Você está na página 1de 3

Instrução Técnica n.

º 1/2018

Assunto: Exigibilidade do uso de capacete

Não obstante anteriores publicações de divulgação que refletiam teses incompatíveis


com a abaixo subscrita, as quais, por um lado, não podem condicionar a
interpretação normativa e, por outro, não se encontravam, à data, desadequadas
daquela que era a interpretação dominante, a presente instrução alicerça-se numa
abordagem interpretativa de outras fontes de direito para além do estabelecido,
literalmente, no Código da Estrada

Com efeito, a presente interpretação, alicerçada em todos os elementos


interpretativos disponíveis (ou conhecidos), não significa a absoluta rejeição de teses
anteriormente vigentes, por total insustentabilidade destas, mas sim um resultado
interpretativo que se considera cientificamente mais adequado.

E, em resultado desse exercício interpretativo, da leitura do artigo 112º e o n.º 5 do


artigo 82º, ambos do Código da Estrada entende-se que existe uma incoerência entre
a obrigação de uso de capacete (art. 82º/5) e a equiparação de regime, operada pelo
n.º 3 do art. 112º, decorrendo daí que o disposto no n.º 5 do art. 82º do Código da
Estrada constitui uma derrogação ao disposto no n.º 3 do art. 112º e vice-versa, na
medida em que não existe qualquer relação de especialidade na previsão do disposto
no n.º 3 do art. 112º onde seja ressalvado o disposto no n.º 5 do art. 82º.

Considerando que o enunciado no ponto número anterior aponta para uma


contradição insanável entre dois preceitos, com o mesmo valor legal e a mesma
vigência, crê-se verificar-se aquilo a que a doutrina e jurisprudência se referem
como interpretação ab rogante – sendo impossível a obtenção de uma regra útil de
dois preceitos que exprimem valorações contraditórias e inconciliáveis, pelo menos
na sobreposição de regimes no que concerne à obrigatoriedade de uso de capacete

Considerando, também, que, no que concerne aos velocípedes com e sem motor, a
sua caracterização e regime de circulação se encontram abordados em instrumentos
internacionais que vinculam o Estado português, mormente na Convenção de Viena
de Circulação Rodoviária (CVCR), sendo permitido ao legislador nacional optar pela
equiparação de todos, ou alguns, velocípedes com motor a velocípedes não
motorizados, respeitando, então, o regime destes.

Considerando, ainda, que se atendermos ao disposto no n.º 1 do art. 112º,


verificamos que, também por parte do legislador português, existiu uma evolução da
interpretação do disposto na alínea l) do art. 1º da CVCR e na tipologia de veículos
que nessa alínea, respeitante a velocípedes, podem ser inseridos.

Concluímos que, de uma forma, ou de outra, acabaremos, por imperativo legal e


convencional, a aplicar aos velocípedes com motor auxiliar o regime jurídico dos
velocípedes “simples” (categorização nossa).

Importando a obrigatoriedade de uso de capacete uma restrição à livre circulação,


seja em velocípede com motor auxiliar, seja em velocípede simples ao qual aquele é
reconduzido, a receção no direito interno do disposto na convenção e,
particularmente, de tudo que possa referir-se à liberdade de circulação, derroga
todas as normas que diretamente contrariem o disposto na convenção.

Sendo esta realidade uma decorrência do disposto no art. 8º da Constituição da


República Portuguesa, designadamente o seu n.º 1 que reza assim:

As normas constantes de convenções internacionais regularmente ratificadas ou


aprovadas vigoram na ordem interna após a sua publicação oficial e enquanto
vincularem internacionalmente o Estado Português.

Importando que estas normas convencionais, tendo natureza infraconstitucional,


têm, contudo, natureza supraordinária, impondo-se no direito interno a toda a
demais legislação não fundamental.

E, no caso em apreço e anunciado o objetivo de adoção de regras uniformes de


circulação, estamos em crer que qualquer norma de direito interno incompatível com
o disposto na CVCR resulta na ilegalidade da norma de direito interno por violação de
norma de direito de hierarquia superior, in casu, norma para-constitucional.

Considerando que nos termos do disposto no n.º 4 do artigo do artigo 5.º do Decreto –
Lei n.º 44/2005, de 23 de fevereiro e na alínea f) do Decreto Regulamentar n.º 28/12
de 12 de março, compete à Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária a
uniformização e coordenação da ação fiscalizadora das demais entidades
intervenientes em matéria rodoviária, designadamente através da emissão de
instruções técnicas.

Considerando que é necessário que haja uniformização da atuação das várias


entidades fiscalizadoras, a Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária esclarece e
determina o seguinte:

1. Repugnando ao direito a discriminação infundamentada de situações análogas


ou com o mesmo tratamento normativo, particularmente em matérias
relativas ao exercício de liberdades e direitos, por imperativos constitucionais
e convencionais, a circulação dos veículos previstos e descritos no n.º 2 e 3 do
art. 112º do CE não está dependente do uso de capacete por quem neles se
faz transportar, não podendo este ser exigido pelas autoridades portuguesas.

2. Sem prejuízo do referido anteriormente e atendendo à elevada perigosidade


da invasão do espaço destinado aos peões por estes veículos, deve a
fiscalização ser intensificada no que concerne à utilização do espaço público,
em especial ao espaço destinado exclusivamente ao trânsito de peões, por
parte dos condutores dos veículos mencionados nos n.ºs 2 e 3 do artigo 112.º
do Código da Estrada, quer durante a marcha dos referidos veículos, quer
quanto ao seu estacionamento/abandono na via pública.

Oeiras, 14 de dezembro de 2018

Jorge Manuel Assinado de forma digital por Jorge


Manuel Quintela de Brito Jacob
DN: c=PT, o=Autoridade Nacional de
Quintela de Brito Segurança Rodoviária, ou=Autoridade
Nacional de Segurança Rodoviária,

Jacob cn=Jorge Manuel Quintela de Brito Jacob


Dados: 2018.12.17 11:41:36 Z