Você está na página 1de 16

Segunda Revolução Industrial e

contexto histórico
Revisando
I Revolução Industrial

A Primeira Revolução Industrial teve início na Inglaterra por volta de 1750, e logo
alcançou a França, a Bélgica e posteriormente a Itália, a Alemanha, a Rússia, o
Japão e os Estados Unidos. Por essa época, as atividades comerciais comandavam o
ritmo da produção. A mecanização se estendeu do setor têxtil para a metalurgia,
para os transportes, para a agricultura e para outros setores da economia. Diversos
inventos revolucionaram as técnicas de produção e alteraram o sistema de poder
econômico. E foi isso o que aconteceu com a Inglaterra, sendo o primeiro país a se
industrializar utilizando a máquina na produção: a máquina de fiar, o tear
mecânico e a máquina a vapor.
II Revolução Industrial

Iniciou-se na segunda metade do século XIX (1850 - 1870), e terminou durante a Segunda
Guerra mundial (1939 - 1945)
Com o desenvolvimento efetivo da atividade industrial em diversas partes do mundo, os donos
dos meios de produção e capitais começaram a direcionar recursos financeiros para o
desvendamento e criação de novas tecnologias como procedimentos produtivos, máquinas,
equipamentos entre outros, todos com intuito de dinamizar e acelerar a produtividade e
automaticamente os percentuais de lucros. A 2ª revolução industrial foi um aprimoramento e
aperfeiçoamento das tecnologias da Primeira Revolução.
Êxodo Rural
Por fim, vale lembrar que este fenômeno
sempre existiu, mas se intensificou após a
Revolução Industrial do século XVIII,
quando as cidades europeias passaram a
receber cada vez mais camponeses. Por
sua vez, nos países subdesenvolvidos,
onde o processo de industrialização é
mais recente e acelerado, o fenômeno do
êxodo rural acaba sendo mais acentuado.
Acelerando o processo de urbanização
nas cidades industriais.
Condições de trabalho:

As fábricas não eram ambientes adequados de trabalho, tinham péssimas


condições de iluminação e ventilação. Não haviam medidas nem
equipamentos de segurança para os operários, muitos se acidentavam e
contraíam graves doenças. A média de vida dos trabalhadores era muito
baixa comparada à de hoje. A jornada de trabalho chegava até 16 horas por
dia, sem direito a descansos e férias. Os salários eram baixíssimos,
garantindo ainda mais lucros aos proprietários, e a disciplina era rigorosa
para manter o aumento da produção. Os trabalhadores não tinham direitos e
nem o amparo social. Mulheres e crianças trabalhavam da mesma maneira
que os homens, nas mesmas condições, mas o salário pago a eles era bem
mais baixo. Portanto, era muito mais lucrativo contratá-los. E pelos baixos
valores oferecidos, era fundamental que todos da família trabalhassem.
• Principais características da Segunda Revolução Industrial:

- Forte desenvolvimento tecnológico aplicado, principalmente, às indústrias elétrica,


química, metalúrgica, farmacêutica e de transportes;

- Época de importantes invenções (veja relação abaixo) tecnológicas que melhoraram


muito a qualidade de vida das pessoas e ajudaram a aumentar a produção das indústrias;

- Estados Unidos e Alemanha despontam como grandes potências industriais e


econômicas, juntos com Inglaterra e França;
-A população urbana passa a ser maior do que a rural na Europa, O êxodo rural é motivado
pelos empregos gerados nas indústrias das cidades;

- Utilização do gás e petróleo como combustíveis e fontes importantes de geração de


energia. O carvão mineral começa, aos poucos, ficar em segundo plano;

- Uso da energia elétrica na iluminação urbana, residencial e industrial;

- Utilização do sistema de linha de produção nas indústrias.


• Principais invenções tecnológicas deste período:

- Prensa móvel
- Motor de combustão interna
- Telefone
- Rádio
- Autofalante
- Fita elétrica
- Furadeira elétrica
- Microfone
- Gramofone
- Refrigerador
- Filme fotográfico
- Antena
- Cinema
- Automóvel
- Lâmpada elétrica
- Fonógrafo
- Válvula eletrônica
- Raio X
A reinvindicação de direitos e os sindicatos
Os sindicatos surgiram para propiciar a passagem da dispersão e
impotência dos assalariados diante dos patrões para o início da união dos
trabalhadores em torno de seus interesses.
As primeiras associações de trabalhadores surgiram na Inglaterra, onde
eram violentamente reprimidas e obrigadas a atuar na
semiclandestinidade. Em 1824 o parlamento inglês aprovou o direito à
livre associação. Os sindicatos se espalharam por toda o país, em todos os
ramos industriais. A obtenção de conquistas, como regulamento dos
salários e de aumentos, tornaram-nas referência para os proletários na luta
econômica.
A primeira organização independente na história do movimento operário
com consciência de classe também nasceu na Inglaterra nos anos 1830: o
Cartismo. Ele demonstrou a importância dos trabalhadores atuarem
organizados na luta política.
Filmes indicados
Germinal
Condições de trabalho e ideologia
https://www.youtube.com/watch?v=6O7FdsR7F-A
Cotidiano
https://www.youtube.com/watch?v=mrEMFNnZLs4
Greve dos trabalhadores
https://www.youtube.com/watch?v=skhX-G5b5UU
Tempos Modernos
https://www.youtube.com/watch?v=KPgxcat-zYo

Você também pode gostar