Você está na página 1de 48

O homem é parte de um todo por nós chamado de

Universo, uma parte limitada no tempo e espaço.


Ele possui a si mesmo, a seus pensamentos e
sentimentos, como algo separado do resto, mas
esta é uma espécie de ilusão de ótica de sua
consciência. Nossa tarefa, deve ser
libertar-nos desta prisão, pela abertura do
nosso círculo de compreensão, para abarcar a
todas as criaturas vivas e a natureza inteira
em toda sua beleza.

A ORIGEM DO UNIVERSO
- Olhando para o céu, a noite, o que se vê ?
- Se estamos numa noite clara, vemos as estrelas.
E o quê mais ?
Nada. Escuridão.
Porém esse "nada" espacial não é apenas um vazio absoluto.
Ele está preenchido por uma energia chamada "Radiação Negra".
Nos reportemos até os primórdios da chamada "Criação do
Universo"...

Mas o Universo foi realmente "criado" ?

Como se pode criar algo a partir de nada ?

Como o Universo pode estar aí, surgido do nada absoluto, da


ausência total de qualquer coisa ?

A não ser que este suposto "nada" não seja realmente nada - porém
algo que apenas não estava manifestado em terceira dimensão ( ou
seja, cumprimento, largura, altura, formato perceptível,
materialidade concreta ), sendo apenas algo tão desagregado
atômicamente falando que ainda poderia se considerar não
existente, por não ser perceptível ou mensurável.
Tomemos como exemplo o tempo.
Num espaço imaginário onde não exista nada, eu lhe pergunto -
existe tempo ?
Se nada existe que se mova, se não há nenhuma vibração ou
irradiação que possa ser medida - existe tempo ?

Sejamos realistas. Não. O tempo em si é apenas a medida do


movimento da energia ou da energia contida na matéria.
O modo de medir o movimento da energia indo de um estado a outro,
sua agregação ou dissipação.
Esse movimento, uma vez que se dê, é chamado tempo.

Diante da ausência total de energia manifestada, de vibração, de


movimento dos átomos, fótons...temos o quê ?
Ora, o não movimento.
O não-tempo.
O Transe Temporal.

A nossos sentidos tridimensionais temos então o "tempo parado".


Ora, uma vez o que se compreende como antes, durante e depois não
podendo ser medido, estamos diante de um provável eternidade -
pois se não há começo nem fim no Transe Temporal, ele ( entendido
como um estado de um espaço apenas vagamente concebível em nossa
imaginação ), pode permanecer assim eternamente.

Então o espaço em Transe Temporal pode perfeitamente ser entendido


como o estado precedente, a pré-existência do Universo - uma vez
que não havia, teoricamente nenhuma partícula manifestada na
terceira dimensão.

Porém, após o Momento Inicial da Energia, o que preencheu o


Universo ?

Ora, se algo agora existe, e não existia antes, como isso é


possível ?
Não ! Pode ser concebível, mas não é possível.

Só há uma resposta possível - o Universo já existia antes de não


existir.

Ou seja, a força que vem a compô-lo, a partir do Momento Inicial


da Energia, o precedeu em formação. Já existia.
Porém existia "em off", não atuante, desligada, em obscuridade.

Existia em não existência. E isso não é poesia. São fatos.


A energia que preenche o Universo atual estava na precedência do
mesmo totalmente não-manifestada.

Havia escuridão. A Radiação Negra ( ou Dark Matter )que constitui


96% da força que une as coisas e mais de 10 vezes a massa
conhecida do Universo – que contudo é imperceptível até mesmo com
a melhor das tecnologias modernas.

Energia em negativo. Exatamente como o negativo de uma foto.

Suponhamos que energia em positivo seja energia manifestada,


atuante - luz, calor, radiação luminosa.
Ora, o contrário disso é “não-energia”, “não-massa”, “não-
radiação”, ou seja : escuridão e nenhum movimento. Nem mesmo o
frio, pois não há superfície nenhuma que possa esfriar ou congelar
!

Assim sendo, o contrário de tudo é realmente nada, sendo o nada


apenas o próprio todo em estado não manifestado, e em dormência
absoluta.

Uma vez que há o primeiro movimento nesse nada, ocorre o início do


tempo, pois o tempo começa a existir quando há movimento
energético que seja, no qual o tempo possa ser medido !

Ora, uma vez que o nada, a escuridão do espaço, na verdade é


Radiação Negra, temos nessa radiação ( ou seja, nessa luz em
estado negativo ), a fonte de onde emana toda energia.
Para haver um Início Universal foi necessário que o espaço fosse
preenchido pela Radiação Negra, ou seja, pela escuridão radioativa
em seu todo tridimensional.

Mas você se pergunta - como pode o Universo ser preenchido, se ele


não tem paredes, se ele é infinito ?

A resposta é outra pergunta - como pode ser preenchido por coisa


nenhuma ? A Radiação Negra é um elemento, mas um elemento que a
princípio não se manifesta de nenhuma forma...em terceira dimensão
ela permanece coisa nenhuma.
Pode preencher algo ?

A resposta é relativamente simples - o nada, a escuridão, a não


existência, por natureza já são automaticamente "preenchidos" por
não existência, por escuridão, por coisa-nenhuma.
Esse plasma em potencial permanece lá como uma espoleta
engatilhada.

Não há duas formas de conceber o nada.


E sendo esse nada um tudo em negativo, há uma realidade de
preenchimento do espaço negativo por essa energia em "off", ou
seja, a Radiação Negra preenche o espaço.

A Radiação Negra ( ou Dark Matter ) então preenche "todo" o


espaço, e num certo momento volta-se sobre si mesma.
O que ocorre no espaço quando toda essa energia "off" termina de
preenchê-lo, mas continua sendo gerada, tendo como fonte uma
dimensão análoga: quarta dimensão ?

Essa energia em "off" entra em atrito consigo mesma, cria-se um


ponto de instabilidade e a partir daí é gerada a primeira centelha
de luz e calor, detonando a grande explosão - o Big-Bang.

Ora, e o Big-Bang surgiu "muito tempo depois" do início deste


Transe Temporal ?

Ou pouco tempo depois do início deste Transe, ou Do Que Era, antes


da grande explosão ?
Ou seja, se colocarmos uma medida entre o início do nada e a
grande explosão teremos uma medida maior ou menor ?

Aí são possíveis duas visões :

O Big-Bang eclodiu logo em seguida ao nada.


Ou o Big-Bang eclodiu após uma relativa eternidade do nada.
Veja bem : pois se nenhuma energia se movia em nada, antes da
faísca primordial, não havia tempo !
Então não há instante mensurável NENHUM, antes da faísca inicial.

Tanto pode ser entendido como : uma eternidade, ou um momento


precedente que não existiu.
Não há régua de medida para aquilo que não existe numa terceira
dimensão, para o não tempo, a não energia, a não matéria.

Isso, este estado negativo do Universo ( assim chamado por após


momento inicial da energia ), só pode ser concebido em nossa mente
- não sendo possível aplicar a este estado de não-ser da energia
uma medida qualquer que seja.

Como poderia atestar que algo que não estava, "não esteve lá" por
um período definido ?

A verdade é que nada tridimensional havia lá por tempo nenhum e


que a partir daí houve uma detonação, uma reversão localizada, e
essa energia em "off" passou a ser positiva - numa região de um
espaço negativo, que afora o local dessa reversão ainda está
repleto com energia negativa ( Radiação Negra ).

Dessa reversão localizada resultou tudo que existe no Universo


Tridimensional.

E enquanto a dimensão material, tridimensional, este Universo que


habitamos, se dissolve partindo do rígido para o energético,
criando o tempo, os universos paralelos dimensionais retornam do
energético para o rígido.
Enquanto um “esquenta” acionado pelo Big Bang, os outros esfriam e
retornam a reverberação espelhada para ele, Universo material.
Aqui se responde a pergunta – “De onde viemos, para onde vamos ?”
Ora, VIEMOS...DE PARA ONDE VAMOS !

QUARTA DIMENSÃO – BERÇO DAS REALIDADES


Tudo que se manifesta no mundo que percebemos como real, já foi
plasmado anteriormente na Quarta Dimensão.
E antes dela nas dimensões posteriores ( quinta, sexta dimensões e
suas subdivisões ), acontece que deve haver uma coesão vibratória
em mais de uma dimensão para que seja criado um “sinal”, que leve
algo, seja lá o que for, a se manifestar materialmente ( existir
em Terceira Dimensão ).
Enquanto o sinal se mantiver sem correspondência em mais de uma
dimensão, a coisa existe apenas em possibilidade.
Tudo é possível, desde que existam os meios.
Ora, você pode chamar uma entidade imaterial a sua presença, e ela
estará imediatamente junto a você – pois você criou um duplo sinal
– em que havendo o sinal 1, que é a presença da entidade numa
dimensão paralela, e o sinal 2, que é o seu chamado – estabeleceu-
se um vínculo energético a essa entidade, e ela se manifesta como
presença na terceira dimensão a qual pertencemos.

E assim também o contrário – se algo deixa de existir, ou um


vivente se extingue em Terceira Dimensão, apenas uma parte do seu
sinal apagou-se do Universo.
A sua realidade dimensional continua em Transe Temporal, na Quarta
Dimensão, com sentidos ampliados e consciência plena, se assim
permite a sua evolução.
Até quando o movimento dos astros lhe apresente uma conformação
adequada de momento, formando uma espécie de portal, tornando
possível sua reintegração atômica ( ou reencarnação ) em Terceira
Dimensão, ou seja, nosso Universo.
Apenas quando coincidem as portas, é possível a reintegração do
ser, transferindo-se de uma dimensão a outra.
Para entender isso melhor é bastante imaginar dois discos, com
duas aberturas no mesmo ponto, girando em paralelo num eixo
imaginário : suponhamos que a energia vital do ser retirou-se de
um ponto do Universo atravessando por essas duas aberturas em dois
grandes discos de metal em movimento.
Um está se movendo em sentido horário, e o outro em sentido anti-
horário.
Se quiser voltar ao ponto de partida, ou seja, atravessar de
volta, será necessário esperar que os discos girem, até que as
aberturas coincidam novamente. E nesse exato momento, em que elas
formarem uma porta, atravessar rapidamente, antes que o movimento
dos discos a fechem por outro período temporal.
O que possibilita as portas dimensionais é o movimento dos astros,
que realizam um movimento sicronizado em torno de um atrator
gravitacional.
Por isso não há situação que seja permanente.
Por força do movimento das grandes esferas altera-se forma,
correlação e destino.

Assim aconteceu com as humanidades relativas que nos precederam.


Sim, porquê o homem não é o primeiro habitante inteligente do
Universo, nem da Via Láctea.
Aqueles que insistimos chamar de deuses, desde os primórdios da
vida humana na Terra, são na verdade as populações 1 e 2 – que
percorreram 2 Ciclos Planetários completos anteriores ao nosso, ou
seja, planetas e sistemas solares já surgiram e desapareceram 2
vezes antes de nós, e suas populações com eles.

A fábula do Gênesis ilustra bem isso.


Um “ser racional”, RECRIA o homem ( na verdade aos poucos, com a
re-evolução localizada na Terra ).

Podemos chamar a Deus o programa de evolução existente nas


Supradimensões Superiores, com terminação em Quarta Dimensão e
inferiores, controlado por uma consciência Una e Totalmente
Superior, ligada ao Transe Temporal, portanto, realmente Imortal,
Onisciente e Onipotente, como dizem as escrituras – mas com sua
ação ligeiramente limitada em Terceira Dimensão, devido a coesão
sólida dos átomos, peso e temperatura previamente estabelecidas
por Ele próprio, a fim formar uma realidade constante, que é seu
próprio material de trabalho ao se voltar para favorecer as
criaturas relativamente inferiores, que somos nós.

Esse nome, Deus, é uma boa maneira figurada de representar uma


entidade imaginária, porém com essa definição limitamos a nossa
compreensão a um entendimento preestabelecido por outros, bem
menos informados e ligados a uma forma de entendimento muito
primitiva.
Talvez não seja correto referir-se a Deus como uma entidade.
Entidades somos nós, que estamos situados em um ponto determinado
em relação ao Uno.

Para os primeiros pensadores Deus era apenas um homem muito


poderoso, que podia tudo, sabia tudo, e consequentemente mandava
em tudo, exatamente como o rei ou o faraó...
Mas não partamos de pressupostos errados.
A compreensão de Deus como uma energia formadora seria mais
adequada.
De uma energia PLASMÁTICA.
Porém conservaremos adiante o tratamento em terceira pessoa quando
nos referirmos ao Supremo Racional Superior com o intuito de não
confundir o leitor.
Há uma diferença gritante entre o Supremo Racional Superior e nós,
que somos resultado de um processo iniciado por “Ele”.
Porém, não deveríamos nos referir a Deus nem mesmo como “Ele”.
Até mesmo chamá-lo de Deus pode ser uma coisa que sugere limitação
e estarmos partindo de um pressuposto errado.
Pode não ser simplesmente Deus.
Pode não ser nada parecido o que conheçamos, imaginamos, nem nada
que esteja ligado à maneira de entendermos ou de julgarmos as
coisas.
O Supremo Racional Superior a princípio não estaria comprometido
com nenhum sistema de julgamento humano nem com nenhuma escala de
bem ou de mal.

Veja que diferença ! Nós temos que pensar seqüencialmente, com


base no que conhecemos, calcular uma coisa depois da outra, e a
barreira do pensamento de forma não linear só muito poucas vezes é
quebrada por uma ou outra mente privilegiada, que surge em
acidentes genéticos de famílias paupérrimas, geralmente propensas
a esses tipos de mutação.

Nosso raciocínio, a bem dizer, ainda é totalmente travado, levamos


quase 5 mil anos ( de civilização ) para criar uma simples
caldeira a vapor e um simples sistema de telefonia e rádio !
E mesmo assim o relativo progresso dos últimos 150 anos foi tão
mal utilizado que a continuar nesse ritmo levará ‘a total extinção
da vida no planeta Terra !

O Supremo Racional Superior projetou todo o Universo que


conhecemos em menos de um milésimo de segundo, provavelmente.
Realmente a palavra é essa, projetou.
A sua influência se projetou, como luz, como radiação.
A matéria O obedeceu, gradualmente, pois tudo partiu da DÉCIMA
DIMENSÃO ( a física reconhece que existam 10 dimensões básicas de
realidade, teoricamente as outras supra e sub-dimensões seriam
sustentáculos ou conseqüências ).

Não há mesmo superior ou inferior, uma vez que somos projeções


holográficas do próprio Criador, em nossa estrutura básica
energética – o que existe é uma diversidade de funções – sim, o
Homem é criado a semelhança do Racional Superior – no seu âmago,
na sua base ( por isso se dizer que todos temos Cristo em nós, que
se deve olhar o Cristo presente em cada um, e isso realmente é
verdadeiro ).

As vezes basta se reconhecer isso em nós mesmos e nos outros para


que muitas perturbações e doenças simplesmente desapareçam de
nosso corpo...pois a base original é perfeita, sem mácula, erro ou
doença – isso de mal é coisa adicionada por nossa visão
distorcida.
Cristo, manifestação da personalidade ou personalidade do Sol e
suprema inteligência do Sistema Solar.
Note como o ser humano no ventre da mãe permanece retraído em
formato de círculo, como o Astro-Rei, e todos os apêndices do
corpo se distendem de um centro, como os raios de um Sol. Lembra-
se daquele famoso desenho de Leonardo Da-Vinci – todos conhecem,
do homem de braços abertos desenhado dentro de um círculo ?
Gerado da plena energia, do poder total sob a matéria.

Até há 2.000 anos atrás, vivia-se no jugo e no culto da Serpente –


o homem estava preso ‘a energia da Terra, a fortíssima Kundalini
do elemento terra, que é gerada no centro do Planeta, e forma um
eixo, com uma das terminações saindo em direção justamente na
região onde estão localizadas ( propositadamente, é claro ) as
Pirâmides do EGITO
**( Egito - maior berço da cultura de todos os tempos,
considerando que o saber, o conhecimento “migrou” do Egito para a
Grécia e daí para Roma, que estendeu sua influência com punho de
ferro sobre todo o mundo antigo. Os egípcios antigos conheciam
essa energia e a manipulavam a fim de obter grande poder. Um dos
últimos a desenvolver a Kundalini com sucesso foi o conhecido
ditador alemão Adolf Hitler; é o tal negócio, muitos tentam,
poucos conseguem, e não sabemos se os que conseguem realmente se
dão bem, portanto, com relação a quem invoca esse tipo de força,
olhos abertos e todo cuidado ainda é pouco ).

******* ******* ****** *******

Até há 2.000 anos o ser humano havia perdido totalmente a sua


ligação com as regiões superiores, com o próprio Supremo Racional
Superior.

Cristo é enviado para nos desligar dessa energia pesada.


Após a vinda de Jesus Cristo e o cumprimento de sua missão, de
religar a consciência do homem ‘a Sétima Dimensão e reaproximá-lo
do Supremo, todos nós estaríamos totalmente livres e desligados de
tudo que é influência inferior e energia incontrolável,
destrutiva.
A linguagem figurativa da Bíblia nos faz entender o seguinte: o
Batismo de Cristo ( que na verdade é a finalização de um Acordo
Cósmico com o Supremo, engendrado por os melhores que nos
antecederam, sacerdotes, estudiosos e videntes do bem )livra a
humanidade do “pecado”, para sempre.

De tudo o que pode ser considerado pecado de todos os humanos


antes e depois de Cristo para todo sempre.
A partir desse momento toda a humanidade está considerada limpa, e
somente ao Supremo Superior deve considerar acima, na pessoa de
Cristo.
No momento em que Jesus, crucificado, pronuncia as palavras “Em
tuas mãos entrego meu espírito”, é efetuada a ligação com a Sétima
Dimensão.
A consciência de Jesus se transfere para essa nuança da realidade.
Para essa região dimensional.
A mais próxima possível do Supremo Racional Superior.
Tendo sido homem, e tomado esta forma humana especificamente para
o trabalho de levar consigo, enfim, a humanidade, e apresentá-la
diante do Supremo, limpa, destituída de pecado, e desligada para
sempre do peso das irradiações negativas terrestres, do culto da
Serpente, que exigia sangue e sacrifícios humanos e de animais –
Cristo vence.

Embora muitas igrejas imponham que o homem deva ou pedir perdão


diante de seus sacerdotes ou pagar sua dívida num lago de chamas
infernais, isso é um dito astucioso e mentiroso da parte deles,
com propósitos políticos para controlar as pessoas, tirando a
liberdade delas.
O Sangue de Cristo já pagou por todos os pecados humanos, de todos
os seres humanos, para todo sempre, através dos séculos dos
séculos.
Esse é o sentido da Grande Aliança com o Supremo.
Todos nós estamos já perdoados, de todos nossos pecados, para todo
o sempre, na pessoa de Cristo, após o Batismo de Cristo.

E quando Ele diz, na mesa da sua última ceia, diante de seus


discípulos: “Persisti em fazer isso em memória de mim”; em nenhum
momento dá a entender que se deva rezar qualquer missa nem
consagrar qualquer coisa como vinho ou pão.

Ele está claramente sugerindo, numa divisão de pão, que deva se


insistir em ações de solidariedade para com o próximo, dividindo-
se o que se possui a mais.
Pois se todos fizerem isso, evidentemente ninguém nunca passará
necessidade de nada, e poderá se dedicar a afazeres mais nobres,
como a própria ação em favor de outros ainda menos afortunados.
Evidente que tendo a subsistência garantida pode-se aprimorar o
conhecimento através da educação.
E isso é o motor de um verdadeiro progresso.
Não é importante ter apenas mais e mais !
Basta que se tenha o suficiente e melhor.
Quem não preferiria receber um naco de pão das mãos do próprio
Cristo, do que participar de um banquete junto ‘as tropas de algum
deus da guerra ?
Por outro lado subentende-se que a matéria, em substância, é o
“corpo e sangue” de Deus – e quem realmente tem direito de
administrar a divisão do que seja um bem, senão seu legítimo
proprietário ?
E sendo o proprietário de um bem, o pai de muitos filhos, não
entenderia ele na divisão desse bem, caber uma parte igual e
suficiente a cada um deles ?
E não estando esse proprietário presente, não caberia aos filhos
serem responsáveis o bastante para que a divisão do bem
continuasse sendo feita justa e sabiamente, como em verdade é
vontade do pai ?

Perceba você que os grandes males do mundo procedem do reter


riqueza para si.
Daí surge o ladrão, o assassino, a guerra, e todos os outros
males.
Persistindo em “repartir o pão”, ou seja, administrar a riqueza em
favor de todos, cura-se os maiores males do mundo.
É claro que esse procedimento deve ser considerado em grande
escala. Nem todos podem repartir o pouco que tem. Mas se o
presidente de um país resolve seguir este preceito, certamente ele
está tomando uma atitude certa, e agindo conforme os ensinamentos
de Jesus.
As decisões que tomar a partir daí, com esse intuito e baseadas
nesse ensinamento, certamente estarão corretas.
Outra coisa que as igrejas perverteram, foi a atitude de Jesus em
relação ‘a carne. Os primeiros Cristãos não comiam carne.
Os discípulos de Jesus não ingeriam carne.
Esse ensinamento foi subvertido na Bíblia “encomendada” pelo
Imperador romano Constantino, tal como a conhecemos atualmente.

Tampouco os primeiros discípulos de Jesus ingeriam bebidas


destiladas, que já existiam naquela época, como a aguardente.
Lembramos que o vinho é uma bebida fermentada, e se utilizado com
sabedoria não prejudica.

ADÃO E EVA – O QUE REALMENTE OCORREU

Como a Terra era um planeta de razoáveis recursos naturais, que


durariam quase que eternamente se bem utilizados, o Supremo
Racional Superior programou “Adão e Eva” para uma evolução lenta.
Eles procriariam e se desenvolveriam lentamente, agregando apenas
o progresso que necessitassem para a subsistência de um número
pequeno de humanos sob a Terra, que não seriam os consumidores, os
destruidores da Terra, pois isso num plano divino é inadmissível -
apenas os seus guardiões, os seus “jardineiros”, pois O Supremo já
amargara uma experiência infeliz com as outras populações
anteriores.

Os desdobramentos das populações anteriores evoluíram até o máximo


possível de tecnologia armamentista, até se consumirem em infernos
atômicos interplanetários, ou com experiências envolvendo a
energia dos Sistemas Solares.
Acabaram provocando cataclismos astronômicos ao tentarem represar
o tempo, o espaço e os astros como se represa um simples rio.

O desequilíbrio magnético provocado por uma experiência desse


tipo, fez o último planeta da última humanidade, antes de nossa
re-evolução, desaparecer completamente da Terceira Dimensão.

Sim. A população deste planeta, que realmente existiu numa região


do espaço, fora da Via Láctea, se extinguiu juntamente com uma
“Morada da Casa do Pai” ( como se refere o Senhor Jesus, quando
cita outros planetas, evidentemente ) que se despedaçou.

Mas algum tempo antes, os sábios e cientistas desse planeta,


haviam tomado uma precaução.
Como a População 2 atingiu um nível quase que divino de ciência, e
possuia uma tecnologia formidável, quase que mágica para os nossos
padrões, eles tomaram uma decisão – não se extinguiriam.

Sabendo que poderiam conservar suas consciências em Quarta


Dimensão, e não desejando se dissolver com o tempo infinito na
consciência universal por falta de atuação ( pois o tempo os
tornaria tão diversos da Terceira Dimensão, tão inativos que ao
fim realmente se diluiriam, tornando-se uma impossibilidade real,
uma não existência no sub-atômico das dimensões – se não houvesse
paridade de sinal, se não tivessem mais contato com a Terceira
Dimensão de nenhuma forma, estariam realmente perdidos, com todo
seu conhecimento ! )...eles resolveram estabelecer um elo
permanente, conforme as probabilidades que a matemática universal
lhes oferecia.

Imaginaram – uma vez que todos pertencentes àquela raça


desenvolvida tivessem feito a sua passagem, não teriam mais corpos
onde pudessem reintegrar-se.
Então seria preciso providenciar algo equivalente, que pudesse ser
lançado ao espaço como uma semente, algo que viajasse pelo espaço,
durante muitos milênios, estabelecendo-se em planetas onde o
desenvolvimento fosse possível.
Não poderia ser um corpo animal – o corpo animal é muito complexo,
e mesmo o mais simples exige algum tipo de condição mínima
relativa a essa condição.
O corpo puramente vegetal não atendia às exigências – pois não
comportava as substâncias místicas de correlação da Quarta
Dimensão com a Terceira – as químicas que funcionavam como portais
de comunicação.

Essas substâncias químicas existem, a própria sede da alma do


homem, que é a glândula pituitária, comporta um líquido especial,
que permite a transcomunicação do ser com universos paralelos e
dimensões análogas.
A glândula pituitária, localizada na região central do cérebro,
está mergulhada num líquido.
Inclusive agregando-se cristais de apatita a essa região do
cérebro estimula-se a mediunidade, percepção extra-sensorial e
principalmente telepatia ( existe uma séria e recente pesquisa,
numa universidade brasileira que comprova isso, tendo-se
reconhecido esse fato como científico e não mais apenas
especulação ).

Chegaram então a criar a forma dos cogumelos, um ser que não é nem
animal, nem vegetal, que pode sobreviver sem luz, e seu esporo
eclode ao contato com a água – sendo perfeito para conter as
substâncias transcomunicativas interdimensionais.
O fato dessas substâncias localizarem-se num corpo animal ou semi-
vegetal não faz diferença, pois o que importa é a sua composição
sub-atômica, e abaixo disso a sua engenharia radiônica – ou seja,
há toda uma central de comunicação construída de átomos e elétrons
dispostos numa forma especial, que dão esse resultado.
Não há do que se admirar, pois a humanidade está dando os
primeiros passos nesse sentido, trabalhando com engenharia
genética, engenharia molecular e nanotecnologia.
Todas estas técnicas eram já dominadas e amplamente utilizadas
pela População 2.

Na verdade, mesmo na própria eletrônica os equipamentos quanto


menores parece que funcionam melhor, e já existem até mesmo
computadores biológicos que trabalham com células vivas
mergulhadas em meio líquido.
E se a comunicação via elétrons, ou a transcomunicação por
espelhamento pode atingir todos os pontos do universo
instantaneamente, o que impede que atinja ou seja enviado um sinal
constante de uma outra dimensão formando uma realidade virtual ao
contato de um aparelho receptor ?

O artifício da População 2 não chega a ser um ato divino, senão


apenas um engenho técnico-biológico, ainda dentro dos parâmetros
de uma psico-bio-física energética extremamente avançada, porém
ainda não divina.
Podem ter se aproximado disso depois que suas consciências
alcançaram a Quarta Dimensão ( pois tiveram seus horizontes
ampliados )- mas ainda não são totalmente deuses, embora
influentes e poderosos.

Uma vez que os esporos dos cogumelos criados por engenharia


genética chegassem a algum planeta e se desenvolvessem, as
substâncias químicas presentes neles serviriam como um elo de
ligação, entre o local do espaço onde a população desenvolvida 2
se encontrasse, e a ( agora ) nossa realidade.

O plano deles era de que isso os tornasse moventes no tempo ( ou,


digamos, relativamente atuantes, vivos ) , evitando a dissolução
de suas consciências, até que encontrassem um meio de voltar, ou
formar um germe evolutivo que gerasse corpos para sua reentrada na
realidade cósmica tridimensional.

Como foi possível que a População 2 transferisse todas as


consciências dos seres pensantes em todo um planeta para um
simples esporo ?

Levemos em consideração que essas consciências não estavam


inseridas DENTRO dos esporos, mas sim já se encontrariam na Quarta
Dimensão, sendo necessário o esporo encontrar um local do espaço
onde pudesse se desenvolver, e formar a química apropriada para
servir de porta dimensional, a fim de que se manifestassem as
entidades da População 2, com suas memórias planetárias e todo seu
conhecimento.

Ora, qualquer pessoa que tenha um contato básico com informática


sabe que não é possível executar uma função num computador sem um
programa.
Ou seja, se você deseja manipular uma realidade virtual na tela do
computador as nuanças dessa realidade devem previamente estar
direcionadas e pré-calculadas para se obter determinada resposta
da máquina, na tela, enfim, para poder-se manipular essa imitação
de realidade.

Portanto existe um programa fixo gravado nos átomos de uma peça do


computador, por meio de eletromagnetismo, para direcionar uma
determinada ação.
Se nos dispomos a gravar um tipo de informação existe uma função
chamada Back-up, que é uma cópia de segurança gravada numa parte
da peça, que não se apaga se o operador da máquina assim não o
desejar.

Se examinarmos a realidade que nos cerca, notaremos que existem


sólidos, líquidos e gases, ou seja, diversos níveis de coesão da
matéria, de coesão de uma massa atômica...porém todos esses
materiais são diferentes formas de uma só matéria luminosa,
falando em termos simples - basicamente tudo é feito de luz
congelada.
Assim, a base para se gravar qualquer informação a nível
subatômico pode ser encontrada em qualquer material – tanto
sólido, líquido ou gasoso, e inclusive não fará diferença o volume
desse meio de registro, uma vez que essa informação pode se mover
vibracionalmente de um ponto a outro, de um átomo a outro,
portanto não importará o tamanho do “casulo” onde serão gravadas
as informações.

A regra que funciona para o maquinal também funciona para o


biológico.

Um bom exemplo é a formação da vida na Terra.

Lógicamente essa formação da vida e a evolução foi programada por


um tipo de inteligência superior, que se manifesta em realidade
superior ao humano.
O humano, embora seja uma expressão completa e um reflexo e
emanação dessa consciência superior, está destinado a uma
determinada função no Cosmo, e perfeitamente adaptado para essa
função. Não restrito, mas adaptado.

Pois bem – a vida na Terra foi programada ( e continua sendo )


através de vibração sutil, por força das 12 constelações divinas –
Áries, Touro, Gêmeos, Câncer, etc...que são as 12 personalidades
do Supremo mais a expressão eminentemente próxima, a de Doador da
Energia, que é o Sol, Cristo Solar e Pai Divino das criaturas
terrestres.

Para entender melhor – imagine um cilindro de metal. Agora imagine


12 raios de luz laser moldando esse cilindro para que ele tome uma
forma, ao mesmo tempo que uma outra luz mais forte e próxima o
torna maleável...onde serão escritas palavras, feitos desenhos,
por força dos 12 raios de luz laser. Ótimo.

É exatamente assim que foram programadas as moléculas através das


Eras, no Planeta Terra.
A irradiação interplanetária das constelações MOLDA as células
biológicas, “solda” os aminoácidos, constrói o DNA dos seres.

Uma parte dos elementos utilizados nessa lenta construção são


originários da Terra, outra parte adveio de uma nuvem de
aminoácidos existente na via láctea, que chegaram a este planeta
trazidos em meteoros.
O próprio DNA é reflexo espelhado de uma outra Galáxia, que tem
exatamente esta forma ( de dupla hélice DNA ), e refletiu nos
seres terrestres, como imagem para ser fixada no registro intra-
átomo, devido a ser mais adequada, trazida irradiada pelas
constelações divinas.

Galáxia em forma de DNA

A Terra, na sua somatória, é um espelhamento do Todo Universal,


reflexo da somatória de todas irradiações que a envolvem.
Os antigos egípcios, criadores do sistema Zodiacal, já
compreendiam dessa forma.
Está escrito no Papiro de Anana : “Todos os Deuses enviam seus
presentes a esta terra, constantemente”.

A influência das constelações organizacionais do Cosmo faz-se


sentir no Planeta Terra, no nosso caso através das 12 constelações
do Zodíaco, que estão diretamente voltadas para a Terra,
envolvendo-a ...
E funcionando como um torno radiônico sutil para que a matéria
bruta sirva a propósitos pré-programados pelos Racionais
Superiores.

São assim chamados Racionais Superiores por se tratarem de


consciências portadoras de conhecimento, sentidos e poderes muito
superiores aos nossos, que temos uma outra função no Universo,
trabalhando diretamente com a matéria bruta...
Toda a influência desses destes poderosos está baseada no câmbio
de informações contínuo intra-elétrons e fótons.
O Universo é uma permanência de auto informação, através dessa
característica natural que é semelhante a um sistema
computadorizado, só que muito mais rápido e eficiente.
Evidentemente, devido às longas distâncias, apenas em terceira
dimensão existem os Intensificadores de Sinal, são os locais
chamados Espelhos.
Em determinadas regiões do Cosmo, existem os Espelhos e seus
guardiões, habitantes do espaço, formas de vida avançadas já com
uma certa autoridade em relação à matéria, aos sistemas solares e
à gravidade.

São eles seres portadores de consciência abrangente, em grau


elevado, podendo administrar sistemas planetários inteiros e sua
formação.
O poder intensificador de envio da informação dos Espelhos pode
chegar ao ponto de criar a vida num planeta milhões de anos luz de
distância, apenas programando a movimentação das moléculas
encontradas em um local apropriado, como a Terra, por exemplo.
Aí é armado o salto qüantico no espaço e inclusive no tempo.

Todo o poder é baseado nos elétrons.


Ora, o átomo é formado basicamente por um núcleo e a camada
externa – eletrosfera.
Na eletrosfera encontramos os elétrons separados por camadas.
Para se retirar ou incluir um elétron nas camadas é necessária uma
quantidade de energia.
Até aí nada de mais, porém entre uma camada e outra existem “sub-
camadas” e que, de acordo com vários mestres da química e física,
os elétrons não se estacionam nas “sub-camadas”, pois eles ao
passarem de uma camada para outra os mesmos atravessam dimensões
paralelas à nossa realidade.
Dimensões como as dos “ desencarnados”, passado, futuro, outros
planetas, enfim, variados planos paralelos ao nosso.
Por isso nada prende o fluxo de informações uma vez sendo
irradiado ele se espalhará por todo o espaço. Melhor dizendo, ele
se manifestará instantaneamente em todo o Universo.

O câmbio de informações contínuo é uma característica imanente do


Universo.
“ O espaço se manifesta como algo capaz de unir e afetar, sem
impedimentos físicos ou temporais, qualquer ponto de sua
estrutura. Assim como as fotografias holográficas, o espaço pode
concentrar toda a informação em cada um dos seus pontos e
estabelecer ligações de instantâneidade e coerência, salvo o tempo
e a distância, pois em termos de trama básica do espaço, a
realidade parece expressar-se como um presente contínuo. Num ponto
hipotético, existe a informação do que está acontecendo neste
momento em algum lugar distante dez mil anos luz antes de nós.
UM SIMPLES PONTO PODE CONCENTRAR A INFORMAÇÃO DO MODELO TOTAL, e
se o Cosmo fosse aniquilado, à exceção desse ponto, a partir dele
poderíamos reconstruir a ordem total do Universo”.

Isso significa com todas as letras que a formação da vida PODE ter
sido irradiada propositadamente na Terra, com o simples sinal de
rádio adequado, utilizando os materiais e moléculas do próprio
planeta e dos espaços circundantes.

Claro que há alguns pesquisadores que discordam, dizendo que a


vida na Terra já chegou pronta em forma de molécula, numa nave
espacial pilotada por “ets”, ou enviada por extraterrestres
propositadamente.
Mas isso é apenas um tipo de ficção avançada, ao menos quanto a
formação de vida terrestre.
Dizem eles não ser possível que qualquer forma de substância
química básica chegasse íntegra à Terra, depois de uma viagem
interplanetária...no caso, nas reentrâncias rochosas de um cometa,
por quê não ?

Acaso os aminoácidos básicos não suportariam o que seria para eles


uma simples movimentação, uma vez que são formados no próprio
ambiente espacial ?
E se chegaram ao planeta numa época em que ele ainda estava se
formando, não havia uma atmosfera densa com a qual se desse algum
tipo de atrito...portanto não sofreriam com grandes temperaturas,
chegando íntegros para se juntarem com as moléculas de proteína
por força das irradiações interplanetárias, as próprias que de
certa forma funcionam como o laser moldador do nosso exemplo –
fazendo um trabalho lento de mutação vital das criaturas, lento e
incessante, que atua a partir de uma quarta dimensão
( “espiritual”, grau 1 ), influindo na potencialidade de carga dos
átomos e gravando o direcionamento de aglutinação da matéria
pesada.

Essa irradiação torna a matéria amorfa em moléculas, torna as


moléculas seres unicelulares, faz esses seres se juntarem em
colônias, as colônias se tornam animais simples, animais simples
continuam sofrendo mutações constantes, tornando-se animais
complexos, dividindo-se em ramos e subfamílias – quem imaginaria
que todos os animais portadores de coluna vertebral derivam de uma
simples lesma portadora de apenas 20 e poucos genes básicos,
comuns a todos eles ?

Porém esse animal realmente existiu no período chamado Pré-


Cambriano ( há cerca de 350 milhões de anos ): é chamado de Pikaia
e lembrava uma minhoca com cabeça de caracol.
Portanto os répteis, dinossauros, mamíferos, aves, roedores,
peixes, bovinos, e mesmo os primatas e o próprio homem possuem um
ancestral comum – pois todos eles tem uma coluna vertebral,
portanto todos derivam da pequena Pikaia, surgida no período Pré-
Cambriano, que sofreu constantes mutações e de certa forma dominou
o planeta !

Por força das mutações, criaturas simples geraram animais


aquáticos, peixes, peixes geraram anfíbios, anfíbios geraram
répteis, répteis geraram mamíferos e aves, mamíferos geraram
primatas e estes evoluíram até o símio, deste aos pré-homens,
Sapiens e Neanderthais.
O Neanderthal foi uma espécie ‘a parte, uma mutação vinda do Homo
Rudolfensis, totalmente adaptado ao clima frio da Europa na Era
Glacial.
Branco, baixo, robusto, de ossos pesados e fortíssimo, o
Neanderthal era eminentemente caçador e especialmente carnívoro,
possuindo ainda uma espécie de válvula no nariz, característica
particular dessa espécie, aparentemente relacionada ‘a sua
adaptação a um clima frio.
Inteligente, não era uma criatura estúpida.
Se pudéssemos dispor de um tipo neander e inserí-lo em nossa
sociedade atual, educando-o desde pequeno, não haveria muita
diferença de qualquer um de nós.
Poderíamos cruzar com ele na rua sem notar nada especial.
É totalmente equivocada a imagem que a televisão e o cinema impõe
dessa espécie, como sendo um bruto que carrega uma clava e se
comunica por grunhidos.
Aparentemente eles formavam uma sociedade organizada, familiar,
nômade, e praticavam uma religião da natureza parecida com a
Wicca, se levarmos em consideração objetos deixados em túmulos
datados da época – conchas e dentes de veado provavelmente eram
considerados objetos mágicos ou amuletos.
O Neanderthal, totalmente adaptado ao frio da Era Glacial, começou
a perder terreno quando o clima começou a mudar, e a temperatura a
subir.
Com isso o Sapiens africano passou a ocupar as regiões de terras
férteis mais a norte.
Provavelmente ao chegar ‘a região onde hoje estão França e
Espanha, o Sapiens já tenha então se adaptado, e consolidado em
homem de Cro-Magnon, passando daí a migrar para leste, ocupando a
Ásia, Oceania, América do Norte e posteriormente a América do Sul,
há mais ou menos 15.000 anos.

Sendo “empurrado para fora” do continente Europeu, o Neanderthal


muito provavelmente tenha fixado seus últimos acampamentos na
região onde hoje se situa Portugal.

Curiosamente foi encontrado um túmulo na região da Leiria que


sugere uma miscigenação da linhagem Neanderthal com Sapiens.
Foram encontrados os restos de um menino, de aproximadamente cinco
anos de idade.
Os exames de DNA apontaram que tratava-se de um mestiço, que
morreu devido a doenças aparentemente de natureza genética, pois o
DNA das duas espécies não combinava perfeitamente.

O Neanderthal se extinguiu totalmente há cerca de 30.000 anos, não


havendo indícios de que nenhum sobreviveu, nem que tenha havido
algum tipo de miscigenação positiva, levando-se em consideração os
estudos genéticos.
Era um ramo distinto de uma mesma espécie, assim como cavalos e
zebras são eqüinos, tigres e leões são felinos mas não
necessariamente podem se cruzar entre si e gerar descendentes.
Assim, a linhagem de humanos chamada Neanderthal, acabou para
sempre.
O Sapiens sobreviveu e resultou no Sapiens-Sapiens, que agora
domina o planeta – ou seja, nós próprios pertencemos a este último
ramo da evolução.

Você deve se perguntar – se todos os seres com suas diferenças são


fruto de mutações, por quê elas não ocorrem mais ?
Ocorrem. A cor da pele nos seres humanos. A tonalidade varia,
desde a pele totalmente escura a quase totalmente clara. Isso é
uma mutação.

O Sapiens original era negro, pois surgiu na África, e precisava


ter uma pele pigmentada, escura, para se proteger do Sol
fortíssimo daquele continente.
Ao migrar para a Europa, onde a influência do Sol é menor, através
de incontáveis gerações sua pele foi se tornando mais e mais clara
– a fim de absorver a menor radiação solar que alcança aquela
região do globo, onde as temperaturas habitualmente são mais
baixas.
Ao longo de 1.000 anos vivendo em um ambiente totalmente diverso
não haveria sentido evolucional manter a mesma cor de pele!
Certamente ocorre aí uma adaptação para as novas condições.
Isso é uma mutação.
Pessoas que precisam usar aparelhos nos dentes, pois o conjunto da
arcada dentária é grande demais para o tamanho dos ossos da face,
são vítimas de uma mutação – pois duas gerações antes deles
provavelmente deixaram de mastigar alimentos mais grosseiros, onde
precisavam forçar a mandíbula.
Os descendentes deles passaram a nascer com queixos menores e mais
fracos, embora conservando o mesmo número de dentes – o que gera
uma pequena má formação, obrigando esses descendentes a usar
aparelhos dentários para corrigí-la.
Isso é um outro exemplo de mutação.
Se estas pessoas voltarem a comer alimentos mais sólidos, onde
precisem mastigar com mais força, seus descendentes em duas
gerações não sofrerão mais da má formação da arcada dentária.
A proteína mutagênica ainda faz parte de nosso corpo. É ela que
resolve se teremos dois braços e duas pernas, se respiraremos
debaixo d’água ou não, etc...e essa faculdade mutante ainda é
plenamente atuante, embora o processo seja relativamente lento.
Provavelmente em alguma época tivemos a força de 10 homens, pêlos
por todo o corpo, e pés mais parecidos com mãos.
Porém estas características foram alteradas para a forma atual,
conforme a necessidade ou não.

Isso é da parte material relativa ao planeta Terra.


Porém por trás disso e servindo como alicerce, está a programação
sub-atômica ordenada pelas 12 constelações e energizada por o Sol
do Sistema Solar.

Assim, a irradiação interplanetária influiu na matéria prima


disponível e resultou nos animais e no homem.
Continuará influindo no homem até que ele se torne a expressão
máxima das constelações aliada a expressão máxima da força do Sol,
ou seja, personalidade do Sol, que é o Cristo.
O direcionamento das constelações aliadas a energia do Sol é
tornar o homem explicitamente o que ele já é implicitamente mas
não tem total consciência disso – Filho de Deus, portador do
Cristo Cósmico em si mesmo, médium de Deus, realizador da vontade
do Criador na Terra e no Cosmo – jardineiro do Éden – e entenda-se
por Éden o próprio Universo, o qual o homem tem o destino de
povoar e torná-lo como um grande Jardim Divino.

Claro que há espiritualmente os contratempos e o que chamam de


Satã, ou grande inimigo – porém esse está destinado a ser
derrotado pelo homem.

Esse ( o chamado Satã, ou inimigo, o próprio mal personificado )


foi colocado no caminho do homem para prová-lo, e forçá-lo a
aprender com a própria adversidade numa etapa inicial.
Porém, “esse”, tendo cumprido sua função partirá para outros orbes
no afã de desenvolver outras populações ( pois Lúcifer, um dos
nomes de Satã, significa “O Portador da Luz”, aquele que ilumina o
caminho, entenda-se o professor ou o mestre ).
Ora, qual a lição que a adversidade, o sofrimento, a tortura nos
deixa ?
É A POSSIBILIDADE DE EVITAR TUDO ISSO ! É não termos mais contato
com as causas do sofrimento, e saber como debelar o sofrimento se
ele por acaso se insinuar e nos surpreender !
Se não houvesse a infecção desde a muito tempo, não seria
inventada a penicilina, e quando a infecção surgisse de repente,
não haveria remédio – seria um mal incurável !
No entanto, a própria presença anterior do mal num primeiro
estágio de evolução leva a sua erradicação numa segunda etapa –
pois haverá coisas mais importantes para se tratar, e benefícios
muito maiores pelos quais se deverá dispor de tempo e dispender
esforços.

Nada mais será impossível ao homem, como não foi para a população
interplanetária que o precedeu.
Pois nada é impossível, desde que existam os meios.
A População 2.
Eles se tornaram muito poderosos, posteriormente, por força da
própria adversidade viram-se obrigados a se tornar realmente
dominadores de seu próprio destino, continuando a existir numa
Quarta Dimensão.

O COGUMELO MÁGICO
A substância de cor azul que é encontrada no cogumelo Psilocybe, é
um dos meios de contato com uma realidade multidimensional, um
Universo Paralelo.
A presença do equivalente etérico desse elemento azul, é inclusive
percebida no Astral por alguns médiuns que fazem desdobramentos,
sendo a mesma no estado etérico usada por médicos do espaço (
segundo relatos ) em tratamentos, tanto em pessoas vivas como em
espíritos que chegam ao astral “traumatizados” por uma passagem (
morte ) violenta, etc...

Um pesquisador do assunto, chamado Terence Mackenna ( já falecido,


porém não esquecido ) lançou a teoria de que a própria evolução do
homem, de meio-símio coletor para “Senhor do Planeta” Terra, teria
sido provocada pela ingestão periódica de certos cogumelos.
Isso pode ter causado uma mutação genética por indução, e a massa
cerebral ter necessariamente se adaptado, criado uma “zona de
recepção” para essa substância, consequentemente uma zona de
contato com o Astral e a Quarta Dimensão.

Vejamos como se processa uma mutação :


“Uma mutação é uma modificação casual OU INDUZIDA na informação
genética. Para que haja mutação, é primeiro necessário que ocorra
uma alteração no núcleo do DNA. E as células replicam-se nessas
condições alteradas: enfim ocorre uma mutação.
Mutações podem podem ser provocados devido AGENTES MUTAGÊNICOS de
origem eletromagnética, QUÍMICA OU BIOLÓGICA; podem ser induzidas
em laboratório com o uso intencional destes mesmos agentes sobre
organismos vivos.
As mutações atuam de forma crucial na evolução das espécies”.

Assim, se é induzida uma mutação que torne o indivíduo mais


adaptado ao meio, mais capaz, mais bem aparelhado na luta pela
sobrevivência...bem, isso realmente fará a diferença.

Essa era uma das intenções da População 2, pois eles precisavam de


corpos viventes para enfim voltar a realidade material e
restabelecer seu Império e sua possessão ! O desenvolvimento
gradual de uma sub-raça para um genótipo compatível com o nível
deles, estava programada na química do “Cogumelo Sagrado”, que
viajou pelo espaço por incontáveis eras e acabou encontrando o
meio propício para seu desenvolvimento aqui no planeta Terra.

Eles sabiam que mais cedo ou mais tarde encontrariam um planeta


adequado e seres idem, adequados para servirem de “mulas’ para sua
manifestação e posterior reintegração atômica.

Considere-se o seguinte – Apenas na Via Láctea ( que é uma entre


centenas de galáxias ) há muito mais de 100 bilhões de estrelas,
muito mais.

Se apenas 1% delas forem sóis com planetas em volta, serão


milhares, e se apenas 1% desses desses milhares forem planetas com
condições de desenvolver a vida, ainda serão muitos – e se ainda,
1% desses puderem chegar a conter em si vida inteligente, serão no
mínimo uns 20.000 só na Via Láctea.
Embora separados por distâncias inimagináveis, eles existem, e
estão lá, sem dúvida.
Certamente, com formas totalmente diferenciadas de nós, humanos,
talvez vivendo em meios aquáticos, ou em temperaturas acima de 100
graus, alados, subterrâneos, cegos ou com super-sentidos, macro ou
micro, gigantes como dinossauros ou pequenos igual a moscas, quem
sabe ?

Eles estão lá, os seres vivos do cosmo.


Talvez uma forma de vida apenas ocupando um mundo inteiro, talvez
milhares, como na Terra.
Machos e fêmeas, ou hermafroditas. Vegetais, animais, ou uma
mistura dos dois.
Sem dúvida há planetas.
E se há planetas certamente algum tipo de vida existe, pois se
aqui na Terra existe vida, em alguns destes planetas certamente
também existirá !

Ou mesmo pode haver seres tão adiantados que já tenham deixado de


habitar planetas, e de se reproduzir por meios naturais !

Talvez habitem diretamente em grandes naves, tenham aprendido a


prolongar a vida, dominem a técnica de hibernação ( para longas
viagens ) ou fabriquem novos indivíduos com técnicas genéticas e
de clonagem, apenas quando precisem. Isso é uma possibilidade. Nós
mesmos estamos próximos de um evento semelhante, basta que ele se
torne necessário.

O que dizer dos Grays, que já são vistos na Terra há milhares de


anos ?

Existem relatos e imagens deles desde o antigo Egito, até entre


os indígenas do Brasil ( o chamado “cabeça de cuia” ), sempre com
a mesma aparência - criaturas baixas, corpos cinzentos, magros,
longos braços, cabeças grandes e olhos cinzentos aparentando
membranas.
É o estereótipo do viajante espacial.
A cabeça grande comporta um grande cérebro. O corpo franzino é
condizente com um ambiente onde não utilize força física, os olhos
com membranas para se proteger da irradiação solar e a cor
cinzenta numa pele grossa com o mesmo objetivo. Faz sentido ter
essa forma - uma criatura espacial criada artificialmente para
esse determinado ambiente e pesquisas em mundos desconhecidos.

Cabeça de Cuia

Alguns autores voltados para este tema dos Grays sugerem que
talvez eles “venham” do futuro, ou seja, sejam seres criados em
laboratório pelos próprios cientistas das agências espaciais, no
futuro, de 50 a 200 anos ‘a frente - e enviados para o “passado”,
ou seja, nossa época presente, em experimentos temporais.

Isso explicaria porquê muitas vezes as naves não parecem se


materializar totalmente, e também porquê os Grays tem uma
aparência antropomórfica – uma vez que teriam sido desenvolvidos
por humanos futuros a partir de material genético terrestre.

E também...sugeriria que a realidade futura JÁ ESTÁ ACONTECENDO


MATERIALMENTE em alguma dimensão ou região do espaço, ao menos em
relação aos próximos 50 a 200 anos mais ou menos, o que
possibilitaria esta visita temporal.

O que sugere esta teoria é a própria nave que caiu em Roswell em


1947, evento conhecido de todos os que se interessam por Ufologia.
O major Jesse Marcel, que levou alguns fragmentos do OVNI para
casa antes de ser “abafado” por seus superiores militares...isso
foi testemunhado por seu filho que contava menos de 10 anos na
ocasião – esses fragmentos voltavam a forma original quando
dobrados ou amassados, segundo relato verbal do próprio,
documentado no filme Incidente em Roswell.

E justamente a NASA, desde o início da década de 90, já desenvolve


esses tipos de materiais “inteligentes” a partir da nanotecnologia
!
Materiais que se fecham quando furados, inteiramente a prova de
fogo, ou, semelhante aos fragmentos de Roswell que voltam ao
formato original se dobrados ou amassados
.
Ou as agências espaciais no futuro disporão plenamente desses
materiais especiais e de escravos Grays “utilitários”, ou
trabalharão em sociedade com eles...ou então os próprios Grays já
possuiam esse tipo de tecnologia para viagens espaciais antes de
nós ( pois um metal que se fecha depois de furado é exatamente o
necessário para resistir ao impacto de meteoritos, por exemplo ),
e a presença de algo como a nave de Roswell apenas atiçou a
imaginação dos cientistas terrestres, levando-os a copiar ou
desenvolver materiais e produtos similares aos que encontraram !
Outra coisa que sugere uma viagem no tempo são os caracteres
encontrados na nave que caiu em Roswell.
Curiosamente eles são parecidos a outros, atribuídos a aparição de
um outro veículo em forma de disco, que surgiu numa praia do Japão
em 1803.

UFO no Japão – 1803 – desenho da época

Era um disco de metal, com janelas hermeticamente fechadas, que


aportou numa praia, aparentemente trazido pelo mar. Logicamente as
pessoas se aproximaram para ver do que se tratava, e de lá saiu
uma moça de pele rosada e cabelos vermelhos, aparentando uns 20
anos - e ela falava uma língua totalmente desconhecida.
A moça carregava uma caixa, da qual não deixava ninguém se
aproximar, aparentemente o conteúdo da caixa era importante –
poderia ser um algo como um computador, ou aparelho de
comunicação.
O relato apenas cita ainda que dentro do disco havia objetos
desconhecidos ( é óbvio, não ? ), e latas com carne e um tipo de
bolachas – aparentemente comida de marinheiro, ou alguém que tem
de empreender longas viagens.
O relato termina aí – e provavelmente a moça deve ter sido
conduzida ao governador da província, que pela lógica a
encaminharia ‘a presença do Imperador.
O que aconteceu com a garôta, o estranho navio de metal em forma
de disco e com a caixa misteriosa ?
Ninguém realmente sabe.

Porém sabe-se que a Família Imperial do Japão guarda objetos


misteriosos há séculos, que não podem ser vistos por qualquer um !

Inclusive um certo espelho sagrado, segundo se conta, está


envolvido em sete véus – e é proibido aos meros mortais abrir
esses véus e olhar para esse espelho.

Seria mesmo um espelho ou algo parecido com um minicomputador


presenteado ao Imperador por uma visitante do futuro ? Ou mesmo
“requisitado” por ele na época ?
Se formos juntar todas as peças do quebra-cabeça, teremos o belo
desenho de um contato imediato do terceiro grau com uma viajante
do tempo – talvez mesmo uma habitante das futuras colônias de
Marte, fazendo algum tipo de experiência temporal – e que acabou
aportando por acidente numa praia do Japão.
Consideremos que a temperatura em algumas regiões de Marte chega a
ser semelhante ‘a do extremo norte da Europa e Groenlândia – o que
teoricamente ampliaria a tendência de seus futuros habitantes a
possuir uma pele clara, rosada, e cabelos alourados ou vermelhos –
exatamente como a “visitante” do disco.

Também há relatos de naves em forma de disco e grandes dirigíveis


em forma de “charuto” que ninguém sabe de onde vêm nem para onde
vão, pois alguns simplesmente desaparecem.

Existe um filme, aparentemente autêntico, onde uma nave em forma


de charuto passeia tranqüilamente durante a apresentação de uma
cantora na Rússia. Toda a platéia esquece da cantora e fica
observando o OVNI prateado. Ela interrompe seu show e parece
espantada com a aparição. Não era um dirigível, embora lembre
vagamente.
Esse filme, que não dura mais de 2 minutos, é amplamente conhecido
no meio ufológico, e provavelmente pode ser encontrado até na
Internet.
Aquilo era o famoso OVNI em forma de charuto, geralmente chamado
de “Nave-Mãe”, pois é de onde os discos menores costumam ser
lançados.
Uma espécie de aeroporto itinerante.
Existem descrições e avistamentos no mundo inteiro desse tipo de
engenho. Só se concluiu uma coisa até hoje – que ninguém sabe nada
sobre eles. Provavelmente não são da Terra.

Um dos acontecimentos mais estranhos do século XX, que sugere


CLARAMENTE um contato com seres e uma nave de fora da Terra, foi a
aparição de Nossa Senhora de Fátima aos “três pastorinhos”, em
Portugal, 1917.
Examinemos com atenção um relato feito pelos próprios católicos,
baseado em testemunhos visuais:

“Na sexta aparição, em 3 de outubro de 1917, Nossa Senhora pede


novamente aos pastorinhos : que deveriam sempre rezar o Terço,
todos os dias, e enquanto se elevava, o reflexo de sua própria luz
projetava-se no Sol. Lúcia nesse momento exclamou :
- Olhem para o Sol !
Uma multidão de quase 70 mil pessoas assistiu atônita ao grandioso
milagre do Sol. As nuvens se entreabriram, deixando ver o Sol como
um IMENSO DISCO DE PRATA.
Brilhava com intensidade jamais vista, mas não cegava.
A imensa bola começou a bailar, qual gigantesca roda de fogo.
O “Sol” girava rapidamente.
Parou por certo tempo para depois recomeçar a girar sobre si
mesmo, vertiginosamente.
Depois SUAS BORDAS TORNARAM-SE ESCARLATES E DESLIZOU NO CÉU, como
um imenso redemoinho espargindo chamas vermelhas de fogo.
Animado pelos ventos de um movimento louco, o globo de fogo
pareceu tremer, e precipitar-se em zig-zag sobre a multidão
aterrorizada.
Durou tudo uns dez minutos. Finalmente o Sol voltou em zig-zag
para o ponto em que se tinha precipitado – ficando novamente
tranqüilo e brilhante, com o mesmo fulgor de todos os dias.
As pessoas notaram que suas roupas ensopadas pela chuva, tinham
secado totalmente.
O milagre do Sol foi observado por numerosas testemunhas –
situadas fora do local das aparições até 40 Km de distância”.

Quanto a essa “Aparição de Fátima” não há muito o que dizer. A


própria descrição original do acontecimento, deixa evidente que se
trata da aparição de um OVNI, ou disco voador.

Inclusive relatos das próprias crianças que presenciaram o


fenômeno descrevem a visão da “santa” como sendo uma mulher
vestida com roupas colantes, uma espécie de capuz também justo
sobre a cabeça, uma capa, tudo na cor branca – ainda uma espécie
de cinturão em forma de X descendo dos dois ombros para a cintura
sustentando um globo brilhante sobre o peito.
Logicamente, esses detalhes da aparição “milagrosa” foram
ocultados discretamente pela igreja, mas anotações feitas por
repórteres acabaram vindo a público posteriormente.
Além do mais, na época era preciso sustentar a versão de que
realmente fora a Nossa Senhora que as crianças haviam visto !
A descrição da aparição de Fátima que foi “abafada” por
conveniência era ou menos dessa forma :

Seria o globo luminoso algum tipo de tradutor ou aparelho para


equilibrar energia ou absorvê-la ? A tal Nossa Senhora de Fátima
seria apenas uma projeção vinda de uma nave extraterrestre ?
O globo que trazia ao peito, um dispositivo anti-gravidade ?

Seria ela uma criatura de outro sistema solar, que poderia


permanecer flutuando ao se expor ‘a nossa gravidade ?
Ou apenas uma projeção, como num filme, totalmente enviada de um
tempo futuro, assim como o próprio “imenso disco de prata” que as
pessoas confundiram com o sol num dia fechado por nuvens ?

Seria algo real ou não totalmente materializado ?


O disco realmente era algo material e imenso, além de ser um
potente emissor de microondas, o que explicaria as roupas das
pessoas terem secado de repente ?
A nós, restam apenas mistérios e suposições.
E a certeza de que algo muito estranho ocorreu nas montanhas de
Portugal, em 1917.

******************************************************

Também estranha foi a aparição de Nossa Senhora de Lourdes à


menina Bernardete Soubirous, na França em ( curiosamente enquanto
escrevo estas palavras acabei de ouvir uma voz distante do meu
lado esquerdo dizendo “ NÃO !”. E é a voz de uma mulher jovem. Meu
corpo inteiro está arrepiado, sinto como se tivesse subido uns dez
centímetros no ar e estou tendo uma espécie de calafrio. Mas vou
continuar escrevendo assim mesmo ). Evidentemente esse fenômeno se
enquadra em tudo que foi dito sobre a transcomunicação
interdimensional e a capacidade de captar irradiações pelo cérebro
humano. É perfeitamente compreensível que sintonizando a “estação”
certa qualquer pessoa pode “captar”, e eu sendo humano não seria
uma exceção. O único problema é quando essa captação, devido a
consumo exagerado de drogas, alcool ou alguma má formação do
tecido cerebral se torna incontrolável – o que às vezes é tomado
como sendo paranóia ou esquizofrenia do indivíduo que funciona
como “médium”, embora ignorando esses pormenores.

******************************************************

Há ainda a curiosa mensagem de Chilbolton .


De repente surgiu nos campos da Inglaterra uma mensagem recortada
numa plantação, que inclui a descrição completa de uma raça
extraterrestre, a localização de seu mundo no espaço, sua
conformação genética, a forma de seus corpos ( pareciam os Grays
).

Mensagem de Chilbolton

Tudo “escrito” nos gramados do campo, próximos ao observatório de


Chilbolton, de uma forma binária, que pôde ser perfeitamente
traduzida, pois era resposta a uma mensagem semelhante, carregando
os mesmos dados em relação aos humanos, e que fora lançada via
rádio ao espaço, sem destino certo, havia cerca de 25 anos ( a
mensagem de Arecibo ).
Entre “alguém” captar a mensagem enviada da Terra e respondê-la
decorreram 25 anos.
Nela estão incluídas as informações de que os “ET’s” daquela
determinada região do espaço habitam em 3 planetas, são cerca de
22 milhões de indivíduos, tem moléculas de silício ( areia ) na
composição de seus corpos, e nos conhecem, pois “mandaram” a
imagem da face de um humano também, tudo devidamente marcado nos
gramados do campo, à moda dos conhecidos “crop-circles”, ou
círculos ingleses, amplamente divulgados pela TV, revistas,
jornais e retratados em alguns filmes.

Face de Chilbolton

Certamente devem existir em outros planetas outras formas de vida,


realmente.

Ou nós somos mais bonitos que os outros ? E apenas aqui a vida se


desenvolveu ? E apenas aqui a vida ( relativamente ) inteligente
se desenvolveu ?

Não é uma pequenez de raciocínio e uma visão limitada, julgar que


apenas na Terra podem existir organismos vivos ?

No futuro uma idéia dessas será considerada coisa de sub-


inteligências, algo inadmissível.

Provavelmente, quando o conhecimento for mais democratizado, e o


ser humano tiver uma noção melhor de conhecimentos gerais, quem
não aceitar a multiplicidade de vida no Cosmo será considerado no
mínimo, débil mental.

Aqui mesmo na Terra o espetáculo do surgimento da vida ainda se


processa. Nas fendas de vulcões no fundo do mar, recentemente
novas espécies foram descobertas, coisas estranhas como tubos
começaram a surgir formando um estranho jardim de pesadelo na água
superaquecida, juntamente com um tipo de caranguejo, novas formas
de vida simplesmente resolveram aparecer no meio do enxofre e do
calor, e estão lá no fundo do mar, vivendo e muito bem, obrigado !
Torno a repetir – nada é impossível se existem os meios.

Nas profundezas do espaço infinito certamente os meios existem. E


certamente, o que a primeira vista parece impossível, se torna
realidade.

O lançamento dos esporos pela População 2 considerou essa


realidade, de multiplicidade da vida no cosmo.

Tanto que os esporos de cogumelos preparados chegaram até a Terra,


causando mutação nos símios originais, habitantes deste planeta!

Sendo introduzida essa mutação benéfica, induzida pelas


substâncias presentes no cogumelo, o “meio-símio” que os
consumisse e tivesse um cérebro apropriado para ser moldado, seria
presenteado com a capacidade que o tornaria o mais bem sucedido na
arte da sobrevivência sobre a Terra – a inteligência.

Um cérebro mutado para possuir maior quantidade de mitoses e


capacidade sináptica auto-comparativa, memória seletiva, linguagem
articulada para comunicação, diferenciação total de seu grupo
original, os primatas.
Pois eles não desceram das árvores. Eles não provaram do “Fruto
Proibido”.

Usando uma linguagem figurada, simbólica e mitológica, podemos


dizer que “Eva”, ou seja, o agente da mutação, pois é no ventre da
mulher que a mutação se processa e finalmente se realiza – o corpo
de Eva tornou-se meio de contato com a População 2 que havia sido
desintegrada em Terceira Dimensão.
Ela tornou-se ponte de contato, e agora seria a porta, o ponto de
abertura para a manifestação dessas inteligências alheias ao novo
“Paraíso Recriado”. A Terra.

A Terra, que embora fosse um planeta de conformação material e


bruta, mesmo assim era um paraíso, pois todos os viventes até
aquele momento estavam 100% baseados no cérebro primário ( chamado
cérebro reptiliano nos humanos ), em tudo tendo sensações
paradisíacas, semelhantes ao torpor produzido pelas primeiras
ingestões de cannabis, ou marijuana ( maconha ).

Quando se processou a mutação findou-se esta “prisão” de


subdesenvolvimento entorpecido.
Deixou-se de viver num prazer de sensação opiácea para se ter
consciência das coisas ao redor.
Ao menos para o homem, para a espécie humana, isso ocorreu.

Os outros animais do planeta continuam na fase de sub-cérebro,


apenas voltados para o comer, reproduzir, defender-se a si e a
suas crias, e tudo que for automatismo instintivo. E não querem
outra vida ! Pois ainda estão voltados para a primeira
programação.
São realmente máquinas biológicas.
Nota-se que em alguns animais existe uma certa tendência para uma
humanização ou comportamentos que denotam um lampejo, uma promessa
tênue do desenvolvimento de uma inteligência – mas não se deve
enganar, pois isso é apenas um refinamento do automatismo, devido
a convivência em meio aos humanos.

Tudo que o animal faz ou as capacidades que desenvolve estão


diretamente relacionadas ao sub-cérebro, não saindo da esfera da
auto-preservação e automatismo.
Passarão pela existência plenamente satisfeitos com sua condição
de animal, pois estão numa sintonia de paraíso.
Raciocínio, inteligência e suas variantes psicológicas são para os
humanos.
Nós, ao menos aqui no planeta Terra, somos únicos.

Curiosamente, as máquinas poderão nos imitar um dia, já que a


microeletrônica atingiu um desenvolvimento aceitável, incluindo
memórias de cristal que comportam a capacidade de milhares de
computadores num simples cubo de 3 X 3 centímetros.
Mas nunca, jamais um andróide terá vontade própria.
Mesmo que seja um modelo auto-programável, que aprenda no correr
dos dias refinando seu programa inicial, mesmo que tenha um super
processador magnético de última geração, os seus atos serão
resultado de uma interação entre sinais eletrônicos pré-dispostos.
Nunca o seu sono será um sono, será apenas o stand-by de uma
máquina.
Nunca uma conversa com ele será real, apenas uma busca de
respostas em memória.
Poderá até parecer real, mas nunca o será.

Continuaremos sendo únicos, racionais, biológicos, humanos.


Devemos nossa capacidade relativa ao contato indireto com uma
civilização interplanetária que nos precedeu ? Isso não faz
diferença. Essa capacidade maior de inteligência agora é nossa.
Porém, podemos alcançar a SUPRA-INTELIGÊNCIA, com percepção extra-
dimensional, além dos limites dos cinco sentidos e do cérebro.
Lembrando que isso já ocorre naturalmente quando você adormece
profundamente, e sonha.
Sonhando, você está em contato, pois não poderia ser de outra
forma.
Pois o cérebro dorme. A máquina precisa esfriar para trabalhar
bem. Porém a alma, o espírito não.
Ele não está sujeito às leis da física, então entra em contato com
outras realidades, involuntariamente.
Porém esse contato pode ser programado e controlado, pode vir a
ser consciente, mesmo em estado de vigília.

OS NÍVEIS DE PERCEPÇÃO CEREBRAIS

“Quando se encontra livre das perturbações ou “interferências” da


inquietude, a mente humana possue a capacidade de efetuar todas as
funções que realizam os complicados mecanismos de uma rádio.
É capaz, pois, de emitir e receber pensamentos, assim como também
de deixar fora de sintonia os pensamentos indesejáveis.
A potência de uma estação de rádio é regulada pela quantidade de
corrente elétrica que pode utilizar. Do mesmo modo, a efetividade
de uma rádio humana depende de quanta força de vontade possue cada
indivíduo” ( Paramahansa Yogananda ).

Ou seja, pela sua própria conformação especial o cérebro humano


possui força bastante para funcionar como uma unidade
transmissora-receptora.

Vejamos o exemplo de grandes médiuns e videntes – Mother Shypton,


Edgar Cayce, Chico Xavier.
Pessoas capazes de contatar o astral, o mundo dos espíritos ou o
inconsciente coletivo para recolher em transe as informações de
que necessitavam.

E mesmo alguns personagens da história, que não se apresentavam


como médiuns ou videntes, mas que praticamente apresentaram
trabalhos tão diversos e avançados para suas épocas que podem ser
considerados como tais – Roger Bacon, o Dr. Mirabilis ( Doutor
Maravilha ), por volta do ano de 1200 aperfeiçoou a ciência da
ótica de modo que a conhecemos hoje, criando lentes e óculos,
preveu a existência de dezenas de máquinas, entre elas o
submarino.

Leonardo da Vinci, engenheiro militar, desenhista, pintor,


anatomista, visualizou o avião, o pára-quedas, a bicicleta,
transmissão por corrente, rolamento de esferas, criou máquinas de
guerra, sistemas hidráulicos, revolucionou a pintura com um estilo
belíssimo de jogo de sombras chamado de claro-escuro.

O autor das aventuras de Gulliver apresentou num conto a descrição


completa da Lua, que só seria confirmada séculos depois, pelos
astronautas.

Júlio Verne previu o foguete, o dirigível, dá uma descrição


detalhada de um submarino ( Nautillus ) e de equipamentos de
mergulho modernos muito antes do século XX.

A viagem sensorial através do tempo ( vidência, profecia ) é


perfeitamente possível, uma vez que a realidade VEM SE FORMANDO EM
ESPIRAL, ATRAVÉS DAS DIMENSÕES, PROGRESSIVAMENTE, ATÉ SE
MANIFESTAR NA MATÉRIA BRUTA.

Inclusive o destino, se captado na sua pré-conformação fluídica,


antes de se definir totalmente em Terceira Dimensão, pode
perfeitamente ser alterado ou manipulado.

Um bom vidente pode se transportar, em transe ou mesmo


conscientemente, durante a sua meditação, dias, anos, séculos, ou
até milhares de anos no futuro.

Vejamos o caso dos indianos, que escreveram o Mahabharata, –


poema épico da Índia antiga e mais volumoso que a Bíblia, datando
de mais de 5.000 anos.
Eles já usavam o Cogumelo Mágico, e o próprio Deus Krishna é às
vezes representado assentado sobre um grande cogumelo – e mais – a
pele de Krishna é AZUL como a Psilocibina, que, como já
explicamos, é a substância-chave das portas dimensionais.
Os escritores da compilação sagrada Mahabharata falam dos Vímanas,
máquinas voadoras avançadíssimas, de várias formas, desde as
parecidas com aviões comuns ( 5.000 anos antes de existirem
aviões, motores ou qualquer tipo de propulsão ) até as semelhantes
a discos voadores e naves mãe interestelares, com capacidade de
erguer-se verticalmente, parar no ar, voar tão rápido até se
tornar invisíveis, e atravessar Sistemas Solares de ponta a ponta.
E mais – esses engenhos voadores pilotados pelos “deuses”
carregariam armas espetaculares, em tudo descritas semelhantes a
armas radioativas, raios laser e bombas de hidrogênio.
O manuscrito “Samarangana Sutradhara” do Mahabharata, dedica 230
páginas para descrever com minúcia a construção de Vimanas (
Vimaanas ), ou aeronaves, bem como seus diversos empregos.
Eram aeronaves que iam desde um modelo bem simples até os mais
sofisticados, alguns deles sequer imaginados pela moderna
tecnologia.
Descreve Vimanas que se elevam verticalmente do solo e atingiam
uma tal velocidade que, não raramente, passavam pelo céu sem serem
sequer percebidos ( sem ruídos ).
E vai muito mais longe, afirmando que tais máquinas eram movidas
por uma energia extraída do mercúrio aquecido no espaço ( seria
uma espécie de fusão atômica ? ). Muitos Vimanas não mais exigiam
asas, uma vez que os aparelhos se sustentavam no ar por conta de
uma energia autoproduzida ( *talvez antigravidade, que pode
realmente ser produzida invertendo-se as fases do campo magnético
que circunda o engenho, dispondo-se para isso de um potente
gerador de eletricidade, que obrigatoriamente, no caso dos
Vimanas, deveria ser atômico, para gerar grande potência dispondo
de pouco espaço, e erguê-los ao alto - semelhante a tecnologia
anti-gravidade - efeito Biefeld-Brown, descoberto na década de 20
- que faz as pipas LIFTER, de alumínio, realmente subirem no ar
ligadas a um fio elétrico ).

Esse manuscrito mostra 49 modalidades de energia propulsora, todas


relacionadas com fenômenos elétricos e magnéticos.
Em alguns casos especiais, podendo tais Vimanas tornar-se
invisíveis ao contato ( seriam bloqueadores de radar e sonar ? ).

Algumas dessas aeronaves podiam chegar até regiões solares,


denominadas Surymandala, outras podiam viajar até as estrelas ou
“Nahsatramandala”, algumas tinham proporções gigantescas, podendo
atravessar todo o Sistema Solar, indo até mais além...

Vejamos a descrição do lançamento do que parece ser uma BOMBA DE


HIDROGÊNIO ( escrita, repetimos, há 5.000 anos ! ) –

“GURKHA, a bordo de uma possante Vímana, arremessou um único


projétil sobre a cidade tríplice - um projétil único, carregado
com a potência do Universo. Uma coluna incandescente de fumaça e
fogo semelhente a 10 mil sóis se elevou em seu esplendor.

Era uma arma desconhecida, o Raio de Ferro, um gigantesco


mensageiro da morte, que reduziu a cinzas toda a raça dos Vrishnis
e dos Andhakas. Os corpos ficaram tão queimados que se tornaram
irreconhecíveis...” note que o relato usa vocábulos, como temos na
memória das histórias de testemunhas oculares, da explosão da
primeira BOMBA H no atol de Bikini( 700 vezes mais potente que a
bomba atômica lançada sobre Hiroshima ).

Os cabelos e as unhas dos que sobreviveram caíram; a cerâmica


quebrou sem causa aparente, e os pássaros ficaram brancos...”
“...após algumas horas todos os alimentos estavam infectados...”
“...para escapar do fogo, os soldados se jogaram nos rios, para
lavarem-se e aos equipamentos.”
”...Quando Gurkha pousou novamente seu veículo parecia um bloco
radiante de antimônio...”

Outras armas fantásticas, evidentemente intuídas pelos indianos


antigos sob efeito do Soma ( Cogumelo Psi ), quando em viagem
temporal no contato com dimensões análogas, onde os acontecimentos
futuros estão sendo “projetados” gradualmente, são o Dardo de
Indra, operado através de um “refletor” circular.
Quando ligado, produzia uma “coluna de luz” que consumia tudo que
tocava.
É o que hoje nós conhecemos por “RAIO LASER”.

Em um trecho do poema, o herói, Krishna, está perseguindo seu


inimigo, chamado “Salva”, no céu, quando o Vímana de Salva fica
invisível ( ! ).
Krishna imediatamente usa mão de uma arma especial : “Eu
rapidamente disparei uma flecha incandescente, que matava guiando-
se pelo som”.
- evidentemente, trata-se de um míssil equipado com sonar.

E para os filósofos, seja registrado que foi Mahabharata quem


disse ser o tempo a semente do Universo.

( ***NOTA - O mesmo Mahabharata reza que – “ Um dia de Brahma “ (


Deus ) dura... milhões de anos, portanto, nada mais lógico que a
criação do mundo ter levado cerca de 6 desses “longos”
dias...iniciando-se com o “Faça-se a luz” do Big-Bang... )

A vidência despertada pelo Cogumelo Sagrado ( ou “Soma”, como eles


o chamavam na Índia antiga ) levou os videntes indianos muito mais
longe no futuro : a bomba atômica, a fissão nuclear, as guerras
químicas, as viagens para outros planetas...tergiversam até mesmo
sobre a estrutura do átomo, etc...

Hoje, a física subatômica começa a procurar, nas páginas do


hinduísmo, subsídios para o comportamento dos átomos e das
partículas tais como mésons, quarks, handrions, etc...
Tudo isso comprova que os indianos antigos tiveram contato de
alguma forma com a civilização mais evoluída que a Terra jamais
conheceu : a População 2, através das portas dimensionais do
Cogumelo Mágico.

Os escritores do Mahabarhata situaram num passado incerto cheio de


deuses as suas impressões de contato com a População 2 da Quarta
Dimensão. Mas como “médiuns” ( meios de contato com mundos
espirituais ou paralelos ) ignorantes, não suspeitaram que suas
visões pertenciam em parte às memórias de um planeta extinto, e em
parte a um futuro com o qual estavam se comprometendo a moldar,
uma vez que haviam penetrado no Universo do “Soma” e gravado
definitivamente em suas mentes e no âmago de suas células o grande
plano : a humanidade deveria se desenvolver sem entrave, a partir
da projeção intelectual daqueles mestres, para um ambiente
tecnológico e desenvolvido, a fim de permitir a reintegração
material dos “deuses” pertencentes a População 2, poderosos filhos
de um planeta super adiantado, que se extinguiu num cataclismo
sideral ocasionado por forças que escaparam ao controle.

Imagens esparsas do antigo planeta e memórias captadas do que foi


a existência da População 2 em seu mundo original foram tomadas
como memórias próprias dos habitantes da Terra.

A lenda das sete Raças Mãe, da Atlântida, de cataclismos


continentais, de uma pré-humanidade tecnológica que possuía
cristais energéticos, e que esses cristais alimentavam de energia
continentes inteiros, na verdade nada disso aconteceu na Terra,
sendo apenas memórias relativas aos que enviaram os esporos dos
cogumelos para este planeta.

A “Atlântida” não existiu aqui, pois há 12.000 anos as primeiras


sociedades organizadas mal haviam se formado na Terra, senão em
algum outro planeta ao qual essas memórias pertencem.

Também o Tatjur e o Katjur, livros sagrados dos tibetanos,


descrevem os Vimanas, mas em forma de fuso, sempre girando na
órbita da terra, à espera de grandes embarques de mais de 1.000
passageiros de cada vez.
Quem imaginaria isso naquela época ?

Apenas os que mantinham contato com a tecnologia da População 2,


acessível pela ingestão do Cogumelo Sagrado, sabidamente utilizado
por monges do Tibete em suas meditações, que às vezes eram longas
( segundo a ocultista H. P. Blavatsky, que participou de algumas
dessas sessões, em cavernas naquela região remota do globo, e que
segundo ela duravam até 15 dias seguidos ).

Em 1875 foi descoberto o texto “Vaimanika Sastra”, num templo


indiano, datado do século IV AC, e escrito por Maharshi
Bharadwaja, o sábio, que utilizou textos ainda mais antigos como
base.

Trata-se do manejo dos Vimanas, incluindo informações sobre


pilotagem, precauções para vôos prolongados, proteção das naves
contra tempestades e raios, e maneira de alimentar a nave com
energia solar, ou alguma outra fonte de energia gratuíta, talvez
algo como propulsão antigravitacional.

Menciona 16 materiais que absorvem luz e calor, essenciais para a


construção dos Vimanas.

Este documento foi traduzido para o inglês com o nome de


Vymaanidashaastra Aeronautics por Maharshi Bharadwaaja, impresso e
publicado por Mr. G. R. Josyer, Mysore, Índia, em 1979.

O Ahnihotra-Vimana possuía dois motores, enquanto o Vimana-


Elefante possuís mais ( semelhante a um quadrimotor ? ) e outros
tipos levavam nomes de outros animais, como o Íbis.

A propulsão dos vímanas é envolta em controvérsia. Em uns textos


diz ser movida por um líquido amarelo-esbranquiçado ( gasolina ?
), e algumas vezes por um tipo de composto de mercúrio.
Em outro ainda é movida por pulsos ( vibração ).
Propulsão antigravitacional descrita há 2.400 anos ?
Isso só seria possível rompendo-se a barreira do tempo espaço. E
romper a barreira do tempo espaço, para entrar em contato com as
memórias e a sabedoria de uma civilização mais avançada que a
nossa apenas através de uma Quarta Dimensão.

E para atingir uma Quarta Dimensão, apenas através da porta


química – presente no Cogumelo Mágico.

Porém, lembremo-nos de que o fato dessa civilização mais avançada


possuir tecnologia não significa que ela foi um sucesso.
Ela foi cientificamente superior, a ponto de nos transformar no
que nós somos hoje.

Mas não quer dizer que estava certa em tudo, pois se estivesse
certa em tudo, existiria materialmente até hoje.

O USO DOS COGUMELOS NO XAMANISMO

O Xamanismo é a forma de religião mais antiga do planeta Terra.


Dela derivaram todas as outras. Vem desde os arborícolas e homens
das cavernas, dos primeiros grupos humanos.

E esses primeiros grupos humanos, usavam os Cogumelos Mágicos em


suas cerimônias. Claro, tratando-se de pequenos grupos, parcial ou
inteiramente selvagens, e destituídos de uma ciência sólida das
coisas, incluíam nas cerimônias alguns sacrifícios de animais e
ocasionalmente de indivíduos do próprio grupo ou de grupos rivais,
que eram imolados ou devorados durante os trabalhos.
Essa prática persistiu até relativamente pouco tempo ( em torno de
400 anos ) entre os antigos habitantes do México e de algumas
regiões da América do Sul, onde os sacerdotes e a assistência,
geralmente toda a população de uma cidade Inca, Maia, Tolteca ou
Olmeca, ingeria os cogumelos para acompanhar os sacrifícios.

Existem relatos de 5.000 sacrificiados em um único dia.


Os sacerdotes do deus Quetzalcoatl, Kukulkan ou eventualmente
algum outro, arrancavam o coração da vítima com uma afiada faca de
pedra, comendo-o e oferecendo-o à multidão juntamente com o corpo
para ser devorado, enquanto vivia o êxtase místico provocado pelo
cogumelo chamado Peiote.

A decadência total veio com os colonizadores europeus. Os antigos


habitantes da América pré-colombiana descobriram o alcool –
passaram a fabricar o bebidas alcoólicas a partir do milho, que
era o principal ítem de sua alimentação.
Passaram a utilizar grande parte de sua produção na fabricação de
bebida alcoólica, consumi-la juntamente com os cogumelos.
Vivendo permanentemente embriagados e alucinados devido a esta
mistura explosiva, não perceberam que estavam enlouquecendo – e
que as visões dos deuses já não eram tão divinas assim – a
orientação dos sacerdotes, agora dementes, levaria ‘a ruína total.
Em episódios macabros e horripilantes, passaram a seqüestrar
milhares de pessoas que viajavam em caravanas, mantendo-as presas
em jaulas de madeira por meses, a fim de se nutrir da carne delas.
Essas expedições juntavam nativos e europeus que viajavam em
conjunto – homens, mulheres, crianças...
Passado algum tempo a falta de notícias por parte dessas caravanas
de colonos e índios levantou suspeitas.
Os europeus passaram a procurar os seus desaparecidos, com
soldados espanhóis treinados, que não tardaram a encontrar nas
aldeias poços repletos de ossos e restos de corpos mal
disfarçados.
Foi o fim de uma civilização e de uma cultura deturpada.
Ali mesmo terminou o longo festim canibal, com a execução imediata
de todos os participantes.

O Xamanismo místico incluindo uso dos cogumelos Psilocybe, Amanita


e outras espécies diversas era praticado também pelos ïndios
norte-americanos. Também na Europa, e Xamãs das estepes Russas. Ao
que parece apenas com sentido ritual.

Segundo os mitos xamanísticos, os estranhos poderes do Cogumelo


Sagrado constituíam dádiva dos deuses à humanidade.
Num relato aparentemente ingênuo, próprio de povos semi-selvagens,
conta-se que a “Grande Águia” capturou uma baleia e não podia
levá-la para sua casa, porquê não conseguia levantar a mala que
continha todas as provisões que a baleia necessitaria em sua
jornada pelo mar. Então, pediu ajuda ao Grande Espírito para
realizar a tarefa. O Espírito respondeu-lhe : “Vá até um lugar
plano, próximo ao mar. Lá encontrará talos brancos com chapéu cor-
de-palha. Estes são os espíritos que a auxiliarão”.

A águia foi até o local e o Grande Espírito cuspiu sobre a terra.


Onde caía a sua saliva nasciam os Cogumelos Sagrados. A águia
comeu esses fungos estranhos e imediatamente obteve a força
necessária para levantar o cetáceo e levá-lo para seu ninho.
Enquanto come Amanita Muscaria, o xamã freqüentemente vê e se
comunica com os espíritos do cogumelo.

Segundo relatos, esses espíritos materializam-se numa forma


diferente daquela do próprio fungo. São baixos, de pele marrom,
com cabeças em forma de cúpula, faces enrugadas e braços finos.
Seus corpos não possuem pernas e estão enraizados no solo.
Freqüentemente exigem homenagens por parte do xamã, oferendas, ou
lhe pedem para adorar a lua, as montanhas, rios ou árvores.
Então, permitem ao xamã ter visões do mundo espiritual ou do
futuro.
Há ampla evidência, tanto de relatos históricos como
contemporâneos, que o Cogumelo Sagrado pode abrir os centros
psíquicos.
Adiciono a isso o aclaramento de raciocínio, aumento de
inteligência, e melhor administração do neurológico em geral, após
a utilização.
Durante milhares de anos, acreditou-se que o Cogumelo Sagrado
tinha o poder de abrir a visão psíquica e garantir o acesso ao
reino dos Antigos Deuses.

Final desta versão número.....03


( oitava revisão )

Último alerta – As espécies de cogumelos que conservam rastros da


substância transcomunicante original, e que não sofreram nenhuma
mutação radical sob o clima da Terra são o Psilocybe Cubensis,
branco, que SÓ SURGE SOB O ESTERCO do gado após eventuais chuvas.
Sabe-se que o esterco do gado é antisséptico e antibiótico.
O P. Cubensis pode ser ingerido in natura ou em forma de chá,
podendo ser conservado durante 10 dias em geladeira dentro de um
saco de papel. Evitar freezer.
O Amanita Muscaria, vermelho alaranjado com pintas brancas. Este
último deve ser secado por 10 dias dentro de uma sacola de algodão
limpa ( pode-se usar uma meia de algodão ), e próximo a uma fonte
de calor ( atrás de uma geladeira ou numa caixa com uma lâmpada de
40 Watts ), para otimizar sua ação.
Utiliza-se mascando em pequenas quantidades.
O uso de Peiote só deve ser feito por iniciados realmente
avançados, pois levemente mutado ele possibilita contatos com
níveis mais altos ou mais baixos do astral sob os quais o
iniciante geralmente não tem controle ----
--- Outros cogumelos que sejam desconhecidos do iniciado não
devem JAMAIS serem ingeridos, pois podem ocasionar uma morte
horrível por envenenamento, se não tiver atendimento médico
imediato.
Portanto procure realmente conhecer a forma, cor, características
e a ocorrência do Cubensis e do Amanita se resolver ingeri-los.

Mister Mistério