Você está na página 1de 1

Industrialização e impacto ambiental

A industrialização, enquanto processo através do qual o setor industrial ganha preponderância


e se torna o mais dominante no panorama da atividade económica, acarreta um conjunto de
decorrências ambíguas no que de toca à natureza benéfica ou perniciosa dos seus efeitos.
Transferindo a tónica da economia de atividades de calibre agrário e comercial para outras
associadas aos centros urbanos e à produção em massa, a industrialização imprime um conjunto
de transformações flagrantes no ambiente e na sociedade, variações estas que servirão de
objeto de estudo deste trabalho, o qual, embora se baseie na tese de que, numa abordagem
abrangente, a industrialização é benéfica, necessita de ser limitada.
Implementando todo um procedimento de mecanização e de automatização de fabrico, a
industrialização abre caminho a um crescimento exponencial da produção. Por conseguinte, há
uma utilização excessiva dos recursos naturais que sustentam essa mesma produção,
provocando muito frequentemente o esgotamento das suas reservas, cujo ritmo de reposição
natural é bastante mais lento do que o da sua utilização. Desta forma, a industrialização, na
sequência da manutenção do lucro num certo nível, promove uma degradação ambiental que
não conhece limites, caso as regulações legislativas não sejam estritas o suficiente.
Um dos aspetos adjacentes a industrialização que mais se pode salutar prende-se com o facto
de, desde o seu surgimento até a realidade contemporânea, ter deslocado um número
considerável de pessoas de empregos precários e desgastastes para outros que implicam uma
menor carga de trabalho, passando a população a auferir um salário que permite uma vida mais
condigna, mesmo que estas reivindicações só tenham sido correspondidas após anos de lutas
laborais.
Com o aparecer da industrialização, potencia-se a globalização e torna-se mais prático o
processo de interação entre nações. Assim, através da coexistência de ideias e ideais
naturalmente distintos, ocorre a intensificação das trocas comerciais entre países, onde as
constantes evoluções tecnológicas permitem o crescimento na dimensão económica.
Mediante as necessidades da expansão industrial do Homem, são necessários espaços onde
se irão assentar as futuras fontes de produção. Com a diminuição de espaço disponível dentro
das zonas industriais, é encontrado lugar para novos empreendimentos onde outrora habitaram
seres vegetais e animais, destruindo ecossistemas e provocando a extinção de diversas espécies
vegetais e animais.

André Lopes, n.º1 11.° CTC


Duarte Almeida, n.º5 11.º CTC