Você está na página 1de 16

TUTORIAL PARA MARCENEIROS E MARCENARIAS - SERRA ESQUADREJADEIRA - TABELA DOS PRINCIPAIS

MATERIAIS

TABELA DOS PRINCIPAIS MATERIAIS Abaixo estão relacionados os principais materiais para a confecção da serra
esquadrejadeira.
Além dos materiais aqui apresentados, serão necessários alguns outros como parafusos, porcas, pedaços de
cantoneira e etc.
Espessura/c
Quant. Classe Tipo Comprimento Largura Aplicação Ref.
hapa
1 Aço Chapa 1000mm 800mm de 6 a 10mm Mesa fixa a
1 Aço Chapa 1000mm 1000mm de 6 a 10mm Mesa móvel b
1 Aço Chapa 250mm 200mm de 6 a 10mm Carrinho c
Bandeja do
1 Aço Chapa 580mm 270mm 10mm d
mancal
Suporte do
1 Aço Chapa 200mm 200mm 6mm e
motor
Trilhos do
2 Aço Cantoneira 750mm 3" 1/4" ou 3/8" f
sistema
Corrediças do
2 Aço Cantoneira 250mm 2" 1/4" ou 3/8" g
carrinho
Engradado das
3 Aço Cantoneira Barra 6m 2" 3/16" h
mesas
Batente da mesa
1 Aço Cantoneira 1700mm 2" 1/4" i
móvel
Batente da mesa
1 Aço Cantoneira 600mm 3" 3/8" j
fixa
Perfil Estrutura da
4 Aço Barra 6m 3" 1/8" k
reforçado bancada
Tubo s/ 2mm
2 Aço 700mm 1.1/2" Pés telescópicos l
costura mínimo
Barra
2 Aço 400mm 1" maciço Pés telescópicos m
cilíndrica
Barra Trilho do
1 Aço 500mm 1.1/4" maciço n
cilíndrica batente
Barra Corrediça do
1 Aço 120mm 50x50mm maciço o
quadrada batente ( j )
Base dos pés
2 Aço Disco 50mm - 1/4" p
telescópicos
Regulagem do
1 - Volante 120mm - - q
mancal
1 - Mancal - 5/8" - Mancal da r
TUTORIAL PARA MARCENEIROS E MARCENARIAS - SERRA ESQUADREJADEIRA - TABELA DOS PRINCIPAIS

MATERIAIS

lamina
Barra Regulagem do
1 Aço 900mm 1" - s
rosqueada mancal
Regulagem do
4 Aço Articulação 2" 5/8" - t
mancal
Roldana p/ barra cilíndrica de Roldana da
4 Aço 2.1/2" +/- u
côncava 1.1/2" mesa móvel
Tubo s/ mínimo de Trilho da mesa
2 Aço 3000mm 1.1/2" v
costura 3mm móvel
Suporte do
2 Aço Chapa 350mm 250mm 1/4" ou 3/8" x
sistema
Braço
1 Aço Chapa 220mm 100mm 3/8" y
articulado
Esticador do
1 Aço Esticador 200mm - - suporte do z
motor
O motor para esta maquina, deve ser de no mínimo 3cv.
A polia para o motor pode ser do mesmo tamanho da polia do mancal (+/-3"), ou um pouco menor (2.1/2" ou
2.3/4"), para aumentar a rotação do eixo do mancal.
PEÇAS A SEREM USINADAS 1ª PARTE
É recomendável que se consiga um bom torneiro mecânico para trabalhar estas peças, pois a precisão das peças é o
segredo do funcionamento perfeito da maquina.
Veja abaixo os detalhes e medidas destas peças que serão responsáveis pelo funcionamento de toda a mecânica da
serra
Um dos acessórios mais usados na serra é o batente.
O batente deve ter total precisão para funcionar adequadamente, ou o corte do
material sempre deixará a desejar.
O comprimento da cantoneira do batente ( j ), não pode ultrapassar à 70% do
comprimento da mesa da serra.
Ex: Se a mesa da serra tiver 90 cm de comprimento então o batente terá que ter
no máximo 63 cm.

Além da usinagem da corrediça do


batente ( n ), talvez seja necessário
levar a cantoneira ( j )que o compõe,
para fresar suas faces deixando-a
perfeitamente esquadrejada e alinhada .

A instalação do batente, deve ser feita com o cuidado de


mantê-lo paralelo ao alinhamento da lamina da serra com
uma pequena folga entre 1mm (um milímetro) a 0.5 mm
(meio milímetro) na parte de trás do alinhamento da lamina
da serra, isto evitará que o material fique prensado entre a
lamina e o batente.
A BARRA ROSQUEADA
A
barra

rosqueada ( s ) de movimentação da regulagem do mancal, deve ser usinada dos dois lados, um lado para o rolamento
e o volante e o outro somente para o rolamento.
Clique na imagem ao lado para entender melhor as especificações.

A barra rosqueada ( s ) também pode ser adaptada sem rolamentos, porém, o


desgaste tanto da barra rosqueada como o de seu suporte, será muito rápido
mesmo usando buchas de bronze, tendo em vista que a operação de levantar e
abaixar a lamina da serra é feito várias vezes ao dia.
OS MANCAIS

São dois os mancais da


barra rosqueada ( s ).
Estes mancais podem
ser feitos de tubos sem
costura ou a partir de
uma barra de aço
maciço.

As medidas dos
mancais vão depender
do rolamento.
O recomendado seria
usar rolamentos
blindados entre 45 e 50
mm.
Os mancais do braço
articulado podem ou não
PEÇAS A SEREM USINADAS 1ª PARTE
usar rolamentos.
Caso use rolamentos, os mancais devem ser feitos também de tubo sem costura ou a partir de uma barra de aço
maciço.
O mancal principal ( r ) deve ser comprado pronto, com eixo de 5/8" ou superior.
Você talvez encontre mancais apropriados em ferros velhos ou sucatões que compram refugos de grande empresas
metalúrgicas.
Normalmente essas empresas fazem reposição de peças em seus equipamentos e acabam por vender peças ainda em
bom estado para os sucatões.
PÉS TELESCÓPICOS

Os pés telescópicos do trilho da mesa corrediça, apesar de não


ser totalmente necessário, podem ter suas peças móveis
polidas no torno para ficarem mais escorregadias.
A parte móvel deve ser feita a partir de uma barra de aço
maciço de 1" ( m ), enquanto que, o corpo deve ser feito de
tubo sem costura ( l ) de parede espessa (mínimo de 2 mm).

No
topo do

telescópico, deve-se soldar um pedaço de barra rosqueada com cerca de 20 mm sobrando para fora para prendê-lo ao
trilho.
Na parte inferior deve ser colocada uma base de aço em forma de disco com cerca de 50 mm de diâmetro e 5 mm de
espessura.
Para travar a parte móvel, basta usar um parafuso simples ou borboleta .
OS TRILHOS

Os trilhos da serra devem estar planos e polidos para funcionarem


adequadamente.
No caso dos trilhos feitos com cantoneira principalmente, deve-se lixar ou
fresar suas superfícies externas para ficarem totalmente planas e polidas.
No caso das corrediças deve-se polir suas superfícies internas.
Normalmente as cantoneiras têm uma superfície irregular e isso pode
acarretar em muita fricção das corrediças com os trilhos provocando
desgaste rápido das peças e folga no sistema de regulagem resultando em vibração excessiva da maquina.
Quanto mais polido o material ficar, menor será a fricção e mais leve se torna o sistema, diminuindo também a vibração
da maquina.
PEÇAS A SEREM USINADAS 2ª PARTE
Agora iremos verificar todas as peças a serem usinadas, seus tipos, características e medidas
Atenção: As medidas aqui indicadas podem sofrer alteração, desde que sejam mantidas as proporções.
Peças feitas tanto em tornos mecânicos quanto em automáticos, têm chances muito maiores de precisão do que feitas
manualmente em lixadeiras, furadeiras de bancada ou esmeris.
A firmeza e ausência de vibração do torno adicionados a um torneiro mecânico profissional qualificado, é que
proporcionam esta precisão.

Quando falamos em usinagem, estamos falando em precisão.


Quanto maior a precisão das peças de um equipamento seja ele qual for, maior é o seu aproveitamento, sua
produtividade e a sua vida útil.

Ao insistir em que as peças devem ser usinadas e não lixadas ou esmerilhadas, estamos protegendo o operador, de um
equipamento de péssima qualidade e baixa produtividade.

Ao procurar um torneiro para usinar suas peças, tenha certeza de estar diante de um profissional qualificado.

MEDIDAS DAS PEÇAS A SEREM USINADAS

Barra rosqueada da regulagem do carrinho ( s )


1.1/4 x 850mm

Trilhos do sistema de
regulagem do mancal ( f )
710mm

Bandeja do mancal ( d )
580 x 270mm

Braço articulado
220 x 100mm

Suporte do motor ( e )
200 x 200mm

Carrinho do braço articulado


250 x 200mm
A ESTRUTURA DA SERRA
Para que a serra tenha estabilidade e pouca vibração, é preciso uma estrutura forte e pesada .
Veja abaixo uma forma de se fazer esta estrutura gastando pouco, mas com boa qualidade.
Para fazermos esta estrutura devemos usar materiais apropriados como perfil U dobrado reforçado ( k ) ou viga
laminada de 3" e cantoneira de 2".

Na imagem ao lado, podemos ver toda a estrutura principal da serra já montada.


Apenas os trilhos da mesa corrediça, a mesa corrediça e os pés telescópicos não estão presentes.

Recomendamos a preferência pelo uso do perfil U ( k ) por ser mais


barato que a viga laminada, porém, caso possa gastar um pouco
mais, use a viga laminada, que é bem mais resistente.

Quase toda a estrutura da serra deve ser feita com os perfis ou


vigas, enquanto que, as cantoneiras serão usadas nos estrados que
serão as mesas da serra.

Ao lado temos a
imagem do
esqueleto já com
os trilhos do
sistema de
regulagem e os
suportes dos
trilhos da mesa
corrediça
instalados. Os
suportes dos
trilhos da mesa
corrediça devem
ser
aparafusados e não soldados.

Abaixo temos a imagem do esqueleto da serra. Note que o tampo ( a ), já esta colocado por cima do engradado de
cantoneiras de 2".

A grade da mesa móvel .


Constituída apenas de cantoneiras ou de cantoneiras e ferro T de
2".Ao lado e abaixo estão as imagens dos engradados feitos de
cantoneira ( h )apenas ou de cantoneiras e ferros T.
Na imagem a direita veja que engradado da mesa fixa não poderá
ter cantoneiras na posição do mancal nem da lamina da serra,
para não atrapalhar a regulagem do mancal nem limitar o tamanho
A ESTRUTURA DA SERRA
das laminas de serra que serão usadas.

Ao lado temos o desenho lateral da bancada da serra.


As medidas de largura e comprimento da mesa podem ser
alteradas conforme suas necessidades, porém, a medida da altura
da bancada (830mm), que deve ser mantida como padrão.

Os pés da bancada da serra, devem ser feitos com duas peças de


perfil ( k )soldadas uma contra a outra, formando um tubo quadrado como mostrado na imagem abaixo.
OS PÉS TELESCÓPICOS

Os pés telescópicos irão proporcionar uma forma fácil de se nivelar os trilhos da mesa móvel.
Os trilhos da mesa móvel devem estar perfeitamente nivelados e alinhados para que a mesa não descarrile.
Os materiais necessários para os pés telescópicos são:
1-Tubo sem costura ( l )
2-Barra cilíndrica maciça ( m )
3-Disco de aço ( p )
4-Parafuso 5/16"
5-Pedaço de barra rosqueada 1/2".
Faça um furo da largura do parafuso na lateral do tubo sem
costura a aproximadamente 15cm da borda inferior e em
seguida solde a porca por cima do furo tomando a precaução de não o entupir.

Feche uma das bocas do tubo sem costura com um pedaço de barra
cilíndrica com cerca de 2cm de comprimento, soldando-a dentro do tubo
alinhando sua borda a borda do tubo.
Em seguida faça um furo de 1/2" no centro e solde a barra rosqueada
dentro deixando apenas uma ponta de 2.5cm para fora.
Ou então faça um furo um pouco mais estreito e abra rosca para a barra
rosqueada, eliminando assim a soldagem.

A barra de aço
maciço deve
receber um leve
chanfro em todo
seu
comprimento
para proporcionar maior atrito para o parafuso.
Caso possa gastar um pouco mais, leve a barra ao torneiro e peça para que ele abra um rasgo caixeta com a largura na
medida da ponta do parafuso e no comprimento total da barra.
Isso proporcionará um travamento bem melhor para o pé telescópico.
TRILHOS E CORREDIÇAS
Os trilhos e corrediças da Serra esquadrejadeira, são peças de extrema importância neste equipamento.
É através deles que faremos quase todo o trabalho de corte.
Os trilhos que serão feitos de cantoneira, devem ser lixados ou
usinados para que fiquem bem polidos e escorregadios,
evitando ao máximo o atrito com as corrediças.

As corrediças também devem ser lixadas ou usinadas, porém,


estas devem ser lixadas onde entrarão em contato com os
trilhos.
Assim o atrito será bem menor.

O trilho do batente da mesa fixa, deve ser feito de uma barra


cilíndrica de aço maciço comum ou inoxidável.
A barra de aço ( n ) deve receber um pequeno chanfro como no
caso dos pés telescópicos, para aumentar a aderência do
parafuso.
Para
adaptar o
trilho do
batente na
mesa fixa,
devem ser
inseridos
duas
barras rosqueadas de 3/8",alinhadas.
O mesmo deve ser feito na cantoneira que compõe a estrutura da mesa.

Para inserir as barras rosqueadas, basta fazer dois furos de 3/8", um em cada extremidade da barra de aço afastados
3cm das bordas.
O comprimento da barra de aço ( n )deve ser o da distancia entre a borda da
mesa ao alinhamento da serra mais 4cm.

A regulagem do trilho com a mesa, deve ser feita utilizando-se duas porcas em
cada barra rosqueada do trilho.
Uma porca deve ficar por dentro da cantoneira que irá receber o trilho enquanto
que a outra fica por fora.

Para travar a corrediça do batente ( o )ao trilho da mesa fixa ( n ), use um


parafuso borboleta com no máximo 4.5cm (quarenta e cinco milímetros), de
diâmetro.

Podemos desta forma, regular a distancia e o alinhamento entre o trilho


e a mesa, simplesmente afrouxando uma porca e apertando a outra.
Ex: Para aproximar o trilho a mesa, afrouxe a porca externa e aperte a
porca interna, para afastar, faça o contrário.
TRILHOS E CORREDIÇAS
Para que possamos executar cortes precisos, precisaremos de batentes precisos e bem acabados.
Tanto a mesa móvel quanto a mesa fixa usam batentes.
BATENTE DA MESA MÓVEL

O batente da mesa móvel é o mais fácil de se fazer, por se


tratar apenas de uma cantoneira de 2"( i ).
O comprimento deste batente deve ser de no mínimo 1700mm .
Um batente auxiliar deve ser adicionado ao batente grande.
Este batente auxiliar, é usado para "bitolar" peças a serem
cortadas.

Para fixar o batente na mesa móvel, utilize dois parafusos


borboleta, um em cada extremidade da mesa.

Faça dois pequenos rasgos para encaixar os parafusos borboletas no batente da mesa móvel .
Nas extremidades da mesa móvel, faça dois furos e abra rosca para os parafusos borboleta.
Certifique-se de que a cantoneira que será usada para o batente, esteja absolutamente alinhada .

Pode-se fazer o batente auxiliar usando um pequeno pedaço de cantoneira


com os dois lados fechados por uma chapa de 4mm, porém sua fixação
deverá ser feita usando um sargento.
A forma correta de se fazer o batente auxiliar, é com uma pequena barra
quadrada de aço maciço com um rasgo na largura da chapa da cantoneira
e um furo com rosca para o parafuso borboleta.

BATENTE DA MESA FIXA

O batente da mesa móvel, é de uso indispensável na serra, seja ela


esquadrejadeira ou não.

A corrediça deste batente deve ser feita a partir de um tarugo de aço quadrado
5x5cm com cerca de 12cm de comprimento ( o ).

O furo para passagem do


trilho ( n ), deve ser feito
fora de centro como
mostra a figura ao lado.
Este furo deve ser um
pouco mais largo que o
trilho, cerca de 3 mm.
Nas bordas da corrediça
devem ser adaptadas
duas buchas de bronze
com a medida da furação igual a da espessura trilho com uma folga mínima ( cerca de 0,3mm).

O trilho para este batente ( n )pode ser feito em aço comum ou inox.
No caso do aço comum, a manutenção semanal é obrigatória para evitar a
oxidação, no caso do aço inox isso não ocorre, bastando apenas limpá-lo com
um pano seco sempre que necessário.

Na figura a esquerda, esta apresentado a imagem detalhada do funcionamento


do batente.
Como pode ver, o furo é fora de centro, para adaptar a altura da cantoneira ( i ) a altura da mesa, e para aumentar o
comprimento da rosca da borboleta.
TRILHOS E CORREDIÇAS
Caso o furo fique centralizado, será impossível a rotação da porca interna, atrapalhando a regulagem do trilho.

A cantoneira ( i ) para compor o batente deve ser de 3º e de chapa expeça (mínimo de 6mm).
Caso ache que o batente tenha ficado muito pesado, faça furos com serra copo p/ aço na cantoneira, isso aliviará peso
sem comprometer seu funcionamento.
OS ADAPTADORES P/ LÂMINAS / MESA AUXILIAR
A mesa auxiliar, auxilia na troca de lâminas, mantendo o rasgo da mesa bem justo a lâmina.
Quando o rasgo da serra fica muito maior que a lâmina, o material que esta sendo cortado, pode se estilhaçar por não
existir um ponto de apoio abaixo do corte.
Ao lado temos a imagem de uma mesa auxiliar.
A mesa auxiliar deve ter suas extremidades arredondadas e o
rasgo, para passagem da lâmina de serra, deve ser feito de
forma que fique no máximo 2 mm de distância da lâmina de
serra.
Para cada lâmina de serra com medidas diferentes devemos
criar uma mesa auxiliar, isso para que sempre tenhamos as
lâminas adequadamente ajustadas ao seus respectivos adaptadores.

As mesas auxiliares podem ser feitas em alumínio, aço, MDF revestido com fórmica ou qualquer outro material duro,
levando em conta apenas que, a espessura da mesa auxiliar não deve ultrapassar a da chapa que compõe a mesa,
ficando totalmente faceadas.
Nesta imagem podemos ver como se encaixa a
mesa auxiliar a mesa da serra.
Para que possamos fazer tal encaixe, devemos
primeiro fazer um corte na mesa nas proporções
necessárias para a mesa auxiliar.
O recomendado é que primeiro seja feito o corte
da mesa e depois, a partir deste corte, sejam feitos
as mesas auxiliares, assim eles ficaram bem
ajustados e sem a necessidade de qualquer tipo
de presilha para mantê-la firme.
O corte na mesa, é claro, deve ser feito no mesmo
formato da mesa auxiliar.
Como já dito antes, a mesa é estruturada com
uma grade feita de cantoneiras, sendo assim as
próprias cantoneiras podem servir para calçar a
mesa auxiliar, evitando que ela passe direto pelo
furo da mesa e caia. Caso isso não seja possível,
deve-se adaptar pequenos calços por baixo da
mesa, limitando as mesas auxiliares e evitando
que passem direto pelo furo da mesa.
MONTAGEM DO SISTEMA DE REGULAGEM DO MANCAL

Durante o procedimento da montagem, tem que se ter o máximo de cuidado para não errar no ângulo e nem nas
medidas das corrediças.

O sistema de regulagem do mancal da serra, consiste-se num


simples regular de altura da lâmina (disco) de serra.
Neste tutorial não abordaremos a regulagem do ângulo da lâmina
(disco) de serra. Deixaremos este assunto para o futuro, onde
iremos acrescentar essas dicas.

Na imagem ao lado vemos todo o sistema de regulagem montado na


estrutura da serra.
A parte pontilhada vermelha, são os trilhos (f).

Carrinho (suporte móvel), do braço


articulado e da bandeja do mancal.
As cantoneiras, que aqui fazem o papel
de corrediças, devem ser montadas
em gabaritospara evitar que fiquem
fora de ângulo.

Pode-se utilizar ou não rolamentos na articulação entre a bandeja do mancal ( d ) e o carrinho.


Sem os rolamento: A articulação ficará mais pesada e o desgaste dos eixos é inevitável.
Com os rolamentos: A articulação ficará bem mais leve, porém a troca de rolamentos (apesar de não ser constante),
será um pouco difícil por causa da posição dos mancais.

A porca para movimentação do carrinho, pode ter rosca quadrada ou


simples assim como a barra rosqueada ( s ).
Caso a rosca seja quadrada, a movimentação do carrinho será mais
rápida, enquanto que na rosca fina se torna mais lenta.

Podemos usar uma ou duas porcas. Uma única porca é o suficiente, porém, uma
segunda pode ser adicionada.

AS PRINCIPAIS PEÇAS DO
SISTEMA SÃO:
1) Carrinho do braço
articulado
2) Suporte do motor (e)
MONTAGEM DO SISTEMA DE REGULAGEM DO MANCAL

3) Suporte do sistema (x)


4) Bandeja do mancal (d)
5) Rolamentos
6) Polias
7) Braço articulado (y)
8) Mancal (r)
9) Esticador (z)
10) Articulações (t)

Nesta imagem estão em destaque as principais


peças que podem ser encontradas prontas nas lojas
de equipamentos.

Mancal 5/8" ( r )
A MESA MÓVEL
Object 1

A mesa móvel ou deslizante, é que ira permitir que você conduza a matéria prima na serra.
Com ela, o processo de produção de peças em linha e/ou de grande porte, é bastante agilizado.
Por se tratar de uma mesa móvel, devemos levar em consideração o seu peso, esquadro, alinhamento e principalmente
a posição e alinhamento das roldanas.

A estrutura da mesa móvel deve Quanto mais pesada, mais


ser feita conforme está estável será a mesa.
especificado no desenho ao lado. Escolha cantoneiras de chapa
Podemos fazer toda a estrutura expeça para a montagem da
de cantoneiras de 2" ( h ), ou estrutura da mesa.
também podemos fazer o quadro
de cantoneira e o restante em A imagem a esquerda e baixo,
ferro T de 2". está sem as grades
propositalmente para que fique
Como já foi dito acima, não mais legível.
existem muitos segredos para a
montagem da mesa móvel, a não As roldanas devem ser
O tampo da mesa deve ser
ser é claro quanto ao esquadro e adaptadas nas cantoneiras, o
aparafusado e não soldado. A solda
alinhamento da estrutura que mais próximo possível da borda
elétrica costuma empenar a chapa
devem estar perfeitos. do quadro.
de aço, por isso o uso de parafusos
é mais apropriado. Quanto mais
O tampo de aço ( b ), pode ser As roldanas ( u ), devem ter
espesso for o material, menor será
substituído por uma chapa de cavilhas arredondadas convexas
o risco de empeno durante a
compensado ou MDF de 15mm exatamente no mesmo diâmetro
soldagem elétrica.
revestido com fórmica, porém, a do trilho ou seja 1.1/2". Compre
qualidade da serra ficará o tubo sem costura ( v), para o
comprometida. trilho antes de comprar as
roldanas e leve um pedaço de
tubo para testar nas roldanas na
loja na hora de comprar.
GABARITOS DE AUXILIO PARA MONTAGEM
Os gabaritos irão ajudar muito durante o processo de montagem.
Eles devem ser feitos com o máximo de precisão para que a montagem seja procedida corretamente.

Gabarito para auxiliar na montagem dos trilhos do sistema ( f ) de regulagem do mancal.

Gabarito para auxiliar na montagem do carrinho do sistema de regulagem do mancal.

Gabaritos posicionados para a montagem dos trilhos do sistema ( f ).

Gabaritos posicionados durante a montagem do carrinho.


A precisão do gabarito essencial, afinal, caso o gabarito tenha sido feito com os ângulos errados, o sistema de
regulagem não funcionará.

O recomendado é que primeiro se faça os gabaritos para depois se cortar os materiais que irão compor a peça.
Os gabaritos podem ser feitos em compensado, MDF ou aglomerado.
Caso queira um gabarito mais resistente, utilize o MDF que é mais estável e menos inflamável.