Você está na página 1de 2

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO RIO GRANDE DO SUL UERGS CAMPUS SANTANA DO LIVRAMENTO ESPECIALIZAÇÃO EM DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL E AGROECOLOGIA EDUCAÇÃO DE CAMPO PROF. MARCO AURÉLIO TORRES RODRIGUES

DISCENTE: MARCIA LUIZA CRUZ AGUIRRE

RESENHA CRÍTICA

Texto: CAMPOS, M.; DE OLIVEIRA, L. M. T. Educação Básica do Campo. In:

ALENTEJANO, P.; CALDART, R.; FRIGOTTO, G.; PEREIRA, I. B. (org.). Dicionário de Educação do Campo. São Paulo: Expressão Popular, 2012. p. 239-246. Disponível em:

<http://antigo.contraosagrotoxicos.org/index.php/materiais/estudo/dicionario-de-educacao-

do-campo/download>. Acesso em jun. 2018.

O direito à educação básica é um fenômeno recente no Brasil, onde advém da

Constituição de 1988. Na década de 1990, movimentos sociais de várias esferas buscavam

garantir e expandir o direito à educação básica. Na parte rural, o Movimento dos

Trabalhadores Sem Terra (MST) foi o ator de maior relevância na luta por uma educação

digna no campo.

Ainda que seja um direito fundamental, a educação básica precisa ser

universalizada como discorrem as autoras. Por ser um direito de todos, também é uma

obrigação do Estado assegurar a educação básica sem interferir na identidade social dos

educandos, ou seja, respeitando sua cultura e territorialidade.

Neste sentido, as autoras destacam o I ENERA (Encontro de Educadores e

Educadoras da Reforma Agrária), em 1997, que foi um marco na educação pois, neste

evento diversos movimentos sociais e universidades, junto ao MST, expuseram suas

insatisfações e comprometeram-se a lutar por políticas públicas que melhorassem a

educação do campo.

Apenas a partir do governo Lula (2003-2010) é que houve investimentos na

educação básica e iniciativa de criação de políticas públicas destinadas à educação básica.

Porém ainda que havia esforços por parte do Governo Federal em destinar recursos

específicos para a educação básica, municípios e estados fecharam várias escolas do

campo e transferiram os educandos das escolas fechadas para as escolas urbanas o que

representa uma grande perda social para as populações no campo.

Outro problema citado pelas autoras é a questão da evasão escolar por jovens no

campo e do êxodo rural. Que, mesmo com as políticas públicas, a educação no campo

necessita ganhar maior atenção por parte dos governos que, ainda, valorizam a realidade urbana.

Dessa forma, o futuro da educação básica do campo no contexto político-social atual é questionado, já que a educação é pouco respeitada. Então, o que é necessário, por parte dos governos e de criadores de políticas públicas, para ampliar e melhorar a educação básica no campo?