Você está na página 1de 11

Curso de Formação em História e Cultura Afro Brasileira e Africana

2ª etapa
Maio – Julho/2007

Realização: Ágere Cooperação em Advocacy


Apoio: Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade/MEC

Autoria: Álvaro Sebastião Teixeira Ribeiro


Bárbara Oliveira Souza
Edileuza Penha de Souza
Iglê Moura Paz Ribeiro

MATERIAIS DE APOIO

Módulo I Aula 1: Canção dos Povos

 Referências

LUZ, Marco Aurélio, (1995). Agadá: dinâmica da civilização africano-brasileira.


Salvador: Centro editorial e didático da UFBA.

LUZ, C.P. Narcimária, (1996). Pawódà; dinâmica e extensão... In: LUZ, C.P.
Narcimária. Pluralidade cultural e educação. Salvador: SECNEB.

________. (1997). O patrimônio civilizatório africano no Brasil: Páwódà -


Dinâmica e Extensão do conceito de Educação Pluricultural In: Joel Rufino
(Org.). Negro brasileiro negro. Rio de Janeiro: Revista IPHAN, n.25 p.99-209.

________ .(2000). Abebe: a criação de novos valores na Educação. Salvador:


SECNEB.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO/ SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA,


ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE. Orientações e Ações para a Educação
das Relações Étnico-Raciais. Brasília: SECAD, 2006.

SANTOS, Inaicyra Falcão dos, (2002). Corpo e ancestralidade: uma proposta


pluricultural de dança-arte-educação. Salvador: EDUFBA,

SANTOS, Juana Elbein dos, (1988). Os nagô e a morte: pàde, àsèsè e o culto
égun na Bahia. Petrópolis: Vozes.

1
SODRÉ, Muniz, (2002). O terreiro e a cidade - A forma social negro
brasileira. Salvador: Secretaria da cultura e Turismo/ IMAGO.

________ (1997). Corporalidade e Liturgia Negra. In: Joel Rufino (Org.). Negro
brasileiro negro. Rio de Janeiro : Revista IPHAN, n. 25. p. 29-33.

________ (1988). A verdade seduzida. 2. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves.

SOUZA, Edileuza Penha de, (2001). Identidade capixaba. Prefeitura de Vitória


Secretaria de Cultura: Vitória – ES.

 Filmes

Mestre Humberto

Direção: Rodrigo Savastano. Brasil, 2005, 20 minutos. Um passeio pela Lapa,


Campo de Santana e pela África por meio dos amigos e da memória de um
aluno mais antigo da vida, cuja graça é Humberto de Souza. Pode ser acessado
no site: www.portacurtas.com.br

Som da Rua - Vodu

Roberto Berliner, 1997, 2 minutos. Miriam Laveau é uma sacerdotisa vodu de


Nova Orleans, herdeira creole das mais antigas tradições africanas. Aqui ela
apresenta os cânticos vodus que falam da liberdade, mas para Miriam a
liberdade, como ela aconteceu, só tornou as pessoas escravizadas. Pode ser
acessado no site: www.portacurtas.com.br

Atlântico Negro – Na rota dos orixás

Direção: Renato Barbieri. Viagem no espaço e no tempo em busca das origens


africanas da cultura brasileira. Historiadores, antropólogos e sacerdotes
africanos e brasileiros relatam fatos históricos e dados surpreendentes sobre as
inúmeras afinidades culturais que unem os dois lados do Atlântico. Visão atual
do Benin, berço da cultura iorubá. Filmado no Benim, no Maranhão e na Bahia.

 Sítios

www.acordacultura.org.br
www.criola.org.br
www.unidadenadiversidade.org.br

2
Módulo I Aula 2: Educação e o papel da escola

 Referências

BESSA.Dante Diniz. Homem, pensamento e cultura. In:


www.mec.gov.br/profuncionario. MEC:Brasília, 2006. Acessado em: 25/02/2007.

CURY, Carlos Roberto J. Escola e contradição. São Paulo: Papirus, 1988.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. 4.ed.RJ: Paz e Terra,1977, p.79.

___________. Entrevista concedida a Carlos Alberto Torres. Transcrita no Sítio


da Internet: www.escoladavida.eng.br/escoladavidapaulofreire.htm. Acessado
em: 06/07/2001.

FREIRE, Paulo; SHOR. Medo e ousadia. O cotidiano do professor. São


Paulo: Paz e Terra, 1987.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da autonomia - Saberes necessários à prática


educativa. São Paulo: Paz e Terra 1997.

FONTANA, Roseli A. C. Como nos tornamos professoras?. 2. ed. Belo


Horizonte: Autêntica, 2003.

RIBEIRO, Iglê M. P. A busca de um novo paradigma


para o ensino religioso. A atualidade de São Boaventura. Dissertação
(Mestrado). Lisboa: Universidade internacional de Lisboa, nov/2005.

PEREIRA, Amauri Mendes. Escola - espaço privilegiado para a construção da


cultura de consciência negra. In: História da educação do negro e outras
histórias. Brasília: MEC/SECAD, 2005.

 Filme
Nenhum a menos

Direção: Zhang Yimou. China, 1999,100 min. Quando o professor da escola


primária de Shuiquan tem de se ausentar durante um mês, o presidente da
pequena aldeia, Tian, apenas consegue encontrar uma adolescente de 13 anos,
Wei Minzhi, para o substituir. O professor Gao adverte-a para que não permita
que mais alunos abandonem a escola, garantindo-lhe o pagamento de 50 yuan e
mais um pequeno extra se for bem-sucedida. Minzhi, pouco mais velha que

3
alguns dos seus alunos (do 1º ao 4º ano, na mesma classe), fez pouco além de
escrever texto no quadro e ensinar uma ou outra canção.

 Sítios

Sítio com temáticas educacionais: www.educacional.com.br


Sítio com temáticas da psicologia e educação mantido por profissionais de
diversas instituições: w w w . n e t p s i . c o m . b r / a r t i g o s / 1 3 1 2 0 4 _ p a p e l . h t m

4
Módulo I Aula 3: Currículo escolar e relações étnico-raciais

 Referências

MOURA, Gloria. O direito à diferença. In: KABENGELE, Munanga. Superando o


racismo na escola. Ministério da Educação, Secretaria de Educação
Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005.

SILVA, Ana Célia. A descontração da discriminação no livro didático. In:


KABENGELE, Munanga. Superando o racismo na escola. Ministério da
Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade,
2005.

SILVA Jr., Hédio. Discriminação racial nas escolas: entre a lei e as práticas
sociais. Brasília, UNESCO, 2002.

SILVA (2), Maria Aparecida. Formação de Educadores(as) para o combate ao


racismo: Mais uma tarefa essencial. In: CAVALLEIRO, Eliane (Org.). Racismo
e anti-racismo na escola - repensando nossa escola. São Paulo : Aummus,
2001.

TEODORO, Helena. Buscando caminho nas tradições. Superando o


racismo na escola. Ministério da Educação, Secretaria de Educação
Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005.

 Filme

Conrack

Se passa na Ilha de Yamacraw, Carolina do Sul, em março de 1969. É um filme


que trata da construção de um currículo escolar construído em diálogo com a
realidade dos(as) estudantes e da comunidade.

 Sítios

www.acordacultura.org.br
www.ceert.org.br
www.unidadenadiversidade.org.br

5
Módulo I Aula 4: Concepções que envolvem o Plano Político-
Pedagógico – PPP

 Referências

Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-raciais e


para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana, aprovadas pelo
Conselho Nacional de Educação – CNE em 10 de março de 2004.
Lei nº 9.394/1996 de Diretrizes e Bases da Educação Nacional,

RIOS, Terezinha. Significado e pressupostos do projeto pedagógico. In: Série


idéias. São Paulo: FDE, 1982.

SANTOS, Sales Augusto. A Lei nº 10.639/03 como fruto da luta anti-racista do


movimento negro. In: Educação anti-racista: caminhos abertos pela Lei Fede-
ral nº 10.639/03. Brasília Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e
Diversidade / Ministério da Educação (Coleção Educação para todos), 2005.

SIQUEIRA, Maria de Lurdes. Siyavuma- uma visão africana do mundo.


Salvador: Ed. Autora, 2006.
VEIGA, Ilma P.A. (Org.). O projeto político pedagógico da escola: uma
construção possível. 11.ed. Campinas: Papirus, 2000.

 Filmes

Amistad

Direção: Steven Spielberg - Baseado numa história real, o filme conta a incrível
viagem de africanos escravizados que se apoderam do navio onde estavam
aprisionados e tentam retornar à sua adorada terra natal. Quando o navio, La
Amistad, é capturado, os africanos são levados aos Estados Unidos, acusados
de assassinato e aguardam sua sentença na prisão.
Inicia-se então uma contundente batalha, que chama a atenção de todo o país,
questionando a própria finalidade do sistema judicial americano. Mas para
aqueles homens e mulheres sob Julgamento, é uma luta pelo direito maior do
ser humano: a liberdade.

Hotel Ruanda
Direção: Terry George. Em meio a um conflito que matou quase um milhão de
pessoas em menos de 4 meses, em Ruanda, um homem abre o hotel que
gerencia para abrigar a maior quantidade possível de pessoas.

6
Madame Brouette

Direção: Moussa Sene Absa. Se passa no Senegal, na França e no Canadá. É


de 2002.

O Jardineiro Fiel

Baseado na obra do escritor John Le Carré, narra a história de um diplomata


inglês no Quênia que tenta desvendar a morte de sua mulher, ativista dos
direitos humanos. Durante esse processo, ele descobre que ela era alvo em
potencial da indústria farmacêutica, que usa cobaias humanas naquele país.

Um Grito de Liberdade

Nos anos 1970, na África do Sul do apartheid, Donald Woods (Kevin Kline) é um
jornalista branco que conhece e se torna amigo de Stephen Biko (Denzel
Washington), o importante militante pelos direitos dos negros. Quando Biko é
morto na prisão, em 1977, Woods percebe a necessidade de divulgar a história
do ativista, a perseguição que sofreu, a violência contra os negros, a crueldade
do regime do apartheid. Mas ele e sua família também se tornam alvos do
racismo, e precisam deixar o país às pressas.

 Sítios

www.acordacultura.org.br
http://www.educacao.salvador.ba.gov.br/documentos/contribuicao-povos
africanos.pdf
www.ceert.org.br
www.unidadenadiversidade.org.br
http://www.acordacultura.org.br

 Textos

Texto da professora Ilma Passos Alencastro Veiga, Pesquisadora Associada da


Faculdade de Educação da Universidade de Brasília (UNB):
http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v23n61/a02v2361.pdf.

Texto da Professora Marília Fonseca. Pesquisadora associada da Faculdade de


Educação da Universidade de Brasília
(UNB):http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-
32622003006100004&lng=pt&nrm=iso&tlng=p

7
 Materiais Áudio-visuais

Série de Programas Educativos “Salto para o Futuro”:


www.tvebrasil.com.br/SALTO

1. Série: Brasil Alfabetizado em movimento (especificamente o programa 5):


“Experiências de Alfabetização de Pessoas Jovens e Adultas em Movimento”
(2004).
2. Série: Repertório afro-brasileiro: entre o clichê e a pesquisa em sala de
aula (2004).
3. Série:Valores Afro-brasileiros na Educação (2005).
4. Série:Contos e Re-contos: literatura e recreação. Especificamente,
programa 3: “Contos e Re-encantos: vozes africanas e afro brasileiras” (2005).

8
Módulo I Aula 5: A escola como espaço de desenvolvimento do
currículo e das relações étnico-raciais

 Referências

BENTO, Maria Aparecida da Silva. Cidadania em preto e branco, São Paulo:


Ed. Ática, 1999.

BRASIL. MEC, CNE/CP 003/2004, Diretrizes Curriculares Nacionais para a


Educação das Relações Étnicoraciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-
brasileira e Africana.

CAVALLEIRO, Eliane. Racismo e anti-Racismo na educação. Repensando


nossa escola. São Paulo: Selo Negro, 2001.

MOURA, Clóvis. Sociologia do negro brasileiro. São Paulo: Ática, 1988.

MOURA, Gloria. O direito à diferença. In: KABENGELE, Munanga. Superando o


racismo na escola. Ministério da Educação, Secretaria de Educação
Continuada, Alfabetização e Diversidade, 2005.

MUNANGA, Kabengele (Org.). Superando o racismo na escola. SECAD/MEC,


2005, p101-116.

ROCHA, Rosa Margarida de Carvalho. Almanaque pedagógico afrobrasileiro.


Uma proposta de intervenção pedagógica na superação do racismo no cotidiano
escolar, Mazza Edições, Belo Horizonte, 2004.

ROSEMBERG, Fúlvia. Literatura infantil e ideologia. São Paulo: Global, 1985.

SILVA, Ana Célia da. A discriminação do negro no livro didático. Salvador:


EDUFBA/CEAO, 1995.

SILVA Jr., Hédio. Discriminação racial nas escolas: entre a lei e as práticas
sociais. Brasília, UNESCO, 2002.

SILVA, Petronilha Beatriz G. Aprendizagem e ensino das Africanidades


Brasileiras. In: KABENGELE, Munanga. Superando o racismo na escola.
Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e
Diversidade, 2005.

SECAD/MEC. Educação anti-racista: caminhos abertos pela Lei Federal nº


10.639/2003. Coleção Educação para Todos. Ministério da Educação, SECAD,
2005.

9
 Filmes

Atlântico Negro – Na rota dos orixás (Renato Barbieri)

Viagem no espaço e no tempo em busca das origens africanas da cultura


brasileira. Historiadores, antropólogos e sacerdotes africanos e brasileiros
relatam fatos históricos e dados surpreendentes sobre as inúmeras afinidades
culturais que unem os dois lados do Atlântico. Visão atual do Benin, berço da
cultura iorubá. Filmado no Benim, no Maranhão e na Bahia

A Negação do Brasil - O Negro na Telenovela Brasileira (Joel Zito de Araú-


jo)

Documentário sobre tabus, preconceitos e estereótipos raciais. Uma história das


lutas dos atores negros pelo reconhecimento de sua importância na história da
telenovela o produto de maior audiência no horário nobre da TV brasileira. O di-
retor, baseado em suas memórias, e em fortes evidências fornecidas por pesqui-
sas, analisa a influência das telenovelas nos processos de identidade étnica dos
afro-brasileiros e faz um manifesto pela incorporação positiva do negro nas ima-
gens televisivas do país.)

Cajueiro, Um Quilombo na Era Espacial (Lise Török)

Mostra o início da implantação de um grande projeto espacial (com a instalação


de uma base de foguetes) em Alcântara, Maranhão, cidade tombada pelo Pa-
trimônio Histórico e Artístico Nacional, e o impacto desse projeto junto à socieda-
de local, seus aspectos culturais e sócio-econômicos e especialmente junto às
comunidades negras do interior deslocadas para a construção da base.
Kiriku e a Feiticeira

Numa aldeia do Senegal, na África, Kiriku nasce para lutar contra Karabá, a
feiticeira do mal. No decorrer da história Kiriku, embora pequeno, é de grande
valor salvando a todos da aldeia. Uma história cheia de ensinamentos que
atravessam os séculos. O filme permite o diálogo com diferentes aspectos
culturais africanos. Desperta no telespectador infantil, a curiosidade por
elementos despercebidos de seu cotidiano. Permite ainda, a discussão sobre
estigmas e estereótipos em relação ao negro/a e a cultura africana. Estes
elementos dialogam com os temas cooperação, solidariedade e respeito às
diferenças.

 Sítios

www.acordacultura.org.br
www.criola.org.br
www.ceert.org.br

10
www.unidadenadiversidade.org.br
www.ceafro.org.br
www.mec.gov.br/secad (para obter as publicações referentes à educação e
relações étnico-raciais e à cultura afro-brasileira)

 Músicas

Canto das Três Raças – Clara Nunes


Identidade – Jorge Aragão
Haiti – Caetano Velloso e Gilberto Gil
Olhos Coloridos – Macau
A Carne – Seu Jorge e Marcelo Yuka

11