Você está na página 1de 3

A NATUREZA DOS ÍMÃS E OS ELÉTRONS

Aleksander de Souza Minguta, e-mail: a.16.br@hotmail.com.

Instituto Federal do Espírito Santo – Campus de Vitória/Curso Técnico de Edificações Integrado


como Ensino Médio.

Palavras-chave: spin, ímãs, magnetismo, átomo, elétron, química.

Resumo:

Esta pesquisa tem por objetivo apresentar e explicar a principal propriedade dos ímãs – o
magnetismo. Mostrar também que essa propriedade decorre de uma característica dos
elétrons constituintes de um átomo, chamada SPIN.

INTRODUÇÃO:

Existem na natureza alguns materiais que apresentam a característica de atraírem outros. A


primeira referência conhecida sobre uma substância com essa característica deve-se a Tales
de Mileto. Em uma de suas viagens a Ásia (na época província da Grécia) para Magnésia
(nome da região da Ásia) constatou que pequenas pedrinhas estavam sendo atraídas na ponta
de ferro do seu cajado. Então estudou tal fenômeno e descobriu o magnetismo e a
eletricidade. Mas esses fenômenos nunca despertaram um grande interesse, até o século
XIII, quando as bússolas passaram a ser usadas. Algumas pessoas tentaram explicar os
magnetismos durante essas épocas, mas só nos século XIX, quando Oersted iniciou os
Eletromagnetismos e Maxwell formulou leis que descreviam esses fenômenos, que um
estudo mais completo se iniciou. [1]

Chamamos de ímãs os objetos que provocam um campo magnético à sua volta. No capítulo
1 veremos que são os spins dos elétrons contidos nos átomos desses objetos que geram este
campo magnético, e consequentemente essa caracteristica de atrair outros objetos. No
Capítulo 2 faremos algumas distinções a respeito dos ímãs, classificando-os com relação a
sua origem (natural ou artificial) e quanto a duração de sua propriedade de atração
(permanentes ou temporários). O Capítulo 3 dedica-se em apresentar os tipos de materiais
quanto ao seu comportamento na presença de um ímã (materiais diamagnéticos,
paramagnéticos e ferromagnéticos).

1. O SPIN E OS ÍMÃS

Na estrutura de um átomo existe um núcleo central formado por prótons e nêutrons. Ao redor
deste núcleo estão os elétrons que ocupam regiões chamadas de orbitais, local de maior
probabilidade de se localizar determinado elétron. Nesses orbitais os elétrons se comportam
como partículas e ondas (dualidade). Possuem carga e uma massa, assim como um
movimento que os físicos descrevem como rotação em uma direção para cima ou para baixo,
o spin.

Normalmente, os elétrons preenchem as órbitas do átomo em pares. Se um dos elétrons em


um par girar para cima, o outro irá girar para baixo. É impossível que os elétrons em um par
girem na mesma direção. Isso faz parte do princípio da mecânica quântica chamado
Princípio de Exclusão de Pauli. [2]

Embora os elétrons de um átomo não se desloquem com muita rapidez, seu movimento é
suficiente para criar um campo magnético minúsculo. Como os elétrons em pares giram em
direções opostas, seus campos magnéticos se anulam. Por outro lado, os átomos de
elementos ferromagnéticos têm vários elétrons fora de pares que apresentam a mesma
rotação (mais detalhes sobre materiais ferromagnéticos no Capítulo 3). O ferro, por exemplo,
tem quatro elétrons fora de pares com a mesma rotação. Como eles não possuem campos
opostos para anular seus efeitos, esses elétrons têm um momento magnético orbital. O
momento magnético é um vetor, tem uma magnitude e uma direção. Ele está relacionado à
força do campo magnético e ao torque que o campo exerce. Os momentos magnéticos de um
ímã vêm dos momentos de todos seus átomos. [2]

2. CLASSIFICAÇÃO DOS ÍMÃS

Os ímãs podem ser classificados em duas categorias.

2.1. Quanto à origem

Imãs Naturais: Ímãs naturais são minerais com propriedades magnéticas, como a
Magnetita, por exemplo, que é um óxido de Ferro (Fe3O4).

Ímãs Artificiais: Esses ímãs são produzidos através da aplicação de intenso


campo magnético em materiais ferromagnéticos. O processo pode ser por meio da
fricção com um ímã natural ou pela passagem de corrente elétrica em um
condutor enrolado (bobina) no corpo do material. [3]

2.2. Quanto à duração das características magnéticas

Ímãs Permanentes: Um ímã permanente é feito de aço magnetizado (ferro com


alto teor de carbono), a fim de manter permanentemente seu poder magnético. No
entanto, uma forte descarga elétrica, um impacto de grande magnitude, ou uma
aplicação de uma elevada quantidade de calor podem causar perda de força
magnética do ímã. A altas temperaturas, os ímãs permanentes perdem seu
magnetismo temporariamente, readquirindo quando são resfriados.

Ímãs Temporários: Um ímã temporário ou temporal é temporariamente


magnetizado por uma fonte de ondas eletromagnéticas. Quando a emissão dessas
ondas cessa o ímã deixa de possuir seu campo magnético. Esses ímãs são feitos
com matérias paramagnéticas (normalmente ferro com baixo teor de carbono).
Por isso quando o campo magnético é removido o movimento Browniano rompe
o alinhamento magnético do ímã temporal. [3]

3. MATERIAIS DIAMAGNÉTICOS, PARAMAGNÉTICOS E


FERROMAGNÉTICOS

Os materiais chamados diamagnéticos se caracterizam por não sofrer atração por


outro ímã. Nessas substâncias, existem números iguais de elétrons de cada spin, de
maneira que seus efeitos magnéticos se cancelam.

Já os materiais paramagnéticos são fracamente atraídos por um campo magnético.


Nesses materiais, existem mais elétrons de um spin que de outro (o que acontecerá
sempre que um átomo ou molécula tiver um número ímpar de elétrons) e o
cancelamento total não ocorre. Os elétrons extras de um spin fazem com que o átomo
ou molécula, como um todo, comporte-se como se fosse ele próprio um pequeno
ímã.

As substâncias ferromagnéticas, das quais o ferro é o exemplo mais comum, devem o


seu comportamento fortemente magnético a interações entre os átomos
paramagnéticos no estado sólido. O ferromagnetismo é cerca de 1 milhão de vezes
mais intenso que o paramagnetismo. [2]

CONCLUSÕES:

A partir do exposto pôde-se compreender, mesmo que de maneira superficial, como e porque
os ímãs apresentam o comportamento de, quase sempre, atrair objetos. Vimos que essa
característica se deve aos spins (rotação) dos elétrons que no átomo se localizam nos orbitais
quando estes não estão em pares. Ainda em relação aos spins, pudemos classificar os
materiais em diamagnéticos, paramagnéticos e ferromagnéticos, que em ordem crescente,
representam substâncias que estão mais suscetíveis às influências do campo magnético
gerado por um ímã.

REFERÊNCIAS:

[1] Magnetismo. Disponível em: < http://pt.wikipedia.org/wiki/Magnetismo>. Acesso


em: 23 de março de 2011.
[2] BRADY, James E., HUMISTON, Gerard E. Química Geral, volume 1. Livros
Técnicos e Científicos Editora. 2. ed.
[3] Ímãs. Disponível em: < http://pt.wikipedia.org/wiki/%C3%8Dman>. Acesso em: 23
de março de 2011.
[4] Como funcionam os Ímãs. Disponível em: <
http://ciencia.hsw.uol.com.br/imas3.htm>. Acesso em: 23 de março de 2011.

Você também pode gostar