Você está na página 1de 85

Exercícios

Magistratura Estadual – São Paulo


2ª fase
Sumário
Direito Administrativo............................................................................................................................. 3
Atos Administrativos ........................................................................................................................... 3
Intervenção Do Estado na Propriedade ............................................................................................ 10
Direito Civil ............................................................................................................................................ 17
Direito da Criança e do Adolescente..................................................................................................... 34
Direito Eleitoral ..................................................................................................................................... 42
Direito Empresarial (Comercial) ............................................................................................................ 46
Direito Penal ......................................................................................................................................... 56
Direito Processual Civil (Novo CPC - Lei nº 13.105/2015)..................................................................... 68
Atos Processuais ............................................................................................................................... 68
Tutela Proisória ................................................................................................................................. 71
Direito Tributário .................................................................................................................................. 74
Gabarito ................................................................................................................................................ 84
Direito Administrativo
Atos Administrativos

Questão 1: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2007

Assunto: Conceito de atos administrativos


A partir da consideração de que atos políticos são os praticados por agentes de governo,
são atos governamentais por excelência, e não apenas de administração, consistem na
própria condução dos negócios públicos, e não simplesmente na execução de serviços
públicos – daí seu maior discricionarismo – é correto afirmar que
a) é suficiente a alegação de que se trata de ato político para tolher o controle judicial,
pois é vedado ao Poder Judiciário adentrar no exame do mérito do ato administrativo.
b) não há uma categoria de atos políticos, como entidade ontológica autônoma na escala
dos atos estatais, nem há um órgão ou Poder que os pratique com privatividade.
c) não é ato político o do Tribunal que seleciona, na lista sêxtupla encaminhada pelo órgão
de representação de classe, os integrantes da lista tríplice para compor o quinto
constitucional.
d) não é ato político o do Chefe do Executivo ao conceder indulto e, portanto, inclui-se
na categoria dos atos administrativos insuscetíveis de apreciação judicial.

Questão 2: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2009

Assunto: Mérito Administrativo


Coube ao administrador público escolher uma entre 3 (três) opções administrativas legais.
Escolheu a segunda opção, mas esta foi impugnada judicialmente sob alegação de que a
terceira opção era a mais oportuna e conveniente. O juiz, examinando a lide, julgou a
demanda procedente, adotando as razões do autor.

Ocorreu, no caso da sentença judicial,


a) aplicação do princípio do amplo controle judicial sobre a legalidade dos atos
administrativos.
b) substituição indevida da vontade discricionária do administrador público.
c) correção da injustiça da escolha feita pelo administrador público.
d) aplicação do princípio do poder-dever do juiz de valorar o conteúdo meritório das
opções que se apresentaram ao administrador público.

Questão 3: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2017


Assunto: Elementos, requisitos e pressupostos (atos administrativos)
O motivo do ato administrativo pode ser conceituado como:
a) a normatividade jurídica que irá incidir sobre determinada situação de fato que lhe é
antecedente.
b) a ocorrência no mundo fenomênico de certo pressuposto fático, relevante para o
direito, que vai postular ou possibilitar a edição do ato administrativo.
c) a explicitação dos fundamentos de fato e de direito que levaram à edição do ato
administrativo e sem a qual o ato é nulo.
d) o móvel ou intenção do agente ou, em outros termos, a representação psicológica que
levou o administrador a agir, e que tem especial importância no plano dos atos
discricionários.

Questão 4: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2012

Assunto: Elementos, requisitos e pressupostos (atos administrativos)


Tércio ocupava cargo em comissão na administração pública e foi exonerado pela
autoridade competente que tinha a liberdade de dispensá-lo do cargo, uma vez que este
era de livre nomeação e exoneração, e a autoridade queria nomear outra pessoa para o
cargo. Todavia, no ato administrativo que o exonerou do cargo público, constou que
Tércio cometeu infração disciplinar. Considerando essa situação, portanto, é correto
afirmar que
a) houve um vício do ato administrativo quanto ao motivo.
b) o ato administrativo foi totalmente legal e sem vícios, pois a autoridade detinha poder
discricionário sobre o cargo e podia exonerar Tércio livremente.
c) o ato administrativo de exoneração foi emanado com vício quanto ao sujeito.
d) o ato de exoneração foi legal, vez que a autoridade não tinha obrigação de motivar a
exoneração de cargo de livre nomeação e exoneração, não importando os motivos do ato.

Questão 5: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2014

Assunto: Atributos ou características dos atos administrativos


Assinale a alternativa que apresenta duas características da competência do ato
administrativo.
a) Hierarquia e finalidade.
b) Inderrogabilidade e improrrogabilidade.
c) Limitabilidade e hierarquia.
d) Imperatividade e finalidade.
Questão 6: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2006

Assunto: Atributos ou características dos atos administrativos


São principais atributos do ato administrativo:
a) sujeito, objeto e forma.
b) agente capaz, objeto lícito e forma prevista em lei.
c) presunção de legitimidade e auto-executoriedade.
d) os contidos nas alternativas A e B.

Questão 7: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2011

Assunto: Atos administrativos: espécies, classificação, fases de constituição


A administração municipal houve por bem, sem antes responder pedido de alvará para
funcionamento de Bar e Restaurante Ltda., fechá-lo sob o fundamento de que o comércio
explorado fere a lei de zoneamento respectiva.

É correto afirmar que

I. a municipalidade não poderá tomar tal posicionamento, enquanto não responder


o pedido postulado pelo estabelecimento comercial;

II. as posturas municipais no tocante a lei de zoneamento devem ser rígidas;

III. a licença de instalação não se prende ao alvedrio do ente de direito público, mas
segue regras legalmente instituídas;

IV. o fechamento do estabelecimento por atender pleito da vizinhança (interesse


público) pode ser feito a qualquer tempo mesmo havendo processo administrativo
em curso sobre a matéria;

V. o poder discricionário da administração pública permite que medidas tais sejam


tomadas, impedindo que o Poder Judiciário se manifeste a respeito.

Estão corretos apenas os itens


a) I e III.
b) IV e V.
c) II e V.
d) I e IV.
e) III e V.
Questão 8: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2011

Assunto: Atos administrativos: espécies, classificação, fases de constituição


Roberval da Silva, deficiente físico, aforou ação ordinária contra o Município de Marajá,
objetivando pagamento de indenização por perdas e danos materiais e morais, sob o
fundamento de que mantinha uma banca de jornal localizada em uma praça pública, por 12
anos, e foi compelido a transferir seu estabelecimento do local, em razão de duplicação
da via pública. Para tanto, alega que foi obrigado a arcar com aluguel de novo ponto
comercial e teve prejuízo, daí por que busca a indenização.

Assinale a alternativa correta.


a) O juiz, ao decidir, concede o pleito do autor, porquanto é ele deficiente físico e foi
obrigado a sair do local onde mantinha freguesia.
b) O juiz concede a pretensão do autor, porquanto ele possuía licença tácita.
c) O juiz concede a pretensão do autor, porquanto ele possuía permissão tácita do
município para exercer o seu labor.
d) O juiz nega a pretensão do autor, posto que este não demonstrou que o Poder Público
transferiu a ele um serviço de sua alçada.
e) O juiz nega a pretensão do autor, pois a qualquer tempo o Município, o Estado ou a
União podem ocupar, ao seu bel prazer, espaço que é seu, circunstância essa que não
enseja qualquer tipo de indenização.

Questão 9: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2008

Assunto: Atos administrativos: espécies, classificação, fases de constituição


Tendo em vista a matéria administrativa, é correto afirmar que
a) ato de império é todo aquele que ordena a conduta interna da Administração e de seus
servidores, ou cria direitos e obrigações entre ela e os administrados, tais como as
autorizações, as permissões e os contratos em geral.
b) é legal a realização de atos de império ou gestão por agente simplesmente designado
para “responder pelo expediente”, na vaga ou ausência temporária do titular.
c) pelo princípio da indisponibilidade do interesse público, a Administração Pública não
pode dispor do interesse geral nem renunciar ao poder que a lei lhe deu para tal tutela,
uma vez que o titular de tal interesse é o Estado.
d) a publicidade do ato administrativo não é requisito de sua eficácia ou moralidade, mas
se constitui elemento formativo do próprio ato, que só produz efeitos jurídicos através da
divulgação no órgão oficial ou pela imprensa particular.
Questão 10: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2008

Assunto: Atos administrativos: espécies, classificação, fases de constituição


No que se refere a atos administrativos, é incorreto afirmar que
a) a expedição de uma certidão pela Administração Pública pode ser caracterizada como
um ato administrativo declaratório.
b) o ato administrativo complexo resulta da vontade de um único órgão, mas depende da
verificação por parte de outro, para se tornar exigível.
c) a licença e a admissão são espécies de ato vinculado.
d) presunção de legitimidade e presunção de veracidade dos atos administrativos não
possuem caráter absoluto.

Questão 11: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2007

Assunto: Atos administrativos: espécies, classificação, fases de constituição


Dentre os atos administrativos ordinatórios, destacam-se as __________, ordens escritas e
gerais a respeito do modo e forma de execução de determinado serviço público, as
__________, expedidas a determinados funcionários ou agentes administrativos
incumbidos de certo serviço e de maior generalidade que as anteriores; os __________,
destinados a dar conhecimento de assuntos afetos à atividade administrativa; as
__________, atos administrativos internos com determinações gerais ou especiais,
designação de servidores e instauração de sindicância e processos administrativos; as
__________, contendo imposições de caráter administrativo ou especificações técnicas
sobre modo e forma de sua realização; os __________ com determinações e instruções
das Corregedorias ou tribunais para a regularização e uniformização dos serviços e os
__________, comunicações escritas expedidas entre autoridades, subalternos e superiores
e entre a Administração e particulares.

As expressões faltantes são:


a) portarias ... instruções ... ofícios ... resoluções ... ordens de serviço ... comandos ...
avisos.
b) ordens de serviço ... circulares ... avisos ... portarias ... resoluções ... provimentos ...
despachos.
c) circulares ... instruções ... avisos ... portarias ... ordens de serviço ... despachos ...
ofícios.
d) instruções ... circulares ... avisos ... portarias ... ordens de serviço ... provimentos ...
ofícios.

Questão 12: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2006


Assunto: Atos administrativos: espécies, classificação, fases de constituição
O ato administrativo que resulta da vontade única de um órgão, mas depende da
verificação por parte de outro para se tornar exeqüível, denomina-se ato administrativo
a) complexo.
b) composto.
c) simples.
d) superior.

Questão 13: VUNESP - JE TJMS/TJ MS/2015

Assunto: Desfazimento do ato administrativo (Anulação, Revogação, Cassação,


Caducidade, Contraposição)
Determinado servidor público da Administração Pública Estadual requer sua
aposentadoria. O pedido tramita regularmente e a aposentadoria é concedida em junho
de 2014. Em abril de 2015, durante verificação de rotina, a Administração Pública Estadual
constata que a concessão inicial foi indevida, pois o servidor não preenchia os requisitos
legais para a aposentação. Nesse caso, deve a Administração Pública
a) emitir ato revogatório de efeitos imediatos, pois o ato administrativo pode ser posto em
execução pela própria Administração Pública, sem necessidade de intervenção do Poder
Judiciário.
b) manter o ato administrativo da forma como se encontra, pois em decorrência do
atributo da presunção de veracidade juris et de jure dos atos administrativos, presumem-
se verdadeiros os fatos reconhecidos pela Administração.
c) anular o ato administrativo, pois em decorrência do princípio da legalidade, queda
afastada a possibilidade de a Administração praticar atos inominados, como o ato viciado
em tela.
d) com base no seu poder de autotutela sobre os próprios atos, anular o ato de concessão
inicial da aposentadoria, mediante processo em que sejam assegurados o contraditório e
a ampla defesa ao servidor público interessado.
e) anular o ato independentemente de manifestação do servidor interessado, pois possui
a prerrogativa de, por meio de atos unilaterais, impor obrigações a terceiros.

Questão 14: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2013

Assunto: Desfazimento do ato administrativo (Anulação, Revogação, Cassação,


Caducidade, Contraposição)
A Administração Pública
a) pode anular seus próprios atos, quando eivados de vícios que os tornam ilegais, porque
deles não se originam direitos, ressalvada a apreciação judicial.
b) pode anular seus próprios atos, por motivo de conveniência ou oportunidade,
respeitados os direitos adquiridos.
c) não pode declarar, em hipótese alguma, a nulidade dos seus próprios atos.
d) não pode anular seus atos; somente é autorizada a revogação por motivo de
conveniência ou oportunidade, respeitados os direitos adquiridos, ressalvada a apreciação
judicial.

Questão 15: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2008

Assunto: Desfazimento do ato administrativo (Anulação, Revogação, Cassação,


Caducidade, Contraposição)
Em relação ao controle do ato administrativo, é correto afirmar que
a) a revogação do ato administrativo legal e eficaz compete apenas à Administração
Pública e produzirá efeito ex nunc.
b) a anulação do ato administrativo legal e eficaz compete apenas à Administração Pública
e produzirá efeito ex tunc.
c) a revogação pode ser declarada tanto pela Administração Pública quanto pelo Poder
Judiciário, quando provocado.
d) a existência de ilegalidade sempre é pressuposto da revogação do ato administrativo.

Questão 16: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2007

Assunto: Desfazimento do ato administrativo (Anulação, Revogação, Cassação,


Caducidade, Contraposição)
A invalidação dos atos administrativos inconvenientes, inoportunos ou ilegítimos constitui
tema de alto interesse tanto para a Administração como para o Judiciário, uma vez que a
ambos cabe, em determinadas circunstâncias, desfazer os que se revelarem inadequados
aos fins visados pelo Poder Público ou contrários às normas legais que os regem. A
faculdade de invalidação dos atos administrativos pela própria Administração é bem mais
ampla do que aquela concedida à Justiça. Donde se afirmar que a Administração controla
seus próprios atos em toda a plenitude. Isto considerado, é correto afirmar que
a) o controle judiciário se restringe ao exame estrito da legalidade, sem possibilidade de
incursão pelo princípio da moralidade.
b) a revogação opera ex tunc, ou seja, desde a data em que o ato inconveniente foi
editado.
c) os atos administrativos especiais ou individuais são irrevogáveis, ainda que
inconvenientes para a Administração.
d) a anulação é a declaração de invalidação de um ato administrativo feita pela própria
Administração ou pelo Judiciário.

Intervenção Do Estado na Propriedade

Questão 17: VUNESP - JE TJRS/TJ RS/2018

Assunto: Tombamento - Conceitos e Decreto-Lei nº 25/1937


A respeito do tombamento, é correto afirmar que
a) o Supremo Tribunal Federal já afirmou que a hierarquia verticalizada dos entes
federados prevista expressamente na Lei de Desapropriação (Decreto-lei n 3.365/41) não
o

se estende ao tombamento, não havendo vedação a que Estado possa tombar bem da
União, tampouco que Município possa tombar bem estadual ou federal.
b) se constitui mediante decreto expedido pelo Poder Legislativo Federal, Estadual,
Distrital ou Municipal, reconhecendo o valor histórico, artístico, paisagístico, turístico,
cultural ou científico de um bem ou bens, individual ou coletivamente considerados,
culminando com ato administrativo de registro em livro próprio.
c) se recair sobre bem particular, sua instituição pelo Poder Público, em regra, admite
pagamento de indenização por limitação de uso da propriedade.
d) se recair sobre bem público, poderá ser provisório ou definitivo, conforme a fase do
procedimento administrativo, que se conclui com a inscrição do bem no competente Livro
do Tombo.
e) se recair sobre bem público, poderá se dar de ofício pela autoridade competente e a
prévia notificação do ente proprietário constitui condição de validade do ato
administrativo de tombamento.

Questão 18: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2012

Assunto: Tombamento - Conceitos e Decreto-Lei nº 25/1937


Assinale a alternativa correta a respeito do tombamento.
a) A competência constitucional para legislar sobre tombamento é privativa da União.
b) Podem ser tombados bens de qualquer natureza, móveis ou imóveis, materiais ou
imateriais, públicos ou privados, podendo, inclusive, as pessoas políticas tombarem seus
próprios bens, para finalidade de preservação.
c) O tombamento caracteriza-se por ser uma restrição parcial e em regra indenizável.
d) No tombamento compulsório, iniciado o processo e colhida a manifestação técnica
sobre o bem e seu valor, o proprietário será notificado para anuir ou impugnar o
tombamento no prazo de trinta dias.
Questão 19: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2007

Assunto: Tombamento - Conceitos e Decreto-Lei nº 25/1937


Tombamento é a declaração, pelo Poder Público, do valor histórico, artístico, paisagístico,
turístico, cultural ou científico de coisas ou locais que, por essa razão, devam ser
preservados, de acordo com a inscrição em livro próprio. A Constituição da República o
prevê no artigo 216, § 1 , cometendo ao Poder Público a obrigação de promover e proteger
o

o patrimônio cultural brasileiro mediante essa e várias outras providências. Pode-se


afirmar, então, que:

I. O tombamento não exclui os inventários, registros, vigilância, e desapropriação,


excluídas outras modalidades de proteção do patrimônio cultural brasileiro.

II. Qualquer das entidades estatais pode dispor sobre o tombamento de bens em seu
território, pois o tombamento é ato administrativo da autoridade competente.

III. O tombamento, por residir na esfera da discricionariedade do Poder Público, não


se submete à regra do devido processo legal, nem exige prévia manifestação do
proprietário do bem tombado.

IV. O tombamento pode acarretar tanto uma restrição individual quanto uma
limitação geral, conforme atinja exclusivamente o proprietário do bem tombado ou
abranja toda uma coletividade.

V. Os bens tombados devem ser preservados por seus proprietários, à exceção da


necessidade de expropriação pelo Poder Público, insuscetível de subordinar o
interesse coletivo à limitação que recai sobre o imóvel.

São verdadeiras apenas as afirmações


a) I, III e V.
b) II e IV.
c) I, IV e V.
d) III e V.

Questão 20: VUNESP - JE TJMS/TJ MS/2015

Assunto: Desapropriação
Assinale a alternativa que corretamente discorre sobre o instituto da desapropriação,
tendo em vista a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal e do Superior Tribunal de
Justiça.
a) A base de cálculo dos honorários de advogado em desapropriação é o valor da causa
corrigido monetariamente.
b) Nas ações de desapropriação não se incluem no cálculo da verba advocatícia as
parcelas relativas aos juros compensatórios e moratórios.
c) Na desapropriação, direta ou indireta, a taxa dos juros compensatórios é de 12% (doze
por cento) ao ano.
d) Em desapropriação, é devida a correção monetária até a data do efetivo pagamento da
indenização, devendo proceder-se à atualização do cálculo uma única vez.
e) Os juros compensatórios, na desapropriação indireta, incidem a partir da citação,
calculados sobre o valor da indenização, corrigido monetariamente.

Questão 21: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2015

Assunto: Desapropriação
O instituto da desapropriação, no direito brasileiro, é regido por norma editada por
decreto-lei na década de 40 e recepcionada pela Constituição Federal de 1988, com
algumas alterações pontuais procedidas por legislação posterior. Sobre o instituto da
desapropriação, é correto afirmar que
a) na desapropriação de bem imóvel, a declaração de utilidade pública deve especificar
o bem dela objeto e se circunscrever àquela área necessária àquela finalidade, vedada sob
pena de nulidade do ato expropriatório a inclusão de área lindeira para futura alienação e
captura da valorização imobiliária pelo poder público.
b) a prática dos atos necessários à desapropriação pode ser exercida por particulares
mediante delegação pelo poder público à iniciativa privada.
c) só é possível a expropriação de bens imóveis com prévia indenização em dinheiro ou,
em algumas hipóteses, em títulos públicos com vencimento em prazo de, no máximo,
cinco anos.
d) a desapropriação exige que os bens expropriados sejam destinados a uma finalidade
ou utilidade públicas, incorporando-se ao patrimônio público, vedada a sua posterior
alienação em favor de particulares.

Questão 22: VUNESP - JE TJPA/TJ PA/2014

Assunto: Desapropriação
Assinale a alternativa que corretamente discorre acerca da desapropriação indireta.
a) Para realizar a desapropriação indireta basta afetar o bem particular ao fim público.
b) É uma espécie de desapropriação de fato, permitida expressamente pela legislação.
c) Em nenhuma hipótese o tombamento ambiental acarretará desapropriação indireta.
d) O proprietário poderá sempre solicitar em juízo que o Poder Público restitua a coisa.
e) É um esbulho possessório praticado pelo Estado, que invade área privada sem
contraditório ou indenização.

Questão 23: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2014

Assunto: Desapropriação
A Prefeitura de determinado Município do Estado de São Paulo pretende desapropriar
imóvel situado em sua zona urbana. O proprietário do referido imóvel descobre que o
intento do Prefeito Municipal é decorrente de espírito de emulação, posto tratar-se de seu
inimigo político, inexistindo qualquer motivo técnico para a desapropriação em questão.
Visando atacar tal vício do decreto expropriatório, o expropriado deve
a) levantar a questão em sede de preliminar, ao apresentar a sua contestação, postulando
pela extinção do feito sem julgamento de mérito.
b) levantar a questão por meio de ajuizamento de ação autônoma, com o objetivo de
anulação do referido decreto, devido ao desvio de finalidade.
c) levantar a questão na audiência de instrução e julgamento, ao aduzir oralmente as suas
alegações finais, postulando pela extinção do feito sem julgamento de mérito.
d) levantar a questão ainda na fase administrativa da desapropriação, perante o
departamento competente da Municipalidade.

Questão 24: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2014

Assunto: Desapropriação
Assinale a alternativa correta a respeito do instituto da desapropriação.
a) O decreto expropriatório permite ao poder expropriante penetrar no imóvel atingido
pelo decreto para fazer ava-liações e verificações por meio da imissão provisória na posse.
b) O poder expropriante terá o prazo de cinco anos, con-tados da publicação da
declaração expropriatória para efetivar a desapropriação por interesse social.
c) A desapropriação de imóveis urbanos não utilizados ou mal utilizados pode ser
efetivada pelos Estados ou pelos Municípios.
d) A desapropriação por interesse social do imóvel rural que não cumpra sua função social
importa prévia e justa indenização em títulos da dívida agrária, e as benfeito-rias úteis e
necessárias serão indenizadas em dinheiro.

Questão 25: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2013

Assunto: Desapropriação
A declaração de utilidade pública de um imóvel para fins de desapropriação
a) quando efetivada a desapropriação, exige que o valor da obra seja incluído na
indenização.
b) não impede a expedição do alvará de licenciamento para construção no imóvel, desde
que preenchidos os requisitos legais para sua expedição.
c) impede a Administração de expedir alvará de licença para edificação no imóvel.
d) impede que o proprietário use, goze e disponha do imóvel.

Questão 26: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2013

Assunto: Desapropriação
Serviços de docas explorados por companhia privada, confiados por concessão da União,
têm seus bens desapropriados pelo Estado. Com relação à hipótese, assinale a alternativa
correta.
a) É ilegal a desapropriação porque a União pode desapropriar bens dos Estados, do
Distrito Federal, dos Municípios, e dos Territórios, e os Estados, dos Municípios,
prevalecendo o ato da pessoa jurídica de mais alta categoria, segundo o interesse de que
cuida: o nacional prevalece sobre o regional, e este sobre o local. O reverso não é possível.
b) A desapropriação produzirá como uma de suas consequências a extinção da pessoa
jurídica.
c) A desapropriação é legal porque a União e os Estados têm competência concorrente
para explorar, diretamente ou mediante autorização, concessão ou permissão os portos
marítimos, fluviais e lacustres.
d) É legal a desapropriação pelo Estado, desde que haja prévia autorização do Presidente
da República.

Questão 27: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2012

Assunto: Desapropriação
Após a publicação da declaração de expropriação, a efetivação da desapropriação deve
ocorrer dentro do prazo de
a) um ano, no caso de imóvel desapropriado para implantação de parcelamento popular.
b) dois anos, na hipótese de interesse social.
c) três anos, se for caso de utilidade pública.
d) quatro anos, se fundamentada no Estatuto da Cidade.

Questão 28: VUNESP - JE TJMG/TJ MG/2012


Assunto: Desapropriação
Analise as afirmativas a seguir.

Não podem os Estados e Municípios decretar a desapropriação de imóvel rural

PORQUE

é competência exclusiva da União a desapropriação que se destine à reforma agrária.

Assinale a alternativa correta.


a) a primeira afirmativa é falsa e a segunda é verdadeira.
b) a segunda afirmativa é falsa e a primeira é verdadeira.
c) as duas afirmativas são verdadeiras e a segunda justifica a primeira.
d) as duas afirmativas são verdadeiras, mas a segunda não justifica a primeira.

Questão 29: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2011

Assunto: Desapropriação
A intervenção na propriedade privada é todo ato do Poder Público que, fundado em lei,
compulsoriamente retira ou restringe direitos dominiais privados ou sujeita o uso de bens
particulares a uma destinação de interesse público. Um dos meios de intervenção na
propriedade privada se dá pela desapropriação e, nesse sentido, é correto afirmar que
a) a expropriação, seja por utilidade pública ou por interesse social, opera-se mediante
prévia e justa indenização em dinheiro, não comportando exceções.
b) a desapropriação é forma originária de aquisição da propriedade e por isso o bem
expropriado torna-se suscetível de reivindicação, não estando liberado de qualquer ônus
que sobre ele incida precedentemente, ficando os eventuais credores sub-rogados no
preço.
c) a desapropriação de áreas de jazidas de petróleo e minérios nucleares deve ser
precedida de ocupação provisória. Não havendo a autorização de lavra, não cabe
indenização por jazidas de minério existentes no subsolo do imóvel desapropriado, pois a
lavra, em si, é um bem de domínio da União.
d) de acordo com o Estatuto da Cidade, decorridos três anos de tributação progressiva
do IPTU sem que o proprietário tenha cumprido a obrigação de parcelamento, edificação
ou utilização da propriedade, o Município do Rio de Janeiro poderá proceder à
desapropriação do imóvel, mediante pagamento de indenização em dinheiro.

Questão 30: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2008

Assunto: Desapropriação
Em 30 de junho de 2002, o Governo do Estado editou decreto declarando determinado
imóvel de utilidade pública, para fins de desapropriação. Até 30 de outubro de 2007, não
havia proposto ação de desapropriação. A propositura dessa ação
a) pode ser feita a qualquer momento.
b) depende de novo decreto de utilidade pública, que pode ser editado a qualquer
momento.
c) depende de novo decreto de utilidade pública, que apenas poderá ser editado a partir
de 30 de junho de 2008.
d) depende de novo decreto de utilidade pública, que apenas poderá ser editado a partir
de 30 de junho de 2009.

Questão 31: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2007

Assunto: Desapropriação
Compete à União expropriar por interesse social, para fins de reforma agrária, o imóvel
rural que não esteja cumprindo sua função social, mediante prévia e justa indenização em
títulos da dívida agrária, com cláusula de preservação do valor real, resgatáveis no prazo
de até vinte anos, a partir do segundo ano de sua emissão. É a desapropriação-sanção,
prevista para atender à reforma agrária, desde que a propriedade rural esteja a desatender,
simultaneamente, aos requisitos que seguem:
a) aproveitamento racional e adequado, utilização adequada dos recursos naturais e
preservação do meio ambiente, observância da legislação trabalhista e do bem-estar dos
proprietários e dos trabalhadores.
b) aproveitamento adequado de pelo menos 50% da área, preservação do meio ambiente,
observância da legislação trabalhista e tutela da dignidade humana dos trabalhadores.
c) aproveitamento racional da terra, utilização sustentável dos recursos naturais,
observância da legislação trabalhista, da saúde e da educação dos trabalhadores rurais.
d) preservação do meio ambiente mediante a proteção da reserva florestal, observância
da legislação trabalhista sem registro de reclamações e garantia de moradia e transporte
para os trabalhadores rurais.

Questão 32: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2007

Assunto: Desapropriação
Versando sobre desapropriação, uma das formas de intervenção do Estado na
propriedade, aponte a assertiva correta.
a) A propriedade produtiva pode ser desapropriada para fins de reforma agrária, desde
que seu proprietário possua outra.
b) Os concessionários de serviços públicos poderão promover desapropriações mediante
autorização expressa em lei.
c) Os bens do domínio do Município não podem ser desapropriados por utilidade pública
pelo Estado, em respeito ao princípio Federativo.
d) A desapropriação indireta, como modalidade expropriatória, exige indenização prévia,
justa e em dinheiro.

Questão 33: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2006

Assunto: Desapropriação
O expropriado pode, na contestação,
a) argüir a nulidade do ato expropriatório.
b) alegar a inadequação do bem à utilidade pública, consignada no decreto de
desapropriação.
c) deduzir conjuntamente oposição.
d) apontar vícios processuais.

Questão 34: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2006

Assunto: Desapropriação
Na desapropriação por necessidade ou utilidade pública, o Estado Federado pode
desapropriar
a) somente bens particulares.
b) todo e qualquer bem.
c) bens dos Municípios incluídos dentro do seu território.
d) inclusive bens da União e de outros Estados Federados.

Direito Civil
Questão 35: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2014

Assunto: Do Casamento (arts. 1.511 a 1.582)


Mãe que possui a guarda unilateral de dois filhos, menores de 12 (doze) anos, oriundos de
casamento anterior, contrai nova união. Tal fato
a) permite que seja alterada a guarda para sua forma com-partilhada, a fim de que seja
atendido o princípio do melhor interesse.
b) não repercute no direito de a mãe ter os filhos do leito anterior em sua companhia,
salvo quando houver com-prometimento da sadia formação e do integral desen-
volvimento da personalidade destes.
c) permite ao pai das crianças pleitear a guarda unilate-ral dos filhos, já que não é
aconselhável a permanência com a mãe.
d) poderá ser considerado para fins de modificação da guarda para os avós ou para
pessoas com as quais a criança ou o adolescente mantenha vínculo afetivo, atendendo ao
seu melhor interesse.

Questão 36: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2013

Assunto: Do Casamento (arts. 1.511 a 1.582)


A respeito do casamento, é certo afirmar:
a) É vedado, em qualquer circunstância, o casamento de pessoa menor de 16 anos.
b) Enquanto não houver sido homologada ou decidida a partilha dos bens do casal, não
pode casar o divorciado, sendo nulo o casamento se assim contraído.
c) O casamento nuncupativo poderá ser celebrado na presença de seis testemunhas que
com os nubentes não tenham parentesco em linha reta, ou, na colateral, até segundo grau,
devendo ser comunicado à autoridade judicial mais próxima no prazo de 10 dias.
d) O casamento pode ser feito por procuração outorgada mediante instrumento
particular, desde que com poderes especiais.

Questão 37: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2009

Assunto: Do Casamento (arts. 1.511 a 1.582)


Assinale a alternativa correta.
a) A declaração de nulidade do casamento tem eficácia ex tunc, exceto com relação a
alguns direitos de terceiros, perdendo o cônjuge a capacidade adquirida com a realização
do ato.
b) A dissolução da sociedade conjugal anterior elimina a bigamia e convalida o segundo
casamento.
c) A invalidade do casamento por infringência a impedimento pode ser reconhecida ex
officio e incidenter tantum.
d) O casamento contraído por incapaz é nulo.
Questão 38: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2008

Assunto: Do Casamento (arts. 1.511 a 1.582)


Assinale a alternativa correta.
a) Há necessidade de outorga uxória para cessão dos direitos pelo marido a terceiro, no
caso de imóvel adquirido por aquele, no curso da convivência, mediante compromisso de
venda e compra registrado, se da comunhão parcial o regime de bens no casamento.
b) No regime de comunhão parcial, as dívidas contraídas no exercício da administração
do patrimônio comum por um dos cônjuges obrigam aqueles que o compõem, mas não os
particulares de cada cônjuge, em nenhuma hipótese.
c) Quando o regime de bens adotado pelos cônjuges for o da separação de bens ou o da
separação obrigatória, há restrições à liberdade de ação do homem e da mulher casados,
no que tange à sua disposição ou gravames a incidir sobre eles.
d) No regime de comunhão universal de bens e no de comunhão parcial, a referência à
incomunicabilidade dos proventos do trabalho pessoal de cada cônjuge deve ser
interpretada no sentido literal da expressão, não no sentido de que a incomunicabilidade
seria só do direito à percepção deles, proventos.

Questão 39: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2007

Assunto: Da Proteção da Pessoa dos Filhos (arts. 1.583 a 1.590)


Assinale a afirmação incorreta.
a) A sociedade conjugal termina pela separação judicial, mas o casamento válido só se
dissolve pela morte de um dos cônjuges ou pelo divórcio.
b) Se o cônjuge for incapaz para propor a ação de divórcio ou para defender-se nela, seu
curador, ascendente ou irmão poderá praticar esses atos.
c) Presumem-se concebidos na constância do casamento os filhos havidos por
fecundação artificial homóloga, mesmo que falecido o marido.
d) A ação de prova de filiação compete ao filho, enquanto viver, transmitindo-se sempre
aos seus herdeiros caso morra.

Questão 40: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2011

Assunto: Das Relações de Parentesco (arts. 1.591 a 1.638)


Considerando a jurisprudência majoritária do Superior Tribunal de Justiça, assinale a
alternativa correta quanto ao direito de ser reconhecido como filho, mediante a ação
própria de investigação de paternidade.
a) É imprescritível, por se tratar de direito personalíssimo.
b) Prescreve em quatro anos, a contar da maioridade ou emancipação do filho.
c) Somente pode ser intentada após a ação de anulação de registro.
d) Somente pode ser proposta se vivo o pai.

Questão 41: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2011

Assunto: Das Relações de Parentesco (arts. 1.591 a 1.638)


O reconhecimento de filho
a) pode ser revogado, quando feito por testamento.
b) pode ser feito apenas durante a vida do filho.
c) depende do consentimento do filho, quando este for maior.
d) não pode ser impugnado pelo filho, quando este for menor.
e) havido fora do casamento permite que ele resida no lar conjugal, independentemente
do consentimento do outro cônjuge.

Questão 42: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2009

Assunto: Das Relações de Parentesco (arts. 1.591 a 1.638)


O parentesco por afinidade
a) está limitado, na linha colateral, ao terceiro grau.
b) está limitado, na linha reta, ao quarto grau.
c) não tem limite na linha reta.
d) extingue-se com a dissolução do vínculo.

Questão 43: VUNESP - JE TJRS/TJ RS/2018

Assunto: Do Regime de Bens entre os Cônjuges (arts. 1.639 a 1.688)


Joaquina nasceu com o diagnóstico de síndrome de Down; aos 18 anos, conheceu
Raimundo e decidiu casar. Os pais de Joaquina declararam que somente autorizam o
casamento se o mesmo for celebrado sob o regime da separação convencional de bens,
tendo em vista que a família é possuidora de uma grande fortuna e Raimundo é de origem
humilde. Joaquina, que tem plena capacidade de comunicação, não aceitou a sugestão
dos pais e deseja casar sob o regime legal (comunhão parcial de bens). Assinale a
alternativa correta.
a) Para que possa casar sob o regime da comunhão parcial de bens, deverá Joaquina ser
submetida, mesmo contra sua vontade, ao procedimento de tomada de decisão apoiada.
b) Joaquina poderá casar sob o regime de bens que melhor entender, tendo em vista que
é dotada de plena capacidade civil.
c) O juiz deverá nomear um curador para que possa analisar as pretensões do noivo em
relação a Joaquina e decidir acerca do melhor regime patrimonial para o casal.
d) Joaquina é relativamente incapaz e deve ser assistida no ato do casamento que
somente pode ser celebrado sob o regime da separação legal.
e) Joaquina somente poderá casar se obtiver autorização dos pais que poderá ser suprida
pelo juiz, ouvido o Ministério Público.

Questão 44: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2015

Assunto: Do Regime de Bens entre os Cônjuges (arts. 1.639 a 1.688)


Em tema de outorga marital ou uxória, é correto afirmar que
a) é exigível em todos os regimes de bens, e sua ausência implica ineficácia total do
contrato.
b) a assinatura do cônjuge, na qualidade de testemunha instrumental do contrato, supre
a outorga exigida na garantia fidejussória, conforme o entendimento do Superior Tribunal
de Justiça.
c) o fiador tem legitimidade para arguir a invalidade da garantia fidejussória
independentemente de tal consentimento.
d) é válida a fiança prestada durante união estável sem anuência do companheiro,
conforme entendimento do Superior Tribunal de Justiça.

Questão 45: VUNESP - JE TJPA/TJ PA/2014

Assunto: Do Regime de Bens entre os Cônjuges (arts. 1.639 a 1.688)


Quanto ao regime de comunhão parcial de bens, é correto dizer que são incomunicáveis,
quando adquiridos na constância do casamento,
a) os frutos dos bens particulares.
b) as obrigações provenientes de atos ilícitos em proveito do casal.
c) os prêmios de loteria recebido por um dos cônjuges.
d) as benfeitorias em bem particular.
e) as quantias pagas pelo Estado ao cônjuge beneficiário de funcionário falecido.

Questão 46: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2013


Assunto: Do Regime de Bens entre os Cônjuges (arts. 1.639 a 1.688)
Com relação ao regime de bens do casamento, é correto afirmar que
a) qualquer que seja o regime de bens, nenhum cônjuge poderá, sem a autorização do
outro, alienar ou onerar bens imóveis.
b) no regime da comunhão parcial, entram na comunhão todos os bens adquiridos na
constância do casamento.
c) excluem-se da comunhão parcial as obrigações provenientes de atos ilícitos, salvo
reversão em proveito do casal.
d) a falta de autorização de um cônjuge para que o outro preste fiança, quando o regime
não é o da separação absoluta de bens, torna nula a garantia, podendo essa nulidade ser
alegada a qualquer tempo.

Questão 47: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2013

Assunto: Do Regime de Bens entre os Cônjuges (arts. 1.639 a 1.688)


Marido e mulher, casados pelo regime da separação total de bens, morreram em um
acidente de avião, sem se conseguir, aplicando-se todas as técnicas da medicina legal,
identificar qual dos mortos faleceu primeiro. Deixaram filhos. Nesse caso, quanto à
sucessão, é correto afirmar que
a) como o regime, no caso, é o da separação total de bens, um cônjuge será herdeiro do
outro no importe de 50% sobre o monte partível, sendo que os filhos herdarão a outra
metade.
b) pelo regime de bens, um cônjuge poderia ser herdeiro do outro, mas, no presente
caso, devido à comoriência, não cabe direito sucessório entre si, pelo que os filhos serão
os herdeiros de todo o monte partível.
c) devido ao instituto da colação caracterizado por terem falecido juntos no mesmo
acidente, os filhos herdarão os bens de cada genitor, separadamente.
d) não existe possibilidade de se transmitir a herança a mortos, haja vista que com a morte
não existe mais pessoa natural, pelo que um cônjuge somente será herdeiro do outro se
tiver sido realizado um testamento anterior à morte.

Questão 48: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2009

Assunto: Do Regime de Bens entre os Cônjuges (arts. 1.639 a 1.688)


Com relação aos efeitos patrimoniais do casamento,
a) o regime de bens pode ser alterado a qualquer momento, bastando o acordo entre os
cônjuges e a autorização judicial.
b) no regime da comunhão parcial, o aval, como a fiança, depende da concordância do
cônjuge, sob pena de anulabilidade do ato, podendo o juiz supri-la se injustificável a
recusa.
c) independentemente do regime de bens, a alienação de imóveis não pode ser realizada
por um dos cônjuges sem autorização do outro.
d) se um dos cônjuges for incapaz, a alienação dos bens comuns pode ser feita pelo outro,
independentemente de autorização judicial.

Questão 49: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2008

Assunto: Do Regime de Bens entre os Cônjuges (arts. 1.639 a 1.688)


Fazendo-se distinção entre capacidade e legitimação, é correto afirmar que
a) o tutor de um menor relativamente incapaz pode adquirir bem imóvel deste, sob sua
gestão, desde que com autorização judicial.
b) o ascendente, argentino naturalizado brasileiro, viúvo, domiciliado em Santos, não
pode vender imóvel situado naquela cidade a nenhum dos filhos, a menos que os outros
descendentes concordem com a venda, sob pena de enventual anulação do ato.
c) o condômino pode vender seu quinhão em coisa indivisível a terceiros,
independentemente de tê-lo oferecido, antes, aos consortes, sem que qualquer destes
possa, posteriormente, pretender se impor como adquirente.
d) sendo o regime de bens entre os cônjuges o da separação absoluta, quer legal, quer
convencional, a alienação do imóvel próprio de um deles, independentemente da
autorização do outro, ou de suprimento da outorga pelo juiz, torna nulo o negócio.

Questão 50: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2007

Assunto: Do Regime de Bens entre os Cônjuges (arts. 1.639 a 1.688)


No que toca ao regime de bens entre os cônjuges, aponte a assertiva válida.
a) Qualquer que seja o regime de bens, nenhum dos cônjuges, sem autorização do outro,
pode pleitear ou gravar de ônus real os bens imóveis.
b) As ações fundadas nos incisos III, IV e V do art. 1.642 do Código Civil competem ao
cônjuge prejudicado.
c) nos casos dos incisos III e IV do artigo 1.642, o terceiro, prejudicado com a sentença
favorável ao autor, não terá regressivo contra o cônjuge que realizou o negócio jurídico ou
seus herdeiros.
d) no regime de separação absoluta de bens, não pode o cônjuge demandar a rescisão de
fiança realizada pelo outro cônjuge com infração do disposto nos incisos III e IV, do art.
1.647 do Código Civil.
Questão 51: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2007

Assunto: Do Regime de Bens entre os Cônjuges (arts. 1.639 a 1.688)


Assinale a afirmação incorreta.
a) É válido o pacto antenupcial que for feito por instrumento particular, somente
produzindo efeitos contra terceiro depois de levado a registro.
b) No regime de separação de bens, quando um dos cônjuges não puder exercer a
administração de bens que lhe incumbe, seus imóveis poderão ser alienados pelo outro
com autorização judicial.
c) No regime de comunhão universal de bens, são excluídas da comunhão as dívidas
anteriores ao casamento, salvo se provierem de despesas com seus aprestos, ou
reverterem em proveito comum.
d) Segundo disposição do atual Código Civil, tanto no regime de comunhão parcial de
bens, quanto no de comunhão universal, excluem-se da comunhão os proventos do
trabalho pessoal de cada cônjuge.

Questão 52: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2012

Assunto: Dos Alimentos (arts. 1.694 a 1.710)


Assinale a alternativa correta no que diz respeito aos alimentos.
a) Os alimentos são prestados ao idoso na forma da lei civil e, em razão da solidariedade,
poderá o idoso optar entre os prestadores, a quem demandar ou acionar a todos, e a dívida
poderá ser exigida, por inteiro, de um dos coobrigados.
b) Sendo várias as pessoas obrigadas a prestar alimentos, todas devem concorrer na
proporção dos respectivos recursos e, intentada ação contra uma delas, poderão as
demais ser chamadas a integrar a lide. Se, por acaso, algum dos obrigados suportar o
encargo, satisfazendo totalmente, o necessitado, poderá exigi-lo dos outros, por ter a
obrigação alimentar característica da solidariedade e da indivisibilidade.
c) O novo casamento do ex-cônjuge devedor extingue a obrigação constante da sentença
de divórcio, assim como com o casamento, a união estável e o concubinato do credor
cessa o dever de prestar alimentos.
d) Na falta dos ascendentes, cabe a obrigação alimentar aos descendentes, guardada a
ordem de sucessão, e, faltando estes, aos colaterais até 4.º grau, sendo que os mais
próximos excluem os mais remotos.

Questão 53: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2007

Assunto: Dos Alimentos (arts. 1.694 a 1.710)


Em relação aos alimentos:

I. no cumprimento da obrigação alimentar pelos parentes, a solidariedade é relativa;

II. o direito aos alimentos é personalíssimo, imprescritível e intransmissível;

III. os alimentos são irrepetíveis e irrenunciáveis;

IV. têm os parentes, cônjuges ou companheiros, o dever de sustentar uns aos outros
quando necessário.

São verdadeiras apenas as proposições


a) I e II.
b) II e IV.
c) I, II e III.
d) II e III.

Questão 54: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2013

Assunto: Do Bem de Família (arts. 1.711 a 1.722)


No que concerne ao bem de família, assinale a resposta correta consoante a Lei n.º 8.009
e a jurisprudência do STJ.
a) A vaga de garagem, ainda que possua matrícula própria no registro de imóveis, constitui
bem de família para efeito de penhora.
b) O conceito de impenhorabilidade do bem de família abrange as benfeitorias de
qualquer natureza, equipamentos, inclusive veículos de transporte, móveis que guarnecem
a casa e obras de arte.
c) O conceito de impenhorabilidade do bem de família não abrange o imóvel pertencente
a pessoas solteiras, viúvas e separadas.
d) É impenhorável o único imóvel residencial do devedor que esteja locado a terceiros,
desde que a renda obtida com a locação seja revertida para a subsistência ou a moradia da
sua família.

Questão 55: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2006

Assunto: Da União Estável (arts. 1.723 a 1.727)


Indique a predicação verdadeira.
a) Para o atual Código Civil, concubinato e união estável é a mesmíssima coisa.
b) As causas suspensivas do casamento (impedimentos impedientes do direito anterior)
impedem a caracterização da união estável.
c) Na união estável, salvo escrito entre os companheiros, aplica-se às relações
patrimoniais, no que couber, o regime da comunhão parcial de bens.
d) A convivência sob o mesmo teto é requisito fundamental da união estável.

Questão 56: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2012

Assunto: Da Curatela (arts. 1.767 a 1.783)


Sobre curatela, é correto afirmar:
a) É um encargo público, precedido de interdição, oriundo de provimento voluntário,
conferido a alguém para reger e defender a pessoa e administrar os bens de pessoas
maiores e incapazes que, por si sós, não estão em condições de fazê-lo, em razão de
enfermidade ou deficiência mental.
b) É um encargo público, de caráter assistencial, oriundo de provimento voluntário, com
o escopo de substituir o poder familiar.
c) É um encargo público conferido a um indivíduo para dirigir a pessoa e os bens de
maiores incapazes, alcançando também outros casos, por sua natureza e efeitos
específicos, podendo envolver pessoas capazes, menores e nascituros.
d) É um instituto, de caráter assistencial, de provimento voluntário, tendo como
pressuposto fático a incapacidade.

Questão 57: VUNESP - JE TJMG/TJ MG/2012

Assunto: Da Curatela (arts. 1.767 a 1.783)


Analise as afirmativas seguintes.

I. Estão sujeitos à curatela os ébrios habituais e os viciados em tóxicos.

II. O Ministério Público não tem legitimidade para propor a interdição se não
promovê-la os pais ou tutores, cônjuge ou qualquer parente.

III. A autoridade do curador estende-se à pessoa e aos bens dos filhos do curatelado,
até cessar a menoridade.

IV. A decisão que declara a interdição só produz efeitos após o trânsito em julgado.

Estão corretas apenas as afirmativas


a) I e III.
b) I e IV.
c) II e III.
d) II e IV.

Questão 58: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2009

Assunto: Das Disposições Gerais das Sucessões (arts. 1.784 a 1.790)


Quanto ao direito sucessório brasileiro, a família matrimonial e a família fundada na união
estável diferem
a) apenas em relação à participação do sobrevivente na legítima e à influência do
momento de aquisição do bem herdado pelo sobrevivente.
b) apenas em relação à situação do sobrevivente na ordem de vocação hereditária, à
influência do momento de aquisição do bem herdado pelo sobrevivente e à concorrência
com os demais herdeiros.
c) apenas em relação à influência do momento de aquisição do bem herdado pelo
sobrevivente e à concorrência com os demais herdeiros.
d) em relação à participação do sobrevivente na legítima, à influência do momento de
aquisição do bem herdado pelo sobrevivente, à situação do sobrevivente na ordem de
vocação e à concorrência com os demais herdeiros.

Questão 59: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2015

Assunto: Da Herança e de sua Administração (arts. 1.791 a 1.797)


Acerca do Direito das Sucessões, assinale a alternativa correta.
a) É eficaz a cessão, pelo coerdeiro, de seu direito hereditário sobre bem da herança
singularmente considerado.
b) Considera-se imóvel o direito à sucessão aberta, exigindo-se escritura pública para sua
cessão, não se admitindo que a renúncia da herança conste de termo judicial.
c) É intransferível ao cessionário de direitos hereditários o direito de preferência inerente
à qualidade de herdeiro.
d) A morte do responsável cambiário é modalidade de transferência anômala da
obrigação, repassável aos herdeiros, salvo se o óbito tiver ocorrido antes do vencimento
do título.

Questão 60: VUNESP - JE TJRS/TJ RS/2018

Assunto: Da Vocação Hereditária (arts. 1.798 a 1.803)


José e Maria (grávida de 9 meses) sofreram um acidente automobilístico. José faleceu no
acidente. Maria foi levada com vida ao hospital e o filho que estava em seu ventre faleceu
alguns minutos após o nascimento, tendo respirado. Na manhã seguinte, Maria também
faleceu em decorrência dos ferimentos causados pelo acidente. José e Maria não tinham
outros filhos. O casal tinha uma fortuna de R$ 50.000.000,00 (cinquenta milhões de reais)
em aplicações financeiras, numa conta conjunta, valores acumulados exclusivamente
durante o período do casamento, sob o regime legal de bens (comunhão parcial). Os pais
de José (Josefa e João) e os pais de Maria (Ana e Paulo) ingressaram em juízo postulando
seus direitos hereditários. Assinale a alternativa correta.
a) Os pais de Maria têm direito a 75% do valor da herança e os pais de José ao restante.
b) Os pais de José têm direito a 75% do valor da herança e os pais de Maria ao restante.
c) A herança deve ser atribuída totalmente aos pais de José, nada cabendo aos pais de
Maria.
d) A herança deve ser atribuída totalmente aos pais de Maria, nada cabendo aos pais de
José.
e) Os pais de José e os pais de Maria têm direito, cada um deles, à metade da herança.

Questão 61: VUNESP - JE TJRS/TJ RS/2018

Assunto: Da Vocação Hereditária (arts. 1.798 a 1.803)


Maria vivia em união estável com José, sob o regime da comunhão parcial de bens. Este
possuía dois filhos decorrentes de relacionamento anterior e três filhos com Maria. José
faleceu. Considerando a disciplina constante do Código Civil, bem como o entendimento
do STF proferido em Repercussão Geral sobre o tema, podemos afirmar que caberá a
Maria, na sucessão dos bens particulares de José,
a) um sexto da herança.
b) um terço da herança.
c) metade do que couber a cada um dos filhos de José.
d) um quarto da herança.
e) metade da herança.

Questão 62: VUNESP - JE TJPA/TJ PA/2014

Assunto: Da Vocação Hereditária (arts. 1.798 a 1.803)


Quanto à capacidade sucessória do nascituro, assinale a alternativa correta.
a) Não possui legitimidade para receber herança ou legado.
b) Legitima-se a suceder desde que contemplado em testamento.
c) Legitima-se a suceder desde que concebido quando da abertura da sucessão.
d) Legitima-se a suceder desde que se trate de herança pela via direta e não colateral.
e) Legitima-se a suceder por legado desde que concebido até 180 dias anteriores à
abertura da sucessão.

Questão 63: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2011

Assunto: Da Aceitação e Renúncia da Herança (arts. 1.804 a 1.813)


Assinale a alternativa correta.
a) Regula a sucessão a lei vigente ao tempo da abertura do inventário.
b) A sucessão abre-se no lugar do falecimento.
c) É possível a aceitação parcial da herança.
d) O ato de renúncia da herança é passível de revogação.
e) Os descendentes de herdeiro excluído sucedem como se ele fosse morto antes da
abertura da sucessão.

Questão 64: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2013

Assunto: Da Herança Jacente (arts. 1.819 a 1.823)


Herança jacente é
a) aquela em que o de cujus deixou bens, mas não deixou testamento, sendo que não há
conhecimento da existência de algum herdeiro.
b) o reconhecimento por sentença de que não há bens, mas apenas herdeiros, sendo que
não tem personalidade jurídica nem é patrimônio autônomo sem sujeito.
c) aquela em que o falecido deixou bens e herdeiros, além de disposição de última
vontade, por meio de testamento particular.
d) aquela em que o falecido deixou bens e herdeiros, além de testamento público.

Questão 65: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2017

Assunto: Da Ordem da Vocação Hereditária (arts. 1.829 a 1.844)


Arlindo casa-se com Joana pelo regime da comunhão universal de bens e com ela tem dois
filhos, Bruno e Lucas, ambos solteiros e sem conviventes em união estável. Arlindo e Lucas
morrem em um mesmo acidente de trânsito, tendo Lucas deixado um filho menor. Dos
atestados de óbito, consta que o falecimento de Arlindo ocorreu cinco minutos antes do
de Lucas.

Assinale a alternativa correta.


a) Os bens deixados por Arlindo serão transmitidos a Joana, Bruno e ao filho de Lucas.
b) Em razão dos falecimentos no mesmo acidente, a presunção é a de que a morte do
mais velho precede a do mais jovem, o que faz com que a herança do filho de Lucas fique
restrita à parte em que seu pai sucederia, se vivo fosse.
c) Os bens deixados por Arlindo serão transmitidos a Bruno e a Lucas, observada a
meação de Joana.
d) Em razão dos falecimentos no mesmo acidente e da comoriência, a presunção é a de
que Arlindo e Lucas morreram simultaneamente, o que exclui a transmissão de bens entre
eles.

Questão 66: VUNESP - JE TJPA/TJ PA/2014

Assunto: Da Ordem da Vocação Hereditária (arts. 1.829 a 1.844)


Quanto à companheira sobrevivente que adquiriu imóvel próprio e o direito real de
habitação no qual convivia com companheiro falecido, assinale a alternativa correta.
a) O direito real de habitação não é extensivo à união estável, não tendo a companheira
sobrevivente direito a reclamá-lo, ainda que possua direito sucessório sobre os bens do
companheiro falecido.
b) A companheira sobrevivente faz jus ao direito real de habitação sobre o imóvel no qual
convivia com o companheiro falecido.
c) Havendo vários tipos de imóveis a inventariar, caberá à companheira sobrevivente a
escolha sobre qual habitar, independentemente de ter imóvel próprio.
d) Considerando a aquisição de imóvel próprio, a companheira perde o direito de
habitação.
e) No caso de possuir imóvel próprio, a companheira sobrevivente terá direito à habitação
concomitantemente com os herdeiros do companheiro falecido.

Questão 67: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2012

Assunto: Da Ordem da Vocação Hereditária (arts. 1.829 a 1.844)


Considerando as disposições positivadas no Código Civil, é correto afirmar sobre a
sucessão dos ascendentes:
a) Na falta de descendentes, são chamados à sucessão os ascendentes em concorrência
com o cônjuge sobrevivente, salvo se casado este com o falecido no regime da comunhão
universal, participação final nos aquestos, ou da separação obrigatória de bens se, no
regime da comunhão parcial, o autor da herança houver deixado bens particulares.
b) Na falta de descendentes, são chamados a suceder os ascendentes em concorrência
com o cônjuge ou companheiro sobrevivente, salvo se casado este com o falecido no
regime da comunhão parcial de bens, ou da separação obrigatória, desde que haja bens
particulares.
c) Havendo igualdade em grau e diversidade em linha, os ascendentes da linha paterna
herdam a metade, cabendo a outra aos da linha materna.
d) Concorrendo com ascendente em primeiro grau, ao cônjuge tocará a metade da
herança; caber-lhe-á um quarto desta se houver um só ascendente ou se maior for aquele
grau.

Questão 68: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2007

Assunto: Da Ordem da Vocação Hereditária (arts. 1.829 a 1.844)


Considere as seguintes situações:

I. João morreu sem deixar cônjuge, convivente, descendentes e mãe, mas tendo
irmãos, pai e avó materna vivos; seu único herdeiro legítimo é seu pai;

II. Antonio faleceu sem deixar descendentes, cônjuge, convivente e ascendentes;


dois de seus irmãos eram ainda vivos; Pedro, filho de irmão já falecido, também é
herdeiro legítimo de Antonio por representação;

III. Paulo faleceu sem deixar descendentes, cônjuge, convivente, ascendentes,


irmãos e sobrinhos; seus herdeiros legítimos são dois tios e filho de terceiro tio já
falecido;

IV. Joaquim, José e Manoel são os únicos sobrinhos de Luís, que morreu sem deixar
descendentes, cônjuge, convivente, ascendentes e irmãos; os dois primeiros são
irmãos e o terceiro primo deles e, como sucessores legítimos, herdam por cabeça.

Estão corretas
a) todas as conclusões.
b) apenas as conclusões I e III.
c) apenas as conclusões II e IV.
d) apenas as conclusões I, II e IV.

Questão 69: VUNESP - JE TJMS/TJ MS/2015

Assunto: Do Direito de Representação na Sucessão Legítima (arts. 1.851 a 1.856)


É correto que no direito de representação, considerado como instituto do direito das
sucessões,
a) há direito de representação na linha reta descendente, mas nunca na ascendente.
b) o renunciante à herança de uma pessoa não poderá representá-la na sucessão de outra.
c) não há direito de representação na linha transversal.
d) o descendente do herdeiro excluído da sucessão não poderá herdar representando o
excluído.
e) quando houver mais de um representante concorrendo à sucessão por estirpe, a
herança caberá ao mais velho.

Questão 70: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2009

Assunto: Do Direito de Representação na Sucessão Legítima (arts. 1.851 a 1.856)


O direito de representação
a) verifica-se na linha reta descendente e ascendente.
b) inexiste na linha colateral.
c) implica divisão por estirpe.
d) implica divisão por cabeça.

Questão 71: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2014

Assunto: Dos Codicilos (arts. 1.881 a 1.885)


Sendo o legado coisa certa e determinada deixada a alguém, denominado legatário, em
testamento ou codicilo, é correto afirmar que
a) o legado pode recair sobre coisa alheia, cabendo ao her-deiro a obrigação de adquirir
a coisa alheia, por conta do espólio, para entregá-la ao legatário.
b) as benfeitorias necessárias, úteis ou voluptuárias, ape-sar de serem bens acessórios,
não aderem ao imóvel legado.
c) qualquer pessoa, natural ou jurídica, simples ou em-presária, pode ser contemplada
com legado, podendo, assim, o herdeiro cumular a qualidade de legatário.
d) em se tratando de legado de alimentos, não é possível presumi-lo como vitalício, ainda
que o testador não tenha disposto expressamente acerca disso.

Questão 72: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2017


Assunto: Das Disposições Testamentárias (arts. 1.897 a 1.911)
Aberto o inventário dos bens deixados pelo falecimento de José, o automóvel, único bem
a ser partilhado entre seus dois filhos, Pedro e Antônio, passa a ser reivindicado na
totalidade por Pedro sob a alegação de que o veículo foi objeto de doação feita a ele
verbalmente 1 (um) ano antes da morte do pai.

Considerando o processo de inventário, é correto afirmar que o veículo deve ser


a) partilhado entre os dois herdeiros, ainda que tenha sido entregue ao donatário
incontinenti à doação verbal.
b) destinado a Pedro, ainda que não tenha saído da parte disponível do patrimônio do
doador, uma vez que a doação, mesmo que verbal, não perde o caráter de liberalidade e
torna obrigatório o prevalecimento da manifestação de vontade do falecido doador.
c) levado à colação e partilhado entre os dois herdeiros, exceto se foi entregue ao
donatário incontinenti à doação verbal.
d) destinado a Pedro, considerando que a doação tem preferência sobre a herança e não
a torna sujeita à colação.

Questão 73: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2017

Assunto: Das Disposições Testamentárias (arts. 1.897 a 1.911)


Pedro casa-se com Maria, pelo regime da comunhão parcial de bens, e com ela tem três
filhos: Paulo, Luciana e João. Após ficar viúvo, Pedro se casa com Luísa, pelo regime da
comunhão universal, e com ela tem um filho: Antônio.

Pedro e Luísa morrem. Em momentos posteriores, morrem Paulo e Luciana e, depois,


Antônio, cada qual deixando dois filhos. Último dos irmãos a morrer, João era solteiro, não
vivia em união estável e não deixou filhos.

Como fica a partilha dos bens deixados por João?


a) Os filhos de Paulo, Luciana e Antônio herdarão por representação e em partes iguais,
uma vez que não há distinção entre colaterais de mesmo grau.
b) Os filhos de Paulo, Luciana e Antônio herdarão por cabeça, mas aos de Antônio, por
ser irmão unilateral, caberá a metade dos demais.
c) Os filhos de Paulo, Luciana e Antônio herdarão por cabeça e em partes iguais.
d) Os filhos de Paulo, Luciana e Antônio herdarão por representação, mas aos de Antônio
caberá a metade dos demais, uma vez que na classe dos colaterais os mais próximos
excluem os mais remotos.

Questão 74: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2012


Assunto: Da Revogação do Testamento (arts. 1.969 a 1.972)
A revogação do testamento
a) não produzirá seus efeitos, ainda quando o testamento, que a encerra, vier a caducar
por exclusão, incapacidade ou renúncia do herdeiro nele nomeado, assim como, se o
testamento revogatório for anulado por omissão ou infração de solenidades essenciais ou
por vícios intrínsecos.
b) não produzirá seus efeitos, ainda quando o testamento, que a encerra, vier a caducar
por exclusão, incapacidade ou renúncia do herdeiro nele nomeado; valendo, todavia, se o
testamento revogatório for anulado por omissão ou infração de solenidades essenciais ou
por vícios intrínsecos.
c) produzirá seus efeitos, ainda quando o testamento, que a encerra, vier a caducar por
exclusão, incapacidade ou renúncia do herdeiro nele nomeado; não valerá, se o
testamento revogatório for anulado por omissão ou infração de solenidades essenciais ou
por vícios intrínsecos.
d) produzirá seus efeitos, ainda quando o testamento, que a encerra, vier a caducar por
exclusão, incapacidade ou renúncia do herdeiro nele nomeado ou quando o testamento
revogatório for anulado por omissão ou infração de solenidades essenciais ou por vícios
intrínsecos.

Direito da Criança e do Adolescente


Questão 75: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2015

Assunto: Do Direito à Vida e à Saúde (ECA - arts. 7 ao 14)


Segundo o Estatuto da Criança e do Adolescente, os casos de suspeita ou confirmação de
castigo físico, de tratamento cruel ou degradante e de maus-tratos contra criança ou
adolescente serão obrigatoriamente comunicados, sem prejuízo de outras providências
legais,
a) às Varas de Violência Doméstica para o cadastramento do domicílio.
b) ao Juiz Corregedor da Comarca para a viabilização da adoção.
c) ao Conselho Tutelar da respectiva localidade.
d) ao Hospital Regional Infantil responsável pelo domicílio da criança.

Questão 76: VUNESP - JE TJRS/TJ RS/2018

Assunto: Disposições Gerais (Do Direito à Convivência Familiar, ECA, arts. 19 ao 24)
No que diz respeito aos dispositivos previstos no Estatuto da Criança e do Adolescente
relativos ao período de gestação até o final da amamentação, assinale a alternativa correta.
a) Em virtude dos efeitos do estado gestacional ou puerperal, é vedado à gestante ou à
mãe que manifeste interesse em entregar seu filho para adoção, antes ou logo após o
nascimento.
b) A gestante ou mãe que manifeste interesse em entregar seu filho para adoção, antes ou
logo após o nascimento, será encaminhada à Justiça da Infância e da Juventude, sendo
que após a formalização do interesse manifestado em audiência ou perante a equipe
interprofissional, é vedada a desistência da entrega da criança, pela mãe, após o
nascimento.
c) O poder público, as instituições e os empregadores propiciarão condições adequadas
ao aleitamento materno, inclusive aos filhos de mães submetidas a medida privativa de
liberdade, à exceção daquelas incluídas em regime disciplinar diferenciado.
d) Os estabelecimentos de atendimento à saúde, à exceção das unidades neonatais e de
terapia intensiva, deverão proporcionar condições para a permanência em tempo integral
de um dos pais ou responsável, nos casos de internação de criança ou adolescente.
e) A gestante e a parturiente têm direito a 1 (um) acompanhante de sua preferência
durante o período do pré-natal, do trabalho de parto e do pós-parto imediato.

Questão 77: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2017

Assunto: Disposições Gerais (Do Direito à Convivência Familiar, ECA, arts. 19 ao 24)
Assinale a opção que não constitui causa para possível perda do poder familiar.
a) A entrega informal do recém-nascido a quem se comprometa a dele cuidar e educar.
b) A doutrinação da criança ou adolescente segundo a crença religiosa e os valores morais
dos genitores.
c) A condenação do pai ou da mãe por sentença penal transitada em julgado, por crime
doloso contra o próprio filho, sujeito a pena de reclusão.
d) Gravar com caução, reiteradas vezes, os imóveis de propriedade do filho menor, sem
prévia autorização judicial.

Questão 78: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2015

Assunto: Disposições Gerais (Do Direito à Convivência Familiar, ECA, arts. 19 ao 24)
A condenação criminal de um pai ou de uma mãe, para efeitos relativos aos cuidados e
guarda da criança ou adolescente,
a) impõe a imediata destituição do poder familiar e o encaminhamento do filho ou da filha
para família substituta ou acolhimento institucional.
b) implica sempre a suspensão e a posterior destituição do poder familiar
independentemente do crime cometido.
c) obriga o Estado a garantir as visitas da criança em local monitorado por equipe
interdisciplinar das Varas da Infância e Juventude ou da Família.
d) não implica a destituição do poder familiar, exceto na hipótese de condenação por
crime doloso, sujeito à pena de reclusão, contra o próprio filho ou filha.

Questão 79: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2017

Assunto: Da Família Natural (arts. 25 ao 27)


Ação de anulação de registro de nascimento cumulada com pedidos de investigação e
reconhecimento de paternidade, proposta em março de 2017, por filho nascido em
dezembro de 2003, contra A, que consta do assento de nascimento como pai do autor, e
contra B, a quem se atribui a verdadeira paternidade. Realizado o exame de DNA, conclui-
se que A, com quem o autor não estabeleceu vínculo socioafetivo, não é o pai biológico
do autor da ação, mas sim B. O suposto pai (B) morre no curso do processo, antes do
julgamento. Deve, então, o juiz
a) converter o julgamento em diligência e, obtendo o depoimento pessoal do autor,
avaliar se persiste seu interesse na obtenção de julgamento harmonizado com a verdade
real e biológica.
b) julgar extinto o processo com resolução do mérito, reconhecendo a prescrição.
c) julgar extinto o processo sem resolução do mérito em razão do falecimento do suposto
pai e, consequentemente, da perda do objeto da ação.
d) julgar procedente a ação, após a inclusão dos herdeiros do falecido no polo passivo do
feito.

Questão 80: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2017

Assunto: Da Família Substituta: guarda, tutela e adoção (arts. 28 ao 52-D)


Assinale a alternativa correta.
a) O deferimento da tutela não pressupõe a decretação da perda ou da suspensão do
poder familiar.
b) A criança ou o adolescente colocado em família substituta pode ser transferido a
terceiros ou a entidades governamentais ou não governamentais, desde que mediante
autorização judicial.
c) A criança ou o adolescente colocado sob guarda fica sob a dependência material e
moral do detentor, exceto para efeitos previdenciários.
d) A revogação da guarda exige o esgotamento do duplo grau de jurisdição, a elaboração
de parecer pelo Conselho Tutelar e a oitiva do Ministério Público.
Questão 81: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2017

Assunto: Da Família Substituta: guarda, tutela e adoção (arts. 28 ao 52-D)


No curso de processo de adoção de criança ou adolescente, o casal adotante se divorcia.
Nesse caso, é correto afirmar que a adoção
a) poderá ser deferida, autorizando-se a guarda compartilhada, desde que demonstrado
efetivo benefício ao adotando.
b) não poderá ser deferida, exceto se o estágio de convivência se realizar com um dos
cônjuges, após pareceres favoráveis das equipes técnicas da área de psicologia e de
assistência social.
c) não poderá ser deferida, caso em que fica assegurada ao adotando a imediata
colocação em programas de acolhimento familiar, bem como em cadastros estaduais e
nacional de crianças e adolescentes em condições de serem adotados.
d) poderá ser deferida, dispensando-se o estágio de convivência a partir da homologação
do divórcio, da separação judicial ou da união estável.

Questão 82: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2016

Assunto: Da Família Substituta: guarda, tutela e adoção (arts. 28 ao 52-D)


Após o falecimento de seus pais, M., menina de 7 (sete) anos de idade, permaneceu sob
guarda legal do casal José e Clemence, vizinhos de longa data, mostrando-se plenamente
ajustada ao lar familiar, estável. Ajuizada a ação de adoção, por José e Clemence,
manifestou-se o Ministério Público, e a Juíza de Direito da Vara da Infância e da Juventude,
nos termos dos artigos 39 e seguintes do Estatuto da Criança e do Adolescente,
acertadamente:
a) determinou o encaminhamento dos requerentes e da menina M. à equipe
interdisciplinar para avaliar a fixação de laços de afinidade e afetividade, pelo lapso de
tempo de convivência e ausência de má-fé na formação da família substituta.
b) determinou a expedição de editais de intimação de parentes próximos com os quais a
menina M. convivia, visando o preferencial encontro de forma legal de arranjo familiar,
consubstanciada na família extensa ou ampliada, para recomposição dos laços da família
natural.
c) determinou a busca e a apreensão da menina M. para abrigamento e a sua inscrição,
no prazo de 48 horas, em cadastros estaduais e nacional de crianças e adolescentes em
condições de serem adotados.
d) extinguiu o feito, com resolução de mérito, pronunciando a procedência da ação de
adoção, porque desnecessários: a) o estágio de convivência pela afirmação de
ajustamento da menor a família substituta, porque incontroverso, e b) o consentimento
tácito dos pais, falecidos.
e) extinguiu o feito, sem resolução de mérito, após indeferimento da petição inicial, pela
ausência de documento indispensável à propositura da ação, consubstanciado na
comprovação prévia de inscrição dos requerentes em cadastros estaduais e nacional de
pessoas ou casais habilitados à adoção.

Questão 83: VUNESP - JE TJMS/TJ MS/2015

Assunto: Da Família Substituta: guarda, tutela e adoção (arts. 28 ao 52-D)


A colocação em família substituta, nos termos dos artigos 28 e seguintes do Estatuto da
Criança e do Adolescente, far-se-á
a) mediante apreciação, em grau crescente de importância, de condições sociais e
financeiras da família substituta e do grau de parentesco e da relação de afinidade e
afetividade de seus integrantes.
b) após realização de perícia por equipe multidisciplinar, que emitirá laudo com atenção
ao estágio de desenvolvimento da criança e do adolescente e mediante seu consentimento
sobre a medida, que condicionará a decisão do juiz.
c) mediante o consentimento de maior de 12 (doze) anos de idade, colhido em audiência.
d) a partir da impossibilidade permanente – e não momentânea –, de a criança ou o
adolescente permanecer junto à sua família natural e mediante três formas: guarda, tutela
e adoção.
e) mediante comprovação de nacionalidade brasileira do requerente.

Questão 84: VUNESP - JE TJPA/TJ PA/2014

Assunto: Da Família Substituta: guarda, tutela e adoção (arts. 28 ao 52-D)


Conforme prescreve o Estatuto da Criança e do Adolescente, assinale a alternativa correta.
a) A guarda confere ao guardião o direito de opor-se a terceiros, salvo aos pais naturais
da criança ou do adolescente.
b) A guarda pode ser destinada a regularizar a posse de fato da criança ou adolescente.
c) Apenas para fins previdenciários, a criança ou o adolescente é considerado dependente
do guardião.
d) A guarda só poderá ser retirada dos pais naturais em caso de destituição do poder
familiar.
e) O deferimento da guarda de criança ou adolescente a terceiros, em qualquer caso,
impede o exercício de direito de visitas pelos pais naturais.

Questão 85: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2012

Assunto: Da Família Substituta: guarda, tutela e adoção (arts. 28 ao 52-D)


Leia as proposições a seguir.

I. A guarda confere à criança ou adolescente a condição de dependente, para todos


os fins e efeitos de direito, inclusive os previdenciários.

II. A guarda confere a seu detentor o direito de opor-se a terceiros, inclusive aos pais.

III. Via de regra, deferir-se-á a guarda, fora dos casos de tutela e adoção, para suprir
a falta eventual dos pais ou responsável, podendo ser deferido o direito de
representação para a prática de atos determinados.

IV. O poder público estimulará, por meio de assistência jurídica, os incentivos fiscais
e subsídios, o acolhimento, sob a forma de guarda, de criança ou adolescente
afastado do convívio familiar.

Quanto às proposições, é correto afirmar que


a) I e IV estão incorretas.
b) II e III estão incorretas.
c) III está incorreta.
d) I, II e III estão corretas.

Questão 86: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2011

Assunto: Da Família Substituta: guarda, tutela e adoção (arts. 28 ao 52-D)


Sobre a família substituta, guarda e tutela, é correto afirmar:
a) tratando-se de menor de dez anos de idade, para colocação em família substituta será
necessário seu consentimento, colhido em audiência.
b) a guarda destina-se a regularizar a posse de fato, podendo ser deferida, liminar ou
incidentalmente, nos procedimentos de tutela e adoção por estrangeiros.
c) o deferimento da tutela pressupõe a prévia decretação da perda ou suspensão do poder
familiar e não implica necessariamente o dever de guarda.
d) a guarda obriga à prestação de assistência material, moral e educacional à criança ou
adolescente, conferindo a seu detentor o direito de opor-se a terceiros, inclusive aos pais.

Questão 87: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2007

Assunto: Da Família Substituta: guarda, tutela e adoção (arts. 28 ao 52-D)


À luz do Estatuto da Criança e do Adolescente, indique a alternativa correta.
a) Nas diversões e espetáculos públicos, as crianças menores de dez anos poderão
ingressar nos locais de apresentação ou exibição, desacompanhadas dos pais ou
responsável, desde que não haja prejuízo à sua formação moral.
b) A adoção atribui a condição de filho ao adotado, com os mesmos direitos sucessórios
dos demais filhos naturais.
c) Ao adolescente com quatorze anos incompletos de idade é assegurada a bolsa de
aprendizagem e os direitos previdenciários.
d) Não é conferido ao detentor da guarda o direito de se opor a terceiros ou pais da
criança ou adolescente.

Questão 88: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2006

Assunto: Da Família Substituta: guarda, tutela e adoção (arts. 28 ao 52-D)


Um só destes enunciados é verdadeiro em face do Estatuto da Criança e do Adolescente.
Indique-o.
a) A morte dos adotantes restabelece o poder familiar dos pais naturais.
b) A adoção é irrevogável.
c) A adoção do menor de dezesseis anos prescinde do seu consentimento.
d) É inadmissível o deferimento de adoção a adotante falecido antes da sentença.

Questão 89: VUNESP - JE TJMS/TJ MS/2015

Assunto: Do Direito à Profissionalização e à Proteção no Trabalho (ECA - arts. 60 ao 69)


Quanto ao Direito à Profissionalização e à Proteção no Trabalho, previsto no Capítulo V,
do Título II do Estatuto da Criança e do Adolescente, nos artigos 60 e seguintes, a
aprendizagem está definida como
a) contrato de trabalho especial, ajustado por escrito e por prazo determinado, pelo qual
o empregador se compromete a assegurar ao maior de 14 (catorze) anos ingresso em
programa de formação técnico-profissional.
b) contrato de trabalho especial, sem forma específica e por prazo determinado, pelo qual
o empregador se compromete a assegurar ao maior de 14 (catorze) anos, com anuência
de seus pais ou responsável, ingresso em programa de formação técnico-profissional.
c) programa social que tenha por base o trabalho educativo, sob responsabilidade de
entidade governamental ou não governamental, sem fins lucrativos.
d) contrato de trabalho especial, sem forma específica e por prazo determinado, pelo qual
o empregador se compromete a assegurar ao maior de 14 (catorze) e menor de 24 (vinte e
quatro) anos, com anuência de seus pais ou responsável, ingresso em programa social.
e) formação técnico-profissional ministrada segundo as diretrizes e bases da legislação de
educação em vigor.
Questão 90: VUNESP - JE TJPA/TJ PA/2014

Assunto: Da Prevenção Especial (ECA - arts. 74 ao 85)


Estabelece o Estatuto da Criança e do Adolescente que compete à autoridade judicial
disciplinar, por meio de portaria, ou autorizar, mediante alvará, a participação de criança e
do adolescente em espetáculos públicos e seus ensaios e certames de beleza. O recurso
cabível contra decisão judicial proferida com base na portaria é
a) Mandado de Segurança.
b) Medida Cautelar Inominada.
c) Agravo de Instrumento.
d) Apelação.
e) Agravo Retido.

Questão 91: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2012

Assunto: Da Prevenção Especial (ECA - arts. 74 ao 85)


Leia as proposições seguintes sobre autorização para viagem, prevista no ECA.

I. Nenhuma criança poderá viajar para fora da comarca onde reside,


desacompanhada dos pais ou responsável, sem expressa autorização judicial.

II. A autoridade judiciária poderá, a pedido dos pais ou responsável, conceder


autorização válida por dois anos.

III. A autorização judicial para viagem ao exterior é dispensável, tratando-se de


adolescente acompanhado de um dos pais e que esteja portando documento em
que conste autorização expressa firmada pelo outro, com firma reconhecida.

IV. Excepcionalmente, o ECA não exige autorização judicial para a criança que,
desacompanhada dos pais ou responsável, realize viagem à comarca contígua à da
sua residência, se na mesma unidade da Federação, ou incluída na mesma região
metropolitana.

Sobre as proposições, é correto afirmar que


a) I, II e IV são verdadeiras.
b) apenas I e III são verdadeiras.
c) IV é falsa.
d) II é falsa.
Direito Eleitoral
Questão 92: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2017

Assunto: Prestação de contas da campanha eleitoral (arts. 28 a 32 da 9.504)


Sobre a arrecadação e aplicação de recursos nas campanhas eleitorais, é correto afirmar:
a) eventuais recursos financeiros que sobrarem ao final da campanha deverão ser
transferidos ao partido.
b) a doação feita por pessoa física acima do limite legal sujeita o infrator e o candidato
solidariamente ao pagamento de multa.
c) não são admissíveis doações estimáveis em dinheiro, ressalvado o emprego de
recursos próprios do candidato, nos limites da lei.
d) o partido ou candidato que receber recursos de fontes identificadas, mas vedadas pela
lei, deverá transferi-los para conta única do Tesouro Nacional.

Questão 93: VUNESP - JE TJMG/TJ MG/2012

Assunto: Prestação de contas da campanha eleitoral (arts. 28 a 32 da 9.504)


É correto afirmar que a prestação de contas de campanha integra o conceito de “quitação
eleitoral”, para fins de registro de candidatura, nas seguintes condições, à luz da mais
recente jurisprudência do Tribunal Superior Eleitoral (p. ex., Agravo Regimental em
Recurso Especial Eleitoral n.º 339.082):
a) não basta que o candidato tenha apresentado a prestação de contas de campanha
eleitoral anterior, sendo exigida a sua aprovação pela Justiça Eleitoral.
b) nem mesmo a aprovação das contas pela Justiça Eleitoral, com ressalvas, permite a
obtenção do registro da candidatura.
c) basta que o candidato tenha apresentado a prestação de contas de campanha eleitoral
anterior, independentemente de sua aprovação pela Justiça Eleitoral.
d) não basta que o candidato tenha apresentado a prestação de contas de campanha
eleitoral anterior, sendo exigida a sua aprovação pela Justiça Eleitoral, mas o
indeferimento fica condicionado à impugnação ao pedido do registro, a ser formulada por
quem de direito.

Questão 94: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2011

Assunto: Prestação de contas da campanha eleitoral (arts. 28 a 32 da 9.504)


Sobre a movimentação de recursos financeiros durante a campanha eleitoral, assinale a
alternativa correta.
a) O Ministério Público não possui legitimidade para o ingresso da ação por captação ou
gasto ilícito de recurso para fins eleitorais, em vista da ausência de previsão no art. 30-A da
Lei Federal n.º 9.504, de 1997.
b) Diversamente do que ocorre com a captação ilícita de sufrágio, a procedência da ação
por captação ou gasto ilícito de recurso para fins eleitorais implica apenas na cassação do
registro do candidato.
c) A falta de abertura de conta bancária específica não é fundamento para a rejeição de
contas de campanha eleitoral desde que, por outros meios, se possa demonstrar sua
regularidade.
d) Para acolhimento da ação por captação ou gasto ilícito de recurso para fins eleitorais,
estribada no art. 30-A da Lei Federal n.º 9.504, de 1997, é preciso avaliar a
proporcionalidade da sanção em relação à gravidade da conduta.

Questão 95: VUNESP - JE TJRS/TJ RS/2018

Assunto: Propaganda eleitoral e direito de resposta (arts. 36 a 58-A da 9.504)


Acerca do uso da internet em campanhas eleitorais, disciplinado por modificações
introduzidas na Lei Federal n 9.504/97, é correto afirmar que
o

a) a menção à pretensa candidatura, a exaltação das qualidades pessoais dos pré-


candidatos e a divulgação de posicionamento pessoal sobre questões políticas, inclusive
nas redes sociais, configuram propaganda eleitoral antecipada.
b) o poder de polícia da Justiça Eleitoral se restringe às providências necessárias para
inibir práticas ilegais, sendo, portanto, possível a censura prévia sobre o teor dos
programas a serem exibidos na internet.
c) o candidato poderá divulgar sua candidatura em sítios de pessoas jurídicas sem fins
lucrativos, desde que o espaço seja fornecido gratuitamente.
d) nenhuma pessoa jurídica de direito privado, com fins lucrativos, poderá doar ou ceder
o cadastro eletrônico de seus clientes em favor de candidatos, partidos ou coligações.
e) a propaganda eleitoral na internet é permitida quando se tratar, por exemplo, de
menções em redes sociais, cujo conteúdo seja gerado por candidatos, partidos, coligações
ou qualquer pessoa natural, sem contratação de impulsionamento de conteúdos.

Questão 96: VUNESP - JE TJMS/TJ MS/2015

Assunto: Propaganda eleitoral e direito de resposta (arts. 36 a 58-A da 9.504)


No que se refere à propaganda eleitoral na Imprensa, é correto afirmar que são permitidas,
a) até o dia das eleições, a divulgação paga, na imprensa escrita, e a reprodução na
internet do jornal impresso, de até 7 (sete) anúncios de propaganda eleitoral, por veículo,
em datas diversas, para cada partido, no espaço máximo, por edição, de 1/8 (um oitavo)
de página de jornal padrão e de 1/4 (um quarto) de página de revista ou tabloide.
b) até o dia das eleições, a divulgação paga, na imprensa escrita, e a reprodução na
internet do jornal impresso, de até 12 (doze) anúncios de propaganda eleitoral, por veículo,
em datas diversas, para cada partido, no espaço máximo, por edição, de 1/6 (um sexto) de
página de jornal padrão e de 1/3 (um terço) de página de revista ou tabloide.
c) até o dia das eleições, a divulgação paga, na imprensa escrita, e a reprodução na
internet do jornal impresso, de até 5 (cinco) anúncios de propaganda eleitoral, por veículo,
em datas diversas, para cada candidato, no espaço máximo, por edição, de 1/8 (um oitavo)
de página de jornal padrão e de 1/4 (um quarto) de página de revista ou tabloide.
d) até a antevéspera das eleições, a divulgação paga, na imprensa escrita, e a reprodução
na internet do jornal impresso, de até 12 (doze) anúncios de propaganda eleitoral, por
veículo, em datas diversas, para cada partido, no espaço máximo, por edição, de 1/6 (um
sexto) de página de jornal padrão e de 1/3 (um terço) de página de revista ou tabloide.
e) até a antevéspera das eleições, a divulgação paga, na imprensa escrita, e a reprodução
na internet do jornal impresso, de até 10 (dez) anúncios de propaganda eleitoral, por
veículo, em datas diversas, para cada candidato, no espaço máximo, por edição, de 1/8
(um oitavo) de página de jornal padrão e de 1/4 (um quarto) de página de revista ou
tabloide.

Questão 97: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2015

Assunto: Propaganda eleitoral e direito de resposta (arts. 36 a 58-A da 9.504)


A busca das condições de relativa “igualdade” na disputa eleitoral autoriza a disciplina da
propaganda eleitoral, condição que inclui
a) o controle prévio do conteúdo do material apresentado pelos Partidos e coligações
para divulgação na campanha eleitoral.
b) vedação de manifestações individuais nas “redes sociais” no período de campanha
eleitoral.
c) proibição de veiculação de programas e material jornalísticos descrevendo fatos
“positivos” ou “negativos” a respeito de candidatos durante o período de campanha
eleitoral.
d) limitações à propaganda eleitoral em relação ao rádio e à televisão durante o período
de campanha eleitoral.

Questão 98: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2014

Assunto: Propaganda eleitoral e direito de resposta (arts. 36 a 58-A da 9.504)


Sobre o material utilizado pelos candidatos na propaganda eleitoral, é correto afirmar:
a) A utilização de “outdoors” é permitida nas campanhas eleitorais.
b) É permitida na campanha eleitoral a distribuição de material gráfico do candidato ao
eleitor, desde que não proporcione a este qualquer vantagem.
c) É permitida na campanha eleitoral a distribuição de chaveiros, bonés e camisetas ao
eleitor como forma de propaganda eleitoral.
d) É vedada, mesmo em dias antes do dia das eleições, a utilização, na campanha eleitoral,
de carro de som que transite pela cidade divulgando “jingles” ou mensagens dos
candidatos.

Questão 99: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2012

Assunto: Propaganda eleitoral e direito de resposta (arts. 36 a 58-A da 9.504)


Em relação à propaganda eleitoral, assinale a alternativa correta.
a) É permitido ao candidato utilizar os cadastros eletrônicos cedidos gratuitamente por
entidade de classe, desde que haja mecanismo que permita seu descadastramento pelo
destinatário da mensagem (associado).
b) O candidato cujo registro esteja sub judice pode efetuar todos os atos relativos à sua
campanha eleitoral, inclusive na Internet, na imprensa, e no horário eleitoral gratuito no
rádio e na televisão, independentemente da obtenção de provimento jurisdicional
antecipatório ou liminar.
c) É permitida em estádio de futebol pertencente à pessoa jurídica de direito privado e
cujo acesso ao público em geral se dá mediante o pagamento de ingresso, desde que
respeitado o tamanho máximo de quatro metros quadrados das faixas, placas, cartazes,
pinturas ou inscrições.
d) O prazo para ajuizamento da representação que visa ao direito de resposta é de 24
horas, independentemente da mídia em que foi perpetrada a ofensa, contado a partir do
conhecimento do ofendido.

Questão 100: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2011

Assunto: Propaganda eleitoral e direito de resposta (arts. 36 a 58-A da 9.504)


Em relação à propaganda eleitoral, assinale a alternativa correta.
a) É admitido que, no período anterior ao registro das candidaturas, os pré-candidatos
possam participar de debates, inclusive com a exposição de plataformas e projetos
políticos, desde que não haja pedido de voto.
b) É admitida a propaganda em árvores e nos jardins em áreas públicas desde que não lhes
cause dano.
c) É admitida a propaganda em estabelecimentos comerciais de acesso franqueado ao
público, tais como bares e restaurantes, desde que haja consentimento espontâneo e
gratuito do proprietário ou possuidor.
d) É admitida a aplicação ex officio de multa por propaganda eleitoral ilícita, calcada no
poder de polícia da Justiça Eleitoral.

Direito Empresarial (Comercial)


Questão 101: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2013

Assunto: Sociedade: conceito, classificação e disposições gerais (arts. 981 a 985 do CC)
Uma das causas pela qual se dissolve a sociedade é a falta de pluralidade de sócios. A lei
civil, contudo, admite a unipessoalidade temporária, caso em que poderá a sociedade ser
reconstituída, pelo prazo de
a) 60 dias.
b) 30 dias.
c) 180 dias.
d) 90 dias.

Questão 102: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2014

Assunto: Sociedade em Comum (arts. 986 a 990 do CC)


Assinale a opção incorreta.
a) Tanto a sociedade irregular quanto a de fato compõem categorias de sociedade
comum.
b) Na sociedade em comum, os sócios, nas relações entre si ou com terceiros, somente
por escrito podem provar a existência da sociedade, e também os terceiros deverão assim
provar.
c) Sociedade irregular é aquela cujo contrato social não está inscrito no registro próprio,
ou, estando inscrito, o está de forma irregular.
d) Sociedade de fato é aquela que nem mesmo possui contrato social escrito.

Questão 103: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2007

Assunto: Sociedade em Comum (arts. 986 a 990 do CC)


A responsabilidade dos sócios pelas obrigações contraídas pela sociedade é solidária
a) em qualquer espécie de sociedade, tenha ou não sido integralizado o capital social e
independentemente da desconsideração da personalidade jurídica.
b) quando se tratar de sociedade em comum.
c) em qualquer espécie de sociedade, apenas quando se tratar de obrigação ilícita.
d) apenas se ocorrer a desconsideração da personalidade jurídica.

Questão 104: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2014

Assunto: Sociedade Simples (arts. 997 a 1038 do CC)


Tratando-se de sociedade em comum, enquanto não inscritos os atos constitutivos, exceto
por ações em organização, a sociedade será regida pelas disposições constantes do
Código Civil, observadas, subsidiariamente e no que com ele forem compatíveis, as
normas da sociedade
a) anônima.
b) em comandita simples.
c) em nome coletivo.
d) simples.

Questão 105: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2011

Assunto: Sociedade Simples (arts. 997 a 1038 do CC)


Nas sociedades simples, é correto afirmar que
a) todos os sócios respondem solidária e ilimitadamente pelas obrigações sociais,
excluído do benefício de ordem – referente à execução em primeiro lugar dos bens sociais
– aquele que contratou pela sociedade.
b) o sócio sempre participa dos lucros e das perdas na proporção das respectivas quotas.
c) os poderes do sócio investido na administração por cláusula do contrato social podem
ser revogados, a qualquer tempo, por meio de ato separado, desde que subscrito pela
maioria dos sócios.
d) a administração da sociedade, nada dispondo o contrato social, compete
separadamente a cada um dos sócios.
e) é anulável a estipulação contratual que exclua qualquer sócio de participar dos lucros
e das perdas.

Questão 106: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2009

Assunto: Sociedade Simples (arts. 997 a 1038 do CC)


Na sociedade simples,
a) as obrigações dos sócios terminam quando a sociedade tornar-se inativa.
b) as modificações do contrato social que tenham por objeto a denominação, o objeto, a
sede e o prazo da sociedade podem ser decididas por maioria absoluta de votos.
c) nos 60 (sessenta) dias subsequentes à sua constituição, a sociedade deverá requerer a
inscrição do contrato social no Registro Civil das Pessoas Jurídicas do local de sua sede.
d) a administração poderá ser exercida por pessoa nomeada por instrumento em
separado, averbado à margem da inscrição da sociedade.

Questão 107: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2006

Assunto: Sociedade Simples (arts. 997 a 1038 do CC)


Sobre a Sociedade Simples, é correto afirmar que
a) os sócios podem ser pessoas físicas ou jurídicas, brasileiros ou estrangeiros, residentes
no país ou no exterior.
b) os sócios podem ser somente pessoas físicas, brasileiros ou estrangeiros residentes
somente no Brasil.
c) se admite a sociedade entre cônjuges casados pelo regime da comunhão universal.
d) somente o sócio cuja contribuição consista em serviços pode, mesmo na ausência de
estipulação contratual, empregar-se em atividade estranha à sociedade.

Questão 108: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2017

Assunto: Sociedade Limitada (arts. 1052 a 1087 do CC)


A retirada do sócio de sociedade limitada
a) depende da aprovação dos demais em assembleia ou reunião.
b) condiciona-se à prévia propositura de ação judicial.
c) condiciona-se à apresentação de justa causa.
d) constitui direito potestativo do sócio retirante.

Questão 109: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2016

Assunto: Sociedade Limitada (arts. 1052 a 1087 do CC)


A sociedade limitada rege-se pelas disposições do Código Civil, e nas omissões deste, não
havendo previsão no contrato social acerca da regência supletiva, pelas normas aplicáveis
à sociedade
a) anônima.
b) em comandita por ações.
c) em conta de participação.
d) simples.
e) em comandita simples.

Questão 110: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2015

Assunto: Sociedade Limitada (arts. 1052 a 1087 do CC)


Assinale a alternativa incorreta.
a) Na sociedade limitada, em que o capital social ainda não estiver integralizado, a
designação de administrador não sócio depende da aprovação pela unanimidade dos
sócios.
b) Exceto se houver expressa autorização no contrato social, na sociedade limitada, um
sócio não pode ceder quotas a outro quotista sem o consentimento dos demais.
c) Na sociedade limitada, a responsabilidade dos sócios é restrita ao valor das suas quotas,
salvo quanto à obrigação de integralização do capital, que é solidária.
d) Na sociedade simples, a contribuição do sócio pode consistir apenas em serviços.

Questão 111: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2015

Assunto: Sociedade Limitada (arts. 1052 a 1087 do CC)


Nos termos da Lei n 12.529/11, não constitui por si só infração da ordem econômica os atos
o

dos competidores que tenham por objeto ou possam produzir o seguinte efeito:
a) limitar a livre iniciativa.
b) dominar mercado relevante de bens ou serviços.
c) exercício de forma abusiva de posição dominante.
d) falsear ou de qualquer forma prejudicar a livre concorrência.

Questão 112: VUNESP - JE TJPA/TJ PA/2014

Assunto: Sociedade Limitada (arts. 1052 a 1087 do CC)


Nas sociedades limitadas, é correto afirmar que
a) na omissão do contrato, o sócio pode ceder sua quota, total ou parcialmente, a quem
seja sócio, independentemente de audiência dos outros, ou a estranho, se não houver
oposição de titulares de mais da metade do capital social.
b) os sócios respondem solidariamente pela exata estimação de bens conferidos ao capital
social, até o prazo de cinco anos da data da subscrição das quotas.
c) o capital social divide-se em quotas indivisíveis e iguais, cabendo uma ou diversas a
cada sócio, que será responsável pela integralização que lhe couber.
d) a cessão total ou parcial da quota somente terá eficácia com a aprovação da
modificação do contrato social com o consentimento dos demais sócios, respondendo, o
cedente, solidariamente com o cessionário, perante a sociedade e terceiros, pelas
obrigações que tinha como sócio, até dois anos depois de sua saída.
e) os sócios serão obrigados à reposição dos lucros e das quantias retiradas, a qualquer
título, ainda que autorizados pelo contrato, quando tais lucros ou quantia se distribuírem
com prejuízo do capital.

Questão 113: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2014

Assunto: Sociedade Limitada (arts. 1052 a 1087 do CC)


Tendo em vista a Sociedade Limitada, assinale a opção incorreta.
a) A sociedade limitada adquire uma personalidade jurídica distinta do patrimônio dos
sócios que a compõem. Isto gera, de maneira absoluta, a irresponsabilidade dos sócios
pelos débitos da sociedade limitada.
b) A sociedade limitada terá um capital fixo e determinado, formado por qualquer espécie
de bens, suscetíveis de avaliação pecuniária e execução forçada, adequados à consecução
do objeto social.
c) Subscrição e integralização são momentos distintos. Subscrição é a divisão do capital
entre os sócios. Integralização é o efetivo pagamento do valor subscrito.
d) A responsabilidade de cada sócio é restrita ao valor de suas quotas, mas todos
respondem solidariamente pela integralização do capital social.

Questão 114: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2014

Assunto: Sociedade Limitada (arts. 1052 a 1087 do CC)


Assinale a opção correta.
a) É lícito dispor no contrato social, mediante acordo dos sócios, cláusula que exclua um
dos sócios de participar das perdas da sociedade.
b) A Sociedade Limitada deve ser constituída por dois ou mais sócios, não se admitindo,
em nenhuma hipótese, a redução a apenas um.
c) A pessoa física, declarada insolvente, está impedida de participar de sociedade limitada.
d) Será de pleno direito excluído da sociedade limitada o sócio declarado falido.

Questão 115: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2014

Assunto: Sociedade Limitada (arts. 1052 a 1087 do CC)


Na sociedade limitada,
a) as deliberações serão tomadas por maioria de votos, contados segundo o número de
sócios, independente-mente de seu comparecimento em assembleia.
b) o sócio, admitido em sociedade já constituída, não se exime das dívidas anteriores à
admissão.
c) no silêncio do contrato, os administradores podem pra-ticar todos os atos pertinentes
à gestão, inclusive quanto à oneração ou à venda de bens imóveis.
d) são revogáveis os poderes do sócio investido na adminis-tração por cláusula expressa
do contrato social, inclusive por justa causa, independentemente de reconhecimento
judicial, desde que assim decida a maioria absoluta dos sócios.

Questão 116: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2013

Assunto: Sociedade Limitada (arts. 1052 a 1087 do CC)


Na sociedade limitada que for administrada por sócio nomeado administrador no contrato,
sua destituição somente se opera pela aprovação de titulares de quotas correspondentes
a) à totalidade do capital social.
b) no mínimo, a dois terços do capital social.
c) a mais da metade do capital social.
d) no mínimo, a três quartos do capital social.

Questão 117: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2011

Assunto: Sociedade Limitada (arts. 1052 a 1087 do CC)


No tocante à sociedade limitada, é correto afirmar que
a) nas omissões do respectivo capítulo do Código Civil que a regulamenta e do seu
contrato social, rege-se pelas normas atinentes à sociedade anônima.
b) a deliberação em assembleia será obrigatória se o número dos sócios for superior a dez,
mas a reunião ou a assembleia torna-se dispensável quando todos os sócios decidirem, por
escrito, sobre a matéria que seria objeto dela.
c) a administração atribuída no contrato a todos os sócios estende-se, de pleno direito,
aos que posteriormente adquiram essa qualidade.
d) o capital social divide-se em quotas, iguais ou desiguais, cabendo uma ou diversas a
cada sócio, permitida contribuição que consista em prestação de serviços.
e) estabelecido um Conselho Fiscal, seus membros não poderão ser remunerados.

Questão 118: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2008

Assunto: Sociedade Limitada (arts. 1052 a 1087 do CC)


Nas sociedades limitadas,
a) é obrigatória a instituição de conselho fiscal, com 3 ou mais membros, quando a
sociedade for composta por 10 ou mais quotistas.
b) a aprovação, sem reserva, do balanço patrimonial do resultado econômico exonera
irrevogavelmente a responsabilidade dos sócios.
c) o administrador pode não ser quotista, mas sua designação dependerá de aprovação
unânime dos quotistas, quando o capital não estiver integralizado.
d) o capital social divide-se em quotas iguais, divisíveis ou indivisíveis.

Questão 119: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2007

Assunto: Da liquidação da Sociedade (arts. 1102 a 1112 do CC)


A sociedade simples pode ser dissolvida judicialmente, a requerimento de qualquer dos
sócios, quando
a) ocorrer discordância na administração social.
b) anulada sua constituição, exaurido o fim social, ou verificada sua inexeqüilidade.
c) ocorrer execução fiscal ou ilicitude de sua atividade.
d) apenas se verificar a possibilidade de exaustão do fim social.

Questão 120: VUNESP - JE TJMS/TJ MS/2015

Assunto: Da Transformação, da Incorporação, da Fusão e da Cisão das Sociedades (arts.


1113 a 1122 do CC)
Nos termos do Código Civil, a sociedade de cujo capital outra sociedade possua menos
de dez por cento do capital social com direito a voto, denomina-se sociedade
a) comum.
b) filiada.
c) de simples participação.
d) em nome coletivo.
e) controlada.

Questão 121: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2015

Assunto: Acionistas (arts. 106 a 120)


Em relação às sociedades anônimas, é correto afirmar que
a) o acordo de acionistas registrado na Companhia pode vincular o voto dos membros do
conselho de administração eleitos pelos sócios que o tenham firmado.
b) a critério de seus fundadores, a sociedade anônima que tenha por objeto social
atividade rural poderá ser inscrita no registro civil de pessoas jurídicas.
c) desde que não haja oposição de qualquer dos acionistas presentes, a assembleia geral
da S/A fechada pode deliberar a distribuição de dividendos inferiores aos fixos ou mínimos
estipulados para os acionistas preferencialistas.
d) a assembleia geral não pode suspender o exercício dos direitos de acionista em mora
com obrigações impostas pelo estatuto, salvo se tal obrigação decorrer de expressa
disposição legal.

Questão 122: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2009

Assunto: Acionistas (arts. 106 a 120)


Nas sociedades anônimas,
a) compete privativamente à assembléia geral eleger os diretores da companhia.
b) é direito essencial do acionista o da preferência para a subscrição de debêntures
conversíveis em ações, observado o disposto em lei.
c) a diretoria será composta por três ou mais diretores, destituíveis a qualquer tempo pela
assembléia geral.
d) é vedado ao estatuto estabelecer a exigência de garantia, prestada por terceiro, para
o exercício do cargo de administrador.
Questão 123: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2008

Assunto: Acionistas (arts. 106 a 120)


Nas sociedades anônimas de capital fechado, tratadas na Lei n.º 6.404/76,
a) a mudança do objeto da companhia não confere ao acionista o direito de retirada.
b) o administrador da companhia deve empregar cuidado e diligência na administração
dos negócios, considerando os interesses do grupo ou classe de acionistas que o elegeu.
c) a assembléia que tem por objeto a reforma do estatuto somente será instalada com a
presença de acionistas que representem 2/3 do capital com direito a voto.
d) os acionistas que também são administradores devem comparecer à assembléia geral
ordinária para prestar os esclarecimentos sobre as demonstrações financeiras
apresentadas, mas sobre elas não poderão votar, quer como acionistas, quer como
procuradores.

Questão 124: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2007

Assunto: Acionistas (arts. 106 a 120)


O “direito de recesso” na sociedade por ações é
a) a faculdade legal do acionista de retirar-se da companhia, mediante o reembolso do
valor patrimonial das ações respectivas.
b) a faculdade de qualquer de seus administradores licenciar- se temporariamente de suas
funções na administração da companhia.
c) a suspensão temporária das atividades da companhia.
d) a suspensão temporária dos efeitos de deliberação da assembléia dos acionistas da
companhia.

Questão 125: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2008

Assunto: Ações, Partes Beneficiárias, Debêntures, Bônus de Subscrição (arts. 11 a 79)


A debênture é um título emitido
a) somente por sociedade anônima e confere aos seus titulares direito de crédito contra
ela.
b) por sociedade anônima e sociedade em comandita por ações e confere aos seus
titulares direito de crédito, sem privilégio, ou garantia, contra elas.
c) somente por sociedade anônima e confere aos seus titulares direito de crédito contra
ela, vedada sua conversão em ações.
d) por sociedade anônima e sociedade comandita por ações e confere aos seus titulares
direito de crédito, sendo facultada a previsão de garantia real ou flutuante.

Questão 126: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2013

Assunto: Assembleia Geral, Conselhos, Diretoria (arts. 121 a 165-A)


Poderão ser eleitas para membros dos órgãos de administração da sociedade anônima:
a) pessoas naturais, devendo os diretores ser residentes no País.
b) pessoas naturais, residentes no País, devendo os membros do conselho de
administração ser acionistas, e os diretores, acionistas ou não.
c) pessoas naturais, devendo os membros do conselho de administração ser acionistas, e
os diretores residentes no País, acionistas ou não.
d) pessoas naturais, residentes no País, diplomadas em curso de nível universitário, ou que
tenham exercido, por prazo mínimo de três anos, cargo de administrador de empresa ou
de conselheiro fiscal.

Questão 127: VUNESP - JE TJMG/TJ MG/2012

Assunto: Assembleia Geral, Conselhos, Diretoria (arts. 121 a 165-A)


É correto afirmar que compete à assembleia geral da sociedade anônima
a) fiscalizar os atos dos administradores e verificar o cumprimento dos seus deveres legais
e estatutários.
b) analisar, ao menos trimestralmente, o balancete e demais demonstrações financeiras
elaboradas periodicamente pela companhia.
c) suspender o exercício dos direitos do acionista.
d) deliberar sobre o plano de recuperação judicial da companhia, em caso de grave crise
financeira.

Questão 128: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2007

Assunto: Assembleia Geral, Conselhos, Diretoria (arts. 121 a 165-A)


As regras dos deveres de diligência, de lealdade e de informar, do administrador de uma
sociedade por ações, relacionam- se, de modo mais adequado, à noção
a) de abuso de direito.
b) da boa-fé subjetiva.
c) da boa-fé objetiva.
d) do estado de necessidade.

Questão 129: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2013

Assunto: Outros temas de Sociedade Anônima


Em relação ao consórcio de sociedades, assinale a alternativa correta.
a) Adquire personalidade jurídica mediante o arquivamento do contrato no Registro do
Comércio do lugar da sua sede.
b) Nas obrigações assumidas pelas consorciadas, presume- se responsabilidade solidária.
c) O consórcio será constituído mediante contrato aprovado pelo órgão da sociedade
competente para autorizar a alienação de bens do ativo não circulante.
d) O consórcio não tem capacidade processual.

Direito Penal
Questão 130: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2006

Assunto: Dolo, Culpa e Preterdolo


Assinale a alternativa falsa. É elemento do tipo injusto culposo
a) a inobservância do dever objetivo de cuidado.
b) a produção de um resultado desejado como fim direcionado da ação.
c) a produção de um resultado e a existência de nexo causal.
d) a previsibilidade consciente e objetiva do resultado.

Questão 131: VUNESP - JE TJPA/TJ PA/2014

Assunto: Erro de Tipo


A doutrina entende por aberratio delicti
a) o erro sobre a pessoa, no qual o agente, por engano de representação, atinge outra
pessoa no lugar da vítima desejada.
b) o desvio do golpe que ocorre quando o agente por inabilidade ou acidente não acerta
a vítima visada, mas outra pessoa.
c) o erro sobre a ilicitude do fato.
d) uma das hipóteses de resultado diverso do pretendido, no qual o agente por inabilidade
ou acidente atinge bem jurídico diverso do pretendido.
e) o resultado que agrava especialmente a pena.

Questão 132: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2014

Assunto: Erro de Tipo


Analise as seguintes situações:

I. Quando, por erro no uso dos meios de execução, o agente, ao invés de atingir a
pessoa que pretendia ofender, atinge pessoa diversa, responde como se tivesse
praticado o crime contra aquela, levando-se em consideração as qualidades da
vítima que almejava. No caso de ser também atingida a pessoa que o agente
pretendia ofender, aplica-se a regra do concurso formal.

II. Há representação equivocada da realidade, pois o agente acredita tratar-se a


vítima de outra pessoa. Trata-se de vício de elemento psicológico da ação. Não
isenta de pena e se consideram as condições ou qualidades da pessoa contra quem
o agente queria praticar o crime.

III. Trata-se de desvio do crime, ou seja, do objeto jurídico do delito. O agente,


objetivando um determinado resultado, termina atingindo resultado diverso do
pretendido. O agente responde pelo resultado diverso do pretendido somente por
culpa, se for previsto como delito culposo. Quando o agente alcançar o resultado
almejado e também resultado diverso do pretendido, responderá pela regra do
concurso formal.

Tais ocorrências configuram, respectivamente:


a) error in persona; aberratio ictus; aberratio criminis.
b) aberratio ictus; aberratio criminis; error in persona.
c) aberratio ictus; error in persona; aberratio criminis.
d) aberratio criminis; error in persona; aberratio ictus.

Questão 133: VUNESP - JE TJMG/TJ MG/2012

Assunto: Erro de Tipo


Leia atentamente as assertivas a seguir.

I. Pode-se afirmar que, na história do Direito Penal Brasileiro, as Ordenações Filipinas


foram substituídas pelo Código Criminal do Império de 1830.
II. A interpretação da lei é autêntica contextual quando o julgador, dentro de um
determinado contexto fático, aplica-a.

III. O agente que, voluntariamente, desiste de prosseguir na execução ou impede


que o resultado se produza, só responde pelo crime tentado.

IV. O erro sobre o elemento constitutivo do tipo legal de crime exclui o dolo, mas
permite a punição por crime culposo, se previsto em lei.

Está correto apenas o que se afirma em


a) I e II.
b) I e IV.
c) III e IV.
d) I, III e IV.

Questão 134: VUNESP - JE TJMS/TJ MS/2015

Assunto: Tipicidade e Resultado


Assinale a alternativa correta.
a) O Código Penal Brasileiro adotou a teoria do resultado para aferição do tempo do
crime, conforme se depreende do art. 4 do mencionado Código.
o

b) Da Constituição Federal de 1988 pode-se extrair a garantia à sociedade pela aplicação


do princípio da não fragmentariedade, consistente na proteção de todos os bens jurídicos
e proteção dos interesses jurídicos.
c) Norma penal em branco é aquela cujo preceito secundário do tipo penal é estabelecido
por outra norma legal, regulamentar ou administrativa.
d) A tipicidade conglobante é um corretivo da tipicidade legal, posto que pode excluir do
âmbito do típico aquelas condutas que apenas aparentemente estão proibidas.
e) A teoria da imputação objetiva consiste em destacar o resultado naturalístico como
objeto do bem jurídico penalmente tutelado.

Questão 135: VUNESP - JE TJPA/TJ PA/2014

Assunto: Tipicidade e Resultado


Assinale a alternativa com o nome e a nacionalidade do principal defensor da teoria da
tipicidade conglobante.
a) Nilo Batista, brasileiro.
b) Luigi Ferrajoli, italiano.
c) Kai Ambos, alemão.
d) Klaus Tiedemann, alemão.
e) Eugenio Raúl Zaffaroni, argentino.

Questão 136: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2013

Assunto: Tipicidade e Resultado


Quando a descrição legal do tipo penal contém o dissenso, expresso ou implícito, como
elemento específico, o consentimento do ofendido funciona como causa de exclusão da
a) antijuridicidade formal.
b) tipicidade.
c) antijuridicidade material.
d) punibilidade do fato.

Questão 137: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2014

Assunto: Nexo de Causalidade: Teorias


No tocante à relação de causalidade no crime (art. 13, Código Penal), analise as seguintes
assertivas e escolha a opção que contenha afirmação falsa:
a) A superveniência de causa relativamente independente, que, por si só, produz o
resultado, exclui a imputação original, mas os fatos anteriores são imputados a quem os
praticou.
b) A relação de causalidade relevante para o Direito Penal é a que é previsível ao agente.
A cadeia causal, aparentemente infinita sob a ótica naturalística, é limitada pelo dolo ou
pela culpa do agente.
c) As concausas absolutamente independentes excluem a causalidade da conduta.
d) A relação de causalidade tem relevância nos crimes materiais ou de resultado e nos
formais ou de mera conduta.

Questão 138: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2013

Assunto: Tentativa (crime)


Há crime em que a tentativa é punida com a mesma pena do crime consumado, sem a
diminuição legal. Exemplo: art. 309 do Código Eleitoral (“votar ou tentar votar, mais de
uma vez, ou em lugar de outrem”).
Recebe, em doutrina, a denominação de
a) crime consunto.
b) crime de conduta mista.
c) crime de atentado ou de empreendimento.
d) crime multitudinário.

Questão 139: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2013

Assunto: Tentativa (crime)


Conforme o disposto no artigo 14, parágrafo único, do Código Penal, “Salvo disposição em
contrário, pune-se a tentativa com a pena correspondente ao crime consumado, diminuída
de um a dois terços”.

O critério de diminuição da pena levará em consideração


a) a motivação do crime.
b) a intensidade do dolo.
c) o iter criminis percorrido pelo agente.
d) a periculosidade do agente.

Questão 140: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2011

Assunto: Tentativa (crime)


Assinale, dentre os crimes mencionados, qual deles admite a tentativa.
a) Lesão corporal seguida de morte (art. 129, § 3.º, do Código Penal).
b) Omissão de socorro (art. 135, do Código Penal).
c) Falsificação de documento público (art. 297, do Código Penal).
d) Rufianismo (art. 230, do Código Penal).

Questão 141: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2007

Assunto: Consumação
Assinale a alternativa incorreta.
a) Crimes materiais descrevem a conduta e o resultado naturalístico exigido.
b) Crimes formais descrevem a conduta do agente e o resultado, que não é exigido para
a consumação do tipo penal.
c) Crimes de mera conduta são aqueles sem resultado naturalístico, mas com resultado
jurídico.
d) Crimes de mera conduta são de consumação antecipada.

Questão 142: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2015

Assunto: Arrependimento Posterior


No arrependimento posterior, o agente busca atenuar os efeitos da sua conduta, sendo,
portanto, causa geral de diminuição de pena. Sobre esse instituto, assinale a alternativa
correta.
a) Deve operar-se até o recebimento da denúncia ou queixa.
b) O dano não precisa ser reparado quando o crime foi sem violência.
c) Pode ocorrer em crime cometido com violência, desde que o agente se retrate até a
sentença.
d) A grave ameaça não o tipifica.

Questão 143: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2012

Assunto: Arrependimento Posterior


Assinale a hipótese que configura arrependimento posterior (CP, art. 16).
a) Autor de sonegação fiscal que, quando de seu interrogatório em juízo, junta aos autos
do processo o comprovante de pagamento de todos os impostos devidos, acrescidos de
juros, multas e correção monetária.
b) Autor de estelionato que, antes de ser descoberto e consternado pelo prejuízo que
causaria, não deposita em favor próprio o cheque que ardilosamente obteve da vítima.
c) Autor de peculato doloso que no momento de sua prisão em flagrante devolve,
voluntariamente, os bens móveis de que se havia apropriado.
d) Autor de resistência que, antes do início da ação penal, desculpa-se com a vítima e por
ela é perdoado.

Questão 144: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2011

Assunto: Arrependimento Posterior


Antônio, durante a madrugada, subtrai, com o emprego de chave falsa, o automóvel de
Pedro. Depois de oferecida a denúncia pela prática de crime de furto qualificado, mas
antes do seu recebimento, por ato voluntário de Antônio, o automóvel furtado é devolvido
à vítima. Nesse caso, pode-se afirmar a ocorrência de
a) arrependimento posterior.
b) desistência voluntária.
c) arrependimento eficaz.
d) circunstância atenuante.
e) causa de extinção da punibilidade.

Questão 145: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2014

Assunto: Legítima Defesa


Imagine que João e Pedro, ambos enfermeiros, são desafe-tos de longa data. Em
determinado dia em que João estava concentrado, aplicando uma injeção em um paciente
de nome José, Pedro aproxima-se sorrateiramente e desfere facada contra João, com o
fim de provocar lesão. Posterior-mente, descobre-se que João, no momento em que
recebeu o golpe desferido por Pedro, estava inoculando em José poderoso veneno,
intencionalmente, a fim de matá-lo – postoque fora “contratado” por familiares de José
para tirar-lhe a vida. A ação criminosa de João foi interrompida pelo golpe de Pedro. Em
suma: sem saber que José estava a sofrer aten-tado contra a vida, Pedro acabou salvando-
o e, ao mesmo tempo, executou seu plano de ofender a integridade física de João, que
sofreu lesão leve. Diante dessa hipótese, é correto afirmar que
a) à luz estritamente do quanto determina o texto do CP, não se exige prévia ciência da
situação de risco do direito para que se considere a ação de Pedro praticada em legítima
defesa, com o que ficaria afastada a ilicitude de sua conduta.
b) Pedro atuou circunstanciado por erro acerca de causa de justificação, em defesa
putativa de bem jurídico de terceiro, com o que deve ser aplicada a pena do crime culposo
de lesão corporal.
c) a doutrina historicamente divergiu acerca da necessidadedo animus defendendi na
legítima defesa, mas hoje a questão está pacificada, no sentido de se exigi-lo, com o que
a ação de Pedro estaria acobertada pela legítima defesa.
d) a corrente doutrinária que defende a desnecessidade de animus defendendi para a
caracterização da legítima defesa foi expressamente adotada pelo texto que refor-mou a
parte Geral do CP em 1984, com o que é consi-derada ilícita a conduta de Pedro.

Questão 146: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2007

Assunto: Legítima Defesa


Um ladrão pula o muro de uma casa para furtar. É morto, todavia, por ataque de cães
bravios. Em tais condições, o proprietário da casa
a) deve ser inocentado por legítima defesa preordenada.
b) responde por homicídio culposo.
c) deve ser inocentado, pela excludente de estado de necessidade.
d) responde por homicídio doloso.

Questão 147: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2006

Assunto: Legítima Defesa


ALBERTO estava no interior de um bar. Lá também se encontrava ROBERTO, que passou
a provocá-lo sem razão aparente. Em dado momento, ROBERTO aproximou-se, sacou uma
arma e desferiu um golpe com a coronha na cabeça de ALBERTO, que poderia ter deixado
o local, fugindo, porque próximo à saída, mas optou, em fração de segundos, por reagir,
golpeando o agressor com um pedaço de madeira encontrada ao acaso e naquele instante
sob o balcão, produzindo em ROBERTO lesão corporal de natureza grave. Assinale a
resposta certa.
a) ALBERTO agiu em legítima defesa, mesmo optando pela reação.
b) ALBERTO estava obrigado a fugir, evitando a reação e, conseqüentemente, o resultado,
a que responderá.
c) ALBERTO excedeu-se no uso dos meios necessários a repelir a agressão e responderá
pelo excesso doloso.
d) ALBERTO agiu em legítima defesa putativa.

Questão 148: VUNESP - JE TJMS/TJ MS/2015

Assunto: Potencial Consciência da ilicitude (Erro de proibição e Descriminantes


Putativas)
Considerando as causas excludentes da ilicitude, é correto afirmar que:
a) legítima defesa subjetiva é a repulsa contra o excesso.
b) o estado de necessidade putativo ocorre quando o agente, por erro plenamente
justificado pelas circunstâncias, supõe encontrar-se em estado de necessidade ou quando,
conhecendo a situação de fato, supõe por erro quanto à ilicitude, agir acobertado pela
excludente.
c) há estado de necessidade agressivo quando a conduta do sujeito atinge um interesse
de quem causou ou contribuiu para a produção da situação de perigo.
d) de acordo com o art. 25, do Código Penal, os requisitos da legítima defesa são: a
agressão atual ou iminente e a utilização dos meios necessários para repelir esta agressão.
e) o rol completo das hipóteses de excludentes de ilicitudes elencadas no art. 23 do
Código Penal são: a legítima defesa, o estado de necessidade e o estrito cumprimento do
dever legal.
Questão 149: VUNESP - JE TJPA/TJ PA/2014

Assunto: Potencial Consciência da ilicitude (Erro de proibição e Descriminantes


Putativas)
“X”, policial militar, reside com sua família em local extremamente violento. De madrugada,
é acordado por alguém tentando arrombar a porta de sua casa. Assustado, pede para sua
mulher, igualmente em pânico, que não saia do quarto, e caminha para a entrada da casa
onde grita insistentemente para que o suposto ladrão vá embora, avisando-o de que, caso
contrário, irá atirar. A advertência é em vão, e a porta se abre aos olhos de “X” que, após
efetuar o primeiro disparo, percebe que acertou “Z”, seu filho, que, embriagado, arrombou
a porta. Na hipótese apresentada, vindo “Z” a falecer em razão dos disparos, “X”
a) será isento de pena, pois agiu em erro de tipo invencível.
b) praticou o crime de homicídio doloso consumado.
c) será isento de pena, pois agiu em erro de tipo causado por outrem.
d) praticou o crime de homicídio culposo consumado.
e) praticou o crime de homicídio culposo tentado.

Questão 150: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2014

Assunto: Potencial Consciência da ilicitude (Erro de proibição e Descriminantes


Putativas)
Para o Código Penal (art. 20, § 1.º), quando a descriminante putativa disser respeito aos
pressupostos fáticos da excludente, estamos diante de:
a) Excludente de antijuridicidade.
b) Erro de tipo.
c) Erro de proibição.
d) Excludente de culpabilidade.

Questão 151: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2012

Assunto: Potencial Consciência da ilicitude (Erro de proibição e Descriminantes


Putativas)
João e Paulo são amigos e colegas de faculdade. João avista Paulo na via pública e, movido
por animus jocandi, encosta o dedo indicador nas costas de Paulo, falseia a voz e anuncia
um “assalto”. João determina a Paulo que não olhe para trás, e prosseguem assim, andando
juntos, o dedo indicador de João sob a sua camisa e ao mesmo tempo encostado nas
costas de Paulo, simulando o cano de uma arma de fogo. Pedro, amigo de Paulo, mas que
não conhece João, visualiza a cena e interpreta que Paulo está prestes a ser morto por
João. Nesse momento, Paulo ameaça reagir, e João, em voz alta, diz que irá atirar. Todas
as pessoas que tiveram a atenção atraída para a cena intuíram que Paulo seria morto e com
Pedro não foi diferente. Pedro, então, saca arma de fogo e efetua um disparo contra João.
O tiro foi mal executado e acaba por atingir e matar Paulo.

A partir de tal caso hipotético, é de se considerar que Pedro agiu


a) em legítima defesa de terceiro, mas em razão do erro e do excesso cometeu homicídio
culposo.
b) amparado por causa excludente de culpabilidade e, apesar do erro quanto à pessoa,
não se vislumbra crime algum.
c) em legítima defesa putativa de terceiro e cometeu erro na execução, motivo pelo qual
praticou homicídio culposo.
d) em legítima defesa putativa de terceiro e cometeu erro na execução, motivo pelo qual
não se vislumbra crime algum.

Questão 152: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2011

Assunto: Potencial Consciência da ilicitude (Erro de proibição e Descriminantes


Putativas)
Analise as proposições seguintes.

I. O erro sobre elemento constitutivo do tipo legal de crime exclui o dolo, mas não
permite a punição por crime culposo, ainda que previsto em lei.

II. Responde pelo crime o terceiro que determina o erro.

III. O desconhecimento da lei é inescusável, mas o erro sobre a ilicitude do fato, se


inevitável, poderá diminuir a pena de um sexto a um terço.

IV. O desconhecimento da lei é considerado circunstância atenuante.

V. Se o fato é cometido sob coação irresistível, só é punível o autor da coação.

Assinale as proposições corretas.


a) I, II e V, apenas.
b) II, III e IV, apenas.
c) II, IV e V, apenas.
d) I, II e III, apenas.
e) II, III e V, apenas.

Questão 153: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2009


Assunto: Potencial Consciência da ilicitude (Erro de proibição e Descriminantes
Putativas)
Depois de haver saído do restaurante onde havia almoçado, Tício, homem de pouco
cultivo, percebeu que lá havia esquecido sua carteira e voltou para recuperá-la, mas não
mais a encontrou. Acreditando ter o direito de fazer justiça pelas próprias mãos, tomou
para si objeto pertencente ao dono do referido restaurante, supostamente de valor igual
ao seu prejuízo. Esse fato pode configurar
a) erro determinado por terceiro.
b) erro de tipo.
c) erro de permissão.
d) erro de proibição.

Questão 154: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2006

Assunto: Potencial Consciência da ilicitude (Erro de proibição e Descriminantes


Putativas)
RENATO, dirigindo-se para sua casa, foi preso na rua portando uma espingarda “pica-pau”,
de fabricação caseira e municiada, apta a disparos, que afirmou ter encontrado em um
ferro velho. A arma, instantes antes, havia sido utilizada em uma representação teatral
realizada em uma escola, circunstância apurada como verídica. RENATO alegou, em seu
favor, desconhecimento sobre a ilicitude do fato. Afirmou, ainda, ter conhecimento da
campanha de esclarecimento acerca da matéria (vedação de porte de arma sem registro e
autorização prévia). Sua conduta caracteriza
a) erro inevitável sobre a ilicitude do fato.
b) erro evitável sobre a ilicitude do fato.
c) erro de tipo.
d) exercício regular de direito.

Questão 155: VUNESP - JE TJRS/TJ RS/2018

Assunto: Exigibilidade de Conduta Diversa


De acordo com o Código Penal, aquele que pratica o fato em estrita obediência a ordem
não manifestamente ilegal de superior hierárquico
a) responde criminalmente como partícipe de menor importância.
b) não comete crime, pois tem a ilicitude de sua conduta afastada.
c) não é punido criminalmente.
d) responde criminalmente como partícipe.
e) responde criminalmente como coautor.

Questão 156: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2009

Assunto: Exigibilidade de Conduta Diversa


Com relação à coação moral irresistível, é correto afirmar que
a) exclui a culpabilidade.
b) exclui a tipicidade.
c) exclui a antijuridicidade.
d) o coato age sem vontade.

Questão 157: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2009

Assunto: Exigibilidade de Conduta Diversa


O pai que, tendo o filho sequestrado e ameaçado de morte, é coagido por sequestradores
armados e forçado a dirigir-se a certa agência bancária para efetuar um roubo a fim de
obter a quantia necessária para o pagamento do resgate e livrar o filho do cárcere privado
em que se encontra pode, em tese, lograr a absolvição com base na alegação de
a) inexigibilidade de conduta diversa.
b) legítima defesa.
c) exercício regular de direito.
d) estrito cumprimento de dever legal.

Questão 158: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2007

Assunto: Concurso de Pessoas


Assinale a alternativa incorreta.
a) O Código Penal Brasileiro adotou a teoria monística da equivalência dos antecedentes
no nexo de causalidade, abrandada pela culpabilidade de cada agente.
b) Na co-autoria, os agentes realizam a conduta tipificada como ilícito penal.
c) Crimes plurissubjetivos são aqueles que exigem o concurso de mais de uma pessoa,
sendo que nem sempre todas são punidas.
d) Crimes monossubjetivos são aqueles que têm sempre uma vítima.
Questão 159: VUNESP - JE TJMS/TJ MS/2015

Assunto: Classificações dos Crimes


Assinale a alternativa correta a respeito do entendimento do crime.
a) O crime comissivo por omissão é aquele em que o sujeito, por omissão, permite a
produção de um resultado posterior que lhe é condicionante.
b) O crime consunto é o delito que absorve o de menor gravidade.
c) Crime de ação múltipla é aquele em que o sujeito necessita percorrer várias ações do
preceito fundamental para que consiga chegar ao resultado, sem a qual não há como se
subsumir a conduta ao delito.
d) Crime vago é aquele em que a ação do agente causa dúvida sobre a tipificação do fato
ao delito realizado.
e) É admissível a forma tentada no crime unisubsistente.

Direito Processual Civil (Novo CPC - Lei nº 13.105/2015)


Atos Processuais

Questão 160: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2011

Assunto: Da Citação (arts. 238 a 259)


Sobre os pressupostos da relação jurídica processual, é correto afirmar:
a) é indispensável a participação do cônjuge do autor ou do réu nas ações possessórias,
quando o ato for praticado por um deles.
b) não se exige a citação de ambos os cônjuges para as ações que tenham por objeto o
reconhecimento, a constituição ou a extinção de ônus sobre imóveis de apenas um deles.
c) o cônjuge necessita do consentimento do outro para propor ações que versem sobre
imóveis, ainda que de caráter obrigacional.
d) é necessária a citação de ambos os cônjuges para as ações que versem sobre direitos
reais imobiliários.

Questão 161: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2007

Assunto: Da Citação (arts. 238 a 259)


Assinale a alternativa incorreta.
a) A violação de segredo de justiça, na ação de alimentos ajuizada em face de pai
adulterino, tem repercussão processual capaz de gerar a nulidade dos atos ali praticados.
b) Os atos das partes, consistentes em declarações unilaterais ou bilaterais de vontade,
produzem imediatamente a constituição, a modificação ou a extinção de direitos
processuais.
c) Os atos e termos processuais não dependem de forma determinada senão quando a lei
expressamente a exigir, reputando-se válidos os que, realizados de outro modo, lhe
preencham a finalidade essencial.
d) É válida a citação irregular quando esta atingir a sua finalidade, aplicando-se no caso o
princípio da causa finalis.

Questão 162: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2007

Assunto: Da Citação (arts. 238 a 259)


Assinale a alternativa incorreta.
a) O processo civil começa por iniciativa da parte, mas se desenvolve por impulso oficial.
Sua extinção pressupõe a inatividade do autor quanto à tomada de quaisquer providências
referentes ao seu prosseguimento.
b) Considera-se proposta a ação, tanto que a petição inicial seja despachada pelo juiz, ou
simplesmente distribuída, onde houver mais de uma vara. A propositura da ação, todavia,
só produz, quanto ao réu, os efeitos mencionados no art. 219 do CPC, depois que for
validamente citado.
c) É de se considerar ressalva ao art. 264 do CPC quando, apresentada a petição inicial,
se lhe altera a causa de pedir, não se opondo o réu ao seu fundamento, consentindo
implicitamente com a alteração proposta.
d) Feita a citação, é defeso ao autor modificar o pedido ou a causa de pedir, sem o
consentimento do réu, mantendo-se as mesmas partes, salvo as substituições permitidas
por lei. A alteração do pedido, porém, será permitida após o saneamento do processo.

Questão 163: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2006

Assunto: Da Citação (arts. 238 a 259)


Entre estes enunciados, um há que não é verdadeiro. Indique-o.
a) É ao juiz que compete verificar se é caso ou não de citação com hora certa,
determinando que a faça o oficial de justiça.
b) Não será feita citação pelo correio no processo de execução.
c) Ainda que se trate de citação de pessoa jurídica e ainda que a receba o representante
legal da ré, não vale a citação feita por fax.
d) É válida a citação por edital publicado na última comarca em que residiu o citando,
embora não publicado no foro da ação.
Questão 164: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2006

Assunto: Da Citação (arts. 238 a 259)


Há nestes enunciados um não verdadeiro. Indique-o.
a) Feita a citação, não é possível, salvo aquelas substituições permitidas por lei, a
substituição das partes.
b) Enquanto não realizadas todas as citações, o autor pode, sem o consentimento dos
réus, modificar o pedido ou a causa de pedir.
c) O princípio da inalterabilidade do libelo impede a alegação de direito superveniente.
d) O aditamento da inicial é admissível antes do saneamento do processo, desde que o
consinta o réu.

Questão 165: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2008

Assunto: Das Nulidades (arts. 276 a 283)


Tendo ocorrido imperfeição do ato processual em relação à qual omissa lei acerca de pena
de nulidade, a parte interessada não argüiu a irregularidade, na primeira vez em que,
posteriormente, se manifestou no processo. Nessa circunstância,
a) tratando-se de nulidade relativa, não de nulidade absoluta, aquela será convalidada, o
que ocorrerá, no caso, por falta de tempestiva provocação da parte para ser reconhecida,
vale dizer, pela preclusão.
b) as situações de nulidade relativa dos atos processuais não se sujeitam à preclusão.
c) em face do princípio da instrumentalidade das formas, pelo qual passíveis de serem
anulados os atos irregulares, se o objetivo por eles colimado não tiver sido atingido, aquele
em questão deverá ser anulado.
d) prevalece a preclusão, no caso, ainda que vindo a provar a parte interessada legítimo
impedimento para a argüição na primeira vez em que, posteriormente à prática do ato,
podia ter argüido a irregularidade.

Questão 166: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2006

Assunto: Das Nulidades (arts. 276 a 283)


Destas declarações, só uma é correta. Aponte-a.
a) A parte interessada pode pleitar, ao Poder Judiciário, a análise do mérito da sentença
arbitral.
b) Ao juiz é dado, em face de nulidade do procedimento, determinar, por sentença, que
o árbitro ou tribunal profira nova sentença arbitral.
c) Inadmissível execução judicial de sentença arbitral.
d) Para ser árbitro, é preciso ter formação jurídica e gozar da confiança das partes.

Tutela Proisória

Questão 167: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2017

Assunto: Da Tutela Provisória (arts. 294 a 311)


A tutela provisória de urgência:
a) exige, além do perigo da demora, prova pré-constituída das alegações de fato em que
se funda o autor.
b) não pode ser concedida na sentença porque, do contrário, a tutela perderia a natureza
de provisória.
c) quando requerida na forma de tutela cautelar antecedente, poderá ser apreciada como
tutela antecipada, caso o juiz entenda que essa é sua verdadeira natureza.
d) só pode ser determinada pelo juiz estatal e não pelo árbitro, uma vez que falta a esse
último poder de coerção para efetivar a medida.

Questão 168: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2013

Assunto: Da Tutela Provisória (arts. 294 a 311)


É correto afirmar que, no procedimento cautelar
a) não é admitida audiência, salvo a audiência de justificação prévia, por
incompatibilidade com o rito.
b) o prazo para apresentação de defesa é de 15 (quinze) dias, a contar da juntada do
mandado de citação aos autos.
c) o juiz pode, de ofício, substituir a medida cautelar por caução ou outra medida menos
gravosa ao requerido.
d) a eficácia da medida acautelatória permanecerá até o julgamento da ação principal,
independentemente do requerente executar a medida concedida.

Questão 169: VUNESP - JE TJMG/TJ MG/2012


Assunto: Da Tutela Provisória (arts. 294 a 311)
Quanto ao processo de arresto, como procedimento cautelar específico, assinale a
alternativa correta.
a) Para concessão da liminar em arresto, quando o devedor sem domicílio certo intenta
ausentar-se ou alienar bens que possui, dispensa-se prova literal da dívida líquida e certa.
b) Ficará suspensa a execução do arresto se o devedor der fiador idôneo.
c) Em todos os casos, a sentença proferida no arresto não faz coisa julgada na ação
principal.
d) Julgada procedente a ação principal, o arresto se resolve em sequestro.

Questão 170: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2011

Assunto: Da Tutela Provisória (arts. 294 a 311)


Assinale a alternativa correta.
a) A dívida deve estar vencida para que o credor possa requerer o arresto de bens, quando
o devedor, sem domicílio certo, intenta alienar os bens que possui.
b) A sentença ilíquida, ainda pendente de recurso, que condena o devedor ao pagamento
de dinheiro, pode ser admitida para fins de concessão de arresto.
c) A decisão proferida no arresto que decreta a decadência ou prescrição do direito do
autor não prejudica o julgamento da ação principal.
d) O juiz concederá o arresto, mediante justificação prévia, se o credor prestar caução.
e) Cessa o arresto se o devedor prestar caução para garantir a dívida, honorários do
advogado do requerente e custas.

Questão 171: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2009

Assunto: Da Tutela Provisória (arts. 294 a 311)


A antecipação de efeitos da tutela jurisdicional
a) é admissível somente em demanda condenatória.
b) é inadmissível em demanda constitutiva.
c) é provisória, revogável, e eventual recurso contra a respectiva decisão, em princípio,
não tem efeito suspensivo.
d) depende de caução e não pode ser deferida antes da citação ou da sentença.

Questão 172: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2007


Assunto: Da Tutela Provisória (arts. 294 a 311)
Indique a afirmativa que não está de acordo com as normas processuais em vigor.
a) A produção antecipada da prova pode consistir em interrogatório e, após a sentença
homologatória, os autos serão entregues ao requerente. A sentença proferida nessa ação
não é declaratória e não faz coisa julgada material, havendo apenas documentação judicial
de fatos.
b) Nos procedimentos cautelares, a caução pode ser real ou fidejussória. Quando a lei não
determinar a espécie de caução, esta poderá ser prestada mediante depósito em dinheiro,
papéis de crédito, títulos da União ou dos Estados, pedras e metais preciosos, hipoteca,
penhor e fiança.
c) Cessa a eficácia da medida cautelar: se a parte não intentar a ação no prazo de 30 dias,
contados da efetivação da medida cautelar; se não for executada dentro de 30 dias ou se
o juiz declarar extinto o processo principal, com ou sem julgamento do mérito. E, se por
qualquer motivo cessar a medida, é defeso à parte repetir o pedido, salvo por novo
fundamento.
d) Comete atentado a parte que, no curso do processo, viola penhora, arresto, seqüestro
ou imissão na posse; prossegue em obra embargada ou pratica qualquer outra inovação
ilegal no estado de fato.

Questão 173: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2007

Assunto: Da Tutela Provisória (arts. 294 a 311)


Assinale a alternativa incorreta acerca dos procedimentos cautelares.
a) A justificação prévia far-se-á em segredo de justiça se for indispensável. Provado quanto
baste o alegado, expedir-se-á mandado que conterá a assinatura do juiz do qual emanar a
ordem.
b) Aquele que for obrigado a dar caução requererá a citação da pessoa a favor de quem
tiver de ser prestada, indicando na petição inicial a estimativa dos bens.
c) A ação de exibição de documentos não pode ser cumulada com o pedido liminar de
sua busca e apreensão.
d) É lícito pedir alimentos provisionais nas ações de separação judicial e de anulação de
casamento, desde que estejam separados os cônjuges.

Questão 174: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2007

Assunto: Da Tutela Provisória (arts. 294 a 311)


Considere as seguintes afirmações:
I. no protesto contra alienação de bens, o Juiz pode ouvir, em três dias, aquele contra
quem for dirigido, desde que lhe pareça haver no pedido fim ilícito, decidindo em
seguida sobre o pedido de publicação de editais;

II. a sentença que julgar procedente a ação de atentado deverá proibir o réu de falar
nos autos até a purgação dele;

III. o procedimento cautelar de caução pode ser iniciado por aquele que for obrigado
a dá-la ou por aquele em cujo favor há de ser dada;

IV. para efeito de arresto, equipara-se à prova literal de dívida líquida e certa a
sentença, líquida ou ilíquida, pendente de recurso, condenando o devedor ao
pagamento de prestação que em dinheiro possa converter-se.

Estão corretas
a) todas as afirmações.
b) apenas as afirmações I, II e III.
c) apenas as afirmações II e IV.
d) apenas as afirmações I e IV.

Direito Tributário

Questão 175: VUNESP - JE TJRS/TJ RS/2018

Assunto: Lançamento e Constituição do Crédito Tributário (arts. 142 a 150 do CTN)


Acerca do lançamento tributário, é correto afirmar que
a) a retificação da declaração por iniciativa do próprio declarante, quando vise a reduzir
ou a excluir tributo, só é admissível mediante comprovação do erro em que se funde e
antes de notificado o lançamento.
b) salvo disposição de lei em contrário, quando o valor tributário esteja expresso em
moeda estrangeira, no lançamento far-se-á sua conversão em moeda nacional ao câmbio
do dia em que este ato for realizado.
c) é vedado à autoridade administrativa responsável pela revisão da declaração retificar
de ofício os erros nela contidos e apuráveis pelo seu exame.
d) a modificação introduzida, de ofício ou em consequência de decisão administrativa ou
judicial, nos critérios jurídicos adotados pela autoridade administrativa no exercício do
lançamento, alcança os fatos geradores ocorridos anteriormente à sua introdução, desde
que relacionados ao mesmo sujeito passivo.
e) não se aplica ao lançamento a legislação que, posteriormente à ocorrência do fato
gerador da obrigação, tenha ampliado os poderes de investigação das autoridades
administrativas, ou outorgado ao crédito maiores garantias ou privilégios, exceto, neste
último caso, para o efeito de atribuir responsabilidade tributária a terceiros.
Questão 176: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2011

Assunto: Lançamento e Constituição do Crédito Tributário (arts. 142 a 150 do CTN)


O juiz de direito Libório Rangel, no exercício de suas funções, depara-se com o seguinte
caso: sujeito passivo de obrigação tributária alega que não tem obrigação de pagar o
tributo, porquanto, no caso em espécie, não ocorreu processo administrativo.

O Magistrado decidirá corretamente quando:


a) aceita os argumentos do insurgente, pois a CDA tem natureza de tributo executivo
judicial.
b) tratando-se de débito declarado pelo próprio contribuinte, o chamado
autolançamento, a exigência fiscal não se baseia em prévio procedimento administrativo,
daí por que julga improcedente a demanda.
c) por ter o auto de lançamento natureza do título executivo extrajudicial, não gozando da
presunção de certeza e liquidez, entrega prestação jurisdicional procedente.
d) em virtude do reconhecimento da inexatidão dos dados fornecidos pelo devedor, por
si só não induzindo a inscrição de débito fiscal para cobrança executiva na falta de
pagamento, julga procedente a demanda.
e) é necessária a interpelação ou constituição em mora do sujeito passivo da obrigação
tributária, por cuidar-se de outro lançamento, razão pela qual o juiz julga procedente a
demanda.

Questão 177: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2008

Assunto: Lançamento e Constituição do Crédito Tributário (arts. 142 a 150 do CTN)


O lançamento tributário
a) pode ser feito de ofício, por declaração ou homologação.
b) uma vez concluído, pode ser alterado por impugnação, recurso de ofício, iniciativa da
autoridade administrativa, nos casos previstos em lei.
c) será convertido em moeda nacional no dia da ocorrência do fato gerador, quando o
valor tributário esteja expresso em moeda estrangeira.
d) todas as afirmativas acima são corretas.

Questão 178: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2007

Assunto: Lançamento e Constituição do Crédito Tributário (arts. 142 a 150 do CTN)


O lançamento por homologação ocorre quando a autoridade administrativa homologa o
a) lançamento dos tributos apurados em procedimento de fiscalização.
b) cálculo de tributo que o sujeito passivo tem o dever de pagar.
c) pedido do sujeito passivo que se antecipa em reconhecer o dever de pagar tributo
devido, antes de se iniciar procedimento de fiscalização.
d) pagamento de tributo que o sujeito passivo tem o dever legal de antecipar.

Questão 179: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2006

Assunto: Lançamento e Constituição do Crédito Tributário (arts. 142 a 150 do CTN)


Com relação ao lançamento, é correto dizer que
a) à alíquota e à base de cálculo aplica-se a lei vigente na data do lançamento.
b) quanto à indicação do sujeito passivo, a lei é mais rigorosa.
c) quanto aos aspectos formais, aplica-se a lei em vigor na data em que se consumou o
fato gerador.
d) relativamente à penalidade, aplica-se a lei mais favorável ao sujeito passivo.

Questão 180: VUNESP - JE TJRS/TJ RS/2018

Assunto: Suspensão da Exigibilidade do Crédito Tributário (arts. 151 a 155-A do CTN)


A Empresa X possui vultoso montante de débitos tributáriosde ICMS e necessita saneá-los
para dar prosseguimento ao seu pedido de recuperação judicial. Não dispondo do
montante integral para a quitação dos valores à vista, a empresa X pretende parcelar o
montante devido à Fazenda Estadual. Considerando as disposições do Código Tributário
Nacional sobre o parcelamento, é correto afirmar que
a) em razão da indisponibilidade do interesse público, não há possibilidade de se prever
condições especiais de parcelamento para débitos tributários de empresas que estejam
em processo de recuperação judicial.
b) por se tratar de devedor em recuperação judicial, ele poderá se valer de condições
especiais de parcelamento dos seus créditos tributários, na forma e condição estabelecida
em lei complementar.
c) o parcelamento para empresas que se encontram em processo de recuperação judicial
abrange apenas os débitos inscritos em dívida ativa e deve observar a forma e condição
estabelecidas em lei complementar.
d) salvo disposição de lei em contrário, o parcelamento do crédito tributário do devedor
em processo de recuperação judicial exclui a incidência de multas e juros.
e) a inexistência da lei específica para empresas em recuperação judicial importa na
aplicação das leis gerais de parcelamento do ente da Federação ao devedor que se
encontre nessa situação, não podendo, nesse caso, ser o prazo de parcelamento inferior
ao concedido pela lei federal específica.

Questão 181: VUNESP - JE TJRS/TJ RS/2018

Assunto: Extinção do Crédito Tributário (arts. 156 a 174 do CTN)


Considerando as disposições do Código Tributário Nacional acerca do pagamento, é
correto afirmar que
a) quando a legislação tributária não dispuser a respeito, o pagamento é efetuado no local
indicado pelo sujeito ativo.
b) a existência de consulta formulada pelo devedor, dentro do prazo legal para
pagamento, não afasta a incidência de juros de mora e penalidades cabíveis nem a
aplicação de quaisquer medidas de garantia previstas na legislação tributária caso o tributo
não seja integralmente pago no seu vencimento.
c) a importância de crédito tributário pode ser consignada judicialmente pelo sujeito
passivo na hipótese de recusa de recebimento, ou subordinação deste ao pagamento de
outro tributo ou de penalidade, ou ao cumprimento de obrigação acessória.
d) o pagamento do tributo deve ser realizado em moeda corrente, podendo, nos casos
expressamente previstos em lei, ser realizado por meio de cheque ou vale postal.
e) quando a legislação tributária não fixar o tempo do pagamento, o vencimento do
crédito ocorre quinze dias depois da data em que se considera o sujeito passivo notificado
do lançamento.

Questão 182: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2017

Assunto: Extinção do Crédito Tributário (arts. 156 a 174 do CTN)


Sobre a dação em pagamento, é correto afirmar que
a) é instituto de direito civil acolhido pelo Código Tributário Nacional, como forma de
extinção do crédito tributário, mediante a entrega de bens, no modo e condições
estabelecidos em decreto do Chefe do Poder Executivo da pessoa jurídica de direito
público credora.
b) é instituto de direito civil acolhido pelo Código Tributário Nacional, como forma de
extinção do crédito tributário, mediante a entrega de bens móveis e imóveis, no modo e
condições estabelecidos em lei.
c) é instituto de direito civil acolhido pelo Código Tributário Nacional, como forma de
extinção do crédito tributário, mediante a entrega de bens imóveis, no modo e condições
estabelecidos pela lei.
d) é instituto de direito civil não expressamente acolhido pelo Código Tributário Nacional,
mas que pode ser admitido pela legislação específica dos entes tributantes como forma de
extinção do crédito tributário, mediante a entrega de bens.

Questão 183: VUNESP - JE TJPA/TJ PA/2014

Assunto: Extinção do Crédito Tributário (arts. 156 a 174 do CTN)


É causa de extinção do crédito tributário:
a) a anistia.
b) a isenção.
c) a impetração de mandado de segurança.
d) a conversão do depósito em renda.
e) a moratória.

Questão 184: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2014

Assunto: Extinção do Crédito Tributário (arts. 156 a 174 do CTN)


A compensação do crédito tributário
a) é causa de extinção do crédito tributário, configurando forma de transação entre o
sujeito ativo e o sujeito passivo da obrigação tributária, sendo demandada a homologação
da referida transação pela autoridade fiscal competente.
b) é sempre admissível, desde que verificadas as condições previstas no caput e no § 2.º
do art. 78 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias (ADCT), devendo o
contribuinte, contudo, efetuar o pedido administrativo nesse sentido.
c) é causa de extinção do mencionado crédito, desde que obedecido o disposto no art.
170 do Código Tributário Nacional, sendo imprescindível que o tributo objeto da
compensação tenha a mesma natureza daquele que está a ser cobrado pelo fisco, quando
arrecadado pelo mesmo sujeito ativo.
d) é forma de suspensão do referido crédito, condicionada à apresentação de
requerimento específico à autoridade fazendária competente e ao deferimento do pedido
formulado no processo administrativo em questão.

Questão 185: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2014

Assunto: Extinção do Crédito Tributário (arts. 156 a 174 do CTN)


“A” é proprietário de imóvel residencial situado na Comarca da Capital do Estado. A
Prefeitura Municipal afirma ser ele devedor do Imposto Predial e Territorial Urbano – IPTU,
referente aos exercícios de 1997 a 2003, ajuizando ação de execução fiscal. Tal ação é
proposta em agosto de 2007. O magistrado competente julga a ação extinta, sem mandar
citar o executado, afirmando estar ela prescrita, sendo a sentença proferida em agosto de
2009. Tendo em vista a prescrição quinquenal, prevista no art. 174 do Código Tributário
Nacional, é correto afirmar que
a) a referida ação estaria parcialmente prescrita, em virtude de aplicar-se o disposto no
art. 174 do CTN, in casu, apenas aos exercícios anteriores ao de 2003, permitindo o
prosseguimento da ação executiva no que tange a esse último exercício.
b) a referida ação encontra-se inteiramente prescrita, podendo o magistrado declará-lo
de plano, tendo em vista o disposto no art. 219, § 5.º, do Código de Processo Civil, que
permite o reconhecimento ex officio da prescrição.
c) em se tratando de interesse patrimonial disponível, o magistrado não poderia ter
decretado a extinção da ação pelo reconhecimento ex officio da prescrição, cabendo
anular a sentença e determinar o prosseguimento da execução.
d) a referida ação não estaria prescrita, pois não chegou a haver a citação pessoal do
devedor, nos termos do art. 174, parágrafo único, I, do CTN, tendo o magistrado, como
referido, extinguido a ação executiva de ofício.

Questão 186: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2013

Assunto: Extinção do Crédito Tributário (arts. 156 a 174 do CTN)


João da Silva promoveu o pagamento indevido de determinado tributo municipal, na data
de 05 de março de 2007, cuja exigência decorreu de decreto expedido pelo Governador
do Estado em questão. Em janeiro de 2013, João ingressou com pedido administrativo
requerendo a restituição do valor pago atualizado, alegando inconstitucionalidade na
exigência. O pedido foi negado por decisão irreformável na data de 1.º de abril de 2013.
Inconformado, ingressou com ação de repetição de indébito com base no mesmo
fundamento. O juiz deve julgar
a) procedente a ação, posto que o pedido administrativo suspendeu a prescrição.
b) procedente a ação, em razão da inconstitucionalidade flagrante da exigência que obsta
a decadência.
c) improcedente a ação, posto que o pedido deveria ser instrumentalizado por via de ação
anulatória de lançamento tributário.
d) improcedente a ação, posto que a pretensão de repetir o indébito, ainda que fundada
em inconstitucionalidade da lei, prescreve em cinco anos.

Questão 187: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2011

Assunto: Extinção do Crédito Tributário (arts. 156 a 174 do CTN)


Considerando-se a cobrança a maior, de tributo lançado de ofício, em face da legislação
tributária aplicável ou da natureza ou circunstâncias materiais do fato gerador efetivamente
ocorrido, o direito de pleitear a restituição extingue-se, de acordo com o Código Tributário
Nacional, com o decurso do prazo de 5 anos contados da
a) constituição da obrigação tributária à qual corresponda o direito.
b) extinção do crédito tributário.
c) data em que se tornar definitiva a decisão administrativa.
d) data em que passar em julgado a decisão judicial que tenha reformado, anulado ou
rescindido a decisão condenatória.

Questão 188: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2011

Assunto: Extinção do Crédito Tributário (arts. 156 a 174 do CTN)


A ação anulatória da decisão administrativa que denegar a restituição de tributo pago
indevidamente
a) decai em 5 anos.
b) prescreve em 5 anos.
c) decai em 3 anos.
d) prescreve em 2 anos.

Questão 189: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2011

Assunto: Extinção do Crédito Tributário (arts. 156 a 174 do CTN)


Assinale a alternativa em que estão presentes apenas causas extintivas do crédito
tributário.
a) O depósito do montante integral e o parcelamento.
b) As reclamações e os recursos, nos termos das leis reguladoras do processo tributário
administrativo, e a moratória.
c) A compensação e a dação em pagamento em bens imóveis, na forma e nas condições
estabelecidas em lei.
d) A concessão de medida liminar em mandado de segurança e o pagamento.

Questão 190: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2009

Assunto: Extinção do Crédito Tributário (arts. 156 a 174 do CTN)


Ao tratar dos institutos jurídicos da decadência e prescrição, o Código Tributário Nacional
apresenta alguns paradoxos ou equívocos se confrontados com os conceitos dos dois
institutos no plano da teoria geral do Direito Civil, por exemplo,
a) o de dispor que, depois de constituído regularmente o crédito tributário, só se pode
cogitar da prescrição.
b) o de se referir à decadência do direito de constituir o crédito tributário e à prescrição
da ação para a satisfação do referido crédito.
c) o de deixar claro que, depois de realizado o lançamento, não há mais que se cogitar da
decadência.
d) o de dizer que a decadência extingue o crédito tributário e que ela pode ser
interrompida na forma prescrita no mesmo código.

Questão 191: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2008

Assunto: Extinção do Crédito Tributário (arts. 156 a 174 do CTN)


Sobre a extinção do crédito tributário, é correto afirmar que
a) a existência de dois ou mais débitos vencidos do mesmo sujeito passivo com a mesma
pessoa jurídica de direito público permite ao contribuinte imputar o pagamento,
direcionando-o ao crédito que deseja pagar.
b) o sujeito passivo tem direito à restituição do tributo indevidamente recolhido ou pago
a maior, mediante a prova do erro e protesto.
c) é admitida a transação mediante concessões mútuas, previstas em Lei, que indicará a
autoridade competente para autorizá-la em cada caso.
d) a compensação é admitida entre créditos líquidos e certos do contribuinte com créditos
vincendos e de mesma natureza da Fazenda.

Questão 192: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2007

Assunto: Extinção do Crédito Tributário (arts. 156 a 174 do CTN)


A imputação de pagamento é o ato mediante o qual a autoridade administrativa deve
a) eleger, priorizando os impostos, o tributo a ser pago, quando existirem,
simultaneamente, dois ou mais débitos vencidos do mesmo sujeito passivo para com a
mesma pessoa jurídica de direito público.
b) eleger, segundo as prioridades legais, o tributo a ser pago, quando existirem,
simultaneamente, dois ou mais débitos vencidos do mesmo sujeito passivo para com a
mesma pessoa jurídica de direito público.
c) eleger, priorizando a ordem crescente dos prazos de prescrição, o tributo a ser pago,
quando existirem, simultaneamente, dois ou mais débitos vencidos do mesmo sujeito
passivo para com a mesma pessoa jurídica de direito público.
d) eleger, priorizando a ordem decrescente dos montantes, o tributo a ser pago, quando
existirem, simultaneamente, dois ou mais débitos vencidos do mesmo sujeito passivo para
com a mesma pessoa jurídica de direito público.

Questão 193: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2014

Assunto: Exclusão do Crédito Tributário (arts. 175 a 182 do CTN)


São causas de exclusão do crédito tributário:
a) Apenas a isenção e a anistia, desde que se deem após o nascimento da obrigação
tributária e antes do lançamento.
b) A imunidade, a isenção, a anistia e a não incidência, sob qualquer aspecto e a qualquer
tempo, desde que ainda não efetuado o lançamento do débito fiscal.
c) Apenas a isenção e a anistia, desde que se deem antes do nascimento da obrigação
tributária, com a ocorrência do fato gerador.
d) Apenas a anistia, referentemente a impostos e taxas, cujos fatos geradores tenham
ocorrido antes da vigência da lei instituidora.

Questão 194: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2008

Assunto: Exclusão do Crédito Tributário (arts. 175 a 182 do CTN)


A isenção tributária
a) pode ser concedida, na hipótese de ICMS, por Estados e Municípios, por meio de
convênios, devidamente ratificados por Decreto Legislativo.
b) é sinônimo de remissão, representada pelo perdão do débito tributário.
c) pode ser instituída pela União com relação a tributos de competência dos Estados.
d) somente pode ser instituída por Lei Complementar, ou por Tratado Internacional
ratificado e promulgado.

Questão 195: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2007

Assunto: Exclusão do Crédito Tributário (arts. 175 a 182 do CTN)


São modalidades de exclusão do crédito tributário:
a) o pagamento e a anista.
b) a isenção e o pagamento.
c) o parcelamento e o pagamento.
d) a isenção e a anistia.

Questão 196: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2007

Assunto: Exclusão do Crédito Tributário (arts. 175 a 182 do CTN)


A isenção do crédito tributário
a) somente será concedida por lei complementar e poderá ser revogada ou modificada a
qualquer tempo, também por lei complementar, salvo se tiver sido concedida por prazo
certo e em função de determinadas condições.
b) somente será concedida por lei ordinária e poderá ser revogada ou modificada a
qualquer tempo, também por lei ordinária, ainda que tenha sido concedida por prazo certo
e em função de determinadas condições.
c) somente será concedida por lei ordinária e poderá ser revogada ou modificada a
qualquer tempo, também por lei ordinária, salvo se tiver sido concedida por prazo certo e
em função de determinadas condições.
d) somente será concedida por lei complementar e poderá ser revogada ou modificada a
qualquer tempo, também por lei complementar, ainda que tenha sido concedida por prazo
certo e em função de determinadas condições.

Questão 197: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2006

Assunto: Exclusão do Crédito Tributário (arts. 175 a 182 do CTN)


A anistia, quando de caráter geral,
a) abrange também o tributo.
b) pode ser concedida por ato discricionário da Administração Pública.
c) decorre da lei e compreende as infrações futuras.
d) decorre da lei e alcança somente as infrações passadas.

Questão 198: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2016

Assunto: Garantias e Privilégios do Crédito Tributário (arts. 183 a 193 do CTN)


No tocante às garantias e privilégios do crédito tributário, é correto afirmar que
a) a natureza das garantias atribuídas ao crédito tributário altera a natureza deste e a da
obrigação tributária a que corresponda.
b) na falência, o crédito tributário prefere aos créditos extraconcursais e aos créditos com
garantia real.
c) a multa tributária, no processo falimentar, prefere apenas aos créditos quirografários.
d) responde pelo crédito tributário a totalidade dos bens e das rendas, de qualquer
origem ou natureza, do sujeito passivo, excetuados os gravados com cláusula de
impenhorabilidade.
e) a extinção das obrigações do falido requer prova de quitação de todos os tributos.

Questão 199: VUNESP - JE TJRJ/TJ RJ/2014

Assunto: Garantias e Privilégios do Crédito Tributário (arts. 183 a 193 do CTN)


A respeito das preferências do crédito tributário na falência, é correto afirmar que
a) a multa tributária prefere aos créditos com privilégio geral.
b) o crédito tributário não prefere às importâncias passíveis de restituição.
c) a multa tributária prefere apenas aos créditos quirografários.
d) são considerados concursais os créditos tributários decorrentes de fatos geradores
ocorridos no curso do processo de falência.

Questão 200: VUNESP - JE TJSP/TJ SP/2009

Assunto: Garantias e Privilégios do Crédito Tributário (arts. 183 a 193 do CTN)


As garantias e privilégios do crédito tributário decorrem
a) da noção de verticalidade que marca a relação jurídica tributária.
b) do direito subjetivo público do Estado à plena satisfação de seu crédito.
c) do fato de não se caracterizar o Direito Tributário também como um ordenamento
jurídico obrigacional e comum.
d) da plena independência do Direito Tributário em relação aos outros ramos do Direito.

Gabarito
1) B 2) B 3) B 4) A 5) B 6) C 7) A 8) E 9) C 10) B 11) D 12) B 13) D 14) A 15) A 16) D 17) A 18) B
19) B 20) C 21) B22) E 23) B 24) D 25) B 26) D 27) B 28) A 29) C 30) C 31) A 32) B 33) D 34) C
35) B36) C 37) A 38) A 39) D 40) A 41) C 42) C43) B 44) D 45) E 46) C 47) B 48) B 49) B 50) D
51) A 52) A 53) B 54) D 55) C 56) C57) A 58) D 59) C 60) D 61) A 62) C 63) E 64) A 65) C 66) B
67) C 68) D 69) A 70) C71) C 72) A 73) B 74) C 75) C 76) E 77) B 78) D 79) D 80) B 81) A 82) A
83) C 84) B 85) C 86) D 87) B 88) B 89) E 90) D 91) A 92) A 93) C 94) D 95) E 96) E 97) D 98) B
99) B 100) A 101) C 102) B 103) B 104) D 105) D 106) D 107) A 108) D 109) D 110) B 111) B 112) E
113) A 114) D 115) B 116) B 117) B 118) C 119) B 120) C 121) A 122) B 123) D 124) A 125) D 126) A
127) C 128) C 129) C 130) B 131) D 132) C 133) B 134) D 135) E 136) B 137) D 138) C 139) C
140) C141) D 142) A 143) C 144) A 145) A 146) A 147) A 148) B 149) A 150) B 151) D 152) C 153) D
154) B155) C 156) A 157) A 158) D 159) A 160) D 161) A 162) D 163) A 164) C 165) A 166) B 167) C
168) C 169) B 170) B 171) C 172) A 173) C 174) A 175) A 176) B 177) D 178) D 179) D 180) E 181) C
182) C 183) D 184) C 185) A 186) D 187) B 188) D 189) C190) D 191) C 192) B 193) A 194) A 195) D
196) C197) D 198) E 199) B 200) A

Você também pode gostar