Você está na página 1de 1

BIOLOGIA DA INTERAÇÃO CÉLULA-MATRIZ EXTRACELULAR - CAPÍTULO 12 (pág 245)

Experimentos fizeram verificar que as células crescem mais vigorosamente e assumem aspectos diferentes quando na presença de
determinados componentes da matriz, e alteram seu comportamento quanto à motilidade e adesividade, podendo até voltar a estados de não
diferenciação.

1) A matriz extracelular influencia a estrutura interna e a atividade das células.


2) As células interagem constantemente com a matriz extracelular.
3) A matriz é viscosa e constituída principalmente de colágeno, elastina, glicoproteínas, proteoglicanas e água.

“Variações na qualidade e na quantidade das células e da matriz, assim como o modo pelo qual se organizam, são responsáveis pela
diversidade dos tecidos. A deposição de cristais de fosfato de cálcio explica porque determinados tecidos são duros, como ossos e dentes, ao
passo que outros apresentam um aspecto gelatinoso, ou são rígidos, mas cedem às pressões, como nas cartilagens. Há ainda tecidos como
os tendões, nos quais fibras de colágeno da matriz extracelular se dispõem como cordas altamente resistentes às tensões.”

“Na interface do tecido epitelial com o tecido conjuntivo, em torno das células musculares, dos capilares sanguíneos e dos capilares linfáticos,
a matriz extracelular forma uma delgada camada, a lâmina basal, que é uma treliça de macromoléculas, importante para a função das células.”

Essa matriz participa da manutenção da estrutura, desenvolvimento embrionário e pós-natal, proliferação celular, regeneração, nutrição e de
processos patológicos, e seus componentes fibrilares mais importantes são os diversos tipos de colágeno e as fibras elásticas, além das
fibronectinas e lamininas.

“A matriz extracelular também é importante em patologia, pois sua viscosidade retarda a penetração de microorganismos nos tecidos.
Bactérias que produzem enzimas capazes de digerir macromoléculas da matriz extracelular se inflitram com mais facilidade nos tecidos.”

4) A fibronectina e a laminina são glicoproteínas com regiões que se prendem simultaneamente às células e a componentes da matriz.

Fibronectinas são famílias de glicoproteínas e servem de pontes entre a célula e a matriz extracelular. A laminina também forma pontes que
ligam as células à matriz, principalmente às lâminas basais.

As células possuem receptores nas membranas que tem a capacidade de se ligarem a componentes da matriz, como colágeno e laminina.
Estes receptores são as integrinas, proteínas transmembrana (no mosaico fluido tem elas desenhadas). É pelas integrinas que há a conexão
entre o citoplasma e a matriz extracelular, explicando a influência da matriz sobre o citoesqueleto. A integrina prende-se ao citoplasma por
meio da talina. A talina prende-se à actina dentro da célula. O defeito nas integrinas dos leucócitos dificulta a aderência temporária dessas
células à parede vascular, impedindo sua capacidade de migrar para os locais de infecção por meio da diapedese e fagocitar os invasores.

5) Alterações pós traducionais e mutações gênicas podem produzir colágenos modificados, responsáveis por doenças.

“Os mecanismos pelos quais células de defesa aderem ao endotélio, atravessam os capilares e se movimentam nos tecidos são importantes
para compreender as inflamações. Esses movimentos dependem de receptores que possibilitam o reconhecimento entre as células e a
presença de substâncias químicas que atraem as células para proximidade dos agentes agressores, fenômeno denominado quimiotactismo.”

Doenças do colágeno provocam afrouxamento de tendões, ligamentos e pele, e são causados por alterações da síntese do colágeno.
Enfraquecimento do colágeno dos vasos sanguíneos e dos ligamentos dentários causa hemorragias e queda dos dentes, sintomas
característicos do escorbuto, doença causada pela carência de vitamina C, cofator indispensável para síntese de colágeno.

Tabela com os principais tipos de colágeno:

TIPO DISTRIBUIÇÃO CÉLULAS PRODUTORAS GRAU DE POLIMERIZAÇÃO FUNÇÃO

I derme, tendão, osso, fibroblastos máxima (fibras e feixe de resistir à tensão


pigmentos fibras)

II cartilagens condrócitos pequena (só forma fibrilas) resistir à pressão

III músculo liso, órgão msculo liso, células reticulares ´média (só forma fibras finas) resistir à tensão
hematopoiético, nervos (fibras
reticulares)

IV lâminas basais células epiteliais, endoteliais, nenhuma (as moléculas se suporte, filtração, barreira
musculares associam formando uma
malha submicroscópica)

6) O processo de degeneração das fibras elásticas, que ocorre com a idade é o responsável principal pelo surgimento de rugas na pele,
é muito intensificado pelo excesso de luz solar.