Você está na página 1de 4

Loja Negra Zarzax

(Fra. Azarate)

Qayin e Qalmana: A Semente da Serpente

Escrituras seculares expuseram uma fração da verdadeira história sobre


Qayin e Qalmana muito dessemelhante da invenção judaico-cristão
moderna.

Rabinos como Judá e Eliezer trouxeram ao entendimento que Qayin e


Qalmana são irmãos gêmeos e filhos de Samael com Eve. Eles foram os
primeiros a serem gerados e possuíam atributos angélicos pois não eram
fruto de Adam, a Argila.
Abel e Balbira, também irmãos gêmeos, foram gerados posteriormente
por Adam e seus atributos eram elementais e misturados ao pó da
matéria.

No Al Quran é narrado que: "O primeiro filho de Adão e Eva, Qayin e sua
irmã Qalmana, eram gêmeos; Abel e sua irmã Balbira, também gêmeos,
vieram em seguida. Adão e sua família viviam em paz e harmonia. Qayin
lavrava a terra enquanto Abel cuidava do gado. O tempo passou e
chegou o momento dos filhos de Adão casar. Um grupo de companheiros
do Profeta Muhammad, incluindo Ibn Abbas e Ibn Masud relataram que
o casamento do menino de uma gravidez com a menina de outra
gravidez foi a prática entre os filhos de Adão. Assim sabemos que o plano
de Deus para encher a terra incluía os filhos de Adão casarem com a irmã
gêmea do outro.

Parece que a beleza desempenhou um papel na atração de homens e


mulheres desde o início. Caim não estava satisfeito com a parceira
escolhida para ele. Começou a ter repulsa de seu irmão e se recusou a
obedecer a ordem de seu pai e, ao fazê-lo, desobedeceu a Deus."

Como relatado acima, os casais eram formados entre os gêmeos de


partos diferentes, e tanto Qayin estava insatisfeito em casar com Balbira
quanto Qalmana em ser mulher de Abel.

O Zohar, um dos principais trabalhos da Kaballah que estuda o


misticismo judaico e que é importante como os textos bíblicos para os
Judeus, em seus comentários sobre a Torá escritos em aramaico e
hebraico, afirmam que Qayin e Qalmana eram, de fato, filhos gêmeos de
Samael com Eve e que tinham atributos dos seres angelicais, por isso não
se contentavam em casar-se com os filhos de barro de Adam. As mesma
evidências podem ser encontradas no Talmud, Midrash e diversos livros
de antigos rabis.

Essa diferença de identidade que causou a antipatia de Qayin e Qalmana


por seus pares que foram escolhidos por Adam. Essa repulsa levou
ambos a se afastarem de todos e Qayin a assassinar Abel que desejava
Qalmana.
No Século IX, os relatos da Semente da Serpente, Qayin e Qalmana,
aparecem em um livro chamado Pirkêi do rabino Eliezer. E mais tarde
outro rabino, David Max Eichhorn escreveu o livro "Caim, O Filho da
Serpente" onde faz referências textuais de vários rabinos que afirmam o
mesmo.
Os sumérios, há 10.000 anos atrás, relataram essa história figurando o
deus-pastor Tamuz que cobiçava a Deusa Inanna que tinha paixões
secretas por Enkidu, o Deus da Agricultura. Todos eles eram irmãos.
Essa história relata o período neolítico em que o homem estava deixando
a caça e o pastoreio para lidar com a agricultura.

Qayin e Qalmana eram apaixonados um pela essência do outro, por tal


que não aceitavam ser separados, pois nasceram e morreriam juntos.
Após o assassinato de Abel, o casal decidiu ir para a futura cidade de
Nod.