Você está na página 1de 6

Manutenção Mecânica – Lista de exercícios

Unidade 5 – Métodos e Ferramentas para o aumento da confiabilidade

1 – O MTBF para um componente automotivo é 6000horas. Qual é a probabilidade de falha para o componente
antes de 7000horas de operação?
Solução: Se o componente tem MTBF ele está no período de vida útil e é reparável. Por estar no período de vida
útil a taxa de falhas é constante e por isto nós vamos usar a distribuição exponencial para calcular a
𝑡 6000
− −
confiabilidade. 𝑅(𝑡) = 𝑒 −𝜆𝑡 = 𝑒 𝑀𝑇𝐵𝐹 = 𝑒 7000 = 0,4244
Como está sendo pedido a probabilidade de falha e F(t) + R(t) = 1, então F(t) = 1 – R(t) = 0,5756 = 57,56%

2 – Certo equipamento tem um MTBF de 300horas. Assumindo que este equipamento está no período de vida
útil qual é o tempo máximo de operação permissível se uma confiabilidade de 0,999 é requerida para o
equipamento?
Solução: Como o equipamento tem MTBF ele está no período de vida útil e portanto nós vamos usar a
𝑡

distribuição exponencial para calcular a confiabilidade, ou seja, 𝑅(𝑡) = 𝑒 𝑀𝑇𝐵𝐹
A confiabilidade R(t) é conhecida igual a 0,999. R(t) = 0,999. Queremos calcular o tempo.
𝑡

Assim 0,999 = 𝑒 300
Para resolvermos esta equação temos que aplicar logaritmo neperiano nos dois membros.

𝑡
− 𝑡
ln 0,999 = ln 𝑒 300 ; -1,0005 x 10 -3 = - . Assim t = 0,3 horas.
300

3 – Se um componente sobreviveu por 90dias, qual é a probabilidade de que ele não falhará durante os próximos
90dias, assumindo que ele está no período de vida útil e a taxa de falha é 3x10-04 por hora.
Solução: O problema quer calcular a confiabilidade do componente para 90 dias. Se ele está no período de vida
(3 − 04 )𝑥
útil usa-se a distribuição exponencial. R(t) = 𝑒 − 𝜆𝑡 = 𝑒 − 𝑥 10 2160
= 0,5231 = 52,31%
Não se esqueça de que o tempo está em dias e a taxa de falhas está em horas. 90 dias = 2160 horas.

4 – Para um componente em vida útil qual é a probabilidade dele sobreviver num tempo de operação igual a
duas vezes o MTBF?
Solução: t = 2MTBF
𝑡 2𝑀𝑇𝐵𝐹
Assim, R(t) = 𝑒 − 𝑀𝑇𝐵𝐹 = 𝑒 − 𝑀𝑇𝐵𝐹 = 𝑒 − 2 = 0,1353 = 13,53%
5 - O componente 1 tem uma taxa de falha exponencial de 3x10-4 falhas por hora. O componente 2 é
normalmente distribuído com uma média de 600horas e um desvio padrão de 200horas. Assumindo
independência, calcule a confiabilidade do sistema após 200horas.

1 2

Solução: Os componentes 1 e 2 estão associados em série. Então a confiabilidade do sistema será:


𝑅𝑆𝐼𝑆𝑇 (𝑡) = 𝑅1 𝑥 𝑅2

Vamos calcular primeiro a confiabilidade do componente 1. Ele tem taxa de falha exponencial, portanto está no
−4
período de vida útil. R1(t=200hs) = 𝑒 − 3 𝑥 10 𝑥 200
= 0,9418

O componente 2 é normalmente distribuído, portanto está no período em que a taxa de falha é decrescente,
período de degradação. Vamos usar a distribuição normal para calcular a taxa de falha.
𝑡− 𝜇 200−600
𝑧= = = - 2. Na tabela da distribuição normal vemos que para z = -2 a probabilidade de falha
𝜎 200
é 0,0228 e portanto a confiabilidade R2(t=200hs) = 0,9772
Assim 𝑅𝑆𝐼𝑆𝑇 (𝑡) = 𝑅1 𝑥 𝑅2 = 0,9418 x 0,9772 = 0,9203 = 92,03%
6 – Um tipo de bulbo de uma lâmpada demonstrou em testes uma taxa de falha constante de 0,007horas. Qual é
a probabilidade que este tipo de bulbo falhará em menos de 200horas?
Solução: F(t) = 1 – R(t)
R(t) = 𝑒 − 0,007 𝑥 200 = 0,2466
F(t) = 1 – 0,2466 = 0,7534 = 75,34%
7 – Um relê de estado sólido tem uma taxa de falha constante de 0,003 por hora. Qual é a probabilidade deste
relê sobreviver por 100 horas?
Solução: R(t) = 𝑒 − 0,003 𝑥 100 = 0,7408 = 74,08%

8 – Um componente tem um MTTF de 900 horas e uma taxa de falha constante. Qual é a probabilidade de 3
destes componentes sobreviver por 1000horas?
Solução: Se nós necessitamos que três destes componentes sobrevivam (não falhem) eles estão associados em
série. Assim a confiabilidade do sistema será o produto da confiabilidade dos três componentes.
RSIST = R1 x R2 x R3. Como os três componentes são iguais porque eles têm o mesmo MTTF podemos
concluir que: RSIST = R3
Para calcular o R: Como eles têm MTTF estão no período de vida útil:
1000
R(t = 1000 hs) = 𝑒 900 = 0,3292
RSIST(t = 1000 hs) = (0,3292)3 = 0,0357 = 3,57%
9 – Um sistema está no período de vida útil com taxa de falha constante =0,0072 falhas/hora. Qual a
probabilidade deste sistema sobreviver após 10horas de funcionamento?
Solução: R(t) = 𝑒 − 0,0072 𝑥 10 = 0,9305 = 93,05%

10 – Um circuito eletrônico tem uma probabilidade de falhar de 10% em 10 dias de funcionamento. Qual a
confiabilidade deste sistema nos próximos 5 dias se ele está operando no período de vida útil?
Solução: F(t = 10 dias) = 0,10. Então R(t = 10 dias) = 0,90.
Queremos calcular a confiabilidade nos próximos 5 dias. Como ele está no período de vida útil a taxa de falhas é
constante.
Para calcular R(t = 5 dias) = 𝑒 − 𝜆 𝑥 5 . Precisamos calcular a taxa de falha λ

Sabemos que para 10 dias R(t = 10 dias) = 0,90.


− 𝜆 𝑥 10
0,90 = 𝑒
ln 0,90 = ln 𝑒 − 𝜆 𝑥 10
- 0,10536 = - λ x 10
λ = 0,010536

Então, agora podemos calcular a confiabilidade para 5 dias.


R(t = 5 dias) = 𝑒 − 0,010536 𝑥 5 = 0,9487 = 94,87%
11- As três opções de configurações abaixo são basicamente comparáveis em custo e são consideradas um caso
particular do segmento de um sistema. As opções são:
A .90

Opção I -
B .85
88
5

C
Opção II – .97

D
E
.95 .95
Opção III –

F .90

Todos os equipamentos (A, B, C, D, E e F) operam independentemente um do outro e tem valores de


confiabilidade conforme indicados no diagrama. Qual das três opções é mais confiável?
Solução: Neste caso temos que calcular as confiabilidades dos sistemas das opções I e III, uma vez que da opção
II já sabemos que é 0,97.

RSIST = 1 – [(1- R1) x (1 – R2)]


Opção I – Temos uma associação em paralelo.
RSIST = 1 – [(1- 0,90) x (1 – 0,85)] = 0,985
Opção III – Temos primeiro que resolver a associação em série do componente D com o E. Depois o resultado
estará em paralelo com o F.

Série do D com o E – 0,95 x 0,95 = 0,9025

Agora o paralelo: RIII = 1 – [(1 – 0,9025)(1- 0,90)] = 0,9903


Portanto a opção III tem a confiabilidade mais alta.

16- São dados os componentes com as seguintes confiabilidades:

R1= 0.99, R2= 0.98, R3= 0.97

Determine a confiabilidade do sistema:

R1 R2 R3

R1 R2 R3

Solução: Primeiro temos que resolver a associação em série: 0,99 x 0,98 x 0,97 = 0,9411

Depois o paralelo: RSIST = 1 – (1 – 0,9411)2 = 0,9965 = 99,65%


12 – Um compressor usado em um processo industrial está no período de degradação (taxa de falhas crescentes)
e pode ser modelado usando-se a distribuição normal. O compressor tem um tempo médio de falhas de 8.000
horas com um desvio padrão de 760 horas. Qual é a probabilidade do compressor falhar em um tempo inferior a
7.500 horas?
Solução: Temos que calcular o valor de Z e procurar as probabilidades na tabela da distribuição normal.

𝑡− 𝜇 7500−8000
Z= = = −0,66
𝜎 760

Pela tabela: A probabilidade do compressor falhar é 0,2546 ou 25,46%.

Caso fosse pedida a probabilidade do compressor não falhar, ou seja, a confiabilidade, seria 0,7454 ou
74,54%
13- Dez unidades foram testadas para que pudesse ser determinado o MTTF da unidade. As unidades que
falharam não foram substituídas. Quatro unidades falharam para os seguintes tempos: t1=400 horas, t2=740
horas, t3=1240 horas e t4=1620 horas. O teste foi suspenso em 2000 horas sem que tivessem ocorrido outras
falhas. Qual é o valor estimado para o MTTF e para a taxa de falha, respectivamente?
𝑇𝑒𝑚𝑝𝑜 𝑡𝑜𝑡𝑎𝑙 𝑑𝑒 𝑡𝑒𝑠𝑡𝑒 𝑛ú𝑚𝑒𝑟𝑜 𝑑𝑒 𝑓𝑎𝑙ℎ𝑎𝑠
Solução: MTTF = e taxa de falhas é λ =
𝑛ú𝑚𝑒𝑟𝑜 𝑑𝑒 𝑓𝑎𝑙ℎ𝑎𝑠 𝑇𝑒𝑚𝑝𝑜 𝑡𝑜𝑡𝑎𝑙 𝑑𝑒 𝑡𝑒𝑠𝑡𝑒

O tempo das dez unidades tem que entrar no cálculo.


400+740+1240+1620+2000+2000+2000+2000+2000+2000
Assim, MTTF = = 4000 horas
4

4
A taxa de falha λ = 400+740+1240+1620+2000+2000+2000+2000+2000+2000 = 2,5 𝑥 10− 4 𝑓𝑎𝑙ℎ𝑎𝑠/ℎ𝑜𝑟𝑎

14 – Um sistema está sendo projetado para ter uma probabilidade de não falhar de 93%, nas 100 primeiras horas
de funcionamento. Usando a distribuição exponencial para modelar a taxa de falhas do sistema, qual é o valor
do MTBF do sistema?
Solução: R(t = 100 horas) = 0,93

𝑡 100
R(t) = 𝑒 −𝑀𝑇𝐵𝐹 ou seja, 0,93 = 𝑒 −𝑀𝑇𝐵𝐹
100
ln 0,93 = ln 𝑒 −𝑀𝑇𝐵𝐹
100
-0,07257 = -
𝑀𝑇𝐵𝐹

MTBF = 1.377,97 horas


15 –Qual é a probabilidade do sistema abaixo não falhar, conhecendo-se a confiabilidade de cada subsistema?

0.99

0.95

0.93

Solução: Temos uma associação em paralelo. RSIST = 1 - [(1 – 0,99)(1 – 0,95)(1-0,93)]


= 0,999965
16 - Dez unidades foram submetidas a um teste de confiabilidade de 3.600 horas de duração. Durante este teste,
cinco falhas foram registradas como segue, e as unidades que falharam não foram substituídas.
Unidade Falha (
# Hora)
1 790
2 1.300
3 2.200
4 2.900
5 3.500

Qual é a melhor estimativa para o MTBF?


𝑇𝑒𝑚𝑝𝑜 𝑡𝑜𝑡𝑎𝑙 𝑑𝑒 𝑡𝑒𝑠𝑡𝑒 790+1300+2200+2900+3500+5 𝑥 3600
Solução: MTTF = = = 5738 horas
𝑛ú𝑚𝑒𝑟𝑜 𝑑𝑒 𝑓𝑎𝑙ℎ𝑎𝑠 5

17 - Dados os componentes com as seguintes confiabilidades: R1 = 0,89; R2 = 0,93 e R3 = 0,87. Determine a


confiabilidade do sistema seguinte:

R2

R1 R1
R3

Solução: Primeiro temos que resolver o paralelo de R2 com R3.

R = 1 – [(1 – 0,93)(1 – 0,87)] = 0,9909

Depois resolvemos os três em série: RSIST = 0,89 x 0,9909 x 0,89 = 0,7849 = 78,49%
18 - Se sete itens foram testados para 50 horas cada um, e itens falharam para 20, 38 e 42 horas respectivamente,
qual é o MTBF do item?
𝑇𝑒𝑚𝑝𝑜 𝑡𝑜𝑡𝑎𝑙 𝑑𝑒 𝑡𝑒𝑠𝑡𝑒 20+38+42+4 𝑥 50
Solução: MTTF = = = 100 ℎ𝑜𝑟𝑎𝑠
𝑛ú𝑚𝑒𝑟𝑜 𝑑𝑒 𝑓𝑎𝑙ℎ𝑎𝑠 3
19 - Determinar a confiabilidade do sistema abaixo:

.90

.95 .99

.90

Solução: Calcula-se primeiro o paralelo e depois a associação em série.

R = 1 – [(1 – 0,90)(1 – 0,90)] = 0,99

RSIST = 0,95 x 0,99 x 0,99 = 0,9311 = 93,11%


20 - Se um teste mostra três falhas em 50 horas de operação, quantas falhas ele mostrará em 1000 horas de
operação com taxa de falha constante?
Solução: Se a taxa de falhas é constante ao longo de todo o tempo haverá proporcionalidade. Assim como são
três falhas para 50 horas, em 1000 horas nós teremos 20 intervalos de 50 horas dentro de 1000 horas. Como em
cada um desses intervalos nos temos três falhas no total serão 20 x 3 = 60. Serão 60 falhas em 1000 horas.

Você também pode gostar