Você está na página 1de 7

  1

 
AULA 2 – ESTUDO DA MATÉRIA – PARTE 2

Nesta aula serão apresentados os principais tópicos relacionados com o estudo da matéria e os
sistemas de unidades.

1. Transformações matéria
Qualquer modificação que ocorra com a matéria é considerada um fenômeno: água em ebulição,
massa do pão “crescendo”, explosão de uma bomba etc. Os fenômenos podem ser classificados em físicos ou
químicos.

1.1. Transformações físicas


As transformações físicas não alteram a natureza da matéria, isto é, a sua composição. Nessas
transformações, a forma, o tamanho, a aparência e o estado físico podem mudar, porém a constituição da
substância não sofre alterações. As principais transformações físicas são as mudanças de estado físico.

1.1.1. Mudanças de estado físico


O que caracteriza e define o estado físico da matéria são as forças atuantes em seu interior: coesão e
repulsão. A coesão é a força que tende a aproximar as partículas e a repulsão é a que tende a afastá-las.
Quando a força de coesão supera a de repulsão, a substância se apresentará na fase de agregação chamada de
sólido. Quando as forças apresentarem a mesma intensidade, tem-se um líquido. Quando a de repulsão
superar a de coesão, tem-se então um gás. Cada um desses estados físicos distingue-se dos outros, entre
outros fatores, por sua forma e volume. O estado sólido apresenta forma e volume constante, o líquido forma
variável e volume constante, e o gasoso, forma e volume variáveis.
Na fase de agregação sólida, as partículas não apresentam liberdade de movimento, cabendo-lhes
apenas movimentos de ordem vibracional, e a matéria terá maior densidade molecular. No estado líquido, as
partículas podem literalmente “rolar” umas sobre as outras. Já na fase gasosa, as partículas terão ampla
liberdade de movimento, e a matéria estará em sua fase de menor densidade molecular possível.
A matéria pode apresentar-se em qualquer estado físico, dependendo dos fatores pressão e
temperatura. Assim, de modo geral, o aumento de temperatura e a redução de pressão favorecem o estado
gasoso, e pode-se dizer que o inverso favorece ao estado sólido. As transformações de estado físico da
matéria apresentam denominações características:
• Fusão: representa a passagem do estado sólido para o estado líquido. A temperatura na qual ocorre recebe
o nome de Ponto de Fusão. Por exemplo, o derretimento de um cubo de gelo.
• Vaporização: representa a passagem do estado líquido para o estado gasoso. A temperatura na qual ocorre
recebe o nome de Ponto de Ebulição. Uma vaporização pode ocorrer de três modos distintos:
a) Calefação: passagem do estado líquido para o gasoso de modo muito rápido, quase instantâneo. Por
exemplo, gotas de água sendo derramadas em uma chapa metálica aquecida.
b) Ebulição: passagem do estado líquido para o estado gasoso por meio de aquecimento direto,

 
  2  
envolvendo todo o líquido. Por exemplo, o aquecimento da água em uma panela ao fogão.
c) Evaporação: passagem do estado líquido para o estado gasoso que envolve apenas a superfície do
líquido. Por exemplo, a secagem de roupas em um varal.
• Liquefação ou Condensação: representa a passagem do estado gasoso para o estado líquido. Por exemplo,
a umidade externa de um frasco metálico ao ser exposto a uma temperatura relativamente elevada.
• Solidificação: representa a passagem do estado líquido para o estado sólido. Por exemplo, o
congelamento da água em uma forma de gelo levada ao refrigerador.
• Sublimação: representa a passagem do estado sólido para o estado gasoso ou o processo inverso, sem
passagem pelo estado líquido. Por exemplo, a sublimação do gás carbônico sólido, conhecido por gelo
seco, em exposição à temperatura ambiente. Outro exemplo, seria a sublimação da naftalina.

1.1.2. Diagrama de mudança de estado físico


Quando ocorre a mudança de estado físico das substâncias puras, a temperatura permanece constante
até que toda a substância tenha mudado totalmente de estado físico.
Por exemplo, a água passa do estado sólido (gelo) para o estado líquido a 0ºC ao nível do mar. Essa
temperatura corresponde ao ponto de fusão (ou de solidificação) da água, que permanecerá em 0ºC até que
todo o gelo derreta. Lembre-se de que o ponto de fusão e o ponto de solidificação são iguais, o que muda é se
a substância está sendo aquecida e passando de sólido para líquido, ou se está sendo resfriada e ocorrendo o
oposto. A temperatura, também, permanece constante quando a água passa do estado líquido para o gasoso,
que é em 100ºC, ao nível do mar. Esse é o valor do ponto de ebulição ou de condensação da água.
Visto que a temperatura permanece constante nesses dois pontos de mudança de estado físico, temos
que o gráfico que representa as mudanças de estado físico da água irá conter dois patamares, como mostra a
figura 1.
Conforme dito no início, isso acontece com todas as substâncias puras, ou seja, todo gráfico de
mudança de estado físico, seja qual for a substância pura, apresentará dois patamares que se referem ao
ponto de fusão e ao ponto de ebulição da substância, como mostra a figura 1. Essa informação pode ser
usada, por exemplo, para determinar se uma substância é sólida, líquida ou gasosa em temperatura ambiente.

 
  3  

Figura 1: Diagrama de mudança de estado físico da água pura

No entanto, se uma mistura é aquecida ou resfriada, observa-se que a mesma situação não ocorre, a
temperatura não permanece constante nessas faixas de mudança de estado físico, mas vai mudando
gradualmente.
Por exemplo, uma mistura de água e sal colocada no congelador começa a se solidificar em 0ºC sob
pressão de 1atm; porém, não permanece em 0ºC, mas apresenta uma faixa de temperaturas de solidificação.
Isso também ocorre quando aquecemos essa mistura, ela começa a ferver acima de 100ºC, mas não
permanece constante durante a ebulição. Além disso, esses valores variam dependendo da quantidade de sal
e de água que foram misturados. Dessa forma, temos que o gráfico de mudança de estado físico da salmoura
não apresenta nenhum patamar, como mostra a figura 2.

Figura 2: Diagrama de mudança de estado físico da mistura água e sal

Este comportamento é válido para outras misturas, no entanto, existem dois tipos de misturas
especiais que são exceções a essa regra: misturas eutéticas e misturas azeotrópicas, que apresentam
determinados pontos de mudança de estado físico constante.

 
  4  
A mistura eutética se comporta como se fosse uma substância pura no seu ponto de fusão (ou
solidificação). Isso significa que no ponto de fusão a temperatura se mantém constante do início até o final
da mudança de estado. Nesse caso, a temperatura de ebulição (ou de condensação) varia com o tempo.
Portanto, misturas eutéticas possuem um gráfico de mudança de estado físico com um único patamar no
ponto de fusão, como mostra a figura 3.

Figura 3: Diagrama de mudança de estado físico de uma mistura eutética.

Um exemplo de mistura eutética é a solda, uma liga metálica formada por 63% de estanho e 37% de
chumbo. Observe que não é uma mistura em qualquer proporção de estanho e de chumbo que forma uma
mistura eutética, tem que ser exatamente 63% e 37%. Isso também ocorre com a liga metálica vinda da
mistura de 40% de cádmio e 60% de bismuto, o seu ponto de fusão é fixo em 140ºC sob pressão de 1 atm. É
interessante notar que o ponto de fusão de cada uma dessas substâncias isoladamente é diferente desse valor.
O ponto de fusão do cádmio é igual a 320,9 ºC e do bismuto é de 271,3ºC.
Ao contrário da mistura eutética, a mistura azeotrópica se comporta como uma substância pura no
ponte de ebulição (ou condensação), isto é, a temperatura se mantém constante do início ao fim dessa
mudança de estado. Já o ponto de fusão varia com o tempo. Desse modo, o gráfico das misturas azeotrópicas
possuem um único patamar no ponto de ebulição, como apresentado na figura 4.

Figura 4: Diagrama de mudança de estado físico de uma mistura azeotrópica.

 
  5  
Um exemplo é a mistura de 96% de álcool etílico e 4% de água (porcentagem em volume), cujo
ponto de ebulição é, de exatamente 78,2ºC ao nível do mar; mas, possui ponto de fusão variável. Os pontos
de ebulição dessas substâncias isoladamente são: álcool de 78,4ºC e água de 100ºC.

1.2. Transformações químicas


As transformações químicas são mais significativas ou fundamentais do que as transformações
físicas. Nestas transformações, uma ou mais substâncias se transformam e dão origem a novas substâncias,
ou seja, ocorre a alteração da natureza da matéria. As transformações químicas são denominadas reações
químicas. As substâncias que desaparecem durante estas transformações são chamadas reagentes, e aquelas
formadas são chamadas de produtos. Exemplos de transformações químicas são: a queima da madeira, a
acidez do leite, a explosão de dinamite, o cozimento do pão e o processo a que chamamos vida.
Uma maneira bem simples de reconhecermos a ocorrência de um fenômeno químico é a observação
visual de alterações que ocorrem no sistema. A formação de uma nova substância está associada à:
• Mudança de cor – queima de papel; cândida ou água de lavadeira em tecido colorido; queima de fogos de
artifício.
• Liberação de gás (efervescência) – antiácido estomacal em água; bicarbonato de sódio (fermento de bolo)
em vinagre.
• Formação de um sólido – líquido de bateria de automóvel + cal de pedreiro dissolvida em água; água de
cal + ar expirado pelo pulmão (gás carbônico).
• Aparecimento de chama ou luminosidade - álcool queimando, luz emitida pelos vaga-lumes.
Porém, algumas reações ocorrem sem essas evidências visuais. A formação de novas substâncias é
constada pela mudança das propriedades físico-químicas.

2. Separação de misturas
Muitas das substâncias puras que existem na natureza só se encontram sob a forma de misturas e é
necessário proceder à sua separação, pois a obtenção de substâncias com grau de pureza elevado é muito
importante. Existe uma grande variedade de métodos que permitem realizar a separação dos componentes de
uma mistura homogênea e heterogênea. A tabela 1 e 2 apresentam-se os métodos de separação mais
utilizados para misturas heterogêneas e homogêneas, respectivamente. A utilização de cada uma destas
técnicas envolve a manutenção das propriedades que caracterizam as substâncias. A escolha da técnica
depende das características e do estado físico dos constituintes que fazem parte da mistura.

 
  6  
Tabela 1: Separação de misturas heterogêneas

Processo No que se baseia Tipo e exemplo Como é feito

Diferença de tamanho e de Sólido – Sólido Método rudimentar que utiliza as mãos ou uma pinça
Catação
aspecto das partículas. Feijão e impurezas para separar os componentes da mistura.

Diferença de granulação dos Sólido – Sólido Agita-se a peneira, o componente de granulação menor
Peneiração
componentes. Areia fina e pedras atravessa a malha e é recolhido.

Diferença de densidade entre Sólido – Sólido Passa-se uma corrente de ar pela mistura, o sólido menos
Ventilação
os sólidos. Arroz e palha denso é arrastado e separado do mais denso.

Diferença acentuada de Faz-se a mistura passar por um filtro que pode ser de
Sólido – Líquido
Filtração tamanho das partículas dos papel: o líquido atravessa o filtro enquanto o sólido fica
Areia e água
componentes. retido.

Diferença acentuada de Adiciona-se um líquido de densidade intermediária. O


Sedimentação Sólido – Sólido
densidade entre os sólido mais denso se deposita no fundo do recipiente. O
Fracionada componentes.
Areia e serragem
menos denso flutua.
Líquido – Líquido Dois ou mais líquidos imiscíveis se separam
As substâncias são
Sólido – Líquido espontaneamente (o menos denso em cima). Para
Decantação imiscíveis, não são solúveis
Óleo em água acelerar a separação de sólidos dispersos em líquidos,
uma na outra.
Terra em água utiliza-se a centrífuga.
Um dos componentes (em
Sólido – Sólido Emprega-se uma corrente de água ou de outro líquido
forma de pó) é facilmente
Levigação Ouro e impurezas em adequado para arrastar o componente menos denso
arrastado por um líquido e o
pó (areias auríferas) (pulverizado).
outro não.
Adiciona-se à mistura um líquido que dissolve apenas
Uma das substâncias é
Dissolução Sólido – Sólido um dos componentes. O componente não dissolvido é
solúvel num determinado
fracionada solvente e a outra não.
NaCl e Areia separado por filtração e o que se dissolveu, por
destilação.

Separação Propriedades magnéticas de Sólido–Sólido Submete-se a mistura à ação de um ímã. O componente


Magnética um dos componentes. Ferro e enxofre que sofre magnetismo é atraído e separado dos demais.

Tabela 2: Separação de misturas homogêneas

Processo No que se baseia Tipo e exemplo Como é feito


O balão de destilação é aquecido sobre uma tela de
Diferença acentuada entre os
Destilação Sólido-Líquido amianto na chama de um bico de Bünsen. O líquido
pontos de ebulição das
simples substâncias.
NaCl e água entra em ebulição, o vapor vai para o condensador, é
condensado e recolhido no erlenmeyer.
Ao aparato de destilação acrescenta-se uma torre de
Diferença pequena entre os Líquido-Líquido
Destilação fracionamento com cacos de vidro ou bolinhas de
pontos de ebulição das Petróleo ou ar
Fracionada substâncias. liquefeito
porcelana para dificultar a passagem do composto de
menor ponto de ebulição.
Adiciona-se à mistura um líquido que dissolve apenas
Uma das substâncias é
Dissolução sólido–sólido um dos componentes. O componente não dissolvido é
solúvel num determinado
fracionada solvente e a outra não.
NaCl e AgCl separado por filtração e o que se dissolveu, por
destilação.
Diferença acentuada entre os
Sólidos-Líquido A mistura é deixada em repouso ou é aquecida até que
Evaporação pontos de ebulição das
Água do mar o líquido sofra evaporação.
substâncias.

Ao evaporar lentamente parte do líquido (solvente), a


Cristalização Diferença acentuada entre as Sólidos-Líquido
substância menos solúvel se cristaliza antes das outras,
fracionada solubilidades das substâncias Água do mar
separando-se da mistura.

 
  7  
3. Referência Bibliografia

RUSSEL, John B. Química Geral. 2a ed. São Paulo: Pearson Makron Books, 1994. Volume 1.

FELTRE, Ricardo. Fundamentos de Química. 4a ed. São Paulo: Editora Moderna, 2005. Volume único.

Você também pode gostar