Você está na página 1de 13

1

AS CHARGES E SUAS POTENCIALIDADES COMO FONTE HISTÓRICA

FABIANO COELHO*1

O objetivo do texto é refletir sobre as charges enquanto fontes históricas, chamando


atenção para as suas especificidades; e socializar experiências de pesquisa com charges
publicadas no Jornal Sem Terra, periódico editado pelo do Movimento dos Trabalhadores
Rurais Sem Terra (MST). Esse trabalho se insere em um projeto de pesquisa intitulado “Entre
Charges e Representações: MST e Jornal Sem Terra”1,2cadastrado na Pró-Reitoria de Pós-
Graduação e Pesquisa da Universidade Federal da Grande Dourados (PROPP/UFGD), no ano
de 2015.
O entendimento do que são fontes históricas ampliou consideravelmente na
historiografia, sobretudo, na segunda metade do século XX. Vestígios, indícios, pistas de
diversas naturezas foram apropriadas pelos pesquisadores, ampliando suas possibilidades de
interpretações sobre os fenômenos históricos. Nos caminhos e descaminhos da historiografia,
o entendimento de “documento/fontes históricas” se transformou no século XX. Jacques Le
Goff, em um trecho de sua obra clássica, “História e Memória”, se apropriando das palavras
do célebre historiador francês, Lucien Febvre, sintetiza de forma brilhante essa reflexão:

A história faz-se com documentos escritos, sem dúvida. Quando estes existem. Mas
pode fazer-se, deve fazer-se sem documentos escritos, quando não existem. Com
tudo o que a habilidade do historiador lhe permite utilizar para fabricar o seu mel,
na falta das flores habituais. Logo, com palavras. Signos. Paisagens e telhas. Com
as formas do campo e das ervas daninhas. Com os eclipses da lua e a atrelagem dos
cavalos de tiro. Com os exames de pedras feitos pelos geólogos e com as análises
de metais feitas pelos químicos. Numa palavra, com tudo o que, pertencendo ao
homem, depende do homem, serve o homem, exprime o homem, demonstra a
presença, a atividade, os gostos e as maneiras de ser do homem (LE GOFF, 1996, p.
540 apud FEBVRE, 1949, Ed. 1953, p. 428 – grifo nosso).

* Doutor em História pelo Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal da Grande


Dourados (PPGH/UFGD). Docente do Curso de História da UFGD.
1
O referido projeto de pesquisa se encontra em andamento e tem como objetivo analisar a produção chargística
no Jornal Sem Terra e as representações do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) por meio
das charges, destacando os principais temas abordados nas charges do periódico, entre os anos de 1984 e 2010.
2

O conhecimento histórico é produzido por todas as evidências humanas, sejam elas


materiais e/ou imateriais. Para Sandra Jathay Pesavento, “os exemplos são muitos, pois fontes
são marcas que foi, são traços, cacos, fragmentos, registros, vestígios do passado que chegam
até nós, revelados como documento pelas indagações trazidas pela História” (PESAVENTO,
2004, p. 98). Observa-se que há uma dimensão fundamental na concepção das fontes
históricas: os seus sentidos e os significados são revelados a partir das perguntas e
curiosidades dos pesquisadores. As fontes não falam por si próprias, devem ser
“interrogadas”, como dissera Thompson (1981, p. 38).
Algo fundamental no processo de escrita da história se trata da “habilidade” do
historiador em utilizar suas fontes, sejam elas documentos escritos ou quaisquer evidências de
experiências humanas. Logo, a qualidade do texto histórico depende fundamentalmente do
manuseio e do diálogo do pesquisador com suas fontes/documentos. O fato de ter uma
quantidade enorme de fontes não significa êxito/qualidade do trabalho. Há pesquisadores que,
com poucas fontes, conseguem exprimir “leite de pedra”. Ou seja, estabelecem um diálogo
minucioso com suas fontes e abrem um leque de possibilidades de interpretações sobre um
fenômeno histórico.
Nessa perspectiva, chama-se atenção para as charges como fontes históricas,
destacando as charges publicadas no Jornal Sem Terra, do MST. O que é charge? Charge é
fonte histórica? Essas são algumas indagações que direcionarão as reflexões do texto. Antes
de adentrar ao universo das charges, é interessante tecer algumas palavras sobre o Jornal Sem
Terra2.3O periódico começou a ser editado antes mesmo da organização do MST3,4no ano de
1981, em formato de boletim, com o nome de Boletim Sem Terra. Sua produção ocorria em
Porto Alegre/RS e os responsáveis por sua organização foram a Comissão Pastoral da Terra

2
Em relação à organização e historicidade do Jornal Sem Terra, ver os trabalhos de Mestrado e Doutorado de
Fernando de Perli (2002; 2007) e a Tese de Doutorado de Antonio Alves Bezerra (2011).
3
O MST foi criado “oficialmente” em janeiro de 1984, no transcorrer de um encontro de trabalhadores rurais em
Curitiba/PR. Contudo, a literatura sobre o Movimento indica que sua organização estava sendo gestada em fins
da década de 1970, com a articulação de lideranças de trabalhadores rurais sem-terra de diversos estados do país.
O Movimento desenvolveu uma organização dinâmica, com práticas peculiares e fomentou instrumentos
políticos para auxiliar em suas lutas. Um dos instrumentos políticos do MST é o Jornal Sem Terra. Sobre a
historicidade do MST, ver: sugere-se a leitura dos seguintes autores: Bernardo Mançano Fernandes (2000);
Miguel Carter (2010); Claudinei Coletti (2005), Debora Franco Lerrer (2008).
3

(CPT), a Pastoral Universitária de Porto Alegre/RS, e o Movimento de Justiça e Direitos


Humanos do Rio Grande do Sul.
O Jornal Sem Terra é concebido pelos membros da Direção Nacional do MST como
um “instrumento político de luta”, que deve estar a “serviço” da sua organização. No “jogo
político” (BOURDIEU, 2006, p. 169) em que o Movimento participa, o periódico é um
instrumento relevante para construir representações sobre diversas e distintas questões que
envolve a organização e seus integrantes. Há que se destacar que o Jornal Sem Terra é uma
fonte riquíssima para compreender as ações, caminhos e descaminhos do Movimento ao longo
do tempo.
O Jornal Sem Terra investiu na publicação de charges entre os textos do periódico. A
princípio, entende-se que as charges não foram publicadas aleatoriamente no jornal, ou que
seu discurso imagético estava desconexo com as representações que o MST almejava
expressar. As charges, como elementos discursivos, tinham relevância no jornal, na medida
em que os seus traços construíam representações que interessavam à Direção Nacional do
MST.
O que são charges? Entre os pesquisadores que estudam essa modalidade discursiva,
existem algumas definições técnicas. O termo “charge” deriva da palavra francesa charger,
que significa “carregar”, “exagerar”. Rosildo Raimundo de Brito chama a atenção para a
problemática de caracterização do que seria charge, haja vista que, no jornalismo, é
considerada uma modalidade caricatural, possibilitando interpretações distintas (BRITO,
2006). Por vezes, as charges são interpretadas semelhantemente à caricatura e ao cartum. Não
existe uma interpretação unívoca do que seriam cada uma, nem o que seria a fronteira que
separa uma de outra. Há diversas interpretações sobre essa questão. Em seu trabalho sobre
“charge jornalística”, Carlos Edson Romualdo subsidia essa discussão. O autor considera o
cartum como uma representação genérica e atemporal; a charge como a representação crítica
de determinado fato, personagem ou acontecimento, geralmente político e com limitação
temporal; e a caricatura, uma representação exagerada, proposital, partindo das características
mais alusivas dos indivíduos ou fatos (ROMUALDO, 2000, p. 21).
4

No universo jornalístico, caricatura e charge estão imbricadas, ou seja, as


características de ambas estão nas representações chargísticas. Para tanto, José Marques de
Melo define o que seria uma e outra: a) caricatura – “retrato humano que exagera ou
simplifica traços, acentuando detalhes ou acentuando defeitos. Sua finalidade é suscitar risos,
ironia. Trata-se de um retrato isolado”; b) charge – “crítica humorística de um fato ou
acontecimento específico. Reprodução gráfica de uma notícia já conhecida do público,
segundo a ótica do desenhista e que, tanto pode se apresentar através de imagens, quanto
combinando imagem e textos (títulos, diálogos)” (MELO, 2003, p. 167-168). Destaca-se que
as charges não são produzidas apenas sob a “ótica do desenhista”, conforme disse Melo, mas
também sob a ótica do grupo ligado ao periódico em que a charge é publicada. As charges
podem ser “encomendadas”. As charges produzidas no Jornal Sem Terra se caracterizam em
sua essência como elementos chargísticos e caricaturais, pois elas têm o humor, a política e a
representação exagerada dos fatos como dimensões preponderantes.
Rozinaldo Miani enfatiza que a charge é herdeira da caricatura e deve ser entendida
“enquanto uma representação humorística, caricatural e de caráter político, satirizando um
fato específico” (MIANI, 2001, p. 3). O desenho, a linha, o espaço, o plano, o ponto de
enfoque, o volume, a luz, a sombra, o movimento, a narrativa, o balão, a onomatopéia e o
texto verbal são elementos constitutivos e que estruturam a charge. Por ora, esses elementos,
necessariamente, não precisam aparecer todos juntos na charge. Miani salienta outros
elementos característicos da charge: o “humor”, através da linguagem iconográfica; a
“efemeridade”, isto é, a charge é erigida para destacar determinado fato ou momento; e a
“apresentação física”, em que o artista recorre geralmente a um quadro para abordar o assunto
(raramente o chargista recorre a dois ou mais quadros na construção da charge), todavia, a
charge não se restringe apenas a um quadro (MIANI, 2001, p. 3-4).
Outros aspectos fundamentais que acompanham as charges são o “humor”, a “ironia”
e a “sátira”. As charges, além de seu conteúdo político, objetivam causar risos nos leitores. O
discurso humorístico explorado pelo chargista, que se baseia na ironia e na sátira, por vezes,
se reveste de “sentido contrário”. Ou seja, diz uma coisa, quando, na verdade, o sentido
implícito é outro. Para Luís Fernando Lopes, a ironia é utilizada para produzir efeitos de
5

sentido. No seu entender, “a ironia se refere a uma figura de pensamento que nos leva a
sugerir, numa palavra, numa expressão ou numa frase, algo diferente do que elas literalmente
designam” (LOPES, 2008, p. 59). No entender de Brito, a charge é a representação máxima
da ilustração satírica, em que o chargista trabalha com a dualidade do “sério” e do “ridículo”.
Isto é, as representações contidas nas charges têm as dimensões da crítica e do humor que, por
vezes, ridicularizam aquilo que está sendo representado (BRITO, 2006, p. 29). As charges
podem ser produzidas a partir de diversos fatores: sociais, políticos, econômicos ou culturais.
Abaixo, uma charge publicada no Jornal Sem Terra que expressa características
enfatizadas por Miani, Melo, Romualdo, Brito e Lopes:

Imagem 1: Cresce a insatisfação popular contra o governo

Fonte: Jornal Sem Terra. São Paulo, julho de 2000, ano XVIII, n. 202, p. 2.
Essa charge, cujo autor é Luscar, foi publicada no editorial da edição de julho de 2000,
no segundo mandato do presidente da República, Fernando Henrique Cardoso (FHC). O
MST, durante os dois mandatos do presidente FHC foi um opositor ferrenho às ações do
Governo e do presidente4.5A charge faz menção a um dos maiores escândalos de desvio de
verbas do país, protagonizado pelo juiz Nicolau dos Santos Neto, o “Lalau”, do Tribunal
Regional do Trabalho (TRT) de São Paulo. Nesse escândalo, o referido juiz foi condenado a

4
Ver: COELHO, Fabiano. Entre o Bem e o Mal: representações do MST sobre os presidentes FHC e Lula
(1995-2010). 2014. 440f. Tese (Doutorado em História). Faculdade de Ciências Humanas. Universidade Federal
da Grande Dourados, Dourados.
6

prisão por desviar R$ 169,5 milhões de uma obra de construção do prédio do TRT de São
Paulo. Nessa direção, também faz referência a Eduardo Jorge Caldas Pereira, o “Dudu”, que
exerceu a função de coordenador operacional da campanha da reeleição de FHC. Dudu
também foi acusado de ter participação nesse esquema de corrupção.
A intencionalidade com a charge é evidente: expor o então presidente FHC e associá-
lo ao escândalo de corrupção, haja vista que, na época, o coordenador de sua campanha de
reeleição estava envolto ao escândalo. A suposição do MST, através do editorial do Jornal
Sem Terra era que, parte do dinheiro desviado por Lalau e Dudu, tinha sido utilizada na
campanha de reeleição de FHC5.6 É possível visualizar na charge, a partir da imagem de FHC,
o humor, a ironia, o exagero, a ridicularização do presidente como se fosse um mentiroso
(nariz enorme, rememorando a figura do personagem Pinóquio) e um discurso imagético de
efeito contrário: FHC diz uma coisa, mas a charge quer dizer outra coisa.
A produção chargística no Jornal Sem Terra possibilita compreender que elas não
foram inseridas no periódico apenas como forma de distrair os leitores. Elas visam
precipuamente a alertar, denunciar, levar à reflexão. Não obstante, também se caracterizam,
seguindo concepção de Miani, como “instrumento de persuasão”, “intervindo no processo de
definições políticas e ideológicas do receptor, através da sedução pelo humor, e criando um
sentimento de adesão que pode culminar com um processo de mobilização” (MIANI, 2001, p.
4). Nas charges, o elemento cômico é revestido de crítica analítica; carrega em si o humor,
mas tem intenso conteúdo discursivo crítico sobre aquilo que quer retratar.
Outro aspecto a acrescentar é que sua forma de expressão é eminentemente
“dissertativa”. As charges buscam expor ideias, narrar fatos, acontecimento, de acordo com o
autor e/ou grupo a que está vinculada. É possível dizer que a charge se configura como um
texto iconográfico, com objetividade, sentidos e intencionalidades perante os seus receptores.
Sua construção implica, entre outros objetivos, comunicar, levar à reflexão, construir
representações para os receptores. Por essa perspectiva, as charges não podem ser

5
Cresce a insatisfação popular contra o governo. Jornal Sem Terra. São Paulo, julho de 2000, ano XVIII, n. 202,
p. 2.
7

visualizadas como simples diversão ou humor, pois são representações de experiências


históricas, elaboradas a partir de concepções e olhares de determinados grupos.

Imagem 2: Agricultura Familiar

Imagem 3: Agronegócio

Fonte: Jornal Sem Terra. São Paulo, junho de 2004, ano XXII, n. 241, p. 2.

As duas charges acima, de autoria de Marcio Baraldi, foram publicadas no editorial


intitulado “Por uma agricultura saudável, sustentável e camponesa”, na edição de junho de
2004. Nesse editorial, o MST coloca em pauta dois projetos que, a seu ver, são antagônicos:
8

Agricultura Familiar X Agronegócio6.07Nas representações do Movimento, o agronegócio era


uma “ilusão” moderna, e se pautava em tudo que era de mais arcaico na sociedade, recriando
o “modelo agrícola colonial, que só privilegia as exportações”7.8Assim, o modelo viável e que
beneficiaria a sociedade era justificado na defesa da agricultura familiar.
Não se pretende fazer um debate aprofundado sobre as problemáticas que envolvem a
agricultura familiar e o agronegócio. A intenção em dar destaque às duas imagens foi para
enfatizar que as charges são produzidas a partir de olhares de indivíduos e grupos e, por
vezes, idealizam e estereotipam determinados fenômenos históricos, ações e grupos. O
agronegócio, na visão do MST, por meio da charge busca criar uma representação de que o
modelo é terrível para a sociedade brasileira. Há quase uma “demonização” desse modelo. Já
a agricultura familiar é representada de forma harmoniosa e idealizada, como se fosse a
“salvação” para o Brasil. Nessa perspectiva, ao analisar as charges, percebe-se que elas não
são meramente ilustrações para “divertir”, mas tem intencionalidades específicas, dentro de
uma temporalidade e contexto histórico.
Miani entende a charge como uma prática discursiva “reveladora de idéias e expressão
ideológica de uma determinada posição política que está no exercício do poder” (MIANI,
2001, p. 9). O autor entende que toda linguagem e discurso são ideológicos e construídos
social e historicamente, por meio das diversas relações sociais dos grupos. “Todo signo é
ideológico, caracterizado com uma realidade ideológica, que tem sua materialidade e que se
constrói no ambiente social da comunicação, pela interação verbal” (MIANI, 2001, p. 6). Por
ser um discurso ideológico, as charges se transformam também num discurso “persuasivo”.
Isto é, objetiva convencer os seus receptores, a partir das ideias e concepções do grupo que as
criou. Essa perspectiva de análise é pertinente, pois o MST, por meio de seu jornal, intenta
“persuadir” seus integrantes e simpatizantes, de maneira a fazê-los acreditar que os discursos
(escritos e imagéticos) produzidos no impresso são as experiências históricas efetivamente
vividas.

6
Por uma agricultura saudável, sustentável e camponesa. Jornal Sem Terra. São Paulo, junho de 2004, ano
XXII, n. 241, p. 2.
7
Por uma agricultura saudável, sustentável e camponesa. Jornal Sem Terra. São Paulo, junho de 2004, ano
XXII, n. 241, p. 2.
9

Os discursos produzidos pelas charges visam “agir” nas experiências históricas, e o


MST faz de seu discurso um ato persuasivo. Ao se tornar característica no interior dos
periódicos, a charge conquista espaço como material de opinião e revela “a sua potencialidade
política e ideológica enquanto manifestação de linguagem” (MIANI, 2001, p. 5). A charge se
torna fonte importante para analisar experiências passadas, haja vista que sua produção é
marcada por acontecimentos históricos de determinada época, inserida nas relações sociais,
políticas, econômicas ou culturais de determinados grupos. Assim, toda charge é portadora de
uma memória histórica.
Para se analisar as charges torna-se necessário conhecer também o trabalho do
chargista. O chargista interage com a existência de significações não manifestas, mas
subtendidas, “de forma que isso nos obriga a recuperar toda uma série de informações para
melhor compreender a gama possível de significados” (LOPES, 2008, p. 49). Em síntese, há
que se conhecer o contexto, o momento histórico em que as charges foram produzidas;
identificar os receptores, a quem eram direcionadas, e ainda as críticas implícitas na imagem.
Nessa direção, na análise das charges, não é possível isolá-las de outras informações; é
preciso entrecruzar o momento histórico com a produção da imagem.
Para compreensão das charges como fonte histórica, torna-se relevante indagar: quem
é o autor da charge? Onde e em que contexto foram produzidas? Quais as relações do
chargista com o grupo estudado? Como ocorria o processo de produção das charges
publicadas no periódico analisado? Assim como todas as fontes, os periódicos e as charges
possuem tratamentos específicos. As charges são direcionadas a um determinado público alvo
e podem proporcionar muitas armadilhas ao pesquisador, caso ele não esteja minimamente
preparado teoricamente para trabalhá-los.
Em relação às charges no Jornal Sem Terra, estas sempre acompanharam os seus
editoriais e demais seções do periódico. Destaca-se que, as charges, assim como as imagens,
configuram-se como “evidência histórica” (BURKE, 2004, p. 11). As imagens, como uma
construção efetuada por alguém, ou por algum grupo, visam a representar o mundo, ou a criar
representações sobre o mundo. Toda imagem é histórica, assim, para o historiador, o estudo
das imagens é o estudo da historicidade destas imagens. Nesse sentido é que, em diversos
10

trabalhos de história há críticas à utilização de imagens apenas como ilustração, uma vez que
as fontes imagéticas não estão isoladas do contexto sócio-político e cultural em que foram
produzidas, pensadas e investidas de sentidos.
Compreende-se a charge como construtora de representações, caracterizando-se como
elemento iconográfico e iconológico, revestida de linguagem verbal e não verbal. Para tanto, a
charge, assim como o texto escrito, caracteriza-se como uma prática discursiva carregada de
significação política e ideológica. Muito mais que um recurso humorístico e lúdico, a charge
intenta personificar e persuadir. Como fontes históricas, as charges devem ser tratadas a partir
de seu contexto histórico e das condições em que foram pensadas e construídas.
É necessário observar nas charges os personagens, as cenas, os elementos surpresas, a
dramaticidade, a harmonia, enfim, todos os detalhes de sua composição. Os detalhes nas
charges são pistas para a interpretação dos sentidos que são sugeridos pela ilustração. Ao se
mencionar a importância dos detalhes nas imagens recorre-se às reflexões de Carlo Ginzburg,
que escreve sobre a emergência de um modelo epistemológico que cresceu silenciosamente
nas Ciências Humanas e se consolidou no final do século XIX. Trata-se do “paradigma
indiciário”, ou “método indiciário”, do italiano Giovani Morelli. Este método é interessante
para a pesquisa histórica, pois faz pensar nos pormenores, elementos geralmente
negligenciados ao primeiro olhar. Coisas “insignificantes”, detalhes, vestígios, muitas vezes
são imprescindíveis para melhor entendimento das fontes. De acordo com Ginzburg “se a
realidade é opaca, existem zonas privilegiadas – sinas, indícios – que permitem decifrá-la”
(GINZBURG, 1989, p. 177).
Ler charges é uma atividade desafiadora. Ao observar uma charge é possível ser
surpreendido por detalhes reveladores. O pesquisador necessita de um olhar atento, em todos
os detalhes que levaram à sua construção. O intuito de ver e ler uma charge é compreendê-la.
As charges, como fontes históricas, podem se tornar significativas para compreender os
grupos e como estes representam suas experiências históricas.

Fontes
Imagem 1: Cresce a insatisfação popular contra o governo. In:
11

Imagem 2: Agricultura Familiar. In: Jornal Sem Terra. São Paulo, junho de 2004, ano XXII,
n. 241, p. 2.

Imagem 3: Agronegócio. In: Jornal Sem Terra. São Paulo, junho de 2004, ano XXII, n. 241,
p. 2.

Cresce a insatisfação popular contra o governo. Jornal Sem Terra. São Paulo, julho de 2000,
ano XVIII, n. 202, p. 2.

Por uma agricultura saudável, sustentável e camponesa. Jornal Sem Terra. São Paulo, junho
de 2004, ano XXII, n. 241, p. 2.

Referências Bibliográficas

BEZERRA, Antonio Alves. O Jornal dos Trabalhadores Rurais Sem Terra e seus
Temas: 1981-2001. 2011. 312 f. Tese (Doutorado em História). Pontifícia Universidade
Católica de São Paulo, São Paulo.

BOURDIEU, Pierre. O Poder Simbólico. 9ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

BRITO, Rosildo R. de. A Opinião no Riso: uma análise da intertextualidade na construção da


significação de charges na imprensa paraibana. 2006. 145 f. Dissertação (Mestrado
Interdisciplinar em Ciências da Sociedade). Universidade Estadual da Paraíba – UEPB,
Campina Grande.
BURKE, Peter. A Revolução Francesa da Historiografia: a Escola dos Annales (1929-
1989). São Paulo: Editora UNESP, 1991.

________. Testemunha Ocular: história e imagens. Bauru: Edusc, 2004.

CARTER, Miguel (Org.). Combatendo a Desigualdade Social: o MST e a reforma agrária


no Brasil. São Paulo: Editora UNESP, 2010.

COELHO, Fabiano. Entre o Bem e o Mal: representações do MST sobre os presidentes FHC
e Lula (1995-2010). 2014. 440f. Tese (Doutorado em História). Faculdade de Ciências
Humanas. Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados.

COLETTI, Claudinei. A Trajetória Política do MST: da crise da ditadura ao período


neoliberal. 2005. 297 p. Tese (Doutorado em Ciências Sociais). Campinas, UNICAMP.

FERNANDES, Bernardo Mançano. A Formação do MST no Brasil. Petrópolis: Vozes,


2000.
12

GINZBURG, Carlo. Mitos, Emblemas, Sinais: Morfologia e História. São Paulo:


Companhia das Letras, 1989.

HOBSBAWM, Eric. Sobre História. São Paulo: Companhias das Letras, 1998.

LE GOFF, Jacques. A História Nova. 4ª Ed. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

________. História e Memória. 4. Ed. Campinas – SP: Editora da Unicamp, 1996.

LERRER, Debora F. Trajetórias de Militantes Sulistas: nacionalização e modernidade do


MST. 2008. 197 f. Tese (Doutorado em Ciências Sociais). Universidade Federal Rural do Rio
de Janeiro – CPDA/UFRRJ, Rio de Janeiro.

LOPES, Luís Fernando. Charge Jornalística: estudo do discurso chargístico da Folha de São
Paulo veiculado no período da crise deflagrada pelo Primeiro Comando da Capital (PCC).
2008. 98 f. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Semiótica). Pontifícia Universidade
Católica de São Paulo – PUC, São Paulo.

MELO, José M. de. Jornalismo Opinativo: gêneros opinativos no jornalismo brasileiro. 3


Ed. Campos do Jordão: Mantiqueira, 2003.

MIANI, Rozinaldo Antonio. Charge: uma prática discursiva e ideológica. In: XXIV
Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. Anais do Intercom 2001. Campo
Grande/MS: Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação, 2001. p. 1-
11.

___________. As Transformações no Mundo do Trabalho na década de 1990: o olhar


atento da charge na imprensa do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC Paulista. 2005. Tese
(Doutorado em História) – Faculdade de Ciência e Letras de Assis, UNESP, Assis, 2005.

___________. A luta pela redemocratização no Brasil através da charge no jornal Movimento.


In: WOITOWICZ, Karina Janz (Org.). Recortes da Mídia Alternativa: histórias e memórias
da comunicação no Brasil. Ponta Grossa: Ed. UEPG, 2009.

PERLI, Fernando. Sem Terra: de boletim a tabloide. Um estudo do Jornal dos


Trabalhadores Rurais Sem Terra. Entre a solidariedade e a representação (1983 – 1987).
2002. 200 f. Dissertação (Mestrado em História) – Faculdade de Ciências e Letras,
Universidade Estadual Paulista, Assis, 2002.

___________. A Luta Divulgada: um Movimento em (in)formação – estratégias,


representações e política de comunicação do MST (1981-2001). 2007. 333 f. Tese (Doutorado
em História). Universidade Estadual Paulista – UNESP, Assis.
13

PESAVENTO, Sandra J. História & História Cultural. 2ª ed. Belo Horizonte: Autêntica,
2004.

ROMUALDO, Carlos E. Charge Jornalística: intertextualidade e polifonia. Maringá:


Eduem, 2000.

THOMPSON, Edward P. A Miséria da Teoria ou um Planetário de Erros. Rio de Janeiro:


Zahar, 1981.