Você está na página 1de 130

MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO

RÁDIO DSR-IDU2 - 2...38 GHz/400 Mbps


205.1720.02-3
2016 - DIGITEL S.A. INDÚSTRIA ELETRÔNICA
Estrada RS118, 11555
Distrito Industrial, Alvorada/RS - Brasil
CEP 94834-670
Tel: 55 51 3238.9999
Fax: 55 51 3238.9955
http://www.digitel.com.br

2
ORIENTAÇÕES

• O objetivo desse manual é fornecer as informações técnicas necessárias para se instalar e


operar o produto. Ele contém descrições técnicas sobre os produtos e seus módulos;
• É imprescindível a leitura atenta das informações gerais e das instruções de instalação constantes
no manual antes de operar o produto;
• Consulte o item “Protegendo Contra Descarga Eletrostática (DE)” deste manual para maiores
detalhes sobre ESD;
• Para limpar o produto, desligue-o da alimentação. Não use produtos de limpeza líquidos, em
pasta, aerossol ou abrasivos. Use um pano seco ou levemente umedecido e nunca deixe que
líquidos ou materiais caiam sobre ou dentro do produto;
• Não exponha o produto à chuva nem a variações de temperatura ou umidade além das
especificadas pelo manual;
• Sempre verifique se as conexões físicas estão perfeitamente encaixadas (conectores, plugues,
cabos e acessórios) e tenha certeza de que estão de acordo com os itens que descrevem
características técnicas, conexões e instalação do produto no manual. Somente efetue conexões
físicas de produtos, periféricos ou acessórios quando o sistema estiver desligado;
• Alguns produtos da DIGITEL podem ser inseridos em gabinetes e bastidores sem a necessidade
de desligar a fonte de alimentação. Neste caso, siga a orientação descrita no item “Instalação”;
• No caso de produtos que são ligados à rede elétrica, nunca sobrecarregue as tomadas. Caso
necessite usar extensão, utilize fios e tomadas compatíveis com a capacidade especificada;
• Não substitua peças do produto por outras não originais. Em caso de dúvida, procure sempre
orientação no Centro de Assistência Técnica DIGITEL mais próximo;
• Tome todas as medidas de proteção antiestática e contra descargas elétricas, inclusive a
instalação de aterramento, uso de filtros de energia ou estabilizadores de tensão e nobreaks;
• Quando o equipamento está transmitindo, a antena emite uma intensa energia de RF, que pode
causar danos a alguém que entre em contato com essa energia. Portanto é perigoso ficar em
frente ou ter qualquer parte do corpo em frente às antenas durante as transmissões;
• De acordo com a Norma 004/91 da Anatel, “Este produto só pode ser colocado em operação
depois de obtida a licença de funcionamento emitida pelo órgão técnico competente do Ministério
das Comunicações”;
• Não instale ou opere o equipamento em ambientes onde existam gases ou vapores inflamáveis;
• Os gabinetes devem ser instalados em uma superfície plana e firme. As frestas e aberturas não
devem ser bloqueadas ou cobertas, pois servem para ventilação e evitam o superaquecimento.
Garanta uma área livre de no mínimo 3,5 cm sobre o gabinete;
• No caso de produtos DIGITEL que permitam empilhamento, verifique a descrição desse
procedimento no item “Instalação”;
• A DIGITEL se reserva o direito de alterar as especificações contidas neste documento sem
notificação prévia;
• Este produto está homologado pela ANATEL, de acordo com os procedimentos regulamentados
pela Resolução 242/2000, e atende aos requisitos técnicos aplicáveis. Para maiores informações,
consulte o site da ANATEL - www.anatel.gov.br.

--------------------------------------------------------------------------------
Para informações sobre Garantia e Assistência Técnica,
consulte seção específica no final deste manual.
-------------------------------------------------------------------------------

3
ÍNDICE

INTRODUÇÃO........................................................................................................................................................................................8
1.1 DESCRIÇÃO.........................................................................................................................................................................9
1 DESCRIÇÃO DO PRODUTO...............................................................................................................................................................9
1.1.1 INTERFACES DA IDU......................................................................................................................................................11
1.1.2 INTERFACES DA ODU....................................................................................................................................................11
1.1.3 GERÊNCIA.......................................................................................................................................................................11
1.1.4 MEDIÇÕES E MONITORAÇÕES PLEOCRÓICAS DISPONÍVEIS..................................................................................11
1.2 MODELOS...........................................................................................................................................................................12
1.2.1 MODELOS DE IDU..........................................................................................................................................................12
1.2.2 LICENÇAS DE SOFTWARE............................................................................................................................................12
1.2.3 MODELOS DE ODU.........................................................................................................................................................13
1.3 PAINEL FRONTAL...............................................................................................................................................................14
1.3.1 UNIDADE INDOOR..........................................................................................................................................................14
1.4 CONEXÕES DA UNIDADE OUTDOOR..............................................................................................................................15
1.5 IDENTIFICAÇÃO DAS UNIDADES.....................................................................................................................................15
2 INTERFACES E ACESSÓRIOS.........................................................................................................................................................16
2.1 INTERFACES E1 (G.703)....................................................................................................................................................16
2.2 INTERFACES GIGABIT ETHERNET ELÉTRICAS.............................................................................................................17
2.3 INTERFACES GIGABIT ETHERNET ÓPTICAS.................................................................................................................17
2.4 INTERFACE NMS................................................................................................................................................................18
2.5 INTERFACE CONSOLE......................................................................................................................................................18
2.6 INDICADORES LUMINOSOS.............................................................................................................................................18
2.7 INTERFACES DE ENTRADA E SAÍDA DE ALARMES.......................................................................................................20
2.8 INTERFACES DE VOZ E VF...............................................................................................................................................20
2.8.1 CARACTERÍSTICAS DA INTERFACE DE VOZ PARA COMUNICAÇÃO ENTRE AS ESTAÇÕES.................................20
2.8.2 CARACTERÍSTICAS DA INTERFACE VF........................................................................................................................21
2.9 INTERFACES IF-1 E IF-2....................................................................................................................................................21
2.10 ENTRADAS DE ALIMENTAÇÃO.......................................................................................................................................21
2.10.1 PADRÃO DE FIO RECOMENDADO PARA ALIMENTAÇÃO DC...................................................................................22
2.10.2 INFORMAÇÃO DE PINAGEM DO CONECTOR DC......................................................................................................22
3 APLICAÇÕES DO PRODUTO...........................................................................................................................................................23
3.1 EXEMPLO 1 - CONFIGURAÇÃO ATRAVÉS DE COMANDOS (CLI).................................................................................23
3.2 EXEMPLO 2 - CONFIGURAÇÃO ATRAVÉS DE COMANDOS (CLI).................................................................................24
3.3 EXEMPLO 3 - CONFIGURAÇÃO ATRAVÉS DE COMANDOS (CLI).................................................................................25
3.4 EXEMPLO 4 - CONFIGURAÇÃO ATRAVÉS DE WEB CONFIG........................................................................................26
4 FUNCIONAMENTO............................................................................................................................................................................28
4.1 DIAGRAMA DE BLOCOS DO RÁDIO.................................................................................................................................28
4.2 PROTEÇÃO 1+1.................................................................................................................................................................29
4.3 LAÇO DIGITAL LOCAL (LDL) E LAÇO DIGITAL REMOTO (LDR)......................................................................................29
4.4 LAÇO DE FI LOCAL............................................................................................................................................................30
4.5 FORWARD ERROR CORRECTION - FEC ........................................................................................................................30
4.6 INTERLEAVER....................................................................................................................................................................31
4.7 NÍVEL DE SINAL RECEBIDO - RSSI.................................................................................................................................31
4.9 CRIPTOGRAFIA AES.........................................................................................................................................................32
4.10 SWITCH ETHERNET........................................................................................................................................................32
4.8 QUALIDADE DE SINAL.......................................................................................................................................................32
4.11 AGREGAÇÃO DE TRÁFEGO LAG E PLA........................................................................................................................33
4.11.1 CENÁRIO 1 COM LAG...................................................................................................................................................33
4.11.2 CENÁRIO 1 COM PLA...................................................................................................................................................34
4.11.3 CENÁRIO 2 COM LAG...................................................................................................................................................34
4.11.4 CENÁRIO 2 COM PLA...................................................................................................................................................34
4.12 LIMITAÇÃO DE BANDA DAS PORTAS DO SWITCH.......................................................................................................35
4.13 CONFIGURAÇÃO DO IP DE GERÊNCIA E DA ROTA DEFAULT....................................................................................35
4.15 CONTROLE AUTOMÁTICO DE POTÊNCIA - ATPC........................................................................................................36
4.14 CONFIGURAÇÃO REMOTA.............................................................................................................................................36
4.16 MODULAÇÃO ADAPTATIVA - ACM..................................................................................................................................37
4.17 CANCELADOR DE INTERFERÊNCIA DE POLARIZAÇÃO CRUZADA - AXPIC.............................................................37
4.18 AGREGAÇÃO DE CANAIS...............................................................................................................................................38
4.19 BLOQUEIO DO EQUIPAMENTO......................................................................................................................................38
5 SISTEMA DE GERENCIAMENTO - DMS-CS...................................................................................................................................39
5.1 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA DE GERÊNCIA DMS-CS...........................................................................................39
5.2 GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO.....................................................................................................................................40
5.3 GERÊNCIA DE FALHAS.....................................................................................................................................................40
5.4 ALTA DISPONIBILIDADE....................................................................................................................................................40
5.5 CAPACIDADE DE GERENCIAMENTO...............................................................................................................................40

4
ÍNDICE

5.6 REQUISITOS DO SISTEMA...............................................................................................................................................41


5.6.1 SOLUÇÃO TECNOLÓGICA.............................................................................................................................................41
5.6.2 EQUIPAMENTOS ENVOLVIDOS.....................................................................................................................................41
6 INSTALAÇÃO....................................................................................................................................................................................42
6.1 PRÉ-INSTALAÇÃO .............................................................................................................................................................42
6.2 PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO..................................................................................................................................42
6.2.1 INSTALAÇÃO DA UNIDADE INDOOR (IDU)...................................................................................................................44
6.2.2 INSTALAÇÃO DA UNIDADE OUTDOOR (ODU).............................................................................................................46
6.2.3 ACOPLAMENTO DA ANTENA COM A ODU...................................................................................................................47
6.3 EQUIPAMENTOS DE INSTALAÇÃO E TESTE...................................................................................................................65
6.4 PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS.................................................................................................................................65
6.5 ATERRAMENTO DOS EQUIPAMENTOS...........................................................................................................................65
6.6 PROTEGENDO CONTRA DESCARGA ELETROSTÁTICA (DE).......................................................................................67
6.7 ATERRAMENTO DO CABO DE FI......................................................................................................................................67
6.8 ALINHAMENTO DAS ANTENAS........................................................................................................................................68
6.8.1 TENSÃO DE RSSI PARA 2,2 GHz...................................................................................................................................68
6.8.2 TENSÃO DE RSSI PARA AS DEMAIS FREQUÊNCIAS..................................................................................................69
6.9 BAYFACE............................................................................................................................................................................69
6.10 DIAGNÓSTICO DE FALHAS.............................................................................................................................................70
6.11 EFICIÊNCIA ESPECTRAL PROGRAMÁVEL...................................................................................................................75
6.12 VANTAGENS - FLEXIBILIDADE........................................................................................................................................75
7 CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO.....................................................................................................................................................76
7.1 CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO VIA PORTA CONSOLE................................................................................................76
7.2 LINHAS DE COMANDO DO RÁDIO...................................................................................................................................77
7.3 GUIA DE UTILIZAÇÃO DO WEB CONFIG.........................................................................................................................86
7.3.1 PÁGINA DE LOGIN..........................................................................................................................................................88
7.3.2 BOTÕES E MENSAGENS...............................................................................................................................................88
7.3.3 INÍCIO...............................................................................................................................................................................89
7.3.4 SISTEMA..........................................................................................................................................................................91
7.3.5 RÁDIO..............................................................................................................................................................................93
7.3.6 SWITCH...........................................................................................................................................................................97
8 MANUTENÇÃO PREVENTIVA........................................................................................................................................................102
8.1 PRECAUÇÕES..................................................................................................................................................................102
8.2 EQUIPAMENTOS..............................................................................................................................................................102
8.3 PROCEDIMENTOS...........................................................................................................................................................102
8.3.1 ANÁLISE MECÂNICA....................................................................................................................................................102
8.3.2 ANÁLISE FUNCIONAL...................................................................................................................................................102
9 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS.......................................................................................................................................................104
9.1 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS COMUNS PARA O DSR-IDU2 2...38 GHz/400 Mbps..................................................104
9.2 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS PARA DSR 2,2 GHz.....................................................................................................107
9.3 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS PARA DSR 7,5 GHz.....................................................................................................108
9.4 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS PARA DSR 8,0 GHz.....................................................................................................110
9.5 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS PARA DSR 8,5 GHz.....................................................................................................111
9.6 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS PARA DSR 15 GHz......................................................................................................112
9.7 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS PARA DSR 18 GHz......................................................................................................113
9.8 CANAIS DE RF ................................................................................................................................................................115
9.8.1 CANAIS DE RF PARA ODU 2,2 GHz.............................................................................................................................115
9.8.2 CANAIS DE RF PARA ODU DSR 7,5 GHz....................................................................................................................115
9.8.3 CANAIS DE RF PARA ODU DSR 8 GHz.......................................................................................................................116
9.8.4 CANAIS DE RF PARA ODU DSR 8,5 GHz....................................................................................................................116
9.8.5 CANAIS DE RF PARA ODU DSR 15 GHz.....................................................................................................................117
9.8.6 CANAIS DE RF PARA ODU DSR 18 GHz.....................................................................................................................118
10 GARANTIA E ASSISTÊNCIA TÉCNICA.......................................................................................................................................119
10.1 ESCLARECIMENTO - SERVIÇOS DE ENLACE DE RÁDIOS........................................................................................119
11 ABREVIAÇÕES.............................................................................................................................................................................120

12 ÍNDICE REMISSIVO.......................................................................................................................................................................123

13 APÊNDICE.....................................................................................................................................................................................124
13.1 CRIAÇÃO DE CONEXÃO VIA TERMINAL CONSOLE...................................................................................................124
13.2 PROCEDIMENTO DE ATUALIZAÇÃO DE FIRMWARE..................................................................................................126

5
PREFÁCIO

SUPORTE TÉCNICO

A DIGITEL possui um helpdesk para atendimento de suporte técnico a seus clientes em sua fábrica localizada
no município de Alvorada, no estado do Rio Grande do Sul (Sul do Brasil).
Este suporte, que atende em horário comercial (segunda a sexta, das 8h às 18h) opera em 3 níveis:
• 1º Nível - É feito através das Posições de Atendimento (PAs). Esse atendimento é prestado por técnicos de
telecomunicações capazes de solucionar os principais problemas relacionados ao funcionamento dos equipamentos.
• 2º Nível - Prestado por técnicos/engenheiros especialistas, quando o problema requer uma intervenção
técnica de maior nível.
• 3º Nível - Prestado pelos engenheiros de P&D, nos casos em que o problema não pôde ser resolvido pelos
suportes de nível 1 ou 2 e necessita ser escalado (basicamente questões envolvendo software dos produtos). O
recebimento e cadastro das ocorrências são feitos através da Central de Atendimento por telefone ou via e-mail,
conforme abaixo:
• Fone: +55 51 3238-9999 - Ramal: 829
• E-mail: suporte_digitel@digitel.com.br
Adicionalmente, mediante contratação específica, a DIGITEL possui e oferece a seus clientes estrutura de
NOC 24x7 para suporte e assistência técnica remota a qualquer de seus produtos. O serviço pode ser contratado a
qualquer momento com base em SLA estabelecido entre as partes.
Todos os registros de atendimento são feitos em um sistema CRM, baseado em Lotus Notes, onde cada
chamado é armazenado em um banco de dados e recebe um número de identificação.
A partir desse sistema de registro, podem ser gerados relatórios do tipo:
• quantidade de chamados em determinado período;
• quantidade de chamados por cliente;
• quantidade de chamados por tipo de equipamento;
• tempo de solução de cada chamado;
• status de cada chamado (aberto, fechado, ...);
• informação sobre os técnicos geradores dos chamados.
Também podem ser gerados outros relatórios específicos de acordo com a necessidade do cliente.
Adicionalmente, através do link http://www.digitel.com.br/pt/produtos/suporte.asp é possível solicitar suporte
e fazer download de catálogos e manuais de produtos, sendo essa última funcionalidade permitida apenas após
cadastramento específico.
A DIGITEL recomenda que qualquer atualização de software seja executada apenas com acompanhamento
da fábrica e por pessoal externo com a devida capacitação técnica.
Antes de atualizar o software do equipamento, recomenda-se a identificação do PRODUTO/MODELO que
se deseja atualizar, bem como se efetue a verificação de compatibilidade do software disponível com o hardware
identificado. É vedada a atualização de software que não corresponda ao próprio PRODUTO/MODELO, pois isso
poderá causar sérios danos ao equipamento.
A DIGITEL não se responsabilizará por danos causados pelo não cumprimento das instruções acima. Em
caso de dúvidas, contate imediatamente a equipe de suporte.
A seguir é apresentado o Formulário de Solicitação de Suporte.

6
PREFÁCIO

Acesse o link http://www.digitel.com.br/pt/produtos/solicitacao-de-suporte.asp

CENTRO NACIONAL DE REPAROS (CNR)


A DIGITEL possui um Centro Nacional de Reparos (CNR) em Alvorada, que realiza manutenção em todos
os produtos. O cliente pode remeter seus produtos para manutenção diretamente ao CNR no seguinte endereço:
DIGITEL S/A INDÚSTRIA ELETRÔNICA
Endereço: Estrada RS 118, 11.555
CEP: 94834-670 - Distrito Industrial, Alvorada - RS

7
INTRODUÇÃO

Sempre ampliando sua linha de produtos de transmissão de dados, de forma a melhor atender às
necessidades dos clientes, a DIGITEL desenvolve e produz Rádios Digitais com a mais avançada tecnologia para
interligação ponto a ponto em curtas, médias e longas distâncias.
Os rádios são totalmente projetados em laboratórios nacionais com a comprovada qualidade dos produtos
DIGITEL, garantindo total domínio da tecnologia e atendendo a Normas Internacionais. A DIGITEL oferece
adicionalmente serviços de instalação de enlaces e execução de todos os serviços associados à implantação de
sistemas de rádio. Com um forte foco na prestação de serviços e assistência técnica, a DIGITEL dispõe de moderno
laboratório de reparos, helpdesk e NOC para oferecer o melhor suporte ao cliente.
Esse documento contém as informações e procedimentos necessários para executar a configuração e
operação dos Rádios DSR-IDU2 - 2...38 GHz/400 Mbps.
Este manual é dividido nas seguintes seções:
1. DESCRIÇÃO DO PRODUTO
2. INTERFACES E ACESSÓRIOS
3. APLICAÇÕES DO PRODUTO
4. FUNCIONAMENTO
5. SISTEMA DE GERENCIAMENTO - DMS-3
6. INSTALAÇÃO
7. CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO
8. MANUTENÇÃO PREVENTIVA
9. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS
10. GARANTIA E ASSISTÊNCIA TÉCNICA
11. ABREVIAÇÕES
12. ÍNDICE REMISSIVO
13. APÊNDICE

8
1 DESCRIÇÃO DO PRODUTO

1.1 DESCRIÇÃO

Bem-vindo ao Manual de Instalação e Operação dos Rádios DSR-IDU2 - 2...38 GHz/400 Mbps.
Ao abrir a embalagem dos rádios, você vai encontrar os seguintes itens:
• Unidade Indoor - DSR-IDU2;
• Unidade Outdoor - ODU DSR 2...38 GHz;
• Cabo para Console;
• Kit de fixação do rádio no rack;
• CD com o Manual de Instalação e Operação.

DSR-IDU2

ODU DSR 2...38 GHz CD Kit de fixação Cabo Console

O DSR-IDU2 - 2...38 GHz/400 Mbps é um rádio digital de operação ponto a ponto com configuração split,
composto de Unidade Indoor (IDU) comum a toda a família e Unidades Outdoor (ODU) com modelos para cada
faixa de frequência (consulte as características específicas de cada modelo). Com capacidades brutas máximas que
variam de 100 a 400 Mbps (dependendo da faixa de frequência e da modulação selecionadas), esses equipamentos
podem ser fornecidos somente com interfaces Gigabit Ethernet (4 portas elétricas, padrão 10/100/1000Base-T, e
2 portas ópticas, padrão 1000Base-X) ou ainda com o acréscimo de 32 interfaces E1 (G.703). Além disso, caso
necessário, é possível agregar diversas IDUs (através do switch interno ou com o auxílio de switch externo), de
forma a possibilitar a concentração e o agrupamento de tráfego vindos de diferentes direções.
O DSR-IDU2 - 2...38 GHz/400 Mbps pode operar nas configurações básicas 1+0, 2+0, 1+1 HSB, 1+1 FD e
Repetidor. Na opção de configuração 1+1, o sistema poderá operar com ou sem diversidade de frequência e espaço,
com comutação hitless na recepção para o sistema 1+1.
Sendo assim, dependendo da frequência, poderemos ter as seguintes configurações:
• 1+0: Sem proteção;
• 2+0: Apenas com diversidade de frequência;
• 1+1 HSB: Hot Standby - sem diversidade e com comutação hitless na recepção para o sistema 1+1;
• 1+1 FD: Apenas com diversidade de frequência e com comutação hitless na recepção para o sistema 1+1;
• 1+0: Repetidor;

9
DESCRIÇÃO DO PRODUTO

Adicionalmente, o DSR-IDU2 - 2...38 GHz/400 Mbps incorpora a funcionalidade de criptografia padrão AES
de 128 bits, de forma a dar maior proteção às informações a serem trafegadas.
A potência de transmissão é configurável em passos de 1dB, aplicável conforme legislação Anatel.
A combinação de ODUs a partir de uma mesma IDU é possível, sendo esse número limitado a 2 numa
mesma direção. Pode-se também associar mais de uma IDU, de forma a constituir sistemas 4+0; a agregação de
tráfego é feita na própria IDU. A configuração nodal é feita a partir da composição de IDUs (até 4), sendo possível
constituir uma repetidora de 8 direções 1+0.
Os rádios possibilitam a agregação de tráfego através das tecnologias LAG (Link Aggregation Group) e PLA
(Physical Link Aggregation).
A IDU oferece esquemas de modulação fixos (selecionáveis pelo operador) e modulação adaptativa
automática entre QPSK e 1024QAM.
Estes rádios foram desenvolvidos usando alta tecnologia em Processamento Digital de Sinais para
atendimento de voz e dados em longas distâncias. Empregam técnicas avançadas de equalização adaptativa e
correção de erros (FEC), proporcionando enlaces sem erros mesmo nas condições mais adversas. O FEC apresenta
uma capacidade de correção de 4%, que é feita concomitantemente ao fluxo de dados (não há retransmissões).
É disponibilizada eficiência espectral programável, ou seja, mesmo sem nenhum hardware adicional ou
inserção de filtros, os rádios podem ser programados por software para diversas bandas e canais. Os rádios possuem
três níveis de filtragem: filtro de cavidade, filtro de FI e filtro em software (DSP).
É possível fazer a configuração local e remota do enlace de rádio, facilitando, assim, a sua instalação.

Proteção
Para o mecanismo de proteção é indiferente se temos diversidade de espaço ou não. Os equipamentos
podem operar sem proteção, em configuração Hot-Standby (Isofrequencial) ou em configuração Twin-Path
(Heterofrequencial). Veja descrição do funcionamento no Capítulo 4 - Item 4.2.

Comutação
O chaveamento dos transmissores de Principal (Main) para Reserva (Backup) no modo Hot-Standby ocorre
automaticamente, quando for detectada uma queda de link ou quando for detectado alarme, conforme critérios de
comutação habilitados.
Já na recepção a comutação é hitless e ocorre dinamicamente a cada bloco de FEC recebido.
De acordo com a Anatel, os sistemas operando nas frequências 7,5 GHz e 15 GHz apresentam as seguintes
restrições:
• 7,5 GHz: Os sistemas com capacidade de transmissão para 2, 4, 2x2, 8, 4x2, 17, 2x8 , só serão autorizados
com distâncias superiores a 30 Km;
• 15 GHz: Não é permitida diversidade de frequência em toda sua faixa.

Features diferenciadas
Monitoração de RSSI, Log de Eventos, Senha de Rádios, Alarme de Temperatura, Atendimento da Norma
G.826 (qualidade de dados), Comutação Hitless, Comutação Antecipada, Alimentação Redundante, Modulação
Adaptativa Automática (ACM).

10
DESCRIÇÃO DO PRODUTO

1.1.1 INTERFACES DA IDU

Dependendo da aplicação do cliente, o rádio pode ser adquirido com ou sem interfaces E1 (G.703), com
uma ou duas interfaces FI e com uma ou duas fontes de alimentação; as demais interfaces são comuns a todos os
modelos:
• 32 Interfaces E1 (G.703), distribuídas em 6 conectores do tipo HD26;
• 04 Interfaces Gigabit Ethernet Elétrica, através de conectores do tipo RJ45;
• 02 Interfaces Gigabit Ethernet Óptica, através da conexão de transceivers do tipo SFP;
• 01 Interface RS232 para configuração, através de conector do tipo RJ45;
• 01 Interface Ethernet para gerência out-of-band, através de conector do tipo RJ45;
• 04 Entradas e 02 saída de alarmes, distribuídas em 2 conectores do tipo RJ45
• 01 Interface de voz auxiliar hotline 2 Fios, através de conector do tipo RJ45;
• 01 Interface de voz auxiliar VF (Voice Frequency) 4 fios, através de conector do tipo RJ45;
• 01 ou 02 Interfaces FI, através de conectores do tipo TNC;
• 01 ou 02 fontes para alimentação DC, através de conectores do tipo Terminal Block (3 pinos).

1.1.2 INTERFACES DA ODU

• 01 conector TNC para FI e alimentação;


• 01 conector BNC com o nível de sinal recebido (RSSI) em tensão;
• 01 conector de RF, que varia de acordo com a frequência:
2,2 GHz: Tipo N fêmea;
7,5/8,0/8,5 GHz: UDR-84;
15 GHz: UBR-140;
18/23 GHz: UBR-220;
38 GHz: Circ. 0,219” dia.

1.1.3 GERÊNCIA

Apresenta gerenciamento SNMP inband, que permite que sejam realizadas local e remotamente as funções
de operação, gerência de falhas/alarmes, gerência de desempenho, dados de performance, gerência de configuração,
estatísticas, inventário, medições e monitoramento.

Essas funções permitem:

• Configuração e verificação do status dos rádios local e remoto;


• Leitura e troca de capacidade n x 2 Mbps;
• Acionamento e verificação de resultados de testes;
• Monitoramento do sinal recebido;
• Monitoramento e controle de potência de transmissão;
• Configuração de canais de RF de transmissão e recepção;
• Controle de alarmes sem gerar interferência no tráfego e gerência SNMP.

1.1.4 MEDIÇÕES E MONITORAÇÕES PLEOCRÓICAS DISPONÍVEIS

Os itens que podem ser medidos, monitorados ou visualizados são os seguintes:

• Medições em dBm: RSSI e potência transmitida;


• Medição de TXPOWER, SQ (Qualidade de Sinal) , ERROR (Erros);
• Indicação de LOS (Perda de Sinal), AIS (Sinal Indicativo de Alarme), queda de portadora, alta taxa de erro
(BER E3 e BER E6), queda no transmissor;
• Tipo de Modulação, Alimentação 1 e Alimentação 2, Equipamento em Backup;
• Frequência transmissão e recepção;
• Log de eventos.

11
DESCRIÇÃO DO PRODUTO

1.2 MODELOS
1.2.1 MODELOS DE IDU

Código Modelos de IDU


840.9943.00-8 DSR-IDU2_32E1_ETH/2+0/1+1/DC2/G703
840.9946.00-7 DSR-IDU2_32E1_ETH/1+0/DC2/G703
840.9947.00.3 DSR-IDU2_32E1_ETH/2+0/1+1/DC1/G703
840.9948.00-0 DSR-IDU2_32E1_ETH/1+0/DC1/G703
840.9949.00-6 DSR-IDU2_ETH/2+0/1+1/DC2
840.9958.00-5 DSR-IDU2_ETH/1+0/DC2
840.9959.00-1 DSR-IDU2_ETH/2+0/1+1/DC1
840.9960.00-0 DSR-IDU2_ETH/1+0/DC1
840.9964.00-5 DSR-IDU2_ETH/REPEATER/DC2

1.2.2 LICENÇAS DE SOFTWARE

Código Licenças de Software


840.9965.00-1 RÁDIO_DSR-IDU2_LICENÇA 512/1024QAM
840.9966.00-8 RÁDIO_DSR-IDU2_LICENÇA AGREGAÇÃO
840.9967.00-4 RÁDIO_DSR-IDU2_LICENÇA XPIC
840.9968.00-0 RÁDIO_DSR-IDU2_LICENÇA 64QAM
840.9969.00-7 RÁDIO_DSR-IDU2_LICENÇA 128/256QAM
840.9970.00-5 RÁDIO_DSR-IDU2_LICENÇA AES
840.9971.00-1 RÁDIO_DSR-IDU2_LICENÇA NMS
840.9972.00-8 RÁDIO_DSR-IDU2_LICENÇA ACM
840.9973.00-4 RÁDIO_DSR-IDU2_LICENÇA 1+0
840.9974.00-0 RÁDIO_DSR-IDU2_LICENÇA 1+1
840.9975.00-7 RÁDIO_DSR-IDU2_LICENÇA 2+0
840.9976.00-3 RÁDIO_DSR-ODU2_LICENÇA

12
DESCRIÇÃO DO PRODUTO

1.2.3 MODELOS DE ODU

Código Modelos de ODU DSR 2,2 GHz


840.8801.00-5 UNIDADE OUTDOOR DSR 2,2/AH
840.8802.00-1 UNIDADE OUTDOOR DSR 2,2/AL
840.8803.00-8 UNIDADE OUTDOOR DSR 2,2/BH
840.8804.00-4 UNIDADE OUTDOOR DSR 2,2/BL
Código Modelos de ODU DSR 7,5 GHz
840.9101.00-7 UNIDADE OUTDOOR DSR-7,5/HP AL
840.9102.00-3 UNIDADE OUTDOOR DSR-7,5/HP AH
840.9103.00-0 UNIDADE OUTDOOR DSR-7,5/HP BL
840.9104.00-6 UNIDADE OUTDOOR DSR-7,5/HP BH
840.9105.00-2 UNIDADE OUTDOOR DSR-7,5/HP CL
840.9106.00-9 UNIDADE OUTDOOR DSR-7,5/HP CH
840.9107.00-5 UNIDADE OUTDOOR DSR-7,5/HP DL
840.9108.00-1 UNIDADE OUTDOOR DSR-7,5/HP DH
Código Modelos de ODU DSR 8 GHz
840.9201.00-1 UNIDADE OUTDOOR DSR-8,0/HP AL
840.9202.00-8 UNIDADE OUTDOOR DSR-8,0/HP AH
840.9203.00-4 UNIDADE OUTDOOR DSR-8,0/HP BL
840.9204.00-0 UNIDADE OUTDOOR DSR-8,0/HP BH
Código Modelos de ODU DSR 8,5 GHz
840.9301.00-6 UNIDADE OUTDOOR DSR-8,5/HP AL
840.9302.00-2 UNIDADE OUTDOOR DSR-8,5/HP AH
840.9303.00-9 UNIDADE OUTDOOR DSR-8,5/HP BL
840.9304.00-5 UNIDADE OUTDOOR DSR-8,5/HP BH
840.9305.00-1 UNIDADE OUTDOOR DSR-8,5/HP CL
840.9306.00-8 UNIDADE OUTDOOR DSR-8,5/HP CH
Código Modelos de ODU DSR 15 GHz
840.9401.00-0 UNIDADE OUTDOOR DSR-15/HP AL
840.9402.00-7 UNIDADE OUTDOOR DSR-15/HP AH
840.9403.00-3 UNIDADE OUTDOOR DSR-15/HP BL
840.9404.00-0 UNIDADE OUTDOOR DSR-15/HP BH
840.9405.00-6 UNIDADE OUTDOOR DSR-15/HP CL
840.9406.00-2 UNIDADE OUTDOOR DSR-15/HP CH
Código Modelos de ODU DSR 18 GHz
840.9501.00-5 UNIDADE OUTDOOR DSR-18/HP AL
840.9502.00-1 UNIDADE OUTDOOR DSR-18/HP AH
840.9503.00-8 UNIDADE OUTDOOR DSR-18/HP BL
840.9504.00-4 UNIDADE OUTDOOR DSR-18/HP BH
840.9505.00-0 UNIDADE OUTDOOR DSR-18/HP CL
840.9506.00-7 UNIDADE OUTDOOR DSR-18/HP CH

13
DESCRIÇÃO DO PRODUTO

1.3 PAINEL FRONTAL

A figura a seguir mostra o painel frontal da versão mais completa de IDU do DSR-IDU2 - 2...38 GHz/400
Mbps. Todas as conexões e sinalizações estão dispostas no painel frontal do rádio. Uma descrição de cada um dos
itens do painel é mostrada na tabela abaixo.

1.3.1 UNIDADE INDOOR

DSR-IDU2 - 2...38 GHz/400 Mbps


N° Serigrafia Descrição
1 0 -48V Entrada da Fonte de Alimentação 1
2 Conexão para Aterramento de Carcaça
3 E1 (7-12) Conector HD26 para conexão de Interfaces E1 - Tributários de 7 a 12
4 E1 (17-22) Conector HD26 para conexão de Interfaces E1 - Tributários de 17 a 22
5 E1 (29-32) Conector HD26 para conexão de Interfaces E1 - Tributários de 29 a 32
6 GE2 Conector RJ45 da Interface Gigabit Ethernet Elétrica GE2 do Switch
7 GE4 Conector RJ45 da Interface Gigabit Ethernet Elétrica GE4 do Switch
8 GE6 Conector RJ45 da Interface Gigabit Ethernet Óptica GE6 do Switch
9 CONSOLE Conector RJ45 da Console de Configuração
10 ALM-OUT Conector RJ45 de Saída de Alarmes (2 saídas)
11 VF Conector RJ45 do Canal Auxiliar de Serviço VF (4 fios)
12 BER LED de Status da G.826
13 ALM LED de Alarme
14 ODU B LED de Detecção da ODU B (ou Backup)
15 LNK BK LED de Status do Link Backup
16 IF-1 Conector TNC-Fêmea de FI para conexão com a Unidade Outdoor A (ou Main)
17 IF-2 Conector TNC-Fêmea de FI para conexão com a Unidade Outdoor B (ou Backup)
18 0 -48V Entrada da Fonte de Alimentação 2
19 E1 (1-6) Conector HD26 para conexão de Interfaces E1 - Tributários de 1 a 6
20 E1 (13-16) Conector HD26 para conexão de Interfaces E1 - Tributários de 13 a 16
21 E1 (23-28) Conector HD26 para conexão de Interfaces E1 - Tributários de 23 a 28
22 GE1 Conector RJ45 da Interface Gigabit Ethernet Elétrica GE1 do Switch
23 GE3 Conector RJ45 da Interface Gigabit Ethernet Elétrica GE3 do Switch
24 GE5 Conector RJ45 da Interface Gigabit Ethernet Óptica GE5 do Switch
25 NMS Conector RJ45 da Interface Fast Ethernet Elétrica NMS para Gerência out-of-band
26 ALM-IN Conector RJ45 de Entrada de Alarmes (4 entradas)
27 Conector RJ45 do Canal de Serviço de Voz (2 fios)
28 PWR LED de Indicação de Alimentação
29 RDY LED de Indicação de Status do Equipamento
30 LNK LED de Status do Link A (ou Main)
31 ODU A LED de Detecção da ODU A (ou Main)

14
DESCRIÇÃO DO PRODUTO

Dependendo do modelo, algumas interfaces não estarão disponíveis.


O conector de CONSOLE (RJ45), localizado no painel frontal, é utilizado para conectar o rádio a um terminal
padrão tipo VT100, que permite a configuração e o controle do rádio. A tabela a seguir mostra a função dos pinos do
conector.

Pinagem do Cabo de Console


RJ45 Sinal DB9-F
1 CTS 8
2 DSR 6
3 RD 2
4 GND 5
5 GND 5
6 TD 3
7 DTR 4 Interface de Console Cabo de Console
8 RTS 7 690.4642.00-2

IMPORTANTe:
A velocidade do terminal de supervisão deve ser 57.600 bps.

1.4 CONEXÕES DA UNIDADE OUTDOOR

A conexão da Unidade Indoor com a Unidade Outdoor é feita em FI, através de conector frontal específico da
IDU (TNC Fêmea), utilizando cabos coaxiais de mercado (ver abaixo o tipo de cabo indicado em função da distância
entre IDU e ODU).
A Unidade Outdoor apresenta quatro conexões:
1. RSSI (Conector TNC Fêmea): Sinal utilizado para alinhamento da antena. O melhor alinhamento corres-
ponde ao maior valor de tensão, a qual pode ser medida a partir da conexão de um voltímetro em escala de 2V;
2. FI (Conector TNC Fêmea): Utilizado para conexão com a IDU através do Cabo FI;
3. RF (Conector de vários tipos, dependendo da frequência): Utilizado para conectar a ODU à antena de
forma direta ou através de um guia de onda flex twist;
4. Aterramento ( ): Parafuso sextavado M6 utilizado para fazer o aterramento da ODU.

O Cabo de FI RGC-58 é indicado para comprimentos de até 50 metros. Para comprimentos de até 250 me-
tros, é possível usar cabos RGC-8, RGC-213 ou LMR 400. Comprimentos ainda maiores são permitidos, mas exigem
outros tipos de cabos, cujas especificações serão fornecidas sob consulta técnica.

1.5 IDENTIFICAÇÃO DAS UNIDADES

As unidades Indoor e Outdoor são identificadas com etiquetas com código de barras. Estas etiquetas apresen-
tam dados como o código do produto, o modelo, o número de série, a data de fabricação e o número do Certificado
de Homologação Anatel.

15
2 INTERFACES E ACESSÓRIOS

2.1 INTERFACES E1 (G.703)

A figura abaixo mostra as conexões para as interfaces E1 (G.703) através do painel frontal. Os modelos de
rádio DSR-IDU2 - 2...38GHz/400 Mbps que apresentam esse tipo de interface contém 32 tributários distribuídos em
6 conectores do tipo HD26.

Conectores HD26 – Tributários do rádio Cabode


Cabo deconexão
conexão com
com oo Patch
PatchPanel
Panel
690.4689.00-9
690.4055.00-0

Opcionalmente o rádio pode utilizar um Patch Panel com 16 interfaces G.703 de 2.048 kbps. A conexão
do Patch Panel ao rádio ocorre através de 3 conectores HD26 e faz-se por meio de cabos de conexão como o
apresentado na figura acima.
Estão disponíveis modelos de Patch Panel com conectores dos tipos BNC e IEC para 75 Ω.

OUT OUT OUT OUT A


IN IN IN IN
OUT OUT OUT OUT
IN IN IN IN
B
OUT OUT OUT OUT
IN IN IN IN
OUT OUT OUT OUT
C
IN IN IN IN

Módulo Patch Panel G.703/75 Ω BNC - 16 canais


Cabo multicoaxial: Opcionalmente esse cabo pode ser utilizado para interligação direta dos tributários ao
DID e pode ser adquirido com tamanhos de 10, 20 e 30 metros. Cada cabo apresenta um conector HD26 em suas
extremidades e comporta 6 interfaces E1. Em aplicações com 32 interfaces E1 serão necessários 6 cabos.

10m, 20m ou 30m

16
INTERFACES E ACESSÓRIOS

A tabela a seguir mostra a pinagem do conector HD26 das Interfaces G.703:

HD26 Sinal Descrição


10 TA6 Dados Transmitidos 6
1 TB6 Dados Transmitidos 6 - Retorno
11 RA6 Dados Recebidos 6
2 RB6 Dados Recebidos 6 - Retorno
19 TA5 Dados Transmitidos 5
20 TB5 Dados Transmitidos 5 - Retorno
12 RA5 Dados Recebidos 5
3 RB5 Dados Recebidos 5 - Retorno
13 TA4 Dados Transmitidos 4
4 TB4 Dados Transmitidos 4 - Retorno
14 RA4 Dados Recebidos 4
5 RB4 Dados Recebidos 4 - Retorno
22 TA3 Dados Transmitidos 3
23 TB3 Dados Transmitidos 3 - Retorno
15 RA3 Dados Recebidos 3
6 RB3 Dados Recebidos 3 - Retorno
16 TA2 Dados Transmitidos 2
7 TB2 Dados Transmitidos 2 - Retorno
17 RA2 Dados Recebidos 2
8 RB2 Dados Recebidos 2 - Retorno
25 TA1 Dados Transmitidos 1
26 TB1 Dados Transmitidos 1 - Retorno
18 RA1 Dados Recebidos 1
9 RB1 Dados Recebidos 1 - Retorno

2.2 INTERFACES GIGABIT ETHERNET ELÉTRICAS

As interfaces Gigabit Ethernet Elétricas, padrão 10/100/1000Base-T, localizam-se no centro do painel e


estão identificadas com as denominações GE1, GE2, GE3 e GE4. A conexão elétrica é feita através de cabo UTP
(CAT6), via conectores RJ45. Cada interface apresenta dois indicadores luminosos para externalização do estado
de sua conexão. O indicador laranja, à direita, indica, quando aceso, que o link físico está ativo e o indicador verde,
à esquerda, indica, ao piscar, a ocorrência de atividade (transmissão e/ou recepção de dados) na interface.

2.3 INTERFACES GIGABIT ETHERNET ÓPTICAS


As interfaces Gigabit Ethernet Ópticas, padrão 1000Base-X, localizam-se à direita das interfaces Gigabit
Ethernet Elétricas e estão identificadas com as denominações GE5 e GE6. A conexão óptica é feita através de trans-
ceivers do tipo SFP, via conectores Mini-GBIC. Também é possível utilizar transceivers com interface elétrica.
Assim como nas interfaces elétricas, cada interface óptica apresenta dois indicadores luminosos para exter-
nalização do estado de sua conexão. A distribuição deles pelas interfaces se dá da seguinte maneira: no par vertical
de conectores, temos quatro leds, sendo que os dois primeiros, à esquerda, referem-se à interface inferior e os outros
dois à interface superior. Particularizando ainda mais para cada uma dessas interfaces, o LED da direita (laranja)
indica, quando aceso, que o link físico está ativo. Já o LED da esquerda (verde) indica, ao piscar, a ocorrência de
atividade (transmissão e/ou recepção de dados) na interface.
Para segurança do operador, as interfaces ópticas têm a potência do laser desligada quando as fibras são
desconectadas.

17
INTERFACES E ACESSÓRIOS

Os módulos SFP para interface Gigabit Ethernet Elétrica ou Óptica devem ser adquiridos separadamente:

Código Descrição
890.1621.00-0 TRANSC OPT SFP,1.25G,LC,1310,NDD,10KM,-9.5/-20
890.2086.00-1 TRANSC OPT SFP,1.25G,LC,1310,DD,10KM,-9/-21,85G
890.1664.00-1 TRANSC ELET SFP,1.25G,RJ45,1000BASE-T,100M
890.1709.00-5 TRANSC ELET SFP,1.25G,RJ45,1000BASE-T,100M,85G

2.4 INTERFACE NMS


A interface NMS, padrão 10/100Base-T, está localizada no centro do painel, à direita das interfaces Gigabit
Ethernet Ópticas, e constitui-se na unidade inferior de um conector RJ45 de dupla altura, cuja unidade superior
destina-se à porta Console.
O LED laranja, à direita, indica o estado de link da porta NMS e deve permanecer aceso assim que um cabo
de rede for conectado e uma conexão ativa for estabelecida. O LED verde, à esquerda, indica o estado de operação
da porta e deve permanecer aceso e piscar quando houver tráfego de dados.

2.5 INTERFACE CONSOLE


A interface Console, serial assíncrona padrão ITU-T V.24, está localizada à direita do painel, e constitui-se
na unidade superior de um conector RJ45 de dupla altura, cuja unidade inferior destina-se à porta NMS. A conexão
elétrica é feita através de um cabo serial, item que acompanha o produto, que permite a ligação do equipamento à
porta serial de um terminal assíncrono ou microcomputador.

2.6 INDICADORES LUMINOSOS

PWR - POWER
O LED PWR indica o estado de alimentação do equipamento e deve permanecer aceso na cor verde
após a ativação de suas fontes de alimentação. Caso isso não ocorra, verifique se os cabos de alimentação estão
corretamente ligados às entradas de energia (confira a efetividade das conexões e a polaridade dos sinais) e, se o
problema persistir, procure substituí-los.

18
INTERFACES E ACESSÓRIOS

RDY - READY
O LED RDY indica o estado de funcionamento do equipamento. Após a ativação das fontes de alimentação,
ele acende na cor vermelha e permanece assim durante todo o processo de inicialização e carga do sistema. Ao final
do período, quando o equipamento entra em modo de operação, ele assume a cor verde.
O LED RDY também é responsável pela informação de expiração do prazo de validade da licença de software
instalada no equipamento. Nesse caso, ele passa a piscar alternadamente nas cores verde e vermelha, sinalizando
o bloqueio de operação do rádio. Para maiores detalhes sobre o assunto, consulte o Capítulo 4 - Item 4.19.

ALM - ALARME
O LED ALM indica a ocorrência de condições operacionais configuradas no sistema como sendo condições
de alarme. Em operação normal, ele permanece aceso na cor verde, ao passo que após a detecção de quaisquer
condições de alarme habilitadas para monitoração, ele passa a operar na cor vermelha. O LED só retorna à cor
verde após a eliminação ou desabilitação do reporte dos alarmes anteriormente detectados.

BER
O LED BER indica detecção de taxa de erro de bit no link. O estado normal do LED é apagado, acendendo
somente após a ativação do teste da G.826. Durante o tempo de execução do teste ele permanece aceso na cor
verde, após isso, assume a cor vermelha se algum erro for detectado, caso contrário, apaga-se novamente.

LNK - LINK
O LED LNK (Data Carry Detect 1) indica que o equipamento tem sincronismo de dados na recepção do Link
A (1+0/2+0) ou Principal (1+1). A cor verde indica sincronismo de dados, já a cor vermelha evidencia problema.

ODU A
O LED ODU A indica a detecção da Unidade Outdoor pela Unidade Indoor, representando que a comunicação
entre IDU e ODU, provida pelo cabo de FI, está operacional. A cor verde indica a detecção da ODU pela IDU, já a
cor vermelha evidencia problema.

LNK BK - LINK BACKUP


O LED LNK BK (Data Carry Detect 2) indica que o equipamento tem sincronismo de dados na recepção do
Link B (2+0) ou Backup (1+1). A cor verde indica sincronismo de dados, já a cor vermelha evidencia problema.

ODU B
O LED ODU B indica a detecção da Unidade Outdoor pela Unidade Indoor, representando que a comunicação
entre IDU e ODU, provida pelo cabo de FI, está operacional. A cor verde indica a detecção da ODU pela IDU, já a
cor vermelha evidencia problema.

19
INTERFACES E ACESSÓRIOS

2.7 INTERFACES DE ENTRADA E SAÍDA DE ALARMES


Os rádios disponibilizam informes de alarmes internos (gerados pelo próprio rádio) e externos (transportados
pelo rádio). Esses informes acionam 4 contatos secos de relé:
• 2 contatos (um NF e outro NA) para alarmes não urgentes;
• 2 contatos (um NF e outro NA) para alarmes urgentes;
Esses informes são exteriorizados através de um conector RJ45 Fêmea, identificado com a denominação
ALM-OUT (Saída de Alarmes). Os alarmes, quando habilitados e detectados, também são informados no painel
frontal pelo LED ALM aceso na cor vermelha. Ao sair da condição de alarme, o LED ALM passa à cor verde e o
respectivo relé retorna à posição normal.

Pinos Condições Tipo


1e2 NA (Normalmente Aberto) Alarme Urgente
3e4 NF (Normalmente Fechado) Alarme Urgente
5e6 NA (Normalmente Aberto) Alarme Não Urgente
7e8 NF (Normalmente Fechado) Alarme Não Urgente Pino 1

Adicionalmente, é disponibilizado um conector RJ45 Fêmea, identificado com a denominação ALM-IN,


contendo 4 entradas opto-isoladas para o monitoramento de alarmes externos:
• 2 entradas para alarmes urgentes;
• 2 entradas para alarmes não urgentes.
Esses informes de alarmes podem ser interpretados pelo operador utilizando a tabela de alarmes abaixo,
através de comandos via CLI. A pinagem do conector de entrada de alarmes é disponibilizada a seguir.

Pino 1
Pinos Condições Tipo
1e2 Alarme Externo 0 Alarme Urgente
3e4 Alarme Externo 1 Alarme Urgente
5e6 Alarme Externo 2 Alarme Não Urgente
7e8 Alarme Externo 3 Alarme Não Urgente

2.8 INTERFACES DE VOZ E VF


Os rádios apresentam uma interface de voz a 2 fios e uma interface auxiliar de voz VF a 4 fios, sendo que
esta última está disponível apenas nas versões 1+1 do produto. Essas interfaces são disponibilizadas por conectores
RJ45 Fêmea no painel frontal e são identificadas com uma pequena imagem de telefone e a denominação VF,
respectivamente. A frequência do canal de voz é de 300 Hz a 3.400 Hz, sem compressão.

2.8.1 CARACTERÍSTICAS DA INTERFACE DE VOZ PARA COMUNICAÇÃO ENTRE AS ES-


TAÇÕES
• Interface de voz a 2 fios com gerador de tensão de bateria e corrente de toque;
• Suporte à impedância de linha de 600 Ω;
• Sinalização telefônica hotline;
• Suporte a enlace telefônico ponto a ponto dedicado.

20
INTERFACES E ACESSÓRIOS

2.8.2 CARACTERÍSTICAS DA INTERFACE VF

• Operação a 4 fios;
• Suporte à impedância de linha de 600 Ω.

Interface VF

INTERFACE VF – VOICE FREQUENCY

TX AD

MUX

RX AMP DA

2.9 INTERFACES IF-1 E IF-2

As IDUs dos rádios 1+0 apresentam uma interface de IF (Intermediary Frequency) e as IDUs dos rádios
1+1 e 2+0 apresentam duas interface de IF disponibilizadas através de conectores do tipo TNC Fêmea. Esses
conectores são utilizados para a realização da conexão da Unidade Indoor com a Unidade Outdoor por meio de um
cabo coaxial. Através dessa interface, trafegam as frequências de transmissão e recepção, além da telemetria e a
alimentação das ODUs.

2.10 ENTRADAS DE ALIMENTAÇÃO

As IDUs possuem dois slots para montagem de fontes de alimentação hot swap redundantes. Nesses dois
slots podem ser inseridos ou retirados módulos de fontes com o equipamento em funcionamento. No caso de falha
em uma das fontes ou no seu fornecimento de energia, a outra assume instantaneamente a carga total, ou seja, o
equipamento pode operar normalmente com apenas uma das fontes ativa.
As ODUs são alimentadas diretamente pelo barramento de -48VDC via cabo de FI. É necessário que o
terminal positivo esteja no mesmo potencial do terra, pois está ligado à malha do cabo de FI, ou seja, não deve haver
diferença de potencial entre esses terminais. No condutor central do cabo de FI é conectada a tensão de -48VDC.
A ocorrência de subtensão de entrada (maior que -36 VDC) não acarreta avaria no conversor de alimentação,
independentemente do tempo de duração da ocorrência. Quando houver desarme por subtensão de entrada, a volta
para o modo de operação normal ocorre automaticamente.
A alimentação dos rádios é feita através de um ou dois conectores do tipo Terminal Block localizados no
painel frontal. Esses conectores possuem 3 pinos com parafusos para alimentação de -48VDC (-36VDC a -60VDC).
O terminal da esquerda é o aterramento ( ), o terminal central é o positivo (Ø) e o da direita é o negativo (-48V).

21
INTERFACES E ACESSÓRIOS

A especificação da tensão de entrada das fontes da IDU e da ODU é de -36VDC a -60VDC, mas como a
alimentação da ODU é enviada através do cabo de FI, faz-se necessário observar a queda de tensão neste cabo. O
gráfico abaixo mostra os valores de tensão mínima de alimentação da IDU em função do comprimento de um cabo
de FI do tipo RGC-8. Para outros tipos de cabo, este cálculo pode ser realizado considerando a resistividade do
mesmo e uma potência de 50W de consumo na ODU.

2.10.1 PADRÃO DE FIO RECOMENDADO PARA ALIMENTAÇÃO DC

O padrão de fio recomendado para conectar a alimentação DC ao DSR-IDU2 - 2...38 GHz/400 Mbps
depende da distância entre a fonte de alimentação e o rádio. Uma tabela para o comprimento de cada tipo de cabo,
usando cabo de cobre, é mostrada na tabela abaixo. As distâncias apresentadas levam em consideração uma queda
de tensão de até 10%.
Alimentação -48 VDC
Consumo 110W 160W
Bitola do Fio Comprimento 1+0 Comprimento 1+1
1.5 mm² (16 AWG) 61m 42m
2.5 mm² (14 AWG) 116m 80m
4 mm² (12 AWG) 174m 120m
6 mm² (10 AWG) 275m 189m

2.10.2 INFORMAÇÃO DE PINAGEM DO CONECTOR DC

A tabela a seguir mostra as informações de pinagem do conector de alimentação DC.

Conector DC Entrada de Alimentação Cor do Cabo


Terra chassis Verde
+ Entrada DC positiva 0V Vermelho
- Entrada DC negativa -48V Azul + -

IMPORTANTe:
É mandatório para o correto funcionamento do rádio, que a alimentação esteja com o positivo (+0V) no
mesmo potencial do terra, conforme o padrão -48VDC das instalações de telecomunicações.

22
3 APLICAÇÕES DO PRODUTO

Levando em consideração o setup apresentado a seguir, execute as instruções para estabelecer um enlace
de rádio DSR-IDU2 2...38 GHz/400 Mbps.
Conecte as Unidades Indoor às Unidades Outdoor usando cabos RGC-58, LMR 400, RGC-8 ou RGC-213
(verifique o tipo do cabo a ser usado em função de seu comprimento no Capítulo 1 - Item 1.4). As ligações dos
tributários devem ser feitas conforme mostram as figura dos exemplos.

3.1 EXEMPLO 1 - CONFIGURAÇÃO ATRAVÉS DE COMANDOS (CLI)


DSR 7,5 GHz - ETH - Modo 1+0

ODU Local ODU Remota


High Low

Acesso Console

IDU Local IDU Remota

Testset Testset
Ethernet Ethernet

1. Conecte um Laptop na Console do rádio High;


2. Inicialize um emulador de terminal assíncrono (Tera Term ou Hyper Terminal);
3. Ligue o rádio e aguarde até que sejam solicitados login e senha. O valor default para login é dsr e para
senha é digitel;
4. Execute a seguinte sequência de comandos para configuração do rádio High, levando em consideração
que as unidades de RF sejam, por exemplo, 7,5 GHz tipo A:
DSRII> enable
DSRII# configure terminal
DSRII(config)# radio-config
DSRII(radio-config)# mode 1+0
DSRII(radio-config)# bandwidth 28000khz
DSRII(radio-config)# modul 256qam
DSRII(radio-config)# interleaver full
DSRII(radio-config)# side a
DSRII(radio-side-config)# txfreq 7596000 rxfreq 7442000
DSRII(radio-side-config)# pot 21
DSRII(radio-side-config)# execute
DSRII(radio-side-config)# quit
DSRII(radio-config)# quit
DSRII(config)# quit
DSRII# write

5. Retire o Laptop da Console do rádio High e coloque na Console do rádio Low;


6. Execute os passos 3 e 4, invertendo somente as frequências de TX e RX;
7. A partir desse momento o enlace deverá estar estabelecido;
8. Coloque um testset Ethernet no rádio High e um no rádio Low;
9. Inicialize o testset Ethernet. O testset deverá sincronizar e não contar erros.

23
APLICAÇÕES DO PRODUTO

3.2 EXEMPLO 2 - CONFIGURAÇÃO ATRAVÉS DE COMANDOS (CLI)


DSR 7,5 GHz - 32E1 + ETH - Modo 2+0

ODU Principal ODU Principal


Local High Remota Low

ODU Backup ODU Backup


Local High Remota Low

Acesso Console

IDU Local IDU Remota


Loop

Testset Testset Testset


E1 Ethernet Ethernet

1. Conecte um Laptop na Console do rádio High;


2. Inicialize um emulador de terminal assíncrono (Tera Term ou Hyper Terminal);
3. Ligue o rádio e aguarde até que sejam solicitados login e senha. O valor default para login é dsr e para
senha é digitel;
4. Execute a seguinte sequência de comandos para configuração do rádio High, levando em consideração
que as unidades de RF sejam, por exemplo, 7,5 GHz tipo A:
DSRII> enable
DSRII# configure terminal
DSRII(config)# radio-config
DSRII(radio-config)# mode 2+0
DSRII(radio-config)# ne1 32
DSRII(radio-config)# bandwidth 28000khz
DSRII(radio-config)# modul 256qam
DSRII(radio-config)# interleaver full
DSRII(radio-config)# radio side a
DSRII(radio-side-config)# txfreq 7596000 rxfreq 7442000
DSRII(radio-side-config)# pot 21
DSRII(radio-side-config)# execute
DSRII(radio-side-config)# side b
DSRII(radio-side-config)# txfreq 7652000 rxfreq 7498000
DSRII(radio-side-config)# pot 21
DSRII(radio-side-config)# execute
DSRII(radio-side-config)# quit
DSRII(radio-config)# quit
DSRII(config)# quit
DSRII# write

5. Retire o Laptop da Console do rádio High e coloque na Console do rádio Low;


6. Execute os passos 3 e 4, invertendo somente as frequências de TX e RX;
7. A partir desse momento o enlace deverá estar estabelecido;
8. Coloque um Testset Ethernet e um Testset E1 no rádio High;
9. Coloque um Testset Ethernet e um loop de E1 no rádio Low;
10. Inicialize os testsets. Os testsets deverão sincronizar e não contar erros.

24
APLICAÇÕES DO PRODUTO

3.3 EXEMPLO 3 - CONFIGURAÇÃO ATRAVÉS DE COMANDOS (CLI)


DSR 7,5 GHz - 32E1 + ETH - Modo 1+1 HSB

ODU Principal ODU Principal


Local High Remota Low

ODU Backup ODU Backup


Local High Remota Low

Acesso Console

IDU Local IDU Remota


Loop

Testset Testset Testset


E1 Ethernet Ethernet

1. Conecte um Laptop na Console do rádio High;


2. Inicialize um emulador de terminal assíncrono (Tera Term ou Hyper Terminal);
3. Ligue o rádio e aguarde até que sejam solicitadas login e senha. O valor default para login é dsr e para
senha é digitel;
4. Execute a seguinte sequência de comandos para configuração do rádio High, levando em consideração
que as unidades de RF sejam, por exemplo, 7,5 GHz tipo A:
DSRII> enable
DSRII# configure terminal
DSRII(config)# radio-config
DSRII(radio-config)# mode 1+1HSB
DSRII(radio-config)# ne1 32
DSRII(radio-config)# bandwidth 28000khz
DSRII(radio-config)# modul 256qam
DSRII(radio-config)# interleaver full
DSRII(radio-config)# radio side a
DSRII(radio-side-config)# txfreq 7596000 rxfreq 7442000
DSRII(radio-side-config)# pot 21
DSRII(radio-side-config)# execute
DSRII(radio-side-config)# side b
DSRII(radio-side-config)# txfreq 7596000 rxfreq 7442000
DSRII(radio-side-config)# pot 21
DSRII(radio-side-config)# execute
DSRII(radio-side-config)# quit
DSRII(radio-config)# quit
DSRII(config)# quit
DSRII# write

5. Retire o Laptop da Console do rádio High e coloque na Console do rádio Low;


6. Execute os passos 3 e 4, invertendo somente as frequências de TX e RX;
7. A partir desse momento o enlace deverá estar estabelecido;
8. Coloque um Testset Ethernet e um Testset E1 no rádio High;
9. Coloque um Testset Ethernet e um loop de E1 no rádio Low;
10. Inicialize os testsets. Os testsets deverão sincronizar e não contar erros.

25
APLICAÇÕES DO PRODUTO

3.4 EXEMPLO 4 - CONFIGURAÇÃO ATRAVÉS DE WEB CONFIG


DSR 7,5 GHz - 16E1 + ETH - Modo 1+1

ODU Local ODU Remota


High Low

IDU Local IDU Remota

Testset Testset
Ethernet Acesso WEB Browser
Ethernet

1. Com os rádios ligados, conecte um Laptop na Interface NMS do rádio High;


2. Inicialize um WEB Browser e digite o endereço default 192.168.1.254;
3. Serão solicitados login (dsr) e senha (digitel);
4. Após o login, selecione o menu Rádio / Configurações e escolha as seguintes opções:

Modo de Operação: 1+0


Banda: 28 MHz
Modulação: 32 Qam
Interleaver: Full
NE1: 0
Aplicar

26
APLICAÇÕES DO PRODUTO

Transmissão: Habilitado
Alimentação: Habilitado
Potência: 18 dBm
Canais de RF: Canais de RF1
Aplicar

5. Após acesse o menu Sistema / Configurações e escolha a opção Salvar configuração atual;

6. Retire o Laptop da Interface NMS do rádio High e coloque na Interface NMS do rádio Low;
7. Execute os passos 2, 3, 4 e 5;
8. A partir desse momento o enlace deverá estar estabelecido;
9. Coloque um testset Ethernet no rádio High e um no rádio Low;
10. Inicialize o testset Ethernet. O testset deverá sincronizar e não contar erros.

27
4 FUNCIONAMENTO

Na operação dos rádios, a configuração é feita através das portas Console e NMS, ambas localizadas no
painel frontal, ou através do Módulo de Gerenciamento.
Os dados provenientes da interface de dados são recebidos e enviados à etapa de FEC e modulação.
O algoritmo de FEC é do tipo Reed-Solomon. A partir de então, é feita a modulação e transmissão do sinal em
FI (frequência intermediária) para a etapa seguinte, que fará o up converter. Neste ponto, haverá a conversão do
sinal de FI para a frequência de RF configurada pelo instalador, conforme o canal que o usuário estiver utilizando.
Este sinal, então, é enviado a um amplificador de potência e, logo após, a um filtro de cavidade, o qual, por fim,
disponibiliza o sinal no conector de RF.
Na recepção, o sinal recebido passa pelo filtro de cavidade e é enviado a um amplificador de baixo ruído
e, logo após, ao down converter que converte o sinal recebido para a frequência de FI. Depois, o sinal de FI é
demodulado, e os pacotes de dados são transmitidos à etapa de controle, que os distribui para os devidos canais de
interface de dados.

4.1 DIAGRAMA DE BLOCOS DO RÁDIO

Config/ Canais de Entrada e DC -48V DC -48V


GER Voz e VF Saída de Main Backup
Alarmes

Fonte Main Fonte Backup

Interfaces
Controle
E1

Interfaces
Gigabit Ethernet Modulação Modulação
Elétricas Demodulação, Demodulação,
Filtro Digital, Filtro Digital,
Equalizador Equalizador
Interfaces e FEC e FEC
Gigabit Ethernet
Ópticas IF Main IF Backup

ODU Main

ODU Backup

28
FUNCIONAMENTO

4.2 PROTEÇÃO 1+1

Para o mecanismo de proteção é indiferente se temos diversidade de espaço ou não. Desta forma, para
descrever o funcionamento podemos dividir estes modos em: sem proteção, Hot-standby (Isofrequencial) e Twin-
Path (Heterofrequencial).
Twin-Path ou Heterofrequencial: nesta configuração as ODUs operam simultaneamente, devendo estar
configuradas para diferentes canais de RF. Os dois enlaces ficarão ativos transportando os mesmos dados de
interface, sendo que na recepção é feito um alinhamento dos pacotes recebidos dos dois enlaces de rádio e
dinamicamente estes são selecionados para as interfaces de recepção. Após os pacotes terem sido alinhados, o
seletor deixa passar o pacote que estiver com o CRC correto, dando preferência aos pacotes do enlace principal,
caso ambos estejam corretos ou errados. Este sistema hitless é conhecido como “comutação antecipada”, pois ele
não espera detectar uma taxa de erro para iniciar a comutação, apresentando pacotes livres de erro na recepção,
permitindo integridade e segurança total do enlace.
Hot-standby ou Isofrequencial: nesta configuração as ODUs operam com seus transmissores de forma
alternada, devendo estar configuradas para os mesmos canais de RF. Assim temos um transmissor operando
enquanto o outro é bloqueado. Ambos devem estar com a potência configurada, pois o bloqueio de um deles é feito
internamente no equipamento. Quanto aos receptores, ambos ficam em operação, recebendo o mesmo sinal de um
dos transmissores remotos. O mesmo sistema de seleção de pacotes hitless permanece ativo, da mesma forma que
o modo Twin-Path. A diferença está no caso de haver uma falha no transmissor, onde ocorrerá uma comutação do
mesmo para o backup ou vice-versa.

4.3 LAÇO DIGITAL LOCAL (LDL) E LAÇO DIGITAL REMOTO (LDR)

Para facilitar a análise e o isolamento de possíveis falhas, os rádios permitem a realização de alguns testes
de laço. Tanto o laço digital local (LDL) quanto o laço digital remoto (LDR) podem ser feitos de forma independente
para cada um dos tributários E1 instalados no equipamento. O laço digital remoto é equivalente ao laço digital local,
porém executado no equipamento remoto.
O laço digital faz com que os dados do canal E1, provenientes da interface de agregado, retornem ao sistema
PDH, e que os dados do tributário E1 retornem para sua interface elétrica. Pode-se acionar laços independentemente
para cada tributário via Gerência, Console ou WEB Config.

Rádio Local Rádio Remoto

ETD Interface Interface ETD

Laço Digital Local

Rádio Local Rádio Remoto

ETD Interface Interface ETD

Laço Digital Remoto

29
FUNCIONAMENTO

4.4 LAÇO DE FI LOCAL

O laço de FI local permite o teste de todos os circuitos de interface, multiplexação e DSP. No diagrama em
blocos abaixo é possível localizar as chaves que executam este teste. Quando executado o laço, o sinal modulado é
chaveado para o DSP de recepção que demodula e retorna ao multiplexador de interfaces.

4.5 FORWARD ERROR CORRECTION - FEC

Os meios utilizados para as transmissões digitais em espaço livre introduzem ruídos. Quando presente em
um meio de transmissão, o ruído e também alguns outros elementos relativos ao próprio meio causam alterações
ou até a perda do sinal digital que está sendo transmitido. A técnica denominada FEC (Forward Error Correction)
permite melhorias na performance sistêmica, através de alterações no sinal digital que está sendo transmitido.
A seguir é descrita a etapa de transmissão do FEC:

Palavras de dados

FEC

Palavras de dados + FEC TX

• A correção é feita junto ao fluxo de dados (não há retransmissões);


• O corretor tem uma alta capacidade de correção, se essa capacidade for esgotada (em um bloco), os
dados são repassados tal qual eles foram recebidos;
• Os dados são divididos em blocos de N bytes;
• Sobre o bloco de dados é aplicada uma função matemática, gerando bytes de redundância (FEC);
• O bloco de dados acrescido dos bytes de FEC é transmitido ao meio externo.

30
FUNCIONAMENTO

A seguir é descrita a etapa de recepção do FEC:

RX Palavras de dados + FEC

FEC

Palavras de dados

• O bloco de dados acrescido dos bytes de FEC é recebido com erros;


• Sobre os bytes recebidos, é aplicada uma função matemática que recupera os bytes de dados, mesmo que
existam erros também nos bytes de redundância (FEC).

4.6 INTERLEAVER

O interleaver é uma técnica que aumenta a eficiência do FEC em caso de presença de ruído impulsivo, o
qual é caracterizado por ser de muito curta duração. Esta técnica consiste em armazenar vários blocos gerados pelo
FEC e fazer um embaralhamento destes. Na recepção os blocos são reordenados e entregues ao FEC. Se ao longo
do enlace houver um ruído bastante concentrado, este será espalhado no tempo em distúrbios menores quando os
blocos forem reordenados. Com isto, o FEC terá capacidade de corrigir todos o blocos.
O interleaver é uma configuração opcional do rádio, pois, devido ao armazenamento de blocos, acaba
inserindo um atraso de propagação de dados muitas vezes indesejado. Por isso, o interleaver pode ser desabilitado
ou ter sua profundidade alterada. A profundidade pode ser “full” (maior espalhamento, porém maior atraso), “half” ou
“quarter”.

4.7 NÍVEL DE SINAL RECEBIDO - RSSI

Em condições normais de temperatura e pressão (CNTP), o nível de sinal de recepção (RSSI) pode depender
das variáveis abaixo:
• Potência de transmissão do equipamento remoto;
• Ganhos das antenas local e remota;
• Atenuação no espaço livre.
Comparando o nível de sinal recebido esperado com o nível medido pelo rádio, podemos ter as seguintes
tolerâncias:
• +/- 1 dB na potência de transmissão;
• +/- 0,5 dB no ganho das antenas (por antena);
• +/- 3 dB na medição do nível de sinal recebido (RSSI) – imprecisão do medidor interno.
Levando em consideração esses fatores, o pior caso para o nível de sinal recebido seria: +/-1, +/-0,5, +/-0,5
e +/-3. Sendo assim, quando ajustarmos a potência para 33 dBm, a tolerância típica, incluindo todas as tolerâncias,
será em torno de 5 dB.
Seguindo esse mesmo raciocínio, a variação poderá também ser diferente para os dois lados do enlace,
visto que a potência de TX e o valor de RSSI podem variar para mais ou para menos. A tolerância de +/- 3 dB na
medição do nível de sinal recebido (RSSI) vale para a faixa de valores que vão desde o nível de saturação até cerca
de 15 dB do valor de limiar e se deve ao fato de o rádio não ter sido projetado para ter a precisão de um Wattímetro
ao realizar tal medição. Para níveis recebidos muito próximos do limiar de recepção dos rádios (10 dB ou menores),
a leitura de RSSI não é suficientemente acurada para ser considerada como referência. Nestes casos se recomenda
o uso de instrumentos externos (medidores de potência ou analisadores de espectro).

31
FUNCIONAMENTO

4.8 QUALIDADE DE SINAL


A medição do parâmetro de qualidade de sinal é feita em DSP pelo próprio demodulador. É feito um cálculo
de erro médio quadrático dos símbolos decodificados. A leitura apresenta valores que podem variar de 0 a 255.
Durante a operação, quanto mais próximo de zero for essa leitura, melhor será a qualidade de sinal.
O comando show radio status mostra a qualidade de sinal. Abaixo é mostrada uma tabela referencial de
correspondência para o SQ do rádio. Essa tabela apresenta os valores passíveis de serem obtidos nas leituras do
SQ e o seu significado.

Modulação Banda (MHz) Ruim Médio Bom Excelente


1024 QAM 55/40/28/14 120 110 90 80
512 QAM 55/40/28/14 120 110 90 75
256 QAM 55/40/28/14 120 100 80 70
128 QAM 55/40/28/14 120 100 70 50
64 QAM 55/40/28/14 120 90 70 40
32 QAM 55/40/28/14 120 80 60 20
16 QAM 55/40/28/14 120 70 60 20
8 QAM 55/40/28/14 120 60 50 15
QPSK 55/40/28/14 120 60 40 10
Os valores de SQ da tabela acima são resultados médios de uma amostra de rádios e servem de orientação
para efeito de alinhamentos e/ou ajustes em campo. Devem ser encarados como indicativos/referências para auxílio
nas atividades de ativação de enlaces.

4.9 CRIPTOGRAFIA AES


O rádio possui um bloco de criptografia implementado em seu multiplexador. Todo o fluxo de dados a
ser transmitido proveniente das interfaces Ethernet é criptografado antes de passar para o modulador digital. Na
recepção, a criptografia é aberta após a etapa de demodulação, durante a demultiplexação.
O tipo de criptografia implementada é a AES (Advanced Encryption Standard) com chave de 128 bits
configurável via CLI. Os rádios local e remoto do enlace precisam estar ambos com a mesma chave configurada
para que se tenha acesso aos dados transmitidos. Segue abaixo um exemplo de configuração:

DSRII# configure terminal


DSRII(config)# radio-config
DSRII(radio-config)# aes enable
DSRII(radio-config)# aes key 0123456789abcdef0123456789abcdef
DSRII(radio-config)# execute
DSRII(radio-config)# quit
DSRII(config)# quit

4.10 SWITCH ETHERNET


O módulo Switch do rádio possui 4 interfaces Gigabit Ethernet Elétricas e 2 interfaces Gigabit Ethernet
Ópticas disponíveis ao usuário e, adicionalmente, uma interface Fast Ethernet Elétrica (NMS) que é exclusiva para
gerência out-of-band. Internamente ao rádio, o switch ainda possui uma interface de controle ligada à CPU e uma
interface Gigabit ligada ao multiplexador do rádio, por onde é feito o transporte de dados ao outro lado.

Config
NMS CPU
GE1
GE2
GE3
GE4
GE5
GBE1
GE6 MUX Rádio

32
FUNCIONAMENTO

O equipamento suporta serviços E-Line EPL (Ethernet Private Line), EVPL (Ethernet Virtual Private Line),
E-LAN (Ethernet Private Lan) e Ethernet Virtual Private Lan. A proteção e redundância apresenta Spanning Tree
(STP, padrão IEEE 802.1d), Rappid Spanning Tree (RSTP, padrão IEEE 802.1w), Multiple Spanning Tree (MSTP,
padrão IEEE 802.1s), Cisco RPVST+ e Agregação de portas incluindo LACP, padrão IEEE 802.3 ad.
O gerenciamento de tráfego e QoS possui classificação de pacotes em VLANs por Porta, Protocolo IEEE
802.1v, Endereço MAC, Sub-rede IP, DiffServ Mode DSCP, Flow Class Criteria, Committed Access Rate, Queuing,
Congestion Management, Traffic Conditioning, Traffic Shaping, Traffic Engineering QoS e Policing. Permite marcação
de pacotes, controle de enfileiramento SP e WWR e a priorização de pacotes segue a recomendação IEEE 802.1p.
Possui chaveamento de nível 2 que permite manipulação de tags de VLANs baseados nos critérios de marcação
VLAN ID (IP Subnet, MAC Address, Class of Service – CoS e DSCP).
A Gerência de configuração, desempenho e OAM pode ser feita por CLI, SNMPv2c/v3, Telnet e SSH.
Também apresenta MIB RMON, NTP e possui funções auxiliares como DHCP, DNS e NAT. Disponibiliza lista de
eventos (Syslog), Ethernet OAM (IEEE 802.3ah) e Ethernet CFM (IEEE 802.1ag), incluindo especificação ITU-T
Y.1731. Possui ainda serviços de Hierarchical Virtual Private LAN Service (H-VPLS).

4.11 AGREGAÇÃO DE TRÁFEGO LAG E PLA


O rádio DSR-IDU2 - 2...38 GHz/400 Mbps na sua implementação 2+0, com e sem XPIC, utiliza a técnica
PLA (Physical Link Aggregation) para realizar a agregação de tráfego. O PLA possui algumas vantagens sobre o
LAG, padrão 802.3ad (LACP) utilizado pelos switches para Link Aggregation.
O LAG opera fazendo uma distribuição de pacotes Ethernet sobre os canais agregados. Esta divisão é feita
através de um algoritmo, onde determinados endereços (MAC ou IP) são atribuídos a um canal ou outro. A eficiência
deste método depende de um número grande de estações trafegando para que estatisticamente a tráfego seja bem
balanceado.
O PLA implementado na IDU é um multiplexador que opera independente do tipo de tráfego. Todos os dados
que ingressam provenientes das interfaces Ethernet e E1 são encapsulados e multiplexados entre os dois canais,
de forma que para o switch exista apenas um canal com a soma das bandas. As vantagens do PLA são a divisão
completa do tráfego e também a agregação correta de canais desbalanceados em banda. O LAG não afere a banda
disponível nos canais, apenas verifica quais canais estão ativos. Se uma dos canais tiver uma redução de banda
devido à atuação da modulação adaptativa poderá haver sobrecarga deste. Já com PLA este problema não ocorre
como está exemplificado nas figuras abaixo.
Outra vantagem é que a IDU possibilita a operação em modulação adaptativa automática (ACM) de forma
desbalanceada nas configurações XPIC e 2+0, ou seja, os esquemas de modulação (e consequentemente as
capacidades) podem ser diferentes em cada sentido do enlace.

4.11.1 CENÁRIO 1 COM LAG


Na figura abaixo temos um exemplo onde duas estações transmitem pacotes a 600 Mbps e 200 Mbps. Com
algoritmo hash realizado pelo LAG, os pacotes de uma estação serão direcionados a um canal de 400 Mbps e a
segunda estação utilizará o outro canal. O resultado é que um dos canais ficará sobrecarregado havendo perda de
pacotes e o outro ficar subutilizado.

33
FUNCIONAMENTO

4.11.2 CENÁRIO 1 COM PLA


Na figura 2 temos o mesmo cenário anterior com o PLA. Neste caso, o switch não fará LAG porque tem
apenas uma porta para up-link com uma banda de 800 Mbps. As estações receberão seu tráfego sem perdas.

4.11.3 CENÁRIO 2 COM LAG


Na figura 3 apresentamos um cenário com canais desbalanceados em banda, um de 400 Mbps e outro de 200
Mbps. O tráfego da estação que for direcionada ao canal menor ficará prejudicado, apresentando perda de pacotes,
enquanto o outro canal maior está subutilizado.

4.11.4 CENÁRIO 2 COM PLA


Na figura 4 temos o mesmo cenário 2, porém com PLA. Neste caso o switch receberá apenas um canal de
600 Mbps, conseguindo atender as duas estações sem perdas.

34
FUNCIONAMENTO

4.12 LIMITAÇÃO DE BANDA DAS PORTAS DO SWITCH

Abaixo segue exemplo de como configurar regras de QoS para limitar a banda nas portas do switch. Esta
configuração deve ser feita de acordo com a taxa máxima do link de rádio definida pela combinação de largura de
banda e modulação.

Comando para saber a banda máxima do link de rádio:


DSRII# show radio idu eth rate
DSRII# Eth rate = 194176 Kbps

Comandos para criar uma regra de QoS de 150 Mbps. No comando police sempre utilizar o parâmetro 2000
após a velocidade em kbps.
DSRII# configure terminal
DSRII(config)# mls qos enable
DSRII(config)# ip-access-list 1 permit any
DSRII(config)# class-map cmap1
DSRII(config-cmap)# match access-group 1
DSRII(config-cmap)# quit

DSRII(config)# policy-map pmap1


DSRII(config-pmap)# class cmap1
DSRII(config-pmap-c)# police 150000 2000 exceed-action drop
DSRII(config-pmap-c)# quit
DSRII(config-pmap)# quit
DSRII(config)#

Comandos para adicionar a regra de QoS à uma porta do switch:


DSRII(config)# interface ge0
DSRII(config-if)# switchport
DSRII(config-if)# bridge-group 1
DSRII(config-if)# service-policy input pmap1
DSRII(config-if)# quit

4.13 CONFIGURAÇÃO DO IP DE GERÊNCIA E DA ROTA DEFAULT

No caso de utilização da gerência in-band, o IP de acesso deve ser configurado na vlan de gerência. Segundo
as configurações atuais de fábrica, a vlan destinada a tal propósito é a de número 2. A máscara de sub-rede deve ser
informada em número de bits e inserida logo após o IP, como no exemplo abaixo, onde ela está configurada como
sendo de 24 bits.
DSRII> enable
DSRII# configure terminal
DSRII(config)# interface vlan1.2
DSRII(config-if)# ip address 192.168.20.2/24
DSRII(config-if)# quit
DSRII(config)# quit
DSRII# write

Caso a gerência seja out-band e a porta GE2 for destacada para esse fim, o IP deverá ser configurado na
própria porta:
DSRII# interface ge2
DSRII(config-if)# ip address 192.168.20.2/24

Se houver um gateway para troca de rede, entre com o comando abaixo para configurar uma rota default
para o IP do gateway da rede.
DSRII> enable
DSRII# configure terminal
DSRII# ip route 0.0.0.0/0 192.168.30.1
35
FUNCIONAMENTO

4.14 CONFIGURAÇÃO REMOTA


A configuração dos rádios pode ser acessada remotamente através de qualquer porta do switch, bastando
para isto que a mesma pertença a uma vlan com endereço IP atribuído. Criando uma mesma vlan no rádio remoto
com um endereço IP atribuído, assim que o link de rádio estiver estabelecido, será possível acessá-lo também. No
caso de haver mais enlaces formando uma rota, pode-se interligá-los através das interfaces Ethernet, estendendo o
acesso à configuração dos mesmos. Seguem abaixo as diferentes formas de acesso remoto Ethernet:
• Telnet/SSH: através de terminais cliente;
• SNMP: através do Módulo de Gerência DMS adquirido separadamente;
• WEB Config: através de um Web Browser.
O rádio também possui um servidor telnet, para que, uma vez conectado através da console local, se possa
acessar equipamentos remotos de uma mesma rota. No capítulo 7 estão listados todos os comandos do rádio com
sua sintaxe detalhada. Abaixo seguem instruções de como configurar o acesso remoto.
DSRII# configure terminal
DSRII(config)# ip route 0.0.0.0/0 xxx.xxx.xxx.xxx (gateway)
DSRII(config)# interface vlan1.2
DSRII(config-if)# ip address xxx.xxx.xxx.xxx/24
DSRII(config-if)# quit
DSRII(config)# quit
DSRII# write
DSRII# telnet xxx.xxx.xxx.xxx

Obs.: Em um enlace na qual o link está ativo, qualquer modificação que altere as condições de enlace deverá
ser executada primeiramente no rádio remoto. Após modificar e executar, o enlace irá cair e a conexão com o terminal
de console remoto irá travar. Para desbloquear execute o seguinte procedimento:
Use a sequência de teclas:
“CTRL + ç” e depois selecione a opção “e”.
Após isso, o terminal será desbloqueado e será possível configurar o rádio local.

4.15 CONTROLE AUTOMÁTICO DE POTÊNCIA - ATPC

A intensidade do sinal transmitido é um fator determinante na cobertura do sinal. O sinal deve ser intenso o
suficiente para que possa ser recebido pelo equipamento na ponta remota do enlace mesmo durante períodos em
que ocorram ruídos, interferências ou degradação de sinal.
Se por um lado uma potência de transmissão elevada proporciona disponibilidade durante períodos com
atenuação adicional, por outro acarreta um problema em condições de baixa atenuação, uma vez que um sinal
excessivamente intenso causará interferência em outros enlaces que estejam operando nas mesmas frequências.
O ATPC (Automatic Transmit Power Control) consiste em um sistema que varia automaticamente a potência
de transmissão, em função do nível de sinal recebido do rádio remoto. Portanto, por meio da monitoração contínua
do nível de sinal na recepção e o envio de sinais de controle para a estação transmissora, busca-se manter a
qualidade e disponibilidade do serviço, tornando, assim, o enlace mais robusto.
A faixa de atuação do ATPC, assim como a potência de transmissão dos rádios, é configurável em passos
de 1dB e varia de 17 a 30 dBm.
Antes de habilitar o ATPC, o usuário deve definir os limites máximo é mínimo de potência e o valor desejado
de RSSI. Dentro dos limites configurados o transmissor irá controlar a potência automaticamente, de forma a tentar
manter o nível de recepção configurado.
Comandos para configurações de ATPC:
DSRII# configura terminal
DSRII(config)# radio odu main atpcmin 17 (Configura a potência mínima para 17 dBm)
DSRII(config)# radio odu main atpcmax 30 (Configura a potência máxima para 30 dBm)
DSRII(config)# radio odu main rssi 40 (Configura o rssi desejado para -40 dBm)
DSRII(config)# radio odu main enable on

36
FUNCIONAMENTO

4.16 MODULAÇÃO ADAPTATIVA - ACM

Possibilita ao sistema atuar automaticamente na modulação empregada em presença de situações


anômalas de propagação e/ou interferência. Ao ser detectada a degradação da qualidade do sinal, o sistema reduz
automaticamente o esquema de modulação até então empregado para outro mais robusto, descartando tráfego não
priopritário (previamente definido). Tal ação perdura durante todo o período de ocorrência da referida degradação.
Essa técnica é aplicável nas situações em que as condições atmosféricas (chuvas) e/ou do ambiente rádio
elétrico alteram o comportamento de propagação, e baseia-se em critérios de qualidade de sinal recebido.
Ao ser ligado pela primeira vez ou na eventualidade da perda de sincronismo, o rádio configura seu
modulador para QPSK e permanece assim até que o enlace seja estabelecido. Assim que obtém sincronismo, um
canal secundário é estabelecido para que as modulações sejam negociadas entre os rádios local e remoto.
Havendo uma relação sinal ruído (SNR) boa e sem taxa de erro, os dois rádios do enlace negociam de forma
síncrona e sem interrupção do fluxo de dados a troca da modulação para o próximo nível superior. Serão realizadas
as trocas obedecendo a sequência de modulações disponíveis, até a maior modulação, ou até que a relação sinal
ruído (SNR) seja insuficiente para permitir a subida ao próximo nível de modulação.
Da mesma forma, caso ocorra uma degradação da SNR recebida ou o decodificador detecte uma tendência
à taxa de erro, a modulação é trocada para o próximo nível inferior. As trocas de modulação, tanto para um nível
superior, quanto inferior, poderão ocorrer a qualquer momento, sucessivamente, sempre que houver alteração
nas condições de propagação. Toda a troca de modulação é “hitless”, ou seja, ela ocorre sem causar interrupção
de tráfego. Apenas a taxa de transmissão de dados da interface Ethernet é ajustada conforme as modulações
disponíveis.

4.17 CANCELADOR DE INTERFERÊNCIA DE POLARIZAÇÃO CRUZADA - AXPIC

Trata-se de um dispositivo de contramedida, cujos parâmetros se ajustam automaticamente com o objetivo


de cancelar a interferência de polarização cruzada. Esse método possibilita um maior aproveitamento do espectro,
dobrando a capacidade de transmissão.
O DSR-IDU2 - 2...38 GHz/400 MHz possui tecnologia AXPIC (Adaptive Cross-Polarization Interference
Canceller), que permite dobrar a capacidade de transmissão de dados. Este rádio possui dois circuitos completos
de transmissão e recepção e duas saídas para antena, uma vertical e outra horizontal. O tráfego de dados é dividido
entre dois circuitos e transmitido simultaneamente no mesmo canal de RF, porém com polarizações diferentes na
antena. A técnica de DSP de cancelamento de interferência cruzada é implementada nos dois circuitos de recepção
que passam referência de sinal um para o outro, de forma a que o receptor horizontal possa filtrar a interferência
vertical e vice-versa. Assim, os dois receptores podem entregar os dois feixes de dados ao demultiplexador, da
mesma forma que foram montados pelo multiplexador de transmissão.
A figura abaixo mostra graficamente o aproveitamento espectral que esta tecnologia oferece. Com o AXPIC
consegue-se a mesma taxa efetiva de dados transmitidos com a metade da banda espectral.
O DSR-IDU2 - 2...38 GHz/400 MHz foi especificado para conseguir separar os sinais interferidos em até 20
dB, que é um valor típico de rejeição por polarização cruzada de antenas disponíveis no mercado.

Mbps
Mbps 900 Mbps
450 Mbps 450 Mbps
Canal 1
Canal 1 Canal 2 Vertical
Sem AXPIC Com AXPIC
BW
56 MHz 56 MHz BW Canal 2
Horizontal
112 MHz
56 MHz

37
FUNCIONAMENTO

4.18 AGREGAÇÃO DE CANAIS

Com o DSR-IDU2 - 2...38 GHz/400 MHz é possível agregar dois canais de 14 MHz ou de 28 MHz em uma
mesma ODU, permitindo assim uma operação em 2+0 com um modelo de IDU 1+0 e apenas uma ODU. Para o
modelo de IDU 2+0 com duas ODUs, é possível fazer uma dupla agregação, utilizando-se 2 canais de RF em cada
ODU. Desta forma, podemos ter um sistema 4+0.
Veja abaixo as opções do comando de configuração de banda.

DSRII(radio-config)# bandwidth ?
14MHz 14MHz
14MHz+14MHz Dual Channel 14MHz
28MHz 28MHz
28MHz+28MHz Dual Channel 28MHz
40MHz 40MHz
56MHz 56MHz

4.19 BLOQUEIO DO EQUIPAMENTO

O DSR-IDU2 - 2...38 GHz/400 MHz opera com base em licenças de funcionamento. Há dois tipos de licenças
disponíveis: temporária e permanente. A licença temporária tem um prazo de validade estipulado, que, quando
expirado, bloqueia a operação do equipamento. Já a licença permanente não tem prazo de validade, ou seja, a
operação do equipamento está liberada por tempo indeterminado.
A ação de bloqueio do equipamento atua diretamente na sua funcionalidade de transmissão de dados, que
é efetivamente bloqueada. Porém, mesmo com o bloqueio ativo, ainda é possível acessar e gerenciar o equipamento
local e remotamente. O bloqueio ocorre na data definida no momento da geração da chave de licença temporária,
independentemente da data configurada no equipamento. Isso é possível, porque no equipamento o prazo de
validade da licença é controlado com base no número de horas contabilizado a partir da inserção da chave.
A sinalização visual de bloqueio pelo equipamento é indicada através do LED RDY, que passa a piscar
alternadamente nas cores verde e vermelha quando o equipamento estiver bloqueado. Também é possível identificar
a condição de bloqueio através do banner visualizado na CLI. Além disso, quanto ao Sistema de Gerência (SNMP),
uma trap diária passa a ser enviada assim que for detectado que o tempo restante da licença é menor do que 7 dias.
Procedimento para desbloqueio do equipamento:
1) Digite o comando abaixo para gerar um token de desbloqueio:
DSRII# license generate-token
Token: tqvXXe399452uSAK
O token de desbloqueio é constituído de uma sequência de 16 caracteres fornecida pelo equipamento
que se pretende desbloquear. O token gerado por um determinado equipamento não poderá ser utilizado para
desbloquear outro. O prazo de validade de um token é de 7 dias. Se esse prazo expirar, um novo token deverá ser
gerado. Toda vez que um token é gerado, o anterior é invalidado automaticamente, de modo que não existem dois
tokens válidos simultaneamente para um mesmo equipamento. Reiniciar o equipamento antes de inserir a chave de
desbloqueio ou tentar inserir uma chave de desbloqueio sem sucesso por 3 vezes seguidas invalida o token.
2) Informe o código do token gerado à Digitel, para que seja providenciada a geração da chave de desbloqueio.
A chave de desbloqueio compõem-se de uma sequência de 22 caracteres e somente poderá ser aplicada
com sucesso se o token que a originou ainda for válido no equipamento. É a chave de desbloqueio que contém as
informações do tipo de licença de funcionamento concedida (temporária ou permanente).
3) Após o recebimento da chave, entre com ela no equipamento através do comando abaixo:
DSRII# license 3gtHeg399452399459rzcm
Uma vez desbloqueado, o equipamento volta a operar normalmente e o usuário tem total liberdade para
modificar quaisquer configurações, incluindo data e hora, sem afetar ou comprometer o tempo de validade da licença
de funcionamento.

38
5 SISTEMA DE GERENCIAMENTO - DMS-CS

O DMS-CS é um sistema de gerenciamento desenvolvido pela DIGITEL, que permite a gerência de


produtos DIGITEL a partir de uma arquitetura Cliente-Servidor, através do protocolo padrão SNMP (Simple Network
Management Protocol - RFC 1157) versão 2, em redes Ethernet e conexões remotas via protocolo TCP/IP.
O sistema de Gerenciamento proporciona:
• Automatização do processo de gerenciamento;
• Visualização completa da rede de equipamentos gerenciados;
• Identificação rápida de circuitos inoperantes na rede;
• Redução dos custos de atendimento em campo;
• Melhoria no índice de atendimento a clientes.

IMPORTANTe:
O sistema de gerenciamento DMS-CS não é fornecido com os rádios.

5.1 CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA DE GERÊNCIA DMS-CS

• Facilidade de instalação e operação (Interface intuitiva);


• Portabilidade do sistema em diversas plataformas;
• Sistema internacionalizado em português (padrão) e inglês;
• Facilidade na distribuição e compartilhamento das informações;
• Alta capacidade de expansão da rede de gerência;
• Alta disponibilidade;
• Possibilidade de integração com outras aplicações (Web services);
• Facilidade de organização dos equipamentos da rede através de mapas (grupos);
• Utilização de mapas geográficos;
• Rápida identificação das falhas do sistema;
• Configuração de severidade dos eventos recebidos;
• Relatórios on-line através da Web;
• Segurança do sistema através do cadastro de usuários.

O Sistema DMS-CS é arquitetado num ambiente de máquina virtual JAVA e, portanto, pode ser utilizado em
diversas plataformas, tais como Windows Vista, Windows XP, Windows 2000, Windows Millenium, Windows 98, Linux
Fedora, Solaris, HP-UX ou qualquer outra plataforma que implemente este ambiente. Além disso, por trabalhar com
conexões JDBC, pode conectar-se a qualquer banco que permita esta facilidade. Para maiores informações sobre
as plataformas que implementam a JVM (Java Virtual Machine), visite http://www.java.sun.com.
O sistema interage com uma base de dados para realizar o armazenamento da topologia e das informações
do estado de cada equipamento. O banco de dados utilizado é independente do sistema, podendo este ser um ban-
co de dados PostgreSQL, MySQL ou ORACLE. O banco de dados distribuído junto com o DMS-CS é o PostgreSQL,
que até o momento da elaboração deste documento, é de código aberto e gratuito.
A arquitetura da aplicação de gerência de redes do Sistema DMS-CS tem como base a arquitetura pa-
drão da plataforma J2EE com algumas variações. J2EE é uma plataforma aberta, orientada a componentes, para
desenvolver, instalar e gerenciar aplicações corporativas no lado de servidor. Os componentes da aplicação são
divididos de acordo com sua função e podem ser instalados em diferentes máquinas dependendo da camada a qual
pertencem no ambiente multicamadas do J2EE. Uma arquitetura multicamadas provê uma melhor separação das
responsabilidades de cada componente, e, por consequência, uma melhor manutenibilidade da aplicação.
A solução desenvolvida pelo Sistema DMS-CS é constituída de três processos que podem ou não ser exe-
cutados na mesma máquina. São eles: Servidor de Aplicações (contém o Servidor de gerência SNMP e o servidor
JMS), Trap Listener e Aplicação Cliente.
• Servidor de Gerenciamento SNMP: responsável por prover serviços para o gerenciamento de elementos
em uma rede via protocolo SNMP;
• Trap Listener: responsável por receber Traps SNMP dos elementos da rede e notificar sua chegada ao
servidor de Gerenciamento ou apenas repassá-las a outro sistema;
• Aplicação Cliente: responsável por disponibilizar uma interface gráfica para o usuário do sistema, da qual
este acessará os serviços disponibilizados pelo Servidor de Gerenciamento SNMP.

39
SISTEMA DE GERENCIAMENTO - DMS-CS

O software DMS-CS é composto de um módulo CORE, que é único para todas as linhas de produtos
DIGITEL e módulos específicos para cada produto, isto é, podem ser distribuídos separadamente, conforme a
necessidade de cada usuário. Isto facilita a incorporação de gerenciamento de novos produtos.
Cada linha de produtos possui sua MIB (Management Information Base) específica, que são informações
proprietárias. Tais informações, chamadas de “objetos da MIB”, é que tornam possível o gerenciamento de cada
equipamento. A MIB e seus objetos estão disponíveis para o sistema, através dos Módulos DMS-CS, que são
arquivos nos formatos *.ear e *.jar, que devem ser adicionados ao sistema de gerenciamento (servidor e clientes),
de acordo com os equipamentos que se deseja gerenciar.

5.2 GERÊNCIA DE CONFIGURAÇÃO

Como o DMS-CS possui todo o seu gerenciamento de configuração baseado em módulos, cada equipamento
(agente SNMP), possui um módulo específico, o qual é responsável pela sua configuração e reconhecimento de
eventos.
Todas as informações de configuração contidas nos equipamentos são armazenadas pelo servidor de
gerência na base de dados. Isso torna possível que, mesmo que o equipamento fique incomunicável, o operador
consiga consultar o seu último status de configuração.
Para que um equipamento seja reconhecido pelo DMS-CS, é necessário que o módulo responsável pela
configuração do mesmo esteja instalado no servidor e nos clientes.

ATENÇÃO:
Cada módulo possui arquivos de instalação específicos para servidor e cliente.

5.3 GERÊNCIA DE FALHAS

A plataforma de gerenciamento DMS-CS oferece uma ferramenta de detecção, notificação e repasse de


falhas em agentes SNMP. Através da recepção de traps SNMP, o sistema pode, além de informar ao usuário sobre
o tipo e grau de severidade da falha, tomar ações sobre elas como o envio de e-mail, emissão de alarme sonoro,
execução de comandos e etc.
O sistema de falhas é totalmente personalizável, se ajustando às necessidades dos clientes.

5.4 ALTA DISPONIBILIDADE

A arquitetura J2EE sobre a qual foi projetado e desenvolvido o DMS-CS segue uma estruturação n-tiers,
que permite a execução em vários servidores paralelos, criando um cluster dos serviços que trabalham juntos. Essa
redundância tem como objetivo executar o serviço com características de alta disponibilidade e/ou balanceamento
de carga. O servidor de aplicação JBoss suporta dois tipos de arquitetura de cluster: client-side interceptors ou load
balancers.

5.5 CAPACIDADE DE GERENCIAMENTO

O DMS-CS é um sistema de gerência robusto, altamente escalável e disponível. Sua capacidade de


gerenciamento é definida de acordo com a dimensão do hardware que o suporta.
Além da alta capacidade de gerenciamento de grandes redes, o DMS-CS suporta um grande número de
acessos simultâneos. As características da plataforma J2EE implementadas pelo JBoss garantem ao DMS-CS
server uma alta capacidade de gerenciamento de transações e requisições feitas a partir das estações clientes.
Para maiores detalhes, consulte o manual do Sistema de Gerência DMS.

40
SISTEMA DE GERENCIAMENTO - DMS-CS

5.6 REQUISITOS DO SISTEMA

5.6.1 SOLUÇÃO TECNOLÓGICA

A seguir, a título de exemplo, é apresentado um cenário para satisfazer uma necessidade de alta
disponibilidade para uma planta de até 5.000 elementos. A DIGITEL compõe e oferece a arquitetura mais adequada
às necesidades de seus clientes, com base na estrutura de rede e dimensão dos elementos a serem gerenciados.

Site 1 Site 2
Lan/Wan
Switch 1 Switch 2 Switch 3 Switch 4

SBD SBD
Servidor de Servidor de
Banco de Banco de
Dados Dados

SAP SAP
Servidor de Servidor de
Aplicação 1 Estação de Aplicação 1
Storage 1 Gerência Storage 2

5.6.2 EQUIPAMENTOS ENVOLVIDOS

O cenário apresentado acima utiliza em cada site dois Switches, um Servidor de Aplicação (SAP), um
Servidor de Banco de Dados (SBD) e um Storage. Dada a velocidade da evolução tecnológica dos computadores
disponíveis no mercado, deixamos de citar as características individuais destes.
Em síntese, esses equipamentos possuem a seguinte função:
Switch: Interligação dos equipamentos na rede;
Servidor de Aplicação (SAP): Equipamento onde é instalado o Sistema de Gerenciamento DMS-CS;
Servidor de Banco de Dados (SBD): Equipamento onde é instalado o Software de Gerência do Banco de
Dados (SGBD), podendo ser ORACLE, MySQL ou PostgreSQL.
Storage: Equipamento onde são armazenadas todas as informações do sistema de gerência.

41
6 INSTALAÇÃO

Esta seção apresenta alguns detalhes importantes sobre a instalação do produto. Não pretende apresentar
todos os aspectos de uma instalação de rádio, mas sim algumas observações importantes e específicas. Qualquer
instalação de rádio deve ser feita por pessoas devidamente qualificadas e treinadas para este fim. Todas as interfaces
do rádio, materiais de instalação fornecidos pela DIGITEL, bem como os procedimentos aqui indicados seguem as
normas vigentes da ABNT.

6.1 PRÉ-INSTALAÇÃO

Certifique-se de que o local de instalação está pronto e de que tudo está preparado para prosseguir com a
instalação.
Utilize as listas a seguir para verificar os componentes necessários para a instalação e conexão.
Lista de equipamento para conexão:
• Unidades de rádio (Indoor e Outdoor);

• Kit de Fixação da ODU;

Lista de materiais (não incluídos - adquiríveis):


• Proteção contra as intempéries (fita de autofusão);
• Kit de aterramento;
• Proteção contra descargas atmosféricas (protetores de surto)
• Conjunto cabo de FI para conexão da Unidade Indoor à Outdoor, com conectores tipo TNC;
• Kit de cabos de alimentação, de aterramento, de sinal (elétrico e óptico) e de alarmes;
• Fixadores de cabo FI;
• Duas antenas;
• Suportes para fixação das antenas/ODU.

6.2 PROCEDIMENTO DE INSTALAÇÃO

A seguir é descrito o procedimento para a instalação dos rádios. Recomenda-se a utilização das ferramentas
e equipamentos de instalação e teste que são listados a seguir.
A lista de ferramentas abaixo é recomendada para a instalação do produto (não incluídos - adquiríveis):

42
INSTALAÇÃO

• Conjunto de chaves Allen;

• Conjunto de chaves de boca;

• Jogo de chaves de fenda e Phillips;

• Alicate de corte e
alicate de bico (comprido);

• Estilete pequeno;

• Alicate de Crimpagem (conector RJ45);

• Ferro de Solda e Solda.

43
INSTALAÇÃO

6.2.1 INSTALAÇÃO DA UNIDADE INDOOR (IDU)

• Instale o kit de fixação (constituído de 4 parafusos gaiola) no bastidor;


• Fixe a Unidade Indoor em um sub-bastidor padrão para equipamentos (19”) ou sobre uma mesa em que o
ar circule livremente;

Alimentação DC Saídas de FI
para as ODUs
Aterramento de carcaça

Barra de Aterramento do Rack Patch panel 16E1

• Certifique-se de que as condições ambientais do local sejam adequadas. A temperatura não deverá
exceder aos valores garantidos discriminados nas características técnicas do produto. Com o equipamento desligado,
conecte os cabos de alimentação e aterramento. Importante: o terra do chassi da IDU e o terra da alimentação
devem estar conectados ao mesmo ponto da malha de terra da estação (vide Item 6.5 deste capítulo);
• Em sistemas 1+0, ligue o conector de FI da Unidade Indoor ao conector de FI da Unidade Outdoor através
de um cabo de FI (LMR 400, RGC-58, RGC-8 ou RGC-213). Isto deverá ser feito depois que a IDU e a ODU
estiverem instaladas e com os equipamentos obrigatoriamente desligados.

Antena

Unidade Outdoor
Unidade Indoor

Cabo de FI
Sistema 1+0 de 6 a 38 GHz

• Em sistemas 1+1 e 2+0, ligue os conectores de FI da Unidade Indoor aos conectores de FI das Unidades
Outdoor através de cabos de FI (LMR 400, RGC-58, RGC-8 ou RGC-213). Isto deverá ser feito depois que a IDU e
as ODUs estiverem instaladas e com os equipamentos obrigatoriamente desligados.

44
INSTALAÇÃO

Unidades Outdoor

Antena
Unidade Indoor

Cabos de FI

Sistemas 1+1 e 2+0 de 6 a 38 GHz

Antena
Unidade Outdoor

Unidade Indoor

Cabo FI

Sistema 1+0 de 2,2GHz

NOTA:
O Cabo de FI RGC-58 é indicado para comprimentos de até 50 metros. Para comprimentos de até 250 metros, é
possível usar cabos RGC-8, RGC-213 ou LMR 400. Comprimentos ainda maiores são permitidos, mas exigem outros
tipos de cabos, cujas especificações serão fornecidas sob consulta técnica.

45
INSTALAÇÃO

6.2.2 INSTALAÇÃO DA UNIDADE OUTDOOR (ODU)

A Unidade Outdoor é acompanhada de um Kit de Fixação Outdoor, que poderá variar de modelo dependendo
dos seguintes fatores:
a) Tipo de ODU (2,2 / 6 / 6,7 / 7,5 / 8 / 8,5 / 11 / 15 / 18 / 23 / 38 GHz);
b) Tipo de antena a ser usada (0,3 m, 0,6 m, 1,2 m, 1,8 m, 2,4 m ou maiores);
c) Configuração 1+0, 1+1 ou 2+0.
Certifique-se de posicionar a ODU suficientemente distante de qualquer lugar onde possam se formar poças
d’água pela ação da chuva, principalmente quando a instalação for feita em topos de prédios. Faça o aterramento
da ODU utilizando o parafuso de aterramento localizado próximo à válvula Gore, conforme demonstrado na figura
abaixo. Normalmente, o fio utilizado para aterramento é um fio com bitola de 6 mm.
Em caso de instalação no telhado, utilize o fio terra para ligar o terminal de aterramento da ODU à proteção
contra raios e ao sistema de aterramento da estrutura de suporte.
Para instalação em uma torre, utilize o sistema de aterramento da torre ou faça o aterramento através da
própria torre, mas certifique-se antes se a torre está devidamente aterrada. Se um fio terra for instalado, este deve
ser firmemente fixado ao sistema de aterramento na base da torre.

Aterramento

Válvula Gore (Pressão)


Flange
Conector RSSI (BNC Fêmea)

Conector FI (TNC Fêmea)

Unidade Outdoor

46
INSTALAÇÃO

6.2.3 ACOPLAMENTO DA ANTENA COM A ODU

As ODUs são acopladas às antenas através de kits de aclopamento. Neste caso, siga os passos a seguir
para fazer o acoplamento corretamente.

a) No modelo 1+0, fixe o kit de acoplamento na parte traseira da antena. Depois, acople a ODU de forma
que as presilhas fiquem pressionadas junto aos ganchos, conforme apresentado nas figuras abaixo.

Presilhas de fixação

Ganchos

Acoplamento 1+0

b) No modelo 1+1, fixe primeiramente o kit de acoplamento ao RF Coupler e, em seguida, à antena. Logo
após, fixe as ODUs ao RF Coupler, conforme apresentado nas figuras abaixo.

c) Antes de apertar cada uma das presilhas de fixação, verifique se a flange da ODU está conectada
corretamente à flange da antena, no caso do 1+0, ou à flange do RF Coupler, no caso do 1+1. Em seguida, trave
as presilhas de fixação nos respectivos ganchos.

47
INSTALAÇÃO

Os kits de acoplamento são divididos por frequências e a sua relação e composição estão detalhadas na
tabela abaixo:

Tipo Código Descrição


1 844.0200.00-3 Kit 1+0 acoplado 7,5GHz_8,0GHz_8,5GHz_15GHz
2 844.0223.00-3 Kit 1+0 acoplado 18GHz
3 844.0212.00-1 Kit 1+1 acoplado ODU 7,5GHz_8,0GHz_8,5GHz
4 844.0213.00-8 Kit 1+1 acoplado ODU 15GHz
5 844.0214.00-4 Kit 1+1 acoplado ODU 18GHz
6 844.0222.00-7 Kit 1+0 não acoplado 2,2GHz
7 844.0209.00-0 Kit 1+0 não Acoplado 7,5GHz_8,5GHz
8 844.0210.00-9 Kit 1+0 não Acoplado 15GHz
9 844.0211.00-5 Kit 1+0 não Acoplado 18GHz
10 844.0224.00-0 Kit 1+1/2+0 não acoplado 2,2GHz
11 844.0203.00-2 Kit 1+1 não acoplado 7,5_8,5GHz
12 844.0204.00-9 Kit 1+1 não acoplado 15GHz
13 844.0205.00-5 Kit 1+1 não acoplado 18GHz
14 844.0224.00-0 Kit 1+1/2+0 não acoplado 2,2GHz
15 844.0219.00-6 Kit 2+0 não acoplado 7,5GHz, 8GHz, 8,5GHz, 15GHz, 18GHz
16 844.0220.00-4 Kit 2+0 não acoplado 15GHz
17 844.0221.00-0 Kit 2+0 não acoplado 18GHz

48
INSTALAÇÃO

6.2.3.1 Link 1+0 com ODU de 7,5 GHz, 8 GHz, 8,5 GHz e 15 GHz acoplado

Nesse caso, a ODU é acoplada diretamente à antena, como demonstrado na figura abaixo.

7,5 / 8,0 / 8,5 / 15 GHz - Acoplamento direto das antenas usando o Kit 844.0200.00-3

Observação:
Os componentes e a montagem da antena devem seguir a orientação do fabricante da mesma.

Composição do Kit:

1 844.0200.00-3 - Kit 1+0 acoplado 7,5 GHz _ 8,0 GHz _ 8,5 GHz _ 15 GHz
Item Qtde Descrição dos materiais
1 8 Parafuso M3
2 8 Arruela pressão M3
3 8 Arruela lisa M3
4 4 Presilha para Fixação ODU
5 4 Parafuso M8x20 cabeça sextavada
6 4 Arruela pressão 8,0 x 2 mm
7 4 Arruela lisa 8,0 x 2 mm
8 2 Pino guia de alinhamento ODU
9 1 Suporte ODU/Antena

49
INSTALAÇÃO

6.2.3.2 Link 1+0 com ODU de 18 GHz acoplado

Nesse caso, a ODU é acoplada diretamente à antena, como demonstrado na figura abaixo.

18 GHz - Acoplamento direto das antenas usando o Kit 844.0223.00-3

Observação:
Os componentes e a montagem da antena devem seguir a orientação do fabricante da mesma.

Composição do Kit:

2 844.0223.00-3 - Kit 1+0 acoplado 18 GHz


Item Qtde Descrição dos materiais
1 8 Parafuso M3
2 8 Arruela pressão M3
3 8 Arruela lisa M3
4 4 Presilha para Fixação ODU
5 4 Parafuso M8x20 cabeça sextavada
6 4 Arruela pressão 8,0 x 2 mm
7 4 Arruela lisa 8,0 x 2 mm
8 2 Pino guia de alinhamento ODU
9 1 Suporte ODU/Antena

50
INSTALAÇÃO

6.2.3.3 Link 1+1 com ODU de 7,5 GHz, 8,0 GHz e 8,5 GHz acoplado

Nesse caso, as ODUs são acopladas diretamente à antena, como demonstrado na figura abaixo.

7,5 / 8,0 / 8,5 GHz - Acoplamento direto das antenas usando o Kit 844.0212.00-1

Observação:
Os componentes e a montagem da antena devem seguir a orientação do fabricante da mesma.

Composição do Kit:

3 844.0212.00-1 - Kit 1+1 acoplado ODU 7,5 GHz _ 8,0 GHz _ 8,5 GHz
Item Qtde Descrição dos materiais
1 12 Parafuso 8x20 cabeça sextavada
2 12 Arruela pressão 8,0 x 2 mm
3 12 Arruela lisa 8,0 x 2 mm
4 2 Suporte ODU/Coupler
5 1 Suporte Coupler/Antena
6 4 Arruela lisa M10
7 4 Arruela pressão M10
8 4 Parafuso M10
9 16 Parafuso M3
10 16 Arruela pressão M3
11 16 Arruela lisa M3
12 8 Presilha de Fixação ODU
13 6 Pino guia de alinhamento ODU
14 1 Coupler 7,5 GHz / 8,0 GHz / 8,5 Ghz

51
INSTALAÇÃO

6.2.3.4 Link 1+1 com ODU de 15 GHz acoplado

Nesse caso, as ODUs são acopladas diretamente à antena, como demonstrado na figura abaixo:

15 GHz - Acoplamento direto das antenas usando o Kit 844.0213.00-8

Observação:
Os componentes e a montagem da antena devem seguir a orientação do fabricante da mesma.

Composição do Kit:

4 844.0213.00-8 - Kit 1+1 acoplado ODU 15 GHz


Item Qtde Descrição dos materiais
1 16 Parafuso M3
2 16 Arruela pressão M3
3 16 Arruela lisa M3
4 8 Presilha para Fixação ODU
5 2 Suporte ODU/Coupler
6 1 Coupler 15 GHz
7 4 Arruela lisa M10
8 4 Arruela pressão M10
9 4 Parafuso M10
10 1 Suporte Coupler/Antena
11 12 Parafuso M8x20 cabeça sextavada
12 12 Arruela pressão 8,0 x 2 mm
13 12 Arruela lisa 8,0 x 2 mm
14 6 Pino guia de alinhamento ODU

52
INSTALAÇÃO

6.2.3.5 Link 1+1 com ODU de 18GHz acoplado



Nesse caso, as ODUs são acopladas diretamente à antena, como demonstrado na figura abaixo.

18 GHz - Acoplamento direto das antenas usando o Kit 844.0214.00-4

Observação:
Os componentes e a montagem da antena devem seguir a orientação do fabricante da mesma.
Composição do Kit:

5 844.0214.00-4 - Kit 1+1 acoplado ODU 18 GHz


Item Qtde Descrição dos materiais
1 16 Parafuso M3
2 16 Arruela pressão M3
3 16 Arruela lisa M3
4 8 Presilha de Fixação ODU
5 2 Suporte ODU/Coupler
6 1 Coupler 18 GHz
7 4 Arruela lisa M10
8 4 Arruela Pressão M10
9 4 Parafuso M10
10 1 Suporte Coupler/Antena
11 12 Parafuso M8x20 cabeça sextavada
12 12 Arruela pressão 8,0 x 2 mm
13 12 Arruela lisa 8,0 x 2 mm
14 6 Pino guia de alinhamento ODU

53
INSTALAÇÃO

6.2.3.6 Link 1+0 com ODU de 2,2 GHz não acoplado

Nesse caso, a ODU não é acoplada diretamente à antena, como demonstrado na figura abaixo.

2,2 GHz - Fixado à antena usando o kit 844.0222.00-7

6 844.0222.00-7 - Kit 1+0 não acoplado 2,2 GHz


Item Qtde Descrição dos materiais
1 8 Parafuso M3
2 8 Arruela pressão M3
3 8 Arruela lisa M3
4 4 Presilha para Fixação ODU
5 1 Suporte ODU/POLIMONTE
6 1 Cabo FI
7 2 Abraçadeira com parafusos e porcas

54
INSTALAÇÃO

6.2.3.7 Link 1+0 com ODU de 7,5 GHz, 8,5 GHz não acoplado

Nesse caso, a ODU não é acoplada diretamente à antena, como demonstrado na figura abaixo.

7,5 GHz _ 8,5 GHz - Fixado à antena usando o kit 844.0209.00-0

7 844.0209.00-0 - Kit 1+0 não acoplado 7,5 GHz _ 8,5 GHz


Item Qtde Descrição dos materiais
1 8 Parafuso M3
2 8 Arruela pressão M3
3 8 Arruela lisa M3
4 4 Presilha de Fixação ODU
5 1 Suporte ODU/Polimonte
6 1 Guia de onda 7,5 _ 8,5 GHz
7 2 Abraçadeira com parafusos e porcas

55
INSTALAÇÃO

6.2.3.8 Link 1+0 com ODU de 15 GHz não acoplado

Nesse caso, a ODU não é acoplada diretamente à antena, como demonstrado na figura abaixo.

15 GHz - Fixado à antena usando o kit 844.0210.00-9

8 844.0210.00-9 - Kit 1+0 não acoplado 15 GHz


Item Qtde Descrição dos materiais
1 8 Parafuso M3
2 8 Arruela pressão M3
3 8 Arruela lisa M3
4 4 Presilha de Fixação ODU
5 1 Suporte ODU/Polimonte
6 1 Guia de onda 15 GHz
7 2 Abraçadeira com parafusos e porcas

56
INSTALAÇÃO

6.2.3.9 Link 1+0 com ODU de 18 GHz não acoplado

Nesse caso, a ODU não é acoplada diretamente à antena, como demonstrado na figura abaixo.

18 GHz - Fixado à antena usando o kit 844.0211.00-5

9 844.0211.00-5 - Kit 1+0 não acoplado 18 GHz


Item Qtde Descrição dos materiais
1 8 Parafuso M3
2 8 Arruela pressão M3
3 8 Arruela lisa M3
4 4 Presilha de Fixação ODU
5 1 Suporte ODU/Polimonte
6 1 Guia de onda 18 GHz
7 2 Abraçadeira com parafusos e porcas

57
INSTALAÇÃO

6.2.3.10 Link 1+1 com ODU de 2,2 GHz não acoplado

Nesse caso, as ODUs não são acopladas diretamente à antena, como demonstrado na figura abaixo.

2,2 GHz - Fixado à antena usando o kit 844.0224.00-0

10 844.0224.00-0 - Kit 1+1 / 2+0 não acoplado 2,2 GHz


Item Qtde Descrição dos materiais
1 16 Parafuso M3
2 16 Arruela pressão M3
3 16 Arruela lisa M3
4 8 Presilha para Fixação ODU
5 2 Suporte ODU/POLIMONTE
6 2 Cabo FI
7 4 Abraçadeira com parafusos e porcas

58
INSTALAÇÃO

6.2.3.11 Link 1+1 com ODU de 7,5 GHz, 8,5 GHz não acoplado

Nesse caso, as ODUs não são acopladas diretamente à antena, como demonstrado na figura abaixo.

7,5 GHz _ 8,5 GHz - Fixado à antena usando o kit 844.0203.00-2

11 844.0203.00-2- Kit 1+1 não acoplado 7,5 _ 8,5 GHz


Item Qtde Descrição dos materiais
1 1 Suporte ODU/Polimonte
2 4 Parafusos M10
3 4 Arruela pressão M10
4 4 Arruela lisa M10
5 8 Parafuso M8x20 cabeça sextavada
6 8 Arruela pressão 8,0 x 2 mm
7 8 Arruela lisa 8,0 x 2 mm
8 2 Suporte ODU/Coupler
9 2 Coupler 7,5 _ 8,5 GHz
10 16 Parafuso M3
11 16 Arruela pressão M3
12 16 Arruela lisa M3
13 8 Presilha para fixação ODU
14 1 Pino guia de alinhamento ODU
15 1 Guia de onda 7,5 _ 8,5 GHz
16 2 Abraçadeira com porca e arruelas

59
INSTALAÇÃO

6.2.3.12 Link 1+1 com ODU de 15GHz não acoplado

Nesse caso, as ODUs não são acopladas diretamente à antena, como demonstrado na figura abaixo.

15 GHz - Fixado à antena usando o kit 844.0204.00-9

12 844.0204.00-9 - Kit 1+1 não acoplado 15 GHz


Item Qtde Descrição dos materiais
1 1 Suporte ODU/Polimonte
2 4 Parafusos M10
3 4 Arruela pressão M10
4 4 Arruela lisa M10
5 8 Parafuso M8x20 cabeça sextavada
6 8 Arruela pressão 8,0 x 2 mm
7 8 Arruela lisa 8,0 x 2 mm
8 2 Suporte ODU/Coupler
9 1 Coupler 15 GHz
10 16 Parafuso M3
11 16 Arruela pressão M3
12 16 Arruela lisa M3
13 8 Presilha para fixação ODU
14 4 Pino guia de alinhamento ODU
15 1 Guia de onda 15 GHz
16 2 Abraçadeira com porca e arruelas

60
INSTALAÇÃO

6.2.3.13 Link 1+1 com ODU de 18 GHz não acoplado

Nesse caso, as ODUs não são acopladas diretamente à antena, como demonstrado na figura abaixo.

18 GHz - Fixado à antena usando o kit 844.0205.00-5

13 844.0205.00-5 - Kit 1+1 não acoplado 18 GHz


Item Qtde Descrição dos materiais
1 1 Suporte ODU/Polimonte
2 4 Parafusos M10
3 4 Arruela pressão M10
4 4 Arruela lisa M10
5 8 Parafuso M8x20 cabeça sextavada
6 8 Arruela pressão 8,0 x 2 mm
7 8 Arruela lisa 8,0 x 2 mm
8 2 Suporte ODU/Coupler
9 1 Coupler 18 GHz
10 16 Parafuso M3
11 16 Arruela pressão M3
12 16 Arruela lisa M3
13 8 Presilha para fixação ODU
14 4 Pino guia de alinhamento ODU
15 1 Guia de onda 18 GHz
16 2 Abraçadeira com porca e arruelas

61
INSTALAÇÃO

6.2.3.14 Link 2+0 com ODU de 2,2 GHz não acoplado

Nesse caso, as ODUs não são acopladas diretamente à antena, como demonstrado na figura abaixo.

2,2 GHz - Fixado à antena usando o kit 844.0224.00-0

14 844.0224.00-0 - Kit 1+1 / 2+0 não acoplado 2,2 GHz


Item Qtde Descrição dos materiais
1 16 Parafuso M3
2 16 Arruela pressão M3
3 16 Arruela lisa M3
4 8 Presilha para Fixação ODU
5 2 Suporte ODU/POLIMONTE
6 2 Cabo FI
7 4 Abraçadeira com parafusos e porcas

62
INSTALAÇÃO

6.2.3.15 Link 2+0 com ODU de 7,5 GHz, 8 GHz, 8,5 GHz, 15 GHz 18 GHz não acopla-
do

Nesse caso, as ODUs não são acopladas diretamente à antena, como demonstrado na figura abaixo.

7,5 GHz _ 8 GHz _ 8,5 GHz - Fixado à antena usando o kit 844.0219.00-6
15 GHz - Fixado à antena usando o kit 844.0220.00-4
18 GHz - Fixado à antena usando o kit 844.0221.00-0

63
INSTALAÇÃO

15 844.0219.00-6 - Kit 2+0 não acoplado 7,5 GHz, 8 GHz, 8,5 GHz
Item Qtde Descrição dos materiais
1 4 TRM:OLHAL,ISOLADO,DI=6MM,CABO
2 4 TRM:OLHAL ISOLADO,DI=8MM,CABO
3 6 CABO ALIMENTACAO FLEXIVEL 6MM
4 20 PRF:M3X8 CAB.CILINDRICA SEXT.
5 20 ARL:M3X0.5,LISA,INOX,DI=3.3MM
6 20 ARL:M3X0.8,PRESSAO,INOX,DIN12
7 4 ABRAC.”U” DE VERGALHAO 4” DIA
8 2 SUPORTE FIXACAO ODU 1+0 N/ACO
9 10 LATCH STRIKE,INOX
10 1 EMB:CX.PAPELAO 420X271X80MM-D
11 1 GRAXA SILICONE IGS200,BISNAGA
12 2 WAVEGUIDE FLEXIBLE,WR112,PDR8
13 2 FLEX TWIST HANGER ANDREW WR11

16 844.0220.00-4 - Kit 2+0 não acoplado 15 GHz


Item Qtde Descrição dos materiais
1 4 TRM:OLHAL,ISOLADO,DI=6MM,CABO
2 4 TRM:OLHAL ISOLADO,DI=8MM,CABO
3 6 CABO ALIMENTACAO FLEXIVEL 6MM
4 20 PRF:M3X8 CAB.CILINDRICA SEXT.
5 20 ARL:M3X0.5,LISA,INOX,DI=3.3MM
6 20 ARL:M3X0.8,PRESSAO,INOX,DIN12
7 4 ABRAC.”U” DE VERGALHAO 4” DIA
8 2 SUPORTE FIXACAO ODU 1+0 N/ACO
9 10 LATCH STRIKE,INOX
10 1 EMB:CX.PAPELAO 420X271X80MM-D
11 1 GRAXA SILICONE IGS200,BISNAGA
12 2 WAVEGUIDE FLEXIBLE,WR112,PDR8
13 2 FLEX TWIST HANGER ANDREW WR11

17 844.0221.00-0 - Kit 2+0 não acoplado 18 GHz


Item Qtde Descrição dos materiais
1 4 TRM:OLHAL,ISOLADO,DI=6MM,CABO
2 4 TRM:OLHAL ISOLADO,DI=8MM,CABO
3 6 CABO ALIMENTACAO FLEXIVEL 6MM
4 20 PRF:M3X8 CAB.CILINDRICA SEXT.
5 20 ARL:M3X0.5,LISA,INOX,DI=3.3MM
6 20 ARL:M3X0.8,PRESSAO,INOX,DIN12
7 4 ABRAC.”U” DE VERGALHAO 4” DIA
8 2 SUPORTE FIXACAO ODU 1+0 N/ACO
9 10 LATCH STRIKE,INOX
10 1 EMB:CX.PAPELAO 420X271X80MM-D
11 1 GRAXA SILICONE IGS200,BISNAGA
12 2 WAVEGUIDE FLEXIBLE,WR112,PDR8
13 2 FLEX TWIST HANGER ANDREW WR11

64
INSTALAÇÃO

6.3 EQUIPAMENTOS DE INSTALAÇÃO E TESTE

A lista de equipamentos abaixo é recomendada para a instalação e teste do produto.


• Analisador de espectro;
• Medidor de potência (escala de -70 dBm a +40 dBm);
• Frequencímetro;
• Multímetro digital;
• Microcomputador ou laptop (para executar a configuração dos equipamentos);
• Acoplador direcional;
• Atenuadores;
• Gerador de RF;
• Site master;
• Testset;
• Terrômetro.

6.4 PROTEÇÃO CONTRA DESCARGAS

A menos que componentes de proteção externos adequados estejam instalados, todos os equipamentos
modernos de telecomunicações são vulneráveis a danos em caso de transientes induzidos por descargas. Para
eliminar este risco, a DIGITEL recomenda que se instalem componentes de proteção contra descargas para proteger
o produto.
Deve-se instalar esses componentes de acordo com as instruções a seguir:
As duas áreas chaves que precisam ser protegidas são:
• Alimentador da antena;
• Conexões externas com outros equipamentos.
A DIGITEL oferece os equipamentos de proteção adequados para o produto, os quais não fazem parte
da lista de material de instalação do produto. Para maiores detalhes, entre em contato com a unidade de Suporte
Técnico DIGITEL.
O gabinete da ODU é protegido e estanque com classificação IP65.

6.5 ATERRAMENTO DOS EQUIPAMENTOS

O chassi do rádio (conjunto formado por IDU e ODU) deve ser aterrado. Se ocorrer algum curto-circuito, o
aterramento evitará danos ao produto e reduzirá o risco de choques elétricos.
O sistema de aterramento (malha de terra da estação) deverá prover uma impedância máxima de 5 Ω.
Há diversas situações de aterramento previstas para os equipamentos de telecomunicações, as quais
variam conforme as suas características de fabricação. A observância dessas características é imprescindível para
a execução correta das ligações de aterramento.
Dentre as diversas situações encontradas, destaque para as apresentadas nos exemplos a seguir.

IMPORTANTE:
Para os produtos descritos neste manual, a DIGITEL recomenda a adoção da situação de aterramento indicada
no exemplo a), onde a malha de terra digital do equipamento é ligada ao positivo da alimentação e na carcaça do
equipamento.

65
INSTALAÇÃO

a) Malha de terra digital do equipamento ligada ao positivo da alimentação e na carcaça do


equipamento (Recomendado).
EQUIPAMENTO
QDF

CARCAÇA
TD
TC TD EQUIP.

Nessa situação, o bastidor não deve ser aterrado através de outro cabo de terra.

b) Malha de terra digital do equipamento ligado ao positivo da alimentação e isolada da carcaça.


EQUIPAMENTO
QDF

CARCAÇA

TD
TC TD EQUIP.

Nessa situação, o bastidor do equipamento deverá estar isolado do terra digital do equipamento.

c) Malha de terra digital do equipamento isolada do positivo da alimentação e da carcaça do


equipamento.

EQUIPAMENTO
QDF

CARCAÇA

TD
TC TD EQUIP.

Nessa situação, o bastidor, o terra digital e o positivo de alimentação deverão estar isolados entre si.

66
INSTALAÇÃO

d) Malha de terra digital do equipamento isolada do positivo da alimentação e ligada à carcaça.

EQUIPAMENTO
QDF

CARCAÇA

TD
TC TD EQUIP.

NOTA:
• Os cabos deverão ser isolados;
• Os cabos de terra deverão estar sem emendas;
• As bitolas dos cabos devem estar dimensionadas de acordo com as características elétricas do
equipamento;
• Os cabos de terra deverão estar afastados dos cabos de energia CA;
• As seguintes cores dos cabos poderão ser adotadas;
+ Positivo bateria - Cor: Vermelha;
TD - Terra digital - Cor: Azul;
TC - Terra carcaça - Cor: Verde.

6.6 PROTEGENDO CONTRA DESCARGA ELETROSTÁTICA (DE)

Os danos provocados por uma descarga eletrostática (DE) acontecem quando as placas ou os componentes
eletrônicos são mal manuseados e podem ocasionar falhas totais ou parciais intermitentes.
Observe as seguintes recomendações antes de proceder à instalação ou manutenção do produto ou sistema:
• Utilize uma pulseira ou tornozeleira antiestática quando estiver trabalhando com componentes eletrônicos.
Ligue uma das extremidades da pulseira ou da tornozeleira a um local aterrado ou a um componente metálico do
sistema, não pintado, que esteja devidamente aterrado;
• Pegue nas placas apenas pela sua parte frontal e pelas bordas;
• Evite tocar no quadro do circuito impresso e nos seus pinos conectores;
• Coloque qualquer componente retirado sobre uma superfície não estática ou em uma embalagem
antiestática;
• Evite o contato entre as placas e as roupas. A pulseira ou tornozeleira apenas protege a placa de descargas
provenientes do corpo, mas as descargas provenientes das roupas também podem provocar danos.

6.7 ATERRAMENTO DO CABO DE FI

Quando uma estrutura metálica for utilizada, recomendamos a instalação de três kits de aterramento, um em
cada uma das seguintes posições:
• Um pouco antes da descida dos cabos de FI na torre/poste;
• Ao pé da torre/poste, antes dos cabos saírem em direção ao abrigo;
• Antes da entrada dos cabos no abrigo.

67
INSTALAÇÃO

As duas primeiras posições de aterramento devem ser fixadas na barra de aterramento da estrutura metálica
da torre/poste.

Os kits de aterramento, disponíveis em diversos modelos e fabricantes, têm por finalidade drenar a energia
de uma descarga induzida nos cabos coaxiais para o sistema de aterramento do site. O kit fica em contato direto
com o condutor externo do cabo coaxial e faz com que parte da descarga elétrica seja desviada para o sistema de
aterramento, facilitando o trabalho dos protetores coaxiais que protegem o equipamento de RF.

6.8 ALINHAMENTO DAS ANTENAS

Quando todos os componentes do sistema estiverem instalados e os cabos devidamente conectados e


aterrados, deve-se executar o alinhamento das antenas. O produto fornece dois pontos de monitoramento do sinal
recebido:
• Por meio de um multímetro conectado aos pontos de teste na Unidade Outdoor (conector RSSI);
• Por meio do software de configuração e/ou um emulador de terminal assíncrono (Tera Term ou Hyper
Terminal).
A maneira mais adequada para fazer o alinhamento da antena é por meio de um multímetro. O alinhamento
deve ser feito em ambos os lados do enlace, fazendo varredura horizontal e vertical da antena, lembrando sempre
que o melhor alinhamento corresponde ao maior valor de tensão de RSSI.

6.8.1 TENSÃO DE RSSI PARA 2,2 GHz

RSSI Tensão
-25 4,3V
-30 3,9V
-35 3,5V
-40 3,2V
-45 2,9V
-50 2,6V
-55 2,2V
-60 1,9V
-65 1,6V
-70 1,3V
-75 1,5V

ATENÇÃO:
os valores acima foram obtidos após a calibração do RSSI, com setup aferido para um sinal de -55 dBm
no conector de antena.

68
INSTALAÇÃO

6.8.2 TENSÃO DE RSSI PARA AS DEMAIS FREQUÊNCIAS

RSSI Tensão 5,00


-80 0,72
4,50
-75 1,00
4,00
-70 1,29
3,50
-65 1,61

Tensão [dBm]
3,00
-60 1,94
-55 2,26 2,50

-50 2,60 2,00


-45 2,90 1,50
-40 3,23 1,00
-35 3,55 0,50
-30 3,82 0,00
-35 4,14 -80 -75 -70 -65 -60 -55 -50 -45 -40 -35 -30 -25 -20
-20 4,39 RSSI [dBm]

6.9 BAYFACE

Abaixo são apresentadas as dimensões das Unidades Indoor e Outdoor.

44,3 mm

485 mm (19”) 270 mm

120 mm
300 mm

300 mm

69
INSTALAÇÃO

6.10 DIAGNÓSTICO DE FALHAS

O LED ALM localizado no painel frontal, quando aceso na cor vermelha, indica que existe falha no sistema.
Através de consulta ao log de eventos, que pode ser acessado via comandos de CLI ou SNMP, é possível identificar
as causas de cada falha detectada.
Para facilitar o trabalho de identificação e solução de problemas no link de rádio, abaixo é apresentado um
guia contendo dados como o Código de Alarme, Identificação, Severidade e Causa da Falha e Ações Recomendadas
para a correção do problema.

Código de Alarme: ext_alm 1
Identificação da Falha: Alarme Externo Remoto 1
Severidade: Urgente
Causa: O rádio disponibiliza um conector RJ45 Fêmea, identificado com a denominação ALM-IN, com 4
entradas opto-isoladas para a entrada de alarmes externos, sendo 2 alarmes urgentes (pinos 1-2 e 3-4).
Esse alarme indica que um comando externo, sinalizado através dos pinos 1 e 2 (entrada opto-isolada 1)
foi ativado.
Ações Recomendadas:
• Verificar a fonte de alarme do equipamento local (pinos 1 e 2) e o motivo do seu acionamento.

Código de Alarme: ext_alm 2


Identificação da Falha: Alarme Externo Remoto 2
Severidade: Urgente
Causa: O rádio disponibiliza um conector RJ45 Fêmea, identificado com a denominação ALM-IN, com 4
entradas opto-isoladas para a entrada de alarmes externos, sendo 2 alarmes urgentes (pinos 1-2 e 3-4).
Esse alarme indica que um comando externo, sinalizado através dos pinos 3 e 4 (entrada opto-isolada 2)
foi ativado.
Ações Recomendadas:
• Verificar a fonte de alarme do equipamento local (pinos 3 e 4) e o motivo do seu acionamento.

Código de Alarme: ext_alm 3


Identificação da Falha: Alarme Externo Remoto 3
Severidade: Não urgente
Causa: O rádio disponibiliza um conector RJ45 Fêmea, identificado com a denominação ALM-IN, com 4
entradas opto-isoladas para a entrada de alarmes externos, sendo 2 alarmes não urgentes (pinos 5-6 e 7-8).
Esse alarme indica que um comando externo, sinalizado através dos pinos 5 e 6 (entrada opto-isolada 3)
foi ativado.
Ações Recomendadas:
• Verificar a fonte de alarme do equipamento local (pinos 5 e 6) e o motivo do seu acionamento.

Código de Alarme: ext_alm 4


Identificação da Falha: Alarme Externo Remoto 4
Severidade: Não urgente
Causa: O rádio disponibiliza um conector RJ45 Fêmea, identificado com a denominação ALM-IN, com 4
entradas opto-isoladas para a entrada de alarmes externos, sendo 2 alarmes não urgentes (pinos 5-6 e 7-8).
Esse alarme indica que um comando externo, sinalizado através dos pinos 7 e 8 (entrada opto isolada 4)
foi ativado.
Ações Recomendadas:
• Verificar a fonte de alarme do equipamento local (pinos 7 e 8) e o motivo do seu acionamento.

Código de Alarme: no_link A


Identificação da Falha: Link A
Severidade: Urgente
Causa: Esse alarme indica que houve perda de sincronismo no Enlace A, quando em 1+0/2+0, ou Principal,
quando em 1+1.
Ações Recomendadas:
• Verificar se o led LNK está aceso na cor verde nos dois lados do enlace;
• Verificar a programação dos rádios local e remoto;
• Verificar o estado dos cabos e conectores de FI (ODU Principal) nos dois lados do enlace;

70
INSTALAÇÃO

• Verificar o alinhamento das antenas;


• Verificar o nível de sinal recebido (RSSI) nos dois lados do enlace. Observar se o valor apresentado está
de acordo com o esperado;
• Utilizar um Analisador de Espectro para verificar se não há sinal interferente na frequência de recepção
dos rádios local e remoto.

Código de Alarme: no_link B


Identificação da Falha: Link B
Severidade: Urgente
Causa: Esse alarme indica que houve perda de sincronismo no Enlace B, quando em 2+0, ou Backup,
quando em 1+1.
Ações Recomendadas:
• Verificar se o led LNK BK está aceso na cor verde nos dois lados do enlace;
• Verificar a programação dos rádios local e remoto;
• Verificar o estado dos cabos e conectores de FI (ODU backup) nos dois lados do enlace;
• Verificar o alinhamento das antenas;
• Verificar o nível de sinal recebido (RSSI) nos dois lados do enlace. Observar se o valor apresentado está
de acordo com o esperado;
• Utilizar um Analisador de Espectro para verificar se não há sinal interferente na frequência de recepção
dos rádios local e remoto.

Código de Alarme: low_rssi A


Identificação da Falha: RSSI baixo no Link A
Severidade: Não urgente
Causa: Esse alarme indica que o nível de sinal de recepção do Link A está baixo.
Ações Recomendadas:
• Verificar a potência medida pelo transmissor A remoto;
• Verificar o alinhamento das antenas.

Código de Alarme: low_rssi B


Identificação da Falha: RSSI baixo no Link B
Severidade: Não urgente
Causa: Esse alarme indica que o nível de sinal de recepção do Link B está baixo.
Ações recomendadas:
• Verificar a potência medida pelo transmissor B remoto;
• Verificar o alinhamento das antenas.

Código de Alarme: no_odu A


Identificação da Falha: ODU A não conectada
Severidade: Urgente
Causa: Esse alarme indica que o sensor de corrente não detectou a conexão com a ODU A.
Ações Recomendadas:
• Verificar se o cabo de FI está aberto;
• Substituir a ODU.

Código de Alarme: no_odu B


Identificação da Falha: ODU B não conectada
Severidade: Urgente
Causa: Esse alarme indica que o sensor de corrente não detectou a conexão com a ODU B.
Ações Recomendadas:
• Verificar se o cabo de FI está aberto;
• Substituir a ODU.

Código de Alarme: fail_odu A


Identificação da Falha: Saída para ODU A em sobrecarga
Severidade: Urgente
Causa: Esse alarme indica que o sensor de corrente detectou sobrecarga na conexão com a ODU A.
Ações Recomendadas:

71
INSTALAÇÃO

• Verificar se o cabo de FI está em curto;


• Substituir a ODU.

Código de Alarme: fail_odu B


Identificação da Falha: Saída para ODU B em sobrecarga
Severidade: Urgente
Causa: Esse alarme indica que o sensor de corrente detectou sobrecarga na conexão com a ODU B.
Ações Recomendadas:
• Verificar se o cabo de FI está em curto;
• Substituir a ODU.

Código de Alarme: low_power A


Identificação da Falha: Baixa potência na ODU A
Severidade: Não urgente
Causa: Esse alarme indica que a potência de transmissão do rádio A pode estar 4 dB abaixo do programado.
Ações Recomendadas:
• Verificar se a potência de transmissão está com seu valor conforme configurado;
• Verificar se o sistema irradiante (cabo de FI, conectores, Flex Twist e antena) não sofreu avarias e/ou se
desalinhou;
• Substituir a ODU.

Código de Alarme: low_power B


Identificação da Falha: Baixa potência na ODU B
Severidade: Não urgente
Causa: Esse alarme indica que a potência de transmissão do rádio B pode estar 4 dB abaixo do programado.
Ações Recomendadas:
• Verificar se a potência de transmissão está com seu valor conforme configurado;
• Verificar se o sistema irradiante (cabo de FI, conectores, Flex Twist e antena) não sofreu avarias e/ou se
desalinhou;
• Substituir a ODU.

Código de Alarme: fail_pot A


Identificação da Falha: Baixa potência na ODU A
Severidade: Urgente
Causa: Esse alarme indica que o rádio A não está transmitindo, isto é, está com potência 0.
Ações Recomendadas:
• Utilizar o comando show radio odu A txpower para verificar se a potência de transmissão está com seu
valor conforme configurado;
• Verificar se o sistema irradiante (cabo de RF, conectores, Flex Twist e antena) não sofreu avarias e/ou se
desalinhou;
• Substituir a ODU.

Código de Alarme: fail_pot B


Identificação da Falha: Baixa potência na ODU B
Severidade: Urgente
Causa: Esse alarme indica que o rádio B não está transmitindo, isto é, está com potência 0.
Ações Recomendadas:
• Utilizar o comando show radio odu B txpower para verificar se a potência de transmissão está com seu
valor conforme configurado;
• Verificar se o sistema irradiante (cabo de RF, conectores, Flex Twist e antena) não sofreu avarias e/ou se
desalinhou;
• Substituir a ODU.

Código de Alarme: high_temp A


Identificação da Falha: Sobretemperatura na ODU A
Severidade: Não urgente
Causa: Esse alarme indica que o sensor detectou sobretemperatura na ODU A.
Ações Recomendadas:

72
INSTALAÇÃO

• Desligar a ODU por uma hora e voltar a ligá-la. Se o alarme persistir, a ODU deverá ser substituída.

Código de Alarme: high_temp B


Identificação da Falha: Sobretemperatura na ODU B
Severidade: Não urgente
Causa: Esse alarme indica que o sensor detectou sobretemperatura na ODU B.
Ações Recomendadas:
• Desligar a ODU por uma hora e voltar a ligá-la. Se o alarme persistir, a ODU deverá ser substituída.

Código de Alarme: poor_sq A


Identificação da Falha: Qualidade de sinal recebido baixa no Link A ou Principal.
Severidade: Não urgente
Causa: Esse alarme indica que a qualidade de sinal de recepção do Link A está abaixo da esperada.
Ações Recomendadas:
• Verificar o estado dos cabos de FI, Flex Twist (se houver) e conectores;
• Verificar o alinhamento das antenas;
• Verificar se a potência de saída está de acordo com a potência configurada;
• Verificar o nível de sinal recebido (RSSI) nos dois lados do link. Observar se o valor apresentado está de
acordo com o esperado;
• Utilizar um Analisador de Espectro para verificar se não há sinal interferente na frequência de recepção
dos rádios local e remoto;
• Substituir o rádio.

Código de Alarme: poor_sq B


Identificação da Falha: Qualidade de sinal recebido baixa no Link B ou Backup.
Severidade: Não urgente
Causa: Esse alarme indica que a qualidade de sinal de recepção do Link B está abaixo da esperada.
Ações Recomendadas:
• Verificar o estado dos cabos de FI, Flex Twist (se houver) e conectores;
• Verificar o alinhamento das antenas;
• Verificar se a potência de saída está de acordo com a potência configurada;
• Verificar o nível de sinal recebido (RSSI) nos dois lados do link. Observar se o valor apresentado está de
acordo com o esperado;
• Utilizar um Analisador de Espectro para verificar se não há sinal interferente na frequência de recepção
dos rádios local e remoto;
• Substituir o rádio.

Código de Alarme: bkp_on


Identificação da Falha: Operação em Backup
Severidade: Urgente
Causa: Em uma operação 1+1, esse alarme indica que a IDU está operando com a ODU Backup.
Ações Recomendadas:
• Identificar a causa da comutação avaliando os demais alarmes presentes e os níveis de transmissão e
recepção.

Código de Alarme: LOS


Identificação da Falha: LOS na Interface E1 - G.703 (1 a 32)
Severidade: Não urgente
Causa: Esse alarme indica que não existe sinal presente na Interface E1 - G.703 (1 a 32) do rádio.
Ações Recomendadas:
• Verificar a programação do rádio;
• Certificar-se da existência de um cabo de dados conectado na interface;
• Verificar se o cabo está conectado adequadamente na fonte de dados;
• Retirar o cabo que está conectado na interface, inserir um testset e realizar um LDL (laço digital local) no
rádio. Após essas ações, verificar se há fluxo de dados e se o alarme cessou.

73
INSTALAÇÃO

Código de Alarme: AIS


Identificação da Falha: AIS na Interface E1 - G.703 (1 a 32)
Severidade: Não urgente
Causa: Esse alarme indica que não existe sinal de dados presente na Interface E1 - G.703 (1 a 32) do rádio.
Ações Recomendadas:
• Verificar se o cabo está conectado adequadamente na fonte de dados;
• Retirar o cabo que está conectado na interface do rádio e inserir um testset. Após essas ações, verificar se
há fluxo de dados e se o alarme cessou.

Código de Alarme: fail_ps 1


Identificação da Falha: Falha na Fonte de Alimentação 1 (Posição Inferior)
Severidade: Não Urgente
Causa: A primeira fonte de alimentação (posição inferior) apresentou falha ou não está conectada.
Ações Recomendadas:
• Verificar a entrada de alimentação 1 do rádio;
• Programar a substituição da referida fonte de alimentação.

Código de Alarme: fail_ps 2


Identificação da Falha: Falha na Fonte de Alimentação 2 (Posição Superior)
Severidade: Não Urgente
Causa: A segunda fonte de alimentação (posição superior) apresentou falha ou não está conectada.
Ações Recomendadas:
• Verificar a entrada de alimentação 2 do rádio;
• Programar a substituição da referida fonte de alimentação.

Código de Alarme: low_ps 1


Identificação de Falha: Falha na Fonte de Alimentação 1 (Posição Inferior)
Severidade: Não Urgente
Causa: A primeira fonte de alimentação (posição inferior) está com baixa tensão.
Ações Recomendadas:
• Verificar a entrada de alimentação 1 do rádio;
• Programar a substituição da referida fonte de alimentação.

Código de Alarme: low_ps 2


Identificação da Falha: Falha na Fonte de Alimentação 2 (Posição Superior)
Severidade: Não Urgente
Causa: A segunda fonte de alimentação (posição superior) está com baixa tensão.
Ações recomendadas:
• Verificar a entrada de alimentação 2 do rádio;
• Programar a substituição da referida fonte de alimentação.

74
INSTALAÇÃO

6.11 EFICIÊNCIA ESPECTRAL PROGRAMÁVEL

Os rádios disponibilizam eficiência espectral programável, ou seja, mesmo sem nenhum hardware adicional
ou inserção de filtros, os rádios podem ser programados por software para operar em diversas bandas e canais.
Dessa forma, e em função do dimensionamento de desempenho prévio do enlace, pode-se definir a priori o esquema
de modulação a ser empregado (e, com isso, a taxa de transmissão / capacidade).
Eles possuem três níveis de filtragem: filtro de cavidade, filtro de FI e filtro em software (DSP).

6.12 VANTAGENS - FLEXIBILIDADE

Os rádios oferecem várias opções de taxa de transmissão e permitem que uma determinada largura de
banda possa ser particionada em várias configurações distribuindo dados entre as interfaces E1 e Ethernet.
Por exemplo, usando a modulação QAM1024, em um canal de RF de 56 MHz, o rádio é capaz de transportar
441 Mbps em Ethernet, ou 32 E1 + 377 Mbps.
No caso do rádio 2,2 GHz, que usa canais de 14 MHz, ele é capaz de transportar 97 Mbps em Ethernet, ou
32 E1 + 33 Mbps.

FLEXIBILIDADE FLEXIBILIDADE
Combinação E1 e Ethernet Combinação E1 e Ethernet

32E1 377 Mbit/s Ethernet 32E1 33 Mbit/s Ethernet

16E1 409 Mbit/s Ethernet 16E1 65 Mbit/s Ethernet

8E1 425 Mbit/s Ethernet 8E1 81 Mbit/s Ethernet

4E1 433 Mbit/s Ethernet 4E1 89 Mbit/s Ethernet

2E1 437 Mbit/s Ethernet 2E1 93 Mbit/s Ethernet

1E1 439 Mbit/s Ethernet 1E1 95 Mbit/s Ethernet

441 Mbit/s Ethernet 97 Mbit/s Ethernet

Ex: 2,2GHz com Banda de 14 MHz


Ex: 18GHz com Banda de 56 MHz

75
7 CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO

7.1 CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO VIA PORTA CONSOLE

Os rádios podem ser configurados e operados através de linha de comandos (CLI), usando um emulador
de terminal assíncrono, através de Web Config ou através de Gerência SNMP. No caso de uso de uma plataforma
Windows, recomenda-se o uso do Tera Term que deve ser configurado da seguinte maneira:
• Velocidade: 57,6 Kbps;
• Tamanho do caractere: 8;
• Paridade: nenhuma (N);
• Stop bits: 1;
• Emulação de terminal: VT100;
• Controle de fluxo: nenhum.

Tanto para acesso via CLI, quanto via Web Config, o login é dsr e a senha digitel.
Os comandos de configuração atuam sobre parâmetros, podendo alterar, mostrar ou armazenar seus
valores. Os parâmetros podem ser de dois tipos: simples ou múltiplos.
Parâmetros simples possuem uma única ocorrência no equipamento e não necessitam de nenhuma
informação adicional. Parâmetros múltiplos ocorrem de forma repetida, necessitando de uma lista de identificação
para a sua completa descrição.
A CLI está estruturada em 2 modos: escrita (set) e leitura (show). Ao se logar, o usuário precisará executar o
comando enable para entrar em modo de leitura (show) e, assim, terá acesso à visualização de todas as configurações
do equipamento.
Para acessar o modo de escrita, é necessário executar os comandos enable e configure terminal; e, para
retornar ao modo de leitura, o comando a ser utilizado é quit (ctrl+z).
Após um conjunto de configurações setadas no rádio, deve-se executar, em modo set, o comando radio
execute, que aplica as informações no rádio. Para realizar o salvamento da configuração corrente na Memória Flash
é necessário, em modo show, executar o comando write.
Segue abaixo um exemplo para configuração de IP. A máscara de subrede deve ser configurada em número
de bits e inserida logo após o endereço IP. No exemplo abaixo, ela foi configurada como sendo de 24 bits.

DSRII> enable
DSRII# configure terminal
DSRII(config)# interface nms
DSRII(config-if)# ip address 192.168.20.2/24
DSRII(config-if)# quit
DSRII(config)# ip route 0.0.0.0/0 192.168.30.1
DSRII(config)# quit
DSRII# write

Os comandos utilizados na configuração e operação dos rádios via CLI são apresentados a seguir.

76
CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO

7.2 LINHAS DE COMANDO DO RÁDIO


Leitura de Informações:

running-config
Função Lista toda a configuração do rádio.
Exemplo DSRII$ show running-config
!
! Current configuration :
!
no service password-encryption
!
no service dhcp
logging on
logging console facility kern severity-level err
!
username root privilege 15 password 8 brmuDFJNyCOSs
username ecs password 8 4DEwlaj47mecM
username dsr password 8 $1$bJoc.y4D$zxZtGSfe6wW3pffLdAxY./
!
ip domain-lookup
!
maximum-paths 8
mls qos enable
mls qos wrr-weight 0 1
mls qos wrr-weight 1 2
mls qos wrr-weight 2 4
mls qos wrr-weight 3 32
mls qos cos-queue 0 0
mls qos cos-queue 1 0
--More--

alarms
Função Exibe a lista de alarmes presentes no rádio.
Exemplo DSRII$ show alarms
+----------------------------------------------------------+
| LABEL | DEV | CONFIG | STATUS |
+----------------------------------------------------------+
| bkp_on | - | Disable | Off |
| fail_fan | - | Disable | Off |
| no_link | A | Enable | Off |
| no_odu | A | Enable | Off |
| fail_odu | A | Enable | Off |
| poor_sq | A | Disable | Off |
| no_link | B | Enable | Off |
| no_odu | B | Enable | Off |
| fail_odu | B | Enable | Off |
| poor_sq | B | Disable | Off |
| low_rssi | A | Disable | Off |
| low_power | A | Disable | Off |
| fail_pot | A | Disable | Off |
| high_temp | A | Disable | Off |
| low_rssi | B | Disable | Off |
| low_power | B | Disable | Off |
--More--

77
CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO

alarms log
Função Exibe a lista de alarmes memorizados no rádio.
Exemplo DSRII$ show alarms log
DATE ALARM SIDE STATUS
==================== ================= ========== ==========
19/01/2015 21:00:09 STARTUP
19/01/2015 21:00:09 no_odu A OFF
19/01/2015 21:00:15 no_link B ON
19/01/2015 21:00:15 no_odu B OFF
19/01/2015 21:00:24 no_link A OFF
19/01/2015 21:00:24 no_link A ON
19/01/2015 21:00:24 no_link A OFF
19/01/2015 23:13:14 STARTUP

radio status
Função Exibe o status do rádio.
Exemplo DSRII$ show radio status
ERROR = 65535

|===========================|===========================|
| SIDE A | SIDE B |
|===========================|===========================|
|LINK ON| LINK -|
|SQ 255| SQ 255|
|Current Modul TX 8qamf| Current Modul TX 8qamf|
|Current Modul RX 8qamf| Current Modul RX 8qamf|
|FORTX 10.00dBm| FORTX 10.00dBm|
|RSSI -90.00dBm| RSSI -90.00dBm|
|===========================|===========================|

radio odu information


Função Exibe as informações dos modelos de ODU conectadas.
Exemplo DSRII$ show radio odu information

|===========================|===========================|
| SIDE A | SIDE B |
|===========================|===========================|
|RfBand 8GHz| RfBand 18GHz|
|RfBandType low| RfBandType low|
|PotMin 8dBm| PotMin 2dBm|
|PotMax 30dBm| PotMax 26dBm|
|TxFreqMin 7731000KHz| TxFreqMin 17700000kHz|
|TxFreqMax 7867000KHz| TxFreqMax 18140000kHz|
|RxFreqMin 8042320KHz| RxFreqMin 19260000kHz|
|RxFreqMax 8178320KHz| RxFreqMax 19700000kHz|
|===========================|===========================|

78
CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO

radio rate
Função Indica a taxa total disponível no rádio (Mbps).
Exemplo DSRII$ show radio rate

|===========================|===========================|
| TX rates [kbps] | RX rates [kbps] |
|===========================|===========================|
|E1 2048| E1 2048|
|ETH min 2048| ETH min 2048|
|ETH 45568| ETH 45568|
|TOTAL 47616| TOTAL 47616|
|===========================|===========================|

version
Função Exibe as versões de Firmware, FPGA e RF.
Exemplo DSRII# show version
DSRII#
Digitel DSRII Linux version 2.6.39 (100702) #1 PREEMPT Mon Mar 31 16:42:37
BRT 2014
Digitel ECS Platform
------------------------------------------------------------------
Software System Identify Information
------------------------------------------------------------------
SW VERSION FPGA VERSION E1 VERSION
-------------------- ---------------------- ----------------------
100702 100702 100702

g826
Função Exibe os parâmetros relativos à disponibilidade do link.
Exemplo DSRII$ show g826

|-----------------------------------------------------------|
| G826 |
|-----------------------------------------------------------|
|BUSY => true|
|END => false|
|BBER3 => true|
|BBER6 => true|
|-----------------------------------------------------------|
|TIMER => 2000|
|AVAILABLE SEC => 2|
|UNAVAILABLE SEC => 0|
|TOTAL SEC => 2|
|-----------------------------------------------------------|
|ERRORED SEC => 0|
|SEV ERRORED SEC => 0|
|BACK BLOCK ERR => 0|
|TOTAL_AVAILABLE_BLOCK => 0|
|-----------------------------------------------------------|
|ERRORED SEC RATE => 0.00e+00|
|SEV ERRORED SEC RATE => 0.00e+00|
|BACK BLOCK ERR RATE => 0.00e+00|
|-----------------------------------------------------------|

79
CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO

PARÂMETROS ESPECÍFICOS DE CONFIGURAÇÃO (leitura e escrita):

Escrita de Informações:
DSRII> enable
DSRII# configure terminal
DSRII(config)#

Escrita no módulo rádio:


DSRII(config)# radio-config
DSRII(radio-config)#

A leitura dos parâmetros configurados deve ser feita através do running-config:


DSRII# show running-config

Ou para ler apenas o módulo rádio:


DSRII# show running-config radio

radio reset
Função Zera os contadores de erro.
Opções -
Exemplo DSRII(config)# radio reset

acm
Função Habilita o Controle de Modulação Adaptativo.
Opções off, on
Exemplo DSRII(radio-config)# acm on
DSRII(radio-config)# execute

aes enable
Função Habilita a encriptação AES dos dados Ethernet.
Opções enable, disable
Default disable
Exemplo DSRII(radio-config)# aes enable
DSRII(radio-config)# execute

aes key
Função Configura a chave de criptografia AES.
Opções 16 caracteres hexadecimais
Default 0000000000000000
Exemplo DSRII(radio-config)# aes key 0123456789ABCDEF
DSRII(radio-config)# execute

bandwidth
Função Configura a largura de banda para os casos de canais simples ou agregação.
Opções 14MHz, 28MHz, 40MHz, 56MHz, 14MHz+14MHz, 28MHz+28MHz
Default 14MHz

Exemplo DSRII(radio-config)# bandwidth 56MHz


DSRII(radio-config)# execute

80
CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO

interleaver
Função Configura o nível de profundidade do interleaver.
Opções quarter, half, full, off
Default full
Exemplo DSRII(radio-config)# interleaver quarter
DSRII(radio-config)# execute

loopfi
Função Configura loop digital local na etapa de FI. (comando oculto)
Opções enable, disable
Default disable
Exemplo DSRII(radio-config)# loopfi enable
DSRII(radio-config)# execute

mode
Função Configura o modo de operação do rádio.
Opções 1+0, 1+1FD, 1+1HSB, 2+0
Default 1+0
Exemplo DSRII(radio-config)# mode 2+0
DSRII(radio-config)# execute

DSRII(radio-config)# mode 1+1FD


DSRII(radio-config)# execute
Wait...
Loading FPGA...
Applying Settings...
Nota Quando o modo de operação é alterado de 1+0/2+0 para 1+1 ou vice-versa,
a imagem de FPGA precisa ser reconfigurada e a IDU reinicializada. Este
procedimento é feito automaticamente após a aplicação do comando execute.

mode force
Função Força o link para Principal (a) ou Backup (b). (não salva)
Opções a, b, disable
Default disable (comutação automática)
Exemplo DSRII(radio-config)# mode force a
DSRII(radio-config)# execute

mode restore
Função Força o retreino de ambos moduladores para ressincronizar. (não salva)
Exemplo DSRII(radio-config)# mode restore
DSRII(radio-config)# execute

comute-alarm
Função Configura os critérios para a comutação do transmissor.
Opções low_power, fail_pot, low_rssi, poor_sq, high_temp | enable, disable
Default -
Exemplo DSRII(radio-config)# comute-alarm low_rssi enable
DSRII(radio-config)# execute

81
CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO

modul
Função Configura a modulação do rádio.
Opções qpsk, 8qam, 16qam, 32qam, 32qamf, 64qam, 64qamf, 128qam, 128qamf, 256qam,
256qamf, 512qam, 512qamf, 1024qam
Default 256qam
Exemplo DSRII(radio-config)# modul 512qam
DSRII(radio-config)# execute

ne1
Função Configura o número de tributários E1 habilitados.
Opções 0-32
Default 32
Exemplo DSRII(radio-config)# ne1 20
DSRII(radio-config)# execute

interface aux
Função Configura o tipo de interface auxiliar.
Opções 2w (2 fios para telefone), 4w (4 fios para modem)
Default 2w
Exemplo DSRII(radio-config)# interface aux 4w
DSRII(radio-config)# execute

voice
Função Habilita a sinalização telefônica hotline para o canal dois fios.
Opções enable, disable
Default disable

Exemplo DSRII(radio-config)# voice enable


DSRII(radio-config)# execute

ldl interface
Função Habilita o loop digital local nas interfaces E1 - G.703 (tributários 1 a 32).
Opções 1-32, all | enable, disable
Default disable

Exemplo DSRII(radio-config)# ldl interface 4 enable


DSRII(radio-config)# execute

82
CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO

Parâmetros independentes para as ODUs A e B:


Escrita no módulo rádio A:
DSRII(radio-config)# side a
DSRII(radio-side-config)#

Escrita no módulo rádio B:


DSRII(radio-config)# side b

pot
Função Configura a potência de transmissão do rádio.
Opções 1-30
Default 10

Exemplo DSRII(radio-side-config)# pot 20


DSRII(radio-side-config)# execute
txfreq / rxfreq
Função Configura as frequências dos canais de transmissão e recepção. (comando oculto)
Opções Frequência em KHz
Default -

Exemplo DSRII(radio-side-config)# txfreq 6800000 rxfreq 6460000


DSRII(radio-side-config)# execute

rfch
Função Configura o canal de transmissão e recepção.
Opções 1-31 (conforme os canais disponíveis no modelo de ODU)
Default 1

Exemplo DSRII(radio-side-config)# rfch 3


DSRII(radio-side-config)# execute

tx
Função Habilita/Desabilita transmissão.
Opções enable, disable
Default enable

Exemplo DSRII(radio-side-config)# tx disable


DSRII(radio-side-config)# execute
power
Função Liga/Desliga a alimentação da ODU. (não salva)
Opções enable, disable
Default enable

Exemplo DSRII(radio-side-config)# power disable


DSRII(radio-side-config)# execute
atpc
Função Habilita/Desabilita o controle automático de potência (atpc).
Opções enable, disable
Default disable

Exemplo DSRII(radio-side-config)# atpc enable


DSRII(radio-side-config)# execute

83
CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO

atpc potmin/potmax
Função Configura os limiares de atuação do atpc.
Opções 1-30
Default -
Exemplo DSRII(radio-side-config)# atpc potmin 10 potmax 20
DSRII(radio-side-config)# execute

atpc rssi
Função Configura o nível de sinal desejado.
Opções 20-79 (varia de -20 a -79 dBm; mas o sinal “-” não é utilizado no comando)
Default 40 (-40 dBm)
Exemplo DSRII(radio-side-config)# atpc rssi 45
DSRII(radio-side-config)# execute
Escrita no módulo alarme:
DSRII(config)# alarm-config
DSRII(alarm-config)#

alarm enable | disable


Função Habilita a detecção de alarmes.
Opções enable, disable
Default disable
Exemplo DSRII(alarm-config)# alarm enable no_linkA on
DSRII(alarm-config)# execute

DSRII(alarm-config)# alarm enable los range 15 to 20


DSRII(alarm-config)# execute

threshold lowrssi side


Função Configura o limiar do nível de sinal de recepção para a geração de alarme.
Opções a, b | 20-79 (varia de -20 a -79 dBm, mas o sinal “-” não é utilizado no comando)
Default 55 (-55 dBm)
Exemplo DSRII(alarm-config)# threshold lowrssi side a 50
DSRII(alarm-config)# execute

Configurações de rede:
ip route
Função Configura a rota default (gateway).
Opções Endereço IP do gateway.
Default -
Exemplo DSRII(config)# ip route 0.0.0.0/0 10.10.10.10

Escrita no módulo interface:


DSRII(config)# interface nms
DSRII(config-if)#
ip address
Função Configura o endereço IP e a máscara de subrede em uma interface.
Opções Endereço IP e máscara.
Default -
Exemplo DSRII(config-if)# ip address 192.168.20.2/24

84
Configurações de teste g826:

g826 timer
Função Configura o tempo de monitoramento da G.826 em segundos.
Opções 16 caracteres hexadecimais
Default 0000000000000000
Exemplo DSRII(radio)# g826 timer 300

g826 start
Função Inicia o monitoramento da G.826.
Opções -
Exemplo DSRII(config)# g826 start

g826 stop
Função Encerra o monitoramento da G.826.
Opções -
Exemplo DSRII(config)# g826 stop

85
CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO

7.3 GUIA DE UTILIZAÇÃO DO WEB CONFIG

Para realizar a configuração, é também possível a utilização do WEB Config como forma de acesso.

O Web Config é um sistema de gerenciamento local/remoto que acompanha o equipamento. Para acessá-lo, é
necessário dispor de uma estação com browser de internet e acesso IP ao produto (laptop nesse exemplo). Este
acesso IP pode se dar diretamente na porta NMS de gerência do produto quanto por acesso remoto via vlan de
gerência.

Se ainda não possuir acesso IP ao rádio será necessário fazer configurações rede da porta NMS:

1) Conecte um laptop ao conector de console (RJ45 no painel frontal do rádio local), inicie uma sessão de Tera
Terminal configurado em 57600, n, 8, 1, sem controle de fluxo. Nesse momento, serão solicitados login e senha. Os
valores default são dsr e digitel respectivamente.

2) Na console do rádio denominado local digite:

DSRII> enable
DSRII# configure terminal
DSRII(config)# interface NMS
DSRII(config-if)# ip address xxx.xxx.xxx.xxx/24
DSRII(config-if)# quit
DSRII(config)# quit
DSRII# write

O parâmetro /24 após o IP representa a máscara de rede em número de bits


Na console do outro rádio, replique os comandos apenas colocando o endereço IP determinado”.

3) Em seguida, execute os seguintes passos:

Nota: O laptop deverá ter seu endereço de IP dentro da mesma rede.

4) Acesse o rádio via Browser usando o endereço de IP 192.168.1.254 (endereço de IP default de fábrica) e utilize
usuário e senha (dsr e digitel respectivamente).

5) A partir desse momento o rádio está pronto para ser configurado via WEB Config.

Clique em OK nas janelas que foram abertas para configuração.

86
CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO

6) Caso a rede use proxy para acesso à Internet, é necessário configurar o browser para não enviar
solicitações da rede local para o proxy. A seguir, um exemplo para configurar o Internet Explorer:
No menu principal, clique em Ferramentas, em seguida em Opções da Internet;
Selecione a aba Conexões, depois clique em Configurações da LAN;
Clique no botão Avançado;

Clique em OK nas janelas que foram abertas para configuração.

87
CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO

7.3.1 PÁGINA DE LOGIN

Para acessar a pagina do Webconfig, deve-se utilizar um dos navegadores da lista e digitar na url o ip do
equipamento. Para entrar digitar login e senha cadastrados no equipamento.

7.3.2 BOTÕES E MENSAGENS


Caixa de Aviso de alteração realizada:

Ao configurar aparece esta caixa na parte superior da página informando que as configurações foram salvas.
Caixa de Aviso de alteração não realizada:

Ao configurar aparece esta caixa na parte superior da página informando que as configurações não foram
realizadas.
Botão Recarregar:

O botão recarregar atualiza a página, também pode-se apertar o F5 para atualizar.


Botão Aplicar:

Esse botão carrega as configurações para o equipamento. Nas páginas que não conter esse botão as
configurações serão aplicadas ao sair da caixa de configuração e mostrará uma das duas mensagens se as
configurações foram carregadas com sucesso ou não.

88
CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO

Botão Voltar:

Voltar, volta para a página anterior.

Botão Reset.

Reseta os contadores de erro.

Botão Reiniciar.

Esse botão reinicia o equipamento.

7.3.3 INÍCIO

Na Figura é apresentada a página inicial do webconfig. No inicio tem as informações do equipamento como
hostname, modelo, serial e tempo em atividade. No canto superior esquerdo pode-se trocar o idioma, inglês ou
português. No canto superior direito tem a opção sair.

89
CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO

Ainda na página inicial é possível visualizar as versões de Firmware, FPGAs, ODUs e data de geração da
versão de Firmware, conforme a Figura acima.

Para facilitar a navegação, a página inicial apresenta opções de configurações rápidas, como mostra a
Figura abaixo.

90
CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO

7.3.4 SISTEMA

Configurações:

No link sistema/configurações, exporta-se um arquivo das configurações startup para o servidor FTP.
Configura o ip, usuario, porta e senha do servidor FTP, então coloca-se o nome do arquivo e clica no botão export.

Data e Hora:

91
CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO

link sistema/data e hora configura-se a data e a hora do equipamento, confira o timezone e o offset (O Brasil
está a 180 minutos atrasado em relação a greenwich “horario de Brasilia”).

Configurando o Horário de verão, clicar em habilitar, no offset digitar os minutos que deseja adiantar, a data
de inicio e a data de fim do horario de verão.

Configurando o NTP, clicar em habilitar, e clicar em add server para adicionar os servidores, colocar o ip,
selecionar o tipo (server ou peer), e ativar, clicar no servidor que deseja utilizar.

Firmware:

No link sistema/firmware atualiza-se o firmware do equipamento, colocando o ip e a porta do servidor ftp,


usuario e senha, o nome do arquivo e clicar em upgrade e reiniciar para reiniciar o equipamento.
No banco de imagens seta a imagem que irá inicializar após reiniciar o equipamento.

92
CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO

7.3.5 RÁDIO

Configurações:

No link rádio/configurações pode-se fazer as configurações da IDU, ao clicar em cada botão de configuração
abre as opções de configuração, aparece a caixa da Figura, clicando em aplicar, executa o comando execute da CLI
e recarregar atualiza a página do webconfig.

Configurar as ODUs e após clicar em aplicar, e clicando no botão voltar volta para a página anterior .

93
CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO

Status.

No link rádio/status mostra a temperatura da IDU, ODU e do FPGA, e a taxa máxima (tx e rx).

94
CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO

Alarmes:

No link rádio/alarmes mostra os alarmes de IDU e ODU, ao clicar em habilitar alarme, habilita ou desabilita
cada alarme.
Continuação dos alarmes, ao configurar os alarmes tem no canto inferior direito o botão voltar que volta para
a ultima página ou recarregar que atualiza a página.

95
CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO

Alarmes de E1:

No link rádio/alarmes E1, pode-se habilitar os alarmes das portas E1s que estiverem habilitadas, mostra os
alarmes de ais e los.

G826:

No link rádio/G826, pode-se rodar o teste digitando o tempo necessário e clicar em rodar teste para inicia-lo,
támbem pode parar o teste a qualquer momento no botão parar teste, se clicar em voltar volta para a página anterior
e recarregar atualiza a página.

96
CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO

7.3.6 SWITCH

97
CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO

No link switch/interfaces mosta os status das interfaces.


Para configurar uma interface ge ou gr deve-se clicar em configurações da interface que deseja configurar.
Clicando em configurações da interface ge2, aparece esta página de configuração da interface.
Esta figura mosta que a interface ge2 esta na camada 3, para esta interface operar na camada 2 clicar na
caixa camada 2 e escolher a opção sim.
Ao configurar a interface aparece a caixa da Figura, para executar as configurações deve-se clicar em
aplicar ou remover para remover as configurações.
Habilitando a camada 2, aparece as opções de configuração da camada 2 do switch.
Ao configurar aparece a caixa da Figura e após configurar a interface clicar no botão aplicar para executar
os comandos.

98
VLANs:
CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO

No link switch/Vlan adiciona-se as vlans. Digitar na caixa adicionar vlan o número da vlan apartir de 2.

IP:

No link switch/ip aparece as interfaces que estão configuradas para a camada 3, para configurar o ip destas
interfaces, deve-se digitar o ip na caixa endereço de ip e colocar a mascara na caixa mascara de subrede da
interface desejada.

99
QOS:
CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO

No link switch/QOS a caixa mls QOS deve estar habilitado clique na caixa e selecione a opção sim, deve se
configurar o algoritmo de escalonamento o wrr ou prioridade escrita.
No item prioridades das classes de serviço configura-se a prioridade e a fila, clicando nos itens desejados.
Se foi configurado o round robin ponderado aparece abaixo o iten wrr para configurar a fila e o peso,
digitando o valor desejado.
Class Map:

No link switch/class map na caixa adicionar class map digita-se o nome desejado e clica no botão +, para
adicionar.
No item class map aparece as class maps e as vlans criadas para adicionar as vlans desejadas, deve-se
clicar nas vlans que deseja adicionar nas clas maps.

100
CONFIGURAÇÃO E OPERAÇÃO

Police Map:

No link switch/police map, para configurar uma police map deve-se digitar o nome da police na caixa nome
e clicar no botão +.
Após adicionado as police maps, é possível visualizar as class maps, para configurar deve-se clicar nas
class maps que deseja-se adicionar e na caixa trafego e na caixa burst digitar os valores desejados.

101
8 MANUTENÇÃO PREVENTIVA

A Manutenção Preventiva deve ser realizada anualmente e consiste em dois processos de análise: o primeiro
mecânico onde é observado o estado geral do funcionamento do equipamento. O segundo é o funcional, na qual é
realizada uma leitura dos indicadores do rádio via console.
Os problemas físicos no equipamento estão relacionados à poeira excessiva que poderá provocar obstrução
nos orifícios de passagem de ar e na ventoinha, podendo causar aquecimento excessivo propiciando falhas
intermitentes e diminuição da vida útil do equipamento.
Os problemas eletrônicos estão relacionados às condições de operação, basicamente alimentação,
temperatura e umidade, sob as quais o equipamento pode apresentar potência de transmissão muito baixa ou muito
alta, ou alguma outra situação operacional que venha a trazer algum tipo de problema durante seu funcionamento,
que pode provocar erros no enlace e afetar sensivelmente a confiabilidade do tráfego de dados.
A manutenção preventiva tem o objetivo de evitar sérios danos e gastos maiores.

8.1 PRECAUÇÕES

Antes de realizar o procedimento de manutenção, notifique o cliente ou o operador da estação remota.


Embora os testes a serem realizados dispensam a desconexão mecânica do equipamento, após o encerramento
dos trabalhos certifique-se de que todos os cabos e conexões estejam fixados conforme estavam originalmente.

8.2 EQUIPAMENTOS

A lista abaixo identifica os equipamentos e materiais que devem ser utilizados para realizar a manutenção
preventiva.

Item Material
1 Laptop
2 Multímetro
3 Telefone
4 Cabo Console
5 Flanela
6 Pincel Pequeno

8.3 PROCEDIMENTOS

8.3.1 ANÁLISE MECÂNICA

Um inimigo muito comum dos equipamentos eletrônicos é a poeira, que em muitos casos pode causar a
parada do “cooler”, provocando o aquecimento do processador e do amplificador de potência e por fim os travamentos
do equipamento. Um outro problema comum é o mau contato, causado por má fixação dos conectores.
A análise mecânica visa identificar se as condições físicas de operação estão satisfatórias.
a) Verifique se o equipamento não possui sujeira acumulada. Caso contrário, utilize uma flanela levemente
úmida para limpar o gabinete e um pincel para a limpeza dos conectores. Não utilizar detergentes.
b) Verifique se as conexões estão firmemente fixadas no equipamento. Caso contrário, execute o reaperto
necessário.

8.3.2 ANÁLISE FUNCIONAL

A análise funcional constitui-se de leitura nos indicadores do rádio. Nesse caso devem ser realizadas leituras
do nível de sinal recebido (RSSI), da potência de transmissão (POT e TXPOWER) e da qualidade do sinal (SQ),
sendo esta última apenas uma leitura de referência, utilizada para a verificação de eventuais problemas externos
(interferências). Também deve ser observado se o equipamento está indicando algum alarme e também verificado a
taxa de erros.

102
MANUTENÇÃO PREVENTIVA

As leituras de RSSI e taxa de erros são verificadas diretamente pelos comandos “show radio odu main rssi”
e “show radio odu backup rssi”, respectivamente. Os valores de RSSI estão em um range de -15dBm a -80dBm.
O comando “show radio status” mostra a taxa de erros e está em um range de 0 a 65560. e a qualidade de sinal
presente no enlace. Abaixo é mostrada uma tabela referencial de correspondência para o SQ do DSR. Essa tabela
apresenta os valores passíveis de serem obtidos das leituras do SQ e o seu significado.

Modulação Banda (MHz) Ruim Médio Bom Excelente


1024 QAM 55/40/28/14 120 110 90 80
512 QAM 55/40/28/14 120 110 90 75
256 QAM 55/40/28/14 120 100 80 70
128 QAM 55/40/28/14 120 100 70 50
64 QAM 55/40/28/14 120 90 70 40
32 QAM 55/40/28/14 120 80 60 20
16 QAM 55/40/28/14 120 70 60 20
8 QAM 55/40/28/14 120 60 50 15
QPSK 55/40/28/14 120 60 40 10

Os resultados das leituras de potência e sinla recebido (RSSI) devem ser comparados com os valores do
projeto definitivo de instalação (PDI), que é fornecido ao cliente após a aceitação da instalação.

8.3.2.1 Procedimentos da análise funcional

Os testes a serem realizados não deverão interromper o fluxo de dados do enlace.


1. Verifique os leds do painel frontal. Na IDU do DSR-IDU2-2...38/400M 1+1 os leds de ALM e ERR (M e B)
deverão estar apagados. Os leds de PWR e LINK deverão estar acesos. Na IDU do DSR-IDU2-2...38/400M 1+0 os
leds de ALM e ERR deverão estar apagados. Os leds de PWR e LINK deverão estar acesos.
2. Conecte um laptop na interface de CONSOLE do rádio local utilizando o cabo fornecido com o equipamento.
3. Faça o login com usuário “dsr” e senha “digitel”:
4. O prompt indicará o seguinte status:

DSR#

5. Execute as leituras utilizando os comandos abaixo e anote os valores lidos.

DSRII# show radio status


DSRII# show radio alarms

6. Compare os valores lidos com os valores de projeto. Não deverá haver discrepâncias.
7. Acesse o rádio remoto.
8. Execute os passos 5 e 6 no rádio remoto.

103
9 ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

9.1 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS COMUNS PARA O DSR-IDU2 2...38 GHz/400 Mbps

Características Gerais
ODU: Superior a 12 anos (> 100.000 horas)
MTBF
IDU: Superior a 16 anos (> 140.000 horas)
Perda de retorno > 18 dB
Isolamento de terminação de TX para RX > 85 dB
Fator de Assinatura: para TEB 10-3 e TEB 10-6 = 0,01
Canal de Serviço – Voz e Dados
VF (Voice Frequency) Conector RJ45 4 fios com entrada e saída em 600 Ω
Frequência de 300 a 3400 Hz
Impedância de 600 Ω
Canal de Voz 2W
Nível de entrada de -12 dBm fixo
Nível de saída de 2 dB fixo.
Interface de dados
06 conectores HD26 p/ conexão ao patch panel c/ conector IEC (IEC 169-13) para interfaces
Interface G.703 (apenas no modelo 32E1 + 75 Ω não balanceadas. Cada conector comporta até 6 E1s.
Ethernet) Opção de conector BNC (IEC 169-8) para interfaces 75 Ω não balanceadas.
Capacidade digital da porta - até 32E1 e Codificação de pulsos HDB3
4 x 100/1000BT Gigabit Eth Elétrica com conectores RJ45 fêmea no painel dianteiro.
Ethernet 10/100BT autosensing, UTP para gerênvcia SNMP.
Interfaces Ethernet Switch, Gigabit e SNMP Velocidade n x 2048 Kbit/s (de 0 até a capacidade total do rádio)
MTU: 64 a 9600 bytes
2 x Interfaces GigabitEth óptico SFP (1000BX)
Características do Transmissor
Emissão de Espúrios < 60 dB
Estabilidade do oscilador local: ± 2,5 ppm de -10 a 70 ºC
Frequência Intermediária: 350 MHz
Ajustável via CLI (Command Line Interface), Telnet/SSH, WEB Config ou gerência SNMP em
Ajuste de Potência
passos de 0,5dB
Características do Receptor
Figura de ruído: 5 db
Estabilidade do oscilador local: ± 5 ppm de -10 a 70 ºC
BER residual: < 10-10
Máximo sinal de entrada (saturação): -28 dBm (exceto para a faixa de 2,2GHz – vide tabela específica)
Frequência Intermediária: 140,0 MHz
Largura de banda de FI 14, 28, 40 e 56 MHz
Fator de "roll-off": < 10%
Alimentação e Condições de Operação
Alimentação 2 x DC48 Hot Swap (-36 a -60 Vdc)
1+0 110W / 109W
Consumo / Dissipação Térmica
1+1 / 2+0 160W / 158W
Transporte -40 a 70 ºC
Operação -5 a 50 ºC
IDU Armazenamento -30 a 55 ºC
Umidade Relativa até 95% sem condensação
Altitude até 3000 metros acima do nível médio do mar.
Condições Climáticas Transporte -40 a 80 ºC
Operação -10 a 55 ºC
Armazenamento -30 a 55 ºC
ODU
Umidade Relativa até 100%
Chuva até 12 mm/hora sem imersão
Altitude até 3000 metros acima do nível médio do mar.

104
ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

Features
FEC com capacidade de correção de até 4%
Corretor de erros: FEC REED SOLOMON
Modulação: QPSK, 16QAM, 32QAM, 64QAM, 128QAM, 256QAM, 512QAM e 1024QAM
Estabilidade de frequência: ± 2,5 ppm, -30 a 55 ºC
Modulação adaptativa sutomática
AXPIC
Equalização adaptativa
Eficiência espectral programável
Leitura de blocos errados
Ponto de teste da intensidade de sinal recebido com conector BNC na ODU, e via supervisão ou gerência
Toda configuração e monitoramento local via CLI (terminal console), Telnet/SSH e WEB Config
Contatos de relé para disparar alarmes de tele-supervisão.
Conexão para transporte de alarme externo com 4 entradas opto-isoladas
Leds indicadores de PWR, ALM, STS, ERR, LINK-1, LINK-2, ODU-1 e ODU-2.
Conector RJ45 no painel frontal para conexão à console ADMIN
Configuração e status dos rádios local e remoto
Acionamento e resultados dos testes
Monitoramento do sinal recebido local e remoto - RSSI em dBm
Gerência SNMP
Normas Gerais
ANATEL, Anexo à Resolução n° 369, de 13 de maio de 2004: Norma para a certificação de homologação de transmissores e tranceptores
digitais para o serviço fixo em aplicações ponto-a-ponto nas faixas de frequências acima de 1 GHz.
ANATEL, Resolução 242 de 30 de Novembro de 2000. Regulamento para Certificação e Homologação de Produtos para Telecomunicações.
Anexo à Resolução ANATEL 442, de 21 de julho de 2006: Certificação de Equipamentos de Telecomunicações quanto aos Aspectos de
Compatibilidade Eletromagnética.
ANATEL, Resolução 259 de 19 de Abril de 2001. Regulamento de Uso do Espectro de Radio frequências.
ETSI EN 300 019-1-3 - Environmental Engineering (EE); Environmental Conditions and Environmental Tests for Telecommunications Equipment.
Classification of environmental conditions; Stationary use at weatherprotected locations.
ETSI EN 300 019-1-4 - Environmental Engineering (EE); Environmental Conditions and Environmental Tests for Telecommunications Equipment.
Classification of environmental conditions; Stationary use at non-weatherprotected locations.
ETS 300 132 - Power supply interface at the input to telecommunications equipment; Part 2: Operated by direct current (dc).
ETSI EN 300 253 - Environmental Engineering (EE); Earthing and bonding configuration inside telecommunications centres.
ETSI EN 300 386-1, Equipment Engineering (EE); Public telecommunication Network Equipment Electro-Magnetic Compatibility (EMC)
Requirements Part 1: Product Family Overview, Compliance Criteria and Test Levels.
ETSI EN 300 386-2, Electromagnetic Compatibility and Radio Spectrum Matters (ERM); Telecommunication Network Equipment; ElectroMagnetic
Compatibility (EMC) Requirements; Part 2: Product Family Standard.
ETSI EN 300 753, Equipment Engineering (EE); Acoustic Noise Emitted by Telecommunications Equipment.
ANATEL, Resolução 303 de 02 de Julho de 2002. Regulamento sobre Limitação e Exposição a Campos Elétricos, Magnéticos e Eletromagnéticos
na Faixa de Radiofrequência entre 9 KHz e 300 GHz.
Recomendações ITU TSS G.703, G.822.
Recomendações ITU TSS G.826 - Performance Monitoring (Qualidade de Dados).
Recomendações ITU TSS G.702 - Digital Hierarchy Bit Rates.
Recomendações ITU TSS G.703 - Physical/Electrical Characteristics of Hierarchical Digital Interfaces.
Recomendações ITU TSS G.823 - The Control of Jitter and Wander Within Digital Networks which are Based on the 2048 kbit/s Hierarchy.
ISO/IEC 802-3 de 2005 - CSMA/CD LAN (Ethernet).
IEEE 802.3u - Interface 10/100/1000Base-T com negociação automática
IEEE 802.3ab – Interface 1000BASE-T Gbit/s Ethernet sobre cabo par trançado a 1 Gbit/s
IEEE 802.3z – Interface 1000BASE-X Gbit/s Ethernet usando Fibra ótica a 1 Gbit/s
IEEE 802.1q – Virtual Lan (VLAN)
IEEE 802.1ad (QinQ)
IEEE 802.1p – LAN Layer 2 QoS/CoS Protocol for Traffic Prioritization

105
ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

ITU-T Y.1731 - OAM functions and mechansims for Ethernet based networks
RFC 1213 - Menagement Information Base for Network Menagement of TCP/IP-based Internets MIB-II (03/1991).
RFC 1242 - Benchmarking Terminology for Network Interconnection Devices.
RFC 2544 - Benchmarking Methodology for Network Interconnect Devices.
Características Físicas
IDU em gabinete metálico para instalação em rack, construído em aço 1010/1020 zincado. Apresenta pintura Epoxi.
IDU Largura: 485mm (19”), Altura: 44,3mm (1U) e Profundidade: 270mm
Peso: 3 kg Líquido e 4 kg Embalado
ODU construída em alumínio fundido. Apresenta pintura Epoxi externa.
ODU Largura: 300 mm, Altura: 120 mm e Profundidade: 300 mm
Peso: 5 kg Líquido e 6,5 kg Embalado

106
ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

9.2 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS PARA DSR 2,2 GHz


Características Gerais
Faixa de Frequência 2,024 GHz a 2,111 GHz e 2,199 GHz a 2,286 GHz
Capacidade total do rádio 110 Mbit/s em 1+0 e 220 Mbit/s em 2+0
Modo de operação (1+0) / (2+0) / (1+1) / REP (1+0)
Conector de RF do rádio Conector tipo N Fêmea
Características do Receptor – Modulação e Sensibilidade – Velocidade / Banda
Largura de Modulação Taxa em Taxa em Potência Sensibilidade Ganho de Designação
banda 1+0 / 1+1 2+0 máxima BER = E-6 sistema
14 MHz QPSK 22 Mbps 47 Mbps 30 dBm -84 dBm 114 dB 14M0G7W
14 MHz 8QAM 34 Mbps 71 Mbps 30 dBm -83 dBm 113 dB 14M0D7W
14 MHz 16QAM 41 Mbps 84 Mbps 30 dBm -81 dBm 111 dB 14M0D7W
14 MHz 32QAM 47 Mbps 96 Mbps 30 dBm -79 dBm 109 dB 14M0D7W
14MHz 32QAM fast 53 Mbps 108 Mbps 30 dBm -78 dBm 108 dB 14M0D7W
14MHz 64QAM 59 Mbps 120 Mbps 30 dBm -76 dBm 106 dB 14M0D7W
14 MHz 64QAM fast 65 Mbps 133 Mbps 30 dBm -75 dBm 105 dB 14M0D7W
14 MHz 128QAM 71 Mbps 145 Mbps 30 dBm -73 dBm 103 dB 14M0D7W
14 MHz 128 QAM fast 77 Mbps 157 Mbps 30 dBm -72 dBm 102 dB 14M0D7W
14 MHz 256QAM 84 Mbps 169 Mbps 30 dBm -70 dBm 100 dB 14M0D7W
14MHz 256QAM fast 90 Mbps 182 Mbps 30 dBm -68 dBm 98 dB 14M0D7W
14 MHz 512QAM 96 Mbps 194 Mbps 30 dBm -65 dBm 95 dB 14M0D7W
14 MHz 512QAM fast 102 Mbps 206 Mbps 30 dBm -63 dBm 93 dB 14M0D7W
14 MHz 1024QAM 108 Mbps 219 Mbps 30 dBm -62 dBm 92 dB 14M0D7W
14+14 MHz QPSK 47 Mbps 96 Mbps 30 dBm -81 dBm 111 dB 14M0G7W
14+14 MHz 8QAM 71 Mbps 145 Mbps 30 dBm -80 dBm 110 dB 14M0D7W
14+14 MHz 16QAM 84 Mbps 170 Mbps 30 dBm -78 dBm 108 dB 14M0D7W
14+14 MHz 32QAM 96 Mbps 194 Mbps 30 dBm -76 dBm 106 dB 14M0D7W
14+14 MHz 32QAM fast 108 Mbps 219 Mbps 30 dBm -75 dBm 105 dB 14M0D7W
14+14 MHz 64QAM 120 Mbps 243 Mbps 30 dBm -73 dBm 103 dB 14M0D7W
14+14 MHz 64QAM fast 133 Mbps 268 Mbps 30 dBm -72 dBm 102 dB 14M0D7W
14+14 MHz 128QAM 145 Mbps 292 Mbps 30 dBm -70 dBm 100 dB 14M0D7W
14+14 MHz 128 QAM fast 157 Mbps 317 Mbps 30 dBm -69 dBm 99 dB 14M0D7W
14+14 MHz 256QAM 169 Mbps 342 Mbps 30 dBm -67 dBm 97 dB 14M0D7W
14+14 MHz 256QAM fast 182 Mbps 366 Mbps 30 dBm -65 dBm 95 dB 14M0D7W
14+14 MHz 512QAM 194 Mbps 391 Mbps 30 dBm -62 dBm 92 dB 14M0D7W
14+14 MHz 512QAM fast 206 Mbps 415 Mbps 30 dBm -60 dBm 90 dB 14M0D7W
14+14 MHz 1024QAM 219 Mbps 440 Mbps 30 dBm -59 dBm 89 dB 14M0D7W
Obs. 1. Valores garantidos: somar 1 dB nos limiares de sensibilidade.
Obs. 2. Para se obter os valores de sensibilidade para TEB 10-3 e 10-9, somar respectivamente -3 dB e +3 dB aos valores da tabela.
Características do Transmissor
Potência de transmissão 17 a 30 dBm em passos de 1dB
Faixa de Atuação do ATPC 13 dB
Estabilidade de Frequência ± 5 ppm de -10ºC a 70 ºC
Eficiência espectral 7,85 bits/Hz
Norma Específica
Anexo à Resolução n.º 240, de 29 de Novembro de 2000. Canalização e Condições de Uso de Radio frequências para Sistemas Rádio
Digital Operando nas Faixas de 2025 MHz a 2110 MHz e de 2200 MHz a 2290 MHz.

107
ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

9.3 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS PARA DSR 7,5 GHz


Características Gerais
Faixa de Frequência 7,425 GHz a 7,575 GHz e 7,575 GHz a 7,725 GHz
Capacidade total do rádio 220 Mbit/s em 1+0 e 440 Mbit/s em 2+0
Modo de operação (1+0) / (2+0) / (1+1) / REP (1+0)
Conector de RF do rádio Flange retangular UDR-84
Características do Receptor – Modulação e Sensibilidade – Velocidade / Banda

Largura de Modulação Taxa em Taxa em Potência Sensibilidade Ganho de Designação


banda 1+0 / 1+1 2+0 máxima BER = E-6 sistema
14 MHz QPSK 22 Mbps 47 Mbps 28 dBm -83 dBm 111 dB 14M0G7W
14 MHz 8QAM 34 Mbps 71 Mbps 27 dBm -81 dBm 108 dB 14M0D7W
14 MHz 16QAM 41 Mbps 84 Mbps 27 dBm -78 dBm 105 dB 14M0D7W
14 MHz 32QAM 47 Mbps 96 Mbps 26 dBm -77 dBm 103 dB 14M0D7W
14 MHz 32QAM fast 53 Mbps 108 Mbps 26 dBm -76 dBm 102 dB 14M0D7W
14 MHz 64QAM 59 Mbps 120 Mbps 25 dBm -75 dBm 100 dB 14M0D7W
14 MHz 64QAM fast 65 Mbps 133 Mbps 25 dBm -74 dBm 99 dB 14M0D7W
14 MHz 128QAM 71 Mbps 145 Mbps 24 dBm -72 dBm 96 dB 14M0D7W
14 MHz 128 QAM fast 77 Mbps 157 Mbps 24 dBm -70 dBm 94 dB 14M0D7W
14 MHz 256QAM 84 Mbps 169 Mbps 21 dBm -68 dBm 89 dB 14M0D7W
14 MHz 256QAM fast 90 Mbps 182 Mbps 21 dBm -66 dBm 87 dB 14M0D7W
14 MHz 512QAM 96 Mbps 194 Mbps 20 DBm -64 dBm 84 dB 14M0D7W
14 MHz 512QAM fast 102 Mbps 206 Mbps 20 DBm -62 dBm 82 dB 14M0D7W
14 MHz 1024QAM 108 Mbps 219 Mbps 19 dBm -60 dBm 79 dB 14M0D7W
28 MHz QPSK 47 Mbps 96 Mbps 28 dBm -80 dBm 108 dB 28M0G7W
28 MHz 8QAM 71 Mbps 145 Mbps 27 dBm -78 dBm 105 dB 28M0D7W
28 MHz 16QAM 84 Mbps 170 Mbps 27 dBm -75 dBm 102 dB 28M0D7W
28 MHz 32QAM 96 Mbps 194 Mbps 26 dBm -74 dBm 100 dB 28M0D7W
28 MHz 32QAM fast 108 Mbps 219 Mbps 26 dBm -73 dBm 99 dB 28M0D7W
28 MHz 64QAM 120 Mbps 243 Mbps 25 dBm -72 dBm 97 dB 28M0D7W
28 MHz 64QAM fast 133 Mbps 268 Mbps 25 dBm -71 dBm 96 dB 28M0D7W
28 MHz 128QAM 145 Mbps 292 Mbps 24 dBm -69 dBm 93 dB 28M0D7W
28 MHz 128 QAM fast 157 Mbps 317 Mbps 24 dBm -67 dBm 91 dB 28M0D7W
28 MHz 256QAM 169 Mbps 342 Mbps 21 dBm -65 dBm 86 dB 28M0D7W
28 MHz 256QAM fast 182 Mbps 366 Mbps 21 dBm -63 dBm 84 dB 28M0D7W
28 MHz 512QAM 194 Mbps 391 Mbps 20 DBm -61 dBm 81 dB 28M0D7W
28 MHz 512QAM fast 206 Mbps 415 Mbps 20 DBm -59 dBm 79 dB 28M0D7W
28 MHz 1024QAM 219 Mbps 440 Mbps 19 dBm -57 dBm 76 dB 28M0D7W

108
Largura de Modulação Taxa em Taxa em Potência Sensibilidade Ganho de Designação
banda 1+0 / 1+1 2+0 máxima BER = E-6 sistema
14+14 MHz QPSK 47 Mbps 96 Mbps 28 dBm -80 dBm 108 dB 14M0G7W
14+14 MHz 8QAM 71 Mbps 145 Mbps 27 dBm -78 dBm 105 dB 14M0D7W
14+14 MHz 16QAM 84 Mbps 170 Mbps 27 dBm -75 dBm 102 dB 14M0D7W
14+14 MHz 32QAM 96 Mbps 194 Mbps 26 dBm -74 dBm 100 dB 14M0D7W
14+14 MHz 32QAM fast 108 Mbps 219 Mbps 26 dBm -73 dBm 99 dB 14M0D7W
14+14 MHz 64QAM 120 Mbps 243 Mbps 25 dBm -72 dBm 97 dB 14M0D7W
14+14 MHz 64QAM fast 133 Mbps 268 Mbps 25 dBm -71 dBm 96 dB 14M0D7W
14+14 MHz 128QAM 145 Mbps 292 Mbps 24 dBm -69 dBm 93 dB 14M0D7W
14+14 MHz 128 QAM fast 157 Mbps 317 Mbps 24 dBm -67 dBm 91 dB 14M0D7W
14+14 MHz 256QAM 169 Mbps 342 Mbps 21 dBm -65 dBm 86 dB 14M0D7W
14+14 MHz 256QAM fast 182 Mbps 366 Mbps 21 dBm -63 dBm 84 dB 14M0D7W
14+14 MHz 512QAM 194 Mbps 391 Mbps 20 DBm -61 dBm 81 dB 14M0D7W
14+14 MHz 512QAM fast 206 Mbps 415 Mbps 20 DBm -59 dBm 79 dB 14M0D7W
14+14 MHz 1024QAM 219 Mbps 440 Mbps 19 dBm -57 dBm 76 dB 14M0D7W
28+28 MHz QPSK 94 Mbps 190 Mbps 28 dBm -77 dBm 105 dB 28M0G7W
28+28 MHz 8QAM 141 Mbps 286 Mbps 27 dBm -75 dBm 102 dB 28M0D7W
28+28 MHz 16QAM 165 Mbps 333 Mbps 27 dBm -72 dBm 99 dB 28M0D7W
28+28 MHz 32QAM 190 Mbps 380 Mbps 26 dBm -71 dBm 97 dB 28M0D7W
28+28 MHz 32QAM fast 215 Mbps 430 Mbps 26 dBm -70 dBm 96 dB 28M0D7W
28+28 MHz 64QAM 237 Mbps 477 Mbps 25 dBm -69 dBm 94 dB 28M0D7W
28+28 MHz 64QAM fast 262 Mbps 526 Mbps 25 dBm -68 dBm 93 dB 28M0D7W
28+28 MHz 128QAM 286 Mbps 573 Mbps 24 dBm -67 dBm 91 dB 28M0D7W
28+28 MHz 128 QAM fast 309 Mbps 622 Mbps 24 dBm -64 dBm 88 dB 28M0D7W
28+28 MHz 256QAM 333 Mbps 669 Mbps 21 dBm -62 dBm 83 dB 28M0D7W
28+28 MHz 256QAM fast 358 Mbps 716 Mbps 21 dBm -60 dBm 81 dB 28M0D7W
28+28 MHz 512QAM * 380 Mbps 765 Mbps 20 DBm -58 dBm 78 dB 28M0D7W
28+28 MHz 512QAM fast * 405 Mbps -- 20 DBm -56 dBm 76 dB 28M0D7W
28+28 MHz 1024QAM * 430 Mbps -- 19 dBm -54 dBm 73 dB 28M0D7W
Obs. 1. Valores garantidos: somar 1 dB nos limiares de sensibilidade.
Obs. 2. Para se obter os valores de sensibilidade para TEB 10-3 e 10-9, somar respectivamente -3 dB e +3 dB aos valores da tabela.
* Lançamento futuro
Características do Transmissor
Potência de transmissão 10 a 28 dBm em passos de 1dB
Faixa de Atuação do ATPC 18 dB
Estabilidade de Frequência ± 5 ppm de -10ºC a 70 ºC
Eficiência espectral 7,85 bits/Hz
Norma Específica
ANATEL Norma 001/95. Canalização e condições de uso de frequências para sistema Rádio Digital operando na faixa de 7 GHz.

109
9.4 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS PARA DSR 8,0 GHz
Características Gerais
Faixa de Frequência 7,725 GHz a 7,975 GHz e 8,025 GHz a 8,275 GHz
Capacidade total do rádio 220 Mbit/s em 1+0 e 440 Mbit/s em 2+0
Modo de operação (1+0) / (2+0) / (1+1) / REP (1+0)
Conector de RF do rádio Flange retangular UDR-84
Características do Receptor – Modulação e Sensibilidade – Velocidade / Banda
Largura de Modulação Taxa em Taxa em Potência Sensibilidade Ganho de Designação
banda 1+0 / 1+1 2+0 máxima BER = E-6 sistema
29,65 MHz QPSK 47 Mbps 96 Mbps 28 dBm -80 dBm 108 dB 29M7G7W
29,65 MHz 8QAM 71 Mbps 145 Mbps 27 dBm -78 dBm 105 dB 29M7D7W
29,65 MHz 16QAM 84 Mbps 170 Mbps 27 dBm -75 dBm 102 dB 29M7D7W
29,65 MHz 32QAM 96 Mbps 194 Mbps 26 dBm -74 dBm 100 dB 29M7D7W
29,65 MHz 32QAM fast 108 Mbps 219 Mbps 26 dBm -73 dBm 99 dB 29M7D7W
29,65 MHz 64QAM 120 Mbps 243 Mbps 25 dBm -72 dBm 97 dB 29M7D7W
29,65 MHz 64QAM fast 133 Mbps 268 Mbps 25 dBm -71 dBm 96 dB 29M7D7W
29,65 MHz 128QAM 145 Mbps 292 Mbps 24 dBm -69 dBm 93 dB 29M7D7W
29,65 MHz 128 QAM fast 157 Mbps 317 Mbps 24 dBm -67 dBm 91 dB 29M7D7W
29,65 MHz 256QAM 169 Mbps 342 Mbps 23 dBm -65 dBm 89 dB 29M7D7W
29,65 MHz 256QAM fast 182 Mbps 366 Mbps 23 dBm -63 dBm 87 dB 29M7D7W
29,65 MHz 512QAM 194 Mbps 391 Mbps 21 DBm -61 dBm 82 dB 29M7D7W
29,65 MHz 512QAM fast 206 Mbps 415 Mbps 20 DBm -59 dBm 79 dB 29M7D7W
29,65 MHz 1024QAM 219 Mbps 440 Mbps 19 dBm -57 dBm 76 dB 29M7D7W
29+29 MHz QPSK 94 Mbps 190 Mbps 28 dBm -77 dBm 105 dB 29M7G7W
29+29 MHz 8QAM 141 Mbps 286 Mbps 27 dBm -75 dBm 102 dB 29M7D7W
29+29 MHz 16QAM 165 Mbps 333 Mbps 27 dBm -72 dBm 99 dB 29M7D7W
29+29 MHz 32QAM 190 Mbps 380 Mbps 26 dBm -71 dBm 97 dB 29M7D7W
29+29 MHz 32QAM fast 215 Mbps 430 Mbps 26 dBm -70 dBm 96 dB 29M7D7W
29+29 MHz 64QAM 237 Mbps 477 Mbps 25 dBm -69 dBm 94 dB 29M7D7W
29+29 MHz 64QAM fast 262 Mbps 526 Mbps 25 dBm -68 dBm 93 dB 29M7D7W
29+29 MHz 128QAM 286 Mbps 573 Mbps 24 dBm -67 dBm 91 dB 29M7D7W
29+29 MHz 128 QAM fast 309 Mbps 622 Mbps 24 dBm -64 dBm 88 dB 29M7D7W
29+29 MHz 256QAM 333 Mbps 669 Mbps 23 dBm -62 dBm 85 dB 29M7D7W
29+29 MHz 256QAM fast 358 Mbps 716 Mbps 23 dBm -60 dBm 83 dB 29M7D7W
29+29 MHz 512QAM * 380 Mbps 765 Mbps 21 DBm -58 dBm 79 dB 29M7D7W
29+29 MHz 512QAM fast * 405 Mbps -- 20 DBm -56 dBm 76 dB 29M7D7W
29+29 MHz 1024QAM * 430 Mbps -- 19 dBm -54 dBm 73 dB 29M7D7W
Obs. 1. Valores garantidos: somar 1 dB nos limiares de sensibilidade.
Obs. 2. Para se obter os valores de sensibilidade para TEB 10-3 e 10-9, somar respectivamente -3 dB e +3 dB aos valores da tabela.
* Lançamento futuro
Características do Transmissor
Potência de transmissão 10 a 28 dBm em passos de 1dB
Faixa de Atuação do ATPC 18 dB
Estabilidade de Frequência ± 5 ppm de -10ºC a 70 ºC
Eficiência espectral 7,42 bits/Hz
Norma Específica
ANATEL Resolução nº 310 de 19 de Setembro de 2002.

110
ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

9.5 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS PARA DSR 8,5 GHz

Características Gerais
Faixa de Frequência 8,275 GHz a 8,387 GHz e 8,387 GHz a 8,500 GHz
Capacidade total do rádio 220 Mbit/s em 1+0 e 440 Mbit/s em 2+0
Modo de operação (1+0) / (2+0) / (1+1) / REP (1+0)
Conector de RF do rádio Flange retangular UDR-84
Características do Receptor – Modulação e Sensibilidade – Velocidade / Banda

Largura de Modulação Taxa em Taxa em Potência Sensibilidade Ganho de Designação


banda 1+0 / 1+1 2+0 máxima BER = E-6 sistema
14 MHz QPSK 22 Mbps 47 Mbps 28 dBm -81 dBm 109 dB 14M0G7W
14 MHz 8QAM 34 Mbps 71 Mbps 27 dBm -79 dBm 106 dB 14M0D7W
14 MHz 16QAM 41 Mbps 84 Mbps 27 dBm -77 dBm 104 dB 14M0D7W
14 MHz 32QAM 47 Mbps 96 Mbps 26 dBm -76 dBm 102 dB 14M0D7W
14 MHz 32QAM fast 53 Mbps 108 Mbps 26 dBm -74 dBm 100 dB 14M0D7W
14 MHz 64QAM 59 Mbps 120 Mbps 25 dBm -73 dBm 98 dB 14M0D7W
14 MHz 64QAM fast 65 Mbps 133 Mbps 25 dBm -71 dBm 96 dB 14M0D7W
14 MHz 128QAM 71 Mbps 145 Mbps 24 dBm -70 dBm 94 dB 14M0D7W
14 MHz 128 QAM fast 77 Mbps 157 Mbps 24 dBm -68 dBm 92 dB 14M0D7W
14 MHz 256QAM 84 Mbps 169 Mbps 21 dBm -67 dBm 88 dB 14M0D7W
14 MHz 256QAM fast 90 Mbps 182 Mbps 21 dBm -65 dBm 86 dB 14M0D7W
14 MHz 512QAM 96 Mbps 194 Mbps 20 DBm -64 dBm 84 dB 14M0D7W
14 MHz 512QAM fast 102 Mbps 206 Mbps 20 DBm -62 dBm 82 dB 14M0D7W
14 MHz 1024QAM 108 Mbps 219 Mbps 19 dBm -59 dBm 78 dB 14M0D7W
28 MHz QPSK 47 Mbps 96 Mbps 28 dBm -78 dBm 106 dB 28M0G7W
28 MHz 8QAM 71 Mbps 145 Mbps 27 dBm -76 dBm 103 dB 28M0D7W
28 MHz 16QAM 84 Mbps 170 Mbps 27 dBm -74 dBm 101 dB 28M0D7W
28 MHz 32QAM 96 Mbps 194 Mbps 26 dBm -73 dBm 99 dB 28M0D7W
28 MHz 32QAM fast 108 Mbps 219 Mbps 26 dBm -71 dBm 97 dB 28M0D7W
28 MHz 64QAM 120 Mbps 243 Mbps 25 dBm -70 dBm 95 dB 28M0D7W
28 MHz 64QAM fast 133 Mbps 268 Mbps 25 dBm -68 dBm 93 dB 28M0D7W
28 MHz 128QAM 145 Mbps 292 Mbps 24 dBm -67 dBm 91 dB 28M0D7W
28 MHz 128 QAM fast 157 Mbps 317 Mbps 24 dBm -65 dBm 89 dB 28M0D7W
28 MHz 256QAM 169 Mbps 342 Mbps 21 dBm -64 dBm 85 dB 28M0D7W
28 MHz 256QAM fast 182 Mbps 366 Mbps 21 dBm -62 dBm 83 dB 28M0D7W
28 MHz 512QAM 194 Mbps 391 Mbps 20 DBm -61 dBm 81 dB 28M0D7W
28 MHz 512QAM fast 206 Mbps 415 Mbps 20 DBm -59 dBm 79 dB 28M0D7W
28 MHz 1024QAM 219 Mbps 440 Mbps 19 dBm -56 dBm 75 dB 28M0D7W
Obs. 1. Valores garantidos: somar 1 dB nos limiares de sensibilidade.
Obs. 2. Para se obter os valores de sensibilidade para TEB 10-3 e 10-9, somar respectivamente -3 dB e +3 dB aos valores da tabela.
Características do Transmissor
Potência de transmissão 10 a 28 dBm em passos de 1dB
Faixa de Atuação do ATPC 18 dB
Estabilidade de Frequência ± 5 ppm de -10ºC a 70 ºC
Eficiência espectral 7,85 bits/Hz
Norma Específica
AANATEL Resolução nº 106 de 25 de Fevereiro de 1999.

111
ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

9.6 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS PARA DSR 15 GHz

Características Gerais
Faixa de Frequência 14,5 GHz a 14,925 GHz e 14,925 GHz a 15,35 GHz
Capacidade total do rádio 110 Mbit/s em 1+0 e 220 Mbit/s em 2+0
Modo de operação (1+0) / (2+0) / (1+1) / REP (1+0)
Conector de RF do rádio Flange retangular UBR-140
Características do Receptor – Modulação e Sensibilidade – Velocidade / Banda
Largura de Modulação Taxa em Taxa em Potência Sensibilidade Ganho de Designação
banda 1+0 / 1+1 2+0 máxima BER = E-6 sistema
14 MHz QPSK 22 Mbps 47 Mbps 23 dBm -84 dBm 107 dB 14M0G7W
14 MHz 8QAM 34 Mbps 71 Mbps 22 dBm -80 dBm 102 dB 14M0D7W
14 MHz 16QAM 41 Mbps 84 Mbps 22 dBm -78 dBm 100 dB 14M0D7W
14 MHz 32QAM 47 Mbps 96 Mbps 22 dBm -77 dBm 99 dB 14M0D7W
14MHz 32QAM fast 53 Mbps 108 Mbps 22 dBm -75 dBm 97 dB 14M0D7W
14MHz 64QAM 59 Mbps 120 Mbps 21 dBm -74 dBm 95 dB 14M0D7W
14 MHz 64QAM fast 65 Mbps 133 Mbps 20 dBm -72 dBm 92 dB 14M0D7W
14 MHz 128QAM 71 Mbps 145 Mbps 19 dBm -70 dBm 89 dB 14M0D7W
14 MHz 128 QAM fast 77 Mbps 157 Mbps 18 dBm -69 dBm 87 dB 14M0D7W
14 MHz 256QAM 84 Mbps 169 Mbps 18 dBm -67 dBm 85 dB 14M0D7W
14MHz 256QAM fast 90 Mbps 182 Mbps 17 dBm -65 dBm 82 dB 14M0D7W
14 MHz 512QAM 96 Mbps 194 Mbps 16 dBm -63 dBm 79 dB 14M0D7W
14 MHz 512QAM fast 102 Mbps 206 Mbps 15 dBm -61 dBm 76 dB 14M0D7W
14 MHz 1024QAM 108 Mbps 219 Mbps 14 dBm -59 dBm 73 dB 14M0D7W
14+14 MHz QPSK 47 Mbps 96 Mbps 23 dBm -81 dBm 104 dB 14M0G7W
14+14 MHz 8QAM 71 Mbps 145 Mbps 22 dBm -77 dBm 99 dB 14M0D7W
14+14 MHz 16QAM 84 Mbps 170 Mbps 22 dBm -75 dBm 97 dB 14M0D7W
14+14 MHz 32QAM 96 Mbps 194 Mbps 22 dBm -74 dBm 96 dB 14M0D7W
14+14 MHz 32QAM fast 108 Mbps 219 Mbps 22 dBm -72 dBm 94 dB 14M0D7W
14+14 MHz 64QAM 120 Mbps 243 Mbps 21 dBm -71 dBm 92 dB 14M0D7W
14+14 MHz 64QAM fast 133 Mbps 268 Mbps 20 dBm -69 dBm 89 dB 14M0D7W
14+14 MHz 128QAM 145 Mbps 292 Mbps 19 dBm -67 dBm 86 dB 14M0D7W
14+14 MHz 128 QAM fast 157 Mbps 317 Mbps 18 dBm -66 dBm 84 dB 14M0D7W
14+14 MHz 256QAM 169 Mbps 342 Mbps 18 dBm -64 dBm 82 dB 14M0D7W
14+14 MHz 256QAM fast 182 Mbps 366 Mbps 17 dBm -62 dBm 79 dB 14M0D7W
14+14 MHz 512QAM 194 Mbps 391 Mbps 16 dBm -60 dBm 76 dB 14M0D7W
14+14 MHz 512QAM fast 206 Mbps 415 Mbps 15 dBm -58 dBm 73 dB 14M0D7W
14+14 MHz 1024QAM 219 Mbps 440 Mbps 14 dBm -56 dBm 70 dB 14M0D7W
Obs. 1. Valores garantidos: somar 1 dB nos limiares de sensibilidade.
Obs. 2. Para se obter os valores de sensibilidade para TEB 10-3 e 10-9, somar respectivamente -3 dB e +3 dB aos valores da tabela.
Características do Transmissor
Potência de transmissão 10 a 23 dBm, em passos de 1 dB
Faixa de Atuação do ATPC 13 dB
Estabilidade de Frequência ± 5 ppm de -10ºC a 70 ºC
Eficiência espectral 7,85 bits/Hz
Norma Específica
Anexo à Resolução nº 129 de 26 de maio de 1999 - Regulamentação Sobre a Canalização e Condições de Uso da Faixa de 15GHz.

112
ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

9.7 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS PARA DSR 18 GHz


Características Gerais
Faixa de Frequência 17,7 GHz a 18,14 GHz e de 19,26 GHz a 19,7 GHz
Capacidade total do rádio 440 Mbit/s em 1+0 e 880 Mbit/s em 2+0
Modo de operação (1+0) / (2+0) / (1+1) / REP (1+0)
Conector de RF do rádio Flange retangular UBR-220
Características do Receptor – Modulação e Sensibilidade – Velocidade / Banda

Largura de Modulação Taxa em Taxa em Potência Sensibilidade Ganho de Designação


banda 1+0 / 1+1 2+0 máxima BER = E-6 sistema
13,75 MHz QPSK 22 Mbps 47 Mbps 23 dBm -83 dBm 106 dB 13M8G7W
13,75 MHz 8QAM 34 Mbps 71 Mbps 21 dBm -78 dBm 99 dB 13M8D7W
13,75 MHz 16QAM 41 Mbps 84 Mbps 21 dBm -77 dBm 98 dB 13M8D7W
13,75 MHz 32QAM 47 Mbps 96 Mbps 21 dBm -75 dBm 96 dB 13M8D7W
13,75 MHz 32QAM fast 53 Mbps 108 Mbps 20 dBm -74 dBm 94 dB 13M8D7W
13,75 MHz 64QAM 59 Mbps 120 Mbps 19 dBm -71 dBm 90 dB 13M8D7W
13,75 MHz 64QAM fast 65 Mbps 133 Mbps 19 dBm -70 dBm 89 dB 13M8D7W
13,75 MHz 128QAM 71 Mbps 145 Mbps 18 dBm -67 dBm 85 dB 13M8D7W
13,75 MHz 128 QAM fast 77 Mbps 157 Mbps 18 dBm -66 dBm 84 dB 13M8D7W
13,75 MHz 256QAM 84 Mbps 169 Mbps 17 dBm -65 dBm 82 dB 13M8D7W
13,75 MHz 256QAM fast 90 Mbps 182 Mbps 17 dBm -64 dBm 81 dB 13M8D7W
13,75 MHz 512QAM 96 Mbps 194 Mbps 17 dBm -63 dBm 80 dB 13M8D7W
13,75 MHz 512QAM fast 102 Mbps 206 Mbps 17 dBm -60 dBm 77 dB 13M8D7W
13,75 MHz 1024QAM 108 Mbps 219 Mbps 16 dBm -58 dBm 74 dB 13M8D7W
27,5 MHz QPSK 47 Mbps 96 Mbps 23 dBm -80 dBm 103 dB 27M5G7W
27,5 MHz 8QAM 71 Mbps 145 Mbps 21 dBm -75 dBm 96 dB 27M5D7W
27,5 MHz 16QAM 84 Mbps 170 Mbps 21 dBm -74 dBm 95 dB 27M5D7W
27,5 MHz 32QAM 96 Mbps 194 Mbps 21 dBm -72 dBm 93 dB 27M5D7W
27,5 MHz 32QAM fast 108 Mbps 219 Mbps 20 dBm -71 dBm 91 dB 27M5D7W
27,5 MHz 64QAM 120 Mbps 243 Mbps 19 dBm -68 dBm 87 dB 27M5D7W
27,5 MHz 64QAM fast 133 Mbps 268 Mbps 19 dBm -67 dBm 86 dB 27M5D7W
27,5 MHz 128QAM 145 Mbps 292 Mbps 18 dBm -64 dBm 82 dB 27M5D7W
27,5 MHz 128 QAM fast 157 Mbps 317 Mbps 18 dBm -63 dBm 81 dB 27M5D7W
27,5 MHz 256QAM 169 Mbps 342 Mbps 17 dBm -62 dBm 79 dB 27M5D7W
27,5 MHz 256QAM fast 182 Mbps 366 Mbps 17 dBm -61 dBm 78 dB 27M5D7W
27,5 MHz 512QAM 194 Mbps 391 Mbps 17 dBm -60 dBm 77 dB 27M5D7W
27,5 MHz 512QAM fast 206 Mbps 415 Mbps 17 dBm -57 dBm 74 dB 27M5D7W
27,5 MHz 1024QAM 219 Mbps 440 Mbps 16 dBm -55 dBm 71 dB 27M5D7W

113
ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

Largura de Modulação Taxa em Taxa em Potência Sensibilidade Ganho de Designação


banda 1+0 / 1+1 2+0 máxima BER = E-6 sistema
55 MHz QPSK 94 Mbps 190 Mbps 23 dBm -77 dBm 100 dB 55M0G7W
55 MHz 8QAM 141 Mbps 286 Mbps 21 dBm -71 dBm 93 dB 55M0D7W
55 MHz 16QAM 165 Mbps 333 Mbps 21 dBm -70 dBm 92 dB 55M0D7W
55 MHz 32QAM 190 Mbps 380 Mbps 21 dBm -69 dBm 90 dB 55M0D7W
55 MHz 32QAM fast 215 Mbps 430 Mbps 20 dBm -67 dBm 88 dB 55M0D7W
55 MHz 64QAM 237 Mbps 477 Mbps 19 dBm -65 dBm 84 dB 55M0D7W
55 MHz 64QAM fast 262 Mbps 526 Mbps 19 dBm -63 dBm 83 dB 55M0D7W
55 MHz 128QAM 286 Mbps 573 Mbps 18 dBm -61 dBm 79 dB 55M0D7W
55 MHz 128 QAM fast 309 Mbps 622 Mbps 18 dBm -60 dBm 78 dB 55M0D7W
55 MHz 256QAM 333 Mbps 669 Mbps 17 dBm -59 dBm 76 dB 55M0D7W
55 MHz 256QAM fast 358 Mbps 716 Mbps 17 dBm -58 dBm 75 dB 55M0D7W
55 MHz 512QAM * 380 Mbps 765 Mbps 17 dBm -57 dBm 74 dB 55M0D7W
55 MHz 512QAM fast * 405 Mbps -- 17 dBm -55 dBm 73 dB 55M0D7W
55 MHz 1024QAM * 430 Mbps -- 16 dBm -53 dBm 68 dB 55M0D7W
Obs. 1. Valores garantidos: somar 1 dB nos limiares de sensibilidade.
Obs. 2. Para se obter os valores de sensibilidade para TEB 10-3 e 10-9, somar respectivamente -3 dB e +3 dB aos valores da tabela.
* Lançamento futuro
Características do Transmissor
Potência de transmissão 10 a 23 dBm, em passos de 1 dB
Faixa de Atuação do ATPC 13 dB
Estabilidade de Frequência ± 5 ppm de -10ºC a 70 ºC
Eficiência espectral 8 bits/Hz
Norma Específica
ANATEL Norma 15/96. Canalização e Plano de Uso de Frequências para Sistemas Digitais de Radiocomunicação na Faixa de 18 GHz.

114
ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

9.8 CANAIS DE RF

9.8.1 CANAIS DE RF PARA ODU 2,2 GHz

Canais de RF - DSR 2200 MHz


ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 290, 29 DE NOVEMBRO DE 2009
Banda de 14MHz
Modelo Canal High Low
A 1 2207500 2032500
A 2 2221500 2046500
A 3 2235500 2060500
B 4 2249500 2074500
B 5 2263500 2088500
B 6 2277500 2102500

9.8.2 CANAIS DE RF PARA ODU DSR 7,5 GHz

Canais de RF - DSR 7,5 GHz


NORMA Nº 001/95
Banda de 14 MHz Banda de 28 MHz
Modelo Canal High Low Modelo Canal High Low
A 1 7589000 7435000 A 1 7596000 7442000
A 2 7603000 7449000 A/B 2 7624000 7470000
A/B 3 7617000 7463000 B/C 3 7652000 7498000
A/B 4 7631000 7477000 C/D 4 7680000 7526000
B/C 5 7645000 7491000 D 5 7708000 7554000
B/C 6 7659000 7505000
C/D 7 7673000 7519000
C/D 8 7687000 7533000
D 9 7701000 7547000
D 10 7715000 7561000

115
ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

9.8.3 CANAIS DE RF PARA ODU DSR 8 GHz

Canais de RF - DSR 8 GHz


ANEXO À RESOLUÇÃO Nº 310, 19 DE SETEMBRO DE 2002
Banda de 29,65 MHz
Modelo Canal High Low
A 1 8059020 7747700
A 2 8088670 7777350
A 3 8118320 7807000
A 4 8147970 7836650
B 5 8177620 7866300
B 6 8207270 7895950
B 7 8236920 7925600
B 8 8266570 7955250

9.8.4 CANAIS DE RF PARA ODU DSR 8,5 GHz

Canais de RF - DSR 8,5 GHz


ANEXO Á LISTA RESOLUÇÃO NOº106, DE 25 DE FEVEREIRO DE 1999
Banda de 14 MHz Banda de 28 MHz
Modelo Polarização Canal High Low Modelo Polarização Canal High Low
A H 1 8412000 8286000 A H 1 8412000 8293000
A V 2 8419000 8293000 A V 2 8426000 8307000
A H 3 8426000 8300000 B H 3 8440000 8321000
A V 4 8433000 8307000 B V 4 8454000 8335000
B H 5 8440000 8314000 C H 5 8468000 8349000
B V 6 8447000 8321000 C V 6 8482000 8363000
B H 7 8454000 8328000
B V 8 8461000 8335000
C H 9 8468000 8342000
C V 10 8475000 8349000
C H 11 8482000 8356000
C V 12 8489000 8363000

116
ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

9.8.5 CANAIS DE RF PARA ODU DSR 15 GHz

Canais de RF - DSR 15 GHz


ANEXO À RES. Nº129, de 26 de Maio de 1999
Banda de 14 MHz
Modelo Canal High Low
A 1 14935000 14515000
A 2 14949000 14529000
A 3 14963000 14543000
A 4 14977000 14557000
A 5 14991000 14571000
A 6 15005000 14585000
A 7 15019000 14599000
A 8 15033000 14613000
A 9 15047000 14627000
B 10 15061000 14641000
B 11 15075000 14655000
B 12 15089000 14669000
B 13 15103000 14683000
B 14 15117000 14697000
B 15 15131000 14711000
B 16 15145000 14725000
B 17 15159000 14739000
B 18 15173000 14753000
C 19 15187000 14767000
C 20 15201000 14781000
C 21 15215000 14795000
C 22 15229000 14809000
C 23 15243000 14823000
C 24 15257000 14837000
C 25 15271000 14851000
C 26 15285000 14865000
C 27 15299000 14879000
C 28 15313000 14893000
C 29 15327000 14907000

117
ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS

9.8.6 CANAIS DE RF PARA ODU DSR 18 GHz

Canais de RF - DSR 18 GHz


NORMA 15-1996
Banda de 13,75 MHz Banda de 27,5 MHz
Modelo Canal High Low Modelo Canal High Low
A 1 19273750 17713750 A 1 19287500 17727500
A 2 19287500 17727500 A 2 19315000 17755000
A 3 19301250 17741250 A 3 19342500 17782500
A 4 19315000 17755000 A 4 19370000 17810000
A 5 19328750 17768750 A 5 19397500 17837500
A 6 19342500 17782500 B 6 19425000 17865000
A 7 19356250 17796250 B 7 19452500 17892500
A 8 19370000 17810000 B 8 19480000 17920000
A 9 19383750 17823750 B 9 19507500 17947500
A 10 19397500 17837500 B 10 19535000 17975000
A/B 11 19411250 17851250 C 11 19562500 18002500
B 12 19425000 17865000 C 12 19590000 18030000
B 13 19438750 17878750 C 13 19617500 18057500
B 14 19452500 17892500 C 14 19645000 18085000
B 15 19466250 17906250 C 15 19672500 18112500
B 16 19480000 17920000
B 17 19493750 17933750
B 18 19507500 17947500
B 19 19521250 17961250 Banda de 55 MHz
B 20 19535000 17975000 A 1 19287500 17727500
B/C 21 19548750 17988750 A 2 19342500 17782500
C 22 19562500 18002500 A 3 19397500 17837500
C 23 19576250 18016250 B 4 19452500 17892500
C 24 19590000 18030000 B 5 19507500 17947500
C 25 19603750 18043750 C 6 19562500 18002500
C 26 19617500 18057500 C 7 19567500 18007500
C 27 19631250 18071250 C 8 19572500 18012500
C 28 19645000 18085000
C 29 19658750 18098750
C 30 19672500 18112500
C 31 19686250 18126250

118
10 GARANTIA E ASSISTÊNCIA TÉCNICA

Durante o período de garantia do produto (especificado na nota fiscal), a DIGITEL assegura seu
perfeito funcionamento, de acordo com as características e especificações existentes no seu manual
de instalação e operação. Caso seja constatado algum problema no produto, entre em contato com o
Centro de Assistência Técnica DIGITEL, em Porto Alegre, relatando o tipo de defeito.
Esta garantia inclui conserto e substituição dos componentes ou partes defeituosas sem ônus para
o cliente, sendo executada no Centro de Assistência Técnica DIGITEL. Não estão cobertos defeitos
ocasionados por utilização do equipamento em condições inadequadas, falhas na rede elétrica ou
telefônica, fenômenos da natureza, falha em equipamento conectado a este produto ou por instalação/
operação em desacordo com as instruções contidas no manual. Também não estão cobertos consertos
efetuados por estabelecimentos não credenciados pela DIGITEL.
A garantia dos produtos é de "balcão" (Porto Alegre), ou seja, não cobre atendimento em campo. O
frete de remessa e devolução para conserto é por conta do cliente.
Para consultar se o produto encontra-se em garantia, utilize o link abaixo.
http://www.digitel.com.br/pt/produtos/garantia.asp
No campo “Consulta de Informações sobre garantia” entre com o número de série completo do
equipamento e clique em Buscar.

10.1 ESCLARECIMENTO - SERVIÇOS DE ENLACE DE RÁDIOS



Os rádios serão fornecidos na frequência e configuração solicitada pelo cliente e/ou definidos pela
DIGITEL, caso esta tenha sido contratada para realizar os estudos de RF.

Recomenda-se a contratação completa do projeto de sistema (cálculo de enlace e planejamento de


frequência). Neste caso, o cálculo de dimensionamento dos enlaces será feito através de estudo
teórico baseado nas coordenadas e perfis topográficos. A definição das frequências de operação
e posterior licenciamento junto a Anatel será feita mediante consulta à base de dados do SITAR/
ANATEL.

A Digitel não se responsabiliza por eventuais problemas de desempenho em campo (obstruções e/


ou interferências indesejáveis) caso os estudos de RF não tenham sido contratados e realizados
por seu pessoal técnico. Nestes casos a Digitel oferece serviço de consultoria técnica mediante a
correspondente contratação.

DIGITEL S.A. INDÚSTRIA ELETRÔNICA


Estrada RS118, 11555
Distrito Industrial, Alvorada/RS - Brasil
CEP 94834-670
Tel: 55 51 3238.9999
Fax: 55 51 3238.9955
http://www.digitel.com.br

119
11 ABREVIAÇÕES

ACM: Modulação Adaptativa Automática (Adaptive Coding and Modulation) - Ferramenta que possibilita
atuação automática sobre a modulação empregada no enlace em presença de situações anômalas de propagação
e/ou interferência.
AES: Padrão de Criptografia Avançada (Advanced Encryption Standard).
AIS: Sinal Indicativo de Alarme (Alarm Indication Signal).
ANATEL: (Agência Nacional de Telecomunicações) Órgão ligado ao Ministério das Comunicações,
encarregado da regulamentação do mercado e dos serviços do setor no Brasil.
ANSI: Abreviação de American National Standards Institute, um organismo estadunidense de padronização,
membro do International Organization for Standardization (ISO).
ATPC: Controle automático de potência (Automatic Transmit Power Control). Essa técnica possibilita a
otimização do uso dos canais de RF disponíveis, já que os transmissores trabalham em potências mais baixas
enquanto os sinais recebidos estiverem adequados, minimizando interferências entre enlaces de uma mesma
região.
AXPIC: (Adaptative Cross-Polarization Interference Canceller). Cancelador Adaptativo de Interferência de
Polarização Cruzada.
BER: Taxa de Erro de Bit (Bit Error Rate).
BIT: (Binary Digit) A menor unidade de informação em um sistema binário, um estado zero ou um. O bit
é a menor unidade de informação que um computador pode processar (usualmente indicado por 1 ou 0). 8 bits
equivalem a um byte.
BNC: A denominação deste tipo de conector vem do nome dos seus criadores: "”Bayonet Neil-Concelman”,
", e não de "british naval connector", como supõe a lenda. Sua grande característica é o sistema de trava, tipo twist-
lock (gira e trava), que possibilita grande segurança na conexão.
BPS ou bit/s: Bits por segundo (Bits-per-second).
BW: Largura de Banda (Bandwidth).
BYTE: Unidade de informação, normalmente menor que uma palavra em computação. Bytes de oito bits são
os mais comuns. Também conhecido como caracter.
CLI: Interface por Linha de comando (Command Line Interface).
CNR: Centro Nacional de Reparos.
CPU: Unidade de Processamento Central (Central Processing Unit).
CRM: Customer Relationship Management.
CSMA/CD: Acrônimo de Carrier Sense Multiple Access with Collision Detection, protocolo de controle de
acesso em rede ethernet em que a estação primeiro verifica se existe alguém transmitindo e em caso negativo
transmite. Em caso de detectar uma colisão a estação pára de transmitir.
CTS: Pronto para Transmitir (Clear to Send). Indicação da DCE ao terminal informando que o mesmo está
pronto para transmitir dados. É um sinal de resposta ao sinal RTS.
dB: O dB é um número relativo, permitindo representar relações entre duas grandezas de mesmo tipo, como
potências, tensões, correntes ou qualquer outra relação adimensional. Uma variação de 3dB representa duplicar/
dividir por dois um valor determinado.
dBm: O dBm utiliza como referência o valor de 1 mW. Por exemplo: a potência na saída de um oscilador de
microondas é de 10 mW, ou seja, é de 10 dBm. [PdBm = 10log (PmW)]
dBi: o dBi caracteriza o ganho de uma antena em dB utilizando como referência o radiador isotrópico, uma
espécie de antena ideal, com 100% de eficiência, impossível de ser conseguida no mundo real. Neste radiador
teórico, a potência aplicada é irradiada com densidade constante em todas as direções. Utilizando o dBi para
classificar as antenas, sabe-se o quanto ela se aproxima desta "antena perfeita".
DB9: Conector de 9 pinos usado para V.24.
DB25: O estilo de conector para transmissão de dados empregado na maioria dos modems e portas seriais
do PC. Esse conector se parece com uma letra D fina e comprida, com 25 pinos.
DB37: Conector de 37 pinos usado para V.36.
DCD: Indicação de Portadora Recebida (Data Carrier Detect).
DCE: Equipamento de Comunicação de Dados (Data Communication Equipment).
DDI: Direct Inward Dialing.

120
ABREVIAÇÕES

DMS: Sistema de Gerenciamento SNMP da DIGITEL (DIGITEL Management Suit).


DSP: Processamento Digital de Sinais (Digital Signal Processing).
DSR: Terminal de Dados Pronto. Indicação do modem ao terminal indicando que o mesmo está pronto para
operar. (Data Set Ready).
DTR: Terninal de Dados Pronto. (Data Terminal Ready).
ESD: Descarga Eletrostática (Electrostatic Discharge).
ETH: Ethernet.
FD: Diversidade de Frequência (Frequency Diversity).
FEC: Código Corretor de Erros (Forward Error Correction).
FI: Frequência Intermediária.
G.703: É uma recomendação ITU-T que trata das especificações da interface física a 4 fios e para
transmissão digital a 2,048 Mbit/s (E1). Atualmente, também inclui as especificações para o T1 a 1,544 Mbit/s (US),
porém, geralmente, é utilizado para se referir à interface de transmissão européia a 2,048 Mbit/s. (Isto é G.703 é
usualmente um sinônimo para o E1).
G.704: Recomendação do ITU para estruturas de quadros síncronos usados nos seguintes níveis
hierárquicos: 1544, 6312, 2.048, 8488 e 44736 kbit/s.
GND: Terra de sinal (Signal Ground). Estabelece uma referência de aterramento para as linhas.
HDB3: O código HDB3 é uma técnica de sinalização bipolar, ou seja, depende tanto dos pulsos positivos
quanto dos negativos. As regras de codificação seguem as da AMI(Alternate Mark Invertion), com exceção de quando
surge uma seqüência de quatro zeros consecutivos onde é utilizado um bit especial de violação. Isto previne longas
seqüências de zeros no fluxo de dados. Sem ele o circuito receptor teria dificuldade para manter a sincronização. É
muito utilizado em sistemas de transmissão E1.
HSB: Hot Standby.
IDU: Unidade Indoor (Indoor Unit).
IEC: Comissão Eletrônica Internacional para os campos de engenharia eletrônica e elétrica (International
Eletrotechnical Comission).
IEEE: O IEEE é bem conhecido por desenvolver padrões para a indústria eletrônica e de computadores.
(Institute of Electrical and Electronics Engineers).
INTERLEAVER: Sistema que, associado ao FEC, permite alta imunidade a interferências. O Interleaver
embaralha os bits de tal modo que, se no percurso houver alguma interferência concentrada, no receptor ao se fazer
o desembaralhamento, os erros ficam distribuídos.
ISO: (Internacional Organization for Standardization) - Note que ISO não é acrônimo, deriva da palavra
grega ISO que significa igual. Fundada em 1946, ISO é uma organização internacional composta de corpos de
padrões nacionais de mais de 75 países.
ITU-T: (International Telecommunications Union) Agência de telecomunicações das Nações Unidas para o
estabelecimento de padrões e procedimentos de comunicação em todo o mundo.
JAVA: Linguagem de programação orientada à objetos, que permite o uso de interatividade nas páginas de
Web.
LAG: Link Aggregation Group.
LAN: Rede Local (Local Area Network ).
LED: Diodo Emissor de Luz ( Light Emitting Diode).
LINUX: Sistema operacional com as mesmas características do Unix, mas com uma diferença primordial:
seu código fonte é aberto, o que caracteriza a possibilidade de personalizá-lo conforme as necessidades e criar
programas aplicativos e definições de ambiente próprios.
LNA: Amplificador de Baixo Ruído (Low Noise Amplifier).
LOS: Perda de Sinal (Loss of Signal).
MBPS: Megabits por segundo.
MTBF: Tempo Médio entre Falhas (Mean Time Between Failures).
MTTR: Tempo Médio para Reparos (Mean Time to Repair).
NMS: Network Management System.
NOC: Network Operation Center.

121
ABREVIAÇÕES

ODU: Unidade Outdoor (Outdoor Unit).


OAM: Operations, Administration & Maintenance - Protocolo de gerenciamento remoto para instalação,
monitoração e manutenção de redes.
PA: Amplificador de Potência (Power Amplifier).
PDH: Hierarquia Digital Plesiócrona (Plesyochronous Digital Hierarchy).
PLA: Physical Link Aggregation.
P&D: Pesquisa e Desenvolvimento.
QAM: A modulação QAM (Quadrature Amplitude Modulation) é caracterizada pela superposição de duas
portadoras em quadratura moduladas em amplitude. As características de fase e amplitude variam em função dos
trens de bits de informação.
QPSK: Quadrature Phase Shifting Keying - Variante da modulação PSK no qual quatro diferentes ângulos
de fase ortogonais são utilizados.
RD: Dados Recebidos (Data Received). Os dados recebidos pelo ECD e são encaminhados ao ETD na
forma digital.
Reed-Solomon: Código de detecção e correção de erros.
RF: Rádio Frequência (Radio Frequency).
RFC: RFCs são documentos produzidos pelo IETF com o objetivo de documentar protocolos, procedimentos
procedimentos operacionais e tecnologias na internet. (Request For Comments).
RFCH: Frequência do Canal (RF Channel).
RJ11: Conector de telefone ou modem com 6 pinos.
RJ45: Conector de rede Ethernet com 8 pinos.
Roll-off: Relaciona-se à atenuação das frequências, acima ou abaixo de um ponto dado, em uma taxa
específica.
RSSI: Nível de Sinal Recebido (Received Signal Strength Indicator).
RTS: Requisição para Transmitir (Request to Send). Indicação do terminal para o DCE alertando que a
transmissão pode ser iniciada.
RX: Receptor (Receiver).
SFP: Small Form-factor Pluggable - Transceiver utilizado nas interfaces Gigabit Ethernet Ópticas.
SLA: Acordo de Nível de Serviço (Service Level Agreement).
SNMP: Protocolo de Gerência de Rede Simples (Simple Network Management Protocol).
SQ: Qualidade de Sinal (Signal Quality).
SWR: Coeficiente de Onda Estacionária (Standing Wave Radio).
TCP/IP: Protocolo de comunicação na Internet. (Transmission Control Protocol/Internet Protocol). Também
conhecido como Protocolo IP.
TD: Dados Transmitidos (Transmitted Data). Os dados (na forma digital) vindos do dispositivo ETD são
encaminhados para o ECD para a transmissão. Esses dados são enviados ao meio de transmissão.
TELEBRAS: Telecomunicações Brasileiras, empresa reguladora até a criação da ANATEL.
TX: Transmissor (Transmitter).
V.24/V.28: Interface de comunicação serial de dados (Serial data communications interface) - Também
chamada de RS-232.
V.35: Os sinais de dados e relógios na interface V.35 são do tipo diferencial balanceado, de acordo com
recomendação V.35. Os sinais de controle são não-balanceados e seguem as características da recomendação
V.28.
V.36: Os sinais de dados, relógios e alguns sinais de controle na interface V.36 são do tipo diferencial
balanceado, de acordo com a recomendação V.11 do ITU-TSS. Os sinais CT107, CT140, CT141 e CT142 são
compatíveis com a recomendação V.10.

122
12 ÍNDICE REMISSIVO

A G
alarme 14, 19, 20, 70, 77, 78, 84, 95, 105 G.703 11, 16, 17, 72, 102, 103, 118
alimentação 11, 14, 19, 22, 102 gerenciamento 11, 28, 33, 38, 84
alinhamento 67
antena 31, 45, 46, 49, 53, 64, 67 I
aterramento 14, 15, 21, 41, 43, 64, 66 IEC 102, 103, 118
B M
banda 33, 35, 74, 79 medidor 31
BNC 11, 16, 45, 102 modelo 9, 15, 45, 46, 87, 102
C modo 21, 29, 75, 80, 124
modulação 9, 10, 28, 33, 35, 74, 79, 80, 118
cabo 15, 16, 17, 18, 19, 21, 22, 23, 41, 43, 44, 65, 67, 70, 101, módulo 18, 21, 28, 32, 79
103 monitoração 10
comandos 20, 23, 36, 69, 75, 84, 101 Monitoração 10, 19
conector 11, 15, 16, 17, 22, 28, 42, 67, 102 MTBF 102, 118
configuração 8, 9, 10, 15, 19, 23, 31, 32, 35, 36, 75, 84, 103 MTTR 118
console 9, 14, 23, 29, 36, 84, 100, 103, 121, 124
P
D
painel 14
dados 17, 19, 28, 29, 30, 31, 32, 33, 72, 116, 124
digital 10, 29, 30, 32, 72, 80, 102 R
DMS 36, 38, 39, 40 recepção 11, 19, 21, 28, 37, 39
E RSSI 37, 70, 76, 82, 101

E1 11, 14, 29, 74, 78, 80, 94 S


eficiência 103, 105, 106, 107, 108, 109, 111 SNMP 11, 14, 36, 38, 69, 75, 102
equipamento 11, 19, 40, 117
ethernet 11, 17, 32, 74, 102, 123 T
F TNC 11, 14, 15, 21, 41, 45
transmissão 10, 11, 17, 30, 37, 82, 100
ferramenta 39
frequência 10, 11, 15, 20, 28, 70, 72, 103, 116 V
voz 14, 20
VT100 15, 75, 121, 124

123
13 APÊNDICE

13.1 CRIAÇÃO DE CONEXÃO VIA TERMINAL CONSOLE

O DSR-IDU2-2...38/400M pode ser configurado através de um terminal tipo VT-100 (ou um emulador de
terminal no PC) conectado à porta console no painel frontal. Quando for utilizado Windows, a DIGITEL recomenda
o uso do Tera Term Pro, que é um software freeware e pode ser encontrado no endereço eletrônico:
hp.vector.co.jp/authors/VA002416/teraterm.html
Após acessar home page, localize o link Download (ttermp23.zip; 943,376 bytes) e baixe-o em um diretório
do seu computador . O Terá Term é um emulador de terminal (open source) para windows. Ele emula diferentes
tipos de terminais, desde VT100 até VT382. Suporta Telnet, SSH 1 e 2 e conexões seriais. Após instalá-lo, siga os
seguintes passos para configurar o Terá Term adequadamente.
a) Clique no menu Iniciar/Todos os Programas/Tera Term Pro/Tera Term Pro.

b) A seguinte tela será exibida. Selecione (Serial + Porta de comunicação) e após clique em Ok.

124
APÊNDICE

c) Logo após será exibida a seguinte tela. Selecione Setup/Window e coloque um nome para o terminal no
campo Title.

d) Após selecionar novamente o menu Setup\Serial Port. Selecione a COM adequada e 57600, 8 bits, none,
1 bit e none e clique no botão “OK”.

e) No menu Setup, selecione Save Setup e selecione "Salvar em" no Desktop para que seja criado ícone na
área de trabalho, conforme demonstrado abaixo.

f) Pronto. A conexão está criada e pode ser utilizada.

125
APÊNDICE

13.2 PROCEDIMENTO DE ATUALIZAÇÃO DE FIRMWARE

13.2.1 PASSO 1 - INFORMAÇÕES GERAIS

• Acessar o endereço: ftp://ftp.digitel.com.br/ftpsuporte/Radio_DSR/


• Baixar da pasta Rádio DSR o programa e os arquivos listados abaixo:
• Programa 3Cdaemon.zip
• 101401.dwn (exemplo)
• 101401.boot (exemplo)
Logo após executar o programa 3Cdaemon e indicar no campo “TFTP ConfigurationUpload/Download
Directory” a pasta onde foram salvos os arquivos .dwn e .boot:

Depois de executado o passo acima deve ser conectado o PC às portas Console e LAN0 do rádio:
E1 (7-12) E1 (17-22) E1 (29-32)

E1 (1-6) E1 (13-16) E1 (23-28)

Console

Conexão a interface de Gerência

• Para conexão da Ethernet configurar a com os seguintes valores:


• ip ........... 192.168.1.253
• mask ..... 255.255.255.0
• gw ......... 192.168.1.254

126
APÊNDICE

• Para conexão da console utilizar uma sessão de Hyper Terminal configurada para:
• 57.600 bits/s
• sem controle de fluxo
• 8 bits de dados
• 1 stop bit
• sem paridade
• Emulação VT100;

13.2.2 PASSO 2 - COMANDOS PARA ATUALIZAÇÃO DO BOOT E DWN


ATENÇÃO
• Faça uma cópia da configuração do rádio, pois este procedimento limpará toda a memória;
• Se o BOOT estiver na versão 101401.boot, não é necessária a atualização do mesmo, mas somente
do DWN. Essa descrição pode ser vista durante inicialização do equipamento:
“U-Boot 1.3.4 (Dec 17 2011 - 12:54:41) [Digitel ECS20 v1_0 (101401)]”.

• Ligar o rádio com o terminal console devidamente conectado e aguardar aparecer na tela a mensagem
Press SPACE to stop autobooting in 6 seconds
• Quando aparecer o contador, pressionar Barra de Espaço para entrar no modo de atualização.
• Logo que retornar ao prompt DSR-Boot>, digitar as seguintes linhas de comando para que o equipamento
realize a atualização:
DSR-Boot> mode test
DSR-Boot> mode maintenance
DSR-Boot> mode debug
DSR-Boot> protect off all
DSR-Boot> setserv 192.168.1.253
<IP COMPUTADOR>
DSR-Boot> setip 192.168.1.254 255.255.255.0 192.168.1.253
< IP DO RÁDIO> <MASCARA> <IP COMPUTADOR>
DSR-Boot> upboot 101401.boot
DSR-Boot> update 101401.dwn

ATENÇÃO
Após aparecer a mensagem Writing firmware to Flash memory, após alguns minutos o correto
carregamento será confirmado através do aviso firmware correctly update.

• Na sequência, aplicar os
comandos abaixo. O sistema será reiniciado normalmente e estará concluída a atualização do DWN e também do
BOOT, caso tenha sido necessário:
DSR-Boot> run clconf
DSR-Boot> clear now

127
APÊNDICE

13.2.3 PASSO 3 - COMANDOS PARA ATUALIZAÇÃO DO FPGA PRINCIPAL


• Acessar o rádio usando login: root / senha : letigid.
DSRII> login: root
DSRII> password: letigid
DSRII> cd /usr/bin <Colocar um espaço após o cd>
DSRII> loadflash artix -c maestro_artix.bin
DSRII> console
DSRII# reload
reboot system? <y/n>: y

13.2.4 PASSO 4 - COMANDOS PARA ATUALIZAÇÃO DO FPGA DO MÓDULO E1


• Este procedimento só é necessário se o rádio tiver equipado com interfaces E1.

• Acessar o rádio usando login: root / senha : letigid.


DSRII> login: root
DSRII> password: letigid
DSRII> cd /usr/bin <Colocar um espaço após o cd>
DSRII> loadflash spartan -c maestro_spartan.bin
DSRII> console
DSRII# reload
reboot system? <y/n>: y

13.2.5 PASSO 5 - COMANDOS PARA CONFIRMAÇÃO DE ATUALIZAÇÃO

DSRII# show version


Qualquer dúvida entre em contato com o suporte Digitel: (51) 3238 9999 ou (51) 9268 4291

128
2015 - DIGITEL S.A. INDÚSTRIA ELETRÔNICA
Estrada RS118, 11555
Distrito Industrial, Alvorada/RS - Brasil
CEP 94834-670
Tel: 55 51 3238-9999
Fax: 55 51 3238.9955
CNPJ: 89.547.269/0001-04
Inscrição Estadual: 0960602577
http://www.digitel.com.br