Você está na página 1de 18

www.cliqueapostilas.com.

br

Teoria Musical
Capítulo 1
Por: Sérgio Nardes
www.cliqueapostilas.com.br

1: O que é o som?
Na disciplina da Física denominada Acústica, estudamos que o som é produzido
sempre por um processo mecânico e que precisa de matéria para se propagar.
O som não se propaga no vácuo. No ar - que é um complexo de vários gases,
não nos esqueçamos disso - o som se propaga a uma velocidade de 340
metros por segundo. Em outros meios, como a água ou algum sólido, como
metais, madeira ou outro material sintético, essa velocidade de propagação é
diferente. Peguemos como exemplo do que quero demonstrar o som produzido
pelas nossas pregas vocais; o ar, pressionado pelos músculos do nosso corpo,
é empurrado por entre as pregas e conforme o controle que exercemos sobre
a espessura, tensão e resiliência dessas membranas, obtemos variedade de
diferentes timbres, de diferentes “matizes“ sonoras; a interação mecânica
entre o ar sob pressão muscular e as infinitas formatações de nossas duas
membranas é que produz a nossa voz, nossos diferentes timbres, nossa
entonação. Mas como é que o som produzido pela interação mecânica sai do
meu aparelho fonador e chega até os ouvidos do meu aluno? Que mágica é
essa que leva, que carrega essa interação mecânica de um lugar até outro
no espaço? Escrevi aqui em cima que o ar é um composto de vários gases, e
mesmo que não os vejamos, evidentementeeles estão aqui entre nós e dentro
de nós, entrando, transformando-se e saindo.
A unidade básica da constituição de um gás é a molécula, não é? então imagine
uma molécula de gás dentro da sua laringe, que é onde ficam as suas pregas
vocais. Imagine essa molécula – como se ela fosse uma pequena bolinha - aí
dentro paradinha, encostada nas suas membranas. Daí a membrana vibra
e durante essa vibração ela encosta na molécula e a contamina com essa
vibração! A molécula agora não está mais parada, porque pegou, assim que
nem se pega gripe, ela pegou a vibração da membrana, e como ela agora está
vibrando, esse movimento vibratório passa também para a bolinha-moléculado
lado que por sua vez passa para outra que passa para outra e outra, até que
essa vibração alcance o ouvido da outra pessoa. O ouvido é um órgão que se
especializou em perceber, em sentir e decodificar essas vibrações moleculares,
mas isso é outra história. No vácuo não tem gás, e é por isso que o som não se
propaga. Se existe algo no vácuo ou se o vácuo é um lugar de não existência eu
não sei, mas sem ar, caro leitor, sem som!
www.cliqueapostilas.com.br

2: Frequência sonora
Agora tu já sabes que o som se propaga no ar por meio da vibração das
moléculas, vibração essa causada por uma interação mecânica. Vamos nos
deter um pouco mais nessa vibração e pensar a respeito. Como é que se mede
uma vibração? Um cientista chamado Hertz resolveu o problema pra gente;
conforme a quantidade de vezes que uma vibração ocorrer por segundo, as
classificamos em graves ou agudas. Quanto mais vibração por segundo, mais
agudo e quanto menos vibração por segundo, mais grave. Explicar essas coisas
no papel é sempre difícil, entãovou usar algumas analogias que, espero, ajudem
a compreensão. Nas aulas de teoria para crianças costumo mostrar a voz da
vaca como exemplo de som grave e a voz do passarinho como exemplo de voz
aguda, mas isso não explica o que é o grave e o que é o agudo, e fazendo isso
estou apenas dando exemplos e não conceituando o que são essas palavras e
que significados elas contêm. Algumas analogias sobre o grave;
Imagine aquele som de apito de navio, sabes, ou a voz do Tropeço, aquele
mordomo da Família Adams, ou tente produzir com a sua voz o som mais grave
que conseguires. Quanto mais grave o som, mais tu vais conseguir identificar,
ouvir mesmo, as freqüências “batendo”. Pense num motor de caminhão, em
marcha lenta, em ponto morto; a vibração é lenta e dá pra imitar com a boca.
Quando o caminhão anda, o que acontece quando o motorista acelera? A
rotação aumenta e a vibração fica mais rápida, por isso que temos aquele som
tão característico do barulho do motor trocando de marcha e acelerando; é a
velocidade das freqüências que está aumentando – porque os pistões do motor
estão se movimentando cada vez mais rápido - de modo que parece que se
continuarmos acelerando e não trocarmos de marcha - o que faz a rotação do
motor diminuir novamente – o som vai ficar tão agudo que o motor vai explodir.
Por outro lado, quanto mais grave, menos vibração por segundo, até que chega
num ponto em que conseguimos quase que contar as vibrações. Sonoramente,
essa vibração tão lenta nos dá uma sensação de rugosidade, de irregularidade
de relevo, de esfarelamento. Agora algumas analogias sobre o agudo;
Pensemos num violino tocando uma nota muito aguda, ou num passarinho
cantando, ou mesmo numa destas pessoas que assoviam muito agudo. A
vibração destes sons é tão rápida que não conseguimos contá-la. Na verdade
não conseguimos sequer identificá-la, de tão rápida que ela é. A segunda corda
do violino vibra 220 vezes por segundo, e por ser tão rápida essa vibração,
temos a impressão dos sons agudos de que eles são lisos e sem rugosidade,
sem desníveis, aquosos, vítreos, limpos, transparentes.
www.cliqueapostilas.com.br

Sabe telha de Brasilit? Ela tem um formato de onda, não é? Sobe e desce, sobe
e desce. Assim dá pra encaixar uma na outra e a água se escorre pelas partes
mais baixas. A vibração sonora se propaga num desenho parecido com o da
telha essa, fazendo o sobe e desce enquanto vai de uma molécula para outra,
lembras? Pois é, como eu ia escrevendo ali em cima, quanto mais grave o som,
quanto mais lentamente a vibração ocorre, mais longo vai ser esse movimento
de sobre e desce, de modo a que se fôssemos desenhar essas ondas conforme
o som que ouvíssemos, o som grave da voz da vaca seria ondas altas e baixas,
assim:

Mas se quiséssemos desenhar o movimento das ondas do som de um pássaro


cantando, sabendo que sons agudos, de alta frequência vibram muito
rapidamente, teríamos um desenho assim:

Uma confusão muito freqüente é a do agudo com o alto e do grave com o baixo,
então vamos esclarecer isso para que ninguém saia por aí falando bobagens.
Quanto mais rápida a ondulação da onda, já sabemos que o som será mais
AGUDO, assim como quanto mais lenta for a ondulação dessa onda, o som será
mais GRAVE. O alto e o baixotratam do volume. Um passarinho cantando na
tua janela está cantando agudo e o volume da cantoria dele é que está alto,
afinal o bicho está quase em cima da tua cama! Mas se ele estiver lá do outro
lado da rua, ele continuará cantando agudo – afinal, o passarinho é o mesmo,
com a mesma voz aguda de passarinho - mas o volume vai ser mais baixo,
www.cliqueapostilas.com.br

entendeu? Isso acontece porque a distância que a vibração tem que percorrer
é maior e a quantidade de moléculas que a vibração da garganta do penoso
tem que contaminar é muito maior se ele estiver longe do que se ele estiver
cantando perto de ti. Do mesmo modo, uma vaca mugindo longe continuará
com a sua voz grave de vaca só que com o volume baixo, enquanto que se ela
estiver mugindo na tua janela, certamente, além de alto no volume, o teu sono
vai ficar comprometido...muuuuuuu.Que fique claro pra ti então que som agudo
vibra muitas vezes por segundo. Por sua vez, som grave vibra, ondula menos
vezes por segundo.Tu podes pensar quea freqüência grave é mais pesada e a
freqüência aguda é mais leve; o grave é lento e o agudo é rápido.

3: Cromatismo

DO# RE# FA# SOL# LA#

DO RE MI FA SOL LA SI DO

REb MIb SOLb LAb SIb

Olhe o exemplo acima e pense comigo. Vamos supor que o primeiro Dó que
vemos no lado esquerdo vibra 700 vezes por segundo. Quantas vezes vai vibrar
o outro Dó, o último da direita? Resposta = 1400 vezes por segundo! As notas
como as separamos, como as dividimos,nós o fazemos pela quantidade de
vezes em que elas vibram por segundo. Na música ocidental, modernamente,
entre uma nota - uma determinada freqüência – e o seu dobro ou sua metade,
existem doze divisões, daí afirmarmos que existem 12 notas. A este conjunto
de 12 notas chamamos cromatismo. Ele é essa tabelinha aí em cima. Daqui
para frente vamos estudar algumas ferramentas, alguns operadores que são
usados para nos movermos dentro desse cromatismo.
www.cliqueapostilas.com.br

4: Operadores de distância
Os operadores de distância nos dizem o quanto que estamos nos movendo. O
nosso primeiro operador é o semitom. Semitom é a menor distância possível
entre duas notas, dentro do cromatismo. Qualquer nota imediatamente vizinha
uma da outra no cromatismo tem um semitom de distância uma da outra. Um
macete para decorar o conceito é pensar que andar um semitom é sempre
andar 1 casinha.
Nosso segundo operador de distância é o tom. Tom é a menor distância
possível entre duas notas, dentro do cromatismo, mas admitindo, porém, 1 nota
intermediaria. Usei para escrever o numeral 1 e não a palavra “uma” porque é
só uma (1!) nota que cabe intermediariamente mesmo (!) um macete para este
conceito é pensares que andar um tom é sempre pular 1 casa.

5: Operadores de sentido
Os operadores de sentido nos dizem para qual lado estamos nos movendo
no cromatismo; se para a esquerda – para o grave – ou se para a direita
– para o agudo. Temos dois operadoresdesentido. O primeiro é o sustenido,
representado por este símbolo#. O # tem uma só função que é a de elevar a
altura da nota em um semitom. Não importa em que nota do cromatismo eu
estiver, sempre que eu colocar um # na nota, ela sobe – vai para a direita, para
o agudo, um semitom.
O segundo operador de distância é o bemol, que é representado pela letra b
sempre escrita em minúscula, não se esqueça. A letra b em maiúscula tem,
em música, outro significado. Nas partituras essa letra b em minúscula pode
ter a barriguinha pontuda, para não ser confundida com uma nota musical. A
função do bemol é o contrario da função do sinal #. O bemol desce a altura
da nota em 1 semitom. Não interessa em que nota tu estejas, se colocares um
bemol nela, ela desce um semitom. Lembras que um semitom é uma casinha
do lado?.. Agora que já vimos os dois operadores, de distância e de sentido,
vamos começar a parte divertida.
www.cliqueapostilas.com.br

6: Escalas maiores
O que é uma escala? Uma escala é uma sucessão de notas- de degraus -dentro
do cromatismo, entre uma nota dada e o seu dobro ou sua metade. Menos do
que isso chamaremos aqui de trecho de escala, segmento de escala. Deixe-me
dar um exemplo de escala

do – re – mi – fa# - sol# - la# - do


Vejamos agora se ela preenche o nosso conceito de escala. A primeira nota
tem metade das vibrações, metade das freqüências da última? Sim, porque a
primeira e a última nota tem uma relação de dobro e metade, e lembre que nós
já sabemos que quando dobramos a quantidade de vibrações de uma nota,
chegamos nela mesma só que mais aguda. É uma sucessão de notas? Sim, mas
qual é o padrão de distância que esta sucessão de notas, que esta escala tem?
Se olhares no cromatismo, verás que ela tem um padrão de distância de um tom
entre todas as notas, entre todos os graus. Podemos inferir disso que dá para
montar uma escala que preencha nosso conceito se o fizermos sempre com um
tom entre cada um dos seus graus. Na música ocidental existem duas escalas
que mais do que as outras são importantes para o nosso estudo de teoria e é
delas que vamos tratar primeiro. A primeira é a escala maior. Esta escala tem
7 graus, sendo que o oitavo é o primeiro novamente, depois dea escala estar
completa. Vem da quantidade de graus desta escala a expressão oitava acima
ou oitava abaixo. Mas é importante ter em mente que a oitava nem sempre será o
dobro da nota. Na escala por tons do exemplo anterior, o primeiro grau aparece
novamente no sétimo grau e não no oitavo. Tudo depende da quantidade de
graus que nossa escala tiver, porque conforme o padrão de distância entre
os graus, nossa escala vai ter mais ou menos graus. Vamos então ver agora a
regra de formação de escalas maiores.

1 2 3 4 5 6 7 8

1 1 1 1 1 1 1
T T ST T T T ST
T: tom
ST: semitom
www.cliqueapostilas.com.br

Veja que nesta escala temos os dois operadores de distância, o semitom e o


tom. Temos semitom entre os 3 e 4 graus e entre os 7 e 8 graus. Entre todos os
outros temos tom.Esteé um modo bem rápido de decorar esta regra.
Vamos ver como fica a escala de Do maior

do – re – mi – fa - sol - la - si - do

6.1: Escalas maiores


com sustenido (quintas)
Agora vamos pegar o 5 grau da escala de Dó – que é Sol, certo? - e transformar
ele no primeiro de uma nova escala e aplicar toda a regra novamente;

Sol - La - si - Do - re - mi - fa# - sol


Note que para obedecer o que a regra pede do sexto para o sétimo grau, em
vez de usar a notaFa, eu precisei usar o Fa#. Isso acontece porque do Mi para
o Fá tem apenas um semitom mas eu precisava para seguir a regra, do sexto
para o sétimo grau, de um tom. Como eu sei que o # eleva a altura da nota
em um semitom, tasquei o # no Fá e ele foi para frente – para a direita, para o
agudo, uma casinha, um semitom, e assim eu consegui a distância que a regra
me pedia. Que difíííícil, né?.. Vamos seguir pegando o quinto grau desta escala
que terminamose usar ele como o primeiro da próxima escala. Usando essa
regra nossa próxima será a de Re maior, certo?

Re - mi - fa# - sol - La - si - Do# - re


Dessa vez, para seguir a regra, foi preciso usar o mesmo expediente entre o
segundo e o terceiro graus e novamente entre o sexto e o sétimo graus. Seguindo
esse sistema de pegar sempre o quinto grau da escala que acabarmos, vamos
ter uma tabela assim – vou fazer novamente as três que já foram feitas para
ficar completo;

Do - re - mi - fa -sol - La - si - Do
Sol - La - si - Do - re - mi - fa# - sol
Re - mi - fa# - sol - La - si - Do# - re
La - si - Do# - re - mi - fa# - sol# - La
www.cliqueapostilas.com.br

Mi - fa# - sol# - La - si - Do# - re# - mi


Si - Do# - re# - mi - fa# - sol# - La# - si
Fa# - sol# - La# - si - Do# - re# - mi# - fa#
Do# - re# - mi# - fa# - sol# - La# - si# - Do#
Quando chegamos na escala de Do# maior, completamos o ciclo das quintas.
Pense assim, Dó não tem nenhum #, então, por quintas, vamos acrescentando
# nas escalas até que em Do# maior todos os graus são sustenidos para que a
regra seja seguida.

6.2: Escalas maiores


com bemol (quartas)
Voltemos a Do maior, aquela escala que não tem nenhum acidente – nenhum
sustenido e nenhum bemol - lembras? Agora, em vez de ir por quintas, vamos
por quartas. Vou fazer a de Do maior novamente.

Do - re - mi - fa - sol - La - si - Do
Agora, qual é o quarto grau da escala de dó? Fá! Vamos fazer;

Fa - sol - La - sib - Do - re - mi - fa
Olhe lá no cromatismo e veja que do terceiro para o quarto grau a regra nos
pede um semitom – a menor distância possível entre duas notas, lembra? – mas
do Lá – que aqui é o terceiro grau da escala - para o Si tem um tom, ora! E
quando precisamos voltar uma casa no cromatismo, quando precisamos voltar,
descer uma casa, usamos o bemol, daí é que vamos do Lá até o Sib - casinha do
lado - e assim seguimos a regra. Falando em Sib, não é que ele é justamente o
quarto grau da escala que acabamos de fazer? Então ele será o primeiro grau
da nossa próxima escala.

Sib - Do - re - mib - fa - sol - La - sib


Agora, novamente, do terceiro para o quarto grau precisamos de um semitom, mas
do Re para o Mi temos um tom; novamente precisamos de uma distância menor do
que aquela que as notas naturais – sem acidentes- nos dão. Ora, se estamos em
Re e precisamos subir um semitom, é casinha do lado nele e pá! Paramos no Mib.
www.cliqueapostilas.com.br

E ele é o nosso quarto grau, e o nosso primeiro da próxima escala.

Mib - fa - sol - Lab - sib - Do - re - mib


Aconteceu um fenômeno novo nas nossas escalas. Do terceiro para o quarto
grau, precisamos de um semitom, então, do Sol, subindo um semitom, paramos
em Lab, certo? Daí, do Lab, para subir um tom, paramos onde? Se estamos em Lab
e precisamos subir um tom, pulamos a casa do La natural e paramos no Sib. Vou
fazer todas agora, e assim como nas escala com sustenido vou fazer novamente
as primeiras, para que tu tenhas toda a tabelinha. Professor bonzinho sou eu...

Do - re - mi - fa - sol - La - si - Do
Fa - sol - La - sib - Do - re - mi - fa
Sib - Do - re - mib - fa - sol - La - sib
Mib - fa - sol - Lab - sib - Do - re - mib
Lab - sib - Do- Reb - mib - fa - sol - lab
Reb - mib - fa - Solb - lab - sib - Do - Reb
Solb - lab - sib - Dob - Reb - mib - fa - Solb
Dob - Reb - mib - Fab - Solb - lab - sib - Dob.

7: Escalas menores
(modo primitivo)
A escala menor também tem sete graus, exatamente como a escala maior e
também tem padrão de semitom e de tom. Lembras que na escala maior o
semitom aparece em dois lugares? Entre o terceiro e o quarto graus e entre o
sétimo e oitavo. A diferença entre a escala maior e a que vamos estudar agora
é que os semitons estão em outros lugares, entre outros graus. Continuam
acontecendo em dois lugares assim como a escala maior, mas entre graus
diferentes.

1 2 3 4 5 6 7 8

1 1 1 1 1 1 1
T: tom
T ST T T ST T T
ST: semitom
www.cliqueapostilas.com.br

Não é verdade o que eu disse? Onde estão os semitons na escala menor? Entre
os segundo e terceiro e entre os quinto e sexto graus. De resto, é tudo igual ao
que fizemos nas escalas maiores. Vamos fazer a de La menor;

La - si - Do - re - mi - fa - sol - La
Deixe-me explicar uma coisa que pode estar confusa pra ti. Porque é que a
primeira escala MAIOR que eu fiz foi a de Dó? E por que a primeira escala
MENOR que estou fazendo agora é a de Lá? A resposta para as duas
perguntitas é a mesma. É porque na escala maior a de Dó é a que não tem
nenhum acidente, nenhum # e nenhum b assim como na escala menor a de Lá
é a que não tem, igualmente, nenhum # e nenhum b. Neste sistema de ensino
de teoria musicalparto das escalas que não têm nenhum acidente, sejam eles #
ou b e vou aumentando um de cada vez. Partindo dessas escalas que não têm
acidentes (Dó para as escalas maiores e Lá para as escalas menores) indo por
quintas nós aumentamos a quantidade de # e indo por quartas nós aumentamos
a quantidade de b. Tem gente que confunde a idéia de # e b com a idéia de maior
e menor, mas funciona assim, podemos ter escalas maiores com sustenidos e
com bemóis e podemos igualmente ter escalas menores com sustenidos e com
bemóis. Vamos voltar para a escala de Lá menor.

7.1: Escalas menores


com sustenido (quintas)
Qual é o quinto grau de La menor? Muito bem, Flipper! É Mi! Vamos adentrar
novamente nos ciclo das quintas...

Mi - fa# - sol - La - si - Do - re - mi
Tu vês que o caso de precisarmos de um tom quando as notas naturais (sem
acidentes) nos oferecem apenas um semitom aconteceu novamente; do Mi para
o Fá temos um semitom, mas a regra nos pede que do segundo para o terceiro
grau tenhamos um tom (lembre que estamos falando de escalas menores, viu?)
então, assim como fizemos antes, lá nas escalas maiores, vamos do Mi para o
Fa# para que a regra seja cumprida. E falando em cumprir a regra, qual é mesmo
o quinto grau da escala que acabamos de acabar?, ein?, ein? Isso aí, Si.

Si - Do# - re - mi - fa# - sol - La - si


www.cliqueapostilas.com.br

Olha a regra ali, ó! Do primeiro para o segundo grau precisamos de um tom,


não é? Mas do Si para o Do temos um semitom, então, lembrando que tom é
quando pulamos uma casa, deSi, pulando uma casinha chegamos em Do#
e assim seguimos a regra corretamente e ficamos faceiros. Vou fazer as
outras, seguindo por quintas e,assim como fiz com as escalas maiores, copiar
novamente as que já fiz, para que tu tenhas toda a tabela para o teu estudo.

La - si - Do - re - mi - fa - sol- La
Mi - fa# - sol - La - si - Do - re - mi
Si - Do# - re - mi - fa# - sol - La - si
Fa# - sol# - La - si - Do# - re - mi - fa#
Do# - re# - mi - fa# - sol# - La - si - Do#
Sol# - La# - si - Do# - re# - mi - fa# - sol#
Re# - mi# - fa# - sol# - La# - si - Do# - re#
La# - si# - Do# - re# - mi# - fa# - sol# - La#

7.2: Escalas menores


com bemol (quartas)
Pois é, como tu já deves estar imaginando, agora voltarei para a escala de Lá
menor – que não tem nenhum # e nenhum bemol – e vou pegar o seu quarto
grau, que nem que nós já fizêmu. O quarto grau de Lá menor é Re.

Re - mi - fa - sol - La - sib - Do - re
Vamos ver; do segundo para o terceiro grau nós precisamos de um semitom,
e realmente, do Mi para o Fa nós já temos um semitom, então até aí está tudo
certo sem que precisemos fazer cálculos e sem que precisemos usar o # ou o
b. Mas vamos para o quinto grau; é La, correto? Do quinto para o sexto grau,
numa escala menor, precisamos de um semitom, mas do Lá, que é o nosso
quinto grau aqui, para o Si, temos um tom! É mais do que precisamos...E então,
quando precisamos voltar uma casa, qual é o sinal que usamos? Exatamente, o
b. DeLá para o Sib temos um semitom, que é o que a regra nos pede. Vou seguir
por quartas, construindo toda a tabela pra ti, de mão beijada.
www.cliqueapostilas.com.br

La - si - do - re - mi - fa - sol - La
Re - mi - fa - sol - La - sib - do - re
Sol - La - sib - do - re - mib - fa - sol
Do - re - mib - fa - sol - lab - sib - do
Fa - sol - lab - sib - do - Reb - mib - fa
Sib - do - Reb - mib - fa - Solb - lab - sib
Mib - fa - Solb - lab - sib - Dob- Reb - mib
Lab - Sib - Dob - Reb - mib - Fab - Sob - lab

7.3: Escalas relativas


Escalas são relativas umas com as outras na medida em que possuírem notas
em comum. Veja a escala de Mi Maior;

Mi - Fa# - Sol# - La - Si - Do# - Re# - Mi


e compare com a de Do# Menor,

Do# - Re# - Mi - Fa# - Sol# - La - Si - Do#


Elas têm exatamente as mesmas notas, o que muda de uma para a outra é a
nota que escolhemos para ser o primeiro grau. Vamos enunciar nossa regra.
Dada uma escala MAIOR qualquer, obtemos a sua relativa menor no sexto
grau. Olhem e vejam como é bem assim que aconteceu na escala de Mi; o Do#
é o sexto grau, não é? Não tem complicação, para saber a relativamenor de
qualquer escala MAIOR, é só achar o sexto grau desta escala – escala maior é
aquela que do quinto para o sexto precisa de um tom, lembra?
Tá, mas e se tivermos uma escala menor, como achamos a sua escala relativa
maior? Vamos para a regra novamente.
Dada uma escala MENOR qualquer, obtemos a sua relativa maior no terceiro
grau. Lógico! Ainda pensando no exemplo da escala de Mi Maior e da de Do#
Menor, Mi é o terceiro grau da escala de Do# Menor. Sabe a regra de formação
de escalas menores? Lembras que entre o segundo e o terceiro grau tem um
semitom? Pois é, esse terceiro grau é a nossa relativa maior.
www.cliqueapostilas.com.br

8: Acordes
Seguido eu ouço alguém que toca violão dizer assim “essa música tem poucas
notas” ou então “quais são as notas daquela música” ou ainda “qual é o nome
dessa nota que tu fez aí no violão?” na verdade, essas pessoas estão dando
um nome errado para o que corretamente chamamos de acorde. Uma nota é
um único som, e já sabemos que existem, na música ocidental 12 deles, cada
um com o seu nome. Para testar o conhecimento musical de alguém, costumo
perguntar quantas notas existem, e invariavelmente me respondem coisas
como é infinito, ou não sei quantas ou ainda umas duzentas... mas, caro leitor,
sabemos que são apenas 12. Um acorde é a execução simultânea de 3 ou mais
dessas notas – uníssonos e oitavas não contam. Sabendo disso, podemos dizer
que instrumentos como o piano e o violão, o xilofone, a harpa, o acordeon, o
cavaquinho, que todos eles conseguem fazer acordes, certo? Pois todos eles
podem fazer soar 3 ou até mais sons ao mesmo tempo. Mas, e um instrumento
como a flauta, ela então não pode fazer acordes já que só consegue tocar
uma nota de cada vez, não é? Pois é, ao mesmo tempo não tem como mesmo,
mas instrumentos melódicos – é assim que chamamos instrumentos que só
tocam um som de cada vez – podem tocar uma de maneira a que podemos
reconhecer o acorde. Não é, reconheço, literalmente simultâneo, mas uma
flauta harpejando um acorde é muito diferente de uma flauta simplesmente
tocando, sem contexto, uma nota depois da outra. Voltaremos nesta questão
mais adiante.
Um acorde perfeito é formado pelos primeiro, terceiro e quinto graus da sua
respectiva escala, simples assim. Qualquer outro grau de escala - ou de fora dela
– torna o acorde imperfeito. Vamos montar o acorde de Sol maior. Importante
salientar! De escalas Maiores tiramos acordes Maiores, então vamos lembrar a
escala de Sol Maior;

Sol - La - si - do - re - mi - fa# - sol


O primeiro, evidentemente, é o próprio Sol, o terceiro é Si e o quinto é Re. Fica
assim

SOL - SI - RE
Complicado, isso....
www.cliqueapostilas.com.br

E se fosse o acorde de Sol Menor? De escalas Menores tiramos acordes


Menores. Vamos ver a escala de Sol Menor;

Sol - La - Sib - Do - Re - Mib - Fa - Sol


O primeiro neste caso é Sol, né?, o terceiro é Sib e o quinto é Re.

SOL - Sib - RE
Vamos pensar um pouco sobre esse negócio de acordes. O acorde de dó
maior é formado por dó-mi-sol, não é? Por quê? Porque para formá-lo nós
fomos ali na escala de dó Maior e olhamos quis eram os primeiro, terceiro e
quinto graus dela, como nos ensinou a regra de formação de acordes perfeitos.
Mas e se for mi-do-sol, continua sendo o mesmo acorde? Sim! Lembra da regra
da multiplicação que postula que a ordem dos fatores não altera o produto? A
ordem na qual as notas aparecem não muda o nome do acorde (pelo memos
não agora...), portanto do-mi-sol é o mesmo acorde que mi-sol-do e também
que sol-do-mi. Em teoria musical chamamos isso de inversão de acordes;
Quando a nota que dá nome ao acorde é a mais grave, a que está mais embaixo,
dizemos que o acorde está em estado fundamental. É o caso mais comum;do-
mi-sol, bem como a regra enuncia;
Depois, quando o terceiro grau é que está em baixo, como nota mais grave,
dizemos que é a primeira inversão. Olha só; mi-sol-do. Tá vendo o terceiro grau
como nota mais grave do acorde?
Por último mas não menos importante, a segunda inversão que, como já deu
pra perceber, é o quinto grau do acorde como nota mais grave; sol-do-mi.

9: Formação de tonalidades
Quando falamos em tom estamos sempre querendo especificar, além da altura,
algum modo, ou o Maior ou o Menor. Então posso perguntar, quais são as notas
do tom de Sib Maior? Daí, para responder essa questão tu vais na tabela de
escalas Maiores e procura pela de Sib Maior ( na verdade tu tem mesmo é
que decorar a regra e fazer as escalas de cor, né, meu?). Se eu quiser que
tu formes o acorde de Sib Maior, tu olhas nesta escala e pega o primeiro e
o terceiro e o quinto grau para formar o acorde para mim. Sofisticando um
pouco nossa percepção de tonalidade, podemos entender que o tom de Sib
inclui todas as combinações possíveis entre as notas que fazem parte da sua
escala. Vou seguir com a explicação, mas vou voltar para o tom de Dó Maior,
www.cliqueapostilas.com.br

para mantermos aquela idéia de começar cada conteúdo pelas escalas que têm
menos acidentes e depois ir acrescentando, um a um, os acidentes, sustenidos
por quinta e bemois por quarta.
Pequemos a escala de do Maior

Do – re – mi – fa – sol – La – si – do
Cada tonalidade, assim como tem sete graus – cada um uma nota- também tem
sete acordes. Vamos montar a regra e seguimos explicando;

1 2 3 4 5 6 7
Maior menor menor Maior Maior menor menor
5°diminuta

Para que ninguém se assuste, vamos analisar esta nova regra por pedaços
beeeeem pequenos. Antes de tudo, cada grau agora é um acorde e não mais
uma nota isolada, então nossa tonalidade tem sete acordes, sete graus – vou
chamá-los de graus daqui para frente, mas sempre lembre que são acordes
e não notas isoladas, certo? Não se preocupe que quando eu quiser falar em
notas sozinhas, eu aviso (um riso)!
Cada grau é um acorde, muito bem, muito bem. Embaixo de cada grau está
escrito Maior ou então está escrito menor. Reparaste que Maior eu escrevi
com letra maiúscula e menor escrevi com minúscula? Foi de propósito, viu?
Em Teoria Musical escrevemos normalmente Maior em maiúscula e menor
em minúscula. Voltaremos nessa questão ainda. Seguindo... vamos montar a
tonalidade de Do Maior . Pô, se é a tonalidade de Do Maior, evidentemente o
nosso primeiro grau deve ser o acorde de dó Maior, e é exatamente isso o que
essa nova regra nos pede, que o primeiro grau da nossa tonalidade seja Maior.
Como já sabemos que acordes Maiores nós tiramos de escalas Maiores...

1
Do
Mi
Sol

Da onde que eu tirei isso?? Simples; estamos montando uma nova regra onde
cada grau é um acorde, e sabemos que um acorde perfeito – só estamos usando
acordes perfeitos por enquanto – é formado pelos primeiro e terceiro e quinto
graus da sua respectiva escala. Também sabemos que nesta nova regra, o
primeiro grau (que é um acorde não esqueça) é Maior, então preciso de um
acorde Maior, né? Dââ... De onde eu tiro este acorde Maior? Nós já sabemos
www.cliqueapostilas.com.br

que de escalas Maiores tiramos acordes Maiores, ora! Tá resolvida a questão.


E porque justo o acorde de Dó Maior? Porque nós já concordamos que é melhor
começar com tonalidades que não tenham acidentes e ir acrescentando aos
pouquinhos. Vamos acrescentar o segundo grau agora. Vamos ver, do primeiro
para o segundo grau no modo Maior, tem um tom de distância, então, se Dó é
o primeiro, qual vai ser o segundo,ein? ein? Sim!!!! Ré. Vamos ver o que esta
nossa nova regra nos pede quanto ao segundo grau, tem que ser Maior como o
primeiro? Nananão, caretão! o segundo grau é menor.

1 2
Do Re
Mi Fa
Sol La

Como chegamos aqui? Bom, o segundo grau da nossa regra nos pede um
acorde menor, e sabemos que estando em dó maior, o segundo grau é re,
então juntamos as duas informações e pá, temos o acorde de Ré menor como
segundo grau da nossa tonalidade de Dó Maior. Legal. Do segundo para o
terceiro faremos a mesmíssima coisa,
1 2 3
Do Re Mi
Mi Fa Sol
Sol La Si

Tu já te deu conta de que se pensares horizontalmente, continuamos fazendo a


escala Maior, que nem no começo do nosso estudo? Pois é, isso já te poupa um
tempão de ficar pensando e fazendo cálculos. Do terceiro para o quarto grau,
a regra as escalas maiores nos pede um semitom, certo?, certo, então, do Mi,
que nessa escala que estamos fazendo é o terceiro grau, para o quarto, vamos
parar onde, se subimos um semitom? No Fá.. agora me diz uma coisa, esse
quarto grau aí, ele é Maior ou menor? Diz aí...
1 2 3 4
Do Re Mi Fa
Mi Fa Sol La
Sol La Si Do

Como já sabíamos, tu e eu, o quarto grau é Maior. Do mesmo modo vamos


aplicar esse mesmo processo e seguir adiante. Vou fazer dois graus de uma
vez só, que ainda tem muito conteúdo pra ver e tu tem que pensar um pouco
também, senão não dá.
www.cliqueapostilas.com.br

1 2 3 4 5 6
Do Re Mi Fa Sol La
Mi Fa Sol La Si Do
Sol La Si Do Re Mi

Pois, é, pois é. Agora apareceu aquele sétimo grau e tem um troço ali que nós
ainda não vimos. Eu já te contei que esta primeira parte da teoria eu chamo de
Teoria Fundamental? Eu não trabalho estes conteúdos na partitura de propósito,
sabe? Que é para o aluno não se condicionar a sempre ler a música – quando
falo em ler a música não quero dizer ler uma determinada peça de música
erudita ou uma canção popular. Entendo que saber as escalas e os acordes e
as tonalidades é como saber a tabuada; podemos,claro, usar uma calculadora
para somar 1+1, porém ter as funções mais básicas, mais fundamentais da
aritmética já instaladas dentro da nossa cacholeta nos permite um dinamismo
incrível para calcular números complexos, e de um modo bem parecido,
conhecer estes fundamentos da música “de cabeça” fará de ti um musicista,
ou mesmo um apreciador da música muito mais qualificado, rápido, inteligente
e crítico. O que isso tem que ver com a 5° diminuta que está escrita embaixo
do sétimo grau? Bom, uma explicação definitiva do que ela significa é matéria
do nosso conteúdo de Solfejo, por isso vou dar agora uma explicação tampão,
uma versão simplificada porém totalmente operacional do que ela é. Quando
encontrarmos ela novamente, essa primeira explicação vai até ajudar.
Achar a quinta diminuta de qualquer acorde é tão somente achar o quinto
grau da escala – aquele que sempre precisamos encontrar quando formamos
um acorde, lembra? – e depois voltar uma casa. Só isso, só isso, só isso. Nosso
sétimo grau na tonalidade de dó é Si, que segundo a instrução que a regra
está nos informando, tem que ser menor e com a quinta (quinto grau) diminuta.
Então eu só preciso formar o acorde de si menor

1 2 3 4 5 6 7 8
Si Do# Re Mi Fa# Sol La Si
Si Re Fa#

e depois olhar mais de perto para o seu quinto grau, que é Fa#. Vamos fazer o
que eu disse para achar a quinta diminuta, que é apenas voltar uma casinha, e
então tararará!, Fa# voltando uma casinha, se transforma em fa natural.

1 2 3 4 5 6 7
Do Re Mi Fa Sol La Si
Mi Fa Sol La Si Do Re
Sol La Si Do Re Mi Fa