Você está na página 1de 42

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇAO, CIENCIA E TECNOLOGIA DO CEARÁ –

IFCE, CAMPUS JUAZEIRO DO NORTE


CURSO DE LICENCIATURA EM EDUCAÇÃO FÍSICA

PERFIL MORFO-FUNCIONAL DE SKATISTAS DE 11 A 14 ANOS DE JUAZEIRO


DO NORTE – CE.

PAULO TIAGO OLIVEIRA ALVES

JUAZEIRO DO NORTE – CE
2011
i

PAULO TIAGO OLIVEIRA ALVES

PERFIL MORFO-FUNCIONAL DE SKATISTAS DE 11 A 14 ANOS DE JUAZEIRO


DO NORTE – CE

Trabalho de conclusão de curso apresentado à disciplina


Monografia do 8º Período do Curso de Licenciatura em
Educação Física do Instituto Federal de Educação,
Ciência e Tecnologia do Ceará, (IFCE - campus de
Juazeiro do Norte). Como requisito para obtenção de
titulo de graduação de licenciatura em Educação Física.

Orientador: Esp. Hudday Mendes da Silva

JUAZEIRO DO NORTE – CE
2011
ii

PAULO TIAGO OLIVEIRA ALVES

PERFIL MORFO-FUNCIONAL DE SKATISTAS DE 11 A 14 ANOS DE JUAZEIRO


DO NORTE – CE.

Trabalho de conclusão de curso apresentado à Coordenação do Curso de


Licenciatura em Educação Física do Instituto Federal de Educação, Ciência e
Tecnologia do Ceará, Campus Juazeiro do Norte como requisito parcial para
obtenção do grau de licenciado em Educação Física.

Aprovada em ____ de ______________ de _________.

BANCA EXAMINADORA:

____________________________________________________
Orientador – Prof. Esp. Hudday Mendes da Silva
(Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará - IFCE)

___________________________________________________
Examinador – Prof. Esp. Glauber Carvalho Nobre
(Universidade do Estado de Santa Catarina – UDESC)

____________________________________________________
Examinador – Prof. Msc. Francisco Salviano Sales Nobre
(Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará – IFCE; Universidade
Federal do Rio Grande do Sul - UFRGS)

JUAZEIRO DO NORTE – CE
2011
iii

AGRADECIMENTOS

Agradeço a luz superior do bem, a qual me amparou quando titubeie na


minha fé, agradeço imensamente a minha mãe pessoa a qual me encorajou, ajudou,
dedicou os melhores anos da sua vida para eu poder chegar até aqui e ofereço esse
trabalho como forma de reconhecimento. Agradeço aos meus irmãos, em especial a
minha Irmã Ana Carolina que tanto me apoio.
Agradeço aos professores, que tive no decorrer da minha vida, em especial a
muitos deles, os quais me propiciaram uma enorme aprendizagem significativa para
mim.
Agradeço ao professor Salviano Nobre, por ter despertado o desejo do
conhecimento pela educação física. E por todas as experiências inestimáveis.
Agradeço ao orientador Hudday. Monique pelo empréstimo do material necessário
para coleta dos dados. A Jaqueline pela força, por me dar força. Agradeço ao
professor Glauber, mesmo sem conhecê-lo tão bem, tenho muito respeito e
admiração pela sua determinação. Agradeço a professora Leony Morgana Galliano.
Aos colegas de turma pelo período em que discutimos, crescemos e nos
desenvolvemos significativamente no âmbito acadêmico. Ao pessoa que nasceu
justamente no mesmo dia que eu, ainda carrega parte do meu nome, Paulo Felipe.
Estimo não estar esquecendo alguém, porem agradeço aos outros que passaram
pela minha vida, e me ajudou no crescimento individual e desenvolvimento como um
todo. Agradeço a também a minha chefe do trabalho, pela compreensão.
Dedico também ao meu filho Antonio Vitalino, que um dia poderá entender o
esforço, e sentimentos que tenho por ele.
Aprendemos do mesmo jeito que o coração bate: em
todos os tempos e lugares – e para sempre. Com
pessoas e bichos, com estrelas e flores. Com nossos
acertos e erros. Aprender é direito de todos e não há
aprendizagem sem amor. Aprendi que o aprender é
infinito. Marcos Antonio Pessoa da Silva Filho, 11 anos,
PE.
iv

RESUMO

Os esportes, assim como a dança e as lutas fazem parte de uma cultura corporal
complexa. No entanto em nosso país existe a imposição midiática de uma
modalidade sobre as outras. Resumindo os esportes à monocultura do futebol.
Frente a essa realidade, o interesse dos jovens por outros esportes vem crescendo
desde a segunda metade do século XX, como o surf, skate, patins e etc. Dentre
estes o esportes o mais praticado no Brasil é o skate. Atualmente com mais de 3
milhões e oitocentos mil praticantes, mesmo com essa população de adeptos a
quantidade de pesquisas cientificas sobre o tema são pequenas. E diante do quadro
preocupante dos níveis de aptidão física de população em geral e principalmente as
crianças e adolescentes, é importante para melhor conhecer e poder desenvolver a
prática do skate para o desempenho esportivo. O objetivo geral deste trabalho é
descrever perfil morfológico e de aptidão física relacionada ao desempenho de
praticantes de skate, adolescentes do sexo masculino, de idade entre 11 a 14 anos
da cidade de Juazeiro do Norte – CE. O estudo caracteriza-se como descritivo
exploratório, de corte transversal. Os participantes da pesquisa foram praticantes de
skate com um mínimo de tempo de prática de seis meses, na maioria com nível
socioeconômico baixo, freqüentadores da pista de skate da referida cidade. Os
aspectos éticos da pesquisa envolveram o preenchimento do termo de livre
consentimento esclarecido TCLE pelos pais dos skatistas. Os aspectos morfológicos
analisados foram: peso, estatura e % de gordura, para traçar o perfil funcional dos
jovens skatistas foram utilizados os testes e classificação da aptidão física
relacionada ao desempenho(AFRD) da bateria do projeto esporte Brasil PROESP-
BR(2007). Foi feita a distribuição de freqüência, e a partir dos resultados observou-
se que os aspectos morfológicos foram considerados normais, com exceção do
percentual de gordura (%G), onde a maior parte (57,1%) foi classificada como
“baixo” e/ou “excessivamente baixo”. Referente ao perfil desempenho motor
mostrou-se com resultados significativos para Agilidade (42,9% “Muito Bom” e 28,6%
“Razoável”) e de força de membros inferiores “FMMI” (28,6% “Bom”, 57,2% “muito
bom” e 14,3% “Excelente”). Resultados esperados por pressupor que para a
realização das manobras com o skate, são necessários determinados níveis de
FMMI e agilidade, por haver mudanças de direção nos gestos motores. Já os
resultados de força de membros superiores, velocidade de deslocamento e
resistência aeróbica, foram abaixo dos níveis recomendados pelo protocolo do
PROESP. Inferindo que devem ser desenvolvidos trabalhos com profissionais de
educação física para o desenvolvimento das qualidades físicas, como no caso da
resistência aeróbica para o desenvolvimento do esporte e seus adeptos.

Palavras-Chave: Aptidão Física,desempenho motor,skate.


v

ABSTRACT

The sports, as well as dance and struggles are some complex culture body, however
in our country there is an imposition from the media of a modality related to others,
summarizing sports to the monoculture of soccer. In front of this reality the interest of
young people for other sports has been growing up since the second half of XX
century, like surf, skateboard, skates and etc. Among these sports, skateboard is the
most practiced in Brazil, currently with more than 3 million eight hundred thousand
inhabitants, but even with this population of fans the amount of scientific researches
about this subject is small. In front of the worrying situation of levels of physical
fitness of general population and mainly children and teenagers, it’s important to
know and develop skateboard to a better performance. The general aim of this study
is to describe the morphological profile and performance physical fitness of
practitioners of skateboard, male teenagers, aged between 11 and 14 years old from
Juazeiro do Norte - CE city. This study is descriptive and exploratory, with cross
section. The participants of research were people that have at least six months of
experience with skateboard, most them are from a low socioeconomic level and
attenders of the skateboard runway from Juazeiro city. The ethical aspects of the
research involved the completion of a term by skaters and their parents. The
morphological aspects analyzed were: weight, stature and fat percentage, for trace
functional profile of the young skaters were used the tests and classification of
performance physical fitness (PPF) from battery of Brazil sports Project PROESP –
BR (2007). It was made the distribution of frequency, and on basis of the results was
observed that morphological aspects were considered normal, except in fat
percentage (%F), where the most (57,1%) was classified as “low” and/or “too low”.
Regarding to performance profile there were significant results for Agility (42,9%,
“very good”, 57,2% “very good” and 14,3% “excellent”). The results were expected
because it was predicted that some level of SLL and agility are required to
performance due the changes of direction in motor gestures. Results of strength of
upper limbs, speed and general resistance were below of the level recommended by
PROESP. Inferring that should be developed studies with Physical Education
professionals to develop the physical qualities, like the general resistance to develop
sports and fans.

Keywords: Physical fitness, motor performance, skate.


vi

SUMÁRIO

Página
RESUMO.................................................................................................................... iv
ABSTRACT ................................................................................................................. v
1.1 PROBLEMA ....................................................................................................... 9
1.2 JUSTIFICATIVA ............................................................................................... 12
1.3 OBJETIVOS ..................................................................................................... 13
1.3.1 Objetivo geral .......................................................................................... 13
1.3.2 Objetivos específicos .............................................................................. 13
2. REVISÃO DE LITERATURA ................................................................................ 14
2.1 SKATE: HISTÓRICO E CONTEXTO ATUAL ................................................... 14
2.2 APTIDÁO FÍSICA ............................................................................................. 17
2.3 CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO NA ADOLESCENCIA.................... 20
3. MATERIAIS E METODOS .................................................................................... 24
3.1 CARACTERIZAÇÃO DA PESQUISA ............................................................... 24
3.2 POPULAÇÃO E AMOSTRA ............................................................................. 24
3.3 INSTRUMENTOS PARA COLETA DE DADOS. .............................................. 25
3.4 PROCEDIMENTOS ......................................................................................... 26
3.5 ANÁLISE DOS DADOS ................................................................................... 27
4. RESULTADOS E DISCUSSOES .......................................................................... 28
5. CONSIDERAÇOES FINAIS .................................................................................. 32
REFERÊNCIAS ......................................................................................................... 33
ANEXOS ................................................................................................................... 39
vii

LISTA DE TABELAS

Tabela 01 – Descrição dos aspectos morfológicos – antropometria e composição


corporal....................................................................................................................p.28

Tabela 02 - Componentes da Aptidão Física relacionado ao Desempenho Motor.p.29


LISTA DE ABREVIATURAS E SIGLAS

CBSK – confederação brasileira de skate


OMS – organização mundial da saúde.
TCLE - termo de consentimento livre e esclarecido
QM – Quociente Motor
PCN – parâmetros curriculares nacionais
CCMH – cultura corporal do movimento humano
AFRDM – Aptidão física relacionada ao desempenho motor
1 INTRODUÇÃO

1.1 PROBLEMA

A prática de exercícios físicos tem sido incentivada na população em geral ao


redor do mundo por vários motivos. Dentre os consensualmente aceitos, estão a
diminuição dos riscos de doenças crônicas não transmissíveis e até melhora na
saúde mental (OMS, 2005; GLANER, 2003). Neste sentido a prática de exercícios
físicos através do desporto é um direito garantido pela constituição de 1988, no
artigo nº 217. É dever do estado fomentar práticas desportivas formais e não
formais.
O esporte, a dança, o jogo, a ginástica e as lutas fazem parte de uma cultura
complexa, que engloba as mais diversas manifestações da cultura corporal do
movimento humano, CPMH. Segundo GAYA e Torres (2008), diversas vertentes do
esporte têm sido desenvolvidas como: esporte educacional, esporte de alto
rendimento, esporte de lazer e esporte de reabilitação. O esporte de alto rendimento
é mais difundido diuturnamente nos meios de comunicação de massas. O futebol é
um exemplo, de esporte amplamente difundido pelos meios de comunicação em
larga em escala, entretanto diante das mais diversas expressões da cultura corporal
do movimento o humano, poderiam ser mais difundidas mais outras modalidades
esportivas. Infelizmente é notável a imposição cultura exclusiva do futebol desde o
inicio do século XX no Brasil. Segundo Toto (2007) o futebol foi posto como parte da
identificação da cultura nacional do povo brasileiro, corroborado por Daolio apud
Toto (2007) afirmando que conquistas de competições internacionais, como as
copas fortaleceram esta ideologia. Restando um espaço reduzido para outras
modalidades esportivas.
Frente a essa realidade, mudanças de interesse dos jovens por outros
esportes já vem se enunciando desde na segunda metade do século XX, com o
crescimento dos esportes radicais, de aventura, sejam eles aéreos, terrestres ou
aquáticos Como o surf, asa delta, rapel e o skate. O surf, por exemplo, é um dos
esportes ditos como “radicais” mais praticados nos litorais, em diversos países.
Apontado como o “Pai” e antecessor do skate, segundo historiadores (HONORATO,
2004; BITENCOURT E AMORIN, 2005). É perceptível atualmente a quantidade dos
adeptos destes esportes, apesar da atenção retratada pelos meios de comunicação
em larga escala, divulgue apenas os grandes espetáculos, como os grandes saltos
10

de motocicletas com piruetas no ar, ou rampas imensas de skate, existem milhões


de praticantes de skate nas ruas, praças e pistas de skate. Destacamos que autores
como, Pereira e Barros (2004), detectaram uma nova tendência no estilo de vida dos
escolares de montes claros, Minas Gerais: “é a prática dos esportes considerados
radicais, o skate é um deles, a qual é a 3ª brincadeira mais citada pelos alunos
pesquisados. Mais recentemente pesquisa Brandão (2010) diz que a partir, no
entanto, da virada do milênio e início do século XXI, diversas questões ligadas tanto
ao desenvolvimento próprio do skate, quanto a outras de maior alcance social, dada
pela consolidação de uma sociedade cada vez mais hedonista 1 e voltada aos
desejos de liberdade e lazer, acabaram por possibilitar transformações na forma
como essa atividade física esportiva passou a ser aceita socialmente. No âmbito da
Educação Física, dentre os poucos estudos referentes a prática do skate, destaca-
se o trabalho de Galliano e Mayer (2009) sobre os fatores motivacionais
influenciadores de se praticar o skate e concluiu que o prazer pela pratica do
exercício físico é principal motivo, que levaram os skatistas a desenvolver este
esporte regularmente.
Vários autores destacam a importância da prática e desenvolvimento de uma
modalidade esportiva para níveis saudáveis de aptidão física. Eles sugerem que
diante de um quadro preocupante de baixo nível de aptidão física em adolescentes
brasileiros, a escola utilize através da Educação Física, e assuma o importante papel
de estimular os alunos a terem uma vida fisicamente mais ativa (ALVES et al., 2005;
DUMITH et al., 2008; BERGMANN et al., 2005; MOREIRA, 2009).
Segundo as pesquisas de Guedes (2007), com o intuito de desenvolver
aptidão física tanto para fins da saúde como para desempenho motor, foi necessário
diferenciá-las para melhor compreender. A aptidão física relacionada à saúde
envolve basicamente as seguintes capacidades físicas: resistência
cardiorrespiratória, força/resistência muscular e flexibilidade. O segundo
componente, diz respeito à aptidão física relacionada ao desempenho motor,
APFRDM e abrange as seguintes qualidades físicas: potência (ou força explosiva),
velocidade, agilidade, coordenação e equilíbrio. Há uma maior tendência de estudos
centrados na preocupação com níveis de saúde. No entanto também são
consideradas importantes para alguns autores as pesquisas sobre o desempenho

1
Recorrentes ao Hedonismo, uma teoria ou doutrina filosófico-moral que coloca como maior valor, o
prazer e a satisfação individual em primeiro lugar (Gomes Apud Brandão,2010).
11

motor, pois além de uma ferramenta de detecção de talentos esportivos é importante


no âmbito da educação física para avaliar e acompanhar o desenvolvimento dos
alunos tanto no contexto escolar, quanto em outros contextos. (SILVA, 2005;
PINHEIRO, 2009; GAYA, 2007).
Sobre o skate, a Confederação Brasileira de Skate (CBSK, 2010) afirma que
existem mais de três milhões e oitocentos mil praticantes deste esporte em todo o
país. Desta forma considerado o esporte radical mais praticado no Brasil, isso ocorre
razão de possuir dimensões continentais onde uma grande população encontra-se
na fase da adolescência. É que mostra o ultimo censo Demográfico do IBGE (2010)
existem mais de 34 milhões de brasileiros de 10 a 19 anos. Segundo pesquisa
desenvolvida pela CBSK (2006), o perfil dos praticantes de skate é composto por
crianças e jovens. A população entre faixa etária de 8 a 20 anos de idade
corresponde 84%, No entanto, os níveis de aptidão física destes ainda são
desconhecidos.
Em vista de serem poucas pesquisas sobre aptidão física de adolescentes na
região do cariri cearense, onde se destaca o trabalho de Silva (2011), o que traça
cartas percentílicas para o desempenho motor de crianças e adolescentes em testes
específicos. Entretanto o estudo não possuiu o objetivo não de diagnosticar as
modalidades esportivas praticadas pelos indivíduos avaliados no estudo. Com
finalidade de traçar o perfil aptidão física relacionada ao desempenho, de praticantes
de skate, na faixa etária de 11 a 14 anos de idade. Por considerar uma faixa etária
importante período para o desenvolvimento somato-motor, pois segundo Cordeiro
apud Araujo (2010) “A adolescência é um período particularmente importante da
vida por ser a fase de maior crescimento físico e desenvolvimento psicológico e
cognitivo após a primeira infância”. A partir do exposto elaboramos o seguinte
questionamento “Quais os componentes APFRDM em adolescentes 11 a 14 anos,
praticantes de skate regularmente em Juazeiro do Norte, ceará? E quais são as
capacidades físicas mais desenvolvidas?”.
12

1.2 JUSTIFICATIVA

As pesquisas realizadas sobre o skate são relativamente novas e a partir da


revisão da literatura percebe-se que, a maior parte delas versa sobre os aspectos
histórico-sociológicos, sobre a cultura urbana iniciada na década de 60. É possível
perceber também que ao longo desses 50 anos a prática passou por varias
modificações e deixou de ser apenas um lazer e se tornou um esporte popular ao
redor do mundo. Podem se encontrar facilmente revistas especializadas com
conteúdos e como melhorar aspectos da qualidade de vida de seus praticantes seja
crianças e até skatistas profissionais, apesar de que não existem pesquisas
cientificas, as quais comprovem os benefícios da prática do skate.
Embora haja essa quantidade de adeptos, as pesquisas sobre as suas
repercussões são relativamente novas e no âmbito da educação física, mais raras
ainda. Em estudos (HONORATO, 2004; BASTOS E RECKZIEGEL apud SILVA, 2006)
históricos sobre o tema afirmam que fenômeno do skate vem se solidificando nos
últimos anos. Destaca-se na literatura cientifica a importância de identificar os níveis
da aptidão física de crianças e adolescentes brasileiros. A maior parte destes
estudos está concentrada na região sul ou sudeste. (BERGMAN, 2009; BARBOSA,
2009; PINHEIRO, 2009; GAYA; 2007; GUEDES, 2003). É importante avaliar a
aptidão física de uma maneira geral para saúde, como para identificar os níveis de
aptidão física relacionada ao desempenho motor. Está ultima serve como ferramenta
detecção de talentos esportivos.
Faz se então necessário descrever o perfil de desempenho motor de
praticantes de skate regularmente, especificamente neste caso de skatistas de
Juazeiro do Norte – Ceará, Para saber quais os principais componentes
desenvolvidos com a modalidade esportiva. A prática do skate envolve habilidades
motoras com os membros inferiores como, por exemplo: saltos, giros e uma série de
movimentos coordenados para executar a manobras e constantes mudanças de
equilíbrio para a realização dos movimentos básicos e para o sucesso nas manobras
com o skate. O skate é considerado um esporte de alta intensidade, que envolve
sistemas de energia aeróbica e anaeróbica. Contudo, é de prevalência anaeróbica
segundo Lauro apud Silva (2006). O que também justifica saber como são os níveis
de força de membros inferiores de seus adeptos. Por fim os conhecimentos sobre tal
13

modalidade esportiva poderá servir de subsídios para professores de educação


física e acadêmicos cujo desejem aprofundar os conhecimentos sobre esse
fenômeno. Ate os próprios praticantes do skate podem este estudo pode para
desenvolver as capacidades físicas mais importantes exigências no skate.

1.3 OBJETIVOS

1.3.1 Objetivo geral

Descrever o perfil dos aspectos morfológicos e o nível de aptidão física


relacionada ao desempenho motor de adolescentes de 11 a 14 anos, praticantes de
skate de Juazeiro do Norte – CE.

1.3.2 Objetivos específicos

Verificar o perfil antropométrico relacionado ao desempenho, como


peso e estatura.
Verificar o estado nutricional a partir da análise da composição corporal
a partir das dobras cutâneas.
Descrever o perfil motor a partir dos testes de aptidão física
relacionada ao desempenho.
2. REVISÃO DE LITERATURA

2.1 SKATE: HISTÓRICO E CONTEXTO ATUAL

O skate é conhecido popularmente tanto como equipamento como prática


esportiva, (SILVA, 2006). Este equipamento consiste em uma prancha de madeira
ou fibra (shape),coberta por lixa, dois eixos (trucks), rolamentos afixados a esses
que se ligam às suas quatro rodas. O Skate surgiu nas ladeiras da Califórnia, com
surfistas que procuravam um meio para se divertir nos dias sem onda, e manteve a
sua característica inovadora e principalmente, anárquica, no sentido de não
existirem regras para se praticar, a pessoa simplesmente anda. Apenas
recentemente este esporte passou a ter algumas regras dentro dos campeonatos
(CHAVES, 2000). Segundo Then (apud SILVA, 2006) este equipamento é derivado
dos soap box derbies, que são pequenos carros, comum nos Estados Unidos da
América, usados para descer ladeiras, segundo este autor, a prática de skate já
vinha sendo realizada com o uso deste equipamento desde os anos 40 e 50, e
começou a ser comercializado nos anos60.
Há uma polêmica quanto à relação ao skate ser ou não considerado como
desporto. De acordo com a lei nº. 8.672 - de 6 de julho de 1993, o desporto brasileiro
abrange as práticas formais e não formais, as formais são reguladas por normas e
regras internacionais aceitas em cada modalidade enquanto as não-formais
caracterizam-se pela liberdade lúdica. No caso do skate, pode ser considerado
formal quando estiver obedecendo as regras da Confederação Brasileira de Skate
(CBSK), e estas por sua vez devem obedecer a um padrão internacional.
No inicio a pratica do skate era chamada de sidewalk surfing, e rapidamente
se espalhou por todo os EUA. Em 1965 o side walk surfing chegou ao Brasil, e já
praticado por um grande número de adolescentes no mundo, criou identidade se
desligando do surfe com suas próprias manobras, e assim ganhou seu nome
definitivo, Skateboard (CBSK, 2006). Nos EUA, a opção por este nome se deu para
se diferenciar de patins, pois no inglês significa “skate”. Já no Brasil, o termo foi
“abrasileirado”, sendo reduzido de Skateboard para skate. Em 1974 o skate teve sua
primeira grande evolução, quando o engenheiro químico Frank Nashworthy
descobriu uma composição chamada uretano, um material que deu origem às
15

verdadeiras rodas de skate que garantiam uma grande aderência às superfícies


inclinadas. Essa invenção deu ao skate um enorme impulso para que ele
definitivamente se consolidasse como um esporte popular segundo a (CBSK, 2010).
No âmbito das pesquisas com relação ao skateboard, e sua difusão os
autores Lauro e Danucalov (2005, p. 69):

O skate está no período de maior popularidade de sua história. Algumas


das possíveis razões para isto, além das citadas anteriormente, podem
estar ligadas aos seguintes fatores: (a) novas tecnologias acessíveis de
informação e comunicação para entretenimento e trabalho pela internet; (b)
quedas nos preços de serviços de TV e internet por cabo e satélite, (c)
diminuição do custo de equipamentos eletrônicos digitais e dos próprios
equipamentos para a prática do skate; (d) grandes eventos de skate; (e)
feitos espetaculares de alguns dos principais skatistas profissionais; (f)
maior exposição do skate em propagandas nos diferentes tipos de mídias;
(g) facilidade de acesso à prática do skate em pistas e parques específicos;
(h) novas possibilidades de trabalhos ligados ao skate. Inclusive, a prática
do skate se tornou um elemento de interesse para pesquisas e estudos
acadêmicos, o que possibilitou a sua inclusão em diversos tipos de cursos e
disciplinas de cursos superiores.

Alguns autores já vêm pesquisando este fenômeno, da prática do skateboard


como é conhecido mundialmente, em português, skate, aonde a mesma vem se
solidificando (HONORATO; BASTOS & RECKZIEGEL; BITENCOURT & AMORIN,
2005 apud SILVA, 2006). A maioria dos praticantes de skate, ou skatistas, pratica
este esporte por lazer, nas ruas, o que aumenta a popularidade do esporte. Apesar
deste aparente crescimento do skate, existe uma lacuna na literatura de estudos que
visem aprimorar a desempenho dos skatistas (SILVA, 2006). Como também os seus
efeitos ao longo do tempo sobre seus adeptos. Outros pesquisadores de atividades
físicas de aventuras, aonde o skate vem incluído como esporte de aventura urbano,
Franco (2008) defende em sua dissertação de mestrado as atividades físicas de
aventura no âmbito das escolas públicas, com embasamento do já proposto nos
Temas Transversais propostos pelos PCNs “parâmetros curriculares nacionais”.
(BRASIL, 1998).
O fenômeno de “andar” de skate como esporte é atualmente pouco
investigado nas universidades e cursos de educação física no brasil. O skate possui
características próprias para sua execução e aspectos culturais. Praticado
individualmente, porém é desenvolvido geralmente em grupos, em locais específicos
de acordo com a modalidade. Segundo a Confederação Brasileira de Skate (2006)
as duas modalidades mais praticadas são: street, a qual consiste em praticar o skate
16

em obstáculos de ruas das cidades, sendo esta modalidade com a maior quantidade
de adeptos, com aproximadamente 92% dos praticantes. E a modalidade vertical é
executada em pistas com no mínimo 3,50 m de altura, podendo ser de concreto ou
madeira, em formato de half-pipes (meio tubo e com formato parecendo um
gigantesco U). É notável o crescente aumento no numero de praticantes e inclusive
espaços apropriados para a sua pratica, como exemplo no estado do ceará, onde
estão sendo construídas em varias cidades pistas de skate. Considerado como um
dos esportes de aventura/radicais sobre prancha mais praticados no País, Segundo
a CBSK (2010.) (confederação brasileira de skate) existem mais de três milhões e
oitocentos mil praticantes em todo território nacional. Logicamente parte destes
encontra-se nas fases da infância e adolescência. Pois ainda segundo CBSK (2006)
64% dos praticantes têm até 15 anos de idade. O que demonstra que a maioria, a
qual anda de skate faz parte de um publico jovem. Outro estudo ratifica esta
tendência como, Pereira e Barros (2004) sobre o estilo de escolares de montes
claros, onde já se detectou uma nova tendência no estilo de vida dos escolares é a
prática dos esportes considerados "radicais", o skate é um deles, a qual é a 3ª
brincadeira mais citada pelos escolares, isto se deve em parte, pela influencia da
mídia e principalmente a um novo estilo de vida adotado pelos escolares.
Anteriormente o skate não era visto como algo aceitável pela sociedade em
geral, pois por motivos de historicamente muitos dos seus praticantes também
realizavam ações de pichações contra propriedades alheias. E se vestiam de forma
diferente do “normal” segundo parâmetros sociais. Quiçá políticas públicas para
disseminação deste esporte. No entanto a partir do ano de 2008, iniciaram-se
políticas efetivamente para o skate, com o governo do estado do ceara do governo
Cid Gomes, haja vista segundo o próprio governador do estado, por já ter praticado
o skate na cidade de sobral, sua terra natal Durante a adolescência. Logo tendo um
apreço grande por desenvolver este esporte saudavelmente. (CEARA, 2010).

Em abril de 2009, a Secretaria do Esporte do Estado (Sesporte)


deu pontapé inicial, em Juazeiro do Norte, com a inauguração no Parque
Ecológico das Timbaúbas da primeira de uma série de 23 pistas de skate.
Ao todo, 23 pistas de skate serão instaladas no Estado. A iniciativa da
Sesporte é pioneira no País por firmar a primeira gestão brasileira na
expansão e no desenvolvimento social da modalidade. “Com a conclusão
das demais pistas, o Ceará concentrará o segundo maior pólo do skate no
País, atrás apenas de São Paulo”, revela Fernando Casasco, o 'Frewka',
diretor da FlyRamp Skateparks.
17

Com o advento da criação da pista de skate, no ano de 2009 o skate foi


impulsionado, trazendo novos praticantes, sendo que parte destes, crianças,
adolescentes, e adultos. Sendo este o primeiro local apropriado para se praticar o
skate na modalidade street2 realização de campeonatos, e outros eventos da mesma
natureza. O que proporcionou e motivou a realização desta pesquisa com seus
adeptos.

2.2 APTIDÁO FÍSICA

Na atualidade são difundidos vários termos pelos meios de comunicação de


massas, utilizados como sinônimos entre: atividade física, aptidão física e exercício
físico, porem são conceitos distintos. Caspersen et al. citado por Tavares (2009),
propuseram definições amplamente aceitas, onde atividade física é um termo amplo
que significa: “qualquer movimento corporal produzido por músculos esqueléticos
que resulta em gasto energético maior que o nível de repouso”. Por outro lado,
exercício físico é toda a atividade física que é “planejada, estruturada e repetitiva,
tendo por objetivo a melhoria e a manutenção de um ou mais componentes da
aptidão física”.
Vários autores apresentam definições para aptidão física. Nesta pesquisa
optou-se pelas colocações de Bohme (2003, p.101):

Aptidão física refere-se à capacidade do indivíduo apresentar um


desempenho físico adequado em suas atividades diárias,
prorrogando o surgimento precoce do cansaço durante a realização
de atividades físicas. A atividade física é considerada como o
processo do qual resultará o estado de aptidão física do indivíduo,
esta última considerada como produto.

Guedes (2007) ratifica o conceito pré-citado e acrescenta que a aptidão física


pode ser dividida em dois componentes. O primeiro corresponde à aptidão física
relacionada à saúde e envolve basicamente as seguintes capacidades físicas:
resistência cardiorrespiratória, força/resistência muscular e flexibilidade (GUEDES,
2007). O segundo componente diz respeito à aptidão física relacionada ao

2
Modalidade, descrita como sendo realizar nas ruas, tradução do nome street, ou seja rua em
português. Sendo considerada a modalidade mais praticada no Brasil, também por sua facilidade de
execução em praças, ruas, calçadas e etc. segundo a (CBSK,2006).
18

desempenho motor, APFRDM e abrange as seguintes habilidades: potência (ou


força explosiva), velocidade, agilidade, coordenação e equilíbrio (GUEDES, 2007).
Neste sentido se compreende a existência de uma relação intrínseca entre os dois
componentes, haja vista que os componentes relacionados à saúde são
fundamentais também na área esportiva. Componentes como: flexibilidade e
composição corporal são pertinentes aos dois componentes da aptidão física. Neste
estudo foram avaliados praticantes regulares de skate nos componentes de aptidão
física relacionada à saúde, porem com predominância os testes desempenho motor.
Por ser essencial para a prática esportiva em geral o desenvolvimento das
capacidades físicas. Logo faz importante desenvolver as capacidades físicas do
praticante de skate. Segundo a literatura especifica sobre a prática do skate, consisti
em uma atividade física predominantemente anaeróbica (LAURO apud SILVA,
2006). Estima-se que pela predominância anaeróbica, os que praticam regularmente
tenham níveis adequados de força, principalmente nos membros inferiores, os quais
são mais requeridos. E possivelmente as habilidades motoras locomotoras e
manipulativas de membros inferiores, para execução da “manobras”. Para níveis
melhores de compreensão foram definidos os componentes, os quais fazem parte
da aptidão física relacionado ao desempenho motor. Primeiro a agilidade: específico
que possa melhor traduzir a agilidade como sendo “a capacidade de o jovem mudar
a direção do corpo movendo-se de um ponto a outro o mais rapidamente possível”.
(TRITSCHLER apud GUEDES, 2000).
Para concepção capacidade físicas relacionadas ao desempenho motor
fazem-se necessário outras definições, adotadas a partir de Tubino (2003, p.185):
“força é qualidade física que permite a um músculo ou um grupo de músculos
produzirem uma tensão e se opor a uma resistência.” Consistindo em vários tipos
subseqüentes, como força resistida, força explosiva. Inclui a definição de velocidade
de Fauconnier (apud TUBINO, 2003, p.185):

Como a qualidade física particular do músculo e coordenações


neuromusculares, que permitem a execução de uma sucessão rápida de
gestos, os quais em seu encadeamento constituem uma só e mesma
ação, de uma intensidade máxima e de uma duração breve ou muito
breve.

A aptidão física vem sendo estudada principalmente com um foco voltado


para a saúde, visto a relação entre a inatividade física e o aumento das doenças
19

crônico-degenerativas. Malina (apud GLANER, 2002, p. 78) complementa essa idéia


revelando que os mais ativos habitualmente são aqueles mais aptos fisicamente,
verificando ainda que a relação é causal, e que a aptidão física desenvolvida durante
a infância, caminha pela adolescência até chegar à idade adulta. Outro autor de
diversos trabalhos nesta área utiliza-se de outra terminologia para a APFRDM, ou
como o autor sugere “aptidão física relacionada à performance motora”, a qual é
definida aqueles “componentes necessários para uma performance máxima no
trabalho ou nos esportes” (NAHAS, 2010, p.78).
Para compreender aptidão física, foram desenvolvidos diversos instrumentos
de avaliação, para mensuração do desempenho, acompanhamento das capacidades
funcionais e indicadores de crescimento. Assim como descreve Tritschler (apud
CAPISTRANO et al 2010) que a utilização de baterias de teste para as habilidades
motoras esportivas e performance, tornou-se uma prática cada vez mais utilizada, já
que estas envolvem tarefas físicas capazes de expressar a condição individual do
avaliado, cabível de mensuração e comparação com outros sujeitos de melhor e pior
condição, permitindo assim relacionar os resultados com os diferentes
comportamentos e desfechos relevantes a saúde, desenvolvendo-se pontos de corte
e classificações dos indivíduos avaliados.
No âmbito nacional destaca-se a bateria de testes do “Projeto Esporte Brasil”
(PROESP-BR), onde busca manter um controle sobre os indicadores de crescimento
e desenvolvimento somato-motor e o estado nutricional de crianças e jovens
brasileiros na faixa etária de 7 e 17 anos, dando ênfase nas atividades esportivas.
Este projeto tem como objetivo descrever, acompanhar e analisar o comportamento
do crescimento corporal, da aptidão física, do estado nutricional e dos hábitos de
vida de escolares brasileiros (GAYA e SILVA, 2007). Onde este projeto visa avaliar
tanto aptidão física relacionada à saúde, para detectar possíveis riscos a saúde.
Como em virtude da AFRDM destina-se avaliar o desempenho motor em busca de
avaliar as capacidades funcionais e motoras relacionadas à prática esportiva em
geral. E ainda serve como instrumento de detecção de talentos esportivos.
Vários estudos sobre aptidão física relacionada à saúde são encontrados na
literatura, por sua importância em avaliar os níveis de risco referentes aos níveis de
saúde (SILVA, 2007; GAYA e SILVA, 2007; PINHEIRO, 2009; BARBOSA, 2009;
BERGMAN, 2009), no entanto o numero de estudos centrados na aptidão física
relacionada ao desempenho motor, estão em menor escala. Enquanto que autores
20

como Gaya (apud SILVA, 2005) afirmam que o desempenho motor implica em um
grau de aptidão física, o qual permite crianças e adolescentes um desempenho
superior e níveis mais eficientes nas atividades diárias e nos esportes. Lorenzi et al
(2005) ratifica a importância da avaliação da aptidão física referenciada ao
desempenho motor por justificar que no âmbito do processo do alcance de
desempenho em habilidades esportivas. E ainda autor acima afirma que valores de
aptidão física relacionado ao desempenho podem ser ferramentas de detecção de
talentos esportivos para determinadas modalidade esportivas coletivas.
No sul do Brasil destacam-se estudos (LORENZI et al, 2005; Dumith et al
2010; NASCIMENTO ET AL, 2011). Onde o primeiro, foi com maior abrangência no
rio grande do sul, avaliou APFRDM, 6.794 escolares de 07 a 17 anos de idade,
sendo uma referencia nacional importante nos estudos deste tipo. Já na região do
cariri cearense são poucos os estudos voltados para aptidão física, onde se
destacam os de Capistrano et al, (2010) Silva et al (2010) este segundo foi
importante em estabelecer valores normativos para o desempenho motor de
crianças e adolescentes caririenses, no entanto diferem-se os instrumentos
metodológicos adotados no presente estudo, e a autora encontrou resultados
inferiores na APFRDM, quando comparado com estudos realizados no sul do país.

2.3 CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO NA ADOLESCENCIA

É importante primeiramente para nível de compreensão, definir o período da


adolescência. Pois segundo o Estatuto da Criança e do Adolescente, Lei n.º
8.069/90 (BRASIL, 1990), circunscreve juridicamente que a adolescência como o
período de vida que vai dos 12 aos 18 anos de idade. Diferentemente a Organização
Mundial da Saúde (OMS) delimita a adolescência como a segunda década de vida
(10 aos 19 anos) e a juventude como o período que vai dos 15 aos 24 anos. O
Ministério da Saúde toma por base tal definição. (BRASIL, 2006). Já segundo outros
autores esse período pode ser iniciados até antes. Como em Gallahue e Ozmun
(2005) afirmam que o fenômeno do crescimento não ocorre de forma desordenada.
Existem evidências de que tanto na vida pré-natal como na pós-natal segue um
padrão determinado e muito semelhante entre os indivíduos, caracterizando-se por 4
fases distintas: a) crescimento pré-natal (vida intra-uterina); b) crescimento na
21

primeira infância (do nascimento até os 2 anos de idade); c) crescimento no início da


infância (dos 2 aos 6 anos de idade); d) crescimento no final da infância (dos 6 aos
10 anos de idade); e) crescimento na adolescência (dos 10 aos 20 nos de idade).
Sabendo da influencia da parcela genética no crescimento durante a
adolescência, porém estes são fatores, mais dificilmente poderão ser alterados,
enquanto que os fatores ambientais para alcançar o crescimento estimado, e para
um desenvolvimento satisfatório dependerá do tipo de cultura ou macro-sistema em
que a criança ou adolescente estiver envolvido.
Mudanças no tamanho corporal resultam basicamente de três processos
celulares: aumento do número das células, ou hiperplasia; aumento no tamanho das
células, ou hipertrofia; e aumento das substâncias intercelulares que permitem a
agregação das células (MALINA; BOUCHARD, 1991). O aumento em número é uma
função da divisão celular (mitose) que envolve a duplicação do DNA e a
subseqüente migração da duplicação dos cromossomas, originando novas células
com características idênticas à anterior. O aumento no tamanho das células envolve
um aumento das suas unidades funcionais, particularmente proteínas e substratos.
As substâncias intercelulares que agregam as células são orgânicas e inorgânicas,
formando um complexo sistema de rede, como fibras de colágeno, fornecendo a
matriz para os adipócitos do tecido adiposo. A predominância da hiperplasia, sobre a
hipertrofia ou agregação durante o crescimento, varia de acordo com a idade e o
tecido envolvido (MALINA; BOUCHARD, 1991).
Vários autores concordam que as primeiras fases da vida, ou seja, infância e
adolescência resultantes do crescimento e do processo de desenvolvimento os
acompanham por toda a vida. Pois segundo Malina apud Ronque (2004), as duas
primeiras décadas de vida são as que concentram o maior número de modificações
quantitativas e qualitativas, o que implica em perceptíveis mudanças, não só no
tamanho, proporção e composição corporal, como também na complexidade
funcional maturacional. Quanto às variações que ocorrem entre os indivíduos, essas
se dão basicamente na taxa de crescimento, ou seja, no índice de crescimento
atingido nas diferentes idades tanto no corpo como um todo quanto em suas partes
específicas. Estas variações também são verificadas pelos diferentes tamanhos
atingidos ao término do processo de crescimento (GALLAHUE; OZMUN, 2005).
O crescimento físico envolve um aumento nas estruturas corporais,
desencadeadas pelas divisões e multiplicações celulares, que atuam na formação
22

de novas células, as quais se tornam especializadas no desenvolvimento de novas


funções. Todavia, nem todas as mudanças ocorrem sistêmica, mas sim em ritmos e
intensidades diferenciados, de acordo com as diferentes etapas da vida, nas quais
existe uma reciprocidade de influências decorrentes da velocidade de evolução, o
que reflete a taxa de crescimento (MALINA; BOUCHARD, 2003).
Com este propósito o autor idem Malina e Bouchard (2003, pag.5) afirmam “o
desenvolvimento no contexto biológico pode ser entendido como a diferenciação de
células (hiperplasia), já o crescimento mais restritamente refere-se ao aumento do
numero de células (hipertrofia)”. O desenvolvimento também engloba o contexto
comportamental, “relaciona-se ao desenvolvimento da competência numa variedade
de domínios inter-relacionados”, seja no âmbito social, intelectual, e motor. É
reconhecido na literatura, que existem diversos fatores que intervêm nas variáveis
do crescimento e desenvolvimento, e os influenciam como fatores ambientais,
culturais. “No contexto comportamental o desenvolvimento está relacionado ao
desenvolvimento da competência de uma variedade de domínios que se interagem.
Sejam essas competências, social, intelectual, cognitiva, motora e etc. pode-se
afirmar que nesses diversos âmbitos do comportamento influenciam as
características da criança por intermédio dos contextos culturais em que elas se
desenvolvem. (MALINA E BOUCHARD, 2003; GALLAHUE E OZMUN, 2005;
NOBRE, 2006; HAYWOOD E GETCHELL apud BANDEIRA, 2010).
Neste sentido, como já referidos pelos autores acima, o desenvolvimento
apresenta um conceito mais amplo, e no contexto comportamental se relaciona com
a competência na variedade de domínios inter-relacionados, cujos aspectos sociais,
cognitivos, intelectuais e emocionais emergem no contexto cultural da criança. Em
suma, o crescimento refere-se essencialmente às transformações quantitativas
enquanto o desenvolvimento pode englobar tanto transformações quantitativas
quanto qualitativas (MALINA et al. apud RONQUE, 2004).
Para Marcondes (1994) o crescimento é influenciado por fatores extrínsecos e
intrínsecos. Os sistemas nervosos e endócrinos, juntamente com o genótipo,
constituem o tripé fundamental no conjunto dos fatores intrínsecos. Entre os fatores
extrínsecos essenciais para o crescimento temos a nutrição, a atividade física e a
estimulação biopsicossocial. Além destes, Malina e Bouchard (2002) assinalam as
condições sócio-econômicas como fatores primordiais para o crescimento e estado
nutricional de uma população.
23

Para avaliar o crescimento físico, rotineiramente são expressos através da


estatura e massa corporal em crianças e adolescentes são indicadores sensíveis,
aceitos internacionalmente, para detectar qualidade social, econômica e política dos
contextos, os quais o cercam. (GALLAHUE e OZMUN 2005). Os recursos utilizados
para avaliar o crescimento, a partir da composição corporal, são diversificados
(GUEDES, 1997); a antropometria, objetiva avaliar as dimensões e proporções
corporais do homem, e tem sido usada há séculos para avaliar o tamanho, as
proporções e os segmentos do corpo, através das medidas de circunferências e
segmentos corporais (HEYWARD; STOLARCZYK, 1996) e envolve a avaliação do
peso, estatura, dobras cutâneas, circunferências, perímetros e segmentos
(VASCONCELOS, 1995). Com este intuito de avaliar o crescimento Bergmann et al.
(2008) em estudo realizado na cidade de Canoas/RS, realiza um estudo longitudinal
com escolares com idades de 10 a 14 anos, sendo este apresentado os resultados
esperados para o tipo de trabalho realizado, haja vista ter sido um trabalho de
caráter longitudinal onde os estudantes foram avaliados anualmente com medidas e
testes, tendo como principal resultado a idade onde ocorre o pico de velocidade de
crescimento. Para os meninos após os 13 anos e nas meninas, a deflexão da curva
de crescimento ocorre aos 11 anos de idade, tendo uma redução no ritmo de ganho
em estatura mais acentuada do que a apresentada pelos meninos. O que demonstra
a importância da avaliação do crescimento e desenvolvimento nas populações,
especialmente de crianças e adolescentes, assim como levando em conta as
modalidades esportivas praticadas para melhor compreensão, do crescimento e as
influencias da atividade física, como diz O treino e a atividade física regular são
geralmente interpretados como tendo uma influência favorável no crescimento, na
maturação e na aptidão física da criança e do adolescente (MALINA, 1994).
24

3. MATERIAIS E METODOS

3.1 CARACTERIZAÇÃO DA PESQUISA

Trata-se de um estudo descritivo-exploratório, onde se busca descrever o


fenômeno. Tipo de campo. O estudo assume essas características por explorar um
fenômeno, difícil controle sobre as variáveis. Do tipo de corte transversal. (THOMAS
e NELSON, 2007).

3.2 POPULAÇÃO E AMOSTRA

A população foi composta de adolescentes entre 11 a 14 anos, oriundas de


Juazeiro do Norte, CE. Praticantes regulares de skate, as quais freqüentadores da
pista de skate de Juazeiro do Norte situada no Parque Ecológico das Timbaúbas.
Como critério para inclusão na pesquisa foi pré-requisito praticar a
modalidade do skate a pelo menos seis meses. Já que os objetivos da pesquisa
compreendem avaliar crianças envolvidas com pratica regular desse esporte sobre
prancha. E como critério de exclusão não estar dentro da faixa etária, há não
autorização dos pais através do termo de consentimento livre esclarecido, (TCLE)
não estarem saudáveis. Os indivíduos da amostra praticavam o skate entre 06
meses a 24 meses, nos adolescentes em questão do estudo.
Quanto à amostra em questão, obteve-se um total de 07 skatistas, os quais
os pais autorizaram participar do estudo. Sendo que 03 três adolescentes não
quiseram participar. À amostra foi composta de maneira intencional não
probabilística. Foi escolhido o Parque Ecológico das Timbaúbas para a formação da
amostra, pelo fato de ser o único local na cidade, o qual conta com uma pista de
skate apropriada para a prática, e sendo freqüentado por jovens, crianças e
adolescentes e pais. Torna-se um ponto de prática de esporte e lazer, de diversas
pessoas de distintas classes sociais. A questão referente ao nível socioeconômico
foi avaliado por intermédio de entrevista individual com cada um dos indivíduos da
amostra. Constatado que a maior parte da amostra é beneficiaria do programa de
transferência de renda do governo (Bolsa Família) para as famílias de baixa renda.
E reforçado pela qualidade dos materiais utilizados pelos skatistas, pois, alguns
25

praticantes, interrompiam temporariamente a prática esportiva, por falta de peças


básicas do equipamento.

3.3 INSTRUMENTOS PARA COLETA DE DADOS.

Para avaliação do crescimento somático, o qual ocorreu no laboratório de


medidas e avaliações do IFCE, onde foi utilizado balança filizola ®, com intervalo de
escala de 100g, e os adolescentes foram avaliados estando com roupas
apropriadas, (camisa e caução) e descalços, estadiômetro da marca sanny®
consiste num instrumento de madeira fixado a uma parede lisa e com uma escala de
medidas destacada em centímetros. A medida de estatura também foi realizada com
o adolescente estando em posição ortostática, pés descalços e unidos, procurando
pôr em contato com o instrumento de medida as superfícies posteriores do
calcanhar, cintura pélvica, cintura escapular e região occipital. Para avaliação da
composição corporal foi utilizado um adipômetro cientifico também da sanny®, onde
se avaliou as dobras: tricipital e subescapular e o percentual de gordura foi
determinado pelo método duplamente indireto, a partir da equação de Slaughter e
colaboradores (1988) para crianças e adolescentes de 7 a 18 anos:
2
Formula = [% Gord. = 1,21 ( 2) - 0, 008 ( 2) - 3,4]
Para avaliar o desempenho motor foram utilizados os seguintes testes
componentes da bateria de testes do projeto esporte PROESP – BRASIL. No
ginásio da instituição de ensino foram feitas avaliações do teste do quadrado ou
quatro cantos para avaliar a agilidade, o teste de 20 metros para avaliar a
velocidade, o teste de salto horizontal que se propõe avaliar a força potência de
membros inferiores e, o teste de arremesso do medicine-ball de 2 kg, que tem por
objetivo avaliar a força potência de membros superiores. Para avaliar a flexibilidade
a partir do teste do banco de Wells, onde foram explicados os procedimentos dos
testes para adolescentes pesquisados seguindo o protocolo do projeto esporte
Brasil, (GAYA e TORRES, 2007). Em anexo segue detalhes dos procedimentos
utilizados. E entrevista individuais com os skatistas para saber o nível
socioeconômicos dos mesmos, através de pergunta referente ao recebimento de
algum benefício do governo de transferência de renda, para famílias de baixa renda.
26

3.4 PROCEDIMENTOS

Primeiramente, foi entrado em contato com os adolescentes no local onde


praticavam o skate, no parque ecológico da timbaúbas, situado na cidade de
Juazeiro do Norte, ceará. Logo após alguns encontros foi solicitada uma reunião
com os pais. Com intuito de convidar e explicar os motivos da pesquisa. Como foi
muito difícil reunir os responsáveis das crianças no local onde eles exerciam seu
esporte e lazer, no caso o skate-park de Juazeiro do Norte, localizado no interior do
parque ecológico das timbaúbas. Foram feitas visitas na casa dos pais para
apresentação dos objetivos da pesquisa, assim como aceitação da participação
voluntaria dos seus filhos através da assinatura do TCLE (teste consentimento livre
esclarecido). E foram combinados com os responsáveis, que após a conclusão do
trabalho, serão apresentados os resultados aos pais sobre os resultados observados
da pesquisa.
No dia da coleta de dados os adolescentes foram levados as instalações do
Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia – Campus Juazeiro do Norte-
CE sendo estes levados avaliadores treinados para aplicação dos testes. Para a
avaliação de medidas corporais foram guiados ao LABOMED (Laboratório De
Medidas E Avaliações) com acompanhamento do bolsista do laboratório e um
anotador onde ocorreram as aferições de medidas de peso e estatura, dobras
cutâneas e teste de flexibilidade de sentar e alcançar. E como aspecto ético e para
evitar constrangimento aos adolescentes, foi solicitado avaliação individual dentro da
sala, ou seja, os outros esperavam no corredor, enquanto estavam havendo as
Depois foram levados ao ginásio poliesportivo coberto do IFCE para a aplicação dos
testes de coordenação motora, e aptidão física do PROESP.
Foram feitas entrevistas com os praticantes, sobre há quanto tempo eles
praticavam tal modalidade esportiva, assim como quantas horas semanais eram
dedicadas à mesma. E para identificar o melhor o contexto socioeconômico da
amostra, foi perguntado se estes recebiam algum beneficio de transferência de
renda do governo, destinado a pessoas de baixa renda.
27

3.5 ANÁLISE DOS DADOS

A partir dos dados obtidos, foram confeccionados bancos de dados pelo o


software Excel 2007 for Windows ® e Statistical Package for the Social Sciences
(SPSS) versão 16.0, nos quais foi montada a planilha com os resultados.e feitas as
classificações para as variáveis analisadas.Quanto aos testes de aptidão física
relacionada ao desempenho motor, foram feitas as classificações de acordo com as
tabelas normativas do PROESP - BR, e foi feita a freqüência relativa das
classificações dos indivíduos em “muito fraco”, “fraco”, “razoável”, “bom”, “muito
bom” e “excelência” .
Reconhecendo as limitações do tamanho da população em questão, e amostra (n=7)
onde, no entanto foi representativo .preferimos por apresentar os resultados (tabelas
e gráficos) por valores individuais, não sendo necessário uma analise descritiva a
partir de médias, desvio padrão, mínimo e máximo.
4. RESULTADOS E DISCUSSOES

Ao considerar os aspectos morfológicos dos praticantes de skate, pode-se


perceber que os valores de referentes à massa corporal dos adolescentes
praticantes de skate, mostram valores variados, com mínimo de 24,1kg e máximo de
52 kg. Em relação ao percentual de gordura corporal verificou-se que a maioria dos
praticantes (57,1%) encontrava-se com “baixo” percentual de gordura e/ou
“excessivamente baixo” (ver tabela 01).

Tabela 01 – Descrição dos aspectos morfológicos – antropometria e composição


corporal de praticantes de skate, com resultados individuais.
Massa Estatura Somatório %
Suj. Idade Classificação*
Corporal(kg) (cm) Dobras(mm) gordura

01 13 44,1 145 20,1 15,9 Adequado

02 11 24,1 126,5 18,6 14,5 Adequado


Excessivamente
03 12 31,8 149,5 8,9 4,9
Baixo
04 11 31,3 145,5 10,2 6,3 Baixa
05 14 52,0 168 12,5 8,7 Baixa

06 12 28,9 136 13,8 10,0 Baixa

07 13 31,0 141 14,5 10,7 Adequado


* calculo feito a partir da formula de Slaughter et al (1988).

Esses resultados referentes ao baixo percentual de gordura corporal podem


indicar déficit de ingestão calórica por parte dos indivíduos investigados. A baixa
ingestão calórica pode ser explicada pelo fato do nível socioeconômico dos mesmos,
identificado a partir de uma entrevista individual, onde 71,4% da amostra são
beneficiários de um programa de transferência de renda do governo para famílias de
baixa renda, fator esse que os classifica como baixa renda ou classe D.
Quando comparados os resultados do nosso estudo, com estudo Galliano
(2009), quanto aos aspectos morfológicos de skatistas de diferente faixa etária, no
entanto demonstram-se nos dois estudos valores adequados de peso e estatura
para os praticantes de ambos os estudos. Diferença marcante se refere aos
ambientes das pesquisas e idades dos indivíduos pesquisados.
29

Na Tabela 02 é possível observar os resultados referentes à aptidão física


relacionado ao desempenho motor dos praticantes. Pôde-se perceber que os
melhores resultados foram observados no teste de agilidade (42,9% “Muito Bom” e
28,6% “Razoável”) e de força de membros inferiores (28,6% “Bom”, 57,2% “muito
bom” e 14,3% “Excelente”). Os bons resultados agilidade podem ser explicados por
como são desenvolvidas as práticas do skate, onde se exigem freqüentes mudanças
de direção, ao subir uma rampa, executar um giro de 180° em algumas das tarefas
inerentes a modalidade, chamada pelos adeptos de “manobras”. Realizadas seja no
ambiente urbano, ou em pista artificiais. Em grande parte dos gestos incluem algum
movimento do implemento, e/ou do corpo requerendo agilidade e coordenação para
o êxito das tarefas motoras.

Tabela 02 - componentes da aptidão física relacionado ao desempenho motor.

FORÇA FORÇA RESISTENCIA


AGILIDADE(s) VELOCIDADE(s)
MMII(cm) MMSS(cm) AEROBICA(m)
Class. Class Class Class Class
6,3 Razoável 175 Bom 304 Fraco 4,02 Fraco 897 Fraco
5,8 Muito Bom 152 Razoável 235 Fraco 3,85 Razoável 1252 Fraco
Muito
5,6 Muito Bom 185 269 Fraco 3,8 Razoável 736 Fraco
Bom
6,0 Muito Bom 200 Excelente 270 Razoável 3,71 Bom 1335 Razoável
Muito
6,4 Fraco 198 390 Bom 3,3 Bom 1689 Bom
Bom
Muito
6,6 Razoável 180 280 Razoável 3,9 Razoável 1560 Bom
Bom
6,6 Fraco 180 Bom 300 Fraco 3,36 Muito Bom 1470 Razoável
Class = Classificação.

Outro componente do desempenho, de maior evidência diz respeito à força de


membros inferiores, o que pode ter sido resultados de vários fatores, dentre eles
podemos inferir que por motivo desse esporte exigir vários saltos durante a sua
execução para transpor obstáculos em diversas alturas e para de que os
movimentos mais solicitados são os agachamentos e saltos com o implemento para
realização das “manobras”. Como também o formato das competições privilegia o
desempenho de força explosiva de curta duração, pois em geral o tempo de duração
de cada apresentação dos praticantes gira em torno de 1 minuto e meio.
Comparar os achados de praticantes deste esporte é difícil, por serem poucos
os estudos nesta área especifica, dentre este poucos trabalhos destaca-se o
trabalho de Silva (2006) autor de trabalho sobre a contribuição da força e potência
30

de membros inferiores com skatistas amadores, descobriu que 83,7% da variância


do salto com skate é explicado pela potencia e força de membros inferiores. E mais
recentemente foi feito um trabalho com skatistas de Santa Cruz do sul – RS,
Galliano (2009) ratifica nossos os achados, onde a capacidade física da agilidade
estava desenvolvida em praticantes de skate, com tempo de prática em média de
2,5 anos. E ainda afirma que este esporte exige mudanças de direção repentinas e
grande agilidade nos movimentos. Enfim Correa et al(2006) trabalho importante
sobre outro esporte com prancha. Com surfistas profissionais brasileiros, concluiu
que a modalidade esportiva do surf exige valores elevados de força de membros
inferiores e resistência aeróbica.
Em relação aos outros componentes da aptidão física relacionada ao
desempenho (força de membros superiores, velocidade de deslocamento,
resistência aeróbica), verificaram-se desempenhos insatisfatórios na maioria dos
indivíduos investigados. O baixo desempenho de força de membros superiores dos
skatistas pode ser influenciado por motivo que de a maior parte dos gestos motores
realizados com o skate, como os saltos, os braços participam indiretamente.
No componente de velocidade de deslocamento 57,2% foram classificados
como “fracos” nesta variável. Embora, pelo pressuposto do skate envolver
necessariamente a velocidade de deslocamento, com o movimento conhecido como
“remada” realizado como uma espécie de passada com o pé sobre o solo e fazendo
o skate mover-se de lugar para outro. No entanto analisando o ambiente principal de
desenvolvimento da prática do skate, neste caso, a pista de skate artificial, com
rampas espalhada no espaço, fazendo com quê os skatistas precisem impulsionar o
skate com a passada unilateral o skate, já que o aproveitamento das rampas
inclinadas impulsiona-os.
A partir dos resultados resistência aeróbica geral, percebeu-se que parte
dos adeptos está com níveis baixos para esta capacidade física (42,9%), indicando
que estes indivíduos em questão não realizam um treinamento da resistência
cardiorrespiratória, comparados ao estudo de Galliano (2009) com skatistas de 16 a
26 anos da cidade de santa cruz do sul – RS. Mostrou que 80% foi classificada
como regular os níveis de resistência aeróbica, sendo superior aos nossos achados,
no entanto vale salientar que devido as faixas etárias diferentes, contextos e tempo
de pratica diferem. De qualquer forma as características da prática do skate são
predominantemente anaeróbicas, segundo Lauro apud Silva (2006).
31

Enfim, parece claro a importância de ser desenvolvida a resistência aeróbica


dos adeptos desta modalidade, assim como em qualquer outro esporte voltado para
o desempenho. Haja vista que a resistência aeróbica diz respeito tanto para o
desempenho esportivo como para a saúde. Dentre os vários motivos inerentes ao
desenvolvimento da resistência aeróbica Glaner (2003) afirma que quanto maior for
esta capacidade maior será a aptidão física do sujeito, e mais rápida será a
recuperação após esforço. Além de conseguir sustentar o trabalho muscular por um
longo período de duração, logo se considera importante para a maior parte dos
esportes de rendimento.
32

5. CONSIDERAÇOES FINAIS

Os aspectos morfológicos dos skatistas presentes neste estudo foram


considerados adequados, para peso e estatura, com exceção dos níveis de
percentual de gordura, estando abaixo dos níveis normais. Explicados por vários
fatores, dentre eles o nível socioeconômico dos skatistas.
Referente ao objetivo principal do trabalho, a aptidão física relacionada ao
desempenho motor, de praticantes regulares de skate, o desempenho motor mais
desenvolvido foi no componente força de membros inferiores, já que a modalidade
mais difundida do skate se realiza em obstáculos urbanos exige determinados
valores de força para execução dos saltos, e transposição de obstáculos. Seguidos
da agilidade, como componente importante o desempenho das tarefas inerentes a
prática. Podemos delinear algumas características marcantes dos praticantes de
skate nessa região. Com os resultados em parte negativos para a força de membros
superiores, velocidade de deslocamento e resistência aeróbica, indicando assim,
como suposto que não há uma organização na prática deste esporte, mesmo alguns
dos participantes do estudo já participarem de competições. Neste sentido se faz
necessário desenvolver essas capacidades físicas, as quais obtiveram os resultados
insatisfatórios, principalmente a resistência aeróbica, caso objetive-se buscar
melhores resultados no desempenho esportivo.
São reconhecidas as limitações do trabalho, como no que diz respeito ao
tamanho da amostra. Para compreender melhor o fenômeno do skate sugerem-se
novas pesquisas com mais sujeitos, com idades variadas para melhor traçar o perfil
de adeptos do skate na região do Cariri. Assim como ampliação de conhecimento
por parte dos profissionais de Educação Física sobre este esporte, o qual está em
franca expansão no Brasil. Outrossim, Os achados deste trabalho são considerados
importantes para servir como referência, com pesquisas com praticantes de skate
amadores tanto na cidade Juazeiro do Norte quanto em outras cidades com
praticantes de skate com características similares.
REFERÊNCIAS

ALVES, João Guilherme Bezerra. Atividade física em crianças: promovendo a saúde


do adulto. In: Rev. Bras. Saúde Mater. Infant., Recife, v. 3, n. 1, Mar. 2003.
Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-
38292003000100001&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 03 Jul. 2011.

ANDREASI, Viviane et al. Aptidão física associada às medidas antropométricas de


escolares do ensino fundamental. In: J. Pediatr. (Rio J.), Porto Alegre,
v.86, n.6, Dec. 2010. Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-
75572010000600009&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 24 Jun. 2011.

ARAUJO, Cora et al. Estado nutricional dos adolescentes e sua relação com
variáveis sociodemográficas: Pesquisa Nacional de Saúde do Escolar (PENSE),
2009. In: Ciênc. saúde coletiva, Rio de Janeiro, 2011. Disponível
em:<http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413812320100008
00012&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 03 Jul. 2011.

ARMBRUST, I., LAURO, F. O Skate e suas possibilidades educacionais.


doi:http://dx.doi.org/10.5016/1980-6574.2010v16n3p799. Motriz. Revista de
Educação Física. UNESP, América do Norte, 16, mai. 2010. Disponível em:
http://www.periodicos.rc.biblioteca.unesp.br/index.php/motriz/article/view/1980-
6574.2010v16n3p799. Acesso em: 05 Jul. 2011.

BANDEIRA, P.F.R crescimento físico, estado nutricional e desenvolvimento


motor de crianças com a infância vitimizada. Trabalho de conclusão de curso.
Apresentada ao Instituto Federal de Educação,Ciência e Tecnologia. Juazeiro do
Norte, 2010.

BERGMAN, G.G. crescimento somático, Aptidão física relacionada à Saúde e


estilo de vida de escolares de 10 a 14 anos: um estudo longitudinal. Dissertação
de Mestrado apresentada no programa de pós-graduação em ciência do movimento
humano da Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS.Porto Alegre,2006
disponível em:
http://www.proesp.ufrgs.br/proesp/images/stories/pdf/publicacoes/dissertacoes/berga
mnn.pdf> Acesso 20 de Mai,2011.

BITENCOURT, V; AMORIN, S. Skate.In: Da COSTA, Lamertine P. Atlas do Esporte


no Brasil: Atlas do esporte, educação física, atividades físicas de saúde e lazer no
Brasil. Rio de Janeiro: Shape, 2005. Disponível em:
<http://www.atlasesportebrasil.org.br/textos/113.pdf> Acesso 22 Jun,2011.

BOHME, M. Relações entre aptidão física, esporte e treinamento esportivo.


In: Revista Brasileira de Ciência e Movimento, América do Norte, 1125 04 2008.

BOJIKIAN, Luciana Perez et al .Relações entre crescimento, desempenho motor,


maturação biológica e idade cronológica em jovens do sexo masculino. In: Rev.
bras. Educ. Fís. Esp., São Paulo, v. 19, n. 2, jun. 2005. Disponível em
34

<http://www.revistasusp.sibi.usp.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1807
55092005000200006&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 02 Mai. 2011.

BORTONI, W. L.; BOJIKIAN, L. P. Crescimento e aptidão física em escolares do


sexo masculino, participantes de programa de iniciação esportiva. Brazilian Journal
of Biomotricity, Rio de Janeiro, v. 1, n. 4, p. 114-122, 2007. Disponível
em:http://brjb.com.br/files/brjb_23_1200712_id2.pdf acesso em 02 jul,2011.

BRASIL. Estatuto da Criança e do Adolescente. Lei nº 8.069 de 13 de julho de


1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras
providências. Brasília, DF, 1990.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de


Ações Programáticas Estratégicas. Marco teórico e referencial: saúde sexual e
saúde reprodutiva de adolescentes e jovens. Brasília: Editora do Ministério da
Saúde, 2006. Disponível em:
<http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/marco_teorico_referencial.pdf>.
Acesso em 20 Mai. 2011.

BRASIL, Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, Instituto Brasileiro de


Geografia e Estatística. Indicadores sociodemográficos e de saúde no Brasil
(2009).Disponívelem:http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/indic_socios
aude/2009/indicsaude.pdf Acesso em 06 jul 2011.

BRANDAO, Leonardo. Esportes de ação: notas para uma pesquisa acadêmica. Rev.
Bras. Ciênc. Esporte (Impr.), Porto Alegre, v. 32, n. 1, Sept. 2010 . Available
from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-
32892010000400005&lng=en&nrm=iso>. Access on 17 Aug. 2011.
http://dx.doi.org/10.1590/S0101-32892010000400005

CAPISTRANO, Richardson Dylsen de Souza ; BRAYNER, Paulo Rogério Pimentel ;


CARVALHO, L. N. ; SOUSA, Maria do Socorro Cirilo de . Somatomotor indicators
and fitness referenced to motor performance of young s participants of sports-social
project in municipality of Crato-CE. The FIEP Bulletin, v. 80, p. 197-201, 2010.
Disponível em: http://www.fiepbulletin.net/index.php/fiepbulletin/article/view/930/1795
Acesso: 16 Jul,2011.

CEARA, governo do estado do ceara, secretaria do esporte “Impulso no skate do


ceara” matéria,online disponível em: http://www.esporte.ce.gov.br/noticias/deu-na-
tribo-skate-o-impulso-do-skate-no-ceara/?searchterm=skate.acesso em 15 mai.2011.

CORRÊA, F.M.F; FIGUEIRA JUNIOR, A.J. e FERREIRA, M. Perfil de Aptidão


Física de Surfistas Profissionais Brasileiros. Anais do XV Encontro Mineiro de
Atividade Física, Poços de Caldas, 18, 1993

DUMITH, Samuel Carvalho et al . Aptidão física relacionada ao desempenho motor


em escolares de sete a 15 anos. In: Rev. bras. Educ. Fís. Esp., São Paulo, v. 24,
n. 1, mar. 2010. Disponível em
<http://www.revistasusp.sibi.usp.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1807
55092010000100001&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 14 Abr. 2011.
35

DUMITH, Samuel de Carvalho; AZEVEDO JUNIOR, Mario Renato; ROMBALDI,


Airton José. Aptidão física relacionada à saúde de alunos do ensino fundamental do
município de Rio Grande, RS, Brasil. In: Re v Bras Med
Esporte, Niteroi, v.14, n.5, out. 2008. Disponível em:
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1517-
86922008000500011&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 03 Jul. 2011.

FONSECA, F.; BELTRAME, T.; TKAC, C. Relação entre o nível de desenvolvimento


motor e variáveis do contexto de desenvolvimento de crianças - DOI. In: Revista da
Educação Física/UEM, Brasil, 19 out. 2008. Disponível em:
<http://periodicos.uem.br/ojs/index.php/RevEducFis/article/view/5548/3525>. Acesso
em 03 Jul. 2011.

GALLAHUE, D.L.; OZMUN, J.C. Compreendendo o Desenvolvimento Motor:


bebês, crianças, adolescentes e adultos. São Paulo: Phorte, 2005.

GAYA, A. PROESP- BR. Projeto Esporte Brasil: Indicadores de saúde e fatores de


prestação esportiva em crianças e jovens. Disponível em:
<www.proesp.ufrgs.br/institucional/PROESP-BR.pdf>. Acesso em 12 Mai. 2010.

GALLIANO, L. M. perfil de saúde, habilidades físicas e motoras, de sedentários


e skatistas, do sexo masculino, de 16 a 26 anos de idade, residentes no
município de santa cruz do sul - rs. Trabalho de conclusão de curso universidade
de Santa Cruz do Sul, UNISC 2009. Brasil.

GUEDES, Dartagnan Pinto. Implicações associadas ao acompanhamento do


desempenho motor de crianças e adolescentes. In: Rev. bras. Educ. Fís. Esp., São
Paulo, v. 21, n. esp., dez. 2007. Disponível em:
<http://www.revistasusp.sibi.usp.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1807
55092007000500005&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 13 jun. 2011.

GUEDES, D. P.; GUEDES, Jerp; BARBOSA, D. S.; OLIVEIRA, J. A. Atividade Física


Habitual e AptidaoFisica Relacionada a Saúde em Adolescentes. In:
RevBrasCienMov2002;10(1):1-21, 2002.

GUERRA, Sandra et al. Relação entre a atividade física regular e a agregação de


fatores de risco biológicos das doenças cardiovasculares em crianças e
adolescentes. In: Rev. Bras. Saúde Mater. Infant., Recife, v.3, n.1, mar. 2003.
Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-
38292003000100003&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 06 Jul. 2011.

HONORATO, T. Uma História do skate no Brasil: do lazer à esportivização. In: Anais


do XVII Encontro regional de História: o lugar da história. Campinas, Unicamp,
2004.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico:


2010[online]. Rio de Janeiro; 2010. Disponível em:
<http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/sinopse.pdf>.
Acesso em 30 Jun. 2011.
36

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia E Estatística. Censo 2010. Disponível em:


<http://www.censo2010.ibge.gov.br/dados_divulgados/index.php?uf=23>. Acesso em
28 Jun. 2011.

KREBS, Ruy Jornada et al. Desempenho motor e aptidão física em crianças. In:
Rev. Bras. Cineantropom. Desempenho Hum 2011, 13(2):94-99, 2011.

KREBS, R. J.; MACEDO, F. O. Desempenho da Aptidão Física de Crianças e


Adolescentes. Disponível em:<http:// www.efdeportes.com>. Acesso em 22 Abr.
2011.

LAURO, Flávio Antônio Ascânio; DANUCALOV, Marcello Árias Dias. O elemento


aventura no meio universitário: a formação acadêmica pelos esportes de prancha.
In: UVINHA, Ricardo Ricci (Org.). Turismo de aventura: reflexões e tendências. São
Paulo: Aleph, 2005. p. 103-136.

LOPES, Vítor P. Associação da proficiência motora com a actividade física e com a


obesidade em crianças. In: Actas do Seminário Internacional Desporto e Ciência.
Funchal: Universidade da Madeira, 2010. p. 1-13. Disponível em:
<http://hdl.handle.net/10198/3247>. Acesso em 29 Jun. 2011.

LORENZI, T., et al. Aptidão Física relacionada ao desempenho motor de crianças e


adolescentes do estado do Rio Grande do Sul. Revista Perfil. Ano IV, n. 7, p. 22-30,
2005. Disponível em:
http://www.proesp.ufrgs.br/proesp/images/stories/pdf/publicacoes/revista%20perfil/ap
tidao. Acesso 14 Mai. 2011

LOPES, Vítor P.; RODRIGUES, Luis P.; MAIA, J. A. R. A coordenação motora é


preditora dos níveis de actividade física habitual? In: Estudos em desenvolvimento
motor. Vol. II, 2009. p. 115-124. Disponível em: <http://hdl.handle.net/10198/2565>.
Acesso em 29 Jun. 2011.

MAIA, J. A. R.; LOPES, Vítor P.; MORAIS, F. P.; SILVA, R. G; SEABRA, A.


Variabilidade nos valores de aptidão física associada à saúde e da coordenação
motora: um estudo de modelação hierárquica. In: Desporto para crianças e jovens:
razões e finalidades. Rio Grande do Sul: UFRGS Editora, 2004. p. 507-550.

MALINA, R. M.; BOUCHARD, C. Atividade física do atleta jovem: do crescimento


à maturação. São Paulo: Roca, 2002.

MARRAMARCO, C. A. Relação entre o estado nutricional e o desempenho


motor de crianças do município de Farroupilha. Rio Grande do Sul, 2007.
Disponível em: <http://tede.udesc.br/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=1048>.
Acesso em 03 Jun. 2011.

_______.MARCONDES, Crescimento E Desenvolvimento. Universidade Católica


De Pelotas - curso de medicina disciplina de puericultura e semiologia pediátrica
disponível em
http://www.damedpel.com/cdd/4oano/ped/ped%20%202008%20%20atm%2010/08.1
37

.crescimento%20fisico%20-%20complemento.pdf consultado dia 10 de abril de


2011.

_______Fundamentos Pedagógicos para o programa segundo tempo. /


Organizado por Amauri Aparecido Bássoli de Oliveira e Gianna Lepre Perim. -
Brasília: Ministério dos Esportes; Porto Alegre:UFRGS, 2008. 296 p.; il. Disponível
em:
http://www.juazeiro.ce.gov.br/secretarias/seju/paginas_site/download/fundamentospe
dagogicospst.pdf#page=283 acesso: 20 jun.2011

NOBRE, F. S. S. ; KREBS, Ruy Jornada .Características de desempenho motor de


adolescentes de hábitos de lazer fisicamente ativo e sedentário.In: XV Congresso
Brasileiro de Ciências do Esporte e II Congresso Internacional de Ciências do
Esporte, 2007, Recife. Disponível em: <http://www.cbce.org.br/cd/resumos/005.pdf>.
Acesso em 02 Jun. 2011.

RONQUE, E. R. V. Crescimento Físico e Aptidão Física Relacionada à Saúde


em Escolares de Alto Nível Socioeconômico. Dissertação de Mestrado em
Educação Física, Faculdade de Educação Física. Campinas, SP: Universidade
Estadual de Campinas, 2003.

SILVA, Simonete; BEUNEN, Gaston; MAIA, José. Valores normativos do


desempenho motor de crianças e adolescentes: o estudo longitudinal-misto do
Cariri. In: Rev. bras. educ. fís. esporte. São Paulo, v. 25, n. 1, mar. 2011.
Disponível em: <http://homolog.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1807-
55092011000100011&lng=pt&nrm=iso>. Acesso em 24 Jun. 2011.

SILVA, Simonete Pereira da et al . Aptidão cardiorrespiratória e composição corporal


em crianças e adolescentes. Motriz: rev. educ. fis. (Online), Rio Claro, v. 16, n.
3, Sept. 2010. Available from
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S198065742010000300014&
lng=en&nrm=iso>. Access on 15 Jul. 2011.
http://dx.doi.org/http://dx.doi.org/10.5016/1980-6574.2010v16n3p664.

SILVA, R. E. Contribuição da força e potência dos membros inferiores na


performance da manobra Ollie do skate. Trabalho de conclusão. Curso de
Educação Física. Universidade do Vale do Rio dos Sinos, 2006. Disponível em:
http://www.cienciadoskate.com/paper/0159.pdf acesso em 02 Mar. 2011.

TAVARES, Jousilene de Sales et al . Padrão de atividade física entre gestantes


atendidas pela estratégia saúde da família de Campina Grande - PB. In: Rev. bras.
epidemiol., São Paulo, v. 12, n. 1, Mar. 2009. Disponível em:
<http://www.scielosp.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-
790X2009000100002&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 19 Jun. 2011.

TOTO, R. os sentidos do futebol espetáculo para estudantes de distintas


classes sociais. Dissertação de mestrado – universidade metodista de São Paulo,
Faculdade de Educação e Letras, curso de pós-graduação mestrado em educação.
São Bernardo do campo,2007.Disponível em:
38

http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/diaadia/diadia/arquivos/File/conteudo/artigos_t
eses/EDUCACAO_FISICA/dissertacao/Rogerio_Toto.pdf Acesso em 10 Jul,2011.

.
39

ANEXOS
40

ANEXO A

FICHA DE COLETA DE DADOS


NOME______________________________________________________________

DATANASC___/____/_____ DATA
AVALIAÇAO___/____/_____
AVALIADOR_______________________________________
DADOS ANTROPOMETRICOS
1º TENTATIVA 2º TENTATIVA
ESTATURA
DOBRA TRICIPTAL
DOBRA SUBESCAPULAR
PESO

TESTES DE APTIDAO FISICA. (PROESP – BRASIL.)


TENTATIVAS 1º 2º
AGILIDADE(seg)
MEDCINEBALL(cm)
SALTO HORIZONTAL(cm)

CORRIDA 20 METROS(seg)

TESTE CORRIDA 9
MINUTOS:

OBSERVAÇOES
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
___________________________________________________________________
41

ANEXO B

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará


Campus Juazeiro do Norte - CE
Departamento de Ensino e Pesquisa Coordenação do Curso de
Licenciatura Em Educação Física

TERMO DE CONSENTIMENTO LIVRE E Título: PERFIL MORFO-FUNCIONAL DE


ESCLARECIDO - TCLE SKATISTAS DE 11 A 14 ANOS DE
JUAZEIRO DO NORTE – CE.
Orientador Prof. Esp. Hudday Mendes da Silva
Pesquisador Responsável Paulo Tiago Oliveira Alves

Esta pesquisa intitula-se “PERFIL MORFO-FUNCIONAL DE SKATISTAS DE 11


A 14 ANOS DE JUAZEIRO DO NORTE – CE”. Sendo desenvolvida por Paulo Tiago
Oliveira Alves, sob a orientação do professor Prof. Esp. Hudday Mendes da Silva do curso
de Licenciatura em Educação Física do IFCE – Campus Juazeiro do Norte.
O objetivo do estudo é analisar as características dos aspectos morfológicos, coordenação
motora, aptidão física em skatistas de 11 a 14 anos do município de juazeiro do norte - CE.
A finalidade deste trabalho é contribuir para o desenvolvimento científico da área
identificando os níveis de aptidão física relacionada ao desempenho motor e aspectos
morfológicos da amostra a ser estudada. A sua participação na pesquisa é voluntária e,
portanto, o(a) senhor(a) não é obrigado(a) a autorizar e/ou colaborar com as atividades
solicitadas pelos pesquisadores. Caso não queira participar do estudo, ou resolver a
qualquer momento desistir do mesmo, não sofrerá nenhuma penalização.
As informações coletadas nesta pesquisa serão utilizadas única e exclusivamente com o
propósito acadêmico-científicas, portanto os dados sofrerão tratamento estatístico, não
sendo divulgado nenhum dado particular, nome, logomarca ou elemento que identifique a
empresa ou o indivíduo participante.
Para coleta dos dados serão utilizados testes de aptidão física relacionado ao
desempenho com base nos testes do PROESP – BR(2007). E os resultados serão
apresentados aos responsáveis pelos adolescentes da pesquisa.

Diante do exposto eu ________________________________________, declaro que fui


devidamente esclarecido (a) e dou o meu consentimento para participar da pesquisa e
publicação dos resultados.
Juazeiro do Norte, ____/____/2011

_________________________________________
Assinatura do responsável legal.