Você está na página 1de 48

Fisiologia e

Reprodução dos fungos

Profa. Analice Azevedo


Dep. de Microbiologia

Outubro- 2017
Fisiologia dos Fungos

• Os fungos utilizam uma variedade de


substratos como fonte de carbono;

• Entretanto alguns grupos se


especializaram em degradar substratos
particulares (lignina, celulose e
hemicelulose)
Fisiologia dos Fungos

Estratégias de nutrição

• Heterotróficos e quimiorganotróficos;

• Modo de nutrição:

 Fungos parasitas (vivem dentro, ou sobre organismos vivos);

 Fungos saprófitas (nutrem de matéria orgânica animal ou vegetal morta);

 Fungos simbiontes (estabelecem relações simbiontes: líquens ou micorrizas).


Vias de obtenção de energia no mundo microbiano
Fisiologia dos Fungos

Nutrição absortiva

Enzimas hidrolíticas segregadas para o

ambiente para a digestão de grandes

moléculas orgânicas em moléculas menores

que podem então ser absorvidas como

nutrientes.
Fisiologia dos Fungos
Requerimento Nutricional

• Macroelementos: carbono, nitrogênio, fósforo e enxofre;

• Microelementos: Minerais - K, Mg, Na, Ca, Cu, Zn, Fe, I etc

• Fatores de crescimento: vitaminas (tiamina, biotina e riboflavina)

O meio artificial básico para trabalho com fungos é o Ágar Sabouraud que tem como fonte
de C, a glicose e como fonte de N, a peptona.
Fisiologia dos Fungos
 pH: amplas faixas – ideal ácido (entre 4 e 6)
fungos filamentosos: 29 (ótimo: 5.6)
leveduras: 28 (ótimo: 3.5 a 3.8)

 Umidade: ótima (entre 75 e 95%), mas também suportam uma ampla variação
fungos filamentosos resistem mais a desidratação

 Temperatura: ampla faixa - mesófilos, termófilos e psicrófilos. Maioria são


mesófilos:
- Filamentosos: 0 62ºC (ótima: 22 a 30ºC)
- Leveduras: 047º (ótima: 22 a 30 ºC)
- Exceção: leveduras patogênicas entre 30 e 37ºC.
Fungos Dimórficos

Paracoccidioides brasiliensis

37 oC
23 oC

Na temperatura ambiente (22-28°C) apresenta forma filamentosa (bolor) e a 35-37ºC


apresenta a forma de levedura.
A forma infectante é a forma de bolor e a forma parasitária é a de levedura.
Fungos Dimórficos

Histoplasma capsulatum, um fungo dimórfico que causa a histoplasmose


Fisiologia dos Fungos

 Salinidade (algumas espécies halofílicas)

Osmolaridade

Tempo de crescimento: mais lento que o das bactérias

 (varia de 7 a 15 dias em média)

Leveduras crescimento mais rápido.


Obtenção de energia – presença de oxigênio

• Fungos filamentosos (maioria): aeróbios estritos (respiração


aeróbica)

• Leveduras: anaeróbias facultativas (respiração aeróbica e


fermentação)

• Fungos filamentosos ruminais: anaeróbios estritos

Atualmente, há cinco gêneros de fungos anaeróbios reconhecidos: Neocalimastix, Piromyces,


Orpinomyces, Anaeromyces e Caecomyces
Catabolismo de
carboidrato
Respiração aeróbica

1ª Etapa: Oxidação do composto orgânico a CO2 pelas vias


metabólicas centrais:
- Glicólise: oxidação da glicose a ácido pirúvico com
produção de ATP e NADH
- Ciclo do ácido cítrico: oxidação do acetil-CoA a CO2 com
produção de GTP, NADH e FADH

2ª Etapa: Elétrons provenientes da glicólise e do ciclo do


ácido cítrico são carreados pelo NADH e FADH e passam
pela cadeia transportadora de elétrons até o aceptor final
de elétrons (O2)
Fermentação
Sexuada

Reprodução dos Fungos


Assexuada
Reprodução de Fungos - Ciclos assexuado e sexuado
Reprodução Assexuada - Fungos Filamentosos

Esporulação verdadeira

Produção de esporos assexuais, através da germinação das hifas,


formando um tubo germinativo que se desenvolve formando o
micélio reprodutivo. Esse é o tipo mais comum de reprodução
assexuada em fungos.
Esporangióforo: estrutura reprodutiva cuja porção terminal é em forma de uma
vesícula ou saco  esporângio (dentro do qual encontram-se os esporos 
esporangiosporos).
Esporangiósporo

Esporangiósforo

Rizóide
Conidióforo: estrutura reprodutiva a partir da qual os esporos emergem livres.
 Fundamental na dispersão
 Forma mais comum de esporo assexuado
Conidióforo-forma de cabeça

Aspergillus – conidióforo em forma de cabeça


Conidióforo-forma de pincel
Macroconídios
Reprodução Assexuada
Leveduras

Cissiparidade, fissão ou divisão binária simples.

- Blastósporos ou blastoconídios  resultante do processo de brotamento ou


gemulação (forma mais usual)

- Fissão e gemulação combinadas

- Algumas podem ainda formar os talosporos: artrósporos e clamidósporos.


LEVEDURA

BROTAMENTO DIVISÃO
BROTAMENTO
FISSÃO BINÁRIA
Blastoconídeos
Blastoconídeos
Reprodução Assexuada Vegetativa
Fungos Filamentosos e Leveduras

Os esporos assexuados não são formados a partir de uma estrutura de reprodução (a


partir da hifa ou da célula leveduriforme).

Não são considerados esporos verdadeiros.

Artrósporos ou artroconídios → produzidos a partir da fragmentação e


desarticulação da hifa

Clamidósporos ou clamidoconídios → produzidos pela dilatação da célula (hifa ou


célula da levedura)
Artrosporo ou artroconídeos
Clamidosporos ou clamidoconídios

Função resistência
Clamidosporos ou clamidoconídios
Reprodução Sexuada dos Fungos

- Etapas básicas da reprodução sexuada

- Fungos homotálicos: hifas+ e hifas- no mesmo talo


- Fungos heterotálicos: fase sexuada ocorre somente da presença de
dois talos sexualmente compatíveis
Reprodução Sexuada dos Fungos

Importância dos esporos sexuados:

1.Classificação

2.Possibilita a recombinação  diversidade genética


(variação) adaptação  aperfeiçoamento da espécie.
Reprodução Sexuada dos Bolores
Ascósporos
Esporos sexuados produzidos dentro de células especializadas
denominadas ascos
Esporóforos Sexuados Complexos (Corpos de Frutificação)
Ascocarpos
Cleistotécio Peritécio
Apotécio
Reprodução sexuada dos bolores
Basidiósporos
Esporos sexuados produzidos em células especializadas em forma
de clavas, denominadas basídios
Basidiósporo
Basidiósporo

Basidia com basidiosporos


Basidiocarpo
Zigósporos
Reprodução sexuada das leveduras
Tipos de esporos sexuados das leveduras: ascósporos
Resumo da reprodução dos fungos
A) Reprodução vegetativa:
Blastoconídio (por brotamento)  L
Artroconídio (por fragmentação)  B-L
Clamidoconídio (dilatação e resistência)  B-L
Fissão ou DBS: leveduras
B) Esporulação verdadeira
Só em bolores
1) Externos
Conídios (produzidos em conidióforos)
2) Internos
Esporangiósporo (produzidos em esporangióforos, dentro do esporangio)
Propágulos sexuados
Basidiósporo  B
Ascósporos  B-L
Zigósporo  B
Externos:
Propágulos Conidiosporos
Filamentosos
assexuados
Internos:
Esporangiosporos

Artroconídios
Propágulos Leveduras e
vegetativos Filamentosos
Clamidoconídios

Estruturas de Zigósporos
Reprodução Filamentosos

Ascósporos

Propágulos Basidiósporos
sexuados

Leveduras e
Ascósporos
Filamentosos