Você está na página 1de 45

Apresentação do

PROJETO CURRICULAR DE GRUPO


2018-2019

Sala Fixe,
educadora de infância Maria Jesus Sousa 1
DIAGNÓSTICO INICIAL

Caraterização do grupo:
• O grupo que frequenta esta sala atualmente é formado por 23 crianças, de 3, 4, 5 e 6 anos
(idade referente a dezembro 2018), distribuídas como se segue:
Meninos Meninas Totais
6 anos 1 0 1

5 anos 3 4 7

4 anos 10 1 11

3 anos 2 3 5

• Seis crianças frequentam a sala pelo terceiro ano consecutivo, doze pelo segundo, sendo
que o grupo integrou cinco crianças novas de 3 anos de idade.

2
DIAGNÓSTICO INICIAL

• A caraterização inicial do grupo baseou-se em procedimentos sistemáticos de observação


e escuta, tendo por referência as Áreas de Conteúdo definidas nas Orientações Curriculares
para a Educação Pré-Escolar (OCEPE), documento reformulado em Julho de 2016.

• Trata-se de um grupo muito heterogéneo, com um amplo leque de idades em presença, mas
pouco equilibrado em termos de género, sendo claramente predominante o masculino; são
crianças ativas, algumas impulsivas, com uma capacidade de atenção/concentração ainda
limitada; são interessadas e bastante participativas em todas as propostas feitas ao grupo.

3
DIAGNÓSTICO INICIAL

Principais Necessidades Detetadas:


• Promoção da autonomia e da independência pessoal quanto à higiene e à alimentação
• Melhoria da capacidade de atenção/concentração e do tempo de permanência nas atividades
• Desenvolvimento do sentido da responsabilidade e da capacidade de empenho/persistência
• Aumento do nível de envolvimento e participação ativa
• Desenvolvimento da capacidade de partilha e prática de trabalho/brincadeira colaborativos
• Maior responsabilidade no planeamento individual, com utilização adequada do Quadro de
Atividades, evitando mudanças de área com demasiada frequência, sem concluir as atividades
e sem arrumar
• Maior iniciativa na concretização de ideias, projetos, pesquisas e investigações
• Resolução autónoma e pacífica de pequenos problemas/conflitos do dia-a-dia
• Adoção de uma postura sentada correta, nos momentos de reunião do grupo e nas atividades
realizadas na mesa

4
FUNDAMENTAÇÃO DAS OPÇÕES EDUCATIVAS

• A Lei–Quadro da Educação Pré–Escolar estabelece, no seu princípio geral, que esta


constitui (...) a primeira etapa da educação básica no processo de educação ao longo da
vida (...) ”, pelo que a responsabilidade atribuída ao educador de infância se encontra
acrescida, na medida em se reconhece que dele depende algo de muito ambicioso:

“ (...) a formação e o desenvolvimento equilibrado da criança, tendo em vista a sua plena


inserção na sociedade como ser autónomo, livre e solidário.”

5
METODOLOGIA

A Educadora titular do grupo não se fundamenta numa teoria única:

• Procura adotar uma linha pedagógica baseada no Construtivismo e orientada pelos


princípios da Pedagogia-em-participação, reforçando uma perspetiva de Educação para a
Diversidade (em que cada um é valorizado pelas suas diferenças, procurando não educar a
todos como se fossem um só).

• Assim, partindo da construção deste documento como orientador das práticas,


abrangente, contextualizado e aberto, inspirações metodológicas como o Movimento da
Escola Moderna, a Abordagem Pedagógica de Reggio Emilia, ou a Metodologia de Trabalho
de Projeto surgem entrelaçadas na estruturação do trabalho pedagógico.

6
METODOLOGIA
A organização do grupo:

• A estrutura organizativa do grupo de crianças em contexto de sala permite que desenvolvam


diversos tipos de interações, importantes e significativas para o seu desenvolvimento
harmonioso:

• Momentos de atividade individual

• Momentos de atividade em pares / pequenos grupos

• Momentos de atividade em grande grupo

• Estabelecem-se ainda interações com adultos significativos da sala (educadora, estagiárias e


assistentes) e da restante instituição, a comunidade escolar da EB1, para além de parceiros e
amigos externos.

7
METODOLOGIA

Projetos e parcerias
O grupo está atualmente envolvido em alguns projetos de iniciativa interna (AEMO) e externa:

• Projeto de Expressão Musical “Ao ritmo da música” – da responsabilidade da Câmara Municipal e Academia
de Música de Viana do Castelo, no âmbito do qual as crianças têm uma aula de música semanal, com a
duração de 60 minutos.

• Projeto de Iniciação à Patinagem – da responsabilidade da Câmara Municipal, proporcionará às crianças de


5/6 anos uma sessão semanal de 45 minutos durante o segundo período letivo.

• Projeto eTwinning – uma ação do Programa Erasmus Plus da União Europeia –“Seasonal Art” com 6
parceiros de países como Espanha, Itália, Irlanda, Reino Unido, Roménia e Alemanha.

• Projeto(s) de empreendedorismo “Viagem de Barco” (que inclui uma aula de judo e uma ida à piscina) uma
parceria com a Escola Superior de Educação de Viana do Castelo, da qual recebemos as estagiárias do 4º
ano do Curso de Mestrado em Educação Pré-escolar e Primeiro Ciclo.

8
A ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO
A organização do espaço:
• A divisão em áreas e a colocação dos diversos materiais é uma das primeiras formas de
intervenção da Educadora. Assim, a sala está dividida em espaços de atividade diferenciados,
devidamente demarcados e identificados. São eles:
• A Mesa Grande, de reunião do grande grupo e onde se desenvolvem as atividades ligadas
às áreas de expressão:
• Desenho
• Recorte e Colagem
• Modelagem
• Área da Casinha da Boneca
• Áreas de Jogos
• Área da Biblioteca
• Área das Ciências
• Área dos Projetos
• Área da Pintura
• Área do Computador
• Área da Paz
9
A Área da “Mesa Grande”

10
A Área da Mesa Grande

É a área central da sala porque:

• É aqui que todos se reúnem diariamente, para conversar, trocar opiniões, ouvir uma
história, cantar uma canção ou aprender uma lengalenga, resolver problemas e planear em
conjunto as atividades do dia;

• É também o local de onde se consultam os Quadros de Responsabilidade, que são os


instrumentos de gestão partilhada que ajudam a gerir o dia-a-dia de forma autónoma e
responsável, favorecendo o desenvolvimento equilibrado de cada criança e a sua
integração num grupo de pares.

11
A Área da “Mesa Grande”
Instrumentos de gestão partilhada

12
Área da casinha da boneca
(faz-de-conta)

13
Área da casa da boneca
(faz-de-conta)
É constituída pela Cozinha e pelo Quarto da Boneca;

• Permite que as crianças participem colaborativamente em atividades de jogo simbólico,


imitação de adultos que observam no dia a dia e de desempenho de papeis: ser a mãe, o pai, o
bebé ou o Sr. Doutor…

• Promove o desenvolvimento de competências básicas como a linguagem oral, o respeito pelos


outros, a gestão autónoma de conflitos, a auto-estima e a capacidade de iniciativa e
independência pessoal.

14
Áreas de Jogos
(de mesa e de chão)

15
Áreas de Jogos
(de mesa e de chão)

Incluem Jogos de mesa (jogos calmos como puzzles, lotos, dominós, enfiamentos, encaixes,
sequências lógicas, etc.) utilizados sobre uma mesa e Jogos de Chão (construções com blocos
diversos, Legos, peças em madeira, pista, carrinhos, figuras de bonecos, animais, etc.)
normalmente usados no chão.

Estas atividades permitem que a criança desenvolva a coordenação óculo manual, a


motricidade fina, a classificação e a seriação, a cooperação em grupo, a gestão de conflitos,
etc…

16
Áreas de Expressão

Pintura
Desenho, recorte, colagem e modelagem

17
Áreas de Expressão
Incluem o desenho, a pintura, o recorte, a colagem e a modelagem, recorrendo a
técnicas o mais possível diversificadas, que contribuem para que a criança desenvolva:
• a atenção / concentração / capacidade de envolvimento na tarefa
• a autonomia e a responsabilidade
• a capacidade de utilizar de forma adequada diversos materiais
• a responsabilidade de terminar as tarefas que inicia
• habilidades básicas como desenhar, recortar, colar, pintar, modelar
• a fruição e o sentido estético e artístico.

18
Área da Biblioteca

19
Área da Biblioteca

Numa biblioteca, a criança em idade pré-escolar gosta de ouvir histórias, de manipular livros, de
jogar com sons e palavras e assim familiarizar-se com o código escrito

• Nesta idade só sabe “ler” histórias com imagens, pelo que se deve adaptar o texto ao seu
nível de compreensão e guiá-la na sua relação com o livro, “esse amigo que a irá
acompanhar pela vida fora…”

• Aqui se desenvolve a imaginação e criatividade, o gosto precoce pela leitura, o interesse e a


iniciação ao código escrito, a correção da linguagem oral, a capacidade de se expressar de
forma desinibida, etc.

20
Área das Ciências

21
Área das Ciências

• Trata-se de um espaço equipado com materiais diversificados que apelem à curiosidade e à


experimentação, como, por exemplo: Seres vivos (cuidar de plantas e animais) ; Coleções de
materiais (metal, plástico, áspero, macio, magnético, sementes, conchas, pedras…);
Equipamentos para observar de perto e de medição (lupas, cronómetros, termómetros…);
Recursos científicos específicos (ímanes, lâmpadas, espelhos, lentes, lanternas…)

22
Área dos projetos

23
Área dos projetos
• É a área polivalente da sala, onde existem materiais que apelam à criatividade e permitem
criar pequenos projetos individuais, em pares ou pequenos grupos.
• A metodologia de trabalho de projeto será a usada preferencialmente na sala, sempre que
as diversas situações se possam estruturar neste formato;
• Os miniprojetos (numa perspetiva Reggio Emilia) muitas vezes individuais, também são
incentivados, ajudando as crianças a ter iniciativa, a aprender a planear o seu trabalho,
decidindo como fazer e o que é necessário e resolvendo os pequenos problemas que vão
surgindo ao longo do percurso;
• Assim, as crianças conquistam maior autonomia e responsabilidade e desenvolvem as suas
capacidades de envolvimento nas tarefas, empenho, atenção e concentração, tão
importantes para o seu futuro;
• Sendo projetos partilhados por mais crianças, ainda reforçam a socialização, ganham
competências de gestão de conflitos e habituam-se a trabalhar de forma colaborativa.

24
Área do computador

25
Área do computador

As Tecnologias têm provocado mudanças na Educação, por isso a integração do computador e da


Internet contribuem para a criação de novas estratégias de ensino-aprendizagem…

• Não substituem a experiência direta, a exploração, a observação do meio ambiente e do


próprio corpo, imprescindíveis nesta fase do desenvolvimento.

• A tecnologia assume o papel de aliada de todas as atividades desenvolvidas, dada a natural


apetência que quase todas as crianças parecem ter para a sua utilização precoce.

• A consulta ao Bloguefólio e a outros blogues, a pesquisa, as mensagens de e-mail e os jogos


interativos são para já as situações mais frequentes com as crianças. A utilização do
facebook , do instagram ou do twitter agiliza o contacto com os adultos.

26
Área da paz

27
Área da paz
Tem diversos materiais para explorar e aprender a usar: uma caixinha de música, uma
ampulheta, um espelho, um pote da calma, um globo de neve, um conjunto de imagens das
diferentes emoções (medo, tristeza, felicidade, surpresa, nojo/aversão, raiva, desprezo,
felicidade), mandalas da paz para colorir, uma caixinha com cartões de estratégias para
acalmar, um pau de chuva, um caleidoscópio, um sino, um saquinho de aroma de rosas...
Quando nos sentirmos aborrecidos, nervosos, preocupados ou estivermos muito agitados,
esta área pode dar-nos uma ajuda, para aprendermos a encontrar a nossa paz no coração.
Também serve para realizarmos atividades que necessitam de silêncio

28
Interagimos, escutamos, dialogamos, colaboramos, brincamos, jogamos, mexemos, cantamos,
dançamos, tocamos, fazemos experiências, matematicamos, aprendemos e descobrimos o mundo…

29
Tomamos o pequeno-almoço (e de pijama!), lanchamos, festejamos aniversários, almoçamos,
passeamos, dormimos a sesta, criamos… e até já fomos à caça do urso!

30
A ORGANIZAÇÃO DO TEMPO

O dia-a-dia no Jardim de Infância encontra-se organizado sob a forma de Rotinas, que ajudam a
criança a sentir-se segura, contribuindo para a sua estabilidade afetiva. Assim, existem rotinas :
DIÁRIAS SEMANAIS

Acolhimento
Marcação da presença no Quadro das Presenças 2ª - Novidades e Histórias
Distribuição de tarefas:
Cantar os bons-dias com um amigo à escolha 3ª - Caixinha das Surpresas
Contagem dos presentes e ausentes
Preenchimento do Quadro Semanal 4ª - Educação física
(ano, mês, dia, dia da semana, Projeto de Iniciação à Patinagem
tempo que faz, atividade e ementa do dia) 5ª - Projeto de expressão musical
Mudança do dia no calendário
Distribuição de mochilas para o lanche 6ª - Organização, distribuição, contagem e registo
das produções individuais

31
A ORGANIZAÇÃO DA EQUIPA

• O Pessoal Docente do Jardim de Infância (JI) é formado por duas Educadoras de Infância
titulares de grupos. Temos ainda no contexto duas estagiárias do Curso de Educação Básica –
Mestrado Pré-escolar / Primeiro ciclo da ESE de Viana do Castelo.
• Na EB1 o Pessoal Docente é constituído por três professores titulares de turma e duas
docentes de apoio (EI e AE).
• O Pessoal Não Docente é constituído por uma Assistente Técnica que exerce as funções de
animadora nas Atividades de Animação e Apoio à Família (AAAF, vulgo Prolongamento de
horário) e ainda três Assistentes Operacionais, duas delas de apoio às salas e uma à cantina e
às AAAF, duas cozinheiras e outras duas Assistentes Operacionais de apoio ao primeiro ciclo.

32
INTENÇÕES DE TRABALHO PARA O ANO LETIVO

Estrutura curricular definida nas três Áreas de Conteúdo:

• Construção da Identidade e • Introdução à metodologia • Domínio da Educação Física


Autoestima científica • Domínio da Educação Artística
• Independência e Autonomia • Abordagem às Ciências (artes visuais, jogo dramático,
• Consciência de si como (Conhecimento do mundo social, música e dança)
aprendente físico e natural, do mundo • Domínio da Linguagem Oral e
• Convivência democrática e tecnológico e utilização das abordagem à Escrita
cidadania tecnologias) • Domínio da Matemática

Formação Conhecimento Expressão e


Pessoal e Social do Mundo Comunicação

33
Área de Formação Pessoal e Social

É uma vasta área de conhecimento que integra a complexidade dos processos de construção da
individualidade da criança e da formação de valores, cuja finalidade é o desenvolvimento pleno e
harmonioso dos indivíduos, num mundo em permanente mudança:

• Construção de identidade e autoestima (caraterísticas pessoais, identidade social e


cultural, laços de pertença social e cultural)
• Independência e autonomia (cuidar de si – segurança, bem-estar – fazer escolhas,
decisões, assumir responsabilidades)
• Consciência de si como aprendente (cooperar com outros, usar estratégias para resolver
dificuldades, participar nas decisões sobre a aprendizagem)
• Convivência democrática e cidadania (respeito pela diversidade, solidariedade, atitude
crítica e valorização do património natural e cultural)

34
Área de Conhecimento do mundo

Esta área possibilita à criança conhecer melhor o meio que a rodeia, quer ao nível dos
recursos humanos, quer dos físicos e materiais e também o contexto social em que se move.
Permite articular as outras duas áreas, pois é através das relações com os outros que se vai
construindo a própria identidade e se toma posição perante o mundo social e físico:
• Introdução à metodologia científica (questionamento, levantamento de hipóteses,
previsões, experimentação, recolha, organização e análise para chegar a conclusões e
comunicá-las)
• Abordagem às Ciências:
• Conhecimento do mundo social (dados pessoais, parentesco, noções de tempo, presente/passado, papéis
da comunidade, profissões, caraterísticas geográficas, património cultural, diversidade cultural)
• Conhecimento do mundo físico e natural (corpo humano, educação para a saúde, seres vivos,
caraterísticas dos materiais, meio físico e natural, educação ambiental)
• Mundo Tecnológico e utilização das Tecnologias (conhecer e utilizar recursos tecnológicos, desenvolver
um olhar crítico)

35
Área de Expressão e Comunicação
Engloba diferentes formas de linguagem e é a área central dos “conteúdos”.

Como é muito vasta, está dividida em três domínios fundamentais:

• Domínio da Educação Física (Jogos cooperativos, Deslocamentos e Equilíbrios, Perícias e


Manipulações)

• Domínio da Educação Artística:

• Artes Visuais (capacidade expressiva e criativa, apreciação, uso de elementos da comunicação visual:
a cor, a textura, as formas geométricas, as linhas, as tonalidades, a figura humana e a desproporção e
a proporção natural)

• Jogo dramático/Teatro (jogo simbólico, dramatizações, apreciação do processo de criação teatral)

• Música (identificar e descrever sons, Interpretar cantos rítmicos, jogos prosódicos e canções,
valorizar a música)

• Dança (sentido rítmico, o corpo no espaço, expressão de emoções, movimentos / coreografias) 36


Área de Expressão e Comunicação

• Domínio da Linguagem Oral e abordagem à Escrita:

• Comunicação Oral (compreender, usar em contexto e comunicar eficazmente, de modo adequado


à situação - produção e funcionalidade).

• Consciência Linguística (consciência fonológica – sílabas – e da palavra, reconhecer frases mal


feitas)

• Abordagem à Escrita - Funcionalidade da linguagem escrita e sua utilização em contexto


(funções da leitura e da escrita, usá-las com diversas funcionalidades)

• Abordagem à Escrita - Identificação de convenções da escrita (diferenciar desenho de


escrita, sentido direcional da escrita e relação entre esta e o discurso)

• Abordagem à Escrita - Prazer e motivação para ler e escrever (compreensão, envolvimento,


competência e prazer no uso da leitura e da escrita)

37
Área de Expressão e Comunicação

• Domínio da Matemática:

• Números e operações (identificar quantidades de diferentes formas e resolver problemas)

• Organização e tratamento de dados (recolha e organização de dados de diversas formas)

• Geometria (localização, formas geométricas e figuras)

• Medida (compreender atributos mensuráveis, usar unidades de medida)

• Interesse e curiosidade pela matemática (interesse, curiosidade, competência para resolver


situações-problema)

38
PLANIFICAÇÃO DE ATIVIDADES

• A planificação do trabalho pedagógico a desenvolver com este grupo de crianças é semanal,


para além de tudo aquilo que fica definido no PCG.

• No entanto, dada a opção por uma metodologia construtivista, a planificação não surge como
um documento estanque, antes se assume como uma proposta de atividades / estratégias,
estando aberta a integrar todos os contributos vindos das crianças.

• Assim, o não cumprimento da planificação apenas significa que as iniciativas das crianças
foram mobilizadoras e potenciadoras de aprendizagens significativas.

39
PROCEDIMENTOS DE AVALIAÇÃO

A avaliação no pré–escolar é um processo que envolve “a observação regular e periódica da criança,


numa grande variedade de circunstâncias que sejam representativas do seu comportamento ao longo
do tempo”.

• É neste contexto que surge o Portefólio individual das crianças, dossier demonstrativo do seu
percurso de desenvolvimento (a iniciar no segundo período, no caso das crianças novas).

• É também feito um Registo de avaliação periódica, de que os pais tomam conhecimento.

• As crianças são chamadas, quando possível, a registar a sua Autoavaliação, para introduzir no seu
Portefólio.

40
A RELAÇÃO COM AS FAMÍLIAS

• Baseia-se essencialmente no contacto diário e informal nas horas de chegada e partida das
crianças, no período de atendimento semanal e no “vai-vem”, que leva a casa todos os
recados, mensagens ou informações necessárias e que serve como veículo de comunicação
entre a escola e a família.

• Tem como ponto de encontro virtual o Portefólio Digital do Grupo, o Bloguefólio.

• Sempre que necessário serão realizadas reuniões de pais, a fim de serem tratados assuntos

do interesse de todos.

41
… E OUTROS PARCEIROS EDUCATIVOS

Esta sala colabora com:

• A outra sala de JI do mesmo estabelecimento


• Docentes e alunos da escola do 1º ciclo

• Associação de Pais

• Junta de Freguesia de Vila Franca

• Câmara Municipal de Viana do Castelo

• Agrupamento de Escolas de Monte da Ola

• Outros Jardins de Infância do Agrupamento

• Parceiros eTwinning no âmbito do Projeto Seasonal Art

42
Comunicação de resultados e divulgação da informação
• No que se refere a resultados de avaliação, a comunicação aos pais e encarregados de educação
realiza-se no final de cada período letivo e assume duas formas: a análise do Portefólio Individual da
criança e a consulta da sua Ficha Informativa de Avaliação, para além das essenciais trocas de
pareceres presenciais entre a educadora e os pais.

• Todas as informações relevantes sobre a dinâmica de sala estão no Bloguefólio (http://blogue-


folio.blogspot.com) e nas respetivas páginas (salvaguardando o RGPD):

no facebook https://www.facebook.com/bloguefolio,

no Instagram https://www.instagram.com/bloguefolio/?hl=pt

e no twitter https://twitter.com/#!/bloguefolio

43
PARA CONCLUIR…

• Só uma Educação Pré-escolar de qualidade poderá assumir-se como estrutura de suporte


de uma educação que se desenvolve ao longo da vida, sendo motor de cidadania e alicerce
da vida social, emocional e intelectual, enfim, um todo integrado e dinâmico para todas as
crianças.

• Só através de uma estreita colaboração da instituição com os pais e encarregados de


educação se poderá dinamizar a relação entre os dois contextos sociais que têm a seu
cargo a educação da criança.
44
SALA FIXE
Escola Básica de Calvário - Vila Franca

8 de janeiro de 2019

Muito obrigada pela vossa atenção!

A Educadora,
Maria Jesus Rocha Costa de Sousa
45