Você está na página 1de 83

ASMEC - ASSOCIAÇÃO SUL MINEIRA DE EDUCAÇÃO E CULTURA

FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS DE OURO FINO

JOSÉ CARLOS BUENO 6199


TERESINHA ARLETE DINI 6198
MARIVANE GOES DA SILVA 6225
ROBERTA REGINATO 6197
FERNANDA M. ANDRADE CÉZAR 6275

O USO DE PLANTAS MEDICINAIS NA


CULTURA POPULAR NO MUNICÍPIO DE
BUENO BRANDÃO – MG

OURO FINO
2005
JOSÉ CARLOS BUENO 6199
TERESINHA ARLETE DINI 6198
MARIVANE GOES DA SILVA 6225
ROBERTA REGINATO 6197
FERNANDA M. ANDRADE CÉZAR 6275

O USO DE PLANTAS MEDICINAIS NA


CULTURA POPULAR NO MUNICÍPIO DE
BUENO BRANDÃO – MG

Trabalho apresentado à disciplina de TCC, ministrada


pela Profª. Dra. Adriana de Melo, no 7º período do
curso de Biologia das Faculdades Asmec.

OURO FINO
2005
Banca Examinadora:

____________________________________
Profª. Msc. Maria Regina Pires

____________________________________
Prof. Msc. Wallace Ribeiro Correa

____________________________________
Profª. Dra. Adriana de Melo

Conceito: ( ) Aprovado ( ) Reprovado


“Todas as substâncias são venenos. Não
existe nada que não seja veneno. Somente a
dose certa diferencia o veneno do remédio.”

Paracelsus
(médico e sábio suíço – 1493 a 1541)
“Quia Deus Scientiarum Dominus Est”
(Porque Deus é o Senhor das Ciências). “A
Ciência emana, pois de Deus e o trabalho dos
homens é feito com a Sua colaboração. O
trabalho é uma oração. Forma parte do amor,
da redenção. Realiza a liberação humana, e a
instaura como Lei Divina: que trabalhar no
sentido de sua vocação, buscando o amor
dos homens entre si, apoiando-se, não em
vaidade própria, pois será nada menos do
que um modesto obreiro, e o instrumento de
Deus. Assim, a ciência se faz necessária,
pois é o trabalho liberador do homem,
sagrada, à qual o Altíssimo concederá toda a
benevolência e apoio.”

Samuel Hahnemann
(Médico Alemão, Criador da Homeopatia –
1755 a 1843)
DEDICATÓRIA:

Aos nossos familiares que nos deram


apoio e incentivo; a todas as pessoas que
com sua humildade, sabedoria e
esperança, possibilitaram o estudo, o
trabalho e o conhecimento, levando-nos a
concretização desta monografia.
AGRADECIMENTOS

A Deus por tudo que nos concedeu nesta


vida, em especial pela realização do curso de
Biologia e desta monografia; aos professores,
coordenadores e demais funcionários das
Faculdades Asmec em especial aos que
diretamente nos orientaram e possibilitaram a
realização deste trabalho.
RESUMO

O presente trabalho teve por objetivo levantar junto à população de Bueno


Brandão, cidade situada no sul de Minas Gerais, de economia voltada à
agropecuária, a utilização de plantas medicinais: tanto no uso fitoterápico quanto aos
aspectos etnobotânicos. Para isto foram realizadas entrevistas junto aos populares,
através de questionários específicos, levantando as espécies que são utilizadas, a
sua forma de uso e as características sociais, econômicos e culturais destes
usuários. A população entrevistada, na sua maioria era de pessoas que possuíam
apenas o primário incompleto, de faixa etária acima de 40 anos e do sexo feminino.
Quase que a totalidade dos entrevistados referiram ter adquirido o conhecimento
sobre as plantas medicinais através das pessoas mais idosas. As plantas
localizadas e referenciadas neste trabalho, são na maioria muito conhecidas, com
exceção de algumas espécies da flora local, plantas nativas que são coletas na
natureza, e de plantas consideradas ervas daninhas ou ruderais. O aspecto
econômico, e o fator convicção naturalista, foram predominantes quanto à motivação
da utilização desta forma de tratamento.
SUMÁRIO
1. Introdução .................................................. 1
1.1. Princípios Ativos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3
1.1.1. Alcalóides . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
1.1.2. Glicosídeos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4
1.1.3. Óleos Essenciais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
1.1.4. Antraquinonas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 5
1.1.5. Saponina . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
1.1.6. Taninos E Mucilagens . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
1.1.7. Bioflavonóides . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 6
2. Metodologia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
2.1. Delimitação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 8
2.2. Coleta e Análise Dos Dados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 9
2.3. Coleta das Plantas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10
2.4. Consulta à Bibliografia Especializada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
2.5. Divulgação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 11
3. Plantio, Colheita E Preparo Das Ervas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
3.1. Cultivo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 12
3.1.1. Escolha Do Local . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
3.1.2. Tratos Culturais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
3.2. Colheita . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
3.2.1. Seleção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14
3.2.2. Preparo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
3.2.2.1. Corte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
3.2.2.2. Lavagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
3.3. Desidratação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16
3.3.1. Saco De Secagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
3.3.2. Sala De Secagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
3.3.3. Forno Doméstico . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17
3.3.4. Desidratador . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
3.4. Teste de Desidratação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
3.5. Estocagem . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18
4. Resultados. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
4.1. Análise Dos Dados Qualitativos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
4.1.1. Idade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
4.1.2. Sexo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
4.1.3. Grau de Escolaridade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
4.2. Análise dos Dados Quantitativos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
5. Discussão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27
6. Conclusão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28
7. Bibliografia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29
8. Anexos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31
Anexo I – Principais Formas de Preparo das Ervas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32
Anexo II – Termo de Consentimento Informado . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 34
Anexo III – Roteiro de Entrevista Semi-Estruturada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35
Anexo IV – Controle Orgânico de Pragas – Receitas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36
Anexo V – Ficha das Plantas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37
Anexo VI – Ficha de Apuração de Dados . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
Anexo VII – Tabela das Plantas Medicinais Referenciadas na Pergunta 6 . . . . 65
LISTA DE FIGURAS, GRÁFICOS E TABELAS

Figura 2.1 – Mapa Da Bacia Hidrográfica Do Rio Moji Guaçu . . . . . . . . . . . . . . . 8


Figura 3.1 – Horta Típica da Região . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13
Figura 3.2 – Corte de Plantas Medicinais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15
Figura 3.3 – Preparo Para Desidratação em Sacos de Papel . . . . . . . . . . . . . . . 17
Gráfico 4.1 – Entrevistado quanto à idade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20
Gráfico 4.2 – Entrevistados quanto ao sexo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 21
Gráfico 4.1 – Entrevistados quanto ao grau de escolaridade . . . . . . . . . . . . . . . 21
Tabela 4.1 – Plantas mais utilizadas em Bueno Brandão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22
Tabela 4.2 – Índice de plantas pelo nome popular . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23
Gráfico 4.4 – Modos de Preparação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 24
Gráfico 4.5 – Obtenção . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
Gráfico 4.6 – Informações . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25
Figura 8.1 – Capim Limão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38
Figura 8.2 – Erva de São João . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39
Figura 8.3 – Maracujá . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40
Figura 8.4 – Maracujá-açú . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41
Figura 8.5 – Cana-de-macaco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42
Figura 8.6 – Rubim . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43
Figura 8.7 – Quebra-pedra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44
Figura 8.8 – Arruda . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 45
Figura 8.9 – Falso-boldo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
Figura 8.10 – Rosa-branca . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 47
Figura 8.11 – Alecrim . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48
Figura 8.12 – Erva-cidreira-brasileira . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49
Figura 8.13 – Malva . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50
Figura 8.14 – Mangericão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51
Figura 8.15 – Melissa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52
Figura 8.16 – Mil-folhas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53
Figura 8.17 – Sálvia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54
Figura 8.18 – Guaco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55
Figura 8.19 – Pariparoba . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56
Figura 8.20 – Açafrão da Terra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57
Figura 8.21 – Alfazema . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58
Figura 8.22 – Quina-vermelha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 59
Figura 8.23 – Gengibre . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60
Figura 8.24 – Balsamo-Branco . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 61
Figura 8.25 – Babosa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62
Figura 8.26 – Boldo-baiano . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63
Figura 8.27 – Espinheira-santa . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64
1

1. INTRODUÇÃO

O Brasil, detentor das maiores florestas do mundo, e da maior biodiversidade


do planeta, é hoje um grande importador de matérias primas farmacêuticas,
mobilizando milhões de dólares neste segmento. Sabemos que a maioria das
moléculas utilizadas como medicamentos teve sua origem nas plantas.
Confrontando os dois fatos, encontramo-nos em um grande paradoxo: Somos a
maior fonte e não a conhecemos. Fenômenos recentes como a chamada
biopirataria, assola o país e povoa os jornais e telejornais. Mas, até que ponto somos
pirateados ou somos nós que abandonamos nossos recursos ao léu?
Aparentemente a falta de recursos disponibilizados para a pesquisa, talvez seja o
grande vilão do assunto.
Convivendo com a nossa flora e fauna a milhares de anos, os indígenas,
trouxeram até nós o conhecimento, que juntamente com a cultura européia e
africana constituíram o cabedal de técnicas e usos das plantas medicinais no país,
formando assim, a base de nossa etnobotânica.
Mas, por que estudar as plantas através da cultura popular?
“A existência de uma infinidade de espécies de plantas, entre 250 e 500 mil
no mundo, onde apenas 5% são estudadas (...)” (CECHINEL & YUNES, 1998). Isto
é uma das causas que dificultam a identificação das plantas que têm potencial
terapêutico. Uma das formas de se limitar este universo é a pesquisa na população.
Observando as plantas que mais são utilizadas, sua forma de uso e suas indicações,
possibilita-se a localização de novas moléculas com possíveis efeitos medicinais.
Muitas plantas de uso popular já tiveram seus efeitos comprovados:
Entre os diversos exemplos de substâncias oriundas de plantas e de
importância atualmente, podemos mencionar a forscolina, obtida de Coleus
barbatus¹, que apresenta promissores efeitos contra hipertensão, glaucoma, asma e
certos tumores, a artemisinina, presente em Artemisia annua², que exerce potente
atividade antimalárica, e o diterpeno anticancerígeno taxol, isolado de plantas do
gênero Taxus, que após sua síntese em escala industrial, já se encontra disponível
no mercado farmacêutico, constituindo-se numa grande esperança para pessoas
portadoras de câncer nos ovários e pulmões (CECHINEL & YUNES, 1998).
Cechinel & Yunes, complementa ainda: A cada momento são relatadas na
literatura novas moléculas, algumas de relevante ação farmacológica, como por

1 – Boldo; 2 – Losna (nota dos autores)


2

exemplo o taxol, a forscolina, a artemisinina, etc. Neste contexto é importante


mencionar que as plantas, além de seu uso na medicina popular com finalidades
terapêuticas, têm contribuído, ao longo dos anos para a obtenção de vários
fármacos, até hoje amplamente utilizados na clínica. Como exemplo, podemos citar
a morfina, a emetina, a vincristina, a colchichina, a rutina, etc. Cabe mencionar que
dados da literatura indicaram que, em 1980, os consumidores dos Estados Unidos
pagaram mais de 8 bilhões de dólares em prescrições com produtos naturais ativos.
Em relação ao mercado mundial, cerca de 80% das pessoas utilizam plantas para
curar suas enfermidades.
A Etnobotânica inclui todos os estudos concernentes à relação mútua entre
populações tradicionais e as plantas. Apresenta como característica básica de
estudo o contato direto com as populações tradicionais, procurando
uma aproximação e vivência que permitam conquistar a confiança das mesmas,
resgatando, assim, todo conhecimento possível sobre a relação de afinidade entre o
homem e as plantas de uma comunidade. Portanto, o estudo etnobotânico é o
primeiro passo para um trabalho multidisciplinar envolvendo botânicos, engenheiros
florestais, engenheiros agrônomos, antropólogos, médicos, químicos, entre outros,
para se estabelecer quais são as espécies vegetais promissoras para pesquisas
agropecuárias e florestais, justificando assim seu uso e sua conservação.
(RODRIGUES et al, 2004)
O objetivo geral do trabalho é localizar nas plantas utilizadas na região de
Bueno Brandão, aquelas que têm possíveis usos fitoterápicos, e disponibilizar estas
informações para que se possa, a posteriori, fazer testes e pesquisas.
Dados da literatura revelam que é muito mais provável encontrar atividade
biológica em plantas orientadas pelo seu uso na medicina popular do que em
plantas escolhidas ao acaso. Cerca de 75% dos compostos puros naturais
empregados na indústria farmacêutica foram isolados seguindo recomendações da
medicina popular. (CECHINEL & YUNES, 1998).
Outro aspecto ao qual se objetiva esta pesquisa é de registrar a cultura
popular, mantendo e divulgando um conhecimento empírico, que se não for feito se
perderá com o tempo. Este patrimônio sociocultural constituinte da Etnobotânica, é
importante pois resgata valores pessoais e sentimentais, elevando a auto-estima das
pessoas e o vínculo familiar: Quem não se lembra do chazinho, trazido pela avó,
quase que imediatamente àquele tombo, ainda quente, doce, reconstituinte? É a
3

lembrança de nossa infância. Além disto, a divulgação destes métodos de cura, mais
baratos, tende a diminuir a demanda da população aos remédios industrializados de
alto custo, evitando o consumo exagerado de produtos como por exemplo os
analgésicos, cujo consumo indiscriminado e incentivado pela mídia e grandes
laboratórios, acarretam sérios problemas de saúde.
O presente trabalho foi elaborado como parte do Projeto de Conclusão de
Curso. Para isso foram feitos levantamentos de dados e informações junto à
população rural e urbana de Bueno Brandão quanto à utilização de plantas
medicinais. Foram entrevistados diversos populares, curandeiros, raizeiros,
benzedeiras, etc. (através de questionário constante dos anexos); localizando na
flora local ou introduzida as espécies utilizadas, e também, registrando o perfil
destes usuários.

1.1. PRINCÍPIOS ATIVOS

A Organização Mundial de Saúde diz que planta medicinal é qualquer planta


que possua em um ou em vários de seus órgãos, substâncias usadas com finalidade
terapêutica, ou que estas substâncias sejam ponto de partida para a síntese de
produtos químicos ou farmacêuticos. A estas substâncias é dado o nome de
princípio ativo. (MONTANARI, 2002)
A Fitoterapia diverge da Medicina Oficial, ao encarar os princípios ativos de
maneira diferente. Enquanto que na Fitoterapia se dá preferência na utilização de
Fitocomplexos, ou seja, a planta como um todo, com seus princípios ativos,
materiais inertes, e outras substâncias não diretamente relacionadas ao efeito que
se deseja obter, mas que possivelmente poderá agir, aumentando ou diminuindo a
absorção dos princípios ativos, melhorando sua eficácia e diminuindo seus efeitos
colaterais. Do outro lado, porém, encontra-se a Medicina Oficial que dá preferência
ao princípio ativo isolado, acreditando, que quão mais puro for, maior será o seu
efeito.
As plantas, assim como os animais, sofrem a agressão do meio ambiente.
Entretanto, estas não possuem um método de defesa celular ou imunológico como
nos animais. Para combater os seus predadores, sejam microorganismos ou
herbívoros, as plantas desenvolveram um sistema químico eficiente.
4

Algumas substâncias estão sempre presentes nos tecidos, outras são


agregadas em vesículas, como os óleos essenciais. Certas substâncias são
produzidas na hora da agressão através de mensageiros químicos que acionam
genes determinantes na produção de moléculas tóxicas ao agressor. Acontece que
os agressores de plantas muitas vezes pertencem a grupos que abrangem também
organismos que atacam o homem. Não é surpreendente, portanto, que substâncias
de defesa de plantas também combatam os organismos responsáveis por
enfermidades humanas. (GILBERT, 2002).

1.1.1. ALCALÓIDES

Segundo Aksue et al. o primeiro a isolar uma substância básica de origem


vegetal, com natureza bem definida foi o farmacêutico Serturner, em 1806. Esta
substância derivada do ópio, e denominada por ele de “morphium”, que hoje é
conhecida por morfina. Entretanto foi outro farmacêutico, Meissner em 1818, que
criou a palavra alcalóide.
Alcalóides são compostos orgânicos nitrogenados, provenientes do
metabolismo secundário de plantas, que apresentam quase sempre natureza básica
e nitrogênio heterocíclico, estrutura raramente simples e a atividade fisiológica
marcante. (AKSUE et al, 2002)
As famílias onde mais comumente se encontram alcalóides são as
Solanáceas, as Rubiáceas, entre outras. Alguns exemplos de alcalóides são a
Atropina, produzida pela Beladona (Atropa belladona); a Hioscianina, obtida do
estramônio (Datura estramonium), plantas da família das solanáceas. Dentre as
rubiáceas se destaca a cafeína produzida pelo café (Coffea arábica), e a emetina
encontrada na raiz da ipecacuanha, cientificamente chamada de Cephelis
ipecacuanha.

1.1.2. GLICOSÍDEOS

Os glicosídeos cardiotônicos são substâncias que apresentam genina


esteroidal quase sempre provida de diversas hidroxilas... apresenta propriedades de
melhorar os sintomas de insuficiência cardíaca congestiva em função de um
5

aumento de força de contratilidade cardíaca. Os cardiotônicos são sempre obtidos


de vegetais por ser mais econômico. (AKSUE et al, 2002)
O mais importante cardiotônico utilizado até agora é o digitálico, que foi obtido
da planta conhecida como dedaleira (Digitalis purpurea, Escrophulariaceae), também
chamada de luvas-de-nossa-senhora, por apresentar flores que parecem dedos de
luvas. Esta planta já era muito utilizada por feiticeiras européias para curar males do
coração. Os cientistas, então estudaram-na e comprovaram este efeito.
Segundo AKSUE et al, as famílias que mais apresentam glicosídeos são:
Apocynaceae, Asclepiadaceae, Ranunculaceae, Moraceae, Cruciferae, Tiliaceae,
Celastraceae, Leguminoseae, Scrophulariaceae, Liliaceae.

1.1.3. ÓLEOS ESSENCIAIS

Os óleos essenciais são princípios ativos conhecidos desde tempos


remotos... São produtos de origem vegetal, de odores aromáticos, lipossolúveis,
voláteis, geralmente líquidos, de composição complexa, de viscosidade, em geral,
pouco acentuada e de densidade maior ou menor que a da água. (AKSUE et al,
2002)
Os óleos essenciais, são substâncias que apresentam, geralmente,
propriedades anti-sépticas, bactericida e fungicida. Muitas destas ações são
facilmente comprovadas em laboratório, como a exemplo do óleo essencial Timol
extraído da planta Thimus vulgaris, o tomilho; e também de plantas do gênero
Ocimum, deste ultimo a mais importante para nós do Brasil, é a alfavaca-de-vaqueiro
(Ocimum americanum), todas da família Labiatae. Esta propriedade de ser altamente
aromática faz destas plantas muito utilizadas também como condimento.

1.1.4. ANTRAQUINONAS

Os antraderivados são compostos naturais encontrados sob a forma


glicosídica ou livres, derivados do núcleo antracênico. Relacionam-se diretamente
com a antraquinona, um dicetona insaturada. Possuem ação catártica e são
classificados, portanto, como catárticos estimulantes. Atuam como purgativas
irritando e conseqüentemente facilitando o trânsito do conteúdo intestinal. (AKSUE
et al, 2002)
6

1.1.5. SAPONINA

Podemos considerar como sendo saponinas os glicosídeos vegetais que


formam soluções coloidais quando dissolvidos em água. São tensio-ativos,
hemolíticos e ictiotóxicos. Formam, portanto, espuma abundante e persistente,
quando suas soluções são submetidas à agitação. Emulsionam o óleo em água e
mantêm, em dispersão, partículas sólidas finamente dissolvidas. Podem ser
encontrados nas raízes, folhas e frutos de diversas espécies de plantas. (AKSUE et
al, 2002)
As famílias que mais contém saponinas são as Liliaceae, Amarilidaceae,
dentre as monocotiledôneas; e Araliaceae, Polygalaceae, Dioscoraceae,
Amaranthaceae, Sapindaceae, Solanaceae e Leguminosae, dentre as
dicotiledôneas.

1.1.6. TANINOS E MUCILAGENS

Os princípios amargos, presentes no cardo-santo e na artemísia, por


exemplo, destacam-se por suas propriedades sedativas, digestivas e tônicas. São as
substâncias mais importantes no grupo dos princípios ativos não tóxicos. Os taninos,
por suas propriedades adstringentes, estão entre os demais componentes, como os
ácidos orgânicos, os açúcares e as vitaminas, que garantem às espécies medicinais
sua eficácia. Embora todas essas substâncias possam ser isoladas para aplicação
terapêutica, o mais comum é que várias delas estejam associadas numa mesma
planta. (AKSUE et al, 2002)

1.1.7. BIOFLAVONÓIDES

São compostos vegetais, de núcleo aromático, polifenóis relacionados com o


flavano ou 2-fenil-benzo-pirano, cujo esqueleto básico é formado por unidades c6-
c3-c6. São encontrados sob a forma de glicosídeos, na grande maioria.
O termo flavonóide vem do latim “Flavus”, que significa amarelo e “oide” que
significa forma, portanto são compostos de coloração amarelada. O maior parte é
encontrado em espécies das famílias das Poligonaceae, Leguminoseae,
Umbeliferae, e Compositae. (AKSUE et al, 2002)
7

O primeiro medicamento com patente brasileira, vem da planta erva-baleeira,


(Cordia verbenacea), a artemetina, bioflavonóide com propriedades antiinflamatórias.
(GUIA RURAL, 1991).
8

2. METODOLOGIA

2.1. DELIMITAÇÃO

Bueno Brandão situa-se ao sul de Minas Gerais, Latitude 22° 26’ 27’’,
Longitude 46° 21’ 03’’, altitude de 1200m, em frent e à Igreja Matriz; o município tem
uma área de 357 km², 11.023 habitantes (DATASUS, 2005), com a economia
voltada para a agropecuária: cultura da batata, café e pecuária de leite e corte,
sendo a maioria de sua população é constituída de pequenos produtores e
trabalhadores da agricultura. Existe uma pequena economia nascente voltada ao
turismo, principalmente ao ecoturismo. Possui uma vegetação típica de montanha
(clima tropical de altitude), com muitas áreas remanescentes de Mata Atlântica.

Figura 2.1: mapa da bacia hidrográfica do Rio Moji Guaçú.


Fonte: SILVA (2002).

O município é cortado por vários rios sendo os principais, Rio das Antas e Rio
Cachoeira, sendo este último com a nascente dentro do próprio município, o que o
torna uma cabeceira d’água. A região faz parte da bacia hidrográfica do Rio Moji
Guaçu, conforme fig. 2.1.
9

Sendo uma região montanhosa, o relevo (chamado mar de morros)


proporciona a formação de muitas cachoeiras. Os ramos da Serra da Mantiqueira,
parte do planalto e serras do Atlântico Leste-sudeste, típicos desta região, é uma
formação antiga formada por estruturas cristalinas, onde em diversos lugares é
possível ver os afloramentos da rocha matriz.

2.2. COLETA E ANÁLISE DOS DADOS

Os dados foram coletados, junto à população local (populares, curandeiros,


benzedeiras e raizeiros), através de entrevista, e armazenados em ficha (anexos III e
V), foram solicitados aos entrevistados que assinassem o termo de consentimento
constante do anexo II.
Foram realizadas 52 entrevistas, distribuídas em 5 amostras, coletadas em
regiões diferentes do município. A amostra 1 foi elaborada na Escola Estadual de
Bueno Brandão, onde os questionários foram distribuídos aos alunos da 7ª série, e
solicitado que estes entrevistassem um de seus pais, e após o preenchimento o
mesmo foi devolvido à professora responsável.
A amostra 2, foi obtida em entrevista com funcionários e alunos da Escola
Municipal Jardim Campo Místico. A de número 3 foi realizada na região do bairro
urbano Parque Renascença, onde foram selecionadas aleatoriamente casas, de
diversas ruas do bairro. A amostra número 4 foi obtida na zona rural próximo à
estrada que liga Bueno Brandão ao município vizinho de Bom Repouso, no bairro
chamado Campo Alegre. A amostra número 5 foi obtida, entrevistando moradores do
bairro Xavi, zona rural, e do Bairro São Benedito na cidade.
Os dados apurados pelos entrevistadores foram totalizados através da Ficha
de Apuração de Dados (anexo VI), e lançados em planilha do Microsoft Excel,
para elaboração de gráficos para análise.
Como não poderia deixar de ser, os dados obtidos foram analisados seguindo
os critérios do método científico. O método científico de investigação refere-se a um
conjunto genérico de procedimentos ordenados e disciplinados, utilizado para a
aquisição de informações seguras e organizadas (POLIT, 1995). Para tanto, os
questionários foram distribuídos de maneira aleatória no município. Como havia
enunciado POLIT, em seu trabalho de 1995, o grande problema na pesquisa seria o
de encontrar indivíduos adequadamente representativos da população e que não
10

constituam um subconjunto tendencioso da mesma. Tendência de amostragem


refere-se à super representatividade ou a sub representatividade de algum
segmento da população, em termos de uma característica relevante à questão da
pesquisa. (POLIT, 1995).
O levantamento da amostragem foi do tipo Probabilística, foi assegurada por
uma amostragem aleatória e estratificada, buscando atender a todos os segmentos
sociais, do município, atentando para o grau de escolaridade e a idade do
entrevistado. O intervalo de amostragem foi obtido segundo os critérios de Polit, que
em seu livro página 151, diz que: O tamanho da população (N) pode ser dividido
pelo tamanho da amostragem (i), de modo que seja obtida a extensão do intervalo
de amostragem (k).
N
k=
n
Para os dados aleatórios foram levantados os números de matrículas dos
alunos da escola de Bueno Brandão. E em cada sala foi solicitado que os
respectivos alunos entrevistassem duas pessoas, uma de cada sexo para o
levantamento dos dados.

2.3. COLETA DAS PLANTAS

A coleta de plantas para classificação, foi realizada seguindo os critérios


botânicos, de secagem e catalogação.
Muitas plantas possuem vários e diferentes nomes populares dependendo de
cada região. Além disso um mesmo nome popular vale, conforme a região, para
muitas plantas. ... “Dessa forma, deve-se assegurar uma correta identificação das
espécies, através da consulta a livros especializados ...” (BLANCO, 2000)
Para o cultivo em horta experimental, foram obtidas mudas e sementes junto
aos raizeiros e afins, no intuito da divulgação dos métodos e formas de cultivo,
como descrita no capítulo: PLANTIO, COLHEITA E PREPARO DAS ERVAS. Assim
como as indicações e formas de preparo das referidas plantas, constantes do anexo
V, deste trabalho.
11

2.4. CONSULTA À BIBLIOGRAFIA ESPECIALIZADA

Após a classificação botânica da planta, as informações obtidas, foram


cruzadas com as informações da literatura pertinente, e lançadas nas fichas das
plantas medicinais, juntamente com os seus dados quanto às propriedades
farmacológicas e toxicológicas.

2.5. DIVULGAÇÃO

Os dados obtidos, serão disponibilizados à população local, através do


programa da Pastoral da Saúde, e outras entidades sem fins lucrativos.
12

3. PLANTIO, COLHEITA E PREPARO DAS ERVAS

Na região de Bueno Brandão, foi observado que as plantas medicinais,


geralmente são cultivadas e colhidas sem a adoção de nenhum critério e/ou técnica.
A maioria das pessoas que fazem uso das plantas medicinais como forma
terapêutica, as utiliza colhendo diretamente da sua horta doméstica, “in natura”.
Somente plantas que são utilizadas partes como frutos e raízes, disponíveis apenas
em parte do ano (cascas de romã Punica granatum), ou plantas que são coletadas
na natureza (espinheira santa Maytenus ilicifólia Mart.) passam por determinado tipo
de preparo para a armazenagem.
O processo mais utilizado é a desidratação, se bem que de maneira
geralmente incorreta, expondo plantas tenras, à ação do sol e outras intempéries,
comprometendo assim a conservação de seus princípios ativos. A armazenagem,
outro item de importância na conservação dos elementos terapêuticos destas
plantas, também não oferece condições apropriadas.

3.1. CULTIVO

“A definição de ervas inclui grande variedade de vegetais, sementes, raízes e


flores.” (CRUZ 1989). Esta grande variedade de espécies e partes utilizadas,
representa um dos problemas para a cultura de plantas medicinais. Foi observado
nas hortas domésticas analisadas, que a disposição das plantas nos canteiros não
obedecem a nenhum critério. Plantas de origem mediterrânea que exigem pouca
água e muito sol para seu cultivo, como por exemplo o alecrim (Rosmarinus
officinalis) e a sálvia (Salvia officinalis), plantadas no mesmo canteiro e ao lado de
plantas que exigem uma irrigação abundante e um sombreamento mais efetivo,
como a zinziberaceae Cana-do-brejo (Costus psonis).
Entretanto, numa mesma horta, pode-se dispor de uma grande variedade de
espécies, desde que observadas as condições necessárias para o melhor
desenvolvimento de cada uma delas, levando-se em conta as condições naturais em
que elas são encontradas na natureza. A fim de manter as concentrações dos
princípios ativos em suas partes utilizadas.
Muitas plantas desenvolveram seus princípios ativos em resposta à
agressividade do meio em que elas viviam, como o ataque de uma praga ou a uma
condição específica do meio ambiente, como a falta de água.
13

3.1.1. ESCOLHA DO LOCAL

No contexto da região de Bueno Brandão, observou-se a utilização da horta


doméstica para a produção de diversos tipos de verduras e legumes em conjunto
com plantas medicinais e temperos. Tal prática no meio rural e urbano deverá ser
incentivada, tendo em vista os aspectos socioculturais e econômicos que ela
proporciona.

Figura 3.1 Horta típica da região – Recanto Santa Luzia


Entretanto, como toda cultura, as plantas medicinais requerem alguns
cuidados na hora da escolha do local de sua instalação, seja para um cultivo
comercial ou uma pequena horta doméstica.
Mobilizando-se os esforços na intenção de se obter os melhores resultados, e
partindo do inicio, busca-se, então, no espaço circundante, locais que apresentem
as características mais indicadas para esta produção. Este local deverá ser,
preferencialmente bem ensolarado, de boa drenagem e longe de fontes
contaminantes, como esgotos, fossas, depósitos de produtos químicos, estábulos e
chiqueiros, e se for possível distante do trânsito de pessoas, animais, automóveis e
máquinas. Deve-se levar em conta, também, a disponibilidade de água de boa
procedência, para se efetuar a irrigação quando necessário.
14

3.1.2. TRATOS CULTURAIS

Os tratos culturais, são, na maioria das vezes, bem simples. As mudas das
plantas podem ser obtidas por estaquia, como a erva-cidreira-de-rama (Lippia alba),
ou obtidas através de sementes como a alfavaca (Ocimum gratissimum L), ou
mesmo adquiridas no comércio especializado. Deverão ser recepcionadas e
plantadas em canteiros de 0,8 m de largura, não muito compridos, buscando dispor
as espécies de plantas que exijam tratos culturais parecidos em um mesmo canteiro.
Não plantar ervas que necessitam de muita sombra junto com plantas que precisam
de muito sol, por exemplo.
A adubação deverá ser feita unicamente com adubo orgânico: esterco curtido,
húmus de minhoca e/ou composto orgânico. Tendo em vista que este procedimento
propiciará uma maior concentração de princípios ativos nas plantas. Além disto à
finalidade da planta é combater uma doença, e nada justifica criar uma outra.
O combate de pragas é muito raro, pois as plantas utilizam seus princípios
ativos como repelente ou até mesmo como inseticida, fungicida, etc.. Ainda assim,
pode ser necessário o combate a algumas pragas, mas nunca deverá utilizar-se de
produtos químicos. Quando se tratar de insetos o mais sensato é utilizar a catação
manual, se esta não for possível devido a um grande número, orienta-se a utilização
de caldas de plantas como repelente. A calda de fumo ou de pimenta conforme
receitas constante do anexo IV deste trabalho, pode ser indicada com sucesso.

3.2. COLHEITA

3.2.1. SELEÇÃO

Salvo condições especiais, como mencionado anteriormente, em que


senhoras disponibilizam espaços em seu quintal para terem à mão sua pequena
“farmácia”, e nela buscam seus medicamentos, na hora em que precisam.
Na colheita é importante conhecer: o ponto em que a planta atinge o máximo
de concentração de seus princípios ativos que se pretendem obter; qual à parte a
ser colhida e em que hora o processo se torna mais eficiente. Em seu trabalho
CRUZ (1989), refere como período ideal para a colheita de ervas à parte da manhã
logo após o orvalho ter evaporado e antes que o calor do sol dissipe o óleo
aromático do vegetal.
15

As folhas da maioria das ervas devem ser colhidas ainda verdes e tenras,
antes de a planta florescer, uma vez que, após o florescimento, o potencial
aromático do produto tende a diminuir... As flores devem ser colhidas frescas e
novas. As sementes, por sua vez, devem ser colhidas ainda frescas e maduras.
CRUZ (1989).
CRUZ (1989), determina uma série de procedimentos básicos, para o preparo
das plantas que deverão ser estocadas, abordaremos o método descrito para a
desidratação, no entanto, com pequenas modificações, estes procedimentos
poderão ser utilizados para a obtenção de diversos outros produtos.

3.2.2. PREPARO

3.2.2.1. CORTE

Figura 3.2: Corte de Plantas Medicinais

Segundo Cruz (1989), o recomendado é que esta operação seja efetuada


com instrumentos bem afiados, confeccionados em aço inox (tesouras e facas).
16

Tal precaução se deve ao fato de materiais como estes, não comprometem a


qualidade do produto final, por serem inócuos, não alteram nem reagem com as
substâncias presentes nos tecidos do vegetal. Além disto, instrumentos bem afiados
causam menos danos à planta o que proporcionará uma nova safra o mais breve
possível.

3.2.2.2. LAVAGEM

“Folhas e talos. Costuma-se enxaguar o produto levemente em água fria e


corrente.” (CRUZ 1989). A mesma forma pode ser adotada para flores e pétalas.
Outros métodos de limpeza, ainda são indicados, como por exemplo a
limpeza de folhas, principalmente as de consistência mais dura, com pano limpo e
seco ou com papel toalha. Principalmente quando se quer diminuir a quantidade de
água envolvida no processo.

3.3. DESIDRATAÇÃO

Sendo a desidratação a mais importante forma de conservação das plantas


medicinais, salientamos que é uma forma alternativa mais barata, e fácil de realizar e
com o menor dano possível às características medicinais destas plantas. A secagem
ao sol não é recomendada para as plantas medicinais.
Diversos métodos de secagem podem ser observados, no entanto,
apontaremos apenas aqueles que podem ser efetuados em ambiente doméstico.

3.3.1. SACO DE SECAGEM

Em nosso trabalho, pudemos utilizar este método com grande eficiência e


baixo custo. Apesar de com a desidratação haver perda dos óleos essenciais, estes
tendem a se concentrar mais devido à grande perda de água ocasionada durante o
processo. Sendo um sistema simples e descrito por inúmeros autores como sendo
eficiente e que mais se presta a desidratar partes tenras como folhas, flores e
caules, também é um método extremamente barato. Utilizando como materiais
apenas sacos de papel, de cor parda, dos do tipo utilizado em padarias, e barbante
de algodão.
Com as plantas já preparadas, e limpas, amarram-nas em maços pequenos
de forma que caibam nos sacos de papel. Previamente cortam-se orifícios nos sacos
17

de mais ou menos 1,5 cm, coloca-se o maço de ervas dentro do saco de maneira
que as folhas não toquem o papel. Amarram-se, então, os maços e o saquinho
juntos, e após são dispostos de cabeça para baixo em local sombreado e bem

Figura 3.3: Preparo para desidratação em sacos de papel


ventilado.

3.3.2. SALA DE SECAGEM

Segundo CRUZ (1989), este método se presta à secagem de sementes,


flores e ervas de folhas grandes.
Deve-se construir um estrado de madeira de aproximadamente 0,7 m de
largura por 1,80 m de comprimento, e dispô-lo em suporte de madeira de 0,8 m de
altura por 0,7 m de comprimento.
Sobre o estrado coloca-se a erva já preparada e limpa, cobrindo-as com um
tecido leve, tipo gaze. Esta estrutura deve ser arrumada em local seco, livre da
entrada de insetos e animais, bem ventilado e de preferência quente. As ervas
deverão ser viradas todos os dias, para que se desidratem de maneira uniforme.
A grande vantagem deste método, é permitir a reutilização do material por um
grande período de tempo, além de possibilitar trabalhar com grande quantidade de
plantas ao mesmo tempo.
18

3.3.3. FORNO DOMÉSTICO

A utilização do forno doméstico traz alguns inconvenientes, o principal deles é


o fato de ser difícil o controle da temperatura; deseja-se que as plantas não sofram
aquecimento acima de 40 °C, o que evita a perda de óleos essenciais presentes
principalmente nas folhas e flores. No entanto, este método pode ser utilizado como
experiência e principalmente na desidratação de cascas, raízes e demais partes
mais duras de plantas cujo principal objetivo não seja os óleos essenciais. Mas, para
tanto, requer a observação da temperatura dentro do limite acima estabelecido.

3.3.4. DESIDRATADOR

O desidratador é sem dúvida a ferramenta ideal para a produção de ervas


desidratadas de boa qualidade. Porém é desconhecido da maioria das pessoas, e
apesar de caro é de difícil acesso, faz-se necessário a divulgação deste método
levando em conta a sua eficácia, possibilitada pelo total controle da circulação de ar
e da temperatura.
A fase de preparação, como não poderia deixar de ser, está presente neste
processo. Com os devidos cuidados as ervas já limpas são dispostas nas bandejas
do desidratador, tendo-se o cuidado de não conferir uma camada muito espessa.
“As ervas são, então, submetidas a uma temperatura de 35 °C por um período
de 2 a 3 horas. Em geral, as ervas exigem temperaturas mais baixas durante o
processo de desidratação”. (CRUZ, 1989).

3.4. TESTE DE DESIDRATAÇÃO

O teste de desidratação, nos moldes caseiro, é feito pegando-se na mão uma


pequena porção da erva desidratada e friccionando-a, esta deve facilmente
esfarelar. Deve-se retorná-la ao processo se não obter a condição descrita. Ou
passa-se à etapa seguinte se a operação estiver sida realizada com êxito.

3.5. ESTOCAGEM

Esta etapa, como as demais, deve-se efetuar com os devidos critérios. Nada
adianta uma planta medicinal, cultivada e colhida dentro das normas ser estocada
19

de maneira irregular. Na fitoterapia tudo o que se deseja é o poder curativo destas


plantas, nada adianta termos uma grande quantidade de ervas se o seu princípio
ativo esvaiu-se para o ar, ou aquela inocente plantinha em vez de curar trazer
terríveis patógenos como fungos e outros contaminantes.
A estocagem é feita em recipientes herméticos, à prova de luz durante um
pequeno período, após observa-se se não houve nenhuma alteração. Se houver,
submete-se o material a novo processo de desidratação. A embalagem definitiva
deve ser de pequenas porções, para que não se tenha que submeter a manipulação
toda a erva, toda vez que for utilizá-la. Deverá ser armazenado em local fresco e
ventilado de preferência em temperatura inferior a 15 °C.
20

4. RESULTADOS

Foi realizado um total de 52 entrevistas. Numa população de 10928


habitantes obtivemos um espaço amostral de 210, indicando que cada indivíduo
entrevistado representou um total de 210 pessoas na população.
N 10928
k= ⇒k= ∴ k ≅ 210
n 52

4.1. ANÁLISE DOS DADOS QUALITATIVOS.

4.1.1. IDADE

Gráfico 4.1 – Entrevistados quanto à idade

2%

21%
29%

até 20 anos
de 21 a 40 anos
de 41 a 60 anos
mais de 60 anos

48%

Das 52 pessoas entrevistadas, 25 tinham entre 41 e 60 anos, o que


correspondeu por 48% do total, 15 pessoas (29 %) tinham entre mais de 60 anos, e
11 pessoas (21%) tinham entre 21 e 40 anos, e apenas 1 (correspondendo cerca de
2 %) tinha menos de 20 anos.
21

4.1.2. SEXO

Gráfico 4.2 – Entrevistados quanto ao sexo


15%

Homens

Mulheres

85%

Dos indivíduos entrevistados eram 15% do sexo masculino e 85 % do sexo


feminino. A grande maioria dos que disponibilizavam a falar sobre plantas medicinais
foram do sexo feminino.

4.1.3. GRAU DE ESCOLARIDADE

grau de
Gráfico 4.3 –escolaridade
Entrevistados quanto ao grau de escolaridade

4%2% 6% fundamental Imcompleto


12% fundamental Completo
Médio Imcompleto

6% Médio Completo
Superior Imcompleto
70%
SuperiorCompleto

A grande maioria dos entrevistados, pessoas do povo como era o objetivo do


presente trabalho, foram de pessoas com baixo índice de escolaridade, como se
22

observa no gráfico, 70 % eram de pessoas que possuíam apenas o primeiro grau


incompleto, e alguns até mesmo não possuíam nenhuma leitura.
Do total de entrevistados, 52 pessoas, apenas dois referiram não utilizar
plantas medicinais para seus problemas de saúde. Isto nos mostra que em torno de
96% das pessoas do município utilizam plantas medicinais em sua medicina caseira.
Dados de CECHINEL & YUNES, 1998, indicam que 80 % da população mundial
utilizam plantas medicinais na cura de seus males. Portanto, a comunidade de
Bueno Brandão está um pouco acima da média mundial.

4.2. ANÁLISE DOS DADOS QUANTITATIVOS.

Quando foi perguntado qual as plantas mais utilizadas pela população,


pudemos observar que a Hortelã destacou-se em 38 dos 52 questionários aplicados.
Outras plantas que foram mais referenciadas foram: a Erva Cidreira de Capim, a
Camomila, a Erva doce e o Guaco, com 23, 21, 18 e 12 referências,
respectivamente. As plantas mais utilizadas no município, em ordem decrescente,
conforme o número de indicações estão listadas na tabela abaixo.

Nome Popular Total Nome Científico Família


Hortelã 38 Mentha arvensis Labiateae
Erva cidreira de capim 23 Cymbopogus citratus Gramineae
Camomila 21 Matriarca chamomilla Compositae
Erva doce (funcho) 18 Foeneculum vulgare Umbelliferae
Guaco 12 Mikania glomerata Compositae
Erva cidreira de folha 11 Melissa officinalis Labiateae
Erva cidreira de rama 9 Lippia alba Verbenaceae
Alecrim 8 Rosmarinus officinalis Labiateae
Bambuzinho do brejo 7 Equizetum giganteum Equizetaceae
Boldo 7 Coleus Barbatus Compositae
Levante 7 Mentha sp Labiateae
Poejo 7 Mentha pulegium Labiateae
Balsamo 6 Sedum dendroideum Classulaceae
Picão 6 Bidens pilosa Compositae
Quebra Pedra 6 Phullanthus niruri Euphorbiaceae
Tanchagem 6 Plantago major Plantaginaceae
Bardana 5 Arctium lappa Compositae
Arruda 4 Ruta graveolens Rutaceae
Erva de Santa Maria 4 C. ambrosioides Chenopodiaceae
Penicilina (cataflan) 4 Alternathera dentata Amaranthaceae
Sete sangrias 4 Cuphea balsamona Compositae
Alho 3 Allium sativum Liliaceae

Tabela 4.1 – Plantas mais utilizadas em Bueno Brandão


23

Outro dado importante obtido neste relato é o das plantas como a carqueja, o
rubim e o quebra pedras, plantas de nossa flora local são relatadas em diversos
questionários. Outras plantas nativas como a Quina-vermelha, o Capichingui e a
Casca-danta aparecem em apenas alguns questionários. A listagem contendo a
integra das plantas relacionadas pela população encontra-se no anexo VII deste
trabalho.
Listamos, na página seguinte, algumas das plantas relatadas nos
questionários e que nos foram possíveis fotografar. Estas fichas estão constantes do
anexo V.

Índice de Plantas Pelo Nome Popular


Nome Popular (mais Nome Científico Família Indicações Nº da
conhecido) (Nº) ficha
Açafrão da terra Curcuma longa Zinziberaceae 1 020
Alecrim Rosmarinus officinalis Labiatae 8 011
Alfazema Lavandula Labiatae 2 021
angustifólia
Arruda Ruta graveolens Rutaceae 4 008
Babosa Aloe vera, Aloe Liliaceae 2 024
arborecens
Balsamo Sedum dendroideum Crassulaceae 6 023
Boldo Bahiano Vernonia condensata Compositae 2 026
Cana de macaco Costus pisonis Zimziberaceae 1 005
Capim cidreira Cymbopogus citratus Gramineae 23 001
Erva cidreira de rama Lippia alba Verbenaceae 9 012
Erva de são João Ageratum conizoides Compositeae 2 002
Espinheira Santa Maytenus ilicifolia Celastraceae 1 027
Falso boldo Coleus barbatus Labiateae 7 009
Gengibre Zinziber officinale Zinziberaceae 2 022
Guaco Mikania glomerata Compositae 12 018
Malva Malva hirsuta Malvaceae 1 013
Manjericão Oncimum basilicum Labiatae 1 014
Maracujá azedo Passiflora alata Passifloraceae 2 003
Maracujá-açú Passiflora Passifloraceae 1 004
quadrangularis
Melissa Melissa officinalis Labiateae 11 015
24

Mil folhas Achillea millefolium Compositae 1 016


Pariparoba Potomorphe umbelata Piperaceae 3 019
Quebra Pedra Phullanthus niruri Euphorbiaceae 6 007
Quina Hyeronima Euphorbiaceae 1 022
alchorneoides
Rosa branca Rosa sp Rosaceae 1 010
Rubim Leonorus sibiricus Labiatae 1 006
Sálvia Salvia officinalis Labiatae 2 017

Tabela 4.2 – Índice de plantas pelo nome popular

No questionamento quanto ao modo de preparo, a infusão aparece como a


forma de uso mais indicada, 49 dos 50 entrevistados que fazem uso de plantas
medicinais, relataram que se utilizam dela. Outra forma de preparo bastante utilizada
na região é o xarope, aparecendo em 13 dos 50 questionários. Como indicou o
gráfico seguinte.

Preparação Gráfico 4.4 – Modos de Preparação

60

49
50

40
Freqüência

30

20

13

9
10 8

4
1
0

chá maceração Xarope decoto inalação outos

Algumas formas de preparo descritas nos questionários:


Pomada de Guaco: (para reumatismo e nevralgia), 1 concha de banha
vegetal, 50 gramas de cera de abelha, meio copo de azeite de oliva, 1 maço de
guaco (Mikania gromerata). Fritar tudo, coar e embalar. Após esfriar, passar sobre a
região dolorida (uso externo).
Pomada de mentrasto: (para confusões fechadas) 2 copos de gordura
vegetal, 1 copo de azeite de oliva. 1 maço de mentrastos (Ageratum conizoides).
Fritar tudo na gordura coar e embalar. Uso: idem ao anterior.
25

Pastilha de guaco: 4 copos de água, 2 limões sem miolo, 8 copos de açúcar,


4 ramos de guaco (Mikania gromerata). Deixe ferver até dar ponto, como bala de
coco. Mexer a massa em uma mesa de mármore até ficar cor de ouro. Enrolar,
puxando e cortando com a tesoura.
Pudemos observar também que o cultivo próprio é a mais importante forma
de obtenção das plantas medicinais, aparecendo em 35, dos 50 questionários das
pessoas que utilizam plantas medicinais, outra forma importante da obtenção das
plantas é a busca na natureza com 21 relatos. A aquisição no comércio, entretanto,
foi relatado somente 6 vezes nos 50 questionários.

Obtenção Gráfico 4.5 – Obtenção


40

35

30
Freqüência

25

20

15

10

próprio comércio natureza outros

Na obtenção de informações quanto ás plantas utilizadas, é notória a tradição


oral na população, pois ao observarmos o gráfico correspondente (gráfico 4.6) a
este questionamento, podemos observar que quase a totalidade dos entrevistados
relatou que obtiveram os conhecimentos através das pessoas mais velhas.

Inform ações Gráfico 4.6 – Informações

50
45
40
35
Freqüência

30
25
20
15
10
5
0
mais velhos livros ouviu falar outros
26

Os 50 entrevistados que responderam que utilizam plantas medicinais,


disseram estarem satisfeitos com o uso de plantas medicinais. Isto é, 100% dos que
utilizam plantas medicinais, estão satisfeitos.
Alguns dos entrevistados comentaram esta resposta, dentre os mais
relevantes destacamos os que estão a seguir:
“Eu criei todos os filhos com remédios caseiros, pois farmácia aqui era muito
difícil e muito caro.”
“Eu tenho preferência por terapias naturais.”
“Utilizo principalmente a planta capixingui para o herpes.”
27

5. DISCUSSÃO

O levantamento Etnobotânico que foi efetuado no município de Bueno


Brandão – MG, levou-nos ao conhecimento de como as culturas européias,
indígenas e africanas, interagiram para formar a nossa população. Observou-se que
as plantas mais utilizadas, são as de origem européia, ou introduzidas através dos
europeus, como a Hortelã (Mentha crispa) e o Alecrim (Rosmarinus officinalis).
Outras plantas, sabidamente de origem africana, como a exemplo do Boldo-baiano
(Vernonia condensata) e o Alfavacão (Ocimum gratissimum) aparecem, também,
listadas como sendo utilizadas; e por outro lado, plantas da nossa flora como o
Chapéu-de-couro (Equinodorus grandiflorus), o Cipó-cabeludo (Mikania cordifolia),
entre tantas outras, se mesclam formando esta “farmacopéia popular” de ervas
medicinais.
Outro fator preponderante, levantado e observado, neste trabalho foi o
aspecto sócio-econômico, de importância fundamental na utilização de plantas
medicinais, pela população do município. O alto custo dos medicamentos
industrializados, conforme alguns comentários lançados no capítulo 5, ANÁLISE
DOS DADOS, é fator predominante como motivo que levam à utilização desta forma
de tratamento. Por outro lado, setores da população que têm um maior grau de
educação e uma melhor renda, também as utilizam, por fatores de convicção
naturalista. Tentando uma forma de tratamento alternativo, que tragam o menor
efeito colateral possível.
Destacamos, as plantas erva-de-grilo (como é conhecida na região), também
chamada de sete-sangrias, (Heliotropium lanceolatum, Boraginaceae), a quina-
vermelha (Hyeronima alchorneoides) e o capixingui (Croton floribundus) ambas
Euphorbiaceae, plantas nativas que são mencionadas como medicinais, e que
merecem ser estudadas mais profundamente, devido ás suas indicações populares
e também às famílias a que pertencem, pois ambas já tem espécies que possuem
comprovação quanto ao seu efeito.
28

6. CONCLUSÃO

6.1. Quanto ao aspecto etnobotânico conclui-se:


• Estão presentes na cultura popular do município de Bueno Brandão plantas
de origem européia, africanas e indígenas.
• Os motivos que levam à utilização de plantas medicinais são principalmente
os ligados à cultura tradicional, ao fator econômico e ao de convicção
naturalista.
• As plantas mais utilizadas são de origem introduzida, principalmente as de
origem européia.
29

7. BIBLIOGRAFIA

AKISUE, GOKITHI, et al, Farmacognosia, Bragança Paulista, Universidade São


Francisco – USF, 2002 (Mimeo.)
BALBACH, ALFONS, As Plantas Curam. Itaquaquecetuba: Missionária, 1992. 296p.
BALBACH, ALFONS, A Flora Nacional na Medicina Doméstica. Itaquaquecetuba:
A edificação do Lar, , ?. 23ª ed.
BARSA CD v 1.11 - Encyclopaedia Britannica do Brasil Publicações Ltda, São Paulo,
2001.
BLANCO, M. C. S. Garcia, Cultivo Comunitário de Plantas Medicinais, Campinas,
Instar. Prática CATI n° 267, abril/2000
BOA SAÚDE COM AS PLANTAS. Ano 1. n. 1. São Paulo: Casa Dois, [?]. 50p.
CARDOSO, M. S. A., et al, Ciências da Escola Para a Vida. Belo Horizonte: Lê,
1996. 168p.
CHITWOOD, Sala , Cosmética Natural. São Paulo: Círculo do Livro, 1983. 194p.
CRUZ, Guilherme A , Desidratação de Alimentos. Rio de Janeiro: Globo, 1989.
207p.
DATASUS. http://www.tabnet.datasus.gov.br. Acesso em 14 mai de 2005.
ENCICLOPÉDIA DIGITAL 2002, Editora Europa, São Paulo – 2003.
FERREIRA, SÉRGIO HENRIQUE, Medicamentos a Partir de Plantas Medicinais
no Brasil, http://www.abc.org.br/~sferreira, Acesso em 09 out de 2004
GIACOMETTI, DALMO C., Ervas Condimentares e Especiarias: São Paulo, 1989.
158p.
GILBERT, BENJAMIM et al, Base Científica da Fitoterapia, Ciência & Ambiente –
Santa Maria RS- n° 25- pag. 129 a 135 – Julho a Dez embro de 2002.
GRUPO ENTRE FOLHAS – PLANTAS MEDICINAIS. Curso de Plantas Medicinais.
Viçosa s. ed. 1997 41 p
GRUPO ENTRE FOLHAS – PLANTAS MEDICINAIS. Curso de Plantas Medicinais.
Viçosa s. ed. 1997 25 p (mimeografado)
GUIA RURAL ERVAS E TEMPEROS. São Paulo. Abril, 1991
HAMERCHMIDT, INIBERTO. Métodos Naturais de Controle de Pragas e Doenças.
Curitiba: Emater-PR, 1986.
LAINETTI, RICARDO e BRITO, NEI R. S. – A Saúde Pelas Plantas e Ervas do
30

Mundo Inteiro. São Paulo: Tecnoprint, 1980. 1ª ed. 163p.


LORENZI, HARRI – Árvores do Brasil. Nova Odessa: Plantarum, 2002. 4ª ed. Vol.
1. 368 p.
LORENZI, HARRI – Árvores do Brasil. Nova Odessa: Plantarum, 2002. 4ª ed. Vol.
2. 368 p.
LORENZI, HARRI - Plantas Daninhas do Brasil. Nova Odessa: Plantarum, 2000. 3ª
ed. 593 p.
MONTANARI, ÍLIO, Aspectos da Produção de Plantas Medicinais Nativas
CBPQA-UNICAMP-2002. http://www.cbpqa.unicamp.br, Acesso em 13 de junho
de 2005
POLIT, D. F. e HUNGLER, P. Fundamentos de Pesquisa em Enfermagem. 3 ed.
Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.
RODRIGUES V. E. G. et al – Levantamento Etnobotânico De Plantas Medicinais
No Domínio do Cerrado Na Região Do Alto Rio Grande –Minas Gerais,
www.editora.ufla.br/revista/25_1 – acesso em 24 set. 2004.
SANTOS, C. A. M., et al - Plantas Medicinais (Herbarium, flora et scientia).
Curitiba: Ícone, 1988. 160p.
SILVA, MARIA RAIMUNDA CHAGAS, Estudos de Sedimentos da Bacia
Hidrográfica do Rio Mogi-Guaçú, com Ênfase na Determinação de Metais.
Tese de Mestrado: UFSCAR, 2002. 113p.
SIMÕES, FREDERICO RIBEIRO – CD-Rom: Plantas Medicinais Cultivadas no
Vale do Ribeira. Registro-SP: Scelisul, 2003.
31

Anexos
32

ANEXO I
PRINCIPAIS FORMAS DE PREPARO (Ref.: Item 7 Anexo III)

–1 – Verter água fervente suficiente para uma xícara sobre


Infusão a aproximadamente 1 g da droga (ou 1 colher de chá). Tampar e
quente deixar em repouso por 15 minutos. Coar
Deve ser a preparação de escolha para folhas, flores,
inflorescências, sementes e frutos.
–2– Ferver água o suficiente para uma xícara e juntar com
Decocto aproximadamente 1 g. da droga (ou uma colher das de chá).
Mantê-la em ebulição por 15 minutos. Coar.
No caso das drogas contendo tanino (adstringente), o tempo de
fervura deve ser menor, para não haver hidrólise dos mesmos.
Deve ser a preparação de escolha para raízes, rizomas, caules,
estigmas e cascas.
–3– Já que o líquido no qual a erva fica de molho não é aquecido, o
Infusão a tempo de sua permanência será muito maior, variando de planta
Frio para planta. De qualquer forma, o recipiente precisa ficar
(maceração) hermeticamente fechado, para que não ocorra nenhuma perda.
–4– Os óleos de essência para ser produzido, leva em torno de 3
óleos de semanas, a fim de transferir para o óleo as propriedades das
essência plantas.
Emprega-se ½ xícara de erva verde ou 2 colheres de sobremesa
de erva seca, para ½ litro de óleo (girassol ou amêndoas) e 1
colher das de sopa de vinagre de vinho branco, despeje tudo em
um vidro e feche hermeticamente. Agite bem, e coloque no sol
durante 3 semanas; coe e guarde em vidro escuro, fechado.
–5– Macerar bem 100 g de erva seca, transformando-a em pó,
Tintura despeja-la em 1 litro de álcool de cereais, atarraxar a tampa
(hermeticamente), embrulhar o vidro em papel craft, datar, e
guardar por duas semanas, agitar o recipiente 1 vez por dia.
Filtrar em coador de café. Conservar em frasco bem fechado, de
vidro âmbar.
–7– Prepara-se um chá por decocção de ervas medicinais, e várias
Gargarejo vezes por dia, enxágua-se a garganta, gargarejando.
–8– Fervem-se ervas medicinais. Quando levantar fervura, aspira o
Inalações vapor através de um funil de cartolina.
–9– Consiste em molhar alguns pedaços de pano ou gases
Compressa embebidos em água com a substância ativa da planta, após o
fervimento. Deve-se aplicar ainda quente sobre a área afetada, e
quando esfriar, repetir o processo. Compressas frias com álcool
também podem ser utilizadas.
33

– 10 – Tomam-se diversas ervas frescas, como sejam: tanchagem,


Cataplasma arnica, calêndula, bardana, etc., trituram-se, misturadas, em um
pilão, ou passa-se pela máquina de moer, o suco que se obtém,
mistura-se a gordura vegetal de coco, amendoim ou manteiga
fresca. Aquece-se no fogo até derreter. A isso pode –se
acrescentar um pouco de cera de abelha para torna-lo mais
espesso.
– 11 – Medicamento para uso externo, obtido com uma porção de
Emplasto planta reduzia a pó até formar uma mistura fluida. É colocada
entre dois pedaços de pano e aplicada a quente ou a frio sobre a
parte a ser tratada. Pode Ter propriedades cicatrizantes,
emolientes ou revulsivas
– 12 – Preparação obtida a partir de plantas medicinais, utilizando-se o
Extrato álcool como solvente, Dependendo do grau de concentração, isto
é, da quantidade evaporada do solvente, pode ser fluido, mole ou
seco.
– 13 – Prepara-se um chá por deccoção de ervas medicinais. Enxaguar
Gargarejo bem a garganta, gargarejando várias vezes por dia.
– 14 – As ervas também são utilizadas na forma de banhos quentes,
Banhos frios, de assento e de vapor. Deve ser preparado cozinhando as
ervas em água durante 40 minutos, côa-se e deita-se na água
com o extrato vegetal.
– 15 – Ou mistura-se à gordura vegetal hidrogenada (30 g), a tintura da
Pomadas planta medicinal pretendida (1 colher das de sopa). E em um
saquinho plástico juntam-se os dois ingredientes, amassando por
sobre o plástico. Conserve em geladeira por 30 dias.
34

ANEXO II
TERMO DE CONSENTIMENTO INFORMADO

PESQUISA: O USO DE PLANTAS MEDICINAIS NA CULTURA POPULAR


NO MUNICÍPIO DE BUENO BRANDÃO – MG

Nós, José Carlos Bueno, Teresinha Arlete Dini, Marivane Goes da Silva,
Roberta Reginato e Fernanda M. A. Cézar, alunos de graduação das faculdades
ASMEC – Associação Sul Mineira de Educação e Cultura - Faculdade de
Filosofia Ciências e Letras de Ouro Fino, estamos realizando uma pesquisa
sobre a utilização de plantas medicinais na cultura popular do município de
Bueno Brandão, para isso preciso de que o(a) Sr(a) responda os instrumentos
anexos.
Gostaria de deixar claro que as informações obtidas pelos questionários
serão mantidas em sigilo, e que o(a) Sr(a) não será identificado pelo nome.
Todas as informações ficarão sob a responsabilidade do pesquisador, que
trabalhará com os dados de forma global, isto é reunindo os dados de todas as
pessoas que respondem os questionários.
Com os dados obtidos nesta pesquisa, poderá avaliar como e quais são
as plantas mais utilizadas por esta população.
O(a) Sr(a). concorda em participar desta pesquisa?
Este termo de consentimento pós-informação é o documento que
comprova a sua permissão. Precisamos de sua assinatura para oficializar o
consentimento.
Agradeço, desde já por sua valiosa colaboração e me coloca à
disposição para outros esclarecimentos que se fizerem necessários.

Nome:_________________________________________________

Assinatura:_____________________________________________

Local e Data: _____________________________, ____/____/ 2005.


35

ANEXO III
ROTEIRO DE ENTREVISTA SEMI-ESTRUTURADA
1. Idade:
até 20 anos de 21 a 40 anos de 41 a 60 anos mais de 60 anos
2. Sexo: Masculino Feminino
3. Grau de escolaridade?
Fundamental (até 8ª série) Médio Superior
Incompleto Incompleto Incompleto
Completo Completo Completo
4. O(a). Sr(a). reside na área:
Urbana Rural
5. O(a). Sr(a). utiliza plantas medicinais para cuidar de sua saúde e/ou de seus
familiares?
Sim Não
As questões abaixo deverão ser respondidas somente pelas pessoas que responderam sim a
questão anterior.
6. Quais as plantas que mais utiliza?


7. Como as prepara?
Chá (infusão) Maceração Xarope Decocto Inalação
Outros, descrever _______________________________________
8. Como o(a) Sr(a). as obtêm?
Cultivo próprio Adquire no comércio Procura na natureza
Outros, descrever_____________________________________
9. Como o(a) Sr(a) obteve as informações a respeito destas plantas?
Com os mais velhos Através de livros Ouviu falar
Outros, descrever ___________________________________
10. Os resultados obtidos com o uso destas plantas foram satisfatórios?
Sim Não
Comente a resposta acima: 

36

ANEXO IV
Controle orgânico de pragas - receitas
Pragas Receita:
Pulgões, TABACO: Deixa-se de molho por um dia, em 1 litro de água, 500
cochonilha, gramas de fumo de rolo, picado, durante 1 dia. Filtrar e diluir em
lagartas e 10 a 20 litros de água, pulverizar a planta ou o solo.
piolhos SOLUÇÃO DE ÁGUA COM SABÃO. Colocar 50 g de sabão
caseiro em 5 litros de água quente. Deixar esfriar e pulverizar
sobre a planta.
Pulgões e CINZA: Deixar a cinza na água durante um dia, coar e pulverizar
piolhos sobre as plantas.
Carunchos FOLHAS DE LOURO, DENTES DE ALHO, SAL E FOLHAS DE
gorgulhos e EUCALIPTO CITRIODORA. Todos estes produtos são indicados
traças para o controle de pragas de grãos armazenados. Devem ser
misturados com o produto a conservar.
Lagarta e INFUSÃO DE LOSNA. Derramar um litro de água fervente sobre
lesmas 30 g de folha de losna e deixar em infusão por 10 minutos. Diluir
em 10 litros de água e pulverizar sobre as plantas.
Ácaros MACERADO DE SAMAMBAIA. Colocar 500 g de folhas frescas
cochonilhas ou 100 g secas em um litro de água por um dia. Ferver por meia
e pulgões hora. Para aplicação, diluir o produto em 10 litros de água.
Pulgões e MACERADO CURTIDO DE URTIGA: Colocar 500 g de urtiga
lagartas fresca ou 100 g seca em um litro de água e deixar curtir por 2
dias. Para a aplicação, diluir em 10 litros de água.
Pulgões e MACERADO DE ALHO. Esmagar 4 dentes de alho em um litro
nematóides de água e deixar curtir por 12 dias. Diluir em 10 litros de água e
do alho pulverizar sobre a planta. No caso dos dentes de alho que serão
plantados, mergulhar os mesmos na solução durante alguns
minutos.
Repelente CRAVO DE DEFUNNTO OU TAGETES. Quando plantado nas
de insetos bordaduras das lavouras, impede o aparecimento de nematóides
nas plantas cultivadas e repele certos insetos.
Fonte:
HAMERCHMIDT, INIBERTO. Métodos Naturais de Controle de Pragas e
Doenças. Curitiba: Emater-PR, 1986.
37

ANEXO V

FICHAS DAS PLANTAS


38

Nº 001 Capim Santo

Figura 8.1 – Cymbopogus citratus: a) detalhe do colmo, raízes e folhas; b) planta entouceirada. Fotografado e coletado por: José Carlos Bueno, Bueno
Brandão - MG, Bairro São Benedito: mar./2005.

Nome Científico: Família:


Cymbopogus citratus Gramineae
Outros Nomes:
Capim cidrão, Erva cidreira de Capim, Capim limão, Capim de estrada
Características botânicas:
Planta perene, constituindo touceiras compactas e grandes. Caule do tipo colmo,
ereto, liso e glabro. Folhas com lâminas eretas, planas. Flores reunidas em
inflorescência tipo racimo. Exala odor característico. Ocorre à beira de estradas.
Constituintes químicos:
Óleo essencial contendo principalmente citral e geranial; sesquiterpenos e
triterpenos, como cimbopogonal e cimbopogona. Nas raízes foram entcontrados
alcalóides indólicos.
Ação e utilização:
Combate as contrações musculares bruscas (antiespasmódicas) e os gases
intestinais (carminativa). Usada como calmante, embora sejam discutíveis os seus
efeitos nesse sentido.
Formas de uso: Posologia:
Infuso Uma Xícara após as refeições.
Toxologia:
Atóxica
Bibliografia consultada:
SANTOS, C. A. M., et al, Plantas Medicinais (Herbarium, flora et scientia).
Curitiba: Ícone, 1988. 160p.
39

Nº 002 Erva de São João

Figura 8.2 – Ageratum conizoides: a) detalhe do caule com folhas: b) planta florida.Fotografado e coletado por: José Carlos Bueno, Bueno Brandão - MG,
Bairro Xavi: mar./2005.

Nome Científico: Família:


Ageratum conizoides Compositae
Outros Nomes:
Mentrasto, catinga-de-bode
Características botânicas:
Vegeta ao lado das estradas. Cresce até a um metro. Esgalha. É pilosa. As folhas
são ovais, brancas azuladas, com bordas recortadas, inflorescência em forma de
capítulos.
Constituintes químicos:

Ação e utilização:
Cólicas, diarréias, flatulência e reumatismo agudo, dores musculares.
Formas de uso: Posologia:
Infuso. Para reumatismo e dores musculares, pode se utilizar
como tintura (anexo II), friccionando o local da dor com esta.
Toxologia:
Não foram encontradas referências na bibliografia consultada
Bibliografia consultada:
BALBACH, ALFONS, As Plantas Curam. Itaquaquecetuba: Missionária, 1992. 296p
40

Nº 003 Maracujá

Figura 8.3 – Passiflora alataa: detalhe do caule com folhas e flores; b) planta florida.Fotografado e coletado por: José Carlos Bueno, Bueno Brandão -
MG, Bairro Xavi: mar./2005.

Nome Científico: Família:


Passiflora alata Passifloraceae
Outros Nomes:
Maracujá de suco, maracujá azedo
Características botânicas:
Planta herbácea, trepadeira, com gavinhas. Folhas alternas, pecioladas, limbo
oval. Flores pentâmeras, vistosas, grandes, roxas. Fruto ovóide, amarelado e com
muitas sementes.
Constituintes químicos:
Contém alcalóides do tipo harmala, com sistema beta-carbonila, como harmina e
harmana, maltol e alguns flavonóides.
Ação e utilização:
É tranqüilizante suave. Combate às convulsões e as contrações musculares
bruscas. Indicada para insônia e como sedativo.
Formas de uso: Posologia:
Infuso e extrato fluído da folha Infuso: 2 xícaras por dia, para insônia 1
xícara antes de deitar
Toxologia:
Não foram encontradas referências.
Bibliografia consultada:
SANTOS, C. A. M., et al, Plantas Medicinais (Herbarium, flora et scientia).
Curitiba: Ícone, 1988. 160p.
41

Nº 004 Maracujá-açú

Figura 8.4 – Passiflora quadrangularis: a) planta florida; b) detalhe do caule com folhas e flor; c) planta florida.Fotografado e coletado por: José Carlos
Bueno, Bueno Brandão - MG, Bairro Xavi: mar./2005.

Nome Científico: Família:


Passiflora quadrangularis Passifloraceae
Outros Nomes:
Maracujá doce, flor da paixão, maracujá silvestre, maracujá suspiro
Características botânicas:
É uma trepadeira de tronco quadrangular, possuindo membranas em cada um de
seus cantos. Suas folhas são alternas, inteiras, elípticas e até ovais. Flores
grandes, solitárias, de cálice verde por fora e branco por dentro e sobre o cálice
um círculo de pétalas lanceoladas, contendo acima uma orla de fímbrias
circulares.
Constituintes químicos:

Ação e utilização:
Combate o alcoolismo crônico, asma, coqueluche, convulsão infantil, delirium
tremens, diarréia, dor de cabeça nervosa
Formas de uso: Posologia:
Folhas verdes em infusão Infuso: 2 xícaras por dia, para insônia 1
xícara antes de deitar
Toxologia:

Bibliografia consultada:
BALBACH, ALFONS, As Plantas Curam. Itaquaquecetuba: Missionária, 1992.
296p..
42

Nº 005 Cana-de-macaco

Figura 8.5 – Costus pisonis: a) detalhe do caule com folhas e flor; b) planta florida.Fotografado e coletado por: José Carlos Bueno, Bueno Brandão - MG,
Bairro São Benedito: mar./2005.

Nome Científico: Família:


Costus pisonis Zinziberaceae
Outros Nomes:
Cana branca do brejo, cana do brejo, cana do mato, caatinga
Características botânicas:
Planta herbácea. Haste dura. Haste ereta até 2 metros de altura, verde-clara.
Folhas espiraladas, invaginantes. Flores de cores diversas, em espiga terminal.
Constituintes químicos:
Não foram encontradas referências.
Ação e utilização:
Afecções dos rins e bexiga. Diurético. Utiliza-se toda a planta.
Formas de uso: Posologia:
Infuso e suco das folhas e caule. Dose normal, 20 g por litro de água
Toxologia:
Não foram encontradas referências.
Bibliografia consultada:
BALBACH, ALFONS, As Plantas Curam. Itaquaquecetuba: Missionária, 1992.
296p..
43

Nº 006 Rubim

Figura 8.6 – Leonurus sibircus: a) planta florida; b) detalhe do caule com folhas e flor.Fotografado e coletado por: José Carlos Bueno, Bueno Brandão -
MG, Bairro Quilombo: abr./2005.

Nome Científico: Família:


Leonurus sibiricus Labiateae
Outros Nomes:
Erva-macaé, quinino-dos-pobres
Características botânicas:
Arbusto espontâneo dos estados do Rio de Janeiro, S. Paulo, Minas Gerais e
Goiás. Seus caules são quadrangulares, flores pequenas e de coloração violeta.
Constituintes químicos:
Essências
Ação e utilização:
As folhas e sumidades floridas são indicadas como febrífugas, sedativas, e nos
reumatismos.
Formas de uso: Posologia:
Infuso, decocto, , extrato fluido e Infuso ou decocto a 3%, dose máxima diária
tintura 200 ml. Extrato fluido, dose máxima diária 6
ml. Tintura dose máxima 60 ml.
Toxologia:

Bibliografia consultada:
LAINETTI, RICARDO e BRITO, NEI R. S. – A SAÚDE PELAS PLANTAS E
ERVAS DO MUNDO INTEIRO. São Paulo: Tecnoprint, 1980. 1ª ed. 163p
44

Nº 007 Quebra-pedra

Figura 8.7 – Phyllanthus niruri: a) planta florida; b) detalhe do caule com folhas e flor.Fotografado e coletado por: José Carlos Bueno, Bueno Brandão -
MG, Bairro São Benedito: mar./2005.

Nome Científico: Família:


Phyllanthus niruri Euphorbiaceae
Outros Nomes:
Arrebenta pedra, erva pombinha, saxifagra
Características botânicas:
Erva anual. Haste ereta, fina, ramosa. Ramos alternos. Folhas ovais, alternas,
pequenas, simulando os folíolos de uma folha imparipenada. Flores amarelo-
esverdeadas, dióicas. Fruto trilocular, com duas sementes em cada loja.
Constituintes químicos:
Flavonóides, como a quercitina, astragalina, quercitrina e rutina. Alcalóides tipo
filocrisina e ligninas, como a jipofilantrina.
Ação e utilização:
Diurética. Usada para eliminar cálculos renais, devida à ação analgésica e
relaxante muscular de seus alcalóides.
Formas de uso: Posologia:
Tintura e infusão Infusão: Uma xícara 3 vezes ao dia. Tintura: uma colher de
sobremesa a cada 8 horas.
Toxologia:
Para as doses recomendadas não foram encontradas referências sobre efeitos
tóxicos.
Bibliografia consultada:
SANTOS, C. A. M., et al, Plantas Medicinais (Herbarium, flora et scientia). Curitiba: Ícone,
1988. 160p.
BALBACH, ALFONS, As Plantas Curam. Itaquaquecetuba: Missionária, 1992. 296p..
45

Nº 008 Arruda

Figura 8.8 – Ruta graveolens L.: a) planta florida; b) detalhe do caule com folhas e inflorescências; c) ramo florido. Fotografado e coletado por: José
Carlos Bueno, Bueno Brandão - MG, Bairro São Benedito: mar./2005.

Nome Científico: Família:


Ruta graveolens L. Rutaceae
Outros Nomes:
Arruda-fedorenta, arruda-doméstica, arruda-dos-jardins, ruta-de-cheiro-forte
Características botânicas:
Planta arbustiva, vivaz. Caule duro, arredondado. Folhas verde-acinzentadas,
compostas, imparipenadas, alternas, providas de grândulas. Flores verde-
amareladas. A planta toda exala odor característico intenso.
Constituintes químicos:
Flavonóides, como rutina e esperidina; cumarinas, chalepeusina e graveliferona. Os alcalóides
rutalinium, rutalina, rutacridona e rubalinidina. Óleo essencial, nas raízes, contendo principalmente
pineno e limoneno.
Ação e utilização:
Aumenta a resistência dos capilares sanguíneos devido a rutina. Usada no
tratamento de varizes e flebite. Popularmente empregada para restabelecer ou
aumentar o fluxo menstrual (emenagoga).
Formas de uso: Posologia:
Cataplasma Não especificada
Toxologia:
Seu uso interno é desaconselhado; em doses altas, causa hiperemia dos órgãos
respiratórios, com possibilidade de ocorrer hemorragias graves
Bibliografia consultada:
SANTOS, C. A. M., et al, Plantas Medicinais (Herbarium, flora et scientia). Curitiba: Ícone,
1988. 160p.
BALBACH, ALFONS, As Plantas Curam. Itaquaquecetuba: Missionária, 1992. 296p..
46

Nº 009 Falso-Boldo

Figura 8.9 – Phyllanthus niruri: a) planta ; b) detalhe do caule com folhas. Fotografado e coletado por: José Carlos Bueno, Bueno Brandão - MG, Recanto
São Vicente de Paula: mar./2005.

Nome Científico: Família:


Coleus barbatus Labiateae
Outros Nomes:
Boldo-comum, boldo, tapete-de-oxalá, malva-santa
Características botânicas:
Planta herbácea, perene. Ramos de secção quadrangular. Folhas opostas,
ovado-oblongas, com até 12 cm de comprimento, margem serrilhada, pilosa em
ambas as faces. Flores hermafloditas, pentâmeras, azuis a violáceas, reunidas
em inflorescências tipo racimo.
Constituintes químicos:
Diversos diterpenos nas folhas e raízes, entre outros: barbatol, barbatesina,
cariocal e barbatusol. Forscolina (CECHINEL & YUNES, 1998).
Ação e utilização:
Combate à acidez gástrica, ulcera gástrica, azia e ressaca. É analgésico e
colagogo. O chá é tônico amargo.
Formas de uso: Posologia:
Suas folhas podem ser amassadas, e Não foram encontradas referências.
colocadas para macerar em água fria.
Toxologia:
Doses concentradas pode trazer danos ao organismo. Em doses elevadas causa
irritação gástrica.
Bibliografia consultada:
SANTOS, C. A. M., et al, Plantas Medicinais (Herbarium, flora et scientia). Curitiba: Ícone,
1988. 160p.
ERVAS MEDICINAIS, São Paulo: Canaã. Ano 1, Nº 1, p 19.
47

Nº 010 Rosa-branca

Figura 8.10 – Rosa sp: a) detalhe do caule com folhase flores; b) Inflorescência. Fotografado e coletado por: José Carlos Bueno, Bueno Brandão - MG,
Bairro São Benedito: mar./2005.

Nome Científico: Família:


Rosa sp Rosaceae
Outros Nomes:
Rosa-de-remédio
Características botânicas:
Arbusto, formando touceiras de pouco mais de 1 metro, folhas opostas de 5 a 7
folíolos.
Constituintes químicos:

Ação e utilização:
O infuso das flores é usado, em forma de lavagens, na leucorréia e blenorragia.
Tem utilidade também em gargarejos, nas laringites, e em loções nas úlceras.
Bebido na forma de chá, é bom contra a tísica, as hemoptises, a diarréia e a
disenteria.
Formas de uso: Posologia:
Infusão e decocto.
Toxologia:
Não foram encontradas referências.
Bibliografia consultada:
BALBACH, ALFONS, A Flora Nacional na Medicina Doméstica.
Itaquaquecetuba: A edificação do Lar, , ?. 23ª ed.
48

Nº 011 Alecrim

Figura 8.11 – Rosmarinus officinalis L.: a) Planta ; b) detalhe dos ramos terminais. Fotografado e coletado por: José Carlos Bueno, Bueno Brandão - MG,
Bairro São Benedito: mar./2005.

Nome Científico: Família:


Rosmarinus officinalis L. Labiatae
Outros Nomes:
Alecrim-romarinho, libanotis
Características botânicas:
Planta arbustiva, 1-2 metros de altura. Os caules jovens têm secção
quadrangular, os mais velhos são desigualmente roliços. Folhas opostas-cruzada,
lineares. Flores azuis com manchas violáceas reunidas em inflorescências
axilares. Folhas e flores intensamente aromáticas.
Constituintes químicos:
Óleo essencial (1-2 % v/p) contendo principalmente pineno, canfeno, borneol,
acetato de bornila e cânfora. Das folhas foi isolado o diterpeno rosmaricina.
Ação e utilização:
Estimulante estomacal, combate os gases intestinais e as cólicas (carminativa), é
anti-séptica e aumenta a transpiração. Usada em casos de falta de apetite,
nervosismo, problemas digestivos e bronquites. Externamente é usada para
combater reumatismo.
Formas de uso: Posologia:
Infuso, vaporização e banhos 1-2 xícaras de infuso/dia, após as refeições.
Banhos: imersão por 30 minutos, 3 vezes/dia.
Toxologia:
Doses altas ou uso prolongado pode causar gastroenterites e/ou nefrites.
Bibliografia consultada:
SANTOS, C. A. M., et al, Plantas Medicinais (Herbarium, flora et scientia). Curitiba: Ícone,
1988. 160p.
49

Nº 012 Erva Cidreira Brasileira

Figura 8.12 – Lippia alba: a) detalhe do ramo terminal e folhas; b) planta. Fotografado e coletado por: José Carlos Bueno, Bueno Brandão - MG, Bairro
Recanto São Vicente de Paula: mar./2005.

Nome Científico: Família:


Lippia alba Verbenaceae
Outros Nomes:
Chá de tabuleiro, cidrila, erva cidreira de arbusto, alecrim selvagem, falsa melissa,
erva cidreira brasileira, salsa brava, salvia.
Características botânicas:
Planta perene, subarbustiva, ereta ou de ramos ascendentes que enraízam
quando em contato com o solo, pouco ramificada, fortemente aromática, de 50-
150 cm de altura, nativa do Brasil.
Constituintes químicos:
A Lippia alba possui um teor de essência de 0,24% nas folhas frescas. Os
compostos predominantes são beta-cariofileno e geraniol (29,92% e
26,62%,respectivamente).
Ação e utilização:
É peitoral, estomáquica, emenagoga, antiespasmódica
Formas de uso: Posologia:
Infusão.
Toxologia:
Não foram encontradas referências.
Bibliografia consultada:
BALBACH, A. A flora nacional na medicina doméstica.v. 2, 23ª ed. Itaquaquecetuba: A
Edificação do Lar [1986?]. 1266p.
LORENZI, HARRI, Plantas Daninhas do Brasil. 3ª. Ed. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2000.
50

Nº 013 Malva

Figura 8.13 – Malva hirsuta: a) Planta b) Detalhe da folha e pecíolos. Fotografado e coletado por: José Carlos Bueno, Bueno Brandão - MG, Bairro São
Benedito: mar./2005.

Nome Científico: Família:


Malva hirsuta Malvaceae
Outros Nomes:
Malva-grande, malva-verde, malva-de-botica
Características botânicas:
Planta de 30 a 60 cm. Da raiz levantam-se diversas hastes cilíndricas, erectas ramosas. Folhas
alternas, logipecioladas, recortadas em 5 a 7 lobos profundos, obtusos, de bordos serreados,
tendo à base duas estípulas sésseis, ovais, acuminadas, quase inteiras, ciliadas. Flores róseas
com estrias vermelhas, sustentadas pr pedúnculos finos, eretos, desiguais, reunidos em cimeiras
de 3 a 5 nas axilas das folhas. Fruto deprimido, dotado de cálice persistente e composto de
numerosos aquênios monospermos.
Constituintes químicos:
Não foram encontradas referências.
Ação e utilização:
As folhas e flores da malva são béquicas, calmantes, emolientes. Usada para
curar catarros de qualquer espécie. Em enfermidades da garganta e do ouvido.
Nas inflamações externas usa-se a infusão em compressas sobre abcessos e
furúnculos.
Formas de uso: Posologia:
Infusão e compressas Folhas, flores e raízes, 10 g por litro de água, para uso interno. Para
uso externo (compressa), adota-se a dose dobrada.
Toxologia:
Não foram encontradas referências.
Bibliografia consultada:
BALBACH, A. A flora nacional na medicina doméstica.v. 2, 23ª ed. Itaquaquecetuba: A
Edificação do Lar [1986?]. 1266p.
51

Nº 014 Mangericão

Figura 8.14 – Oncimum basilicum a) detalhe ramo florido; b) planta florida. Fotografado e coletado por: José Carlos Bueno, Bueno Brandão - MG,
Recanto São Vicente de Paula: mar./2005.

Nome Científico: Família:


Oncimum basilicum L. Labiatae
Outros Nomes:
Manjericão-dos-jardins, alfavaca.
Características botânicas:
É um arbusto pequeno que não passa dos 50 cm, muito ramificada apresenta
folhas pequenas de uns 2 cm, de cor verde-clara e plantas perenes.
Constituintes químicos:
Cinoleno, pineno, cânfora, ácido linoléico e cimoleno.
Ação e utilização:
As folhas aromáticas, estimulantes, carminativas, antieméticas, sudoríficas e
diuréticas.
Formas de uso: Posologia:
Parte usada: folhas e sementes em 10 a15 gramas em 1 litro de água, 4 a 5
infusão xícaras por dia.
Toxologia:
Não foram encontradas referências.
Bibliografia consultada:
BALBACH, ALFONS, As Plantas Curam. Itaquaquecetuba: Missionária, 1992.
296p.
GIACOMETTI, DALMO C., Ervas Condimentares e Especiarias: São Paulo,
1989. 158p.
52

Nº 015 Melissa

Figura 8.15 – Melissa officinalis L.: a) detalhe ramo terminal e folhas; b) planta entouceirada. Fotografado e coletado por: José Carlos Bueno, Bueno
Brandão - MG, Bairro São Benedito: mar./2005.

Nome Científico: Família:


Melissa officinalis L. Labiatae
Outros Nomes:

Características botânicas:
Planta arbustiva. Caules ligeiramente lignificados na base, de secção
quadrangular. Folhas opostas, ovais, verde-claras e brilhantes, denteadas e com
glândulas de óleo essencial. Flores esbranquiçadas, reunidas em inflorescências
glomerulares, axilares. Exala odor semelhante ao limão.
Constituintes químicos:
Óleo essencial (até 0,25% v/p) contendo citral, citronelal, linalol e geraniol.
Ação e utilização:
São atribuídas propriedades calmantes, de combate a cólicas intestinais e gases
à essência. Usada em casos de má digestão de origem nervosa. Também usada
para combater a insônia.
Formas de Posologia:
uso: Uma xícara pela manhã e outra à noite.
infuso
Toxologia:
Nas doses recomendadas é atóxica.
Bibliografia consultada:
SANTOS, C. A. M., et al, Plantas Medicinais (Herbarium, flora et scientia).
Curitiba: Ícone, 1988. 160p.
53

Nº 016 Mil folhas

Figura 8.16 – Achillea millefolium: a) Planta; b) detalhe da folha composta. Fotografado e coletado por: José Carlos Bueno, Bueno Brandão - MG, Recanto
São Vicente de Paula , mar./2005.

Nome Científico: Família:


Achillea millefolium Compositae
Outros Nomes:
Milfólio, mil-folhada, erva-do-carpinteiro.
Características botânicas:
Planta européia, aclimatada ao Brasil. Raiz oblíqua, guarnecida de pêlos. Hastes
numerosas, arredondadas, sulcadas e aveludadas. Folhas, profundamente
fendidas, em lacíneas lineares. Tem cheiro balsâmico e gosto amargo. As flores
são pequenas e brancas.
Constituintes químicos:
Não foram encontradas referências.
Ação e utilização:
Usado contra: Debilidade geral, adstrição e debilidade do estômago, câimbras,
catarros, cólicas, debilidades da bexiga, debilidade dos nervos, diarréia,
dispepsia, enfermidades dos rins, escarlatina, escarros e vômitos sangüíneos,
febres intestinais, febre intermitente, gota.
Formas de uso: Posologia:
Infusão, cataplasma 20 g por litro de água, para a infusão, tomar de 4 a
5 xícaras por dia;
Toxologia:
Não foram encontradas referências.
Bibliografia consultada:
BALBACH, ALFONS, As Plantas Curam. Itaquaquecetuba: Missionária, 1992.
296p.
54

Nº 017 Salvia

Figura 8.17 – Salvia officinalis L.: a) Planta; b) detalhe do ramo com folhas. Fotografado e coletado por: José Carlos Bueno, Bueno Brandão - MG,
Recanto São Vicente de Paula , mar./2005.

Nome Científico: Família:


Salvia officinalis L. Labiatae
Outros Nomes:
Salva-dos-jardins, salva-das-boticas, salva-ordinária.
Características botânicas:
Planta de pequeno porte. Ramos lenhosos na base. Folhas opostas cruzadas,
variando de lanceoladas a elípticas. Flores azuis ou violáceas, corola de 2=3 cm,
bilabiada. Exala odor aromático relativamente forte. Tem sabor amargo.
Constituintes químicos:
Óleo essencial contendo cineol, cânfora, borneol, tuiona e outros terpenos. Possuí
ácido ursólico e taninos.
Ação e utilização:
Antiinflamatória. Externamente, usada em gengivites, pois tem propriedades
bacteriostática e adstringente. Internamente, empregada para combater a
transpiração excessiva.
Formas de uso: Posologia:
Extrato fluído, Infuso: 3-4 xícaras/dia; tintura: uma colher das de
tintura e infuso sobremesa, cada 8 horas; Uso externo: Bochechos e
gargarejos, 4 vezes ao dia.
Toxologia:
Nas doses indicadas é atóxica.
Bibliografia consultada:
SANTOS, C. A. M., et al, Plantas Medicinais (Herbarium, flora et scientia). Curitiba: Ícone,
1988. 160p.
55

Nº 018 Guaco

Figura 8.18 – Mikania glomerata: a) Planta; b) detalhe do ramo. Fotografado e coletado por: José Carlos Bueno, Bueno Brandão - MG, Bairro Quilombo ,
mar./2005.

Nome Científico: Família:


Mikania glomerata Compositae
Outros Nomes:

Características botânicas:
Planta herbácea, de pequeno porte. Caule trepador, ramos abundantes. Folhas
opostas, verdes, de gosto amargos. Flores brancas a amareladas, reunidas em
inflorescências tipo capítulo
Constituintes químicos:
Princípios químicos pouco conhecidos. As plantas estudadas, desse mesmo
gênero, contêm compostos terpênicos, sesquiterpênicos, flavonóides e
cumarinas.
Ação e utilização:
Parte usada: planta florida.
Expectorante. Usada como broncodilatador.
Formas de uso: Posologia:
Infuso e xarope. Infuso: uma xícara à noite, antes de deitar.
Xarope: uma colher das de sopa, cada 6 horas.
Toxologia:
Não foram encontradas referências sobre efeitos tóxicos.
Bibliografia consultada:
SANTOS, C. A. M., et al, Plantas Medicinais (Herbarium, flora et scientia). Curitiba: Ícone,
1988. 160p.
56

Nº 019 Pariparoba

Figura 8.19 – Pothomorphe umbellata: a) Planta; b) detalhe do ramo. Fotografado e coletado por: José Carlos Bueno, Bueno Brandão - MG, Quilombo,
mar./2005.

Nome Científico: Família:


Pothomorphe umbellata Piperaceae
Outros Nomes:
Caa-peba,
Características botânicas:
Planta arbustiva, até 3 m de altura. Folhas grandes, reniformes, nervuras
palmatiformes, com pêlos em ambas as faces. Inflorescências dispostas em
umbela, axilares. Fruto do tipo drupa, glabro, até 6 mm de comprimento.
Constituintes químicos:
Princípios químicos pouco conhecidos. Das folhas foram isolados os apióis e Dill
e Parsley.
Ação e utilização:
Parte usada raízes.
Popularmente, empregada nas afecções do fígado, baço e bexiga. O apiol tem
sido usado para combater a febre e para regular a menstruação.
Formas de uso: Posologia:
Extrato fluído e tintura Tintura: Uma colher das de sobremesa, cada 8 horas.
Extrato fluído: 10 a 20 gotas.
Toxologia:
Droga mal conhecida e de efeitos duvidosos
Bibliografia consultada:
SANTOS, C. A. M., et al, Plantas Medicinais (Herbarium, flora et scientia).
Curitiba: Ícone, 1988. 160p.
57

Nº 020 Açafrão da terra

Figura 8.20 – Curcuma longa: a) Planta; b) detalhe da folha, rizoma e corte do rizoma. Fotografado e coletado por: José Carlos Bueno, Bueno Brandão -
MG, Bairro Quilombo , mar./2005.

Nome Científico: Família:


Curcuma longa Zinziberaceae
Outros Nomes:
Curcuma, zedoária
Características botânicas:
Planta herbácea, vivaz. Rizoma principal periforme e arredondado, carnoso, com
ramificações secundárias laterais fusiformes, superfície ce cor cinza a
ligeiramente verde.
Constituintes químicos:
Óleo essencial (cerca de 5% v/p) contendo monoterpenos e sesquiterpenos
(zingibereno). Contém materiais corantes conhecidos como curcuminóides, um
deles, curcumina. Os rizomas contêm, ainda, açúcares (glicose, arabinose e
frutose).
Ação e utilização:
Estimulante gastrinestinal, usada para eliminar gases intestinais e como
condimento.
Formas de uso: Posologia:
Infuso, raiz pulverizada. 1 xícara após as refeições.
Toxologia:
Não foram encontradas referências sobre efeitos tóxicos.
Bibliografia consultada:
SANTOS, C. A. M., et al, Plantas Medicinais (Herbarium, flora et scientia).
Curitiba: Ícone, 1988. 160p.
58

Nº 021 Alfazema

Figura 8.21 – Lavandula agustifolia: a) Planta; b) detalhe do ramo. Fotografado e coletado por: José Carlos Bueno, Bueno Brandão - MG, Bairro São
Benedito, mar./2005.

Nome Científico: Família:


Lavandula angustifolia Labiatae
Outros Nomes:
Lavanda
Características botânicas:
Planta arbustiva, de pequeno porte. Caule acinzentado, ramos abundantes.
Folhas lanceoladas, com muitos pêlos na face inferior. Flores azuladas, reunidas
em densas inflorescências terminais em forma de espiga. Planta que exala aroma
suave.
Constituintes químicos:
Óleo essencial contendo borneol, linalol, geraniol e outros ésteres e álcoois.
Ação e utilização:
Calmante suave e digestiva. Combate cólicas, indigestão, fermentações e os
gases intestinais.
Formas de uso: Posologia:
Infusão e tintura. Infuso: Tomar uma xícara pela manhã e outra à noite durante
2-3 semanas.
Tintura: Uma colher das de chá, cada 8 horas.
Toxologia:
Em dose elevada, é depressiva do sistema nervoso central, causando sonolência.
Bibliografia consultada:
SANTOS, C. A. M., et al, Plantas Medicinais (Herbarium, flora et scientia).
Curitiba: Ícone, 1988. 160p.
59

Nº 022 Quina-Vermelha

Figura 8.21 – Hyeronima alchorneoides: a) Planta; b) detalhe do ramo. Fotografado e coletado por: José Carlos Bueno, Bueno Brandão - MG, Bairro Xavi,
mar./2005.

Nome Científico: Família:


Hyeronima alchorneoides Euphorbiaceae
Outros Nomes:
Licurana, lucurana, maçarua.
Características botânicas:
Árvore de altura de 20-30 m, com tronco de 50-70 cm de diâmetro. Folhas
simples, glabas,de 9 a 20 cm de comprimento. Inflorescências paniculadas
terminais com folhas verdes, ocorrendo desde a Amazônia até o nordeste do Rio
Grande do Sul.
Constituintes químicos:
Não foram encontradas referências.
Ação e utilização:
O uso popular desta planta se restringe a uso externo do decocto da casca para
problemas do couro cabeludo.
Formas de uso: Posologia:
Externo, decocto da casca.
Toxologia:

Bibliografia consultada:
LORENZI, HARRI – Árvores do Brasil. Nova Odessa: Plantarum, 2002. 4ª ed.
Vol 1. 368 p.
60

Nº 023 Gengibre

Figura 8.22 – Zinziber officinale Rosc.: a) Planta; b) detalhe do rizoma (parte utilizada). Fotografado e coletado por: José Carlos Bueno, Bueno Brandão -
MG, Rua Alzira de Araújo, Centro, abr./2005.

Nome Científico: Família:


Zinziber officinale Rosc. Zinziberaceae
Outros Nomes:
Mangarataia
Características botânicas:
Planta herbácea; rizoma perene, articulado, muito ramoso, um pouco achatado,
epiderme rugosa. Caule aéreo ereto. Folhas numerosas, limbo linear, até 30 cm
de comprimento; nervuras secundárias finas, aproximadamente paralelas,
obliquam em relação ao ápice. Flores verdes amareladas, dispostas em espiga.
Fruto tipo cápsula.
Constituintes químicos:
Óleo essencial contendo monoterpenos, tais como β-felandreno, canfeno, cineol,
citral; sesquiterpenos, como bisaboleno e zingibereno, e derivados do
fenilpropano, como zingerona e zingerol.
Ação e utilização:
É estimulante gastrintestinal. Combate os gases intestinais. A raiz pulverizada e
usada em casos de vômitos. Também é usada como condimento. Usada
externamente, provoca vermelhidão da pele.
Formas de uso: Posologia:
Infuso e pó. Infuso: uma xícara, após as refeições. Pó: 0,25 a 1,0 g/dia.
Toxologia:
Não foram encontradas referências sobre propriedades tóxicas.
Bibliografia consultada:
SANTOS, C. A. M., et al, Plantas Medicinais (Herbarium, flora et scientia). Curitiba: Ícone,
1988. 160p.
61

Nº 024 Balsamo-Branco

Figura 8.23 – Hyeronima alchorneoides: a) Planta; b) detalhe do ramo. Fotografado e coletado por: José Carlos Bueno, Bueno Brandão - MG, Bairro: São
Benedito, mar./2005.

Nome Científico: Família:


Sedum dendroideum Moc. e Sessé Crassulaceae
Outros Nomes:
Bálsamo de Jardim, Palminha
Características botânicas:

Constituintes químicos:
Mucilagens, alcalóides piperidínicos, triterpenos, sesquiterpenos e taninos
hidrolisáveis.
Ação e utilização:
Contusões, torções, machucaduras, feridas gangrenosas, úlceras, epilepsia,
inflamações gastrintestinais e da pele e nas cefaléias.
Formas de uso: Posologia:
Folhas frescas. Suco: bater no liquidificador 10 g das folhas com 1 ½ copo de
leite ou água. Tomar ½ copo 3 vezes ao dia.
Aplicar o suco acima topicamente sobre a pele inflamada
Toxologia:
O suco da planta tem um princípio tóxico.
Bibliografia consultada:
www.plantamed.com.br
62

Nº de Indicações:
Nº 025 Babosa

Figura 8.24 – Hyeronima alchorneoides: Aloe arborecens, a) Planta florida; Aloe vera, b) Planta; c) detalhe da folha A. Fotografado e coletado por: José
Carlos Bueno, Bueno Brandão - MG, Bairro São Benedito, abr./2005.

Nome Científico: Família:


Aloe vera, Aloe arborecens Liliaceae
Outros Nomes:
Erva-babosa
Características botânicas:
Folhas grossas, suculentas e orladas de espinhos em serrilha.
Constituintes químicos:

Ação e utilização:
Queimaduras, feridas, tumores, dermatites, seborréia.
Formas de uso: Posologia:
Uso externo: suco e folhas Uso tópico, do suco ou das folhas em compressas
aplicadas externamente, sobre as inflamações
Toxologia:
O uso interno pode acarretar nefrite.
Bibliografia consultada:
BALBACH, ALFONS, As Plantas Curam. Itaquaquecetuba: Missionária, 1992.
296p.
BLANCO, M. C. S. Garcia, Cultivo Comunitário de Plantas Medicinais,
Campinas, Instar. Prática CATI n° 267, abril/2000
63

Nº 026 Boldo-baiano

Figura 8.25 – Vernonia condensata: a) Planta; b) detalhe do ramo. Fotografado e coletado por: José Carlos Bueno, Bueno Brandão - MG, Bairro São
Benedito, abril./2005.

Nome Científico: Família:


Vernonia condensata Compositae
Outros Nomes:
Boldo-do-reino, alumã, árvore-do-pinguçu
Características botânicas:
Arbusto de 2 a 3 metros de altura. É de origem africana trazida pelos escravos.
Constituintes químicos:
Óleos essenciais, tanino, saponinas, flavonóides e lactonas sesquiterpênicas.
Ação e utilização:
Aperiente, colagogo, colerético, desintoxicante do fígado, diurético e antidiarréico.
Usado popularmente para ressaca alcoólica. Protetor do estômago, inibe a
formação de úlceras.
Formas Posologia:
de uso: Infusão: 5 folhas por litro de água, tomar pela manhã (para o fígado),
Infusão, ou após as refeições (contra diarréia).
maceração Tintura: aperiente, tomar uma colher das de café em um pouco de
e tintura. água antes das refeições
Maceração: 1 folha em um copo de água 2 a 3 vezes ao dia
Toxicologia:
Outras espécies do gênero não apresentam efeito tóxico, entretanto não se
recomenda o uso prolongado da planta.
Bibliografia consultada:
GRUPO ENTRE FOLHAS – PLANTAS MEDICINAIS. Curso de Plantas
Medicinais. Viçosa s. ed. 1997 41 p
GUIA RURAL ERVAS E TEMPEROS. São Paulo. Abril, 1991
64

Nº 027 Espinheira Santa

Figura 8.25 – Maytenus ilicifolia Mart.: a) detalhe do ramo; b) Planta em frutificação: Fotografado e coletado por: José Carlos Bueno, Bueno Brandão -
MG, Bairro Xavi. Maio de 2005.

Nome Científico: Família:


Maytenus ilicifolia Celastraceae
Outros Nomes:

Características botânicas:
Planta arbórea, geralmente de pequeno porte. Folhas inteiras, lanceoladas,
alternas, coriáceas, denteadas. Flores hermafloditas, pentdâmeras, reunidas em
inflorescências axilares. Fruto capsular.
Constituintes químicos:
Taninos, terpenos, como maitensina, maitomprina, maitambutina e maitolidina;
flavonóides, antocianos, mucilagens e açúcares livres.
Ação e utilização:
Anti-séptica e cicatrizante. Empregada na acidez e ulcerações do estômago.
Levemente laxativa e diurética
Formas de uso: Posologia:
Infusão e tintura. Infusão: 3-4 xícaras ao dia
Tintura: 2 colheres de sopa, cada 8 horas
Toxicologia:
Em mulheres que amamentam, o uso prolongado pode causar redução da
produção de leite materno
Bibliografia consultada:
BALBACH, ALFONS, As Plantas Curam. Itaquaquecetuba: Missionária, 1992.
296p.
65

Anexo VI Ficha de Apuração Total de Entrevistados:

de Dados 52

Pergunta 1
até 20 anos de 21 a 40 anos de 41 a 60 anos mais de 60 anos
1 11 25 15
Pergunta 2
Sexo Masculino 8 Sexo Feminino 44
Pergunta 3
Fundamental Incompleto 37
Completo 3
Médio Incompleto 6
Completo 2
Superior Incompleto 1
Completo 3
Pergunta 4 Urbana 35 Rural 22
Pergunta 5 Sim 50 Não 2
Pergunta 6
Obs.: Listar no verso quais as plantas e quantas vezes ela aparece.
Pergunta 7
Chá Maceração Xarope Decocto Inalação Outros
49 4 13 8 1 9
Pergunta 8
Cultivo próprio Adquire no com. Proc. Na natureza Outros
35 6 21 9
Pergunta 9
Com + velhos Livros Ouviu falar Outros
44 19 6 1
Pergunta 10
Sim 50 Não 0

Declaro serem verdadeiras as informações acima,

Nome_______________________________________

Data: ___⁄⁄___⁄⁄_____ Assinatura:_____________________


66

ANEXO VII

TABELA DAS PLANTAS MEDICINAIS


REFERENCIADAS NA PERGUNTA 6
67

Nome Popular (mais Amostra


conhecido) Total 1 2 3 4 5
NOME CIENTÍFICO FAMÍLIA
Abacate (folhas) 1 1 Persea gratissima Lauraceae
Abacaxi (fruto) 1 1 Ananás comosus Bromeliaceae
Abóbora (Semente) 1 1 Cucurbita moschata Cucurbitaceae
Alcachofra 1 1 Cynara scolymus Compositae
Alecrim 8 3 1 2 2 Rosmarinus officinalis Labiateae
Alfavaca 1 1 Ocimum sp Labiateae
Alfazema 2 2 Lavandula vera Labiateae
Alho 3 1 2 Allium sativum Liliaceae
Amora (folha) 3 1 2 Morus nigra Moraceae
Arnica brasileira 3 1 2 Porophyllum ruderale Compositae
Arruda 4 3 1 Ruta graveolens Rutaceae
Assa peixe 2 2 Vernonia polyantes Compositae
Açafrão da terra 1 1 Curcuma longa Zinziberaceae
Babosa 2 2 Aloe Vera Liliaceae
Balsamo 6 3 1 1 1 Sedum dendroideum Classulaceae
7 4 2 1 Equizetum giganteum Equizetaceae
Bambuzinho do brejo
Bardana 5 3 2 Arctium lappa Compositae

Boldo 7 1 2 4 Coleus Barbatus Compositae

Boldo Baiano 2 2 Vernonia condensata Compositae


68

Camomila 21 1 7 6 3 4 Matriarca chamomilla Compositae


Cana de macaco 1 1 Costus pisonis Zimziberaceae
Canela 2 1 1 Cinnamomum zeylandicum Lauraceae
Capichingui 1 1 Croton floribundus Euphorbiaceae
Cardo Santo 1 1 Cardo benedictus Compositae
Carqueja 3 1 1 1 Bacharis trimera Compositae
Casca danta 1 1 Drimis winteri Magnoliáceae
1 1 Casearia sylvestris Flacourtiaceae
Chá de bugre
Chaga de Cristo 1 1 Tropaeolum majus Tropaeolaceae
Chapéu de couro 2 1 1 Equinodorus grandiflorus Alistomaceae

Cipó cabeludo 2 2 Mikania cordifolia Compositae


Cipó cruz 1 1 Tynanthus fasciculatus Bignoniaceae
Couve 2 1 1 Brassica oleraceae Cruciferae
1 1 Curcuma longa Zinziberaceae
Curcuma
Erva cidreira de capim 23 3 7 4 3 6 Cymbopogus citratus Gramineae
Erva cidreira de folha 11 2 4 3 1 1 Melissa officinalis Labiateae
Erva cidreira de rama 9 2 3 3 1 Lippia alba Verbenaceae

Erva de bicho 2 2 Polygonum acuminatum Poygonaceae


1 1 Heliotropium lancolatum Boraginaceae
Erva de Grilo
Erva de Santa Maria 4 4 Chenopodium ambrosioides Chenopodiaceae

Erva de são João 2 2 Ageratum conizoides Compositae


69

Erva doce (funcho) 18 5 2 5 3 3 Foeneculum vulgare Umbelliferae


Espinheira santa 1 1 Maytenus ilicifolia Celastraceae
Eucalipto 2 1 1 Eucalyptus globulus Mirtaceae
Gengibre 2 1 1 Zinziber officinalis Zinziberaceae
Guaco 12 2 5 2 3 Mikania glomerata Compositae
Hortelã 38 9 9 8 4 8 Mentha arvensis Labiateae
Insulina 1 1 Cyssus sycioides Vitaceae
Ipê Roxo 1 1 Tabebuia avellanedae Bignoniaceae
Jaborandi 1 1 Pilocarpus pennatifolius Rutaceae
Laranja (folha) 3 1 2 Citrus aurantium Rutaceae
Levante 7 1 2 1 3 Mentha sp Labiateae
Lima (folha) 1 1 Citrus bergamia Rutaceae
Limão 2 1 1 Citrus limonum Rutaceae
Losna 2 2 Arthemisia absinthum Compositae
Louro 1 1 Laurus nobilis Lauraceae
Malva 1 1 Malva hirsuta Mavaceae
Mamão (flor) 1 1 Carica papaya Caricaceae
Maracujá-açú 2 1 1 Passiflora quadrangularis Passifloraceae
Marcelinha 4 3 1 Anthemis cotula Compositae
Menta 1 1 Mentha piperita Labiateae
Mentruz 1 1 Coronopus didymus Cruciferae

Mil Folhas 1 1 Achillea milefolium Compositae


70

Pariparoba 3 1 2 Potomorphe umbellata Piperaceae


Pata de vaca 3 1 2 Bauhinia fortificata Leguminoseae
Penicilina (cataflan) 4 3 1 Alternathera dentata Amaranthaceae
Picão 6 2 1 2 1 Bidens pilosa Compositae
Poejo 7 1 1 1 4 Mentha pulegium Labiateae
Pronto alívio 2 1 1 Mentha sp Labiateae
Quebra Pedra 6 2 1 3 Phullanthus niruri Euphorbiaceae
Quina 1 1 Hyeronima alchorneoides Euphorbiaceae
Roma 2 2 Punica granatum Punicaceae
Rosa branca 1 1 Rosa sp Rosaceae
Rubim 1 1 Leonorus sibiricus Labiateae
Sabugueiro 1 1 Sambucus nigra Caprifoliaceae
Salvia 2 1 1 Salvia officinalis Labiateae
1 1 Cassia sena, Cassia Leguminoseae
Sene angustifolia
Serralha 1 1 Sonchus oleraceus Compositae
Sete sangrias 4 2 1 1 Cuphea balsamona Compositae
Tanchagem 6 2 2 2 Plantago major Plantaginaceae
Urtiga 1 1 Urera baccifera (L) Urticaceae
71