Você está na página 1de 20
ad =< bam} = a = =a = Ss Eo) = — oO co = =) r= z 4 < =) => a pa ras ey a4 rz} = <4 = 7 =z — oS e rr} er PS atc Transilvania, Hungria, n Pcp rtetertek: cr sieo Ce todos co! PETE MC nebite- woe ten “marcados”, para agredi-los, deporta-los aos campos de exterminio. Sentia-se CoRR Oe se rConekoncen lect ae “marcados para morrer”. Foi na .o fim da Segunda Guerra. Meu FeV ABEL Ko Cr aoe 1m aestrela de Davi, visivel, amarela, costurada PPro sr Meee Nantes Coco coy incomoda-los e, posteriormente, POE a hor en ore h Ko REALS re eee POR ee eR a rsr east eC omenure mus Conger min rca on Te) parque. Foi uma confissdo de amor. Roeser meson POS Tomo eRe CTAr Ua Cose rE Tete PSE Uitte COM Bele Ceca NUS So mear seu desejo de andar- somente para me dizer: “Frequentamos a mesma escola. Reparei em vocé. Vocé é Co ece rl Ronen Eu também o procurava, dia apés dia, caminhando na rua, sempre na mesma or Mcr eM t keh (oe CR eRe ans Cr Renee ORNL aac eC Uc Naquele POEM RTT Cede CBee Me Cate Tn oe aon sr a Ren CSCS ESSENSE Cote Ope ra Cnmsce Ne Brt tect Ro nie RSC E I ENE ORUC-(410 Chao Ele tinha quinze anos, e eu, treze. Andamos emocionados, sem falar, olhando-nos furtivamente. Sabia que algo importante estava acontecendo. Era o nascimento do amor. Sentia um en een RS MCR CRESS CR CSc mM SIT Ol cute tecemre tts apenas tocou minha boca. Lembro-me de ter ficado com os labios ardendo por horas seguidas. Um amor, em circunstancias tao especiais, a gente nunca esquece. PORT COU eae mul eo CoeT EMCEE Ms CEC Tee arma tee Nunca mais 0 revi. Durante anos, guardei um retrato dele no medalhao felon va pendurado no pescogo. rT Quase quarenta anos depois, é vivendo no Brasil como fot6grafa engajada na questio Dr en an eens et eee ren ee A partir de 1973, durante os anos do “milagre brasileiro”, 0 territério Yanomami POE eee Oe eR et Re herago, a procura de ouro, diamantes, cassiterita, garimpos clandestinos, e no to clandestinos, floresceram. Muitos indios foram vitimados, marcados por esses eae or te here mee eet Ota fee eet ore tee COE ener eee en eee ee ene rete Uma de minhas atividades era fazer o registro, em fichas, das comunidades Yano- ee ECOG te eeu Letom cere eet Een ts Cen OM nce ker Cerne ence et estes eee PURO Seo EOE eC So as circunstdncias desse trabalho que pretendo mostrar por meio destas ima- gens feitas na época, Nao se trata de justificar a marca colocada em seu peito, mas Cee oe eC cece CO Oe eh eC ae eons ena ots Eo ae TOR SCs ei) Pe TCG Cen ac et nn ce try simples registro dos Yanomami na condi¢&o de “gente” — marcada para viver — em obra que questiona o método de rotular seres para fins diversos. Vejo hoje esse trabalho, esforgo objetivo de ordenar e identificar uma populagio sob risco de extingio, como algo na fronteira de uma obra conceitual.