Você está na página 1de 45

Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)

1
SUMÀRIO

1 – O bairro de Moema – Da década de 20 até os dias atuais.

I.I – Dos operários industriais ao melhor IDH da cidade.

I.II – As “novas” de Moema...

II – O projeto: Siga Moema. (Oblíquo, único e generoso).

II.I – Siga: o estilo de vida de Moema.

II.II – NORTIS: O que esperar de nós.

III – Economia e o Mercado Imobiliário: análise crítica de cenário.

Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)


2
Moema – Imagem de satélite (Fonte: Google Street View)

Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)


3
1 – O bairro de Moema – Da década de 20 até os dias atuais. (A história do bairro e sua criação)
O bairro de Moema está localizado na região centro-sul da Cidade de São Paulo. Permeado por outros bairros como Jardim Prainha, Vila
Uberabinha, Indianópolis, Vila Olímpia, Vila Nova Conceição, Campo Belo e Brooklin Paulista. É uma região de grandes acontecimentos, e
colabora para o crescimento da cidade, desde o início de sua história.
A começar pela tribo Tupi-guarani que se beneficiava das margens do rio Pinheiros e córregos Uberaba, Uberabinha e Traição, nomeando a
região de “Mo-em” em tupi, ou, “Aurora” no português. Dos carros-de-boi que transportavam a carne da “Villa” de Santo Amaro (bairro atual de
mesmo nome), até o crescimento industrial que corroborou para a necessidade do loteamento da região; dando início a concentração de
pessoas.
A Moema dos dias atuais carrega toda essa grande história de mudanças, adaptações, crescimento e participação no todo paulistano. E,
é este compilado de pioneirismo que deu a Moema o top of mind dos bairros paulistanos. No ano de 2017 a pesquisa da revista Veja São Paulo
apontou o bairro com nomes de “índios e pássaros”, como o mais lembrado da cidade. Ficando à frente dos bairros de Pinheiros, Brooklin,
Campo Belo, Morumbi, Jardim Paulista e outros.
Sua topografia plana e quadras simétricas, são um convite para uma caminhada despretensiosa por ruas arborizadas; usar o carro em
Moema não é uma opção muito comum aos moradores, assim como, àqueles que trabalham região. São dezenas de restaurantes, padarias,
supermercados, academias, lojas e comércios. Aliás, outra característica importante para quem deseja morar lá, são os comércios; o
empreendedorismo também circula pelas avenidas e alamedas do bairro. Lojas nacionais e internacionais têm residência em Moema,
reforçando o histórico de qualidade de vida e alto padrão.
Sem deixar de lado a acessibilidade que circunda um dos melhores bairros da cidade, temos a avenida Rubem Berta/Moreira Guimarães,
antiga Auto Estrada de Santo Amaro, que faz parte do corredor Norte-Sul. A avenida dos Bandeirantes, faz a ligação com o litoral do estado e
no sentido oposto, dá acesso as marginais, Pinheiros e Tietê. Ligando o bairro ao centro da cidade, por dentro, temos a antiga avenida Araci,
hoje conhecida como avenida Ibirapuera e mais adiante, na região limítrofe, a avenida Santo Amaro. Sem nos esquecer da conveniente
proximidade com o aeroporto de Congonhas (1936), principal ligação entre os demais capitais e ponto icônico no desenvolvimento da cidade e
da própria Moema.
O transporte público é um outro ponto positivo no bairro, o acesso é fácil e os corredores que cortam Moema, tiveram este ano como
complemente o Metrô, a linha 5 Lilás que fará as ligações com as linhas Azul e Verde do metrô é outra solução importante para os moradores; a
valorização do metro quadrado se beneficia muito da acessibilidade, e duas estações de metrô, a Eucaliptos e Moema, irão atender muito bem
a região.

Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)


4
E por último e não menos importante, o shopping Ibirapuera, que dentre os seus 42 anos de existência (inaugurado em 06.08.1976), foi
de 1995 a 1997 o maior centro comercial do país, sendo reconhecido pelo Guinness Book. Sua construção foi projetada para acompanhar a
perspectiva de crescimento da população, fazendo de Moema o que ela é hoje: o mais importante bairro paulistano!
___________________________________________________________________________________________________________________
Curiosidade¹: O dono do pedaço.
Fundador da Companhia Territorial Paulista, o engenheiro Fernando Arens Jr., foi o responsável por lotear os 182 alqueires do Sítio da
Traição. Foi ele quem batizou com nomes indígenas e de espécies de pássaros as ruas de Moema. A principal delas foi uma homenagem a
filha Araci. Mais adiante, a via recebeu o nome de Avenida Ibirapuera.
___________________________________________________________________________________________________________________

I.I – Dos operários industriais ao melhor IDH da cidade.


Era fim do século XIX e a região de Moema ligava o centro da cidade de São Paulo com a então “Villa” de Santo Amaro através dos
caminhos dos carros-de-boi. Caminhos que seriam convertidos na atual avenida Santo Amaro e que haviam sido abertos muito antes, no século
XVI, pelos índios que ali habitavam e foram, com o passar do tempo, se deslocando cada vez mais para as regiões de Parelheiros e Itapecerica
da Serra, em consequência da construção da estrada de ferro. O território da atual Moema era chamado de “Sítio da Traição”; existem várias
explicações para a origem do nome do córrego. Numa delas, o nome teria sido dado em função de, no local, o bandeirante Borba Gato (1649-
1718) ter supostamente sofrido uma emboscada armada por seu próprio filho, em razão de maus-tratos sofridos por este pelo pai. Outra
hipótese diz que o córrego da Traição ganhou esse nome em razão de um assassinato. Dois portugueses, compadres entre si e sócios em
negócios, teriam tido desavenças e um teria matado o outro numa emboscada perto da nascente do córrego, no alto da atual avenida dos
Bandeirantes. No local, já houve uma padaria com o curioso nome de "Rainha da Traição", onde, hoje, há uma lanchonete da Rede Graal.

Em 1882, imigrantes de maioria inglesa e alemã foram contratados como operários da estrada de ferro e passaram a fazer parte do
povoado do Sítio da Traição. Segundo registros, essas terras, em meados do século XIX, pertenciam a Joaquim Pedro Celestino Soares, um
capitão da Marinha Real Portuguesa.

Em 1913, a empresa de origem canadense Light and Power Company, substituiu o trem a vapor pelos bondes elétricos. Inicialmente os
bondes eram amarelos, depois vieram os bondes “camarão” que eram fechados e pintados de vermelho. O percurso dos bondes propiciou o
loteamento de chácaras e sítios, ocorrendo assim uma rápida urbanização ao longo de seu percurso. Diversas estações foram construídas, tais
como a estação Pavão, Vila Helena (nome de um pequeno bairro dentro do que é hoje Moema), e a estação Moema. O bonde camarão seguia
pela avenida Araci (atual Av. Ibirapuera) e a primeira parada, Moema, daria então origem a um dos bairros mais requisitados e valorizados de
São Paulo.

Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)


5
A Companhia Territorial Paulista (CTP) em 1915 começou a demarcação e o loteamento da região que, futuramente, receberia o nome
de Indianópolis. A CTP, dando prosseguimento ao plano de urbanização do bairro, em 1922, lançou um grande conjunto de casas –
construções econômicas – que eram casas operárias em estilo bangalô, custando entre 10 e 30 contos de réis, em prestações mensais e a
longo prazo. Nessa época, a população do bairro possuía no máximo 4 mil habitantes, incluindo os imigrantes alemães e ingleses.

Os primeiros moradores que se instalaram ali, iniciaram a formação do bairro; eram famílias como os Caldas, Guimarães, Pinhão, Prado,
Silva, Colaço, Fernandes Barbante entre outros. Um morador deve receber atenção especial, era o então procurador geral do Fisco de São
Paulo, Sr. Raul Romeiro Loureiro. Paulistano, nascido em 1893 e que faleceu em Moema em 1984.

Na década de 20, houve uma tentativa do então prefeito Pires do Rio de criar um parque nos moldes dos parques internacionais como o
Central Park, em Nova York, o Hyde Park, em Londres. Mas a ideia não pôde ser concretizada, devido às condições alagadiças do terreno. Foi
então que um funcionário da Prefeitura, resolveu transformar esta área alagadiça em uma região cultivada. Esse operário da Prefeitura se
chamava Manuel Lopes de Oliveira, conhecido como “Manequinho” Lopes. Em 1927 ele começou a plantar dezenas de eucaliptos australianos,
com a finalidade de drenar o solo e com isso, o excesso de umidade.

Em 1929 veio a crise mundial, e com ela o Brasil, que se beneficiara com as exportações de café, teve a necessidade de modernizar-se,
o que significava – industrialização. Este fato alavancou o progresso do bairro, cuja principal atividade, nessa época, era a produção industrial.
Diversas fábricas se instalaram no bairro nesta década de 30, tais como: Tecelagem Indiana, onde atualmente está o Shopping Ibirapuera;
fábrica de linhas Setta, que existe até hoje (porém, transferiu-se para o município de São Bernardo do Campo em 2009, devido a necessidade
de expansão física), e a fábrica Fiat Lux (que hoje faz muito mais do que apenas fósforos e palitos de dente), na avenida Cotovia, e, tantas
outras.

Com a instalações fabris e a vinda dos imigrantes europeus, deu-se origem, às vilas operárias, formadas por casas simples de dois
quartos, banheiro, sala e cozinha.

Curiosidade²: A igreja de Nossa Senhora Aparecida e o Largo de Moema.


Até 1930 o bairro possuía apenas a pequena capela dedicada a Santa Rita, que media 50 metros quadrados e abria suas portas somente
aos domingos. Insatisfeito com a situação, Loureiro, cuja mulher, Dona Antonieta, era devota da de Nossa Senhora Aparecida, lutou pela
construção da Igreja e da praça ao seu redor. No dia 26 de fevereiro de 1930 Dom Duarte Leopoldo e Silva, então arcebispo metropolitano de
São Paulo, por provisão, nomeou a Comissão construtora do novo Santuário, cujo presidente era vigário da paróquia de Nossa Senhora da
Saúde. Em 1934, após quatro anos de trabalhos, eram lavradas as escrituras do terreno, doado por Fernando Arens Júnior e pelo Cel. Joaquim
Ribeiro dos Santos, que embora protestante, era de caráter íntegro e bondoso. A pedra fundamental foi lançada em 26 de março de 1933. Esta
data desde então é tomada como um marco cívico e religioso para festejar a construção da igreja e paralelamente o início do desenvolvimento
do bairro. O novo templo estava sob os cuidados espirituais da Congregação Salvatoriana, na pessoa do Revmo. Padre Roberto José Waltz. A
inauguração definitiva foi feita no dia 15 de agosto de 1941, dia de Nossa Senhora da Glória. Em 28 de outubro de 1933, festa de Cristo Rei,
Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)
6
era assinado o decreto que constituía canonicamente a paróquia dando-lhe por padroeira Nossa Senhora Aparecida, sendo esta a 1ª paróquia
da Rainha do Brasil em São Paulo. Seis dias após, em 4 de novembro de 1833, era provisionado o primeiro Vigário da paróquia, o referido
Revmo. Padre Roberto José Waltz.

O desenvolvimento de Moema intensificou-se com propriedade a partir de 1940, época em que a cidade crescia com a absorção de
novos bairros distantes e isolados, resultantes de loteamentos residenciais das áreas suburbanas, ao mesmo tempo em que ocorreu um
adensamento das edificações e da população nos bairros mais antigos. Nesse contexto de rápido crescimento da população paulistana entre
1920 e 1940, a região de Indianópolis é uma das que apresentam o maior crescimento populacional (Langenbuch, 1971). Outro fator que
proporcionou o crescimento populacional do bairro foi o alargamento e asfaltamento da avenida Santo Amaro, que ampliou as facilidades de
comunicação com o Centro da cidade. Esse período, marcado pelo intenso desenvolvimento demográfico, foi também um período bastante
significativo no cenário da arquitetura vertical paulistana.

O aeroporto da cidade na época, era no distante Campo de Marte (zona Norte), localizado em uma região em que normalmente alagava
devidos as chuvas, provocando a necessidade de construir-se um novo aeroporto; pois, além da questão dos constantes alagamentos, havia a
falta de segurança por estar localizado em uma região com muitas edificações ao redor. Assim, o aeroporto de Congonhas foi construído ao Sul
da cidade junto à atual avenida Washington Luís. Em 1936, o proprietário das terras do bairro de Indianópolis, Fernando Arens Jr., propôs ao
então procurador da república, Sr. Raul Loureiro a compra de uma fazenda chamada Campo do Congonhas, localizada no bairro do Campo
Belo, ao lado de suas terras. Apesar de o aeroporto de Congonhas não pertencer ao bairro de Moema, é importante salientar que, sua
influência na configuração urbana se tornou relevante. Como reflexo do desenvolvimento da cidade, o aeroporto, que ficava afastado da cidade,
hoje encontra-se envolto por um grande conglomerado urbano.

Avançando em alguns anos, mais precisamente para 1954, outro marco da cidade de São Paulo é concebido. O parque de Burle Marx e
Oscar Niemeyer, foi criado. Com atrações culturais, amplo espaço; são 158 ha ou 1.580.000 m² de área (146 campos de futebol). O terreno
cultivado por Manequinho Lopes foi transformado no Parque do Ibirapuera. Para a empreitada, uma comissão mista foi constituída; composta
por representantes da Prefeitura, do Estado e da iniciativa privada. À frente do programa, Francisco Matarazzo Sobrinho, o “Ciccillo”, elaborou
um programa de prioridades, tendo como foco do projeto, realizar uma intervenção urbana moderna, reunindo uma arquitetura e projeto
paisagístico arrojados.

No dia 21 de agosto de 1954 era inaugurado e entregue à população, o Parque do Ibirapuera, este que se transformou um patrimônio da
cidade de São Paulo e, um dos responsáveis pela alta qualidade de vida destacada dos moradores de Moema.

“Dos anos 30 até meados dos anos 50, a região de Moema era predominantemente industrial, atraindo com isso as várias vilas operárias
ao redor destas fábricas. Este era o perfil do bairro neste período”. (AZEVEDO, 1958).

A partir da década de 50, o processo de desenvolvimento urbano do bairro fica evidente e finaliza-se no final dos anos 60, época em que
o então prefeito Faria Lima conclui os trabalhos de urbanização e asfalto de todas as ruas do bairro. Nessa época, a unidade de conjunto

Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)


7
arquitetônico e o gabarito, ou seja, a altura média das edificações de Moema, era formada por casas operárias (sobrados), construídas
próximas às fábricas, e também por muitas casas de médio padrão. Essa característica permaneceu praticamente inalterada. Assim, Moema já
não parecia mais um grande sítio. Com o progresso, e a urbanização, o bairro passa a ser ocupado por edifícios residenciais e pelo
desenvolvimento do comércio, fatores esses que, prosseguem aceleradamente até os dias de hoje.

A fim de melhor entender o processo de verticalização do bairro, iniciado na década de 50, é importante considerarmos que esse
processo ocorre, invariavelmente, em decorrência do desenvolvimento tecnológico e dos investimentos na área habitacional e da construção
civil em geral, em virtude da política do desenvolvimentismo, criada pelo governo Juscelino Kubitschek (JK) no final da década de 50. Assim,
com a reformulação da estrutura social promovida nos anos de JK, o edifício vertical respondia a uma demanda social e a um interesse
econômico, no sentido de maximizar o aproveitamento dos lotes, valorizados pela sua situação de proximidade com áreas de concentração de
atividades.

A história de Moema elucida os motivos pelos quais esse bairro cresceu, e ainda continua crescendo a passos largos. Entre as décadas
de 50 e 90, sua população praticamente triplicou, embora os 8 quilômetros quadrados do bairro já fossem urbanizados e bastante ocupados.
Seja pela localização, seja pelas grandes vias de acesso, pela proximidade com o Parque do Ibirapuera ou pela boa infraestrutura, Moema
tornou-se um bairro atraente, principalmente para as classes altas. Essa demanda gerou uma superocupação do espaço, promovendo sua
verticalização. O processo de verticalização de Moema iniciou-se a partir da década de 60, quando o bairro ainda era composto por uma
população basicamente operária, devido à quantidade de fábricas existentes no local.

Todo este perfil apresentado despertou grande interesse por parte das incorporadoras e construtoras para a compra de terrenos
destinados à construção de edifícios. Segundo os registros e relatos de moradores mais antigos, e de forma mais contundente entre os anos de
1971 e 1972, época em que houve mudanças na legislação que implicaram modificações na lei de zoneamento, o que favoreceu a construção
de prédios residenciais e comerciais.

Com isso, o bairro que na década de 60 era uma região tranquila, com gabarito baixo composto por casas térreas, sobrados e prédios de
até quatro pavimentos, transformou-se em um bairro ocupado predominantemente por edifícios. A maior transformação ocorrida em Moema é
observada no final da década de 70, com a construção do Shopping Ibirapuera em 1976, fator responsável pela atração, desde aquela época,
de investimentos não só residenciais como também do comércio em geral. Este processo ocorre com frequência ainda hoje e cada vez mais as
casas dão lugar aos edifícios de alto padrão, transformando assim a paisagem do bairro. Os imóveis de médio e alto padrão prevalecem em
Moema. Esse aumento demográfico na região é constatado pelos índices dos últimos censos. Segundo a Base de Dados para Planejamento
(BDP) da Administração Regional de Vila Mariana (regional responsável pela região de Moema), o distrito de Moema caracteriza-se por uma
ocupação predominantemente residencial vertical e de alto padrão.

A história da verticalização na cidade é contada em períodos socioeconômicos distintos. De acordo com este entendimento cronológico,
o processo de verticalização de Moema (sendo um fragmento da cidade) será relatado a seguir por meio de alguns exemplos:

Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)


8
Edifício Leblon
Av. Moema, 388
2 dormitórios área útil = 110 m²
Projeto e construção: Eng. Nicola Serão - Data: 1959
Sutis presenças do refinamento modernista expresso na predominante característica da arquitetura dos anos cinquenta, bem como sua
implantação retangular simétrica em um lote de igual geometria.

Edifício Nicola Serão


Al. dos Maracatins, 320, esquina com Av. Moema.
3 dormitórios área útil = 120 m²
Projeto e construção: Eng. Nicola Serão - Data: 1963
Considerado um dos primeiros prédios erguidos no início da verticalização do bairro, este exemplo de quatro pavimentos com quatro
apartamentos tem três dormitórios e área útil de 120 m². Possui uma linguagem arquitetônica típica dos prédios de estilo internacional.

Edifício Modular Beta


Av. Divino Salvador, 863
3 dormitórios área útil = 150 m²
Projeto: Arq. Abrahão Sanovicz - Data: 1970
Produto de uma proposta diferenciada, este edifício, assim como dezenas de outros de mesmo partido e programa projetado por
Sanovicz, possui como características um partido de geometria regular cuja planta do pavimento tipo é retangular, compatível com lotes
estreitos e profundos, comuns em centros de quarteirões na desordenada trama urbana de São Paulo.

Edifício Prince of Salzburg


Av. Cotovia esquina com Av. Santo Amaro
3 dormitórios (sem metragem conferida)
Projeto: Arq. Roberto Candusso
Construção: Gafisa - Data: 1992
Implantado em uma área onde antes havia uma indústria farmacêutica, este conjunto residencial faz parte de um conjunto de oito prédios
cujas plantas seguem uma mesma padronização, diferenciam-se por meio de fachadas com desenhos diferentes e compostas por
revestimentos de cores variadas; caracterizam-se por suas reentrâncias e saliências e uso de materiais como vidro temperado e detalhes em
granito.

Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)


9
Ed. Leblon Ed. Nicola Serão

Ed. Modular Beta Ed. Prince of Salzburg

(Fonte: Google Street View)

Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)


10
A partir da década de setenta, mais precisamente em 1972, houve uma mudança na legislação e o novo código de obras apresenta
restrições mais definidas se comparadas com as anteriores. Em função disto, a implantação do edifício no lote viria a possuir restrições mais
definidas gerando um modelo de planta que se tornou quase um receituário do pavimento tipo, a planta em forma de “H”, que possibilita atender
as restrições quanto aeração, insolação e recuos, além da distribuição dos compartimentos com uma certa racionalidade funcional e construtiva.
Desde a época de sua construção, este modelo de planta vem sendo repetido há anos sem grandes variações.

Por enquanto...

Curiosidade³: IDH – Índice de Desenvolvimento Humano e Moema.


Entre as cidades brasileiras, São Paulo é a maior em termos populacionais e econômicos. A concentração da atividade econômica é
muito superior à concentração populacional, aproximando-se de pouco mais de 11% do produto interno bruto (PIB) do Brasil. Entre as Unidades
da Federação (UF) só fica atrás de seu próprio estado, e pouco atrás do estado do Rio de Janeiro, somando um total de quase meio trilhão de
reais em 2012*. A boa condição econômica da cidade de São Paulo não reflete sua posição no ranking dos municípios brasileiros quando
observamos o indicador PIB per capita. Em 2010, segundo os dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), São Paulo
ocupava a posição 141, com um PIB per capita de R$ 39.450,87. Isso ocorre por conta do grande contingente populacional da cidade. Em
outras localidades, essa relação PIB por habitante é mais favorável, assim temos cidades pequenas com uma fonte de arrecadação
desproporcional ao número de habitantes, assim como a existência, por exemplo, de uma refinaria de petróleo, montadora automobilística entre
outros casos. Esse exemplo, de como o PIB per capita pode camuflar algumas realidades, sendo um motivador para a construção de um
indicador que apresentasse uma melhor resposta sobre as condições de vida das pessoas.

O Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) possui caráter universal e pretende ser uma medida geral e sucinta do desenvolvimento
humano de países ou regiões. Ele é calculado desde 1990 para todos os países do mundo. O objetivo foi o de oferecer um contraponto a outro
indicador muito utilizado, o PIB per capita, que considera apenas a dimensão econômica do desenvolvimento. A aplicação dessa metodologia
na escala municipal recebe o nome de Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHM), que é uma medida composta de indicadores de
três dimensões do desenvolvimento humano: longevidade, educação e renda, as mesmas do IDH Global, embora alguns dos indicadores
usados sejam diferentes. Os indicadores considerados no IDHM são mais adequados para avaliar o desenvolvimento dos municípios
brasileiros, portanto passam por um ajuste metodológico. A Cidade de São Paulo é composta por 32 unidades administrativas conhecidas como
subprefeituras.

Atualmente, a subprefeitura Vila Mariana constitui uma das áreas mais valorizadas da cidade, com uma diversificação de atividades,
concentrando investimentos relacionados ao setor terciário, ao setor cultural, equipamentos públicos de saúde e lazer de âmbito regional, ao
lado de tradicionais bairros exclusivamente residenciais de baixa densidade associados à presença de áreas verdes, e de bairros
predominantemente residenciais com intensa tendência à verticalização.

Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)


11
Compreendem a subprefeitura os distritos de Moema, Vila Mariana e Saúde que integram bairros tradicionais e representativos na
formação desse setor da Cidade de São Paulo.

Subprefeitura Vila Mariana (Fonte: Prefeitura Municipal da Cidade de São Paulo)

O distrito de Moema é marcado pela presença dos bairros-jardim – Jardim Lusitânia, Vila Paulista, Vila Nova Conceição e Jardim Novo
Mundo – caracterizados pela ocupação residencial unifamiliar associada à existência de abundante vegetação; pelo equipamento de lazer de
porte regional – Parque do Ibirapuera – e edificações significativas do seu entorno, como o Instituto Biológico, Assembleia Legislativa, Círculo
Militar e Museu de Arte Contemporânea; pelos bairros de Moema e Indianópolis, nos quais predomina uma ocupação bastante diversificada,
com concentração de comércio e serviços e áreas de uso predominantemente residencial vertical; e, pelas áreas contíguas às avenidas Santo
qualidade de vida da cidade Amaro e Hélio Pellegrino, as quais vêm passando por um processo de transformação e requalificação decorrente
das intervenções da Operação Urbana Faria Lima e Corredor Santo Amaro. Moema obteve o status de melhor região com em 2016*. Há muitos
anos, o bairro da zona sul tem um dos maiores Índices de Desenvolvimento Humano (IDH) da Capital.
A escala vai de 0 a 1 - quanto mais próximo de 1, melhor o desempenho do local. Moema reúne as melhores condições da cidade, com
um IDH de 0,961 pontos. Mais do que estar em primeiro lugar na cidade, este índice é maior que o da Noruega, que tem o maior IDH do mundo
de 0,944. O Brasil, que ocupa a 79ª posição, tem IDH de 0,744*. Além de Moema, a zona Sul possui mais bairros entre os dez primeiros

Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)


12
colocados na cidade (todos com IDH maior que o Brasil): Itaim Bibi (6º, 0,953), Vila Mariana (7º, 0,950), Santo Amaro (9º, 0,943), Saúde (10º,
0,942), Campo Belo (16º, 0,935) e Campo Grande (20º, 0,921).

Em termos da Política de Desenvolvimento Urbano proposta no Plano Diretor Estratégico (PDE) do Município de São Paulo – PDE (Lei nº
16.050/14), a subprefeitura Vila Mariana está contida no vetor de urbanização sudeste, na Macrozona de Estruturação e Qualificação Urbana,
que tem como objetivos a promoção da convivência mais equilibrada entre urbanização e conservação ambiental, e a compatibilidade do uso e
ocupação do solo com a oferta de sistemas de transporte coletivo e de infraestrutura para os serviços públicos. O seu território está quase que
totalmente contido na Macroárea de Urbanização Consolidada - MUC, à exceção de uma pequena parcela correspondente à Operação Urbana
Faria Lima (quadras contíguas à Avenida Hélio Pellegrino) que está inserida na Macroárea de Estruturação Metropolitana - MEM.

No PDE são previstas várias melhorias no transporte público da subprefeitura. O prolongamento da Linha 5 - Lilás do Metrô, que terá
ligação com a Linha 1 - Azul (Estação Santa Cruz) e a Linha 2 - Verde (Estação Chácara Klabin) e a Linha 20 - Rosa que passará pela Av.
Sabiá no distrito de Moema. Há previsão em médio prazo (2025) de corredores de ônibus que seguirão pelas avenidas Indianópolis e República
do Líbano, Jabaquara e ruas Domingos de Morais e Vergueiro, avenidas Ibirapuera e Sena Madureira, Ricardo Jafet e Professor Abraão de
Morais, Complexo Viário Ayrton Sena e pela Av. Brasil. Dentre as ações setoriais previstas no plano de melhoramentos viários, cabe destacar a
lei que propõe o alargamento das calçadas da Av. Ibirapuera; e a proposta de prolongamento da R. Sena Madureira até a Av. Dr. Ricardo Jafet.
O setor terciário quem se destaca no padrão das atividades econômicas da subprefeitura. Esse setor, somado ao da construção civil,
responde por 92% dos empregos formais gerados na região. A maior concentração desse percentual corresponde à atividade de serviços, com
67% dos empregos gerados, sendo que os serviços técnico-administrativos constituem a principal atividade, seguindo, em ordem de importância,
os serviços de saúde, alojamento e alimentação e comércio varejista.

A versatilidade é o ponto-chave e função sine qua non que fazem do bairro, um lugar de destaque na cidade paulistana. O charme de
suas ruas com nomes que remontam um passado histórico tão rico e importante, ajudam a perpetuar o seu legado por décadas adentro. Dos
primeiros moradores e suas casas de bangalô, custando 30 contos de réis, aos edifícios imponentes de arquitetura inovadora valendo milhões,
Moema é a suma de uma cidade em constante crescimento; seja em busca de uma melhor qualidade vida ou localização estratégica, pode-se
dizer, sem dúvida alguma, que os moradores deste bairro são pessoas privilegiadas, coparticipes e fundamentais para a construção do país.

- O desenvolvimento do Brasil passa por Moema.

Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)


13
I.II – As “novas” de Moema...
Este crescimento constante, conspícuo e atemporal, trouxe a Nortis até Moema. A empresa regida pelo notório Carlos Terepins, também
deseja participar desta nova fase do bairro e consolidou duas torres distintas, porém, complementares as necessidades dos atuais e futuros
moradores.

São empreendimentos de alto padrão, ricos em detalhes que atendem desde as expectativas mais altas as exigências mais basilares. De
cima a baixo, com calçadas interativas e convidativas, os dois novos marcos deste bairro ilustre, serão lembrados por muitos e muitos anos.
Projetados com a intensão visual de referência e diálogo com o entorno, o Elevo e o Siga, apontarão o norte e a tendência dos demais bairros
paulistanos.

Conviver com arquiteturas deste nível é um presente da Nortis aos paulistanos, a começar por Moema...
- Elevo Moema (lado pássaros)
Criação do renomado escritório de arquitetura Andrade Morettin, o Elevo se apresenta com o que há de melhor em modernidade,
conforto e tranquilidade. Em estilo europeu, com placas laterais que propiciam a climatização dos ambientes e o isolamento térmico; a redução
do consumo de energia, preservando o ecossistema; aos ambientes confortáveis. O projeto se favorece de um terraço que integra o living,
propiciando uma área social ampla, vinculando o íntimo e o externo. A sensação de convívio cosmopolita das grandes cidades internacionais,
também fara parte de Moema.

Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)


14
- Siga Moema (lado índios)

Oblíquo, único e generoso: são os adjetivos que resumem o Siga. Elaborado pelo escritório de arquitetura FGMF, a essência da
edificação está nos detalhes aparentes, porém, discretos que homenageiam a arquitetura contemporânea-moderna. Seus pilotis na entrada,
caixas suspensas, o concreto aparente, o desenho com caixilhos móveis (brises), dão vida ao edifício que se comunica constantemente com o
ambiente ao redor. Sua construção obliqua, ou seja, em diagonal a rua, o torna único. Juntamente, suas implantações de vistas livres, trazem a
generosidade e a possibilidade de personificação do ambiente.

Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)


15
II – O projeto: Siga Moema. (Oblíquo, único e generoso).
O Siga Moema está localizado na esquina (oeste) da alameda dos Maracatins com a avenida Iraí, em local de destaque. A proximidade
com grandes vias, avenida Moreira Guimarães (trecho do corredor Norte/Sul), avenida Ibirapuera e avenida Santo Amaro, trazem mobilidade ao
morador do projeto – quem não deseja maior mobilidade em uma cidade com trânsito caótico, não é verdade? As demais avenidas e alamedas
que cercam o projeto, fornecem alternativas distintas. É possível traçar uma rota aleatória todos os dias da semana e fugir do trânsito, sem
perder um tempo precioso dentro do carro. Morar em Moema é, estar próximo a um dos mais movimentados aeroportos do país, outra facilidade
do projeto. Congonhas é o aeroporto que mais transporta executivos e empresários no país; no ano de 2017 foram mais de 21 milhões de
passageiros transportados, sendo o mais movimentado da INFRAERO – já que o aeroporto de Guarulhos foi concedido a iniciativa privada em
2014. Mas, o maior trunfo do morador do Siga é estar a menos de 3 minutos (caminhando) do shopping que revolucionou o bairro; o shopping
Ibirapuera foi um marco na criação da região. São mais 400 lojas a disposição para aproveitar com a família ou à negócios, fazer as compras de
datas especiais ou situações de emergenciais – como por exemplo, um presente de aniversário.
E, por falar em Ibirapuera, não há como deixar de falar da “cereja do bolo” – O parque do Ibirapuera. O mais paulistano de todos os
parques, fica a 10 minutos de bicicleta, ou, a 30 minutos, numa caminhada descontraída. Com arquitetura de Niemeyer e Burle Marx, a pérola
de São Paulo convida a todos a praticar atividade física ao ar livre. Um pouco mais próximo ao projeto, existe outra opção, o parque das
Bicicletas; são apenas 18 minutos de caminhada do Siga, numa linha reta, seguindo pela alameda dos Jurupis (sentido Avenida Indianópolis).
Apesar de ser um parque menor, a atividade física também está garantida, e o local é propício para ensinar os filhos a andarem de bike e,
aproveitarem mais tarde as ciclofaixas planas do bairro.
Ao chegar no Siga Moema, o primeiro impacto será a distinção da torre (oblíqua) aos demais projetos do entorno. Sua arquitetura destoa
do legado neoclássico da década de 90, alterando a paisagem. O Siga é interativo por essência. São os brises que dão movimento a fachada e
dialogam com o ambiente externo, alterando o projeto diariamente. Não haverá um único dia em que o Siga esteja igual; serão seus
condôminos e suas rotinas que irão alterar o visual moderno-contemporâneo do projeto.
Ao deparar-se com a torre (única), logo na entrada, os sinais do modernismo serão aparentes; os pilotis (pilares em concreto) largos,
fornecerão um vão, privilegiando o acesso dos moradores, melhorando o campo de visão da própria entrada e a interação com arquitetura. O
concreto aparente, outra característica do modernismo, não se limita a base do projeto, mas se espalha por toda a área térrea. A fachada-livre,
é outro ponto de destaque; suas “caixas” suspensas pairam frente à avenida, convidando o espectador a seguir o olhar por todo o conjunto.
Mais ao alto, nos deparamos com as janelas em fita, ou, caixilhos piso-teto. Esta importante estrutura por detrás dos brises, melhora a
iluminação das unidades, fornecendo a luminosidade adequada, garantindo ambientes mais saudável e permitindo a presença do externo sem
perder a privacidade do íntimo,
Na parte interna do projeto, as plantas (generosas), são apresentadas em três metragens distintas e agradam dos mais conservadores
aos mais vanguardistas. Ao adquirir um Siga, a Nortis, disponibiliza o “N” Opções, uma forma de coparticipação na construção da unidade
Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)
16
desejada. São as mais variadas opções na sala, cozinha, closet e terraço. Tudo isso para que seu apartamento corresponda exatamente ao que
você deseja e precisa; um serviço de personalização flexível e prático. As paredes das unidades são outra peculiaridade; projetadas em
alvenaria de bloco de concreto – nada de drywall – são completamente moldures e podem sofrer alternações para melhor dimensão dos
espaços internos. A questão é; conceder à criatividade do externo, ingresso, em cada unidade, de acordo as necessidades, sem deixar de
seguir umas das premissas básicas do modernismo: “A forma segue a função” de Louis Sullivan.

As áreas sociais são outro capítulo à parte. A começar pelo térreo (distribuído por mais de 1.400 m² de terreno), em que estarão à sua
disposição: o salão gourmet integrado a churrasqueira; a brinquedoteca; e o playground com deck de madeira. Na cobertura ou terraço-jardim
(outro fundamento do modernismo), está: a piscina climatizada; a sauna úmida; e, o sky lounge com vista para Moema. O Siga é um projeto
abrangente, seja com suas opções de planta, áreas sociais, localização, arquitetura ou tecnologia. Com gerador e as placas termoelétricas; o
condômino não fica desassistido na ausência de energia. Consta, também, a instalação de um ponto de recarga para veículos elétricos,
tornando o Siga um projeto de selo-verde e autossustentável.

Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)


17
II.I – Siga: o estilo de vida de Moema.
Quando o Siga Moema foi projetado, sua essência era incorporar todo o Lifestyle de Moema. Da localização aos detalhes nas plantas, o
projeto sintetiza a vida do bairro. Das lojas localizadas no térreo, dispostas na Alameda dos Maracatins – via de maior movimento – que
remetem ao comércio pujante da região. A atividade comercial favoreceu Moema, tanto em crescimento econômico, quanto em segurança.
Seguindo o conceito do uso misto nos empreendimentos, a proximidade com os comércios é uma alternativa a vida corrida nas grandes
metrópoles, evitando, deslocamentos excessivos e incentivando a geração de empregos.
Outro ponto a ser ressaltado são as entradas (social e serviço), que não coincidirem com o acesso das lojas. No térreo, a entrada dos
moradores não conjuga com as lojas, garantindo total privacidade. A circulação direcionada de pessoas na alameda do Maracatins, evita
aglomeração em frente a portaria (na Iraí) facilitando o monitoramento da segurança. Com alçadas amplas e arborizadas, a entrada do Siga se
destoa da mesmice; os pilotis, elaborados em concreto aparente, intensificam a robustez do edifício.
O hall de entrada com pé direito duplo compartilha espaço com uma lagoa artificial, transmitindo a agradável mensagem de boas-vindas
para todos que adentram ao projeto. O acesso é amplo e largo, sem redundância, direcionando o morador ou visitando, ao seu final de destino.
Seja qual for o final de sua preferência, o objetivo do projeto é resgatar as metragens generosas de antigamente. Com uma sala espaçosa
ligada a um terraço gourmet – perfeito para receber os amigos –, e uma agradável cozinha que pode ser integrada, criando um espaço
gastronômico ideal. Todos os ambientes possuem excelente ventilação e iluminação natural (inclusive os banheiros). Caixilhos piso-teto e
janelas de 2,20m x 1,70m (nas suítes principais), garantem a presença do sol nos quartos, principalmente nas salas e terraço.
No Siga Moema as distâncias se encurtam e é possível ter um dia mais produtivo e agradável. Chegar do trabalho e fazer uma sauna
ou relaxar com a vista do terraço (sky lounge), não é apenas uma comodidade, mas, um complemento para quem fez a melhor opção do bairro.
A piscina é outro detalhe a parte; climatizada por placas termoelétricas, todos os dias são bons para entrar na água. Ou, para os mais
esportistas a academia está à disposição para um treino privado com o personal, sem tirar os olhos das crianças que estarão brincando no
playground (no piso térreo). Se o clima é de festa, não há melhor lugar do que o salão gourmet com pé direito duplo e capacidade para mais de
100 pessoas, ou, um churrasco, enquanto os filhos dos amigos se divertem na brinquedoteca.

Se recordar é viver; o Siga Moema tem a estrutura para prover as melhores recordações...

Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)


18
II.II – NORTIS: O que esperar de nós.
O Grupo Nortis/Vibra é a tríade empresarial composta por: Nortis Incorporadora e Construtora, Vibra Residencial (linha econômica) e NV
Vendas (braço de vendas da corporação). O Grupo desenvolveu parcerias com a HSI Investimentos, a maior gestora de recursos com foco
imobiliário da América Latina e, com o Grupo Catuaí de Londrina/PR e seus mais de 70 anos de experiência no segmento.
Fundos de Venture Capital/Privaty Equity são parceiros de longo prazo, coparticipes na injeção de capital. E, dão todo o suporte
financeiro aos projetos da Nortis. Até o final de 2018, o Valor Geral de Vendas (VGV) está projetado para R$ 1,2 Bilhão. Ao todo são 6 seis
projetos arquitetônicos com VGV médio de R$ 200 Milhões; salvo as devidas proporções de metragem e localização.
Um kick-off desta envergadura, em um o momento de retomada econômica classificada como “tímida”, é salutar, tanto na previsão da
retomada do mercado, quanto na estratégia da empresa.
A soma destes itens, consolida confiança e a certeza de que aquilo que foi projeto e incorporado, será construído, pois, além do lastro
financeiro, há em todos os empreendimentos a cláusula de afetação patrimonial; termo no qual o proprietário tem seu patrimônio
(universalidade de direitos reais e obrigacionais, ativos e passivos, com expressão pecuniária, pertencente à pessoa natural ou jurídica) atrelado
a cada empreendimento, assegurando o cumprimento dos contratos dos mutuários. Somos aquilo que pode ser chamado de state of art da
incorporação e construção civil; uma empresa cuja as premissas são sólidas e atenta aos detalhes mais minuciosos.
Abaixo é possível entender o posicionamento da empresa perante o mercado, e constatar os pilotis (pilares) que compõem a estrutura
moral do Grupo Nortis/Vibra:
Arquitetura: Trabalhamos apenas com os mais prestigiados arquitetos, que assinam projetos autorais únicos.
Valorização: Por seguirmos as tendências mais atuais, a valorização é uma premissa.
Tecnologia: Utilizamos somente os métodos construtivos mais avançados e compatíveis na perenidade do imóvel.
Localização: Escolhemos apenas pontos privilegiados. Afinal, nossa ambição é deixar a cidade mais bonita e fazer com que nosso
cliente tenha acesso ao melhor que a vida urbana oferece.
Gentilezas Urbanas: Nossos projetos incluem integração com o entorno, jardins sem muros, bicicletários, fachadas que embelezam a
paisagem urbana.

Contudo, do que adianta de uma empresa promissora sem um grande líder, a regência de Carlos Terepins harmoniza todo o processo e
direciona a visão, sempre apontando para o norte. O caminho até o topo é árduo, entretanto, fica mais claro ao lado daquele que já esteve lá,
por diversas vezes. Sua antiga empresa (a Even) bateu os mais diversos recordes e ganhou o inúmeros prémios no mercado.

Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)


19
A Nortis está no mercado para ser muito além de uma nova opção, estamos no mercado imobiliário para fazer diferente o que vêm sendo
feito da mesma forma desde a década de 90. Com a experiência do passado olhando o futuro se concretizar no presente. Como tudo aquilo que
é atemporal, e têm a capacidade de durar para sempre.

"Antes de encantar você, um empreendimento Nortis precisa


inicialmente me encantar. O que, cá entre nós, não é nada fácil.
Depois de uma história de mais de 200 empreendimentos lançados
e 40 anos de atuação no mercado, pode-se dizer que me tornei
bastante rigoroso. Ou melhor: obsessivo. A Obsessão é oferecer o
melhor a você."

Carlos Terepins, CEO Nortis Inc.

Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)


20
III – Economia e o Mercado Imobiliário: análise crítica de cenário.

Costuma-se dizer que as coisas na vida nos são apresentadas em trio; não pelo volume, mas, pela concepção estrutural, onde, a retirada
de uma das partes, sobrecarrega as demais, ou, acaba por encerrar o ciclo. Dado o conjunto de regras que nos são impostas,
independentemente das condições que são, está implícita na natureza das coisas a qual todos os seres vivos compartilham as três condições a
seguir: espaço, tempo e quantidade. Organizam a nossa existência e nos impõem as regras do jogo. Por isso, existem os dilemas éticos na
humanidade; pela natureza do acontecimento das coisas em sequência. Decisões que envolvem tempo de maturação, recaem sobre o dilema
do certo ou errado, originando divergência, pois, para nós o ato acontece no tempo. Sendo assim, é o tempo que esconde aquilo que devemos
fazer.

Não é à toa que a economia brasileira está disposta em um tripé-macroeconômico. A composição deste tripé se dá através dos
elementos: câmbio flutuante, meta de inflação e meta fiscal. São estes componentes macroeconômicos que lastreiam as ações da política
econômica e do Banco Central do Brasil (BACEN). Quem acompanhou o início da corrida presidencial, sabe bem como este assunto foi
pautado. Desde 1999 este modus operandi foi adotado pelo Brasil e por, praticamente, todas as nações ao redor do mundo – salvo aquelas de
economia fechada. Independentemente do ciclo econômico presente, a soberania do tripé permanece direcionando a toada da economia,
permitindo oportunidades aos astutos e crises aos provincianos. Quem deseja permanecer ativo no mercado, seja ele qual for, precisa
compreender a variação desses agentes, a fim de antecipar os acontecimentos e alinhar a estratégia empresarial. Não há como fugir das regras
simples da economia.

Tomando a conjuntura atual, como ponto de partida. O cenário de crescimento no curto prazo ainda é nebuloso, contudo, o porvir traz
sempre uma esperança mais agradável. A semiótica dos acontecimentos nos trouxe à uma realidade conturbada em certos aspectos,
desfavorecendo a confiança. Além disso, questões mais complexas que estão acima do tripé, assustam os investidores estrangeiros e desviam
seu foco para outros países exclusos de “assombrações”. O Brasil está (a meu ver) em um momento de transição mental, ao mesmo tempo em
que há um ajuste de expectativas econômicas.

Temos diante de nós um futuro promissor, com a certeza de uma retomada – não da forma como gostaríamos, mas, a qual
compreendemos que seja mais orgânica e saudável. A retomada do crescimento será introvertida e abaixo do esperado, pelas seguintes
razões: a ausência das reformas necessárias para o desafogar das contas públicas atrelada a uma carga tributária complexa, burocratizam o
crescimento do país. Não é apenas por isso, que o Brasil está atrás de países como Peru, Chile e México, que, apesar dos por menores, não
possuem a diversidade aqui encontrada. Porém, a riqueza do Brasil está muito além dos recursos que advém do solo. A base de uma economia
sólida está no contexto participativo da concorrência internacional. Diante do aquecimento norte-americano e da mudança no patrão de
consumo chinês, o Brasil necessita da melhor estratégia para acompanhar as duas maiores potências econômicas do mundo.

A força motriz brasileira para esta ascensão perpassa, claramente, pelo estado e, obviamente, pela cidade de São Paulo. O estado-
locomotor que, estimula as demais UFs com sua capital rica em negócios. A cidade São Paulo se caracteriza pelo crescimento linear que se
Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)
21
reflete em todos os segmentos, inclusive no imobiliário. O mercado foi responsável pelo adensamento populacional e expansão da cidade. As
regiões pouco povoadas, hoje estão verticalizadas e precificadas; seja pela qualidade de vida, facilidade de locomoção, ou geração de
empregos. Os bairros paulistanos estão passando por uma reformulação desde 2015, graças ao Plano Diretor Estratégico (PDE). O que mudou
e muito a forma de se construir na cidade. A lei dá diretrizes para atualização de outras leis importantes, como a de Zoneamento, a de Uso e
Ocupação do Solo e o Código de Edificações.

Todavia, não se imaginava uma crise econômica dessa magnitude antecedendo um processo eleitoral tão difuso. A incerteza não paira
somente na economia, mas, na conduta política do próximo presidente. Enfatizando um clima de incerteza meramente psicológico e por vezes
exagerado, o futuro se tornou uma especulação secular, agravando a situação nacional e distorcendo o cenário já complexo. Cenário este que,
se projeta em todos os segmentos, alavancando o risco dos empresários, mesmo em um momento tecnicamente favorável. A roda da oferta
monetária está travada e teima em girar lentamente, refletindo a ausência de confiança, apesar da Selic em seu menor nível (6,5% a.a.). O
crédito se expande lentamente perante as famílias que optam por quitar suas dívidas, antes de retomar o consumo. O movimento é lento e
alternado, tornando a previsão dos próximos meses uma incógnita aflitiva para os preditores de plantão que adoram a estabilidade, e temem a
volatilidade dos mercados. Contudo, “se soubermos usar a volatilidade ao nosso favor, ao invés de lutar contra ela, a probabilidade de êxito é
maior; desde que haja mais ganhos do que prejuízos”, – Nassim Nicholas Taleb (Antifragile)

O mercado imobiliário ensaiou um aquecimento no início de 2018. Mas, a greve dos caminhoneiros corroborou para a ociosidade das
máquinas e da cadeia produtiva. O segmento usado como termômetro para uma economia aquecida não correspondeu as previsões e se
manteve abaixo do esperado, frustrando os mais otimistas. Em comparação ao mesmo período de 2017, os seis primeiros meses de 2018 para
construção civil, foram de crescimento, apesar do índice permanecer no negativo (-0,8%). Com isso, o Índice de Confiança da Construção
(ICST), da FGV, caiu 1,6 ponto em agosto, atingindo 79,4 pontos1. O resultado reverteu a alta de 1,7 ponto de julho. Em médias móveis
trimestrais, o índice variou -1,0 ponto. Embora, a percepção em relação aos negócios no momento corrente tenha melhorado nos últimos 12
meses, uma reversão desse movimento ainda deixaria a atividade em níveis historicamente muito baixos”, - Ana Maria Castelo, Coordenadora
de Projetos da Construção da FGV IBRE.

Visto que o crescimento populacional se encontra em declínio, em contrapartida com melhora na expectativa de vida dos brasileiros, e a
consequência seja uma óbvia redução na necessidade de consumo, atrelada ao fato de uma crise recente; formam um pout popurri de
problemas que, compostos em sequência dão a alusão de estar “andando para trás”, enquanto, os demais processos nacionais não se
resolvem. As incertezas serão precursoras das decisões, criando uma mística de “mal-estar” econômico, ocasionando um efeito psicossomático
social de Fear of Missing out (FoMo). Em consonância com as patinadas da economia brasileira, cria-se um cenário de ajuste indesejado:
ajuste, pela mudança de perfil populacional; e indesejado, pela recente crise. Não obstante na conjuntura social, o desemprego está acima dos
dois dígitos, enquanto o poder aquisitivo das famílias continua represado, forçando a construção civil a se adaptar aos novos tempos. Tempos
estes que, observando os pontos abaixo cingem maior competitividade em termos de oferta de crédito (portanto, mais acessíveis no longo
prazo) e personalização (já que o consumo está setorizado).

Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)


22
- Oferta de crédito e a diminuição da participação dos bancos públicos no mercado: desde o final do segundo semestre de 2017, os
bancos públicos perderam força na participação do crédito imobiliário. Em contrapartida, os bancos privados estão protagonizando taxas mais
competitivas e adentrando em linhas de créditos antes dominados pelos bancos públicos, como exemplo: o crédito pró-cotista. A Letra
Imobiliária Garantida (LIG), uma espécie de “covered bond”, está aprovado pelo BACEN para emissão, aguardando a recuperação do mercado,
para incrementar a carteira dos investidores; a letra é isenta de imposto de renda e têm previsão de circulação no mercado financeiro ainda este
ano. Outro ponto, está na mudança do teto para uso do FGTS de 950 mil (em São Paulo) para 1,5 milhão. Esta alteração já havia entrado em
vigor em 2017 e passará a valer em 1º de janeiro de 2019.

- Personalização: a aquisição de um imóvel ao longo do tempo foi absorvendo o cotidiano da população, incentivando o convívio no
condomínio e retardando o uso do automóvel. Este modelo de “smart cities” tem feito as construtoras repensarem seus projetos e adaptar
soluções integradas a rotina para atrair os futuros moradores, ao invés de oferecer somente o trivial. Neste caminho sem volta, a tendência é
manter o foco nas exigências do mercado e continuar aperfeiçoando os empreendimentos com tecnologia e sustentabilidade, atrelado a
redução de custo. O custo de produção será menor com o passar do tempo, porém, a demanda será maior pela localização; a depender da
região já adensada e verticalizada, o valor do metro quadrado tende a ditar a preferência do consumidor.

Segundo a Abecip (Associação Brasileira de Entidades de Crédito Imobiliário e Poupança), “Os financiamentos imobiliários com recursos
das cadernetas de poupança do Sistema Brasileiro de Poupança e Empréstimo (SBPE) atingiram R$ 5,49 bilhões em junho e mostraram
recuperação no primeiro semestre. Os empréstimos avançaram 22,2% entre maio e junho, 44,7% entre junho de 2017 e junho de 2018 e
cresceram 23% entre os primeiros semestres de 2017 e de 2018, atingindo R$ 25,29 bilhões. Os números sugerem a continuidade de um
cenário mais favorável no segundo semestre, após um longo período de comportamento pouco satisfatório dos financiamentos no SBPE. Nos
12 meses compreendidos entre julho de 2017 e junho de 2018, foram aplicados R$ 47,88 bilhões na aquisição e construção de imóveis com
recursos do SBPE, elevação de 7,4% em relação ao apurado nos 12 meses precedentes. Foram financiados em junho, nas modalidades de
aquisição e construção, 19,7 mil imóveis, alta de 6,4% em relação a maio. Em relação a junho do ano passado, o aumento foi de 27,8%. No
primeiro semestre de 2018, foram financiadas aquisições e construções de 98,84 mil imóveis, avanço de 19,8% em relação a igual período de
2017, quando 82,53 mil unidades foram objeto de financiamento bancário”. (Fonte: Boletim Informativo de Crédito Imobiliário e Poupança –
Junho/2018 – publicado em 25/07/2018).

“Os dados de 2018 demonstram que o mercado de lançamentos imobiliários da Grande São Paulo permanece retraído, por conta do
reflexo da crise política/econômica que o País vem enfrentando nesses últimos anos. No primeiro semestre deste ano, a predominância foi para
a tipologia de 2 dormitórios, com o total de 6.285 unidades lançadas, representando 63% do mercado, com área útil média de 52,00 m² e preço
médio de R$ 345,0 mil. Os apartamentos do tipo studio e de 1 dormitório também tiveram números representativos, somando 1.875 unidades
lançadas, ao preço médio de R$ 464,0 mil. A metragem útil média é de 35,00 m². As zonas Sul e Oeste receberam o número maior de
lançamentos, com destaque para as regiões do Butantã, Moema, Vila Mariana e Osasco”. (Fonte: Samantha Furlan, Gerente do Departamento
de Pesquisa e Análise de Mercado EMBRAESP).

Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)


23
O mercado de imóveis novos na capital apresentou bom desempenho no primeiro semestre de 2018. A Pesquisa do Mercado Imobiliário
do Secovi-SP publicou bons resultados no primeiro semestre do ano. No período, foram comercializadas 12.001 unidades residenciais na
cidade de São Paulo, 52,1% acima do registrado no primeiro semestre de 2017, quando as vendas totalizaram 7.888 unidades. O resultado dos
primeiros seis meses deste ano foi o melhor desde o início da crise econômica do país, iniciada em 2013, e se aproxima da média histórica de
vendas do primeiro semestre, de 12,4 mil unidades, calculada no período de 2004 a 2018. A comercialização de imóveis novos neste primeiro
semestre do ano também é próxima da registrada nos anos de 2011 e 2012, com 11,7 mil e 12 mil unidades residenciais vendidas,
respectivamente. Esse comportamento reafirma a reação do mercado imobiliário da Capital, iniciada no segundo semestre de 2017.

Oferta – O desempenho do mercado imobiliário da cidade de São Paulo registrou maior quantidade de vendas do que de lançamentos,
fato que impactou na quantidade de oferta final dos imóveis que, no período, teve queda de 16,6% em relação ao registrado em junho de 2017.
O mês de junho deste ano terminou com 17.558 unidades disponíveis para venda na cidade de São Paulo. Desse total, 3.642 unidades (21%)
estavam na planta, 11.752 (67%) unidades em construção e 2.164 unidades (12%) prontas.

Perspectivas – Tendo em vista o comportamento do mercado no primeiro semestre do ano e a sondagem feita junto a incorporadoras da
Capital, o Secovi-SP reviu as previsões para este ano, que ainda poderão ser impactadas pelo processo eleitoral em curso. Conforme o Secovi-
SP, as perspectivas são de uma redução nos lançamentos entre 8% e 10%, o que representa, aproximadamente, 28 mil unidades; e
crescimento nas vendas de 10% a 17%, com 25 mil a 27mil unidades vendidas durante o ano.

(Fonte: Pesquisa do Mercado Imobiliário - Departamento de Economia e Estatística | Balanço do Mercado Imobiliário de São Paulo, 1º Semestre de 2018)

O mercado imobiliário, em especifico na cidade de São Paulo, está conduzindo todo o arcabouço de mudanças dos próximos anos. Não
apenas pelo vanguardismo da própria cidade, mas também, pelo mercado ainda carente da região. O déficit habitacional e a morosidade na
construção civil, aliada aos ciclos econômicos curtos, incrementam a necessidade de recomeços mercadológicos inseguros e complexos. O
processo eleitoral e a falta de continuidade dos mínimos para uma economia denominada “estável” perpetuam a incerteza a cada dois anos. O
controle da inflação e a taxa de juros em patamares baixos acenam o início de um novo ciclo, porém, não garantem as ferramentas conjunturais
imprescindíveis ao país na concorrência mundial. A confiança de modo geral, e pilar invisível que sustenta toda e qualquer negociação
financeira, estimulando as próximas ações do mercado, está ausente no momento e, torna o risco proeminente. A apreensão do resultado das
eleições deste ano, potencializam o quadro incerto do rumo que iremos tomar nos próximos anos, mas, não nos retira a obrigação de percorrê-
los. Bem ou mal, iremos adentrar em 2019 e assim por diante, sem qualquer garantia de sucesso. Todavia, vale salientar que algumas medidas,
mesmo as mais simples, estão ocorrendo em paralelo, e atenuam os desafios afrente. Começamos a amadurecer politicamente como um povo
de voz ativa e que busca maior e melhor conhecimento quanto ao tema. A internet favoreceu o processo democrático e fez surgir um lado
pouco expresso, algo escasso e que vem ganhando notoriedade com o passar do tempo. Dada as mudanças necessárias e irrevogáveis,
estamos no momento de rever as escolhas do passado e exaustos da falta de comprometimento, o mercado amadureceu e sente o
descolamento da política com a economia. Porém, há urgência em se ter paciência, por inúmeras razões; o PIB brasileiro ainda terá uma longa
caminhada para até estar acima de 2,5%; a demanda na maioria dos segmentos continua reprimida e carente de confiança de ambos os lados
(empresário e cliente) – no atacado e varejo; o desemprego permanecerá alto pelos próximos 8 trimestres (acima dos dois dígitos), limitando o
consumo das famílias; o investimento estrangeiro direto (IED) está congelado a espera de um aquecimento interno, enquanto direcionam seus
Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)
24
olhares para outras oportunidades mundo afora; a Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa), permanecerá com volatilidade até a definição do
cenário político, representando em tempo real o humor do mercado financeiro; os setores de serviços e indústria, continuarão a mercê da
volatilidade e do ânimo do consumo das famílias.

Em suma, há sinais claros de um crescimento econômico no país. Contudo, ainda distantes das previsões elaboradas no ano passado e
inconsistentes com as metas estabelecidas pelos empresários e mercados. O ponto de partida para um novo ciclo econômico foi dado e merece
ser considerado com uma oportunidade real ao Brasil, dependendo somente da postura estratégica das empresas perante esta ascensão de
demanda. O ano de 2018 se qualifica como um ensaio aos períodos vindouros com adaptações, ajustes e correções. A retomada do
crescimento só será possível, através da resolução dos nossos gargalos estruturais: Sistema Tributário disfuncional; ambiente negativo de
negócios; baixo grau de abertura comercial; melhoria da infraestrutura; e, qualificação de capital humano. Sem isso, o país ficará, cada vez mais
distante das performances alcançadas nos períodos de 2003 a 2008, com PIB médio de 4,2% e de 2009 a 2014, com PIB médio de 2,8%.
Sendo em 2014 a nossa menor taxa de desemprego com 6,8%.

O FMI projetou um crescimento global de 3,9% para 2018 e 3,7% para 2019, reforçando o início de um novo ciclo econômico mundial,
liderados por EUA e China. Na qual o Brasil não pode deixar de aproveitar, para recomeçar sem a corrosão dos gastos Públicos. A Reforma
Fiscal – EC 92/2016 – insinuando uma participação do Governo mais tímida e pontual. Em que a Emenda certifica a correção pela inflação do
ano anterior, com duração de 20 anos (vigência), pode sofrer ajustes, mas, somente após o 11º ano. Com isso a projeção das taxas de juros
com vencimento para 5 e 10 anos caíram respectivamente para 9,16% e 9,90%. Permitindo uma oferta monetária mais barata nos próximos
anos e sem viés inflacionário. Desde que haja bom senso em manter a meta inflacionária sob rédea curta, aplicando o aprendizado do passado
recente em que os resultados foram negativos, justamente, por fazer o contrário. Deixar de seguir as metas não ajuda a manter o ciclo
econômico longo pelo prazo suficiente para uma recuperação consolidada: isso ocasiona no famoso “voo de galinha”; uma oscilação abrupta da
no crescimento e demanda, retirando muito cedo o poder aquisitivo das famílias e prejudicando a manutenção e continuidade do mercado. A
quebra desta regra, não só prejudica o mercado, mas também, agride diretamente o tripé-macroeconômico. Encurtando o período de expansão
e jamais permitindo um “voo de águia”.

Estamos diante de uma oportunidade sem precedentes: caminhar com as próprias pernas no Brasil nunca foi tão fácil.

- “Existirá sempre uma passagem de tempo entre a minha decisão e a comprovação da minha saberia ou não
da minha decisão”.
(Prof.: José Monir Nasser – Aula: Dilemas éticos, tempo e Providência – A consolidação da Filosofia: Boécio)

Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)


25
Apêndices: Gráficos.

Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)


26
Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)
27
Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)
28
Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)
29
Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)
30
Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)
31
Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)
32
Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)
33
Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)
34
Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)
35
Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)
36
Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)
37
Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)
38
Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)
39
Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)
40
Referências bibliográficas

- O bairro de Moema; transformação e verticalização: causa e efeito (Dedalus – São Paulo/2003)

- CAPÍTULO 6: IDH E A DINÂMICA INTRAURBANA NA CIDADE DE SÃO PAULO* (Por: André de Freitas Gonçalves e Marcos Toyotoshi
Maeda (2016)

- Carta de Conjuntura - Pesquisa da Diretoria de Estudos e Políticas Macroeconômicas (Dimac) do Ipea (Leonardo Mello de Carvalho -
Técnico de Planejamento e – nº 40 — 3 ° TRIMESTRE DE 2018).

- Caderno de Propostas dos Planos Regionais das Subprefeituras Perímetros de Ação – Vila Mariana – Prefeitura de São Paulo
(Dezembro/2016)

- Caderno de Propostas dos Planos Regionais das Subprefeituras Quadro Analítico – Vila Mariana – Prefeitura de São Paulo
(Dezembro/2016)

Sites relacionados a Moema:


- http://www.maxicar.com.br/2018/06/17a-carreata-da-solidariedade-de-moema-sao-paulo-sp/
- https://g1.globo.com/sp/sao-paulo/noticia/estacao-eucaliptos-do-metro-de-sp-sera-inaugurada-nesta-sexta-diz-governo.ghtml
- https://vejasp.abril.com.br/blog/listamania/bairros-mais-desejados/
- https://vejasp.abril.com.br/cidades/moema-vila-nova-conceicao-destaques-curiosidades/
- https://vejasp.abril.com.br/cultura-lazer/5-atracoes-legais-em-moema/
- http://www.saopaulominhacidade.com.br/historia/ver/6946/Industrias%2Bque%2Bfuncionaram%2Bno%2BBairro%2Bde%2BMoema
- https://www.dgabc.com.br/Noticia/101013/linhas-setta-sera-transferida-para-sao-bernardo
- https://www.hgbimoveis.com.br/shoppingibirapuera/
- http://blogdogiesbrecht.blogspot.com/2010/01/o-municipio-de-santo-amaro.html
- http://historiasdesaopaulo.blogspot.com/2012/05/moema-feita-de-passaros-e-indios.html
- https://www.campograndenews.com.br/cidades/moema-o-bairro-que-nao-pode-faltar-no-seu-roteiro-paulistano-agora-com-metro
- https://www.youtube.com/watch?v=Qthh5J9ikDk
- https://www.archdaily.com.br/br/786534/os-20-distritos-com-os-idh-mais-altos-e-mais-baixos-de-sao-paulo
- https://www.hgbimoveis.com.br/moema-qualidade-de-vida/
- http://www.atlasbrasil.org.br/2013/pt/perfil_m/sao-paulo_sp
- http://www.atlasbrasil.org.br/2013/pt/ranking
- https://www.obaoba.com.br/na-cidade/noticia/lugares-para-conhecer-no-bairro-de-moema-em-sao-paulo
- https://www.zsimovel.com.br/blog/moema-continua-com-alta-qualidade/2177/
Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)
41
- http://www.irib.org.br/obras/o-regime-da-afetacao-patrimonial-na-incorporacao-imobiliaria
- https://www.mobussconstrucao.com.br/blog/2018/05/tendencias-da-engenharia-civil-2018/
- https://blog.vejaobra.com.br/tendencias-no-mercado-de-construcao-civil-em-2018/
- https://www.abecip.org.br/imprensa/noticias/novo-distrato-de-imoveis-deve-reaquecer-mercado
- https://embraesp.com.br/lancamentos-residenciais/
- http://www.seer.ufrgs.br/ProdutoProducao/article/view/72591/41329
- https://www1.folha.uol.com.br/mercado/2018/05/mercado-imobiliario-paulista-retoma-folego.shtml - Não visualizado ainda
- http://www.secovi.com.br/pesquisas-e-indices/pesquisa-mensal-do-mercado-imobiliario - Não visualizado ainda
- https://www.ibrafi.org.br/noticia/mercado-de-imoveis-mais-forte-na-capital - Não visualizado ainda

Fontes e Tamanho

Sumário, títulos de capítulos e caputs: Bauhaus 93 no tamanho 16;


Texto e observações (curiosidades): Arial e Arial + Negrito no tamanho 12;
Fontes e observações de imagens: Arial + Negrito no tamanho 10;

Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)


42
Dedicatórias e agradecimentos

Dedico este livro digital (eBook) ao Sr. Eduardo Ferreira de Toledo (1951-2018), sem o qual eu jamais teria condições para escrevê-lo, a
Sra. Ana Luiza Diaz Siscart de Toledo que me possibilitou ótimas recordações de Moema, em especial pelos natais na rua Normandia e ao
André Luiz Siscart de Toledo pelo apoio e ajuda.
No mercado, os agradecimentos vão aos senhores Anderson e José Baptista, pela oportunidade de iniciar a profissão de corretor
estagiário, sem seus ensinamentos iniciais não seria possível compreender a importância da profissão de corretor de imóveis.
Um agradecimento ao meu gerente, Gustavo, que sempre apoiou o meu trabalho e me abriu as portas para participar deste início
importante da Nortis. E, um agradecimento especial ao Sr. Carlos Terepins, cuja coragem nos contagia cotidianamente, e direciona para
atravessar as adversidades do mercado imobiliário.

Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)


43
Moema – Imagem de satélite (Fonte: Google Street View)

Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)


44
Autor

Luiz Eduardo Siscart de Toledo, 31 anos


Formado em Administração de empresas pela FECAP desde 2008, atuou em diversos
segmentos: aviação (comercial e executiva), serviços, mercado financeiro e corretagem.
Apaixonado por economia, filosofia, política e história. Sempre tentou, na medida do possível,
mesclar os assuntos para melhorar a compreensão de seus textos e pensamentos.
Pois, acredita que a especialização do conhecimento seja o fim da criatividade humana e, não se
limita a buscar em outras áreas a complementação necessária para melhor assimilação da
realidade.

Contato:
Cel. (11) 99186-4660 ou (11) 98889-1836
E-mail: toledo.luizeduardo@gmail.com

Livro digital (eBook) de Luiz Toledo – 1ª edição (Distribuição gratuita)


45