Você está na página 1de 29

2

Olá, leitor.

Se você chegou até aqui é porque sabe e tem consciência de que não há uma fórmula
milagrosa para viver mais tempo.

Quero te apresentar aqui quais são as 6 substâncias imprescindíveis para que você
esbanje saúde e disposição – não importa a sua idade atual.

Não falo apenas de adicionar mais anos à sua vida.

Viver mais tempo não é o único benefício que estes nutrientes te proporcionam. Afinal,
longevidade nem sempre é sinônimo de mente e corpos ativos.

Nesta publicação que preparamos para você, reunimos os 6 nutrientes que promovem a
proteção geral do seu corpo contra doenças preocupantes.

Não vamos te apresentar qualquer mágica para você se livrar do AVC, doenças
cardiovasculares, diabetes tipo 2, gripes e até mesmo o câncer.

Vamos te apresentar, sim, caminhos viáveis para que você possa encontrar e adotar
elementos nutricionais que têm em comum propriedades antienvelhecimento, anti-
inflamatórias e antioxidantes.

Isso significa que elas combatem o estresse do nosso organismo e a formação de


radicais livre.

E todas as recomendações são taxativas: se você não quer envelhecer, não inflame.

Você vai conferir receita para combater inflamação e adicionar novos produtos à sua lista
de compras.

Acreditamos, inclusive, que você pode economizar ao substituir os alimentos


inflamatórios por soluções completas da natureza.

Os 6+ aqui apresentados são essenciais para manter a força da sua memória e cognição,
a ação das células para absorção dos nutrientes e comunicação esperada entre os seus
órgãos, a produção de enzimas e a manutenção da sua disposição e tranquilidade.

Mesmo se você, com mais de 50 anos, já tiver um histórico de diagnósticos, os nutrientes


também são fontes naturais de tratamento e reversão de sintomas e doenças.

O caminho para a reviravolta da sua saúde começa agora.

3
DHA – o ácido que reduz o
envelhecimento cerebral
Em algum momento do seu dia, provavelmente já deve ter passado pela
sua cabeça o fato de que você não se lembra mais do rosto de pessoas, do
número de um telefone, ou mesmo de pagar uma conta como antes.

É, parece bem comum e acontece em qualquer família.

Para que o nosso cérebro funcione a todo vapor, nós precisamos


de uma gordura essencial (aquela que o nosso corpo não produz
automaticamente) chamada de DHA (ácido docosaexaenoico), um dos
ácidos graxos do ômega 3 e o grande nutriente neurológico.

O valor nutricional dos ácidos graxos é reconhecido pela comunidade


científica pelo fato desses ácidos serem determinantes tanto no
desenvolvimento cerebral e do sistema nervoso central, como também na
prevenção de doenças neurocomportamentais.

Quando estamos com baixos níveis de DHA, a comunicação entre os


nossos neurônios é reduzida, o que está diretamente ligado às doenças
neurológicas, como: Alzheimer, Parkinson, perda de cognição, depressão e
até mesmo dificuldade de aprendizagem.

Os estudiosos afirmam, inclusive, que a carência de DHA pode influenciar


até na manifestação de enxaqueca.

Uma pesquisa realizada pela Northumbria University, do Reino Unido,


observou que o consumo semanal de peixes ricos em ômega 3, melhora a
circulação cerebral e diminui os riscos de demência ao envelhecer.

Uma outra pesquisa, da Universidade de Petersburgo e outras e publicada


na revista ASN Neuro qualificou o tratamento com DHA para a redução
do estresse neuronal e melhora da patologia celular após danos cerebrais
traumáticos.

Ter esta gordura da mais alta qualidade no nosso dia a dia ajuda, portanto,
na melhora da nossa memória e até da cognição.

5
Este salmão não tem ômega 3
O DHA do ômega 3 é encontrado nas algas, vegetais e animais marinhos de água
gelada, como no salmão, arenque e sardinhas selvagens. Outras fontes de DHA são
as castanhas e outras oleaginosas (pistache, nozes e etc) e a linhaça (continue e
descubra uma receita especial que preparamos).

Você pode encontrar os peixes marinhos de água salgada. O importante é que


você tenha certeza que eles são realmente selvagens. Já as oleaginosas, é ainda
mais fácil inclui-las na sua alimentação. Elas estão disponíveis e têm preços mais
acessíveis (que alguns peixes) em zonas cerealistas, mercados municipais e armazéns
destinados a este tipo de venda.

Temos visto, cada vez mais, este tipo de comércio se expandindo.

Na maioria das vezes, principalmente se há necessidade, a suplementação de DHA é


o melhor caminho. Ela pode ser feita por meio de óleo de peixe e até mesmo óleo de
linhaça.

Vou te explicar por que, principalmente quando se trata do salmão.

O salmão que você provavelmente come, não é de verdade.

Hoje, o salmão não é nada selvagem, porque ele é criado em cativeiro e alimentado
com a mesma ração de frango.

O salmão selvagem só é rico em DHA porque ele se alimenta de algas e vegetais


marinhos, onde o DHA está mais concentrado.

Portanto, nem mesmo se comêssemos muito o peixe, não teríamos DHA suficiente,
porque ele é perdido quando o peixe não é selvagem.

Para escolher entre os peixes que deveriam ter, naturalmente, o DHA, prefira a
sardinha. É a escolha mais barata para que você melhore a sua alimentação.

A sardinha enlatada também pode ser consumida. Elas são os “industrializados


do bem” porque não contém aditivos químicos como corantes, flavorizantes e
realçadores de sabor. Os supermercados e peixarias também comercializam as

6
Como suplementar?
O seu médico pode te indicar a melhor porção quando o assunto é
suplementação, mas deixo algumas dicas em relação a isso.

Hoje já há óleos especiais de ômega 3 com a concentração de DHA, em


proporções adequadas. Os óleos purificados têm mais qualidade. Mantenha
a atenção, sempre, à qualidade desses suplementos.

O consumo de DHA também é importante para as gestantes,


principalmente por conta da formação do bebê e, posteriormente, durante
a amamentação, por conta dos seus efeitos anti-inflamatórios, auxílio na
imunidade e desenvolvimento cerebral do bebê.

Para a suplementação durante a gravidez e aleitamento, as melhores doses


devem ser indicadas pelo médico. DHA deve sempre ser suplementado
com orientação médica e usado com cuidado em pessoas com problemas
de coagulação, por aqueles que tomam medicação anticoagulante – por
exemplo para o tratamento de embolia e trombose – para aqueles que
fazem uso crônico de AAS e ainda os em uso de Ginkgo bilobaI.

Um estudo da Universidade de Siena e publicado no European Journal of


Clinical Investigation acompanhou 33 pessoas com suplementação de 4 g
de óleo de peixe por dia por 35 dias.

Depois desse período, os pacientes apresentaram melhora no humor, vigor,


redução de raivam ansiedade, fadiga, depressão e confusão mental. Por
meio de eletromiografia (teste que avalia problemas nervosos) também
detectaram melhora na atenção e reação dos pacientes.

Antes de passarmos ao próximo nutriente, confira a receita de uma farinha


rica em DHA para você fazer em casa!

7
DHA na receita

Recomendamos que você faça farinha de linhaça em casa. Ela é rica em


DHA.

O que você precisa fazer:

• Tenha uma quantidade de linhaça suficiente para bater no


liquidificador. Em zonas cerealistas, o quilo custa menos do que 10
reais;
• Bata tudo no liquidificador e guarde em um recipiente escuro;
• Deixe o recipiente tampado dentro da geladeira. Essa ação impede a
oxidação da linhaça;
• Você pode usar esta farinha para polvilhar a salada de frutas, por
exemplo. Na hora que for utilizar, basta retirar da geladeira;
• Você pode usar a farinha por uma semana.

8
Coenzima Q10 – a protetora do seu
coração
Chegou a hora de falar sobre o protetor do seu coração.

Queremos te convidar a permanecer neste texto mesmo se você já tiver


um diagnóstico de uma doença cardiovascular.

Muitas vezes, ouvimos apenas sobre como prevenir uma doença cardíaca.

Não é o caso da Coenzima Q10 (ou Ubiquinona). Esta substância, que


atua para manter o correto funcionamento do músculo cardíaco, atua na
prevenção, mas também está nas indicações para quem já sofreu com
infarto.

Portanto, confie, a Coenzima Q10 é um protetor definitivo para o seu


coração. Ela, assim como todas as outras substâncias que você verá neste
e-book, tem um potencial efeito antioxidante.

Se o seu corpo tem deficiência de Ubiquinona, os resultados são a queda


da nossa energia e nutrição. A Coenzima Q10 também começa a sofrer
uma queda após os nossos 30 anos.

Agora, se você faz uso de estatinas, a suplementação da Coenzima Q10


é ainda mais urgente. Isto porque a estatinas reduzem os níveis deste
nutriente no nosso organismo.

Há estudos que apontam que as estatinas têm, como efeito adverso, os


problemas relacionados com a transferência de energia dos músculos.

Quando há redução na concentração de Ubiquinona no nosso organismo,


percebe-se, então, o surgimento de miopatia (fraqueza muscular).

Um estudo da Universidade de Ljubljana, da Eslovenia, e divulgada na


publicação científica Medical Science, acompanhou 50 pacientes que
faziam uso de estatina e relatavam dores musculares.

Neste grupo, metade foi tratado com 50 mg de suplementação de


Coenzima Q10 duas vezes ao dia, e outro grupo foi tratado com placebo
(medicamento sem nenhuma substância). Os resultados do estudo dão
conta que o uso da Coenzima Q10 contribuiu efetivamente os sintomas
musculares relacionados à estatina.

10
A melhor opção de consumo de Coenzima Q10 é por meio da
suplementação. Por isso, e principalmente se você for cardíaco, estiver
apresentando queda de energia e nutrição, converse com o seu médico
para que vocês encontrem a dosagem correta.

Como suplementar?
A dica é que a suplementação (de preferência mais rica em ubiquinol) seja
de 100 mg ao dia. Porém, não se esqueça: converse com o seu médico
para que ele indique a quantidade mais recomendada para o seu caso.
Principalmente se você já faz o uso de estatina.

Na alimentação
A Coenzima Q10 pode ser encontrada ainda em alimentos comuns ao
nosso dia a dia e que podem ser encontrados no mercado. Confira abaixo
uma lista. Que tal adotá-la na sua próxima compra?

11
12
Vitamina D – sua proteção e
tratamento contra as doenças
autoimunes
Como tem sido a sua exposição ao sol?

Você sabe que é por meio deste contato que garantimos a presença de
um hormônio essencial para a nossa existência, prevenção e tratamento de
doenças?

Está na hora de falarmos da vitamina D e te dizer que provavelmente,


mesmo que você viva no Brasil, você não está tomando sol de modo a
preservar um envelhecimento saudável.

Apesar de ser um hormônio, que o nosso corpo produz em contato com o


sol, ele já está popularmente conhecido como vitamina D.

Com níveis essenciais de vitamina D, você mantém o seu corpo livre de


doenças autoimunes como esclerose múltipla, lúpus, doença de crohn,
osteoartrite (artrose) ou artrite reumatoide e psoríase – para citar algumas.

O hormônio também está diretamente ligado à prevenção do Alzheimer,


Zika vírus, de doenças cardiovasculares e infecciosas e até mesmo a
depressão.

Em estudo feito pela London School of Medicine com 2.160 mulheres entre
os 18 e os 79 anos, foi constatado que as que tinham os maiores níveis de
vitamina D eram as que tinham os telômeros (as pontas do nosso DNA
que diminuem com o envelhecimento) mais longos, equivalendo a menos 5
anos de envelhecimento celular.

Isso realça os efeitos potencialmente benéficos de vitamina D em doenças


do envelhecimento e relacionadas com a idade. Para que o seu organismo
produza a vitamina D em níveis adequados.

E as pesquisas explicam que a queda de vitamina D, principalmente nos


meses mais frios do ano, está diretamente relacionada ao diagnóstico do
que é chamada de depressão sazonal, manifestada nesta época do ano.

14
Apesar de muita gente reforçar a importância do sol e que esta é a melhor
maneira de obtermos níveis adequados de vitamina D, lembramos que não
é tão simples assim.

A verdade é que há uma estimativa que aponta que 50 por cento da


população do Brasil esteja com deficiência de vitamina D.

E olha que moramos em um “país tropical, abençoado por Deus e bonito


por natureza”...

Pois é, nem nós, os brasileiros tomamos sol da maneira correta.

Para tomar o sol correto para a sua saúde


A melhor forma de adquirirmos níveis suficientes de vitamina D para
estarmos protegidos é com a exposição ao sol, que deve ocorrer por 10
a 15 minutos entre as 11 e 15 horas, ou de acordo com a condições da sua
pele (quanto mais clara a pele, menos tempo), de três a quatro vezes por
semana.

Você deve estar em contato com o sol por este período deve ser feita
com 80 por cento do corpo exposto e sem qualquer proteção. Sim, sem
ter passado protetor solar. Depois de uns 20 minutos no sol, passe um
protetor solar de confiança, que realmente consiga proteger da sua pele.

Isso porque, existem inúmeros produtos no mercado que, você paga um


preço alto, mas não cuidam verdadeiramente da sua pele contra os raios
solares malignos.

Se não for possível, a indicação é a suplementação, que pode ser entre 2


mil e 10 mil UI/dia. Para isso, procure o seu médico de confiança para que
ele te indique a fórmula mais adequada para a sua situação.

15
Resveratrol – para você conquistar
a imunidade e manter o seu corpo
blindado
Você já ouviu falar sobre o paradoxo francês?

Este termo foi criado depois que os franceses começaram a ser estudados
por conta da sua longevidade.

A pergunta era: como é possível que uma população conhecida por tomar
vinho e ter uma dieta rica em gorduras saturadas pode viver mais?

Para que você saiba. De acordo com a lista mais recente da expectativa
de vida por país divulgada pela Organização Mundial de Saúde em 2016,
a expectativa de vida dos brasileiros é de 75 anos. Na França, esta média
sobre para 82,4 anos. São mais de 7 anos de diferença.

Sabe onde está a resposta? Na casca e nas sementes de uva.

Isso porque é daí que vem a nossa quarta substância, o Resveratrol.

O Resveratrol é um fitoquímico, que são substâncias encontradas nos


alimentos naturais que atuam como antioxidantes, anti-inflamatórios e na
eliminação das substâncias tóxicas ao nosso organismo.

Portanto, na hora de comer uva, não jogue a sua casca e as sementes fora.

Trata-se de um importante nutriente para a resistência contra o


envelhecimento das células, limpeza do fígado, de proteção contra o
câncer, doenças degenerativas (como Alzheimer, Parkinson e Esclerose
Lateral Amiotrófica), e que auxilia também no controle de peso e
resistência insulínica.

Uma revisão de estudos publicada no ano de 2015 na BBA (Biochimica et


Biophysica Acta) ponderou que as evidências científicas demonstram que
o Resveratrol atenua doenças crônicas relacionadas à idade e melhora o
estado geral de saúde.

A resposta dos franceses está no vinho tinto consumido pela população.

17
Mas, calma, não ache que você vai terminar este texto e sair correndo até
o mercado para comprar um bom estoque de vinho e criar uma adega nos
próximos dias.

Temos uma alerta: nunca toma altas quantidades de vinho esperando que
seu corpo receba todo o Resveratrol necessário. É melhor que você tome
pequenas doses todos os dias. Lembra da história de uma taça por dia para
proteger o coração? É exatamente isso.

A dose recomendada de vinho é de até 150 ml por dia. Assim, você


também não enfrenta outros problemas, como o alcoolismo. E lembrando,
ainda, que as bebidas fermentadas também são fonte de inflamação.

Como suplementar?
Agora, se o seu corpo está em carência nutricional, é importante manter as
necessidades do nosso organismo e isso não se dá apenas comendo uva.

Então, não adianta comprar uma grande caixa de uva, daquelas que a
gente compra no Natal, e achar que você terá o seu corpo protegido.

Se o seu histórico alimentar demonstra a necessidade de uma antioxidante


como é o Resveratrol, a melhor forma é a suplementação.

O melhor horário para tomarmos a suplementação de Resveratrol é à noite,


porque é o melhor momento para que o nutriente auxilie na limpeza do
fígado.

Por outro lado, mediante necessidade, comer grandes quantidades de


uva seria um problema porque, se não comermos apenas a casca e as
sementes, a carga de frutose seria muito alta, o que facilitaria o surgimento
de outros problemas, como a resistência à insulina.

Assim, a suplementação de Resveratrol não precisa ser constante e, sim, de


acordo com a necessidade de cada um.

O mais importante, é que você tenha sempre uma boa alimentação. E aí,
a uva e o vinho tinto auxiliam na manutenção deste nutriente depois que
você não precisar mais da suplementação.

Uma boa quantidade de Resveratrol auxilia inclusive no controle do


estresse.

18
Mais Resveratrol? Encontre-o nestes alimentos:

19
Zinco – para combater a resistência à
insulina e gordura no fígado
Você sabia que o zinco, a nossa quinta substância, é o segundo mineral
intracelular mais importante para o nosso corpo?

Isso porque ele se comunica com os mais diversos órgãos e está envolvido
em processo corporais significativos.

O zinco participa das enzimas digestivas e é necessário para a produção


do ácido clorídrico e, assim, modula o nosso sistema imunológico.

A carência de zinco e relação dele com o sistema imunológico facilita o


surgimento de doenças como a diabetes tipo 2 e, como o fígado é um
dos principais órgãos receptores do zinco, seu déficit está relacionado
ao diagnóstico da chamada gordura no fígado (ou esteatose hepática), a
cirrose sem álcool.

Zinco X diabetes
Um dos potenciais do zinco é o aumento da capacidade de ligação da insulina e o
auxílio do pâncreas para a produção deste hormônio.

O zinco tem relação direta com a insulina porque participa da sua produção,
liberação e utilização. Com a deficiência de zinco, o pâncreas não armazena ou
libera a insulina adequadamente.

Essa substância melhora também a eficiência e determina a ação da insulina.

A suplementação de zinco é necessária para aqueles que já apresentam resistência à


insulina e para quem já desenvolveu diabetes tipo 2.

Os pesquisadores apontam que a resistência insulínica surge ou é agravada para


uma diabetes porque, além de não nos protegermos por meio da alimentação,
fazemos uso exagerado de alimentos inflamatórios, como carboidratos refinados,
açúcar, aditivos químicos, ultraprocessados, adoçantes artificiais, que agridem o
nosso organismo.

A Universidade de Newcastle acompanhou, por 6 anos, 8.921 mulheres australianas


com idades entre 45 e 50 anos. Nessas mulheres, aquelas com uma dieta com mais
ingestão de zinco apresentaram menor risco do desenvolvimento da diabetes tipo 2.

21
Zinco X fígado
Imagina que o fígado é um dos seus órgãos que mais precisa de zinco. E
que, quando você está com falta de zinco em todo o seu organismo, ele
trabalhe para abastecer todo o seu corpo com o zinco.

Dentro dessa lógica, não é difícil pensar que o seu fígado deixará de
trabalhar 100 por cento porque estará com menos zinco para se manter,
não é?

Assim como acumulamos gordura se não nos exercitarmos, o nosso


fígado também acumula gordura se não fizer todo o seu trabalho de
armazenamento e liberação da glicose e metabolismo das proteínas e
lipídeos.

Um estudo publicado no Internacional Journal of Molecular Sciences


constatou a regressão da doença hepática a partir com a suplementação
de zinco. A suplementação de zinco melhorou os índices de enzimas
hepáticas e o acúmulo de gordura e tamanho do fígado dos
acompanhados.

Para proteger o seu pâncreas e fígado


Evite sucos de caixinha. Eles não têm nada de “naturais”. São ricos em
frutose, conservantes e muitos contêm adoçantes. Predispõem ao acúmulo
de gordura no fígado, além de elevar o nível de açúcar do sangue.

Há estudos, feitos em mamíferos, que apontam que animais com uma


dieta formada em 40 por cento por açúcar desenvolveram tanto diabetes
quanto gordura no fígado. Portanto, se você quiser se manter protegido,
repense a ingestão de açúcar na sua dieta.

Como suplementar?
A alimentação é a melhor forma de você absorver zinco. A ingestão
diária de zinco deve ser de 11 mg para os homens adultos e de 8 mg para
mulheres adultas.

Recomendamos que você adote a semente de abóbora na sua alimentação.


Ele lembra este é um dos alimentos mais ricos em zinco e é barato. O quilo
da semente de abóbora custa a partir de R$ 20.

Você pode encontrar o zinco em todas as suas refeições.

22
Adote o amaranto!

Amaranto é o primo da quinoa e é o nutriente mais rico em zinco e


que podemos usar como farinha para polvilhar saladas de frutas e de
legumes e verduras e até mesmo dentro de receitas. Nas nossas pesquisas,
descobrimos que a farinha de amaranto custa a partir de 35 reais o quilo.

23
Indol-3-carbinol – renovador de
células e anticâncer
Chegamos ao último dos seus 6 nutrientes.

Talvez, entre todas as doenças que citamos ao longo deste ebook, o câncer
seja o que mais assusta, estou certa?

É, não imaginei que fosse diferente.

Porém, aqui, queremos te mostrar que o indol-3-carbinol pode ser adotado


de uma forma mais simples do que você imagina no seu dia a dia.

O trabalho do indol-3-carbinol é desacelerar o crescimento das células


cancerígenas. Isso é possível, pois ele é capaz de bloquear a formação
de vasos sanguíneos nos tumores. Sendo assim, a célula tumoral vive por
menos tempo.

E mesmo que você tenha chegado aos 50 anos, as pesquisas dizem que é
possível, por meio da alimentação, mudar as condições das suas células em
um ano e viver mais do que 80 anos.
Isso mesmo. Os 6 nutrientes aqui listados por nós podem te ajudar a viver
por mais 30 anos. Basta que você os adote no seu dia a dia.

A morte das nossas células está diretamente relacionada ao


envelhecimento e é por isso que precisamos dos antioxidantes, mas nem
sempre.

O nosso corpo possui uma programação de “matar” algumas células que


precisam ser eliminadas. Esta ação se chama apoptose e é necessária para
a reciclagem das nossas células.

Incentivar a apoptose é uma das funções do indol-3-carbinol porque, ao


contrário da necrose, a apoptose é um tipo de morte celular esperada, e
necessária.

Esta substância anticâncer é reconhecida na prevenção do câncer de


próstata, de mama, de útero, de pulmão...

A suplementação o indol-3-carbinol é extremamente importante para a


prevenção de câncer e ela deve estar, obrigatoriamente, nas indicações
para pacientes em tratamento de câncer.

25
Além disso, o indol-3-carbinol evita os efeitos danosos que o excesso de
estrógeno pode causar, atuando junto com o zinco (outra das nossas 6+)
no sentido de evitar a conversão exagerada da testosterona em estradiol
(feminilizante).

E sabe como encontramos o indol-3-carbinol?

Na feira, na quitanda, no mercado.

Os vegetais crucíferos (mais atualmente chamados de brássicas) são os


alimentos mais ricos em indol-3-carbinol.

Para reconhece-los, basta ouvir um “crec” na hora da mastigação.

São eles:

26
Um estudo da Faculdade de Medicina da Universidade Estadual de Wayne,
nos Estados Unidos, e publicado pelo The Journal of Nutrition no ano de
2004 relacionou a alta ingestão dos vegetais crucíferos, e ricos em indol-3-
carbinol, à redução do risco do câncer de próstata.

Outra pesquisa científica, esta em conjunto entre as universidades de


Harvard, Rockefeller e a do Estado da Lousiana acompanhou mulheres com
diagnóstico de câncer de colo do útero em estágio 2 ou 3 por 12 semanas.

Neste grupo, parte das mulheres receberam tratamento por via oral de
indol-3-carbinol, enquanto uma outra parte recebeu apenas um placebo
(pílulas sem nenhuma substância para tratamento e que serve para os
pesquisadores verificarem a possibilidade de cura apenas pelo fato de os
pacientes acreditarem que estão tomando um medicamento).

Os resultados, porém, apontaram efeito de regressão significativa da


neoplasia nas pacientes que fizeram o uso de indol-3-carbinol, enquanto
não foram apresentados resultados no grupo que recebeu placebo.

Assim, se comermos uma cabeça de brócolis por semana, estaremos


protegidos do câncer e mais longevos.

E, antes de nos despedirmos, aqui vai a receita que preparamos para você
expulsar as células cancerígenas.

27
Receita anticâncer
• Prefira os alimentos ricos em indol-3-carbinol assados ou grelhados.
Quando você cozinha esses ingredientes, eles perdem a vitamina C e o
cozimento inativa as enzimas das crucíferas;
• Escolha uma cabeça de brócolis ou couve-flor;
• Faça uma mistura de azeite e manteiga ou azeite e óleo de coco;
• Misture com ervas naturais (jamais temperos prontos) de sua
preferência;
• Passe em cada pedaço da crucífera escolhida e leve ao forno por no
máximo 20 minutos;
• Quando você tirar do forno, ele não deve estar totalmente cozido, o
“crec” ainda precisa existir;
• Bom apetite!

Até a próxima!

Equipe Vitaminas.com.vc

28