Você está na página 1de 13

PREDESTINAÇÃO E ELEIÇÃO

Poucas doutrinas das Escrituras são tão mal entendidas e conseqüentemente tão abusadas e
pervertidas quanto essas duas doutrinas, mas a Escrituras as apresentam numa simplicidade
relativa; se tal é o caso, por que então elas são tão mal entendidas e abusadas? A verdade é
que essas doutrinas atacam a própria raiz do orgulho e vaidade do homem, e quando são
entendidas e aceitas de modo correto, não deixam absolutamente nenhum espaço para o
homem se regozijar ou se orgulhar em seus próprios feitos e realizações. Por esse motivo, o
homem em seu orgulho e vaidade natural as rejeita, ou as modifica tanto a ponto de torná-
las aceitáveis à sua mente orgulhosa.

Acerca da eleição, Abraham Booth disse:

Mas qual é a razão desse protesto contra a eleição? Se é que não estou muito enganado, dá
para compreender esse protesto da seguinte forma. Essa doutrina põe o machado na raiz de
toda excelência moral da qual nos gloriamos. Essa doutrina, em suas conseqüências
naturais, demole todo subterfúgio do orgulho humano; já que não deixa nenhuma sombra de
diferença entre um homem e outro, o motivo por que Deus deveria estimar e salvar esta
pessoa, em vez daquela; mas ensina todos os que sabem e todos os que a adotam a
descansar naquela máxima memorável; SIM, Ó PAI, PORQUE ASSIM TE APROUVE; reduzindo
o assunto todo a graça divina e a soberania divina. — The Reign of Grace (O Reinado da
Graça), p. 56. American Baptist Public¬ation Society, Philadelphia, sem data.

Um pregador idoso, amigo deste escritor, que desde então partiu para o Senhor, certa vez
comentou que uma pessoa tinha de se converter para toda doutrina da Bíblia antes de
realmente as aceitar, e em nenhuma doutrina é esse fato tão verdadeiro quanto no caso que
estamos agora tratando. Este escritor passou por um longo período de conflito interno antes
de chegar a aceitar essa doutrina; ele não tinha nenhuma pré-disposição para crer nela;
aliás, ele estava inteiramente firme em sua oposição a ela, mas ele orava continuamente
para que o Senhor lhe desse sabedoria e entendimento nas coisas espirituais, e o resultado
foi esse. Até hoje, o orgulho carnal ainda se rebela contra essa doutrina, mas o espírito foi
levado a se regozijar nela, achando nela grande consolo e segurança. É por causa desse
grande conflito interno que o escritor não se envolve em argumentos e debates com aqueles
que não crêem nessas doutrinas, pois ele crê que elas não são doutrinas que se pode
aprender meramente com a sabedoria carnal, mas são doutrinas às quais devemos nos
converter, e as quais só dá para aceitar pela graça. Tentar enfiar a Bíblia goela abaixo de
outro crente raramente faz mais do que firmá-lo em sua oposição à doutrina proposta com
tanto zelo. Isso não quer dizer que não podemos nos engajar em debate quieto e amistoso
acerca dessas doutrinas ou outras da Palavra; isso podemos e devemos fazer, mas a
qualquer momento que o debate vai além de amizade e tranqüilidade, é hora de terminá-lo,
pois depois desse ponto não poderá haver proveito algum para nenhuma das duas pessoas.

Alguns rejeitam as doutrinas dos decretos de Deus completamente, dizendo que não seria
justo no caráter de Deus oferecer decretos predeterminados quanto ao que virá a ocorrer no
tempo. Contudo, Charles H. Spurgeon, num sermão sobre Efésios 1:5, respondeu bem a
essa questão ao dizer:

É ao mesmo tempo uma doutrina das Escrituras e do bom senso, que tudo o que Deus faz no
tempo ele predestinou fazer na eternidade. Alguns homens criticam a predestinação divina, e
desafiam a justiça dos decretos eternos. Ora, se eles quiserem se lembrar de que a
predestinação é o pano de fundo da história, como um plano de arquitetura, a execução do
qual lemos nos fatos que acontecem, podem talvez obter uma leve pista para a
irracionalidade de sua hostilidade. Nunca ouvi ninguém entre os mestres de forma maliciosa
e deliberada criticar o modo como Deus trata suas criaturas humanas, mas ouvi alguns que
nem mesmo ousariam colocar em dúvida a justiça de Seus conselhos. Se a coisa em si é
certa, tem de ser certo que Deus tencionou fazer a coisa; se você não tem motivo para
criticar os fatos, conforme você os vê na providência, você não tem base alguma para se
queixar dos decretos, à medida que os acha na predestinação, pois os decretos e os fatos
são apenas as semelhanças um do outro. Você tem algum motivo para criticar a Deus, que
ele quis salvar você, e salvar a mim? Então por que você deveria criticar, pois as Escrituras
dizem que ele predeterminou que ele nos salvaria? Não vejo, se o fato em si é compatível, o
motivo por que o decreto deveria ser condenável. Não consigo ver razão alguma por que
você deveria criticar a predestinação de Deus, se você não criticar o que realmente acontece
como efeito dela. Que as pessoas apenas concordem em reconhecer um ato da providência,
e quero saber como elas poderão, a não ser que se oponham descaradamente à providência,
criticar a predestinação ou intenção que Deus fez com relação à providência. — Metropolitan
Tabernacle Pulpit (Púlpito do Tabernáculo Metropolitano), p. 97. Pilgrim Publication,
reimpressão, Pasadena, Texas, 1969.

De novo, de modo geral não é proveitoso pregar essa doutrina para pessoas perdidas, pois
muitas delas estão procurando uma desculpa para continuar no pecado, e a perspectiva
fatalista de “se vou ser salvo, serei não importa o que eu faça”, será rapidamente adotada, e
a responsabilidade humana será removida imediatamente. Mas essa mesma coisa se aplica a
muitas doutrinas amplamente diferentes das Escrituras, pois a pessoa perdida tem pouca
compreensão espiritual, e muitas vezes usará os ensinos doutrinários como escudo ou defesa
para continuar em sua maldade. Este escritor sabe de um exemplo em que a pregação do
dever do dízimo para um homem não salvo foi utilizada como desculpa para não ser salvo,
pois o homem perdido se isentava com a alegação de que “O pregador só estava interessado
em conseguir mais dinheiro na igreja de modo que pudesse obter um aumento de salário”.
Esse mesmo tipo de desculpa poderia ilustrar outros casos com relação a outras doutrinas
também, de modo que quando dizemos que não é geralmente prudente pregar a
predestinação e eleição para os perdidos, não queremos dizer isso com a exceção de outras
doutrinas, mas só que a pessoa perdida tem necessidade de que apenas o evangelho lhe
seja pregado. Tal indivíduo tem essa necessidade com quase qualquer outro assunto. J. M.
Pendleton bem sabiamente diz que:

Deus começa com a eleição, mas o homem não pode. Ele deve começar com o chamado, e
quando confirmado o seu chamado, confirma-se a eleição. O chamado é a única prova real
da eleição. Portanto, veremos que o cerne da eleição é, nas mãos de um pecador, a mais
difícil de todas as questões. A razão é que a eleição, não é da conta dele, e a nada que ele
pode fazer com ela. — Christian Doctrines (Doutrinas Cristãs), p. 112. American Baptist
Publication Society, Philadelphia, 1878.

Ao estudar essas doutrinas, deve-se reconhecer que essas doutrinas são bem profundas,
quase impenetráveis, e por esse motivo, só podemos nos apegar aos ensinos das Escrituras,
e não ousamos ir além deles, pois em nada a mente humana é menos preparada para
raciocinar do que ao lidar com as doutrinas da predestinação e eleição. Alguns usam esse
próprio fato como desculpa para rejeitar essas doutrinas, como se jamais devêssemos
aceitar qualquer coisa que não estejamos em condições de compreender plenamente;
outros, não encontrando um jeito de reconciliar a soberania de Deus com a responsabilidade
humana nesse assunto, escolheram repudiar a eleição soberana de Deus. Mas isso é deixar
de entender completamente o ponto; pois se entendemos, ou se podemos reconciliar esses
dois fatos, de modo algum determina a verdade dos dois; mas, precisamos deixar Deus ser
Deus, e Lhe dar crédito por saber algumas coisas que nem sabemos nem entendemos.
Reconciliar as Escrituras não é algo que compete a nós; o que nos compete é simplesmente
aprendê-las e crer nelas. Na verdade, a reconciliação é necessária apenas entre inimigos, e
as Escrituras não estão em inimizade consigo. O Dr. Richard Fuller, ao falar da predestinação
e livre agência, bem disse que:

Mostrei que é impossível rejeitarmos uma dessas duas grandes verdades, e é igualmente
impossível nossas mentes as reconciliarem. Mas aí, como em toda parte, a fé tem de vir ao
nosso auxílio, ensinando-nos a descansar, sem duvidar, na veracidade de Deus; fazendo-nos
lembrar que “As coisas encobertas pertencem ao SENHOR nosso Deus”; e repreendendo a
arrogância que exige que nosso intelecto penetre e reconcilie aqueles pensamentos da mente
divina que estão tão acima de nossos pensamentos como os céus estão acima da terra. —
Sermons, Second Series (Sermões, Segunda Série), p. 19. American Baptist Publication
Society, Philadelphia, 1877.

Charles H. Spurgeon, num sermão sobre 2 Tessalonicenses 2:13 14, semelhantemente diz
dessa doutrina:

Não está aqui nas Escrituras? E não é teu dever se prostrar diante delas, e humildemente
reconhecer o que tu não entendes — recebendo-as como a verdade ainda que não entendas
seu sentido? Não tentarei provar a justiça de Deus ao ter assim eleito uns e deixado outros.
Não me cabe justificar meu Mestre. Ele falará por Si, ele assim o faz: — “Mas, ó homem,
quem és tu, que a Deus replicas? Porventura a coisa formada dirá ao que a formou: Por que
me fizeste assim? Ou não tem o oleiro poder sobre o barro, para da mesma massa fazer um
vaso para honra e outro para desonra?” — The New Park Street Pulpit (O Púlpito da Nova
Rua Parque), Vol. I, p. 316. Zondervan Publishing House, reimpressão, Grand Rapids,
Michigan, 1963.

Como seria tolo esperarmos que numa xícara de chá caiba o oceano, assim também seria
tolo esperarmos poder entender inteiramente as grandes obras e propósitos do Todo-
poderoso, e é apenas jactância imensa que fará da nossa própria ignorância a base para
rejeitar o que as Escrituras apresentam como a verdade.

Espero lidar com esse assunto de um modo que não seja exaustivo, quero apenas observar
três coisas principais acerca dessa doutrina, e confiar que o Espírito de Deus guiará nosso
entendimento na verdade à medida que estudarmos.

I. A DEFINIÇÃO DE ELEIÇÃO E PREDESTINAÇÃO.

Ambas dessas doutrinas serão consideradas juntas, pois muitas vezes se trata a eleição
como um ramo da predestinação, e em outras vezes como equivalente à predestinação. O
Dr. John Gill diz acerca dessas duas doutrinas:

Os decretos especiais de Deus com respeito às criaturas racionais comumente levam o nome
de predestinação; embora se entenda isso num sentido amplo, para expressar toda coisa
que Deus predeterminou…mas geralmente se considera a predestinação como consistindo de
duas partes, e inclusive os dois ramos da eleição e reprovação, ambos com respeito a anjos
e homens… Embora às vezes a predestinação tenha a ver apenas com esse ramo dela
chamado eleição, e os predestinados significam apenas os eleitos. — Body of Divinity (Corpo
da Divindade), Book II, capítulo 2, p. 176. Turner Lassetter, Atlanta, Georgia, 1950.

Considerando a partir desse ponto de vista negativo, deve-se observar que há muitas
concepções erradas acerca dessa doutrina, e não será incorreto notar algumas delas de
passagem.

(1) Alguns sustentam que a eleição é apenas para vocação, mas enquanto é verdade que às
vezes se declare a eleição para a vocação ou um ofício, porém muitas vezes isso é uma
conseqüência que se origina a partir de uma eleição para a vida eterna, em vez da própria
eleição. “Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos escolhi a vós, e vos nomeei, para que
vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça” (João 15:16). Aqui, é óbvio que a ordenação
para ser frutífero é algo separado da eleição, embora necessariamente a pressuponha, e se
origine dela.

(2) Outros sustentam que a eleição é unicamente um ato do homem: que, nas palavras de
alguém: “Deus lança um voto em favor de vida eterna para você, e Satanás lança um voto
contra, e o homem deve lançar o voto de decisão, quebrando assim o empate, e se
elegendo”. As Escrituras que acabamos de citar, bem como muitas outras, definitivamente
negam essa teoria; aliás, no que se refere à salvação, nunca se diz que o homem faz a
eleição ou escolha; é um ato que é sempre estabelecido pelo Senhor. Se, como sustenta
essa teoria, fosse o homem que fizesse a escolha, o povo de Deus não seria chamado de “os
eleitos” — os escolhidos —, mas seria chamado de “os eleitores”. É estranho o modo como
muitas vezes o homem, por suas próprias interpretações das Escrituras, faça parecer que o
Senhor não sabe como dizer o que Ele quer dizer, e como se não se pudesse assim aceitar as
Escrituras em seu sentido mais óbvio.

(3) Uma terceira concepção errada acerca da eleição, que sempre se baseia numa opinião
distorcida dela, é que se é verdade que os homens são eleitos para a salvação, então jamais
devemos pregar o evangelho para ninguém, nem nos esforçarmos de forma alguma para ver
almas salvas, já que só Deus faz a eleição. Muitos que não crêem na eleição a distorcerão
desse jeito a fim de ter um bode-expiatório, e alguns até daqueles que afirmam crer nela a
distorcerão a fim de desculpar sua negligência, mas o dever dos cristãos de apresentarem o
evangelho aos perdidos é de modo algum afetado pela eleição, desde que não há como
conhecer o eleito a não ser pela sua resposta ao evangelho. Nosso dever é ser testemunhas
de Jesus Cristo — apresentar o evangelho; a eleição para a vida eterna foi tratada numa
eternidade passada, e será manifesta pelo Espírito aplicando a verdade salvadora à alma
eleita a fim de regenerá-la e fazer com que confie no Salvador. Ainda que o homem não
pudesse saber que os decretos de eleição de Deus eram tais que impediriam qualquer pessoa
de chegar a se salvar, ou, por outro lado, fizessem com que toda alma perdida fosse salva,
não afetaria minimamente o mandamento do Senhor para Seu povo de ser testemunhas fiéis
de Sua verdade salvadora. O que Deus faz ou não faz não tem efeito algum em nossa
responsabilidade de dar testemunho fiel acerca dEle.

(4) Ainda outros sustentam que na medida que essa doutrina é misteriosa, que não deveria
pois ser pregada nem ensinada de forma alguma. Mas não é bem assim, pois não se pode
ignorar nenhuma doutrina das Escrituras sem incorrer culpa séria diante de Deus; é
necessário que os santos sejam informados da fonte e causa de sua salvação, para que em
seu orgulho e prepotência não tentem tomar para si essa glória que pertence somente ao
Senhor.

O que então é a eleição? A palavra significa simplesmente “escolher” e se refere à escolha


eterna de homens indignos de ser os objetos da obra salvadora do Senhor no tempo. “Como
também nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para que fôssemos santos e
irrepreensíveis diante dele em amor” (Efésios 1:4). As definições seguintes poderão nos
ajudar a entender as doutrinas da predestinação e eleição.

A eleição é o ato eterno de Deus, pelo qual em Sua vontade soberana, e por causa de
nenhum mérito antevisto neles, ele escolhe certos homens pecadores para receber a graça
especial de Seu Espírito, e assim se tornarem participantes voluntários da salvação de Cristo.
— A. H. Strong, Systematic Theology (Teologia Sistemática) p. 779. Fleming H. Revell
Company, 1954.

Falando de predestinação, o Dr. J. M. Pendleton diz:

A predestinação abrange o propósito da eleição, e também, conforme será mostrado, o


propósito da “reprovação”, como tem sido chamada, que, como bem se disse: “nada mais é
do que negar a alguns a graça que é transmitida a outros” (Hill’s Divinity [A Divindade do
Hill], p. 561) Pode-se expressar esses dois propósitos assim: “Que Deus escolheu em Cristo
certas pessoas da raça caída de Adão, antes da fundação do mundo, para a glória eterna, de
acordo com Seu próprio propósito e graça, sem relação com a fé e obras antevistas deles, ou
quaisquer condições que eles tenham cumprido”; e que Ele negou ao resto da humanidade
Sua graça e os entregou à desonra, e o justo castigo de seus pecados. — Christian Doctrines
(Doutrinas Cristãs), p. 105. Ameri¬can Baptist Publication Society, Philadelphia, 1878.

As Escrituras apresentam essa doutrina, não só com a terminologia de “eleição”, mas


também sob os termos de “escolher”, “ordenar”, “designar”, “determinar”, “destinar” e
“constituir”, pois essa doutrina envolve a determinação soberana de Deus de exercer tais
dons e graças em homens caídos específicos a fim de fazer com que certamente venham a
conhecer a salvação de Seu Filho. Por causa do caráter dos propósitos do Senhor, essa
realização é sempre atribuída totalmente a Deus, e jamais ao homem. Nenhuma obra,
mérito ou fé humana, ou real ou antevista, pode chegar a entrar na determinação desse
assunto. Isso é óbvio a partir de Romanos 9:11: “Porque, não tendo eles ainda nascido, nem
tendo feito bem ou mal (para que o propósito de Deus, segundo a eleição, ficasse firme, não
por causa das obras, mas por aquele que chama)”. Ao se referir aos filhos que não haviam
nascido, nem tinham feito nada de bom ou mau, e então ao se referir aos propósitos de
Deus de acordo com a posição de eleição, mostra-se claramente que uma presciência de
atos, mérito ou fé humana jamais entra no assunto, pois se entrasse, aí seria o lugar lógico
para se fazer menção, mas o silêncio reina de modo supremo nesse exemplo.

Muitos sustentam uma eleição condicional — condicionada em alguma resposta humana,


geralmente fé. Aliás, alguns pregadores mudaram a declaração das velhas confissões bíblicas
de fé que quase todos os batistas costumavam sustentar de que “somos eleitos para Sua
graça”, e deixaram seu texto assim: Somos “por condição eleitos para essa graça”. Isso soa
bom para a mente orgulhosa e humanista do homem! Mas o fato das Escrituras é que, na
gramática grega, existe apenas um tempo condicional, e a palavra “eleito” JAMAIS é nesse
tempo.

E outro fato interessante que refuta a teoria acima acerca da eleição condicional é que em
toda vez que aparece no Novo Testamento a palavra grega traduzida “eleito” ou “escolher”,
quando Deus está fazendo a eleição, o verbo está na voz média. Isso é muito significativo,
conforme mostra W. W. Goodwin.

Na voz média o sujeito é representado como agindo em si mesmo, ou de algum modo que
tem a ver consigo. 1. Como agindo em si mesmo… 2. Como agindo por si mesmo ou com
referência a si mesmo… 3. Como agindo num objeto que pertença a si mesmo. — A Greek
Grammar (Gramática Grega), Section 1242, p. 267. Ginn & Company, Boston, 1892.

Por isso, NÃO DÁ para achar a causa da eleição no sujeito, assim escolhido, mas é devido
totalmente por causa da determinação dAquele que faz a escolha. NÃO HÁ NADA NOS
ELEITOS QUE MOVA DEUS A ESCOLHER ALGUM DELES, É TOTALMENTE DA GRAÇA.

A eleição, que se declara claramente ser eterna — isto é, antes que o tempo, o mundo, ou o
homem tivessem vindo a existir. A única alternativa daqueles que determinaram não aceitar
a soberania absoluta de Deus nesse assunto é baseá-la no mérito antevisto de algum tipo no
homem, tal como fé, bondade ou utilidade; mas Romanos 9:11, citado acima, bem como o
fato de que a fé, e aliás, “toda a boa dádiva”, se declara ser dádiva de Deus, anula essa
teoria, e deixa a eleição ainda um ato soberano de Deus sem explicação a partir do lado
humano do assunto. Será que Deus não tem o mesmo direito que nós temos, de exigir para
si e escolher quem serão Seus amigos e parceiros a vida inteira? Se alguém tentar cobrar
que Deus tem de lidar do mesmo jeito e grau com toda a humanidade, ele imediatamente se
deparará com todos os tipos de dificuldades, pois Deus exige o direito soberano de fazer com
quem é dEle conforme Ele quiser, como o dono da casa na parábola em Mateus 20:15: “Ou
não me é lícito fazer o que quiser do que é meu? Ou é mau o teu olho porque eu sou bom?”
Se alguém chega a ser salvo, é mais do que merecimento, e se ninguém chegar a ser salvo,
não haveria base alguma para queixa, pois todos merecem apenas o inferno. Em nenhuma
outra esfera o homem raciocina de modo tão incoerente como na questão da eleição. Por
exemplo, se o governador de um estado perdoa um presidiário da prisão estadual, ninguém
imediatamente começa a gritar que a fim de ser justo, ele tem de perdoar todos os outros
presidiários igualmente culpados. Todos compreendem que perdoar um criminoso é um ato
de graça e misericórdia, não de justiça, e que direitos e merecimento nada têm a ver com
isso; mas os propósitos de eleição de Deus são exatamente paralelos a isso.

Temos de nos lembrar de que a eleição é totalmente de Deus, que foi realizada na
eternidade passada, que é para a salvação, e que inclui todos os meios necessários para
cumprir a salvação, como está escrito: “Mas devemos sempre dar graças a Deus por vós,
irmãos amados do Senhor, por vos ter Deus elegido desde o princípio para a salvação, em
santificação do Espírito, e fé da verdade; Para o que pelo nosso evangelho vos chamou, para
alcançardes a glória de nosso Senhor Jesus Cristo” (2 Tessalonicenses 2:13 14). Não resta
assim nenhum espaço para o louvor do homem e suas obras ou atitudes, mas toda a glória é
devida a Deus.

II. A ELEIÇÃO EM DETALHES.

Conforme já dissemos, a eleição é um ato totalmente de Deus, e o homem não tem parte
nesse ato, como declaram com clareza as seguintes passagens: “E, se o Senhor não
abreviasse aqueles dias, nenhuma carne se salvaria; mas, por causa dos eleitos que
escolheu, abreviou aqueles dias” (Marcos 13:20). Essa é a primeira vez em que aparece no
Novo Testamento a palavra grega eklegomai (eklektous ous exelexato), e enfatiza o fato de
que é a escolha de Deus que constitui certas pessoas como eleitas. Não importa que essa
referência tenha a ver com o período da Grande Tribulação, nem (como as objeções de
alguns) que essa referência tenha a ver só com os judeus (o que não é verdade, pois embora
inclua os eleitos de Israel, não está limitada a eles, mas abrange todos os eleitos que
estavam vivendo na terra naquela época). Prova que os homens são eleitos por causa da
escolha de Deus, não do homem. “Como também nos elegeu nele antes da fundação do
mundo, para que fôssemos santos e irrepreensíveis diante dele em amor” (Efésios 1:4).
Outra vez é provada que Deus faz a escolha, mas se revela um fato adicional: não fomos
escolhidos por causa de alguma santidade pessoal, mas em vez disso fomos escolhidos para
essa condição, isto é, essa condição se origina da eleição de Deus. “Sabendo, amados
irmãos, que a vossa eleição é de Deus” (1 Tessalonicenses 1:4). De novo, a eleição é ato de
Deus.

A eleição é também atribuída a Cristo nas seguintes passagens: “Não falo de todos vós; eu
bem sei os que tenho escolhido” (João 13:18). É óbvio que a referência não é à eleição para
serviço, pois Judas Iscariotes havia sido escolhido para serviço, mas ele nunca foi salvo, e
assim não poderia ter sido eleito para salvação. “Não me escolhestes vós a mim, mas eu vos
escolhi a vós, e vos nomeei, para que vades e deis fruto, e o vosso fruto permaneça; a fim
de que tudo quanto em meu nome pedirdes ao Pai ele vo-lo conceda… Se vós fôsseis do
mundo, o mundo amaria o que era seu, mas porque não sois do mundo, antes eu vos escolhi
do mundo, por isso é que o mundo vos odeia” (João 15:16,19). Observe nesses últimos
versículos que: (1) Cristo expressamente nega que o homem fez a escolha. (2) Que essa
escolha não foi “para serviço”, como muitos afirmam que a eleição é, pois o serviço é algo
que é em acréscimo à, e se origina da, eleição. (3) Essa eleição coloca os santos numa
classe diferente do mundo. (4) O mundo odeia os santos porque eles foram eleitos por
Cristo.

É verdade que um homem pode escolher servir a Deus, (Josué 24:15), mas tal escolha
jamais se chama eleição, pois a eleição é sempre um ato divino quando tem relação com a
salvação, que é geralmente o caso no Novo Testamento. A escolha dos homens de servir a
Deus não significa nada quanto à sua eleição para a salvação, pois Judas Iscariotes havia
escolhido, por suas próprias razões, seguir Cristo e, até certo ponto, servir a Deus, mas
somos expressamente informados de que ele nunca foi salvo. Portanto, ele não era um dos
eleitos.

Não só é declarada que a eleição é de Deus, mas que é também “em Cristo”, conforme está
escrito: “Bendito o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o qual nos abençoou com todas
as bênçãos espirituais nos lugares celestiais em Cristo; Como também nos elegeu nele antes
da fundação do mundo…” (Efésios 1:3-4). Com isso se quer dizer que todos os eleitos são
englobados no Filho de Deus, e são aceitos diante do Pai apenas por causa dEle: “Para louvor
e glória da sua graça, pela qual nos fez agradáveis a si no Amado” (Efésios 1:6). É
inteiramente natural para os homens orgulhosos e egoístas buscarem, em algum lugar em si
mesmo, a causa de sua aceitação diante de Deus — em suas obras, ou em sua fé, ou talvez
em seu serviço potencial ao Senhor, mas tal não é a fonte da aceitação de homem algum
diante do Senhor, pois se fosse, o homem só teria segurança na mesma medida da sua
fidelidade contínua ao Senhor. Mas pelo fato de que “somos agradáveis no Amado”, e não
por causa de qualquer coisa em nós mesmos, temos eterna segurança, e jamais poderemos
nos perder; nossa aceitação se baseia nos méritos gloriosos de Jesus Cristo, e jamais
poderão falhar enquanto Ele mantiver Seu caráter santo e imaculado. O próprio Jesus Cristo
teria primeiro de pecar, antes que pudéssemos chegar a nos perder, e isso, é claro, é um
assunto além das possibilidades. Portanto, a salvação de todo verdadeiro filho de Deus está
eternamente resolvida e segura.

A eleição é pessoal, tratando com indivíduos; é verdade que Israel era uma nação escolhida,
conforme está escrito: “Por amor de meu servo Jacó, e de Israel, meu eleito, eu te chamei
pelo teu nome”, (Isaías 45:4), mas de longe a maioria das referências à eleição e aos eleitos
trata não com a nação de Israel, mas em vez disso com os santos individuais de Deus.
Alguns declararam que nunca se menciona eleição como tendo a ver com salvação, mas é
sempre em referência a Israel como nação eleita, ou caso contrário é uma eleição para
serviço. Só dá para explicar essa declaração por ignorância ou preconceito, pois as Escrituras
declaram: “Mas devemos sempre dar graças a Deus por vós, irmãos amados do Senhor, por
vos ter Deus elegido desde o princípio para a salvação, em santificação do Espírito, e fé da
verdade” (2 Tessalonicenses 2:13). “Porque Deus não nos destinou para a ira, mas para a
aquisição da salvação, por nosso Senhor Jesus Cristo” (1 Tessalonicenses 5:9). “E creram
todos quantos estavam ordenados para a vida eterna” (Atos 13:48). E há numerosas outras
passagens que, de forma explícita ou implícita, declaram que a salvação é o resultado direto
da eleição.

Isso nos leva a observar outra coisa acerca da eleição, a qual os oponentes da doutrina
bíblica da eleição ou não percebem ou então ignoram. A eleição não é a mesma coisa que a
salvação. Os oponentes muitas vezes tentam fazer a doutrina parecer absurda dizendo:
“Então você crê que os eleitos foram salvos desde a eternidade passada?” A eleição é para a
salvação, pois a eleição ocorre na eternidade passada, mas um homem só é salvo depois de
nascer de novo, e as primeiras evidências desse novo nascimento são arrependimento e fé.
A eleição é aquela determinação de Deus conduzir o homem as circunstâncias e debaixo de
influências que certamente farão com que ele seja salvo.

A eleição de Deus é um assunto individual, exatamente como o modo como Deus trata os
homens é individual; os homens não são salvos em grupo, e nem são eleitos em grupo. Num
versículo os santos de Deus são chamados “a geração eleita, o sacerdócio real, a nação
santa, o povo adquirido”, (1 Pedro 2:9), mas eles são na maioria das vezes citados em
termos que frisam a eleição individual que o Senhor faz de cada um.

A eleição também se baseia na presciência de Deus, pois está escrito: “Porque os que dantes
conheceu também os predestinou para serem conformes à imagem de seu Filho, a fim de
que ele seja o primogênito entre muitos irmãos” (Romanos 8:29). Tragicamente, há uma
profunda ignorância dessa palavra “presciência” e sua aplicação. Caso contrário, há muitas
vezes uma perversão absoluta desse texto a fim de se evitar seu ensino óbvio. Antes de lidar
com esse texto, talvez seja bom ler também 1 Pedro 1:2, e lidar com ambos de uma só vez:
“Eleitos segundo a presciência de Deus Pai, em santificação do Espírito, para a obediência e
aspersão do sangue de Jesus Cristo”.

Essa perversão de Romanos 8:29 e 1 Pedro 1:2 é feita por homens que declaram que essa é
uma presciência da fé dos homens — que Deus elege os homens porque Ele antevê que eles
crerão em Jesus Cristo. Mas por que Deus deveria elegê-los se Ele vê que eles vão crer de
qualquer forma? Será que Ele é como muitos moderninhos que primeiro observam para ver
de que jeito as coisas vão indo, então pulam na primeira tendência da moda que aparece de
modo que pareça que eles estão de acordo com todo mundo? Dificilmente: É óbvio que essa
não é uma interpretação que esses textos produzirão, a partir do fato de que essa
presciência não é “o que” — isto é, sua fé, obras, atitude ou serviço potencial — mas é de
“quem” — isto é, uma presciência de suas pessoas. De novo, não poderia ser de suas obras
ou fé, pois isso faria com que Romanos 8:29 entrasse em conflito com 1 Pedro 1:2, onde se
revela que a fé é conseqüência natural e resultado da eleição, pois Deus elege “para a
obediência”, e 2 Tessalonicenses 2:13, onde os homens são escolhidos “para a salvação, em
santificação do Espírito, e fé da verdade”. Em ambos os exemplos, revela-se que a
obediência e a fé são conseqüência natural e resultado da escolha soberana de Deus, e não a
causa dela. Veja também Atos 13:48, onde se apresenta a mesma coisa. Os homens dizem
que Deus anteviu que os homens creriam, mas as Escrituras em parte alguma dizem isso;
pelo contrário, o que Deus viu quando Ele olhou do céu foi descrença, desobediência e
rebelião universal, conforme está escrito: “Deus olhou desde os céus para os filhos dos
homens, para ver se havia algum que tivesse entendimento e buscasse a Deus. Desviaram-
se todos, e juntamente se fizeram imundos; não há quem faça o bem, não, nem sequer um”
(Salmo 53:2-3). Isso resolve esse assunto para todos os que estão sujeitos à Palavra de
Deus. Deus não elegeu os homens porque Ele anteviu que eles creriam, mas Ele os elegeu
porque Ele anteviu que a menos que Eles os elegesse, e oferecesse os meios para conduzi-
los à salvação, ninguém chegaria a ser salvo.

Ora, se essa presciência não é da fé deles, então a que isso se refere? Em 1 Pedro 1:20,
essa mesma palavra grega que é traduzida “presciência” em 1 Pedro 1:2, é traduzida em 1
Pedro 1:20 “em outro tempo foi conhecido”. Acerca disso o Dr. B. H. Carroll diz:

Conforme Pedro declara a eleição, perguntamos: o que é? Significa escolhidos para a


salvação. Quem elege? Deus o Pai. Ele elege de acordo com quê? De acordo com sua
presciência. O que Ele quer dizer com presciência? A palavra grega é “prognosis:” “nosis”
significa conhecimento, e “pro” (o “g” significa eufonia) quer dizer antes, ou presciência, e
essa palavra é um substantivo usado apenas por Pedro no Novo Testamento. Ele o usa três
vezes, conforme o seguinte: Atos 2:23; a passagem aí, 1 Pedro 1:2, e em 1 Pedro 1:20.
Esses são os únicos lugares no Novo Testamento em que temos a palavra “prognosis,”
presciência, que significa conhecer de antemão. Mas tanto Pedro quanto Paulo usam o verbo
“prognosco,” que significa conhecer de antemão… Paulo usa a palavra em referência ao
conhecimento de antemão que Deus tem de seu povo, e todas as outras vezes que Pedro
fala do conhecimento de antemão de Deus. Ora, então a pergunta é: O que significa
conhecer de antemão?… O uso de presciência no Novo Testamento era exatamente
equivalente à predestinação. Qualquer estudioso da língua grega lhe diria isso. A eleição não
se baseava em alguma bondade antevista no homem ou em algum arrependimento ou fé no
homem, mas o arrependimento e a fé procedem da eleição, e não vice-versa. De modo que o
que Paulo quer dizer com presciência é praticamente a mesma coisa que a predestinação;
que na eternidade Deus determinou e elegeu de acordo com essa predestinação. — An
Interpretation of the English Bible (Uma Interpretação da Bíblia em Inglês), Vol. 16, pp. 188
189. Broadman Press, Nashville, Tennessee, 1947.

Obviamente “conhecer antes” envolve mais do que mera presciência nessas passagens, pois
em Atos 2:23 a presciência de Deus fez mais do que meramente conhecer de antemão a
crucificação de Cristo, mas era realmente parte da força de entrega nela: “A este que vos foi
entregue pelo determinado conselho e presciência de Deus, prendestes, crucificastes e
matastes pelas mãos de injustos”. O outro uso dessa palavra em 1 Pedro 1:20, onde se
traduz “conhecido antes” revela essa mesma coisa, isto é, que essa palavra envolve não só
presciência de um fato, mas também a execução de um fato. A presciência de Deus é pois
equivalente ao ato de Ele decretar esse fato. Sua predestinação é o cumprimento de todos os
eventos que têm a ver com as vidas de Seus eleitos. Portanto, como disse alguém, a eleição
tem a ver com pessoas, enquanto a predestinação tem a ver com eventos.

Muitas vezes se usa a palavra “propósito” para denotar a firme decisão ou determinação da
mente de buscar um objeto específico. Mas não seria sábio um Ser onisciente tornar
qualquer coisa uma finalidade de ação, a menos que se saiba que dá para alcançá-la; e, se
sabe que dá para alcançar, tem de se saber também os meios e o modo de obtenção. Assim,
o propósito de Deus, abrangendo tanto finalidade quanto meios, tem de abranger tudo o que
ele determinou fazer ou permitir. — Alvah Hovey, Manual of Systematic Theology (Manual de
Teologia Sistemática), p. 96. Ameri¬can Baptist Publication Society, Philadelphia, 1880.

Não só isso, mas enquanto todos sabemos o que significa “antes” quando adicionado a
“conhecer”, muitos não consideraram o uso bíblico da palavra “conhecer”, mas presumiram
que só se refere à consciência mental de algo. O primeiro uso de “conhecer” nas Escrituras
mostra que se refere a entrar numa íntima união de amor com outro (veja Gênesis 4:1).
Esse é o mesmo uso no primeiro uso de “conhecer” no Novo Testamento em Mateus 1:25.
Maria também usou essa palavra na mesma forma em Lucas 1:34. É verdade que essa
palavra foi usada nessas passagens referindo-se a uma união física, mas ilustra o uso
espiritual, como o físico faz em muitos exemplos. Assim, ao “conhecer antes” certas pessoas,
Deus estava simplesmente entrando numa íntima relação espiritual de amor com elas em
Cristo, o representante delas, como em Efésios 1:3 4. Essa presciência de Deus o Pai
equivale em sentido quanto ao que se declara de Israel em Jeremias 31:3. “Há muito [ou na
eternidade passada] que o SENHOR me apareceu, dizendo: Porquanto com amor eterno te
amei [ou, te escolhi para mim mesmo], por isso com benignidade te atraí [ou, chamado
eficaz]”. Deus tomou a iniciativa com relação à redenção do homem antes que o homem até
viesse a existir, e assim, independente de alguma fé real ou possível, obras ou mérito de
qualquer tipo. É graça, pura graça, SOBERANA GRAÇA.

A fim de interpretar corretamente a Palavra de Deus, precisamos considerar todas as vezes


que uma palavra ou frase aparece, e interpretar cada uma em harmonia com todas as
outras; mas se fizermos isso, então não podemos tomar qualquer um dos cognatos dessa
palavra “conhecer [antes]”, isolá-la dos outros usos, e dar-lhe um sentido diferente dos
outros. Assim, não dá para forçar o termo “dantes conhecer” em Romanos 8:29 a se referir a
uma presciência passiva das ações do homem no tempo, quando as formas do substantivo e
do verbo dessa palavra em outros lugares mostram que envolve uma força ativa que realiza
o fato assim “dantes conhecido”. Parece óbvio para este escritor que a palavra grega
traduzida “dantes conheceu” em Romanos 8:29 tem a força de “entregue pelo determinado
conselho e presciência de Deus” como na verdade a mesma palavra é traduzida em Atos
2:23, e a maioria dos grandes teólogos batistas do passado tinha esse consenso.

A eleição não se baseia em alguma obra ou ato humano, real ou previsto, mas em vez disso
é soberana, conforme está escrito: “Pois diz a Moisés: Compadecer-me-ei de quem me
compadecer, e terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia. Assim, pois, isto não
depende do que quer, nem do que corre, mas de Deus, que se compadece” (Romanos 9:15-
16). E de novo: “Assim, pois, também agora neste tempo ficou um remanescente, segundo a
eleição da graça. Mas se é por graça, já não é pelas obras; de outra maneira, a graça já não
é graça. Se, porém, é pelas obras, já não é mais graça; de outra maneira a obra já não é
obra” (Romanos 11:5-6). E ainda de novo: “Porque, vede, irmãos, a vossa vocação, que não
são muitos os sábios segundo a carne, nem muitos os poderosos, nem muitos os nobres que
são chamados. Mas Deus escolheu as coisas loucas deste mundo para confundir as sábias; e
Deus escolheu as coisas fracas deste mundo para confundir as fortes; E Deus escolheu as
coisas vis deste mundo, e as desprezíveis, e as que não são, para aniquilar as que são; Para
que nenhuma carne se glorie perante ele” (1 Coríntios 1:26-29).

O homem foi criado e existe para um propósito supremo — para que Deus seja nele
glorificado, e Deus jamais tolera nada que vá além daquilo que contribui para Sua glória,
pois está escrito: “Certamente a cólera do homem redundará em teu louvor; o restante da
cólera tu o restringirás” (Salmos 76:10). Isso explica o motivo por que a eleição é soberana,
e o motivo por que Deus lida com o homem em graça — é para que a glória possa ser toda
dEle; e isso explica também o motivo por que a doutrina da eleição é tão desagradável ao
paladar do homem — não lhe deixa espaço algum para se gloriar em si mesmo. Assim as
Escrituras declaram que a vontade e os propósitos de Deus são os fatores determinantes de
Sua relação com o homem: “E nos predestinou para filhos de adoção por Jesus Cristo, para
si mesmo, segundo o beneplácito de sua vontade, Para louvor e glória da sua graça, pela
qual nos fez agradáveis a si no Amado… Descobrindo-nos o mistério da sua vontade,
segundo o seu beneplácito, que propusera em si mesmo, De tornar a congregar em Cristo
todas as coisas, na dispensação da plenitude dos tempos, tanto as que estão nos céus como
as que estão na terra; Nele, digo, em quem também fomos feitos herança, havendo sido
predestinados, conforme o propósito daquele que faz todas as coisas, segundo o conselho da
sua vontade” (Efésios 1:5-6, 9-11).

A rebeldia do homem em aceitar a doutrina da eleição resume-se a apenas uma coisa — ele
está indisposto que Deus seja soberano nesse assunto. Ao reconhecer a soberania absoluta
de Deus, não teremos problemas com a doutrina da eleição, nem com nenhum dos temas
relacionados, pois se Deus tem o direito soberano de fazer com Sua criação conforme bem
quiser, e se Ele não pode agir de modo injusto, então tudo o que Ele faz será certo, quer nós
seres humanos mortais consigamos ou não entender as razões para Suas ações. Nem
mesmo a doutrina da reprovação nos afligirá ao reconhecermos a justiça e soberania de
Deus. No entanto, muitos inflam a reprovação (ou rejeição, como também é chamada) para
proporções desnecessárias, não percebem sua conexão com o pecado do homem e tornam
decreto arbitrário enviar alguns para o inferno sem relação com a descrença disposta do
homem. J. M. Pendleton bem diz:

Se se diz que a eleição de alguns é a rejeição de outros, pode-se comentar: A Rejeição é um


termo desnecessariamente forte, e é preferível dizer que Deus deixou outros como estavam.
A doutrina da eleição os deixa onde eles estariam se não houvesse eleição alguma. Nenhuma
injustiça lhes é feita. A verdade é, a eleição não é injustiça para ninguém, embora seja uma
bênção inexpressável para alguns. É preciso uma multidão que nenhum homem pode contar
do meio da raça caída de Adão, mas Deus pode contá-los e elevá-los à esperança e céu. —
Christian Doctrines (Doutrinas Cristãs), pp. 106 107. American Baptist Publication Society,
Philadelphia, 1878.

Alguns, em ignorância abjeta, afirmam às vezes que essa doutrina ensina que Deus
arbitrariamente manda todos os não eleitos para o inferno “sem uma chance” e
exclusivamente como um ato de soberania, mas tal idéia ignora os fatos (1) Que ninguém
vai para o inferno exceto por pecado real e pessoal, e assim todo indivíduo no inferno estará
ali por justiça. (2) Que nenhum homem vai para o inferno exceto depois de uma vida inteira
de pecado, incredulidade e rejeição ao único remédio para o pecado. (3) Que nenhum
incrédulo pode saber de sua eleição ou sua não eleição até o fim da vida, e enquanto há vida
ele não só tem a oportunidade de se arrepender e se salvar, mas também convites nesses
sentido lhe são oferecidos. Séculos atrás, João Bunyan escreveu sobre a Reprovação:

Tenho de lembrá-lo novamente acerca desses detalhes: 1. Que a reprovação eterna não
torna um homem pecador. 2. Que a presciência de Deus, que os reprovados perecerão, não
torna nenhum homem pecador. 3. Que a infalível determinação de Deus para a condenação
daquele que perece não torna homem algum pecador. 4. A paciência, a longanimidade e a
moderação, até que o reprovado se prepare para a destruição eterna, não tornam nenhum
homem pecador. — The Doctrine of Election And Reprobation, in The Complete Works Of
John Bunyan (A Doutrina da Eleição e Reprovação, nas Obras Completas de John Bunyan),
Vol. II, p. 285. National Foundation For Christian Educat¬ion, reimpressão, Marshallton,
Delaware, 1968.

Nenhum homem tem o direito de falar contra o modo como Deus se relaciona com o homem,
qualquer que seja tal relação, e é somente mediante a presunção e prepotência blasfema
que alguém ousa agir desse jeito. “Mas, ó homem, quem és tu, que a Deus replicas?
Porventura a coisa formada dirá ao que a formou: Por que me fizeste assim? Ou não tem o
oleiro poder sobre o barro, para da mesma massa fazer um vaso para honra e outro para
desonra?” (Romanos 9:20-21). Portanto, que nenhum homem orgulhoso desafie o modo
como Deus se relaciona com o homem, mas em vez disso que ele se regozije no fato de que
Deus escolheu alguns do mundo para serem Seus escolhidos, e que o homem confie no
Senhor Jesus para obter a salvação de sua alma para que ele possa ter a certeza de que está
incluído entre os escolhidos, e agora humildemente se regozijar nessa eleição.

De novo, que se observe que a eleição inclui todos os meios necessários para a chamada dos
eleitos entre o restante do mundo. Aqueles que não crêem nessa doutrina muitas vezes
acusam aqueles que crêem de incoerência porque pregam o evangelho e se esforçam para
obter a salvação das almas dos homens; ao agirem desse jeito, eles traem sua ignorância,
ou então são culpados de propositalmente mal-representar a verdade, pois todos os que
verdadeiramente entendem e crêem nessa doutrina também crêem que Deus não só
escolheu certas pessoas para serem somente dEle na eternidade, mas que Ele também
ordenou os meios para levá-las ao arrependimento e fé no tempo. Referindo-se a Romanos
8:30, o Dr. J. M. Pendleton diz:

Nesse versículo temos, se é que podemos assim chamar, uma corrente de ouro de quatro
elos, e essa corrente alcança de eternidade a eternidade. O primeiro elo é a predestinação, e
o último é a glorificação, enquanto os dois elos no meio são chamado e justificação. O
primeiro elo não tem conexão alguma com o último, exceto mediante os elos intermediários.
Isto é, não há jeito de o propósito de Deus na predestinação poder alcançar sua finalidade na
glorificação, se o chamado e a justificação não ocorrerem. Mas o chamado e a justificação
são inseparáveis de “a conversão a Deus, e a fé em nosso Senhor Jesus Cristo” (Atos 20:21).
O arrependimento e a fé, então, sem mencionar outras coisas, são meios mediante os quais
se realiza o propósito de Deus na eleição. Portanto, Deus, ao predestinar a salvação para seu
povo, predestinou o arrependimento deles, e a fé e todos os outros meios necessários para a
salvação deles. — Christian Doctrines (Doutrinas Cristãs), pp. 110 111. American Baptist
Publication Society, Philadelphia, 1878.

Se nos perguntassem o motivo por que temos de pregar o evangelho se Deus escolheu os
homens para a salvação, deixamos Paulo responder: “Mas devemos sempre dar graças a
Deus por vós, irmãos amados do Senhor, por vos ter Deus elegido desde o princípio para a
salvação, em santificação do Espírito, e fé da verdade; Para o que pelo nosso evangelho vos
chamou, para alcançardes a glória de nosso Senhor Jesus Cristo” (2 Tessalonicenses 2:13-
14). Se nos perguntassem de modo faccioso o motivo por que então não pregamos somente
aos eleitos, respondemos primeiramente que não podemos saber antecipadamente quem são
eles, a não ser pela reação deles ao evangelho, mas ainda que pudéssemos saber
antecipadamente quem são eles, isso em nada nos aliviaria do dever de “Ide por todo o
mundo, pregai o evangelho a toda criatura” (Marcos 16:15). Quantos eleitos há, e quem são,
de modo algum afeta nossa responsabilidade de proclamar fielmente a todo o mundo o
evangelho da graça salvadora de Deus; é responsabilidade de Deus chamá-los através do
evangelho que pregamos. O evangelho tem um de dois resultados quando é pregado:
justificação ou juízo; assim, Paulo diz: “Porque para Deus somos o bom perfume de Cristo,
nos que se salvam e nos que se perdem. Para estes certamente cheiro de morte para morte;
mas para aqueles cheiro de vida para vida. E para estas coisas quem é idôneo?” (2 Coríntios
2:15-16). A pregação do evangelho torna mais ainda os homens responsáveis de prestar
contas a Deus por sua incredulidade e rejeição.

III. A DETERMINAÇÃO DA ELEIÇÃO.

Muitas vezes se faz a pergunta: “Como uma pessoa pode saber que ela pertence aos
eleitos?” O que todos temos de compreender é que enquanto nosso Senhor disse: “Mas, não
vos alegreis porque se vos sujeitem os espíritos; alegrai-vos antes por estarem os vossos
nomes escritos nos céus”, Lucas 10:20, mas não temos jeito algum de subir até o céu e
contemplar aquele maravilhoso e glorioso Livro da Vida do Cordeiro, em que estão inscritos
todos os santos de todas as épocas. Mas se esse é o caso, como então se pode saber que ele
pertence aos eleitos? Não simplesmente porque ele é membro de uma igreja, pois isso nada
prova, como revela o caso de Judas Iscariotes; e um homem não pode saber que ele é dos
eleitos porque ouviu a pregação do evangelho e sentiu a convicção da Palavra, pois Mateus
20:16 declara que “muitos são chamados, mas poucos escolhidos”. O chamado do evangelho
mexe com muitos corações que nunca são transformados e nunca são vivificados pelo
Espírito Santo, e assim o número dos eleitos é muito menor do que o número dos que
sentiram a convicção e ouviram um chamado de receber o Salvador.

Quando consideramos as referências aos homens sendo chamados em Romanos 8:30: “E


aos que predestinou a estes também chamou; e aos que chamou a estes também justificou;
e aos que justificou a estes também glorificou”, e 1 Coríntios 1:23 24: “Mas nós pregamos a
Cristo crucificado, que é escândalo para os judeus, e loucura para os gregos. Mas para os
que são chamados, tanto judeus como gregos, lhes pregamos a Cristo, poder de Deus, e
sabedoria de Deus”, e 2 Tessalonicenses 2:14: “Para o que pelo nosso evangelho vos
chamou, para alcançardes a glória de nosso Senhor Jesus Cristo”, e outras passagens, então
se torna óbvio que além do chamado normal, que vem mediante a pregação, e que muitas
vezes é mais ineficaz do que não, há outro chamado que é sempre apenas para os eleitos, e
sempre resulta em justificação, e finalmente se completará na glorificação. Esse último
chamado é o que os teólogos do passado chamavam de chamado eficaz, enquanto o
primeiro chamado é conhecido como o chamado geral; a menos que se faça essa distinção, o
resultado será muita confusão, e parecerá que os propósitos de Deus muitas vezes falham
na realização. O chamado eficaz, porém, não falha, sendo idêntico com regeneração, de
modo que qualquer pessoa nasce de novo quando esse chamado lhe vem. Esse chamado é
co-extensivo com o número daqueles que são justificados e glorificados, pois não há quebra
entre eles, nem diminuição nem aumento no número de pessoas entre o chamado, a
justificação e a glorificação em Romanos 8:30. Note a correlação entre “aos que” e “estes”
aparecendo três vezes.

Ninguém tem a garantia de sua eleição, exceto ao se submeter ao chamado do evangelho e


se arrepender de seus pecados e confiar na obra expiatória do Senhor Jesus Cristo, pois
essas coisas são as primeiras evidências da eleição de alguém, como está escrito: “… e
creram todos quantos estavam ordenados para a vida eterna” (Atos 13:48). Esse versículo
sofre enorme violência por parte daqueles que não crêem na eleição soberana de Deus,
alguns tentando tornar a ordenação para a vida subseqüente ao ato de crer, e outros
desafiando o sentido da palavra traduzida “ordenado”.

Quanto à primeira dessas duas reações a esse versículo, temos só de citar as palavras do Dr.
A. T. Robertson, cuja autoridade como estudioso grego é inquestionável, pois ele é conhecido
e reconhecido como um dos grandes estudiosos gregos da geração passada. Ele diz:

Não há nenhum tipo de truque que possa fazer significar que aqueles que creram foram
depois ordenados. Foi a fé salvadora que foi exercitada somente por aqueles que foram
ordenados para a vida eterna, aqueles classificados para a vida eterna, que foram assim
revelados como alvos da graça de Deus pela posição que tomaram para o Senhor neste dia.
— Word Pictures In The New Testament (Retratos da Palavra no Novo Testamento), Vol. III,
pp. 200 201. Broadman Press, Nashville, Tenn., 1930.

A única ordem correta dessa sentença é com ordenação à vida eterna indo antes, e sendo a
causa da fé que se estava exercendo. Quanto à segunda reação a esse versículo — o desafio
do sentido da palavra traduzida “ordenado” — alguns dizem que se deve lhe atribuir um
sentido reflexivo: “se dispuseram para a vida eterna”. Não somos informados acerca do
motivo por que essa palavra tem de receber tal atribuição, a menos que seja forçada a
concordar com a idéia de antemão deles. É suficiente responder que essa palavra (grego
tasso) jamais sustenta tal sentido no Novo Testamento conforme manifestará um estudo de
todas as vezes que essa palavra aparece; (veja Mateus 28:16; Lucas 7:8; Atos 13:48; 15:2;
22:10; 28:23; Romanos 13:1; 1 Coríntios 16:15). Só no último exemplo a ação da sentença
chega a ser reflexiva, e é reflexiva apenas porque o pronome reflexivo eatous a exige. O
próprio verbo jamais é reflexivo, e tentar forçá-lo a ser mostra uma indisposição de se
aceitar o sentido claro do verbo original.

Além dos mais, se torna ainda mais óbvio que a Versão do Rei James traduz essa palavra de
modo correto quando consideramos que quase todos os tradutores do Novo Testamento
reconhecem esse como o sentido verdadeiro dessa palavra, e assim a traduzem. É
interessante notar que os homens muitas vezes lidam de modo bem negligente com as
Escrituras quando fazem comentários sobre elas, muitas vezes tentando forçar suas próprias
crenças nelas, mas quando eles as estão traduzindo, eles são mais prudentes, e parecem
temer lidar com elas do mesmo modo sacrílego que lidam em seus comentários. Das mais de
trinta versões que este escritor consultou, apenas duas traduziram essa palavra de modo
diferente de “ordenar”, “nomear”, “destinado”, “escolhido”, e palavras de importância
semelhante. Uma dessas duas é a Versão do Novo Mundo (das testemunhas-de-jeová), que
é bem conhecida por sua falta de confiabilidade. A outra versão é a Bíblia Viva, que se
reconhece como paráfrase, e não uma tradução, mas até mesmo essa versão, embora use a
palavra “desejaram” no texto, dá, no rodapé, o sentido de “arranjados para” ou “ordenados
para”. O sentido passivo mostra com clareza que a disposição não era do homem, e assim
deve ter sido de Deus, pois Satanás certamente jamais tentaria determinar ninguém para a
vida eterna. Cremos que esses fatos acerca de Atos 13:48 falam por si mesmos.

Que o homem não tenha o poder intrínseco de crer, e que ele tem de pertencer ao número
dos eleitos antes que possa crer no evangelho, é óbvio a partir de João 10:26: “Mas vós não
credes porque não sois das minhas ovelhas, como já vo-lo tenho dito”. Essa é uma
declaração difícil, mas não temos a liberdade de rejeitá-la simplesmente porque não
podemos entendê-la, pois não é o único versículo que ensina essa verdade profunda, pois
João 6:44 45 também declara: “Ninguém pode vir a mim, se o Pai que me enviou o não
trouxer; e eu o ressuscitarei no último dia. Está escrito nos profetas: E serão todos
ensinados por Deus. Portanto, todo aquele que do Pai ouviu e aprendeu vem a mim”. Se o
Pai não atrair uma pessoa, e lhe der o poder da fé, então esse indivíduo não pode se salvar;
assim, toda a glória da salvação pertence ao Senhor e somente a Ele.

Do ponto de vista humano, determina-se a eleição pela vida que alguém vive, e por esse
motivo só é possível sabermos com certeza nesta vida mediante o exemplo de uma vida de
santidade. Paulo disse acerca dos tessalonicenses: “Sabendo, amados irmãos, que a vossa
eleição é de Deus”, 1 Tessalonicenses 1:4, mas como ele sabia disso? Ele próprio dá a
resposta no versículo precedente: “Lembrando-nos sem cessar da obra da vossa fé, do
trabalho do amor, e da paciência da esperança em nosso Senhor Jesus Cristo, diante de
nosso Deus e Pai” (versículo 3). Quando compreendemos que os homens são eleitos para a
fé e obediência, e não por causa destas, (2 Tessalonicenses 2:13; Atos 13:48; 1 Pedro 1:2),
então compreendemos que onde as vemos, há evidência de eleição. Na salvação somos
criados “em Cristo Jesus para as boas obras, as quais Deus preparou para que andássemos
nelas”, (Efésios 2:10), de modo que uma vida constante em boas obras é evidência de que
alguém foi salvo, e conseqüentemente de que é uma pessoa eleita.

A eleição é uma doutrina misteriosa, mas maravilhosa; é uma doutrina que, embora não
deixe espaço para o orgulho e vaidade, é porém uma grande bênção para o homem, pois
garante a salvação de cada um dos eleitos de Deus. Alguns repudiam a doutrina da eleição,
dizendo que mostra ser respeitadora de homens, mas deixa alguns sem esperança de
salvação. A verdade é que ninguém pode saber se ele pertence aos eleitos ou não eleitos,
exceto crendo ou então morrendo sem arrependimento, o que coloca a questão toda no nível
da fé ou falta de fé do indivíduo. Observe o que Jesus diz acerca disso: “Todo o que o Pai me
dá virá a mim; e o que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora” (João 6:37). Aí
aprendemos: (1) Que só aqueles que foram dados a Cristo no pacto da redenção virão a Ele.
Isso se refere, é claro, à eleição. (2) Todos aqueles que foram assim dados virão a Cristo. A
salvação de todos os eleitos é assegurada pelo chamado eficaz e a atração deles. Essa é
graça eficaz ou irresistível. (3) Que embora essas coisas sejam gloriosamente assim, há
porém também a esperança para todos os que se achegam a Cristo em fé serão por Ele
recebidos. Assim, enfatiza-se a responsabilidade humana, de modo que ninguém pode culpar
a Deus por qualquer homem que se perde. Já que ele não pode saber de antemão acerca de
sua não eleição, e já que se oferece a promessa de aceitação a todos os que se achegam, o
homem perdido se perde exclusivamente por causa de sua própria incredulidade da
promessa de Deus.
Nosso chamado e eleição podem ser afirmados — afirmados para nós e para outros homens,
pois Deus já os conhece, sendo obra dEle. Assim diz Pedro: “Portanto, irmãos, procurai fazer
cada vez mais firme a vossa vocação e eleição; porque, fazendo isto, nunca jamais
tropeçareis” (2 Pedro 1:10). As coisas às quais se refere Pedro, que tornam firmes o
chamado e eleição de alguém, são aquelas boas obras que se esperam de toda pessoa que
verdadeiramente nasceu de novo, e que manifestam que ele é verdadeiramente salvo. Elas
são boas obras que se originam da fé (veja os versículos 5 9).

A eleição, sendo obra de Deus, e sem causa humana, glorifica a Deus enquanto ao mesmo
tempo humilha o homem, e essa é a razão principal por que é tão desagradável ao paladar
do homem. Quando nos lembramos da declaração de Paulo de que, “Porque eu sei que em
mim, isto é, na minha carne, não habita bem algum; e com efeito o querer está em mim,
mas não consigo realizar o bem”, (Romanos 7:18), então temos de reconhecer que quase
qualquer coisa que humilhe o orgulho carnal, enquanto glorifica a Deus, pode ser presumida
como verdadeira. Nada de bom jamais teve sua origem na carne, e nada de ruim (nada
verdadeiramente ruim à luz dos propósitos de Deus) jamais procede de Deus.

Autor: Pr Davis W. Huckabee


Fonte: www.PalavraPrudente.com.br