Você está na página 1de 4

Adão e Eva, o pecado original

A humanidade começou apenas com duas pessoas: Adão e Eva.

Nem era preciso mais.

Deus fez assim, para que todos nós compreendêssemos que somos todos
irmãos, já que descendemos todos de um único casal inicial.

Adão viveu 130 anos e teve muitos filhos e filhas. Só são mencionados na
Bíblia Caim, Abel e Set por estes serem seus primogênitos.

Quando Caim matou Abel, a descendência de Adão ficou sobre Set. Como
Caim perdeu o direito a primogenitura e Abel foi assassinado, esta acabou por
pertencer a Set.

Caim casou com uma de suas irmãs, como era permitido por Deus
naquele tempo.

A igreja ensina que Deus realmente criou, no sentido literal do termo, Adão e
Eva, sendo a humanidade remanescente de um único casal original. Note que
a Sabedoria Divina quis assim como forma de tornar nulo qualquer sentimento
de superioridade racial, pois seriamos todos originários da mesma cepa.

Aliás, o monogenismo -- doutrina que afirma que todos os homens descendem


de um só casal -- é dogma da Igreja. Quem ensinar ou crer que os homens
descendem de vários casais -- o poligenismo -- está condenado. Pio XII
condenou essa doutrina do poligenismo na Encíclica Humani Generis.

Se o poligenismo fosse verdadeiro, os homens não seriam todos irmãos. Pela


doutrina católica do monogenismo, todas as raças descendem de Adão e Eva,
e, por isso, o racismo é condenável. São os racistas que defendem o
poligenismo. Daí é que nasceu o nazismo, doutrina criminosa que assassinou
milhões de pessoas por motivo de raça.

O fruto proibido por Deus não foi uma maçã.

A palavra maçã, em latim, se diz "mala". Ora, "mala", em latim, quer dizer
também "males".

Dai, o povinho ignorante pensou que o que trouxe todos os males (mala) para o
mundo, teria sido a maçã (mala).

O que Deus proibiu comer foi o fruto da árvore do Conhecimento do Bem e do


mal. Deus proibiu a Gnose. A pretensão de ser Deus.

Adão e Eva acreditaram na serpente, que lhes disse que, se comessem aquele
fruto, eles se tornariam deuses. E eles comeram o fruto, querendo ser deuses.
Foi um pecado de desobediência, pois comeram o que Deus proibira. Foi um
pecado de gula, porque quiseram comer o fruto , porque ele parecia apetecível.
Foi um pecado de orgulho, pois pretendiam tornar-se deuses. Foi um pecado
de magia, pois sabiam que, comendo o fruto, ele, por si mesmo, não poderia
produzir um efeito que superasse a sua potência natural. Foi um pecado de
satanismo, porque eles quiseram que esse ato mágico teria resultado
pelo auxílio de satanás. Foi um pecado de blasfêmia, porque acreditaram que
Deus lhes havia mentido, ao dizer que o fruto lhes traria a morte.

O pecado de Adão e Eva não foi o de comer uma maçã. Esse erro veio de que
a palavra maçã, em latim, se diz "mala". Ora, como essa palavra, em latim,
também significa "males", o povinho uniu os dois significados e concluiu que os
males do mundo vieram de comer uma maçã. Isto é falso.

A Sagrada Escritura diz que Adão e Eva pecaram, desobedecendo a Deus, por
comer o fruto da "árvore do conhecimento do bem e do mal". Que significa
isso?

Há duas coisas que o homem não pode conhecer:

1) Deus, porque Deus, sendo infinito, está acima da compreensão da


inteligência finita do homem; se o homem pudesse compreender a Deus, o
homem seria superior a Deus.

2) o pecado, o mal, porque o mal, o pecado é sempre uma coisa feita contra a
razão, uma coisa absurda, e o absurdo não pode ser entendido.

O pecado de Adão e Eva foi um pecado de desobediência a Deus, que


proibira comer o fruto da árvore do conhecimento do bem e do mal.

Diz a escritura que eles viram que o fruto era apetecível, e colocaram o prazer
do paladar acima da vontade de Deus, e isso é gula. Foi também um pecado
de orgulho, porque eles pretenderam ficar iguais a Deus conhecendo o Bem e
o mal.

Foi um pecado de magia, porque eles sabiam que, comendo um fruto, não
poderiam, só pela digestão dele, alcançar a Divindade. Ora, pretender alcançar
um efeito maior do que a causa é propriamente ato de magia.

É claro que Adão e Eva sabiam que a simples ingestão do fruto proibido não os
faria infinitos. Eles comeram o fruto como sinal para o demônio realizar neles a
sua divinização. E isto foi um pecado de satanismo. Finalmente, querer ter um
conhecimento absoluto e divinizador é próprio da Gnose. Logo o pecado de
Adão e Eva foi o de Gnose, pois é a Gnose que pretende dar ao homem o
conhecimento do bem (Deus) e do mal (o pecado).

Os gnósticos escreveram um livro falso que eles atribuíram a Henoch. De fato,


Henoch nada deixou escrito.

Os gigantes nasceram, diz a Bíblia, quando os filhos de Deus, isto é, os


descendentes de Set, que tinham a religião verdadeira do único Deus, se
casaram com as filhas dos homens, isto é, com as descendentes de Caim, que
eram idólatras. Desses casamentos é que nasceram homens muito altos que a
Escritura chama de gigantes.

Os filhos de Deus -- que adoravam o Deus verdadeiro -- casaram-se com as


descendentes de Caim, que eram idólatras , só porque elas era bonitas,
colocando a beleza física delas acima da religião. Casaram-se, pois colocando
o sentimento acima da Fé. Em certo sentido, eles foram românticos e
sentimentais, ou mesmo, sensuais. Por isso, Deus os puniu com o Dilúvio, pois
eles não se importaram que seus filhos fossem educados pelas mães idólatras.

Deus não nos responsabiliza, nem nos pune pessoalmente pelo pecado
original de Adão e Eva. Todos os homens nascem com o pecado original, mas
nenhum homem é punido pessoalmente por esse pecado que foi só de Adão e
Eva. Ninguém vai ao inferno por ter o pecado original, pois que ele não é de
responsabilidade pessoal. Se Deus punisse com o inferno, alguém, pelo
pecado de Adão e Eva, evidentemente seria uma injustiça. O pecado original
foi de Adão, pessoalmente. Ocorre, porém, que, com esse pecado, Adão
danificou a natureza humana. E como ele era a fonte de toda a humanidade,
ele nos transmitiu -- não a culpa do pecado -- mas apenas uma natureza
danificada pelo pecado. Por isso ninguém confessa ser culpado do pecado
original que é só de Adão. Você imagine um homem que adquira aids, ao
cometer um pecado. O filho não herda a culpa do pai. Mas vai receber, com a
natureza, o vírus da aids. Ele não herda a culpa moral do pai. Recebe dele uma
natureza doente. O filho de um alcoólatra sofre consequências semelhantes.
Quando Adão pecou, ele perdeu uma série de dons que Deus lhe havia
concedido. Além disso, Adão, revoltando-se contra Deus, danificou a natureza
humana. Antes do pecado, a natureza de Adão era toda ordenada. Depois, a
inteligência humana ficou prejudicada, e tendente ao erro e não à verdade. A
vontade humana ficou desregrada e tendente ao mal. A sensibilidade ficou
desordenada, e, por isso, temos sentimentos irracionais: simpatizamos com
quem não devemos, e antipatizamos, sem razão, com quem nos faria bem, etc.
O corpo ficou revoltado contra o domínio da alma. Em suma, nossa natureza
ficou tendente ao erro e ao pecado. Nisto consiste a herança do pecado
original, e não na herança da culpa moral que cabe só a Adão e Eva. Caso um
fulano, como você diz, matasse alguém, os filhos não herdariam essa culpa.
Mas herdam, sim, a desonra desse crime. Ninguém diz: meu pai foi assassino,
porque tem vergonha disso. Dos pais, herdamos não as culpas deles, mas
apenas sua honra ou desonra, assim como, possivelmente, as tendências para
os pecados em que eles mais caíram ou viveram.

Por que Deus permite que algumas crianças morram antes de nascer ou
quando ainda muito pequenas??? Deus só quer o bem de todos. Viver mais ou
menos tempo é um bem relativo, porque Ele não nos criou para vivermos neste
mundo e sim no céu. Por isso, Ele nos deixa viver o tempo mais conveniente
para nosso bem. A Providência de Deus guia as causas segundas, isto é, as
leis naturais. Se Ele permite que uma criança morra cedo ou bem pequena,
isso não significa de modo algum que Deus vai destiná-las ao inferno. Se a
criança foi batizada, ela vai diretamente ao céu, porque não tem culpa alguma.
Se ela não foi batizada e está com o pecado original, ela não pode ser
mandada ao inferno, porque -- como lhe expliquei acima -- ela não tem culpa
pessoal pelo pecado de Adão. Ela, porém, não pode entrar no céu, pois não foi
redimida pelo sangue de Cristo, cujos méritos ela receberia no batismo. (Por
isso, convém batizar os fetos abortados). Isso tudo não quer dizer que essa
criança vai estar perdida. Segundo alguns teólogos, Deus dará às crianças que
morrem sem batismo uma opotunidade de escolha entre o bem e o mal, e
conforme elas escolherem, irão para o céu ou para o inferno. Mas isto é
apenas uma opinião de alguns teólogos. Segundo outros, Deus daria a essas
crianças que morrem sem batismo uma felicidade natural completa, ainda que
não o céu. Pessoalmente, acho a primeira opinião mais interessante, mas eu
não sou teólogo, e minha opinião não tem importância. De tudo isso, a regra
fundamental é que Deus sempre faz acontecer o que é melhor para cada um.

Deus puniu toda a criação e por que precisamos matar animais para comer,
etc.??? Quando Adão foi amaldiçoado por Deus, disse-lhe: "Por tua causa,
maldita será a terra". Tanto Deus ama o homem que, para poupá-lo, desviou
parte do mal dele, fazendo que a terra, para produzir, devesse ser cultivada, e
que naturalmente ela não produza cafezais e trigais, que o homem tem que
cultivar com trabalho e suor. O fato de ser necessário aos animais comerem
ervas, e outros animais, e que nós devamos comer outros seres tirando-lhes a
vida não é um mal. Deus fez um ser para o outro. O sol é que permite a vida na
terra. A terra sustenta as plantas. Estas sustentam os animais que se entre
sustentam, e nos sustentam. Por que Ele fez assim? Para nos mostrar que
devemos servir uns aos outros. André me pergunta. Eu lhe respondo. André,
com a resposta, vai ajudar outros. E assim por diante. Nós existimos uns para
os outros e todos para Deus. Deus que se fez nosso servo, a ponto de lavar os
pés dos Apóstolos, e que nos lava as culpas com seu sangue derramado por
nós na Cruz. Deus que nos dá seu próprio corpo como comida, e seu sangue
como bebida. Deus que nos dá inteligência para ver a verdade e para amá-la.
Deus que quer se nos dar eternamente no céu. É no Coração dEle que
esperamos, um dia, estarmos todos reunidos.