Você está na página 1de 34

Módulo III - Política Social intimamente relacionadas com o

processo de acumulação e sua


força de organizar o trabalho,
Introdução com a capacidade de luta e
resistência dos trabalhadores e
Com este módulo chegamos à com a natureza do Estado.
etapa final do nosso curso, Portanto, a Previdência Social,
referente à disciplina Política como uma das políticas da
Social. O objetivo proposto é seguridade social é expressão
situar a trajetória das principais das suas bases sociais e
políticas sociais setoriais e por produtivas.
segmento no Brasil,
estabelecendo suas relações e O grande marco inicial do Seguro
determinações histórico- Social com caráter compulsório,
conjunturais. e alguma abrangência, têm como
período histórico a consolidação
Esperamos que tenham da Revolução Industrial alemã e
aproveitado ao máximo as o processo de lutas operárias que
informações que foram se travava naquele País, sob a
transmitidas em sala de aula, direção do Partido Social
assim como a troca de Democrata. Em 1871, Bismarck
experiências profissionais e de envia ao parlamento um projeto
vida, através de aulas de lei que institui o seguro-
participativas que contribuíram acidente obrigatório, porém é
com a ruptura da posição nos marcos do chamado ciclo de
centralizadora e estática entre ouro do capitalismo avançado,
professor/aluno, favorecendo o calcado na teoria
alicerce para o conhecimento intervencionista de Keynes e nas
crítico, o qual se constrói propostas formuladas por
permanentemente como um meio William Beveridge, deputado
que não se encerra em si, por liberal inglês, em 1942, que o
não está pronto ou acabado... É sistema de segurança social
necessário persistir sem passa a se estruturar como
desanimar e/ou desistir, os serviço público e ganha status de
obstáculos existem para direito social.
buscarmos as alternativas e
lograr êxito nos nossos Este sistema de seguridade se
empreendimentos. consolida como um padrão de
proteção social no pós-guerra,
Boa sorte! tornando-se hegemônico nas
Bom estudo! décadas de 1950 e 1960,
consideradas os anos dourados
1. Previdência Social do capitalismo, marcadas por
altas taxas de crescimento
A gênese e a expansão da econômico e prosperidade em
Seguridade Social âmbito mundial. A partir dos
no Brasil e no mundo, no âmbito anos 1970, a crise no sistema
do sistema capitalista, estão
capitalista, põe em questão esta Primeira Guerra Mundial, com a
proposta de Seguridade. assinatura do Tratado de
Versalhes, que invocava a
A configuração dessa crise necessidade de um corpo de
revela-se como medidas sociais de
fundamentalmente de corte enfrentamento da questão social,
estrutural, localizada na e, ainda, a vitória da Revolução
incapacidade do capitalismo de Russa, descortinando um novo
manter altas taxas de lucro e de projeto societário, destacando a
crescimento econômico. Tem-se centralidade e o protagonismo do
como conseqüência um quadro proletário na sua construção.
econômico recessivo, que põe em
questão as garantias sociais Os governos da Velha República
preconizadas pelo Estado de procuravam ignorar a questão
Bem-Estar Social. Nos grandes social, dando ao seu
centros capitalistas a superação enfrentamento um tratamento
da crise é marcada pela busca de repressivo. Entretanto, os fatores
um novo padrão produtivo – de externos e a própria condição
caráter flexível, com forte objetiva de vida e trabalho no
emprego de terceirização, Brasil põe os trabalhadores em
utilização movimento. É importante
de alta tecnologia e destacar que as greves de 1917 e
intensificação do ritmo produtivo 1919, em São Paulo, colocam na
– aliado à adoção de metodologia ordem do dia a necessidade de
de gerenciamento de mão-de- cumprimento do Tratado de
obra, que procura comprometer Versalhes, do qual o Brasil é
os trabalhadores com a lógica do signatário, e exigem medidas de
capital, convocando-os como proteção social.
colaboradores.
A Lei Eloy Chaves institui um
Este novo padrão produtivo tem fundo especial de aposentadorias
levado a sensível redução nos e pensões – Caixa de
postos de trabalho, forte Aposentadorias e Pensões, as
precarização, crescimento do CAPs – para os trabalhadores em
emprego informal e quebra das ferrovias. Posteriormente, a Lei é
conquistas trabalhistas. ampliada, que estende estas
medidas aos marítimos e
A Lei Eloy Chaves, de 1923, é portuários. A proposta
considerada o marco inicial da previdenciária de Eloy Chaves
Previdência Social no Brasil e se não se dirige aos trabalhadores
efetivou no período histórico da em geral, nem se referencia a um
Velha República, em uma conceito de cidadania, mas cria
conjuntura de crise política em medidas de proteção para um
que o liberalismo das elites grupo específico, tomando a
brasileiras está fortemente empresa como unidade de
ameaçado. Para esta crise vão cobertura. Propõe, ainda,
concorrer questões externas benefícios pecuniários de
mais amplas, com o final da
aposentadorias e pensões e estrutura de serviços públicos, e
prestações de serviços médicos e gradativamente foram incluídos
farmacêuticos. As CAPs eram outros setores, sendo o dos
estruturadas como organizações trabalhadores da indústria o
privadas, supervisionadas pelo último a ser instalado, em 1938.
governo e financiada pelos
trabalhadores, patronato e pela Ainda com Getúlio, temos uma
contribuição dos usuários da tentativa não consolidada de
rede ferroviária, via impostos. reforma do sistema
Esta legislação, inicialmente, previdenciário, com um projeto
restringe-se aos ferroviários: de unificação da Previdência – a
posteriormente, estende-se a criação do Instituto de Serviços
outras categorias ligadas à infra- Sociais (ISS). O debate sobre a
estrutura de serviços públicos, Reforma da Previdência Social
refletindo as características do brasileira vai desaguar na Lei
desenvolvimento capitalista do Orgânica da Previdência Social –
período, centrado em uma LOPS, de 1960.
economia agro-exportadora, em No período Juscelino (1956-
que esses erviços são essenciais. 1961), a tônica será a proposta
desenvolvimentista, pela
As bases do moderno sistema associação ao capital
previdenciário brasileiro, vigente estrangeiro. Ao final do seu
até 1966, têm seus pilares mandato, é aprovada e
definidos no período Vargas, promulgada a Lei Orgânica da
1930-1945, e se constroem a Previdência Social, após um
partir do sistema proposto em longo período de debate. A
1923. O projeto previdenciário incorporação dos trabalhadores
está articulado com um conjunto rurais só vai ocorrer em 1963,
de medidas sociais e trabalhistas com a criação do Estatuto do
que integram uma estratégia Trabalhador Rural. No período
maior de política estatal da 1960-1964, à Previdência
proposta nacional incorporam-se as reivindicações
desenvolvimentista de Vargas. dos trabalhadores relativas à
ampliação de benefícios, como a
A expansão previdenciária se abolição da idade mínima de 55
deu, inicialmente, através da anos para aposentadoria e a
ampliação do número de CAPs; afirmação dos 35 anos de serviço
posteriormente, foram criados os como critério único.
Institutos de Aposentadoria e
Pensão - IAPs, a partir de 1933. O golpe militar de 1964 lança o
Os IAPs possuíam planos Brasil em um período autoritário,
diferenciados de benefícios e com fechamento político e forte
serviços, sendo, os mais comuns, intervenção nas organizações de
aposentadoria, pensões, auxílio- trabalhadores, além de
funeral e auxílio-doença. depuração política nos IAPs. Em
1966 é criado o Instituto
Inicialmente, foram beneficiadas Nacional de Previdência Social
as categorias ligadas à infra- (INPS), com base na unificação e
uniformização dos planos de (CEME). Esta reforma
benefícios e expulsão dos administrativa vai aprofundar, na
trabalhadores da gestão área da assistência médica, o
previdenciária. modelo privativista, tendo o
Estado como financiador, via
Na área da assistência médica Previdência Social. Nesta
tem-se uma orientação política conjuntura identifica-se o
de compra de serviços à rede agravamento da estabilidade
privada, com ênfase na prática econômica marcada pela falência
da medicina curativa, do chamado milagre brasileiro e
promovendo um processo de pelas crises internacionais do
aumento crescente da petróleo, com conseqüente
lucratividade e da capitalização aceleração do processo
do setor saúde. O INPS, em inflacionário, explosão da dívida
1967, vai assumir o seguro de externa, recessão, desemprego e
acidente, apesar da resistência aumento crescente da pobreza.
das seguradoras. Na direção da No final dos anos 70, novos
universalização, temos em 1971, sujeitos sociais passam a ter
a extensão da previdência aos expansão no cenário político que
trabalhadores rurais; em 1972, a se expressam através da
incorporação dos empregados organização sindical e popular,
domésticos com caráter pressionando o estado por
compulsório; em 1973, a atendimento às suas
incorporação dos autônomos. necessidades. Configura-se aí um
Concomitantemente, institui-se o processo de resistência e luta
amparo o à velhice e aos que vai culminar com a criação
inválidos e cria-se o salário- do Partido dos Trabalhadores, em
maternidade. 1980 e da Central Única dos
Trabalhadores, a CUT, em 1985.
Em 1977, institui-se o Sistema Também é deste período a
Nacional de Fundação da Confederação
Previdência e Assistência Social Brasileira de Aposentados e
(SINPAS), composto pelo Pensionistas (COBAP), que vai
Instituto Nacional de Seguro cumprir um papel importante no
Social (INSS), Instituto Nacional debate previdenciário brasileiro.
de Assistência Médica da No debate constitucional assume
Previdência Social (INAMPS), importância a proposta de
Instituto de Administração Reforma Sanitária discutida e
Financeira da Previdência Social formulada no âmbito do
(IAPAS), além da Empresa de movimento popular de saúde e
Processamento de Dados da no movimento sanitarista.
Previdência Social (DATAPREV). A Constituição de 1988 introduz,
Compondo também o Sistema, no seu
tem-se a Legião Brasileira de Artigo 194, o conceito de
Assistência Social (LBA), a Seguridade Social, compreendido
Fundação Nacional de Bem-Estar como um conjunto integrado de
do Menor (FUNABEM), e a iniciativas dos poderes públicos e
Central de Medicamentos da sociedade destinado a
assegurar os direitos relativos à O quadro inflacionário e
Saúde, à Assistência e à recessivo vigente
Previdência Social. nos anos 80 comprometeu o
Diferentemente do período crescimento econômico, com
autoritário, impõe-se uma repercussões no nível de
compreensão articulada das emprego e de salários,
áreas da saúde, da previdência precarizando as condições de
social e da assistência social vida e trabalho.
regidas sob o princípio da A crise brasileira está inserida na
universalização dos direitos e da crise mais global do capitalismo
eqüidade social estendendo-as e esta inserção repercute na
não só aos trabalhadores Seguridade Social com a redução
inseridos no mercado formal, em sua base arrecadadora,
mas aos desempregados, às decorrente da diminuição de
donas de casa, aos deficientes, postos de trabalho e sua
aos idosos e outros. Contrapõe- precarização, que aumenta
se, assim, à cidadania regulada o também a pressão sobre a
direito universal. Também foram Previdência, com o crescimento
introduzidas modificações nos da demanda por benefícios e
planos de benefícios, serviços, além de incidir na
incorporando novos direitos e alteração do caráter
recompondo valores. redistributivo da Seguridade.
Entende-se que as alterações Alia-se a esse fato a fragilidade
mais significativas dizem respeito da máquina arrecadadora da
ao conceito de Seguridade Social Previdência, registrando-se nessa
tomado do ponto de vista de década um índice de sonegação
direito do cidadão e de dever do estimado em 40% o que
Estado. Reconhece-se, assim, evidencia complacência com
a Seguridade como um direito fraudadores e sonegadores.
inerente à condição de cidadania.
Outros dispositivos que merecem Em julho de 1991, o governo
destaque são: a recomposição de Collor apresenta á sociedade
valores de aposentadoria e uma ampla proposta de reforma
pensões, ante os efeitos de que ficou conhecida como Projeto
sucessivos períodos de arrocho a Rossi – o nome do então
que foram submetidos os presidente do INSS, vinculado à
benefícios; além do tratamento iniciativa privada. A principal
equânime dado aos característica desse projeto é a
trabalhadores rurais. transferência para o setor
A conjuntura dos anos 80 é privado das faixas salariais acima
marcada pela ascensão das lutas de cinco salários mínimos, bem
populares e sindicais e pala como do seguro-acidente para o
realização do Congresso âmbito privado.
Constituinte, onde o caráter
conservador das elites se Esta proposta tem como pano de
expressa, sem, entretanto, fundo a transferência para o
impedir incorporação de alguns setor privado das faixas salariais
direitos sociais. mais rentáveis, ficando a
Previdência Pública restrita a No governo FHC, as medidas
uma previdência básica. A neoliberais tomam corpo ante a
reforma se justificaria pela crise brasileira e se assentam
leitura de que a Previdência num programa de estabilização
Pública enfrentaria uma crise de econômica com a adoção de uma
grandes proporções que causaria nova moeda, de modo a romper
um colapso no sistema e não com a cultura inflacionária. A
garantiria o cumprimento dos essa medida associam-se um
compromissos com os benefícios programa de abertura econômica
em manutenção. e exigências de medidas
estruturais para garantir maior
O debate previdenciário está fôlego ao referido programa.
lançado. De um lado, as Para que a reforma capitalista
alternativas que reduzem a brasileira se firmasse, foi
Previdência Pública em favor da necessário combinar as medidas
ampliação do mercado e, de neoliberais com a reestruturação
outro, as que afirmam o direito produtiva, base material desse
de proteção ao trabalho como ideário. No plano internacional, a
responsabilidade do Estado. experiência capitalista vem
Nesse sentido, a Central Única substituindo o padrão de
dos Trabalhadores apresenta, acumulação – fordista/taylorista –
inicialmente, 13 pontos por formas produtivas
fundamentais para o flexibilizadas e
enfrentamento da crise e, desregulamentadas.
posteriormente, entrega um
projeto mais global de Reforma Concomitantemente, vem
Previdenciária, para discussão ocorrendo o desmonte do Estado
pela sociedade, conforme de Bem-Estar Social com a
documento da Central Única dos adoção de medidas privatizantes
Trabalhadores, de maio de 1995. e de destruição das políticas
públicas, e o redimensionamento
O governo Collor levou a um do Estado.
crescente processo de
insatisfação, que culmina com Esse quadro intensificou a
grandes mobilizações em praças redução dos postos de trabalho, a
públicas em todo o Brasil e, precarização do trabalho e o
finalmente, com o seu aumento considerável da
impeachment pelo Congresso desigualdade.
Nacional, assumindo o vice-
presidente Itamar Franco. A Previdência também foi
As eleições presidenciais de 1994 afetada pela reforma do aparelho
ocorreram num clima de forte do Estado, com a incorporação
polarização de projetos políticos dos parâmetros a ligados ao
divergentes – Lula x FHC, tendo processo de reestruturação. São,
sido vencedor o projeto de perfil ainda, características desse novo
neoliberal, capitaneado pelas padrão gerencial do Estado a
elites burguesas. intensificação do ritmo
produtivo, a desregulamentação,
a polivalência no exercício das modelo de substituição das
atividades e a redução do quadro importações. Hoje, o novo
de pessoal, acarretando contexto, seguindo a ótica
significativas mudanças no neoliberal, exige um Estado
mundo do trabalho público. reduzido que garanta a
A Reforma Previdenciária vai se realização do mercado,
constituindo em peça importante centrando suas funções em
do ajuste neoliberal, na medida segurança, fiscalização e
em que se reduzem as faixas de arrecadação de impostos.
previdência pública e se estimula
a busca da previdência A aprovação da Reforma
complementar sob o sistema de Previdenciária não alterou o
capitalização, como mecanismo capítulo relativo à concepção e
de captação de poupança, aos princípios da Seguridade,
necessário ao financiamento do porém, os negou, quando reduziu
crescimento econômico. a Previdência Pública
praticamente a instrumento de
A estratégia inicial do governo, política econômica, em
na aprovação das medidas detrimento do seu caráter de
estruturais no Congresso distribuição de renda. Esta
Nacional, define como prioritária proposta afirma a Previdência
a aprovação das medidas como elemento importante na
relativas à ordem social. Deste solução da crise da acumulação
modo, a Reforma previdenciária capitalista brasileira, ao mesmo
e do Aparelho do Estado seriam tempo em que releva o seu
as primeiras. Diante da grande significado, pela desconsideração
resistência dos movimentos de frente as questões sociais
aposentados e trabalhadores e, colocadas pelo ajuste da
no âmbito do Congresso, na economia e da reestruturação
própria base de sustentação do produtiva. Este padrão de
governo, este se viu obrigado a Previdência contrapõe-se a uma
reorientar sua estratégia de Seguridade Social que radicalize
aprovação, submetendo, seu caráter redistributivo e
inicialmente, as medidas equânime, fundado num novo
relativas à ordem econômica – tipo de solidariedade e afinado
flexibilização do monopólio com os reais interesses da classe
estatal de petróleo, privatização trabalhadora.
das telecomunicações e abertura
da navegação de cabotagem às O projeto de Reforma
empresas estrangeiras. Previdenciária proposto pelo
A proposta sobre a Reforma do governo Fernando Henrique
Estado direciona o Cardoso tem como justificativa:
redimensionamento de suas
funções públicas, entendendo “A alegação de uma
que o papel de promotor do profunda crise na
Previdência Pública, cuja
desenvolvimento e gestor das dimensão mais grave se
políticas sociais, até então assenta num déficit de caixa
vigentes, era uma decorrência do que ameaça a própria
viabilidade financeira do O Sistema Previdenciário
sistema, fruto de um baixo brasileiro é constituído por um
coeficiente de dependência–
relação ativo/inativo. “Como
regime básico, por regimes
tática de marketing, têm sido especiais e por regimes
alardeados critérios de complementares, sendo este
justiça social na Previdência, último baseado num sistema de
sobrea alegação da captação. Dentre os dispositivos
existência de privilégios em aprovados no texto da Reforma,
algumas categorias em
detrimento da maioria, de destacamos a extinção da
baixos salários.”(Cabral, aposentadoria por tempo de
1995: 129). serviço, instituindo-se o critério
de tempo de contribuição, além
A Reforma não altera o corpo de da eliminação da aposentadoria
princípios assentados no Artigo proporcional.
194 da Constituição, mas, na
realidade, ao submeter o direito – Para os trabalhadores que se
antes assegurado pelo Estado – encontravam inseridos no
ao equilíbrio das contas da mercado de trabalho até a data
Previdência, subverte o direito de promulgação da emenda, e
social firmado não possuíssem direitos plenos
constitucionalmente. Outra para aposentadoria, foi instituída
alteração relevante foi à uma regra de transição.
substituição do conceito de
tempo de serviço por tempo de Aprovada a Reforma, o governo
contribuição. Esta alteração se antecipa
assume maior gravidade quando, à sua regulamentação, emitindo
em abril de 1999, registrou-se medidas provisórias que
um total de 18,3 milhões de aprofundam o seu caráter
assalariados celetistas sujeitos ao excludente, configurada na MP
Regime de Previdência, sendo 1.729/98 – que, embora fosse
15,7 milhões de trabalhadores conhecida como emenda que
free-lance, 8,3 milhões de tratava da sonegação fiscal na
assalariados sem registro em filantropia, na realidade, possuía
carteira, 7 milhões de 150 dispositivos que alteravam o
autônomos e de 10,4 milhões de Plano de Custeio e Benefícios da
desempregados, segundo dados Previdência.
da Guia de Recolhimento do
Fundo de Garantia por Tempo de Das grandes modificações, tem-
Serviço e Informações à se ainda, a base de cálculo de
Previdência Social (GFIP), benefício, até então estimada
publicada no jornal Folha de São pela média das últimas 36
Paulo, em 4 de julho de 1999. contribuições reajustadas
Esses dados expressam que uma mensalmente, ao passo que, hoje,
parcela ponderável da população, o critério proposto toma como
segundo o novo conceito, não base de cálculo a média das
será abrangida pela Previdência contribuições a partir de julho de
Social. 1994, atualizadas pela inflação
acumulada, aumentando um mês
de contribuição por período de financiamento para retomada do
30 dias, até o limite fixado de 30 desenvolvimento econômico.
a 35 anos de contribuição,
respectivamente, para mulheres Portanto, a Previdência,
e homens. A ampliação do construindo-se no movimento
período de contribuição para histórico da sociedade brasileira,
efeito de cálculo impõe mais atende às exigências do novo
arrocho salarial ao benefício, que patamar de acumulação
já é calculado sobre um salário capitalista, e redimensiona as
que vem sofrendo arrochos necessidades de proteção social
sucessivos. A Regulamentação da aos trabalhadores, sob a ótica do
Previdência foi aprovada pela Lei mercado.
n° 3.048/99, alterada,
posteriormente, pela Lei n° 2. Educação
3.265/99.
A Educação sempre foi um
A Reforma Previdenciária campo da vida social tencionado
restringe direitos, pelas disputas dos projetos
ao mesmo tempo que aumenta a societários de diferentes grupos
contribuição do trabalhador e e segmentos sociais,
altera o cálculo de benefícios, principalmente em função de se
arrochando-os ainda mais, em constituir um espaço de luta
nome de um pretenso equilíbrio privilegiado, no processo de
financeiro e atuarial. Enfatizamos conquista da hegemonia política
que, no que diz respeito ao e cultural na sociedade. Neste
salário-família e auxílio-reclusão, último quarto de século, passou a
ambos os benefícios agora estão ocupar um lugar destacado tanto
restrito aos dependentes de na esfera econômica quanto
baixa renda. É importante cultural, em muito determinado
salientar que o seguro de pelo ritmo acelerado que
acidente do trabalho passa, tornaram dois fenômenos
também, a ser praticado pela importantes na esfera da
iniciativa privada, concorrendo produção: a incorporação da
esta com o regime público. ciência como força produtiva e a
crise de superacumulação, que
A Reforma da Previdência não determinaram profundas e
está desvinculada das propostas radicais mudanças nos processos
de superação da crise do e relações de trabalho.
capitalismo brasileiro, que a
elegeu como um dos principais A acelerada expansão de
instrumentos de geração de processos produtivos alicerçados
poupança interna via ampliação no desenvolvimento científico e
das faixas de mercado para tecnológico, particularmente no
seguradoras privadas, que que se refere à maior automação
trabalham com regime de e à reestruturação das formas de
capitalização, num contexto em organização e gerência da
que os programas de produção, determinou, por um
estabilização necessitam de lado, a necessidade de uma
formação mais qualificada dos estratégias formuladas pelo
trabalhadores e, por outro, a sua capital nas três últimas décadas.
gradativa expulsão da esfera E é nesse contexto que o Banco
produtiva. Mundial passa a atuar como um
importante organismo
Estes fenômenos expressam formulador de políticas sociais
alguns sinais claros de para os Países periféricos.
esgotamento do modo de
produção fordista em garantir A intervenção do Banco Mundial
um ciclo de produção e na condução das políticas de
reprodução ampliada do capital, educação e apoiada por um
dada a incapacidade instaurada diagnóstico que aponta
de combinar a produção em excessivos e desnecessários
massa de mercadorias com um gastos públicos com educação
nível de consumo da mesma superior, insuficiência de
magnitude; favorecendo uma investimentos no ensino
metamorfose no mundo do fundamental, ineficácia do ensino
trabalho que imprimiu uma médio e necessidade de
dimensão estrutural ao dinamização de um ensino
desemprego na sociedade profissional mais direcionado
capitalista. para as novas exigências do
mercado de trabalho. O
Estas transformações na esfera diagnóstico se completa com a
da produção e da cultura impõem eleição da educação como
dois desafios centrais para a estratégia central para superar o
educação, vinculados exatamente atraso social e diminuir as
às suas funções econômicas e desigualdades econômicas.
ideológicas, estratégicas no atual
estágio de desenvolvimento do O pano de fundo da ação do
capitalismo: a garantia de uma Banco Mundial, porém, é a
formação técnica flexível, garantia, através de
adequada às exigências dos financiamentos direitos e da
novos padrões de produção e reorientação dos recursos
consumo e às variações do públicos internos, da inserção do
mercado de compra e venda da Brasil, como também dos demais
força de trabalho, assim como a Países periféricos, na nova ordem
garantia de uma formação mundial como Países aptos aos
ideologicamente funcional ao novos padrões de consumo,
paradigma da empregabilidade. sobretudo de bens culturais, e
O alcance dessas mudanças produtores de mão-de-obra
fornece um novo contorno à minimamente qualificada para
divisão internacional do trabalho atender aos deslocamentos
e da produção cultural, exigindo contínuos das unidades
ações mais articuladas e de produtivas em busca de custos
proporções mais amplas na menores para atender a nova
garantia das condições forma de produção globalizada.
necessárias para o
desenvolvimento das novas
A ofensiva do Ministério da renomados como Anísio Teixeira,
Educação (MEC), articulada às Lourenço Filho e Fernando de
diretrizes do Banco Mundial, se Azevedo que acabavam de
deu de forma mais flagrante a desenvolver reformas exitosas
partir de 1996, com a aprovação nos principais Estados da
da Lei de Diretrizes e Bases da federação.
Educação Nacional, Lei n°
9.394/96, a partir de uma Destarte, a primeira e mais grave
manobra que retirou da característica deste campo da
tramitação no Senado o projeto política social é a não
elaborado em 1994, pela universalização do acesso da
Câmara, após anos de discussão população à educação
e, sobretudo, negociação com os escolarizada, decorrente,
movimentos sociais do campo sobretudo, de um confronto de
educacional, que reuniu dezenas interesses alimentado e
de entidades. Desde então o realimentado por uma cultura
MEC tem introduzido uma política excludente e elitizada,
profunda reforma do campo que não consegue incorporar a
educacional sem o participação das massas nos
estabelecimento de qualquer ciclos de alternância do poder e
diálogo com a sociedade civil de desenvolvimento econômico.
organizada e, principalmente,
com os intelectuais e Outra marca desta política
trabalhadores do campo setorial é a sua descontinuidade
educacional. acentuada fundamentalmente
por elaborações salvadoras dos
Um primeiro ponto diz respeito a problemas educacionais.
não universalização do acesso à
educação pública no Brasil. Esta descontinuidade, não se
Embora garantida desde o século expressa no âmbito da política
XIX, em quase todos os Países governamental federal apenas. É
cujo ideário liberal constituiu a um traço que está presente em
base da organização ideológica todos os níveis. A montagem e
do Estado, só começou a ser desmontagem de programas e
enfrentada em 1932, com o estruturas educacionais, como as
Movimento Escolanovista. que ocorreram com o ensino
médio, o ensino
A partir de uma forte vinculação profissionalizante, as escolas de
com o ideário liberal no campo turno integral e os sistemas de
educacional inspirado em Jonh ciclos e acesso direto, evitando a
Dewey, este movimento reprovação de alunos de uma
denunciou o atraso do sistema série para outra, são ilustrativas
educacional brasileiro e a não- dessa descontinuidade.
incorporação da população a um
amplo processo de educação Outra marca da Política
escolarizada como uma dívida da Educacional é a de que ela é uma
República a ser saldada. Teve das poucas políticas setoriais
como protagonistas educadores cuja fonte e percentuais de
recursos mínimos oriundos da anos em creches e
arrecadação de impostos do estabelecimentos equivalentes e
estado, em suas diferentes de crianças de 4 a 6 anos nas
instâncias, vem sendo definida pré-escolas; o ensino
constitucionalmente. Esta marca, fundamental, com duração
durante o processo de aprovação máxima de 8 anos, podendo ser
das constituições estaduais e das desdobrado em ciclos; o ensino
Leis Orgânicas Municipais gerou médio, com duração mínima de 3
fortes conflitos políticos e anos; e a educação de jovens e
administrativos, uma vez que sua adultos, destinada àqueles que
regulamentação no patamar em não tiveram acesso ou condições
que se deu, ou seja, de concluir os níveis de ensino
constitucional, condicionava seu fundamental e médio na idade
cumprimento para além das própria.
adversidades e prioridades da
administração orçamentária e A educação profissional deverá
financeira dos poderes regionais ser desenvolvida de forma
e locais. articulada aos demais níveis de
ensino e destina-se ao
A escola, neste sentido, cumpre aperfeiçoamento contínuo de
certas funções econômicas no aptidões para a vida produtiva.
processo de qualificação e
desqualificação da classe Já a educação superior envolve
trabalhadora, ainda que estas os seguintes cursos e programas:
funções não sejam imediatas. Por seqüenciais, extensão, graduação
isso mesmo, devemos ter claro e pós-graduação.
que a própria crise vivenciada
pela escola pública e os atuais E a educação especial articula a
esforços de recompor parte deste oferta de educação escolar na
cenário cumprem funções não só própria rede regular de ensino e
econômicas, mas também de serviços especializados aos
políticas já que interferem nos educando portadores de
canais de acesso aos meios necessidades especiais.
necessários para a elaboração de
uma cultura e de uma visão de A reorganização do sistema
mundo próprias aos diversos nacional de educação a partir da
segmentos sociais. nova LDB também impôs à
política educacional algumas
A partir da aprovação da nova marcas do conjunto das políticas
LDB, a educação nacional passou sociais afirmadas pelo ideário
a ser organizada nos seguintes neoliberal.
níveis e modalidades de
educação e ensino: educação A criação de processos de
básica, profissional, superior e avaliação de resultados como
especial. estratégia de gerenciamento da
A educação básica engloba: a política educacional, conforme
educação infantil, com o vem ocorrendo com a
atendimento de criança de até 3 implantação dos sistemas de
avaliação da educação básica, Estas referências se tornam
ensino médio e superior, centrais para a compreensão da
enfatizando mecanismos não- expansão sofrida nas áreas do
processuais de avaliação e que ensino fundamental, ensino
servirão de referência para o médio e, particularmente, da
direcionamento dos educação superior. O aumento no
investimentos do MEC, sejam número de matrículas em cada
eles financeiros ou de natureza uma das áreas citadas não deve
administrativa, como os ser examinado de forma isolada,
processos de recredenciamento. mas sim como um crescimento
A partir de um examemais articulado que combina a ação
detalhado das portarias que estatal (ensino fundamental e
regulamentam essas sistemáticas médio), a iniciativa privada
de avaliação é possível identificar (educação superior) e do
a dimensão instrumental que chamado terceiro setor
possuem para o direcionamento (programas complementares de
dos investimentos públicos. reforço escolar, expansão da
Estas expressões do ideário oferta de serviços educacionais,
neoliberal, no campo programas de profissionalização
educacional, além de e de alfabetização de adultos).
aproximarem as políticas nesta Não se trata ainda, portanto, de
área aos padrões de elaboração e um amplo e público processo de
gerenciamento das políticas universalização da Educação,
sociais no Brasil na atualidade, mas de um ajuste norteado pelas
reforçam a tese do significado diretrizes do Banco Mundial.
estratégico que a Educação
passou a ter, no conjunto das Compõe ainda este processo a
transformações que se operam reestruturação dos mecanismos
no mundo da cultura e do de financiamento da Educação
trabalho. que articula: a descentralização
administrativa e financeira
A política desenvolvida pelo MEC induzida pelo FUNDEF; a
nos últimos anos foi orientada, proposta elaborada pelo MEC de
sobretudo, pela necessidade de autonomia das universidades
elevar o nível de escolaridade públicas; o novo sistema de
mínima da mão-de-obra no País e financiamento da educação
de empreender reformas no superior privada através do Fies;
sentido de garantir sua integral a transferência dos programas e
adequação às novas exigências políticas de capacitação
da esfera da produção e da profissional da esfera do MEC
cultura sem grandes para o Ministério do Trabalho,
investimentos, visto que deveria utilizando os recursos do Fundo
ser também funcional ao de Amparo ao Trabalhador (FAT);
processo de ajuste fiscal imposto a retirada da esfera estatal dos
pela nova ordem econômica programas assistenciais na área
mundial. educacional; destinados às
populações mais carentes e que
não tiveram acesso à educação
escolarizada na idade própria, consideradas estratégias para a
hoje organizados, a partir do política educacional.
Programa Comunidade Solidária
e os Programas de Garantia de Esta política impõe investimentos
Renda Mínima articulados à por parte dos Estados e
permanência dos alunos na rede Municípios que são controlados e
escolar. avaliados pelo Governo Federal e
expõem um grave problema no
Atendendo que está disposto na campo educacional que é a
Constituição, a LDB estabelece a ausência de garantias para o
necessidade de investimento financiamento de outros setores
anual por parte da União de da Educação, onde a educação
nunca menos que 18% e por infantil é a área que vem sendo
parte dos Estados, Municípios e mais atingida, cuja
Distrito Federal nunca menos responsabilidade central é
que 25% da receita resultante de também dos municípios.
impostos para o desenvolvimento
do ensino público. Os recursos Trata-se, portanto, de uma
destinados à Educação política de financiamento
compreendem: as receitas de focalista, estratégica e que
impostos próprios da União, dos redefine prioridades. O impacto
Estados, do Distrito Federal e desta política para a população é
dos Municípios; as receitas de a ausência de cobertura dos
transferências constitucionais e serviços públicos em outras
outras transferências; as receitas áreas não-prioritárias.
do salário-educação e de outras
contribuições sociais; as receitas
de incentivos fiscais e outros 3. Trabalho
recursos previstos em leis.
A política social é concebida
Para além do que está definido como um mecanismo de
na LDB, através do FUNDEF e intervenção e regulação do
dos Programas de garantia de estado, datado pelo
Renda Mínima, o governo desenvolvimento do capitalismo
introduziu dois novos monopolista e determinado por
mecanismos de financiamento da um conjunto de necessidades
área mais estratégica da sócio-econômicas, jurídicas e
Educação hoje, que é o ensino políticas, originárias das
fundamental, aquele que condições sob as quais se
diretamente atua na elevação do desenvolveram, historicamente,
tempo de escolaridade mínima da as relações entre o capital e o
mão-de-obra no Brasil. Os trabalho.
principais componentes desta
estratégia de financiamento Na sociedade capitalista
devem garantir ao Governo contemporânea, as políticas
Federal dispositivos de controle sociais são expressão concreta
sobre o montante de das contradições e dos
investimentos públicos nas áreas antagonismos presentes nas
relações entre as classes e destas redirecionamento da intervenção
com o Estado. Sua constituição e estatal que, sob a batuta das
institucionalização, quaisquer idéias neoliberais, inaugura
que sejam seus objetos novas estratégias de
específicos de intervenção, relacionamento com a sociedade
dependem do grau de e o mercado.
desenvolvimento das forças
produtivas, das estratégias do Esta conjuntura transforma
capital, do nível de socialização substantivamente o mundo do
da política conquistado pelas trabalho e dos trabalhadores,
classes trabalhadoras e das afetando não apenas as suas
particularidades históricas, que condições de vida e de trabalho,
definem a constituição de cada mas os estatutos e as garantias
Estado nacional. jurídico-institucionais que
marcaram a trajetória do
trabalho assalariado nas
“Originárias do modernas sociedades ocidentais.
reconhecimento público dos
riscos sociais do trabalho
assalariado ampliam-se a
Diante deste quadro, pródigo em
partir da Segunda Guerra medidas de ajustes econômicos e
Mundial, como meio de reformas institucionais, as
prover proteção social a classes trabalhadoras – seja nos
todos os trabalhadores, Países centrais, seja nos
inscrevendo-se na pauta dos periféricos – presenciam uma
direitos sociais. A despeito
das especificidades ofensiva do grande capital e dos
nacionais, os sistemas de organismos financeiros
proteção social são internacionais para redirecionar
implementados por meio de as estratégias de gestão estatal
ações compensatórias para da força de trabalho nas quais se
aqueles impossibilitados de
prover o seu sustento através
incluem as políticas de proteção
do trabalho, de cobertura de social.
riscos do trabalho nos casos A intervenção do Estado no
de doenças, acidentes, âmbito das relações de trabalho
invalidez e desemprego e da proteção dos riscos sociais
temporário e manutenção da
do trabalho é parte da própria
renda do trabalho, seja por
motivo de velhice, morte, construção da sociedade fundada
suspensão definitiva ou no trabalho assalariado e
temporária da atividade explorado.
laboral.” (Mota, 1995, 123)
Inicialmente, sua ação incidiu na
Essa inflexão responde pela regulação jurídica das relações e
recomposição do processo de condições de trabalho, dando
acumulação – seja na esfera da origem à hoje chamada
economia, seja na da política – legislação trabalhista;
incidindo diretamente na posteriormente, desdobram-se
reestruturação dos capitais, nos nos chamados sistemas públicos
processos produtivos, na de proteção social, também
organização do trabalho e no
modernamente conhecido como valia relativa e as alterações na
de Seguridade Social. composição orgânica do capital,
mediante o aumento do emprego
A ação organizada da nascente de máquinas; e a redução do
classe operária, no período de trabalho vivo. Em outras
transição do capitalismo palavras, as longas jornadas de
concorrencial para a fase trabalho são reduzidas em prol
monopolista, quem impôs do aumento nos ritmos e na
progressivamente a publicização intensidade do trabalho, os
do privado, provocando a processos de trabalho são
intervenção do Estado nos reorganizados, as máquinas são
contratos de compra e venda da utilizadas em larga escala e a
força de trabalho, nas condições produtividade aumentada. Enfim,
de trabalho, na saúde e na um conjunto de medidas
segurança social dos necessárias à reestruturação do
trabalhadores, por meio da processo de acumulação, que
legislação trabalhista, pode ser sumariamente descrito
acidentária, sanitária e como um modelo fundado na
securitária. Isto significa que os generalização do assalariamento,
trabalhadores conseguiram no aumento da produtividade do
transformar suas precárias trabalho e na intervenção social
condições de vida e de trabalho e econômica do Estado.
numa questão social ao darem
visibilidade política e pública às Estas transformações afetas no
suas necessidades coletivas. mundo do trabalho e da
produção, por sua vez,
Quanto ao Estado, seria um implicaram mudanças nas
equívoco pensá-lo como uma relações de trabalho e nas
instituição externa àquelas formas de organização dos
relações sociais que marcam a trabalhadores, que ampliaram as
sociedade capitalista. A suas lutas coletivas e provocaram
intervenção do Estado na significativas alterações nas
regulação e proteção do trabalho condições de reprodução da sua
inclui-se num processo mais força de trabalho. Tais condições
amplo, no qual estão presentes de reprodução, embora afetando
as necessidades estruturais do imediatamente a vida dos
processo de acumulação e os trabalhadores e das suas
conflitos de classe. famílias, relacionam-se com as
necessidades da produção
Trata-se de uma ação datada capitalista.
historicamente pela emergência
do capitalismo monopolista, cujos O caso brasileiro, a despeito das
traços são: o aumento da particularidades da sua formação
produtividade da força de social, dentre elas a construção
trabalho por meio da substituição tardia de uma sociedade fundada
da exploração extensiva pela no trabalho assalariado, não se
exploração intensiva da força de afasta das experiências e
trabalho; a produção de mais- tendências internacionais no que
diz respeito às condições sob as como: a restrição dos direitos de
quais o trabalho adquire cidadania apenas àqueles
centralidade na definição das trabalhadores inseridos
políticas de proteção social. formalmente no mercado de
trabalho. Assim, somente os
O envolvimento dos sujeitos produtivos e
trabalhadores e dos patrões com reconhecidos pelo Estado teriam
a questão da proteção social direitos. Para exercitar este
remonta aos primórdios da arbítrio, o Estado criou a
formação do proletariado legislação sindical como um meio
urbano. No entanto, são os de interferir na definição de
modos e as formas utilizadas pelo quais trabalhadores seria
capital para enfrentar as lutas reconhecido como sujeitos
operárias pela regulamentação produtivos e elegíveis para fins
das condições de trabalho, da proteção social.
salário e proteção social, que
marcam o desenvolvimento desse Data também deste período a
processo em cada realidade iniciativa do patronato brasileiro
nacional. na criação das instituições como
o Serviço de Aprendizagem
No Brasil, as políticas voltadas Industrial (SENAI), o Serviço
para a proteção do trabalhador, Social da Indústria (SESI), o
somente podem ser identificadas Serviço nacional de
como tal a partir dos anos 20, Aprendizagem Comercial
com o surgimento da legislação (SENAC) e o Serviço Social do
acidentária, sanitária e da Lei Comércio (SESC).
Eloy Chaves, que criou as Caixas
de Aposentadorias e Pensões Estas últimas, diferentemente
(CAPs). Nos anos 30, quando a das instituições estatais, estavam
acumulação capitalista passa a voltadas para a reprodução
ser dominada pelo capital ampliada da força de trabalho.
industrial, esse quadro se altera Seus alvos eram a família
mobilizando a ação reguladora operária, a educação
do Estado sobre o trabalho, à profissional, o lazer e o
organização política dos comunitarismo fabril.
trabalhadores, a previdência e a Este conjunto de medidas não se
saúde pública. A criação dos afasta das tendências
Institutos de Aposentadorias e internacionais que marcaram a
Pensões (IAPs – 1933), da fase inicial dos sistemas de
legislação sindical e da proteção social nas sociedades
Consolidação das Leis do capitalistas desenvolvidas,
Trabalho (CLT) é indicativa apesar de não terem ocorrido de
daquela intervenção. Depois dos forma concomitante e de serem
anos 30 é que o Estado brasileiro mediadas pelas particularidades
passa a intervir na acumulação e do capitalismo brasileiro.
na eqüidade. Essa intervenção
social dava-se com a conjugação Assim, a gestão estatal do
de estratégias políticas, tais trabalho, através das políticas
sociais, incide, prioritariamente, dos trabalhadores autônomos,
sobre a organização do mercado domésticos e rurais na
de trabalho, a reprodução Previdência Social, a instituição
ampliada da força de trabalho e a da renda mensal vitalícia para o
regulação de normas de idoso e a ampliação da
produção e de consumo. assistência médico-social.
Também remontam a esta época
Esta intervenção do Estado pode ditatorial a criação da medicina
se der de forma direta, quando as empresarial (de grupo) e da
suas instituições executam previdência privada
determinados programas ou, complementar, dando origem aos
indireta, através de práticas fundos de pensão.
privadas lucrativas ou não. O
caso da educação profissional no Estas mudanças imprimiram
Brasil é um claro exemplo de características especiais à
como o Estado facultou ao Seguridade Social no período
empresariado este campo de imediato depois de 64, quais
intervenção. sejam: a expansão seletiva de
alguns programas sociais; o
Diferentemente do período inicial favorecimento ao setor privado
(anos 40), quando mantinha nas áreas de saúde e previdência
proximidade com o modelo de (seguros), habitação e educação;
proteção dos Países centrais, a a centralização político-
Seguridade Social brasileira administrativa; e a supressão dos
permaneceu restrita e mecanismos de participação dos
incompleta até o final dos anos trabalhadores no controle dos
80. Mesmo que o Estado militar- sistemas então existentes.
tecnocrático, instaurado em
1964, seguindo os ditames da Essa trajetória da seguridade
modernização conservadora, brasileira é rompida no final dos
tenha realizado algumas anos 70 com o esgotamento do
mudanças no âmbito das regime militar e a fragilização do
políticas sociais, elas estiveram milagre econômico, ambos
longe de atingir o patamar de um derruídos pelos novos rumos da
sistema público e universal de economia internacional e pela
bem-estar social. ação ofensiva do movimento
social organizado que
Em tal período, as principais reinaugurou nos finais dos anos
medidas foram 70, o seu protagonismo histórico
a criação do Instituto Nacional e político.
de Previdência Social (INPS) com
a conseqüente unificação dos Assim, na década de 80, por
benefícios previdenciários para força da pressão organizada
todas as categorias de pelos trabalhadores, novas
trabalhadores, seguindo-se a mudanças são realizadas no
criação de fundos patrimoniais e âmbito da proteção social, e
indenizatórios dos trabalhadores consolidadas na Constituição de
(FGTS, PIS, PASEP), a inclusão 1988. Além de significativos
avanços na legislação trabalhista caso dos planos de saúde e
e sindical, o texto constitucional previdência privada. Enquanto o
adotava pela primeira vez no movimento de inclusão refere-se
Brasil o conceito de Seguridade à ampliação de benefícios e
Social (englobando as políticas serviços sem contrapartida
de saúde, previdência e contributiva, abrangendo
assistência), definindo-a como segmentos não assalariados ou
um direito social, ao tempo em em situações sociais de
que reorientava princípios, vulnerabilidade, o de expulsão se
formas de organização deu através da privatização, seja
administrativa, de financiamento, ela em conseqüência da
além de mecanismos de deterioração e desestruturação
participação e controle social. dos serviços públicos, seja pela
transferência de serviços para o
Na realidade brasileira, as setor privado lucrativo.
políticas sociais voltadas para a
questão do trabalho não Esta dinâmica criou as pré-
transitaram efetivamente para o condições para implementar,
patamar do contrato social, gradualmente, o modelo de
materializado nos princípios e proteção social defendido pelo
meios que regeram as políticas grande capital e pelas agências
do welfare state como um direito Financeiras internacionais,
de cidadania. Mesmo assim, as composto por sistemas
fragilidades existentes também corporativos, pelos seguros
não são suficientes para negar sociais privados e pela
que os trabalhadores brasileiros, assistencialização e/ou
a partir dos anos 80, adquiriram monetarização (renda mínima)
novos direitos, ampliaram o das ações voltadas para os
acesso a serviços públicos não antigos e novos excluídos do
mercantis e usufruíram do mundo do trabalho assalariado.
alargamento da oferta de
benefícios, como os da A segunda ordem de fatores
assistência social e da saúde, aponta para as necessidades
dentre outros. advindas do processo de
reestruturação da economia
Desta forma, ao criar as capitalista, tais como: a
condições para institucionalizar a globalização, a reestruturação
inclusão de alguns trabalhadores produtiva, uma nova divisão
excluídos do sistema de proteção internacional do trabalho e a
social (autônomos, trabalhadores reforma do Estado. Identificada
informais, desempregados), o como uma fase de superação do
Estado também promoveu a modelo fordista, estas
abertura do mercado privado de experiências redefinem as
serviços sociais, operando quase relações entre o capital e o
uma expulsão gradual dos trabalho, inaugurando um novo
trabalhadores assalariados, de padrão de acumulação com base
melhor poder aquisitivo, para o em outras estratégias de
mercado de serviços como é o aumento da produtividade e de
reorganização das formas de integração de cada País à ordem
competitividade. econômica internacional e cujas
prescrições são a redução do
Para intensificar a produtividade déficit público via corte de gastos
do trabalho, algumas estratégias sociais, a capitalização do setor
básicas vêm sendo privado prestador de serviços
implementadas de modo a sociais rentáveis e a
consolidar os novos modos de o desregulamentação do mercado
capital consumir e gerir a força de trabalho.
de trabalho.
Sob a direção dos organismos
Dentre elas, a redução do financeiros internacionais, a
trabalho vivo mediante o uso de principal estratégia política
novas tecnologias; a dispersão e utilizada para viabilizar as
descentralização da produção da reformas requeridas foi a
grande indústria em pequenas e despolitização da proteção social,
médias unidades de produção e a que passou a ser discutida sob a
ampliação, em larga escala, da égide da viabilidade financeira,
produção simples de mercadorias da eficácia e da
à moda do período incompatibilidade entre os
manufatureiro. sistemas de proteção social e as
novas configurações do mundo
No âmbito da Seguridade Social, do trabalho. Suas diretrizes são
podem-se apontar os processos recriar os mecanismos de
de privatização, focalização e mercado na provisão de serviços
descentralização como as sociais e/ou de repassar parte
estratégias centrais e dos fundos públicos para a área
mediadoras das mudanças privada; além de reter, na esfera
recentes. Elas evidenciam a pública apenas, programas
presença de uma concepção voltados para os grupos
neoliberal da política social na vulneráveis.
medida em que mercantilizam
serviços, restringem a ação da Apesar dos esforços impetrados
seguridade aos programas nos anos 80 para a ampliação dos
seletivos de combate à pobreza e programas sociais e para o
estimulam a descentralização das avanço da universalização, as
ações no sentido de criar um reformas recentes contribuem
novo federalismo fomentador de para a deterioração do setor
um suposto poder local autônomo público e consolidação de
e independente (do ponto de diferenças cada vez maiores na
vista financeiro e administrativo) qualidade dos serviços oferecidos
do poder central. aos distintos grupos sociais.

Sua implementação revela a Estas políticas são compostas por


subordinação da esfera social aos um conjunto de programas
objetivos macroeconômicos, voltados para o emprego e a
demarcados pelos mecanismos geração de renda. Na esfera das
de estabilização, propulsores da políticas de emprego, as ações
estão dirigidas especialmente de intervenção do Estado dos
para os trabalhadores anos 90.
desempregados e consolidam-se
em atividades de intermediação As indenizações de desemprego
de mão-de-obra, contam com o precário seguro-
formação/qualificação desemprego e, a partir de 1995,
profissional, indenizações por vêm incorporando outra
desemprego e incentivo aos modalidade de indenização
pequenos negócios. através dos Programas de
Desligamento Voluntário (PDV). A
A intermediação ou proposta é a utilização
agenciamento de empregos vem generalizada dos PDVs para os
sendo realizada pelo Sistema empregados do serviço público,
Nacional de Emprego (SINE) em contando inclusive com aportes
articulação com o Governo financeiros do BNDES.
Federal e os governos estaduais
através das Secretarias de Na área das políticas de geração
Trabalho e Ação Social. Nos de rendas, também os anos 90
Estados e Municípios esta assistiram à implementação do
intermediação do emprego e da Programa de Geração de
renda, em geral, confunde-se Emprego e Renda (PROGER),
com os programas de assistência tanto na área urbana como na
social. De outra forma, também a rural. Estas atividades – que
definição dos projetos de transitam entre o neosolidarismo,
emprego e renda são submetidos o financiamento de pequenos
ao crivo dos trabalhadores, negócios, a expansão do
empresários e representantes do assalariamento no campo e até a
governo através das chamadas formação de cooperativas de
comissões (estaduais e trabalho precário, vêm
municipais) de emprego e renda. fortalecendo o auto-emprego ou
pequenos empreendimentos
As políticas voltadas para a privados.
formação e qualificação
profissional, somente a partir de
1994, com a criação do Plano
Nacional de Formação
Profissional (PLANFOR), passam 4. Agrária
a se constituir um programa
público de educação e formação Resumindo os principais fatos
para o trabalho. Conta com acontecidos entre as décadas de
recursos do Fundo de Amparo ao 1930-60, podemos dizer que a
Trabalhador (FAT) e da União e partir de 1930 ocorreram: a
desenvolve ações coordenadas consolidação do País como
pela Secretaria de Estado/Nação; a derrubada das
Desenvolvimento e Formação oligarquias rurais de São Paulo e
Profissional (SEFOR), vinculada Minas Gerais na administração
ao Ministério do Trabalho. Trata- central do Brasil; a instalação de
se do principal programa social governos populistas,
nacionalistas, integralistas, os operários do Rio Grande do
ditatoriais, provisórios e Sul.
democráticos; a consolidação do
parque industrial nacional; o Na Constituição de 1946, foi
estabelecimento de leis estabelecido o direito rural e a
trabalhistas (urbanas e rurais); a desapropriação por interesse
elaboração e promulgação das social. Todavia, a maioria dos
Constituições Brasileiras; a governos e de deputados
organização sindical; o estaduais continuava sendo
crescimento da população representante das oligarquias
urbana; os incentivos rurais e, portanto, defendiam
governamentais à ocupação dos outras prioridades.
vazios demográficos do Centro-
Oeste e Norte do País, com a Os governos estaduais
constituição de colônias desenvolveram apenas o
agrícolas; eleições; golpes de Programa de Colônias, com
Estado; ditaduras; mudanças de assentamentos de famílias de
regime governamental; crises imigrantes no Centro-Sul do País,
econômicas; investimentos do de algumas unidades
capital internacional no País; experimentais destinadas aos
crises sociais, entre outros. brasileiros residentes nas
cidades que pretendiam voltar
No meio rural ocorreram para o meio e rural, que não
tentativas governamentais de participavam de nenhum
alteração da estrutura fundiária movimento de luta pela terra,
do País. Essas tentativas constam fora das regiões de conflito.
das Constituições Nacionais de Outros pontos do programa eram
1934 e 1946. Em 1934, foram os incentivos financeiros e fiscais
estabelecidas normas aos grandes projetos
fundamentais do Direito Rural, agropecuários destinados à
Código Rural, a função dos exportação e estabelecimento de
Estados membros em legislar e normas sobre a agricultura.
elaborar leis supletivas ou
complementares à legislação Com o passar dos anos os
federal, no sentido de, entre conflitos agrários acirram-se. Os
outros, instaurarem normas de trabalhadores rurais passaram a
organização do registro das reivindicar salários, pois a
pessoas rurais, registros prática acumulada de exploração
imobiliários, de marcas permitia que os latifundiários,
estabelecidas pelos proprietários, coronéis, não cumprissem com as
de passagem, de águas, de obrigações trabalhistas.
estradas, de contratos de compra Em regiões como o Sul,
e venda de gado, consolidação Nordeste, Sudeste e Centro-
das penalidades impostas aos Oeste, surgiram várias
que atentavam contra a organizações de trabalhadores
propriedade, instituição de um conhecidas por Ligas
órgão de Assistência Social para Camponesas.
Trombas e Formoso entre outras, conflitos, os militares baixaram
exigindo da União e dos governos uma série de atos institucionais
estaduais a desapropriação dos que foram agregados à
latifúndios por interesse social. Constituição de 1946 entre os
quais o Estatuto da Terra.
Na década de 60, esses
acontecimentos sociais, O Estatuto da Terra foi
reivindicam reformas de base. promulgado em novembro de
Nesse contexto a reforma agrária 1964, pelo Presidente General
ganhou corpo e atraiu vários Castelo Branco, objetivando
defensores nas sociedades civil e atender às reivindicações dos
política. trabalhadores com a
desapropriação de terras.
Em vista disso, o Presidente João
Goulart promulgou a legislação Esse Estatuto regulou os direitos
sobre a Reforma Agrária, qual e obrigações concernentes aos
determinava que esta fosse bens imóveis rurais para fins de
realizada nas terras devolutas da execução da Reforma Agrária e a
União e nas margens das promoção da política agrícola,
rodovias federais. Esse ato estabelecendo medidas para a
presidencial, bem como o seu distribuição da terra mediante
discurso na Candelária-RJ, alterações no regime vigente da
contendo propostas de realização posse e uso. Definiu, ainda,
de reformas de base, serviram de conceitos de política agrícola, de
justificativa pelos militares, para propriedade e função social da
darem o golpe militar em 1° de terra, de imóvel rural,
abril de 1964. propriedade familiar, minifúndio,
latifúndio, empresa rural,
Na realidade, a efervescência dos parceleiro, cooperativa integral
movimentos reivindicatórios por de reforma agrária e colonização.
mudanças políticas no País Assegurava, também, às
atrapalhava os interesses populações indígenas o direito á
capitalistas nacionais, aliados ao posse das terras que ocupavam
capital internacional, os quais ou que lhes seriam atribuídas, de
temendo as tendências acordo com a legislação especial
conjunturais e a influência dos que disciplinava o Regime
ideais comunistas cubanos e Tutelar a que estariam sujeitas.
soviéticos sobre a esquerda Em acréscimo definiu que a
nacional propagaram na União, os Estados, o Distrito
sociedade brasileira o medo do Federal e os Municípios deveriam
comunismo e a campanha pela unir esforços e recursos
Ordem, Progresso e Defesa da mediante convênios e/ou
Família e Propriedade, contratos para solucionarem os
objetivando assim, a garantia de problemas de interesse rural.
seus interesses.
Todavia, o Estatuto não saiu do
Contudo, para atender às papel. A problemática agrária
reivindicações ocasionadoras dos continuou existindo, com uma
pequena diferença: nos primeiros Na Constituição de 1988, o
dezoito anos que durou o regime direito de propriedade faz parte
militar, aparentemente acabou o do Capítulo dos Direitos e
conflito social. Isso, porque, os Garantias Fundamentais. As
movimentos sociais e/ou pessoas políticas agrícola, fundiária e a
que ousassem reivindicar reforma agrária são tratadas nos
mudanças na sociedade artigos 184 191. Nela, todavia
brasileira seriam enquadrados no continua sendo de competência
Ato Institucional n° 5, sofrendo da União a desapropriação por
torturas e/ou perseguições interesse social, para a Reforma
políticas. Agrária, havendo necessidade de
Lei Complementar para
Com a abertura política e com o estabelecer o processo judicial
revigoramento dos movimentos de desapropriação, com rito
populares, o cenário nacional foi sumário e procedimentos que
reordenado. Como não poderia agilizem a emissão na posse das
deixar de ser, o período de 1984- terras desapropriadas.
89, seria conhecido por Nova
República, culminado com a Dentro desse contexto
promulgação da Constituição de constitucional, percebe-se
1988. antagonismo de interesses entre
os trabalhadores e os
A composição do Congresso latifundiários. Como os
Nacional nesse período trabalhadores não encontraram
continuava favorável aos amparo legal na Constituição
defensores do grande capital. Federal, continuaram
Porém, nessa instituição, organizando-se em movimentos
passaram a existir sociais e ocupando terras –
representantes dos trabalhadores latifúndios em estado de não-
que, articulados com os produção – com o intuito de
movimentos sociais, elaborariam forçar o Estado a desapropriá-
projetos de leis favoráveis aos las, na perspectiva de assegurar
seus interesses, principalmente seus direitos de cidadania.
os relativos às questões sociais.
O Brasil, com sua dimensão
A Reforma Agrária foi um dos continental, tem comportado
temas mais polêmicos na uma grande diversidade de
Assembléia Nacional Constituinte movimentos sociais em partes
de 1987. A Emenda Popular, que diferentes de seu território, que
tratava da Reforma Agrária, lutam pela terra, contra a
mesmo conseguindo mais de um expropriação, a subordinação e a
milhão de assinaturas, não exploração. Entre esses
obteve sucesso no confronto com movimentos, encontram-se tanto
a União Democrática Ruralista os dos trabalhadores, como os do
(UDR), organização patronato, ou seja, de um lado, a
representativa dos proprietários luta das nações indígenas, dos
fundiários. posseiros, dos peões, dos
camponeses subordinados à
agroindústria, dos 5) O movimento dos camponeses
desapropriados das grandes contra a subordinação à
obras do estado, dos Brasiguaios, indústria, ou seja, a luta os
dos sem-terra e, de outro lado, a integrados. A chamada
UDR, e, a organização social do integração aparece na avicultura,
cooperativismo. na suinocultura, na produção do
fumo, de tomates, do alho, da
Dessa forma, o campo brasileiro cebola, da laranja, entre outros;
está inserido no seio das
contradições do desenvolvimento 6) O movimento dos Brasiguaios,
capitalista, forjando sua unidade que ocorre devido às
de luta na diversidade das suas transformações verificadas na
origens, demandas e agricultura do sul do País por
necessidades. meio da expansão da cultura de
soja, das crises sucessivas nas
Nessa diversidade de lutas, lavouras de café, das obras de
percebe-se que estes movimentos Itaipu e da expansão da
ora demarcam territórios fronteira, bem como do aumento
próprios, ora se articulam em do desemprego de trabalhadores
bandeiras comuns. Como recurso assalariados (os meeiros e
didático, optamos por enumerar arrendatários sem possibilidade
essas lu tas
○ a partir da de trabalho em terra de outrem);
constituição dos grupos mais
significativos: 7) O movimento dos bóias-frias,
por meio de greves e lutas. O
1) As nações indígenas lutam processo de desenvolvimento do
pela demarcação de seus capitalismo no Brasil tem
territórios, bem como tentam ampliado as relações de
acabar com a violência produção e de trabalho
capitalista que tenta lhes assentadas no assalariamento;
arrancar os últimos pedaços de
terras livres; 8) A Confederação dos
Trabalhadores na
2) Os posseiros antigos de terras Agricultura (CONTAG) e o
devolutas, sindicalismo no campo, embora
que têm que lutar por sua terra não seja, propriamente, um
de trabalho, enfrentando movimento, são atores políticos
grileiros e jagunços; fundamentais;
9) O Movimento dos
3) Os peões, que lutam contra Trabalhadores Rurais
formas de trabalho escravo; Sem-Terra (MST). Esse
movimento social apareceu no
4) Os camponeses, que lutam cenário nacional em 1985,
contra as desapropriações das durante seu Congresso, realizado
grandes obras (principalmente as em Curitiba-PR, no qual
barragens) do Estado; participaram
1.500 delegados representantes
de 20 unidades da federação. O
MST reivindica reforma agrária, condição de tutelada e
a titularidade para os posseiros gerenciada pelo poder público,
antigos, bem como o essa espécie de organização da
assentamento dos trabalhadores sociedade civil não desenvolveu
que são organizados por ele e todo potencial de atuação e
demais movimentos sociais e/ou barganha frente aos seus
grupos de mediadores. A concorrentes.
estratégia utilizada pelo MST Para superar essas limitações e
para alcançar seus objetivos suas contradições internas,
passa por uma saída política, dinamizar seu desenvolvimento
envolvendo conflitos, confrontos econômico e atuar de forma mais
e contradições de interesses que dinâmica na cadeia
são alvos de negociações, agroalimentar, o cooperativismo
regulações e mediações por deverá caminhar rumo à
parte do Estado e dos atores integração do sistema. Isso
sociais em presença; significa a utilização em comum e
de forma eficaz das condições
10) A União Democrática infra-estruturais já existentes em
Ruralista (UDR). alguns setores, bem como a
Essa entidade nasceu em 1985 diversificação de atividades e
como um movimento social, criação de infra-estrutura sólida
organizado pelo setor de comercialização, voltados
latifundiário, para, de um lado, para o mercado externo.
fazer frente à implantação do I
Plano Nacional de Reforma Significa, ainda, atuar mais
Agrária (PNRA) e, de outro lado, efetivamente no sistema de
agir com violência contra os crédito, de prestação de serviços,
movimentos dos posseiros e de pesquisa e desenvolvimento
trabalhadores rurais sem-terra; tecnológico; enfim, atuar
naqueles setores que lhe
11) O cooperativismo que permitam ocupar, de forma
assume, no Brasil, a condição de integrada, novos espaços na
movimento social, pois, embora cadeia agroalimentar e lhe
com relativa autonomia, graças à garanta um maior poder de
sua dinâmica interna, redireciona barganha frente aos
as relações com o Estado e concorrentes e até pressão junto
conquista novos espaços. ao poder público.

O cooperativismo agrícola no Nesse processo contraditório, o


Brasil encontrou-se, até a década MST tem demonstrado uma
de 80, bastante débil frente aos capacidade apreciável de
setores mais dinâmicos da cadeia articulação e poder de
agroalimentar, situação que foi aglutinação. Ao realizar
de certa forma, reforçada pelo ocupações de terra, com apoio de
Estado, mediante as políticas várias organizações da sociedade
voltadas ao setor rural em geral civil, como as Comunidades
e ao cooperativismo em Eclesiais de Bases (CEBs),
particular. Dessa forma, na associações de moradores,
sindicatos de trabalhadores 5. Habitação
rurais, Comissão Pastoral da
Terra (CPT), Central Única dos A moradia é uma das
Trabalhadores (CUT), necessidades básicas à
Organizações Não- reprodução social e da força de
Governamentais (ONGs), entre trabalho. A busca de um abrigo
outros, obtém força para sempre esteve presente na
pressionar o Estado. trajetória do homem na sua
incessante luta pela
O MST, também tem um projeto sobrevivência.
político de produção, de
educação para crianças, jovens e Para pensar a moradia como uma
adultos e formação política para questão social, que se torna
seus membros. Seu setor de objeto de intervenção estatal, é
comunicação interna – jornal, preciso ter como referência a sua
boletins, cartilhas – divulga e inserção numa conjuntura social
articula as lutas em todo o País, específica. É preciso ter em
mantendo uma relação em forma mente que decisões políticas
de rede de movimentos, que relativas à construção de casas
circula informações e apoio populares, financiamentos,
político nos âmbitos nacional e expansão de áreas urbanas e
internacional. outras, são oriundas da
correlação de forças que se
O problema agrário aponta para estabelece entre Estado e
duas situações de disparidades sociedade civil, e no interior de
que estão na base da questão cada uma dessas instâncias, para
social no Brasil. A primeira, diz fazer valer interesses
respeito à elevada concentração diferenciados.
de terras, tida como uma das
mais altas e injustas do mundo. E Historicamente, as expressões da
a segunda, diz respeito à questão de moradia, tais como: o
distribuição de renda. déficit de construções, as
péssimas condições
Objetivando resolver o problema habitacionais, a segregação
da exclusão social de que são espacial, o alto valor dos
vítimas, os trabalhadores se aluguéis, estão relacionadas ao
organizam para ocuparem terras contexto social e refletem as
de outrem e, assim, resolver suas determinações econômicas,
necessidades econômicas; ter sociais e políticas inerentes a
acesso a terra; e ao direito a uma cada época.
vida digna. Durante todo o
percurso de suas vidas, a Trata-se, portanto, de um
lembrança mais nítida diz problema estrutural das
respeito às árduas condições de sociedades capitalistas onde a
trabalho de todos seus moradia, enquanto mercadoria
familiares. assume um caráter especial em
função de dois eixos centrais, a
terra e o financiamento.
relações sociais entre burgueses,
A terra, pensada no sentido de proletários e diferentes
solo urbanizado que viabiliza a segmentos de classes.
moradia na cidade, ou seja,
incluindo infra-estrutura, O processo de industrialização
serviços públicos e equipamentos acelerou o crescimento das
sociais. E o financiamento, cidades ao mesmo tempo em que
porque ele é freqüentemente fez emergir alguns problemas
exigido por causa do alto custo sociais vinculados à questão
para adquirir este objeto de habitacional, tais como: o
consumo. Para o financiamento crescimento demográfico, a
de construção de novas aglomeração de populações nos
residências no Brasil, destacam- centros urbanos, a valorização do
se duas linhas de créditos. solo urbano (da terra), a
segregação social e espacial,
Uma constituída com os recursos entre outros.
do Fundo de Garantia por Tempo
de Serviço (FGTS) para atender A função econômica da cidade
prioritariamente à construção de exigiu modificações do espaço
casas de interesse social urbano de modo que as cidades
(conjuntos populares e passaram a apresentar um novo
cooperativos). formato. A urbanização se fez
presente transformando os
E, outra, formada pelas modos de utilizar social e
cadernetas de poupança e, em economicamente os espaços.
algumas vezes, pelas letras A divisão social da cidade trouxe
imobiliárias, mais dirigidas para no seu bojo, entre outros fatores,
os estratos médios e altos. a separação de bairros de acordo
com a renda dos seus moradores,
É interessante ressaltar alguns a instalação de uma infra-
aspectos referentes às cidades, estrutura e de equipamentos
para situar a relação entre a coletivos (escola, igreja,
política habitacional e a hospitais, postos policiais e
urbanização, migrações e outros), a criação de uma rede
movimentos sociais envolvidos viária, visando facilitar a
com a questão da moradia. comunicação entre os diversos
setores da cidade (indústria,
A cidade deve ser apreendida comércio, zona residencial e
historicamente como o outros). O cerne da questão
entrelaçamento de uma urbana está relacionado ao
multiplicidade de determinações consumo de bens e serviços
– sociais, políticas, econômicas, coletivos que são necessários
culturais – refletindo a totalidade tanto ao processo produtivo
na qual ela se insere. Ela tem como à reprodução da força de
sido o ponto de convergência de trabalho e da sociedade de
diversos processos (migrações, classes.
mobilidade social, urbanização e
outros) bem como de diferentes
A política urbana compreende estabelecida entre Estado e
dois campos analíticos sociedade civil.
indissoluvelmente ligados à
realidade social. São eles: a Datam de 1882 a 1885 as
planificação urbana e os primeiras ações relativas à
movimentos sociais urbanos. O habitação na sociedade
primeiro refere-se à intervenção brasileira. Elas compreendiam
do Estado na organização do dois conteúdos básicos: a saúde
espaço e nas condições sociais de pública e as concessões de
reprodução da força de trabalho. incentivos. Com relação ao
O segundo diz respeito ao estudo primeiro aspecto é enfatizado o
da articulação de classes temor de que ocorresse o
envolvendo a luta política. alastramento do surto de
epidemias por todos os espaços
A política habitacional ao fazer urbanos, inclusive os habitados
parte da política urbana deve ser por segmentos de alta renda.
apreendida na inter-relação dos Neste sentido, algumas medidas
movimentos sociais com o adotadas pelos governos estavam
Estado. relacionadas à higiene dos
cortiços e demais habitações que
Busca-se, com isto, mostrar que a abrigavam a população de baixa
decisão de interferir no espaço renda. As concessões de
urbano é fruto da luta política incentivos,
que se estabelece entre os por exemplo, a isenção de
movimentos que reivindicam imposto predial às empresas que
respostas às questões relativas à construíssem habitações para os
moradia e aos representantes do operários e pobres, constituiu-se
governo. As cidades, na sua num recurso bastante utilizado
trajetória histórica, têm sido pelo Estado. Entre 1889 e 1902,
palco de várias formas de lutas houve o incentivo às empresas
envolvendo questões relativas a para construir vilas operárias
terra, à habitação e aos bens de aliado à isenção de impostos. Em
consumo coletivo. Neste sentido, algumas cidades brasileiras
as lutas por moradia têm ainda hoje encontramos
contribuído para que esta seja resquícios dessas vilas
incluída em alguns planos de construídas próximas às
governos. indústrias.
Portanto, a urbanização, a
migração, os movimentos sociais Tem-se conhecimento de que em
são fatores que interferem nas 1906, o Estado, além de
decisões políticas de privilegiar a estimular as empresas, assumiu
moradia como uma questão para si à responsabilidade de
social que deve ser objeto da construir habitação popular. Um
política habitacional. Esta exemplo da época foi a
política vai funcionar como construção de 120 unidades
mediadora de conflitos de habitacionais destinadas aos
interesses divergentes, de modo operários pela Prefeitura do Rio
a ressaltar a relação dialética de Janeiro. A partir de 1920. O
Estado institucionaliza esta moradias, o BNH passou, entre
modalidade intervenção. 1970 e 1975, a trabalhar com
Em 1923, surgem iniciativas outras linhas de financiamento,
privadas de seguro social no tais como: o saneamento básico e
Brasil com a criação das o desenvolvimento urbano.
primeiras Caixas de
Aposentadorias e Pensões ligadas Convém ressaltar que, embora
aos trabalhadores das estradas ocorresse o desvirtuamento dos
de ferro. Durante os anos 30, propósitos do BNH houve
gradativamente, as Caixas vão algumas tentativas de
sendo substituídas pelos redirecioná-lo mediante a criação
Institutos de Aposentadoria e de alguns programas específicos
Pensões governamentais que voltados para os segmentos de
assumem algumas funções no baixa renda, tais como: o Plano
campo habitacional, tal como o Nacional de Habitação Popular
financiamento de casas para os (PLANHAP), em 1973; o
associados das organizações de Programa de Lotes Urbanizados,
seguro. em 1975 e reformulado em 1978;
o Programa de Financiamento
Foi em 1946 que surgiu o Industrial para Construção,
primeiro esboço de uma política Aquisição e Melhoria de
habitacional para o País, com a Habitação de Baixa Renda
criação da Fundação da Casa (FICAM), em 1977, o Programa
Popular, objetivando centralizar e de
coordenar as atividades de Erradicação da Sub-Habitação
pesquisa, diagnóstico, (PROMORAR), em 1979; o
planejamento e financiamento no Programa Nacional para o
campo da habitação. Esta Trabalhador Sindicalizado
entidade pouco exerceu as suas (PROSINDI), em 1980. Mas, o
funções limitando-se a conceder BNH não resistiu e foi extinto em
financiamentos arcados, muitas 21/11/86, pelo Decreto-lei n°
vezes, pelos Institutos, uma vez 2.291. A partir daí, foram
que não contava com fontes de transferidos os seus direitos e
recursos próprios. obrigações para a Caixa
Econômica Federal, que passou a
Em 1964, com a Lei n° 4.320/64, ser o carro-chefe da política
que instituiu o Sistema habitacional, no que se refere ao
Financeiro da Habitação, foi Sistema Financeiro da
criado o Banco Nacional da Habitação.
Habitação (BNH), com o objetivo
de promover a construção e A década de 80 foi marcada por
aquisição da casa própria, uma ênfase nos programas
especialmente para as famílias alternativos que emergiram no
de baixa renda. A partir deste contexto de crise do estado.
momento, a intervenção estatal, Visavam o barateamento do custo
no âmbito da política final da unidade habitacional; a
habitacional, ocorreu com mais melhoria da qualidade de vida da
firmeza. Além da construção de população, especificamente por
meio do saneamento básico; a Em 1988, houve uma nova
promoção da autoconstrução e a alteração na denominação que
participação popular. Entre os passou a ser Ministério de
programas destacam-se: o Habitação e Bem-Estar (MBES) e
Programa Nacional de o remanejamento de instituições.
Autoconstrução e o Projeto João Em janeiro de 1989, com as
de Barros (PNA/PJB), criados em medidas econômicas do Plano
1984 para minimizar as Verão, o Ministério foi extinto, a
dificuldades oriundas do Caixa Econômica Federal passou
processo espontâneo de a ser vinculada ao Ministério da
construção de moradias; o Fazenda, que assumiu o controle
FICAM, que permitia a do Sistema Financeiro de
contratação de pequenas Habitação.
empreiteiras para execução dos
serviços ou simplesmente o A política habitacional continua
financiamento do material para nos anos 90 com uma série de
construção; o barateamento do programas que não deixam
custo da unidade habitacional, transparecer alterações
para atender às famílias de baixa significativas na forma de
renda. encarar a questão da moradia.
No entanto, vale enfatizar alguns
A crise institucional, em torno de aspectos fundamentais presentes
o dilema nos governos de Collor, Itamar
centralizar/descentralizar, Franco e Fernando Henrique
provocou alterações constantes Cardoso.
nas instituições gerenciadoras da
política habitacional. Para O Plano de Ação Imediata para a
exemplificar, até 1985, o Habitação
Ministério do Interior, por meio (PAIH), lançado por Collor, em
do Conselho Nacional de maio de
Desenvolvimento Urbano 1990 surgiram como uma medida
(CNDU), comandava as ações e o emergencial para financiar, em
debate em torno da política 180 dias, cerca de 245
urbana no Brasil. Em março de habitações.
1985, foi criado o Ministério de
Desenvolvimento Urbano e Meio Este objetivo não foi alcançado. A
Ambiente (MDU), que assumiu a proposta do PAIH envolveu o
responsabilidade da política Programa de Moradias Populares
habitacional, ao lado das (unidades acabadas), o Programa
políticas de saneamento básico, de Lotes Urbanizados (com o sem
desenvolvimento urbano e meio cesta básica de materiais) e o
ambiente. Em 1987, houve Programa de Ação Municipal
mudanças quanto à denominação para Habitação Popular
do Ministério, que passou a ser (unidades acabadas e lotes
Ministério da Habitação, urbanizados). Ainda em relação
Urbanismo e Maio Ambiente ao governo Collor, destacamos
(MHU) e a vinculação da Caixa outros itens como: a inexistência
Econômica Federal a este órgão. de propostas significativas para
modificar em profundidade o Traços destas idéias foram
SFH; a adoção de algumas absorvidos pelo governo FHC,
medidas para facilitar a quitação que criou a Secretaria de Política
da casa própria e o vínculo da Urbana vinculada ao Ministério
política habitacional com o do Planejamento, reconhecendo
Ministério da Ação Social através a relevância de um canal de
da Secretaria Nacional de participação democrática e
Habitação gestão da política habitacional.
. No entanto, algumas medidas
Durante o governo Itamar Franco assumidas pelo governo FHC,
foi lançados o Programa Habitar tais como: a extinção das
Brasil, voltado para municípios Câmaras Setoriais de
de mais de 50 mil habitantes, e o Construção; o veto à Lei do
Morar Município, destinado aos Saneamento aprovada pelo
Municípios de menor porte. Os Congresso e fruto do debate de
programas, apesar de diversos agentes, são sintomas
denominações distintas, da forma autoritária de exclusão
apresentavam as mesmas da participação popular. Alguns
características básicas. Entre pontos da sua proposta para a
elas, cabe mencionar: a questão da habitação dizem
vinculação com o Ministério do respeito: à discussão da política
Bem-Estar Social; a criação habitacional integrada à política
obrigatória de um Conselho urbana e de saneamento
Estadual ou Municipal de Bem- ambiental; à defesa de uma
Estar Social; assim como de um política fundiária urbana que não
Fundo Estadual ou Municipal de incentive a formação de estoques
Bem-Estar Social; a população- de terras para fins especulativos;
alvo constituída de famílias de ao reforço ao papel dos
baixa renda ou vivendo em áreas governantes municipais para
de risco; a orientação para a assumirem a promoção da
utilização do regime de trabalho habitação popular, inclusive a
de ajuda mútua ou auto-ajuda urbanização de favelas; ao apoio
nos casos de construção de aos programas geradores de
moradias ou melhorias tecnologia simplificada para a
habitacionais. Os programas construção de moradias de
dependiam de verbas qualidade com custo reduzido.
orçamentárias ou de recursos
advindos do Imposto Provisório Para operacionalizar estas
sobre movimentação Financeira diretrizes foi criado um novo
(IPMF). Do ponto de vista aparelho institucional, qual seja
político, os programas uma Secretaria de Política
apresentaram um avanço quanto Urbana vinculada ao Ministério
à gestão da política habitacional de Planejamento, e instituídos
através dos conselhos e a vários programas, como por
constituição de fundos exemplo: Pró-moradia, Habitar
específicos para habitação. Brasil, Apoio à Produção, Carta
de Crédito Individual e
Associativo. No segundo mandato
de FHC foi criado o Ministério de programas adotados em
Política Fundiária. momentos distintos é necessária
para minimizar a questão da
A política habitacional expressa à moradia, mas não é suficiente
resposta do estado aos conflitos para solucioná-la. A política
sociais por moradia. Ela é habitacional tem de ser
resultante de uma relação articulada a uma política de
dialética entre sociedade e desenvolvimento econômico e
Estado onde interesses, social que, entre outros aspectos,
diferenciados ou não, se gere empregos, aumento o nível
interpenetram, se confrontam e de renda, redefina o Sistema
produzem influências mútuas. O Financeiro Habitacional,
Estado e a sociedade sofrem estabeleça normas para o
modificações e transformações mercado imobiliário e de terra. O
durante o processo de luta, um e seu caráter estrutural exige a sua
outro recuam e/ou avançam para vinculação aos determinantes
fazer valer as suas prerrogativas sociais, econômicos e políticos,
num momento específico de uma bem como o reconhecimento de
determinada conjuntura. As lutas uma trama de relações e
por moradia perpassam o Estado articulações que interferem na
fazendo ressonar no seu interior decisão política de privilegiá-la
seus protestos, suas enquanto objeto de intervenção.
reivindicações, suas pretensões
que, muitas vezes, são Referências Bibliográficas
materializadas em medidas
concretas. Com isto se quer ALMEIDA, Ney Luiz Teixeira de.
enfatizar que as contradições Educação Pública e Serviço Social
geradas por momentos no Rio de Janeiro. In: VIII
conjunturais distintos permitem Congresso Brasileiro de
visualizar o Estado, do ponto de Assistentes Sociais. Brasília:
CFESS, 1995. (Caderno de
vista teórico e prático, como um
Comunicações).
espaço contraditório onde há o
cruzamento de uma CABRAL, Maria do Socorro Reis;
multiplicação de interesses. DOMINGUES, S. A Previdência
Social e a
Neste sentido, a pretensão é Revisão Constitucional. In: Serviço
mostrar que, a força, a Social e
organização e o poder de Sociedade. São Paulo: Cortez, n°
mobilização das lutas por 44, 1994.
moradia são refletidos no seio do
Estado. CABRAL, Maria do Socorro Reis.
O acompanhamento da trajetória Previdência Social: mentiras e
da política verdades. In: VIII Congresso
Brasileiro de Assistentes Sociais.
habitacional na sociedade
Brasília: CFESS, 1995. (Caderno de
brasileira possibilita a afirmação Comunicações).
de que ela não tem sido
prioritária em relação às demais
políticas. A diversidade de
GONÇALVES, Maria da Conceição
Vasconcelos. Favelas Teimosas:
lutas por moradia. Brasília:
Thesaurus, 1998.

MOTA, Ana Elizabete. Cultura da


Crise e Seguridade Social. São
Paulo: Cortez, 1995.

RIBEIRO, L. C. Q. e PECHMAN, R.
M. O que é a questão da
moradia. São Paulo: Brasiliense,
1985.

SOUSA, Regina Sueli de. Ordem e


Contra-
Ordem: o Processo Político
Constitutivo do
MST, na Especificidade do
Assentamento Rio
Vermelho. Brasília: UNB, 1997.
SILVA E SILVA, Maria Ozanira.
Política Habitacional Brasileira:
verso e reverso. São
Paulo: Cortez, 1989.

STÉDILE, João Pedro (Org.). A


Reforma Agrária e a Luta do
MST. Petrópolis: Vozes, 1997.