anomalias quase em talidomida, por exemplo, não causava
1 entre 5 exposições. No outro extremo lesão quando tomada depois do 52? dia.
estão drogas como o hormônio Provera De forma semelhante, o vírus da rubéo-
- um progestásico - que, segundo se la causa lesões em menos de I oro dos fe-
pensa, só raramente causam anomalias tos quando a exposição se dá depois do
(no caso do Provera estima-se que 1 en- terceiro m@s.
tre 1.000 fetos expostos). A maioria dos Durante o sexto ao oitavo dia após u
medicamentos sltuu•se entre esses dois fecundaçAo (antes da regra falhar), o ovo
extremos e, felizmente, poucos sllo tllo fecundado, ou concepto, que se expande
potentes quanto a talidomida e o Accu- num conglomerado de células e que des-
tane (e compostos afins deste último). ce pela trompa de Falóp!o e.té o útero,
106 NO PRINCÍPIO

é particularmente insensível às substân- A gestante foi afetada pela exposição?


cias que passam pelo organismo mater- É tranqüilizador saber que a exposição
no: raramente sofre .nessa fase alguma química que não é tóxica o suficiente pa-
malformação. Com efeito, se sofrer al- ra causar sintomas na mãe costuma não
guma lesão menos importante, tem a ca- ser tóxica a ponto de causar problemas
pacidade de reparar o dano. O único no feto.
risco é o de não sobreviver por algum er-
ro genético ou ser destruído por algum Interação entre os fatores de risco. A
fator externo, como uma dose muito al- tríadr. má alimentação, tabagismo e abu-
ta de radiação. so de álcool, o uso concomitante de ci-
garro e de tranqüilizantes e outras
O período durante o qual se formam
combinações aumentam enormemente os
os órgãos - da implantação do ovo no
útero por volta de seis ou oito dias até riscos.
o final do primeiro trimestre - é o in-
tervalo de tempo em que o risco de mal- E·dstência de fatores proteton ~s desco-
formação é maior. Depois do terceiro nhecidos. Mesmo quando todos os fato-
mês, o risco desse tipo de lesão se reduz. res parecem idênticos, nem todos os
As agressões a partir daí sofridas ou afe- conceptos são atingidos da mesma for-
tam o ritmo de crescimento fetal ou o seu ma. Em experimentos com fett)S de ca-
sistema nervoso central. mundongo de idêntica linhagem
genética, expostos aos mesmos teratóge-
Tempo de exposição. A maioria dos efei- nos em idênticas fases do desenvolvimen-
tos teratogênicos guarda relação com a to e em doses iguais, só 1 em 9 apre-
dose do~agente. A breve exposição aos sentava malformações congênitas. Não
raios X durante uma radiografia de ro- se sabe exatamente por quê, embora tal·
tina dificilmente causará algum proble- vez algum dia a ciência médica venha a
ma. Já uma seqüência de radioterapia encontrar a solução do mistério.
seria capaz de causar. O tabagismo mo-
derado durante os primeiros meses pro-
vavelmente não afeta o concepto; o PONDERANDO RISCOS
tabagismo inveterado durante toda a
gravidez aumenta certos riscos dt: forma
VERSUS BENEFÍCIOS
bastante significativa.
erá que a gestante de hoje deve re-
Estado nutricional da gestante. Pesqui- S cear pela vida e pelo bem-estar do be-
bê só porque este se desenvolve num
sas em animais mostram que certas ano-
malias aparentemente causadas por mundo cheio de riscos ambientais? Cer-
fármacos, em alguns casos, são na rea- tamente que não - e por várias razões.
lidade decorrentes de má nutrição; o fár- Primeiro, os medicamentos e demais fa·
maco se limitou a diminuir o apetite e teres do meio ambiente só conseguem ex-
também, em conseqüência, a ingesta de plicar menos de I IJfo de todas as ano-
áaua e de alimento. Assim como quan- malias congênitas- e estas afetam ape-
do se resiste mais a uma vlrost:: quanuo nas dll 3U/u u 40/u de todo~ o~ bebe~ . O
se está bem-nutrido tl repousado, tam· risco geral é btlixlssimo, m~: s m o qu;,ndo
bém o conccpto resistirá melhor a teru- a gestante jd tlvtlr sido exposto a agen te
tógenos se apresentar bom estado teratogênico especifico. Segundo, se não
nutricional - através de você, natu- tiver sido exposta, o conhecimento dos
ralmente. riscos ajuda a evitá-los, fazendo melho-
DURANTE TODA A GRAVIDEZ 107
-------------------
rarem ainda mais as chances do bebê. com a febre. Nessa eventualidade, os be-
Terceiro, apesar das advertências som- nefícios do tratamento medicamentoso
brias que se fazem nas manchetes dos suplantam sem sombra de dúvida os pos-
meios de comunicação, nunca foram tão síveis riscos. Já uma febrícula, por ou-
boas as chances de se ter um filho sadio, tro lado, não vai prejudicar o bebê e até
normal. vai ajudar o corpo a combater o proces-
Claro que nenhuma decisão nesta vi- so infeccioso. Assim, antes de recorrer
da está totalmente livre de riscos. Mas, aos medicamentos, o médico provavel-
ao tomarmos decisões, aprendemos a pe- mente dará uma oportunidade para que
sar os riscos contra os benefícios. Mui- o organismo se recupere sozinho, na
to mais importante é ter essa conduta na premissa de que os possíveis riscos"'su-
gravidez, quando cada decisão tomada plantem os benefícios do uso de medi-
pode vir a interferir na segurança e no camentos.
bem-estar não de uma, mas de duas vi- Já outras decisões não são tão simples.
das. Ao decidir se pára ou não de fumar, No caso, por exemplo, de um resfriado
se toma ou não um aperitivo antes do acompanhado de sinusite, com dores que
jantar, se vai comer um chocolate ou a mantêm de pé durante a noite. Con-
uma maçã enquanto assiste à televisão, vém tomar algum remédio para se con-
você deve ponderar riscos e benefícios. seguir ao menos dormir? Ou se deve
Será que os benefícios decorrentes do fu- passar noites e noites de insônia que não
mar, do beber e do comer chocolate va- lhe farão bem e nem ao bebê? Nesses ca-
lem os riscos a que se expõe o bebê? sos o melhor a fazer é:
Ora, na maioria das vezes a resposta
talvez seja não. Mas de vez em quando • Descobrir outras possibilidades em
talvez convenha arriscar. Um pequeno que se obtenham os benefícios com
copo de vinho, por exemplo, para come- menores riscos - talvez através de
morar o aniversário: o risco para o bebê métodos que excluam medicamentos
é praticamente nulo e o benefício (um (ver o Apêndice). Vale a pena tentar.
aniversário mais alegre) é de fato impor- Se tais recursos não derem resultado,
tante. Ou então uma grande fatia de bo- torne a avaliar a opção inicial - nes-
lo, rica em açúcar e gordura, nesse se caso, comprimidos.
mesmo aniversário - na verdade uma
porção considerável de calorias inúteis. • Indagar ao médico a respeito dos ris-
Mas •!Sse vinho e bolo não privarão o be- cos e dos benefícios. É importante
bê dos nutrientes necessários a longo pra- lembrar que nem todos os medicamen-
zo e, afinal, é o seu Rniversário. tos causam anomalias congênitas, e
Algumas dessas decisões são fáceis.
Po~ exemplo, o consumo habitual de ál-
muitos podem ser usados com segu-
cool durante a gravidez é capaz de com- rança durante a gravidez. A cada dia
prometer o feto pelo resto da vida (ver novas pesquisas vêm lançando luz
p. 83). A renúncia ao hábito de beber tal- quanto à segurança ou à falta de se-
vez exija um esforço considerável, mas gurança no uso de vários medicamen-
os riscos de não o fazer são claros. tos. Os médicos têm acesso a essas
Digamos, porém, que voce tsteju com lnformaçOos.
umu infecção e a febre alta crie uma
ameaça para o bebe. O médico uao de- • Procurar Informações por conta pró-
ve hesitar em usar da medicação - a pria : em revistas, em livros. Esclare·
mais segura na menor dose eficaz possí- cer as dúvidas com o médico.
vel - para debelar a infecção e acabar
108 NO PRINC[PIO

• Verificar se existe alguma forma de Durante a gestação, a grávida se verá


aumentar os benefícios e/ ou de redu- diante de incontáveis situações que exi-
zir os riscos (por exemplo, usando o girão uma decisão inteligente. Quase to-
antiálgico mais eficaz e mais seguro, das as decisões da gestante terão um
na menor dose eficaz e pelo período impacto sobre as suas chances de ter um
de tempo mais breve possível) e ten- bebê sadio. Uma ou outra decisão pre-
tar assegurar os primeiros se assumir cipitada não será catastrófica- o efei-
os segundos (tomar o comprimido ao to sobre a probabilidade terá sido muito
ir para a cama, para garantir também pequeno. Se a leitora já cometeu algu-
o devido repouso ao organismo). mas dessas imprudências não tão impor-
tantes e não há como desfazê-las,
~ Ao consultar o médico e, se necessá- simplesmente deixe-as de lado. Apenas
rio, geneticista ou subespecialista em tente acertar mais a partir de então até
medicina materno-fetal, reunir todas o fim da gravidez. E lembre-se: as çhan-
as informações disponíveis, pesar os ces são muito maiores em favor do bebê!
prós e os contras ... e tomar a decisão.
--4--
A Dieta
Ideal
á um minúsculo ser que está se saúde boa ou regular. Apenas 60Jo

H desenvolvendo dentro de você. Já


são muito boas as chances de que
venha a nascer com saúde. Mas é dada
tiveram-nos com saúde de fato excelen-
te- o que desejaríamos, afinal, para to·
das as nossas crianças.
à gestante a oportunidade de melhorar Já outras pesquisas mostraram que o
tais chances ainda mais - assegurando- efeito da dieta é de longo alcance vez por
lhe não só uma boa saúde, mas uma saú- outra. O que a gestante come ou deixa
de excelente-, oportunidade que surge de comer pode ter um efeito sobre os ór-
sempre que a gestante vai se alimentar. gãos em desenvolvimento do bebê (a fal-
Não se trata de teoria vã. Uma pesqui- ta de proteínas e de calorias no último
sa feita pela Escola de Saúde Pública da trimestre, por exemplo, pode interferir
Universidade de Harvard ilustra de for- no desenvolvimento cerebral e também
ma extraordinária o Intimo vínculo exis- se acredita que a falta de ácido fólico po-
tente entre a condição de saúde do bebê de se vincular a falhas do tubo espinhal).
ao nascimento e a dieta materna duran- Esse efeito também se estende ao cresci-
te a gestação. Das mulheres pesquisadas mento global do feto (a má alimentação
cuja dieta foi considerada boa ou exce- ou a alimentação insuficiente pode retar-
lente, praticamente 950Jo deram à luz be- dar o crescimento fetal intra-uterino).
bês com boa ou excelente condição de Mas as pesquisas revelam também que
saúde. Por outro lado, tão-somente 8o/o os hábitos alimentares podem ter um
das gestantes que se alimentaram real- efeito sobre o perfil evolutivo da gravi-
mente mal (via de regra, através de re- dez (certas complicações, como a anemia
feições ligeiras, de baixo valor nutritivo) e a pré-eclâmpsia, são mais comuns en-
tiveram filhos com bom ou excelente es- tre gestantes mal nutridas); podem ter
tado de saúde e 6~0Jo delas tiveram be- efeito sobre o bem-estar da gestante (n
bês com problemas de maior gravidade: fadiga, a náusea matinal, a constipação,
natimortalidade, prematuridade, imatu- as cãibras e um cortejo de outros sinto·
ridade funcional, anomalias congênitas . mas gravídicos podem ser minimizados
Evidentemente, as mulheres pesquisa- ou evitados pela boa dieta); sobre o tra-
das, na grande maioria (como a maior balho de parto e o parto (em geral, as
parte das gestantes), seguiram uma die- mulheres bem alimentadas e bem nutri-
ta que, embora não fosse excelente, tam- das têm menor probabilidade de parto
bém não era a pior possível. Sua ali- prematuro; especificamente, a deflclên.
mentação oscilou em torno da média, as- cia de zinco se associa a maior risco de
sim como a saúde de seus filhos. Oiten- trabalho de parto prematuro); sobre o es-
ta e oito por cento tiveram filhos com tado emocional (a boa dieta ajuda a ate-
110 NO PRINCÍPIO

nuar as oscilações de humor); e sobre a NOVE PRINCÍPIOS


recuperação no puerpério (o corpo bem ELEMENTARES PARA
nutrido se recupera com mais facilida-
de; o peso adquirido compassadamente NOVE MESES DE
e à base de alimentos nutritivos também ALIMENTAÇÃO SADIA
é perdido mais depressa).
Se os seus hábitos não forem dos·mais Levar em consideração tudo o que .;e
disciplinados ou dos mais virtuosos, a come. A gestante só dispõe de nove me-
Dieta Ideal, • por nós indicada, represen- ses de lanches e refeições com os quais
tará para você um verdadeiro desafio. assegurar o melhor começo de vida pa-
Mas ao considerar o resultado dos esfor- ra o bebê. Todos contam. Antes de fe-
ços empreendidos- favorecer a chance char a boca numa garfada, é preciso
de ter um filho com ótima saúde e de
uma recuperação mais rápida da gesta- considerar: "É o melhor que posso dar
ção e do parto - achamos que esse de- ao meu bebê?" Em caso afirmativo,
safio se justifica: vale a pena aceitá-lo. prossiga. Mas se o que ali está só vai
satisfazer a gula ou o apetite, afaste o
garfo.
•é preciso entender o espírito da dieta ideal das
autoras. Essencialmente, é uma dieta rica em Nem todas as calorias são igu~tis . Cento
proteínas (hiperprotéica), com baixo teor de gor·
duras, teor moderado de açúcares {principalmen- e cinqüenta calo rias de rosquinhas, por
te sob a forma de carboidratos complexos) e exemplo, não são iguais a 150 calorias
valor calórico adequado às necessidades da ges- de bolinhos de trigo integral, adoçados
tante. Ao confrontarmos certos hábitos alimen- com suco. Nem as 100 calorias encontra-
tares dos brasileiros com as recomendações
dietéticas sugeridas, impõem-se certas conclu- das em 10 batatas fritas são equivalen-
sões. A feijoada completa, por exemplo, riquís- tes às 100 encontradas em batatas cozi-
sima em gorduras, não tem vez no cardápio das com casca (ou numa porção das
ideal. Dos alimentos em geral devem-se preferir nossas batatas fritas ideais; ver p. 123).
os cozidos aos fritos, os naturais aos enlatados,
e assim por diante. Outros hábitos comuns - Assim, escolha as calorias com cautela
o chope com batatas fritas em fins de tarde, o dando preferência à qualidade sobre a
bombom ou o chocolate de vez em quando etc. quantidade. O seu filho se beneficiará
- estão terminantemente proscritos pela dieta muito mais com 2.000 calorias prove-
proposta. nientes de alimentos nutritivos do que
Segui-la à risca é diffcil. Pode parecer difícil
ainda manter, por meses a fio, uma dieta rica com 4.000 oriundas de fonte calórica
em proteínas com variedade no cardápio: para "vazia".
o comum das famílias brasileiras, a dieta hiper-
protélca variada, se baseada em peixes, crustá- O jejum da gestante é o jejum do bebê.
ceos, carnes de primeira, pode ficar muito cara.
Mas isso é facilmente contornado com um mí- Assim como não pensaríamos em fazer
nimo de criatividade e de conheclmentC'. As pro- jejuar o nosso filho depois de nascido,
teínas silo encontradas em muitos outros não havemos de fazê-lo jejuar durante I
alimentos de grande valor nutritivo: o fei)IIO·
soja, o feijão-preto, o feijllo-branco, os ovos,
a vida lntra-uterlna. O feto nAo conse- 1
a lentilha, o trigo Integral etc. Daf a conclusl!o:
guirá nutrir-se das carnes da mamãe, por
uma dieta de alto valor nutritivo pode ser dlctu mais robusta que ela seja: necessita de
de baixo custo. (N. do T.) nutrição regular a Intervalos regulares.
1Também nunca se deve jejuar durante a gravi-
Nunca, nunca deixe de fazer <:ssa ou
dez. Un1a pesqulaAitrM~!II,nae r,velou um IIUmon·
to no ntlmero <.lo parto&ICI&O apóa o Iom klppur,
aquela refelçlo.• Mcamo quand~, a ae•·
o Dia da Expiação, sugerindo que o jejum ao tante nao sente fome, o bebe se-nte. Se
fim da gravidez é çapaz. de des~ncadear o parto urna azia persistente ou uma constante
prematuro, sensação de plenitude estão lhe estr~gan-
A DIETA IDEAL 111

<lo o apetite, distribua a sua alimentação ou mais exigências nutricionais com uma
em seis pequenas refeições por dia, em só porção - por exemplo, brócolis (vi-
vez c'e três grandes. tamina C, fibras e cálcio); iogurte ou sal-
mão enlatado (proteínas e cálcio);
É preciso eficiência na nutrição. Cum- damascos secos (frutos amarelos e fer-
pre atender às necessidades nutricionais ro). (Os doze componentes são indicados
diárias da forma mais eficaz posslvel, as- a partir da p. 113).
se~ uramlo o aporte calórico exigido. Co-
Os carboidratos são tema complexo.
mer seis colheres de manteiga de Algumas gestantes, receando ganhar
amendoim (se você conseguisse empurrá- muito peso durante a gravidez, equi-
las) com 600 calmias, ou seja, cerca de vocadamente eliminam os carboidratos
250io das necessidades diárias, é bem me- da dieta como se fossem batatas quen-
nos t:ftciente para se conseguir 25 g de tes. Os carboidratos refinados e/ ou sim-
protelna do que comer 100 g de atum ples, verdadeiros (como o pão bran-
com 125 calorias. E, para obter 300 mg co, o arroz branco, os cereais refi nados,
de cálcio, comer uma xícara e meia de os bolos, os biscoitos, os doces e alguns
sorvete (cerca de 450 calorias) é forma dos salgados, os açúcares e os melados)
bem menos eficaz do que tomar um co- são fracos como fonte nutritiva - acres-
centam pouco além de calorias. Já os
po de leite desnatado (cerca de 90 calo- carboidratos não-refinados e/ ou comple-
rias) ou uma xícara de iogurte com baixo xos (pão integral, cereais não-refinados,
teor de gordura (100 calorias). As gor- arroz integral, legumes, feijão, ervilha e
duras, por terem o dobro de c:\lorias por as batatas cozidas- sobretudo com cas-
grama das proteínas e dos carboidratos ca) asseguram o aporte de elementos es-
(glicldios~ , são particularmente ineficien- senciais: vitamina B, oligoelementos,
tes como fonte nutritiva. Preferir as car- proteínas e fibras. São bons não só para
nes magras às gordas, o leite e laticlnios o bebê mas para a gestante. Ajudam a
magros aos gordos, os alimentos assados eliminar a náusea e a constipação e, co-
ou grelhados aos fritos; pouca mantei- mo são ricos em fibras mas não engor-
ga a muita; fritar alimentos com uma co- dam (a menos que sejam servidos com
lher (chá) de gordura a fritá-los com 1/4 manteiga ou molhos), ajudam também
de xícara, da mesma gordura. a manter o peso baixo. Além disso, o
A eficiência é importante também pa- consumo abundante de fibras (carboi-
ra quem encontra dificuldade em ganhar dratos complexos) parece reduzir o ris-
pesl} suficiente. Para fazer o ponteirinho co de diabetes gestacional.
da balança subir, dê preferência aos ali-
mentos densos em nutrientes e calorias Nada de doces: só trazem problemas.
- abacates, nozes, castanhas, amêndoas Nenhuma caloria é mais inútil, e portan·
e frutas secas, por exemplo - que bem to mais desperdiçada, do que a do açú-
atendam as suas necessidades e as do be- car. Mais: os pesquisadores hoje
be. Evite as trocas calóricas que promo- descobrem que o açúcar não é só desti-
vem a perda de peso (pipocas, saladas tuído de valor como também pode ser
mistas etc.) prejudicial. As pesquisas sugerem que,
Esteja você tentando ganhar mais ou além de promover cáries, talvez esteja
menos peso, ou tentando introduzir à implicado no diabetes, nas doenças car-
torça 01 doxo gomponontoe clh1rloa da dhu:aa, na depr111lo e em alauns casoa
dieta Ideal numa barriga muito cheia, In· a
de hlperatlvldade. possível que o tnulor
cômoda e enjoada, sempre que possível problema do açúcar esteja no fato de ser
opte por alimentos que atendam a duas encontrado sobretudo em alimentos que
112 NO PRINCÍPIO

representam a destruição nutritiva: do- tempo para prepará-los (os que foram
ces e produtos cozidos, feitos de farinha congelados imediatamente após a colhei-
fina e branca e com excesso de gordura. ta são tão nutritivos quanto os frescos).
Os substitutos do açúcar {mesmo o as- Procure comer verduras e legumes crus
partame, que acredita-se que st:ja de uso (ou frutas) ·todos os dias. Cozinhe os le-
seguro na gestação; ver p. 93) são ques- gumes no vapor (no bafo) ou refogue-
tionados como opção para todo o açú· os um pouco, para que retenham o seu
car que a gestante comum está habituada teor de vitaminas e sais minerais. Escal-
a consumir , em parte porque tais ado- de as frutas em suco sem acrescentar açú-
çantes são muitas vezes encontrados em car. Evite os alimentos prepdrados com
alimentos de menor valor nutritivo. aditivos químicos, açúcar e sal na linha
Para doces deliciosos e nutritivos subs- de produção; costumam ser de baixo va-
titua o açúcar por frutas e suco de fru· lor nutritivo. Dê preferência ao peito de
tas (sucos concentrados). São quase tão frango fresco à empada de galinha; os
doces quanto o açúcar mas contêm mais pratos de forno feitos com ingredientes
vitaminas e oligoelementos. Os produtos frescos e não com uma mistura de ingre-
assim adoçados quase que invariavel- dientes processados quimicamente; o
mente são feitos de grãos integrais e de mingau de aveia feito com aveia fresca
gorduras benéficas, sem aditivos quími- trilhada (você pode temperá-lo com ca-
cos duvidosos. Faça os seus doces em ca- nela e frutas secas picadas) e não com as
sa, use das receitas indicadas neste variedades açucaradas de preparo ins-
ca-pítulo e faça sua escolha dentre a se- tantâneo.
leção, cada vez mais abundante, nas
boas lojas de alimentos e nos supermer- Fazer da questão da boa alimentaç:io um
cados. Mas leia os rótulos para certificar- caso de família. Se houver elementos
se que a suljstituição do açúcar não seja subversivos em casa, pedindo-lhe para
a única vantagem de um produto de bai- fazer brigadeiros ou para incluir batatas
xo valor nutricional. fritas na lista de compras, pode apostar:
Na dieta ideal recomendamos limitar a Dieta Ideal não vai ter nenhuma chan-
o consumo de açúcares refinados (mas- ce. Assim, faça dos outros membros da
cavo, branco, turbinado, mel, xarope de família seus aliados, colocando todos na
bordo, xarope de milho, frutose etc.) du- mesma dieta. Faça biscoitos de aveia
rante a gestação a ocasiões especiais. To- com frutas (p. 126) e não os de chocola-
das as calorias do açúcar podem vir de te (brigadeiros etc.) Traga para casa bis-
alimentos que dão maior retorno nutri- coitos crocantes de trigo integral, e não
cional ao bebê. batatas fritas. Além de um bebê mais sa-
dio e de uma mamãe mais magrinha, no
Comer alimentos que guardem lembrao· puerpério se terá também um marido
ça de onde vieram. Se as suas vagens não mais elegante e filhos (se você já os ti-
veem há meses seus campos de origem ver) com melhores hábitos alimentares.
(por terem sido cozidas, processadas, Continue com a Dieta Ideal para toda a
preservadas e enlatadas desde o cultivo), família depois do parto e você estará
provavelmente não vão mais trazer os dando a cada membro- principalmen-
benefícios naturais para você e o seu be- te ao mais novo deles - as melhores
be. DO prcfcrOnclu u f1·uws, legumes o ch~ncos de uma vldu muls longa e mais
verduras frescos da sua época correta ou sadia.
que foram congelados em estado natu·
ral, se não houver disponibilidade de Não sabotar a dieta com maus hábitos.
produtos frescos ou se você não tiver A melhor dieta pré-natal do mundo se-
A DIETA IDEAL ll3

rá facilmente estragada se a gestante não terceiro trimestres - podem prejudicar


seguir o conselho de abster-se de bebi- seriamente o desenvolvimento do bebê.
das alcoólicas, do cigarro e de outras Existem quatro exceções a essa fórmu-
drogas pouco seguras. Leia sobre o as- la básica. Em cada um desses casos a ges-
sunto no Capítulo 3 e, se já leu, trate de tante deve discutir as suas necessidades
mudar de hábito. calóricas com o médico: a gestante obe-
sa, que com a devida orientação nutri-
cional poderá reduzir o aporte calórico
OS DOZE COMPONENTES indicado; a gestante excessivamente ma-
DIÁRIOS DA DIETA IDEAL gra, que certamente necessita de maior
aporte; a adolescente que, ainda em cres-
As calorias. O velho adágio que diz que cimento, tem necessidades nutricionais
a grávida come por dois é verdadeiro. especiais; e as gestantes com fetos múl-
Mas é importante lembrar que um des- tiplos, que necessitarão de mais 300 ca-
ses dois é um feto minúsculo em desen- lorias para cada um deles.
volvimento cujas necessidades calóricas Ter de acrescentar mais 300 calorias
são bem menores que as da gestante - por dia parece um sonho para quem gos-
algo em torno de 300 calorias/dia. Por- ta de comer, mas é triste dizer que não
tamo, se você é de peso mediano, só pre- é verdade. No momento em que você in-
cisa de 300 calorias a mais para manter gerir os seus quatro copos de leite (total
o peso gestacional. 2 Durante o primeiro de 380 calorias para o leite magro ou des-
trimestre talvez precise de menos de 300 natado) ou o equivalente em alimentos
calorias extras por dia, salvo se quiser ricos em cálcio, e consumir as suas por-
compensar o seu baixo peso inicial. Ao ções a mais de proteína, já terá ultrapas-
acelerar-se o metabolismo com o evoluir sado a cota permitida. Isso significa que
da gravidez, talvez passe a necessitar de em vez de acrescentar alimentos saboro-
mais de 300 calorias ao dia. Apesar das sos e supérfluos, provavelmente terá
muitas dietas para gestantes que lhe re- mesmo é de eliminar aqueles com que já
comP.ndam comer alimentos que dariam está acostumada para bem nutrir o bebê
para uma família de quatro pessoas, con- e manter um ganho de peso convenien-
sumir calorias além das que o bebê ne- te. Para certificar-se de que conseguirá
cessita para o crescimento e das que você o máximo rendimento nutricional de
necessita para desenvolvê-lo é desneces- suas calorias, torne-se uma especialista
sário e desaconselhável. Consumir pou- em dietas eficientes (ver p. 110).
cas calonas, por outro lado, não só é Mas embora as calorias contem sig-
desaconselhável como também poten- nificativamente durante a gestação, vo-
cialmente perigo ~ o; as mulheres que não cê não precisa "contá-las". Em vez de
cor.somem calorias o suficil.:nte durante se preocupar com complicados cálcu-
a a: widez - sobretudo no seaundo e los a cada refeição, suba numa boa ba-
lança uma vez por semana paru ver seu
2Para
progresso. Pese-se na mesina hora do
descobrir quantas calorias são necessárias dia, nua ou usando as mesmas roupas
para que a gestante mantenha o peso pré-
gestacional, é só multiplicar o peso antes da ges· (ou roupas de mesmo peso) para não
taçilo por 12 em caso de vida sedentária, por 15 prejudicar a medida. Se o ganho de peso
em çn8o de utlviuodumiHJurudu u por 22 um ~u­ eH ~Ivor no compuaao certo (aproximada-
so de atividade intensa . Como o ritmo de meta- mente 45 g a 50 g por semana no segun-
bolismo calórico varia de pessoa a pessoa mesmo
durante a gruvldcz, as exigências calóricas tam- do e no terceiro trimestres; ver p. 182)
bém variam e os valores calculados acima são o aporte calórico está correto. Se o ga-
só aproximados. nho de peso for inferior a esse valor, o
114 NO PRINCIPIO

aporte está insuficiente; na lúpótese con- Se no fim do dia faltar meia porção,
trária, está em excesso. Reajuste o aporte ou mesmo uma porção inteira, preencha
nutricional conforme o necessário, mas a cota antes de dormir com um lanche
sem nunca eliminar preciosos nutrientes rico em proteína. Tente, por exemplo,
da dieta junto com as calorias. E c:onti- uma salada com ovos (meia porção de
nue a acompanhar o seu ganho de peso proteína quando feita com 1 ovo e duas
semanalmente para ver se está no cami- claras) e com biscoitos de trigo integral;
nho certo. o Milk Shake Duplo (dois terços de uma
porção de proteína; ver p. 125); ou 3/ 4
As proteínas (4 porções ao dia). Os ami-
de xícara de queijo ricota magro {uma
noácidos que compõem as proteínas são porção de proteína) enfeitada com fru-
o)S blOCOS de construção das células hu-
tas frescas, passas, canela ou t01"1ate e
manas e de particular relevância quando
se "constrói" um bebê. 'Tanto a falta de manjericão picados. Não use, entretan-
proteínas quanto a de calorias guardam to, suplementos protéicos líquidos ou em
relação com bebês pequenos para a ida- pó para complementar a necessidade diá-
de gestacional. Assim, o consumo diário ria de proteínas - podem ser preju-
de proteínas pela gestante deve ser, no mí- diciais.
nimo, de 60 a 75 gramas. Achamos que
100 gramas, a quantidade em geral reco- Alimentos ricos em vitamina C: duas
mendada para as gestações de alto risco, porções por dia. Você e o seu bebê pre-
é um patamar mais seguro, já que a maior cisam de vitamina C para a reparação
quantidade talvez ajude a evitar que ages- dos tecidos, a cicatrização de feridas e
tante ingresse em grupo de alto risco.3 diversos outros processos metabólicos
Embora a meta de 100 gramas de proteí- (que utilizam nutrientes). O bebê tam-
na possa parecer muito grande, os norte- bém precisa dessa vitamina para o devi-
americanos, por exemplo, normalmente do crescimento e para o d ~senvolvim ento
consomem essa quantidade por dia. Pa- de ossos e dentes fortes. Trata-se de um
ra obter os 100 gramas basta comer um nutriente que o organismo não consegue
total de quatro porções de Alimentos Ri- armazenar, e por isso precisamos reno-
cos em Proteína da Classificação dos Ali- var o estoque diariamente. Os alimentos
mentos para a Dieta Ideal (ver p. 119). Ao para essa finalidade devem ser consumi-
computar as porções de proteína, não se dos frescos, sem cozinhar, já que a ex-
esqueça de contar também a proteína posição à luz, ao calor e ao ar <1estrói a
existente em muitos dos alimentos ricos vitamina no decorrer do tempo. Confor-
em cálcio: um copo de leite ou 30 g de me você pode ver na listas dos alimen·
queijo fornecem cerca de um terço das ca- tos arrolados, o velho suco de laranja
lorias numa porção de proteína; uma xí- está longe de ser a única, ou mesmo a
cara de Iogurte é Igual a meia porção; 120 melhor, fonte dessa vitamina essencial.
g de salmão enlatado equivalem a uma
pol'çâo completa. Alimentos ricos em caUclo: quatro por-
ções por dia. Nos seus tempos de escola
1As mulheres que n!lo esJao Ingerindo uma você provavelmente ficou sabendo que
quantidade suficiente de calorias (talvez devido as crianças em crescimento precisam de
i\ tiRUIIIII I! MQI vOmltOR) 1\QII~IIIUinl dt Ulllll quUII• multo ctUclo para ter ossos o dentes for-
tidade maJor de protelnas, de modo que ao mes- tes e sadios. Ora, o mesmo serve para o
mo tempo ' sua necessidade de ener!in e à feto em crescimento at4 que ac eram for-
roFmtlç!o do bul)e, Sl111 IJt~vum lll cortll lcur ch1
que consumam pelo menos quatro porções dia· me num bebê plenamente desenvolvido.
riamente. O cálcio é vital para o desenvolvimento
A DIETA IDEAL llS

do~ . músculos, do coração e dos nervos, las do bebê se multiplicam num ritmo
e também para a coagulação do sangue fantástico), a vitalidade da pele, dos os-
e para a atividade enzimática. Mas não sos e dos olhos, sendo capaz ainda de re-
é só o bebê que sai perdendo se você não duzir o risco de alguns tipos de câncer.
ingerir cálcio suficiente. Se o aporte desse As verduras e os legumes tamb~m asse-
elemento for insuficiente, o bebê vai guram certa dose de vitaminas essenciais
retirá-lo dos seus próprios depósitos (nos (vitamina E, riboflavina, ácido fólico,
ossos) para preencher a sua cota, BJ, numerosos sais minerais (muitas
preparando-a para uma osteoporose verduras propiciam boa quantidade de
mais adiante. Ainda outro motivo para cálcio e de oligoelementos) e fibras anti-
beber leite (ou ingerir cálcio sob outras constipantes. Uma abundante seleção
formas) está no resultado de uma pesqui- das fontes naturais mais eficazes de vi-
sa recente indicando que o consumo ele- tamina A está indicada numa lista de
vado de cálcio ajuda a prevenir a Verduras, Legumes e Frutas à p, 121. As
hipertensão induzida pela gestação (pré- que não gostam de verduras talvez se sur-
eclâmpsia). preendam ao saber que a cenoura e o es-
Seja portanto diligente e não deixe de pinafre não são as únicas fontes de
consumir quatro porções de alimentos ri- vitamina A; de fato, ela é fornecida por
cos em cálcio por dia. E não se preocu- muitos deliciosos doces naturais - da-
pe se a'idéia de quatro copos de leite por masco seco, pêssegos, melão (cantalupo)
dia não lhe atrair. O cálcio não precisa e manga, por exemplo. E as que gostam
ser servido em copos. Pode ser servido de legumes e verduras sob a forma de su-
num pote de iogurte, num pedaço de co saibam que um copo de coquetel de
queijo, numa porção grande de queijo ri- legumes conta para preencher a cota diá-
cota. Pode ser disfarçado em sopas, pra- ria necessária.
tos de forno, pães, cereais, sobremesas;
isso é bem fácil quando se encontra na Outras frutas e hortaliças: duas porções
forma de leite em pó sem gordura ou lei- ao dia ou mais. Além dos produtos ri-
te desnatado evaporado (1/3 de xícara e cos em vitamina A e C, você necessita
1/2 xicara, respectivamente, equivalem a de pelo menos dois outros tipos de fru-
um copo cheio de leite, ou a uma porção tas ou de verduras e legumes por dia -
de cálcio). Se você optar pelo copo, po- para obter mais fibras, mais vitaminas
de dobrar o teor de cálcio em cada um e mais sais minerais. Muitos desses são
misturando o leite com 1/3 de xicara de ricos em potássio ou/e magnésio, ambos
leite em pó sem gordura (ver Milk Shake importantes para uma gestação saudável,
Duplo, p. 125). Para as que não toleram e em boro, cuja importância só agora co-
laticínios, o cálcio pode vir também de meça a ser compreendida. Consulte a lis-
outras fontes. Consulte a lista à p. 120. ta à p. 121.
Para as que não têm como certificar-
se da quantidade de cálcio que estão in- Gnlos Integrais e legumes: cinco porções
aerindo ao dia (vegetarianas, pessoas ao dia, ou mais. Os grãos da variedade
com intolerância à lactose) pode-se reco- Integral (trigo, aveia, centeio, cevada,
mendar a suplementação com cálcio. milho, arroz, painço, milho miúdo, so-
ja, e assim por diante) e certas legumi-
Frutas, legumes e verdurost lr4!s porções nosas (ervilhas e feijões secos) são ricos
ao dia ou mais. Preferido dos coelhi- em nutrientes, sobretudo as vitaminas do
nhos, esse arupo do alimento• fornece vi- complexo B, tio necessárias para o cor-
tamina A, sob a forma de bctacaroteno, po do bebê em desenvolvimento. Ess~s
vital para o crescimento celular (as célu- carboidratos complexos concentrados
1
116 NO PRINCÍPIO

são também ricos em oligoelementos, co- frutas ricas em vitamina C ou com água
mo o zinco, o selênio, o magnésio, que (mas não com leite, chá ou café). Se es-
comprovadamente são de grande impor- tiverem baixas as reservas de ferro da
tância durante a gestação. Os amil?.ceos gestante, talvez o médico pr'escreva 60 a
podem também ajudar a atenuar o en- 120 miligramas ao dia.
jôo matinal.
Embora todos eles tenham muitos nu- Alimentos ricos em gordura: quatro por-
trientes em comum, cada um tem pro- ções inteiras ou oito meias porções, ou
priedades próprias. Para máximo uma combinação equivalente ao dia. Se-
benefício, inclua uma ampla variedade gundo diretrizes gerais de nutrição, não
de carboidratos complexos na sua dieta. mais do que 30% das calorias do adulto
Seja aventureira: faça um empanado de devem provir de gordura (na dieta norte-
peixe usando farelo de aveia temperado americana média, 4011Jo das calorias vêm
com ervas e queijo parmesão. Acrescente da gordura). As mesmas diretrizes se
alguma variedade de trigo a seu prato de aplicam às gestantes adultas. Isso signi·
arroz à moda oriental (pilau). Empregue fica que se você pesar mais ou menos 60
cevada trilhada na sua receita preferida quilos e precisar de 2.100 calorias por dia
de mingau de aveia. Use feijão-branco (ver p. 113 e Apêndice se pesar mais ou
na sopa. menos), não mais do que 630 dessas ca-
Não inclua na sua conta os grãos refi- lorias devem vir das gorduras. Como
nados (pães ou cereais crocantes feitos bastam 70 gramas de gordura (quanto se
com farinha de trigo, por exemplo) co- encontraria numa grossa fatia de quiche)
mo se atendessem às suas necessidades para atingirmos as 630 calorias, essa ex.i·
regularmente. Mesmo os "enriquecidos" gência é a mais fácil de atender - e a
ainda carecem de fibras e na grande mais fácil de ultrapassar a cota permiti-
maioria lhes faltam as vitaminas e os oli· da. E embora não haja problema em
goelementos encontrados nos originais abusar dos legumes e dos alimentos ri·
cos em vitamina C, ou mesmo dos ali-
Alimentos ricos em ferro: alguns por dia. mentos integrais ou ricos em cálcio, o
Como são necessárias grandes quantida- excesso de gordura acarreta excesso de
des de ferro para aporte sangüíneo em peso. Ainda assim, embora seja boa
desenvolvimento do feto e para o seu idéia manter moderado consumo de gor-
próprio aporte de sangue em expansão, dura, eliminar toda a gordura da dieta
precisará de um maior suprimento du- é atitude potencialmente perigosa. A gor-
rante os nove meses, maior do que em dura é vital para o bebê em des'!nvolvi·
qualquer outro período da vida. Assegu- mento; os ácidos graxos essenciais que
re esse suprimento o mais que puder com propicia são exatamente isso - es·
a dieta (ver lista à p. 122). O consumo senciais.
de alimentos ricos em vitamina C à mes· Fique atenta aos alimentos ricos om
ma hora em que os ricos em ferro ajuda gordura que comer todos os dias; aten-
na absorção do mineral pelo corpo. da à cota, mas pare antes de exced&·la.
Como multas vezes é difícil atender à Não esqueça que a gordura usada no co-
necessidade gestacional de ferro só com zimento e no preparo dos alimentos tr:lm·
a dieta, recomenda-se que, desde a 12~ bém conta. Se você fritou ovos em meia
semana de gestação, a gestante faça uma colher de sopa de maraarina (1/2 por·
de suplemento- 30 miligramas de fer- çfto) e fez uma pasta de atum com malo·
ro ferroso ao dia. Para aumentar a ab- nese (1 porção) inclua essa quantidade na
sorção do suplemento de ferro, convém sua cota diária.
tomá-lo entre as refeições com suco de Se você não estiver ganhando peso su-
A DIETA IDEAL 117

fir.iente, e se o aumento do consumo dos co de prisão de ventre e de infecção uri-


outros alimentos nutritivos não for efi- nária e livram o corpo de toxinas e de
caz, tente acrescentar uma porção a mais escórias metabólicas. É preciso beber

I
t
de gordura por dia (mas não mais); as
calorias concentradas que proporciona
podem ajudá-la a atingir o peso ideal.
Pru a informações sobre o colesterol na
gravidez., ver p. 160.
ao menos oito copos de líquido por dia
(cerca de dois litros) - mais, se pos-
sível, caso você esteja retendo líquido
(paradoxalmente, a ingestão abundante
de líquido pode eliminar o excesso deste
J no organismo). Naturalmente, nem to-
' Alimentos salgudos: com modcruçiio. do o líquido precisa vir direto da tornei-
Há tempos SI! recomendava a restrição ra. Pode-se contar o leite (cuja
de sal na dieta da grávida, por contribuir composição constitui-se em dois terços
o sal para a retenção de lí:Iuido e para de água), suco de frutas e legumes, pe-
a distensão abdominal. Hoje acredita-se quenas quantidades de café descafeina-
f que um certo aumento no volume de lí-
quidos no corpo é necessário e normal
do (desde que por processo natural) ou
de chá, sopas e água mineral. Certifique-
e que uma quantidade moderada de só- se, porém, que os líquidos ingeridos não
dio é necessária para manter o nível ade- sejam calóricos ou você acabará consu-
quado de líquidos. Entretanto, as mindo calorias excessivas diariamente.
grandes quantidades de sal (em picles, Usando copos ou xícaras maiores, vo-
molho de soja, batatas fritas) não fazem cê ingerirá mais líquido de cada vez. Dis-
bem a ninguém, gestantes ou não. A in- tribua a quantidade de líquidos por todo
gestão elevada de sódio se vincula à ele- o dia e não tente beber mais de dois co·
'lação da pressi'io arterial, condição pos de uma só vez - o que poderia di-
capaz de causar uma ampla variedade de luir seu sangue excessivamente, causando
complicações graves durante a gestação, um desequilíbrio químico.
o trabalho de parto e o parto. Embora
a deficiência de iodo não seja problema Suplementos nutricionais: a fórmula ges-
em centros desenvolvidos, talvez queira tacional diária. Os complementos vita-
usar sal iodado para certificar-se de que núnicos sempre geraram controvérsia no
atende à maior necessidade de iodo du- meio científico. Essa controvérsia ago-
rante a gestação. Como regra geral, em ra se intensificou nos EUA em virtude
vez de adicionar sal durante o cozimen- de uma declaração da Academia Nacio-
to, coloque sal à mesa, a seu gosto. nal de Ciências norte-americana. Segun-
do essa entidade, não há provas
Líquidos: pelo menos oito copos diaria- suficientes que justifiquem o uso rotinei-
mente. Você não só está comendo por ro desses suplementos (exceto dos 30 mg
dois, mas também está bebendo por de ferro) por todas as gestantes. A Aca-
dois. Se for uma daquelas pessoas que demia instou a comunidade científica a
passam o dia inteiro sem beber um gole aumentar as pesquisas para descobrir-se
aequer, ~chegada a hora de mudar esse se a auplementaçlo com certas vitaminas
hábito. A proporção que aumentam os e sais minerais seria de fato valiosa para
líquidos do organismo durante a gravi- todas. Por ora, entretanto, recomenda
dez, também aumenta a necessidade de que os médicos avaliem com critério a
inaerlr líquidos. O feto também precisa dieta de cada paciente e que prescrevam
deles, pois grande parte do seu corpo, co- as vitaminas só quando houver deflclen-
mo do da mãe, é composto de água. Os cia delas na alimentação normal - a su-
líquidos em abundância também ajudam plementação rotineira estaria limitada
a manter sua pele macia, reduzem o ris- àquelas com elevado risco nutricional,
118 NO PRINCIPIO

A Prescrição de Vitaminas
Não há qualquer modelo o ficial que es- • A recomendação ,,ficial para gestantes de
pecifique qual deveria ser a composição de vitamina E.
um comprimido o u uma d rágea de suplemen-
tação vitamlnica. Assim, a escolha da fór- • O mesmo para a tiamina (8 1), a ribofla-
mula correta pode ser complicada. Muitas vina (BJ, a piridoxim. (BJ e a cianocoba-
vezes o méclico prescreve um suplemento . Em lamina (B n), muitas fórmulas contêm de
geral, as fórmulas prescrilas especificamen- I I/2 a 3 vezes a cota oficial recomenda-
te são superiores à que compramos na far- da ou permitida; desconhc•;em-sc efeitos
mácia. sem qualquer prescrição. prejudiciais nessas doses.
Se você estiver escolhendo uma suple-
mentação vitaminicat mineral por coma pró- • Não mais do que 250 mg d~ ~álcio ou 25
pria. procure por uma fórmula que c'Ontenha: mg de magnésio. se a fó rmula contiver
também ferro, já que grandes quantidades
· • Não mais do que 8.000 UI de vitamina A; de qualquer um desses minerais pode in-
4.000 ou 5.000 UI seria provavelmente terferir com a absorção do ferro. (Se o mé-
melhor. dico tiver prescrito doses maiores de cálcio
e/ ou de magnésio, tome-as pelo menos
• 800 a 1.000 mcg ( I mg) de ácido fólico. duas horas antes ou depois do suplemen-
to que contém o ferro.)
• A cota máxima permitida para gestantes
de vitaminas D e C. Algumas fórmulas • Oligoelementos, como o crômio, o man-
contêm mais ou menos do que a recomen- ganês, o molibdênio e a vitamina biotina;
dação oficial, e isso não tem importância. aumen•am o seu seguro-saúde, mas são in-
Mas evitar as que contenham quantidade cluídos em poucos suplementos.
muito maior, salvo quando prescritas pe-
lo médico.
•o cobrr é necessário em qualquer suplemento que
• A cota máxima permitida para gestantes, contenha zinco, já que o zinco pode interferir na
absorção de cobre pelo corpo a partir da dieta, au-
um pouco mais ou menos, de niacina mentando a necessidade desse mineral . O zint:o e
(B), de ácido pantotênico (B1, ausente em o cobri! são ambos necessários num suplemento que
muitos suplementos), ferro, iodo, zinco e contenha ferro, já que o ferro pode interferir na
cobre.• sua absorção.

inclusive as veaetariunas, mulheres c:om se ao certo que só estivesse esperando um


mais de um feto, fumantes inveteradas bebê e que a cestação não viria a se tor-
e entre as que abusam de bebidas alcoó- nar de alto risco. Mas, no mundo real,
licas e de drogas. a suplementação nutricional é um segu-
A tese de que a gestante pode atender ro a mais de saúde - e as mulhen:s que
todas as exigências nutricionais à mesa preferem ficar do lado seguro talvez as-
da cozinha é muito comum. E, com efei- sim se sintam mais tranqüilas.
to, poderia conseguir- se vivesse num Apesar disso, um suplemento não pas-
laboratório onde o alimento fosse pre- sa de um suplemento. Não há compri-
parado de forma a reter as vitaminas e mido, por mais completo, que substitua
os sais mlnerals e se medlsse a quantida- uma boa dieta.~ muito Importante que
de para assegurar o aporte diário ade- a maioria das suas vitaminas e sais mi-
quado, se nunca comesse às pressas ou nerais venha de aUmentos, porque é des-
se não sentisse enjôo, se sempre soub:s- sa forma que os nutrientes são utiJjzadoJ
A DIETA IDEAL 119

de modo mais eficiente. Os alimentos dutos que se dizem equivalentes às ne-


frescos (não processados) contêm não só cessidades diárias de legumes -trata-se
nutrientes que conhecemos, e que podem de afirmação fraudulenta.)
ser colocados num comprimido, mas E não pense que se um pouco é bom,
provavelmente muitos outros ainda não muito é melhor. As vitaminas e os sais
descobertos. Há trinta anos, a suplemen- minerais em altas doses agem como me-
tação pré-natal não continha zinco e ou- dicamentos no organismo e devem ser
tros oligoelememos que agora sabemos considerados como tais, sobretudo pelas
que são necessários à saúde. Mas os pães gestantes; algumas, como a vitamina A
, integrais sempre o contiveram. De for· e a D, são tóxicas em níveis não muito
ma semelhante, os alimentos são fontes acima da cota diária permitida oficial-
de fibras e de água (as frutas e legumes mente.' Qualquer suplementação além
são ricos nesses elementos) e também de dessa cota só deve ser efetuada sob su-
calorias e de proteína - dos quais ne· pervisão médica, quando os benefícios
nhum pode ser colocado numa drágea. superam os riscos.
(lllcidentalmente, cuidado com os pro-

A CLASSIFICAÇÃO DOS ALIMENTOS


PARA A DIETA IDEAL

ui tos alimentos atendem a mais

M de uma das exigências nutricio-


nais, portanto os Grupos de Se-
leção de Alimentos podem se sobrepor.
314 de xicara de ricota (com pouca
gordura)
50 gramas (112 xícara) de queijo
parmesão
Os mesmos três copos de leite, por exem- 90 gramas de queijo suíço ou cheddar ou
plo, darão a você três porções de cálcio queijo branco
e uma de proteínas. 5 ovos grandes (só as claras)
2 ovos grandes, mais 2 claras
ALIMENTOS RICOS 100 gramas de atum
75 gramas de carne branca de frango ou
EM PROTEÍNA peru, sem pele
100 gramas de peixe ou camarão
s porções Indicadas contem entre 18
A e 25 gramas de proteína, sendo ne-
cessélio consumir 75 a 100 gramas por
140 gramas de mexilhões, mariscos, siri
ou lagosta
90 gramas de carne magra de vaca ou
dia. Comer, portanto, quatro porções ao porco ou carne escura de frango
d.i:l, ou uma combinação de alimentos 90 gramas de vitela
que r.eja equivalente a quatro porções. 100 gramas de carne gorda de vaca
I00 gramas de carne de ovelha ou fígado
3 copos (de 200 ml) de leite desnatado
ou <:om baixo teor de gordura (ou
Jeltelho) •obter mais do que a cota máxima diária per-
3/4 de xícara de iogurte com baixo teor mitida dessas vitaminas pela dieta, contudo, não
de gord.ura é considerado periaoso.
120 NO PR!NCfPIO

140-170 gramas de feijão-soja ou tofu (ou de salada de repolho cru cortado


proteína vegetal texturizadas fino)
1 porção da combinação protéica com- 1 pimentão verde ou vermelho pequeno
pleta (ver quadro, pág. 127) 2/ 3 de xícara de brócolis cozido
3/4 de 1\ÍCara de couve-flor cozida
3/4 de xícara de couve fresca coziua
LANCHES RICOS 1 xícara de folhas de couve congelada,
EM PROTEÍNA em pedaços
3/4 de xícara de couve-rábano cozida
Nozes e sementes 3 xícaras de espinafre cru
Alimentos à base de grãos integrais
Alimento à base de soja
Iogurte ALIMENTOS RICOS
Ovos cozidos EM CÁLCIO
Queijos duros
s necessidades diárias são de 1.280
Germe de trigo
A a 1.300 miligramas ao dia. Comer
ou beber quatro porções dos alimentos
ALIMENTOS RICOS indicados a seguir ou combinação equi·
EM VITAMINA C valente. Cada porção contém cerca de
300 miligramas de cálcio.
corpo não armazena vitamina C,
O portanto é necessário não deixar de
ingeri-la todo dia. Comer ao menos dois
250 ml de leite desnatado ou com baixo
teor de gordura (ou leitelho)
dos seguintes alimentos ao dia (ou com- 1/2 xícara de leite desidraté..dO e des-
binação equivalente). natado
1 3/ 4 de xícara de ricota fresca com bai-
1/2 grapefruit xo teor de gordura
1/2 xícara de suco de grapefruit 40 gramas de queijo tipo cheddar
1 laranja pequena 35 gramas de queijo suíço
112 xícara de suco de laranja 1 xícara de iogurte com baixo teor de
2 colheres de sopa de suco de laranja gordura
concentrado 113 de xícara de leite em pó sem gordura
112 manga média 115 gramas de salmão enlatado com es·
112 xícara de mamão picado pinhas
112 melão pequeno 90 gramas de sardinhas em lata com es·
1/2 xícara de morangos pinhas
1 1/3 de xícara de amoras 2 n 3 colheres de sopa de sementes do
1 1/2 tomate grande gergelim
1 xícara de suco de tomate Leite de soja ou proteína de soja•
3/4 de xícara de suco de legumes I xícara de folhas de couve
1 1/2xícara de pedaços de repolho cru I 1/2 ~tlcnra de couve cozida
1 1/2 xícara de mostarda ou folhas de
nabiçn co:tidus
JAJ receitas variam; alaumaa t!m elevada rela·
çlo protelnas/calorlas, outras tem relaç4o bal·
xa, portanto sempre que algum produto 6 As fórmulas d~ soja variam: veriOque o rótll•
especificar em rótulo o seu teor de nutrientes, lo do produto para ver seM indicação do teor
leia-o e Iem bre-se que 20 a 2S gramas de protel· de cálcio, tendo em men .e que 1 por~,ão de câl·
oas equivalem a uma porção. cio equivale a 300 mg.
A DIETA IDEAL 121

1 3/ 4 xícara de brócolis 114 de batata-doce ou inhame pequenos


2 1/ 2 colheres (de sopa) de melado 1/ 3 de xícara de acelga cozida
2 tortillus de milho
I O figos secos
3 xícaras de feijões secos (feijão-de-lima, OUTROS LEGUMES
branco etc.) E FRUTAS
LANCHES RICOS
EM CÁLCIO
C omer pelo menos dois dos alimentos
indicados a seguir, por dia.

I maçã ou I /2 xícara de suco de maçã


sem adoçar
Amêndoas 6 a 7 hastes de aspargo
Damasco 1 banana pequena
Figos secos 1 xícara de brotos de feijão
Alimentos (feitos ao forno) à base de se- 3/ 4 de xícara de ervilhas
mente de gergelim, de farinha de soja ou 2/ 3 de xícara de amora-preta
alfarroba 2/3 de xícara de couve-de-bruxelas
2/ 3 de xícara de cerejas frescas sem
caroço
VERDURAS, LEGUMES 2/ 3 de xícara de uvas
E FRUTAS l xícara de cogumelos frescos
1 pêssego médio
9 quiabos
S ão necessários três por dia, dos quais
um deve ser cru. Tente escolher tan-
to legumes quanto verduras diariamente.
1/2 xícara de salsa
1 pêra média
1 fatia média de abacaxi fresco ou enla-
tado sem açúcar
118 de melão ou 2 damascos grandes, 1 batata média
frescos ou secos 2/ 3 de xícara de pedaços de abobrinha
112 manga média
1 nectarina ou pêssego grande
1 xícara de pedaços de mamão GRÃOS E CEREAIS
112 caqui médio
1 colher de sopa de abóbora-moranga INTEGRAIS
cozida
1/3 de xícara de beterraba cozida
3/4 de xícara de brócolis ou folhas de na- Recomendamos quatro, cinco ou mais
porções diárias da seguinte lista:
bos cozidos
112 cenoura crua ou 1/3 de xícara de ce- 1 fat\a de pão integral (à base de farinha
noura cozida de trigo, soja, centeio etc.)
1/2 xlcaru de ~:ouve pioadu cozida 1/2 xícara de arroz integral cozido
1/ 2 xícara de endívia ou de escarola 112 xícara de cereal integral (aveia ou
1/3 de xícara de couve ou de momarda equivalente)
(verdura) cozida 30 gramas de outros cereais em flocos,
8-10 folhas grandes de alface encontrados em supermercados
112 xícara de espinafre cru, ou 1/ 4 de xí- 2 colheres de sopa de germe de trigo
cara de espinafre cozido 112 ldcara de milho, painço, sêmola de
114 de xícara de abóbora cozida trigo-sarraceno ou bulgur
122 NO PRINCÍPIO

112 xícara de massas à base de farinha fazer uso de gordura pura como mantei-
de trigo integral ou de soja ga, margarina ou óleo não mais do que
1 fatia de pão de milho em duas porções por dia.
112 xícara de feijão ou de ervilha cozidos
1 tortilla de milho ou trigo integral Meias porções
30 gramas de queijo (provolone·, ched-
ALIMENTOS RICOS dar, suíço, mozarela, camembert)
45 gramas de mozarela de leite desnatado
EM FERRO 2 colheres de sopa de queijo parmesão
ralado
equenas quantidades de ferro são en-
P contradas na maioria das frutas, le-
gumes e verduras, grãos e carnes que se
1/ 2 colher de sopa de creme pouco
espesso
1 colher de s0pa de creme batido, ·espesso
comem todos os dias. Mas convém fa- 2 colheres de sopa de creme balido
zer uso também de alguns dos seguintes 2 colheres cheias de coalhada
alimentos ricos em ferro, junto com o 1 colher de sopa de yueijo-creme
r.omplemento: 1 xícara de leite integral
1 112 xícara de leite desnatado
Feijão 2/3 de xicara de leite integral desidrata-
Lentilha do ou em pó
Carne de vaca 1/ 2 xícara de sorvete comum
Fígado e outras vísceras (não abuse) 1 xícara de iogurte de leite integral
Ostras (cozidas: não comer cruas) 1 colher de sopa de margarina
Sardinha 1 colher de sopa de manteiga de
Couve e nabo amendoim
Abóbora 112 xícara de molho branco
Batatas com casca 1/ 3 xícara de molho holandês
Espinafre 1 ovo ou 1 gema de ovo
Espirulina (planta marinha) 1/ 4 de um abacate pequeno
Leguminosas (ervilha, broto de ervilha, 2 porções dos pãezinhos, biscoitos ou bo-
lentilha, feijão e fava, por exemplo) los das Receitas Ideais
Alimentos de soja, feijão-soja 180 gramas de tofu
Farinha de alfarroba 200 gramas de carne magra de peru ou
Melado frango, sem pele
Frutas secas 110 gramas de carne gorda de peru ou
frango, sem pele
120 gramas de salmão fresco ou enlatado
ALIMENTOS RICOS 90 gramas de ai um enlatado em óleo
EM GORDURA
Porções inteiras'
e você estiver pesando ern torno de 45
S quilos, procure fazer uso de quatro
porções fartas de gordura ou meias ~or­
'Existem muitas outras fontes de gordura, a
maior parte das quaJs não se ajusta à Dieta Ideal.
ções diariamente (se o seu peso estiver Por exemplo, pode-se obter uma porção de gor-
acirra ou abaixo disto, consulte o apên· durae poucos nutriente:• em: I rrolssunt, I rol•
dlce}. Ndo exceda estu quatHidade a me· uu doçe, 1 futln de bolo do chocolate tipo
brownie, I fatia de torta de maçã ou 1/2 fatia
nos que você esteja ganhando peso muito de torta de nozes, 112 hambllrguer ou I coxa de
devagar (ver p. 182); e não a reduza, a frango pequena frita, 1/ 4 de xícara de sorvete
não ser que você esteja ganhando peso (160Jo de gordura do leite), 4 biscoitos pequenos.
multo depressa. Em geral, você poderá Esteja atenta.
A DIETA IDEAL 123

1 colher de sopa de óleo vegetal 90 a 180 gramas de carne magra de vaca


1 colher de sopa de margarina ou man- (varia com o corte)
teiga comum 3/4 de xícara de salada de atum
1 colher de sopa de maionese comum
2 colheres de sopa de molho ou tempero
comum para saladas'

ALGUMAS RECEITAS IDEAIS PARA A GESTANTE

qui estão algumas receitas que a 1 colher de sopa de germe de trigo

A deixarão em paz com seu paladar,


mas que asseguram a sua nutrição
e a do bebê. Damos também a lgumas
(1/ 2 porção de grãos integrais)

1. Numa caçarola, derreta a margarina


idéias para o seu desjejum. Consulte em fogo brando. Adicione a farinha e
também as receitas para bebidas sem misture em fogo bem baixo durante 2
álcool. minutos. Aos poucos, vá misturando o
leite e continue a cozinhar em fogo bran-
do, mexendo ocasionalmente até en-
SOPA CREME DE TOMATE grossar.

Rende 3 porções 2. Misture o suco, o extrato de tomate


e os temperos até conseguir uma mistu-
ra homogênea. Continue a cozinhar em
1 colher de sopa de margarina ou
fogo brando, mexendo sempre, por 5
manteiga
minutos.
2 colheres de sopa de farinha de tri-
go integral
1 3/ 4 de xícara de lrite em pó 3. Sirva a sopa quente, recoberta com ri-
(magro) cota, parmesão ou germe de t rigo, de
3 xícaras de suco de tomate ou de acordo com a sua preferência.
legumes
114 de xícara de extrato de tomate I porção = I po rção de cálcio; I de vi-
Sal e pimenta a gosto tamina C; I de legumes/ verduras, caso
Orégano e manjericão a gosto (op- se empregue suco de legumes.
cional)
Ingredientes opcionais: BATATAS AO FORNO
6 colheres de sopa de ricota (l/ 2
porção de protelna) ou Rende 2 porções
2 colheres de sopa de qut>ijo parme- 1 1/2 colher (sopa) de óleo vegetal
são ralado (114 de porção de pro- 2 batatas grandes
teína; 112 porção de cálcio) ou 2 claras de ovos
Sal grosso e pimenta a gosto
••::orno o teor de gor Jura dos molhos para sa· I. Preaqueça o forno a 220°C. Unte ta-
lada lndustrlullzudos vurln, leia os rótulos: cu· buleiro ou fôrma com óleo vegetal.
da 14 g de gordura equivale a uma porçil.o. Nos
molhos feitos em casa, cada colher de sopa de 2. Lave bem as batatas em á gua corren-
óleo equivale a uma porção. te; enxugue com pano de prato. Corte-
124 NO PRINCÍPIO

as em fatias do tamanho desejado. Tor- VARIANTE PICANTE: Adicione pimenta e


ne a enxugá-las. queijo parmesão ralado ou cheddar (15g
= 112 porção de cálcio) ao acrescentar
3. Bata numa tigela as claras em neve. o leite.
Adicione as batatas e mexa até que fi-
quem recobertas pela clara batida. 1 porção = 1 porção de proteínas; 1 de
grãos integrais; 1 de cálcio; rica em
4. Disponha as batatas no tabuleiro pre- fibras.
parado numa única camada. Deixe al-
gum espaço entre elas para que não
grudem. Asse-as até ficarem crocantes e BROAS INTEGRAIS
douradas , por 30 a 35 minutos. Polvilhe
sal e pimenta e sirva imediatamente. Rende 12 a 16 broinhas
1 porção = 1 porção de legu- Óleo vegetal
mes/verduras. 2/ 3 de xícara de passas
1 xícara de suco de maçã con-
centrado
MINGAU DE AVEIA 1/ 4 de xícara de suco de laranja
ESPECIAL concentrado
1 112 de xícarn de farinha de trigo
Rende I porção integral
1/ 2 xícara de germe de trigo
1 1/ 4 xícara de água 1 112 xícara de farelo de trigo etc.
1/2 xícara de aveia instantânea 11/4 colher (sopa) de bicarbonato
2 colheres de sopa de germe de tri- de sódio
go (se houver problema de cons- 1/ 2 xicara de nozes moldas
tipação substitu2 o germe de trigo 1 colher (chá) de manjericão (op-
ou parte dele p()r farelo de trigo cional)
etc.) 1 1/ 2 xícara de leitelh~ (pouca
Sal a gosto (facultativo) gordura)
2 claras de ovos (ligeiramente
1. Aqueça a água numa pequena caça- batidas)
rol a até abrir fervura. Adicione a aveia, 1/2 xícara de leite em pó ius-
o germe de trigo e o sal, se preferir, me- tantãneo
xendo bem. Diminua o fogo e cozinhe 2 colheres (sopa) de margarina ou
durante S minutos ou mais, de acordo manteiga, derretida e esfriada.
com a textura desejada, adicionando
mnls áaua, se necessário. 1. Preaqueça o forno a 180°C. Unte li-
geiramente as formlnhas com óleo
2. Retire a panela do fogo e adicione o
vegetal.
leite em pó. Sirva imediatamente.
2. Numa caçarola pequena, misture as
VARIANTE DOCE: Adicione duas colhe·
passas, 1/4 de xícara de suco de maçã
res (sopa) de passas e 1 colher de suco com entrado e de suco de laranja concen·
de mAçd concentrado (ou a aoato) ao co- trado. Collune em royo brando, t'illtlt~tll·
locar a aveia, ou durante o ultimo ml·
do de vez em quando, por ' minutos.
nuto de cozimento, se você preferir
passas mais firmes: acrescente manjeri- 3. Misture numa tigela a farinha, o ger-
cão e/ou sal a gosto (opcionais) ao adl· me de trigo, o farelo, o bicarbonato, as
cionar o leite. nozes moídas e o manjericão.
A DIETA IDEAL 12S

4. Numa tigela separada, bata o leitelho, Ingredientes opcionais para recheio:


as claras, o leite em pó, a margarina e Molho de maçã sem açúcar (outra
o resto do suco de maçã. porção de frutas)
S. Junte os ingredientes secos e líquidos,
Compota de frutas (sem adoçantes)
misturando-os com algumas batidas. ou geléia de maçã
Misture lentamente as passas com o cal- 1/ 2 xícara de iogurte (112 porçílo de
cálcio)
do do cozimento. Encha as forminhas
preparadas até cobrir dois terços de seu 1. Bata todos os ingredientes no liquidi-
volume. ficador, com exceção das claras, da mar-
garina e dos ingredientes opcionais,
6. Asse-as, com um palito inserido no
reduzindo-os a purê.
centro até sair limpo (cerca de 20
minutos). 2. Numa tigela em separado bata as cla-
ras em neve. Bata então bem depressa a
VARIANTE: Acrescente 2 maçãs ou pêras mistura de leitelho e farinha com as cla-
médias, cortadas em cubos, às nozes. Se ras. Deixe a massa descansar por uma
não houver problema de constipação, hora.
substitua o farelo do cereal por 1xlcara
de aveia (em pó ou em flocos) ou por ce- 3. Aqueça a frigideira (antiaderente). De>-
vada em flocos. pois de aquecida, unte-a com margari-
na ou manteiga. Deite a massa, e
12 broinhas = 1 1/2 porção de grãos in-
tegrais; 1/2 porção de proteína; riquís- espalhe-a com colher na frigideira para
que fique bem fina. Quando a superfí-
simos em fibras. A variante com frutas cie da panqueca começar a borbulhar e
acrescenta outra porção de frutas. o lado de baixo ficar ligeiramente dou-
rado, vire e doure o outro lado. Conti-
PANQUECAS DE LEITELHO nue a fritá-las, untando com mais
margarina a frigideira, sempre que ne-
li TRIGO INTEGRAL cessário, até acabar a massa. Sirva as
panquecas com qualquer um dos ingre-
Rende 12 panquecas (:S porções) dientes para recheio ou todos eles.
Nota: Deixe a massa descansar por 1 VARfANTE: Adicione à massa qualquer
hora. um dos seguintes ingredientes: 1/4 de xí-
1 xícara de leitelbo (baixo teor de cara de passas (l/2 porção de frutas);
gordura) seis damascos secos, cortados em cubos
1 colher (chá) de suco de maçl con- (algum ferro; 1 porção de frutas cítricas);
centrado 1/ 2 banana, pêra ou maçã, cortada em
3/4 de xícara de farlnba de trigo In- fatias (1/2 porção de frutas; 1/ 4 de xí-
tegral cara de nozes moídas (1/ 4 de porção de
5 colheres (sopa) de germe de trigo gordura; alguma proteína).
1/3 de xícara de leite em pó des- 1/3 da receita = 1 porção de grãos inte-
natado grais; 1 porção de proteína; 1/2 porção
1 pitada de sal, ou a aosto (op- de cálcio; rica em fibras.
donal)
Manjerlclo a gosto (opcional)
1 colheres (chá) de bicarbonato MILK SHAKE DUPLO
1 claras de ovo (ovos grandes)
Margarina ou manteiga Rende 1 porção
126 NO PRINCIPIO

Nota: congele no free:zer uma banana 2 colheres (sopa) de amêndoas ou


bem madura, descascada e coberta, 12 nozes moídas
a 24 horas antes de fazer o milk shake. 1. Preaqueça o forno a 180°C. Unte li-
1 xícara de leite desnatado, ma ~ro geiramente com o óleo um ta'Jukiro oa
113 de xícara 'de leite em pó fôrma antiaderen te.
1 banana madura congelada , corta-
2. Misture numa tigela, fo rmando um
da em pedaços ou fatias
creme, a levulose e a margarina. Adicio-
1 colher (chá) de extrato de baunilha
ne 112 xícara mais 2 colheres (sopa) do
1 pitada de manjericão, ou a gosto
suco de maçã concentrado e continue a
(opcional).
bater.
Reduza a purê todos os ingredientes num
3. Adicione a far inha, o germe de tri50
liquidificador. Sirva imediatamente. e a baunilha e misture até forma r mas-
V ARlANTE OE MORANGO: Adicione I /2 sa. Divida a massa ao meio, fazendo de
xfcara de mo rangos frescos e I colher de cada metade uma barra retangular.
sopa de suco de maçã concentrado an- Embrulhe-as separadamente em papel
tes de ir ao liquidificador; omita o man- alumínio e esfrie-as por I hora.
jericão, se preferir.
4 . J unte os figos e o restante do suco de
VARIANT E DE LARANJA: Adicione 2 CO- maçã numa caçarola e cozinhe em fogo
lheres (sopa) de suco de laranja concen- brando até amolecer. Retire do fogo e
trado (descongelado); o mita o acrescente as nozes moldas até fazer mis-
mar jericão . tura homogênea.
5. Na fôrma ou tabulei ro preparado, es-
I milk shake = 2 porções de cálcio; 213
ten der a barra retangular de massa,
de porção de proteínas; I porção de fr u-
deixando-a bem fina e assentando bem
tas. A variante "morango" adiciona ou-
as bordas. Espalhar por igual a mistura
tra porção de fr utas com uma porção de
de figo sobre a massa. Estender o segun-
vitamina C. A variante " laranja" adi-
do retângulo de massa entre duas folhas
ciona 1/ 2 porção de viumina C.
de papel-alu mínio do mesmo tamanho
do primeiro. Remover uma das folhas de
papel-alumínio e deitar a massa sobre a
BISCOITOS DE FIGO mistura de figo. Comprimi-la, fechando
as extremidades conforme necessário
Rende cerca de 36 biscoitos
com faca afiada.
Óleo vegetal
6. Assar até dourar ligeiramente, por !S
1 colher (sopa) de levulose
a 30 minutos. Ainda quente, cortar em
4 colher«ll <•opa) de manteii&U ou quadrados ou em losangos.
margarina (não multo cheias)
1 xfcara mais 2 colheres (sopa) de 3 biscoitos = 1 porção de grãos lnte·
suco de maçã concentrado, grais; I porção de frutas; ferro; rico em
morno fibras.
11/2 xfcara de farinha de trigo In·
tcgral
1 xfcara de germe de trlao BISCOITOS DE AVEIA
1 1/2 colher (chá) de extrato de COM FRUTAS
baunilha
550 gramas de figos secos, picados Rende 24 biscoitos
A DIETA IDEAL 127

AS PROTEÍNAS NA DIETA VEGETARIANA:


COMBINAÇÕES COMPLETAS
As ~egu intes seleções constituem alimentos nutritivos para todas as gestantes; no entanto, as
não-vegetarianas só dt vem contar uma porção ao dia como parte de sua cota protéica d iária.
Outras porções podem coma r para as exigências de Grãos Integrais e Legumes. As vege taria-
na!' radicais devem fazer cinco dessas porções de proteína por dia.
Escolher der.tre a lista de legumes I porção (10 a 13 gramas de proteína) e d entre a lista de
grãos mais I porção (10 a 13 gramas de proteína) para a combinação protéica completa.
LWUMES 60 a 120 gramas de massa de farinha de
trigo (integral) (pesar ainda crua; o
I xícara de fava de feijão ou feijão-
peso dependerá do conteúdo protéico)
fradin ho
213 de xícara de aveia (pesar ainda crua)
3/ 4 de xfcara de munguba, feijão-de-lima,
3/ 4 de xfca ra de semente de gergelim,
feijão-branco ou roxo
girassol, abóbora-moranga
3/4 de xícara de feijão-soja ou farinha de
112 xícara de castanha-do-pará ou de
soja
amendoim
I xícara de grão-de-bico
60 gramas de castanha de caju, nozes ou
2/3 de xícara de lentilhas ou ervilhas
pistache
deJidratadas
1/3 de xícara de germe de trigo
GRAOS 2 1/ 3-3 colheres de sopa de manteiga de

I
amendoim
I 1/2 xícara de: arroz integral, sêmola (de
trigo), cevada, painço, bulgu,..
60 g de massa de farinha de soja (pesar
J ainda crua)
OS LATICÍNIOS NA DIETA VEGETARIANA:
COMBINAÇÃO PROTÉICA COMPLETA
Escolher dentre a lista de legumes I porção (cerca de lO gramas de proteína) e dentre a lista
de laticínios l porção (cerca de 12 gramas de proteína) para uma combinação protéica completa.
LF.CUMES E GRÃOS LATICINJOS
1 porçAo de feijAo, ervilhas, lentilhas, I 1/ 4 de xícara de leite desnatado
grlos, massas (ver acima) SO gramas de queijo cheddar, sulço.
4 fatias de pão integral prato, com pouca gordura
2/3 de Kícara de mlnaau de aveia 1/2 xlcara de ricota
'O gramas de cereals lntegrals em flocos 1/4 de xícara de parrnesao
(industrializados) 1/ 3 de xícara de leite em pó desnatado
mais 2 colheres de sopa de germe de
trigo
1 1/ 4 de xícara de Iogurte
1 ovo mals 2 claras

•sao 11rAos com baixo teor protólco: enrlque.:~-loJ tom 2 colheres de sopu do aerme d~ tr lao por porçAo,
128 NO PRINCfPIO

Óleo vegetal 5 colheres (sopa) de suco de maçã


10 tâmaras, sem caroço concentrado
6 colheres (sopa) de suco de maçã 1/2 colher (chá) de manjericão, ou
concentrado a gosto (opcional)
2 colheres (sopa) de óleo vegetal
1 1/ 2 xícara de aveia em pó (ou de Misture todos os ingredientes num l'.qui-
uma mistura de flocos de dificador até for mar purê. Sirva imedia-
aveia e de trigo) tamente, ou use como calda ou molr.o
1 xícara de passas para frutas, bolo ou panquecas.
1/ 4 a 1/2 xícara de nozes moídas I xicara = I porção de vitamina C; 3/ 4
Manjericão a gosto de porção de cálcio.
1 clara de ovo
I. Preaqueça o forno a 180°C. Unte le-
vemente com o óleo um tabuleiro ou DAIQUIRI DE MORANGO
fôrma.
2. Junte as tâmaras e o suco de maçâ nu- Rende 4 porções
ma caçarola. Cozinhe em fogo brando 2 xícaras de morangos lavados (ou
até as frutas amolecerem. Reduza a pu- 2 bananas bem maduras, cortadas em
rê num liquidificador a mistura e despe- fatias)
je numa tigela. Adicione 2 colheres 1 xícara de cubos de gelo picado
(sopa) de óleo com a aveia, as passas, as ( 1/ 2 xícara se usar morangos con-
nozes e o manjericão. gelados)
3. Em tigela separada, bata ligeiramen- 1/4 de xíc.u a de suco de maçã con-
te a clara. Misture-a lentamente à mis- centrado, ou a gosto
tura anterior. Pegar uma colher (sopa) t colher (sopa) de suco de lima
e uma faca e colocar a massa dos biscoi- 1 colher (cbá) de extrato de rum
tos, em forma de colher, no tabuleiro puro
untado. Misture todos os ingredientes em liqui-
4. Leve ao forno até dourar ligeiramen- dificador. I
Sirva frio em copos altos.

i
te 10 a 12 minutos.
I porção = l porção de frutas; l de vi-
3 biscoitos = I porção de frutas; 1/ 2 de
tamina C. Ou duas outras porçõt!S de
grãos integrais; ferro; rica em fi bras.
frutas no caso de empregar banana.

IOGURTE DE FRUTAS SANGRIA VIRGEM


Rende uma xícara Rende 5 a 6 porções
3/ 4 de xícara de Iogurte comum 3 xícaras de suco de uva (sem
(pouca gordura) adoçar)
1/ l colher (chá) d~ ~a s cu d~ huunjll 3/4 de ll(curu de suco de maçll con·
rllh&da centrado
1/ 2 xícara de morangos frescos 1 colher (sopa) de suco de lima
1 colher (sopa) de suco de laranja fresco
concentrado 1 colher (sopa) de suco de limão
A DIETA IDEAL 129

I limão pequeno, com casca, fatia-


Junte todos os ingredientes, exceto a so-
do e sem semente da, num jarro. Misture bem e esfr ~e .
1 laranja pequena com casca, cor-
Adicione a soda pouco antes de serv1r.
tada em fatias, sem semente Sirva com gelo em copos de vinho.
1 maçã peq11ena descaroçada , cor-
tada em oitavos 1 porção = 1 porção a mais de frutas
3/ 4 de xícara de soda
---Parte 2 - - -

OS NOVE MESES:
Da Concepção ao Parto
--)--
O Primeiro
Mês
A PRIMEIRA CONSULTA

, a mais abrangente de todas as con- história de doenças pregressas (doenças

E sultas no pré-natal. 1 O obstetra


J revê toda a história clínica pregres-
sa; examina a gestante; pede um~ série
crônicas, doenças importantes ou cirur-
gias anteriores, medicamentos em uso
atual ou desde a concepção, alergias co-
nhecidas, inclusive as medicamentosas);
de exames. Pode haver pequenas diferen-
ças entre a conduta de um profissional a história médica fanúliar (afecções ge-
e outro. Mas de um modo geral a con- néticas, enfermidades crônicas); a his-
sulta engloba: tória social (idade, ocupação e hábitos
-de fumar, de beber, de ginástica, de
A confirmação da gra~idez. O obstetra comer); a história ginecológica e obs-
vai querer verificar: os sintomas gesta- tétrica (época do primeiro período mens-
tórios; a data do último período mens- trual, duração e regularidade dos ciclos;
abortos anteriores, provocados ou es-
trual normal, para checar qual a possível pontâneos, filhos vivos, evolução das
data do parto (ver p. 36); os sinais do co- gestações anteriores, trabalhos de parto,
lo uterino e do próprio útero para cal- partos) e aspectos de sua vida pessoal que
cular aproximadamente o estágio da possam afetar a gravidez.
gravidez. Em caso de dúvida, solicitará
wn teste de gravidez, caso a gestante ain- O exame ffslco completo. Abrange a ava-
da não tenha o feito. liação da condição geral de saúde - exa-
me do coração, pulmões, mamas,
A blstórla clfoica completa. Para ofere- abdom'o!; determinação da pressão ar-
cer o melhor tratamento possível o mé- terial a ser comparada com a medida
dico quererá saber muito sobre a vida da em consultas subseqüentes; medidas an-
gestante. Esta deve ir preparada para tropométricas, altura e peso, usuais e
uma série de perguntas. Será preciso re- atuais; inspeção das extremidades na
frescar a memória levando em conta: a busca de varizes, de edema (inchaço por
excesso de líquido nos tecidos), também
1
Consultar o ApencÚce para a expticaç!lo dos pura futura comparaçllo: lnspeçao e pal-
p~ocedimemos e dos exames realizados. pação da genitália externa; exame inter-
134 OS NOVE MESES

Uma bateria de e)l[ames. Alguns tt:stes


são rotina para todas as gestantes; alguns
0 ASPECTO FíSICO outros são rotina em certas regiões do
país ou para alguns médicos, apenas; ou-
NO PRIMEIRO MÊS tros ainda só são realizados quando as
circunstâncias os justificam. Entre os
exames mais comuns do pré-natal estão:
• Exame de sangue para determinar o ti-
po sangüíneo e a presença de anemia.
• Exarne de urina (EAS) para pesquisa
de açúcar, proteína, leucócitos, san-
gue e bactérias.
• Exames de sangue para determinar a
imunidade a doenças como a rubéola.
• Exames para desvendar a presença de
infecções como sífilis, gonorréia, he-
patite, infecção por clamídia e, em al-
guns casos, AIDS.
• Exames genéticos para identificação
de anemi::t falciforme ou d(){:nça de
Tay-Sachs.
• Colpocitoscopia ('!sfregaço dlo colo
uterino) para detecção de câncer
Pelo fim do primeiro mês, o bebê ainda cervical.
é um embrião minúsculo, como um giri-
no, menor do que um grão de arroz. Nas • Pesquisa de diabetes gestacional para
duas semanas seguintes, o tubo neural confirmar ou não tendência ao diabe-
(que se transjormard no encéfalo e na
medula espinhal), o coração, o tubo di· tes, sobretudo em mulheres que já ti-
gestivo, os órgãos dos sentidos e as ex· veram filhos muito grandes para a
tremidades (braços e pernas) começam a idade gestacional ou que ganharam
sejormar. peso em excesso em gestação anterior.

no da vagina e do colo uterino (através Uma oportunidade para discutir vários


de espéculo); exame bimanual dos ór· assuntos. Venha preparada com uma lis·
g!os pélvicos (com uma das mãos na va- ta de perguntas, problemas e sintomas
gina e a outra no abdome), e também do sobre os quais gostaria de conversar. É
reto e do próprio canal vaginal; avalia- também um bom momento para levan·
ção das dimensões e da conformação da tar questões especiais ainda não consl·
pelve óssea. deradas na consulta prévia.
O PRIMEIRO M~S 135

Os SINTOMAS FíSICOS E EMOCIONAIS


........................................................
gestante experimenta ora todos os • Alterações dos seios (mais acentuadas

A sintomas, ora só um ou outro. nas mulheres que apresentam alte-


rações mamárias antes da m enstrua-
ção): plenitude, peso, dor ao toque,
FtSICOS: formigamento; escurecimento- da
aréola mamária (a região pigmentada
• Falta da menstruação (embora possa ao redor do mamilo); crescimento
haver alguma pequena secreção, seja das glândulas sudorfparas areolares
no momento em que a menstruação (tubérculos de Montgomery); uma tra-
seria esperada, seja no momento da ma de linhas azuladas começa a apa-
implantação do ovo fertilizado no recer por debaixo da pele à medida
útero) que aumenta o aporte de sangue para
os seios (embora p ossam surgir só
• fadiga e sonolência tardiamente)

• Necessidade de urinar com freqüência EMOCIONAIS:

• Náusea, com ou sem vômito, acompa- • Instabilidade emocional comparável à


nhada ou não de salivação abundan- das síndromes pré-menstruais, em
te (ptialismo) que se vêem irritabilidade, oscilações
de humor, irracionalidade, choro fá-
• Azia, indigest'io, flatulência (gases), cil.
eructaçào (arrotos)
• Apreensão, medo, alegria, júbilo ou
• /.versiio em relação a certos alimen- exultação- qualquer deles ou todos
tos, desejo por outros eles.

As PREOCUPAÇÕES COMUNS
......................................................
FADIGA senvolvendo o sistema de apoio ao bebê,
a placenta, que só estará terminado ao
"S,·m o·me cansado o tempo todo. Estou jican· cabo do primeiro trimestre. E também
du preocupad1·, talvez nau consiga cuntinuar porque está se ajustando às demandas fí-
trabalhando." sicas e emocionais do ciclo gcstacional,
que são consideráveis.;· Completada.. a t
placenta, reaju~tado o órganistrio (por"""
N ão surpreende o canbaço. De certa •
forma, o organismo grávido traba- '
lha mais no repouso do que o organis-
volta do quarto itnês), recuperam-se ·as,•
energias; Até lá será necessário trabalhar
mo não-grávido, ao escalar uma um pouco menos ou tirar alguns dias de
montanha; a gestante só não vê o esfor- folga. A gravidez, no entanto, prossegue
ço despendido. Porque o corpo está de- o curso normal, e .:.~.o há motivo para
136 OS NOVE MESES

afastar-se do trabalho (supondo-se que acesso a um sofá confortável. Mas con- J'
o médico não tenha feito restrições a ati- vém espichar as pernas sobre a escriva-
vidades e/ ou que o trabalho não seja ex- ninha ou na sala de estar das senhoras
tenuante em excesso ou perigoso; ver p. durante as pausas e durante a hora de al-
102). A maioria das gestantes se sente moço. (Se você escolher a hora de almo-
mais feliz e menos ansiosa quando se ço para descansar, não se esqueça de
mantém ocupada. comer também .) O descanso quando já
Como a fadiga é um sintoma normal, se é mãe pode também ser difícil, mas
legítimo, não há por que temê-la. você pode conjugar o seu repouso com
Considere-a um sinal de que o corpo pre- o horário de repouso das crianças, e
cisa repousar mais. É fácil falar, mas é acompanhá-lo - presumindo que tole-
difícil fazer. Mesmo assim vale a pena re a louça por lavar e as bolas de poeira
tentar. debaixo da cama.

Mime a si mesma. Se é a sua primeira Deixe os outros mimarem-na. Aceite a


gravidez, desfrute do que talvez seja a proposta da sogra de varrer ou passar o
sua última chance durante muito tempo aspirador na casa quando em visita. Dei-
para concentrar-se em você mesma sem xe o papai levar as crianças ao zoológi-
se sentir culpada. Se já tem um ou dois co no domingo. Encarregue o marido
filhos em casa, terá de dividir a atenção. das compras, do supermercado, da la-
Mas, seja como for, essa não é a ocasião vanderia etc.
para galgar o status de super-futura-
mamãe. Repousar o suficiente é mais im- Durma mais uma ou duas horas por noi-
portante do que .manter a casa brilhan- te. Deite-se antes da 11, levante-se mais
do ou servir jantares dignos de cinco tarde (e que o seu marido faça o café).
estrelas. Livre-se à noite de atividades
não essenciai6. Passe-as sem ficar de pé Preste atenção à dieta. A fadiga do pri-
como puder: lendo, vendo TV, folhean- meiro trimestre é m ~itas vezes agravada
do livros com nomes de bebês. Se você por deficiência de ferro, de proteínas, ou
tiver filhos mais velhos, leia para eles, de meras calorias. Confira mais de uma
jogue Uogos calinos) com eles, ou assis- vez para ver se você está dl! fato atenJen-
ta com eles a vídeos infantis clássicos em do às necessidades (ver a Dieta Ideal, p.
vez de vaguear pelo playground. (A fa- I09). Mas independentemente do cansa-
diga pode ficar mais pronunciada quan- ço, não ceda à tentação de revigorar-se
do se tem filhos mais velhos em casa, com café, chocolate ou bolo. O efeito
simplesmente porque crescem as exiiên- não dura muito tempo e, depois da eh:-
clos físicas c hA monos ttmpo pura re· vuçtlo morul temporária, u gllcose no
pousar. Por outro lado, pode não ser tão sangue cai rapidamente e sobrevém fR-
percebida, já que a mãe de filho~ peque- diga ainda maior.
nos em geral está acostumada a exaus-
tão ou/e estar muito ocupada para se Verifique o ambiente. A iluminação in-
incomodar.) suficiente, o ar poluído, o ruído em ex-
E não espere a noite cair para reduzir cesso dentro de casa ou no local de
o ritmo- se puder se dar o luxo de uma trabalho podem contribuir para fadiaa.
soneca à tarde, n!o hesite em faze-to. Se Esteja alerta a esses problemas e procu-
não conseauir dormir, deite-se com um re corrigi-los.
hom livro. A soneca no escritório n!lo é
uma coisa sensata, naturalmente, a me- Dê uma caminhada. Em marcha lenta ou
nos que você tenha horário flexível e mais apressadr.. Dê um passeio pelo su-
O PRIMEIRO M ~S 137

permercado. Faça os exercícios de rotina qüência ou persistentemente, talvez es-


para a gravidez. Paradoxalmente, a fa- teja entre as lOOJo das gestantes que têm
diga pode ser exacerbada por repouso em de enfrentar a depressão leve a modera-
e:-:cesso e por atividade insuficiente. Mas da durante a gravidez. Entre os fatores
n:io exagere nos exercícios. Pare antes que favorecem a depressão na mulher
que o bem-estar do exercício se transfor- estão:
me em mal-estar e certifique-se de acom-
panhar as orientações dadas à p. 231. • História familiar ou pessoal de distúr-
bios emocionais.
Embora a fadiga provavelmente ces-
se por volta do quarto mês, ela em geral • Estresse sócio-econômico.
retoma no último trimestre - talvez a
forma encontrada pela natureza para • Falta de apoio emocional por parte do
preparar a gestante para as longas noi- pai do bebê.
tes insones quando vier o bebê.
Quando a fadiga for intensa, sobretu- • Internação ou repouso forçado ao lei-
do quando acompanhada de desmaio, to por complicações da gravidez.
palidez, falta de ar, ou/e palpitações,
convém comunicar os sintomas ao mé- • Ansiedade em relação à própria con-
dico (ver Anemia, p. 189). dição de saúde, sobretudo quando se
vi vencia complicações ou doenças du-
rante a gravidez.
DEPRESSÃO
• Ansiedade sobre a saúde do bebê.
"Sei que deveria me sentir feliz com a gravi·
dez, mas acho que estou sentindo a depressão Os sintomas mais comuns de depres-
do puerpério prematuramente." são, além da sensação de vazio, de indi-
ferença e de aborrecimento, são os

E m primeiro lugar, talvez você esteja


confundindo depressão com as osci-
lações normais do humor durante a gra-
distúrbios do sono; a modificação dos
hábitos alimentares (não comer nada ou
simplesmente não parar de comer); a fa-
videz. Essas oscilações podem ser mais diga prolongada ou incomum; a perda
pronunciadas no primeiro trimestre, e de interesse pelo trabalho, pelas diver-
em geral em mulheres que habitualmen- sões e por outras atividades ou p razeres
te sofrem de instabilidade emocional no da vida; e as exageradas oscilações de hu-
período pré-menstrual. O s senti mentos mor. Se~ Isso quo você vem e~p erirnen·
ambivalentes com relar;ão à gestação de- tando, tente as dicas para enfrentar a
pois de confirmada, comuns mesmo depressão do pós-parto que pareçam ser·
quando planejada, podem exacerbar ain- vir para o seu caso no momento (ver p.
da mais essas variações de ânimo. Em- 446).
bora não tenham cura, pode-se melhorar Se os sintomas persistirem por mais de
um pouco a situação evitando o açúcar, duas semanas, fa.le com o médico ou pe-
o chocolate e a cafeína (que podem de- ça para ser encaminhada a um terapeu-
primir ainda mals a pessoa), adotando ta. Exceto em casos extremos, os
a Dieta Ideal, mantendo o equilfbrio en- medicamentos antidepresslvos, cuja se-
tre o repouso e o exercício e, sempre que gurança durante a gestaçfto é incerta, nl'io
possível, falando a respeito do que se serão usados em favor da psicoterapia de
sente. apoio, que muitas vezes se mostra igual-
Se você se sentir deprimida com fre- mente eficaz. Conseguir ajuda é impor-
138 OS NOVE MESES

tante, porque a depressão pode levar ao cesso de ácido no estômago, seja pela
descuido e à indiferença para consigo falta de alimento, seja pela ingestão de
mesma e para com o bebê. alimentos indevidos.
Mas só esses fatores físicos não expli-
cam o quadro clínico, já que todos são
AS NÁUSEAS MATINAm comuns a todas as gestantes e nem to-
das sofrem de náusea e de vômito. No
"Ainda não senti qualquer náusea. Posso mes- entanto, alguns fatos bastante esclarece-
mo assim estar grá1•ida?" dores parecem corroborar a teoria da
exacerbação dos fatores físicos pelos
náusea matinal, assim como a von- emocionais. Em primeiro lugar, porque
A tade inarredável de comer picles e
sorvete, é um dos truísmos da gravidez
a náusea matinal é desconhecida pelas
comunidades primitivas, em que o esti·
que nem sempre se mani festa. Só um ter- lo de vida é mais simples, mais relaxado
ço a metade das gestan tes experimenta e menos competitivo (embora ela já exis-
náusea e/ou vômito. Se você estiver en- tisse na antiga civilização ocidental). Em
tre as que não os experimentam, segundo lugar, porque muitas gestantes
considere-se não só uma mulher grávi- que padecem de hiperêmese gravídica
da como uma mulher de sorte, tarnbem. (vômitos em excesso) se recuperam ra-
pidamente, sem tratamento, tão logo se-
"Passo o dia inteiro enjoada. Fico com medo jam colocadas em ambiente hospitalar
de não conseguir manter ullinento suficiente no relativamente tranqüilo, longe da famf·
estlJmago a fim de nutrir o bebê." lia e dos problemas do dia-a-dia. Ade-
mais, as pesquisas também revelam que

F elizmente, a náusea matinal (denomi-


nação errada, porque pode ocorrer
pela manhã, à tarde, à noite - até du-
muitas das mulheres que apresentam
náuseas matinais são bastante suscetíveis
à força da sugestão- e em nossa socie-
rante o di à inteiro) quase nunca interfe- dade decerto espera-se que a náusea ma·
re no processo nutricional a ponto de tinal faça parte do quadro gestacional.
prejudicar o concepto em desenvolvi- Também bastante revelador é o fato de
mento. E, para a maiori a das gestantes, que algumas mulheres só sofrem de náu-
não vai além do terceiro mês- embora seas e vômitos debilitantes quando ages-
algumas sintam náuseas até o segundo tação não foi planejada, não foi de-
trimestre e outras, sobretudo as com ges- sejada, sem padecerem de qualquer en-
tação gemelar, oossam desfrutar desse jôo quando a gestação é bem-vinda. A
prazer duvidoso durante os nove meses. fadiga física e mental também parece au-
Qual a causa da náusea? Não se sabe mentar a possibilidade dos episódios de
ao certo, mas não faltam teorias. Sabe- náusea. Como no caso da gravidez ge-
se que o posto de comando da náusea e melar- provavelmente em decorrencia
do vômito se localiza numa região espe- da multiplicação do estresse físico e emo-
cial do tronco encefálico (tronco cere- cional.
bral). Aponta-se um leque de causas O fato de que a náusea matinal é mais
físicas para a estimulação exagerada des- comum e tende a ser mais pronunciada
sa região durante a gravidez: elevado em prlmíparas (primeira aestaçllo) vem
teor de hCO no primeiro trlmcmo, rÕ apoiar o conceito da partlclpaçAo de fa-
pido estiramento da musculatura uteri- tores físicos e emocionais na sua origem.
na, relativo relaxamento dos tecidos Do ponto de vista físico, a aestante na
musculares no tubo digestivo (o que tor· primeira gravidez está com o corpo me-
na a digestão menos eficiente), e do ex- nos preparado para a nova situação hor-
O PRIMEIRO M~S 139

mon'3l e para as outras alterações que se extra de 50 miligramas de vitamina


ocorrem. Do ponto de vista emocional, B , que parece aliviar a náusea em al-
ess.1 gestante se encontra mais propensa g~mas mulheres. Não ~e deve fazer
às ansiedades e aos medos capazes de re- uso de medicamentos contra a náusea
virar o estômago. Já as mulheres na sua matinal a menos que prescritos pelo
segunda ou terceira g~stação esquecem médico. Essa prescrição quase sempre
das preocupações e da náusea em virtu- só é feita quando a náusea é muito
de das demandas dos outros filhos. acentuada (ver hiperêmese, p. 388) e
Lamentavelmente, c,s especialistas sa- ameaça comprometer o estado nutri-
ben menos a respeito do tratamento do cional da gestante e do feto.
probkma do que a respeito de sua cau-
sa. Concordam, todavia, que há muitas • Evitar ver, cheirar ou provar alimen-
formas de mitigar os sintomas e de mi- tos que fazem enjoar. Não se transfor-
nimizar os efeitos. Seguem-se algumas me em mártir, preparando lingüiça
dessas medidas: com cebola para o marido, se isso a
fizer ir correndo para o banheiro. E
• Seguir dieta rica em proteínas e em não force a ingestão de alimentos que
carboidratos complexos (ver a Dieta não lhe apetecem ou que lhe causam
Ideal, p. 109)- ambos combatem a enjôo. Deixe que o estômago a orien-
náusea. Como também a boa nutri- te na sua escolha. Se os únicos ali-
ção, assim como também a devida mentos que lhe apetecem são os do-
alimentação sob quaisquer circuns- ces, opte por eles (obtenha vitamina
tâncias. A através de pêssegos e panquecas
em lugar de brócolis e frango). Se
• Beber líquidos em abundância - so- preferir, substitua os cereais e o suco
bretudo quando houver perdas por vô- de laranja do café da manhã por um
mito. Se for mais fácil ingeri·los sanduíche de queijo quente com to-
durante os períodos de desconforto mate.
gástrico, use-os para o aporte de nu-
trientes. Insista no seguinte cardápio: • Comer com freqüência - antes de
milk shakeduplo (p. 125); suco de fru- sentir fome. Quando o estômago está
tas ou de legumes; sopas, consomês, vazio, os ácidos não têm nada para
caldos. Se os líquidos causaram enjôo, corroer a não ser o próprio revesti-
.;onvém comer sólidos ricos em água, mento gástrico. Isso pode provocar
como as frutas frescas e os legumes e náusea. O mesmo acontece quando fi-
verduras - sobretudo alface, melão ca baixa a glicose (açúcar) no sangue
e frutas cltricas. Algumas mulheres em virtude de longos intervalos entre
acham que comer e beber ao mesmo as refeições. Seis refeições pequenas
tempo é multa coisa para o seu apa- são melhores do que três grandes. Car-
relho digestivo; se for este o seu caso, regue consigo lanches nutritivos (fru-
tente tomar os líquidos só entre as re- tas secas, biscoitos de trigo integral)
feições. para comê-los nas horas mais
oportunas.
• Fazer uso de complemento vltamlni-
co (p. 118) para compensar uma pos- • Comer antes de vir a náusea. O all-
sível deficiência nutricional. Mas só mento desce com mais facilidade e, ao
quando for possível ingeri-los e retê· encher o estômago, pode prevenir o
los, possivelmente antes de dormir. episódio.
Talvez o médico recomende uma do-
140 OS NOVE MESES

• Comer na cama - pelas mesmas ra- • Minimize o estresse. A náusea mati·


zões por que se deve comer com fre- na! é mais comum entre as mulheres
qüência: para evitar ter o estômago sob grande estresse, seja no trabalho
vazio e manter o nível de glicose no ou em casa. Ver p. 147 para algumas
sangue. Ames de ir dormir, fazer um dicas que a ensinam a lidar com estn.:s-
lanche rico em proteínas e em carboi- se durante a gravidez.
dratos complexos: leite com broa de
milho, por exemplo. Vinte minutos Em 7 de cada 2.000 gestações, a náu-
antes de levantar da cama pela manhã, sea e o vômito ficam tão intensos que re-
fazer um lanche rico em carboidratos: querem tratamento médico. Se for esse
biscoitos de trigo integral, passas etc. o seu caso, vr.r p. 388.
Deixe-os junto à cama ao deitar para
não ter de levantar para pegá-los e em
caso de fome durante a noite. 2 SALIVA EM EXCESSO
• Dormir mais e relaxar. A fadiga físi- "Minha boca parece estar cheia de saliva to-
ca e emocional pode aumentar a náu- do o tempo - e a deglutição me dá n.iuseas.
sea matinal. Isso tem a ver com a gravidez?"

• Levantar em câmera lenta - levantar- excesso de saliva, também chctmado


se depressa tende a agravar a náusea.
Não pule da cama e corra até a porta.
O de ptialismo, é cutro sintoma co-
mum da gravidez. desagradável mas
É
Fique na cama digerindo os biscoitos inócuo. Felizmente, costuma desapare-
por uns vinte minutos, para só então cer depois dos primeiros meses. (~ mais
levantar para um desjejum calmo. comum em mulheres que também so-

I
Talvez isso pareça impossível para frem de náusea matinal e parece fazer
quem já tem outros filhos. Mas con- parte do quadro de enjôo. Não há cura
vém levantar antes deles para ter um certa, mas escovar os dentes com pasta
pouco de sossego ou então deixar que de menta ou mascar chiclete ajuda um
o marido se encarregue dos afazeres pouco.
matinais.

• Escove os dentes (com pasta de dente MICÇÃO FREQÜENTE


que não aumente o enjôo) ou lave a
boca (peça uma indicação ao dentis- "Vou ao banheiro de meia em meia hora. É nor·
ta, verifique com o médico) depois de moi ficar uri11undo tanto?"
cada episódio de vOmito, c tntnbém
depois de cada refeição. Isso não só maioria- mas de forma alguma to-
vai refrescar a boca e reduzir a náu-
sea, como diminui o risco de proble-
mas dentários ou gengivais que podem
ocorrer quando as bactérias oriundas
A das - das gestantes costuma fre·
qüentar com assiduidade o banheiro du-
rante o primeiro e o último trimestre.
Um dos motivos para o aumento inicial
I
do material regurgitado ali se da freqüência urinária está no maior vo-
instalam. lume de líquido no corpo e na melhor efi-
clenola dos rins, quo ajudurn a
eliminação mais rápida dos resíduos me-
2Se você associar algum lanche rico em carboi· tabólicos. Outro motivo está na pl'essâo
dratos, por exemplo, com a sua náusea, passe exercida pelo útero em crescimento, que
a fa!Cr lanche diferente. ainda se acha na pelve junto à bexiga.
O PRIMEIRO Mes 141

Esta pressão na bexiga costuma diminuir rações sejam mais pronunciadas na gra-
quando o útero atinge a cavidade abdo- videz.) Não se dão por acaso: visam
minal, por volta do quarto mês. Prova- prepará·la para alimentar o bebê quan-
velmente o sintoma não retornará até a do ele chegar. Se, entretanto, forem me-
"descida" do bebê à pelve, por volta do nos acentuadas numa segunda gravidez
nono mês. No entanto, como a disposi- ou noutra gestação subseqüente (como
ção dos órgãos internos varia de mulher costumam ser), não significa que você se-
para mulher, a intensidade desse sinto- rá menos capaz de amamentar.
ma pode também variar. . Além do crescimento, você provavel-
., Inclinar_;se par.~ b~en~M?;!lf.~n~. aju;J mente notará outras alterações nos seus
.da a esvanar por completo..a'beXIga e p~ :j seios. A aréola (a região pigmentada ao
·ae ;;reduzir~ o ··número:...d~.veze ~e ã redor do mamilo) escurece, se alarga, e .
lgestanie·:procura' o•bantiêfro":' Se achar poderá ficar marcada por áreas mais es-
que está indo com muita freqiiência à curas •. Embora esse escurecimento se ate-
noite, procure eliminar os líquidos de- nue, não desaparec~ totalmente depois
pois das 4 h da tarde. Mas não os elimi- do nascimento. As pequenas saliências
ne sob outros aspectos. que por vezes se percebem na aréola são
glândulas sebáceas que, embora hiper-
"Como ~ posslvel que eu não esteja urinando trofiadas durante a gestação, retornam
cnm freqüencia?" ao normal depois. Uma abundante tra-
ma de vasos venosos azulados passa a ser
ausência de qualquer sinal perceptí- entrevista nas mamas - bem mais sa-
A vel de aumento da freqiiência uriná-
ria pode ser perfeitamente normal, so-
liente, pelo geral, em mulheres de pele
clara - e representa o sistema de apor-
bretudo na mulher que já costuma urinar L~~.nutricional e de líquidos da mãe para
bastante. Convém, todavia, verificar se ' o bebê. Depois do parto ou do aleita-
está ingerindo líquidos o suficiente (ao mento, a aparência da pele volta ao
m>!nos oito copos por dia). Não só a in- normal.
gestão insuficiente de líquidos é causa de Há felizmente uma alteração à qual a
micção infreqiiente, mas pode também gestante não terá de se acostumar: a sen-
Jr.var à infecção urinária. sibilidade mamária ao toque, às vezes
agonizante. Embora os seios cresçam du-
rante toda a gestação -às vezes num vo-
ALTERAÇÕES NOS SEIOS lume equivalente ao de três xícaras-,
não costumam permanecer dolorosos ao
"Nilo reconheço mais os meus seios, de tão toque depois do terceiro ou do quarto
srunuu.v e .vens/f'(!/,\', V/lo Jluur usslm v cuir 1/e· mes. Se vllo ou nllo cair depois do nas-
pois do parto?" cimento do bebê é coisa que, pelo me-
nos em parte, depende da própria
costume-se com os pdtos grandes gestante. O estiramento e a queda do te-
A por ora. Embora possam não ser
sempre elegan tes, são um dos traços dis-
cido mamário decorrem da falta de su-
porte durante a gestação - embora
tintivos da gestação. Os seios ficam in- possa haver uma propensão genética. A
chados e sensíveis por causa da maior gestante deve usar sutiã firme diariamen-
produçao, pelo Ol'»anlsmo, cl.: emose- te, purn l)t·otoscr 01 selos. Em coso de ao-
nio e progesterona. (0 mesno mecanis- rem muito grandes ou com tendência a
mo opera no período pré-menstrual, cair, convém usar sutiã mesmo dur1.1.0te
quandc muitas mulheres experimentam a noite.
alterações nos seios- embora tais alte- Se os seios aumente.rem Jogo no Jn.J.-
142 OS NOVE MESES

cio da gravidez e depoi:s, repentinamen- sas revelam que as mulheres que fazem
te, diminuírem de tamanho (sobretudo uso de complementação vitamínica an-
se outros sintomas de gestação desapa- tes da gestação e durante o primeiro mês
recerem sem explicação), entre em con- são capazes de reduzir de forma ~ignifi­
tato com o médico. cativa o risco de problemas do tubo neu-
ral (como o de espinha bífida) em seus
"Meus seios ficaram enomus na minha primei- filhos. A boa complementação, formu-
rrz gestaç4o, mas n4o parecem se modificar ago. lada especialmente para a gestante, é
rrz que estou na segunda. Sertl que tem a/gumil vendida em farmácias mesmo sem receita
coÍSII emda?" médica. (Ver na p. 118 a composição
correta.para a gestação.) Mas é preciso
s mulheres de seios.pequenos, que não suBstituir a boa dieta por comprimi-
A esperam ter os setos novamente
grandes na segunda e na terceira gravi-
dos de vitamina: as vitaminas são mero
complemento. Qualquer vitamina que
d•!Z, às vezes ficam desapontadas, ao me- ofereça à gestante mais do que a dose
nos temporariamente . Embora em diária recomendada deve ser considera-
algumas cresçam como da primeira vez, da medicamento e só deve ser tomada
noutras isso não aconte(e- talvez por- sob supervisão médica, quando os bene-
que as mamas, graças à experiência pré- fícios superem os riscos.
via, não precisem de tantos preparativos Muitas gestantes percebem que a com-
e reajam aos hormônios da gestação de plementação vitaminica às vezes acentua
forma menos dramática. Nessas mulhe- a náusea no inicio da gravidez, às vezes
res, os seios podem cr~r gradualmen- até depois. A uoca de produto pode aj~­
te no decorrer da gest.ação, ou talvez dar. O mesmo poderá o...'Orrer se você co-
detenham essa expansã <>até após o par· meçar a tomar a cápsula ou comprimido
to, quando tiver início a produção de depois das refeições. Verifique com o
leite. médico, porém, antes de trocar de pro-
duto, para que a fórmula do novo aten-
da às suas necessidades de complemen-
COMPLEMENTOS tação.
VITAMÍNICOS Em algumas mulheres, o ferro pr-e-
sente na complementação vitamínica
''Devo tomar vitaminas?'' pode causar constipação ou diarréia.
Convém mais uma vez trocar de pro-
inguém consegue seguir todos os di- duto. O uso de complementação vita-
N as uma dieta nutri~ionalmente per-
feita, sobretudo na gestação lncipente,
m!nica sem ferro e de um preparado
que o contenha em separado pode tam·
quando a náusea matinal atua como su- bém reduzir a •rritaçAo e allviar os sin-
pressor comum do apetite e quando tomas. Além disso, o m~dico pode
aquela pequena nutrlçAo que algumas presct ever um que se dissolva no intesti-
mulheres conseguem engolir muitas ve- no e não no estômago, que é mais scmsi-
zes volta diretamente para fora. A com- vel. Peça o conselho dele.
plementação vitamínica diária, embora
não substitua a boa dieta no pré-natal,
pode servir de aarantla d ietética, oaeesu· GRAVIDEZ ECfÓPICA
r"ndo, no caso do orgttnlsmo nilo coo·
perar ou de ocasionalmente a gestante "!J1nto cNICIIS de ..e: em qUDndo. Sel'd qllt'JKU-
omitir refeições, que o b<bê nilo seja pre- so est11r com grrzvlde: ect6piC4 sem sllbcir1"
judicado. Além disso, algumas pesqui-
O PRIMEIRO MtlS 143

receio de gravidez tubária (ou gra- dele - aumentando o risco de gesta-


O videz ectópica) fica rondando o pen-
samento de toda gestante (sobretudo
ções ectópicas entre as usuárias).'

na primeira gestação) que tenha ouvido • Possivelmente, o abortamento múlti-


a respeito desse tipo de implante anor- plo induzido (as evidências não são
mal do concepto. Felizmente, para a claras).
grande maioria o receio não tem fun-
damento - e deve desaparecer por com- • Possivelmente, a exposição ao dietiles-
pleto por volta da oitava semana de tilbestrol (DES) durante a vida intra-
gestação, quando são diagnosticadas e uterina, sobretudo quando tiver oca-
encerradas as gestações ectópicas, na siom.do importantes anomalias estru-
grande maioria. turais do aparelho reprodutor.
Apenas cerca de uma em 100 gestações
é ectópica- ou seja, ocorre fora do úte- Apesar da raridade, toda gestante-
ro, em geral nas trompas de Falópio.) sobretudo as de alto risco - deve se fa-
Algumas destas chegam a ser diagnosti- miliarizar com os sintomas da gestação
cadas antes de a mulher perceber que está ectópica . A cólica ocasional, provavel-
grávida (são muitos os casos). Assim é mente decorrente de estiramentos liga-
que se o médico tiver confirmado a sua mentares com o crescimento uterino, não
gestação através de um exame de sangue faz parte deles. Mas há muitos outros
e de um exame flsico, sem sinais de gra- que vão requerer a avaliação médica ime-
videz tubária, a leitora poderá riscares- diata. Em caso de a gestante não poder
sn preocupação da lista . entrar em contato imediato com o mé-
Há vários fatores que tornam as m u- dico, ela deve dirigir-se a um pronto-
'heres mais suscetíveis à gravidez ectó- socorro.
pica, entre os quais:
• A dor em cólica, em cãibra, que se
, • Gravidez tubária prévia. acentua ao toque, em geral no baixo-
ventre- a princípio de um dos lados,
• Doença inflamatória pélvica pre- embora depois possa se irradiar para
gressa. todo o abdome. Pode ser agravada pelo
esforço ao defecar, pela tosse e pelos
• Cirurgia tubária ou abdominal ante- moviméntos. Em caso de rompimento
rior, com formação de cicatriz no pós- tubário, a dor se torna aguda e cons-
operatório. tante por breve período antes de se di-
fundir por toda a regUlo pélvica.
• Ligadura de trompa malsucedlda (pa-
ra esterilização) ou ligadura de trom- • Pequenas manchas de sangue (vaginal)
pa invertida. ou leve hemorragia (intermitente ou
persistente), que muitas vezes prece-
• MuJher em uso de DIU durante a con- dem a dor em dias ou semanas, em-
cepção (o DIU tem mais chance de evi- bora possa não haver sangramento
tar a concepção no útero do que fora sem a ruptura da trompa.
• Hemorragia Intensa Se! houver ruptu·
llaao ~ostuma ocorrer porque alguma lrrcgula- ra da trompa.
r\cladc da trompa Impede a passaacm do ovo at~
olltc .-o. Em raras ocasiOes o ovo fecundado se
lmplrmta no ovário, na cavidade abdomlnal ou 4
Mas o uso de DlU no passado nil.o pnrece au.
na cérvlce. mentar o risco.
144 OS NOVE MESES

• Náusea e vômito em cerca de 25% a ABORTO ESPONTÂNEO


500Jo dos casos -embora difíceis de
distinguir da náusea e do vômito ma- "Pelo que eu li e pelo que minha mãe me diz,
tinais. receio que fiz e que esteja fazendo tudo que é
capaz de cuusar um aborto."
• Tonteira ou fraqueza, em alguns ca-
sos. Havendo rompimen to tubário , ara muitas gestantes, o receio do
são comuns o pulso débil e rápido, a
pele úmida e o desmaio.
P aborto as faz conter a alegria no
primeiro trimestre. Algumas só dão as
boas-novas depois do quarto mês, quan-
• Dor no ombro, em algumas mulheres. do passam a ter alguma segurança de
que a gravidez há de prosseguir. E pros-
• Sensação de pressão no reto, em algu- seguirá, de fato, para a grande maio-
mas mulheres. ria - provavelmente para 90% das ges-
tantes. s
No caso de uma gravidez ectópica, o Há ainda muito a ser aprendido sobre
atendimento médico de emergência não as causas do abertamente precoce, mas
raro salva a trompa de Falópio da mu- entre os fatores que não o causam estão
lher e também a sua fertilidade (ver p. os seguintes:
388, para o tratamento da gravidez ec-
tópica). • Problema anterior com DIU. A cica-
trização do endométrio (o tecido que
reveste o útero) em decorrência de in-
A CONDIÇÃO DO BEBÊ fecção provocada por DIU é capaz de
impedir a implantação do O" O na ca-
"Fico nervoslssima porque não consigo sentir vidade uterina, mas, depois da im-
o meu bebê. Ele pode morrer sem que eu fique plantação, ele não costuma causar
sabendo?" abertamente. Nem a dificuldade an-
terior em manter o DIU em posição
essa fase, sem crescimento percep-
N tível do abdome einexistindo ativida-
de fetal evidente, é realmente difícil imagi-
há de interferir numa gestação.

• História de abertamente múltiplo.6 A


nar que dentro de nosso corpo esteja vi- formação cicatricial no enciométrio
vendo, se desenvolvendo, um bebê. Mas a em virtude de múltiplos abortos, co-
morte do feto ou do embrião sem a devida mo a oriunda das infecções por DIU,
eliminação uterina no aborto espontâneo é capaz de impedir a implantação do
é muito rara. Quando acontece, desapare- ovo mas não ser responsável por abor·
cem todos os sinais de gestação, inclusive to precoce.
a dor ao toque dos seios e seu crescimen-
to, podendo surgir urn cmrlmento de to•
nalidade marrom, pardacento, embora scerca de 1Oo/o das gestações diagnosticadas ter·
não se manifeste a hemorragia franca. Ao minam clinicamente em aborto aparente. Outros
200Jo a 40% terminam antes do diagnóstico ser
exame, o médico verificará que o útero di- feito: são esses os abortos espontâneos qu" pas·
minuiu de tamanho. sum despercebidos.
6
Se em qualquer período todos os sin- Embora não sejam causa Imediata de aborto
tomas de sua gestação parecerem desa- espontâneo precoce, os abortos de repetição e
parecer, ligue para o médico. É melhor outros procedimentos que exigem a dilatação da
cêrvlce podem ca usnr en frnq ueclmento ou iusu·
do que ficar em casa se remoendo de ficiência cervical - muitas 1 ezcs motivo Je abor·
preocupações. to espontâneo tardio. (Ver p. 212.}
O PRIMEIRO MílS 14~

• Os transtornos emocionais - decor- rinas (embora, às vezes, possam ser cor-


rentes de discussão, de estresse no tra- rigidas cirurgicamente) e certas enfermi-
balho ou de problema~ familiares. dades crônicas da mãe.
Em raras ocasiões, os abortos suces-
• Uma queda ou pequenas lesões aciden- sivos remontam à rejeição pelo sistema
tais da gestante. No entanto, as lesões imunológico da mãe das células do pai
traumáticas de maior gravidade po- no embrião em desenvolvimerlto. A imu-
dem comprometer o feto, havendo noterapia pode ser capaz de corrigir es-
portanto sempre necessidade de tomar se problema e possibilitar uma gravidez
certas precauções- usar cinto de se- normal.
gurança, não subir em escadas bam-
bas etc. Quando não se preocupar. É importan-
te entender que nem toda cólica, nem to-
• A atividade Fsica usual e a que se es- da dor, nem toda manchinha de sangue
tá acostumada, como as tarefas do- é necessariamente aviso de aborto imi-
mésticas; segurar crianças no colo, nente. Quase toda a gestação normal de-
segurar sacolas ou outros objetos mo- ve englobar ao menos um dos seguintes
deradamente pesados (ver p. 241); sintomas, de um modo geral inócuos,
pendurar cortinas; mover móveis le- numa ou noutra ocasião: 8
ves; e o exercício moderado e seguro
(ver p. 225). 7 • Cólicas leves, dolorimento ou uma
sensação de repuxo de um ou de am-
•• Relações sexuais- a menos que a mu- bos os lados do abdome, via de regra,
lher tenha história de aborto espontâ- por estiramento dos ligamentos que
neo ou esteja sob outros aspectos em dão sustentação ao útero. Salvo quan-
risco elevado de perder a gravidez. do a cólica é pronunciada, constante,
ou acompanhada de sangramento,
Há diversos fatores, no entanto, que, não há motivo para preocupação.
segundo se pensa, aumentam o risco de
aborto espontâneo. Alguns não costu- • Pequenas perdas vaginais por ocasião
mam recidivar e não devem interferir em do período menstrual esperado, cer-
futuras gestações. A exposição à rubéo- ca de 7-10 dias depois da concepção,
la, por exemplo, ou a outras doenças te- quando um pequenino aglomerado de
ratogênicas, à radiação, ou a drogas células- que dará origelli ao bebê -
prejudiciais ao feto; febre alta; ou DIU se fixa à parede uterina. É fenômeno
implantado no momento da concepção. comum nessas ocasiões e não indica
Outros fatores de risco, uma vez identi- necessariamente qualquer problema
ficados, podem ser controlados ou elimi- com a gravidez- já que não se acom-
nados em gestações futuras (a má panha de dor na região abdominal in-
nutriQ(lo; o tabagismo; t1 Insuficiência ferior.
hormonal; e certos problemas médicos
maternos). Alguns fatores de risco do Ao suspeitar de aborto. Em vigência de
aborto espontâneo não são facilmente qualquer dos sintomas arrolados na pá-
superados, como as malformações ute- gina anterior, convém chamar o médi-

'Numa gestação de alto risco, o médico pode li- KConvém rotineiramente Informar o médico so-
mitar essas atividades ou mesmo prescrever ri- bre quo/quer dor, cólica ou sangramento. Na
goroso repouso no leito. Mas só é necessário maioria dos casos, ele conseguirá afastar a sua
limitar as atividades sob orientação do médico. preocupação .
146 OS NOVE MESES

Os Possíveis Sinais de Aborto Espontâneo


Quando Chamar imediatamente o Médico • Quando o sangramemo é tão imenso que
(por Precaução) requer o uso de vários absorventes numa
hora só, ou quando a dor é insuportável.
• Quando ocorrer sangramento acompanha-
do de cólicas ou dor no centro do baixo- • Quando se eliminam coágulos ou matt:rial
ventre. (A dor de um dos lados na gesta- acinzentado ou cor-de-rosa- o que pode
ção incipiente pode ser desencadeada por significar que o abortamento já começou.
gravidez ectópica, e também justifica cha- Se você nãi:J puder chegar ao médico, con-
mar o médico.) vém ir para o pronto-socorro maus pró-
ximo ou para o serviço de emergênc:ia obs-
• Quando a dor é intensa ou persiste por tétrica recomendado pelo médico. Talvez
mais de um dia, mesmo quando não acom- o médico queira preservar o material eli-
panhada de secreção tingida de sangue ou minado (num saco plástico, num outro re-
de hemorragia. cipiente limpo) para descobrir se é ameaça
de aborto, ou aborto completo ou incom-
• Quando o sangramemo é tão intenso quan- pleto, requerendo D & E (dilataçã.o e es-
to o do período menstrual, ou se o apare- vaziamento, com curetagem).
cimento de manchas de sangue persistir por
mais de três dias.

Quando Ir para o Pronto-socorro

• Quando já há história de aborto e ocorre


sangramemo, acompanhado ou não de có-
lica (ou quando ocorrem ambos).

co. No caso dos sintomas sob a rubrica preocupação com o aborto imperce-
"Situações de Emergência" e a l<!itora
não encontrar o médico, é preciso dei-
A bido, embora comum, não se jus-
tifica. Uma vez estabelecida a gestação,
xar recado e chamar uma ambulância ou os sinais de abortamento não são da
ir direto para um pronto-socorro. espécie que simplesmente passa desper-
Enquanto se espera o auxílio, cumpre cebida. Além disso, é rarlssimo o em-
deitar, se posslvel, ou então repousar nu- brião em desenvolvimento morrer e não
ma cadeira com os pés para cima. Em- ser expelido do útero. "Não se sentir
bora não se vá impedir o aborto se este grávida" , tão-somente, não costuma
tiver de ocorrer, consegue-se ao menos ser motivo para preocupação - mui-
relaxar. O que também ajuda a relaxar
tas mulheres com gravidez normal não
é saber que a maioria das mulheres com
episódios de sangramento na gravidez in- se sentem grávidas, ao menos até que
cipiente chegam a termo e têm filhos sa- comecem a perceber os movimentos fe-
dios, normais. tais. Divida a sua preocupação com o
Se houver suspeita ou diagnóstico de médico na próxima consulta; ele será
aborto, ver p. 392. sem dúvida capaz de tranqüilizar vo·
ce.
"Eu realmente nllo e~·ttJu me sentindo grdvlda. Se, no entanto , estiver experimentan-
Serfl que abortei sem suber?" do os sintomas de gravidez e todos re-
..
O PRlMElRO Mas 147

pentinamente desaparecerem sem expli- então poderá ser. Pode também ser pre-
cação, telefone ao médico.9 judicial quando a esgota (ver p. 135 pa-
ra dicas sobre como combater a fadiga).
As reações negativas ao estresse po-
ESTRESSE dem se complicar pelas oscilações nor-
mais do humor durante a gestação. Se
"Me11 tra/Húho é superestressllRte. Eu nllo p/11· certas reações (perda do apetite, má ali-
IU',}al'fl ter um filho ag0111, mas eng1'Q~ideL De· mentação, insônia) têm agora um efeito
1'0 JHlrtlf fk trabaJ/uu?" adverso sobre voce, com a continuidade
acabarão tendo o mesmo efeito sobre o
estresse foi se transformando, com bebê no segundo e no terceiro trimestres.
O o passar das duas últimas décadas,
numa importante área de pesquisa em
Por isso é preciso dar prioridade desde
já ao combate ao estresse de forma cons-
virtude do efeito que tem em nossas vi- trutiva. Eis o que pode ajudar:
das. Dependendo de como o enfrentamos
e a ele reagimos, pode nos ser benéfico Fale a respeito. Deixe que as ansiedades
(quando nos estimula para um melhor venham à tona: a melhor forma de evi-
desempenho, para uma atividade mais tar que a derrubem. Mantenlta abertas
eficiente) ou maléfico (quando sai de as linhas de comunicação com o mari-
controle, nos sobrecarregando e nos debi- do, passando mais tempo com ele no fim
liWido). Se o estresse no trabalho a man- do dia para exprimir as preocupações e
tt:m no auge da eficiência, estimulando-a as frustrações. (Naturalmente é prová-
e desafiando-a, não deverá ser prejudi- vel que ele também precise de um om-
cial para a gravidez. Mas se a deixa an- bro amigo para desabafar. Portanto,
lliosa, sem sono, deprimida ou se causa prepare-se para fazer a sua parte como
em você sintomas físicos (como cefa- ouvinte.) Juntos poderão encontrar al-
léia, dor uas costas ou perda do apetite), gum alivio, mesmo um melhor humor,
nas situações respectivas. Mas se acon-
'Não se esqueça de que, pelo fun do primeiro tecer o contrário e vocês acabarem fican-
trimestn·, a náusea matinal costuma ceder, a fre- do ainda mais irritados, fale com outro
qüência urinária diminui e a sensibilidade ma·
mAria se torna menos pronunciada - o que é membro da famllia, com o médico, com
absolutam~me normal. uma amiga ou qualquer outra pessoa. Se

Relaxar É Fácil
Há muitü foi1Illli e técnica~ de relaxa- (ou "paz", ou qualquer outra palAvra
memo. Uma delu é a ioga. Damos aqui dois bem simples). Prossi&a dW'ante 10 a 20
exerclclos de relaxamento que podem ser fel· minutos.
tos em qualquer lugar e a qualquer hor11. Aju-
dam a aliviar a ansiedade e laiDbém podem 2. Inspire lenta e profundamente pelo nariz,
ser praticados reaularmente. empurrando o abdome para fora como
normalmente faz. Conte até quatro. Em
I. Sente com os olhos fechados. Relaxe os seguida, deixando os ombros e o pesco-
músculos começando pelo1 dos pés e vá ço relaxarem, expire vagarosamente e com
•11bln1tu1per~~~&~, dor1o, p111 oço o roRto. tranqllllldoíl•, uontando ••• tols. R~t1lta
ltl!lplre sotuente pelo narl.z. Ao expelir o essa seqUêncla quatro ou clnco vozlls pa-
ar elos pulmOes, repita a palavra "um" ra banir a tensão.
148 OS NOVE MESES

nada parece ajudar, b usque auxílio pro- Afaste-se das situa~õcs cstressantes por ~
fissional. algum tempo. Combata o estresse com
qualquer atividade que lhe seja relaxan- li
Faça alguma coisa a respeito. Identifi- te- esporte (consulte o médico e obser-
que as fontes de estresse no trabalho e ve as orientações à p. 231); leitura;
noutras esferas da vida. Veja de que mo- cinema; música (vá para o trabalho com ·
do poderia modificá- la ~ . Se estiver ten- seu wa/kman para ouvir música relaxan- j
tando fazer mais do que está ao seu te durante os intervalos e o al moço, ou 1
alcance, elimine algumas atividades. Se mesmo durante o trabalho, quando pos-
está com responsabil idades em excesso sível). Dê longas caminhadas (ou curtas,
em casa ou no trabalho, defina priori- durante o almoço, por exemplo, mas
dades e depois decida quais as que po- d ando tempo suficiente para a boa ali-
dem ser adiadas ou delegadas a outra mentação); medite (feche os olhos e ima-
pessoa . Aprenda a cti:zer "não" a novos gine uma cena bucólica, ou mantenha-os
projetos ou a novas atividades antes d e abertos e fite alguma fotografia ou qua-
sobrecarregar-se. dro estrategicamen te colocado no escri-
Às vezes é b om sentar com um cader- tório). Pratique técnicas de relaxamento
no de notas e fazer listas das centenas de (ver p. 147), não só porque aj udam du-
coisas que precisam ser feitas (em casa rante o parto, mas porque aj uda m a eli-
e no trabalho) a fim de planejá-las me- minar o estresse a qualquer hora.
lhor e, quem sabe, pôr um pouco de or-
dem no caos da sua vida. Risque-as da Afaste-se da situação estressantt! defini-
lista à medida que forem sendo cumpri- tivamente. Talvez o problema não este-
das: consegue-se assim uma sensação de ja no próprio estresse e sim no próprio
conquista e de recompensa. trabalho. Considere a possibilidade de
antecipar a licença-maternidade. de só
Durma. d sono é a passagem para a re- trabalha r meio expediente, de mudar de
generação- da mente e do corpo. Mui- função para alguma menos estressante.
tas vezes a tensão e a ansiedade se
exacerbam quando não fechamos os Lembre-se: o seu quociente de estres-
olhos por tempo suficiente. Se o proble- se só vai aumentar depois que o bebê ti-
ma for a insônia, veja as dicas à p . 175. ver nascido; faz sentido tentar aprender
a lidar com ele agora.
Alimente-se. O estilo de vida febril leva
a hábitos alimentares febris. A nutrição
insuficiente durante a gravidez pode ter MEDO EXCESSJVO CüM
um duplo efeito: prejudica a capacida-
de de enfrentar o estresse e afeta o cres- RELAÇÃO À
cimento e o desenvolvimento do bebê. SAÚDE DO BEBÊ
Nilo se afaste da dieta ideal : faça tres re-
felçOes principais ao dia mais lan c h ~:s "Acho que~ melo lrruclonu/, mas 1100 cu11siJJO
(ver p. I 09). dormir IJII comer e nem me co11centrur no tru·
bu/ho, com medo de que o bebí! /,do seja nor-
Elimine-a, no banho. Um banho morno mal."
(mas nllo de banheira) 6 uma excelente
forma de aliviar a t ensllo. Experimente
um depois de um dia agitado. Vai tam-
bém lhe ajudar a dormir melhor.
T odu gestante se preocupa com Isso.
Meu filho vai ser normal ou não?
Mas se uma preocupação moderada que
nllo responde à tranqO ilização (como a
O PRIMEIRO M~S 149

que tentamos dar neste livro) é um as- vilosidades coriônicas que podem dar ao
J.e<:to inevitável, V·!rdadeiro efeito colate- casal e à gestante grande tranqüilidade
ral da gravidez, a preocupação excessiva só costumam ser recomendados quando
que interfere em nossas atividades preci- há razão médica para o exame (ver pp.
sa de atenção profissional. Fale com o 74 e 79), já que são procedimentos em
médico. Talvez uma ultra-sonografia que há algum risco.
consiga afastar os temores. Muitos mé-
dicos mostram-se dispostos a fazer esse
exame quando a paciente se revela mui- CARREGANDO OUTRAS
to ansiosa, particularmente se tiver al- CRIANÇAS NO COLO
gum motivo específico para temer pela
saúde do bebê (andou freqüentando mui- "Receio que ao pegar ao colo minha fi/h],hn
to a sauna antes de saber que estava grá- de dois anos, que é muito pesada, possa me CllU·
vida, por exemplo) ou mesmo que tal sar um aborto. "
preocupação não tenha motivo aparente.
ocê terá de encontrar outra d esculpa
Os riscos desse tipo de exame para a mãe
e para o feto são superados pelos riscos
gerados pela ansiedade excessiva (sobre-
V para fazê-la andar com os próprios
pezinhos. A menos que o obstetra a te-
tudo quando a futura mamãe deixa de nha instruído para agir ao contrário, se-
se alimentar e de dormir). gurar e transportar pesos moderados
Embora o ultra-som não possa identi- (mesmo uma criança em idade pré-
ficar todos os problemas em potencial, escolar) não faz nenhum mal. Mas você
mostra-se de uma utilidade extraordiná- deve evitar chegar ao ponto da exaustão
ria depois que o feto cresceu . Mesmo o (ver p. 209). Com efeito, culpar agora o
esboço, borrado como é, do bebê normal irmãozinho de sua filha para não levá-
- com todos os membros e órgãos no la ao colo poderá gerar sentimentos des-
lugar- pode oferecer enorme conforto. necessários de rivalidade e de ressenti-
Esse fato, além da tranqüilização pelo ment0 para com o bebê mesmo antes de
médico, e talvez pelo especialista que começar a competição.
avalia o ultra-som, pode ajudar a gestan- Com o evoluir da gravidez, entretanto,
te a superar o problema: talvez volte a as costas poderão não suportar o peso
cuidar de si mesma e do bebê. Caso con- do feto e de um bebê de colo. Nesse ca-
trário, recomenda-se o aconselhamento so, não se esforce em demasia. Mas cul-
profissional. pe as costas e não o bebê, e compense o
Outros tipos de diagnóstico pré-natal fato de não o levar ao colo abraçando-o
como a amniocentese e a amostragem de e dando-lhe consolo ao sentar-se.

0 QUE É IMPORTANTE SABER:


ATENDIMENTO MÉDICO REGULAR ...
........................................................,
a última década, os movimentos çaram a aprender nilo só a tirar a pró·
N populares em prol do mútuo aten·
dimento, da mútua assistência,
trouxeram aos norte-americanos toda a
prln presstlo arterial e a verificnr o pulso,
mas também a tratar em casa as disten-
sões musculares, as dores de garganta e a
sorte de Informações: as pessoas come· diagnosticar dor de ouvido. O impacto
ISO OS NOVE MESES

dessas medidas sobre a eficácia do aten- velará quaisquer problemas que exijam
dimento médico revelou-se indiscutivel- acompanhamento. Daí em diante, a pro-
mente positivo- ao eliminar urna série gramação das consultas vai depender do
de consultas inúteis aos médicos e ao tor- obstetra e dos riscos envolvidos na gra-
nar as pessoas melhores pacientes quan- videz. Na gestação normal, de baixo ris-
do a eles recorriam. Mas sobretudo deu co, as consultas provavelmtnte se
consciência da responsabilidade sobre a repetirão mês a mês, até o fim da 32~ se-
própria saúde, e trouxe a possibilidade mana. Depois do que, passam a ocorrer
de as pessoas se tornarem bem mais sa- de duas em duas semanas até o último
dias nos anos vindouros. mês, quando são comuns as consultas se-
Mesmo durante a gestação, conforme manais.
você há de d epreender pela leitura deste Para o que esperar de cada consulta
livro, são numerosas as medidas a serem no pré-natal, consultar os capítulos cor-
wmadas para que os nove meses trans- respondentes.
corram com maior conforto e seguran-
ça, para que o trabalho de parto e o
parto transcorram mais facilmente e pa- CUIDADOS COM AS
ra que o bebê nasça com mais saúde.
Mas prosseguir sozinha durante a gesta-
OUTRAS PARTES
ção, mesmo que por alguns meses ape- DO CORPO
nas, é abusar do princípio da
auto-suficiência -que se funda na exis-
tência de um laço de viva cooperação en-
tre a paciente e o profissional de saúde.
A s preocupações de ordem obstétrica
naturalmente avultam durante ages-
tação. Mas embora a saúde da gestante
O atendimento profissional regular du- deva começar pela barriga, não há de fi-
rante a gestação é elemento crucial. Uma car só aí. E não há por que esperar que
pesquisa revelou que as mulheres com os problemas surjam. Vá ao dentista: to-
maior número de consultas no pré-natal do o trabalho odontológico, sobretudo
(média de 12,7) tiveram filhos maiores o preventivo, pode ser feito com segu-
e com melhores índices de sobrevida do rança durante a gravidez (ver p. 215). Vá
que as com menor número de consultas ao alergista, se necessário. As pessoas
(1,4 em média). com alergias de maior gravidade talvez
precisem de acompanhamento. As doen-
ças crônicas e outras afecções importan-
PROGRAMAÇÃO tes devem ser também acompanhadas
DAS CONSULTAS ora pelo clínico geral, ora por especia-
listas. Quem vai fazer parto con partei-
e forma ideal, a primeira consulta
D ao obstetra deveria ocorrer antes da
concepção. Eis um ideal que muitas de
ra deve recorrer a um obstetra ou clínico
para resolver todos os problemas
médicos.
nós, especialmente as que engravidamos Surgindo novos problemas durante a
sem termos planejado, não temos como gestaçllo, nao os Ignore. Mesmo no ca·
conseguir. Também muito acertado é so de sintomas relativamente inócuos, é
consultar o médico tão logo se suspeite mais importante do que nunca consultar
da gravidez. O exame médico (interno) o médico de imediato. O bebê precisa de
ajuda n confirmur a possibilidade e já re· uma mãe lotafmente sadia.
O PRIMEIRO M~ IS I

Quando Chamar o Médico


É melhor ter um protocolo para seguir, e repentina, ou acompanhada de dor de ca-
junto com o médico, antes de a emergência beça e visão turva: chamá-lo imedia-
,;hegar. Não tendo um, ou se algum sinto· tamente.
ma apresentado pela gestante estiver neces-
sitando de atenção mr dica imediata, tentar • Dor de cabeça que persiste por mais de
fazer c seguinte. Primeiro, li.%ar para o con- duas ou três horas: chamá-lo no mesmo
sultório do médico. Se ele não estiver, tele- dia. Se acompanhada de distúrbios visuais
f Jhar de novo depois de alguns minutos ou de súbita inchação dos olhos, face ·e
deixando reLado- explicando a situação e mãos: chamá-lo imediatamente.
o que pretende fazer. Em seguida, dirigir-se
para o pronto-socorro mais próximo ou cha- • Queimação ou dor à micção (ao uri nar):
mar uma ambulância. chamá-lo no mesmo dia. Se acompanha-
Ao informar o médico do que estiver sen- da de calafrios e febre acima de 38°C e/ou
tindo, você deve mencionar todos os demais de dor de cabeça: chamá-lo imediatamente.
sintomas, não importa a pouca relação que
pareçam ter com a queixa mais importante • Distúrbios visuais (visão turva, obscureci-
e imediata. É preciso ser especí fic a, mento, visão dupla) que persistem por mais
informando-o da duração, da freqüência com de duas ou três horas: chamá-lo imedia-
que retornam, do que os exace rba ou os ali- tamente.
via, e de Slla intensidade.
• Desmaio ou tonteira: notificá-lo no mes·
• Doa na região abdominal inferior (baixa), mo dia.
de um ou dos dois lados, que não cede: avi-
sar ao médico no mesmo dia; se acompa- • Calafrios e febre acima de 38°C (sem sin-
nhada de sangramento, náusea ou vômito, tomas de gripe ou resfriado): chamá-lo no
chamá-lo imediatamente. mesmo dia. Febre acima de 39°C: chamá-
lo imediatamente.
• Discreta secreção vaginal (manchas): no-
tificar o médico no mesmo dia. • Náusea e vômito intensos, vomitando mais
de duas a três vezes ao dia no primeiro tri-
• Sangramento intenso (sobretudo se acom- mestre, vomitando mais tardiament~ na
panhado de dor abdominal ou nas costas): gestação sem nunca ter vomitado ames:
chamá-lo imediatamente. notificar o médico no mesmo dia. Se ovO..
mito se acompanhar de dor e/ou febre:
• Sangrarnento nos mamilos, no reto, na be- chamá-lo imediatamente.
xiga: telefone imediatamente.
• Súbito ganho de peso (mais de I quilo) sem
• Tosse com eliminação de sangue: telefo- relação com a alimentação excessiva: no-
ne imediatamente. tificar o médico no mesmo dia. Se acom-
panhado de edema das mãos e do rosto
• Jorro ou gotejamento constante de líqui- e/ou ou dor de cabeça ou distúrbios vi-
do pela vaalna: chamá-lo Imediatamente. suais: chamá-lo Imediatamente.

• Súbito &limemo da sede, acompanhado de • Ausência de movimento fetal perceptível


dificuldade de micção, ou de ausência de durante mais de 24 horas depois da 20~ se-
micção durante um dia inteiro: chamá-lo mana: chame-o no mesmo dia. Menos de
Imediatamente. lO movimentos por hora (ver p. 237) de-
pois da 28~ semana: chame·o imcdla·
• Inchação ou edema das rnilos, rosto, olhos: tamente.
chOlllllr no m~amo dia, Su multo ltatunsu
152 OS NOVE MESES

Quando em Dúvida
Às vezes os sinais do corpo de que algo acanhe de entrar em contato com o médico.
vai mal não são claros. Você se sente estranha- É provável que talvez só haja necessidade de
mente esgotada, com dores, não se sente bem. mais repouso. Mas também é poss!vel que vo-
Mas não há nenhum dos sintomas n!tidos ar- cê esteja aaêmica ou abrigando uma infecção
rolados à p. 151. Se uma boa noite de sono de algum tipo. Cenas infecções- a cistite,
e algum repouso a mais não a ajudarem a para citar uma - fazem o seu trabalho sujo
sentir·se melhor em um dia ou dois, não se sem manifestarem sintomas óbvios.
---0---
O Segundo
Mês
A CONSULTA

e for essa a primeira consulta pré- • Mãos e pés, para detectar edema (in-

S natal, veja a Primeira Consulta, p.


133. Se for a segunda, você pode es-
perar pela verificação dos seguintes ele-
chação), e pernas, para verificar a pre-
sença de varizes

mentos, embora ocorram variações • Os sintomas experimentados pela ges-


dependendo das suas necessidades par- tante, sobretudo os incomuns
ticulf\res e do estilo do obstetra:'
• Perguntas e problemas que talvez vo-
• Peso e pressão arterial cê queira discutir - levar uma lista
pronta
• Urina, pesquisa de açúcar e de pro-
teínas

II V
Os SINTOMAS CoMuNs

~cê talvez experimente todos e~:es • Fadiga e sonolência


smtomas numa ou noutra ocastao,
ou talvez só um ou dois deles. Al- • Necessidade de urinar com freqüência
guns persistem desde o mês anterior, ou-
tros são novos. Não se espante, inde- • Náusea, com ou sem vômitos, e/ ou
pendentemente dos sintomas, se você com salivação abundante (ptialismo)
ainda não se sentir grávida.
Ftstcos: • Prisão de ventre (constipação)

'Consulta r o Apêndice para a explicação dos • Azia, má digestão, flatulência (gases),


procedimentos e dos exames realizados. intumescimento abdominal
154 OS NOVE MESES

• Aversões e desejos alimentares • As roupas começam a ficar apertadas


na cintura e no busto; o abdo:ne pa-
• Alterações mamárias: plenitude, peso, rece maior, mais talvez pela distensão
dor ao toque, formigamento; escure- intestinal do que pelo crescimento
cimento da aréola (a região pigmen- uterino
tada em volta do mamilo); as
glândulas sudoríparas na aréola se tor-
nam proeminentes (tubérculos de EMOCIONAIS:
Montgomery); surge uma rede de li-
nhas azuladas sob a pele ao crescer o • Instabilidade comparável à da síndro-
aporte de sangue ao seio me pré-menstrual, em que há irritabi-
lidade, oscilações de humor, irracio-
• Cefaléia ocasional (semelhante à dor nalidade, choro fácil
de cabeça que sentem algumas mulhe-
res em uso de pílula) • Apreensão, medo, alegria, euforia-
qualquer um ou todos eles
• Desmaio ou tonteira ocasionais

As PREOCUPAÇÕES COMUNS

MODIFICAÇÕES VENOSAS caso isso não ocorra, podem ser re-


movidas.
"Tenho feias linhas azuladas debaixo da pele,
nos seios'e ruJ barriga. Isso é normal?" "Minha mãe e minha avó tiveram varizes du-
rante a gravidez e depois tiveram problemas
uitfssimo normal. Elas fazem parte
M da rede venosa que se expande pa-
ra transportar o maior nuxo de sangue
com elas. Nilo há nada que eu possa fazer pa-
ra preveni-las durante a minha gestaçãCI?"
próprio da gravidez. Não só não há na-
da para se preocupar como também é si-
nal de que o corpo está fazendo o que
C orno as varizes muitas vezes e1tibem
tendência familiar, você faz bem em
pensar na sua prevenção - sobretudo
deve. Podem aparecer antes em mulhe- porque elas tendem a se agravar em ges-
res muito magras. Nas outras, a rede ve- tações subseqilentes.
nou talvez seja m~nos visível, ou nem As velas hígldus, normais, 1:ranspor·
perceptível, ou ainda só se mostrando na tum o sangue das extremidadt:s para o
gravidez já adiantada. coração. Por trabalharem contra a for·
ça da gravidade, dispõem de t1ma série
"Desde que engravidei, tenho nas coxas umas de válvulas que impedem o fluw retró-
linhas avermelhadas em forma de aranha e de grado. Em algumas pessoas, as válvulas
aspecto repugnante. São varizes?" não existem em número sufidente ou
funcionam mal, causando o represamen•
ilo silo bonltlll, mua nllo alio vorlzoa. to de er.nauo nas velaa onde ll força da
N São telanglectaslas, ou nevos arâ·
neos, provavelmente resultantes das ai·
aravldade é maior (em aeral a11 pernas,
mas podendo atingir também o reto ou
terações hormonals da gestação. Devem a vulva), e daí a sua distens!lo, configu·
esmaecer e desaparecer depois do parto; rando as varizes. Veias que se d.lstendem
O SEGUNDO MSS 15'

rios, fazendo com que as veias se dilaten


bem mais.
0 ASPECTO FíSICO Os sintomas das varizes não são di fi
ceis de reconhecer, embora variem mui
NO SEGUNDO MÊS tíssimo de intensidade. As veia
intumescidas podem causar dor violen
{ ta, leve dolorimento, sensação de pes•
nas pernas, ou ser completamente assin
' temáticas. Ora se vê um discreto linea
mento de veias azuladas, ora assomar
proeminentes veias serpeantes desde
tornozelo até a coxa ou a vulva. Nos cE
sos de maior gravidade, a pele que recc
bre as veias se edemacia, se resseca e s
\ irrita. Ocasionalmente, no local da VE
ricosidade desenvolve-se uma trombofl<

.,
I bite (inflamação da veia em questão coe
formação de coágulo).
Felizmente, as varizes durante a ge:
tação podem muitas vezes ser prevenid :
e seus sintomas minimizados, através c
medidas que eliminem a pressão desn•
c~ss ár ia nas veias das pernas.

• Evitar o ganho excessivo de peso.


• Evitar os períodos prolongados de ç
ou sentada; ao sentar, elevar as pe1
nas acima do nível dos quadris quar
do for possível; ao deitar, elevar E
Pelo fim do segundo mês, o embrião já pernas colocando um travesseiro so
tem aspecto mais humano: mede cerca de os pés ou deitar-se de lado.
3 em do cabeça às nádegas (dos quais um
terço é ocupado pela cabeça) e pesa cer- • Evitar suspender grandes pesos.
ca de 150g. O coração já bate, os braços
e pernas já apresentam um esboço dos de-
dos das mãos e dos pés. Os ossos come- • Evitar grande esforço ao evacuar.
çam a substituir a cartilagem.
• Use meias elásticas ou meia-calça d
suporte, vestindo-as antes de levantar
se pela manhã (antes do sangue se acu
com facilidade podem ainda contribuir muiar nas pernas) e removendo-as 1
para o problema, o que é mais comum noite ao ir para a cama.
em pacientes obesas e ocorre quatro ve-
zes mais em mulheres do que em ho- • Não use roupa apertada. Evite os cín
mens. Em mulheres suscetíveis, a tos justos, as cintas-ligas, e mesmo a:
condição muitas vezes aparece pela pri- cintas destinadas a gestantes; as meia:
meira vez durante a aestaçllo. E por vá- soquetes ou compridas com barra dt
rios motivos: maior pressão uterina elástico; as ligas; os sapatos apertados
eobre as velas da pclve: maior pressão so-
bre as veias das pernas; maior volume de • Não fume. Descobriu-se uma posslve
sangue; e o relaxamento do tecido mus- correlação entre o fumo e as varize1
cular das veias pelos hormônios gestató- (além de toda uma. série de outriJs pro·
1~~------------------0~S~N~O~V~E-~~-E_S____________________

blemas de saúde, inclusive complica- • Não passar por uma torneira sem be-
ções da gravidez; ver p. 85). ber um corpo d'água - a água é um
dos mais eficazes purificadores das
• Faça algum exercício - marcha ace- porosidades da pele.
lerada, por exemplo, durante 20 a 3U
minutos- todos os dias. • Lavar o rosto duas ou três vezes por
dia com uma loção de limpeza suave.
• Praticar exercícios - por exemplo, Evitar os cremes e as maquiagens gor-
uma caminhada a passos rápidos du- durosos.
rante 20 a 30 minutos por dia.
• Se o médico aprovar, fazer uso de
complemento de vitamina B6 (25 a 50
• Assegurar aporte suficiente de vitami- miligramas). Esta vitamina é usada no
na C- há médicos que afirmam que tratamento dos problemas cutâneos de
essa vitamina ajuda a manter a higi- origem hormonal, embora seu efeito
dez e a elasticidade das veias. ainda não tenha sido comprovado.
A remoção cirúrgica das varizes não • Se os problemas de pele forem inten-
é recomendada durante a gestação, em- sos o suficiente para justificar a con-
bora possa ser considerada alguns me- sulta a um clínico geral ou um
ses após o parto. Na maioria dos casos, dermatologista, informe-o que você
porém, o problema costuma ceder ou está grávida. Alguns medicamentos
melhorar espontaneamente depois do usados para a acne, como o A centa-
parto, em geral quando se readquire o ne (ácido 13- eis retinóico) não de-
peso pré-gestacional. vem ser empregados por gestantes por
serem talvez prejudiciais ao feto.
A COMPtEIÇÃO FÍSICA: Para algumas mulheres, o ressecamen-
ALGUNS PROBLEMAS to da pele, não raro acompanhado de
prurido (coceira), é problema na gesta-
"Estao me ajHlrecendo espln/IQs, como quan· ção. Os hidratantes podem ter grande
utilidade (para melhor absorção, devem
do eu era adolescente. " ser aplicados depois do banho, enquan-
to a pele ainda está úmida). O mesmo
brilho que algumas gestantes têm a
Ofelicidade
à
sorte de irradiar não se deve apenas
pela iminente maternidade,
efeito terá a ingestão de líquidos em
abundância e a umidificação dos cômo-
dos da casa na estação mals quente-. Os
mas também a uma maior secreção de banhos freqüentes, principalmente com
oleosldades causada pelas altera~r-ões hor- sabonete, tendem a aumentar o resseca-

I
monals. E a mesma explicac.;âo tem os menta - evite tomá-los em excesso.
cravos e espinhas que brotam durante a
gestação em outras mulheres com menor
sorte (sobretudo naquelas em que bro- A EXPANSÃO DA CINTURA
tavam espinhas antes de vir a menstrua-
ç"o). Embora difíceis de eliminar, há "Por que a minha cintura jfJ ~'f exJHJndl" ta&
medidas que ajudam amante-las em pe-
queno nUmero:
to! Achei que s6 la 'aparecer' pelo menos 14
pelo terceiro mes." 1
• Manter-se fiel à Dieta Ideal- faz bem expansão da cintura pode ser perfei-
para a pele da gestante e para o bebê. A tamente um legítimo produto da
gravidez, sobretudo se a gestante era es-
O SEGUNDO MeS 157

belta, magra, com pouco excesso de car- guir uma forma bem melhor depois do
nes para que nele o útero em crescimen- parto, porque terá aprendido a cuidar
to se escondesse. Mas pode ser resultado melhor do corpo. Se o marido aderir ao
da distensão intestinal, muito comum no seu melhor estilo de vida, ele também po-
início da gestação. Por outro lado, tam- derá ficar mais em forma depois da
bém é uem possível que essa expansão se- gestação.
ja uma indicação de que você está
ganhando peso muito depressa. Se ages-
tante j!\ adquiriu algo em tomo de um AZIA E MÁ DIGESTÃO
quilo e meio, convém analisar a dieta-
muito provavelm:me estará exagerando "Sinto azia e m6-digestílo o tempo todo. Jssu
no aporte calórico, possivelmente com vui afetar o bebê?"
calorias não-nutritivas. Passar em revista
a Dieta Ideal e ler sobre o ganho de pe- nquanto a gestante se acha dolorosa-
soàp.l82. E mente consciente dos incômodos gas-
trointestinais, o bebê nem os percebe e
nem é por eles afetado- desde que não
PERDENDO A FORMA interfiram na ingesta de bons alimentos.
Embora a dispepsia possa ter alguma
"Fico com medo de perder pura sempre afor- causa (em geral abusos alimentares) du-
ma depois de ter o bebê. " rante a gestação, como quando não se
está grávida, há outros motivos para es-
quilo ou dois que a mulher em geral se incômodo agora. No início da gravi-
O adquire a cada gestação de modo
permanente, e a flacidez que em geral os
dez, o corpo produz grande quantidade
de progesterona e de estrogênio, que ten-
acompanha, não são a conseqüência ine- dem a relaxar a musculatura lisa de to-
vitável de ficar-se grávida. Decorrem de dos os órgãos, inclusive a do sistema
ganho de peso excessivo, do consumo de digestivo. Por isso, nele os alimentos às
alimentos errados, e/ou de pouco exer- vezes se movem mais vagarosamente,
cício durante os nove meses. causando má digestão e incômoda sen-
O ganho de peso durante a gravidez sação de plenitude. Incômoda para ages-
tem ctuas finalidades legítimas: nutrir o tante, não para o bebê, porque o trânsito
feto (:m desenvolvimento, em princípio, lento dos alimentos pelo intestino favo-
e armazenar reservas para a amamenta- rece a absorção dos nutrientes pela cor-
ção do bebê depois do parto. Se a ges- rente circulatória e, subseqüentemente,
tante adquirir tão-somente o peso pelo organismo do bebê, através da
necessário para atender a essas duas fi- placenta.
nalidades e manter-se em boas condições A azia decorre da frowddão do esffnc·
físicas, a forma costuma voltar ao nor- ter que separa o esôfago do estômago,
mal alguns meses depois do parto, sobre- permitindo a regurgitação para o primei-
tudo se usar as reservas lipídicas para o ro dos alimentos e sucos digestivos irri·
aleitamento. 1 Portamo, deixe de se
preocupar e trate de agir. Siga as reco- 2
Há mulheres que durante a amamentação per-
mendaçOes dlet~tlcas (Dieta ldenl) e ob· c~bent que perdem pouqu!ulmo peso; costumam
serve as recomendações sobre o ganho de porém voltar ao peso pré·aravldlco depois do
peso à p. 182 e sobre os exercícios à p. desmame. Caso Isso nllo aconteça, será porque
estilo consumindo multas calorias e queimando
225. muito poucas. As mães que amamentam os fi-
Com atenção à dieta e aos exercícios lhos com mamadeira terão de perder peso nos
durante a gestação, você poderá conse- pós-parto através de dieta e de exercícios.
158 OS NOVE MESES

tantes. Os ácidos gástricos irritam o re- tomas, peça o médico para receitar an-
vestimento esofágico, causando a quei- tiácidos ou outros medicamentos con-
mação perto do coração, embora nada tra a azia, que não sejam contra-in-
tenha a ver com esse órgão. Durante os dicados a gestantes. Não fazer uso de
últimos dois trimestres, o problema pode produtos que contêm sódio ou bicar-
se complicar com o crescimento uterino, bonato de sódio.
que comprime o estômago para cima.
É quase impossível passar os nove me-
ses sem dispepsia; é apenas um dos even- AVERSÕES E DESEJOS
tos menos agradáveis da gestação. Há, ALIMENTARES
contudo, algumas formas excelentes de
evitar a azia e a dispepsia a maior parte "Certos alimentos -particularmente as hor-
do tempo e de minimizar-lhes o incômo- taliças vrrdes -, de que sempre gostei, têm um
do quando sobrevêm: sabor esquisito agora. Em vez disso, sinto de·
sejo de alimentos bem menos nutritivos."
• Evitar o ganho excessivo de peso; o ex-
cesso de peso faz crescer a pressão so- clichê do marido apressado que sai
bre o estômago. O no meio da noite, capa de chuva so-
bre o pijama, atrás de um sorvete e de
• Não usar roupas que apertam o abdo- um irasco de picles para satisfazer os de-
me e a cintura. sejos da esposa grávida provavelmente
ocorre com muito mais freqüência na ca-
• Comer várias refeições pequenas em beça dos cartunistas do que na vida real.
lugar de três grandes. Poucos são os desejos das mulheres que
as levam- cu aos maridos - tão longe.
• Comer devagar, garfadas pequenas, Mas a maioria de nós descobre que as
mastigando completamente. preferências alimentares se modificam
durante a gravidez. As pesquisas mos-
s Eliminar da dieta os alimentos que tram que entre 76!1Jo e 900Jt das gestan-
causam o incômodo. Entre os mais co- tes experimentam preferência muito
muns estão: alimentos quentes e mui- especial por pelo menos algum alimento
to condimentados; alimentos fritos ou durante a gravidez e entre 500Jo e 850Jo
gordurosos; carnes processadas alguma aversão alimentar. Em certa me-
(cachorro-quente, salsichas em geral, dida, essas repentinas excentricidades
bacon); chocolate, café, álcool, refri- gastronômicas podem ser atribuídas às
gerantes; hortelã e pimenta (mesmo a profundas alterações hormonais- o que
hortelã do chiclete). deve explicar por que a aversão e a pre-
ferência alimentares silo mais comuns no
• N4o futnQr. primeiro trimestre das primeiras gesta-
ções, quando as alterações hormonais es·
• Evitar curvar-se sobre a cintura; tão no seu apogeu.
abaixar-se sempre com os joelhos. Os hormônios, contudo, não oferecem
a única explicação para o quadro. Há
• Dormir com a cabeça elevada alguns também algum mérito na velha tese, tão
centímetros. aceita, de que sejam essas alterações do
paladar sinais sensíveis do orsanismo
• Relaxar. materno - a aversão a certo alimento
indicaria que esse nos seria prejudicial e
.. Se tudo o m.?.!B falhe.• em aliviar os sin- , a ânsia por outro estaria dizendo que esse
O SEGUNDO M~S IS9

nos seja necessário. Esse sinal vem quan- Se sentir súbita aversão ao café, álcool
do o café preto pela manhã, que costu- ou chocolate, ótimo. Vai tornar a renún-
mava ser o fundamento alimentar para cia a tais hábitos ainda mais fácil. Quan-
.aosso dia de trabalho, começa a ser re- do a gestante não tolera peixe, brócolis
jeitado. Ou quando o drinque antes do ou leite, não há por que lhe forçar a in-
jantar nos parece muito forte, mesmo gestão: é preciso encontrar fontes que os
que esteja fraco. Ou quando se percebe compensem do ponto de vista nutricio-
que ainda não se comeu frutas cítricas nal. (Ver os substitutos apropriados na
o suficiente. Por outro lado, quando a Dieta Ideal.)
gestame sequer suporta enxergar um pei- Em grande medida, as aversões e os
xe, ou quando o brócolis de repente pa- desejos desaparecem ou se enfraquecem
rece amargo, não se poderá dizer que o depois do quarto mês. E os que não ce-
corpo esteja emitindo sinais corretos. dem quase sempre são desencadeados
O fato é que os sinais do corpo rela- por necessidades emocionais -a neces-
cionados aos alimentos são pouquíssimo sidade de um pouco mais de atenção, por
confiáveis, talvez porque estejamos tão exemplo. Se o casal estiver consciente de
afastljldos da cadeia alimentar da natu- tal necessidade, será mais fácil satisfazê-
reza que não sabemos mais interpretá- la. A gestante poderá pedir no meio da
los corretamente. Antes da invenção dos noite, em vez do sorvete ou do sandui-
r;undaes, quando os alimentos provi- chão, um romântico banho a dois ou um
nham da natureza, o desejo por carboi- aconchego calmo e silencioso.
dratos e por cálcio nos lançaria em busca Algumas mulheres criam hábitos ali-
de frutas ou de morangos e de leite e mentares muito particulares: gostam de
queijo. Com a ampla variedade de ali- comer terra, barro, cinzas etc. Como esse
mentos tentadores (tantas vezes prejudi- fenômeno, conhecido como "pica'', po-
ciais\ não admira que o corpo se de ser sinal de deficiência nutricional, so-
atrapalhe na escolha. bretudo de ferro, precisa ser notificado
Noio se pode ignorar totalmente os de- ao médico.
.;ejos e as aversões. Mas pode-se lidar
c )f•l eles sem colocar em risco o aporte
nutridonal ao bebê. Se você desejar al- AVERSÃO OU
gum alimento bom para você e o bebê, INTOLERÂNCIA AO LEITE
não hesite em consumi-lo. Mas se dese-
jar algum que não seja conveniente, pro- "Não suporto leite. Beber dois copos por dia,
cure um substituto que satisfaça o desejo só de pensar, me d6 nduseas. Meu beM vai so-
sem sabotar os interesses nutricionais do frer se eu não beber leite!"
bebê: passas, damascos secos, biscoitos
lntoara''• chucolnto (em barra) em lugnr m primeiro lugar, ntlo 6 do leite que
de doclnhos açucarados, por exemplo;
salgadinhos feitos c:om farinha de trigo
E o bebê precisa, é do cálcio. Como o
leite é a fonte mais conveniente de cál-
integral c com pouco sal em lugar dos su- cio na dieta de quase todos os países, é
persalgrdos e inúteis do ponto de vista um dos produtos mais recomendados pa-
nutricional. Quan-:lo o substituto não sa- ra atender a essa necessidade durante a
tisfizer, uma boa saída é a sublimação gestação. Mas há muitos substitutos que
- fazer exercícios, tricotar, ler, tomar preenchem os requisitos nutricionais da
um banho morno, ou qu~:~lquor outrll dis- mesma forma. Multas pessoas que nllo
tração quando atacar a vontade. E, na- toleram a lactose (impossibilitadas de di-
turalmente, de vez em quando ceder ao gerir o açúcar próprio do leite, a lacto·
desejo e trapacear (ver p. 163). se) conseguem digerir alguns tipos de
160 OS NOVE MESES

laticlnios, como os queijos duros, os io- tão drástica quanto os homens e as


gurtes industrializados e um novo tipo mulheres de mais idade. Com efeito,
de leite, com redução da lactose, produ- o colesterol é necessário para o desen-
tos em que 70f1/o da lactose já tenham si- volvimento fetal, de forma que a mãe
do convertidos em forma mais digerível. automaticamente aumenta-lhe a pro-
Mesmo quem não tolerar tais produtos dução, elevando o teor de colesterol
ainda poderá obter o cálcio necessário ao no sangue em cerca de 250Jo a 40%. 3
bebê comendo os Alimentos Ricos em Embora você não tenha de comer uma
Cálcio, arrolados à p. 120. dieta rica em colesterol para ajudar o
Você pode descobrir entretanto que, corpo na produção desse composto vi-
mesmo que durante anos tenha sido in- tal, sinta-se à vontade para abusar um
tolerante à lactose, é capaz de aceitar al- pouco. Coma um ovo por dia se dese-
guns derivados do leite durante o jar,• use queijos para atender às deman-
segundo e o terceiro trimestre, quando
as necessidades fetais de cálcio são maio- das de cálcio e desfrute de um filé gordo
res. Mesmo que isso ocorra, não exage- ocasionalmente - sem a menor culpa.
re; procure aderir sobretudo aos Mas não se exceda, porque muitos ali-
produtos com menor chance de p ·ovo- mentos ricos em colesterol são ricos em
carem uma reação. gorduras e calorias, e o abuso pode
Se o problema com o leite não for fi- provocar-lhe um aumento excessivo de
siológico, apenas questão de paladar, há peso. A gordura em excesso faz o mes-
várias maneiras de suprir o aporte de cál- mo (ver p. 116). E lembre-se de que mui-
cio necessário sem ofender as exigências tos alimentos ricos em colesterol são
gustativas. As opções são encontradas no também ricos em gordura animal mui-
rol de Alimeotos Ricos em Cálcio, já tas vezes contaminada por substflncias
mencionado. Ou você pode tentar enga- qulmicas indesejáveis (ver p. 164).
nar suas papnas gustativas com leite em Mas se você não precisa se preocupar
pó magro que venha incógnito a sua me- com o assunto, os outros que moram
sa (na aveia, nas sopas, nos bolinhos, nos com você precisam (exceto o que tem m~:­
temperos, ·nas batidas, nas sobremesas, nos de dois anos de idade)1 • Essa reco-
nos pudins etc.). mendação serve mais para os adultos do
Se, apesar de todos os seus esforços, sexo masculino, principalmente os que
não lhe pareça estar ingerindo cálcio su- querem evitar certos problemas. A die-
ficiente na dieta, peça ao médico que lhe ta da gestante que se compõe de várias
pr~screva uma complementação de
refeições por dia não deve ser seguida
cálcio . evidentemente pelos demais membros da

COLESTEROL
3As mulheres com hlpercolesterolemla, elevaçlo

"Meu marido e eu somos muito culdodo~·os do colesterol de natureza familiar, são exceções
com nossa dieta. limitamos o colesterol e as e não devem soltar o freio do colesterol durante
a gestação. Devem continuar a seguir as reco-
gordllrrJS. Devo continuar nesse regime durante mendações do médico durante a gestação.
a gravidez?" 4
Lembre-se de que o ovo cru ou mal colido
ucarretu risco de suhnonglosc.
s gestantes, e em menor grau as mu- ·•os bebes com menos tlu dois llllOS pn:ulswn cte
A lheres em Idade fértil, encontram-se
numa posição Invejável: não predsam 11·
gordura c de colesterol para o devido crcsclrnento
c o dcsenvolvlnlclllO ccrcbrul. Nuncu devem s~r
submetidos a dieta com restrição de gorduras e
mltar a ingestão de colesterol de forma de colesterol. exceto sob supervisão m~dica.
O SEGUNDO Mes 161

família. As refeições principais, reco- alimentos à base de ovos e leite, uma in-
mendamos, não devem ser ricas em gor- gesta suficiente de protelnas poderá ser
duras, n'!m em colesterol e nem dema- garantida se fizerem uso de uma quanti-
siadamente calóricas. Desfrute sozinho dade suficiente de a.mbos. Para o vege-
da sua liberdade: coma os alimentos ri- tariano estrito, que não come ovos nem
cus em colesterol4uando não tiver nin- leite, a suficiência protéica vai depender
guém por perto para ficar com inveja. de uma combinação das proteínas exis-
tentes nos legumes e nas verduras para
suprir as cinco porções de proteínas diá-
A DIETA SEM rias (ver As Proteínas 11a Dieta Vegeta-
riana: Combinações Completas, p . 127).
CARNE VERMELHA Alguns substitutos da carne são boa fon-
te protéica; outros são ricos em gordu-
"Como frango epeixe, mas n4o suporto carne ras e calorias e de baixo teor protéico.
rerme/ha. &tou dando ao beM todas as pro- Leia os rótulos.
te/nas de que ele precisa?"
Cálcio em quantidade suficiente. Não há
bebê vai ser tão sadio e feliz quanto
O o de qualquer outra mamãe que só
come bifes ou carne assada. Peixe e aves,
problema para a vegetariana que faz uso
de laticínios, mas são necessárias hábeis
manobras para as que não o fazem. Mui-
com efeito, fornecem-lhe mais proteínas tos derivados da soja contêm elevado teor
e menos gorduras por calorias que as car- de cálcio, mas cuidado com os leites de so-
nes de porco, de vaca, de ovelha ou as ja ricos em sacarina (açúcar, xarope de
vísceras. A dieta sem carne vermelha milho, mel); em lugar deles, procure pe-
também contém menos colesterol, o que los derivados puros do feijão-soja. Para
pode não fazer grande diferença a você que o tofu seja contado como alimento ri-
durante a gravidez, embora represente co em cálcio, deverá ter sido coagulado
algo de bom para o seu marido e talvez com cálcio; caso contrário conterá mui-
para outros membros da família. to baixo teor desse mineral (ou mesmo ne-
nhum). Nos Estados Unidos, algumas
marcas de torti/Jas (panqueca mexicana)
A DIETA VEGETARIANA de milho triturado a pedra são boas fon-
tes de :::álcio de origem não-láctea, asse-
"Sou vegetariana e tenho saúde perfeita. Mas gurando -até metade de urna porção de
todos- inclusive o obstetra- me asseguram cálcio por unidade (checar o rótulo). Ou-
de que, para ter um bebê sadio, preciso comer tra boa fonte não-láctea de cálcio é o su-
carne de vaca e peixe, além de ovos e de /aticl· co de laranja com cálcio. Para outras
nlos. Isso é verdade?" fontes consultar a lista de Alimentos Ri-
cos em Cálcio à p. 120. Para garantia ex-
s vegetarianos, sejam de que tipo tra, recomenda-se que as vegetarianas
O for, podem ter filhos sadios sem
comprometer seus princípios dietéticos.
façam uso de um suplemento de cálcio
prescrito por médico (há no mercado
Mas é preciso que tenham mais cuidado norte-americano fórmulas vegetarianas).
no planejamento da dieta do que as fu-
turas mamães carnívoras, certificando- Vitamina 8 11 • As vegetarianas, mor-
JO sobretudo de obterem os seiuintes nu- mente as riiorosas, freqüentemente não
trientes: Ingerem essa vftamJna em tJUnntldulle su-
ficiente, por ser ela encontruda sobretu-
Protefnus em quuntldude suficiente. f>aru do em carnes. Por isso, é conveniente
lacto-ovovegetarianos, que só comem fazerem uso de complemento vitamfni-
162 OS NOVE MESES

co que as supra de vitamina 8 12 , ácido ro. E o dos alimentos pouco nutritivos.


fólico e ferro. Ser;uem-se várias formas de fa:~er-lhes
frente, sem maiores sacrifícios:
Vitamina D. Essa importante vitamina
só ocorre naturalmente nos óleos de fíga- Mudar o local das refeições. Se o desje-
do de peixe. Também é produzida pela jum costuma consistir num cafezinho já
nossa pele quando nos expomos à luz do no escritório, procure tomar um melhor
sol, embora por causa dos caprichos do café da manhã antes de sair para o tra-
tempo, das roupas fechadas e do perigo balho. Se você não resistir a Ull) hambúr-
de se passar muito tempo no sol não seja guer na hora do almoço, vá· para um
essa uma fonte confiável da vitamina pa- restaurante que não o sirva, ou apele pa-
ra a maioria das mulheres. Para garantir ra um sanduíche natural ou traga um de
a ingestão segura de vitamina D, sobre- casa.
tudo para crianças e mulheres grávidas,
a legislação norte-americana exige que o Pare de pensar em só comer o que esti-
leite seja fortificado com 400 mg de vi- ver à mão . Em vez de procurar pelo que
tamina D por litro. Se você não beber lei- é mais fácil, escolha o que for melhor pa-
te, certifique-se da presença de vitamina ra o seu bebê . Planeje as refeições e os
D no seu suplemento vitamlnico (rcr p. lanches nntccipadamcntc para assegurar
118). Seja cautelosa, entretanto, para o aporte nutricional correto para você e
não tomar vitamina D em doses além das para o feto.
exigências gravídicas, já que pode ser tó-
xica em quantidade exagerada. Não caia em tentação. Mantenha longe
de casa as batatas chips, os doces açu-
carados, as balas feitas com farinha re-
OSALUMENTOSPOUCO finada e os refrigerantes adoçados com
açúcar (os outros membros da família
NUTRITIVOS: sobreviverão sem eles, e até se beneficia-
GULOSEIMAS, PETISCOS rão da sua ausência). Quando chegar a
hora do cafezinho no escritório, não dê
"Sou viciada em alimenw~· muito pouco nutri· importância a ele. Faça um estoque je
tivos- café com pão e manteiga pela manha, lanches integrais em casa e no local de
um cbeeseburger wmjritas no almoço. Receio trabalho- frutas frescas e secas, nozes,
n4o romper com esses hábitos, e acho que o alimentos nutritivos, biscoitos de farinha
bebe Wli sofrer com isso." de trigo integral, sucos, ovos cozidos e
queijos cremosos (os dois últimos neces-
'l/ocê está certa em se preocupar. An- sitarão de refrigeração no trabalho ou de
' tes de engravidar, esses hábitos só um saco de gelo na sua Jancheira).
prejudicavam a você mesma. Aaora tam-
e
bém podem prejudicar o bebê. só per- Nllo use a falta de tempo como pretexto
sistir nel'es e você estará negando ao bebê para uma alimentação relaxada. Não le-
a nutrição suficiente durante a maior va mais tempo preparar um sanduíche de
parte da gestação. Persista com esse ti- atum para levar ao trabalho do que fi-
po de alimento à frente da dieta balan- car plantada na fila da lanchonete. Tam-
ceada e muitas outras preocupações b6m demora menos fatiar um pêssego
surglrâo, além das especificamente rela- fresco no recipiente do Iogurte do que
cionadas ao bebe. cortar uma fatia de torta de pêssego. Se
Felizmente, todos os vícios podem ser a idéia de preparar um verdadeiro jan-
abandonados. O da heroína. O do cigar- tar todas as noites parecer muito cansa-
O SEGUNDO M~S 163

Para Fugir (de Vez em Quando) à Dieta Ideal


A menos que você tenha alguma aler· seburger; biscoitos feitos com açúcar. E uma
gia ou sensibilidade alimentar, não há alimen- vez por mês permita-se alguma perversão ter-
to que deva ser eliminado por completo rível: uma fatia de bolo ou de torta; um sun·
durante a gestação. A Dieta Ideal admite que doe; um doce. Sempre traia a dieta de forma
todas nós cometamos deslizes - na verda- seletiva - prefira um bolo de cenoura a um
de, muito necessários - de vez err. quando. bolo recoberto de creme e manteiga; o sor·
Para elimi nar a culpa, a dieta admite a trai· vete aos doces sem leite servidos à sobreme·
ção esporádica. Ceda a seus desejos uma vez sa (a menos que não tolere o leite); biscoito~
por semana. Não é uma conduta perfeita, feitos de aveia, passas ou nozes aos de cho-
mas também não tem nada de terrível: pão colate puro. Só traia a dieta com algum ali·
comum, um salgadinho, uma panqueca fei- mento que você realmente queira e adore.
ta com ;arinha refinada; iogurte feito com Mas não ceda ao desejo se descobrir que não
açúcar; batata frita, frango frito; um chee· pode mais parar depois de começar.

tlva, prepare de antemão dois ou três quanto o foram os antigos- o que tor-
jantares numa só noite e tire folga da co- nará mais fácil dar o bom exemplo ao
zinha nas duas noites seguintes. E sim- seu filho .
plifique as coisas: salsichas comuns, por
exemplo, não são nutritivas, só apresen- Estudar a Dieta Ideal. Torne-a parte de
tamlo elevado teor de gordura e de ca- sua vida.
lorias. Utilize legumes congelados ou
frescos, lavados e cortados em saladas,
obtidos em feira ou supermercado se vo- AS REFEIÇÕES LIGEIRAS
cê não tiver tempo de prepará-los (os le-
gumes e as verduras crus podem ser "Saio com amigas para lanchar depois do ci-
rapidamente cozidos no vapor em casa). nema cerCil de uma vez ao mês. Devo evitar esse
hábito pelo resto da gravidez?"
Também não usar o orçamento aperta·
do como pretexto para esse tipo de ali·
mento. Um copo de suco de laranja ou
de leite é mais barato que um refrigeran-
E mbora as refeições ligeiras ainda não
possam ser consideradas nutritivas,
há restaurantes e lanchonetes que ofere-
te. Um oeito de frango grelhado e bata- cem alimentos de boa qualidade nutriti·
tas coziJas preparados em casa custam va. Apesar disso, é preciso acertar na
bem menos que um Big Mac com fritas. escolha do melhor prato. É difícil obter
em restaurante a informação exata da
Romper de vez com os vícios. Não fique qualidade nutritiva dos alimentos, sem·
dizendo a si mesma: "Hoje só uma do recomendável portanto dar preferên·
Coca-Cola, amanhã só um sanduichi- cia a frango grelhado, peixes assados ou
nho' '. Ao se tentar renunciar aos vícios, cozidos, batata cozida (sem coberturas
isso quase nunca funciona. Diga a si ricas em gorduras), pedaço de pizza, oca·
mesma: "Acabaram-se as refelçOes pou- slonalmente ao hambúrauer simples, às
co nutritivas- pelo menos até o parto". saladas que nao estejam nadando em
V :>cê ficará espantada ao ver que, depois óleo (dê preferência aos legumes e ver·
de o bebê nascer, os novos hábitos ali· duras frescos, com pouco tempero), ou
mentares vão ser tão difíceis de mudar a outros cardápios que não excedam no
164 OS NOVE MESES

teor de gordura e de sódio. Evite as fri- não é: é letal. Um cogumelo " natural"
turas (embora não mais sejam feitas com pode ser venenoso; os ovos, a manteiga
banha de porco, são ainda ricas em gor- e as gorduras animais, todos "naturai~",
dura e calorias), os "bigburguers" du- vinculam-se à cardiopatia, e o açúcar e
plos, as coberturas com queijo cremoso o mel "naturais" causam cáries.
para as batatas (devem ser recobertas Isso não quer dizer que você tenha de
com queijo fresco, por exemplo), as fru- desistir de comer para proteger o bebê
tas e pudins em conserva, as bebidas com dos perigos à mesa. Apesar de tudo o que
soda e as tortas de fruta. Se o milk sha- possa ter ouvido, até agora nenhum ali-
ke ou a sobremesa forem feitos com lei- mento ou aditivo químico foi responsá-
te de verdade, você pode consumi-los - vel comprovadamente por anomalias
mas evite os que contêm muito açúcar, congênitas. E, com efeito, a maioria das
muita gordura ou substâncias químicas. norte-americanas enche o carrinho de
Beba sucos, leite, água mineral ou co- compras sem dar a menor atenção ao
mum, e traga de casa sua própria sobre- quesito "segurança", e apesar disso têm
mesa (frutas, doces que você mesmo filhos perfeitamente normais . Sem dúvi ·
preparou etc.), se achar melhor apazi- da, o perigo que existe nos aditivos quí-
guar por conta própria a sua paixão por micos presentes nos alimentos é remoto.
doces. Se passar o dia sem comer uma Se quiser eliminar mesmo esse risco re-
única verdura ou um único legume, roa moto, siga as seguintes instruções para
uma cenoura ou desfrute de uma fatia decidir o que jogar no carrinho e o que
de melão ao chegar em casa. deixar de lado.

• Use a Dieta Ideal para orientar na st:-


ADITIVOS NOS ALIMENTOS leçào dos alimentos; ela a livra da
maioril dos perigos em potencial.
"Com aditivonros enlatados, inseticidas nas Também lhe oferece verduras e legu-
hortaliças, outras substtincias qufmicas nos pei· mes mais ricos em betacaroteno, esse
xes e nas carnes e nitratos nos cachorros- elemento protetor, capaz de combater
quentes, há alguma coisa que eu possa comer os efeitos negativos das toxinas pre-
com segurança durante a gestação?" sentes nos alimentos.

s informes a respeito das substâncias • Use os adoçames com critério. Evite


O químicas em quase todos os alimen-
tos norte-americanos são suficientes pa-
por completo os alimentos adoçados
com sacarina; a sacarina atrave~sa a
ra mudar o apetite de qualquer pessoa placenta e seus efeitos a longo prazo
-especialmente da mulher grávida, re- sobre o feto são desconhecidos. Se: vo-
ceosa não só pela própria saúde, mas cê não tem dificuldade em manipular
tamb~m pela do concepto. Graças à mf- o aminoácido fenllalanlna, pode usar
dia, "substâncias qufmicas" tornaram- aspartame como adot;ante (há vlirlas
se !:lnônlmo de "perigo", e "alimentos marcas no mercado) . Parece que os
naturais" de "segurança". Mas qual- componentes desse adoçan,e não cru-
quer das duas generalizações não é ver- zam a placenta em quantidade siani-
dadeira. Tudo o que comemos se flcatlva. E as pesquisas não revt:lam
compOe de substâncias químicas. Algu- efeito nocivo ao feto em decorrência
mas são Inócuas (até mesmo benéficas), do uso moderado por mulheres nor·
outras não. E embora o que é "natural " mais. (Não obstante, há motivos pa·
seja quase sempre melhor que o artl fl- ra que os alimentos feitos com
cial ou não-natural, há ocasiões em que aspartame não sejam os melhores pa·
O SEGUNDO M~S 16~

ra você; ver p. 93.) Os adoçantes fei- • Evite de um modo geral os alimentos


tos de ·carboidratos de absorção len- preservados com nitratos e nitritos;
ta, como o sorbitol e o manitol, salsichas, salame, carnes enlatadas,
parecem ser seguros, mas cuidado pa- peixe~\ e carnes defumadas.
ra que não sejam de teor calórico mui-
• Sempre que tiver a opção de escolher
to baixo e para que as doses, mesmo
entre produto com corantes, aroma·
moderadas, não causem diarréia.
tizantes, conservantes e outros ingre·
dientes artificiais e um outro sem eles,
• Sempre que possível, só use para co-
dê preferência ao último.
zinhar ingredientes frescos. Estará as-
sim evitando aditivos duvidosos • Ao cozinhar não use aromatizantes ar·
encontrados nos alimentos processa-
tificiais.
dos e suas refeições serão mais nutri-
tivas também. • Dê preferência às carnes e aves magras
e remova a gordura e a pele visíveis
• Procure se informar sobre a contami- antes de cozinhá-las, já que as subs·
nação de alimentos com determinados tâncias químicas usadas para a sua
produtos químicos. Dê particular criação tendem a se concentrar nessas
atenção à contamina ;ão possível de partes do animal. Não coma miúdos
peixes, caso o consumo deles seja da (fígado, rim etc.) com muita freqüên·
sua preferência. Compre o peixe, mas cia, pelo mesmo motivo. Sempre que
procure saber a sua origem. possível , compre aves e carnes de ani-
Não há consenso quanto à seguran- mais criados por método orgânico,
ça ou insegurança de peixes e de fru- sem hormônios ou antibióticos. As ga-
tos do mar hoje em dia. De modo linhas criadas com liberdade, que se
geral, o peixe de água salgada tem me- alimentam espontaneamente, não só
nor probabilidade de contaminação têm menor probabilidade de menor
do que o peixe de água doce. contaminação por tais substâncias, co-
Concorda-se em geral que nos EUA, mo também têm menos chance de se·
por exemplo, são a enchova e nume- rem portadoras de infecções como a
rosos peixes serranídeos da costa salmonelose, por não serem criadas
atlântica daquele país os que criam o em galinheiros apinhados, que propi·
maior risco e devem ser evitados pe- ciam a propagação de doenças.
las gestantes. Saiba-se ou não com cer-
teza da contaminação do peixe por • Como precaução, lave todas as suas
mercúrio, alguns especialistas reco- frutas e legumes com detergente (o
mendam que se evite o peixe-espada mesmo usado para lavar pratos) ime·
(que costuma conter a mais elevada diatamente antes de usá-los.
concentração de mercúrio) durante a Descasque-os, quando possível, e
gestação e que não se consuma mais certifique-se de enxaguá-los completa·
do que 250 gramas de atum ou de lin- mente. Raspe-os para remover resí-
guado (que também exibem concen- duos químicos da superfície,
tl ação relativamente elevada) por sobretudo quando o legume tiver um
semana. Evite também consumir pei- revestimento ceroso e adesivo (como
xes oriundos de águas muito contami- pepinos e às vezes os tomates, as ma-
nadas por rilicroorganismos - por çãs e as berinjelas).
lan~amento nelas de áaua de esgoto,
por exemplo. • Cuidado com os produtos de npnren-
cia perfeita. As frutas, os legumes e
166 OS NOVE MESES

as verduras que parecem embalsama- s rótulos nem sempre são feitos para
das, e muito imaculadas, podem per-
feitamente ter sido protegidas por pes-
O ajudar o consumidor: servem mais
para ajudar a vender o produto. Aten-
ticidas nos campos. O produto menos ção ao comprar, e aprenda a ler o que
bonito pode ser a aposta mais sadia. vem escrito em letrinhas miúdas, inclu-
sive a lista dos ingredientes que o com-
• Compre produtos orgânicos sempre põem e a indicação do valor nutricional.
que possível. São esses os que têm mais A lista dos ingredientes vai lhe dizer,
chance de estarem livres de todos os re- em ordem decrescente, exatamente de
síduos químicos. Os produtos transi- que é feito o produto. Você poderá sa-
cionais podem ainda éonter alguns ber se o primeiro ingrediente num cereal
resíduos por contaminação do solo, é açúcar ou se é o grão integral. Vai ter
mas devem ser mais seguros que os de- também uma idéia se o produto tem ele-
senvolvidos por processo convencional. vado teor de sal, de gorduras ou de
Dê preferência portanto aos que foram aditivos.
tratados por processo orgânico. A indicação nutricional aparece já em
muitos produtos comercializados e é par-
• Dê preferência aos produtos domésti- ticularmente útil para a gestante fazl!r a
cos. Os produtos importados, e os ali- cC'nta das proteínas e das calorias, ao dar
mentos feitos com tais produtos, os gramas das primeiras e o número das
podem conter níveis mais altos de pes- segundas por determinada quantidade do
ticidas, em função da legislação espe- produto. No entanto, todo alimento com
cífica do país de origem. As bananas elevado teor de uma ampla variedade de
são aparentemente seguras, e estão nutrientes é bom produto para se ad-
virtualmente livres de pesticidas. quirir.
Assim como é importante ler as l<tri-
• Varie a dieta. A variedade não só as- nhas miúdas, também o é ignorar as
segura uma experiência gastiOnômica graúdas. Quando um produto qualquer
mais interessante e mais nutritiva, co- tem a indicação no rótulo em letras gar-
mo também reduz a probabilidade de rafais de que é feito de trigo integral, fa-
que a pessoa se exponha muito a qual- relo e mel, por exemplo, convém ler as
quer substância potencialmente tóxica. letrinhas miúdas: talvez se descubra que
Alterne entre brócolis, couve e cenou- os ingredientes principais são o trigo
ra, por exemplo; entre melão, pêssegos branco e o fermento (farinha de trigo co-
e morangos; entre salmão, atum e lin- mum) e que contêm muito pouco mel e
guado; entre trigo, aveia e arroz. farelo (arrolados ao fim da lista de in-
gredientes).
• Não seja fanática. Embora seja reco- A expressão "enriql·ecido" e simila·
mendável procurar evitar os riscos teó- res são também enganosas. O acréscimo
ricos existentes nos alimentos, não o de umas poucas vitaminas num allmen·
é quando se leva uma vida estressada to de qualidade inferior nãc· o torna de
em fu nção disso. qualidade superior. lsso vale para os ce·
reais que possuem 500Jo de açúcar (o ró·
tulo nutricional dá o percentual de
LENDO RÓTULOS açúcar encontrado t:m vários produtos)
e só um pouquinho de vitaminas. é mui·
"Anseio por me alimentar bem, mas encontro to melhor sair com uma caixa de avelu,
ú/jiculdode em saber o que comprar quanúo IIOU que já possui vitaminas adquirida11 na-
ao supermercado. " turalmente.
O SEGUNDO M~S 167

Comendo com Segurança


Uma ameaça mais imediata do que as mais precárias; com os alimentos cozidos que
substâncias químicas nos alimentos está nos ficaram fo ra da geladeira durante algumas
mi.:roorganismos - b<Jctérias e parasitos- horas; com enlatados de aspecto suspeito ou
que os contaminam . São vilões capazes de quando a lata está estofada; com os ovos crus
causar qualquer coisa: do mal-estar gástrico ou quentes e com qualquer tipo de carne de
a graves enfermidades, e em raros casos até vaca, de peixe ou de ave crua ou malcozida.
a morte. Portanto, cuidado com os pratos Cuide para não contaminar os alimentos, la-
(sobretudo os que contêm aves, carne, peixe ve bem as mãos com água e sabão antes de
e ovos) preparados em condições sanitárias cozinhar ou comer.

0 QUE É IMPORTANTE SABER:


EM BUSCA DE SEGURANÇA

m ..-\s ,i\~ e r..."d...... -E:; ~ .:k.a


· - • ~~e mamer o cimo de se-

O ,e:.._x:~~- O .:j:.r.imal ~ m•i•


i:mp.."li."'!..Ull;:s ri:."-"'S a quo! 5I! e:q:-0ê
a gestan te não são de narureza médica:
gura:nç.s .:m carn.."'!S e em aví&s-

• Nunca subir em escadas bambas ou in-


são os de natureza "acidental" . seguras, ou, melhor ainda, não subir
Os acidentes muitas vezes parecem escadas.
"acidentais'', ou seja, parece que acon-
tecem por acaso. Entretanto, na grande • Não usar salto alto, nem chinelos fol-
maioria são o resultado de descuido, de gados e nem sapatos com cadarços
desatenção - não raro por parte da pró- que se soltam fácil: todos estimulam
pria vítima-, e muitos podem ser evi-
as quedas e a torção de tornozelo. Não
tados com um pouco mais de cautela e
de bom senso. Há uma ampla variedade caminhar em assoalhos lisos de meias
de medidas que ajudam a prevenir os aci- ou de sapatos com sola lisa.
dentes e as lesões traumáticas:
• Cuidado ao entrar e ao sair da banhei-
• Admitir que você não tem mais a agi- ra; é preciso pisar em superfícies an·
lidade de antes da gestação. Ao c:res· tiderrapantes e ter pontos de apoio
cer o abdome, o centro de gravidade onde se firmar.
do corpo se desloca, tornando mais
fár.il perder o equillbrio. Você va1 • Passe em revista a casa e o quimal à
en..:ontrar uma crescen1e dificuldade cata de perigos: tapetes sem a face de
em ver os pés. Tais moc.li ficaçõcs po· buixo antidcrrapante, sobretudo no al-
dem tornar a gestante propensa aos to de escadas; brinquedos ou quin-
acidentes. quilharias nos degraus; est:~.ç·~_.. e cor-
168 OS NOVE MESES

redores mal-iluminados; fios estendi- ça os exercícios e as atividades à p.


dos pelo assoalho; chão muito ence- 231.
rado; lajes e degraus lisos.
• Não exagerar nas atividades. A fadi-
• Atentar para as normas de segurança ga é um importante fator a contribuir
na prática de qualquer esporte; seguir para acidentes.
as sugestões para fazer com seguran-

·~
I

O Terceiro
Mês
A CONSULTA

ependendo das necessidades e terna, para ver se há correlação com

D t&mbém do estilo do obstetra, se-


rão verificados os seguintes ele-
mentos:1
a data prevista do parto

• Altura do fundo uterino

• Peso e pressão arterial • Exame das mãos e dos pés, para ver
se há edema (inchação), e das pernas,
• Urina, para surpreender açúcar e pro- para verificar se há varizes
teínas
• Questões ou problemas que a gestan-
• J3Rtimento cardíaco fetal te queira discutir - levar uma lista
pronta
• Tamanho do útero, pela palpação ex-

Os SINTOMAS COMUNS

s sintomas, sejam os já presentes FfSICOS:

O desde o mês anterior, sejam al-


guns novos, são experimentados
quer na sua totalidade, quer só alguns
• Fadiga e insônia
deles. Podem surgir, ademais, outros sin· • Necessidade de urinar com freqüência
tomas menos comuns.
• Náusea, com ou sem vOmito, com ou
sem salivação excessiva
1
Consultar o Apêndice para a explicação sobre
c» proce<limentos e os exames relll.IZIIdos. • Prislo de ventre (c,.,nstipação)
PO

• Modificações mamárias: plenitude,

o AsPECTO FísiCO peso, dor ao toque dos seios, fonni-


gamento; escurecimento da aréola (a
zona pigmentada que circunda o ma-
NO TERCEffiO MÊS milo); crescimento das glândulas su-
doríparas que existem na aréola
I (tubérculos de Montgomery); expan-

\ são da trama de linhas azuladas sob


)

a pele
I

\ • Outras veias visíveis ao crescer o apor-


te de sangue para o abdome e as
pernas

\ • Dores de cabeça esporádicas (ce-


faléias)

• Desmaio ou tonteira ocasionais


• Alterações na aparência. As rc,upas
começam a ficar apertadas na cintura
e no busto, se já não ficaram; cresci-
mento abdominal por volta do fmal
do mês
• Aumento do apetite
Ao fim do terceiro mes, o minúsculo ser
humano, agorafeto, apresenta 6 a 8 cen- EMOCIONAIS:
tfmetros de comprimento e pesa cerca de
14 gramas. Desenvolvem-se outros ór-
g6os; os aparelhos circulatório e urind- • Instabilidade comparável à da síndro-
rio jd funcionam; o /fgado produz bi/e. me pré-menstrual, que pode incluir a
Os órgãos reprodutores jd se formaram, irritabilidade, mudanças de humor, ir-
embora seja diffcil distinguir o sexo ex- racionalidade, o choro fácil
ternamente.
• Apreensões, medo, alegria, euforia-
• Azia, dispepsia, flatulência (gases), uma dessas sensações ou todas elas
sensação de plenitude
• Uma renovada seosaçao de calma, de
• Aversões e desejos alimentares quietude
O TERCEIRO M1jS 171

As PREOCUPAÇÕES COMUNS

PRISÃO DE VENTRE
(CONSTIPAÇÃO) Se o seu caso é dos mais desesperados
e que não pareça reagir a essa manipu-
"Há semarws que tenho tido uma pri.s/Jo de l'en· lação da dieta ou às táticas adiante,
acrescente algum farelo de trigo à die.~a.
tre terrlve/. Isso é comum?"
começando só com um pouquinho até
chegar a duas colheres de sopa. Mas evite
. Muito comum. E há bons motivos o farelo em grande quantidade; ao se
para isso. Um deles: o maior rela- mover rapidamente pelo seu sistema di-
xamento da musculatura intestinal, por gestivo pode carregar consigo importan-
elevado nível de certos hormônios que tes nutrientes antes de serem absorvidos.
circulam durante a gravidez, torna a eli-
minação mais vagarosa. Outro: a pres- Afogue o oponente. A constipação não
são do útero err. crescimento sobre o tem chance contra uma abundante inges-
intestino inibe a sua atividade normal. tão de líquido. A maioria dos líquidos
Mas não há motivo lógico para acei- - sobretudo água e suco de frutas ou
tar a constipação como inevitável em to- de legumes - é eficaz para o amoleci-
da a gestação. A irregularidade pode ser mento das fezes e para manter o alimen-
s 1perada pelas seguintes medidas que to em movimento ao longo do trato
também evitam uma conseqüência co- digestivo. Para alguns, umas xícaras de
mum dessa irregularidarie, as hemorrói- água quente com limão (mas sem açúcar)
das (ver p. 239): são particularmente eficazes. Se a cons-
tipação for muito intensa, o suco de
Combata-a com fibras. Evite os alimen- ameixa poderá resolver.
tos refinados constipantes e concentre- Comece uma campanha de exercícios.
se nas fibras como as frutas frescas e as Encaixe um período de pelo menos meia
verduras (cruas ou ligeiramente cozidas, hora de marcha rápida na sua rotina diá-
sempre que possível com casca); os ce- ria; complemente-o com qualquer exer-
reais integrais, os pães integrais e outros cício que você goste e que seja seguro
alimentos cozidos; os legumes (feijão e
durante a gestação (ver Exercícios Du-
ervilhas); e as frutas secas (passas, amei- rante a Gestação, p. 225).
xa, damasco, figo). Se voe@ normalmen- Se todos os esforços não resolverem,
. te comer pouca fibra, acrescente esses consulte o médico. Talvez lhe prescreva
· alimentos ricos em fibras gradualmente
à dieta para que não sinta desconforto um amolecedor de fezes para uso oca-
gástrico. (Talvez sinta algum desconfor- sional.
to de qualquer forma, durante algum "Todas as minhas amigas que estilo grávidas
tempo, já que a flatulência ~ um efeito parecem ter prlsllo de ventre. E11 nflOi vou ao
colateral freqUente, mas em geral tem- banheiro até com mais regularidade do que an-
porário, próprio dessa dieta, além de ser tes. Está tudo certo?"
queixa comum na gravidez.) Distrlbuin·
do sua alimentação diária em seis peque-
nas rcfeiçOes e não concentrando todo o
ailmtmto em apenas três é um modo de
A s gestantes são de tal forma progra·
madas pelas mães, pelas amigas, pe-
los livros e até mesmo pelos médicos pa-
reduzir o desconforto. ra esperarem pela prisão 1~ v~ntr.e, que
172 OS NOVE MESES

as que ficam constipadas aceitam isso co- lhar, pelo gorgolejar dos gases no in-
mo coisa normal e inevitável, e as que testino.
não ficam se preocupam, achando que A única ameaça possível ao bem-estar
há alguma coisa errada. do concepto é quando a plenitude e a fia·
Mas do ponto de vista logico, o seu sis- tulência- que não raro se acentuam ao
tema digestivo não poderia estar funcio- fim do dia - impedem a alimentação re·
nando melhor. Há boa chance de que a guiar e adequada. Para evitá-la (e tmn·
sua nova eficiência digestiva se deva a al- bém para reduzir os incômodos ao
guma modificação da dieta - quase mínimo), adotar as seguintes medidas:
sempre uma modificação para melhor. 2
O maior consumo de frutas, de legumes Evacuar com regularidade. A constip.t·
e verduras, de grãos integrais e de outros ção é causa comum de gases e de disten-
carboidratos complexos, além de líqui-
dos, conforme recomendamos na Dieta
Ideal, vai combater a lentidão natural do
são abdominal.

Não se empanzinar. As grandes refeições


'
J
sistema digestivo durante a gravidez e só pioram as coisas. Também sobrecar-
manter as coisas em movimento. Assim regam o sistema digestivo, que já não se
ql e o sistema se acostumar à nova die- acha nas suas melhores condições de efi·
ta, sua produtividade poderá diminuir ciência durante a gestação. Em vez de
um pouco (e a flatulência, que muitas ve- três grandes refeições ao dia, fazer seis
zes acompanha temporariamente essa menores.
modificação da dieta, pode diminuir),
mas é provável que você continue a ser Comer devagar. As refeições feitas muito 1
"regular". rapidamente propiciam a deglutição de
Se a evacuação porém for muito fre- ar. O ar assim capturado forma bolsas
qüente (mais de duas vezes por dia) ou de gás no intestino.
se as fezes estiverem moles, aquosas, san-
guinolentas ou mucosas, consulte o mé- Manter a calma. Sobretudo durante as
dico. A diarréia durante a gravidez refeições: a tensão e a ansiedade favore· 1
requer a pronta intervenção. cem a deglutição de ar.

Afastar-se dos produtores de gases. Seu


FLATULÊNCIA (GASES) estômago sabe quais são - possivelmen- 1
te cebolas, repolho e couve, brócolis, ali· .
"Tenho muitos gases e receio que a press/Jo na mentos fritos e doces açu.;arados (que
barriga, que me I incOmoda, possa tamMm in· não devem ser comidos mesmo), e, na· ·
comodor o bl!b~. '' turalmente, o já bem conhecido feij!o.
em Instalado e seguro no casulo ute-
B rino, protegido por todos os lados
pelo líquido amniótico que absorve to-
GANHO DE PESO
dos os impactos, o bebê é inacessível à "Estou preocupada porque ainda nao ganhei
pressão exercida pelos gases intestinais. peso nenhum no primeiro trimestre."
Quando muito, é aquietado pelo borbu-
ultas mulheres encontram diflcul· ;
1A complementação do ferro pode contribuir
para a dlnrr~la ou para a prlsêo de ventre. Se
M dtlde em ganhar mais um quilo naa
primeiras semanas; algumas inclusive
esse complemento parece estar interferindo no
funcionamento Intestinal, peça ao médico um perdem um pouco, em geral, por corte·
substituto. sia da náusea matinal. Felizmente, a na·
O TERCEIRO MSS 173

tureza oferece alguma proteção para os o terceiro trimestres, quando o cresci-


bebês de mães que nã0 conseguem se ali- mento fetal é tremendamente rápido e
mentar bem durante o primeiro trimes- significativo.
trr: a necessidade do feto de calorias e Porém, mesmo que nada possa fazer
de ~ertos nutrientes durante esse perío- para livrar-se dos quilos que adquiriu até
do não é tão grande quanto será depois. então,.há muito o que fazer para que não
Por isso, se você não ganhar peso no iní- continue a acelerar esse ganho de peso.
cio não deverá causar qual. ~uer prejuízo Algumas mulheres conseguem esse ga-
a ele. Mas se depois não conseguir ga- nho ponderai rápido porque se permitem
nhar peso algum poderá causar algum comer nesse período todo o tipo de do-
efeito- bastante significativo-, por- ces para ver se melhoram do enjôo.ma-
que as calorias e os nutrientes serão ca- tinal, por exemplo. Se for esse o seu
da vez mais necessários como fonte de caso, deixará de ser um problema à pro..
energia para a fábrica que jlera o bebê. porção que a náusea ceder e o apeti-
Logo, não se preocupe, mas coma. E te por uma dieta mais variada retornar
comece a observar o peso com atenção ao normal. Outras gestantes ganham
para certificar-se de que sobe no ritmo muito peso no primeiro trimestre porque
conveniente (cerca de 500 gramas por se- acham, erradamente, que a alimentação
Jnana durante o oitavo mês). Se conti· sem restrições seja um direito e uma res-
nuar a ter problema em ganhar peso, ponsabilidade da mulher grávida. Passe
tente ganhar mais impulso nutricional em revista a Dieta Ideal (p. I09) para
com as calorias que você consome, atra- descobrir por que não é e para aprender
vés da alimentação eficiente (ver p. 110). a comer em prol da saúde do bebê sem
Tente também comer um pouco mais ao ganhar ao todo 30 quilos. O ganho de
dia, acrescentando lanches mais freqüen- peso eficiente, com alimentos da melhor
tes. Mas não tente ganhar peso com ali- qualidade possível, não só atenderá a es·
m !ntos pouco nutritivos - esse tipo de se objetivo, como também facilitará a
alimento só vai arredondar o seu quadril perda dos quilos a mais durante o
e as suas coxas, e não o bebê. puerpério.

"Fiquei chOCilda ao saber que já havia engor-


dado 6 quilos só no primeiro trimestre. O que DOR DE CABEÇA
devo fazer agora?"
"Estou vendo que tenho hoje muito mais do-
ocê não pode fazer o ponteiro da
V balança descer - esse peso veio pa-
ra ficar por enquanto, ao menos até al-
res de cabeça. Será que tenho de sofrer com
elu porque nllo posao tomQr analgésicos?"

gum tempo depois do parto. E você não fato das mulheres ficarem mais su-
poderá distribuir esses quilos a mais du-
rante o próximo trimestre. O feto requer
O jeitas a dores de cabeça quando de-
vem ficar longe dos analgésicos uma é
um aporte constante de calorias e nu- das grandes ironias da gravidez. Talvez
trientes, sobretudo durante os meses que você tenha de conviver com a dor de ca·
vêm a seguir. Você não pode cortar ca- beça, mas não terá de padecer em exces·
lorias agora, esperando assegurar a nu- so por causa dela. Embora convenha nâo
trlçllo do bebê com o excesso de peso já ir cor~endo ao armarinho de remédios
acumulado. Fazer dieta para perder ou para buscar alivio rápido (ver Apêndi·
manter o peso nunca é uma conduta ce), a prevenção, ao lado de remédios ca-
apropriada durante a gestação, e é espe- seiros, pode proporcionar algum alívio
cialmente perigosa durante o segundo e das dores de cabeça recidivantes da ges-
174 OS NOVE MESES

tação. A melhor forma de prevenir e tra- a noite: ajuda a afugentar a dor de ca-
tar a dor de cabeça vai depender da sua beça. Mas cuide para não dormir de-
causa. As cefaléias da gravidez quase mais, já que o sono em excesso pode
sempre decorrem de alterações hormo- causar também dor de cabeça.
nais (que explicam a maior freqüência e
a intensidade de vários tipos de cefaléia, Coma regularmente. Evite a dor de cabe-
inclusive as dores de cabeça vinculadas ça da fome causada pela queda do açú-
aos seios da face) , ou de fadiga, tensão, car no sangue. Não salte refeições. Traga
fome, estresse emocional ou físico, ou consigo sempre algum alimento nutritivo
uma mistura desses fatores. para ( omer (o~ alimentos à base de pro-
As seguintes dicas para vencer e pre- teína e de carboidratos complexos s:io os
venir a dor de cabeça poderão lhe aju- mais eficazes). Guarde-os no porta-luvas
dar a encaixar a cura com a causa: do carro ou na gaveta da escrivaninha.
Mantenha s':!mpre o estoque em casa.
Relaxe. A gestação poderá ser período
de grande ansiedade, tendo por conse- Busque um pouco de calma e de paz. Se
qüência as cefaléias por tensão. Algumas você for "alérgica" a ruídos, afaste-se
mulheres encontram alívio com medica- deles sempre que possível. Evite as músi-
mentos e ioga. Procure informar-se a cas estridentes, os restaurantes barulhen-
respeito: fazendo um curso, lendo. Ou tos, as festas ruidosas e as lojas cheias.
tente outras técnicas de relaxamento co- Em casa, diminua o volume da t:ampai-
mo as indicadas à p. 147. nha do telefone, da TV e do riidio.
É evidente: os exercícios de relaxamen-
to não funcionam em todo mundo - al- Não fique em ambientes abafados. Se o
gumas mulheres descobrem que eles quarto ou a sala superaquecidos, cheios
aumentam a tensão ao invés de aliviá-la. de fumaça ou mal ventilados causarem
Para essas, deitar em quarto silencioso dor de cabeça, vá dar um passeio na rua
e escuro, Õu estirar-se no sofá ou com de vez em quando - ou melhor ainda:
os pés para cima sobre a escrivaninha evite sempre tais ambientes. Se você vai a
durante 10 ou 15 minutos é um melhor algum ambiente fechado e abafado, vista·
remédio para a tensão e a cefaléia acom- se com várias peças leves sobrepostas, e
panhante. mantenha o conforto removendo-as con-
Ver outras dicas para a redução does- forme necessário. Se o seu local de traha-
tresse à p. 148. lho é mal ventilado, vá se possível para
área ou setor melhor ventilado; se não for
Repouse o suficiente. A gestação pode possível, trabalhe com mais pausas.
também ser época de grande fadiga, so-
bretudo no primeiro e no último trimes- Para alívio du cefaléia por sinusite. Apli·
tre. As vezes a fadiga se estende pelos que compressas quentes e frias aliçrna-
nove meses em gestantes que trabalham das sobre a área dolorosa. Aplicações de
durante longas horas ou que cuidam 30 segundos, num total de 10 minutos,
dos outros filhos. O sono pode ser difí- quatro vezes ao dia. Para a dor de cabe-
cil depois que a barriga ficar grande ça por tensão ou estresse, experimente
(como ficar numa posição cômoda?) e o uplicar selo na nucu durunte 20 minutos,
pensamento ficar num turbllh4o (como permnnecto~ndo reluxuda e de olhos t'echr ·
vou conseguir fazer tudo antes do bebê dos. (Use bolsa de gelo comum.)
nascer?)- fatores que acentuRm o can-
saço. Faça um esforço consciente para Fique ereta. A má postura durante a lei-
repousar mais, durame o dia e durante tura, a costura ou qualquer outro traba-
O TERCEIRO MbS 175

lho que exija atenção por longo período Se você já sofreu de enxaqueca no pas-
de tempo pode também ('..ausar dor de ca- sado, prepare-se para enfrentá-la duran-
beça. Preste atenção à postura. te a gravidez, de preferência pela
prevenção. Se você já sabe o que pode
Se uma dor de cabeça inexplicada per- desencadear a crise, procure evitar a si-
sistir por mais de algumas horas, se vol- tuação responsável. O estresse é causa
tar com freqüência, poderá ser resultado comum (ver à p. 147 algumas dica s pa-
de febre. Caso se acompanhe de distúr- ra combatê-lo), assim como o chocola-
bios da visão ou inchação das mãos e do te, os queijos, o café, o vinho tinto
rosto, avise o médico imediatamente. (bebida que não é recomendada a gestan-
tes, de qualquer forma). Experimente ver
"Sofro tk eiiXIlqueCIL Ouvi dizer que s4o mais se consegue, de qualquer forma, evitar
COmu/IS durante il gravidez. É verdade?" a crise plena depois de surgirem os sin-
tomas de aviso. Para algumas pessoas,
m algumas mulheres as crises de en- lavar o rosto com água fria ajuda, ou
E xaqueca se tomam mais comuns na
gravidez. Em outras se tornam menos
deitar em quarto escuro durante duas ou
três horas, olhos cobertos (cochilar, me-
freqü,:ntes. Não se sabe por que isso ditar, ouvir música, mas não ler nem ver
acontece, ou mesmo por que algumas TV). Discuta com o médico sobre a se-
têm crises repetitivas e outras não têm gurança dos medicamentos contra enxa-
nenhuma. queca durante a gestação. Pergunte-lhe
A enxaqueca é um tipo específico de quais os mais eficazes.
cefatéia, consiste numa categoria à par- Se experimentar pela primeira vez uma
le. 3eu surgimento está relacionado à crise que pareça ser de enxaqueca, avise
constrição, ou estreitamento, de vasos logo o médico. O mesmo smtorna pode-
~angüíneos na cabeça, seguida de uma ria indicar alguma complicação da gra-
dilat-ação, ou abertura, repentina. O fe- videz. Se uma cefaléia inexplicada
nômeno interfere no fluxo de sangue, persistir por mais de algumas horas, re-
causando dores e outros sintomas. Em- tornar com freqüência, há de ser o re-
bora tais sintomas variem de pessoa pa- sultado de febre. Se se acompanhar de
ra pessoa, a enxaqueca costuma ser alterações da visão ou de inchação das
precedida de fadiga. A esta pode seguir- mãos e do rosto, também notifique o
se a náusea, com ou sem vômito ou diar- médico.
réia, sensibilidade à luz (fotofobia) e às
vezes turvação ou pontos cintilantes num
dos olho:; (de vez em qufl.ndo nos dois). INSÔNIA
Quando por fim sobrevém a dor de ca-
beça, tnlnutos ou horas depois dos pri- "Nunco tiveproblema de lns~nlll na mlnhu vi·
meiros sintomas de aviso, a dor, que do - Dt~ ilgora. Hoje simplesmente nllo wn·
é intensa e latejante, costuma se loca- sigo pregar olho d noite."
lizar num dos lados da cabeça, podendo
se irradiar para o outro lado. Algumas om tanta agitação em seus pensa-
pessoas também experimentam adorme-
cimento ou formlsllmonto do um elos
C
que
mentos e no seu ventre, não admira
voce n4o conslaa uma boa nollc do
braços ou de um lado do corpo, ton- sono. Ou voce vê a lnsOnJa como prepa-
teira, zumbido nos ouvidos, corrimento ração para as noites insones quando o
nasal, lacrimejamento ou manchas ver- bebê chegar, ou tenta uma das seguintes
melhas nos olhos e confusão mental tem- medidas:
porária.
176 OS NOVE MESES

• Exercite-se o suficiente. O corpo que mo irregularidades no ritmo cardíaco.


desenvolveu atividades suficientes du- Use ventilador ou condicionador de
rante o dia (ver orientação na pág. ar.
225) estará preparado para dormir à
noite. Mas não faça exercícios antes • Só fique no quarto para dormir.
de dormir, pois funcionam como es-
timulantes: você não conseguirá apa- • Se você acorda muito para ir ao ba-
gar depois de recostar a cabeça no nheiro, limite os llquidos depois de 4
travesseiro. horas da tarde e fique o mínimo pos-
sível de pé durante o dia (a posição fa-
• Jante com calma. Desista da televisão vorece a micção noturna).
durante o jantar: converse com o ma-
rido, tenha um papo relaxado com ele. • Esqueça dos problemas do trabalho e
de casa. Tente solucioná-los durante
• Adote uma rotina antes de dormir. o dia ou pelo menos converse a res-
Atenha-se a ela. Procure sempre rela- peito deles com o marido mais cedo.
xar depois do jantar. Leia um bom li- Tire as preocupações da cabeça antes
vro, assista a um programa calmo na de dormir. (Veja outras dicas para ali-
televisão, ouça música suave, faça os vio da tensão na p. 148.)
exercidos de relaxamento (p. 147), to-
me um banho morno, peça ao mari- • Não use drogas ou álcc.ol para conci-
do uma massagem nas costas, liar o sono, pois essas substâncias sâo
namore. prejudiciais à gravidez e, a longo pra-
zo, não são mesmo de grande utilida-
• Faça um lanche leve antes de deitar pa- de. Evite a cafeína (no chá, no café e
ra manter o teor de açúcar no sangue em alguns refrigerantes) e o excesso dl!
dentro da~normalidade. O alimento chocolate já a partir de depois do
em excesso ou a falta de alimento an- almoço.
tes de dormir interferem no sono. In-
clua nesse lanche: biscoitos integrais • Fique acordada até mais tarde. Talvez
e leite; frutas e queijo; ricota e suco necessite de menos sono do que ima-
de maçã sem açúcar. gina. Paradoxalmente, o retardamen-
to da hora de ir para a cama pode
• Fique à vontade. Certifique-se de que ajudá-la a dormir melhor. Evite tam-
o quarto de dormir não esteja frio ou bém a> sonecas durante o dia.
quente demais, que o colchão seja fir-
me e o travesseiro confortável. Ver p. • Julgue a boa noite de sono pela ma-
208 para as J)oslçOes durante o sono: neira como você se sente e nllo pelas
quanto antes você aprender a dormir horas que passou dormindo. As pes-
na posição lateral, mais fácil será no soas com problemas do sono às vezes
período final da gravidez. dormem mais do que imaginam. Vo-
cê está dormindo o suficiente, se não
• Tome um pouco de ar. Um ambiente se sente cansada o tempo todo (nlém
abafado não proporciona um bom so- da fadiga normal da gravidez).
no. Abra a janela se necessário e não
durma com a cabeça recoberta, pois • Nilo se preocupe com a lnsOnla -- ela
Isso diminui o oxigênio e aumenta o não a prejl.dlcará e nem ao bebe.
dióxido de carbono que você respira, Quando não conseguir dormir levunte-
causando dores de cabeça e até mes- se e leia, tricote, veja TV etc., até fi·
O TERCEIRO MÍ:S 177

car sonolenta. Preocupar-se com o so- BATIMENTO CARDÍACO


no é ainda mais estressante do que a DO BEBÊ
falta de sono propriamente.
"Uma amiga minha ouviu os batimentos do co-
ESTRIAS ração do beb€ dela aos dois meses e meio. Já
estou com quase três meses de gravidez eo meu
"Tenho medo de ficar com estrias. Elas podem obstetra ainda não detectou os batimentos do
ser e1·itadas?" meu."
,
possível captar os batimentos do co-
P ara muitas mulheres- sobretudo as
que adoram usar biquíni -, as es- Esemanas
ração do feto já por volta de IO ou
12 de gestação com um instru-
trias são mais temidas do que as coxas
flácidas. Entretanto, 90% de todas as mento muito sensível chamado sonar
mulheres vão desenvolver estrias um Doppler (um aparelho manual de ultra-
pouco sulcadas, de coloração rosa ou som que amplifica os sons captados).
avermelhada, por vezes apresentando Mas o estetoscópio comum só é podero-
formigamento, nas coxas, quadris e/ou so o suficiente para detectar o batimen-
abdome em algum momento durante a to cardíaco fetal depois da 17 ~ ou da 18~
gestação. semana. Mesmo com instrumentos sofis-
Como o nome diz, as estrias são linhas ticados, o batimento cardíaco poderá
sulcadas na pele por causa do estiramen- não ser audível nessa fase precoce por in-
to por ela sofrido, normalmente em de- terferência da posição do bebê ou de ou-
corrência de rápido e/ ou pronunciado tros fatores, como as camadas excessivas
at.mento de peso. As gestantes com boa de gordura da mãe. Também é possível
elasticidade cutânea (seja porque a her- que o ligeiro erro no cálculo da idade
(,aram, seja porque a adquiriram graças gestacional seja a explicação para esse
a uma nutrição e a exercícios excelentes) atraso. Cumpre esperar até o mês seguin-
podem passar por várias gestações sem te. Por volta da 18~ semana, o miracu-
ficarem com uma única estria. Outras loso som do coração do seu bebê
talvez as consigam minimizar, ou preve- batendo·certamente se fará ouvir, para
nir, através do ganho de peso constan- deleite dos seus ouvidos. Caso isso não
te, gradual e moderado. Promover a ocorra, ou se você estiver muito ansio-
elasticidade da pele através da Dieta sa, o médico poderá pedir que um exa-
Ideal (p. 109) também ajuda, mas não me de ultra-som seja feito, a fim de
há creme, loção ou óleo, por mais caro captar um batimento cardíaco que, por
que seja, que as evite ou atenue - ape- alguma razão, é difícil de ser ouvido com
sar de que talvez o marido goste de o estetoscópio.
passá-los na sua pele, ajudando a
prevenir-lhe o ressecamento,
Quem desenvolver estrias durante a DESEJO SEXUAL
gestação poderá se consolar sabendo que
costu1 nam esmaecer, adquirindo uma to- "Todas as minhas amiga~ dizem que sentem
nalidade prateada depois do parto. Tam- maior vontade de fazer sexo no inicio da gra·
b6m ajudtt saber que sao monos uma ~iduc - 1111/Utttus clul/llll'flm a ter or/{asmo ou
desfiguração que uma medalha de ma- orgasmos mfJitiplos pc!ia primeira l'el: sd tii!JJQ/s
ternidade. de engravldarem. Como posso me sentir tllo
sem desejo?"
178 OS NOVE MESES

gestação é tempo de mudanças em SEXO ORAL


A muitos aspectos da vida, e não me-
nos da vida sexual. Mulheres que nunca "Ouvi dizer que o sexo oral é perigoso duran-
tiveram um orgasmo ou que nunca se in- te a gestação. É verdade?"
teressaram muito pela atividade sexual
prática de cunilíngua - o ato de
inesperadamente passam a apresentar tal
comportamento à primeira gestação. A acariciar a vulva ou o clitóris com
a língua- é segura, desde que o parcei-
Outras, acostumadas a um apetite sexual
voraz por sexo e ao orgasmo fácil, repen- ro cuide para não soprar na vagina. Es-
tinamente se vêem carentes de qualquer sa atitude é capaz de impelir o ar para
desejo e encontram dificuldades em se dentro da corrente circulatória e causar
embolia gasosa (um tipo de obstrução
excitarem. Essas alterações na sexualida-
dos vasos sangüíneos), que pode se re-
de podem ser desconcenantes, podem
velar letal para a mãe e para o bebê.
causar sentimentos de culpa, podem se A prática da felação, por não envol-
revelar maravilhosas ou uma mistura ver a genitália feminina, é sempre segu-
confusa desses três ingredientes. E são ra durante a gravidez, e para alguns
todos perfeitamente normais. casais é um substituto bastante satisfa-
Como a leitora percebem ao ler Fazen- tório quando não está permitida a rela-
do Sexo Durante a Gravidez (p. 199), há ção sexual habitual.
muitas explicações lógicas para tais al-
terações e para os sentimentos que pro- CÓLICAS
vocam. Alguns desses fatores talvez se
revelem mais fortes ao início da gesta- APÓS O ORGASMO
ção, quando a náusea e a fadiga fazem
"Sinto ciJ/icos na barriga após o orgasmo. E
a gestante sentir-se compreensivelnJente
sinal de que o sexo machuco o be~? Pode Cllll-
indisposta aõ sexo, quando fazer sexo sar aborto?"
sem a preocupação de engravidar (ou de
não engravidar) liberta a gestante das ini- s cólicas- durante e após o orgas-
bições e a predispõe mais para o sexo do
que nunca, quando fazem assomar a cul-
A mo e, por vezes, acompanhadas de
dor nas costas - não apenas são co-
p-a pelo fato de a gestante achar que de- muns como também são inócuas d••ran-
veria estar mais predisposta à própria te a gestação normal de baixo risco.
maternidade e não ao sexo. Outros fa- A causa pode ser física: congestão ve-
tores, como as alterações físicas que po- nosa normal na região junto com a con-
dem facllltar o orgasmo, torná-lo mais gestão Igualmente normal dos órgãos
intenso, ou dificultá-lo, persistem por to- sexuais durante a excitação e o orgas-
da a aestação. mo. Ou pode ser psicológica: resultado
do receio comum de prejudicar o bebe
O mais importante é admitir que o durante a relação.
comportamento sexual da gestante - e A cólica não sig,tifica que o sexo este-
também o do marido - terá por matiz ja machucando o bebê. Os especialistas,
mais a imprevlsibilidade do que o ero- na maioria, concordam que as relações
tismo: a pessoa pode sentir-se sensual sexuais e o oraasmo ~í:\o perfeitamente
num dia e nttdll '"n~ual no 5@iUlnte. O seguros e nilo çausam aborto na aesta·
entendimento mútuo e a comunicação ção normal, de baixo risco. Quando as
franca serão necessários durante o cólicas a Incomodarem, peça ao par<ei-
perlodo. ro para fazer-lhe uma fricção delicada na
O TERCEIRO MSS 179

parte baixa das costas. É capaz de não também ser exacerbados na gravidez
só aliviar as cólicas como também de eli- não-gemelar.
minar todas as tensões qul as estejam
causando. 3 (Consultar Fazendo Sexo • Mais de um batimento cardíaco fetal.
Durante a Gravidez, p. 199.) Dependendo da posição dos bebês, o
médico poderá ouvir dois (ou mais)
batimentos cardíacos distintos. Entre-
GÊMEOS tanto, como o batimento cardíaco de
um só feto pode ser ouvido em várias
"Minha barriga está muito grande. Será que localizações, a identificação de dois
estou espPrando gêmeos?" batimentos só confirma a presença de
, gêmeos quando os ritmos são diferên-
mais provável que você só esteja com tes. Portanto, muitas vezes não se
E -'alguns quilos .llém do esperado pa-
ra o primeiro trimestre. Ou talvez se-
diagnostica a gravidez gemelar dessa
maneira.
ja problema da sua constituição física:
em você a expansão uterina já é per- • Predisposição. Embora não existam
ceptível antes de o ser em alguém com fatores que aumentem a probabilida-
porte físico maior. O abdome relativa- de de gêmeos idênticos, há vários que
mente volumoso não é em geral consi- predispõem a mulher a ter gêmeos
derado sinal de gravidez gemelar; para (fraternos, biovulares ou dizigóticos).
fa2er esse diagnóstico, o profissional Entre esses fatores estão a existência
terá de recorrer a outros fatores, entre de gêmeos fraternos na famllia da
os quais: mãe, a idade adiantada (mulheres com
mais de 35 anos com freqüência libe-
• Útero grande para a idade gestacional. ram mais de um óvulo), uso de dro-
O tamanho do útero, não do abdome, gas que estimulam a ovulação e a
é o que conta para o diagnóstico de
gravidez gemelar. Se o útero estiver fecundação in vitro (bebê de proveta).
crescendo mais depressa do que o es- Os gêmeos são também mais comuns
perado, passa-se a suspeitar de fetos entre as mulheres da raça negra (em
múltiplos. Outra possibilidade para relação às da raça branca) e menos co-
explicar o útero muito crescido está no muns entre as asiáticas.
erro do cálculo da data prevista para
o parto ou então numa quantidade ex- • Se um ou mais desses fatores levam o
cessiva de líquido amniótico (poli- médico à conclusão de que há a pos-
drâmnio). sibilidade de mais de um feto, estará
Indicado o exame ultra-sonográfico.
• Sintomas gestaclonals exagerados. Em todos os casos (exceto na rara oca-
Quando se espera gêmeos, pode-se sião em que um dos fetos fica obsti-
apresentar uma duplicação dos pro- nadamente escondido atrás do outro)
blemas da gravidez (náusea matinal, esse exame permitirá o diagnóstico
indigestão, edema etc.), mesmo só na correto de prenhez múltipla.
aparência. Mas todos esses podem
"Mfll nos adflptamos ao /ato de eu estar grtJ.
vida e deJ·cobrlmos qu1 estou esperam/o 111-
3Há mulheres que sentem cãibras nas pernas meo.s. Estou preocuJNldfl com os ri:.·cos que
após o coito. Consultar as sugestões da pág. 239 envolvem a eles e o mim."
para o seu tratamemo.
180 OS NOVE MESES

gravidez múltipla tem se multiplica- descolamento prematuro de placenta,


A do num ritmo fantástico: hoje, de
cada 100 casais, 2 terão gêmeos. Para a
que são mais comuns nesse tipo de gra-
videz) e para melhorar a chance de levar
geração anterior essa proporção era de a gravidez a termo, propiciando um par-
I em 100. E se ainda contam para expli- to em condições ideais:
car a prenhez gemelar os caprichos da
natureza e a predisposição hereditária, Maior atenção médica. Grande parcela
hoje os cientistas apontam para novos dos maiores riscos da gestação múltipla
fatores a explicar o crescimento desses pode ser reduzida pela monitorização
casos. Um desses fatores está no aumen- médica especializada feita por obstetra
to do número de mães com mais de 35 (as gestações de alto risco não devem fi-
anos: a ovulação dessas é mais aleatória car em mãos de parteira). As consultas
e é maior a possibilidade da liberação de serão mais freqüentes - de duas em
dois óvulos ou mais, o que favorece a duas semanas depois da 20~ semana e se-
gravidez gemelar. Outro fator está no manalmente depois da 30~. Os sinais de
uso de drogas como o pergonal e o clo- complicação serão investigados mais fre-
rnifeno (uso, outra vez, mais comum em qüentemente para que, no caso de algu-
mulheres de mais idade, já que a fertili- ma eventualidade, o tratamento seja logo
dade diminui com a idade), que aumen- instituído.
tam a probabilidade de gravidez
múltipla. Ainda outro está no emprego Cuidados nutricionais extras. Comer por
da fecundação in vitro, procedimento em três (ou mais) pelo menos duplica a res-
que os óvulos fer tilizados num tubo de ponsabilidade da gestante que normal-
ensaio são implantados no útero, o que, mente só tem de comer por dois. Além
já que são vários os óvulos fecundados do bem extraordinário que faz por todos
envolvidos, favorece o surgimento de os bebês (ver p. 109), a nutrição excelente
gravidez múltipla. tem profu ndo impacto sobre um dos
Mas se a mãe de hoje tem maior pro- problemas mais comuns da gestação
babilidade de ganhar gêmeos, também múltipla: o baixo peso ao nascer. Em vez
possui maior probabilidade de tê-los em de nascerem com 2.500 kg ou menos (era
boas condições. Mais de 900Jo das gesta- esse o padrão na gestação gemelar), os
ções múltiplas, mostram as pesquisas, gêmeos que são nutridos por uma dieta
têm um desfecho feliz. Atribui-se este superior podem pesar até 3.000 kg ou
êxito, em grande medida, às conquistas 3. 500 kg ao nascer.
da ultra-sonografia: são raros os casais Muitas das exigências da Dieta Ideal
hoje em dia apanhados de surpresa na são multiplicadas por cada filho que se
sala de parto com o nascimento de gê- leva na barriga. Especificamente, cada
meos. Esse prévio conhecimento da gra- um representa mais 300 calorias, mais ou
videz aemelar tamb~m ajuda a explicar meno1, mais umu porçAo do protelnaa,
o menor numero de complicações práti· mais uma porção de cálcio, mais outra
cas e logísticas depois do nascimento (ter ainda de grãos integrais. Como se trata
de ir no ultimo minuto à loja para com- de muito alimento para entrar num es-
prar mais um berço, por exemplo) além tômago comprimido pelo útero em cres-
de explicar o menor número de compli- cimento, e como grande número âos
cações médicas durante a gravidez e o desconfortos gastrintestinais são exacer-
parto. Sabedores da gravidez gemelar, a bados pela prenhez gemelar, a qualida-
sestante e o m~dlco poclem tomar várias de do alimento consumido pela gestante
precauções para reduzir os riscos de cer- adquire suma importância. Ao evitar os
tas complicações (hipertensão, anemia, alimentos pouco nutritivos estará deixan·
O TERCEIRO MSS IOI

do espaço para os melhores alimentos. domésticas. Dependa mais dos recursos


Para comer de forma mais eficiente (ver modernos da cozinha. E, se possível, re-
p. 110) distribua as necessidades nutri- duza sua carga horária de trabalho na
cionais ao longo de pelo menos seis pe- profissão ou pare de trabalhar, se a fa-
quenas refeições e mu.'tos lanches ao dia. diga for muito intensa.
Não tente comer tudo o que precisa em
apenas três refeições. Precaução extra. Dependendo de como
vai a gravidez, o médico poderá prescre-
Ganbo extra de peso. Mais um bebê ver uma licença-maternidade mais pre-
significa maior ganho de peso - não coce Gá por volta da 24~ semana em
só por causa do próprio bebê, mas por- alguns casos) e poderá recomendar aabs-
que o bebê extra inclui outros produtos tenção das tarefas domésticas e, às · ve~
(como uma placenta extra e mais líqui- zes, completo repouso na cama em casa.
do amniótico). O médico provavelmen- O repouso em leito hospitalar nos últi-
te recomendará supervisionar cuidado- mos meses de gestação costuma ser re-
samente o ganho de peso de pelo menos servado para a gestação múltipla
15 a 20 quilos além do peso pré-gesta- complicada. As pesquisas, em sua gran-
cional (salvo se você for muito obesa) de maioria, mostram que para a gesta-
ou cerca de 500Jo acima do habitual- ção múltipla normal a internação
mente recomendado. Isso significa cerca convencional nessa época não previne o
de 700 a 800 g por semana depois da trabalho de parto prematuro. Siga à ris-
12~ semana. Principalmente se esse ga- ca as instruções do obstetra, por mais di-
nho de peso for conseguido mediante fíceis que possam parecer. Aí está um
uma dieta excelente, a gestante estará dos meios mais seguros para levar ages-
favorecendo e muito o nascimento de tação a bom termo.
gêmeos sadios.
Auxílio extra para os sintomas peculia-
Quantidade extra de -vitaminas e sais res a esse tipo de gestação. Como os sin-
minerais. A presença de mais de um tomas mais comuns da gestação (náusea
feto também significa maior necessi- matinal, indigestão, dor nas costas, cons-
dade de nutrientes como ferro e ácido tipação, hemorróidas, edema, veias va-
fólico (necessários para prevenir anemia, ricosas, falta de ar e fadiga) são por vezes
ver p. 189), de zinco, cobre, cálcio, B,, mais acentuados pela gravidez gemelar,
vitamina C e vitamina D. Por causa essa gestante precisa ter conhecimento
dessa maior necessidade, a recomenda- das formas de alívio de tais manifesta-
ção oficial é a de que se considere a ções. As sugestões que damos neste livro
gestante em categoria de alto risco e para esses sintomas servem para a gra-
que tome complementação vitamfnica videz única e a gemelar. Recorra ao ín-
diária. Slaa es11a rec:>mondaçAo, maa dice remll•lvo para consultá-los. Busque
não tome nada além daquilo que o mé- também o conselho do obstetra quando
dicl.l recomenda. os sintomas forem multo pronunciados.
Uma queixa multo rara que por vezes
Repouso extra. O corpo terá duas vezes complica a gestação múltipla está na se-
ma.is trabalho para formar os bebês, por- paração da sínfise da pube (articular in-
tanto você necessitará de n;pouso redo- ferior do osso pélvico). Esta separaçllo
brado. Essa é uma responsabilidade sua. pode limitar a mobilidade e causar inten-
Repouse com os pés para cima e tire so- sa dor na regl!o; nesse caso recomenda·
necas durante o dia, por exemplo, dei- mos comunicar o médico.
xando para outra pessoa as tarefas
182 OS NOVE MESES

"Todos acham incrlvel estar esperando gêmeos lar amarelado se forma depois da ovu-
- menos nós. Estamos desapontados e apa vo- lação. Chama-se corpo lúteo (literalmen-
rados. O que é que está errado com a gente?" te "corpo amarelo") e ocupa o espaço
no folículo de Graaf, que era antes ocu-
ada. Dificilmente no sonho de ser pado pelo óvulo. O corpo lúteo produz
N mãe e pai aparece a imagem de dois
berços, duas pilhas de fraldas, duas ca-
estrogênio e progesterona e está r rogra-
mado para se desintegrar em torno de 14
deirinhas de bebê, dois carrinhos e dois dias. Quando isso ocorre, o declínio do
bebês. Preparamo-nos física e psicologi- teor hormonal desencadeia a menstrua-
camente para a chegada de um só bebê; ção. Na gestação o corpo lúteo, manti-
ao ficarmos sabendo que são dois não es- do pela gonadotrofina coriônica (hCG)
panta o desapontamento. Tampouco o que é gerada pelo trofoblasto (as células
medo. A responsabilidade de criar dois que se transformam na placenta) conti-
filhos foi duplicada. nua a crescer e a produzir progesterona
O melhor a fazer é aceitar esses senti- e estrogênio para nutrir e manter a gra-
mentos ambivalentes e não se culpar. videz até que a placenta assuma a incum-
Convém ir se habituando com a idéia de bência. Na maioria dos casos, o corpo
filhos gêmeos. Converse com pais que já lúteo começa a involuir por volta de seis
os tiveram. O médico poderá também ser ou sete semanas depois do último perío-
capaz de indicar pais que tiveram filhos do menstrual e deixa de funcionar çor
gêmeos e que morem perto de você. volta de 10 semanas, quando então já
Compartilhem os sentimentos e reconhe- cumpriu sua missão.
çam que não são os únicos a vivenciar Estima-se que em uma entre lO gesta-
a experiência. Isso ajuda muito a acei- ções, contudo, o corpo lúteo não regrida
tar melhor a gestação e, com o tempo, no momento previsto, transformando·se
a desfrutar.. mais dela. num cisto. Este cisto não costuma re-
presentar problema. Mas como precau-

CISTOS DO CORPO LÚTEO


ção o médico passa a observ<Jr a con-
dição regularmente através da ultra-
sonografia. Se crescer muito ou se amea-
I
"Meu médico me disse que tenho um cisto no çar se torcer ou se romper, poderá ser
ovário. Mas me avisou para não me preocupar. removido cirurgicamente. Essa inter-
Só que eu não consigo. " venção é necessária apenas em cerca de
I C1Jo dos casos. Depois de 12~ semana

Tdaodosmulher,
os meses na vida reprodutora
um pequeno corpo celu-
a cirurgia dificilmente ameaça a gra-
videz.

0 QUE É IMPORTANTE SABER:


O GANHO DE PESO DURANTE A GESTAÇÃO
------------------------------------------------.;----
oloque juntas duas aestantes em do?", "Já sentiu ele chutar?", "Tem
C qualquer luaar - nR ~Ala do espo•
ra de um consultório médico, no
ônibus, no trabalho - e as perguntas
MOIHIQO tnJOo'J " I tftiVOIIUrjp U1mb•m
a favorita: •·você tem engordado mui·
to?"
vão surgir, inevitalmente: "É para quan- As comparações sl\o inevitáveis e às
O TERCEIRO M~S 183

vezes um pouco preocupantes. As que bê de 4. A qualidade do alimento que


deram partida estrondosamente, comen- contribui para o ganho de peso é mais
do com entusiasmo até chegarem ao ga- importante do que a quantidade.
nho de 5 quilos ao fim do primeiro O ganho de peso significativo e segu-
trimestre, ficam imaginando o que é ro para a gestante, em média, oscila en-
"engordar muito". Outras em que o tre 10 e 15 quilos; a mulher de estrutura
apetite é desencorajado pelos surtos de física menor, pequena, caindo no valor
náusea cujo resultado nesse período são inferior da variação de ganho e a de es-
uns poucos gramas que mal aparecem na trutura óssea maior, grande, no outro
balança do médico (e que talvez até te- extremo dessa escala. Esse peso se divi-
nham emagrecido um pouco) ficam se diria em 3 a 4 quilos para o bebê e 7 a
perguntando o que é "engordar pouco". 12 quilos para a placenta, os seios, os lf-
Todas porém querem saber: "Quanto é quid JS e outros subprodutos (ver p. 184).
preciso engordar?" Também assegura um retorno mais rá-
pido ao peso pré-gestacional para a mãe.
O aumento total de peso. Embora esti- A fórmula se modifica para mulheres
vesse em voga há algum tempo limitar com necessidades especiais. As mulheres
o ganho de peso gestacional para os 7 ou que começam a gestação muito magras
8 quilos, hoje se admite que esse valor devem procurar ganhar peso o suficien-
é insuficiente para garantir a boa saúde te durante o primeiro trimestre, de mo-
do bebê. Os bebês de mães que ganham do a começarem o segundo já perto do
menos de 10 quilos tendem a ser prema- peso ideal, pelo menos; e então deveriam
turos, pequenos para a idade gestacional, visar adquirir os 10 a 15 quilos acima
e a sofrer de retardo do crescimento desse peso. As que começam a gravidez
intra-uterino. com lOo/o a 200Jo acima do peso ideal po-
Quase tão perigoso, entretanto, foi o dem provavelmente e com segurança ga-
que entrou em voga a seguir: comer de nhar menos peso em média, embora só
tudo e ao extremo e ganhar o máximo em uso de alimentos da melhor qualida-
possível de peso. Há sérios riscos em ga- de e só sob diligente supervisão médica.
nhar peso em demasia: a avaliação e a A gestação nunca é oportuna para se per-
medida do feto se tornam mais difíceis; der peso ou para mantê-lo, porque o fe-
o excesso de peso sobrecarrega os mús- to não pode sobreviver às expensas das
culos e causa dores nas costas, nas per- reservas de gordura da mãe, por só
nas, aumenta a fadiga e promove o oferecerem-lhe calorias e não nutrientes.
aparecimento de varizes; o bebê, de tão As mulheres com gravidez gemelar po-
grande, poderá dificultar ou impossibi- derão necessitar de um reajuste do ga-
litar o parto vaginal; se for necessária ci- nho de peso a ser feito pelo médico.
rurgia, cesariana, por exemplo, poderá Embora esse ganho não seja duplicado
haver dificuldade e as complicações no para o caso de dois gêmeos ou triplica-
pós-operatório se tornam mais comuns; do para o caso de trigêmeos, aumenta de
e depois da gravidez poderá ser difícil eli- modo significativo- de lS a 20 quilos
minar o excesso de peso. para o caso de gêmeos e mais quando há
Embora a mulher com desmedido ga- mais de dois fetos.
nho de peso possa ter um bebê enorme,
o aanho de peso da mile e o peso do be- O ritmo do ganho ponderai. A gestan-
be OOrn IIOitlprllllUarde.m tCilllÇ!lQ, Ja pOS• te, om m~dlll, dav• aanh"r npro~eltttB~h'•
s!vel ganhar 20 quilos e dar à luz um mente uns 2 quilos durante o primeiro
filho de 3 quilos somente ou, ao contrá- trimestre, e cerca de 500 gramas ou um
rio, ganhar 10 quilos e dar à luz um be- pouco menos por semana, num total de
184 OS NOVE MESES

6 a 7 quilos durante o segundo trimes- excesso de alimentação ou a ingestão ex-


tre. O ganho de peso deve continuar em cessiva de sódio, consulte o médico.
torno de 500 gramas ou menos por se- Consulte-o também se não ganhar peso
mana durante o sétimo e o oitavo me- algum durante mais de duas semanas em
ses, e no nono mês cair para 500 gramas seqüência.
a 1 quilo - ou não perder peso nenhum Se achar que o seu ganho de peso se
-para um total de 4 a 5 quilos durante afastou muito do que fora planejado
o terceiro trimestre. (por exemplo, se ganhar 7 quilos no pri-
Rara é a mulher que consegue acom- meiro trimestre em vez de um quilo e
panhar o ganho de peso precisamente se- meio a dois, ou se ganhar 10 quilos no
segundo trimestre em vez de 6), procure
gundo a fórmula ideal. E não faz mal
agir para que o ganho retorne ao preten-
flutuar um pouco - um ganho de 250 dido, mas não tente mantê-lo no mesmo
gramas numa semana, de 700 na seguin- lugar. Com a ajuda do médico, reajuste
te. Mas a meta de todas deve ser a de . o objetivo para incluir o excesso já al-
manter o ganho de peso o mais constan- cançado (que não contribui para o de-
te possível, sem quaisquer oscilações senvolvimento do bebê) e o peso que
bruscas, para mais ou para menos. Se você ainda terá de alcançar (de que o be-
você não ganhar peso algum durante bê necessita). Tenha em mente que o be-
duas semanas ou mais, entre o quarto e bê requer um aporte constante e diário
o oitavo mês, se você adquirir mais de de nutrientes durante a gravidez. Obser-
um quilo e meio em determinada sema- ve a dieta com atenção, mas nunca faça
na no segundo trimestre, ou se ganhar ''dieta''. Controle o peso desde o início
mais de 1 quilo em qualquer semana do e assim nunca terá de pôr o bebê de die-
terceiro trimestre, sobretudo se não pa- ta só para que você não fique obesa
rece qut: tal ganho tenha relação com o demais.

Distribuição do Ganho Pondera/


(Valores Aproximados)

Bebe 3.500 g
Placenta 700 g
Líquido amniótico 800 g
Crescimento uterino 1.000 i
Ttcido mamário materno 500 g
Volume sangüJneo materno 1.100&
LJquidos nos tecidos maternos 1.400 g
Gordura materna :,.200 g

Total (m~a) 12.200 g, ou um ganho ponderai total de


aproximadamente 12 quilos
--M--
O Quarto
Mês
A CONSULTA

obstetra vai verificar, entre outros • Altura do fundo (alto do útero)

O elementos, dependendo de seu es-


tilo e das necessidades dr gestan-
te, os seguintes:'
• As mãos e os pés da gestante para
surpreender edema (inchação), e as
pernas pela possibilidade de vari-
• Peso e pressão arterial zes

• Urina (açúcar e proteína) • Os sintomas apresentados, sobretudo


os incomuns
• Batimento cardfaco fetal
• Perguntas e problemas que a gestante
• Tamanho do útero, pela palpação ex- queira esclarecer - levar uma lista
terna pronta

Os SINTOMAS COMUNS

s sintomas variam: há quem os

O
FlsiCOS:
sinta a todos, há quem sinta só al-
guns. Uns persistem desde o mês • Fadiga
anterior, outros só aparecem agora.
Bxlstem ainda sintomas pouco comuns • Reduçao da freqüência urinária
que a gestante pode apresentar.
• Fim ou redução da náusea e do vOmi-
to (em algumas aestantes a náusea per-
1Consultar o Apêndice para a expllcaç!o sobre siste; em muito poucas só agor41.
os procedimentos e os exames realizados. começa)
186 OS NOVE MESES

• Prisão de ventre

• Azia, dispepsia, gases, inchação ab- 0 ASPECTO FíSICO


dominal NO QUARTO MÊS
• Os seios continuam a aumentar de ta-
manho, mas em geral diminuem a dor
ao toque e o intumescimento

• Dores de cabeça esporádicas

• Desmaio e tonteira ocasionais, princi-


palmente devido a súbita mudança de
posição

• Congestão nasal com sangramento


ocasional; entupimento dos ouvidos

• Sangramento nas gengivas

• Aumento do apetite

• Leve inchação dos tornozelos e dos


pés, às vezes do rosto e das mãos

• Varizes nas pernas e/ou hemorróidas


Pelo fim do quarto mês, o feto de 10 cm,
• Discreta secreção vaginal esbranquiça- agora nutrido pela placenta, começa a de-
da (leucorréia) senvolver reflexos - sugar, deglutir. O
crescimento do corpo começa a superar
• Aparecimento dos movimentos fetais o da cabeça. Surgem os brotosdentdrios,·
os dedos e artelhos se mostram bem de-
ao fim do mês (mas só se a gestante finidos. Em ~oro de aspecto humano. ele
for muito magra ou se não for a pri- nao consegue sobreviver fora do út.ero.
meira gestação)

EMOCIONAISs

• Frustraçllo - se ainda não se sente


• Instabilidade comparável à da síndro- grávida, mas as roupas já não servem
me pré-menstrual, que pode englobar mais e as de grávida ainda são muito
lrritabilidade, oscilações de humor, ir· folgadas
racionalidade, choro fácil
• A gestante pode não se sentir Inteira:
11 Alegria e/ou apreensão- se você co- dispersiva, esquecendo coisas,
meçou enfim a selJtJ.r-ac arâvlda deixando-as cair, dificuldade de con·
centração
O QUARTO M~S 187

As PREOCUPAÇÕES COMUNS

PRESSÃO ALTA se elevar em 15 mmHg em relação à pri-


(HIPERTENSÃO ARTERIAL) meira leitura, e assim permanecer duran-
te pelo menos duas leituras feitas a
"l:.nr minha última consulta, u médica me di~·· intervalo de seis horas no m!nimo,
se que minha pressão e~·tava um pouco alta. AI justifica-se a observação diligente e..pos-
fiquei preocupada." sivelmente, o tratamento. No terceiro tri-
mestre, o tratamento costuma ser
iniciado tão-somente se houver elevação
P re<?C_up~r-se co~ a. pressão.anerial só
va1 taze-Ja sub1r amda mats, e um li-
geiro aumento numa única consulta pro-
superior a esta.
Se tal elevação da pressão arterial se
vavelmente não significa nada demais. acompanhar de repentino ganho de pe-
Talvez você só esteja nervosa, ou então so (mais de I quilo e meio numa semana
estava atrasada para o compromisso e no segundo trimestre, ou mais de l qui-
correu demais, ou talvez ainda estivesse lo numa semana no terceiro), de edema
preocupada com o último relatório no fi- acentuado (inchação por retenção de
nal do expediente. Se a pressão tivesse água), sobretudo das mãos, do rosto e
sido medida no dia seguinte, ou mesmo dos tornozelos, e/ou de proteína na uri-
depois no mesmo dia, poderia muito na/ o problema poderá ser o da pré-
bem ter-se revelado normaL Mas como eclâmpsia (também chamada de hiper-
é muitas vezes difícil determinar a cau- tensão induzida pela gravidez- p. 396).
sa de uma elevação em leitura isolada Em mulheres que recebem atendimento
a médica talvez a aconselhe a relaxar até médico regular, essa condição é em ge-
a próxima consulta. ral diagnosticada antes de evoluir para
Se a pressão continuar elevada, po- sintomas mais graves, entre os quais:
rém, talvez você se encontre entre os JIJ!o barramento da visão, dor de cabeça, ir-
e ?o/o de gestantes que desenvolvem hi- ritabilidade e dor gástrica. Se você expe-
pertensão arterial transitória durante a rimentar qualquer um dos sintomas de
gravidez. Esse tipo de hipertensão é per- pré-eclâmpsia, chame imediatamente o
feitamente inócuo, tanto quanto se sai- médico (ver p. 240).
ba, e desaparece depois do parto.
O que se considera pressão normal du-
rante a gravidez varia bastante durante AÇÚCAR NA URINA
os nove meses. A leitura preliminar (a
que é normal para você) é determinada "Na última consulta a obstetra me disse que
na primeira consulta do pré-natal. Em ha~/a açúcar na urina. .Ela disse para eu nao
geral, a pressão declina um pouco duran- me preocupar, mas estou convencidiJ de que es·
te o~ mes'!s seguintes. Mas ao aproximar- tou com diabetes."
se o parto, lá pelo s~timo mês, costuma
elevar-se um pouco.
Durante o primeiro ou o segundo tri- Sigapreocupe.
o conselho da médica - nao se
Uma pequena quantidade
mestre, se a pressão sistólica (o número
supcrlorl se elevar em 30 mmHg ou se JVer Apêndice para a ex!"llc:e.r;/lo sobre l'r(•~tl­
a pressão dlastólica (o número inferior) na na urina.
--·- -· .. ---- --------
188 OS NOVE MESES

de açúcar na urina em determinada oca- Se aparecer açúcar na urina em sua


sião durante a gravidez não a torna dia- próxima consulta, talvez o médico prt>-
bética. Provavelmente, seu corpo está fira submetê-la a um exame do açúcar no
apenas fazendo o que deve: garantindo sangue (glicemia) e a um teste de tolerân-
ao feto, que d~pende do aporte de com- cia à glicose, exame este que reflete com
bustível da gestante, a glicose suficiente precisão a resposta do organismo ao açú-
(a·;úcar). car na corrente circulatória e identifica
Como é a insulina que regula o teor as pessoas com diabetes. Entre os sinto-
de glicose no sangue e assegura-lhe o mas que podem sugr.rir o diabetes ges-
aporte necessário às células do corpo, a tacional estão: fome e sede pronuncia-
gestação desencadeia a atividade de me- das; micção freqüente, mesmo no segun-
canismos antünsulfnicos para garantir do trimestre; infecções va~nais por wo-
que o açúcar vai continuar circulando pe- nilia (monilfase vaginal) recidivantes; e
lo sangue para nutrir o feto. A idéia é aumento da pressão arterial.
perfeita, mas nem sempre funciona per- Cerca de 1o/o a 2% das gestantes (há
feitamente. Às vezes, o efeito antiinsu- estimativas que apontam 10%) desenvol-
Unico é tão acentuado que deixa no vem esta condição- que provavelmen-
. sangue açúcar em quantidade acima da te poderia ser denominada de
suficiente para atender às necessidades "intolerância gravfdica aos carboidra-
da mãe e da criança - quantidaci.e maior tos" e não de "diabetes gestacional"-
do que a capaz de ser manipulada pelos que a transforma na mais comum com-
rins. O excesso é expelido na urina. As- plicação da gravidez e tem conotação
sim, a presença de "açúcar na urina" é alarmante. Por ser multo comum, a
explicada- ocorrência não incomum na maioria dos médicos pede hoje a dosa-
gestação, especialmente no segundo tri- gem de açúcar no sangue (glicemia) ro-
mestre, quando aumenta o efeito antiin- tineiramente, entre a 24~ e a 28~ semana
sulinico. Na verdade, aproximadamente de gestação. As futuras mamães de ris-
metade das mulheres grávidas apresen- co mais elevado são testadas antes e com
tam urna certa quantidade de açúcar na mais freqüência. Entre elas estão as com
urina em algum momento da gravidez. mais idade (a t-::ndência ao diabetes au-
Na maioria das mulheres, o corpo rea- menta com a idade) e as com história fa-
ge a um aumento do teor de açúcar do miliar de diabetes melito; aquelas com
sangue estimulando a produção de insu· história de açúcar na urina durante a gra-
lina, que em geral ellmlnará o excesso de videz ou com intolerância à alicose fora
açlicar por ocaslao da próxima consul- da gravldeza; as obesas, que nasctlram
ta. Talvez esse seja o seu caso. Mas al· com grande peso (mais de 4,S quilo.;) ou
sumas mulheres·, sobretudo as diabé- que tiveram um ou mais filhos com uran·
ticas, ou aquelas com tendência ao dia- de peso; e, por flm, aquelas com m(l his-
betes, podem ser Incapazes de produzir tória obstétrica (prévio diabetes
Insulina o suficiente em determinado gestacionai, toxemia, infecção urinária
momento para manipular a elevação do recidivante, excesso de Hquldo amnlóti·
açúcar sérico, ou podem ser Incapazes de co, aborto recorrente, filho com anclma-
usar a Insulina que produzem de forma lia congênita).
eficiente. De qualquer forma. 01111 mu·
3As mulheres com anormilldade da allcose no
lheres continuarão a mostrar um teor ele-
vado de açúcar, quer no sangue, quer na sanaue, maa com prova de tolerAncla à aUcose
urina. Nas que previamente não eram normal, ainda correm o risco de terem bebês
grandes. Talvez lhes convenha controlar bem a
diabétidas, diz-se que desenvolveram dieta. Se voce tiver alteraçAo da aJicosc no 1&11•
diabetes gestacional. aue, consulte o médico.
O QUARTO MSS 189

Embora as futuras mamães diabéticas do fértil por causa das perdas mens-
e seus filhos se encontrassem durante truais). Mas com a concepção e o fim da
muito tempo em risco, graças à medicina menstruação, as reservas de ferro são re-
moderna esse não é mais o caso. Quando postas ·- se a ingestão diária for sufi-
o açúcar é controlado de forma diligente ciente. A manifestação da anemia costu-
mediante dieta e, quando necessário, me- ma ocorrer até a 20~ semana de gestação
dicamentos, as mulheres com diabetes (quando o volume de sangue materno e o
podem ter gravidez normal e filhos sa- feto em crescimento aumentam de modo
dios. Caso você desenvolva diabetes ges- significativo as necessidades de ferro).
tacional, consulte as pp. 370 e 395. Quando a deficiência é branda, pode
As anormalidades glicêmicas desapa-
não ocorrer qualquer sintoma, mas se as
. recem depois do parto em cerca de hemácias, que veiculam o oxigênio, sofre-
97-981t!o das portadoras de diabetes ges-
tacional. Entretanto, em algumas dessas rem maior depleção, a mãe começará a
mulheres, sobretudo nas obesas, o dia- exibir sintomas: palidez, fadiga extrema,
betes pode se manifestar noutro perfo- fraqueza generalizada, palpitações, falta
d o da vida. Para reduzir esse risco, as de ar e inclusive episódios de desmaio. Po-
que têm diabetes gestacional devem se- demos ter al um dos poucos casos em que
guir algumas medidas preventivas: con- as necessidades do feto são atendidas run-
sulta médica regular, manter o peso tes das da mãe, já que o filho da mãe anê-
ideal, cultivar boa dieta e bons hábitos mica dificilmente apresenta anemia ferro-
de exercício, conhecer os sintomas da priva ao nascer. Entretanto, há provas,
doença para que sejam prontamente co- ainda inconclusivas, de que os bebês de
municados ao médico. mães anêmicas que não fazem uso de
complemento de ferro exibem um risco
um pouco maior de baixo peso ao nasci-
ANEMIA mento ou de prematuridade.
Embora as gestantes sejam suscetíveis
"Uitlll amiga minha ficou llnlmica duronte 11 à anemia ferropriva, certos grupos exi-
groWdez. Como Sllber se tenho 11nemia, e w- bem risco mais elevado: as que tiveram
mo preveni·lll?" vários filhos em sucessão rápida, as com
gravidez gemelar, as que sofrem de vô-
' medida que o volume de sangue au- mitos freqüentes ou que comem pouco
A menta durante a gravidez, a quanti-
dade de ferro necessária para produzir
por causa de náusea, e as que engravi-
daram em estado de ! ubnutrição ou/e
hemácias também cresce, gradualmente. que se alimentaram mal desde a conccp.
Como nem todas as gestantes obtêm o ção. Não surpreende que as mulheres de
ferro de que necessitam, quase 200'/o so- baixa renda calam nessa categoria mui-
frem de deficiência desse elemento. Fe- tas vezes, o que as torna muito mais pro-
lizmente, a anemia ferroprlva é corrigida pensas do que as de média renda ou de
.;om facilidade - na maioria dos casos renda superior.
a simples dieta variada e nutritiva e o uso Para prevenir esse tipo de anemia,
de complemento d'! ferro resolvem o costuma-se recomendar que a gestante
problema. faça uso de dieta rica em ferro (ver p.
O 1xame ãe aanaue para Identificar a 122). Mas como é difícil, ou mesmo im-
anemlu é feho na primeira consulta pré- possível, assegurar o aporte de ferro só
natal, embora sejam poucas as mulhe- através da dieta, recomenda-se prescre-
res que a apresentem nesse primeiro mo- ver a complementação de 30 mg diários
mento. Alaumas mulheres engravidam já (ver p. 116). A maior complementação,
com a afeccllo (comum durante o perío- em geral mais 30 mg, 6 r.P.Çomendada
190 OS NOVE MESES

quando se diagnostica a anemia fer- ocê não está sozinha. Muitas gestan-
ropriva.
As vezes, quando se exclui a deficiên-
V te acham que, à medida que a barri-
ga cresce, o cérebro vai se deteriorando.
cia marcial como causa de anemia na Mesmo as mais organizadas muitas ve-
gestação, podem ser necessários exames zes se descobrem esquecendo compro·
para identificação de outros tipos de ane- missos, sentindo dific uldade de
mia - anemia por deficiência de ácido concentração e perdendo a tranqüilida-
1
fólico, anemia falciforme, talassemia e de. Felizmente esta "síndrome cerebral"
assim por diante. (como a "síndrome pré-menstrual") é
passageira. Assim como muitos outros
sintomas, esse se deve a alterações hor-
FALTA DE AR monais decorrentes da gravidez.
Ficar tensa por causa dessa turvação
"Às vezes sinto muita falta de ar. SerfJ por cau· intelectual só faz piorar as coisas. Para
S4da gravidez!" melhorá-la é preciso reconhecer que is·
so é normal, aceitando com senso de hu-
rovavelmente. Muitas gestantes ex- mor. Também convém reduzir o estresse
P perimentam leve falta de ar no ini-
cio do segundo trimestre. Uma vez mais,
da vida o mais possível (ver p. 147). Tal-
vez não seja tão fácil quanto fazer um
estão em atividade os hormônios gesta- bebê (nisso você teve ajuda). Mas para
cionais. Causam edema dos capilares das evitar o caos mental, convém fazer um
vias respiratórias e da mesma maneira inventário, informal ou por escrito, em
dilatam outros capilares do corpo, ao casa e no trabalho (recorrendo a ele ao
mesmo tempo em que relaxam a muscu- sair de casa e ao sair do trabalh0). Isso
latura puhponar e brônquica. Com o também ajuda você a não cometer erros
evoluir da gravidez, entra outro fator em perigosos - esquecer de fechar a porta,
cena: torna-se mais difícil encher os pul- apagar o gás antes de sair de casa ttc.
mões de ar porque o útero em crescimen- E talvez também convenha você se ha-
to comprime o diafragma, tornando bituar a trabalhar com um pouco menos
mais difícil a expansão pulmonar. Essa de eficiência. A situação pode se esten-
falta de ar é normal. der mesmo pelas primeiras semanas de-
Já a falta de ar mais intensa, por ou- pois do nascimento do bebê (pela fadiga,
tro lado, sobretudo quando a respira- não pelos hormônios). Talvez só desapa-
ção é acelerada, e os lábios e as pon- reça por completo quando o bebê já dor-
tas dos dedos parecem ficar azulados, mir uma noite inteira.
e/ou manifesta-se dor torácica ou pul-
so acelerado, pode significar problema
mais sério. Requer a consulta imedia- TINTURA DE CABELO
ta ao médico ou a Ida a um pronto-
socorro. E PERMANENTES
"Como se j6 nilo bastassem os quilos a mais,
JESQUECIMENTO meu., cabelos comuçurum u pl!rdor todo o vo-
lume. Ê seguro jbzer um permanente?
"/1/fl semana pDssada sul de CflSD sem u bol~·a;
hoje de m11nhll me esqueci de um Importante mbora o ventre grávida seja o efei-
tncontf'O pf'OjlsslonDL Nilo consigo me concen·
trar em nada. Acho que estoujlcando maluco."
E to físico mais evidente do feto ;obre
a mãe, não é o único. As alterações são
evidentes em todas as partes - das pai-
O QUARTO Mas 191

mas das mãos (que podem ficar aver- "Fui ao Cilbeleireiro pora pintar meu Cilbelo,
melhadas temporariamente) ao interior o que jàço a Cllda tr~s meses. Fiquei horrori-
da boca (as gengivas podem inchar e zada ao ouvir uma amiga dizer que as tinturas
sangrar). O cabelo não é exceção. Po- de cabelo causam anomalias congênitas. O que
de mudar para melhor (quando o ca- devo fazer?"
belo desbotado, opaco, adquire de re-
pente um brilho luminoso) ou para pior elaxe. Conforme acontece com os
(quando o cabelo perde toda a vitali-
dade).
R permanentes, não há provas concre-
tas de que os corantes de cabelo causem
Habitllalmente, um permanente ou anomalias congênitas. Como o risco é
ondas seriam a resposta certa ao cabelo apenas teórico, não há por que se preo-
que apresenta má ondulação, mas não cupar com as aplicações que você já te-
durante a g ravid e. ~ . Em primeiro lugar, nha feito. Mas como é prudente ser um
o cabelo reage de forma imprevisível à pouco mais cautelosa durante a gesta-
ação dos hormônios gravídicos; o per- ção, pelo menos quando essa prudência
manente pode não persistir, ou então dar é possível ou viável, talvez seja melhor
um penteado antiestético de ondas exa- adiar a próxima ida ao cabeleireiro até
geradas. Em segundo lugar, as soluções o parto.
químicas usadas nos permanentes são Se você estiver disposta a "esconder
absorvidas pelo couro cabeludo e che- os cabelos brancos" e quiser ser cau-
gam à corrente circulatória, levantando telosa ao mesmo tempo, peça ao cabe-
a questão de sua segurança durante a leireiro para usar corantes de plantas
gravidez. Até aqui, as pesquisas dos efei- puras.
tos dessas substâncias sobre o feto são
muito tranqüilizadoras: não se encon-
trou elo entre o uso de permanente e o SANGRAMENTO E
desenvolvimento de anomalias congêni- ENTUPIMENTO NASAL
tas. Mas como se fazem necessárias ou-
tras pesquisas antes dessas substâncias "Meu nariz tem ficado sempre congestionado
serem completamente exoneradas, a boa e às vezes sangra sem motivo. Estou preocu-
cautela pode exigir certa "lisura" até de- poda porque o sangramento pode ser um sinal
pois do parto. Não fique preocupada, de doenç'a. "
entretanto, com o permanente já feito -
o risco é apenas teórico, e por certo não congestão nasal, muitas vezes acom-
representa perigo algum. (0 mesmo po-
de ser dito dos amaciantes e dos xampus
A panhada por sangramento, é quei-
xa comum durante a gravidez, provavel-
anticaspu. Evite usá-los de agora em mente devida ao elevado teor de
diante, mas não se preocupe com seu uso estrogênios e progesterona no corpo, nu-
prévio.) mentRndo o fluxo de sangue para as
A boa nutrição pode ajudar a revita- membranas mucosas do nariz, fazendo-
lizar os cabelos, a dar-lhes brilho: cer- as amolecer e intumescer -em grande
tos xampus e os ferros de frisar os medida à semelhança do que ocorre à
cabelos podem ajudar nessa revltallza- c~rvloe em preparação para o parto.
çAo. Mas é bem provável que o seu ca- Você pode esperar pela piora do en-
belo piore mais e mais durante a tupimento e nlo por sua melhora- quo
gestação. Portanto, convém mudar pa- só ocorrerá depois do parto. Ê possível
ra um penteado que não exija muito vo- ocorrer também corrimento pós-nasal,
lume - corte curto, ou rente, por causando tosse e engasgos noturnos. Não
exemplo. usar medicamentos ou. spmy nasal para
192 OS NOVE MESES

combater o problema (exceto quando vio temporário durante este período, a


prescrito pelo médico). gravidez pode ter de fato agravado suas
A congestão e o sangramento são mais alergias. Se for este o caso, verifique com
comuns nos meses de inverno, sobretu- o médico o que poderá ser usado com se-
do nas regiões mais frias, em que certos gurança para aliviar os sintomas. Algun~
sistemas de aquecimento propelem ar anti-histamfnicos e outros agentes se afi-
quente e seco para dentro de casa, res- guram de uso relativamente seguro du-
secando as delicadas passagens nasais. O rante a gravidez (o seu medicamento
uso de umidificador ajuda a atenuar o pode não ser um destes). Entretanto, co-
problema. Pode-se também tentar lubri- mo as provas de segurança não são ab-
ficar as narinas com vaselina. solutamente conclusivas, medicamentos
Tomar mais uns 250 mg de vitamina só devem ser usados quando os outros
C (com a aprovação do médico), além recursos falharem. Se a secreção nasal é
dos alimentos ricos em vitamina C ne- intensa e espessa ou são muitos os espir-
cessários, pode ajudar a fortalecer os ca- ros, convém aumentar a ingestão de lí-
pilares e a reduzir as chances de quidos para compensar possíveis perdas
sangramento. (Mas nunca tomar mega- e para fluidil'icar as secreções.
doses da vitamina.) Em geral, no entamo, o melhor enfo-
Às vezes o sangramento nasal se segue que para enfrentar as alergias durante a
a um assoar mais vigoroso. Assoar o na- gestação é o preventivo- evitando-se a
riz corretamente é uma arte, que a leito- substância ou as substâncias agressoras,
ra pode dominar com perfeição: em desde que se saiba quais são:
primeiro lugar, feche delicadamente uma
das narinas com o polegar, em seguida • Se são os polens e outros alérgenos ex-
faça sair o ar com muco pela outra. Re- ternos que a incomodam, permaneça
petir alternadamente até conseguir res- dentro de casa, em ambiente com ar-
pirar pelo nariz. condicionado e filtrado durante ases-
Para deter o sangramento nasal, sente- tações típicas sempre que puder. La-
se com o tronco inclinado para a frente ve as mãos e o rosto ao chegar em casa
e, respirando pela boca, prenda as nari- e use óculos escuros curvos e grandes
nas com o polegar e o indicador duran- para evitar o contato dos olhos com
te 5 minutos. Repita a manobra se o os polens.
sangramento continuar. Se depois de três
tentativas o problema prosseguir ou se • Se o problema surge com a poeira, pe-
o sangramento for muito freqüente ou ça a outra pessoa para tirar o pó e var-
maciço, chame o médico. rer a casa. O aspirador de pó, o pano
de chão e a vassoura recoberta com
pano de chao úmido levantam menos
ALERGIAS poeira do que a vassoura comum, e os
panos de chio de material absorvente
"As mlnllu ulerg/QS purecem ter plorudo de.s· levantam menos que os espanadores
de q111 comiço1111 IIIStflçlo. Mflll n11rlt ftuu ,,. de penas. Afaste-se de luaares bolo·
correndo e meus o/110s /acrlme}llm u toda rentos como sótãos e bibliotecas cheias
hOI'tl. .. de livros velhos. Peça a alguém para
retirar da sua casa u coisas qu~. acu-
alvez a leitora esteja confund.Jndo a mulam pó, como cortinas e tapt:tes.
T congcstlo normal do nariz durante
a gravidez com alergia. Ou, embora al- • Se você for alérgica a certos alimen-
gumas mulheres de sorte encontrem alf- tos, evite-os, mesmo que sejam reco-
O QUARTO M~S 193

mendados para gestantes. Consultar a importante manter a região genital lim-


Dieta Ideal (p. 109) para substitutos. pa e seca; as calcinhas de algodão ou re-
vestidas de algodão ajudam neste
• Se os animais desencadeiam as crises sentido. Evite roupas apertadas também.
de alergia, deixe as amigas saberem Enxagüe bem a área vaginal depois de
antecipadamente do problema para ensaboá-la durante o banho e evite o
que tirem os animais domésticos da contato com desodorantes, espumas de
sala (!! seus pêlos) antes da visita. E, banho ou perfumes.
naturalmente, s~ o seu próprio animal Não use duchas, entretanto, salvo
de ';!Stimação estiver lhe provocando quando prescritas pelo médico. (Mesmo
um.:1..:rise alérgica, tente manter algu- assim, nunca use seringa como as das va- ·
mas áreas da casa (principalmente o riedades descartáveis, a fim de reduzir o
seu quarto) sem a presença do animal. risco de introduzir ar na vagina, provo-
cando uma embolia de ar.)
• A alergia à fumaça de cigarro é mais Se a secreção vaginal for amarelada,
fácil de controlar hoje porque menor esverdeada ou espessa e caseosa, de odor
número de pessoas fuma e a maioria fétido, ou se vier acompanhada de quei-
dos fumantes obedece quando se lhes mação, prurido, vermelhidão ou infla-
pede para não fumar. Para abrandar mação - é provável que seja infecção.
a alergia, e também para o benefício Notifique o médico para que seja tratada
do bebê, você deveria evitar ~xposição (provavelmente com supositórios vagi-
à fumaça de cigarro, cachimbo e cha- nais, ou gel, pomada ou creme, introdu-
ruto. t\ão se acanhe em dizer: "Sim, zidos com aplicador). Infelizmente,
me incomodo muito se você fumar." embora a medicação possa eliminar a in-
fecção temporariamente, muitas vezes fi-
ca retornando até o parto. Não obstante
SECREÇÃO VAGINAL possa não exigir novo tratamento, a va-
ginite simples não é causa de preocupa-
"Tenho percebido um pequeno corrimento va· ção e não cria risco para o bebê.
ginal, bem fino e esbranquiçado. Receio estar Se a vaginite for causada por monília,
com uma infecção. " um fungo, o médico terá o cuidado de
tratá-la com medicação para que você

A secreção fina, leitosa, com cheiro


leve (leucorréia), é normal durante
a gravidez. É muito semelhante à se-
não a transmita ao bebê durante o par-
to (sob a forma de sapinho, uma micose
da boca)- embora essa infecção não se-
creção que muitas mulheres apresentam ja perigosa para o recém-nascido e seja
antes do período menstrual. Como au- facilmente tratável.
menta à medida que se aproxima o final Talvez você consiga acelerar a recupe-
da gestação e pode se tornar bastante ração e prevenir a reinfecção através de
Intensa, algumas mulheres acham mais limpeza escrupulosa, sobretudo depois
cômodo usar absorventes durante os úJ- de ir ao banheiro (limpar-se sempre da
tJmos meses de gravldet. Nilo use absor- frente para trás) c depois de seguir a Die·
ventes internos, os quais poderiam ta Ideal - dando atençâo especial ao
introduzir germes indesejados na vagina. consumo de açúcar refinado, que ajuda
Além de ofender a sensibilidade esté- a criar solo f~rtll para os microorganis-
tica (e possivelmente a do marido -que mos Infecciosos. Pesquisas recentes In·
pode desistir do sexo oral pelo sabor e dicam que o consumo diário de uma
o cheiro incomuns), nada mais causa e xícara de iogurte que contenha cultura
não deve ser motivo de preocupações. É acidófila de lactobacilos vivos (verifique
194 OS NOVE MESES

o rótulo) é capaz de reduzir o risco de fácil perceber um chute) do que as


infecção vaginal de forma extraor- esperam pela primeira vez. A
dinária. muito magra pode percebê-los bem
Se a infecção for das sexualmente do, apesar de débeis, enquanto a
transmissíveis, recomenda-se evitar as re- talvez só os note quando ficarem
lações sexuais e outros contatos sexuais mais vigorosos.
até que marido e mulher estejam livres Às vezes a primeira percepção dos
da infecção. Os preservativos (camisi- vimentos é retardada um pouco por
nhas) podem estar indicados durante seis ro no cálculo da data provável do pmo.
meses depois de eliminada a infecção. Ou ainda porque a mulher não os reco-
Para prevenir nova infecção, convém ter nheceu ao senti-los.
cuidado para se evitar a transferência de Ninguém poderá dizer à gestante que
germes do ânus para a vagina (com os espera o primeiro filho exatamente quan-
dedos, o pênis ou a língua). do deve esperar senti-los; cada gestante
poderá descreVê-lOS de f0rm.1 uu' Cli,;UJC•~
Talvez a descrição mais comum sej& a
MOVIMENTOS FETAIS uma ''vibração no abdome''. Mas os
meiros movimentos fetais são por
"Ainda ní!o senti o beb€ se mexer; será que tem descritos como uma "torção", um
alguma coisa errada? Ou sou eu que ní!o iden- do no estômago", "um chute no
tifico os chutes?" mago", "uma bolha estourando
"como ser virada de cabeça para
s movimentos fetais podem ser gran-
O de fonte de alegria durante a gesta-
ção, e a sua falta, a principal causa de
em brinquedo de parque de diversões"
Não raro são confundidos com gases
com os roncos de fome. Conta-nos
ansiedade. Mais do que o teste de gravi- mulher: "Achei que estava com um
dez positivo, o ventre em expansão, ou seto na mtnha blusa, mas quando
· mesmo o som dos batimentos cardíacos tirá-lo percebi que era o bebê se mexen·
fetais, os movimentos fetais são prova dv. "
definitiva de que um novo ser vivo cres- Apesar de não ser incomum não per·
ce dentro da gestante. Sua ausência fo- ceber os movimentos do feto até a 20~
menta o medo aterrador de que o novo semana ou mais, o obstetra talvez peça
ser vivo talvez não esteja se desen- urna ultra-sonografia para verificar as
volvendo. condições do bebê, se a gestante até
Embora o.embrião comece a apresen- tão nada tiver sentido -e se ele' não
tar movimentos espontâneos por volta seguir provocar reação fetal atrav6s
da 7~ semana, tais movimentos só são estimulação - por volta da 22~
percebidos pela m:te bem mais tarde . A na. Se o batimento cardíaco fetal forvll
primeira sensação momentânea de que goroso, contudo, e tudo o mais parece
há vida, os primeiros movimentos per- evoluir normalmente, ele poderá esperar
cebidos, poderá ocorrer entre a 14 ~ e a um pouco mais para fazer o exame. '
26~ semana, embora em geral mais por
volta da 18~ à 22~ semana. Variações "Senti uns pequenos movimentos todos os dlu
nesses valot•cs módloa ~Ao uonnw~. A lltl HIHIJifU (lfl.V.I'ttl/14, IHtf>'l ft(/1111 1110 "lftllllft
mulher que já teve um bebe antes tem hoje. Serd que ht111/go de errado't"
mals probabilidade de reconhecer •JS mo-
vimentos mais precocemente (por saber
o que esperar .
. . e porque_. _sua musculatura
.. ___ _ _ .., ...., ...... ,.. j.., A ansiedade pela expectativa dos prl·
melros movimentos fetais é muitas
' " ' ? P< oor outra: a de que os
•uh•r itulda
OQUARTO~S 19.5

mo,v1n1entos fetais não tenham a fre- 1


as pes(\uisas mostram que é uma boa
ou de que não sejam idéia as mães checarem por hábito a ati-
jpe~rcetlíOc>s por um momento. A essa ai- vidade fetal diária (ver p. 237).
da gravidez, entretanto, essas ansie-
embora compreensíveis, costu-
ser desnecessárias. A freqüência O ASPECTO FÍSICO
mo,vin:len.tos perceptíveis pode variar DA GESTANTE
• 4rm1111tn a essa altura; o padrão dos movi-
mentos é, na melhor das hipóteses, alea- "Fico deprimida qUilndo me olho num espelho
tório. Embora o feto seja ativo quase que ou subo numa balança - estou t4o gorda."
oonstantemente, só alguns desses movi-
meptos são vigorosos o suficiente para uma sociedade obcecada pela ma-
que sejam percebidos. Outros podem
~sar despercebidos por causa da posi·
N greza corno a nossa, onde os que
conseguem pinçar uma dobra de gordu-
ção fetal (quando ele se volta e chuta pa- ra na pele se desesperam, o ganho de pe-
trás, por exemplo, e não para a so durante a gestação não raro se torna
·· . Ou por causa da própria ativi- fonte de depressão. Não devia. Há uma
mãe (quando caminha ou se mo-
,_. _~A-·~ muito, o feto pode adormecer;
diferença importante entre os quilos ad-
quiridos sem um bom motivo (força de
talvez esteja acordado, mas você es- vontade extraviada) e os quilos pelos me·
I"'J"' ........., ocupada para perceber-lhe os lhores e mais belos motivos: a criar1ça e
,mo~virrlenltosJ. Também é possível que
o sistema de apoio a ela que medram no
esteja dormindo durante os perío- seu interior.
mais ativos do bebê- os quais mui- Não obstante, aos olhos de muitos es-
tas vezes se dão no meio da noite. pectadores a gestante não é apenas bo·
Uma forma de provocar a movimen- nita por dentro, mas por fora também.
tação fetal quando não se percebeu ne- Muitos casais consideram a configuração
nhwna durante o dia inteiro é deitar roliça da gestante uma das mais adorá-
durante uma ou duas horas ao anoitecer, veis formas femininas - e das mais
preferivelmente depois de um copo de sensuais.
leite ou de alguma outra refeição; a com- Na medida em que a gestante estiver
binação da sua inatividade e o sobressal- comendo acertadamente e não ultrapas-
to da energia alimentar podem fazer com sar os limites recomendados para o ganho
o feto se movimente. Se isso não do peso durante a gestação (ver p. 182),
flm,cloJlar, tente novamente depois de ai-
horas, mas nAo se preocupe. Mui- não há por que se sentir "gorda"- só
mies nlo percebem qualquer grávida. Os quilos a mais que você ago-
movimento durante uns dois dias segui- ra percebe são subprodutos legítimos da
dos, ou mesmo durllllte três ou quatro, gestaçao e desaparecerão rapidamente
autes da 20~ semana. Daí em diante, em- depois que o bebê nascer. Se, contudo,
bortl não haja necessidade para se entrar a gestante estiver ultrapassando aqueles
em pânico, é provavelmente uma boa limites, a frustração depressiva não a im-
Idéia chamar o médico para a própria pedirá de ficar ainda mais gorda (e po-
tran'fUllidadt " •• pallattm 24 horas derá até mesmo fazer aumentar o apeti-
eem atividade fetal perceptível (presu- te), embora a observtnolll c:uldttde1a d•
mindo, naturalmente, que a movimen- dleta possa. Lembre-se, contudo, que fll·
taçfo já tenha iniciado). zer dleta para perder ou manter o peso
Depois da 28~ semana, os movimen- durante a gravidez é hábito de grande ris-
tos fetais se tornam mais consistentes, e co. Nunca elimine as exigências da Die-
196 OS NOVE MESES

ta Ideal por receio de ganhar muito butique ter uma boa idéia de como U
peso. roupas vão assentar depois, será difí·
Observar o ganho de peso não é a úni- cil prever a forma de sua barriga (ai·
ca maneira de se melhorar a aparência. ta, baixa, grande, pequena) e a roupa
O uso de roUpas mais largas também que hoje não cai bem poderá ser nu
ajuda; prefira as roupas próprias para futuro a mais confortável de usar,
gestante e não tente se espremer nas rou- quando o conforto se tornar um ele-'
pas de antes da gravidez que já não lhe mento da maior importância. '
sirvam mais (ver adiante). Você também ilol

gostará mais de sua imagem ao espelho • Você não precisa se limitar às roup~
se usar um corte de cabelo de fácil ma- próprias à gravidez. Se qualquer OU·
nuseio (um que não requeira um perma- tra roupa vestir bem, use-a, mesmÕ
nente; ver p. 190), se você cuidar da sua que não tenha sido feita para grávida!
aparência e se dedicar tempo suficiente É essa roupa, ou a que você já tem,
à maquiagem, caso costume usá-la roti- que vai lhe ajudar a poupar dinheiro"
neiramente. Dependendo do que os estilistas rec~
mendem para determinada estação
qualquer coisa que encontre nas pra;
ROUPA PARA GESTANTES te!eiras e cabides das lojas comuns pO-
derá assentar muito bem em seu corpÕ'
unca foi tão fácil para a gestante se de grávida. Mas evite desperdiçar o
N manter na vanguarda da moda con-
temporânea. Já se foram os dias dos ves-
seu dinheiro. Embora você adore
roupas neste momento, poderá
tidos discretos, do conjunto de malha dt!las bem menos depois de u>á-las
bem-comportado. Hoje, a gestante não rante a gravidez; no puerpério, o im·
só usa roupas mais práticas e mais inte- pulso poderá ser grande para jogá-las
ressantes de se olhar, como também po- fora, como costuma acontecer
de variar muito mais nas peças e nas roupas assim.
cores, chegando às vezes a usar a mes-
ma roupa mesmo depois de recuperar a • O seu senso pessoal de estilo conta~
antiga forma. mesmo quando está grávida. Se voca
Ao sair para comprar roupas próprias for consumidora de um estilo defini:
para a gestação, considere os seguintes do, bem a seu gosto, não comece à
itens: pensar em batas douradas, cheias de'
babados. Embora a imagem tradicio'
• Você ainda vai crescer um bocado (em na! da senhora que espera um filho
largura). Não vá dar uma de gestante possa lhe seduzir por um ou doi~ me-
consumidora logo no primeiro dia em ses, dificilmente a seduzirá por
que não conseguir abotoar ojeans. As tempo: é bem provável que a
roupas para gestantes podem custar não fique em moda bem antes devo-,
caro, principalmente se você conside- cê ter ímpetos de jogá-la fora. B
rar o curto período de tempo em que obrigando-a a enfrentar roupas pelo
serllo usadas. Portanto, seja modera· resto da gestação que você despreza!
da nas compras: consuma na medida l
do necessário (depois de verificar o • Os acessórios merecem um papel mui·
que pode usar em seu guarda-roupa, to relevante. Quando voce nllo cst'
talvez acabe descobrindo que precisa- grávida, os acessó1 ios lhe dãu um to-
va menos do que imaginava). Embo- que de elegância. Durante a gravidez,
ra você possa na própria loja ou são essenciais. O realce de uma echar·
O QUARTO Mes 197

pe, de um par de brincos exóticos, de pas que você não vai mais usar; você
meias metalizadas brilhantes, inclusi- e suas amigas estarão economizando
ve de um par de tênis de cores vivas, dinheiro dessa forma.
compensará muitas das concessões
inevitáveis à moda que as gestantes te· • Os tecidos "que não respiram" (co-
rão de fazer. mo o nyfon e outros sintéticos) não
.,. vão "cair bem" em você. Como o
• Entre os mais importantes acessórios seu ritmo metabólico é mais acele-
' estão os que as pessoas num:a vêem: rado que o habitual, deixando-a mais
a lingerie. O sutiã que acomoda e se- "quente", você vai sentir-se melhor
.gura o seio é vital na gravidez. Os com peças de algodão. Roupas lar·
' comuns servem, desde que tenham la· gas, cores claras, ajudarão você a não
terais largas e alÇls reforçadas. Com sentir o incômodo do calor. As meias
· sorte, a vendedora a ajudará. Mas não de cano curto são mais confortáveis
,. faça estoque: compre apenas dois (um que as de cano longo, mas evite as
, para usar e outro para lavar). Quan- que têm barra elástica apertada. Em
do o volume dos seios aumentar, com- tempo frio, o uso de peças de rou-
" pre outros. pa sobrepostas é o ideal: tire peça
Também as outras peças de lingerie por peça ao entrar em ambiente fe-
não precisam ser especiais. As calei- chado e quente.
, nl..as devem ser substituídas por peça
, maior, com cós alto, desde que você
· possa usar sob a barriga. Escolha a A REALIDADE
sua cor favorita e o tecido mais sen-
sual que encontrar, mas confira o re- DA GRAVIDEZ
forço, deve ser sempre de algodão.
"Agora que minha barriga estfl crescendo, fi·
• Um grande antigo da gestante pode ser na/mente percebo que estou de fato grflvida.
o guarda-roupa do marido. Está bem Apesar de termos planejado a gravidez, de re·
aí junto de você para ser usado (em- pente me sinto com medo, aprisioiUida pelo be·
bora seja boa idéia perguntar se pode M - até contra ele."
primeiro): as camisetas e as camisas
comuns bem grandes que parecem esmo os casais grávidos mais ansio-
grandes demais sobre a calça ou sob
a jaqueta (tente prendê-las com um
M sos pela gestação poderão se sur·
preender (e ficar cheios de culpa) ao co-
cinto sob a barriga para criar uma si- meçar a gravidez a tornar-se uma
lhueta interessante), a calça folgada, realidade. Um pequeno intruso invisível
laraa, bem mais laraa do que a sua, de repente se imiscui entre o casal,
o short que aceitará a sua cintura pe- virando-lhes a vida de cabeça para bai·
• lo menos por mais alguns meses, o cin- xo, privando-os da liberdade de que sem-
J to com uns furos a mais do que os pre desfrutaram, criando-lhes novas
seus. exigências - físicas e emocionais -,
maiores do que as até então vivenciadas.
• Aceite os empréstimos. Aceite todas as Toda a vida a que estavam acostumados
ofertas de roupas usadas para grávi- -as noites juntos, o comer e o bebe{,
das, mesmo que nllo façam o seu esti· a atividade sexual- se altera mesmo on·
lo. É fácil tornar mais "sua" a peça tes de a criança nascer. Conhecer bem es.
emprestada- use acessórios. Ao ter- sa mudança é coisa ainda mais
minar a gravidez, passe adiante as rou- importante depois de o pe.':to complica!'
198 OS NOVE MESES

os seus sentimentos conflitantes, depois para repreendê-la: ''Você não devia cor-
de acentuar a sua apreensão. rer nesse estado!" É só trazer para casa
Estudos mostram que um pouco de nas mãos duas sacolas de supermercado
ambivalência, um pouco de medo e mes- e vem a reprimenda: "Você acha que <.!e-
mo um pouco de antagonismo são fenô- veria estar carregando todo esse peso?"
menos normais, sadios - desde que Ou basta espichar o braço para tocar a
percebidos e enfrentados. E agora é o campainha do ônibus e vem o aviso: ''Se
melhor momento para isso. É só equa- você ficar se espichando desse jeito t:> cor-
cionar os ressentimentos agora (por não dão rl()de se enrolar no pescoço do bebê
mais se ficar acordado até tarde da noi- e o estrangular."
te aos sábados, por não mais se poder Entre esses conselhos gratuitos e as
s2ir para viajar nos fins de semana quan- predições inevitáveis sobre o sexo do
do dá vontade, por não mais se poder bebê, o que fazer? Em primeiro lugar,
trabalhar em tempo integral, por não lembrar que (\Uase tudo o que se ouve
mais se poder gastar o dinheiro como se é pura bobagem. As velhas histórias
gostaria) para que a gestante não preci- das avós que tinham fundamento fo-
se ficar elaborando-os depois quando ele ram consubstanciadas cientificamente
chegar. Para isso, o melhor é comparti- e se tornaram parte da prática obsté-
lhar os sentimentos com o companheiro trica. As que não tinham, embora ainda
- e encorajá-lo a fazer o mesmo. estampadas na tapeçaria da mitologia
Embora as mudanças possam ser gravídica, podem ser absolutamente ig-
maiores ou menores, dependendo de co- noradas. As recomendações que deixam
mo o casal ordene suas prioridades, é a gestante em dúvida- "E se estiverem
verdade que a sua vida doravante não vai certos?" - e que, portanto, não po-
ser mais a mesma: em vez de dois serão dem ser ignoradas, devem ser discutidas
três. Não ob~tante, embora alguns recen- com o médico ou com outro f)rofissio·
tes do seu mundo se vejam encolhidos, na! da área.
outros se ampliam. Talvez o casal se sin- Seja uma possibilidade plausível, seja
ta renascer com o bebê. E a nova vida uma coisa obviamente ridícula, não se
talvez se torne a melhor de todas. pode deixar que os conselhos nos fa-
çam perder a cabeça. Ninguém, nem a
gestante, nem o bebê, se beneficiará
CONSELHOS com o aumento das tensões. Convém,
portanto, manter o senso de humor c
INDESEJÁVEIS fazer de duas uma: ou informar com
polidez ao bem-intencionado estranho,
"Agora que todos 1·Uem que eswu grá1•icJu, ro- amigo ou parente que j á se tem um obs-
dos - desde u minhu sugru u esrrunhus no 1!11!· tetra competente para dar conselhos e
Yildor- têm conselhos paru me dur. ls:w me que não é possível aceitar os conselhos
úl!ixu mulucu, " de mais ninguém, ou sorrir polidamen·
te, dizer obrigada e seguir em frente,
não ser partindo para a reclusão nu- deixando que os comentários entrem por
A ma ilha deserta, não há como a ges-
tante evitar os conselhos gratuitos das
um ouvido e saiam por outro - sem
paradas no caminho.
pessoas que a cercam. Há alguma coisa Independente do que se faça, contu-
no• ventttl ~rávlchn que faz llflorl}r o c.lo, e preçleo ae habllulll' li oYVI•loe. B ••
"especialista ' que em nós habita. E só há alguém que atraia mais conselheiros
a gestante sair correndo em volta do que uma mulher grávida é uma mulher
quarteirão de casa e vai aparecer alguém com um bebê no colo.
O QUARTO M~S 199

,
0 QUE E IMPORTANTE SABER:
FAZENDO SEXO DURANTE A GRAVIDEZ
fora os milagres médicos e religio- nos inalterado. E uma minoria mensu-

A sos, toda gestação começa com o


ato sexual. Assim, por que será
que aquilo que a colocou nessa situação
rável de gestantes sente-o aumentar sig-
nificativamente- muitas vezes porque
os hormônios gestacionais deixam a vul-.,_
agora se torna um dos maiores pro- va ingurgitada e ultra-sensível ou por-
blemas? que a maior sensibilidade mamária que
Quer o sexo se torne melhor do que para umas é dolorosa para outras é pra-
nunca, quer deixe de existir, quer se mos- zerosa. Essas mulheres podem experi-
tre apenas um pouco incômodo, quase mentar orgasmo ou orgasmos múltiplos
todos os casais passam por mudança3 no pela primeira vez.
Sl'U relacionamento sexual durante os no- O interesse muitas vezes - mas nem
ve meses de gravidez. sempre- se intensifica durante o segun·
As variações no apetite sexual e as rea- do trimestre, quando o casal se acha fí·
l ções antes da concepção são muito am- sica e psicologicamente mais bem
~ pias para que se comece por aí. O que ajustado à gravidez. Costuma decrescer
satisfaz um casal - relação sexual novamente ao aproximar-se o parto, de
"obrigatória" uma vez por semana, por forma ainda mais drástica do que no pri-
exemplo- pode ser completamente in- meiro trimestre- por razões óbvias: pri-
•satisfatório para outro, para quem um meiro, o abdome volumoso torna cada
só dia por semana pode ser insuficiente. vez mais difícil a aproximação; segundo,
Depois da concepção, tais variações po- as dores e os incômodos da gestação
dem mesmo se exacerbar. E para com- adiantada são capazes de esfriar a mais
plicar ainda mais a questão sexual, as quente das paixões; e terceiro, é difícil
oscilaç0cs físicas e emocionais podem concentrar-se em qualquer outra coisa
deixar o casal que mantém relação uma que não o evento tão ansiosamente es·
vez ao dia menos propenso para o amor perado.
do que o que mantém relação uma vez O prazer sexual, como o desejo sexual,
por semana, e vice-versa. parece diminuir em alguns casais- mas
Embora a intensidade varie de casal decerto não em todos. Num grupo de
para casal, é comum um padrão de inte- mulheres, 21 o/o tinham pouco ou ne·
resse sexual descendente-ascendente- nhum prazer com o sexo antes da con·
descendente durante os três trimestres da cepção. A percentagem das que não
aestação. Não surpreende que a diminui· vêem prazer no sexo aumenta para 41 o/o
ção do interesse sexual possa ocorrer no por volta de 12 semanas de gestação e pa-
Início da gravidez (numa pesquis.:~, 54 o/o ra 59% por volta do nono mês. A mes-
das mulheres revelaram redução da libi- ma pesquisa revelou que por volta de 12
do durante o primeiro trimestre). Afinal, semanas cerca de 1 em cada 10 casais dei-
a fadiga, a náusea, o vômito e os seios xara de ter relações sexuais; por volta do
clolo..'ldol êA turn•m 1'Qrl.lelra• ~· Ol\tlla nono me.. mah de um terço se abstinha.
não muito Ideais. Nas que não têm maio- Convém no entanto lembrar quí' tt PI!S•
res incômodos nesse período, contudo, quisa verificou que mais de 4 em cada
o desejo sexual permanece mais ou me- 10 mulheres ainda desfrutavam do sexo
200 OS NOVE MESES

nesse período - e dessas, mais da me- xo quando não se está predisposta: a


tade sem problemas. náusea muitas vezes é agravada pelo es-
Assim, pode ser que a leitora descubra tresse emocional. (Ver p. 138 para algu-
que o sexo durante a gravidez seja o mais mas sugestões para minimizar a náusea
prazeroso que já teve. Ou que seja algo matutina.)
difícil, embora quisesse dele desfrutar.
Ou que se tenha tornado uma obrigação A fadiga. Costuma ceder por volta do
incômoda. Ou que chega a ser abandona- quarto mês. Até então, fazer sexo en-
do. A atividade sexual "normal" durante quanto brilha o sol (sempre que tiver
a gestação, como tantas outras facetas do oportunidade) em vez de obrigar-ne a fi.
ciclo, é a que é normal para você. car acordada até tarde para o romance.
Se as tardes de fim de semana estão li-
vres, convém tirar a soneca acompanha-
A SEXUALIDADE da de uma sessão de sexo. (Ver mais
DURANTE A GESTAÇÃO sobre alfvio da fadiga à p. 135.)

nfelizmente, há obstetras tão inibidos A mudança de forma. Fazer sexo pode


Ileigas.
a respeito da sexualidade quanto nós,
Muitas vezes não dizem ao casal
ser inconveniente e incômodo quando a
barriga enorme parece tão alta e proibi-
o que vão ter pela frente, nem o que não tiva quanto uma montanha no Himalaia.
vão ter, na sua intimidade conjugal. E Ao evoluir a gestação, a ginástica para
isso deixa muitos sem saber como escalar o abdome cara vez maior pode,
proceder. para alguns casais, não valer o esforço.
Ao entendermos por que o sexo du- (Mas há formas de contornar a monta-
rante a sestação é diferente do sexo em nha; ver p. 203.) Além disso, a silhueta
outros períodos da vida, conseguimos volumosa da mulher poderá desestimu-
atenuar os medos e as preocupações e lar um ou ambos os parceiros. Trata-se
tornar a atividade sexual (ou sua absti- de reflexo condicionado que se pode eli-
nência) mais aceitável e mais prazerosa. minar pensando o seguinte: ser barrigu-
Em primeiro lugar, há muitas altera- da (na gestação) é ser bonita.
ções físicas que interferem no interesse
e no prazer sexual real tanto positiva O íngurgítamcnto da genitália. O maior
quanto negativamente. Alguns fatores fluxo de sangue para a região pélvica,
negativos podem ser modificados de sor- provocado pelas mudanças hormonais
te a não interferirem tanto na vida se- da gravidez, pode fazer aumentar ares-
xual; outros exigirão da gestante ter que pos•a sexual em algumas mulheres. Mas
se habituar a eles -e a fazer sexo ape- pode também tornar o sexo menos gra·
sar deles. tificante (sobretudo mais ao fim da gra-
videz) se uma sensação incômoda, de '
A náusea e o vOmito. Se a náusea mati- plenitude nilo-alcançada, de falta de ali• ;
nal acompanha a gestante dia e noite, vio, persiste residualmente após o orgas·
talvez convenha esperar pelo desapare- mo. Fica a sensação de que não se ,
cimento dos sintomas. (Na maioria dos conseguiu. Para os homens, o ingurgl-
casos, o problema começa a ceder pelo tamento dos órgãos genitais pode tam-
fim do primeiro trimestre.) Se a ataca bém aumentar o prazer (se se sentem
só em determinadas horas, o melhor é prazerosamente acariciados) ou diminui·
tornar o horário nexlvel, aproveitan- lo (se sentem a vaaina multo apertada e
do os momentos mais oportunos. Não perdem t . ereção).
convém forçar a disposlçllo para o se-
O QUARTO M~S 201

Secreção de colostro. No final da gravi- tecida. Isso significa que a penetração


dez, algumas mulheres começam a pro- profunda pode causar sangramento, so-
duzir colostro nos seios, uma substância bretudo ao fim da gestação, quando a
prévia ao leite materno. O colostro po- cérvice começa a amadurecer para o par-
de ser secretado pelos seios durante a to. Se isso ocorrer (excluído, pelo obs-
estimulaçâo sexual, e pode ser desconcer- tetra, o aborto espontâneo ou qualquer
tante durante a fase preliminar do sexo. outra complicação que exija a abstinên-
Não é, por certo, motivo de preocupa- cia sexual), é só evitar a penetração
çâo, mas se a incomodar ou ao seu com- profunda.
panheiro, pode facilmente ser evitado se
não forem feitas carícias nos seios. Há também uma grande lista de pro-
blemas psicológicos que podem interfe-
Sensibilidade mamária. Alguns casais fe- rir no prazer sexual durante a gestação.
lizes divertem-se durante a gravidez nas Também estes podem ser minimizados.
alegrias dos seios cheios-e-firmes-pela-
primeira-vez. Mas muita gente acha que, Medo de machucar o feto ou de causar
no início da gestação, talvez se tenha de aborto. Na gestação normal, a relação
negligenciar os seios durante o sexo por sexual não machuca o feto e nem causa
se mostrarem muito dolorosos. (Convém aborto. O feto se acha bem amortecido
informar ao parceiro do incômodo, e e protegido no útero e na bolsa amnióti-
não ficar sofrendo e se ressentindo em ca, a qual se acha devidamente lacrada,
silêncio.) Toc'.avia, ao diminuir a sensi- isolada do mundo exterior pelo tampão
bilidade, ao fim do primeiro trimestre, mucoso na boca da cérvice.
a extrema sensibilidade dos seios estimu-
la o sexo em alguns casais. Medo de que o orgasmo provoque abor-
to ou dê início ao trabalho de parto. Em-
As alterações nas secreções vaginais. As bora o útero se contraia com o orgasmo
secreções aumentam de volume e se mo- - contrações bem pronunciadas em al-
dificam na consistência, odor e sabor. gumas mulheres, que chegam a perdurar
A maior lubrificação pode tornar o coi- por meia a uma hora depois do coito -
to mais prazeroso para o casal quan- isso não significa que esteja entrando em
do a vagina da mulher foi sempre seca trabalho de parto e não apresenta peri-
e/ ou incomodamente estreita. Ou tal- go para a gravidez normal. No entanto,
vez torne o canal vaginal tão molhado o orgasmo, particularmente o de tipo
e escorregadio que o homem encontre mais intenso, desencadeado pela mastur-
dificuldade em manter a ereção. O chei- bação, poderá ser proibido em gestações
ro e o sabor mais intenso das secreções de alto risco de aborto espontâneo ou de
podem tornar o sexo oral desagradável trabalho de parto prematuro.
para alguns homens. Passar óleos per-
fumaâos na reaiAo púbica ou na parte Medo de que o feto esteja "obscl'\'undo"
interna das coxas ajuda a disfarçar o ou "sabendo". Embora o feto possa des-
problema. frutar do delicado embalo proporciona-
do pelas contrações uterinas depois do
Sangramento causado pela sensibilidade orgasmo, nem é capaz de ver, nem de en-
dll cérvlce. A boca do útero tumbém se tender o que se pa! sa durante o coito, e
ingurgita durante a gestação- atraves- decerto não guarda nada na memória.
sada por muitos outros vasos sangüíneos As reações fetais (menor movimento du-
para acomodar o maior fluxo de sangue rante a relação, e depois os chutes e as
para o útero - e fica muito mais amo- contorções furiosas, além da aceleraçllo
OS NOVE MESES

do batimento cardíaco, depois do orgas- Hostilidade subconsciente. Do futuro


mo) se baseiam exclusivamente nas ati- papai para com a mulher, por ciúmes de
vidades hormonal e uterina. ela haver se tornado o foco das atenções.
Ou da futura mamãe para com o ho-
Medo de que a introdução do pênis na mem, por ver nele a causa de todo o so-
vagina cause infecção. Desde que o ho- frimento (sobretudo quando a gestação
mem não seja portador de doença se- é difícil) trazido para o bebê que ambos
xualmente transmissível, parece não querem e que ambos irão desfrutar. São
haver perigo de infecção, para a mãe e sentimentos a serem discutidos, mas não
para o feto , através do coito durante os na cama.
primeiros sete ou oito meses. O bebê se
acha seguramente protegido no interior Crença de que o coito nas últimas seis
do saco amniótico, que não pode ser pe- semanas vai desencadear o trabalho de
netrado seja por sêmen, seja por mi- parto. É verdade que as contrações ute-
croorganismos infecciosos. Os obstetras, rinas desencadeadas pelo orgasmo se tor-
na sua maioria, crêem ser isso verdadei- nam mais fortes com o evoluir da
ro inclusive no nono mês - enquanto gestação. Mas a menos que a cérvice es-
permanecer íntegra a bolsa d'água (an- teja madura, tais contrações parecem
tes de as membranas se romperem). Mas não causar o inicio do trabalho de parto
como podem se romper a qualquer mo- - conforme atestam muitos casais que
mento, alguns recomendam o uso de ca- esperançosamente tentaram o sexo diá-
misinha durante o coito nas últimas rio obrigatório. No entanto, como nin-
quatro ou oito semanas de gestação, co- guém sabe exatamente o que dá inicio ao
mo reforço para evitar infecções. trabalho de parto e corno algumas pes-
quisas mostram aumento dos partos pre-
Ansiedade wm relação à próxima atra- maturos entre casais que mantêm
ção. A futura mamãe e o futuro papai relações nas últimas semanas de gesta-
estão sujeitos aos sentimentos confusos ção, muitas vezes se prescreve a abstinên-
em relação ao iminente e abençoado cia sexual para as que têm tendência ao
evento; considerações sobre as respon- parto pré-termo.
sabilidades e as mudanças de vida e os
custos financeiros e emocionais de criar Medo de "acertar" o bebê depois da ca-
o bebê podem inibir a atividade sexual. beça insinuada na pelve. Mesmo os ca-
Essa ambivalência pela qual muitos ca- sais que não se preocupavam antes com
sais passam deve ser discutida aberta- o coito passam a se preocupar por cau-
mente, e não trazida para a cama. sa da proximidade do bebê. Muitos mé-
dicos dizem que, embora não seja
A relação cambiante entre o marido e a possível machucar o bebê, a penetração
mulher. O casal pode ter problemas em profunda nâo será cômoda nessa fll.se,
se ajustar à idéia de não mais ser apenas e deve ser evitada.
amantes, apenas um homem c uma mu-
lher, e sim de se tornarem pais. Afinal, Alguns fatores psicológicos podem
muitos de nós ainda evitamos associar o também Interferir nas relações sexuais,
sexo aos nossos pais, embora sejamos mas para melhor:
prova viva de que a associação existe.
Por outro lado, alguns casais podem des- Mudanças no sexo proc:rlatJvo paru o re-
cobrir que a nova dlmensllo em sua re· ~reiUivo. Alguns cusuls que bat11lharam
Jaç!o traz uma nova Intimidade para a para que a mulher engravidasse podem
cama- e, com ela, uma nova excitação. se deliciar ao verem que podem faz~:r !.e-
O QUARTO M~S 203

xo só pelo prazer- livres dos termôme- • Durante o primeiro trimestre, se hou-


tros, das tabelas, dos calendários e da an- ver história de abortamento espontâ-
siedade. Para estes, o sexo passa a ser neo ou se houver sinais de ameaça de
motivo de prazer pela primeira vez de- aborto durante a gravidez atual.
pois de meses, às vezes depois de anos.
• Durante as últimas 8 a 12 semanas, se
Embora a relação sexual durante a a mulher tiver história de trabalho de
gestação possa ser diferente da que se vi- parto prematuro ou de ameaça de tra-
vendava antes, é na maioria dos casos balho de parto prematuro, ou se esti-
perfei:.amente segura. De fato, faz bem ver sentindo sinais de trabalho de
à gestante tanto física quanto emocional- parto prematuro nesta gestação. ·.
mente: pode manter a mulher e o mari-
do mais próximos; pode ajudar a manter • Se as membranas fetais (bolsa d'águ.a)
a forma, preparando a musculatura pél- se romperem.
vica para o parto; e é relaxante- o que
é benéfico para todos, Inclusive para o • Quando se sabe que há placenta pré-
bebê. via (placenta em posição anormal,
junto ou perto da cérvice, de onde se
pode descolar prematuramente, du-
QUANDO SE DEVE rante a relação sexual, provocando
sangramento e ameaçando a mãe e o
RESTRJNGIR A bebê).
ATIVIDADE SEXUAL
• No último trimestre em gravidez
omo a atividade sexual tem mui- gemelar.
C to a oferecer ao casal que espera um
filho, seria ideal que todos dela tirassem
proveito durante a gestação. Contudo, DESFRUTAR MAIS
para alguns ela não é permitida. Nas ges- DO SEXO, MESMO
tações de alto risco, as relações podem
ser restringidas em determinados perío- QUANDO SE PRATICA
dos, às vezes durante os nove meses. MENOS
Nourros casos, as relações são permiti-
das desde que a mulher não chegue ao bom relacionamento sexual, prolon-
orgasmo, ou só são permitidas as ca-
rícias mas não a penetração. Convém
O gado - como os bons casamentos,
duradouros -, dificilmente se constrói
saber precisamente o que é seguro e da noite para o dia (mesmo quando a
quando é essencial; se o médico instruir noite foi ótima). Constrói-se com práti-
a gestante no sentido da abstinência, ca, com paciência, com compreensão e
cumpre indagar por que e se a referên- com amor. Isso também vale para o re-
cia é quanto à relaçlo em si ou ao or- lacionamento sexual já estabelecido que
gasmo, ou a ambos, e se as restrlçOes sao padece das agressões emocionais e flslcas
temporárias ou se se aplicam a toda a da gestação. Aqui vão alguns conselhos
gestação. muito úteis:
A atividade sexual será restrita nos se-
auintes casos: • Nunca deixar que a freqüência ou a in-
freqüência das relaçOea lntçrflro em
• Sempre que ocorrer sangramento (he- outros aspectos do relacionamento.
morragia) inexplicado. Lembrar que a quali.tJe.r.!P. do sexo P.
204 OS NOVE MESES

sempre mais importante do que a Entre as posições mais cômodas estão:


quantidade - sobretudo durante a o homem por cima, mas um pouco de
gravidez. lado ou apoié\do nos braços (para não
soltar o próprio peso sobre a mulher);
• Insistir no amor, não no sexo. Se um a mulher por cima (evitando a pene-
dos dois não se sentir com vontade de tração profunda); ambos de lado -
fazer sexo, ou se este passou a ser frus- com a mulher de frente ou de costas.
trante por não ser mais plenamente
gratificante, buscar rotas alternativas • Manter as expectativns dentro c:'a rea-
para a intimidade. As possibilidades lidade. Embora algumas mulhere~ só
são bem maiores do que as numero- atinjam o orgasmo pela primeira vez
sas posições encontradas em qualquer durante a gestação, pelo menos uma
manual de sexo. Por exemplo: beijos pesquisa revela que a maioria das
e abraços à antiga, ficar de mãos da- mulheres não chega ao orgasmo re-
das, carinho nas costas, massagem nos gularmente durante a gestação- so-
pés, tomar leite juntos na cama (ou bretudo no último trimestre, quando
milk shake, ver p. 125 para a receita), só uma em quatro consegue atingir o
ler poemas de amor, ver televisão clímax de forma consistente. A meta
aconchegados num cobertor, tomar não há de ser sempre o orgasmo; às
ducha juntos, sair para um jantar à luz vezes só a proximidade física pode sa-
de velas bem romântico (ou fazê-lo em tisfazer.
casa), encontrar-se para um almoço
tranqüilo - ou seja o que for para • Se o médico proibiu o sexo durante
fortalecer a relação amorosa. qualquer período da gestação, pergun-
te se vale o orgasmo- via masturba-
• Reconhecer as possíveis sobrecargas ção mútua. Caso esta prática também ,.
que a futura paternidade trará para a lhe seja proibida, o prazer ainda po-
relação e aceitar as possíveis mudan- derá vir ao proporcionar ao marido l
ças na intensidade do desejo sexual de prazer dessa forma.
um ou de outro. Discutir os problemas
abertamente; não escondê-los ou ten- • Se o médico proibir o orgasmo mas
tar escondê-los. Se os problemas se não o coito, talvez a gestante queira
avolumarem, convém recorrer a auxí- desfrutar do sexo sem chegar ao clí·
lio profissional. max. En.bora não possa ser ·:omple·
tamente satisfatório, pode p1 omover
• Pensar positivamente: O sexo é um uma sensação de intimidade:. Outra
bom preparo físico para o trabalho de possibilidade: coito entre as coxas.
parto e o parto. (Poucos são os atle-
tas que desfrutam dessa aatiafaçllo no Mesmo quando a qualldado:, ou a
treinamento.) quantidade, das relações sexuais tiver
deixado de ser o que era, cumpre enten·
• Pensar nas novas posições para o se- der o que se passa na dinâmica da sexua·
xo durante a ara vi dez como uma avcn· lldade durante a gravidez para que se
tura. Mas se dar tempo pura mantenha o bom r~:laclonamento - até
adaptar-se a elas. (Tentar uma primei· mesmo que se o fortaleça- sem o c<'itO
ra vez ainda com roupa, para se fa- freqUeme ou espetacular.
miliarizar com ela quando for real.)
--9--
O Quinto
Mês
A CONSULTA

esta vez o obstetra vai retornar • Tamanho e forma do útero, pela pal-

D a vários pontos já observados


anteriormente e, de forma aná-
loga, poderá abordar outros pontos,
pação externa

• Altura do fundo uterino (o alto do


em função de seu próprio estilo de aten- útero)
dimento e das necessidades da gestan-
te. 1 Entre os elementos averiguados es- • Exame das mãos e dos pés, para sur-
tão: preender edema (inchação), e também
das pernas, para ver se há varizes
• Peso e pressão arterial
• Sintomas até então apresentados, so-
• Urina (pesquisa do açúcar e das pro- bretudo os menos comuns
teínas)
• Questões e perguntas trazidas pela ges-
• Batimento cardiofetal tante- convém levar uma üsta pronta

Os SINTOMAS COMUNS
j,
possível que você sinta todos eles tros ainda são dificilmente percebidos

E ou apenas alguns. Uns já terão sur-


gido nos meses anteriores, outros
talvez ~6 tenham aparecido agora. Ou-
por você ter se habituado a eles. Podem
também ocorrer sintomas menos
comuns.
FfSICOS:
1
Cor.sultar o Apendice p11ra a expllc11çâo dos
procedimentos e dos exames realizados. • Movimentos fe~ais
21)6 OS NOVE MESES

• Prisão de ventre

0 ASPECTO FíSICO • Azia, dispepsia, flatulência ; ctistensão


abdominal
NO QUINTO MÊS
• Cefaléia, tonteira ou desmaio oca-
sionais

• Congestão e, por vezes, sangramento


nasal; entupimento dos ouvidos

• Sangramento das gengivas

• Apetite voraz

• Cãibras nas pernas

• Edema discreto (inchação) dos torno-


zelos e dos pés, por vezes das mãos e
do rosto

• Varizes nas pernas e/ou hemorróidas

• Taquicardia (aceleração do batimen-


to cardíaco)

Por volta do quinto mês, a atividade do • Orgasmo facilitado - ou dificultado


concepto, jd com 20 a 25 em, é intensa o
bastante para ser percebida pela mãe. O • Dores nas costas (lombares)
lanugo, uma pelugem fina e macia, já lhe
recobre o corpo; cabelos começam a
crescer-lhe na cabeça; aparecem os cmos • Alterações da pigmentação cutânea no
e as sobrancelhas. É também recoberto abdome e/ ou na face
por uma camada protetora: a vemix
:as~ostJ.
EMOCIONAIS:

• Aumento da secreção vaginal esbran- • Aceitação da realiJade da gravidez


quiçada (leucorréia)
• Menor oscilação do humor, emb::> ra
• Dolorimento no baixo-ventre (por dis- ainda ocorra irritabilidudc esporactica·
tensão dos ligamentos que sustentam mente; persiste a distração ou o desli-
o útero) gamento
O QUINTO M~S

As PREOCUPAÇÕES COMUNS

FADIGA
um teste em cobaia. Os autores da déca-
"Fico cansada fazendo exerclcios ou limpan- da de 40, entretanto, erravam o alvo.
do a casa,· devo parar?" Embora a tonteira seja bastante comum
na gravidez, o desmaio, também chama-
N ão só a gestante deve parar quando
se sentir cansada, como também de-
ve, ;empre que possível, parar antes de
do de síncope, não é tão comum. São vá-
rias as razões, conhecidas ou supostas,
para que a gestante sinta aturdimento ou
sobrevir o cansaço. Chegar ao ponto da tonteira.
exaustão nunca é uma boa idéia. E du- No primeiro trimestre, a tonteira po-
rante a gestação é péssima idéia, aliás, de estar relacionada a insuficiente apor-
porque o tributo da sobrecarga não é pa- te sangüíneo ao sistema circulatório, em
go só pela gestante, mas também pelo rápida expansão; no segundo, pode ser
concepto. Cumpre prestar muita atenção causada pela pressão do útero em expan-
aos sinais de cansaço. Ao sentir falta de são sobre os vasos sangüíneos maternos.
ar durante breve corrida ou ao achar que A tonteira pode ocorrer a qualquer mo-
o aspirador de pó de repente parece pesar mento em que você mude de posição, por
uma tonelada, convém fazer uma pausa. exemplo, ao levantar-se depois de ficar
Em vez das sessões de maratona, a sentada ou recostada. É o que se chama
gestante precisa ir devagar, compassada- de hipotensão postura!. É causada pelo
mente. Um pouco de trabalho ou de repentino desvio de sangue do cérebro
exercícios, um pouco de repouso. O mais quando há um súbito declínio da pres-
das vezes se consegue dar conta do tra- são arterial. A cura é simples: sempre
balho dentro ou fora de casa sem a ex- levante-se gradualmente. O salto brusco
trema fadiga depois. Se ocasionalmente da cadeira para atender ao telefone po-
alguma coisa deixar de ser concluída, de fazê-la aterrissar de novo no sofá.
você já estará treinando para os dias Voei! também pode ficar tonta porca-
futuros, quando as demandas da mater- rência de açúcar no sangue. Em geral, is-
nidade impedirem que se termine tudo o so é causado pelo jejum prolongado e
que se começa. Veja dicas para aliviar a pode ser evitado pelo consumo de proteí-
fadiga na p. 135 nas (que ajudam a manter o nível do açú-
car no sangue) em cada refeição e pela
adoção de refeições menores e mais fre-
DESMAIOS E qUentes ou de lanches entre as refeições
TONTEIRA principais. Traga sempre consigo uma
caixa de passas, um pedaço de fruta ou
"Sinto-me tonta uo me levantar depois de fi· biscoitos integrais na bolsa para repor ra-
car sentada ou deita®. E ontem quase desmaiei pidamente o açúcar baixo no sangue.
.:nquantofazia cumpras. Estou bem? Isso pre- A tonteira pode atacar também em
judica o beb2?" ambientes superaquecidos, no escritório,
em ônibus, sobretudo quando se está
N os filmes que passam na TV, de ma-
drugada, um desmaio um indica·
é
dor mais confiável de gravidez do que
com muita roupa. A melhor forma de
contornar esse tipo de tonteira está em
tomar ar fresco fora do ambicute 01.1
208 OS NOVE MESES

abrindo a janela. Tire o casaco e afrou- teriormente. O teste permite descobrir a


xe as roupas - sobretudo no pescoço e mãe infectada e a instituição do trata-
na cintura. É uma manobra que sempre mento prevent\vo no bebê ao nascer (ver
ajuda. p. 363).
Se você se sentir tonta ou achar que
vai desmaiar, tente aumentar a circula-
ção cerebral deitando, se possível, com POSIÇÃO PARA DORMJR
os pés elevados (não elevar a cabeça) ou
então sentando com a cabeça entre os "Sempre dormi de barriga para baixo. Agora
joelhos, até ceder a tonteira. Se não hou- tenho medo. Mas todas as outras posiçlJes silo
ver lugar para deitar ou sentar, ajoelhe- incômodas."
se sobre um só joelho e incline-se para
a frente como se fosse amarrar o sapa- enunciar à posição favorita para
to. O desmaio verdadeiro é raro, masca-
so você desmaie, não há motivo pa1 a
R dormir durante a gestação pode ser
coisa tão traumática quanto renunciar ao
preocupação ·- embora o fluxo de san- ursinho de pelúcia aos seis anos de ida·
gue para o cérebro esteja temporaria- de. A mudança a fará perder o sono du-
mente reduzido, isso não afeta o bebê. 2 rante algum tempo - mas só até você
Notifique o médico sobre qualquer se acostumar à nova posição. E o mo-
tonteira ou desmaio quando encontrá-lo mento para acostumar-se a ela é agora,
ou na próxima consulta. Em caso de antes que a barriga em expansão dificulte
desmaio verdadeiro notifique-o imedia- ainda mais achar qualquer comodidade,
tamente. O desmaio freqüente- ocasio- seja em que posição for.
nalmente sinal de grave anemia ou de As duas posições preferidas mais co-
outra enfermidade- precisa ser avalia- muns para dormir - de barriga e de cos-
do pelo médico. tas - não são recomendadas durante a
gravidez. A primeira por motivos óbvios:
ao crescer a barriga, dormir sobre ela é
TESTE DE HEPATITE tão cômodo quanto dormir sobre uma
melancia. A outra, de costas, embora
"Estou no quinto m~s e meu obstetra me soli· mais confortável, coloca todo o peso do
citou um exame de hepatite B. Por quR?" útero grávido sobre as costas, sobre os
imestinos e sobre a veia cava inferior (a
o· e vem se recomendando o teste da
H hepatite B em todas as gestantes pe-
lo menos uma vez durante a gravidez, em
geral no final do segundo trimestre. Is-
so é porque a hepatite B, diversamente
da hepatite A, pode ser transmitida ao
feto, quase sempre durante o parto, em-
bora às vezes durante a própria gravidez.
Cerca de 9 entre lO bebês Infectados,
sem tratamento, se tornarão portadores
crônicos da doença, com risco de com-
plicações hepáticas mais graves ulte-

20 primeiro socorrÕ para as futuras ma :nlles

que desmaiam de fato ~ o mesmo indicado co-


mo medida preventiva. Dormindo sobre o lado esquerdo.
O QUINTO MSS 209

veia responsável pelo retorno do sangue sar, a gestante tende a trazer os ombros
da parte inferior do corpo para o cora- para trás e a arquear o pescoço. Ao ficar
ção). Assim agravam-se as dores lomba- de pé com a barriga empurrada para a
res e as hemorróidas, inibe-se a função frente- para ter certeza de que ninguém
digestiva, interfere-se na respiração e na deixe de notar que está grávida-, com-
circulação e possivelmente se causa hi- plica-se o problema. B vem o resultado:
potensão (baixa pressão arterial). costas acentuadamente recurvadas em-
Isso não quer dizer que a gestante de- baixo, músculos lombares estirados, dor.
va dormir de pé. Deitar de lado, reta ou Mesmo a dor com uma finalidade in-
encurvada - preferivelmente sobre o la- comoda. Mas sem frustrar essa finalida-
do esquerdo - com uma perna cruzada de, você pode conquistá-Ia (ou ao menos
sobre a outra e provavelmente com um subjugá-la). O melhor enfoque, como
travessseiro entre elas, é o melhor para sempre, é a prevenção: engravidar já
a mãe c para o feto. A posição não só com musculatura abdominal forte, com

I otirniza ao extremo o fluxo de sangue e


de nutrientes para a placenta como tam-
bém estimula a função renal, o que vai
significar melhor eliminação das escórias
boa postura e com uma mecânica corpo-
ral elegante. Mas não é tarde demais pa-
ra aprender a mecânica corporal que
minimize as dores nas costas da gravidez.

I metabólicas e dc.s líquidos e menor ede-


ma (inchação) dos tornozelos, dos pés e
das mãos.
Muito poucas são as pessoas, todavia,
que permanecem numa só posição du-
Alinhe o corpo adequadamente, pratique
o exercício pélvico de báscula, conforme
mostrado na p. 227. O seguinte também
ajuda:

rante a noite. Não se alarme se você • Procure manter o ganho de peso den-
acordar deitada de barriga ou de costas. tro dos limites recomendados (ver p.
Não há nenhum problema -apenas tor-
ne a deitar-se de lado. E não se preocu-
pe com o possível incômodo da posição
durante algumas noites: o corpo logo vai
se ajustar a ela.

DOllliS NAS COSTAS


''Sinto muitas dores r.as costas. Receio nao con·
seguir me pDr de pé no nono mUs. "

s dores e os incômodos da gravidez


A não foram feitos para torná-la uma
pobre coitada. São efeitos colaterais da
preparação do corpo para o grande even-
to que será o nascimento do bebê. As do-
rei nas costas não são exceção. Durante
a gravidez, as articulações da bacia, ha-
bitualmente estáveis, começam a se
afrouxar para facilitar a passagem do be-
bê no parto. Esse afrouxamento, junto
com o ventre crescido, dificulta o equi-
líbrio postura! do corpo. Para compen- Combate às dores nas costas: poslçdo correta,
210 OS NOVE MESES

nas costas for um problema, tente li-


mitar o número de objetos carregados.
Se for obrigada a carregar sacolas pe-
sadas do supermercado, divida bem o
peso entre elas e carregue uma em ca-
da braço, e não todas na sua frente ou
no colo.

• Evite ficar de pé por muito tempo. Se


precisar, mantenha um dos pés num
banquinho com o joelho dobrado pa-
ra prevenir a distensão c'.a região bai-
xa das costas. (Ver ilustração.) Ao
ficar de pé em superfície dura, ao
cozinhar ou ao lavar pratos, por exem·
pio, fique sobre tapete pequeno anti·
derrapante.

• Sente-se com as costas firmes. A ;:>o-


siçào sentada sobrecarrega mais a co·
Ao suspender objeros: dobrar os joelhos, rron· luna do que quase qualquer outra
co ereto. atividade, portanto cuide para sentar-
se direito. Isso significa sentar, quan-
do possível, numa cadeira que ofere-
182). Os quilos em excesso só aumen- ça apoio adequado, de preferência
taram a soprecarga exercida sobre as uma com encosto reto, com braços
costas. (use-os para ajudá-la a levantar-se da
cadeira) e com almofada firme que
Não use salto alto ou mesmo sapato não a deixe afundar na cadeira. Evite
sem salto sem o suporte conveniente. os bancos sent encosto. E, sempre que
Alguns médicos recomendam saltos de
5 em de largura para ajudar a manter se sentar, nunca cruze as pernas. As
o corpo alinhado. Há sapatos e pal- pen tas cruzadas não só causam pro-
milhas feitos especialmente para ali- blemas de circulação, como também
viar os problemas das pernas e das fazem-na inclinar a pelve muito para
costas durante a gostnçAo; peça eon· ll frente, aaravando a dor nos costas.
selho ao médico. Sempre que possível, sente-se com as
pernas um P•mco elevadas (veja ilus-
• Aprenda a maneira correta de suspen- tração, p. 211); ao dirigir, mantenha
der pesos (sacolas, crianças, trouxas o assento à frente, para que voe!! fi.
ce roupa, livros etc.). Não os erga de que com um joelho mais alto e dobra-
forma repentina. Estabilize primeiro do. Sentar-se por muito tempo pode
o corpo ampliando a base de susten- ter efeito tão indesejável quanto
tação (pés afastados, na mesma exten- sentar-se em má posição. Procure não
são dos ombros) e contraindo as ficar sentada por m11is do um11 hora
nádegas para dentro. Dobre os joe· sem espichar-se ou caminhar um pou·
lhos, não a cintura, e suspenda com co; seria ainda melhor determinar o 11·
os braços e as pernas, não com ascos- mite de meia hora.
tas. (Ver ilustração acima.) Se a dor
O QUINTO Mes 211

• Durma em colchão firme, ou coloque • Aprenda a relaxar. Muitos problemas


uma tábua sobre o colchão mais mole. lombares são agravados pelo estresse.
Urna posição confortável para dormir Se achar que é esse o seu caso, tente
(ver p. 208) minimizará o desconforto alguns exercícios de relaxamento
e as dores ao acordar. Ao sair da ca- quando a dor surgir. Siga também as
ma pela manhã, deixe as pernas caí- sugestões que começam à p. 147 para
rem do lado da cama até o chão: evite lidar com o estresse na vida.
contorcer-se ao levantar.
• Faça exercícios simples que reforcem
• Pergunte ao médico se um apoio para a musculatura abdominal, como os in-
o ventre ajud1rá a aliviar a pressão na dicados às pp. 227 e 228. ~
região inferior das costas.

• Não se estique para repor pratos na CARREGANDO CRIANÇAS


prateleira alta da cozinha ou para pen-
durar um quadro. Em vez disso, use MAIS VELHAS NO COLO
um banquinho firme e baixo. O ato de
alcançar objetos acima da cabeça for- "Tenho uma filha de 3 anos e meio que sem-
ça a musculatura da região baixa das pre quer que eu a carregue escada acima. Mas
costas. o seu peso está ucabunllo com as minhas cos·
tas."
• Use bolsa de água quente (enrolada em
toalha) ou banhos mornos (não quen- eria uma boa idéia acabar com esse
tes) para aliviar temporariamente as
dores musculares.
S hábito em vez de deixá-lo acabar com
as suas costas; o esforço de carregar o
feto em crescimento já é suficiente sem
que seja preciso acrescentar os 15 a 20
quilos da pré-escolar. Entretanto, cuida-
do para não culpar o seu futuro irmão
ou sua futura irmã pela mudança de há-
bito, culpe as suas costas. E faça muitos
elogios a ela pelos esforços em subir a
escada por conta própria.
Naturalmente haverá ocasiões em que
a sua filha n&o aceitará a ordem "suba,
como resposta. Portanto, aprenda a for-
ma correta de suspender peso (ver p. 210)
e tranqililize-se: de forma alguma isso vai
prejudicar o bebê que ainda não nasceu,
a menos que o médico tenha proibido es-
forço excessivo.

PROBLEMAS NOS PÉS


"Meus sapatos comeÇIIrom a ficar apertados.
Serfl que os pés estilo crescenJu junto com a
Poslçdo c(Jmodu para ficar sentudu. barriga?"
12 OS NOVE MESES

~em dúvida, embora não estejam exa- CRESCIMENTO RÁPIDO


..J tamente crescendo, estão ficando DO CABELO E DAS UNHAS
naiores. Em primeiro lugar, pelo edema
>róprio da gravidez (retenção de líqui- "Parece que meus cabelos e us minhas unhas
io). Em segundo lugar, pela gordura que nunca cresceram tão depressa antes. ''
)Ode se acumular na região. Além disso,
1á uma expansão das articulações nos abundante circulação e o maior me-
)és de origem hormonal (relaxina) que
iCOmpanha o afrouxamento das articu-
A tabolismo causados pelos hormô-
nios gestacionais nutrem também as cé-
.ações pélvicas para o parto. Embora o lulas da pele. Bons efeitos dessa maior
!dema desapareça depois do parto e vo- nutrição estão no crescimento mais rá-
;ê provavelmente perca em conseqüên- pido das unhas e do cabelo (este, se vo-
:ia os quilos a mais, é possível que os pés cê tiver sorte, fica mais espesso e mais
fiquem maiores, até em um número de brilhante).
sapatos (mesmo com o retorno das arti- A nutrição extra, entretanto, também
::ulações ao normal). causa efeitos menos felizes. Pode fazer
Nesse meio tempo, procure reduzir o com que o cabelo cresça em lugares que
excesso de edema (ver p. 254), caso seja a mulher preferiria não ter nenhum. As
esse o seu problema. Use sapmos mais regiões faciais (lábios, queixo e boche-
confortáveis- um para caminhar e tra- chas) são as mais atingidas por esse hir-
balhar, outro para ocasiões especiais. Os sutismo gravídico, mas os braços, as
dois não devem ter saltos com mais de pernas, as costas e a barriga podem tam-
5 em, devem ter sola antiderrapante e bém ser afetados. Grande parcela dos
muito espaço para os dedos se abrirem pêlos em excesso desaparece nos pri-
(experimente-os no fim do dia, quando
os pés estiverem mais inchados); ambos meiros seis meses depois do parto, em-
devem ser de couro ou de lona para que bora em muitos casos este excesso dure
os pés possam respirar. Se escolher com mais tempo.
atenção, poderá encontrar não só sapa- Embora não haja risco conhecido,
tos para o dia-a-dia, mas também para provavelmente não é boa idéia usar cre-
ocasiões formais, e que atendam a essas mes depiladores ou branqueadores de-
exigências. pois de saber que se está grávida. A pele
Há sapatos ortopéclicos feitos para pode também reagir a substâncias quí-
corri&ir o deslocamento do centro de gra- micas, e é inclusive possível que possam
vidade na gestação e que não apenas dão ser absorvidas pela corrente sangüínea.
mais conforto aos pés como também re- A depilação direta - dos pêlos faciais,
duzem a dor nas costas e nas pernas. No das pernas e das axilas - não apresenta
mercado norte-americano encontra-se problema.
um tipo para os primeiros seis meses e
outro para o trimestre final de gravidez.
Recomenda-se que a gestante converse a ABORTO TARDIO
respeito com o médico.
Chinelos usados durante várias horas "Sei, pelo que dizem, que depois do terceiro
por dia também são úteis para a redu· miau [ltflte n4o pff!cisu mull' StJ preooupur ~'Om
çao d11 fadiga e da dor nos pés e nas per- oborro. Mos sei de umo mulher que perdeu o
nas, embora não pareçam reduzir o filho no quinto me~·."
edema. Se as pernas doem ~ apresentam
cansaço no fim do dia, use chinelos ao ão obstante seja essencialmente ver·
chegar em casa - ou mesmo no traba-
lho, se for possível.
N dadeiro que as preocupações com o
abortamento espontâneo devem ser dei-
O QUINTO M es 213

J(adas de lado depois do primeiro trimes- sem cólica, chame imediatamente o mé-
tre, acontece por vezes que se pP.rde um dico ou vá para o hospital. Consulte a
filho entre a 12~ e a 20~ semana. Trata-se p. 392 para o tratamento da ameaça de
do abortamento tardio, que explica me- aborto e para a prevenção de abortos
nos de 250Jo de todos os abortos espontâ- futuros.
neos e é raro na gestação normal, de bai-
xo risco. Depois da 20 ~ semana, quando
o feto costuma pesar mais de 500 g e há DOR ABDOMINAL
a possibilidade de sobreviver COI •l aten-
dimento especializado, sua expulsão é •'f.s tou preocupadlssima com as dores que ve.
considerada parto prematuro, não mais nho sentindo dos Judos da baciu."
abortamento espontâneo.
Diversamente das causas do aborto que provavelmente a gestante está
precoce, que estão quase sempre relacio-
nadas ao concepto, as causas dos abor-
O sentindo no caso apontado é o es-
tiramento dos músculos e ligamentos
tos no segundo trimestre costumam se que sustentam o útero - coisa muito
vincular à placenta ou à mãe. 3 A pla- comum durante a gravidez. As dores
centa pode descolar-se prematuramente podem ser tipo cólica , agudas, em pon-
do útero, estar implantada em posição tadas, e não raro são mais percebidas
anômala, ou deixar de produzir os hor- quando a gestante se levanta da cama
mônios necessários para a manutenção ou da cadeira , ou quando tosse. Podem
da gravidez. A mãe poderá ter feito uso ser de breve duração ou perdurar por
de certos medicamentos, ou ter passado várias horas. Enquanto forem ocasio-
por cirurgia que tenha interferido nos ór- nais, não-persistentes- e não se acom-
1 gãos pélvicos. Pode ainda sofrer de in- panharem de febre, calafrios, hemor-
1 fecções graves, enfermidades crônicas ragia, aumento da secreção vaginal, des-
. não-controladas, grave desnutrição, dis- maios ou outros sintomas incomuns -,
função endócrina, miomas (tumores do não há motivo para preocupação. A ele-
útero), anomalia na forma uterina, ou vação dos pés e o repouso em posição
insuficiência cervical em que o colo se cômoda costumam trazer alívio. Você
abre prematuramente. Os traumatismos deverá, naturalmente, .mencioná-las ao
físicos graves, como os ocorridos em aci- obstetra na próxima consulta.
dentes, por exemplo, parecem ter só pe-
quena participação nos abortamentos em
qualquer estágio da gravidez. ALTERAÇÕES NA
Os primeiros sintomas do aborto es- PIGMENTAÇÃO DA PELE
pontâneo no segundo trimestre são a se-
creção vaginal avermelhada durante "Além da estria escura que desce pelo melo da
vários dias, ou uma secreção escassa e de minha barriga, agort1 estou com manchas es·
coloração parda durante algumas sema- curas no rusto. Isso é normal? Ser6 que I'OU
nas. Se você experimentar um desses sin- ficar assim depois da gftlvider;?"
tomas, não entre em pânico - podem
nllo ser nada de grave. Mas chame o m~­ llo os hormOnlos se•tacionais, mnls
dico no dia em que percebê-los. Se apre-
~~~nutr sanBramento acentuado, com ou
S uma vez, trabalhando. Da mesma
forma que escureceram a aréola ao re-
dor dos mamilos, agora estilo colorindo
3
Muhas çausas maternas de aborto espontân~o a linea alba - a linha branca que pro-
tardio podem ser prevenidas pelo atendirnemo vavelmente a gestante nunca percebeu e
médico correto. que desce pelo meio da ba.rr!!.l!'· até o a.l-
214 OS NOVE MESES

to do osso do púbis. Durante a gravidez As unhas podem também não escapar


vai se chamar linea nigra, linha negra. dos efeitos da gravidez. Talvez fiquem
Algumas mulheres, em geral as de pe- mais moles ou quebradiças e apresentem
le mais escura, também desenvolvem sulcos bem-desenvolvidos. Se mostrarem
uma alteração pigmentar tipo "más- sinais de infecção, consulte o médico so-
cara" na testa, no nariz e nas boche· bre o tratamento.
chas. As manchas são escuras nas de
pele clara e claras nas de pele escura. "Minhas pernl.!s e meus pés ficam azulados e
Essa máscara da gravidez, ou cloasma, com manchas roxos de vez em quando. Há ai·
gradualmente se dissipa depois do par- go c.'e errado com a minha circu/açiJo?"
to. Mas durante sua ocorrência, o bran-
queamento provavelmente não atenuará
evicto à maior produção de e:;trogê-
o cloasma (o que não é uma boa idéia
de qualquer forma), embora a maquia- D nio, muitas mulheres experimentam
essa alteração pigmentar transitória
gem possa camuflá-la. O sol pode inten-
sificar a coloração, portanto use um quando està•J com frio. É insignificante
protetor com fator de proteção solar e desaparecerá no puerpério.
(SPF) de 15 ou mais quando se expuser
ao sol, ou use um chapéu que dê som- "Me apareau um crescimento de pele, bem pe-
bra completa ao rosto. Como há indícios queno e mole debaixo do braço na marCil do
de que a pigmentação em excesso pode sutúl Fico achando que pode ser c4Jtcer."
estar relacionada à deficiência de ácido
fótico, certifique-se de que o complemen- que você está descrevendo pode bem
to vitamínico contenha essa substância
e que você não deixe de consumir ver-
O ser um retalho cutâneo, outro pro-
blema cutâneo benigno e comum na ges-
duras, laranjas e cereais ou pão integral tante e muitas vezes encontrado em áreas
diariamente. de atrito, como debaixo dos braços. Os
A hiperpigmentação (escurecimento retalhos cutâneos freqüentemente se de-
da pele) pode ocorrer em áreas de gran- senvolvem no segundo e no terceiro tri-
de atrito, como entre as coxas. Aí tam- mestres e podem regredir depois do
bém desaparecerá depois do pano. parto. Caso não regridam, podem ser fa-
cilmente removidos pelo médico.
Para ter certeza do diagnóstico, mos-
OUTROS SINTOMAS tre-o ao médico na próxima consulta.
ESTRANHOS NA PELE "Acho que estou cum brotoeja. Achava que só
"As palmas daJ' minhas maus panwem ~cmne· bobOs tinham l.~so."
<IS

lhas todo o tempo. Ser6 minha lmaglnaçiJo?"


a realidade, qualquer pessoa pocte
ão. E também não o detergente da
N desenvolver uma erupção desse tipo.
N é
cozinha. São os seus hormônios.
elevação dos hormônios da gravidez cau-
A
Mas é particularmente comum na gestan-
te por causa do aumento da perspiraçào
écrina oriunda das glândulas sudorípa-
sa uma vermelhidão pruriginosa das pal- ras que se distribuem por toda a super-
mas (e às vezes tamb~m da sola dos pés), fície do corpo e que estllo relacionadas
en1dois terços das mulheres brancas e em à regulação térmica . Aplique um pouco
um terço das mulheres da raça negra. de maisena depois do banho e procure
Mas isso desaparecerá logo depois do refrescar bem o corpo - são medidas
oarto. que ajudam a minimizar o desconforto
O QUINTO M~S 215

da erupção como também ajudam a necessidade absoluta de anestesia geral,


preveni-la no futuro. deve ser essa ministrada por anestesio-
Por outro lado, a perspiração apócri- logista experiente. Discuta com o dentis-
na, a causada pelas glândulas debaixo ta e com o médico para garantir
dos braços, sob os seios e na área geni- condições de segurança. Certifique-se de
tal, diminui na gravidez- assim, embo- um possível uso de antibiótico antes ou
ra você possa ter a referida erupção pelo durante o trabalho dentário.
calor, tem menos chance de apresentar Se depois deste a gestante ficar impos-
o odor de suor no corpo. sibilitada de mastigar sólidos, terá de
modificar um pouco a dieta. Com a die-
ta só de líquidos é possível obter os nu-
PROBLEMAS DENTÁRIOS trientes suficientes (temporariamente),
através de milk shakes ricos em proteí-
"Minha boca de repente se tornou uma área nas (ver Milk Shake Duplo, p. 125).
de desastre. As gengivas sangram quando es- Suplementando-os com frutas cítricas (se
covo os dentes, e acho que tenho uma cárie. não arderem na gengiva) e com caldo ou
!t1as tenho medo de ir ao dentista por causa sopa de legumes e carne reduzidos a pu-
da anestesia." rê, como nos suflês, com ricota, iogurte
ou leite desnatado. Depois de tolerar os
om'tanta aterção voltada para a bar- alimentos moles, passar para os suflês de
C riga durante a gravidez é fácil esque-
cer da boca - até que ela comece a cla-
legumes e de carne, ovos mexidos, iogur-
tes sem açúcar, compota de maçã, bana-
mar por igual atenção, coisa comum em nas amassadas, purê de batatas e cereais
virtude do pesado tributo pago pelas gen- amassados e cozidos, enriquecidos com
givas durante a gestação. As gengivas, leite em pó desnatado.
como as membranas mucosas do nariz, Naturalmente, para todos os proble-
tornam-se inchadas, inflamadas e apre- mas dentários o melhor é a prevenção.
sentam tendência a sangrar facilmente Um programa preventivo, seguido com
de\ ido aos hormônios da gravidez. atenção durante toda a gravidez- e de
Não convém esperar que o problema preferência por toda a vida - , ajuda a
se agrave. Ao Sl'sveitai de cárie ou de ou- evitar a maioria desses problemas.
tro problema incipiente, marque logo a
consulta. As vezes o risco para o feto é • Marque uma consulta com o dentista
maior quando se adia a consulta ao den- pelo menos uma vez durante os nove
tista do que quando se vai a ela. Os den- meses para uma revisão e limpeza -
tes cariados, malcuidados, oor exemplo, uma vez por trimestre é ainda melhor.
podom ser fonte de Infecção generaliza- A llmpozo é Importante para remover
da, colocando em perigo o feto e a mãe. placas, que não só aumentam o risco
Os dentes sisos impactados, que ora se de cáries mas também agravam os
infectam, ora causam grande dor, tam- problemas das gengivas. Evite os raios
bém devem ser logo tratados. X, a menos que absolutamente neces-
No entanto, cumpre tomar certas pre- sários, e nesse caso adote as precau-
cauções ao ir ao dentista ne:.se período, ções especiais sugeridas à p. 97. O
para garantir que o aporte de oxigênio trabalho de rotina que requeira anes-
ao feto nllo vá ser comprometido pelo tesia deve ser adiado, porque mesmo
uso de anestésicos gerais e que não seja os anestésicos locais podem entru.r
usado qualquer anestésico prejudicial ao na corrente sangüínea e atingir o fe-
concepto. Na maioria dos casos, basta to. Se você teve problemas gengivais
o emprego da anestesia local. Se houver no passado, deve fazer também uma
216 OS NOVE MESES

revisão periodontológica durante a costuma regredir espontaneamente de-


gravidez. pois do parto.

• Seguir a Dieta Ideal, não fazendo uso


de açúcar refinado, ou só o usando VIAGENS
pouco, sobretudo entre as refeições
(evite também frutas secas entre as re- "Será seguro sair de férias com meu marido
feições), e consumindo em abundân- na viagem que planejamos para este mês?"
cia alimentos ricos em vitamina 2. O
ara a maioria das gestantes, a viagem
açúcar contribui para as cáries e para
a doença gengival; a vitamina C for-
talece as gengivas, reduzindo a possi-
P durante o segundo trimestre não ape-
nas é segura, mas também uma oportu-
bilidade de sangramento. Assegurar a nidade perfeita para ficar sozinha com o
ingesta suficiente de cálcio diariamen- marido, aproveitando juntos mais alguns
te (ver p. 111). O cálcio é necessário momentos (pelo menos por um breve pe-
durante toda a vida para manter den- ríodo). E sem fraldas, sem mamadeiras,
tes e ossos fortes e sadios. e sem nada que diga respeito a bebts
para se preocupar, é certo que será bem
• Usar fio dental e escovar os dentes re- mais fácil sair de férias agora do que
gularmente, segundo a recomendação depois, já com ele por perto.
do dentista. (Se o dentista não a ins- Naturalmente é necessária a permissão
truir nessas medidas preventivas, é do médico; se a leitora tiver hipertensão
melhor trocar de profissional.) arterial, diabetes ou outros problemas
clínicos ou obstétricos, talvez não rece-
• Para reduzir ainda mais as bactérias ba a permissão. (O que não significa não
na boca, escovar a língua ao escovar poder tirar férias. Se não puder viajar,
os dentes. Ajuda a manter o hálito instale-se com o marido num hotel a uma
mais fresco. hora de distância do consultório do mé-
dico e aproveite!) Mesmo na gravidez de
• Se você não tiver à mão a escova de baixo risco, a viagem por longa distâr.-
dentes e não estiver perto de uma tor- cia não é uma grande idéi~. durante o pri-
neira depois de comer, mastigue um meiro trimestre, quando a possibilidade
chiclete sem açúcar ou belisque um pe- de aborto espontâneo é maior e quando
daço de queijo ou um punhado de o organismo ainda está se ajustando às
amendoim (todos parecem ter capaci- novas condições físicas e emocionais ine-
dade antibacteriana). rentes à gestação. De forma análoga,
também não se recomendam viagens lou-
"Descobri um n6dulo do lado da minha gengf. gas no terceiro trimestre porque, caso te-
q11e st~nsra toda vez que e.fcovo o.• dentes. "
11t1 nha início o trabalho de parto, a aestante
vai estar longe do médico e do hospital.
que você descobriu provavelmen- Não se recomenda viajar para grandes
O é
te um granuloma piogênico, que
pode aparecer na gengiva ou em qual-
altitudes em qualquer período da gravi-
dez, já que a adaptação da mãe à redu-
quer lugar do corpo . Embora sangre ção do oxigênio nessas condições pode
com faollldade e utmbl)m 110Ju gonho- Hur um r i s~:o pul'll Hl pt·<mrlu 4.l o feto . So
cldo pelo termo sombrio de "tumor da a gestante tlvel' de fazer viagem c.lesse ti-
gravidez", é perfeitamente inócuo. Se po, convém limitar os esforços físicos
incomodar muito, pode ser removido durante vários dias após a chegada, pa-
cirurgicamente. Se não for removido, ra minimizar f) risco da slndrome das
O QUINTO M~S 217

grandes altitudes.4 Se estiver no último gurando o aporte nutricional do bebê.


trimestre, o médico talvez recomende o (Ver Jantando Fora no Melhor Estilo, p.
exame cardiotocográfico, sem ocitocina, 219.) Não deixar de fazer o desjejum ou
ao chegar ao seu destino, depois um por o almoço só para poder depois esbanjar
dia, nos dois dias seguintes, e em segui- no jantar.
da duas vezes por semana. Qualquer si·
nal de sofrimento fetal irá justificar a Não beber água comum ao viajar para
administração de oxigênio e o retorno o estrangeiro, a menos que você tenha
para altitude mais baixa. certeza de sua pureza. (Optar pelo suco
Outros destinos impróprios são as re- de frutas e pela água mineral, para as-
giões do mundo em desenvolvimento pa- segurar a quota diária de líquidos.) Em
ra as quais seria necessário tomar vacina. algumas regiões pode não ser seguro co-
Algumas vacinas podem ser perigosas mer frutas, legumes ou verduras crus,
durante a gravidez. Outro ponto digno sem descascar.
de menção é que essas regiões podem ser
focos de certas infecções potencialmen- Preparar a caixa de pronto-socorro da
te perigosas para as quais não há vacina gestante. Trazer a quantidade suficiente
- outra razão para evitá-las. de vitaminas para toda a viagem; trazer
Obtida a permissão do médico, tudo latas de leite em pó desnatado se houver
de que se precisa são um mínimo de pla- chance de não encontrar leite fresco; tra-
nejamento e certas preocupações para as- zer também caixa de germe de trigo ou
segurar a boa viagem da gestante e do de cereais para qualquer eventualidade;
bebê: os rem~dios de enjôo não devem ser es-
quecidos, desde que prescritos pelo mé-
Planejar uma viagem relaxante. É pre- dico; o livro preferido sobre a gestação;
ferível rumar direto para o destino a fi- sapatos confortáveis e grandes o sufi-
car perambulando por nove cidades em ciente para' acomodar os pés inchados
seis dias. As viagens programadas pela depois dos passeios mais longos; e desin-
gestante são melhores do que as progra- fetante sanitário caso tenha de desinfe·
madas por agências de turismo, nesse tar algum banheiro público.
sentido. As horas de passeio e de com-
pras devem ser intercaladas com as de Ter à mão o nome de algum obstetra lo-
leitura, relaxamento e repouso. cal. Só pór via das dúvidas. O seu obs·
letra poderá indicar-lhe um. Há hotéis
Seguir a Dieta Ideal durante a viagem. que dão esse tipo de informação. Se não
Mesmo de férias, para o bebê a rotina puder encontrar um médico em caso de
segue: ele continua a crescer, a se desen- necessidade, procure o hospital mais pró-
volver e a necessitar dos mesmos nutrien- ximo ou o pronto-socorro local.
tes de antes . Não se requer um sacrifício
absoluto durante as refeições, apenas Levar a história médica consigo. É sem-
prudência. É só pedir os pratos com pre aconselhável, sobretudo quando se
consciência: além de saborear as delicias está grávida, viajar com Ulll cartão de in-
da cozinha local, a gestante estará asse- formações médicas em que esteja indi-
cado o tipo de sangue, as medicações em
u~o ou 1\11 qunl11 ó ulóraica, e qualquer ou-
Zamre CJM ~httomusdo tuul dus uh urus ou l.lu.~ tra lnformaçâo médlcn pertinente, ulént
ar andes altitudes estão: a falta de apetite, n náu-
sea, o vOmito, a flatulência (gases), a agitaçuo, do nome do médico, endereço e telefo-
a cefaléia, a lassidão, a falta de ar, a redução ne. Pegue uma prescrição extra para ca-
da micção e uma série de alterações psicológicas. da medicação em uso e leve-a consigo,
218 OS NOVE MESES

junto com o passaporte, caso haja extra- fim de que possa se levantar e esticar ou
vio das malas e dos medicamentos - usar o banheiro quando precisar), e nun·
temporário ou permanente - durante o ca voar em cabine não-pressurizada.'
trajeto. Você pode obter também a assina- Todos os jatos comerciais são pressuri-
tura de um médico local para as receitas zados, mas os de pequenas companhias
já assinaladas pelo seu médico na dda- particulares e alguns outros menures po-
de de origem; o médico num serviço de dem não o ser: as alterações na pressão
emergência concordará em ajudar você. a grandes altitudes podem privá-la- e
ao bebê - de oxigênio.
Evitar as mudanças de horário. As mo- Ao marcar o vôo, pergunte sobre a
dificações de horário e da dieta podem existência de refeições especiais e peça
complicar o problema da prisão de ven- uma que assegure a quota necessária de
tre. Para evitar isso, trate de fazer uso proteínas além de pão integral, se for
dos três principais inimigos da constipa- possível. Há companhias em que as re-
ção: as fibras, os líquidos e os exercícios. feições de baixo teor de colesterol, ovo-
(Ver Prisão de Ventre , p. 171.) Às vezes lactovegetarianas ou baseadas em pro-
ajuda fazer o desjejum um pouco mais dutos do mar asseguram melhor nutri-
cedo, para dar tempo de ir ao banheiro ção do que o cardápio regular. BebJ
antes de sair a passeio. água, leite e suco de fruta em abundân-
cia para combater a desidratação causa-
Quando tiver de ir ao banheiro, vá. Não da pela viagem aérea e traga consigo
estimular o aparecimento de infecção também biscoitos (integrais), pedaços de
urinária adiando as idas ao banheiro. Vá queijo, legumes crus, frutas frescas e ou-
sempre que sentir vontade. tros alimentos para complementar are-
feição durante o vôo.
Obtenha o apolo de que necessitar. Por Use o cinto de segurança com confor-
exemplo, meias elásticas. Sobretudo se já to - aperte-o abaixo do abdome. Se
sofrer de varizes- ou mesmo que apenas houver diferença de fuso horário para
suspeite de alguma predisposição a elas onde você vai, considere as possíveis con-
-use meias elásticas quando ficar muito seqüências. Repouse antes da viagem e
tempo sentada (em carr.)S, em aviões, em tenha um ritmo de vida calmo durante
trens, por exemplo) e quando ficar muito alguns dias ao chegar ao destino. Tam-
tempo de pé (em museus, em filas). bém ajuda se você tentar aos poucos mo-
dificar antecipadamente os seus hábitos
Nlo fique multo parada durante a via- para o horário da região para onde vai:
gem. Sentar por longos períodos pode antecipe ou atrase a hora das refeições
restringir a circulação das pernas. Le- e a hora de dormir, e depois de chegar
vante-se e ande, pelo menos de hora em exponha-se à luz forte -como a luz do
hora ou de duas em duas horas quando dia- durante o período om qu" estaria
estiver em aviAo ou trem. Ao viajar de dormindo se estivesse em casa.
carro, nAo deixe de parar de duas em
duas horas para esticar as pernas. Ao fi- Se estiver viajando de carro: Mantenha
car sentada, faça os exercícios simples à mão uma sacola ou bolsa com lanches
descritos à p. 230. nutritivos e uma garrafa térmica de su· 1
co ou de leite para quando a fome ata· '
Se estiver viajando de aviAo: ver se a car. Para as viagens longas, lt:ve uma
companhia a~rea Impõe n:strlções às ges- almofada ou algum outro apolo especial
tantes. Viajar na parte da frente do avião para as costas, desses vendidos em loja •
(de preferência próximo ao corredor, a de autopeças. Um travesseiro para
O QUINTO Mes 219

Jantando Fora, no Melhor Estilo


• Os melhores restaurantes são os que ser- tuldos pelos mais leves, ou peça peixes,
vem peixes, frutos do mar, aves, carnes frango, vitela e legumes frescos {couve, es-
mag;as, ao lado de legumes e verduras pinafre etc.). Há também os franceses, na
frescas, saladas variadas e batatas. linha nouve/le cousine {mais leve do que
Outra excelente opção, se seu estôma- a francesa clássica), embora os molhos de-
go andar indisposto com as iguarias, são vam ser pedidos à parte; os especializados
os especializados em comida indiana, em em comida Cajun, ou à Louisiana, desde
que são servidas entradas ricas em proteí- que você se atenha aos peixes {cozidos, no
nas {muitas vezes marinadas com iogurte) vapor, grelhados ou assados) ou aos fru-
ao lado de verduras, legumes e saladas, tos do mar e os ensopados de frutos do
além de pão integral, às vezes recheado mar/aves/legumes, como o jambalaya
com legumes, e temperad:.s com legumes {mas vá com calma no arroz branco); os
ao curry. (As vegetarianas facilmente po- especializados em comida judaica, se você
dem fazer uma refeição rica em proteínas evitar as carnes gordas {e alguns pratoses-
com lentilha, ervilhas, grão-de-bico e uma peciais que contêm nitratos), os molhos,
série de queijos vegetarianos.) os amiláceos supérfluos, o pão de centeio,
São poucos os restaurantes que aceitam e os picles salgados; e os gregos ou orien-
pedidos para limitar a quantidade de gor- tais, se pedir peixe grelhado ou assado, ou
dura, açúcar e sal, mas há os que ofere· carne de vaca, aves {também grelhadas ou
cem pães, arroz e massas feitos com fari- assadas), acompanhados de bulgur ou ar-
nh" de trigo integral; insista nas saladas roz integral.
e nos legumes, sempre. Em seguida vêm os chineses, pois mui-
tos oferecem arroz integral, pratos "leves"
• Num segundo ~rupo estão os italianos, des- ou feitos no vapor que não contêm gran-
de que os molhos cremosos sejam substi· de quantidade de molho de soja, mas evi-

apoiar o pescoço também ajuda a melho- ara a maioria das gestantes o desafio
rar o conforto. Se você não estiver atrás
do volante, sente-se o mais para trás pos-
P em almoços de negócios (ou em jan-
tares fora de casa) não está em substi-
sível para esticar ao máximo as pernas. tuir martínis por água mineral: o
E, naturalmente, use o cinto de seguran- verdadeiro desafio é fazer uma refeição
ça o tempo todo (ver p. 221). nutritiva em meio a um cardápio que in-
Se estiver viajando de trem: verificar se clui massas, pães, pratos bem tempera-
há vagão-restaurante com cardápio com- dos sem qualquer valor nutritivo e doces
pleto. Caso contrário, é preciso trazer tentadores. Mas através das seguintes su-
alimentos de casa em quantidade sufi- soatôell 6 posalvel fazer-se acompnnhnr
ciente. Ao viajar à noite, fique em vagão~ da Dieta Ideal em qualquer situação:
dormitório ou em cabine-Jeito. Nilo con-
vém começar as férias já com exaustão. • Afaste a cestinha do pão, a menos que
esteja repleta de produtos integrais
(faça uma exceção se estiver com mui-
COMENDO FORA ta fome e nilo houver mais nada à vis·
ta no horizonte). Cuidado com os p!!es
"Tento seguir o dieta corretamente, mas com "pretos", como os de centeio: o seu
Q/moço de neg(Jcios quase todos os dias, é quase aspecto integral pode ter origem em
lmposs/vel." caramelo ou em m.el.ado e não em
220 OS NOVE MESES

tando as frituras e os pratos agridoces ricos rantes naturais e vegetarianos (naturalmen-


em açúcar. A abundância de pratos com te, ideais para vegetarianas, embora muitos
toj u torna os restaurantes chineses uma ex- hoje sejam ideais para todo mundo). Neles
celente opção para as vegetarianas. consegue-se fazer refeições completas des-
Os restaurantes mexicanos e espanhóis, de que não fiquemos privadas de proteína
que oferecem cozinha mais leve, preparam e com excesso de gordura .
alimentos com óleo vegetal e não com ba-
nha de porco. incluem legumes no cardá- • Ent re os menos recomendados durame a
pio (excelente pedida: uma tigela de gravidez estão os japoneses, já que o sus-
gazpacho), que atendem bem à gestame; hi, como todo peixe e toda carne crua, é
estão entre os melhores para as vegetaria- um completo tabu, já que tempura .: fri-
nas, que obtêm ali proteínas e cálcio em tura e os pratos de sukiyaki e teriyaki são
abundância e enchiladas de milh J rechea- ricos em molho de soja (alto teor de só-
das de queijo e feijão. dio); os alemães, os russos e outros euro-
Em seguida, sobretudo para almoços, peus onde calorias de baixo valor nutritivo
se escondem nos pães, na gordura das fri-
vêm as delicatessen (se você evitar os frios
turas, nos bolinhos de massa, e nos mo-
e se ater ao atum, aos ovos, aos frangos, ou
lhos, e no excesso de gordura e de nitratos
às saladas, ou então aos sandufches de encontrados nas salsichas e similares.
atum, de ovo, de galinha, de peru, ou de ros- A comida brasileira oferece excelentes
bife com pão integral e com alface e toma- opções para gestantes, desde que se evitem
te, junto com uma salada de repolho cru); as frituras, os legumes excessivamente co-
os cojjeeshops, onde se consiga de tudo, zidos, os alimentos preparados na banha,
desde peixe grelhado a saladas, dos ovos e assim por diante.
quentes aos sanduíches de pâo integral; al- Alguma indis~ri ção ao jantar fora, mui-
guns restaurantes tipo jast-jood, sobretudo to ocasional, não prejudica evidentemen-
os que ofêreçam variedade de saladas ou te a Jleta da gestante. Mas não abuse ·-
outros cardápios mais sadios; e os restau- cuide-se.

grãos integrais. 1 Certifique-se de con- • Peça salada como primeira opçiio, e


trolar a manteiga ou a margarina no peça azeite ou vinagre em separado,
pão de acordo com a cota diária per- para que vo~ê mantenha a orientação
mitida; ao passá-las no pão lembre-se da Dieta Ideal para o consumo de gor-
que podem haver outras fontes de gor- dura. Entre os outros produtos dt~ pri-
dura na refeição (por exemplo, na co- meira escolha estão a mozarela fresca
bertura da salada, e nos legumes e os tomates, o coquetel ue camarão
amanteigados) . e os legumes grelhados ou marinados.

• Se pedir sopa, opte pelo consomê ou


'O consumo ocasional de massa branca, de ar- pelo caldo (claros), ou por sopa dele-
roz branco ou de pão branco não diminuirá as gumes, ou à base de leite ou de iogur-
chancea do bom resultado da Dieta ideal, mas te. Evite as sopas cremosas (a menos
seu consumo freqUente diminuirá. Se só for pos- que você saiba que foram feitas à ba-
sível esse tipo de alimento ao sair para comer i o-
ra, e se comer ror11 eom fl'equenciu, tra(IP consigo se de leite).
um pequeno frasco de germe de trigo (talvez você
acabe 1101111ndo do produto) e polviilw o llCrme • Como prato prlnclpul, dG preferençla
1101 alimentos sem valor nutritivo para dur-lhus
o valor nutricional que deveriam ter. Ou traga
a um com elevado teor de protelna e
consigo a sua própria porção de grãos integrais baixo teor de gordura. Peixe, aves e
ou de pão Integral. vitela costumam ser a melhor opção,
O QUINTO M~ 221

desde que assados, grelhados ou refo- da mulher jovem perder a vida é em aci-
gados, e nunca fritos em óleo ou man- dente de carro. E a melhor forma de
teiga ou em molhos ou temperos ricos. evitar esse desfecho - além de sérias
Se todos os pratos vierem com molho, lesões para a mãe e o filho que ainda
peça-o separ<~do . Muitas vezes o mal- não nasceu - é só uma : usar o cinto
Ire ou o cozinheiro-chefe atenderão ao de segurança. As estatísticas provam
pedido de um peixe grelhado com conclusivamente que é muito mais segu-
pouca ou nenhuma gordura. Se você ro colocar o cinto do que não colocá-lo.
for vegetariana, examine com atenção Para um máximo de segurança e um
o cardápio: dê preferência a vagem, mínimo de desconforto, aperte o cinto
ervilha, queijos, ou a outras combina- abaixo da barriga, sobre a pelve e as ·co-
ções semelhantes. Uma lasanha verde, xas. Se houver amparo para o ombro,
por exemplo, é boa opção em restau- use-o sobre o ombro e cruze-o em dia-

I rante italiano.

• Como complemento, batatas - me-


nos as fritas ou as feitas com muita
manteiga-, arroz integral, outros ce-
gonal pelo peito, não sob os braços. E
não se preocupe: a pressão do cinto nu-
ma parada brusca não vai machucar o
bebê, que é protegido pelo próprio líqui-
do amniótico.
reais, massas, feijões e ervilhas secas
e legumes frescos e pouco cozidos.
ESPORTES
• Exceto em ocasiões especiais, as sobre-
mesas devem ser restringidas a frutas "Gosto dejogar tênis e de nadar. Posso conti-
e morangos, amoras etc., frescos ou nuar?"
cozidos (com um bocado de creme ba-
ecomenda-se, sem dúvida, que todos
tido, se você desejar). As vezes, uma
espiral de iogurte gelado ou uma con- R preservem a aptidão física; as ges-
tantes não são exceçilo. Na maioria dos
cna de sorvete não têm problema. Se
você ansiar por algo mais, belisque um casos, a gravidez não implica abandonar
pouco a sobremesa que acompanha o a vida esportiva- basta lembrar que se
jantar. Não se acanhe ao chegar em está carregando na barriga uma nova vi-
casa: ataque os sucos; veja algumas re- da e praticar um pouco mais de bom sen-
ceitas às pp. 123 a 129. Ou experimen- so e moderação. Os médicos, na grande
te algumas das marcas existentes no maioria, permitem às gestantes com gra-
mercado. videz normal prosseguir com o esporte
que praticam, tanto quanto possível -
mas com várias advertências. Entre as
mais importantes: "Nunca fazer exercí-
O USO DE CINTO cios ao ponto da fadiga." (Ver Exerci-
DE SEGURANÇA cios Durante a Gravidez, p. 225 para
maiores informações.)
"Devo t.sar o cinto de segurança oo viqjur de
Cllrro ou de a viao?"
VISÃO
Q ual a principal causa de morte nos
puiacs dcs~:nvol vidos entre us mulhe-
res em idade fértd? Toxemla? Parto'/ In-
"Minhu •·lsOtl piorou depois que engra~·idl!l: As
lentes de contato nllo servem 1/IU($, Svró ql/1!
fecção puerperal? Na realidade, estQU delirundQ?"
nenhuma dessas. A forma mais comum
222 OS NOVE MESES

ão. Os olhos também podem pagar liza em posição tão baixa que chega a
N o preço da gestação, embora este-
jam distantes do útero. Pode haver per-
causar sintomas - recobrindo parcial ou
completamente o 6stio uterino, ou seja,
da da acuidade visual e as lentes de con- a abertura do útero.
tato podem se tornar incômodas. Tais Assim, como você pode ver, o médl·
efeitos quase sempre se relacionam à co tem razão. É muito cedo para se preo-
retenção de líquido, mas podem ser um cupar- e estatisticamente falando, são
problema. poucas as chances de que você tenha de
A visão deverá me!horar depois do se preocupar. Se a sonografia continuar
parto. Os olhos deverão voltar ao nor- mostrando a baixa placentação até o ol·
mal. É preferível usar óculos durante a tavo mês, já em fase adiantada, leia so-
gravidez ou lentes de contato gelatino- bre a placenta prévia à p. 401.
sas, se possível, até o parto.
Mas há outros sintomas visuais que
podem indicar outros problemas. O bar- O ÚTERO EAS
ramento da visão, a visão turva, os pon- INFLUÊNCIAS EXTERNAS
tos pretos e os escotomas cintilantes ou
mesmo a visão dupla que persiste por "Tenho uma amiga que insiste em levor ofi-
mais de duas a três horas são motivo pa- lho, que ainda não nasceu, a concertos que o
ra chamar o médico. tomariJo um amante da música e outro c,qo,.
rido lê histórias para ofilho, ainda na barriga, 1
todas as noites, para tornó-lo um amante da 1/.
PLACENTA PRÉVIA teratura. Será que tudo isso é uma l>obagem!"
(Implantação Baixa da Placenta)
o estudo da vida fetal, está
"0 médico me disse que a sonograjia mostra.
va que a placenta estava baixa, perto do colo
N cada vez mais difícil distinguir en·
tre o que é fato e o que é bobagem. B'
uterino. Disse também que ainda era cedo pa· embora se falem muitas bobagens, os
ra me preocupar; quando devo começar a me cientistas começam a acreditar qu:! algu-
preocupar?" mas dessas teorias aparentemente fic-
tícias talvez no fundo tenham algum fun·
orno o feto, a placenta se movimenta damento. Apl!sar disso, são necessárias
C bastante durante a gestação. Na rea-
lidade não chega a voltar ao lugar nor-
muitas outras pesquisas antes que se pos·
sa responder à sua pergunta com certeza.
mal, mas parece que migra para cima à Como a capacidade de ouvir é razoa-
medida que o segmento Inferior do úte- velmente bem desenvolvida no feto 11elo
ro se distende e cresce. Embora estime- fim do segundo trimestre ou no início do
se que 201l7o a 30<tfo das placentas estejam terceiro, é verdade que o bebê de sua
no segmento inferior no segundo trimes- amiga ouve a música e que o outro ouve
tre (com umn porcentag.:m ainda maior o que o papai lê em voz ulta. Mas o que
antes de 20 semanas de gestação), a gran- isso vai significar a longo prazo não se
de maioria se move para o segmento su- sabe ao certo. Alguns pesquisadores da
perior ao se aproximar a época do parto. área crêem que na realidade seja possí·
Se Isso não acontecer e a placenta per- vel estimular o feto antes do nascimen·
manecer em poslçllo uterina baixa, tem· to para que se produut, om certo sentido,
se o diagnóstico de "placenta prévia". um "superbebê". Pelo menos um disse
Essa complicação ocorre apenas em 1o/o fazer com que os bebês fossem capazes
ou menos das gestoçOes a termo. E só em de falar aos seis meses e ler com um ano
1 entre 4 desses casos a placenta se loca- e meio de idade: expondo o feto a imi·
O QUINTO M~S 223

tações rítmicas cada vez mais complexas Isso não quer dizer que a tentativa de
do batimento cardíaco da mãe. Outros fazer contato com o bebê antes de nas-
questionam a sensatez de nos introme- cer, ou mesmo de ler ou de tocar música
tirmos na naturez.l dessa forma, acredi- para ele, seja prejudicial ou perda de
tando que tal atitude poderia, a longo tempo. Qualquer espécie de comunica-
ptazo, ser prejudicial. ção pré-natal pode dar a você um bom
- Sem dúvida, qualquer um que enten- início no longo processo de construção
1
da do desenvolvimento infantil seria dos laços afetivos entre os pais e o filho
~uito prudente em criar um superbebê, recém-nascido. Isso pode não se tradu-
antes ou depois de seu nascimento. Pa- zir necessariamente numa maior intimi-
ra o bebê, é muito mais importante des- dade quando ele crescer, mas talvez
cpJrir que é amado e querido do que facilite a convivência naqueles primeiros
aprender a falar e a ler. dias.

A Silhueta da Barriga no Quinto Mês

S6o mostradas apenas "'s silhuetas da mulher llO fim do quinto mls. As variaçl1es sdo lncon-
ldvels, Dependendo do seu tamanho, da forma, do peso até ent(Jo adquirido e da poslçtJo
do muls mais balxu, maior, menor, mais
224 OS NOVE MESES

Por certo, se você se sente uma tola Portanto, desfrute do contato com o
ao conversar com a sua barriga grande, bebê agora, mas não se preocupe em
não se preocupe: não é por isso que o be- ensinar-lhe fatos ou transmitir-lhe infor-
bê vai deixar de conhecê-la. Ele ou ela mações -você vai ter muito tempo pa-
está se habituando ao som da sua voz- ra isso no futuro. Con to logo des<:obri-
e provavelmente à de seu marido tam- rá, as crianças crescem muito depressa,
bém- todas as vezes que vocês conver- de qualquer forma. Não há necessidade
sam entre si ou com outra pessoa. É por para acelerar o processo, sobretudo an-
isso que muitos recém-nascidos parecem tes do nascimento.
reconhecer as vozes dos pais. Podem in-
clusive se familiarizar com outros sons
que são comuns ao meio ambiente da A MATERNIDADE
mãe. Enquanto um recém-nascido que
teve pouca exposição pré-natal ao latir "Ser6 que vou ser feliz com o meu futuro he·
de um cão pode levar um susto ao ouvir bê?"
o som, o que ouviu muitos latidos não
vai nem piscar. s pessoas, na maioria, enfrentam as
A exposição à música também pode
ter algum impacto sobre o feto. Há in-
A grandes mudanças de vida- ao ca-
sar, ao começar nova carreira, ao nas-
formes onde se diz que alguns fetos têm cer um filho- imaginando se lhes trarão
demonstrado preferência (por modifica- felicidade. E se começarem com idéias
ção de seus movimentos) por certos tipos fantasiosas poderão acabar no maior de-
de música- em geral os mais delicados. sapontamento. Se a leitora achar que a
Informa-se que certa peça (numa pesqui- maternidade vai ser um mar de rosas,
sa, era uma de Debussy) tocada repe- com preguiçosos passeios ao parque pe-
tidas vezes para o feto às vezes, quando la manhã, com dias ensolarados passa-
ele e a màe ' estavam tranqüilos , fazia dos no zoológico, com horas e horas a
com que o bebê mais tarde gostasse da organizar um guarda-roupinha em mi-
peça e se acalmasse ao ouvi-la. Natural- niatura, com roupas cheirosas e limpas,
mente, a maioria dos especialistas con- convém preparar-se para um choque.
cordaria que a exposição do bebê à boa Haverá muitos dias em que a noite vai
música depois de nascer provavelmente chegar sem que você e o seu bebê vejam
é berr mais significativa na criação de a luz do sol, muitos dias ensolarados pas-
um amante da música do que a exposi- sados junto ao tanque, ou passando a
ção do feto, durante a vida intra-uterina. ferro, e muito poucas roupinhas limpas
Também sugere-se que, como o senti- que chegarão a escapar das bananas
do do tato também já está desenvolvido amassadas e das vitaminas cuspidas pe-
na vida intra-uterina, o afagar do abdo- lo bebê. E se estiver pensando em trazer
me ou o "brincar" com um joelhinho ou do hospital para casa um bebezinho en-
com as nádegas quando e~ses estão vol- cantador, lindo e comunicativo, pode se
tados para cima é atitude que ajuda no preparar para a desilusão. O bebê, além
estabelecimento de laços afetivos entre de não ser amoroso e sorridente duran-
pais e filhos. Seja isso falso ou verdadei- te várias semanas, dificilmente se comu-
ro, não há mal em tentar. Sem dúvida, nicará com a mãe, exceto pelo choro -
é Improvável que a mãe deva f11zcr um 8obrctudo quando" mllc IC 1cntar p~&rca
esforço consciente para tocar mais no be- jantar, quando começar a fazer sexo,
bê; mesmo os estranhos dificilmente con- quando tiver de Ir ao banheiro ou quan-
seguem manter as mãos afastadas de um do se sentir tão cansada que não conse-
ventre grávldo. aue nem se mover.
O QUINTO M2S 225

O que a leitora pode esperar, realistica- risos desdentados dirigidos só à mãe -


mente, é ter nisso tudo uma das mais ma- valerá todas as noites insones, todos os
ravilhosas, mais miraculosas experiências atrasos para o jantar, toda a roupa para
di! vida. A satisfação que sentirá ao em- lavar e passar e todo o romance frustrado.
balar o bebezinho quente e sonolento Será que você vai ser feliz com o fu-

I
(mesmo que o anjinho ainda há pouco turo bebê? Sim, na medida em que criar
fosse um diabinho aos berros) é incompa- a expectativa de um bebê real e não de
rável. E isso - junto aos primeiros sor- uma fantasia.

0 QUE É IMPORTANTE SABER:


OS EXERCÍCIOS DURANTE A GRAVIDEZ

s executivos os fazem. Os mais ve- gestantes, na grande maioria, só há uma

O lhos também. Os médicos, os ad-


vogados e os operários praticam-
nos também. Se os praticam, pensam as
resposta: sim. O conceito de gestação co-
mo doença e o da mulher grávida como
inválida, delicada demais para subir um
gestantes, por que não nós? lance de escadas ou carregar uma sacola
Evidentemente estamos falando de de compras, são tão atualizados quanto
exercícios. E, se você quer saber, para as o da anestesia geral para os partos co-

A Posição Básica e os

I Exercícios de Kegel

Deitada de costas, joelhos flexionados, afastadoscerca de 30 em, sola dos pés no ch4o. Cabe..
ça e pescoço apoiados em almofadas, braços em repouso, estendidos ao lado do corpo. Para
fazer os exerclcios de Kegel, é simples: basta contrair com f/rmer.a os miJsculos ao redor da
vagina e do Iinus, mantendo-os c:ontrafdos o mais que puder (chegando a 8 ou 10 segundos).
lim Stfluida, 1/berur os mtlscu/os va[/arosamente fi ffllaxar. Podem tambfm, e a partir do quarto
m~s devem, ser fellos de pé, sentada ou ao urinar. Fazer seqiJ~nclas de pfllo men~ ~S COIItl'tl•
çbes vdrias vezes ao dia. Nota: Os exerc:fcios na posição bdslco devem ser feitos somente (Jié
o quarto m~s. Depois disso, exercitar-se deitada de costas não é recomenddvel, pois o útero
em cresc/memo pode p6r uma pressão excessiva nos principais vasos sangiJfneos.
226 OS NOVE MESES

muns. Embora ainda estejam em anda- timulam o coração e os pulmões, além


mento numerosas pesquisas a respeito da atividade muscular e articular- cau-
dos exercícios durante a gravidez, a ati- sando benéficas alterações globais no or-
vidade física moderada é hoje conside- ganismo, especialme.1te na capacidade de
rada não apenas segura como também processar e de utilizar o oxigênio, coisa
extremamente benéfica para a maioria muito importante para a gestante e para
das gestantes e dos bebês. o bebê. Os exercícios rauito cansativos
Por mais ansiosa que você esteja para para serem mantidos durante os 20 ou
sair correndo na pista de jogging, en- 30 minutos necessários para esse efeito
tretanto, é preciso antes tomar uma benéfico "condicionador" (~.:orno a cot -
precaução de importância vital - ir ao rida de velocidade) ou mesmo os nem tão
consultório do médico. Mesmo que es- cansativos (as partidas de tênis em du-
teja se sentindo ótima, é preciso a apro- plas, por exemplo) não são considerados
vação médica para vestir o training do aeróbios.
marido e sair correndo. As gestantes in- Os exercícios aeróbios melhoram a cir-
cluídas em categorias de alto risco terão culação (fomentando o transporte de
de moderar os exercícios ou talvez até oxigênio e os nutrientes para o feto, ao
nem praticá-los na sua rotina. Mas se a mesmo tempo em que diminuem o risco
leitora estiver incluída entre a grande de varizes, de hemorróidas e de retenção
maioria das gestantes sem maiores pro- de líquido); aumentam o tônus e a força
blemas, e o médico der sinal verde, vis- muscular (não raro evitando ou alivian-
ta a roupa e bola para frente . do as dores nas costas e a prisão de ven-
tre, facilitando o transporte de peso extra
existente du rante a gravidez, e também
OS BENEFÍCIOS DA o parto); melhoram a resistência (aju-
PRÁTICA DE EXERCÍCIOS dando a gestante a enfrentar o trabalho
de parto mais prolongado); queimam ca-
arece que as gestantes que não se lorias (permitindo à grávida melhor ali-
P exercitam durante a gestação vão fi-
cando progressivamente menos em for-
mentar a si própria e ao bebê sem a
necessidade de ganhar peso excessivo e
ma à medida que os meses passam - assegurando melhor forma física no pÓ!i-
sobretudo porque vão ficando cada vez parto); atenuam a fadiga e promovem
mais pesadas . Os bons programas de melhores noites de sono; geram um sen-
exercício (que possam ser incluídos na timento de bem-estar e de confiança; e·,
sua rotina diária) permitem combater es- de um modo geral, melhoram a capaci-
sa tendência, propiciando uma melhor dade da mulher de enfrentar os desafios
forma física . físicos e emocionais do parto.
sno de quatro tipos os exercícios de
m:lior utilidade durante a gravidez: os Os callstênlcos. São movimentos de gi-
aeróbios, os calistênicos, os de relaxa- nástica rftmicos, leves, que tonificam t!
mento c os de Kegel. desenvolvem a musculatura e melhoram
a postura. Prestam-se particularmente à!l
Os aeróbloa. Silo exerc:fc:loa rítmlço• o rt· illlllntOI quando vOltlldoe pllfU O C:Oin•
petltlvos, cansativos o suficiente para au· bate das dores lombares, melhorando o
mentar a demanda muscular de oxigênio, bem-estar físico e mental e preparando·
embora nllo tão extenuantes que a ofer- lhes o corpo para a árdua tarefa do par·
ta suplante a demanda (Incluem-se a ca- to. Os exercícios calistênicos destinados
minhada, o )ogglng, andar de bicicleta, a pessoas em geral, porém, podem ser
nadar, as partidas simples de tênis). Es- perigosos para as gestantes.
O QUINTO MSS 227

Os de relaxamento. Os exercícios respi- COMO DESENVOLVER


ratórios e de concentração relaxam a UM BOM PROGRAMA
mente e o corpo, ajudam a preservar a
energia para os momentos de maior ne- DE EXERCÍCIOS
cessidade, ajudam na melhor concentra-
ção mental e aumentam a consciência Quando iniciar. O melhor momento pa-
q11e se tem do corpo- elementos que ra conquistar boa forma física é antes de
ajudam a mulher a melhor enfrentar o engravidar. Mas nunca é tarde demais
desafio do parto. C's exercícios de rela- para começar - mesmo para quem está
xamento são valiosos em combinação no nono mês, já entrando em trabalho
com outros exercícios físicos, ou mesmo de parto.
isoladamente- sobretudo em gestações
em que os exercícios mais ativos estão Começar devagar. Depois de decidir
proibidos. que está na hora de começar um pro-
grama de condicionamento físico, a pes-
Or. de Kegel (de toniflcação pélvica). soa sempre se sente tentada a dar início
Procedimento simples para melhorar o rapidamente - correndo 5 quilôme-
tônus da musculatura das regiões vagi- tros na primeira manhã, fazendo duas
nal e perineal, fortalecendo-as para o sessões numa mesma tarde. Mas esse
parto e auxiliando o restabelecimento no início entusiasmado não leva ao condi-
puerpério. Trata-se de exercício que to- cionamento: só às dores musculares, à
' das as gestantes podem praticar e dele se decisão de ir com mais calma, e ao re-
beneficiar em qualquer época, em qual- pentino abandono. Pode também ser
quer lugar. perigoso.

Basculação da Bacia

Ptlllr4o btJ1Ica (Vtr notuuo p~ dfl A Pu~·il'llu IJc/j·/c:u 11m· ll,~rm.•Mu~ d11 l<ll(Jfl), Exptrur ao ,·cmr-
prlmlr 11 porte mais baixa das costas contra o chão. Em seguida, inspirar e relaxar a coluna.
Repet 1r essa seqUincla vdrias ve~es. O balanceio (movimento de bdsculu) também pode ser
feito de pé, com as costaj' junto 11 parede (Inspirando uo comprimir a parede com a parte
mais baixo das costas). Nu posição de p1'. u exerddo é ex,·eleme pura melhorar a postura
e é recomenddvel após o quarto m~s.
228 OS NOVE MESES

Corcova de Dromedário
-------

Este exerdcio é de grande ut i/idade durante toda a gravidez e até no trabalho de parto, para
aliviar a pressão u1erina feita sobre a coluna. Ficar de quatro, com as costas em posição natu-
ral, relaxada (sem deixar a coluna abaixar). Cabeça estendida, pescoço alinhado com a colu-
na. Arquear então as costas, retesando o abdome e as nddegas e deixando a cabeça pender
completamente. Gradualmente, de:contrair as costas e trazer a cabeça à posição original. Re-
petir vdrias vezes.

Claro que se você seguia um progra- não sejam sobrecarregados repentina-


ma de exercícios antes da gravidez, pro- mente e reduz os riscos de que os mús·
vavelmente poderá continuar com ele- cuJos e as articulações, mais vulneráveis
embora talvez de forma modificada (ver quando "frios"- sobretudo dJrante a
p. 231). Mas se você for uma atleta inex- gravidez-, venham a sofrer lesão. Ca·
periente, entretanto, vá com calma. É minhar antes de correr, fazer exercícios
preciso começar com 10 minutos de de extensão antes dos calistênicos, nadar
aquecimento seguidos de S minutos de devagar antes de começar as voltas na
exercícios mais vigorosos e outros S mi- piscina. No caso de exercícios de alon-
nutos de desaquecimento. Quando so- gamento, tenha o cuidado de não se es·
brevém o cansaço é preciso interromper forçar em excesso, pois isso poderia
o exercício mais extenuante. Depois de danificar as artlculaçOes já afrouxadas
alguns dias, se o corpo se ajustar bem, pela gravidez.
convém aumentar o período de atlvida·
de mais extenuante alguns minutos por Terminar vagarosamente, da mesma for-
dia até um máximo de l.S minutos. ma que ao começar. Cair em colapso pa·
rece ser a conclusão lógica de qualquer
Ir devagar sempre que começar a sessio. treino, mas fisiologicamente não con·
O aquecimento pode ser tedioso quan- vém. A interrupção repentina repre~a o
do se está ansiosa para começar logo •anauc nos músculos, redu:tlndo o 1cu
com os exercícios (e dar por encerrada aporte para outras partes do corpo e pa·
a sessão). Mas como todo atleta sabe, o ra o bebê. Podem surgir tonteira, des·
aquecimento é parte essencial do progra- maio, palpitações, náusea. Assim, é
ma. Permite que o coração e a circulação melhor terminar a sessão de exercícios
O QUINTO MeS 229

com exercícios: caminhar 5 minutos de· de exercícios durante 20 a 30 minutos,


pois de correr, ficar chapinhando na incluindo o aquecimento e o desaqueci-
água depois de nadar, fazer exercícios le· mento, em dias alternados parece um ob-
ves de alongamento depois de qualquer jetivo realista e seguro. A mulher que já
atividade. Completar o des:1quecimento os praticava poderá, desde que o médi-
com alguns minutos de relaxamento. co aprove, intensificá-los.
Evit1! a tontura (e uma possível que·
da) levantando-se lentamente após uma Persistir com regularidade. A irregula-
série de exercícios no chão. ridade (quatro vezes numa semana e ne-
nhuma na seguinte) na prática de
De olho no relógio. Muito pouco exer· exercícios não coloca ninguém em for-
cicio não é eficaz; exercício em excesso ma. Só a sua prática regular (três oú' qua-
pode ser debilitante. Um treino comple· tro vezes por semana, todas as semanas)
to, do aquecimento ao desaquecimento, o fará. Ao sentir-se muito cansada para
pode levar de 30 minutos a uma hora. um treino mais extenuante, não convém
Mas o American College of Obstetrics forçar; basta tentar o aquecimento para
and Gynecology recomenda que os pe· que os músculos continuem flexíveis e
ríodos de exercício extenuante- durante não se perca a disciplina. Muitas mulhe-
os quais a freqüência cardíaca (pulso) res dizem se sentir melhor quando fazem
não deve ultrapassar os 140 batimen- exercícios todos os dias.
tos/minuto- sejam limitados a 15 mi-
nutos. Para mulheres sadias cuja vida era Incluir os exercfclos na rotina diária. A
sedentária antes da gestação, a prática melhor maneira de se garantir que os

Relaxamento do Pescoço

O pescoço, tantas vezes foco de tensílo, fica controfdo sob sltuoç(Jes de estresse. O exercfclo
ajuda a relaxar nílo sd o pescoço mas tambl!m todo o resto do corpo: sentar em posição c(J-
moda (a do alfaiate talvet. seja o melhor) com os olhos !achados. Dt llcadamentl, g/rur a ca-
beça, descrevendo um c:frculo completo, inspirando ao mesmo tempo. Expirar e relaxar,
deixando a cabeça cair para a frente confortavelmente. Repetir 4 ou 5 vezes, alternando o
sentido do movimento circular e relaxando entre eles. Fa1;er o exercfcio vdrius vezes por dia.
230 OS NOVE MESES

Não Fique Ai Sentada...


Ficar sentada por longos períodos sem sas de hora em hora {cinco a dez minuto!. ca-
uma pausa não é boa idéia para ninguém e minhando, para esticar as pernas). Ao ficar
particularmente contra-indicado quando se sentada, faça periodicamente alguns ext,rcí-
está grávida. Faz com que não só o sangue cios que melhoram a circulação: algumas res-
fique represado nas veias das pernas, como pirações profundas; es1ender as pernas,
também os pés inchem e pode levar a outros flelindo os pés; comrair os músculos do ab-
problemas. Se o seu trabalho requec longos dome e das nádegas {numa espécie de m,)vi-
períodos na cadeira, ou se você assiste TV menlo de báscula da pelve;. Se as suas mãos
por horas a fio ou se for viajar por longas costumam inchar, também espiche os braços

I
distâncias com freqüência, trale de fazer pau- acima da cabeça e abra e fec he as mãos.

exercícios serão feitos é dedicando-lhes bebê . A gestante terá de consumir mais


um horário específico: logo pela manhã,
ao levantar; antes de ir para o trabalho;
durante o intervalo para o café; ou an-
I 00 a 200 calorias para cada meia hora
de exercício extenuante. Se acreditar que
está consumindo calorias o suficiente,
~
tes do jantar. Se a leitora não ti ver um mas ainda sem ganhar peso, t~ lveL este-
horário livre para praticá-los, poderá ja se exercitando em demasia.
incluí-los às atividades diárias. Vá a pé
ao trabalho, se puder; estacione o carro Reponha os llquidos eliminados. Para
antes, ou desça do ônibus um ou dois cada meia hora de atividade extenuante
pontos antes e vá até o trabalho cami- você vai precisar de pelo menos um co-
nhando. Ou..vá a pé com as crianças pa- po d'água, cheio, para compensar a
ra o colégio (ou para a casa de uma perda de líquido pela transpiração. Em
amiga), em vez dirigir. Passe o aspira- tempo de calor a necessidade é maior, ou
dor de pó pela casa numa marcha cons- quando você estiver transpirando profu-
tante, de 20 minutos, depois de alguns samente: beba antes , durante e depois do
exercícios de aquecimento; você estará exercício. A balança pode lhe dar um in-
limpando os carpetes e ao mesmo tem- dício de quanto você precisa beber de
po se exercitando. Em vez de jogar-se líquido : duas xícaras para cada 500 gra-
diante da TV com o marido depois de ter mas perdidos durante o exercício.
lavado a louça do jantar, peça a ele que
a acompanhe numa caminhada. Não im- Rccomendu~õcs paru quem pret'crlr u gl·
porta o grau de ocupação que se tenha nástlca em grupo. Precisa ser um grupo
durante o dia: quando há vontade, há de ginástica para gestantes. Como nem
sempre uma forma de praticar alguma todos que se dizem especialistas de fato
forma de exercício . o são, é melhor verificar as credenciais
dos instrutores. A ginástica em grupo
Compensar as calorias queimadas. Pro- funciona melhor para algumas mulheres
vavelmente a melhor parte desse progra- do que a prática solitária (sobretudo
IT\il est4 na poulbllldade de a gestante quando há falta de autodisciplina), por
comer mais, Como sempre, essas calo- nele encontrarem apolo e estímulo. Os
rias a mais devem ser levadas na devida melhores programas sêo os de intensida-
conta. J: uma oportunidade para acres- de moderada; três vezes por semana, pe-
centar nutrientes ainda melhores para o lo menos; individualizados à capacidade
OQUINTO~S 231

de cada gestante; não fazem uso de mú- Usar roupas apropriadas. Usar roupas
sica de ritmo forte, acelerado, capaz de folgadas ou malha durante a ginástica.
levar as participantes ao excesso; dispõe O tecido deve permitir que o corpo res-
de médicos ou de outros especialistas pa- pire- diga-se o mesmo das roupas de
ra esclarecer certas questões. b