Você está na página 1de 140

Letramento Digital e

Formação de Professores
nos Cursos de Letras de
Universidades Federais
Brasileiras
Francisco Wellington Borges Gomes

Programa de Pós-Graduação em
Linguística Aplicada
Universidade de Brasília

1
Letramento Digital e
Formação de Professores nos
Cursos de Letras de
Universidades Federais
Brasileiras

Francisco Wellington Borges Gomes

2019
2
Reitor
José Arimatéia Dantas Lopes

Vice-Reitora
Nadir do Nascimento Nogueira

Superintendente de Comunicação
Jacqueline Lima Dourado

Editor
Ricardo Alaggio Ribeiro

EDUFPI - Conselho Editorial


Ricardo Alaggio Ribeiro (presidente)
Acácio Salvador Veras e Silva
Antonio Fonseca dos Santos Neto
Francisca Maria Soares Mendes
Solimar Oliveira Lima
Teresinha de Jesus Mesquita Queiroz
Viriato Campelo

Editora da Universidade Federal do Piauí - EDUFPI


Campus Universitário Ministro Petrônio Portella
CEP: 64049-550 - Bairro Ininga - Teresina - PI - Brasil
Todos os Direitos Reservados

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP)

G633l

Gomes, Francisco Wellington Borges.


Letramento Digital e Formação de Professores nos Cursos de Letras de
Universidades Brasileiras / Francisco Wellington Borges Gomes. – Teresina:
EDUFPI, 2019.
139 p.

ISBN: 978-85-509-0429-0

1. Linguagem e tecnologia. 2. Currículo. 3. Língua inglesa. 4. Letramento digital


5. Formação de professores. 6. Ensino superior.

CDD: 410
Índices para catálogo sistemático:

1. Educação por computador - 371.334


2. Línguas estrangeiras - 372.65
3. Línguas: estudo e ensino – 418.007
4. Linguística Aplicada – 468

3
Agradecimentos

Este livro é fruto de uma investigação realizada no âmbito do Programa de Pós-


Graduação em Linguística Aplicada da Universidade de Brasília (PGLA/UnB), por meio do
incentivo do Programa Nacional de Pós-doutorado (PNPD/CAPES), sob a supervisão do Professor
Antonio Carlos Paes de Almeida Filho.

Além de agradecer ao PGLA/UNB e à CAPES pelo apoio e estímulo ao andamento do


estudo que abordamos aqui, expressamos nossa gratidão aos seguintes profissionais e
instituições, cujo auxílio, nos mais diversos níveis, foi essencial:

Supervisor e amigo, Professor Antonio Carlos Paes de Almeida Filho;

Coordenadora do PGLA/UnB, Professora Gladys Plens de Quevedo Pereira de Camargo;

Docente do PGLA/UnB e grande colaboradora acadêmica, professora Dra. Maria Del


Carmen de La Torre Aranda;

Secretário do PGLA/UnB, Thiago Presley e docentes e discentes do programa;

Coordenadores, colaboradores e alunos do curso Reflexão na Ação (RNA/PGLA/UnB),


em especial a Daniele Paz, coordenadora do módulo de Língua Inglesa;

Coordenadoras do Curso de Letras/Línguas Estrangeiras da Universidade Federal do


Piauí (CLE/UFPI), Professoras Juliana Castelo Branco Paz da Silva e Vânia Soares Barbosa;

Colegas e colaboradores da CLE/UFPI;

Colegas e colaboradores dos Programas de Pós-graduação em Letras da Universidade


Federal do Piauí (PPGEL/UFPI) e da Universidade Estadual do Piauí (PPGL/UESPI);

Alunos e orientandos do PPGEL/UFPI e do PPGL/UESPI, que direta e indiretamente


auxiliaram na condução desta investigação.

Universidade Federal do Piauí (UFPI), pelo incentivo à realização da pesquisa que


culminou neste livro, assim como pelo apoio para a sua publicação.

As Imagens da capa e da abertura dos capítulos e seções são livres de direitos autorais. Elas foram
obtidas/adquiridas nos seguintes repositórios:
https://www.dreamstime.com
https://es.123rf.com
https://www.istockphoto.com/br
https://www.shutterstock.com
https://www.videezy.com
https://commons.wikimedia.org

4
Apresentação: uma proposta de reflexão
sobre práticas e eventos de letramento
digital
No processo de formação de professores, a associada somente ao verbal, mas
presença das Tecnologias da Informação e constituída de múltiplos recursos linguístico-
Comunicação (TICs) tem sido apontada semióticos que são apropriados tanto por
como um elemento que pode contribuir para leitores e escritores, quanto por aqueles que
o desenvolvimento de docentes críticos, sequer dominam o código escrito
capazes de usar tais ferramentas como um plenamente, mas que interagem e agem por
instrumento de empoderamento e de acesso meios cada vez mais dinâmicos que, por sua
ao conhecimento. Com as recentes vez, permitem a esses sujeitos desempenhar
perspectivas sobre o papel dos letramentos um papel social mais ativo.
na aquisição e uso da linguagem, as
discussões sobre o tema se intensificaram Dentro dessa perspectiva, a popularização
ainda mais. das TICs, assim como as possibilidades para
sua aplicação em contextos de ensino,
Tradicionalmente visto como associado às aprendizagem e formação, trazem à tona a
práticas sociais de leitura e escrita, o necessidade de investigação sobre as
letramento tem assumido uma concepção Práticas e os Eventos de Letramento
plural nas duas últimas décadas. Essa “nova” (STREET, 1984) voltados para o preparo de
concepção, a dos Letramentos, ou dos profissionais e de cidadãos que saibam,
Multiletramentos, aborda a linguagem como dentre outras coisas, ler, buscar, avaliar,
uma manifestação sociocultural não ensinar e produzir conhecimento de acordo

v5
com as atuais demandas sociais de uso da conhecimento aceitas e adotadas
linguagem, em contextos cada vez mais coletivamente. Essas práticas e eventos,
tecnologizados. entretanto, não estão limitados àqueles
relacionados à cultura escrita, já que mesmo
Com isso em mente, entendemos como aqueles que não dominam essas
Eventos de Letramento as ações e atividades ferramentas atuam e sofrem influências de
realizadas por sujeitos imersos em contextos práticas e eventos diversos.
de interação social com vistas a marcarem
seu lugar no mundo. Esses Eventos, por sua Assim, entendemos que as ações de
vez, somente se situam e se constituem a professores em relação ao uso de
partir de um conjunto maior de estruturas de tecnologias digitais está intrinsicamente
conhecimentos e valores adquiridos pelas associada aos contextos de formação e às
vivências pessoais, culturais e históricas que estruturas de conhecimento que os rodeiam,
circundam os grupos humanos. Tais de modo que a compreensão do como e do
macroestruturas são, por sua vez, as Práticas porquê artefatos tecnológicos são adotados
de Letramento. Nessa perspectiva, para em sala de aula passa por análises tanto dos
compreendermos as ações individuais ou de momentos em que esse uso se materializa,
grupos em determinados contextos, é ou seja, dos eventos de letramento, quanto
necessário, antes, compreendermos de que dos fatores histórico-sociais e culturais que
forma elas se constroem como elementos de constroem as visões de mundo
valor dentro dos grupos sociais nos quais os compartilhadas dentro ou fora de contextos
indivíduos se inserem. A seguir, profissionais.
apresentamos um esquema das relações
entre Eventos e Práticas de Letramento, tal Nos cursos de formação de professores, a
como adotadas neste trabalho. necessidade por programas de ensino mais
abrangentes e em consonância com as
FIGURA 01: Interações entre Eventos e Práticas de demandas contemporâneas relacionadas à
Letramento. atividade profissional dos futuros docentes
leva a questionamentos sobre como eles
têm sido efetivamente formados nas
universidades públicas brasileiras. No caso
da formação de professores de línguas, mais
especificamente, é possível percebermos,
ainda, a necessidade de reflexões sobre
como as universidades têm agido diante das
mudanças na concepção de linguagem, de
código, de texto e de letramentos, tanto a
nível de graduação quanto de pós-
graduação.

Tentando contribuir com essas reflexões,


este livro apresenta os resultados de uma
Fonte: o autor. pesquisa conduzida a nível de pós-
doutorado (PNPD/CAPES) no Programa de
Na Figura acima, representamos o Evento de Pós-Graduação em Linguística Aplicada da
Letramento como uma ação concreta, Universidade de Brasília (PGLA/UnB). Um
realizada individual ou coletivamente, que dos objetivos gerais do estudo foi investigar
influencia e é influenciada por Práticas de de que modo estão sendo oferecidas, em
Letramento, ou seja, experiências prévias universidades federais do país,
vividas/compartilhadas dentro de contextos possibilidades para a formação de
sociais maiores, formando estruturas de professores de Letras que proporcionem a

6vi
construção de saberes, habilidades e Até 2014, embora abrangessem tanto
competências relacionadas ao letramento habilitações duplas quanto simples, os dados
digital, de modo que os professores egressos divulgados pelo Instituto de Pesquisas Anísio
de tais cursos possam mediar a Teixeira (Inep) apresentavam a
aprendizagem das mais variadas formas de denominação generalizadora de “Letras
linguagem, nas mais diversas situações Português e Inglês”, não distinguindo cursos
comunicativas. focados somente na formação de
professores da língua inglesa. A partir do
Para isso, a investigação buscou identificar, exame aplicado em 2017, entretanto, foram
por meio da metodologia da pesquisa divulgadas dois conjuntos de resultados
bibliográfica/documental e do estudo de (planilhas e relatórios), um referente às
casos múltiplos, e a partir de uma licenciaturas em Letras Português e Inglês e
perspectiva qualitativa descritiva, padrões outro referente às licenciaturas em Letras
manifestados nos projetos pedagógicos e Inglês.
nas grades curriculares de cursos de
licenciatura e de pós-graduação em Letras A partir dos resultados divulgados sobre o
que indiquem de que forma eles buscam universo dos cursos presenciais de
promover o desenvolvimento de habilidades licenciatura em Letras Inglês nas duas
de letramento digital na formação de seus últimas edições do exame (BRASIL, 2015b;
discentes. BRASIL, 2018), foram selecionadas as 6
universidades públicas federais que
Entendemos por Letramento Digital o obtiveram maior nota no exame de 2014 e
conjunto de conhecimentos e práticas (tanto que se mantiveram entre as melhor
a nível individual quanto coletivo) classificadas nos resultados de 2017.
necessários ao desenvolvimento de
competências que permitam aos indivíduos Dada a natureza do exame realizado pelo
se situarem em um mundo cada vez mais Ministério da Educação (MEC) e pelo Inep,
marcado pela presença de artefatos que busca fornecer indicadores de qualidade
tecnológicos digitais. Tais conhecimentos e da educação superior no país, presumimos
práticas, entretanto, não se limitam a uma que o corpus desse estudo fornece uma
abordagem procedimental ou tecnicista, amostra das tendências que são, com
voltada para a operação acrítica de frequência, adotadas por outros cursos de
máquinas. Ser letrado digital, na perspectiva Letras brasileiros, já que aqueles melhor
desse trabalho, é ser capaz de mobilizar classificados no Enade tendem a ser
conhecimentos variados para observar, considerados como modelos.
avaliar, julgar, criticar e produzir
conhecimentos no mundo contemporâneo. Além das 6 universidades selecionados,
também analisamos a estrutura curricular do
Tendo isso em vista, a seleção do corpus foi curso de licenciatura em Letras Inglês da
feita com base nos resultados do Exame Universidade de Brasília (UnB). Embora a
Nacional de Desempenho de Estudantes UnB apresente um perfil diferente daquele
(Enade) realizados em 2014 e em 2017. Em estabelecido durante a seleção do corpus,
2014, o exame obrigatório que avalia o nos sentimos motivados a inseri-la nesse
rendimento dos estudantes egressos dos estudo como uma forma de retribuir à
cursos superiores do país foi aplicado a 15 instituição os frutos dessa investigação,
cursos, dentre eles o Curso de Letras fornecendo dados que podem ser utilizados
Português, Letras Português e Inglês e Letras tanto para futuras ações de reflexão quanto
Português e Espanhol (bacharelados e de planejamento.
licenciaturas). Já em 2017, foram 30 cursos
avaliados. Embora a seleção dos dados tenha sido feita

vii
7
com base nas planilhas dos cursos de Para a análise dos dados, adotamos como
licenciatura divulgados pelo Inep, principais referências teóricas a Perspectiva
entendemos que a pós-graduação exerce um Social de Letramento, tal como apresentada
papel fundamental na formação de por Street (1995) e Snyder (2008); as
professores, já que, no Brasil, ela tem sido discussões sobre o Letramento Digital
responsável pela formação dos docentes trazidas por Gee (2010), Prensky (2001),
universitários dos cursos de graduação. Jenkins (2009) e Warschauer (2010); a
Além de serem “formadores de Teoria Sociocultural de Vygotsky (1988,
formadores”, nas universidades públicas são 1999), assim como alguns de seus
esses docentes provenientes dos cursos de desdobramentos, dentre eles a Teoria da
pós-graduação os responsáveis pela Cognição Distribuída (HUTCINGS, 1995), a
elaboração dos currículos das instituições Teoria da Difusão de Inovação (ROGERS,
em que atuam. 1983) e a Teoria da Percepção e Ação
(GIBSON, 1986).
Desse modo, acreditamos que para
analisarmos a fundo a situação dos cursos de Com base nessas perspectivas teóricas,
graduação em Letras brasileiros, é compreendemos o currículo como um
necessário, também, considerarmos as artefato mediador das relações entre
relações que eles estabelecem com os cursos professores, alunos e os saberes escolares.
de mestrado e doutorado. Assim, este Ele é um instrumento que é elaborado por
trabalho também se presta a analisar os professores a partir das demandas sociais e
currículos de alguns dos cursos stricto sensu culturais da realidade escolar e extraescolar
das universidades participantes do estudo. com vistas a estabelecer os parâmetros para
suas próprias ações, assim como dos alunos
Assim, neste livro, analisamos as filosofias, e de outros atores escolares. Dessa forma,
as abordagens e as competências voltadas entendemos que a estrutura curricular dos
ao desenvolvimento de habilidades de cursos universitários manifesta tanto as
letramento digital presentes na estrutura posturas teóricas quanto as ações práticas
curricular dos cursos presenciais de que são adotadas nesses contextos formais
graduação (licenciaturas em Letras Inglês) e de aprendizagem.
de pós-graduação (Letras e
Linguística/Linguística Aplicada) das Esperamos que as discussões, as análises e
seguintes universidades: os resultados aqui apresentados possam
oferecer alguns retratos de como o
● Universidade Federal do Paraná (UFPR); letramento digital está inserido nos cursos
de formação de professores de língua inglesa
● Universidade Federal de São Carlos
no país. Também esperamos contribuir para
(UFSCAR); a reflexão a respeito dos modelos teórico-
● Universidade Federal de Pelotas (UFPEL); didáticos adotados nos cursos de
licenciatura e de pós-graduação em
● Universidade Federal do Rio Grande do Letras/Linguística/ Linguística Aplicada no
Norte (UFRN); Brasil, assim como motivar o debate sobre o
● Universidade Federal do Rio Grande
papel e o modo como as tecnologias da
informação e comunicação (TICs) podem ser
(UFRG); usadas produtivamente para desenvolver
● Universidade Federal do Ceará (UFC); habilidades linguísticas nos alunos da
Educação Básica por meio da formação de
● Universidade de Brasília (UnB).
professores aptos a utilizá-las como
recursos didáticos eficazes.

viii
8
Índice

Apresentação: uma proposta de reflexão sobre práticas e eventos de v


letramento digital

Seção 1 – Considerações preliminares: tecnologias no ensino de 12


línguas estrangeiras

1. Demandas por investigações sobre a 13


presença das tecnologias no ensino de línguas e na
formação de professores

2. Investigando o letramento digital em cursos de 21


Letras: breve descrição teórico-metodológica

Seção 2 – Aprendizagem, letramento digital e currículo 30


3. Novos olhares sobre a aprendizagem 31
4. Outras formas de pensar: relações entre corpo, mente, 37
tecnologias e o ambiente

5. Currículo e formação de professores 46


6. Políticas educacionais brasileiras para os cursos de 51
formação de professores

Seção 3 – O letramento digital nos cursos de Letras: análise de 67


currículos de licenciaturas e de pós-graduações
7. Outros esclarecimentos 68
8. Universidade Federal do Paraná (UFPR) 72
9. Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) 79
10. 1Universidade Federal de Pelotas (UFPEL) 90
11. Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN) 96
12. Universidade Federal do Rio Grande (FURG) 104
12. Universidade Federal do Ceará (UFC) 110
13. Universidade de Brasília (UnB) 118
14. Principais Conclusões 127
Referências 133

9
Índice de Figuras e Tabelas
FIGURA 01: Interações entre Eventos e Práticas de Letramento vi
FIGURA 02: Opinião de gestores educacionais sobre sua formação para o 16
uso das TICs

FIGURA 03: Grau de concordância de professores com as frases sobre sua 19


experiência com tecnologia digital na escola

FIGURA 04: Infográfico com alguns dos conceitos adotados neste livro 20
TABELA 01: Universidades selecionadas para a composição do corpus 25
FIGURA 05: Percepção, cognição e ação do professor 28
FIGURA 06: Curva da adoção tecnológica de Rogers 29
FIGURA 07: Uso da internet, do computador e do celular no Brasil, em 32
2016

FIGURA 08: Atividades escolares com e sem tecnologias 34


FIGURA 09: Visões/abordagens a respeito das tecnologias da informação 36
e comunicação em contextos educacionais

TABELA 02: Inteligências múltiplas de Gardner 41


FIGURA 10: Diferença entre o processamento cognitivo descrito por 43
modelos internalistas (a) e externalistas (b)

FIGURA 11: Forças que definem o currículo 48


TABELA 03: Pareceres e resoluções do Conselho Nacional de Educação 54
sobre as licenciaturas

FIGURA 12: Competência comunicativa 63


TABELA 04: Teses e dissertações sobre TICs defendidas no Programa de 77
Pós-graduação em Letras de UFPR de 1995 a 2018

TABELA 05: Matriz curricular da licenciatura em Letras – 80


Português/Inglês, UFSCar, campus São Carlos

TABELA 06: Disciplinas sobe TICs – Linha 2 - UFSCar 86


TABELA 07: Teses e dissertações produzidas na UFSCar relacionadas às 87
TICS ou ao letramento digital
TABELA 08: Didática em Letras 93

10
TABELA 09: Teses e dissertações defendidas no Programa de Pós- 95
graduação em Letras da UFPEL

FIGURA 13: Grade curricular do Doutorado em Estudos Linguísticos da 101


UFRN (área de concentração em Estudos em Linguística Aplicada)

TABELA 10: Trabalhos (teses e dissertações) sobre tecnologias e 102


linguagem/letramentos digital defendidos na UFRN entre 2010 e 2018

TABELA 11: Teses e dissertações defendidas no Programa de Pós- 115


graduação em Letras da UFC

TABELA 12: Disciplinas obrigatórias oferecidas pelos departamentos do IL 119


TABELA 13: Dissertação sobre TICs defendidas no PGLA-UnB 125

11
Seção 1
Considerações Preliminares:
Pesquisando sobre letramentos e
tecnologias no ensino de línguas

12
1. Demandas por investigações sobre a
presença das tecnologias no ensino de
línguas e na formação de professores
Em uma perspectiva multiletrada, o ensino ferramentas como os computadores e os
de línguas está imbricado nas práticas sociais telefones portáteis, além de sistemas de
de uso da linguagem. É a partir da visão de comunicação online como a internet, as
que a língua é uma manifestação social redes sociais, as mensagens instantâneas,
usada para a comunicação nos mais diversos entre outras, no cotidiano de pessoas de
contextos que os desdobramentos do termo todas as idades e contextos socioculturais. O
Letramento tem se popularizado nos últimos efeito dessa inserção, contudo, não se
anos. restringe apenas ao campo da linguagem,
mas se estende, por sua dimensão e impacto
Dentre esses “novos” letramentos, está o social, às inúmeras outras esferas do saber,
Letramento Digital, que é o processo social, dentre elas a psicologia, a sociologia, a
cultural e histórico de apropriação e uso de educação etc.
ferramentas, conhecimentos e
competências que possibilitam a recepção, a No ensino de línguas, o uso de TICs pode
análise crítica, a produção e a circulação dos oferecer a alunos e professores
mais diversos tipos de textos construídos em oportunidades de interagir, refletir e
meio a uma cultura influenciada pelo uso produzir textos e outros recursos simbólicos
direto e indireto de tecnologias digitais. Ele que facilitam a aprendizagem, assim como o
é um fenômeno relativamente recente, desenvolvimento de habilidades e
decorrente da ampla inserção de competências linguísticas, sociais e

13
profissionais que os ajudem a agir de forma própria escola. A esse respeito, Suaiden e
cidadã. Oliveira (2006) sugerem que o objetivo do
ensino formal deve ser tornar os aprendizes
Do modo mais específico, na formação de pessoas capazes de encontrar, de
professores, as discussões sobre o decodificar, de avaliar e de usar a
letramento digital podem colaborar para o informação (seja qual for a sua fonte) para
despertar de docentes mais críticos em resolver problemas ou tomar decisões ao
relação ao papel social da linguagem e sobre longo da vida. Para os autores, atualmente
seu próprio papel como agentes de é uma necessidade que a escola passe a
transformação. Ao discutir sobre a incorporar novas práticas a velhos métodos
importância da reflexão na formação e recursos de ensino.
docente, Freeman (1989) nos diz que
professores reflexivos são mais conscientes Essa perspectiva é corroborada pelos
de seu papel. Segundo o autor, o que muda Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs),
no professor por meio da reflexão nem que orientam os currículos e as abordagens
sempre é a ação, mas a consciência do que a serem adotadas na Educação Básica no
se faz, resultando, mesmo que País. Aos discutir sobre os princípios e
indiretamente, em novas abordagens para fundamentos desse nível de ensino, os PCNs
práticas pré-existentes. Desse modo, o uso para o Ensino Fundamental afirmam que:
de ferramentas digitais em contextos
educacionais não pode se encarado como Não basta visar à capacitação dos estudantes
para futuras habilitações em termos das
algo meramente procedimental, que exclua
especializações tradicionais, mas antes trata-
a reflexão crítica. se de ter em vista a formação dos estudantes
em termos de sua capacitação para a aquisição
Da mesma forma, para Lima (2007), o e o desenvolvimento de novas competências,
estímulo à reflexão dos professores em em função de novos saberes que se produzem
formação os influencia a perceber que a sua e demandam um novo tipo de profissional,
prática pedagógica deve ser dinâmica, preparado para poder lidar com novas
passível de constante aperfeiçoamento. tecnologias e linguagens, capaz de responder
Professores reflexivos podem trabalhar de a novos ritmos e processos. (BRASIL, 1996b.
forma mais eficaz para a formação de alunos p.28)
letrados, que por sua vez têm mais chances
No campo do ensino de leitura e escrita, por
de se tornarem capazes de mudar aspectos
exemplo, as práticas com hipertextos
da realidade social/linguística em que estão
constituem uma demanda urgente no ensino
inseridos. Assim, enfatizar habilidades
formal, já que são atividades largamente
relacionadas ao letramento digital nos
exigidas dos alunos fora do ambiente
cursos de formação de professores é um
escolar. Da mesma forma, redes sociais e
meio de torná-los mais conscientes a
aplicativos para smartphones podem ser
respeito do uso da linguagem,
incorporados aos recursos didáticos de sala
especialmente quando ela é mediada pelos
de aula para potencializar o contato dos
artefatos tecnológicos que têm sido
alunos com línguas estrangeiras variadas.
inseridos amplamente nas mais diversas
Diante dessas novas exigências e
atividades da vida pública e privada, tanto de
possibilidades, cabe ao professor agir como
alunos quanto de professores.
mediador da aprendizagem do aluno,
Em contextos formais de ensino e oferecendo não só oportunidades de
aprendizagem de línguas, a emergência das contato e interação na língua, mas também
tecnologias digitais tem levado a dando orientações sobre o uso adequado
questionamentos sobre temas diversos, dos recursos digitais, assim como estímulos
dentre eles o papel dos professores, dos que os levem à autonomia. O professor
alunos, dos materiais instrucionais e da deixa, então, de ser visto como aquele que

14
detêm todos os saberes e ao redor do qual a também permitiam o atendimento
sala de aula é estruturada para se tornar individualizado ao aluno, com base nos
mais um coparticipante nos processos de padrões de respostas dados por eles.
interação por meio dos quais os alunos se
constituem como cidadãos multiletrados. Apesar disso, as limitações tecnológicas,
associadas às próprias limitações da
Apesar da recente intensificação nas perspectiva behaviorista radical, ignoravam
discussões sobre a presença das TICs em o papel da criatividade no processo de
ambientes de aprendizagem, ao menos no aprendizagem. Desse modo, as máquinas
ensino de línguas alguns artefatos digitais forneciam feedback limitado, pois só
tem manifestado presença desde os anos 50, consideravam como bom comportamento
adequando-se às diferentes perspectivas linguístico os usos e variedades da língua
teóricas que marcaram a área na segunda com os quais haviam sido programadas. O
metade do século XX. Frequentemente aluno, por sua vez, não gozava de
reunidas sob o termo CALL (acrônimo para a autonomia, já que lhe cabia meramente
expressão inglesa Computer Assisted realizar as atividades propostas nos
Language Learning), as discussões sobre o softwares educacionais, evitando erros a
tema, que inicialmente centravam-se no uso todo custo.
do computador como um instrumento de
apoio ao ensino, gradualmente passaram a CALL Comunicativo: Em voga a partir dos
incorporar as mais diversas ferramentas anos 70, essa visão acerca do papel dos
digitais, acompanhando as mudanças pelas computadores no ensino de línguas
quais os meios de acesso à informação têm enfatizava a interação na língua alvo, sem os
passado nas últimas décadas. Ao propor padrões pré-estabelecidos pela visão
uma cronologia para a área, Warschauer behaviorista. O foco recaia no uso dos mais
(1996) sugere três momentos, descritos variados recursos, dentre eles jogos,
brevemente a seguir: processadores de textos, planilhas,
dicionários, softwares dedicados ao ensino,
CALL Behaviorista: concebido nos anos dentre outros, usados para fornecer aos
50, tinha como base teórica a psicologia aprendizes oportunidades de contato e uso
behaviorista aplicada à aprendizagem, da língua mais próximas do real. As
bastante em voga na época. Em termos atividades frequentemente usadas variavam
didáticos, computadores e programas eram entre exercícios de reconstrução e
usados para promover ao aluno o contato organização de textos, leitura guiada por
com modelos da língua tidos como ideais, software, escrita criativa e jogos de
que eram enfatizados por meio de atividades linguagem.
de escuta de amostras orais da língua, além
da realização de exercícios de repetição Nessa fase, a interação era, com frequência,
(drills) e o fornecimento de respostas limitada, já que ainda não estavam
automáticas por meio de máquinas amplamente popularizados meios que
eletrônicas. permitissem a troca comunicativa entre
pessoas pelo computador. Por esse motivo,
Naquela época, acreditava-se que a o computador assumiu diferentes papéis,
automatização do comportamento dentre eles o de tutor, no qual ele ainda era
linguístico, um dos princípios das teorias o foco do processo, responsável por fornecer
behavioristas, poderia ser alcançada mais aos aprendizes as respostas corretas; o de
facilmente com o uso de computadores, que, ferramenta, no qual a máquina era vista de
ao contrário de professores convencionais, modo secundário, apenas como um recurso
apresentavam estímulos consistentes e que poderia auxiliar o aprendiz a
constantes aos aprendizes. Além disso, os compreender ou usar a língua; e o de
programas de computador dessa fase

15
estímulo, agindo para despertar no aluno o outros sistemas cada vez mais
interesse pela língua e pelo aprendizado. computacionais tais como a TV (que
recentemente se tornou digital e mais
Embora representem um avanço em relação interativa), o celular e o videogame. Em
à perspectiva behaviorista, o CALL termos gerais, podemos dizer que ela é
comunicativo, tal como adotado nos anos 70 marcada por uma mudança da comunicação
e 80, tinha como principal limitação a falta com o computador para uma comunicação
de oportunidades de interação autêntica mediada por computador (CMC).
entre aprendizes na língua alvo. Embora
essa interação fosse possível em Como vimos, apesar da presença de
laboratórios de línguas com comunicação tecnologias digitais já ser um tema frequente
entre diferentes terminais localizados no nas discussões sobre o ensino de línguas, em
mesmo espaço físico, havia sempre a uma rápida análise do mundo ao nosso redor
sensação de que as mesmas atividades também é possível perceber que nos
poderiam ser feitas sem o auxílio do ambientes formais de aprendizagem elas
computador. Gradualmente, com a ainda são aplicadas timidamente. Esse fato
popularização de recursos multimidiáticos e sugere que há diferentes realidades no que
da internet, uma nova fase de CALL teve diz respeito aos ambientes formais e
início. informais de aprendizagem: enquanto fora
da escola as tecnologias digitais se integram
CALL integrativo: marcado pelo advento cada vez mais à vida privada e pública, na
da internet e pelo surgimento de diferentes escola elas parecem andar lentamente.
mídias e novos sistemas comunicativos, que
permitiram a comunicação em tempo real e Em relatório da Fundação Víctor Cívita sobre
a integração entre modos semióticos o uso de computadores e da internet em
variados, tais como a escrita, o áudio, a escolas públicas das capitais brasileiras,
imagem estática e a imagem em movimento. publicado em 2009, uma das possíveis
Nessa fase, o computador deixou de causas apontadas para esse fenômeno é a
representar um elemento de controle, uma falta de preparo oferecido nos cursos de
vez que o aprendiz tinha cada vez mais graduação para que profissionais do ensino
espaço para o desenvolvimento da possam lidar com as demandas tecnológicas
autonomia e para o acesso ilimitado a exigidas nos atuais contextos educacionais
amostras de linguagem. Ela também se (FUNDAÇÃO VÍCTOR CÍVITA, 2009. p. 49), tal
caracteriza pela expansão do termo CALL a como pode ser observado no gráfico a
seguir:
FIGURA 02: Opinião de gestores educacionais sobre sua formação para o uso das TICs.

Fonte: Fundação Víctor Cívita (2009. p. 49)

16
O gráfico da página anterior resume modo a atender às necessidades educativas
resultados obtidos por meio da análise de e tecnológicas da sociedade (BRASIL, 2001a).
questionários elaborados por especialistas
contratados pela Fundação Víctor Cívita e Igualmente, ao traçar o perfil dos egressos
aplicados pelo Instituto Brasileiro de Opinião dos cursos de Letras no país, o Conselho
e Estatística (IBOPE) a diretores e Nacional de Educação (CNE) é bastante
coordenadores de escolas urbanas das específico ao esclarecer que aprender a lidar
capitais brasileiras. Ao todo, foram com as novas tecnologias é uma das
pesquisadas 400 escolas de 12 estados do habilidades básicas a serem estimuladas na
país. Para cada região, pelo menos 2 estados formação de futuros professores, tal como
compuseram a amostra adotada no estudo. pode ser observado no trecho do Parecer
CNE/CNS No. 492/2001, a seguir:
No gráfico, podemos observar que somente
11% dos entrevistados avaliaram sua O objetivo do Curso de Letras é formar
profissionais interculturalmente competen-
preparação universitária para lidar com
tes, capazes de lidar, de forma crítica, com as
tecnologias digitais na educação como
linguagens, especialmente a verbal, nos
suficientes para atender suas necessidades contextos oral e escrito, e conscientes de sua
profissionais. Isso revela um fenômeno inserção na sociedade e das relações com o
bastante interessante, uma vez que desde outro.
2002 as Diretrizes Curriculares Nacionais
Independentemente da modalidade
(DCNs) elencam o uso de tecnologias dentre
escolhida, o profissional em Letras deve ter
as competências a serem promovidas na domínio do uso da língua ou das línguas que
formação de professores da Educação sejam objeto de seus estudos, em termos de
Básica. sua estrutura, funcionamento e
manifestações culturais, além de ter
Embora os resultados da pesquisa acima consciência das variedades linguísticas e
forneçam indícios valiosos sobre a formação culturais. Deve ser capaz de refletir
universitária voltada ao uso de tecnologias teoricamente sobre a linguagem, de fazer
educacionais, é preciso considerar que eles uso de novas tecnologias e de compreender
foram obtidos por meio das análises de sua formação profissional como processo
contínuo, autônomo e permanente. A
questionários aplicados apenas a gestores
pesquisa e a extensão, além do ensino,
de escolas, há aproximadamente uma
devem articular-se neste processo. O
década. Assim, apesar de relevante, o profissional deve, ainda, ter capacidade de
estudo supracitado estimula reflexão crítica sobre temas e questões
questionamentos sobre outros contextos relativas aos conhecimentos linguísticos e
específicos de formação de professores, tal literários. (BRASIL, 2001b. p. 31. Grifo nosso.)
como a formação de professores de Letras e
os currículos dos cursos universitários.
Assim como os cursos de graduação, os
No que tange especificamente aos cursos de cursos de Pós-graduação na área de Letras
formação de professores de Letras, as DCNs também manifestam uma preocupação com
enfatizam a necessidade da formação de a formação de professores aptos a lidarem
profissionais com base na perspectiva dos com as diversas perspectivas que envolvem
multiletramentos, notadamente a do as práticas de linguagem contemporâneas.
Letramento digital, quando afirmam que os Essa vocação dos cursos de pós-graduação
cursos de Letras devem levar em no país para a formação de professores está
consideração as intensas transformações expressa, por exemplo, no Documento de
que têm ocorrido na sociedade Área publicado pela Comissão de
contemporânea, no mercado de trabalho e Aperfeiçoamento de Pessoal do Ensino
nas condições de exercício profissional, de Superior (CAPES) em 2016, tal como pode ser
observado na página seguinte:

17
A área de Letras e Linguística tem como docente, coadunando com as teorias
vocação natural a preocupação com o ensino linguística e literárias mais atualizadas,
e seus diversos níveis – do Ensino Superior à utilizando suportes tecnológicos variados;
Educação Básica e nesta, especificamente, [...]
contempla, em seus diversos Programas, suas h) criação de projetos voltados para questões
múltiplas vertentes, desde a formação de de multiletramentos, letramentos hipermi-
professores nela inseridos até o foco direto no diáticos na Educação Básica, focados no
discente da Educação Básica. Essa vocação, desenvolvimento de atividades de
vale ressaltar, revela-se, por exemplo, em
compreensão de textos orais e escritos.
muitas linhas, grupos e núcleos de pesquisa
(BRASIL, 2016. p.7-8. Grifo nosso)
dos Programas que contemplam a Educação
Básica.
Dados da pesquisa “O que pensam os
Ressalte-se que esse perfil da área foi sendo
professores brasileiros sobre a tecnologia
construído pela própria natureza de seus
objetos de pesquisa, sendo inerente ao fazer digital na sala de aula” (realizada em 2017
científico das letras e linguística. A área de pelo Movimento Todos pela Educação, em
Letras e Linguística tem um envolvimento parceria com o Banco Interamericano de
intenso e muito evidente com o ensino de Desenvolvimento, o Instituto de Pesquisas
Língua e Literatura, incrementando a DataFolha e diversas outras instituições do
formação de docentes e formando setor privado) apontam a falta de formação
pesquisadores que atuam no ensino superior, como uma das principais causas para o não
como formadores de profissionais-docentes uso de tecnologias digitais por professores,
da educação básica. (BRASIL, 2016. p.6) apesar da percepção positiva que eles têm
sobre os potenciais que as TICs oferecem
Essa declaração da CAPES nos permite, por para a ampliação de suas possibilidades de
sua vez, estabelecer uma associação direta ação e para a motivação de alunos (TODOS
com as DCNs, já que, em termos gerais, os PELA EDUCAÇÃO, 2017).
dois documentos comungam de uma visão
interdisciplinar e holística voltada à A pesquisa foi realizada com 4.000
formação de professores. professores de escolas públicas de todo o
país, tanto do Ensino Fundamental, quanto
No que diz respeito à presença de do Ensino Médio e da Educação de Jovens e
tecnologias digitais nesse processo, ao Adultos, atuando em diversas áreas do
detalhar sua forma de atuação na Educação conhecimento. Quando questionados sobre
Básica, a CAPES se manifesta pela inserção algumas das restrições para o uso das
das TICs em dois eixos: a produção de tecnologias nas escolas em que trabalham,
materiais didáticos em língua materna e em por exemplo, os professores pesquisados
línguas adicionais e a promoção de projetos apontaram como fatores mais relevantes:
que visem os multiletramentos e os
letramentos hipermidiáticos, tais como pode a. O número insuficiente e a falta de
ser observado nos excertos a seguir: manutenção de equipamentos;
b. A velocidade da internet;
De forma concreta, a Área de Letras e c. A falta de oportunidades de formação em
Linguística se insere na Educação Básica nas qualidade e relevância para professores;
seguintes ações:
[...] d. A falta de modelos pedagógicos que
c) desenvolvimento de material didático em integrem o uso de tecnologias digitais.
língua materna, em línguas adicionais e em
literatura para formação básica discente e Embora os fatores “a” e “b” estejam
diretamente relacionados às políticas de

18
inserção tecnológica mais amplas, uma vez pedagógicos, a compra de equipamentos
que dependem de investimentos financeiros tende a ser um investimento improdutivo, já
e planos de manutenção e uso de que faltam aqueles que são os verdadeiros
equipamentos que são decorrentes de responsáveis por sua utilização.
posturas governamentais, mas nem sempre
fáceis de serem modificadas; os fatores “c” É curioso notar que ao mesmo tempo em
e “d” estão mais diretamente ligados às que reconhecem não terem sido preparados
competências das universidades, para lidar com a demanda pelo uso de TICs
responsáveis pela definição das prioridades nos espaços educacionais, os professores
e das estratégias a serem adotadas pelos também veem a inserção dessas tecnologias
currículos de formação de professores. como um elemento importante para o
aperfeiçoamento de sua atuação
Sobre essa relação entre a aparelhagem de profissional, apontando para a necessidade
escolas e a preparação de professores, da inclusão desse componente no processo
sugerimos, em trabalho anterior (GOMES, formativo de docentes. Isso pode ser
2010), que sem o estímulo para a formação observado na imagem a seguir, que faz parte
de professores conscientes e aptos a usar as dos dados do estudo:
tecnologias digitais com propósitos

FIGURA 03: Grau de concordância de professores com as frases sobre sua experiência com tecnologia digital na escola:

Fonte: Todos pela Educação (2017)


https://www.todospelaeducacao.org.br/tecnologia/desafios-dia-a-dia-professor/

Como podemos observar acima, que outras contribuições relevantes das TICs
aproximadamente 75% dos professores na atividade dos professores são a
participantes da pesquisa concordaram que incorporação de novos métodos de ensino
a inserção de tecnologias digitais na escola (de acordo com a declaração de 62% dos
em que trabalham ampliou suas habilidades informantes) assim como a realização
como professores. Também podemos ver facilitada de tarefas

19
administrativas/acadêmicas tais como o seguir um infográfico com alguns termos
controle de presença e de notas, indicada recorrentes nesta publicação.
por 59% dos informantes. FIGURA 04: Infográfico com alguns dos conceitos
adotados neste livro.
A partir dos dados e fatores discutidos
brevemente até agora, surgem
questionamentos sobre as ações efetivas
conduzidas nos cursos de formação de
professores de Letras no país voltadas para a
promoção de habilidades e competências
relacionadas ao letramento digital, tanto em
nível de graduação quanto de pós-
graduação. Dessa forma, este livro
apresenta dados de uma pesquisa descritiva
de natureza qualitativa que buscou
respostas para as seguintes questões:

a. Como os cursos de graduação em Letras


Inglês oferecidos por diferentes
universidades federais brasileiras se
propõem a promover competências e
reflexões (tanto teórica quanto práticas)
acerca do letramento digital e das suas
relações com o ensino de línguas e o
mercado de trabalho?

b. De que forma as discussões e os


posicionamentos apresentados nos textos
dos projetos pedagógicos se materializam
nos componentes acadêmicos curriculares
elencados por eles, dentre eles as disciplinas
e outras atividades teórico-práticas?

c. De que modo os cursos de pós-graduação


em Letras e Linguística/Linguística Aplicada
(mestrado e doutorado) estabelecem um
debate com os cursos de graduação por
meio da formação de professores da
educação básica ou de
pesquisadores/professores do ensino
superior aptos a preparar outros professores
que também possam lidar com as demandas
tecnológicas relativas ao ensino de inglês
como língua estrangeira?

Para que tais perguntas fossem respondidas,


adotamos o percurso metodológico que será
descrito na próxima seção. Antes disso, a
título de esclarecimento, apresentamos a
Fonte: O autor.

20
2. Investigando o letramento digital em
cursos de Letras: breve descrição
teórico-metodológica
O estudo descrito neste livro se dedicou a filosofias sobre os processos de ensino e de
investigar (por meio da análise de projetos aprendizagem);
pedagógicos de cursos de licenciatura em
Letras Inglês e da estrutura curricular de b. Analisar como a presença ou a ausência
cursos de pós-graduação em Letras, de princípios formativos para o letramento
Linguística ou Linguística Aplicada sediados digital nos projetos pedagógicos se relacio-
em universidades federais brasileiras) de nam com a estrutura da grade curricular dos
que modo a reflexão e a inserção de eventos cursos de licenciatura em Letras;
e práticas de letramento digital são
promovidas na formação de professores da c. Verificar de que modo os cursos de pós-
Educação Básica. Para isso, o estudo de que graduação em Letras das universidades
tratamos aqui tinha os seguintes objetivos: analisadas contribuem para a formação de
professores/pesquisadores aptos a lidarem
a. Identificar de que modo os Projetos com as demandas “tecnoletradas”
Pedagógicos de cursos presenciais de contemporâneas e como eles se integram
licenciatura em Letras Inglês de 7 com as propostas formativas dos cursos de
universidades brasileiras abordam a licenciatura em Letras de suas respectivas
formação de professores letrados digitais ao universidades.
adotarem modelos teórico-didático-
filosóficos (princípios, perfis, abordagens, d. Colaborar para a produção e divulgação
competências, habilidades, saberes e de conhecimento científico e com futuras

21
reflexões sobre o papel das tecnologias princípios da pesquisa documental. O
digitais no desenvolvimento de mesmo ocorreu na seleção do corpora.
competências letradas, assim como
contribuir para discussões críticas a respeito Desse modo, utilizamos tanto fontes
dos modelos teórico-didático-filosóficos primárias quanto secundárias. Para Lakatos
adotados nos cursos de formação de e Marconi (2003), enquanto fontes
professores de Letras Inglês . primárias são aqueles documentos que
ainda não passaram por análises prévias,
Tipo de Pesquisa sendo compilados e tratados pelo
pesquisador no decorrer da investigação,
A investigação em tela se baseou nos fontes secundárias são aquelas fontes
princípios e procedimentos da pesquisa bibliográficas resultantes de análises
qualitativa-descritiva, notadamente nos anteriores, trazendo dados de outros
quadros teóricos que definem a pesquisa estudos ou reflexões teóricas sobre o tema
bibliográfica/ documental e o estudo de da pesquisa.
caso.
As fontes primárias foram compostas pelos
Assumimos a pesquisa qualitativa como o projetos pedagógicos e grades curriculares
conjunto de processos e procedimentos dos cursos de licenciatura, assim como pelas
fundamentados em uma sólida base teórica estruturas curriculares dos cursos de pós-
e por meio dos quais se busca a construção graduação, coletadas tanto por meio dos
do conhecimento a partir da observação e da sites das universidades e das páginas dos
análise de realidades múltiplas e complexas. programas stricto-sensu, quanto dos
Durante a investigação, buscamos repositórios institucionais digitais das
compreender de que modo distintas universidades pesquisadas. Nesse sentido, é
realidades que envolvem os cursos de importante mencionar que o § 1º do Artigo
licenciaturas em Letras no país constroem, 47 da Lei de Diretrizes e Bases da Educação
tanto individualmente quanto Nacional (LDB), por meio do adendo da Lei
coletivamente, ambientes propícios para a No 13.168, de 2015, estabelece que as
formação de professores letrados instituições de Ensino Superior devem
digitalmente e aptos, ao mesmo tempo, a manter em seus sítios eletrônicos
serem mediadores na formação de alunos informações atualizadas sobre a grade
igualmente letrados. curricular de seus cursos e o seu corpo
docente, dentre outras informações. Com
Embora a pesquisa bibliográfica/ base nesse fato, assumimos as páginas das
documental seja um tipo de pesquisa que universidades na internet como fontes
está presente, em graus variados, em todo fidedignas de dados, que foram coletados
tipo de pesquisa (GIL, 2002), nesse estudo entre os meses de fevereiro e julho de 2018.
ela se constituiu na principal estratégia para
guiar a coleta e a análise dos dados. Sobre Apesar do disposto em lei, também foi
esse tipo de pesquisa, cabe notar que grande necessário o uso de outros mecanismos de
parte da literatura trata de duas entidades busca online para a coleta de documentos
distintas (ou pesquisa bibliográfica, ou complementares, que não estavam
pesquisa documental), mas sem definir de disponibilizados nas páginas das instituições,
modo unânime os limites existentes entre assim como das leis e resoluções que
elas. Por esse motivo, adotamos a dupla regulamentam o sistema de ensino
nomenclatura, já que em dados momentos a brasileiro, entre outros. Esses documentos
coleta de referências teóricas foi planejada (leis, resoluções, planilhas, livros, artigos,
de modo a se aproximar mais da pesquisa revistas acadêmicas, relatórios de pesquisa,
bibliográfica, enquanto que em outros, ela dissertações, teses, entre outras fontes
foi elaborada de modo mais próximo aos produzidas tanto no Brasil quanto no

22
exterior) construíram o repertório de fontes Dentro da literatura a respeito do estudo de
secundárias utilizadas na investigação. Boa caso, a pesquisa descrita neste relatório se
parte delas será apresentada na seção 2. encaixa com a perspectiva do Estudo de Caso
Exploratório Múltiplo (YIN, 2005), no qual,
Dentre as motivações para a escolha da ao contrário de se buscar compreender um
pesquisa bibliográfica/documental como caso em particular, vários estudos são
uma das principais estratégias de pesquisa, conduzidos para que se possa confirmar ou
está fato de ela permitir a cobertura de uma refutar teorias.
gama de fenômenos muito maior do que
aquela que poderia ser pesquisada Para Stake (1999), por sua vez, o estudo de
diretamente, especialmente quando o caso é um tipo de pesquisa holístico, já que,
objeto de estudo se constitui de dados muito de modo diferente de outras estratégias de
dispersos pelo espaço (GIL, 2002), como é o investigação, e pelo seu próprio caráter
caso da investigação da qual tratamos aqui, exploratório-analítico, os casos e as
que buscou analisar as realidades de cursos perspectivas a serem analisadas são
de Letras localizados em regiões geográficas geralmente definidos no decorrer da
distintas do país. Nesse caso, a metodologia investigação. Nesse sentido, busca-se uma
da pesquisa trouxe tanto a possibilidade de maior concentração no todo para se chegar
seleção e composição de um corpus mais a compreender o fenômeno na globalidade,
denso, quanto representou uma economia e não alguma particularidade ou
considerável de tempo e de recursos diferenciação de outros casos.
financeiros, uma vez que substituiu a
necessidade de viagens de campo a cada Inicialmente, a proposta do estudo relatado
instituição analisada durante o estudo. Esse nesta obra era investigar apenas os
tipo de pesquisa torna-se ainda mais currículos de cursos de licenciatura em
relevante se considerarmos que vivemos em Letras Inglês, de modo que esse foi um dos
uma época em que o acesso a dados não está principais parâmetros adotados na seleção
mais restrito a ambientes físicos como dos objetos de análise, que se restringiria
arquivos públicos/privados e bibliotecas. aos currículos de cursos de instituições
melhor avaliadas no Enade realizado em
A amplitude do corpus da pesquisa também 2014. Entretanto, à medida que a
foi fundamental para a seleção da investigação progrediu percebemos a
metodologia do estudo de caso como uma necessidade de ajustes no perfil dos casos
metodologia complementar. Para Yin investigados.
(2005), o estudo de caso surge a partir da
necessidade de se investigar sobre Decidimos, então, incorporar outros níveis
fenômenos sociais complexos. Contrariando relacionados à formação de professores por
a crença de que esse tipo de estudo não gera enxergar os cursos de pós-graduação stricto
dados generalizáveis, o autor defende que sensu (mestrado e doutorado) como
quando embasado em teorias previamente corresponsáveis pelo fomento de uma visão
consolidadas, esse tipo de investigação é crítica nos profissionais que atuarão na
capaz de produzir dados com validade que educação básica e superior, uma vez que
pode ser estendida a situações semelhantes formam tanto professores para o Ensino
daquelas abordadas na investigação. Para o Fundamental e Médio, quanto professores
autor, o estudo de caso tem como para atuar em cursos superiores, formando
consequência a capacidade de generalização outros professores.
analítica dos resultados, por ser possível
expandir teorias por meio das evidências Assim, decidimos realizar, também, análises
obtidas com as análises de casos complexos. das grades curriculares dos cursos de pós-
graduação relacionados à área de Letras,

23
Linguística e Linguística Aplicada nas 2º Somente os dados relativos aos cursos de
universidades previamente selecionadas. licenciatura foram considerados, excluindo-
Nos casos dos cursos de Pós-graduação em se os bacharelados, por não tratarem
Letras que envolvem tanto áreas de diretamente de contextos de formação de
concentração em linguística quanto em professores;
literaturas, somente os dados da primeira
área foram considerados para análise. 3º Somente os cursos com Conceito Enade
(contínuo) acima de 4.000 foram
A seguir, detalharemos os critérios de considerados. O Conceito Enade é um
seleção e de adequação do corpus. indicador calculado a partir do desempenho
médio dos alunos concluintes de um curso
Seleção do Corpus nos diferentes componentes do exame
(Componentes de Formação Geral e
Como já mencionamos brevemente, a Componentes de Formação Específica). Os
seleção e o tratamento do corpus foram procedimentos para o cálculo do indicador
feitos, inicialmente, com base nos são estipulados pela Nota Técnica nº
resultados do Enade realizado em 2014. 16/2018/CGCQES/DAES – Inep.
Naquele ano, o exame, que faz parte do
Sistema Nacional de Avaliação da Educação O corpus foi selecionado por meio da análise
Superior (Sinaes), avaliou o desempenho de das planilhas divulgadas no site do Inep
alunos concluintes de 4 cursos de Letras: (http://portal.inep.gov.br/conceito-enade),
licenciaturas em Letras Português; Letras atualizadas em 04.12.17. Uma vez
Português e Inglês; e Letras Português e selecionadas as universidades participantes,
Espanhol; e dos bacharelados em Letras iniciamos a coleta dos Projetos Pedagógicos
Português. Ao todo, foram avaliados 791 em seus sítios eletrônicos. Em seguida,
cursos de licenciatura em Letras e 31 foram coletadas as informações dos
bacharelados dos mais distintos contextos programas de pós-graduação em Letras,
universitários, tanto públicos quanto Linguística ou Linguística Aplicada de cada
privados. instituição. Dentre esses dados, estavam as
grades curriculares, as ementas e a
Com relação aos cursos de línguas bibliografia das disciplinas ofertadas, o
estrangeiras, os dados divulgados pelo Inep histórico de cada programa, as áreas de
para o Enade de 2014 não distinguiam concentração e as linhas de pesquisa, assim
licenciaturas simples de licenciaturas duplas, como as teses e dissertações defendidas.
de modo que todos os cursos de inglês Nessa fase, foi necessária também a
estavam agrupados sob o título de “Letras utilização de outros mecanismos de busca
Português e Inglês”, independentemente de on-line, já que nem todas os programas
serem cursos mistos ou não. Ao todo, foram disponibilizam esses dados em suas páginas.
avaliados 355 cursos de “Letras Português e
inglês”, o que correspondeu a 44,87% do Em outubro de 2018, os resultados de uma
total dos cursos de letras avaliados naquele nova avaliação do Enade foram divulgados, a
ano. Dada a amplitude do universo que partir de provas realizadas em novembro de
constitui os cursos verificados pelo Enade 2017. Nesses novos dados, o Inep, ao
em 2014, foram adotados os seguintes contrário dos anos anteriores, apresentou
critérios de seleção das universidades a planilhas e relatórios distintos para os
serem analisadas: “cursos de Letras Português e Inglês” e para
os “cursos de Letras Inglês”, sugerindo que
1º Somente os resultados referentes aos as habilitações únicas na língua estrangeira
“cursos de Português e Inglês” presenciais haviam sido avaliadas em separado das
de universidades públicas federais foram habilitações duplas. Contudo, em uma
considerados; análise detalhada dos dados publicados, é

24
possível perceber que alguns cursos que analisados a grade curricular do curso de
oferecem habilitação simples na língua Licenciatura em Letras Inglês (e da pós-
inglesa (como é o caso da Universidade graduação em Linguística Aplicada) da UnB.
Federal do Rio Grande do Norte) Essa ação também se deve pelo desejo de
continuaram elencados somente nos dados retornar à instituição dados que sejam mais
dos cursos de “Letras Português e Inglês”. direcionados às suas demandas, já que ela,
Os relatórios divulgados pelo Inep, juntamente com a CAPES, foi a financiadora
entretanto, não fornecem detalhes sobre os do estudo que abordamos aqui.
critérios de agrupamento das universidades
em cada um dos conjuntos de dados. É necessário esclarecer, entretanto, que a
pesquisa aqui reportada não objetiva a
Diante da divulgação de novos resultados comparação entre os cursos ou as
para o Enade, julgamos necessária a universidades analisadas, mas a descrição
reformulação do 3º critério de seleção do das realidades de cada uma delas enquanto
corpus, que passou a ser o seguinte: unidades independentes. Desse modo,
vemos as universidades e os colegiados dos
3º Somente os cursos com avaliação cursos em análise como entidades
(Conceito Enade Contínuo) acima de 4.000 autônomas para escolherem os mecanismos
no exame de 2014 e no exame de 2017 (em que melhor se adequam às necessidades das
qualquer uma das duas listas divulgadas) comunidades em que eles se inserem. Da
foram considerados. mesma forma, não objetivamos comparar o
desempenho dos cursos selecionados nas
Inicialmente, apenas 6 cursos preencheram duas edições do Enade, especialmente
esse perfil. Entretanto, como esse estudo porque a própria metodologia de aferição
tem raízes profundas na área de Linguística dos indicadores de cada edição não permite
Aplicada, acreditamos que ele deve ter uma comparação entre eles. Tendo isso em
dentre suas propostas e produtos a consideração, foram 7 as universidades cujos
construção de conhecimentos que possam projetos pedagógicos (licenciaturas em
auxiliar na reflexão e na solução tanto de letras inglês) e grades curriculares
problemas de cunho geral quanto de (mestrados e doutorados) foram analisados,
realidades específicas. Dessa forma, a saber:
optamos por inserir dentre os dados a serem

TABELA 01: Universidades selecionadas para composição do corpus.


Universidade Cidade - UF Conceito Conceito Enade Programa de Pós-
(Licenciatura em Letras Inglês) Enade (contínuo) graduação (mestrado
(contínuo) 2017 e/ou doutorado)
2014
1 Universidade Federal do Paraná - Curitiba - PR 5.000 5.0000 (Português/Inglês) Programa de Pós-
UFPR 4.6755 (Inglês) graduação em Letras
2 Universidade Federal de São São Carlos - SP 4.848 4.6298 Programa de Pós-
Carlos - UFSCAR (Português/Inglês) graduação em
Linguística
3 Universidade Federal de Pelotas - Pelotas - RS 4.548 4.1621 Programa de Pós-
UFPEL (Português/Inglês) graduação em Letras
4 Universidade Federal do Rio Natal - RN 4.379 4.7698 (Português/Inglês) Programa de Pós-
Grande do Norte - UFRN graduação em Estudos
da Linguagem
5 Universidade Federal do Rio Rio Grande - RS 4.124 4.0486 (Português/Inglês) Programa de Pós-
Grande - UFRG graduação em Letras
6 Universidade Federal do Ceará - Fortaleza - CE 4.017 4.4181 (Inglês) Programa de Pós-
UFC 3.9504 (Português/Inglês) graduação em
Linguística
7 Universidade de Brasília - UnB Brasília - DF 2.7870 (Inglês) Programa de Pós-
graduação em
Linguística Aplicada
Fonte: o autor

25
Procedimentos
A primeira fase desta pesquisa ocorreu a presença de componentes curriculares
partir de agosto de 2017, com a seleção e voltados à promoção de competências
leitura do material bibliográfico (fontes relacionadas ao letramento digital como um
secundárias) que deram suporte teórico ao instrumento relevante para a formação dos
estudo. Embora a tenhamos denominado de professores. Consideramos que esses
“primeira fase”, essa revisão teórica componentes poderiam estar manifestados
perdurou durante toda a pesquisa. Essa tanto nas discussões de cunho teórico-
etapa também se caracterizou pela definição didático-filosóficas do projeto pedagógico,
dos casos analisados. quanto por meio da descrição de atividades
acadêmicas curriculares, consideradas como
A Segunda fase da pesquisa consistiu na “todo e qualquer conjunto de atividades
coleta dos projetos pedagógicos dos cursos acadêmicas do curso” (BRASIL, 2001b), em
de graduação e da grade curricular (e outras especial nas grades, nas ementas e
informações) dos cursos de pós-graduação. referências das disciplinas. Nesses casos,
Ela ocorreu entre os meses de fevereiro a buscamos estabelecer diferenças entre as
julho de 2018. Nessa etapa, além das menções meramente teóricas ao letramento
páginas dos cursos e dos programas na digital e as materializações concretas nos
internet, foi necessária a coleta de dados em currículos. Por meio desses indícios,
bibliotecas digitais e repositórios também buscamos identificar as percepções
institucionais, assim como a utilização de acerca da relevância dos letramentos digitais
outros mecanismos de busca on-line, já que na formação de professores. Esta fase foi
alguns programas de pós-graduação não conduzida entre os meses de maio a agosto
disponibilizavam em seus sítios eletrônicos de 2018.
todos os dados que procurávamos, em
especial as teses e as dissertações Principais Teorias Adotadas na
defendidas por seus egressos.
Investigação
Ao delinearmos a pesquisa, levamos em
Na pesquisa, as teorias adotadas foram
consideração a Resolução CNE/CP 02/2015,
fornecidas pelos Pressupostos da Teoria
que estabelecia prazo de dois anos para a
Sociocultural de Vygotsky (1988) e de outras
reformulação dos currículos dos cursos de
teorias de base sociocultural, tais como a
licenciatura, assim como a Resolução
Teoria da Percepção e Ação (GIBSON, 1986),
CNE/CP 01/2017, que prorrogou esse prazo
a Teoria da Cognição Distribuída
até 1º de julho de 2018. Desse modo, a
(HUTCHINGS, 1995), a Teoria da Difusão de
coleta de dados se estendeu até aquele mês
Inovação (ROGERS, 1983), assim como de
para que pudéssemos ter acesso, também,
discussões sobre currículo e formação de
aos novos projetos pedagógicos que seriam
professores (SCHUBBERT, 1981; KELLY, 1981;
atualizados conforme as DCNs de 2015.
LOPES, MACEDO, 2002; VAN DER AKKER,
Entretanto, até o encerramento dessa etapa
2004; MOREIRA, 1990; SILVA, 1999; WOODS,
esses dados somente estavam
WEIR, LUKE, 2010; SACRISTÁN, 2013;
disponibilizados por uma das universidades
MURPHY, 2018); e sobre o letramento digital
participantes do estudo. Desse modo,
(GEE, 2010; PRENSKY, 2001; JENKINS, 2009;
esclarecemos que a maioria dos projetos
WARSCHAUER, 2010); dentre outras.
analisados ainda estava em conformidade
com as DCNs de 2002.
Na perspectiva sociocultural vygotskiana, o
conhecimento é construído por meio da
A terceira fase foi marcada pela análise dos
interação do homem consigo mesmo, com o
dados coletados. Nela, foi priorizada a busca
ambiente ao seu redor e com os artefatos
por elementos que pudessem indicar a

26
dos quais ele se utiliza para agir (sobre si, Assim, neste trabalho, entendemos o
sobre o outro e sobre o meio). No estudo currículo como um instrumento cuja análise
aqui descrito, assumimos a postura de que é pode nos permitir ter acesso tanto a
por meio das interações socioculturais entre princípios, filosofias e visões de mundo
professores, alunos e universidades, (Práticas de Letramento), quanto às ações
ocorridas em contextos de ensino formal, ou efetivas voltadas para a formação de
seja, nos ambientes universitários de professores de Letras (Eventos de
formação de professores que constituem os Letramento). Essa visão de currículo está em
cursos de Letras, que novas perspectivas sintonia como a definição apresenta pelo
cognitivas podem emergir. Dentre essas Conselho Nacional de Educação (CNE), por
perspectivas estão a reflexão sobre as meio do Parecer CNE/CES nº 492/2001, a
possibilidades que a tecnologia traz para o seguir:
ensino de línguas, assim como sobre as
Portanto, é necessário que se amplie o
estratégias que possibilitam a integração de
conceito de currículo, que deve ser
teoria e prática na vida profissional dos
concebido como construção cultural que
alunos em formação.
propicie a aquisição do saber de forma
articulada. Por sua natureza teórico-prática,
Uma parte essencial da teoria de Vygotsky é
essencialmente orgânica, o currículo deve ser
a concepção de que a ação humana é
constituído tanto pelo conjunto de
mediada por artefatos, sejam eles físicos,
conhecimentos, competências e habilidades,
sociais ou cognitivos. A partir dela,
como pelos objetivos que busca alcançar.
assumimos que a estrutura curricular dos
Assim, define-se currículo como todo e
cursos analisados é ao mesmo tempo um
qualquer conjunto de atividades acadêmicas
artefato que apresenta esses três níveis.
que integralizam um curso. Essa definição
introduz o conceito de atividade acadêmica
Enquanto um artefato físico, ela é
curricular – aquela considerada relevante
materializada no projeto pedagógico e na
para que o estudante adquira competências
grade curricular de cada curso de graduação
e habilidades necessárias a sua formação e
e de pós-graduação, constituindo
que possa ser avaliada interna e
documentos formais e com efeitos legais
externamente como processo contínuo e
para direcionar as ações tanto das
transformador, conceito que não exclui as
instituições quanto das pessoas que nelas
disciplinas convencionais. (BRASIL, 2001b.
atuam, dentre eles os professores e os
p.29)
alunos. Enquanto artefato social,
entendemos que o currículo é fruto das Afinada com a Teoria Sociocultural, a Teoria
necessidades políticas, históricas, culturais e da Percepção e Ação de Gibson (1986), por
sociais que circundam as comunidades para sua vez, vê a ação humana como o resultado
as quais os cursos universitários se da percepção individual e/ou coletiva dos
direcionam. Nesse sentido, ele reflete elementos presentes no ambiente. Esses
pensamentos e necessidades de diversas elementos, ou artefatos, trazem consigo
esferas, sejam elas relacionadas à academia características inerentes que podem ser
ou ao mercado de trabalho. Enquanto um usadas para realizar ações. Essas
artefato cognitivo, a depender de que possibilidades para ação são referidas na
saberes, habilidades e competências o Teoria gibsoniana como affordances.
currículo prioriza, ele pode agir como um
instrumento tanto para o desenvolvimento Para o autor, possibilidades para ação estão
teórico de reflexões e de novas filosofias sempre nos objetos e no ambiente ao nosso
quanto de visões que relacionem o mundo redor, mas nem sempre são percebidas de
das ideias com o mundo da prática. modo igual por todos, já que isso depende
tanto das experiências socioculturais quanto

27
das experiências individuais pelas quais artefatos tecnológicos com os quais ele
passamos ao longo da vida. precisa lidar, que as suas ações se
concretizam. Essas percepções, entretanto,
Assim, a presença de tecnologias digitais podem ser tanto “positivas” quanto
dentro (ou mesmo fora) do ambiente escolar “negativas”, assim como podem ocorrer em
pode ser percebida de modo diferente para graus variados.
cada um dos professores que lá atuam.
Enquanto para uns elas podem ser Por sua vez, ações acabam, por meio da
percebidas, em maior ou menor grau, como observação e da experimentação, levando a
meios para inovar e ampliar as suas novas percepções, que podem reformular ou
possibilidades de atuação nos processos reforçar outros antigos conjuntos
formativos dos alunos, para outros, elas perceptivos. Esse processo é mediado pela
podem ser vistas como artefatos estéreis, reflexão do professor (análise, elaboração de
sem utilidades práticas para a realização de hipóteses e modelos, verificação), levando a
ações didáticas. Esses diferentes pontos de um ciclo contínuo de percepção – reflexão –
vista são decorrentes da forma como cada ação – reflexão – percepção, e assim por
um percebe as características e as diante. As fronteiras entre cada um desses
possibilidades para ação que o ambiente os momentos, entretanto, não são claras, já
oferece, ou seja, ela é consequência da que por vezes a percepção e ação parecem
forma como percebemos as affordances ocorrer quase que concomitantemente.
oferecidas pelos artefatos. Dessa forma, as ações do professor em
relação às práticas de letramento digital em
Nesse estudo, a Teoria da Percepção e Ação suas aulas estão intimamente ligadas ao
fornece alguns dos instrumentos teóricos modo como ele percebe certas tecnologias,
para as análises do modo como as incluindo potenciais benefícios e prejuízos
instituições percebem as necessidades de associados aos seu uso; às demandas dos
letramento digital na formação de seus contextos profissionais em que atua; e a suas
alunos e como elas agem, a partir dessas próprias posturas e necessidades.
percepções, para formar professores
letrados digitalmente. A relação entre a Assim, a integração de tecnologias digitais na
percepção, a cognição do professor e a ação, formação e na vida laboral de professores
assumida nesse trabalho, está ilustrada está diretamente relacionada ao
abaixo: desenvolvimento das suas capacidades
perceptivas durante o processo formativo,
FIGURA 05: Percepção, cognição e ação do professor de modo que desenvolver competências
para que os professores possam atuar em
um mundo repleto de demandas
tecnológicas passa, antes de tudo, pelo
estímulo às percepções sobre as
potencialidades oferecidas pelos artefatos
tecnológicos. Professores conscientes de
certas affordances oferecidas pela
tecnologia, e de sua aplicação no ensino de
línguas, tendem a integrá-las em suas ações
profissionais.
Fonte: o autor.
No caso dos professores universitários de
Na figura, vemos que é a partir da percepção graduação e de pós-graduação, essa
que o professor tem de si mesmo, em percepção pode, ainda, se manifestar na
associação com a percepção da realidade ao inclusão de tópicos e temas que envolvam o
seu redor (demandas do ambiente) e dos uso de tecnologias no ensino de línguas

28
dentro das estruturas curriculares tecnologias depende da forma como as
elaboradas por eles. Adotamos, então, a pessoas veem tais artefatos e como elas, no
premissa de que a análise dos currículos dos decorrer do processo de adoção, tornam-se
cursos de Letras que compõem o corpus capazes de percebê-las como adequadas
desse estudo pode dar indícios de quais para suprir certas necessidades. O autor
percepções sobre tecnologia são priorizadas propõe 5 perfis de pessoas, definidos de
pelos colegiados dos cursos durante a acordo com a sua propensão para a
formação de seus alunos. aceitação e adoção de inovações. No gráfico
a seguir, podemos ver esses perfis
As percepções também são um elemento representados em uma curva. Em cada
importante em outra teoria adotada neste coluna, o autor também sugere o percentual
estudo, a Teoria da Difusão de Inovação de da população que se encaixa em cada um
Rogers (1963). Para o autor, a adoção de desses perfis:

FIGURA 06: Curva da Adoção Tecnológica de Rogers

Fonte: Rogers (1963). Editado pelo autor.

Para Rogers, a adoção de tecnologias se nosso redor, e não de modo restrito aos
inicia por indivíduos que ele chamou de limites do cérebro humano. Usamos
inovadores. Eles são vanguardistas que constantemente artefatos que agem como
criam ou aderem a novas tendências sem intermediários dos mais diversos tipos de
receios. Apesar de representarem um processos cognitivos, tais como folhas de
número bastante reduzido de uma dada papel e lápis para memorizar eventos e
população, eles acabam por influenciar tarefas ou fazer cálculos. Também usamos
outros entusiastas, os Adotadores Iniciais. livros, TVs e computadores para ter acesso à
Composto por líderes ou formadores de informação etc.
opinião, esse segundo grupo acaba
influenciando uma parcela maior da No estudo, a Teoria da Cognição Distribuída
população, a Maioria Adiantada. Com o foi aplicada tanto para que pudéssemos
tempo, parcelas mais resistentes da traçar as justificativas para a investigação, já
população também acabam por aderir à que novas formas de pensar demandam a
inovação tecnológica. sistematização de novos conhecimentos e
práticas acadêmicas (materializados nos
Assim como a Teoria Sociocultural de currículos em análise), assim como para
Vygotsky (1988) e a Teoria da Percepção e oferecer instrumentos de análise que nos
Ação (GIBSON, 1986) e a Teoria da Difusão permitissem compreender a relação entre
de Inovação (ROGERS, 1963), a Teoria da artefatos e cognição, ou seja, o papel que os
Cognição distribuída (HUTCHINGS, 1995) currículos exercem na forma como
atribui um papel importante à interação com professores e alunos compreendem o
o ambiente e com os artefatos que o mundo em que estão inseridos. Na seção 3,
constituem. Hutchings (1995) sugere que a veremos essas teorias em uso na análise dos
própria cognição humana opera de modo dados coletados durante a investigação.
estendido nos ambientes e nos artefatos ao

29
Seção 2
Aprendizagem, Letramento
Digital e Currículo

Texto de apresentação dizendo brevemente o que será discutido

30
3. Novos olhares sobre a aprendizagem
É inegável que o uso de artefatos Da mesma forma, em situações informais de
tecnológicos em nosso cotidiano tem aprendizagem, as possibilidades oferecidas
influenciando nossas práticas de linguagem pelas TICs levam cada vez mais ao
e a forma como percebemos, produzimos e desenvolvimento de aprendizes autônomos,
transmitimos o conhecimento. Nos capazes de buscar oportunidades de
contextos educacionais, o computador, a aprendizagem em suportes que
Internet, o celular, o vídeo game, a TV, gradualmente se tornam mais acessíveis que
dentre vários outros artefatos digitais, são ferramentas como o livro. É possível
corresponsáveis pelo aprendizado, tanto termos experiências de aprendizagem
dentro quanto fora da sala de aula. mediadas por tecnologias digitais
praticamente em qualquer hora e lugar.
Em situações de ensino formal, por exemplo, Nesse sentido, podemos dizer que as
vemos a crescente inserção de tecnologias tecnologias digitais muitas vezes acabam
que visam promover novas experiências de chegando onde livros e professores ainda
aprendizagem, assim como motivar não conseguiram.
professores e alunos a um intercâmbio entre
os saberes produzidos dentro da sala de aula Segundo dados do Instituto Brasileiro de
com aqueles gerados e valorizados fora dela. Geografia e Estatística (IBGE), em 2016, o

31
celular estava presente em 92,2% dos Ao considerar o acesso à internet, a pesquisa
domicílios do país, sendo ele, na época, o do IBGE estima que a 48,1 milhões de
principal meio de conexão com a internet residências no país contam com esse
por usuários a partir de 10 anos de idade recurso. O índice de utilização da rede
(IBGE, 2018). Dentre as principais atividades mundial, por sua vez, é maior entre usuários
realizadas na rede por meio do telefone em idade escolar, decaindo gradualmente
estavam, respectivamente: entre aqueles com idade acima dos 24 anos.
Dos estudantes da rede pública, 75,0%
1. Trocar mensagens de texto, voz e acessam a rede, enquanto que esse índice é
imagens; de 97,4% entre estudantes da rede privada.
2. Assistir vídeos, programas, séries e
filmes; Em comparação com o celular, o
microcomputador assume o segundo posto
3. Conversar por chamada de voz ou vídeo;
como o principal dispositivo de acesso à
4. Enviar ou receber e-mail. internet. Alguns desses dados podem ser
observados no infográfico a seguir:

FIGURA 07: Uso da internet, do computador e do celular no Brasil, em 2016.

Fonte: IBGE (2018).

Entretanto, se a popularização dos encontrados aqueles posicionamentos que


computadores e da internet, notadamente a rejeitavam a todo custo a presença das
partir dos anos 90, trouxe novas tecnologias digitais em ambientes de
possibilidades de aprendizagem, ela aprendizagem, organizados sob os mais
também trouxe consigo inúmeros conflitos, diversos argumentos, dentre eles:
em parte porque representavam, naquela
época, uma ruptura com crenças e práticas a. o de que elas distraiam alunos e
tradicionais. professores;
b. que impediam a disciplina;
Nesses primeiros anos de contato com essas
c. que eram adequadas ao lazer mas não à
novas ferramentas, eram comuns
aprendizagem;
posicionamentos polarizados sobre as
relações que deveriam ser estabelecidas d. que formariam alunos alienados, alijados
entre esses artefatos tecnológicos do mundo real;
emergentes e aqueles já consolidados ao e. que logo tomariam o lugar de professores.
longo dos anos. De um lado, podiam ser

32
Do outro lado, estavam aqueles que viam os caráter quase industrial como
novos artefatos digitais repletos de Neotecnicismo Pedagógico. Para o autor, ela
otimismos, embora muitas vezes é fruto das políticas educacionais que se
exagerados. Nesta segunda corrente de popularizaram no Brasil na década de 90,
pensamento, tais tecnologias eram que buscavam indicadores numéricos de
frequentemente enxergadas como qualidade a todo custo.
portadoras das soluções de todos os
problemas da escola. Essa perspectiva era A outra corrente, por sua vez, vê a integração
marcada principalmente pela ideia de que das tecnologias na escola como um meio de
era necessário, antes de tudo, equipar os desenvolvimento de habilidades cognitivas
ambientes de aprendizagem com o que fosse diversas, dentre elas a reflexão crítica como
mais moderno. Criou-se, então, uma corrida um instrumento de ação sobre o mundo.
pela tecnologização e aparelhamento da Dentre os autores que defendem esse ponto
escola: laboratórios foram criados e de vista estão Gee (2010); Prensky (2001);
computadores foram comprados em grande Jenkins (2009) e Warschauer (2010).
escala.
Diante de diferentes perspectivas sobre o
Contudo, essa ênfase dada ao hardware não papel das tecnologias na sala de aula, é de se
era acompanhada com o mesmo otimismo esperar que conflitos teóricos sobre o tema
por uma ênfase dada às pessoas que usariam sejam frequentes. Contudo, assim como na
tais equipamentos. Gradualmente, a teoria, nas situações práticas também são
experiência (e alguns fracassos de inúmeras as divergências e contradições
programas de inserção tecnológica na sobre o modo como as tecnologias devem
escola) mostrou que não bastava ter fazer parte da sala de aula.
tecnologia, era preciso saber usá-la
(SANTOS, 2000; MENEZES, 2002; LIMA, A edição de 2016 da pesquisa por
2006). Apesar dessas novas reflexões, ainda amostragem do Centro Regional de Estudos
são frequentes visões de inserção para o Desenvolvimento da Sociedade da
tecnológica que priorizam somente a Informação (Cetic.br) revelou dados
inclusão de equipamentos, não de pessoas. interessantes a esse respeito. Em sua versão
educacional (TIC Educação) o Cetic.br realiza
Mais recentemente, duas outras correntes anualmente, desde 2010, um levantamento
de pensamento se popularizaram a partir de sobre a presença de tecnologias digitais
uma maior aceitação da presença das junto a professores e alunos de matemática
tecnologias digitais nos ambientes escolares. e de português, assim como com
Uma delas, mais moderada, porém ainda coordenadores e diretores do Ensino Médio
ligada à visão que prioriza a aquisição de em escolas de todo o país, tanto públicas
equipamentos, reconhece a importância de quanto privadas.
se preparar professores para lidar com as
tecnologias no ambiente escolar. De acordo com a pesquisa, embora 81% das
Entretanto, esse preparo geralmente se escolas públicas do país possuam
limita aos conhecimentos sobre como laboratórios de informática, somente 59%
operar as máquinas (ligar, desligar, imprimir, utilizam esse recurso. Já nas escolas
usar softwares específicos etc.), ao invés de privadas, os laboratórios de informática
estimular reflexões críticas sobre como elas estão presentes em 47% delas. De modo
podem ser usadas de modo criativo para diferente dos dados do ensino público, nas
atender as necessidades de professores, escolas privadas esses ambientes são usados
alunos e dos contextos específicos de integralmente. Dentre os fatores que levam
aprendizagem. Saviani (2008) se refere a a essa diferença estão a falta de planos de
essa visão “instrumental” das práticas manutenção de equipamentos nas escolas
escolares voltadas para uma produção de públicas e a baixa percepção de professores

33
e diretores de que a utilização desses Escolas (PBLE), dentre outras, se voltaram
espaços é relevante para a formação dos para a aparelhagem de escolas públicas.
alunos.
Nesse caso, vemos em ação a perspectiva de
A pesquisa traz, ainda, dados importantes inclusão tecnológica como uma
sobre a realização de atividades com e sem consequência da aparelhagem, e não da
TICs por professores, mostrando que, na formação de professores e alunos críticos
prática, a integração de artefatos para lidarem com esses artefatos de modo
tecnológicos em ambientes formais de inovador e integrado com suas reais
ensino ainda está aquém do que se espera, necessidades socioeducacionais.
especialmente se considerarmos que no
decorrer das duas últimas décadas medidas Isso pode ser observado no gráfico a seguir,
governamentais e parcerias público-privadas que ilustra a desproporcionalidade entre
como o Programa Nacional de Informática atividades realizadas com TICs e aquelas
na Educação (ProInfo e ProInfo Integrado), o realizadas sem o auxílio dessas tecnologias
Programa um Computador por Aluno digitais, mesmo quando a escola dispõe de
(Prouca), e o Programa Banda Larga nas equipamentos:

FIGURA 08: Atividades escolares com e sem tecnologias

Fonte: CETIC.BR (2017. P.114)

Apesar disso, também é possível perceber constatado, por exemplo, pelo surgimento
um aumento na popularização da de ambientes de formação financiados pela
perspectiva que aborda as TICs na escola por administração pública. Dentre eles, estão
meio do uso crítico e criativo. Isso pode ser ambientes on-line de formação de

34
professores, como o Portal do Professor. É interessante notar que nos itens 7 e 8 fica
Disponível no portal do MEC claro que as TICs não são vistas como
(http://portaldoprofessor.mec.gov.br/index elementos que fazem parte das atividades
.html), ele é um ambiente voltado para a do professor, já que utilizá-las implica em
interação, reflexão, produção e não ter “tempo para cumprir o conteúdo
compartilhamento de materiais previsto” e “conseguir boas notas nas
instrucionais entre professores, dentre eles avaliações de desempenho”. Nesse caso, a
recursos envolvendo as TICs; inserção das TICs como uma forma de
desenvolver competências crítico-reflexivas
Contudo, ainda são muitas as razões necessárias para a formação integral dos
apontadas por professores e autoridades alunos é negligenciada.
escolares para justificar a pouca integração
das TICs na Educação Básica. No relatório do A relação entre TICs e professores também é
Cetic.br de 2016, são listados os 8 maiores analisada de modo instigante pelo
motivos para o baixo uso de TICs em escolas movimento Todos pela Educação, uma
públicas brasileiras. Os dados foram iniciativa privada que publica na internet
coletados por amostragem com indicadores anuais relacionados às metas do
administradores escolares de todo o país, Plano Nacional da Educação. Para a
dentre eles diretores e coordenadores instituição, a inserção de tecnologias
pedagógicos. Na visão dos diretores e educacionais ainda é vista como algo
coordenadores, podemos observar uma relacionado à presença de equipamentos e
predominância da perspectiva de que a não como decorrente da preparação de
inserção de tecnologias ocorre professores (TODOS PELA EDUCAÇÃO,
majoritariamente por meio da aparelhagem 2018).
com equipamentos TICs. O quadro a seguir
lista, em ordem de relevância, os principais Acreditamos que os professores devem ser
motivos para a exclusão das tecnologias vistos como a porta de acesso para as
digitais na escola: tecnologias no contexto escolar. Embora a
1. Baixa Velocidade da Conexão;
presença de equipamentos seja um requisito
2. Número insuficiente de computadores necessário a inserção de tecnologias, de
conectados à internet; nada adianta a compra de hardware e
3. Ausência de Suporte Técnico e aparelhagem de laboratórios e salas de aula
manutenção de equipamento; se ela não vem acompanhada lado a lado por
4. Número insuficiente de computadores por uma preocupação com a preparação e o
aluno; apoio que deve ser dado aos professores.
5. Equipamentos obsoletos e ultrapassados;
6. Falta de apoio pedagógico aos professores Em parte, é essa negligência ao papel do
para uso da internet; professor que contribui para que a
7. Pressão ou falta de tempo para cumprir o
tecnologia seja vista por muitos daqueles
conteúdo previsto;
que atuam no cotidiano escolar como um
8. Pressão para conseguir boas notas nas
elemento que mais atrapalha do que ajuda.
avaliações de desempenho.
(CETIC.BR, 2016) Nesse sentido, não é difícil encontrar
laboratórios sem uso. Em outros casos,
Como pode ser observado, há uma pouca também é comum encontrarmos diretores e
predominância de fatores de caráter outras autoridades escolares que impedem
pedagógico, já que somente os 3 últimos o acesso de professores e alunos a esses
motivos da lista se relacionam diretamente recursos sob o pretexto de salvaguardá-los.
com as dificuldades do professor em lidar Assim, a tecnologia, que pode ser uma
com as demandas didáticas que o uso da ferramenta para motivar e promover
tecnologia exige. experiências de aprendizagem significativas,
transforma-se em um elemento sem

35
utilidade prática nas dependências da A seguir, apresentamos um quadro com a
escola. Enquanto isso, o ambiente escolar síntese de algumas visões/abordagens
permanece ligados à metodologia de quadro relacionadas às tecnologias digitais em
e giz. ambientes educacionais.

Sobre as demandas para uma abordagem FIGURA 09: Visões/abordagens a respeito das
mais integradora das TICs nos contextos tecnologias da informação e comunicação em
contextos educacionais.
educacionais, Prensky (2001) nos diz que os
estudantes de hoje mudaram em relação aos
alunos do passado. Hoje, alunos e
professores estão cercados por dispositivos
tecnológicos como computadores,
videogames, tocadores de música digital,
câmeras de vídeo, telefones celulares, entre
outras ferramentas. Entretanto, enquanto a
maioria dos alunos provavelmente cresceu
rodeada por tecnologias digitais, de modo
que elas não lhes causam estranheza, boa
parte dos professores ainda não estão tão
acostumados a tais ferramentas, pois o
contato com elas pode ter ocorrido mais
tardiamente, quando comparado ao
primeiro grupo.

Para o autor, esse é um dos motivos para os


conflitos na escola contemporânea, com
alunos que necessitam desenvolver
competências relacionadas ao letramento
digital sendo ensinados por professores que
vivem seus próprios dilemas sobre o papel
que as tecnologias podem desempenhar em
suas aulas.

Assim como o Ensino Básico, a universidade


também parece viver esses conflitos. Para
ilustrar isso, podemos mencionar o fato de
que em muitas instituições os computadores
disponibilizados para o uso de alunos em
laboratórios ou bibliotecas (com o objetivo
de promover o acesso a ferramentas digitais
uteis à formação dos discentes) ainda são
bloqueados para o acesso a certos sites e
páginas, dentre eles as redes sociais. Isso
revela que para alguns gestores
universitários é mais cômodo impedir o
acesso a ambientes vistos como
academicamente improdutivos do que
motivar a reflexão e a inovação para que eles
sejam usados produtivamente pelos alunos.
Fonte: o autor.

36
4. Outras formas de pensar: relações
entre corpo, mente, tecnologias e o
ambiente
Desde a Antiguidade Clássica, as reflexões somente a existência da alma imortal
sobre a mente humana e os processos poderia justificar a perpetuação e o acúmulo
mentais fazem parte da busca pelo do saber, obtido por meio da racionalidade
conhecimento. Com Platão e Aristóteles, da própria alma. Nessa perspectiva, a
por exemplo, temos os primeiros inteligência e o pensamento eram inatos, já
delineamentos de uma Filosofia Psicológica, que existiam na alma de modo
voltada para a compreensão do intelecto e independente das experiências fornecidas
da capacidade humana de perceber, pensar pelo mundo material e pelo corpo.
e raciocinar (GOMES, 2005).
Já em Aristóteles, embora o pensamento
Para Platão, a origem do intelecto estava na também fosse uma propriedade da alma,
alma, a qual ele interpretava como uma essa não era mais vista com uma entidade
substância eterna, capaz de acumular separada do corpo, mas algo de caráter físico
experiências e conhecimentos ao longo de e orgânico, aproximando-se do que hoje
diversas existências. Sendo o mundo um entendemos como mente. Para ele, corpo e
ambiente instável e em constante alma estavam em uma relação de
transformação, e por isso mesmo incapaz de interdependência, como uma única entidade
manter o conhecimento de modo estável, com diferentes instâncias, cada uma

37
responsável por funções distintas. Assim, fator que também contribui para adoção
cabia ao corpo a percepção das experiências dessa perspectiva computacional foi a
enquanto que à alma, a compreensão, a popularização da Teoria da Informação
dedução e o armazenamento do proposta por Shannon (1948), que descrevia
conhecimento. De acordo com Gomes a transmissão e o armazenamento da
(2005), foi a partir de Aristóteles que se informação em contextos comunicacionais a
difundiu a ideia dos cinco sentidos como a partir de uma perspectiva matemática.
porta pela qual os estímulos penetram na Nesses novos modelos cognitivos, o cérebro,
alma/mente. Ainda na psicologia filosófica tal como um computador, recebe a
de Aristóteles, a memória era vista como a informação do ambiente, realiza seu
capacidade da alma de estabelecer processamento e a exterioriza.
associações com as experiências do corpo
por meio da razão. Ao descrever suscintamente como
processamos a linguagem, Dias (2000)
Como podemos ver pela reflexão grega apresenta uma ideia de como esses modelos
sobre a relação entre corpo e mente, interpretam a cognição:
durante muito tempo o estudo do
pensamento foi um campo de reflexão da Imaginemos que alguém nos faça a seguinte
pergunta. “Gorilas gostam de bananas; e
Filosofia. Entretanto, com o fortalecimento
chimpanzés?” Para responder a uma
da psicologia científica no século XIX, ele
pergunta desse tipo, qualquer falante
gradualmente se afastou das concepções atravessa uma série de etapas, dentre as
espiritualistas e filosóficas, assim como das quais: compreender a informação que está
concepções puramente materialistas, sendo veiculada pela sentença declarativa;
definindo-se como um campo de estudo das completar as partes da sentença
ciências dedicadas aos fenômenos psíquicos. interrogativa que estão em elipse; ativar, na
Para Wilhelm Wundt (1904), por exemplo, memória, informações a respeito dos dois
considera do o pai da psicologia moderna, animais mencionados; comparar essas
essa nova ciência deveria ser abordada como informações, para avaliar possíveis relações
entre elas; decidir, com base nas etapas
uma ciência empírica cujo objeto de estudo
acima, se a resposta é afirmativa ou negativa,
era a experiência interna ou imediata. A
e emiti-la. (DIAS, 2000. p. 31-32)
partir desse período, consolidou-se o
paradigma de que o cérebro era o único Como ilustra a autora, para a maioria das
responsável pelo pensamento. correntes de “cognição computacional” o
ambiente tende a ser visto como uma fonte
No decorrer das décadas de 50 e 60,
de dados brutos, não processados. Esses
entretanto, o desenvolvimento da Psicologia
dados, por sua vez, são captados por meio de
Cognitiva como o ramo da ciência voltado ao
inúmeros órgãos de entrada de dados, que
estudo da cognição e dos processos mentais
no ser humano correspondem aos 5
que subjazem ao comportamento levou à
sentidos. Em seguida, eles são executados
busca por perspectivas teóricas que
no cérebro, que é o responsável pela
explicassem em detalhes como o cérebro
cognição propriamente dita, por meio de
lida com o pensamento. Essa busca, por sua
processos como análise e categorização,
vez, conduziu a ciência à adoção de modelos
armazenamento, tomada de decisões,
de cognição computacionais, ou de
elaboração de respostas e envio de
processamento da informação. Nesse
comandos ao sistema motor para
período, os primeiros computadores
externalização dos dados processados.
começavam a chamar a atenção da
comunidade científica de modo que a forma Apesar da popularidade, esses modelos
como lidavam com dados logo foi logo usada cognitivos de processamento não
como referência para explicar o representam uma teoria uniforme, mas
funcionamento do cérebro humano. Outro

38
várias tentativas distintas de explicar como a aplicada a contextos formais) recai sobre o
cognição funciona, diferindo entre si em professor a responsabilidade de fornecer ao
menor ou maior grau. Todos eles aprendiz as informações que este deverá
compartilham, entretanto, certas processar, de acordo como suas próprias
características, dentre elas: capacidades cognitivas, tornando-se, então,
capaz de exterioriza-las (por vezes por meio
a. A visão de que a cognição ocorre no de ações e em situações onde elas sejam
cérebro, a partir de informações recebidas necessárias ou relevantes).
do exterior;
Essa postura, contudo, revela não só uma
b. A metáfora da mente como um visão simplista de um processo
computador, com dispositivos de entrada, demasiadamente complexo, quanto ignora
de processamento e de saída de dados. os papeis que o ambiente, os fatores sociais,
as tecnologias, dentre vários outros fatores,
Em parte, a popularidade desses modelos se podem exercer sobre a cognição humana.
deve ao fato de que eles tendem a Por esse motivo, e apesar de sua
representar a cognição como um fenômeno popularidade, a ideia de cognição enquanto
localizado e linear, facilitando o isolamento um fenômeno restrito à mente tem
e a análise dos múltiplos processos que recebendo críticas já desde o final da década
envolvem o pensamento. Contudo, essa de 60.
aparente simplicidade nem sempre se revela
um benefício. Nos campos de ensino e de Em 1968, por exemplo, Paulo Freire
aprendizagem, por exemplo, a visão de questionava a larga adoção de uma
cognição como um fenômeno restrito ao “educação bancária”, criticando as visões de
cérebro tende a desconsiderar o papel que o aprendizagem que interpretam o
ambiente exerce na própria constituição do conhecimento como algo dissociado de
processo cognitivo, já que ele é geralmente variáveis sociais e culturais e que enxergam
visto apenas como fonte de dados não o aprendiz como uma máquina
processados. desconectada das experiências reais do
mundo. Nas palavras do autor:
Assim, para boa parte dos modelos Falar da realidade como algo parado, estático,
computacionais, é somente na mente que o compartimentado e bem-comportado,
significado se constitui. Dessa perspectiva quando não falar ou dissertar sobre algo
também surgem conceitos como a completamente alheio à experiência
sobrecarga de memória de trabalho e de existencial dos educandos vem sendo,
estresse cognitivo, que ocorrem quando a realmente, a suprema inquietação desta
mente não é capaz de lidar adequadamente educação. A sua irrefreada ânsia. Nela, o
educador aparece como seu indiscutível
com o excesso de dados com os quais é
agente, como o seu real sujeito, cuja tarefa
alimentada.
indeclinável é “encher” os educandos dos
conteúdos de sua narração. Conteúdos que
Também são decorrentes dessa visão as são retalhos da realidade desconectados da
abordagens centradas no professor, que é totalidade em que se engendram e em cuja
visto como o responsável por fornecer dados visão ganhariam significação. A palavra,
a serem processados pela mente do aluno, nestas dissertações, se esvazia da dimensão
assim como a visão do aprendiz como um concreta que devia ter ou se transforma em
elemento majoritariamente passivo, que palavra oca, com verbosidade alienada e
recebe, processa e armazena informação, alienante. Daí que seja mais som que
independente da interação com o ambiente significação e, assim, melhor seria não dizê-la.
e com outros fatores que envolvem o [...]
Para esta equivocada concepção dos homens,
aprendizado. Ainda nessa visão de cognição
no momento mesmo em que escrevo,
e aprendizagem (especialmente quando

39
inteligências, a linguística, a lógico-
estariam “dentro” de mim, como pedaços do matemática, a espacial, a musical, a
mundo que me circunda, a mesa em que
corporal-cinestésica, a interpessoal e a
escrevo, os livros, a xícara de café, os objetos
todos que aqui estão, exatamente como
interpersonal, o autor busca desconstruir a
dentro deste quarto estou agora. Desta concepção predominante dentro da
forma, não distingue presentificação à psicologia cognitiva de que a aptidão
consciência de entrada na consciência. A intelectual seria um fenômeno geral, capaz
mesa em que escrevo, os livros, a xícara de de ser medido por meio de testes lógico-
café, os objetos que me cercam estão matemáticos. Para ele, as práticas escolares
simplesmente presentes à minha consciência tradicionais enfatizam somente as duas
e não dentro dela. Tenho a consciência deles primeiras delas, de modo que aqueles alunos
mas não os tenho dentro de mim. [...] A com outras habilidades são geralmente
educação que se impõe aos que
vistos como inaptos, ou pouco inteligentes.
verdadeiramente se comprometem com a
libertação não pode fundar-se numa
compreensão dos homens como seres vazios
Ao sugerir que a inteligência é decorrente,
a quem o mundo “encha” de conteúdos; não também, de fatores ambientais, ele propõe
pode basear-se numa consciência uma alternativa para as visões de
espacializada, mecanicistamente inteligência como algo inato e localizado. Em
compartimentada, mas nos homens como sua teoria, um aprendiz pode tanto ter uma
“corpos conscientes” e na consciência como predisposição biológica para aprender certas
consciência intencionada ao mundo. Não habilidades, quanto aprendê-las por meio da
pode ser a do depósito de conteúdos, mas a experimentação, ou seja, por meio da
da problematização dos homens em suas interação com o ambiente.
relações com o mundo. (FREIRE, 1987. p. 33-
38)
Dessa forma, alguém pode nascer com
No trecho acima, é possível observar que predisposições biológicas para a prática de
para Freire (1987), a ideia que tudo deveria esportes mas não se tornar um bom atleta
estar na mente do aprendiz não se por falta de experiências que o levem a isso,
sustentava como uma explicação que desse enquanto que outro que nasça sem tais
conta do modo como aprendemos e agimos predisposições pode obter alto desempenho
no mundo ao nosso redor, já que a educação esportivo por meio de estímulos, treino e
baseada nesse princípio trataria somente de outras experiências obtidas da interação
“conteúdos que são retalhos desconectados com o ambiente e com as pessoas que o
de uma totalidade em que se engendram”. cercam.
Dessa forma, mesmo que indiretamente, ele
também criticava os modelos de cognição Nos anos 90, A Teoria das Inteligências
que isolavam o conhecimento das Múltiplas se aproximou ainda mais do papel
experiências reais obtidas por meio da exercido pelos fatores ambientais no
interação com o ambiente. Assim como ele, aprendizado ao acrescentar uma oitava
outros também questionaram a inteligência, a naturalística, que se refere à
interpretação dos processos cognitivos habilidade dos indivíduos para lidarem com
como algo deslocado dos fatores externos à animais, plantas, fatores meteorológicos,
mente. dentre outros, assim como para a criação de
ferramentas que permitam a eles interagir
Gardner (1983), por exemplo, no final dos com o mundo de modo produtivo.
anos 70 e início dos anos 80, levanta dúvidas
sobre a noção de inteligência como uma De acordo com Gardner (2006), no passado
característica unificada, inata e localizada essa inteligência estava intimamente ligada
somente na mente do indivíduo quando a sobrevivência humana dos indivíduos, que
propõe sua Teoria das Inteligências dependiam de suas habilidades com o
Múltiplas. Ao descrever, inicialmente, sete manejo de plantas, animais e das condições

40
meteorológicas para garantir alimento. Ao seguir, apresentamos uma síntese das oito
longo da história, entretanto, gradualmente inteligências propostas pelo autor. Por meio
os seres humanos desenvolveram estruturas das descrições de cada uma delas, podemos
sociais e outros mecanismos, tais como a observar que a cognição não está limitada ao
especialização de tarefas e a divisão de processamento de representações pelo
trabalhos e dos papeis sociais, que cérebro. Ao invés disso, ela é o resultado da
permitiram com que nem todos precisassem integração de diversas habilidades e
ser agricultores, dedicando-se ao atividades, muitas vezes de ordem física,
desenvolvimento de outras inteligências e corporal e/ou social. Algumas delas estão
aptidões. diretamente ligadas ao uso dos artefatos.
Isso nos mostra, ainda, que as tecnologias
Com isso, o autor sugere que tanto as digitais oferecem um grande potencial para
estruturas sociais quanto as ferramentas a aprendizagem, já que todas as inteligências
criadas pelo homem têm um papel relevante propostas por Gardner podem ser
no desempenho cognitivo dos indivíduos. A estimuladas por meio das TICs.

TABELA 02: Inteligências Múltiplas de Gardner

FONTE: Adaptado de DAVIES; SEIDER; CHRISTODOULOU; GARDNER (2011)

Antes mesmo das ideias de Gardner, ainda movimento teórico são frutos da percepção
nos 70, outras perspectivas de cognição de que a visão cognitiva tradicional não
começaram a se delinear (COLE e BRUNER conseguia dar conta dos fenômenos sociais e
1971; GIBSON, 1971/1982; COLE e GRIFFINS, ambientais que começavam a ser apontados
1980; MINSKY, 1985, dentre outros), em pelos socioculturalistas. Eles podem ser
parte motivadas pela popularização da condensados em dois grandes problemas:
Teoria Sociocultural de Vygotsky no
ocidente, e pela crescente presença de a. Se a cognição é um fenômeno
artefatos midiáticos, dentre eles a TV e a individualizado, como os modelos adotados
emergente popularização dos computadores até então poderiam ser aplicados para
pessoais. explicar o fato de que indivíduos estão
constantemente interagindo socialmente e
De modo geral, os principais sendo, ao mesmo tempo, afetados por essas
questionamentos que levaram a esse novo interações?

41
b. Se, por outro lado, a cognição não é um embora os fenômenos cognitivos possam
fenômeno individualizado, qual seria o papel ocorrer na mente, eles também ocorrem
de artefatos midiáticos, dentre outras fora dela, de modo que os processos
ferramentas, na construção de internos de representação1 estão
representações individuais e culturais e intensamente conectados com processos
como esses artefatos interagiriam com a externos.
memória humana na construção dessas
representações? Da mesma forma, a cognição continua sendo
vista como sinônimo de processamento, mas
Algumas das respostas para esses com outras unidades de análise, de modo
questionamentos foram propostas, nos anos que o foco da Dcog é investigar como o
90, por Edwin Hutchings (1995) por meio da processamento da informação é conduzido
Teoria da Cognição Distribuída (Dcog). Para por uma grande quantidade de fatores que
ele, “A cognição humana é sempre situada não se restringem aos processos
em um mundo sociocultural complexo e por estritamente mentais, tais como os
isso não há como não ser afetada por ele.” indivíduos que fazem parte de grupos ou
(HUTCHINGS, 1995. p. xiii). Na visão do outras organizações sociais e as ferramentas
autor, a cognição está atrelada às práticas que eles utilizam para interagir entre si e
socioculturais dos indivíduos, de modo que com o mundo. Em parte, é a essa conciliação
ela pode ser melhor compreendida como um entre velhas e novas perspectivas que fez
fenômeno distribuído, ao invés de um com que a Dcog fosse rapidamente aceita
fenômeno localizado, restrito somente à como uma alternativa para outros modelos
mente. Em uma situação de interação, por computacionais.
exemplo, são os elementos interactantes
que constantemente moldam e remoldam Tanto em sistemas cognitivos tradicionais
os processos cognitivos envolvidos no quanto na Dcog há a busca pela descrição de
próprio ato interativo. como as estruturas representacionais são
armazenadas e ativadas. Entretanto,
Dessa forma, dois ou mais indivíduos enquanto nos primeiros o foco recai sobre os
envolvidos em atividades de interação processos psicológicos internos, no segundo
trazem consigo diferentes tipos de a perspectiva adotada é a de que tanto
conhecimento, que influenciam e sofrem fenômenos internos quanto externos são
influências mútuas por meio do trabalho parte ativa do sistema cognitivo do ser
colaborativo e da negociação de significado. humano. Esses fatores externos, por sua
Essas influências mútuas levam, por sua vez, vez, são acessados no sistema cognitivo pela
à emergência de novas representações. interação com o ambiente, com outros
Nesse sentido, a própria interação é também indivíduos ou com artefatos diversos, de
um meio no qual a cognição se processa e se modo que o ambiente é visto como um meio
distribui. computacional. Essa diferença pode ser
ilustrada pelo esquema da próxima página,
Com isso, Hutchings (1995) não nega em que o processamento cognitivo a partir
completamente a visão cognitiva de um modelo internalista é representado
“internalista”, tampouco se afasta da visão ao lado de um modelo para o processamento
computacional que prevaleceu nas ciências distribuído por artefatos e o ambiente.
cognitivas desde a década de 50. Para ele,

1
1 Apesardas
Apesar dasdiferentes
diferentes nuances
nuances no conceito
no conceito de
de representação kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
adotadas por distintas perspectivas filosóficas e
científicas acerca da cognição humana, neste trabalho o termokkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
rkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk será abordado como a unidade básica do
pensamento, por meio da qual a mente elabora
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk e organiza conteúdos simbólicos essenciais para a compreensão do
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
mundo
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk kkkkkkkk
kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

42
FIGURA 10: Diferença entre o processamento cognitivo descrito por modelos internalistas(a) e externalistas(b).

FONTE: Nilsson, van Laere, Susi e Ziemke (2012).

Assim, Hutchings (1995) propõe três compras, papel e caneta, máquinas de


princípios nos quais a Dcog se baseia: calcular, computadores etc.

1. Os processos cognitivos podem de Sobre o papel dos artefatos2 na cognição


distribuir pelos membros do grupo social; humana, Norman (1991), sugere que eles
não mudam as capacidades dos indivíduos.
2. Os processos cognitivos podem se Ao invés disso, eles mudam a natureza da
distribuir de modo que o funcionamento do atividade realizada por uma pessoa,
sistema cognitivo envolve a coordenação expandido as possibilidades de interação e
entre estruturas internas e externas ação entre o ser humano, a própria atividade
(materiais ou ambientais); e os artefatos utilizados em sua realização.
Para o autor, esses artefatos
físico/cognitivos operam em dois níveis: no
3. Os processos cognitivos podem se
nível individual e no nível do sistema. No
distribuir pelo tempo de modo que os
nível individual, ao utilizar uma lista de
resultados de eventos anteriores podem
compras, por exemplo, uma pessoa se vê
transformar a natureza de eventos
obrigada a realizar outras atividades tais
posteriores.
como preparar a lista, lembrar de utilizá-la e
Um outro ponto relevante da Dcog é o ler e interpretar os itens constantes nela; Já
reconhecimento de que artefatos físicos no nível do sistema, é a partir da realização
também são artefatos cognitivos, ou seja, dessas e de outras ações que podem
ferramentas físicas que exercem uma função ocorrer durante o uso desse artefato, que
representacional capaz de afetar o temos a impressão de que a memória se
desempenho cognitivos humano, tais como expandiu, à medida que se distribui por
calendários, agendas telefônicas, listas de outras atividades realizadas e pelo próprio
artefato.

2 2
Produtos,
Produtos,objetos, conceitos,dentre
objetos, conceitos, dentre outras
outras oo0000000000000000000000000000000000000
estruturas físicas ou ideológicas, elaboradas socio-historicamente pelo
estruturas físicas
homem como ou ideológicas,
forma de agir sobre elaboradas
o meio. 000000000000000000000000000000000000000
ooooooooooooooooooooooooooooooooooooo 000000000000000000000000000000000000000
ooooooooooooooooooooooooooooooooooooo 000000000000000000000ppppppppppppppppp

43
Os argumentos de Norman (1991) ajudam, sobre o mundo. É dessa perspectiva que vem
ainda, na desconstrução da ideia de que o a ideia de que a cognição é um fenômeno
uso intensivo de artefatos reduz a distribuído, ou seja, que acontece
capacidade cognitiva do indivíduo, que se simultaneamente em várias instâncias.
tornaria dependente de “muletas
cognitivas”, incapaz de pesar por si próprio Kirsh (2010) ilustra isso ao comentar sobre o
quando desprovido da sua presença. Das ato de leitura. De acordo com ele, nunca
palavras do autor, o que se pode depreender lemos um texto somente por meio do que
é que, na verdade, eles mudam a natureza está em nossas cabeças. Além da constante
da atividade realizada pelo indivíduo, interação com o que está escrito, utilizamos
criando a necessidade da realização de recursos como fazer marcações, apontar
outros processos que não eram exigidos com o dedo, murmurar, manipular outros
antes de sua inserção. A esse respeito, objetos, dentre inúmeras outras coisas. Para
Hutchings (1995) afirma que é essencial o autor, esses são recursos por meio dos
distinguir entre o processamento necessário quais conectamos o que está na mente com
para que uma pessoa manipule um artefato o que está fora dela e assim conseguimos
em si; e o processamento alcançado pela atribuir sentido ao que lemos.
manipulação de tal artefato.
Outro exemplo de como fatores internos e
Kirsh (2010. p. 441), por sua vez, elenca externos interagem entre si durante a
algumas das características das cognição é fornecido por Kirsh e Maglio
representações construídas por meio de (1992) ao descreverem as ações de alguém
artefatos externos: que joga Tetris, um jogo eletrônico no qual o
jogador deve encaixar, tal como em um
a. Elas mudam o custo e a estrutura da quebra-cabeças, peças de formatos variados
paisagem inferencial necessária no que caem de um posição elevada na tela até
processamento; que elas formem linhas horizontais na parte
b. Elas fornecem uma estrutura que pode inferior da área de jogo. Ao observar
servir para compartilhar o pensamento; jogadores envolvidos nessa atividade, os
autores constataram que os jogadores
c. Elas criam referentes persistentes;
tendem a mover as peças várias vezes à
d. Elas facilitam a re-representação; medida que elas caem, mesmo que isso não
e. Elas frequentemente são mais naturais seja necessário. Segundo os autores, esse
que as representação mentais; movimento é importante para permitir que
f. Elas facilitam a computação de o jogador estabeleça relações entre os
informações mais explícitas que devem ser processos cognitivos que ocorrem
codificadas; internamente e aqueles que ocorrem
g. Elas permitem a construção arbitrária de externamente, muitas vezes distribuídos
estruturas complexas; pela tela do jogo, do controlador (joystick),
h. Elas ajudam a coordenar o pensamento. dentre outros ambientes cognitivos. É essa
conexão que o ajuda a tomar decisões.
Hutchings (1995) também tenta afastar a
ideia de que artefatos são simples extensões O papel que a Dcog atribui aos artefatos e ao
da mente porque essa visão tende a levar ao ambiente na cognição fez com que ela fosse
engano de que a cognição ocorreria em adotada por diversas áreas do saber,
etapas distintas, uma dentro e outra fora do notadamente aquelas relacionadas à criação
cérebro. Para o autor, o que ocorre é uma e análise de sistemas informacionais,
profunda integração entre processos (HALVERSON, 2002), à interação homem-
internos e externos de modo que a todo máquina (HOLLAN, HUTCHINGS e KIRSH,
momento recorremos aos dois tipos de 2000) aos estudos da mídia (MAYER, 2001),
representação para entendermos e agirmos à análise de ambientes de trabalho

44
colaborativo (PERRY, 1999) e à educação ‘fluem’ em um dado contexto escolar. 3”
(PEA, 1993; HERRERO e BROWN, 2010; Halverson e Clifford (2006), por sua vez,
HALVERSON, 2003), dentre vários outros. Em afirmam que esses sistema de prática podem
contextos educacionais ela tem sido aplicada agir tanto como ferramentas poderosas de
com entusiasmo tanto nas análises da mudança quanto como filtros conservadores
aprendizagem mediada por computador que afastam os atores escolares de novas
(SALTZBERG; POLYSON, 1995) e outras práticas.
tecnologias, como na interação em
plataformas de educação à distância Para os autores, uma análise dos papeis
(DORADOUMIS e MARQUÊS, 2002), assim atribuídos aos artefatos criados ou adotados
como na análise das práticas escolares que na escola pelos atores escolares permite,
envolvem o uso de artefatos físicos e também, uma análise das práticas moldadas
cognitivos, dentre eles as TICs . por eles. A partir disso, também é possível
assumir o sentido inverso de investigação,
Neste último caso, a adoção de tecnologias de modo que uma análise das práticas
em contextos de formação, sob a escolares pode levar à depreensão de como
perspectiva da Dcog, é vista como um os artefatos são percebidos por aqueles que
fenômeno distribuído nos sistemas de efetivamente são responsáveis por
representação internos e externos, de modo mudanças na escola. Para isso, é
que o uso de tecnologias depende tanto dos imprescindível considerar que tais artefatos
conhecimentos pessoais e profissionais que são gerados ou adotados de acordo com os
os agentes têm a seu respeito, quanto de julgamentos que a comunidade de
fatores ambientais e sociais como adotantes faz de suas características e de
orçamento, currículo, rotinas, como eles satisfazem a suas necessidades
infraestrutura, demandas sociais, dentre implícitas e explicitas.
várias outras.
No estudo que descrevemos neste livro, o
Halverson (2003), por exemplo, aplica a Dcog currículo escolar é visto como uma unidade
na análise da implementação de políticas de registro das práticas de professores e
educacionais por meio do estudo da alunos que são conduzidas nos contextos
cognição dos atores locais (professores e formais de ensino analisados, já que é nele
autoridades escolares) e de como ela que se manifestam as propostas didáticas, os
influencia em ações como elaboração, objetivos, as visões de mundo e de ensino,
implementação, avaliação e reformulação assim como os conteúdos e sua organização.
dessas políticas. Para isso, ele adota o Acreditamos que a análise dessas práticas
conceito de Sistemas de Prática (OGAWA e nos permite ter acesso ao modo como os
BOSSERT, 1995, apud HALVERSON, 2003. p. professores e os alunos integram
2), que são, nas palavras de seus representações internas e externas sobre as
proponentes: “Um sistema complexo de tecnologias digitais, o ensino de línguas e o
estruturas, tarefas e tradições que criam e processo formativo.
facilitam a prática em organizações.
Sistemas de prática se referem às No próximo capítulo, discutiremos um pouco
delimitações estruturais por meio das quais mais sobre o papel do currículo na formação
a liderança, o ensino e a aprendizagem de professores.

33
the
the complex networkofof
complex network structures,
structures, tasks
tasks and and
traditions that create and facilitate practice in organizations. Systems
traditions that create and facilitate practice in which leadership, teaching and learning “flow” in a given school
of practice refer to the structural constraints through
organizations.
context. Systems of practice refer to the
structural constraints through which leadership,
teaching and learning “flow” in a given school
context.

45
5. Currículo e formação de professores
De modo geral, o temo currículo traz consigo associação mais direta se dê com ambientes
conotações variadas, que podem ir desde a formais de aprendizado. Nesse segundo
concepção de que ele abrange todas as sentido, ele se relaciona às experiências
experiências pelas quais alguém pode planejadas para suprir necessidades
passar em situações de aprendizagem, específicas tanto dos sujeitos aprendizes,
quanto a descrição de filosofias e atividades quanto dos atores educacionais, sejam eles
voltadas para a promoção de situações de os governos, as comunidades, as instituições
instrução, além do detalhamento da de ensino, os líderes escolares, ou os
estrutura e da organização de conteúdos a professores. Dessa forma, o currículo se
serem cobertos pela ação de ensinar manifesta, com frequência, por meio de um
(SACRISTÁN, 2013). documento formal que delimita os processos
e os princípios que subjazem as visões que
Embora ele também possa ser abordado esses atores têm sobre a natureza do
como um fenômeno que ocorre fora de conhecimento.
contextos escolares, presente nos mais
diversos recursos e oportunidades de Taba (1962, apud VAN DER AKKER, 2004), ao
aprendizado que se manifestam por meio discutir a conceituação do termo, sugere que
das nossas experiências socioculturais um olhar a partir de sua natureza
(SCHUBBERT,1981), é inevitável que sua etimológica possa ajudar a minimizar

46
dificuldades conceituais decorrentes da Ao discutir sobre as nuances do termo em
pluralidade de sentidos que ele recebe na contextos de pesquisa sobre o ensino de
literatura. Nas palavras da autora: língua inglesa, Woods, Weir e Luke (2010)
estabelecem a diferença entre duas
entidades: Syllabus e Curriculum. Para os
Quando há uma míriade de definições de um
autores, o conceito de Syllabus descreve um
conceito na literatura (tal como com
delineamento conciso do que deve ser
currículo), frequentemente é difícil manter
um foco claro sobre sua essência. Nesses ensinado e aprendido durante os anos
casos, pesquisar
Quando hásobre
uma amíriade
origem de
etmológica
definições escolares. Ele está, por sua vez, subordinado
do conceito frequentemente
aprendizado. 4 ajuda. A palavra a um conceito mais amplo, o de Curriculum,
latina “curriculum” se refere a um percurso sendo a manifestação mais imediata deste
ou caminho a ser seguido. No contexto último, de acordo com um local e tempo
educacional, onde o aprendizado á uma específico.
atividade central, a interpretação mais óbvia
dessa palavra é, então, a de um caminho ou Assim, o conceito de Curriculum diz respeito
plano para o aprendizado4 (TABA, 1962, à soma total de recursos intelectuais,
apud VAN DER AKKER, 2004. p.2). científicos, cognitivos, linguísticos e
materiais, tanto oficiais quanto extraoficiais,
que são reunidos para atender às
Van der Akker (2004), por sua vez, sugere necessidades de professores, alunos, da
uma perspectiva inversa ao defender que a comunidade e do ambiente como um todo,
melhor forma de definir currículo é a partir promovendo o ensino e o aprendizado.
da análise da sua complexidade e da Distinções semelhantes podem ser
multiplicidade de níveis por meio do qual ele encontradas nos trabalhos de Nunan (1988)
se manifesta. Para isso, ele sugere os e Richards (2001).
seguintes níveis:
Apesar de também tratar os dois termos
a. um macro-nível, referente às esferas e como entidades separadas, Murphy (2018)
interesses nacionais voltados para a por sua vez, sugere que nos Estados Unidos
formação; há uma tendência para que eles sejam
interpretados como a mesma coisa.
b. um meso-nível, referente às
No contexto Brasileiro, essa distinção está
necessidades e aos objetivos formativos
presente no trabalho de Moreira (1990), que
estabelecidos por escolas e instituições;
adota conotações semelhantes às dos atores
supracitados ao tratar de currículo e de
c. um micro-nível, que se relaciona ao programa de ensino. Apesar disso, é possível
ambiente de sala de aula e aos materiais perceber uma predominância no país da
instrucionais usados; adoção de currículo como um termo
abrangente para esses e outros fenômenos
d. um nano-nível: que diz respeito aos relacionados, tal como pode ser observado
objetivos pessoais e individuais dos atores e nos trabalhos de Kelly (1981), Lopes e
sujeitos envolvidos no processo formativo. Macedo (2002), Lopes (2006), dentre outros.
Seguindo essa tendência, Silva (1999),
interpreta currículo de forma mais

44
Whenthere
When thereisisa amyriad
myriad of definitions
of definitions of a of a
concept 'track'(as
in the literature towith
be followed. In itthe
curriculum), context
is often of to keep
difficult
concept in the literature (as with curriculum), it education, where learning is the
a clear focus on its essence. In those cases it often helps to search for the etymological origin of the concept.central activity,
The
is often difficult to keep a clear focus on its the most obvious interpretation of the
Latin word 'curriculum' refers to a 'course' or 'track' to be followed. In the context of education, where learning is word
essence.
the centralInactivity,
those cases it often
the most helps
obvious to search of the word
interpretation curriculum
curriculumisisthen
thento
to view
view itit asasaacourse
courseoror 'plan
'plan for
for the etymological
learning' origin of the concept. The
(Tradução nossa). for learning'
Latin word 'curriculum' refers to a 'course' or

47
abrangente, como uma ferramenta que No contexto da educação básica brasileira,
medeia as relações entre conhecimento, as forças que o definem e modificam podem
poder e formação da identidade, já que traz ser representados no esquema abaixo:
consigo valores de ordem política, cultural,
FIGURA 11: Forças que definem o currículo
social e individual. Nessa visão, o currículo,
justamente por sua amplitude, não pode ser
compreendido com um fenômeno restrito às
instituições escolares, já que se origina fora
delas e é para fora delas que se direcionam
os resultados que ele produz.
Essa visão coaduna com a de Freire (1987)
para quem o currículo deve ser um artefato
crítico libertador, que abarca não só as
relações da vida da escola como também as
relações entre todos e todas que fazem
parte dela, permitindo-lhes enxergar a
ideologia para além de um conjunto de
ideias, ou seja, como práticas concretas que
podem tanto estabelecer amarras quanto
libertar.
Veiga (2002) por sua vez, adota uma
perspectiva sociocultural ao definir currículo
como:

construção social do conhecimento,


pressupondo a sistematização dos meios para
que esta construção se efetive; a transmissão
dos conhecimentos historicamente
produzidos e as formas de assimilá-los,
portanto, produção, transmissão e
assimilação são processos que compõem uma
metodologia de construção coletiva do
conhecimento escolar, ou seja, o currículo
propriamente dito. (VEIGA, 2002. p.7)

É essa visão ampla de currículo, proposta por


Freire (1987) e referendada por Silva (1999)
e Veiga (2002), dentre outros, que é adotada
nesse trabalho. Nela, percebe-se uma
relação de grande afinidade como
pressupostos da teoria sociocultural
vygotskyana e da Teoria da Cognição
Distribuída de Hutchings (1995), outros
marcos adotados neste livro. Assim, o
currículo é visto, aqui, como o reflexo de
fatores tanto sociais, quanto políticos,
econômicos, tecnológicos, ambientais e
individuais.

FONTE: o autor.

48
O diagrama da página anterior descreve o
currículo como o resultado das inúmeras A mídia educativa brasileira tem seu próprio
forças que compõem os ambientes modelo curricular para a formação docente em
socioculturais nos quais ele se situa. Essas serviço. Trata-se de um modelo híbrido que
incorpora vários elementos enfatizados pelas
forças, contudo, não agem de maneira
diferentes teorias críticas de currículo e pelas
isolada, mas em uma intensa relação de propostas pedagógicas críticas. Afinal é um
dependência e de múltiplas influências. modelo curricular que ensina as/os docentes a
Apesar disso, observa-se que certos fatores explorarem a relação com seus alunos; que ensina
tendem a exercer maior poder sobre o a importância de cada um/a buscar seu próprio
currículo do que outros, especialmente esclarecimento; que prescreve exercícios de
aqueles de caráter executivo, localizados no autorreflexão e de engajamento da/o docente na
topo do esquema, e de responsabilidade de comunidade em que atua. Nesse currículo, a/o
autoridades governamentais. São elas que docente é convocada/o permanentemente à
de fato legitimam as políticas educacionais, ação, à participação, à transformação das
condições da realidade em que está inserida/o, à
sendo também responsáveis por sua
preocupação com alunos carentes que precisam
aplicação e fiscalização. de sua compreensão e cuidado. Mas esse
Em segundo plano, temos as forças sociais e currículo, ao mesmo tempo em que valoriza a
relação dialógica com o aluno e a ação para a
econômicas, que direta e indiretamente
transformação da realidade em que está
definem o que elas querem que seja
inserida/o – assim como nas teorias críticas de
contemplado pelos currículos escolares. currículo inspiradas em Freire (1970 e 1976) ou
Nesse nível, além de fatores já em Giroux (1983 e 1986), por exemplo –, valoriza
tradicionalmente consolidados como a também o ensino dos conhecimentos oficiais tais
indústria, o comércio e o mercado de como selecionados e sintetizados em
trabalho, pode-se observar o papel das documentos oficiais como os PCN ou livros
tecnologias e da mídia como elementos que didáticos avaliados pelo PNLD.
exercem poder semelhante. No ensino
voltado para a formação profissional, por No currículo híbrido da mídia educativa,
encontra-se a enumeração de saberes
exemplo, é essencial que o currículo
necessários e daquilo que se chama de
contemple conhecimentos relacionados às
“ingredientes básicos” para a construção de uma
tecnologias disponíveis ou requeridas de prática docente adequada ao “Brasil que todos
modo que ele possa atender as necessidades querem”. Esses “ingredientes básicos” são
dos aprendizes. divulgados em forma de sugestões apresentadas
ora por meio de relatos de experiências de
Da mesma forma, a mídia tem se professoras/es que têm “uma receita de
consolidado como um dos mais poderosos sucesso”, ora por meio de sugestões minuciosas
instrumentos de controle, em todos os dadas à/ao docente, pela própria mídia educativa
aspectos da vida moderna (HALL, 1998; e por seus inúmeros especialistas, para o
FISCHER, 2002; FEILITZEN e CARLOSSON, planejamento das aulas e para a condução do
2002; BAUMAN, 2009; BELLONI, 2010;). Nas ensino. Em outros momentos, essas sugestões
discussões sobre o currículo e a formação de são apresentadas por meio de opiniões de
professores, por exemplo, ela é amplamente especialistas que avaliam a educação brasileira,
debatida por Paraiso (2002; 2006), para indicam modos de ensinar e exercícios que as/os
docentes devem efetuar sobre si mesmas/os,
quem a mídia constantemente divulga
com o fim de praticar a docência adequadamente
discursos que ditam a professores como e tornar-se um indivíduo feliz e realizado.
devem agir e o que devem e como devem (PARAISO, 2006. p. 97-98)
ensinar. Nas palavras da autora:

49
Outros elementos que exercem influência ao denunciar as relações entre ideologia,
sobre o currículo também estão cultura e currículo. Para o autor, a ideia de
representados no esquema da página 53 conhecimento como algo neutro não passa
pelas forças especializadas, ou seja, pelas de uma falácia para mascarar o papel que a
instituições públicas e privadas que atuam escola exerce para o empoderamento de
na formação de professores, de lideranças certas classes sobre outras. O currículo,
escolares e de outros especialistas segundo ele, não se forma em ambientes
educacionais. estéreis, livres de influências políticas e
ideológicas, mas em contextos sociais
Frequentemente representadas por autênticos, que inevitavelmente refletem as
universidades, fundações, associações e
lutas e os interesses dos grupos que os
ONGs, dentre outras, essas forças também constituem. Esses interesses, por sua vez,
podem atuar para proporcionar o tendem a ser aqueles dos grupos
financiamento e a execução de projetos de economicamente dominantes.
formação ou implementação de pesquisas e
outros projetos educacionais de menor A partir desse ponto de vista, o autor sugere
porte, quando comparados às forças que o currículo é, por natureza, um campo
executivas. Elas têm um papel fundamental de luta e de compromisso, no qual um dos o
na construção do currículo pois tendem a papeis dos professores é o de atuar como
trabalhar para a consolidação ou para o questionadores das políticas educacionais e
questionamento dos parâmetros curriculares voltadas para a manutenção de
estabelecidos pelas outras forças. Elas são estereótipos e de privilégios. Para fazer isso,
forças de alto poder crítico e de grande esses professores necessitam ser
influência ideológica, já que podem construir profissionais comprometidos com a reflexão
visões positivas ou negativas sobre o crítica.
currículo à medida que forma profissionais
para atuarem diretamente no ensino. Embora frequentemente esteja a cargo das
forças locais, no Brasil, essa dimensão crítica
Já as forças locais, por sua vez, são aquelas também se manifesta nas propostas
que lidam com o currículo de modo mais elaboradas pelas forças executivas, seja por
íntimo, ou seja, na prática. Apesar disso, meio de documentos como a Lei de
com frequência elas são as que têm menor Diretrizes e Bases da Educação Nacional
poder no estabelecimento ou modificação (LDB), os Parâmetros Curriculares Nacionais
da estrutura curricular, pois tendem a se (PCNs), as Diretrizes Curriculares Nacionais
submeter ao que é estabelecido pelas outras (DCNs) ou, com frequência, os pareceres do
forças. Esse fenômeno ocorre, por sua vez, Conselho Nacional de Educação (CNE). Em
devido a vários outros fatores que se parte, essa perspectiva crítica que tem sido
constituem a partir das especificidades de adotada pelas forças executivas brasileiras
cada comunidade escolar. se deve à popularização das ideias de
letramento e de pedagogia enquanto um
É nesse nível que se percebe mais
mecanismo de libertação, em voga a partir
diretamente a importância de agentes locais dos anos 80, quando uma série de mudanças
reflexivos, capazes de avaliar e propor políticas e sociais começaram a se delinear
mudanças criativas a currículos concebidos em diversos contextos no país.
de modo rígido para abarcar uma realidade
ampla, seja ela nacional, estadual ou Na próxima seção, discutiremos mais a
municipal, que nem sempre se adapta às fundo sobre as visões de currículo e
necessidades locais. educação veiculadas por esses documentos.
Também abordaremos o papel que eles
Apple (1999) discute sobre a necessidade de
atribuem as tecnologias digitais na formação
que os agentes locais encarem seu papel de alunos e, notadamente, na formação de
como transformadores da realidade escolar professores.

50
6. Políticas educacionais brasileiras para
os cursos superiores de formação de
professores

Após a promulgação da constituição de antagônicos dos inúmeros agentes


1988, o sistema educacional brasileiro, que envolvidos naquele processo de mudança.
ainda se encontrava sob os moldes da Lei de
Diretrizes e Bases da Educação (LDB) de 1971 Considerando a literatura produzida sobre o
(Lei 5692, publicada em 11 de agosto de tema, podemos constatar que se por um
1971) dava claros sinais de desgaste, lado a LDB de 1996 é frequentemente
especialmente diante das então novas apontada como um caminho para ampliar os
perspectivas políticas e sociais que pareciam direitos educacionais, a autonomia das
estar em rumo nos anos futuros. Com isso, instituições públicas e os investimentos
iniciaram-se debates acalorados no financeiros na Educação Brasileira,
Congresso Nacional que visavam uma incluindo-se investimentos do Banco
renovação educacional “profunda”. Em Mundial, por outro ela também é tratada
1996 esses debates culminaram, de forma como retrógrada, confusa, antidemocrática
igualmente polêmica, na publicação de uma e contra os interesses das parcelas menos
nova LDB, (Lei 9394/96, de 20 de dezembro favorecidas socialmente. (RAMAL, 1997,
de 1996), refletindo os interesses e as visões PEREIRA e TEIXEIRA, 1997, PINO, 1997;

51
SAVIANI, 1999; DEMO, 2002, MONLEVADE, currículo dos cursos de licenciatura
2008). brasileiros. Para situar essa discussão no
contexto de uso das tecnologias digitais,
Em parte, as discussões que envolvem a teceremos também comentários sobre
estrutura e a eficácia da LDB de 1996 para alguns pontos de pareceres do Conselho
mudar os rumos da educação brasileira se Nacional de Educação (CNE) que abordam a
relacionam com o seu conturbado processo relação entre formação de professores e
de criação. Carneiro e Cruz (1995), antes TICs. Nesse sentido, reconhecemos que
mesmo da aprovação da Lei, já relatavam coube ao CNE, nessas duas décadas, por
com preocupação o fato de que as meio de pareceres e resoluções, o papel de
discussões conduzidas entre 1988 e 1993, reduzir as ambiguidades e as contradições
por meio de audiências públicas e do texto da LDB. Diante da multiplicidade de
negociações partidárias, haviam sido aspectos de que tratam as regulamentações
descartadas pelo então presidente do para o ensino, manifestadas na LDB e nos
Senado Federal em detrimento de uma outra pareceres do CNE, priorizamos uma breve
proposta mais sintética elaborada e relatada discussão dos seguintes aspectos:
pelo então senador Darcy Ribeiro. Essa nova
versão acabou sendo aquela que finalmente a. A autonomia das universidades para a
entrou em vigor um ano mais tarde, gerando construção dos currículos;
o desagrado de muitos. b. A relação entre ensino e mercado de
trabalho;
Talvez por esse, dentre outros fatores, a LDB
de 1996 nunca foi uma unanimidade entre
c. A Interdisciplinaridade e o desenvol-
vimento de competências;
aqueles envolvidos com a prática de
formação de professores e com a elaboração d. O papel das Tecnologias na formação de
de políticas educacionais, de modo que ela professores.
tem sido constantemente alvo de
reformulações, seja por meio de Medidas A Autonomia das Universidades
Provisórias, Decretos ou Leis. Ao discutir para a Construção dos Currículos
sobre as frequentes reformulações no texto
da LDB, Cury (2016) nos diz que:
Um dos pontos de destaque da LDB de 1996
que apresenta grande relevância para esse
Essas dificuldades, associadas à inevitável
postulação de grupos interessados em alterar
estudo, já que influencia diretamente na
aspectos específicos da lei recém–aprovada, construção dos currículos das escolas da
conduziram, nesses 20 anos, a 40 alterações Educação Básica e das universidades, são as
sob a forma de leis no corpo legal da lei então contradições sobre a relativa autonomia
sancionada. Foram 178 mudanças, inclusive dada às instituições de ensino para a
com alterações das alterações. Se tomarmos elaboração e execução de suas próprias
o conjunto das modificações processadas propostas pedagógicas. Conforme prega o
pelas 40 leis mais os 47 decretos documento, elas devem ser feitas com a
regulamentadores, teremos uma soma de colaboração dos docentes e respeitadas as
225 alterações.
convenções vigentes para cada nível de
ensino, estabelecidas pelos municípios,
Apesar disso, é inegável que a Lei estados e pela União.
estabeleceu os parâmetros da educação
brasileira nas décadas seguintes. A partir De maneira prática, isso significa dizer que as
desse fato, neste capítulo discutiremos instituições gozam de uma liberdade
brevemente sobre algumas das perspectivas relativa, especialmente com a elaboração de
trazidas pela LDB em 1996 em relação à uma Base Nacional Comum para a Educação
formação de professores, a organização e o Básica (materializada pelos PCNs), que

52
estabelece princípios e abordagens que CNE deliberar sobre as ambiguidades da Lei.
devem ser adotados nacionalmente. No Ao tentar esclarecer o papel dos órgãos
Ensino Superior, o mesmo ocorre com as colegiados na estrutura universitária, a
DCNs. Resolução 01/2002 do CNE especifica, no
Art. 7º, que:
Mesmo em contradição, para o Ensino
Superior, a LDB prega a flexibilização dos “III - as instituições constituirão direção e
currículos e assegura a autonomia das colegiados próprios, que formulem seus
universidades e de seus órgãos colegiados na próprios projetos pedagógicos, articulem as
definição dos currículos de seus cursos. unidades acadêmicas envolvidas e, a partir do
Nesse caso, há uma grande mudança em projeto, tomem as decisões sobre
organização institucional e sobre as questões
comparação com o que era estabelecido
administrativas no âmbito de suas
pela LDB de 1961, que valorizava o trabalho competências” (BRASIL, 2002a p. 4)
individual do docente de nível superior ao
determinar que o programa de cada
Apesar do aparente avanço em relação às
disciplina, sob forma de plano de ensino,
Leis anteriores, se a LDB de 1996 abre espaço
deveria ser organizado pelo respectivo
para que as universidades recebem mais
professor, e posteriormente aprovado pela
autonomia para a definição e execução de
congregação do estabelecimento.
seus currículos, por outro, essa autonomia é
Já em 1996, sob uma filosofia mais voltada direcionada pelas DCNs e pelos inúmeros
para o construtivismo, a Lei consolida o pareceres do CNE, que determinam uma
trabalho em equipe, em detrimento do variedade de aspectos relativos aos
individual, e valoriza a criação de órgãos currículos dos cursos superiores, variando
deliberativos dentro da estrutura desde os conteúdos, a carga horária, as
universitária ao assegurar às universidades, abordagens adotadas e até mesmo sobre a
dentre outras coisas, o poder para criar, organização do Projeto Pedagógico.
organizar e extinguir cursos de educação
A função reguladora do CNE, já estabelecida
superior; fixar os currículos de seus cursos e
na própria LDB, torna-se ainda mais clara no
programas; estabelecer planos, programas e
texto da Resolução CNE/CP No 1/2002, que
projetos de pesquisa, produção artística e
estabeleceu as DCNs daquele ano. No corpo
extensão; e fixar o número de vagas de
do texto podemos observar que:
acordo com a capacidade institucional e as
exigências do seu meio (Brasil, 1996. Art. 53). Art. 15. Os cursos de formação de professores
para a educação básica que se encontrarem
Entretanto, algumas das contradições do em funcionamento deverão se adaptar a esta
documento que mencionamos Resolução, no prazo de dois anos.
anteriormente se tornam evidentes em seu
próprio texto, que subordina a autorização e § 1º Nenhum novo curso será autorizado, a
avaliação dos cursos à União (Especificado partir da vigência destas normas, sem que o
pela Lei 10.870, de 2004). Essa condição vem seu projeto seja organizado nos termos das
acompanhada, no texto da Lei, de menção às mesmas.
sanções que as instituições podem sofrer em
§ 2º Os projetos em tramitação deverão ser
caso da não adequação às normas da União,
restituídos aos requerentes para a devida
dentre elas a desativação de cursos e adequação. (BRASIL, 2002a. p. 6)
habilitações, a intervenção na instituição, a
suspensão temporária de prerrogativas da
autonomia, ou o descredenciamento. Texto semelhante é encontrado nos artigos
22, 23 e 24 da nova versão das Diretrizes
Como mencionamos anteriormente, desde a Curriculares Nacionais, publicada em 2015.
aprovação da LDB de 1996, tem cabido ao Para oferecermos uma ideia da função

53
reguladora exercida pelo CNE nos currículos determinam como tais cursos devem ser
de formação de professores, elencamos a organizados:
seguir alguns dos pareceres e resoluções que

TABELA 03: Pareceres e resoluções do Conselho Nacional de Educação sobre as licenciaturas.


Parecer/Resolução CNE Assunto
1 Parecer CNE/CP nº 9, de 8 Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de
de maio de 2001 Professores da Educação Básica, em nível superior, curso
de licenciatura, de graduação plena.
2 Parecer CNE/CP nº 21, de 6 Duração e carga horária dos cursos de Formação de
de agosto de 2001 Professores da Educação Básica, em nível superior, curso
de licenciatura, de graduação plena.
3 Parecer CNE/CP nº 27, de 2 Dá nova redação ao item 3.6, alínea c, do Parecer CNE/CP
de outubro de 2001 9/2001, que dispõe sobre as Diretrizes Curriculares
Nacionais para a Formação de Professores da Educação
Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de
graduação plena
4 Parecer CNE/CP nº 28, de 2 Dá nova redação ao Parecer CNE/CP 21/2001, que
de outubro de 2001 estabelece a duração e a carga horária dos cursos de
Formação de Professores da Educação Básica, em nível
superior, curso de licenciatura, de graduação plena.
5 Resolução CNE/CP n.º 1, de Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação
18 de fevereiro de 2002 de Professores da Educação Básica, em nível superior,
curso de licenciatura, de graduação plena.
6 Resolução CNE/CP n.º 2, de Institui a duração e a carga horária dos cursos de
18 de fevereiro de 2002 licenciatura, de graduação plena, de formação de
professores da Educação Básica em nível superior.
7 Parecer CNE/CP n.º 4, de 6 Adiamento do prazo previsto no art. 15 da Resolução
de julho 2004 CNE/CP 1/2002, que institui Diretrizes Curriculares
Nacionais para a Formação de Professores da Educação
Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de
graduação plena.
8 Parecer CNE/CES nº 197, Consulta, tendo em vista o art. 11 da Resolução CNE/CP
de 7 de julho de 2004 1/2002, referente às Diretrizes Curriculares Nacionais para
a Formação de Professores da Educação Básica em nível
superior, curso de licenciatura, de graduação plena.

9 Parecer CNE/CES nº 228, Consulta sobre reformulação curricular dos Cursos de


de 4 de agosto de 2004 Graduação.

10 Resolução CNE/CP n.º 2, de Adia o prazo previsto no art. 15 da Resolução CNE/CP


27 de agosto de 2004 1/2002, que institui Diretrizes Curriculares Nacionais para
a Formação de Professores da Educação Básica, em nível
superior, curso de licenciatura, de graduação plena.

11 Parecer CNE/CES nº 15, de Solicitação de esclarecimento sobre as Resoluções CNE/CP


2 de fevereiro de 2005 nº 1/2002, que institui Diretrizes Curriculares Nacionais
para a Formação de Professores da Educação Básica, em
nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena,
e 2/2002, que institui a duração e a carga horária dos

54
cursos de licenciatura, de graduação plena, de Formação
de Professores da Educação Básica, em nível superior.
12 Parecer CNE/CP n.º 4, de Aprecia a Indicação CNE/CP nº 3/2005, referente às
13 de setembro de 2005 Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação de
professores fixadas pela Resolução CNE/CP nº 1/2002.

13 Resolução CNE/CP n.º 1, de Altera a Resolução CNE/CP nº 1/2002, que institui


17 de novembro de 2005 Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de
Professores da Educação Básica, em nível superior, curso
de Licenciatura de graduação plena.
14 Parecer CNE/CP n.º 5, de 4 Aprecia Indicação CNE/CP nº 2/2002 sobre Diretrizes
de abril de 2006 Curriculares Nacionais para Cursos de Formação de
Professores para a Educação Básica.
15 Parecer CNE/CP nº 9, de 5 Reorganização da carga horária mínima dos cursos de
de dezembro de 2007 Formação de Professores, em nível superior, para a
Educação Básica e Educação Profissional no nível da
Educação Básica.
16 Parecer CNE/CEB nº Consulta sobre a aplicabilidade do artigo 62 da Lei nº
5/2010, aprovado em 10 9.394/96 (LDB).
de março de 2010
17 Resolução CNE/CP nº 1, de Estabelece diretrizes para a obtenção de uma nova
18 de março de 2011 habilitação pelos portadores de Diploma de Licenciatura
em Letras.
18 Parecer CNE/CP nº 2/2015, Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial e
aprovado em 9 de junho Continuada dos Profissionais do Magistério da Educação
de 2015 Básica.
19 Resolução CNE/CP nº 2, de Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a
1º de julho de 2015 formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura,
cursos de formação pedagógica para graduados e cursos
de segunda licenciatura) e para a formação continuada.
20 Parecer CNE/CP nº Proposta de alteração do Art. 22, da Resolução CNE/CP nº
10/2017, aprovado em 10 2, de 1º de julho de 2015, que trata das Diretrizes
de maio de 2017 Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível
superior (cursos de licenciatura, cursos de formação
pedagógica para graduados e cursos de segunda
licenciatura) e para a formação continuada.
21 Resolução CNE/CP nº 1, de Altera o Art. 22 da Resolução CNE/CP nº 2, de 1º de 2015,
9 de agosto de 2017 que define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a
formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura,
cursos de formação pedagógica para graduados e cursos
de segunda licenciatura) e para a formação continuada.
Fonte: http://portal.mec.gov.br (adaptado pelo autor)

O grande número de pareceres e resoluções definirem seus próprios “currículos”, na


do CNE nos últimos anos, vistos acima, prática essa autonomia só se consolida na
ilustra, além do poder do CNE sobre os definição das disciplinas e dos conteúdos
currículos universitários, as lacunas e as contemplados por cada uma delas, já que as
ambiguidades do texto da LDB. Ele também filosofias de ensino, de aprendizagem e de
sugere que, na realidade, a autonomia das avaliação, dentre outras, são definidas pelo
universidades acaba por não se concretizar, CNE.
pois se na teoria elas são autorizadas a

55
Com base nisso, no início da pesquisa que aprendiz capaz de exercer uma atividade
ora relatamos, levantamos a hipótese de profissional. No documento, esse princípio
que, provavelmente, diferenças pouco se estende à toda modalidade de ensino, e
significativas poderiam ser encontradas nas não somente à Educação Profissional,
análises dos textos dos currículos universalizando no país a relação educação-
universitários que analisamos, uma vez que trabalho. Já em seus primeiros artigos, o
seria natural que ao elaborarem seus texto da LDB deixa claro esse vínculo ao
currículos, os colegiados tendessem a adotar afirmar que:
variações “bem comportadas” dos textos
dos documentos do CNE, sob pena de não Art. 1º A educação abrange os processos
aprovação dos cursos ou de sanções, tal formativos que se desenvolvem na vida
familiar, na convivência humana, no trabalho,
como definido nos documentos oficiais. Por
nas instituições de ensino e pesquisa, nos
outro lado, também tínhamos a expectativa
movimentos sociais e organizações da
de que uma grande variação fosse sociedade civil e nas manifestações culturais.
encontrada nas configurações das disciplinas
de cada curso/universidade, já que essa § 1º Esta Lei disciplina a educação escolar, que
parte ainda não é regulada pelo CNE de se desenvolve, predominantemente, por
forma detalhada (as respostas para essas meio do ensino, em instituições próprias.
expectativas são apresentadas na Seção 3
desta obra). § 2º A educação escolar deverá vincular-se
ao mundo do trabalho e à prática social.
[...]
Apesar de ainda não exercer muito controle Art. 2º A educação, dever da família
sobre os conteúdos dos cursos de nível e do Estado, inspirada nos princípios de
superior, em sua versão mais recente, as liberdade e nos ideais de solidariedade
DCNs (por meio da Resolução CNE/CU No. 2, humana, tem por finalidade o pleno
de 1º de julho de 2015) enfatizam, na forma desenvolvimento do educando, seu preparo
de saberes interdisciplinares e transversais, para o exercício da cidadania e sua
qualificação para o trabalho.
alguns dos conteúdos que devem constituir
BRASIL, 1996a (Grifo nosso)
as disciplinas dos cursos de formação de
professores, dentre eles conhecimentos
sobre a língua portuguesa (tanto oral quanto Essa relação implica, para a Educação Básica,
escrita), sobe a Língua Brasileira de Sinais em um ensino fortemente voltado para as
(LIBRAS), sobre “questões socioambientais, práticas profissionais, especialmente
éticas, estéticas, relativas à diversidade quando, no Art. 22, a Lei determina que “a
étnico-racial, de gênero, sexual, religiosa, de educação básica tem por finalidades
faixa geracional e sociocultural como desenvolver o educando, assegurar-lhe a
princípios de equidade” (BRASIL, 2015a. p. formação comum indispensável para o
5). Isso mostra uma tendência para a exercício da cidadania e fornecer-lhe meios
legislação do CNE também sobre os para progredir no trabalho e em estudos
conteúdos a serem abordados em diferentes posteriores”.
disciplinas dos cursos universitários.
Se de um lado a diminuição dos limites entre
o mundo do trabalho e o mundo escolar
A Relação entre Ensino e visavam provocar uma formação mais
Mercado de Trabalho direcionada a propósitos e necessidades
concretas, garantindo aos alunos a inserção
em mercados de trabalho após o fim da
Na LDB de 1996, um dos pontos centrais é a
etapa escolar, ela também acabou levando a
relação estabelecida entre ensino formal e
uma educação mais voltada a certas
mercado de trabalho, de modo que a
especializações, perdendo o caráter
formação cidadã implica em tornar o
formativo mais geral que caracterizava a

56
reforma educacional de Francisco de Assim, da mesma forma que na Educação
Campos, em 1931, e a Reforma Capanema, Básica, somente na LDB de 1971 o mundo do
de 1942. Embora essa tendência de trabalho é apresentado como uma instância
condicionar o ensino ao mercado de essencial da prática social exercida pelas
trabalho tenha sido um processo iniciado instituições educativas de nível superior.
ainda na década de 70, com LDB de 1971,
Demo (1997) e Saviani (1999) apontam como Apesar disso, o documento de 1971 dá
causas para o seu fortalecimento as políticas pouca ênfase ao Ensino universitário, em
e filosofias mercantilistas que entraram em parte porque esse nível já havia sido
voga no país nos anos 90, centradas em uma regulamentado três anos antes pela Lei No.
maior qualidade dos meios de produção, 5.540, de 28 de novembro de 1968. No
inclusive no que tange aos ambientes Artigo 1º da Lei de 1968, a formação para o
educacionais. trabalho, embora presente, ainda parece
estar desvinculada de algumas áreas, tal
Nos currículos escolares, isso se refletiu na como podemos observar e quando o texto
adoção de conteúdos, de padrões de diz que:
qualidade e de instrumentos de avaliação
que valorizam o desempenho dos alunos em O ensino superior tem por objetivo a
testes seletivos e provões, tais como o pesquisa, o desenvolvimento das ciências,
Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), o letras e artes e a formação de profissionais de
Sistema de Avaliação da Educação Básica nível universitário (BRASIL, 1968).
(Saeb) e o Sistema Nacional de Avaliação da
Educação Superior (Sinaes). Para Ramal
Ao tratar a formação de profissionais como
(1997), por meio da LDB de 1996, a avaliação
uma entidade separada do desenvolvimento
da Educação Básica saiu do Processo
de ciências, letras e artes, o texto deixa
Educativo em si para focar nos resultados.
espaço para interpretações de que essas
Essa mudança também influenciou
áreas não deveriam, necessariamente, se
diretamente na formação de professores no
dedicar a formação profissional.
Ensino Superior.
Já na LDB dos anos 90, a relação ensino-
Ao discutirmos o impacto da LDB no ensino
trabalho na educação superior está definida
superior, é preciso esclarecer que embora
no Art. 43. quando ela afirma que a
hoje em dia a relação entre ensino e
Educação Superior tem por finalidade,
formação para o mercado de trabalho
dentre outras:
pareça bem mais natural, a qualificação para
o desenvolvimento de trabalhadores nos
ramos produtivos e de ofertas de serviços II - Formar diplomados nas diferentes áreas
de conhecimento, aptos para a inserção em
nem sempre se ligou diretamente ao
setores profissionais e para a participação no
contexto universitário. Schwartzman (2001),
desenvolvimento da sociedade brasileira, e
por exemplo, ao comentar sobre o colaborar na sua formação contínua; (BRASIL,
pioneirismo da Faculdade de Filosofia, Letras 1996a).
e Ciências Humanas da Universidade de São
Paulo (USP), criada em 1934, deixa claro que
o objetivo da universidade, naquela época, Essa postura da LDB tem levado a debates a
era o de dedicar-se à pesquisa, enquanto respeito do papel do ensino superior em face
que os trabalhos considerados práticos de uma perspectiva de ensino como produto
ficavam a cargo das escolas de mercado (CHESNAIS, 1999; BUARQUE,
profissionalizantes. Já a formação de 2003; MÉSZÁROS, 2008; LEHER, 2011). Entre
professores, à época, estava à cargo dos as discussões mais frequentes estão
institutos de educação. reflexões sobre os limites dentro dos quais
se deve encarar o ensino superior como um

57
mecanismo de capacitação de mão de obra supervisionados, da capacitação em serviço
sem que isso afete a formação crítica e e do aproveitamento da formação e
intelectual por meio da qual as universidades experiências anteriores.
se caracterizam e se diferenciam de outras
instituições de educação profissional. Embora o estágio já fosse mencionado na
LDB de 1971 como uma possibilidade na
No que tange à construção dos currículos formação superior, ele somente foi
dos cursos de formação superior, a postura regulamentado por meio da Lei 6.494, de 7
da LDB sobre a relação entre ensino e de dezembro de 1977. Ainda assim, as
trabalho se reflete na necessidade de que preocupações giravam mais em torno da
eles estabeleçam claramente o perfil impossibilidade de vínculos trabalhistas
profissional dos egressos dos cursos entre empresa e estagiário do que o estágio
universitários, assim como a descrição dos como uma atividade curricular.
campos de trabalho que podem abrigar os
futuros profissionais. A LDB também motiva Outras regulamentações relevantes
o ensino superior a se aproximar da vida real somente surgiram 20 anos depois, com a
e dos interesses sociais e econômicos obrigatoriedade da Prática de Ensino, com
daqueles que buscam formação que lhes 300 horas, para a formação de professores
garanta melhores oportunidades (estabelecida pelo Parecer CNE/CES n.º
profissionais. Por outro lado, a Lei também 744/97). 5 anos mais tarde, a Resolução
cria a necessidade de uma constante 01/2002 do Conselho Nacional de Educação
reavaliação e reformulação curricular, já que esclarece a importância do estágio para a
o mercado de trabalho tem vida própria fora construção dos currículos universitários, ao
do ambiente universitário, muitas vezes trazer novos olhares sobre a questão e
seguindo rumos completamente diferentes afirmar que:
daqueles que são definidos pelas instituições
de ensino. Os cursos de formação de professores em
nível superior terão a sua duração definida
No texto da Resolução CNE/CP 2/2015, isso pelo Conselho Pleno, em parecer e resolução
se torna bastante explícito. Ao assumir a específica sobre sua carga horária.
formação de professores como um processo
permanente, o CNE determina que os § 1º A prática, na matriz curricular, não
currículos devem promover a “elaboração poderá ficar reduzida a um espaço isolado,
que a restrinja ao estágio, desarticulado do
de processos de formação do docente em
restante do curso.
consonância com as mudanças educacionais
e sociais, acompanhando as transformações § 2º A prática deverá estar presente desde o
gnosiológicas e epistemológicas do início do curso e permear toda a formação do
conhecimento” (BRASIL, 2015a, p. 6). Nesse professor.
sentido, o documento ainda reforça a
necessidade de que os projetos pedagógicos § 3º No interior das áreas ou das disciplinas
especifiquem planos e atividades de que constituírem os componentes
formação continuada para os seus egressos, curriculares de formação, e não apenas nas
disciplinas pedagógicas, todas terão a sua
promovendo a atualização profissional
dimensão prática. (BRASIL, 2002a)
constante.

No que diz respeito aos cursos de Posteriormente, por meio da Res. CNE/CP
Licenciatura, a preocupação com o mercado 2/2015, o CNE é ainda mais enfático ao
de trabalho se manifestou mais claramente definir o estágio curricular supervisionado
por meio da Lei No 12.014, de 06 de agosto como componente obrigatório da
de 2009, que estabeleceu a associação entre organização curricular das licenciaturas,
teoria e prática por meio de estágios sendo uma atividade específica

58
intrinsecamente articulada com a prática e currículos universitários a partir da década
com as demais atividades de trabalho de 90 está evidente, também, pela inserção
acadêmico (Art. 13, § 6º). de temas relevantes para a formação
profissional dentre os conteúdos e
Ainda em 2002, a Resolução CNE/CP 2/2002 abordagens de cada disciplina, seja por meio
ampliou para 400 horas a carga horária da interdisciplinaridade, da prática como
obrigatória para o estágio, fato que foi componente curricular e do
mantido pela resolução de 2015, que desenvolvimento de competências.
acrescentou novas dimensões para a
formação profissional nos cursos de nível Nos currículos dos cursos superiores, essa
superior ao estabelecer, dentre outras preocupação com a formação para o
coisas: trabalho está expressa tanto na definição do
perfil do egresso, quanto na justificativa para
I - 400 (quatrocentas) horas de prática como a criação ou reformulação dos cursos. Ao
componente curricular, distribuídas ao longo analisarmos os projetos pedagógicos
do processo formativo;
selecionados, buscamos identificar se e de
II - 400 (quatrocentas) horas dedicadas ao que modo as tecnologias e o letramento
estágio supervisionado, na área de formação digital são abordados como instâncias na
e atuação na educação básica, contemplando preparação dos egressos dos cursos de
também outras áreas específicas, se for o Letras para o mercado laboral.
caso, conforme o projeto de curso da
instituição; Antes de apresentarmos os resultados das
análises na Seção 3, discutiremos
III – Pelo menos 2.200 (duas mil e duzentas) brevemente sobre temas como a
horas dedicadas às atividades formativas interdisciplinaridade e o desenvolvimento
estruturadas pelos núcleos definidos nos de competências na legislação brasileira.
incisos I e II do artigo 12 desta Resolução,
Esses debates embasarão as discussões
conforme o projeto de curso da instituição.
daquela Seção.
IV - 200 (duzentas) horas de atividades
teórico-práticas de aprofundamento em A Interdisciplinaridade nos
áreas específicas de interesse dos estudantes, Currículos do Ensino Superior
conforme núcleo definido no inciso III do
artigo 12 desta Resolução, por meio da
Como discutido anteriormente, a relação
iniciação científica, da iniciação à docência, da
extensão e da monitoria, entre outras, entre educação básica e ensino superior se
consoante o projeto de curso da instituição. fortaleceu com a LDB de 1996, tanto no que
BRASIL (2015a) diz respeito à formação para o mundo do
trabalho, quanto na abordagem, nos
currículos universitários, de temas
A resolução do CNE ainda reforça, no Art. 10, relevantes para o Ensino Fundamental e
a possibilidade de aproveitamento de Médio, assim como no diálogo a ser mantido
experiências em instituições de ensino entre as diferentes áreas do conhecimento.
adquiridas antes do ingresso no curso. Contribuíram, para isso, as visões de ensino
Inicialmente, essa proposição havia sido contidas nos PCNs, que enfatizam a
incorporada à LDB por meio da Lei 12.014, de interdisciplinaridade a o desenvolvimento
2009. de competências como eixos centrais da
educação de nível básico.
Apesar da evidência histórica dada ao
estágio por meio das políticas educacionais Essas perspectivas, como era de se esperar,
que acabamos de apresentar, o papel do logo geraram ecos nas posturas teórico-
mercado de trabalho como um dos didático-filosóficas a serem adotadas no
principais elementos delineadores dos Ensino Superior, notadamente na formação

59
de professores. Assim, em 2002, ao contextos universitários rígidos e
estabelecer as Diretrizes Curriculares antiquados. Ainda para o autor, apesar de
Nacionais para os cursos de licenciaturas, o popular nos programas de ensino de
CNE determina que os critérios de graduação e de pós-graduação no Brasil,
organização da matriz curricular devem definir exatamente o que ela é não é uma
considerar, dentre outras coisas, a tarefa fácil, em especial porque há várias
interdisciplinaridade e a organização de relações interdisciplinares possíveis, de
saberes para o desenvolvimento de modo que uma definição uniforme não
competências. Nesse sentido, o Parecer existe.
CNE/CP 9/2001, também afirma que:
Talvez por esse motivo, ao buscarem um
conceito para o termo, Cesco, Moreira e
A interdisciplinaridade e a transdiscipli-
Lima (2014) preferem defini-la pelo que ela
naridade previstas na organização curricular
daquelas etapas da educação básica não é, deixando claro, dentre outros
requerem um redimensionamento do aspectos, que interdisciplinaridade não é
enfoque disciplinar desenvolvido na uma simples soma de diversas áreas, nem a
formação de professores. Não se trata, mistura de seus conceitos e representações.
obviamente, de negar a formação disciplinar,
mas de situar os saberes disciplinares no Esse debate sobre a falta de limites claros
conjunto do conhecimento escolar. para definir a interdisciplinaridade pode ser
percebido nos textos dos documentos do
No ensino médio, em especial, é requerida a CNE, em que também faltam definições mais
compreensão do papel de cada saber claras sobre o que o Conselho entende pelo
disciplinar particular, considerada sua
termo. Mesmo assim, é possível perceber
articulação com outros saberes previstos em
uma mesma área da organização curricular. que para as Diretrizes Curriculares, a
Os saberes disciplinares são recortes de uma interdisciplinaridade é um meio para se
mesma área e, guardam, portanto, chegar à flexibilização do currículo
correlações entre si. universitário. Na lei de 2015 (assim como na
de 2002), a interdisciplinaridade está
Da mesma forma, as áreas, tomadas em presente em todo o texto, de modo que, ao
conjunto, devem também remeter-se umas fornecer diretrizes para a construção dos
às outras, superando a fragmentação e Projetos Pedagógicos dos cursos de
apontando a construção integral do currículo.
formação de professores (Art. 3, § 6º, da Res.
A superação da fragmentação, portanto,
CNE/CP 02/2015), ela é o primeiro dos 6
requer que a formação do professor para
atuar no ensino médio contemple a itens elencados:
necessária compreensão do sentido do
aprendizado em cada área, além do domínio § 6º O projeto de formação deve ser
dos conhecimentos e competências elaborado e desenvolvido por meio da
específicos de cada saber disciplinar. (BRASIL, articulação entre a instituição de educação
2001a. p. 27) superior e o sistema de educação básica,
envolvendo a consolidação de fóruns
estaduais e distrital permanentes de apoio à
Para Leis (2015), a interdisciplinaridade é formação docente, em regime de
uma condição fundamental do ensino e da colaboração, e deve contemplar:
pesquisa na sociedade contemporânea, em I - sólida formação teórica e interdisciplinar
parte porque, hoje, ela desempenha um dos profissionais;
antagonismo à cristalização das ciências, (BRASIL, 2015a.Grifo nosso)
notadamente nas áreas humanas e sociais.
Nas universidades, ela tem sido associada à Para os colegiados dos cursos universitários,
inovação e é frequentemente vista como isso tende a se refletir em uma grande
uma forma de trazer novos ares aos preocupação com o detalhamento, no corpo
dos projetos pedagógicos, de temas diversos

60
(incluindo-se os Temas Transversais trazidos problemas da vida prática. Com isso,
pelos PCNs), assim como de atividades recebeu destaque o conceito de
extracurriculares, tais como atividades competência.
culturais, de pesquisa e de extensão,
agrupados sob o “guarda-chuva” da Dias (2010) define competência como uma
interdisciplinaridade. Nesse caso, as aptidão para resolver um assunto ou
habilidades de letramento digital tendem a problema. Inaugurado pela Teoria inatista
ser inseridas nos currículos dos cursos no de Chomsky (CHOMSKY, 1965) para
eixo dos conhecimentos interdisciplinares. descrever a aquisição da linguagem, o termo
inicialmente distinguia a
Entretanto, dada à ambiguidade sobre o que habilidade/capacidade para usar uma língua
é entendido como “interdisciplinar”, (chamada por ele de “desempenho”) dos
também é possível que haja uma grande conhecimentos sobre essa língua (os quais
diferença na forma como cada curso vê as ele chamou de “competência”).
demandas para uma educação voltada ao Gradualmente, entretanto, o termo passou a
uso de artefatos tecnológicos e ao assumir outras conotações, notadamente na
desenvolvimento de habilidades de psicologia e na pedagogia.
letramento digital. Isso afeta diretamente no
modo como diferentes currículos abordam o Enquanto na psicologia o conceito de
tema. competência é frequentemente usado para
descrever os traços individuais ou
Discutiremos sobre isso com maior comportamentos construídos ao longo da
profundidade na Seção 3. Antes de vida que permitem a alguém realizar uma
chegarmos a ela, contudo, julgamos determinada tarefa (KASLOW, DUNN, e
importante debater um pouco sobre o SMITH, 2008), na pedagogia ele se relaciona
conceito de competência, outro elemento mais explicitamente com a aprendizagem ao
bastante presente nos PCNs e nas DCNs de se referir ao conjunto de conhecimentos
2002. construídos por meio da experiência e da
reflexão que permitem ao indivíduo resolver
O Desenvolvimento de problemas ou adequar-se a determinadas
situações que são objeto da proposta
Competências pedagógica adotada na relação de
aprendizagem.
Como já mencionamos brevemente,
acompanhando as mudanças na LDB, em Nesse segundo sentido, uma competência
1996 foram estabelecidos os Parâmetros não é algo inato, mas aprendido. Da mesma
Curriculares Nacionais para o Ensino forma, é algo individual, já que tem base nas
Fundamental (PCNEF). Em 2000, também experiências pelas quais cada pessoa passa
foram estabelecidos os Parâmetros ao longo da vida, envolvendo processos
Curriculares Nacionais para o Ensino Médio cognitivos como a avaliação, a verificação e
(PCNEM). O objetivo dos documentos era a testagem de hipóteses sobre como agir no
atender ao que estava estabelecido no Art. mundo.
26 da LDB, que previa uma Base Nacional
Comum para orientar a construção dos Nos Parâmetros Curriculares Nacionais, o
currículos da Educação Básica. A partir de conceito de competência recebeu grande
perspectivas cognitivas e construtivistas, relevância, percorrendo todo o texto,
essa Base Curricular Nacional teve como embora com diferentes conotações. Nos
princípio norteador a construção do PCNEF, por exemplo, o foco no
conhecimento por meio do desenvolvimento desenvolvimento de competências,
no contexto escolar de conjuntos de incluindo-se aquelas relacionadas o uso de
habilidades voltadas para a solução de tecnologias, é um dos objetivos da educação

61
formal e uma forma de lavar o aluno dos Formação de Professores, de 2002
anos iniciais do Ensino Regular a “aprender a (Resolução CNE/CP 1/2002). No Art. 3º do
aprender”, como podemos observar a documento, por exemplo, está estabelecida
seguir: “a competência como concepção nuclear na
orientação do curso”. De forma prática, isso
Não basta visar à capacitação dos estudantes significava que a criação, a manutenção e a
para futuras habilitações em termos das avaliação dos cursos de formação de
especializações tradicionais, mas antes trata-
professores passaram a ficar condicionadas
se de ter em vista a formação dos estudantes
em termos de sua capacitação para a
à definição das competências que eles se
aquisição e o desenvolvimento de novas propunham a desenvolver na formação de
competências, em função de novos saberes seus alunos.
que se produzem e demandam um novo tipo
de profissional, preparado para poder lidar Para os Cursos de Letras, a necessidade de
com novas tecnologias e linguagens, capaz de uma definição clara das competências a
responder a novos ritmos e processos. Essas serem desenvolvidas por meio de seus
novas relações entre conhecimento e projetos pedagógicos se tornou ainda mais
trabalho exigem capacidade de iniciativa e explícita quando, no mesmo ano, a
inovação e, mais do que nunca, “aprender a Resolução CNE/CES 18/2002 definiu os itens
aprender”. Isso coloca novas demandas para
mínimos a serem detalhados no corpo dos
a escola. A educação básica tem assim a
função de garantir condições para que o aluno
projetos pedagógicos, a saber:
construa instrumentos que o capacitem para
um processo de educação permanente a) o perfil dos formandos nas modalidades
(BRASIL, 1996b. p. 27) bacharelado e licenciatura;
b) as competências gerais e habilidades
Já nos PCNEM, as competências são citadas específicas a serem desenvolvidas durante o
como instrumentos por meio dos quais os período de formação;
alunos podem se conectar com a c) os conteúdos caracterizadores básicos e os
conteúdos caracterizadores de formação
contemporaneidade, com o mercado de
profissional, inclusive os conteúdos definidos
trabalho e se desenvolver como cidadãos: para a educação básica, no caso das
licenciaturas;
O Ensino Médio, portanto, é a etapa final de d) a estruturação do curso;
uma educação de caráter geral, afinada com a e) as formas de avaliação.
contemporaneidade, com a construção de (BRASIL, 2002c)
competências básicas, que situem o
educando como sujeito produtor de Perrenoud (1999) remonta a associação de
conhecimento e participante do mundo do
competências às práticas escolares aos anos
trabalho, e com o desenvolvimento da
pessoa, como “sujeito em situação” –
90, inspirando a reescritura “mais ou menos
cidadão. (BRASIL, 2000. p. 10.) radical” de Programas Educacionais no
Quebéc, na França, na Bélgica e na Suíça.
Com o amplo uso do conceito de Isso se deu a partir da popularização da ideia
competência nos PCNs, logo, propostas de que ciclos de aprendizagem eram melhor
relacionadas ao termo também foram sendo percebidos por meio da identificação de
inseridas na redação da LBD por meio dos objetivos-núcleos alcançados ao final de
adendos de novas leis (Lei 12.014 de 2009 e cada um deles. Para o autor, a noção de
Lei 13.415 de 2017). competências remete a situações nos quais
é preciso tomar decisões e resolver
Na Educação Superior, o papel que as problemas. Dessa forma, competências são
competências passaram a ter pode ser conhecimentos complexos direcionados à
percebido claramente pela redação das prática. Ser competente é saber e poder agir
Diretrizes Curriculares Nacionais para a em determinada situação. Ainda para o

62
autor, competências são formadas por pluraliza o termo competência, descrevendo
saberes, ou habilidades. pelos menos 5 “macro-competências”: a
competência linguístico-comunicativa, a
De acordo com essa distinção, habilidades competência implícita, a competência
são conhecimentos de diversas ordens que, teórica, a competência aplicada e a
quando agrupados, podem formar competência profissional, que atuam de
competências. Assim, saber decodificar o modo integrado para permitir ao professor
código escrito em uma folha de papel e atuar. Para o autor, é necessário que pelo
atribuir significados às palavras que ele menos duas delas estejam integradas para
forma seriam habilidades que podem, em que o professor possa “envolver os
associação com várias outras habilidades, aprendentes numa teia de linguagem na
levar ao desenvolvimento de competências, língua alvo” (Almeida Filho, 2004. p.8).
como a leitura e a produção crítica de textos.
Nessa linha de pensamento, ter habilidades Ao descrever a competência linguístico-
para fazer algo não significa, comunicativa, por exemplo, o autor
necessariamente, ser competente, ou seja, descreve outras “micro-competências” que
agir de modo satisfatório para resolver uma a constituem, revelando que competências
situação-problema. Essa visão de são conjuntos complexos de saberes e
competência se distancia, contudo, do habilidades sistematizados por meio de
conceito de competência de Chomsky conhecimentos provenientes de diferentes
(1965), que estava mais relacionado ao esferas com as quais e por meio das quais os
“saber sobre” do que o “saber fazer”. indivíduos interagem. A imagem a seguir
ilustra a proposição do autor para
Já Almeida Filho (2004), ao discutir a competência comunicativa, composta por
formação de professores de línguas, outras micro-competências:

FIGURA 12: Competência Comunicativa

Fonte: Almeida Filho, 2004.

63
Apesar do grande destaque dado ao educação como processo emancipatório e
desenvolvimento de competências na permanente, bem como pelo
formação de professores nas Diretrizes reconhecimento da especificidade do
Curriculares de 2002, em sua atualização, trabalho docente, que conduz à práxis como
publicada em 2015, o termo competência é expressão da articulação entre teoria e
praticamente abandonado. Ao invés disso, o prática e à exigência de que se leve em conta
documento prefere adotar a concepção de a realidade dos ambientes das instituições
habilidades a serem desenvolvidas. educativas da educação básica e da
profissão, para que se possa conduzir o(a)
egresso(a):
Ceana (2011), ao analisar distintas políticas (...)
nacionais voltadas para o desenvolvimento VI - ao uso competente das Tecnologias de
de competências e estabelecimento de Informação e Comunicação (TIC) para o
padrões de ensino, identifica duas aprimoramento da prática pedagógica e a
tendências antagônicas. De um lado, estão ampliação da formação cultural dos(das)
países que adotam definições genéricas de professores(as) e estudantes; (BRASIL,
conjuntos de competências como um 2015a. Grifo nosso)
indicativo de desempenho, enfatizando
princípios e códigos de práticas a serem Isso nos leva a conjecturar que, apesar da
adotados no ensino, tais como a Finlândia e mudança de abordagem nas Diretrizes
a França. Do outro lado, estão nações que Curriculares de 2015, desenvolver
adotam uma abordagem mais técnica e competências para o uso de tecnologias
burocrática, visando a medição de digitais continua sendo um dos objetivos do
desempenho, a comparação e a regulação processo de formação de professores da
de comportamentos individuais, Educação Básica. A seguir, discutiremos
abandonando a noção de competência como sobre isso com mais detalhes.
um elemento central. Segundo a autora,
esse é o caso de nações como tais como os
O Papel das Tecnologias na
Estados Unidos, o Reino Unido e a Nova
Zelândia. Formação de Professores

Com as Diretrizes Curriculares de 2015, as A formação de professores voltada ao


filosofias educacionais brasileiras para a desenvolvimento de competências que
formação de professores parecem se permitam a eles se inserirem em um
distanciar do primeiro grupo e aproximar-se contexto contemporâneo de práticas digitais
do segundo. Assim, no novo documento do tem sido um tema recorrente nas
CNE (Resolução CNE/CP 2/2015), é bastante publicações do CNE, antes mesmo da
perceptível que o foco deixa de ser o publicação das Diretrizes Curriculares para
desenvolvimento de competências para os Cursos de Licenciatura, em 2002.
enfatizar o trabalho com habilidades e
saberes. No Parecer CNE/CP 9/2001, por exemplo,
que serviu de base para a redação das
Curiosamente, apesar dessa mudança de Diretrizes, isso está explícito quando o CNE
foco, no que diz respeito ao letramento aponta a futura reforma curricular dos
digital, a noção de competência ainda parece cursos de licenciatura como “um
estar implícita, especialmente quando o instrumento para transformar em realidade
mesmo documento estabelece que: as propostas da Educação Básica”( BRASIL,
2001a. p. 8). Nesse processo, os saberes
Art. 5º A formação de profissionais do envolvendo as tecnologias desempenham
magistério deve assegurar a base comum um papel importante, como podemos
nacional, pautada pela concepção de observar no trecho a seguir:

64
Além disso, as transformações científicas e as deficiências para a formação de
tecnológicas, que ocorrem de forma professores estavam os fenômenos
acelerada, exigem das pessoas novas relacionados à pouca afinidade que eles
aprendizagens, não somente no período de tinham com tecnologias digitais. Para esse
formação, mas ao longo da vida. Há também fator, foram dedicados alguns parágrafos no
a questão da necessidade de aprendizagens documento, reproduzidos a seguir:
ampliadas – além das novas formas de
aprendizagem. Nos últimos anos, tem-se
observado o uso cada vez mais disseminado 3.2.7 Ausência de conteúdos relativos às
dos computadores e de outras tecnologias, tecnologias da informação e das
que trazem uma grande mudança em todos comunicações
os campos da atividade humana. A
comunicação oral e escrita convive cada dia
Se o uso de novas tecnologias da informação
mais intensamente com a comunicação
e da comunicação está sendo colocado como
eletrônica, fazendo com que se possa
um importante recurso para a educação
compartilhar informações simultaneamente
básica, evidentemente, o mesmo deve valer
com pessoas de diferentes locais. (BRASIL,
para a formação de professores. No entanto,
2001a. p. 8).
ainda são raras as iniciativas no sentido de
garantir que o futuro professor aprenda a
usar, no exercício da docência, computador,
Assim, vemos que no início dos anos 2000, a
rádio, videocassete, gravador, calculadora,
presença das tecnologias digitais em esferas
internet e a lidar com programas e softwares
que estavam fora da escola já chamava a educativos. Mais raras, ainda, são as
atenção para a necessidade de que as possibilidades de desenvolver, no cotidiano
práticas que envolviam esses novos do curso, os conteúdos curriculares das
conhecimentos fossem integradas na diferentes áreas e disciplinas, por meio das
formação escolar e, consequentemente, na diferentes tecnologias.
formação dos professores. Nesse sentido,
incluem-se as práticas relativas ao trabalho De um modo geral, os cursos de formação
com a linguagem, que, em uma visão mais eximem-se de discutir padrões éticos
ampla, passavam a abranger também decorrentes da disseminação da tecnologia e
aquelas relacionadas com a comunicação reforçam atitudes de resistência, que muitas
vezes, disfarçam a insegurança que sentem os
eletrônica que começava a se popularizar.
formadores e seus alunos-professores em
formação, para imprimir sentido educativo ao
É relevante notar que 4 anos antes o conteúdo das mídias, por meio da análise, da
Programa Nacional de Tecnologia crítica e da contextualização, que
Educacional (ProInfo) havia se iniciado como transformam a informação veiculada,
o objetivo de promover o uso das TICs em massivamente, em conhecimento.
escolas do Ensino Fundamental e Médio
(Portaria nº 522/MEC, de 9 de abril de 1997). Com abordagens que vão na contramão do
Dessa forma, fica claro que as tecnologias desenvolvimento tecnológico da sociedade
digitais passam a ser encaradas como um contemporânea, os cursos raramente
dos elementos por meio dos quais os preparam os professores para atuarem como
fonte e referência dos significados que seus
espaços educacionais podem se diversificar
alunos precisam imprimir ao conteúdo da
e modernizar. mídia. Presos às formas tradicionais de
interação face a face, na sala de aula real, os
Essa ênfase à inserção tecnológica na escola cursos de formação ainda não sabem como
é motivada pelo reconhecimento do CNE de preparar professores que vão exercer o
que os cursos de licenciatura se restringiam magistério nas próximas duas décadas,
ao preparo para a regência de classe, não quando a mediação da tecnologia vai ampliar
tratando das demais dimensões da atuação e diversificar as formas de interagir e
profissional (BRASIL, 2001b. p. 22). Dentre

65
compartilhar, em tempos e espaços nunca pedagógicas”. Já entre as aptidões a serem
antes imaginados. desenvolvidas nas licenciaturas está a de
“relacionar a linguagem dos meios de
Urge, pois, inserir as diversas tecnologias da comunicação à educação, nos processos
informação e das comunicações no didático-pedagógicos, demonstrando
desenvolvimento dos cursos de formação de domínio das tecnologias de informação e
professores, preparando-os para a finalidade comunicação para o desenvolvimento da
mais nobre da educação escolar: a gestão e a aprendizagem” (BRASIL, 2015a. p. 7-8). Da
definição de referências éticas, científicas e mesma forma, no Art. 11 as Diretrizes
estéticas para a troca e negociação de mencionam que os Projetos Pedagógicos dos
sentido, que acontece especialmente na
Cursos de Magistério devem apresentar
interação e no trabalho escolar coletivo. Gerir
e referir o sentido será o mais importante e o garantias que “assegurem aos estudantes o
professor precisará aprender a fazê-lo em domínio dos conteúdos específicos da área
ambientes reais e virtuais. (BRASIL, 2001a. p. de atuação, fundamentos e metodologias,
24-25) bem como das tecnologias”. (BRASIL, 2015a.
p. 9)
Como vemos no trecho acima, a motivação
para a inserção de conteúdos relativos ao Apesar dessas garantias, não há, nos
uso de TICs nos cursos de licenciatura parte documentos oficiais, maiores detalhes sobre
tanto das necessidades do ensino regular a forma como as habilidades, aptidões e
(reconhecida nos PCNs) quanto das competências para lidar com TICs devem ser
negligências do ensino superior sobre o inseridas nos projetos pedagógicos dos
tema, que em 2001 formava professores cursos de formação de professores. Isso leva,
despreparados para atuarem diante das naturalmente, a uma grande diversidade de
necessidades emergentes que envolviam a perspectivas e abordagens que podem variar
escola. Entretanto, a perspectiva que se de acordo com as visões dos colegiados de
abre para o desenvolvimento dessas novas cada curso sobre o papel e a relevância de
competências não é limitada àquela habilidades de Letramento Digital na
instrumental, voltada somente para a formação de seus alunos. Além disso,
aquisição de conhecimentos sobre como reconhecemos que inúmeros outros fatores
manusear tecnologias. Ao invés disso, também podem entrar em jogo na
vemos também uma preocupação com o a construção dos currículos universitários. É
promoção de eventos e práticas de diante dessa possibilidade que este livro
letramento digital nas licenciaturas, buscou traçar um perfil dos currículos de
enfatizando processos de análise, de crítica e algumas universidades do país. Para isso, as
de contextualização como formas de se análises da próxima seção não se aterão à
transformar a informação vinculada construção de hipóteses sobre as possíveis
massivamente em conhecimento. causas para as escolhas manifestadas nos
currículos em análise. Ao invés disso, o que
Com as Diretrizes Curriculares de 2015, a buscamos é construir fotografias de como
necessidade da presença de componentes essas escolhas estão presentes nos
curriculares que abordem o uso das TICs está currículos. Esperamos, com isso, contribuir
expressa nos Artigos 7º e 8º, que sugerem o para a reflexão sobre os modos como as
repertório mínimo de habilidades e aptidões universidades brasileiras formam
que os egressos dos cursos de magistério professores diante das demandas de uma
devem ter. Dentre as habilidades está o época repleta de artefatos tecnológicos cada
“desenvolvimento, execução, acompanha- vez mais inseridos no cotidiano de
mento e avaliação de projetos educacionais, professores e alunos.
incluindo o uso de tecnologias educacionais
e diferentes recursos e estratégias didático-

66
Seção 3
O Letramento
Digital nos Cursos de Letras:
análise de currículos de
licenciaturas e de pós-graduações

67
7. Outros Esclarecimentos

Neste capítulo, apresentaremos as análises dos cursos manifesta, mesmo que


dos projetos pedagógicos das licenciaturas indiretamente, a forma como os
em Letras (Inglês ou Português e Inglês) responsáveis pela sua elaboração percebem
selecionados conforme descrito no capítulo as affordances oferecidas pelas TICs para a
2. Nelas, intentamos identificar como os formação de professores mais críticos e
colegiados (responsáveis pela elaboração atuantes.
dos currículos dos cursos) veem o papel das
tecnologias e do letramento digital na Adotamos como affordances as
formação de professores. Adotamos por possibilidades para a ação que as coisas e os
fundamento teorias como a Teoria da seres presentes em um determinado
Percepção e Ação (GIBSON, 1986); a Teoria ambiente nos oferecem. Por meio das
da Cognição Distribuída (HUTCHINGS, 1995), características que eles possuem, podemos
a Teoria da Difusão de Inovação (ROGERS, agir sobre eles mesmos, ou utilizá-los para
1963), assim como pressupostos da Teoria agir sobre os outros. Assim, artefatos digitais
Sociocultural (VYGOTSKY, 1988) e dos carregam consigo características que nos
Estudos do Letramento e dos proporcionam meios e oportunidades para a
Multiletramentos (STREET, 1995; SNYDER, ação. Essa ação, contudo, está diretamente
2008; ; GEE, 2010; PRENSKY, 2001; JENKINS, condicionada à forma como percebemos as
2009; WARSCHAUER,2010). Também possibilidades que eles trazem consigo.
partimos do pressuposto de que o currículo Desse modo, entendemos que a exploração

68
de affordances depende diretamente da demanda clara de inserção nos mais diversos
percepção que temos delas. Com base nisso, níveis de ensino. Mesmo assim,
assumimos que são diversas as percepções reconhecemos, ao mesmo tempo, que a
que podem estar manifestadas nos projetos forma como ela é atendida depende dos
pedagógicos e nas grades curriculares dos contextos e valores construídos de modo
cursos analisados, quando eles tratam da social e historicamente, assim como das
presença e do papel das TICs na formação affordances que são percebidas como mais
dos seus egressos. relevantes às realidades e necessidades de
cada instituição.
Dada a essa postura, assim como ao cunho
descritivo desta pesquisa, esclarecemos que Sendo este um trabalho construído em uma
as análises que se seguem não têm como base socioculturalista, adotamos a postura
objetivo julgar as percepções e escolhas de que os currículos são frutos da interação
curriculares adotadas por cada universidade de fatores variados de ordem cultural, social
sobre o tema. Nosso intento é, antes, o de e histórica. Esses valores se manifestam, por
traçar um perfil sobre a forma como exemplo, quando nos referimos a conceitos
discussões e reflexões sobre as TICs e o como “eventos” e “práticas de letramento”
Letramento digital têm se inserido nos (STREET, 1986), “percepções” (GIBSON,
currículos de cursos de Letras inglês 1986) e “modelos teórico-didático-
avaliados como tendo um alto rendimento. filosóficos”. Como definimos na primeira
Sem dúvidas, as escolhas de cada seção deste livro, entendemos como
universidade afetam na forma como os Eventos de Letramento os acontecimentos
professores egressos de seus cursos podem que agem na construção dos valores aceitos
lidar com as demandas tecnológicas que por determinados grupos sociais. No que diz
preenchem os espaços profissionais, respeito ao foco desse estudo, eles são todo
pessoais e sociais em que estão inseridos (ou e qualquer fenômeno de ordem social,
nos quais se inserirão após o término do cultural, política e individual que levam os
curso). Deixamos, contudo, a reflexão mais indivíduos, ou grupos, a determinadas ações
direcionada sobre os caminhos a serem mais situadas e voltadas para atender a
traçados por cada universidade/curso a necessidades específicas. Essas ações, por
cargo dos agentes que neles atuam. Da sua vez, são o que entendemos por Práticas
mesma forma, embora tenhamos usado os de Letramento.
resultados do Enade para os anos de 2014 e
de 2017 na seleção dos corpora, neste Nas análises que serão descritas nessa seção,
estudo não intentamos avaliar nem o mérito fazem parte das práticas de letramento as
do exame, nem o desempenho de cada leis, resoluções e outras deliberações (em
curso. escala nacional, regional ou local) que guiam
as posturas e ações de alunos, professores e
Assim, apesar de nos eximirmos de tecer das comunidades acadêmicas em geral.
julgamentos relativos ao mérito de uma ou Além desses fatores, também são práticas de
outra postura e das organizações letramento os momentos históricos e as
curriculares de cada curso analisado, experiências vividas no âmbito de cada
esperamos contribuir com elementos que curso, dentre eles as reformulações feitas
possibilitem um olhar crítico tanto por parte nos projetos pedagógicos e nas grades
das instituições em análise, quanto de outras curriculares anteriores, assim como as
universidades interessadas em uma motivações que cada colegiado tem para
avaliação contínua dos seus currículos, adotar certos padrões em seus currículos. A
notadamente no que diz respeito a aspectos partir dessa visão, na análise dos corpora,
ligados ao letramento digital. Esse trataremos brevemente do histórico dos
letramento, como discutimos ao longo das cursos, das motivações e das justificativas
seções 1 e 2 deste livro, apresenta uma declaradas para a construção/reformulação

69
dos currículos, assim como do perfil dos atualizadas e disponibilizados nas páginas de
egressos e das competências que cada um cada programa, especialmente no que diz
deles deseja promover durante a formação respeito às ementas das disciplinas e os
dos seus discentes. Julgamos a análise trabalhos defendidos. Nesses casos, foi
desses elementos importante para que necessário recorrermos a outras fontes
possamos compreender como determinadas bibliográficas on-line, tais como os
Práticas são manifestadas nas grades repositórios institucionais e as bibliotecas
curriculares. virtuais, por meio dos quais foi possível
complementar dados e verificar
Durante as análises dos projetos inconsistências nas informações contidas
pedagógicos, cunhamos o termo “modelos nos sites. Apesar da mobilização de outras
teórico-didático-filosóficos” para nos fontes de coleta, quando não foi possível
referirmos ao conjunto de elementos que se obter certos dados, tal fato será
relacionam aos eventos de letramento mencionado nas análises a seguir.
manifestados textualmente nos projetos.
Assim, quando nos referirmos aos modelos Ainda no que diz respeito às escolhas
teórico-didático-filosóficos estaremos metodológicas do estudo, é preciso
tratando dos princípios, das posturas, das mencionar que ele fora planejado levando-
leis, das filosofias, das teorias e das se em consideração o Parecer CNE/CO
percepções, dentre outros fatores, que 10/2017, que alterou o prazo para a
guiam os projetos pedagógicos em análise. reformulação dos projetos pedagógicos dos
Esses modelos teórico-didático-filosóficos, cursos de magistério (conforme a Resolução
por sua vez, são acessados neste trabalho CNE/CU 2/2015) para julho de 2018. Desse
por meio da materialidade textual dos modo, a coleta de dados foi realizada entre
projetos pedagógicos. fevereiro e julho do mesmo ano para que
pudéssemos ter acesso aos novos projetos
Por meio da análise desses modelos, pedagógicos e, com isso, traçarmos um perfil
também tentaremos identificar se os mais atual dos cursos. Entretanto, até o fim
projetos incorporam perspectivas de daquele mês somente uma das instituições
formação letradas. A partir das reflexões analisadas havia disponibilizado um projeto
conduzidas por (STREET, 1995; SNYDER, pedagógico em conformidade com as DCNs
2008; GEE, 2010; PRENSKY, 2001; JENKINS, de 2015.
2009; WARSCHAUER,2010), entendemos
que essas perspectivas de formação letradas Se por um lado o intento de analisar os
são aquelas voltadas para o estímulo de currículos atualizados de cada curso foi
professores crítico-reflexivos e atuantes alcançado apenas parcialmente, por outro,
como agentes sociais, capazes de mudar foi possível observar o modo como os
coletivamente a realidade em que se fatores sociais e históricos afetam na
encontram e influenciar na formação de construção dos currículos. Estando a maioria
alunos igualmente crítico-reflexivos e dos projetos analisados em vigência há mais
atuantes. Assim, mesmo que os projetos de uma década, é preciso considerar que as
pedagógicos e as grades curriculares não percepções contidas neles refletem, ainda,
manifestem explicitamente seguirem uma os modelos teórico-didático-filosóficos de
perspectiva de formação letrada, com base uma época em que as tecnologias digitais
nas análises dos modelos teórico-didático- ainda não estavam tão imbricadas no
filosóficos, tentamos identificá-las de modo cotidiano de professores e alunos, como
implícito. acontece atualmente.

Cabe mencionar que a coleta dos dados das Ao mesmo tempo, também é importante
pós-graduações encontrou como grande considerar que para a grande maioria dos
dificuldade a falta de informações cursos de licenciatura analisados os novos

70
currículos somente entram em vigor a partir da perspectiva de uma mudança no futuro.
de 2019, colhendo frutos mais concretos Diante dessa perspectiva, ensejamos novos
após os 4 anos de formação. Isso nos leva a estudos voltados para a análise das
refletir sobre o fato de que os currículos realidades curriculares que se delinearão a
analisados neste trabalho, que ainda estão partir de 2019.
por ser reformados, são os modelos que
ainda serão adotadas pelos próximos 4 anos. Feitas essas considerações preliminares,
passaremos às análises dos cursos de
Sabendo que mudanças educacionais não licenciatura e de pós-graduação de cada
acontecem da noite para o dia, já que são universidade, individualmente. Ao final das
furtos da construção gradual de eventos de análises, retomaremos os principais
letramento diversos, consideramos a análise aspectos identificados no último capítulo.
do corpus relevante e atual, mesmo diante

71
8. Universidade Federal do Paraná
(UFPR)
O curso de Letras da Universidade Federal do O Projeto Pedagógico do curso apresenta
Paraná (UFPR) teve início em 1938 uma proposta integrada para todas as 54
(reconhecido pelo Decreto Lei nº 10.908, de habilitações. Nessa análise, entretanto,
30 de novembro de 1942). Embora seja além dos textos introdutórios que
frequentemente referido nos documentos especificam os modelos teórico-didático-
da IES (site e projeto pedagógico) como um filosóficos adotados no curso (aplicados
curso único, ele é, na verdade, composto por simultaneamente a todas as habilitações),
54 “habilitações”, entre licenciaturas nos ateremos à análise da estrutura
simples, licenciaturas duplas, bacharelados curricular das licenciaturas que envolvem a
simples e duplos, em línguas diversas. As língua inglesa.
licenciaturas oferecidas atualmente
envolvem a língua portuguesa e/ou uma O projeto pedagógico que estava em
dentre 8 línguas: Português, Alemão, vigência durante a coleta de dados foi
Espanhol, Francês, Inglês, Italiano, Japonês e reformulado em 2006, entrando em vigor a
Polonês. (UFPR, 2018a). Na língua inglesa, partir de 2007, ou seja, há mais de uma
são oferecidas habilitações em licenciatura década. Nele, encontramos a descrição de
simples, licenciatura dupla (português e uma organização complexa, que objetiva
inglês) e 5 bacharelados. descrever todas as habilitações do curso. Ele

72
também traz algumas demandas e A Carga horária total para a licenciatura em
posicionamentos em relação às DCNs, Letras Inglês (habilitação simples) é de
notadamente aquelas relativas a uma maior 2.915 horas. Delas, 405 horas são dedicadas
possibilidade de flexibilização do currículo. a estágios, 330 à Prática como Componente
Também são apresentadas algumas das Curricular e 200 horas de atividades
necessidades para a melhoria da estrutura acadêmico-científico-culturais. Já no curso
física do curso de Letras, dentre elas a de Letras Português e Inglês a carga horária
aparelhagem de salas com equipamentos total é de 3.600 horas. Em média, os alunos
TICs. concluem as licenciaturas em um período
entre 4 e 4,5 anos. Após a conclusão da
Além disso, é importante mencionar que o primeira habilitação, há ainda a
texto do Projeto Pedagógico descreve a possibilidade de que os alunos cursem uma
relevância dos alunos na reformulação do nova habilitação, passando em média mais 1
currículo. Nesse sentido, são citadas as ano na graduação (UFPR, 2007).
reuniões e debates de avaliação da grade
curricular com o corpo discente, assim como As Licenciaturas em Letras Inglês também
alguns dos problemas apresentados por eles contam com a oferta de algumas disciplinas
para a versão anterior da grade curricular optativas a distância, com vistas a
(em vigência de 2001 a 2006), além da forma proporcionar maior liberdade a alunos
como o colegiado buscou saná-los na versão envolvidos em atividades profissionais
que entrou em vigor em 2007. Desse modo, durante a formação inicial. Elas, entretanto,
a estrutura do Projeto Pedagógico é não excedem uma média de 10% das
apresentada como uma versão melhorada disciplinas do curso. De modo geral, as
da edição anterior. disciplinas optativas, pertencem a dois eixos:
a. Optativas Específicas, ofertadas pelos
Assim, uma parte das discussões presentes departamentos de Letras; e Optativas Livres,
no texto do documento ainda refletem ofertadas por qualquer departamento do
posturas que remontam ao início dos anos Setor de Ciências Humanas e do Setor de
2000, notadamente no que diz respeito à Educação.
presença das TICs na formação dos egressos
do curso. Antes de uma discussão mais Voltando às discussões sobre os modelos
aprofundada a esse respeito, entretanto, teórico-didático-filosóficos manifestados no
julgamos necessário apresentar o projeto pedagógico do curso de Letras da
delineamento da estrutura curricular das UFPR, é possível perceber claramente que a
habilitações de Letras Inglês (licenciatura proposta formativa contida no documento
simples e dupla). visa a formação de profissionais críticos,
capazes de mobilizarem conhecimentos que
Na UFPR, a estrutura curricular das permitam a eles agir socialmente. Isso
licenciaturas se organiza em 2 eixos, um revela uma consonância com uma visão
núcleo comum, que visa oferecer um letrada de formação de professores, apesar
repertório teórico-metodológico-prático do termo “letramento” não ser mencionado
compartilhado por todas as habilitações, no Projeto Pedagógico. Dentro dessa
integralizado nos primeiros anos do curso; e perspectiva de formação crítica, a
um núcleo específico, que fornece flexibilização curricular, a pesquisa, a
disciplinas diretamente ligadas à cada extensão e o diálogo com a pós-graduação
habilitação do curso. O objetivo dessa são tratados como pontos essenciais.
organização é permitir aos alunos eventuais
mudanças de habilitações ao longo das Outro aspecto exaltado no projeto é a
licenciaturas, se assim desejarem. importância de uma formação linguística
sólida, especialmente no que diz respeito à
integração de diversas línguas estrangeiras,

73
mesmo na formação de professores de currículos de licenciatura, o que leva,
licenciatura simples (como o curso de Letras durante a preparação dos projetos
Português). De acordo com o projeto, essa é pedagógicos, à menção desse elemento
uma forma de evitar que os alunos deixem o dentre alguns dos itens essenciais da
curso como profissionais monolíngues proposta formativa do curso. No caso dos
(UFPR, 2007). Nesse caso, vemos a defesa do cursos da UFPR, analisados, as tecnologias
multilinguismo como um dos mecanismos digitais estão mencionadas no elenco de
para formar profissionais mais críticos e competências que formam o perfil do
atuantes. Isso nos leva, novamente, a egresso, mas quase nenhuma ênfase é dada
enxergar uma forte postura letrada contida a esse aspecto em outras seções.
no texto do documento. Nela, o acesso às
mais variadas manifestações da linguagem Além da referência no perfil dos egressos,
possibilita mudanças cognitivas e sociais na não há outros trechos que indiquem que as
vida daqueles que se apropriam delas. TICs ou o letramento digital estão integrados
Considerando a popularização do termo como instrumentos importantes para a
“letramento” como um fenômeno formação dos professores de língua inglesa.
relativamente recente, e considerando, Da mesma forma, ao analisarmos em
ainda, que o texto do projeto traz várias maiores detalhes a grade curricular das
reminiscências do início dos anos 2000, habilitações, não encontramos referências
julgamos natural a omissão de referências às tecnologias digitais (nem nos títulos das
aos eventos e as práticas letradas, mesmo disciplinas, nem nas ementas, nem nas
que elas estejam implícitas nos objetivos do referências bibliográficas). Isso sugere que,
curso. embora presente no perfil dos egressos, o
desenvolvimento de habilidades e
Apesar dessa perspectiva letrada, muito competências relacionadas ao letramento
pouco é apresentado em relação a um digital não é uma prioridade no curso.
letramento mais voltado para o uso de
tecnologias da informação e comunicação. Sobre esse aspecto, é preciso esclarecer que
Somente ao delinear o perfil do graduando eventos e práticas de letramento são
em letras, encontramos uma menção à fenômenos múltiplos, assim como é a
presença das TICs como elemento definição do próprio termo “letramento”.
importante no processo formativo. Essa Desse modo, as diversas concepções que o
menção, por sua vez, não se refere termo assume exigem estratégias diferentes
especificamente à formação de professores, de ação a serem aplicadas na formação
sendo direcionada a todo e qualquer docente. Nesse sentido, o fato de que os
profissional egresso de uma das 54 cursos de Letras da UFPR adotam certas
habilitações, dentre elas os bacharelados, perspectivas letradas, tal como a formação
como podemos ver a seguir: com base na avaliação crítica da realidade e
na ação proativa dos futuros professores,
Especificamente, o perfil do graduado em não implica em dizer diretamente que o
Letras que almejamos formar é o seguinte: letramento digital está também
(...) contemplado nas propostas formativas do
- Atitude investigativa que favoreça processo
curso.
contínuo de construção do conhecimento na
área e ampla utilização de recursos
Ao citar as disciplinas optativas livres, que
tecnológicos. (UFPR, 2007. p. 5-6)
podem ser cursadas em outras unidades de
ensino da universidade, o projeto abre a
Como vimos na Seção 2, a presença das TICs possibilidade para que disciplinas
na escola e na formação de professores é um relacionadas ao tema sejam cursadas pelos
tema bastante recorrente nos documentos alunos do curso fora do âmbito dos
oficiais que orientam a formulação dos Departamentos de Letras. Entretanto,

74
acreditamos ser pouco provável que nesses 2001, quando computadores e outras TICs
outros ambientes elas abordem (quando ainda não eram artefatos comuns para
ofertadas) a formação de professores ou o muitas universidades e escolas, é possível
ensino de línguas estrangeiras, já que associar que a escassez de recursos possa ter
pertencem a outros núcleos de formação e levado à percepção pelo colegiado
áreas do conhecimento. Embora esse (responsável pela elaboração do projeto
também seja um componente importante pedagógico) de que as discussões sobre
para promover a flexibilidade curricular e a tecnologias não eram, naquele momento,
interdisciplinaridade, acreditamos que seria um item essencial na formação dos
necessário que os professores em formação professores egressos da instituição.
tivessem experiências com as TICs em Utilizando o conceito de affordance,
contextos específicos de ensino de línguas, (GIBSON, 1986) podemos inferir que a falta
especialmente se considerarmos as de elementos no projeto que indiquem uma
particularidades que envolvem os cursos de formação mais voltada para as demandas
licenciatura, tal como a necessidade de tecnológicas de professores de línguas
práticas como componente curricular estrangeiras é decorrente da não percepção
integradas de modo mais direto às das possibilidades de ação oferecidas por
atividades formativas. esses artefatos. Isso, por sua vez, é
decorrente tanto dos contextos em que o
Em parte, a ausência de itens voltados para projeto pedagógico foi produzido
a formação de professores letrados originalmente, quanto das carências físicas
digitalmente no currículo pode ser do curso naquela mesma época.
justificada pelas demandas por melhorias na
infraestrutura do curso, mencionadas no Acreditamos que a partir de 2019, com a
projeto pedagógico. Ao descrever a mudança proposta pelas DCNs de 2015, uma
infraestrutura física, o projeto deixa clara a nova estrutura curricular possa contemplar a
insuficiência de artefatos tecnológicos maior presença de componentes voltados
disponíveis para atender às demandas de para a formação de professores letrados
professores e alunos, como podemos ver a digitalmente, especialmente ao
seguir: considerarmos que nos últimos anos as TICs
se tornaram artefatos frequentes na vida de
Atualmente o Setor dispõe de apenas 2 uma parcela significativa da população. Esse
projetores multimídia e um laptop, que fato pode ter um forte poder para influenciar
precisam ser carregados e montados cada vez na forma como os colegiados dos cursos de
que se pretende utilizá-los; além da evidente licenciatura concebem os itens a serem
falta de praticidade de tal sistema, que reformulados a partir da proposta da
desencoraja o uso do equipamento, a Resolução CNE/CP 2/2015., resultando em
escassez de projetores dificulta a sua um maior destaque para o desenvolvimento
disponibilidade, exigindo reserva com grande de competências de letramento digital entre
antecipação. Seria importante termos acesso
os alunos.
a mais salas previamente equipadas com
sistema de datashow, e evidentemente há
necessidade de mais projetores e laptops à Programa de Pós-graduação em
disposição dos professores. (UFPR, 2007. p. Letras - UFPR
20)
O Programa de Pós-graduação em Letras da
Embora seja preciso considerar que a UFPR teve início em 1975, com duas áreas de
realidade retratada no trecho acima é a de concentração, em nível de mestrado: a.
2007, e que, como marcado explicitamente Língua Inglesa; b. Literatura de Língua
no projeto, a proposta em vigência se trata Inglesa. Atualmente, contudo, a UFPR
de uma atualização da proposta feita em oferece os cursos de mestrado e de

75
doutorado, com áreas de concentração em Dentre os objetivos gerais do programa,
Estudos Linguísticos e em Estudos Literários. expressos em seus regimento (UFPR, 2012) e
Em mais de 40 anos de existência, foram na página do programa na internet (UFPR,
diversas as mudanças no perfil do programa, 2018b) está a formação de professores,
de modo que ele assumiu a configuração prioritariamente para o nível superior. São 7
atual a partir do final dos anos 90. Em 2000, as linhas de pesquisa do programa, 4 na área
o programa se expandiu, com a criação do de concentração em Estudos Linguísticos e 3
curso de doutorado em Estudos Linguísticos. em Estudos Literários. Como discutido no
Dois anos depois, em 2002, iniciou-se capítulo 2, nessa análise trataremos apenas
também o doutorado para a área de da área de concentração em Estudos
concentração em Estudos Literários. Linguísticos. Abaixo, apresentamos uma
Atualmente, o programa é avaliado com breve descrição de cada linha de pesquisa
conceito 5 pela CAPES. (UFPR, 2018b) dessa área de concentração:

Área de concentração: Estudos Linguísticos

Linha 1: Estudos gramaticais: descrição, análise, teoria, meta-teoria e historiografia


Reflexão crítica sobre movimentos da história e da filosofia da linguística. Estudos sobre fenômenos
gramaticais das línguas naturais, nos níveis fonético-fonológico, morfológico, sintático e semântico,
tanto do ponto de vista da modelagem formal, como do ponto de vista da realidade psicológica
(processamento e aquisição).

Linha 2: Linguagem e práticas sociais


Estudos teóricos e empíricos sobre os usos da linguagem na interação social e nas situações de
bilinguismo e de contatos entre línguas ou entre variedades da mesma língua. Estudos que buscam o
entendimento do uso real da linguagem a partir de várias perspectivas e teorias do texto, do discurso,
da pragmática e da variação e mudança e de sua interface com outras áreas da linguística e das
ciências humanas.

Linha 3: Linguagens, culturas e identidades: ensino e aprendizagem


Estudos voltados a processos de formação/educação inicial e continuada de professores de línguas e
literaturas; formação de professores formadores; questões de aquisição, aprendizagem e ensino de
LE.

Linha 4: Alemão como língua estrangeira


Estudos de aspectos relacionados à presença e à difusão do idioma, da cultura e da literatura dos
países de língua alemã no Brasil, relacionados ao ensino e aprendizagem, tradução, interculturalidade,
mediação e reflexão linguística e literária sob abordagens contrastivas. (UFPR, 2018b)

Como podemos observar, duas linhas (3 e 4) Ementa: Relações da linguística com outras
mantém uma relação explícita coma a áreas do conhecimento: computação,
formação de professores. Apesar disso, psicologia, estudos clínicos, música, etc.
nenhuma delas cita tópicos relacionados às
TICs. Contudo, na análise das grades b. Letramentos e ensino/aprendizagem de
curriculares da área de concentração em línguas - Carga horária: 90 horas
estudos linguísticos, identificamos duas Ementa: Teorias de letramento e
disciplinas relacionadas ao uso de multiletramentos; o ensino de escrita,
tecnologias e aos letramentos digitais, cada leitura, oralidade e compreensão.
uma com 90 horas/aula. São elas:
Enquanto na primeira disciplina essa relação
a. Interfaces da linguística - Carga horária: está expressa na ementa, na segunda ela só
90 horas pode ser identificada claramente após a
análise das referências bibliográficas

76
elencadas no projeto pedagógico. A ementa Ainda, apesar de boa parte dos trabalhos
dessa disciplina explicita que ela trata de defendidos estar disponibilizada na página
“Teorias de letramento e multiletramentos”, do programa, há um número significativo de
mas somente ao analisarmos as referências teses e dissertações ausentes, algumas com
pudemos ter certeza de que o Letramento as expressões “arquivo não depositado” ou
digital é abordado entre eles. “autor não autorizou a publicação”. Assim, é
possível que os dados coletados não reflitam
O mesmo procedimento de análise serviu a realidade do programa. Mesmo com a
para resolvermos algumas das dúvidas sobre falta de números exatos, consideramos que
outras disciplinas que mencionavam o termo eles sugerem indícios valiosos sobre como a
“letramento” em suas ementas. Como em reflexão e a pesquisa sobre o letramento
geral elas não apresentavam referências digital tem se inserido no curso de pós-
bibliográficas sobre o Letramentos digital ou graduação em Letras da UFPR. A seguir
sobre o uso de tecnologias no ensino, elas estão nomeados os 7 trabalhos relacionados
foram desconsideradas do corpus. ao uso de TICs, encontrados nos corpora
disponibilizado pelo programa:
As estruturas curriculares das áreas de
concentração do programa ainda contam TABELA 04: Teses e dissertações sobre TICs defendidas
com uma série de disciplinas de ementas no Programa de Pós-graduação em Letras da UFPR de
1995 a 2018.
abertas, tais como seminários e tópicos
ANO AUTOR – TÍTULO DO TRABALHO
sobre temas diversos. Seus conteúdos, 1 2017 CAYER-BARRIOZ, C. X. A variação da
entretanto, somente são definidos a cada linguagem dos jovens franceses em
semestre, de modo que não estão elencados uma sequência de francês língua
dentre as descrições dos componentes estrangeira online
2 2016 BATISTA, D. A. Discursivo em
curriculares, disponibilizadas na página do
quadrinhos publicados na internet:
programa. Assim, do mesmo modo que nas humor, religião e sexualidade
licenciaturas, é possível que dentre elas 3 2015 GOULART, M. E. Análise da
estejam outras disciplinas que abordem discursivização das manifestações
temas relacionados ao letramento digital e a populares ocorridas no brasil em
2013 e sua repercussão no ambiente
formação de professores. Entretanto, dada digital
a falta de informação sobre elas, não foi 4 2012 PEREIRA, P. M. A utilização de
possível verificar essa hipótese. desenhos animados em aula de
espanhol como língua estrangeira
Para tentar preencher essa lacuna, além de para falantes de língua portuguesa
5 2008 BOBERG, A. R. Globo Repórter: uma
analisarmos a grade curricular da área de
investigação sobre o estilo textual da
concentração, também buscamos reportagem televisiva
identificar, dentre os trabalhos defendidos e 6 2005 CRISTO, C. G. T. Progressão
disponibilizados na página do programa, referencial em redações on-line
aqueles que tratam de TICs. Para isso, foram 7 2004 FLEITH, L. H. R. Avaliação do software
english discoveries para ensino de
analisados os títulos e os resumos de cada
inglês como língua estrangeira
trabalho defendido entre 1995 e 2018. Ao Fonte: O autor. (Dados obtidos nos endereços abaixo)
todo foram encontrados 7 trabalhos, entre http://www.prppg.ufpr.br/pgletras/index.php/teses/
dissertações e teses, sendo 4 deles sobre http://www.prppg.ufpr.br/pgletras/index.php/dissert
ensino e/ou aprendizagem de línguas. Deles, acoes/
http://www.prppg.ufpr.br/pgletras/index.php/defesa
por sua vez, apenas 1 (um) tratava de
s-anteriores/
contextos de ensino de língua inglesa. Não
foram encontrados trabalhos ligados Como podemos observar, se o projeto
diretamente à formação de professores e pedagógico das licenciaturas em Letras da
TICs ou ao letramento digital. UFPR não enfatiza a formação docente
voltada para o uso crítico e ativo de
tecnologias digitais, o Programa de Pós-

77
graduação em Letras, na área de parte dos componentes curriculares
concentração de Estudos Linguísticos, adotados na formação dos professores.
parece começar um caminho relativamente
diferente, com algumas disciplinas sobre o Ainda, Inovadores e Adotadores iniciais são
tema inseridas nos currículos (embora ainda aqueles indivíduos que experimentam o uso
de cunho genérico), além de algumas teses e de tecnologias inovadoras, descobrindo
dissertações defendidas. Apesar disso, ainda novas possibilidades e, no caminho,
é pequeno o número de trabalhos que influenciando outros membros dos grupos
envolvem a formação de professores de sociais dos quais fazem parte. Esse papel
línguas e tecnologias. Menor ainda são pode ser exercido tanto pelos professores
aqueles que tratam da formação de dos cursos de pós-graduação e de graduação
professores de língua inglesa. quanto pelos próprios professores em
formação. Novamente, nesse caso, é
Desse modo, vemos a investigação sobre a o necessária a criação de um ambiente
letramento digital e a formação de propício para a experimentação e a avaliação
professores na UFPR ainda como uma área de artefatos tecnológicos nos cursos de
em busca de consolidação na Pós- licenciatura e de pós-graduação.
graduação. Acreditamos, entretanto, que
com o maior incentivo à pesquisa na área, O maior incentivo à pesquisa sobre as TICs e
ecos também podem ser gerados nos cursos o Letramento digital na pós-graduação pode,
de licenciatura, especialmente se ainda, motivar os alunos egressos dos cursos
considerarmos que duas das linhas do de graduação a conduzirem investigações
programa de pós-graduação visam a sobre o tema quando ingressam no
reflexão sobre as relações entre linguagem mestrado ou no doutorado, em um ciclo de
e práticas sociais (linha 2) e a formação de percepção, reflexão e ação, tal como
professores (linha 3). discutimos no capítulo 2 (pág. 30). Nele, o
contato com as TICs em sala de aula , ou fora
Consideramos que os resultados das dela, é reforçado pelas oportunidades de
investigações conduzidas na pós-graduação reflexão nos cursos de licenciatura e de pós-
tendem a influenciar os professores que graduação, levando os professores em
atuam nos cursos de graduação, tanto pela formação a reorganizarem suas
criação de um ambiente propício para a representações sobre esses artefatos e suas
percepção das affordances oferecidas pelos aplicabilidades em sua atividade
artefatos tecnológicos no ensino de línguas profissional.
(Gibson, 1986), quanto pela motivação para
o surgimento de Inovadores ou de Tendo em vista que a reformulação mais
Adotadores Iniciais (Rogers, 1963). Como recente do projeto pedagógica das
discutimos em alguns dos capítulos licenciaturas ocorreu em 2007, época em
anteriores, perceber afforadances significa que a pós-graduação havia produzido
perceber as possibilidades que os objetos apenas 2 trabalhos na área, é de se esperar
nos oferecem para que possamos agir sobre a ausência de reflexões mais consistentes
o ambiente ao nosso redor, sobre os outros sobre as TICs na formação de professores de
e sobre nós mesmos. Essa percepção é, inglês. Contudo, é possível que com a futura
portanto, um dos requisitos para a reforma do projeto pedagógico esse quadro
realização de ações e pode ser estimulada sofra alterações, já que em mais de uma
em ambientes educacionais, como os década a presença das TICs na vida pessoal e
contextos universitários. Para isso, profissional dos alunos e dos professores do
entretanto, é necessário que as discussões Curso de Letras provavelmente também
sobre o letramento digital e as possibilidades mudou bastante, o que pode ter despertado
educacionais oferecidas pelas TICs façam novos interesses e percepções.

78
9. Universidade Federal de São Carlos
(UFSCar)
O curso de Letras da Universidade Federal de assim como a estrutura básica do currículo.
São Carlos (UFSCar) iniciou suas atividades Essa nova versão é a que se mantém em
em 1996 (Resolução No 244/95 – C. U), já vigência atualmente (dados de julho de
com a organização que mantém até hoje, ou 2018). Por outro lado, dentre as principais
seja, oferecendo duas habilitações: uma em mudanças em relação à versão de 1996
Letras Português e Inglês e a outra em Letras estão àquelas estabelecidas pela Resolução
Português e Espanhol. A duração mínima do CNE/CP 02/2002, que tratava da ampliação
curso é de 10 semestres, com uma oferta de da carga horária dos cursos de licenciatura
40 vagas anualmente, sendo 20 para cada (UFSCar, 2008).
habilitação. Embora em 2008 o projeto
pedagógico que inaugurou o curso tenha Na estrutura curricular atual, as duas
sido reformulado, o novo documento deixa habilitações compartilham disciplinas de
claro que o colegiado optou pela formação geral, (que tratam da língua e das
manutenção de grande parte dos elementos literaturas de língua portuguesa, dos estudos
da versão anterior, dentre eles o perfil clássicos, de didática e de psicologia), mas
profissional estabelecido para os egressos, diferem entre si no que diz respeito às

79
disciplinas relacionadas às línguas
estrangeiras. Visando a flexibilização da
matriz curricular, o Curso de Letras da
UFSCar organiza suas disciplinas em 10 perfis
distintos, “como forma de garantir que o
aluno reflita sobre os conteúdos específicos
de sua área em consonância com a sua
formação como licenciado.” (UFSCar, 2008.
p. 16). Esses perfis são grupos de disciplinas
(tanto obrigatórias quanto optativas) aos
quais os alunos se filiam durante sua
formação, de acordo com suas áreas de
interesse. Eles dão ao aluno a possibilidade
de “customizar” o seu currículo.

Outra forma de flexibilizar a grade curricular


adotada pelo curso é a oferta de disciplinas
obrigatórias nos 3 primeiros anos e as
disciplinas optativas nos dois anos seguintes,
quando os alunos, já mais familiarizados com
o curso, podem escolher as disciplinas que
mais lhes despertam interesse.

A carga horária da habilitação de Letras


Português e Inglês está organizada em um
total de 3.200 horas, sendo 525 delas
equivalentes à Prática como Componente
Curricular, 420 horas ao Estágio
Supervisionado e 200 horas de Atividades
Científico-acadêmico-Culturais.

A seguir, apresentamos as disciplinas do


curso de Letras Português e Inglês da UFSCar
adotadas para cada perfil:

Tabela 05: Matriz curricular Licenciatura em Letras –


Português/Inglês, UFSCar, campus São Carlos

Fonte: http://www.prograd.ufscar.br/cursos/cursos-
oferecidos-1/letras/letras

80
Em uma análise do modelo teórico-didático- de várias das disciplinas, sejam elas
filosófico do curso, é possível perceber um obrigatórias quanto optativas.
ênfase na formação de profissionais críticos
e atuantes socialmente que, implicitamente, A mesma ênfase, entretanto, não é dada à
coaduna com os princípios de uma formação uma formação que também abranja
voltadas para os Letramentos, ou seja, de competências ligadas ao Letramento digital.
formação de sujeitos capazes de mobilizar No perfil dos alunos, por exemplo, a
competências que lhe permitam observar, tecnologia é mencionada apenas
analisar, avaliar, planejar e agir sobre brevemente, como podemos observar no
situações problemas relacionadas ao seu próximo trecho:
cotidiano e ao de seus alunos. Essa postura
O perfil do profissional de Letras que aqui se
pode ser observada nos trechos a seguir:
apresenta, e cuja formação o nosso Curso
Por formar educadores que trabalham com a busca alcançar, obedece aos pressupostos
linguagem, o curso deve refletir as acima esboçados, de uma maneira orgânica e
especificidades desse trabalho, no sentido integrada, levando também em consideração
em que não pode simplesmente levar o aluno o Perfil Geral do Profissional a ser formado na
a ser proficiente em línguas estrangeiras ou UFSCar, elaborado por coordenadores e
dominar com perfeição a norma culta de representantes das comissões de
língua materna, mas sim levá-lo a aprender a reformulação curricular dos Cursos de
refletir sobre os fatos linguísticos e literários, Graduação, em 2000. Entre outros, são
descrevendo-os, analisando-os e princípios definidores desse perfil: aprender
interpretando-os, na sua intrínseca relação de forma autônoma e continuada, produzir e
com a sociedade e a história, não de forma divulgar novos conhecimentos, tecnologias e
impressionista, mas fundamentada em serviços, empreender formas diversificadas
teorias criticamente assimiladas. Também a de atuação profissional, desenvolver sua
formação pedagógica do estudante de Letras atuação de modo
deve ocorrer de forma não abstrata, mas inter/multi/transdisciplinar, pautar-se na
contextualizada, de modo a abranger a ética e na solidariedade, buscar sensibilidade
diversidade das realidades linguística e e equilíbrio, etc. (UFSCAR, 2008. p. 6. Grifo
educacional para que, mediante uma nosso).
compreensão dos fatos, o ensino se
apresente como uma resposta. Embora presentes em outras partes do
(...) projeto pedagógico, a menção às TICs
Podemos por último acrescentar, referindo- frequentemente revela que elas são
nos às áreas de conhecimento, que o percebidas predominantemente como uma
profissional formado pelo Curso de Letras da ferramenta para permitir a entrega de
UFSCar, além de tudo, deverá ter profunda atividades e a resolução de exercícios online,
compreensão da realidade socioeconômica
ao invés de estarem inseridas como objeto
brasileira e consciência de que é ela, em
de reflexão do professor em formação. Isso
última instância, quem vai determinar as
pressões e limites impostos aos processos de pode ser observado nas ementas de
ensino-aprendizagem no sistema formal de algumas das poucas disciplinas que citam as
ensino, no interior do qual ele provavelmente TICs:
vai atuar. Só assim ele poderá superar essas
mesmas pressões e limites, exercendo uma DISCIPLINA: 063738 – ENSINO-
influência efetivamente formadora, de modo APRENDIZAGEM DE LÍNGUA INGLESA:
crítico e autônomo. (UFSCAR, 2008. p.5) TEORIA E PRÁTICA COM PROJETOS

Outra perspectiva bastante forte no Projeto Objetivos Gerais: Proporcionar aos alunos o
Pedagógico é a formação de professores desenvolvimento de competência para: a)
competentes para atuarem na produção de compreender como as teorias de
materiais didáticos. Este é um aspecto aprendizagem influenciam o processo de
frequente tanto nas discussões sobre o perfil ensinar/aprender uma língua estrangeira;
do curso e dos egressos quanto nas ementas

81
b) elaborar projetos interdisciplinares que artefatos, já que não busca, ao menos
envolvam os temas transversais; c) diretamente, provocar reflexões sobre seu
compreender a importância do ensino papel, ou mesmo sobre como eles devem ser
contextualizado com base em abordagens usados pelo professor de línguas.
contemporâneas; d) elaborar tarefas para as
diferentes habilidades de acordo com temas Apesar de ser essa a visão predominante nas
propostos, e) apresentar projeto de ensino, disciplinas que acabamos de mencionar, há
oralmente e por escrito, utilizando a língua também outras percepções sobre as TICs
inglesa; f) desenvolver e aplicar instrumento presentes no projeto pedagógico,
de avaliação, e g) utilizar a mídia digital como notadamente no tocante à algumas
recurso educacional. disciplinas optativas. Isso pode ser
Ementa: Estudo e análise de teorias de observado na ementa da disciplina a seguir:
aprendizagem (de natureza linguística,
psicológica e/ou educacional) com base no DISCIPLINA: 161217 – TECNOLOGIA E
processo de ensino/aprendizagem de língua SOCIEDADE
estrangeira em abordagens contemporâneas. Objetivos Gerais: 1.O objetivo central da
Elaboração de projetos interdisciplinares disciplina é oferecer instrumentos teóricos e
envolvendo Temas Transversais. Elaboração analíticos que permitam a compreensão do
de Plano de Ensino baseado em tarefas. processo de transformação econômica e
Elaboração e aplicação de critérios para social a partir da inovação tecnológica a
avaliação (autoavaliação, avaliação de pares, disciplina tem como objetivo, também
avaliação de alunos). Tópicos de estudos da discutir a partir de estudos de casos, o
língua, desenvolvidos a partir da produção comportamento e a dinâmica de empresas,
dos alunos. Utilização de ambiente virtual de setores produtivos e economias nacionais,
aprendizagem para interação escrita (fórum visando exemplificar e avaliar os aspectos
de discussão, mensagens eletrônicas e teóricos desenvolvidos no curso.
trabalhos em formato digital). Ementa: 1. Desenvolvimento tecnológico e
(UFSCAR, 2008. p. 53. Grifo nosso) desenvolvimento social 2. Tecnologia e
organização do trabalho.3. O
DISCIPLINA: 062405 – PRONÚNCIA DA desenvolvimento da alta tecnologia
LÍNGUA INGLESA 1 (robotização e microeletrônica) e seu
Objetivos Gerais: Ao final do semestre o impacto sobre a composição da força de
aluno deverá ser capaz de: 1. saber como trabalho.4. Novas tecnologias de
utilizar o alfabeto fonético como instrumento comunicação e informação e seu impacto
de autonomia sobre pronúncia; 2. sobre a cultura. (UFSCAR, 2008. p.66)
reconhecer e analisar criticamente sua
produção oral; 3. criar uma rotina de
De modo diferente das disciplinas
treinamento consciente para melhoria da
anteriores, no trecho acima podemos
pronúncia.
Ementa: Fonética e fonologia do inglês, observar uma visão de tecnologia mais
Leitura de pronúncia com dicionários, voltada para a reflexão crítica acerca do
variação linguística, prática em laboratório, papel social desempenhado por ela na
pesquisa e prática em sites de pronúncia na sociedade contemporânea. Nesse caso,
Internet. identificamos a percepção de tecnologia
(UFSCAR, 2008. p. 64. Grifo nosso) como uma ferramenta cognitiva, capaz de
levar a outros níveis de reflexão, que por sua
Como podemos observar, nos trechos acima vez conduz a ações que não se limitam ao
é predominante a visão de tecnologias como uso instrumental de artefatos digitais.
artefatos físicos voltada para a mediação de
ações bastante situadas na vida acadêmica Apesar disso, ao analisarmos os contextos
dos alunos, tais como a entrega de nos quais a disciplina acima se encaixa,
atividades e a pesquisa de certos temas. dentro da grade curricular do curso,
Consideramos esta como uma visão mais podemos observar que ela não se direciona
voltada para o uso instrumental desses especificamente para a formação de

82
professores. Esse é um viés interdisciplinar
orais e escritas.
que está de acordo com a proposta do curso
Ementa: Estudo e análise de livros didáticos,
de oferecer uma formação diversificada aos
análise de necessidades e consequente
alunos, já que a disciplina enfatiza a adequação das atividades, reconhecimento
compreensão das transformações de abordagens nos livros didáticos, seleção
econômicas e sociais por meio da inovação de material didático, confecção de materiais
tecnológica. Se por um lado ele insere no didáticos nas diferentes habilidades por
currículo a reflexão sobre a presença das intermédio de jogos, atividades com vídeo e
TICs no mundo contemporâneo, por outro música, e recursos de mídia tópicos de língua
ele deixa de contemplar a aquisição de a partir da produção dos alunos. Utilização de
conhecimentos que podem ajudar, de modo recursos tecnológicos para interação escrita
com os alunos, trabalhos em formato digital.
mais direto, os alunos da licenciatura a se
Avaliação oral e escrita dos trabalhos
tornarem professores melhores. Além disso,
apresentados. (UFSCAR, 2008. p. 66)
é possível percebermos que ela não se trata
de uma disciplina de acesso a todos, já que Como podemos observar, embora
dentro da organização curricular do curso ela mencionadas em 4 disciplinas do currículo, a
é oferecida somente a certos perfis (nesse presença das TICs não se mostra como um
caso o Perfil 2). componente que está integrado para a
formação de professores letrados digitais, ou
Já em outra disciplina optativa (para os
seja, aptos a usarem desses artefatos para
alunos que do Perfil 7) as TICs são abordadas
refletir sobre sua atuação profissional,
como um produto prático, decorrente das
aperfeiçoando-a, e, ao mesmo tempo,
reflexões teóricas sobre a produção de
levando seus alunos a utilizarem-nas de
materiais didáticos que é enfatizada ao
modo crítico e autônomo. Um outro indício
longo do curso. Nesse caso, temos a
disso é o fato de que, quando atreladas a
percepção de tecnologias digitais como
uma reflexão mais voltada à prática, elas
ferramentas de trabalho, com discussões a
estão presentes apenas como componentes
respeito de como usá-las profissionalmente.
curriculares para certos perfis.
Apesar disso, a percepção de que
tecnologias como meios para a entrega de Para Rogers (1963), a adoção em maior ou
atividades também está presente. menor grau de artefatos tecnológicos está
Podemos observar isso na síntese da condicionada à forma como eles são
disciplina, a seguir: percebidas dentro de certos grupos sociais.
DISCIPLINA: 063746 - AVALIAÇÃO E Na perspectiva defendida pelo autor, essa
PRODUÇÃO DE MATERIAL DIDÁTICO EM adoção não ocorre de repente, mas em
LÍNGUA INGLESA estágios, começando por grupos
Objetivos Gerais: Ao final do curso o aluno inicialmente bem restritos e aos poucos se
deverá ser capaz de: a) reconhecer a teoria propagando para os grupos mais robustos.
subjacente às ideias veiculadas em materiais Se considerarmos que o projeto pedagógico
didáticos, b) elaborar instrumentos de análise do curso de Letras da UFSCar, embora
de necessidades (needs and wants), c)
reformulado em 2008, fora proposto
selecionar atividades que possam ser
inicialmente em 1996, e que, como afirma o
alteradas e adequadas às necessidades do
público-alvo d) apresentar oralmente e por próprio projeto, as alterações de 2008 se
escrito sugestões elaboradas durante o curso direcionam mais para o atendimento às
utilizando a língua-alvo e) elaborar material mudanças propostas pela Resolução CNE/CP
didático utilizando jogos, vídeo, música e/ou 2/2002, de modo que muitos dos elementos
diferentes mídias como material de apoio do projeto original foram conservados, é
pedagógico, f) avaliar a produção dos colegas natural verificarmos que as TICs não se
e sua própria produção de acordo com integram à proposta formativa do projeto
critérios estabelecidos pelo grupo, g) criar pedagógico, já que, naquela época, elas
atividades para as diferentes habilidades

83
também não faziam parte integral da vida investigação de aspectos e variáveis dos
das pessoas. processos de ensino/aprendizagem de
línguas, a partir de uma visão ampla das
Considerando isso, a mudança do projeto questões de linguagem que possibilite a
pedagógico do curso em 2019 (para atender realização dos estudos sob perspectivas
a Resolução CNE /CP 2/2015) pode trazer transdisciplinares. (UFSCAR, 2018)
novas perspectivas para o desenvolvimento Embora no título das linhas não haja menção
de competências ligadas ao letramento à formação e pesquisa relacionadas ao uso
digital, especialmente porque ele entrará em de tecnologias digitais, na página do
vigor mais de duas décadas após a proposta programa consta a informação de que a linha
inicial do curso de Letras da UFSCar, em um de pesquisa 1 (Descrição, análise e
ambiente em que as TICs são artefatos já processamento automático de línguas
adotados em diversas outras esferas sociais naturais) anteriormente chamava-se
e privadas. Esperamos que essas demandas “Linguagem Humana e Tecnologia” (até
atuais sejam contempladas nas versões 2013). Entretanto, pela descrição da linha
vindouras do currículo da licenciatura. A de pesquisa, é possível perceber que desde
seguir, trataremos do currículo da pós- aquela época o seu objeto de estudo estava
graduação. mais voltado para o uso de ferramentas
tecnológicas para a análise de dados
Programa de Pós-graduação em linguísticos, e não para a formação de
Linguística - UFSCar professores de línguas por e para o uso de
tecnologias. Isso pode ser observado no
A UFSCar conta atualmente com dois trecho a seguir, retirado da página do
programas de pós-graduação ligados à área programa.
de Letras, o Programa de Pós-Graduação em A linha de pesquisa intitulada Linguagem
Linguística e o Programa de Pós-Graduação Humana e Tecnologia pretende criar um
em Estudos de Literatura. O primeiro foi espaço institucional para a pesquisa
criado em 2004, enquanto que o segundo linguística assistida por computador,
em 2011. Atualmente os dois programas garantindo e legitimando a
oferecem cursos de mestrado e doutorado. interdisciplinaridade tão necessária. um dado
Entretanto, o curso de doutorado em relevante que merece destaque é a
Estudos de Literatura ainda é bastante integração de docentes de distintos
jovem, tendo iniciado suas atividades em departamentos (Letras e Computação) e
universidades (UFSCar e USP) para
2018. Tal como delimitado no capítulo 2,
constituírem essa linha de pesquisa.
consideraremos para análise somente os (UFSCAR, 2018)
dados relativos ao Programa de Pós-
graduação em Linguística (tanto mestrado, Essa visão acerca da presença de tecnologias
quanto doutorado). atribuir a elas um papel bastante valioso
para a obtenção e a análise de dados
O programa de pós-graduação em linguística linguísticos, permitindo a compreensão de
da UFSCar conta com 3 linhas de pesquisa: 1. fenômenos de linguagem por meio da
Descrição, análise e processamento interseção de áreas como a computação.
automático de línguas naturais; 2. Ensino e Embora ela permitisse, por meio da análise,
Aprendizagem de Línguas; 3. Linguagem e levar a uma reflexão profunda de
Discurso. Delas, somente a segunda professores em formação acerca de diversos
estabelece, em sua descrição, uma relação aspectos da linguagem, o uso de tais
direta com a formação de professores de conhecimentos em sala de aula acabava
língua, tal como podemos observar a seguir: sendo uma consequência indireta, já que a
formação de professores e o ensino não
Ensino e Aprendizagem de Línguas: O
estava entre os objetivos da linha de
objetivo desta linha de pesquisa é a
investigação
84
pesquisa. Atualmente, é possível perceber grade curricular, 15 disciplinas preenchem
conotações semelhantes na descrição da esse perfil, tal como pode ser observado na
linha de pesquisa vigente, tal como podemos lista a seguir:
verificar a seguir: LIN051 - A Face Linguística do Processamento
A linha de pesquisa "Descrição, análise e Automático das Línguas Naturais
processamento automático de línguas
naturais" tem como objetivo a exploração do LIN007 - Argumentação e Enunciação
conhecimento linguístico como base
fundamental para a descrição e análise de LIN027 - Construção de Recursos Linguísticos
línguas naturais, em seus diferentes níveis para Processamento de Língua Natural (PLN)
(fonológico, morfológico, sintático,
semântico e pragmático-discursivo), bem LIN050 - Discurso e Poder
como para a construção recursos linguístico-
computacionais com vistas ao seu LIN 071 - Discurso, Voz e Subjetividade
processamento automatizado. (UFSCAR,
2018) LIN029 - Introdução À Lógica Para PLN
(Processamento de Linguagem Natural)
Por meio da análise do elenco de disciplinas
do curso, é possível perceber, que a LIN005 - Linguística de Corpus
interdisciplinaridade e a
LIN062 - Métodos de Construção de Léxicos
transdisciplinaridade formam as bases de
Sintaticossemânticos Para o Processamento
apoio da estrutura curricular do programa. de Línguas
Ao todo, estão elencadas na sua página na
internet 108 disciplinas (incluindo LIN044 - Seminários Avançados em
seminários e tópicos diversos) que abordam Linguagem Humana e Tecnologia
as relações entre linguagem e áreas como
Filosofia, Etnicidade, Sociologia, Psicologia, LIN013 - Sumarização Automática
Lógica, Currículo, Computação, Formação de
professores, Letramento, dentre várias LIN010 - Terminologia e Ferramentas
Computacionais
outras. Essa diversidade curricular recebe o
suporte de um número elevado de
LIN025 - Tópicos em Linguagem Humana e
professores atuantes no programa Tecnologia: Análise Textual Baseada na
(especialmente em comparação com a Teoria de Estruturação Retórica (Rst) e
maioria das universidades brasileiras): 32 Aplicações
atualmente. Em uma análise das ofertas de
disciplinas dos 3 últimos anos, entretanto, LIN025-1 - Tópicos em Linguagem Humana e
podemos constatar que em média são Tecnologia: o Modelo das Classes de Objeto
oferecidas 10 disciplinas a cada semestre, de
modo conjunto para o mestrado e o LIN025-4 - Tópicos em Linguagem Humana e
Tecnologia: Os Verbos Suporte
doutorado.
Porque a linha 1 tem a tecnologia como um LIN025-2 - Tópicos em Linguagem Humana e
dos instrumentos de investigação da área, é Tecnologia: ” Ambiente Colaborativo Web de
bastante frequente no currículo a presença Gestão Terminológica: E-Termos”
de disciplinas que envolvam TICs, em geral
IN025-3 - Tópicos em Linguagem Humana e
tratadas como um conjunto de métodos e
Tecnologia: Gramática da Linguagem e
técnicas voltados à análise de dados Informação: Uma Gramática Baseada em
linguísticos. Nesse caso, o conhecimento Restrições
sobre tecnologias digitais tem como
principal objetivo instrumentalizar É preciso considerar, entretanto, que esta
pesquisadores para lidar com dados também é uma habilidade relacionada ao
linguísticos por meios computacionais. Na letramento digital, já que permite aos

85
discentes/pesquisadores do programa habilidades letradas em atividades didáticas
refletir sobre a língua por meio do uso e e em atividades acadêmicas. Apesar do
integração de artefatos TICs. Entretanto, número bem menor em comparação com as
como já discutimos brevemente, disciplinas da primeira linha, ao analisarmos
consideramos que as relações que essa as ofertas de disciplinas no Programa nos 3
abordagem mantém com as licenciaturas da últimos anos, foi possível constatar que duas
UFSCar são indiretas (ao menos no que tange delas são bastante recorrentes nesse
ao escopo deste trabalho), já que ela não período, mostrando que na prática elas
trata de uma perspectiva que visa acabam tendo uma relevância que vai além
diretamente formar professores para que do que mostra o percentual que elas
eles possam lidar com essas tecnologias nas representam dentro do universo total de
situações cotidianas em sala de aula e fora disciplinas do curso (menos de 3%). Isso
dela. também indica que, diferente das
licenciaturas, o programa de pós-graduação
Além da abordagem instrumental, a grade percebe a formação e a pesquisa sobre
curricular do programa também traz letramentos digitais como um elemento
disciplinas que integram saberes e práticas relevante. A seguir, apresentamos uma
docentes (ou saberes e práticas de tabela com os títulos, ementas e os períodos
professores em formação e as TICs). Ao todo, em que elas foram ministradas
foram catalogadas 3 disciplinas voltadas recentemente:
para a reflexão e o desenvolvimento de
TABELA: 06: Disciplinas sobre TICs – Linha 2 - UFSCar
Disciplina Ementa Ano/período
1 LIN056 - Novas Ementa: Conceito de multiletramento e novas 2016/2
Tecnologias e possibilidades no ensino-aprendizagem de línguas; Ensino-
Ensino de Línguas aprendizagem de leitura e escrita em diferentes suportes e
a questão da convergência de mídias; Aspectos teórico-
metodológicos do ensino-aprendizagem de línguas em
ambiente virtual; Análise, preparação e implementação de
materiais e recursos de língua em ambiente virtual (chat,
fórum, wiki); Possibilidades e limites no uso de novas
tecnologias no ensino-aprendizagem de línguas.

2 LIN055 - Tópicos Ementa: Ser autor: uma perspectiva histórica; Função-autor;


em Autoria Sentidos de obra e relações entre original, cópia e versão;
Arquivo, intertextualidade e interdiscurso no processo de
autoria; Hipertextualidade e autoria no espaço digital;
Autor, editor e leitor: novas relações; Ambientes Virtuais de
Aprendizagem e Blogs enquanto espaços potenciais de
autoria; Plágio; Políticas de autoria no Brasil.

3 LIN100-14 - Ementa: A disciplina promoverá a discussão crítica de 2017/1


Tópicos em concepções e modelos interpretativos de letramentos 1018/1
Linguística: acadêmicos e de práticas de letramentos digitais, no que se
Letramentos refere, de maneira particularizada, à percepção da
Acadêmicos, heterogeneidade e da multimodalidade no âmbito de
Internet e culturas digitais.
Mundialização

Fonte: O autor.

86
Além das 3 disciplinas elencadas na tabela Esse número equivale a pouco mais que 10%
anterior, ainda há na grade curricular dos da produção do programa. Sobre isso,
cursos do Programa um grande número de chama a atenção o fato de que um número
componentes que abordam temas como considerável deles envolvia as linhas 2 e 3,
mídia e letramentos (seja no título ou na que não tratam diretamente das tecnologias
ementa). Entretanto, na análise das digitais em sua descrição. Esse fato sugere
referências bibliográficas não foi possível que enquanto a linha 1 tende a se restringir
identificar indícios de que as discussões à investigação com TICs (ou seja, como um
conduzidas nas disciplinas envolviam TICS instrumento de análise e não como o foco de
ou aspectos do letramento digital. Nesse análise), as outras duas linhas se
caso, presumimos que elas se referiam a direcionavam mais para a reflexão sobre a
mídias impressas como jornais e revistas e o presença de artefatos tecnológicos em
letramento tradicional (atrelado às práticas diversas esferas e situações sociais, incluindo
de leitura e escrita em meio impresso). o ensino, a aprendizagem de línguas e a
Desse modo que esses dados foram formação de professores. Nesse sentido,
desconsiderados. consideramos que as linhas 2 e 3
contribuem, qualitativamente, de modo
Já na análise das teses e dissertações mais relevante para a formação de
defendidas no programa (obtidas por meio professores letrados digitalmente. A seguir,
de uma busca no Repositório Institucional da podemos ver uma tabela com os trabalhos
UFSCar aplicando-se como filtro o nome do identificados no portal da UFSCar
programa de pós-graduação) foram (produzidos no Programa de Pós-graduação
contabilizados 32 trabalhos que envolvem as em Linguística) que abordam as TICs e seus
TICs e/ou Letramentos digitais, em um títulos e resumos.
universo de 297 trabalhos disponibilizados.
TABELA 07: Teses e dissertações produzidos na UFSCar relacionados às TICS ou ao letramento digital
Ano Autor – Trabalho (tese ou dissertação)
01 2018 ODORISSIO, R. M. Variação denominativa nas modalidades oral e escrita: o léxico da
culinária na internet
02 2018 CHIEREGATTI, A. A. Mídium e gestão dos espaços canônico e associado nas plataformas
colaborativas Wattpad e Widbook
03 2018 LACERDA, N. P. Leitura e relações dialógicas em fóruns escolares de discussão.
04 2017 EMIDIO, D. E. Planejamento temático baseado em tarefas no ensino e aprendizagem
de inglês a distância
05 2017 LOPES, A. C. S. Entre transgressões e consensos: a relação entre ética e estética no caso
da telenovela “Lado a Lado” no âmbito do debate sobre ações afirmativas no ano de
2012 .
06 2017 ARAUJO, L. M. B. M. Política e derrisão em videomontagens do Youtube: uma leitura
discursiva
07 2016 HRUSCHKA, E. R. Notas discursivas sobre autoria na rede (WEB): o funcionamento
polifônico da autoria no sistema computacional NELL
08 2016 NAKAMURA, Á. R. L. Acesso aberto e recursos educacionais: análise de um discurso
oficial
09 2016 ROSIN, P. S. Peculiaridades do exercício da função autor em redes sociais: uma análise
discursiva de “mensagens compartilhadas” pelo Facebook
10 2015 SOUZA, D. C. I. Lexicultura e hipertextos: letras de canções como mediação linguística
e cultural no contexto do ensino-aprendizagem de português para estrangeiros

87
11 2015 FERREIRA, L. P. O gênero fórum de discussão online na formação continuada de
orientadores de estudos do PNAIC: caracterização e potencialidades
12 2015 CAMARGO, A. R. L. Escrita no espaço digital: criação e atribuição de autoria em
fanfictions
13 2015 KRASNOSCHECOFF, A. Liberdade e restrição: jogos de computador e linguagem
14 2015 GUEDES, R. O. Publicações nacionais sobre CALL e outras tecnologias no ensino e
aprendizagem de línguas estrangeiras: um olhar na segunda década do século XXI
15 2015 STEFANI, V. C. G. Formação continuada de professores de línguas estrangeiras mediada
pelo cinema: contribuições da teoria da atividade
16 2014 MANZANO, L. C. A ordem do olhar: sentidos da imagem no discurso político televisivo
brasileiro
17 2014 RANZANI, A. A formação de professores a distância e o acesso de crianças de seis anos
à linguagem escrita através de projetos de letramento
18 2014 STAHLHAUER, A. S. M. A representação de línguas no ciberespaço: um funcionamento
enunciativo na contemporaneidade
19 2013 TOMAZELLA, C. M. Ensino de LE em ambientes virtuais: um estudo sobre os tipos de
interação e de andaimes presentes na construção de conhecimento em língua
espanhola
20 2013 PEREZ, L. Representações do consumidor de fake nos discursos sobre a moda: a análise
do discurso e a construção de identidades
21 2013 BONÁCIO, D. Pequenas frases na mídia eletrônica brasileira: uma leitura discursiva
22 2012 REIS, L. L. Dos modelos classificatórios tradicionais na ciência da informação à
folksonomia: um enfoque discursivo
23 2012 GALLARDO, J. O. Representações de professores em formação em relação à internet no
ensino de português para estrangeiros em contexto de imersão
24 2012 PIRES, L. M. F. O funcionamento do discurso político: o Twitter na campanha
presidencial de 2010
25 2012 FARIA, E. R. O uso do hipertexto na aula de língua inglesa: promovendo o
desenvolvimento da oralidade por meio de novas práticas de linguagem
26 2011 PAULO, S. Cinema e ideologia: a espetacularização e os discursos acerca do policial e
do bandido na sociedade moderna
27 2011 PISA, L. F. Discurso, poder e identidades no Orkut
28 2010 STEFANI, V, C. G. O cinema na aula de língua estrangeira: uma proposta didático-
pedagógica para o ensino-aprendizagem de espanhol
29 2010 LOPES, L. R. O blogueiro e suas práticas - corpos carnavalizados e interações
multifacetadas
30 2010 CAMOLESE, M. R. C. Estudo sobre as produções de texto de alunos do ensino
fundamental - a influência da internet
31 2009 CAMARGO JÚNIOR, I. A memória de futuro analisada pela linguagem cinematográfica:
diálogos entre a teoria do cinema e Mikhail Bakhtin
32 2009 PEREIRA, G. I. Letramento digital e professores de LE: formação para o uso das novas
tecnologias em sala de aula
Fonte: o autor

88
É possível perceber que na UFSCar a nas duas últimas décadas, é de se esperar
licenciatura em Letras Inglês e a pós- que um currículo ainda embasado
graduação em Linguística têm atuado sob predominantemente em visões da segunda
perspectivas diferentes no que diz respeito à metade da década de 90 reflita uma
inserção das tecnologias e do letramento perspectiva majoritariamente instrumental
digital na formação de professores. Em sobre a presença das TICs na formação de
parte, isso se deve ao fato de que as professores. Nesse caso, por instrumental
primeiras produções sobre esses temas na nos referimos ao ensino centrado no uso
pós-graduação se iniciaram em 2009, tecnicista de tecnologias (envolvendo
quando o projeto pedagógico atual já estava procedimentos sobre o manuseio dos
em vigência, de modo que a produção da artefatos, a entrega de exercícios e a
pós-graduação teve poucas oportunidades realização de atividades didáticas) sem
para influenciar os rumos do currículo das necessariamente abordar reflexões sobre os
licenciaturas. motivos, benefícios ou prejuízos da inserção
desses artefatos em ambientes de ensino e
Outro fator que impacta nos diferentes aprendizagem de línguas.
resultados obtidos entre a graduação e a
pós-graduação é o fato de que o projeto Contudo, tendo em vista que o novo projeto
pedagógico da licenciatura (embora pedagógico (que ainda estava em
reformulado em 2008) traz apenas algumas construção durante a realização das análises
atualizações da proposta inaugural do curso, apresentadas nesse livro) tem como pano de
feita em 1996. Naquela época, as TICs fundo uma outra situação sociocultural, com
começavam a se popularizar e, portanto, a tecnologia já amplamente integrada em
ainda não eram percebidas por muitos como diversas esferas, incluindo o ensino de
artefatos com grades potenciais para o línguas, acreditamos que o currículo do
ensino de línguas e para a formação de curso poderá trazer uma nova perspectiva
professores. Para termos uma ideia mais para a formação inicial de professores de
clara sobre os estágios em que as discussões inglês na UFSCar a partir de 2019. Para isso,
sobres as tecnológicas digitais no ensino se as pesquisas conduzidas no mestrado e no
encontravam no meio da década de 90, doutorado sobre o tema podem ter um
podemos mencionarmos que oficialmente a papel de grande relevância.
internet só foi inaugurada no Brasil em 1995.
Deixamos, então, ao leitor deste trabalho a
Considerando que grande parte da motivação para novas pesquisas que possam
revolução digital que vivenciamos hoje se avaliar mudanças entre os resultados do
deu por causa da popularização da internet, estudo aqui apresentado e as versões
assim como da popularização e da vindouras dos currículos ora analisados.
portabilidade dos computadores ocorridas

89
10. Universidade Federal de Pelotas
(UFPEL)
O curso de Letras da Universidade Federal do dupla habilitação, e uma formação mais
Pelotas (UFPEL) teve início em 1984 (Portaria consistente por meio do estudo de duas
no 42, de 13 de janeiro de 1984), línguas simultaneamente, já que, segundo o
inicialmente com duas habilitações: documento, “a obtenção de uma consciência
Português/Francês e Português/Inglês. Em metalinguística dessa natureza somente é
pouco mais de 3 décadas, o curso passou por obtida de modo completo através de um
grandes reformulações, dentre elas a criação curso de licenciatura dupla” (UFPEL, 2013. p.
de 3 habilitações simples: em Língua 14).
Portuguesa (1991), em Língua Espanhola
(1994) e em Língua Inglesa (2000). Apesar Mantendo somente a habilitação em Língua
disso, a vida das licenciaturas simples em portuguesa como habilitação simples,
Letras estrangeiras foi curta na UFPEL, uma atualmente, o curso de Letras da UFPEL
vez que em 2008 elas foram extintas para conta com outras 7 habilitações, sendo 4
dar lugar às atuais habilitações duplas. delas licenciaturas (duplas) e 3
Dentre os fatores apontados para essa bacharelados, a saber:
mudança no projeto pedagógico do curso,
estão a maior possibilidade de absorção pelo
mercado de trabalho de graduados com

90
● Licenciatura em Letras – Português e Curricular e 200 horas são dedicadas a
Literaturas de Língua Portuguesa atividades científico-acadêmico-culturais.
Dentro das 1.800 horas dedicadas à
● Licenciatura em Letras – Português e Inglês disciplinas, a UFPEL adota, para as
e Respectivas Literaturas licenciaturas, a obrigatoriedade de que 100
horas sejam cumpridas como atividades de
● Licenciatura em Letras – Português e Formação Livre ou Opcional. Essas atividades
Francês e Respectivas Literaturas
são “toda e qualquer atividade curricular
● Licenciatura em Letras – Português e
cursada pelo discente, no seu percurso
Espanhol e Respectivas Literaturas acadêmico individualizado, que seja
ofertada pela própria instituição ou por
● Licenciatura em Letras – Português e outra IES, até o limite de 20% da carga
Alemão e Respectivas Literaturas horária total do curso”. De acordo com o
projeto pedagógico (UFPEL, 2013), essa
● Bacharelado em Letras – Habilitação em medida busca promover a flexibilização do
Redação e Revisão de Textos currículo, já que pode trazer ao aluno
conhecimentos provenientes de outras
● Bacharelado em Letras – Habilitação em
áreas não contempladas pela grade do seu
Tradução Inglês/Português
curso.
● Bacharelado em Letras – Habilitação em
Tradução Espanhol/Português A projeto pedagógico do curso de Letras
Português e Inglês ainda prevê que uma
parte da carga horária das disciplinas
O projeto Pedagógico em vigência, quando obrigatórias e opcionais possa ser ministrada
da coleta de dados, foi reformulado em por meio de atividades não presenciais, ou
2013, de modo que apesar de relativamente seja, “sem obrigatoriedade de horário” e
recente ainda segue as normatizações das “sem a supervisão direta do professor, tais
DCNs de 2002. A grade curricular, por sua como exercícios de fixação de conteúdos,
vez, é compartilhada entre os cursos de leituras dirigidas, atividades orientadas e
licenciatura (mesma carga horária, mediadas por suporte tecnológico de
disciplinas obrigatórias, optativas, práticas comunicação remota, etc.” (UFPEL, 2013. p.
pedagógicas e estágios), diferenciando-se 36). Nesse aspecto, observamos a
apenas no que diz respeito às disciplinas dos recorrência da percepção de tecnologias
eixos específicos de cada habilitação. No como artefatos que possibilitam,
curso de inglês, fazem parte desse eixo prioritariamente, a realização e entrega de
disciplinas como Fonética e Fonologia, atividades acadêmicas, mas que não levam,
Literaturas de Língua Inglesa, Língua Inglesa necessariamente, a uma reflexão sobre o
I, II, III, IV, V, VI, VII e VIII, dentre outras. modo como elas podem auxiliar o professor
Apesar desse compartilhamento de a desenvolver competências mais amplas
disciplinas entre os diferentes cursos, os com seus alunos.
projetos pedagógicos são construídos
individualmente. Dentre as posturas adotadas no projeto
pedagógico, é enfatizada a formação crítica
O número de vagas oferecido por ano para o de professores, que devem ser profissionais
curso de Letras Português e Inglês é de 27. conscientes de seu papel como responsáveis
Já a estrutura curricular se organiza em torno pela transmissão de valores culturais, sociais
de 2.800 horas, sendo que delas 1.800 horas e políticos. Isso pode ser observado no
são cursadas por meio de disciplinas trecho a seguir:
obrigatórias e opcionais, 400 horas são A necessidade do entendimento das relações
dedicadas aos estágios, outras 400 horas são entre língua e cultura, poder e preconceito se
voltadas para a Prática como Componente estende integralmente quando a justificativa

91
Apesar disso, não há, no projeto, referências
volta-se para a formação de professores de
língua inglesa. A formação do professor de consistentes sobre temas relacionados à
língua estrangeira, nesse contexto, pode ser presença de tecnologias digitais na vida
definida como mais complexa por exigir, além acadêmica e profissional dos alunos.
do entendimento dessas relações, também a Embora no perfil do egresso esteja listada a
apreensão de um objeto de aprendizagem competência para “utilizar multimeios como
que lhe é “estrangeiro” de fato, o que recursos didáticos” (UFPEL. 2013. p. 15), não
demanda um esforço maior de internalização são dados detalhamentos sobre como ela é
da estrutura e, especialmente, das regras de desenvolvida ao longo do processo
uso da nova língua. Unindo esses dois fatos,
formativo dos futuros professores. Da
temos a justificativa para a criação do curso
de língua inglesa, ou seja, vencer o desafio de
mesma forma, não há discussões ou
formar docentes proficientes na língua explicações sobre a relevância dessa
inglesa e, ao mesmo tempo, conscientes de competência para professores de Língua
seu papel enquanto (i) falantes de uma língua inglesa.
considerada dominante e hegemônica e (ii)
responsáveis pela transmissão de valores – Essa ausência, entretanto, parece não ter
culturais, sociais, políticos – que são passado desapercebida pelo colegiado do
indissociáveis ao ensino dessa língua (UFPEL, curso, já que ao discutir a avaliação continua
2013. p. 13). da estrutura curricular, feita por docentes e
Outros temas bastante recorrentes no discentes, o projeto pedagógico sugere que
projeto pedagógico do curso de Letras da futuros instrumentos avaliativos
UFPEL é a inclusão e o respeito às diferenças considerarão a “adequação de recursos
e minorias (tanto raciais, quanto sociais e materiais (funcionamento de laboratórios,
linguísticas), assim como a preservação da biblioteca, dos aparelhos multimídia, do
ambiental. Isso mostra que o projeto busca mobiliário, do espaço físico)”. Isso sugere,
consonância com as propostas de novamente, que as TICs não são percebidas,
interdisciplinaridade e de nos contextos dos cursos de Letras
transdisciplinaridade, manifestadas nos analisados, como elementos integrados da
documentos do CNE, notadamente as DCNs formação docente, já que são abordadas
de 2002. apenas como parte dos recursos materiais
do curso, e não como parte das propostas
A relação com a pós-graduação também é pedagógicas adotadas na formação docente.
bastante enfatizada ao longo do projeto
pedagógico. São citadas tanto ações No elenco de disciplinas do curso também
realizadas em conjunto quanto a não há componentes voltados
importância que os cursos lato sensu e exclusivamente para a reflexão acerca das
stricto sensu em Letras da UFPEL têm tecnologias digitais e sua relação com o
adquirido na formação inicial e continuada ensino de línguas. Ainda assim, em uma das
dos alunos e egressos do curso. Além da pós- disciplinas optativas da grade curricular
graduação, outros programas ligados às (Didática em Letras), as “novas tecnologias”
licenciaturas também são mencionados são mencionadas entre os tópicos elencados
como fatores que contribuem para a na ementa, embora estejam ausentes nos
formação de professores voltados para a objetivos gerais, nos objetivos específicos e
análise crítica do mundo, entre eles está o na descrição dos conteúdos. A seguir,
Programa Institucional de Bolsa de Iniciação podemos verificar parte da descrição da
à Docência (PIBID). disciplina no projeto pedagógico:

92
Tabela 08: Didática em Letras
Nome da disciplina: Didática em Letras
Código: 1310470 Semestre oferta:
Departamento/s: Câmara de Ensino 2 Eixo: CLET
Carga Horária Semanal: Presencial: 3 h/t +1 Carga Horária Total: 85h/a
h/p Não presencial: 1h/e
Créditos: 5 Natureza da Carga Horária: Optativa
Cursos:
Licenciatura em Letras – Português e Inglês e Respectivas Literaturas
Licenciatura em Letras – Português e Literaturas de Língua Portuguesa
Licenciatura em Letras – Português e Inglês e Respectivas Literaturas
Licenciatura em Letras – Português e Francês e Respectivas Literaturas
Licenciatura em Letras – Português e Espanhol e Respectivas Literaturas
Licenciatura em Letras – Português e Alemão e Respectivas Literaturas
Pré-Requisito/s imediatos/s (efeito cumulativo): Nenhum
Objetivos: Gerais: - Analisar as principais concepções de Educação e suas relações com as teorias de
ensino e aprendizagem; - Refletir sobre o papel da Educação e da Escola e suas múltiplas relações
com a construção do saber.
Específicos: - Compreender o papel da Didática no desenvolvimento do trabalho docente; - Aplicar
subsídios teóricos, metodológicos e pedagógicos para atuação no ensino fundamental e médio; -
Compreender alguns dos elementos que constituem a organização do processo de ensino e de
aprendizagem: planejamento, metodologia e avaliação; - Elaborar planos de ensino e instrumentos
de avaliação; - Desenvolver práticas de pesquisa relacionadas à prática didática
Ementa: A Didática e seus fundamentos. Concepções de Educação e teorias pedagógicas. Teorias do
currículo. Procedimentos, recursos e técnicas de ensino e aprendizagem. Avaliação. Recursos
didáticos, novas tecnologias e suas implicações para o ensino.
Conteúdo programático: 1) Pressupostos teóricos, históricos, sociais e filosóficos da Didática. 2) As
diferentes concepções de educação. 3) Teorias de aprendizagem e de currículo: teorias tradicionais,
críticas e pós-críticas. 4) A ação docente no processo de ensino e de aprendizagem. 5) Estratégias e
métodos de ensino. 6) Planejamento e avaliação no processo de ensino. 7) A prática docente frente
às novas Bacharelados.
Fonte: UFPEL (2013. p. 94)

Como podemos observar, embora cite Pós-graduação em Letras da Universidade


brevemente as tecnologias entre um dos Católica de Pelotas (PPGL UCPel), ocorrido
tópicos da ementa, a ausência de referências em 2018. Antes da fusão, a UFPEL contava
mais consistentes nos outros componentes com o curso de mestrado, criado em 2011.
da descrição da disciplina indica que esse é Já o PPGL UCPel foi criado em 1994, tendo o
um tema tratado apenas incidentalmente. doutorado aprovado em 2005.
Assim, diante das poucas referências às TICs
no corpo do projeto e na grade curricular, Com a recente união dos programas, a grade
consideramos que tanto as tecnologias curricular e a página do PPG-Letras UFPEL
digitais, quanto o letramento digital não são foram reformuladas. Entretanto, a nova
apresentados como elementos relevantes versão da página do programa ainda se
para a formação de professores nos cursos encontrava em construção durante o
de Licenciatura em Letras da UFPEL. encerramento da coleta de dados do estudo
que abordamos aqui (realizada de fevereiro
Programa de Pós-graduação em a julho de 2018). Desse modo, poucas
informações puderam ser obtidas por meio
Letras - UFPEL daquela fonte de pesquisa. Como
alternativa, buscamos coletar dados por
Atualmente, o Programa de Pós-graduação
meio do repositório institucional da UFPEL.
em Letras da UFPEL (PPG-Letras UFPEL) é o
Lá, obtivemos acesso às dissertações já
resultado da sua fusão com o Programa de

93
defendidas no âmbito do programa. Já as Esse compromisso com a formação de
ementas das disciplinas não puderam ser professores da Educação Básica, se reflete,
localizadas. Dessa forma, procederemos a também na presença de componentes
uma análise bem sucinta da presença de curriculares que envolvem as tecnologias
pesquisas envolvendo TICs e o Letramento digitais. Entretanto, pela ausência de
digital no PPG-Letras UFPEL, limitadas pelas ementas e referências bibliográficas,
contingências às quais nos referimos acima. somente foi possível identificarmos
tendências manifestadas nos títulos das
O programa conta, atualmente, com disciplinas.
mestrado e doutorado (sendo este último
iniciado em 2018) e uma única área de A grade curricular dos cursos de mestrado e
concentração, “Linguagem, Texto e doutorado do PPG-Letras UFPEL se estrutura
Imagem”, que por sua vez está dividida em 3 em torno de 3 disciplinas obrigatórias e 42
linhas de pesquisa, descritas a seguir: disciplinas optativas. Embora boa parte dos
nomes dos componentes curriculares
I.Aquisição, variação e ensino: Nessa linha permitam a inferência do seu conteúdo, para
integra-se toda investigação dos processos
alguns deles torna-se difícil fazer associações
naturais e formais de aquisição da língua
(materna e estrangeira), bem como da já que são apresentados na forma de tópicos
variação da linguagem e sua articulação com especiais, estudos avançados e seminários,
o ensino e outras interações que envolvam geralmente seguidos de temas gerais que
fronteiras linguísticas, culturais, políticas não permitem uma identificação segura do
e/ou sociais. seu conteúdo. Como exemplos desses casos
temos “Tópicos Especiais em Linguística
II.Texto, discurso e relações sociais: Essa linha Aplicada” e “Tópicos Especiais em
congrega toda investigação de processos Linguagem e Educação”. Mesmo assim,
textuais/discursivos em sua organização elencamos a seguir as disciplinas as quais é
interna e em seu funcionamento em
possível perceber, pelo título, que algumas
diferentes práticas sociais, dentro e fora do
contexto escolar. relações com as Tecnologias e a formação de
professores são mantidas. Todas elas
III.Literatura, cultura e tradução: Essa linha pertencem à linha “Texto, discurso e
investiga o texto literário e suas relações com relações sociais”
outras artes, discursos, processos culturais,
● Tópicos Especiais em Metodologia de
criativos, sua dinâmica intertextual e
Pesquisa na Internet
questões teóricas e práticas da tradução
literária. (UFPEL, 2018)
● Tópicos Especiais em Redes e Comunicação
Mediada pelo Computador
Como podemos observar, duas das linhas de
pesquisa estabelecem relação com a ● Tópicos Especiais em Mídia, Discurso e
formação de professores para a Educação Análise de Redes Sociais I
Básica. Essa relação também é reforçada na
descrição dos objetivos específicos do curso, ● Tópicos Especiais em Mídia, Discurso e
dentre os quais podemos ler: Análise de Redes Sociais II
Dada a impossibilidade de verificarmos o
proporcionar aos professores de
universidades e escolas da rede pública e conteúdo dessas e de outras disciplinas por
particular, assim como a outros profissionais meio das análises das ementas e das
que utilizam a linguagem como seu principal referências bibliográficas adotadas,
objeto de trabalho, oportunidade de buscamos confirmar se as tecnologias e o
formação continuada e de desenvolvimento letramento digital estavam de fato inseridos
dos conhecimentos linguísticos, discursivos e na grade curricular do programa por meio da
literários necessários à sua prática análise das dissertações defendidas desde
pedagógica e/ou profissional. (UFPEL, 2018) sua criação na UFPEL. Nesse caso, foi

94
necessário recorremos ao repositório Nelas, a leitura dos resumos foi a estratégia
institucional da UFPEL, já que os trabalhos adotada para que pudéssemos ter certeza de
defendidos ainda não estavam que os temas abordados envolviam TICs ou o
disponibilizados na nova página do letramento digital. Dentro desse perfil,
programa. foram identificados 8 trabalhos, o que
Ao todo, utilizando o nome do Programa equivale aproximadamente a 8% da
como filtro de pesquisa, foram identificadas produção do programa. A Seguir,
97 dissertações, defendidas desde 2013. apresentamos uma tabela com esses dados:
Tabela 09: Teses e dissertações defendidas no Programa de Pós-graduação em Letras da UFPEL
Ano Autor – título da dissertação
01 2018 SILVA, Y. L. TV INES: o protagonismo surdo na produção de conteúdo audiovisual que
promove informação, cultura e língua.
02 2018 SANTOS, M E. M. Para além dos bons jogos: os princípios da competência
comunicativa em atividades gamificadas.
03 2018 CABRAL, C. R. S. A desconstrução do machismo pela linguagem: ordens de
indexicalidade e outscalings motivados pelo movimento feminista no Facebook
04 2017 BAZERQUE, A. L. Performances narrativas de minorias sociais nos novos letramentos
digitais: empoderamento de LGBTs no canal Muro Pequeno
05 2017 MARTINS, B. L. Me manda um whats?!: a aprendizagem de inglês como língua
adicional por WhatsApp
06 2017 OLIVEIRA, R. S. Currículo ecológico de língua e literatura: o uso de tecnologias móveis
para uma abordagem colaborativa
07 2015 SILVA JÚNIOR, S. D. V. O desenvolvimento das múltiplas linguagens em ambientes
virtuais: o blog como um sistema complexo
08 2013 NUNES, G. M. A escrita em inglês como sistema adaptativo complexo: uma
abordagem colaborativa na aprendizagem de língua estrangeira por meio das TCI
Fonte: o autor
Como podemos observar, embora não atribuído ao fato de que os currículos de
tenhamos indícios concretos (fornecidos por graduação entraram em vigor ainda em
descrições detalhada da grade curricular) de 2008, ou seja, 5 anos antes do primeiro
que as TICs e o letramento digital estão trabalho sobre o tema ter sido defendido no
contemplados nas reflexões conduzidas no PPG-Letras UFPEL. Dada esse espaço
PPG-Letras UFPEL, a proporção de temporal considerável, é compreensível que
dissertações defendidas nos 8 anos de a pesquisa na pós-graduação ainda não
existência do programa (notadamente em tenha gerado efeitos perceptíveis na
2017 e 2018) nos mostra que esse tem se formação inicial de professores. Entretanto,
tornado um tema recorrente de pesquisa na assim como com as outras universidades
pós-graduação. Supomos que esse analisadas até o momento neste trabalho,
movimento está acompanhado da oferta de considerando as reformulações vindouras
disciplinas optativas, que devem dar apoio à dos currículos de formação inicial de
pesquisa sobre as TICs. professores, presumimos que a próxima
versão do projeto pedagógico dos cursos de
Apesar disso, ao compararmos os dados da licenciatura em Letras da instituição poderá
pós-graduação com os da licenciatura em trazer mais elementos voltados para a
Letras na UFPEL, percebemos que o mesmo formação de professores aptos a atuarem
movimento ainda não é seguido pela em contextos de letramento digital. Essa,
licenciatura. Em parte, isso pode ser entretanto, é uma hipótese a ser verificada.

95
11. Universidade Federal do Rio Grande
do Norte (UFRN)
O curso de Letras Inglês da Universidade Neo-latinas foi substituída pela Licenciatura
Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), em Letras com 3 habilitações (Português,
assim como outras universidades do país, Inglês e Francês), dando início à formação de
tem um longo histórico de reformas professores de língua inglesa no Estado. Em
curriculares. Boa parte delas é 1973, por sua vez, esse modelo foi
consequência das mudanças nas políticas substituído novamente pelo de duplas
educacionais para o Ensino Superior, tal licenciaturas para as línguas estrangeiras
como discutimos no capítulo 6. A seguir, modernas. Assim, a UFRN passou a formar
traçamos brevemente esse percurso na egressos em Língua Portuguesa e uma língua
UFRN. estrangeira moderna (Inglês ou Francês) e
suas literaturas. Contudo, em 1996, as
O primeiro curso de Letras da UFRN teve duplas licenciaturas deram lugar a 3
início em 1956 (Decreto Federal no. 40.573, licenciaturas independentes: em Letras
de 27 de dezembro de 1956), na época, sob Português, em Letras Inglês e em Letras
o nome de Curso de Letras e Línguas Francês, cada um com suas respectivas
Neolatinas, ele oferecia a formação em literaturas (UFRN, 2017).
bacharelado e licenciatura. Uma década
depois, em 1966, a licenciatura em Letras

96
A reforma mais recente do currículo do curso desigualdades, dentre elas a social, a étnico-
de Letras Inglês ocorreu em 2017, em racial e a econômica.
adequação à Resolução CNE/CP 02/2015.
Nesse caso, cabe ressaltar que a UFRN foi a Além da formação de um professor crítico e
única universidade analisada que já tinha um atuante socialmente, o texto do projeto
novo projeto pedagógico em vigência no pedagógico marca, ainda, o
início de 2018. A atual estrutura curricular comprometimento do curso com a
do curso organiza-se em 3.200 horas, formação de um profissional que seja ao
conforme estabelece a Resolução CNE/CP mesmo tempo professor e pesquisador,
2/2015, das quais 2.200 horas estão capaz de agir “como sujeito da
distribuídas entre disciplinas obrigatórias e aprendizagem, assumindo uma atitude
optativas (360 horas para integralização, a independente, investigativa e crítica diante
serem escolhidas em um elenco de 43 dos conteúdos de formação acadêmica,
disciplinas, que juntas somam 2.640 horas). profissional e cidadã” (UFRN. 2017. p.22).
Além delas, 400 horas estão dedicadas à
Prática como Componente Curricular; 400 Na análise do projeto do curso é possível
horas voltadas para estágio e 200 horas para perceber um grande detalhamento no que
as atividades acadêmico-científico-culturais. diz respeito à maioria das escolhas
metodológicas, da estrutura física que dá
Embora a universidade também ofereça apoio ao funcionamento do curso, e da
outras licenciaturas em Letras, na UFRN o organização curricular. Entretanto, se por
curso de Letras Inglês é abordado como um um lado esses fatores são cuidadosamente
curso autônomo dos demais, e não como delineados, o reconhecimento (teórico) da
uma habilitação em de um curso de Letras necessidade de inserção das tecnologias
geral. Assim, o projeto pedagógico analisado contemporâneas na formação dos egressos
trata especificamente da realidade da do curso se mostra um tanto vago. Apesar
licenciatura em Letras nessa língua de citada brevemente no perfil do egresso e
estrangeira. nas competências, assim como dentre as
habilidades a serem desenvolvidas ao longo
O curso recebe anualmente 30 alunos, do curso, a formação de professores para e
ingressantes por meio do SISU e por por meio de TICs não é um item discutido a
convênios assinados com outras instituições. fundo.
A estrutura física conta com salas de aula
com data shows, computadores e conexão No perfil do egresso, por exemplo,
wireless e via cabo, além de equipamento de encontramos a seguinte menção, por meio
som e telas de projeção. Há ainda 1 da qual associamos ao curso uma visão das
laboratório de informática, 1 auditório e 1 tecnologias digitais como ferramentas
laboratório de línguas, e 5 salas para cognitivas, capazes de levar os alunos à
professores. (UFRN, 2017) reflexão sobre seu papel como professores
em uma configuração social e profissional
De acordo com o projeto pedagógico, o marcada pela presença de artefatos
curso de letras inglês enfatiza a formação tecnológicos:
teórica e prática de professores que sejam
Independentemente de sua área de
ao mesmo tempo “éticos, críticos e
interesse, Língua inglesa (geral ou
reflexivos” e capazes de identificar e resolver
instrumental) e/ou Literatura em língua
problemas socioculturais e educacionais. inglesa, o aluno de Letras-Inglês deverá:
Estes princípios são recorrentes ao longo de (...)Fazer uso de tecnologias no ensino e
todo o texto do documento. Uma outra aprendizagem de línguas estrangeiras e
diretriz, embora relacionada à primeira, é a compreender sua formação profissional
visão da formação de professores como como um processo ético, contínuo,
instrumento para a redução dessas autônomo e permanente. (UFRN, 2017. p.
24)
97
A mesma expressão também é usada no recebe destaque, por constar no tema
item “Competências/habilidades/atitudes”, central, como podemos ver a seguir:
onde são listadas as competências a serem
estimuladas durante o curso. Dentre os 26 TRADUÇÃO DA LÍNGUA INGLESA II (60h)
itens elencados, o projeto faz uma breve
menção ao desenvolvimento de uma Oficina de tradução (inglês-português;
competência voltada para o uso de português-inglês; espanhol-português;
tecnologias ao dizer que o licenciado deve se espanhol-inglês) – a investigação das
constituir em um profissional que sabe principais teorias de tradução literária e sua
“Fazer uso de tecnologias de ensino e aplicação em projetos de tradução literária
individuais e coletivos. Introdução às
aprendizagem de línguas estrangeiras”
tecnologias – CATs – e normas e ética na
(UFRN, 2017. p.26). Entretanto, nesse item profissão. (UFRN. 2017.p.212. Grifo nosso)
não há maiores discussões sobre a
relevância das TICs para o aluno em METODOLOGIA DE ENSINO DE PORTUGUÊS
formação. COMO LÍNGUA ESTRANGEIRA II

Ao apresentar o eixo da transversalidade, O desenvolvimento da proficiência oral.


entretanto, o projeto pedagógico faz Proficiência na linguagem escrita. Ensino de
referência às tecnologias digitais como um língua e os elementos de cultura. O ensino de
dos aspectos a serem integrados no rol de língua e as tecnologias. A classe híbrida, a
saberes transversais. Para a promoção dessa avaliação e seus formatos. (UFRN. 2017. p.
256. Grifo nosso)
formação flexível e transdisciplinar, o curso
de letras inglês da UFRN utiliza as Práticas TECNOLOGIA E EDUCAÇÃO (60h)
Docentes (Prática Docente I, II, III e IV), que
são disciplinas que propõem a realização de O curso tem como objetivos apresentar o
atividades coletivas de “micro-teaching”, conceito de Tecnologia Educacional e discutir
realizadas por grupos de alunos questões sobre o processo ensino-
supervisionadas por um professor do curso. aprendizagem (presencial ou distância)
Elas “permitem que os alunos discutam, mediado pelas Tecnologias da Informação e
avaliem e produzam atividades e materiais Comunicação (TIC) e as implicações deste
uso. As teorias da comunicação: as relações
resultantes das discussões em torno da
dos meios de comunicação e informação com
integração de temas transversais no ensino
a educação. (UFRN, 2017. p.278)
de língua inglesa e de literatura em língua
inglesa” (UFRN, 2017. p. 40). Apesar da presença da disciplina “Tecnologia
e Educação” na grade curricular, é
Na grade curricular, essas atividades estão necessário observar que ela é uma dentre
estruturadas em disciplinas com 30 horas, outras 43 disciplinas optativas (que juntas
abordando, cada uma, um tema específico. somam 2.640 horas). Isso sugere que, na
O tema da Prática Docente I é o “Ensino de prática, ela tem poucas oportunidades de ser
Língua Inglesa e Tecnologias”. A ementa da
integrada efetivamente na formação dos
disciplina, contudo, não fornece maiores alunos, já que do elenco de disciplinas
detalhes sobre o foco dado, já que especifica optativas oferecidas, apenas 360 são
apenas “O uso de tecnologias no ensino de necessárias para a integralização do curso.
língua inglesa; atividades de prática de
ensino” (UFRN, 2017. p.143). Mesmo assim, Mesmo assim, é possível observar que há
é possível percebermos uma clara relação materializada no projeto, a percepção pelo
entre TICs e formação de professores. colegiado do curso da importância da
integração de discussões sobre as TICs na
As tecnologias também são mencionadas
formação inicial de professores. Essa
nas ementas de 3 outras disciplinas percepção, entretanto, se manifesta mais
optativas, mas somente na terceira ela pela organização da grade curricular do que

98
pelos modelos teórico-didático-filosóficos O Programa se organiza em 3 áreas de
adotados no projeto. Talvez por esse concentração, cada uma com 3 linhas de
motivo, não há no projeto discussões sobre pesquisa:
a relevância do letramento digital, tampouco
são conduzidas discussões mais Área de concentração 1: Estudos em
aprofundadas sobre os motivos que levaram Linguística Aplicada
à inserção de disciplinas sobre as TICs dentre i) Estudos de Práticas Discursivas;
o elenco de optativas do curso.
ii) Letramentos e Contemporaneidade;
Outro ponto que deve ser notado é que, iii) Ensino e Aprendizagem de Línguas
embora tratada superficialmente, a Estrangeiras.
presença das TICs na licenciatura em Letras
Área de concentração 2: Estudos em
da UFRN se direciona para uma visão Linguística Teórica e Descritiva
cognitivista, na qual o uso de artefatos leva
ao desenvolvimento de novas habilidades i) Discurso, Cognição e Interação;
que dizem respeito não somente aos ii) Estudos Linguísticos do Texto;
procedimentos para o seu manuseio, mas iii) Variação e Mudança.
também para o surgimento de
representações cognitivas que nos Área de concentração 3: Estudos em
permitem entender e agir sobre o mundo ao Literatura Comparada
nosso redor (HUTCHINGS, 1995; NORMAN, i) Literatura e Memória Cultural;
1991; KIRSH, 2010). ii) Poética da Modernidade da Pós-
modernidade;
A seguir, buscaremos estabelecer relações
entre o currículo da formação inicial iii) Leitura do Texto Literário e Ensino.
oferecida pelo curso de Letras Inglês da
UFRN e o Programa de Pós-graduação em Das 3 áreas de concentração, duas fazem
Letras da instituição. referência ao estudo dos letramentos
(múltiplos/digital) e das relações entre
tecnologias e ensino de línguas, Estudos em
Programa de Pós-graduação em Linguística Aplicada e Estudos em Literatura
Comparada. Como especificado nas
Letras - UFRN
escolhas metodológicas desta investigação,
entretanto, essa análise focará apenas nos
componentes curriculares relativos à área de
O Programa de Pós-Graduação em Letras da
Linguística Aplicada.
UFRN (PPGEL/UFRN) iniciou suas atividades
em 1993, com o Curso de Mestrado. O
Na área de concentração 1 (Estudos em
doutorado, por sua vez, teve início efetivo
Linguística Aplicada), são duas as linhas de
em 2005. Em sua página na internet o
pesquisa que elencam a investigação sobre
programa estabelece seu compromisso com
as tecnologias e os letramentos digitais
a formação de professores ao afirmar que
dentre suas áreas de interesse: “Estudos e
“Em linhas gerais, o Programa objetiva
práticas discursivas” e “Letramentos e
formar docentes e pesquisadores na área
contemporaneidade”.
dos Estudos da Linguagem para atuar nos
diversos níveis do ensino superior e
A seguir, apresentamos a descrição de cada
possibilitar a participação em todas as
uma dessas linhas de pesquisa, tal como
formas possíveis de projetos institucionais
apresentadas na página do programa na
de pesquisas, contribuindo para a reflexão
internet:
sobre os estudos da linguagem no contexto
acadêmico.” (UFRN, 2018).

99
Estudos e práticas discursivas disciplinas, intitulada “Linguagem e
Letramento”. A ementa da disciplina elenca
Esta linha de pesquisa reúne estudos que entre seus objetos de estudo:
objetivam compreender, no âmbito da
Linguística Aplicada, práticas discursivas A partir dos novos estudos de letramento
circulantes em esferas específicas da (New Studies of Literacy), discussão do
atividade humana como a escolar, a conceito de letramento como uma prática
midiática, os ambientes digitais, a ciência, a social complexa e múltipla; Suas implicações
literatura, dentre outras. Nessa direção, teórico-metodológicas para o ensino-
acolhe projetos que objetivem investigar: a) aprendizagem da leitura/escrita e para o
os processos de construção identitária, de letramento do professor de línguas;
relações com a alteridade, com a ética, de Articulações entre letramento, identidade,
relações de poder e com as novas tecnologias cultura; Letramento e gênero discursivo.
em práticas discursivas situadas; b) a (UFRN, 2018)
problemática do ensino de línguas e da Tal discrepância pode ser explicada pelo fato
formação do professor, inicial e continuada,
de que que muitas das disciplinas do
em uma perspectiva enunciativa e discursiva.
programa apresentam títulos e ementas
Letramentos e contemporaneidade abertas, definidos de acordo com os
interesses definidos a cada semestre letivo.
Esta linha de pesquisa, que tem como objeto O Programa tem grades curriculares distintas
de estudo os usos e funções da leitura e da para o mestrado e o doutorado, sendo que o
escrita em variados contextos e domínios, currículo do doutorado consiste das
dedica-se à investigação dos letramentos disciplinas do mestrado acrescidas de
múltiplos, presentes na vida contemporânea, inúmeros “Tópicos Avançados” e “Leituras
analisados a partir da articulação de saberes
Orientadas”. Na área de concentração 1
advindos de diferentes campos do
(Estudos em Linguística Aplicada), são
conhecimento: antropologia, psicologia
social, sociologia, educação, filosofia, oferecidos 10 Tópicos Avançados. De acordo
tecnologia, semiótica e linguística, incluindo- com a página do PPGEL/UFRN, essas
se seus domínios conexos. Dentre os seus disciplinas visam promover “Estudos
temas de interesse, incluem-se: aprofundados de um autor ou de uma teoria
multiletramentos, gêneros de relevância para estudos da Linguística
textuais/discursivos, letramento do Aplicada. A bibliografia é definida em função
professor, letramento e inclusão, letramento do objetivo de cada tópico” (UFRN, 2018).
e agência, letramento e tecnologia, Na próxima página apresentamos as
letramento e redes sociais, letramento e
disciplinas elencadas na área de
aquisição, letramento e trabalho, letramento
concentração 1 para o doutorado. Nela,
acadêmico, letramento e políticas
públicas.(UFRN, 2018) podemos ver o número elevado de tópicos
avançados.

Como podemos observar pelas descrições É possível que o letramento digital seja
acima, o estudo sobre o letramento digital abordado durante o curso por meio desses
parece estar amplamente integrado na Tópicos Avançados, mas a ausência de
proposta curricular do programa. ementas mais específicas na página do
programa impediram uma investigação
Apesar disso, ao analisarmos o elenco de aprofundada dessa hipótese. Mesmo assim,
disciplinas, constatamos que não há ao buscarmos outras fontes que pudessem
componentes curriculares dedicados a esse oferecer dados a esse respeito, analisamos
tema. Mesmo assim, a partir da análise das os resumos dos trabalhos defendidos no
ementas, é possível presumir que as âmbito do PPGEL/UFRN. Com isso, tentamos
tecnologias digitais então entre os temas identificar, mesmo que indiretamente,
explorados em pelo menos uma das relações entre as disciplinas e os trabalhos

100
defendidos ao assumirmos que a produção necessárias aos seus alunos, nesse caso,
de uma tese ou dissertação em um representadas pela oferta de disciplinas
determinado tema demanda do programa específicas.
de pós-graduação a oferta das afffordances

FIGURA 13: Grade curricular do doutorado em Estudos Linguísticos da UFRN (Área de concentração em Estudos em
Linguística Aplicada).

Fonte: https://sigaa.ufrn.br/sigaa/public/programa/curriculo_resumo.jsf?id=65&lc=pt_BR

De 2006 a 2018 foram defendidos 616 digital está inserido efetivamente dentre as
trabalhos (incluindo teses e dissertações). reflexões da pós-graduação em Letras da
Delas, 31 envolvem as relações entre UFRN.
linguagem e tecnologias ou aspectos do
letramento digital. Eles correspondem a 5% A seguir, podemos verificar uma tabela com
das pesquisas realizadas no programa. Esses os trabalhos que tratam desse tema,
dados indicam que apesar de uma proporção disponibilizados na página do programa de
relativamente baixa (5%), a quantidade de pós-graduação. Nela, também é possível
trabalhos (31) não pode ser considerada observar uma frequência elevada de
como um fenômeno incidental, de modo trabalhos que tratam de contextos de ensino
que é possível concluir que o letramento e aprendizagem de língua inglesa:

101
TABELA 10: Trabalhos (teses e dissertações) sobre tecnologias e linguagem/ letramento digital defendidos na UFRN
entre 2010 e 2018.
Ano de Autor - título
defesa
1 2018 DANTAS, A. M. A. Os memes na construção identitária do professor de língua inglesa:
um ressoar de vozes no facebook
2 2018 CALDAS, V. O. A tecnologia digital móvel em uma abordagem híbrida: o papel do
feedback no desenvolvimento da produção oral em inglês como L2
3 2017 OLIVEIRA, A. C. Percepções de alunos sobre curso FIC no contexto de tecnologia da
informação no IFRN: uma análise do discurso pela perspectiva do sistema de
avaliatividade
4 2017 SILVA, E. V. Rádio escolar: práticas e atitudes educomunicativas na constituição do
sujeito
5 2017 ABELLA, L. B. G. O poder hegemônico das redes sociais: uma análise crítica do discurso
de quem “vai para rua”
6 2017 LIMA, B. F. Experiência intercultural mediada pela internet: o ensino de línguas via
telecolaboração.
7 2016 SILVA, A. P. Feminismo na rede: o [cyber]ativismo no facebook e a construção
discursiva de identidades
8 2016 SANTOS, G. L. Relações dialógicas em fanfictions: carnavalização na reescrita da saga
Harry Potter na era da convergência
9 2016 SOUZA, A. S. Os gêneros discursivos digitais na formação de docente o blog em
práticas de ensino
10 2010 BURGOS, T. L. Comunicação gráfica em interfaces de hipermídia de educação a
distância via web
11 2015 OLIVEIRA, D. M. S. Blog PROERD no sertão: letramento e ação social
12 2014 OLIVEIRA, S. F. O impacto das tarefas de aprendizagem mediadas pela lousa digital
interativa na motivação situacional de aprendizes de inglês
13 2014 SOUSA, L. A. A ferramenta voicethread em uma abordagem híbrida: o
desenvolvimento da produção oral e da habilidade de noticing na aprendizagem de
inglês como L2
14 2014 FREIRE, A. E. D. O canto dos vestibulandos em 140 caracteres: linguagem e construção
de identidades no twitter
15 2014 MONTE, S. M. A construção identitária em um fórum de discussão: um estudo com
alunos da EAD
16 2014 LEADRO, D. C. Escrita colaborativa com google docs: flash fiction, noticing e
aprendizagem de inglês como L2
17 2014 UCHÔA, J. M. S. Narrativas de professores em formação sobre a didatização de
podcasts para o ensino de inglês na floresta
18 2014 RODRIGUES, E. D. Os discursos sobre a educomunicação na rádio escolar: um estudo
etnográfico em uma escola pública
19 2013 SILVA, M. G. O leitor universitário e a construção das práticas de ler e escrever textos
impressos e digitais
20 2013 CAMARA, L. L. L. M. Práticas de letramento digital de professores em formação:
demandas, saberes e impactos
21 2013 SOARES, W. C. S. A aprendizagem de inglês como língua adicional mediada por jogos
eletrônicos do tipo MMORPG
22 2013 GRINER, A. P. A linguagem do blog escolar em um trabalho com multiletramentos:
compartilhando sentidos
23 2013 PEREIRA, M. S. Os youtubers e a representação do certo, errado, adequado e
inadequado no trabalho com a variação linguística em sala de aula
24 2013 CARVALHO, A. C. L. O discurso do grotesco na mídia digital
25 2012 AMORIM, C. S. L. O ritual simbólico do “CTRL+C” (copiar) e “CTRL+V” (colar) no ensino
médio

102
26 2012 ABELLA, L. B. G. O discurso dos tuiteiros: uma análise crítica da construção identitária
coletiva e do empoderamento cidadão.
27 2012 LEMOS, D. D. A argumentação como elemento discursivo na mídia digital: um estudo
sobre o blog “fatos e dados”
28 2012 PINHEIRO, M. M. F. A TV como objeto de leitura da imagem no contexto escolar: uma
pesquisa-ação com alunos do ensino médio
29 2012 CAMPOS, M. F. Ambiente de textualização no ensino a distância: o caso do fórum
educacional
30 2011 SILVA, F. A. Ensino de língua estrangeira: uma proposta de ensino integrada com o
uso das tecnologias da informação e da comunicação com vistas ao desenvolvimento
da autonomia dos aprendizes
31 2010 BURGOS, T. L. Comunicação gráfica em interfaces de hipermídia de educação a
distância via web
Fonte: o autor, a partir de dados coletados no endereço:
https://sigaa.ufrn.br/sigaa/public/programa/defesas.jsf?lc=pt_BR&id=65

Ao compararmos os dados da licenciatura letramento digital como um dos aspectos


em Letras Inglês com a pós-graduação é relevantes para a formação de professores
possível estabelecermos certas relações. nos curso de graduação tendem a retornar
Dentre elas, merece destaque o fato de que para a pós-graduação como resultado do
ambos trazem em seus currículos disciplinas estímulo a novas pesquisas, que tendem a
voltadas para a reflexão sobre o papel das ser conduzidas pelos egressos dos cursos de
TICs e do letramento digital na formação de formação inicial. Isso gera um ciclo contínuo
professores. Da mesma forma, é possível de percepção, reflexão e ação, ao qual nos
observar que na licenciatura as TICs são referimos nos capítulos 2 e 3 desta obra.
abordadas em uma perspectiva que prioriza
a reflexão sobre como e porque elas devem Acreditamos, também, que a grande
ser integradas nas atividades docentes, não presença de oportunidades de reflexão
se limitando a visões instrumentais ou sobre o uso das TICs no ensino de línguas
tecnicistas que focalizam conhecimentos (tanto na graduação quanto na pós) tendem
somente sobre o uso de artefatos a repercutir diretamente fora das
tecnológicos como ferramentas sem uma universidades, já que, como discutimos ao
perspectiva crítico-reflexiva. Isso pode ser longo deste livro, professores mais
atribuído à recorrência de pesquisas na pós- conscientes das possibilidades oferecidas
graduação sobre o tema, que trazem novos pela tecnologia (affordances) tendem a
olhares sobre esses fenômenos tanto para os incorporá-las de modo mais consciente e
professores da graduação, quanto para os duradouro em suas atividades profissionais.
alunos ainda em formação.
Diante disso, é inevitável pensar sobre as
A partir dos dados da UFRN, podemos possiblidades de investigação que se abrem
observar que a pós-graduação desempenha com os dados aqui apresentados. Dentre
um papel importante nos rumos dos cursos elas, podemos sugerir investigações futuras
da graduação. Embora esse não seja o único sobre o impacto que os cursos de formação
fator a ser considerado, podemos dizer que de professores da UFRN têm sobre as
tendo iniciado sua produção sobre o tema práticas digitais conduzidas em escolas da
ainda em 2010 (e mantendo essa produção Educação Básica no Rio Grande no Norte.
constante) o mestrado e o doutorado Sem dúvida, seria bastante interessante
contribuíram para pavimentar o caminho na sabermos um pouco mais sobre o papel que
construção do currículo da licenciatura em os modelos teórico-didático-filosóficos
Letras, 8 anos depois. Por sua vez, a ênfase adotados nos currículos universitários
dada à investigação sobre as TICs e o desempenham nas esferas profissionais .

103
12. Universidade Federal do Rio Grande
(FURG)
Os cursos de Letras da FURG estão entre os os currículos foram reformulados em 2012,
mais antigos daquela instituição, criados em entrando em vigor a partir do ano letivo de
1964, incialmente com habilitações em 2013. Apesar de recentes, eles ainda se
francês e inglês. Posteriormente, a encontram em conformidade com a DCNs de
habilitação em português foi acrescentada 2002. Até o encerramento da coleta de
de modo que o curso, já com as 3 dados dessa pesquisa, o novo currículo ainda
habilitações, foi reconhecido em 1967 pelo não havia sido disponibilizado no site da
Decreto no 61617, de 03/11/67, publicado instituição.
no DOU de 08/11/67 (FURG, 2012).
Apesar de serem licenciaturas separadas,
Atualmente, são 4 as licenciaturas em Letras com projetos pedagógicos próprios, os 4
oferecidas pela instituição, sendo uma em currículos dos cursos de Letras da IES estão
língua materna (Letras Português) e 3 em integrados, com um grande número de
línguas estrangeiras (licenciaturas duplas): disciplinas comuns entre si. Na redação do
Letras Português e Francês; Letras Português Projeto Pedagógico, o texto se refere, com
e Espanhol; e Letras Português e Inglês, cada frequência, ao “curso de Letras da FURG”, no
um com suas respectivas literaturas. Todos singular, sugerindo uma integração também

104
ideológica por parte dos colegiados dos de sua explicação. Das 98 páginas do
cursos, responsáveis pela elaboração dos documento, 18 trazem um manual para o
projetos. Ao esclarecer sobre a quantidade estágio supervisionado, com modelos de
de alunos ingressantes a cada ano, por formulários e planos de aula a serem usados
exemplo, o projeto pedagógico do curso de por professores e alunos, enquanto 69 são
Letras Português e Inglês afirma que dedicadas exclusivamente a detalhamentos
“Atualmente, o curso de Letras, em todas as das disciplinas (nome, carga, ementa e
suas habilitações, conta com um ingresso bibliografia). Assim, há pouco espaço para
anual de 150 estudantes.” (FURG, 2012. p. discussões dos modelos teórico-didático-
3). Isso nos sugere que cada curso não é filosóficos adotados no curso.
tratado na instituição como uma entidade
independente. Nesses modelos, foram encontradas
somente 2 referências às tecnologias. A
Com exceção do currículo de Letras primeira delas diz respeito ao perfil
Português, é possível perceber que as profissional dos egressos do curso, descritos
disciplinas dos cursos de línguas estrangeiras como profissionais com “competência e
são praticamente as mesmas, com variações habilitação para o magistério em língua e
apenas em disciplinas específicas para a literatura nos ensino, fundamental, médio,
realidade de cada curso, tais como as superior e outros” que têm uma postura
disciplinas de Inglesa I, Língua Francesa I e ética, responsabilidade social, consciência
Língua Espanhola I, ministradas de acordo de seu papel profissional, e que
com a língua estrangeira enfatizada em cada compreendem e aplicam diferentes teorias e
um deles. Algumas disciplinas de literaturas métodos de ensino, sendo capazes de
também seguem o mesmo padrão. Além “desenvolver habilidades de uso de novas
disso, a redação dos projetos pedagógicos tecnologias e compreender sua formação
dos cursos de línguas estrangeira é, com profissional como processo contínuo”.
grande frequência, idêntica, sugerindo que (FURG, 2012. p. 6). Não há, entretanto,
os projetos pedagógicos foram construídos maiores detalhes sobre como essas
em conjunto. habilidades de uso de novas tecnologias são
desenvolvidas durante o curso.
No Projeto Pedagógico do curso de Letras
Português e Inglês, a carga horária total A segunda referência cita a instrução sobre o
mencionada é de 2.850 horas, sendo 1.800 uso de tecnologias entre as atividades de
(mil e oitocentas) horas para conteúdos caráter científico, acadêmico e cultural que
curriculares, 400 (quatrocentas) horas de os alunos podem realizar no decorrer do
prática como componente curricular, 450 curso. Sobre a natureza dessas atividades, o
(quatrocentas e cinquenta) horas de estágio Parecer CNE/CP 21/2001 esclarece que:
curricular supervisionado, e 200 (duzentas)
horas para atividades acadêmico-científico- Assim, o componente curricular formativo do
trabalho acadêmico inclui o ensino presencial
culturais. O curso tem um ingresso anual de
exigido pelas diretrizes curriculares. Mas, um
25 alunos, por meio do ENEM (FURG, 2012). planejamento próprio para a execução de um
projeto pedagógico há de incluir outras
De modo geral, o projeto pedagógico do atividades de caráter científico, cultural e
curso de Letras Português e Inglês da FURG é acadêmico articulando-se com e
bastante sucinto, com poucas discussões a enriquecendo o processo formativo do
respeito das escolhas e abordagens professor como um todo. Seminários,
adotadas para a formação dos discentes. As apresentações, exposições, participação em
subseções do texto apresentam, em sua eventos científicos, estudos de caso, visitas,
maioria, uma estrutura em tópicos, ações de caráter científico, técnico, cultural e
tornando perceptível que o projeto prioriza
a descrição da estrutura curricular, ao invés

105
comunitário, produções coletivas, preciso considerar que no projeto
monitorias, resolução de situações- pedagógico da FURG eles são abordados
problema, projetos de ensino, ensino como decorrentes, prioritariamente, das
dirigido, aprendizado de novas tecnologias experiências dos alunos com atividades
de comunicação e ensino, relatórios de curriculares que estão além daquelas
pesquisas são modalidades, entre outras promovidas pela universidade. Nessa
atividades, deste processo formativo. perspectiva, eles representam uma forma de
Importante salientar que tais atividades
a universidade estimular e legitimar os
devem contar com a orientação docente e ser
integradas ao projeto pedagógico do curso.
saberes adquiridos em outros ambientes de
(BRASIL, 2001c. p. 13. Grifo nosso) formação, muitas vezes informais e não
limitados às paredes das salas de aulas
No projeto pedagógico da FURG, essas universitárias.
atividades são descritas em consonância
com o texto do parecer do CNE, por vezes Embora eles sejam um avanço nos currículos
reproduzindo trechos do parecer do CNE. do ensino superior, acreditamos que essa
No que diz respeito às tecnologias digitais, instância do aprendizado precisa do apoio de
podemos observar como essas atividades outros componentes curriculares mais
são abordadas no projeto pedagógico: firmemente sustentados nas reflexões de
nível superior, tal como sugerido pelo
Dentre esse tipo de atividades estão aquelas
parecer CNE/CP 21/2001. Sem esse apoio,
em que o estudante participa de seminários,
apresentações, exposições acadêmicas, ciclos
esses saberes não se diferenciam de outros
de palestras, eventos científicos, estudos de adquiridos fora da universidade, que,
caso, visitas, ações de caráter científico, embora relevantes, não são suficientes para
técnico, cultural e comunitário, publicação a formação de profissionais de alto nível. Se
acadêmica, produções coletivas, resolução eles fossem suficientes por si mesmos, não
de situações-problema, projetos de ensino, seria necessário que professores passassem
ensino dirigido, aprendizado de novas por cursos de formação de 3º grau, por
tecnologias de comunicação e ensino, cursos exemplo, bastando aos docentes as
de línguas estrangeiras, disciplinas não- experiências advindas de outros contextos
pertencentes à estrutura curricular, viagens
que não os universitários.
de estudos, estágios não-curriculares, cursos
de formação de professores, oficinas,
Assim, é importante que as experiências
monitorias, atividades de extensão, projetos
de iniciação científica e relatórios de anteriores do professor em formação, assim
pesquisas. (FURG, 2012. p.73. grifo nosso) como outros aprendizados que ocorrem em
concomitância com o curso, sejam
Apesar de se aproximar bastante da consideradas em conjunto com aqueles que
proposta das DCNs sobre as atividades e surgem das reflexões que ocorrem nos
caráter científico, acadêmico e cultural, o cursos superiores de formação de
projeto não traz detalhamentos sobre o que professores, seja por meio de disciplinas, de
o colegiado compreende por “aprendizado estágios supervisionados, de práticas como
de novas tecnologias e ensino”. Nesse caso, componente curricular, dentre outros
faltam detalhamentos e discussões sobre as instrumento mais sistemáticos e
atividades que podem ser desenvolvidas supervisionados.
pelos alunos ao longo do curso que os
conduza a esse aprendizado de novas Nesse sentido, o currículo do curso de Letras
tecnologias de comunicação e ensino. Português e Inglês da FURG traz as TICs e o
Letramento digital também entre os
Embora reconheçamos que esses componentes curriculares expressos na
conhecimentos de caráter acadêmico, grade do curso. Ao todo, são 111 disciplinas
científico e cultural sejam importantes para elencadas na grade curricular (59
a formação dos alunos universitários, é obrigatórias e 52 optativas), sendo que 3

106
delas (optativas) trazem discussões sobre A terceira disciplina, por sua vez, faz menção
tecnologias digitais, em perspectivas e graus às TICS em sua ementa, mas não as relaciona
variados. Duas delas tem carga horária de 36 nem ao ensino nem à formação de
horas/aula enquanto que a terceira tem 54 professores. Sua proposta é tratar dos
horas/aula. diversos fenômenos culturais brasileiros das
décadas de 80 e 90, incluído aqueles
A primeira das disciplinas tem como título mediados por sistemas de comunicação de
“Letramento digital e Formação de massa, como podemos ver abaixo:
Professores”. Ela é dedicada inteiramente
ao tema, como ementa e bibliografia Código: 06510
voltados para discussões sobre o papel das Nome da disciplina: Seminário de Cultura
Brasileira II
tecnologias no ensino de línguas e na
Ementa: Estudo da cultura no Brasil, nas
formação de professores. A seguir, podemos décadas de 1980 e 1990, e no século XXI, nas
ver a ementa proposta para a disciplina no diferentes áreas: Artes Plásticas, Cinema,
Projeto Pedagógico: Literatura, Música e Teatro. Análise da
influência dos meios de comunicação de
Código: 06546 massa (rádio, cinema, televisão e histórias em
Nome da disciplina: Letramento Digital e quadrinhos) na Cultura Brasileira. (FURG,
Formação de Professores 2012. p. 49)
Ementa: Reflexão sobre o impacto das novas
tecnologias nas práticas de linguagem. Dessa forma, das 3 disciplinas identificadas
Gêneros digitais no processo de ensino de na grade curricular do curso, somente uma
aprendizagem. O papel do professor/aluno trata de TICs em contextos de ensino e
em contextos de ensino mediados por aprendizagem de língua inglesa, com 36
computador. (FURG, 2012. p. 43) horas/aula.

A segunda disciplina, por sua vez, estabelece É preciso notar que do total de 2.850 horas,
uma relação menos direta com o tema, já somente 165 horas de optativas são
que ele divide espaço com outros tópicos, necessárias para a integração curricular.
tais como avaliação em língua portuguesa, Outro fato que podemos observar é que para
os PCNs, e outras atividades práticas, como ser oferecida, a única disciplina voltada para
podemos ver a seguir: a formação de professores letrados
digitalmente deve concorrer com outras 51
Código: 06499 disciplinas. Isso dá poucas chances para que
Nome da disciplina: Práticas de Ensino em
as discussões sobre as TICS e o Letramento
Língua Portuguesa II
Ementa: Reflexões sobre o ensino de língua
digital recebam algum destaque na
portuguesa. Tecnologias de informação e formação dos futuros professores.
ensino de leitura, análise linguística e
produção de textos. O papel da avaliação no Desse modo, a análise do currículo sugere
ensino de língua portuguesa. Parâmetros que a formação de professores letrados
Curriculares Nacionais e avaliação. digitalmente não é percebida pelo colegiado
Desenvolvimento e aplicação de atividades do curso como um componente relevante
práticas de ensino. (FURG, 2012. p. 41. Grifo para a formação de professores.
nosso)
A seguir, analisaremos os dados da pós-
Apesar de citar as tecnologias, a ementa graduação em Letras de FURG. Nela, será
acima não deixa claro sob que perspectivas possível perceber tendências diferentes na
elas serão tratadas. Também é possível forma como as TICs são percebidas pelo
perceber que a disciplina aborda reflexões colegiado da pós-graduação.
sobre contextos de ensino da língua
portuguesa, somente.

107
Programa de Pós-graduação em diferentes enfoques teóricos. As relações
Letras - FURG entre linguagem e cultura digital. Os
construtos de cultura e de identidade no
O Programa de Pós-Graduação em Letras da ensino de línguas. (FURG, 2018)
FURG iniciou suas atividades em 2002, então
com uma área de concentração em História Além do Letramento digital, os
da Literatura. Essa linha de pesquisa foi, em multiletramentos também são frequentes
2004, mudada para “Literatura, História e no currículo do programa. Eles estão
Memória Literária”. Em 2001, o programa inseridos dentre os temas abordados em 4
iniciou o curso de doutorado em História da outras disciplinas, embora não sejam o foco
Literatura. Atualmente essa área de das discussões. Elas são as seguintes:
concentração conta com 3 linhas de a. Gênero Discursivo e Ensino de Línguas,
pesquisa: 1. Escrita feminina; 2. Literatura,
Leitura;
história e memória Literária; 3 Literatura sul-
rio-grandense.
b. Letramento Literário e Mediação
Pedagógica;
A partir de 2018, o programa passou a contar c. Ensino e Aprendizagem de Língua e
também com a área de concentração em Literatura Estrangeira;
Estudos da Linguagem, com duas linhas de d. Estudos do Letramento.
pesquisa para o mestrado: 1. Aquisição,
aprendizagem e ensino; e 2. Lingua(gem), Apesar da presença de disciplinas específicas
discurso e ensino. Na análise que se segue, sobre TICs e o Letramento digital, é possível
abordaremos apenas a grade curricular da perceber certas semelhanças com a
área de concentração em Estudos da abordagem adotada na licenciatura. Uma
Linguagem. delas é o fato de que os conhecimentos
sobre TICs e sobre o letramento digital estão
Das 17 disciplinas elencadas na grade diluídos em outros componentes
curricular da pós-graduação, foram curriculares, por meio das 4 disciplinas
identificadas duas disciplinas que tratam do elencadas acima, que tratam dos
letramento digital. Uma delas se mostra multiletramentos em uma perspectiva
dedicada exclusivamente ao tema, enquanto interdisciplinar e, indiretamente, do
que a outra traz um tópico sobre o assunto letramento digital.
dentre os listados na ementa. A seguir
podemos observar as ementas das duas Contudo, se há semelhanças, também há
disciplinas: diferenças entre os currículos dos dois níveis
de formação. Enquanto na graduação há
DISCIPLINA: Letramento Digital
pouca possibilidade de que a única disciplina
EMENTA: Processos de construção de sobre TICs e o letramento digital no ensino
sentido no contexto das tecnologias digitais de língua inglês seja ministrada ao longo do
da informação e comunicação. Discussão curso, na pós-graduação é possível
sobre Internetês, hipertexto, hipermídia e percebermos uma maior presença do tema,
hipermodalidade. Cultura digital e já que o currículo conta com duas disciplinas
identidade. Letramentos digitais na escola. voltadas para reflexões sobre o letramento
digital e 4 que abordam o assunto
DISCIPLINA: Cultura e Identidade no Ensino
indiretamente. Assim, os alunos têm muito
de Línguas
mais chances de ter contato com essa área
EMENTA: Os conceitos de cultura e de de pesquisa e de formação de professores do
identidade na contemporaneidade a partir da que na graduação.
problematização da noção de língua sob

108
Isso indica que no Programa de Pós- Dado ao fato de que a área de concentração
graduação em Letras de FURG o letramento em Estudos da Linguagem é bastante jovem,
digital é um dos focos de pesquisa. tendo se iniciado ainda em 2018, a inserção
de uma proposta voltada para o debate e a
Essa constatação é corroborada pela reflexão sobre o letramento digital no ensino
descrição de uma das linhas do programa, a de línguas sugere que os contextos
seguir: contemporâneos de ensino, repletos de
artefatos tecnológicos, começam a gerar
Linha 2: Língua(gem), Discurso e Ensino
ecos na configuração dos cursos
Ementa: Esta linha de pesquisa contempla
estudos que fundamentam a reflexão sobre a universitários de pós-graduação,
língua(gem) com ênfase em aspectos notadamente aqueles que tem se
linguísticos, discursivos e enunciativos em consolidado no últimos anos, como é o caso
diferentes contextos de uso, sob distintas da área de concentração em Estudos da
formas de mediação, incluindo a tecnológica, Linguagem no programa da FURG.
com implicações para o campo do ensino.
(FURG, 2018)

109
13. Universidade Federal do Ceará
(UFC)
O curso de Letras da Universidade Federal do a. Língua Portuguesa e Literaturas de Língua
Ceará (UFC) foi criado em 1946, por meio do Portuguesa;
Decreto Lei N.º 9092 de 26 de março de b. Língua Portuguesa e Língua Inglesa e
1946. Embora haja pouco material Respectivas Literaturas
bibliográfico sobre os primeiros anos do
c. Língua Portuguesa e Língua Francesa e
curso, o projeto pedagógico menciona que
Respectivas Literaturas
em 1961 ele se organizava em três áreas do
conhecimento: Letras Neolatinas, Letras d. Língua Portuguesa e Língua Alemã e
Anglo-germânicas e Letras Clássicas. Essas Respectivas Literaturas
áreas, posteriormente, moldariam o perfil e. Língua Portuguesa e Língua Italiana e
do curso nos dias de hoje. Atualmente são 9 Respectivas Literaturas
as licenciaturas em Letras presenciais f. Língua Portuguesa e Língua Espanhola e
oferecidas pela instituição, estruturadas em Respectivas Literaturas
4 projetos pedagógicos distintos. No
primeiro projeto pedagógico, agrupam-se as Já em 3 outros projetos pedagógicos
habilitações a seguir: individuais estão os cursos de licenciatura
simples em Língua Espanhola e Respectivas

110
Literaturas (criado em 2009), em Letras optativas (352h), estágio supervisionado
LIBRAS (criado em 2012), e Língua Inglesa e (400h), Prática como componente curricular
suas literaturas (criado em 2009). Nessa (400h), e atividades “de natureza científico-
análise, trataremos dos 2 projetos que acadêmica e/ou artístico-cultural e
envolvem a formação de professores de esportiva” (200h). Da carga horária
Letras de língua inglesa. Inicialmente, destinada às disciplinas optativas, 128 horas
abordaremos os modelos teórico-didático- podem ser cursadas fora do curso de Letras
filosóficos do curso de dupla licenciatura, português e inglês, em outros cursos da UFC.
seguindo da análise do curso de licenciatura
simples. Posteriormente, procederemos Na análise das diretrizes pedagógicas
para a análise da estrutura curricular do constantes no projeto pedagógico,
curso de pós-graduação em Linguística. praticamente não foram encontradas
menções às TICs, ao Letramento digital, ou
Língua Portuguesa e Língua mesmo aos letramentos. Somente no perfil
dos egressos há uma menção ao tema,
Inglesa e Respectivas Literaturas quando o projeto lista as características que
os futuros profissionais de letras deverão
A versão mais recente do Projeto Político
ter. Dentre elas está: “atitude investigativa
Pedagógico do curso de Língua Portuguesa e
que favoreça a construção contínua do
Língua Inglesa entrou em vigência em
conhecimento na área e sua aplicação na
2007.2. O curso compartilha o mesmo
área das novas tecnologias” (UFC, 2007. p.
projeto pedagógico que outras licenciaturas
6). Entretanto, esse item não está
duplas, trazendo princípios, objetivos e
acompanhado de discussões que esclareçam
perfis de modo integrados, sem abordar
a visão de tecnologias que subjaz o uso do
especificamente as realidades profissionais e
termo “novas tecnologias”.
de formação de professores de inglês. Já os
detalhamentos das grades curriculares são
Em geral, o projeto pedagógico traz
apresentados de forma separada para cada
discussões bastante breves sobre as
curso, em seções específicas.
escolhas teóricas e didáticas assumidas para
a formação de professores, dando maior
Apesar disso, as distintas matrizes
ênfase à listagem das 6 grades curriculares
curriculares apresentam a mesma base, com
das habilitações que ele contempla. Desse
diferenças apenas nas disciplinas voltadas
modo, não foi possível identificar elementos
para línguas específicas. Assim, enquanto no
que indicassem haver uma inserção de
Curso de Letras Português Inglês há
reflexões sobre as TICs e o letramento digital
disciplinas como Inglês I: Língua e Cultura e
na licenciatura analisada. Sobre isso,
Fonética e Fonologia da Língua Inglesa, na
consideramos que o fato de 6 licenciaturas
matriz curricular de Letras Português
estarem contemplados em um único projeto
Francês elas são substituídas por Francês I:
pedagógico deixa pouco espaço para
Língua e Cultura e Fonética e Fonologia da
reflexões específicas relativas às distintas
Língua Francesa, dentre outras que seguem
realidades de cada curso, dentre elas, o
a mesma lógica. Isso também ocorre na
desenvolvimento de competências que
grade curricular das outras habilitações,
levem os professores a atuarem ativamente
tanto no que diz respeito às disciplinas
em contextos de ensino imersos em uma
obrigatórias quanto às optativas e aos
cultura digital.
estágios supervisionados.
A ausência de uma proposta voltada ao
A Licenciatura em português e inglês conta
letramento digital também é perceptível na
com uma carga horária de 3.784 horas,
análise da grade curricular, já que não há
divididas em 10 semestres e organizada
qualquer disciplina dentre as obrigatórias e
entre disciplinas obrigatórias (2.432h),
optativas voltadas para a discussão sobre a

111
relação entre as tecnologias e a linguagem, projetos de formação de professores de
ou sobre o letramento digital. Dada a língua inglesa (licenciatura simples e dupla),
integração entre os 6 cursos aos quais o percebemos que o texto da licenciatura
projeto se refere, com uma mesma base simples está mais direcionado às
curricular, essas ausências também se necessidades relativas aos contextos da LI,
repetem na grade curricular de todas as mas ao mesmo tempo deixa, por vezes, de se
outras habilitações. direcionar especificamente à formação de
professores.
Língua Inglesa e suas literaturas
Outra diferença entre os dois projetos
Uma situação diferente é constatada no pedagógicos diz respeito ao reconhecimento
curso de licenciatura simples em língua do papel das tecnologias digitais e de
inglesa. Iniciado em 2009, o curso apresenta habilidades de letramento digital na vida
como uma das principais justificativas para acadêmica e profissional de futuros
sua criação a necessidade de uma formação professores, vistas como “um desafio
mais específica ao ensino da língua inglesa, fascinante para a formação de profissionais
uma vez que o projeto reconhece que “a de língua inglesa” e uma ferramenta de
concepção de um curso de graduação em sobrevivência profissional no mundo atual,
Letras com habilitação em uma língua que dá ao professor a condição de mudar o
estrangeira e suas literaturas é paradigma da educação de transmissão para
essencialmente diferente da concepção de a construção cooperativa do conhecimento
um curso de Letras com dupla habilitação”, (UFC, 2009. p. 24).
de modo que “a duplicidade de licenciaturas
acarreta um aumento da carga horária do Ainda dentre as justificativas apresentadas
aluno, do número de disciplinas a cursar e da no projeto pedagógico do curso de inglês
quantidade de conteúdos” (UFC, 2009. p. (licenciatura simples) para a criação do
13). Com isso, o projeto pedagógico mostra curso, o conhecimento da língua inglesa é
uma proposta distinta do curso de apontado como uma forma de acesso a um
licenciatura dupla em vários aspectos, mundo repleto de tecnologias, como
inclusive no que diz respeito ao tratamento podemos observar no trecho a seguir:
das TICs e do letramento digital.
A valorização do inglês por parte da
Por outro lado, apesar da distância clara da sociedade é fato notório no mundo inteiro e,
proposta das licenciaturas duplas, há uma naturalmente também no Brasil; aprender
grande aproximação com as perspectivas inglês é de vital importância a fim de se entrar
adotadas pelo curso de Espanhol e pelo em contato com as últimas inovações
tecnológicas e científicas e aqueles que têm
Curso de LIBRAS. Os currículos dos cursos de
um bom domínio do idioma têm muito mais
inglês e de espanhol foram reformulados em vantagens sobre aqueles que não o têm.
2009 e dadas as inúmeras semelhanças (UFC, 2009. p. 12).
entre os projetos pedagógicos, com a
mesma organização textual e redação Essa postura é reforçada por outro trecho da
praticamente idêntica na maior parte do justificativa de abertura do curso, quando o
texto, presumimos que eles foram projeto pedagógico reafirma que: “este
elaborados em conjunto. A organização das projeto abre, portanto, caminho para a
disciplinas também segue uma matriz muito formação de licenciandos e Bacharéis em
semelhante. Além disso, se nesse projeto língua inglesa preparados para atender às
pedagógico, por um lado, a formação de novas demandas e contingências da
professores de língua inglesa não divide sociedade moderna” (UFC, 2009. p. 17).
espaço com outras licenciaturas, por outro
ela é apresentada juntamente com o O letramento digital também é tratado como
bacharelado. Assim, ao comparar os dois um fator importante na formação de

112
professores de Letras em outros pontos do Já dentre os objetivos específicos, há duas
projeto pedagógico, seja ao discutir a relação outras referências ao desenvolvimento de
entre a formação universitária e o mundo de habilidades de letramento digital:
trabalho, seja ao definir as capacidades e
competências do futuro profissional egresso 7. Habilitar os alunos para acompanhar e
do curso. Nesse quesito, ele esclarece que compreender os avanços científico-
“É missão do curso, ainda, habilitar o aluno tecnológicos e educacionais;
8. Habilitar os alunos para utilizar diferentes
para que seja capaz de transmitir
recursos tecnológicos que favorecem o
informações por meio de diferentes recursos
aprendizado da língua estrangeira. (UFC,
tecnológicos, identificando relações entre o 2009. p.22)
desenvolvimento científico e tecnológico e
os limites ético-morais intrínsecos a esse
Na análise da grade curricular do curso, por
desenvolvimento.” (UFC, 2009. p. 16).
sua vez, constatamos a presença de uma
Dentre outras competências elencadas no
disciplina obrigatória ofertada no 9º
projeto também estão a “capacidade de lidar
semestre intitulada Ensino-Aprendizagem da
com as novas tecnologias desenvolvidas para
língua inglesa por meio de novas tecnologias,
sua área” e a “atitude investigativa que
com carga horária de 64 horas/aula. Além
favoreça a construção continua do
dela, há duas disciplinas optativas, com 32
conhecimento na área e sua aplicação na
horas/aula cada, relacionadas ao ensino de
área das novas tecnologias”. Como
línguas e tecnologias: Tecnodocência e
podemos observar, esse último quesito
Tecnodocência EAD. Apesar de sugerirem
estabelece, ainda, uma relação entre ensino
escopos distintos, elas apresentam a mesma
e pesquisa por meio da aquisição de saberes
ementa. A seguir, podemos verificar a
relativos à presença e uso de tecnologias
proposta de cada uma delas:
digitais na área.
ENSINO-APRENDIZAGEM DA LÍNGUA
Assim como com as competências, os INGLESA POR MEIO DE NOVAS TECNOLOGIAS
objetivos do curso também passam tanto Ementa: Conceito de mediação de
pelo uso instrumental (saber como usar) aprendizagem por novas tecnologias dentro
quanto crítico (saber porque usar) de de diversas teorias de aquisição de segunda
tecnologias digitais. Em um trecho que língua; aplicação e avaliação de programas de
assume as vezes de objetivo geral, por software e de ferramentas multimidiáticas
exemplo, temos que: para aprendizagem de segunda língua.

TECNODOCÊNCIA
O Curso de Letras: Língua Inglesa e suas Abordagens Científicas Contemporâneas.
Literaturas, na modalidade licenciatura, tem Teoria de Fluxo. Planejamento e Plano de
por finalidade específica proporcionar aos Aula. Aprendizagem Significativa.
discentes uma formação consistente e Abordagens metodológicas vinculadas às
adequada ao exercício do magistério no nível Tecnologias e TDIC. Prática docente.
fundamental e médio, nas áreas de Língua
Inglesa e suas Literaturas, procurando TECNODOCÊNCIA EAD
proporcionar situações educativas nas quais Abordagens Científicas Contemporâneas.
o aluno possa desenvolver o raciocínio e a Teoria de Fluxo. Planejamento e Plano de
capacidade de aprender, além de exprimir-se aula. Aprendizagem Significativa. Abordagens
oralmente, ler e produzir diferentes tipos de metodológicas vinculadas às Tecnologias e
textos, sejam acadêmicos, literários ou de TDIC. Prática docente. (UFC, 2009.)
outros gêneros. Buscar-se-á, também,
estimular a utilização crítica de novas O curso de Língua Inglesa e suas literaturas
tecnologias e a promoção da
integraliza um total de 3.080 horas, sendo
interdisciplinaridade entre os conteúdos do
1.840 horas organizadas em disciplinas
Curso. (UFC, 2009. p. 15. Grifo nosso.)
obrigatórias e optativas (deles, 224 horas

113
são de optativas), 448 horas de Estágio análises seguintes, abordaremos apenas a
supervisionado, 592 horas de prática como grade curricular do segundo programa.
componente curricular e 200 horas de
atividades acadêmico-científico-culturais. O Programa de Pós-graduação em
Nesse caso, observamos que o curso não se Linguística conta com 4 linhas de pesquisa, a
limita, em alguns dos itens, aos valores saber.
mínimos estabelecidos pela Resolução
CNE/CP 2/2002. 1. Aquisição, desenvolvimento e
processamento da linguagem: estudo da
Com base nesses dados, é possível afirmar aquisição, do desenvolvimento e do
que o curso de licenciatura em letras inglês processamento da linguagem; investigação
apresenta uma proposta bem distinta da dos processos de compreensão e produção
habilitação em português e inglês, voltando- da fala e da escrita em seus aspectos
se para a inserção de TICs como um item linguísticos e cognitivos;
relevante na construção do currículo. Esse
fato é corroborado por seu projeto ser o 2. Descrição e análise linguística: estudo de
único dentre os analisados nesse estudo, questões e problemas de natureza
que elenca uma disciplina sobre as TICs e a fonológica, morfológica, morfossintática,
formação de professores dentre os lexicológica, lexicográfica, sintático-
componentes obrigatórios do currículo. semântica e pragmático-discursiva, com
Também é possível observar que as TICs são base em corpora orais e escritos em língua
percebidas como artefatos cognitivos, em portuguesa;
detrimento das percepções voltadas para o 3. Práticas discursivas e estratégias de
uso instrumental. Na visão cognitiva, textualização: estudo das relações entre
artefatos tecnológicos são capazes de categorias da língua e categorias do discurso
promover a reflexão do professor sobre em situações de uso, a partir dos enfoques
formas de atuar no mundo e, mais enunciativo, organizacional e
diretamente, na formação de seus alunos. sociointeracional, tratando,
particularmente, da argumentatividade, dos
A seguir, traçaremos um perfil da estrutura
processos de referenciação, das tipologias
curricular do curso de pós-graduação em
textuais e das práticas discursivas de feição
Linguística.
institucional;

Programa de Pós-graduação em 4. Linguística aplicada: Aplicação dos


Linguística - UFC resultados da pesquisa desenvolvida pelas
diferentes disciplinas linguísticas à resolução
A universidade Federal do Ceará conta de problemas relacionados à produção,
atualmente com dois cursos de pós- percepção, aquisição ou processamento
graduação stricto senso na grande área de computacional da linguagem natural, ao
Literatura, Linguística e Artes da CAPES. O ensino/aprendizagem de línguas e à
mais antigo deles, o “Programa de Pós- elaboração de dicionários, glossários e
graduação em Letras: literatura comparada”, gramáticas pedagógicas.
fundado em 1988 e que atualmente oferece Como podemos observar nas descrições das
os cursos de mestrado e de doutorado em 3 linhas de pesquisa não há referências ao
Letras, com área de concentração em Letramento digital ou às TICs. Contudo, na
Literatura Comparada. O segundo programa, linha de pesquisa 4 encontramos a
intitulado “Programa de Pós-Graduação em expressão “aquisição ou processamento
Linguística”, foi fundado em 1993 e oferece computacional da linguagem natural”. Isso
mestrado e doutorado também em uma sugere a adoção de uma perspectiva sobre
única área de concentração: Linguística. Nas as TICs que prioriza o seu uso como um

114
instrumento de análise de dados linguísticos, HBP7266 - TÓPICOS AVANÇADOS II: Cursos
ou seja, sem relações diretas com a monográficos de cunho teórico ou aplicado
preparação do professor para atuar em sala vinculados às linhas de pesquisas
de aula. Essa mesma visão está presente nas emergentes. Tema: Estudo do processo de
disciplinas “Linguística computacional” e leitura no meio digital e suas implicações
“Tópicos em Linguística Aplicada I”, sociais, cognitivas e epistemológicas para o
oferecidas pelo programa e com carga ensino: o conceito, as habilidades e as
estratégias de leitura sob a perspectiva da
horária de 64 horas cada.
teoria da complexidade, com ênfase no papel
do leitor/navegador e em questões de
Além delas, outras duas disciplinas práticas de ensino da leitura em contexto
demonstram uma relação com as TICs e o digital. (UFC, 2018)
Letramento digital, mas dessa vez
diretamente associadas ao ensino de línguas Além de disciplinas especificamente
e a formação de professores. Abaixo, estão voltadas para a discussão de temas
as ementas de cada uma delas: relacionados ao letramento digital, até julho
de 2018 o programa havia produzido um
HBP7366 - TÓPICOS EM LINGÜÍSTICA
APLICADA II: Ensino/Aprendizagem de
número expressivo de teses/dissertações na
Línguas Mediado por Computador (CALL): área. Foram 52 trabalhos, em um universo
Visão abrangente dos processos de de 427 dissertações e teses defendidas. Esse
implementação, desenvolvimento, e valor representa quase 12% das pesquisas
avaliação da tecnologia computacional no dos discentes do programa. Esse número,
ensino e na aprendizagem de línguas. entretanto, se refere tanto a trabalhos sobre
Exploração do uso de ferramentas a língua inglesa, quanto outras línguas. Nem
tecnológicas nas áreas de interação, todos eles, por sua vez, tratam
avaliação, compreensão e produção da especificamente da formação de
linguagem. (UFC, 2018)
professores. Abaixo, é possível observar os
trabalhos defendidos, organizados por ano
de publicação.
TABELA 11: Teses e dissertações defendidas no Programa de Pós-graduação em Letras da UFC.
Ano de Autor – título do trabalho
defesa
1 2018 PEREIRA, S. R. B. Produção de textos escritos em inglês (L2/Le) em celular, tablet e
computador.
2 2016 FREITAS, E. O. Uma proposta de descrição para gêneros multimodais animados
3 2016 OLIVEIRA, L. C. A modalidade deôntica em discurso profissional na mídia televisiva
4 2016 BARBOSA, L. L. Há negociação de sentidos nas interações em fóruns educacionais
online?
5 2016 RODRIGUES, M. C. S. Tradição discursiva no anúncio publicitário de automóveis:
permanências e mudanças do impresso ao digital
6 2016 COSTA, R. R. A interface como prática discursiva em redes sociotécnicas: um estudo
no YouTube
7 2015 LIMA, B. F. A. Múltiplos letramentos de pessoas com deficiência visual: uma
pesquisa discursiva de caráter etnográfico
8 2015 SILVA, A. T. Affordances e restrições na interação interpessoal escrita online
durante a aprendizagem de inglês como língua estrangeira
9 2015. MARTINS, C. G. F. M. Avaliação de softwares educativos para desenvolvimento da
pronúncia do inglês como língua estrangeira e/ou segunda língua
10 2015 PESSOA, E. G. Potencialidades de objetos de aprendizagem em repositório digital
para o ensino da língua inglesa
11 2015 RODRIGUES, E. M. S. Glossário eletrônico da terminologia da farinha de mandioca
na Amazônia paraense

115
12 2015 CAVALCANTE, E. S. Atividades de produção oral em língua inglesa na EaD: um estudo
na licenciatura à distância de letras inglês da Universidade Federal do Ceará
13 2015 DANTAS, H. O. Interfaces entre links e remissivas na construção das redes
medioestruturais de dicionários online e impressos de língua materna.
14 2015 SALES, J. T. L. Desenvolvimento das habilidades orais e escritas em língua
estrangeira por professores de inglês em formação nas modalidades presencial e à
distância
15 2015 FREITAS, M. L. T. Narrativas de si em cena: a dramaturgia das interações no twitter
16 2015 PINHEIRO, M. B. Por um dicionário eletrônico de pragmatemas do português
brasileiro: levantamento, descrição e categorização
17 2014 SILVA, D. M. R. Processamento do texto escrito em inglês, com e sem inserção de
glossários multimidiáticos
18 2014 PEREIRA, E. C. Tecnologia educacional e letramento digital: um estudo de caso de
vários contextos de uma escola pública
19 2014 SANTOS, E. G. Leitura de textos eletrônicos em inglês/LE: um estudo exploratório
via rastreamento ocular
20 2014 PEREIRA, G. C. As representações do gênero feminino no seriado televisivo A grande
família: uma análise crítica do discurso imagético-verbal
21 2014 NOGUEIRA, M. S. O uso da multimodalidade em materiais didáticos virtuais dos
cursos de graduação de Ensino a Distância- EaD
22 2014 BELINI, R. G. C. Multimodalidade e propósitos comunicativos no gênero homepage
institucional
23 2014 NASCIMENTO, S. S. O. A construção multimodal dos referentes em textos verbo-
audiovisuais.
24 2014 LIMA NETO, V. Um estudo da emergência de gêneros no facebook
25 2013 Adriana Paula da Silva Amorim – Aprendendo a produzir notícias na era digital
26 2013 FONSECA, A. S. F. As estratégias evidenciais no material didático impresso para EaD
27 2013 LIMA, A. M. P. Práticas de letramentos e inclusão digital na aula de língua
portuguesa
28 2013 PAIVA, G. M. F. A influência da terceira parte na mudança de footing em chats
educacionais
29 2013 ARAÚJO JÚNIOR, J. S. Tecnologias digitais e autonomia: a aquisição de segunda
língua sob a ótica da complexidade
30 2013 CUNHA, T. M. A criação de um sistema híbrido de tradução automática para a
conversão de expressões nominais da língua inglesa.
31 2012 VIANA, E. O. Estratégias de construção do ethos gay masculino no blog
Katylene.com: um estudo da multimodalidade e das gírias gay
32 2012 FREITAS. E. O. Modalidade no gênero webcomentário do jornal O Povo: efeitos de
sentido e relação com o mídium digital
33 2012 BENEVIDES JÚNIOR, F. T. C. Estratégias de Aprendizagem de Inglês como Língua
Estrangeira em EaD.
34 2012 NASCIMENTO, M. V. F. Representação Social, avaliação e léxico: um olhar sobre o
discurso de professores e tutores do Curso de Licenciatura Letras/ Espanhol da
Universidade Federal do Ceará
35 2012 LIMA, S. C. Ensino de línguas mediado por computador: um estudo das propostas
de atividades online para o ensino da compreensão e produção oral em língua
inglesa.
36 2011 BARBOSA, L. L. Análise dos tipos de feedback fornecidos por tutores e das respostas
dos alunos
37 2011 IRINEUDO, L. M. Representações sociais sobre a latinidade em sites de redes sociais
contemporâneas: uma investigação discursivo-ideológica situada no Orkut.
38 2011 PRATA, N. P. P. Modalidade deôntica e discurso midiático: uma análise baseada na
Gramática Discursivo-Funcional
39 2011 FURTADO, R. N. M. Letramentos e práticas letradas: impactos na formação do
professor de espanhol em um polo de educação à distância no interior do Ceará.

116
40 2010 COSTA, R. R. A TV na web: percursos da reelaboração de gêneros audiovisuais na
era da transmídia
41 2009 SOUSA, A. C. L. Hipertextualidade: uma abordagem enunciativa de hipertextos
42 2009 PEREIRA, E. C. Interação em Ambientes Virtuais de Aprendizagem: footings e
preservação de faces em e-fóruns educacionais
43 2009 LIMA, S. C. Letramentos e atividades on-line em Ambiente Virtual de Aprendizagem.
44 2009 LIMA NETO, V. Mesclas de gêneros no Orkut: o caso do scrap
45 2008 SILVA, F. M. Chats e e-fóruns na Ead virtual: links entre mediação pedagógica e
hipertextualidade
46 2008 PAIVA, G. M. F. A polidez linguística em sala de bate-papo na internet
47 2008 ANDRADE, R. L. A personalização em e-mails promocionais.
48 2007 ALMEIDA, L. P. Gênero Carta-corrente Digital: Estudo Dos Aspectos Formais e
Funcionais.
49 2006 ARAÚJO, J. C. R. Os chats: uma constelação de gêneros na internet
50 2005 PINHEIRO, R. C. Leitura De Hipertexto: Estratégias Metacognitivas Usadas Por
Leitores Proficientes
51 2003 ARAÚJO, J. C. R. Chat na web: um estudo de gênero hipertextual
Fonte: http://www.ppgl.ufc.br/teses-e-dissertacoes/
Por meio dos dados analisados, é possível em formação, que culminarão na aplicação
observarmos que as TICs e o Letramento de novos modelos, métodos e
digital estão contemplados dentre os temas procedimentos letrados na Educação Básica.
abordados no programa de pós-graduação.
Isso se comprova tanto por meio da Nos dados analisados, podemos ver uma
quantidade de trabalhos que envolvem essa influência mútua desses construtos
área de investigação, quanto pela presença perceptivos na graduação (curso de
de disciplinas na grade curricular. Também licenciatura em Letras Inglês) e na pós-
podemos constatar que dois conjuntos de graduação, já que a reflexão e a investigação
percepções acerca das tecnologias são sobre o tema produzida no curso de pós-
adotas no programa: I - a percepção de TICs graduação influencia a grade curricular e os
como ferramentas para a resolução de modelos teórico-didático-filosóficos
atividades de pesquisa; II - a percepção de adotados no curso de licenciatura simples.
TICs como ferramentas cognitivas que Por sua vez, como já discutimos, é possível
permitem aos professores de línguas refletir que o conhecimento produzido na
e agir sobre a realidade profissional e social graduação influencie seus egressos a
que os envolve. Essa segunda percepção é atuarem na pós com outras investigações
compartilhada com o curso de licenciatura sobre o tema. Efeitos desse ciclo tendem a
em letras inglês (licenciatura simples). não ficar contidos no ambiente universitário,
ecoando na Educação Básica e na formação
Como discutimos no capítulo 2, para Gibson de cidadãos mais aptos a se tornarem atores
(1986), percepções são estruturas de críticos nos processos identitários, sociais e
conhecimento que guiam nossas ações. Na profissionais para os quais estão sendo
formação de professores, é por meio delas preparados na escola.
que as atitudes das instituições e os
currículos são constituídos. Assim, a Apesar disso, observamos nos dados da UFC
percepção dos colegiados dos cursos de que duas realidades distintas, relativas às duas
as TICs podem ser meios para expandir a licenciaturas de Letras analisadas. É possível
reflexão e a atuação dos seus alunos pode que essa diferença tenha entre seus motivos
levar a ações mais concretas direcionadas à diferentes percepções dos fenômenos
inserção de disciplinas e outros tecnológicos na contemporaneidade. Essa
componentes curriculares sobre esse tema. hipótese, contudo, pode se constituir em
Isso, por sua vez, pode também motivar objeto de investigações futuras.
outras percepções positivas nos professores

117
14. Universidade de Brasília
(UnB)
O curso de Letras da Universidade de Brasília com um grande número de habilitações5,
teve início juntamente com a fundação da listadas a seguir:
Universidade, em 1962. Na época, sob o
título de Letras Brasileiras, o curso promovia a.Língua Inglesa e Respectivas Literaturas
tanto a formação de bacharéis (com (licenciatura e bacharelado);
especialização em redação para jornal, rádio
e televisão) quanto de professores de língua b.Língua Francesa e Respectivas Literaturas
portuguesa e literatura brasileira. (licenciatura e bacharelado);
(CAMARGO e LAZARTE, 2012). Atualmente, c.Língua Portuguesa e Respectivas
em sua modalidade presencial, ele tem um Literaturas (licenciatura e bacharelado);
caráter bastante diversificado, já que conta
d.Português do Brasil como Segunda Língua
(licenciatura);

5
7Sete
desses itens
desses (a,(a,
itens b, b,
c , c,d)d)são
sãocitadas
citadasno
nosite
siteda uma integração entre eles.
da UnB (https://matriculaweb.unb.br Essa habilitações
) como integração sede um
mesmo curso, sugerindo uma integração
UnB (https://matriculaweb.unb.br ) como entre eles. Essa integração
mmmm se manifesta nos currículos por meio do
compartilhamento de algumas disciplinas.
habilitações de um mesmo curso, sugerindo Já os demais são referidos como “cursos” e apresentam projetos
pedagógicos independentes entre si.
118
e.Letras Tradução – Espanhol (bacharelado); apresentamos uma tabela com as disciplinas
obrigatórias que estão a cargo dos
f. Letras Tradução (bacharelado); Departamentos do Instituto de Letras (IL):
g. Língua Espanhola e Literatura Espanhola e TABELA 12: Disciplinas obrigatórias oferecidas pelos
Hispano-americana (licenciatura); departamentos do IL.
1º SEMESTRE
h.Língua e Literatura Japonesa Dep. Código Nome Créditos
(licenciatura); LIP 147397 PRÁTICA DE TEXTOS 004
LET 142930 INGLÊS: COMP 004
i. Língua de Sinais Brasileira/Português como TEXTOS ESCRITOS 1
Segunda Língua (licenciatura); TEL 141089 INTROD A TEORIA 004
DA LITERATURA
j.Línguas Estrangeiras Aplicadas LET 145998 INGLÊS: COMP DA 004
(bacharelado). LÍNGUA ORAL 1
LET 145874 INTROD A MORF DO 004
INGLES
O curso de Letras Inglês (e suas respectivas
LIP 140082 INTRODUÇÃO À 004
literaturas), por sua vez, iniciou suas LINGUÍSTICA
atividades em 1969, estando filiado 2º SEMESTRE
atualmente ao Departamento de Letras Dep. Código Nome Créditos
Estrangeiras e Tradução (LET). O currículo LET 142891 INGLES: EXPRESSAO 004
analisado, em vigência em julho de 2018, ORAL 1
LET 145858 FONETICA E 004
fora reformulado em 2010, de modo que FONOLOGIA DO
ainda não atendia às normas estabelecidas INGLES
pelas DCNs mais recentes. As disciplinas na LET 142999 INGLES: EXPRESSAO 004
grade curricular, por sua vez, se organizam ESCRITA 1
entre disciplinas obrigatórias e optativas. 3º SEMESTRE
Dep. Código Nome Créditos
LET 142905 INGLES: EXPRESSAO 004
No que diz respeito às obrigatórias, o curso
ORAL 2
conta com disciplinas comuns e disciplinas LET 142981 INGLES: EXPRESSAO 004
organizadas em 5 ciclos, voltados para o ESCRITA 2
aprofundamento dos estudos literários. LET 140660 MORFOSSINTAXE 004
Cada ciclo oferece um elenco de disciplinas DO INGLES 1
4º SEMESTRE
dentre as quais os alunos podem escolher
Dep. Código Nome Créditos
aquelas que mais se relacionam com suas LIP 147249 SINTAXE PORT 004
áreas de interesse. Assim, enquanto no CONTEMPORANEO
Ciclo 1 o aluno tem a opção de cursar uma 1
entre 5 disciplinas que versam sobre a LET 142913 INGLES: EXPRESSAO 004
literatura brasileira, no Ciclo 2 eles podem ORAL 3
TEL 141305 LITERATURA 004
optar por uma dentre 5 disciplinas sobre INGLESA 1 - SÉC XX
Literatura Portuguesa. Já o Ciclo 3 traz LET 142956 INGLES: EXPRESSAO 004
disciplinas ligadas à Teoria da Literatura e à ESCRITA 3
Literatura Comparada. O Ciclo 4, por sua vez, LET 145823 MORFOSSINTAXE 004
disciplinas sobre a pesquisa em literatura, e DO INGLES 2
LIP 140201 LATIM 1 004
o Ciclo 5, sobre produção de textos.
5º SEMESTRE
Dep. Código Nome Créditos
As disciplinas obrigatórias são divididas TEL 141313 LIT INGLESA II - 004
entre o LET, o Departamento de Linguística e IDADE MÉDIA
Português (LIP) e o Departamento de Teoria TEL 141356 LITERATURA 004
Literária e Literatura (TEL), assim como com NORTE-AMERICANA
I
alguns departamentos da Faculdade de
TEL 141208 FUND DE HISTÓRIA 004
Educação e do Instituto de Ciências LITERARIA
Humanas (para a licenciatura). A seguir,

119
6º SEMESTRE elementos voltados para a formação de
Dep. Código Nome Créditos professores da língua estrangeira, relata sua
TEL 141321 LIT INGLESA 3 SEC 004
experiência enquanto ex-aluna do curso.
XIX
TEL 141364 LITERATURA 004 Segundo a autora, que na época catalogou
NORTE-AMERICANA quase 400 disciplinas optativas, essa oferta
II não é real, já que muitas das disciplinas
7º SEMESTRE constam no sistema de matrícula mas não
Dep. Código Nome Créditos são mais ofertadas nos dias atuais.
TEL 141330 LITERATURA 004
INGLESA IV
Apesar disso, consideramos que a
TEL 141372 LITERATURA 004 quantidade elevada de disciplinas gera
NORTE-AMERICANA efeitos positivos e negativos sobre o
III currículo. Dentre os efeitos positivos, está a
Fonte: o autor (a partir de informações de enorme possibilidade de flexibilização,
<https://matriculaweb.unb.br/graduacao/fluxo.aspx?
cod=4316>)
atendendo o que propõem o CNE a respeito
da educação superior. Por outro lado, ao
Como podemos observar, dentre as considerarmos que desse rol de disciplinas,
disciplinas de caráter obrigatório, não há apenas 24 créditos são integralizados ao final
componentes que se destinam ao fomento do curso, é possível perceber que, na prática,
de discussões sobre o papel e uso das TICs ou isso significa que há uma alta concorrência
do letramento digital pelo professor de entre elas, de modo que poucas são
línguas. A análise das ementas também efetivamente cursadas. O mesmo se aplica
corroborou esta constatação. Da mesma no que diz respeito às disciplinas que tratam
forma, é possível perceber que as disciplinas das TICs e do letramento digital. Da análise
obrigatórias estão centradas no da grade curricular e das ementas das
desenvolvimento de competências disciplinas, constatamos que discussões
linguísticas e de conhecimentos literários, sobre as tecnologias digitais estão diluídas
não abordando atividades relacionadas em várias disciplinas. Entretanto, é
diretamente o ensino e à formação de necessário observar que uma parte
professores, que são contempladas por significativa delas não são ministradas pelo
algumas das disciplinas optativas. Departamento de Línguas Estrangeiras e
Tradução, o que significa dizer que mantém
No que diz respeito às disciplinas optativas, pouca ou nenhuma relação com o ensino de
os alunos precisam integralizar 24 créditos e LE. Outro fato a se considerar é o de que um
podem optar por cursar disciplinas variadas, número considerável das disciplinas que
oferecidas por diversos departamentos da envolvem TICs exige como pré-requisito
UnB. Isso resulta em um leque de mais de outras disciplinas optativas. Isso,
350 disciplinas (dados do site de matrículas inevitavelmente, reduz ainda mais a
da UnB, matriculanaweb, coletadas em julho possibilidade de que elas sejam cursadas
de 2018). Sobre isso, Macedo (2016), ao pelos alunos. A seguir, apresentamos uma
avaliar o currículo do curso de Letras Inglês breve descrição das disciplinas que abordam
na UnB com vistas a identificar a presença de aspectos do letramento digital.

Código/Nome: 209309 - Linguística de Corpus


Órgão: LET Departamento de Línguas Estrangeiras e Tradução
Pré-requisitos: LIP 140082 Introdução à Linguística
Ementa: Corpora na época da informática como base para pesquisas linguísticas ou como ferramenta
em áreas como a lexicologia, lexicografia, tradução e didática entre outras.

120
Código/Nome: 192015-Didática Fundamental
Órgão: Departamento de Métodos e Técnicas
Pré-requisitos:
PED 124966 Fund Desenv e Aprendizagem OU
PPB 124052 Psicologia da Aprendizagem 1 OU
PPB 125172 Aprendizagem no Ensino OU
PED 125156 Desenv Psicológico e Ensino OU
TEF 191523 Dinâmica Psicossocial Educação OU
TEF 194654 Perspect do Desenv Humano
Ementa: A relação entre a educação e sociedade. A relação entre as ciências da educação, pedagogia
e didática - saberes docentes. A evolução histórica da didática e tendências atuais - diversidade de
sujeito-tempo-espaço. Pesquisa em didática e auto-formação. A organização do trabalho pedagógico:
currículo, planejamento e avaliação, na escola e em outros ambientes de aprendizagem mediados ou
não pelas tecnologias de informação e comunicação.

Código/Nome: 201618 - Fundamentos da Sociedade da Informação


Órgão: LET Departamento de Línguas Estrangeiras e Tradução
Pré-requisitos:
LET 145955 PRAT.FRANCES ORAL E ESCRITO 1 E
LET 142930 Inglês: Comp Textos Escritos 1 OU
LET 145955 Prát. francês oral e escrito 1 E
LET 142328 Língua Espanhola 1 OU
LET 142328 Língua Espanhola 1 E
LET 142930 Inglês: Comp Textos Escritos 1
Ementa: O conceito de sociedade de informação; a era industrial e a era pós-industrial; O debate
sobre a identidade no mundo globalizado; a ideologia da técnica e a construção de subjetividades; a
globalização das línguas e a possibilidade de entendimento; a nova civilização.

Código/Nome: 145131 - História da imprensa


Órgão: JOR Departamento de Jornalismo
Pré-requisitos: Disciplina sem pré-requisitos
Ementa: Histórico de imprensa no Brasil dos panfletos a imprensa empresarial. O advento do rádio e
da televisão. O paralelo entre a história e o desenvolvimento dos meios de comunicação e os
acontecimentos políticos. Trabalho dos alunos. Pesquisa a respeito da história dos principais veículos
e sua situação atual.

Código/Nome: 182010 - Introdução à Biblioteconomia e Ciência da Informação


Órgão: FCI Faculdade de Ciência da Informação
Pré-requisitos: Disciplina sem pré-requisitos
Ementa: Posição da biblioteconomia e da ciência da informação no universo dos conhecimentos e no
contexto da sociedade de informação. Evolução do conceito de biblioteca: do livro ao documento de
qualquer natureza, da conservação a difusão, das unidades de informações aos
sistemas nacionais e internacionais. A questão da transferência da informação. A biblioteconomia e
a ciência da informação no Brasil e no mundo. A profissão do bibliotecário. O pesquisador e a pesquisa
em ciência da informação.

Código/Nome: 146412 - Introdução aos multimeios


Órgão: LIP Departamento de Linguística, Português, Líng Clás
Pré-requisitos: LIP 147443 linguistica aplic ensino PSL
Ementa: O papel da tecnologia no ensino de línguas. Visão crítica do uso de multimeios no ensino do
português como segunda língua. Preparação de material didático-pedagógico.

121
Código/Nome: 111490 - Laboratório de Estudos de Literatura Artes e Humanidades
Órgão: TEL Departamento de Teoria Literária e Literatura
Pré-requisitos: Disciplina sem pré-requisitos
Ementa: Estudos baseados nas múltiplas possibilidades experimentais de interação da literatura com
a produção cultural contemporânea e com as humanidades: música, dança, performance, cinema,
teatro, política, economia, fotografia, filosofia, sociedade, discursos representacionais urbanos:
graffitis; Estudo e experimentação da criação, difusão, recepção e crítica digital de textos artísticos e
teóricos. Ensino, leitura digital ou em meios eletrônicos.

Código/Nome: 141178 Literatura Brasileira Contemporânea


Órgão: TEL Departamento de Teoria Literária e Literatura
Pré-requisitos: Disciplina sem pré-requisitos
Ementa: Tendências estéticas. Implicações com as artes visuais e a teoria da informação. O romance,
o conto e a crônica contemporânea. As vanguardas poéticas.

Código/Nome: 206067Métodos e Técnicas Aplicadas ao Multilinguismo


Órgão: LET Departamento de Línguas Estrangeiras e Tradução
Pré-requisitos: LET 201618 Fundamentos Soc da Informação
Ementa: Esta disciplina visa fazer uma introdução a alguns métodos e técnicas de pesquisa das ciências
humanas e sociais de maneira a apresentar possíveis caminhos para pesquisas relacionadas aos eixos
temáticos do curso de Línguas Estrangeiras Aplicada, bem como explorar o uso de recursos
informacionais e tecnológicos que permitem trabalhar profissionalmente com textos multilíngues em
diversos entornos digitais.

Código/Nome: 209287 - Modalidades de Tradução Audiovisual


Órgão: LET Departamento de Línguas Estrangeiras e Tradução
Pré-requisitos:
LIP 140082 Introdução à Linguística E
LET 145939 Prát Francês Oral e Escrito 3 OU
LET 142344 Língua Espanhola 3 OU
LET 142981 Inglês: expressão escrita 2 ou
LET 146188 Teoria P Esp Oral e Escrito 3
Ementa: Aspectos teóricos e práticos da tradução audiovisual (TAV): legendagem, audiodescrição para
cegos, e adaptação para a mídias. A pesquisa em TAV no Brasil e na Europa. (UNB, 2018b)

Podemos observar que nas ementas A seguir, analisaremos a estrutura curricular


descritas anteriormente não há referências de um dos Programas de Pós-graduação
diretas ao termo Letramento Digital. Mesmo relacionados à área de Letras da UnB, o
assim, é perceptível que elas tratem de Programa de Pós-graduação em Linguística
habilidades voltadas para o uso e a reflexão Aplicada.
sobre os artefatos digitais, em graus
variados. Apesar disso, o fato de que elas Programa de Pós-graduação em
são estimuladas apenas por meio de Linguística Aplicada – UnB
disciplinas optativas, com pouca
probabilidade de oferta ou de matrícula O Programa de pós-graduação em
(devido aos pré-requisitos exigidos para cada Linguística Aplicada da UnB (PGLA-UnB) é
um deles) e o distanciamento de uma filiado ao Departamento de Línguas
abordagem voltada para a formação de Estrangeiras e Tradução do Instituto de
professores nos leva a observar que na Letras, tendo sido criado em 1999 a partir da
prática esses componentes não estão muito descontinuação de um outro programa em
presentes na vida acadêmica dos Língua Inglesa. A reforma mais recente da
professores em formação. estrutura curricular ocorreu em 2005 (UnB,
2018a). Atualmente, o programa oferece

122
formação em nível de mestrado e tem uma no processo e construção da competência
única área de concentração: Práticas e comunicativa na nova língua. (UnB, 2018a)
teorias no ensino-aprendizagem de línguas.
Ela, por sua vez, se divide em duas linhas de Como podemos observar, as linhas de
pesquisa, descritas a seguir: pesquisa não contemplam diretamente
competências voltadas ao letramento
1) Processos formativos de professores e digital. O mesmo ocorre com as disciplinas
aprendizes de línguas: esta linha de ofertadas, descritas na sua página na
pesquisa abriga estudos que contemplem os internet. Ao todo, estão listadas 14
muitos aspectos dos processos de ensinar, disciplinas, incluindo a de “Tópicos Especiais
aprender e avaliar línguas nos diversos em Linguística Aplicada”, que tem ementa
contextos de instrução - formais, informais e aberta e varia de acordo com as prioridades
mistos, presentes na sociedade brasileira, do programa a cada semestre. Na descrição
contemplando as diferentes faixas etárias e da disciplina, o programa especifica que
os diferentes públicos e agentes envolvidos essas necessidades surgem “a partir da
no ensino de línguas – alunos, pais, percepção de lacunas na formação dos
professores, autoridades escolares etc. alunos e/ou interesse em verticalizar tópicos
já tratados”.
2) Língua e cultura na competência
comunicativa: Esta linha ocupa-se da Na análise das ementas e da bibliografia das
descrição e conceituação teórica das outras 13 disciplinas não identificamos
diferentes formas de inter-relação e elementos que indicassem uma discussão
interdependência entre o conhecimento sistematizada sobre as TICs e o ensino de
linguístico e o conhecimento cultural, línguas/formação de professores. Abaixo,
especialmente em relação à sua relevância apresentamos uma lista com as disciplinas
do programa

A Formação de Professores de Línguas


Ementa: Estudo dos intervenientes na formação de professores de língua(s) e o estado-da-arte da
pesquisa no tema.
Abordagens de Ensino de Línguas
Ementa: A partir da perspectiva histórica dos métodos em sucessão e da ideia de domínios (linguístico,
social e afetivo), estabelecer a hierarquia abordagem - método - técnica e as vertentes de constituição
de uma abordagem ou filosofia de ensino e aprendizagem de uma nova língua que movem as ações
de professores, alunos e terceiros agentes.
Aquisição de Segunda Língua
Ementa: Estudo dos modelos contemporâneos de aquisição de LE/L2 incluindo fatores variáveis
individuais dos aprendizes (idade, personalidade, aptidão linguística), fatores cognitivos (estilos e
estratégias de aprendizagem), fatores socioculturais (crenças, identidade) e fatores sociopsicológicos
(motivação e atitude) na aquisição de LE/L2
Avaliação de Aprendizagem de Línguas
Ementa: Reflexão sobre as relações entre o ensino/aprendizagem e a avaliação de rendimento e
proficiência em segunda língua e língua estrangeira.
Competência Comunicativa
Ementa: Evolução, constituintes, construção e uso(s) da competência comunicativa em contextos de
ensino-aprendizagem de línguas.

123
Conceitos de Gramática e Ensino de Línguas
Ementa: A conceitualização da língua X linguagem, noção de usos da linguagem descritos em
gramáticas contemporâneas e sua relevância no ensino de Línguas.
Estágio Docente em Linguística Aplicada
Ementa: O estágio de docência é obrigatório para todos os bolsistas da CAPES de acordo com a
Resolução da Câmara de Pesquisa e Pós-Graduação nº 02/2000. Envolve a participação do pós-
graduando em atividades de ensino da graduação.
História do Ensino de Línguas no Brasil
Ementa: Estudo da História do Ensino de Línguas no Brasil. Legislação educacional brasileira. Políticas
educacionais. Formação de professores.
Interculturalidade no Ensino de línguas
Ementa: Cultura; Relações entre língua e cultura; Interculturalidade; Competência
cultural/competência intercultural; Representações Sociais; Dimensões (inter)culturais e materiais
didáticos; Interculturalidade e Formação de Professores.
Língua e Cultura
Ementa: O conceito de cultura nos principais modelos teóricos da Linguística Aplicada atual e suas
repercussões sobre os modos de enfocar relacionamento/dependência entre língua e cultura.
Metodologia de Investigação em Linguística Aplicada
Ementa: Questões epistemológicas da ciência, pesquisa em educação e em linguística aplicada, coleta,
registro e análise de dados, escrita acadêmica e disseminação de resultados de pesquisa.
Português como Segunda Língua e Língua Estrangeira
Ementa: Histórico do ensino de português do Brasil para falantes de outras línguas no país e no
exterior para evidenciar tendências metodológicas discerníveis na área.
Seminário de Pesquisa
Ementa: Apresentação e discussão do conteúdo do projeto final de dissertação servindo como
qualificação da pesquisa.
Tópicos Especiais em Linguística Aplicada
Ementa: Esta disciplina está aberta a ofertas dos docentes a partir da percepção de lacunas na
formação dos alunos e/ou interesse em verticalizar tópicos já tratados. A ementa será produzida a
partir da definição do tópico. (UnB, 2018a)

Apesar da organização curricular acima nos trabalhos defendidos. Levando em conta a


levar a uma primeira percepção de que o ausência de disciplinas sobre os temas,
letramento digital não está contemplado na consideramos esse um valor bastante
formação oferecida pelo programa, ao representativo. Nesse caso, é possível que
procedermos às análises das dissertações essas pesquisas tenham encontrado apoio
defendidas, dados em contrário começaram teórico nas diferentes versões dos “Tópicos
a se revelar. Por meio da busca no Especiais em Linguística Aplicada”. Nem
Repositório Institucional da UnB, todos os trabalhos catalogados, entretanto,
encontramos 241 dissertações defendidas tratam de contextos de
no âmbito do Programa. Dessas, a leitura ensino/aprendizagem ou formação de
dos resumos revelou 20 trabalhos que professores de língua inglesa. Isso pode ser
abordam as TICs ou o Letramento digital, o observado na tabela a seguir:
que corresponde a pouco mais de 8% dos

124
TABELA 13: Dissertações sobre TICs defendidas no PGLA-UnB.
Ano de Autor – Título da dissertação
defesa
1 2018 SANTOS, E. B. Português língua de acolhimento: interação e inserção social de
imigrantes por meio do whatsapp
2 2018 ALENCAR, C. C. Praticando Francês no ciberespaço: uma proposta pedagógica de
prática da oralidade em Francês Língua Adicional por meio de interações online
3 2017 ARAÚJO, G. S. O ambiente virtual de aprendizagem MOODLE como espaço
multimodal de ensino de língua portuguesa
4 2016 VIEIRA, A. L. G. Curso online para a parte oral do Celpe-Bras: contribuições da
avaliação de proficiência para o ensino-aprendizagem de PLE
5 2016 QUEIROZ, G. R. Proposta multimodal de uso de vídeos online no planejamento de
tarefas para o ensino de português para estrangeiros
6 2016 BATISTA, C. A. O desenvolvimento da competência comunicativa intercultural de
surdos aprendizes de inglês : a internet como meio
7 2016 DOURADO, L. B. O trabalho com a oralidade em um curso de licenciatura em língua
espanhola (EAD) : realidades e necessidades
8 2011 SANTIAGO VIGATA, H. Linguacultura em foco: material audiovisual legendado como
mecanismo para o ensino intercultural de espanhol para brasileiros
9 2014 PEREIRA, L. S. M. O professor de línguas vai ao cinema: ressignificando a identidade
profissional sob a perspectiva da formação crítico-reflexiva
10 2014 RIBEIRO, L. V. R. Quem sabe faz a hora: estratégias de aprendizagem na formação em
letras-espanhol a distância
11 2014 RIBEIRO, W. Alice no país das maravilhas tecnológicas: uma história sobre
tecnologias digitais no ensino de línguas
12 2014 DAMACENO, N. B. Mediação cultural em vídeos publicitários para o ensino de língua
estrangeira (francês)
13 2013 SANTOS, K. F. Experimentação em TICs: reflexões para a prática da oralidade no
ensino de L.E. em Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA)
14 2011 SANTOS JUNIOR, E. S. O caminho de Raniere: a jornada de aprendizagem de um
peregrino online
15 2011 NAGAMINE, A. G. Lapidando as competências de professores de línguas em contexto
EAD/TIC's
16 2011 BARROS, J. M. A. O ambiente virtual como um espaço para a autonomia na
aprendizagem de línguas
17 2011 CRUVINEL, R. C. Ensino a distância na pós-graduação: investigando experiências e
crenças de mestrandos em linguística aplicada
18 2011 STIVAL, M. A. S. B. Uma janela para o mundo: o uso da internet para desenvolver a
competência intercultural em aulas de língua estrangeira (inglês)
19 2010 MEIRELES, A J. Criando uma aquarela: a formação de professores no uso de TICs na
aula de línguas estrangeiras
20 2009 FERREIRA, J. R. Blended learning: uma proposta de espaços interativos de ensino e
aprendizagem de espanhol como LE para a rede pública de ensino do Estado de Goiás
Fonte: O autor (a partir de dados extraídos de <http://repositorio.unb.br/handle/10482/837>)

Por meio dos dados acima, podemos relevância das TICs na formação de
perceber que a investigação sobre as TICs e professores.
o letramento digital no programa ainda é
bastante jovem, com pouco menos de uma Ao relacionarmos a licenciatura e a pós-
década. Por outro lado, é possível perceber graduação, verificamos que embora na
um aumento significativo no número de grade curricular da graduação as discussões
trabalho sobre o tema a partir de 2011. Isso sobre o letramento digital pareçam não
indica que o programa passou, estar integradas de modo efetivo, as
recentemente, a perceber uma maior pesquisas do mestrado indicam tendências

125
para mudança desse fenômeno. 2005, é possível vislumbrar que novas
Considerando que o primeiro trabalho sobre reformas considerem mais explicitamente
o tema foi defendido no PGLA em 2009, e essa vocação emergente do programa para a
que o currículo da licenciatura em Letras investigação sobre as relações entre
Inglês fora reformulado um ano depois, em tecnologias digitais e ensino de
2010, vemos que as investigações sobre o línguas/formação de professores.
tema ainda se encontravam em um estado
bastante incipiente naquele momento para Nesse caso, deixamos ao leitor a sugestão de
gerar efeitos mais sólidos na licenciatura. pesquisas futuras que possam verificar como
Entretanto, com a intensificação de os novos projetos pedagógicos das
pesquisas no mestrado a partir de 2011, licenciaturas, provavelmente vigentes a
acreditamos que a futura reforma do projeto partir de 2019, serão influenciados pela
pedagógico da licenciatura em Letras Inglês produção das pós-graduações no campo de
possa sofrer influências mais diretas da pós- letramento digital e da formação de
graduação. Da mesma forma, ao
professores.
observarmos que a reforma mais recente da
grade curricular do mestrado se deu em

126
Principais Conclusões

Neste livro, intentamos analisar de que didático-filosóficos que indicassem o modo


modo competências voltadas para a como os cursos analisados percebem as
formação de professores aptos a lidarem tecnologias digitais e como essas percepções
com as demandas “tecnoletradas” do influenciam nas ações formativas que eles
mundo contemporâneo são desenvolvidas promovem. Entendemos que essas ações,
em alguns dos cursos de Letras Inglês ou por sua vez, são indiciadas pelas disciplinas e
Letras Português e Inglês de universidades outros componentes curriculares presentes
federais brasileiras. Para isso, adotamos nos projetos pedagógicos das licenciaturas e
como estratégia metodológica a análise dos nas grades curriculares das pós-graduações.
projetos pedagógicos dos cursos de
licenciatura na língua estrangeira e das Por esse motivo, as análises focaram na
grades curriculares dos cursos de pós- identificação de referências às TICs e ao
graduação filiados à área de Letras letramento digital tanto nas discussões
(linguística ou linguística aplicada). teóricas quanto metodológicas dos projetos,
assim como na carga horária, no elenco de
A partir do reconhecimento em documentos disciplinas e nas ementas de cada
oficiais brasileiros da necessidade de uma documento analisado. A partir da
formação inicial de professores voltada para identificação dessas referências,
a reflexão e o uso de TICs, dentre outras procedemos à análises textuais como forma
competências, buscamos identificar nos de depreendermos as percepções dos
currículos a presença de modelos teórico-

127
colegiados sobre o papel das TICs na Enquanto que, de forma geral, os princípios
formação de professores de língua inglesa. dos letramentos estão contemplados em
todos os projetos, no que diz respeito ao
Como discutimos na Seção 2, a perspectiva letramento digital, que é um
dos letramentos no ensino tem cada vez desdobramento bastante situado e
mais sido adotada para além dos domínios específico dos letramentos, encontramos
da escrita, relacionando-se ao uma variedade bem maior na forma como
desenvolvimento de competências críticas ele é abordado.
diversas que, por sua vez, conduzem a ações
embasadas na análise e reflexão sobre os Nos projetos pedagógicos, foi possível
fenômenos do mundo, gerando pessoas perceber que nem sempre as TICs eram
mais conscientes de seus papéis sociais. apresentadas como elementos importantes
Embora nas análises dos projetos no processo de formação. Enquanto que em
pedagógicos das licenciatura não tenhamos alguns projetos elas permeavam todo o
identificado referências diretas aos texto, em outros, elas foram citadas apenas
letramentos enquanto princípios brevemente, talvez como forma de mantê-
norteadores das atividades formativas, los coerentes textualmente com as
constatamos que todos os projetos regulamentações oficiais. Nesse segundo
analisados se baseiam em uma perspectiva caso, é possível perceber a natureza do que
letrada indireta, já que defendem a chamamos no decorrer dessa investigação
formação de professores com base nas de “Modelos teórico-didático-filosóficos”,
demandas dos contextos sociais em que eles ou seja, das manifestações no texto dos
se inserem ou se inserirão, na reflexão crítica projetos pedagógicos das posturas, das
e na preparação para a ação de modo visões, das abordagens, dos princípios, entre
criativo e consciente. outros elementos de cunho teórico,
metodológico e ideológico em que os
Esses princípios, entretanto, também estão projetos se fundamentam, mas que não
expressos nos documentos oficiais que necessariamente são concretizados nas
orientam tanto a educação básica quanto a práticas que dão vida ao currículo.
formação de professores, tal como
discutimos no Capítulo 6. Por meio dessa Se por um lado os documentos oficiais citam
constatação, é possível perceber que há nos com frequência a necessidade de preparar
projetos pedagógicos das licenciaturas uma professores para lidarem com as demandas
forte tendência de reprodução das posturas tecnológicas da contemporaneidade, essa
expressas na Lei de Diretrizes e Bases da citação não goza do mesmo prestigio que
Educação Nacional, nas Diretrizes outros saberes e competências, tais como o
Curriculares Nacionais e mesmo nos respeito e a tolerância direcionados às
Parâmetros Curriculares Nacionais, inclusive diversidades étnicas e religiosas e à
pela citação frequente de trechos desses conservação ambiental. Tais saberes e
documentos, seja elas diretas ou paráfrases. competências são asseguradas como
Nesse caso, é possível observar que os obrigatórios pelas políticas educacionais e
projetos pedagógicos tendem a se filiar, ao manifestadas claramente em todos os
menos textualmente, às normatizações. Da currículos analisados. Já as competências
mesma forma, como a reflexão como um voltadas para o letramento digital, por sua
princípio fundamental para a ação do vez, são manifestadas nas políticas
professor e à mudança da realidade social é educacionais como ideais e necessárias,
um item explícito e constante nos deixando a cargo dos colegiados adotarem
documentos oficias, eles também são seus próprios instrumentos para promovê-
recorrentes nos textos analisados. las.

128
Com isso, foi possível identificar diferentes implementados em ambientes no quais as
posturas em cada currículo. Enquanto que pessoas estão aptas o manuseá-los, ou que
em algumas universidades as competências enxerguem propósitos claros no seu uso.
para o letramento digital são fomentadas
por meio de disciplinas obrigatórias ou de Rogers (1963), sugere que tendemos a
outros itens frequentes na grade curricular, adotar artefatos tecnológicos em estágios,
em outras, elas são objeto de estudo apenas com base nas experiências que temos com
de disciplinas optativas ou estão previstas eles, ou com outras pessoas que os utilizam.
por meio das atividades acadêmico- Contudo, essas experiências não descrevem
científico-culturais. Nesses dois últimos somente o manuseio de artefatos físicos e
casos, entretanto, elas não têm garantias de palpáveis. Ela também se aplica a artefatos
serem ministradas por causa da alta ideológicos ou conceituais. Nesse caso, a
concorrência com outras disciplinas reflexão sobre o papel das TICs na atividade
optativas ou com as demais atividades profissional poderia suprir nos professores
curriculares. em formação a falta de experiências físicas
com os equipamentos ausentes. Apesar
O fato de que o fomento ao letramento disso, nesses contextos, o que se observa é o
digital está a cargo dos colegiados dos cursos ciclo descrito a seguir:
nos levou a análises interessantes a respeito
do modo como as TICs são percebidas em 1. Como não há equipamentos TIC,
cada instituição. Nesse caso, também geralmente não se percebe a necessidade de
identificamos certa variedade de reflexão sobre como eles podem ser
percepções, que subjazem as ações integrados na formação de professores;
propostas nos currículos.
2. Não havendo reflexão, geralmente não se
Dentre essas percepções está a de que é percebe que as tecnologias são relevantes
necessário equipar as estruturas físicas do tanto para a formação de professores
curso com artefatos tecnológicos, entre eles quanto para a formação de alunos;
computadores, projetores, internet, etc.
Nesse sentido, identificamos apelos à 3. Não havendo percepção de relevância,
aparelhagem das salas de aula, mas não geralmente não há a percepção da
encontramos elementos que definissem necessidade de aquisição de equipamentos,
como esses equipamentos seriam ou da inserção da reflexão teórica que no
integrados na formação de professores. No futuro poderia pavimentar novas visões e
capítulo 3 sintetizamos essa percepção mudar a situação;
como “ter é mais importante do que saber
usar” tecnologias. Essa é uma percepção Assim, nesses contextos, a ausência de
natural e característica de contextos que equipamentos com frequência é utilizada
experimentaram poucos eventos de como uma justificativa para a exclusão de
letramento (nesse caso o letramento digital). discussões sobre o letramento digital. É
A falta de equipamentos gera a falta de preciso considerar, entretanto, que a
oportunidades de uso de tecnologias digitais aparelhagem das universidades (ou mesmo
educacionais. Por sua vez, a falta de das escolas) pode ser uma forma de tentar
experiência com esses artefatos leva a uma sair do ciclo, mas consideramos que sem as
visão ainda limitada de que a inserção reflexões conduzidas nos ambientes de
tecnológica é decorrência apenas da formação sobre as possibilidades de ação
aquisição de hardware. Nesses casos, tende- oferecidas por esses artefatos, eles
se a priorizar a inclusão de equipamentos e continuariam, ao menos durante um bom
não de pessoas. Em decorrência disso, tempo, sendo vistos como ferramentas sem
quando adquiridos, os equipamentos grande relevância para mudar as
tendem a não ser usados por não estarem perspectivas dos futuros professores.

129
Uma outra visão bastante recorrente na base que permite às pessoas não só
análise dos projetos de licenciatura é a de participarem em práticas de letramento e
que as TICs, embora já presentes no construírem sentidos, mas serem capazes de
ambiente universitário, são artefatos físicos transformá-las e produzi-las.
de uso limitado, já que servem
predominantemente para a realização de A partir da análise dos dados descritos nesta
exercícios e outras atividades. Tal como no obra, sugerimos categorias que julgamos
primeiro caso, nos projetos pedagógicos que mais adequadas para descrevermos os
se encaixam nesse perfil não identificamos elementos constituintes das competências
discussões sobre como as tecnologias letradas digitais. Tal como na proposta de
digitais estão integradas aos saberes e Lankasheer e Knobel, elas são 3 dimensões,
competências pedagógicos estimulados uma dimensão instrumental, que engloba os
durante o curso. Ao invés disso, com conhecimentos sobre como saber usar
frequência elas constavam nas ementas das artefatos tecnológicos para resolver
disciplinas como parte dos procedimentos situações problema; uma dimensão
de sala de aula, e não como parte dos pragmática, que envolve conhecimentos
conteúdos. Nesses casos, com frequência, sobre o saber para que usar tecnologias para
as TICS eram citadas indiretamente por meio resolvermos problemas; e uma dimensão
da possibilidade de realização de disciplinas crítica, que abrange conhecimentos relativos
a distância ou pelo envio de atividades ao saber porque usar TICs. Consideramos
online. que competências relacionadas ao
letramento digital são furtos da interação
Nessa segunda forma de enxergar as TICs, dessas três dimensões, de sorte que para
predomina a visão de que saber usar é mais usar as TICs criticamente ou mesmo de
importante do que saber pensar sobre como modo inovador (para adaptá-las a diferentes
usar. Embora esses saberes sejam parte dos contextos e necessidades) o professor
letramentos, já que as práticas letradas necessita dispor dessas 3 ordens de
plenas presumem em sua estrutura habilidades, em graus variados, a depender
subjacente a ativação de conhecimentos da natureza da atividade a ser realizada.
procedimentais, ela carece de componentes Assim, para a solução de determinadas
reflexivos que levem ao uso inovador das situações problema, pode ser necessária
tecnologias. Lankasheer e Knobel (2003), ao uma presença maior de elementos da ordem
discutir o letramento tradicional, atrelado à do “saber usar”, do que do “saber para que
cultura escrita, distinguem 3 dimensões que usar” ou do “saber porque usar”. Já em
o compõem: outras situações, habilidades relacionadas
ao “saber porque usar” podem ser mais
a. Uma dimensão operacional, que se ocupa relevantes do que habilidades ligadas às
do conhecimento do código escrito e que outras duas dimensões.
caracteriza a capacidade de um indivíduo ler
e escrever de forma adequada e apropriada Isso nos leva a considerar que para preparar
em uma variedade de contextos. professores adequadamente de acordo com
as demandas por letramento digital, os curso
b. Uma dimensão cultural, que envolve a de formação devem contemplar as 3
capacidade de fazer sentido e entender os dimensões, munindo seus alunos com
significados dos textos de forma apropriada elementos suficientes para que eles próprios
e em relação aos contextos de produção e possam selecionar aquelas mais relevantes
recepção. para determinados contextos e situações
com os quais virão a se deparar ao longo de
sua carreira. Isso, contudo, não foi
c. Uma dimensão crítica, que envolve o
constatado nas análises da maioria dos
aspecto crítico do letramento, ou seja, a
projetos, que tendem a enfatizar somente a

130
dimensão instrumental, ou seja, o saber usar componentes curriculares que se relacionam
tecnologias. Apesar de ser uma parte com o letramento digital. Como uma forma
constituinte da competência letrada, de suprir essa falta de dados, no estudo que
acreditamos que ela sozinha não leva à descrevemos neste livro, também
formação de indivíduos letrados plenos, já analisamos os resumos e os títulos dos
que não estimula a criatividade e a reflexão trabalhos defendidos em cada programa
sobre a funcionalidade, as motivações e as para verificarmos se as tecnologias faziam
consequências de se usar tecnologias para parte das suas rotinas de investigação e,
ensinar línguas. Desse modo, a maioria dos assim, supormos que mesmo não estando
cursos analisados demonstrou estar em um explicitamente nas grades curriculares, elas
estágio ainda inicial no processo de eram objetos dos seminários e tópicos. Para
letramento digital, já que percebem tais isso, frequentemente foi necessário o apelo
artefatos ainda como tendo propósitos a outras fontes de dados, como repositórios
apenas instrumentais, limitado à resolução digitais nacionais e locais.
de atividades por meio das TICs.
Foi possível perceber que todos os
Um terceiro grupo, entretanto, manifestou programas de graduação analisados trazem
nos projetos pedagógicos uma postura as TICs ou o letramento digital como
distinta, voltada mais diretamente para a elementos presentes nas suas grades
reflexão e a formação de professores curriculares ou nas suas rotinas de pesquisa.
letrados digitalmente. Nesses projetos, ao Entretanto essa presença apresentou
mesmo tempo em que há uma ocorrência variações. Enquanto em alguns deles há
mais elevada de referências às TICs nos uma alta integração de
modelos teórico-didático-filosóficos, discussões/investigações relacionadas a
também há um número maior de disciplinas esses temas (seja por disciplinas ou por
e outros componentes curriculares que pesquisas defendidas), em outros, ela ainda
abordam o tema. Nesse caso, o foco dado a se apresenta timidamente. Para dois dos
elas também se mostra mais atrelado à programas, a investigação sobre as TICs se
formação de professores e ao ensino de iniciou ainda na primeira metade dos anos
línguas. Neles, é frequente a percepção de 2000, embora com pouca frequência, e se
que as TICs são artefatos cognitivos que intensificou nos últimos 10 anos. Para os
levam os professores a repensarem suas outros, ela está presente há pouco menos de
próprias práticas profissionais. Também foi uma década. Isso indica que a pesquisa
possível perceber uma forte correlação sobre as tecnologias digitais tanto na
entre os cursos de licenciatura e os cursos de formação de professores quanto no ensino
pós-graduação das universidades. de línguas e em outras áreas dos estudos da
linguagem é um campo de investigação
Entretanto, antes de tecermos jovem.
considerações sobre as análises dos cursos
de pós-graduação, cabe mencionar as No que diz respeito às relações entre pós-
dificuldades enfrentadas na coleta dos dados graduação e graduação, foi possível
dos programas analisados. Dentre elas, constatar a existência de dois padrões:
estão a frequente ausência de ementas das
disciplinas que compõem a grade curricular, a. Universidades com programas de pós-
assim como dos trabalhos defendidos. Em graduação com uma presença ainda tímida
geral, os programas analisados organizam de investigações e reflexões sobre as TICS e
seus currículos em torno de um número com cursos de licenciaturas no quais as TICs
elevado de disciplinas como seminários não têm um papel relevante na grade
temáticos e tópicos especiais, que curricular;
geralmente não têm uma ementa fixa. Isso
dificultou bastante a identificação dos

131
b. Universidades com programas de pós- exercer influências na definição do currículo
graduação com uma alta presença de pelo colegiado da graduação.
investigações e reflexões sobre as TICs e com
cursos de licenciaturas no quais as TICs têm Esse fato nos leva, inevitavelmente, a uma
um papel relevante na grade curricular; outra observação: a de que até o momento
de encerramento da coleta de dados para
Por meio dessa constatação, podemos ver esse estudo, apenas um dos cursos de
que há uma relação entre o fomento à licenciatura havia reformulado seu projeto
pesquisa sobre as TICs e o letramento digital pedagógico em conformidade com as DCNs
nos mestrados e doutorados e a sua de 2015. Nele, as tecnologias e o letramento
presença nos currículos da graduação. A isso digital estão bastante presentes. Esse
atribuímos o fato de que as pesquisas nos movimento também foi acompanhado pelo
programas de pós-graduação levam a programa de pós-graduação em Letras da
reflexões que motivam professores e alunos mesma instituição. Sabendo que o CNE
das licenciaturas a repensarem o papel das estipula para 2019 a adoção de novos
tecnologias nos processos de formação projetos curriculares, e observando que
inicial. Ao mesmo tempo, a maior integração tanto as pesquisas nos mestrados e nos
das TICs nos cursos de graduação motiva o doutorados, quanto a presença de TICs nos
aumento de pesquisas nas curso de pós, já cotidianos fora das salas de aula tem se
que são esses egressos das licenciaturas, intensificado na última década, acreditamos
mais aptos a lidarem com as TICs, que dão que as tecnologias digitais tenderão a
nova vida às investigações nos mestrados e marcar maior presença nas edições mais
doutorados. recentes dos projetos analisados nesse
estudo.
Apesar dos padrões descritos acima,
observamos que eles não se aplicaram a uma Motivados por essa perspectiva, concluímos
das universidades analisadas. Nela, este livro sugerindo a realização de
enquanto a graduação praticamente não investigações futuras para averiguar essa
incorpora a presença das TICS, a pós- hipóteses, seja por meio de um paralelo
graduação demonstrou uma alta entre este e estudos futuros, ou por meio da
produtividade no tema. Nesse caso, uma construção de novos caminhos
análise mais detalhada mostrou que a metodológicos que contribuam para
reformulação mais recente do projeto compreendermos o modo como as
pedagógico da licenciatura ocorreu antes competências voltadas para o letramento
que os primeiros estudos sobre TICs e o digital se materializam nos cursos de
letramento digital começassem a ser formação de professores e nas diferentes
defendidos, de modo que as pesquisas do instâncias da Educação Básica.
mestrado e do doutorado não puderam

132
Referências
ALMEIDA FILHO. J. C. P. O Professor de Língua(s): ______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação
Profissional, Reflexivo e Comunicacional. Revista Nacional. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de
Horizontes de Linguística Aplicada. Vol. 3, n.1, 1996. Estabelece as diretrizes e bases da
2004. educação nacional. Brasília, 1996a.

APPLE, M. Power, meaning and identity: essays in ______. Parâmetros Curriculares Nacionais.
critical educational studies. New York, Peter Lang (PCNs) Ensino Fundamental. Brasília: MEC/SEF.
Publishing, Inc. 1999. 1996b.

BAUMAN, Z. Vida líquida. Rio de Janeiro: Jorge ______. Parâmetros Curriculares Nacionais.
Zahar Ed. 2009. (PCNs) Ensino Médio. Brasília: MEC/SEM. 2000.

BELLONI, M. L. Crianças e mídias no Brasil: ______. Parecer CNE/CP 009/2001. Diretrizes


cenários de mudança. Campinas, SP: Papirus, Curriculares Nacionais para a Formação de
2010. Professores da Educação Básica, em nível
superior, curso de licenciatura, de graduação
BRASIL. Lei n. 5.540, de 28 de dezembro de 1968. plena. Brasília, 2001a.
Fixa normas de organização e funcionamento do
ensino superior e sua articulação com a escola ______. Parecer CNE/CNS 492/2001. Diretrizes
média, e dá outras providências. Diário Oficial da Curriculares Nacionais dos cursos de Filosofia,
União - Seção 1 - 29/11/1968, Página 10369. História, Geografia, Serviço Social, Comunicação

133
Social, Ciências Sociais, Letras, Biblioteconomia, Disponível em: <
Arquivologia e Museologia. Brasília. 2001b. http://download.inep.gov.br/educacao_superior
/enade/documentos/2018/presskit_enade2017
______. Parecer CNE/CP 28/2001. Duração e _e_indicadores_de_qualidade.pdf> Acesso
carga horária dos cursos de Formação de em:13.10.18.
Professores da Educação Básica, em nível
superior, curso de licenciatura, de graduação BUARQUE, C. A universidade numa encruzilhada.
plena. Brasília. 2001c. Brasília, DF: MEC/UNESCO Brasil. 2003.

______. Resolução CNE/CP N° 1/2002. Institui as CAMARGO, M. S.; LAZARTE, L. O Plano Orientador
Diretrizes Curriculares Nacionais para a da Universidade de Brasília de 1962 e suas
Formação de professores da Educação Básica, em repercussões na universidade brasileira atual. In:
nível superior, curso de licenciatura, de VILLAR, J. L; CASTIONI, R. Diálogos entre Darcy e
graduação plena. Publicada no Diário oficial da Anísio: o Projeto da UnB e a Educação Brasileira.
União, em 09 de abril de 2002. Seção 1, p. 31. 1 ed. Brasília, DF : Verbena Editora. 2012.
Republicada por ter saído com incorreção do
original no D.O.U de 04 de março de 2002. Seção CARNEIRO, A. L; CRUZ, C. G. M. Apresentação.
1, p. 8, Brasília, 2002a. Educar em revista. No.11. p. 95-100. 1995.
Disponível em:
______. Resolução CNE/CP N° 2/2002. Institui a <https://revistas.ufpr.br/educar/issue/view/156
duração e carga horária dos cursos de 1> Acesso em: 10.05.18.
licenciatura, de graduação plena, de formação de
professores da Educação Básica em nível CEANA, F. Literature review Teachers’ core
superior. Brasília, 2002b. competences: requirements and development.
Education and Training 2020 Thematic Working
______. Resolução CNE/CES No 18/2002. Group ‘Professional Development of Teachers’.
Estabelece as Diretrizes Curriculares para os European Commission. 2011. Disponível em:
cursos de Letras. Brasília. 2002c. <http://ec.europa.eu/assets/eac/education/exp
erts-groups/2011-2013/teacher/teacher-
______. Portaria INEP No. 564, de 18 de competences_en.pdf> Acesso em: 20.08.18.
dezembro de 2015. Publica os resultados do
Índice Geral de Cursos Avaliados da Instituição CESCO, S; MOREIRA, R. J.; LIMA, E. F. N..
referente ao ano de 2014 (IGC-2014), conforme Interdisciplinaridade, entre o conceito e a prática
Anexo I, e os resultados do Conceito Enade 2014 um estudo de caso. Revista Brasileira de Ciências
e do Conceito Preliminar de Curso referente ao Sociais. Vol. 29, N° 84. p. 57-203. 2014.
ano de 2014 (CPC-2014). Diário Oficial da União.
Brasília, 22 dez. 2015. p. 75-172. 2015b CETIC.BR. TIC Educação: Pesquisa sobre o uso
das tecnologias da Informação e comunicação
______. Resolução CNE/CP 2/2015. Define as nas escolas brasileiras – 2016. São Paulo: Comitê
Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação Gestor da Internet no Brasil. 2017.
inicial em nível superior (cursos de licenciatura,
cursos de formação pedagógica para graduados e CETIC.BR. Panorama Setorial da Internet: Acesso
cursos de segunda licenciatura) e para a à internet no Brasil: desafios para conectar toda
formação continuada. Diário Oficial da União. a população. 2016. Disponível em:
Brasília, 2 jul. 2015, seção 1, p. 8-12. 2015a. <https://www.cetic.br/media/docs/publicacoes/
6/Panorama_Setorial_11.pdf> Acesso em:
______. Ministério da Educação. Documento de 20.06.18.
área: Letras e Linguística - 2016. Coordenação de
Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. CHESNAIS, F. Um programa de ruptura com o
Diretoria de Avaliação. Disponível em: neoliberalismo. In: HELLER, A. [ET AL]. A crise dos
https://capes.gov.br/images/documentos/Docu paradigmas em ciências sociais e os desafios para
mentos_de_area_2017/41_LETR_docarea_2016. o século XXI. Rio de Janeiro: Contraponto, 1999,
pdf Acesso em: 05.05.18. pp. 77-108

______. Press kit Enade 2017: Indicadores de CHOMSKY, N. Aspects of the Theory of Syntax.
qualidade da Educação Superior. 2018a. Cambridge, MA: MIT Press. 1965.

134
COLE, M; BRUNER. J. S. Cultural differences and /Biblioteca/Gest%C3%A3o/pesquisa_computad
inferences about psychological processes. ores.pdf> Acesso em: 20.04.17.
American Psychologist. 26. p. 862-876. 1971.
FURG. Programa de Pós-Graduação em Letras.
COLE, M; GRIFFIN, P. Cultural amplifiers 2018. Disponível em:
reconsidered. In: OLSON, D. R. The social <http://www.ppgletras.furg.br/informa%C3%A7
foundations of language and thought. New York: %C3%B5es-gerais/hist%C3%B3rico.html> Acesso
Norton. p. 343-346. 1980. em 26.01.18.

CURY, C. R. J. Avanços e desafios da LDB. Revista ______. Projeto Político-pedagógico: curso de


PUC Minas. No. 14. 2016. Disponível em: Letras/Português/Inglês. 2012. Disponível em:
<http://www.revista.pucminas.br/materia/avan https://prograd.furg.br/images/Letras-Portugus-
cos-e-desafios-da-ldb/> Acesso em: 20.08.18. Ingls.pdf> Acesso em 29.06.18.

GARDNER, H. Frames of mind: The theory of


DAVIES, K; SEIDER, S; CHRISTODOULOU, J; multiple intelligences. New York: Basic Books.
GARDNER, H. The Theory of Multiple 1983.
Intelligences. In: STERNBERG, R.J; KAUFMAN S.B.
Cambridge Handbook of Intelligence. Cambridge GARDNER, H. Multiple intelligences: New
University Press. 2011. p.485-503 horizons. New York: Basic Books. 2006.

DEMO, P. A nova LDB: ranços e avanços. 13 ed. GEE, J. P. A situated-sociocultural approach lo


Campinas, SP: Papirus, 2002. literacy and technology. In: BAKER, Elizabeth A.
(Eds.). The new literacies: multiple perspectives
DIAS, I. S. Competências em Educação: conceito on research practice. New York: The Guilford
e significado pedagógico. Revista Semestral da Press, 2010. p. 165-193.
Associação Brasileira de Psicologia Escolar e
Educacional, SP. Vol. 14, No. 1. p. 73-78. 2010. GIBSON, J. J. A Preliminary Description and
Classification of Affordances (1971). In: REED. E;
DIAS, M. C. P. Cognição e modelos JONES, R. (Eds.) Reasons for Realism. Hillsdale,
computacionais: duas abordagens. Veredas. Vol. NJ.: Lawrence Erlbaun Associates. 1982.
4, No. 1 p. 31-41. 2000. Disponível em <
https://commons.trincoll.edu/purpleperils/1970
FEILITZEN, C; CARLOSSON, U. A criança e a -1971/a-preliminary-description-and-
violência na mídia. São Paulo: Cortez, 1999. classification-of-affordances/> Acesso em:
05.04.18.
FISCHER, R. M. B. Televisão & educação. Belo
Horizonte: Autêntica, 2002. GIBSON, J. J. The ecological approach to visual
perception. Hillsdale: Lawrence Erlbaum. 1986.
FREEMAN, D. Teacher training, development and
decision making: A model of teaching and related GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa.
strategies for language teacher education. TESOL São Paulo: Atlas, 2002.
Quarterly, XXIII (1), 28-46, p.39. 1989. Disponível
em: < GOMES, F. W. B. G. Trajetórias de apropriação de
https://www.jstor.org/stable/3587506?seq=1#p vídeos e filmes por um grupo de professores de
age_scan_tab_contents> Acesso em: 25.01.18. lingual inglesa. 2010. 195 f. Tese (Doutorado em
Linguística Aplicada) – Universidade Federal de
FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. São Paulo: Paz Minas Gerais. Belo Horizonte. 2010.
e Terra. 1996.
GOMES, W. B. Relações entre Psicologia e
FUNDAÇÃO VÍCTOR CÍVITA. O uso dos Filosofia: Perspectiva da Psicologia. In: IV
computadores e da internet nas escolas públicas Congresso Norte e Nordeste de Psicologia, 2005,
de capitais brasileiras: Relatório Final. 2009. Salvador – Ba: Anais do IV Congresso Norte e
Disponível em: Nordeste de Psicologia. Salvador – Ba. 2005.
<http://www.smeduquedecaxias.rj.gov.br/nead Disponível em: <http://www.conpsi.psc.br/>
Acesso em: 20.11.17.

135
HALVERSON, C. Activity Theory and Distributed health centers (AHCs). Journal of Clinical
Cognition: Or What Does CSCW Need to DO with Psychology in Medical Settings. 15. p. 18-27.
Theories? Computer Supported Cooperative 2008.
Work 11: 243–267, 2002. Disponível em:
<http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/download KELLY, A. V. O currículo: Teoria e Prática. São
?doi=10.1.1.164.6858&rep=rep1&type=pdf> Paulo: Harbra. 1981.
Acesso em: 14.02.18.
KIRSH, D. Thinking with external representations.
HALVERSON, R. R. Systems of Practice: How AI & Soc. 25. p. 441–454. 2010. Disponível em:
Leaders Use Artifacts to Create Professional <https://link.springer.com/content/pdf/10.1007
Community in Schools. Education Policy Analysis %2Fs00146-010-0272-8.pdf> Acesso em:
Archives. Vol. 11. N. 37. 2003. Disponível em: 26.05.18.
<https://epaa.asu.edu/ojs/article/view/265/391
>. Acesso em: 20.07.18. KIRSH, D; MAGLIO. P. Some epistemic benefits of
action: Tetris a case study. In: KAUFMANN, M.
HALVERSON, R.. R; CLIFFORD, M. A. Evaluation in Proceedings of the Fourteeth Annual Conference
the Wild: A Distributed Cognition Perspective on of the Cognitive Science Society. New York. 1992.
Teacher Assessment. Educational Administration Disponível em:
Quarterly. Vol.42, Issue 4, p. 578-619. 2006. <https://philarchive.org/archive/DAVSEB>
Disponível em: Acesso em 20.06.18.
<https://web.education.wisc.edu/halverson/wp-
content/uploads/sites/33/2012/09/HalversonCli LAKATOS, E. M; MARCONI, M. A. Fundamentos
fford-EAQ. pdf> Acesso em: 10.07.2018. de metodologia científica. 5. ed. São Paulo: Atlas,
2003.
HERRERO, C; BROWN, M. Distributed Cognition
in Community-Based Education. Revista de LEHER, R. A. Desafios para uma educação além do
Psicodidáctica, Vol. 15, No. 2, 2010, p. 253-268. capital. In: JINKINGS, I.; NOBILE, R. (Orgs.).
Disponível em: Mészáros e os desafios do tempo histórico. São
<http://www.redalyc.org/pdf/175/17517246008 Paulo: Boitempo, 2011. p. 159-168.
.pdf> Acesso em: 28.05.18.
LEIS, H. R. Sobre o conceito de
HOLLAN, J; HUTCHINGS, E.; KIRSH, D. Distribuited interdisciplinaridade. Cadernos de pesquisa
cognition: toward a new foundation for human- interdisciplinar em ciências humanas. No. 73. p.
computer interaction research. ACM 1-23. 2015. Disponível em :
Transactions on Computer-human Interaction. 9 https://periodicos.ufsc.br/index.php/cadernosd
(2). p. 174-196. 2000. Disponível em: epes%20quisa/article/viewFile/2176/4455
<https://philpapers.org/archive/KIRDCT> Acesso em 20.08.18.
Acesso em: 01.07.18.
LIMA, M. G. S. B. As concepções/crenças de
HUTCHINS, E. Cognition in the Wild. MIT professores e o desenvolvimento profissional:
Press. 1995. uma perspectiva autobiográfica. Revista
Iberoamericana de Educación. n.º 43/7. 2007.
IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de
Domicílios Contínua 2016: acesso à Internet e à LIMA, T. M. B. Politicas de formação docente e
televisão e posse de telefone móvel para uso tecnologias digitais: o caso do programa de
pessoal (Pnad Contínua – TIC 2016). 2018. informatização das escolas públicas brasileiras
Disponível em: (PROINFO) no estado do Ceará e Bahia (1998-
<https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/media/c 2004). 2006. 200 f. (Doutorado em EDUCAÇÃO_
om_mediaibge/arquivos/c62c9d551093e4b8e9d - UNIVERSIDADE FEDERAL DO CEARÁ,
9810a6d3bafff.pdf> Acesso em: 03.04.18. FORTALEZA. 2006.

JENKINS, H. Cultura da convergência. São Paulo: LOPES, A. C.; MACEDO, E. O Pensamento


Editora Aleph, 2009. curricular no Brasil. In: LOPES, A. C.; MACEDO, E.
(Orgs.) Currículo: debates contemporâneos. São
KASLOW, N. J; DUNN, S. E; SMITH, C. O. Paulo: Cortez, 2002. p.13-54.
Competencies for psychologists in academic

136
LOPES, A. C. Relações macro/micro na pesquisa Cambridge University Press: New York. 1991.
em currículo. Cadernos de Pesquisa, Vol. 36, No. p.17-38.
129, p. 619-635. 2006.
NUNAN, D. Syllabus design. Oxford: Oxford
MACEDO, L. M. Matizes de adequação de um University Press. 1988.
currículo em letras/inglês: um estudo em análise
de currículo da licenciatura. 2016. 93p. PARAÍSO, M.A. Currículo e mídia educativa:
Dissertação (Programa de Pós-Graduação em práticas de produção e tecnologias de
Linguística Aplicada) - Universidade de Brasília. subjetivação no discurso da mídia educativa
2016. sobre a educação escolar. 2002. Tese
(Doutorado) – Faculdade de Educação,
MAYER, R. E. Multimedia learning. New York: Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de
Cambridge University Press. 2001. Janeiro. 2002.

MENEZES, J. E. S. Avaliação de programas PARAISO, M. A. Política da subjetividade docente


educacionais de cunho tecnológico: um modelo no currículo da mídia educativa brasileira. Educ.
de capital intelectual na avaliação do programa Soc., Campinas. Vol. 27, No. 94, p. 91-115. 2006.
nacional de informática na educação. 2002 180 f.
Doutorado (ENGENHARIA DE PRODUÇÃO) - PEA, R. Practices of distributed intelligence and
UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO DE JANEIRO, RIO designs for education. In SALOMON, G. (Ed.),
DE JANEIRO. 2002. Distributed cognitions: Psychological and
educational considerations New York: Cambridge
MÉSZÁROS, I. A educação para além do capital. University Press. 1993. p. 47-88.
2. ed. São Paulo: Boitempo, 2008.
PEREIRA, E. W. ; TEIXEIRA, Z. A. A educação básica
MINSKY, M. The Society of Mind. New York: redimensionada. In: BRZEZINSKI I (Org.). LDB
Simon & Schuster. 1986. Interpretada: diversos olhares se entrecruzam.
São Paulo: Cortez, 1997. p. 83-105.
MONLEVADE, J. A. C. Financiamento da Educação
na Constituição Federal e na LDB. In: PERRENOUD, P. Construir competências é virar as
BRZESZINSKI, I. (Org.). LDB Dez anos depois: costas aos saberes? Pátio – Revista Pedagógica,
reinterpretação sob diversos olhares. São Paulo: No. 11, p. 15-19. 1999. Disponível em: <
Cortez, 2008. http://egov.ufsc.br/portal/sites/default/files/an
exos/29108-29126-1-PB.pdf> Acesso
MOREIRA, A. F. B. Currículos e programas no em:13.06.18.
Brasil. Campinas: Papirus. 1990.
PERRY, M. The application of individually and
MURPHY, R. The Concept of Syllabus Design and socially distributed cognition in workplace
Curriculum Development: A Look at Five Major studies: two peas in a pod? Proceedings of
Syllabus Designs. In: FARAVANI, A; ZERAATPISHE, European Conference on Cognitive Science, 1999;
M; AZARNOOSH, M; KARGOZARI, H. R. (Eds.) Siena, Italy. p. 87-92. Disponível em:
Issues in Syllabus Design. Roterdam: Sense <https://pdfs.semanticscholar.org/3f17/716e09
Publishers. 2018. Disponível em: 8b7cb1766f1fc4f658b52b102b071c.pdf> Acesso
<https://www.sensepublishers.com/media/335 em: 20.05.18.
9-issues-in-syllabus-design.pdf> Acesso em
09.07.18. PINO, I. A lei de diretrizes e bases da educação: a
ruptura do espaço social e a organização da
NILSSON, M; VAN LAERE, J; SUSI, T; ZIEMKE, T. educação nacional. In: BRZEZINSKI, I. (Org.). LDB
Information fusion in practice: A distributed interpretada: diversos olhares se entrecruzam.
cognition perspective on the active role of users. São Paulo: Cortez, 1997
Information Fusion. Vol. 13. Issue 1. p. 60-78.
2012. PRENSKY, M. Digital Natives, Digital Immigrants.
MCB University Press, 2001.
NORMAN. D. A. Cognitive Artifacts. In:
CARROLL, John. M. Designing interaction:
Psychology and the human computer interface.

137
RAMAL, A. C. A nova LDB: destaques, avanços e STAKE, R. E. Investigación con estudio de casos.
problemas. Revista de Educação CEAP Salvador. Madrid: Morata. 1999.
Vol. V. No.17. p. 05-21, 1997.
STREET, B. V. Literacy in Theory and Practice.
RICHARDS, J. C. Curriculum development in Cambridge: Cambridge University Press, 1984.
language teaching. Cambridge: Cambridge
University Press. 2001. STREET, B. V. Social Literacies. Critical
Approaches to Literacy in Development,
ROGERS, E. M. Diffusion of Innovations. 3rd. Ethnography and Education. Harow: Pearson,
Edition. The Free Press. New York. 1983. 1995.

SACRISTÁN, J. G. O que significa o currículo? In: SUAIDEN, E. J. & OLIVEIRA, C. L. A ciência da


SACRISTÁN, José Gimeno. Saberes e Incertezas informação em novo modelo educacional: escola
do Currículo. Porto Alegre: Penso, 2013. p. 16-35. digital integrada. In: MIRANDA, A. & SIMEÃO, E.
Alfabetização digital e acesso ao conhecimento.
SALTZBERG, S; POLYSON, S. Distribuited Learning Brasília: UnB. 2006. p. 97-107.
on the World Wide Web. Syllabus. 9 (1). p. 10-12.
1995. TODOS PELA EDUCAÇÃO. Disponível em:
<https://www.todospelaeducacao.org.br/>
SANTOS, R. Uma análise da implantação do Acesso em: 20.05.18.
programa de introdução de novas tecnologias de
informação e comunicação na escola pública UFC. Programa de Pós-graduação em Linguística.
PROINFO/MEC. 2000. 167 f. Doutorado 2018. Disponível em? <
(ADMINISTRAÇÃO) - UNIVERSIDADE DE SÃO http://www.ppgl.ufc.br/> Acesso em: 10.08.18.
PAULO. 2000.
______. Projeto Político-pedagógico Curso de
SAVIANI, D. A nova lei da educação: trajetória, Letras: Língua Inglesa e suas Literaturas nas
limites e perspectivas. 5 ed. Campinas (SP): modalidades licenciatura e bacharelado.
Autores Associados, 1999. Fortaleza. 2009. Disponível em: <
http://www.prograd.ufc.br/cursos-de-
SAVIANI, D. Histórias das ideias pedagógicas no graduacao/letras-ingles-noturno-fortaleza/ >
Brasil. Campinas: Autores Associados, 2008 Acesso em: 29.07.18.

SCHWARTZMAN, S. Um espaço para a ciência: a ______. Projeto Político-pedagógico Licenciatura


formação da comunidade científica no Brasil. em Letras. Fortaleza. 2005. Disponível em: <
Brasília: Ministério da Ciência e Tecnologia - https://si3.ufc.br/sigaa/public/curso/ppp.jsf?lc=
Centro de Estudos Estratégicos. 2001. pt_BR&id=657461> Acesso em 30.07.18.

SHANNON. C. A Mathematical Theory of UFPEL. Programa de Pós-graduação em Letras.


Communication. The Bell System Technical 2018. Disponível em:
Journal. Vol. 27. p. 379–423, 623–656. 1948. <https://wp.ufpel.edu.br/ppgl/inicio/> Acesso
Disponível em: em: 20.07.18.
<http://math.harvard.edu/~ctm/home/text/oth
ers/shannon/entropy/entropy.pdf> Acesso. Em ______. Projeto Pedagógico do Curso de
10.07.18. Licenciatura em Letras Português e Inglês e
Respectivas Literaturas. 2013. Disponível em:
SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma <https://wp.ufpel.edu.br/ingles/files/2015/11/P
introdução às teorias do currículo. Belo PC-L-INGLES-2013.pdf> Acesso em: 19.07.18.
Horizonte: Autêntica, 1999.
UFPR. Letras: Universidade Federal do Paraná.
SNYDER, I. A. The Literacy Wars. Why teaching 2018a. Disponível em:
children to read and write is a battleground in http://www.humanas.ufpr.br/portal/letrasgradu
Australia. Allen & Unwin: Crows Nest, Australia. acao/?page_id=20 Acesso em 10.08.18.
2008.
______. Programa de Pós-graduação em Letras.
2018b. Disponível em:

138
http://www.pgletras.ufpr.br/ Acesso em Landscapes and Trends. Springer: Dordrecht.
05.07.18. 2004.

______. REGIMENTO INTERNO DO PROGRAMA VEIGA, I. P. A. Projeto Político-Pedagógico da


DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LETRAS DA Escola: uma construção possível. Campinas:
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ. 2012. Papirus, 1995.
Disponível em: http://www.pgletras.ufpr.br/
Acesso em 05.07.18. VYGOTSKY, L. S. Formação Social da Mente, SP:
Martins Fontes. 1999.
UFRN. Programa de Pós-graduação em Estudos
da Linguagem. 2018. Disponível em: VYGOTSKY, L. S. Linguagem, desenvolvimento e
https://sigaa.ufrn.br/sigaa/public/programa/por aprendizagem. São Paulo: Ícone/EDUSP. 1988.
tal.jsf?id=65> Acesso em: 10.08.18.
WARSCHAUER, M. Computer Assisted Language
______. Projeto Pedagógico do Curso de Learning: an Introduction. In: FOTOS, S. (Ed.)
Licenciatura em Letras Inglês. Natal. 2017. Multimedia language teaching, Tokyo: Logos
Disponível em: < International. 1996. p. 3-20. Disponível em:
http://arquivos.info.ufrn.br/arquivos/20122341 <http://www.ict4lt.org/en/warschauer.htm>
819d0c1222780e18d2a54120d/DLLEM_- Acesso em:20.02.18.
_LETRAS.pdf> Acesso em: 30.07.18.
WARSCHAUER, M. Digital Literacy studies.
UFSCAR. Programa de Pós-graduação em Progress and prospects. In. BAYNHAM, M;
Linguística. 2018. Disponível em: PRINSLOO, M. (Eds.) The future of Literacy
http://www.ppgl.ufscar.br/pos- studies. Houndmills, Basingstoke, U.K. Palgrave
graduacao/linhas-de-pesquisa/ensino-e- Macmillan. 2000. Disponível em:
aprendizagem-de-linguas-1/ensino-e- <http://education.uci.edu/uploads/7/2/7/6/727
aprendizagem-de-linguas. Acesso em 25.06.18. 69947/dls.pdf> Acesso em: 05.04.18.

______. Reformulação Curricular: curso de WILLIAM H. S. Knowledge About Out-of-School


licenciatura em letras, habilitação em português- Curriculum. The Educational Forum. 45:2.
inglês, habilitação em português-espanhol. São p. 185-198. 1981.
Carlos. 2008. Disponível em: <
http://www.letras.ufscar.br/letras.pdf> Acesso WOODS, A; LUKE, A; WEIR, K. Curriculum and
em 30.06.18. Syllabus Design. International Encyclopedia of
Education. 2010. Disponível em:
UNB. Programa de pós-graduação em Linguística <https://www.researchgate.net/publication/274
Aplicada. 2018a. Disponível em 73672_Curriculum_and_Syllabus_Design>
<http://pgla.unb.br> Acesso em:29.07.18. Acesso em: 19.06.18.

______. Matrícula web. 2018b. Disponível em: < WUNDT, W. Principles of physiological
https://matriculaweb.unb.br/graduacao/> psychology. 1904. Disponível em:
Acesso em20.08.18. <http://elibrary.bsu.az/books_163/N_152.pdf.>
Acesso em 20.03.18.
VAN DEN AKKER, J. Curriculum Perspectives:
An Introduction. In: _________ Curriculum YIN, R. Applications of case study research.
Beverly Hills, CA: Sage Publishing. 2005.

139
As tecnologias digitais se integram cada vez mais a atividades que envolvem a comunicação, o
lazer, o trabalho, dentre inúmeros outros campos. Em decorrência disso, nos ambientes formais
de aprendizagem elas também têm sido reconhecidas como ferramentas que podem permitir
experiências didáticas bem mais significativas que as ferramentas tradicionais que há tempos
compõem a paisagem escolar. No ensino de línguas estrangeiras, por exemplo, as ferramentas
digitais podem motivar e promover oportunidades de interação e o contato com culturas e
amostras de linguagem diversas, de modo que já parece ser senso comum que as demandas
relativas ao uso crítico de tecnologias precisam ser abarcadas pela educação básica e superior.
Apesar disso, na prática parece que tais ferramentas ainda não fazem parte das atividades
escolares do cotidiano, embora programas escolares de inserção tecnológica tenham sido
financiados por iniciativas públicas e privadas no contexto brasileiro nas últimas duas décadas.
Isso leva a questionamentos sobre o modo como professores têm sido formados nos cursos de
licenciatura para lidarem com alunos e com contextos de ensino imersos em tecnologias. A partir
dessa indagação, este livro traz reflexões sobre o papel das tecnologias digitais na sala de aula de
línguas estrangeiras, assim como sobre a formação de professores de língua inglesa. Nele,
também apresentamos os dados de uma pesquisa de pós-doutorado (PNPD/CAPES) conduzida no
âmbito do Programa de Pós-graduação em Linguística Aplicada da UnB. No estudo, foram
analisados currículos dos cursos de licenciatura em Letras Inglês e de pós-graduação sticto sensu
de 7 universidades federais brasileiras com o objetivo de verificar o modo como competências
voltadas à formação de professores letrados digitalmente são fomentadas em algumas
universidades do país. A partir dos pressupostos dos Multiletramentos, do Letramento Digital e
da Teorias Sociocultural, defendemos a perspectiva de que a formação de professores reflexivos
e conscientes de seu papel enquanto agentes de mudança é um dos passos essenciais para o
desenvolvimento de alunos igualmente críticos e atuantes, capazes de usarem tecnologias como
ferramentas para marcar seu lugar no mundo.

140