Você está na página 1de 1

A FALSA ROTAÇÃO DA LUA EM TONO DE SI MESMA

Tesla chama de ''ilusão'' a rotação da Lua em torno de si mesma. O exemplo da criança no carrossel
considero um bom exemplo para TENTAR visualizar o que Tesla quis dizer. Se a criança no carrossel
girasse em torno de si mesma, em algum momento da sua rotação, ela estaria com a face voltada para
fora do centro do carrossel. Daí, Tesla chama de ''falácia científica'' o que foi feito para explicar o
porquê a Lua ter sempre a mesma face apontada para Terra; a falácia científica foi dizer que o tempo
que a Lua gasta para dar uma volta em torno de si mesma é o mesmo tempo que ela gasta para dar
um volta ao redor da Terra. Isso tem mudanças práticas nas missões Apollo? Sim, pois a NASA
considerou a rotação da Lua em torno de si mesma para escolher os locais dos pousos dos módulos
lunares, dentre outras coisas.Dizer que a Lua está presa gravitacionalmente e gira em torno de si
mesma é a ilusão científica dita por Tesla. Tesla dizia que a Lua não tem energia rotacional da rotação
em torno de si mesma mas apenas a energia da rotação ao redor da Terra (assim como a criança só
teria uma energia de rotação em relação ao centro do carrossel ).Em outras palavras, é uma "ilusao"
pensar que a Lua gira em torno de si mesma enquanto gira ao redor da Terra. Palavras de Tesla : "Se
alguém se imagina olhando para baixo no plano orbital e segue o movimento, ficará convencido de que
a lua gira em torno de seu eixo enquanto viaja. Mas neste mesmo ato o observador terá se enganado.
Para tornar a ilusão completa, deixe-a pegar uma arruela similarmente marcada e apoiá-la
rotativamente no centro, carregue-a em torno de um objeto estacionário, mantendo constantemente a
seta apontando para a última. Para sua visão corporal, o disco girará em seu eixo, mas esse
movimento não existe. Ele pode dissipar a ilusão de uma vez segurando a arruela fixamente enquanto
circula. Ele agora verá prontamente que a suposta rotação axial é apenas aparente, sendo a
impressão produzida por sucessivas mudanças de posição no espaço[...] A verdade é que a chamada
"rotação axial" da lua é um fenômeno enganador tanto para o olho como para a mente e desprovido de
significado físico. Não tem nada em comum com a verdadeira revolução de massa caracterizada por
efeitos positivos e inconfundíveis. Volumes foram escritos sobre o assunto e muitos argumentos
errados avançaram em apoio à noção. Assim, raciocina-se que, se a Lua não girasse em seu eixo,
exporia toda a superfície à visão terrestre; como apenas metade é visível, deve girar. A primeira
afirmação é verdadeira, mas a lógica da segunda é defeituosa, pois admite apenas uma alternativa. A
conclusão não se justifica, pois a mesma aparência também pode ser produzida de outra maneira. A
lua gira, não por conta própria, mas por um eixo que passa pelo centro da Terra, o verdadeiro e
único[...] Outro erro nos livros de astronomia é considerar esse movimento [rotação da Lua em torno
do seu próprio eixo] equivalente ao de um peso girado em uma corda ou em um estilingue. Em
primeiro lugar, há uma diferença essencial entre esses dois dispositivos que envolvem o mesmo
princípio mecânico. Se uma bola de metal, presa a uma corda, girar e a última quebrar, uma rotação
axial da bola é definitivamente relacionada em magnitude e direção ao movimento anterior. A título de
ilustração - se a bola girar na corda no sentido horário dez vezes por segundo, quando ela voa, ela
girará em seu eixo dez vezes por segundo, da mesma forma da direção de um relógio. Muito diferentes
são as condições em que a bola é lançada de um estilingue. Neste caso, uma rotação muito mais
rápida é transmitida a ela no sentido oposto. Não há analogia verdadeira a estes no movimento da lua.
Se a corda gravitacional, por assim dizer, se partisse, o satélite sairia numa tangente sem o menor
desvio ou rotação, pois não há momento sobre o eixo e, conseqüentemente, nenhuma tendência ao
movimento de giro. Em todas as cartas que recebi, embora diferentes na forma de apresentação, as
sucessivas mudanças de posição no espaço são confundidas com a rotação axial. Assim, por exemplo,
uma refutação positiva dos meus argumentos é encontrada na observação de que a lua expõe todos
os lados para outros planetas! Ela gira, com certeza, mas nenhuma das evidências é uma prova de
que ele gira em torno de seu eixo. Mesmo o conhecido experimento com o pêndulo de Foucault,
embora exibindo fenômenos semelhantes aos do nosso globo, demonstraria apenas um movimento do
satélite em torno de algum eixo. A visão que eu tenho defendido não é baseada em uma teoria, mas
em fatos demonstráveis por experimento. Não é uma questão de definição como alguns a teriam. UMA
MASSA QUE GIRA EM SEU EIXO DEVE ESTAR POSSUÍDA DE MOMENTUM. Se não tem nenhum,
não há rotação axial, apesar de todas as aparências do contrário."