Você está na página 1de 11

This Text was translated from Portuguese into English through the GOOGLE Translator

Brazilian Hypocrisy – Queiroz x COAF x Privileged Fórum

The News "Fux suspends investigation on Queiroz financial movement"”,


http://agenciabrasil.ebc.com.br/justica/noticia/2019-01/fux-suspende-investigacao-sobre-
movimentacoes-de-queiroz, shows us how HYPOCRIT is the Brazilian Judicial Branch,
nevertheless represented by the Excellency Minister of the STF - Supreme Federal Court,
mr. luiz fux, since, contrary to the Constitution of the Federative Republic of Brazil, Law
No. 9,613, of March 3, 1998, and COMPLEMENTARY LAW No. 105, OF JANUARY 10,
2001, recognizes that the information, restricted to a Common Citizen, mr. fabrício queiroz, in
accordance with Constitutional, and Infraconstitutional Law, are under the "Constitutional
Guarantee" of the Privileged Forum, for only and only during the investigations have it been
identified that the "investigated" was an Advisor to a former Federal Deputy, and current
Senator "Diplomate.

After all, the Constitution of the Federative Republic of Brazil, alone and only, does NOT
guarantee the inviolability of "secrecy", in the form that the law establishes for purposes of
criminal investigation or criminal procedural instruction, which, in a rich and clear way,
precludes any investigation of the "secrecy" Crimes of "Washing" or Concealment of
Goods, Rights and Values. (Art. 5º, XII)

After all, LAW No. 9.613, of March 3, 1998, only and only, determines that COAF
must identify, indications of Crimes of "Washing" or Concealment of Goods, Rights and
Values, from the receipt of specific information, and mandatory, without being made aware
of such act to any person, so that it can draw up a list of operations that typify suspicious
occurrences, which should be made available to the regulatory and supervisory bodies,
for the establishment of appropriate procedures. (Art. 1º, Art. 9º, XIV, c, Art. 11, I, II, II,
§1º, § 2º § 3º, Art. 14, §1º, § 2º § 3º, Art. 15, Art. 17-A, Art. 17-B, Art. 17-C).

After all, COMPLEMENTARY LAW No. 105, OF JANUARY 10, 2001, only and only, in
a rich and clear way, excludes the "secrecy", of communication to the competent
authorities, of any information on operations involving resources derived from any criminal
practice (in accordance with the Constitution and Law No. 9.613, including INDICATIONS).

In view of the above, due to the RADICAL attitude of the "Diplomate" Senator, with a
mandate to start in February 2019, mr. flávio bolsonaro, which until then had claimed not to
have to give explanations, and therefore, can, and should, by some like me, be interpreted
as DESPERATE attitude, as well as, the fact that he did not, as a witness, testify in the
investigation of the origin of the "suspicions of financial transactions" fabrício queiroz, also, I
can, and should, recognize, in this attitude, at least, its presumed, portion of BLAME.

In view of the news "Queiroz-Bolsonaro case: Marco Aurélio says that Fux's
decision is 'going to waste'", https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/380780/Caso-Queiroz-
Bolsonaro-Marco-Aur%C3%A9lio-diz-que-decis%C3%A3o-de-Fux-vai-%27ao-lixo%27.htm, i
can say, without fear of error, that my interpretations, although of a LAW, go to the
MEETING of Constitutional Law, and Infraconstitutional, and for this reason, I
unfortunately see ratified the HYPOCRISIA in the Brazilian Judicial Branch, represented by
the Excellency Minister of the STF - Federal Supreme Court, mr. luiz fux, which is why we
constantly experience Decisions to be CANCELED by Decisions CONTRARY, issued by
Members of the STF - Supreme Federal Court.

This situation refers to the decision of HC131033 - Habeas Corpus, in favor of


INNOCENT (considered by me), Mr. Henrique Pizzolato, who, after only 639 days of the
issuance of the Declaration of :

• as your JUDGMENT:
"
The First Panel of the Federal Supreme Court, in conformity with the minutes of
the 26/05 to 1/6/2017 virtual judgment, by majority, converted the embargoes of
declaration into regimental aggravation and deprived it, under the terms of the
vote of the Rapporteur, the Minister Marco Aurélio.
"
• as DISCOVERING VOTE:
"
THE LORD MINISTER MARCO AURÉLIO - As I am expressing myself, I believe
that the conversion of declaratory declarations into regimental aggravation is
unacceptable under the Civil Procedure Code of 1973. Any and all judicial
pronouncement, with decision-making capacity, whether individual or of
Collegiate, defies the embargos of declaration. I share about conversion.
Alongside this aspect, the habeas corpus is constitutional action aimed at
preserving the freedom of the citizen to come and go. The process that the
vehicle, properly equipped, must be submitted to the Collegiate Judgment. It is
appropriate to observe both the provisions of Article 21 of the Rules of
Procedure, in which it indicates that the rapporteur may refuse to respond to a
manifestly unfounded request, either Article 932 of the Code of Civil Procedure.
Provided the grievance for the habeas corpus to be sequenced.

Regards,
Plinio Marcos Moreira da Rocha
Rua Gustavo Sampaio nº112 apto. 603 – LEME – Rio de Janeiro – RJ – Brasil
Tel. Cel. +55 21 9 8618-3350
In the Constitution of the Federative Republic of Brazil of 1988, it is stated:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm

TITLE II
ABOUT FUNDAMENTAL RIGHTS AND GUARANTEES
CHAPTER I
OF INDIVIDUAL AND COLLECTIVE RIGHTS AND DUTIES

Art. 5º Everyone is equal before the law, without distinction of any kind, guaranteeing to
Brazilians and foreigners residing in Brazil the inviolability of the right to life, liberty, equality,
security and property, as follows:

XII - the secrecy of correspondence and telegraphic communications, data and telephone
communications is inviolable, except in the latter case, by judicial order, in the cases and in
the form established by law for the purpose of criminal investigation or criminal
procedure;

In COMPLEMENTARY LAW No. 105, OF JANUARY 10, 2001, Provides for the secrecy of
operations of financial institutions and provides other measures, including:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/LCP/Lcp105.htm

Art. 1º Financial institutions shall maintain confidentiality in their active and passive operations
and services rendered.

§ 3 Does not constitute a breach of the duty of secrecy:

IV - communication to the competent authorities of criminal or administrative offenses,


covering the provision of information on operations involving resources arising from any
criminal practice;
In Law No. 9,613, of March 3, 1998, which provides for crimes of "laundering" or concealment
of assets, rights and values; the prevention of the use of the financial system for illicit activities
provided for in this Law; creates the Financial Activities Control Council - COAF, and makes
other provisions, as amended by Law No. 12,683, of July 9, 2012, which amends Law No.
9,613 of March 3, 1998, to render more efficient the criminal prosecution of crimes of money
laundering consists of:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9613.htm

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12683.htm#art2

CHAPTER I

Of Crimes of "Washing" or Concealment of Goods, Rights and Values

Art. 1º - Hide or disguise the nature, origin, location, disposition, movement or property of
assets, rights or values arising, directly or indirectly, from a criminal offense.

CHAPTER V

OF PERSONS SUBJECT TO THE CONTROL MECHANISM

Art. 9º - Subject to the obligations referred to in arts. 10 and 11 the natural and juridical
persons that have, permanently or incidentally, as main or ancillary activity, cumulatively or
not:

XIV - natural or legal persons who provide, even if necessary, advisory, consultancy,
accounting, auditing, advisory or assistance services of any nature in operations

c) opening or managing bank, savings, investment or securities accounts;

CHAPTER VII

From the Financial Operations Communication

Art. 11. The persons referred to in art. 9th:

I - shall pay special attention to operations that, according to instructions issued by the
competent authorities, may constitute serious indications of the crimes provided for in this
Law or relate to them;

II - they shall inform the Coaf, failing to inform any person, including the one to whom the
information refers, within 24 (twenty four) hours, of the proposal or accomplishment:

III - shall notify to the regulatory or supervisory body of their activity or, in their absence, to the
Coaf, at the periodicity, form and conditions established by them, the non-occurrence of
proposals, transactions or operations that may be communicated under the terms of
subsection II.
§ 1º The competent authorities, in the instructions referred to in item I of this article, shall
prepare a list of operations that, due to their characteristics, with respect to the parties
involved, values, form of performance, instruments used, or lack of economic or legal
grounds , can configure the hypothesis provided for therein.

§ 2º - Bona fide communications, made in the manner set forth in this article, shall not entail
civil or administrative liability.

§ 3º - The Coaf shall make available the communications received based on item II of the
caput to the respective bodies responsible for the regulation or supervision of the
persons referred to in art. 9º.

CHAPTER IX

From the Financial Activities Control Board

Art. 14. The Council for the Control of Financial Activities (COAF) is hereby created
within the scope of the Ministry of Justice and Public Security, with the purpose of
disciplining, administering administrative penalties, receiving, examining and identifying
suspicious occurrences of illegal activities Law, without prejudice to the competence of other
organs and entities.

§ 1º The instructions referred to in art. 10 for the persons mentioned in art. 9, for which there is
no proper supervisory or regulatory body, shall be issued by the COAF, in which case the
definition of the persons covered and the application of the sanctions listed in art. 12.

§ 2º The COAF shall also coordinate and propose mechanisms for cooperation and exchange
of information that will enable rapid and efficient actions in the fight against concealment or
concealment of assets, rights and values.

§ 3º The COAF may request from the organs of the Public Administration the bank and
financial information of persons involved in suspicious activities.

Art. 15. The COAF shall notify to the competent authorities for the establishment of the
appropriate procedures, when it concludes for the existence of crimes foreseen in this Law,
of well-founded indications of its practice, or of any other illicit.
CHAPTER X

GENERAL PROVISIONS

Art. 17-A. The provisions of Decree-Law no. 3.689, of October 3, 1941 (Code of Criminal Procedure),
shall apply, in the alternative, http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Decreto-Lei/Del3689.htm , insofar as they
are not incompatible with this Law.

Art. 17-B. The police authority and the Public Prosecutor's Office shall have access exclusively to the
data of the investigated person who reports personal qualification, affiliation and address, regardless of
judicial authorization, maintained by the Electoral Court, telephone companies, financial institutions,
internet service providers and credit card companies.

Art. 17-C. The referrals of financial and tax institutions in response to judicial orders for breach or
transfer of secrecy shall be, whenever determined, in a computerized environment, and presented in
archives that enable the migration of information to the proceedings of the process without retyping.
Original in Portuguese

Hipocrisia Brasileira – Queiroz x COAF x Foro Privilegiado

A notícia “Fux suspende investigação sobre movimentações de Queiroz”,


http://agenciabrasil.ebc.com.br/justica/noticia/2019-01/fux-suspende-investigacao-sobre-
movimentacoes-de-queiroz, nos apresenta o quão HIPÓCRITA é o Poder Judiciário
Brasileiro, ora representado pelo excelentíssimo Ministro do STF – Supremo Tribunal
Federal, sr. luiz fux, uma vez que, contrariando a Constituição da República Federativa do
Brasil, a LEI Nº 9.613, DE 3 DE MARÇO DE 1998, e a LEI COMPLEMENTAR Nº 105,
DE 10 DE JANEIRO DE 2001, reconhece que as informações, restritas, a um Cidadão
Comum, Sr. Fabrício Queiroz, em conformidade com o Direito Constitucional, e
Infraconstitucional, estão sob a “Garantia Constitucional” do Foro Privilegiado, por apenas e
tão somente, durante as investigações, se ter identificado que o “investigado”, foi Assessor de
um ex-Deputado Federal, e atual Senador “Diplomado.

Afinal, a Constituição da República Federativa do Brasil, apenas e tão somente,


NÃO garante a inviolabilidade do “sigilo”, na forma que a lei estabelecer para fins de
investigação criminal ou instrução processual penal, o que, de forma rica, e clara, exclui
qualquer investigação dos Crimes de "Lavagem" ou Ocultação de Bens, Direitos e
Valores, do citado “sigilo”. (Art. 5º, XII)

Afinal, a LEI Nº 9.613, DE 3 DE MARÇO DE 1998, apenas e tão somente, determina


que o COAF deverá Identificar, indícios dos Crimes de "Lavagem" ou Ocultação de Bens,
Direitos e Valores, a partir do recebimento de informações específicas, e obrigatórias, sem
que seja dada ciência de tal ato a qualquer pessoa, para que possa elaborar relação de
operações que tipifiquem ocorrências suspeitas, que deverão ser disponibilizados aos
Órgãos responsáveis pela regulação e fiscalização, para a instauração dos
procedimentos cabíveis. (Art. 1º, Art. 9º, XIV, c, Art. 11, I, II, II, §1º, § 2º § 3º, Art. 14, §1º, §
2º § 3º, Art. 15, Art. 17-A, Art. 17-B, Art. 17-C).

Afinal, a LEI COMPLEMENTAR Nº 105, DE 10 DE JANEIRO DE 2001, apenas e tão


somente, de forma rica, e clara, exclui o “sigilo”, de comunicação às autoridades
competentes, de qualquer informação sobre operações que envolvam recursos provenientes
de qualquer prática criminosa (em conformidade à Constituição e a Lei Nº 9.613, inclusive
INDÍCIOS).

Em função do acima exposto, em função da atitude RADICAL, do Senador


“Diplomado”, com mandato a se iniciar em Fevereiro de 2019, sr. flávio bolsonaro, que até
então, afirmava não ter que dar explicações, e por isso, pode, e deve, por alguns como Eu,
ser interpretada como atitude DESESPERADA, bem como, o fato de que, ainda, não
prestou depoimento, em oitiva, como testemunha, nas investigações da origem da
“suspeitas movimentações financeiras’ do sr. fabrício queiroz, também, posso, e devo,
reconhecer, nesta atitude, no mínimo, uma sua presumível, parcela de CULPA.
Tendo em vista a notícia “Caso Queiroz-Bolsonaro: Marco Aurélio diz que decisão
de Fux vai 'ao lixo'”, https://www.brasil247.com/pt/247/brasil/380780/Caso-Queiroz-
Bolsonaro-Marco-Aur%C3%A9lio-diz-que-decis%C3%A3o-de-Fux-vai-%27ao-lixo
%27.htm , posso afirmar, sem medo de errar, que minhas interpretações, embora de um
LEIGO, vão AO ENCONTRO do Direito Constitucional, e Infraconstitucional, e por
isso, vejo, infelizMENTE, ratificada a HIPOCRISIA no Poder Judiciário Brasileiro, ora
representada pelo excelentíssimo Ministro do STF – Supremo Tribunal Federal, sr.
luiz fux, razão pela qual, constantemente, vivenciamos Decisões serem ANULADAS
por Decisões contrárias, emitidas por Integrantes do STF – Supremo Tribunal
Federal.

Esta situação me remete à Decisão do HC131033 – Habeas Corpus, por mim


impetrado, a favor do INOCENTE (considerado por mim), Sr. Henrique Pizzolato, que, apenas
e tão somente, após 639 dias, de emissão dos Embargos de Declaração, teve:
 como seu ACÓRDÃO:

A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal, na conformidade da ata de
julgamento virtual de 26/05 a 1°/6/2017, por maioria, converteu os embargos de
declaração em agravo regimental e o desproveu, nos termos do voto do Relator,
vencido o Ministro Marco Aurélio.

 como VOTO Discordante:

O SENHOR MINISTRO MARCO AURÉLIO – Conforme venho me pronunciando,
entendo ser incabível, na regência do Código de Processo Civil de 1973, a
conversão dos declaratórios em agravo regimental. Todo e qualquer
pronunciamento judicial, com carga decisória, seja individual ou de Colegiado,
desafia os embargos de declaração. Divirjo quanto à conversão. A par deste
aspecto, o habeas corpus é ação constitucional voltada a preservar a liberdade
de ir e vir do cidadão. O processo que o veicule, devidamente aparelhado, deve
ser submetido ao julgamento de Colegiado. Descabe observar quer o disposto
no artigo 21 do Regimento Interno, no que revela a possibilidade de o relator
negar seguimento a pedido manifestamente improcedente, quer o artigo 932 do
Código de Processo Civil. Provejo o agravo para que o habeas corpus tenha
sequência.


Atenciosamente,
Plinio Marcos Moreira da Rocha
Rua Gustavo Sampaio nº112 apto. 603 – LEME – Rio de Janeiro – RJ – Brasil
Tel. Cel. +55 21 9 8618-3350

Na Constituição da República Federativa do Brasil de 1988, consta:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm
TÍTULO II
DOS DIREITOS E GARANTIAS FUNDAMENTAIS
CAPÍTULO I
DOS DIREITOS E DEVERES INDIVIDUAIS E COLETIVOS

Art. 5º Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e
aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à
segurança e à propriedade, nos termos seguintes:

XII - é inviolável o sigilo da correspondência e das comunicações telegráficas, de dados e das


comunicações telefônicas, salvo, no último caso, por ordem judicial, nas hipóteses e na forma que a lei
estabelecer para fins de investigação criminal ou instrução processual penal;

Na LEI COMPLEMENTAR Nº 105, DE 10 DE JANEIRO DE 2001, Dispõe sobre o sigilo das


operações de instituições financeiras e dá outras providências, consta:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/LCP/Lcp105.htm

Art. 1o As instituições financeiras conservarão sigilo em suas operações ativas e passivas e serviços prestados.

§ 3o Não constitui violação do dever de sigilo:

IV – a comunicação, às autoridades competentes, da prática de ilícitos penais ou administrativos,


abrangendo o fornecimento de informações sobre operações que envolvam recursos provenientes de
qualquer prática criminosa;
Na LEI Nº 9.613, DE 3 DE MARÇO DE 1998, que Dispõe sobre os crimes de "lavagem" ou
ocultação de bens, direitos e valores; a prevenção da utilização do sistema financeiro para os
ilícitos previstos nesta Lei; cria o Conselho de Controle de Atividades Financeiras - COAF, e
dá outras providências, alterada pela LEI Nº 12.683, DE 9 DE JULHO DE 2012, que Altera a
Lei no 9.613, de 3 de março de 1998, para tornar mais eficiente a persecução penal dos
crimes de lavagem de dinheiro consta:

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/L9613.htm

http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12683.htm#art2

CAPÍTULO I

Dos Crimes de "Lavagem" ou Ocultação de Bens, Direitos e Valores

Art. 1o Ocultar ou dissimular a natureza, origem, localização, disposição, movimentação ou propriedade de


bens, direitos ou valores provenientes, direta ou indiretamente, de infração penal.

CAPÍTULO V

DAS PESSOAS SUJEITAS AO MECANISMO DE CONTROLE

Art. 9o Sujeitam-se às obrigações referidas nos arts. 10 e 11 as pessoas físicas e jurídicas


que tenham, em caráter permanente ou eventual, como atividade principal ou acessória,
cumulativamente ou não:

XIV - as pessoas físicas ou jurídicas que prestem, mesmo que eventualmente, serviços de assessoria,
consultoria, contadoria, auditoria, aconselhamento ou assistência, de qualquer natureza, em
operações

c) de abertura ou gestão de contas bancárias, de poupança, investimento ou de valores


mobiliários;

CAPÍTULO VII

Da Comunicação de Operações Financeiras

Art. 11. As pessoas referidas no art. 9º:

I - dispensarão especial atenção às operações que, nos termos de instruções emanadas das autoridades
competentes, possam constituir-se em sérios indícios dos crimes previstos nesta Lei, ou com eles relacionar-
se;

II - deverão comunicar ao Coaf, abstendo-se de dar ciência de tal ato a qualquer pessoa, inclusive àquela à
qual se refira a informação, no prazo de 24 (vinte e quatro) horas, a proposta ou realização:

III - deverão comunicar ao órgão regulador ou fiscalizador da sua atividade ou, na sua falta, ao Coaf, na
periodicidade, forma e condições por eles estabelecidas, a não ocorrência de propostas, transações ou
operações passíveis de serem comunicadas nos termos do inciso II.

§ 1º As autoridades competentes, nas instruções referidas no inciso I deste artigo, elaborarão relação de
operações que, por suas características, no que se refere às partes envolvidas, valores, forma de realização,
instrumentos utilizados, ou pela falta de fundamento econômico ou legal, possam configurar a hipótese nele
prevista.

§ 2º As comunicações de boa-fé, feitas na forma prevista neste artigo, não acarretarão responsabilidade civil
ou administrativa.

§ 3o O Coaf disponibilizará as comunicações recebidas com base no inciso II do caput aos respectivos órgãos
responsáveis pela regulação ou fiscalização das pessoas a que se refere o art. 9o.

CAPÍTULO IX

Do Conselho de Controle de Atividades Financeiras

Art. 14. Fica criado, no âmbito do Ministério da Justiça e Segurança Pública, o Conselho de Controle de
Atividades Financeiras - COAF, com a finalidade de disciplinar, aplicar penas administrativas, receber,
examinar e identificar as ocorrências suspeitas de atividades ilícitas previstas nesta Lei, sem prejuízo da
competência de outros órgãos e entidades.

§ 1º As instruções referidas no art. 10 destinadas às pessoas mencionadas no art. 9º, para as quais não exista
órgão próprio fiscalizador ou regulador, serão expedidas pelo COAF, competindo-lhe, para esses casos, a
definição das pessoas abrangidas e a aplicação das sanções enumeradas no art. 12.

§ 2º O COAF deverá, ainda, coordenar e propor mecanismos de cooperação e de troca de informações que
viabilizem ações rápidas e eficientes no combate à ocultação ou dissimulação de bens, direitos e valores.

§ 3o O COAF poderá requerer aos órgãos da Administração Pública as informações cadastrais bancárias e
financeiras de pessoas envolvidas em atividades suspeitas.

Art. 15. O COAF comunicará às autoridades competentes para a instauração dos procedimentos cabíveis,
quando concluir pela existência de crimes previstos nesta Lei, de fundados indícios de sua prática, ou de
qualquer outro ilícito.

CAPÍTULO X

DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 17-A. Aplicam-se, subsidiariamente, as disposições do Decreto-Lei nº 3.689, de 3 de outubro de 1941


(Código de Processo Penal), http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Decreto-Lei/Del3689.htm, no que não forem
incompatíveis com esta Lei.

Art. 17-B. A autoridade policial e o Ministério Público terão acesso, exclusivamente, aos dados cadastrais
do investigado que informam qualificação pessoal, filiação e endereço, independentemente de autorização
judicial, mantidos pela Justiça Eleitoral, pelas empresas telefônicas, pelas instituições financeiras, pelos
provedores de internet e pelas administradoras de cartão de crédito.

Art. 17-C. Os encaminhamentos das instituições financeiras e tributárias em resposta às ordens judiciais de
quebra ou transferência de sigilo deverão ser, sempre que determinado, em meio informático, e apresentados
em arquivos que possibilitem a migração de informações para os autos do processo sem redigitação.