Você está na página 1de 6

25 a 28 de Outubro de 2011

ISBN 978-85-8084-055-1

ALTERAÇÕES HEMATOLÓGICAS CORRELACIONADAS AO


TABAGISMO

Érica Benassi Zanqueta1; Janicélle Fernandes Morais2; Mirian Ueda Yamaguchi3

RESUMO: O cigarro é uma droga lícita e de fácil aquisição, que afeta a saúde dos usuários e das pessoas
ao seu redor, sendo considerado um agente causador de doenças crônicas e uma variante responsável por
alterações em exames laboratoriais. Alguns estudos demonstram que em indivíduos fumantes, há um
aumento nas concentrações de hemoglobina, e no número de eritrócitos circulantes e uma maior ativação
das plaquetas, além da diminuição da velocidade de hemossedimentação (VHS). Desta forma, o objetivo
deste trabalho é avaliar as alterações hematológicas correlacionadas ao tabagismo.

PALAVRAS-CHAVE: Eritrograma; Hemograma; Leucograma; Nicotina; Tabagismo.

INTRODUÇÃO

Segundo o relatório da Organização Mundial da Saúde (OMS, 2008) a epidemia


global de tabagismo leva a óbito mais de 30% dos seus usuários, quinze anos antes da
média de vida daquela população. As estimativas demonstram que durante o século XXI
mais de um bilhão de pessoas morrerão precocemente em conseqüência de seu
consumo. Por ser uma droga lícita e de fácil aquisição, o cigarro afeta a saúde dos
usuários e das pessoas a seu entorno. O tabaco apresenta substâncias capazes de
formar radicais livres e metabólitos oxidantes, que causam dano celular severo e
induzem, à longo prazo, às neoplasias; além do monóxido de carbono gerado na queima
do cigarro apresentar afinidade muito maior com a hemoglobina, do que o oxigênio. Além
disso, a fabricação do cigarro é dependente de substâncias químicas que ainda não foram
completamente estudadas em relação aos efeitos nocivos à saúde. O tabaco é
considerado pelos profissionais da saúde, médicos e laboratoristas, como o agente
causador de doenças crônicas e consequentemente como uma variante responsável por
alterações em exames laboratoriais (GUATURA et. al., 2000; SIQUEIRA, 1997; NUNES,
2006).
O hemograma é um exame que qualifica e quantifica os componentes do tecido
sanguíneo. Embora sejam inespecíficas, as informações contidas num hemograma
sugerem o diagnóstico das mais diversas patologias humanas. Dessa forma, é um exame

1
Acadêmica em Bacharelado em Biomedicina, Centro Universitário de Maringá, Maringá, Paraná, Bolsista
PROBIC/CESUMAR, erica_b_zanqueta@hotmail.com
2
Acadêmica em Bacharelado em Biomedicina, Centro Universitário de Maringá, Maringá, Paraná,
janicellemorais@hotmail.com
3
Orientadora, Docente do Centro Universitário de Maringá, Maringá, Paraná, mirianueda@gmail.com

Anais Eletrônico
VII EPCC – Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar
CESUMAR – Centro Universitário de Maringá
Editora CESUMAR
Maringá – Paraná - Brasil
básico e importantíssimo para análise clínica do paciente. Devido ser amplamente
utilizado, seu método vem sendo melhorado e novos equipamentos de automação estão
surgindo no mercado. Logo, numa população saudável, seus valores de referência são
bem representativos. Assim, quando há alguma alteração nos valores de referência do
hemograma, é indicativo de alterações fisiológicas do paciente (GROTTO, 2008).
Um dos resultantes da queima do tabaco, o monóxido de carbono, possui alta
afinidade pela hemoglobina, ligando-se a ela, e indisponibilizando o sítio de ligação para a
molécula de oxigênio. Dessa forma, há uma diminuição da concentração de oxigênio e
aumento dos valores de carboxihemoglobina. Em função disso, o organismo,
compensatoriamente, aumenta a produção de eritrócitos, numa tentativa de aumentar a
disponibilidade dos sítios de ligação com o oxigênio. Com isso, o sangue torna-se mais
viscoso, comprometendo a circulação periférica e a oxigenação dos tecidos (OGA, 2008;
NORDENBERG, et. al., 1990; NUNES, 2006).
Além do aumento nas concentrações de hemoglobina, e no número de eritrócitos
circulantes, em função da escassa oxigenação tecidual provocada pelo monóxido de
carbono, a velocidade de hemossedimentação (VHS) cai severamente. O estudo
promovido por Camargo e colaboradores (2006) indicou que a VHS da população de não
fumantes foi de 11±8, enquanto a população de fumantes apresentou VHS de 5±0,9. Ou
seja, a velocidade de hemossedimentação de fumantes é menor, pois há um volume
plasmático diminuído e um volume aumentado da população de eritrócitos. Logo, mesmo
havendo a sedimentação celular, a população de hemácias é aumentada e
consequentemente retarda a velocidade com que elas sedimentam no tubo e ainda há
correlação desse aumento eritrocitário com a viscosidade sanguínea e sua
hemoconcentração (SANTOS et. al., 2000).
A exposição crônica à nicotina inalada por fumantes altera a fisiologia do sistema
imunológico. Ela promove duas ações distintas: induz a liberação de catecolaminas, que
agem como indutoras da proliferação e migração dos leucócitos; estimula a medula óssea
a produzir mais leucócitos de forma desordenada, com aparecimento de células
morfologicamente diferentes das normais. Além disso, há um aumento nas concentrações
de L-selectina e mieloperoxidases, que são moléculas pró-inflamatórias, responsáveis
indiretamente pela proliferação celular na medula óssea (MENEZES, HORTA, OLIVEIRA,
2002 apud GIUSTI, 2007).
Visto a não existência de valores de referência para fumantes, os dados de um
hemograma se alteram indicando resultados, muitas vezes falsos para uma gama de
patologias. Ou ainda, em decorrência dos danos fisiológicos causados pelo tabaco,
indicam outros problemas que podem afetar o paciente futuramente, ou enquanto estão
sendo instalados. Portanto, o estabelecimento de valores de referência para a população
tabagista é importante, pois pode garantir uma análise mais criteriosa dos fumantes, sem
falhas diagnósticas em função dos resultados alterados.

MATERIAL E MÉTODOS

Foram analisados hemogramas de 367 voluntários, de ambos os gêneros,


fumantes e não fumantes, funcionários de 7 empresas privadas, das cidades de Maringá-
PR e Sarandi-PR, no período de agosto de 2010 a junho de 2011.
Para a realização dos hemogramas, as amostras foram coletadas com EDTA e
encaminhadas ao laboratório de análises clínicas, sendo analisadas em aparelho Pentra
60-ABX®, por metodologia de impedância e citometria de fuxo. O objetivo da análise dos
hemogramas é a comparação de variações decorrentes do consumo de cigarro sobre as
séries eritrocitárias e leucocitárias, nos dois grupos. Indicadores hematológicos como
concentração da hemoglobina, contagem de hemácias, determinação do hematócrito e
índices hematimétricos foram observados, além de contagem global e diferencial de

Anais Eletrônico
VII EPCC – Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar
CESUMAR – Centro Universitário de Maringá
Editora CESUMAR
Maringá – Paraná - Brasil
leucócitos. A abordagem dos funcionários foi feita de forma aleatória e voluntária,
mediante assinatura do termo de consentimento livre e esclarecido (TCLE) e termo de
proteção de risco e confidencialidade, anexados junto ao projeto aprovado pelo CEP
(220/10).
Na seleção dos indivíduos participantes da pesquisa, parâmetros como a presença
de anemias e patologias crônicas, que alteraram o hemograma, foram utilizados como
critérios de exclusão. Os dados foram analisados pelo programa informatizado Microsoft
Excel®, 2007.

Anais Eletrônico
VII EPCC – Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar
CESUMAR – Centro Universitário de Maringá
Editora CESUMAR
Maringá – Paraná - Brasil
RESULTADOS E DISCUSSÃO

Participaram da pesquisa 367 pessoas, dos quais 333 eram indivíduos não
fumantes, 178 homens e 155 mulheres, que compuseram o grupo controle; 34
participantes eram fumantes, dos quais 19 eram do sexo masculino e 15 do sexo
feminino. Dentre os não fumantes do sexo masculino, foram excluídas 3 amostras, uma
por não informar a idade e outras 3 pelos valores do hemograma estarem incompatíveis,
isto é, com suspeita de patologias associadas. O grupo não fumante do sexo feminino
teve 5 amostras excluídas por não informarem a idade e outras 7 por apresentarem
hemogramas muito alterados. Já entre o grupo masculino de fumantes houve apenas 1
amostra eliminada por não informar o número de cigarros fumados; entre o grupo
feminino de fumantes, uma amostra foi excluída por não informar a idade e outras 3, por
não informar o número de cigarros fumados. Desta forma, para a realização da análise
estatística dos resultados parciais, totalizaram 172 não fumantes do sexo masculino e 144
do sexo feminino e, entre os grupos fumantes, totalizaram 11 mulheres fumantes e 18
homens fumantes.
Para a análise estatística, utilizou-se o programa Microsoft Excel® 2007, aplicando-
se o Teste T Student. Este teste verifica se duas amostras poderão ser provenientes de
duas populações distintas, que possuem a mesma média. O resultado é demonstrado em
significância, ou seja, será usado para verificar se os grupos de fumantes e não-fumantes
possuem valores de hemograma significativamente diferentes, dentro da normalidade.
Diante da análise, verificou-se que as variações entre as mulheres foram pouco
significativas, expressando diferença significativa apenas para o parâmetro HCM. Já entre
os homens, houve diferença significativa entre os valores de linfócitos, VCM e HCM.

Tabela 1: Média dos valores dos parâmetros dos hemogramas, idade e número de cigarros consumidos
(fumantes) entre os grupos de homens não fumantes (HNF), homens fumantes (HF), mulheres não
fumantes (MNF) e mulheres fumantes (MF), cujos valores das médias encontravam-se mais distintos, além
do valor encontrado pelo cálculo do Teste T.
Colunas1 HNF (n=172) HF (n=18) p MNF (n=144) MF (n=11) p
LEU 6,38 7,27 0,0561 6,22 6,91 0,2233
HT 45,07 46,02 0,4543 40,21 41,65 0,0848
VCM 87,28 92 <0,0001 87,76 90,64 0,0752
HCM 29,35 30,8 0,0001 29,41 30,7 0,0329
PLQ 213,94 223,44 0,5629 244,01 222,09 0,2050
LIN 36,58 32,36 0,0368 34,93 30,58 0,1020
NEU 50,98 54,51 0,1091 53,48 57,76 0,1739

Anais Eletrônico
VII EPCC – Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar
CESUMAR – Centro Universitário de Maringá
Editora CESUMAR
Maringá – Paraná - Brasil
Gráfico 1: Comparação entre os valores médios significativamente diferentes entre homens e mulheres
fumantes e não fumantes.

CONCLUSÃO

Em função de o número de fumantes ter sido muito baixo, verificou-se evidências


que as alterações hematológicas podem ser significativamente diferentes, porém é
necessário nova pesquisa com entrevista de mais fumantes homens e mulheres.

REFERÊNCIAS

GIUSTI, André Luís. Interferência do tabaco no sistema imunitário: estado atual e


perspectivas. ConScientiae Saúde, São Paulo, v. 6, n. 1, p. 155-163, 2007. Obtido via
internet. Disponível em http://portal.uninove.br. Acessado em 04/05/2010.

GROTTO, Helena Z. W.. O hemograma: importância para a interpretação da biópsia.


Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia: 2009, vol. 31, n. 3, p. 178-182. Obtido
via internet. Disponível em http:// www.rbhh.org. Acessado em 13/05/2010.

GUATURA, Sandra Baltazar; MARTINEZ, José Antônio Baddini; BUENO, Patrícia


Cincotto dos Santos; SANTOS, Manuel Lopes dos. Increased exhalation of hydrogen
peroxide in healthy subjects following cigarette consumption. São Paulo, Sao Paulo
Medical Journal, vol. 118, n. 4, p. 93-98. Obtido via internet. Disponível em
http://www.scielo.br. Acessado em 04/05/2010.

NORDENBERG, Dale; YIP, Ray; BINKIN, Nancy J.. The effect of cigarette smoking on
hemoglobin levels and anemia screening. Journal of Americam Medical, Atlanta, vol.
264, n. 12, p. 1556-1559, 1990. Obtido vi internet. Disponível em
http://www.ncbi.nlm.nih.gov. Acessado em 04/05/2010.

NUNES, Emília. Consumo de tabaco: efeitos na saúde. Lisboa, Revista Portuguesa de


Clínica Geral, vol. 22, p. 225-244, 2006. Obtido via internet. Disponível em
http://www.scribd.com. Acessado em 07/05/2010.

OGA, Seizi; CAMARGO, Marcia Maria de Almeida; BATISTUZZO, José Antonio de


Oliveira. Fundamentos de toxicologia. 3. ed. São Paulo: Atheneu, 2008.

SANTOS, V. M. dos; CUNHA, S. F. de C. da, CUNHA, D. F. da.. Velocidade de


sedimentação das hemácias: utilidade e limitações. Uberaba, Revista da Associação

Anais Eletrônico
VII EPCC – Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar
CESUMAR – Centro Universitário de Maringá
Editora CESUMAR
Maringá – Paraná - Brasil
Médica Brasileira, vol. 46, n. 3, p. 323-236, 2000. Obtido via internet. Disponível em
http://www.scielo.br. Acessado em 10/05/2010.

SIQUEIRA, Maria Elisa P. B.; MARTINS, Isarita; COSTA, Andréia C.; ANDRADE Eronice
L.; ESTEVES, Maria Teresa C.; LIMA, Selmo A.. Valores de referência para
carboxiemoglobina. São Paulo, Revista de Saúde Pública, v. 31, n. 6, p. 618-623, 1997.
Obtido via internet. Disponível em http://www.scielo.br. Acessado em 04/05/2010.

SUMÁRIO EXECUTIVO. Relatório de OMS sobre a epidemia global de tabagismo,


2008: MPOWER.

Anais Eletrônico
VII EPCC – Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar
CESUMAR – Centro Universitário de Maringá
Editora CESUMAR
Maringá – Paraná - Brasil