Você está na página 1de 252

Exclusive Stars Books

Inteligente, sexy e quente cabeça,


Ela entrou na cidade como um incêndio.
Ela tem segredos, eu posso dizer.
Mas Sydney Banner está mantendo suas cartas perto do peito.

Ela pode lutar tudo o que ela quer,


Mas como o Enforcer para os Lords of Carnage,
Eu tenho um jeito de conseguir o que eu quero.
E eu a quero na minha cama.
Cada. Droga. De. Noite.

Ela diz que não precisa de proteção.


Eu sei melhor.
Meu homem das cavernas interior está em overdrive.
E farei o que for preciso para mantê-la segura.
Eu vim para a pequena cidade de Tanner Springs para fugir do meu
passado.
Eu não estou me escondendo.
Eu sou apenas...
Escapando.
É o que eu digo a mim mesmo.

Brick Malone entrou no meu café um dia, enorme e inflexível como


uma parede.
Ele é mandão, robusto e quente como o inferno.
E ele parece determinado a aprender meus segredos.

Brick pode ser um ex-marine


Mas eu posso lutar minhas próprias batalhas.
Ele não tem ideia do que eu arrisquei para chegar aqui, e não vou
contar a ele.

Não sou uma donzela em perigo. Eu não preciso de salvar.


Mesmo que seu corpo duro e esculpido me faça querer me render ...
Ele não é apenas uma aposta que estou disposto a aceitar.
— Você não tem kolaches? — o homem idoso do outro lado do
balcão bufa para mim.
Uma expressão de confusão cruza meu rosto. — O que é um
kolache? — Pergunto.
O homem revira os olhos azuis aguados. — Todos esses assados.
— diz ele desdenhosamente, apontando para a vitrine. — E não tem
nenhum kolaches.
— Eu sinto muito. — Eu mudo para o meu tom mais paciente. —
Se você puder me explicar o que é um kolache, talvez eu possa lhe
indicar algo no caso que seria semelhante.
Ele zomba. — Nada similar. —Ele me olha com um olhar
fulminante, como se estivesse esperando que eu morresse de vergonha
no mesmo — Eu só vou tomar uma xícara de café preto com um pouco
de creme.
— Claro, senhor. — eu digo alegremente, pegando um copo. Eu
encho com café quente que acabei de fazer e coloquei no balcão. —
Há leite e creme nessas vasilhas ai. — eu digo, apontando para a barra
de condimento. — Então você pode colocar você mesmo.
— Você não tem nenhum Coffee Mate? — Seu rosto vai de azedo
a incrédulo.
Oh senhor.
— Não, me desculpe, nós não. — Eu tento me fazer soar
profundamente apologética.— Há creme, dois por cento e desnatado.
— digo a ele. — E as recargas são gratuitas! Você pode se servir, está
bem ao lado do creme e do leite.
Eu não sei porque eu estava esperando que isso pudesse iluminar
seu humor, mas definitivamente não.
Ele bufa. — Figuras.
Eu nem sei o que ele quer dizer com isso, mas não vou perguntar.
Aparentemente, afundei-me exatamente nas profundezas da
imoralidade que ele espera do dono de um café chique.
Eu olho para ele, tentando não parecer apologética ou defensiva
quando digo a ele o total. É claro pela sua expressão, ele acha que é
uma quantia exorbitante a pagar. Felizmente, porém, ele parece com
raiva o suficiente de mim até agora para não se incomodar em discutir.
Ele puxa uma nota amarrotada do bolso da calça e desliza para mim,
depois fica em silêncio até eu dar o troco. Com um alto clamor, ele sai
sem deixar nem um centavo como gorjeta. Claro.
Meu cliente insatisfeito vai até a barra de condimentos e pega
uma gota de leite desnatado, como se essa gota pudesse envenená-lo.
Então, ele me lança um último olhar desdenhoso, e se aproxima dos
dois homens velhos perfeitamente agradáveis que eu servi alguns
minutos antes, que estão ocupando uma bela mesa ensolarada perto
da janela.
Eu respiro fundo e lentamente deixo ir, em seguida, coloco meu
melhor sorriso de serviço ao cliente no meu rosto e viro para a próxima
pessoa na fila. Por mais que eu odeie admitir isso, sou notavelmente
sem jeito quando se trata de interações como essa. Mas, eu me lembro
pela centésima vez, é parte do curso em trabalhos de atendimento ao
cliente. Você sabia no que estava se metendo quando abriu a Golden
Cup, Syd. Então aperte o botão dourado.
E é verdade. Quando abri a primeira e única cafeteria de serviço
completo em Tanner Springs, achei que, no início, eu teria mais do que
alguns clientes e um pouco de aprendizado. Se eu tivesse algum cliente,
é claro. Felizmente, pareço estar certa de que os moradores desta
pequena cidade acolheriam um novo lugar para se reunir com bons
cafés e pães caseiros. Meu maior medo era que ninguém jamais fosse
à loja e que eu passasse meus dias olhando melancolicamente pela
janela, vendo todo o dinheiro que investi neste lugar ir embora pelo ralo.
Felizmente, isso não aconteceu.
Mas a abertura desta loja não foi tão fácil. E uma das
desvantagens é que alguns dos meus clientes mais velhos, como o cara
rabugento da kolache, por exemplo, estão mais acostumados a tomar
só café. Eles podem ser um pouco difíceis de agradar, para dizer o
mínimo.
Estou ocupada com minhas tarefas matinais e ajudando outros
clientes, observando com alguma satisfação que o cara rabugento
enche seu copo de café não uma, mas duas vezes. A expressão azeda
nunca deixa seu rosto, no entanto. Ficarei surpresa se ele voltar à minha
loja novamente depois de hoje.
O pensamento não me enche exatamente de tristeza.
É um pouco depois das sete e meia da manhã, quando a
programação da manhã começa. Todo dia de semana, de segunda a
sexta-feira, há um surto repentino de agora até quase oito e meia. Um
fluxo constante de arquivos da humanidade pela porta da frente da loja,
cada um deles procurando alimentar seus vícios de cafeína e açúcar.
Há adultos vestidos profissionalmente apressando-se a caminho do
trabalho, e os alunos a caminho da escola antes do primeiro sinal.
Muitos deles eu reconheço, e faço o meu melhor para lembrar detalhes
de conversas passadas e perguntar por suas famílias. Eles parecem
apreciar a atenção, e eu sei que a rotina de nossos pequenos bate-
papos é uma das razões pelas quais eles continuarão voltando para
mais.
Eu trabalho o mais rápido que posso, certificando-me de que a fila
não fique muito longa. Os negócios definitivamente estão melhorando
nas últimas semanas, e está ficando mais difícil para mim lidar com
acorrida matinal sozinha. Eu tenho adiado a contratação de alguém
para me ajudar no período da manhã, embora neste momento, eu
provavelmente possa pagar pouco. Verdade seja dita, eu meio que
gosto da pressa de trabalhar sozinha essas manhãs. Isso me faz sentir
como se eu pudesse lidar com tudo sem fugir para o mato.
Estou esquentando leite para uma ordem de bebidas de café
expresso quando a campainha da loja soa. Eu olho para cima para ver
a figura familiar do meu único empregado, Hailey, entrando.
— Ei, o que você está fazendo aqui? —Pergunto enquanto ela
desliza para trás do balcão. — Seu turno não é até esta tarde.
— Teste de matemática. — ela responde, puxando para baixo um
copo para viagem. — Eu preciso da cafeína.
Hailey pega um latte gelado enquanto eu sirvo outros clientes. —
Além disso, eu queria que você soubesse que vou chegar um pouco
atrasada hoje depois da escola. — ela explica com uma voz irritada.—
Minha amiga Melissa me convenceu a participar de um Comitê de
Atividades Sênior idiota.
— Não há problema. — eu digo. — Basta chegar aqui o mais
rápido possível.
Ela revira os olhos azuis pálidos e tira a franja cor de lilás do
rosto.— Acredite em mim, eu vou. Você é minha desculpa para sair de
lá o mais rápido possível.
Eu rio enquanto olho para um cliente. — Por que você está
fazendo isso, então, se você não quer?
Hailey encolhe os ombros. — Eu não sei. O que posso dizer? Eu
sou uma doadora.
Só então, o telefone toca. Merda. —Você tem tempo para atender
isso, Hailey? — Eu pergunto.
— Claro. — diz ela, pegando o aparelho. — Golden Cup Coffee,
Hailey falando...
A fila de clientes tem seis pessoas para serem servidas agora.
Este é o mais movimentado que eu já estive durante o horário da manhã.
É apenas uma manhã regular de sexta-feira, e não consigo pensar em
nenhuma razão específica para que haja tantas pessoas hoje. Eu sinto
um pouco de entusiasmo pelo meu sucesso, mas rapidamente apago-
o porque há clientes para atender. Eulanço um olhar preocupado para
a vitrinecom alimentos. Já estou ficando sem bolinhos, e me pergunto
se precisarei começar a fazer mais.
Hailey fala mais algumas palavras no telefone e desliga. O sino da
porta toca de novo quando eu me endireito para pegar um muffin de
limão e papoula da vitrine.
— Quem era? — Eu pergunto a ela.
Ela se vira para me responder, mas então seu olhar se volta para
a porta. Seus olhos se arregalam de surpresa. — Vaca sagrada. — ela
murmura. — Quem diabos é esse?
Eu olho de relance para ver quem ela está olhando, e quase
imediatamente os pelos dos meus braços se levantam com arrepios.
O homem em pé na porta é tão grande que ele bloqueia quase
toda a luz que passa por ela. Olhando para ele, a primeira palavra que
vem à mente é sombrio. Seu cabelo é preto como a noite, curto e sem
sentido em um estilo quase militar. A sombra escura de uma barba
acentua sua mandíbula quadrada. Tatuagens enfileiram seus braços
sob as mangas de sua camiseta preta.
Enquanto tento não olhar, os profundos olhos castanhos do
homem se fecham nos meus. Ele me dá um sorriso preguiçoso e sexy.
Eu respiro fundo e dou-lhe um aceno rápido, depois olho para o outro
lado.
Nas duas últimas semanas, essa massa de homem vem à minha
loja todos os dias. Ele sempre pede um café para viagem e, às vezes,
um bolo. Ele anda em uma motocicleta preta e baixa, cujo motor ressoa,
e posso reconhecer imediatamente agora. É um testemunho de quão
ocupada estou hoje que não o ouvi chegar.
O colete de couro gasto que ele sempre usa é adornado com
vários remendos. Eles me dizem que ele é membro de um clube de
motocicletas chamado Lords of Carnage. Um patch1 em seu peito diz:
— Brick. — que eu assumo é o seu nome, ou um apelido. Outro diz a
palavra — Executor.
Eu sei de tudo isso porque passei as últimas semanas olhando
para todos os lados, menos para o rosto dele.
Hailey dá um assobio baixo. — Ele é muito quente. — ela
sussurra.

1
Remendo do clube no colete.
— E um pouco velho para você. — murmuro de volta.
— Bem, talvez. — ela admite. — Mas não para você.
— Ele é um pouco... tatuado demais para mim. — eu respondo,
mantendo a minha voz leve. — Além disso, ele é um cliente.
Ela bufa. — Não é como se houvesse algum tipo de regra contra
se conectar com alguém para quem você vende café.
— Hailey. — eu aviso. — Pare. Eu tenho um negócio para ser
executado. E eu não estou no mercado para um namorado.
— Psh. — ela me impede de falar com um aceno de sua mão. —
Todo mundo fala isso. Mas todo mundo quer.
Eu balanço minha cabeça, e tento não discutir com ela. Eu sei que
quanto menos eu protestar mais rápido ela abandona o assunto e segue
em frente. E eu realmente não estou interessada em discutir minha vida
amorosa, ou a falta dela, com uma estudante do ensino médio. Ou a
relativa sensualidade do meu cliente regular de motocicleta. Hailey tem
dezessete anos, e é muito intrometida para o bem dela.
Além disso, talvez um pouco perceptiva demais.
Porque no fundo, tenho que admitir que suas tatuagens são super
quentes.
HAILEY PEGA o celular do bolso de trás e olha para a hora. —Eu
tenho que ir. — ela murmura. — Vejo você de tarde. — Ela tira algumas
notas e começa a colocá-las no balcão, mas eu a paro.
— Por conta da casa. — digo a ela. — Boa sorte com o teste de
matemática.
— Obrigada. — ela sorri e lança os olhos na direção de Brick. —
Boa sorte com o Sr. Quente.
Eu resisto à vontade de responder e volto a servir os clientes. A
pressa parece estar diminuindo agora, felizmente. Ninguém entrou na
fila atrás de Brick ainda. Eu faço lattes e mochas o mais rápido possível.
O vapor da máquina me aquece e eu começo a suar. Eu posso sentir
os olhos de Brick em mim, e tenho que resistir ao desejo de levantar e
alisar meu cabelo. Um fio de suor desliza entre meus seios.
No momento em que ele chega à frente da fila, eu tenho ensaiado
demais a nossa conversa na minha cabeça o suficiente para que eu não
consiga parecer um idiota completo.
— Bom dia. — eu digo em um tom excessivamente tagarela. —
O habitual?
Ele me dá um meio-sorriso de derreter calcinha. — Eu sou tão
previsível? — Ele pergunta, sua voz um estrondo profundo.
— Café escuro médio, para levar, não há espaço para creme, no
seu copo. — eu recuo automaticamente. — Um muffin de mirtilo, se
você estiver se sentindo bem.
Ele ri, um rosnado baixo e sexy que começa a descer pela
garganta. Isso me lembra estranhamente o som de seu motor de moto.
— Merda, eu acho que sou bastante previsível. — ele diz, inexpressivo,
e me entrega sua caneca de viagem. — Talvez eu precise mudar um
pouco. O que você recomenda? — Ele olha para a vitrine de bolos.
— Bem... — Eu considero as opções. — Acabei de fazer alguns
bolinhos de gengibre com damasco. É o primeiro dia que sirvo eles.
O bolinho é uma espécie de desafio, na verdade. Na minha
experiência, tipos grandes e musculosos como ele tendem a ter uma
alergia congênita a qualquer coisa que considerem feminina ou “fof”a.
É quase como se achassem que seus testículos encolheriam e cairiam.
Brick definitivamente se qualifica como uma dessas pessoas .Mas, para
minha surpresa, ele considera por um momento e então concorda. —
Parece bom. Ok, você venceu. — Ele olha em direção às mesas. — E
eu vou comer o meu bolinho aqui hoje.
— Oh... hum, claro. — eu digo. Ele nunca ficou aqui para comer
antes. Percebo que estou contando os segundos até ele sair da loja e
eu poder relaxar. — Nesse caso, basta escolher um lugar para sentar.
— Dou a ele meu melhor sorriso profissional, imaginando se é muito
grande e se pareço uma maníaca. — Vou levar o café e o bolinho para
a sua mesa em um segundo.
Ele paga em dinheiro e enfia duas notas no pote de gorjeta, depois
se senta numa pequena mesa no canto que tem um jornal sobre ela.
Quando ele se acomoda, os três velhos se levantam da mesa e se
preparam para sair. Um deles, um homem rechonchudo com aparência
de Wilford Brimley e uma coroa de cabelos brancos prateados, me dá
uma despedida amigável.
— Muito obrigado, senhorita. — ele me chama quando chegam à
porta. — Voltaremos em breve!
— Espero que tenham gostado. — digo de volta enquanto ando
em direção à mesa de Brick com seu bolinho e café.
O cara ranzinza fareja enquanto ele segue seus amigos para fora
da porta. — Eu ainda digo, isso não é nenhum tipo de padaria sem
kolaches. — ele anuncia para ninguém em particular, tocando seu
queixo desafiadoramente.
Brick olha para mim com uma carranca.
— Que diabos é um kolache? — ele pergunta.
Nocaute, essa garota é uma merda. Eu sabia desde a primeira
vez que a vi, claro. Mas de perto, sem um vidro entre nós, eu estou
quase deslumbrado com a visão dela.
Eu entrei na Golden Cup pela primeira vez há algumas semanas,
depois de uma noite de festas intensas com os Lords. Eu estava de
ressaca e a caminho do clube para uma reunião matinal que Rock
montou. Minha cafeteira estava quebrada, minha bunda estava se
arrastando, e eu me sentia uma merda. Então, no meu caminho pelo
centro, notei a nova cafeteria e decidi parar.
Acabou que o café era muito bom. Mas a garota servindo para
mim foi ainda melhor.
Eu comprei uma nova cafeteira no dia seguinte, mas ela ainda
está no balcão da minha cozinha na caixa em que chegou. Desde então,
venho aqui à algumas semanas para pegar meu copo de café a caminho
do garagem. Merda, essa garota me faz comer bolinhos. Os irmãos
tiraram muito sarro da minha cara por causa disso, mas foda-se eles.
Esses bolinhos são bons.
Hoje, quando eu cheguei, havia uma fila maior que os outros dias.
A moça do café está trabalhando como uma louca atrás do balcão. Eu
sou o último da fila, mas não me importo de esperar. Isso significa que
eu posso olhar para ela enquanto trabalha na máquina de café
expresso.
No momento em que chego à frente da fila, não há ninguém atrás
de mim, e a loja praticamente está vazia, exceto por um trio de caras
velhos perto da janela.
A ruiva quente inclina a cabeça para mim e me dá um sorriso
surrado de reconhecimento. — O habitual? — ela pergunta.
— Eu sou tão previsível?
— Café escuro médio, para levar, não há espaço para creme no
seu copo. Um bolinho de mirtilo, se estiver se sentindo bem.
Estou indo na loja, para ajudar Hawk a terminar o trabalho em uma
moto que um cliente quer pegar mais tarde hoje. Mas, por algum motivo,
em vez de tomar meu café habitual e ir embora, decido no calor do
momento sentar e ficar por um tempo.

— QUE DIABOS É UM KOLACHE? — Eu repito enquanto ela coloca


meu café e um bolinho na minha frente.
— Hã? — Os olhos da garota se movem da porta para mim,
depois de volta novamente. — Oh. — ela dá de ombros. — Eu acho
que é algum tipo de bolo. — diz ela. — Ele parecia muito chateado por
eu não ter nenhum desses.
De perto, percebo que há um pouco de sardas na ponta do nariz
dela. Eu sempre fui louco por sardas. Enquanto ela ainda está distraída,
eu tomo um momento para olhar para seus seios sob a camiseta branca
simples que ela está usando. Seu cabelo ruivo grosso está puxado para
trás de seu rosto em um rabo de cavalo alto, expondo a pele cremosa
de seu pescoço. Eu quero envolver minha mão em torno dela e puxar
sua cabeça, apenas um pouco. Apenas o suficiente para ver o ponto de
pulsação quando o batimento cardíaco dela acelera.
Meu pau engrossa e se esforça contra o meu zíper.
— Ele parece o tipo de cara que faz de hobby ficar chateado. —
comentei.
Ela balança a cabeça e se vira para mim. — Talvez. — ela
concorda. — Eu simplesmente não gosto quando sinto que desapontei
alguém. Você sabe?
Eu dou de ombros. — Não pode agradar a todos. — eu digo.
Ela sorri. — Bem, agradar a todos é o que faz um negócio de
sucesso.
Eu pego um pedaço do bolinho e coloco na minha boca. Eu
mastigo por alguns segundos, depois levanto as sobrancelhas. —
Droga. Isso é bom.
Ela ri abertamente. — Isso foi falso como o inferno. Você acabou
de dizer isso para me fazer se sentir melhor.
Eu sacudo minha cabeça. — Eu não digo merda que não quero
dizer.
Ela me olha especulativamente e ergue os lábios de morango,
considerando. — Não tenho certeza se eu acredito isso.
— Eu pareço uma pessoa que gosta de agradar? — Eu pergunto
sarcasticamente.
Ela ri novamente, jogando a cabeça para trás e expondo sua
garganta. Foda-se. Meu pau fica instantaneamente duro como uma
pedra. Eu nem sei porque uma garganta faria isso comigo. Mas a dela
faz. Eu quero beliscar a pele. Eu quero sentir as vibrações de seu
gemido contra meus lábios enquanto eu a provoco. Eu quero ouvir sua
respiração ficar presa na garganta enquanto seu pulso começa a
acelerar.
Eu mudo desconfortavelmente, grato pela mesa escondendo
minha óbvia ereção. — Brick. — eu digo em voz alta.
— Eu sei. — Ainda sorrindo, ela acena em direção ao patch no
meu corte.
— Certo. — eu rio. Por um segundo, nenhum de nósdiz nada. —
Então. — eu digo. — Este é o ponto em que você diz: 'Prazer em
conhecê-lo, Brick. Meu nome é…'
Sua expressão vacila por apenas um segundo. Ela morde o lábio
de morango. — Sydney. — diz ela finalmente.
Eu ouço a música do nome dela. É único. E parece se adequar a
ela.
— Como na Austrália?
— Exatamente. — Ela parece surpresa. — Com um Y. Quero
dizer, com dois Y's. Syd.
Eu concordo.
— Brick é seu nome verdadeiro? — ela pergunta.
— É um nome de estrada. Um apelido, eu esclareci.
— Oh. — Depois de um momento, ela pergunta: — Qual é o seu
nome verdadeiro?
Não sei porque não digo a ela que não é da sua conta. Eu penso
sobre isso.
Alguns segundos passam.
— Gavin. — eu finalmente grunho.
Ela leva um momento para considerar isso.
— Prazer em conhecê-lo, Gavin. — ela corrige.
Eu não ouço ninguém dizer meu nome há muito tempo. Parece
estranho ouvi-lo nos lábios dela.
Não tenho certeza de como me sinto sobre isso.
— Você é a dona daqui? — Eu digo, para me distrair.
— Sim. — Um sorriso pequeno e orgulhoso desloca os cantos de
sua boca.
— O lugar parece estar indo muito bem. — comento. — Estava
cheio aqui hoje.
— Obrigada. — Ela fala um pouco com prazer. — Parece que o
movimento da manhã só aumenta a cada semana.
— Isso é ótimo. Você deve estar fazendo algo certo.
— Talvez. No entanto, não tem como saber por agora. — diz ela
com um sorriso triste.
Eu olho em volta. Estamos sozinhos na loja.
— Você é muito jovem para possuir seu próprio negócio. — eu
observo. — Você é algum tipo de garota de fundo fiduciário?
Ela bufa. — Dificilmente.
— Plano de proteção há testemunhas, então. — eu brinco.
Algo em seu rosto se contrai. É quase instantâneo, e abrupto. —
Olha, eu não acho que é realmente da sua conta, não é? — Ela se sente
pressionada.
— Jesus, não precisa me enforcar com sua calcinha. — eu
protesto, levantando as sobrancelhas. Eu não sei o botão que apertei,
mas eu claramente a assustei. Merda, talvez ela realmente esteja na
WITSEC2. — Eu quis dizer isso como um elogio.
— Mesmo? — ela responde com uma careta fria. — Falar sobre
minha calcinha deveria ser um elogio?
Porra, a temperatura nesse lugar diminuiu dez graus. Ela ficou
temperamental por causa do que eu falei.
— Não, não isso, pelo amor de Deus. — digo em frustração. —
Olha, é apenas uma expressão. Me desculpe, ok? — Eu levanto uma
mão em um sinal de trégua. — Se isso faz você se sentir melhor, eu
diria isso para um cara também.
Só então um telefone toca atrás. Ela franze a testae balança a
cabeça. — Desculpe-me. — ela murmura, e se afasta para trás do
balcão. Eu dou outra boa olhada em sua bunda, e também suas pernas
em seus jeans apertados.
E me pergunto que tipo de calcinha ela está usando.
Enquanto ela está falando ao telefone, eu pego meu celular e olho
alguma coisa.
— É tcheco. — eu digo assim que ela desliga.
— O que? — Ela está confusa. Bom. Talvez eu possa distraí-la da
calcinha antes que ela se lembre de ficar irritada novamente.
— Kolaches. — eu digo. Eu mostro meu celular para ela, então
ela olhaa tela. — Diz aqui que eles são um tipo de massa que contém
uma porção de fruta, coberta por uma outra massa bem macia.
Aparentemente, é uma coisa da Europa Oriental. Checoslováquia.
Ela franze o nariz. — Oh.
— Eu acho que não existe por aqui. Nunca ouvi falar disso.
— Eu também. — ela franze a testa. — Embora eu não seja daqui
originalmente.

2
Proteção a Testemunhas.
— Eu percebi. A maioria das pessoas daqui parece conhecer todo
mundo. De onde você é?
— Hum. — Ela ergue um sorriso distraídopega o rabo de cavalo
e começa a brincar com aponta. — Nova Jersey. — Seus olhos se
afastam de mim. Hã. Elarealmentenão parece gostar de perguntas
pessoais. — Você?
— Nova york. Upstate, Perto do lago Seneca.
— Oh, uau, eu estive lá! — A expressão sombria deixa seus olhos
que se tornam repentinamente luminosos. — Meu pai me levo lá uma
vez. É lindo!
— Sim. — eu grunho. Objetivamente, ela não está errada. Minha
mente brilha no lago cristalino da minha infância e imagino como seria
para um estranho: Tranquilo. Calmo. Idílico.
Quase exatamente o oposto da minha infância.
Eu deixo escapar um pequeno bufo enquanto penso nas minhas
principais memórias de morar lá. Meu pai bêbado e idiota. Minha mãe,
que eventualmente começou a beber mais do que ele. As famílias
adotivas que acabei morando porque ela não podia cuidar de minha
irmã e eu depois que meu pai foi para a prisão. A merda da merda que
nossa família foi uma piada. Um gosto amargo sobe na minha garganta,
mas eu o empurro de volta para baixo e tomo um gole do meu café.
Se Sydney percebe qualquer mudança em mim, ela não deixa
transparecer. — Porque você foi embora? — Ela pergunta
inocentemente, e então parece pensar melhor. — Desculpe. — diz ela
com um encolher de ombros. — Isso realmente não é da minha conta.
— Não, está tudo bem. — Eu coloco o copo na mesa. Tenho
certeza de que não vou desfazer minha história de vida para ela, mas
estou acostumado a dar às pessoas a versão limpa. Merda, talvez se
eu lhe der alguns detalhes sobre mim, ela baixará um pouco a guarda e
me contará mais sobre si mesma. — Eu entrei para o serviço militar
após o ensino médio. — eu digo a ela. — Fuzileiros navais. Acabei aqui
em Tanner Springs depois que fui dispensado, porque um amigo meu é
daqui.
Ela levanta uma sobrancelha. — Você era um fuzileiro naval? Por
quanto...
Uma explosão ensurdecedora e um flash ofuscante de luz corta
suas palavras, fazendo-a gritar de susto. Está vindo da cozinha.
E seja o que for, está pegando fogo.
— Jesus. — Brick- Gavin - ruge, pulando de pé. — O que diabos
foi isso?
— Eu não sei! — Eu choro, olhando para trás. Meu coração
começa a correr a cerca de um milhão de milhas por hora. Parece que
está prestes a explodir no meu peito.
Ele está do outro lado da sala em segundos. Atordoadamente, eu
sigo logo atrás, terrivelmente, mas de repente fico feliz por não estar
sozinha na loja. Na cozinha, uma coluna de fogo sai de um dos
queimadores do fogão. Gavin olha em volta e arranca o extintor de
incêndio da parede. Ele puxa o pino, aponta o bocal e aperta a alavanca.
Nada acontece.
— Foda-se. — ele grita. — Onde está o seu bicarbonato de sódio?
Eu começo a contar a ele, mas depois tenho uma ideia melhor. —
Espere! — Eu choro. — Pegue a tampa ali! — Ele olha para onde eu
estou apontando. Eu pego uma luva de forno e cautelosamente estendo
a mão para desligar o queimador, e Gavin pega a tampa grande e plana
e a joga sobre a panela.
E assim, o fogo se apaga, tão rápido quanto começou.
— Puta merda. — eu suspiro, inclinando-me. Eu coloco minhas
mãos em meus joelhos e respiro fundo algumas vezes, desejando não
hiperventilar.
Gavin coloca o extintor no balcão. — Por que diabos você não
tem um extintor funcionando aqui? — ele grita.
Verdade seja dita, eu não sabia que o extintor não funcionava.
Estava bom quando o chefe dos bombeiros testou durante a inspeção.
Mas Gavin falando comigo como se eu fosse uma criança estúpida, e
eu odeio quando as pessoas falam assim comigo. Especialmente
homens.
— Isso teria contaminado toda a cozinha se você tivesse usado.
— eu ofego e respiro fundo para me acalmar.
— Quem diabos é isso? — ele rosna. — Todo esse lugar poderia
ter queimado. Isso também teria sido malditamente - contaminado.
— Bem, isso não aconteceu. — eu respondo com raiva. — Então
estamos bem.
— Jesus Cristo... — ele corre uma mão áspera pelo cabelo
escuro, parecendo que ele está pensando em me estrangular.
— Veja. — Eu me aproximo, inclinando-me para ele e pego um
pequeno objeto de metal do balcão. — Aqui está o culpado. — Eu
estendo minha mão para que ele possa ver. Parece uma grande bala
com uma ponta estourada.
— É um cartucho de óxido nitroso. — explico. — Para o
dispensador de chantilly. Eu devo ter deixado no fogão de alguma
forma. Eu acho que ficou muito perto das chamas e explodiu.
Ele olha para o objeto por um segundo, em seguida, olha para a
parede que tem um buraco do mesmo tamanho na altura do peito. — E
foi ali que bateu quando voou. — diz ele, apontando para o buraco. Pela
primeira vez, noto que a pele nas costas da mão esquerda está
profundamente marcada, como queimaduras que curaram. A cicatriz
continua no meio do seu antebraço, onde é parcialmente obscurecido
por uma elaborada tatuagem, de um crânio meio sombreado.
Eu seguro o objeto até o buraco que ele está apontando e os
comparo. — Sim, aposto que você está certo. — eu digo. — Eu não
lembro daquele buraco estar lá antes.
— Jesus. — ele murmura. — O que diabos você estava fazendo,
Sydney, deixando essa coisa por aí? O que você acha que esse maldito
cartucho teria feito se você estivesse aqui?
— Oh, acalme-se. — eu falo. — Sério, não é grande coisa. Nada
aconteceu. — Ele está me fazendo sentir como uma idiota, e isso só me
deixa mais furiosa.
— Poderia ter pego seu olho. Ou pior.
Eu soltei um suspiro. — Oh meu Deus, acalme-se! Você parece
minha avó.
— Droga, estou falando sério! — Ele me agarra pelo braçoe me
puxa para ele. Estou tão atordoada que nem penso em me afastar. —
E se aquela coisa tivesse te atingido no peito, Sydney? Se fez um
estrago assim na parede, o que teria feito com você? E se tivesse te
atingido aqui? — Seu polegar roça apele logo acima do V da minha
camiseta. — Ou aqui?
— Eu... — eu gaguejo. O choque de seu toque, tão íntimo, envia
uma sacudida através de mim que envia tudo em grande relevo. Com
ele tão perto, seus olhos negros me encarando intensamente, estou um
pouco assustada, e também muito, muito consciente de que estou
completamente sozinha com um homem que mal conheço. Um homem
que irradia absolutamente sexo e poder. Eu posso sentir meu corpo
endurecer, mesmo quando o calor começa a crescer entre as minhas
pernas.
Ele deve sentir que estou com medo dele, porque um segundo
depois ele solta o aperto no meu pulso e empurra um pouco para trás.
— Foda-se. — ele murmura e balança a cabeça. — Olha, me
desculpe. Mas Jesus Você poderia estar a caminho da sala de
emergência agora. Você entende isso, não entende?
Ele está certo, claro. Se eu estivesse na cozinha agora, eu poderia
ter me machucado seriamente, poderia ter me queimado ou pior. Eu
tenho tentado minimizar tudo isso, mas pensar em como eu cheguei
perto de um acidente que mudaria minha vida envia um tremor de
adrenalina atrasada através de mim. De repente, me sinto um pouco
fraca. Meu lábio treme e eu o mordo para que ele não perceba. Eu
respiro fundo.
— Eu entendo que eu poderia ter sido ferida. — murmuro, minha
voz quase quebrando. — Eu só… prefiro não ficar pensando sobre isso.
Isso não aconteceu. Está tudo bem. Essa é aparte importante.OK?
Eu estou esperando que ele grite comigo de novo. Mas ele não
faz. Ele não diz nada, na verdade.
Ele ainda está segurando meu pulso.
Ele me puxa um pouco mais perto. Eu olho para ele para seus
lábios cheios e sensuais. Minha pele começa a zumbir. Meus mamilos
formigam debaixo da minha camisa.
Eu paro de respirar. Eu acho que ele também.
Gavin se inclina para mim. Eu faço um pequeno barulho na
garganta quando minhas pálpebras começam a se fechar.
— Olá? — uma voz chama de fora na loja. Meus olhos se abrem.
Ele não se move. Seus olhos permanecem focadosem mim. Ele
está esperando para ver o que eu vou fazer.
— Já estou indo! — Eu digo de volta. Sem palavras, eu puxo meu
pulso de suas mãos e deslizo para longe dele, com as bochechas
rosadas.

A VOZ na loja pertence à Sra. Bauer, que veio com sua neta
pequena em um carrinho de bebê. Com ela, o fluxo de clientes no meio
da manhã começa, e as mesas começam a se encher com os tipos de
clientes que perduram na conversa e nos doces. Principalmente, são
senhoras mais velhas que entram na loja em pares ou em trios, ou
jovens mãesempurrando carrinhos de bebê em busca de um pouco de
sossego.
É uma pena que o ritmo das pessoas que estão entrando seja
estável o suficiente para evitar ter que enfrentar Gavin novamente,
depois do que quase aconteceu na cozinha.
Porque algo estava prestes a acontecer. E como uma idiota, eu
não faria nada pra parar.
Você pensaria que eu teria aprendido uma ou duas lições sobre
como evitar homens perigosos e situações imprecisas, já que tive
bastante experiência avaliando as pessoas e descobrindo quais delas
eram perigosas e quais não eram. Eu vim para Tanner Springs em
primeiro lugar precisamente para deixar meu passado para trás,
incluindo um erro muito ruim, e começar de novo em algum lugar novo.
Você pensaria que eu estaria melhor agora para não entrar em
situações estúpidas onde de repente eu percebo que é exatamente o
que estou fazendo
Eu sinto a presença de Gavin quando ele aparece atrás de mim e
sai de trás do balcão. Ele pega seu copo de viagem da mesa e sai sem
se despedir. Estou mais aliviada.
E um pouco desapontada.
Enquanto pego o café da Sra. Bauer e ajudo sua neta a pegar um
biscoito, eu silenciosamente me repreendo. O que você estava
pensando, deixando um completo estranho chegar tão perto de você?
Você não sabe coisa alguma sobre ele, além de gostar de café e andar
de moto. Você tem que se defender, Sydney. E você falhou.
Eu ignoro a segunda voz argumentativa na minha cabeça aquela
que está me dizendo para não ser ridícula. Ele estava apenas tentando
ajudar. Mesmo que ele fosse meio rude sobre isso. Você nem
agradeceu a ele, a propósito.
Sim, zomba da primeira voz. Esse tipo de 'ajuda', eu
definitivamente não preciso.
Mais clientes entram. Eu recebo os pedidos deles e trago as
bebidas. Todo o tempo, a imagem do rosto de Gavin na minha cabeça.
Seu olhar de raiva se misturou com preocupação quando ele agarrou
meu pulso.
A maneira sutil como seus olhos mudaram pouco antes de ele se
inclinar em minha direção.
Eu tremo.
Ainda sinto a pele áspera de seus dedos quando eles se agarram
ao meu pulso.
E o suave toque de seu polegar contra a pele nua do meu
pescoço.
Meus olhos se fecham por um momento enquanto imagino a
maciez dos seus lábios nos meus.
Estou feliz que ele tenha ido embora, digo a mim mesma. Estou
feliz que nada tenha acontecido.
Então, por que eu passo o resto do dia esperando é que seja ele
toda vez que soa o sino da loja?
Os olhos são cinza-esverdeados.
A cor do musgo na sombra.
Eles são tudo que posso ver enquanto vou até a garagem com o
que sobrou do meu café.
Porra, no entanto, aqueles olhos pareciam querer me matar, por
implicar que ela não podia cuidar de si mesma. Apesar de ainda estar
chateado, quase rio com a lembrança. Ela é mal-humorada assim como
seu cabelo vermelho ardente. Honestamente, ela parece que poderia
se defender contra praticamente qualquer pessoa. Algo em sua atitude
me faz pensar que ela pode se defender de qualquer coisa em sua vida.
Ela não é como as garotinhas protegidas que eu vejo às vezes ao redor
de Tanner Springs, fazendo sexo com os olhos quando vêem meus
irmãos e eu, e depois fogem aterrorizadas quando olhamos para elas
com os mesmos olhos, como se nós fossemos servos de Satanás.
Sydney não tem essa falsa atitude com ela. Ela é feminina como
o inferno, sem ser feminina. Mas, ao mesmo tempo, ela não tem a
mesma dureza ao redor dos olhos que algumas das garotas que
passam pelo clube têm.
Ela definitivamente não é uma criança de fundo fiduciário, como
eu originalmente imaginei. Algo me diz que ela não teve uma vida fácil,
lá em Jersey. O que me faz pensar mais sobre como ela acabou aqui
no leste de Ohio. Porquê ela estava correndo para cá ou fugindo.
Eu nunca vi olhos da cor dos de Sydney antes.
Eu quero vê-los brilhar para mim. Eu gosto do desafio neles.
Eu quero vê-los se fecharem novamente, como fizeram quando
eu estava prestes a beijá-la.
Mesmo que ela tenha me irritado muito com sua atitude idiota
sobre aquela explosão de óxido nitroso.
Meus pneus percorrem as milhas quando me lembro o quanto
queria momentaneamente sacudir aquela garota para que algum
sentido entrasse naquela cabeça por causa da maneira que ela reagiu
à explosão. Eu não estava brincando quando disse que ela poderia ter
se machucado seriamente. Mesmo agora, a adrenalina ainda está
pulsando em minhas veias. Eu ainda estou ansioso para fazer algo para
protegê-la, mesmo que a coisa toda já tenha terminado praticamente
antes de começar.
Minha mão se fecha firmemente ao redor do acelerador enquanto
penso nisso agora. Eu sei que minha onda de raiva lá atrás foi por causa
da adrenalina da explosão. Foi apenas uma reação química, nada mais,
uma resposta de luta ou fuga. Mas quando fui para a cozinha, a 'luta'
não existia, não havia nada para fazer. Ninguém para socar. Então eu
meio que tirei isso de Sydney. Que foi meio que um movimento idiota.
Eu nunca fui homem para me sentir confortável em situações em
que não posso agir. Sou o Executor do clube por um motivo. Eu sou o
cara que vem te ver quando a conversa acaba. No clube, eu respondo
apenas ao Rock, nosso Prez. Eu me certifico de que suas ordens sejam
cumpridas. Eu sou o punho que soca por ele. Meu punho mantém a
ordem em nosso mundo.
A explosão na cozinha desencadeou algum tipo de reação de
homem das cavernas em mim, para proteger Sydney. E quando o
perigo acabou quando a adrenalina não tinha para onde ir, a
proximidade dela desencadeou outra reação. Algo ainda mais primitivo.
Eu mudo no meu lugar, meu pau ainda tão duro quanto uma
maldita pedra. Aquela garota vai ficar em minha mente a manhã toda.
Eu já posso dizer.
Porra.
EU AINDA ESTOU ME SENTINDO mal quando entro na garagem.
— Você está atrasado. — Hawk rosna.
— Foda-se. — eu grito de volta. Eu pego meu macacão e coloco.
Hawk resmunga, mas não diz mais nada. Apesar do mau humor, Hawk
é um dos irmãos que mais respeito no clube. Ele não fala besteira e
também não a vomita. E ele é um maldito gênio com um motor.
O projeto que estou terminando para a loja hoje é uma
restauração de uma bela motocicleta clássica antiga: uma Harley
Davidson WL de 1946. O cara que trouxe isso é um cara rico, uma rtista
ou algo que eu acho que encontrou a motocicleta no celeiro de seu avô
depois que ele morreu. O dentista é um motoqueiro de fim de semana,
o qual ganhamos muito na loja, mas o dinheiro que as pessoas como
ele estão dispostas a pagar é realmente bom. Esta moto tem sido uma
porra de alegria para trabalhar, exceto por uma coisa: o dentista
especificou que queria uma pintura de dois tons originais na motocicleta
restaurada. Eu tentei argumentar contra isso, e até tentei dizer a Hawk
que não faria isso. Mas na loja, Hawk é o chefe, então estou arranhando
meus dentes e fazendo o que foi pedido.
Eu trabalho sozinho por cerca de uma hora. O trabalho detalhado
da pintura me concentra o suficiente para que eu tenha que dedicar a
maior parte da minha concentração a ela e parar de pensar em Sydney
por um tempo. Em um ponto, eu ouço Hawk no telefone noescritório, e
então ele vem andando até mim e se senta em um balde de cinco galões
virado.
— Rick Pierce está vindo para pegar a moto amanhã. — Hawk
me diz, referindo-se ao dentista motoqueiro de fim de semana.
— Vou fazer isso na hora do almoço. — respondo.
Hawkacena com a cabeça. — Parece bom.
Eu bufo. — Obrigado. — Ele sabe que não sou fã dos dois tons
na pintura.
A pequena porta lateral da loja se abre e Gunner entra. — Ei,
irmãos. — ele anuncia para o grande espaço. Murmúrios de saudação
vêm do outro lado da garagem, onde Striker e Thorn estão trabalhando
em um Chevelle de 66.
— Todo mundo vai se atrasar hoje? — Hawk reclama, olhando
para o relógio na parede.
— Relaxe, chefe. — Gunner sorri para ele. — Ei, Brick.
Eu levanto minha cabeça e aceno para ele. — Gunner.
— Vocês sabem o que aconteceu no Ace Liquors?
Hawk franze a testa. — Não. O que?
— Foi roubado durante a noite. — diz ele. — Eles pegaram o cara
que estava fechando, pegaram todo o dinheiro do caixa e do cofre.
Bateram no cara até ele ficar inconsciente depois que ele abriu o cofre
para pegarem o dinheiro. Tomaram um monte de bebida, quebraram
tudo o que não puderam carregar e saíram. Guy está no hospital agora.
Bateram muito nele mesmo, mas acho que ele está estável.
— Foda-se. — Hawk cospe. Ele se levanta e acende um cigarro.
— Segunda vez em um mês. A vítima consegue reconhecer qualquer
um deles?
— Eu acho que eles estavam usando máscaras. — Gunner
responde, sua expressão ficando escura. — Ele disse que poderia
reconhecer suas vozes, mas não tem certeza.
— Foda-me caralho. — Eu balanço minha cabeça. — Isso não é
bom.
Houve uma onda de assaltos em empresas locais de Tanner
Springs nos últimos meses. A maioria deles, como este, parece
motivado pelo desejo de pegar dinheiro e depois destruir o local para
provocar o máximo de dano e indignação possível. Essa é a primeira
vez que eles realmente machucam alguém. O jornal local, o Tanner
Springs Star, tem publicado histórias cada vez mais histéricas sobre a
onda de crimes, assim como uma série de cartas ao editor exigindo
respostas e justiça para as pessoas que foram vítimas. Quando se entra
em um restaurante ou posto de gasolina hoje em dia, na maioria das
vezes é sobre o que as pessoas estão falando.
Mais de uma das cartas ao editor implica que tem algo a ver com
os Lords of Carnage MC.
— Maldito. — Hawk rosna. — Mais uma desculpa para Holloway
e seus homens nos manterem em sua mira.
— Sim. — eu concordo. — E você sabe o que isso significa. É
provável que tenhamos outra visita do TSPD.
Jarred Holloway é o prefeito de Tanner Springs. Ele é um pedaço
de merda presunçoso e desonesto que tem nosso clube na mira desde
que foi eleito há um ano e meio. Ele foi eleito em uma plataforma de -
plano de limpeza de Tanner Springs - falando de um problema criminal
predominantemente inexistente e insinuando que os Lords of Carnage
eram um elemento ruim na cidade que precisava ser arrancado pela
raíz.
Eu não vou mentir e dizer que os Lords não fizeram o nosso
quinhão de negócios que estava firmemente do lado errado da lei. Mas
nunca fomos estúpidos o suficiente para conduzir esses negócios
dentro dos limites da cidade. Para não mencionar, nós tiramos nossas
bundas daquela merda e fomos legitimos na hora em que Holloway
assumiu o cargo. Isso foi em parte coincidência e em parte porque
pudemos ver a escrita na parede. Sabíamos que Holloway estava
prestes a tornar nossas vidas um inferno para provar a Tanner Springs
que ele era durão em relação ao crime.
O prédio em que estamos agora costumava ser um depósito onde
guardavamos armas, entre outras coisas. Vendemos nossa última
remessa de armas para os Death Devils, outro clube a leste da cidade,
e transformamos o espaço em uma loja personalizada de motocicletas
e carros. Tem sido uma boa fonte de renda para nós até agora, não
tanto quanto a venda de armas, mas mais segura e mais estável. E
ironicamente, desde que abrimos a garagem, os policiais de Holloway
entraram e revistaram o local duas vezes, procurando por contrabando.
A última vez que eles chegaram foi bem na época em que a atual - onda
de crimes - começou.
A coisa fodida é que nenhum desses crimes começou a acontecer
até depois que Jarred Holloway foi eleito. Engraçado, porém, como as
pessoas que votaram nele não pareciam notar isso. Tudo o que eles
veem é que o crime está em ascensão. E por alguma razão, eles
acreditam que ele é o único que pode pará-lo. E ele está determinado a
parecer um maldito herói para eles. Provavelmente à nossa custa.
Com certeza, algumas horas depois, logo depois do almoço, dois
carros estacionaram no estacionamento da frente. Um é um modelo
final do BMW 6 Series branco. O outro ostenta o logotipo do Tanner
Springs PD nas laterais. O motorista desce e porta lateral do BMW se
abre e dela sai o próprio prefeito Jarred Holloway, parecendo
especialmente tranquilo e seguro de si mesmo. Seu cabelo preto tem
um corte curto e conservador, com uma parte lateral profunda tão reta
que parece que ele fez isso com uma régua. Ele está vestindo uma
camisa azul-clara que está sem um único amassado, como se sua vida
dependesse disso, e calça cáqui clara com vincos afiados o suficiente
para lhe dar um corte de papel. Eu considero chegar e dar-lhe um
tapinha nas costas com as minhas mãos tatuadas e manchadas de óleo.
Mas então eu teria que tocar no filho da puta.
O cara que sai do carro policial acaba sendo Brandt Crup, o novo
chefe de polícia, escolhido especialmente por Holloway para ser seu
lacaio.
— Oh, pelo amor de Deus. — resmunga Thorn3, enojado,
enquanto observamos eles se aproximarem. — Eu poderia ter ficado o
dia todo sem ver aquele idiota.
— Aqui vamos nós. — diz Gunner, não se movendo de seu lugar
encostado na lateral do prédio. Nós três estamos aqui fumando. Nós
não nos movemos para cumprimentá-los. Deixe esses filhos da puta
virem até nós.
— Olá. — Holloway fala enquanto eles se aproximam, vestindo
seu habitual sorriso de político de merda.
Thorn me dá uma olhada, mas não diz nada.
— Prefeito. — eu respondo secamente.

3
Thorn – Espinho.
— Nós viemos para ter algumas palavras com o seu Presidente.
— Crup anuncia ofensivamente. Ele é rechonchudo e macio, com uma
linha fina que faz a testa parecer enorme. Os botões da camisa dele
estão puxando um pouco.
— É isso mesmo? — Thorn pergunta. — E nós pensamos que
você estava apenas vindo para uma conversa amigável.
— Rock está por aí? — Holloway pergunta, ainda com aquele
sorriso artificial.
— Ele está lá dentro.
Crup dá um passo à frente, mas Thorn o impede.
— Vocês esperam aqui, agora, senhores. — diz ele em um tom
que é amigável ao ponto de zombaria. — Ele vai estar aqui em um
minuto. — Ele se vira e entra na garagem. Gunner e eu continuamos a
fumar nossos cigarros, sem nos preocupar em fazer toda a conversa.
Nós quatro ficamos em silêncio. O sorriso de Holloway hesita um pouco,
e então ele o coloca de novo, tentando o seu melhor para parecer
completamente imperturbável. Crup zomba e solta uma risada seca.
Um minuto ou mais depois, Thorn retorna com Rock. Hawk está
com eles.
— Holloway. — diz Rock por meio de saudação. Sua voz é
completamente desprovida de qualquer expressão.
— Rock Anthony. — Holloway acena, mostrando os dentes. — Eu
me lembro de falar com você na angariação de fundos da cidade para
a biblioteca um tempo atrás.
— Fico feliz em saber que sou tão memorável. — responde Rock.
— Eu suponho que você não tenha ouvido falar sobre o
arrombamento no Ace Liquors ontem à noite. — interrompe o chefe
Crup. Ele aperta os olhos e examina todos nós, como se estivesse
procurando alguém para quebrar.
— Na verdade, nós ouvimos. — responde Hawk. — Vergonhoso.
— Vocês meninos sabem alguma coisa sobre isso? — Crup
continua.
Hawk imediatamente se irrita ao ser chamado de menino, mas
você teria que conhecê-lo muito bem para ver isso. Um músculo aperta
em sua mandíbula. — Ouvi as notícias através da videira. Você já pegou
alguém?
— Ainda não. — diz Crup. — Mas parece-me que não há muitos
“elementos” na cidade que possam estar invadindo empresas locais,
em busca de dinheiro.
— Provavelmente não. — balança a cabeça. — Deve facilitar para
você encontrá-los, então.
— Uh-huh. — Crup acenapara o interior da garagem. — Você
acha que nós podemos entrar e olhar em volta, para ver se nós
encontramos alguma coisa para nos ajudar a descobrir quem são os
criminosos?
— Não consigo imaginar como. — diz Gunner uniformemente. —
Talvez o seu tempo seja melhor gasto investigando a cena real do crime.
Crup bufa. — Engraçado. Você é um cara engraçado.
— Foi o que me disseram. — Gunner sorri.
Mas Rock está começando a mostrar alguma raiva. — Você tem
algo a dizer, diga logo.
— Estou dizendo que os Lords of Carnage parecem estar indo
muito bem ultimamente. — diz Crup, apontando para a garagem. —
Muito dinheiro parece estar fluindo para o clube.
— Sim. Muito dinheiro limpo. — eu digo.
— Está certo? — Crup retruca, voltando-se para mim. — Você
acha que se tivéssemos um mandado de busca e olhassemos um pouco
ai dentro, veríamos o quanto limpos vocês estão?
— Oh, para alguém tão esperto, nós parecemos o tipo de maldito
bandido que iria roubar uma loja de bebidas alcoólicas? — Thorn cospe,
finalmente perdendo a paciência. — Cristo, por que você não vai
procurar alguns traficantes ou algo assim? É quem mais gosta de fazer
essa merda. Para ter dinheiro rápido para comprar drogas.
— É isso então? — Crup estreita os olhos para Thorn.
— Olha, Holloway. — Rock os corta e se dirige ao prefeito. —
Você está latindo na árvore errada. E sabe o que mais, acho que você
sabe disso.
— Oh, eu não tenho tanta certeza. — diz Holloway suavemente.
Crup levanta um dedo irritado e aponta para Rock. — Você foi
avisado. Você foi avisado. — ele sussurra, como se estivesse em algum
tipo de filme.
Ao meu lado, Gunner começa a rir.
O prefeito lança um olhar irritado para Crup e depois olha para
nós, um a um. — Bem, vocês, garotos, mantenham seus narizes limpos.
— diz ele em tom alegre. — E tenho certeza de que vocês não terão
nenhum problema. O povo de Tanner Springs merece viver em uma
cidade onde eles se sintam seguros. É meu trabalho garantir que eles
façam isso. — Ele acena para Rock e nos dá seu melhor sorriso de
campanha. — Vocês todos tenham um bom dia agora.
Holloway gira nos calcanhares e volta para o carro. Crup segue
logo atrás.
— Cristo, eu adoraria estrangular os dois. — murmura Thorn.
— Anime-se. — eu murmuro. — Crup parece um pouco molhado
atrás das orelhas para ser um chefe de polícia. Talvez tenhamos sorte
e ele se mate enquanto estiver limpando sua arma.
— Você acha que eles realmente acham que temos algo a ver
com essa merda? — Hawk pergunta a Rock enquanto os vemos indo
embora.
— Talvez Crup. — responde Rock. — Ele é um idiota do caralho.
Mas acho que Holloway sabe que isso é besteira. Ele é politico.
Rock decide voltar para o clube para conversar com o nosso vice,
Angel. O resto de nós entramos e voltamos ao trabalho, mas a pequena
visita do Chefe Crup passou uma mortalha durante o dia. Até o
momento cinco horas se passam, todo mundo está mais do que um
pouco fora de ordem. Inclusive eu.
— É isso. — diz Hawk, finalmente, batendo o capô do Chevelle.
— Eu preciso de uma porra de bebida.
— Aleluia. — Gunner concorda. — Você vem para o clube? —
Ele pergunta, virando-se para mim.
— Pode apostar. — Eu pego um pano para limpar minhas mãos.
— Eu encontro com você, assim que eu tirar um pouco dessa tinta.
Eu vou me limpar e depois vou para a minha motocicleta. O ar do
final da tarde é quente e cheira a grama cortada, o que é uma mudança
bem-vinda depois do cheiro de tinta da loja. Quando passo pelo centro
da cidade, diminuo a velocidade da motocicleta quando estou perto da
Golden Cup. Eu olho para dentro, e consigo ver um longo cabelo
vermelho pela janela antes de acelerar e seguir em direção ao clube.
No dia seguinte,mesmo que eu odeie admitir para mim mesma,
eu meio que espero que Gavin entre na cafeteria. Mas a manhã vem e
vai, e ele não aparece. É um sábado, porém, e tenho que me lembrar
que ele nunca veio um final de semana.
Hailey chega no início da tarde para fazer um turno curto para que
eu possa cuidar de alguns papéis. Dá uma diminuída nos clientes
quando ela chega aqui, então eu tenho uma chance de conversar com
ela antes de voltar para o meu escritório.
— Como foi sua reunião depois da escola ontem? — Eu estou
perguntando a ela. — Eu esqueci de perguntar a você ontem à tarde.
— Eu me lembrei do teste de matemática, mas não disso.
— O Comitê de Atividades Sênior? Estava tudo bem. — Ela
levanta um ombro. — Havia um monte de garotos super-populares que
apareceram, não na minha cena, normalmente. Mas acho que vou
continuar por enquanto.
— O que esse comitê faz, exatamente? — Chego ao balcão para
pegar uma pilha de xícaras e coloco-as ao lado da máquina de café.
Ela me dá um sorrisinho sarcástico. — Bem, basicamente
organizamos atividades para os idosos.
Eu bufo. — Certo. Eu entendi. Como o quê?
— Como... — ela começa a contar em seus dedos. — Estamos
pintando a parede principal. E a festa dos senhores e a festa das
senhoras. E um monte de danças. E o sênior para o desfile do baile. E
a festa toda a noite e o último dia de folga.
— Ow. Você vai ter tempo para estudar e aprender coisas entre
os intervalos?
— A sério? — Ela me olha. — Você parece minha mãe.
Deus. Eu meio que faço, percebo. — Desculpa. Mas parece que
há muitas coisas no tempo que você pode precisar fazer… ah, eu não
sei... lição de casa e coisas assim.
Hailey vira uma mão de desprezo para mim. — Por favor. Tanner
Springs High é uma escola tão desleixada. Eu só trouxe livros para casa,
três vezes no ano passado. Eu recebo todos os meus trabalhos de casa
na minha sala de aula. Não se preocupe comigo.
— Ok, então, eu vou preocupar comigo. — eu sorrio. — Você vai
ter tempo para trabalhar aqui na loja, com todas as suas atividades
extracurriculares?
— Bem, na verdade... — ela morde o lábio. — Eu estava vindo
falar com você sobre isso. — Ela franze a testa com desculpas. — Você
acha que há alguma maneira de mudar minha agenda para que eu
pudesse trabalhar as noites, em vez de depois da aula, às vezes?
Temos que nos inscrever para as coisas que vamos ajudar no comitê.
Se eu tivesse pelo menos um par de dias por semana onde eu saiba
que não teria que estar aqui até mais tarde, poderia me inscrever para
mais coisas.
— Para alguém que não está realmente se importando, você
realmente parece estar se jogando nisso. — eu a provoco.
— Bem.... — diz ela maliciosamente. — Há um cara que eu estou
meio que interessada que está no comitê, também.
— Aha! Aí está! — Eu coro — Então, sua amiga Melissa não é
realmente a razão pela qual você se entrou nisso.
— Não, ela é. — protesta Hailey. Seu rosto fica num adorável tom
de rosa. — Mas... quando cheguei à reunião, Teddy também estava lá.
Estou prestes a começar a tirar informações da Hailey em todos
os detalhes de sua paixão, quando uma senhora mais velha, vestida
com roupas escuras, entra na loja. Seu cabelo branco prateado está
curto e penteado perfeitamente, e ela está usando óculos de estampa
de tartaruga redondos e surpreendentemente fashion. Eu a vi aqui uma
ou duas vezes antes. Ela sempre vem sozinha, e ela está sempre
carregando um caderno grosso com ela para ler enquanto ela toma seu
café.
— Olá. — eu a cumprimento. — O que eu posso fazer por você?
Ela sorri distraidamente para mim. — Vou tomar meio café com
leite e baunilha, sem gordura, sem espuma, dose extra. Vou beber aqui.
— Perfeitamente. — Eu digo para ela. — Sente-se, e eu trago sua
bebida para você em apenas um minuto.
Hailey levanta os olhos para mim enquanto ela sai para encontrar
uma mesa. — Uau. Ela realmente abraçou a cultura do café especial.
Eu faço a bebida da mulher e, assim que estou terminando, meu
telefone toca no meu bolso. Eu falo para Hailey trazer o latte para a
senhora e verifico minhas mensagens.
É um texto de um número que eu esperava não ter que ver
novamente.

Pensou que não ia encontrar você, sua vadia cadela? Onde está
meu maldito dinheiro?

UM PEQUENO ARREPIO de medo me percorre. Ele me achou.


Eu sempre soube que isso poderia acontecer, embora eu
esperasse que não fosse.
Ele sabe que eu estou aqui? Ele sabe onde eu moro? Ele sabe de
algo mais que meu número?
Eu estou congelada no local, tentando não entrar em pânico. É
claro que eu sabia que Devon seria capaz de me encontrar se quisesse.
Não é fácil desaparecer hoje em dia, já que todos têm um rastro
eletrônico difícil de apagar. Há tantas coisas que eu poderia ter feito
para esconder o que eu fiz, mudar meu nome, deixar o país... Em vez
disso, eu escolhi apenas deixar Atlantic City, pegando o que eu sabia
que era meu, me recusando a viver minha vida de medo.
Eu escolhi acreditar que eu era insignificante o suficiente para
Devon que ele me deixaria em paz. Que me rastrear não valia a pena.
Parece que eu pensei errado.
Meus dedos pairam sobre a tela enquanto tento decidir o que
fazer. Responder ao seu texto seria uma loucura, mas não responder
não vai enganá-lo. Se ele tem esse número, ele sabe que sou eu.
Esse dinheiro era eu pegando de volta o que era meu, digo a mim
mesma ferozmente. Foi dinheiro que ele roubou de mim em primeiro
lugar. No entanto, ele quer enlouquecer minha cabeça, essa é a
verdade. E nós dois sabemos disso.
— Então, está tudo bem?
Hailey me assusta com meus pensamentos.
— Tudo bem? — Eu gaguejo.
— Você vai me mudar para as noites às vezes.
— Oh. — Eu mentalmente balancei a cabeça para limpá-lo. —
Hum, claro, acho que sim. Deixe-me dar uma olhada no cronograma.
Eu só vou ter que te ensinar como fechar sozinha. — Eu enfio meu
telefone de volta no bolso e dou a ela o que eu espero que seja um
sorriso normal.
— Impressionante. — ela sorri. — Você é tão legal.
— Hailey. — eu digo em uma voz brilhante, esperando que ela
não possa sentir como está tremendo. — Eu tenho que ir resolver um
problema rápido. Você pode assumir por um tempo até eu voltar?
— Claro, sem problema. — ela balança a cabeça. — Eu faço isso.
— Obrigada. Voltarei em uma hora ou mais. — Eu ando um pouco
instável pelo corredor, mas em vez de entrar no meu escritório, eu
continuo saindo pela porta dos fundos para o meu carro. Com uma mão
que começa a tremer, jogo o telefone no chão diretamente atrás de um
dos pneus traseiros.
Então, eu entro, ligo o carro, jogo o carro em marcha ré, e
deliberadamente passo por cima do telefone várias vezes.
E então, eu atravesso a cidade para a loja mais próxima de
celular. Para comprar um novo celular e um novo número.
Eu não estou fugindo de qualquer um. Então, e se ele me
encontrar? Eu não estou me escondendo de nada.
U MA HORA E MEIA DEPOIS, estou de volta à cafeteria, tentando o
máximo que posso para me concentrar em minha papelada e lançando
olhares furtivos para o meu novo telefone, embora Devon não possa ter
o novo número ainda.
Eu tenho que tirar isso da minha cabeça. Eu não posso deixá-lo
entrar na minha cabeça assim. Ele não tem o direito. Ele não pode me
controlar. Eu sou mais forte que isso.
Devon sempre foi um jogador agressivo. Ele sempre teve uma
atitude durona e perdeu mais pessoalmente do que deveria um
profissional. Eu sabia instintivamente que ele iria me destruir, seria um
golpe em seu ego. Ainda assim, ele é prático também, a ponto de ser
cínico. Eu era apenas um dos peões em seu estábulo. Ele tinha muito
mais quando eu estava lá, e muitos outros ganhadores maiores e mais
confiáveis do que eu.
O fato de que ele também estava romanticamente interessado em
mim, porém, muda a equação. Eu tenho que considerar a possibilidade
de que o ego dele possa ter substituído seu lado prático quando estou
preocupada.
Quando fico online e faço alguns pedidos de suprimentos, penso
no que meu pai costumava dizer sobre blefar nas cartas. O poker nunca
foi meu jogo, mas meu pai começou sua carreira como jogador
profissional de poker. Algumas pessoas nunca blefam ou quase nunca.
Outros são blefadores habituais. Os melhores blefadores não investem
emocionalmente em seu blefe, de uma forma ou de outra. Os piores são
aqueles que saem com isso que se apegam à idéia de enganar outra
pessoa.
Eu tenho que assumir que Devon está blefando. Feliz com a ideia
de me assustar. Se é isso que ele está fazendo, então provavelmente a
melhor coisa que eu posso fazer é não acreditar no blefe dele. Deixe ele
pensar que estou com medo. Deixe ele pensar que ele ganhou, e vou
cruzar meus dedos para que isso seja suficiente.

— OK. — digo à Hailey quando volto para frente da loja. — Eu


acho que descobri um horário para você começar a trabalhar de noite
e fechar para mim algumas vezes por semana. Mas em troca, você
precisa me contar mais sobre Teddy.
Hailey está muito feliz e me conta tudo. Eu escuto com metade do
ouvido enquanto ela conversa alegremente sobre sua paixão, a quem
ela descreve como meio nerd, suas palavras. Aparentemente, a amiga
de Hailey, Melissa, está convencida de que Teddy estava dando olhares
para ela durante a reunião de ontem. É super fofo ver Hailey tão feliz e
esperançosa, corada de excitação, nos estágios iniciais de algo que
pode vir a ser um grande romance ou pode ser apenas um pequeno
lampejo na tela de sua jovem vida.
Um sentimento estranho e pesado parece tomar conta de meus
membros enquanto olho em volta da loja e ouço a voz de Hailey subindo
e descendo com inflexões adolescentes. A cena na minha frente agora
é tão reconfortantemente normal. Quase impossivelmente assim.
Tanner Springs parece para mim, de qualquer forma - como uma cidade
pequena toda americana que alguém inventou nas páginas de um livro
ou em um set de filmagem. Hailey é apenas uma estudante do ensino
médio normal, fazendo coisas normais, do ensino médio. Sua vida é
apenas isso... tão normal. E muito diferente da que eu estava vivendo
na idade dela.
Eu sinto uma pontada de arrependimento, que eu rapidamente
empurro para baixo. Não posso mudar o passado, digo a mim mesma.
E eu sei que isso é verdade. Mas isso não me impede de desejar, às
vezes.
Eu me lembro da idade de Hailey, no entanto. Tão diferente da
dela quanto minha vida era, eu me lembro do quão incrivelmente
importante e destruidor de terra as menores coisas podiam ser. Eu me
lembro do quão importante meu primeiro beijo foi. Quão transcendente
um primeiro amor pode sentir. Quão brutal uma primeira rejeição pode
ser.
E, no entanto, olhando para trás, muitos dos que pareciam ser
pináculos de minha existência na época são momentos que mal consigo
lembrar agora. Tantas coisas que eu pensava que eram quase
literalmente o fim do mundo não eram nada, comparadas com os
desastres privados que me aconteceram depois, me pegando
completamente de surpresa.
Meu peito aperta um pouco quando eu me vejo pensando se
Hailey nunca vai se machucar. Realmente ela vai, se ela entrar em um
relacionamento um dia e perceber que o homem que ela está não é bom
que ela ficou muito tempo em algo que ela nunca deveria ter começado
em primeiro lugar.
Que ela terá que terminar ou fugir de um relacionamento e deixar
um pouco de si mesma para trás, a fim de salvar o que restou.
Outro cliente entra na loja. É uma garota do ensino médio, e é
claro que Hailey a conhece do jeito que ela pula e salta para o balcão
para servi-la. Poucos segundos depois, mais quatro jovens da mesma
idade aparecem atrás do primeiro. Todos pedem drinques elaborados
e açucarados com montanhas de chantilly e grandes tortas carregadas
de calorias. Eu silenciosamente me maravilho com todos eles na beira
da idade adulta, atuando como adultos com cafeína.
Deus, me sinto velha.
Deixo Hailey servir as amigas dela, borbulhando de rir e fofocando
e vou até o outro extremo do balcão para verificar, inutilmente, meu
novo telefone, com meu novo número, em busca de mensagens.
— Com licença, querida.
Eu olho para cima para ver a mulher mais velha com óculos de
tartaruga. Ela está segurando seu copo vazio em uma mão e seu livro
na outra. Ela está aqui há mais de duas horas, percebo. Ela deve estar
quase terminando de ler agora.
— Eu gostaria de outro café com leite, se você não se importar.
Eu queria saber se você poderia fazer isso por mim, então eu não teria
que esperar por esses jovens. — Ela acena para o grupo de amigos de
Hailey no balcão.
— Oh! Sim, claro. — Eu coloco meu celular no bolso e pego o
copo dela. — Vou te dar um novo, no entanto. Você pode me lembrar
exatamente qual era o seu pedido?
— Um sem gordura, sem espuma, meio café com leite e baunilha.
— ela fala.
— Pronto. — Eu começo a fazer e ela bebe. — Você está
gostando do seu livro?— Eu pergunto, para interagir.
— Oh. Sim. — Ela olha para baixo, como se estivesse
envergonhada. — É um novo vício maravilhoso que descobri desde que
você abriu sua loja: Sentar para ler um livro com um delicioso copo de
café.
— Eu concordo. — eu sorrio para ela. — É uma das minhas coisas
favoritas para fazer. Pode ser uma das principais razões pelas quais abri
a Golden Cup em primeiro lugar.
— Um colega leitora! Isso é adorável. — Seu sorriso amigável
muda para uma expressão de desalento. — Oh, mas você nunca
consegue aproveitar o seu próprio café, já que você está sempre
trabalhando!
— Bem, eu vou começar a desfrutar assistindo os outros fazer
isso. — Eu despejo leite desnatado no vaporizador. — Isso é um prazer
vicário agradável.
— Sim, suponho que seja verdade.
— O que você está lendo, se você não se importa de eu
perguntar?
Ela franze os lábios, claramente um pouco envergonhada. — Oh,
eu tenho uma fraqueza por romances de época. — Ela segura o livro
para que eu possa ver a capa. Ele apresenta uma mulher pálida com
um vestido de cintura império e um penteado elaborado. — Verdadeiro
escapismo. — ela admite. — Mas eu amo eles.
Por um momento, nenhuma de nós fala, o whoosh de leite
fervendo muito alto para chamar. Quando termino, pego um pires e
coloco no balcão, depois coloco o copo em cima.
— Aí está. — digo a ela. — Aprecie.
— Obrigada. A propósito, meu nome é Beverly.
— Eu sou Sydney. — eu sorrio para ela.
— Sydney. — Ela dá um leve aceno de cabeça. — Esse é um
nome incomum.
— É realmente, esse é meu nome do meio. — eu digo, não sei
por que estou dizendo isso a ela. — Meu primeiro nome é Violet.
— Bem! — ela sorri. — Violet é o nome da minha irmã! — Ela
parece tão satisfeita com essa conexão que é contagiante.
— Isso é uma coincidência! — Eu sorrio. — Mais velha ou mais
joven?
— Mais jovem, por três anos. Ela mora em Nogales, Arizona, com
o marido agora. — Ela hesita por apenas um segundo. — Eu espero
que não seja rude, mas por curiosidade, posso perguntar por que você
usa seu nome do meio?
— Violet foi idéia da minha mãe. — digo a ela. — Meu pai não
gostou do nome. Eles se separaram quando eu era jovem e meu pai
acabou me criando. Então, agora sou Sydney. Syd, para ele.
— Oh. — Bev tosse e olha para longe, claramente embaraçada.
Ela não precisa se sentir assim, no entanto. Eu não lembro da minha
mãe, então a ausência dela na minha vida não é algo que eu realmente
note muito.
Eu sinto falta do meu pai, no entanto. Ele está desaparecido há
mais de sete anos. Seu rosto entra nas minhas lembranças seu familiar
sorriso malicioso e uma onda familiar de pesar rola através de mim.
— Sydney! — Hailey chega até mim sem fôlego, interrompendo
nossa conversa. — Esse é ele!
— Esso é quem? — Eu franzo a testa.
— Teddy! — ela fala sussurrando e inclina a cabeça em direção
à grande mesa no centro da sala onde estão seus amigos da escola.
— Qual? — Eu viro meus olhos para eles.
— O alto, geeky com o cabelo escuro. — Hailey está
resmungando enquanto tenta não mexer os lábios. Eu começaria a rir
se ela não parecesse tão séria.
Eu movo minha cabeça levemente e dou uma olhada rápida no
garoto desengonçado conversando animadamente com seus amigos.
Teddy é o tipo de garoto que ainda parece estar crescendo. Além da
excentricidade, ele é definitivamente fofo, o tipo de jovem que eu
provavelmente teria uma queda nessa idade.
— Ele é fofo. — eu reconheço, atirando em Hailey um rápido
aceno de cabeça, em seguida, virei intencionalmente para Beverly. —
Hailey, eu estava apenas ajudando Beverly aqui. Beverly, esta é a
Hailey. Ela trabalha para mim depois da escola e nos fins de semana.
— Prazer em conhecê-la, Hailey. — diz Beverly, estendendo a
mão.
O rosto de Hailey fica envergonhado quando ela o sacode. —
Prazer em conhece-la também. Desculpe eu interrompi você.
Beverly lhe dá um sorriso divertido. — Não precisa se desculpar.
Eu também fui jovem uma vez.
Ela se curva para pegar o café com leite. Equilibrando
cuidadosamente em cima de seu livro, ela volta para a mesa, e Hailey
volta a espiar clandestinamente Teddy.
Fui deixada sozinha com meus pensamentos persistentemente
sentimentais imaginando Hailey como uma mulher idosa e, desde
jovem, como uma garotinha. Os dois livros, no alvorecer e no
crepúsculo do que eles esperam, será uma jornada que termina com
aquele raro presente.
Um verdadeiro amor. Uma alma gêmea. Um conto de fadas se
tornando realidade.
O que vamos fazer sobre essa merda?
Na cabeceira da mesa, Rock parece cansado. Ao lado dele,
Angel, nosso VP, usa uma profunda carranca de concentração. O clima
na igreja esta manhã é sombrio e tenso. Acabamos de saber que ontem
à noite houve um incêndio em uma das empresas do centro. O local foi
destruído, e a polícia já está falando de incêndio criminoso.
— Eu não sei, mas as pessoas estão ficando nervosas pela
cidade. — Gunner se inclina para trás em sua cadeira. — Você sabe
que este incêndio vai estar na primeira página do jornal na próxima
semana.
— Sim. — diz Angel em desgosto. — Com todos os tipos de
linguagem principal sobre criminosos. Escondidos à vista de todos - e
merdas assim.
— É apenas uma questão de tempo antes de começarem a nos
nomear diretamente. — murmuro.
Hawk limpa a garganta. — Você sabe. — ele começa. — Acho
que teremos que considerar a possibilidade de que os policiais saibam
que não somos nós. Ou até mesmo que eles estão trabalhando com
Holloway para nos pegar de alguma forma.
— Eu considerei isso. — Rock fala. — A pergunta é, o que diabos
nós faremos sobre isso?
— Talvez tenhamos que descobrir quem é nosso bandido. — eu
digo. — Não parece que o PD está fazendo muito sobre isso, além de
andar pela cidade e citar os Lords.
— Isso significa um monte dos nossos homens resolvendo a
merda que a polícia deveria estar fazendo. — replica Rock.
— Sim. Eu sei. — Eu olho em volta da mesa. — Definitivamente
colocará um fardo sobre nós. E nós realmente não temos homens
suficientes para fazer isso.
— Essa é a verdade disso. — Thorn acena. — Mesmo com os
Prospectos.
— Talvez seja hora de começar a pensar em aceitar um pouco de
sangue novo. — resmunga Geno, nosso tesoureiro.
Attacker4 fala. — Eu estive pensando isso também. Por mais
razões do que uma. Merda, os Iron Spiders têm crescido muito
rapidamente ultimamente, pelo que parece. Não podemos nos dar ao
luxo de deixá-los ficar muito maiores do que nós se quisermos manter o
nosso território.
Os Iron Sipders são um clube ao sul de nós. Nós estivemos
envolvidos em uma guerra com eles e no último ano ou mais. Não é
nenhum segredo que eles estão tentando enfraquecer nosso clube e vir
atrás de nosso território. Até agora conseguimos evitar fatalidades do
nosso lado, mas tem estado muito próximo. A última vez que eles vieram
atrás de nós, a old lady de Hawk, Samantha, foi pega no meio e quase
foi morta.
Angel acena em concordância. — Não temos como saber
exatamente quantos homens os Spiders têm, mas se eu tivesse que
adivinhar, eu diria que eles podem estar se aproximando de quase o
dobro de membros que nós temos agora. — Ele não diz mais nada. Nós
fazemos o nosso melhor contra eles, mas se os números deles forem
tão grandes quanto nós pensamos que são, não será esse o caso por
muito mais tempo.
— Há também a possibilidade de que os Spiders estão por trás
de toda essa merda acontecendo em Tanner Springs. — eu respondo.
— Poderia ser uma maneira de foder conosco. Enfraquecendo nosso
domínio sobre nosso território.

4
Attacker – Agressor.
— Isso é verdade. — murmura Tweak5. — Mantendo-nos
ocupados com a lei nos obrigando.
Há silêncio por alguns momentos. Espero que Rock diga alguma
coisa, mas ele não faz nada além de olhar assassino para a mesa.
— Quantos de vocês conhecem homens que vocês acham que
seriam bons para ser um Lord of Carnage? — Angel finalmente
pergunta, olhando em volta. Quase duas dúzias de mãos sobem. Ele
concorda. — Bom. Olha, acho que precisamos nos mover rapidamente
aqui. Vamos recrutar ativamente algumas pessoas, alguns homens que
achamos de alto nível. Todos vocês tentem pensar em pelo menos uma
pessoa que você possa garantir. Mas não me apareçam com crianças
choronas. Precisamos de números, mas os números não são
suficientes. E eu acho que nós precisamos olhar para os prospectos e
ver qual deles estão prontos para avançar.
— Eu acho que Bullet6 e Lug Nut estão prontos. — Geno oferece,
falando sobre os nossos mais recentes prospectos. — Eles são durões
e firmes em uma crise. Eu acho que eles provaram a si mesmos.
— Sim. E Bullet é o único prospecto que eu já vi que pode me por
debaixo da mesa. — Gunner sorri. Um coro de risadas altas vai em volta
da mesa. É um momento bem-vindo de leveza.
— Você acha que devemos colocá-los em votação? — Angel
pergunta, voltando-se para Rock.
— Oh? Minha opinião foi solicitada? — Rock zomba de volta.
Angel o observa niveladamente. — Estou fazendo uma pergunta.
Por um segundo, aparece uma tensão no ar como se fosse cair
um raio.
Rock parece estar esperando que Angel diga mais, mas Angel
não morde a isca.
Finalmente, Rock se afasta e olha para todos nós. — Colocamos
Bullet e Lug para votação na próxima igreja. Mas isso não resolve o

5
Tweak – Ajuste.
6
Bullet – Bala.
nosso problema. Novos prospectos levam tempo. Enquanto isso,
precisamos agir.
— Deveríamos conversar com alguns donos de empresas locais.
— sugiro. — Aqueles que já foram atingidos, para começar. Pergunte
se eles notaram alguma atividade incomum ou qualquer coisa antes da
invasão. Ofereça nossa ajuda.
— Boa idéia. — Gunner acena. — Devemos pensar sobre o que
todos os lugares que já foram atingidos têm em comum. Tente descobrir
quais são os motivos. Pode nos ajudar a ter uma ideia de quais
empresas podem ser as próximas.
— Sim. — concorda Hawk. — E vai ser bom para nós. Devagar
as pessoas que supõe que somos nós, se nos virem tentando ajudar a
lidar com o problema vão passar a confiar.
— Mais uma coisa. — Angel reflete, virando-se para Rock. —
Acho que talvez devêssemos conversar com os Death Devils. — Os
Devils são um clube a leste de nós. Nossos dois clubes fizeram negócios
no passado e estamos fazendo movimentos em direção a uma tentativa
de aliança com eles. — Acho que seria uma boa ideia perguntar se eles
estão vendo algo parecido onde estão. Obter sua opinião sobre o que
os Spiders estão fazendo. Talvez possamos resolver um acordo para
trabalhar juntos nisso. Pelo menos até nossos números aumentarem.
Rock relutantemente acena. — Essa é uma boa ideia. Eu entrarei
em contato com Oz. Ver o que ele tem a dizer. Se ele estiver disposto a
fazer um encontro.
Conversamos por mais alguns minutos sobre quem é que vai
abordar e quais empresas informar, e então Rock encerra a reunião.
Todos os irmãos saem da igreja, exceto por Angel e Rock, que fecham
a porta atrás de nós.
— Porra. — Gunner murmura para mim enquanto caminhamos e
sinalizamos para Jewel, nossa principal garçonete, para tomar uma
cerveja. — Eu não gosto do que está acontecendo entre Rock e Angel.
A última coisa que o clube precisa agora é que os dois se virem um
contra o outro.
Jewel nos olha por um segundo enquanto colocamos banquinhos
no bar, mas ela sabe melhor do que perguntar qualquer coisa.
Silenciosamente, ela pega o topo de um par de garrafas para nós e se
move discretamente para o outro lado.
— Não merda, irmão. — Eu tomo um longo gole do líquido gelado.
— Porra, isso é bom. Seja o que for, é entre eles.
— Sim. — Gunner fala. — Eu com certeza espero que eles
descubram isso.
Nós bebemos nossas cervejas por alguns minutos e tentamos
conversar sobre outra coisa. Eventualmente, eu termino o meu e me
levanto. — Eu acho que vou voltar para casa por um tempo. — digo a
ele.
— Você está voltando para o clube mais tarde?
— Sim, talvez. — digo sem compromisso. — Eu vou te encontrar
mais tarde, tudo bem?
— Claro, irmão. Vejo você quando você voltar.
Eu levanto um dedo, dando adeus, e saio para minha moto,
exalando um pouco quando a tensão sai dos meus ombros.
Normalmente, eu ficava aqui com o resto dos irmãos, e talvez pegasse
um dos apartamentos no andar de cima para dormir aqui hoje à noite.
Mas agora, estou procurando um pouco de tempo para mim mesmo.
Para classificar toda a merda que está na minha cabeça.
Uma hora depois. Estou de volta à minha casa, olhando para o
lago com um frio na minha mão. O sol está apenas começando a descer
no horizonte. Eu observei ele pelo menos uma centena de vezes daqui,
assim, sozinho.
Voltei para o lago depois da igreja porque precisava de um tempo
para relaxar e pensar. Tudo o que está acontecendo nos últimos dias
está zumbindo no meu cérebro, e às vezes eu só preciso de um maldito
silêncio para resolver tudo. Por isso comprei este lugar. Tal como é.
No pouco mais de um ano que eu moro aqui, eu basicamente
reconstruí o que era uma cabana caindo no chão. A casa não valia
muito quando eu a comprei, então o que eu economizei depois de oito
anos na Marinha foi o suficiente para pagar tudo isso em dinheiro.
Mesmo assim, esse lugar é meu maldito orgulho e alegria. É engraçado,
mas mesmo depois de um dia inteiro de trabalho na garagem, muitas
vezes a coisa que eu mais olho para frente quando eu volto para casa
é ligar a serra de fita ou arrancar alguma fiação antiga. É terapêutico de
alguma forma, pegar algo que está abatido e fodido e torna-lo em algo
forte e sólido novamente. Essa é uma das razões pelas quais gosto de
trabalhar na garagem, restaurando motos e carros também. Mas aqui
na minha casa, os resultados do meu trabalho são meus e só meus.
Antes desta casa, eu nunca tive muita coisa para me importar. Na
minha infância, deixei de ser um fardo e uma reflexão tardia para meus
pais, para ser passado de lar adotivo para lar adotivo por pessoas que
deixaram claro para mim que eu não fazia parte de sua família e nunca
faria. Eu me juntei aos fuzileiros navais assim que completei dezoito
anos e passei os oito anos seguintes da minha vida trabalhando duro e
jogando duro, sem nada para voltar para casa durante as minhas férias,
e sem gols, exceto fazer o trabalho que fui enviado com meu regimento
para fazer.
Quando saí dos fuzileiros navais, eu estava sem raízes e sem
objetivo. Eu não tinha ideia de para onde iria quando voltasse para casa,
para os Estados Unidos, e não teria ideia do que faria comigo mesmo.
Tudo o que eu sabia era que eu não queria fazer uma carreira brilhante
nos fuzileiros. Eu me irritava muito com as regras e a hierarquia inerente
ao serviço militar. Embora eu tenha me levantado bastante rapidamente
nas fileiras, a estrutura nem sempre ficava bem comigo, especialmente
sempre que eu via idiotices com as fileiras mais altas dominando os
homens que eram a verdadeira espinha dorsal da unidade. A
camaradagem, porém, e a pura fisicalidade disso eram coisas de que
eu gostava.
Isso é provavelmente o que acabou me trazendo para os Lords of
Carnage, depois que eu saí. Gunner e eu trabalhamos juntos no mesmo
pelotão, e ele sabia que eu estava tendo dificuldades em encontrar meu
caminho no mundo civil, por mais que eu achasse que queria. Foi ele
quem me ligou e me disse para pilotar até Tanner Springs. Disse-me
que ele tinha uma coisa para conversar comigo. Algo que ele achava
que seria um bom ajuste.
Agora, um punhado de anos depois, aqui estou eu. Acontece que
Gunner estava certo. Ele me patrocinou para ser apresentado aos Lords
of Carnage, o clube que ele sempre pensou em se juntar algum dia.
Agora, em vez de um sargento ou um sargento-mor, sou o Executor do
clube. Em vez de impor regras por procedimentos militares, faço isso
com meus punhos. E armas.
É um ajuste muito melhor. Para a maior parte do tempo.
Agora, pela primeira vez, tenho uma família. Um lugar meu, onde
posso trancar a maldita porta à noite e deixar o inferno sozinho. Acima
de tudo, silêncio. E paz. É solitário às vezes, mas é meu.
Distraidamente, puxo um cigarro do maço e o acendo, sentando-
me na cadeira Adirondack7 que tirei de uma lixeira e remodelei. Puxando
uma tragada profunda, deixo sair com um suspiro pesado e perturbado.

7
Marca de cadeira.
A igreja hoje me deixou no limite. Não por causa de algo que foi
decidido. Não por causa dessa onda de crimes em Tanner Springer.
Nem mesmo por causa da ameaça no horizonte representada pelo
crescente clube Iron Spiders, e o que isso significa para a guerra em
curso entre nós.
Estou nervoso porque estou começando a ter sérias dúvidas
sobre o presidente do meu clube.
Um Executor, acima de tudo, tem que ser muito leal ao homem
que é seu presidente. Às vezes eu sou um guarda-costas. Às vezes eu
sou enviado para fazer as tarefas mais violentas que precisam ser feitas:
um hit, ou uma batida, ou até mesmo acabar com alguém, se isso for
pedido. Eu sou o braço da justiça do presidente. Eu faço o que ele me
diz.
Um dos meus trabalhos é manter os outros irmãos sob controle,
se necessário. Não só quando estamos correndo ou em uma situação
de perigo, mas também dentro do próprio clube. Eu tenho que ser capaz
de cumprir as ordens do presidente sem questionar, mesmo e
especialmente se isso significar que eu tenho que enfrentar um dos
meus próprios irmãos para fazê-lo. A insubordinação, assim como nas
forças armadas, não é uma opção.
Mas, ao contrário das forças armadas, nunca tive motivo para
questionar o julgamento do homem cujas ordens devo executar nos
Lords.
Até agora.
Não é nada específico. Nada que eu possa colocar meu dedo.
Mas por um tempo agora, eu não tenho certeza onde está a
cabeça de Rock Anthony. Eu acho que alguns dos outros irmãos estão
sentindo isso também. Eu vejo a maneira como eles olham de Rock para
Angel. Eles estão se perguntando para onde o club vai. Se houver uma
crise no horizonte.
E isso me deixa nervoso. Porque eu nunca fui muito bom em impor
regras nas quais não acredito.
***

EVENTUALMENTE, meu cigarro queima até as cinzas, minha cerveja


está vazia e minha bunda está começando a ficar dolorida. Com um
suspiro, eu me levanto e estico meus braços sobre o meu corpo. Chega
de pensar por enquanto. Há uma reforma no banheiro esperando por
mim. E Deus sabe que colocar a telha do banheiro é uma foda muito
mais simples do que contemplar o futuro de um clube que eu aprendi a
amar, mas não sei exatamente como fazer valer mais.
— Só depois, embrulhe o resto dos doces individualmente e
coloque-os na cesta com desconto para o dia seguinte. — digo a Hailey
enquanto percorremos a loja. — Depois disso, limpe a caixa de doces,
higienize todas as bandejas e monte a caixa para amanhã. Depois,
limpe a máquina de café expresso e execute o ciclo de limpeza.
Eu sentei e fiz uma lista de todas as coisas que eu faço quando
eu fecho, para tornar mais fácil para Hailey quando ela começar a fazer
isso sozinha. Eu aponto para ela de vez em quando enquanto falo, para
mostrar a ela que tudo está na lista, então ela não precisa lembrar de
tudo. Ela está ouvindo atentamente, tanto que é muito fofo ver como ela
é sincera. Eu também estou feliz porque isso é importante. Se ela não
levar isso a sério, os clientes podem ficar com a boca cheia de creme
rançoso ou se sentar em uma mesa pegajosa logo cedo. Eu quero que
tudo seja perfeito na Golden Cup, então toda pessoa que entrar aqui
pela primeira vez quer voltar.
— Você também precisa limpar e higienizar as jarras de café e
todas as ferramentas do balcão. Os jarros, colheres, recipientes - tudo.
— continuo. — Limpe todos os exteriores também e faça tudo parecer
o mais limpo possível. Então, quando estiver satisfeita com tudo isso,
limpe o chão, limpe as mesas e cadeiras e procure por qualquer outra
coisa que precise ser limpa. Ah, e não esqueça o banheiro. Em seguida,
reabasteça as tampas e as xícaras e o balcão de condimento, menos o
leite e o creme, é claro. Então, tire o lixo quando sair e você está
liberada.
Hailey solta um suspiro. — Ainda bem que você escreveu tudo
isso. É muito para lembrar.
— Não se preocupe. — eu tranquilizo ela. — Eu vou vir e ajudá-
la a fechar o primeiro par de vezes, então você pode fazer qualquer
pergunta que surgir.
— Obrigada por me deixar fazer isso. — diz ela com sinceridade.
— Eu sei que isso significa ajustar sua agenda para se ajustar à minha.
Você não precisava, eu sei.
— Honestamente, é legal. — Eu sorrio. — Afinal de contas, desta
forma eu realmente tenho algumas noites livres de vez em quando.
Inferno, posso até acabar com uma vida social, se não tomar cuidado.
— O que eu faço com o dinheiro no caixa? — Hailey pergunta,
olhando para a caixa registradora.
— Oh sim. Isso é outra coisa. Você vai ter que equilibrar a gaveta
da caixa registradora à noite. — Eu franzo a testa. — Vamos salvar isso
para outra hora, no entanto. Depois de se sentir confiante sobre as
outras coisas. Por enquanto, basta colocar a gaveta do dinheiro no
cofre. Eu mesma tiro a maior parte do dinheiro, então só haverá
algumas centenas de dólares.
— Ok, bom. — ela ri. — Porque meu cérebro está começando a
sentir que vai explodir.
Eu coloquei Hailey para trabalhar limpando e enxugando as
coisas, e peguei a caixa e fui atrás para contar a gaveta do caixa. Eu
estou acostumada a fazer todas essas coisas sozinha toda noite, e é
muito,muito legal ter alguém me ajudando uma vez. Nesse ritmo, vou
sair daqui na metade do tempo que normalmente me leva. Luxo! Já
estou sonhando em tomar um banho quente e me servir um copo de
vinho branco gelado. São as pequenas coisas, afinal.
Um barulho alto me sacode da minha pequena fantasia. Um
momento depois, a voz de Hailey vem flutuando em minha direção pela
frente.
— Ei, um... Sydney?
— Sim! — Eu só estou fechando a porta do cofre.
— Tem alguém na porta da frente!
— Apenas diga a eles que estamos fechados! — Eu recebo
alguém pelo menos uma vez por semana que bate na porta para entrar,
mesmo que a porta esteja trancada e as horas estejam claramente
postadas bem ali.
— Sydney? Eu acho que talvez você devesse fazer isso.
— Sério? — Eu murmuro para mim mesma enquanto limpo
minhas mãos no meu jeans e me viro. Isso é algo que Hailey vai ter que
aprender a lidar se ela vai fechar sozinha. Já pensando na conversa que
vou dar a ela assim que tiver feito isso, saio para a loja e me preparo
para ser educada, mas firme com o cliente.
— Hailey, você vai ter que... — Eu começo, mas quando meus
olhos pousam no rosto olhando para mim do outro lado do vidro, eu
paro e fico em silêncio.
Ele é alto e moreno. Seus olhos parecem lasers nos meus em sua
intensidade.
Minha pele parece toda arrepiada, de repente.
Eu olho rapidamente para Hailey, que está olhando para mim com
os olhos arregalados “Eu te avisei!” em sua expressão.
Eu deveria apenas gritar pela porta que estamos fechados. Mas
algo em seu rosto me diz que ele não está aqui para tomar um café.
Incerta, eu abro a fechadura e abro a porta um pouco. — Oi.
— Hey. — ele ronca.
Deus, sua voz é como veludo. Eu suprimo um arrepio.
— Uh, estamos fechados. — Minha voz saiestranhamente
ofegante.
— Eu sei. — Ele acena uma vez. — Olha, posso falar com você?
— Ele olha para Hailey. — É relacionado ao trabalho.
Eu não posso imaginar o que é isso. O que diabos ' relacionado
ao trabalho’ significa? Ele está aqui para reclamar de novo sobre todo o
oxi nitroso acidente? Isso parece muito estranho, mesmo para ele.
Eu não posso acreditar no que estou prestes a fazer, mas a
curiosidade leva a melhor sobre mim.
Então eu abro a porta e deixo ele entrar.
Quando volto para o balcão, Hailey está olhando abertamente. Eu
suprimo um revirar de olhos, sabendo que ela vai fazer um grande
negócio com isso quando ela vier para o trabalho amanhã.
— Hailey, esse é... Brick. — eu digo, porque é isso que as
pessoas educadas fazem.
— Oi. — Ela está lá congelada no local, quase como se tivesse
sido congelada em um jogo de congelamento. Eu nunca vi Hailey agir
tão de repente tímido. Ela parece um coelho encurralado.
— Prazer em conhecê-la. — rosna Gavin.
— O prazer é meu. — ela murmura.
— Hailey, parece que você está quase terminando lá. — eu
observo. — Você pode ir agora. Eu chego cedo e termino de manhã. —
Eu não sei o que Gavin tem a dizer para mim, mas eu sei que
definitivamente não quero lidar com Hailey pairando por aí, fingindo não
ouvir, mas, na verdade, escutando. Especialmente porque depois, vou
ter que lidar com uma série de perguntas dela, que sei que não vou
querer responder.
— Você tem certeza? — ela pergunta incerta. — Quero dizer, eu
só tenho as jarras de café para limpar, e então eu acabo.
— Sim, está bem. — Eu a aceno. — Eu posso fazer isso amanhã
antes de abrir.
— OK. — Ela está claramente relutante, mas ela puxa o avental
sobre a cabeça e o coloca sobre o gancho ao lado do corredor dos
fundos. — Eu vou te ver depois da escola, então.
— Parece bom.
Ela pega sua mochila do armário onde ela sempre a guarda e
vagueia lentamente até a porta. — Ok, tchau, então. — ela murmura,
dando-me uma onda incerta. — Tchau, uh, Brick.
Gavin ergue o queixo para ela. — Tenha uma boa noite.
Eu espero até que ela esteja fora da porta, e a veja passar sua
motocicleta e ir embora. Então volto para Gavin, que está em pé no
meio da sala. Aparência sensual. E incomodado.
Como quente sexy, não quente de temperatura.
E incomodado como meio preocupado. Não… você sabe…
quente e incomodado.
Bom Deus. Estou tagarelando na minha cabeça.

***

— HEY. — ele diz novamente.


— Você já disse isso.
— Sim. Eu sei.
— Oh...
Bem.
Isto é…
Bem… estranho seria certamente uma maneira de descrevê-lo.
Eu não o vejo desde o dia em que o cartucho de óxido nitroso
explodiu. E eu meio que estava esperando que da próxima vez que ele
entrasse na loja, eu tivesse uma longa fila de clientes para lidar, então
não teríamos que conversar muito.
Eu nunca fui o tipo tímida. Meu pai fez questão de me criar para
que eu pudesse me segurar desde cedo. Mas há algo sobre esse
homem que parece me reduzir a algum tipo de colegial risonha. É
enlouquecedor. Eu sou pior do que Hailey com sua paixão do ensino
médio.
Não que eu tenha uma queda por ele, é claro.
Ugh.

***

EU ME DOU um severo discurso mental para me apossar de mim e


fazer com que ele se sente em uma das mesas. Ele vira o assento para
que ele possa apoiar seus antebraços no encosto. Eu pego a outra
cadeira, movendo-a para trás apenas um fio de cabelo antes de me
sentar, para me afastar um pouco mais dele.
— Então, uh, o que você precisa falar comigo? — Eu pergunto,
no meu melhor, nós quase nos beijamos quase dois dias atrás.
Ele parece distraído, seu rosto torcendo para uma careta
descontente. — Normalmente são apenas vocês duas pessoas
fechando este lugar no fim do dia?
— Não. Normalmente, é apenas uma de nós. Principalmente eu.
— O que?
— Eu estava ensinando Hailey a fazer isso, então ela mesma
poderá fechar às vezes. É por isso que ela estava aqui esta noite.
— Sério? — Seus olhos ficam arregalados e tempestuosos. —
Você geralmente está aqui sozinha, depois de escurecer?
— Desculpa. Eu tive que deixar meus sistema de segurança. —
eu digo, uma nota de sarcasmo na minha voz. — Eles ficaram muito
caros. — O que diabos ele achou que eu fiz? Ele nunca reparou que
somos só nós duas? Literalmente, não tenho nenhum outro empregado
na loja, exceto Hailey.
— Isso é loucura. — diz ele com um olhar sombrio. — Você está
totalmente exposta aqui. Toda a frente da loja é de janelas de vidro.
Qualquer um pode ver tudo o que você faz.
Eu bufo. — Sim. É totalmente assustador que eles possam me ver
limpar os balcões e re-estocar copos para viagem.
— Estou falando sério, Sydney. — diz ele com raiva.
Minha mente era um redemoinho de emoções quando ele
apareceu agora, mas é incrível a rapidez com que eles estão se
acomodando em apenas um: irritação. — Olha. — eu franzo a testa. —
A porta está trancada o tempo todo. — Eu aceno para a entrada. — E
vendo através das janelas vai nos dois sentidos, você sabe. Qualquer
um que quisesse pular em mim, eu os veria imediatamente. Eu tenho
meu celular. — eu digo, batendo no meu bolso de trás. — Inferno, eu
até tenho spray de pimenta no meu chaveiro. — Eu me inclino para trás
e cruzo meus braços. — Eu estaria lá atrás e sairia em segundos,
mesmo que eles decidissem derrubar a porta.
Ele não diz nada por um momento, por causa dos sulcos da testa,
para que eu saiba que ele não gosta do meu raciocínio. Eu resisto à
vontade de continuar me explicando, afinal, qual é negócio dele? Eu fico
irritada. Eu acabei de tentar me justificar. Ele pode simplesmente sair se
não gostar.
— Você tem um sistema de segurança? — ele desafia.
— Não. Eu não tenho. — Meu tom é desafiador. Eu pensei em
instalar um quando abri, mas honestamente, parecia muito caro. Eu não
estou prestes a dizer isso a ele, no entanto.
— Quantas vezes você fecha tão tarde?
— Não é mesmo tão tarde. — eu protesto. Assim que as palavras
saem da minha boca, estou chateada comigo mesma por responder a
ele. — Olha, Gavin. — em um tom que diz claramente que eu estou
sendo paciente, mas eu não preciso continuar ouvindo isso. — Devo
assumir que você veio aqui especificamente para criticar minhas
decisões sobre o quão atrapalhada estou para manter meu café aberto?
— Sydney. — ele diz, seu tom exasperado. — Você é uma mulher
sozinha, à vista de alguém que queria te fazer mal. Você sabe que é um
pato sentado esperando o tiro, certo? — Ele corre a mão pelo cabelo.
— Com spray de pimenta ou não. E, a propósito, o spray de pimenta
nem sempre funciona. Isso não afeta a todos. E se um intruso estiver
alto o suficiente, ou bêbado o suficiente, provavelmente não fará muita
coisa.
— Olha, o que é isso? — Eu pergunto impacientemente. — Você
está tentando me dizer que parou na minha loja depois que ela foi
fechada porque você de repente ficou incrivelmente preocupado com o
meu bem-estar? Não me lembro de pedir que você pare e me dê sua
opinião sobre como administrar meus negócios. — Minha voz está
subindo, mas eu não me importo. — Além disso, não sou idiota! E eu
apreciaria se você parasse de me tratar como uma. Eu não sou
completamente indefesa, você sabe.
Até agora, ele está procurando por todo o lugar, como se
estivesse examinando toda a loja em busca de pontos fracos e
vulneráveis ou algo assim. Mas, finalmente, ele para de olhar em volta
e me fixa com um olhar escuro e impenetrável.
— Está havendo uma onda de crimes aqui em Tanner Springs
ultimamente. — diz ele simplesmente. — Arrombamentos, assaltos. Um
incêndio criminoso, pelo que parece.
Eu me lembro vagamente de ter lido algo sobre isso no jornal local
uns dias atrás. Na verdade, não parecia grande coisa, embora
parecesse que o maldito céu estava caindo. Quer dizer, eu sou da
cidade. Merdas acontecem. Normalmente para pessoas que não estão
prestando atenção.
— Ok. — eu dou de ombros. — Então, como eu disse, vou tomar
cuidado. Além disso, o que eles vão levar? Alguns quilos de Kona e Blue
Mountain para vender no mercado negro? — Eu estou brincando.
— As pessoas se machucaram, Sydney. — Gavin diz baixinho.
— Eu não acho que um café vai estar no topo da lista de lugares
para roubar. — eu argumento. — A coisa mais valiosa aqui é a máquina
de café expresso, e como eles poderiam tirá-la daqui sem chamar
atenção para si mesmos?
— Sim. Mas eles podiam ver uma mulher vulnerável, sozinha na
loja, tirando dinheiro da caixa registradora. — diz ele enfaticamente. —
É quase tão fácil quanto invadir um lugar sem um sistema de alarme e
se ajudar com o que você quiser.
— Você sabe, Tanner Springs não parece realmente um foco de
atividade criminosa. Alguns garotos burros roubando as pessoas por
dinheiro não me assustam muito. — Eu ergo minha cabeça para ele. —
Na verdade, você e seus amigos do clube parecem as coisas mais
perigosas por aqui. Eu não deveria ter mais medo de você na minha
loja, enquanto eu estou sozinha aqui?
Ele faz uma pausa por um momento, seus olhos ainda entediados
nos meus.
— Sim. — ele ronca. Um canto da boca dele aparece em um meio
sorriso malicioso que envia um arrepio súbito na minha espinha. — Você
provavelmente deveria.

Estamos de pé atrás do balcão agora, porque, por algum motivo,


em vez de chutá-lo dez minutos atrás, como eu deveria, ainda estou
ouvindo ele me dizer como estou me arriscando a ser roubada ou pior.
— Não muito. — eu digo a ele. — Você pode não acreditar nisso,
mas uma cafeteria de cidade pequena não é exatamente um grande
fazedor de dinheiro.
Eu não sei porque estou respondendo suas perguntas neste
momento. E eu ainda estou chateada que ele ache que tem o direito de
perguntar essas coisas, já que não são da sua conta.
— Você tem um cofre?
— Sim, eu tenho um cofre. — eu digo, com um toque irritado,
meus olhos passando para o escritório de trás.
— Quanto você guarda normalmente lá?
— Sério. — eu reclamo. — Estes são exatamente os tipos de
perguntas que você estaria fazendo se você estivesse planejando me
roubar.
— Se eu estivesse tentando roubá-la, já teria saído pela porta com
o que quisesse.
— É isso mesmo? — Eu mostro meu queixo.
— Está certo. — Ele dá um passo mais perto. — Você não
acredita em mim?
— Eu acho que você está subestimando minha capacidade de me
defender.
Antes mesmo de eu saber o que está acontecendo, as mãos de
Gavin estão fechadas ao redor dos meus braços, me puxando para
perto o suficiente para ele que estou basicamente imobilizada.
— Mesmo? — Sua voz fica baixa, ligeiramente ameaçadora. —
Parece-me que você pode estar superestimando sua capacidade.
Um forte pico de adrenalina atravessa-me enquanto meu cérebro
se esforça para acompanhar o que acabou de acontecer. Ele está
definitivamente no controle agora, mas eu faço o meu melhor para
forçar meu rosto a não mostrar que eu sei disso. Os braços de Gavin
são como bandas de aço, e ele me prendeu contra o balcão de tal forma
que eu não conseguia nem mover minhas pernas o suficiente para
machucá-lo se eu precisasse.
— Bem, claro. — eu digo desafiadoramente. Há um pouco de
oscilação na minha voz e espero que ele não consiga ouvir. — Você me
pegou agora. Mas em uma situação da vida real, eu nunca teria deixado
você chegar tão perto de mim em primeiro lugar.
— Esta é uma situação da vida real. — ele rosna. — E você
mesma me disse, eu pareço a coisa mais perigosa por aqui. Mas você
ainda me deixa entrar em sua loja à noite, e deixa a outra única pessoa
que estava aqui com você ir para casa. Estamos trancados aqui agora,
só nós dois, e seu telefone e spray de pimenta que você voluntariamente
me contou estão fora do seu alcance.
— Eu... — Eu luto para empurrar para baixo um pequeno pico de
medo quando percebo o que ele está dizendo. Os olhos de Gavin estão
entediados nos meus agora, seu rosto completamente desprovido de
expressão. Eu não sei como responder. Ele não é realmente... quero
dizer... é ele? A possibilidade de eu ter entrado na armadilha como um
completo idiota faz meu coração começar a bater no meu peito.
— Admita que estou certa. — ele insiste.
Ele está tão perto agora que a voz rouca dele, profunda e rouca,
envia uma emoção elétrica através de mim. Apesar de tudo, meu corpo
está realmente respondendo a ele. Para isso. Para as mãos ásperas e
calejadas dele. Para o calor do seu corpo, tão perto do meu. Tudo
parece estar em hiper-foco agora. Até os lábios cheios e sensuais que
eu não posso deixar de perceber, estão a poucos centímetros dos
meus.
O pequeno pico de adrenalina que senti agora não era medo. Na
verdade não. Era outra coisa.
Desejo. Luxúria.
— Admita.
Se ele quiser fazer alguma coisa comigo, não há como lutar contra
ele, percebo. É inútil lutar. Se ele realmente está aqui para me
machucar, então ele está certo. Eu entrei direto nisso.
E se ele está aqui para outra coisa, Deus me ajude, mas eu
provavelmente não vou resistir.
— Tudo bem. — eu sussurro. — Eu admito. Você está certo.
As mãos de Gavin me soltam e de repente ele está a um metro de
mim, como se nada disso tivesse acontecido. Eu me inclino fracamente
contra o balcão contra o qual fiquei presa há poucos momentos.
Respirando fundo, deixo escapar, mas lentamente, rezando para que
ele não perceba o quanto estar tão perto dele me afetou.
— Agora. — diz ele, sua voz de repente todos negócios
novamente. — Vamos falar sobre seu cofre. Quanto está normalmente
guardado lá?

***

— HONESTAMENTE. — eu digo, enquanto estamos no escritório. —


Se alguém quisesse todo o dinheiro no cofre, eu provavelmente daria a
eles. Alguns milhares de dólares não valem o suficiente para eu arriscar
minha vida.
Eu me recuperei da lição de Gavin, mas eu ainda estou um pouco
chateada comigo mesma. E com ele. E um pouco confusa sobre a
reação do meu corpo ao dele. Mas eu não tenho a energia ou a bravata
para expulsá-lo agora. É como se, de algum modo, os últimos minutos
tivessem me tirado toda a luta.
— Claro. — ele balança a cabeça. — É estúpido arriscar sua vida
por algo tão pouco importante quanto dinheiro. Mas não é com isso que
estou preocupado. É que não sabemos o estado mental de quem quer
que esteja cometendo esses arrombamentos. — Ele me diz. — Você
poderia pensar que apenas entregar o dinheiro seria o fim de tudo. Mas
alguém que está alto, ou mesmo nervoso, pode não estar inclinado a
deixar você ir. E se eles acharem que você vai à polícia e conseguir
descrevê-los, eles podem querer assustá-la o suficiente para que você
pense duas vezes sobre isso. Ou pior.
Eu não peço a ele para esclarecer o que o pior poderia ser. Um
pequeno tremor passa por mim.
— Mesmo com a porta da frente trancada, se você voltar aqui
quando alguém invadir, você pode não ter tempo para ligar para o 911
ou pegar seu spray de pimenta. E como eu disse, agentes químicos nem
sempre funcionam. — Sua mandíbula tensa. — E isso assumindo que
eles entrem. Eles podem apenas tomar um caminho mais fácil e esperar
até você sair provavelmente com o dinheiro do caixa.
— Então, basicamente, você está me dizendo que não importa o
que eu faça, eu corro o risco de ser roubada, ou pior. — Eu suspiro e
puxo o laço de cabelo do meu cabelo em frustração, passando minhas
mãos pela minha juba espessa. — Se for esse o caso, qual é o seu
ponto? Parece que não posso evitá-lo, não importa que precauções eu
tente tomar.
— Não. Eu não estou dizendo isso. Quero dizer, sim, sempre há
algum risco. Mas faz sentido tentar mitigar esse risco o máximo possível.
— Como?
— Bem, por um lado, não leve dinheiro para o banco à noite. Leve
durante o dia, quando houver mais pessoas por perto.
— Ok, mas como isso me impede de me machucar? — Eu digo
presunçosamente. — Quero dizer, eu devo levar um sinal toda noite que
diz: 'O dinheiro do caixa está no banco'? Os bandidos não saberão que
não estou carregando isso.
— É verdade. — ele admite.
— Ha! — Eu canto, bombeando meu punho.
— Você gosta disso, huh? Provando-me que estou errado? —
Pela primeira vez, Gavin sorri. Não apenas uma meia-curva do lábio, ou
a insinuação de um sorriso afetado, mas um sorriso real que revela até
mesmo dentes brancos e rugas nos cantos de seus olhos,
transformando totalmente seu rosto inteiro.
É deslumbrante.
— Sim. Eu gosto disso. — eu sorrio de volta, ignorando o súbito
bater do meu coração.
Por um momento, ficamos ali, sem dizer nada. Parece que algo
talvez passe entre nós. Mas então seus olhos se voltam para o cofre, e
digo a mim mesma que era apenas minha imaginação.
— Então, você tem um bom ponto sobre o cofre. — ele balança
a cabeça. — Você deve definitivamente começar a variar as horas do
dia em que vai ao banco para fazer depósitos. E não faça mais à noite.
Mas você precisa de outro tipo de impedimento. Eu sugiro uma câmera
de segurança ou duas. E especialmente um aviso na janela anunciando
que o local está sendo filmado.
Mesmo que eu odeie admitir, toda essa conversa sobre
segurança e perigo me deixa um pouquinho assustada, droga. Por uma
fração de segundo, penso em Devon. Ele tentaria pegar o dinheiro que
eu trouxe quando eu deixei a cidade? Ele realmente me localizaria e
tentaria me fazer desistir, mesmo sabendo que era meu em primeiro
lugar?
Ele realmente viria a Tanner Springs para me encontrar?
Eu tento ignorar os pequenos cabelos que estão na parte de trás
do meu pescoço com o pensamento.
— Você acha? — Eu pergunto, vacilando.
— Eu acho.
Eu respiro fundo, seguro esolto. — OK. Você ganhou. Eu vou
cuidar disso.
Ele sorri para mim, os olhos brilhando. — Bom. Eu ia ganhar
eventualmente, então estou feliz que você tenha decidido ver a razão.
— Oh, você está? — Eu digo sarcasticamente.
— Você sabe que eu estava certo. — Seu tom se torna
provocativo. — Você é muito teimosa, eu vou te dar isso, mas você não
tem nada para reclamar de mim.
Eu bufo. — Deus, isso não é verdade?
— É. — ele concorda. — Então, da próxima vez, vamos nos
poupar do problema, e você pode ir direto ao ponto e concordar
comigo. Combinado?
Eu não posso evitar. Eu rio alto. — Isso é... improvável. Mas um
cara pode sempre sonhar, eu acho.
Isso é tão estranho. É tão confuso, estar perto dele. Eu não posso
lê-lo em tudo. Eu não tenho ideia de como nós passamos dele sendo
mal-humorado e exigente, para mim estar com medo de metade do meu
juízo pensando que ele estava prestes a me roubar ou pior, agora nós
dois brincando como se realmente gostássemos um do outro.
Quer dizer, como se fôssemos amigos ou algo assim.
Ainda assim, isso é muito, muito mais confortável do que estar
com medo dele ou sendo desconfortavelmente ligada por ele então eu
apenas concordo.
— Eu realmente não sei por onde começar. — eu continuo. — Eu
nunca pensei muito sobre essas coisas antes. Eu vou atéa loja de
câmeras de segurança e digo: 'Oi, por favor, você pode me vender
alguma segurança'?
— Diga o que quiser. — ele sugere, encostado na minha pequena
mesa. — Por que você não me deixa cuidar disso?
— Eu não posso. — eu começo, mas ele levanta a mão.
— Olha, eu vou ganhar este argumento eventualmente, lembra?
Então você deve desistir agora e deixar acontecer. Você pode me
reembolsar pelo equipamento. Vou instalar de graça.
Quando abro a boca para discutir, ele parece saber o que estou
prestes a dizer. Ele levanta a mão e me dá um olhar que diz: eu já ganhei
esse argumento, e você sabe disso.
Estou tentando pensar em alguma forma de afastá-lo para
convencê-lo de que realmente vou entrar em contato com alguém sobre
ir à loja e montar as câmeras quando, de repente, minha mente volta
para Devon.
Droga.
— Tudo bem. — eu digo.
Nunca me ocorreu pensar na cafeteria de Sydney como uma das
empresas que poderiam ser alvo. Não até que eu estava passando a
caminho de casa do clube esta noite e vi aquela garota lá limpando
mesas.
É verdade que a Golden Cup pode não ser o alvo mais óbvio para
quem está fazendo essas invasões. Mas também é verdade o que eu
disse: Qualquer pessoa com intenção criminosa que passeia ou dirige
por este lugar à noite vaiver Sydney lá e começar a pensar em maneiras
de invadir e dominá-la.
Sem algum tipo de proteção, ela é um alvo fácil.
Minha cabeça ferve com isso.
Antes que eu soubesse o que estava fazendo, eu estava batendo
com o punho na porta, assustando a menina e fazendo sinal para ela
me deixar entrar.

***

QUANTO MAIS TEMPO EU ESTOU sozinho com ela na loja trancada,


mais eu me preocupo com alguém roubando Sydney ou vandalizando
sua loja, e mais, eu imagino o que um cara sem muito a perder pode
fazer quando vê uma mulher que se parece com ela sozinha e madura
para ser tomada.
Porque, apesar de Sydney parecer o tipo de garota que pode lidar
com ela na maioria das situações, eu não acho que ela realmente tenha
noção do tipo de efeito que ela tem sobre a população masculina
heterossexual. Quão louca porra uma garota assim pode fazer um
homem que não sabe como se importar ou como se controlar. As
curvas de Sydney podem fazer um homem adulto vender sua maldita
alma por uma noite com ela. Aqueles maldosos olhos zombeteiros dela
caramba. Um homem poderia se perder para sempre neles. Eu quero
vê-los flutuarenquanto ela se perde de prazer. Quero morder seus lábios
carnudos e maduros de morango, para ver se têm um gosto tão doce
quanto parecem.
O pensamento de algum porra de merda olhando para ela através
do vidro, fazendo planos do que ele quer fazer com seu corpo... Isso me
faz querer vomitar. E assassinar qualquer um que olhe para o lado
errado de Sydney. Eu não quero assustá-la desnecessariamente. Mas
quero que ela seja cuidadosa, pelo amor de Deus. E embora eu acredite
que ela provavelmente seja a maior parte, não é suficiente. Não, quando
eu não sei quem diabos está lá fora, causando problemas em Tanner
Springs, ou por quê.
Eu não queria assustar Sydney quando a peguei no escritório. Eu
queria mostrar a ela como ela se tornava vulnerável ao deixar sua
guarda baixa ao meu redor. Até que consegui, parecia uma boa maneira
de entender. Mas quando minhas mãos se fecharam em torno de seus
braços e ela percebeu que não poderia escapar de mim se tentasse,
percebi que poderia ter cometido um erro terrível. Por um segundo,
quando seus olhos grandes e incertos olharampara os meus, eu me
senti como um filho da puta como um pedaço de merda de um humano
que fica assustando as mulheres por diversão.
Pior – muito pior - foi a percepção de que ela não me conhecia
bem o suficiente para ter certeza de que eu não estava lá para fazer mal
a ela.
Abri a boca para me desculpar, embora estivesse com medo de
que ela não acreditasse em mim. Mas, assim quando eu, vi um flash de
desafio transformar suas feições. Seus olhos pareciam atravessar-me,
como se ela não tivesse comprado meu joguinho. Como se ela estivesse
chamando meu blefe e não acreditasse nem por um segundo, eu estava
prestes a machucá-la.
O alívio que inundou minhas veias veio como uma surpresa
completa, quase me deixando tonto. Eu não podia acreditar que fiz algo
tão estúpido. Algo que chegou tão perto de fazê-la nunca sentir que ela
poderia confiar em mim.
E tudo porque eu queria protegê-la, ironicamente.
Eu a soltei e dei um passo para trás, ainda mais irritado comigo
mesmo porque eu estava duro como foda de estar tão perto dela,
mesmo por alguns segundos. A coisa é, eu poderia ter quase jurado
pelo olhar em seu rosto, pelo rubor na pele de seu pescoço, pelo jeito
que sua respiração acelerou um pouco quando ela trancou os olhos
comigo, que Sydney estava tão ligada quanto eu. Mas eu não estava
prestes a correr o risco de estar errado. E mesmo que não estivesse,
tentar alguma coisa naquele momento era sobre a pior ideia da história
do mau momento.
Então, eu me forcei a pensar em qualquer coisa absolutamente
qualquer coisa além do que fodendo Sydney no quarto dos fundos da
cafeteria dela. Eu prometi a mim mesmo que nunca mais cometeria um
erro como esse. E que eu teria a maldita certeza de que ela estaria tão
segura quanto humanamente possível, para compensar a merda que
eu tinha feito. Na minha opinião, pelo menos.

EU NÃO SEI O que finalmente fez Sydney parar de discutir comigo


sobre ela precisar de mais segurança na loja, mas eu não estou prestes
a perder tempo quando ela faz.
— Vou voltar amanhã à noite para montar uma câmera e mostrar
a você como trabalhar. — digo a ela. — Você vai estar aqui?
— Sim. Apenas eu. — Ela olha para mim e estreita os olhos, como
se esperasse que eu reclamasse de ela estar sozinha na loja à noite
novamente, mas decido não insistir por agora. Ela concordou em me
deixar ajudá-la. Essa é a parte mais importante por enquanto.
— OK. Mesma hora, mais ou menos? — Eu olho em volta da sala
por um relógio, mas não vejo nada.
— Fechamos às oito. — ela me diz.
— Eu estarei aqui cinco minutos antes.
Ela se move para me deixar sair, mas eu não vou embora até que
ela saia comigo. Com um bufo de indignação, Sydney termina o último
de seus trabalhos de encerramento enquanto espero. Ela coloca a
gaveta do dinheiro no cofre, e nós dois saímos pelos fundos, ela
trancando a porta atrás denós.
— Vejo você amanhã. — eu digo quando chegamos ao carro
dela. É o único estacionado no pequeno terreno escuro e escuro.
— M-hm. — ela resmunga, e desliza para o lado do motorista.
Espero até que ela ligue o motor notando com satisfação que ela
automaticamentebloqueia o carro por dentro quando entra e sai pela
noite.
Eu ando em volta do quarteirão para frente para a minha
motocicleta, minha cabeça cheia de Sydney, minhas narinas cheias do
cheiro de seu xampu. Meu pau ainda está na metade da minha calça e
eu estou pronto para ir para a casa do lago. Então, em vez disso, vou
em direção ao clube. Vou trabalhar um pouco e passar a noite no meu
apartamento lá.
Meia hora depois, tirei uma camiseta solta e desbotada e estou
na sala de musculação do clube. Todos estão no bar bebendo, jogando
sinuca, e inferno de levantamento, então eu tenho o lugar para mim. O
boom constante do baixo vem em minha direção do sistema de som na
sala principal. Estou levantando tanto peso quanto posso tolerar, veias
salientes em meu pescoço enquanto cerro os dentes e juro por mim
mesmo.
Depois de um tempo, alguém entra, enquanto a música se eleva
mais alto pela porta aberta.
— Ei, irmão. — diz a voz de Angel. — Você está perdendo a festa.
Eu grunho alto, dando a barra um empurrão final e colocando-a
acima de mim na prateleira. — Sim. — eu murmuro, e me sento. —
Precisava de um pouco de alívio do estresse. O tipo não alcoólico.
Angel se senta no banco ao meu lado. — Ei, eu queria te dar um
aviso. Aparentemente, Rock vai falar com Oz amanhã. Para ver se os
Devils estão lidando com coisas parecidas como nós temos.
— Sozinho? — Não é exatamente inédito Rock ir a um encontro
sem pelo menos alguns de seus oficiais, mas é bem incomum.
— Sim. — Angel fica em silêncio por um momento. — Eu
perguntei a ele quem ele estava levando, mas ele me cortou. Disse-me
para deixar isso em paz.
Uau. Isso é incomum. Quando um presidente se vai, o vice-
presidente fica a cargo do clube. Para Rock não ser próximo de seu
próprio vice-presidente... bem, é muito problemático. Mesmo que nada
esteja acontecendo.
Nós nos sentamos assim, sem falar, por talvez um minuto. Há um
sentimento de mau presságio entre nós, mas não é algo muito fácil de
se falar. A lealdade e respeito pelo presidente do clube é fundamental
para o nosso código como irmãos e oficiais dos Lords of Carnage. Uma
coisa é desafiar uma ideia que o presidente tem durante a igreja ou
oferecer uma opinião sobre uma decisão que precisa ser tomada. Mas
outra coisa é questionar as ações de Rock nas costas dele.
E mais do que isso: tenho a impressão de que nós dois estamos
questionando em particular mais do que apenas uma ou duas das ações
de Rock. Mesmo que Angel não tenha dito uma palavra para mim, o
olhar na sua cara me diz que ele está pensando em algumas das
mesmas coisas que eu tenho.
Angel está começando a questionar seu julgamento.
Para Angel dizer alguma coisa para mim sobre isso mesmo que
ele não tenha realmente dito nada é um testemunho de como ele está
preocupado. Porque embora Rock pareça ter suas próprias dúvidas
sobre se Angel está de volta ultimamente, a verdade é que Angel é um
VP tão bom quanto Rock poderia pedir. Eu admito, eu questionei Angel
no passado. Quando seu pai ainda era o prefeito, eu nem sempre tinha
certeza se a lealdade de Angel ao clube iria suportar seu senso de dever
para com sua família. Mas sou homem o suficiente para admitir que
estava errado sobre isso. Angel é tão sólido como eles vêm, e sua
determinação de fazer a coisa certa por todos nós é algo que eu nunca
deveria ter questionado.
O silêncio ainda está suspenso no ar entre nós. Quando um de
nós fala algo, iniciamos uma conversa real sobre o Rock que vai além
do que dissemos a nós mesmos em nossas cabeças. E nós dois
sabemos disso.
— Eu não gosto disso. — eu digo a ele finalmente.
Ele acena uma vez e fica em pé. — Nem eu.
Então ele se foi.

***

EU LEVANTEI peso por mais alguns minutos, mas agora meus


pensamentos estão girando com todas as coisas que Angel e eu não
dissemos um ao outro agora. Com um grunhido furioso, eu finalmente
jogo o altere que estou usando para baixo e me levanto do banco. Isso
não está funcionando.
Empurrando a porta para a sala de musculação, eu saio para o
corredor e caminho pelo bar, passando pelos irmãos que levantam suas
garrafas para mim e me oferecem um drinque, e as meninas do clube
que inclinam suas cabeças timidamente para mim em um convite
silencioso. Eu os ignoro e subo as escadas para o meu apartamento,
onde me sirvo um par de doses de uísque e descemos um após o outro.
Então apago as luzes, desfaço e subo na cama. Fecho os olhos e cedo
aos pensamentos de Sydney que estiveram comigo a noite toda. Em
poucos segundos, eu estou duro, e eu envolvo minha mão em torno do
meu pau latejante e acaricio-me a uma liberação estremecendo. Não é
quase o suficiente, mas pelo menos me ajuda a cair num sono inquieto
e perturbado.
Gavin insiste na instalação de duas câmeras na loja, embora eu
diga que é exagero. Há uma montada na entrada, então qualquer um
que se aproximar do local será registrado, entrando ou não. Então ele
coloca uma segunda acima da entrada do lado de dentro, em um ângulo
para registrar tudo oque acontece na sala principal da loja e no
corredor.
Estamos em pé no beco agora, onde meu carro está estacionado
e ele está resmungando para si mesmo.
— Eu deveria ter trazido uma luz com sensor de movimento para
por aqui atrás. — ele está murmurando para si mesmo. — E outra
câmera. Volto amanhã e arranjo isso para você.
— Gavin. — eu suspiro. — Você não acha que isso é tudo um
pouco demais? Quero dizer, pelo amor de Deus. Você está agindo
como se este lugar fosse Fort Knox ou algo assim.
— Nunca se perde por ser muito cuidadoso. — ele responde
enquanto fica parado na pequena área de estacionamento, calculando
claramente onde instalar a luz.
— Eu não sei sobre isso. — eu digo para mim mesma e balanço
a cabeça. Mas não adianta discutir. Gavin me disse ontem à noite que
ele era teimoso e caramba, ele não estava brincando. Parte de mim está
arrependida, eu já concordei em deixá-lo fazer isso em primeiro lugar.
Ainda assim, eu não posso deixar de admitir para mim mesma que eu
me sinto um pouco mais segura.
Quando tudo está configurado e ele testou as câmeras para ter
certeza de que elas estão funcionando, ele tira alguns sinais para as
portas dianteiras e traseiras que avisam qualquer criminoso em
potencial que a loja está sob vigilância por vídeo vinte e quatro horas.
— Os avisos realmente fazem a parte do leão do trabalho como um
impedimento. — ele me diz. — Então, ter um lugar proeminente é
importante.
— Sim. Tão proeminente que meus clientes vão vê-los e se
perguntam por que eu sou tão paranóica. — eu brinco.
Ele me ignora, claro. Enquanto ele está colocando os avisos, eu
me perco por trás do balcão e mentalmente passo por cima da minha
lista de verificação para me certificar de que não me esqueci de nada.
Então, eu, distraidamente, pego uma pequena pilha de receitas que
imprimo e começo a folheá.
— O que você está olhando? — Ele diz, me assustando o
suficiente para que eu pule e solte um gritinho. Ele de alguma forma veio
atrás de mim sem fazer nenhum som.
— Droga, não me assuste assim! — Eu chio, colocando a mão no
meu peito. — Estou olhando parareceitas de kolache.
— Mesmo? — A boca de Gavin aparece nos cantos. — Poque?
— Aquele cara maldito entrou de novo com seus amigos esta
manhã. — eu digo. — É a terceira vez que ele vem aqui, e ele ainda
está agindo como se estivesse praticamente sendo forçado a vir sob a
mira de uma arma. — Eu tiro meu queixo. — Mas eu decidi que vou
usá-lo se isso me matar. Vou fazer-lhe alguns kolaches e surpreendê-
lo.
Gavin sorri. — Você sabe que ele só vai dizer que eles não são
bons.
— Eu não me importo. — eu declaro. — Se ele fizer isso, então
eu vou saber que ele é apenas um idiota ingrato, e eu não vou mais me
importar com o que ele pensa. Mas pelo menos eu saberei que tentei.
— Você é determinada. — diz ele suavemente. — Boa sorte com
isso.
— Obrigado. — Eu seleciono a receita que parece mais
promissora e a movo para o topo da pilha.
— Então. — ele continua, olhando ao redor. — Eu terminei aqui.
Você?
— Sim. Tenho mais algumas coisas que posso fazer, mas acho
que vou deixá-las para amanhã de manhã. — Eu respiro fundo e dou-
lhe um sorriso. — Então, obrigado por fazer isso. Quero dizer, muito
sinceramente, você foi uma completa dor no rabo sobre isso, mas agora
que está feito... — Eu dou de ombros. — Eu acho que não pode
machucar nada tomar uma precaução extra.
— Jesus, finalmente. — ele ri, o som profundo e sexy em sua
garganta. — Eu pensei que você nunca iria admitir isso.
— Não me faça me arrepender. — eu o aviso.
Sua risada se transforma em uma gargalhada profunda. Isso me
lembra da primeira vez que eu realmente o vi realmente sorrir, e meu
estômago faz esse pequeno flip-flop que me faz sentir um pouco doente
e um pouco tonta ao mesmo tempo.
— Sim. Olha. — ele diz quando acaba de rir. — Se você terminou
aqui e eu terminei, venha tomar uma bebida comigo no Lion's Tap.
O flip-flop que meu estômago está fazendo se transforma em uma
bala de canhão do alto mergulho.
— Hum, eu não sei... — Eu digo vagamente.
Sim, eu admito se apenas para mim mesmo que eu acho Gavin
incrivelmente sexy. Até o ponto em que é uma luta quase constante
para manter a compostura em torno dele. Mas a idéia de sentar com
ele em um bar lotado, quase em um encontro, mesmo que não seja
realmente um, parece uma idéia ainda mais idiota do que estar
completamente cem por cento sozinha com ele em um café fechado.
Acrescente um pouco de coragem líquida, e isso definitivamente não é
um caminho que eu não deveria estar descendo.
— Uma bebida. — diz ele, e pisca para mim. — É o mínimo que
você pode fazer para me agradecer, você sabe.
— Você quer dizer que você vai me deixar pagar? — Eu digo com
espanto.
— De jeito nenhum! — ele ri. — Vamos. Você sabe que não vou
aceitar um não como resposta.
No final, cedo, mas apenas com a condição de que seja meu
limite. Poucos minutos depois, estamos sentados no bar do Lion's Tap,
uma cerveja na frente dele e um gim-tônica para mim. Eu nunca estive
aqui antes, embora tenha passado por aqui várias vezes. É meio escuro,
e há alguns grupos barulhentos do outro lado da sala jogando dardos e
gritando um com o outro. Mas aqui é mais quieto, quase íntimo.
— Então. Você disse que é de New Jersey. O que te trouxe a
Tanner Springs? — Gavin me pergunta.
Estou impressionada que ele se lembra desse detalhe, mas não
estou particularmente interessada em contar-lhe minha história de vida.
— Oh, eu ouvi sobre a cidade de um parente. — eu digo, acenando
com a mão vaga. — Minha tia-avó. Ela não morava aqui, mas conhecia
alguém que fazia e vinha visitar algumas vezes. Ela disse que era um
lugar muito legal. Então, quando eu estava olhando um lugar para sair
de Atlantic City e ir para algum lugar um pouco mais calmo, este parecia
um bom lugar para começar.
— Atlantic City, hein? Você cresceu lá?
— Mais ou menos. — murmuro baixinho.
— O que seria isso? — ele inclina a cabeça para mim.
— Mais ou menos. — eu digo mais alto. — Meu pai estava... no
negócio de resorts e cassinos. — Ha Isso é gentil.
— Isso é assim? — Ele franze a testa. — Deve ter sido um lugar
estranho para se viver quando criança.
Você não sabe a metade disso. — Sim. É um lugar estranho por
toda parte. Um dia, decidi que já tinha o suficiente de The Big Hustle.
Um novo começo, sabe? Uma nova vida. — Eu levanto um ombro.
Gavin me dá um olhar estranho. — Sim. Eu sei o que você quer
dizer.
— Isso mesmo. — lembro-me. — Você disse que veio para cá
depois dos militares. Marines, certo?
— Sim. — Ele se inclina para trás. — Quando saí, não havia muito
para mim em casa. Então eu decidi pegar meu amigo Gunner e sua
oferta para vir até aqui. Conhecer o clube. Ver se eu estava
intencionado em remendar.
— 'Remendar'? — Eu pergunto, franzindo minha testa.
— Juntar-se. Tornar-se um membro.
Eu considero isso. — Como é estar em um clube de motocicletas?
— É um trabalho em tempo integral. — ele responde. — Mais que
isso. É uma irmandade. Uma família.
Eu mastigo suas palavras. — O que você faz, além disso? — Eu
pergunto. — Como, para o trabalho?
— O clube é dono de uma loja de motocicletas e design
automotivo. Eu trabalho lá com um monte de outros irmãos. E algumas
outras coisas aqui e ali.
— 'Algumas outras coisas'. — repito com um sorriso. — Tipo,
algumas outras coisas não tão legais?
— Não tanto no momento. — Ele pisca para mim.
— Então, basicamente, o clube é a sua vida. — Eu estou meio
brincando, mas ele não sorri.
— É. — ele concorda. — Se metendo em um clube, você faz um
juramento de lealdade. É um compromisso vitalício, na maioria dos
casos. Uma escolha que você não assume de ânimo leve.
É engraçado ouvi-lo falar sobre a vida no clube. Ele
provavelmente não acreditaria, mas estou muito mais familiarizada com
esse tipo de existência do que ele pensa.
Soa um pouco como a vida que deixei em Atlantic City, de certa
forma. É um mundo à parte do que a maioria das pessoas considera
normal. De certo modo, era uma espécie de sociedade secreta. Uma
comunidade fechada, onde até mesmo se você não conhece
pessoalmente outro 'membro', você quase certamente sabia deles.
Exceto no mundo que deixei para trás, não havia lealdade a
ninguém além de você mesmo.

***

— HEY. — ele murmura, me tirando dos meus pensamentos. —


Você estava em outro lugar por um segundo.
— Desculpa. — Eu olho para baixo, sentindo minhas bochechas
vermelhas. — Não se lembra de algo.
— Sua bebida está vazia. — ele aponta. — Quer outra?
Eu balanço minha cabeça, embora eu esteja tentada a dizer sim.
Eu gosto de falar com ele assim, na verdade. Em território neutro, ele é
menos... intimidador. Quase encantador, na verdade.
— Não, é melhor eu ir. Tenho que ir à loja amanhã de manhã às
seis.
— Peguei você. — Ele joga uma nota no balcão e se levanta. —
Eu vou levá-la ao seu carro. — Eu começo a protestar, mas ele me
impede. — Eu estou levando você para o seu carro, e isso é indiscutível.
Saímos do bar e pegamos o ar da noite ligeiramente úmido. A lua
está baixa e vermelha no céu, logo acima dos telhados além do centro
da cidade. Nós dois caminhamos quase em silêncio em direção ao meu
carro, que ainda está estacionado atrás da Golden Cup
— Você sabe Gavin, você não pode simplesmente me seguir
constantemente, me protegendo. — eu finalmente brinco, porque a
relativa calma parece muito estranha depois do barulho do bar.
— Então, sobre isso. — ele ronca. — Por que me chamar de
Gavin? Eu te disse, meu nome é Brick.
— Não, você me disse que o apelido no seu clube é Brick. — eu
o corrijo. — Eu não estou no seu clube. Além disso, gosto do nome
Gavin. Isso combina com você.
Ele resmunga, mas não diz mais nada.
— Você já pegou o extintor de incêndio fixo? — ele finalmente
rosna.
— Eu não tive tempo. — Eu não quero admitir que o pensamento
não tenha me ocorrido. Isso apenas lhe daria mais combustível para o
fogo. Ha - combustível para o fogo! Eu bufo para mim mesma em minha
própria piada particular.
— Do que esta rindo? — Gavin ergue uma sobrancelha para mim.
— Nada.
— Nada? Você não vai me deixar entrar na brincadeira?
Estamos no estacionamento agora. Quando chegamos ao meu
carro, Brick se encosta na porta do lado do meu motorista, para me
impedir de abri-lo.
— Não é importante. Apenas uma coisa idiota que me ocorreu.
— Ele ainda não se move. — Você vai me deixar entrar no meu carro?
— Você vai olhar ao redor e verificar a área para se certificar de
que ninguém está se escondendo nas sombras, esperando por você?
— Seus olhos são reprovadores.
— Claro que eu teria, se vocênão estivesse aqui. — eu bufo.
— Certo. Isso é o que você diz.
Eu não posso dizer se ele está me provocando, ou se ele não
acredita em mim. E de repente, isso quase não importa, porque estou
furiosa. E estranhamente triste ou algo assim. Nós estávamos tendo
esse tipo de tempo legal e quase normal lá atrás, e agora ele volta a ser
o Senhor Julgamento. Não sei por que me importo, mas na verdade
gostei de conversar com ele no bar e no caminho de volta para cá.
Parecia... legal. E agora, eu me sinto como uma criança estúpida que
ele está repreendendo novamente. É tão humilhante. Como se eu não
fosse alguém que alguém pudesse levar a sério.
Foda-se, eu acho. Eu não vou aguentar mais essa besteira.
— Gavin,caramba, eu estou seriamente farta de você me tratar
como uma criança idiota! — Eu meio grito. Alguém ao alcance da voz
poderia nos ouvir agora,mas eu não me importo. — Literalmente desde
a primeira conversa real que tivemos, você tem me dito o quão estúpida,
desatenta eu estou, entrando no meu negócio e me dizendo o que fazer.
Tenho vinte e cinco anos e ainda estou depé, então devo ter descoberto
algumas coisas por conta própria. Eu posso não fazer as coisas
exatamente do jeito que você quer, mas não é sua escolha como eu
faço qualquer coisa.
— É assim mesmo? — ele me provoca.
Eu não sei como eu estava esperando que ele reagisse, mas seu
sorriso divertido quase me coloca em órbita.
Eu quero voar para ele bater meus punhos contra seu peito, raiva
contra ele com todas as minhas forças mas, porra, isso só vai fazê-lo
me falar ainda mais. De repente, eu não quero nada mais do que ele
simplesmente vá embora. Em qualquer lugar, apenas longe de mim. O
sangue fervendo em minhas veias se transforma em gelo.
— Por favor, afaste-se do meu carro. — eu digo a ele rigidamente,
minha mandíbula apertada para me impedir de gritar. — Eu estou indo
para casa. E terminei esta conversa.
O brilho em seus olhos desaparece, quando ele parece finalmente
entender que estou falando sério e seriamente zangada.
— Sydney. — Sua voz cai baixa e rouca. — Eu sei que você pode
cuidar de si mesma. Eu não estou fazendo isso porque acho que você
é criança.
Seu tom é tão suave, tão subitamente íntimo, que quase parece
uma carícia na minha pele. Eu tremo um pouco e tento me livrar dela.
— Oh sim? — Eu respondo, mas sai um pouco trêmulo. — Então
por que?
Ele dá meio passo à frente. Eu congelo no meu lugar quando ele
levanta a mão para roçar minha bochecha com o polegar.
— Porque acho que há algo sério acontecendo em Tanner
Springs. E eu não sei o que diabos é ainda. Estou tentando protegê-la
porque estou preocupado com você. — Sua mão se move por trás do
meu pescoço e punhos no meu cabelo, puxando apenas um pouco até
que minha cabeça está inclinada até a dele. — E porque eu tenho
vontade de fazer isso desde o primeiro dia em que te vi.
Aquele momento pouco antes de ele me beijar, quando seu rosto
está a apenas alguns centímetros do meu parece que vai durar para
sempre.
Seus olhos escuros estão trancados nos meus. Eles parecem
famintos, quase selvagens. Tanto é assim que sinto que minha pele está
derretendo do calor que está se formando entre nós.
Eu sinto o seu punho apertar no meu cabelo. Então, assim que
meus olhos começam a se fechar, a boca dele cai sobre a minha. O
beijo começa duro, exigente, mas quase imediatamente Gavin puxa de
volta tão ligeiramente é quase imperceptível, mas muda o ritmo
completamente. Ele me beija lentamente, procurando. Sua língua roça
meu lábio inferior, como fogo suave, e comum suspiro afiado eu abro
minha boca para ele, o querer me deixando subitamente tonta com a
força disso.
Ele me empurra de volta contra o carro, seu corpo pressionando
o meu. Eu percebo que mal consigo respirar. Todas as terminações
nervosas do meu corpo estão em chamas no seu tórax, vivas e
rendendo-se à forte musculatura dele. Uma pulsação aguda começa
entre as minhas pernas enquanto sua língua se enrola ao redor da
minha, provocando, brincando, insistindo. Minhas mãos se esticam por
conta própria e se agarram ao tecido de sua camisa, puxando-o para
mim, nunca querendo queisso acabe.
Gavin rosna baixo em sua garganta e puxa minha cabeça para
trás, expondo a carne do meu pescoço. Ele começa a beliscar e lamber
a pele, enviando choques elétricos pelo meu corpo direto para o meu
núcleo. Eu gemo alto e rolo meus quadris em direção a ele, meu corpo
instintivamente procurando o que sabe que está lá. Eu quase suspiro
quando eu encontro, o comprimento duro e delicioso de sua ereção,
que de repente eu preciso que ele pressione em mim. Eu preciso dele
para aliviar um pouco da dor - uma dor que só está ficando mais forte e
mais consistente a cada segundo que ele me toca.
Como se ele soubesse exatamente o que meu corpo está
pedindo, o outro braço de Brick passa por mim, me levantando e
pressionando seus quadris nos meus. Eu mal consigo não gritar com o
quão bom é quando a fricção de sua dureza me bate exatamente onde
eu preciso. Eu posso sentir minha calcinha encharcando e esse
pensamento leva ao pensamento dele pressionando o comprimento
enorme de seu pau dentro de mim, enchendo-me, e...
— Eu vou te ver amanhã. — Gavin rosna no meu pescoço, me
liberando.
Eu pisco e abro os olhos, tentando controlar o som da minha
respiração ofegante e dos meus seios arfando.
— O que? — Eu gaguejo.
— Vejo você amanhã. Para colocar a luz com sensor de
movimento e a última câmera. — Ele olha para o meu carro. — Entre.
Ficarei aqui até você sair.
Em transe, faço o que ele diz, destrancando meu carro com a mão
trêmula. Eu não estou implorando para que ele continue me beijando,
afinal eu tenho mais orgulho do que isso e estou muito confusa para
perguntar por que ele parou.Tenho certeza de que não foi porque o
beijo foi ruim ou porque eu tenho bafo ou qualquer coisa, porque ele
ainda está olhando para mim com aqueles olhos ferozes e famintos
enquanto eu deslizo para o banco do motorista e tremendo fecho a
porta.
Gavin acena com a cabeça uma vez quando ele me ouve apertar
o botão da fechadura da porta e me observa colocar meu cinto de
segurança. Um pequeno e minúsculo vestígio da minha raiva por sua
superproteção ataca minhas veias, mas eu estou longe demais para
que ela me alcance. Eu me sinto tonta com o beijo dele, como se eu
pudesse me transformar em uma poça tremendo aqui mesmo no banco.
Observo-me virar as chaves na ignição e ligar o carro, quase
como se estivesse vendo alguém fazer isso. No caminho de casa, minha
pele parece estar zumbindo, quase como se alguém estivesse
passando uma corrente elétrica através de mim. A sensação dura
enquanto estaciono meu carro e deixo-o ir para a minúscula casa que
estou alugando. Dentro, olho em volta, atordoada, quase como se
tivesse entrado na vida de outra pessoa por engano. Tudo parece
diferente, como se estivesse em um hiper foco.
É estranho como o inferno.
Quando eu finalmente começo a relaxar um pouco, não posso
deixar de rir de mim mesma um pouco. Deus, estou agindo como uma
adolescente que nunca foi beijada antes. Não é como se eu não tivesse
tido minha cota de parceiros sexuais, no entanto, sejamos honestos, eu
nunca tive um beijo que me afetou desse jeito. Meu corpo ainda está
vibrando de excitação, a lembrança de seus lábios ainda nos meus.
Ainda posso sentir a tensão de seu corpo o poder bruto que eu podia
sentir na dureza de seus músculos, mas o que me pegou de surpresa
foi a inesperada ternura de seubeijo. Mesmo que de alguma forma, logo
atrás da pressão suave de seus lábios, havia algo que estava apenas
esperando para ser liberado. Gavin se segurou de volta. Por que, não
tenho certeza. Mas eu não acho que foi porque ele não queria mais.
Eu me preparo para a cama mecanicamente, mal o registro
quando tiro minhas roupas e as atiro no cesto. Eu já sei o que vou fazer
quando deslizar entre os lençóis. Assim que a luz é apagada e eu estou
na cama, eu alcanço a pequena gaveta da minha mesa de cabeceira e
pego meu vibrador, minha respiração acelerando um pouco. Eu não
faço sexo desde antes de me mudar para Tanner Springs. Eu
definitivamente fiz uso de ajuda operada por bateria desde então. Mas
eu não estava tão excitada tão desesperada por libertação quanto estou
agora, desde...
Bem, honestamente, eu não tenho certeza se já estou ligada.
Afasto minhas pernas e imagino que as vibrações que deslizam
ao longo das minhas dobras lisas são seus dedos me acariciando. Então
sua língua, me provocando habilmente enquanto arqueio minhas costas
do colchão e gemo tanto. Eu alcanço e belisco um mamilo, puxando
uma respiração afiada quando percebo o quão perto eu já estou. Eu
quero acaricia-lo o maior tempo possível, mas não posso, eu preciso
muito dele, e quando estremeço meu orgasmo, me surpreendo gritando
o nome de Gavinno escuro. Adormeço com a lembrança dos seus
lábios nos meus.

***

E M VEZ DE SONHAR COM G AVIN, porém, é Devon quem vem me


assombrar à noite.
É um sonho de jogo. Eu não tive um desses em meses. Nele,
estou jogando roleta, não blackjack, que era o meu jogo de volta no dia.
Por alguma razão, meu pai é o crupiê. Parece que ele era quando era
mais jovem, não prematuramente envelhecido pelo câncer como se
estivesse no final da vida. Há outras pessoas na mesa, mas eu só
reconheço Devon. Ele está vestindo sua camisa preta padrão e calça
jeans preta. Seu rosto agudo e anguloso está tenso de concentração,
faminto por vencer um olhar que conheço muito bem.
Eu odeio roleta. Eu não sei porque estou nessa mesa. É um jogo
onde você quase sempre perde para a mesa, eventualmente. A borda
da casa é alta às vezes mais de cinco por cento. Isso é maior do que
blackjack, craps ou bacará. Então eu sei que vou ter que ter cuidado se
eu quiser sair da mesa com o meu dinheiro.
Eu não tenho certeza porque não me ocorre apenas pegar minhas
fichas e ir para a mesa de blackjack. Ou inferno, apenas deixar o
cassino. Porque é o que eu quero fazer. Mas no sonho eu sei que eles
não me deixam sair daqui a não ser que eu jogue pelo menos uma vez.
Eu digo a mim mesma que, se eu fizer apenas uma aposta, será assim,
e eu poderei ir.
A roleta dá a você a chance de ganhar trinta e cinco vezes a sua
aposta. Desta forma, a roleta é mais parecida com slots uma aposta
única pode ganhar muito. É também como slots em que a borda da casa
é muito alta.
Eu coloco uma aposta de dinheiro igual, nos números de um a
dezoito. Atlantic City tem uma regra especial que reduz a vantagem da
casa para 2,7% em apostas de dinheiro mesmo, então é minha melhor
estratégia jogar conservadorae seguir em frente.
Devon faz uma Street Bet um conjunto de três números, que vai
pagar onze para um se ele ganhar. Todos os números que ele escolhe
são entre um e dezoito. O que significa que se ele ganhar, eu ganho. Se
ele perde, eu também
Ele tem quase três vezes mais fichas que eu, e ele coloca todas,
divididas igualmente entre os três números. Aposto no mínimo da mesa
e não mais. Desde que é uma recompensa de dinheiro mesmo. Eu não
vou fazer muita coisa mesmo se eu ganhar, mas eu não me importo.
Tudo que eu quero é sair daqui.
Uma paixão quase claustrofóbica aperta meu peito enquanto vejo
meu pai soltar a bola. Eu odeio ter o destino de Devon ligado ao meu,
mesmo que momentaneamente. Uma agitação nervosa começa no
fundo do meu intestino, enquanto todos nós assistimos a bola voar ao
redor do volante, ricocheteando fora dos buracos com um som de
catraca.
A bola cai em vinte e quatro preto. Nós dois perdemos. Percebo
que estou prendendo a respiração e deixo escapar o mais
silenciosamente que posso. Estou quase aliviada por perder, porque se
tivesse vencido, sei que ficaria tentada a apostar novamente. Eu pego
todas as fichas que deixei na bolsa e me viro da mesa longe de Devon
e do meu pai sem uma palavra. Eu ando o mais rápido que posso sem
correr, mas de repente choro de dor quando Devon agarra meu cabelo
e me puxa de volta.
— Não vá embora com a minha merda, vadia. — ele diz contra
meu ouvido. Sua respiração é espessa com fumaça e bebida.
Eu grito alto, esperando que alguém veja o que está acontecendo
e me ajude. Mas quando olho em volta loucamente, sei que não adianta.
Mesmo que quase todos os cassinos em que eu já estive estivessem
cheios de pessoas, em meu sonho não há ninguém à vista, e a sala é
tão escura quanto um túnel. Eu lanço minha bolsa para trás, jogando-a
tão longe atrás de mim quanto posso, e então arranco meu cabelo para
longe de Devon e corro o mais rápido que posso, esperando que eu
esteja correndo emdireção à entrada, luz e liberdade...
Cedo, eu acordo no meu quarto escuro. Não há um indício de luz
da manhã entrando pela janela, e o silêncio de um mundo adormecido
é quase ensurdecedor. Sento-me e ouço minha própria respiração
irregular e tento sacudir os demônios da minha cama.
Você está aqui, repito na minha cabeça como um mantra a cada
respiração. Você está aqui.
Depois de muitos minutos, eu caio de volta na cama, mas posso
dizer que o sono não vai me encontrar novamente esta noite. Então, em
vez disso, eu rolo e me levanto, resignada.
Um banho longo e quente é a melhor coisa que posso imaginar
para clarear minha mente. E depois para a loja, para me perder na
mistura, no cozimento e na preparar cafés e bolos. Para ser Sydney
Banner, de Tanner Springs e deixar Syd Banner de Atlantic City
firmemente de volta ao passado, onde ela pertence.
Me afastar de Sydney, resistir à vontade de levá-la contra seu
carro no estacionamento escuro foi a coisa mais difícil que já fiz.
Eu nem sabia que ia me afastar até que já tivesse feito isso. Eu
poderia dizer que ela estava confusa como o inferno quando eu dei um
passo para trás e disse-lhe boa noite. Inferno, meu pau estava confuso
também. Sydney estava pronta para mim porra, o jeito que ela estava
gemendo e se esfregando contra mim me disse que estava
desesperada por isso. Eu parei algo que nós dois queríamos que
acontecesse. E eu queria tanto que estava praticamente me
enlouquecendo, imaginando como seria seu gosto quando eu
separasse suas coxas apertadas e mergulhasse minha língua naquela
doce buceta dela.
Mesmo quando eu volto para a minha casa com uma furiosa
ereção meu pau gritando comigo por deixar ir o momento no meu
intestino, eu sei que foi a decisão certa.
Eu ainda estou chateado comigo mesmo por assustá-la no café
naquela noite. Eu estou acostumado a estar no controle no quarto,
inferno, eu exijo mas eu não estou pegando o que eu quero de alguém
que não quer, também. Ontem à noite no beco, ela estava vulnerável.
E mesmo que eu soubesse que ela queria tanto quanto eu, eu com
certeza não queria que ela me associasse por ter sido atacada no
escuro por alguma merda.
Eu vou ter Sydney. Eu sei disso com tanta certeza quanto sei de
alguma coisa. Mas vou me certificar de que está em seu território e que
ela sabe exatamente com o que está concordando. Eu vou fazer ela
pedir.
Inferno, eu vou fazê-la implorar.
NA MANHÃ SEGUINTE, espero até que a corrida matinal de Sydney
termine para aparecer na loja. Há apenas dois clientes na Golden Cup
quando eu chego, ambos sentados sozinhos nas mesas perto da janela.
Eu abro a porta, o sino agora familiar anunciando minha chegada.
Sydney olha para cima ela está enchendo um pequeno recipiente de
algo colorido quando ela vê que sou eu.
Ela parece um pouco cansada esta manhã, o rubor de suas
bochechas se destacando contra o pálido de sua pele. Ela não está
usando maquiagem, eu não acho, e isso só a deixa mais linda, mais ela.
Como se ela estivesse apenas um pouco mais perto do nu sem nada
em seu rosto.
— Bom dia. — eu aceno para ela, subindo para o balcão. Eu
levanto a bolsa que estou carregando. — Eu trouxe a luz com sensor
de movimento para colocar lá atrás.
Ela parece um pouco confusa, e eu sei que ela está pensando
sobre a noite passada. É fodidamente adorável.
— Eu pensei que você voltaria amanhã à noite! — ela murmura.
— Eu disse que te veria amanhã. Isso é amanhã.
Seus olhos semovem em direção aos clientes. — Tudo bem. —
diz ela, dando um leve aceno de cabeça. — Você pode entrar e fazer o
que for preciso. A porta dos fundos trava por dentro, então deixe aberta
para que você possa voltar.
Eu mal ouço o que ela diz. Estou muito focado na tinta pálida de
seus lábios e na lembrança de como eles provaram a noite passada.
Imediatamente eu estou com dificuldade, e eu coloco a bolsa sutilmente
na frente da minha virilha.
— Eu vou ter feito em menos de uma hora. — digo a ela, e ando
pelo corredor em direção aos fundos. Eu deixei minhas ferramentas em
seu escritório, eu entro e os pego-as, olhando para a pequena
escrivaninha e rindo enquanto eu tenho uma ideia para depois.
Eu termino as instalações em quarenta e cinco minutos. Esta
manhã, antes de vir para cá, coloquei a câmera para transmitir para o
meu celular, como fiz com as outras. Se alguma coisa acontecer,
poderei acessar o vídeo onde quer que eu esteja, sempre que precisar.
Eu só sinto uma pequena pontada de culpa que eu não estou
dizendo a Sydney isso.
Quando volto para dentro, um de seus clientes saiu. O outro, um
homem de meia-idade, magro e com a aparência de cansado, está
batendo levemente em um laptop, fones de ouvido nos ouvidos e uma
xícara vazia na mesa à sua frente.
Sydney se vira para mim com expectativa, parecendo um pouco
menos abalada do que antes.
— Vou pegar meu pagamento em café. — digo a ela. — O
habitual.
Ela me dá um pequeno sorriso tímido. — OK. Mas estou sem
bolinhos de mirtilo esta manhã. Você quer testar algo em mim?
— O que é isso?
Um canto de sua boca se ergue, revelando uma pequena covinha
que eu nunca notei antes. — Um kolache.

***

É BOM. A massa é dourada e fofa, e no meio da massa redonda


está um pequeno monte do que acaba por ser uma espécie de creme
de queijo doce. É bom pra caralho com o café.
— Se esse velho bastardo não gostar disso, não há como salvá-
lo. — digo a ela quando engoli a primeira mordida.
— Eu fiz alguns com cobertura de semente de papoula também.
Eles estão no forno agora.
— Parece delicioso. — Quero dizer. Já tive o suficiente dos doces
de Sydney, sabendo que ela é muito boa nisso.
— Talvez se você jogar suas cartas corretamente, eu vou deixar
você provar um desses também. — ela responde atrevidamente. Eu não
sei por que, mas há algo sobre o olhar no rosto dela quando ela decide
me provocar. Isso me faz querer levá-la para o quarto dos fundos e fazer
todas as coisas sujas queeu puder pensa com ela.
— Como você aprendeu a cozinhar? — Eu pergunto a ela em vez
disso. Eu quase espero que o rosto dela se a pague, como geralmente
acontece quando faço uma pergunta pessoal. Mas em vez disso, ela
realmente me dá algo como uma resposta.
— Minha mãe não estava por perto quando eu era criança. — ela
me diz. — Meu pai me criou. Eu sou filha única, então passei muito
tempo sozinha, em casa, quando ele estava no… trabalho. Muitas vezes
eu morava em bairros que não tinham muito para uma garota fazer.
Então. — ela encolhe os ombros. — O que uma garota entediada e
faminta com uma inclinação por doce faz? Aprende a preparar coisas.
— Isso, ou aprender a furtar. — eu sorrio. — Como eu fiz.
Na cozinha, o temporizador do forno apita.
— Eu deveria estar deixando você sem supervisão aqui? — ela
sorri.
— Lembre-se, estamos sob vigilância por vídeo. — murmuro,
olhando para a câmera que nos treinou. — Eu nunca poderia fugir com
isso.
Sydney volta para checar suas kolaches. Eu termino o minha em
silêncio, pensando em sua bunda. Um minuto depois, o cara cansado
fecha seu laptop e o coloca em uma bolsa de ombro. Ele deixa seu copo
vazio em sua mesa e sai. Quando o sino toca atrás dele, levanto-me e
volto para a cozinha.
— Seu último cliente se foi. — murmuro contra o ouvido de
Sydney quando eu chego atrás dela.
Meus lábios roçam a pele sensível do pescoço dela. Eu a ouço
puxar uma respiração superficial.
Eu envolvo um braço ao redor dela e a puxo de volta contra mim,
deixando-a sentir o quão duro eu já estou. Deslizando a mão em seu
jeans, sob sua calcinha, eu mergulho um dedo em sua umidade. Ela
está fodidamente encharcada. Ela suspira.
— Feche a loja. — eu rosno.
— O que? — ela diz sem fôlego.
— Feche a loja. Agora.
É uma ordem, mas este é o lugar de Sydney. Ela não tem
obrigação de segui-la e sabe disso.
Ela vira a cabeça para mim, seus lábios entreabertos. Eu sinto
seus quadris arqueando para trás, pressionando sua bunda contra o
meu pau.
— Tudo bem. — ela sussurra.
Eu a observo enquanto ela se move para a porta da frente, vira a
placa para 'fechada' e vira a fechadura.
Quando ela volta, eu a encontro na entrada do corredor.
— Escritório. — eu comando.
Ela nem hesita. Ela morde o lábio inferior, os olhos arregalados e
escuros, e depois continua para trás, sabendo que eu estou seguindo
logo atrás dela. Quando ela chega ao escritório, ela se vira para me
encarar. Ela chega atrás daescrivaninha, firmando-se. Seus lábios estão
separados, respirando superficialmente. Ela está fodidamente pronta
para mim. Ela quer isso. Eu sei que ela faz. Mas preciso ouvi-la dizer
isso.
— Você se tocou na noite passada e pensou em mim? — Eu
rosno, meu pau tão forte que eu tenho medoque vai dividir o zíper do
meu jeans.
— Sim. — ela sussurra.
— Você quer isso.
— Sim. — ela sussurra novamente.
— Diga.
— Eu quero isso.
— Tire suas roupas. — eu ordeno. — Eu quero observar você.
Ela está vestindo uma daquelas camisetas simples e pequenas
que mostram os seios. Eu assisto, meu pau doendo, quando ela puxa
sobre a cabeça, revelando um sutiã rosa rendado por baixo. Meu pau
lateja mais forte quando ela alcança e solta o sutiã, em seguida, desliza
para baixo em seus braços para revelar lindos seios redondos com
botões cor de rosa na mesmacor de seus lábios. Foda-se. Está me
matando para não estender a mão e pegar as tetas dela em minhas
mãos, mas estou gostando da agonia.
A pele de Sydney está corada e linda. Eu não tiro meus olhos dela
por um segundo.
— Tire o jeans. — digo a ela enquanto tiro minha própria camisa.
Ela faz o que eu digo a ela, os olhos fixos no meu peito e braços.
Eu percebo que ela está olhando para minhas tatuagens, seu olhar se
movendo de um para o outro quando ela arranca seus sapatos, em
seguida, abre seu jeans e sai dele.
Ela está na minha frente agora, nua, exceto por uma calcinha fina.
— Foda-se. — eu rosno. — Você é muito linda, Sydney.
Eu esperei tanto quanto posso. Desabotoando minha calça jeans,
eu a empurro para baixo e meu pau se solta, dolorosamente duro. Por
um momento, me pego na mão e acaricio lentamente, enquanto olho
para ela e tento não gemer alto. Jesus foda, isso é bom. Eu estou
dividido entre apenas dobrando-a sobre a mesa e fodendo-a sem
sentido, e tomando meu tempo com ela. Mas a única coisa que não
posso arriscar é alguém bater na porta do lado de fora e ela pegar suas
roupas e sair correndo para abrir a loja antes de eu terminar com ela.
Eu tomo minha decisão.
— Sente-se na mesa. — eu ordeno ela. Ela imediatamente faz o
que é dito. Eu me movo entre as pernas dela, a cabeça do meu pau
escovando novamente sua umidade. Sydney joga a cabeça para trás e
geme, as pernas se espalhando. Eu me inclino e a beijo, minha língua
sondando profundamente em sua boca enquanto eu provoco seus
lábios já inchados. Ela choraminga e se esforça para mim.
— Este é apenas o começo, querida. — eu grunho, meus lábios
se movendo para baixo, para a pele sensível do pescoço. Seu pulso
está batendo como as asas de um pássaro. — Este é apenas o começo
de tudo o que vou fazer com você.
Eu levanto uma mão e tomo seu seio cheio, meu polegar indo para
seu mamilo sensível. Eu escovo contra sua pele com minha mão áspera,
e ela ofega e arqueia o peito em minha direção. — Gavin. — ela geme,
seu tom de voz urgente. — Oh Deus…
Algo cai na minha barriga quando ela diz meu nome. Aquela voz
rouca, tão cheia de necessidade, dizendo um nome que quase ninguém
conhece. O nome que só ela usa. Ele puxa algo profundo, como se ela
estivesse chegando lá dentro, para um lugar que ninguém mais sabe
procurar.
Seja o que for, é ligado diretamente ao meu pau.
Seria tão foda deslizar meu pau dolorido dentro dela, me enterrar
até o punho. Ela está tão pronta para mim. Mas eu tenho esperado por
muito tempo para prová-la, e não posso mais esperar. Eu a pressiono
de volta até que ela esteja deitada na mesa, e a empurro até que seus
pés estejam descansando em cima da mesa. Eu abro osjoelhos e me
inclino para lamber e beliscar a pele sensível de suas coxas. Eu posso
sentir o momento exato em que ela percebe o que estou prestes a fazer,
seus músculos tensos em antecipação, seus quadris se inclinando para
encontrar minha boca.
Eu rosno baixo na minha garganta e passo minha língua
lentamente pelo comprimento de sua buceta. Bom Deus, ela tem um
gosto doce. Ela estremece e grita, suas coxas se abrindo ainda mais.
Eu ataco novamente, em seguida, mergulho minha língua
profundamente dentro dela, provando-a, ouvindo seu corpo enquanto
ela choraminga e empurra em minha direção. Eu quero tomar meu
tempo, mas mais do que tudo, eu quero ouvi-la gozar, quero senti-la
gozar na minha língua. Eu lambo e provoco, e as mãos de Sydney se
agarram desesperadamente à mesa. Sua cabeça rola de um lado para
o outro, seus gritos ficando mais altos e mais altos. De repente, com um
suspiro e um grito, ela convulsiona, seu corpo inteiro tremendo quando
seu orgasmo a leva.
Eu continuo a lamber ela até que ela começa a se acalmar. Então
eu me abaixo e pego minha calça jeans, puxando uma camisinha da
minha carteira e deslizando sobre o meu eixo. Apenas essa quantidade
de contato me faz sufocar um gemido, eu estou tão difícil, e então eu
estou deslizando meu pau contra a entrada dela e ela está me
implorando para empurrar dentro dela, para preenchê-la. Eu afundo
dentro de seu canal quente tão lentamente quanto eu posso aguentar,
mas então Sydney está gemendo e se debatendo novamente e eu
agarro seus quadris e começo a empurrar, duro, mais forte, e eu sinto
sua buceta apertando em torno de mim quando ela vem em um
segundo orgasmo, e eu grito o nome dela e me esvazio dentro dela,
chegando tão forte que acho que por um segundo eu posso desmaiar.
— Ó meu Deus.
Sydney está ofegando quando eu a puxo para cima, ainda dentro
dela, e envolvo meus braços ao redor dela. Eu a beijo profundamente e
ela ri. — Você tem gosto de mim. — ela murmura.
— Fodidamente delicioso, não é? — Eu digo.
— Isso foi... — ela respira fundo, estremecendo. — Uau.
— Uau, está certo. — eu concordo. — Sobre o tempo nós
chegamos ao redor disso.
— Eu nunca vou olhar para este escritório da mesma maneira
novamente. — ela sorri, balançando a cabeça enquanto olha para a
mesa.
— Bom. — Eu a beijo. — Você estará molhada e pronta para mim
toda vez que pegar sua caixa registradora a partir de agora.
A pele de Sydney fica vermelha. — Eu deveria abrir a loja de volta.
— ela murmura. — Eu nunca fechei durante o dia antes.
Eu me abaixo e pego suas roupas, depois as entrego para ela.
Nos vestimos em silêncio, mas não é particularmente estranho. Seu
rabo de cavalo está praticamente desfeito, e ela puxa o prendedor e
passa os dedos pelas mechas, levantando-a de novo. — Como estou?
— ela pergunta.
— Como sexo em um prato. Menos o prato.
— A ideia é não parecer sexo. — ela me informa, alisando o
cabelo.
— Bem, eu acho que é uma batalha perdida. — digo a ela. — Mas
relaxe. Você parece bem. Ninguém nunca vai saber que você estava
aqui sendo fodida até o cérebro apenas alguns momentos atrás.
Ela me dá um suspiro. — Romântico.
— Ei, porra é romântico. — eu protesto. — É só que, em vez de
trazer flores para você, eu te trouxe uma câmera de vigilância.
Eu deixo ela sair e abrir primeiro, para que ela não fique
envergonhada se alguém estiver fora. Alguns minutos depois, eu a sigo.
Saio para a loja principal assim que outra pessoa está entrando pela
porta.
— Eu vou te ver mais tarde. — eu murmuro em seu cabelo. — Eu
tenho que ir cuidar de algumas coisas.
— Tudo bem. — ela murmura de volta. Eu me viro para ir, depois
olho para ela uma última vez. Ela me dá um sorriso radiante, tão radiante
que percebo que não acho que a vi sorrir daquele jeito antes. É como
um maldito presente, sabendo que sou eu quem colocou lá.
Eu ando até o clube a tempo para a igreja, sentindo como se eu
tivesse acabado de matar um maldito dragão.

***

— NENHUM dos donos de negócios com quem conversei tinha


alguma informação para nós que ainda não sabemos. — diz Striker. —
Nenhum deles tinha vigilância de vídeo em funcionamento, mas alguns
deles estavam planejando instalar câmera por causa do arrombamento.
Todos pareciam um pouco desconfiados de eu vir falar com eles no
começo, mas no final eu acho que consegui convencê-los de que os
Lords não estavam envolvidos, e que estamos falando sério sobre
querer ajudar a manter isso. Merda longe de Tanner Springs.
— Isso é o que eu tenho também. — diz Hawk. — Foi uma jogada
inteligente, irmos diretamente a eles. Boas relações públicas. Glen, o
cara que é dono do Ace Liquor, disse-me para agradecer ao clube por
estender a mão.
É bom ter boas notícias. Mais dois lugares foram roubados ou
vandalizados na última semana. Parece que provavelmente não estava
conectado, alguém pintou quadros de pau bruto e palavras de quatro
letras na frente de um centro comunitário. Provavelmente são apenas
crianças estúpidas com nada melhor para fazer. O outro, porém, era
mais sério. Alguém invadiu a loja de ferragens local pelos fundos e fugiu
com um monte de ferramentas caras e outras merdas. Eles destruiram
o lugar muito também, além doque eu entendo.
— Quem conversou com o Hardware da Sunderland? — Angel
pergunta.
— Eu vou lá esta tarde. — diz Tweak. — Hank diz que eles têm
câmeras instaladas lá atrás. Espero poder dar uma olhada no que eles
têm.
— Tudo bem. Alguém mais? — Rock olha em volta da mesa. —
Não? OK. Vamos falar dos prospectos. Antes de passarmos a votar em
Bullet e Lug Nut, quem tem alguns novos nomes? Homens que você
acha que tem o que é preciso para ser um Lord?
Cinco dos irmãos falam e nos dizem quem eles gostariam de
trazer. O primo do Striker. Um é um cara que Skid sabe quando ele
morava no Tennessee. Todos eles parecem ter potencial, e Rock dá
tudo certo para trazê-los e mandar eles começarem a andar pelo clube.
Finalmente, chegamos ao negócio de remendar dois de nossos
prospectos de longo prazo, Bullet e Lug Nut. Ambos estão no clube há
alguns anos e estão em prospecção há pouco mais de um ano. Nós
conversamos sobre eles um por um, dando a volta na mesa e dando
nossos argumentos a favor e contra trazê-los aos Lords. Este é um
negócio sério, uma das decisões mais importantes que podemos tomar
como clube. Para trazer alguém novo, é crucial que cada um de nós
tenha absoluta confiança nele. Precisamos saber que todo Lord tem
nossas costas e lutaria até a morte para defender nosso clube e
qualquer um de nossos irmãos. Os Lords of Carnage é mais que um
clube. É uma irmandade. Qualquer um que não entenda o peso total do
voto que eles estão fazendo quando são remendados não merece usar
nosso corte ou nossas cores. E qualquer um que trai o juramento, uma
vez que o tenha tomado, deve esperar que a justiça seja rápida,
absoluta e brutal.
Nos casos de Bullet e Lug Nut, não tenho a menor dúvida de votar
em um deles. Nem os outros irmãos, aparentemente, porque eles
entram em unanimidade com quase nenhuma discussão.
Geno está prestes a se levantar e ir buscá-los, parabenizá-los e
trazê-los para a igreja, quando Rock o interrompe.
— Espere alguns minutos. — diz ele. — Eu quero dizer a vocês
homens sobre a conversa que tive com Oz.
Nós escutamos em silêncio enquanto Rock nos conta como ele
se encontrou com Oz em um local neutro alguns dias atrás. Oz disse a
ele que os Devils não têm visto os mesmos tipos de aumentos no crime
e arrombamentos em seu território que nós temos. No entanto, Oz
concordou com Rock que se os Iron Spiders tivessem os Lords of
Carnage em suas visões especialmente se seu objetivo é
eventualmente nos destruir e tomar nosso território os Devils poderiam
ser os próximos.
— Oz diz que está aberto a uma aliança conosco. — conclui
Rock.
— Que tipo de aliança seria essa? — Thorn pergunta.
— Nós ainda não discutimos todos os detalhes. — responde
Rock. — Ele está voltando para seus homens, para conversar com eles
sobre isso. Ele entrará em contato comigo em breve para concordar
com os termos.
Pela primeira vez, Geno fala. — Isso não deveria ser algo que
acontece com alguns dos nossos irmãos lá? Nossos oficiais? — Rock
olha para ele bruscamente, mas não diz nada. Geno encontra seu olhar
uniformemente.
Thorn acena com a cabeça. — Deveria. Eu gostaria de ver Angel
e Ghost lá, pelo menos. Talvez Brick e Geno também.
O silêncio é ensurdecedor por cinco segundos que parecem
cinco horas. Eu posso sentir alguns dos irmãos tensos, e eu sei que
todos estamos nos perguntando se Rock vai aceitar isso como um
desafio à sua autoridade.
O rosto do nosso presidente é escuro, imóvel. Finalmente, seus
olhos percorrem a sala, levando cada um de nós.
— O resto de vocês também se sente assim? — A questão parece
ser apenas uma ameaça.
Eu olho rapidamente para Angel, mas seu rosto me diz que ele
não vai pesar sobre isso.
— É uma demonstração de força para ter seus homens com você.
— diz Gunner. — Uma demonstração de unidade. Penso que é uma
boa ideia.
Rock considera isso. — Tudo bem. — ele finalmente diz. — Angel,
Ghost e Brick. — Se Geno percebe que foi deixado de fora, ele não
mostra. — Eu vou deixar vocês saberem quando o encontro for
marcado.
Nós três assentimos nosso consentimento.
— Todos a favor? — Rock anuncia. Em volta da mesa, as mãos
levantadas. É unânime. Sinto-me relaxar um pouco, feliz por ter passado
por aquele momento sem um show.
— Ok, agora que isso está resolvido, o que você acha de trazer
Bullet e Lug Nut? — Geno sugere, meio subindo. — Eles provavelmente
estão se irritando esperando lá fora.
— Não, deixe-me fazer isso. — diz Gunner. Alguns de nós rimos
conscientemente. Gunner está sempre tentando foder com as pessoas,
e isso com certeza não será exceção.
Alguns segundos depois, ele volta com Bullet. — Eu pensei que
seria melhor trazê-los separados. — ele anuncia para nós em uma voz
baixa e sombria quando ele fecha a porta. Tomando a sua liderança, o
resto de nós acena e fazemos o nosso melhor para parecer sério.
Bullet olha ao redor da sala, absorvendo tudo. Como qualquer
prospecto, ele nunca esteve na igreja antes. Ele parece
apropriadamente humilhado e está diante de nós, costas retas, mãos
cruzadas atrás dele.
— Prospecto. — Rock ressoa: — Acabamos de votar. E muitos
dos irmãos apoiaram você. — Ele faz uma pausa. — Mas como você
sabe, uma votação para converter um membro de prospecto tem que
ser unânime.
O rosto de Bullet se contrai ligeiramente, mas ele ajeita o queixo
e olha Rock nos olhos.
— Eu entendo. — diz ele, e acena com a cabeça uma vez. —
Sinto muito por ouvir isso. É… existe alguma chance de uma nova
votação, mais adiante, ou é isso?
Angel sorri e se inclina para trás. — Não tenho certeza por que
você gostaria de uma nova eleição, irmão, desde que está te pegou.
Bullet pisca e olha para Angel. É óbvio que ele está tentando
manter o rosto completamente neutro. — Você quer dizer…
— Droga, Angel. — reclama Gunner. — Você é péssimo para as
pessoas se contorcerem ao vento.
— Isso mesmo, irmão. — Rock sorri. — Você está dentro. Repita
depois de mim. — Eu, Bullet Lamarr, juro solenemente...
Bullet recita seu juramento meio atordoado. Quando ele termina,
Gunner late: — Ok, irmão, agora sente-se bem. O resto dos seus filhos
da puta, tente fazer um trabalho melhor com Lug Nut do que com Bullet.
Lug Nut entra, nós mexemos com a cabeça dele enquanto
podemos administrá-lo e, eventualmente, o colocamos para fora de sua
miséria. Ele está rindo como o inferno até o final, e ele levanta a mão e
faz o juramento, enquanto o resto de nós olha, cada um de nós, sem
dúvida, lembrando do dia em que fomos remendados do mesmo jeito.
É um momento solene mas feliz, do qual eu me lembro como se fosse
ontem.
Mas a solenidade não dura muito tempo. Uma vez que
terminamos com Lug Nut, Rock bate o martelo e a reunião termina. Os
irmãos vão até os novatos um a um, batendo palmas nas costas ou
apertando as mãos. O riso ressoa pela sala.
— Parabéns, irmão. — eu digo para cada um deles, dando-lhes
um aperto de mão e um aceno de cabeça.
— Obrigado, irmão. — Bullet sorri de volta. — Merda, é bom dizer
isso. Não vou mentir, ainda bem que a prospecção acabou.
— Sim. — brinca Gunner. — talvez agora as garotas do clube lhe
darão a hora do dia.
Lug Nut brilha parece que Gunner acabou de dizer que ele
ganhou na loteria. — Desculpe-me, senhores. — ele murmura. — Eu
acho que vou testar essa teoria agora.
Então alguém abre a porta, e todos nós saímos em direção ao bar,
onde a festa do ano já está se formando. Vai ser uma noite para lembrar.
Eu gasto as próximas horas em uma névoa pós-coito, tão em
êxtase que eu tenho quase certeza de que meus clientes podem dizer
que eu recentemente passei vinte minutos em meu escritório fazendo o
que tem que ser o melhor sexo da minha vida inteira. A única maneira
que eu poderia ser mais evidente é se eu literalmente vestisse uma
camiseta que estivesse escrito “eu acabei de ter dois orgasmos
alucinantes!”, com um brasão na frente.
Meu bom humor continua a maior parte da tarde e à noite. É tão
óbvio que até Hailey percebe logo que ela chega para o seu turno de
encerramento.
— Você está muito feliz hoje. — ela observa. — O que se passa
contigo?
— Oh, nada. — eu digo com um encolher de ombros. — É apenas
um bom dia, então estou de bom humor.
Hailey para o que está fazendo e inclina a cabeça para mim. —
Você está falando sério? — Ela pergunta, com as mãos nos quadris. Eu
me viro para a janela da frente.
Está chovendo. Eu não tinha notado.
— Quero dizer, precisamos da chuva. — eu digo
apressadamente. — Então, isso é legal, certo?
Hailey franze os lábios. — Você está cheia de merda. — diz ela
sem rodeios. — Algo aconteceu. E você não está me dizendo.
— Eu sou sua chefe, mocinha. Não tenho obrigação de lhe dizer
uma coisa.
— Oh, meu Deus, algo aconteceu! — Ela está triunfante. — Algo
aconteceu com o cara motociclista gostoso! Estou certa? Eu estou
certa, não estou?
Droga. Eu estava esperando evitar o assunto Brick com Hailey,
especialmente desde a noite em que ele veio à loja e eu disse a ela para
sair. Eu deveria saber que seria impossível. Como a maioria das garotas
adolescentes, ela adora fofoca, especialmente sobre o macho da
espécie.
— Nada aconteceu! — Eu exclamei, revirando os olhos. Meu pai
me criou para ter uma boa cara de pôquer, mas posso dizer que não
estou enganando Hailey por um minuto.
— Oh vamos lá! Conte-me! Eu prometo que não vou contar a
outra alma. — Ela me dá um olhar sério que eu quase caio na
gargalhada.
— Hailey. Ouça-me. — repito. — Nada. Aconteceu.
— Bem. Seja uma desmancha-prazeres. — ela suspira com um
lance de seurabo de cavalo. — Vou usar minha imaginação.
Hailey faz beicinho pelo resto do turno e eu deixo. Eu não vou
desistir, então ela pode simplesmente viver com isso. Esta noite é a
última noite que eu estou ajudando ela a fechar a loja antes que ela tente
fazer isso por ela mesma. Quando oito horas se aproximam, não posso
deixar de olhar furtivamente pela janela, imaginando se Gavin vai
aparecer. Mesmo que meu pulso comece a acelerar com o
pensamento, eu sei que nunca vou tirar Hailey das minhas costas se ele
fizer isso.
No final, ele não vem. Estou aliviada e desapontada. A mãe de
Hailey vem buscá-la, eu fecho a loja e saio pelos fundos. Mesmo que
Gavin não esteja aqui, eu acho que o fato de ele ter cuidado comigo
para ter cuidado tem um efeito sobre mim, porque eu noto que sou
cautelosa e consciente do que me rodeia quando vou para o meu carro
e me tranco.
Eu estou dirigindo de volta para o meu lugar quando meu telefone
toca na minha bolsa, me dizendo que eu tenho um texto. Meu estômago
dá um pulo de excitação, embora eu saiba que não pode ser ele. Ele
não tem meu número de telefone e eu não tenho o dele.
A nuvem eufórica que tenho flutuado nas últimas horas afunda um
pouco quando me lembro que Gavin e eu somos basicamente nada um
para o outro. Sua preocupação estranha com o nível de segurança da
minha cafeteria, não obstante, somos mais ou menos estranhos. E tudo
bem, digo a mim mesma enfaticamente. Você não precisa dele para ser
seu namorado. Na verdade, você nem quer um namorado, lembra?
Quando chego em casa e desligo o carro, é como se o destino
tivesse se encarregado de me lembrar exatamente porque não quero
um namorado. Pego meu telefone para descobrir que o texto que recebi
é de Devon.

Você vai se desculpar sua prostituta melhor assistir você mesma


eu sei que nós estamos vivos

***

EU TENHO que sentar no meu carro trancado e me forçar a respirar


profundamente e uniformemente. Minhas mãos apertam o volante com
tanta força que minhas juntas estão brancas. Ele encontrou meu novo
número, meu cérebro repete loucamente. Ele encontrou meu novo
número. Ele não vai deixar isso passar.
Quando eu manejo e fico com a minha respiração sob controle,
eu agito meus olhos brevemente de volta para o meu telefone
novamente, e então aperto minhas chaves com meu spray de pimenta
firmemente na minha mão. Minha casa parece imperturbável, todas as
luzes apagadas, exceto a da minha varanda da frente.
Eu tento me convencer dos formigamentos de medo na parte de
trás do meu pescoço. Dos erros no texto, parece que ele estava
bebendo, ou talvez até algo mais forte. Então talvez ele esteja bêbado
e me atacando para se sentir melhor. Além disso, como eu já disse a
mim mesma antes, se ele realmente está vindo atrás de mim, por que
ele me contaria sobre isso? Por que ele não iria querer me surpreender?
Não faz sentido.
Ele simplesmente não gosta de perder. Ele está apenas fazendo
isso como uma demonstração de poder para que ele possa se sentir
como uma grande mãe. Isso é tudo. Ele é louco, mas ele não me
machucaria.
É o que eu digo a mim mesma, de qualquer forma.
Eu tenho que admitir, porém, me faz sentir muito mais segura ter
todas as coisas de segurança que Gavin instalou na cafeteria. Não que
eu dissesse isso a ele, claro. Eu sorrio apesar de mim mesma,
instintivamente sabendo que ele nunca me deixaria viver se eu fizesse
isso.
Como na primeira vez, não respondo ao texto de Devon. Eu não
consigo ver o ponto. Em vez disso, jogo meu telefone no sofá e dou uma
olhada dupla para que minha porta esteja trancada e fechada. Então eu
faço uma checagem estressante de toda a casa para ter certeza de que
ninguém está aqui, digo a mim mesma por ser tão ninja, e vou ao
banheiro para tomar um longo banho quente.
Quando saio, enrolada em um roupão fofo, vejo que minha tela
está iluminada com outro texto. Meu estômago ronca de um jeito
enjoativo ao pensar que Devon está me mandando de novo, mas me
forço a pegar o telefone e ler o que ele diz.

Senti sua falta na cafeteria esta noite.

***
UMA ONDA VERTIGINOSA de adrenalina atingi meu sistema, fazendo-
me sentir que eu poderia vomitar. Merda! Devon está aqui em Tanner
Springs? Ele sabe onde fica a loja? Minha mente corre freneticamente
tentando pensar o que devo fazer, o que devo dizer quando percebo,
com um sobressalto, que o texto está sozinho na tela.
E que o código de área é para Tanner Springs, não para Nova
Jersey.
Fracamente, eu caio no sofá e começo a rir com alívio.
Eu escrevo de volta:

Você não pode ir lá todas as noites para me proteger e me levar


para casa, você sabe.

Alguns segundos depois vem a resposta:

Quer apostar?

Estou tentando pensar em uma resposta inteligente quando Gavin


me envia outra mensagem:

Então você não está morta, o que é positivo. Você está em casa
segura?

Sim, estou bem. Como você conseguiu meu número de


telefone?

Eu sou um homem misterioso. Pelo visto.


Por alguma razão, eu estou sorrindo como um idiota enquanto
assisto os pequenos pontos dançarem na tela, me dizendo que ele está
digitando.

Eu tenho alguma merda acontecendo hoje à noite, mas eu vou


parar na loja amanhã. Eu tenho um presente para você.

Eu arrisco uma referência a hoje cedo:

É tão romântico quanto uma câmera de segurança?

Um segundo depois ele responde:

Baby, você não tem ideia. Te vejo amanhã.

***

EU MAL CONSIGO ME IMPEDIR de digitar uma resposta para ele,


porque eu sei que provavelmente vai sair toda super-idiota e
excessivamente ligada e simplesmente sem graça. Em vez disso, eu
digo a mim mesma que deixar isso assim me fará parecer casual e
segura de si e não ler muito em nada disso.
Qual é o que eu quero desesperadamente ser.
O sexo esta tarde no meu escritório com Gavin foi absolutamente
incrível, tanto que eu faria praticamente qualquer coisa para fazer de
novo. E estou realmente, realmente esperando que o façamos. Mas eu
também não quero me deixar começar a pensar nisso. Ele não é
exatamente alguém que grita - material para namorado - afinal. Se
alguma coisa, ele é provavelmente o tipo de cara que provavelmente
tem sexo de derreter a mente com mulheres aleatórias na maioria dos
dias da semana.
Pensando nisso agora, tenho que ignorar um pouco de
desapontamento. Talvez ele só pense em mim como... não sei, fácil ou
algo assim. Pare com isso, Syd. Não seja estupidamente sexista. Vocês
são adultos que consentem. Ele queria, você queria, então aconteceu.
Fim da história.
E isso é verdade, certo? Parece que talvez ele queira continuar o
que quer que seja, e até mesmo que ele goste de mim para descobrir
meu número de alguma forma e aparentemente me trazer um presente
amanhã. Eu deveria estar feliz com isso, e ficar feliz que, pelo menos
por algum tempo, parece que eu vou fazer sexo incrível. Onde está o
lado negativo disso?
Armada com isso em uma lógica credível e hermética, decido ir
dormir para chegar à loja bem cedo amanhã. Eu puxo meu cabelo ainda
úmido em um rabo de cavalo alto e o coloco em uma trança solta,
sorrindo para mim mesma. Logo, porém, meus pensamentos voltam
para Devon. Com toda a emoção de flertar com Gavin, eu quase me
esqueci dele por alguns minutos.
Ele disse que sabe onde eu moro.
Ele poderia estar falando sério? Ele poderia realmente estar
pensando em vir aqui?
Eu tento dizer a mim mesma novamente que provavelmente não
há razão para me preocupar. Quero dizer, sim, é um pouco
preocupante que ele esteja me enviando mensagens ameaçadoras.
Devon e eu não nos separamos exatamente nos melhores termos. Mas
ainda parece uma reação exagerada pensar que são algo mais do que
ameaças vazias. Afinal de contas, o dinheiro que eu peguei (meu
dinheiro, lembro-me ferozmente) era de ração de galinha comparado
ao tipo de dinheiro que ele normalmente negocia. Eu não sei por que
ele se incomodou em me seguir para tentar recuperá-lo, quando
logicamente não vale a pena o tempo que ele estaria longe de Atlantic
City.
Todo esse tempo que eu tenho andado de um lado para o outro
em minha mente sobre Devon, há uma pequena voz na minha cabeça
que fica cada vez mais alta. Eu tenho insistido, mas está clamando para
ser ouvida, e finalmente não posso mais ignorá-lo.
Você sabe o que Devon queria de você, era muito além do
dinheiro que você poderia ganhar. Você sabe que ele não deixa ir
facilmente o que ele pensa ser dele.
Eu tremo e puxo meu roupão mais forte ao meu redor.
Isso pode ser verdade. Talvez eu tenha subestimado o quanto
Devon era ligado a mim romanticamente. Nosso caso nunca foi algo
que eu pensava como permanente. Eu apenas presumi que ele sentia
o mesmo. Ou talvez eu apenas esperasse que fosse assim que ele se
sentia. Se eu sou completamente honesta comigo mesma, às vezes a
atitude proprietária de Devon em relação a mim se voltava para o
controle, especialmente quando ele achava que um dos outros homens
de nossa equipe estava ficando muito amigável comigo.
Ainda assim, parece loucura que ele viria até aqui para me
machucar. Eu não posso ter sido tão importante para ele. E além disso,
em todo o tempo que conheci Devon, ele nunca foi violento comigo.
Não, uma vozinha na minha cabeça diz. Mas ele foi violento em
relação a outras pessoas. Particularmente quando ele sentia que tinha
algo a provar.
É verdade. As únicas vezes que vi Devon machucando alguém foi
quando ele era encurralado. Quando ele está com sérios problemas, ele
reage como um animal enjaulado. Imprevisível e perigoso.
Um pequeno nó frio cria raízes no meu estômago.
Aconteceu alguma coisa? Em que Devon se meteu?
E ele está realmente vindo para mim?
A festa que nós fizemos para comemorar o patch8 de Bullet e Lug
Nut é uma porra de tão boa, tanto que eu não arrasto minha bunda para
o meu apartamento no clube para dormir até as quatro da manhã. Mas
eu ainda consigo me recompor caio da cama na manhã seguinte e vou
direto para Golden Cup com o meu presente para Sydney.
Quando chego ao café, ela está servindo uma senhora idosa de
óculos redondos e cabelos prateados segurando um livro grosso.
Sydney olha para cima quando eu chego e me dá um pequeno sorriso
de reconhecimento quando ela pega o café da moça. Eu ando até o
balcão, minhas mãos nas minhas costas.
Sydney parece um pouco cansada de novo hoje, mas não faz
nada para torná-la menos bonita ou sexy. Ela está vestindo um pequeno
top rosa que traz a plenitude de seus lábios e a cremosidade de sua
pele. Eu brevemente pretendo levá-la no escritório para uma repetição
de ontem, mas tenho certeza que ela não concordaria com as pessoas
na loja.
— Bom dia, querida. — eu rosno. — Você está boa o suficiente
para comer.
Eu sou recompensado com um suspiro. — Esse é o meu
presente? — Ela pergunta, apontando para minhas costas.
— É. — eu aceno e puxo para fora.
— Um extintor de incêndio! — Ela se maravilha, batendo palmas.
— Você não deveria ter...!
Eu rio e vou para trás para começar a trabalhar na instalação da
coisa. Eu removo o antigo extintor da parede e, em seguida, instalo o

8
Remendo do clube no colete, aqui refere-se ao Bullet se tornar membro oficial do clube.
novo em seu lugar. A coisa toda leva apenas alguns minutos. Enquanto
estou trabalhando, Sydney volta para se juntar a mim.
— É exatamente o que eu sempre quis. — ela sorri. — Como você
sabia?
— Eu sei como tratar uma mulher certo. — digo a ela.
— Você sabe. — ela concorda. — Muito mais romântico que
flores ou doces. Mas como eu sei que você não está apenas tentando
me levar para a cama?
— Eu estou tentando levá-la para a cama. — eu rosno e pego ela
pela cintura. — Ou pelo menos de volta ao escritório.
— É assim mesmo? — Ela pergunta, um desafio em sua voz.
— Com certeza é assim. — Eu a puxo para mim, um pouco
rudemente. Ela levanta a cabeça e olha para mim, os olhos arregalados,
as pupilas grandes.
— E se eu disser não? — ela diz um pouco sem fôlego.
— Então eu deixo você ir. — murmuro, e mergulho minha boca
na direção dela. — Mas você não vai.
Meus lábios cobrem os dela. Sydney geme em minha boca
enquanto seu corpo se funde no meu. Eu a beijo com fome, meu pau
endurecendo. Seus braços enrolam em volta do meu pescoço, o calor
crescendo entre nós. Eu a empurro contra o balcão, e minhas mãos
descem para a sua bunda e a puxam contra mim. Ela choraminga e se
curva para mim, angulando seus quadris para que sua suavidade esteja
contra a minha dureza.
— Porra, Sydney. — eu grito. — Vamos levar isso lá para trás.
— Olá? — uma voz impaciente chama só então. — Posso obter
algum serviço aqui?
— Oh, pelo amor de Deus. — Sydney se afasta de mim. — É o
cara das kolaches.
— Oh, irmão. — murmuro baixinho, lembrando do velho que
nunca está feliz com nada.
Sydney escorrega do balcão e ajusta sua roupa. — É melhor eu ir
servi-lo. — ela murmura. Ela olha para mim conspiratoriamente. — Eu
realmente tenho kolaches hoje. Ele pode apenas desmaiar de surpresa.
Ela se afasta de mim e eu a deixo ir. Eu termino de colocar o
extintor na parede, certificando-me de que esteja seguro o que tem o
benefício adicional de me dar tempo para acalmar a furiosa ereção em
minhas calças. Saio para a loja assim que Sydney está oferecendo ao
velho um kolache.
— Eles parecem parecidos o suficiente dos originais. — ele está
dizendo, olhando para a vitrine com os bolinhos com uma careta
suspeita. — Mas isso não significa nada.
Atrás dele, a senhora mais velha, com os óculos redondos de
carapaça de tartaruga e o prumo de prata, subiu para reabastecer.
Quando ela vê o que ele está olhando, ela abre bem osolhos.
— Oh, eu não tive um kolache em anos! — ela exclama. — Não
desde que eu era uma menina crescendo em Cedar Rapids, Iowa.
— Você gostaria de provar uma? — Sydney oferece gentilmente.
Eu não posso deixar de sorrir para sua ofensiva de charme. É uma
jogada inteligente. Who pode esquecer que esse lugar vá ficar vazio
hoje.
Sydney pega uma kolache com cream cheese, enchendo a caixa
e cortando ao meio. Ela coloca cada metade em um prato separado e
leva em direção ao homem e à mulher. A mulher pega o dela primeiro e
dá uma mordida experimental.
— É bom? — O homem fareja.
— É perfeito. — diz a mulher com um sorriso satisfeito. —
Exatamente a maneira que deveria provar. Meu Deus, isso traz de volta
boas memórias.
O homem pega sua metade e dá uma mordida. Sydney observa
enquanto mastiga e engole.
— Eu sempre digo, uma padaria não vale muito a menos que eles
tenham kolaches. — diz ele à mulher. Ele não observa de uma forma ou
de outra a massa, mas sua voz suaviza apenas um toque. — Eu cresci
perto de Columbus. Às padarias lá, as reais, não as modernas têm
alguns dos melhores kolaches. — Ele faz uma pausa. — Este é muito
bom. — ele admite a contragosto.
— Obrigada. — diz Sydney sobriamente. — Eu vou continuar
tentando.
O homem pede um café e leva o prato com a metade do kolache
para a mesa onde estão seus amigos. Sydney reabastece a bebida da
mulher e ela volta ao livro. Quando ambos são atendidos, ela se vira
para mim e faz um pequeno gesto de vitória.
— Ele gostou! — ela exulta. — Eu não posso acreditar que ele
não foi grosseiro como se eu estivesse servindo veneno de rato!
— Boa coisa, também. — eu sorrio. — Isso foi um grande esforço
que você fez para conquistar um cliente.
— Eu não posso evitar. — ela sorri de volta. — Às vezes eu só
tenho uma ideia na minha cabeça e não posso deixar passar. Eu gosto
de um desafio.
— Eu também. — eu murmuro, chegando apenas um pouco mais
perto dela.
Ela inclina a cabeça. — Você está me chamando de desafio? —
— Você deu um pouco mais de trabalho do que eu estou
acostumado.
Seu sorriso desaparece. — Eu não pedi nada a você, você sabe.
— Ei. — Eu reajoe tiro uma mecha de cabelo do rosto dela. —
Engraçadinha.
Ela relaxa um pouco. — OK.
O sino da porta toca. Eu olho para trás e vejo um grupo de
mulheres entrando no café. — Então, você está trabalhando o dia todo
hoje?
— Na verdade não. Hailey tem o dia de folga da escola hoje.
Algum tipo de trabalho de professores. Então, termino às três e ela vai
fechar hoje à noite.
— Onde você mora? Eu vou buscá-la em sua casa hoje à noite
por volta das sete.
— 'Por acaso você está livre para a noite, Sydney? — ela recita
num tom agudo. — Se você estiver, eu queria saber se você queria
fazer alguma coisa'.
— Você está livre. — eu rosno, inclinando-me perto o suficiente
para que eu possa sentir o cheiro do xampu dela. — Qual o seu
endereço?
— Eu deveria recusar seu convite, você sabe. — Minhabarriga
bate na garganta. — Só por ser um idiota.
— Eu vou compensar você. — Eu me abaixo e deslizo minha mão
entre sua pele e o cós da calça jeans. Mantendo o tecido fino de sua
calcinha entre nós, eu pego um dedo suavemente contra seu clitóris.
Ela ofega e estremece.
— Rua três com a vinte e sete Adams. — ela sussurra.
— Não se vista. — eu digo grosso. — Você pode não precisar de
roupas por muito tempo.
Provavelmente parece inacreditável, mas em todos esses meses
em que estou em Tanner Springs, nunca tive um único visitante dentro
da minha casa.
O que posso dizer? Eu trabalho de manhã, tarde e noite. Eu
literalmente não tenho uma vida fora do café.
Na maior parte, não é algo que me incomoda muito. Eu gosto do
que faço. E de volta a Atlantic City, minha vida social também era
bastante inexistente. Como todo mundo em meu antigo círculo, eu segui
os ritmos bizarros e anti-circadianos do universo do jogo profissional.
Dormia quando podia, comi o que quer que estivesse à mão e passei a
maior parte do meu tempo nas grandes extensões de qualquer número
de cassinos.
A natureza da vida que eu levava significava que eu não estava
exatamente conhecendo muitas pessoas novas e fazendo jantares ou
qualquer outra coisa. Estranhos não eram confiáveis. Inferno,
conhecidos mal eram confiáveis. E quando eu tinha um raro momento
para mim, geralmente tudo o que eu queria fazer era me esconder e me
perder em um livro, ou trancar a porta e cair num sono luxuoso e sem
sonhos até acordar sem um alarme.
Então, dizer que não estou acostumada a ter “amigos” como tal é
um eufemismo. Além das conversas quase superficiais que tenho na
cafeteria, a maior parte da interação que eu tenho em qualquer dia é
com a senhora de óculos e com seu livro, na mercearia ou o ocasional
atendente de posto de gasolina.
Quando chego em casa da Golden Cup às três e meia, já estou
tendo um leve ataque de pânico ao perceber que Gavin estará aqui em
poucas hora. Eu olho em volta da casa minúscula que venho alugando
com uma careta crítica, tentando ver como alguém vendo pela primeira
vez. Tem a aparência de alguém que está se mudando, sem fotos ou
trabalhos de arte na parede, sem bugigangas ou objetos sentimentais
em qualquer lugar. Apenas um sofá genérico em forma de L, de cor
chocolate, uma mesa de centro de vidro e uma TV de tela plana, em
cima de um suporte de madeira escura, que comprei em uma loja de
segunda mão. A única coisa colorida na sala é um tapete com padrão
de chevron que comprei por impulso um dia, numa tentativa
desesperada de deixar a sala menos estéril.
Meu quarto não é muito melhor. A cama queen size praticamente
nunca foi feita, o edredom cinza e branco torcido em uma bola com os
lençóis no meio do colchão.
Não que Gavin seja um designer de interiores ou qualquer coisa.
Mas sabendo que ele vai estar aqui em breve e vai ver tudo isso me faz
sentir auto-consciente, mesmo assim. Eu faço uma varredura
apressada no lugar, arrumo a cama e consigo desenterrar algumas
fotos que eu estava querendo pendurar desde que me mudei. Um par
de horas depois, o lugar não parece tão triste e patético. Satisfeita, não
há muito mais que eu possa fazer, tomo um banho rápido, seco o cabelo
e faço um pouco de maquiagem. Coloco um jeans limpo e meu top
favorito, e tento ignorar o calor que se forma entre minhas pernas
quando me lembro do que ele disse sobre não usar minhas roupas por
muito tempo. Finalmente, quando não consigo pensar em mais nada
para fazer, sirvo-me uma taça de vinho e me sento no sofá com um livro
e um pouco de música, e tento não perder a cabeça até que ele chegue
aqui.
Por fim, por volta das sete, ouço o rumor distante, mas familiar,
de uma Harley. Eu me levanto rapidamente, quase derramando meu
vinho por toda a minha camisa, e respiro fundo algumas vezes. Eu não
sei porque estou tão nervosa, mas sinto que meu coração vai explodir
no meu peito. Pela janela da frente, vejo Gavin parar na frente da minha
casa. Eu abro a porta da frente e saio para encontrá-lo enquanto ele
desliga o motor e desliza para fora da moto.
— Baby. — ele ronca, cruzando a distância entre nós em apenas
alguns passos. — Você parece boa o suficiente para comer.
Ele está usando o colete dele, é claro, e seu rosto está ainda mais
bronzeado do que o normal, como se ele estivesse no sol hoje. — Você
parece muito bom também. — arrisco. Meu lábio inferior desliza
nervosamente entre os meus dentes.
— Você continua a morde o lábio assim, eu vou ter que levá-la
para dentro e morder por você. — ele murmura, me puxando para
perto.
— É isso que você tinha em mente? — Eu meio ofego quando
seus lábios esquentam minha pele. Eu me sinto meio mole como se ele
estivesse me deixando desossada.
— Eu tinha em mente para levá-la para a minha moto. — Ele rosna
contra meu ouvido. — Mas eu acho que vai ter que esperar. Eu não vou
poder andar assim. — Seu calor espesso e duro pressiona contra mim,
me fazendo ofegar. Estou instantaneamente molhada,
embaraçosamente assim. Uma pulsação baixa começa entre as minhas
pernas, o que torna difícil pensar de repente.
— Nós... nós poderíamos ir para dentro. — eu digo, minha voz
tremendo.
Quase antes de as palavras saírem da minha boca, ele me pega
e me carrega para a casa. Eu meio que penso em ficar envergonhada,
no caso de um dos meus vizinhos estar do lado de fora e poder nos ver,
mas estar em seus braços está me deixando meio tonta. Eu envolvo
meus braços em volta do seu pescoço enquanto ele abre minha porta
da frente e me carrega através dela. Lá dentro, ele nem diminui a
velocidade. — Quarto. — ele ordena.
— No final do corredor, à direita. — eu respiro. Meu pulso já está
acelerado. É incrível a rapidez com que eu simplesmente me abandono
para ele. Eu não acho que eu poderia resistir a ele, não importa o preço.
Eu não sei como.
No quarto, ele me tira dos braços e me coloca na cama. Por um
segundo, eu silenciosamente me amaldiçoo por não trocar os lençóis
esta tarde. Ele dá um passo para trás e abre a calça, empurrando a
calça jeans para baixo até que ela caia em suas coxas. Ele pega seu
pau e envolve sua mão ao redor da base. É a primeira vez que eu dou
uma boa olhada nisso, e meu Deus, é enorme. Não admira que ele se
sentiu tão bem dentro de mim da última vez. Eu suprimo um gemido
quando sinto o latejar entre as minhas pernas crescerem.
— Você sabe o que eu quero. — diz ele com voz rouca quando
ele se acaricia. — Tire seu jeans.
Eu faço o que ele pede, deslizando meu jeans e chutando-os no
chão.
— Tire sua camisa e sutiã.
Meus olhos se encontram, puxo a camisa por cima da cabeça e
solto o sutiã. Quando estou nua, a não ser pela minha calcinha, seus
olhos deslizam lentamente pelo meu corpo com uma luxúria
descontrolada. Seu olhar permanece nos meus seios; meus mamilos
ficam tensos.
— Toque-se.
Eu abro minha boca para protestar, mas sei que ele não aceita
um não como resposta. Eu nunca fiz isso na frente de ninguém. Minhas
bochechas ardem vermelhas enquanto meus dedos deslizam sob o
tecido da minha calcinha.
— Empurre a calcinha para o lado. — ele comanda. Eu deslizo
um dedo na minha abertura molhada e deslizo os sucos contra o meu
clitóris latejante. É tão bom que eu suspiro e fecho meus olhos.
— Porra, sim. — ele rosna. Ele está se acariciando lentamente,
da raiz às pontas. Eu estendo a mão para ele, meus dedos circulando-
o perto do topo, amando o calor e a dureza dele. Ele geme ao meu
toque, uma gota de pré-gozo aparecendo na ponta. Minha bocanna
verdade brota com o pensamento de prová-lo, sentindo o veludo de sua
pele contra a minha língua.
— Eu quero chupar você. — eu digo. Eu não sabia que ia dizer as
palavras, não pude detê-las antes que saíssem da minha boca.
— Ainda não. Não essa noite.
Ele move a mão e cobre meu rosto enquanto começo a acariciar,
no mesmo ritmo que estou provocando a mim mesma. Eu me viro e
envolvo meus lábios ao redor da ponta do dedo, sugando-o em minha
boca e gemendo quando imagino que seja o seu pau. — Foda-se,
Sydney. — ele geme enquanto minha língua se agita, mostrando-lhe o
que eu quero fazer com ele. Na minha mão, sinto seu pau pulsar e pular.
Ele se afasta de mim e dá um passo para trás.
Até agora, todo o meu corpo está clamando por seu toque. Eu
choramingo e acaricio meu clitóris, mais rápido, mais rápido, meu corpo
todo dolorido com a necessidade. Ele sabe disso também, eu posso
dizer pelo meio sorriso feral em seu rosto enquanto ele diminui seu
próprio ritmo enquanto o meu acelera.
— Diga-me o que você quer que eu faça com você. — ele diz. Eu
posso ver isso em seus olhos, ele não vai me dar o que eu preciso até
que eu peça por isso.
— Eu quero que você me foda. — eu sussurro. — Eu preciso
gozar.
— Tire a sua calcinha. — diz ele. — Espalhe suas pernas para
mim.
Eu deslizo-as pelas minhas pernas e retiro-as. Hesitando apenas
um momento, abro minhas coxas lentamente. Ele espera. Abro-as mais,
até estar completamente exposto.
— Jesus, porra, é linda. — diz ele, com a voz rouca. Ele enfia a
mão no bolso e tira um preservativo. Saindo de seu jeans, ele desliza
sobre o seu eixo e se abaixa na cama entre as minhas pernas. — Você
é tão foda pra mim, Sydney. Droga, você está tão molhada. — Ele
desliza a cabeça de seu pau através da minha umidade. Eu meio que
grito, minha cabeça caindo para trás enquanto arqueio meus quadris
em direção a ele. Apenas alguns segundos mais assim e eu vou gozar,
e eu quero isso, eu preciso tanto.
— Por favor, me faça gozar. — eu imploro a ele.
— O que você quer, Sydney? Me diga o que você quer.
— Eu quero... seu pau. — eu ofego. — Eu quero o seu pau dentro
de mim.
Suas mãos estão nos meus quadris, em seguida, levantando-me
na vertical e fora da cama, de modo que eu esteja sobre ele. Ele me
guia para baixo em seu eixo, a parte superior de seu pau deslizando
deliciosamente contra o meu clitóris enquanto minha buceta abre e se
estica para levá-lo para dentro. O calor dele quase me manda para o
limite.
— Sydney, Jesus foda, você sente o que você faz comigo? — ele
murmura contra a minha garganta, sua voz grossa. Eu posso sentir o
pulso do meu coração batendo contra seus lábios. — Tudo o que posso
pensar por semanas é o quanto eu quero estar dentro de você. Eu vou
te foder até você desmaiar, e você vai gozar ao redor do meu pau. Eu
quero ver você perder o controle, porque é a coisa mais linda que eu já
vi.
Eu envolvo meus braços em volta de seu pescoço e me agarro a
ele quando ele começa a empurrar dentro de mim, seu pau molhado e
escorregadio com meus sucos. É melhor do que qualquer coisa que eu
possa imaginar quando meus quadris se movem com os dele, me
enviando mais e mais alto.
— Isso é o que você queria. — ele me pede.
— Sim, Gavin. — eu choramingo, cavando minhas unhas em suas
costas enquanto minhas coxas apertam em torno dele. Meus olhos
começam a se fechar.
— Olhe para mim, Sydney. — ele comanda. Meus olhos se abrem
para encontrar os dele. É incrivelmente íntimo, como se ele estivesse
olhando para minha alma. Eu faço o que ele diz, enquanto minha
respiração fica rasa e irregular. Eu estou tão perto, tão perto, e então
está aqui, ele está aqui comigo me fodendo e é tão bom e a qualquer
momento eu vou...
— Oh, Deus, eu vou... — Eu suspiro, e então meu corpo
convulsiona quando meu orgasmo me rasga. Ele cobre minha boca com
a sua, engolindo meus gritos quando as ondas me atingem, e então
todos os seus músculos se apertam de uma vez e ele geme e solta,
vindo dentro de mim em um impulso explosivo.
Ficamos assim, ele enterrado dentro de mim, beijando
profundamente e desesperadamente, ofegando por ar, mas incapaz de
parar. Eventualmente, a corrida do meu coração começa a diminuir, e
o brilho de suor que me cobre começa a esfriar. A mão de Gavin deixa
minhas costas e sobe para o meu rosto. Delicadamente, ele tira meu
cabelo emaranhado do meu rosto, em seguida, passa um dedo caloso
ao longo da minha bochecha.
Ele não diz nada.
Nem eu.
— Eu mereço a verdadeira história do que te trouxe aqui para
Tanner Springs? — Eu pergunto a ela.
Estamos deitados na cama, cobertores em cima de nós. Sydney
está aninhada na dobra do meu braço.
Eu estou lutando contra uma onda de algo que eu não entendo.
O que aconteceu entre nós dois, agora... não foi como qualquer coisa
que eu já experimentei com qualquer mulher.
Eu tive muito sexo. Eu tive mais mulheres do que eu poderia
contar. Metade delas, eu nem sabia seus nomes na época, ou eu me
esquecia assim que elas saiam pela porta.
Quando senti Sydney apertar em torno de mim, seu orgasmo
parecia quase como se fosse uma parte minha. Nós nos juntamos, com
ela estremecendo em meus braços. Isso me fez sentir com um milhão
de dólares.
Pior ainda, isso me fez querer deixar o resto do mundo e ficar aqui
com ela. Não fazendo nada além disso. E talvez ocasionalmente pedir
uma pizza para não morrermos de fome.
Pela primeira vez, acho que entendo como um homem poderia
cair em uma toca de coelho por uma mulher. A cascata suave de seu
cabelo contra o meu peito, os sons que ela faz quando eu me movo
dentro dela, o jeito que ela segura em mim pela sua vida quando ela
começa a gozar... tudo isso está fazendo o seu caminho para os
caminhos da minha mente. Ameaçando ficar lá. Para fazer dela alguma
coisa alguém que eu não quero ficar sem.
Eu quero saber mais sobre o Sydney Banner. Eu quero saber
coisas que ninguém mais sabe sobre ela.
E por melhor que pareça estar com ela, os alarmes começam a
soar no meu cérebro.
Como fuzileiro naval, me acostumei à privação. Para testar os
limites da minha resistência física e emocional. Eu me acostumei a viver
sem uma vida despida de qualquer coisa que não fosse treinamento,
prontidão e estar constantemente alerta para o perigo. Essa foi a parte
que acabei gostando mais, estranhamente. Não havia tempo nem
energia para gastar pensando em coisas que não importavam. O
passado acabou e acabou. O futuro era algo que nunca poderia
acontecer.
Quando eu saí do Corpo, ir para os Lords of Carnage me deu algo
parecido. Havia muito mais festas e muito mais buceta. Mas a premissa
básica era a mesma, pelo menos para mim. Meu papel como membro
e, eventualmente, como o Executor, era claro. Ao contrário de alguns
irmãos, eu não tinha família para falar. Nenhuma old lady, nenhuma
criança, nada para ser exceto um Lord. Quando vejo Ghost com Jenna
e seus filhos, ou Hawk com Samantha, digo a mim mesmo que estou
feliz por eles, mas esse tipo de vida não é para mim. Eu não sou um
homem interessado em construir um futuro, com uma família e toda
essa merda. Tudo o que quero é meu clube e minha casa no lago e ficar
sozinho.
É o que eu digo a mim mesmo.
É por isso que, em vez de mentir aqui perguntando a Sydney
sobre sua infância, eu deveria estar puxando minhas calças e dando o
fora daqui.

***

— O QUE VOCÊ QUER DIZER, a 'história real’? — Ela pergunta com


um bocejo, e joga um braço no meu peito.
— Você disse que cresceu em Atlantic City e que seu pai está no
'negócio de resorts e cassinos'. — lembro a ela.
— Estava no negócio. — ela me corrige. — Ele está morto.
— Oh. — Eu não digo nada por um momento. A maneira como
ela diz isso “ele está morto” é uma questão de fato. Ela com certeza não
está pedindo simpatia de mim. Mas há um aperto na voz dela, pouco
perceptível, que me diz que ela está trabalhando duro para esconder a
dor de mim. E talvez de si mesma.
Depois de uma batida, decido empurrar um pouco: — Você sente
falta dele?
Eu posso sentir sua respiração por apenas um momento. — Sim.
E então eu decido.
— Me fale sobre ele.
Sydney faz uma pausa, fazendo-me pensar que ela está prestes
a mudar de assunto. Mas então ela não faz. — Ele não era o pai mais
convencional do mundo, mas ele me amava. — ela começa. — E minha
mãe não estava na foto. Ela deixou meu pai quando eu tinha quatro
anos. E eu não tenho ideia de onde ela está hoje, ou se ela está viva.
Meu pai me disse que ela nunca quis ser mãe. Então, ele era meio que
tudo que eu tinha.
— Merda. — Eu a puxo para mais perto. — Então, ele era um jogo
de azar, hein?
Ela ri baixinho. — Você descobriu isso, não é?
— Sim. Eu tenho poderes incomuns de percepção.
— Ele nasceu na Carolina do Norte. — ela murmura. — Eu acho
que ele abandonou o ensino médio. Chegou a Nova Jersey quando
tinha dezoito anos. Conheceu minha mãe, conquistou ela com seu
charme e boa aparência, e engravidou ela antes que qualquer um deles
realmente soubesse o que estava acontecendo. Daí eu.
— Sorte minha. — murmuro contra o cabelo dela, antes que eu
possa me conter.
Parece que algo no ar muda. Meu coração bate no meu peito. Se
ela percebe, ela não diz nada.
— Como eu disse, minha mãe foi embora quando eu era jovem.
— ela continua, como se eu não tivesse falado. — Eu não tenho
nenhuma lembrança dela. Então, éramos apenas nós dois. Meu pai nos
mudava muito. Eu ia à escola às vezes sim, às vezes não. De vez em
quando, ele ganhava um bom dinheiro e nós fincávamos algumas raízes
por um tempo. Mas parecia que quando eu começava realmente a me
apegar a um lugar, fazer alguns amigos de verdade, ele dizia que era
hora de ir. Então, depois de um tempo, não me incomodei tanto em
fazer amigos.
— Meu pai me amou, no entanto. — diz ela em uma voz pequena
e triste. — Quero dizer, do jeito dele. Ele não estava realmente equipado
para ser um pai normal, mas fez o melhor que pôde por mim. Ele se
sentiu mal, penso eu, em me puxar um pouco sobre o lugar, então ele
me comprava livros e outras coisas e tentava me certificar de que eu
estava lendo, em vez de apodrecer meu cérebro assistindo TV ou
jogando videogames o tempo todo. Ele também falava comigo sobre
jogos de azar. Era o que ele sabia, sabe? Algo que ele poderia me dizer
pessoalmente. Eu não acho que ele realmente pretendia fazer de mim
uma jogadora, exatamente. Parecia mais que ele achava que estava me
ensinando sobre o mundo através das lições que ele me dava. Sobre as
fraquezas humanas e como ler as pessoas, e como entender se as
probabilidades estão contra você ou não.
Ouvindo Sydney falar sobre seu pai, não posso deixar de imaginá-
la quando jovem. Cabelo vermelho em um emaranhado, sempre a nova
garota em uma nova escola. Criada para se defender por si mesma.
Minha garganta se contrai um pouco. Eu resisto à vontade de segurá-la
mais apertado, não querendo distraí-la de contar sua história.
— Quando eu tinha idade o suficiente, papai começou a me
ensinar os truques de seu ofício. — ela me diz. — Eu estava mais
interessada em blackjack, então ele me ensinou a contar cartas. No
começo, foi basicamente apenas um exercício de matemática. Mas
acabou que eu era boa nisso. Eu não estava fazendo isso nos cassinos,
é claro, já que não tinha idade suficiente. E meu pai absolutamente me
proibiu de jogar por dinheiro antes de eu completar dezoito anos. Mas
quando fiz dezoito anos, comecei atestar o que aprendi lendo e fazendo
simulações on-line. Eventualmente, ele me levou para o circuito de jogo,
obtendo uma identificação falsa dizendo que eu tinha vinte e um anos,
então eu poderia entrar nos cassinos. — Ela ri baixinho. — Acontece
que minha escolaridade irrigada ajudou nessa frente. Eu não tinha um
diploma do ensino médio, então era mais difícil provar que eu não era
tão velha quanto eu dizia.
— No começo, eu apenas observava as outras pessoas, e me
certificava de quebrar mesmo assim, não despertei suspeitas. Então,
eventualmente, comecei a me deixar ganhar mais vezes. Eu estabeleci
limites para o quanto eu me permitia fazer, para me disciplinar.
Eu penso em quando comecei a frequentar a Golden Cup. Como
sempre me pareceu que Sydney tinha a aparência de alguém que
aprendeu a se defender cedo. Estou começando a entender por que ela
se irrita tanto quando pensa que estou tratando-a como se estivesse
desamparada.
Eu também sei, instintivamente, que se ela acha que estou
sentindo pena dela agora, ela vai desligar e parar de falar.
— Esta não é exatamente a história de vida que eu esperaria da
dona de uma pequena cidade de café. — eu provoco, mantendo minha
voz leve.
— Não, eu suponho que não. — Ela levanta a cabeça e me dá um
sorriso brincalhão. — Imagine como o cara dos kolache ficaria
escandalizado se ele soubesse.
— Então, você era boa nisso. — eu digo. — Jogos de azar.
— Eu era. — ela balança a cabeça.
— Como você ganhou dinheiro suficiente para começar a
cafeteria?
— Eventualmente, isso é um pouco mais complicado.
Sydney faz uma pausa por um momento, como se estivesse
pensando em quanto mais iria com sua história.
— Eu não estava planejando ganhar a vida com isso. E mesmo
que meu pai tenha me ensinado o máximo que podia sobre os truques
de seu ofício, ele também não queria que eu fosse uma apostadora
profissional. Ele sempre me disse que era uma vida perigosa, incerta e
instável. E é claro que eu sabia disso, apenas pelo modo como fui
criada. Eu queria ir para a faculdade, na verdade. — Ela suspira. — Eu
sonhava em ter uma vida normal, em morar em um dormitório e comer
pizza e miojo, estudar, e ter uma companheira de quarto e namorados...
— Sydney para e dá uma risadinha seca. — Bem. Isso não aconteceu.
Alguns meses depois do meu décimo oitavo aniversário, meu pai
começou a tossir muito. Nós pensamos que era bronquite, mas os
remédios que o médico deu a ele não funcionaram. Finalmente, ele fez
mais alguns testes para ver o que estava acontecendo. Acontece que
ele tinha câncer de pulmão. No momento em que o pegaram, ele estava
quase no estágio quatro. Ele morreu seis semanas depois.
— Puta merda, Sydney. Eu sinto Muito. — Eu me sinto como um
idiota por dizer algo tão simples, mas é verdade. Sinto muito por ela,
perdendo basicamente a única pessoa que ela teve em uma idade tão
jovem. É verdade, eu me afastei do meu último lar adotivo de merda
mais ou menos na mesma época, mas pelo menos eu escolhi isso. E
além disso, a casa que eu deixei não era nenhum tipo de casa. Sydney
pelo menos tinha um pai que a amava e fica claro o quanto ela o amava.
Olhando para o rosto dela agora, vejo toda a dor gravada nele que ela
está escondendo do mundo.
— Obrigada. — ela diz simplesmente. — A vida é uma merda às
vezes. Se há uma coisa que meu pai me ensinou, é que as chances são
sempre contra você. Você faz tudo o que pode para vencê-las, mas...
— Ela encolhe os ombros. — Eventualmente, a mesa sempre vence.
Eu gostaria de poder dizer a ela que isso não é verdade, mas as
palavras congelam na minha garganta. Eu não sou exatamente um cara
tipo arco-íris e unicórnios, e ela não é idiota .Ela sentiria o cheiro da
besteira a uma milha de distância.
Um nó se forma na minha garganta onde as palavras estariam. Se
eu tivesse alguma coisa para oferecer.
— Depois que papai morreu, eu tinha que descobrir um jeito de
ganhar a vida. — Sydney se apoia em um cotovelo. Seus olhos não se
encontram com os meus enquanto ela continua a falar, e é quase como
se estivesse contando a história de outra pessoa, sua voz sem emoção.
— Ele estava em uma série de dividas quando ficou doente, e os
médicos esgotaram todas as suas economias. — continua ela. —Então,
eu fiz o que eu sabia fazer, comecei a fazer as rondas dos cassinos,
jogando apenas o suficiente para fazer face às despesas e mantendo
um perfil discretO o suficiente para que ninguém prestasse atenção em
mim. Contar cartas não é ilegal, mas os cassinos não gostam, por
razões óbvias. Eu tive sorte de ser uma garota jovem o suficiente para
que a maioria das pessoas simplesmente achasse que eu era uma
universitária em férias ou algo assim. Desde que eu tivesse cuidado e
não chamasse a atenção para mim, conseguia ficar fora do radar
durante a maior parte do tempo. — Ela hesita por um momento. — Mas,
eventualmente, um dos associados de jogo do meu pai me reconheceu
um dia e me fez assistir para ver como eu estava bem. As pessoas que
estavam me observando notaram que eu estava contando, perceberam
o meu potencial, e voltei para contar a ele. Alguns dias depois, Devon
me levou para a suíte onde ele estava hospedado e me pediu para se
juntar a sua equipe.
— Equipe? — Eu pergunto, não entendendo.
— Sim. — Ela respira fundo e deixa sair. De repente, ela parece
cansada. — Há equipes em todos os principais cassinos, especialmente
em Atlantic City e Vegas. Eles são executados como um negócio, com
regras e vantagens e sistemas de incentivo. Por trás das equipes estão
os investidores, também, que tentam ganhar dinheiro com uma equipe
ou um individualmente. — Seu rosto fica escuro por um momento, como
se ela estivesse lembrando de algo que ela não quer falar. — Eu fiz isso
por pouco mais de três anos. A coisa é que, em uma equipe, o dinheiro
pode ser melhor, mas o seu destino também está vinculado a todos os
outros membros da equipe. Nós perdiamos de vez em quando. E apesar
de eu ser boa nisso, o estilo de vida não era para mim. Eu tinha visto o
que isso fez com meu pai, e nunca tive o impulso ou a paixão pela vitória
que levou os outros a passar.
Sydney olha para mim agora, quase como se estivesse
registrando que eu ainda estou lá. — Nos filmes, eles romantizam essa
vida. — diz ela. — Mas a realidade é que é cansativo e intenso. Pensei
no meu pai e em como toda a sua existência se concentrara em vencer
as dificuldades e decidi que precisava sair antes que a vida me
reclamasse. — Ela desvia o olhar novamente, seus olhos escuros e
perturbados. — Então peguei o dinheiro que era meu e saí da cidade.
Eu vim aqui porque era o único lugar em que conseguia pensar que
estava longe o suficiente do que eu sabia.
— Sua tia-avó contou sobre Tanner Springs. — murmuro. —
Certo?
— Certo. — ela balança a cabeça, parecendo impressionada. Um
canto da boca dela se curva ligeiramente. — Minha tia-avó Edna, ela é
a única parente do meu pai com quem ele esteve em contato, tinha um
amigo do ensino médio que morava aqui. Edna está morta agora, mas
lembro que ela costumava falar sobre a visita a Tanner Springs nos
verões. Ela adorava isso aqui. Como eu não tinha outro lugar para ir,
imaginei que teria uma chance. Então aqui estou.
— Aqui está você. — eu concordo. — A perda de Atlantic City é
o ganho de Tanner Springs.
Ela me dá um pequeno sorriso. — Pelo menos posso estar
orgulhosa de ter trazido café decente para esta cidade.
— Alguém da sua vida anterior sabe que você está aqui? — Eu
pergunto, por curiosidade.
Algo na expressão de Sydney cintila, só por um momento.
Acontece tão rápido que quase acho que estou imaginando. Mas então
ela sorri para mim e é diferente de alguma forma. Como uma parte dela
se fechou.
— Não. Ninguém. — ela diz, um pouco desconfortável. — Não
estrague meu disfarce, ok?
De repente, tudo parece um pouco estranho.
Eu quero empurrá-la, para ver se ela está blefando e perguntar o
que está errado. O que ela não está me dizendo.
Mas eu não sei. Porque algo me diz que eu não tiraria isso dela.
Não agora.
E se eu for honesto, também é porque egoisticamente, eu sinto
que isso pode arruinar o clima.
Então, em vez disso, arquivo para perguntar a ela mais tarde.
— Você é a primeira pessoa a quem eu contei tudo isso. — ela
murmura, traçando um pequeno círculo no lençol com o dedo. — Em
Tanner Springs ou em qualquer lugar.
O peso de suas palavras me atinge, quando percebo o que ela
está dizendo. Sydney provavelmente não teve muitas pessoas para
confiar, dada a vida que ela teve. O fato de que ela se sentiu confortável
o suficiente para me deixar entrar para ter um vislumbre do mundo que
ela trabalhou tão duro para deixar para trás é um presente, algo
precioso e frágil. É mais do que eu esperava. Eu não sei bem o que fazer
com isso.
— Seu segredo está seguro comigo. — eu digo com cuidado. —
Obrigado por me dizer.
— Você sabe, você é um ouvinte surpreendentemente bom. —
ela reflete, mordendo o lábio e, em seguida, sorri para mim. — Para um
motociclista grande e mau você parece bom.
Eu bufo e a agarro pela cintura, fazendo-a guinchar. — Chega de
falar. — eu rosno. — Eu não posso ter você pensando que eu tenho um
lado sensível. Você vai arruinar a minha maldita reputação.
— Seu segredo está a salvo com toda a gente! — Ela grita quando
eu a atiro de volta na cama. Ela começa a rir quando eu me coloco em
cima dela e finge protestar, mas as risadas se transformam em gemidos
em breve. Eu já estou duro novamente, e ela está molhada e pronta
para mim. Eu me empurro para dentro dela e nós brigamos juntos,
Sydney envolvendo as pernas ao redor dos meus quadris e
choramingando enquanto eu me dirijo mais e mais. Nós nos reunimos,
e então eu a seguro com tanta força que estou com medo de machucá-
la, mas não posso me segurar.

***

— E NTÃO, SUA VEZ . — Sydney murmura, seus dedos tracionando


os padrões de cicatrizes na minha mão e no braço esquerdo. — Conte-
me sobre isso.
Nós não dormimos. Nós não comemos. Ainda está escuro lá fora
e quieto. O céu ainda não mudou de preto para apenas um pequeno
indício de cinza, anunciando a manhã, mas será em breve.
Eu dou de ombros. — Não há muito a dizer. — eu digo, passando
meus dedos pelos dela. — Aconteceu nos fuzileiros navais. — Paro por
um momento e pondero o quanto dizer a ela. É uma história feia. Não é
exatamente a ideia de fala de travesseiro. — Eu estava na província de
Helmand, Afeganistão. Alguns caras da minha unidade foram atingidos
por um RPG. Puxando um deles para a segurança, eu me queimei muito
mal.
Ela olha para mim, seus olhos escuros com simpatia. — Você
conseguiu tirá-lo?
— Sim. — eu digo baixinho. — Mas não foi o suficiente. Ele não
sobreviveu.
Eu paro de falar, pensando no resultado. Sydney parece sentir
que não quero falar sobre isso.
— Devemos dormir um pouco. — ela murmura. — Vai ser manhã
em breve. Nós dois vamos estar mortos de cansaço hoje.
— Boa idéia. — eu digo, puxando a mão para os meus lábios e
beijando-a.
Ela balança a cabeça, os olhos brilhando. — Boa idéia. — ela
sussurra.
Sydney adormece e eu escuto quando a respiração dela diminui
e se aprofunda. Ela está certa, estou cansado pra caralho e vou me
sentir uma merda depois, mas também sei que não vou dormir. Em vez
disso, fico ali e penso no resto da história de Helmand.
Sobre Rob Sims, o fuzileiro naval eu tentei e não consegui salvar
naquele dia.
Sobre como ele estava sempre falando sobre sua esposa. Como
ele estava se esforçando para permanecer vivo para poder voltar para
casa.
— Foda-se. — murmuro sob a minha respiração.
Ao meu lado, Sydney agita e suspira, mas não acorda.

***

S IMS ERA UM FUZILEIRO NAVAL INFERNAL . Ele era o cara que você
queria ao seu lado em uma luta, sólido e confiável como eles vêm, o
cara que você sabia que sempre teria suas costas. Ele também era um
grande atirador do caralho.
E Jesus, ele amava sua esposa. Ele falava dela o tempo todo. O
nome dela era Tina. Lembro-me da foto que ele tinha como tela inicial
em seu telefone, porque ele mostrava para qualquer um e todos que
perguntavam sobre ela. Ela era de cabelos escuros e olhos arregalados,
e mesmo que a foto mostrasse apenas a partir do peito, você poderia
dizer que ela tinha um corpo infernal.
Sims e Tina só estavam juntos há um ano antes de se casarem, e
ele embarcou para o Afeganistão pouco depois disso. Sims se
preocupava muito com Tina sobre como ela estava se adaptando à sua
nova vida em uma base militar sem ele, longe de sua família e dos
amigos que ela deixou para trás. Alguns meses antes de ele ser morto,
Sims me confidenciou uma vez ou duas que estavam brigando muito, e
que às vezes ela não respondia aos e-mails dele depois de uma
discussão, ou não atendia ao telefone quando eles concordavam com
o Skype. Ele sempre a perdoou por isso, no entanto. — Ela é mais rude
do que eu, de muitas maneiras. — ele dizia. — Ela está sozinha, sem
muito o que fazer na base. É mais difícil ser o que ficou para trás.
Pessoalmente, pensei que talvez fosse um pouco mais difícil estar
vivendo em um buraco de cem graus, sendo baleado e explosivos
atirados em você, mas imaginei que manteria essa merda para mim
mesmo.

***

A LGUNS meses depois de Sims ser morto, eu saí para uma licença
de duas semanas. Eu não tinha planejado originalmente voltar aos
Estados Unidos, mas no último minuto decidi que tinha a obrigação de
ir ver a viúva de Sims e oferecer minhas condolências pessoalmente.
Eu imaginei que ela poderia ter algum conforto em saber algo sobre sua
vida como um soldado. Como ele era respeitado por seus
companheiros Marines, e como estávamos arrependidos por ele ter ido
embora.
Descobri que Tina Sims havia se mudado da base militar onde ela
morava para um apartamento a alguns quilômetros de distância, mas
ainda na mesma cidade. Eu peguei o endereço dela e o telefone dela
também. Pensei em ligar para ela para avisá-la que queria visitá-la, mas
nunca fui muito bom no telefone. E para ser honesto, eu não tinha ideia
do que diabos você deveria dizer a uma viúva enlutada de qualquer
maneira. No final, decidi apenas morder a bala, aparecer e esperar pelo
melhor.
O lugar onde a esposa de Sims se mudara era um complexo de
apartamentos de dois andares que precisava muito de uma pintura. O
jardim da frente era pouco mais do que alguns trechos de grama morta
e arbustos marrons. O prédio inteiro e os terrenos ao redor cheiravam
a negligência. Meu primeiro pensamento quando cheguei lá e vi a
condição do lugar era que Sims teria perdido sua maldita mente de
preocupação se soubesse que sua esposa estava vivendo em um
buraco assim. Comecei a tentar descobrir o que eu poderia fazer para
ajudá-la quando fiz o meu caminho até a casa. Eu não sabia nada sobre
os benefícios do sobrevivente no Corpo, mas com certeza pensei que
deveria haver algo melhor para ela do que isso.
No início, quando o homem atendeu a porta dela, achei que tinha
escrito o endereço errado. Ele era da minha idade, magro e arrogante,
com um bigodinho de merda. Suas roupas e cabelos cheiravam a erva.
Em confusão, perguntei se era onde Tina Sims morava.
— Viúva Sims! — ele gritou de volta para o apartamento, uma
risada em sua voz. — Alguém está aqui para te ver!
Quando Tina saiu, parecendo que tinha acabado de sair da cama
mesmo que no meio da tarde, eu a reconheci instantaneamente das
fotos de Sims. Eu disse a ela quem eu era e que era amiga do marido
dela.
— Eu não tenho mais um marido. — ela zombou. — O que eu
tenho agora é um cheque mensal.
Tina Sims não queria falar comigo e não me deixava entrar em
casa. Não que eu quisesse ir até lá, de qualquer forma. Estava bem
claro que ela não estava de luto por Rob, e que ela rapidamente
encontrou alguém para gastar seu tempo e sua pensão de morte com
ele. Se ela não estivesse traindo ele o tempo todo que ele tinha ido
embora, não digo nada.
Isso me matou, nos dias e semanas depois. Me matava que Sims
foi para a morte pensando que sua esposa era fiel. Pensando que ela o
amava. Que ela sentia falta dele, e estava esperando por ele voltar para
casa para ela.
Eu não sei. Talvez fosse melhor que ele nunca descobrisse a
verdade sobre ela. Mas eu não poderia suportar que ele foi ao seu
túmulo mentindo para isso. Ainda me deixa doente pensar nisso.
Eu sempre penso em Sims e sua esposa como um conto de
advertência. Sobre o que acontece quando você deixa seu cérebro
convencê-lo a acreditar em coisas que não são reais. Tina Sims mentiu
para ele e cagou em cima dele, e ele nem sabia disso. E ela nunca
pagará um preço por traí-lo. Seu casamento e sua esposa foram a coisa
mais importante em toda a sua vida, e foi tudo uma mentira. Depois
daquele dia, nunca mais pude olhar para qualquer casal da mesma
maneira. Eu sempre estava me perguntando quem estava transando
com quem. Quem estava mentindo para quem.
Eu olho para baixo agora para a mulher dormindo pacificamente
ao meu lado, e não posso deixar de pensar que Sydney é a coisa mais
distante da Tina “Fodida” Sims que eu posso imaginar.
Não vá por aquele buraco de coelho, filho da puta. Este é apenas
um bom momento mútuo, nada mais.
Mas eu não estou me enganando. Eu não conseguia parar de
pensar em querer mais com Sydney. Toda vez que eu a deixo, mal
posso pensar em outra coisa além de vê-la novamente. Ela é uma
distração do caralho. Eu deveria ter acabado com isso assim que eu
percebi que ela não é uma mulher que eu vou foder algumas vezes e
depois esquecer.
Eu me inclino para trás contra os travesseiros e fecho os olhos,
chateado comigo mesmo por pensar nela assim. Eu não estou no
mercado para ter uma old lady. Eu deveria sair desta cama, dizer-lhe
adeus, e ir afundar meu pau em uma das garotas do clube para tirá-la
da minha cabeça. Mas eu sei que não estou prestes a fazer isso. Não
há nenhuma delas que possa segurar uma vela para Sydney. Inferno,
não há uma mulher em quem eu possa pensar que possa segurar uma
vela para Sydney Banner.
Foda-se. Estou afundando.
No dia seguinte, no trabalho, estou morta de pé, e ainda de
alguma forma positivamentetonta.
Eu não sei quanto Gavin dormiu, mas tenho certeza que é ainda
menos do que o par de horas que consegui. Ele ainda estava acordado
quando adormeci, e quando ele gentilmente me acordou um pouco
antes das cinco da manhã, ele já havia começado a preparar o café da
manhã para nós na minha cozinha.
— Eu não sabia a que horas você precisava para se levantar. —
ele murmurou enquanto deslizava na cama ao meu lado. — Mas eu
percebi que era cedo, então você poderia ir para a loja.
Nós tomamos um café da manhã rápido de ovos e torradas, e
então ele decolou e me disse que ele me veria mais tarde. Andei pela
minha casa me preparando meio aturdida, minha mente ainda cheia
dele e meu corpo agradavelmente dolorido por fazer amor.
Mesmo agora, eu posso senti-lo na dor entre as minhas pernas e
a leve crueza no meu rosto da barba dele, lembranças me lembrando
que passamos a noite juntos. Que ele estava na minha cama. Que nós
compartilhamos nossas histórias no escuro.
Uma pequena pontada de culpa se eleva dentro de mim,
ameaçando arruinar meu bom humor, mas empurro de volta para baixo.
Eu me sinto um pouco mal que a versão que eu disse a Gavin porque
eu deixei Atlantic City deixou de fora alguns detalhes bem importantes.
Eu disse a Gavin que Devon era um dos associados do jogo do
meu pai, então não é como se eu o tivesse deixado completamente fora
da história. O que eu não disse a ele foi que Devon e eu estávamos
juntos por quase um ano antes de eu deixar a cidade.
Devon me levou sob sua asa depois que ele se ofereceu para me
trazer como parte de sua equipe. No início, ele manteve nosso
relacionamento completamente platônico, nunca deixando
transparecer que ele tinha algum interesse sexual em mim. Eu deixei o
meu dinheiro cair, pouco a pouco, chegando a confiar nele tanto quanto
eu confiava em alguém além do meu pai. Quando nos envolvemos, ele
começou a confiar em mim mais sobre o lado ‘negócio’ da casa. Aprendi
sobre algumas de suas relações menos éticas com alguns dos outros
membros da equipe. Eu também acabei sabendo, sem o conhecimento
dele, que ele estava roubando dinheiro do topo da organização antes
de nos pagar.
Eu era um grande jogador para Devon. Eu tinha jeito de me
disfarçar e passar despercebida. Uma vez que eu tinha determinado
que queria sair de Atlantic City e começar em algum lugar novo, calculei
que nos três anos em que trabalhei para ele, ele tinha tirado quase
cinquenta mil dólares de mim. Foi o dinheiro que retirei no dia em que
saí, deixando-lhe uma nota para esse efeito e dizendo que terminara
com Atlantic City e com a equipe.
Eu me sinto mal pulando essa parte com Gavin. Eu sei que deveria
ter dito a ele sobre os textos que recebi de Devon, e que há uma
pequena possibilidade de que ele possa estar falando sério sobre vir
atrás de mim. Eu não posso deixar de balançar a sensação de que
Gavin pensaria que eu estaria mentindo para ele se ele soubesse,
quando não é isso que eu estava fazendo não intencionalmente, de
qualquer forma. É exatamente isso, então, no momento as coisas são
muito boas ao lado dele. Eu não queria estragar o clima, e deixar ele
todo irritado e dizendo coisas como por que diabos você não me disse
isso antes, e nós temos que ir imediatamente comprar quinze câmeras
de segurança para cada ângulo de cada quarto em sua casa. casa, e
eu estou reorganizando minha vida para que eu possa passar vinte e
quatro horas por dia mantendo um olho em você e ter certeza que você
está segura.
Gavin ficaria zangado se soubesse que eu escondi tudo isso dele.
Eu sei disso. Tento dizer à minha consciência para não me sentir tão
culpada por isso. Ele está apenas tentando me proteger, e eu estaria
mentindo se dissesse que isso não me faz sentir meio que... bem, não
amada, exatamente, mas pelo menos valorizada. Mas também sei que
ele se preocuparia muito mais do que o necessário. Na minha opinião,
há uma linha tênue entre proteção e propriedade. E Gavin não me
possui, eu argumento em minha cabeça, projetando meu queixo
desafiadoramente. Ser parte do time em Atlantic City era como ser
possuída. Nosso tempo raramente era nosso, e tudo o que ganhamos
tinha que ser entregue a Devon primeiro, antes que ele nos pagasse
nossa parte.
Eu não quero mais ser possuída. Eu tenho me cuidado
praticamente toda a minha vida. Estou acostumada a fazer tudo
sozinha. É por isso que vim para Tanner Springs. E eu não vou me sentir
culpada por guardar alguns dos meus segredos para mim mesma.
E eu ainda vou continuar guardando.

***

LOGO APÓS A CORRIDA DA MANHÃ, o sino da loja toca. Eu olho para


cima para ver Gavin entrando. Ele me lança um sorriso raro e não posso
deixar de sorrir para ele.
— Hey. — ele ronca.
— Ei você. — eu respondo, mordendo meu lábio a memória da
noite passada. — Você não tem seu copo para um refil.
— Não estou aqui para um café hoje.
— Oh? Você está aqui para o que então? — Eu sorrio.
— Você. — Ele se inclina para perto, seus lábios roçando minha
orelha. — E é melhor você parar de morder esse lábio, ou eu vou ter
que te levar lá para trás e morder por você.
Um pequeno arrepio de excitação corre pela minha espinha.
— Eu acho que os clientes ficariam um pouco desconfiados. —
eu respondo roucamente.
— Deixe-os. — ele rosna.
Está ficando quente aqui, ou é só eu?
Eu olho nervosamente em torno da loja. Em sua mesa costumeira,
Beverly está olhando para nós, uma expressão curiosa no rosto.
— Uh. — eu gaguejo, limpando a garganta. — Clientes. Os
clientes estão olhando para nós.
Ele dá um passo para trás e revira os olhos. — Desmancha
prazeres.
Eu não posso deixar de rir disso. — Então, você acabou de vir me
fazer uma visita? Tem certeza de que não está procurando um muffin
grátis?
— Bem, eu não recusaria. — diz ele, olhos brilhando. — Mas vim
lhe dizer que vou buscá-la mais tarde. De motocicleta.
— Você veio me dizer. — eu repito intencionalmente. — Não me
perguntar.
— Isto mesmo. — ele sorri. — Então esteja pronta.
Eu reviro meus olhos. — Você precisa de uma séria lição de boas
maneiras, você sabe disso?
Ele encolhe os ombros. — Já tentaram, não deu certo.
Com uma piscadela, ele se vira e sai da loja. Eu fico de pé ali,
sorrindo como um idiota por uma mistura de diversão e exasperação.
Eu não sei como ele consegue ser completamente irritante.
— Esse é o homem que veio instalar o seu extintor de incêndio?
Eu sou sacudida por Beverly, que veio até o balcão enquanto eu
sonhava.
— Oh! Sim, é ele. — Eu estou esperando que minha voz não soe
tão instável quanto eu acho que faz.
Ela me olha especulativamente. — Esse é um faz-tudo de
aparência muito boa que você tem aí. — diz ela, levantando uma
sobrancelha franzida por cima dos óculos de carapaça de tartaruga.
Eu tento uma risada inocente. — Ele não é realmente um faz-tudo.
Ele apenas sabia que meu antigo extintor não funcionava e me deu um
novo.
— Ele é um membro dessa gangue de motociclistas, não é? Lord
alguma coisa?
Não consigo ler o olhar no rosto de Beverly, mas tenho que
adivinhar que é desaprovação. — Sim. — eu digo, tentando nãoparecer
defensiva. — Ele é um cliente regular aqui na loja, você pode acreditar
nisso?
— Hum. — Ela balança a cabeça e olha para mim uniformemente.
— Você sabe, o jornal diz que essa gangue está por trás de todo esse
crime recente na cidade. — observa ela. — Algumas das cartas para o
editor, de qualquer maneira falam isso.
Eu recuo por um momento em genuína surpresa. — Eu não posso
imaginar que é verdade, Beverly. — eu digo honestamente. — Não
importa o que o papel diz. Não pelo que vi de Gavin, de qualquer forma.
Ele instalou câmeras de segurança por aqui para mim, todas do seu
próprio bolso. Ele parece mais preocupado com os crimes do que eu.
— Entendo. — Ela olha para cima e ao redor e percebe a câmera
que Brick instalou acima da porta da frente. — Isso foi muito legal da
parte dele, não foi?
— Sim. — eu admito. — Isso foi. Embora na época eu não fosse
muito agradecida sobre isso.
— Estou correta em assumir que há algo acontecendo entre
vocês dois? — Ela pergunta com um curioso brilho nos olhos.
Abro a boca para negar, mas hesito. Porque, por algum motivo,
eu gostaria de contar a alguém sobre Gavin e eu. Mesmo que eu não
tenha ideia do que estamos realmente fazendo juntos, não posso deixar
de desejar poder falar sobre isso como se fossemos um casal normal.
A percepção de que eu realmente quero que isso seja um
relacionamento, ou algo assim, me atinge como um raio do nada.
Merda. Isso não é bom.
— Eu, uh… Isto é, sim, há algo acontecendo entre nós. Não é
nada sério. — acrescento rapidamente.
— Você tem certeza? — Ela me dá um leve sorriso. — Porque do
jeito que ele olha para você, eu não estou totalmente convicta.
— Eu acho que ele é apenas... — Um tesão? Para foder? — Um
pouco possessivo.
— Bem. Contanto que ele te trate bem. Ele é bastante atraente,
não é mesmo com todas as tatuagens?
Minha mente pisca para a noite passada, e a ondulação de seus
músculos enquanto ele acariciava seu comprimento duro. Meu rosto
fica quente. — Sim, ele certamente é. — eu concordo.
— Você pode estar certa sobre o que está sendo dito no jornal.
— diz ela, balançando a cabeça pensativamente. — É sempre uma
espécie de por a culpa em alguém, afinal. Eu não ficaria surpresa se
eles estivessem latindo na árvore errada. Mesmo assim, Sydney, você
será cuidadosa, não vai?
— Não se preocupe. — eu asseguro a ela. — Eu provavelmente
estou mais segura com Gavin do que nunca.
Enquanto conversamos, a porta da loja se abre novamente. É o
cara da kolache. Eu instintivamente olho para a mesa onde ele
geralmente encontra seus amigos, mas eles ainda não vieram nesta
manhã. Em vez disso, enquanto observava surpreso, ele colocou um
pequeno livro de capa dura e seus óculos pousaram na mesa de
Beverly. Ela dá a ele um aceno rápido enquanto ele vem ao encontro.
— Eu espero que você não esteja fora do colégio ainda. — ele me
cumprimenta em um tom jovial. — Beverly. — ele murmura, voltando-
se para ela.
— Olá, Bradley. — ela sorri de volta para ele. Os dois me olham
com expectativa. Estou momentaneamente desconcertada, e não
tenho certeza se é por saber que o homem Kolache realmente tem um
nome, ou que os dois parecem estar em algum tipo de... encontro?
— Oh! Kolaches. Eu fiz os de papoulas hoje. — eu digo
apressadamente, e vou em direção a vitrine. — Você terá que me dizer
o que acha. —
— Tenho certeza de que eles serão deliciosos. — Beverly me
garante. — Nós vamos levar duas. E eu gostaria de um refil para meu
café com leite.
— Um café simples para mim. — acrescenta Bradley. — E eu vou
pagar a conta.
Beverly sorri recatadamente, agradece-lhe e vai para a mesa
deles. Eu olho para eles e digo a ele o total e quase caio de surpresa
quando ele coloca o troco que ele recebe de volta no pote de gorgeta.
— Bem, filho da puta. — murmuro para mim mesma quando ele
vai se juntar a Beverly.

***

O RESTO do dia passa sem nada tão surpreendente quanto o


encontro de leitura do livro de Beverly e Bradley. O negócio é rápido,
mas não o suficiente para impedir que minha mente vagueie para
pensamentos espontâneos da noite passada e Gavin. No momento em
que Hailey aparece para o seu turno, eu provavelmente olhei para o
relógio três dúzias de vezes.
— Como o fechamento foi na noite passada? — Eu pergunto a
ela.
— Bem. — ela me informa. — Exceto que houve um grande
movimento no final da noite. Eu não saí daqui até quase dez.
Eu enrugo a testa. — Isso não é bom. Pelo menos não teve
escola. No sábado, porém, se a noite passada fosse alguma indicação,
ela poderia ser novamente movimentada hoje à noite.
— Não foi um grande negócio. — diz Hailey amavelmente. —
Mais horas equivale a mais dinheiro.
— Verdade. Mas eu não amo a ideia de você estar sozinha tão
tarde. — Acho que todos os avisos paranóicos de Gavin sobre
segurança e proteção estão chegando a mim. Talvez seja hora de eu
levar a sério a contratação de mais ajuda.
Hailey e eu revisamos alguns detalhes, e eu estou lembrando a
ela que ela sempre pode me ligar se tiver algum problema quando eu
recebo uma mensagem dele.

Atrasarei um pouco. Estarei ai em uma hora ou mais.

Eu enrugo a testa. Eu prefiro não esperar por aqui por mais uma
hora. E além disso, percebo que o atraso me daria tempo para tomar
um banho se eu fosse para casa.

Você pode me pegar na minha casa?

Você está tentando me seduzir?

Eu rio.

Eu prometo que não vou deixar você entrar em casa. Eu estou


esperando por aquele passeio na sua moto.

Meu coração acelera ao ler seu texto final:


Vejo você em breve baby.

EU EMPURRO meu telefone de volta no meu bolso, sentindo-me feliz


e animada. Depois de dizer um rápido adeus a Hailey, saio pelos fundos
e vou para casa para me arrumar.
Oz dá o endereço a Rock para se encontrar com ele e alguns dos
outros Death Devilso o que acaba sendo um bar decadente no limite
noroeste de seu território.
É o começo da tarde em um dia quente e empoeirado, e nós
olhamos para sermos os únicos clientes aqui. Eu não tenho certeza se
isso é intencional ou não, mas quando nós aparecemos, um barman de
aparência grisalha e sem palavras nos mostra uma sala reservada, onde
Oz e seus homens já estão esperando.
Assim como nós concordamos na igreja, Rock trouxe Angel,
Ghost e eu com ele. Em sinal de boa fé para Oz, não toruxemos nenhum
backup para segurança.
Oz tem dois de seus homens na entrada da sala por segurança.
Um deles é quase do meu tamanho. O outro é quase tão grande quanto
o nosso irmão Beast, que tem 1,90 m e é construído como uma casa
de tijolos. O grandão faz um movimento para uma mesa dentro da sala
e nos diz para deixar as nossas armas lá. Rock olha para nós e acena
com a cabeça. Relutantemente, eu puxo minha Glock para fora do cós
da minha calça jeans e a coloco na mesa com as outras.
Oz está sentado silenciosamente em uma mesa ampla no centro
da sala. Dois homens estão flanqueando ele. Nós nos aproximamos e
Rock oferece sua mão. Os dois homens se cumprimentam e nos
sentamos.
— Eu olhei mais para a situação com os Spiders. — Oz começa
sem preâmbulo. — Minhas conexões me dizem que formaram uma
parceria de negócios com um clube ao norte. The Sons Out Of The Law.
— Que tipo de parceria? — Rock grunhe.
— Envios entre eles. Que tipo de produto eles estão movendo não
está claro. — responde Oz, levantando a mão para passar em uma
barba longa e escura salpicada de cinza. — O que eles sabem é que o
seu território está diretamente entre os deles. Portanto, quaisquer
remessas que passem entre eles atualmente teriam que ser
encaminhadas ao redor do território de Lords of Carnage, para o leste
ou oeste.
— Não há nenhum caminho para o oeste. — comentei. —
Melhores estradas para o leste.
— Sim. — Oz concorda olhando para mim. — O que os colocaria
no território dos Devils.
— Se fosse eu. — Angel fala. — Eu estaria inclinado a ter a visão
de longo prazo. Que a distância mais curta entre os dois pontos é uma
linha reta.
Oz assente uma vez. — Como eu faria.
Ficamos em silêncio por um momento, contemplando isso. De
repente, está começando a parecer muito provável que toda a merda
que está acontecendo em Tanner Springs seja uma tentativa de
derrubar nosso clube fodidamente com nossa cidade e esperar que os
crimes nos prendam.
— Malditos covardes. — Angel ferve. — Se eles querem nos
pegar por que eles não criam bolas e fazem cara a cara?
— Isso exige guerra total. — diz Ghost, olhando para Rock. Os
Spiders quase mataram a old lady de Hawk, e agora isso. Eles não vão
parar até que seu clube ou o nosso seja destruído. É hora de cortar a
cabeça para matar o corpo. Black tem que morrer.
O resto de nós concordamos. Não há como deixar isso acontecer.
O presidente dos Spiders terá que pagar por isso com sua vida. É a
única maneira de parar isso para sempre.
— Oz. Parece que temos um interesse comum em proteger
ambos os nossos territórios. — diz Rock, com a mandíbula tensa. — O
que podemos esperar do seu clube?
Por um momento, Oz está perfeitamente imóvel. Então ele forma
as mãos em um campanário.
— É verdade que nenhum de nós se beneficia ao ver os Spiders
se fortalecerem. — diz ele. — Nós protegeremos nosso território a todo
custo. E proteger nosso território inclui manter laços estreitos com os
Lords of Carnage. — Ele encontra os olhos de Rock. — Você terá
homens quando precisar deles. Contanto que nossos objetivos
permaneçam os mesmos.
Oz empurra a cadeira para trás. Seus homens estão em uníssono.
— Senhores. — diz ele.
Nós quatro nos levantamos.
— Eu estarei em contato, Oz. — grunhe para Rock.
Viramos e recuperamos nossas armas, depois saímos do bar
deserto de volta para nossas motos.
Ninguém fala quando ligamos nossos motores e voltamos para
Tanner Springs. Estamos todos pensando sobre a mesma coisa.
A partir de agora, não há como voltar atrás. Não haverá descanso
para os Lordes até que os Spiders estejam destruidos.
Somos nós ou eles. A escolha é clara.
Quando chegamos ao clube, Rock chama para uma reunião de
emergência. Ele diz a todos os irmãos o que acertamos. Todo mundo
está em um acordo sombrio sobre o que precisa ser feito.
Rock diz a Tweak para usar suas habilidades tecnológicas e
contatos para localizar o clube dos Iron Spiders. Como muitos MCs, a
localização de seus clubes é um segredo bem guardado. Mas Tweak
nunca nos decepcionou antes. Uma vez que ele descobrir onde está o
ninho dos Spiders, nós mandamos alguns de nossos homens para vigiar
e colocar câmeras para que possamos ver suas idas e vindas.
Especialmente para ver se há algum padrão nos movimentos de Black.
E quando é mais provável que ele esteja sozinho e vulnerável.
No final da igreja, Rock bate o martelo, e todos nós saímos em
silêncio. Alguns dos homens vão para casa, para suas famílias, para
preparar suas old ladys. Vamos descobrir nossa estratégia nos
próximos dias. Agora, é a calma antes da tempestade.
Quanto a mim, só consigo pensar em uma coisa.
Ver Sydney.

***

Q UANDO EU MANDEI UMA MENSAGEM PARA Sydney antes de irmos


à igreja, ela me pediu para encontrá-la em sua casa, em vez do café, já
que eu me atrasaria. Quando chego ao endereço dela, ela sai voando
pela porta da frente antes mesmo de eu ter a chance de estacionar.
— Veja! — Ela diz com um sorriso, correndo até mim. — Eu
tranquei a porta atrás de mim. Eu prometi a você que não deixaria você
entrar.
Há algo sobre o jeito que ela olha para mim, os olhos brilhando, o
cabelo solto atrás dela, que me faz sentir tão feliz que antes que eu
perceba, meus olhos começam a doer e eu tenho que parar de falar por
um segundo até que eu possa me controlar.
— Você está parecendo muito bem, querida. — eu finalmente
consigo falar, esperando que ela não perceba a instabilidade na minha
voz.
— Eu tive um bom incentivo. — ela murmura enquanto eu a puxo
para os meus braços. Eu a beijo profundamente, e quando ela se afasta
ela me dá um sorriso deslumbrante que quase me faz engasgar
novamente.
— Então. — eu digo, limpando a garganta e soltando-a. — Você
já esteve em uma dessas coisas?
— Não. — Ela encolhe os ombros. — Já passou da hora, você
não acha?
— Eu acho. — eu aceno. Eu subo na moto e aceno atrás de mim.
— Vá e fique confortável. Pés nos pinos. Braços ao meu redor.
Ela faz o que lhe é dito, envolvendo os braços ao redor da minha
cintura e inclinando-se para mim. Isso é bom. Muito bom.
— Onde estamos indo? — ela pergunta.
— Você vai ver. — eu digo a ela. A pergunta me entristece, mas
eu ligo o motor e me afasto do meio-fio.
Eu preciso falar com Sydney sobre algumas coisas, e o que eu
preciso dizer é melhor dizer, de uma vez que eu a apresentei a algumas
pessoas. Não era assim que eu esperava que as coisas fossem hoje,
mas não tenho escolha.
Voltando a Tanner Springs após o encontro com Oz, eu tive algum
tempo para pensar sobre o que está acontecendo entre Sydney e eu.
Por mais que eu tenha tentado resistir a ela, ela entrou na minha
cabeça. Dentro da minha pele. Ela é bocuda, espinhosa e mal-
humorada como o inferno. Ela é tão teimosa quanto se pode ver, e ela
é linda pra caralho, e diferente de qualquer outra mulher que eu já
conheci na minha vida.
Enquanto andamos pelas ruas eu nos dirijo para o nosso destino,
percebo que estou estranhamente nervoso. Não é um sentimento que
eu estou acostumado. Então me ocorre o que é.
Esperança.
Eu estou realmente esperando por um futuro. Com Sydney.
É tão fodidamente ridículo que começo a rir. É preciso uma
maldita guerra de clubes e o possível fim dos Lordes para eu acreditar
em algo que não seja o momento real em que estou vivendo.
Eu estou indo em direção a algo que eu não poderia sobreviver.
Eu já fiz isso muitas vezes na minha vida. Eu nunca tive medo da morte.
Exceto que desta vez é diferente. Desta vez, há algo do outro lado
que eu faria qualquer coisa para manter. Alguém do outro lado faria
qualquer coisa para proteger.
Pela primeira vez, acho que posso entender como o Ghost se
sente quando ele vê Jenna e seus filhos. Ou Hawk quando ele olha para
Sam.
Atrás de mim, Sydney se aconchega mais perto. Eu posso sentir
o constante aumento e queda de sua respiração.
É hora de ela saber mais sobre a minha vida do que apenas usar
um corte de couro. É hora de ela entender o que significa ser um Lorde.
Para ela entender o que esta vida significa. Pelo menos o suficiente para
decidir se ela quer ficar por perto, ou se ela quer que eu a deixe sozinha.
Eu não sei tudo sobre a vida dela, mas sei que ela passou por muita
coisa para chegar onde está. Eu não quero foder isso por ela.
Para ser honesto, estou com medo de que ela vá embora.
Inferno, isso pode ser a melhor coisa para nós dois.
Se ela fizer isso, digo a mim mesmo que ficarei bem.
Mas acho que isso é uma mentira de merda.
Ele para em um prédio discreto de dois andares com um telhado
plano e um grande estacionamento de cascalho na frente. No começo,
eu não tenho ideia de onde Gavin me trouxe, mas quando vejo a fileira
de motocicletas estacionadas de lado, algo clica.
— É onde o seu clube se encontra? — Eu pergunto a ele depois
que ele desliga a moto.
— Sim. Este é o clube. — ele ronca.
Não está marcado de forma alguma, o que suponho ser de
propósito. Gavin espera enquanto eu desço do assento, então se
levanta.
— Eu percebi que era hora de conhecer algumas pessoas do meu
povo. — diz ele, e pega minha mão na dele. Nós caminhamos até a
porta da frente, de mãos dadas, e não tenho certeza do que fazer com
nada disso. Nós nunca tivemos nenhum tipo de conversa sobre o que
está acontecendo entre nós. E agora, ele está apertando minhas mãos
e me levando para encontrar seus amigos.
Eu levanto minha outra mão e passo conscientemente através do
meu cabelo bagunçado pelo vento. Eu gostaria de saber que estava
prestes a ser apresentada ao que equivale à família de Gavin. Eu não
tenho muito tempo para deixar meus nervos tomarem o melhor de mim,
porque já estamos passando pela porta e passeando por uma grande
área de bar aberto. Uma dúzia ou mais de homens estão lá, todos
grandes, tatuados e com aparência perigosa. Um punhado de mulheres
também está lá. Mais do que alguns da multidão param o que estão
fazendo para olhar para nós quando entramos. Atrás do bar, uma loira
alta e peituda arregala os olhos, obviamente surpresa.
Um dos homens se separa de um grupo e se aproxima de nós,
um sorriso fácil e derretido no rosto. Ele é lindo, com cabelo loiro curto
e aparência que poderia facilmente colocá-lo na capa de uma revista
masculina.
— Bem, bem! O que temos aqui, irmão? — ele diz, dando um
tapinha nas costas de Gavin. — Esta é a primeira vez! Olá, pequena
dama. — Ele vira seu sorriso megawatt para mim. — Eu sou Gunner o
amigo mais próximo de Brick e seu companheiro Marine. Não acredito
que tenha tido o prazer.
Eu sorrio para ele, de repente tímida, mas tentando não
demonstrar isso. — Oi. Eu sou Sydney.
— Um belo nome para uma bela dama. — ele balança a cabeça
e pisca para mim. — Como diabos você acabou com um filho da puta
feio como ele?
— Gunner. — Brick murmura em um tom de aviso.
— Calma, irmão. Você sabe que me ama. — Gunner ri das
nuvens de tempestade se juntando no rosto de Gavin. — Ei, vocês, esta
é Sydney. — Gunner chama para o salão. — Por algum motivo, ela
decidiu dar a Brick uma hora do dia.
— Estou fodidamente começando a me arrepender disso. —
Gavin murmura ao meu lado.
O anúncio geral de Gunner parece ter quebrado algum tipo de
feitiço, porque mais algumas pessoas começam a se aproximar de nós.
Uma morena incrivelmente bonita com cabelo longo e brilhante se
aproxima, um sorriso acolhedor no rosto.
— Olá! — ela diz, estendendo a mão. — Eu sou Sam. É muito
bom conhecer você.
— É bom conhecer você também. — eu digo, tremendo com ela.
— Eu estou com Hawk. — ela continua, acenando com a cabeça
em direção a um homem musculoso, bronzeado, tatuado que vem atrás
dela
— Oi. — eu digo ao homem. Ele acena com a cabeça uma vez e
passa o braço ao redor da cintura de Sam.
— Esta é sua primeira vez no clube? — Sam pergunta. — Estou
assumindo que sim.
— Sim. Honestamente, eu nem sabia que estávamos vindo para
cá. — eu admito, olhando para Brick e dando-lhe uma carranca de
provocação. Ele encolhe os ombros e aperta minha mão um pouco mais
apertado.
Sam ri. — Trouxe ela para fogo, né, Brick? — ela o repreende. —
Bem, os homens não são tão duros quanto deixam transparecer, não
importa o que gostem de pensar.
— Isso esta certo? — Hawk ressoa para ela.
— Oi amor, é claro que está. — Sam sorri, inclinando-se para dar-
lhe um beijo na bochecha.
— Oi, eu sou Jenna. — diz a voz de outra mulher. Eu me viro para
ver uma pequena loira com lindos olhos azuis. — Eu não vi você saindo
daquela nova cafeteria na cidade? Você trabalha lá?
— Na verdade, eu sou a dona. — digo a ela. — É assim que Ga…
Brick e eu nos conhecemos. Ele costumava vir tomar café algumas
vezes por semana.
— Ah Merda! — Gunner bufa. — Você é a dama de muffins!
Porra, você o seduziu com assados saborosos!
Alguns dos outros homens reunidos em torno de nós começam a
rir ruidosamente. Gavin parece um pouco chateado, mas parece levar
isso em consideração.
— Ok, ok, seus filhos da puta. — ele murmura. — Eu te desafio a
resistir aos muffins de mirtilo de Sydney, no entanto. É preciso ser um
homem de verdade para admitir quando se é derrubado por um muffin.
— Ei, Sydney. — diz Sam. — Posso pegar uma cerveja para você
ou algo assim?
— Cerveja seria ótimo. — eu sorrio.
— Jóia! — Sam chama em direção ao atraente barman. — Esta
é Sydney! Nossa garota precisa de uma cerveja!
E, assim, parece que eu sou aceita. Uma garrafa fria é entregue
a mim um minuto depois, e antes que eu perceba, sou envolvida em
uma conversa que muda constantemente com todos os tipos de
pessoas que querem me fazer perguntas ou me contar histórias
embaraçosas sobre o homem que conhecem como Brick. Está…
Divertido.
Tipo, muito divertido. Eu essencialmente não faço nada além do
trabalho e vou para casa para dormir desde que cheguei a Tanner
Springs. Eu nunca me preocupei em tentar fazer amigos, força do hábito
da minha vida antiga, eu acho. Eu nem sabia que estava faltando
alguma coisa, até agora.
Mas aqui? Rindo e brincando com essas pessoas que eu nem
conheço, pessoas que a maioria dos cidadãos cumpridores da lei
consideraria assustadoras e perigosas, eu me sinto em casa, e segura
de uma maneira que eu não me lembro de sentir. De volta a Atlantic
City, eu conhecia muita gente, mas nos círculos em que eu corria, você
sabia que não devia confiar em ninguém além de si mesmo. Aqui, com
Gavin segurando minha mão como se fosse a coisa mais natural do
mundo, de alguma forma eu me sinto completamente à vontade com
estranhos que me aceitam apenas porque estou com ele.
De alguma forma, Jenna, Sam e eu acabamos no bar com Jewel,
a garçonete, conversando e rindo sobre nossas cervejas. Jenna e Sam
me contam as histórias de como elas conheceram seus homens.
Aparentemente, Jenna, que é casada com Ghost, o Sargento de Armas,
teve uma aventura com ele alguns anos atrás, e depois saiu da cidade
por um tempo. Quando ela voltou para Tanner Springs, eles se
reconectaram e estão juntos desde então. Eles têm dois filhos
pequenos, um menino e uma menina. De vez em quando, ela olha para
Ghost adoravelmente enquanto conta sua história. Ouvindo Jenna falar
sobre sua família, é incrivelmente claro pela expressão em seu rosto o
quão feliz ela está.
Sam me disse que ela e Hawk estão juntos há menos de um ano.
Curiosamente, eles se encontraram no casamento de Jenna e Ghost.
Sam é fotógrafa e Jenna a contratou para tirar fotos do dia.
— Santo inferno, nós dois nos conhecemos quando ele se se
casaram. — Sam está balançando a cabeça. — Ele era, e ainda é, uma
dor total na bunda às vezes. Mas mesmo que eu nunca acreditasse em
um milhão de anos, ele é o homem mais doce e amoroso que já conheci.
Olho de relance para o homem empalidecido que está nas mesas
de sinuca conversando com Brick e Gunner. — Uau. Fale sobre não
julgar um livro pela capa. — eu rio. As outras duas mulheres riem.
Quando estou prestes a desviar os olhos dos três homens, Gavin
olha para mim. Nossos olhos se fecham e uma onda de calor percorre
meu corpo.
— Parece que Brick está reivindicando você. — observa Jenna.
Eu arrasto meu olhar para longe dele e olho para ela.
— O que você quer dizer com reivindicando? — Eu pergunto, meu
pulso acelerando apenas um entalhe.
— Bem... — Jenna diz, deslizando em direção a Sam, e depois
de volta para mim. — Eu conheço Brick há um tempo, e com certeza
nunca o vi mostrar mais do que um interesse passageiro em qualquer
mulher. Ele com certeza nunca trouxe ninguém aqui.
Do outro lado do bar, Jewel assente. — O Lords leva este clube,
muito a sério. — ela me diz. — Este clube é uma família, Sydney. Se
você está aqui com ele, significa alguma coisa.
Santo inferno. Meu cérebro começa a sentir como se estivesse
girando na minha cabeça. Penso na minha conversa com Beverly mais
cedo hoje na loja, quando eu disse a ela que o que estava acontecendo
entre Gavin e eu não era nada sério. As palavras que ela disse em
resposta tocam na minha cabeça.
Você tem certeza? Porque do jeito que ele olha para você, não
estou totalmente convencida.

***
— PRONTA PARA IR?
Eu tiro meus pensamentos para ver que Gavin apareceu ao meu
lado.
— Tão cedo? — Eu pergunto, um pouco pesarosa.
— Eu quero te levar em outro lugar. — ele murmura em meu
cabelo. — E então precisamos conversar.
Eu volto para as mulheres, e não posso deixar de notar suas
expressões enquanto elas olham para nós dois. O rosto de Jewel está
cheio de emoção divertida. Samantha está sorrindo conspiratoriamente
para mim. Jenna... bem, seu rosto registra algo além de apenas
felicidade para um novo casal. Enquanto ela olha entre nós, há uma
porção de tensão que aparece em seu rosto. Quase como se ela
soubesse o que Gavin quer falar comigo.
— Vocês dois tenham uma boa noite. — ela diz para nós dois,
estendendo a mão para dar um aperto caloroso na minha mão. — Foi
muito bom conhecer você, Sydney.
— Foi bom conhecer todos vocês também. — eu digo
sinceramente. Brick coloca a mão nas minhas costas e me guia de volta
para sua motocicleta.
— Então, onde você está me levando? — Eu pergunto a ele
provocantemente enquanto ele coloca uma perna sobre sua
motocicleta e faz sinal para eu seguir em frente.
— É uma surpresa. — ele rosna, ligando a moto.
— Tudo sobre você é uma surpresa, Brick Malone. — murmuro
em seu ouvido, envolvendo meus braços em torno dele.
É verdade. Gavin tem sido nada além de surpresas desde o dia
em que nos conhecemos.
E o maior de todos? Estou começando a pensar que gosto disso.
Eu nunca trouxe qualquer mulher para o clube antes de trazer
Sydney esta noite. Mas trazê-la para o meu lugar no lago é ainda mais
louco.
Exceto por Gunner, as poucas vezes que ele esteve aqui
pescando comigo, e os caras ocasionais entregando merda na loja local
de melhorias, ninguém além de mim entrou na minha casa. Eu com
certeza nunca tive uma mulher na minha cama. Este lugar é meu
santuário. A razão pela qual eu comprei em primeiro lugar ERA ficar
sozinho.
Mas por alguma razão, quero Sydney aqui esta noite. Porque o
que tenho para contar é importante. E diabos, Sydney é importante. De
alguma forma, sem que eu perceba, ela ficou sob a minha pele. Ela
quebrou minhas defesas.
Se eu quiser que qualquer tipo de futuro com ela aconteça, eu
tenho que dizer a ela em que ela pode estar entrando. E eu quero fazer
isso em um lugar onde não há mais ninguém além de nós dois. Vou levá-
la de volta ao seu lugar em um piscar de olhos se ela me disser que é o
que ela quer. Mas primeiro, quero deixar o resto do mundo de lado.
Apenas por algumas horas. Só para tê-la comigo, tudo para mim, não
importa o que aconteça depois.
Sinto, em vez de ouvir Sydney, respirar ao virar a esquina do
caminho de cascalho e minha casa aparece pela primeira vez. A casa
em si ainda não é muito boa para olhar do lado de fora, eu vou arrumar
e pintar assim que o interior estiver pronto. Mas a vista do lago atrás é
espetacular. A água é cristalina, com o sol do início da noite olhando
para fora da superfície. Do outro lado do lago, a oeste, um barranco de
nuvens densas está rolando lentamente para cá, prometendo uma
tempestade mais tarde, mas por enquanto o lago está calmo.
— Aqui é onde você mora? — Sydney respira quando eu tomo
sua mão e a conduzo para a varanda da frente.
— Sim. — eu grunho. — Não é muito boM do lado de fora. Mas
estou trabalhando nisso.
— Meu Deus, Gavin. É tão bonito. — Seus olhos estão brilhando
de admiração enquanto ela olha para o lago. — Você deve amar isso
aqui.
Eu não digo nada quando a deixo entrar. Nunca me ocorreu
pensar sobre esse lugar nesses termos. A solidão aqui combina comigo,
é verdade. E ela está certa, o lago parece saido diretamente de um
cartão postal. Observando-a absorver tudo, sinto uma nova apreciação
por tudo isso.
Se ela estivesse aqui com você, você adoraria isso aqui muito
mais.
O pensamento vem espontaneamente. Eu sento com isso por um
segundo, depois afasto.

***

— QUER ALGUMA COISA PARA BEBER? — Eu pergunto a ela. Agora


que estamos dentro, agora que ela está no meu espaço, estou
começando a me sentir meio desajeitado. A principal área de estar é
desnudada até as paredes. A única mobília da sala de estar é meu velho
sofá de couro, uma TV de tela plana e um colchão king size ao lado da
lareira. Não é confortável o suficiente para um convidado. Eu realmente
não pensei nisso quando decidi trazê-la para cá.
— Não, eu estou bem. — diz ela, virando-se para mim com os
olhos arregalados. — Você está fazendo todo o trabalho sozinho?
— Muito bom. — eu dou de ombros.
— Este lugar vai ser incrível quando você terminar com a reforma.
— Eu posso ver que ela quer vê isso. Suas palavras me fazem esperar
que ela vai estar por perto para ver a casa quando eu terminá-la.
Há essa palavra novamente. Esperança.
Eu pego uma cerveja para mim e levo-a para o convés de volta,
que é a única parte da casa que está completamente terminada. Eu até
tenho móveis decentes lá, porque é onde eu passo muito do meu tempo
quando estou aqui. Sentamo-nos no longo e baixo sofá que fica de
frente para o lago. Eu resisto à vontade de levá-la em meus braços. Eu
quero ver o rosto dela para essa conversa.
— Você comprou este lugar porque lembrou de Seneca Lake,
onde você cresceu? — Ela pergunta enquanto se instala.
Por um momento, estou chocado. Está na ponta da minha língua
para dizer que não, porque eu não fiz. Não conscientemente, de
qualquer maneira. Mas agora que ela disse isso, percebo que este
pequeno lago, com suas casas remontadas o suficiente para que
pareça quase desabitado, me faz lembrar Sêneca. Tem o mesmo
sentimento calmo e pacífico, ou mais, a tranquilidade que sempre quis
sentir por crescer, mas não porque nunca consegui escapar do inferno
da minha vida em casa.
— Talvez. — é tudo o que posso dizer, como eu me pergunto
como Sydney conseguiu descobrir algo sobre mim que eu nem
conhecia a mim mesmo.
— Eu realmente gostei de conhecer seus amigos, Gavin. —
murmura Sydney. — Eles são... diferentes do que eu esperava.
— Diferente como?
— Eu não sei. — Ela pensa por um momento. — Eu acho que
pensei que eles não seriam tão... legais.
Risos saem de mim. — Eu não acho que eu já ouvi Hawk ou Ghost
serem chamados de legais.
Um sorriso aparece no rosto dela, mas ela fica séria. — Quero
dizer. — Ela encolhe os ombros e olha para as mãos. — Pelo menos
eles foram para mim. A maioria das pessoas que conheço na minha vida
não tem sido.
— O clube é uma família afinal, Sydney. Você estava lá comigo.
Então, eles consideram você um deles. Um de nós.
Seus olhos encontram os meus.
— Eu sou? — ela pergunta.
Puta merda Meu coração começa a bater como uma porra de
martelo.
— Sydney. — eu digo. Minha voz cai por volta de uma oitava,
porque estou tentando mantê-la firme. — Isso é o que eu queria falar
com você.
Eu só estou tentando manter a emoção fora disso, e dizer a ela o
que ela precisa saber. Mas por alguma razão, ela interpreta mal minhas
palavras. — Oh. Não, olhe, Gavin. — ela meio ri. — Eu não estou
tentando pedir nada. Quer dizer, eu entendi. Nós mal nos conhecemos.
E inferno, nós mal tivemos uma conversa, além de depois do sexo às
vezes. — Ela começa a acenar com a mão entre nós, como se estivesse
fisicamente tentando limpar o ar. — Está bem. Não há razão para fingir
que isso é mais...
— Sydney. — eu grito, agarrando a mão dela no ar. Ela para
abruptamente e olha para mim surpresa. — Por favor, cale a boca por
um segundo?
Ela me dá um olhar sombrio e tenta puxar a mão dela. — Bem,
não há necessidade de ser rude.
— Você vai parar de colocar palavras na minha boca e me ouvir?
— Jesus. — ela reclama, e tenta se afastar novamente. Desta vez
eu deixei ela. — Tudo bem. — diz ela, cruzando os braços. — Fale.
— Foda-se. — murmuro. — Isso não está indo do jeito que eu
queria.
O fato é que não sei exatamente como esperava que fosse. Eu
não planejei que isso não iria sair muito bem. Em minha mente, eu pulei
a parte onde eu disse a ela todas as coisas que eu precisava, e fui direto
para a parte onde eu a levei para dentro e fodia ela até que nós dois
desmaiássemos.
Sydney ainda está sentada lá, com os braços cruzados e os olhos
fixados em um ponto no chão, cerca de um metro e meio à sua frente.
Eu suspiro profundamente e tento novamente.
— Olha. — eu digo. — Primeiro. Eu te trouxe para o clube por um
motivo. — Eu alcanço e seguro seu queixo, levantando-o em direção a
mim até que seus olhos foquem em mim. — Eu queria que você
conhecesse meus irmãos, minha família, por uma razão.
— Qual é o motivo? — ela meio sussurra.
Eu não sei como colocar isso em palavras, mas a única coisa que
posso fazer é abrir a boca e esperar o melhor.
— Eu… queria te dar uma chance dever no que você estaria se
metendo. Para desistir, se você quiser.
— Oh, pelo amor de Deus. Desistir do que? — Sydney chora,
revirando os olhos, exasperada. — Gavin, do que diabos você está
falando?
— Sydney. — Eu passo uma mão pelo meu cabelo. — Há alguma
merda acontecendo com o clube agora. Não é o lugar mais seguro para
estar. Eu sei que você veio para Tanner Springs para fugir de Atlantic
City. Ter uma vida mais calma e simples em algum lugar novo. — Eu
bufo e balanço a cabeça. — Mas se calma e simples é o que você quer,
então eu tenho medo de ficar confusa comigo porque é a última coisa
que você quer ter.
— Então... o clube está em perigo? — ela pergunta.
— Não exatamente. Mas o clube está prestes a entrar em uma
guerra, e a merda está prestes a aumentar rapidamente. — Eu pego a
mão dela, que caiu em seu colo, e passo a ponta do polegar sobre a
palma da mão.— Eu não quero que você se machuque. Mas mais do
que tudo, quero que você saiba que estar perto de mim pode não ser o
lugar mais seguro daqui para frente.
Sydney parece perdida em pensamentos. — Isso tem alguma
coisa a ver com as invasões e outras coisas em Tanner Springs?
— Sim.
— E você está tentando me proteger, quando parece que você é
realmente o único em perigo?
— Eu acho. Sim.
— Obrigada. — ela diz baixinho.
Eu entendo isso como se ela estivesse acabada. Meu estômago
dá uma guinada, mas eu ignoro isso.
— Assim. Eu posso te levar de volta ao seu lugar, se você quiser.
— O que? — Ela está confusa.
— Se você quiser voltar. — eu ofereço com o coração afundando.
— Eu posso te levar.
Por um momento, o rosto dela fica totalmente vazio.
Então ela ri.
— Droga, Gavin! — Ela fala, revirando os olhos. — O que diabos
está errado com você, afinal?
— O que? — Eu não estou acostumado com mulheres falando
assim comigo. Ou qualquer um, para esse assunto. A raiva começa a
subir em mim, mas eu tento abafar.
— O que há de errado comigo? — Eu grito de volta. — Por tentar
protegê-la e dizer-lhe que estar associada comigo é uma má ideia? —
Foda-se. Eu nunca deveria ter dito nada disso. Eu deveria ter parado de
chegar em torno dela. Deixando-a pensar que eu perdi o interesse. Isso
teria sido a coisa mais segura a fazer.
Um arrependimento, tão profundo e fatigante quase fisicamente
doloroso, me atinge. Eu saí tentando proteger essa garota louca. E
agora acontece que eu posso ter feito exatamente o oposto.
— Gavin. — ela começa, com uma paciência que eu posso dizer
que é forçada. — Obrigada por pensar em mim. Eu agradeço. Mas eu
posso fazer minhas próprias escolhas, apesar do que você possa
pensar. Eu não sou uma violeta frágil. — Seu rosto suaviza e ela solta
uma risada baixa. — Eu já te disse que Violet é meu primeiro nome? Eu
uso meu nome porque meu pai nunca gostou. “Você não vai ser uma
violeta frágil” ele costumava dizer para mim. — Ela coloca os olhos em
mim. — E eu não sou. Então não me trate como uma.
— É estar te tratando como uma violeta frágil dizer que ficar perto
de mim pode colocá-la em perigo? — Eu desafio.
— Não. — ela diz suavemente. — Isso é estar me tratando como
um igual. E assim está me deixando fazer minhas próprias escolhas. —
Ela encontra meu olhar. — Você me quer por perto? Ignorando qualquer
perigo e qualquer outra coisa acontecendo? Você quer isso?
Foda-se. Essa garota. Como eu me envolvi em uma conversa
sobre sentimentos?
— Sim. — eu digo rispidamente. — Eu quero.
— Eu também. — Ela respira fundo e deixa sair. — Então, talvez
vamos apenas partir deste ponto. OK?
Eu me viro por um segundo e olho para o lago. Quando ela diz
isso, soa simples. Óbvio, mesmo. Merda. É assim que acontece? É
assim que você é sugado pelo buraco do coelho, e acaba colocando
seu coração e sua alma na linha de alguém que poderia traí-lo em um
piscar de olhos?
Então olho para Sydney, que ainda está sentada lá. E eu lembro
como ela parecia sentada no bar, rindo com Sam e Jenna e Jewel. Quão
natural ela parecia lá. Como uma das old lady mais velhas.
Como a minha old lady.
Chega de conversa.
— Deite aqui. — ele comanda. Estamos de volta agora, ao lado
do grande colchão que está no chão da sala principal.
Eu faço exatamente como ele diz, claro. Sem hesitação. Por mais
que eu empurre de volta seu ato de homem das cavernas, no quarto,
ele é o chefe. Isso é claro.
E percebo agora que não teria outro jeito.
Calor aquece entre as minhas pernas enquanto ele me puxa para
seus braços. Mas em vez de imediatamente trazer sua boca para baixo
na minha, ele levanta meu queixo com o dedo até que nossos olhos
fiquem presos um no outro e estamos a apenas alguns centímetros de
distância.
— Eu vou foder você até que você esteja gritando meu nome,
baby. Você vai fazer tudo o que eu disser e vai amar cada segundo
disso. E então você vai vir em todo o meu pau.
— Sim. — eu digo sem fôlego. Eu já estou molhada, tão molhada
que posso sentir meus sucos começando a cobrir minhas coxas. Há um
olhar em seu rosto que é tão cheio de luxúria nua que está quase com
raiva. E oh Deus, está me excitando. Toda vez que fizemos sexo foi tão
bom, é difícil acreditar que é mesmo real. Mas há algo sobre o jeito
animal que seus olhos estão me devorando agora. Um pequeno arrepio
percorre minha espinha enquanto me pergunto o que ele vai fazer
comigo. Como ele vai me usar.
Deus, eu quero que ele use cada centímetro de mim.
— De joelhos. — ele rosna. Ele arranca sua camisa e desabotoa
sua calça jeans, empurrando-a para baixo até que seu comprimento
duro e grosso se solte. Eu fico de joelhos no colchão, minha boca
exatamente nivelada com seu pau. Uma gota de pré sêmen está se
formando na ponta, e eu estou realmente desejando seu gosto,
desejando o jeito que seu pau vai estar enquanto eu tento tirar o máximo
dele o máximo que puder.
Gavin bate com a mão no meu cabelo e guia minha cabeça em
direção a ele. Eu olho em seus olhos, mordendo meu lábio em
antecipação. Seus olhos estão encobertos, seu rosto escuro com uma
necessidade tempestuosa.
Eu nunca o vi tão duro, tão grande. Seu comprimento está
pulsando na minha frente. Eu levanto a mão e circulo seu eixo com meus
dedos, em seguida me inclino para frente um pouco e corro minha
língua sobre sua cabeça. Acima de mim, Gavin suspira e para por um
momento. A pele está quente e esticada. Eu deslizo meus lábios sobre
a ponta dele, provando seu sabor, e giro minha língua ao redor dele
novamente. Seu punho aperta levemente no meu cabelo. Eu sei o que
estou fazendo com ele, amo o que estou fazendo com ele. Mais do que
qualquer coisa agora, eu quero fazê-lo vir assim, quero fazer ele perder
o controle, e saber que eu fiz isso, que eu sou a única que faz ele ficar
desse jeito.
Eu gemo baixo em minha garganta enquanto eu o levo mais
fundo. Lentamente, eu puxo para trás e, em seguida, empurro para
frente novamente, até que ele está batendo no fundo da minha
garganta.— Porra. — ele diz. — Sydney. Foda-se. Sinta o que você faz
comigo. — Uma emoção patina pela minha pele ouvindo suas palavras.
Eu começo lentamente, prestando atenção em cada respiração, cada
suspiro, cada pulso. Entre as minhas pernas eu estou latejando de
necessidade, mas ele tem um gosto tão bom que isso é tudo que me
importa. Brick começa a empurrar, muito ligeiramente, na minha boca.
Seu sabor fica mais salgado à medida que ele vaza mais pré sêmen. Eu
sei que ele está perto. Eu estou esperando com esperança que ele me
deixe...
— Jesus. — ele rosna, afastando-se de mim de repente. — Isso
é muito bom, Sydney. Mas eu quero mais. Muito mais.
Ele recua, seu pau brilhando na luz fraca. Atrás dele, pelas janelas
do chão ao teto, vejo as nuvens de tempestade que estavam do outro
lado do lago ficando cada vez mais próximas. O céu está escurecendo
atrás dele enquanto ele está majestosamente acima de mim, todos os
músculos duros e tensos, mal controlados pela luxúria.
— Tire suas roupas e fique na minha frente.
Meu corpo inteiro latejando, eu faço como ele diz, até que eu
esteja de pé antes dele. Há janelas abertas e a temperatura já está
caindo com a próxima tempestade. Minha pele esfria e meus mamilos
endurecem. Entre as minhas pernas, a umidade escorregadia aumenta.
Gavin está lentamente acariciando a si mesmo enquanto seus
olhos vasculham meu peito nu. — Fodido Cristo, Sydney. — ele diz. —
Eu não posso esperar para me afundar dentro de você.
— Faça isso, Gavin. — eu respiro, minha voz deslizando em um
gemido. — Por favor, eu preciso muito disso.
— Ainda não, querida. Ainda não. — Ele se move para frente e
deita na cama. — Monte em meu rosto. — ele me ordena.
Meu rosto fica quente. Hesito por um momento, mas ele não
aceita um não como resposta.
— Me monte, Sydney. Eu quero que você venha na minha língua.
Minha buceta latejante toma a decisão por mim. Eu me ajoelho e
faço o que ele diz, estremecendo quando sua respiração quente
provoca a sensível e trêmula pele das minhas coxas.
— Foda minha língua, baby. Tome seu prazer.
Ele agarra meus quadris e me desliza em direção a ele, até que
sua língua desliza quente e molhada contra o meu clitóris. Eu grito,
resistindo involuntariamente porque já é tão difícil. Meu corpo assume o
controle, e logo eu não sou nada além de necessidade, empurrando
lentamente contra sua língua, chegando a beliscar meus próprios
mamilos enquanto sinto que posso perder a cabeça antes que isso
acabe. Brick geme profundamente, as vibrações provocando minha
buceta, e eu sei que ele está se acariciando. Eu ouço minha voz,
distante, enquanto digo coisas incoerentes, subindo cada vez mais alto,
tão rápido que é vertiginoso. Então Gavin agarra minhas mãos nas suas
para me firmar, e eu seguro firme enquanto meu corpo congela, então
convulsiona quando meu orgasmo rasga através de mim. Eu me ouço
chamando seu nome, de novo e de novo, enquanto todo o meu corpo
estremece. Ele continua a colidir comigo até que finalmente, finalmente,
eu não aguento mais e caio para o lado.
Há movimento, e então ele está em cima de mim, seus lábios
salgados devorando os meus.
— Você tem um gosto tão bom, você sabe disso? — ele rosna
contra a minha pele. — Prove-se, baby. Eu poderia te lamber e te comer
para sempre. Jesus, você é deliciosa.
Estou exausta, tão exausta que não tenho certeza se posso me
sentar, mas ainda falta algo, uma dor que preciso satisfazer.
— Por favor, Gavin, eu quero sentir você. Eu quero dentro de mim.
— Olhe para mim, baby. — Eu abro meus olhos para vê-lo se
elevando acima de mim. As nuvens de tempestade estão reunidas atrás
da cabeça. Enquanto ele puxa meus quadris rudemente em direção a
ele, um relâmpago brilhante corta o céu, seguido por um trovão alto.
Gavin se move entre minhas coxas. Ele arrasta seu pau contra o meu
clitóris sensível, encontrando minha entrada quando eu ofego e olho em
direção a ele.
— Você é minha. — ele rosna. — Diga.
Ele empurra mais ou menos dentro de mim. Eu choro.
— Sim. — eu suspiro. — Sou sua. Oh, Deus, sim.
Ele puxa e empurra novamente, ainda mais fundo. — Porra!
Isto. Isso é o que eu preciso. — Mais duro. — eu sussurro. Eu
quero que ele me preencha. Eu quero que ele me foda tanto que eu
possa sentir por dias.
Seus olhos prendem nos meus, tão intensamente que eu deveria
estar com medo. Eu não estou. Eu quero isso. Eu quero tudo isso.
Ele bate dentro de mim. Eu choro. Ele bate novamente. Eu posso
sentir o clímax começar a construir, já. Meu corpo começa a tremer.
Cada impulso me leva mais alto, estou chamando por ele, implorando
para que eu me liberte. Então eu sinto, meu canal aperta em torno dele,
e um tsunami me atinge de dentro para fora, ondas de prazer que fazem
meu corpo inteiro parecer líquido. No meio disso tudo, eu sinto Gavin se
expandir dentro de mim, então explode enquanto ele grita meu nome.
Eu o sinto envolver seus braços em volta de mim com uma
gentileza que vem como uma surpresa após a intensidade do nosso
acoplamento. Ele me puxa contra ele quando a tempestade começa, a
chuva e o vento batendo contra as janelas. Gotas entram pelos
pequenos buracos e respingam no chão, mas nós simplesmente
ficamos ali, seu corpo enorme me segurando, me aquecendo com seu
calor.
Ele não fala. Nem eu posso. A intensidade dos últimos minutos me
deixou sem palavras.
Você é minha, diga!
Eu nunca pensei em mim mesma querendo pertencer a ninguém.
Ninguém além de mim mesma.
Mas agora, a única coisa que quero é ser dele.
Sydney cai em um profundo sono exausta, roncando suavemente
em meus braços. Eu me deito lá e ouço o vento e a chuva.
Quando a tempestade termina, saio para o convés e vejo a lua
sair sobre o lago. Os sapos estão fora, e sua música rítmica flutua em
minha direção na outra noite quieta.
O que aconteceu entre Sydney e eu... Não sei como lidar com
isso.
Eu não quis reivindicá-la. Eu não queria exigir que ela me dissesse
que é minha.
Ela fez isso, no entanto. Sem hesitação.
Meu pau endurece com a memória. Eu nunca quis uma mulher
mais do que eu quero Sydney. Mesmo agora, nem uma hora depois de
eu gozar tão duro dentro dela, eu vi estrelas, minhas bolas já estão
começando a doer com o pensamento de tê-la novamente.
Normalmente, quando eu fodo uma mulher, tê-la uma vez é o suficiente
para tirar o mistério e tirá-la da minha mente. Mas com Sydney, é
exatamente o oposto. Agora que eu sei exatamente como ela é doce...
o quanto ela fica molhada para mim... os barulhos que ela faz logo antes
que ela vem... o jeito que sua buceta aperta em torno de mim enquanto
ela voa sobre a borda... Eu só quero mais. E mais. Eu não consigo
imaginar o suficiente dela.
Eu reivindiquei ela. Ele me disse que ela é minha.
Eu quero transar com ela até que eu conheça o corpo dela melhor
do que ela mesma. Eu quero que o corpo dela esqueça tudo menos o
meu toque. Esqueça todos os outros homens que já a tocaram.
Eu quero levá-la para a minha cama toda maldita noite. E acordar
com ela todas as manhãs. Eu quero que ela saiba que ela pertence a
mim. E quero que todos os outros saibam disso também.
Minha mente volta a estar com ela mais cedo hoje à noite no
clube. Vendo ela lá com Jenna e Sam. Quão natural parecia. Quão
fodidamente eu deveria olhar e vê-la lá. Gunner e alguns dos outros
irmãos estavam me dando merda sobre ela, e fazendo todos os tipos
de perguntas sobre quem ela era e como diabos ela conseguiu me
encurralar. Isso realmente não me incomodou, apesar de fingir que sim.
Agora, pensando nisso, porém, estou sentindo mais do que
apenas orgulho. Estou percebendo o quão fora de controle essa coisa
toda ficou com Sydney, sem que eu sequer percebesse. Inferno, como
eu consegui ir de uma loja para tomar um maldito copo de café, para
isso, tão rapidamente? Eu nem vi isso chegando. Tudo o que fiz foi voltar
para a Golden Cup uma segunda vez, e então, antes que eu
percebesse, eu estava colocando câmeras de segurança para ela, e
transando com ela em seu escritório, e agora trazendo-a para uma casa
que eu comprei especificamente para ficar sozinho. Levando ela para
minha cama.
Merda.
Talvez levá-la ao clube hoje à noite... talvez isso tenha sido um
erro depois de tudo. Eu não sei o que eu estava pensando. Eu tenho
estado muito cego para ver até onde eu já caí com Sydney. Eu não
preciso desse tipo de complicação na minha vida.
Então por que diabos você acabou de reivindicá-la?
Foi estúpido. Logicamente, isso era idiota.
Ela não sabe o que significa reivindicá-la. Ela não sabe o quão
sério é para um homem em um MC dizer isso a uma mulher.
Inferno, ela pode nem ter dito isso quando disse que era minha.
Ela pode nem lembrar que isso aconteceu amanhã.
Mas isso é irrelevante. Eu sei que perguntei. Porra, eu exigi isso.
E o calor da paixão pode ter algo a ver com isso, mas ainda é
verdade.
Eu quero ela. Eu quero ela porra. Estou apaixonado por ela.
Eu olho para a janela e entro na casa. Eu posso ver a forma
adormecida de Sydney do outro lado. Meu peito aperta quando uma
onda de proteção feroz me atinge, tão forte que quase parece uma força
física.
Nunca foi assim com qualquer uma. Nem mesmo perto. Eu nunca
vi isso chegando.
Talvez seja só o meu pau fazendo o meu pensamento por mim.
Eu experimento o pensamento, mas uma gargalhada me rasga quase
imediatamente. Não é isso, e eu sei disso. Meu pau sabe que pode ficar
com vontade e quando quiser. Por incrível que pareça o sexo com
Sydney, eu sei que é mais que isso. Muito mais. Eu fui atraído por ela
desde o começo. Só que era um idiota e nunca me deixei ver até agora.
Eu não entrei na porra da cafeteria pela segunda vez porque minha nova
cafeteira ainda estava na caixa. Ou pela terceira vez. Inferno, a maldita
coisa ainda está na minha cozinha agora, fechada, a menos de dez
metros de onde Sydney está.
Eu fui por causa dela. Porque desde o momento em que a vi, meu
cérebro simplesmente não podia deixá-la ir.
Porra. Eu não sei o que fazer.
Não há nada para fazer, seu idiota.Você está apaixonado por ela.
É tarde demais.
Quando eu trouxe Sydney para o clube esta noite, eu a assisti
como um espião. Como se eu estivesse fingindo ser invisível. Para vê-
la - toda ela, como se eu não estivesse lá.
O que vi foi uma mulher que parecia feliz. Feliz por estar lá. Feliz
por estar comigo. Uma mulher que poderia ter fugido de um passado
difícil, mas que confiava em mim para se abrir a quase tudo.
E foda-se. Eu também confio nela, percebo. Merda, eu faço. Por
mais que eu tenha dito a mim mesmo no passado para nunca confiar
em uma mulher. Para nunca me deixar ficar estúpido sobre uma. Deus
me ajude, mas eu fui contra a minha regra cardeal. Eu não posso
acreditar nisso, mas é isso mesmo.
Eu finalmente acho que entendo o que Ghost e Hawk têm com
Jenna e Sam. O que faz os olhos de Ghost mudarem quando ele olha
para Jenna. O que faz Hawk sorrir para Sam como se ele nunca sorrisse
para mais ninguém.
Sydney não é como a vadia da mulher de Rob Sims. Eu não posso
acreditar que ela poderia ser assim. Ela não é como minha mãe era com
meu pai.
Eu não sei se Sydney poderia me amar. Mas eu quero acreditar
que ela pode.
E eu quero acreditar que é o tipo de amor que eu poderia ser
digno.
Na manhã seguinte, o ar é fresco, e depois da tempestade na
noite anterior, tudo parece brilhante e novo. Passo o dia seguinte no
lago do Gavin. Já que é domingo, e Golden Cup está fechada, então eu
tenho um dia inteiro, glorioso, sem nada para fazer além de descansar
na cama com ele, fazer amor, conversar e comer quando percebemos
que estamos absolutamente famintos. Ele me convence a passar a noite
seguinte lá com ele também, embora eu não precise de muita
convicção, e na manhã seguinte, ele me leva de volta à minha casa a
tempo para o trabalho.
Estou deliciosamente dolorida dele, meu corpo inteiro vivo com a
lembrança de seu toque quando abro a loja. É uma típica manhã de
segunda-feira, exceto que nesta manhã estou me sentindo
extremamente preguiçosa e não consigo parar de desejar que eu ainda
estivesse deitada na cama com Gavin em vez de aqui servir os clientes
e preparar bebidas de café expresso.
As coisas entre nós dois, como nos sentimos... diferentes de
alguma forma, depois desse final de semana. Não sei se estou
imaginando, mas Gavin está mais terno comigo. Mais aberto também.
Ele me contou histórias sobre ele e Gunner nos fuzileiros navais,
histórias que me faziam rir tanto que eu estava bufando. Ele me contou
algumas outras coisas também, como ele morava em uma casa com
pais alcoólatras e um pai violento. Como quando ele tinha onze anos,
seu pai atirou e feriu um homem, colocando-o na prisão. Que sua mãe
não estava preparada para cuidar dele e de sua irmã Kessa, e por isso
o estado os colocou em um orfanato. Como ele decidiu desde cedo que
o único que poderia cuidar dele era ele mesmo. E como, para fazer isso,
ele contava com a única coisa que aprendeu com seu pai, lutar.
Gavin me contou um pouco mais sobre os problemas que os
Lords of Carnage estão enfrentando também. Não muito. Só que é
perigoso no momento, e que ele fará tudo ao seu alcance para manter
tudo longe de mim. Ele me diz que estou segura, que ele nunca deixará
ninguém fazer nada para me machucar.
E não duvido disso por um segundo. De modo nenhum.
E quanto a ele?

***

GAVIN ME DISSE que ele estará ocupado com os negócios do clube


a maior parte desta semana, e me avisou que ele pode não ser capaz
de me ver tanto quanto gostaria até que algumas coisas sejam
resolvidas. Ainda assim, por alguma razão eu continuo esperando que
ele pare na loja hoje de manhã a caminho do clube ou de qualquer outro
lugar. À medida que os minutos passam, depois se transformam em
horas, e ele ainda não apareceu, eu começo a ficar agitada. E então eu
fico chateada comigo mesma por estar mais desapontada do que tenho
qualquer direito de estar.
Estou reabastecendo dispensadores de leite e creme e me
repreendendo por ser uma idiota tão necessitada quando a porta da
frente se abre. Olhando para cima com expectativa, meu pulso acelera.
Não é o Gavin. Meu coração cai em decepção. Mas é alguém que
reconheço, embora por um segundo eu não possa me lembrar de onde.
— Sydney! — ela acena. Sua voz e seu longo cabelo castanho-
escuro finalmente se encaixam em quem ela é.
— Sam! — Eu digo surpresa. — Ei, o que você está fazendo aqui?
Sam me lança um largo sorriso. — Só pensei em entrar e conferir
sua loja. Eu estive querendo entrar por um tempo agora, na verdade.
Mas agora posso dizer que conheço a dona!
Ela não está sozinha. Segurando a mão, há um garotinho de cerca
de três anos de idade. Ele é loiro, com enormes olhos azuis que
parecem absorver tudo de uma vez. Saio de trás do balcão para
cumprimentá-los.
— Este é Connor. — diz ela, olhando para o menino. — Connor,
esta é Sydney.
Eu me agacho de modo que eu esteja ao nível dos olhos dele. —
Oi, Connor. Prazer em conhecê-lo. — Ele olha para mim solenemente
com os olhos arregalados e se move para se esconder atrás da perna
de Sam. Eu faço uma careta para ele. Ele hesita por um momento,
avaliando-me, depois abaixa a cabeça timidamente e sorri.
— Connor, vamos ver se podemos encontrar algo gostoso para
comer nesse caso, ok? — Sam diz para ele. Connor acena com a
cabeça e se permite ser levado para a vitrine de bolos, e Sam começa
a dizer-lhe o que cada um dos itens são. Eventualmente, ele aponta
para os muffins de chocolate, e eu vou atrás do balcão e pego um para
ele.
— Eu adoraria um chocolate quente. — diz Sam. — E um copo
de leite para ele.
Eu pego suas bebidas e entrego para ela. Como não há mais
ninguém esperando para ser servido, eu vou com eles enquanto eles se
acomodam em uma mesa não muito longe do balcão e decido sentar
com eles por alguns minutos.
— Eu não percebi que você e Hawk tiveram um filho. — eu digo
quando eu sento em uma cadeira.
— Oh, nós não temos. Quero dizer. — ela ri. — Connor não é
dele ou meu, biologicamente. Nós somos seus pais adotivos. Por
enquanto, de qualquer maneira. — Ela pega o muffin de Connor e puxa
o papel para ele, então o coloca de volta no prato. — Nós nos
candidatamos a adotá-lo, e estamos apenas esperando para saber se
nossa inscrição foi aceita.
— Uau. — Estou impressionada. — Está bom para você que eles
digam sim? Ouvi dizer que a adoção pode ser muito complicada.
— É um processo longo. — ela concorda. — Mas no caso de
Connor, sua família biológica apóia nosso fato de levá-lo. Então,
esperamos que tudo corra bem.
Eu olho para o garotinho, que está feliz mastigando um pouco de
muffin, sua boca já escura com chocolate. Meu coração se derrete um
pouco.
— Ele é um amor, não é? — Sam diz, lendo meus pensamentos.
— Nós o amamos tanto, muito. Hawk e eu o encorajamos muito cedo
em nosso relacionamento, então ele está conosco há tanto tempo
quanto estamos juntos. Não consigo imaginar nossas vidas sem ele.
— Ele é um bebê. — Minha mente tenta envolver-se em torno de
Hawk como pai. Parece tão estranho para um grande e duro
motociclista tatuado como pai. Então, novamente, Jenna me disse que
ela e Ghost têm dois filhos, e aparentemente Ghost adora eles mais do
que ela.
— Assim. — Sam se inclina para trás com um sorriso
conspiratório no rosto. — Mudando de assunto. Você e Brick. Derrame.
Eu não posso deixar de cheirar a sua franqueza. — Hum.
Derramar? — Eu gaguejo, perdendo tempo. — Como o quê?
— Você sabe! — ela balança as sobrancelhas sugestivamente.
— Como ele é em... — Ela olha para Connor. — Durante... jogando?
Eu me preocupo e tento pensar em como responder. — Ele é
muito, muito bom em... tocar. — eu finalmente consigo falar.
— Eu aposto. — ela sorri. — Ele já pediu para você ser sua old
lady?
— Old lady? — Eu enruguei meu nariz no termo.
Sam ri. — Parece meio estranho, eu sei. Mas é o que os caras do
MC chamam de namoradas e esposas. Isso significa que você é dele e
só dele. Para sempre. Fora dos limites para todos os outros homens.
— Oh. — eu digo, avermelhando. — Não, nós não temos... —
Então isso me atinge. Uma lembrança de nossa primeira noite na
casa do lago.
— Você é minha. — ele rosna. — Diga.
Ele me quer assim? É isso que ele quis dizer?
Um pequeno arrepio corre através de mim. É um pouco
assustador pensar nisso, tão cedo. Mas também faz meu coração
palpitar no meu peito.
— Nós não... realmente chegamos tão longe. — eu digo incerta.
— Mesmo? — ela me olha com ceticismo. — Porque a maneira
como ele estava olhando para você no clube na outra noite, com
certeza parece que ele está pensando sobre isso. Inferno, Hawk diz que
nunca viu Brick mostrar mais do que um interesse passageiro em
qualquer mulher, exceto por... bem, você sabe. Jogar. — Connor olha
para ela com curiosidade e continua comendo. — Ele estava
claramente te apresentando a nós por um motivo. Trazendo você para
a família, por assim dizer.
A pequena vibração no meu peito cresce para um martelar.
Porque o ato é tão louco quanto parece, eu estou esperando que ela
esteja certa sobre isso. Eu percebo agora, enquanto estou sentada
aqui, os últimos dias com Gavin foram os mais felizes que eu posso
lembrar de estar. De longe. Eu quero que continue. Eu quero que
continuemos. Eu quero ser dele.
— Sam. — murmuro, decidindo fazer uma pergunta que está em
minha mente a manhã toda. — Brick estava me dizendo neste fim de
semana sobre alguns problemas que estão acontecendo com o clube.
Você sabe alguma coisa sobre isso?
Ela acena com a cabeça. — Sim. Hawk me contou. Não os
detalhes, é claro. Os homens mantêm o negócio do clube estritamente
para eles mesmos. Mas sei do que ele me disse que diz respeito a um
clube rival, e acho que tem algo a ver com alguns dos crimes que estão
acontecendo aqui em Tanner Springs.
Connor terminou seu muffin agora, e ele desce da cadeira e se
senta no colo de Sam. Ela o puxa para cima e pega um guardanapo
para limpar sua boca. — Pode ser um pouco estressante, quando você
sabe que algo está acontecendo com o clube. Isso é apenas uma
realidade de estar nesta vida. Mas confio em Hawk, e sei que ele fará
tudo o que puder para manter seus irmãos a salvo e nós, fora de perigo.
— Ela olha para mim. — Você deve confiar em Brick também. Ele é um
bom homem e fará qualquer coisa para proteger as pessoas com quem
se importa.
— Eu sei. — eu digo, e percebo que é verdade. Eu confio em
Gavin completamente. Em última análise, eu confiaria nele com a minha
vida. Eu sei instintivamente que ele se jogaria na frente de uma bala por
mim. Inferno, ele está tentando me proteger desde o começo, de
ameaças que eu nem conhecia.
Pela primeira vez desde que meu pai morreu, sinto que há alguém
lá fora que me aceita por quem eu sou, e cuja única agenda é tentar me
proteger e me manter segura.
Eu não estou acostumada com isso. Toda a minha vida, aprendi
que a única pessoa em quem posso confiar é eu mesma. Até meu pai
me ensinou a manter minhas cartas perto do meu peito, porque em
nosso mundo, quanto mais alguém sabe sobre você, mais elas podem
usar esse conhecimento contra você.
Eu estive me segurando com Gavin. Dizendo-lhe apenas metade
da minha história. Em parte por medo e em parte do hábito. Mas se as
coisas continuarem pelo caminho que eu acho que estão, se Gavin me
trazendo para conhecer seu povo, significa o que Sam diz que
significa...
Se ele sente o mesmo por mim que estou começando a sentir por
ele...
Então é hora de eu colocar minha confiança nele.
É hora de eu contar a Gavin toda a história de por que Syd Banner
realmente saiu de Atlantic City.
Na semana passada, as coisas realmente esquentaram. O MC
tem aumentado nosso “patrulhamento” fazendo as rondas dos bares e
comércios da área, conversando com seus donos e tentando capturar
qualquer atividade criminosa antes que ela comece. Estamos em turnos
de vinte e quatro horas e estamos ocupados como o inferno. Eu mal
vejo Sydney há dias, e o único forro de prata é que, geralmente, estou
cansado demais para o meu pau protestar muito sobre isso.
Todos os Lords estão reunidos na igreja, pela primeira vez desde
que decidimos como clube ir atrás de Black. Tweak tem trabalhado
ainda mais duro do que o resto de nós, e conseguiu localizar o clube
dos Spiders e preparou um sistema de câmera de vídeo para que um
grupo de homens pudesse ir até lá configurar. Esperamos obter o
máximo de informações necessárias sobre as atividades dos Iron
Spiders e de Black para avançar na próxima semana.
— Eu preciso de alguns voluntários para entrar em território
Spiders para colocar as câmeras no clube deles. — Rock rosna. Quase
todas as mãos sobem, incluindo a minha. Ele olha em volta da mesa. —
Brick e Ghost não. Eu estou levando vocês dois para o encontro real.
Vocês viram comigo para isso.
— Tem certeza que faz sentido você ir? — Angel pergunta,
voltando-se para ele. — Se mandarmos o chefe do nosso clube para
tirar a cabeça do Prez deles, corremos o risco de nos enfraquecer se o
golpe for ruim. Precisamos do nosso Prez no lugar, forte, não importa o
que aconteça. Por que eu não vou no seu lugar?
— Ele tem um ponto, Rock. — Geno ronca do outro lado da mesa.
— Enviar Angel faz mais sentido. Ele é...
— Eu vou. — diz Rock bruscamente. — Esta é a minha maldita
guerra. Black está ameaçando meu clube. Ele é meu.
O silêncio enche o ar. Ninguém vai desafiar Rock sobre isso,
embora esteja claro, a partir dos olhares de alguns rostos dos irmãos,
que eles não concordam com sua decisão.
— Sarge, Thorn, Tweak e Striker. — late Rock. — Você pegará
uma das gaiolas. Configure as câmeras, encontre um lugar com boa
cobertura para assistir o clube dos Spiders. Avise-me uma vez que você
tenha tudo no lugar.
— Nós vamos formar turnos para assisti-los? — Thorn pergunta.
— Ou vamos deixar as câmeras fazerem o seu trabalho?
Rock está prestes a responder quando uma batida hesitante o
interrompe. Gunner olha para mim com uma carranca. Todos os olhos
se voltam para a porta da igreja. Tem que ser uma das mulheres, e
todas elas sabem que não podem interromper a igreja. A igreja está
fora dos limites para todos que não são membros dos Lords.
Thorn se levanta e gira a maçaneta, abrindo a porta. Do outro lado
está Jewel. Ela olha nervosamente em volta para nós, seu rosto
apreensivo.
— Sinto muito. — ela sussurra meio com medo. — O prefeito está
aqui. Ele quer ver você, Rock. Ele disse que ou você sai agora ou verá
o interior de uma cela antes que o dia termine.
— Droga. — se agita Rock. — Tudo bem. Reunião adiada. Por
enquanto. — Ele bate o martelo na mesa e fica de pé. Nós o seguimos
para fora da sala e para a área principal do clube.
Jarred Holloway está lá com o chefe Crup, ambos parecendo tão
deslocados quanto freiras em uma casa de prostitutas.
— É melhor você ter um mandado. — diz Rock em voz baixa e
ameaçadora enquanto caminha em direção a eles. O resto de nós para
e fica em uma formação áspera atrás dele.
— Não estamos procurando o seu lugar hoje, Rock. — Holloway
responde. — Mas eu duvido que você vai pensar que vim por qualquer
motivo quando terminarmos.
— Porque que diabos você está aqui, então?
— Seu clube finalmente foi longe demais, Antony. — Crup cospe.
— Que diabos isso significa?
Crup solta um bufo de escárnio. — OK. Nós vamos jogar seu jogo.
Eu suponho que seu clube não saiba alguma coisa sobre o incêndio no
Lloyd's Automotive.
— Não, não sabemos. — Rock responde. — Há alguma razão
que você veio pessoalmente nos deixar saber isto?
— Algumas pessoas que moram no bairro disse à polícia esta
manhã que eles viram alguns caras em coletes de couro rastejando por
lá ontem à noite. — Os olhos de Crup se estreitam em desprezo.
— Por que diabos nós colocariamos fogo no Lloyd's? — Ghost o
desafia.
— Parece muito óbvio para mim. — diz Crup. — Um negócio rival
para a sua garagem, o único negócio legítimo que você tem?
— Oh, porra, vamos lá. — Angel meio que grita. — Jesus, isso é
ridículo.
— E desta vez, você realmente ferrou tudo. — Holloway continua.
— Steve e Lloyd estão no hospital. Queimaduras de segundo e terceiro
grau. Ficaram presos dentro tentando apagar o fogo.
— Jesus foda. — Gunner jura baixinho, balançando a cabeça. —
Pobre merda Lloyd.
Gunner foi para o colégio com Steve e Lloyd, eu sei. Inferno, eles
ainda se reúnem de vez em quando para pescar.
— Os Lords não tinham nada a ver com aquele incêndio,
Holloway. — rosnou Rock. — Nós não cagamos onde moramos.
Holloway bufa. — Por que eu acreditaria na palavra de um
criminoso, Rock? Especialmente por causa do testemunho ocular de
um bom cidadão de Tanner Springs, que disse que viu seus homens na
cena do crime pouco antes do incêndio?
— Isso não é possível. — Ghost rosna.
— Tem certeza de que sua 'testemunha' não viu apenas o que
ele quis ver? — Angel diz sarcasticamente.
Holloway balança a cabeça e continua falando com Rock como
se Ghost e Angel não tivessem falado. — Sinto muito, Rock. — ele diz
em uma voz tingida de falso arrependimento. — Mas as pessoas desta
cidade esperam que eu faça o que fui eleito para fazer. — Ele dá um
passo para a sala. — Uma palavra para o sábio, e eu certamente espero
que você seja sábio o suficiente para prestar atenção. Desfaça este
clube ou saia de Tanner Springs. — Ele faz uma pausa. — Ou faremos
isso por você.
Sem esperar por uma resposta, Holloway se vira e caminha em
direção à saída. Crup segue. Quando eles se vão, Rock entra na capela
sozinho e bate a porta.
— Merda. — murmura Angel. — Esta é a última coisa que
precisamos agora.
Eu não falo nada. Eu conheço Holloway bem o suficiente para
saber que ele é mais do que capaz de levantar acusações que poderiam
nos colocar atrás das grades para forçar o clube a sair. Se acontecer
algo mais que possa ser marcado no clube, não tenho dúvidas de que
ele cumpriria a ameaça dele.
— Precisamos nos mexer agora para tirar Black. — diz Angel. Ao
nosso lado, Geno grunhe seu acordo.
— Não podemos permitir nenhum erro nessa frente. — murmuro.
Angel olha e encontra meus olhos. Ele acena com a cabeça uma vez e
depois olha para o outro lado. Nós dois estamos pensando a mesma
coisa, eu sei, ele seria uma escolha melhor do que Rock como parte da
equipe que vai fazer o trabalho.
Geno faz um som com sua garganta. — Eu poderia com certeza
fumar um cigarro. — diz ele para nós. — Vocês dois querem se juntar a
mim?

***
LÁ FORA, nós três nos fumamos e ficamos em silêncio por alguns
instantes. Parece bastante claro que Geno nos trouxe aqui por uma
razão, mas é sua decisão de dizer o que ele quer dizer em seu próprio
tempo. Finalmente, ele dá uma longa tragada no cigarro e o joga no
chão.
— Você sabe. — ele começa. — Rock, e eu, e Smiley, nós
voltamos. Nós três somos os únicos membros originais dos Lords.
Conheço Rock desde que ele era mais jovem que vocês dois.
Angel acena com a cabeça. Os três homens mais velhos estão
todos na casa dos cinquenta por agora. Todos eles estão começando
a mostrar sua idade, embora, exceto por Smiley, eles ainda sejam fortes
o suficiente para fazer com que a maioria dos homens os temam.
— Um dia. — continua Geno. — Você estará envelhecendo, e
você olhará para trás e perceberá que nunca viu o tempo passar. E
então, do outro lado da mesa, a maioria dos seus irmãos será jovem o
suficiente para ser seus filhos. E você verá que eles são o futuro. E você
é o passado.
Angel olha para mim, depois para Geno, mas não diz nada.
— É preciso um homem grande para admitir isso. — Geno
suspira. — E um homem ainda maior para admitir que um dia desses,
você vai ter que abandonar o controle de algo que você construiu a
partir do zero. — Ele fixa os olhos em Angel. — Admitir que há alguém
próximo na linha para tomar o seu lugar. — Geno pega outro cigarro no
bolso e acende. — E às vezes, não querer admitir coisas pode ofuscar
seu julgamento. — Ele dá uma baforada, sopra e começa a rir. — Como
na semana passada, quando decidi que podia derrubar e remover um
galho de árvore que caía sozinho no meu telhado, em vez de contratar
alguém para vir e fazer isso. Porra quase quebrei meu pescoço.
— Nós não estamos falando sobre o seu ramo de árvore,
estamos? — Angel diz. Não é realmente uma questão.
— Não. — Geno fala. — Eu tenho notado vocês dois se irritando
com algumas das decisões de Rock ultimamente. E estou aqui para
dizer que não te culpo. Mas eu também quero te dizer que conheço
Rock muito bem. E eu não ficaria surpreso se ele estivesse lutando
consigo mesmo, sabendo que, mais cedo ou mais tarde, ele terá que
renunciar, mas ele ainda não está se sentindo pronto. — Ele olha para
Angel. — E ele vê que você está pronto para subir. Você vai ser um
presidente bom e forte, Angel. Todos nós podemos ver isso. Rock
inclusive. — Ele suspira. — Mas isso não significa que é fácil aceitar,
quando você está acostumado a ser o líder.
Ficamos do lado de fora por mais alguns minutos, cada um de nós
perdido em nossos próprios pensamentos. Eventualmente, nós
voltamos para o clube, passando por Gunner quando ele sai. Ele nos
diz que vai ao hospital para ver Steve e sua esposa Michelle.
— Eu não sei se eles vão querer me ver. — diz ele, com o rosto
sombrio. — Mas eu preciso que eles saibam que não foi o nosso clube
que fez isso. Mesmo que ninguém mais na cidade acredite nisso, quero
ter certeza de que ele está bem.
De volta para dentro, Ghost diz que Rock subiu as escadas para
seu quarto. Qualquer outra discussão sobre o nosso ataque aos Spiders
vai esperar até amanhã, quando Sarge, Thorn e os outros estão de volta
de sua corrida para o território dos Spiders. Enquanto isso, os outros
irmãos voltaram sua atenção para o clube e voltaram a beber. Pela
aparência das coisas, haverá mais do que alguns Lords de ressaca
amanhã.
Ghost me entrega uma garrafa de cerveja, mas eu aceno e
verifico a hora no meu celular. É hora de fechar Golden Cup. Mais do
que certo agora, eu quero ver Sydney. Eu quero levá-la de volta para o
meu lugar e me perder dentro dela. Eu digo a Ghost que eu vou vê-lo
amanhã e vou para a minha moto com um sorriso começando a se
contorcer nos cantos da minha boca, apesar de toda a merda
acontecendo ao meu redor. Em vez de ligar para Sydney, decido que
vou aparecer e surpreendê-la. Eu já posso ouvi-la me dando merda
sobre persegui-la, mas sei que ela vai ficar feliz.
Quando eu ligo a moto e saio do estacionamento, meu pau já está
sinalizando com a aprovação do meu plano. Inferno, talvez eu dê a ela
uma repetição da nossa primeira vez em seu escritório, antes de levá-
la de volta para casa e fodê-la de todas as maneiras diferentes que eu
posso pensar até o sol nascer.
Dois dias passam e assim como Gavin me avisou, eu mal o vejo
por causa de qualquer negócio de clube em que ele esteja envolvido.
Ele está longe de Tanner Springs, fazendo o que eu não sei.
Muitas vezes, ele volta para a cidade tão tarde que ele decide apenas
dormir em um dos quartos no clube. Ele é bom em me mandar
mensagens assim, naqueles dias eu sei que não preciso esperar ele,
mas ainda é difícil.
Nós conseguimos passar algumas noites juntos, o que ele chama
brincando de ‘visitas conjugais', então, pelo menos, posso levar a
memória de seu corpo comigo para trabalhar de manhã, às vezes.
Nosso amor é intenso e apaixonado, e depois, nós dois caímos em um
sono exausto. Quando acordo todas as manhãs, Gavin geralmente já
está se vestindo e sai pela porta antes mesmo de eu sair para abrir a
cafeteria.
Vemos tão pouco um ao outro que eu nunca encontrei tempo para
falar sobre os textos de Devon como planejei. Ou contar a Gavin sobre
os detalhes de como e por que saí de Atlantic City. Eu não quero perder
o pouco tempo que temos juntos, então eu digo a mim mesma que vou
esperar até que a crise com o MC tenha passado e então eu contarei a
história toda. Às vezes, deitada acordada em seus braços, ouvindo sua
respiração enquanto dorme, sinto uma pontada de culpa, mas afasto-
a. Gavin tem o suficiente em sua mente. Eu não tenho certeza do que
está acontecendo com o clube, mas seja o que for, eu quero que ele
esteja focado em manter-se seguro agora, não se preocupando
comigo.

***
UMA TARDE, cerca de uma semana e meia depois da primeira noite
que passei com ele em sua casa no lago, estou na Golden Cup,
tentando esquecer o quanto sinto falta de Gavin. É final da tarde e Hailey
está aqui trabalhando. Sua paixão, Teddy, está sentado em uma
pequena mesa contra a parede perto da estação de condimentos,
fazendo lição de casa. A cada dez minutos mais ou menos, Hailey vai
até ele e eles se envolvem em algum flerte óbvio, com ela jogando o
cabelo para trás e rindo de suas piadas como se ele fosse a pessoa
mais engraçada que ela já conheceu. E agora, ele provavelmente é.
Talvez isso deva me incomodar que ela esteja meio que se
esquivando do trabalho, mas na verdade é tão doce. E de qualquer
forma, ela não faz isso quando há clientes esperando, então ainda não
está no nível em que eu sinto que tenho que repreendê-la.
— Então... — murmuro em voz baixa, depois de uma de suas
viagens à sua mesa. — O que há com vocês dois? Vocês vão sair?
— Não, ainda não. — ela me diz, seu rosto ficando rosa. — Nós
somos apenas amigos. Eu nem sei se ele gosta de mim desse jeito.
— Oh, por favor. — eu rio. — Hailey, ele está sentado nesta loja,
sozinho, fazendo sua lição de casa enquanto você está trabalhando. Ele
só está aqui porque você está. Não há outro motivo para ele estar aqui.
Seus olhos se arregalam esperançosamente. — Você acha? —
ela pergunta. Oh meu Deus, eu já fui jovem? Eu me pergunto.
— Sim eu acho. — Eu olho para Teddy e o vejo olhando para nós.
Quando ele me vê olhando para ele, ele rapidamente abaixa a cabeça
e finge se concentrar em sua lição de casa. — Então relaxe. Ele gosta
de você. Aproveite.
Ela se inclina para mim conspiratoriamente. — Acho que pode me
pedir para voltar para casa com ele. — ela sussurra.
— Eu acho que você também pode. — eu sorrio.
Um cliente entra, e eu deixo Hailey servi-lo enquanto vou lá atrás
ver se o banheiro não precisa ser limpo ou reabastecido. Ela está
terminando de atender ele quando eu volto.
— Hailey, eu estava querendo te perguntar. — eu digo. — Por
acaso você conhece algum garoto de confiança da sua idade que
queira trabalhar aqui? A loja está ocupada o suficiente e eu acho que é
hora de contratar mais pessoas.
Honestamente, eu provavelmente deveria ter feito isso alguns
meses atrás. Está chegando ao ponto em que, nos momentos mais
movimentados, é quase demais para uma pessoa lidar. Mas eu me
demorei até agora, porque até recentemente, nunca me incomodava
trabalhar longas horas. Agora, embora...
Bem, por mais que eu odeie admitir isso, a perspectiva de ter um
pouco mais de tempo livre definitivamente está começando a parecer
atraente. Especialmente porque isso significaria que eu teria mais
tempo para ver Gavin, uma vez que ele lidar com seu problema no
clube. Eu me sinto meio boba pensando nesses termos. Eu nunca
rearranjei minha vida para um relacionamento antes. Mas ter Gavin em
minha vida me fez perceber o quão pouco eu tinha de uma vida social
desde que me mudei para Tanner Springs.
Agora, estou esperando que isso mude. Sam já voltou à cafeteria,
dessa vez com Jenna, e as duas me perguntaram se eu gostaria de sair
com elas em algum momento para beber e jantar.
Hailey inclina a cabeça, considerando a minha pergunta. — Eu
acho que sim. Sim. Pelo menos um que eu possa pensar agora. Um dos
meus amigos está economizando dinheiro para ir a uma viagem da
classe a Paris para as férias de primavera. Aposto que ela estaria
interessada. Vou perguntar por aí.
— Obrigada. — Seria ótimo se eu conseguisse arranjar alguns
trabalhadores através de Hailey. Ela é uma boa pessoa, e seus amigos,
pelo que vi deles, parecem bem legais também.
Teddy vem até o balcão. — Hey. — ele acena para Hailey,
olhando para ela através de sua cortina de franja preta. — Minha mãe
acabou de me mandar uma mensagem. Ela quer que eu volte para casa
para o jantar. Meu pai saiu em uma viagem de trabalho na última
semana e ele acabou de voltar.
— Oh, tudo bem. — diz Hailey, parecendo desapontada.
— Ei. Você pode vir jantar, se quiser. — ele diz de repente.
— Sua mãe não se importaria? — Hailey pergunta. Ela está
tentando em vão manter a excitação de sua voz.
— Não. Minha mãe está bem com isso. Ela está sempre bem com
os amigos comendo lá em casa. Ela só quer todos nós lá esta noite, é
tudo.
Hailey abre a boca para responder e depois olha para mim.— Oh.
Isso seria legal, mas... eu devo trabalhar até tarde esta noite.
Eu provavelmente não deveria fazer isso, mas eu simplesmente
não posso ser a razão pela qual Hailey não vá até a casa de Teddy para
o jantar.
— Está tudo bem. — eu digo, acenando com a mão para ela. —
Eu posso fechar esta noite.
— Você tem certeza? — Hailey parece que não pode acreditar
que estou fazendo isso. — Quero dizer…
— É realmente nenhum problema. — Eu sorrio para ela. — As
coisas estão meio lentas agora, de qualquer forma. Aposto que posso
fazer a maior parte antes do horário de encerramento.
Teddy vai arrumar seu material. Hailey me dá um sorriso animado
e diz. — Obrigada! — para mim enquanto ela sai para pegar sua
mochila nos fundos da loja.
— Eu te devo um milhão! — Ela sussurra para mim quando volta.
Teddy está na porta agora, esperando por ela.
— Tudo o que eu espero é um relatório completo. — murmuro. —
E me encontre alguns funcionários.
— Feito! — Hailey pula fora, um pequeno e bonitinho pulo em
seus passos, e segue Teddy para fora da loja. Eu vejo quando os dois
entram em seu carro e vão embora. Ah amor jovem...
***

COMO EU PREVI, o movimento continua sendo tão fraco no final da


tarde e da noite, que consigo fazer muitas coisas de encerramento
enquanto a loja ainda está aberta. Quando viro o letreiro fechado e
tranco a porta, tudo que preciso fazer é limpar o banheiro, tirar o lixo e
dar uma limpada rápida no chão. Eu decido fazer o banheiro por último,
porque esse é o trabalho que eu mais odeio. Então eu pego a vassoura
e varro a frente, então despejo os detritos na lata de lixo grande que eu
mantenho no balcão. Amarrando a sacola cheia, eu a puxo para trás,
chuto a porta dos fundos e movo o pesado bloco de concreto que deixo
lá atrás, para manter a porta aberta para que não tranque atrás de mim.
Eu chego na lixeira, jogo a sacola e volto para dentro. Eu coloco
um saco novo na lixeira grande, depois passo para a outra, os menores,
combinando em um saco grande, que eu pego tiro também. Quando
volto para dentro, estou prestes a chutar o bloco de concreto quando
percebo que esqueci a lata de lixo no banheiro.
Estou andando de volta pelo corredor, imaginando se posso me
safar apenas esfregando o banheiro antes de sair, quando um
movimento repentino à minha esquerda me assusta. Antes que eu
possa me virar para ver o que é, eu bato violentamente contra a parede,
uma mão envolvendo minha garganta.
— Vai me responder. — Devon diz em uma voz baixa e
ameaçadora. — Onde diabos está meu dinheiro?
Eu estou tão chocada que nem tenho tempo para gritar. O único
som que consegue escapar é um pequeno som de asfixia quando sinto
o duro ressalto metálico de um cano da arma contra a pele sensível da
minha garganta.
— Você realmente achou que poderia escapar? — Devon raspa
os dentes cerrados. — Você realmente achou que eu não iria te
rastrear? Eu estive te observando, você sabe. Aguardando meu tempo.
Seu aperto ao redor da minha garganta é tão dolorosamente
apertado que estou tendo problemas para respirar, mesmo através do
meu nariz. Eu estou segurando descontroladamente a parede, tentando
encontrar alguma brecha para que eu possa me afastar, mas não há
nada.
Não consigo respirar. Ele está aqui para me matar? Isso é
realmente verdade? Eu morrerei aqui? Meu cérebro tenta formar
pensamentos coerentes, para evitar que meu pânico tome conta de
mim.
Devon está pressionado contra mim agora, seu corpo me
prendendo contra a parede. Através do tecido de suas calças, posso
sentir que ele está duro. — Eu estou tirando minha mão agora. — ele
murmura. — Não grite. Estamos entendidos? — De olhos arregalados,
eu aceno com a cabeça, tanto quanto eu sou capaz. Lentamente, ele
libera minha garganta. Eu suspiro, respirando ar desesperada.
Lágrimas brotam dos meus olhos.
Ele puxa a arma da minha garganta e dá um passo, mirando-a
enquanto me observa tentando recuperar o fôlego. Seu rosto é uma
mistura de luxúria e ódio.
— Eu senti sua falta, Syd. — diz ele simplesmente, e por um
momento ele soa como nos velhos tempos. — Por que diabos você foi
embora? Por que diabos você teve que roubar meu dinheiro?
Merda. Eu não sei jogar isso. Devon está... volátil. Eu nunca vi
esse lado dele, pelo menos não direcionado para mim. Minha mente
está correndo, agarrando-se a qualquer meio possível de fuga. Mas não
vejo nada. Ainda não, não enquanto ele tiver uma arma. A única coisa
que posso pensar é responder suas perguntas. Diga a ele a verdade,
mais ou menos. E tente esperar até que ele se distraia e eu possa tentar
tirar a arma dele de alguma forma.
— Devon. — eu começo, forçando minha voz a não tremer. — Eu
não roubei de você. Na verdade não. Você e eu sabemos que você
estava roubando dinheiro da equipe. Eu apenas peguei de volta o que
me devia. Eu nem peguei tudo. Apenas o suficiente para me fazer
começar em outro lugar.
Ele não se move por um segundo. Tenho medo que ele fique
furioso. Mas por alguma razão, seu rosto fica mortalmente calmo.
— Esse dinheiro poderia ter sido nosso, você sabe. — diz ele.
Eu sei o que ele quer dizer. Ele quer dizer, se tivéssemos ficado
juntos.
— Eu sei. — eu respondo. — Mas... — eu paro, percebendo que
preciso escolher minhas palavras muito cuidadosamente. — Mas eu
nunca estive sozinha, Devon. Durante toda a minha vida, eu era a
garotinha do meu pai e depois da sua equipe. Eu nunca consegui
escolher a vida que eu queria. — Eu respiro fundo. Eu estou esperando
que isso funcione. — Eu precisava ficar sozinha por um tempo. Saber
se a vida que eu tinha em Atlantic City era a certa para mim.
Não é uma mentira completa. Mas não está longe de da verdade.
Então eu vejo isso. Nos olhos dele. Apenas o menor brilho. Ele
está se perguntando se eu quero dizer que eu estava pensando em
voltar. Agora, isso é o que eu preciso que ele acredite. Eu preciso que
ele pense que há uma chance, então ele não vai me machucar.
— Eu sabia que você não aprovaria. — eu digo, olhando para
baixo. — Mas eu sabia que você me perdoaria.
O olhar em seu rosto é suspeito, mas posso dizer que minhas
palavras estão tendo efeito. Se eu não estivesse tão aterrorizada, quase
acharia engraçado que um homem que tenha feito uma carreira de ler
outras pessoas e explorar suas fraquezas pudesse ser tão fácil de ler.
Ele se aproxima de mim novamente.
— E agora? — Ele pergunta em voz baixa.
— Tem sido bom para mim aqui. — digo a ele honestamente. —
É uma vida totalmente diferente.
Ele bufa suavemente. — Esta não é uma vida para pessoas como
você e eu, Syd. Este maldito ponto no mapa no país do viaduto? Isso
não será suficiente para você. Você nunca vai durar aqui.
Eu não falo nada.
Ele está perto de novo, pressionado contra mim. Sua ereção
ainda está lá. Devon levanta a mão que não está segurando a arma, e
eu tenho medo que ele vá me sufocar de novo, mas em vez disso ele
agarra meu queixo, levantando meu rosto para o dele.
— Existe mais alguém? — ele me pergunta.
Eu me forço a não pensar em Gavin, porque sei que isso vai
aparecer no meu rosto.
— Não. — eu digo — Não há mais ninguém.
Ele se inclina na minha direção e me beija, sua língua procurando
insistentemente pela minha. Eu me forço a deixá-lo, com medo de que
ele saiba que eu não quero, mas ele não percebe.
— Syd. — ele fala. — Volte para Atlantic City. Volte e
esqueceremos tudo isso.
— Eu não posso. — eu digo, e então rapidamente tento suavizá-
lo quando vejo seu rosto começar a mudar. — Quero dizer, não
imediatamente. Eu não posso simplesmente sair da loja. Isso levaria
tempo. — Eu inclino minha cabeça paraa frente da loja. — Para vender
tudo, quero dizer. Para fechar tudo. Levaria meses.
— Foda-se a loja. — ele resmunga. — Eu não preciso do dinheiro.
Nós não precisamos do dinheiro. Podemos fazer esse tipo de dinheiro
em um mês. — Sua mão se move para acariciar minha bochecha. Eu
tento não recuar. — Vamos embora, Syd. Volte comigo.
— Eu não posso. — eu sussurro.
Ele puxa seu rosto um centímetro ou mais, e me olha com força
nos olhos.
— Você está fodidamente jogando comigo. — ele sussurra.
Ele recua, as costas da mão batendo com força no meu rosto
antes que eu possa pará-lo. Eu grito de surpresa e alarme quando sua
mão se conecta com o meu queixo, a dor cortando meus pensamentos.
— Você está brincando comigo! — ele ruge. — Você é uma
prostituta, você sempre esteve me enganando com essa sua buceta.
— Não! — Eu choro, mesmo sabendo que é tarde demais, ele
acabou não acreditando em mim. Eu tenho que tentar outra coisa. —
Devon, por favor! — Eu imploro a ele. — Eu vou pagar de volta cada
centavo que eu peguei quando saí. Eu prometo. Por favor, apenas me
deixe ir. Deixe isto ir. Por favor, me deixe em paz!
Seu rosto está se tornando uma máscara de raiva. — Você acha
que é o dinheiro que você me deve? O dinheiro? Eu esperei por você,
como uma maldita buceta, em vez de apenas pegar o que era meu
assim que você se juntou ao meu time. Por respeito a seu pai, eu deveria
saber que você estava apenas me fodendo para conseguir o que você
queria de mim, como a prostituta que você é! — ele ruge. — Esse foi o
meu maldito erro, deixar você pensar que você tinha uma maldita
escolha no assunto. Você não tem uma maldita escolha, Syd. — Ele
agarra meu pulso, torcendo-o dolorosamente atrás de mim, e me
empurra com tanta força em direção ao meu escritório que eu tropeço
e bato meu ombro contra a outra parede do corredor. — Entre e me dê
o que é meu.
Não! Minha mente grita. Eu não posso deixar ele fazer isso. Eu
não posso deixá-lo... Eu tento correr, mas ele me pega facilmente e me
empurra para o escritório. O que eu posso fazer? Eu tento pensar em
qualquer cenário que possa impedir isso. Ele tem uma arma. Ele vai ter
que colocá-lo para baixo em algum momento... não vai? Posso tentar
arrancar seus olhos? Joelho nas bolas? A adrenalina me atinge, agora
é tarde demais para as palavras, vou ter que agir e esperar o melhor.
Ele me diz para deitar na mesa e abrir minhas pernas. Loucamente,
meus pensamentos se voltam para Gavin, e eu tenho que reprimir um
soluço. Eu me sinto mal, não posso fazer isso...
De repente, Devon está voando para trás, como se tivesse sido
empurrado para trás por uma explosão. A mão que está segurando a
arma dele para cima. Um estrondo ensurdecedor explode, destruindo
todos os outros sons por um segundo enquanto Devon puxa o gatilho e
atira no teto. Então ele está no chão, a arma arrancada de suas mãos
pelo homem que começa a atacá-lo com ela.
Eu chego a Golden Cup apenas alguns minutos após fechar. Eu
estou olhando através do vidro da porta da frente para a Golden Cup,
prestes a bater na porta para que Sydney venha me deixar entrar,
quando eu vejo alguma coisa. Movimento, no corredor.
É Sydney.
E ela está beijando alguém.
O poderoso coquetel de raiva, choque e confusão que me atinge
quase me bate na minha bunda. Eu não posso acreditar no que estou
vendo. De todas as coisas que eu poderia acreditar em Sydney, essa é
a última e me mata. E ainda está certo em mim.
Meu primeiro instinto é derrubar a porta, mas estou tão zangado
agora que tenho certeza que vou acabar matando um ou os dois se eu
fizer. É preciso tudo o que tenho em mim, mas me forço a me virar e
voltar pela rua em direção à minha motocicleta.
Os próximos minutos são um borrão. Eu aperto o acelerador e
corro para longe tão rápido que é um pequeno milagre que eu não caia
da moto. Eu nem sei para onde estou indo, só sei que estou tentando
dirigir mais rápido do que os pensamentos vagando pelo meu cérebro
e não está funcionando. Quando eu corro através de um semáforo e
quase bato em uma senhora de meia idade em uma moto, algo se
encaixa na minha cabeça e percebo que preciso sair da moto antes de
matar alguém, então eu entro no estacionamento de cascalho de uma
loja de artesanato fechada e começo a andar em vez disso.
Sydney.
Como eu poderia não ter visto isso nela?
Como na porra eu já cheguei tão profundamente com ela que está
me rasgando em pedaços assim? Como diabos eu me deixei me
apaixonar por ela, como um maldito idiota?
Jesus fodido Cristo. Eu ando mais rápido, abrindo e fechando os
punhos, incapaz de parar. Eu preciso de uma maldita parede para dar
um soco. Eu preciso de algo para acertar. Para destruir.
É inacreditável. É impossível. É fodidamente impossível.
Está…
Meio impossível.
A semente de uma dúvida começa a se formar na minha cabeça,
me parando em meus rastros enlouquecidos.
Tudo em mim me diz que Sydney não faria isso. Isso é o que está
fodendo com a minha cabeça tanto. Mesmo depois de ver, ainda estou
tendo dificuldade em acreditar.
Mas eu vi isso. E eu sei o que vi.
Não eu?
Eu vi?
Eu não sei porque a idéia de repente clica dentro da minha cabeça
naquele momento. Eu quase não consigo fazer isso, mas tenho que
saber. Com uma mão instável, eu recuo e puxo meu celular do meu
bolso, caminhando para uma área sombreada ao lado para que eu
possa ver melhor a tela. Eu me atrapalho com os aplicativos até
encontrar os que se conectam às câmeras de segurança que eu instalei
na Golden Cup, e clico no que mostra a frente da loja e do corredor.
Deslizo a barra com o dedo para mover o vídeo de volta vinte minutos e
começo a avançar rapidamente.
Eu grito de raiva quando vejo o homem jogar Sydney contra a
parede, sua mão ao redor de sua garganta.
OS MINUTOS que me levam para voltar são os mais longos da
minha vida. Estou doente de medo, convencido de que estou atrasado
para impedir o que ele está prestes a fazer com ela. Em vez de ir para
frente, eu vôo no beco e deixo minha motocicleta no pequeno
estacionamento ao lado de seu carro, que ainda está lá. Eu alcanço o
cós da minha calça para pegar a minha arma preparado para atirar na
fechadura da porta dos fundos, mas quando eu chego lá, está aberta,
encostada com um bloco de concreto. Eu não avalio a situação como
deveria, eu simplesmente abro a porra da porta, e eles não estão mais
no corredor, mas quando eu viro a esquina para o escritório de Sydney
ela está lá na mesa e esse filho da puta está apontando um revólver
para ela e é óbvio que está prestes a acontecer.
Eu me levanto e puxo-o de volta pelos cabelos, jogando-o no
chão. Seu dedo estava no gatilho, então ele cambaleia, sentindo a falta
de um pé quando a bala se aloja no teto. Eu arranco o revólver de seu
alcance, ignorando o grito de dor quando dobrei seu pulso
violentamente. Ele no chão, e eu estou com a arma na minha mão, e
vou matá-lo, eventualmente, mas agora eu só quero bater nele, então
vou esmagar meu punho contra o rosto dele, uma e outra vez,
apreciando o barulho do seu nariz quando ele quebra e o jorro de
sangue e o som gorgolejante enquanto ele luta para gritar e respirar.
— Gavin! Não!
No início, sua voz parece distante, quase como se eu estivesse
sonhando.
— Gavin, por favor! Por favor, não o mate! — Ela está no chão
comigo agora, agarrando meu braço e tentando fazer com que eu pare
de bater nele.
Eu paro o que estou fazendo, colocando uma mão em torno de
sua garganta em um aperto parecido com um torno e olho para ela sem
entender.
— Por favor! — Ela está ofegante, com os olhos arregalados. —
Não o mate!
— Por que diabos não? — Consigo dizer através da névoa da
minha raiva.
— Eu... eu não quero que você vá para a prisão. — Seus olhos se
enchem de lágrimas. — Por favor, por favor, deixe-o ir!
— Quem é ele? — Eu exijo.
— O nome dele é Devon. — ela me diz. Ela está pálida, assustada.
— Ele era o líder da equipe em que eu estava em Atlantic City. —
Sydney olha para ele e depois rapidamente para longe. — Quando saí,
não contei a ele. Peguei um dinheiro que me pertencia e fui embora. Eu
pensei que ele me deixaria ir, mas... — Ela balança a cabeça. — De
alguma forma ele descobriu que eu morava aqui em Tanner Springs.
Ele... ele encontrou o meu número de telefone,e me mandou uma
mensagem algumas vezes, mas eu não pensei... — Um soluço
estrangulado se rompe em sua garganta. Sua mão vai para seu rosto e
ela respira fundo algumas vezes para se acalmar. — Eu realmente não
achei que ele fosse vir atrás de mim.
Se Sydney queria argumentar por não matá-lo, não era isso.
— Por favor. — ela sussurra, como se pudesse ler meus
pensamentos.
Eu olho para a bagunça esmagada do rosto do filho da puta. Ele
mal está lutando agora, e acho que é porque ele está tendo problemas
para respirar.
— Eu vou te matar da próxima vez. — eu digo a ele. — Saiba
disso. Se você voltar a esta cidade novamente. Se você chegar perto
dela. Porra, se você sair de Nova Jersey. Eu vou acabar com você.
Seus olhos estão arregalados e aterrorizados. Eu relaxo
levemente em sua traqueia.
— Sim. — ele suspira.
Levanto-me e, em boa medida, dando um bom chute no abdômen
com a bota. Ele dobra e começa a vomitar. Ao meu lado, Sydney recua.
— Rasteje sua merda fora daqui. — eu cuspo. — Se você não for
embora em dez segundos, prepare-se para outro round.
Impassivelmente, vejo como ele agarra o chão e se arrasta pelo
corredor e sai pela porta dos fundos. Eu chuto o bloco de concreto e a
porta se fecha atrás dele.
Eu volto para onde Sydney está de pé. Ela se lança em meus
braços e começa a chorar.
— Oh, meu Deus. — ela soluça contra o meu peito. — Gavin,
graças a Deus! Ele… ele ia…
— Eu sei. — murmuro. — Eu vi o que ele ia fazer.
— Eu nunca pensei que ele… quer dizer, eu pensei que ele estava
apenas tentando me assustar. Eu pensei... eu não sei... que ele ficaria
com raiva quando eu não respondesse.
— E você nunca pensou em me dizer. — eu digo.
— Eu não achei que fosse um grande negócio na época. — ela
suspira. — Eu ia contar para você, mas não queria que você se
preocupasse comigo. Eu apenas pensei que você iria entrar no modo
de proteção excessiva. Eu ia esperar até que o negócio do seu clube
acabasse, então você poderia se concentrar nisso.
— E agora, em vez disso. — eu continuo. — Eu só tenho que me
preocupar com você mentindo para mim.
— O que? Ah, vamos lá, Gavin! — Ela chora, recuando para olhar
para mim. — Eu não menti para você! Eu só... — ela para, chocada. —
Eu só…
— Não me disse a verdade. — eu termino por ela.
— Eu ia dizer a você. — ela meio que lamenta. — Mas eu não
queria que você exagerasse!
— Foda-se, exagerar? — Eu grito em descrença. — No que
exatamente eu estaria exagerando sobre o fato de que algum ex-
namorado seu ia tentar matar você?
— Eu não acho que ele teria me matado. — ela protesta
fracamente. — Ele só... queria... — Sua voz se interrompe, seu
lábiotremendo. — Ele…
Eu sei exatamente o que ele queria. A fúria assassina está de
volta, e eu tenho que me impedir de sair pela porta dos fundos e colocar
uma bala no maldito crânio dele.
A fúria é tão esmagadora que quase parece uma força física
dentro de mim, lutando para sair.
Então, assim mesmo, desapareceu.
— Eu tenho tentado mantê-la segura desde que nos
conhecemos. — eu digo. Minha voz soa plana e meio distante. — Eu
pensei que você valesse a pena. Eu me importo com você. — Eu olho
para ela. — E você nem se incomodou em me dizer isso. Você não
poderia se incomodar em saber o suficiente para saber onde estavam
as ameaças reais.
— Não é nada disso! — ela grita. — Eu estava tentando proteger
você!
— Eu não preciso de proteção, Sydney. — eu digo, me separando
dela. — O que eu preciso é poder confiar em você. O que eu não posso.
Não mais.
Parece que toda a adrenalina foi drenada do meu corpo de uma
só vez. De repente, não sinto nada além de estar morto por dentro.
Mecanicamente, vou até a porta dos fundos e a abro. Aquele filho
da puta do Devon está muito longe.
— Entre no seu carro. — eu ordeno.
— Gavin, eu...
— Entre no seu carro! — Eu rujo. — Agora!
Assustada, ela entra em seu escritório, pega sua bolsa e faz o que
lhe é dito. Eu bato a porta atrás de nós dois.
— Vá para casa. — eu digo a ela. — Tranque a porta.
— Gavin. — diz ela hesitante, lágrimas nos olhos. — Você está
vindo?
— Não. — Eu ando até onde eu joguei minha motocicleta no chão
e a levantei. — Nós terminamos, Sydney. Dessa forma, você nunca
mais terá que mentir para mim.
Ela chama meu nome pelo som da minha moto, mas eu não me
viro.
Eu não sei para onde estou indo, mas não posso mais estar aqui.
Tem sido uma semana desde que saí do café de Sydney.
Eu não a vi. Eu não respondi a nenhum de seus textos.
Eu mal dormi. Ou comi.
Eu bebi uísque suficiente para um pequeno exército.
Eu só voltei para a casa do lago uma vez, para trocar de roupa.
Eu não posso estar lá agora. Sydney porra arruinou esse lugar para
mim. Era o único lugar que eu realmente me sentia em casa. Meu
santuário.
Agora estou pensando em vendê-lo.
Ou queimar até virar cinzas.
Eu nem sempre tive um tempo fácil. Minha vida em casa era uma
merda quando eu era criança. Eu me separei da minha irmã e fui
colocado em um orfanato quando eu tinha onze anos. Eu fiz uma
temporada no reformatório aos dezesseis anos. Me juntei aos fuzileiros
navais aos dezoito anos. Aprendi a viver com muito pouca coisa no
modo de posses, contato humano ou família.
Mas eu acho que nunca me senti tão morto por dentro como me
sinto agora.
A coisa fodida é que eu abri meu coração frio e atrofiado para
Sydney mais do que percebi. Era como se eu tivesse vivido toda a minha
vida em preto e branco e tons de cinza, e ela me desse um vislumbre
de um mundo cheio de cores, que estava ali o tempo todo, mas eu
nunca soube disso.
Eu me permiti esperar que fosse real. Como uma porra de buceta.
E agora estou de volta ao mundo preto e branco. Só por causa
dela, em vez de apenas ser realidade, agora parece um inferno.
***

T WEAK TEM TRABALHADO DURO, fazendo sua mágica, e ele


encontrou as informações sobre onde fica o clube dos Spiders. É em
uma estrada de terra e cascalho vários quilômetros fora da cidade.
Nenhum vizinho ou outros edifícios ao redor, bem isolado da estrada
principal.
Tweak está nos mostrando fotos do clube e da área agora, em
uma tela grande contra a parede mais distante da capela. O clube em
si é um edifício de pólo, provavelmente cerca de oito milmetros
quadrados, em um terreno que parece ser um par de acres ou mais.
Um estacionamento de cascalho sem circunda o prédio, e é grande o
suficiente para servir como uma barreira eficaz para a entrada, porque
a completa ausência de cobertura significa que qualquer um que se
aproximasse do prédio de qualquer lado seria imediatamente notado.
— Temos câmeras de vídeo no clube e também na estrada de
cascalho. — ele nos diz. Ele clica em seu laptop para a filmagem de
vigilância transmitida pela câmera que é mantida no clube, para que
possamos ver o que ele está falando. A câmera está posicionada longe,
como tem que ser, mas ele se aproxima do prédio enquanto fala até
conseguir uma imagem bastante decente mais próxima. No momento,
não há sinal de vida. O edifício parece deserto, exceto por alguns trilhos
de pneus feitos na lama depois de uma chuva recente. — Existem três
áreas de carga no outro lado do edifício. — explica Tweak. — Na
maioria das vezes eles dirigem seus veículos para dentro, então não há
provas de que alguém esteja lá.
Tweak vira a tela para outra câmera, que mostra uma longa
estrada de cascalho com arbustos e alguma cobertura de árvore em
ambos os lados. — Esta é a única maneira de entrar e sair. — explica
ele. — Isso é uma vantagem para nós. Esta câmera é de cerca de um
quilômetro de distância do seu clube. Perto o suficiente para podermos
nos posicionar quando virmos da outra câmera que eles estão saindo,
e longe o suficiente para que qualquer pessoa fora do clube não ouça
uma briga a menos que haja tiros.
Angel bufa. — Aqueles idiotas nos fizeram um favor, escolhendo
um buraco do inferno com apenas um ponto de entrada.
— Estamos acompanhando as idas e vindas de Black. — diz
Striker. — O bastardo geralmente é bem protegido, mas a cada dois
dias ele sai com apenas dois homens. Ainda não sabemos onde ele vai,
mas notamos que, quando está sozinho, vira à direita na estrada
principal, na direção oposta da cidade.
— Tudo bem. — murmura Rock. — O curso de ação mais fácil é
emboscá-lo com o menor número de homens, é claro. Quando acha
que a próxima escapada menos protegida dele pode ser?
— Eu estaria adivinhando quinta-feira. — diz Thorn. — Falhando
isso, sexta-feira.
— Tudo bem. — Rock olha em volta. — Quinta-feira. Nós
estaremos preparados para tirar Black, e seus dois guarda-costas, se
for preciso. Brick, Ghost, Thorn, Gunner. Vocês vão comigo em
motocicletas. Tweak, Sarge, Striker, Tank, vocês vão pegar uma van,
estacionem na estrada principal e entramos em contato, caso
precisemos de ajuda.
Eu não olho para Angel, mas sei que ele está chateado.
Geno pigarreia. — O resto de nós? — ele pergunta.
— Eu quero todos os irmãos aqui no MC. — diz Rock. — Estejam
preparados para agir. Estejam preparados para o bloqueio, se chegar a
ele. Angel está no comando enquanto estou fora.
Pela primeira vez desde que começamos a planejar isso, me
ocorre, se isso for para o sul, Angel pode acabar como presidente do
clube. O que estamos fazendo poderia levar qualquer um dos cinco
mortos.
E com Angel no leme, o clube vai sobreviver. Sem dúvida.
Por mais que eu tenha questionado as decisões de Rock
ultimamente, e tão chateado quanto eu sei que Angel está, eu tenho
que admitir que esta é a decisão certa.
— A igreja está suspensa. — diz Rock. — Encontro aqui na
quinta-feira. Estejam prontos para rock and roll.

***
D OIS DIAS DEPOIS , os irmãos estão todos reunidos do lado de fora
do clube. Estou armado tanto quanto posso estar confortavelmente na
motocicleta, com minha Glock em um coldre preso no cinto, três clipes
inteiros no bolso esquerdo do meu corte e um perfil menor de Beretta
em um coldre de tornozelo.
A atmosfera entre os irmãos é tensa, mas também animada. Estes
são todos os homens que nunca recuaram de uma briga. Apesar do
perigo, você quase pensaria em olhar para eles que eles estavam a
caminho de uma festa em vez de potencialmente um banho de sangue.
Eu matei antes. Eu já matei homens suficientes para pensar se
alguém me perguntasse quantos. Eu nunca tive um gosto por isso,
como alguns homens conseguem, mas ao contrário de alguns outros
homens, eu nunca tive um problema particular com isso se precisar ser
feito. Eu não entro nessa corrida com nenhuma emoção em particular,
exceto a firme determinação de manter meus irmãos seguros e cumprir
nossa missão. De um jeito ou de outro, esse é o último dia de Black na
terra.
Se é meu também, então que seja.
Nós pegamos estradas de volta e uma rota fora do caminho em
direção ao clube dos Iron Spiders, então é menos provável que alguém
nos veja e os avise. Eu mantenho minha mente resolutamente longe de
Sydney enquanto viajamos, o que é mais difícil do que parece. Mesmo
que eu tenha completamente terminado com ela, ela está na minha
cabeça constantemente desde a última vez que a vi. À noite, quando
consigo dormir algumas horas raras, é com ela que sonho. Às vezes,
estou me afundando dentro dela, e é tão real quanto se estivesse
realmente ali com ela. E então eu acordo no meu quarto no clube, meu
pau duro como ferro, e eu tenho que voltar a dormir para não ceder e
me acariciar completamente com o nome dela em meus lábios. Durante
o dia, hesito em gritar com ela em minha cabeça e desejo poder voltar
no tempo e dar-lhe outra chance de me dizer a verdade.
Outra chance de mentir para mim.
Para me trair.
Pelo menos, digo a mim mesmo, assim não me preocupo com
como Sydney reagirá se eu morrer hoje. Ninguém vai para ela como eu
fui para Tina Sims, para dizer a ela que eu fui embora. Não se espera
que ela finja que isso é importante para ela.
Melhor ficar sozinho. Melhor ficar sozinho, como sempre fui. Para
o bem de todos.

***

D UAS HORAS DEPOIS , Rock, Ghost, Thorn, Gunner e eu estamos


todos no lugar. Na van, Tweak, Sarge, Striker e Tank estão observando
a estrada principal e aguardando instruções. Tweak está monitorando
as câmeras e nos dando atualizações.
A espera é longa. Eu fumo cigarro após cigarro e tento não sair
de mim. Mesmo nos fuzileiros navais, a espera antes de uma batalha
era a parte que sempre me chegava. Eventualmente, meu estômago
começa a roncar, mas eu ignoro isso.
Então, de repente, estamos em movimento.
A voz do Tweak vem do meu fone de ouvido. — Eles estão saindo
do complexo. Com motocicletas. O da frente é Black.
— Prepare-se para jogar. — murmura Ghost, agachando-se na
posição.
Nós os ouvimos antes de os vermos. Um triângulo de três motos,
Black na frente e no centro. Do meu lugar escondido no mato, aponto
para o que esta mais perto de mim. Eu sei que Rock e Ghost estão
mirando em Black. Do outro lado da estrada, Thorn e Gunner estão
vendo seu alvo.
Quando eles estão ao alcance, espero um pouco mais para nos
dar a melhor foto possível. Então:
— Fogo! — Eu grito.
Eu acerto meu alvo no peito. A motocicleta mais próxima de mim
cai. O homem do outro lado o vê e imediatamente rugindo o motor,
acelerando rapidamente por nós. O pop-pop de tiros soa sobre os gritos
surpresos dos Spiders e o rugido dos três motores. Eu me preparo para
me mexer, e vejo quando Black procura sua própria arma, mas é
atingido antes que ele possa chegar nela. Sua moto balança, mas ele
consegue ficar, até que ele seja atingido novamente. Ele cai para trás,
o ímpeto da moto levando-o para frente por outros metros antes dele
cair.
Rock está fora dos arbustos e na estrada agora, sua arma
apontada para o presidente ferido dos Spiders. Ele dispara três tiros,
depois quatro em Black, cujo corpo se sacode a cada rodada. Eu me
levanto e corro em direção a ele, agarrando-o pelo ombro.
— Vamos. — eu grito. — Você tem ele. Precisamos nos mexer
antes que o resto venha.
Corremos em direção às nossas próprias motos, escondidas na
estrada. Enquanto corremos, vejo que Thorn e Gunner estão atirando
no terceiro Spider. Um deles conseguiu pegar o pneu traseiro, e ele
balança loucamente enquanto tenta evitar que a moto caia, mas é uma
batalha perdida. Outra bala atinge seu braço, e ele grita e cai. Ao passar
por ele, miro e disparo uma bala no peito dele.
— Ghost! Thirn! Gunner! Movam-se! — Eu grito. Estou quase na
minha motocicleta agora, e sob os sons das motocicletas abatidas eu
posso ouvir os passos dos meus irmãos atrás de mim. Nós não temos
muito tempo agora; É uma aposta certa que os Spiders já ouviram o
tiroteio. Temos que descer ae strada principal antes de chegarem a
Black.
— Estamos a caminho. — eu ouço Rock gritar para Tweak e os
outros sobre o fone de ouvido. — Prepare-se para se mover. Você toma
a rota alternativa de volta.
— Copiado. — Tweak reconhece. Eu chego à minha motocicleta,
acelero, e o cascalho voa sob meus pneus enquanto eu corro em
direção à estrada principal. Atrás de mim, eu ouço novos tiros. Eu não
posso dizer se é nosso ou deles. Então, por cima do fone de ouvido,
ouço um grito de dor.
— Porra! Gunner! — Eu grito.
— Eu fui atingido. — ele grita: — Mas eu estou bem. Eu ficarei
bem. Vamos!
— Onde foi atingido, irmão. — Sarge vem pelo ar.
— Coxa esquerda. Eu posso andar assim. Eu estou bem.
— Foda-se. — grita Sarge. — Não por muito tempo. Saia na
estrada principal. Vire à direita na direção da van e siga-nos até sairmos
daqui. Vou levar sua motocicleta de volta. Nós vamos te remendar o
melhor possível até que estamos de volta ao clube e Smiley poder cuidar
de você.
Thorn, Rock e eu conseguimos tirar nossas bundas de lá antes
que os Spiders possam vir atrás de nós. Eu corro de volta para Tanner
Springs, agora fora do alcance do fone de ouvido em contato com a
van, então não tenho ideia de qual é o status de Gunner. Voltamos ao
clube em tempo recorde, mas é claro que a van ainda não está lá. Eu
pulo da moto e imediatamente vou encontrar Smiley na sala de TV.
— Prepare sua merda. — eu disse a ele. — Gunner foi atingido
na coxa.
Quando volto para a sala principal, Rock diz a Angel o que
aconteceu. Eu saio e espero a van aparecer. Cerca de cinco minutos
depois, o barulho de um motor se aproxima e Sarge aparece na moto
de Gunner.
— Eles estão bem atrás de mim. — ele late. — Vamos nos
preparar para mover Gunner.
Há uma porrada de sangue. Gunner ainda está consciente e tenta
brincar enquanto o carregamos, mas seu rosto está pálido e tenso. Ele
range os dentes de dor quando o colocamos na mesa de bilhar coberta
de grandes folhas de compensado.
O rosto de Smiley é sombrio enquanto ele examina a ferida. — Ele
tem a sorte de não parecer que a bala atingiu o osso. Não há ferida de
saída, então a bala ainda está alojada. — Ele olha para Gunner. — Eu
não vou removê-la. Não vale a pena, e pode acabar rompendo um vaso
sanguíneo, ao tirá-la, eu poderia bater em algo e fazer mais mal do que
bem.
— Não se preocupe, doc. — diz Gunner, dando-lhe um sorriso
tenso. — Não é como se eu estivesse planejando disparar detectores
de metal no aeroporto.
Smiley nos afasta de sua mesa de operação improvisada e
começa a trabalhar. Até agora, algumas das old ladys já ouviram que
os homens estão de volta, e elas estão chegando. Jenna corre para o
Ghost, que a envolve em um abraço apertado. Sam está perto de Hawk,
e posso ver pela expressão dela que ela está tentando nãochorar de
alívio. A old lady de Geno, Carmen, também está lá, assim como Trudy,
a esposa de Rock, embora pareça muito mais calma do que as outras.
Mais anos acostumada com o drama e o perigo de ser uma old lady de
um MC, eu acho.

***

PELA PRIMEIRA vez desde que começou tudo isso, penso em


Sydney. Eu não posso evitar sentir uma pontada de arrependimento por
ela não estar aqui. Embora ainda estivéssemos juntos, eu poderia não
ter contado a ela sobre essa corrida. Eu não queria que ela se
preocupasse.
Como se ela pudesse ler minha mente, Sam escolhe esse
momento para se separar de Hawk e vir falar comigo.
— Você ligou para Sydney? — Ela pergunta, sua voz tranquila. —
Ela vai querer saber que você está bem.
— Nós não estamos mais juntos. — eu falo, um pouco duramente.
Não é culpa de Sam, afinal de contas. — Não deu certo.
— Eu sei. — diz ela, com os olhos reprovadores. — Eu a vi na
cafeteria. Ela está uma bagunça, Brick.
Ela não é a única. — É um negócio feito. De qualquer forma, ela
não sabia nada disso. Então o que ela não sabe não pode machucá-la.
Sei que Sydney estaria bem aqui com o resto das outras old ladys,
me dando as boas vindas, se ainda estivéssemos juntos. Minha mente
relembra como era natural ela sair com Jenna e Sam, como se as três
se conhecessem há anos. Minha garganta aperta.
— Olha, Brick. — Sam continua. Ela parece com raiva. — Eu não
sei o que aconteceu entre vocês dois. Mas eu não posso imaginar que
Sydney faria alguma coisa conscientemente para machucá-lo. E
francamente, não consigo imaginar que você faça alguma coisa para
machucá-la. — Ela faz uma pausa, como se considerasse suas palavras
com cuidado. — Você sabe. — ela diz. — Se há uma coisa que eu notei
sobre muitos dos homens dos Lords of Carnage, é que a maioria de
vocês é tão teimoso quanto o dia é longo. Você está acostumado a
conseguir o que quer, por qualquer meio que seja necessário. E eu acho
que às vezes, vocês precisam que as mulheres deste clube batam em
seus crânios grossos para ver se aparece alguma sentido. Então eu só
vou dizer isso. Você provavelmente está sendo um idiota agora. E
Sydney não merece isso.
— Você não tem ideia do que está falando.
— Não? — ela desafia. — Eu sei o que parece quando duas
pessoas estão apaixonadas uma pela outra. Eu sei o que parece
quando alguém está mentindo para si mesmo.
— Sam. — eu avisei. Juro por Deus, ela tem sorte de ser uma
mulher e ser a old lady de Hawk.
— Tudo bem. — diz ela com um olhar de nojo. — Terminei. Mas
todo mundo neste clube pode ver, exceto você, Brick. Não sei por que
você está jogando fora uma chance de felicidade.
— Estou feliz. — eu grito, e parece tão ridículo que até eu quase
rio.
— Tudo é mais difícil para as pessoas teimosa, Brick. — diz Sam,
e balança a cabeça. — Tudo o que você precisa fazer é perceber isso.
Foda-me. Eu a assisto ir embora, aliviado como o inferno que esta
conversa acabou, mas agora eu estou com raiva. Vou até obar e peço
uma cerveja a Jewel.
— Claro. — diz ela, pegando uma garrafa no refrigerador. — A
propósito, como está Sydney? Eu não a vi por aí...
— Não estamos falando sobre isso, Jewel. — eu a corto com um
rosnado. Ela levanta as sobrancelhas, mas não diz nada, e me trás
minha cerveja.
Por esta altura, Smiley está finalmente terminando em Gunner,
então eu volto para vê-lo. Há um brilho de suor no rosto de Gun, mas
ele não está mais pálido quanto antes. Uma meia garrafa de uísque e
um copo ao lado dele. Quando me aproximo, ele pega a garrafa e
enche o copo.
— Ei, irmão. — Ele me dá um sorriso torto. — Tudo costurado.
Smiley, você é um gênio.
Smiley ri. — Não dificilmente. Mas você continua acreditando
nisso. — Ele enfia a mão na bolsa e pega um pequeno frasco de
comprimidos. — Você vai querer tomar isso para evitar o risco de
infecção. Um comprimido, duas vezes por dia. — Ele dá um olhar
aguçado para Gunner. — Tente ficar sem o álcool até que eles também
tenham terminado.
Gunner bufa. — Não vai acontecer. Mas deixe no registro que
você me deu sua opinião médica profissional sobre isso.
Smiley se afasta e eu me inclino contra a mesa e levanto minha
garrafa para Gunner, que bate o copo contra ela.
— Como você está, irmão? — Pergunto-lhe.
— Não sentindo dor. Bem, não muito, de qualquer maneira.
Smiley amorteceu essa merda antes que ela me pegasse. Estou bem.
— Fico feliz em ouvir isso. — Eu não vou fazer grande coisa com
isso, mas Gunner sendo baleado me derrubou. Ele é meu melhor amigo,
no clube. Conheço-o há mais tempo do que conheço alguém de fora da
minha família.
— Parece que tudo certo, a corrida foi um sucesso. — diz Gunner
com um sorriso sombrio.
— Sim. — Eu tomo um longogole da minha cerveja. — Agora
esperamos para ver o que é a precipitação. De qualquer maneira, tinha
que ser feito.
— De acordo. — Gunner olha para o bar. — As mulheres
parecem felizes em ter seus homens de volta. — observa ele.
— Elas estão.
— Qualquer razão pela qual Sydney não esteja aqui?
Droga, eu deveria saber.
— Jesus, porra, todo mundo vai me perseguir sobre isso? — Eu
explodo.
— Sim se você está sendo um idiota. — diz Gunner
uniformemente.
— Filho da puta. — eu rosno. — Eu terminei com isso. — Eu me
levanto e vou para sair, mas Gunner me interrompe.
— Olha, irmão. — ele enrola a fala, o álcool claramente
começando a interagir com os analgésicos que ele tomou. — Eu
realmente gosto de Sydney. Ela parece uma ótima garota. Além disso,
ela tem peitos incríveis. Mesmo assim, eu não diria uma palavra sobre
isso se eu pensasse por um segundo que você realmente terminou com
ela. — Ele balança a cabeça e bufa. — Mas Jesus Cristo, cara, você se
olhou no espelho ultimamente? Você parece uma merda. E você está
bebendo como se estivesse treinando para as Olimpíadas de
envenenamento do fígado. Você sempre foi um pouco rabugento, mas
nunca vi você ser um maldito mártir.
— Mártir?! — Estou chateado. Se Gunner não estivesse deitado
nesta mesa agora se recuperando de ser baleado, eu atiraria nele eu
mesmo.
— Sim, seu maldito mártir. Olhe para você. Você está
fodidamente miserável. Como isso é melhor para você? Para qualquer
um de vocês?
Minha mão está tão apertada ao redor da garrafa que eu me
pergunto se ela pode quebrar. Eu tento soltar meu aperto, mas não
posso.
— Eu não sei qual de vocês fez o que. — continua Gunner, alheio
ao fato de que estou pensando em socá-lo. — Ou qual de vocês acha
que o outro está errado. Mas eu te conheço. Eu sei como você é.
Merda, eu ouvi você dizer mil vezes que relacionamentos são besteiras.
Que as pessoas estão enganando a si mesmas se esperam algo delas.
Mesmo que você possa olhar ao seu redor e ver evidências de que você
está errado nesta sala.
— Você não sabe o que está falando. — eu bufo.
— Eu sei que você está de cabeça para baixo por Sydney. Eu sei
que ela é completamente louca por você. Jesus, Brick, você realmente
vai jogar isso fora? — Gunner se inclina para frente, me olhando nos
olhos. — Eu te digo uma coisa, se tivesse uma mulher que se sentisse
assim comigo, eu não a deixaria sair da minha vista. Você trouxe a
garota para este clube por um motivo. — ele murmura. — Por que
diabos você está castigando vocês dois?
Eu não estou, eu quero dizer.
Foda-se, eu quero gritar.
Você não tem ideia do que está falando, eu quero gritar.
— Você sabe que eu estou certo, irmão. — diz Gunner. — Então
você pode se apegar às suas teorias de merda e continuar sendo um
recluso e um idiota. Ou você pode perceber que merece ser feliz. E o
mesmo acontece com Sydney.
— OK. Você disse isso. — eu mordo. — Você terminou?
— Não realmente. — diz Gunner alegremente. — Mas eu sei que
é tudo o que você vai ouvir antes de chutar a minha bunda, então terá
que servir.
Eu jogo minha garrafa vazia na lixeira, pego outra cerveja de Jewel
e vou até meu quarto. Eu não posso lidar com qualquer outra merda
agora. Parece que todo o clube está conspirando para me dizer que
estou errado sobre Sydney. Eles não sabem o que estão falando. Quero
dizer, inferno, eu sei que ela não mentiu para mim para me machucar.
Ela provavelmente pensou que estava fazendo a coisa certa, fodido
como isso é. Como diabos ela teve a ideia de que manter informações
escondidas de mim estava me protegendo, no entanto, não tenho a
menor idéia. Especialmente quando ela estava em perigo.
Mais ou menos como você não teria dito a ela sobre essa corrida
hoje. Porque você não queria que ela se preocupasse com você.
Mesmo que você pudesse ter morrido.
Isso é diferente. Não havia nada que ela pudesse ter feito sobre
essa corrida. Por que ela iria se preocupar? Se eu soubesse do que
aconteceu com Devon, eu poderia protegê-la. O que aconteceu no café
nunca teria acontecido.
Não é tão diferente. Você disse a ela que não podia confiar nela,
porque uma mentira por omissão ainda é uma mentira. Se for esse o
caso, como você pode esperar que ela confie em você?
Porra. Toda essa merda está fazendo minha cabeça doer. Eu
chago até a cômoda, pego a garrafa quase cheia de uísque que está no
topo e me jogo na cama. Eu preciso ficar bêbado. Eu preciso dormir.
E principalmente, preciso parar de pensar em Sydney Banner.
Passou um mês desde a última vez que vi Gavin, fiquei chocada
ao ver que, apesar de toda a dor em minha alma, e meu coração a dor
que me faz sentir como se eu estivesse constantemente lutando para
me mover através da água, a vida parece continuar para outras
pessoas.
Mandei uma mensagem para ele uma ou duas vezes. Oh, quem
diabos estou tentando enganar? Eu mandei uma mensagem para ele
pelo menos dez vezes. Ele nunca respondeu. Então, não só eu pude
saber que ele se importava tão pouco comigo que ele saiu quando viu
o passado sórdido que eu arrastara comigo até Tanner Springs. Eu
também sinto a completa humilhação implorando para ele voltar e ele
me ignorando completamente.
Como uma idiota, eu até considerei ir ao clube. Mas percebi que
não tenho mais o direito de estar lá.
Sam parou no Golden Cup uma vez para me ver. Eu acho que ela
estava tentando ser legal. Mas foi horrível e desajeitada, e nós duas
estávamos tentando evitar o imenso elefante na sala o tempo todo. Ela
acabou pegando seu café e apertou minha mão, dizendo que ela estava
grávida e que ela tinha certeza que as coisas dariam certo entre Gavin
e eu, de alguma forma.
Não vai dar certo.

***

POR CERCA DE UMA SEMANA, eu ainda estava com medo de que


Devon voltasse. Mas os dias passaram, e não havia sinal dele, acabei
percebendo que estava em segurança. E é tudo por causa de Gavin.
Eu deveria ter confiado nele. Eu deveria ter contado sobre os
textos de Devon desde o começo.
Vou me arrepender dessa decisão pelo resto da minha vida.
No blackjack, é tudo uma questão de risco e mitigação de risco.
Mesmo quando você está contando cartas. Se você for bom em contar,
você pode bater as probabilidades, mas você sempre tem que pesar
isso contra o fato de que as pessoas estão assistindo o tempo todo os
contadores de cartas, e que mesmo quando você conta, você ainda
não tem o completo cenário.
Eu passei minha vida avaliando as pessoas. Correr riscos, mas
não me expondo. É um jogo que meu pai me ensinou. Está enraizado
em mim.
Isto? Deixando-me ser visto por quem eu sou? Deixando alguém
mais em minhas vulnerabilidades? Eu não estou acostumada a isso.
Mesmo com Devon eu nunca fiz isso. Eu odeio que eu me deixe ser tão
vulnerável.
Mas eu odeio ainda mais que não fazer isso com Gavin logo me
fez perder a melhor coisa que já tive.
Nas semanas que se seguem, eu entrevisto e treino novos
trabalhadores, muitos dos quais são estudantes do ensino médio
indicados por Hailey. Eu tento não prestar atenção ao romance de
Beverly e Bradley. Ou Hailey e Teddy.
Parece que os relacionamentos estão florescendo ao meu redor.
Quase como se alguém estivesse jogando uma piada doentia para
mexer com a minha cabeça.
Beverly e Hailey parecem achar que há algo errado comigo. Mas
elas têm a gentileza de não fazer muitas perguntas.
Desejo de uma maneira que eu não contrate nenhuma nova
pessoa. Porque a única coisa que me impede de pensar em Gavin nos
dias de hoje é o trabalho. E, embora eu realmente precisasse de mais
funcionários, agora tenho menos trabalho para ocupar meus dias. As
horas se estendem na minha frente e eu não sei como preencher o
tempo entre acordar e ir para a cama. Estou praticamente pulando da
minha pele.
Meses atrás, cheguei a Tanner Springs porque queria um novo
começo. Uma nova vida longe de Atlantic City. Eu queria que tudo
estivesse fresco.
Mas meu passado me alcançou e acabou arruinando o que eu
tinha construído de qualquer maneira. Apenas não da maneira que eu
esperava.
É final da tarde de uma sexta-feira e estou me preparando para
sair da loja para o dia. Hailey e um dos meus novos funcionários,
Jamison, vão fechar esta noite. Jamison é um dos colegas de classe de
Hailey, e também toca guitarra em uma banda. Ele está tentando me
convencer a começar a fazer música ao vivo nos fins de semana,
dizendo que os jovens de Tanner Springs viriam aqui em massa se eu
fizesse isso.
— Você só tem que deixá-los passar o chapéu. — ele está me
dizendo, seu rosto jovem sério. — Você não precisa pagar a todos. E
pense em todas aquelas pessoas que chegam e pedem bebidas e
alimentos para o café. Você estaria fazendo dinheiro!
— Esse é todo um outro jogo de bola do que estou fazendo agora.
— eu protesto. — Isso significa estocar muito mais produtos assados e
talvez até sanduíches e bagels e coisas assim. Não tenho certeza se
ainda estou pronta. — Verdade seja dita, eu estive pensando em
começar a oferecer itens de almoço, mas fui adiando. — E as
multidões? Eu não tenho certeza se ter um bando de estudantes do
ensino médio aqui na sexta à noite é uma ótima idéia.
Ao lado de Jamison, Hailey bufa. — Eles dificilmente serão
barulhentos. A banda de Jamison toca música folk e bluegrass. A pior
coisa que pode acontecer é alguém tirar os olhos de um barbante
voador.
A idéia de assumir um novo projeto me parece cansativa agora.
Eu mal posso funcionar como está, mesmo quando me vejo desejando
ter algo para ocupar minha mente vinte e quatro horas por dia sete dias
por semana, então eu nunca teria uma chance de pensar em Gavin.
Ainda assim, tenho que admitir que a ideia de Jamison é boa. A maioria
das pessoas que vêm à loja no final da tarde e à noite são pessoas da
mesma idade. Pode valer a pena dar-lhes algo diferente de café para
atrair mais deles.
— Diga o que fazer. — eu digo, encostada no balcão. — Estou
disposta a dar uma chance. Mas por enquanto, vamos manter a
expectativa baixa. Podemos fazer uma noite de quinta-feira,
começando no próximo mês. Nenhuma publicidade para promovê-lo. E
nenhum grupo. Só você, Jamison, na guitarra solo. Vamos ver como as
pessoas reagem. Se tudo der certo, então vou pensar em torná-lo uma
coisa normal.
Jamison dá um sorriso de rachar a cara. — Eu posso fazer isso.
— diz ele.
— Ok. — eu aceno. — Vamos resolver os detalhes mais tarde.
Vou olhar o calendário para o próximo mês e te dou um retorno. E, claro,
isso estaria fora do seu horário normal de trabalho.
— Sim claro. — Ele balança a cabeça de acordo. — E obrigado,
Sydney. Esta é uma ótima oportunidade.
Hailey levanta o punho e levanta a mão para o alto Jamison. Eu
não posso deixar de rir, sua excitação é contagiante.
Atrás de mim, o sino na porta da frente toca. Afasto-me do balcão
e me levanto. — Ok, vocês, eu vou embora. Deixe-me saber se você
precisar de alguma coisa, mas estou assumindo que você tem tudo sob
controle. Hailey, é seu trabalho treinar Jamison sobre como fechar. Se
alguma coisa for deixada de lado quando eu chegar amanhã, pegarei
em você.
Hailey balança a cabeça, mas seus olhos deslizam dos meus para
descansar em um lugar por cima do meu ombro. Eles piscam para mim
incertos.
— Você, hum... — ela gagueja. — Quer que eu tome este pedido,
ou você quer?
Eu franzo a testa para ela e me viro.
De frente para mim do outro lado do balcão está Gavin.
— O de sempre. — diz ele.
O rosto de Sydney fica pálido quando ela me vê. Atrás dela, duas
crianças do ensino médio estão olhando para mim de olhos redondos.
— Eu sei que já faz um tempo, mas eu tomo um preto puro. — eu
digo.
Os olhos de Sydney começam a brilhar. Ela limpa a garganta e
abre a boca para falar.
— Estou sem muffins de mirtilo. — diz ela com voz rouca.
— Sem problemas. Alguma kolache?
Isso dá uma risada. Uma risada suave e triste, mas uma risada,
no entanto. Eu vou aceitar.
— Receio que não. Eles são muito populares. Preciso começar a
dobrar minha receita.
— O que dizer. Vou ver se tem amanhã no café da manhã. —
Minha voz cai um pouco. — Eu queria saber se eu poderia falar com
você por um minuto.
— Um... — Sydney limpa a garganta e funga um pouco. — Certo.
— Ela olha para os dois jovens. — OK. Vocês dois estão por conta
própria. — ela diz, e então se vira para mim. — Vamos sair pela frente.
— ela murmura.
Eu passo pela porta da frente e a seguro para ela, deixando-a
fechar atrás de mim. Do lado de fora, ela agarra seu corpo como se
estivesse com frio. — O que você quer, Gavin? — Ela pergunta, seus
olhos correndo em todos os lugares, menos no meu rosto.
— Eu queria saber se você estava livre depois?
Ela meio soluça, meio ri e balança a cabeça.
— O que? — Eu franzo a testa, confuso.
— Você nunca me pediu para fazer nada antes. Você sempre
acaba mandando.
Eu não posso deixar de rir. — Sim. Bem, acho que estou virando
uma nova pessoa.
Por alguma razão, dizendo isso faz o rosto de Sydney escurecer.
— Por que você está aqui, Gavin?
— Quero falar com você.
— E sobre o quê? —Agora que sua surpresa inicial está
diminuindo, posso dizer que ela não vai facilitar isso para mim.
— Aqui não. — Levanto o queixo em direção à minha motocicleta,
que está estacionada alguns espaços abaixo. — Venha comigo.
— Gavin. — ela suspira, parecendo incrivelmente triste. — Eu não
acho que seja uma boa ideia.
— Sydney. — Minha voz sai meio quebrada, rachada e crua. —
Por favor.
Ela faz uma pausa e levanta o rosto bonito para o meu.
— Onde você quer me levar? — ela sussurra.
— Para o lago. — digo a ela. — Eu preciso me desculpar, Sydney.
Mas eu não quero fazer isso aqui. Eu dou um passo à frente e seguro o
queixo dela na minha mão. — Eu preciso te contar algumas coisas. Por
favor, dê-me uma chance.
Ela recua ao meu toque, mas não se afasta imediatamente. Ela
também não fala, e posso ver no rosto dela a luta que está ocorrendo
dentro dela.
— Eu vou dirigir até lá. — ela finalmente murmura.
— Quando? — Estou quase fraco de alívio por ela não dizer não.
Ela aceitou, é tudo que importa.
— Agora, se você quiser. — ela dá de ombros. — Eu terminei meu
turno.
— Você se lembra do caminho? — Eu pergunto a ela. Ela me dá
um breve aceno de cabeça. Eu a vejo quando ela se vira e volta para
dentro da Golden Cup, e vai para seu carro. Eu sei que ela disse que se
lembra de como chegar ao meu lugar, mas eu tenho medo que ela mude
de idéia até lá, então eu espero o carro dela sair na rua e sigo ela até a
minha casa.
Quando chegamos lá, ela sai do carro e, sem dizer nada, se junta
a mim na calçada da frente. Eu abro a porta para ela edeixo ela entrar.
Ela caminha até o meio da sala da frente e para, olhando em volta
brevemente.
— Você colocou um novo piso. — observa ela.
— Sim. E sobre isso desde a última vez que você esteve aqui.
Parei de trabalhar na casa.
— Por quê? — Sua testa franze.
— Bem. — eu começo. — Essa é uma das coisas que eu queria
falar com você.
Eu ofereço-lhe algo para beber. Ela recusa.
— Ainda não há muitos lugares para sentar aqui. — eu admito. —
Mas nós poderíamos ir lá fora.
Sydney me dá um leve aceno de cabeça e me segue até o convés.
Nós nos sentamos no sofá de frente para o lago, assim como fizemos
na primeira vez que a trouxe até aqui. Ela cruza as pernas
primorosamente e dobra as mãos no colo. É claramente um gesto de
proteção, se ela está consciente disso ou não. Está praticamente me
matando para não tocá-la, mas é óbvio que ela não quer que eu faça
isso, então eu me forço esperar por agora.
Sydney não fala nada; ela apenas olha para a água. Eu posso
dizer que ela está esperando por mim para começar a me explicar. E
ela está certa. É hora de eu dizer a ela porque eu a trouxe aqui.
— Sydney. — eu começo, saboreando o nome dela nos meus
lábios. Eu não me permiti dizer desde o dia em que terminei as coisas
com ela. — Eu estava muito zangado com você, depois do que
aconteceu com Devon. — Eu puxo uma respiração. — Eu sei que você
me mandou mensagens, e eu simplesmente não conseguia falar com
você. Eu precisava fazer uma pausa.
— Gunner sabia um pouco do que aconteceu. Ele me disse que
eu estava sendo um idiota quando disse que você e eu terminamos. De
alguma forma, ele sabia que foi eu quem terminou. Ele me disse que eu
estava cometendo um grande erro. Gunner me conhece há muito
tempo, e ele sabe que não tenho muitos motivos para acreditar que os
relacionamentos devam durar. Ah, não por experiência pessoal,
exatamente. — digo, encontrando seu olhar curioso. — Só de ver as
pessoas se traírem e mentirem umas para as outras. — Eu olho para a
água. — Eu sempre dizia a mim mesmo que não cairia na armadilha de
me enganar desse jeito. Eu pensei que estava mais feliz sozinho. Eu não
via o ponto em arruinar a vida decente que eu construíra para mim
mesmo. Eu comprei esta casa para poder viver meus dias aqui. Meu
pedaço de terra. Eu sozinho. Isso era o suficiente.
Eu mudo meu corpo na direção dela. Meus olhos se prendem aos
dela.
— E então eu conheci você.
Eu estendo a mão e pego a mão dela. Por um segundo, acho que
ela vai se afastar, mas ela não faz.
— Eu não sei como você ficou sob minha pele, Sydney. Mas acho
que fui um caso perdido desde a primeira vez que entrei na sua loja. Eu
nunca me apaixonei por ninguém antes. Eu nem percebi que isso estava
acontecendo. — Eu ri baixo na minha garganta. — Um dia, acordei com
você aqui, na minha cama. Eu nunca trouxe ninguém aqui antes. E
percebi que estava apaixonado por você.
Os olhos de Sydney se enchem de lágrimas. Seu lábio inferior
treme. Estou morrendo de vontade de puxá-la em meus braços, beijar
aquele lábio até que pare de tremer, mas sei que ainda não é hora. Eu
ainda tenho que contar a ela o resto.
— Eu não sei como agir, Sydney. — eu continuo rudemente. —
Eu estava fora da minha zona de conforto. Eu passei a maior parte da
minha vida acreditando que o amor é uma mentira que as pessoas
dizem a si mesmas, e aqui eu estava louco por você. Eu acho que no
fundo, meu subconsciente ainda estava procurando uma saída.
Procurando uma maneira de provar que eu estava certo o tempo todo.
Esse amor era um conto de fadas para pessoas estúpidas. E assim, um
dia, cheguei ao café para surpreendê-lo no horário de encerramento. A
porta da frente já estava trancada e olhei para dentro para ver se você
estava lá. E o que eu vi foi você beijando um cara no corredor.
— Você viu isso? — Sydney ofega. — Mas não foi...
— Eu sei, bab.... — eu digo, interrompendo ela. — Obviamente,
sei agora que não era o que parecia. Embora naquele momento eu
achasse que você estava me fazendo de idiota. Eu estava furioso. Eu
comecei a ir embora, mas felizmente descobri que algo não estava
batendo. — Eu respiro fundo e deixo sair. Tempo de confissão. —
Quando instalei essas câmeras na loja, conectei o feed ao meu telefone,
para que pudesse ficar de olho em você por precaução. — Os olhos de
Sydney se arregalam, uma mistura de choque e de raiva. — Eu sei que
deveria ter te dito isso. Estou muito feliz por ter feito isso, porque foi
assim que eu vi o que realmente estava acontecendo com Devon. Mas
eu menti para você. Uma mentira de omissão. — Eu balancei minha
cabeça, com uma gargalhada. — Eu menti para você. Para te proteger.
E eu terminei com você, porque você mentiu para mim. Basicamente,
sou um idiota.
Isso dá uma risada trêmula à Sydney. — Bem. — ela murmura.
— Você tem um ponto ai.
— Eu sei querida. E sinto muito. Por mentir para você, mas
também por como eu agi, por toda a maldita coisa. Quase perdi a
oportunidade de te salvar porque não confiava em você. Eu vi você e
Devon e pensei o pior. — eu digo a ela. — Eu não lhe dei o benefício da
dúvida, mesmo que tudo que eu saiba sobre você deveria ter me dito
para confiar em você. Então, talvez você estivesse certa em não confiar
em mim com toda a sua história. Porque olha o que eu fiz na primeira
vez que vi algo que não entendi. Eu imediatamente acreditei no que eu
queria acreditar. — Eu estendo a minha mão e pego a outra mão dela
na minha. — Mas agora percebo que, para protegê-la, tenho que
confiar em você. E para amar você, tenho que confiar em você. E eu
faço, Sydney. Eu confio em você. Ou pelo menos eu quero. E percebo
que isso está em mim.
— Gavin. — ela sussurra. As lágrimas que ela está segurando
finalmente transbordam. Eu solto uma das mãos dela, em seguida,
alcanço e enxugo os olhos com o polegar. Ela inclina o rosto na minha
palma, beijando-a. Um arrepio profundo corre através de mim ao seu
toque.
— Então, há mais que eu preciso dizer. — digo a ela. Esta parte
me assusta um pouco, e eu quase não digo isso. Mas é a verdade, e é
por isso que a trouxe aqui em primeiro lugar. E eu parei de me segurar
onde Sydney está preocupada. Eu estou indo para quebrar, e se nãoder
certo, que assim seja.
— Depois que as coisas terminaram entre nós, me dispus a
refazer o chão da casa. Eu decidi gastar cada momento livre
trabalhando nas reformas para tirar minha mente de você. A coisa é. —
eu continuo. — Desde que eu estava fazendo o trabalho sozinho, eu
tive um monte de horas sozinho, com nada além de meus pensamentos
para me torturar. — Apesar de tudo, eu sorrio. Aquelas palavras do
bastardo Gunner continuaram voltando para mim, tocando em minha
cabeça com cada quilo do chumbo. Chega que comecei enxergar. E
repensando como eu lidei... bem, praticamente com tudo.
— Quando terminei o chão, decidi fazer uma pausa antes de
começar o próximo projeto. Eu disse a mim mesmo que estava
perdendo o fôlego e precisava respirar. Mas essa não foi a razão.
— O motivo foi porque mesmo que eu não fosse capaz de admitir
isso para mim ainda, esta casa não parecia mais a mesma. — Eu
alcanço e acaricio suavemente uma onda do cabelo de Sydney. — Eu
ainda posso lembrar de você aqui. Aqui no convés de trás, olhando para
o lago. Dormindo na minha cama, as ondas vermelhas do seu cabelo
caindo sobre o travesseiro. Sentada naquela mesa de merda comigo
tomando café da manhã, vestido com nada além de uma das minhas
c...
Meus olhos se prendem aos dela. É isso.
— Eventualmente eu percebi isso. A casa não parecia certa sem
você. E eu não poderia fazer mais nada até saber se você estaria aqui
para compartilhar comigo.
Sydney está me olhando o tempo todo. Quando digo estas últimas
palavras, demora um momento para que ela saiba o que estou dizendo.
Quando ela finalmente entende, ela pisca uma vez e solta um gritinho
de surpresa.
— Gavin! — ela respira. — Você está me pedindo para morar
com você?
— Não imediatamente. Não se você não quiser. — eu digo
devagar. — Mas sim. Eu gostaria que você mudasse, assim que você
estiver confortável com isso. — Eu olho de volta para a casa. — E
enquanto isso, não quero fazer mais nada sem você dizer. Vai ser a sua
casa também, então você deve escolher tudo do jeito que você gosta.
— Meu Deus. — Ela parece levemente chocada. — Ok, não é
assim que eu esperava essa conversa.
— Baby. — eu grito, puxando-a em meus braços. Ela não resiste
e meu coração praticamente sai do meu peito. — Eu não tenho muita
fé em muitas coisas. Mas se há algo que os últimos meses me
ensinaram, é que tenho fé nisso. Em você. E eu acabei perdendo meu
tempo vivendo uma vida sem você. — Eu espero uma batida. — Se está
tudo bem para você, é isso.
Sydney cai na gargalhada, com tanta força que ela bufa um
pouco. Éa coisa mais fofa que já ouvi. — Eu não tenho certeza se vou
ser capaz de me acostumar com o Gavin que realmente pede minha
permissão antes de decidir as coisas. — ela suspira, inclinando-se
contra o meu peito.
— Bem, para ser honesto, eu não tenho certeza se realmente não
aceito uma resposta negativa. — digo a ela. — Mas, ei, pelo menos
estou tentando, certo?
Ela se senta por um segundo e se vira para mim. Seus olhos estão
brilhando novamente, mas desta vez eu posso dizer que as lágrimas são
felizes.
— Eu amo você, Gavin Malone. — ela respira.
— Eu amo você, Sydney Banner.
Eu a beijo longa e profundamente, e de alguma forma acabamos
voltando para dentro de casa, no meu colchão de merda no chão da
sala de estar. Fazemos amor devagar, tomando nosso tempo, e a cada
beijo e carinho que a leva mais perto da borda, digo exatamente como
a amo. Eu mostro a ela Quando eu finalmente deslizo dentro dela, eu
tenho que fechar meus olhos por um segundo, isso é tão bom. Nossos
corpos assumem, tudo caindo, exceto nós dois. Nós nos chegamos ao
clímax, os dois chamando um ao outro, e é fodidamente incrível. Melhor
do que nunca.
E de alguma forma, eu confio eu sei isso só vai melhorar.
Seis Meses Depois

— EI, coisa gostosa! Nós vamos nos atrasar se você não se


apressar. Hawk fechou a garagem cedo por um motivo, você sabe!
— Eu sei, eu sei. Apenas me dê mais alguns minutos. — Gavin
resmunga, olhando para o motor do que ele me diz ser um Corvette de
1963.
— Eu te trouxe uma muda de roupa. — eu digo a ele. — Eu vou
pendurá-las no banheiro para você.
— Obrigado, querida. Você é a melhor.
Olhando para o meu telefone para verificar a hora, eu ando até o
escritório principal para esperar que ele termine. Nós somos os únicos
aqui, desde que o Hawk fechou a loja ao meio-dia de hoje. É um grande
dia para ele e sua pequena família. Hoje é o dia em que Sam e Hawk
oficialmente conseguiram adotar o pequeno Connor. Eles estão
esperando por isso há algum tempo. Eles até foram ao tribunal há
alguns meses e se casaram, então não haveria absolutamente nenhum
problema em ter Connor se tornando seu filho.
— Nenhum de nós se preocupa muito com um pedaço de papel.
— Sam me disse na época. — Nós sabemos que estamos juntos para
sempre, e isso é tudo que importa. Mas nós faremos o que for preciso
para ter certeza de que Connor é nosso, e eu tenho que admitir que é
melhor para seus pais adotivos serem casados. Ele teve muita
instabilidade em sua vida jovem. Ele merece saber que sua família é
sólida e permanente.
Eu ouço o capô do Corvette fechar, e alguns minutos depois
Gavin entra no escritório, todo limpo e vestindo jeans e uma camisa de
botão azul escuro que eu passei para ele esta manhã.
— Droga. — murmuro quando ele coloca os braços em volta de
mim. — É uma coisa boa que você é meu, porque se você não fosse eu
teria que colocar uns movimentos em você.
A gargalhada estrondosa de Gavin me envolve como um casulo
quente. — Sedutora. Você está apenas tentando entrar nas minhas
calças.
— História verdadeira. — eu admito.
— Sorte sua que a bajulação te levará a todos os lugares. — ele
rosna enquanto sua boca desce sobre a minha. Nossas línguas
dançam, e as mãos de Gavin chegam até a minha bunda e puxam meus
quadris para mais perto dele. Através do tecido de seu jeans, sinto a
insistência dura de seu pau e gemo suavemente em sua boca enquanto
me inclino para encontrá-lo. Oh, Deus... é tão bom, como sempre é.
Meus braços esticam para enrolar ao redor de seu pescoço, e Gavin
me levanta até que eu estou descansando contra seu pau dueo, minhas
pernas em volta de sua cintura.
— Ok. — eu suspiro, arrancando minha boca da dele. — Temos
que parar agora, ou acabaremos fazendo sexo na mesa do Hawk.
— Esse é o ponto inteiro. — ele murmura contra o ponto de
pulsação da minha garganta.
— Gavin. — eu dou um gemido. — Não podemos nos atrasar
para isso. É importante para Hawk e Samantha.
Com um gemido de decepção, ele me abaixa e me coloca para
baixo. — Você escolhe os piores momentos para ser racional, querida.
Gavin tranca a loja e vamos para o meu carro, que estamos
usando porque eu estou usando vestido e saltos. Gavin nos leva ao
tribunal e, quando chegamos lá, a maioria das pessoas de Sam e Hawk
já está reunida do lado de fora da sala de audiências. Quase todos os
Lords of Carnage estão lá, vestidos de maneira mais sóbria do que eu
já vi algum deles. Várias old ladys e crianças também estão lá. Sam
parece radiante e feliz enquanto segura o pequeno Connor nos braços.
Ele está vestido com o pequeno terno mais adorável para a ocasião, e
ele está segurando seu cachorrinho de pelúcia, Woof.
Quando chega a hora, todos nós entramos na sala de audiências
e nos sentamos. Sam, Hawk, Connor e seu advogado sentam-se à
mesa de frente para o banco do juiz. Sam se inclina para dizer alguma
coisa para Hawk, e ele coloca o braço em volta dela e a beija
suavemente na testa. É tão doce que fico um pouco chorosa com a
visão, e quando eu fungo suavemente, Gavin olha para mim e
carinhosamente pega minha mão.
A juíza entra na sala alguns minutos depois, e ela parece
momentaneamente um pouco surpresa com quantas pessoas estão no
meio para testemunhar a adoção de Connor. — Bem. — ela observa
quando ela toma seu lugar. — Parece que essa família tem muito apoio
e amor por vocês. Esse é um sinal muito bom. Estou feliz em ver isso.
A adoção real se passa sem problemas. O juiz analisa a papelada
e pede que Samantha e Hawk se apresentem e testifiquem por que essa
adoção deve ocorrer. A voz de Samantha treme com emoção um pouco
enquanto ela dá seu testemunho, e eu não a culpo. Eu estou lutando
para conter as lágrimas o tempo todo. Mas é o testemunho de Hawk
que me envia ao limite.
— Minha honra. — diz ele depois que ele declarou seu nome. —
Connor é o menino mais doce e mais amoroso do mundo. Ele merece
os melhores pais que existem. Sou um homem simples e não pretendo
ser perfeito. Mas eu amo esse garotinho com todo meu coração. Eu
farei o meu melhor todos os dias da minha vida para ter certeza de que
ele sabe que ele é amado e querido por sua mãe e seu pai. E quaisquer
fraquezas ou defeitos que eu possa ter, qualquer coisa que eu possa
fazer, minha esposa Samantha vai compensar por eles, porque ela é a
melhor mãe que eu já vi.
Antes que eu possa pará-lo, um pequeno soluço escapa da minha
garganta. As lágrimas que eu tenho lutado de volta caem pelas minhas
bochechas, e eu busco na minha bolsa por um lenço de papel. Ao meu
lado, Gavin ri baixinho e coloca um braço terno em volta dos meus
ombros.
No final da audiência, o juiz assina o decreto de adoção. A
pequena família é fotografada com o juiz. Sam e Hawk recebem cópias
da papelada para levar para casa. E então, apenas assim, está feito.
Connor é agora Connor McCullough, o filho de Hawk e Samantha
McCullough.
— Parabéns, Sam e Hawk! — Eu choro em voz vacilante quando
estamos todos de volta no saguão, cercando a nova família. — E
Connor também!
— Obrigado! — o pequeno Connor diz. — Eu fui adotado agora!
— Sim, você foi, garotinho. — Hawk ronca. Até a voz dele é um
pouco rouca de emoção.
— Sam. — diz Jenna, cortando a multidão. — Nós vamos voltar
para o seu lugar para preparar as coisas para a festa. Você precisa de
mim para pegar qualquer coisa de última hora no caminho?
— Não, acho que já temos tudo lá. — responde Sam. — Ah, mas
você poderia deixar Woof no quintal quando chegar lá? Espero que ele
gaste alguma energia antes que as pessoas venham.
Woof, a versão da vida real do cachorrinho de Connor, é uma
mistura de pastores que veio da ninhada de Geno, o cachorro de Molly.
Sam e Hawk obtiveram Woof por Connor não muito tempo depois que
ele veio morar com eles, e os dois são inseparáveis.
— Vou fazer. Parabéns, mamãe. — Jenna diz, apertando o ombro
de Sam.
— Obrigada, querida! — Sam sorri para ela. — Este é um bom
dia bom.

***
DE VOLTA À CASA DE HAWK e Sam, a festa dura o resto do dia e só
acaba quando chega a hora de as crianças caírem na cama. Um por
um, as pessoas parabenizam Sam e Hawk novamente e partem,
deixando apenas alguns de nós sentados no pátio dos fundos ao luar.
— As old ladys realmente se superaram hoje. — diz Gavin
enquanto ele dá um tapinha no estômago, referenciando toda a comida
que fizemos em preparação para o grande dia.
Eu balanço minha cabeça e rio. — Eu não tenho certeza se vou
me acostumar com você me chamando de sua old lady. — eu digo,
franzindo o nariz para ele.
Jenna fala. — Eh. Eventualmente, começa a soar diferente. Doce
mesmo. Para mim, de qualquer maneira. Além disso. — ela bufa. — Um
dia desses, na verdade, serei velha e então se encaixará. Até lá, estou
bem com isso.
Já é hora de sairmos, mas não quero deixar Sam com um
desastre na cozinha, então peço a Jenna que me ajude a limpar as
coisas. Então os último de nós diz boa noite para a pequena família, e
Gavin e eu dirigimos para casa do lago.
— Você está cansada, querida? — Ele me pergunta enquanto
seguimos pela calçada da frente, seu ar ao meu redor.
— Um pouco. — eu digo: — Mas eu não quero ir para a cama
ainda.
— Bom. — diz ele. — Porque há algo que eu quero te mostrar.
Ele abre a porta e acende as luzes. Na sala principal, as paredes
recém pintadas são banhadas em um brilho dourado. A mobília
aconchegante que escolhi faz a sala parecer especialmente convidativa
hoje à noite. Tudo aqui está todo terminado, exceto por uma coisa:
nosso colchão ainda está lá, deitado em frente à lareira até que a nova
mobília do quarto seja montada amanhã.
Gavin pega minha mão e me leva para o sofá. Sento-me e espero
que ele vá para outro quarto e volte com alguns pedaços de papel.
— O que é isso? — Eu pergunto quando ele as entrega para mim.
Franzindo a testa, eu olho para os desenhos na folha de cima. É um
diagrama, e só me leva um segundo para reconhecer que parte dele é
a planta da nossa casa. Mas há outra peça adicionada, de um lado.
— Agora que a maior parte do trabalho na parte principal da casa
está feita. — diz ele, sentando-se ao meu lado. — Percebi que é hora
de pensar em uma adição.
São dois andares e transformaríamos nosso quarto em uma suíte
master e acrescentariam três outros quartos.
— Eu comprei este lugar só para mim originalmente. — continua
Gavin. — Eu nunca pensei que precisaria de mais espaço, com apenas
um quarto e a área principal com a cozinha ao lado da sala. Mas,
obviamente, eu estava errado. — ele ri, me puxando para o seu colo.
— Eu quero que este seja um lugar onde possamos estar por muito
tempo. Talvez para sempre. — ele me diz. — Você. Eu. Nossos filhos.
— Filhos? — Meu coração começa a flutuar. Nós nunca falamos
sobre isso antes.
— Sim. Crianças. — ele sorri. Quero dizer, eu tenho que admitir,
ter uma família minha não era algo que eu sequer considerei. Eu com
certeza nunca me imaginei como um treinador ou líder de uma tropa de
escoteiros. Gavin chega a acariciar meu queixo com o polegar. — Mas
acontece que houve muitas coisas que eu nunca considerei antes de te
conhecer.
— Gavin. — eu começo, meus olhos se enchendo de lágrimas
pela segunda vez naquele dia. Eu tento dizer mais, mas minha garganta
se fecha.
— Baby. Você quer filhos, não é?
Eu rio com o rosto molhado. — Sim. Claro. Mas acho que não
pensei... não sei. Eu não achei que você quisesse, por algum motivo.
— Eu quero tudo com você, Sydney. — ele diz. — Tudo. Quinze
filhos fodidos. Uma casa cheia de loucura. A coisa toda.
As lágrimas começam a escorrer pelo meu rosto. Eu estou
sorrindo como um idiota. — Eu não sei sobre quinze filhos, Gavin, mas
talvez pudéssemos começar com... um?
— Você dirige uma barganha difícil, querida, mas é uma. — Ele
beija minhas bochechas molhadas, uma a uma, e me puxa com força.
— Eu te amo baby.
— Eu amo você, Gavin. — eu sussurro. Então, de repente, estou
no ar, em seus braços fortes. Eu solto um guincho de surpresa.
— O que você está fazendo? — Eu choro quando ele me carrega
pela sala.
— Você disse que poderíamos começar com um. — ele
responde. — Então vamos começar.
Gavin me coloca no colchão e se move sobre mim. — Esta é a
última vez que vamos foder neste colchão. — ele raspa abarba no meu
pescoço. — Nós devemos ter algum tipo de cerimônia para isso.
— A última vez? — Eu pretendo fazer beicinho. — Eu pensei que
você disse que queria tentar um bebê, Malone. Temos quase doze
horas até os caras da mobília chegarem aqui. Onde está seu senso de
compromisso?
Gavin morde o lóbulo da minha orelha, enviando um arrepio
através do meu corpo. Meus braços vão ao redor de seu pescoço e
arqueio minha cabeça para trás. Eu me agarro a ele com força, meu
corpo já se rendendo ao seu toque. Seus lábios encontram o ponto
sensível logo atrás da minha orelha, e alcanço seu cabelo escuro e puxo
com força. Ele está usando mais comprido, e eu amo o jeito que é
passar os dedos por ele.
— Eu não posso esperar até que você esteja grávida e sua barriga
fique toda grande com o meu bebê. — ele rosna. — Isso vai ser tão
gostoso.
Seus lábios viajam até a minha pele, até a cavidade da minha
garganta, e está fazendo minhas pernas parecerem gelatina. — Você
tem roupas demais. — ele reclama. Alcançando atrás de mim, ele
encontra o zíper no meu vestido e puxa para baixo em um movimento
fluido. Eu solto o pescoço dele e deixo ele puxar para baixo até minha
cintura. Ele leva um longo momento para olhar para mim com meu sutiã
de renda. — Foda-se, você é linda. — ele me diz. Ele desfaz o fecho
nas costas e puxa-o de mim, em seguida, coloca um dos meus seios
em sua mão. Ele aperta o mamilo suavemente e eu respiro fundo e fecho
os olhos. Então seus lábios quentes começam a provocar e chupar, e
uma antecipação latejante começa a se construir entre as minhas
pernas.
— Você sabe. — ele diz conversando enquanto se move para o
outro seio. — Que eu estive pensando o dia todo sobre o que eu queria
fazer com você quando chegássemos em casa?
— Não. — eu começo a ofegar, meu corpo endurecendo com
antecipação. — Eu não sabia disso.
— Eu estive pensando em mergulhar meu rosto entre suas pernas
e lamber sua buceta. — ele me diz, e me deita na cama. — Eu fiquei
duro como uma rocha durante toda a cerimônia de adoção.
— Oh, meu Deus, Gavin! — Eu rio quando ele puxa minha saia e
eu levanto meus quadris paraajudar a tirar. — Isso é terrível!
— Nenhum tribunal do país iria me condenar. — ele murmura,
deslizando um dedo por baixo do tecido fino da minha calcinha e
encontrando a umidade lá. Eu ofego quando ele roça meu clitóris,
usando minha própria umidade para me provocar, então puxa seus
dedos para longe e suga meus sucos. — Porra. Estou tão duro agora
que estou prestes a vir no meu jeans, Sydney. Mas eu vou conseguir
me segurar de alguma forma, porque agora eu preciso que você foda
minha língua.
Ele está fora do colchão, puxando primeiro camisa e depois a
calça jeans, e então ele está de pé em cima de mim, sua impressionante
ereção balançando na luz. Quero ajoelhar-me, levar na minha boca,
mas sei que quando o meu homem decide o que quer, não há como
discutir com ele. Em vez disso, ele desliza para baixo entre as minhas
pernas e as espalha bem. Ele beija meus lábios inferiores e eu
estremeço. Sua língua me provoca, mal me tocando, e eu gemo.
— Gavin, por favor. — eu sussurro. — Não me faça esperar.
— Gananciosa. — ele ronca e morde a pele sensível da parte
interna da coxa. — Eu amo que você seja gananciosa.
Eu abro minha boca para dar-lhe uma resposta inteligente, mas
então sua língua está deslizando entre meus lábios, encontrando meu
clitóris, e eu congelo e empurro em direção a sua boca. Ele me lambe
em círculos lentos, sabendo exatamente quanta pressão fazer para me
deixar louca de necessidade. Eu me ouço começar a choramingar,
meus punhos agarrando os lençóis. As mãos de Gavin seguram minhas
coxas, me puxando para mais perto dele, e então sua língua mergulha
dentro de mim, me provando como se eu fosse deliciosa e ele não
pudesse ter o suficiente de mim. Ele para e desliza e começa a girar sua
língua em volta do meu clitóris novamente, e agora eu estou tão
desesperada que eu estou praticamente levantando meu corpo inteiro
inferior para fora do colchão.
— Gavin, oh, Deus...
Gavin envolve sua boca em torno do meu clitóris então, chupando
suavemente, meu corpo fica rígido porque é tão bom e eu quero gozar
agora, mas eu nunca quero que ele pare, e então, ele agita sua língua
bem ali e eu gozo, um profundo e intenso orgasmo que sacode todo o
meu corpo e faz minhas coxas tremerem incontrolavelmente.
Eu ainda estou chegando quando sinto Gavin mudar e se
posicionar acima de mim. Ele desliza a cabeça ardente de seu pau
contra meus lábios inferiores e meu clitóris sensível, e é quase demais,
mas é tão, tão bom.
Ele empurra na minha entrada, e eu respiro fundo quando sinto a
espessura dura dele me preencher. Ele continua indo, cada vez mais
fundo, até chegar ao máximo, e mesmo que seja um pouquinho
doloroso no começo, também parece tão bom, tão certo. Ele pega um
travesseiro e levanta meus quadris para que ele possa colocá-lo
embaixo de mim, e o ângulo é um pouco diferente desse jeito, um pouco
mais apertado, mas ele também pode ficar ainda mais fundo assim.
— Porra, Sydney. — ele geme. — Jesus, porra, você se sente
bem. Eu vou entrar em você, querida. Vou revestir você com a minha
porra e vamos fazer um bebê, e ela vai parecer com você.
Então ele está empurrando, ambas as mãos enormes segurando
meus quadris e me puxando em direção a ele enquanto ele dirige para
dentro de mim. Ele está indo tão fundo que ele está batendo neste ponto
que está fazendo algo incrível para mim e eu gemo e estou gritando sim,
sim, a cada impulso, e então Gavin solta com uma mão e desliza o
polegar pelo meu clitóris sensível e tudo quebra Quando venho uma
segunda vez uma fração de segundo depois, ele ruge e explode dentro
de mim.
Eu ainda estou tremendo quando Gavin puxa o travesseiro
debaixo de mim e me puxa para cima, então nos coloca ambos para
baixo, com ele ainda dentro de mim. Ele devora minha boca, nós dois
ainda respirando pesadamente, nossos corações correndo ao lado do
outro.
— Uau. — eu ofego. — Então é isso que 'tentar fazer um bebê'.
— Eu acho que sim. — ele concorda. — Eu gosto disso.
— Gavin. — eu sussurro. — Você tem certeza?
— Certeza de quê? — Ele desloca o corpo ligeiramente para olhar
para mim.
— Certeza que você quer começar uma família comigo?
— Sim. Eu tenho. — Ele me puxa para mais perto e solta um
suspiro profundo. — Eu estou mais que certo. Não precisa acontecer
imediatamente. Mas estou pronto para isso. Eu não costumava pensar
no futuro antes de te conhecer, Sydney. Mas agora que o futuro tem
você nele, eu não posso esperar que chegue aqui. — Gavin ri. — Eu
não estava brincando quando disse que queria ver você como uma
mulher grávida atrevida e sexy. E como a mãe de todos os meus filhos.
E diabos, quero te ver como uma old lady de cabelos grisalhos. Eu quero
tudo isso.
— Eu também quero isso. — eu respiro. — Exceto talvez não a
parte em que sou grisalha e velha.
Ele ri e beija meu cabelo. — Você vai ser uma velhinha sexy,
querida. Eu garanto isso.
Eu me aconchego contra o peito dele e fecho os olhos, tentando
imaginar como será Gavin quando não formos apenas pais, mas avós.
Uma onda de amor e gratidão me atinge, tão forte que quase me tira o
fôlego. Não posso acreditar que posso passar minha vida inteira com
esse homem, esse homem lindo, sexy, amoroso e complicado. Que eu
tenha ele como pai dos meus filhos e o avô dos meus netos.
É tudo que eu nunca soube que queria. E muito mais.