Você está na página 1de 3

RELATÓRIO DE AÇÕES JANEIRO/2018 – USF BUÇU

A alimentação com leite materno exclusivo é capaz de fornecer todos os


nutrientes que o recém-nascido (RN) precisa para nutrição adequada em seus primeiros
seis meses de vida, sendo importante ser continuado de forma complementada até pelo
menos dois anos de idade.
O leite humano oferece promove proteção imunológica e favorece o
desenvolvimento cognitivo, sensorial e motor do bebê, além de favorecer a nutriz com a
prevenção de câncer de mama, fortalecimento de vinculo do mãe-RN, proteção contra
novas gestações e outros benefícios.
De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), não há vantagens em
se iniciar os alimentos complementares antes dos seis meses, podendo, inclusive, haver
prejuízos à saúde da criança, pois a introdução precoce de outros alimentos está
associada a maior episódios de diarreia, maior número de hospitalizações por infecções
respiratórias, risco de desnutrição e menor absorção de nutrientes como ferro e zinco.
A partir destas informações, o Ministério da Saúde através dos serviços de
atenção à criança implementou às estratégias de saúde da família o Programa de Apoio
ao Aleitamento Materno Exclusivo (PROAME) com o objetivo de uma intervenção para
aumentar as taxas de aleitamento no país e melhora na qualidade da assistência durante
o desenvolvimento nos primeiros seis meses de vida do RN.
Neste contexto, o profissional de saúde da atenção básica possui o papel de
identificar e compreender o processo do aleitamento materno no contexto sociocultural
e familiar e, a partir dessa compreensão, cuidar tanto da dupla mãe/bebê como de sua
família. É necessário que busque formas de interagir com a população para informá-la
sobre a importância de adotar uma prática saudável de aleitamento materno. O
profissional precisa estar preparado para prestar uma assistência eficaz, solidária,
integral e contextualizada, que respeite o saber e a história de vida de cada mulher e que
a ajude a superar medos, dificuldades e inseguranças.
Diante disso, verificou-se a necessidade de intensificação dessas informações
através de ações educativas multiprofissionais na Unidade de Saúde da Família Buçú,
que atualmente encontra-se com baixa taxa de participação e permanência no
PROAME. Para a realização destas ações contou-se com o apoio da equipe do Núcleo
de Apoio a Saúde da Família (NASF) que somou forças com o objetivo principal de
aumentar o incentivo à adesão ao programa, contribuindo assim para a promoção da
saúde da criança.
As ações ocorreram na localidade da Paxiíba e Trevinho, pertencentes à área de
abrangência da unidade de saúde Buçú e teve como público alvo: gestantes, nutrizes, e
pais. Foram utilizadas como recursos palestras interativas, dialogadas e rodas de
conversas pelos profissionais da equipe de enfermagem, agentes comunitários de saúde
e NASF com nutricionista, fonoaudióloga, assistente social e fisioterapeuta.