Você está na página 1de 29

LEVANTAMENTO DE

QUANTITATIVOS PARA
ORÇAMENTO DE OBRAS
Uma etapa preliminar ao orçamento de um projeto é o
levantamento de quantitativos. Para orçar uma obra, é
necessário apurar as quantidades de todos ao serviços que
a compõe.

Você quer saber como fazer isso de forma prática e


eficiente?

Neste Ebook, vou te ensinar como fazer o levantamento dos


principais serviços necessário à construção de um
edificação.
O QUE É O
LEVANTAMENTO DE
QUANTITATIVOS?
O levantamento de quantitativos é o processo de
determinar, em projeto, a quantidade de cada um dos
serviços necessários à construção, para a elaboração do
orçamento e do planejamento de uma obra de construção
civil.

Levantar os quantitativos é um dos pontos iniciais e mais


importantes da elaboração do orçamento da obra. Se não
for feito de forma adequada, compromete prejudicialmente
o orçamento e a execução, levando a erros, desperdícios,
atrasos, desgastes com o cliente e problemas
desagradáveis.

Aparentemente, pode parecer difícil e trabalhoso, mas se


você entender a teoria e a prática de orçamentação e
treinar na prática, com os métodos e dicas que ensino aqui,
vai se tornar apto a levantar os quantitativos de forma
mais rápida e simples.

A quantificação pode ser feita de forma manual, ou com a a


juda de programas como revit e auto cad, que ajudam
bastante a você fazer o levantamento. Mas o mais
importante é você desenvolver a habilidade de trabalhar
com planilhas que simplifiquem e automatizem o
levantamento e a memória de cálculos.
Para determinar os quantitativos, é necessário saber quais
são os serviços que compõem a obra e, em seguida, quanto
há de cada um deles.

Por exemplo, num projeto de construção civil é preciso


estimar as horas que serão necessárias para a
administração da obra, sejam do engenheiro, arquiteto e do
mestre de obras. Deve-se também estimar a área de
pintura, o volume de concreto na estrutura e fundações, os
metros lineares de rodapé, dentre outros.

A partir de agora, vou te ensinar a levantar os principais


quantitativos no projeto da edificação
Locação da Obra

SERVIÇOS
PRELIMINARES
Limpeza do Terreno – área do terreno em m2.

Terraplanagem – movimentação de terra para deixar o lote


no greide de construção, em m3.

Ligação de Agua – instalação de hidrômetro e equipamentos


para se ter abastecimento de agua no terreno (unidade).

Ligação de Energia – instalação de padrão de entrada de


energia elétrica (unidade).
Abrigo provisório ou barracão

Abrigo Provisório – popularmente conhecido como barracão


de obra. Levante a área do barracão em m2. Para obras
pequenas, coloque pelo menos um espaço para vestuário,
banheiro e depósito de materiais que não podem ficar ao ar
livre. A medida que a obra aumenta, você pode adicionar
área para escritório, refeitório e deposito maior ou mais
depósitos. Em alguns casos, até dormitório precisa ter.

Tapume – fechamento provisório da obra, meça o perímetro


do terreno a ser isolado ou fechado em m2 ou m (depende
da composição a ser utilizada no orçamento.

Locação de Obra – área que será compreendida pelo


gabarito da obra, em m2. Considere que o gabarito envolve
todo o perímetro da edificação a ser construída, com mais 1
metro para cada lado.
Fundação
em sapata

INFRA-ESTRUTURA
Fundação – calcule o volume de escavação (m3) e o volume
de concreto (m3), que é igual ao volume de escavação.
Calcule também o peso de aço da fundação, no projeto de
fundações. Geralmente, não há formas na fundação, pois o
próprio buraco escavado serve de molde para a fundação.

Blocos de Fundação – calcule o volume de escavação (m3) e


o volume de concreto (m3), que é igual ao volume de
escavação. Geralmente 60x60x50cm. Calcule também o peso
de aço, no projeto de estrutura. A armação dos blocos se
parece com uma gaiola, há barras de ferro nas duas
direções. Geralmente, não há formas, pois o próprio buraco
escavado serve de molde para a fundação. Mas eles podem
estar suspensos em alguns casos, havendo a necessidade de
formas laterais que devem ser consideradas. Considere
também pintura com impermeabilizante a base de emulsão
asfáltica (ex: Neutrol) nas laterais e no topo dos blocos de
fundação, após a cura do concreto e desforma, se for o
caso.
Vigas Baldrame– calcule o volume de escavação (m3) e o
volume de concreto (m3), multiplicando o perímetro de
vigas baldrame pela seção das vigas. Calcule também o peso
de aço, no projeto de estrutura. Pode ou não haver forma
formas para os blocos e as vigas baldrame, geralmente só
nas laterais, porque o fundo da viga fica apoiado no solo.
Neste caso multiplique o perímetro das vigas pelas suas
laterais. Considere também pintura com impermeabilizante
a base de emulsão asfáltica (ex: Neutrol) nas laterais e no
topo das vigas baldrame, após a cura do concreto e
desforma, se for o caso.

Aterro compactado – geralmente o piso da edificação fica


acima no nível natural do terreno, cabendo um aterro ou
reaterro, normalmente de alguns centímetros. Calcule o
volume teórico de terra compactada, multiplicando a área a
ser aterrada, geralmente equivalente a área da edificação
dentro do baldrame, pela altura do aterro, descontando-se
a altura da laje de piso que irá sobre o aterro. Para calcular
o volume de terra que vem em caminhões, multiplique o
volume teórico de aterro por 1,3, pois a terra transportada
nos caminhões está em estado desagregado (solto) e
portanto ocupa mais espaço que a terra já compactada.

Laje apoiada no solo – o volume de concreto é dado pela


área da laje vezes a altura da laje. A forma é somente as
ripas laterais porque o concreto é apoiado no próprio
terreno. Geralmente, esta laje não é armada e portanto não
precisa de aço. Mas nas minhas obras, mesmo que o projeto
estrutural não especifique, eu costumo inserir uma malha
de aço pronta, a menor possível, de diâmetro 4,2 mm com o
maior espaçamento possível, porque ela serve para absorver
eventuais recalques diferenciais que possam vir a ser
causados por afundamento de uma área do terreno sob a
edificação, em relação às demais.
Estrutura de Concreto Armado

SUPER-ESTRUTURA
Pilares – o volume de concreto é dado pela altura vezes a
área da seção do pilar. A forma é calculado pelo perímetro
da seção do pilar vezes a altura. O aço é detalhado no
projeto estrutural, ou no resumo de aço do projeto.

Vigas – o volume de concreto é dado pelo comprimento das


vigas vezes a área da seção das vigas. A forma é calculada
pelo perímetro da seção, descontando-se o topo da viga,
vezes o comprimento das vigas. O aço é detalhado no
projeto estrutural, ou no resumo de aço do projeto.

Lajes maciças – Volume de concreto dado pela área da laje


vezes altura. A forma coincide com a área, pois geralmente
as laterais da laje já foram consideradas nas formas da
vigas. E o aço é também dado no detalhamento ou do
projeto estrutural.
Lajes pré-moldadas – Considera-se área em m2 de laje
pronta, porque a composição para isso já vai envolver
vigotas pré-moldadas, isopor ou lajotas cerâmicas e
escoramento. Além disso é necessário considerar o
capeamento do concreto da laje em m3 e o peso aço de
reforço ou da armadura de distribuição, dado pelo projeto
estrutural ou pela especificação do fabricante da laje pré-
moldada. Não é necessário calcular forma, porque as
vigotas e o isopor já servem como forma.

Escadas – calcular volume de concreto em m3, área de


forma em m2, considerando fundo, laterais e espelho, e
peço de aço em kg de acordo com detalhamento ou resumo
de aço no projeto estrutural.

Reservatórios do concreto - calcular volume de concreto em


m3, área de forma em m2, considerando laje de topo laje de
fundo e paredes laterais, além do peso do aço em kg de
acordo com detalhamento ou resumo de aço no projeto
estrutural.

Alvenaria estrutural – calcular a área das paredes,


descontando-se os vãos livres, portas e janelas. Se houver
reforço de aço e concreto, considerar também. No caso do
tijolo ecológico (tijolos de solo-cimento), quando adotado
com função estrutural, reforçamos os furos dos tijolos com
barras de ferro e concreto, em espaçamento definido de
acordo com a carga sobre a parede.
Estrutura de aço - considerar o peso em kg ou o volume em
m3 de aço no projeto estrutural.

Placa cimentícia – considerar a área das placas.

Paredes de concreto - considerar a área das placas.

Paredes de núcleo de isopor - considerar a área das


placas, malha de aço e reboco de argamassa em ambos os
lados do isopor.

Estrutura de aço
Alvenaria de bloco
cerâmico furado

VEDAÇÃO
Paredes de alvenaria – considerar a área da parede em m2,
para os distintos tipos de elementos de vedação: blocos
cerâmicos furados, blocos de concreto ou cimento, tijolo
ecológico ou tijolo de solo cimento. Descontar a áreas dos
vãos livres, portas e janelas.

Vergas e contra-vergas – comprimento linear das vergas e


contra-vergas sobre janelas, portas e vão livres, em
metros. Considere engaste de 15 cm na paredes, de ambos
os lados.

Muros – considerar a área da parede em m2 e mais a


estrutura de concreto armado do muro, geralmente não
detalhada em projeto estrutural: volume de concreto, área
de forma e peso de aço. Considerar pilares e vigas, estas na
base e no topo e aqueles espaçados de 2 a 3 metros.
Considerar também o esgastamento no solo. Caso não tenha
detalhamento de aço, algo em torno de 80 a 100 kg de aço
por m3 de concreto é uma boa estimativa.
Piso cimentado

PISOS
Aterro compactado – volume de aterro em m3, obtido pela
área do piso vezes a espessura do aterro.

Base de brita ou pó de brita - volume de base em m3,


obtido pela área do piso vezes a espessura da base.

Piso cimentado – área do piso em m2


Reboco

REVESTIMENTO GROSSO
Chapisco – duas vezes a área das paredes, em m2.

Reboco – duas vezes a área das paredes, em m2.

Gesso cola - duas vezes a área das paredes em m2, mas só


paredes internas.
Telha cerâmica colonial

COBERTURA
Estrutura de madeira ou aço para telhado – projeção plana
da área de cobertura, não considere a inclinação.

Telhamento – projeção plana da área de cobertura, não


considere a inclinação.

Calhas – comprimento das calhas, em metros.

Rufos – comprimento dos rufos, em metros.


Manta asfáltica sobre laje de cobertural

IMPERMEABILIZAÇÃO
Em laje de cobertura ou banheiros - impermeabilização com
manta asfáltica ou aluminizada. Meça a área da superfície a
ser impermeabilizada, em m2.

Em vigas baldrame e blocos de fundação -


impermeabilização com emulsão asfáltica (ex: neutrol).
Meça a área da superfície a ser impermeabilizada, em m2.
Considere topo e laterais.

Em box de banheiros - impermeabilização com emulsão


asfáltica. Meça a área da superfície a ser impermeabilizada,
em m2.

Em piscinas, reservatórios, laje de piso - impermeabilização


com aditivo impermeabilizante. Meça a área da superfície a
ser impermeabilizada, em m2.
Tubos de esgoto

INSTALAÇÕES HIDRO-
SANITÁRIAS
Tubulações hidráulicas – comprimento dos tubos de agua e
esgoto, dos diversos diâmetros, em metros.
Registros e válvulas hidra – quantidade no projeto de agua
fria e quente de registros (unidade).
Reservatórios de PVC – quantidade de reservatórios no
projeto de agua fria (unidade).
Bombas -  quantidade de bombas no projeto de agua fria
(unidade).
Caixas de inspeção, de passagem e de gordura – quantidade
caixas no projeto de agua e esgoto (unidade).
Fossa – volume da fossa em m3, no projeto de esgoto
Sumidouro – volume do sumidouro em m3, no projeto de
esgoto
Reservatório de agua quente – volume do boiller, em m3
Placas solares – área dos painéis solares, em m2.
Rede de
eletricidade

INSTALAÇÕES
ELÉTRICAS
Tubulações elétricas – comprimento dos eletrodutos medido
nos projetos de eletricidade, TV e voz e dados, em metros.
Fiação – comprimentos de cabos e fios, em metros. Mede o
comprimento dos eletrodutos nos projetos de eletricidade,
TV e voz e dados, em metros, e multiplica pela quantidade
de cabos e fios, de cada uso e diâmetro, que viajam dentro
dos respectivos eletrodutos.
Pontos de iluminação – quantidade de pontos de luz no
projeto de eletricidade (unidade). Considerar a distinção de
pontos de luz no teto e em parede (arandelas).
Interruptores – quantidade de interruptores no projeto de
eletricidade (unidade).
Tomadas - quantidade de tomadas nos projetos de
eletricidade, TV e voz e dados (unidade).
Quadro de Distribuição – quantidade de quadros (unidades).
Disjuntores e DR – quantidades de disjuntores e DR, da
cada respectiva amperagem (unidade).
Instalações
contra
incêndio

INSTALAÇÕES DIVERSAS
INSTALAÇÕES DE GÁS
Considerar a casa do gás e o comprimento da tubulação de
cobre, em metros.

INSTALAÇÕES DE AR CONDICIONADO
Considerar as máquinas e o comprimento das tubulações,
incluindo drenos.

INSTALAÇÕES DE PREVENÇÃO E COMBATE A INCÊNDIO


Considerar todos as tubulações e equipamentos específicos
descritos no projeto de prevenção e combate a incêndio, se
houver.

INSTALAÇÕES DE SPDA
Considerar para-raios, cabos guia, isoladores e hastes-
terra, de acordo com o projeto de Sistemas de Proteção
contra Descargas Atmosféricas.
Esquadrias de vidro e alumínio

ESQUADRIAS
Portas – quantidade de portas de cada largura, geralmente
80x210, 70x210 e 60x210 (unidade).

Janelas – área das janelas, em m2.

Fechaduras – quantidade de fechadura de cada tipo


(unidade).
Cerâmica
sobre
parede

CERÂMICA, MÁRMORES
E GRANITOS
Cerâmica ou porcelanato – área em piso, parede e rodapé,
se o rodapé for do mesmo material, em m2.

Soleiras – área em m2 sob portas.

Peitoris – área em m2 sob janelas.

Bancadas – quantidade de cada tamanho, em pia de cozinha


e lavatórios de banheiros (unidade).

Balcões – área em m2, conforme projeto de arquitetura.


Forro de alumínio

FORROS, RODAPÉ E
ALISARES
Forro - área de forro em m2, geralmente igual a área do
piso dos cômodos que levam forro. Pode ser de gesso,
madeira, pvc, aço, alumínio, etc.

Rodapé – comprimento do rodapé em metros. Se for de


cerâmica, considerar na conta da cerâmica.

Alisares – comprimento de alisares nas laterais e topo das


portas, de ambos os lados, em metros.

Rodabanca – comprimento de rodabanca nas bancadas, se


houver.
Piscina de fibra

PISCINAS
P i s c i n a p r é - f a b r i c a d a – á r e a d a l â m i n a d ’á g u a e m m 2 .

Piscina de azulejos – considerar escavação, estrutura e


alvenaria, impermeabilização e revestimento de cerâmica ou
azulejo.

Casa de máquinas – considerar conjunto completo para casa


de máquinas, de acordo com fornecedor especializado.
.
Elevador

SISTEMAS MECÂNICOS E
ELETRO-ELETRÔNICOS
SISTEMAS DE CONTROLE E AUTOMAÇÃO
Considerar segundo projeto e planejamento, tais como
interfone, portão eletrônico, sistemas de monitoramento,
fechaduras inteligentes, etc.

ELEVADORES
Considerar de acordo com projeto de arquitetura e consulta
a fornecedor especializado.
Pintura

ACABAMENTOS
LOUÇAS E METAIS
Quantidade de cubas, tanques de lavar roupa, bacia
sanitária (com ou sem descarga acoplada), torneiras,
duchas, acabamento de registros, caixa de correio e
acessórios de banheiros, cozinha e serviço.
ELEMENTOS DE AÇO OU MADEIRA
Quantidade, em metros, metros quadrados ou unidades, de
corrimãos, alçapões, escadas, portões, gradis, guarda corpo
e afins.
PINTURAS
Área de pintura em m2. Apurar de forma separada para
pintura interna, pintura externa, e pintura sobre madeira ou
metal.
PAISAGISMO
Considerar a área de jardim ou gramado, em m2.
LIMPEZA FINAL
Considerar a área total construída, em m2.
Betoneira

EQUIPAMENTOS
EPS E EPI
Apurar a quantidade individual de equipamentos de
segurança (EPS) e de proteção individual (EPI): capacetes,
botas, óculos, capas de chuva, protetor auricular, luvas,
etc.

EQUIPAMENTOS DIVERSOS
Estimar a quantidade de equipamentos de construção, tais
como betoneira, serra circular, maquita, carros de mão,
ferramentas, guindastes, gruas, elevadores de obra,
andaimes, compactadores e outros.
Engenheiros e arquitetos

ADMINISTRAÇÃO
Considerar as horas ou meses de pessoal administrativo,
tais como engenheiros, arquitetos, mestres de obra,
técnicos de edificações ou de segurança, estagiários,
almozarifes, vigia, etc. Unidade: hora ou mês.
Quer aprender a orçar a
obra completa, passo a passo?

CURSO DE
ORÇAMENTO
DE OBRAS
Prof. Rogerio Vargens

INSCREVA-SE, SAIBA MAIS:

https://go.hotmart.com/P7226363N
Sobre o autor
ROGERIO VARGENS
Engenheiro Civil, Doutor
Sócio-diretor da Bloco1 Arquitetura &
Engenharia Integradas.
Professor universitário nos cursos de
engenharia civil e arquitetura.
www.rogeriovargens.com.br
rogerio@bloco1.eng.br

Inscreva-se nas minhas redes sociais