Você está na página 1de 25

SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL

UNIDADE TIRADENTES
CURSO: TÉCNICO EM ÓPTICA

LENTES PROGRESSIVAS

São Paulo
Setembro de 2010
ÍNDICE

Introdução..........................................................................................................03

Justificativa do Tema.........................................................................................04

Lentes Progressivas..........................................................................................05

Astigmatismo Induzido.......................................................................................06

Marcação...........................................................................................................06

Corredor Progressivo.........................................................................................07

Gráfico de Contorno...........................................................................................07

Suave.................................................................................................................08

Duro...................................................................................................................08

Multidesign.........................................................................................................09

Individual............................................................................................................10

Free-Form..........................................................................................................12

Correção da Wavefront.....................................................................................14

Correção sem a necessidade de cirurgia..........................................................14

Correção cirúrgica do Wavefront.......................................................................15

O processo da otimização da visão do Ophthonix.............................................17

Como as lentes da iZon são feitas.....................................................................17

Progressiva inteiramente customizada..............................................................19

Resultado da imagem........................................................................................20

Conclusão..........................................................................................................21

Referências Bibliográficas.................................................................................22

2
INTRODUÇÃO

O trabalho abordará sobre as lentes progressivas, no que diz respeito à


adaptação, desde a escolha certa para cada pessoa, fazendo uma simples
anamnese até a adaptação, a grande importância dos desenhos para saber se
a lente tem um bom campo visual para cada caso, localizar as aberrações
prismáticas e a diminuição das mesmas, através de medidas perfeitamente
tomadas, por mais que a lente seja de altíssima qualidade, a aberração
permanecerá porém amenizado. Fazendo com que a adaptação seja mais fácil
e rápida.

3
Justificativa do Tema

Como visto na introdução o tema é muito amplo, o foco do trabalho é


ajudar a entender como adaptar uma lente progressiva sem dificuldades pois,
cada caso, cada usuário, têm diferentes necessidades.
Mostrar que não existe dificuldades para este tipo de lente, na verdade
criou-se um “mito” sobre as lentes progressivas de que são difíceis de se
adaptar, provocam náuseas, enjoos e fazem as pessoas tropeçarem à toa. Tal
mito ganhou popularidade por descuido dos profissionais de óptica pela falta de
treinamento adequado aos seus consultores opticos.
Uma breve passada pela historia das lentes progressivas para
entendermos melhor a tecnologia empregada nas lentes desde seu surgimento.
Atualmente no mercado mundial existem vários fabricantes, não convém
colocar nomes, modelos de todas as lentes progressivas. Porém no projeto
contém algumas marcas, não a título de propaganda e sim de fabricantes que
facilitaram a execução do projeto.

4
LENTES PROGRESSIVAS

Em 1950, Bernard Maitenaz criou uma lente com zonas de visão bem
determinadas, onde a metade superior corresponde ao campo de visão de
longe e a metade de baixo, o grau aumenta progressivamente até atingir seu
valor total na área de visão de perto, com isso temos uma lente com valor
dióptrico progressivo na zona intermediária e duas zonas estabilizadas, a de
longe e a de perto. Porém a transição não era muito suave de uma zona para
outra, acarretando em um desconforto visual para o usuário.

Em 1965 aprimorou sua criação e desenvolveu uma lente progressiva


com uma face anterior asférica tornando mais suave nas transições das zonas,
fazendo com que seu uso seja mais agradável para o usuário.

As lentes progressivas são providas de múltiplas graduações,


distribuídas de modo progressivo, partindo da porção de longe, até que
alcancem o apogeu do grau de perto. O usuário consegue com um simples
movimento de cabeça focalizar objetos ou letras, em distâncias de 35 cm, 1,5m
e para longe. Isto não significa que se veja nitidamente apenas nestas
distâncias. As distâncias entre 35 cm até infinito poderão ser utilizadas
continuamente. Uma grande vantagem dos progressivos é o fato dos mesmos
não apresentarem traços divisórios, separando os campos de visão, como nos
bifocais. Na verdade as linhas divisórias desagradam às pessoas que têm
necessidade de uma melhor aparência e não desejam demonstrar a idade. A
ausência do salto de imagem (efeito prismático). As lentes progressivas têm
uma aparência moderna e, de algum modo, se assemelham às lentes de visão
simples (monofocais) usadas por pessoas mais jovens.

O motivo do resultado visual bem melhor é o respeito que este processo


de construção demonstra pelos conceitos de percepção estática e cinética do
ponto, da linha, do plano e do espaço. Estes conceitos levam em consideração
as necessidades do paciente présbita, de uma maneira global, ou seja: visão
foveal e periférica, visão de longe, intermediária e de perto, binocularidade e
percepção do espaço.

Como resultado final, este processo produz uma lente que respeita a:

• ortoscopia: forma das imagens;


• modulação óptica: valor dióptrico correspondente à distância da imagem,
em cada ponto da lente.
• binocularidade: lentes produzidas de forma diferente para OD e OE, já
descentradas para nasal; além do tratamento das zonas laterais para
que haja uma boa superposição dos campos direito e esquerdo.

5
EVOLUÇÃO DAS LENTES PROGRESSIVAS

A seguir uma série de imagens de diferentes lentes em diferentes


épocas.

Sola Vip (anos 80)

Varilux Comfort (inicio dos anos 90)

Hoyalux Wide (meados dos anos 90)

6
Zeiss Gradal Top (meados dos anos 90)

Varilux Physio (meados de 2000)

Lente progressiva para armações pequenas percebe-se que a distancia entre o campo visual
de longe e o de perto é menor se comparado às outras acima, encurtando o campo de meia
distância.

7
8
9
ASTIGMATISMO INDUZIDO

Está presente em todas as lentes progressivas. Situa-se nas laterais ao


canal progressivo e provoca alterações na imagem. Essas alterações estão
cada vez menores devido aos aprimoramentos das lentes, contudo sempre
estarão presentes nas lentes progressivas, ainda não existe um meio de
melhorar os três campos visuais, longe, meia-distância e perto, se
melhorarmos o campo visual de longe essas alterações terão que ser dividida
entre os campos de meia-distancia e perto e assim por diante.
Por isso existe a necessidade do profissional de optica conhecer os
diferentes campos visuais de cada modelo de cada fabricante.
A imagem a seguir mostra o raio de ação de uma lente progressiva.

10
MARCAÇÃO

Marcações permanentes ou indeléveis são gravadas na superfície. O


logotipo do fabricante, marcada de forma indelével, fica localizado logo abaixo
do pequeno círculo da horizontalidade, no lado nasal. Sua identificação merece
uma observação mais apurada, ou seja, olhando-se contra um fundo escuro
através da lente e próximo do reflexo de uma lâmpada, na sua superfície.
Outros tipos de progressivos podem ter seu logotipo observado simplesmente
contra a luz fluorescente, ou a olho-nu ou com auxílio de uma lupa.
A adição está sempre gravada, também de modo indelével, no lado
temporal da lente, logo abaixo do pequeno círculo que posiciona a
horizontalidade. Algumas marcas indicam somente os dois primeiros
algarismos da adição, assim como 27 refere-se a 2,75; 25 referem-se a 2,50;
17 referem-se a 1,75 e assim por diante.

As marcações removíveis, que são feitas à tinta, identificam os pontos


de layout, verificação e aviamento da lente.

11
CORREDOR PROGRESSIVO

Corredores mais curtos produzem mudanças de potência mais rápidas e


níveis mais altos de astigmatismo, mas reduzem o movimento dos olhos
necessário para alcançar a zona de perto. Corredores mais longos fornecem
mudanças de potência mais sutis e níveis mais baixos de astigmatismo, mas
aumentam o movimento dos olhos para alcançar a zona de perto da lente.

GRÁFICO DE CONTORNO

Existem vários métodos para avaliar a ótica das lentes progressivas. Um


método particularmente conveniente de descrever as superfícies das lentes
progressivas é o mapa do contorno. Os mapas do contorno são similares aos
mapas topográficos e usam linhas que conectam pontos de igual potência na
superfície da lente. Cada linha/sombra de contorno representa um nível de
potência crescente em um determinado intervalo, geralmente 0,50 D.
O aumento gradual da potência fornecido pela superfície da lente
progressiva pode ser descrito por um gráfico da potência média ou um gráfico
do perfil de potência. Ambos quantificam a mudança de potência, mapeando as
zonas de potência crescente ou representando-as como mudanças da potência
ao longo do corredor progressivo (ou linha umbilical). A superfície da lente
representada na Figura 1 abaixo tem uma potência de adição de +2.00 D.

12
Figura 1 - O gráfico de contorno é similar a
um mapa topográfico. Isto significa que o
gráfico da potência mostra o aumento
gradual na potência maior em direção à parte
de perto da lente. Cada nível de contorno
representa 0,50 D de potência maior
adicional.

Os gráficos de contorno, embora uma ferramenta útil para analisar e


comparar a ótica de uma lente de aumento progressiva é simplesmente
modelos matemáticos da superfície da lente. Embora eles possam ser
indicativos do desempenho da lente, não são suficientes para prever a
aceitação do paciente.
SUAVE
O projeto de PAL suave espalha o erro astigmático através de áreas
maiores da superfície da lente, reduzindo, portanto, a magnitude geral do
borrado à custa do estreitamento das zonas de visão perfeitamente clara. O
erro astigmático pode até transgredir bem para a zona da distância.
Consequentemente, PAL suave geralmente exibem quatro características
quando comparadas a desenhos duros:
• Zonas de distância mais estreitam;
• Zonas de perto mais estreitas;
• Corredores progressivos mais largos e longos
• Níveis de erro astigmáticos mais baixos e mais lentamente crescentes.

DURO

Um projeto de PAL duro concentra o erro astigmático em áreas menores


da superfície da lente, expandindo assim as áreas de visão perfeitamente clara
à custa de níveis mais altos de borrado e distorção. Consequentemente, PAL
duro geralmente exibem quatro características quando comparadas a projetos
mais suaves:
• Zonas de distâncias mais largas;
• Zonas de perto mais largas;
• Corredores progressivos mais estreitos;

13
• Níveis mais altos e mais rapidamente crescentes de erro astigmático.

MULTIDESIGN

Em geral, projetos de PAL duro fornecem campos de visão mais amplos


e o movimento da cabeça e olhos será menor à custa de mais vertigem e
borrado. Os projetos de PAL mais suave fornecem níveis reduzidos de
astigmatismo e vertigem, limitando ao mesmo tempo o tamanho das zonas de
visão clara e requerer mais movimentos da cabeça e olhos. A PAL moderna
não é absolutamente “dura” ou absolutamente “suave”. Esses termos não
descrevem satisfatoriamente as lentes modernas. Muitos dos projetos de PAL
recentes incorporam o melhor equilíbrio entre essas duas filosofias de projeto.
No futuro, uma linguagem mais precisa irá provavelmente ser
desenvolvida. As lentes progressivas iniciais eram projetadas simetricamente
para que as lentes direita e esquerda fossem iguais. Para conseguir a inserção
desejada para a zona de perto, as armações da lente eram simplesmente
giradas em 9º ou 10º. A principal inconveniência disto era a interrupção da
visão binocular quando o usuário olhava fixamente lateralmente através das
lentes, uma vez que o astigmatismo difere entre os lados nasal e temporal da
zona da distância.
Muitos desenhos de lente modernos, no entanto, são projetados
assimetricamente com os desenhos das lentes direita e esquerda separados. A
quantidade de erro astigmático em cada lado do corredor progressivo pode
agora ser ajustada independentemente. Compare a zona de longe no desenho
esquerdo e direito dos simétricos iniciais com os desenhos assimétricos.

Desenho Simétrico

14
A distorção aumenta na zona da distância
nasal em ambas as lentes após elas terem
sido giradas.

Desenho Assimétrico
Há cerca de dez anos, alguns fabricantes começaram a variar o desenho
da lente de uma potência de adição para outra. Este era um conceito multi-
projeto que empregava lentes de aumento específicas para personalizar os
projetos de PAL para os vários estágios da presbiopia. Por exemplo, o projeto
empregado para uma potência de adição de +2.50 varia ligeiramente do projeto
empregado para uma adição de +1.50.
Recentemente o Desenho por Prescrição, o uso de diferentes projetos
de lentes PAL para diferentes erros refrativos de longe. Esta filosofia é
atualmente empregada nas lentes de adição progressiva. Por exemplo, o
projeto empregado para a curva básica de 7,25 varia ligeiramente do projeto
empregado para a curva básica de 5,25.
Além do erro astigmático inerente em uma lente progressiva, a mudança
na potência e ampliação.

INDIVIDUAL

Em todo o mundo, as lentes personalizadas ainda são comercializadas


por um valor bastante elevado. Seu preço é resultado da soma da alta
tecnologia desenvolvida e voltada para a produção: ainda é muito alto o valor
dos equipamentos e dos programas de informática necessários para a geração
das lentes, pois, quanto mais parâmetros houver, mais cara a produção,
porque mais sofisticado será esse programa de geração.
As novas lentes estão revolucionando também o maquinário de
produção, que vem se modificando substancialmente para conceber tanta
personalização: o processo de surfaçagem passa a ser "ponto a ponto" (do
inglês, “point bi point”) e "potência a potência" (do inglês, “Power by Power”),
tudo de acordo com as reais necessidades do usuário considerado
individualmente, em vez do tradicional processo de surfaçagem por áreas da
lente, com o conceito de uma mesma curva-base para atender uma gama de
graus distintos.

15
IGAL
Rodenstock ILT

Para ser confeccionada, a ILT (Individual Lens Technology, do inglês,


“lente de tecnologia individual”) considera novos parâmetros que interferem no
foco, tais como o ângulo da armação, o ângulo pantoscópico, à distância
vértice, além da convergência variável com que se obtém o mesmo desenho
matemático, independentemente das adições diferenciadas nas lentes
multifocais. A Rodenstock já tinha a Multigressiv Rodenstock, que usava todos
esses mesmos parâmetros, mas com valores constantes, ou seja, por média
estatística. A grande inovação da ILT é que ela se utiliza de dados reais,
levando em conta cada caso. Além disso, o novo processo produz a curva
somente na superfície interna da lente, gerando um produto com um melhor
resultado estético.
CARL ZEISS VISION
Gradal Individual

Produzida pela primeira vez em 2001, a Gradal Individual oferece um


desenho diferente para cada prescrição. Para confeccionar a lente, além da
prescrição, distância vértice, distância pupilar e ângulo pantoscópico, são
necessários para as medidas da distância usadas para perto no cálculo da
adição e as dimensões da armação escolhida pelo cliente. A tecnologia da
Zeiss calcula as características de cada olho separadamente. E o resultado é a
imagem clara, em igual proporção, e com a mesma nitidez.

Lente Progressiva Ideal

Gradal ® Sph +5.0 ADD 1.5

Zona de +24

Distância +16

+8 Zona
0
Intermediária
–8

–16

Zona
de Perto –24
–24 –16 –8 0 +8 +16 +24

16
Gradal® Individual

Regular PAL 1 Regular PAL 2

Customização é uma palavra que não aparece nos dicionários de língua


portuguesa, vem da expressão em inglês "custom made", que significa "feito
sob medida". A palavra vem do verbo "to customize", que significa adequar um
produto às necessidades individuais de cada consumidor. Por capricho ou
necessidade. Ou ambos.

FREE-FORM

ESSILOR
Varilux Ipseo

Lançada em 2003, com a tecnologia da Varilux Ipseo considera as


propriedades fisiológicas e comportamentais de cada pessoa no desenho e na
produção dessa lente progressiva. Para tirar as medidas necessárias para a
personalização da Ipseo, os ópticos contam com um equipamento especial: o
VisionPrint, sistema de medição que utiliza ultra-som e diodos para detectar a
direção do olhar e os movimentos de cabeça do usuário. Depois que tais dados
são gravados, o desenho da lente é modelado de acordo com o
comportamento visual de cada um. O nível de personalização da Ipseo oferece
o requinte da gravação das iniciais do usuário nas lentes.

INDO
Eyemade

17
Os estudos realizados durante os últimos cinco anos no departamento
de I+D+i da INDO, em colaboração com o Instituto de Biomecânica de
Valência, centro de referência internacional em ergonomia, mostram que a
estratégia visual é única de cada pessoa, como o modo de andar, de falar, e
que é necessário medir em todas as direções no espaço. Até agora a técnica
mais avançada do mercado mede uma única linha na horizontal, analisando só
uma direção.
A individualização da INDO com Eyemade vai muito mais além,
captando o conjunto coordenado de movimentos dos olhos e da cabeça
quando se realiza uma atividade visual.
As lentes progressivas Eyemade de Indo estão desenhadas respeitando
a estratégia visual de cada usuário, captada mediante la tecnologia VISUAL
MAP®.
Através do VISUAL MAP DEVELOPER® exclusivo da Indo, um
sofisticado sistema de diagnóstico que utiliza um par estereoscópico de
camaras CCD, se captura o movimento dos olhos e da cabeça, quando se
realiza uma tarefa visual tridimensional. Automaticamente, a trajetória seguida
pelo olho a realizar uma tarefa, desenha um mapa representativo de suas
zonas de visão significativas e a freqüência de passos pelas mesmas. E
decidir, o desenho específico da lente.
O desenho da lente Eyemade se obtém através de um sistema capaz de
calcular em tempo real o desenho único para esse usuário em função do seu
mapa visual, sua prescrição e a forma de seu óculos, obtendo uma geometria
única para o usuário.
Uma vez determinado o desenho, a lente Eyemade se fabrica mediante
a última tecnologia de fabricação “Free-form” desenvolvida pela Indo com a
colaboração da LOH, líder mundial em maquinaria para a fabricação das lentes
oftálmicas, com a estatura e o polido flexível perfeitamente preciso na lente,
ponto por ponto, mediante um avançado controle numérico.
O resultado de poder desfrutar uma lente Eyemade, completamente
personalizada. Assegurando assim ao usuário a máxima satisfação visual e
uma total garantia de adaptação das lentes progressivas.

18
CORREÇÃO DA WAVEFRONT

CORREÇÃO SEM A NECESSIDADE DE CIRURGIA

19
As lentes Wavefront-Guiadas iZon é a primeira solução não cirúrgica
para correção de baixa e elevada refração do erro da 3ª - 6ª ordem de
aberração do olho. A tecnologia do wavefront é medir, traçar e corrigir a
impressão digital óptica das lentes iZon no olho e são as únicas lentes no
mercado customizado inteiramente. O resultado é acuidade visual melhorada e
a redução ou a eliminação das distorções visuais causadas por aberrações. Os
usuários também vêem uma melhoria na acuidade visual do contraste baixo e a
sensibilidade. A melhoria em tarefas funcionais da visão, em particular a
performance para quem dirige a noite.

A tecnologia do wavefront é usada analisar a maneira que a luz viaja


através do olho. Uma luz de laser indolor, invisível e completamente segura
sendo irradiada na retina na parte traseira do olho e refletida então de trás para
fora. Os trajetos feitos exame pelos raios claros que viajam através do olho
fornecem um mapa ótico tridimensional do olho. Este wavefront que traça ao
profissional e detecta as aberrações não vistas nos testes convencionais da
visão, que o paciente nota a qualidade da visão.

As distorções ou as imperfeições na visão causada por aberrações da


ordem elevada podem incluir:
• Acuidade visual comprometido
• Halos (auréola), starbursts (explosão de estrela) e cometas em torno da
luz à noite
• Percepção de profundidade comprometida
• Sensibilidade baixa do contraste
• Sensibilidade perceptual à cor

CORREÇÃO CIRÚRGICA DO WAVEFRONT DO OLHO

A tecnologia do wavefront foi usada com sucesso em procedimentos de


LASIK e de PRK. LASIK muda permanentemente a forma da córnea e é
executado variando os graus para os míopes, hipermétropes e com
astigmatismos. Embora muitos pacientes apreciem os benefícios de não ser

20
dependentes dos vidros ou das lentes de contato, há uns riscos envolvidos
neste procedimento. Podem incluir: sobre a correção; a inabilidade desgastar
lentes de contato; perda permanente da visão e da redução na qualidade da
visão. Os pacientes da Borne-LASIK queixam-se também sobre o brilho, halos
e starbursts aumentados; dificuldade para dirigir a noite; e visão reduzida em
condições não ofuscantes do dia.
O olho humano é um instrumento ótico imperfeito e os dois não são
exatamente iguais. Cada pessoa tem uma impressão óptica tão original quanto
suas impressões digitais.

O Olho Lente Atual Wavefront-Guiada iZon™

Customização total e
Imperfeição localizada Lente perfeita que tenta
adaptação individual do
e impressão digital ótica adaptar o olho imperfeito
olho

A refração convencional dirige-se somente a segunda ordem da esfera,


cilindro e o eixo, corrigindo a miopia e a hipermetropia com um tamanho cabe
toda a aproximação.

A tecnologia convencional foi incapaz de dirigir-se separada às


aberrações de ordem elevada do olho, que são originais a cada paciente.
Quando um paciente puder ver 20/20, sua visão não otimizada. Pode
experimentar a dupla imagem, campo de vista distorcido, contraste baixo, falta
da percepção de cor, sensibilidade do brilho, problemas ao dirigir a noite,
caudas do estouro estilo cometa de auréola/estrela em torno da luz a noite
comprometendo a visão.

Halos Cometas

21
Starbursts Visão Optimized

Conseguir a otimização da visão, onde os pacientes conseguem ver o


pico de seu próprio potencial particular da visão, requer um padrão
completamente diferente do que existe hoje. O padrão novo deve empregar as
tecnologias, que trabalham com as qualidades óticas originais de cada olho. O
processo de Ophthonix é compreendido de três tecnologias para chegar em
suas lentes Wavefront-Guiadas iZon inteiramente otimizado.

• A Z-Vista "Aberrometer” mede separada a ordem e as aberrações de


ordem elevada dos olhos.
• A tecnologia que traduz as medidas da Z-Vista Aberrometer em um Rx
customizado.
• A tecnologia que transmite automaticamente o Rx ao programador de
Ophthonix, que manufatura a lente do iZon com ponto para apontar a
programação.

PROGRESSIVA INTEIRAMENTE CUSTOMIZADA

• Dirige-se a todos os erros potenciais de refração incluindo aberrações


de uma ordem mais elevada visão do olho (3ª - 6ª ordem)
frequentemente aos pacientes présbita;
• A lente programada o ponto a ponto ao iPrint do paciente, bem como um
CD, para criar uma adaptação perfeita a sua exigência ocular;

22
• Índice progressivo customizado na base do ponto a ponto com material
proprietário do iZonik;
• Corredores inteiramente customizado para cada paciente baseado em
suas escolhas do estilo de vida e da estrutura.

CONCLUSÃO

23
Os desenhos das lentes progressivas são muito importantes para o
avanço tecnológico, zona de dintância, corredor progressivo e zona de perto
mais amplo. Lentes mais finas e outra tão curta a altura do progressivo que não
percebe se que é uma lente progressiva, isto é muito bom para quem não quer
aparentar uma idade avançada.
O alto preço das lentes progresivas é o resultado da soma da alta
tecnologia desenvolvida e voltada para a produção. Ainda é muito alto o valor
dos equipamentos e dos programas de informática necessários para a geração
das lentes, pois, quanto mais parâmetros houver,mais cara é a produção,
porque mais sofisticado será esse programa de geração.

24
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

SITES

http://www.sola.com/portuguese/sola/professionals/technical/pdfs/fundamentals
1.pdf

http://www.ophthonix.com/technology/iZon-lens.asp

http://www.moacir-cunha.com.br/acesso_clinicageral02.asp

http://www.sola.com/portuguese/sola/professionals/technical/pdfs/fundamentals
1.pdf

http://www.viewmagazine.com.br/publisher/suple70.pdf

LIVROS

PEREIRA, Ney Dias – Óptica Oftálmica Básica

ALVES, Aderbal de Albuquerque – Refração

25