Você está na página 1de 14

SISTEMA DE ENSINO PRESENCIAL CONECTADO

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA EM MATEMÁTICA

JOSEMARQUE LIMA DA ROSA

ATIVIDADE INTERDICIPLINAR

Londrina
2018
JOSEMARQUE LIMA DA ROSA

ATIVIDADE INTERDICIPLINAR

Trabalho de Formação Pedagógica em Matemática


apresentado à Universidade Unopar, como requisito
parcial para a obtenção de média bimestral na disciplina
de Atividades Interdisciplinares.

Londrina
2018
3

1 INTRODUÇÃO

Ao planejar uma aula, o educador propõem uma meta e um caminho


que deve percorrer ao longo de um determinado período, sejam para uma aula ou
várias aulas. Porém, é de conhecimento do educador que o planejamento de aula
não é algo fixo e imutável, pois ao trabalhar com a diversidade de alunos presente
em sala de aula e das diversas situações que podem ocorrer no dia-a-dia, o
educador deve estar preparado para reagir a estas situações. Nem sempre o
proposto no papel pode ser aplicado em sala de aula, assim o educador deve ser
flexível e estar ciente que a aula corresponde a um período de tempo variável e que
o conteúdo proposto podem se estender por mais tempo que o programado,
adaptando-se as necessidades dos alunos e a sua realidade.
O planejamento por si só não é garantia que o processo de ensino-
aprendizagem seja efetivo, pois depende do empenho do educador em executar o
proposto em sala de aula e que o processo de ensinar também é um processo de
contínuo de aprendizagem para o próprio educador. O planejamento deve ser
entendido como uma ferramenta metodológica que deve estar em contínua melhoria,
pois a cada aula, deve-se fazer uma reflexão do que foi efetivo ou não, sempre
buscando as falhas e acertos.
Além de um bom planejamento, o educador deve atentar-se que a
construção do conhecimento para os alunos não deve apenas pautar-se somente no
ensino de determinado conteúdo ou disciplina, no contexto da nossa sociedade
atual, é necessário que o conhecimento seja abordado sobre várias visões e
perspectivas diferentes, ou seja, deve ser abordo em uma visão interdisciplinar. A
interdisciplinaridade deve ser entendida como ferramenta que faz a conexão entre
os diversos conhecimentos e disciplinas propostas e que propõem uma relação com
o cotidiano do aluno e a aplicabilidade desses conhecimentos na prática.
Com a interdisciplinaridade o conhecimento é desfragmentado e
promove a interação entre as diversas áreas do conhecimento, assim um bom
planejamento além de ser adequado as necessidades de aprendizado, deve levar
em consideração essas interações e propor meios para que os alunos vejam essas
ligações.
4

2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

2.1 PLANO DE AULA


O planejamento é um processo contínuo de tomada de decisão por
parte dos envolvidos em um processo educativo, tendo como finalidade descrever
qual caminho deve ser percorrido para que determinado objetivo seja alcançado, no
caso da educação, esse processo envolve as diversas situações e possibilidades
para que a educação se desenvolva de maneira que atenda as necessidades da
sociedade e do indivíduo a ser educado e se preocupa que o caminho a ser tomado
por esse processo, o que deve ser apresentado de maneira clara e objetiva. Além
disso, por se tratar de um processo que trata de situações que vão ocorrer, o mesmo
deve ser flexível, pois conforme as necessidades que vão surgindo ao longo do
tempo, são necessárias algumas modificações (CONCEIÇÃO et al.).
Assim, o planejamento é uma forma de todos os envolvidos:
professores, alunos, funcionários administrativos e comunidade, discutirem e
decidirem as metas, finalidades, valores, atitudes e soluções para os problemas
comuns a escola. Dependendo do tipo de planejamento, este pode ser o
planejamento escolar, planejamento educacional, planejamento curricular,
planejamento de ensino. O plano de ensino, assim se desmembra em 3 tipos de
planos: plano de curso, plano de unidade e plano de aula (CONCEIÇÃO et al.).
O plano de aula configura-se de maneira simplificada a um roteiro
organizados semelhante ao um planejamento de ensino, apresentando os mesmos
elementos, porém o mesmo está pautado ao planejamento de uma aula. Na sua
elaboração, deve-se considerar que a aula é um período variável em relação ao
tempo, aos alunos, as possibilidades que podem ocorrer, as necessidades e
interesses envolvidos (CONCEIÇÃO et al.).
O plano de aula pode ser composto pelos seguintes elementos:
justificativa da disciplina; conteúdos; objetivos gerais e específicos; metodologia e
avaliação. Tais elementos devem possibilitar ao professor que o ensino seja
realizado com qualidade, evitando assim a improvisação e rotina (CONCEIÇÃO et
al., TAKAHASHI & FERNANDES, 2004).
Segundo Takahashi e Fernandes (2004) e Castro et al., (2008), os
elementos conceituais de um plano de aula podem ser:
 Estrutura Didática: É a estrutura básica do plano de aula, que
5

serve para orientar a ação do professor.


 Temática/Conteúdo: Consiste no tema de aula proposto, o qual
deve estar vinculado ao conteúdo programático do curso e estar
intimamente relacionado com o objetivo do plano. Deve diagnosticar
a realizada do aluno, se adaptando a essa realidade, podendo ser
mais abrangente ou mais específica;
 Objetivo: Corresponde na descrição do que o aluno devera ser
capaz de realizar com aprender ou realizar conforme o seu
desempenho ao longo das aulas. Consiste em uma antecipação dos
resultados que serão obtidos em relação aos alunos. O objetivo ou
objetivos devem ser claros, simples ou complexos, sempre iniciando
com verbo no infinitivo e devem ser passíveis de serem medidos ao
longo do percurso de aprendizagem, atendo as necessidades de
aprendizagem do aluno e devem estar vinculados ao conteúdo
proposto.
 Metodologia: Compreende as atividades, procedimentos,
métodos, técnicas e modalidades de ensino que são selecionadas
para que o processo de aprendizagem ocorra;
 Avaliação: É o processo de avaliação que acompanha a
aprendizagem, pois é nesse momento que a avaliação serve como
um feedback contínuo para o professor e o aluno.

2.2 IMPORTÂNCIA DA INTERDISCIPLINARIDADE NA EDUCAÇÃO

A interdisciplinaridade é uma forma de entender como diferentes


áreas de conhecimento podem estar ligadas, fazendo uma união entre esses
conhecimentos. De maneira geral, a interdisciplinaridade permite que o
conhecimento anteriormente fragmentado seja ampliado em uma visão mais
complexa, que contempla as diversas interelações entre as diferentes áreas do
conhecimento. É o principal complemento na transmissão do conhecimento escolar,
pois permite que o processo de ensino passe a ser mais interativa, com a
participação ativa do professor, aluno e o próprio contexto escolar (TERREDAS,
2011, FONSECA, et al 2015).
6

Porém para que a interdisciplinaridade seja efetiva, há a


necessidade que o professor faça uso de uma didática ou metodologia que o
aproxime mais dos alunos. Porém esse processo de aprendizagem interdisciplinar
exige que um grande compromisso por parte do professo, pois o mesmo deve estar
preparado para abordar determinado conteúdo de maneira interdisciplinar, assim o
mesmo deve estar sempre se atualizando por meio de pesquisas, sempre buscando
melhorar. Além disso, exige também um grande compromisso do professor com os
alunos, o qual deve estar sempre preparado para as diversas situações que podem
ocorrem em sala de aula (UMBELINO & ZAMBINI, 2014, FONSECA et al., 2015).

2.3 POSSIBILIDADES INTERDICIPLINARES

A área da matemática em conjunto com as questões ambientais


(formação em engenharia ambiental), permite que sejam abordados diversos
problemas ambientais e estes ser relacionados com várias disciplinas, conforme os
exemplos abaixo:
 Reciclagem: pode se abordado a evolução da produção de
resíduos sólidos ao longo da evolução da sociedade e evolução
tecnológica (história), como o tipo de resíduo produzido varia com a
região, clima e o grau de desenvolvimento (geografia, sociologia),
importância da reciclagem para o meio ambiente: poluição (ciências,
biologia), produção de resíduo: reciclagem no Brasil, na escola,
realização de pesquisa (matemática).
 Efeito Estufa: Relação com problemas ambientais (biologia,
ciências), alteração do clima e de ecossistemas (geografia e
biologia), evolução da produção de gases de efeito estufa (história),
processo de produção de gases de feito estufa (química, biologia),
produção anual de gases por pais, grau de desenvolvimento
(matemática, geografia).

Acima são somente apresentados alguns exemplos que podem ser


abordados em sala de aula, mas as questões ambientais por si só é interdisciplinar,
por isso pode ser amplamente utilizada em sala de aula devido a sua grande
importância nos dias atuais.
7

3 PROPOSTA DE TRABALHO DOCENTE

Identificação do Local: Escola Estadual Hugo Simas.


Disciplinas envolvidas: Matemática, biologia, história e química.
Período de realização: 2 meses.
Professores: Josemarque Lima da Rosa, Professo de Química,
Professor de História, Professor de Biologia

Objetivo geral:
 Abordar a temática de saneamento básico envolvendo as
disciplinas de matemática, biologia, história e química.

Objetivos Específicos:
 Apresentar a evolução do saneamento ao longo da evolução
da sociedade humana;
 Conceituar saneamento básico e as implicações para a saúde
pública;
 Apresentar os conceitos gerais de tratamento de água, de
esgoto e coleta seletiva;
 Demonstrar quais são os processos envolvidos no tratamento
de água e esgoto e relacionar com as disciplinas envolvidas;
 Desenvolver os seguintes temas ambientais: reciclagem e
pegada ecológica;
 Aplicar o software Excel para o tratamento de dados e
elaboração de gráficos com os dados obtidos em sala de aula
e pesquisas em casa.

Conteúdos:
 Saneamento na antiguidade.
 Saneamento básico e saúde pública.
 Conceitos gerais sobre saneamento: tratamento de água,
esgoto e coleta seletiva.
 Processos de tratamento de água e esgoto.
8

 Reciclagem e pegada ecológica


 Uso do software Excel para tratamento estatístico e
construção de gráficos

Cronograma
 Atividade 1: Saneamento ao longo da história (3 aulas)
 Atividade 2: O que é saneamento básico e suas implicações
para a saúde pública (2 aulas)
 Atividade 3: Processos de tratamento de água e de esgoto.
 Atividade 4: Conceitos Gerais sobre Reciclagem (2 aulas)
 Atividade 5: Conceitos Gerais sobre Pegada Ecológica (2
aulas)
 Atividade 6: Oficina do Software Excel (4 aulas)

Percurso metodológico:

Atividade 1
Saneamento ao longo da história: Nessa atividade será apresentada
para os alunos uma contextualização sobre como na antiguidade e ao longo do
desenvolvimento das sociedades humanas o saneamento era tratado, desde a
antiguidade: romanos, gregos, egípcios e outros povos da antiguidade, idade média,
os problemas decorrentes da falta de saneamento em cada época, os hábitos de
higiene.
Os alunos serão orientados a anotar durante as aulas, quais são as
suas principais dúvidas e opiniões, para que ao fim das aulas, seja realizado uma
discussão em sala de aula sobre o tema abordado para que posteriormente os
alunos elaborem um texto de autoria própria levantando os principais pontos
abordados nas aulas e as sua impressões.

Atividade 2
O que é saneamento básico e suas implicações para a saúde
pública: nessa parte serão apresentados conceitos gerais sobre saneamento básico
e os principais problemas decorrentes da ausência de saneamento e doenças
9

associadas. Posteriormente, será abordado quais são os principais serviços de


saneamento básico: tratamento de água, coleta seletiva e tratamento de esgoto.
Nessa etapa, os alunos com auxílio do professor realizarão busca
em sites oficiais os principais índices sobre o saneamento no Brasil por região e
seus estados, escolhendo os dados no ano de seu nascimento e dez anos depois,
com os quais serão produzidos relatórios com os dados obtidos.

Atividade 3
Processos de tratamento de água e esgoto: Nessa atividade será
apresentada de maneira simplificada para os alunos os processos físicos, físico-
químicos envolvidos no tratamento de água convencional que ocorre em estação de
tratamento mais comuns no Brasil e os processos físicos, físico-químicos e
biológicos. Nessa atividade os conteúdos por se tratarem de materiais mais técnicos,
serão tratados de maneira simplificada e compatível com os conhecimentos prévios
dos alunos.
Ao fim da atividade, será passado para os alunos a tarefa de fazer
uma pesquisa sobre como é realizado o tratamento de água e esgoto no município e
apresentar na forma simplificada a sequência de cada etapa.

Atividade 4
Conceitos Gerais sobre Reciclagem: nessa parte serão
apresentados conceitos gerais sobre o meio ambiente e os principais problemas
ambientais. Nessa etapa, os alunos serão orientados a pesquisar dados sobre a
reciclagem no Brasil para cada região, onde os alunos serão separados em 5 grupos
conforme as regiões do Brasil.

Atividade 5
Conceitos Gerais sobre pegada ecológica: nessa parte serão
apresentados conceitos gerais sobre pegada ecológica. Nessa etapa, os alunos
serão orientados a entrar no site do WWF e por meio da ferramenta disponibilizada
nesse site calcular a sua pegada ecológica e em casa calcular a pegada ecológica
de ao menos 2 familiares.

Atividade 6
10

Oficina do Software Excel: as atividades serão desenvolvidas na


sala de informática onde inicialmente os alunos serão apresentados ao software
Excel para se familiarizarem. Juntamente com os alunos serão desenvolvidas
atividades para que aprendam as funções básicas de estatística e de construção de
gráficos do software.
A primeira atividade a ser realizada pelos alunos após a
familiarização será a elaboração de gráficos com os dados obtidos na pesquisa
sobre o índice de saneamento básico e sobre a reciclagem em cada região do Brasil
e seus estados. Após a elaboração dos gráficos, os alunos irão elaborar um painel
por grupo apresentando os resultados obtidos e discutindo como que a reciclagem
está na região estudada.
A segunda atividade a ser realizado o tratamento dos dados obtidos
com as pegadas ecológicas de cada aluno e deus seus familiares, para isso serão
separados grupos de 10 alunos para o tratamento dos dados obtidos. Cada grupo irá
fazer a média geral do grupo e dos familiares dos integrantes do grupo, fazer uma
representação gráfica das percentagens das pegadas ecológicas obtidas para o
grupo e seus familiares. Por fim, será elaborado um painel por cada grupo
apresentando os resultados obtidos e um painel geral representando a pegada
ecológica da turma.

Recursos
Datashow, computador com acesso a interne e com software Excel
instalado, cartolina, tesoura.

Avaliação
A avaliação será realizadas por meio da participação dos alunos nas
diversas atividades e na elaboração dos painéis.

Anexos e apêndices
Site:
https://www.wwf.org.br/natureza_brasileira/especiais/pegada_ecologica/

Referências
CAMILLO, C. M. O uso do software Excel no ensino da matemática.
11

Acesso Livre, n. 7, 2017.


MACÊDO, J. S.; SILVA, J. P. A utilização do software Excel no
ensino da matemática. Congresso Nacional de Pesquisa e Ensino em Ciências,
2016. Disponível em:
<http://www.editorarealize.com.br/revistas/conapesc/trabalhos/TRABALHO_EV058_
MD1_SA91_ID2057_14052016143248.pdf>.
12

4 CONSIDERAÇÕES FINAIS

A realização do presente trabalho demonstra que o planejamento de


aula é uma importante ferramenta para os professores no processo de ensino
aprendizagem e que a mesma deve ser levada com seriedade, pois é por meio
dessa ferramenta que pode ser efetivo ou não o processo de aprendizagem,
exigindo assim, o comprometimento e empenho do professor na realização das
atividades propostas e que o mesmo sempre busque a constante melhoria e busca
de novas abordagens e conhecimentos.
Nesse contexto, é necessário o educador ao elaborar um plano de
aula, perceber que o conhecimento é algo que foi construído ao longo da história da
humanidade sempre se valendo das diversas áreas de conhecimento, ou seja, cada
conhecimento não foi construído de maneira isolada e segmentada em áreas e sim
de uma maneira integrada sempre utilizando vários conhecimentos.
Assim, por meio de um plano de aula interdisciplinar é necessário
que percebamos que o aluno nos dias atuais por estarem sempre conectados na
internet e sendo fortemente influenciados pela globalização necessitam que o
aprendizado seja instigante e que este perceba as interrelações entre as diversas
áreas e a aplicação desses conhecimentos na prática e no dia-a-dia. No entanto, o
plano de aula interdisciplinar exige um grande comprometimento do educador, pois o
mesmo irá sair de sua zona de conforto, pois terá que ir atrás de temáticas das quais
não possui um conhecimento aprofundado, necessitando assim da realização de
constantes pesquisas, outro aspecto que deve ser considerado é que o plano de
aula deve estar adaptado a realidade do aluno e sempre em constante melhoria.
13

5 REFERÊNCIAS

CASTRO, P. A. P. P.; TUCUNDUVA. C. C.; ARNS, E. M.; A


importância o planejamento das aulas para organização do trabalho do professor em
sua prática docente. Athena – Revista Científica de Educação, v. 10; n. 10; jan.
2008.
CAVALCANTE, M. Interdisciplinaridade: um avanço na educação.
Disponível em: <<https://novaescola.org.br/conteudo/249/interdisciplinaridadeum-
avanco-na-educacao>>.

CONCEIÇÃO, J. S.; SANTOS, J. F.; SOBRINHA, M. C. A. M.;


OLIVEIRA, M. A. R. A importância do planejamento no contexto escolar. Disponível
em: <https://portal.fslf.edu.br/wp-content/uploads/2016/12/A-IMPORTANCIA-DO-
PLANEJAMENTO.pdf> Acessado em: 28 de abril de 2018.

FONSECA, L. M. B.; MATOS, M. D. G.; OLIVEIRA, E. C. T.;


BARROS, O. S. A interdisciplinaridade e o trabalho docente: uma perspectiva
dialógica nos anos iniciais do ensino fundamental. XII Congresso Nacional de
Educação – EDUCERE, 2015. Disponível em:
<http://educere.bruc.com.br/arquivo/pdf2015/20318_9974.pdf> Acessado em: 30 de
abril de 2018.

TAKAHASHI, R. T.; FERNANDES, M. F. P. Plano de Aula: conceitos


e metodologia. Acta Paul. Enf. São Paulo, v. 17, n. 1, p. 114-118, 2004.

TERREDAS, R. D. A importância da interdisciplinaridade na


educação matemática. Revista Faculdade de Educação. V. 10; n. 16; Jul/Dez
2011.

UMBELINO, M.; ZAMBINI, F. O. A importância da


interdisciplinaridade na formação do docente. Seminário Internacional de
Educação Superior 2014 – Universidade de Sorocaba, Anais Eletrônicos.
Disponível em:
<<https://www.uniso.br/publicacoes/anais_eletronicos/2014/1_es_formacao_de_prof
14

essores/44.pdf>>, Acessado em: 30 de abril de 2018.