Você está na página 1de 3

Em que consiste e para que serve Chemical Abstracts Service, número

CAS, bem como explique a diferença entre CAS e FISQP?

O número CAS de um composto químico é um número com um registro único


no banco de dados do Chemical Abstracts Service, o objetivo é facilitar as
pesquisas no banco de dados, visto que, muitas vezes, os produtos químicos
têm sinônimos além de descrição em diversas línguas, através do número CAS
a identificação dos produtos químicos é mais eficiente. Os números são
atribuídos cronologicamente e não têm significação particular. A FISPQ que é a
ficha de informação de segurança do produto químico, fornece informações
essenciais sobre o uso seguro e descarte, é um documento para comunicação
dos perigos relacionados aos produtos químicos, fornece informações sobre
vários aspectos dos produtos químicos (substâncias ou misturas) quanto à
segurança, à saúde e ao meio ambiente transmitindo desta maneira,
conhecimentos sobre produtos químicos, recomendações sobre medidas de
proteção e ações em situação de emergência onde também consta o número
CAS.

As principais vias de exposição a agentes químicos, são e em que


consistem?
As principais vias de absorção dos agentes são as vias respiratórias, cutâneas
e digestivas. A via respiratória é a mais frequente acontece quando respiramos
ar contaminado. O ar entra em nosso nariz trazendo com ele as substâncias
químicas presentes no ambiente. Alguns penetram através da pele, via cutânea,
quando o agente agressivo entra no organismo pela pele. É frequente ocorrer
esse tipo de penetração através dos poros. A via digestiva ocorre em casos
acidentais, quando ingerimos alimentos contaminados, ou mesmo por causa de
mãos sujas/contaminas. Por isso, é sempre recomendado que o trabalhador
nunca se alimente em ambientes com manuseio ou presença de produtos
químicos.
Acordo de Reconhecimento Mútuo Inmetro Acreditação (atividade laboratórios)
Saudações. Comente a respeito
O acordo de reconhecimento mútuo entre organismos de acreditação de
laboratórios é uma das formas mais efetivas de facilitar a eliminação da
necessidade de reensaio de materiais e produtos nos países importadores,
problema identificado pela Organização Mundial do Comércio (OMC). O
reconhecimento da competência técnica ajuda a reduzir os custos dos
fabricantes e exportadores que utilizam serviços de laboratórios acreditados,
reduzindo ou eliminando a necessidade de realizar ensaios em outros países. A
acreditação também elimina muitos custos embutidos associados à construção
de credibilidade no mercado e sua constante manutenção, que visam a promover
aumento da confiança dos clientes na competência e na integridade quando são
utilizados laboratórios acreditados. Os resultados emitidos por esses laboratórios
são aceitos e reconhecidos pelos demais organismos de acreditação signatários.
Os acordos entre organismos de acreditação para reconhecimento mútuo e
aceitação de resultados de avaliação da conformidade são gerenciados por
cooperações regionais e internacionais. A International Laboratory Accreditation
Cooperation (ILAC) é a organizacional internacional estabelecida como uma
cooperação formal entre organismos de acreditação de laboratórios cujo papel
principal é o desenvolvimento e a manutenção de políticas que visam intensificar
o reconhecimento universal dos organismos. A Interamerican Accreditation
Cooperation (IAAC) é a cooperação que reúne os organismos de acreditação de
laboratórios e de organismos de certificação e inspeção de países das Américas.
A European co-operation for Accreditation (EA) é a cooperação para acreditação
de laboratórios e organismos de certificação e inspeção que envolve os países
membros da Comunidade Européia.
A acreditação de laboratórios é concedida após uma verificação da competência
técnica da equipe do laboratório bem como a avaliação de todas as operações
relacionadas com a realização das atividades de calibração e de ensaio como,
também, uma avaliação do sistema de gestão. As não-conformidades são
identificadas e discutidas pelo Organismo de Acreditação que acompanha as
ações corretivas tomadas pelo laboratório visando assegurar que estão sendo
tomadas as ações apropriadas.

O que distingue a vigilância médica, ambiental e biológica

A Vigilância compreende em informações, investigações e levantamentos


necessários a programas e avaliações das medidas de controle de doenças e de
situações de agravos à saúde.
A vigilância médica está relacionada aos conceitos de saúde e doenças
presentes em cada época e lugar, ás práticas de atenção aos doentes e aos
mecanismos adotados para tentar impedir a disseminação das doenças,
desenvolve ações de monitoramento contínuo, por estudos e análises que
identifiquem e expliquem problemas de saúde e o comportamento dos principais
indicadores de saúde, contribuindo para um planejamento de saúde mais
abrangente.
A vigilância em saúde ambiental é um conjunto de ações que proporciona o
conhecimento e a detecção de qualquer mudança nos fatores determinantes e
condicionantes do meio ambiente que interferem na saúde humana, com a
finalidade de identificar as medidas de prevenção e controle dos fatores de risco
ambientais relacionados às doenças ou outros agravos à saúde. Dessa forma, a
vigilância ambiental atua identificando os agravos presentes no ambiente e seus
efeitos, de maneira a criar metodologias para extinguir as fontes causadoras,
tendo por objetivos produzir, integrar, processar e interpretar informações que
sirvam como instrumentos para o planejamento e execução de ações relativas
às atividades de promoção da saúde e prevenção e controle de doenças
relacionadas ao meio ambiente Para que os objetivos da vigilância ambiental
sejam alcançados, é necessária a utilização de alguns instrumentos e métodos,
como epidemiologia ambiental, avaliação e gerenciamento de riscos, indicadores
de saúde e ambiente, sistema de informações em vigilância ambiental e
desenvolvimento de pesquisas na área de saúde e ambiente.
A vigilância biológica consiste na quantificação e avaliação do agente químico
em meios biológicos. Podem ser quantificados o próprio agente químico,
metabolitos ou agentes que resultam da interação dos tóxicos com o organismo.
A vigilância ambiental pode ser complementada com a vigilância biológica para
alguns agentes químicos. Para aqueles que não tenham atribuído valor limite de
exposição ambiental, a implementação da vigilância biológica pode permitir
melhorar as práticas nas atividades de maior risco.

Interesses relacionados