Você está na página 1de 3

FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS E SOCIAIS DE ARARIPINA

RELATÓRIO DO I ENCONTRO DE ESTUDOS JURÍDICOS DA FACISA


Direito Tributário e a Importância da Defesa Técnica no Âmbito do Processo
Administrativo-Tributário

Direito do Trabalho
Professora: Laís Muniz Rodrigues
Aluno: Geazi Natan Carlos de Macedo
VI Período, Curso de Direito

Araripina-PE, 18 de Outubro de 2018


Direito Tributário e a Importância da Defesa Técnica no Âmbito do Processo
Administrativo-Tributário

No dia 03 de Outubro de 2018, na cidade de Araripina-PE, no I Encontro


de Estudos Jurídicos da FACISA, recebemos no SESI a presença de Luiz Keherle,
Mestrando em Direito Tributário, Especialista em Planejamento Tributário,
Especialista em Direito Processual Civil e Procurador da Fazenda Pública da cidade
de Jaboatão dos Guararapes-PE, a convite do corpo diretor e docente da FACISA,
para ministrar palestra cujo título foi: ''Direito Tributário e a Importância da Defesa
Técnica no Âmbito do Processo Administrativo-Tributário''.
O palestrante abordou pontos fundamentais acerca da teoria e prática do
Direito Tributário, preliminarmente buscando dissolver o preconceito do público
contra esse ramo do Direito, mostrando como Direito Tributário pode ser uma área
fértil para qualquer profissional apto, dotado de disposição, dedicação e capacidade.
Abordando o assunto sob o prisma histórico e antropológico, o
instrumento do tributo surge como método de dominação sobre povos conquistados,
sendo antecedente até mesmo à qualquer noção de “Direito Tributário”, tendo esse
último surgido apenas com a posterior finalidade de frear e regulamentar a
voracidade fiscal. Para ilustrar sua explicação, o palestrante se utiliza do império
romano como exemplo.
Ao público é dada a noção geral através do conceito legal de tributo,
presente no artigo 3º do Código Tributário Nacional, qual seja: ''Tributo é toda
prestação pecuniária compulsória, em moeda ou cujo valor nela se possa exprimir,
que não constitua sanção de ato ilícito, instituída em lei e cobrada mediante
atividade administrativa plenamente vinculada.'', e como raiz legal do tributo nos é
apresentada a Constituição Federal, que é também a única que pode outorgar
competência para a criação de tributos.
O palestrante também discorreu sobre os princípios tributários, focando
nos conceitos de Legalidade Tributária e da Não-Confiscabilidade: O primeiro se
assemelha ao princípio da Legalidade presente no Direito Administrativo, porém
restringe à regulamentação tributária, estabelecendo que não haverá instituição ou
majoração tributária sem a devida previsão legal, o segundo tem por escopo a
adequada manutenção fiscal para que seja possível a contínua arrecadação, sem
com isso prejudicar a fonte dessa receita ou tomá-la para o Estado, garantindo-se
também, dessa forma, o direito à propriedade, uma vez que a o Poder Público não
poderá utilizar o tributo com efeito de confisco.
Sobre o instituto da Imunidade Tributária , o temos por uma garantia dada
pela Constituição Federal de que em certas hipóteses, será vetada a incidência de
tributos, exigindo-se abstenção estatal no que toca a arrecadação dessas fontes. O
palestrante utiliza como exemplo a imunidade tributária garantida às instituições
religiosas, demonstrando concordar com tal mecanismo, mas ressaltando a
importância de compreedê-lo adequadamente.
Ao tratar da defesa técnica no processo tributário-administrativo, o
palestrante aborda a necessidade de uma relação simbiótica entre profissionais do
Direito e de Contabilidade, tendo em vista que a capacitação técnica de ambos é
distinta, mas igualmente necessária à efetiva elaboração da defesa, uma vez que
cada qual tem domínio sobre uma face da moeda que será esse processo, sendo
míster essa junção, que caso não ocorra poderá gerar uma peça deficiente,
prejudicando dessa forma, os interesses do próprio cliente.
Ao final da palestra, o convidado discorre sobre a imperatividade da
conscientização da importância social do pagamento de tributos, além da
necessidade da compreensão dos seus mecanismos para efetivo exercício da
cidadania.
Às 21:00 horas a palestra tem seu encerramento, o palestrante é
ovacionado pelo excelente trabalho, e se abre espaço para questionamentos e
discussões referentes ao tema tratado.