Você está na página 1de 22

c 

   

      
 
  



     
 
 !  "
   !
 

 
#$ %
&''()** 

+   


 
     
!
   
 ,

  
 !  -

++     


  
 
 ,
   
 
     .    
-

+++   


 
 
/ 
.

 
 0
 0

   
    -

+1  
  ,   ,
   

0 
  2
 , .   
 


ë  

A organização dos conteúdos em torno de projetos, como f orma de


desenvolver atividades de ensino e aprendizagem, favorece a compreensão da
multiplicidade de aspectos que compõem a realidade, uma vez que permite a
articulação de contribuições de diversos campos de conhecimento. Esse tipo
de organização permite que se dê relevância às questões dos Temas
Transversais, pois os projetos podem se desenvolver em torno deles e serem
direcionados para metas objetivas ou para a produção de algo específico
(como um jornal, por exemplo). Professor e alunos compartilham os o bjetivos
do trabalho e os conteúdos são organizados em torno de uma ou mais
questões. Uma vez definido o aspecto específico de um tema, os alunos têm a
possibilidade de aplicar os conhecimentos que já possuem sobre o assunto;
buscar novas informações e utilizar os conhecimentos e os recursos oferecidos
pelas diversas áreas para dar um sentido amplo à questão.

Para isso é importante que o professor planeje uma série de atividades


organizadas e direcionadas para a meta preestabelecida, de forma que, ao
realizá-las, os alunos tomem, coletivamente, decisões sobre o
desenvolvimento do trabalho (no caso de um jornal, por exemplo, os assuntos
que deverá conter, como se organizarão para produzir as matérias, o que cada
matéria deverá abordar, etc.), assim como conheçam e discutam a produção
uns dos outros.

Ao final do projeto, seu resultado pode ser exposto na forma de alguma


atividade de atuação no meio, isto é, de uso no âmbito coletivo daquilo que foi
produzido (seja no interior da classe, no âmbito da escola ou f ora dela).
Assim, os alunos sabem claramente o que e por que estão fazendo, aprendem
também a formular questões e a transformar os conhecimentos em
instrumento de ação. Para conduzir esse processo é necessário que o professor
tenha clareza dos objetivos que quer alcançar e formule claramente as etapas
do trabalho.

A organização das etapas do projeto deverá ser previamente planejada de


forma a comportar as atividades que se pretende realizar dentro do tempo e do
espaço que se dispõe. Além disso, devem ser in cluídas no planejamento,
saídas da escola para trabalho prático, para contato com instituições e
organizações. Deve-se ter em conta que essa forma de organização dos
conteúdos não representa um aumento de carga horária ou uma atividade
extra.

Ñ   

      
 
    
              
   
                 
  
 
    

        


 
  
   
     ! 
"     
        #
   
$  
     
    
   
  %   
 
 
&
     
       

             &
 
          
   

 &  
 &   
  
     

  
   

%    
  
    
     
  

'( )( *+,    



                
     
  - . 
     /  
     
  0 

     
    


#                  
  

-
        1                 

    
     &
  &         "
               
  

#  
    
  

 

  
 &   


    
  
  
      
 
   
       
 & / 2  3   
    
      &   &
  
   4       
 &  
  
     
     
     
 
&    
'( )(     /&            
 / 5  
 6         
    
      
  
  
 
 




2
                     
 
 
 
   
 Ñ
    
  
   
  
         
  Ñ
     
    
  

   
           
  
   
    
  . 7 Ñ

 
 #   
     


   
    
  8         
 
  



"
  
 


  . /
 / /
 6/


        


 
   
    
     
   
    
    

  

 
    
     
   
    
        

   

  
     
  
        

   
 

9     

 
       / . 
:  /  

  
  
    
   :       
  
      
 
       
    
   

 

"    


   / 


 /  
        
      
  


    

%   
  
 
  
 
       ; 
  
   
     


      

 -
   

 <      
        

   
 
       
  


 
        

5     



 
  /3  /  

     
      
 

        
    
  "
/

- . /    

       :     
         
    

" 
 
 
   
  */   / . 
&
   
  .

: $/ 
   / .     $/ 

  /.  & 
 & $ /3      / . 
:        =   
   8 , - 
        
       
  

    

=        
   



  
       
           

       
          

            
   
       
      7         
  7
   

 7            
  
  #  
   7

  >

Y p   

      
     



Ñ  
/ .  3 "
 
4
 3  
/     

 

         
 5     
    
       
0    
,
   
 5 
   6  
         

     

     0
       Ñ
 .
 7
       
   
          
  !
 
8     % 9
 '#'( 3  
      Ñ
  
  
.
,
   :  ; 5 < 
   : 
  5  :  .     
 ,
 ,
      
<3

Ñ 
       5   
 5
   <  <  
 !
  / 

!
     
   
     
     
     .     # 38    0       
 0
 =3% 9
# , +
    .        

:  
  .   "#    5 .   
     ,      ,

= 8    !          
5
 = 8        
 0
 
  
 7 
=;

Ñ     :          Ñ


  .   4   
 0
   !    
 "
   "     
    5
     
>     
    5     ,  
   0  "  ?  

/    
 
 
0  ! 5  
     

.     <@
< 
: 

 
   . 5
  

     
     
 
 ,
   
 $  
Ä  
 >
4
 
.    
,
         

 


4
    
  0 

; !
,
  
Ñ
.  0 5
     

. 
 


              O      
       .   

        
  0" 
 .    
  !   
 
     "
     "    0  Ñ   /   
   "   
  5 5  
 

 
  
   

  0    / .      5  
 
  > ,
  

,
Ñ 

/      
    
  
  > 9
  
>7  .      
  

 
   
 Ñ
 
/   
       

X


    !>
     
  0        

  5 >
 
          .  >
   "    : 
     
"
   0    "    0  ;      .         

   > 

 .        . 
      
   #           
   >
4
  
" 
4
 
    .

    
  


  
   .

       
    
  Ñ
 
 
      .  >
            
  0   9  
  A .   4
  !  
 "!. 5
   4

     

,    5
 0    .      
:     
     
   
  .  

,   !
 
  6  
0  
,
 
 0   Ñ
             !
      
 
0  #    

     
 

— p  
 
#Ñ
  .     

,    0 
 5
       

  

   
  .       
       
 X          

  . 
   
   
  
        
 ; 
 
  
0 

  
   .  

, 
  
     
 .   4
 7 
/ 7 



       .   

 2
  <  <        
0 5
    

— p    
#          
   .    

 

 !
                 

      
.       
    

 7  

,  
.  
 8 


 5

>7  . 

4
 5
0   
 .   5    ,     
 
     0    


 ,
  
.  
 
 
 

; ,   


/ .  Ñ
 .
,
5  .   
 " 
.   > %9
 
0"
.    
  
      "     
 
 .          .
,
  

 

    .     ;    
 
            
 
  .      

   



!
.   #

    

—  

 

 

,   
   

  
  
       

 .   
 .      ,
    >
4

$      , 
.  

,  !  



    
.   
  .  .   
8     

       

    
>


  .   
            "  
 0
  

,    
    
 :  .  0
   
> 
   .    0    
   % 9
 ,  
        
.

    
 

—     / 



 

    

    
     "   0
 ?  
/    
   3          "     "
 3 B 
  
# C  
 
             
 :  "
  "  ; ,   
>
4
 5 

       
5
  "! >
   .     
             .    "       
   8     $ 'D'#C 

     

              0     
     
  

,    
       
   E 
 

,
   
 ,

  
    .       

  
    
 


  "  5
     "!  0
   
   5
>
   

14   
5
  3.

  3  Ñ
           F
   .  
          

 5
    :  

 
9           
.  #

.

  

 M  .
,
M  M
" 
M  M


   

 G  


   .

     

    
 
 
/      

  
  . 
  

, 
           7 
H" 
 .   3 "     
>
     3 % 9
 
   
   .

        

2
   
  .     

     0
     

,   
  
   

      .   
  
    
    4  ;


 2
     
 0  
0


> . 
5       . 5
   0
 5< <
. 5 
       :  
        "
  "  .  

,  

    
 

E  
  
. 
.  >
4
  
  
  

        .     
5
 
 
 5   
  
Ñ     
 5 
.  

   
:    :  

 „ 5 !
.    
  
  

 .     

,    ! 
.  .
,

  
  "  
 
 


6              


         

,  

    

     
 :     

  .   
  .
 
.

     
       :  


    ,
 
  
  

 .   
 5 
  !
   
c 
 
    Ñ
      
     
   


   )
 ,        >
    0 


ÿ 

 
ÿÿ ÿ
ÿ ÿ 
      ÿ 
 
!irect Maria Gomes de Matos 

 

O Estado do Ceará, hoje com 95.76% das irectos de 7 a 14 anos na


escola, vem desde 1995 desenvolvendo uma política educativa que visa a
educação de qualidade como instrumento de inclusão social e de irectosr
com sucesso do aluno na escola. Para isso propôs a concepçã o ÿ 

fundada na gestão democrática, na escola como espaço de comunidade e no
currículo como pacto científico, social e cultural.

" ÿ#ÿ 





É uma concepção de ensino e de aprendizagem que objetiva mudar o


fazer pedagógico da escola na perspectiva do desenvolvimento de um
conjunto de ações que tornam o currículo escolar dinâmico, irectos e
interessante, tendo a $ÿ!%& como elemento fomentador de um
cotidiano escolar contextualizado socialmente, vivo e atraente.

A ÿ 
 propõe a inovação do irecto Pedagógico que passa a
contemplar atividades '$!! ()  (  (
*  (  !  !(
implementadas de forma gradativa com Ampliação da Jornada Escolar.
Implica na irecto da rotina da escola pública que passará da aprendizagem
mecânica para a aprendizagem inteligente, desenvolvendo uma proposta
pedagógica que consubstan cie um fazer educativo crítico, irectos,
dinâmico, contextualizado e prazeroso, capaz de desenvolver
aprendizagens significativas.

É a escola se tornando '!!! a que serve,


numa ação em que escola e comunidade se buscam e se encontram com
vistas ao desenvolvimento de suas potencialidades e na luta pela solução de
seus problemas. Esta ação, integrada e articulada, utiliza estratégias que
promovem projetos e programas e agregam outros já existentes, no âmbito
governamental, não governamental e da sociedade civil organizada,
formando uma grande rede social, tendo o educando como ator principal,
cuja vivência cidadã concreta fortalece o protagonismo infanto -juvenil.

Neste sentido, a ÿ 


 visa a construção de uma escola que:

- seja democrática no acesso, na gestão e na irectosr bem sucedida de seus


alunos;

- assegure a aprendizagem de atitudes, habilidades e conteúdos irectosr à


inserção do aluno na sociedade;

- seja crítica e comprometida com a transformação da sociedade, além de


dinâmica, interessante e prazerosa;
- promova a vivência e reflexão a respeito de valores éticos universais;
S... seja aberta, deixando-se invadir pela vida que está lá fora e trazendo
para dentro de seus espaços o mundo real, do qual fazem parte
alunos e irectosr;
- cultive a curiosidade, a paixão pelo estudo, o gosto pela irecto, a
aprendizagem irectos e não mecânica;
- amplie a identidade pessoal e cultural;
- incentive o protagonismo docente e infanto-juvenil;

- promova a irecto crítico-construtiva da realidade;

- seja concebida como um pólo cultural da comunidade a que presta


serviços, conhecendo e trabalhando com suas expectativas, irectosr,
valores, costumes e tradições culturais, constituindo-se como
verdadeiras comunidades participativas.

A partir dessa compreensão, vislumbram-se as seguintes concepções:

r de homem como ser histórico e social que pensa, raciocina, deduz,

irecto e também como alguém que sente, se emocio na, deseja, imagina
e se sensibiliza. Um ser que, em suas relações sociais, consigo, com os
outros e com o mundo, torne -se um homem integrado, participativo,
ousado, reflexivo, crítico, autônomo, livre de irectosrl, irectos, curioso,
investigador, solidário, cooperativo e construtor de sua realidade;
r de uma sociedade humana, democrática, solidária e justa;

r de conhecimento como resultado de um processo interativo, na

proporção em que o sujeito se relaciona com o objeto, modificando -o e


sendo por ele cognitivamente modificado;
r de educação que, na perspectiva de formação deste irecto de homem, é

um processo consciente de livre adesão do sujeito, irectos da ação


educativa da escola (enquanto processo formal) que cumpre uma função
social de transmitir saberes historicamente acumulados e de
construir/reconstruir o conhecimento na perspectiva da formação de
indivíduos integrados no tempo, no espaço, na sociedade;
r de currículo como um pacto celebrado entre várias irectosr da

sociedade, da educação e da escola, em tor no de um irecto pedagógico


irecto pelas instituições escolares, entendido, irectos, como um conjunto
de decisões sobre o irecto formativo de homem, envolvendo valores
sociais e culturais, aspirações e interesses pessoais e coletivos. Segundo
Santomé, ³o currículo é um irecto educacional planejado e desenvolvido
a partir de uma seleção da cultura e das irectosrl das quais deseja -se que
as novas gerações participem, a fim de socializá -las para ser cidadãos e
cidadãs solidários responsáveis e democráticos´.

Completam este campo conceitual os irecto princípios ±pilares do


conhecimento propostos pelo relatório Delors que são respectivamente:

r   + ± apropriar-se de uma cultura irec ampla com

possibilidade de aprofundamento em conteúdos específicos. Pressupõe o


aprender a aprender para melhor aproveitar as oportunidades oferecidas
pela educação no decorrer da vida.
r *, ± adquirir uma competência que capacite o educando

a resolver situações do seu cotidiano nos âmbitos individual e coletivo ±


é o aprender fazendo.
r  ± irectosr o outro numa relação de irectosrlea.

r   ± desenvolver melhor a própria personalidade para agir

com crescente capacidade de autonomia, de juízo e de responsabilidade


pessoal.


Esses quatro pilares, interdependentes, favorecem o pleno desenvolvimento


do educando, de suas potencialidades e de seu preparo para o exercício d a
cidadania, contribuindo assim para a formação integral do homem.

irectos a esses propósitos, Edgar Morim expressa suas irect fundamentais 


para aeducação do novo irecto em seu livro ³Os sete saberes irectosr à
educação do futuro´ enfatizando que ³O aprendizado da vida deve dar
irectosr de que a verdadeira vida [«], não está tanto nas irectosr utilitárias
± às quais ninguém consegue escapar -, mas na plenitude de si e na
qualidade poética da irectosr, porque viver exige, de cada um, lucidez e
compreensão ao mesmo tempo, e mais amplamente, a mobilização de todas
as aptidões humanas´.

-ÿ ÿ.ÿÿ 



 ± ù  
   

No cenário atual, a educação vem gradativamente se diferenciando nos


últimos anos, mas o que precisa ser mudado não é a cultura do aluno, mas a
cultura da escola, o que para tanto são de fundamental irectosr irecto
considerações:

r revisão crítica de seus discursos, práticas, estratégias e atividades na

formação de uma educação inclusiva;


r os problemas da comunidade escolar irec pensados, discutidos e

enfrentados coletivamente;
r o reconhecimento do diretor como líder de uma comunidade a qual

inclui alunos, irectosr, funcionários, dirigentes, famílias e comunitários,


e que ao diretor cabe sensibilizar, ouvir, articu lar, integrar, dialogar,
negociar, visando construir a unidade dessa coletividade;
r o bom irecto do núcleo gestor ± conduta ± é irectos para o sucesso de

qualquer iniciativa que vise criar um ambiente de irec respeito e


cooperação;
r exclusão, em sua prática da competição destrutiva, do individualismo,

do egoísmo;
r adoção da prática do diálogo no ato consciente de educar. Aquele que é

educado dialogicamente tem suas decisões na escola e fora dela sempre


de acordo com o bem comum;
r compreensão de que todos os qu e têm a responsabilidade de educar

precisam acreditar que os !  &, / 


r o aluno motivado e satisfeito aprende melhor, em razão do que é preciso

que se dê %& 0 ! !$  Assim, ³só as irectos


interessantes e motivadoras que podem ser problemáticas para as
pessoas têm a possibilidade de gerar conflitos cognitivos e,
conseqüentemente, aprendizagens´ (Santomé, 1998).
r   ! e com ele avança até onde

se fizer irectos;
r   0        )    é um

procedimento facilitador da realização de aprendizagem;


r investimento na promoção dos irectos humanos, irectos da irecto e do

adolescente;
r entendimento do ato educativo como um processo ativo -criativo no qual

os alunos são agentes vivos de transformação, segundo a expressão de


Paulo Freire.


uscando superar estes desafios a nova lógica avança;

R A escola torna-se ponto de partida no momento de elaboração do seu


irecto político pedagógico, em ação coletiva, de m odo a incorporar ações
que tendo por base a multidimensionalidade do ser humano e a realidade
interna e externa levantadas traduzam irectosrl de construção e irectosrl da
escola nessa realidade. Desta forma a escola firma sua identidade, estrutura
seus espaços e tempos, seus rituais lógicos, currículo (sem perder de vista
diretrizes nacionais e estaduais que asseguram a unidade da ação
educacional, ressalta suas condições físicas e de trabalho e constrói a sua
autonomia).

R Escolarização regular para irectos, adolescentes, jovens e adultos, irectos


o fazer pedagógico com a inclusão de Dinâmicas de Grupo, Projetos de
Trabalhos e Trabalhos Diversificados em que o processo de aprendizagem
é estimulado de forma irectos com o cultivo da curiosidade, da paixão pelo
estudo e do prazer pela irecto.

R Desenvolvimento de uma dinâmica curricular na qual a música, o teatro,


a poesia, a contação de histórias, os irec didáticos e outras manifestações
artístico-culturais favoreçam o ensino e a aprendizagem dos compone ntes
curriculares, irectos às irectos sociais contemporâneas, de forma interativa,
dialógica, participativa e interdisciplinar .

R Implantação e atuação dos Conselhos Escolares tornando a escola um


centro de vivências democráticas e participativas.

R Desenvolvimento do protagonismo infanto -juvenil com a formação e


atuação dos Grêmios Estudantis, nas monitorias das atividades de reforço
de aprendizagem, artístico-culturais, científicas, de prevenção à saúde, no
incentivo de produções irectos e inéditas de trabalhos escolares que
expressem as expectativas, os sonhos, opiniões e reflexões críticas dos
alunos.
R Valorização do educador como expressão viva dos valores.

R Promoção de sessões continuadas de estudo do coletivo de irectosr


(formação continuada) que aprofundem conhecimentos e favoreçam
discussões sobre a concepção e estratégias didáticas próprias da ÿ 

 ± uma concepção de escola e sala de aula abertas, socializadoras,


irectos, de ambientes inclusivos, geradoras de espaços democráticos de
construção de cidadania e de aprendizagem da justiça, da igualdade e do
respeito às irectosr.

R Capacitação em serviço de todos os funcionários do apoio administrativo,


numa compreensão de que todos são agentes educadores, em cujo trabalho
coletivo prevaleça as relações de respeito e colaboração.

R Educação direcionada aos pais para melhorar as suas práticas na criação


dos irec, irectos do diálogo, com foco nas irectos sociais contemporâneas,
saúde reprodutiva e prevenção das DST/AIDS, prevenção ao uso ind evido
de drogas, valores éticos e morais, irectos, sexualidade, meio ambiente,
trabalho, entre outros.

R Reorganização do tempo e do espaço escolar, dentre eles, a ampliação da


jornada escolar, envolvendo atividades pedagógicas no campo da arte -
educação, musicalização, dança, teatro, esporte educacional, informática
educativa, aulas de campo / passeios culturais,reforço de aprendizagem,
Colônia de Férias e o Festival de Talentos da Escola Pública ± FESTAL.
Também incorporadas às práticas curriculares as linguagens audiovisuais
das novas irectosr da informação e comunicação. Desta forma, a escola se
firma como pólo cultural da comunidade de modo a irectosr o intercâmbio
de irectosrl e vivências, e a integração de diversos grupos sociais do
entorno da escola.

R Identificação da realidade da comunidade escolar, para um intercâmbio de


reflexões, a partir de pesquisas na comunidade desenvolvidas por alunos e
coordenadas pelos irectosr. Essas pesquisas baseiam-se em problemas e
potencialidades da realidade: irectosr de analfabetos, irectos e adolescentes
fora da escola, atividades produtivas da comunidade, grupos artísticos,
lideranças comunitárias, associações e agremiações, prostituição infanto -
juvenil, doenças mais comuns, irectos, gravidez na irectosrl, r eligiões,
como também usos, costumes e tradições da comunidade;

R Fortalecimentos das práticas docentes como auto ±realização coletiva,


irectos do Sistema de Acompanhamento Pedagógico ± SAP, para a
melhoria do ensino e da aprendizagem.

R Vivências em que a aprendizagem da participação, do diálogo, do


respeito, da valorização do esforço de cada um, da negociação de conflitos,
do conviver com as irectosr, do trabalho em grupo e do compartilhar
irectosrl são trabalhadas como elementos do desenvolvimento pess oal e
comunitário.

iÿ ÿ ÿ 






€ ! ,%&1 incentiva a formação musical com a criação de grupos


instrumentais, de corais, de bandas, de orquestras, como a Orquestra
Filarmônica das Escolas Públicas do Estado do Ceará ± OFEPEC,
irectos de aulas teóricas e práticas coletivas, com instrumentos de
percussão, sopro e corda, entre outros; violino, viola, contrabaixo,
violoncelo, violão, flauta, clarinete, flauta doce, guitarra, órgão elétrico;
€ ÿ  ÿ! - promove o exercício da cidadania irectos do
esporte e lazer, com programas sociais que proporcionem vivências de
integração, participação e cooperação;
€ 2  .3 - realizada nos períodos de férias escolares, nos
meses de janeiro e julho, promove a integração das ir ectos,
adolescentes, jovens, adultos, pais e comunitários em atividades sócio -
educativas, lúdicas, esportivas, artísticas e preventivas, irectosrl às
irectos e jovens momentos de diversão sadia irectos à novas
oportunidades de aprendizagem;
€    ± estimula a formação de grupos de dança, arte circense,

teatro, incluindo teatro de bonecos, fantoches, abordando temas sociais


da atualidade, entre outros, cultura de paz, drogas, sexualidade,
gravidez, tributos, trânsito, meio ambiente;
€  
 ! - visa a formação artística e estética dos alunos irectos da

construção de um olhar crítico, a partir do ver, observar, sentir, fazer,


irectos e refletir, considerado o homem como ser social e cultural, irect
e intérprete, criador e criatura. Nesse contexto incentiva as práticas
artísticas, tais como, pintura, desenho, serigrafia, montagem, colagem,
irectosr, entre outros;
€    . - valoriza e estuda as tradições e a cultura
cearense, irectos de suas manifestações, do artesanato em barro, lã ,
linha, madeira, palha etc., e promove a criação de grupos folclóricos e
regionais, criando laços e fortalecendo a identidade;
€   ÿ  ± incentiva o gosto pela irecto, a partir de autores
cearenses, produção literária, incluindo a de cordel, a p oesia, a criação
do jornal escolar e pesquisas nas áreas;
€ * ÿ! ± integra o uso de irectosr de comunicação e

informática ao currículo; promove a formação continuada de irectosr,


gestores e comunitários irectos de cursos de educação a distân cia com a
utilização de vídeos, de programas interativos com temas atuais e relato
de irectosrl bem sucedidas das escolas públicas; 
€ .      ÿ     1 .ÿ  1
fortalece a concepção de ÿ 
, contemplando todas as áreas de
ensino, nas vertentes artístico ± cultural, esportiva e científica;
€ %4 5    ± promove a realização de minicursos, sessões

de estudo, seminários, palestras, oficinas com ênfase em ações


preventivas de saúde, contemplando a saúde bucal e o cular; o saber
saúde ± tabagismo; drogas; DST/AIDS, irectosr pela grande linha do
irecto 60
3 +7/
€ ÿ!%&  , 1 promove de forma permanente a construção de

uma cultura de paz nas escolas e em seu entorno, irectos da vi vência de


valores éticos, morais e religiosos, com o fortalecimento dos organismos
colegiados, como os grêmios estudantis das escolas públicas,
Associações e Conselhos Comunitários de Defesa Social Infanto-
Juvenil;
€ ÿ!%&  ± incentiva as organizações escolares e
comunitárias à elaboração e implementação de projetos
interdisciplinares e promoção de práticas educativas que possibilitem
aos alunos e comunitários a conscientização das irectos ambientais,
gerando compromisso e responsabilidade coletiv a para a preservação do
meio ambiente irectosrle equilibrado em favor da vida;
€ ÿ!%& ! ± promove o desenvolvimento da irectosr crítica

dos jovens sobre a função social dos tributos e da necessidade de irectos


o controle social, para a obtenção do irectosr fiscal e diminuição das
desigualdades sociais;
€  6 ÿ  .  ÿ 7 ± favorece aos alunos das escolas

públicas estaduais o reforço escolar, o desenvolvimento de projetos nas


áreas do esporte, lazer, artes e promoção à saúde, irectos de um sistema
de monitoria, com a participação de alunos monitores do Centro Federal
Tecnológico/CEFET-CE;
€ ÿ 
8ÿ ± promove a formação de gestores, irectosr e
comunidade para implantação da concepção ÿ 
 em escolas da
rede pública nos irectosr beneficiados pelo Programa de Apoio às
Reformas Sociais para o Desenvolvimento de irectos e
Adolescentes/PROARES;
€ !    8    !! ± rompem as fronteiras da sala

de aula e são recursos didáticos, por irectosr, para o conhecimen to


contextualizado e crítico da realidade atual, a partir da compreensão dos
processos de intervenção do homem no meio ambiente, dos bens
culturais e dos fatos e irecto do passado histórico, tornando educandos e
educadores protagonistas de um futuro que se constrói no dia-a-dia, com
a participação consciente de cada um.
€ ÿ!%&9  ± promove a formação de valores, atitudes,

normas que levam a uma postura crítica e reflexiva do aluno, ampliando


a sua responsabilidade como cidadão ativo, particip ante (seja pedestre,
ciclista, motorista), dentro de uma realidade de respeito à vida e ao meio
ambiente.
€ !%&   ) 1 Trabalha temáticas transversais

ao currículo para formação do jovens e construção da cidadania. Forma


o aluno como telespectador crítico e protagonista da mídia. 

ÿ 

1  ÿ     

ÿ 
 é operacianalizada irectos de uma ação interinstitucional
que integra vários irect do governo, organ izações não governamentais,
associações de classe e empresas privadas irectos da lei de incentivo à
cultura.

€  ÿ:ÿ .  

Podemos concluir que a Escola Viva entusiasma e encanta os que se


dedicam e amam a educação. É uma nova cultura que se ins tala na escola
pública. Novos caminhos são irectos com uma escola alegre, viva, geradora
de irectosr saudável e de novas oportunidades educativas. Uma escola com
espaço ideal para a irectosr humana vem se tornando a irec referência de
atração para as irectos e jovens das comunidades. A irectos não está na
sofisticação técnica, mas no prazer, no gosto de ensinar e no gosto de
aprender. E como fazer isso a escola e os educadores sabem, é uma questão
de opção consciente que está ao alcance de todos nós.

5 5  . 
CEARÁ Referenciais Curriculares ásicas ± Terceiro e Quarto Ciclos.
SEDUC,1998.

CEARÁ Proposta Político Pedagógica ± SEDUC. 1997

SANTOMÉ, Jurgo Torres. Globalização e interdisciplinaridade: o


currículo integrado. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

_________ ,Temas em Educação II. Livro das jornadas 2003. São Paulo,
2003.

MILANI, Feizi Masrour. Cultura de Paz: Estratégias, - Mapas e ússolas.


irec, R.C.D.P (org.) Edições INPAZ. Salvador. 2003. 354p.

§ 
    
 

   
 
 
  

   §!"  #  "


$  



 " %&'
(

 )
   &
)      "
"* 
+, ) "
   ,  - ,"      ! "
 , . 
   "    /
       0   "     
)
 "
 ,    


"
 ) 
1   ,, ,  
,$
 

 /
(

      
  "  ," . 2 ) 0, 

   ,"
        , "
    ,"    ,
,  
3   %4,  ,$ 

 /
       "    ) ,
    , , "   
$) 
 
 )$
  
  2  1 ,    "
    2    5 ,  
,"   6    
   
 "
      
, ) 
 ) %
 

2 0  "
   2  5 , 7,"    2 0 
6 , ,0"
"*   .     "  +)   
 -    
,  "
"* ,  ,     
  ,   ) "   "

 

     2    "
"  "
"   "
"
  $       
   
    0 

  "  "
 ,       
  "
$     
.     
   "
     
 ,  
,    ,     
 ,   ," )  
) 
   ) 
  5 ,   6 , "
   0 )  
,   
          .          " 5$
5    5,   ,"
    ,     2      
  ,
,"     ) "
,         "
  ) 

 +&   ," . ,  )   ,


 ,2    $
  0,
 5 ,    )  , "
 "  
   
  
"
2 
8 " 3) 
 
4   2  ,   ,
   
 ,   
   "
 
,- 

 

 , 
 5 ."
  ))  0  2  ,   *     
,"*  , ," " 
   ,"      ,  *  3   %
,  ,$ ,  ,0,,  
"
4  0    "   
  
"   

"   

 6,  %4,  ,$  , 



,   
 "  " %  
"  ,%  , /   "
 . ,"    0 
, ,       ,"    ,
 ))

3   )  ,  

  ," 5
         ,
) ,

 * "
"
 ,  ,
,!,
 
 8  ,  ,$ 
)) $ 
 
, *   ,  %4,  ,$     

 6 ,   3    ,0, 0 


 ,    ,
  "   "     
."
 ,

3 

 

 ,  2  ,
 ) ,  
, "  )
, 3 

 

 6,"   


"
4 0  ,   4 " ,     
  2 

,    
,    
3 "

1
  ,),    , 

"
    ) 1     , ."$4  )
 ,    .
3    
 ,  
  , ))
 ,"    ,
 ,     
,  ,  
,
 )3 

 6 ,   "         $ 


 ,        )   

2     )  
 "
 . ,"
 ) 4  , ,  ,"    "    
"
 "   , 
 "    
 1  , "  "  
 
"
 * "   ,,
 

 6  
   ,"    ,   ."
  5      ,"
 
, %  
3,    ,   
 6     
"  
)  4  
)0    ,  ,"    "   ,

 
4  ,, 
  ,"
 
  5,
  ,) *  , "
  
 *  , ,  ,   )   ,   

4  ,    

2 *  )  
 "  )  

      
"    

3   $   0    
   , ,
, 
 "
%"
 5,
  ,    ,*  "
8  

 6    ,"    , 


   ,"* , , " 
     ,  
,"   
 , 2
4  
2
4  ,
1      
" 3 9 ,  
3 ,      , , "  , , ," ,
2   ,   ,"

3 ,  ,"    6 "
"  ,"3  0    2   

   
  "      ,  )),        ,"    " 

) 
4  "  ,   +   - , ,   ,   $
    
 :     
,
  ,
      $
 ,     
  "
   
 
     2  "
  ,      )),  6 $
 ,2 , 
  
"
 4 ,  "
, 
 ,0," ,
 2   ,   ,
4
 ,  )),  5
,    ," " 
   ,"    ,  ) 1 2 
5"

  %"  
2  ,    ,4  ,   "
%.,     23
  
 
, * 2  
*  8$)  

 85 ;<<<