Você está na página 1de 349

em seis dias

porque cinquenta

cientistas preferem
50
acreditar na criação

1
2
3
4
Prefácio
Em uma palestra na universidade há alguns anos atrás, ouvi um estado
cientista que ele não acreditava que qualquer cientista com um
Ph.D. defenderia uma interpretação literal dos seis dias da criação. Seu co-
mentário foi bastante semelhante a declarações feitas ao longo dos anos por
cientistas de renome mundial, como Stephen Jay Gould e Ernst Mayr, am-
bos de Harvard. Em resposta à dúvida do docente sobre cientistas credenci-
ados concordando com o relato de Gênesis sobre origens, o presidente reu-
nião ofereceu os nomes de dois cientistas de renome que, segundo ele, de-
fendidos crença no relato bíblico. Este incidente me estimulou a pesquisar
este livro.
Por que os cientistas instruídos ainda acreditam na criação? Por que
eles não preferem acreditar na evolução darwinista ou mesmo a evolução
teísta, onde uma inteligência toda-poderosa é vista como dirigindo os pro-
cessos evolutivos? Cientistas acreditava que a vida na Terra é, provavelmen-
te, menos de 10.000 anos de idade? Como eles iriam lidar com a evidência
do registro fóssil e as idades sugere a datação radioativa de rochas como mi-
lhões e bilhões de anos de idade? Os ensaios neste livro levantar questões
que são debatidas entre os cientistas e educadores e eles oferecem uma
perspectiva diferente sobre a nossa abordagem à educação científica.
Durante o século passado, a história bíblica de Gênesis foi relegado ao
status de um mito religioso e foi amplamente difundida de que apenas aque-
les sem educação em ciência ou científicos métodos acreditaria seriamente
tal mito. No entanto, a minha experiência na organização deste livro é que há
um número crescente de cientistas altamente qualificados que pensam criti-
camente que têm sérias dúvidas sobre a evidência da evolução darwiniana e
que escolheram a acreditar na versão bíblica da criação.
Neste livro, 50 cientistas explicam suas razões para esta escolha. Todos
os colaboradores têm um doutorado obtido de uma universidade reconheci-
da pelo Estado, na Austrália, Estados Unidos, Reino Unido, Canadá, África
do Sul, ou na Alemanha. Eles incluem professores universitários e pesquisa-

5
dores, geólogos, zoólogos, biólogos, botânicos, físicos, químicos, matemáti-
cos, pesquisadores médicos e engenheiros.
Os artigos deste livro não são exaustivas. Prazos de espaço e de editoras
não me permite incluir contribuições de muitos outros cientistas. Os 50 ci-
entistas que contribuíram para este esforço deu sua resposta pessoal para a
pergunta: "Por que você acredita em uma de seis dias da criação bíblica lite-
ral como a origem da vida na Terra?"Não há outros requisitos foram especifi-
cados. Ninguém foi convidado a escrever sobre um tema específico ou de
uma perspectiva particular. No entanto, eu arranjei os papéis finais em duas
seções que permitem o desenvolvimento de uma discussão de duas perspec-
tivas fundamentais. O primeiro, Ciência e Origens, é uma seleção de artigos
que lida com a crítica científica da evolução, assim como a base científica
para a criação. O segundo, Religião e Origens, apresenta uma abordagem
mais filosófica para a questão da evolução e criação.Tendo examinado as
discussões levantadas por estes cientistas, à luz da minha própria formação
e experiência, estou convencido de que uma compreensão literal do relato da
criação do Gênesis é a explicação mais razoável de todas as teorias atuais de
como chegamos a estar aqui .

John F. Ashton

6
7
jeremy l. walter
Engenharia Mecânica

Eles não podem estar errados, podem?


Em 1961, o presidente John Kennedy estabeleceu uma meta nacional
para os Estados Unidos para pousar um homem na Lua antes de a década
terminar, e no verão de 1969, Neil Armstrong fez o seu famoso "salto gigante
para a humanidade" no solo lunar. No meio da agitação social grave, ciência
e tecnologia parecia fornecer uma ilha de estabilidade a uma nação pega em
tensão interna, uma guerra impopular no Vietnã, eo profundo congelamento
da Guerra Fria. "Nova e melhorada" tornou-se o prenúncio do que se espera-
va em tecnologia, e aproveitando os segredos da natureza para benefício do
homem foi o motor para impulsionar-nos para um futuro esperançoso.

8
Este ambiente foi a incubadora para muitas carreiras em ciência e en-
genharia, e por isso foi para a do autor. A educação pública apresentou as
ciências do programa espacial, mas também proclamou como verdade, a
idade da terra de 42 bilhões de anos e que a vida evoluiu gradualmente ao
longo de milhões de anos a partir de um organismo unicelular, supostamen-
te formado por acaso em um oceano primevo. Os alunos foram obrigados a
aceitar o modelo evolutivo da história da Terra, como é o caso da maioria das
pessoas educadas neste século. Os escritos antigos de Gênesis foram relega-
dos como estudantes desatualizados e alegóricas, e mais cristãos reconcilia-
dos uma fé imatura em Deus e na Bíblia com uma versão casualmente artifi-
cial do "dia-era" interpretação do relato da criação. Os dias de Gênesis foram
assumidos para representar de alguma forma as idades ou estágios de de-
senvolvimento cósmico que os cientistas estavam começando a entender e
descrever com mais detalhes no nosso mundo moderno.
Para multidões hoje, a história é a mesma. A autoridade implícita da sa-
la de aula combina com as conquistas tecnológicas modernas para validar os
modelos "científicos" das origens e da grande antiguidade do univer-
so.Genesis é visto como mito, se não conto de fadas, e nosso conceito de
verdade se limita à empiricamente derivado e subjetivamente interpreta-
das. Mas temos de perguntar a questão fundamental boca por Pilatos: "Que
é a verdade?" E determinar o papel que a ciência desempenha no desenvol-
vimento global da verdade.
A discussão nos parágrafos a seguir lança um olhar sobre a natureza da
ciência, e como a ciência verdadeira não contradiz inscrição de Deus sobre
pedra que "em seis dias o SENHOR fez os céus e a terra, o mar e tudo o que
neles há" (Ex. 20:11).

O que é ciência?
Muitas pessoas inteligentes estão completamente convencidas de que a
ciência provou que a Terra tem milhares de milhões de anos de idade. Como
elas podem estar erradas? O equívoco se baseia em uma negligência da na-
tureza básica da "ciência" e um desejo natural de autonomia moral. Na ver-
dade, a idade da Terra pode ser provada nem refutada pela ciência. A evi-

9
dência científica pode ser compilada para suportar um modelo da história da
Terra, em comparação com o outro, mas esse tipo de trabalho eleva-se a um
estudo de viabilidade, não prova.
A ciência é o empreendimento humano de tentar descrever a natureza e
os processos do nosso universo com precisão e quantitativamente por meio
de observação, hipótese, e validação experimental. Certos princípios axiomá-
ticos deve ser aceita pela fé, para que este método seja válido, o primeiro dos
quais é a expectativa de ordem no universo. Um corolário específico do prin-
cípio de ordem é a lei da causalidade, ou "causa e efeito" relacionamen-
tos. Esta lei estabelece que uma das causas pode ter muitos efeitos, mas ne-
nhum efeito pode ser quantitativamente maior e qualitativamente superior à
sua causa. 1 efeitos observados são assumidos ter causas por causa desta
lei, e não são tratados como ocorrências puramente aleatórios ou fortuitos. A
mente inquisitiva vai especular sobre a causa de um efeito observado e de-
pois procuram recriar e testar experimentalmente a causa.Esta é a essência
do chamado método científico.
Note, entretanto, que uma observação é sempre uma ação do presente,
não do passado. Além disso, o observador deve reconhecer que as observa-
ções são em graus variados indiretos, através de um instrumento de algum
tipo que pode distorcer a sua percepção. Por exemplo, nossos olhos são ins-
trumentos ópticos que recebem luz incidente, foco opticamente que a luz na
retina, que por sua vez converte a imagem para um sistema complexo de im-
pulsos elétricos, transmitidos ao cérebro pelo nervo óptico. Se a transmissão
da imagem de um objeto para o nosso cérebro é distorcida em qualquer pon-
to ao longo do caminho, a nossa percepção visual será incorreto. Algumas
ilusões ópticas são, na verdade, mal interpretada no cérebro por causa de
preconceitos, sem qualquer distorção óptica ou elétrica. Todas as observa-
ções devem ser igualmente analisado e examinado para desenvolver percep-
ções precisas. O mais distante no tempo ou distância de uma observação
indireta, maior é a oportunidade para a percepção distorcida.
Aplicando a discussão anterior à idade da Terra, reconhecemos que não
temos humanamente registro de eventos observados de grande antiguidade,

10
mas sim interpretações de observações recentes de realidades presentes.
Muitas vezes, o estabelecimento de uma idade avançada é construída sobre
observações de uma distância muito grande ou desenvolvida através de mei-
os indiretos tediosas. Evidência contraditórios com a hipótese é suprimido
ou ignorado por causa de suposições preconcebidas. Mesmo a luz que chega
de estrelas distantes é uma realidade presente, não uma observação direta
do passado. Estas observações são de efeitos para os quais foram propostas
várias causas hipotéticas. Essas causas são, por vezes, os processos gradu-
ais que exijam tempos muito longos para produzir o estado atual.
A título de ilustração, considere formações geológicas na grande bacia
do oeste dos Estados Unidos da América. As vastas camadas horizontais de
hidraulicamente depositado rocha sedimentar são dito para ter longos perío-
dos de tempo para acumular, com base no pressuposto de que a taxa de de-
posição era sempre semelhante ao observado hoje em um delta de rio típi-
co. Este conceito de uniformidade pode parecer como um ponto de partida
razoável quando considerada abstratamente, mas não o fluxo do rio no esta-
do de equilíbrio poderia cobrir uma área tão vasta; nem seria produzir os
corpos enterrados violentamente e mutilados encontrados fossilizados em
muitas rochas da região. As condições de erosão atuais aplicadas uniforme-
mente no passado não poderia explicar as formações incomuns do Grand
Canyon, de mesas, ermo, e outros canyons. Por outro lado, os processos ca-
tastróficos observados durante e após a erupção do Monte St. Helens nas
Cascades do estado de Washington produziu um modelo em escala do Grand
Canyon em um curto período de tempo. Os sedimentos foram depositados
rapidamente e, de repente, corroídos por vapor piroclástico, água e fluxos de
lama na região noroeste do cume. Agora, as paredes do cânion se asseme-
lham a outros que se presume serem de grande idade, mesmo que eles são
conhecidos por serem [meramente] de duas décadas de idade. 2
O ponto a ser reconhecido é que a ciência lida com observações de esta-
dos e processos atuais, e só pode discutir o passado pré-histórico. No exem-
plo de formações geológicas da Grande Bacia, a suposição de uniformidade
pode ser contrastado com um modelo de tectônica catastrófico, vulcânico, e

11
atividade hidráulica que acompanharia um cataclismo global como o grande
dilúvio de Gênesis. A erupção observado de Monte St. Helens demonstrado
que processos rápidos podem produzir efeitos comumente acreditavam que
requerem longos períodos de tempo e, assim, dá credibilidade, se não for a
preferência, para o conceito de que a geologia da Terra não requerem longos
períodos de tempo para se desenvolver. Muitas formações enigmáticas só
pode ser explicado através de forças cataclísmicas. Da mesma forma, outros
métodos de estimativa da idade da Terra ou do Universo aplicar os pressu-
postos sobre os processos e as taxas que se estendem para o passado dis-
tante. Independentemente da forma como, aparentemente, obrigando estes
métodos de datação pode parecer, a verdade é que eles são construídos so-
bre premissas que devem ser criticamente questionados e avaliados.
Todos os eventos do passado (mesmo o passado recente) são melhor re-
construído a partir do depoimento de testemunhas e do acúmulo de indícios
concordantes. Essa é a base do sistema de jurisprudência. A ciência pode
contribuir por determinar o que é possível, mas não pode infalivelmente re-
construir o passado. Há implicações definitivas sobre idade prodigiosa, no
entanto, que pode ser adquirida a partir da aplicação de princípios conheci-
dos das leis da ciência. Vamos agora considerar algumas das provas que
corroborem para o testemunho do Criador.

Termodinâmica, demônios e evolução


A lei da causalidade leva logicamente à conclusão de que os seres hu-
manos (um efeito que tem as qualidades de vida, intelecto, emoção e vonta-
de) deve ter uma causa que é maior em quantidade e qualitativamente supe-
rior na vida, inteligência, emoção e vontade. Apesar de tais argumentos bási-
cos, a evolução naturalista afirma que as forças da natureza e da passagem
do tempo são suficientes para produzir a ordem ea complexidade da vida
sem uma causa. As leis observadas de apoio natureza que reivindicam? O
que se sabe sobre os efeitos gerais da passagem do tempo? As implicações
da ciência da termodinâmica foram fundamentais para convencer este autor
que longos períodos de tempo não são apenas desnecessárias, mas também

12
letal para as teorias de desenvolvimento gradual e natural do design inteli-
gente.
Aplicando as leis da termodinâmica, especialmente no que respeita aos
fluxos de fluidos e da conversão de energia em trabalho útil em motores de
calor, é uma parte importante da engenharia mecânica. No entanto, as leis
da termodinâmica (geralmente numeradas de zero a três) têm implicações
mais amplas e filosóficas que são relevantes para o estudo das origens e do
desenvolvimento da ordem e complexidade. As quatro leis clássicas pode ser
logicamente derivado de princípios gerais, menos 3 , mas a discussão, neste
contexto, será limitado aos clássicos primeira e segunda leis.
A primeira lei é de conservação, e implica que a substância do universo
(matéria e energia) é uma constante. A segunda lei restringe adicionalmente
os estados possíveis que um determinado sistema pode alcançar por um
processo definido, impossibilitando máquinas de movimento perpétuo ea cri-
ação espontânea da "disponibilidade" de energia. Todos os processos reais
são mostrados para ser "irreversível" pelas implicações da segunda lei, resul-
tando numa diminuição da energia disponível para efectuar a novos proces-
sos. Alternativamente declarados, processos reais resultar em um aumento
líquido do "entropia" do universo, uma propriedade definida em termodinâ-
mica como o movimento em direção a um equilíbrio estável final, onde todos
os processos cessam.
As implicações destas duas leis são profundas. A primeira lei diz clara-
mente que nenhuma matéria ou energia está sendo adicionado ao nosso
universo, ea segunda lei estabelece que, dado o tempo infinito, o universo vai
entrar em equilíbrio final, onde há processos podem ocorrer. Esse estado fi-
nal tenha sido descrita como uma morte térmica do universo. Desde que a
condição ainda não foi alcançada, o universo deve ter um começo. Estas
conclusões são perfeitamente compatíveis com a declaração bíblica de que
tudo foi criado em seis dias, e então Deus deixou de fazer o trabalho de cria-
ção física (primeira lei) (Gn 2:1-2).
Além disso, a queda de Satanás e do homem trouxe sobre "a maldição",
que é a causa para a terra e os céus de "desgaste como um vestido" (Sl 102:

13
26) e agora "toda a criação geme e sofre" (Rm 8:22) (segunda lei). A segunda
lei da termodinâmica se opõe essencialmente o desenvolvimento espontâneo
de ecossistema ou a própria vida da Terra. Na engenharia, sabemos que os
motores de calor não se desenvolvem espontaneamente, e sem um motor
térmico, nenhum trabalho útil eficiente é produzida pelo fluxo de calor. Além
disso, sem uma fonte de trabalho e uma máquina de refrigeração, sem calor
fluirá de um local frio para um local quente. Da mesma forma, sem o motor
de reprodução (o código genético eo milagre do útero), nem mesmo os aspec-
tos materiais do homem poderia ser construído por força bruta.
O problema é pior para o imaterial, uma vez que os aspectos conscien-
tes e espirituais do homem desafiar estrita definição científica, muito menos
um processo natural de desenvolvimento.
Os padrões e mecanismos de reprodução necessários não podem ser
explicados por geração espontânea, ea passagem de longos períodos de tem-
po não pode constituir ou facilitar uma causa independente para o desenvol-
vimento de corpos humanos, de aptidão ou habilidade. A regra da história
não é um de criação contínua, mas um de extinção, como criaturas específi-
cas tornam-se incapazes de sobreviver à decadência do ecossistema da Terra
e são eliminados do planeta para sempre.
Apesar das implicações da segunda lei clássica, muitos evolucionistas
acreditam que a solução para a ameaça da segunda lei é para ser encontra-
do em termodinâmica estatística. Evolução é acreditada para tirar vantagem
da variação estatística nas propriedades moleculares e genéticas, e pode fa-
vorecer selectivamente apenas aqueles que promovem o desenvolvimento de
uma maior ordem. Entre no demônio de Maxwell. Apesar de não ser um de-
mônio literal como encontrada na Bíblia, este personagem imaginário pro-
blemático foi concebido por James Clerk Maxwell em cerca de 1891. Em sua
experiência mental clássico, o demônio é teoricamente capaz de derrotar a
segunda lei de forma inteligente controlando a passagem de moléculas indi-
viduais de gás através de uma divisória que divide um recipiente selado e
isolado. Ao abrir e fechar uma porta minúscula estrategicamente, ele poderia
medir e selecionar apenas as moléculas de alta energia para a passagem em

14
uma direção, permitindo simultaneamente moléculas de baixa energia para
passar na direção oposta. O demônio poderia, então, produzir um estado fi-
nal onde o gás de alta energia foi recolhida em uma parte do gás do vaso e
baixo consumo de energia é no restante, sem ter adicionado toda a energia
para o sistema. O potencial para fazer um trabalho útil foi inteligentemente
criados, ou a entropia líquida diminuiu, apenas aproveitando a variação es-
tatística nas moléculas individuais.
A aparente contradição com a segunda lei foi resolvido em 1929 por Szi-
lard num papel em que mostrou que o processo de detecção do nível de
energia e a operar a porta iria consumir tanta energia, pelo menos, como
aquele obtido pela passagem de uma molécula. 4 A distribuição estatística de
energia entre as moléculas não poderia ser utilizado, mesmo por um demon
precoce, a fim de criar e de energia potencial. A segunda lei está, eo demônio
Maxwell falha.
Em evolução naturalista, a vida é acreditada para ter originado tão ele-
vados fluxos de energia passou por uma sopa química da composição fortui-
to. O problema aqui é muito mais difícil do que a enfrentada pelo demônio
Maxwell, porque a vida exige estruturas de complexidade incrível, não ape-
nas altos níveis de energia. Os processos mais básicos de seres vivos são
realizados por motores moleculares tão complexos como maiores invenções
do homem. Síntese de proteínas e replicação do DNA são exemplos maravi-
lhosos de funcionamento interno da vida, e um ser muito mais capaz do que
o demônio de Maxwell é necessário para montar os componentes necessários
e iniciar o primeiro funcionamento da célula. Os fluxos de alta energia pre-
sumidos não oferecem estrutura ou inteligência mais do que a explosão pro-
verbial em uma loja de impressão irá produzir uma novela.
Neste ponto, é instrutivo considerar que vencedor do Prêmio Nobel
Francis Crick ambos reconheceram esta dificuldade e, em seguida, contra-
disse enquanto contemplava a própria vida . 5 Ele afirmou que as complexi-
dades da vida não poderia "ter surgido por puro acaso", mas necessária uma
mecanismo de replicação para preservar mutações benéficas como eles ocor-
reram. No entanto, a origem de replicação do mecanismo nunca é identifica-

15
do como qualquer coisa diferente de oportunidade. A combinação de replica-
ção e mutação se torna efetivamente o demônio Crick que produz "a maravi-
lhosa capacidade de um sistema deste tipo para melhorar a si mesmo." Cien-
te da complexidade quase infinita moderno de vida, Crick concluiu então que
a Terra não era velho o suficiente em 42 bilhões de anos para ter teve vida
evoluir gradualmente completamente neste planeta. Em vez de voltar-se para
o grande Primeira Causa da Bíblia, ele preferiu o conceito "panspermia diri-
gida", que colocou a origem da vida por muito tempo, há muito tempo e lon-
ge, muito longe em algum outro planeta em outra galáxia.
Curiosamente, nesta teoria, a vida inteligente evoluiu com sucesso lá,
mesmo que tal resultado foi considerado muito difícil de conseguir neste
planeta. Esta civilização estrangeira então enviado as sementes da vida na
forma de replicadores de DNA para o universo a bordo de foguetes sofistica-
dos que procuram um bom lugar para reiniciar o processo evolutivo. Um tal
foguete aparentemente encontrou a terra, e aqui estamos nós!
Note a progressão no raciocínio de Crick: inicia-se a partir do impossi-
velmente improvável e termina com um mundo imaginário fantástico longe e
há muito tempo. Tempo suficiente e distância implicitamente legitimar o que
de outra forma seria impossível. Ironicamente, a passagem do tempo é mos-
trado pela segunda lei a ser nem um aliado nem um motor de criação, mas
sim um ogro de destruição e morte.No compromisso tenaz ao ateísmo, mo-
das evolução naturalista do casamento dos deuses modernos falsos da Mãe
Terra e Pai Tempo como um substituto inferior para o grande e glorioso Cri-
ador das Escrituras. Nós todos faríamos bem em considerar cuidadosamente
essas implicações básicas de atribuir grande idade para o universo e perce-
ber que os nossos compromissos de fé influenciar grandemente o desenvol-
vimento de conceitos científicos. Os autores de um texto termodinâmica dar
testemunho lúcido de sua conclusão sobre o assunto:
Obviamente, é impossível dar respostas conclusivas a estas perguntas
com base na segunda lei da termodinâmica sozinha. No entanto, os autores
ver a segunda lei da termodinâmica como descrição do homem do passado e

16
de continuar o trabalho de um criador, que também tem a resposta para o
futuro destino do homem e do universo. 6

Verdade à deriva no mar pós-moderno


A discussão estabelece tão longe de princípios básicos que a ciência não
pode provar que o universo é de grande idade, e que a idade prodigiosa seria
de fato prejudicial ao invés de benéfico para o desenvolvimento da complexi-
dade e da ordem. A verdade, porém, que, em livros e revistas publicadas ho-
je, muitas discussões detalhadas e sofisticadas de dados factuais existem
para ambos os lados da questão da idade. Alguns procuram estabelecer
grande idade, enquanto outros mostram a terra, cometas e lua para ser me-
nos de 10.000 anos de idade. A interpretação destes dados observados do-
bradiças solidamente sobre os conceitos de verdade, realizada pelos investi-
gadores, e não os fatos em si. Compromissos fé para qualquer razão humana
ou influência revelação bíblica que hipóteses são consideradas e como os
dados são aceitas ou rejeitadas. Este autor vê a evidência para uma Terra
jovem quanto esmagadoramente convincente, mas muitos têm tanta fé em
argumentos específicos para grande idade que a evidência da Terra jovem é
julgado errônea.
Nosso mundo sofre com a falsa noção estabelecida durante a era mo-
derna que a realidade ea verdade são limitadas ao empírico, eo conhecimen-
to e raciocínio do homem são o nosso guia supremo. O conceito de uma vida,
volitivo, pessoal e amorosa primeira causa é deliberadamente rejeitado,
mesmo que seja totalmente compatível com a ciência ea Bíblia. A necessida-
de de um princípio sobrenatural do universo está implícito pelas leis da ter-
modinâmica, e claramente declarada nas Escrituras. No entanto, a Bíblia
também afirma que é "pela fé entendemos que foi o universo formado pela
palavra de Deus, de modo que o que se vê não foi feito do que é aparen-
te "(Hb 11:3). A fé bíblica não pode ser uma questão de prova formal, mas
também não é um salto cego. A fé bíblica é uma confiança confiante e con-
vencido no testemunho d'Aquele que é tanto Criador e Redentor. Como suas
criaturas, precisamos exercitar nossas faculdades em humilde submissão à
Sua revelação para vê-Lo como nosso padrão de verdade.

17
O padrão da verdade que cresceu para o domínio no meio do século 20
foi construído em um objetivismo naturalista, que deslocou o teísmo. As ins-
tituições acadêmicas adotou a idéia que se abrem, debate objetivo em publi-
cações arbitradas iria aperfeiçoar e construir a nossa compreensão da ver-
dade, e o debate aberto funciona bem, desde que os conceitos são observá-
veis e testáveis, e "árbitros" mantenham a mente aberta. No entanto, se a
comunidade acadêmica convencional aceita um conceito não provada como
um fato e exclui pensamento alternativo por decreto, em seguida, o potencial
de erro a ser sistematicamente preservada e promovida é institucionaliza-
da. Na opinião do autor, tal erro infeliz tomou pé firme nas cosmogonias po-
pulares de geologia, astronomia e biologia, como ilustrado na nossa discus-
são sobre a natureza da ciência e as leis da termodinâmica.
Durante as últimas décadas do século 20, a visão de mundo moderna
da verdade, baseada no empirismo objetivo na ciência tem deslizou em um
mar revolto de subjetividade. O ateísmo da cosmovisão naturalista não per-
mitido a existência de um ser onisciente supremo, e logicamente levou à
conclusão de que nenhum ser humano pode conhecer a verdade absoluta. O
único remanescente absoluta é que não existem absolutos, e somos exorta-
dos a aceitar todos os pontos de vista como conceitos válidos de verda-
de. Esta nova perspectiva é a chamada visão de mundo pós-moderno, e o
progenitor do pluralismo popular e tolerância defendida hoje. Cínico pergun-
ta de Pilatos "Que é a verdade?" Agora ecoa em todo o mundo, uma vez que
as pessoas não têm âncora para dizer-lhes o que é a verdade.
No entanto, se um Deus Criador Todo-Poderoso existe, sua criação tem
valor e finalidade puramente baseado em seu próprio conselho e vontade, e
as Suas criaturas seria de especial valor e interesse para ele. Sua onisciência
garante projeto e conhecimento perfeito, e Ele poderia fornecer um padrão
para tudo o que é verdadeiro. Como um ser amoroso e pessoal, é razoável
que Ele deseja nossa comunhão e escolher para revelar Seus propósitos para
nós. A Bíblia afirma ser a Sua revelação especial, e ensina exatamente as
verdades sobre Deus. Muitos descobriram que as Escrituras são a maravi-
lhosa obra de alguém que pudesse prever o futuro, transformar o coração, e

18
que amorosamente revelou suas duas grandes obras da criação e da reden-
ção. A revelação dada por Aquele amoroso que conhece todas as coisas logi-
camente ser tanto verdadeira e claramente comunicado.
É aqui que a bacia hidrográfica é encontrada. O que dizem as Escritu-
ras? Tomando o significado mais óbvio da língua, as Escrituras ensinam em
Gênesis que o nosso universo foi criado em pleno funcionamento em seis di-
as de 24 horas. Tomado pela fé, essas palavras representam o testemunho
do próprio Criador, que fez todas as coisas perfeitamente de acordo com sua
própria escolha. Os princípios e as observações da verdadeira ciência não
contradizem a interpretação literal do Gênesis 1 , mas em oferecer apoio fato
para a criação de todas as coisasem seis dias!

Referências e notas
1. Henry M. Morris, a base bíblica para a Ciência Moderna , Baker Book
House, Grand Rapids, MI, p. 36-37, 1984.
2. Steven A. Austin, Mount St. Helens e catastrofismo, Impacto , o artigo
nº 157, Institute for Creation Research, El Cajon, CA, Julho de 1986.
Steven A. Austin, Mount St. Helens, Evidence Explosivo para Catastro-
phe , vídeo documentário, Institute for Creation Research, El Cajon, CA,
1989.
3. George N. Hatsopoulos e Joseph H. Keenan, Principles of General ter-
modinâmica, John Wiley and Sons, Inc., Nova Iorque, p. 368, 1965.
4. Ibid., p. xxxviii.
5. Francis Crick, a própria vida, sua origem e natureza , Simon and
Schuster, New York, p. 52 & 8211; 55, de 1981.
6. Gordon J. Van Wylen e Richard E Sonntag, Fundamentos da Termodi-
nâmica Clássica, 2ª edição, SI versão, John Wiley and Sons, Inc., New
York, p. 243, de 1978.

19
jerry r. bergman
Biologia

Quase todas as pessoas em um momento ou outro faz a pergunta: "On-


de veio a vida" Limite-se com a resposta é a questão adicional, essencialmen-
te, dois pontos de vista existem sobre esta questão "Qual é o propósito da
vida na terra?": (1) a posição ateísta, que conclui que a vida surgiu através
de mudança, tempo e um grande número de casos fortuitos; e (2) a posição
criacionista , que ensina que cada tipo de organismo vivo foi criado por um
criador que a maioria das pessoas chamam de Deus. O cristianismo tem,
desde a sua criação, ensinado que a vida foi criada por Deus para um propó-
sito específico. "Você (Deus) criou todas as coisas, e por tua vontade vieram a
existir e foram criadas "(Apocalipse 4:11). Da mesma forma, o judaísmo e o
islamismo, historicamente, ensinou esta doutrina da criação (ver Gn 1:1-8).
Naturalismo evolucionista, muitas vezes chamado de ateísmo, ensina
que a vida começou pela colisão aleatória de átomos suficientes para formar

20
moléculas complexas que produziam cópias exatas de si mesmos. Estas mo-
léculas hipotéticas eventualmente evoluíram para as células e, em milhares
de milhões de anos, evoluiu para toda a vida existente hoje. A chave para
esta evolução molécula-a-homem foi mutações (erros de cópia genética) e
seleção natural (a seleção de mutações favoráveis que alteram o animal ou
planta, de modo que eles são mais aptos a sobreviver).

Os requisitos para a vida


A tese deste capítulo é que a origem da vida não poderia ter ocorrido por
um processo gradual, mas deve ter sido instantânea. A razão pela qual isso
deve ser verdade é simples. Cada máquina deve ter um certo número mínimo
de peças para que ele funcione, e se uma parte abaixo desse mínimo é remo-
vido, a máquina irá parar de funcionar. O exemplo Behe usa é uma ratoeira
primavera comum, que exige dez partes para funcionar. A armadilha não vai
mais funcionar se apenas uma parte é removida. Ninguém foi capaz de mos-
trar esse conceito a ser erradas só que sob certas condições uma determina-
da máquina pode operar com menos uma parte.
Muitos desses exemplos "menos uma parte", porém, são enganosas. (28
p., 1993) estratagema observa que uma ratoeira pode ser fixada ao chão,
eliminando assim a base, ele afirma. Na verdade, ele só usa
uma diferente base (chão); uma base ainda é necessária. Além disso, as par-
tes ratoeira são inúteis sem a inteligência para montá-los em uma unidade
de funcionamento. Uma armadilha também é inútil sem a isca, o conheci-
mento ea capacidade necessários para usar a armadilha, ea existência de
um rato com inteligência o suficiente para buscar a isca, mas falta de expe-
riência e inteligência para evitar a armadilha. Um sistema ratoeira simples é
muito mais complexa do que parece à primeira vista.
O argumento de complexidade irredutível pode ser estendida para o
processo de criação que produziu vida. O conceito argumenta que tanto a
um organismo e das suas partes, incluindo órgãos, células, organelos, ou
mesmo a sua proteína, não podem funcionar abaixo de um determinado
número mínimo de peças. Em organismos biológicos a menor unidade de

21
vida é a célula, e o número de peças que contém ao nível subatômico é ge-
ralmente muito maior do que uma biliões. Como Hickman observa:
As células são o tecido da vida. Mesmo as células mais
primitivas são extremamente complexas estruturas que for-
mam as unidades básicas de toda a matéria viva. Todos os te-
cidos e órgãos são compostos de células. Em um ser humano
um número estimado de 60 trilhões de células interagem, ca-
da um desempenhando o seu papel especializado em uma
comunidade organizada. Em organismos unicelulares todas as
funções da vida são realizados dentro dos limites de um paco-
te microscópica. Não há vida sem células (Hickman, 43 p.,
1997).
Mesmo a maioria das bactérias necessitam de vários milhares de genes
para realizar as funções necessárias para a vida. E. coli tem cerca de
4.639.221 pares de bases de nucleótidos, que codificam para genes de 4288,
cada um dos quais produz uma proteína máquina extremamente comple-
xa. As espécies mais simples de bactéria, Chlamydia e Rickettsia, são os me-
nores seres vivos conhecidos. Apenas algumas centenas de átomos de largu-
ra, eles são menores do que o maior vírus e tem cerca de metade do DNA
como fazem outras espécies de bactérias. Embora eles são tão pequenos
quanto é possível ser e ainda ser vivo, essas duas formas de vida ainda exi-
gem milhões de peças atômicas (Trefil, 28 p., 1992). Muitas das bactérias
mais pequenas, tais como Mycoplasma genitalium, que tem 452 genes, são
vírus semelhantes a parasitas e apenas pode viver com a ajuda de organis-
mos mais complexos. Por esta razão, ao pesquisar os requisitos mínimos pa-
ra a vida, a exemplo de E. coli é mais realista.
Se a forma mais simples de vida requer milhões de peças em nível atô-
mico, as formas de vida mais altas exigem trilhões. Todas as muitas macro-
moléculas necessários para a vida são construídos de átomos, os quais são
compostos por peças ainda mais pequenas. Que a vida requer um certo nú-
mero mínimo de peças é bem documentada, eo único debate é como mui-
tos milhões de partes funcionalmente integradas são necessárias, não o fato

22
de que um número mínimo deve existir para toda a vida para viver. Todos os
vírus são abaixo do nível de complexidade necessário para a vida, e por esta
razão eles devem viver como parasitas que necessitam de células complexas,
a fim de se reproduzir. Trefil observou que a questão de onde os vírus vêm é
um "mistério duradouro" na evolução. Eles consistem principalmente em
apenas uma molécula de DNA e uma camada de proteína e
... Não se reproduzem de uma forma normal, [portanto] é
difícil ver como poderiam ter se iniciado. Uma teoria: eles são
parasitas que, durante um longo período de tempo, perderam
a capacidade de reproduzir de forma independente. ... Os ví-
rus estão entre a menor das coisas "vivas". Um vírus típico,
como o que faz com que a gripe comum, pode haver mais de
um milhar de átomos de diâmetro. Este é, em comparação
com células que podem ser centenas ou mesmo milhares de
vezes esse tamanho. Seu tamanho pequeno é uma razão que é
tão fácil para um vírus se espalhar de um hospedeiro para ou-
tro, é difícil filtrar tudo o que pequena (Trefil, p. 9, 1992).
Muito simplificada, a vida depende de um complexo arranjo de três
classes de moléculas: DNA , que armazena planos directores da célula; RNA,
que transporta uma cópia das informações necessárias contida no DNA para
a estação de montagem de proteínas; e proteínas , que fazem de tudo, desde
os ribossomos para as enzimas. Além disso, são necessários acompanhantes
e muitas outras ferramentas de montagem para assegurar que a proteína
está devidamente montado. Todas estas partes são necessários e deve existir
como uma unidade devidamente montado e integrado. O DNA é inútil sem
RNA e proteínas, apesar de alguns tipos de bactérias podem combinar as
funções das peças básicas exigidas.
O problema para a evolução causada pela enorme complexidade neces-
sária para a vida é muito bem reconhecido, e nenhuma das propostas para
superá-la são mesmo remotamente satisfatória (Spetner, 1997). Estas pro-
postas incluem a teoria da panspermia avançado pelo Prêmio Nobel Francis
Crick. Panspermia é a hipótese de que a Terra foi semeada pela vida de ou-

23
tros planetas (Crick, 1981). Esta solução, no entanto, só se move o problema
para outro. Naturalismo deve levar em conta tanto as peças necessárias para
a vida e sua montagem correta. Para que a vida persista, os seres vivos de-
vem ter um meio de receber e processar bioquimicamente alimentos. A vida
também requer oxigênio, que deve ser distribuído para todos os tecidos, ou
para a vida unicelular, oxigênio deve eficazmente e com segurança ser mo-
vimentados dentro da membrana celular para onde ele é necessário, sem
danificar o celular. Sem mecanismos complexos para realizar essas tarefas, a
vida não pode existir. As partes não poderia evoluir separadamente e não
poderia mesmo existir independentemente por muito tempo, porque iria
quebrar no meio ambiente sem proteção (Overman, 1997).
Mesmo que existisse, as muitas partes necessárias para a vida não po-
dia sentar ocioso de espera para as outras partes a evoluir, porque as exis-
tentes, normalmente se deteriorar muito rapidamente dos efeitos da desidra-
tação, oxidação e à ação de bactérias ou outros agentes patogénicos. Por esta
razão, apenas uma criação instantânea de todas as peças necessárias como
uma unidade de funcionamento pode produzir vida. Não há evidência con-
vincente já foi apresentado para refutar esta conclusão, e muita evidência
existe para a exigência de criação instantânea, como a descoberta de que a
maioria dos nucleotídeos degradar bastante rápido nas temperaturas cientis-
tas concluem existiram na Terra primitiva (Irion, 1998).
O problema é que as meias-vidas de muitos dos blocos básicos da vida
"são demasiado curto para permitir a acumulação adequada destes compos-
tos. ... Portanto, a menos que a origem da vida ocorreu muito rapidamente
(<100 anos) ... uma origem temperatura elevada de vida ... podem não envol-
ver adenina, uracilo, guanina, citosina ou "(Levy e Miller, 7933 p.,
1998). Esta descoberta é um grande revés para a abiogênese, pois a alta
temperatura (80 ° -100 ° C) origem da vida é o único modelo viável para a
esquerda (Levy e Miller, 1998). Os criacionistas apenas começado a explorar
este enorme empecilho ao darwinismo.
A forma mais simples de vida eucariota é fermento. A maioria dos euca-
riotos são muito mais complexo do que o fermento, e um óvulo fertilizado,

24
chamada zigoto, é a complexidade mínimo possível para todas as formas de
vida multicelulares. Além disso, o desenvolvimento de um organismo a partir
de um zigoto não fornece evidência de evolução, porque um zigoto não pode
existir como uma unidade independente, mas é dependente de um complexo
sistema de suporte concebido, tal como um útero ou um ovo. Um sistema de
vida complexo projetado para produzir os gametas existe em primeiro lugar,
eo zigoto é apenas parte de uma série de estágios destinados a permitir-lhe
cumprir o seu potencial.
Um órgão ou um organismo não pode funcionar, nem vai ser seleciona-
do, até que seja minimamente funcional. A este nível deve ser tanto enor-
memente complexa e depende de muitas outras partes do sistema (Behe,
1996). Um gameta contém todas as informações necessárias para se desen-
volver em um organismo completo. Quando o organismo está a desenvolver
em primeiro lugar, todas as suas células são totipotentes, o que significa que
cada célula pode desenvolver em qualquer um dos mais de 200 tipos de cé-
lulas necessárias para um ser humano adulto de viver, incluindo epitelial,
músculo, sangue e outros tipos de células.
Os evolucionistas uma vez argumentou que toda a vida pode desenvol-
ver a partir de alguns primeira célula hipotética, porque ainda hoje toda a
vida nova se desenvolve a partir de uma única célula, mas agora percebemos
que uma célula pode se transformar em um organismo complexo só porque
todas as peças e instruções estão no célula original produzido a partir da
concepção. A mãe humana passa não apenas 23 cromossomos, mas também
uma célula inteira para sua prole, que inclui todas as organelas necessários
para a vida. Uma célula só pode vir de uma célula funcionando e não pode
ser construído aos poucos, porque todas as principais organelas devem ter
sido criados e montados instantaneamente para a célula de existir (Over-
man, 1997).
As células necessitam todos os seus milhões de peças necessárias para
permanecer vivo, assim como um mamífero deve ter pulmão, fígado, coração
e outros órgãos para viver. Todos os milhões de partes da célula são obriga-
dos a realizar o negócio bioquímico complexo necessário para a vida. Este

25
negócio requer fabricação e processamento de proteínas e armazenamento
de informação genética para ser passada para a próxima geração. Trefil
chamou a evolução dos procariontes (células sem organelas) em eucariontes
(células com organelas e outras estruturas que faltam em procariontes) um
"grande mistério da evolução" por causa da falta de provas da evolução das
organelas, ea total falta de ligações plausíveis entre eucariontes e procarion-
tes.
As diferenças entre células procariotas e eucariotas são
surpreendentes, para dizer o mínimo. Mas se este evoluiu a
partir do primeiro, por que não existem estágios intermediá-
rios entre os dois? Por que, por exemplo, não existem células
com DNA solto e organelas? Se a linha evolutiva realmente
passou de procariontes para eucariontes, e temos muitas
amostras de vida de cada um, por que nenhum dos estágios
intermediários sobreviver? (Trefil, p. 104, 1992).
Esta visão também se reflete na observação de que o universo parece ter
sido projetado especificamente para conter a vida humana, e funciona como
uma unidade de permitir e de suporte de vida (Overman, 1997).

Criação de seres humanos


Os problemas de uma criação instantânea são mais bem ilustrado pelo
primeiro homem, Adão. Se criado como um adulto maduro, Adam parece ser
cerca de, digamos, 30 anos de idade quando ele era apenas um dia de ida-
de. Se Adão foram examinados clinicamente, muita evidência científica em
apoio a uma estimativa de idade de 30 anos seria encontrado. A maioria dos
exames médicos concluídos em tal homem iria concluir que ele era e teria
que ser tratado medicamente, como se ele, de fato, estavam no auge de sua
vida, mesmo que apenas um dia de idade.
Isto não implica que Deus é enganador, mas apenas que a existir como
um organismo vivo, o corpo humano tinha que ser criado totalmente forma-
do. Se o seu sangue já não estava circulando quando Adão foi criado, os
poucos minutos que levaria para preparar o sistema e para que o sangue
circule para o cérebro pode causar morte celular maior ou danos. Todos os

26
órgãos de Adão, incluindo o coração, pulmões, rins e cérebro, deve ter sido
funcionando simultaneamente como uma unidade no segundo que ele foi
criado. Em outras palavras, Deus criou Adão como um homem maduro.
Apesar de o médico que completou um físico em Adam, um dia depois
que ele foi criado teria de concluir a partir de medidas de desenvolvimento,
tais como osso-cartilagem proporções, que Adão tinha 30 anos, alguma evi-
dência para os jovens poderiam ter sido encontrado em a Adam de um dia de
idade, não pode ter encontrado alguns efeitos do envelhecimento, tais como
alterações nas células do cérebro, que existem em média 30 anos de idade
hoje. Este, porém, pode ter sido porque ele era perfeito, mas isso não exclui o
fato de que algumas provas, como o exame de cultura de tecidos de suas cé-
lulas, pode ter existido para provar que ele era de fato uma semana de idade.
Da mesma forma, porque o universo é enorme inter-relacionados, o Cri-
ador não poderia ter criado a terra sozinho, mas deve ter criado todo os céus
ea terra como uma unidade funcional. E do mesmo modo como Deus criou o
universo por uma razão (como um sistema de apoio para a terra), e deve ter
criado Adão com sangue em movimento em suas veias, é também uma infe-
rência lógica que as estrelas foram criadas em movimento em suas órbitas e
com sua luz em trânsito. Embora essa crença não pode atualmente ser de-
monstrável, pode, contudo, ser a mais razoável das poucas possibilidades
que agora existem.
Este ponto de vista é mais viável do que pode parecer à primeira vis-
ta. Prêmio Nobel George Wald ainda afirmou que ele acreditava que o univer-
so foi projetado para a vida. Em uma recente entrevista, ele afirmou que
concluiu que a evidência é claramente óbvio, porque os elementos carbono,
hidrogênio, oxigênio e nitrogênio "têm propriedades únicas que se encaixam
no trabalho e não são compartilhadas por qualquer elemento no sistema pe-
riódico" (entrevista em 12 Levy, p., 1998).
Criando o universo em partes não seria contrário a criação de um fígado
e aguardar alguns dias antes de criar um cérebro, então várias semanas an-
tes de criar um osso do fémur até que o corpo foi finalmente concluí-
da. Nenhum outro método parece existir para produzir a vida que não seja

27
criar instantaneamente um organismo completo em pleno funcionamen-
to. Isso não impede que as mudanças podem ter ocorrido desde aquela épo-
ca, só que um certo nível de complexidade deve ter existido tanto para um
organismo e um universo de existir.
A deriva genética, as mutações eo deslocamento do conjunto de genes
pode trazer apenas pequenas mudanças na vida, muda variações criacionis-
tas etiqueta dentro dos tipos Genesis. Alguns criacionistas acreditam que
essas mudanças têm sido, historicamente, relativamente significativo, como
um par de animais gato-tipo que produzem por recombinação genética todos
os gatos existentes hoje, incluindo leões, tigres e leopardos. Comparações
anatómicas apoiar esta e existem diferenças relativamente minutos, por
exemplo, entre tigres e leões, pelo menos em comparação com outros tipos
de animais. Também híbridos de animais (como tigons e ligres ) foram pro-
duzidos para mostrar a proximidade de muitos animais.
A comparação da criação de um corpo humano, com a criação do uni-
verso tem sido apoiada por descobertas recentes. A pesquisa revelou que o
universo é extraordinariamente organizado: a nossa terra é organizada em
um sistema solar, que é parte de um grupo altamente organizado de estrelas
chamado de galáxia , que é parte de uma família altamente organizada de
galáxias chamado grupos que, por sua vez, são organizados em um enorme
grupo de aglomerados chamados superaglomerados .

A vida e informações
Uma das evidências mais convincentes em apoio à visão de
mundo criação instantânea é a observação diária que a informação
não acontece por acaso e, se deixado a si mes-
mo, distúrbio geralmente resulta em breve. Arqueólogos normal-
mente são facilmente capazes de discernir se um objeto encontrado
em seu campo escavações de pesquisa foi produzido por seres hu-
manos ou por eventos naturais, como o vento ou a chuva. Os crité-
rios que eles usam para fazer isso é o grau de informação do objeto
contém (Yockey, 1992). Complexidade e informação são provas

28
convincentes de que alguma agência inteligente fora (o que no caso
das descobertas de um arqueólogo era outro ser humano) aplicou
habilidades de design e inteligência para o mundo natural, a adi-
ção de um maior nível de informação e ordem em cima do que o
que existe naturalmente no mundo não-vivo, como rochas.
Ambos os reinos vegetal e animal manifestar enorme complexidade e in-
formações em seus códigos genéticos, mas essa ordem e informa-
ção preexiste no animal ou vegetal e foi herdado e transmitido através da re-
produção. Exceto para o mundo dos vivos eo "mundo" feito por seres huma-
nos, o mundo natural funciona de acordo com leis físicas preexistentes e eventos anteri-
ores . O mundo dos vivos, o que os cientistas estão apenas começando a en-
tender, representa um nível de complexidade do projeto com base nas infor-
mações existentes no código genético que não é encontrado em qualquer lu-
gar do mundo não-vivo, exceto que criado por seres humanos. Daí a justifi-
cativa para a crença de que o mundo dos vivos não poderia vir do mundo
não-vivo. Como o biólogo molecular Nobel pesquisa laureado Komfield decla-
rou em uma entrevista agora famoso, que ocorreu mais de 36 anos atrás:
Enquanto trabalhando entre os meandros e partículas
definitivamente hora em um laboratório, que freqüentemente
têm sido dominado por um sentimento de infinita sabedoria
de Deus ... um é bastante espantado que um mecanismo de
tal complexidade jamais poderia funcionar corretamente em
tudo ... o que se fez homem-simples mecanismo exige um pla-
nejador e uma máquina; como um mecanismo de dez vezes
mais envolvidos e intrincados pode ser concebida como auto-
construídas e auto-desenvolvimento está completamente fora
de mim (Komfield, p. 16, 1962).
Em outras palavras, a enorme quantidade de informação genética que
se traduz na complexidade que é evidente em toda parte no mundo vivo é
muito além do que a encontrada em ambos o não-vivo eo mundo humano-
fabricados. Os produtos produzidos pelo mundo não-vivo (como pedras lisas
polidas pela água em movimento) nunca poderia produzir tanto a vida vege-

29
tal ou animal, porque toda a vida é baseada em informações, e as peças pro-
duzidas por essa informação deve ser montado de acordo com um plano
concebido em um ambiente como um determinado ecossistema que sustenta
a vida.

Prova matemática da exigência de designer


Que uma estrutura complexa, tal como um organismo vivo
pode ser formado por acaso sem entrada inteligente nunca foi de-
monstrada em laboratório ou em qualquer outro lugar. Dado tempo
suficiente, as razões visão naturalista do mundo, tudo é pelo me-
nos possível. O problema com essa visão é que o grau de informa-
ção e da complexidade exigida para os organismos vivos para poder
"viver" é tal que, além de design inteligente deliberada, pelo que
sabemos agora, não importa o que as condições, o tempo por si só
não permitem a construção naturalista de vida. Evolucionista
Stephen Jay Gould afirmou que, mesmo que a história evolutiva da
Terra se repetiu um milhão de vezes , ele duvida que algo como o
Homo sapiens nunca iria desenvolver novamente (Gould, 1989; ver
também Kayzer, 86 p., 1997).
Muitos pesquisadores concluíram que a probabilidade de a vida ter sur-
gido por acaso é tão remota que temos de rotulá-la uma impossibilidade. Por
exemplo, Hoyle (1983) observa que a probabilidade de desenho ou dez bran-
co ou dez bolas pretas de uma grande caixa cheia de bolas que contém o
mesmo número de bolas pretas e brancas é cinco vezes fora de um mi-
lhão! Se aumentarmos o número para 100 e chamar a conjuntos de 100 bo-
las, a probabilidade de atrair 100 preto ou 100 bolas brancas em sucessão
agora é tão baixo a ponto de ser para todos os efeitos práticos, impossíveis.
Para ilustrar este conceito, tal como aplicado em biologia, uma estrutu-
ra ordenada de apenas 206 partes serão examinados. Este não é um grande
número – o esqueleto humano adulto, por exemplo, contém na média de 206
ossos separados, todos montados em conjunto no seu todo funcionamento

30
perfeitamente integrada. E todos os sistemas do corpo – até mesmo dos nos-
sos células organelas – são muito mais complexas do que isso.
Para determinar o número possível de diferentes maneiras 206 peças
podem ser conectados, considere um sistema de uma parte que pode ser ali-
nhados em apenas uma maneira (1 x 1); ou um sistema de duas partes de
duas maneiras (1 x 2) ou 1, 2 e 2, 1; um sistema de três partes, que podem
ser alinhados em seis maneiras (1 x 2 x 3), ou 1, 2, 3; 2, 3, 1; 2, 1, 3; 1, 3,
2; 3, 1, 2; 3, 2, 1; uma das quatro peças em 24 formas (1 x 2 x 3 x 4), e as-
sim por diante. Assim, um sistema de 206 partes poderia ser alinhado em 1
x 2 x 3 ... 206 maneiras diferentes, iguais a 1 x 2 x 3 x ... x 206. Este núme-
ro é chamado "206 fatorial" e é escrito "206!".
O valor de 206! é um número extremamente grande, aproximadamente,
10388 , que é um "1", seguido por 388 zeros, ou:
10,000,000,000,000,000,000,000,000,000,
000,000,000,000,000,000,000,000,000,000,
000,000,000,000,000,000,000,000,000,000,
000,000,000,000,000,000,000,000,000,000,
000,000,000,000,000,000,000,000,000,000,
000,000,000,000,000,000,000,000,000,000,
000,000,000,000,000,000,000,000,000,000,
000,000,000,000,000,000,000,000,000,000,
000,000,000,000,000,000,000,000,000,000,
000,000,000,000,000,000,000,000,000,000,
000,000,000,000,000,000,000,000,000,000,
000,000,000,000,000,000,000,000,000,000,
000,000,000,000,000,000,000,000,000,000
Realização de apenas o geral correta posição necessária (ignorando por
agora onde os ossos vieram, a sua cabeça para baixo ou a colocação do lado
direito para cima, o seu alinhamento, a origem dos tendões, ligamentos e
outras estruturas de suporte) para todas as 206 peças ocorrerá apenas uma
vez em cada 10388 sortimentos aleatórios. Isto significa uma chance de
10388 existentes na ordem correta selecionada no primeiro julgamento, e ca-

31
da outro julgamento depois, dado todos os ossos como eles atualmente exis-
tem no nosso corpo.
Se um novo julgamento pode ser concluído a cada segundo por cada se-
gundo disponível em toda a visão evolucionária estimado de tempo astronô-
mico (cerca de 10 a 20 bilhões de anos), utilizando a estimativa mais conser-
vadora nos dá 1018 segundos; as chances de que a posição geral correta será
obtida por acaso é menor do que uma vez em 10 bilhões de anos. Isto produ-
zirá uma probabilidade de apenas um em cada 10(388-18) ou um em cada
10370.
Se cada parte é apenas o tamanho de um elétron, uma das menores
partículas conhecidas no universo, e de todo o universo conhecido estavam
solidamente embalado com conjuntos de ossos, esta área conservadoramen-
te estimado em 100 bilhões de anos-luz cúbicos poderia conter apenas cerca
de 10130 conjuntos de 206 partes cada. O que é a possibilidade de
que apenas um destes 10130 conjuntos, cada um arranjar os seus membros,
por acaso, vai conseguir o alinhamento correto apenas uma vez em dez bi-
lhões de anos? Suponhamos também que inventar uma máquina capaz de
fazer não um julgamento por segundo, mas de um bilhão de bilhões de en-
saios diferentes a cada segundo em cada um dos 10130 conjuntos. O número
máximo de possíveis provas que alguém poderia concebem sendo feito com
este tipo de situação permitiria um total de 10166 ensaios (10130 x 1018 x
1018 ). Mesmo com essas dificuldades, a chance de que um desses
10166 ensaios iria produzir o resultado correto é apenas uma de 10388 , ou
apenas um em cada 10222 julgamentos de todos os conjuntos.
Além disso, todas as partes devem ambos primeiro existir e ser instan-
taneamente devidamente montadas, para que o organismo para funcio-
nar. Para todos os efeitos práticos, existe uma possibilidade zero que a posi-
ção geral correta de apenas 206 peças podem ser obtidas simultaneamente
por acaso e o ser humano médio tem cerca de 75 trilhões de células! O cór-
tex cerebral humano por si só contém mais de 10 bilhões de células, todas
dispostas na ordem adequada, e cada uma destas células é em
si infinitamente complexo a partir de um ponto de vista humano. Cada uma

32
das células do corpo humano consiste de milhares de multi-partes básicas,
tais como organelos e vários milhões de proteínas complexas e outras partes,
todos os quais devem ser montados de forma correcta e instantaneamente
tanto como uma unidade, a fim de funcionar. Este equilíbrio ea necessidade
de montagem deve ser mantida mesmo durante a divisão celular.
Esta ilustração indica que o argumento comumente usado pelos evolu-
cionistas "dado tempo suficiente, tudo é possível" está querendo. Naturalis-
mo evolucionista afirma que o sistema ósseo aconteceu como resultado de
tempo, sorte e forças "naturais", o último elemento realmente segurando o
status de um deus. Tempo, o chefe de escape que o naturalismo deve contar
para apoiar a sua teoria, é, portanto, um deus falso. Estruturas ordenadas
complexos de qualquer espécie (de que bilhões devem existir no corpo para
que ele funcione) não pode acontecer, exceto por design e inteligência, e que
deve ter ocorrido simultaneamente para a unidade para funcionar. Os cien-
tistas reconhecem esse problema, e é por isso que Stephen Jay Gould con-
cluiu que os seres humanos são um acidente evolucionário glorioso que exi-
gia 60 trilhões de eventos contingentes (Gould, 1989, ver também Kayzer,
1997, p. 92).
É claro, a hipótese evolução naturalista não propõe que as partes da vi-
da resultou de um conjunto de ossos, mas em vez disso propõe que uma sé-
rie prolongada de coincidências graduais deu origem à vida e do mundo co-
mo nós o conhecemos. Em outras palavras, a primeira coincidência levou a
uma segunda coincidência, o que levou a uma terceira coincidência, o que
eventualmente levou à coincidência "i", o que levou até a presente situação ",
N." Os evolucionistas nem sequer foi capaz de postular um mecanicista
"primeiro" coincidência, apenas o pressuposto de que cada passo deve ter
tido uma vantagem de sobrevivência e só por este meio poderia evolução do
simples para o complexo ter ocorrido. Cada coincidência "i" é assumido como
sendo dependente de etapas anteriores e ter uma probabilidade dependente
associada a estimativa de probabilidade resultante para a ocorrência de na-
turalismo evolucionista é calculada como a série de produtos, dado o seguin-
te "Pi".:

33
N o número de coincidências passo a passo no processo evolutivo
i o índice para cada coincidência: i 1,2,3 ...
Pi a probabilidade dependente avaliados para a coincidência i'ésima
PE a probabilidade do produto que tudo evoluiu pelo naturalismo.
Inúmeros passos são postulados para existir na sequência evolutiva,
portanto, N é muito grande (isto é, N ...). Todos os valores de Pi são menos do
que ou igual a um, com a maioria delas muito menor do que 1. Quanto mai-
or o salto proposto no passo i, menor a probabilidade associada Pi 1, e uma
série de propriedades do produto, onde N é muito grande e a maioria dos
termos são significativamente inferiores a um rapidamente converge muito
próximo de zero.
A conclusão desse cálculo é que a probabilidade de evolução naturalista
é essencialmente zero. Sir Fred Hoyle (1982), calculado "a chance de um em-
baralhamento aleatório de aminoácidos produzindo um conjunto viável de
enzimas" a ser inferior a 1040.000, e a equação faixa verde irrealisticamente
otimistas famoso dá a chance de encontrar vida em outro planeta no ordem
de apenas uma em 1030 .
Estas probabilidades argumentam que a distribuição de probabilidade
de moléculas nunca poderia levar a condições favoráveis para o desenvolvi-
mento espontâneo da vida. O raciocínio que nos leva a essa conclusão é que
as moléculas vivas contêm um grande número de elementos que devem ser
montados instantaneamente em uma certa ordem para a vida. A probabili-
dade de a ordem requerida numa única molécula de proteína básica resul-
tante puramente ao acaso é estimado em 1043 (Overman, 1997). Desde mi-
lhares de moléculas de proteínas complexas são necessárias para construir
uma célula simples, movimentos de probabilidade acaso arranjos destas mo-
léculas fora do reino das possibilidades. Os menores proteínas têm uma
massa atômica de 100 mil ou mais unidades atômicas de massa (AMU), que
é igual a 100 mil átomos de hidrogênio (Branden e Tooze, 1991). E este cál-
culo avalia apenas o necessário a fim de peças, não um funcional arranjo, ou
seja, um que funcione. Mesmo que as engrenagens de um relógio estão dis-
postos na correta ordem , o relógio não funcionará corretamente até que as

34
engrenagens estão devidamente engrenado, espaçadas, ajustado, as tolerân-
cias estão corretas, eo sistema está devidamente protegido.
Um problema com a compreensão do conceito de "vida" é que, apesar de
agora ter identificado muitos dos produtos químicos que são necessários, os
pesquisadores ainda não sabem todos os fatores necessários para a vida "pa-
ra viver." Além disso, mesmo a montagem dos produtos químicos adequados
juntos faz não produz vida. O arranjo adequado de ácidos aminados para
formar moléculas de proteínas é apenas um pequeno requisito para a vida. A
maioria dos animais são construídos de milhões de células, e a própria célu-
la é muito mais complicada do que a máquina mais complexa já fabricado
por seres humanos.
A famosa ilustração "a probabilidade de vida proveniente de acidente é
comparável à probabilidade de o dicionário completo resultante de uma ex-
plosão em uma loja de impressão", argumenta que os sistemas de informa-
ção e complexas não pode vir por acaso, mas só pode ser o produto de uma
inteligente designer. Livros também não surgem por acaso, mas são o produ-
to de ambos raciocínio e inteligência (embora alguns livros podem levar-nos
a pensar sobre o autor, mas isso é um outro problema!). Mesmo Darwin ad-
mitiu em seus escritos que era extremamente difícil, ou impossível, conceber
que este imenso e maravilhoso universo, incluindo os seres humanos, com
nossa capacidade de olhar muito para trás e em um futuro distante, foi o
resultado do acaso cego.

A vida da não-vida?
Uma parte importante da questão, "Onde é que a vida vem?" É a ques-
tão da geração espontânea, o conceito de que a vida poderia produzir-se se
as circunstâncias adequadas existiu (Lewis, 1997). Esta idéia não é mais
aceita como possível pelos cientistas seculares com exceção apenas para o
início da vida, quando alguns acreditam que o primeiro organismo vivo de
alguma forma em si gerada espontaneamente, uma ou, no máximo, algumas
vezes, e cada coisa viva, posteriormente evoluiu a partir deste "primeiro "a
vida. Este princípio da ciência que a vida só vem da vida é a chamada "lei da
biogênese." O termo é das palavras gregas bios (vida) e significa gênese (ou

35
seja, nascimento, origem ou criação), e significa que os organismos vivos são
apenas produzidos por outros organismos vivos. Os biólogos sabem apenas
que toda a vida deriva de vida anterior, e que a descendência do organismo
pai são sempre do mesmo tipo. A idéia de que a vida pode vir da não-vida é
chamado abiogênese, que é assumido pelos evolucionistas como tendo ocor-
rido apenas uma ou algumas vezes, no máximo, a história da terra. Esta
conclusão não é um resultado de provas, mas é obtido porque a visão de
mundo dominante atual em ciência ocidental, o naturalismo (ateís-
mo), requer a chance origem espontânea da vida.
A visão naturalista requer um conjunto de condições desconhecidas ter
existido no passado distante que operava para produzir a primeira coisa "vi-
va". Estas forças desconhecidas não operam hoje para produzir moscas da
carne em decomposição ou cadáveres de abelhas, como se acreditava. Os
cientistas demonstraram que a crença de que "a vida" pode vir de "não-vida",
mesmo que milhões de anos estavam disponíveis, é insustentável (Overman,
1997). Darwinismo exige uma explicação não-teísta e, portanto, é forçado a
colocar a fé muito deslocada em um evento improvável "uma única vez" que
a razão deve ter ocorrido porque a vida é aqui. Hoyle, em uma revisão da lite-
ratura, concluiu:
Não há um pingo de evidência objetiva de apoiar a hipó-
tese de que a vida começou em uma sopa orgânica aqui na
terra. De fato, Francis Crick, que compartilhou o prêmio Nobel
pela descoberta da estrutura do DNA, é um biofísico que en-
contra esta teoria não convence. Então, por que os biólogos
entrar em fantasias sem fundamento para negar o que é tão
óbvio, que as cadeias de 200.000 de aminoácidos e, conse-
quentemente, a vida, não apareceu por acaso?
A resposta está em uma teoria desenvolvida ao longo de
um século atrás, que procurou explicar o desenvolvimento da
vida como um produto inevitável dos processos naturais pu-
ramente locais. O seu autor, Charles Darwin, hesitou em de-
safiar a doutrina da Igreja sobre a criação, e publicamente,

36
pelo menos, não traçar as implicações de suas idéias de volta
à sua influência sobre a origem da vida. No entanto, ele suge-
riu em particular, que a própria vida pode ter sido produzido
em "alguma poça morna", e até hoje seus seguidores têm pro-
curado explicar a origem da vida terrestre em termos de um
processo de evolução química da sopa primordial.Mas, como
vimos, isso [a teoria] simplesmente não se encaixa nos fatos
(Hoyle, 1983, p. 23).
Esta conclusão não é exclusivo para Hoyle, mas comum a pensadores
não cegados pelo naturalismo dogmático. Einstein argumentou que a "sen-
timentos religiosos dos cientistas assumem a forma de espanto arrebata-
dor na harmonia da lei natural, o que revela uma inteligência de tal superio-
ridade que, em comparação com ele, todo o pensar e agir dos seres humanos
sistemática é um reflexo absolutamente insignificante "(Einstein, 1949, p.29;
grifo meu). Os cientistas, uma vez argumentou que a vida era relativamente
simples, pode gerar espontaneamente, e regularmente fazia. Eles agora per-
cebem a célula humana é a máquina mais complexa conhecida no universo,
muito mais complexo do que o computador mais caro. Essa percepção tem
forçado muitas pessoas a concluir a vida não poderia ter evoluído, mas deve
ter sido criado instantaneamente como uma unidade em pleno funcionamen-
to.
Toda a evidência existente revela que não há nada vive na terra, seja
animal ou vegetal, que não recebeu a sua vida, desde a vida anterior, seu pai
sexuada ou assexuada. Desde que a lei da biogênese afirma que a vida só
procede de vida preexistente, várias formas de vida pré-existente deve ter
sido pais de todos os organismos vivos. E já que a vida não pode criar a si
mesmo, a fonte da vida deve ser Deus: "O Senhor .... Pois em ti está a fonte
da vida" (Sl 36:6-9). Nas palavras do cientista muito conhecido, Robert Jas-
trow, "para o cientista que viveu pela sua fé no poder da razão, a história [da
busca de respostas sobre a origem da vida e do universo] termina como uma
sonho ruim. Ele escalou as montanhas da ignorância; ele está prestes a con-
quistar o pico mais alto; como ele puxa-se sobre a rocha final, é saudado por

37
um grupo de teólogos que se têm sentado lá por séculos" (Jastrow, 1978, p.
116).

Leituras
1. Avaliações anuais de Astronomia e Astrofísica 20 : 4A5, 1982.
2. Behe, Michael, A Caixa Preta de Darwin, Free Press, New York,
1991.
3. Branden, Carl e John Tooze, Introdução à estrutura da proteína ,
Garland, New York, 1991.
4. Crick, Francis, a própria vida , Simon and Schuster, New York,
1981.
5. Einstein, Albert, O mundo como eu o vejo , Philosophical Library,
New York, 1949.
6. Enciclopédia da Ciência e Tecnologia , McGraw Hill, New York, Vol. 3,
1971.
7. Gould, Stephen Jay, Wonderful Life; O Burgess Shale ea natureza da
história , Norton, New York, 1989.
8. Hickman, Cleveland, Larry Roberts, e Allan Larson, Princípios Inte-
grados de Zoologia , Wm. C. Brown, Dubuque, IA, 1997.
9. Hoyle, Fred, The Intelligent Universe , Holt, Rinehart and Winston,
New York, 1983.
10. Irion, Robert, Oceano cientistas encontram vida, do calor nos
mares, Ciência 279 : 1302-1303, 1998.
11. Jastrow, Robert, Deus e os astrônomos , WW Norton Company,
New York, 1978.
12. Kayzer, W, um acidente Glorioso, compreensão de nosso lugar no
quebra-cabeça cósmico , WW Freeman and Co., de Nova York,
1997.com/store_redirect.php ?.
13. Knight, Jonathan, arranque a frio; Foi o pontapé inicial para a
vida em vez de congelados Seas Boiling Vents? New Scientist 2142 :
10, 11 de julho de 1998.
14. Komfield, CE, A Evidência de Deus em um universo de expan-
são, Veja , 16 de janeiro de 1962.
15. Levy, David, Quatro Fatos simples por trás do milagre da vi-
da, Revista Parade , 12 de junho, 1998, p 12.
16. Levy, Mateus e Stanley Miller, a estabilidade das bases de RNA:
implicações para a origem da vida, Proceedings of the National Aca-
demy of Sciences USA 95: 7933-8, 1998.
17. Lewis, Ricki, pesquisadores sopa primordial reunir no Fu-
ro, Ciência 227 : 1034-5, 1997.

38
18. Overman, Dean, um processo contra Acidentes e Auto-
Organização , Rowman & Littlefield Pub., New York, 1997.
19. Ruse, Michael, respondendo à criacionistas, Free Inquiry 18 (2):
28-32, 1998.
20. Spetner, Lee, não por acaso! Judaica Press, Brooklyn, NY, 1997.
21. Trefil, James, 1001 coisas que todos devem saber sobre ciência ,
Doubleday, New York, 1992.
22. Yockey, Hubert, Teoria da Informação e Biologia Molecular ,
Cambridge University Press, Cambridge, 1992.

39
john k.g. kramer
Bioquímico

Desde a conclusão meu Ph.D. em 1968, passei 30 anos fazendo pesqui-


sa de lipídios. Embora meu trabalho não abordou especificamente a "origem
da vida" ou a "idade da Terra," Eu acredito que estas questões têm implica-
ções de longo alcance na área de bioquímica lipídica e pesquisa de nutrição.

Fundo cedo
Eu cresci em um lar que crê na Bíblia. Ao longo do ensino médio eu
gostei das ciências e se destacou nesses assuntos. Portanto, era natural para
mim escolher uma carreira em pesquisa científica. Foi durante o meu último
ano no colégio que um dos pastores de nossa igreja se aproximou de mim,
preocupado que eu poderia perder minha fé, se eu continuei na carreira ci-
entífica. Ele me incentivou a ler o primeiro capítulo do Gênesis, sem uma

40
escala de tempo, uma vez que, em sua opinião, foi mais importante acreditar
que Deus criou todas as coisas, independentemente de quanto tempo demo-
rou. Em primeiro lugar, essa visão parecia um pouco inconsistente com a
minha interpretação da Escritura. Mas, devo admitir, este pensamento le-
vantou dúvida suficiente em minha mente que eu não defender uma ou ou-
tra posição com muito entusiasmo por vários anos. Fiquei aliviado que um
confronto crítico nunca se materializou em nenhuma das minhas aulas du-
rante todo o meu BS (Hons) e um programa de mestrado em química e bio-
química na Universidade de Manitoba.

Confrontado com uma escolha


Em 1964, me transferi para a Universidade de Minnesota para um
Ph.D. programa em bioquímica com especialização em química orgânica. Foi
lá que foi confrontado com esta questão no meu segundo ano de um curso
em endocrinologia. Fomos convidados a escrever um ensaio sobre como a
vida começou, com base em princípios evolutivos. Semanas de ler e estudar
este assunto me proporcionou há mecanismos lógicos para processos evolu-
tivos. Eu estava olhando para o tipo de evidência familiar para mim em bio-
química e química orgânica. Era óbvio para mim que a vida não poderia for-
mar ou ser sustentado em qualquer uma redução ou atmosfera oxidante,
não importa a associação improvável de moléculas inanimadas para formar
estruturas altamente ordenadas contendo informações, células biológicas
frágeis, e os processos em que todas as várias partes precisam estar traba-
lhando juntos simultaneamente.
Finalmente, eu tinha que escrever o ensaio. Eu fiz. Eu descrevi um ce-
nário possível que eu pensei que poderia ser testado experimentalmente. No
entanto, depois de reler o ensaio várias vezes, eu continuei a ver as fraque-
zas dos meus argumentos. No total frustração e confusão, eu adicionei al-
gumas frases no final no sentido de que seria mais fácil acreditar em um
Criador que fez tudo isso, que em condições favoráveis que atuam sobre a
matéria inanimada ao longo do tempo. A baixa marca no ensaio foi mais de-
sanimador, e todas as tentativas não conseguiu mudar o placar. Eu percebi
que foi descoberto!

41
Embora eu tivesse cometido a minha vida a Jesus Cristo e fez uma pro-
fissão radical da minha fé com a idade de 16, momento em que fui batizado,
eu agora enfrentava "a minha hora de decisão." Devo acreditar na evolução
ou Deus? Tendo estudado nesta área sem a ajuda de qualquer literatura
cristã sobre esse assunto, cheguei à conclusão firme de que a evolução não
tinha provas para torná-lo credível. Por isso, determinou a acreditar conta de
Deus para o momento e continuou à procura de provas, de um jeito ou de
outro.
Em retrospecto, que a baixa marca no ensaio evolução foi a melhor coi-
sa que me aconteceu. Aprendi a avaliar criticamente os fatos, independen-
temente de pressões externas. Foi então que eu comecei a ver evidências cla-
ras para a criação (Romanos 1: 19-20). Tirei todas as oportunidades para
estudar as Escrituras e ler livros no início.Foi neste momento me deparei
com livros por MacKay 1 e Morris e Whitcomb 2 que me impressionou mui-
to. Por outro lado, fiquei muito desiludido com os evolucionistas que conse-
guiram dar a boa ciência seguido de conclusões irracionais que os sistemas
e processos complexos só passou por algum mecanismo evolutivo inexplicá-
vel mais tempo. Nenhuma evidência. Nenhuma lógica. Apenas desejo de so-
nhar. Ele também tornou-se evidente para mim que ambas as visões eram
estritamente uma questão de crença. Para mim, o cenário de criação apare-
ceu mais lógico do que uma explosão seguida de organização auto-propulsão
de matéria que não possui essas propriedades.
Ao longo desta pesquisa, experimentei uma transformação interessante
dentro de mim. A Bíblia tornou-se vivo e significativo para mim, e meu rela-
cionamento com Deus tornou-se real. Comecei a ver uma ordem surpreen-
dente e design na natureza, o que era completamente consistente com as
Escrituras. Uma área que realmente me fascinou foi as leis do Antigo Testa-
mento em relação aos alimentos e higiene, com suas implicações para a nu-
trição, bioquímica e bacteriologia. Como esses autores têm conhecimento
sobre a ciência moderna, sem a revelação divina?

O trabalho de neve científica

42
Na minha carreira científica tenho observado um princípio interessan-
te. Sempre que pouco é conhecido sobre um objecto, ou é diferente da nor-
ma, mais especulações surgem como para o seu desenvolvimento evoluti-
vo. Em vez de admitir "não sabemos", e trabalhar no sentido de descobrir o
desconhecido, alguns comentários evolutivas são normalmente feitas. Por
outro lado, quanto mais se sabe sobre um determinado assunto, mais ânsia
que há para descrevê-lo em detalhes, e classificar esses sistemas "irreduti-
velmente complexos", como Michael Behe 3 refere-se a ele.
Ninguém jamais demonstrou alterações macroevolutivas em um nível
molecular, mas muitas pessoas prontamente especular ligações evolucioná-
rias entre bactérias, plantas, animais e homem. São as estruturas brutas
não constituídos por células individuais com moléculas complexas? Se a
macroevolução é improvável em um nível molecular, como pode a todo ser
mudado? Comparações intermináveis sequências de DNA não explicam o
desenvolvimento evolutivo. Além disso, as modificações (mutações) observa-
da a um nível molecular, tal como o ADN, são predominantemente perturba-
dor, e sempre com a perda de, não ganhar em, informações e complexida-
de. Isso levou Lee Spetner 4 a concluir "Quem pensa macroevolução podem
ser feitas por mutações que perdem informação é como o comerciante que
perdeu um pouco de dinheiro em cada venda, mas pensei que ele poderia
fazê-lo até em volume."

A evidência de design na minha pesquisa


Nas últimas décadas extenso trabalho tem sido feito em bactérias ter-
mófilas e halofílicas, que crescem sob condições de temperaturas extremas e
sal, respectivamente. Estas bactérias foram classificadas como arqueobacté-
rias, porque alguns cientistas acreditam que estas são as formas mais sim-
ples de vida anterior e. Os lípidos destas bactérias têm ligações químicas
chamadas em vez de ésteres de éteres, e as porções alquilo são na posição 2
e 3 do esqueleto de glicerol, ao invés de nas posições 1 e 2, como em siste-
mas de mamíferos (ver tabela abaixo).

43
Os éteres lipídicos Lipídios Ester

(Posição 1) CH2 – O – X CH 2 – O – CO – R

| |

(Posição 2) CH – O – R CH – O – CO – R'

| |

(Posição 3) CH2 – O – R’ CH 2 –O–X

onde R e R' são grupos alquilo, e X é H ou um grupo polar


Além disso, eles produzem a sua energia sob a forma de adenosina-
trifosfato (ATP) a partir de uma combinação de um gradiente de sódio mais
força motriz protónica, 5 , em vez de apenas uma força motriz protónica co-
mo células de mamíferos. 6 estruturas e processos bioquímicos frágeis nestas
bactérias , muitos dos quais são semelhantes às células de mamíferos, são
protegidos. Mas como? Ligações éter são certamente mais estável do que li-
gações éster, mas que pode não ser toda a explicação. De minha pesquisa eu
acredito que uma estabilidade ainda maior é alcançado por esses lipídios
éter complexação com íons de sódio. A integração de um gradiente de pró-
tons de sódio e ainda não é compreendida, embora o primeiro crescimento
iniciados celular. 7
Portanto, para ver estas bactérias como anteriormente e formas mais
simples de vida é deturpar totalmente a sua complexidade. Estas bactérias
são tão complexas quanto as células de mamíferos, e representam um de-
sign surpreendente adequado para as condições extremas de temperatura e
concentração de sal. Cada célula é produzido de acordo com a informação no
seu respectivo ADN. As tentativas de dar a estas estruturas lipídicas comple-
xas nomes comuns que contêm o prefixo "archae", para denotar sua hierar-
quia evolutiva, 8 não fornece evidências científicas. Afirma a crença, mas não
adiciona nenhum conhecimento científico. Na verdade, pode até ser engano-
sa por o que implica que as estruturas lipídicas e mecanismos de energia
pode evoluir de forma diferente sob diferentes condições ambientais. A evi-
dência mostra que Methanobacteria thermoautotrophi-

44
cum permanecer Methanobacteria thermoautotrophicum através de milhões de
gerações, de acordo com sua informação genética, e crescimento em condi-
ções favoráveis de temperatura e concentração de sal.

Princípios bíblicos fornecer orientações úteis para resolver


problemas científicos
Em 1971 fui convidado a participar de um projeto de pesquisa em baixo
óleo de colza ácido erúcico (agora conhecido como óleo de canola) na Agricul-
tura do Canadá, em Ottawa, Canadá. Uma série de problemas cardíacos fo-
ram observados em ratos alimentados com óleo de colza com elevado teor de
ácido erúcico, que continuou a persistir com os baixos erúcico óleos de colza
ácido recém-desenvolvidos. 9 Havia a preocupação de que os seres humanos
podem ser igualmente afetadas, e, portanto, houve discussões a considerar
recomendando a retirada deste óleo para consumo humano. Uma equipe
multidisciplinar foi criado na Agricultura do Canadá para resolver urgente-
mente esta questão e "deixar as fichas caírem onde eles podem", como Dr. B.
Migikovsky (diretor-geral da agência de pesquisa, Agricultura Canadá) colo-
cá-lo. Fui confrontado com uma escolha. Devo abordar este problema do
ponto de vista evolutivo, o desenvolvimento dos animais para os seres hu-
manos, ou a partir do ponto de vista bíblico de que os animais e os seres
humanos são criados de acordo com o seu tipo? Um de "Weltanschauung"
certamente influenciou a abordagem a esta pesquisa. Eu escolhi a segunda
opção.
Com base na perspectiva bíblica, eu queria saber os resultados de um
número de diferentes espécies animais, encontrar um denominador comum
toxicológico, determinar seu mecanismo de ação, em seguida, determinar se
ocorreu um processo semelhante em seres humanos, e acima de tudo ser
super-cauteloso em extrapolações. Eu estava plenamente consciente de que
minha visão era diferente da de muitos outros membros do grupo, que, oca-
sionalmente, expressou a opinião de olhar para uma tendência evolutiva de
uma espécie para outra, apesar de estarmos todos conscientes dos perigos
de tal raciocínio. A talidomida, por exemplo, não mostraram efeitos nocivos

45
em ratos, mas mostrou anormalidades fetais em coelhos, ratos e seres hu-
manos. 10
Muitas vezes me perguntei se essas duas abordagens são diferen-
tes. Estritamente falando, eles são. No entanto, eu descobri que os cientistas
não manter uma abordagem estritamente evolucionista na área de bioquími-
ca, nutrição. Geralmente os cientistas ter uma abordagem pragmática na
pesquisa. Eles olham para a ordem, consistência, uma base bioquímica, e as
diferenças entre as espécies. Assim, este grande semelhança entre pesquisa-
dores de ambos os campos. É como se eles sabem melhor, mas têm medo de
soar religiosa. Estou muito contente de ver que os cientistas estão a tornar-
se corajoso e apontar a incoerência do pensamento evolutivo, 11 e sugerindo
que o "design inteligente" pode ser uma conclusão melhor para explicar o

mundo físico e biológico. 12 Mas eu sinto que é triste que esses autores , que

demonstram claramente a inconsistência da evolução, deixar o leitor em um


vácuo. Como é que as coisas acontecem? Se houver evidência de "design in-
teligente", que é o Designer? Os livros de Gentry 13 e Parker 14 fornecer uma
conclusão mais lógica, introduzindo o leitor para o Designer.
O óleo de colza razão afetou o coração de uma forma tão original parecia
ser um problema mais desafiador. Eu orei para que Deus me dê sabedoria
para contribuir para a sua solução. Ele o fez. O versículo ruminando na mi-
nha mente no momento em que foi "Por tudo o que Deus criou é bom" (1Tm
4:4). Tomei isso como uma pista a considerar a possibilidade de que o fenô-
meno observado foi possivelmente devido a um desequilíbrio nutricional por
causa da natureza do experimento. Em estudos toxicológicos um componen-
te alimentar é geralmente administrada aos animais no mais alto nível pos-
sível. Para um óleo vegetal (tal como óleo de colza ou óleo de canola, neste
caso) que significava dando o óleo como a única fonte de gordura na dieta
(20 por cento em peso, ou 40 por cento das calorias). Além disso, era possí-
vel que o óleo de colza continha uma toxina natural, que foi agravada pelo
alto teor de óleo presente na dieta? Esses pensamentos, juntamente com o
teste de diferenças entre as espécies, e verificação de metodologias inade-
quadas utilizadas, se tornou a minha força motriz.

46
A resposta a estas questões levou mais de dez anos de pesquisa intensi-
va, com entrada por muitos cientistas da Agricultura do Canadá.Prova acu-
mulado lentamente e na ordem inversa do número anterior. Quanto ao quar-
to ponto, sim, foram utilizados métodos inadequados para relatar os achados
patológicos, no isolamento de mitocôndrias, ea extração de lipídios. Quanto
ao terceiro ponto: o rápido crescimento rato macho foi a única espécie que
apresentou os problemas cardíacos característicos. Ratas, porcos, macacos,
cães, e uma cepa específica de ratos que absorve gordura, principalmente
através do sistema portal não mostrou nenhuma resposta específica para o
óleo de canola.Quanto ao segundo ponto, fracionamento e preparações de
óleos semi-sintéticos exaustivos nos levou a concluir que o chamado fator
"tóxico" foi o próprio petróleo. Portanto, depois de dez anos, muitos experi-
mentos, milhares de análises, e 50 publicações, chegamos ao primeiro pon-
to. Observou-se que estas lesões cardíacas focais em ratos machos foram
relacionados com a composição de ácidos graxos do óleo alimentar. As gor-
duras ricas em ácidos graxos saturados apresentaram menor incidência de
lesões cardíacas, enquanto os óleos vegetais ricos em ácidos graxos poliinsa-
turados, ácido especificamente linolênico (um dos ácidos graxos essenciais),
apresentou a maior incidência de lesões cardíacas. Eu comentei na época
que tinha desenvolvido um "cromatógrafo a gás biológico." É interessante
ressaltar que esses resultados foram exatamente o oposto ao observado para
a aterosclerose (endurecimento das artérias).
Portanto, você pode perguntar, qual é o problema? O problema que
acreditamos ser esta: quando nos alimentamos óleo de canola, o óleo vegetal
mais baixo em ácidos graxos saturados, em ratos em 20 por cento em peso
(40 por cento de calorias), que deprimem o de novo a síntese de gorduras
(principalmente saturadas e ácidos graxos monoinsaturados ácidos) no ani-
mal. Mas os animais em crescimento requer ácidos gordos saturados para a
síntese de membranas, uma vez que o teor de ácidos gordos saturados em
membranas é de cerca de 40 por cento. Portanto, alimentando-se de óleo de
canola o animal torna-se deficiente em ácidos graxos saturados para o acú-
mulo de membrana durante o crescimento rápido. Ácidos gordos saturados

47
não são fornecidos quer pelo óleo dietético ou por de novo síntese. O resulta-
do é uma membrana mais frágil, mais susceptível de quebrar-se durante o
stress, resultando em lesões cardíacas focais. Estes resultados também ofe-
recem uma explicação para a produção de energia reduzido observado em
coração isolado de mitocôndrias, e o alto teor de ácidos graxos livres no co-
ração durante a extração de lipídios. 15 Outros óleos e gorduras vegetais pro-
duzem tipos semelhantes de lesões cardíacas focais, mas a incidência e gra-
vidade diminui rapidamente com o aumento de ácidos gordos saturados di-
minuiu e ácido linolénico no óleo, isto é, óleo de soja> óleo de milho> óleo de
girassol> azeite> banha. Para seres humanos que consomem uma dieta de
gordura misturada, e lactentes humanos não dado um único óleo vegetal
baixa em ácidos gordos saturados como a única fonte de gordura nas fórmu-
las infantis, estas lesões cardíacas, por conseguinte, não apresentaria um
problema.
Foi um incentivo real para mim ver que um princípio bíblico foi consis-
tente com a ciência e me proporcionou uma perspectiva que contribuiu para
resolver este problema.

Por que eu acredito em Gênesis 1


Não há uma evidência de que se pode dar. No entanto, acredito que a
soma de muitos fatos levaria uma pessoa a razoavelmente concluir que o re-
gistro de Gênesis pode ser o cenário mais plausível. O registro de Gênesis
implica que este mundo é muito jovem, possivelmente menos de 10.000
anos; que se deve esperar para ver esmagadora evidência do design em todos
os lugares, em ambos os sistemas físicos e biológicos; e que existe uma se-
melhança entre a coerência e todos os sistemas, o que sugere um Designer
comum.
A primeira evidência é que todos os processos de vida e outros tipos
obedecer aos primeiro e segundo as leis da termodinâmica. Portanto, o mun-
do atual teve um começo e é mensurável indo ladeira abaixo. Em segundo
lugar, numerosos elementos de prova caber uma terra jovem. Para citar al-
guns: os registros históricos, o crescimento da população, o teor de hélio
neste mundo, os neutrinos falta do sol, o período de oscilação do sol, o de-

48
clínio do campo magnético da Terra , o número limitado de supernovas, ha-
los radioactivas, o ADN mitocondrial que aponta para uma mãe, e o aumento
de doenças genéticas, etc. Em terceiro lugar, a complexidade da natureza
aponta claramente para uma Criador. Todo sistema biológico e físico, uma
vez compreendido, mostra incrível complexidade. Os arqueólogos não têm
problemas em identificar objetos feitos pelo homem. Por que então não te-
mos problemas em identificar um mundo feito pelo Criador?
A única pergunta que eu tenho é: Por que ele demora tanto longa – "seis
dias"? Em toda a Escritura Deus é apresentado como um Criador instante,
não em seis dias ou 20 bilhões de anos. Para dar apenas alguns exemplos:
um peixe para engolir Jonas, o sol volta, a divisão do Mar Vermelho, a água
se transformar em vinho, acalmando a tempestade, ressuscitar os mortos,
cura, etc. Por isso, por que Ele usa seis dias? A Escritura nos dá a respos-
ta. Ele estabeleceu um plano para a nossa vida, seis dias de trabalho e um
dia de descanso (Êxodo 20:8). Deve ter sido penoso para Deus para abrandar
a nosso ritmo, para seis dias. Teria sido mais Sua natureza para criar tudo
instantaneamente. Tenho muitas vezes considerada a crença em Gênesis
capítulos 1 a 11 como a "prova de fogo" de acreditar em Deus e na salvação
por meio de Jesus Cristo.
Portanto, por que eu acredito em uma criação em seis dias? Eu acredito
em um Criador, porque eu vejo os projetos do Criador na natureza em todos
os lugares e as provas de inteligência no DNA de cada célula. Eu acredito em
uma "criação em seis dias", porque eu tenho experimentado a salvação de
um Deus verdadeiro, Jesus Cristo, que nunca me decepcionou (Rm
10:11). Portanto, por que eu deveria duvidar se Ele disse: "Eu fiz isso por is-
so"?

Referências e notas
1. DM MacKay, o cristianismo em um universo mecanicista , The Inter-
Varsity Fellowship, Chicago, IL, 1965.
2. Henry M. Morris e John C. Whitcomb, The Genesis Flood , Presbiteriana
e Reformada Co., Philadelphia, PA, 1961.
3. Michael J. Behe, A Caixa Preta de Darwin: O Desafio da Bioquímica à
Teoria da Evolução , The Free Press, New York, 1996.

49
4. Lee Spetner, não por acaso! Quebrando a moderna teoria da evolução ,
The Judaica Press, Inc., Brooklyn, NY, p. 160, 1997.
5. FD Sauer, BA Blackwell e JKG Kramer, Ion Transportes e Produção de
Metano em Methanobacterium thermoautotrophicum,
Proc. Natl. Acad. Sci. EUA 91 : 4466-70, 1994.
6. Lubert Stryer, Bioquímica , WH Freeman and Company, New York,
1995.
7. JKG Kramer, FD Sauer e DR Bundle, a presença de fortemente vincu-
lado Na + e K + em Glicolipídeos de Methanobacterium thermoautotrophi-
cum, Biochem.Biophys. Acta 961 : 285-92, 1988.
8. Y. Koga, M. Akagawa-Matsushita, M. Ohga e M. Nishihara, importância
taxonômica da Distribuição de componentes de Éter Lipídeos polares
em Methanogens,Sistema. Appl. Microbiol. 16 : 342-51, 1993.
9. JKG Kramer, FD Sauer e WJ Pidgen, eds., Alta e Baixa Erucic Ácido col-
za Óleos, Produção, Uso, química e toxicológica de avaliação , Academic
Press, New York, 1983.
10. GB Gordon, SP Spielberg, DA Blake e V. Balasubramanian, Talidomida
Teratogenicidade: Evidências de um Toxic Arene Oxide Metaboli-
te, Proc. Natl. Acad.Sci. EUA 78 : 2545-48, 1981.
11. Michael Denton, Evolution, A Theory in Crisis , Adler & Adler Publish-
ers Inc., Bethesda, MD, 1986; ver também referências 3 e 4.
12. C. Thaxton, um argumento novo design, Cosmic Perseguição 1 (2): 13-
21, 1998; Consulte também Referência 3.
13. Robert V. Gentry, Mistério da Criação minúsculo , Terra Assoc Science.,
Knoxville, TN, 1988.
14. Gary Parker , criação: Fatos da Vida , Master Books, Inc., Green Fo-
rest, AR, 1994.
15. Koga, et al. , importância taxonômica da Distribuição de componentes
de Éter Lipídeos polares em Methanogens, Sistema. Appl. Microbiol. 16 :
342-51, 1993.

50
paul giem
A Investigação Médica

Eu cresci em uma família em que a ciência era muito respeitado. Meu


pai era médico, e eu aprendi a gostar de física, química e biologia.
Minha família também era profundamente religioso. Meus pais acredi-
tavam que a Bíblia, e se comprometeram a segui-lo.
Sua crença na Bíblia levou a uma crença na criação do mundo em seis
dias literais de aproximadamente 24 horas, como indicado pela simples lei-
tura de Gênesis 1 . Essa crença foi reforçada por sua leitura do Quarto Man-
damento, onde o sábado é declarou para lembrar a criação em seis dias, com
um descanso no sétimo dia. O sábado é um dia literal, e isso implicava que
os seis dias da criação foram também dias literais.
Meus pais resolveram o conflito entre a maioria dos cientistas e da Bí-
blia nesta área por acreditar que a ciência, se feito corretamente, realmente
não entrar em conflito com uma criação recente. Foi só quando a ciência foi
mal interpretado ou mal que ele entrou em conflito com uma criação recen-

51
te. Meu pai se lembrou das lutas que tivera para integrar Piltdown Man em
sua visão de mundo, antes de ser descoberto para ser uma frau-
de.Compreensivelmente, ele não confiava totalmente ciência evolutiva.
A maneira que eu fui ensinado a ciência, que não tinha espaço para a
autoridade sem provas. Em vez disso, a única autoridade aceitável era aque-
le que foi apoiada por evidência, e só precisamente na medida em que foi fei-
to o backup. Minha tradição religiosa foi semelhante em alguns aspec-
tos. Somente tradição que poderia ser apoiado pelas Escrituras valia na-
da. As duas atitudes são compatíveis, exceto em um ponto. A tradição religi-
osa estava disposto a aceitar a Escritura sem muita questão, ao passo que,
em princípio, a ciência pode fazer a pergunta, por que escolher a Escritu-
ra? Por que não escolher o Alcorão ou Vedas ou os escritos de Confúcio? Ou
por que não rejeitar livros sagrados inteiramente? E o que se faz quando a
ciência aparentemente está em conflito com as Escrituras?
Muitos dos meus professores na faculdade tinha uma resposta a esta
última questão. Eles disseram que a evidência da ciência era equívoca na
melhor das hipóteses. Escritura desde a evidência adicional para permitir a
escolher um teísta e posição cristã. Esta forma de responder à pergunta, pelo
menos, não exige que se seja um cientista para ser salvo. Pareceu-me ser
insatisfatório, mas eu não tinha nada melhor para sugerir.
Na faculdade, eu tomei uma grande dupla em teologia e química. Para o
meu seminário química sênior eu queria abordar uma temática relacionada
de alguma forma à teologia, por isso optei por analisar as experiências que
tinham sido feitas relativas à origem da vida. Ele era popularmente informou
na época que os experimentos haviam criado a vida em um tubo de ensaio, e
mostrou como a vida poderia ter aparecido em uma Terra pré-biótica espon-
taneamente. Eu estava esperando alguma margem para dúvidas, mas era
encontrar no principal um cenário plausível pouco apoiada pelos experimen-
tos.
Fiquei espantado com a unilateralidade das provas que eu encontrei. De
fato, a evidência parecia (e parece) esmagadora que a geração espontânea
não aconteceu. (A descrição mais detalhada, com referências gerais, está no

52
meu livro Teologia Científica , La Sierra University Press, 1997.) Esta prova
me convencido de duas coisas. Em primeiro lugar, a partir desse momento
eu nunca duvidou de que havia um Deus. Eu não poderia saber se ele gosta-
va de mim, mas ele certamente existiu. Evolução mecanicista estava mor-
to. Em segundo lugar, pelo menos em alguns casos, a ciência pode apoiar
teologia. Teólogos pode esperar que a evidência científica para sair fortemen-
te em seu favor, pelo menos por algum tempo.
No entanto, esta evidência não teve qualquer influência sobre o litígio
entre a evolução teísta ou criação progressiva e criação especial. Essa dis-
cussão parecia atolar nas disputas intratáveis. Seria difícil decidir se uma
semelhança entre dois grupos (espécies, gêneros, famílias, etc.) de criaturas
deveu-se a desenhar ou a descendência comum. Como poderia um dizer o
que um designer não faria? Ou como se poderia dizer o que apresenta não
poderia ser causada por descendência comum? E se apoiou um evolucionis-
ta teísta em um canto, ele sempre razoavelmente responder que esta é uma
área onde Deus interveio. Por outro lado, os criacionistas especiais acredita-
va em alguma evolução sobre os níveis de grupos menores.
A principal diferença entre os evolucionistas teístas e criacionistas es-
peciais parecia ser o tempo. Isto inclui o tempo relativo e tempo absolu-
to. Tempo em relação inclui questões como o quão rápido os estratos do
Cambriano foram formados, quanto tempo se passou entre o Ordoviciano eo
Permiano, e quão rápido o Grand Canyon levou a se formar. Tempo absoluto
inclui a data absoluta do Plioceno ou o Jurassic ou o Cambriano. Estas da-
tas são baseadas quase que exclusivamente em estimativas de evolução e
datação radiométrica.
Eu decidi investigar a datação radiométrica. Um resumo dos meus re-
sultados podem ser encontrados em Teologia Científica . Muito resumida-
mente, para datas de potássio-argônio, o pressuposto de que argônio é ex-
pulso é comprovadamente não é válido, e não se pode ter certeza de que o
relógio está zerado. Este ponto é sublinhado por várias datas que são muito
antigas, até mesmo para a escala de tempo evolutivo. Há também problemas
com datas "muito jovens", que não são devidamente explicados como o resul-

53
tado de perda de argônio. Estas datas sugerem que a escala de tempo evolu-
tivo é muito longo. Há um gradiente de argônio na coluna geológica, com
mais de argônio nas rochas mais velhas e menos nas rochas mais jovens,
independentemente do seu teor de potássio, incluindo em minerais com ne-
nhum conteúdo de potássio. Isso cria uma espécie de escala de tempo ins-
tantâneo - basta adicionar potássio.
Houve também um problema com a selectividade, o que poderia ser do-
cumentada na literatura. Outros métodos de datação teve problemas seme-
lhantes. Rubídio-estrôncio namoro isócronas poderia ser imitada por linhas
de mistura, que requerem praticamente nenhum tempo para se for-
mar. Houve vários exemplos de datas imprecisas pelo calendário de nin-
guém, incluindo aqueles que combinaram datas de potássio-argônio. O urâ-
nio-chumbo namoro também foi feito por isócronas, e quando as datas in-
corretas foram explicadas por discordia linhas, essas linhas também pode
ser reproduzido através da mistura de linhas. Houve vários exemplos de me-
nores concordia idades que não eram precisos pelo calendário de nin-
guém. Houve o conjunto de dados sobre as datas de urânio em halos pleio-
chroic em carvão, o que parecia indicar uma idade para o carvão (idade con-
vencional em torno de 100 milhões de anos) de menos de 300 mil
anos. Urânio desequilíbrio namoro, fissão-track namoro e aminoácido namo-
ro (que não é radiométrica) todos tiveram seus problemas, assim como ou-
tros métodos, menos estabelecidos. Muitas vezes, os dados foram mais fa-
cilmente explicado com base em um curto espaço de tempo, em vez de uma
longa.
Datação por carbono 14 foi o método mais fascinante de todas. Fóssil de
carbono, com uma idade convencional de até 350 milhões de anos repetida-
mente datado para menos de 55.000 anos de radiocarbono. Isto é compatível
com a data de tão baixo quanto 4.000 anos em tempo real (data do Dilúvio
teria de ser determinada por outros motivos). É incompatível com uma idade
de milhões de anos, ou até mesmo de forma realista com uma idade de mais
de 100.000 anos mais ou menos. Ele basicamente obriga a aceitar uma cro-
nologia breve para a vida na Terra.

54
Assim, se alguém aceita um designer inteligente o suficiente para pro-
duzir vida, e um curto espaço de tempo, torna-se muito difícil evitar as rei-
vindicações da Bíblia. Há também a incapacidade de explicar adequadamen-
te a Semana da Criação, com base em lendas e costumes mesopotâmicos ou
egípcios. Isto implica que Gênesis 1–9 não é apenas mito, mas um relato do
que realmente aconteceu.
Cheguei a essa conclusão, seguindo os dados. Eu não tenho medo de
novos dados. Congratulo-me com desafios e realmente olhar para eles. Eu
acredito que se fizermos nosso dever de casa com bastante cuidado, e sem
sucumbir ao preconceito, vamos descobrir que o livro, incluindo uma criação
literal de seis dias, vai ficar. Quando devidamente compreendida, a natureza
dá testemunho da confiabilidade da Palavra de Deus.

Referência
1. Paul Giem, Teologia Científica , La Sierra University Press, Riverside,
CA, 1996.

55
henry zuill
Biologia

Vida abundante
A varanda em "High Sycamore" (nomeado para, um sicômoro bonito
grande no sopé da colina sobre a qual a casa se situa) tem vista para um
vale amplo e arborizado que se estende para sudoeste em direção a uma
crista de colinas sete ou oito quilômetros de distância. Esta é uma região
remota a que freqüentemente vêm. Geralmente, leva vários dias para encer-
rar a ritmo mais lento da natureza, mas aí já é possível ver a natureza, real-
mente ver e ouvir e aprender.
Eu não estava vendo apenas o ponto de vista de que vale arborizado, no
entanto. Houve uma outra visão também.Eu estava vendo a "visão" que se
tornaria este capítulo, e eu queria saber como eu deveria descrever as idéias
de que ela foi composta. Como palavras vieram juntos, descobriu-se que os
dois pontos de vista não foram totalmente isolados uns dos outros. Threads
de um tecido ficou com o outro até que não foi apenas um tecido.

56
Na visão da varanda, há muitas cores e matizes, variando de luz ao lon-
go do dia, e em condições diferentes do tempo, luzes e sombras de um pano-
rama em constante mudança. Ouvimos os sons audíveis de vento nas árvo-
res, batendo chuva, trovões e estalos que distinguem as chamadas de criatu-
ras da floresta. Pode-se também ouvir, se ouvir, a voz interior das aulas de
ensino Criador através das coisas que Ele fez. Como ecologista cristão, eu
preciso desses momentos de renovação entre as obras de nosso Criador.
Essas montanhas e vales humilhar-me. A grande variedade de plantas e
animais habitam mais de um milhão e meio de hectares de terras florestais
circundantes montanha, prados, lagos, lagoas, rios e córregos. Eu quero sa-
ber como todas essas criaturas trabalhar uns com os outros. Esta é uma
madeira dura e de curto folha pinhal misto. Árvores incluem variedades de
carvalhos, ulmeiros, e nogueiras, além de árvores de goma doces e, claro,
fica de curto folha de pinheiro, especialmente em relação aos riscos do
sul. Wildflowers espirrar cores brilhantes em toda a paisagem da primavera
ao outono.
Aves de buntings e codornizes para roadrunners e perus são abundan-
tes, assim como muitas espécies de insetos, incluindo borboletas e gafanho-
tos, cigarras, abelhas, besouros e miríades mais. Os mamíferos incluem ta-
tus, esquilos, veados, ursos e coiotes. Anfíbios e répteis são comuns. À noite,
muitas vezes eu sentar perto da lagoa e ouvir o coro sapo. Na parte da ma-
nhã, pequenos lagartos se expôr ao sol na varanda.
Há tantas espécies, seria impossível ver ou reconhecê-los todos. Estou
impressionado com, mas nunca vai entender completamente, o que está
acontecendo entre eles também. No entanto, estou feliz pelo pouco que sei e
espero para explicações adicionais. Para naquelas colinas descubro muitas
relações maravilhosas entre diferentes criaturas. Existe um padrão entre to-
dos desta biodiversidade que pode me ajudar a entender a criação? É possí-
vel que eu pudesse conhecer o Criador melhor, também?
Enquanto eu estava sentado na varanda em "High Sycamore", pensei
sobre o significado de tudo isso. Por que Deus fez tal abundância? Por que

57
houve tanta diversidade, tanta biodiversidade ? Qual foi o significado de tudo
isso? O que isso tem a ver com os seis dias da criação?

Pensando sobre biodiversidade


Nos últimos anos, muita consideração e pesquisa tem ido para estudar
a biodiversidade. Em geral, os estudos de biodiversidade têm-se centrado na
conservação e como preservar os ecossistemas. Eles forneceram um enten-
dimento totalmente novo e abordagem para salvar espécies ameaçadas de
extinção. Em vez de tentar salvar espécies individuais, a abordagem agora é
salvar ecossistemas intactos, que são necessárias para a preservação e modo
de espécies ameaçadas de extinção, bem como para aqueles não tão amea-
çada.
A palavra "biodiversidade" foi usado pela primeira vez em uma confe-
rência no Instituto Smithsonian em setembro de 1986, e relatado na edição
de novembro de 1986 da Revista Smithsonian. A idéia da biodiversidade foi
compreendida muito mais cedo por alguns ecologistas, mas começou a se
espalhar amplamente como resultado da conferência. 1 Desde então, tem si-
do cada vez mais utilizada e livros foram escritos sobre o assunto. 2 Então,
qual é a idéia da biodiversidade?
"Biodiversidade", obviamente, refere-se a plantas, animais e microorga-
nismos, de bactérias a fungos, que formam a sistemas-ecossistemas vivos. O
que não são tão óbvios são outros significados que se tornaram ligado à pa-
lavra.Também se refere a diferentes populações de espécies, com seus con-
juntos exclusivos de genes e produtos de genes. 3 Ainda mais importante,
inclui os serviços ecológicos coletivos fornecidos por essas espécies e popula-
ções diferentes que trabalham em conjunto para o outro, manter nosso pla-
neta saudável e adequado para vida. Baskin descreve a relação desta manei-
ra: "É o conjunto generoso de organismos que chamamos de" biodiversidade
", uma web intrinsecamente ligada de seres vivos cujas atividades trabalham
em conjunto para tornar a Terra um planeta habitável com exclusividade." 4
Se eu tentasse listar completamente todos os serviços ecológicos, eu te-
ria, sem dúvida, falhar 5 e, além disso, seria tedioso para você. Mas alguns
exemplos pode ser útil. Sabemos que as plantas e os animais mantêm os ní-

58
veis atmosféricos relativamente constante de dióxido de carbono 6 e oxigênio
através da fotossíntese e da respiração. Muitos decompositores manter o solo
fértil. Serviços de biodiversidade purificar a água, desintoxicar toxinas, clima
moderado, e polinizar flores. Todos os organismos fornecer habitats e nichos
para outras criaturas.
Algumas relações ecológicas são tão necessário que os organismos en-
volvidos não poderia sobreviver sem eles. Um exemplo disso é o relaciona-
mento mutuamente benéfico entre plantas e fungos micorrízicos. Tal como
muitos como 90 por cento das espécies de plantas interagem tanto com fun-
gos generalizados que podem atender uma variedade de plantas, ou com ou-
tras pessoas que são altamente seletiva nas plantas com as quais intera-
gem. 7 Independentemente disso, estes fungos ajudam as plantas para obter
nutrientes que de outra forma não faria ser suficientemente disponível. As
plantas, por sua vez fornecem carboidratos para seus fungos.
Vários experimentos 8 foram feitos para examinar a biodiversida-
de. 9 Evidentemente altamente comunidades biodiversidade são mais está-
veis, mais produtivos, têm maior fertilidade do solo e são geralmente me-
lhor. Sob estresse, no entanto, as populações de espécies individuais podem
visivelmente variam em tamanho, mas, felizmente, serviços redundantes
aparecem para cobrir falta imediata. No entanto, quando olhamos para o
quadro geral, as comunidades de diversidade mais elevados são mais produ-
tivos e mais capaz de se recuperar do stress.
Quando olhamos para o amplo retrato da biodiversidade, é claro que,
assim como um corpo depende da divisão do trabalho entre as células, de
modo que um ecossistema depende de divisão do trabalho fornecido pela bi-
odiversidade. Assim como existem vias metabólicas importantes em células,
de forma que há caminhos "ecochemical" nos ecossistemas. O ciclo de azoto,
entre muitas possibilidades, é um exemplo deste. Organismos diferentes,
com diferentes sistemas enzimáticos, são elos essenciais nessas vias eco-
chemical.

Serviços redundantes

59
Um fenômeno interessante nos ecossistemas é a redundância de servi-
ços ecológicos. Isto significa que um serviço fornecido por uma espécie pode
também ser fornecido por outras espécies. Alguns sugeriram que a redun-
dância pode fazer algumas espécies desnecessário.10 A pesquisa revela que,
acima de um certo nível de biodiversidade vegetal, fertilidade do solo ou a
produtividade não aumentou, mesmo quando biodiversidade continuou a
aumentar. 11 A biodiversidade "extra" apareceu redundante. Será que isso
significa que algumas espécies realmente são dispensáveis?
Uma vez que todas as plantas em geral, contribuir tanto para a fertili-
dade do solo e produtividade, é difícil fazer um caso de descartabilidade com
base nesses estudos sozinho. E sobre outros serviços prestados pela mesma
espécie? Eles não são necessários? Como resultado, os ecologistas têm su-
postamente se afastou da posição da descartabilidade espécies e pode até se
abster de utilizar a palavra "redundância". 12
Uma única espécie pode fornecer não apenas um, mas vários serviços,
alguns dos quais podem não ser redundante. Consequentemente, com estes
despedimentos variadamente sobrepostas e entrelaçando espécies, junta-
mente com serviços não redundantes, pode não ser possível eliminar as es-
pécies com a impunidade, afinal.
Fundamentalmente, as espécies que compõem um ecossistema preci-
sam um do outro. Como já visto, quando está sob estresse, as populações de
espécies individuais podem variar de tamanho. Por isso, quando uma espé-
cie é baixo, os serviços que normalmente fornece terá de ser fornecida por
outras espécies não tão seriamente afetadas. Eles cobrem um para o ou-
tro. Em situações diferentes, é claro, os papéis podem ser invertidos. Cópia
de segurança ecológica é importante e necessário para a operação de longo
alcance dos ecossistemas.
Quando olhamos para uma espécie em termos de ambos os serviços que
oferece e aqueles que requer, estamos essencialmente referindo-se ao "nicho
ecológico", geralmente definido como o papel de uma espécie em seu ambien-
te. Desde há dois nichos ocupados podem ser idênticos, ou redundante, sem
uma das duas espécies que estão sendo excluídos de forma competiti-

60
va, 13 parece razoável dizer que duas espécies não podem fornecer e exigir
serviços ecológicos idênticos. Pode haver alguma sobreposição de serviços,
no entanto. Quando isso acontece, os nichos das duas espécies pode ser
comprimido 14 e, assim, evitar ou reduzir a concorrência. Nichos diferentes
pode levar a mudanças na própria espécie.

Resiliência ecológica
Os ecossistemas são dinâmicos! Eles podem suportar uma certa quan-
tidade de abuso, sem colapso ecológico. Quando uma espécie se extingue,
algumas outras espécies, mas não todas as outras espécies, extin-
tas. 15 sistemas redundantes evitar o extermínio em massa. Perdeu serviços
são fornecidos por outras espécies, tanto quanto possível. No entanto, há um
limite para o abuso de um ecossistema pode suportar. Qualquer perda en-
fraquece. Há sempre um preço a pagar por maus tratos ambiental. Perda de
espécies continuou poderia, eventualmente, levar ao colapso do ecossistema,
é claro.
Dois ecossistemas podem ser funcionalmente similares, mas não idênti-
cos em biodiversidade de espécies. A biodiversidade é flexível e resilien-
te. Esses dois ecossistemas refletir biodiversidade disponível. O oportunismo
deve ser levado em conta quando se tenta entender as diferenças que real-
mente existem. Redundância, sem dúvida, desempenha um papel no ecos-
sistema resiliência.
Espécies mover-se em ecossistemas quando podem. Algumas espécies
não podem ser encontrados, porque eles não estão disponíveis localmen-
te. Por outro lado, certos propágulos ou descendentes disponíveis podem não
germinar, crescer ou sobreviver porque os serviços ecológicos necessários
podem não estar disponíveis. Quando fornecido com esses serviços essenci-
ais, no entanto, estas espécies seria capaz de se mover para o ecossistema. A
natureza dinâmica dos ecossistemas prevê fazendo uso de quais espécies
estão disponíveis e capazes de funcionar.
Biodiversidade, redundância e resiliência permitir um ecossistema para
se recuperar de danos graves e até mesmo a destruição do ecossiste-

61
ma. Quando isso acontece, a recuperação é gradual e pode levar vários
anos. O processo é chamado de "sucessão ecológica".
Todas estas qualidades necessárias ecossistema, em síntese, permitir
que os ecossistemas a função, para se adaptar e para recuperar de uma le-
são.

Biodiversidade e criação
O que é que a biodiversidade nos dizer sobre a criação? Será que ela
nos diz nada sobre o Criador? Será que ela tem algo a dizer sobre por que ele
foi criado? Ele suporta a criação em seis dias?
Eu acredito que há uma ligação entre a biodiversidade e criação, embo-
ra eu tenha visto nenhuma conexão feita por outros autores. Toda a atenção
que eu vi foi direcionada para o problema imediato de conservação. Sem a
biodiversidade e sua ecochemical e serviços ecophysical, é duvidoso que os
ecossistemas, ou possivelmente até mesmo a própria vida, poderia exis-
tir. Esta muito parece claro.
Behe observou relações bioquímicas complexas nas células e sugeriu
projeto para explicar sua origem. 16 Nós tendemos a ver o mundo através dos
"lentes" de nossas disciplinas científicas. Assim Behe, bioquímico, entendida
complexidade celular resultar de design. Se saltar para o nível ecológico, na
outra extremidade do espectro da vida, os nossos "óculos ecologia" revelam
complexidade inimaginável lá também.
Quando olhamos amplamente no panorama da vida e relações ecológi-
cas, vemos que a complexidade ecológica é construída em camadas e mais
camadas de complexidade, indo todo o caminho através de diferentes níveis
estruturais e organizacionais hierárquicos para a célula e ainda mais bai-
xos. Assim, se pensarmos complexidade citológico é impressionante, o que
devemos pensar quando percebemos a escala de complexidade ecológica?
A imagem biodiversidade ainda está sendo desenvolvido. Alguns se refe-
rem a estudos de biodiversidade como uma "ciência emergente." 17 Certa-
mente há muito mais a aprender. Ele pode ainda não ser possível prever com
precisão o que vai acontecer quando as espécies são removidas de um ecos-
sistema, mas sabemos que um efeito de algum tipo é certa. O que já foi des-

62
coberto, no entanto, sugere que as relações ecológicas são essenciais. Se a
biodiversidade é tão necessário para o funcionamento normal do ecossistema
como parece ser o caso, ele sugere que esses serviços e organismos proporci-
onando-lhes, tinha que ter sido simultaneamente presentes desde o iní-
cio. Se essas inter-relações ecológicas são realmente indispensável, então
não há nenhuma explicação evolutiva fácil. Isto sugere que a ecologia foi pro-
jetado.
A situação é paralelo o que aconteceu com a célula. Enquanto as célu-
las foram visualizadas como meros sacos de protoplasma nucleadas,18 e
pouco mais, era bem possível que muitos que se contentar com a afirmação
de que se originou através de processos naturais, também conhecida como
evolução bioquímica! O desenvolvimento do microscópio eletrônico e da bio-
química mudou tudo isso. No entanto, a reivindicação continua. No entanto,
tal alegação deve agora começar por uma enorme quantidade de informações
que documenta um nível extremamente elevado de estrutura celular inter-
na. Complexidade da célula agora é apenas muito difícil afirmar levianamen-
te evolução bioquímica para explicá-lo, a menos que você feche a sua mente
e pressionar de forma cega e corajosamente. Ela tornou-se uma façanha pa-
ra pensar sobre células originadas através da evolução bioquímica. E se as
células não podem ter origem natural, então nada mais podia.
Da mesma forma como acontece com o celular, enquanto a ecologia pa-
recia ser apenas um conjunto disperso de organismos sem ligação inter-
relações, da mesma forma um poderia pensar nisso como possivelmente ori-
ginário através de processos naturais. Mas agora que os ecossistemas pare-
cem ser realizada em conjunto pela biodiversidade essencial e incrivelmente
complexo, sobre o qual a informação é cada vez maior, temos um dilema se-
melhante ao que enfrentou quando a intrincada estrutura da célula foi des-
coberta. Desde ecologia é construído em cima tanta complexidade subjacente
multispecies, tentando explicar a origem da ecologia por eventos casuais do-
lorosamente estende sua credulidade.
Coevolução muitas vezes é dado como o caminho ecologia entrou em
existência. Mas, coevolução é definida como "a evolução conjunta de duas ou

63
mais espécies noninterbreeding que têm uma estreita relação ecológica .
" 19 Note-se que as relações ecológicas tiveram que preceder coevolu-
ção. Consequentemente, co-evolução parece não haver resposta para a com-
preensão da origem da ecologia.
Não tenho nenhum problema com duas espécies afinar uma relação
ecológica existente; Eu tenho um problema com o uso de co-evolução para
explicar a origem dos serviços ecológicos. Esse é um problema completamen-
te diferente. Lembre-se, estamos falando de um multispecies essenciais ser-
viço integrado sistema de um todo sistema integrado. Não parece haver ne-
nhuma maneira evolutiva adequada para explicar isso. Como poderia vários
organismos têm vivido uma vez de forma independente dos serviços que eles
exigem agora?
Sistemas de coisas vivas que suportam uns aos outros, o modus operan-
di da biodiversidade, é exatamente o que se esperaria encontrar do Criador,
que disse: "Dai e vos será dado a você" (Lucas 6:38) e "De graça ter recebido,
de graça dai" (Mateus 10:8). Se esta é a forma como funciona o céu, que nós
não esperamos que ele também teria sido desta forma entre as criaturas, in-
cluindo o homem, no início? Infelizmente, em nosso estado caído, temos par-
tiu deste modo de vida. E quais são os resultados?
Quanto tempo é a terra de chorar e a vegetação do campo
a murchar? Por causa da maldade dos que nela habitam,
animais e pássaros têm sido arrebatada (Jr 12:4, NVI).

No entanto, temos esperança:


Para a saudade ansiosa da criação aguarda ansiosamen-
te a revelação dos filhos de Deus. ... Que também a mesma
criatura será libertada da escravidão da corrupção, para a li-
berdade da glória dos filhos de Deus (Rm 8:19-21).
A criação foi dito que é muito bom quando ele veio das mãos do Criador,
mas ecossistemas já não funcionar perfeitamente. Elas são degenera-
das. Escritura dicas sobre ecologia original, indicando que as condições que
eram muito diferentes do que encontramos hoje. É difícil imaginar a ecologia
sem a morte, por exemplo. No entanto, isso é exatamente o retrato pintado

64
nas Escrituras. A morte eo sofrimento não veio só para o homem quando ele
pecou, mas para outras criaturas também.
A floresta que eu descrevi no início é um caso em questão. Eu posso ver
isso na maneira idealizada em que eu descrevi, mas há problemas lá, tam-
bém. Carrapatos e as larvas são abundantes. Para quem não está familiari-
zado com as larvas, que são pequenos ácaros que podem incorporar na sua
carne, fazendo feio levantou e coceira vergões. Hera Venenosa é comum,
também. Existem várias espécies de cobras venenosas. Nenhum destes são o
que seria idealmente esperar. Onde é que essas pragas vêm?
Quando os seres humanos pecaram, parece que abriram as "comportas"
de um desastre natural. A catástrofe global devastou a ecologia da Ter-
ra. Genes foram perdidos em massa, e as mutações enfraqueceu os restan-
tes. Ambientes degenerados, incluindo ocupantes degenerados, destacou ou-
tros habitantes degenerados, que por sua vez, retribuíram o stress, e assim
por diante. Algumas espécies desapareceram, outros adaptados às condições
novas e difíceis.
Predadores e parasitas desenvolveram como eles e os ecossistemas se
tornou degenerada, e anteriormente abundantes recursos tornaram-se es-
cassos ou não estavam mais disponíveis. Sobreviventes virou-se para outras
fontes de sustento, incluindo algumas que não no menu original. Deus pre-
viu que espinhos e abrolhos resultaria, assim como a dor ea morte. É isso o
que Deus queria? Foi esta punição prescrita?Não! Mas Ele previu como um
resultado do pecado e da vida sob Satanás.
Novas espécies, como agora definir espécies, desenvolvidas a partir de
restos de criadas "tipos". É por isso que as espécies atuais tendem a formar
grupos de espécies-espécies semelhantes de toutinegras, espécies de esqui-
los, espécies de rosas e assim por diante. Estas espécies semelhantes natu-
ralmente fornecido, possivelmente, até mesmo redundantes, serviços ecoló-
gicos similares. Por outro lado, como eles se adaptaram a novos ambientes e
nichos, mesmo aqueles serviços poderia ter se tornado modificado. Seria pe-
rigoso para sugerir que, mesmo dentro de grupos de espécies, pode haver
algumas espécies dispensáveis.

65
Agrupamentos de espécies pode ajudar a explicar alguma redundância,
mas outras espécies foram, sem dúvida, fez com habilidades ecológicas re-
dundantes. Alguns serviços podem ter sido tão amplamente necessário que
nenhuma espécie individuais teria sido capaz de fornecê-la suficientemen-
te. Reciclagem de carbono e oxigênio por plantas e animais são exemplos
disso.
Ecologia criado original deve ter sido muito diferente do que encontra-
mos agora, mas só podemos especular sobre os detalhes. A coisa surpreen-
dente sobre os ecossistemas, hoje, é que, apesar de tudo o que sofreram, eles
ainda continuam a funcionar. Serviços redundantes, independentemente de
seu propósito original, deve desempenhar um papel neste contexto. Devemos
apreciar os papéis de biodiversidade e serviços redundantes, mesmo no iní-
cio, e de permitir que as forças de resiliência dos ecossistemas ea sobrevi-
vência hoje.

Concluindo pensamentos
O quadro que emerge é um dos ecossistemas que agora não funciona
adequadamente, mas que ainda permitem um vislumbre de como as coisas
poderiam ter sido. Podemos ver que, assim como a biodiversidade é vital ago-
ra, por isso também deve ter sido vital no início. Se isto é assim, então ecos-
sistemas inteiros, juntamente com as suas competências ecológicas e siste-
mas de backup, teria de necessidade está presente também.
Parece que a vida na Terra, na verdade, faz com que a vida na Terra
possível. Isto é, a vida na Terra torna possível a vida na Terra para continu-
ar. Isto não é dizer que a vida fez (passado) a vida na Terra existe, é claro. Ele
está dizendo que todo o sistema tinha que estar presente para a vida para con-
tinuar existindo . Se isso é verdade, não há espaço para gradualmente se des-
dobrando ecologia. É que exagero? Embora a vida é um dom do Criador, Ele,
evidentemente, deu as Suas criaturas papéis importantes por que eles esta-
vam a contribuir para o outro.
Biodiversidade, bem como a Escritura nos diz que Deus colocou o ho-
mem na natureza. Precisamos que os serviços que estão lá para nós.Nossos
serviços são necessários também. Nós deve contribuir em conjunto para a ope-

66
ração segura e suave da natureza, porque alimenta a todos nós. Não é isso o
que o Criador quis dizer quando disse o homem para cuidar e manter o jar-
dim? Este é o caminho do céu para dar e receber, sem se preocupar como
nos ensinou pelo próprio Jesus.
A biodiversidade é um poderoso testemunho sobre o Criador, que con-
firma Romanos 1:20: "A partir da criação do mundo, os atributos invisíveis
de Deus, seu eterno poder como a sua divindade foram claramente observa-
dos no que ele fez."
O que tudo isso nos diz sobre os seis dias durante o qual Deus colocou
ecossistemas juntos? A biodiversidade não especificar uma criação em seis
dias, não é que finamente focado, mas apoia fortemente essa possibilida-
de. Ele sugere que os ecossistemas foram montados durante um tempo mui-
to curto, de fato. Caso contrário, a vida poderia ter falhado por falta de mu-
tuamente beneficiando serviços ecológicos multiespe que são agora requisi-
tos. Biodiversidade, consequentemente, sugere que a ecologia foi criado.
Curiosamente, muita energia científica tem se dedicado para determinar
a idade da Terra, mas pouco tem sido dispendido para investigar a seis dias
ou até mesmo uma criação de curta duração. Na verdade, o que de natureza
científica poderia ser feito para pesquisar isso?Estudos de biodiversidade,
envolvendo inter-espécies integração ecológica, pode estar entre os poucos
estudos científicos que têm o potencial para apoiar o que a Bí-
blia enfaticamente declara:
Em seis dias o Senhor fez os céus ea terra (Êx. 20:11).
Esta é a visão de "High Sycamore".

Referências e notas
1. A idéia da biodiversidade sob uma terminologia diferente tinha sido
compreendido por um longo período de tempo. Por exemplo, Paul e An-
ne Ehrlich tinha escrito sobre a importância das espécies em um livro
sobre o impacto da extinção: Extinção: as causas e conseqüências do
desaparecimento de espécies , Random House, New York, 1981.
2. Um livro sobre o tema da biodiversidade, que eu li com muito prazer e
aprendizado, e um que eu recomendo é: Yvonne Baskin, obra da natu-
reza; Como a diversidade da vida nos sustenta , Island Press, Washing-
ton, DC, 1997.

67
3. C. Młot, Diversidade População Multidões The Ark, Science
News 152 (17): 260, 25 de outubro de 1997.
4. Baskin, obra da natureza , p. 3.
5. A lista de serviços ecológicos específicos é certamente incompleta neste
momento.
6. O dióxido de carbono tem vindo a aumentar desde há alguns anos, co-
mo resultado da atividade humana. Até recentemente, a quantidade de
CO 2 produzido foi igual à quantidade de CO 2 usado. Alguns têm afir-
mado que os seres humanos contribuem apenas cerca de 5% do total
de CO 2 produzido, inferindo que a influência humana no aquecimento
global é irrelevante. Acontece, no entanto, que a 5% é igual a 100% da
quantidade de CO 2 acima que o necessário para manter o equilíbrio. É
o montante total contribuindo para o aquecimento global. [Para vistas
do CMI sobre "aquecimento global", consulte incrustação do ninho-
por Dr. Carl Wieland .]
7. Baskin, obra da natureza , p. 114.
8. Da Baskin A obra da natureza contém numerosos exemplos de serviços
de biodiversidade, além de um trabalho experimental delibera-
da. Muitas descobertas foram feitas como resultado de erros ecológicos.
9. Vários relatórios de pesquisa são JJ Ewel et al. , Tropical Fertilidade do
Solo mudanças sob monocultura e Comunidades sucessionais de estru-
tura diferente,Ecological Applications 1 (3): 289-302, 1991; Shahid Nae-
em et al. , declínio da biodiversidade pode alterar o comportamento de
Ecossistemas, Nature 368 : 734-737, 21 de abril de 1994; D. Tilman,
Biodiversidade: Populações e Estabilidade, Ecology 77 : 350-363, 1996.
10. BH Walker, Biodiversidade e Ecológica de redundância, Biologia da
Conservação 6 (1): 8-23, 1992.
11. Veja os trabalhos de Ewel, Naeem e Tilman citado na nota 9.
12. Baskin, obra da natureza , p 20.
13. Isto é, em referência ao princípio de Gause, que pode-se encontrar
descrito em Robert Leo Smith, Elementos de Ecologia , 3ª edição, Har-
perCollins, New York, p. 219.
14. Um nicho comprimido é geralmente chamado de "nicho realizado", en-
quanto o nicho que não é comprimida de forma competitiva é o nicho
"potencial".
15. Peter Raven do Jardim Botânico de Missouri, conforme relatado por
Baskin, obra da natureza , p. 36-37, observou que quando uma planta
torna-se extinto, 10-30 outros posteriormente extintas, também.
16. Michael Behe, A Caixa Preta de Darwin: O Desafio da Bioquímica à Teo-
ria da Evolução , Free Press, New York, 1996.
17. Baskin, obra da natureza , p. 6.
18. Embora o núcleo foi facilmente observado, sua complexidade interna
não era. Nem era a sua função compreendida.
19. Smith, Elementos de Ecologia , p. L-3; ver nota 13.

68
jonathan d. sarfati
Físico-Química

Por que eu acredito em uma criação recente em seis dias normais con-
secutivos? A melhor razão no mundo, o testemunho do Criador, que estava
lá no momento, que nunca mente e nunca erra – na Sua infalível Palavra
escrita, os 66 livros da Bíblia.

Ciência e preconceito
Muitas pessoas têm a falsa crença de que a "ciência" provou que a Terra
fosse bilhões de anos, e que todos os seres vivos descendem de uma única
célula que em si é o resultado do acaso combinação de produtos quími-
cos.No entanto, a ciência lida com observações repetíveis no presente , en-
quanto Evolução / ideias idade longas são baseados em suposições de fora da
ciência sobre o observável passado . Factos que não falam por si mesmos, eles
devem ser interpretados de acordo com um quadro. Não é um caso de religião
/ criação / subjetividade versus ciência / evolução / objetividade. Pelo con-

69
trário, é o viés das religiões do cristianismo e do humanismointerpretan-
do os mesmos fatos de forma diametralmente opostas.
O quadro atrás de interpretação dos evolucionistas é naturalismo -coisas
feito a si mesmos; nenhuma intervenção divina que aconteceu; e Deus, se
Ele existe mesmo, não revelou a nós o conhecimento sobre o passado. Este é
precisamente o que o chefe apóstolo Pedro profetizou sobre os " escarnecedo-
res "em" os últimos dias"reivindicação -eles" tudo continua como desde o princípio da
criação "( 2 Pedro 3: 4 ). Peter revela a enorme falha dos escarnecedores uni-
formitarianos: eles são " voluntariamente ignorantes "da criação especial de
Deus, e de uma (e de formação de fósseis) inundação que cobre globo cata-
clísmico.
O pensamento inerente à mentalidade evolutiva é ilustrada pela seguin-
te declaração Richard Lewontin, geneticista e principal promotor evolução (e
auto-proclamou marxista). Ele ilustra o viés filosófico implícito contra Gene-
sis criação, independentemente de haver ou não os fatos apoiá-lo.
Tomamos o lado da ciência , apesar do patente absurdo de algumas de
suas construções, apesar de seu fracasso para cumprir muitas de suas pro-
messas extravagantes de saúde e vida, apesar da tolerância da comunidade
científica para infundadas histórias de pessoas que assim , porque temos
um compromisso prévio, um compromisso com o materialismo. Não é que os
métodos e instituições da ciência de algum modo nos obriguem a aceitar
uma explicação material do mundo fenomenal, mas, ao contrário, que somos
obrigados pelo nosso a priori adesão a causas materiais para criar um apara-
to de investigação e um conjunto de conceitos que produzem explicações
materiais, não importa o quão contra-intuitivo, não importa o quão incom-
preensível para os não iniciados. Além disso, que o materialismo é absoluto,
pois não podemos permitir um Pé Divino na porta. 1
Lewontin é típico de muitos propagandistas evolutivos. Outro bom
exemplo é a Academia Nacional de Ciências (NAS) nos EUA, que recentemen-
te produziu um guia para professores de escolas públicas norte-
americanas,Ensinar sobre Evolução e Natureza da Ciência . 2 Um estudo recente
publicado na principal revista científica Naturemostram conclusivamente que

70
a Academia Nacional de Ciências é anti-Deus para o núcleo. 3 Um levanta-
mento de todos os 517 membros do NAS em ciências biológicas e físicas re-
sultou em pouco mais de metade responder.72,2% eram abertamente ateu,
agnóstico 20,8%, e apenas 7,0% acreditam em um Deus pessoal. A crença
em Deus e na imortalidade foi menor entre os biólogos. É provável que aque-
les que não responderam foram incrédulos, bem como, de modo que o estu-
do provavelmente subestima o nível de anti-Deus crença no NAS. A incredu-
lidade é muito maior do que a porcentagem entre os cientistas em geral, ou
na população geral dos EUA.
Comentando sobre a neutralidade religiosa auto-professos de Ensinar so-
bre Evolução ... eo NAS, os topógrafos comentar:
NAS Presidente Bruce Alberts, disse: "Há muitos membros proeminen-
tes desta academia que são muito religiosos, pessoas que acreditam em evo-
lução, muitos deles biólogos." Nossa pesquisa sugere o contrário.
Esse viés ateísta é irônico, porque toda a base para a ciência moderna
depende do pressuposto de que o universo foi feito por um Criador racio-
nal. Dr. Stanley Jaki documentou como o método científico nasceu morto em
todas as culturas além da cultura judaico-cristã da Europa. 4 um universo
ordenado faz todo o sentido se fosse feito por um Criador ordenada. Mas se
não há um Criador, ou se Zeus e sua gangue estavam no comando, por que
deveria haver qualquer ordem em tudo? Não é de admirar que a maioria dos
ramos da ciência moderna foi fundada por crentes em criação .A lista de cien-
tistas criacionistas é impressionante. 5
CS Lewis também apontou que até mesmo a nossa capacidade de racio-
cinar seria posta em causa se a evolução ateísta eram verdadeiras:
Se o sistema solar foi provocada por uma colisão acidental, então o apa-
recimento da vida orgânica neste planeta foi também um acidente, e toda a
evolução do Homem foi um acidente também. Se sim, então todos os nossos
processos de pensamento são meros acidentes do subproduto acidental do
movimento dos átomos. E isso vale para os materialistas e astrônomos '',
bem como para qualquer outra pessoa. Mas se os seus pensamentos-ie, de
Materialismo e Astronomia-são meramente acidental subprodutos, por que

71
devemos acreditar neles para ser verdade? Eu não vejo nenhuma razão para
acreditar que um acidente deve ser capaz de dar uma explicação correta de
todos os outros acidentes. 6

Será que a Bíblia realmente ensina seis dias?


A Bíblia afirma ser a Palavra de Deus escrita, completamente autoritá-
ria sobre tudo o que ensina ( 2 Tim. 3: 15-17).Há excelentes provas de arqueo-
logia, ciência, profecia cumprida e as reivindicações de Jesus Cristo. 7 Por
isso, é de vital importância para acreditar no que a Bíblia ensina.
Mesmo uma criança pequena pode ver que Gênesis 1 é ensinar a cria-
ção em seis dias. Longe de ser uma "visão literalista ingênuo",James Barr,
então Regius Professor de hebraico na Universidade de Oxford, escreveu:
... Provavelmente, até onde eu sei, não há nenhum professor de hebrai-
co ou Antigo Testamento, em qualquer universidade de nível mundial que
não acredita que o escritor (s) de Gênesis 1-11 pretende transmitir aos seus
leitores as ideias de que:
 criação teve lugar em uma série de seis dias, que foram os mes-
mos que os dias de 24 horas, agora experimentam
 os números contidos nas genealogias de Gênesis prestados pela
simples adição de uma cronologia desde o início do mundo até es-
tágios mais tardios na história bíblica
 O dilúvio de Noé foi entendido como sendo mundial e extinguir
toda a vida humana e animal, exceto para aqueles que estavam
na arca. 8
 Barr, um liberal, não acredito , mas ele entendeu o que o hebraico
tão claramente ensinada .
Isto pode ser demonstrado através da análise da palavra hebraica para
dia: Yom . Quando ele é modificado por um numeral ordinal ou em narrativa
histórica (359 vezes no AT fora Gn 1 ), sempre significa um dia literal de cerca
de 24 horas. Quando modificado por "noite e / ou de manhã", (38 vezes fo-
ra Gn 1 ), sempre significa um dia literal. Havia uma abundância de palavras

72
que Deus poderia ter usado se quisesse ensinar longos períodos de tempo,
mas Ele não usá-los. 9 , 10
Se seguirmos o princípio de que a Escritura interpreta a Escritura, que
só poderia vir a uma conclusão: seis dias literais. Isto é apoiado pelo quarto
mandamento de Ex. 20: 8-11 - " Seis dias trabalharás, e farás toda a tua obra, mas o
sétimo dia é o sábado do Senhor teu Deus. Por isso você não farás trabalho algum ...
Porque em seis dias o Senhor fez os céus ea terra, o mar e tudo o que neles há, mas ele
descansou no sétimo dia. "Aqui, os dias literais da semana comum são os mes-
mos que os da Semana da Criação, ou não faz sentido. [ CMI Ed. nota:ver
também o padrão de numeração de Gênesis ]
Foi só a necessidade assumida harmonizar Gênesis com a suposta ida-
de da Terra, que levou as pessoas a negar seis dias de criação, era nada a
ver com o texto em si.

Algumas conseqüências terríveis de duvidar criação em seis


dias
1. A clareza das Escrituras é posta em dúvida.
A Reforma Protestante recuperou a doutrina de que a Escritura estava lúcido , ou seja,
compreensível por pessoas comuns, sem a necessidade de um grupo de elite para interpretá-
lo. No entanto, se seis dias realmente deve ser interpretada no sentido de 15000000000 anos,
então qualquer tentativa de compreender a Escritura é impossível. Mal poderia ser interpreta-
do como bom. Não é por acaso que muitas denominações permeadas pela evolução teísta ter
perdoado a fornicação, a prática homossexual eo aborto, mesmo entre os líderes.
2. Negação de causalidade pecado-morte.
O maior problema de interpretações não literais do Gênesis é que não
há, então teria sido bilhões de anos de morte, luta e sofrimento antes da
queda do homem. Mas a Escritura ensina que a morte é o resultado da que-
da de Adão ( Rom. 5:12 ), e 1 Cor. 15: 21-22 estados
Visto que a morte veio por um homem, a ressurreição dos mortos veio também
através de um homem. Pois como em Adão todos morrem, assim em Cristo todos serão
vivificados. (NVI)
A morte também é chamada de " último inimigo "( v. 26 ). É insuficiente
para afirmar que este se refere apenas a morte humana, porqueGen. 3: 17-
19 afirma que a toda terra foi amaldiçoada. Também é errado afirmar que o

73
castigo de Adão foi a morte espiritual só- Gen. 3:19indica que a morte física
fazia parte da punição, e no contexto de 1 Cor. 15:21 envolve uma ressurrei-
ção corporal de Jesus, que estavafisicamente morto.
Todos os (mal) interpretações do Gênesis que negam o seu significado
normal, e por isso envolvem a morte antes do pecado, deve afirmar que " o
último inimigo ", a morte, era uma parte do" muito bom "a criação ( Gn 1.31 ). Isso
inclui idéias como "Deus usou a evolução", "os dias eram longos séculos",
"existe uma lacuna de tempo entre Gênesis 1: 1 e 1: 2". Além disso, se toda a
criação que " foi submetida à inutilidade "é, eventualmente, a ser restaurado
( Rom. 8: 20-22 ), devemos perguntar: "Restaurado com o quê? ? Bilhões de
anos de morte e sofrimento "Versos como o seguinte dificilmente ensina que
o paraíso restaurado terá derramamento de sangue no reino animal-Isaías
65:25 (NVI):
"O lobo eo cordeiro pastarão juntos, eo leão comerá palha como o boi; e
pó será a comida da serpente. Eles não irá prejudicar nem destruir em todo
o meu santo monte ", diz o Senhor.
Isto é apoiado pelo facto de Gen. 1: 29-30 ensina que os animais eram
vegetarianos, e que se alimentam de carne, pelo menos para as pessoas, era
permitido apenas após o Dilúvio em Gênesis 9: 3 . [ CMI Ed. nota: ver também a
queda: uma catástrofe cósmica ]
3. Cristo é posta em dúvida.
Jesus disse em João 5: 46-47 : " Se você acredita Moisés, você iria acreditar em
mim, porque ele escreveu a meu respeito. Mas já que você não acredita no que ele es-
creveu, como é que você vai acreditar no que eu digo? "É claro que, se Jesus pode
cometer erros em áreas passíveis de teste, por que Ele deve ser confiável em
áreas não testáveis ( cf. João 3:12 )? Não é à toa que a dúvida de Gênesis,
muitas vezes leva a duvidar de outras palavras de Cristo.
De fato, Cristo aprovou os registros da criação do Gênesis ( Mateus 19: 3-
6. ), e de Noah do Dilúvio e Arca ( Lucas 17: 26-27 ). Ele também disse: " Mas
desde o princípio da criação, Deus os fez macho e fêmea "( Marcos 10: 6 ). Como o
homem foi feito seis dias após a criação, a linha do tempo do mundo verda-
deiro teria certamente homem certo no início, o que a Bíblia indica foi de
cerca de 6.000 anos atrás. Mas a evolução / ideias idade longos têm existên-

74
cia do homem em um segmento microscópico no final de uma linha do tem-
po 5 bilhões de anos, quase uma reflexão tardia.
Jesus também citou Abraão com a aprovação, em Lucas 16:31 : " Se não
ouvem a Moisés [o escritor / compilador de Gênesis] . e os Profetas, eles não serão
convencidos ainda que ressuscite alguém dentre os mortos "De fato, as denomina-
ções que dúvida Moisés, ensinando a evolução teísta, muitas vezes têm líde-
res que duvidam da ressurreição também.
Muitos cristãos, felizmente, não carregam dúvida de Gênesis à conclu-
são lógica de duvidar de Cristo, que aprovou Genesis. Mas um líder evangéli-
co professando de um proeminente grupo evolutivo teísta aqui na Austrália
já disse várias pessoas que Jesus era limitado por Sua 1st cultura judaica do
século, e agora sabemos melhor porque "terá a luz da ciência".
A acusação é absurda. Jesus freqüentemente desafiou os erros de sua
cultura! Mas ele nunca desafiou a autoridade das Escrituras; pelo contrário,
Ele invocou passagens bíblicas como refutações de autoridade de erros de
seus oponentes ( Mat. 4: 1-11 , 19: 3-6 , 22: 23-33 ,João 10: 31-38 ).
Além disso, onde é que vamos parar? Devemos descartar " amarás o teu
próximo como a ti mesmo "( Mat. 19:19 ) como outro exemplo de limitação de
Cristo por Sua cultura esta foi uma citação de Lev. 19:18 . Era a promessa de
Cristo de que Ele iria " dar a sua vida em resgate por muitos "( Mat. 20:28 ), tam-
bém errado, uma vez que este foi baseado na profecia "servo sofredor"
em Isaías 53 ? Gen. 03:15predisse que Cristo, a semente da mulher [nascido
de uma virgem], esmagaria a cabeça da serpente-assim é esta também em
dúvida? Esta é a apostasia-presente completo líder evolutiva teísta está de-
safiando a própria divindade de Cristo!

A evidência científica para o projeto


ROM. 1:20 diz: " Pois desde a criação do mundo os atributos invisíveis de-seu
eterno poder e sua natureza divina, têm sido vistos claramente, sendo compreendidos a
partir do que foi feito, de modo que eles fiquem inescusáveis. "
Ao ver as obras maravilhosas de projeto no mundo, a pessoa intelectu-
almente honesta deve concluir que elas foram feitas por um grande Desig-
ner. Isto é assim, mesmo que nós vivemos em um mundo amaldiçoado pelo

75
pecado ( Gn 3: 16-19 , Romanos 8: 20-23. ), onde muitos projetos não são bene-
volentes e outros têm se deteriorado devido a mutações. Mas mesmo um pro-
jeto caído ainda é um projeto.
E há uma abundância de estruturas que, aparentemente, ainda conser-
vam muito se não toda a sua perfeição física. Alguns deles:
 Sistema de sonar do golfinho é tão precisa que é a inveja da Ma-
rinha dos EUA. É possível detectar um peixe do tamanho de uma
bola de golfe 70 m (230 pés) de distância. Demorou um especialis-
ta na teoria do caos para mostrar que "clique" o padrão do golfi-
nho é matematicamente projetados para dar a melhor informa-
ção. 11
 Este sistema de sonar inclui o "melão", uma lente de uma estru-
tura sofisticada de som projetado para concentrar as ondas sono-
ras emitidas em um feixe que o golfinho pode direcionar onde ele
gosta. Esta lente som depende do fato de que diferentes lipídios
(compostos graxos) dobrar as ondas de ultra-som que viajam
através de diferentes maneiras. Os diferentes lipídios devem ser
organizadas na forma e seqüência certa, a fim de concentrar os
ecos de som de retorno. Cada lipídico separada é único e diferente
de lípidos normais gordura de baleia, e é feito por um processo
químico complicado, requerendo um número de diferentes enzi-
mas. 12
 Vôo de insetos requer movimentos complicados para gerar os pa-
drões de vórtices necessários para elevador. Demorou um robô
sofisticado para simular o movimento. 13
 Mesmo o mais simples organismo de auto-reprodução contém
quantidades enciclopédicas de, informações específicas comple-
xo.Mycoplasma genitalium tem o menor genoma conhecido de qual-
quer organismo de vida livre, contendo 482 genes que compreen-
dem 580 mil pares de bases. 14 Quanto aos seres humanos, o evo-
lucionista ateu Richard Dawkins admite:"Não há suficiente capa-
cidade de informação em uma única célula humana para arma-

76
zenar a Encyclopædia Britannica , todos os 30 volumes do mesmo,
três ou quatro vezes mais. " 15
 Ainda mais surpreendente, os seres vivos têm, de longe, a infor-
mação compacto sistema mais armazenamento / recuperação co-
nhecidos. Para ilustrar ainda mais, a quantidade de informação
que pode ser armazenada em volume de uma cabeça de alfinete
de DNA é impressionante.É o conteúdo de informação equivalente
a uma pilha de livros de bolso 500 vezes mais altas como a dis-
tância da Terra à Lua, cada uma com um conteúdo diferente, mas
específica. 16
 A informação genética não pode ser traduzida, excepto com mui-
tas enzimas diferentes, os quais são eles próprios codifica-
dos. Assim, o código não pode ser traduzido, exceto através de
produtos de tradução, um círculo vicioso que liga evolutivos da
origem da vida teorias em nós.Estes incluem enzimas dupla pe-
neira para certificar-se do aminoácido direito está relacionado
com a molécula de tRNA direita. Uma peneira rejeita aminoácidos
muito grande, enquanto o outro rejeita aqueles muito peque-
nos . 17
 O código genético que é quase universal para a vida na Terra é
sobre o melhor possível, para a proteção contra erros. 18
 O código genético tem também vital máquinas de edição que é em
si codificada no ADN. Isso mostra que o sistema foi totalmente
funcional desde o início, um outro círculo vicioso para os evoluci-
onistas. [ CMI Ed. nota: ver também DNA:? maravilhosas mensagens ou
principalmente bagunça ]
 No entanto, outro círculo vicioso, e há muitos mais, é que as en-
zimas que fazem o aminoácido histidina-se conter histidina.
 Existem motores rotativos complexos em organismos vivos. Um
tipo acciona o flagelo de uma bactéria .A enzima vital que faz ATP, a
"moeda energética" da vida, é um motor que pode mudar de mar-

77
cha, mas é tão pequena que 10 17 poderia caber dentro de volume
de uma cabeça de alfinete. 19
 Os olhos compostos complexos de alguns tipos de trilobites, ex-
tintos e invertebrados supostamente "primitivas", foram incrivel-
mente projetado. Eles composta tubos que cada apontavam em
uma direção diferente, e tinha lentes especiais que incidiu a luz
de qualquer distância. O desenho da lente necessária uma cama-
da composta de calcita no topo de uma camada de quitina-
materiais com índices de e-precisamente o direito de refracção de
um limite ondulado entre elas de uma forma matemática preci-
sa. 20 A Designer destes olhos é um mestre físico, que aplicado o
que hoje conhecemos como as leis físicas do princípio de Fermat
de menos tempo, Lei de Snell da refração, seno lei e birrefringen-
tes ótica do Abade.
 Lagosta olhos são únicos em que está sendo modelado em um
quadrado perfeito com relações geométricas precisas das unida-
des.NASA telescópios de raios-X copiado o seu design. 21
 De minha própria área de especialização de espectroscopia vibra-
cional: há boas evidências de que o nosso sentido de detecção
química (olfato) funciona nos mesmos princípios da mecânica
quântica. 22

Teorias evolucionistas químicas contra os fatos da química


Os evolucionistas acreditam que toda a vida surgiu a partir de uma so-
pa química. No entanto, enquanto estudava para o meu grau de química, me
deparei com muitas leis químicas conhecidas que refutam tais teorias "evo-
lução química". 23 Este é um bom exemplo de como uma compreensão ade-
quada dos corretos bíblicos quadro resulta em conclusões corretas a partir
da evidência . Por exemplo:
 A vida requer muitos polímeros , moléculas grandes construídos a
partir de muitos simples monômeros . A polimerização requerbifun-
cionais monómeros (isto é, eles combinam-se com os outros dois),

78
e é interrompida por uma pequena fracção
de unifunctionalmonómeros (que podem combinar com apenas uma
outra, bloqueando, assim, uma extremidade da cadeia em cres-
cimento). Todos os experimentos de simulação "prebiótico" produ-
zir cinco vezes mais moléculas unifunctional que moléculas bifunci-
onais. [ Ed. nota: ver também Origem da vida: o problema de polimeri-
zação ]
 Muitos dos produtos químicos da vida vêm em duas formas, "ca-
nhoto" e "destro". A vida requer polímeros com todos os blocos de
construção que tem a mesma "imparcialidade" ( homoquiralidade ) -
proteins ter apenas "canhoto" aminoácidos, enquanto o DNA eo
RNA tem apenas açúcares "destro". Os seres vivos têm maquina-
ria molecular especial para produzir homoquiralidade. Mas a
química sem direção comum, como na sopa primordial hipotética,
produziria misturas iguais de moléculas de esquerda e destros,
chamadosracematos . Polipéptidos racémicas não poderia formar
as formas específicas necessárias para enzimas; em vez disso,
eles teriam as cadeias laterais que furam para fora todo o lu-
gar. Além disso, um amino ácido errado a mão interrompe a esta-
bilizar-hélice α em proteínas. DNA não poderia ser estabilizada
em uma hélice se ainda uma pequena proporção da forma errada
mão estava presente, por isso não poderia formar longas cadei-
as.Isso significa que ele não pode armazenar muita informação,
por isso não poderia suportar a vida. 24 Uma pequena fração de
moléculas entregou-erradas termina replicação RNA. 25 A recente
conferência mundial sobre "A Origem das homoquiralidade e Vi-
da" deixou claro que a origem desta imparcialidade é um comple-
to mistério para os evolucionistas.26 [ CMI Ed. nota: ver tam-
bém Origem da vida: o problema quiralidade ]
 A química vai na direção errada! Reações de polimeriza-
ção liberar água, por isso, a conhecida lei da ação das massas , o ex-
cesso de água rompe-se polímeros. As longas eras postuladas pelos

79
evolucionistas simplesmente piorar o problema, porque não há
mais tempo para efeitos destrutivos da água para ocor-
rer.Enquanto as células vivas têm muitos mecanismos de reparo
engenhosos, o DNA não pode durar muito tempo na água fora de
uma célula. 27
 Os agentes de condensação (água produtos químicos que absor-
vem) exigem condições ácidas e eles não poderiam acumular na
água.Aquecimento para evaporar a água tende a destruir alguns
aminoácidos vitais, racemizar todos os aminoácidos quirais, e re-
quer condições geológicamente irrealistas. Além disso, os ácidos
aminados com aquecimento outro lamaçal inevitavelmente pre-
sente na sopa primordial hipotética destruí-los.
Um artigo recente no New Scientist também descreveu a instabilidade de
polímeros em água como uma "dor de cabeça" para os pesquisadores que
trabalham com idéias evolucionistas sobre a origem da vida. 28 Ele também
mostrou seu viés materialista dizendo que esta não era "uma boa notí-
cia". Mas a verdadeira má notícia é a fé na evolução (tudo feito em si), que
substitui a ciência objetiva.
 Muitos dos compostos bioquímicos importantes iria destruir o ou-
tro. Os organismos vivos são bem estruturadas para evitar isso,
mas a "sopa primordial" não seria. Por vezes, estas reacções erra-
das ocorrem após uma célula é danificada, por exemplo, o escu-
recimento dos géneros alimentícios. Isso geralmente é causado
por uma reação entre os açúcares e aminoácidos. No entanto, a
evolução requer estes produtos químicos para formar proteínas e
ácidos nucleicos, respectivamente, em vez de destruir uns aos ou-
tros como por química real. [ CMI Ed. nota: ver também Origem da
vida: a instabilidade de blocos de construção ]
 Os ácidos gordos são necessários para as membranas celulares, e
fosfato é necessário para o ADN, ARN, o ATP e muitas outras mo-
léculas vitais importantes da vida. Mas abundantes íons de cálcio
no oceano seria precipitar ácidos graxos e fosfato, tornando-os

80
indisponíveis para a evolução química. Lembre-se disso da próxi-
ma vez que você tem problemas de lavagem com sabão em "água
dura".

Conclusão
Devemos acreditar em uma criação recente em seis dias normais conse-
cutivos, porque a única testemunha ocular nos diz isso é o que Ele fez, e Ele
mostrou que Ele deve ser confiável. Enquanto isso requer fé, é uma fé am-
plamente apoiada pela ciência, como posso confirmar a minha própria área
de especialização.

Referências e notas
1. Richard Lewontin, Bilhões e bilhões de demônios, The New York Revi-
ew , p. 31, 09 de janeiro de 1997. Retorno ao texto .
2. Veja Contra Doutrinação . Retorno ao texto .
3. EJ Larson e L. Witham, Cientistas ainda rejeitam a
Deus, Nature 394 (6691):. 313, 23 de julho de 1998. O único critério
para ser classificado como um "líder" ou "maior" cientista foi membro
da NAS Voltar para texto .
4. S. Jaki, Ciência e Criação , Scottish Academic Press, Edimburgo e Lon-
dres, 1974. Retorno ao texto .
5. A. Lamont, 21 grandes cientistas que acreditava na Bíblia , Creation
Science Foundation, Austrália, pp 120-131., 1995; HM Morris , Homens
de Ciência, Homens de Deus , Master Books, San Diego, CA, EUA,
1982. Retorno ao texto .
6. CS Lewis, Deus no Dock, Eerdmans, Grand Rapids, MI, pp. 52-53,
1970. Retorno ao texto .
7. Algumas informações úteis podem ser encontrados nas seguintes
obras, entre outros:
 HM Morris com HM Morris III, muitas infalíveis provas , Master
Books, Green Forest, AR, EUA, 1996.
 GL Archer, Enciclopédia de Dificuldades Bíblicas , Zondervan,
Grand Rapids, MI, EUA, 1982.
 GH Clark, Martelo de Deus: A Bíblia e os seus críticos , a Fundação
Trindade ., POB 68, Unicoi, TN 37692, EUA, 2 ed, 1987.
 P. Enns, The Moody Handbook of Theology , Moody Press, Chicago,
1989, cap. 18.
 NL Geisler e RM Brooks, Quando céticos Pergunte , Victor Books,
Wheaton, Illinois, EUA, 1990.
 NL Geisler e TR Howe, quando os críticos Pergunte , Victor Books,
Wheaton, Illinois, EUA, 1992.

81
 NL Geisler e William E. Nix, uma introdução geral à Bíblia , Moody,
Chicago, 1986.
 H. Lindsell, The Battle for the Bible , Zondervan, Grand Rapids, MI,
EUA, 1976.
 J. McDowell, Evidências que exigem um veredicto , aqui é Vida Pu-
blishers, San Bernardino, CA, EUA, 1979.
 John W. Wenham, Cristo ea Bíblia , Eagle, Guildford, Surrey, Rei-
no Unido, 3ª ed., 1993. Retorno ao texto .
8. J. Barr, carta a David CC Watson, 1984. Retorno ao texto .
9. R. Grigg, quanto tempo foram os dias em Gênesis 1? O que Deus nos
pretendemos compreender das palavras que ele usou? Creation 19 (1):
23-25., dezembro 1996-fevereiro 1997 Retorno ao texto .
10. J. Stambaugh, Os dias da criação: uma abordagem semânti-
ca , Journal of Creation 5 (1):. 70-76, 1991 Retornar ao texto .
11. R. Howlett, o segredo de Flipper, New Scientist 154 (2088): 34-39., 28
de junho de 1997 Retorno ao texto .
12. U. Varanasi, HR Feldman e DC Malins, base molecular para formação
de lente som de lipídios em cetáceos usando ecoloca-
ção, Nature 255 (5506):. 340-343, 22 de maio de 1975 Retorno ao tex-
to .
13. M. Brookes, em uma asa e um vórtice, New Scientist 156 (2103): 24-
27., 11 de outubro de 1997 Retorno ao texto .
14. CM Fraser et al, O complemento gene mínima de. Mycoplasma genita-
lium , Ciência 270 (5235): 397-403, 20 de outubro de 1995; perspectiva
por A. Goffeau, Vida Com 482 Genes mesma edição, pp. 445-6. Retorno
ao texto .
15. R. Dawkins, O Relojoeiro Cego: Porque a evidência da evolução revela
um universo sem projeto ., WW Norton & Company, New York,
1986 Retornar ao texto.
16. W. Gitt , Veja design deslumbrante em miniatura , Creation 20 (1):. 6,
dezembro 1997-fevereiro 1998 Retorno ao texto .
17. Osamu Nureki et al, da estrutura da enzima com dois sítios catalíticos
para a seleção dupla peneira de substrato,. Ciência 280 (5363): 578-82,
24 de abril de 1998; perspectiva por AR Fersht, Peneiras em sequência,
mesma edição, p. 541. Retorno ao texto .
18. J. Knight, Top tradutor, New Scientist 158 (2130):. 15, 18 de abril de
1998 Retorno ao texto .
19. H. Noji et al, observação direta da rotação da F1-
ATPase,. Nature 386 (6622): 28-33, 20 de março de 1997; perspectiva
na mesma edição por S. Block, verdadeiros motores da criação, pp 217-
9.. JD Sarfati , Design, em organismos vivos: Motors , Journal of Crea-
tion 12 (1): 3-5., 1998 Retornar ao texto .
20. K. Towe, olhos Trilobite: lentes calcificados, Ciência 179 : 1007-1011,
09 de março de 1973; C. Stammers, tecnologia Trilobi-
te ,Criação 21 (1):. 23, dezembro 1998 Retorno ao texto .
21. M. Chown, lente de raios-X traz fichas mais finas em foco, New Scien-
tist 151 (2037): 18, 06 de julho de 1996. Veja também os olhos de la-

82
gosta - brilhante desenho geométrico , Creation 23 (3): 12-13, junho de
2001. Retornar ao texto .
22. L. Turim, um mecanismo espectroscópica para recepção olfativa pri-
mária , Chemical Senses 21 : 773, 1996; citado em S. Hill,
Sniff'n'shake, New Scientist157 (2,115): 34-37, 03 de janeiro de 1998.
Veja também JD Sarfati, projeto Olfativa: cheiro e espectrosco-
pia , Journal of Creation 12 (2): 137- 8, de 1998.Retorno ao texto .
23. Veja também CB Thaxton, WL Bradley e RL Olsen, O Mistério da Ori-
gem da Vida , Biblioteca Filosófica Inc., New York, 1984; SE Aw, A ori-
gem da vida: uma crítica de modelos científicos atuais , Journal of Cre-
ation 10 (3):. 300-314, 1996 Retornar ao texto .
24. W. Thiemann, ed,. Simpósio Internacional de Produção e amplificação
de Assimetria em Sistemas Químicos , Jülich, Alemanha, pp 32-33.,
1973; citado em: AE Wilder-Smith, as ciências naturais não sabe nada
da Evolução , Master Books, CA, 1981. Retorno ao texto .
25. GF Joyce, GM Visser, CAA van Boeckel, JH van Boom, LE Orgel, e J.
van Westrenen, seleção quiral em poli (C) síntese -directed de oligo
(G), Nature 310: . 602-4, 1984 Voltar para texto .
26. J. Cohen, Começar tudo virou sobre as origens da vida na Ter-
ra, Ciência 267 :. 1265-1266, 1995 Retornar ao texto .
27. T. Lindahl, instabilidade e decadência da estrutura primária do
DNA, Nature 362 (6422):. 709-715, 1993 Retornar ao texto .
28. R. Matthews, Wacky Água, New Scientist 154 (2087):. 40-43, 21 de ju-
nho de 1997 Retorno ao texto .

83
ariel a. roth
Biologia

Às vezes é sugerido que a crença na criação é uma questão de fé, en-


quanto a ciência, que normalmente apoia evolução, é considerada mais no
reino da razão. Embora os conceitos de fé e razão são diferentes para avaliar
e quantificar um que geralmente reconhecemos que temos de exercer um grau
de fé para acreditar em qualquer coisa, seja ciência, evolução, criação ou da
Bíblia. No entanto, há muitas boas razões para acreditar na criação por
Deus em seis dias. Na verdade, parece-me que é preciso um maior grau de fé
cega (onde não há nenhuma evidência) a acreditar na evolução do que no
modelo de criação da Bíblia. O mesmo problema se aplica aos pontos de vis-
ta intermediários entre evolução e criação, como a evolução teísta ou criação
progressiva, que tem pouco apoio de ambos os dados da natureza ou da Bí-
blia. 2

84
A origem da vida
Provavelmente, o problema mais desconcertante que a evolução enfren-
ta é a questão da origem da vida. Como os organismos que, mesmo em suas
formas mais simples, são extremamente complexos surgem por si só poderia
viver? A gravidade do problema é bem reconhecido por muitos cientistas
competentes e não precisam ser debruçou sobre aqui.

O problema da complexidade
A presença de peças de complexidade-interdependentes que não funci-
onam a menos que outras partes também estão presentes-coloca um outro
grande problema para a evolução. Por exemplo, um músculo é inútil sem um
nervo para o músculo vai dirigir a sua actividade contratante. Mas tanto o
músculo e do nervo são inúteis sem um mecanismo de controlo complicado
no cérebro para dirigir a entidade atividade do músculo e correlacionar a sua
actividade com a de outros músculos. Sem estes três componentes essenci-
ais, temos apenas partes inúteis. Em um processo de mudanças evolutivas
graduais, como é que a complexidade evoluir?
Partes interdependentes, que representam a maioria dos componentes
de organismos vivos, não seria de esperar a partir de mudanças não dirigi-
dos, aleatórios (mutações) como é proposto para o avanço evolucioná-
rio. Como estes poderiam desenvolver-se sem a previsão de um plano para
um sistema de trabalho? Pode encomendar surgir a partir da turbulência de
mixed-up, as mudanças sem direção? Para órgãos complicados que envol-
vem muitas mudanças necessárias, as chances são implausibly pequeno.
Sem a previsão de um plano, seria de esperar que as mudanças evoluti-
vas aleatórias iria tentar todos os tipos de combinações de peças inúteis ao
tentar prever um avanço evolutivo bem sucedido. No entanto, quando olha-
mos para os organismos mais o mundo dos vivos, não parecem ver alguma
destas combinações aleatórias. Na natureza, parece que estamos a lidar em
grande parte, se não exclusivamente, com peças proposital. Além disso, se a
evolução é um processo contínuo de verdade, por que não vamos encontrar
novas vias de desenvolvimento órgãos complexos em organismos que lhes

85
falta? Nós esperaríamos encontrar pernas em desenvolvimento, olhos, fígado
e novos desconhecidos tipos de órgãos, fornecendo para o avanço evolutivo
em organismos que não tinham as vantagens desejáveis. Esta ausência é
uma acusação séria contra qualquer processo evolutivo sem direção propos-
ta, e favorece o conceito de que o que vemos representa o trabalho de um
Criador inteligente.
O exemplo simples de um músculo, mencionado acima, é uma insignifi-
cância quando consideramos órgãos mais complicados, como o olho ou o cé-
rebro. Estes contêm muitos sistemas interdependentes compostos de partes
que seriam inúteis sem a presença de todas as outras peças necessá-
rias. Nestes sistemas, nada funciona até que todos os componentes necessá-
rios estão presentes e funcionando. O olho tem um sistema de focagem au-
tomática, que ajusta a lente de modo a permitir-nos ver claramente os obje-
tos próximos e distantes. Nós não entendemos completamente como funcio-
na, mas uma parte do cérebro analisa dados do olho e controla os músculos
do olho que mudam a forma da lente. O sistema que controla o tamanho da
pupila assim como para ajustar a intensidade da luz e para reduzir a aber-
ração da lente esférica também ilustra partes interdependentes. Depois, há
os 100 milhões de células sensíveis à luz no olho humano, que enviam in-
formações para o cérebro por meio de alguns 1.000.000 fibras nervosas do
nervo óptico. No cérebro esta informação é separado em vários componentes,
tais como a cor, movimento, forma e profundidade. Em seguida, é analisada
e combinadas em uma imagem inteligível.Isto envolve uma matriz extrema-
mente complexa de componentes interdependentes.
Mas o processo visual é apenas uma parte de nossos cérebros comple-
xos, que contêm cerca de 100.000 milhões de células nervosas conectadas
por cerca de 400.000 quilômetros de fibras nervosas. Estima-se que existam
cerca de 100.000.000.000.000 conexões entre as células nervosas do cérebro
humano. Que podemos pensar em linha reta (esperamos a maioria de nós!) É
um testemunho de um complexo ordenado maravilhosa de partes interde-
pendentes que desafia sugestões de uma origem por mudanças evolutivas

86
aleatórias. Como poderiam os órgãos complicados desenvolver por um pro-
cesso não planejado?

A busca de um mecanismo evolutivo


Movimentos de todos os tipos de coisas na natureza tendem a misturar
as coisas, sejam eles moléculas, pedregulhos enormes, ou substâncias polu-
entes despejados no oceano. Esta tendência inexorável é contrária à evolu-
ção, onde os organismos são supostamente ter se tornado mais e mais orga-
nizado, a partir de componentes desorganizados, como as complexidades de
organismos evoluíram. Como foi a evolução do simples para o complexo con-
tra a tendência à aleatoriedade que é tão prevalente na natureza? Durante
dois séculos, os evolucionistas têm procurado por um mecanismo que expli-
caria a origem da complexidade, mas até agora isso tem sido uma busca pra-
ticamente inútil.
No início do século 19, o naturalista francês Lamarck propôs que o uso
de um órgão causado avanço evolutivo, como um pescoço cada vez mais de-
vido ao uso. Seus pontos de vista foram amplamente rejeitada. Cerca de
meio século depois, Charles Darwin, na Inglaterra propôs um sistema de se-
leção natural. Neste processo muito pequenas variações entre os organismos
estariam sujeitos à concorrência entre os organismos. Isto resultaria na so-
brevivência das formas mais avançadas, enquanto os mais fracos seriam
eliminados. Durante longos períodos de tempo, este processo gradualmente
evoluir as formas avançadas de vida na Terra.
Enquanto modelo da seleção natural de Darwin é o normalmente apre-
sentados nos livros didáticos básicos de biologia, ele tem sido muito criticado
recentemente por uma variedade de razões. Ele tem uma falha fatal quando
se trata da questão do desenvolvimento gradual de sistemas biológicos com
partes interdependentes, e este é o caso para a maioria dos sistemas, se não
todo-biológicos. O problema é que o próprio sistema de selecção natural que
Darwin propôs tenderá a eliminar as partes interdependentes de sistemas
complexos, como estes sistemas se desenvolver. As partes não funcionar até
que todas as partes são interdependentes presente e funciona o sistema e
fornece algum valor de sobrevivência para o organismo. Estas peças não

87
funcionantes tenderá a ser eliminado por um processo de seleção natural,
que deve dar preferência para os organismos que não são onerados com pe-
ças extras inúteis. Por exemplo, no nosso simples exemplo de um músculo-
nervo-controle sistema interdependente evolução: se estamos na fase em que
nós evoluímos apenas um músculo, que o músculo seria um estorvo inútil
até o nervo e mecanismo de controle evoluíram. Até aquele momento, a sele-
ção natural tenderia a eliminar os organismos com partes não-funcionantes
de desenvolvimento de sistemas interdependentes, e, assim, iria interferir
com o progresso evolutivo.
Meio século depois de Darwin propôs sua visão, o biólogo holandês de
Vries vigorosamente desafiado a idéia de que as pequenas variações propos-
tas por Darwin teria qualquer efeito evolutiva significativa. Propôs muito
maiores alterações, chamadas mutações. Infelizmente, o seu principal exem-
plo, o nanismo da planta de prímula em torno de Amsterdam, acabou por
ser apenas a recombinação de características já presentes nas plantas e não
de uma nova mutação. O mesmo se aplica ao exemplo mais comumente
usado de evolução: o escurecimento do Inglês salpicado traça. Este escure-
cimento protegido as mariposas de predadores, tornando-os menos visíveis,
como o ambiente escuro durante a Revolução Industrial. A mariposa tornou-
se novamente mais leves como o ambiente tornou-se mais leve. Essas mu-
danças, que são às vezes chamados de mutações, três são agora reconhecidos
como representando apenas uma flutuação em diferentes tipos de genes já
presentes, e, como tal, não representam as novas mudanças de uma muta-
ção real. 4 [Veja nossa Criação artigo da revista Adeus, salpicado traças .] No en-
tanto mutações, que representam mudanças genéticas mais ou menos per-
manentes, logo foram encontrados em moscas da fruta e outros organis-
mos. Mas as mutações não são um grande avanço para a evolução. Eles são
quase sempre prejudicial, e, como tal, são mais representativas de um me-
canismo para a degeneração do que para o avanço. Uma mutação útil de ca-
da mil está sendo generoso com a evolução.
Em meados do século 20, os principais evolucionistas propôs a "síntese
moderna". Aclamado como o modelo evolutivo final, incorporou a seleção na-

88
tural de Darwin, as mutações e estudos em genética de populações de
Vries. Ao mesmo tempo, outros evolucionistas foram ligando para mudanças
repentinas muito maiores do que os observados para mutações.
Essas mudanças maiores eram necessárias por causa de grandes dife-
renças entre grupos de organismos em linhagens evolutivas assumidos, co-
mo visto no registro fóssil, e também por causa da inadequação do valor de
sobrevivência de pequenas mudanças evolutivas durante o desenvolvimento
de sistemas complexos com partes interdependentes. 5 O termo "monstro es-
perançoso" foi sugerido por estas propostas de repente aparecem novas for-
mas. Mas eles precisam de companheiros de correspondência para ser capaz
de cruzar com, e como um crítico comentou: "Quem vai cruzar com um
monstro, esperançoso ou de outra forma?" 6
A síntese moderna não permaneceu como o mecanismo evolutivo domi-
nante por muito tempo, apesar de alguns dos principais evolucionistas ainda
defendem o modelo. Uma comentários evolucionistas, "E hoje a síntese mo-
derna - . neodarwinismo-não é uma teoria, mas uma série de opiniões que,
cada um à sua maneira, tenta superar as dificuldades apresentadas pelo
mundo dos fatos " 7 Estamos agora em um período de opiniões diversas evo-
lutivos. Uma variedade de novas idéias e controvérsias apareceram. Eles gi-
ram em torno de questões como:
1. Pode-se realmente identificar as relações evolutivas de organis-
mos?
2. São mudanças evolutivas súbita ou gradual?
3. É a seleção natural importante para o processo evolutivo?
4. Como a complexidade evoluir sem a vantagem de previdência?
Os programas de computador que tentam responder a esta ter sido
apenas remotamente relacionadas com a complexidade do mundo biológico
real. Muitos cientistas que não acreditam na criação estão criticando o mo-
delo evolucionista. 8
Estamos assim confrontados com o fato de que, depois de dois séculos
de conjectura, um mecanismo viável para a evolução não foi encontra-
do. 9 Enquanto a perseverança dos evolucionistas é louvável, parece que por

89
agora é tempo para a ciência para dar séria consideração ao outro alternati-
vas de origem, como a criação.

A evidência dos fósseis


Os fósseis, que representam passado a vida na Terra deve ter muito a
dizer sobre como a vida se originou. Alguns consideram o registro fóssil que
encontramos nas camadas rochosas da terra para ser a mais forte evidência
para a evolução, porque há um aumento do simples ao complexo, como se
sobe através das camadas de rocha. No entanto, se essas camadas foram
estabelecidas pelo grande dilúvio descrito na Bíblia, seria também de esperar
algum tipo de complexidade crescente como o Dilúvio gradualmente destruiu
os reinos biológicos do mundo que existia antes dele. Na nossa terra presen-
te, temos a vida simples nas rochas profundas, mais complexa vida nos oce-
anos e os mais complexos em terra. Destruição destes reinos por crescente
atividade inundação resultaria em um aumento geral de complexidade. 10O
mais importante para a questão das origens são dois aspectos do registro
fóssil que colocam sérios problemas para o cenário evolutivo.Um deles é a
grande carência de formas intermediárias, a outra é a falta de tempo geológi-
co para as grandes mudanças evolucionárias postulados.
Se a evolução procedeu durante as eras do tempo postulado, devemos
esperar um grande número de intermediários entre os principais tipos de
organismos, mas dificilmente podemos encontrar nenhum. Charles Darwin
tinha plena consciência do problema e admitiu abertamente a ele em
sua Origem das Espécies , afirmando: "Por que, então, não é todas as formações
geológicas e todos os estratos cheio de tais elos intermediários? A geologia
certamente não revela nenhuma cadeia orgânica finamente graduada tal; e
isso, talvez, é a objeção mais óbvia e mais grave que pode ser feita contra a
minha teoria. " 11 Darwin então atribuiu o problema à "extrema imperfeição"
do registro fóssil. Encontramos milhões de fósseis desde a época de Darwin,
ea falta de intermediários permanece como um grande problema para a evo-
lução. O paleontólogo David B. Kitts, 12 na Universidade de Oklahoma, apon-
ta, "Apesar da brilhante promessa de que a paleontologia fornece um meio
de" ver "a evolução, ela tem apresentado algumas dificuldades desagradáveis

90
para os evolucionistas, a mais notória das quais é a presença de "lacunas"
no registro fóssil. A evolução requer formas intermediárias entre as espécies
ea paleontologia não fornecê-los. "Muito poucas ligações que faltam, como
o Archaeopteryx , que é considerado intermediário entre répteis e aves, foram
descritos, mas esses poucos exemplos fazem pouco para satisfazer os muitos
milhares esperados lá. [Na verdade, o Archaeopteryx é um pássaro verdadeiro,
não um intermediário "elo perdido". Veja Archaeopteryx (ao contrá-

rio Archaeoraptor ) é não um hoax- é uma ave verdadeira, e não um "elo perdido" .]
Alguns evolucionistas postularam que a evolução prossegue por saltos
rápidos ocasionais (equilíbrio pontuado 13 ), mas esses pequenos saltos não
resolvem o problema. O problema para a evolução é que ele está entre os
principais grupos de plantas e animais (filos e divisões) que iríamos esperar
o maior número de intermediários, e isso é precisamente onde estes inter-
mediários estão praticamente ausentes. Qualquer processo gradual que seria
esperado para deixar todos os tipos de fósseis entre os principais grupos de
grandes mudanças evoluir. Não parece que a evolução ocorreu.
Como se examina os detalhes do registro fóssil, ele logo se torna eviden-
te que se a evolução ocorreu, teve que proceder a uma taxa altamente erráti-
co de mudança. O modelo de um avanço gradual processo lento, evolutivo
não é suportado pelo registro fóssil como os evolucionistas interpretá-la. Por
exemplo, as formas mais simples de vida são assumidos como evoluíram
cerca de 3.500 milhões de anos atrás. No entanto, quase 3.000 milhões de
anos depois, o registro fóssil mostra pouca evidência de qualquer avanço
evolutivo. Nós ainda estamos praticamente na fase de uma célula de formas
de vida para o primeiro 5/6 do tempo evolutivo. Em seguida, a menos de 100
milhões de anos depois (1/35 do tempo evolutivo), praticamente todos os fi-
los animais evoluíram. Alguns evolucionistas sugerem apenas 5-10 milhões
de anos (1/350 do tempo evolutivo) para a maior parte deste. 14
Os evolucionistas se referem a este período muito curto para a evolução
de mais filos animais como a "explosão cambriana". Samuel Bowring, do Ins-
tituto de Tecnologia de Massachusetts comentários: "E o que eu gostaria de
pedir aos meus amigos biólogos é: como a evolução pode rápido, antes que

91
eles começa a se sentir desconfortável? " 15 O fenômeno da explosão cambri-
ana harmoniza-se muito bem com um modelo do Dilúvio bíblico que postula
que esta parte do registro fóssil representa o nível dos mares antes do Dilú-
vio, onde a maioria dos filos animais seria esperado . Acima da explosão
cambriana temos outras "explosões". Menores, por exemplo, os evolucionis-
tas propõem que a maioria das ordens de mamíferos evoluíram em meros 12
milhões ano e as ordens vivas de aves em 5-10 milhões de anos.O registro
fóssil, tal como interpretado pelos evolucionistas mostra que os milhares de
milhões de anos propostos para o avanço não está lá. A evolução precisa de
todo o tempo ele pode ficar, e as improbabilidades que enfrenta indicam que
o tempo geológico é muito curta para acomodar esses avanços. As rápidas
taxas de evolução que seriam necessários para acomodar o registro fóssil
reduzir significativamente esse tempo e acentuar ainda mais o problema im-
probabilidade da evolução.

As questões de tempo
Uma das diferenças mais significativas entre criação e evolução é a
questão da duração do tempo de vida tem sido na terra. Enquanto evolução
propõe que a vida tem evoluído durante milhares de milhões de anos, a cria-
ção sugere que Deus criou as diferentes formas de vida em seis dias alguns
milhares de anos atrás. No modelo de criação do Grande Dilúvio descrito na
Bíblia fornece a explicação para as camadas fósseis, enquanto a evolução
sugere que estas foram formadas ao longo das eras. É interessante que as
recentes tendências do pensamento geológico que favorecem grandes mu-
danças rápidas (catastrofismo) fornecer interpretações que se encaixam bem
com o Dilúvio bíblico. Entretanto, a geologia não está se movendo em direção
a uma interpretação bíblica. No entanto, os milhares de milhões de anos
propostos para fixação de camadas sedimentares que contêm fósseis da Ter-
ra levantam uma série de questões interessantes que desafiam as longas
eras geológicas sugeridas por interpretações científicas atuais. 16 Os exem-
plos a seguir.
Animais necessitam de plantas para alimentos, a fim de sobreviver. No
entanto, em várias de nossas formações geológicas importantes, encontra-

92
mos uma boa prova para os animais, mas pouca ou nenhuma evidência para
as plantas necessárias para apoiar os animais. As assembléias fósseis en-
contrados representam ecossistemas incompletos. Como os animais sobrevi-
vem para os milhões de anos postulados para a deposição destas formações,
sem alimentação adequada? Os exemplos incluem:
1. Os Protoceratops camadas dinossauro de sustentação do deserto de
Gobi, na Mongólia, onde a escassez de plantas é considerado
"desconcertante". 17
2. O arenito de Coconino do sudoeste dos Estados Unidos, que tem
muitas centenas de bons rastros de animais, mas há plantas.
3. O importante portadores de dinossauro Morrison Formation do
oeste dos Estados Unidos, onde "fósseis de plantas identificáveis
são praticamente inexistentes." 18 O que esses gigantes comer co-
mo eles evoluíram ao longo de milhões de anos? Estima-se que
um grande dinossauro comia 32 toneladas de vegetação em um
dia.
Um cenário mais plausível para estes depósitos é que eles representam
camadas estabelecidas rapidamente durante o dilúvio bíblico, com as águas
do dilúvio classificar os organismos em vários depósitos, as plantas que for-
mam parte dos nossos depósitos enormes de carvão.
Quando olhamos para a nossa terra presente, parece que as mudanças
geológicas são muito lentos. Por outro lado, o cenário de criação propõe mu-
danças muito rápidas durante o dilúvio bíblico. Acontece que, mesmo se ig-
norarmos o Dilúvio, os processos geológicos relativamente lentos que hoje
observamos são, na verdade, tão rápido que eles desafiam os milhares de
milhões de anos propostos para o desenvolvimento da vida na Terra, como
sugerido por processos evolutivos. 19 Como um exemplo, a taxa atual de ero-
são de nossos continentes por chuvas e consequentes rios para o oceano é
tão rápida que nós esperaríamos que os continentes para ser corroída ao ní-
vel do mar em cerca de 10 milhões de anos. Por que nossos continentes ain-
da aqui se eles são milhares de milhões de anos de idade? Um número de
geólogos ter aludido a este problema. 20 Mesmo após a correção para as ativi-

93
dades agrícolas do homem, que aceleram a erosão, a taxa é tão rápida que
nossos continentes poderiam ter sido erodidos ao nível do mar mais de 100
vezes (se é que pode ser revivido) em um conservador idade postulado de
2.500 milhões de anos para os continentes. Renovação dos continentes a
partir de baixo às vezes é proposto para resolver o dilema. Isso não parece
ser uma solução, já que a coluna geológica que contém camadas muito anti-
gas ainda está bem representada nos continentes, e que parecem não ter
completado ainda um ciclo completo de erosão continente e elevação.
Você provavelmente está familiarizado com as camadas sedimentares
geralmente flat-como (estratos) que são disseminados sobre a superfície da
terra. O Grand Canyon, no Arizona expõe excepcionalmente bons exem-
plos. O que raramente são conscientes de que é muitas vezes entre as prin-
cipais unidades sedimentares há lacunas onde, de acordo com a escala de
tempo geológico padrão, muitas vezes dezenas a centenas de milhões de
anos de depósitos estão faltando. A diferença é reconhecida porque há ca-
madas que representam esses milhões assumidos de anos em outro lugar na
Terra. Eles são identificados através da comparação da coluna geológica em
várias localidades. A camada imediatamente acima do gap é pensado para
ser milhões de anos mais jovem do que a camada imediatamente abaixo. Se
esses milhões de anos realmente aconteceu, porque não vemos a erosão irre-
gular abundante da camada inferior que se espera sobre esses longos perío-
dos de tempo? Os contatos entre as camadas nestes intervalos são geral-
mente plana, com pouca evidência de erosão. Isto sugere pouco tempo. Esse
fenômeno é tão comum que levanta uma questão importante sobre as longas
eras geológicas propostas para a coluna geológica. 21
Os sistemas ecológicos incompletos acima mencionados, que são postu-
ladas ter sobrevivido por milhões de anos, as rápidas taxas de erosão dos
continentes que deveria ter lavado-los há muito tempo, ea escassez de ero-
são nas lacunas das camadas sedimentares da Terra- todos estes colocam
questões que demandam respostas se vai adotar quaisquer modelos que
propõem muitos milhões de anos para o desenvolvimento da vida na Ter-
ra. Estes dados favorecem o relato da criação bíblica.

94
Por que não escolher o melhor da ciência e da Bíblia?
Muitos tentaram conciliar as grandes diferenças entre o modelo evoluti-
vo da ciência e do modelo bíblico da criação. A Bíblia, que é aceito como um
guia para a vida de tantos, e da ciência, que iluminou-nos muito sobre a na-
tureza, são altamente respeitados. Muitos se perguntam o que é verdade, e
muitos têm sugerido vários modelos que são intermediárias entre os dois, de
modo a preservar partes da ciência e da Bíblia. 22
"Evolução teísta" é um desses modelos intermediários. Ele propõe que
Deus usou um processo evolutivo ao longo das eras. O modelo preserva al-
gum tipo de deus, mas ele não é o tipo de bom Deus descrito na Bí-
blia. Criação de Deus descrito na Bíblia é "muito boa". Além disso, Ele é um
Deus com preocupação para aqueles que precisam de ajuda. Os resultados
aberrantes, competição e sobrevivência do mais apto apenas no processo
evolutivo estão muito fora do personagem com o tipo de Deus descrito na
Bíblia. Além disso, o registro fóssil não fornece os intermediários esperados
de um processo evolutivo.
Outro modelo é "criação progressiva", onde Deus ocasionalmente cria
mais e mais avançadas formas de vida ao longo das eras. Aqui Deus é pre-
servada como o Criador de tudo, mas o modelo não se encaixa bem com
qualquer tipo de Deus descrito na Bíblia ou o relato da criação bíblica. Os
muitos milhares de tipos fósseis que encontramos que não estão vivendo
agora implica numerosos erros de criação no passado. A presença do mal, na
forma de animais predadores, mais cedo no registro fóssil, muito antes da
criação do homem, nega o relato bíblico de Deus como Criador bom e do
conceito de que o mal na natureza é o resultado da queda do homem . Além
disso, não há nenhuma sugestão na Bíblia que Deus criou ao longo de gran-
des períodos de tempo. Há apenas um modelo de criação na Bíblia: Deus faz
tudo em seis dias.
Modelos como criação progressiva ou evolução teísta sofrem com a falta
de autenticação. Pode-se especular que isto ou aquilo aconteceu no passado,
mas gostaria de algum apoio de uma respeitada fonte de informações, como
a Bíblia ou os dados da natureza, que este é realmente o caso. Nem a natu-

95
reza nem a Bíblia indica que esses pontos de vista intermediários entre cria-
ção e evolução são a maneira como Deus o fez. Pode-se encontrar informa-
ções periféricas para suportar muitos modelos, mas gostaria de alguma au-
tenticação mais direta antes de aceitar sugestões especulativos. Não se deve
desistir de um modelo mais autenticado por uma mais especulativa.

Por que acreditar em uma criação em seis dias?


Temos o conceito bíblico de uma criação em seis dias, temos o conceito
de evolução ao longo de milhares de milhões de anos, e nós temos um núme-
ro de pontos de vista intermediário entre os dois. O que é verdade?
A ciência é o melhor sistema inventado pelo homem para dar-nos in-
formações sobre a natureza. No entanto, as conclusões da ciência não são
definitivas. Ciência revisa várias vezes e até mesmo inverte as suas conclu-
sões. A ciência é mais confiável no campo experimental do que quando se
lida com o passado, especialmente quando esse passado não pode ser repe-
tido experimentalmente. Quando se trata de responder as grandes questões
da origem, significado e destino, a ciência perdeu suas credenciais. Isso
aconteceu mais de um século atrás, quando a ciência decidiu excluir Deus
do seu menu explicativo. Se Deus existe, a ciência nunca vai encontrá-lo,
desde que ele se recusa a considerar Deus como uma parte da realida-
de. Embora um número significativo de cientistas acreditam em algum tipo
de deus, e seus números estão crescendo, nós ainda não vemos Deus sendo
incorporada como uma realidade em pesquisas científicas e livros didáti-
cos. A ciência ainda está aderindo a uma abordagem mecanicista estreito
com a realidade.
Eu acredito que a ciência não estaria enfrentando algumas das ques-
tões insuperáveis sobre a origem da vida mencionado anteriormente, se não
tomar uma abordagem tão estreita. Ciência faria bem para voltar mais para
o, atitude aberta mais amplo que tinha vários séculos atrás, quando os fun-
damentos da ciência moderna foram estabelecidas, e observou cientistas
como Kepler, Boyle, Newton, Pascal e Linn acreditava em Deus como o Cria-
dor, que estabeleceu as leis da ciência.

96
A Bíblia, por outro lado, tem uma abordagem mais aberta, convidando-
nos a considerar a natureza, assim como Deus (por exemplo, ver Sl. 19: 1-
4 e Romanos 1: 19-20. ). Como tal, ele tem uma base mais ampla para abordar
as questões de origens. A Bíblia é muito mais na demanda de longe do que
qualquer outro livro. Distribuição atual é mais de 17 vezes maior do que
qualquer livro secular. Tem um elevado grau de relação. Esta relação é base-
ada, em parte, a integridade e sinceridade de seus escritores, bem como so-
bre a autenticação arqueológica, geográfica, histórica e profética que de-
tém. A consistência interna desafia qualquer sugestão de que ela é uma co-
leção de histórias inventadas. Este não é um livro que podemos facilmente
descartar. Quando eu considerar as grandes questões da origem de uma
perspectiva ampla, o modelo bíblico faz mais sentido para mim; deixa poucas
perguntas sem resposta.

Referências e notas
1. AA Roth, não é necessário desligar nossos cérebros, quando entramos
em uma Igreja? Origins 23 : 63-65, 1996.
2. Para uma discussão detalhada sobre estes diferentes pontos ver AA
Roth, Origins: Linking Science and Scripture , Review and Herald
Pub. Assoc., Hagerstown, MA, 1998.
3. Por exemplo: Carl Sagan, Os Dragões do Éden: Especulações sobre a
evolução da inteligência humana , Ballantine Books, New York, p. 28,
1997.
4. Por exemplo: TH Jukes, as respostas dos críticos, em PE Johnson, o
Evolution como Dogma: o Estabelecimento de Naturalismo , Haughton
Publishing Co., Dallas, TX, pp 26-28, 1990..
5. Richard Benedict Goldschmidt, a base material da Evolução, Yale Uni-
versity Press, New Haven, CT, 1940.
6. C. Patterson, Evolução , British Museum, Londres e Cornel University
Press, Ithaca, NY, p. 143, 1978.
7. Soren Lovtrup, Darwinismo: A refutação de um mito , Croom Helm, New
York, p. 352, 1987.
8. Para obter uma lista de 9 livros por noncreationists que desafiam a evo-
lução ou Darwinismo, ver p. 140-141 em Roth, Origins: Linking Science
and Scripture .
9. Para os detalhes, consulte os capítulos 5 e 8 de Roth, Origins: Linking
Science and Scripture .
10. Isso é discutido mais em Roth, Origins: Linking Science and Scripture ,
capítulo 10.
11. Charles Darwin, A Origem das Espécies por Meio da Seleção Natural ou
a Preservação das Raças Favorecidas na Luta pela Vida , John Murray,

97
Londres, 1859;na edição reimpressa: JW Burrow, editor, Penguin Bo-
oks, Londres e NY, p. 292, 1968.
12. DB Cristóvão, Paleontologia e Teoria Evolutiva, Evolução 28 : 458-472,
1974.
13. N. Eldredge e SJ Gould, equilíbrios pontuais: uma alternativa para Fi-
lético gradualismo, no TJM Schopf, editor, modelos de Paleobiology ,
Freeman, Cooper, e Co., San Francisco, CA, p. 82-115, 1972.
14. SA Bowring, JP Groetzinger, CE Isachsen, AH Knoll, SM Pelechaty, P.
Kolosov, Calibragem de Preços No início do Cambriano Evolu-
ção, Ciência 261 : 1293-1298, 1993.
15. Como citado em M. Nash, quando a vida explodiu, Hora 146 (23): 66-
74, 1995.
16. Para uma discussão mais aprofundada e exemplos, veja os capítulos
13 e 15 de Roth, Origens: Linking a ciência ea Bíblia .
17. DE Fatovsky, D. Badamgarav, H. Ishimoto, M. Watabe, DB Weisham-
pel, Os Paleoambientes de TugrikinÂShireh (Deserto de Gobi, Mongólia)
e Aspectos da Tafonomia e Paleoecologia de Protoceratops (Dinosauria:
Ornithischia), Palaios 12 : 59-70, 1977.
18. TE Branco, The Quarry Dinosaur, na EF Sabatka, editor, Guia para os
Geologia e Recursos Minerais da Bacia do Uinta , Associação Intermoun-
tain de Geólogos, Salt Lake City, UT, p. 21-28, 1964.
19. Para alguns exemplos veja o capítulo 15 em Roth, Origins: Linking a ci-
ência ea Bíblia .
20. Robert H. Dott Jr. e Roger L. Batten, Evolução da Terra, 4ª edição,
McGraw-Hill Book Co., New York, NY, p. 155, 1988; Robert M. Garrels e
Fred T. Mackenzie,Evolução das rochas sedimentares , WW Norton &
Co., New York, p. 114, 1971; J. Gilluly Geológico contrastes entre con-
tinentes e bacias oceânicas, em A. Poldervaart, editor, Crosta da Terra ,
Geological Society of America, em papel especial, 62 : 7-18, 1955.
21. Para uma discussão mais ampla, ver AA Roth, essas lacunas nas ca-
madas sedimentares, Origins 15 : 75-92, 1988.
22. Veja o capítulo 21 em Roth "Será que precisamos de desligar ..." para
uma discussão sobre uma variedade destes modelos.

98
keith h. wanser
Física

Sendo levantadas desde a infância em uma igreja que acredita em uma


criação literal de seis dias e depois de ter lido a Bíblia muitas vezes como um
adolescente, eu acreditava na criação, apesar de eu não entender a impor-
tância e centralidade da fé cristã dos primeiros dez capítulos de Gêne-
sis. Quando eu assisti a uma universidade estadual como uma graduação e
conversou com os professores de física, fui ridicularizado por acreditar que a
Terra era jovem, e dado muitas razões de ciência mostrando que a Bíblia es-
tava em erro, especialmente os primeiros capítulos do Gênesis. Como um
jovem estudante universitário com especialização em física, eu não sabia que
a ciência o suficiente para ser capaz de refutar o que esses professores esta-
vam dizendo, e uma vez que eles sabiam muito mais do que eu, aos poucos
eu perdi a fé na exatidão literal das Escrituras, embora eu ainda Acredita em
Deus. Isso me levou a um período de alguns anos, quando eu era um "evolu-

99
cionista teísta," moralmente à deriva, e intensamente a leitura de uma varie-
dade de revistas científicas e livros para tentar descobrir a verdade.
Em 1976 eu recommitted minha vida a Jesus Cristo, e logo depois co-
meçou a estudar a evidência científica, histórica, bíblica e outra para uma
criação literal de seis dias e Dilúvio global em todo o mundo, como descrito
em Gênesis. Nesse intervalo de 24 anos, desde então, tenho estudado esses
corpos de prova com algum detalhe, e estou firmemente convencido de que
não há provas científicas que sustentam muito mais recente, a criação de
seis dias e Dilúvio global do que há uma terra antiga e evolução .
Um dos principais problemas com a chamada teoria da evolução é que
os detalhes dependem de quem está contando a história. Esses detalhes que
se tornam geralmente aceitos como "fatos" são muitas vezes alteradas à luz
de descobertas mais recentes. Isso já aconteceu em várias ocasiões, com
pouca atenção que os supostos fatos anteriores não eram fatos em tudo. Em
outras palavras, não há uma teoria da evolução, mas um corpo de opiniões,
especulações e métodos de interpretação dos fatos observacionais para que
eles se encaixam na filosofia do naturalismo.
Um exemplo de um suposto fato demonstrando uma idade antiga da
terra é a taxa de crescimento das estalactites e estalagmites em cavernas de
calcário. Como um jovem garoto visitei Carlsbad Caverns, no Novo México e
lembre-se o guia turístico nos informando assunto com naturalidade que as
cavernas calcárias e formações foram formados ao longo de muitos milhões
de anos, que não parecem concordar com o que eu tinha sido ensinado em
Escola Dominical. Um sinal acima da entrada até 1988 disse que as caver-
nas eram pelo menos 260 milhões de anos. Nos últimos anos, a idade em
que o sinal foi reduzido 7-10 milhões de anos, em seguida, 2 milhões de
anos e agora o sinal é ido talvez como resultado de observações que estalac-
tite taxas de crescimento de vários centímetros por mês são comuns. 1
Os criacionistas têm realizado um conjunto significativo de pesquisas
que demonstram o rápido desenvolvimento de formações de carbonato de
cálcio sob condições provavelmente após o dilúvio de Noé. Em maio de 1998
eu observei estalactites com mais de seis centímetros de crescimento a partir

100
da borda da plataforma de embarque concreto no Arlington, Virginia, estação
ferroviária de metro, o que só foi concluída em junho de 1991. Outro exem-
plo de um fato supostamente foi o ritmo lento de petrificação de madeira,
necessitando de longos períodos de tempo para ocorrer. Petrifaction de ma-
deira tem sido demonstrado que ocorrem rapidamente em águas altamente
silicificadas, e provavelmente teriam sido acelerado pelas condições de uma
inundação em todo o mundo. Na verdade, uma patente nos EUA foi concedi-
da em um processo de petrificar-se rapidamente de madeira, de modo a tor-
ná-lo de fogo e resistente ao desgaste. 2
Ao longo dos últimos 35 anos, os cientistas que acreditam em uma re-
cente criação em seis dias fez algumas descobertas muito interessantes e
argumentos convincentes para uma Terra jovem e em todo o mundo dilúvio
de Noé. Em praticamente todos os casos, a pesquisa não tem sido apoiada
por financiamento do governo. Isso está em contraste com os muitos milhões
de dólares de pesquisa financiado pelo governo por cientistas que possuem
pressupostos evolutivos, que tem sido usado para apoiar suas cren-
ças. Apesar dessas desvantagens, um corpo notável de prova refutando no-
ções evolutivas foi montado pelos criacionistas. 3 Eles demonstram que vá-
rios processos que anteriormente foram pensados para exigir longos períodos
de tempo, na verdade, ocorrem rapidamente, e dão testemunho de uma terra
nova e recente criação. Além disso, os criacionistas estão começando a fazer
predições testáveis com base em suas teorias, bem como tornar-se mais
quantitativa em sua modelagem.
O modelo das placas tectônicas catastróficas que tem sido desenvolvi-
do 4 tem servido para ajudar a explicar várias características geológicas que
estão associados com o Dilúvio, bem como reversões geomagnéticas e pós-
Dilúvio Era do Gelo. Trabalho criacionista cedo na rápida, livre de decaimen-
to de indução do campo magnético da Terra foi capaz de explicar a decadên-
cia observada de cerca de 7 por cento no campo ao longo dos últimos 130
anos, sem parâmetros ajustáveis, e definir um limite superior para a idade
da área de cerca de 10.000 anos. 5 Esta teoria foi mais tarde modificado para
incluir inversões geomagnéticas locais e rápidos associados com as placas

101
tectônicas catastróficas e Dilúvio de Noé, e estendido para incluir o tamanho
de campos magnéticos planetários. 6 Previsões baseadas neste modelo de cri-
ação recente e bíblica foram feitas sobre reversões geomagnéticas rápidas e
campos magnéticos planetários, que foram verificados experimentalmente. 7
A explicação dos campos magnéticos planetários é surpreendente de
acordo com a teoria criacionista e não há contrapartida evolutiva a ele. Da
mesma forma, as previsões de rápidas reversões geomagnéticas foram verifi-
cadas por análise de fluxos de lava em Mountain de Steen em Oregon, que
indicam inversões de polaridade geomagnéticas ocorrem em questão de al-
gumas semanas, para grande espanto e surpresa dos cientistas evolucionis-
tas. 8
Os principais problemas com cenários evolutivos de origens ocorrer em
várias etapas. Um problema muito interessante ocorre logo no início em teo-
rias da cosmologia quântica, que prevêem que o big bang se originou a partir
de uma flutuação quântica do vácuo. 9 Infelizmente, essa especulação não é
nada mais do que isso, uma vez que em todos os processos observados expe-
rimentalmente envolvendo partículas elementares e reações nucleares, algo
chamado número Baryon é conservada. A conservação do número Baryon
garante que quando as partículas são trazidos à existência de energia, que
ocorrem em igual número de pares de matéria / antimatéria. Assim, na pro-
dução de pares, um elétron e um pósitron são produzidos; de forma seme-
lhante, um protão e antiproton são produzidos. Por outro lado, na medida
em que somos capazes de observar, o universo parece ter um domínio ex-
tremo da matéria sobre a antimatéria, o que contradiz a noção de que uma
grande explosão produziu a matéria que vemos no universo que nos rodeia.
Devido a este problema, os físicos de partículas elementares têm pro-
posto Grandes Teorias Unificadas, ou vísceras, que a hipótese de termos nas
equações matemáticas da teoria que violam Baryon conservação número, a
fim de produzir um predomínio da matéria sobre a anti-matéria, como resul-
tado da Big Bang. Infelizmente, essas teorias prevêem que o próton é instável
e irá decair, o que levou a esforços consideráveis experimentais para detectar
o decaimento do próton 10 . No entanto, essas pesquisas não conseguiram

102
encontrar o decaimento do próton e estabeleceram limites mais baixos na
vida de prótons de pelo menos 10 +31 anos. 11 O fato de que não há nenhuma
evidência experimental para a violação da conservação Baryon número cha-
ma fortemente em causa qualquer big-bang cenário para a origem da maté-
ria no universo. Existem vários outros problemas com teorias de quantum /
cosmologia do big-bang, que têm sido discutidas por Morris. 12
Uma teoria criacionista intrigante foi proposta 13 , que envolve uma
cosmologia branco buraco, um universo limitado, uma massa de água inicial
e da teoria da relatividade geral de Einstein. Esta cosmologia permite uma
criação literal de seis dias no quadro de referência de terra (o qual é levado
para estar algures na vizinhança do centro do universo), enquanto que lon-
gos períodos de tempo pode decorrer em outras porções do universo, permi-
tindo, assim, tempo suficiente para que a luz das estrelas para ter distâncias
percorridas de bilhões de anos-luz para chegar à Terra. Ele também permite
a um universo em expansão e vermelho turnos, como são observa-
dos. Outras previsões desta teoria, como a temperatura da radiação cósmica
de fundo, ainda têm de ser trabalhados em detalhe; no entanto, essa teoria
oferece uma alternativa viável ao naturalista cosmologia big-bang e resolve o
problema de longa data do tempo de viagem da luz em cosmologias criação
recente.
Outra alternativa criacionista a cosmologia do Big Bang foi proposto re-
centemente, 14 , que não representa apenas observados desvios para o verme-
lho cosmológico, mas também pode explicar a radiação cósmica de fundo 2.7
kelvin. Embora estes modelos cosmológicos recentes estão em seus estágios
iniciais, em comparação com mais de 50 anos de refinamento do modelo pa-
drão do Big Bang, eles demonstram que os fatos experimentais observados
pode ser entendida sem a necessidade de um big bang. Além disso, eles de-
monstram a originalidade ea produtividade dos cientistas criacionistas, con-
tradizendo as alegações de alguns evolucionistas que cientistas da criação
não desenvolvem qualquer nova ciência.
Um dos maiores obstáculos para a crença na criação em seis dias está
associado a métodos de radioisótopos de namoro e os excessivamente velhos

103
idades de rochas e fósseis inferidas a partir de tais métodos. Um trabalho
recente de criacionistas tem mostrado que o método de datação potássio-
argônio amplamente utilizada sofre com falhas fatais em sua suposição de
não argônio inicial presos em rochas vulcânicas, no momento da sua solidi-
ficação. 15 Houve várias propostas criacionistas para decaimento radioactivo
acelerado e experimental buscas por evidências de que isso tenha ocorrido
no passado. 16 possíveis cenários de neutrino intensa e / ou fluxos de raios
gama devido a várias supernova e perturbações estelares (possivelmente du-
rante o Dilúvio de Noé) podem ter contribuído para o aparecimento de idade
quando substâncias radioativas são examinadas por causando decaimento
radioactivo em um substancial período de tempo muito curto, ao invés de ao
longo de grandes períodos de tempo, a taxas correntemente observá-
veis. Além de causar o decaimento radioativo adicional, esses fluxos ou au-
mentos de radiação cósmica também poderia ter resultado na diminuição
rápida na vida humana após o Dilúvio, como registrado em Gêne-
sis. Acredita-se que a diminuição do campo magnético da terra associado
com placas tectônicas catastróficas durante o Dilúvio de Noé, também con-
tribuiu para um aumento dramático no fluxo de raios cósmicos na atmosfera
superior e um aumento atendente na produção de carbono-14.
Um extremamente grande fluxo de raios gama que inundam o sistema
solar foi recentemente observado e é acreditado para ser uma ocorrência re-
lativamente "comum". 17 Essas extremamente intensas emissões de raios ga-
ma foram atribuídos a um tipo de estrela de nêutrons conhecido como um
magnetar. Magnetars são esperados para dissipar a sua energia em cerca de
10 mil anos, uma indicação de que eles próprios são jovens.
Além de propostas de decaimento nuclear acelerada, não tem aparecido
recentemente evidências experimentais de que a decadência dos sistemas
quânticos instáveis é nonexponential. 18 Por razões muito gerais, pode-se
mostrar que a decadência de um sistema mecânico quântico instável é no-
nexponential em tempos curtos. É uma das maiores extrapolações na ciência
para presumir que o decaimento de isótopos radioativos com meias-vidas de
mais de 10 +9 anos é exponencial, quando a lei de decaimento exponencial de

104
isótopos radioativos só foi verificada experimentalmente em isótopos de cur-
ta duração com meia-vida inferiores a 100 anos. Esta é uma extrapolação de
pelo menos 7 ordens de grandeza no tempo! Há razões para acreditar que os
radioisótopos de vida mais longa deve apresentar desvios significativos da lei
de decaimento exponencial. A teoria mecânica quântica rigorosa do decai-
mento de radioisótopos de vida longa está actualmente sob investigação, a
fim de determinar o tamanho do desvio da lei de decaimento exponencial em
tempos curtos em comparação com a sua meia-vida. Se desvios significativos
são encontrados, isso vai alterar completamente a interpretação dos dados
de radioisótopos e as cronologias antigas inferidos, que são baseadas no
pressuposto da validade da lei de decaimento exponencial ao longo unobser-
vably grandes momentos.
Citado neste breve artigo é apenas uma pequena amostra do trabalho
interessante que foi e está sendo feito por cientistas que acreditam na cria-
ção. O leitor curioso é convidado a estudar os livros na bibliografia por Mor-
ris (ver nota 3). Além disso, existem muitos sites na internet 19 com inúmeros
artigos que dão evidências científicas, históricas e bíblicas para um recente
criação em seis dias e no mundo inteiro dilúvio de Noé.

Referências e notas
1. GW Wolfram, Carlsbad "assina" Creation Research Society Quarter-
ly 31 : 34, Junho de 1994; EL Williams, Cavern e Formação Spele-
otherm Ciência e Filosofia, Creation Research Society Quarterly 29 : 83-
84, setembro de 1992; EL Williams, o rápido desenvolvimento de car-
bonato de cálcio Formações,Creation Research Society Quarterly 24 :
18-19, junho de 1987.
2. EL Williams, o Rapid Petrifaction de Madeira, Criação Matters 1 : 1, ja-
neiro de 1996; EL Williams, Fossil madeira do Parque Nacional Big
Bend, Brewster County Texas: Parte II, Creation Research Society Quar-
terly 30 : 106-111, setembro de 1993; H. Hicks, sódio Composição sili-
cato, US Patent # 4612050, 16 de setembro de 1986.
3. Henry M. Morris, A Terra Jovem Criacionista Bibliografia, Institute for
Creation Research Impact artigo nº 269, Novembro de
1995; www.icr.org.
4. SA Austin et al, Tectônica de Placas catastróficos: Um Modelo dilúvio
global da História da Terra, Anais da Conferência Internacional sobre
Criacionismo Terceiro, pp 609-621, 1994;.. C. Burr, O Geofísica de
Deus , US News and World Re-

105
port <www.usnews.com/usnews/issue/970616/16terr.htm>, 16 de ju-
lho de 1997.
5. Thomas G. Barnes, Origem e Destino do Campo Magnético da Terra ,
Criação Society Research, El Cajon, CA, p. 132, 1983.
6. R. Humphreys, o campo magnético da Terra é jovem, Institute for Crea-
tion Research Impact artigo nº 242, Agosto de 1993; www.icr.org.
7. DR Humphreys, mecanismo físico para a inversão do campo magnético
da Terra durante o dilúvio, Anais da Segunda Conferência Internacional
sobre Criacionismo 2 : 129-142, 1990 (Creation Science Fellowship,
Pittsburgh, PA, EUA), e as referências aí.
8. RS Coe, M. Prevot, e P. Camps, Nova Evidência para extraordinaria-
mente rápida Mudança do campo geomagnético Durante uma rever-
são, Nature 374 : 687-692, 20 de abril de 1995.
9. D. Atkatz, Cosmologia Quântica para pedestres, American Journal of
Physics 62 : 619-627, Julho de 1994.
10. Graham G. Ross, grandes teorias unificadas, Benjamin / Cummings,
Menlo Park, CA, pp. 212-216, 438-444, 1984.
11. R. Mathews, Solid Rock, New Scientist , pp. 48-52, 22 de maio de
1999.
12. Henry M. Morris e John D. Morris, Os céus não evoluem Ou, The Mo-
dern Criação Trilogy , vol. 2, Ciência e Criação, Master Books, Green
Forest, AR, pp. 203-232, 1996.
13. D. Russell Humphreys, Starlight and Time , Master Books, Green For-
est, AR, pp. 83-133, 1994.
14. RV Gentry, A Nova Interpretação Desvio para o Vermelho, Modern
Physics Letters A 12 (37): 2919-2925, 1997. Ver também o e-
impressões: A Mudança Interpretação New Red Afir-
mou <xxx.lanl.gov/abs/physics/9810051>, e A Verdadeira Rosetta
Cósmica <xxx.lanl.gov/abs/gr-qc/9806061>.
15. A. Snelling, "Argon Excesso": O "calcanhar de Aquiles" do potássio-
argônio e argônio-argônio "Namoro" de rochas vulcânicas, Institute for
Creation ResearchImpact artigo nº 307, janeiro de 1999 e as referências
aí. Disponível online em ICR <www.icr.org>.
16. JW Bielecki, Pesquisa de Aceleração Decay Nuclear com Espontâneo
Cisão de 238 U, Anais da IV Conferência Internacional sobre criacionis-
mo, pp. 79-88, 1998.
17. R. Cowen, Artesanato Encontra Nova Evidência de magneta-
res, Science News 154 : 164, 12 de setembro de 1998.
18. SR Wilkinson et al, evidência experimental para Decay não-
exponencial Quantum Tunneling,. Nature 387 : 575-577, 05 de junho
de 1997.
19. Três sites de internet com informações sobre criação / evolução
são: Institute for Creation Rese-
arch <www.ICR.org>, ChristianAnswers.Net<www.ChristianAnswers.Net
> e [ Creation Ministries International <www.creation.com>]

106
timothy g. standish
Biologia

Lendo O Relojoeiro Cego de Richard Dawkins foi uma experiência funda-


mental para mim. Eu tinha começado recentemente o meu Ph.D. programa
da Universidade George Mason e assinado ansiosamente para uma aula inti-
tulada "Problemas na teoria da evolução." O Relojoeiro Cego foi leitura obriga-
tória, e com crescente entusiasmo notei endossos impressos na capa bri-
lhante. De acordo com a The Economist , este livro era "tão legível e vigorosa
defesa do darwinismo como tem sido publicada desde 1859." Lee Dembart,
escrevendo para o Los Angeles Times , foi ainda mais efusivo: "Cada página
anéis de verdade. É um dos melhores livros-de ciência o melhor de todos os
livros-que eu já li. "Um livro que foi" Vencedor do Royal Society of Prêmio
Heinemann da Literatura, eo Los Angeles Times Book Award "deve conter
nada, mas não destilado brilho. Eu me senti presunçoso com confiança co-
mo eu pago para o livro e saiu da loja, cheia de entusiasmo para começar a
ler.

107
Depois de vasculhar toda a hipérbole, eu estava atordoado com as
idéias apresentadas por Dawkins em O Relojoeiro Cego . Retórica polido os ar-
gumentos com um brilho cintilante, dando a impressão de que brevemente
seixos eram pedras preciosas. Mas uma vez que cada metáfora foi despojado
de lado, as idéias centrais não suportar a idéia de que a seleção natural pode
explicar a origem da vida ea complexidade significativa de organismos. Mais
surpreendente para mim foi a constatação de que, uma das teses centrais do
livro, na verdade, violou o princípio da seleção natural.
Dawkins teceu duas idéias juntas no apoio darwinismo. A primeira idéia
era que, dado chances suficientes, o improvável se torna provável. Por exem-
plo, jogar uma moeda de dez vezes seguidas e obter cabeças cada vez que é
muito improvável; só se poderia esperar que isso aconteça cerca de 1 em
1.024 tentativas. A maioria de nós não iria se sentar ao redor lançando moe-
das só para ver isso acontecer, mas se tivéssemos um milhão de pessoas
lançando moedas, gostaríamos de ver isso acontecer muitas vezes. Este fe-
nômeno é divulgado nos jornais quando os ganhadores de loteria são anun-
ciados. Ganhar um jackpot de milhões de dólares é improvável, mas com mi-
lhões de pessoas que compram bilhetes, eventualmente, alguém ganha.
Dawkins admite que as chances de vida a partir de um conjunto aleató-
rio de produtos químicos é muito magro, mas dado um imenso universo e os
milhares de milhões de anos, tem existido, o improvável se torna prová-
vel.Neste ecoa a lógica de Ernst Haeckel, que escreveu em seu livro The Riddle
of the Universe , publicado em 1900:
Muitas das estrelas, a luz do que levou milhares de anos para chegar
até nós, são certamente sóis como o nosso mãe-sol, e são cingidos com pla-
netas e luas, assim como em nosso sistema solar. Somos justificados em su-
por que milhares destes planetas estão em um estágio de desenvolvimento
semelhante ao da nossa terra ... e que a partir de seus compostos nitrogena-
dos, protoplasma tem evoluído-essa substância maravilhosa que por si só,
tanto quanto o nosso conhecimento vai, é o possuidor de vida orgânica.
Haeckel foi otimista sobre a presença de condições que poderiam supor-
tar a vida em outros planetas além da Terra, e é neste que um dos proble-

108
mas com o argumento de Dawkins emerge. Enquanto o universo é imenso,
aqueles lugares onde a vida tal como a conhecemos pode sobreviver, e muito
menos vir a ser, parecem ser poucos e distantes entre si. Até agora, apenas
um lugar, foi descoberto que as condições para a vida estão presentes, e já
estamos vivendo nele. Assim, não há muito motivo para otimismo de que o
universo está repleto de planetas banhadas em uma sopa primordial a partir
do qual a vida pode evoluir. Dawkins escreveu levianamente da imensidão do
universo e sua idade, mas não forneceu um exemplo, que não seja a terra,
onde o caso improvável de geração espontânea da vida pode ocorrer. Mesmo
se o universo estivesse repleta de proto-terras, e os períodos de tempo suge-
ridos pela ciência moderna estavam disponíveis, isso ainda não é um grande
argumento, como se alguma coisa é impossível, em outras palavras, as
chances de isso acontecer são de zero, em seguida, isso nunca vai acontecer,
nem mesmo em uma quantidade infinita de tempo. Por exemplo, mesmo se
tivéssemos nossos milhões de pessoas lançando moedas, cada uma com dez
flips em uma fileira, as chances de qualquer um deles lançando e recebendo
11 cabeças em dez tentativas é zero porque as chances de conseguir 11 ca-
beças em dez tentativas com um pessoa é zero. A questão de fundo é que as
chances de vida evoluir a partir de precursores não vivos é essencialmente
zero. Ironicamente, esta foi a mais forte das duas idéias, ou argumentos,
apresentados por Dawkins.
O segundo argumento foi apresentado como uma analogia: imagine um
macaco digitando em uma máquina de escrever com 27 teclas, todas as le-
tras do alfabeto Inglês ea barra de espaço. Quanto tempo levaria para o ma-
caco para escrever algo que fizesse sentido? Dawkins sugere a frase dita por
Hamlet, de William Shakespeare, que, ao descrever uma nuvem, pronuncia:
"Parece-me que é como uma doninha." Não é uma frase longa e contém mui-
to pouco significado, mas funciona por causa do argumento. Quantas tenta-
tivas de digitar esta frase que seria necessário um macaco, que presumivel-
mente seria pressionar as teclas aleatoriamente, para digitar a frase?
Como se vê, as chances podem ser facilmente calculado como a proba-
bilidade de obter cada letra ou espaço correto elevado à potência do número

109
de posições em que eles têm que estar corretas. Neste caso, a probabilidade
de o macaco digitar "m" na primeira posição da frase é 27/01 (que não vai se
preocupar com a capitalização). A sentença tem 28 personagens, então a
probabilidade é (1/27) 28 ou 1,2 x 10 -40 . Isso é cerca de uma chance em 12
mil milhões de milhões de milhões de milhões de milhões de milhões! Você
gostaria de ter um monte de macacos digitando muito rápido por um longo
tempo, se você sempre quis ver isso acontecer!
Para superar este problema com probabilidade, Dawkins propôs que a
seleção natural poderia ajudar através da fixação de cada letra no lugar,
uma vez que estava correta e, assim, diminuindo as chances massivamen-
te. Em outras palavras, como um macaco tipos de distância, não é imprová-
vel que pelo menos um dos tipos de caracteres ele vai estar na posição cor-
recta na primeira tentativa. Se esta carta foi mantido eo macaco era permiti-
do apenas para digitar as letras restantes até que ele finalmente teve a letra
correta em cada posição, as chances caem para o ponto que o macaco dili-
gente média provavelmente poderia terminar a tarefa em uma tarde e ainda
ter tempo para recolher bananas e amendoins de observadores admira-
dos. Dawkins tem o seu computador para fazê-lo em entre 40 e 70 tentati-
vas.
Felizmente eu tinha tomado bioquímica antes de ler O Relojoeiro Cego . Os
organismos são feitos de células, e essas células são compostas de pequenas
máquinas de proteínas que fazem o trabalho da célula. As proteínas podem
ser pensadas como frases como "Parece-me que é como uma doninha", com
a diferença de que as proteínas são feitas de 20 subunidades diferentes
chamados aminoácidos, em vez dos 27 personagens diferentes em nosso
exemplo. A evolução de uma proteína funcional, presumivelmente começar
como uma série aleatória de aminoácidos, um ou dois dos quais seriam na
posição certa para fazer a função da proteína se destina a fazer.De acordo
com a teoria de Dawkins, esses aminoácidos no local certo na proteína seria
fixado por seleção natural, enquanto que aqueles que precisava ser modifi-
cado continuaria a mudar até que eles estavam corretos, e uma proteína
funcional foi produzido de modo relativamente curto. Infelizmente, esta atri-

110
bui um atributo a seleção natural que até mesmo seus defensores mais ar-
dentes iria questionar, a capacidade de selecionar uma proteína não funcio-
nal de um conjunto de milhões de outras proteínas não funcionais.
Alterando mesmo um aminoácido numa proteína podem alterar drasti-
camente a sua função. Um exemplo disto é famosa a mutação que causa a
anemia falciforme em seres humanos. Esta doença provoca uma multiplici-
dade de sintomas, variando de insuficiência hepática para elevar a síndrome
do crânio. É causada pela substituição de um aminoácido chamado gluta-
mato, normalmente na posição número de seis, por outro aminoácido cha-
mado valina. Esta única alteração faz uma enorme diferença na forma como
o alfa globina subunidade da hemoglobina funciona. A triste consequência
final desta mutação aparentemente insignificante na proteína provoca a
morte prematura de milhares de pessoas a cada ano. Em outras proteínas,
as mutações para algumas, mas não todas, as áreas podem resultar numa
perda completa de função. Isto é particularmente verdadeiro se a proteína é
uma enzima, e a mutação é no seu sítio activo.
O que Dawkins está sugerindo é que um grande grupo de proteínas, das
quais nenhuma é funcional, podem ser acionados por seleção natural para
selecionar a alguns que, enquanto eles não chegam a fazer o trabalho, no
entanto, com algumas modificações através de mutação, pode fazer o traba-
lho no futuro. Isto sugere que a seleção natural tem algum sentido ou objeti-
vo em mente, uma grande heresia para aqueles que acreditam teoria evoluti-
va.
Essa idéia de seleção natural, que fixa os aminoácidos como ele constrói
proteínas funcionais também não é suportada pelos dados. Células não des-
pejar grandes grupos de proteínas aleatórios em que a seleção natural pode
atuar. Se qualquer coisa, precisamente o oposto é verdadeiro. As células só
produzem as proteínas de que necessitam para fazer naquele momen-
to. Fazendo outras proteínas funcionais, mesmo os desnecessários, seria um
desperdício de células coisa para fazer, e, em muitos casos, poderia destruir
a capacidade da célula para funcionar. A maioria das células só fazem cerca
de 10% das proteínas que são capazes de produzir. Isto é o que faz com que

111
as células do fígado diferentes daqueles na pele ou no cérebro. Se todas as
proteínas foram expressas todo o tempo, todas as células seriam idênticos.
Na realidade, o problema da vida em evolução é muito mais complexa
do que a geração de uma única proteína funcional. Na verdade, uma única
proteína é apenas a ponta do iceberg. Um organismo vivo deve ter muitas
proteínas funcionais, os quais trabalham em conjunto de forma coordena-
da. No decorrer de minha pesquisa, eu freqüentemente fisicamente romper
as células moendo-as em nitrogênio líquido. Às vezes eu faço isso para obter
proteínas funcionais, mas com mais freqüência para obter a ácidos RNA ou
DNA nucleico. De qualquer forma, eu ainda tenho que descobrir que o ácido
nucleico ou proteína que eu estava trabalhando não era funcional após ser
retirado da cela, e ainda assim, apesar de todos os componentes celulares
estavam presentes e funcional após a interrupção, eu nunca ter observado
um início de uma única célula para funcionar novamente como um organis-
mo vivo, ou mesmo parte de um organismo vivo. Para a seleção natural ocor-
ra, todas as proteínas em que é agir deve ser parte de um organismo vivo
composto por uma série de outras máquinas de proteínas funcionais. Em
outras palavras, todo o sistema tem de existir antes da selecção ocorrendo,
não apenas uma única proteína.
"Problemas na teoria da evolução" era uma classe que me fez perceber
as dificuldades daqueles que descarto a possibilidade de um Criador tem
com suas próprias teorias. Os problemas com a teoria da evolução fosse real,
e não houve resoluções convincentes simples.
Progredindo nos meus estudos, eu lentamente percebeu que a evolução
sobrevive como um paradigma somente enquanto a evidência é escolhido e
eleitos, e da grande piscina de dados que está acumulando na vida é ignora-
da. À medida que a profundidade e amplitude de conhecimento aumenta
humanos, ele lava sobre nós uma avalanche de provas profunda e ampla,
tudo apontando para a conclusão de que a vida é o resultado do proje-
to. Apenas um pequeno subconjunto de provas, escolhidos com cuidado, po-
de ser usado para construir uma história de vida evoluir a partir de precur-
sores não-vivos. Ciência não funciona na base de escolher e escolher os da-

112
dos para atender a uma teoria estimado. Eu escolhi o caminho da ciência,
que também acontece a ser o caminho da fé no Criador.
Eu acredito que Deus fornece evidências de Seu poder criador para que
todos possam experimentar pessoalmente em nossas vidas. Para conhecer o
Criador não requer um grau avançado na ciência ou teologia. Cada um de
nós tem a oportunidade de experimentar o Seu poder criativo em recriar o
Seu caráter em nós, passo a passo, dia a dia.

113
john r. rankin
Física Matemática

Quando perguntamos sobre as origens de tudo, quais são as op-


ções? Nós, basicamente, realmente só tem duas opções: evolução ou cria-
ção. Evolução tem seus problemas e nenhum cientista nega isso. Mas isso
não responde a pergunta de por que eu acredito na criação. As teorias po-
dem ser facilmente remendado com os pressupostos extras e explicações
mais tortuosos e poderia não as áreas problemáticas simplesmente ser colo-
cado para baixo para o nosso atual estado de conhecimento? Não podería-
mos simplesmente esperar que, num futuro não muito distante, com mais
pesquisa, cada um espinhoso problema especial na evolução acabará por
ficar resolvido de forma satisfatória, um por um? Na minha perspectiva, no
entanto, se pensarmos as áreas problemáticas da evolução como "buracos"
na teoria, esses buracos estão cada vez maiores com o tempo, e eles não es-
tão indo embora.
Evolução abrange um amplo leque de disciplinas científicas, tais que
nenhuma área é suficiente para refutar a teoria. Nos dias anteriores, os cien-

114
tistas aceitaram a garantia de que, embora eles tinham dificuldades insupe-
ráveis com evolução em sua própria área de trabalho científico, a evolução
"funciona" e faz sentido em outras áreas de pesquisa e na ciência básica em
geral. Mas, como o passar do tempo, as áreas problemáticas para a evolução
nas várias disciplinas da ciência não desapareceram, mas permaneceram e
estão se destacando como "polegares doloridos." Com esta situação, os cien-
tistas tornaram-se consciente das dificuldades para a evolução em todos os
outros áreas, para além da sua própria. Agora eles estão começando a dizer
que talvez haja problemas fundamentais com a própria explicação da evolu-
ção.
Deixe-me descrever a minha área de investigação original e como ela re-
lacionada com a teoria da evolução. Meu trabalho de pesquisa inicial foi na
área de cosmologia. Trata-se de um estudo profundo de matemática e astro-
nomia e, em particular, a Teoria da Relatividade Geral de Einstein. Na cos-
mologia, temos um número de "modelos cosmológicos" que estudamos. Estas
são soluções matemáticas das equações de Einstein que descrevem diferen-
tes universos possíveis permitidas de acordo com as leis da física. Meu proje-
to de pesquisa foi o de buscar a pergunta: se o universo começou como uma
distribuição homogênea de gases e plasma atômicas, que as pequenas flutu-
ações estatísticas típicas de densidade crescer e se condensam sob as leis
conhecidas da gravidade para formar protogaláxias, os precursores de galá-
xias com todos os seus componentes complexos de aglomerados globulares,
estrelas, planetas, luas, asteróides e cometas de hoje?
Esta é a crença atual da teoria da evolução: a de que um universo inici-
almente homogênea e desinteressante se diferenciaram ao longo de bilhões
de anos para a estrutura complexa e bonita de objetos inter-relacionados
que sabemos e vemos hoje. A atitude do meu supervisor da pesquisa foi:
"Nós estamos aqui; portanto, temos de ter evoluído! ", e por suposição tudo
evoluiu de um estado gasoso uniforme.
Esta é certamente uma grande questão e para enfrentá-lo eu olhei para
as fases iniciais deste processo deveria.Então, a pergunta que eu abordado
foi: será que flutuações estatísticas nos modelos cosmológicos atualmente

115
acredita-se que as representações realistas da estrutura cosmológica do uni-
verso crescer sob as leis gravitacionais da relatividade geral para o nível de
tornar-se estatisticamente significativa? Equações linearizadas são adequa-
dos para o fundo espera flutuações de densidade aleatória. Se estas equa-
ções dizer que, para os modelos cosmológicos padrão, aleatórios (insignifi-
cantes) flutuações iniciais vai crescer ao longo do tempo cosmológico (medi-
do em bilhões de anos) para tornar-se estatisticamente significativa, altura
em que as equações linearizadas quebrar e um tratamento matemático to-
talmente não-linear é necessária -então nós estabelecemos as bases para a
teoria da evolução.
Após cinco anos de pesquisa matemática pesada concentrada em um
presente pergunta, a resposta veio: não. Na verdade, houve um crescimento
nas flutuações iniciais, mas, mesmo com mais de 10 ou 20.000 milhões ano,
as flutuações estatísticas iniciais na densidade ainda estavam no nível de
flutuação que poderia ser esperado em razão estatísticos em um universo
homogêneo. Pesquisas anteriores já haviam parecia indicar que flutuação
estatística seria condensar rapidamente. No entanto, esses cálculos tinha
sido feito no fundo de modelos cosmológicos irrealistas, ou seja, modelos que
eram estáticas e em sua maioria não-relativística. Estes modelos estáticos
não poderia ser justificada do ponto de vista da teoria física ou a partir de
observações cosmológicas e que agora sabemos sobre o universo.
Naturalmente, esse resultado foi uma grande decepção para os crentes
fortes da teoria da evolução. Parecia óbvio que a gravidade faria esta tarefa
simples necessária na base da teoria da evolução. O que estava contrariando
a força natural da gravidade na condensação flutuações foi a expansão do
próprio universo, que é também um produto das leis da gravitação. A reação
normal para um resultado tão negativo é a busca de alternativas considera-
ções, além de gravidade, que poderiam estar envolvidos para gerar flutua-
ções significativas. Por exemplo, a termodinâmica, isto é, as flutuações na
distribuição de calor e o fluxo de calor, poderia "auxiliar" gravidade para fa-
zer o seu trabalho. Outra idéia é chamar a interação entre os diferentes
componentes de fluidos no modelo cosmológico: radiação, tipos de plasma e

116
poeira. Talvez o ponto de dissociação entre a radiação ea matéria é um estí-
mulo significativo o suficiente para acelerar o processo de formação protoga-
láxia. Um terceiro tipo de mecanismo é recorrer à turbulência para neutrali-
zar o efeito perturbador da expansão do universo sobre o processo de forma-
ção protogaláxia.
Cada um desses mecanismos adicionais de apoio à formação de galá-
xias traz maior complexidade matemática para o problema. É fácil de manter
a linha padrão da teoria da evolução que um universo homogêneo gasoso
evoluiu para um universo galáctico hierarquicamente estruturada, invocan-
do mecanismos complexos como estes, para que a prova ainda é notável e
deve permanecer assim por algum tempo, por causa da enormemente maior
complexidade da matemática envolvida nas novas explicações. No entanto,
as indicações são bastante claro que os efeitos do calor, transferência de
energia entre os componentes do fluido, e a turbulência são perturbadoras
para o crescimento das flutuações de densidade.
Este é um exemplo de uma área de pesquisa de uma grande falha na
explicação evolução a partir do qual a evolução nunca se recuperou. E ainda
os livros ainda continuam a sair em números crescentes, dizendo que a ex-
plicação evolução é correta e incorporando a idéia de que, no início do uni-
verso, gases condensados para formar protogaláxias, que mais condensada
em galáxias de estrelas e planetas, com o surgimento da vida. Não ouvimos
falar de qualquer um desses apoiadores estar disposto a passar-se anos de
suas vidas perseguindo a matemática complexos envolvidos na sua remen-
dada mas teorias não provadas? Alternativamente, eles estão dispostos a pa-
gar a outros para fazer este trabalho e se aproximar dos problemas objeti-
vamente, isto é, disposto a aceitar que a teoria física pode resultar em uma
resposta negativa, o que indica que suas explicações modificados também
estão errados?
Infelizmente, os defensores da evolução agora parecem estar menos dis-
postos a apoiar ou perseguir essa pesquisa se. Como resultado, há poucos
pesquisadores deixada no campo, com exceção da população a mudar de
estudantes de pesquisa do último ano. Depois de toda a investigação até à

117
data, ainda não somos capazes de explicar a origem das galáxias como falta
de homogeneidade do universo a partir da perspectiva da evolução. Parece
que estamos, de fato, para ser mais longe de uma explicação satisfatória das
origens galácticas evolutivas do que éramos quando começamos a estudar o
assunto, usando a teoria da física moderna. Como em um campo da ciência,
portanto, em todos os outros, não somos capazes de explicar a origem das
realidades belas e complexas deste mundo a partir de uma abordagem evo-
lucionista.
O ônus da evolução é para explicar tudo, incluindo a matemática, a ló-
gica e os processos de pensamento envolvidos. Esta é uma carga que aumen-
ta em tamanho como do conhecimento continua a crescer. É um fardo que
tira os nossos alicerces firmes para o pensamento ea explicação científi-
ca. Talvez a abordagem evolucionista está errado, então?
A abordagem criacionista nos permite ter um mundo extremamente
complexo e bonita no início, pronto para nós para explorar as suas maravi-
lhas cientificamente. Esta é a abordagem que nos coloca em uma base sóli-
da, e é por isso que eu acredito na criação, em vez de evolução.

118
bob hosken
Bioquímica

Meu primeiro ano na universidade foi um dos períodos mais difíceis e


emocionantes da minha vida. De repente eu não era mais uma criança; Eu
era independente, ter de interpretar o mundo para mim, planejar meu pró-
prio futuro e determinar os meus próprios valores da vida. Eu não tinha cer-
teza do que eu deveria estudar, e meu grupo de amigos do ensino médio se
desintegrou como alguns amigos escolheu estudar artes, enquanto outros
entraram em lei, odontologia, ou comércio. Enquanto eu tive muitas pales-
tras memoráveis no primeiro ano, alguns dos quais são mais esquecidos, foi
a uma palestra sobre a glicólise eo ciclo de Krebs, que destacou-se, abrindo-
se para mim um novo mundo: as maravilhas de bioquímica e biologia mole-
cular. Achei as etapas metabólicas envolvidas na síntese e liberação de ener-
gia química através da fotossíntese e fosforilação oxidativa, absolutamente
maravilhoso. Eu não poderia obter o suficiente dele, eu tinha de se tornar
um bioquímico.

119
Neste assunto também tivemos várias palestras sobre biologia evolutiva,
e enquanto os conceitos eram interessantes, eles não me excita intelectual
ou emocionalmente. Para mim, desvendar os segredos do metabolismo foi
como abrir o livro da vida. Tinha que haver um designer para que este sis-
tema funcione, e para mim isso não foi acaso, mas a mão de Deus.
Depois de se formar em química e bioquímica, comecei minha carreira
de pós-graduação, com foco na biossíntese, estrutura e função das proteí-
nas. Eu trabalhei com uma equipe para determinar as sequências de amino-
ácidos da mioglobina e da hemoglobina a partir de uma gama de marsupiais
e monotremados australianos, com o objetivo de determinar as relações filo-
genéticas desses animais únicos. Marsupiais são Desmodilliscus animais e
incluem os cangurus, enquanto os monotremados botam ovos e incluem a
equidna eo ornitorrinco, e são essas características que tornam este último
tão interessante para o taxonomista. Tendo em conta que o ornitorrinco põe
ovos, tem um bico de pato-like, pés de pato, e um rabo peludo, não é surpre-
endente que algumas pessoas o viram como um elo perdido na evolução dos
animais.
Verificou-se que as sequências de aminoácidos para a mioglobina e he-
moglobina a partir de várias espécies de canguru, eqüidna, e ornitorrinco
eram diferentes, e a informação da sequência podia ser utilizada para avaliar
as relações filogenéticas de estes animais. Isto poderia, então, ser ligado à
radiação dos animais associados com a deriva continental eo registro evolu-
cionário.
Quando estes resultados foram muito interessantes, a coisa mais emo-
cionante para mim sobre este trabalho foi o de ter proporcionado relativas a
arquitetura molecular de cada espécie de hemoglobina para as necessidades
fisiológicas únicas das espécies animais estudadas.
Em outras palavras, em um estudo sobre a relação entre a estrutura ea
função da hemoglobina em várias espécies de marsupiais e monotremados,
descobri-lo mais significativo para interpretar a estrutura da hemoglobina
em relação às demandas fisiológicas únicas de cada espécie. Um rato mar-
supial tem uma maior taxa de metabolismo do que um grande canguru, tão

120
pequenos marsupiais precisa de uma hemoglobina com uma estrutura proje-
tada para fornecer oxigênio para os tecidos de forma mais eficiente do que o
exigido em grandes animais, e eu achei que este seja realmente o caso. Eu
também investigou a relação da estrutura da hemoglobina e transporte de
oxigênio no equidna e ornitorrinco, e novamente encontrou o sistema de for-
necimento de oxigênio do ornitorrinco foi bem adequado para mergulho, en-
quanto no equidna foi adequado para construção de galerias. O projeto de lei
do ornitorrinco foi encontrado para ser equipado com eletrorreceptores incri-
velmente sensíveis, capazes de detectar a contração muscular de rapina pe-
quena, incluindo libélula ou larvas efeméride. Isso permite que o ornitorrinco
para encontrar alimento nas águas turvas em que vive. Esses tipos de acha-
dos indicam-me que cada animal é, de alguma maneira excepcionalmente
projetados para atender seu ambiente particular, e eu não posso ajudar,
mas atribuir a complexidade do projeto a um Criador, ao invés de forças evo-
lutivas aleatórias.
O argumento de design na natureza como uma evidência de um Criador
não é nova. William Paley, em suaTeologia Natural na década de 1860, usou
esse tipo de argumento geral. Ele foi, no entanto, não é capaz de aproveitar
os insights fornecidos pela biologia molecular moderna. Embora estes argu-
mentos são em parte com base em paradigmas não científicos, o que há de
novo? A maioria das pessoas, de fato, tomar a decisão mais importante na
vida de paradigmas não-científicas. Hoje, ao refletir sobre a arquitetura ori-
ginal dos sistemas moleculares que compõem a vida, tenho a certeza que eu
não vou ser a última pessoa a concluir que "deve haver um arquiteto."
Eu tenho visto a minha experiência primeiras pesquisas na área de es-
trutura e função das proteínas como um privilégio, não só porque me pro-
porcionou conhecimentos maravilhosos em desenho molecular e função,
mas também porque, desde os insights para apreciar os avanços posteriores
que estavam a tomar coloque em bioquímica e biologia molecular. I pode
agora apreciar mais do que nunca, a complexidade do mecanismo de contro-
le molecular envolvido no metabolismo e os sistemas de defesa imunológica
do organismo. A palestra de uma hora em estudos primeiros anos universi-

121
tários da glicólise e do ciclo de Krebs, que tinha iniciado o meu interesse em
bioquímica, poderia agora ser expandida para preencher muitos livros, e eu
não pode conceber como tal sistema poderia evoluir. Tem que haver um pro-
jetista inteligente, e este é o meu Deus pessoal.

122
james s. allan
Genética

Como biólogo no campo da população e genética quantitativa, eu acre-


ditava na teoria da evolução por quase 40 anos. Durante esse período da
minha vida, os requisitos de longa data da teoria realmente não me diz res-
peito.Chance (deriva genética) e da seleção natural em resposta a mutação
do gene e / ou alterações ambientais parecia ser mecanismos logicamente
aceitáveis para a extensão assumida de radiação adaptativa.
Minha pesquisa envolveu o uso de métodos biométricos de análise. Eu
estava preocupado em prever as taxas de variação genética como resultado
da aplicação de procedimentos de selecção artificial de diferentes intensida-
des, com base em diferentes tipos e quantidades de informação. A precisão
da previsão da taxa de variação genética pode ser calculada teoricamente, e
os resultados podem, em muitos casos, e, a curto prazo, ser verificado empi-
ricamente. A mudança no mérito genético (e mérito fenotípica associada) de
uma geração para a próxima é devido a alterações nas freqüências relativas
dos genes subjacentes.

123
Ao longo de todos esses anos, porque eu aceitei o "fato" da evolução,
não vi razão para diferenciar, em princípio, entre as mudanças na frequência
gênica relativa como uma consequência de uma de curto prazo ou a seleção
natural a longo prazo. Para mim, essas formas de seleção resultou em ape-
nas um princípio simples de mudança de freqüência gênica relativa, ea es-
sência da teoria da evolução é a mudança na frequência gênica relativa, co-
mo resultado da deriva genética e da seleção natural em resposta a mutação
genética e / ou mudanças ambientais.
Quando, em um estágio bastante avançado da minha carreira, eu me
tornei um cristão, comecei a ler a Bíblia com reverência e como inteligente
como eu era capaz. Naquela época, a maioria da minha leitura foi focado no
Novo Testamento e, como a minha principal preocupação era saber mais de
Cristo como meu Salvador, a minha opinião sobre a teoria da evolução per-
maneceu incontestada. Eu não, na verdade, dar-lhe muita atenção.
Um dia, depois que eu tinha sido expondo a universalidade do DNA co-
mo evidência para a teoria da evolução, a minha mulher, que tinha sido um
cristão por muito mais tempo do que eu, me perguntou se havia alguma ra-
zão para Deus ter usado outros sistemas genéticos. Só uma pergunta sim-
ples, mas que me estimulou a me perguntar muito mais.
Houve alguma razão para Deus ter formas de vida criadas com base no
ABC ... PQR ... e XYZ, bem como DNA?Foram que isso, ele teria influenciado
a minha crença na teoria da evolução, ou eu teria interpretado como um
número de origens independentes de vida?
Houve alguma razão por que Deus não deveria ter criado todas as for-
mas de vida como "variações sobre temas" e assim por ter fornecido os graus
ordenadas observados de semelhança genética e fenotípica como evidenciado
na classificação taxonômica? Parentes tendem a assemelhar-se a um outro
em características físicas, funcionais e comportamentais. Este é um fenôme-
no que é fundamental para a ciência da genética. A semelhança é devido ao
fato de que os parentes, compartilhando no pool genético comum de uma
população de reprodução, têm genes em comum. Quanto mais perto a rela-
ção, maior é a proporção de genes em comum e, portanto, maior é o grau de

124
semelhança. A teoria da evolução pressupõe uma origem comum para todas
as formas de vida e, portanto, infere-se que as espécies, gêneros, famílias,
ordens, etc. são geneticamente relacionados. Todos eles apresentam alguns
genes com estrutura e função semelhante, sim, mas que isso implica relação
genética, no sentido normal, dentro da espécie, e foi um a liberdade de as-
sumir uma origem comum para todas as formas de vida? Houve alguma ra-
zão para que Deus deveria ter criado diferentes espécies, gêneros etc. de
maneiras completamente diferentes e com completamente diferentes genes?
Eu, então, sentiu a necessidade de fazer perguntas de natureza mais ci-
entífica sobre a validade de hipóteses evolutivas. Apresento aqui dois aspec-
tos decorrentes de tais questões relativas à evolução do homem alegou.
1. O citocromo-c é uma proteína e é um produto do gene. Ele funciona
como uma enzima chave em reacções de oxidação e parece ocorrer em prati-
camente todos os organismos vivos. Existem 20 aminoácidos diferen-
tes.Citocromo-c é composto por uma cadeia de 112 aminoácidos, dos quais
19 ocorrem exatamente nas mesmas posições ordem seqüencial em todos os
organismos testados. As diferenças na identidade e as restantes posições de
93 aminoácidos são considerados como sendo o resultado de substituição
mutacional durante o curso da evolução. A constituição de ácido amino-
humana de citocromo-c difere daquela de muitas, mas não todas as outras
espécies. Não existem diferenças na citocromo-c tomadas a partir de seres
humanos e de chimpanzés, e apenas uma diferença entre humana citocro-
mo-c (o aminoácido isoleucina na posição 66) e que a partir do macaco Rhe-
sus (treonina nessa posição). O número de diferenças na citocromo-c de vá-
rias espécies em comparação com a dos seres humanos são: vaca, porco e
ovelha (10), cavalo (12), galinha e peru (13), Cascavel (14), cações (23), fly
(25), o trigo (35), levedura (44), etc. 1 Informações dessa natureza é usado
para construir árvores filogenéticas de relação genética assumido. Isto é
apresentado como evidência de evolução a um nível molecular e, entre ou-
tras coisas, conclui-se que o homem e o chimpanzé têm um ancestral co-
mum relativamente recente. Assumindo por causa do argumento de que isso
é correto, se a constituição de citocromo-c fornecer provas para a evolução?

125
O facto de citocromo-c tem um número fixo de 112 aminoácidos é uma
indicação da importância da estrutura tridimensional da molécula, isto é, há
uma restrição estrutural sobre o número total de aminoácidos. Por outro la-
do, apenas 19 dos 112 são idênticos em todos os organismos testados. Uma
vez que a identidade e as restantes posições de 93 aminoácidos diferem en-
tre os organismos excepto, por exemplo, no caso do homem e do chimpanzé,
é razoável concluir que não há restrições funcionais sobre a substituição
destes aminoácidos restantes.
Para além do único gene que controla a constituição de citocromo-c, os
seres humanos e chimpanzés diferem em muitos milhares de outros ge-
nes. Como uma estimativa conservadora, digamos 5000. O que a teoria da
evolução está dizendo é que, enquanto os seres humanos e os chimpanzés
evoluíram de forma independente a partir de um ancestral comum, de modo
a agora diferem nestes 5.000 genes, não houve nenhuma mudança nos 93
aminoácidos especificados pelo gene citocromo-c, e este apesar de não haver
restrição funcional sobre as alterações em qualquer um dos últimos. Eu
acho que isso seja uma afirmação inaceitável.
De acordo com Weaver e Hedrick, 2 no entanto, a falta de diferenciação
na constituição de citocromo-c entre humanos e chimpanzés é devido ao (0,3
x 10 muito lento -9 ) taxa estimada de substituição de aminoácidos no cito-
cromo-c. Como é que esta taxa determinada? Estima-se em função do tempo
assumiu desde as espécies divergiram, ou seja, o pedido foi assumido com-
provada na suposição de que ela é verdadeira. Devo aceitar este tipo de raci-
ocínio? Existe alguma razão pela qual Deus não deveria ter criado-los em
praticamente a mesma forma como nós os vemos agora?
2. A teoria relativa à evolução dos seres humanos de seu ancestral as-
sumida em comum com o chimpanzé requer milhões de anos de mutação,
deriva genética e seleção natural antes do aparecimento do "homem moder-
no". No entanto, quando eu considerar as taxas de mutação, os "preço" da
substituição de cada novo gene mutante numa população em termos do
número de "mortes genéticos," assumiu o número de diferenças entre genes
mutantes fases evolutivas, e o tamanho da população necessário para aco-

126
modar um grande número de mutações sucessivas tais , eu acho que há
uma notável falta de evidências para a "evolução do homem". Minhas razões
são as seguintes.
Haldane 3 considerou este tipo de informação e chegou à conclusão de
que o número de mortes genéticas necessárias para garantir a substituição
de um gene para outra por meio da seleção natural é na região de 30 vezes o
número de indivíduos em uma geração. 4 Usando esta figura , o custo de
substituição de 5,000 sucessivas, genes mutantes independentes de uma
população de dimensão constante pode ser calculada. Com base numa taxa
de mutação média de 10 -6 , o tamanho da população deve ser, pelo menos,
na ordem de um milhão. Isto implica algumas 150000000000 precursores
do "homem moderno", precursores que muitas vezes são representados como
pertencentes a pequenos grupos de caçadores das cavernas chamado Aus-
tralopithecus que percorriam a savana Africano. Por que há uma tal falta de
provas em forma de fósseis, ferramentas, ou o que, para a existência de um
número tão grande de pré-humanos australopithecine-como?
Poderia, é claro, argumentar que um número tão grande de pessoas fo-
ram espalhados ao longo de milhões de anos, mas acho que a dificuldade
com isso quando eu olho, não só na falta de provas, mas a realidade do total
da população.
De acordo com a 23ª Conferência Geral da População em Pequim, em
1997, a população humana total da terra em que ano foi avaliada como na
região de 6.000 milhões de euros, mostrando que houve um aumento notá-
vel nos últimos 200 anos. As estimativas dos números da população de volta
para o ano de 1500 e uma previsão para o ano de 2080 são apresentados na
tabela a seguir.

Ano 1.500 1.650 1.800 1.900 1.950 1.997 2.080

No. (milhões) 300 550 1.000 1.700 2.500 6.000 10.000

Extrapolação mais para o passado dá os seguintes números aproxima-


dos:

Ano -2000 -1000 0 1.000

127
No. (milhões) 1 50 100 250

Acho esses números para estar em estreita concordância com o que se


esperaria a partir da especificação bíblica depois do Dilúvio, em 2344 aC O
assumiu existência de milhares de milhões de "pré-humanos" é tanto fisica-
mente e bíblica irrealista.

Criação em seis dias


Devo admitir que os seis dias da criação apresentado alguma dificulda-
de para mim. A lógica aparente de conclusões a partir de observações e me-
dições em vários campos da ciência já tinha me levado a duvidar do pouco
que eu tinha conhecido da Palavra de Deus, na medida em que eu tinha
concordado com as tentativas de substituí-lo com um conceito alternativo de
tempo. Mas Deus não diz eras ou anos, meses ou semanas Diz-dia, e que
geralmente entendem dias para ser períodos de 24 horas.
Eu então percebi que tinha Deus queria dizer um bilhão de anos, em
vez de seis dias, Ele poderia ter dito que, muito simplesmente, da maneira
que Ele falou a Abraão: "Farei a tua descendência como o pó da terra, para
que se alguém puder contar o pó, em seguida, sua prole pode ser contado
"( Gen. 13:16 ). Da mesma maneira que Ele poderia ter dito: "Eu levei tantos
anos como há partículas de poeira na terra para criar os céus, a terra, os
mares e tudo o que neles há" e que teria soado muito impressionante, mas
Ele disse que seis dias . Ele teria dito isso se fosse de nenhuma preocupação?
Agora acredito que Deus significa, literalmente, o que Ele diz e escreve,
e que não há nenhuma razão para olhar para o simbolismo. A palavra dia é
usada com tanta frequência e com uma implicação tão clara de ser um perí-
odo normal de 24 horas que interpretá-lo disposições em contrário, a meu
ver, um trecho inacreditável da imaginação. (Veja também Jer. 33:20 ).
Também é claro para mim que, se alguém deseja acreditar na teoria da
evolução, uma grande quantidade de Escritura, incluindo o próprio palavra
falada de Jesus ( Matt.19: 4 , 25:34 ; Marcos 13:19 ; João 05:46 -47 ), tem que ser
descontado. Então, a quem devemos crer, Deus ou o homem? Creio que

128
Deus nos dá a resposta quando Ele diz: " Pare de confiar no homem, que tem
apenas um fôlego em suas narinas.Do que conta é ele? "( Isa.2: 22 ).

Referências e notas
1. Dados de Charlotte J. Avers, Genética , Van Nostrand, New York,
Fig. 16.12, 1.980.
2. Robert F. Weaver e Philip W. Hedrick, Genética , Wm. C. Brown Pub-
lishers, Dubuque, IA, 1989.
3. JBS Haldane, o custo de Seleção Natural, J. Genet 55 : 511-24, 1957.
4. Veja também JF Corvo e M. Kimura, Uma Introdução à Genética de Po-
pulações Theory , Harper e Row Publishers, New York, Seção 5.12,
1970.

129
george t. javor
Bioquímica

Eu sou um cientista praticante e um crente em uma criação em seis di-


as. É provavelmente seguro assumir que a maioria dos cientistas contempo-
râneos não aceitam a autenticidade do relato da criação de Gênesis 1 e 2. A
razão para isso não é difícil de adivinhar. Não há nenhuma evidência de que
o escritor do livro de Gênesis estava ciente da existência de força gravitacio-
nal, de átomos, nêutrons, prótons e elétrons, da massa da Terra, ou das di-
mensões do sistema solar. Em outras palavras, a partir de uma perspectiva
moderna, o relato da criação do livro de Gênesis foi escrito em um fundo de
ignorância científica.
Por isso, vamos olhar para o mundo a partir de nossa perspectiva mo-
derna, e perguntar se é razoável supor que ele surgiu em seis dias. Agora
sabemos que o nosso é um mundo extremamente complexo. Seus compo-
nentes inanimados, as massas gigantescas de terra, água e ar, estão em um
fluxo contínuo, e ainda há muito a aprender sobre suas dinâmicas. Este é

130
dolorosamente claro quando vemos como inadequada são os esforços para
prever o tempo, furacões ou terremotos.
Notamos as nascentes nas montanhas dão origem a rios, que desaguam
em lagos e oceanos. As águas dos oceanos, em seguida, retornar para as
montanhas por meio de chuva e neve e por caminhos subterrâneos. O ciclo
da água banha a superfície da Terra e é indispensável para a existência de
vida. Assim são os ciclos dos elementos carbono, nitrogênio e enxofre através
da biosfera.
O tema do ciclo de fato está em toda parte do movimento dos elétrons
ao redor do núcleo atômico com a rotação da Terra em torno do sol. Ciclos
não tem começo nem fim. De modo a trazê-los à existência, as forças respon-
sáveis pelos ciclos tem que ser equilibrada, e se houver vários passos neces-
sários para a realização de um ciclo, todos os componentes do ciclo tem que ser
posto em prática . Ciclos falar de organização, de design, derápida implementa-
ção e de um designer de .
A complexidade do mundo animado é ordens de magnitude maior do
que a de natureza inanimada. A terra é coberta com multidões de diferentes
formas de vida. Com a exceção de alguns microorganismos, todas as formas
de vida estão a funcionar com energia solar, direta ou indiretamente. As
plantas captam a energia da luz do sol por seus painéis solares verdes e em-
pacotá-lo em entidades químicas estáveis, tais como hidratos de carbo-
no. Estes açúcares tornar a fonte de energia para todos os organismos que
são "desafiados fotossinteticamente."
Ter capacidade fotossintética não torna as plantas completamente auto-
suficiente. Na ausência de microrganismos do solo que convertem o gás de
azoto do ar para dentro nitratos úteis, as plantas não podem crescer. A exis-
tência de plantas depende completamente micróbios fixadoras de nitrogê-
nio. Outros microorganismos do solo degradam a matéria orgânica morta,
reciclando assim os preciosos elementos de carbono, nitrogênio, enxofre e
fósforo.
A fotossíntese faz o oxigênio disponível para todos os organismos não
bacterianas. Oxigénio, é claro, é utilizado pelos organismos para queimar os

131
hidratos de carbono. Isso é feito a taxas tão lentas que a energia do sol não é
perdido na forma de calor, mas está preso na forma da "moeda" universal de
energia, trifosfato de adenosina ou ATP. Um dos produtos desta combustão
lenta, dióxido de carbono, mas não é perdido utilizada pelas plantas para o
seu crescimento. Por esses meios, todo organismo vivo está ligado a uma re-
de de energia solar utilizando-gigante.
O que temos aqui é uma perfeita integração de rotação da terra em tor-
no do sol com o fenômeno da vida em nosso planeta. É rebuscado para suge-
rir que o Criador do sol e da terra é também o engenheiro que projetou os
organismos vivos a energia solar?
Os recentes avanços na biologia nos permite perguntar se ainda é razo-
ável supor que os organismos vivos evoluíram em uma terra primordial hipo-
tética de mixes de produtos químicos orgânicos. No momento em que as ver-
sões modernas dessas teorias foram entretidos em primeiro lugar, em 1920,
tão pouco se sabia sobre as realidades bioquímicas que sustentam organis-
mos vivos que tais propostas parecia razoável. Mas agora sabemos que,
mesmo a mais simples das células vivas, bactérias (que não são parasitas),
deve conter milhares de proteínas complexas estruturais e catalíticas, uma
variedade de ácidos nucléicos, centenas de pequenas moléculas biológicas,
tudo em um estado estacionário de não equilíbrio dinâmico .
Dentro das células vivas, vemos inúmeras séries de conversões quími-
cas interligadas ("Caminhos") que estão funcionando sem interrupção. Suas
atividades contínuas são devidos a fontes estáveis de material ea utilização
contínua de produtos finais de partida. A reciclagem de resíduos de precur-
sores biossintéticos completa o ciclismode matéria através de sistemas vivos.
A ausência de qualquer componente destes complexa série de alterações
químicas fará operação com defeito ou até mesmo a morte para a célula. É
razoável, portanto, supor que, quando células vivas foram levados primeiro
para a existência, todos os seus componentes deve ter estado presente e funcio-
nando? Se isto é assim, então as células vivas tiveram que ser feitas rapida-
mente.

132
A mesma sugestão pode ser feita para todos os componentes do sistema
ecológico, onde existe apoio mútuo e interdependência. É sensato supor que
estes foram criados simultaneamente. (Para ter certeza, a imagem é turva
por predação, que não fazia parte da ordem criada original.)
Se tivéssemos conhecimento completo de todos os aspectos do nosso
mundo físico, animados e inanimados, poderíamos calcular o número de in-
venções que são representados neles. Quando afirmamos que o nosso mun-
do foi criado por um Criador, que implica a existência de uma mente que
não só inventou a natureza, mas trouxe tudo à existência. A grandeza de um
Deus tal não pode ser exagerada.
Se não entender como um mundo como o nosso poderia ser criado em
seis dias, precisamos perguntar como um mundo como o nosso poderia ser
criada em tudo. Vamos ter que admitir que nós simplesmente não sabe-
mos. A diferença entre um crente do século 20 no final do Deus Criador e
aquele que vive em 1500 aC, no tempo de Moisés, resume-se ao fato de que
agora temos uma melhor perspectiva sobre a grandeza do Senhor.
Para o crente, que também é um cientista, as palavras da Bíblia: " Por-
que em seis dias fez o Senhor o céu ea terra, o mar e tudo o que é "(Êxodo 20:11. )
ainda faz sentido maravilhoso.

133
dwain l. ford
Química Orgânica

Como um menino que cresceu em uma fazenda em Minnesota, eu vim a


apreciar as histórias da Bíblia em casa e na igreja. Apesar da minha leve ca-
so de dislexia, eu terminei de ler a Bíblia inteira por sobre o tempo que me
formei na escola primária. Minha fé em Deus foi reforçada por numerosas
orações respondidas.
Quando eu entrei na escola de pós-graduação, em 1958, para trabalhar
em direção a um Ph.D. em química, a minha fé nas Escrituras foi seriamente
desafiado pelo meu professor principal. Eu me perguntava se era possível
que eu estivesse errado toda a minha vida e meu professor de direito. Ele
parecia muito certo sobre suas idéias e ele me queria para fazer a pesquisa
para o desenvolvimento de sua teoria da evolução bioquímica. Desde que eu
era cético em relação a sua teoria, me pediram para testemunhar cada uma
das conclusões significativas de outro estudante de graduação trabalhando
em pesquisa evolucionária ao meu lado no laboratório.

134
Como um cientista e um cristão, tenho sido forçado a pesar as evidên-
cias disponíveis, tanto a ciência e as Escrituras em uma área em que a prova
experimental é impossível de alcançar. Depois de examinar ambos os lados
desta questão há 40 anos, eu apresentar os seguintes motivos que me man-
tiveram a minha fé em Deus como o Criador.
Evolução química, com base na atividade aleatória de moléculas, não dá
conta de forma adequada para a origem das proteínas necessárias até mes-
mo para o organismo vivo mais simples conhecido, Mycoplasma genitalium .Esta
bactéria tem um cromossoma, uma célula de membrana, mas falta-lhe uma
parede celular e tem o menor genoma de qualquer organismo conhecido au-
to-replicante. Tem 470 genes, que contêm uma média de 1.040 pares de ba-
ses de nucleótido (pb). Isto implica que a proteína de tamanho médio codifi-
cados por estes genes contém cerca de 347 aminoácidos. A probabilidade de
formar, por um método de montagem aleatória, uma tal molécula de proteí-
na de tamanho médio, contendo os resíduos de aminoácidos numa sequên-
cia é necessária apenas 1/10 451 .
Se a Terra fosse feito de carbono puro que iria conter apenas cerca de
10 a 50 átomos de carbono, mas mais do que 10 451 seria necessário átomos de
carbono, a fim de fazer aminoácidos suficientes para formar as proteínas de
alcançar a probabilidade de produzir uma molécula de proteína com a se-
quência prescrita. Em outras palavras, seria necessária uma quantidade de
carbono, cerca de 10 401 vezes o tamanho da terra, a fim de alcançar a proba-
bilidade de formação de uma molécula de proteína necessária com as especi-
ficações acima! Ao perceber que a probabilidade de produzir proteínas por
um método de montagem aleatória é extremamente pequenos, alguns propu-
seram que o DNA foi formado por evolução química primeira e em seguida foi
usado para dirigir a síntese da proteína. Esta troca um problema por ou-
tro. A montagem aleatória de um gene contendo 1040 pb de código para uma
proteína especificada seria provável que exigem tanto ou mais carbono do
que os necessários para fazer a proteína directamente através de um método
de montagem aleatória.

135
Com um problema este grande na formação de um gene, imagine o pro-
blema de formar os 470 genes específicos encontrados em um cromossomo
que contém 580.070 pb: M. genitalium . Michael Behe, em seu livro de 1996 A
Caixa Preta de Darwin , usa o termo "complexidade irredutível" para se referir a
essas situações em que todas as condições devem ser satisfeitas simultane-
amente, para que o organismo para sobreviver.
Apesar do entusiasmo nos anos 1950 e início dos anos 1960 gerados
pela pesquisa com base na teoria da evolução química, o resultado líquido é
hoje uma compreensão mais clara da magnitude do problema da origem de
proteínas, DNA e de vida, sem ter encontrado as respostas. Uma vez que o
único método conhecido na natureza para a produção eficiente de proteínas
envolve DNA, mRNA e tRNA interagindo com proteínas como a RNA polime-
rase, tRNA sintetases e proteínas ribossomais, parece razoável considerar a
possibilidade de que todos foram formados ao mesmo tempo, como parte de
um projeto inteligente.
Mesmo que haja aceitação geral da prova para as pequenas mudanças
genéticas que podem ser referidos como microevolução, provas concretas pa-
ra a formação de novas espécies por macroevolução está faltando.
Evidências para o design inteligente é generalizada na natureza. Por
exemplo:
a. O flagelo rotativo motorizado de algumas bactérias.
b. A coagulação do sangue e seu controle.
c. O elevado grau de organização dentro de uma célula típica.
d. A divisão celular e seu controle.
e. O sistema para a síntese de proteínas.
f. O olho humano.
g. A cadeia respiratória baseada na mitocôndria altamente organi-
zadas.
h. A via biossintética na qual acetil-CoA é o composto chave.
Acetil-CoA é derivado principalmente a partir de ácidos gordos e de glu-
cose e também pode servir como um intermediário na conversão de um ex-
cesso de hidrato de carbono em gordura. A oxidação de acetil-CoA nos resul-

136
tados do ciclo do ácido cítrico, por meio do sistema de transporte de elec-
trões, no armazenamento de energia na forma de ATP para as sínteses quí-
micas ou contracção muscular. A acetil-CoA também pode servir como mate-
rial de partida para a síntese de uma grande variedade de produtos, tais co-
mo a borracha natural, aroma de lírio das flores de vale, óleo de rosas, o
mentol, óleo de gengibre, óleo de aipo, óleo de cravo , carotenos, vitaminas A,
D, E e K, além de todos os esteróides, tais como colesterol, a fêmea hormo-
nas progesterona e estradiol, a hormona masculina testosterona, etc. Esta é
uma pequena amostra de a ampla variedade de produtos naturais derivados
de acetil CoA.
Por que não os seres humanos produzem borracha natural em nossos
corpos, em vez de cerca de 50 tipos de esteróides? Os tipos de produtos, a
partir desta via cuidadosamente regulado, são determinadas pelas enzimas
específicas em que as espécies que se encontram presentes nesse momen-
to. Os produtos predominantes a partir desta via pode variar com o tempo
para uma dada espécie. O delicado equilíbrio que existe nesta via pode ser
ilustrada pelo fato de que as mulheres fazem o seu hormônio feminino es-
tradiol a partir do hormônio masculino testosterona, que eles também pro-
duzem. Este facto não constitui um problema a não ser que uma mulher de-
senvolver cancro supra-renal, o que aumenta a quantidade de tecido adrenal
capaz de produzir testosterona, assim como outros esteróides. O primeiro
sintoma geralmente observado por uma mulher com câncer de adrenal é que
ela de repente tem de fazer a barba todos os dias e sua voz reduz em campo,
devido à produção de testosterona mais rápido do que seu corpo pode con-
vertê-lo em estradiol. Parece muito improvável que uma via extremamente
complexo como este, com todos os seus processos comunicantes e enzimas
necessárias, poderia surgir por acaso, sem um projetista inteligente. Não ve-
jo argumentos convincentes, com base na evolução química ou a evolução
darwiniana, que a tornam mais razoável para mim acreditar na evolução do
que na criação.
Assim como as teorias científicas com base na interpretação dos dados
obtidos pela observação do mundo natural nunca são absolutamente com-

137
provada, da mesma forma que eu posso nunca provar que a conta da criação
do Gênesis é verdadeiro. Eu não era uma testemunha ocular, mas, como
cristão eu posso, pela fé, procure o depoimento de testemunhas ocula-
res. Quem eram essas testemunhas oculares dos eventos da criação? Deus
( Gn 1: 1 ), o Espírito Santo ou Espírito de Deus ( Gn 1: 2 ), Jesus Cristo, a Pa-
lavra ( João 1: 1-14 ).
Os escritores da Bíblia estavam sob a inspiração de Deus (testemunha),
como eles escreveram e foram movidos pelo Espírito Santo (testemu-
nha). Relatório de progresso diário de Deus durante a Semana da Criação
afirmou que "foi bom" ou "muito bom". Cristo (testemunha), o Criador de to-
das as coisas, aprovou o relatório da criação de Gênesis, citando-o e criti-
cando os outros por sua ignorância dele. Deus escreveu na pedra que Ele
havia criado em seis dias, e Ele é citado duas vezes em Êxodo dizendo a Moi-
sés para dizer aos israelitas que fato, bem ... e eu acredito nele.

138
angela meyer
Ciência da Horticultura

Há várias razões que eu acredito no relato bíblico da criação.


Em primeiro lugar, creio que a Bíblia é a Palavra de Deus, precisa e
verdadeira em tudo o que ele diz. Ele foi testado e encontrado para ser ver-
dade na história, a arqueologia ea profecia cumprida. Enquanto nós conti-
nuamos a testá-lo em áreas de ciência, eu acredito que nós vamos encontrá-
lo para ser verdade lá, também. Eu acredito que nós podemos aceitar a auto-
ridade da Bíblia na conta da origem da vida.
Em segundo lugar, acredito que o relato bíblico da criação, porque é a
melhor explicação para a complexidade da vida. Eu nunca vi nenhuma evi-
dência para a evolução. Tudo o que vejo à minha volta na natureza aponta
para um designer divino.
No meu campo de pesquisa, o controle da floração em plantas de culti-
vo, vejo uma precisão maravilhosa demonstrada. Os processos internos que
regem a floração em cada espécie são complexas, inter-relacionados e proje-

139
tados para produzir o melhor resultado para a planta individual, em termos
de números, a posição ea qualidade das flores e, por isso, a carga de frutas.
Fatores de controle, tais como temperatura, comprimento do dia, a qua-
lidade da luz e de vários hormônios, agir sobre o processo de floração em di-
ferentes graus, dependendo da espécie, idade da planta, a posição, as condi-
ções de crescimento e temporada. Todo o sistema não está nada bem com-
preendida por nós, meros seres humanos, apesar de tentar modificar e ma-
ximizar o sistema para nosso benefício em horticultura. Isso tudo é tão com-
plexo e tão interdependentes que estes sistemas não podem ter surgido gra-
dualmente por acaso. Todos os sistemas de vida da planta deve ter sido
completa e operativa no mesmo momento no tempo-no dia 3. É também sig-
nificativo que para a polinização e distribuição de sementes, muitas espécies
de plantas precisam de animais que foram criados no dia 5 e 6. A mil anos
fosso entre os dias não proporcionaria para a sobrevivência de muitas plan-
tas.
Além disso, a extravagância da forma variação, cor e padrões de flores é
uma expressão clara de um artista divino. Processos evolutivos seria mais
provável produzir uma exibição muito mais restrito, conservador e utilitário
(se processos evolutivos foram, de fato, possível).
Aqui vejo a sabedoria, grandeza e poder do nosso Deus Criador apre-
sentado.

140
stephen grocott
Química Inorgânica

Eu sou um cientista praticante. Por que eu acredito na suposta comple-


tamente refutada, a história de simplório dado no relato de Gênesis da cria-
ção? Por que eu iria querer arriscar a crítica, a alienação ea alegria dos meus
pares na indústria, as universidades e as sociedades de profissionais?
A resposta final é que eu sou um cristão, mas, talvez, que é o tema de
outro ensaio. Em vez disso, deixe-me responder a seguinte pergunta de um
ponto de vista puramente científico, "Por que eu como um cientista pratican-
te acreditar em uma criação de 6 dias, um jovem Terra e um dilúvio global,
conforme descrito em uma leitura literal do Gênesis?" Eu ll chamar este pon-
to de vista o criacionista Vista e eu vou chamar a principal visão alternativa
defendida pela maioria dos cientistas do Evolutionary Vista.
Agora, antes de responder a esta pergunta, deixe-me dizer-lhe que, co-
mo cientista, não tenho problema algum em tal crença (o criacionista
View). Nem eu encontrei no meu trabalho quem tem sido capaz de contrariar
esses argumentos com a ciência. Além disso, eu gosto de discutir este as-

141
sunto com outros cientistas que crêem na evolução. Por quê? Porque há al-
guns contadores de fundo a uma crença criacionista, mas inúmeros conta-
dores a crença evolutiva.
De qualquer forma, para a resposta. Há tantas razões "baseados em ci-
ência" para a crença na criação que eu só vou tocar em alguns que intelec-
tualmente me atrai.

O que é ciência?
O primeiro lugar para começar é com uma definição de ciência. Muitos
existem, mas a maioria deles vêm para algo como: "Se algo é científico, é ob-
servável e testável (ou seja, capaz de ser repetido)."
Agora ele pode surpreender os leitores sem uma base científica para me
ouvir dizer que muito poucos cientistas têm qualquer idéia real do que é ci-
ência. No entanto, se você é um cientista provavelmente você vai reconhecer
a verdade desta afirmação aparentemente sem sentido. Em meus estudos de
graduação e pós-graduação pesquisa, eu não posso nunca lembro de nin-
guém me dizendo o que a ciência é (e não é!), Me mostrando o que é, ou for-
necer-me com uma explicação de como ele funciona. Se você está estudando
ciência ou trabalhando com cientistas e você duvida de mim, eu desafio você
a pedir-lhes uma definição do que é "científico". Depois de uma pausa, a
maioria deles não seria capaz de dar uma resposta muito mais profunda do
que "É é o que os cientistas fazem. "
Como estudante, eu fui ensinado a recordar, não pensar. Claro, me foi
dada ferramentas que eu poderia usar para pensar, mas eu não estava real-
mente ensinou a pensar. Então, como um Ph.D. pesquisador Eu trabalhei
em um campo muito estreito (como fazem todos os investigadores doutora-
dos), e assim a amplitude de uma pergunta como "Qual é a definição de ci-
entífico?" era absolutamente irrelevante para mim. Após a formatura e traba-
lhar como um cientista da pesquisa por 17 anos e como líder de outros cien-
tistas, a questão nunca surgiu, nem aparentemente precisava ter sido convi-
dado. Meu ponto é que a maioria dos cientistas não sabem realmente o que é
ou não é científica, porque raramente afeta o que eles fazem.

142
Por que fazer um grande negócio disto? A razão é porque a criação ea
evolução são, na verdade, tanto fora dos domínios da ciência e, para saber
isso, você precisa saber o que é ciência e, como vimos, a maioria dos cientis-
tas não.
Nem "processo" é atualmente observável, testável ou repetitivo. Por fa-
vor, note que quando se fala de evolução, estou falando do aparecimento de
novos (não rearranjado) informação genética levando a uma maior e maior
complexidade da informação genética. Eu também estou falando sobre o
surgimento da vida a partir de produtos químicos inanimados. Quando se
fala em evolução, não estou falando de seleção natural, o que leva a uma re-
dução da informação genética nessas espécies. Os criacionistas, é claro, não
tem o menor problema com a seleção natural. Afinal, ele tem sido praticado
pelos agricultores ao longo de séculos em suas áreas de reprodução de plan-
tas e animais por meio de seleção prole preferido e acasalamento ou propa-
gação destes. De qualquer forma, a teoria da seleção natural foi descrito por
cientistas que crêem na criação muito antes de Darwin embarcou noBeagle .
A evolução precisa de complexidade crescente, aumento da informa-
ção. Nós não vemos isso ocorrendo hoje e não havia ninguém a observá-lo no
passado. Os evolucionistas contrariar, dizendo que ele é muito lento para
observar.Mesmo se isso fosse verdade, isso ainda significa que a evolução é
não-científico, porque não é observável ou testável. Da mesma forma, a cria-
ção não é científico. Obviamente nós não vemos isso ocorrendo hoje e só
Deus estava lá para vê-lo no passado (supondo que alguém acredita em um
Deus Criador).
Resumo . Tendo em conta que a criação ea evolução são ambos fora dos
domínios da ciência, por que eu deveria, como cientista, têm problemas com
a crença na criação, enquanto realmente ser "científica"? Eu não. Isso não
quer dizer que muitas das implicações da criação e evolução não podem ser
avaliadas cientificamente. Eles podem, mas nem crença pode ser prova-
da. No entanto, como um cientista, depois de estudar minuciosamente este
assunto, tenho deixado sentimento muito satisfeito com a legitimidade cien-

143
tífica da criação, e muito desconfortável com os saltos de fé exigidas por
muitos dos meus colegas, a fim de acreditar na evolução.

Origem da vida
Se alguém acredita na evolução, então é preciso também explicar a ori-
gem da vida, o primeiro passo. Sem isso, toda a questão da evolução paira
sobre nada.
Agora este é um assunto sobre o qual eu li muito. E o peso das evidên-
cias contra a origem espontânea da vida na Terra é, na minha opinião, es-
magadora. Pode-se fazer alguns cálculos básicos sobre o equilíbrio químico
de moléculas essenciais à vida. Estes cálculos mostram que a formação de
moléculas bioquimicamente necessárias no mesmo concentrações minúscu-
las é altamente desfavorável. Além disso, o conjunto dessas moléculas em
precursores bioquímicos mais complexos, tais como proteínas, polissacarí-
deos, ácidos nucleicos ou paredes celulares é além de muito pequeno e é, de
fato, estatisticamente "impossível". A invocação de influências tais como o
efeito catalítico de minerais, concentração de precursores em lagoas de eva-
poração, a ocorrência abaixo do solo, etc. é ficção da mais alta or-
dem. Teorias como estas geralmente são procurados porque o cientista
hypothesizing começa com a premissa de que a vida evoluiu da não-vida e,
portanto, em algum momento no passado, moléculas simples sem vida esca-
lou o Monte impossível e multiplicadas.
Suponha que você pudesse voltar atrás em sua máquina do tempo para
uma época em que, de acordo com os evolucionistas, um mundo sem vida
existiu. Suponha que você tenha tomado com você um oceano cheio de pre-
cursores orgânicos da vida. O que aconteceria com eles? Eles teriam tudo
para se decompor moléculas mais simples e mais simples e, principalmente,
acabaria por substâncias inorgânicas comuns como sem vida. Esterilizar um
sapo e colocá-lo em um liquidificador estéril-buzzzz. Selar a mistura em um
recipiente estéril e deixá-lo contanto que você quiser. Você não terá a vida,
apesar do fato de que você começou com a melhor mistura possível dos
chamados precursores da vida. Repita a experiência de um milhão de vezes
no sol, no escuro; com o oxigênio, sem; com argila, sem; com UV, sem.Não

144
vai fazer nenhuma diferença. Termodinâmica afirma claramente que a mis-
tura vai se decompor a energia mais simples, menor, menos moléculas con-
tendo informação.
A complexidade do mais simples organismo vivo que se possa imaginar
é incompreensível. Você precisa ter a parede celular, o sistema de energia,
um sistema de auto-reparação, um sistema de reprodução, e os meios para a
tomada de "comida" e expulsando "lixo", um meio de interpretar o código ge-
nético complexo e replicá-lo, etc ., etc. Os sistemas de telecomunicações
combinados do mundo são muito menos complexo, e ainda assim ninguém
acredita que surgiu por acaso.
Resumo . Receio que como um cientista eu simplesmente não posso di-
zer com força suficiente que a origem espontânea da vida é um absurdo
química e, portanto, não me resta outra alternativa a não acreditar que a
vida foi criada.
Eu poderia escrever muitas e muitas páginas, acrescentando argumen-
tos mais científicos para este ensaio. Eu poderia escrever páginas de referên-
cias. Em vez disso, eu vou concluir com alguns exemplos puros de coerência
entre uma cosmovisão bíblica e do mundo em que vivemos.

Ciência Arrumada na Bíblia


Casamentos familiares : Você acaba se apaixonado por um parente pró-
ximo. Por que você não tem permissão para se casar e ter filhos?Nós todos
sabemos o porquê. É por causa do alto risco de malformação genética nas
crianças. Isto acontece porque parentes próximos têm mutações muito se-
melhantes em sua informação genética. Portanto, quando o DNA da mãe e
do pai vem junto na criança, quando há um erro em um gene, é muito mais
provável que seja também presente no gene correspondente do cônjuge e le-
var a um bebê com defeitos genéticos. Se a criança é um produto da "não-
parentes", é muito mais provável que um erro em um gene vai ser empare-
lhado com um gene correto, para que nenhuma anormalidade será manifesto
daquele par de genes. Bem, o que tudo isso tem a ver com a criação e evolu-
ção?

145
Bem, se no início Adão e Eva foram criados perfeitos (nenhum dano ge-
ne), então seus filhos também teria sido geneticamente quase perfei-
ta. Portanto, não houve problemas com o casamento entre até mesmo ir-
mãos e irmãs (adivinha onde Caim conseguiu sua esposa). Na verdade, os
casamentos próximos não foram proibidos por Deus até o tempo de Moisés,
muitas centenas de anos mais tarde. Este relato bíblico se encaixa perfeita-
mente com a acumulação de erros genéticos observada ao longo do tempo
(não melhora na espécie). Ele explica por que estava tudo bem para Cain pa-
ra se casar com um parente próximo e explica por que Deus não condena-lo
até muito mais tarde.Arrumado, heh?
Depósitos sedimentares : O que você vê na geologia do mun-
do? Depósitos sedimentares enormes. Como é que eles fa-
zem? Principalmente por meio de água em movimento. Crença de que estes
formaram pela erosão gradual ao longo de milhões de anos não se encaixa
com o senso comum ou a boa ciência. A extensão lateral dos depósitos idên-
ticos (ie, centenas de quilômetros de exatamente as mesmas rochas) implica
catastrofismo. Então faça características como o Grand Canyon (como mais
geólogos seculares estão começando a considerar) e Ayers Rock, o maior de
rock única no mundo, que está na Austrália. A crença de que era um pouco
de água ao longo de um longo período de tempo (versus uma grande quanti-
dade de água ao longo de um pouco de tempo) é uma posição baseada na fé
que não é suportada pela ciência, uma vez que se encontra fora da ciên-
cia. Havia alguém lá para gravá-la e ela está sendo repetido em qualquer lu-
gar no mundo de hoje? Pelo contrário, as catástrofes dos tempos modernos
têm sido observadas para causar enormes depósitos sedimentares locais e
outras características geológicas. A Bíblia dedica três capítulos inteiros para
descrever um dilúvio mundial com vulcanismo maciço e atividade tectôni-
ca. Isso se encaixa muito bem com o que vemos.
Fósseis : Como são formados os fósseis? Na escola me disseram que a
fossilização ocorre gradualmente ao longo dos anos. Absurdo!Vamos usar
nosso senso comum. O (ou estar) organismo recentemente morto deve ser
rapidamente enterrado em sedimentos que pode endurecer e excluir oxigê-

146
nio. Mais uma vez, apenas o que você esperaria de uma inundação catastró-
fica em todo o mundo. Fossilização e rápida formação de estratos profundos
deve ocorrer rapidamente. De que outra forma você explica árvores fossiliza-
das verticais (sem raízes!) Ou o pescoço de um dinossauro degola através
estratos que são supostamente de milhões de anos de idade? Diga-me como
a árvore ou dinossauro permaneceu vivo por milhões de anos, enquanto os
estratos lentamente formado em torno dele. Há milhares de exemplos. Uma
inundação catastrófica se encaixa a prova muito bem.

Outros motivos que se sentem confortáveis com a crença na


criação
Para além das razões científicas dadas acima, eu tenho muitas, muitas
outras razões que eu sou intelectualmente mais satisfeito por a minha cren-
ça na criação. Eu listei uma pequena seleção destes.
Histórias do Dilúvio: De que outra forma você simplesmente explicam as
histórias do Dilúvio compartilhados por dezenas de culturas ao redor do
mundo (histórias gravadas muito antes de serem "contaminados" pelos oci-
dentais Bíblia transportando)?
Pictogramas chineses: caracteres chineses antigos clara e explicitamente
descrever a criação do Gênesis e contas de inundação.
Cientistas mudar seus pontos de vista: Embora os cientistas que acredi-
tam na criação são decididamente em minoria, eles estão crescendo em nú-
mero, como representado por cientistas-membros de organizações criacionis-
tas de todo o mundo. Além disso, um número crescente de cientistas que
anteriormente acreditavam em evolução, apesar de não se tornar "criacionis-
tas", estão descartando pontos de vista evolutivo, porque eles parecem ser
inconsistentes com a ciência. Cientistas não-cristãs agora discutir aberta-
mente evidência para:
 rápida (anos, não milhões de anos) a formação de carvão, petróleo
e gás natural
 formação catastrófica de características geológicas, como o Grand
Canyon

147
 a aparente impossibilidade de a formação espontânea de vida a
partir de matéria inanimada
 a crescente evidência das falhas na teoria da evolução
As conseqüências morais de uma crença na evolução: Se ninguém me
criou, se eu apenas estou altamente evoluído lagoa escumalha, então certa-
mente eu sou minha própria autoridade. Quem ou o que determina certo ou
errado? Não é apenas relativa? Não é diferente para pessoas diferentes e
mudando à medida que a sociedade evolui? Se eu posso fugir com algo para
o meu benefício (ou seja, para a minha vantagem evolutiva), se os genes são
"egoístas", como me foi ensinado, então por que não ir além dos limites? Por
que se preocupam com os pobres, os velhos, os mutilados, vítimas em outros
países? Por que não abortar os bebês no útero, por que não matar o velho e
inútil, por que não matar os mudos e também os desempregados se temos
máquinas suficientes para fazer o trabalho?
Se não há absolutos (ou seja, definido por algo fora do homem e não o
homem), então por que não concordar com um filósofo australiano (traba-
lhando em uma universidade australiana), que propõe o infanticídio de cri-
anças em excesso? Como você pode argumentar logicamente contra este, se
o homem realmente definir suas próprias regras? Eu sei que no momento
isso é contra as regras do homem, mas regras mudança do homem. Lembre-
se, há uma geração o aborto ea eutanásia eram assuntos tanto ilegais e ta-
bus.
A crença na criação, por outro lado, implica que não são absolutos que
nos são impostas por um Criador, a quem devemos prestar contas.Isso se
encaixa bem com o que eu sinto e vejo.
Emoções: Nós todos sentimos amor. É este um artefato evolutivo? Amo
profundamente meus filhos, porque eu quero que a minha linha de gene pa-
ra continuar? É tudo o que há para ser um pai-sobrevivência da espécie? O
meu coração derreter quando penso em minha esposa, simplesmente porque
eu quero propagar mais e eu quero que ela para cuidar de meus pequenos
Gene-pacotes de duas pernas? Quando eu testemunhei o nascimento dos
meus dois filhos, se eu chorar, porque esses bebês significava minha linha

148
gene continuaria? Eu acho que você pode tentar acreditar que eu era (e que
todos nós estamos) enganado pela evolução.
Alternativamente, você pode acreditar em um Criador que se descreve
como amor e diz que Ele nos fez à Sua imagem, capaz de discernir o certo do
errado, e capaz de amar tanto ele quanto os outros por nenhuma razão lógi-
ca que não é a maneira que nós éramos feita. Sim, você pode acreditar que
sua vida não tem nenhum propósito maior do que a propagar a espécie e de-
pois morrer, mas no seu coração e na cabeça, isso se encaixa com o mundo
que você vê?

Conclusões
A ciência é uma coisa maravilhosa. Eu gosto muito. Como cientista, eu
contar-me sorte de ser capaz de fazer ciência e de ser bom no que faz. E co-
mo cientista, tenho muito mais problemas para tentar executar as ginásticas
mentais necessárias para explicar o mundo a partir de, um ponto de vista de
longo idade evolutiva do que eu faço da Terra jovem, ponto de vista criacio-
nista.
Embora nem o ponto de vista pode ser provado (uma vez que são ambos
fora da ciência), a evidência circunstancial, a consistência das provas e as
bases sobre as leis mais fundamentais da ciência levam-me a ser muito mais
confortável acreditar na criação.

149
andrew mcintosh
Matemática

Visões de mundo
Como cientista, eu olhar para o mundo ao meu redor, e observar os me-
canismos de engenharia de tal complexidade notável que eu sou atraído para
a conclusão de um projeto inteligente estar por trás de tal ordem complexa.
Nenhum cientista é totalmente objetivo. Estamos sempre governado por
nossos pressupostos. Se um cientista não acredita em Deus, então o seu
ponto de partida ateísmo será obrigado a afetar o seu julgamento como ele
olha para o mundo em torno dele. Se sua mente está fechada para a possibi-
lidade de um designer, a sua própria suposição vai forçá-lo a adotar o que
para muitos vai parecer uma explicação "improvável" para o que ele obser-
va.(Estas questões da filosofia por trás da ciência de hoje são amplificados
em meu livro Gênesis para hoje . 2 )
Em minha opinião, precisamos voltar para a atitude de Einstein, que,
embora ele mesmo não acreditava em uma divindade antropomórfica, tinha
uma admiração profunda para a harmonia do universo. Houve uma humil-

150
dade em sua brilhante carreira científica que levou à descoberta da teoria da
relatividade especial ea consequente realização da equivalência de energia e
massa (através da famosa equação E = mc 2 ). Isto foi seguido pela descober-
ta importante da teoria da relatividade geral, que mostrou pela primeira vez
a conexão entre a gravidade eo tempo, e levou à manifestação da curvatura
do espaço-tempo contínuo no universo. Ele disse em uma entrevista em
1929:
Estamos na posição de uma criança entrando em uma enorme bibliote-
ca cheia de livros em diversos idiomas. A criança sabe que alguém deve ter
escrito esses livros. Ele não sabe como. Ela não entende as línguas em que
estão escritas. A criança suspeita vagamente uma ordem misteriosa na or-
ganização dos livros, mas não sabe o que é. Isso parece-me, é a atitude do
mesmo o ser mais inteligente em relação a Deus. Vemos um universo mara-
vilhosamente arranjado e obedecendo a certas leis, mas apenas vagamente
compreender essas leis. Nossas mentes limitadas não pode compreender a
força misteriosa que move as constelações. 3
Essa humildade foi tudo, mas perdeu no nosso mundo científico ho-
je. Muitos sustentam tenazmente a uma visão estranha que o teísmo é, por
definição, excluídos pela ciência. Tal posição não é lógico, já que o teísmo ou
ateísmo é um produto de uma de suposições. Eu descaradamente começar
não só a partir de uma posição teísta (que ao invés de ser contraditada por
minhas investigações científicas, é confirmado por eles), mas também reco-
nhecer que Deus pode revelar-se a nós, isso eu acredito que Ele tem feito em
Jesus Cristo.

Ordem e da Segunda Lei da Termodinâmica


Há uma lei fundamental do universo para o qual não há exceção conhe-
cida. Isto é, que quando existe algum trabalho feito devido à conversão de
energia, existe sempre alguma dissipação de energia útil. Em termos pura-
mente termodinâmicos, isto significa que, para um sistema fechado, a medi-
da de já não está disponível para o trabalho útil de energia está a aumen-
tar. Isto é chamado de entropia. 4 Assim, num sistema fechado, a entropia
global está a aumentar.
No entanto, a lei não se aplica apenas à área de mecânica e moto-
res. Ela aplica-se a qualquer sistema, uma vez que a entropia é uma medida
eficaz do distúrbio nesse sistema. Em termos globais, desordem aumenta,

151
carros enferrujam e máquinas se desgastam. Sem a reversão espontânea
deste processo já foi observada por um sistema fechado.
Para os sistemas vivos, esta lei ainda se aplica. Aquilo que está morto
(como um palito ou uma folha de uma árvore) não tem nenhuma informação
ou teleonomia dentro dele para converter a energia do sol para um trabalho
útil. Com efeito, ele vai simplesmente aquecer-se e vai aumentar a entropia.
Apesar das tentativas por G. Nicolis Prigogine e colegas de trabalho para
encontrar auto-organização por processos aleatórios dentro criaturas vivas,
sustentada ordem nunca pode ser alcançado, porque não há novas informa-
ções disponíveis. De fato, após argumentando que auto-organização por pro-
cessos aleatórios pode ser possível em sistemas de não-equilíbrio, estados
Prigogine na primeira referência:
Infelizmente, isso (auto-organização) princípio não pode explicar a for-
mação de estruturas biológicas. A probabilidade de que a temperaturas
normais, um número de moléculas macroscópica é montado para dar origem
a estruturas altamente ordenadas e às funções coordenadas que caracteri-
zam os organismos vivos é extremamente pequena. 5

Entropia, informação e do mundo vivo


O maior obstáculo para as teorias evolucionistas como às origens é que
a informação não pode ser definido em termos de física e química. As ideias
de um livro não são o mesmo que o de papel e de tinta que constituem o li-
vro. Na verdade, essas mesmas palavras e pensamentos podem ser transmi-
tidos através de uma mídia completamente diferentes (como um CD-ROM do
computador, disquete ou um gravador). Os produtos químicos não definir a
mensagem que eles carregam. Significado não pode surgir espontaneamente,
uma vez que pressupõe significado de inteligência e compreensão.
Uma das maiores descobertas que foi de ADN por Francis H. Crick (Rei-
no Unido) e James D. Watson (EUA) em 1953. Esta molécula foi encontrado
como sendo o meio de armazenamento universal dos sistemas naturais. Um
comprimento de ADN é formada de tal maneira que duas cadeias de açúcar-
fosfato de desoxirribose em conjunto formam uma dupla hélice de 2 nm (10 -

9 m) de diâmetro, com um espaçamento de 3.4nm. Entre estas duas fitas são


pontes de hidrogénio, através da qual os quatro tipos de nucleótidos são co-
locados: Adenina (A), timina (T), citosina (C) e guanina (G). Efetivamente es-
sas quatro nucleotídeos são o alfabeto químico para escrever "palavras" no

152
"papel", substância química que é as duas cadeias de açúcar-fosfato. A héli-
ce permite um armazenamento de 3-dimensional da informação formado pe-
los padrões das cartas químicos utilizados. A cadeia de ADN é como uma
sequência de pontos e traços em uma mensagem codificada. A informação
codificada utilizando as letras (ACG, GUC, CAU, etc.) cavalga sobre as molé-
culas químicas complicadas, mas não é definida por ela. Informação não é
igual a energia ou matéria.
Em sinais de rádio existe uma onda portadora de frequência muito mais
elevada do que a do sinal de informação que cavalga sobre a parte de trás da
onda portadora. Uma vez recebida, a onda portadora não é importante e que
a mensagem é convertida em som e da fala.Exactamente da mesma maneira,
a informação relativa a uma célula poderia ter sido escrito usando codifica-
ção completamente diferente, isto é, uma ordenação diferente dos nucleóti-
dos. Enquanto as regras continuam as mesmas, isso não é importan-
te. Alternativamente, a química completamente diferente pode ser envolvida,
isto é, um "alfabeto" diferente conduzindo a uma estrutura completamente
nova linguagem. O que é fundamental nessa discussão é que a informação
(que é a definição das regras, a linguagem, código, etc.) esteve lá desde o co-
meço. Argumentar que isso veio por acaso é cientificamente absur-
do. Como Professor Gitt declarou: "Nenhuma informação pode existir sem
uma fonte mentais inicial. Nenhuma informação pode existir em processos
puramente estatísticos. " 6

Embora Dawkins defendeu uma série aparentemente interminável de


pequenas mutações vantajosas apontados pela seleção natural operando no
nível micro 7 há argumentos formidáveis contra sua posição. Denton, em seu
livro Evolution: A Theory in Crisis , 8 discute o problema da pleiotropia, ou
seja, um gene que afeta um número de funções aparentemente totalmente
alheios em organismos vivos. Por exemplo, alterações nos genes da cor do
revestimento em camundongos também afetam o tamanho do corpo. O mi-
crobiologista Behe também habilmente refutada Dawkins em seu livro A
Caixa Preta de Darwin , 9 , onde ele mostrou que por trás das muitas pala-
vras deste arqui-defensor de Darwin, não existe nenhum mecanismo na evo-
lução darwiniana para adicionar novas informações a uma espécie no macro
nível por um conjunto significativo de alterações às letras do DNA, porque "a
informação para a frente", como o que as mudanças visam é necessá-

153
rio. Caso contrário, as mutações intervenientes não têm nenhuma vanta-
gem. Na verdade, para formar o código, para começar, é vital que o emissor
eo receptor a parte da célula ambos têm acordo prévio quanto ao significado
do código, mais não pode haver comunicação. Mas a evolução darwiniana
tem apenas mutações aleatórias à sua disposição. Porque não "pensar ante-
cipadamente" pode eventualmente ser permitido, não há nenhuma maneira
que os nucleotídeos podem organizar-se em um "código pré-definido", uma
vez que esta pressupõe o conhecimento prévio. Assim, a própria existência
da linguagem codificada por DNA barracas evolução no primeiro obstáculo.

Voo no mundo de complexidade natural durante todo o possí-


vel observar
Exemplos de complexidade no mundo natural não são difíceis de encon-
trar. Os seres vivos têm exemplos de complexidade irredutível como muito
habilmente demonstrada por Behe em seu livro A Caixa Preta de Dar-
win . Um dos melhores exemplos de complexidade, o que desafia uma série
de mudanças graduais "" (como defendido por Dawkins em seu livro A Esca-
lada do Monte Improvável) , é o vôo. Para controlada, voo mais pesado do que
o ar, existem quatro requisitos fundamentais: (1) uma forma de asa correcta
para se obter uma pressão mais baixa do ar sobre a superfície superior, (2)
uma grande área de asa suficiente para suportar o peso, (3) alguns meios de
propulsão ou delta, e (4) superfícies extras, ou um meio de alterar as super-
fícies principais, a fim de mudar de direção e velocidade.
Voo ocorre em muitos ramos do mundo vivo: (a) aves; (B) insetos: mos-
cas, abelhas, vespas, borboletas, mariposas; (C) Os mamíferos: morcegos; (d)
os répteis: pterodátilos extintos. Cada classe de criatura é anatomicamente
diferentes, sem conexão feita até mesmo pelo mais ardente evolucionista. A
tênue conexão foi tentada entre os répteis (dinossauros) e aves: é sério pro-
pôs que havia um dinossauro "avis-pro" que bateu escalas em seus braços
para capturar insetos, e depois mudou suas escalas de penas para ganhar
vantagem no ar em sua presa. Mesmo que se aceite o registro fóssil como um
guia para mudar ao longo de milhões de anos, não há nenhuma evidência de
qualquer criatura "pro-avis" já existente no registro fóssil. Para o evolucio-
nista, há o cenário de voo evoluindo pelo menos três vezes, independente-
mente! As asas dos três principais grupos atuais de criaturas voadoras de

154
hoje são substancialmente diferentes: as asas das aves são feitas de pe-
nas; asas de insetos são feitos de escalas, membranas ou pêlos; e asas de
morcego usar pele espalhados por um esqueleto. Assim, o evolucionista é
confrontado com não apenas um obstáculo impossível-que alguns répteis
cresceu penas e começou a voar, mas mais dois obstáculos. Estes são que o
vôo evoluiu novamente quando alguns roedores (ratos? Musaranhos?) De-
senvolveram uma superfície semelhante à da pele sobre suas patas diantei-
ras para se tornar morcegos, e em seguida, bastante separadamente, alguns
insetos cresceram asas muito finas de escalas, membranas ou pêlos para se
tornar moscas , abelhas e borboletas!
Aves
Asas de um pássaro são feitas de penas. A pena é uma maravilha da
engenharia leve. Apesar de leve, é muito resistente ao vento. Isto é porque
não há um sistema inteligente de farpas e bárbulas. Cada farpa de uma pe-
na é visível a olho nu e sai da haste principal. O que não é geralmente per-
cebido é que em ambos os lados da farpa são mais pequenas bárbulas que
apenas podem ser vistas sob um microscópio.Estes são de tipos diferentes,
dependendo se eles são provenientes de um dos lados da farpa ou outro. De
um lado da barbela, bárbulas sulcadas vai emergir, enquanto, por outro la-
do, as bárbulas terá ganchos. Assim, os ganchos que saem de uma farpa irá
se conectar com cumes que atingem na direção oposta de uma farpa vizi-
nha. Os ganchos e sulcos actuam como "velcro", mas ir mais uma fase, uma
vez que os sulcos permitem que uma junta de deslizamento, e não há, por-
tanto, um mecanismo de engenhosa para manter a superfície flexível e ainda
intacta.
A próxima vez que você vê uma pena de vôo no chão, lembre-se que é
uma maravilha da engenharia leve, flexível, aerodinâmica.
Réptil tem nenhum indício de tal maquinaria complicada. Stahl admitiu
livremente, "Nenhuma estrutura fóssil de transição entre a escala ea pena é
conhecido, e os investigadores recentes não estão dispostos a fundar uma
teoria em pura especulação." 10

Não há informação genética dentro de réptil para permitir que um dis-


positivo tão única como a junta de deslizamento de uma pena a ser feita. A
rota tortuosa sugerido por alguns de pequenas "mutações favorecidos" para
escalas leva a estruturas desajeitados que são, de fato, uma desvantagem

155
para a criatura. Não até que toda a estrutura de gancho e cume está em vi-
gor há qualquer vantagem, como um cata-vento para a captura de insetos! A
menos que se invoque algum "pensar à frente" de planejamento, não há ne-
nhuma maneira que o acaso mutações podem produzir a "idéia" do cross-
linking das bárbulas para fazer uma rede de conexão. Mesmo que a mutação
chance de um cume / gancho ocorre em duas das bárbulas, não existe um
mecanismo para traduzir essa "vantagem" para o resto da estrutura. Este é
um caso clássico de complexidade irredutível que não é consistente com as
mudanças evolutivas lentas, mas bastante consistente com a noção de de-
sign.
Mas isso não é tudo. Mesmo que um tinha a pena, a estrutura de treliça
delicado logo se tornaria desgastado, a menos que também foi o óleo para
lubrificar a articulação deslizante feita pelos bárbulas gancho e estriadas. A
maioria de nós percebe que uma vez que as farpas de uma pena ter sido se-
parados, é difícil fazê-los voltar juntos. A pena torna-se facilmente desgasta-
do na ausência de óleo, que proporciona um pássaro de sua glândula Alisar
na base de sua espinha. Alguns deste óleo é colocado em seu bico e se espa-
lhou por toda as penas, o que para um pássaro de água também dá imper-
meabilização de sua superfície (assim, a água desliza nas costas de um pa-
to). Sem o petróleo as penas são inúteis, por isso mesmo um suposto dinos-
sauro-moradia terra chegou até flutuando uma asa, seria inútil depois de
algumas horas!
Como se poderia esperar, no entanto, a história não termina aí, quer,
por um pássaro pode voar só porque ele também tem uma estrutura óssea
muito claro, o que é conseguido pelos ossos sendo oco. Muitos pássaros
manter a força esqueleto por membros transversais dentro dos ossos
ocos. Tal arranjo começou a ser usado em meados deste século para asas de
aviões e é chamado de "arranjo treliça de Warren." As grandes aves, como
uma águia ou um abutre, simplesmente quebrar em pedaços no ar, se hou-
vesse algum suposto meio caminho fase do seu desenvolvimento esquelético,
onde ainda não havia "desenvolvido" tais travessas em seus ossos.
Além disso, as aves respirar de forma diferente. O sistema respiratório
de um pássaro permite que o oxigênio para ser alimentado diretamente em
sacos de ar, que são conectados diretamente ao coração, pulmões e estôma-
go, ignorando a exigência de mamíferos normais para respirar o dióxido de

156
carbono antes da próxima ingestão de oxigênio. Os seres humanos respiram
cerca de 12 vezes por minuto, enquanto que as pequenas aves pode respirar
até cerca de 250 vezes por minuto. Este é, portanto, um sistema perfeito pa-
ra a alta taxa metabólica das aves, que usam a energia muito rapidamen-
te. Em rápido vôo para a frente em particular, as aves não poderia sustentar
exalando contra a corrente de ar que se aproxima. Note também que os pás-
saros são de sangue quente, que apresenta uma vasta barreira biológica pa-
ra aqueles que mantêm um ancestory réptil para as aves.
Considere o movimento batidas de asa de um pássaro. Este movimento
exige uma ave a ter fortes músculos das asas, com uma articulação do coto-
velo virado para a frente para permitir o encurtamento da asa muito usado
no curso ascendente da maioria das espécies, e no mergulho de aves de ra-
pina. A versatilidade da articulação giratória na base da asa, juntamente
com a articulação do cotovelo no próprio asa e a estrutura de penas lisa que
cobre todo, conduz a uma grande flexibilidade na aerodinâmica da
asa. Sustentação e arrasto pode ser equilibrado com movimentos instantâ-
neos, que em aeronaves ainda exigem alterações comparativamente pesados
de aba e ailerons.
Suponha que temos um "quase" pássaro com todas as estruturas, ou
seja acima de penas, preening glândula, ossos ocos, respiração direta, o
sangue quente, junta giratória e para a frente articulação do cotovelo, mas
não cauda! Voo controlado ainda seria impossível. Estabilidade longitudinal
só pode ser alcançado com uma estrutura de cauda, que a maioria dos me-
ninos logo percebe ao fazer aviões de papel! Mas o que possível vantagem
fazer todos os itens acima foram para qualquer "quase" bird-terrestre? Tal
criatura seria presa fácil para qualquer animal de caça.
Na lista de mecanismos (penas, Alisar glândula, etc.), todos são essen-
ciais. Tentar jogar uma e todo o projeto falhar! A cauda é essencial, e com a
cauda deve vir outro músculo para operar a variável pequeno, mas muito
importante superfície de asa por exemplo, segurando a plumagem espalhar-
se e para baixo quando entra aterrar. Em outras palavras, a cauda é inútil
como um estáticas "add-on". Ele deve ter os meios de alterar a sua forma
durante o vôo. Todos estes mecanismos são controlados por um sistema
nervoso ligado ao computador de bordo no cérebro do pássaro, tudo pré-

157
programado para operar dentro de uma ampla envelope de manobras com-
plicadas aerodinâmicas.
Beija-flores
Uma das manifestações mais deliciosas de todos os princípios acima re-
feridos que se juntam envolve o beija-flor. Estas pequenas aves têm a capa-
cidade de bater as asas em até 80 batimentos por segundo e, como é sabido,
pode pairar, voar para trás, para frente e para os lados com facilidade (mui-
tas das informações aqui é elaborado a partir de um excelente artigo de De-
nis Dreves 11 ). Velocidades de 50 milhas por hora são comuns para estas
maravilhas voadoras. Combustível deve ser reabastecido muito rapidamente
por causa da grande rotatividade de energia. Por conseguinte, a ave tem de
se alimentar de um alimento que pode ser decomposto rapidamente em
energia.
Tudo isto é conseguido através da alimentação sobre o néctar das flo-
res, o que requer a habilidade de pairar e uma fina bico longo para entrar na
flor (por exemplo, um fúcsia para o beija-flor ruivo). A ave também tem uma
língua especial com dois sulcos, permitindo que o néctar de ser armazena-
das nele. O longa língua entra e sai do projeto de lei, a uma taxa inacreditá-
vel de 13 vezes por segundo e, quando recolhido, é ondulado acima na parte
de trás da cabeça.
Pode-se imaginar o cenário ímpar do beija-flor supostamente metade
evoluiu tanto com a capacidade de pairar e um pardal bico, incapazes de se
alimentar, ou o bico longo, mas sem capacidade de pairar, o que significaria
a voar para a flor sem capacidade de parar ! Todos os requisitos devem estar
lá, para começar.
A manobrabilidade extrema de colibris é devido a terem a capacidade de
rodar a asa através de um ângulo muito maior do que as outras
aves. Consequentemente, o beija-flor pode produzir um curso de potência no
movimento para cima da asa, bem como o descendente eo movimento da
ponta da asa de um beija-flor em vôo varre um oito como os giros conjuntos
redondos cerca de 90 graus pela primeira vez em um direção e, em seguida,
cerca de 90 graus em outra direção. A rotação é possível, o que significa que
a asa pode, assim, bater um curso de potência em qualquer direção, com
pequenas assimetrias que permitem movimentos laterais também.

158
Voo não pode ser explicada pela suposta alteração evolutiva. As tentati-
vas de encontrar formas de transição falharam. Archaeopteryx tem sido de-
monstrado que têm penas de vôo totalmente desenvolvidos (assim, sem
meio-de aves), com outras aves reconhecíveis encontrados fossilizados em
um nível inferior. Outras supostas criaturas "pro-avis" (metade réptil / meio
pássaro) nunca foram encontrados. A evidência é esmagadora que os pássa-
ros sempre foram pássaros, e é inteiramente coerente com o seu que está
sendo criado logo no início no dia 5, como diz a Bíblia.
Não é científico para discutir, por um lado, para o projeto óbvio de um
Boeing 747, e depois governar projeto "fora do tribunal" quando se considera
o vôo muito mais versátil de uma águia, falcão ou o beija-flor notá-
vel. Mentes modernas dentro da mídia secular está apresentando uma dua-
lidade de pensamento não-científico ao elogiar complexidade de engenharia
em máquinas feitas pelo homem, gloriar-se em grandes avanços criativos da
humanidade, mas apresentando a complexidade do mundo em torno de nós
(muitas vezes de muito maior complexidade do que man- máquinas feitas)
como devido a uma experiência cósmica gigantesca não planejada, sem Cri-
ador.
Insetos voadores
Insetos voadores não têm qualquer relação com as aves, e ainda vôo es-
tá totalmente desenvolvido em todos os fósseis de moscas, mariposas e bor-
boletas. Não há qualquer candidato em todos para quaisquer formas de
transição. As asas de tais criaturas são extremamente frágeis, feitas de esca-
las, membranas, ou às vezes os cabelos ou cerdas. Eles começam como lar-
vas ou lagartas, com alguma alimentando-se de substâncias totalmente dife-
rentes do que o adulto (por exemplo, lagartas e borboletas). O melhor exem-
plo é a libélula, o que começa como uma ninfa subaquática, a obtenção de
oxigênio da água; ainda não libélula adulta poderia existir no mesmo ambi-
ente. É bastante comum para libélulas para chegar a velocidades de 30 qui-
lômetros por hora, mas não existem fósseis de transição. A prova é, de fato,
de muito maior, totalmente desenvolvido libélulas com uma envergadura de
dois a três pés no passado, 12 indicando declínio hoje, ao invés de antecedên-
cia. A libelinha relacionado tem a notável capacidade de pairar, bem como,
de tal forma que a aerodinâmica sofisticada das quatro asas que operam de

159
forma independente inspirou o design dos primeiros precursores do helicóp-
tero moderno.
A complexidade do ciclo de vida das criaturas, como a borboleta (lagarta
a crisálida a borboleta) ea libélula (ninfa da água de libélula), e sua estrutura
de asa perfeita como adultos, aponta para desenho intrincado que não pode
ser explicado por pequenas mudanças. A sobrevivência de cada uma das es-
pécies é dependente de todos os mecanismos que estão presentes, para co-
meçar.
Migrando borboletas
A borboleta monarca da América do Norte migra 2.000 milhas da Cali-
fórnia, no noroeste (ou Ontário, no nordeste) ao local de hibernação de Méxi-
co central. Mais surpreendente é o seguinte fato: alguns adultos que fazem a
viagem de volta estão totalmente maduros, de modo que algumas fêmeas
põem os ovos e morrem a caminho do norte.
Esses descendentes, depois de passar pelo estágio de lagarta / crisáli-
da, continuar a migração para o norte. Mais notável ainda é o fato de que
nem todos estes fazem-lo de volta para o nordeste da América, então uma
outra geração, a terceira, finalmente, conclui a jornada, cumprindo a aspira-
ção da avó! Isto, naturalmente, significa que um sistema notável de informa-
ções está ligada a codificação genética de cada borboleta, de tal forma que
ele "sabe" em que fase do ciclo de migração do grupo de borboletas está. Esta
informação é passada para cada geração. Tal mecanismo delicado grita de-
sign inteligente!
Além disso, foi estabelecido que a magnetite foi encontrada nos corpos
de borboletas monarca (e também das abelhas), indicando que eles são ca-
pazes de se orientar pelo sensor de campo magnético da terra. Seus olhos
também são sensíveis à luz polarizada do sol, mais uma vez dando-lhes uma
sugestão direção. Os dois olhos, longe de ser simples, são, na verdade, cada
um composto de 6.000 lentes separadas!Não há borboletas formada meia no
registro fóssil. Eles são semelhantes aos de totalmente modernos formados e
prontos para ir!
Voando mamíferos-morcegos
Morcegos são totalmente diferentes de aves e insetos, com asas feitas de
pele e um sistema de radar de eco-som com precisão, permitindo o bastão
para encontrar comida inseto na asa, com uma precisão inacreditável. No
meio-morcego já foi encontrado no registro fóssil, e seria difícil imaginar co-

160
mo uma criatura meio caminho poderia sobreviver. Só é possível com asas
totalmente desenvolvidas sozinho vôo.Isto combinado com o radar sofistica-
do é mais um exemplo de complexidade irredutível.
Combustão eo besouro bombardeiro
Por fim, um exemplo de combustão-o besouro bombardeiro. Esta cria-
tura requer uma mistura explosiva (peróxido de hidrogênio e hidroquinona),
uma câmara de combustão para conter os produtos químicos, bocais de
exaustão para ejetar a mistura em que dois catalisadores também são inje-
tados (as enzimas catalase e peroxidase) -Todos isso no momento certo para
fazer a violenta reação ocorrer como a mistura deixa o back-end. O besouro
bombardeiro consegue tudo com facilidade, junto com a capacidade de envi-
ar quatro ou cinco bombas em sucessão para o rosto de um predador, con-
trolado pelos músculos e dirigido por um sistema nervoso reflexo. Esta é a
teoria de combustão e excelência prática! Até mesmo a câmara de combus-
tão da última turbina Rolls Royce Trent Gás não alcançaria a complexidade
dessa pequena criatura.
Todos os requisitos acima teria que estar no lugar no mesmo "momento
evolutivo"! Não há nenhuma maneira qualquer "intermediário" poderiam so-
breviver por causa do risco de qualquer um (1) soprando ele / ela mesma em
pedacinhos (porque ele tem a mistura de combustível e catalisador, mas ne-
nhum sistema de escape), ou (2) erodindo lentamente o / seu interior por ter
uma mistura combustível, todos os tubos de escape necessários, mas ne-
nhum catalisador, ou (3) ser comido por predadores apesar de tentar levá-los
longe com catalisadores através de um sistema de escape bem, mas não mis-
tura combustível! Para a criatura a função, tudo tem que estar todos juntos
no lugar, como um bom engenheiro Rolls Royce sabe-para turbinas a gás de
aeronaves para o trabalho!

Coerência com a cosmovisão bíblica


Como cientista, não vejo nada de descontar crença simples nas Escritu-
ras, quando se analisam os mecanismos da natureza. Aqueles que têm sido
considerados neste capítulo poderia ser adicionado por muitos mais meca-
nismos intricadamente equilibradas que esmagadoramente testemunham
uma mão criativa.

161
Muitos, é claro, se recusam a reconhecer a evidência de design na natu-
reza, porque eles fazem a suposição testável do ateísmo. Se alguém duvidar
seriamente fez o projeto de um avião de passageiros moderno, essa pessoa
poderia ser convencido por levá-lo em uma fábrica de aviões e apresentá-lo
para as equipes de engenheiros de design. Da mesma forma, o preconceito
do homem contra projeto de criação só pode realmente ser respondida por
uma mudança radical de coração e por conhecer pessoalmente o autor de
todos. No final, a diferença entre estas duas worldviews é devido a diferenças
religiosas. Eu acredito que é porque os seres humanos não querem prestar
contas a um Deus Criador que eles persistirem com uma teoria que tem
pouca evidência para apoiar isso.
Além disso, na opinião deste autor, há muito no registro fóssil, que é in-
teiramente consistente com destruição catastrófica em uma inundação em
todo o mundo. Temos por muito tempo subestimado as forças da natureza, e
só talvez, nas últimas décadas tem geólogos (alguns relutantemente) voltou a
uma visão catastrófica de muitas camadas de rocha.
Em junho de 1991 o vulcão Pinatubo, nas Filipinas, entrou em erupção
com uma nuvem de cinzas 130.000 pés (mais de 24 milhas) de altura e 10
quilômetros de largura. Fluxos piroclásticos devastou a paisagem, com a
cinza vulcânica e mais tarde ainda mais lama fluindo por milhares de quilô-
metros quadrados. A explosão vulcânica em 1883 em Krakatau (entre as
ilhas de Sumatra e Java da Indonésia) foi ainda maior; esta foi ouvida 2.900
milhas de distância, com pedras jogadas 34 milhas altas na atmosfera e po-
eira caindo 3.313 milhas de distância de dez dias após a explosão. Um tsu-
nami (onda gigante) 100 pés altos foi criado, que viajou do outro lado do
Oceano Índico a 450 mph, e névoa vulcânica circulou a Terra e virou o sol
azul e verde.
Em 18 de maio de 1980, provavelmente a erupção vulcânica recente
mais bem documentado ocorreu no Monte St. Helens, no estado de Washing-
ton. O topo da montanha foi completamente removido e uma explosão quen-
te arrancada 150 quilômetros quadrados de floresta. O movimento da mon-
tanha causou uma onda quase 900 metros de altura para se deslocar entre
Spirit Lake, com o efeito de que cerca de um milhão de troncos de árvore en-
contrado o seu caminho para dentro do lago. Muitos outros foram empurra-
dos ainda mais para baixo em regiões mais baixas por fluxos de lama e fo-

162
ram realmente observado na posição vertical, raízes para baixo, movendo-se
em grande velocidade nos fluxos de lama.
Não até que esta erupção se tivesse sido bastante apreciado o rescaldo
de erupções vulcânicas pode às vezes causar. Sedimentos 600 pés de espes-
sura foram expostas por mudflows subseqüentes esculpindo o seu caminho
através dos sedimentos iniciais antes haviam endurecido. O cânion do Rio
Toutle, formada em 1980, é efetivamente uma miniatura versão 1/40 do
Grand Canyon. A implicação é que o rio Colorado não é o caminho maior
canyon do mundo foi formada, isto é, pela erosão lenta. Toda a evidência é
consistente com enorme erupção vulcânica e sedimentar em uma escala
continental, seguindo-se o estouro de grandes barragens de água e argila
quebra e causando enormes fluxos de lama subseqüentes, inteiramente con-
sistentes com a descrição no livro de Gênesis do Grande Dilúvio.
Quando a Bíblia fala historicamente (e especialistas literários concor-
dam Gênesis é escrito como história), eu acredito que nós podemos confiar
no que ele diz.

Referências e notas
1. Andrew McIntosh, Genesis para hoje: mostrar a relevância da Criação / Evolução De-
bate para a sociedade de hoje, o primeiro dia Publications, Epsom, Reino Unido, 1997.
2. Ibidem , capítulo 2, "Gênesis e Ciência".
3. Denis Brian, Einstein: A Life, J. Wiley, Nova Iorque, p. 186, 1996.
4. McIntosh, Genesis para hoje, Anexo A.
5. I. Prigogine, G. Nicolis, e S. Babloyant, Termodinâmica da Evolução, Physics To-
day 25 (11): 23-8, 1972; G. Nicolis e I. Prigogine, Auto-organização em sistemas não-
equilíbrio, Wiley, New York, 1977.
6. Siemens comentário , vol. 56, parte 6, p. 36-41, 1989.
7. Veja Richard Dawkins, O Gene Egoísta, Oxford University Press, New York, 1989; O
Relojoeiro Cego, Penguin, New York, 1991; e Escalada do Monte Improvável, Norton,
New York, 1996.
8. Michael Denton, Evolution: A Theory in Crisis , Adler e Adler, Bethesda, MD, p. 142-
156, 1986.
9. Michael Behe, A Caixa Preta de Darwin , Free Press, New York, p. 220-221, 1996.
10. Barbara J. Stahl, Vertebrados História: Problemas na Evolução , McGraw-Hill, New
York, p. 349, 1974.
11. Denis Dreves, O beija-flor: pequeno milagre de Deus , Criação 14 (1): 10-12, 1992.
12. Veja David Attenborough, descobrir a vida na Terra, Little, Brown, Boston, MA, p. 60-
61, 1981.

163
john p. marcus
Bioquímica

Minha crença em uma criação literal de seis dias do universo baseia-se


principalmente no ensino da Bíblia e meu entendimento de que esta é a Pa-
lavra de Deus e é verdadeiro. Essa fé, porém, não fechar os olhos à evidência
científica; ao contrário, ele abre os meus olhos para que eu possa fazer sen-
tido fora de todos os dados. Duas coisas que confirmam a minha crença na
criação são a clara evidência de design na natureza, e os infimamente pe-
quenas probabilidades de vida vem por acaso.

Evidência de projeto
A evidência clara de projeto deliberado em organismos vivos confirma
fortemente a nossa fé na Palavra de Deus. Salmo 104: 24 estados " Ó Se-
nhor, quão variadas são as tuas obras! em sabedoria fizeste todas elas: a ter-
ra está cheia das tuas riquezas. "criação de Deus reflete claramente a sabe-
doria infinita que Ele usou para desenhar e criar-lo. A ordem das coisas vi-
vas e de sua complexidade incompreensível são certamente indicações ine-
quívocas de que esta criação não aconteceu por acaso e os processos desor-

164
denados. Há muitas maneiras para ilustrar que um simples exame de um
objecto vai revelar a presença ou ausência de cartão. Pode-se facilmente per-
ceber que certos itens são extremamente improvável que surgiu por acaso
operações que atuam ao longo do tempo.
Quando os arqueólogos se deparar com uma estrutura de barro cilín-
drica lisa com paredes de forma consistente sobre a mesma espessura, um
fundo plano que permite que a estrutura para ficar de pé, e uma abertura na
parte superior, é um sinal claro para eles que algum tipo de civilização inte-
ligente foi responsável pela produção de que panela de barro. É uma dedu-
ção tão simples de fazer-é óbvio que uma estrutura ordenada, como uma
panela de barro não poderia ter surgido por acaso. Pode-se ver que mesmo a
menor quantidade de ordem exibida em uma panela de barro simples é qua-
se completamente fora do alcance de processos aleatórios. É por isso que os
arqueólogos sabem que uma panela de barro é uma assinatura clara de civi-
lização; ordem é evidência de design.
Passo para trás agora e considerar: como isso é diferente da formação
da vida a partir de produtos químicos não vivos? Para ter certeza, existe uma
diferença; a geração de um organismo vivo a partir de produtos químicos
não-vivos simples é infinitamente menos provável de ocorrer. Os organismos
vivos são muito mais complexas do que é uma panela de barro que uma
comparação adequada não pode mesmo ser feita. Que pessoa gostaria de
acreditar que uma panela de barro surgiu por processos chance? Apenas
uma pessoa ligada e determinada a excluir a possibilidade de que a civiliza-
ção pode ter sido responsável por fazer esse pote. Pode-se perceber que os
evolucionistas também são obrigados e determinada a excluir Deus da fo-
to! Parece que eles nem sequer perguntar se a evidência é consistente com a
criação. Eles simplesmente insistir em que todas as explicações para a exis-
tência do universo deve vir de dentro do universo e não de um Deus que está
acima dele. No caso de organismos vivos, como no caso de vasos de barro, a
presença de ordem entrega o jogo. Claramente, esta ordem não poderia ter
surgido por acaso, nem mesmo se acaso foram ajudados pela seleção natu-
ral! Deve ter sido organizado por uma inteligência exterior. Projeto precisa de
um designer.
DNA 1 prova muitas vezes é reivindicado para dar apoio à teoria evoluci-
onista; na realidade, o DNA ilustra a obra de Deus do design de uma manei-

165
ra poderosa. Vamos considerar a complexidade deste importante componen-
te dos sistemas vivos, a fim de ver o quão absurdo é acreditar que a vida po-
deria surgir por acaso. O DNA é a molécula de suporte de informação princi-
pal de organismos vivos. A beleza ea maravilha desta molécula dificilmente
pode ser exagerada quando se considera suas propriedades. Sendo o modelo
de células vivas, ele armazena todas as informações necessárias para a célu-
la para se alimentar e se proteger, bem como propagar-se em mais células
vivas, e cooperar com outras células vivas que compõem um organismo
complexo.
Se o DNA de uma célula humana foram desvendados e realizada em
uma linha reta, que seria literalmente quase um metro de comprimento e
ainda ser tão fina que seriam invisíveis para todos, mas os microscópios
mais poderosos. Considere-se que esta seqüência de DNA deve ser empaco-
tado em um espaço que é muito menor do que a cabeça de um alfinete 2 e
que esta pequena seqüência de DNA humano contém informação suficiente
para encher cerca de 1.000 livros, cada um contendo 1.000 páginas de tex-
to. 3 engenheiros Humanos teria um tempo mais difícil tentar encaixar um
tal livro em que a quantidade de espaço; mil livros em que a quantidade de
espaço confunde a mente! Para compacto e capacidade de transporte de in-
formações, sem invenção humana tem sequer chegou perto de igualar o de-
sign desta molécula notável.
Incrível como a molécula de DNA pode ser, há muito, muito mais na vi-
da do que o DNA só; vida só é possível se o projeto DNA pode ser lido e colo-
cado em ação pela maquinaria complexa de células vivas. Mas a maquinaria
complexa da célula viva requer ADN se vai existir em primeiro lugar, uma
vez que o DNA é a fonte do código de instruções para montar a máqui-
na. Sem a maquinaria celular, não teríamos DNA, uma vez que é responsável
pela síntese de DNA; sem DNA não teríamos maquinaria celular. Desde DNA
e da maquinaria da célula são co-dependente, o sistema completo deve estar
presente desde o início ou será pedaços sem sentido e peças.
Para enfatizar essa co-dependência da maquinaria celular e DNA, va-
mos examinar algumas proteínas (ou seja, o de máquinas) que estão direta-
mente envolvidas na conversão do modelo de DNA em mais proteínas. Antes
de listar os processos e proteínas associadas com a conversão de informação
do DNA em proteínas, devemos enfatizar os seguintes pontos: (1) a cada pas-

166
so no processo global exige absolutamente proteína (s) que são únicos e ex-
tremamente complexos; e (2) estas proteínas originais e complexas só pode
ser produzido pelo processo geral no qual eles próprios são criticamente en-
volvido.
A fabricação de ARN 4 a partir de um molde de ADN é um primeiro pas-
so crítico no processo de formação de proteínas. Para RNA a ser sintetizada,
não menos de cinco cadeias de proteínas diferentes 5 deve cooperar. Quatro
destas proteínas formar o complexo de polimerase de ARN e o último conta a
RNA polimerase para iniciar a leitura, onde o molde de ADN. O complexo de
enzima deve reconhecer onde começar a transcrição do ADN em ARN; deve
então mover ao longo da cadeia de DNA, adicionando blocos de construção
individuais 6 à crescente cadeia de RNA; e, por último, ele deve saber onde
terminar o processo de transcrição.
Não basta, no entanto, simplesmente para fazer um tipo de RNA; três
tipos diferentes de ARN são necessários no processo de produção de proteí-
nas: RNA mensageiro (mRNA), RNA ribossómico (rRNA) e RNA de transferên-
cia (tRNA). As moléculas de mRNA de transportar a informação extraída a
partir do modelo de ADN que codifica para a proteína a ser sintetiza-
da; moléculas de rRNA compõem um componente crítico de ribossomos (dis-
cutidas abaixo); ARNt e é responsável pela realização aminoácidos individu-
ais para o local onde eles serão adicionados a uma nova proteína. Antes de
moléculas de ARNt podem servir a sua função apropriada, no entanto, que
eles devem ser carregado com um aminoácido adequado, de modo a que
possa ser adicionada a uma cadeia de proteína crescente no momento apro-
priado. Pelo menos 20 proteínas diferentes aminoacil-ARNt sintetase são ne-
cessárias para anexar aminoácidos individuais para as moléculas de ARNt
correspondentes (pelo menos um para cada tipo de aminoácido).
Uma vez que as moléculas de ARNm, ARNt e ARNr ter sido sintetizado, é
então necessário para traduzir a informação a partir do mRNA, numa molé-
cula de proteína. Este processo é realizado por um enorme complexo de pro-
teínas chamado o ribossoma. Estes incríveis proteína de síntese "máquinas"
conter várias proteínas diferentes, juntamente com várias moléculas de RNA
ribossomal todos associados em duas subunidades principais. Em uma bac-
téria simples, tais como E. coli , ribossomos são compostos por cerca de 50
proteínas diferentes sete e três rRNAs diferentes!

167
As reacções mencionadas acima são apenas as reacções fundamentais
no processo de síntese de proteínas; nós ainda não discutimos as moléculas
de energia que devem estar presentes para muitas dessas reações para pros-
seguir. Onde está a energia vai vir a produzir essas moléculas energiza-
das? Como a energia colheita de células a menos que tenha algum tipo de
mecanismo para fazê-lo? E, onde está um mecanismo de energia-colheita vai
vir se não a partir de informações pré-codificado localizado na célula?
Uma adição rápida irá revelar que o processo de converter a informação
de ADN em proteínas requer, pelo menos, 75 diferentes moléculas de proteí-
na. Mas cada uma destas 75 proteínas devem ser sintetizadas em primeiro
lugar pelo processo em que se estão envolvidos. Como poderia o processo
começar sem a presença de todas as proteínas necessárias? Poderia todos os
75 proteínas ter surgido por acaso apenas no lugar certo na hora cer-
ta? Poderia ser que uma fita de DNA com todas as informações necessárias
para fazer este mesmo conjunto de proteínas passou a ser apenas no mesmo
lugar que todos esses proteínas? E será que todas as moléculas precursoras
também passou a ser em torno de sua forma energizada, de modo a permitir
que as proteínas para utilizá-los corretamente?
Escusado será dizer que, sem proteínas vida não existiria; é tão simples
como isso. O mesmo é verdade para o ADN e ARN. Deve ficar claro que o
DNA, RNA e proteínas devem todos estar presentes, se algum deles vai estar
presente num organismo vivo. A vida deve ter sido criado completamente
funcional, ou seria uma bagunça sem sentido. Para sugerir o contrário é
simples ignorância (ou talvez desespero). Então, nós realmente temos um "o
que veio primeiro?" Problema em nossas mãos. Creio que a resposta é, natu-
ralmente, que nenhum deles ficou em primeiro lugar! Deus veio em primeiro
lugar; Ele projetou e criou toda a vida com a Sua Palavra falada. ADN, ARN e
proteína veio tudo exactamente ao mesmo tempo. É extremamente difícil de
entender como alguém poderia acreditar que este sistema de tradução DNA-
projeto incrivelmente complicado aconteceu surgiu por acaso.

Moléculas significativas não poderia ter surgido por acaso


Agora vamos considerar a probabilidade de apenas uma das 75 proteí-
nas acima próximos por acaso. Considere-se uma menor do que a proteína
média de apenas 100 resíduos de aminoácidos. Se todos os aminoácidos ne-

168
cessários canhotos eram realmente disponível, e se os compostos interferen-
tes, incluindo aminoácidos destros, de alguma forma foram eliminados,
e se o nosso pool de aminoácidos de alguma forma foram capazes de juntar
aminoácidos individuais juntos em cadeias de proteínas mais rápido do que
as proteínas normalmente desmoronar, então as chances de isso aleatória de
100 proteínas de aminoácidos que possui a sequência correta seria 1 em
20 100 possíveis combinações de seqüências; 20 aminoácidos disponíveis ele-
vado à potência do número de resíduos na proteína, isto é, em 1.268 x 1
10 130 , ou 1 em 12, 680, 000, 000, 000, 000, 000, 000, 000, 000, 000 , 000,
000, 000, 000, 000, 000, 000, 000, 000, 000, 000, 000, 000, 000, 000, 000,
000, 000, 000, 000, 000, 000, 000, 000, 000 , 000, 000, 000, 000, 000, 000,
000, 000 !!!
Para colocar esse número em alguma perspectiva, devemos fazer alguns
cálculos. O leitor pode pular à frente, se o absurdo da possibilidade de dar à
luz a ordem já é apreciado. Tomemos um cenário mais do que o generoso e
ver como desolada a teoria da evolução se torna em vista das probabilida-
des. A terra tem uma massa de cerca de 5,97 x 10 27 gramas. Se toda a mas-
sa de terra foram convertidos em ácidos aminados, não seria na ordem de
3,27 x 10 49 moléculas de aminoácidos disponível. 8 Se todas estas moléculas
foram convertidas em proteínas de 100 resíduos, 9 haveria 3,27 x
10 47 proteínas. Uma vez que existem 1,27 x 10 130 combinações possíveis de
aminoácidos de uma proteína de 100-mer (ver acima), uma divisão do núme-
ro de possibilidades pelo número de proteínas presentes no nosso globo hi-
potética que mostra as possibilidades de ter apenas uma sequência correcta
em que todo mundo das proteínas 100-mer é 1 em 3,88 x 10 82 !!! 10

Mesmo que cada uma destas 3,27 x 10 47 proteínas 100-mer poderia ser
reorganizada muitas vezes em sequências diferentes durante o período de
tempo da Terra, as chances de que uma seqüência correta seriam produzi-
dos ainda não estão perto de ser realista. Considere que existem "apenas"
1,45 x 10 17 segundos na idade evolutiva mítica da terra. 11 O cálculo pode
ser que todos e cada proteína 100-mer em que a Terra hipotética precisaria
reorganizar-se uma média de 2,67 x 10 65 vezes por segundo, a fim de tentar
todas as combinações possíveis! 12 As moléculas de 100 amino-ácidos não
podia nem chegar perto de montagem e desmontagem que rapidamente. É
fisicamente impossível.

169
Uma era de 4,6 bilhões anos é um tempo extremamente longo, com cer-
teza, mas eu suspeito que os evolucionistas gostaria que eles tivessem esco-
lhido um número muito maior para a idade da Terra e do universo. Torna-se
óbvio por que os evolucionistas nunca são rápidos em apontar os números
reais associados com as probabilidades de vida vem por acaso. Lembre-se,
nós só examinou uma pequena proteína de 100 aminoácidos. Os mesmos
cálculos poderiam ser realizada considerando que é necessário, pelo menos,
as 75 proteínas acima mencionadas, a fim de ter um sistema de auto-
replicante. Por 75 proteínas do mesmo tamanho, a probabilidade de obter as
sequências correctas para todos eles chega para 20 7500 ou 3,7779 x
10 9700 !!! (Isto é correto, quase 9.700 zeros.)
Mesmo que houvesse oceanos cheios de aminoácidos apenas tentando
todos os tipos de combinações diferentes, uma molécula formada correta-
mente no Oceano Índico não vai ser capaz de cooperar muito facilmente com
outra molécula corretamente formado no Oceano Atlântico. Nem seria uma
sequência correcta de aminoácidos ser capaz de interagir com uma outra
proteína funcional que aconteceu a ocorrer no mesmo local físico, mas um
mero um ano mais tarde. Na verdade, o pensamento de mesmo uma proteína
funcional único surgido por acaso, exige fé cega de que não vai ou não pode
apreender os números! Tais pensamentos são pura fantasia e não têm nada
a ver com ciência.
Não é à toa que os evolucionistas não vêm-se com quaisquer cenários
específicos que explicam como a vida surgiu a partir de produtos químicos
não-vivos. As histórias que são apresentadas são como contos de fadas com
alguma ciência acionada para fazê-los soar educado.Um livro de bioquímica
populares admite que não há nenhuma evidência física para a transição da
vida da não-vida:
O nosso sistema de síntese de ácido nucleico, por conseguinte, é hipoté-
tica análogo ao do andaime usado na construção de um edifício.Depois que o
prédio foi erguido o andaime é removido, não deixando nenhuma evidência
física de que ele estava sempre lá. A maioria das declarações desta seção de-
ve, portanto, ser tomado como suposições . Sem ter testemunhado o evento,
parece improvável que estaremos para sempre estar certo de como a vida
surgiu 13 (ênfase no original).

170
Longe de ser suposições, os muitos cenários evolutivos enganosas pare-
cem ser nada menos do que mitos tendenciosas decorrentes do desejo de-
sesperado de excluir Deus da vida e consciências.
Como os evolucionistas respondem à probabilidade zero da vida surgir
por acaso? O texto citado acima bioquímica pergunta e depois responde à
pergunta: "Como, então, a vida surgiu? A resposta, provavelmente, é que ela
foi orientada de acordo com o princípio darwiniano da sobrevivência do mais
forte, uma vez que se aplica no nível molecular. " 14 O fato fundamental a ser
observado aqui é que a seleção natural simplesmente não pode agir a menos
que haja funcional, auto-replicante moléculas presentes para agir. Nós já
vimos que tal sistema poderia aparecer por acaso. A vida em sua totalidade
deve ter sido criado no início, assim como Deus nos disse.

Referências e notas
1. DNA está para d eoxyribo n ucleic uma cid.
2. Cerca de 1 / 100th de um milímetro de diâmetro.
3. Uma célula humana contém 3 x 10 9 bases de nucleótidos (letras gené-
ticas) em apenas uma das duas cópias do ADN presente nas células.
4. ARN significa r ibo n ucleic um cid, que é muito semelhante ao ADN,
mas contém uma molécula adicional de oxigénio na estrutura açúcar.
5. Este valor é para sistemas procariotas "simples"; em sistemas eucarióti-
cos mais complexos, não só existem mais proteínas envolvidas na for-
mação do complexo de polimerase de ARN (isto é, proteínas 9A11), há
três complexos de ARN polimerase diferentes e especializadas para a
síntese de diversos ARN, incluindo ARNm, ARNt e ARNr.
6. Trifosfatos de nucleósidos: ATP, GTP, UTP e CTP. Esses blocos de cons-
trução são substâncias químicas relativamente complexas e necessitam
de energia, produtos químicos precursores, e as proteínas, a fim de ser
disponibilizada para a síntese de RNA.
7. Esta é a figura de procariontes; para eucariotas, existem 73 diferentes
proteínas envolvidas e 4 rRNAs.
8. Tome a massa da terra 5.9728 x 10 27 g dividido por 110g / mole, a
massa média dos aminoácidos, para determinar que não seria de apro-
ximadamente 5,4298 x 10 25 moles de aminoácidos; multiplicar este
número pelo número de Avogadro (6,023 x 10 23 ) para determinar o
número de moléculas de aminoácidos presentes.
9. Isto é, proteínas contendo 100 aminoácidos cada. O tamanho da nossa
proteína hipotética é realmente menor do que a maioria das proteínas
que ocorrem na natureza.
10. O número de seqüências possíveis (1.268 x 10 130 ) dividido pelo núme-
ro de 100-meros disponível (3,27 x 10 47 ) = 3,88 x 10 82 .
11. Sessenta segundos por minuto x 60 min / hora x 24 horas / dia x
365,26 dias / ano x 4,6 bilhões ano = 1,45 x 10 17 segundos.

171
12. Os 1,268 x 10 130 combinações de seqüências para tentar dividido por
3,27 x 10 47 proteínas que podem ser reorganizados = 3,88 x
10 82 rearranjos necessários para cada proteína 100-mer, se todas as
combinações são para ser julgado. 3,88 x 10 82 rearranjos por proteína
dividido por 1,45 x 10 17segundos = 2,67 x 10 65 rearranjos por proteína
por segundo. Esta é uma simplificação, uma vez que pressupõe que ca-
da 100-mer seria realmente nunca experimentar a mesma seqüência
duas vezes e que todas as possibilidades seria necessariamente ser jul-
gado.
13. Donald Voet e Voet Judith G., Biochemistry , John Wiley and Sons,
Nova Iorque, p. 23, 1995.
14. Ibid.

Desde autoria deste capítulo, João Marcus desistiu de sua posição co-
mo um cientista da pesquisa. Ele tem servido como pastor da Primeira Igreja
Reformada Protestante de Edmonton (Canadá) desde 2005.

172
nancy m. darrall
Botânica

No norte da Inglaterra, em uma pequena cidade industrial chamada


Helmshore, é um pouco de grama que tornou famoso em todo o mundo da
pesquisa poluição do ar. Parece o mesmo que qualquer outro grama da
mesma espécie, ou azevém- Lolium perenne a bióloga, mas existem algumas
diferenças que lhe permitiram sobreviver em uma área altamente poluída
por dióxido de enxofre durante os dias de indústria pesada. Da mesma for-
ma, grupos de indivíduos de várias espécies sobrevivem em áreas industriais
com altos níveis de chumbo e zinco no solo.Muitos autores de artigos cientí-
ficos que descrevem estes achados têm referido a evolução da resistência à
poluição. Como biólogo envolvido na investigação sobre a poluição do ar, eu
tive uma boa oportunidade de estudar muito deste trabalho, por exemplo,
Bell e Mudd (1976), Horsman et al. (1978), Roberts et al. (1983) e Taylor
(1978). Bradshaw e McNeilly (1981) comentam que a ocorrência quase uni-
versal de metais populações tolerantes em despojos de minas mostra o notá-
vel poder da seleção natural como uma força de mudança evolutiva em res-

173
posta a fatores-evolução ambiental em ação! Isso é verdade? Pode exemplos
como estes ser usado para provar que toda a vida evoluiu por mutação e se-
leção natural? Gostaria de sugerir que há muita evidência científica em tor-
no de hoje para nos deixar em dúvida sobre a resposta a essa pergunta.
Eu gostaria de discutir as áreas que têm particularmente influenciado a
minha própria perspectiva sobre a origem dos seres vivos, o caráter de Deus,
a prova da complexidade irredutível, a origem da informação, e que a proba-
bilidade de uma nova espécie que aparecem. A complexidade do mundo na-
tural é sem sombra de dúvida; a origem de tal complexidade, por evolução
ou design, requer uma avaliação cuidadosa de informações de todas as fon-
tes. A essência da evolução neo-darwinista é que novas espécies, novos pro-
jetos, novos órgãos como o olho, a asa, e da orelha, pode surgir por aca-
so. Mais do que isso, ele diz que a vida se originou espontaneamente a partir
de matéria química e, ao longo de milhões de anos, todas as diferentes for-
mas de vida surgiu por processos de mutação e seleção natural. A origem da
vida é a matéria e só importa; nada mais é irrelevante e desnecessária, ex-
cluídos do debate, por definição, antes que o debate é iniciado (Johnson,
1995). O processo não é dirigida e irracional, imprevisível no seu resultado; o
homem é o resultado de um processo sem propósito e natural que não o ti-
nha em mente (Simpson, 1967).

Evolution-um extra adicionado


Durante o meu tempo na universidade estudando botânica agrícola e
botânica pura, não havia cursos em evolução.
Estudei a natureza do DNA, genes e cromossomos e passou a olhar pa-
ra a expressão do gene em indivíduos e populações e da transferência de in-
formação genética para as gerações seguintes. Aprendemos a classificar
plantas por métodos tradicionais e técnicas modernas. O professor que leci-
onou este último curso comentou que a teoria da evolução não tinha apre-
sentado novas técnicas e procedimentos para a construção de classificações
e que as tentativas especulativas de produzir árvores filogenéticas e sistemas
sem evidência muito válido, na verdade, retardou o progresso da taxonomia
(Heywood, 1967).

174
Em ecologia, as inter-relações complexas entre plantas e animais dentro
de vários ambientes foram explorados, ea evolução dessas teias complexas
de interação foi declarado como um fato.
No entanto, em nenhuma área assunto era evidência experimental ou
observacional dado ou argumentos teóricos fornecidos para apoiar essa
afirmação. Em outra anatomia temas-planta, bioquímica, fisiologia, as cultu-
ras da agricultura, melhoramento de plantas, pragas de culturas, e as doen-
ças não se fez referência ao tema da evolução.Claramente, as complexidades
de todos esses campos de estudo pode ficar sozinho e se desenvolver sem a
base evolutiva que é reivindicada para sustentar todas as áreas da ciência
biológica. Pouco mudou em bioquímica e ciências biológicas, a julgar pelos
textos científicos hoje.

Planejado, determinou, e projetado


Na universidade, eu também tive a oportunidade de beneficiar do estu-
do sistemático da fé cristã bíblica. Eu já era um cristão com um conheci-
mento do poder salvador de Deus antes de eu ir para a universidade. No en-
tanto, durante este tempo, a minha compreensão do caráter de Deus desen-
volveu. Chegou um ponto em que eu podia ver uma não conformidade entre
o Deus revelado na Bíblia ea natureza de um deus que seria compatível com
os processos de evolução. Evolução com um módulo add-on da crença em
Deus era muito insatisfatória e estaria em contradição e rebaixar a revelação
de Deus nas Escrituras. O ser proposital, sobrenatural revelado na Bíblia,
que é todo poderoso, o criador de todas as coisas, incluindo todos os objetos
materiais, de todo o projeto e de todas as regras pelas quais o mundo natu-
ral atua, teria de ceder. Eu tenho que admitir que um Deus de poder limita-
do; as coisas poderiam vir a ser independente de sua vontade.
Os resultados podem não ser necessariamente de sua escolha e autô-
nomo natureza auto-suficiente só poderia acontecer para produzir outra coi-
sa em seu lugar.
Deus planejou, determinou, e projetou o resultado perfeito, o mundo
como originalmente criado, e ele conseguiu isso por meio perfeito, com uma
precisão impecável (Tozer, 1961). A criação é uma expressão do ser de Deus
e, portanto, refletir o caráter de Deus. No entanto, para ser coerente com os
princípios da evolução, eu teria que reconhecer a sabedoria com uma fonte

175
nas coisas, na matéria, nas moléculas, e também em processos do mundo
natural que pode mudar ou melhorar no início de uma tarefa de Deus. Isso
implicaria concordar com a visão do neo-darwinistas, que a ciência é o único
caminho confiável para o conhecimento. Como consequência, eu teria que
aceitar que a ciência tem um monopólio sobre a produção do conhecimento e
que os limites da ciência são as fronteiras do conhecimento e da realida-
de. Um Deus que é onisciente e planejado nossa salvação antes da fundação
do mundo, não pode ser permitido ao lado de uma interpretação naturalista
do mundo. Na melhor das hipóteses, um deus pode ser tolerado que é um
ser remoto que definir as coisas em movimento, mas, em seguida, assistiu
impotente do lado de fora como as coisas se desenrolaram. Neste caso, eu
teria que considerar a Bíblia não mais como uma fonte infalível de conheci-
mento sobre o relacionamento de Deus com o homem, sobre a origem do pe-
cado e do sofrimento, mas como escritos apenas da tradição, irrelevante para
o mundo de hoje, porque nós evoluímos além Os planos de Deus.
A precisão histórica das contas nos primeiros capítulos de Gênesis, que
trata como fazem com a criação de Adão e Eva, a corrupção do mundo natu-
ral e da morte como resultado da Queda, também seria inaceitável. Isso teria
de ser substituída por uma visão da progressão evolutiva de plantas e ani-
mais, uma melhoria gradual para cima para coisas melhores. Este, então,
dar um golpe mortal para a autoridade do Novo Testamento, como os auto-
res usam a historicidade desses povos adiantados, como base para o desen-
volvimento de argumentos sobre a salvação e julgamento.
Como a minha fé cristã é parte da minha vida todos os dias, eu achei
que era impossível relegar a fé a uma esfera separada das minhas observa-
ções e compreensão da ciência. Professor Edgar Andrews discutiu a natureza
ilógica de compartimentar a fé ea ciência em seu livroCristo e do Cos-
mos (1986) e eu achei os seus argumentos útil para clarificar a minha posi-
ção. Ele ressalta que fazemos observações e realizar experimentos usando
nossos sentidos naturais para recolher informações científicas. A partir des-
ta informação factual usamos os nossos poderes da razão para desenvolver
uma compreensão do mundo natural. No entanto, esse entendimento exclui
o conhecimento das coisas espirituais. Os nossos cinco sentidos nos permi-
tem observar o mundo natural, mas a fé nos permite observar o reino espiri-

176
tual de Deus. Para desenvolver a nossa compreensão espiritual, usamos a
nossa fé.
Não podemos usar a fé em si mesmo, então os nossos poderes da razão
olhar para a informação, utilizando a nossa fé para chegar a compreensão
espiritual. Reason trabalha na fé, além de informações para dar entendimen-
to espiritual, assim como a razão age sobre as observações dos cinco senti-
dos para desenvolver a nossa compreensão da forma como o mundo funcio-
na naturais hoje. A fé não é uma via alternativa para uma forma diferente de
conhecimento relacionado com o mundo material em que vivemos. Ambas as
rotas levam à compreensão. No entanto, pelo uso da razão mais fé, mais in-
formações, chegamos a uma crescente compreensão da maneira como Deus
trabalha no mundo, "a sabedoria de Deus." Eu percebi que a Sua obra no
mundo natural não seria menos um reflexo do Seu caráter de Seu trato com
os homens e mulheres. Estes seriam consistentes com Sua revelação direta
através das Escrituras, embora possam não ser tão completa. Acreditar que
Deus criou o mundo pela evolução significaria que o Deus da Bíblia teria que
se afastar por algum ser menor.
Isso era algo que eu não estava preparado para aceitar. Eu precisava
começar a avaliar as provas e olhando para os argumentos para a evolução e
também os de criação por um ser inteligente.

Uma nova técnica de exame?


Um argumento que eu achei particularmente útil veio da teoria da in-
formação (Wilder-Smith, 1981). A grande diferença entre viver e coisas ina-
nimadas é o poder de se reproduzir. Isso é possível por causa do código ge-
nético, os genes, que estão contidos dentro de todas as células dos seres vi-
vos. Normalmente, eles são constituídos por moléculas de ADN, e a identifi-
cação da estrutura desta molécula tem sido um dos grandes feitos da ciência
neste século. Filamentos de DNA encontrados em estruturas semelhantes a
fitas, cromossomas, são duplicados antes da divisão celular. Estas cópias
são repassados para as gerações seguintes, que podem desenvolver a mesma
forma e função, anatomia, fisiologia, bioquímica e como seus antepassa-
dos. Três unidades de codificação são a base de DNA, assim como o idioma
Inglês tem 26 letras no alfabeto, e essas cartas são combinados de várias
maneiras para significar coisas diferentes quando o código é traduzi-

177
do. Estas unidades de codificação em genes fornecer as instruções para fazer
cordas de aminoácidos que são os blocos de construção das proteí-
nas. Muitas destas proteínas são enzimas que catalisam reacções bioquími-
cas e fazem os outros componentes da célula.
A dupla hélice do DNA é análogo ao papel e tinta de meus livros de bio-
logia. Quem já sentou na frente de um pedaço de papel em branco em um
exame estará ciente da necessidade de algo mais do que papel e tinta, a fim
de passar. Precisamos de idéias, conceitos, planos, propósito, memória de
notas de aula, equações matemáticas em outras palavras, a informação, a
fim de completar o papel. Será que o material de papel e tinta contêm essas
idéias? Um derrame acidental de tinta pode deixar um padrão interessante
de pontos, linhas e círculos em um pedaço de papel, mas nós não vemos in-
formações lá. Nem nós vê-lo quando uma criança de dois anos de idade, de-
cide iluminar o papel de parede com algumas canetas de feltro! No entanto,
quando vemos a escrever em um pedaço de papel, esperamos obter informa-
ções como o lemos.
Por que isto é assim? Ao contrário do derramamento acidental ou o
exemplo dos dois anos de idade com canetas de feltro, uma pessoa que usou
sua inteligência para colocar informações para baixo foi o responsável pela
redação do trabalho. Não há nenhuma diferença entre o derrame acidental
de tinta no papel e o papel com a escrever sobre ele, tanto quanto os materi-
ais utilizados. No entanto, a informação está presente em uma e não a ou-
tra. Onde é que a informação vem? É a propriedade dos materiais, o papel ea
tinta? Muitos um estudante exame desejaria assim! A informação não é um
produto do papel ou tinta, mas a mente o pensamento que tem organizado
estas duas coisas. Há intenção, propósito, projeto e significado montando
nas linhas retas, curvas e círculos de tinta que formam as letras.
Tomemos o exemplo de um pedaço de papel com as palavras escritas
em tinta, "John passou de matemática." Poderíamos facilmente ter transmi-
tido as informações por escrito, com o dedo na areia. Apenas um material,
areia, é usado aqui e mesmo assim a mensagem é a mesma; a mensagem
não faz parte da propriedade da areia. Poderíamos passar a mensagem fa-
lando. Isto envolveria a vibração de uma coluna de ar em uma determinada
sequência de padrões na boca e na garganta. A mensagem seria a forma fa-
lada do Inglês, mas não é uma propriedade das vibrações nem das próprias

178
palavras. Estas palavras só acontecerá a código para o significado em In-
glês. Nós poderíamos usar a linguagem de sinais para transmitir a informa-
ção língua-a diferente, mas a mesma mensagem transmitida. Além disso,
aqui nenhum material estaria envolvido, apenas o movimento das mãos. A
informação não está nas mãos e no rosto; ele é transferido sob forma codifi-
cada, através das instruções para a contração e relaxamento dos músculos e
no rosto.
Eu gostaria de voltar para a ilustração da estudante exame novamen-
te. Se nós escrevemos metade do papel de exame e não me lembro os outros
pontos-chave, nenhuma quantidade de cópias e reformular o que já escrevi
nos dará mais marcas do examinador. O aluno precisa se lembrar de mais
informações do cérebro. O mesmo se aplica para a origem da informação que
está codificada nos genes. Não há nada de especial sobre DNA; é apenas
uma coleção de moléculas como papel e tinta. Moléculas de DNA podem ser
amarrados em linha, copiado, e ainda não contém informações. É preciso
um pensamento mente para conceber as células de seres vivos e, em segui-
da, para confirmar que o desenho em forma codificada, para o ADN, de modo
a que cada organismo podem funcionar e reproduzir-se. Além disso, para
fazer um outro organismo com estruturas novas e diferentes necessidades a
adição de informações mais codificada. Copiando uma parte gravada de in-
formações não fará mais para a planta ou animal que ele fez para que o alu-
no exame infeliz na metade do seu papel de exame.

A falha de argumentos de apoio


Durante palestras e apresentações de televisão e em seu livro O Relojo-
eiro Cego (1986), Dawkins, um dos principais defensores da evolução, usou
exemplos de computador para mostrar o poder criativo da seleção natural na
geração de novas informações. Uma demonstração envolve a geração de uma
frase em uma tela de computador a partir de Hamlet "Ser ou não ser" (escri-
ta sem as lacunas).Isto é feito para simular supostamente a aparência de
uma curta porção do novo código genético. O número correto de espaços é
estabelecido e, em seguida, preenchido aleatoriamente com letras do alfabe-
to. As letras são então aleatoriamente re-alocados aos slots até os corretos
aparecem em cada posição. Em um curto espaço de tempo, a frase correta é
exibida na tela. Dawkins argumenta que durante um longo período de tem-

179
po, portanto, é possível que os processos de evolução para gerar toda a in-
formação necessária para codificar as novas estruturas de novas espé-
cies. Ele também usou computação gráfica para demonstrar o desenvolvi-
mento de novas formas de animais.Ele omite apenas uma coisa a partir de
sua discussão: a informação já estava na mão em ambos os exemplos .
No primeiro, a frase alvo "tobeornottobe" estava na memória do compu-
tador e tudo o que era necessário era um exercício correspondente.Na se-
gunda, o projeto já estava presente em sua própria mente inteligente e que
ele estava controlando o processo. Em nítido contraste com sua intenção, ele
forneceu uma poderosa demonstração de um designer inteligente no traba-
lho.
Eu encontrei os argumentos sobre a origem da informação muito útil,
mas há muitos exemplos citados em que novos recursos são ditos surgiram,
por exemplo, a mariposa, evolução de tolerância à poluição, resistência aos
antibióticos, e anemia falciforme . No mariposa, grandes números da forma
escura apareceu na era da indústria pesada no Reino Unido, mas um pe-
queno número de esta forma sempre existiram (Kettlewell, 1958). Da mesma
forma, as populações de plantas incluem aqueles que sobrevivem melhor em
ambientes poluídos por causa das pequenas diferenças na estrutura da
planta e em seu metabolismo, como discutido anteriormente. Estas varia-
ções são herdadas nos genes. Plantar uma sacola de sementes no local polu-
ído significaria que os indivíduos mais tolerantes iria sobreviver e menos to-
lerante morreria, ou na melhor das hipóteses sobreviver a crescer como indi-
víduos menos saudáveis e produzem menos sementes. Este é um claro
exemplo de seleção natural agindo em um pool genético pré-existente, em
resposta à mudança no ambiente.
No entanto, este tipo de selecção natural nos diz nada sobre a origem do
gene ou genes para a tolerância, se se trata de uma forma mutante, ou uma
parte da variação dentro das espécies. Ele não nos diz nada sobre a origem
do que as espécies de plantas. É equivalente à selecção de smarties verme-
lhos de um saco de doces misturados; nada de novo apareceu nos genes,
nenhuma informação nova. Muitos outros exemplos de tais variações são
conhecidas: inverno ou verão floração no trevo, as variações entre popula-
ções de Yarrow em um transecto em toda a cordilheira de Sierra Nevada na
Califórnia central e entre as populações de arroz cultivadas por gerações su-

180
cessivas em diferentes latitudes no Japão (discutido na Bradshaw e
McNeilly, 1981). Agora, isso é evolução? Não, não é que entendeu por Darwin
ou qualquer um dos defensores atuais da teoria, como Dawkins (1986) e
Simpson (1967). Por que não? Porque há novos projetos, sem novos órgãos
têm aparecido. Aqui temos simplesmente uma reformulação do que já está
presente. Poderíamos chamar essa microevolução reformulação, mas este é
um termo insatisfatório porque nenhuma quantidade de microevolução pode
adicionar até a evolução adequada, uma vez que nada de novo, no entanto
"micro", foi formado.
Em outros exemplos, as alterações que ocorrem nos genes de indiví-
duos. Spetner (1997), em seu livro , não por acaso , discute detalhes das al-
terações que levam à resistência a antibióticos em bactérias, e seria útil re-
sumir os pontos aqui. Um exemplo de resistência a antibióticos que envolve
mudanças nos genes é a do antibiótico estreptomicina. A molécula funciona
interferindo com o fabrico da proteína dentro da célula bacteriana. Isso
acontece quando a molécula de estreptomicina atribui-se a parte específica
da célula onde a reação para formar uma proteína está ocorrendo. Isto não
impede que a proteína a ser feita, mas a estreptomicina interfere com os re-
sultados. A bactéria é agora incapaz de colocar o aminoácido direita na ca-
deia neste momento; o aminoácido errada está incluído, e portanto, a proteí-
na é feita errado. Este produto errado não pode cumprir a sua missão na
bactéria; a célula não pode crescer, dividir e multiplicar, e que a infecção de-
saparece. Quando uma bactéria se torna resistente à estreptomicina, uma
mutação que ocorreu no DNA, de modo que a estreptomicina já não pode
fixar-se no local de fabrico de proteína e interferir com o processo. A altera-
ção pode ocorrer em um número de locais no gene, mas terá sempre o mes-
mo efeito. O que tem, na verdade, aconteceu com a bactéria é que houve
uma perda de informações nos genes. Não tem mais o DNA contém todas as
informações necessárias para tomar o local de fabrico da forma correta. A
bactéria não é capaz de crescer e se multiplicam de forma tão eficaz como
antes, mas mesmo assim tem vindo a ganhar resistência ao antibiótico.
Mudanças semelhantes ocorreram no exemplo da anemia falcifor-
me. Esta é uma condição encontrada em áreas do mundo onde a malária é
prevalente (Cavalli-Sforza e Bodmer, 1971). A mutação altera a composição
da hemoglobina que transporta o oxigénio nas células vermelhas do sangue

181
e, em consequência, as células vermelhas do sangue alterar para se tornar
em forma de foice. Isto significa que o parasita da malária não é mais capaz
de viver e crescem dentro das células vermelhas do sangue, e o indivíduo
com este gene alterado não sofrem da malária. Mais uma vez, esta alteração
também ocorreu por uma perda de informação. A capacidade de montar a
combinação certa de moléculas para permitir que as células vermelhas do
sangue para funcionar de forma eficiente foi perdida. Em vez disso uma for-
ma inferior é fabricado em seu lugar (Ling, 1992).
Estes exemplos fornecem evidências convincentes de mudanças sem in-
formações a ser adicionados aos genes de um organismo vivo e, em alguns
casos, a perda de informação. Em uma entrevista gravada, Dawkins foi con-
vidado a dar exemplos de mudanças nos organismos que ocorreram com a
adição de novas informações. Ele foi incapaz de fazê-lo (Keziah, 1997). Como
Spetner assinala, "A inobservância mesmo uma mutação que adiciona in-
formação é mais do que apenas uma falha de encontrar apoio para a teo-
ria. É a evidência contra a teoria. "

A probabilidade de uma nova espécie, possível ou não


Um outro argumento muito poderosa contra a evolução vem dos cálcu-
los de Spetner (1997) para a probabilidade de um evento de ocorrência de
evolução: o surgimento de uma nova espécie. Muitos autores de livros sobre
a controvérsia evolução toquei sobre esta questão no passado, mas neste li-
vro Spetner usa números retirados da literatura científica como base para
cálculos detalhados. Ele toma as estimativas da chance de conseguir uma
mutação, o número de repetições (nascimentos) em cada etapa da cadeia no
sentido de uma nova espécie, e um valor estimado do número de passos ne-
cessários para obter uma nova espécie. Ele assume que em cada etapa de
informação é adicionada ao código genético e que a menor alteração possível
para o código genético é vantajosa. Ambos são suposições não comprovadas
de proporções enormes em favor da teoria da evolução, como o autor aponta,
mas precisam ser feitas para os cálculos.Em seguida, ele calcula as chances
de que uma mutação tipicamente vantajoso ocorreriam e espalhados por to-
da a população. A partir disso ele passou a trabalhar para fora a chance de
uma nova espécie em evolução, assumindo que apenas um erro de cópia po-
tencial era de vantagem em qualquer ponto. A possibilidade foi encontrado

182
para ser extremamente pequena, e as chances contra eram extremamente
grandes. Não evolucionista mostra os cálculos detalhados tem sido capaz de
refutá-los. Alterações sugeridas para alguns dos pressupostos pode aumen-
tar as chances de algumas etapas, mas são totalmente insuficientes para
fazer a teoria da evolução de um evento de probabilidade aceitável.

Irredutivelmente complexo, é tudo ou nada


Outro grande desafio para a minha aceitação da evolução neo-
darwinista veio através de uma consciência da complexidade dos seres vi-
vos.No nível bioquímico, eu sei de algumas das complexidades do metabo-
lismo em seres vivos. Eu poderia olhar com espanto para o gráfico de vias
bioquímicas nas células, mesmo depois de vários anos de trabalho de inves-
tigação. O gráfico representa o tamanho de um cartaz estudante grande e
está coberto com letras pequenas que mostra as várias vias que sintetizam
as moléculas necessárias para a função da célula. Escusado será dizer que,
a editora atualiza-lo em intervalos regulares quanto mais se aprende de pro-
cessos bioquímicos nas células.Vias bioquímicas são, contudo, muito dife-
rente de caminhos que levam para baixo os lados de uma montanha em vá-
rias direções; eles são mais como uma rede. A maioria dos percursos são al-
tamente integrados com outros caminhos, e os níveis de certos produtos
manufaturados (metabólitos) podem inibir ou aumentar a atividade desse
caminho e muitas vezes de outras vias, também. Alguns produtos são sinte-
tizadas que são necessários nas vias para fazer produtos muito diferen-
tes. Tudo isto forma uma teia intricada equilibrada de processos bioquímicos
no interior da célula. Seria muito difícil introduzir uma via completamente
nova para a rede, e isso seria o tipo de mudanças que seria necessário para
ocorrer em um organismo que foi evoluindo. Mais do que isso, é muito difícil
conceber a evolução gradual de um sistema tão complexo. Para qualquer
uma parte para ser funcional, muitas outras vias também teria de ser total-
mente funcional.
Behe (1996) considera que muitos sistemas bioquímicos são o produto
de design inteligente. Seus critérios são a prova de "altamente especificado,
irredutível complexidade, a ordenação dos componentes separados, bem-
equipados para alcançar uma função que está além de qualquer um dos
próprios componentes." Ele usa o exemplo de uma ratoeira como uma analo-

183
gia simples. No topo de uma peça de madeira são fixados um número de
itens.
 Um martelo de metal vai realizar-se e matar o mouse.
 A primavera vai permitir que o martelo de metal para se deslocar entre
a armadilha em velocidade e fazer o trabalho de forma rápida e eficien-
te.
 Uma barra de metal de restrição prende o martelo quando a armadilha
está definido.
 A captura suficientemente sensível para que a ligeira pressão de um ra-
to de amostragem a comida vai liberá-lo.
Cada uma destas partes é essencial para o sucesso da armadilha. Sem
o martelo, o mouse não seria pego e poderia levar a comida com a impuni-
dade, noite após noite. Sem a primavera, o martelo ea plataforma não seria
capaz de agir em conjunto, como um vício para pegar o mouse. Sem a captu-
ra ou a barra de metal de restrição, a armadilha não pode ser definido para a
ação mais tarde, quando o rato chegou;seria mais propensos a ter um ir em
um de seus dedos quando você está tentando montar a armadilha! Sem o
pedaço de madeira que formam a base, as componentes não poderiam ser
dispostas na posição correcta para trabalhar um com o outro. Todas as pe-
ças tem que ser do tamanho correto, montado na posição correta, feita de
material apropriado e em condições de funcionamento. Caso contrário, ele
estaria de volta para a loja de hardware para outra armadilha!
Se uma parte da armadilha estavam faltando, que não iria funcionar
apenas ocasionalmente-lo nunca fazer o trabalho em tudo, ou fazer o traba-
lho errado. Para aplicar esse princípio aos sistemas vivos, uma forma parci-
almente evoluído não é um candidato para a seleção natural, porque ainda
não é capaz de executar a função necessária a todos. Behe então passa a
demonstrar design no mundo natural, utilizando vários exemplos de com-
plexidade irredutível tirado de processos bioquímicos e estruturas dentro das
células. Estes exemplos incluem o cílio, uma estrutura subcelular ", que se
parece com um fio de cabelo e bate como um chicote"; o processo de coagu-
lação do sangue e transporte intracelular. Ele também discute o olho huma-
no, fazendo com que o ponto que aqui há um certo número de sistemas de
complexidade irredutível, por exemplo, a retina, os canais lacrimais, e as
pálpebras. Eu concordo com Darwin, quando escreveu sobre sua dificuldade
em compreender como o olho poderia ter evoluído, porque ele estava ciente

184
de que um órgão tão complexo não poderia ter surgido em algumas eta-
pas. Em suas palavras, a idéia era "absurdo no mais alto grau possível"
(Darwin, 1859, editado 1959).
No entanto, Darwin propôs que mudanças benéficas, levando ao desen-
volvimento do olho acumulado ao longo de muitas gerações, cada um inter-
mediário de ser útil ao seu possuidor. No entanto, desde a publicação de A
Origem das Espécies , foi descoberto muito mais sobre a estrutura e função
do olho. Muito se sabe sobre a fisiologia e bioquímica da própria visão, e os
desenvolvimentos nas neurociências nos ajudaram a entender mais sobre o
processamento da imagem visual nas vias neurológicas e do cérebro. Baker
(1991a, 1991b, 1992) fornece um relato legível da estrutura e função do olho
e uma discussão das dificuldades ainda maiores levantadas pela teoria da
evolução.

A evidência dirige
Meus principais argumentos contra a evolução são bem ilustrados pelo
olho humano:
 Onde é que as novas informações vêm de fornecer o código genético pa-
ra essa nova estrutura?
 Como os sistemas irredutivelmente complexos dentro do olho sur-
giu? Eu concordo com Behe (1996), quando ele conclui que um desig-
ner inteligente é necessário para explicar sua origem. As modificações
necessárias para a aparência do olho são mais complexas do que para
uma nova espécie.
 A probabilidade de esta evolução órgão por acaso, portanto, é ainda
mais remota do que as de uma nova espécie em evolução, que Spetner
(1997) estima-se impossível de qualquer maneira.
A evidência aponta para um projetista inteligente da imensa variedade
de vida, tanto vivos e extintos, ao invés de evolução irracional não guia-
dos. No entanto, alguns vêem que as evidências do mundo natural requer
um designer, mas se contentam apenas para aceitar a possibilidade de uma
força inteligente por trás do universo. Se uma força inteligente projetou o
mundo, certamente nós, como seres inteligentes, deve levar isso adiante e
descobrir a natureza deste ser. A Bíblia me diz que a mente inteligente por
trás do universo é um Deus que está no controle total; isso exclui a possibi-
lidade de que Ele agiu através da evolução. A base da minha própria fé é a

185
infalibilidade da narrativa bíblica, e isso proporciona o meu ponto de partida
para a compreensão da evidência científica-meu paradigma, meus "pressu-
postos", se desejar. A curto prazo é eminentemente possível por um mundo
originada por um projetista inteligente, embora não é necessariamente obri-
gatório. O que não é mais necessário são os longos períodos de tempo para
tentar explicar a origem de melhorias acaso. Raciocinando a partir das ob-
servações científicas e fé na Bíblia, concluo que a criação foi o resultado de
um designer inteligente, perfeitamente possível dentro do curto período de
seis dias.
Nota do autor: Eu gostaria de agradecer a P. Garner e M. Garton por
seus comentários sobre uma versão anterior deste artigo.

Leituras
1. Andrews, EH, Cristo e do Cosmos , Evangelical Press, Welwyn, Inglater-
ra, 1986.
2. Baker, S., Ver e crer. O incrível processo da visão humana, Origens:
Jornal da Sociedade Bíblica Criação 4 (10): 9-11, 1991a.
3. Baker, S., Ver e Crer 2. O processo surpreendente da visão huma-
na, Origens: Journal of the Biblical Creation Society 4 (11): 16-18,
1991b.
4. Baker, S., Vendo e Acreditar 3. O processo surpreendente da visão hu-
mana, Origens: Journal of the Biblical Creation Society 4 (12): 11-14,
1992.
5. Behe, Michael J., A Caixa Preta de Darwin: O Desafio da Bioquímica à
Teoria da Evolução , Free Press, Simon and Schuster, New York, 1996.
6. Bell, BJ e CH Mudd, dióxido de enxofre Resistência em Plantas; um Es-
tudo de Caso de Lolium Perenne. Em Efeitos de poluentes atmosféricos
em plantas , ed.TA Mansfield, Cambridge University Press, New York,
p. 87-103, 1976.
7. Bradshaw, AD e T. McNeilly, Evolução e Poluição: Estudos em Biologia,
nº 130, Edward Arnold, London, 1981.
8. Cavalli-Sforza, LL e WF Bodmer, a genética de populações huma-
nas, Freeman, San Francisco, CA, 1971.
9. Darwin, Charles, A Origem das Espécies, ed. JW Burrow, Penguin
Books, Harmondsworth, Inglaterra, 1968.
10. Dawkins, Richard, O Relojoeiro Cego, Penguin Books, Londres, 1998
(1986).
11. Dawkins, R. Em De uma rã a um príncipe (DVD), Keziah Films.
12. Heywood, VH, Taxonomia Vegetal: Estudos em Biologia, n ° 5, Edward
Arnold, London, 1967.
13. Horsman, DA, et al. , Evolução de enxofre Tolerância Dióxido de
azevém perene, Nature 276 : 493-4, 1978.

186
14. Johnson, Phillip E., Reason in the Balance: O caso contra o naturalismo
em Ciência, Direito e Educação, InterVarsity Press, Westmont, IL, 1995.
15. Kettlewell, HBD, um levantamento das freqüências de Biston betularia
(L) (LEP) e suas formas melânica na Grã-
Bretanha, Hereditariedade 12 : 51-72, 1958.
16. Ling, J., Hemoglobina-a Proteína Pedagógico, Origens: Journal of the
Biblical Creation Society 4 (12): 20-5, 1992.
17. Simpson, George Gaylord, O Significado da Evolução , edição revista,
Yale University Press, New Haven, CT, p. 344-345, 1967.
18. Spetner, Lee, não por acaso , O Judaica Press, Inc., New York, 1997.
19. Roberts, TM, NM Darrall e P. Lane, Efeitos dos Poluentes do Ar gaso-
sos sobre Agricultura e Florestas no Reino Unido, Avanços em Biologia
Aplicada 9 : 2-130, 1983.
20. Taylor, a GE, a análise genética de Ecótipo Diferenciação de uma es-
pécie anual da planta, Gerânio carolinianum L., em resposta ao dióxido
de enxofre, Diário Botânico 136 : 362-8, 1978.
21. Tozer, AW, O Conhecimento do Santo, James Clarke, Londres, 1961.
22. Wilder-Smith, AE, The Nothing Ciências Naturais Saber da Evolu-
ção, Master Books, Green Forest, AR, 1981.

187
john m. cimbala
Engenharia Mecânica

Fui criado em um lar cristão, crer em Deus e Sua criação. No entanto,


eu fui ensinado evolução enquanto freqüentava a escola, e começou a duvi-
dar da autoridade da Bíblia. Se a evolução é verdade, eu raciocinei, a Bíblia
também não pode ser verdade. I acabou por ser rejeitada toda a Bíblia e
acredita que nós descendemos de criaturas inferiores; não havia vida após a
morte e sem propósito na vida, mas para aproveitar o pouco tempo que te-
mos nesta terra. Os meus anos de faculdade da Penn State foram gastos
como ateu, ou na melhor das hipóteses como um agnóstico.
Felizmente, e pela graça de Deus, comecei a ler artigos e ouvir fitas so-
bre evidência científica para a criação.Durante um período de dois anos, tor-
nou-se evidente para mim que a teoria da evolução não tem nenhuma evi-
dência factual legítimo, e que os dados científicos a partir do registro fóssil,
geologia, etc. poderia ser melhor explicada por uma criação recente, seguido
por um Dilúvio global. De repente, percebi que a Bíblia pode ser verda-

188
de! Não foi até que eu podia acreditar que a primeira página da Bíblia que eu
podia acreditar que o resto.Uma vez eu aceitei o fato de que há um Deus cri-
ador, foi um passo fácil para mim aceitar o Seu plano de salvação através de
Jesus Cristo também. Eu me tornei um seguidor de Cristo, durante o meu
primeiro ano de pós-graduação na Cal Tech.
Desde então, tenho dedicado muito tempo para estudar as evidências
para a criação e um dilúvio global. Quanto mais estudo I, o mais convencido
eu fico de que existe um Deus amoroso, que criou o universo e todas as coi-
sas vivas. Deus revelou alguns detalhes sobre sua criação no Livro do Gêne-
sis, que agora eu acredito, literalmente, e seis dias, um jovem de terra e um
dilúvio global.
Existem muitas peças de evidência sobre a qual eu poderia escre-
ver; aqui eu escolher uma: A Segunda Lei da Termodinâmica. A definição
formal de A Segunda Lei da Termodinâmica é: "Em qualquer sistema fecha-
do, um processo prossegue numa direção tal que a energia disponível (a en-
tropia) aumenta." Em outras palavras, em qualquer sistema fechado, a
quantidade de desordem sempre aumenta com o tempo. Coisas progredir
naturalmente da ordem à desordem, ou a partir de um estado de energia
disponível para um onde a energia é mais indisponíveis. Um bom exemplo:
uma xícara de café quente esfria em uma sala isolada. A quantidade total de
energia na sala permanece o mesmo (que satisfaz a primeira lei da termodi-
nâmica). A energia não é perdida; ele é simplesmente transferida (sob a for-
ma de calor) a partir do café quente com o ar frio, aquece o ar ligeiramen-
te.Quando o café está quente, não existe disponível energia devido à diferen-
ça de temperatura entre o café e o ar. À medida que o café esfria, a energia
disponível está lentamente se virou para a energia disponível. Finalmente,
quando o café é a temperatura ambiente, não há nenhuma diferença de
temperatura entre o café e o ar, isto é, a energia está em um estado indispo-
nível. O sistema fechado (que consiste no quarto eo café) sofreu o que é tec-
nicamente chamado de "morte térmica". O sistema está "morto", pois ne-
nhum trabalho adicional pode ser feito, uma vez que não é mais energia dis-
ponível. A segunda lei diz que o inverso não pode acontecer! Sala de café da
temperatura não vai ficar quente por si só, porque isso exigiria transformar
energia disponível em energia disponível.

189
Agora, considere o universo inteiro como um gigante sistema fecha-
do. Estrelas são quentes, assim como a xícara de café, e estão esfriando,
perdendo energia para o espaço. As estrelas quentes no espaço mais frio re-
presentam um estado de energia disponível, assim como o café quente no
quarto. No entanto, a Segunda Lei da Termodinâmica requer que esta ener-
gia disponível mudam constantemente de energia disponível. Em outra ana-
logia, o universo inteiro está enrolando para baixo como um relógio de corda
gigante, correndo para baixo e perder energia disponível. Como a energia es-
tá mudando continuamente de disponíveis para indisponíveis, alguém tinha
que dar-lhe a energia disponível no começo! (Em outras palavras, alguém
tinha para encerrar o relógio do universo no começo.) Quem ou o que pode-
ria ter produzido energia em um estado disponível em primeiro lugar?Só al-
guém ou algo não esteja obrigado pela Segunda Lei da Termodinâmi-
ca. Apenas o criador da Segunda Lei da Termodinâmica pode violá-la e criar
energia em um estado de disponibilidade em primeiro lugar.
Conforme o tempo passa para a frente (assumindo coisas continuarem
como estão), a energia disponível no universo acabará por se transformar em
energia indisponíveis. Neste ponto, o universo vai ser dito ter sofrido uma
morte térmica, assim como o café no quarto. O presente universo, como o
conhecemos, não pode durar para sempre. Além disso, imagine andar para
trás no tempo. Uma vez que a energia do universo está em constante mu-
dança de um estado de disponibilidade para um de menor disponibilidade, o
mais para trás no tempo se vai, mais disponível a energia do univer-
so. Usando a analogia do relógio novamente, mais para trás no tempo, mais
acabou o relógio. Longe o suficiente para trás no tempo, o relógio foi total-
mente liquidada. O universo, portanto, não pode ser infinitamente velho. Só
se pode concluir que o universo teve um começo, e que teve início ter sido
causado por alguém ou algo que opera fora das leis conhecidas da termodi-
nâmica. É este comprovação científica para a existência de um Deus cria-
dor? Acho que sim. Teorias evolutivas do universo não pode contrariar os
argumentos acima para a existência de Deus.

190
edward a. boudreaux
Química Teórica

Certamente ele deve ser acordado entre os indivíduos racionais que pa-
ra qualquer um corajoso o bastante para admitir isso, a questão origens é
estritamente uma questão de história. Tendo sido iniciada e concluída antes
da gênese do homem em algum momento no passado, os eventos deste pro-
cesso origens são nonrepeatable. Não importa se um acredita que o meca-
nismo do processo a ser via de fiat ações de uma inteligência sobrenatural,
algum processo evolutivo naturalista, ou uma mistura dos dois; permanece o
fato de que o universo material está em estado estável de equilíbrio estático.
Os processos iniciais responsáveis por essa estase não são passíveis de
os métodos de testes científicos, porque eles eram eventos não observá-
veis. No entanto, apesar disso, os evolucionistas afirmam que um rastro de
evidências foram impressas no registro fóssil durante longos períodos de
tempo geológico. Além disso, sugere-se que as semelhanças biológicas entre
os diferentes níveis de organismos vivos implicam uma origem ancestral co-
mum. Da mesma forma, os cosmólogos afirmam que algum tipo de cenário

191
big-bang, iniciada a partir de uma singularidade física única passando por
uma flutuação quântica em cerca de 10 -43 segundos, é o processo pelo qual
a origem de todo o universo foi iniciado.
Assim, as ciências geológicas, biológicas e cosmológicas foram estabele-
cidos como torres de marfim , dos quais chamados provas de evolução ema-
nam, enquanto os praticantes cientista dentro dessas disciplinas são
os gurusque promovem, pregar e publicar o que é considerado como dados
científicos evolução apoiar . Mas não há uma única instância em que todos
os testes essenciais para o estabelecimento da validade científica da evolução
foram satisfeitas. Há hipóteses, modelos grandiosos, suposições e inferên-
cias, os quais são formulados e reforçados dentro das colaborações coletivas
e de auto-serviço dos gurus evolucionistas. No entanto, nada disso corres-
ponde a evidência científica verdadeira para a evolução.
Foi na década de 1970 que, para minha grande surpresa, perplexidade
e repulsa, eu tornou-se iluminado a todos o que foi dito acima. Até aquele
momento eu não tinha dado a evolução assunto pensei muito. Pelo contrá-
rio, eu presumi que os pesquisadores comprometidos com o estudo da evo-
lução possuía a mesma integridade como esperado de qualquer cientista
credível. Embora seja verdade que eu talvez não tenha sido tão bem educado
nessas disciplinas torre de marfim da evolução como são os chamados "espe-
cialistas", que foi, no entanto, mais do que adequadamente informado como
um cientista para ser capaz de ler e compreender diversos publicações técni-
cas sobre a evolução. Posteriormente, o maior constrangimento de todos era
para eu achar que simplesmente não havia ciência válida qualquer que seja,
em qualquer uma dessas inúmeras publicações divulgando evolução.
Um número de evolucionistas admitem abertamente que o registro fós-
sil cobiçado é devastador para todo o esquema da evolução orgânica, seja
neo-darwinismo, equilíbrio pontuado ou o que quer. Também tem sido cla-
ramente demonstrado que o observado semelhanças entre organismos, fóssil
ou viva, não tem absolutamente nada a ver com provar a evolução por si
só . Da mesma forma, não há nem um único modelo, nem combinação dos
mesmos, em relação à evolução do cosmos, que fornece uma explicação ade-
quada de todos os dados cosmológicos observados. De fato, os dados reais
são frequentemente em desacordo com os vários modelos propostos.

192
Minhas próprias áreas de especialização são nas áreas de química inor-
gânica teórica e física química. Ambas as áreas são razoavelmente imune às
contaminações de evolução. Mas, uma vez que meu interesse foi despertado
o suficiente para estudar a evolução da literatura, eu também tomou conhe-
cimento de características únicas entre as propriedades químicas dos ele-
mentos específicos. Essas características são claramente um reflexo do pro-
jeto criado.
Considere o elemento carbono (C). Este é o mais original de todos os
elementos químicos da tabela periódica. É um, com uma capacidade ilimita-
da metalóide a participar em qualquer tipo conhecido de ligação química co-
valente (ou seja, pares de electrões partilhados entre átomos), que une os
átomos do mesmo tipo para o outro e a outros tipos de átomos bem. Esse
recurso, chamado encadeamento , é virtualmente ilimitado para só o elemen-
to carbono.
Outros elementos, como silício (Si), nitrogênio (N), enxofre (S), fósforo
(P), etc., apresentar algumas capacidades muito limitadas para catenation,
que nem sequer chegam perto de rivalizar com a capacidade catenation de C.
Sem esta característica única, a formação de tais biomoléculas essenciais
como proteínas, DNA, RNA, de celulose, etc., seria impossível. Ironicamente,
apesar da sua importância fundamental, carbono compreende apenas 9 a 10
por cento em peso da composição de todas as coisas vivas e apenas 0,017
por cento da composição da terra. No entanto, não existe qualquer outro
elemento que pode substituir até um ou dois átomos de C em biomoléculas,
sem destruir a integridade biológica destes sistemas.
Elementos tais como carbono (C), azoto (N), enxofre (S), fósforo (P), e ou-
tros não-metais são chamados representante ou elementos do grupo princi-
pal. Com exceção do oxigênio, os átomos desses elementos são estáveis
apenas quando até mesmo números de seus elétrons se unem em pa-
res; caso contrário, a presença de "desemparelhados elétrons "transmi-
te instabilidade química . Por outro lado, elementos metálicos, tais como
crómio (Cr), Ferro (Fe), níquel (Ni), etc, chamados metais de transição, estão
entre os elementos do subgrupo e fazerconter desemparelhados electrões,
mas surpreendentemente são quimicamente muito estável .
O elemento de oxigénio (O) existe livremente na natureza como a molé-
cula gasosa ó diatómica 2 . Existem outros elementos representativos que

193
também ocorrem diatómicas como moléculas livres, por exemplo, hidrogénio
(H 2), azoto (N 2 ), flúor (F 2 ), e de cloro (Cl 2 ). No entanto, ó 2 é a única molé-
cula deste tipo possuindo dois electrões desemparelhados ; os outros têm to-
dos os elétrons emparelhados. Apesar disto, ó 2 ainda é quimicamente está-
vel. Este notável exceção à regra singular de elétrons par de estabilidade pa-
ra os elementos representativos não tem explicação conhecida. A única outra
molécula com um arranjo de electrões exactamente a do O 2 é S 2 . No entan-
to, S 2 é uma molécula altamente instável, que é a razão que o enxofre não
existe nesta forma. Além disso, se não fosse para os dois elétrons desempa-
relhados em O 2 , não seria capaz de se ligar ao ferro (Fe) átomos em hemo-
globlin, com precisão a quantidade de energia necessária para transportar o
O 2 para a corrente sanguínea e depois solte -lo. Algumas outras moléculas,
tais como o CO e o NO pode substituir S 2 na ligação a hemogloblin, mas eles
destroem completamente a função de hemoglobina.
Da mesma forma, existem vários outros metais de transição compará-
veis ao ferro, que pode substituí-lo na hemoglobina e também se ligam ó 2 ,
mas esta ligação é demasiado forte ou demasiado fraca. Assim, não há aná-
logos noniron de hemoglobina que têm as propriedades necessárias de he-
moglobina normal para o transporte de O 2 no metabolismo do sangue.
A parte estruturada de hemoglobina, que se liga ao ferro é chamado
de anel porphrin . Se este porphrin é traduzido para outro ambiente biomole-
cular e o átomo de ferro substituídos por magnésio (Mg), clorofila, um com-
ponente chave essencial para o metabolismo plantar, é a célula fotoeléctrica
mais eficaz conhecido. É cerca de 80 por cento mais eficiente do que qual-
quer fotocélulas fabricadas pelo homem.Embora o cálcio (Ca) e alguns outros
metais podem substituir Mg em clorofila, os produtos não em tudo duplicar
a eficiência fotoelétrica da verdadeira clorofila.
As proteínas são compostas de moléculas de aminoácidos quimicamen-
te ligados em conjunto pelo que são chamados laços de polipéptido .Os pró-
prios aminoácidos são compostos de hidrogénio de carbono contendo um
grupo amina, isto é, -NH 2 , -NHR ou -NR 2 (em que R representa um ou mais
grupos de hidrogénio de carbono) ligado a um átomo de C, além de um grupo
ácido (-COOH) ligados ao mesmo átomo de C. Apesar de existirem milhares
de variedades de aminoácidos, apenas 20 estão envolvidos em todas
as estruturas de proteínas.

194
Além disso, os aminoácidos existem em duas formas estruturais, D e L,
os quais são imagens de espelho não sobreponíveis um do outro.Na ausência
de quaisquer controles impostos, ambas as formas D e L irá ocorrer natu-
ralmente em quantidades essencialmente iguais; no entanto, todas as prote-
ínas são feitos de apenas a forma L. A título de contraste, açúcares (sacári-
dos), que são compostos de hidrogénio-carbono-oxigénio, têm estruturas de
anel fechado e também existem em ambas as formas isoméricas D e
L. Embora existam numerosas variedades de açúcares, é apenas a estrutura
mais simples, de 5 membros do anel chamado ribose , em apenas a sua for-
ma D, que está presente como um dos três componentes moleculares fun-
damentais nas estruturas de ADN e ARN.
Ambos DNA (ácido desoxirribonucléico) e RNA (ácido ribonucléico) são,
em alguns aspectos mais complexos do que as proteínas, porque contêm
uma grande variedade de unidades moleculares que formam nucleosídeos
(bases de nucleotídeos, ribose e fosfato). Estes nucleosídeos estão todos uni-
dos em padrões muito específicos, a fim de desempenhar funções únicas e
cruciais. A ribose e fosfato (-PO 4 ) unidades são unidas em uma seqüência
regularmente alternadas, produzindo longas cadeias enroladas em uma héli-
ce com a mão direita.Cada nucleótido é ligado a um átomo de C específica
em cada unidade de ribose. No caso de ARN, a estrutura é uma cadeia sim-
ples hélice destro contendo quatro nucleotídeos diferentes (adenina, citosina,
guanina, uracilo) dispostas em sequências de repetição muito específicos ao
longo do comprimento da cadeia. Cada tipo de RNA tem um padrão diferente
no seqüenciamento dos quatro nucleotídeos. A estrutura do DNA consiste de
uma dupla hélice com a mão direita , também com quatro nucleotídeos. Três
destes são os mesmos que em ARN, mas uma é diferente: timina substitui
uracilo.
Os nucleótidos si pertencem a duas classes de moléculas chama-
das purinas e pirimidinas . Adenina e guanina são purinas, enquanto que a
citosina, timina e uracilo são pirimidinas. Existem muitas centenas de varie-
dades de purinas e pirimidinas, mas estes só seleccionar cincodeterminar as
estruturas e as funções de ADN e ARN.
Da mesma forma, a ribose é apenas um de um grande número de molé-
culas chamadas sacarídeos. Porque só ribose e os seus D isómero, mas não

195
uma ou mais outras sacarídeos em DNA e RNA? Da mesma forma, por
que só fosfato e não sulfato ou silicato, etc? obras de fosfato apenas .
Estes poucos exemplos contêm evidência clara de funções sob medida
transmitir projeto complexas. Tais características desafiar a probabilidade de
que qualquer processo evolutivo aleatório poderia explicar tal especificidade
única em design.
É certo que pode exigir alguma compreensão geral da química para
apreciar plenamente estas evidências químicas de design criativo que foram
apresentados. Mas é esta evidência fornecida não só da química, mas de to-
das as outras áreas da ciência, bem como, que me convence a aceitar a cria-
ção por Deus como a única explicação viável e cientificamente razoável de
origens. É claro que a ciência não pode provar a criação ou evolução, mas
certamente está de acordo com o primeiro e não o último. Por conseguinte,
deve ter muito mais fé para acreditar na evolução, em vez de criação divina.
Assim, tendo concluído que a criação, pelo poder de um Deus onipoten-
te é a única explicação aceitável para a origem da vida, eu estava convencido
de que a única fonte confiável de essa conta deverá ser do Criador sozi-
nho. Agora, a Bíblia afirma ser a Palavra escrita de Deus ao ho-
mem. Enquanto essa documentação foi pela mão do homem, a informação é
diretamente de Deus. Se Deus realmente é quem Ele se revela, Ele é perfei-
tamente capaz de preservar a total precisão e integridade de Sua própria pa-
lavra.
Deus começa a Bíblia com a revelação de si mesmo como o Criador. O
livro de Gênesis relata detalhes específicos de conta própria de sua criação,
detalhes que são, em sua maior parte, em total contradição com os cenários
de evolução de Deus. Uma grande contradição é o período de tempo para to-
do o processo de criação para ser completada. Todos os modelos de evolução
populares manter bilhões de anos a partir da origem do cosmos, a centenas
de milhões de anos, envolvendo morte, destruição e sobrevivência do mais
apto para a conclusão total de evolução biológica macroscópica. Mas a Bíblia
diz que toda a criação foi concluída em apenas seis dias .
Houve muita controvérsia sobre a interpretação de seis dias bíblicos da
criação. Muitos acreditam que estes dias poderia ser indefinido longos perío-
dos de tempo, acomodando assim os requisitos para o processo de evolu-
ção. No entanto, a exegese mais completo e confiável da palavra hebrai-

196
ca yom (dia), como ele é usado em Gênesis, é que ele só pode significar uma
literal período de 24 horas. Na verdade, o contexto completo da conta da cri-
ação de Gênesis nem sequer permitem yom a ser traduzido como um período
indeterminado de tempo.
Finalmente, sou forçado a concluir, como manda a razão, que se a Bí-
blia é verdadeiramente a Palavra de Deus (como eu estou convencido de que
é), então ele deve ser preciso em cada detalhe, incluindo o relato da criação
em seis dias literais . Ciência diz-me que a evolução não é, certamente, cientí-
fica, enquanto a criação não está em desacordo com o que é verdadeiramente
científico . Por isso, a criação é a conta mais aceitável das origens. Desde a
criação exige um sobrenatural, criador onipotente, e que a Bíblia é a única
fonte convincente de que este Deus criador, na verdade, é, então, o relato
bíblico da criação devem ser precisas em cada detalhe, incluindo seis dias de
24 horas para a conclusão do começo ao fim .

197
e. theo agard
Física Médica

Minha crença na criação sobrenatural deste mundo em seis dias se re-


sume em grande parte, nos seguintes pontos: a teoria da evolução não é tão
cientificamente soar como muitas pessoas acreditam. Em particular, o pro-
blema da origem da vida é bem declarou à pergunta: "O que veio primeiro, o
ovo ou a galinha?" Cada ovo alguém já viu foi colocado por uma galinha e
cada frango foi idealizada a partir de um ovo. Assim, a primeira galinha ou o
primeiro ovo que apareceu na cena de qualquer outra forma não seria natu-
ral, para dizer o mínimo.As leis naturais em que os cientistas trabalham são
adequados para explicar como funciona o mundo, mas não são suficientes
para explicar sua origem, assim como as ferramentas que o serviço de um
automóvel são inadequadas para a sua fabricação.
Da minha leitura eu entendo que o registro fóssil não conseguiu produ-
zir as formas intermediárias de vida exigidas pela evolução como transições
entre as espécies.
Outro problema, a meu ver, para o noncreationist é a primeira lei da
termodinâmica afirma que o processo natural de conservação de energia. A

198
energia não pode ser criada ou destruída por processos naturais, mas só po-
de ser convertida de uma forma para outra. Como a matéria é uma forma de
energia (E = mc 2 como afirma Einstein), ciências naturais não podem expli-
car o total de energia, incluindo a matéria, no universo. Esta lei implica,
consequentemente, um papel para o sobrenatural na origem da energia total
do universo.
Além disso, qualquer esforço para validar cientificamente a evolução de-
ve envolver extrapolação, desde observações atuais deve ser utilizado para
deduzir o curso dos acontecimentos que ocorreram vários milênios atrás
(mesmo milhares ou milhões de milênios). Enquanto extrapolação é um pro-
cedimento científico válido, é pertinente que estar ciente de suas limita-
ções. Onde há uma base científica sólida para o seu uso, a confiança na pre-
cisão de um resultado extrapolado depende da proximidade do ponto ou re-
gião de interesse para a região de observações.
Também é importante notar que os princípios e as leis científicas que se
aplicam sob um conjunto de condições pode não necessariamente transitar
para outras circunstâncias onde não são esperados para mudar. Um bom
exemplo disso é a falta de leis do movimento de Newton para explicar fenô-
menos observados por partículas subatômicas. Tais limitações de extrapola-
ção são bem indicado nas seguintes palavras de G. Tyler Miller em seu li-
vro Energetics, Cinética e Vida: Uma Abordagem Ecológica :
Sabemos tão pouco sobre a nossa pequena parte do universo e têm ob-
servado por um período tão minuto de tempo, em relação ao tempo cósmico,
que extrapolar esse conhecimento escasso para todo o universo parece alta-
mente especulativo e talvez um pouco arrogante. 1

Estas questões questionar seriamente a base científica da evolução.

Referências
1. G. Tyler Miller, Energetics, Kinetics e Vida: Uma Abordagem Ecológica ,
Wadsworth Pub. Co., Belmont, CA, p. 233, 1971.

199
ker c. thomson
Geofísica

Muitos, se não a maioria, pessoas educadas em todo o mundo acredi-


tam que a vida se originou a partir de não-vida (abiogênese) por processos
naturais. Seguindo as leis da física e da química, o conceito é que, através de
"seleção natural" que opera sobre vastos períodos de tempo, eventos fortuitos
favoráveis aconteceu que levaram sucessivamente mais complexos químicos
biológicos, que por sua vez, quer por acaso ou por alguma propriedade ine-
rente indefinido da matéria , concatenada, que conduz para cima para pro-
tocélulas, células, seres vivos, e, em seguida, o próprio homem. Processos de
"seleção natural" são tais que os produtos biológicos ou prebiologic que ocor-
rem em um determinado nicho ambiental que favorecem esse nicho são
aqueles que se propagam e se reproduzir, e que as mudanças aleatórias em
um ou ambos o meio ambiente ea descendência que são mais apropriadas
para o novo condições serão os favorecidos a se expandir para o futuro. Em
um único parágrafo, esta é a teoria geral da evolução neo-darwinista.
O texto acima está em contraste gritante com o criacionismo, que de-
fende que os processos naturais observáveis atualmente são bastante inade-

200
quadas para explicar a origem da vida ou sua atual complexidade enorme,
observável e variabilidade. Pelo contrário, ela postula que uma grande mente
criativa deve estar por trás da origem do nosso universo observável e suas
criaturas-a vida mente e poder muito maior do que qualquer coisa de que o
homem é capaz. As questões de quanto tempo o processo criativo foi e quan-
do ocorreu variar de um criacionista para outra, mas o conceito de um ato
criativo consciente original por um Criador que é distinto de sua criação é
comum a todos os pontos de vista criacionistas aqui considerados.
Ambos os criacionistas e evolucionistas, em geral, concordam que o ce-
nário evolutivo descrito no primeiro parágrafo acima é altamente imprová-
vel. Ele ganha o que quer que a credibilidade de que goza apenas através da
aparente disponibilidade de uma enorme quantidade de tempo durante o
qual os eventos mais improváveis podem ocorrer de modo concebível.
Deve ser aparente que a evolução é susceptível de um teste científico
imediato: existe disponível um processo cientificamente observável na natu-
reza, que numa base de longo prazo tende a levar os seus produtos para ci-
ma, para níveis mais elevados de complexidade? Evolução absolutamente
exige isso.
Evolução falha o teste. O procedimento de teste está contido dentro
da Segunda Lei da Termodinâmica . Essa lei acabou por ser um dos princí-
pios mais seguros e mais fundamentais de toda a ciência. É, de fato, utiliza-
do rotineiramente na ciência para testar (máquinas, por exemplo Movimento
Perpétuo, ou uma reação química proposta) postulados ou conceitos e má-
quinas existentes para a viabilidade. Qualquer processo, procedimento ou
máquina que violaria este princípio é descartado como impossível. A Segun-
da Lei da Termodinâmica afirma que há um processo de decadência de longo
alcance que, em última instância e, certamente, agarra tudo no universo que
conhecemos. Esse processo produz uma quebra de complexidade, e não o
seu aumento. Este é o exato oposto do que a evolução requer.
O argumento contra a evolução apresentada acima é tão devastador em
seu impacto científico que, em termos científicos, a evolução normalmente
seria imediatamente rejeitada pela comunidade científica. Infelizmente, para
a preservação da verdade, a evolução é não aderiu a em bases científicas de
todo. Pelo contrário, ela está se agarrou a, embora voando em face da razão,

201
com um incrível fervor religioso, fanático e irracional. É alto reivindica apoio
científico quando, na verdade, ele não tem nenhuma digna desse nome.
Se a evolução ou o criacionismo discussão foram decididos por apelos
sensíveis à razão, evolução há muito teria se juntou aos grandes foolishnes-
ses filosóficas do passado, com questões como quantos anjos podem dançar
na cabeça de um alfinete, ou o conceito de Terra plana .
Para enterrar fé evolucionista, então, parece ser necessário olhar para
além do segundo argumento lei geral apresentada acima para os detalhes
específicos, e considerar e descartar as querelas levantadas pela comunidade
evolutiva.
Uma objeção que pode ser posta ao argumento anterior é que a segunda
lei lida com resultados a longo prazo, ou estados de equilíbrio, em linguagem
mais química. Uma resposta evolutiva, então, é que a evolução deve ser de
alguma forma escondido entre os sucessivos estados de equilíbrio.
Reconsiderar as implicações das exigências da teoria evolutiva para
grandes intervalos de tempo. Não é óbvio que a Segunda Lei da Termodinâ-
mica é o que é mais pertinente aqui? As enormes quantidades de tempo dis-
ponível que a evolução reivindica para si dará tempo de sobra para sucessi-
vos estados de equilíbrio a ser alcançado ea Segunda Lei da Termodinâmica
para aplicar. Os estados intermediários em movimento rápido são irrelevan-
tes no longo intervalo de tempo. Os resultados finais de longo alcance de ca-
da reação química será o que domina as longas eras de evolução. A declara-
ção clara e inevitável pela segunda lei será que os resultados finais devem
estar em uma direção para baixo, não a evolução direção ascendente requer.
Um segundo equívoco considerar é o de "micro versus macro": poderia
ser, se considerarmos a evolução de um nível atômico ou molecular (micro),
em vez do nível de matéria no estado em que podemos sentir, ver e tocar ele
(macro), que a evolução pode ser encontrado escondido entre o infinitamente
pequeno (ou seja, entre as moléculas, átomos ou partículas subatômi-
cas)? Isso realmente não vai fazer, no entanto.
Como um menor primeira consideração aqui, note que nós não sentir
ou ver átomos e moléculas com nossos sentidos sem ajuda ou raramente
mesmo percebê-los em tudo no nível atômico indivíduo por qualquer proces-
so.

202
Em outras palavras, o nosso conhecimento e percepções no nível micro
são obtidos através de um labirinto de máquinas complexas que estão se
construído a partir de uma grande variedade de hipóteses e teorias abstru-
sas.(Não negação da teoria atômica está sendo feito aqui. Pelo contrário, ela
está simplesmente sendo colocados em perspectiva relativa.) Por outro lado,
as leis da termodinâmica resto em observações diretas da matéria no agre-
gado e requerem apenas observações relativamente seguro e simples para a
sua verdade a ser evidente. Em termos de fiabilidade, deve ser aparente que,
em geral, resultados deduzidos a partir da segunda lei deve pesar um pouco
mais elevado na escala de verdade do que os resultados deduzidas apenas a
partir de considerações atómicas ou moleculares. (Note, entretanto, que a
segunda lei não se limita apenas com matéria agregada, mas aplica-se ao
nível micro também.)
Independentemente das considerações do parágrafo anterior, quando as
reações químicas reais de vida são considerados, especialmente aqueles que
podem estar envolvidos na sua criação, descobrimos que as reações são tei-
moso e requerem altas concentrações dos reagentes, a fim de proceder em
tudo. Obviamente, então, esta consideração resulta na cobrança de um re-
quisito para valores totais de matéria. Isso nos coloca de volta precisamente
em situações uncontestably dominadas pela segunda lei. Mais uma vez, a
segunda lei aponta para níveis mais baixos de complexidade, não superior.
Outra queixa sobre a aplicação da segunda lei está contida na afirma-
ção de que a Segunda Lei da Termodinâmica se aplica apenas em sistemas
fechados. Isso é um absurdo de uma ordem elevada. Certamente todos nós
estamos familiarizados com a expressão cotidiana dessa lei em sistemas
abertos. (A versão popular humorístico da segunda lei é a lei de Murphy: ".
Tudo o que pode dar errado vai dar errado") Metais corroer, máquinas que-
bram, os nossos corpos se deteriorar, e morremos. Constante manutenção e
planejamento contra contingências são necessárias se a vida é para ser sus-
tentado, mesmo para um período de transição, como o tempo de vida do in-
divíduo.Em última análise, a segunda lei assume, e nossos corpos voltam ao
pó e nossos automóveis para o ferro-velho. Através da aplicação de nossas
mentes, podemos resistir às exigências da segunda lei temporariamen-
te. Evolução geral desmorona em torno deste conceito, no entanto, porque
no início do processo evolutivo na antiguidade, não havia mente disponíveis

203
para a construção de "máquinas" propositais para evitar temporariamente a
segunda demandas da lei. A idéia de que a segunda lei se pode limitar a sis-
temas fechados é uma peça de confusão por parte do proponente de tal con-
ceito.
Como um aparte, nota também uma implicação importante para a evo-
lução implícita no último parágrafo. A segunda lei diz-nos claramente que a
vida nunca poderia começar pelas atividades de matéria e energia sem a
ajuda de inteligência exterior. Se a vida nunca poderia começar, certamente
temos uma incrível desperdício de talento intelectual acontecendo ao nosso
redor como muitas mentes tentar seguir os caminhos de evolução para cima
de algo que nunca começou em primeiro lugar!
Agora vamos voltar à questão dos sistemas fechados. Considere um ex-
perimento para ver se a segunda lei é verdade. Será necessário criar um sis-
tema fechado ao fazê-lo, um sistema protegido de quaisquer entradas confu-
sas fora. Desta forma, será possível ver o que está acontecendo no sistema,
independente de eventos externos. Quando isso for feito, é com efeito consta-
tou que no interior do sistema, a tendência é para baixo para a desorganiza-
ção, como a segunda lei requer. O que acontece em seguida, em um sistema
aberto é que, em qualquer ponto, vemos a soma de todas as diferentes ten-
dências negativas que atuam lá.
Acreditar que a segunda lei se aplica apenas em sistemas fechados é
confundir a necessidade experimental de um sistema fechado para testar a
existência da segunda lei, com as ações reais da segunda lei evidente nos
sistemas abertos em que vivemos.
Há um outro trocadilho cobrado contra os argumentos anti-
evolucionistas desenvolvidos aqui. Tem a ver com a palavra "acaso". Consul-
te o primeiro parágrafo que define a evolução. Alguns evolucionistas vai bri-
gar com palavras como "aleatoriedade" ou "fortuito", mas outros irão concor-
dar com esta definição.
Há, então, duas escolas de pensamento evolutivo. Considere-se primeiro
o grupo que acredita que a evolução é devido à concatenação aleatória de
materiais disponíveis e as leis da física e da química.
Este conceito pode ser facilmente tratado pelas leis matemáticas de
probabilidade. Vários escritores têm feito isso. Provavelmente, o mais conhe-
cido é o Fred Hoyle. O procedimento é calcular probabilidades em cada etapa

204
individual de um caminho evolutivo postulado e concatenar para se chegar a
estes a probabilidade de encontrar um produto evolutivo em qualquer ponto
ao longo desse percurso. Antes de avançar muito longe ao longo do caminho,
as probabilidades de cair para valores tão baixos que a palavra apropriada
para descrever tais acontecimentos é impossível. Hoyle colocá-lo mais ou
menos assim: A probabilidade de que a vida surgiu por processos aleatórios
é equivalente a acreditar que um tornado atingir um ferro-velho seria remon-
tar o lixo e deixar uma concluído, montado e funcionando Boeing 707 lá.
Depois, há o grupo evolutivo que pensam que a aleatoriedade é apenas
um aspecto menor ou inexistente da evolução. Sua perspectiva é que a evo-
lução é o resultado inevitável das leis da física e da química. Essa idéia é
ainda mais fácil de testar do que o conceito de aleatoriedade. Nós simples-
mente notar que uma das generalizações mais seguras em toda a física ea
química é a Segunda Lei da Termodinâmica, que, como já foi mostrado, de-
vasta completamente qualquer idéia de que a matéria sem a ajuda de mente
ou envolvimento externo vai avançar para níveis mais elevados de organiza-
ção.
Agora chegamos ao trocadilho dos evolucionistas que a segunda lei era
diferente no passado a partir de agora. Isto é simplesmente uma realização
do desejo adulto por parte do evolucionista defendendo tais noções. A menos
que ele assume o que ele está tentando provar, ele é deixado neste momento
sem evidência confiável que seja para apoiar sua tese. Ciência depende de
medições. As medições que fazemos agora se opõem a evolução totalmen-
te. Para apontar para o apoio às condições no passado distante, onde eles
não podem ser medidos, coloca os evolucionistas no mesmo campo intelec-
tual como aqueles que acreditam na fada do dente.
Apesar dos argumentos contra a evolução apresentada acima e, particu-
larmente, no último parágrafo, o apego evolucionista a sua fé pode dizer:
"Bem, nós estamos aqui, não estamos?" Alguém pode apontar para ele que
ele acaba de se envolver em um raciocínio circular . Isto é, ele tem, obvia-
mente, tentou apoiar a evolução, assumindo que a evolução é verdade e é o
que tem levado a sua existência humana e da presença aqui.
Quando a circularidade de seu raciocínio é apontado para ele, o evolu-
cionista pode então apalpar por evidências no registro fóssil. Mas, novamen-
te, ele está expelindo um outro lote de raciocínio circular. Isto é assim por-

205
que a evolução é usado para interpretar o registro fóssil, por isso não pode
ser usado para justificar a evolução. Para isso coloca o proponente no mani-
cômio intelectual. Qualquer que seja a explicação para o registro fóssil pode
ser, não pode ser aquele que de fato nega a Segunda Lei da Termodinâmica.
De fato, a característica mais evidente do registro fóssil não é a síntese
de cima, mas sim a morte e decadência. Encontramos fortes evidências para
a constante perda de espécies no registro fóssil. Este é mais em consonância
com a Segunda Lei da Termodinâmica que com o crescimento ascendente
postulou pela evolução.
Nem todos os criacionistas manter até seis dias criacionismo. Este es-
critor é da opinião de que a evidência bíblica um tanto favorece a posição de
seis dias. A evidência científica para uma longa idade repousa principalmen-
te sobre a seleção de evidências favoráveis à posição de longa idade, em vez
de para a avaliação de todas as provas disponíveis. O assunto do momento
neste contexto requer um artigo separado para lidar adequadamente com a
questão. [ CMI Ed. nota : Para mais informações sobre a evidência bíblica
para uma real criação em seis dias, ver Gênesis Q & A ].
Espero que o artigo acima tenha aguçado o apetite do leitor a aprofun-
dar a controvérsia evolução-criação. Tenho dado um parecer sobre a polêmi-
ca com os ditames da segunda lei. O leitor sério precisa rastrear até as fon-
tes originais.

206
john r. baumgardner
Geofísica

Eu vivo na cidade de Los Alamos, localizado nas montanhas do norte do


Novo México. É a casa do Laboratório Nacional de Los Alamos, que, com cer-
ca de 10.000 funcionários, é um dos maiores centros de pesquisa científica
nos Estados Unidos. Nos últimos anos, tenho debatido a questão origens
com um número de colegas cientistas.Alguns destes debates tem sido na
forma de cartas ao editor em nosso jornal local. 1 O que se segue são algu-
mas das questões importantes como eu os vejo.

Pode interações moleculares aleatórios criar vida?


Muitos evolucionistas estão convencidos de que os 15.000 milhões anos
que assumem para a idade do cosmos é uma abundância de tempo para as
interações aleatórias de átomos e moléculas para gerar vida. Uma lição arit-
mética simples revela que este seja não mais do que uma fantasia irracional.
Esta lição aritmética é semelhante ao cálculo das probabilidades de ga-
nhar na loteria. O número de combinações possíveis de lotaria corresponde

207
ao número total de estruturas de proteínas (de um intervalo de tamanho
apropriado) que são possíveis para a montagem de blocos de construção pa-
drão. Os bilhetes premiados correspondem aos pequenos conjuntos de tais
proteínas com as propriedades especiais correctas a partir do qual um orga-
nismo vivo, uma bactéria dizem simples, pode ser construído com sucesso. O
número máximo de bilhetes de loteria que uma pessoa pode comprar corres-
ponde ao número máximo de moléculas de proteína que jamais poderia ter
existido na história do cosmos.
Vamos estabelecer primeiro um limite superior razoável sobre o número
de moléculas que jamais poderia ter sido formados em qualquer lugar do
universo, durante toda a sua história. Tomando 10 80 como uma estimativa
generosa para o número total de átomos no cosmos, 2 10 12 para um genero-
so limite superior para o número médio de interações interatômicas por se-
gundo por átomo, e 10 de 18 segundos (cerca de 30.000 milhões ano), como
um superior obrigado para a idade do universo, temos 10 110 como um limite
superior muito generoso sobre o número total de interações interatômicas
que jamais poderia ter ocorrido durante a história cósmica longo dos imagi-
na evolucionistas. Agora, se fizermos uma suposição extremamente generoso
que cada interação interatômica sempre produz uma molécula única, então
conclui-se que não mais de 10 110 moléculas únicas jamais poderia ter existi-
do no universo durante toda a sua história.
Agora vamos contemplar o que está envolvido na exigência de que um
processo puramente aleatório encontrar um conjunto mínimo de cerca de
1.000 moléculas de proteínas necessárias para a forma mais primitiva de
vida. Para simplificar o problema de forma dramática, suponha que de al-
guma forma já encontramos 999 das 1.000 proteínas diferentes necessárias
e precisamos apenas de pesquisa para que a seqüência mágica final aminoá-
cidos que nos dá a última proteína especial. Vamos restringir nossa conside-
ração ao conjunto específico de 20 aminoácidos encontrados em sistemas
vivos e ignorar a centena de que não são. Vamos também ignorar o fato de
que apenas aqueles com simetria canhoto aparecem em proteínas vi-
da. Vamos também ignorar a cinética da reação química extremamente des-
favoráveis envolvidos na formação de longas cadeias peptídicas em qualquer
tipo de ambiente químico não vivo plausível.

208
Vamos meramente concentrar-se na tarefa de obtenção de uma sequên-
cia adequada de ácidos aminados que se produz uma estrutura da proteína
3-D com algum grau mínimo de funcionalidade essencial. Diversas evidên-
cias teórica e experimental indica que, em algum sentido média, cerca de
metade dos locais de aminoácidos deve ser especificado exactamente. 3 Para
um relativamente curto proteína que consiste de uma cadeia de 200 aminoá-
cidos, o número de ensaios aleatórios necessários para uma probabilidade
razoável de bater uma sequência útil é, em seguida, na ordem de 20 a 100 (100
locais de aminoácidos com 20 possíveis candidatos em cada local), ou cerca
de 10 130 ensaios. Este é cem bilhões de mil milhões de vezes que o limite su-
perior calculado para o número total de moléculas de cada vez a existir na his-
tória do cosmos !! No processo aleatório poderia sempre esperar encontrar
ainda uma tal estrutura de proteína, muito menos o conjunto completo de
aproximadamente 1.000 necessários nas formas mais simples de vida. Por
isso, é pura irracionalidade de uma pessoa a acreditar interações químicas
aleatória nunca poderia identificar um conjunto viável de proteínas funcio-
nais fora do número verdadeiramente impressionante de possibilidades can-
didatos.
Em face de tais chances incrivelmente desfavoráveis, como pode um ci-
entista com qualquer senso de honestidade apelo às interações do acaso co-
mo explicação para a complexidade que observamos nos sistemas vi-
vos? Para fazê-lo, com a percepção consciente desses números, em minha
opinião representa uma grave violação da integridade científica. Esta linha
de argumento se aplica, é claro, não só para a questão da biogênese, mas
também para a questão de como um novo gene / proteína pode surgir em
qualquer tipo de processo de macroevolução.
Um aposentado companheiro Los Alamos National Laboratory, um quí-
mico, quis tergiversar que este argumento foi falho, porque eu não conta pa-
ra detalhes da cinética de reações químicas. Minha intenção era deliberada-
mente escolher uma taxa de reacção tão gigantesca (um milhão de milhões
de reacções por átomo por segundo, em média) que todas essas considera-
ções se tornaria totalmente irrelevante. Como uma pessoa razoável poderá
treinados em química ou física imaginar que poderia haver uma maneira de
montar os polipéptidos na ordem das centenas de unidades de aminoácidos
de comprimento, para lhes permitir dobrar nas suas estruturas tridimensio-

209
nais, e, em seguida, para expressar as suas propriedades únicas , tudo den-
tro de uma pequena fração de um picossegundos !? Compromissos metafísi-
cos anteriores forçado o químico em questão a tal irracionalidade.
Outro cientista, físico da Sandia National Laboratories, afirmou que eu
tinha mal aplicado as regras da probabilidade na minha análise. Se o meu
exemplo fosse correta, sugeriu ele, que "iria transformar o mundo científico
de cabeça para baixo." Eu respondi que a comunidade científica tem sido
confrontado com este argumento básico no passado, mas simplesmente en-
gajados em negação em massa. Fred Hoyle, o cosmólogo britânico eminente,
publicado cálculos semelhantes há duas décadas. 4 A maioria dos cientistas
só colocar as mãos sobre os ouvidos e se recusou a ouvir.
Na realidade, esta análise é tão simples e direto não requer qualquer in-
teligência, criatividade, ou a educação científica avançada especial de com-
preender ou mesmo se originam. No meu caso, tudo que fiz foi para estimar
um generoso limite superior sobre o número máximo de reações químicas
de-qualquer jamais poderia ter ocorrido em toda a história do cosmos e en-
tão comparar este número com o número de ensaios necessários para que
espécie encontrar uma única proteína de vida com um nível mínimo de fun-
cionalidade de entre os candidatos possíveis. Mostrei o último número foi de
encomendas e pedidos maiores do que o anterior.Assumi apenas que os pro-
váveis candidatos foram igualmente assim. Meu argumento era apenas que
simples. Eu não aplicar mal as leis da probabilidade. Apliquei-los como os
físicos normalmente faz no seu trabalho diário.

Apenas como estruturas de linguagem cifrada surgir?


Uma das descobertas mais dramáticas na biologia, no século 20 é que
os organismos vivos são realizações de estruturas de linguagem cifra-
da. Toda a química detalhada e complexidade estrutural associados com o
metabolismo, a reparação, a função especializada, e reprodução de cada cé-
lula viva é uma realização dos algoritmos codificados armazenados em seu
DNA. A questão fundamental é, portanto, como é que surgem tais estruturas
de linguagem extremamente grandes?
A origem de tais estruturas é, naturalmente, a questão central da ques-
tão da origem da vida. As bactérias mais simples têm genomas que consiste
em cerca de um milhão de codões. (Cada códon, ou palavra genética, é com-

210
posto por três letras do alfabeto genético de quatro letras.) Não algoritmos
codificados que são um milhão de palavras de comprimento surgir esponta-
neamente por qualquer processo conhecido naturalista? Existe alguma coisa
nas leis da física que sugere como tais estruturas podem surgir de forma es-
pontânea? A resposta honesta é simples. O que atualmente entender de ter-
modinâmica e teoria da informação argumenta persuasivamente que eles
não fazem e não pode!
Idioma envolve um código simbólico, um vocabulário e um conjunto de
regras gramaticais para retransmitir ou pensamento recorde. Muitos de nós
passamos a maior parte de nossas horas de vigília geração, processamento,
ou divulgação de dados lingüísticos. Raramente refletimos sobre o fato de
que as estruturas linguísticas são manifestações claras de realidade não-
material.
Esta conclusão pode ser alcançada por meio da observação de que a
própria informação linguística é independente da sua operadora material. O
significado ou mensagem não depende se ele é representado como ondas de
som no ar ou como padrões de tinta sobre papel ou como o alinhamento dos
domínios magnéticos em um disquete ou como padrões de tensão em uma
rede transistor. A mensagem que uma pessoa ganhou o $ 100.000.000 lote-
ria é o mesmo se essa pessoa recebe a informação de alguém falando em sua
porta ou por telefone ou por correio ou na televisão ou através da internet.
Na verdade, Einstein apontou para a natureza e origem da informação
simbólica como uma das questões profundas sobre o mundo como nós o co-
nhecemos. 5 Ele poderia identificar nenhum meio pelo qual a matéria poderia
dar sentido aos símbolos. A implicação clara é que a informação simbólica,
ou linguagem, representa uma categoria de realidade distinta de matéria e
energia. Os lingüistas de hoje, portanto, falar dessa lacuna entre a matéria
eo significado do símbolo de rolamento define como o "abismo Eins-
tein." 6 Hoje nesta era da informação não há debate que a informação lin-
guística é objetivamente real. Com apenas um momento de reflexão, pode-
mos concluir que a sua realidade é qualitativamente diferente do substrato
matéria / energia em que a informação linguística monta.
De onde, então, a informação linguística originou? Em nossa experiên-
cia humana que imediatamente se conectar a linguagem que criar e processo
com as nossas mentes. Mas qual é a natureza última da mente humana? Se

211
algo tão real como a informação linguística tem existência independente da
matéria e da energia, a partir de considerações de causalidade não é razoável
suspeitar que uma entidade capaz de informação lingüística originária tam-
bém é, em última instância não material em sua natureza essencial.
Uma conclusão imediata dessas observações relativas à informação lin-
guística é que o materialismo, o que tem sido a perspectiva filosófica domi-
nante nos círculos científicos, com seu pressuposto fundamental de que não
existe uma realidade não-material, é simples e claramente falsa. É surpre-
endente que a sua falsificação é tão trivial.
As implicações são imediata para a questão da evolução. A hipótese evo-
lutiva que as estruturas linguísticas extremamente complexa que compreen-
dem os projetos de construção e manuais de operação para toda a nanoma-
chinery químico complicado e os mecanismos de controle de feedback sofis-
ticados até o mais simples organismo vivo-que estas estruturas devem ter
uma explicação materialista-éfundamentalmente errado . Mas como, então,
faz uma conta para linguagem simbólica como o ingrediente fundamental a
partir do qual todos os organismos vivos se desenvolvem e funcionam e ma-
nifestar tais capacidades surpreendentes? A resposta deveria ser óbvia: um
Criador inteligente é inequivocamente necessário. Mas o que dizer macroevo-
lução? Poderia processos físicos no reino da matéria e da energia, pelo me-
nos, modificar uma estrutura de linguagem genética existente para produzir
um outro com alguns verdadeiramente romance capacidade, como os evolu-
cionistas querem desesperadamente acreditar?
Sobre esta questão, o professor Murray Eden, especialista em teoria da
informação e linguagens formais no Instituto de Tecnologia de Massachu-
setts, destacou há vários anos que as perturbações aleatórias de estruturas
formais da linguagem simplesmente não realizar tais proezas mágicas. Ele
disse: "Não actualmente linguagem formal existente pode tolerar mudanças
aleatórias na seqüência símbolo que expressa as suas sentenças. Significado
é quase invariavelmente destruído. Todas as alterações devem ser aqueles
sintaticamente legais.Gostaria de conjecturar que o que se poderia chamar
de "gramaticalidade genética" tem uma explicação determinista e não deve a
sua estabilidade à pressão de seleção agindo sobre variações aleatórias. " 7

Em uma palavra, em seguida, a resposta é não. Mudanças aleatórias


nas letras do alfabeto genética não têm mais a capacidade para produzir no-

212
vas estruturas proteicas úteis do que poderia a geração de cadeias aleatórias
de aminoácidos discutidos na secção anterior. Essa é a deficiência gritante e
fatal em qualquer mecanismo materialista para macroevolução. A vida de-
pende de estruturas de linguagem não-material complexos para sua especifi-
cação detalhada. Processos materiais são totalmente impotentes para criar
tais estruturas ou modificá-los para especificar alguma nova função. Se a
tarefa de criar os cerca de 1.000 genes necessários para especificar a ma-
quinaria celular de uma bactéria é impensável num quadro materialista,
considerar o quanto mais impensável para o materialista é a tarefa de obter
os cerca de 100 mil genes necessários para especificar um mamífero!
Apesar de todos os milhões de páginas de publicações evolucionistas de
artigos de revistas a livros para histórias de revistas populares que assumem
e implicam que os processos materiais são totalmente adequados para reali-
zar milagres macroevolutivas, não há, na realidade, nenhuma base racional
para tal crença. É pura fantasia. Estruturas de linguagem cifrada são de na-
tureza imaterial e absolutamente exigem uma explicação não-material.

Mas o que sobre o registro geológico / fóssil?


Assim como não houve flagrante fraude científica em coisas biológicos
para o século passado, houve uma fraude semelhante em coisas geológi-
cas. O erro, em uma palavra, é uniformitarianism. Esta perspectiva pressu-
põe e afirma que o passado da Terra pode ser corretamente entendida pura-
mente em termos de processos atuais que atuam em mais ou menos as ta-
xas atuais. Assim como biólogos materialistas erroneamente assumido que
os processos materiais podem dar origem à vida em toda a sua diversidade,
os geólogos materialistas têm assumido que o presente pode totalmente re-
presentam o passado da Terra. Ao fazê-lo, eles foram forçados a ignorar e
suprimir a evidência contrária abundante que o planeta tem sofrido grande
catástrofe em escala global.
Somente nas últimas duas décadas tem o silêncio a respeito catastro-
fismo global no registro geológico começou a ser quebrado. Somente nos úl-
timos 10-15 anos tem a realidade de eventos globais extinção em massa no
registro se tornar amplamente conhecido fora da comunidade paleontolo-
gia. Apenas em cerca dos últimos 10 anos tem havido esforços para explicar
tal extinção global em termos de fenômenos de alta energia, como impactos

213
de asteróides. Mas a enorme extensão horizontal do Paleozóico e formações
sedimentares do Mesozóico e sua evidência interna de transporte de alta
energia representa testemunho impressionante para processos catastróficos
globais muito além de qualquer coisa ainda considerado na literatura geoló-
gica. Evidências de campo indica processos catastróficos foram responsáveis
pela maior parte, se não todos, nesta porção da ficha geológica. A proposição
de que os processos geológicos atuais são representativos daqueles que pro-
duziram as formações paleozóicas e mesozóicas é loucura total.
Qual é a alternativa a esta perspectiva uniformista? É que uma catás-
trofe, impulsionado por processos no interior da terra, progressivamente mas
rapidamente ressurgiu do planeta. Um evento deste tipo foi recentemente
documentado como tendo ocorrido no planeta irmão da Terra Vênus. 8 Esta
conclusão surpreendente é baseado em mapeamento de alta resolução reali-
zada pelo Magellan sonda no início de 1990 que revelou a grande maioria
das crateras de Vênus hoje estar em bom estado e apenas 2,5 por cento en-
castradas por lava, enquanto um episódio de intenso vulcanismo antes da
formação dos atuais crateras apagou todas as anteriores da face do plane-
ta.Uma vez que este resurfacing, atividade vulcânica e tectônica tem sido
mínima.
Há evidência generalizada de uma catástrofe semelhante em nosso pla-
neta, impulsionado por subducção fugitiva do piso precatastrophe oceano
para o interior da terra. 9 Que tal processo é teoricamente possível tem sido,
pelo menos, reconhecido na literatura geofísica por quase 30 anos. 10 A prin-
cipal consequência deste tipo de evento é alagamento progressivo dos conti-
nentes e rápida extinção em massa de todos, mas alguns por cento das es-
pécies de vida. A destruição de habitats ecológicos começou com ambientes
marinhos e progressivamente envolveu os ambientes terrestres também.
A evidência para tal catastrofismo global de intensa é evidente em todo
o Paleozóico, Mesozóico, e muito das porções cenozóica do registro geológi-
co. A maioria dos biólogos estão cientes do aparecimento abrupto da maioria
dos filos animais nas rochas cambrianas inferiores.Mas a maioria não sabem
que o limite pré-cambriano-Cambriano também representa uma discordân-
cia estratigráfica quase global, marcado pela intensa catastrofismo. No
Grand Canyon, como um exemplo, o Tapeats Arenito imediatamente acima

214
deste limite contém hidraulicamente transportado pedras dezenas de metros
de diâmetro. 11

Que a catástrofe era mundial na medida resulta da extensão horizontal


extrema ea continuidade dos depósitos sedimentares continentais.Que havia
uma única grande catástrofe e não muitos menores com longos intervalos
entre elas está implícito pela falta de canais de erosão, horizontes de solo e
estruturas de dissolução nas interfaces entre camadas sucessivas. As exce-
lentes exposições do registro paleozóico no Grand Canyon oferecem excelen-
tes exemplos dessa continuidade vertical com pouca ou nenhuma evidência
física de intervalos de tempo entre os estratos. Especialmente significativo a
este respeito são os contatos entre os Kaibab e Toroweap Formações, o Co-
conino e Eremita Formações, o Eremita e esplanada, e as Formações Supai e
Redwall Formações. 12

A presença ubíqua de crossbeds em arenitos, calcários e até mesmo, em


Paleozóica, Mesozóica, e até mesmo rochas do Cenozóico é forte testemunho
para o transporte destes sedimentos de água de alta energia. Estudos de
arenitos expostos no Grand Canyon revelar crossbeds produzidas por cor-
rentes de água de alta velocidade que geraram ondas de areia dezenas de
metros de altura. 13 O Coconino arenito com estratificação cruzada exposta
no Grand Canyon continua através do Arizona e do Novo México em Texas,
Oklahoma, Colorado, e Kansas.Abrange mais de 200 mil quilômetros qua-
drados e tem um volume estimado de 10 mil quilômetros cúbicos. Os cros-
sbeds mergulhar para o sul e indicam que a areia veio do norte. Quando se
olha para uma possível fonte para esta areia ao norte, nenhum é facilmente
perceptível.Uma fonte muito distante parece ser necessária.
A escala da catástrofe água implícitos por tais formações confunde a
mente. No entanto, o cálculo numérico demonstra que quando as áreas im-
portantes da superfície continental estão inundadas, fortes correntes de
água com velocidades de dezenas de metros por segundo surgem espontane-
amente. 14 Essas correntes são análogas às ondas planetárias na atmosfera e
são dirigidos pela rotação da Terra.
Este tipo de catastrofismo escala global dramático documentado no Pa-
leozóico, Mesozóico, e grande parte dos sedimentos cenozóicos implica uma
interpretação completamente diferente do registro fóssil associado. Em vez
de representar uma seqüência evolutiva, o registro revela uma destruição

215
sucessiva do habitat ecológico em uma catástrofe tectônica e hidrológico glo-
bal. Esse entendimento prontamente explica por tipos intermediários darwi-
nianas são sistematicamente ausente dos documentos de registro registro
geológico-o fóssil de uma breve e intensa destruição global da vida e não
uma longa história evolutiva! Os tipos de plantas e animais preservados co-
mo fósseis foram as formas de vida que existiram na Terra antes da catástro-
fe. O longo período de tempo e as formas intermediárias de vida que os evo-
lucionistas imagina em sua mente são simplesmente ilusões. E a forte evi-
dência observacional para esta catástrofe absolutamente exige uma escala
de tempo radicalmente revisto em relação à assumida por evolucionistas.

Mas como o tempo geológico a ser contada?


Com a descoberta da radioatividade cerca de um século atrás, os cien-
tistas uniformitarianos assumiram eles têm um meio confiável e quantitati-
vos para medir o tempo absoluto em escalas de bilhões de anos. Isso ocorre
porque existe uma série de isótopos instáveis, com meia-vida de bilhões de
gama ano. A confiança nestes métodos tem sido muito alta por vários moti-
vos. Os níveis de energia nucleares envolvidas no decaimento radioactivo são
muito maiores do que os níveis de energia electrónicos associados à tempe-
ratura normal, pressão, e da química que as variações na última pode ter
efeitos insignificantes sobre o primeiro.
Além disso, assumiu-se que as leis da natureza são invariantes no tem-
po e que as taxas de decaimento medimos hoje têm sido constante desde o
início do cosmos-vista, é claro, ditada pelo materialista e crença uniformis-
ta. A confiança nos métodos radiométricos entre cientistas materialistas tem
sido tão absoluta que todos os outros métodos para estimar a idade de mate-
riais geológicos e eventos geológicos têm sido relegados a um status inferior e
considerado confiável quando discordam com técnicas radiométricas.
A maioria das pessoas, portanto, incluindo a maioria dos cientistas, não
estão cientes do conflito sistemática e flagrante entre os métodos radiométri-
cos e métodos não radiométricos para namoro ou restringir a idade dos
eventos geológicos. No entanto, este conflito é tão austero e tão consistente
que não é mais do que motivo suficiente, na minha opinião, para desafiar
agressivamente a validade dos métodos radiométricos.

216
Um exemplo claro deste conflito diz respeito à retenção de hélio produ-
zido pelo decaimento nuclear de urânio em pequenos cristais de zircão co-
mumente encontrados em granito. O urânio tende a concentrar-se selecti-
vamente em zircão em um magma de solidificação porque os grandes espa-
ços na estrutura cristalina do zircão mais facilmente acomodar as grandes
iões de urânio. O urânio é instável e, eventualmente, se transforma, através
de uma cadeia de etapas de decaimento nuclear, em chumbo. No processo, a
oito átomos de hélio são produzidos para cada átomo inicial de U-238. Mas o
hélio é um átomo muito pequeno e é também um gás nobre, com pouca ten-
dência para reagir quimicamente com outras espécies. O hélio, por conse-
guinte, tende a migrar facilmente através de uma rede cristalina.
O conflito de métodos radiométricos é que zircões em granito pré-
cambriano exibir concentrações de hélio enormes. 15 Quando as quantidades
de urânio, chumbo e hélio são determinadas experimentalmente, encontra-
se quantidades de chumbo e urânio consistente com mais de um bilhão de
anos de decadência nuclear no presentemente taxas medi-
das. Surpreendentemente, a maior parte do hélio radiogênica a partir deste
processo de deterioração é também ainda presente dentro destes cristais que
são normalmente apenas alguns micrómetros de diâmetro. No entanto, com
base em taxas de difusão de hélio medidas experimentalmente, o teor de zir-
cão hélio implica um período de tempo de apenas alguns milhares de anos
desde que a maioria do decaimento nuclear ocorrido.
Então, qual processo físico é mais confiável, a difusão de um gás nobre
em uma rede cristalina ou o decaimento radioativo de um isótopo instá-
vel? Ambos os processos podem ser investigados hoje em grande detalhe no
laboratório. Tanto a taxa de difusão de hélio numa dada estrutura cristalina
e a taxa de decaimento do urânio ao chumbo pode ser determinada com ele-
vado grau de precisão. Mas esses dois processos físicos produzir estimativas
descontroladamente diferentes para a idade da mesma rocha de grani-
to. Onde está o erro de lógica ou processual? A conclusão mais razoável na
minha opinião, é que ele está na etapa de extrapolar taxas atualmente medi-
dos como constantes de decaimento nuclear no passado remoto. Se este for
o erro, então métodos radiométricos com base nas taxas atualmente medidos
simplesmente não e não pode fornecer estimativas corretas para idade geoló-
gica.

217
Mas o quão forte é o caso de que os métodos radiométricos são de fato
tão incorreta? Existem dezenas de processos físicos que, como a difusão de
hélio, idade rendimento estimar ordens de magnitude menor do que as téc-
nicas radiométricas. Muitos destes são geológica ou geofísica na natureza e
são, portanto, sujeitos à questão de saber se as taxas atualmente observados
podem legitimamente ser extrapolados para o passado indefinido.
No entanto, mesmo se fizermos essa suposição suspeito e consideram a
taxa atual de aumento de sódio nos oceanos em relação ao teor de sódio pre-
sente oceano, ou a atual taxa de acumulação de sedimentos nas bacias
oceânicas em relação ao volume de sedimentos oceânicos atual, ou a taxa
líquida corrente de perda de rocha continental (principalmente pela erosão)
versus o volume atual da crosta continental, ou a atual taxa de elevação das
montanhas do Himalaia (que representam a erosão) versus sua altura atual,
podemos inferir estimativas de tempo drasticamente em desacordo com a
escala de tempo radiométrica. 16 Estas estimativas de tempo são ainda mais
reduzidos drasticamente se não fizermos a suposição uniformista mas conta
para o catastrofismo global, descrito anteriormente.
Há outros processos que não são tão fáceis de expressar em termos
quantitativos, como a degradação da proteína em um ambiente geológico,
que também apontam para uma escala de tempo muito mais curto para o
registro geológico. Ele está agora bem estabelecido que unmineralized osso
de dinossauro ainda contendo proteína óssea reconhecível existe em muitos
lugares ao redor do mundo. 17 A partir de minha própria experiência em pri-
meira mão com esse material, é inconcebível que o osso que contenham es-
sas proteínas bem preservada poderia ter sobrevivido por mais de alguns mi-
lhares de anos nas configurações geológicas em que eles são encontrados.
Creio, portanto, o caso é forte do ponto de vista científico para rejeitar
métodos radiométricos como um meio válido para namorar materiais geoló-
gicos. O que pode então ser usado em seu lugar? Como cristão, estou con-
vencido de que a Bíblia é uma fonte confiável de informações. A Bíblia fala de
um cataclismo mundial no dilúvio de Gênesis, que destruiu toda a vida, res-
pirar o ar do planeta para além dos animais e os seres humanos Deus pre-
servou vivo na Arca. A correspondência entre a catástrofe global no registro
geológico e do Dilúvio descrito em Genesis é demasiado óbvio para mim não
concluir que esses eventos deve ser uma ea mesma coisa.

218
Com esta ligação crucial entre o registro bíblico eo registro geológico,
uma simples leitura dos capítulos anteriores do Gênesis é o próximo passo
lógico. A conclusão é que a criação do cosmos, a terra, as plantas, os ani-
mais, assim como o homem ea mulher por Deus aconteceu, tal como é des-
crito, apenas alguns milhares de anos atrás, sem a necessidade de qualifica-
ção ou pedido de desculpas.

Mas o que sobre a luz das estrelas distantes?


Uma questão inteiramente legítimo, então, é como poderíamos ver estre-
las milhões e bilhões de anos-luz de distância, se a terra é tão jovem. Parte
da razão cientistas como eu pode ter a confiança de que a boa ciência vai
reivindicar um valor de face compreensão da Bíblia é porque acreditamos
que temos pelo menos um esboço da resposta correta a esta importante
questão. 18

Esta resposta se baseia em indícios importantes da Bíblia, ao aplicar a


relatividade geral padrão. O resultado é um modelo cosmológico que difere
dos modelos big bang padrão em dois aspectos essenciais. Primeiro, ele não
assume o chamado princípio cosmológico e, em segundo lugar, ele chama a
inflação em um ponto diferente na história cosmológica.
O princípio cosmológico é a suposição de que o cosmos não tem borda
ou fronteira ou centro e, em um sentido amplo, escova, é a mesma em todos
os lugares e em todas as direções. Esta hipótese sobre a geometria do cos-
mos permitiu que os cosmólogos a obtenção de soluções relativamente sim-
ples de equações da relatividade geral de Einstein. Essas soluções formam a
base de todos os modelos do big bang. Mas há uma crescente evidência ob-
servacional de que essa suposição simplesmente não é verdade. Um recente
artigo na revistaNature , por exemplo, descreve uma análise fractal da distri-
buição de galáxias a grandes distâncias no cosmos que contradiz esta hipó-
tese big-bang crucial. 19

Se, ao contrário, o cosmos tem um centro, em seguida, sua história


é radicalmente diferente da de todos os modelos do big bang. Seu começo
seria a de um buraco negro maciço contendo toda a sua massa. Tal distri-
buição de massa tem um gradiente gritante em potencial gravitacional que
afeta profundamente a física local, incluindo a velocidade dos reló-
gios. Clocks, perto do centro seria executado muito mais lentamente, ou

219
mesmo ser interrompido, durante a mais antiga parte da história cósmi-
ca. 20 Desde os céus em grande escala são isotrópicos do ponto de vista da
terra, a terra deve estar perto do centro de tal um cosmos. Luz a partir da
borda exterior de um tal cosmo atinge o centro num tempo muito breve, co-
mo medido pelos relógios na proximidade da terra.
Em relação ao tempo de inflação cósmica, esta cosmologia alternativa
tem inflação após as estrelas e as galáxias se formam. Vale ressaltar que,
recentemente, dois grupos estudando astrofísica tipo de alto redshift Ia su-
pernovas ambos concluíram que a expansão cósmica é maior agora do que
quando essas estrelas explodiram. O artigo publicado na edição de junho
1998 Physics Today descreve estes resultados "surpreendentes", que "têm
causado uma grande celeuma" na comunidade astrofísica. 21 A história atri-
bui surpreendentemente a causa de "alguma agência etérea."
Na verdade, a Bíblia fala repetidamente de Deus estendendo os céus:
" Ó Senhor, meu Deus, você é muito grande ... esticando o céu como uma
cortina "( : Sl 104 1-2. ;) " Assim diz Deus, o Senhor, que criou os céus e os
estendeu "( Is. 42: 5 ); " Eu, o Senhor, sou o criador de todas as coisas, es-
tendendo os céus por mim "( Is 44:24. ); " Eu é que fiz a terra, e criei nela o
homem. I estendeu os céus com as minhas mãos, e eu ordenado todo o seu
exército "( Is. 45:12 ).
Como cristão que também é um cientista profissional, eu exultar na
realidade de que " em seis dias o Senhor fez os céus ea terra "( Ex.
20:11 ). Que Ele seja louvado para sempre.

Referências e notas
1. A coleta dessas cartas está disponível na rede mundial de computado-
res em <www.globalflood.org/letters/letterindex.html>.
2. CW Allen, Quantidades Astrophysical , 3ª ed., Universidade de Londres,
Athlone Press, Londres, p. 293, 1973; M. Fukugita, CJ Hogan, e PJE
Peebles, O Baryon Orçamento Cósmica, Astrophysical Journal 503 :
518-30, 1998.
3. HP Yockey, um cálculo da probabilidade de espontânea Biogenesis pela
Teoria da Informação, Journal of Theoretical Biology 67 : 377-398,
1978; Hubert P. Yockey, Teoria da Informação e Biologia Molecular ,
Cambridge University Press, Cambridge, Reino Unido, 1992.
4. Fred Hoyle e Chandra Wickramasinghe, Evolução do espaço , JM Dent,
Londres, 1981.

220
5. A. Einstein, Observações sobre a Teoria do Conhecimento de Bertrand
Russell; em The Philosophy of Bertrand Russell, PA Schilpp (Ed.), Tudor
Pub., New York, p. 290, 1944.
6. John W. Oller Jr., Linguagem e Experiência: Pragmatismo clássico , Uni-
versity Press of America, Lanham, MD, p. 25, 1989.
7. M. Éden, inadequações da evolução neo-darwinista como uma teoria ci-
entífica; PS em Moorhead e MM Kaplan (Eds.), Desafios matemáticos
para a interpretação neo-darwinista da evolução , Wistar Institute Press,
Philadelphia, PA, p. 11, 1967.
8. RG Strom, GG Schaber, e DD Dawson, O Resurfacing global de
Vênus, Journal of Geophysical Research 99 : 10.899-926, 1994.
9. SA Austin , JR Baumgardner , DR Humphreys , AA Snel-
ling , L. Vardiman e KP Sábio , Tectônica de Placas catastróficos: Um
Modelo dilúvio global da História da Terra, pp 609-621;. JR Baumgar-
dner, Modelagem Computacional do Large-Scale Tectônica Associated
com o dilúvio de Gênesis, pp 49-62.; Subducção fugitiva como o meca-
nismo de condução para o dilúvio de Gênesis, pp 63-75.; no RE Walsh
(Ed.), Proceedings da Terceira Conferência Internacional sobre criacio-
nismo, Simpósio Técnico Sessões , Creation Science Fellowship, Inc.,
Pittsburgh, PA, 1994.
10. OL Anderson e PC Perkins, Temperaturas fugitivo na astenosfera Re-
sultantes de viscoso Aquecimento, Journal of Geophysical Rese-
arch 79 :, 2136-2138, 1974.
11. SA Austin, Grand Canyon: Monumento à catástrofe , Interpretação
Strata do Grand Canyon, Institute for Creation Research, El Cajon, CA,
p. 46-47, 1994.
12. Ibid. , p. 42-51.
13. Ibid. , p. 32-36.
14. JR Baumgardner e DW Barnette, Padrões de Circulação Oceânica Ao
longo dos continentes durante o dilúvio de Noé; em: RE Walsh
(Ed.), Proceedings da Terceira Conferência Internacional sobre criacio-
nismo, Simpósio Técnico Sessions, Creation Science Fellowship, Inc.,
Pittsburgh, PA, pp 77-86, 1994..
15. RV Gentry, GL ê s, e EH McBay, Diferencial Hélio de retenção na Zir-
cons: Implicações para resíduos nucleares de contenção, Geophysical
Research Letters 9: 1129-1130, 1982.
16. SA Austin e DR Humphreys, Salt faltante do Mar: um dilema para os
evolucionistas; em: RE Walsh e CL Brooks (Eds.), Proceedings da Se-
gunda Conferência Internacional sobre criacionismo, vol. II , Creation
Science Fellowship, Inc., Pittsburgh, PA, pp. 17-33, 1990.
17. G. Muyzer, P. Sandberg, MHJ Knapen, C. Vermeer, M. Collins, e P.
Westbroek, Preservação da proteína óssea osteocalcina em Dinossau-
ros, Geologia 20 : 871-874, 1992.
18. D. Russell Humphreys, Starlight and Time , Master Books, Green For-
est, AR, 1994.
19. P. Coles, um sem princípios Universo? Nature 391 : 120-121, 1998.

221
20. DR Humphreys, novas perspectivas de Espaço-Tempo Refutar os críti-
cos, Journal of Creation 12 (1): 195-212, 1998.
21. B. Schwarzschild, Muito Distante Supernovas sugerem que a expan-
são cósmica está se acelerando, Physics Today 51 : 17-19, 1998.

222
arthur jones
Biologia

É comumente alegado por cientistas seculares que o criacionismo é


uma "rolha de ciência". O argumento é que a atribuir qualquer coisa (por
exemplo, a origem dos organismos vivos) para a ação direta de Deus é cortar
toda investigação científica. Isso parece tão simples senso comum que tem
sido muito persuasivo. No entanto, não é difícil mostrar que o argumento é
falacioso.
Um certo número de pontos gerais podem ser feitas. Em primeiro lugar,
o argumento é baseado na ignorância de todas as maneiras diferentes em
que a fé cristã pode entrar em ciência e de como estes têm sido frutífe-
ros. Afinal de contas, muitos dos grandes cientistas do passado foram come-
tidos cristãos e muitos dos que foram conscientemente explorar as implica-
ções de sua fé cristã para a ciência. Em segundo lugar, ao passo que a ação
direta de Deus pode cortar um tipo de explicação, outros permanecem e po-
dem até mesmo ser reforçada. Dizer que Deus criou os diferentes tipos de
animais e plantas certamente corta explicação em termos de continuidade
evolutiva. No entanto, ele deixa a investigação científica escancarado de

223
qualquer outro padrão de relacionamento (ecológico, desenvolvimento, etc.)
entre esses tipos. Os cientistas foram tão doutrinados na crença de que to-
dos os padrões só pode ser explicado historicamente em termos dos acasos
da evolução darwiniana que muitos nem sequer sabem como procurar expli-
cações em outros termos. Em terceiro lugar, existe abundante documenta-
ção do fato de que o naturalismo evolucionista tem muitas vezes parou pes-
quisa científica. Para dar apenas um exemplo, a hipótese evolutiva que cer-
tos órgãos ou funções são vestigiais tem muitas vezes demorada pesquisa
(frutífera) em suas funções.
Mais especificamente, pode-se recorrer à experiência e é aí que este en-
saio se torna um testemunho pessoal da fecundidade científica de um com-
promisso com a criação.
Durante meus dias de graduação quando meus pontos de vista "heréti-
cas" se tornaram conhecidos, meu professor (Otto Lowenstein, professor de
Zoologia) fez questão de me dizer que nenhum criacionista seriam autoriza-
dos a fazer pesquisas em seu departamento! No entanto, ele me permite fa-
zer pesquisas. A partir da pressão que foi colocada em mim, eu só posso su-
por que se pensou que eu poderia ser convencido do erro dos meus cami-
nhos. Se foi essa a intenção, então ele mal saiu pela culatra. Muitos profes-
sor visitante foi trazido para o meu laboratório para me convencer, a partir
de sua área de atuação, que a evolução era indiscutivelmente verdadeiro. É
claro que, sem saber seu campo, eu nunca tive uma resposta no momento,
mas depois que eles tinham ido eu olhava para cima a pesquisa relevante e
cuidadosamente analisá-lo. Eu sempre achei que o caso evolucionista era
muito mais fraco do que parecia e que as interpretações criacionistas alter-
nativas estavam disponíveis que eram tão ou mais convincente. A minha po-
sição foi reforçada pelos resultados da minha pesquisa.
Eu tinha decidido abordar a questão da identidade e da natureza das
espécies criadas. Isto foi em resposta a um desafio evolucionista comum que
sempre me pareceu ser um razoável. Se não são criados os tipos, então eles
devem ser identificáveis. Eu queria investigar os processos de variação den-
tro de uma espécie, e ganhar alguma alça sobre os limites para essa varia-
ção. Eu precisava ser capaz de manter e criar um grande número de espé-
cies.Minha formação foi em estudos de vertebrados, o que significava pei-
xe. Meu supervisor era um fã do aquário de peixes ciclídeos, de modo que foi

224
rapidamente resolvido! Esses anos de pesquisa foram fascinantes. Apesar de
toda a diversidade de espécies, encontrei os ciclídeos ser um grupo natural,
inequivocamente, uma espécie criada.Quanto mais eu trabalhava com estes
peixes a mais clara meu reconhecimento "cichlidness" tornou-se o mais dis-
tinto e eles pareciam de todos os peixes "semelhantes" Eu estuda-
dos. Conversas em conferências e pesquisas bibliográficas confirmou que
esta foi a experiência comum de especialistas em cada área da biologia sis-
temática.Tipos distintos realmente estão lá e os especialistas sabem que é
assim. Os estudos de desenvolvimento, então, mostrou que a enorme diver-
sidade de ciclídeos (mais de 1000 "espécies") foi realmente produzido pela
permutação infinita de um número relativamente pequeno de estados de ca-
racteres: 4 cores, dez ou padrões tão básicos pigmento e assim por dian-
te. Os mesmos caracteres (ou padrões de caracteres) apareceu "aleatoria-
mente" em todo o ciclídeo distribuição. Os padrões de variação foram "modu-
lar" ou "mosaico"; linhas evolutivas de ascendência foram longe de ser en-
contrada. Este tipo de variação adaptativa pode ocorrer muito rapidamente
(uma vez que envolve apenas o que já estava lá) e alguns casos de "radiação"
ciclídeo (em geologicamente lagos "recentes") eram de fato dateable (pelos
evolucionistas) para dentro TimeSpans de não mais do que um alguns mi-
lhares de anos. Em uma tela mais larga, os fósseis não forneceu conforto
para os evolucionistas. Todos os peixes, vivos e fósseis, pertencem a espécies
distintas; "Ligações" são decididamente falta. Aliás, os criacionistas não têm
razão para estar comprometidos com qualquer esquema de classificação par-
ticular, nem com qualquer taxa especial acima do nível de espécie. "Pedidos",
"classes" ou "filos" não devem ser autorizados a se tornar santificado pela
tradição. Eles podem ser corretamente identificados (taxa mais eleva-
dos são real), mas não há, novamente, eles não podem. Alguns "elos perdi-
dos" foram artefatos de sistemas de classificação ruins. Morfologia (e agora
bioquímica) dominaram a classificação, mas a ecologia ainda pode vir a ser
um guia melhor.
Meus peixes eram supostamente estritamente de água doce, mas foram
encontrados em águas tropicais frescas de três continentes-das Américas
através da África para a Ásia. I a hipótese de que todos, ou pelo menos a
maioria dos tipos de peixe, que sobreviveram à inundação deve ser capaz de
sobreviver à água do mar e fresca, e muito de mistura dos dois. Após a di-

225
versificação de pós-dilúvio dentro das espécies que ainda deve achar que, em
tipos marinhos, existem algumas espécies que podem tolerar água muito
mais fresco e, em vários tipos de água doce, algumas espécies que podem
tolerar água muito mais salgado. Com os meus ciclídeos eu achei que esse
era realmente o caso. Eu era capaz de manter algumas espécies em água do
mar pura para mais de dois anos, sem efeitos nocivos, eles viveram e se re-
produziram normalmente. A pesquisa da literatura revelou novamente que
este era um padrão comum em todas as classes de peixes.
Eu também estava olhando para a hereditariedade e já a tornar-se céti-
co em relação ao dogma de que "DNA é tudo" (assim ligados a esquemas re-
ducionistas e evolutivos). Eu descobri que há provas substanciais de que
não há mais a hereditariedade de genes e processos gênicos.
Com efeito, é claro que o sistema de célula inteira é uma unidade míni-
ma do organismo hereditariedade. Processos gênicos têm muito a ver com a
variação dentro de espécies, mas provavelmente pouco a ver com a distinção
de tipos. Genes são mais considerados como desencadeadores em sistemas
complexos de desenvolvimento e não como criadores ou causas de estrutu-
ras orgânicas. A este respeito, descobri que não havia um programa de pes-
quisa criacionista vibrante em biologia do desenvolvimento antes de Darwin
que foi parcialmente retomada pelos biólogos modernos "estruturalistas" (por
exemplo, Stuart Kauffman e Brian Goodwin). Não surpreendentemente, os
últimos são anti-evolucionistas de Darwin e anti-Dawkins. No entanto, o seu
trabalho pode facilmente ser interpretado em termos creationist. Pode, é cla-
ro, revelar-se errada (nossa ciência é sempre aproximados e passíveis de er-
ro), mas pelo menos faz com que o ponto de que o criacionismo não é uma
rolha de ciência.Em minha opinião, as explicações evolutivas vir a ser fatal-
mente inconsistente.

Leituras
 Um criacionista Crítica da homologia, Creation Research Society Quar-
terly 19 (3): 166-75, 1982 e 20 (2): 122, 1983.
 Desenvolvimento de Estudos e especiação em Cichlid Peixe . Ph.D. tese,
do Departamento de Zoologia e Fisiologia Comparada, Universidade de
Birmingham, Reino Unido, 1972, Diss S2 B72.
 A integridade genética dos "tipos" (baramin) -A hipótese de traba-
lho, Creation Research Society Quarterly 19 (1): 13-18, 1982.

226
227
george f. howe
Botânica

Em 1953, matriculei-me como um estudante graduado no departamen-


to de botânica da Universidade Estadual de Ohio. Meu tempo no OSU (1953-
1959) foi preenchida com pesquisas em fisiologia vegetal, botânica cursos,
reuniões na igreja e Intervarsity Christian Fellowship, e meu casamento em
1955. Como resultado, houve pouco tempo para avaliar teorias ori-
gens. Embora nunca adotando o evolucionismo teísta, eu continuei a orien-
tar a minha visão de fósseis em torno das interpretações do dia-idade, as-
sumindo que os atos miraculosos de Deus da criação foram de alguma forma
intercalada ao longo eras de tempo geológico.
Um dia, em uma classe avançada fisiologia vegetal, CA Swanson (a au-
toridade respeitada na translocação de açúcares dentro plantas com flores)
estava terminando uma palestra impressionante sobre o DNA e seu código
genético detalhado-um assunto que era novo e estimulante em 1955. Ao per-

228
ceber que o DNA carrega informações precisas sobre a maioria dos aspectos
da vida vegetal, perguntei Swanson como o DNA original veio a possuir estas
instruções complexas. Com um sorriso no rosto, CA Swanson sabiamente
respondeu: "Howe, que é uma ciência não pode responder a pergunta!"
Muitas conversas rentáveis ocorreu com outros estudantes de pós-
graduação no café. Em uma dessas ocasiões, eu discuti origens filosofias
com Bill (um cristão liberal, que adotava o evolucionismo teísta atacado) e
Ken (um ateu convicto, que colocou nenhum estoque na intervenção divi-
na). Cada um de nós defendeu nossas respectivas convicções e pouco antes
tivemos que sair, Ken (o ateu que robustamente discordou de mim) resumiu
a nossa discussão da seguinte forma: "George, tanto o seu sistema e as mi-
nhas são filosoficamente coerente e clara. A posição média de Bill, no entan-
to, é inútil e sem esperança confuso! "
Quando os estudos de pós-graduação foram chegando ao fim, em 1959,
me candidatei a várias faculdades para os cargos de ensino botânica. De
acordo com a cada aplicação, o escritório de colocação OSU enviou meu ar-
quivo (incluindo transcrições das notas e várias cartas de referência) para
cada faculdade. Também em contato com meu velho amigo e conselheiro, o
efervescente John Leedy no Wheaton College, Illinois, onde eu tinha sido um
estudante de graduação. Ele me informou que havia uma abertura em tempo
integral para ensinar no departamento de biologia na Westmont College,
Santa Barbara, Califórnia, uma escola que era conhecido na época como o
"Wheaton do Ocidente." Depois de visitar a nossa casa em Columbus, Ohio ,
Roger Voskuyl, presidente da Westmont, enviou-me um contrato para ensi-
nar lá.
Por dois motivos eu prontamente assinado esse documento e enviou-lo:
(1) não havia nenhuma empresa oferece a partir de qualquer uma das outras
faculdades; e (2) Eu me senti um pouco obrigado ao Senhor para passar pelo
menos um ano de ensino em uma faculdade cristã em troca das bênçãos
acadêmicos e espirituais que uma educação em um colégio cristão tinha me
proporcionou. Apenas alguns dias após o contrato foi enviado de volta para
Westmont, um colégio de educação no estado de Washington me enviou um
telegrama contendo um pedido de desculpas para um mix-up, e um convite
para ensinar para eles com um salário que teria sido $ 1,200 mais por ano
do que a oferta Westmont! Em vez de enviar meu arquivo para o colégio Wa-

229
shington, o escritório da Ohio State University, inadvertidamente enviado a
Washington o arquivo de trabalho de um certo George Earl Howe, um gradu-
ado da OSU diferente que tinha ganhado seu grau avançado em algum outro
campo, como o negócio!Intrigante sobre esta anomalia, o povo de biologia em
Washington tinha atrasado tratar do meu pedido. No momento em que o er-
ro tinha sido rectificado e uma oferta enviada, eu tinha, é claro, aceitou o
outro trabalho.Pareceu-me que este peculiar reviravolta dos fatos era um
sinal de Deus para mim ir para Westmont. A oferta Washington foi rejeitada,
ea posição em Westmont durou nove anos, não apenas um.
Em termos de a obra que Deus tinha à frente para mim, esta pequena
falha não foi um erro em tudo, mas uma instância de serendipidade divi-
na. Na Westmont eu encontrei a liberdade acadêmica, bem como contatos
produtivos com os alunos e outros professores. Houve oportunidades para
corresponder e até mesmo visitar com tais criacionistas de renome como
John Whitcomb Jr. e Walter Lammerts. Era um ambiente que me permitiu
amadurecer como um professor cristão e reavaliar as minhas próprias idéias
sobre o registro fóssil. Apesar de um programa de ensino muito cheio, não
houve tempo para mim para tentar desatar o nó górdio: como lidar com a
geologia e Gênesis ao mesmo tempo.
Ensinar um curso origens obrigou-me a mergulhar na literatura de am-
bos criação e evolução e estudar as várias abordagens estudiosos bíblicos
conservadores estavam fazendo para os eventos em Gênesis capítulo 1. O
livro eu selecionei em evolução, Evolution: o processo eo produto , foi por EO
Dodson, geneticista evolutivo notável do Canadá. Vinte anos depois, Dodson
realizada pacientemente a uma correspondência de oito anos sobre as ori-
gens comigo, o que deu origem ao nosso livro em co-autoria Criação ou Evo-
lução: Correspondência sobre o conflito atual . 1

Em que classe primeiras origens e em outros cursos de ciências, apre-


sentei dois ou três abordagens para o calendário de eventos de criação, e en-
tão eu recomendado que os alunos fazem a sua escolha. Em algumas dessas
aulas, havia um indivíduo talentoso chamado Art Hubbard. Sempre que eu
apresentei várias teorias de criação de longa idade que envolvem interpreta-
ções desviantes de Gênesis, arte seria cordialmente objeto e afirmam que o
verdadeiro significado da passagem estava sendo violado por essas táti-
cas. Outro estudante que promoveu uma criação recente em minhas primei-

230
ras aulas foi David Nicholas, que mais tarde tornou-se presidente de Shasta
Bible College.
Em 1960, o Presidente do meu departamento, mentor e amigo, Robert
Frost, me incentivou a ler livros de geologia da inundação pelo geólogo auto-
didata, George McCready Price. Eu acredito que não se deve rejeitar catego-
ricamente os escritos de pessoas que não têm uma educação formal em ci-
ências. Deve ser lembrado que Lyell era um advogado (não um geólogo) e
Charles Darwin foi um teólogo. Bob Geada também me emprestou uma có-
pia do The New Diluvialism , um livro fascinante em que o autor, Harold
Clark, representaram os diferentes conjuntos de fósseis em estratos mais
elevados sucessivamente como consequência da pré-diluvianos zonas de vida
ecológico. Esses biomas, ele propôs, foram sequencialmente inundados e
fossilizados enquanto as águas da inundação se levantou e agitaram através
das massas de terra iniciais. Este livro me mostrou que existem alternativas
viáveis para uniformitarianism para explicar a "lei da sucessão flora e fauna"
biostratigraphic -explanations que não envolvem longos períodos e imprová-
veis de sedimentação gradual.
Poucos anos depois, um documento marco apareceu na Scientific Ame-
rican revista intitulada "Crises na História da Vida", de Norman Newell, um
geólogo secular. 2 Neste artigo Newell empacotado abundância de evidências
que mostram que os fósseis haviam sido depositados por catastrófica ( não
gradual) significa. No entanto, o autor ainda se agarrava ao quadro geral
uniformista especulando que muitas catástrofes (não apenas um) deve ter
ocorrido ao longo da história da Terra alongada. Esta visão veio a ser conhe-
cido como "uniformitarianism catastrófico", um binômio que é claramente
uma contradição. Leituras de preço, Clark, e até mesmo Newell me obrigou a
ampliar meus horizontes e pensar sobre o catastrofismo geológico como co-
rolário provável do dilúvio de Noé .
Sobre a interpretação da Bíblia, um ensaio monumental foi escrito por
Raymond Surburg: "No princípio criou Deus", em Darwin, Evolução e Cria-
ção , em que este erudito hebreu afirmou que sempre que a palavra Bíblia
"dia" ( yom , em hebraico) é acompanhado pelo número definido como "pri-
meiro" dia dia ", segundo", etc., que invariavelmente significa um dia de ver-
dade, não uma longa idade. 3 Esta verdade exegética criou raízes e começou
a minar minhas especulações sobre a longa-idade "dias" em Gênesis capítulo

231
1. Por sua insistência em seis dias reais de criação, Surburg puxou o tapete
de debaixo da infinidade de leituras alternativas para a escala de tempo de
criação. Este livro também incluídas alguns capítulos anti-evolucionistas por
cientistas da criação eminentes, que depois se tornaram meus prezados
membros do conselho companheiro na Creation Research Society: Paul
Zimmerman, John Klotz, e Wilbert Rusch Sr.
Enquanto eu listei autores notáveis que promoveram criacionismo da
Terra jovem no início dos anos 1960, eu tenho guardado o mais importante
para o final. Apesar de ter sido publicado no início de 1961, O Dilúvio de Gê-
nesis , por Henry Morris e John C. Whitcomb Jr., não encontrou o seu ca-
minho para a minha agenda de leitura até que alguns meses depois, quando
meu irmão Fredrick, um teólogo distinto, começou a pressionar-me para es-
tudá-la. Entre essas duas covers, Morris e Whitcomb tinha embalado um
vasto conjunto de dados que se encaixam diretamente com o catastrofismo
da Terra jovem. 4 The Genesis Flood foi e ainda é controversa entre os apolo-
gistas cristãos.
Outro trabalhador que me cutucou para se aproximar de uma posição
da Terra jovem era Bolton Davidheiser, um professor brilhante e intransigen-
te que tinha ensinado biologia na Westmont antes do meu tempo lá. Depois
de ouvir-me rever um livro em uma reunião 1959 da Confederação Scientific
American, em Los Angeles, Davidheiser correspondeu comigo sobre a minha
neutralidade sobre a questão do tempo em Gênesis. Em sua própria maneira
direta e sem malícia, ele ajudou no esclarecimento das minhas origens pos-
tura.
Em 1963 o meu caminho tinha cruzado com o de Walter Lammerts, um
cientista criação que já havia se tornado conhecido como o "pai da moderna
Rose Breeding" por causa de seu sucesso em produzir tais rosas extrema-
mente populares como "Charlotte Armstrong" e "Rainha Elizabeth". Em
1964, Walter foi o primeiro presidente da Creation Research Society. Embora
soubesse dos meus persistentes dúvidas sobre uma Terra jovem, ele, no en-
tanto, permitiu-me a tornar-se um membro do CRS.
A convite meu, Lammerts apresentou um seminário criação Westmont
que foi bem atendido por estudantes, professores e visitantes fora do cam-
pus. Ele me encorajou a perseguir o meu estudo de taxas de germinação em
sementes depois de semanas de imersão em águas do oceano, como um

232
meio para entender como as plantas poderiam ter sobrevivido durante e de-
pois do Dilúvio. Lammerts mesma forma ajudou kindle meu interesse na
realização de vários outros projetos de pesquisa criação anos mais tarde, em
Los Angeles Baptist College (agora The Masters College) em Newhall, Califór-
nia.
Muitos dos colegas de horticultura Lammerts "acreditava na evolução
gradual, envolvendo longos períodos de tempo. Mas, como um criacionista
Lammerts assumiu que tudo o que é possível variação irá ocorrer no presen-
te e rapidamente. Foi a esta suposição subjacente de que ele atribuiu suas
conquistas no melhoramento de plantas. Seus amigos de evolução de espíri-
to sentiu que havia pouca chance de efetuar qualquer mudança imedia-
ta. Ironicamente, foi Lammerts, o criacionista, que passou a encontrar essas
mudanças e usá-los no desenvolvimento de novas rosas!
Círculo Lammerts 'de amigos pessoais sempre incluído alguns "longas-
res" e até mesmo alguns macroevolutionists hard-core, com quem ele exerci-
das diálogos espirituosos, mas amigáveis. Nisto eu acredito que é uma lição
importante para os criacionistas: sempre que possível, vamos dar uma abor-
dagem irenic aos nossos adversários.
Durante 1964 um limite no meu pensamento foi gradualmente cruza-
dos. Até aquele ano, parecia-me que não havia ampla evidência científica
que exigia longas eras. Imaginei que fenômenos como C-14 decadência, U-
238 encontros, a formação de carvão, ea gênese do petróleo prestou teste-
munho inegável de um vasto pré-história para a terra. Depois de atravessar
uma mentais "divisão continental", no entanto, tornou-se cada vez mais cla-
ro para mim que não há nada na ciência empírica que obriga alguém a abra-
çar bilhões ou até milhões de anos.
O método U-238 e outros "relógios" radioquímica são baseadas em su-
posições improváveis, que, em alguns casos, na verdade, foram falsifica-
dos. Não há nenhuma pedra ou qualquer outro objeto, por exemplo, que diz:
"Eu tenho 40 milhões de anos; use-me como uma amostra de calibração.
"[ CMI Ed. nota : Veja Datação radiométrica Q & A para mais informações]
C-14 namoro levou inclusive à truncando as estimativas anteriores para
o tempo decorrido desde o início da Idade do Gelo. O desequilíbrio entre a
taxa medida de C-14 e a taxa de deterioração da sua produção atmosférica
suporta uma idade de menos de 10.000 anos para a atmosfera da terra. E

233
assim vai. Não há nem mesmo um fato científico que fornece uma inequívoca
demonstração de grande antiguidade.Todos os dados de encontrar explica-
ções alternativas favoráveis dentro de uma posição recente criação.
A minha pergunta principal mudou de "Como podemos interpretar a
Escritura para acomodar as enormes idades conhecidas da ciência?" Para
"Existe alguma característica sobre qualquer método de datação que real-
mente satisfaz todos os critérios comuns da ciência real?"
Como o fim desta era eo sorteio Juízo Final perto, os crentes em todos
os lugares são limitados para reafirmar as verdades literais Deus revelou so-
bre as origens. Algum dia todos nós devemos responder consulta do assom-
bro de Cristo individualmente: " Quando o Filho do homem, porventura
achará fé na terra? "( Lucas 18: 8 ).

Referências
1. Edward O. Dodson e George F. Howe, Criação ou Evolução: Correspon-
dência sobre o conflito atual , da Universidade de Ottawa Press, Ottawa,
Canadá, 1990.
2. Norman Newell, Crises na História da Vida, Scientific American 208 (2):
76-92, 1963.
3. Raymond Surburg, No princípio criou Deus; em: Paul Zimmerman
(Ed.), Darwin, Evolução e Criação, Concordia Publishing House, St.
Louis, MO, pp 36-81, 1959..
4. Henry M. Morris e John C. Whitcomb Jr., The Genesis Flood , Pres-
biteriana e Reformada, Phillipsburg, NJ, 1960.

234
a.j. monty white
Físico-Química

Os meus pais levaram-me para ser um ateu, mas como resultado de


discussões com os cristãos durante o meu primeiro ano na universidade, eu
cheguei à conclusão de que havia um Deus, que a Bíblia pode ser confiável
tanto como um livro de história e um livro de profecia, e também que o cris-
tianismo era uma religião de transformação da vida miraculosa. Minha expe-
riência de conversão veio alguns meses depois e eu me tornei um cristão.
O mês de Outubro seguinte (1964), comecei a estudar geologia na uni-
versidade. A primeira palestra geologia eu participei foi dada pelo professor
Alan Wood, o chefe do departamento. Ele deu uma palestra sobre a evolução
da vida na terra-a conhecida história sobre a forma como os produtos quími-
cos inorgânicos na superfície pré-biótica da Terra juntaram-se para produzir
moléculas orgânicas e como essas moléculas orgânicas se constituíram em
organismos auto-replicantes, que depois evoluiu para todo o extinto e formas
de vida sobre a Terra viva. Professor Madeira teve o cuidado de salientar que
a espécie humana não era o produto final da evolução, e então ele especulou

235
sobre a evolução futura da humanidade. Perto do fim de sua palestra, ele
sugeriu que em algumas centenas de milhões de anos o que fosse a criatura
mais avançada na terra naquele tempo iria encontrar restos fossilizados de
seres humanos do século 20 e dizer, ou por meio de comunicação telepática
com o outro, declarar: "Como primitivo!"
Saí da palestra pensando muito sobre o que o Professor Madeira tinha
dito. Como eu poderia conciliar com o que a Bíblia ensina em Gênesis sobre
a criação eo início da história da Terra? Eu decidi perguntar aos meus ami-
gos cristãos sobre a questão de criação / evolução. Eu estava, no entanto,
um pouco surpreso em sua resposta, por tudo o que me disseram para acre-
ditar na evolução e para interpretar os primeiros capítulos de Gênesis em
conformidade. Essa crença é chamada evolução teísta em outras palavras,
que a evolução ocorreu e que Deus controlava os processos. A implicação
dessa crença é que os primeiros capítulos do Gênesis não são interpretados
como história, mas em termos de mitos, alegorias, lendas e parábolas. Como
resultado de falar com meus amigos cristãos, eu vim a aceitar a evolução
teísta e acreditava-lo por alguns anos.
Eu realmente gostei de estudar geologia e dentro de dois anos tinha
avançado de nível superior. No entanto, continuei a maior em química e ob-
teve uma licenciatura nesse assunto em 1967 e, em seguida, começou a
pesquisa para o meu doutoramento na área da cinética de gás. Durante esse
tempo, eu me casei e logo depois minha esposa desafiou os meus pontos de
vista teístas evolucionistas por me pedindo para explicar a Escritura encon-
trada em 1 Coríntios 15:22 : " Como em Adão todos morrem, assim também
em Cristo todos serãovivificados. "
Eu percebi que eu estava sendo convidado a responder à pergunta fun-
damental "Quem foi Adão?" Eu me lembro de pensar que, se eu acreditava
em um Adão literal, eu também teria que acreditar em uma véspera de lite-
ral, Jardim literal do Éden, e uma literal criação de seis dias. Se eu fizesse
isso, eu teria que cometer suicídio intelectual, pois, naquela época, eu sabia
que ninguém que acreditava criação. Todo mundo que eu conhecia evolução
acreditava. Cada livro que eu li, mesmo aqueles escritos por cristãos, ensi-
nou evolução. O que eu deveria fazer?
A questão de quem Adão foi realmente me incomodava. Para tentar res-
ponder a esta pergunta, eu li os livros do Novo Testamento para ver o que foi

236
a atitude de seus personagens (incluindo o Senhor Jesus Cristo) para os
primeiros capítulos de Gênesis. Logo percebi que no Novo Testamento, todos
os eventos que são registrados nos primeiros capítulos da Bíblia, a criação,
Adão, Eva, a queda, Noé, o Dilúvio, e assim por diante-são aceitos como
sendo literal e histórica. Não há absolutamente nada no Novo Testamento
sobre o seu ser mítico, alegórico, lendária, ou mesmo evolutivo.
Eu percebi que se eu também fosse dessa mesma persuasão, então eu
teria que parar de acreditar na evolução. A pergunta que agora me perguntei
foi: "É possível, intelectualmente , para rejeitar a evolução? "Ao longo dos
próximos dois anos, cheguei à conclusão de que era possível não só rejeitam
a idéia de evolução, mas também a aceitar a historicidade os primeiros capí-
tulos de Gênesis sem cometer suicídio intelectual. Eu não chegar a essa
conclusão apressada. Eu estava extremamente ocupado perseguindo minha
pesquisa: primeiro na cinética de gás, para a qual fui premiado com o meu
Ph.D. em 1970, em seguida, no estudo das propriedades eléctricas e ópticas
dos semicondutores orgânicos. No entanto, eu fiz tempo para perseguir três
áreas principais sobre a questão de criação / evolução: evolução química, o
registro fóssil, e os métodos de datação. Eu fiz isso por ler minhas notas ve-
lhas geologia de aula e lendo livros evolucionários. Na época, eu estava to-
talmente inconsciente de qualquer outro criacionista e eu não sabia da exis-
tência de qualquer anti-evolução / livro pró-criação, artigo ou organiza-
ção.Por conseguinte, pode vir como uma surpresa para perceber que eu tor-
nou-se um criacionista como resultado da leitura sobre a evolução!
Deixem-me partilhar algumas das razões que me convenceu a tornar-se
um criacionista. A primeira área é a evolução química. Eu era e ainda sou,
surpreso com a ingenuidade das declarações feitas pelos evolucionistas quí-
micos. Eles alegam que provaram que a vida se originou por acaso em uma
Terra pré-biótica e eles apontam para os resultados de seus experimentos de
laboratório de apoio a tais conclusões. No entanto, seus experimentos são
concebidos não por acaso, mas por seu próprio intelecto! O que na verdade
eles estão dizendo é algo como isto: "Se eu posso sintetizar a vida aqui em
meu laboratório, então eu vou ter provado que não era necessária inteligên-
cia para criar vida no início e eu também provaram que ela se originou por
acaso! "

237
No famoso experimento de Miller realizado em 1953, uma mistura de
aminoácidos foi produzido pela passagem de uma descarga eléctrica através
de uma mistura de amoníaco, hidrogénio, metano e vapor de água. Desde
essa altura, várias misturas de aminoácidos, açúcares e bases de ácido nu-
cleico foram produzidos em experiências similares. Como esses produtos
químicos são os blocos de construção dos sistemas vivos, argumenta-se que
tais experiências provar além de qualquer dúvida que a vida foi produzido
por acaso na Terra. No entanto, essas experiências provam nada sobre a ori-
gem da vida para uma variedade de razões.
A primeira, que já foi mencionada, é porque tais experiências foram
concebidas por cientistas inteligentes; eles não têm nada a ver com o aca-
so. Outra razão é que no experimento de Miller, por exemplo, aminoácidos
foram produzidos apenas porque eles foram removidos a partir do experi-
mento, logo que eles foram formados. Se eles tivessem sido deixado no apa-
relho, em seguida, eles teriam sido destruídos pela mesma descarga elétrica
que lhes causou a ser sintetizados. Além disso, os aminoácidos que são pro-
duzidos em todos esses experimentos são nas formas canhotos destros, bem
como, ao passo que os sistemas vivos contêm aminoácidos apenas canho-
tos. Além disso, havia sido de oxigénio presente na mistura de gases, os
aminoácidos não teriam formado em tais experiências. Este ponto é extre-
mamente importante porque a evidência da geologia indica que a atmosfera
da Terra sempre conteve oxigênio. Assim, a mistura de gases em tais experi-
ências não imitam a composição da atmosfera terrestre. Isto significa que as
experiências não têm absolutamente nada a ver com o que pode ou não ter
acontecido na chamada Terra pré-biótica.
A segunda área em que eu olhei foi o registro fóssil é-que, os restos de
formas de vida que estão presos nas rochas sedimentares. Logo percebi que
o registro fóssil não mostra a evolução gradual de uma forma de vida em ou-
tro como previsto e exigido pela evolução. Os elos perdidos que são chama-
dos porque eles são realmente faltando-ninguém jamais foi encontra-
do. Existem lacunas no registro fóssil em todos os principais breaks: peixes
para anfíbios, anfíbios para répteis, répteis para aves e répteis aos mamífe-
ros. Além disso, há restos fósseis de uma criatura que liga os humanos aos
ancestrais macacos já foram descobertos; meio-macaco / criaturas meio-
humanas são produtos da imaginação dos artistas que os atraem para os

238
livros em que eles aparecem. Eu era e ainda sou, perturbado ao ler sobre a
famosa falsificação Piltdown, quando uma fraude deliberada foi perpetrada a
fim de fazer parte de um crânio moderno eo osso da mandíbula de um oran-
gotango parecem ser os restos fossilizados de um meio-macaco / meio-
humana criatura. Se os evolucionistas têm a evidência para a evolução de
macacos em seres humanos, por que fingir isso?
A outra área científica em que eu olhei foi o de namoro. Como pode-
mos saber que uma rocha é tal e tal idade? Esta é a questão crucial.Como
químico pude ver que a exatidão de quaisquer métodos de datação se baseou
em uma série de suposições, algumas das quais são improváveis e outros
incognoscível. Por exemplo, a fim de determinar a idade de uma rocha por
datação radiométrica, três coisas devem ser conhecidos:
 as atuais concentrações dos elementos pai e filha na rocha;
 as concentrações originais de elementos pai e filha em que o rock; e
 a taxa de decaimento da mãe para o elemento filha.
Agora, na maioria dos casos, é possível medir a quantidade de elemen-
tos pai e filha na rocha. No entanto, isso nem sempre é possível conhecer as
concentrações originais. Às vezes, é assumido que não havia nenhum ele-
mento filha presente quando a rocha foi formada, mas não há maneira de
dizer isto. É uma suposição. Embora a presente taxa de decaimento de pai
para filha geralmente pode ser medido com precisão, não há nenhuma ma-
neira de saber que essa taxa não muda ao longo do tempo. Novamente, é
uma suposição que a atual taxa manteve-se inalterada no passado, como
não há nenhuma maneira de dizer.
Naturalmente, a prova da exactidão dos diferentes métodos de datação
deve ser métodos diferentes que dão a mesma idade, para a mesma amostra
de rocha. No entanto, como eu procurei na literatura eu me tornei conscien-
te de artigos em que foi relatado que diferentes métodos deu idades diferen-
tes para o mesmo rock. Nestes trabalhos os autores passou uma grande par-
te do espaço discutindo por que havia discrepâncias e por que a idade deve
ser determinada a partir do conteúdo fóssil da rocha ou dos fósseis nas ro-
chas adjacentes. Mas há um raciocínio circular aqui:
 A idade da rocha é determinada a partir da idade de um fóssil, a idade
do que por sua vez é determinado pela evolução;
 A prova da evolução é a idade das rochas em que o fóssil é encontrado.

239
Em outras palavras, eu vi que a base para a datação de rochas é a evo-
lução ea única prova da evolução é a idade das rochas em que os fósseis são
encontrados. O pressuposto da evolução é, portanto, a principal evidência a
favor da evolução.
Durante esse tempo, eu comecei a perceber que a idéia de evolução foi,
na melhor hipótese, e que não tinha sido provado. Eu fiquei convencido (e
ainda estou convencido) que as pessoas acreditam na evolução porque esco-
lhem fazê-lo. Não tem nada a ver com a evidência. A evolução não é um fato,
como tantos fanáticos manter. Não há um pingo de evidência para a evolu-
ção da vida na Terra.
Ao mesmo tempo em que eu descobri que eu poderia rejeitar a evolução
e não cometer suicídio intelectual, comecei a perceber que eu também pode-
ria aceitar uma criação literal e ainda não cometer suicídio intelectu-
al. Primeiro de tudo, eu percebi que fazia sentido acreditar que, no princípio,
criou Deus, como isto não violar as leis da termodinâmica. Notei que as ob-
servações modernas, bem como a evidência do registro fóssil, indicam que
ambas as plantas e os animais se reproduziram depois de sua própria espé-
cie como afirma em Gênesis capítulo 1.
Eu também percebi que não havia explicação simples para a evolução
do conteúdo da informação que se encontra em sistemas vi-
vos.Contemplando a quantidade de informações em sistemas vivos causou
dois professores da minha universidade (professor Chandra Wickramasinghe
e Professor Sir Fred Hoyle) para fazer a famosa analogia de que, se você
acredita que o conteúdo da informação em sistemas vivos a ser o resultado
do acaso, então você Acreditamos que um tornado pode passar por um ferro-
velho e montar um jato jumbo!

240
d.b. gower
Bioquímica

Eu não era sempre um criacionista, isto é, aquele que acredita no relato


de Gênesis sobre nossas origens. Fui criado para participar de uma igreja
onde a criação dos céus e da terra por Deus foi considerado como um fato e
qualquer dúvida, ou até mesmo a discussão, foi pensado como estra-
nho. Mais tarde, enquanto eu estudava química e, especialmente, biologia,
descobri que havia mais e mais perguntas que precisavam ser respondi-
das.Por esta altura, com a idade de 15 ou 16 anos, eu era um cristão convic-
to e acreditava firmemente que a Bíblia era a Palavra de Deus, mas as per-
guntas permaneceu e eu tinha de se contentar com o versículo em Hebreus
11: 3 :
Pela fé entendemos que o universo foi formado por ordem de Deus.
O tempo passou e eu estudei química (com física, matemática e biolo-
gia) para o meu primeiro grau. Então, alguns anos depois de completar meu
doutorado em bioquímica, literatura sobre métodos de datação e outros as-
suntos relacionados com a precisão do relato de Gênesis sobre a criação co-
meçou a ser publicada. Eu acredito que era sobre esse tempo, em meados

241
dos anos 1960, que as minhas idéias de grandeza de Deus foram transfor-
mados. Ele não era mais um "pocket" Deus que fez as coisas como eu pode-
ria imaginar do meu "ponto de vista humano", mas Ele teve incrivelmente
grande poder, muito além do que eu poderia compreender.Comecei a perce-
ber que a Bíblia é inteiramente coerente neste ponto, como, por exemplo,
em Isaías 40:25 :
Para quem você vai me comparar? ou quem é o meu igual? diz o Santo.
Se Deus é tão grande, então não há nada que ele não pudesse fa-
zer. Essa percepção do poder onipotente de Deus que veio a mim, comecei a
estudar a literatura "do tipo de criação", disponível na época. Durante as úl-
timas três décadas, uma grande quantidade de trabalho tem sido feito e pu-
blicado no campo da Isto estimulou-me a criticar a teoria da evolução em
três áreas que são de particular interesse para mim "pesquisa criação.":
1. Meu conhecimento químico me permitiu compreender as críticas de
métodos isotópicos de datação de amostras de rochas e perceber que
existem enormes problemas com a interpretação dos da-
dos. Consequentemente, a minha opinião é que as rochas estão longe
de ser tão antiga quanto eles são acusados de ser.
2. Do ponto de vista bioquímico, a ideia de que os aminoácidos, açúcares,
etc, alguns dos vitais "blocos de construção" para proteínas e ácido de-
soxirribonucleico (DNA), podem ser formados simplesmente pela inte-
racção de descargas eléctricas com um tipo primitivo reduzindo atmos-
fera, pode ser criticado de muitas maneiras e em muitos níveis.
3. Meus próprios estudos em inúmeros mecanismos de controle bioquími-
cos, especialmente no controle da formação de hormônios esteróides
(para o qual fui premiado com o maior doutorado, D.Sc.) me convencer
de que todos esses processos são ordenados de forma precisa. Esta or-
dem ea extraordinária complexidade são inteiramente consistentes, na
minha opinião, com a existência de um Criador, que se deve ser capaz
de criar com tal design.
Tal complexidade também está sendo encontrada em praticamente to-
dos os outros ramos da ciência em geral, e é especialmente evidente no cam-
po da natureza. Longe de apontar para a formação dos processos de chance
de evolução, este fala claramente para mim de um Criador Todo-Poderoso.

242
walter j. veith
Zoologia

Para a maioria dos cientistas no mundo de hoje, a teoria da evolução


não é mais apenas uma teoria, mas é considerado como um fato. Existem
diferenças de opinião a respeito do tempo, modo e mecanismos de evolução,
mas os conceitos básicos da teoria tornaram-se um paradigma estabeleci-
do. Mesmo no mundo religioso, as velhas animosidades entre a ciência ea
religião têm sido largamente esquecidos e são menosprezadas, como a histó-
ria infeliz com base na ignorância. Os sistemas educacionais do mundo pro-
pagar a evolução por seleção natural como a única teoria viável de origem,
com a exclusão de todos os outros, e os modelos alternativos são vistos com
ceticismo.
A seleção natural, em si, não é um princípio científico, uma vez que é
baseada em um raciocínio circular. Pela seleção natural, os organismos me-
nos aptos são eliminados e os organismos mais aptos sobrevivem para pro-
pagar a espécie. Organismos assim sobrevivem ao processo, porque eles são
mais apto, e eles são mais apto porque eles sobrevivem. Além disso, o pro-
cesso opera por eliminação, não adição. Para que o instalador para sobrevi-

243
ver, deve ter havido um menor ajuste que não sobreviveu. [ CMI Ed. nota :
ver a Seleção Natural Q & Ae seleção natural como tautologia ].
A evidência a favor da evolução é baseada em grande parte do registro
fóssil e interespecífica, bem como intra-específica, genética, bioquímica, e
homologias morfológicas. Além disso, a interpretação geológica e datação ra-
diométrica fornecem a justificativa para as longas eras necessárias para os
eventos evolutivos ter ocorrido. No entanto, cada um destes parâmetros é
aberto a explicações alternativas que são, na minha opinião, igualmente
plausível e também acontecerá a estar em harmonia com o relato bíblico. Os
cientistas evolucionistas afirmam que o criacionismo não é ciência, pois ba-
seia-se em uma ideologia preconcebida, que exclui do reino da ciência.No
entanto, se os fatos se encaixam no paradigma bíblico, não pode ele então
argumentar que o relato da criação poderia estar certo, ou seria "correto" ser
excluída em razão de ter sido pré-concebido?
Na minha própria vida tenho sido confrontado com esse dilema e torna-
ram-se convencido de que a visão alternativa de origem do projeto é digno de
apoio. Durante a maior parte da minha carreira acadêmica, eu era um evo-
lucionista comprometida e apresentou a teoria da evolução para os meus
alunos como um fato estabelecido. Minha formação universitária e esforços
científicos posteriores tinha me exposto exclusivamente ao paradigma evolu-
cionário e este tinha moldado o meu pensamento. Pode muito bem ser feita:
por que a mudança de coração? Na minha experiência religiosa que eu vim a
aceitar a Palavra de Deus como o livro mais confiável que eu já li. Esta pala-
vra tem o poder de mudar vidas, para levantar as pessoas e dar esperan-
ça. Faz um disposto a ouvir, para comparar as notas; ela desafia um para
testar sua confiabilidade. "Vem, vamos raciocinar juntos" ( Is. 01:18 ), diz a
Palavra. Minha mudança de visão sobre a evolução não foi instantânea, não
emocional, mas o resultado de um longo e muitas vezes difícil em busca da
verdade. Agora acredito que os fatos disponíveis suportam o conceito de ori-
gem do projeto.

Referência
1. O Genesis Conflito, surpreendente Descobrimentos, Delta, BC, Canadá,
1997.

244
danny r. faulkner
Astronomia

A maioria das pessoas têm a impressão de que os cientistas são metodi-


camente as pessoas lógicas que abrigam sem preconceitos e, assim, chegar a
conclusões racionais livre de preconceitos. Tal como acontece com a maioria
dos estereótipos, isso é quase totalmente incorreto. Os cientistas são pesso-
as, completo com todas as manias e os lapsos de julgamento que são co-
muns ao homem. Provavelmente o fator menos polarização apreciado entre
os cientistas é a partir dos pressupostos que fazemos. Todos nós fazemos
suposições, quer percebamos ou não.Contrariamente à opinião popular,
pressupostos não são necessariamente ruins. Na verdade, é impossível não
ter pressupostos. Auto-reconhecimento de nossas premissas de partida que
nos permite reconhecer nossos preconceitos e, em alguns casos ajustar para
eles. Um tremendo problema surge quando não temos conhecimento de nos-
sas suposições, porque então nós pensamos que não temos preconceito.
Grande parte da ciência hoje é baseada na suposição de que o mundo
físico é a única realidade, embora isso escapou à atenção da maioria das
pessoas. Isso nem sempre tem sido o caso. Quando a ciência como a conhe-

245
cemos começou a se desenvolver mais de três séculos atrás, os cientistas
perceberam que o mundo segue determinadas regras. Sir Isaac Newton e
muitos de seus contemporâneos acreditavam que essas regras foram orde-
nados por Deus, e que as regras foram divinamente imposta no momento da
criação. Hoje a maioria dos cientistas assumem que as leis físicas simples-
mente existem e que podem ser extrapolados para o passado para nos dizer
como criação aconteceu. Em outras palavras, Deus é irrelevante para a
questão das origens. Isso não significa que a maioria dos cientistas são
ateus, porque eu descobri que a maioria não são. Infelizmente, isso significa
que, para todos os efeitos práticos muito da ciência tornou-se uma empresa
ateísta. Infelizmente, o deus da maioria dos cientistas é na melhor das hipó-
teses a um dos deístas e na pior das hipóteses inteiramente ad hoc.
Então, que tipo de suposições eu faço? Presumo que existe um Criador
(eu não consigo entender o mundo de outra forma). Presumo que Ele está
interessado e envolvido no mundo. Presumo que Ele se revelou a humanida-
de através da Bíblia. Curiosamente, a Bíblia nunca tenta provar a existência
de Deus ou de que a Bíblia é a única revelação de Deus-la simplesmente as-
sume essas proposições para ser verdade. Dadas essas premissas, o relato
bíblico da criação deve ser verdade. Gênesis nos diz que a criação foi realiza-
da em seis dias. Os seis dias é apenas um dos muitos aspectos do relato bí-
blico da criação que está em desacordo com o que grande parte da ciência
moderna diz sobre a origem do mundo. Note-se que a minha briga não é com
toda a ciência, mas apenas no pressuposto de que a ciência pode nos dar
respostas definitivas a questão das origens.
Foram os seis dias da criação dias literais? Quantos anos tem o mun-
do? As respostas a estas duas perguntas são relacionadas. A melhor exegese
do relato da criação de Gênesis 1 é que os dias foram literais (aproximada-
mente 24 horas) dias. Muitos cristãos tentam encontrar maneiras de ler es-
tes dias, como longos períodos de tempo, mas estou convencido de que essas
tentativas começar com a suposição (da ciência) que o mundo é muito anti-
ga. Este é eisegesis, não exegese. A cronologia do Velho Testamento nos dar
uma história bastante completa da humanidade, e nos permitem aproxima-
damente data o período de tempo desde a semana da criação de cerca de
6.000 anos.

246
Esta é uma idéia radical, e muitas pessoas se espantam ao descobrir
que há cientistas que tomam essa idéia muito a sério. É o trabalho de cien-
tistas da criação, como eu, para estudar e interpretar o mundo com este
pressuposto.Existe evidência de recente criação do mundo em torno de
nós? Eu acho que não existe. Tenha em mente que algumas indicações de
origem recente ato como um limite superior. Ou seja, eles dão uma idade
máxima, mas a idade real poderia ser menos do que o máximo. Tudo isso
nos diz é que o mundo poderia ser, no máximo, de uma certa idade, mas não
mais.
Como exemplo, considere o sistema Terra-Lua. A maioria das pessoas
assume que a lua tem sido em órbita da Terra desde que com o tempo os
dois corpos formados. Para a maioria dos cientistas, o tempo de formação
para qualquer corpo teria sido de cerca de 4,5 bilhões de anos atrás; para os
criacionistas recentes foi a cerca de 6.000 anos atrás. Mais de um século
atrás George Darwin, filho do famoso astrônomo Charles Darwin, descobriu
que a Lua está lentamente a espiral de distância da Terra. A causa deste
efeito é a interação das marés da Terra e da Lua, que também faz com que
taxa de rotação da Terra (o dia) para aumentar lentamente. Não podemos
prever teoricamente a taxa de evolução das marés, porque depende da inte-
ração complexa das marés oceânicas com as plataformas continentais. No
entanto, podemos medir a taxa atual. A cada ano a Lua se move cerca de 4
cm mais distante da Terra, eo dia está aumentando a uma taxa de 0,0016
segundo por século. Essas mudanças são muito modestos, mas com o tempo
eles se acumulam. Mais interessante, a taxa de evolução das marés é uma
função muito íngreme da distância Terra-Lua, por isso no passado, quando a
lua estava muito mais perto da Terra, a taxa para mudar teria sido muito
maior do que hoje. A fixação da taxa moderno e extrapolando a teoria para o
passado, vemos que a Lua teria sido em contato com a terra tão recentemen-
te quanto 1300 milhões anos atrás, cerca de um terço a suposta idade do
sistema Terra-Lua. Cerca de um bilhão de anos a Lua teria sido tão perto da
Terra para causar monstruosamente marés altas. Ninguém acredita que este
foi o caso.
Será que isso significa que o sistema Terra-Lua é de apenas 6.000 anos
de idade? Não, mas isso é consistente com um sistema Terra-Lua 6.000 anos
de idade. Isto é, esta informação não elimina a possibilidade de que o siste-

247
ma Terra-Lua é de 6.000 anos de idade, como ele faz para um sistema de 4,5
bilhões anos de idade. Como aqueles que acreditam que a terra ea lua são de
bilhões de anos de idade respondem a isso? Eles afirmam que vivemos em
uma época de invulgarmente rápida interação das marés, e que, no passado,
a interação das marés era muito menos. Esta é uma possibilidade, mas co-
mo é que resiste a uma análise? Vamos supor que o mundo tem bilhões de
anos de idade e que camadas de rocha foram estabelecidas ao longo do tem-
po muito bem como cientistas afirmam. Houve vários estudos de finas ca-
madas de rocha sedimentar que supostamente mostram marés altas e bai-
xas diárias. Isso estabelece uma relação entre os comprimentos do dia e do
mês, que são tudo o que é necessário para acompanhar a evolução das ma-
rés. Esses estudos abrangem mais de meio bilhão de anos e mostram que a
taxa atual tem sido predominante durante este tempo. Isto significa que por
próprios dados dos evolucionistas a taxa atual de evolução das marés não é
extraordinariamente grande, e que deve ter havido algum grande evento um
pouco mais de um bilhão de anos atrás. Este não é um problema para o cri-
acionista recente, mas é para aqueles que acreditam que a Terra ea Lua são
mais de um bilhão de anos de idade.
Evidência semelhante vem do sol. Acreditamos que o sol obtém sua
energia a partir da fusão termonuclear do hidrogênio em hélio em seu nú-
cleo. De acordo com a teoria, o Sol tem combustível nuclear suficiente para
abastecer-se para cerca de 10 bilhões de anos. Se o sol é de 4,5 bilhões de
anos, então ele esgotou cerca de metade do seu tempo de vida poten-
cial. Durante esses 4,5 bilhões ano o sol não teria permanecido estática o sol
deve ter mudado gradualmente. A conversão de hidrogênio em hélio no nú-
cleo solar teria alterado a composição do núcleo, o que teria resultado no
núcleo do sol lentamente diminuindo e aumentando de temperatura. Isso
teria aumentado a taxa de fusão nuclear e, portanto, brilharam ao
sol. Cálculo mostra que o sol deve ser cerca de 40 por cento mais brilhante
hoje do que quando supostamente formado 4,5 bilhões de anos e que o sol
deve ser 30 por cento mais brilhante do que hoje, quando a vida teria apare-
cido na Terra 3,5 bilhões de anos. Com toda a preocupação hoje com o
aquecimento global, que alguns temem que acontecerá se aumentar a reten-
ção de energia solar apenas um pouco, é preciso saber qual o efeito que o
aquecimento solar de gradual teria tido. Se não tivesse havido mudança na

248
atmosfera terrestre ao longo de bilhões de anos, teria havido um aumento de
16-18 C na temperatura média da terra. Uma vez que a temperatura da terra
média atual é de cerca de 15 C, a Terra primitiva deveria ter tido uma tem-
peratura média abaixo de zero. Ninguém acredita que este é o caso. Muitos
acreditam que a temperatura média terrestre não mudou muito, se em tudo,
durante a história da Terra.
Como explicar esse paradoxo sol fraco cedo? Os evolucionistas, que
acreditam que a terra eo sol são bilhões de anos, deve assumir que a atmos-
fera da Terra primitiva tinha muito mais gases de efeito estufa do que a nos-
sa atmosfera atual. Como o sol iluminou gradualmente, a atmosfera da Terra
evoluiu gradualmente para que houvesse menos gases de efeito estufa para
combater o aumento da luminosidade do sol. Como dois processos comple-
tamente alheios poderia ter evoluído para compensar formas exatamente por
bilhões de anos é incrível.Acho que é mais razoável supor que a Terra foi cri-
ada apenas alguns milhares de anos atrás, com praticamente a composição
atmosférica que tem agora e que o sol não tenha brilhado sensivelmente
desde a sua formação alguns milhares de anos atrás.
Os cometas são coisas extremamente frágeis. Cometas podem ser per-
didas por colisões com os planetas, como foi testemunhado em 1994, quan-
do um cometa colidiu com Júpiter. Outra perda catastrófica de cometas é
por forças gravitacionais de planetas que chutar cometas para fora do siste-
ma solar. Isto tem sido observado um número de vezes. Talvez mais vezes
cometas apenas desgastam. Coma e cauda de um cometa são compostos de
poeira e gás que são desalojadas desde o pequeno núcleo de cometa, como o
cometa se aproxima do Sol uma vez a cada órbita. Como um núcleo de co-
meta perde material de cada órbita, há menos material disponível em cada
órbita sucessiva.Desde cometas se desgastar gradualmente, podemos esti-
mar um limite superior sobre o período de tempo que os cometas podem or-
bitar o sol. Mesmo com a mais generosa das hipóteses, não deve haver come-
tas restantes depois de algumas dezenas de milhões de anos. Isto é muito
menos do que a idade de 4,5 bilhões de anos de idade, assumiu do sistema
solar. Isto parece descartar a possibilidade de um sistema solar que tem bi-
lhões de anos, mas não aquele que é apenas milhares de anos de idade.
Claro, os astrônomos têm sido conscientes deste problema e criaram
uma solução. Cometas de curto período, diz-se que se originam no cinturão

249
de Kuiper, um conjunto de núcleos de cometas que orbitam o Sol além da
órbita de Netuno, enquanto os cometas de longo período vêm da nuvem de
Oort, um enxame de núcleos de cometas que orbitam muito mais lon-
ge. Perturbações gravitacionais são sugeridas para roubar núcleos de come-
tas de energia e levá-los a cair no interior do sistema solar para substituir os
cometas mais velhos como os cometas mais velhos morrem. Assim, tem ha-
vido um estado quase constante de cometas há bilhões de anos. A partir da
década de 1990 muitos objetos grandes foram descobertos em órbita, onde o
cinturão de Kuiper é suposto ser. A maioria dos astrônomos supõem que es-
tes são maiores membros do cinturão de Kuiper. No entanto, esses objetos
são ordens de magnitude maior do que quaisquer núcleos de cometas já
vi. Isto levanta questões quanto ao se estes realmente são núcleos de come-
tas. Muito mais problemática é a nuvem de Oort.Nenhum objeto nuvem de
Oort já foi detectado, e dada a grande distância da nuvem de Oort hipotética,
nenhuma provavelmente nunca será. Sem provas e sem possibilidade realis-
ta de provas, a nuvem de Oort dificilmente constitui um conceito científico.
Não pense que os criacionistas têm todas as respostas. Há muitos pro-
blemas desconcertantes que devemos estudar dentro de nossas suposições
iniciais. O maior problema é o tempo de viagem da luz. Simplificando, o uni-
verso parece ser bilhões de anos-luz de tamanho, assim como podemos ver
objetos distantes se o universo é apenas alguns milhares de anos? Foram
propostas várias soluções, mas eu não encontrar qualquer um deles para ser
inteiramente satisfatória. Meu interesse principal é a astronomia estelar, o
estudo das estrelas.Cientistas criacionistas têm passado muito pouco tempo
discutindo exatamente o que o nosso modelo de criação tem a dizer sobre as
estrelas. Estou ansioso para este trabalho.

250
edmond w. holroyd
Meteorologia

O relato bíblico apresenta uma criação em que cada coisa foi totalmente
funcional quando ela foi feita. As primeiras árvores não veio de sementes. Os
primeiros mamíferos não veio de embriões. Adam não era um bebê em seu
primeiro dia. Todas as coisas pareciam como se tivessem existido antes de
seu dia de criação. Essa é "a aparência de idade." Na cultura de hoje, a nos-
sa indústria de entretenimento está continuamente dando-nos produções em
que a ação começa em algum ponto e continua até o final do programa. Há
uma aparente "história" antes que ocorreu antes das cenas de abertu-
ra. Aceitamos prontamente este "aparência de idade" em nossos filmes e pro-
gramas de televisão e peças de teatro. Nós não fazemos alegações de que o
dramaturgo ou produtor está nos enganando. Da mesma forma, acredito que
deve ser capaz de aceitar uma criação com o aparecimento de idade sem
chamar Deus de mentiroso. Ele nos contou como ele fez tudo. Portanto, não
há engano. Nós simplesmente não temos todos os detalhes que pode gostar,
como acontece com um filme de mistério.

Indicações astronômicas

251
Os céus estrelados, quando consideradas em conjunto com a velocidade
da luz, certamente parecem ter tido uma história mais longa do que alguns
milhares de anos. Agora podemos facilmente perceber as imensas distâncias
pelas muitas horas que leva para enviar mensagens de rádio para nossas
sondas espaciais planeta exterior, como o Voyagers, e de volta. Nós podemos
medir diretamente a distância das estrelas mais próximas em termos de
anos-luz, medindo o quanto eles se movem para trás e para frente contra o
fundo do céu como a terra orbita o sol.Podemos calibrar várias classes de
estrelas como tendo um brilho intrínseco, e, em seguida, estimar suas dis-
tâncias de quanto o seu brilho aparente desapareceu com a distân-
cia. Mesmo dentro de nossa própria galáxia da Via Láctea e nosso grupo lo-
cal de galáxias, isso nos leva rapidamente para tempos decorridos aparentes
de luz da estrela de viajar para nós muito maior do que o tempo decorrido no
relato bíblico da criação. Esta parte do universo ainda é a região em que as
nossas interpretações são guiados por padrão, não relativista, a física. Nós
defensores da Terra jovem tem um problema evidente, portanto.
Mais de uma década atrás, havia uma supernova nas Nuvens de Maga-
lhães, galáxias satélites pequenos para o nosso próprio em uma aparente
distância de cerca de 150.000 anos-luz. Será que essa estrela explodir real-
mente que há muitos anos? Ou será que Deus, apenas alguns milhares de
anos atrás, fazer um campo auto-consistente de ondas eletromagnéticas (in-
cluindo a luz) que só recentemente nos deu a aparência de uma estrela ex-
plodindo? Aqui é um outro exemplo no qual há uma aparência de ida-
de. Cientificamente parece que a estrela era aquela velha quando ela explo-
diu, assim como Adam olhou como se ele fosse muitos anos no sétimo
dia. Para ser bíblico, temos de estar no temor do nosso Deus, que pode or-
questrar todo o céu em tão grande detalhe! [ CMI Ed. Atenção:rejeitamos a
luz-criado-em-trânsito idéia - veja Como podemos ver estrelas distantes em
um universo jovem? ]
O telescópio Hubble está mostrando agora galáxias extremamente dis-
tantes. As distâncias são baseados em uma teoria expandindo-universo, on-
de as mudanças espectrais são interpretados como desvios para o vermelho
de velocidade de recessão. A série de pressupostos dá distâncias aparentes
de até cerca de 10 bilhões de anos-luz.Podemos querer questionar as suposi-
ções. Podemos considerar que os desvios para o vermelho pode ser em vez de

252
um cosmos solidamente rotativas. Tangenciais, não apenas radiais, as velo-
cidades podem causar desvios para o vermelho, mas não temos nenhuma
maneira de medir velocidades tangenciais de galáxias distantes. Podemos
considerar o "buraco branco" expansão do universo proposto
por Humphreys como um passo no sentido de explicar o velho universo apa-
rente à luz de um biblicamente jovens terra e estrelados céus. A Bíblia cer-
tamente ensina que Deus "estendeu os céus" ( Sl. 104: 2 e pelo menos outros
oito passagens de Isaías, Jeremias e Zacarias). Talvez o desvio para o verme-
lho é a assinatura deste alongamento fora do universo. Em última análise,
" os céus declaram a glória de Deus "( Sl. 19: 1 ). Ainda temos muito a
aprender sobre eles, e por isso o confronto de escalas de tempo estará co-
nosco por um longo tempo no futuro.
No entanto, há um fenômeno interessante entre as estrelas que dão
uma escala de tempo de acordo com isso na Bíblia. Ao observar outras galá-
xias de composição semelhante à nossa, o que sabemos sobre como muitas
vezes há supernovas, como a cada 25 anos, em uma galáxia parecida com a
nossa. Nós não vemos que muitas explosões em nossa Via Láctea, porque a
poeira obscurece nossa visão local. Além disso, podemos medir a taxa geral
de expansão dos remanescentes da nebulosa das explosões. Podemos calcu-
lar que devemos ser capazes de detectar essas nebulosas de milhões de anos
antes de se difundir e mistura no fundo. Os nossos radiotelescópios pode ver
através da poeira com facilidade e detectar muito mais remanescentes de
supernovas do que podemos ver em comprimentos de onda ópticos. Quantos
supernova remanescentes estão lá fora em nossa própria galáxia? Há apenas
o suficiente para cerca de 7.000, não milhões de, anos de explosões. Aqui
está uma discrepância importante que tem sido conhecida há déca-
das. Precisamos buscar este tema.
Voltando ao nosso próprio sistema solar, eu apreciei muito as imagens
dos planetas exteriores e suas luas que foram enviados de volta para nós pe-
las sondas espaciais. Eles mostram uma variedade fantástica lá fora, que
nunca foi previsto por qualquer das teorias de evolução do sistema solar. A
única grande previsão de que se tornou realidade foi um dos momentos
magnéticos de Urano e Netuno, proclamada com antecedência por Hum-
phreys, um criacionista, baseada em argumentos com ligações bíblicas. Para
o resto das descobertas, é como se Deus criou essa variedade para fora lá

253
apenas para nos manter humildes. Temos um longo caminho a percorrer
para entender como Deus fez da criação, o Deus-menos teorias sempre será
provado errado no final.
É igualmente interessante que os cientistas estão agora aceitando
inundações semi-escala global em Marte, onde não há mais qualquer água
de superfície. Eles podem agora ver um relativamente recente resurfacing
global de Venus, inundando com lava. A maior lua de Júpiter conhecida co-
mo Europa está totalmente inundada agora com uma camada superficial de
rachaduras água-gelo, com indícios de um oceano líquido abaixo. No entan-
to, a maioria dos cientistas relutam em admitir que a terra também poderia
ter tido inundação mundial no passado recente, mesmo que a terra ainda é
mais de 70 por cento inundada, e na maioria das áreas continentais estão
cobertas de vastas camadas de sedimentos descontraído água. Esses fenô-
menos se relacionam com o dilúvio de Gênesis ao invés da criação em seis
dias, mas o apoio a aceitabilidade dos primeiros capítulos de Gênesis.

Indícios geológicos
A maioria dos trabalhos criacionista na interpretação da geologia da
Terra refere-se ao caso de inundação, com a sua resurfacing mundial por
meio catastróficas. Os radiohaloes polônio causadas por decaimento alfa de
isótopos radioativos são um dos poucos fenômenos que foram abordadas
que parecem apontar para a Semana da Criação. A presença de 218 halos Po
em biotite, por exemplo, parece ser uma assinatura colocado nas rochas de
cerca de três minutos após a criação. (Alguns podem interpretar isso como
três minutos após a ativação do processo de decadência, como a segunda lei
da termodinâmica). O calor de colocação vulcânica, a interpretação tradicio-
nal para o cultivo de cristais de biotita, apagaria os halos em questão de ho-
ras, tal como comprovado por laboratório observações.
A maior parte da justificativa para vastas eras geológicas vem de data-
ção radiométrica. Dizem-nos que certas rochas são milhões a bilhões de
anos de idade. Existem padrões regionais auto-consistente de datas, o que
sugere a confiabilidade dos resultados. Tais "encontros" são incompatíveis
com a escala de apenas milhares de anos o tempo bíblico. Esta é uma área
em que um estudo mais aprofundado é importante e progredindo. Por agora
temos inúmeros exemplos em que a datação radiométrica dá as respostas

254
erradas, tais como 1/3 e 3 milhões de anos para Mount St. Helens lava, his-
toricamente datados em cerca de 20 anos de idade. O potássio-argônio, so-
bre o qual a maioria da coluna geológica e, especialmente, de hominídeos
fósseis são datados, é particularmente propenso a "argônio excessiva" que dá
as idades inflacionados.
Parece que um ou mais dos pressupostos básicos para a datação radi-
ométrica são violados nas medidas usuais. A primeira suposição é que as
quantidades de "mãe" e "filhas" isótopos são conhecidos pelo "tempo zero",
com os montantes filha assumidas como zero. No entanto, as rochas podem
ser postas em prática com uma relação diferente de zero filha / mãe, invali-
dando a suposição. Em segundo lugar, pode haver lixiviação para dentro ou
para fora da rocha dos vários elementos mãe e filha, invalidando a hipótese
de um "sistema fechado". O namoro não pode ser exato se os relógios radio-
métricos estão sendo redefinidas. O terceiro pressuposto é que a taxa de de-
caimento tem sido uma constante ao longo da história geológica. No entanto,
só mediram essa taxa para cerca de um século. Embora pareça arriscado
extrapolar essas taxas por até oito ordens de magnitude, por agora, parece
que a terceira suposição é geralmente válido. O que sabemos com grande
precisão, geralmente são os atuais índices de mãe e filha isótopos e as atuais
taxas de decaimento. Para meu conhecimento, os cientistas criacionistas
ainda não têm uma boa teoria da radioatividade substituição, e assim um
trabalho tão importante deve continuar.
Existem inúmeros indicadores de idade que dão datas muito menos do
que os relógios radiométricos. A quantidade de hélio na atmosfera é mais
consistente com a escala de tempo bíblica do que com milhões e bilhões de
anos. A quantidade de sal nos oceanos é muito menor do que seria deposita-
da durante os supostos vastas idades geológicas. Taxas de erosão presentes
iria nivelar mesmo as montanhas do Himalaia ao nível do mar em cerca de
dez milhões de anos. Portanto, é um absurdo, por exemplo, ter os atuais
Montanhas Rochosas da América do Norte em pé acima do nível do mar por
mais de 50 milhões anos, com muitos dos picos estarem em estados de ero-
são relativamente jovens hoje.
Os cientistas criacionistas ainda não tem nenhum critério comumente
aceito para separar aquelas rochas que datam da Semana da Criação dos

255
estabelecidos pelo dilúvio de Gênesis. Também não há acordo geral em que
as rochas são pós-diluviano, apesar de existirem inúmeras propostas fortes.
Ao considerar os fenômenos de inundação, acredito que temos de iden-
tificar um ou mais mecanismos para a rápida destruição de rochas cristali-
nas duras. Simples inundação por água é inadequada, porque rochas pode
ser submerso por muito tempo sem deterioração significativa, como provado
por sítios arqueológicos subaquáticos. O processo de cavitação de água re-
quer alta velocidade (mais de 30 m / s) e raso de água (menos de 10 metros
de profundidade), mas pode destruir aço duro. Pressões hidráulicas diretos
de água de alta velocidade são agentes destrutivos mais prováveis. De algu-
ma forma, temos de justificar adequadamente o nivelamento das grandes
cadeias de montanhas dentro de uma pequena fração de um ano.
É minha opinião que há também necessidade de abordar a continuida-
de da matéria durante o dilúvio. O material sedimentos veio de algum lu-
gar. Precisamos identificar as fontes e conta para os volumes de sedimentos
que foram estabelecidas. As taxas de deposição parecer lento em condições
de hoje. No entanto, a preservação dos fósseis indica que as taxas eram mui-
to maiores quando os sedimentos que encerram foram estabelecidas. A topo-
grafia das superfícies de erosão e deposição do passado parece ser diferente
do que observamos em superfícies de hoje. Superfícies últimos parecem mais
plana através de grandes áreas, o que seria consistente com resurfacing glo-
bal durante o Dilúvio. Muito mais poderia ser abordada em relação a inun-
dar estudos, mas esta série de artigos é particularmente sobre a Semana da
Criação.

Indícios arqueológicos
Não temos artefatos arqueológicos normais que se relacionam a Semana
da Criação. No entanto, as novas descobertas estão surgindo que verificar a
veracidade da história dada na Bíblia.
Eu tenho todos os tipos de moedas mencionadas na Bíblia, confirmando
que tais denominações eram reais. Tenho inúmeras moedas com os nomes
dos governantes mencionados na Bíblia. Então, nós sabemos que eles real-
mente viveu. Além disso, mais de 80 por cento dos assentamentos mencio-
nado no livro de Atos moedas cunhadas em algum momento, e podemos ler

256
os nomes das cidades em suas moedas, verificação da sua existência anteri-
or. A parte histórica da Bíblia é, portanto, confiável.
Se achamos que a Bíblia é verdadeiro no que podemos verificar de for-
ma independente, temos uma razão para confiar nele quando ele fala repeti-
damente sobre as origens. Quando Deus diz na Bíblia que Ele criou o uni-
verso em seis dias, eu acredito nele.

257
robert h. eckel
Pesquisa Médica

Vários anos atrás, fui contactado por um estudante colegial que tinha
escolhido para permitir o seu conhecimento precoce e compromisso com a
ciência da criação de assumir o conselho de educação local. A questão diante
dele era como a ciência das origens da vida na Terra estava sendo ensinado
(e não ensinada) na sala de aula. Como cientista e professando criacionista
de seis dias e membro do conselho técnico do Instituto para Pesquisa da
Criação, eu estava provavelmente em condições de fornecer sabedoria aca-
dêmica sobre o assunto antes dele. No entanto, fiquei surpreso que a perspi-
cácia científica ele já havia assimilado era incrivelmente avançada para a 16-
year-old, deixando-me com pouco a acrescentar, mas um pouco de conselho.
Os cargos de preocupação e crítica de que este jovem tinha tomado era
que as origens biológicas estavam sendo ensinada como fato, não teoria. Isso
foi verdade tanto para livro didático e professor. A resposta do aluno pela fé
foi que as origens da vida não foram uma consequência da evolução, mas

258
um resultado da vontade soberana e inegável de Deus. Apesar de sua posi-
ção e de defesa da Bíblia eram claras, percebi mais do que um esforço para
abrir as mentes do mundo em torno dele; houve também uma esperança
evangelístico que a mensagem de criação pode vir a revelar-se um veículo
para semear e colher almas perdidas.
O conselho a seguir pode ter sido qualquer coisa, mas profunda, mas
representava uma posição como um cientista e seis dias crente criacionista
que repousa apenas em parte na evidência disponível. Criação em seis dias
não é um argumento intelectual para ser ganho por em profundidade e exa-
mes repetitivos da evidência científica disponível.Os mesmos dados estão
disponíveis para ambos os evolucionistas e criacionistas. A questão cientifi-
camente é uma experiência única, para nunca mais ser repetido, com duas
teorias básicas a serem consideradas. E no caso das origens da vida na Ter-
ra, a hipótese tem seguido o experimento, em vez de a precedeu.
Os evolucionistas afirmam que a vida biológica começou como átomos
em uma sopa primordial. Posteriormente moléculas, organelas, células e,
finalmente, os organismos multicelulares se desenvolveria ao longo de bi-
lhões de anos. Numerosas linhas de evidência do registro fóssil, com base
principalmente em datação isotópica, são repetidamente utilizados para
apoiar esta posição. No entanto, o mesmo registro fóssil tem sido usado pe-
los criacionistas de seis dias; no entanto, por causa de falhas percebidas no
uso de datação isotópica para determinar a seqüência de eventos, os criacio-
nistas de seis dias usar os fósseis para apoiar uma nova terra.
Na ciência, hipóteses normalmente são desenvolvidos a priori e são
examinados posteriormente pela utilização de métodos científicos previamen-
te validados e aceites pela maioria, se não todos, os especialistas em deter-
minado campo de atuação. Com o pressuposto de que o projeto experimental
é adequado para abordar a hipótese a ser testada, uma série de observações
são reunidas para apoiar ou refutar a hipótese. Na maioria das áreas da ci-
ência, as observações são feitas pelo menos várias vezes por um único cien-
tista, que são repetidas e confirmadas por outros cientistas antes de aceitar
a "verdade" da hipótese que está sendo testada. Além disso, muitas vezes é
difícil, se não impossível, para fundamentar conclusões por exame retrospec-
tivo dos dados. Para "origens" em que na melhor das hipóteses os dados são
insuficientes, isto é particularmente verdadeiro. Assim, com a evolução /

259
criação, existe um impasse científico que, historicamente, atualmente, ou
sempre tem, faz e vai criar incerteza na interpretação. Como, então, esse
aluno já passou?
O mundo incrédulo não acatam as coisas do Senhor, nem era destinado
para eles a fazê-lo, porque eles são espiritualmente percebido ( 1 Cor. 1: 18-
29 ). Portanto, qualquer argumento para apoiar a criação de seis dias (ou
qualquer outro ponto de vista da criação para que o assunto) que é apresen-
tado com base na fé é percebido falho e rotulado como religião, não ciência,
pelos evolucionistas. Assim, a posição do apologist precisa ser científica e
suficientemente bem desenvolvido academicamente, de modo que a transfe-
rência de informação pode ser implementado em termos do mundo. Após a
discussão começa, é importante para estabelecer a posição de que as origens
da vida na Terra, era uma "experiência" realizada apenas uma vez na histó-
ria, para nunca mais ser repetido, ea prova de qualquer posição nunca será
fundamentada.
Ao examinar as evidências disponíveis para qualquer afirmação, torna-
se importante avaliar criticamente a precisão e exatidão científica dos méto-
dos utilizados na análise. Aqui aceitação das ferramentas utilizadas dos evo-
lucionistas torna-se questionável. Datação isotópica faz muitas suposições
que ainda não foi comprovado, por exemplo, a linearidade da decadência iso-
tópica ao longo do tempo. No entanto, quando os experimentos são realiza-
dos em laboratórios próprios, todos os cientistas (evolucionistas e criacionis-
tas seis dias iguais) exigem um padrão de validação para os métodos utiliza-
dos que são provadas ou pelo menos bem defendidos cientificamente. É in-
crível pensar como os evolucionistas incompleta ter sido em aplicar o rigor
científico aos métodos utilizados para analisar retrospectivamente dados que
lida com "origens". Isso não é nada, mas um ato de fé cega em seu nome.No
entanto, seis dias crentes criacionistas devem permanecer objetivo em sua
abordagem aos dados.
No final, a objeção deste aluno ao método utilizado pelo sistema escolar
local para educar sobre "origens" chegou a um fórum público no município
em que residia. Embora o suporte para ambos os cargos foi articulada pelos
cidadãos, a maioria dos profissionais que falou alegou que a evolução seja
um fato. Assim, não foi surpresa que a decisão final era continuar como an-
tes, com a posição criacionista deixado de fora da sala de aula. No entanto, a

260
questão das "origens" não é uma batalha para nós ganhar, mas a vida do
Senhor Jesus Cristo para ser visto ( Fp. 1:21 ). Um bem-informado, crente é
guiado pelo espírito está na melhor posição para que isso ocorra.

261
jack cuozzo
Ortodontia

Enquanto estudava com Francis Schaeffer, no verão de 1977, adquiri o


termo "verdade verdadeira". Dr. Schaeffer cunhou este termo por causa da
falta de respeito a palavra verdade comandos em nossos dias. Ele disse que
não era uma tautologia, mas uma necessidade. Os absolutos, incluindo
aqueles nos primeiros capítulos do Gênesis, não vão a eleições. Eles não es-
tão em execução em qualquer votação, exceto nas construções imaginárias
na mente dos homens. Eu sabia que esse bem, porque eu tinha muito pou-
cos dessas imagens mentais flutuando em minha própria mente, em 1975.
Foi nesse ano que a verdade me liberta do meu pecado e começou a me li-
bertar destas imagens mentais relativas ao início da humanidade.
Eu entendi esses fatos de forma incompleta em 1975, mas, no entanto,
dobrei meus joelhos, abaixei a cabeça, e deu Jesus meu coração. Foi então
que a batalha por toda a minha mente começou. As idéias evolucionistas do
meu passado começou pressionando em meu ser. Era como se toda a minha

262
formação científica educacional levantou-se e desafiou minha aceitação lite-
ral do relato de Gênesis da criação e da queda. Isto vai certamente acontecer
a qualquer pessoa que tenha ingerido grandes doses de ciência moderna e lê
a Bíblia do jeito que foi escrito. Assim, a guerra por toda a minha mente co-
meçou, e eu não acho que eu era o primeiro ou vai ser o último a percorrer
este caminho. A interpretação bíblica pacífica da origem do homem estava
em contraste direto com os milhões de anos de derramamento de sangue e
violência que teria caracterizado um mundo em vias de evolução. Meu dile-
ma era real, e minha fé estava sendo ameaçado. Havia milhões de anos de
derramamento de sangue no Jardim do Éden antes do pecado? A Bíblia dei-
xa isso muito claro: a resposta é não , porque havia seis da manhã e seis à
noite, quando tudo era "muito bom".
No entanto, continuei questionando minha fé em uma interpretação li-
teral do Gênesis. Assim, em 1979, após dois anos de estudo em paleoantro-
pologia e da Bíblia, e com a ajuda e incentivo de Wilton M. Krogman, Ph.D.,
embarquei em um estudo do homem fóssil na Europa. (Dr. Krogman foi o
antropólogo forense que identificou restos de Hitler em Berlim no fim da Se-
gunda Guerra Mundial.) Meu primeiro destino em 1979 foi de Paris, França,
o lar de muitos fósseis de Neandertal. Fomos emprestou uma máquina de
raio-x sofisticado e um apartamento. Felizmente, o diretor assistente do Mu-
sà © e de l'Homme me permitiu trabalhar com aqueles precioso Neanderthal
permanece. Seus pais foram resgatados por soldados norte-americanos após
a invasão da Normandia. Ele disse que devia americanos um favor e eu era o
destinatário de que favor. Dezenove anos e muitos museus mais tarde, eu
ainda expressar choque com o que eu encontrei. Houve esforços de muitos
paleoantropólogos para "ajustar" os fósseis que dizer da glória de evolução
em vez da glória de Deus.
Descobri que os neandertais viveram vidas mais longas do que fazemos
hoje e que seus filhos tinham mais tarde maturação vezes do que as crian-
ças de hoje. 2 Também parece muito provável que eles eram pessoas que ha-
bitaram a Europa eo Oriente Próximo muito mais tarde do que se supunha
anteriormente e não 200 mil a 30 mil anos atrás. Através de estudos anatô-
micos e uma série de radiografias padronizadas semelhantes aos utilizados
pelos ortodontistas em todo o mundo, eu tenho sido capaz de calcular o
tempo de vida de Neandertal, no sudoeste da França, para entre 250 e 300

263
anos. Eu também era capaz de descobrir alguns equívocos dos ossos que
impediram uma boa interpretação científica desses restos. 3 Esta informação
pode ser encontrada em meu livro intitulado Buried Alive . 4 A maioria das
pessoas sabe que a Bíblia fala dos primeiros homens da nossa história que
viveu centenas de anos. Com ou sem minha pesquisa, que seria verdade. No
entanto, é minha esperança que conhecendo os restos de tais pessoas real-
mente existem ajudará nossa geração educada amar mais a Deus com suas
mentes e superar os desafios à sua fé. Descobri que a Bíblia é precisa quan-
do descreve o tempo, e fatos históricos ou científicos. É por isso que eu acre-
dito em uma criação literal de seis dias.

Referências
1. Jack Cuozzo, Buried Alive , Master Books, Inc., Green Forest, AR, 1998.
2. Jack Cuozzo, início Intervenção Orthondontic: Uma Visão da pré-
história, Journal of New Jersey Dental Association 58 (4), Outono de
1987.
3. Jack Cuozzo, fósseis de Neandertal crianças: Reconstrução e interpre-
tação distorcida por suposições , Journal of Creation 8 (2): 166-178,
1994.
4. Cuozzo, Buried Alive .

264
andrew snelling
Geologia

Então, por que eu acredito no relato bíblico da criação por Deus ao lon-
go de seis dias literais, como a origem da vida na terra, seguido mais tarde
por uma catástrofe geológica global de longo ano que totalmente renovado a
superfície da terra, conforme descrito no relato bíblico da Dilúvio de Noé? A
razão é que a Bíblia ensina claramente a criação literal de seis dias e um di-
lúvio global, não só nos capítulos do Livro do Génesis abertura, mas também
em todo o Antigo e Novo Testamento, inclusive sendo confirmada pelo pró-
prio Jesus Cristo. Não importa o quão inteligente que os cientistas estão em
nossa pesquisa, só podemos estudar todas as provas de hoje (tal como existe
hoje) e, em seguida, extrapolar para o passado. Ao fazê-lo, temos de fazer
suposições, e nunca podemos estar absolutamente certos de que nossas su-
posições estão corretas e, portanto, a nossa interpretação do que aconteceu
no passado está correto. Por outro lado, a Bíblia reivindica mais de 3.000
vezes para ser a Palavra do Deus pessoal transcendente, que sempre existiu,
que é onisciente, e é totalmente verdadeira.

265
Além disso, quando comparamos o relato bíblico da origem da vida e do
dilúvio global, com o ponto de vista evolutivo de milhões de anos de bilhões
de seres vivos e morrendo através de incontáveis eras geológicas, deve ser
imediatamente óbvio para qualquer pessoa que pensa que há contradições
irreconciliáveis. De fato, se o ponto de vista evolutivo das provas é verdade,
então Deus não poderia ter criado o mundo em seis dias literais, inicialmen-
te, com nenhuma morte por derramamento de sangue, e todas as pessoas e
ar para respirar, os animais terrestres não podem ser descendentes dos oito
pessoas e todo o ar de respiração, animais terrestres que estavam a bordo da
Arca que Noé construiu por ordem de Deus. Assim, os primeiros capítulos do
Livro do Génesis estão cheios de erros e pode ser rejeitada, como pode todas
as referências a Deus criador e ao Dilúvio de Noé ao longo de muitos outros
livros do Antigo e Novo Testamentos. Isto significa também que Deus estava
dizendo a Moisés e os filhos de Israel uma mentira quando Ele lhes deu os
Dez Mandamentos e mandou-os a observar uma semana de sete dias, assim
como ele havia observado um literal semana da criação de sete dias a si
mesmo, o que significaria Ele era culpado de violar já Sua própria nono
mandamento. Além disso, o próprio Jesus Cristo deve também ter mentido
quando Ele se referiu a Deus criador e para os dias de Noé, a Arca e do Dilú-
vio, assim, portanto, ele não pode ser o que Ele afirmava ser ("o caminho, a
verdade ea vida" ) ou o "Filho de Deus".
Segue-se então que, tendo feito sua decisão sobre a confiabilidade e ve-
racidade destes eventos como registrado na Bíblia, em última análise, pelo
próprio Deus como alegado, não há nenhuma razão para que a veracidade
da Bíblia não pode ser testada historicamente e cientificamente. Isso não
quer dizer que a Bíblia é um livro de ciência e história, mas sim que, se é
verdade, então sempre que ele toca em questões de história e ciência, estes
devem ser verificados pelos meios normais de investigações científicas e his-
tóricas. Dito de outra forma, se o que lemos na Bíblia é verdade, então a evi-
dência no mundo que Deus criou, e depois julgados por uma inundação ca-
tastrófica global, deve ser coerente com o que a Bíblia registra sobre esses
eventos. E assim é. Estou convencido, como muitos outros cientistas, que a
evidência esmagadora apoia estas alegações de que a Bíblia faz sobre a ori-
gem da vida e da história da Terra.

266
Por exemplo, como um geólogo que eu encontro muitos fósseis nas ca-
madas de rochas expostas na superfície da Terra, sendo os restos de animais
e plantas que um dia viveram sobre a terra, mas agora está morto, sepultado
e preservados nas rochas. Como os biólogos que estudam os seres vivos, eu
ainda posso ver entre os restos preservados de criaturas mortas a evidência
da obra criadora de Deus. De fato, se a vida foi criada por um Deus pessoal
transcendente, ao invés de os mecanismos aleatórios impessoais da evolu-
ção, então criaturas, vivos ou mortos, devem mostrar evidências de que está
sendo projetado por um designer. E eles fazem.

Evidência de projeto
Talvez o meu exemplo favorito é a dos trilobitas, artrópodes (invertebra-
dos com pés articulados), que são extintos e só encontrei como fósseis em
todo o mundo. Elas ocorrem entre os primeiros fósseis nas chamadas rochas
cambrianas, e são as mais baixas fósseis multicelulares com partes duras
encontradas no Grand Canyon, por exemplo. Muitas vezes considerado como
criaturas primitivas, sua anatomia revela que eles são, talvez, a mais com-
plexa de todas as criaturas invertebradas. Eles são pensados para ter sido
criaturas marinhas, porque os seus fósseis são comumente encontrados com
os restos de criaturas que ainda vivem nos oceanos hoje. Além disso, eles
parecem ter tido um conjunto de brânquias associados com cada per-
na. Concha do animal é geralmente dividido em três seções ou lobos-cabeça,
tórax e cauda. Daí, o nome do animal ( tri para três, e lobite para os lóbu-
los). Por causa de suas pernas articuladas e antenas, as trilobites são classi-
ficadas com lagostas, caranguejos, escorpiões, aranhas e insetos. As pernas
obrigá-los a ter sistemas musculares complexos, e por causa de sua seme-
lhança com os artrópodes modernos, trilobites são pensados para ter tido
um sistema de circulação, incluindo um coração. Elas também tinham um
sistema nervoso muito complexo, tal como indicado por antenas, que prova-
velmente teve uma função sensorial, e a presença de olhos em muitas espé-
cies.
De fato, alguns cientistas acreditam que os agregados (Schizochroal)
olhos de alguns trilobitas foram os sistemas ópticos mais sofisticados já uti-
lizados por qualquer organismo. O olho Schizochroal é um olho composto,
formado por muitas lentes individuais, cada um projetado especificamente

267
para corrigir a aberração esférica, permitindo assim que os trilobites ver
uma imagem sem distorções sob a água. O projeto físico elegante de olhos de
trilobitas também emprega o princípio de Fermat, lei do seno de Abbe, as leis
de Snell de refração, e compensa a ótica de cristais birrefringentes. Tal sis-
tema de visão tem toda a evidência de que está sendo construído por um de-
signer extremamente brilhante!
Extraordinária complexidade do trilobite dificilmente garante a criatura
que está sendo chamado de "primitivo", mas aqui reside o dilema para os
evolucionistas. Não há possíveis ancestrais evolutivos para os trilobites nas
camadas de rocha abaixo, onde as trilobites são encontrados, por exemplo,
no Grand Canyon. Na verdade, os trilobites aparecer no registro geológico, de
repente, completamente formada e criaturas integradas complexamente com
os sistemas ópticos mais sofisticados já utilizados por qualquer organismo,
sem qualquer indício ou vestígio de um ancestral em muitas camadas de ro-
cha abaixo. Não há absolutamente nenhuma idéia de como a incrível com-
plexidade de trilobites se levantou, e, portanto, eles claramente defendem
projeto e fiatcriação, assim como nós poderia prever a partir do relato bíblico
de Gênesis.

Evidências do Dilúvio
Como geólogo Eu também estou interessado no relato bíblico da história
da Terra, especialmente o registro do Dilúvio global catastrófico de um ano,
nos dias de Noé, que deve ter totalmente remodelados toda a superfície do
globo. Na verdade, com base na descrição bíblica do evento Flood, é lógico
prever que iria deixar para trás milhares de milhões de animais mortos e
plantas enterrados em sedimentos erodidos e depositados pelas águas da
enchente em movimento, que todos acabam sendo fósseis na rocha camadas
estabelecidas pela água em todo o globo. E isso é exatamente o que encon-
tramos-camadas de rochas sedimentares depositadas em água contendo fós-
seis em todo o mundo.
Há evidências impressionantes que os depósitos fósseis e estratos de
rochas foram formadas catastroficamente. Há também muitos indícios de
que não havia milhões de anos, ou mesmo milhares, entre várias unidades
de rock. A seqüência de rocha no Grand Canyon é um caso em questão. Não
só ele pode ser demonstrado que cada uma das unidades de rochas expostas

268
nas paredes do canyon deve ter se formado muito rapidamente sob condi-
ções catastróficas lacrimejantes, mas não há intervalos de tempo significati-
vas entre as várias camadas de rocha. Assim, o tempo total envolvido para
colocar no lugar cerca de 4.000 pés (1.200 metros) de espessura de camadas
de rocha está bem dentro das limitações de tempo a Bíblia estipula para o
evento de inundação.
O que também é espetacular sobre a área do Grand Canyon, no norte
do Arizona é a escala ea magnitude das unidades de rock ea grandiosidade
do cânion. Pode-se caminhar fisicamente cima e para baixo a seqüência de
unidades de rochas que remontam antes do dilúvio, e depois à direita atra-
vés do evento de inundação até tempos pós-diluvianos. Embora a seqüência
não está completo, existem poucos lugares onde uma seqüência tão comple-
to é tão totalmente expostas e tantas evidências para o Dilúvio e sua nature-
za catastrófica.
Não geólogo nega que os oceanos já cobriu a terra, uma vez que as ro-
chas que contêm fósseis marinhos podem ser encontrados em altitudes aci-
ma do nível do mar hoje em qualquer lugar de um a cinco milhas (1,6-8
km). Que as águas do oceano deve ter coberto a terra é exatamente o que se
espera que aconteça durante um dilúvio global, enquanto movimentos de
terra simultâneas com as águas da inundação em retirada seria esperado
para deixar estratos com fósseis marinhos agora empoleirado alto e seco em
altitudes consideráveis, apenas como se observa, por exemplo, no Himalaia.
Na Austrália, sem dúvida, uma das áreas mais impressionantes que
demonstram deposição catastrófica durante a inundação é Ayers Rock (Ulu-
ru ou). A escala das camas de arenito que foram revertidos para formar a
pedra dá testemunho claro para a escala de deposição no Dilúvio. Os grãos
minerais que compõem o arenito é uma testemunha à velocidade cataclísmi-
co do processo de deposição e da pouca idade deste acidente geográfico in-
crível deserto.

Pesquisa
A investigação tem sido sempre um componente importante das minhas
responsabilidades, e nos últimos anos tem sido possível aumentar o esforço
de investigação através de um trabalho colaborativo, e através da concentra-
ção em investigar os métodos de datação radioativa por coleta de amostras e

269
ter o trabalho de laboratório feito a nós mesmos. Desta forma, a evidência de
que está sendo exaustivamente recolhida e sistematizada está provando ser
totalmente consistente com o relato bíblico da criação em seis dias e um di-
lúvio catastrófico global.
Há três importantes projetos colaborativos internacionais. O primeiro é
o projeto modelo de inundação com US criacionistas Drs Steve Austin , John
Baumgardner , Russ Humphreys , Larry Vardiman , e Kurt sábio . Estamos
tentando construir uma compreensão abrangente dos dados geológicos de
uma perspectiva bíblica da história da Terra centrada sobre o que aconteceu
durante o dilúvio, e antes e depois, até os dias atuais. Sugerimos que placas
tectônicas catastróficas pode fornecer um mecanismo adequado para Terra-
planagem e atividade tectônica, "Sprint" continental (em vez de "deriva"), e os
padrões de sedimentação e atividade vulcânica durante o evento de inunda-
ção. Por isso, apresentou um documento preliminar sobre o tema na Tercei-
ra Conferência Internacional sobre criacionismo em Pittsburgh, em 1994. O
nosso modelo ainda tem problemas a superar, mas continuamos confiantes
de que irá provar ser viável e unificadora.
Em um projeto separado, mas relacionado, o Dr. Kurt sábio e eu, com o
apoio técnico de computador de Donna Richardson, e ajuda de outras pes-
soas com a coleta de dados, estão desenvolvendo um banco de dados geoló-
gico global usando software sofisticado que tem sido amplamente doados a
nós para esta finalidade. Este projeto envolve a gravação de todos os dados
geológicos conhecidos em todas as áreas em todo o globo, um mamute e ta-
refa assustadora. O banco de dados vai permitir-nos olhar para os padrões
geológicos globais para diferentes tipos de rochas, fósseis, "datas", radiomé-
tricas indicação nas rochas das antigas direções atuais de água, e muito
mais. Ao olhar para a foto maior, esperamos obter uma melhor compreensão
do que aconteceu durante o Dilúvio. Afinal, o Dilúvio foi um evento glo-
bal;portanto, seria de esperar para encontrar padrões globais de sedimenta-
ção, atividade vulcânica, depósitos minerais, etc. Apesar de ser um projeto
de longo prazo, esta é estratégica, pois nos permitirá fazer pronunciamentos
importantes com base em dados concretos.
Em um sub-projecto, que se uniram com o astrônomo Dr. Danny
Faulkner olhar para os padrões de impacto e explosivo crateras vulcânicas
com a passagem do registro geológico da Terra, em comparação com a da lua

270
e nossos vizinhos mais próximos planetários, Vênus e Marte.Há uma possi-
bilidade de que tais impactos e explosões desencadeada ciclos de sedimenta-
ção catastrófico durante o dilúvio, a atividade vulcânica em conjunto com
movimentos de placas e muito mais.
Um terceiro projeto de colaboração internacional está focada nos méto-
dos de datação radioativa. Embora facilmente desacreditado por causa das
falhas básicas nos métodos e os resultados anômalos, os padrões de "datas",
que são consistentes com a escala de tempo evolutivo ainda são um grande
desafio para o relato bíblico da história da Terra. Seria um avanço poderosa
para ser capaz de explicar os "bons" dados aceites pelos evolucionistas e os
dados anômalos que rejeitam, em outros termos que "as idades." Então, eu
estou trabalhando com os Drs. Steve Austin, John Baumgardner, Eugene
Chaffin , Don DeYoung , Russ Humphreys, e Larry Vardiman na taxa (Ra-
dioisótopos ea Idade da Terra) projeto de pesquisa. Taxas de decaimento Até
o momento, duas possibilidades surgiram radioativo pode ter sido muito rá-
pida no momento da criação e / ou o dilúvio, e / ou as "eras" representam
padrões ligados à geoquímica primordial make-up do interior da terra, parti-
cularmente o manto, e para processos de reciclagem de rochas durante o
dilúvio.
Ligado em minha participação no projeto TAXA são uma série de estu-
dos de caso em que determinadas unidades geológicas são direcionados para
a amostragem e laboratório de trabalho crescente, a fim de testar possíveis
explicações geoquímicos para as relações de radioisótopos nas rochas. Até
agora, estes estudos de caso envolvem amostras de Austrália, Nova Zelândia,
Reino Unido, o Grand Canyon, e em outros lugares nos EUA. Os resultados
iniciais estão provando ser significativamente útil em nossa busca. Por
exemplo, "idades" anômalos de até 3,5 milhões de anos foram encontrados
em 1954 os fluxos de lava no Monte Ngauruhoe na Ilha Norte da Nova Ze-
lândia, e tem sido demonstrado que estes foram causados por excesso de
argônio radiogenic que veio de área de origem do manto para estas lavas e foi
preso na lavas quando resfriado. Além disso, um levantamento da literatura
confirma que este gás argônio pode refletir a concentração de argônio pri-
mordial no manto da Terra e não ter sido derivado de decaimento radioativo,
mesmo que ele é indistinguível de argônio assim produzida. Este, por sua
vez, significa que, no caso de fluxos de lava antigos, onde não sabemos a sua

271
idade verdadeira, não podemos ter certeza de que o gás argônio medidos em
rochas vem do decaimento radioativo do potássio, e, portanto, o gás argônio
medido não pode ser um verdadeiro reflexo da "idade", contrária aos princí-
pios envolvidos no potássio-argônio e métodos de datação radioativa argônio-
argônio. Este trabalho foi relatado em um artigo entregue à Quarta Confe-
rência Internacional sobre criacionismo em Pittsburgh em 1998 e ganhou o
Prêmio Excelência Técnica.
Outros projetos de pesquisa foram igualmente orientados para questões
geológicas específicas que por muito tempo tiveram aparentemente em desa-
cordo com o registro bíblico da história da Terra, e que foram desconcertan-
tes para resolver. Dois desses problemas são as mudanças metamórficas em
rochas sobre grandes regiões da crosta terrestre devido a pressões e tempe-
raturas elevadas, ea colocação e resfriamento dentro da crosta terrestre de
grandes massas de rocha derretida, como granitos. Ambos os processos geo-
lógicos têm sido consideradas convencionalmente como a tomada de milhões
de anos e por isso têm sido persistentemente citada por aqueles antagônica
à escala de tempo bíblica para a criação da vida e da história da Terra. No
entanto, trabalhos em Journal of Creation e apresentado na Conferência In-
ternacional sobre Criacionismo Terceiro, ambos em 1994, mostraram como
as mudanças metamórficas regionais só exigem temperaturas baixas a mo-
deradas sobre uma escala de tempo curto na presença de águas hidroter-
mais e refletem as zonations composicionais dos sedimentos originais e mi-
nerais constituintes. O último papel ganhou o Prêmio Excelência Técnica
nessa conferência.
Da mesma forma, já foi demonstrado em um trabalho apresentado na
IV Conferência Internacional sobre o criacionismo, em 1998, que a intrusão
e resfriamento de grandes massas de magma granítico só exigem centenas a
alguns milhares de anos, a expulsão de água magmática contido induzir fra-
turamento e concorrente perda de calor por convecção rápida através da sua
mistura e circulação de água do solo. A investigação sobre estas e outras
questões geológicas continua, assim, para verificar a precisão do relato bíbli-
co da história da Terra e da vida.

Conclusão

272
Eu acredito na criação da vida por Deus em seis dias literais, e na des-
truição de Deus da vida e da Terra por um Dilúvio global catastrófico de um
ano, por duas razões-primeiro, e mais importante, porque a Bíblia registra
claramente esses eventos como verdadeira, história literal e, segundo, por-
que a evidência científica, corretamente entendida, é totalmente consistente
com este relato bíblico. Como geólogo, eu continuo a achar investigação cien-
tífica do mundo de Deus muito gratificante e emocionante, porque eu sem-
pre descobrir que, finalmente, a evidência no mundo de Deus concorda com
o que eu li na Palavra de Deus.

273
stephen taylor
Engenharia Elétrica

O objetivo deste artigo é o de fundamentar a minha crença como um ci-


entista e engenheiro em um eterno e todo-poderoso, onisciente Deus Cria-
dor, um Deus que pode ser conhecido e confiável, alguém que tem falado na
Bíblia para revelar a Sua vai e, finalmente, através de Seu Filho Jesus Cris-
to, para revelar a Sua pessoa. Eu também gostaria de destacar alguns dos
problemas cientificamente com a visão naturalista (evolucionista) de origens
e dizer por que, na minha opinião, os fatos científicos suportam a estrutura
bíblica em vez do sistema de crença evolutiva.

Um projeto exige um designer


Em cima da mesa na minha frente é uma reprodução de uma pintura
de paisagem bonita de uma cena do país, que data de cerca de 1770, por
Paul Sandby. Em primeiro plano, o artista capturou a luz solar que cai em
uma árvore em um prado. Nas proximidades, há um cavalo e algumas crian-
ças, e no fundo, vemos um rio fazendo o seu caminho passado colina verde e
dale em direção ao mar. Longe na distância, nuvens cinzentas dar lugar a

274
um céu azul claro. Você me pergunta como a pintura veio a ser. Se eu fosse
a insistir para que, de repente e sem motivo aparente, tintas a óleo começa-
ram a chegar em cima de uma tela, de tal forma e em apenas tais proporções
que o resultado foi uma obra de arte, você pensaria que eu seja louco. É um
cenário impossível. Minhas dificuldades em convencê-lo seria pior se eu fos-
se incapaz de dar uma explicação para a existência da tela e as tintas em
primeiro lugar!
Naturalismo evolucionista está nos pedindo para acreditar em tal cená-
rio: uma imagem sem um pintor, a arte sem artista. Lembremo-nos, tam-
bém, que no entanto é bom, a pintura é apenas uma representação mortos,
bidimensional de um muito mais maravilhosa tridimensional realidade viva:
a própria paisagem, árvores, cavalos, crianças, céu, sol e nuvens ! Como er-
rado e como tolo para elogiar o trabalho de uma mão humana e olho ainda
negar o trabalho do artista divino que colocar todas as coisas no lugar e deu
existência e habilidade para a mesma mão humana e olho!
Não só um projeto implica um designer, um projeto diz algo sobre seu
criador. Ao considerarmos a vastidão do espaço profundo, os meandros do
cérebro humano, as poderosas forças que prendem o núcleo de cada átomo
em conjunto, podemos concluir que Deus é realmente imensa, grande inteli-
gência e no poder. Se Deus é assim, por que não deveria criação levar seis
dias de 24 horas? Ele poderia ter feito isso em seis horas ou seis segundos,
se Ele tivesse escolhido. Tal Deus pode fazer o que quiser, quando quiser, de
acordo com sua própria natureza.

Um homem que afirmou ser Deus


A segunda e talvez mais convincente razão para a crença cristã em geral
e de criação literal de seis dias, em especial, é o Senhor Jesus Cris-
to. Aproximando-se do segundo milênio Ele ainda é a figura central da histó-
ria humana. Todos os jornais, o computador ea moeda com a data de hoje
recorda-nos que foi Ele quem dividir o tempo em dois: AD e BC Ele nunca
escreveu um livro ou uma música, mas milhões de livros e algumas das
maiores músicas do mundo foram escritos sobre ele . Ele nunca ergueu um
monumento ainda dezenas de milhares de edifícios foram erguidos em sua
homenagem. Ele nunca liderou um exército ou tirou uma espada, mas por
seu amor ao longo dos anos, ele conquistou os corações de milhões. Alguns

275
de seus inimigos, em encontro com Ele, foram transformados em homens
que deram a vida por Ele. Seu exemplo e ensinamentos têm sido a maior in-
fluência para o bem da humanidade. Universidades, escolas, hospitais, orfa-
natos, instituições de caridade e reformas sociais foram fundadas e progre-
diu em seu nome como em nome de nenhuma outra pessoa.
Sua história de vida é contada a nós nos relatos de testemunhas ocula-
res dos escritores do Novo Testamento.Estes homens estavam presentes
quando Jesus curou os cegos, alimentou os famintos, acalmou a tempesta-
de, andou sobre a água, e levantou homens do morto. Eles ouviram falar,
assisti-Lo vivo, viu morrer, e andava, falava, e jantou com ele, depois que
ressuscitou dos mortos, como Ele previu que Ele faria. Ele fez e alegou coi-
sas sobre si mesmo que só Deus pode fazer ou deve reivindicar. Jesus falou
de Deus como seu Pai, e disse: " Eu eo Pai somos um "( João 10:30 ); e,
" Quem me vê a mim, vê o Pai "( João 14: 9 ).
Agora é importante perceber que o Senhor Jesus Cristo acreditava nos
primeiros capítulos de Gênesis como fato histórico. De fato, tal era o seu alto
vista da Escritura do Antigo Testamento, que Ele a chamou de " Palavra de
Deus " , e que a Palavra de Deus " era verdade " , afirmando que " a Escritu-
ra não pode ser quebrada "( João 10:35 , 17:17 ). Que o Senhor Jesus Cristo
acredita em Adão e Eva, Caim e Abel, Noé e um cataclísmico dilúvio mundial
é evidente a partir de tais passagens como Mateus 19: 4 , 23:35 e 24: 37-
39 . Em Marcos 10: 6 Jesus disse: " . Mas desde o princípio da criação, Deus
os fez macho e fêmea "Nestas palavras de Jesus, vemos que Ele ensina que
Adão e Eva foram criados no" princípio da criação ", não milhões de anos
após o início! Isto também implica que Deus tinha preparado um mundo pa-
ra eles pouco antes. Em todos os lugares vemos que a Bíblia é consistente
com a visão de um de seis dias, a criação recente literal. Este tem sido o en-
sino quase universal da Igreja Cristã até os últimos cem anos ou mais.

O testemunho de outras pessoas


Muitos dos maiores cientistas do mundo têm sido convencido, cristãos
crentes na Bíblia [ CMI Ed. nota : vercientistas criacionistas e outros espe-
cialistas de interesse ]. Na minha própria disciplina de engenharia elétrica,
só um tem de pensar em nomes como Michael Faraday , James Joule , Lord
Kelvin , e James Clerk Maxwell (que escreveu contra a evolução) para ver

276
que isso é verdade. A Creation Research Society tem atualmente uma adesão
de 650 cientistas, cada um segurando um mestrado ou acima em um campo
reconhecido da ciência. Em um artigo recente Dr. Russell Humphreys , físico
da Sandia National Laboratories, Novo México, estima que existam cerca de
10.000 praticando cientistas profissionais nos EUA sozinho que acreditam
abertamente em uma criação em seis dias recentes. 1

A experiência pessoal
Tornei-me um cristão com a idade de 16, buscando perdão por meus
pecados e comprometendo a minha vida ao Senhor Jesus Cristo em uma
oração simples. Embora ciente da aparente contradição entre a ciência ea
Bíblia, o fato de que Jesus acreditava no relato de Gênesis como historica-
mente verdadeiras foi o suficiente para me convencer de que um jovem cris-
tão que eu também deveria! O discípulo não está acima do seu se-
nhor. Muitos anos depois, estou mais do que convencido não só da verdade
do Evangelho cristão, mas também da harmonia entre a revelação bíblica e
verdadeira ciência.
É extremamente importante perceber que, ao contrário do que muitas
vezes disse, não há nenhum fato comprovado da ciência que pode ser mos-
trado para contradizer o relato bíblico. Quando as teorias científicas parecem
contradizer, é importante examinar a evidência para e interpretação por trás
de tais idéias. Cientistas estão sujeitos a erros e preconceitos, como a histó-
ria da ciência mostra. Na seção final deste artigo, eu gostaria de examinar
brevemente algumas das graves científicos problemas inerentes ao modelo
evolucionista das origens.

O que passou estrondo e como?


De acordo com a teoria do "big bang", o universo começou de 10 a 20
bilhões de anos atrás como um inconcebivelmente pequeno volume de espa-
ço e matéria / energia que vem se expandindo desde então. No entanto, te-
mos o direito de fazer a pergunta: o que foi estrondo?Em termos simples,
"Nada não pode ir estrondo." Uma questão relacionada é quando fez as leis
naturais que regem o mundo físico vir a ser? Devemos acreditar que essas
leis são também o produto do acaso? Professor Werner Gitt reviu recente-
mente a teoria do big bang, e observa que, "Muitas descobertas nos últimos

277
anos, com melhores instrumentos e métodos observacionais melhoradas
abalaram repetidamente essa teoria." 2

Como a vida se originou?


A evolução tem o problema fundamental de explicar como a vida surgiu
da não-vida. Em seu livro Evolution, uma teoria em crise , biólogo molecular
Dr. Michael Denton afirma que seu assunto se presta nenhum suporte para
a teoria da evolução. Ele ressalta que não há tal coisa como uma simples
célula. Ele faz a seguinte pergunta: "Será que é realmente crível que proces-
sos aleatórios poderia ter construído uma realidade, o menor elemento de
que-um gene funcional ou proteína é complexo além de nossas capacidades
criativas, uma realidade que é a própria antítese do acaso, que se destaca
em todos os sentidos qualquer coisa produzida pela inteligência do homem?
" 3

Professor Sir Fred Hoyle, o ex-astrônomo Cambridge, deu a seguinte


analogia para ilustrar a dificuldade de vida originário por acaso: "Imagine
10 50 cegos, cada um com um cubo de Rubik mexidos e tentar concebê-los
simultaneamente chegar ao formulário resolvido. Você, então, tem a chance
de chegar de embaralhamento aleatório (variação aleatória) de apenas um
dos muitos biopolímeros sobre a qual a vida depende ... absurdo de uma or-
dem elevada. " 4

Dr. Michael Behe, professor de bioquímica da Universidade de Lehigh,


argumenta de forma semelhante para o design inteligente como uma expli-
cação lógica óbvia para a complexidade das máquinas bioquímicas encon-
tradas em todas as coisas vivas. Ele dá exemplos de sistemas biológicos, tais
como a coagulação do sangue que são "irredutivelmente complexo", exigindo
que todas as partes para funcionar. Em tais sistemas não, rota gradual dire-
ta leva a sua produção, uma vez que se uma parte está faltando, todo o sis-
tema é inútil. 5

Onde é que a nova informação vem?


Em larga escala ameba-a-homem evolução requer aumentos maciços na
informação genética ao longo do tempo. Evolução é dito para prosseguir pe-
los processos de selecção natural (a sobrevivência do mais forte) e / ou mu-
tação. No entanto, a chave questão para ambos os processos é onde é que a

278
nova informação vem? Para um réptil para se tornar um pássaro, ele deve
ter a informação extra necessária para asas e penas, etc. A seleção natural é
facilmente observável, mas não pode, por si só, criar a nova informação, uma
vez que não há desenvolvimento ascendente da complexidade genética da
organismo. Outra suposta fonte de novas informações é mutações. Para a
evolução em grande escala, as mutações devem , em média, adicionar infor-
mações. Em um livro recente, biofísico Dr. Lee Spetner mostra com análise
probabilística detalhada que isso é completamente proibida. Ele examina os
casos clássicos de livros didáticos de mutações citadas a favor da evolução
neo-darwinista e mostra de forma conclusiva que, sem exceção, todos eles
são perdas de informação. Não existe tal coisa como uma mutação que adi-
ciona informações. 6 Spetner está bem qualificado para fazer esses cálcu-
los. Como um ex-companheiro da Johns Hopkins University, ele é um espe-
cialista em comunicação e teoria da informação.
O caso contra a evolução é resumida pelo professor de direito da Uni-
versidade de Berkeley Philip Johnson, que faz as seguintes pontos:
1. evolução é baseada não em fatos científicos, mas em uma crença filosó-
fica chamada naturalismo;
2. a crença de que um grande corpo de evidência empírica suporta a evo-
lução é uma ilusão;
3. evolução é em si uma religião;
4. se a evolução fosse uma hipótese científica baseada em um estudo rigo-
roso das evidências, ele teria sido abandonado há muito tempo. 7
Neste artigo, examinamos a afirmação clara das Escrituras e razões dis-
cutidas para aceitá-lo em seu valor de face. Olhamos para uma teoria alter-
nativa das origens incorporados na teoria da evolução e as dificuldades cien-
tíficas que enfrenta, dificuldades que estão a aumentar com o tempo. A par-
tir destas considerações e outras que eu, por exemplo, não tenho nenhuma
hesitação em rejeitar a hipótese evolucionista das origens e afirmando a al-
ternativa bíblica de que "em seis dias o Senhor Deus criou os céus ea terra e
tudo que neles há."

Notas
1. Criação 20 (1): 37, 1997.
2. Criação 20 (3): 42, 1998.
3. Denton, M., Evolution: A Theory in Crisis , Adler e Adler, 1985.
4. Nature 294: 105, 1981.

279
5. Behe, MJ, A Caixa Preta de Darwin , Free Press, 1996.
6. Spetner, L., não por acaso: Quebrando o Theroy Moderna de Evolutions ,
Judaica, 1997.
7. Johnson, PE, Darwin on Trial , Regnery gateway, Washington, DC,
1991.

280
john morris
Engenharia Geológica

Existem duas categorias de prova que eu continuo voltando para a con-


firmação da criação: (1) a do design incrível e ordem em sistemas vivos, e (2)
a separação dos estilos básicos do corpo de plantas e animais no registro
fóssil .
Quanto design, até mesmo o menor organismo unicelular, do tipo que
os evolucionistas dizem que são semelhantes aos que evoluiu espontanea-
mente de produtos químicos não-vivos, é complexa além da nossa própria
capacidade de entender, muito menos Recriar. Os cientistas estão apenas
começando a entender como funciona a célula, que genes realizar que funci-
ona, etc., mas não tenho idéia de como esses sistemas podem ter se origina-
do por processos naturais. Mesmo a mais simples célula é mais complexa do
que um super-computador, e ainda os evolucionistas atribuem muito maior
projeto ao acaso em nome da ciência, quando se refere à origem e evolução
da vida.
A célula tem sido comparado, e não apenas a um super-computador,
mas para uma próspera metrópole cheia de indústrias, edifícios e fábricas,

281
cada uma contendo super-computadores, todos funcionando juntos para
fazer esta metrópole função. A capacidade de uma célula para realizar a sua
variedade de funções, se reparar, quando danificados, e reproduzir descen-
dentes de como a complexidade está além da capacidade de qualquer item
criado pelo engenho humano. Obviamente, os sistemas vivos têm o selo da
atividade criadora de Deus, e não poderia ser o resultado de processos alea-
tórios.
Embora o estudo dos sistemas vivos nos dá provas no presente que a
vida não poderia ter surgido por acaso, um estudo do registro fóssil nos dá
uma indicação sobre o que que era a vida no passado. Mais uma vez vemos a
complexidade impensável e variedade, mas não encontramos evidências em
todos origens evolutivas. Se a evolução ocorreu, deve ter envolvido inúmeros
"entre" formas entre os vários tipos de plantas e animais. No entanto, o re-
gistro fóssil não contém essas formas intermediárias, e os evolucionistas são
deixados lutando para explicar como os animais poderiam ter descido de su-
postos ancestrais comuns, sem deixar qualquer vestígio fóssil.
O registro fóssil mostra (1) que as formas de vida pouco manifesto ou
nenhuma mudança durante a sua história, (2) que a maioria dos tipos de
fósseis são virtualmente idênticos aos seus descendentes vivos, (3) que os
tipos de fósseis aparecem no registro fóssil sem linhagens ancestrais, e (4)
que os organismos fósseis ou extinguiram-se ou ter sobrevivido até o presen-
te. Este é exatamente o que deve estar presente se a criação ocorreu. O re-
gistro fóssil, enquanto vagamente compatível com histórias evolucionárias,
favorece claramente a interpretação criacionista.
A chave verdadeira, no entanto, para a resolução da controvérsia cria-
ção / evolução é em um estudo da idade da terra. Evolução exige longos pe-
ríodos de tempo, mas se a terra é muito mais jovem, como a Bíblia ensina,
então a evolução é ainda mais tolo. Obviamente, uma vez que os cientistas
estão limitados a um estudo de evidência presente, eles não podem voltar no
tempo e observar os processos anteriores. O que estudamos são os resulta-
dos de processos anteriores.
Como geólogo, estou convencido de que a superfície da Terra parece ter
sido moldada e remodelada no passado por um cataclismo aquático incri-
velmente dinâmico. O Dilúvio bíblico fornece a chave. Se tal dilúvio aconte-
ceu, como diz a Bíblia que isso aconteceu, então ele teria realizado um gran-

282
de trabalho geológico. Teria o material erodido de um local e depositou-o em
outro, e nesses sedimentos lodosos seria animais e plantas que haviam mor-
rido em que Dilúvio. Com o tempo, esses sedimentos teria endurecido em
rocha sedimentar, e as coisas mortas teria endurecido em fósseis. Assim, a
partir de uma perspectiva de inundação geologia, as rochas e os fósseis são
os resultados do Dilúvio dos dias de Noé.
No entanto, os evolucionistas consideram os fósseis para ser a evidência
de transição evolutiva, e que consideram as unidades de rocha para conter
indícios de milhões e bilhões de anos. Eu sinto que eles estão interpretando
mal que a evidência, de forma errada a usá-lo em apoio da evolução e uma
terra antiga. Sem os discos de rock e fósseis, não há nenhuma evidência
digna do nome a ser utilizado pela evolução e da terra antiga concei-
tos. Assim, o dilúvio dos dias de Noé é a questão de fundo.
Trancado no presente, perguntando sobre a história sem ser observado,
os cientistas não são sem ferramentas. A técnica adequada para usar na
avaliação de modelos concorrentes da história da Terra é para que os advo-
gados formular seus modelos da melhor forma possível, e depois fazer "pre-
visões" sobre as provas. Estes não são previsões sobre o futuro, mas previ-
sões sobre a natureza das provas. Se o Dilúvio bíblico realmente aconteceu
como a Bíblia descreve, em seguida, seria de esperar que os resultados geo-
lógicos de que Flood para mostrar sua origem cataclísmica, o resultado de
processos que operam em taxas e intensidades muito além das que operam
no presente, e eles estariam operando em uma escala regional. Meus colegas
evolucionistas defendem processos lentos e graduais de ter sido responsável
pelas unidades geológicas durante a operação em uma escala local.Tendo
formulado os dois modelos concorrentes, podemos ir para a prova e ver qual
o conjunto de previsões melhor se adapta.
Como os criacionistas têm mantido ao longo de décadas e que até geó-
logos seculares estão começando a admitir, podemos ver evidências de uma
catástrofe no disco de rock. De turbidez para tempestitos a evidência de ati-
vidade de furacões, etc., etc., catastrofismo está se tornando a regra em geo-
logia. Além disso, através da representação gráfica da extensão da área des-
ses depósitos, podemos ver que os produtos desses eventos cataclísmicos no
passado estavam operando em escala regional ou continental com dicas em
relação a continuidade global.Enquanto nós não ver os eventos que ocorrem,

283
os resultados desses eventos são de suporte da doutrina bíblica de um dilú-
vio cataclísmico global e não de todo apoio das idéias evolucionistas pa-
drão. Se de fato essas rochas e fósseis são o resultado de um dilúvio global,
então não há nenhuma evidência para a evolução, nem para uma terra anti-
ga.
Perguntas vezes surgem que eu não posso responder imediatamente
com uma base científica, mas sempre que eles surgem, eu volto para as ro-
chas e fósseis e me lembrar que o dilúvio dos dias de Noé é sua causa, obvi-
amente final. Além disso, enquanto eu não compreender todos os detalhes,
estou confiante de que o modelo secular de processos lentos e graduais não
é capaz de explicar as características gerais da prova do passado.
Minha confiança real na criação e na Terra jovem vem em última análi-
se, é claro, a partir das Escrituras. Menos doutrinas são ensinadas com tan-
ta clareza nas Escrituras como uma criação recente e Dilúvio global. A pala-
vra "dia" em Gênesis 1 e Êxodo 20:11 , etc., só pode significar um dia so-
lar. O fato de que Deus criou os vários tipos de plantas e animais "segundo a
sua espécie", como repetiu dez vezes em Gênesis 1, absolutamente proíbe-os
de ter descido com modificação de tipos já existentes. A contínua repetição
de termos globais no contexto Flood apaga qualquer possibilidade de uma
inundação local. É claro que Jesus aceitou a criação, o dilúvio, e os jovens
da terra como fizeram os outros escritores do Novo Testamento, mais parti-
cularmente Pedro e Paulo.
Como cristão e como cientista, a minha confiança na Palavra de Deus é
confirmado cada vez que eu olhar para a evidência científica, e cada vez que
eu olhar para a evidência científica, o meu entendimento da Palavra de Deus
é maior. Verdadeiramente a Palavra de Deus eo mundo de Deus são auto-
autenticação precisa e que se reforçam mutuamente registros do passado
despercebido.

284
elaine kennedy
Geologia

Como geólogo, eu não encontro muita evidência para a existência de


um decreto da criação. Eu só não encontrei nenhum dados geológica que me
convence de que Deus falou e "era". [ CMI Ed. Nota : É claro, não é possível
provar que qualquer evento de uma só vez aconteceu no passado. Veja Q & A
Ciência e Criação: onde está a prova Além disso, uma vez que as Escrituras
são verdadeiras, então houve também um Dilúvio global catastrófico que te-
ria destruído a maioria dos recursos geológicos anteriores a ele. E há muitos
exemplos de dados geológicos que suportam um dilúvio global; veja Q & A
Geologia .] Por isso, provavelmente parece estranho para alguns que eu
acredito que Deus criou este mundo em seis dias literais. Afinal de contas,
os cientistas baseiam suas conclusões em fatos duros e frios; eles confiam
em seus cinco sentidos a ser a principal fonte de verdade absolu-
ta. Infelizmente, a verdade sobre a história da Terra não é tão facilmente
percebido. Processos que depositaram mais das camadas de rocha não pode
ser duplicado no laboratório, pois os eventos eram demasiado grandes e
complexas para serem modelados. Geólogos utilizar análogos modernos para

285
explicar um grande número de depósitos antigos, mas muitos depósitos ex-
clusivos, não pode ser explicada pelos processos que ocorrem hoje. Estas
unidades enigmáticas levantar muitas questões relacionadas com a história
da terra, e várias hipóteses têm sido propostas para resolver os problemas,
incluindo alguns que são consistentes com o relato bíblico do nosso mundo.
Como cristão, eu acho abundante evidência para a existência de um
Criador [ CMI Ed. Nota : consulte Q & A Projeto Características e Teoria da
Informação ] ea maior prova é encontrada no meu relacionamento pessoal
com Jesus Cristo. Esta é a minha experiência e é a partir dessa plataforma
de fé que eu olhar para os dados geológicos.Desse ponto de vista, vejo provas
de que é consistente com o Dilúvio todo o mundo como ele é descrito em Gê-
nesis. A realidade deste evento resolve para mim muitas áreas de conflito
entre as interpretações da comunidade geológica e do relato bíblico da cria-
ção. A chave para esta resolução é a diferenciação entre os dados e as inter-
pretações geológicas atuais. [ CMI Ed. Nota : ver faltando? ou mal interpre-
tadas? ]
Levei vários anos para aprender a diferenciar entre dados e interpreta-
ção. Esta é uma idéia tão elementar que se poderia pensar dados de identifi-
cação seria fácil; no entanto, para grande parte da informação que recebe-
mos é meramente interpretações dos pesquisadores sem dados ou pontos de
vista alternativos, e até mesmo os cientistas geralmente usam interpretações
e conclusões para reforçar os argumentos em vez de ir de volta para os da-
dos de apoio para as idéias. Por exemplo, as datas citadas para as idades de
várias rochas e fósseis não são dados. As datas não estão diretamente medi-
do, mas consistem de cálculos baseados em pressupostos que descrevem
sistemas muito complexos. Os dados reais utilizados pelos chronologists é a
distribuição dos isótopos radioactivos em cristais ou rochas. [ CMI
Ed. Nota : consulte Q & A datação radiométrica ] Fatores que controlam es-
sas distribuições são muito complexos e mal compreendidos.. Aqueles de nós
que acreditam em um curto espaço de cronologia e uma criação em seis dias
não têm uma explicação adequada para datas radiométricas; no entanto,
sabemos que há muita pesquisa a ser feita e sabemos múltiplas interpreta-
ções das distribuições referentes aos processos envolvidos são possí-
veis. [ CMI Ed. Nota : Uma vez que este livro foi escrito, um grupo de cientis-
tas da criação foi pesquisar explicações adequadas para datas radiométricas

286
e descobrindo as premissas por trás dos vários métodos. Veja grupo TAXA
revela descobertas emocionantes! ]. Apesar dessa possibilidade, as datas são
frequentemente usados para refutar cronologias bíblicas como se nenhuma
pergunta ou argumentos se opõem a estas conclusões.
Ao interpretar os dados científicos, eu uso as mesmas técnicas e abor-
dagens como os meus colegas, mas as minhas hipóteses vêm de meu para-
digma bíblico. Costumo reconhecer conflitos; de fato, a literatura geológica
me lembra diariamente que o conflito existe, e muitos aspectos do registro
geológico são difíceis de explicar para a satisfação dos meus colegas ou sozi-
nho. Isso não significa que eles estão corretos e eu estou errado, mas sim
que há muita pesquisa a ser feita. Esta atitude parece um viés impossível
para alguns, mas acho que a minha fé me deixa aberta a alternativas, en-
quanto eu continuamente questionar as interpretações no meu trabalho por
causa da minha ciência.
A maioria dos dados no registro geológico pode ser interpretado para
suportar uma longa (milhões de anos) ou um (a alguns milhares de anos)
curta história de vida na Terra. [ CMI Ed. Nota : Consulte a Q & A Geologia ]
Alguns dados são melhor explicados a partir da perspectiva de longa idade e
outros dados se encaixa melhor em um curto período [. CMI Ed. Nota : ver a
terra? quantos anos ele olha ]. Depois que eu percebi que os dados por si só
não impõe qualquer sistema de crença, eu encontrei resolução espiritual en-
tre as interpretações conflitantes da ciência e as idéias apresentadas nas Es-
crituras. Acredito que o nosso Criador nos revelou na Bíblia um relato ho-
nesto e preciso de nossas origens e semanal Regozijo-me no memorial desse
evento de seis dias. [ CMI Ed. Nota : Vejaeisegesis: Um vírus Genesis .] A
paz espiritual a respeito dessas questões é importante para todos os cristãos
que trabalham em ciência, mas não é aquele que vem facilmente.
Embora eu tenha sido um cristão desde que eu tinha sete anos de ida-
de, não foi até que eu estava no meio da minha formação geológica que deci-
di incluir minhas suposições geológicas dentro de uma cosmovisão bíbli-
ca. Na verdade, eu percebi que eu considero a revelação de Deus mais válida
do que a razão humana, porque eu experimentar Seu poder recreativo em
minha vida diária.

287
colin w. mitchell
Geografia

Eu nasci em Londres e na minha infância assisti a uma igreja lo-


cal. Minhas crenças alterado para o de um agnóstico na minha adolescência,
que foi reforçado durante o serviço na RAF. Depois disso, eu fui para a uni-
versidade para ler geografia. Tornei-me um cristão, como resultado da ade-
são à Oxford Inter-Collegiate União Cristã.
Como tantos outros, eu achei difícil harmonizar as idéias evolutivas em
que eu tinha sido educado com base na fé cristã que eu tinha aprendido. As
perguntas foram particularmente intrusivos desde a estudar para uma licen-
ciatura em geografia envolve um componente substancial de geologia. Leio
livros que procurou harmonizar as duas, mas descobriu que quanto mais a
minha fé tornou-se biblicamente baseado mais difícil a tarefa se tornou. O
problema mais crítico centrado em torno da criação / evolução questão e,
especificamente, os seis dias de Gênesis 1 . Estava claro que não havia ne-
nhuma maneira que tanto a seqüência de eventos ou a cronologia poderia

288
ser feito para concordar com as teorias científicas atuais das origens. Não
era apenas uma questão de interpretação. Uma ou outra explicação (ou
mesmo ambos) tinha que estar errado. Escolha foi necessário, e sobre esta
escolha pendurado muito de sua orientação de vida. Se a escolha tinha sido
unicamente intelectual, teria sido mais difícil porque os argumentos a favor e
contra uma terra jovem apareceu tanto forte, mas fiquei impressionado tanto
pela consciência e pelas lições da história que a resposta deve começar com
princípios éticos. Toda a nossa cultura ocidental ea civilização foram basea-
das na Bíblia acima de qualquer outra fonte de sabedoria. Esta parecia ser a
razão para o seu valor moral ea base para a sua influência global.

Crítica do caso científico


Os argumentos científicos para uma terra antiga parecer forte. Quão
confiáveis são eles? Quão seguro é a idéia de que existe uma seqüência cria-
tivo ininterrupto do big bang, através da formação do sistema solar, a solidi-
ficação da terra, a geração espontânea de vida, ea evolução de plantas, ani-
mais e seres humanos para acabar no mundo que nos rodeia hoje em dia? É
este esquema inexpugnável? De maneira nenhuma. Ele tem falhas fatais e
inconsistências. Algumas perguntas podem revelar isso. Quem ou o que for-
neceu o material para o big bang? Por que não implodir em vez de explo-
dir? Como não poderia deixar coagular em estrelas e como estes podem gerar
planetas? Como a vida poderia surgir espontaneamente? Como poderia um
tipo de criatura viva mudar para outra quando o registro fóssil mostra ne-
nhuma evidência de tais mudanças? Como a inteligência ea mente poderia
desenvolver em face da segunda lei da termodinâmica, que nega essas pos-
sibilidades? Nenhuma dessas questões podem ser respondidas satisfatoria-
mente.
Há também questões sobre a cronologia. Cálculos modernas da idade
da Terra são baseados em medidas que assumem uma evolução uniformis-
ta. Eles calculam que apresentam taxas de deposição de sedimentos, decai-
mento radioativo e evolução orgânica presumida e extrapolar estes para
trás. Todos devem aceitar margens consideráveis de erro. Estes, muitas ve-
zes diferem muito em seus resultados, e pode dar respostas contraditórias
dentro de um único método. Namoro radiogenic é hoje considerado como o
mais confiável. Mas, se nós contamos com isso, estamos dependentes de

289
uma série de suposições improváveis. Estes incluem assuntos como a rela-
ção original de pai e filha isótopos, a constância das taxas de decaimento, a
ocorrência de isótopos aparentemente órfãs com meias-vidas muito curtas e
as possibilidades de fluxo de nêutrons e da migração de átomos quimica-
mente móveis.

Conclusões
O debate entre a crença em uma criação literal de seis dias e uma terra
antiga tem conseqüências de longo alcance. A Bíblia ensina o criacionismo
todo, começando com os primeiros capítulos do Gênesis. A história de Adão
e Eva é convincente para todo problema religioso do homem. O relaciona-
mento de Adão com o Criador, através da identificação de autoridade e da lei
divina, dá um quadro para todos os aspectos da vida. Ao elevar a consciên-
cia acima interesse material, a história fornece o fundamento básico para
instituições sociais, econômicas e políticas livres. Responsabilidade de Adão
para o mundo natural fornece um modelo para os desafios ambientais de
hoje.
Mas vai mais longe do que isso. O debate criação / evolução é marginal
para uma maior um: sobre o nosso entendimento do sobrenatural. Isto é
porque a nossa visão das origens afeta profundamente nosso entendimento
de quem é Deus e como ele lida com o mundo. Ela determina a nossa visão
de Sua natureza. O princípio da expiação foi introduzido pela primeira vez no
Jardim do Éden. Isso proporciona inspiração e orientação moral para a con-
duta humana. Com isso, ele influencia a nossa abordagem para a ciência, as
artes, educação e teologia. O relacionamento de Adão com sua família e do
mundo ao seu redor é um guia para todas as relações sociais e religio-
sos. Sua relação com Eva simboliza que entre Cristo ea Igreja, e mesmo
aqueles dentro da Trindade. [ CMI Ed. nota : ver Deus Q & A . para mais
informações sobre a Trindade] A teoria da evolução, ao negar a historicidade
da história da criação, é bastante destrutivo desses insights.
Portanto, nossa resposta à idéia de uma criação em seis dias governa a
nossa visão do cosmos, e além disso, é o nosso destino final. A impossibili-
dade de conciliar visão científica do mundo de hoje com a Escritura deixa
uma alternativa gritante. Isso é entre ver o mundo como não tendo significa-
do ea vida humana como tendo evoluído a partir de começos primitivos atra-

290
vés da luta para cima com uma visão de futuro, que na melhor das hipóteses
fornece algumas avanço material e cultural para a corrida, na pior das hipó-
teses para a sua destruição, e em ambos os casos ao esquecimento para o
indivíduo. Por outro lado, toda a natureza pode ser visto como parte de um
plano divino benevolente. Nossa vida, tanto aqui e no futuro, pode depender
de nossa resposta.

Artigo
 É o peixe realmente nosso ancestral? (revisão de sua Inner Fish: A Jour-
ney into the 3,5 bilhões de anos de história do Corpo Humano por Neil
Shubin)

291
stanley a. mumma
Engenharia Arquitetônica

Como é que eu, um engenheiro mecânico, com quase 30 anos de ensino


industrial e universitário e experiência de investigação, chegou à conclusão
de que o mundo e tudo o que é visto foi criado em seis dias literais de 24 ho-
ras? Minhas áreas acadêmicas de pesquisa estão relacionados com a cons-
trução de utilização de energia e controle de qualidade do ar interior. A pes-
quisa, que não é dedicado ao estudo das origens, é fundada sobre os princí-
pios fundamentais, observáveis e confiáveis de ciências térmicas. Portanto, o
que se segue não vai ligar as minhas atividades de pesquisa para minhas
conclusões sobre origens. Trago a mente de um engenheiro de pesquisa para
suportar as coisas que eu li e observar ao meu redor. Engenheiros freqüen-
temente precisam confiança na exatidão literal do relato de Gênesis, enquan-
to as pessoas educadas em muitas outras disciplinas estão bastante satisfei-
tos ao tomá-lo como alegoria.
Eu considero o modelo de criação de seis dias literais de 24 horas a ser
fundamental para a minha visão de mundo. No entanto, eu não tenho sem-
pre manteve esta posição. Em 1978, como professor catedrático titular, em-

292
barquei em uma jornada através da Bíblia, dedicando de 15 a 20 minutos
por dia para estudar antes do café da manhã. A viagem foi feita de modo que
eu, uma "pessoa educada", não seria ignorante do conteúdo do livro mais
vendido de todos os tempos. Meu estudo foi complementado por uma série
de recursos adicionais, o mais significativo dos quais foi o livro de Henry
Morris muitas provas incontestáveis . 1 Eu encontrei este livro, escrito por
um professor de engenharia colega da universidade, para ser confiável, eru-
dita e bem apoiado com referências. Antes da viagem de um ano através da
Bíblia, nem origens nem o Criador parecia de todo relevante para
mim. Depois, eu vim a entender muito sobre mim mesmo e da condição hu-
mana. Eu aprendi que não uma única descoberta arqueológica contradisse
qualquer parte do conteúdo histórico da Bíblia, mas sim o autenti-
cou. Enquanto não era um livro de ciência, a Bíblia falou com precisão a
respeito de muitos fenômenos científicos ou processos nas áreas de hidrolo-
gia, geologia, astronomia, meteorologia, biologia e física. No entanto, eu ain-
da tinha dúvidas sobre a confiabilidade do livro de Gênesis. Por isso, foi ne-
cessário para mim para explorar em detalhe os dois pontos de vista das ori-
gens: evolução e criação bíblica, incluindo um dilúvio global. Como não hou-
ve testemunhas oculares humanos para registrar o início, uma prova histó-
rica legal era impossível. Além disso, os procedimentos de laboratório cientí-
fico actual não poderia ser utilizado para autenticar o início de qualquer mo-
delo. Então, eu fui deixado com apenas uma alternativa: realizar um estudo
para determinar o quão bem os artefatos que podem ser observados hoje ca-
ber cada modelo. Algumas das evidências convincentes de que eu encontrei
o que demonstra que o modelo de evolução falhar, eo jovem criação terra /
globais fits modelo Flood incluem:
 cometas desintegram muito rapidamente
 Não lama suficiente no fundo do mar
 não o suficiente de sódio no mar
 Campo magnético da Terra está se deteriorando muito rápido
 muitos estratos estão com muita força dobrada
 arenito injetado encurta "eras" geológicas
 radioatividade fóssil encurta geológicos "idades" de alguns anos
 hélio nos lugares errados
 não o suficiente esqueletos da Idade da Pedra

293
 o big bang não fornecer uma explicação de onde todas as informações
em torno de nós e em nós vem de
 o tempo que levaria a lua a recuar da terra para a sua posição atual, ea
falta de uma camada significativa de poeira e detritos de meteoritos na
Lua após 4600 milhões anos. [ CMI Ed. Nota : ver por que o argumento
de "lua pó" não é mais válido em argumentos que pensam os criacionis-
tas não devem usar: Moondust .]
Minha conclusão é que a Bíblia é verdadeira e confiável, incluindo a sua
descrição das origens do livro de Gênesis. A confiabilidade do modelo de cri-
ação de seis dias literais de 24 horas é importante para mim porque nenhu-
ma pessoa cuja mente funciona de forma semelhante a mina iria aceitar
qualquer da Bíblia, se a primeira parte estavam errados. Sem a Bíblia, eu
acredito, não se pode encontrar respostas verdadeiras e confiáveis para
questões mais críticas da vida.

Referência
1. Henry M. Morris, muitas infalíveis provas , Master Books, Inc., Green
Forest, AR, 1974.

294
evan jamieson
Hidrometalurgia

Não me lembro de uma época em que eu não acreditava em Deus ou em


Jesus Cristo como Salvador pessoal. O debate criação / evolução foi bastan-
te diferente, no entanto.
O assunto costumava ser um "não-problema" para a igreja que partici-
pei. Se qualquer coisa, a crença predominante era a "teoria do intervalo",
mas não muito foi dito sobre o problema em tudo. Este eo meu forte interes-
se na ciência levou à combinação inevitável de ambas as teorias, e outro
"evolucionista teísta" ou "criacionista progressista" nasceu. No entanto, en-
quanto estudava para o meu Terciário admissão Exam (anos 11 e 12), não
pude deixar de notar a paixão religiosa que os professores colocam em suas
discussões sobre a teoria da evolução. Na verdade, quando eu levantei algu-
mas inconsistências científicas (por exemplo, fósseis polystrate, idades da
Terra jovem para métodos de datação não radioativos, e as complicações pa-
ra "produtos químicos da vida" experimento de Miller), muitas vezes não ha-
via uma reação irada e débeis, se houver, explicações. Uma vez eu perguntei
como rochas sedimentares foram datadas e foi dito por "fósseis indicadores."

295
Quando eu segui com "como foram fósseis indicador datado", foi-me dito,
"por as formações rochosas são encontradas dentro." Por mais que tentasse,
o professor não podia ver que se tratava de um raciocínio circular!
A falta de respostas credíveis me bastante cético em relação à teoria da
evolução. Afinal, não era uma teoria obscura; foi basicamente aceito em todo
o mundo e que tinha sido estudado por muitos anos. Perguntas simples e
óbvias deveria ter sido dado respostas tão simples e óbvias onde esta-
vam? Sobre o mesmo tempo que eu estava percebendo as incoerências entre
a Bíblia ea teoria da evolução. Alguns exemplos incluem:
1. Como pode um Deus de amor declarar tudo como "muito bom" ( Gn
1:31 ), se Ele criou o homem por um método tão cruel e insensível como
a evolução?
2. A Bíblia ensina claramente que o pecado do homem veio a morte ( Rm
5:12. ; 1 Coríntios 15:21. ). A evolução ensina que a morte veio por ho-
mem.
3. Jesus parece aceitar Genesis literalmente e claramente cita-lo ( Mateus
19: 4. ).
No momento em que fui para a universidade, eu era um criacionista
brotamento. Eu estava à espera de encontrar sério argumento científico dos
"iluminados", mas o que eu encontrei foi mais do mesmo. Um professor me
disse que o homem foi evoluindo, porque somos mais espertos do que os
nossos antepassados eram. Ele passou a dizer que todos nós iria crescer ore-
lhas maiores (para a aprendizagem) e um dia iria perder os dedos dos pés,
porque todos nós usava sapatos. Agora a irrelevância desta foi surpreenden-
te e eu apontei isso.Conhecimento acumulado não prova o aumento da inte-
ligência (é um produto da cooperação), e até mesmo pessoas sem lóbulos da
orelha pode ouvir, e, portanto, aprender (ou seja, orelhas pequenas não são
uma indicação de estupidez). Como para os dedos dos pés, perdê-los e você
tem enormes problemas de adaptação o seu equilíbrio, não importa o tipo de
sapato que você usa (era parte da antiga e refutou debate órgão vestigial).1
Bem, em vez de um debate racional, fui bombardeado com declarações
altamente emotivos que incluíram "pessoas que não acreditam que a teoria
da evolução como fato não tem o direito de ser o estudo da ciência." Seu ra-
ciocínio era que os não-evolucionistas não tinha o pensamento racional!

296
Com o passar dos anos, houve muitas questões colocadas a respeito da
validade da criação. No entanto, estes sempre foram respondidas para mi-
nha satisfação e fortaleceram minhas bases.
Eu acredito que a Bíblia é um livro de fé testada ou razoável. Declara
que há um julgamento final que vem da alma humana a menos que haja um
arrependimento do pecado. Os cristãos têm fé de que Jesus pode, vai, e per-
doou nossos pecados, se nós confio nele ( João 3: 16-
18 , 05:24 , 20:23 ; Rom. 10: 9 ; 1 João 5:13 ).
Se Deus é Deus, então o que ele disse deve ser verdade. Eu acredito que
se nós testá-lo, nossa fé será fortalecida razoável ( 1 Pe. 3:15 ).

Referência
1. Jerry Bergman e George Howe , "vestigiais Órgãos" são totalmente funci-
onais , Creation Research Society Livros, Terre Haute, IN, 1990.

297
larry vardiman
Meteorologia

Rejeito a teoria da evolução, porque se baseia em várias premissas fal-


sas que são claramente desmentidas pela observação. Evolução implica caos
e falta de sentido. Criação implica ordem e valor.
O mundo natural contém evidências incrível para o projeto. Cada sis-
tema é regulado por leis que podem ser descritas verbalmente ou através de
relações matemáticas. A molécula de DNA é um exemplo de fontes de infor-
mação incorporadas nos quais regulam os processos da vida e a herança de
traços genéticos. A Lei da Gravitação é um exemplo de como o Criador orde-
na processos naturais. As leis naturais e informações built-in implica um
designer que criou os sistemas e processos. A evolução não pode explicar a
presença de tal projeto.
Estados teoria evolutiva que a Terra e toda a vida começou como um
gás de vários bilhões de anos atrás, e por meio de processos aleatórios tor-
nou-se mais complexo com o tempo. O homem é o resultado final de bilhões
e bilhões de mutações casuais do material genético, como a terra envelhe-
ceu. No entanto, a Segunda Lei da Termodinâmica descreve um processo na-

298
tural que faz com que os sistemas condenada a degenerar em desordem.A
segunda lei é indiscutível por todos os cientistas respeitáveis e contradiz a
premissa básica da evolução. [ CMI Ed. nota : Veja Termodinâmica e Ordem
Q & A ].
O registro fóssil é considerado a principal evidência a favor da evolução,
no entanto, não demonstra uma cadeia completa de vida a partir de formas
de vida simples ao complexo. Muitas lacunas estão presentes, que não deve
ocorrer se a evolução decorreu sem problemas a partir de uma espécie para
outra. Na verdade, essas descontinuidades são reconhecidos por uma grande
parte da comunidade evolutiva quando adotam o "mecanismo de monstro
esperançoso".
O argumento mais revelador para mim em rejeitar a evolução, no entan-
to, é a falta de sentido e a falta de valor que significa. Se a evolução ocorreu,
então a minha existência não é um evento especial no plano do Criador. No
entanto, a Bíblia diz que eu sou especial; Eu fui criado para um propósito.

299
geoff downes
Pesquisa Florestal

Recebi os últimos quatro anos da minha educação secundária em uma


escola de liderança da igreja em Melbourne, Austrália. No ano de 11, eu fiz
um curso intitulado Estudos Bíblicos. Era uma pequena classe ensinada por
nosso capelão da escola, e começou com um estudo de Gênesis. Fomos ensi-
nados, sem equívoco, que o Gênesis foi um relato mítico e não representam
história real. Fiquei surpreso, mas, como eu realmente não tinha considera-
do a questão de forma mais aprofundada, não particularmente chocado. Ao
contrário da maioria dos meus colegas, eu era cristão na época, depois de ter
sido feito para enfrentar a realidade de Deus e Sua reivindicação sobre a mi-
nha vida, quando eu tinha 13 anos, como Deus me trouxe a esse ponto de
decisão pessoal e compromisso.
Em 1980 comecei um grau da ciência na Universidade de Mo-
nash. Quase imediatamente o desconforto com o meu entendimento evoluti-
vo teísta começou a se fazer sentir. Olhando para trás, eu me descreveria
como um teísta evolucionista-um "evolucionista teísta" relutante porque era
assim que eu tinha sido treinado; "Relutante" porque parecia tão inconsis-

300
tente aceitar a Bíblia onde ele ensinou o Evangelho simples cristão, mas re-
jeitar a parte sobre a qual toda a posição cristã foi fundada. Eu sabia que se
eu fosse desafiado sobre minha fé, esta incapacidade para afirmar com segu-
rança a verdade histórica da Bíblia acabaria por minar a minha própria
fé. Gostaria de ser considerado incoerente em minha crença. Se eu não podia
acreditar que o primeiro livro, o que foi a minha base para acreditar que o
resto? Em várias discussões que tive com outras pessoas, neste momento,
eu cheguei à conclusão de que não era uma forma eficaz de evangelismo pa-
ra tentar defender a fé cristã por meio de argumentos. Essencialmente, o que
eu queria era uma visão de mundo que era o mais consistente possível com
o mundo ao meu redor. Suponho que é o objetivo final de qualquer filoso-
fia. O problema era que eu não tinha sido treinado para pensar biblicamen-
te. Embora eu tinha assistido a uma escola da igreja, foi envolvido na igreja
durante a maior parte da minha vida, e frequentou a escola dominical, eu
ainda não tinha sido ensinado a pensar a partir de uma cosmovisão cristã.
Em maio de 1980 eu estava sentado em uma palestra físico-química. O
professor estava expondo a lei da entropia.Ainda me lembro do impacto em
mim como o que ele estava dizendo afundou. Ele estava nos ensinando que o
universo como um todo foi proveniente de um estado mais ordenado para
um estado menos ordenado. As leis da natureza, em um sistema fechado,
sempre se comportou dessa maneira. Naturalmente, eu extrapolado volta no
tempo para o momento em que o universo começou, o tempo da ordem má-
xima. Eu raciocinei que, se, em um sistema fechado, as leis naturais sempre
aumentou a entropia do conjunto, em seguida, ipso facto , as leis naturais
ou sobrenaturais desconhecidos foram obrigados a aumentar fim.
O que fez palestra foi mostrar-me que em alguns pontos os cientistas
são forçados a ser inconsistente. Ou seja, eles não sabem tudo e às vezes são
forçados a manter teorias em tensão contra a evidência científica se eles es-
tão indo para manter os seus sistemas de crenças. Este professor estava nos
ensinando que a lei natural não pode explicar como o universo como um to-
do pode aumentar em ordem. Portanto, a ciência não pode explicar como es-
ta ordem originou. No entanto, ele também (eu assumi) acredita na evolu-
ção. Eu nunca tinha sido ensinado que havia aspectos da evolução que os
cientistas não podem explicar. Eu pensei que se eu segurei a uma crença na
criação especial, como explicado no Gênesis, em seguida, eu estava segu-

301
rando a uma posição de fé, ao passo que os cientistas tinham evidência para
apoiar seu ponto de vista. Esta palestra me ajudou a perceber que, se os ci-
entistas não podem explicar todas as evidências a favor da evolução, talvez
eu não preciso ter todas as respostas para uma posição criacionista quer.
Até aquele dia, o meu pensamento era totalmente humanista em que
tudo começou com o pressuposto de que eu tinha a capacidade de raciocinar
logicamente as coisas. Eu tinha aceitado a cosmovisão evolutiva e, conse-
qüentemente, seus pressupostos. Essa visão de mundo rejeitou qualquer
papel da revelação como uma fundação para dar sentido ao mundo ao meu
redor.
Naquele dia eu pisei fora da minha evolução, longa idade mind-set, co-
meçou a ir para outras palestras, e esforçou-se para avaliar a evidência de
ambos os pontos de vista. O que descobri foi que a esmagadora maioria da
evidência científica nos foi ensinado não tinham relação direta com qualquer
criação ou evolução. A evidência de que foi apresentada dentro de um qua-
dro evolutivo poderia igualmente bem ser reinterpretado num quadro criaci-
onista. Como resultado dessa palestra, eu escolhi para se tornar um criacio-
nista da terra jovem. Eu escolhi aceitar a Bíblia como base para todo o meu
pensamento, e entender Genesis no sentido claro em que foi escrito.Eu não
poderia explicar todas as coisas que eu observados na natureza nesse âmbi-
to, e eu ainda não posso. Mas eu sabia que, se esses professores poderiam
ser inconsistentes no sentido de que eles não foram capazes de fazer o qua-
dro evolutivo caber a evidência em todos os pontos, então eu também pode-
ria prender em "tensão" essas áreas da ciência que eu não poderia explicar
dentro uma estrutura criacionista. Minha compreensão da perspectiva cria-
cionista se tornou cada vez mais forte em sua capacidade de acomodar e ex-
plicar a evidência científica real.
Em 1984 comecei um Ph.D. licenciatura em fisiologia das árvores. Cada
vez mais, gostaria de saber em como alguém pode olhar para a complexidade
de um organismo vivo e acreditam que ela surgiu por processos naturais.O
conjunto das ciências biológicas leva à conclusão de que um Criador era ne-
cessário. Isso ninguém pode afirmar que a ciência oferece suporte a uma vi-
são evolucionista denuncia crença. A complexidade não apenas os organis-
mos, mas as comunidades em que elas existem vivo não pode ser explicado
satisfatoriamente sem a conclusão de que existe um Criador.

302
Muitas vezes ouço o argumento de que a ciência não pode permitir que
a pressuposição ou conclusão de que um Criador existe. No momento em
que você faz, você supostamente pisar fora do reino da ciência. Isto não é
assim.
Uma grande parte do meu esforço de pesquisa na área florestal está a
tentar separar causa e efeito. O câmbio vascular não é um tecido que é fa-
cilmente passível de abordagens reducionistas tradicionais na tentativa de
entender como ele funciona. Muitas vezes os nossos conjuntos de dados con-
têm artefatos que surgem simplesmente porque estamos medindo ou obser-
vando uma árvore ou floresta. Uma das actividades fundamentais que têm
de realizar a análise de dados quando é tentar determinar onde os dados são
influenciados pelas nossas medições e não por processos que ocorrem natu-
ralmente. Ou seja, nós estamos procurando "eventos" que não podem ser
atribuídos à natureza, mas resultam da nossa participação "inteligen-
te". Toda a área da ciência forense está focada neste aspecto.
Considere encontrar um corpo morto no parque. Será que a pessoa
morre de causas naturais, ou se algum outro fator envolvido? Se você encon-
trar uma faca nas costas, então é lógico supor que alguma inteligência fora
estava envolvido. No entanto, se você começar por assumir que a morte ocor-
reu por causas naturais, então você nunca pode chegar à conclusão corre-
ta. Não é uma questão de ciência, mas os pressupostos fundamentais que
você tomar para os dados.
Ao longo dos últimos 15 anos de experiência, a minha opinião só se tor-
naram mais fortes. Eu vim a perceber que a evolução é uma visão religiosa
fundada no pressuposto de que podemos discernir a verdade usando as ha-
bilidades de nossa mente a razão e pensar logicamente através da evidência
percebida por nossos cinco sentidos. No entanto, se perseguir esse raciocí-
nio, finalmente chegamos à conclusão de que não temos nenhuma base lógi-
ca para acreditar que podemos raciocinar logicamente. Nós não podemos
provar que os nossos processos de pensamento não são apenas reações
químicas aleatórias que ocorrem dentro de nossos cérebros. Nós não pode-
mos provar, em última análise que nós existimos. Descartes estava errado
quando disse: "Penso, logo existo." A decisão de confiar em nossa capacidade
de raciocinar é um passo de fé. A teoria da evolução é fundada sobre este
passo de fé. No entanto, mesmo para ser capaz de começar a ter confiança

303
na minha capacidade de raciocinar, eu tenho que começar com uma revela-
ção d'Aquele que me fez.
Como CS Lewis disse: "Eu cresci acreditando neste (evolução) Mito e eu
senti-me ainda sentir-sua grandeza quase perfeita. Que ninguém diga que
somos uma idade sem imaginação: nem os gregos nem os nórdicos já inven-
tado uma história melhor. Mas o mito pede-me a acreditar que a razão é
simplesmente o imprevisto e subproduto não intencional de um processo
sem sentido em um estágio de seu devir sem fim e sem rumo. O conteúdo do
Mito bate, assim, debaixo de mim o único motivo pelo qual eu poderia acre-
ditar que o mito seja verdade. Se minha mente é um produto do irracional,
como vou confiar na minha mente quando ele me diz sobre a evolução? " 1

Artigos Relacionados
 Hawking atheopathy

Referência
1. CS Lewis, Reflexões cristãs , Wm. B. Eerdmans Pub. Co., Grand Rapids,
MI, p. 89 de 1975.

304
wayne frair
Biologia

Meu interesse em questões Bíblia-ciência foi amplificado depois de me


tornar um cristão, em janeiro de 1945, enquanto eu estava na Marinha dos
Estados Unidos durante a Segunda Guerra Mundial. Minha jornada pessoal
para os mistérios da origem da vida começou em 1946, quando eu estava
fora da marinha e tendo aulas na Universidade de Massachusetts em
Amherst. Fomos alimentados com uma dieta de evolução, mas eu me per-
guntava se não havia outras posições defensáveis.
No meu primeiro ano eu transferido para uma instituição cristã
(Houghton College) onde continuei com especialização em zoologia e menores
em química e Bíblia. Aqui, meu professor principal, Dr. George Moreland,
era um criacionista que crê na Bíblia, e eu cresci em conhecimento sob sua
tutela. Depois de completar um grau BA, entrei Wheaton College, em Illinois,

305
onde completei um grau de BS com honras em zoologia. Aqui eu sondado
mais na Bíblia, teologia e vários campos da ciência, enquanto trabalhava
com os professores que eram criacionistas.
Durante um ano eu ensinei ciência em Ben Lippen, uma escola média e
alta cristã. Depois voltei para a Universidade de Massachusetts e completou
um mestrado em embriologia, escrevendo uma tese de investigação sobre os
efeitos do 8-azaguanina (a primeira droga anti-câncer) durante embriologia
um pintainho. 2 Meu orientador, Dr. Gilbert Woodside, foi presidente do De-
partamento de Zoologia da Universidade de Massachusetts e foi um evoluci-
onista com uma reputação internacional em embriologia. Ele, aparentemen-
te, não gostou de uma alternativa científica à evolução, mas ele declarou-me
muito claramente que a evolução não era aplicável no campo da embriolo-
gia. Era óbvio para ele que a evolução realmente tinha ferido disciplinas em-
brionárias, porque muitos cientistas finas havia desperdiçado seu tempo
tentando ajustar os dados de seus estudos em algum esquema evolutivo ilu-
sória.
Após a formatura, eu aceitei o cargo de instrutor de biologia no Colégio
do Rei em Nova York, e quatro anos depois, tirou uma licença de ausência
para concluir um doutorado na Universidade de Rutgers. Meu orientador foi
o Dr. Alan Boyden, presidente do departamento de zoologia, e líder mundial
na sorologia. Usando as proteínas do soro do sangue, os professores e os
alunos nesse departamento da Rutgers foram classificar plantas e ani-
mais.Outro nome para esse campo de pesquisa é taxonomia bioquímica. Na
implementação de uma abordagem química à taxonomia (classificação e no-
menclatura), o grupo Rutgers foram os pioneiros.
Professor Boyden inclinado a aceitar a evolução, mas, na verdade, ele
estava muito desiludido com o valor de evolução no seu próprio campo de
pesquisa. Ele chamaria evolucionistas "adoradores de ancestrais e as pesso-
as com um olhar para trás." Ele mostrou preocupação em ensinar seus alu-
nos a não pensar macroevolução em seus estudos que envolvem a sistemáti-
ca (sistema utilizado para a taxonomia) de plantas e animais, e ele chegou a
publicar um livro contra posições evolução populares. 3 eu fiz a pesquisa e
escreveu uma dissertação sobre a taxonomia bioquímica de tartarugas,
completando o doutorado em 1962. Depois voltei para a faculdade do rei,

306
onde eu era presidente do Departamento de Biologia na maioria das vezes
até minha aposentadoria em 1994.
Minha pesquisa, especialmente sobre as tartarugas ao longo de quase
40 anos, aumentou a minha admiração de Deus como Criador. Junto com
milhares de outros cientistas, eu não acredito que a evolução foi o método
que Deus usou na criação de vários tipos de vida. 4 Por exemplo, não há evi-
dências claras de que as tartarugas já evoluíram a partir de qualquer outra
coisa. No entanto, houve mudanças entre as tartarugas. Na verdade, a pro-
pósito da minha própria pesquisa tem sido a de entender melhor como as
tartarugas se diversificaram. 5

A doutrina da evolução é popular, mas eu estimo que nos Estados Uni-


dos há provavelmente mais de 25.000 cientistas que rejeitam a doutrina evo-
lucionista de que todos os organismos vivos estão relacionados. Existem ou-
tros milhares em todo o mundo que compartilham sentimentos semelhan-
tes. Muitos dos que não suportam a evolução, mas sim preferem uma posi-
ção criação são cristãos, mas também há judeus, muçulmanos e pessoas de
outras religiões (incluindo o ateísmo), que são anti-evolucionistas e que têm
uma variedade de pontos de vista a respeito de como as coisas vivas apare-
ceu no a terra e desenvolveram suas características presentes neste planeta.
Além disso, como cristão, eu aceito a historicidade da Bíblia, esta sendo
apoiado por muita evidência empírica externo, e eu não encontrou razões de
ciência para rejeitar a Bíblia. Claro, existem algumas figuras de linguagem,
como " os rios batam palmas "( Sl 98: 8. ), ou quando Cristo chamou Hero-
des "uma raposa" ( Lucas 13:32 ). Mas tem sido o meu costume há mais de
40 anos, um costume que é consistente com a de estudiosos bíblicos cristãos
conservadores, a tomar uma abordagem indutiva-histórica com a Bíblia. Isto
significa que a construção de nossa teologia, começamos com a aceitação da
Bíblia como literal e historicamente verdadeiras, e nós comparar uma passa-
gem com os outros para obter um consenso sobre seus significados.
A Bíblia claramente não responde a todas as perguntas que podemos
inventar, mas certamente é claro sobre os fundamentos como encontrado no
Apóstolos "e outras crenças básicas. Por exemplo, ele não explica claramente
se há vida física fora da terra. A Bíblia em 1 Coríntios 13:12 nos diz que só
conhecemos em parte, enquanto estamos nesta vida; por isso, é possível vi-
ver com algumas perguntas aqui nesta terra, mas um dia no céu sabere-

307
mos. Para crescer em compreender melhor a revelação de nosso Deus na Bí-
blia, tenho lido completamente através tanto do Antigo e do Novo Testamen-
to, pelo menos uma vez por ano para cerca de 40 anos.
Há muita evidência objetiva factual (por exemplo, de arqueologia) para
aceitar a Bíblia como verdade revelada de Deus. Mas também é muito impor-
tante perceber que as Escrituras lidar realisticamente com a natureza dos
seres humanos. A Bíblia diz que todos nós pecamos ( Romanos 3:23. ) e pre-
cisam experimentar a salvação possível quando Cristo morreu por nós ( Rm.
5: 8 ). Podemos experimentar as verdades bíblicas para nós mesmos, por
exemplo, quando percebemos que nossas atitudes para com os problemas da
vida têm mudado sensivelmente após a nossa aceitação de Cristo como Sal-
vador ( 2 Cor. 5:17 ). Lembro-me algum tempo depois da minha experiência
de salvação de ler o versículo em Romanos 8:16 que o Espírito de Deus testi-
fica com o nosso espírito que somos filhos de Deus; e foi emocionante para
mim para perceber que eu já tinha experimentado essa gloriosa verdade.
Em nossos estudos científicos, aprendemos muito sobre a natureza, que
é a criação de Deus. Além disso, Deus se revela na história e nossas consci-
ências, mas o mais importante em sua Palavra inspirada, a Bíblia. Por uma
vida plena e frutuosa, não importa o que a nossa profissão é, eu acredito que
nós devemos viver de acordo com este livro.

Artigos
 Minhas experiências como estudante criacionista nos departamentos de
zoologia de várias universidades

Referências e notas
1. Wayne Frair e Percival Davis, Um Caso de Criação , Escola do Amanhã,
Lewisville, TX, 1983.
2. W. Frair e GL Woodside, Efeitos de 8-azaguanina de galinha precoce
embriões crescer in vitro, o crescimento de 20 : 9-18, 1956.
3. Alan Boyden, Perspectivas em Zoologia , Pergamon Press, New York,
1973.
4. Frair e Davis, Um caso de criação .
5. W. Frair, tipos originais e Turtle Filogenia, Creation Research Society
Quarterly 28 (1): 21-24, 1991. Ver também KP Wise, Baraminology Prá-
tico, Journal of Creation 6 (2): 122-137, 1992 e DA Robinson, A DNA
mitocondrial Análise da testudine Apobaramin, Creation Research Soci-
ety Quarterly 33 (4): 262-272, 1997.

308
sid cole
Físico-Química

Eu sou um cientista praticante com uma relação muito saudável para o


poder do método científico de investigação e validação dos dados que obser-
vamos e as hipóteses e teorias que desenvolvemos. É por vezes frustrante
perceber que as nossas teorias sobre a origem da vida não pode ser testada
por métodos científicos.Nós simplesmente não podemos realizar as experiên-
cias necessárias. Temos de olhar para fora da ciência para uma base sobre a
qual construir a nossa crença.
O que acreditamos sobre a criação depende principalmente no que
acreditamos sobre Deus. Se uma pessoa não acredita em Deus, o desenvol-
vimento da vida durante um longo período de tempo é a única alternati-
va. Para quem crê em um Deus que está interessado em nós, a criação de
mais de um período de seis dias, conforme estabelecido por Moisés
em Gênesis 1 , é uma alternativa viável.
Há muito os dados que não se encaixam bem. Eu me esforço para in-
terpretar algumas das informações a namorar a minha compreensão da cri-
ação. Por outro lado, estou oprimido pela complexidade química dos seres

309
vivos ea fragilidade do processo da vida. A possibilidade de as condições de
vida que ocorrem por causa de uma aleatória união das moléculas certas, na
hora certa, em condições adequadas parece tão remota, que é impossível,
mesmo em grandes intervalos de tempo. Quanto mais detalhado o nosso en-
tendimento se torna, mais remota é a possibilidade de que a vida como a co-
nhecemos pode ter sido originada por um encontro casual de moléculas.
Para resumir tudo, eu acredito em uma criação em seis dias por quatro
razões básicas:
1. Eu tenho uma firme crença em um Deus pessoal que se revelou na Bí-
blia. Esta revelação, enquanto que contém muito que é obviamente
simbólico, é melhor entendida em um sentido literal, a menos que haja
uma forte evidência para fazer o contrário. A Bíblia apresenta um ciclo
de criação em seis dias, como a origem da vida na Terra.
2. Essa crença em um Deus pessoal é consistente na minha experiência
de vida e dá razoabilidade a muito do que eu vejo ao meu redor. Grande
parte desta não se presta à validação pelo método científico, porque é
fora da realidade com a qual a ciência é capaz de lidar.
3. Minha crença em um ciclo de criação em seis dias, ao encontrar algu-
ma informação que é difícil de encaixar, não apresenta qualquer difi-
culdade prática para a aplicação da ciência para as áreas que investigo
ou com o qual estou familiarizado.
4. A crença na origem da vida baseada em encontro casual das moléculas
necessárias, nas condições necessárias para a sua sobrevivência e mul-
tiplicação requer a aceitação de um enorme grau de improbabilida-
de. Isso é difícil quando se considera a complexidade incrível e vulnera-
bilidade do processo de organismos vivos.

310
don b. deyoung
Física

Durante meus primeiros anos de formação física, eu não era um criaci-


onista de seis dias. O ponto de vista literal, simplesmente não era conhecido
para mim. Meus professores e livros didáticos descrito em grande detalhe o
grande estrondo origem do universo e também a nossa ancestralidade ani-
mal. Então um dia um colega cientista desafiou-me a considerar a possibili-
dade de uma criação recente, sobrenatural. Eu tenho vindo a considerar es-
sa idéia emocionante com grande interesse desde então.
Minha crença científica na criação é em grande parte baseado em duas
leis da termodinâmica da natureza. Na verdade estas são as duas leis mais
básicas em todo o reino da ciência. A primeira lei estabelece que a energia é
conservada ou constante em todos os momentos. Energia, em qualquer de
suas muitas formas, absolutamente pode ser criada nem destruída. Esta re-
gra garante um universo confiável e previsível, quer para as estrelas ou para
a vida humana. A conservação de energia provavelmente foi estabelecido
após a conclusão da Semana da Criação. Neste momento, o Criador deixou o
fornecimento de energia para o universo físico de seus reservas infini-

311
tas. Esta lei fundamental de energia não pode ser desobedecido como uma
lei feita pelo homem. Só o Criador tem o poder de impor suas leis de lado,
por exemplo, com milagres.
A segunda lei básica da natureza também envolve energia. Ele descreve
as perdas inevitáveis em qualquer processo que envolva a transferência de
energia. A energia não desaparece, mas alguns sempre fica indisponível ca-
lor, muitas vezes como inutilizável. Dito de outra forma, tudo se deteriora, se
rompe, e torna-se menos ordenada com o tempo. Em última análise, a pró-
pria morte é uma conseqüência da Segunda Lei da Termodinâmica. Esta lei
está diretamente relacionada com a maldição que foi colocada sobre a natu-
reza, com a queda da humanidade no Éden. [ CMI Ed. nota : Ve-
ja Argumentos que pensamos criacionistas não devem usar ].
A conservação de energia implica que o universo não começou-se por si
só. Decaimento de energia implica, ainda, que este universo não pode durar
para sempre. Ciência secular não tem nenhuma explicação satisfatória para
tais leis da natureza. Estes princípios simplesmente transcendem a ciência
natural. Sua origem é sobrenatural, que, por definição, não requer muito
tempo para se desenvolver. A adição de longos períodos de tempo é uma
complicação desnecessária e confusa. Em vez disso, essas leis são inteira-
mente consistentes com a Bíblia, a criação de seis dias.

312
george s. hawke
Meteorologia

Introdução
Existem dois principais pontos de vista sobre a origem do universo e da
origem da vida: aquelas baseadas em naturalismo e aqueles com base em
um Criador inteligente . Como esses eventos ocorreram há muito tempo e
não estão sujeitos à observação direta ou testes experimentais, ambas as
perspectivas são, principalmente, as crenças filosóficas baseadas em certas
suposições sobre o mundo físico.
Este fato é ignorado ou distorcido na maioria dos tratamentos modernos
do tema das origens. Por exemplo, a questão de Março de 1998, National Ge-
ographic incluiu um artigo intitulado "The Rise of Life on Earth". O editor da
revista escreveu a respeito deste artigo sobre a origem da vida: "A ciência é o
estudo de fenômenos observáveis, testáveis" e da fé religiosa é "uma crença
inabalável no invisível". Esse "argumento homem de palha" desvia a discus-
são longe dos problemas da ciência e da lógica para o tópico separado
da ciência contra a fé religiosa . Ele também ignora o fato de que não existem

313
óbvias "testáveis, fenômenos observáveis" sobre a origem da vida. Além dis-
so, a linguagem utilizada no artigo demonstra que o naturalismo também
depende de fé no invisível.
A visão naturalista das origens é que tudo o que existe pode ser expli-
cado por processos físicos e químicos sozinho. Isso difere da visão de que a
matéria, energia, processos físicos e químicos, e vida foram estabelecidas por
um Criador, conforme revelado na Bíblia Sagrada.

Busca da verdade
Um auditor ambiental depende de dois fatores principais: prova objetiva
e normas acordadas. O resultado de cada parte de uma auditoria depende
comparando a evidência observável contra a norma pertinen-
te. Naturalmente, as normas ambientais mudam no tempo e no espaço em
todo o mundo. Da mesma forma, nenhuma explicação das origens devem ser
consistentes com o corpo de "evidência observável" e quaisquer normas rele-
vantes "." Isso é complicado pelo fato de que a evidência é visto hoje em dia,
muito tempo após o início do universo e da vida. Além disso, num mundo em
mudança, não é imediatamente óbvio que as normas são relevantes. A Bíblia
é a única fonte confiável e consistente da verdade; é como um quadro fixo de
referência. Outras autoridades, como ciência e da lógica, não são suficientes,
pois eles podem mudar no tempo e no espaço; eles são como uma moldura
em mudança de referência.
As leis da física e da química, são exemplos das normas relativas de ci-
ência, que mudam com o tempo como o conhecimento se desenvolve. Eles
foram desenvolvidos sob as condições atuais e assumir que o universo já
existe.Duas dessas leis fundamentais são de que a vida sempre vem da vida
anterior e que a massa / energia é conservada. Aplicando-los para a origem
da vida assume que todas estas condições eram verdadeiras naquele mo-
mento. Dizer, então, que o naturalismo explica a origem da vida é "raciocínio
circular", como o resultado é em grande parte determinado pelas suposições
feitas. Embora essas leis podem descrever o mundo atual, seria uma suposi-
ção bruta extrapolar-los de volta às condições iniciais não observadas. No
entanto, isso é feito com freqüência por aqueles com um ponto de vista natu-
ralista, sem reconhecimento das incertezas envolvidas e as limitações do mé-
todo científico.

314
As premissas de ambos naturalismo e criação bíblica e os princípios do
método científico são demonstradas claramente em W. Gitt de Deus usou a
evolução? 1
A Bíblia é uma fonte de verdade "absoluta" que tem resistido ao teste do
tempo muito mais longo do que qualquer outro documento ou filosofia. É
claro que, como no caso de qualquer literatura, que exige uma interpretação,
como o que é histórico e que é metafórica ou simbólica. Além de técnicas li-
terárias óbvias, o método mais confiável é a utilização de toda a mensagem
da Bíblia para interpretar qualquer passagem particular. Caso contrário,
uma interpretação pode não ser consistente com o resto da Bíblia.
A Bíblia contém três testes claros para determinar se uma crença, ensi-
no ou filosofia é verdadeira ou falsa. Para ser verdadeiro, ele deve passar ca-
da um dos três testes:
O teste de Jesus: Este teste afirma: " Todo o espírito que confessa que
Jesus Cristo veio em carne é de Deus; e todo espírito que não confessa a Je-
sus não procede de Deus. Este é o espírito do Anticristo. ... Isto é como nós
reconhecemos o Espírito da verdade eo espírito do erro "( 1 João 4: 2-6. ). A
pergunta a ser respondida neste teste é: O que ele diz a respeito de Jesus
Cristo? A Bíblia ensina que Cristo foi único: divina e humana, sem pecado,
eterno e Criador. É falsa a negar que Cristo era o divino Filho de
Deus. Crenças que falharem no teste, geralmente afirmam que Cristo era, na
melhor das hipóteses, um grande professor ou um profeta. Eles podem até
mesmo incentivar a visão de que Cristo e outros eventos na Bíblia são míti-
cos.
O teste Evangelho: A Bíblia adverte sobre aqueles que promovem um
evangelho diferente, " Se alguém vos pregar um evangelho diferente daquele
que já receberam, que seja amaldiçoado! "( Gal. 1: 9 ). A pergunta a ser res-
pondida neste teste é: Qual é o seu Evangelho? Em outras palavras: O que é
a crença central ou esperança? A Bíblia diz que a causa raiz de todos os
nossos problemas é que todos pecaram e aquém das exigências de Deus, re-
sultando em morte. O único meio de resgate é a salvação pela fé em Cris-
to. "Diferentes evangelhos" são aqueles que diferem desta. Eles ou acrescen-
tar-lhe ou tirar dela. Há uma advertência contra acrescentar ou tirar das pa-
lavras da Bíblia ( Apocalipse 22: 18-19 ). Aspectos mais amplos do Evange-
lho incluem a criação original ea restauração final de todas as coisas ( Rev.

315
04:11 , 21: 1-22: 6 ). Precisamos ter cuidado ao aplicar este teste, porque
um "Evangelho diferente" pode enganar, usando palavras semelhantes ao
verdadeiro Evangelho, mas dar-lhes significados diferentes.
O teste de frutos: Jesus Cristo advertiu: " Cuidado com os falsos profe-
tas. Eles vêm até vós vestidos como ovelhas, mas, interiormente, são lobos
devoradores. Pelos seus frutos os conhecereis "( Mateus 7: 15-20. ). A per-
gunta a ser respondida neste teste é: Que tipo de fruto é evidente em outras
palavras, que tipo de atitudes e comportamentos que isso incentivar? É a
natureza divina ou a natureza pecaminosa mais evidente? A primeira carac-
teriza-se pelo fruto do Espírito: amor, alegria, paz, longanimidade, benigni-
dade, bondade, fidelidade, mansidão e auto-controle. A natureza pecaminosa
pode envolver a idolatria, a imoralidade sexual, a ambição egoísta, orgulho,
hostilidade, brigas e explosões de raiva ( Gl 5: 19-23. ).
Estes testes serão agora utilizados para avaliar a visão naturalista das
origens.

Teste naturalismo
O teste de Jesus: Como naturalismo significa que a natureza é tudo o
que existe, ele é associado com o ateísmo. Por exemplo, a Associação Ameri-
cana de Professores de Biologia afirma:
A diversidade da vida na Terra é o resultado da evolução: um processo
não supervisionado, impessoal, imprevisível e natural de descendência tem-
poral com modificação genética que é afetado pela seleção natural, acaso,
contingências históricas e ambientes em mudança.
Este ponto de vista das origens não tem necessidade de um Criador ou
o divino, e por isso é consistente com a crença de que Jesus Cristo era ape-
nas um ser humano e não divino. Naturalismo falha claramente o teste de
Jesus.
O teste Evangelho: Como naturalismo pressupõe que Deus não existe,
ele não aceita padrões absolutos de "certo" e "errado", e rejeita a existência
de "pecado", no sentido de ficar aquém do padrão de Deus. Por isso, ele en-
sina que não há necessidade de um salvador. Seu Evangelho é que a nature-
za se fez eo relato de Gênesis de origens não é verdade. Uma conseqüência
bíblico disso é que se não houvesse paraíso no início, como descrito em Gê-
nesis, então não pode haver esperança de um paraíso futuro. Na verdade, o

316
naturalismo rejeita todas as verdades bíblicas básicas, como a criação, o
princípio do mal, a necessidade de salvação, eo destino final dos seres hu-
manos. Assim, o naturalismo falha no teste Evangelho.
O teste de frutas: Naturalismo apoia e está associada com o materia-
lismo, o humanismo (o homem é auto-suficiente, capaz de resolver todos os
seus problemas), e panteísmo ("natureza" substitui Deus). Sua aceitação leva
a uma menor valor à vida humana (práticas como o aborto ea eutanásia são
mais aceitáveis). Outros exemplos são o racismo, menos valor na vida famili-
ar (casamento é menos importante; o divórcio é mais aceitável), menos valor
na moral (verdade agora é relativa, não absoluta), um "poder é direito" atitu-
de que suporta o forte, mas não os fracos (sobrevivência do mais apto, um
mundo competitivo, a compaixão envolve salvar "genes fracos").
Como estes são opostos aos valores da Bíblia, naturalismo falha o teste
de fruta. É claro que a partir deste ponto de vista do naturalismo não todos
os três testes bíblicos para determinar o que é verdade. Portanto, é falso e
não é consistente com a mensagem geral da Bíblia.
Devido à influência das filosofias anteriores, as reivindicações são mui-
tas vezes feitas em nome da "ciência" que vão muito além da evidência dis-
ponível, e alguns aspectos da ciência moderna tornaram-se cada vez mais
tênue e especulativo. Na verdade, o uso cotidiano da palavra "ciência" mu-
dou de lidar com as coisas que são observáveis e testáveis para que significa
"naturalismo", e assim inclui conjecturas e hipóteses duvidosas.
Embora vivamos em um universo "causa e efeito", causas últimas, tais
como origens, estão fora do domínio da ciência confiável. A ciência pode tra-
tar somente de forma confiável com o mundo atual; ele não pode lidar com
fiabilidade com o passado (tais como origens) ou o futuro (tais como destinos
finais), uma vez que não é possível observar directamente estes. Eu acredito
que todos os cientistas devem ser cautelosos com os seus pressupostos, pois
estes podem determinar em grande parte as suas conclusões. Eles também
devem ser cuidadosos de extrapolações fora do intervalo de observa-
ção. Quanto mais a extrapolação, a menos fiável a predição. As mudanças
nas premissas irá alterar a predição. Isto aplica-se, em particular, para con-
dições de fronteira, tais como os que envolvem as condições iniciais (ou ori-
gens). Por isso, os cientistas só podem especular, imaginar e adivinhar sobre
a origem da vida.

317
Referência
1. Werner Gitt , Deus usou a evolução? , CLV Christliche Literatur-
Verbreitung eV, Bielefeld, Alemanha, 1993.

318
kurt p. wise
Geologia

Oitava série encontrado me extremamente interessado em todos os


campos da ciência. Por mais de um ano, enquanto outros consideraram ser
bombeiros e astronautas, eu estava sonhando com a obtenção de um
Ph.D. da Universidade de Harvard e do ensino em uma grande universida-
de. Eu sabia que isso seja um sonho inatingível, pois eu sabia que era um
sonho, mas ... bem, ainda era um sonho. Naquele ano, o último na série de
nove anos em nossa escola de país pequeno, foi encerrado pela grande feira
de ciências. As palavras colocava medo em todos, para não só era importante
para as nossas marcas e necessário para a nossa fuga da sentença primária
por crimes desconhecidos, mas também era uma espécie de iniciação para
permitir o ingresso para a grande cidade do ensino médio no próximo
ano. Os 1.200 alunos do ensino médio diminuído as populações combinadas
de três cidades que viviam mais perto do que o ensino médio. Apenas o pen-
samento de tais hordas de pessoas nos assustou bobo. Em qualquer caso, a
feira de ciências foi antecipado anos de antecedência e comecei a trabalhar
no meu quase um ano à frente da própria feira.

319
Eu decidi fazer o meu projeto de feira de ciências em evolução. Servi-me
em seu estudo. Decorei a coluna geológica. Meu pai e eu construímos um
conjunto de degraus de madeira que representam o tempo geológico, onde o
prazo de cada etapa representou o comprimento relativo de cada perío-
do. Comprei modelos e fósseis coletados.Eu construído representações de
barro de fósseis que eu não tinha e esboçou configurações continentais /
oceano para cada período. Eu completei o projeto colossal antes do dia da
feira. Desde aquele dia foi reservada para correções de última hora e confi-
guração, eu não tinha nada para fazer. Assim, enquanto a agitação de outros
estudantes zumbiam sobre nós, eu admiti para o meu amigo Carl (que me
tinha juntado no projeto, em vez de seu próprio) que eu tinha um proble-
ma. Quando ele perguntou qual era o problema que eu disse a ele que eu
não conseguia conciliar o que eu tinha aprendido no projeto com as reivindi-
cações da Bíblia. Quando Carl pediu esclarecimentos, peguei uma Bíblia e
leia Gênesis 1 em voz alta para ele.
No final, e depois de eu ter explicado que os milhões de anos de evolu-
ção não parece comportar bem com os seis dias da criação, Carl concordou
que parecia ser um problema real. Enquanto eu lutava com isso, eu bati em
cima do que eu pensava que era uma solução engenhosa (e original!) Para o
problema. Eu disse a Carl: "E se os dias eram longos milhões de anos?" De-
pois de discutir isso por algum tempo, Carl parecia estar satisfeito. Eu não
estava - pelo menos não completamente.
O que me incomodava era que, mesmo que os dias eram longos perío-
dos de tempo, a ordem ainda estava fora de sintonia. Afinal, a ciência disse
que o sol veio antes da terra, ou pelo menos ao mesmo tempo, ea Bíblia diz
que a terra veio três dias antes do sol. Enquanto a ciência disse que as cria-
turas do mar vieram antes de as plantas e as criaturas terrestres vieram an-
tes de criaturas voadoras, a Bíblia indica que as plantas precedida criaturas
do mar e criaturas voadoras precedida criaturas terrestres. Por outro lado,
fazendo com que os milhões de anos dia longo parecia roubar mais do confli-
to. Eu, assim, determinado a arquivar esses problemas nos recessos de trás
da minha mente.
Não funcionou. Durante o próximo par de anos, o conflito de ordem me
incomodava. Não importa o quanto eu tentasse, eu não conseguia manter o
assunto fora da mente. Finalmente, um dia, em meu segundo ano do colegi-

320
al, quando eu pensei que eu não agüentava mais, eu determinado a resolver
o problema. Após luzes estavam apagadas, sob minhas cobertas com lanter-
na na mão Tomei uma Bíblia recém-adquirido e uma tesoura e começou a
trabalhar. Começando em Gênesis 1: 1 , decidi cortar cada versículo da Bí-
blia que teria que ser retirado para acreditar na evolução. Querendo que este
seja o mais justo possível, e dar o benefício da dúvida a evolução, decidi ler
todos os versos de ambos os lados de uma página e cortar todos
os outros versos, tomando cuidado para não cortar a margem da página,
mas para picar a página no meio do verso e cortar o versículo em torno dis-
so.
Desta forma, noite após noite, durante semanas e meses, eu definir so-
bre a tarefa de ir sistematicamente toda a Bíblia de capa a capa. Embora o
fim do assunto parecia óbvio bem cedo, eu perseverei. I continuou por duas
razões. Em primeiro lugar, eu sou obsessivo compulsivo. Em segundo lugar,
eu temia o fim iminente. Por mais que a minha vida estava envolto em natu-
reza aos oito anos e em ciências na oitava série, ele foi envolvido ainda mais
em ciência e natureza neste momento na minha vida. Tudo o que eu amava
fazer era envolvido com algum aspecto da ciência. Ao mesmo tempo, a evolu-
ção foi parte do que a ciência e muitas vezes era ensinado como uma parte
indispensável da ciência. Isso é exatamente o que eu pensei, que a ciência
não poderia ser feito sem evolução.Para mim a rejeitar a evolução seria para
mim a rejeitar toda a ciência e para rejeitar tudo o que eu amei e sonhei em
fazer.
Chegou o dia em que eu tomei a tesoura para o último versículo-quase
o último versículo da Bíblia. Foi Apocalipse 22:19 : " Se algum homem tomar
longe das palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte do livro da
vida, e da cidade santa, e das coisas que são escritas neste livro. "Foi com as
mãos trêmulas que eu cortei este versículo, posso garantir-vos! Com a tarefa
concluída, eu estava agora forçado a tomar a decisão que eu tinha temido
por tanto tempo.
Com a tampa da Bíblia tirado, eu tentei levantar fisicamente a Bíblia da
cama entre dois dedos. No entanto, por mais que tentasse, e mesmo com o
benefício das margens intactas ao longo das páginas das Escrituras, eu
achava impossível pegar a Bíblia, sem que seja rasgou em dois. Eu tinha que
tomar uma decisão entre a evolução ea Escritura. Ou a Bíblia era verdade e

321
evolução estava errada ou a evolução era verdade e eu devo jogar fora a Bí-
blia. No entanto, naquele momento eu pensei de volta para sete ou mais
anos antes, quando a Bíblia foi empurrado para uma posição na minha fren-
te e eu tinha vindo a conhecer Jesus Cristo. Eu tive nesses anos vêm a co-
nhecê-Lo. Eu tinha familiarizar-se com seu amor e sua preocupação para
mim. Ele tinha se tornado um verdadeiro amigo para mim. Ele era a razão de
eu ainda estava viva, tanto física quanto espiritualmente. Eu não podia rejei-
tá-Lo. No entanto, eu tinha chegado a conhecê-Lo através da Sua Pala-
vra. Eu não podia rejeitar o que quer. Ele estava lá naquela noite que eu
aceite a Palavra de Deus e rejeitou tudo o que jamais iria enfrentá-la, inclu-
indo a evolução. Com isso, em grande tristeza, eu joguei no fogo todos os
meus sonhos e esperanças na ciência.
Começando apenas um par de semanas mais tarde, no entanto, Deus
começou a me mostrar que a rejeição da evolução não envolve necessaria-
mente a rejeição de toda a ciência. Na verdade, eu vim aprender que a ciên-
cia deve sua própria existência e razão para as reivindicações da Escritu-
ra. Por outro lado, eu também aprendi que a evolução não é a única reivindi-
cação da ciência moderna, que deve ser rejeitada se a Escritura é assumido
para ser verdade. É meu entendimento, por exemplo, que o pedido de uma
terra antiga nega a veracidade dos primeiros 11 capítulos de Gênesis (por
exemplo, a ordem da criação, a distinção das espécies criadas, a ausência de
pré-queda carnivory, a falta de superior morte do animal antes da queda, a
criação de Adão e Eva, o status de "muito bom" da criação, no final da se-
mana da criação, os grandes longevidade dos patriarcas, a natureza global
do dilúvio de Noé, a dispersão de pessoas longe da Torre de Babel). Este, por
sua vez desafia a integridade de qualquer conceito construído sobre estes
capítulos. No entanto, é meu entendimento que todas as doutrinas do cristi-
anismo está em cima da base deixada nos primeiros capítulos do Gênesis
(eg, Deus é a verdade, Deus é um Deus de misericórdia e amor, a Escritura é
verdadeiro, todo o mal natural e moral na Terra pode ser rastreada até a
queda do homem, a volta de Cristo é global, o céu é um lugar perfeito, sem
pecado, morte ou corrupção de qualquer tipo). Assim, uma terra que é mi-
lhões de anos parece desafiar todas as doutrinas que são caros.
Embora existam razões científicas para a aceitação de uma Terra jovem,
eu sou um criacionista jovem em idade, porque essa é a minha compreensão

322
da Escritura. Como eu compartilhei com meus professores anos atrás,
quando eu estava na faculdade, se todas as evidências do universo se voltou
contra o criacionismo, eu seria o primeiro a admiti-lo, mas eu ainda seria
um criacionista porque é isso que a Palavra de Deus parece para indi-
car. [Ed. Atenção: Embora a Escritura deve ser a nossa autoridade final, o
cristianismo não é uma fé cega. Ver«Tenho a Bíblia o que mais eu preciso?" ]
Aqui eu devo ficar.

323
j.h. john peet
Química

Um criacionistas sujeitos muitas vezes perguntas sobre a natureza


dos dias de Gênesis 1 . Estou convencido de tanto biblicamente e cientifica-
mente que o registro da criação em Gênesis 1 é histórico e deve ser tratado
como um fato simples. Costuma-se argumentar que "sabe" que os dias da
criação eram mais longos do que os atuais dias de 24 horas. Tais afirmações
ousadas precisam justificativa eo objetivo deste artigo é explorar-
los. Acredito que possa ser demonstrado que esta é uma suposição que é in-
validada pela Escritura e desnecessário na ciência.

O que faz a afirmação da Bíblia?


Como um cristão que está em causa a estar sujeitos à Bíblia, eu, natu-
ralmente, querem seguir a Bíblia ao invés de todas as idéias feitas pelo ho-
mem, por mais inteligente e interessante que sejam. Então, vamos voltar pa-
ra a Bíblia. Lemos em Gênesis 1 de uma série de dias em que Deus criou os

324
céus ea terra. Em cada caso, os dias são enumerados (primeiro, segundo,
terceiro, etc.) e são delineadas pelo "à noite e pela manhã." Sempre que a pa-
lavra hebraica para dia, yÃ'm , é usado na Bíblia (359 vezes) com o ordinal
(primeiro, etc), isso significa claramente um dia normal. Além disso, há uma
palavra alternativa em hebraico, olam , usado em outras partes da Bíblia pa-
ra indicar um longo período de tempo.
Eu acredito que qualquer leitor imparcial iria interpretar a passagem
como real significado, ou natural, dias.Entendemos um dia a ser de 24 ho-
ras. Embora possa ter havido alguma variação neste período de tempo du-
rante a história, que não seria significativo na compreensão deste texto. O
período de tempo chamado um dia é o tempo de rotação da terra em torno
do seu eixo. Que eu saiba, a maioria dos eruditos hebreus que examinaram
o tema admitir que esta é a clara intenção do escritor; ou seja, para transmi-
tir a idéia da criação que está sendo concluído em seis períodos de 24 ho-
ras. 2 Para evitar qualquer mal-entendido, eu não estou dizendo que Deus
levou 24 horas para completar cada etapa da criação. Os atos de criação po-
de muito bem ter sido instantânea, mas cada grupo de atividade descrita é
limitada a este período limitado de tempo. Há uma interessante consequên-
cia desta. O dia em termos, mês e ano têm significados astronômicos claras,
mas onde é que o conceito da semana vem? 3 Ele só é derivado do relato de
Gênesis sobre a criação e é definida por "seis dias de atividade e um de des-
canso." Este é reiterada no quarto mandamento ( Êx. 20:11 ).
Nossa doutrina da Escritura está em julgamento. Será que acreditam
na sua perspicácia, ou seja, que as Escrituras são claras no que dizem e
compreensível para o leitor comum? Quais são os nossos princípios de inter-
pretação?Estes devem ser estabelecida em primeiro lugar e, em seguida,
aplicado a nossa leitura de, neste caso, a criação de conta. Parece que, para
muitos, podemos manter princípios evangélicos tradicionais de interpretação
levemente quando estamos envergonhado pelas idéias de estudiosos moder-
nos. Nós não parecem estar tão preocupado com o constrangimento de
abandonar essas idéias quando eles estão fora de moda ou pelo constrangi-
mento de consultar a palavra de Deus.

O que Deus quer dizer?

325
Muitos dos que concordam com a minha resposta à primeira questão
viria a dizer: "Ah, sim, mas Deus ...". A essência dos seus comentários seria
que a passagem não pode ser interpretada em sentido literal. Isto é, esta foi
uma forma conveniente de se comunicar a idéia, seja por parábola, visão, ou
qualquer outra coisa. Mas, será que esta abordagem de retenção de
água? Muitos afirmam que Gênesis 1 (e até o capítulo 11) não está escrito
como uma narrativa histórica, mas de alguma outra forma. Reivindicações
variadas foram feitas: a poesia, a metáfora, mito, parábola, história, analo-
gia, 4 alegoria, drama, e assim por diante. Com tantas sugestões, é evidente
que não correspondam a qualquer uma dessas formas literárias orientais
bem conhecidos em hebraico ou próximo.Como o professor Gerhard F. Hasel
colocou, "O consenso óbvio é que não há consenso sobre o gênero literário de
Gênesis 1 . "Então, parece que estes são todos os casos de defesa especial
para não enfrentar o fato óbvio de que está escrito como, e lê como uma nar-
rativa histórica em linha reta.
Por qualquer motivo, a abordagem não-histórica implica que Deus não
poderia explicar os fatos reais para o homem de uma forma que seja inteligí-
vel para ele. Certamente esta não pode ser uma sugestão séria! Se eu posso
descrever o conceito de criação durante um longo período de tempo para
uma criança (e eu podia!), Então Deus, o comunicador perfeito, não teria ne-
nhum problema. Então, por que Deus deveria usar este imaginário engana-
dor?
Mas a questão é mais profunda. Ela atinge o cerne da nossa crença na
integridade de Deus. É mais do que nós estar enganado sobre o significado
de Gênesis 1 Vire a. Êxodo 20: 8-11 , o comando a respeito do sábado. Por
que a nação de Israel para guardar o sábado? Porque Deus escolheu arbitra-
riamente um dia em sete? Aqui é causa e efeito. A lei do sábado é baseado
diretamente em sua atividade de criação. Os judeus estavam a trabalhar seis
dias e descansar no sábado porque Deus usou esse padrão em sua obra de
criação. Mas, ele vai mais fundo. Deus está dizendo que isso é o que Ele
fez . Seu testemunho é verdadeiro ou falso? Se não for verdade, então Ele
quebra seu próprio mandamento: "Não minta." Onde, então, seria a Sua in-
tegridade? Ele quebrou a Sua própria lei moral. (Veja também Ex. 31:17 ).
Assim, podemos concluir que a questão está relacionada com a nossa dou-
trina de Deus, com respeito à sua integridade. Além disso, ela afeta nossa

326
visão de sua onipotência. No final do debate, ficamos com a questão da sua
capacidade de fazer o trabalho de criação de uma maneira milagro-
sa. Gênesis 1 e 2 não são sobre os processos naturais da ciência (biologia,
química, física, cosmologia, etc.), mas são cerca de milagre. Além disso, a
Bíblia nos diz ( Gn 2: 2-3 ) que Seu trabalho de criação é concluído e comple-
tado. Nós não podemos ver Deus criando agora. Estamos vivendo dentro e
sob a Sua providência.

Por que queremos qualquer outro significado?


Presumo que não é porque pensamos que Deus não pode criar o uni-
verso em seis dias. Então, novamente, não é porque o texto bíblico requer
algum outro significado. A resposta a essa pergunta geralmente envolve al-
guma declaração como "Porque a ciência moderna exige." É claro que a ciên-
cia não exige nada. É um conjunto de fatos observáveis e um processo de
investigação. A partir daí, os cientistas desenvolver interpretações e teorias
para explicar as observações. Um contador Geiger vai dar uma leitura, mas é
o cientista que interpreta e explica o que implica a leitura.
O argumento básico é que os cientistas têm mostrado através da coluna
geológica que a Terra é muito antiga 5 e assim as grandes idades demonstra-
do através namorando as rochas na coluna deve ser equivalente aos dias de
Gênesis 1 . A coluna geológica é a correlação teórica de as diferentes forma-
ções rochosas ao redor do mundo. Apesar de não ocorrer em qualquer lugar
nesta forma completa, os geólogos podem relacionar diferentes estratos nas
diferentes regiões para dar o que eles interpretam como história da Ter-
ra. Ele incorpora muitos restos fósseis e estratos são dadas as idades de de-
zenas e centenas de milhões de anos. Assim, argumenta-se, este período de
tempo tem de ser encontrada em Gênesis. 6 Este é o erro fundamental na
teoria do dia / ano. A coluna geológica tem nada a ver com Gênesis 1 . Uma
interpretação alternativa da coluna geológica pode ser encontrada em outro
lugar, mas para os fins deste estudo, é suficiente para enfatizar a não-
equivalência do relato da criação e da coluna geológica. Uma vez que esta
ligação percebida está quebrado, não há nenhuma razão para distorcer as
Escrituras eo significado aparente dos dias de Gênesis 1 .
Esta não-equivalência é demonstrada por comparação dos dois siste-
mas. Gênesis 1 é sobre a criação do que é bom, realmente muito bom (Gn

327
1.31 ). Trata-se de beleza e ordem. É nisso que dá prazer a Deus ( Rev.
04:11 ). Trata-se de harmonia. As rochas e os seus fósseis falar de morte,
destruição, agonia e conflito. 7 Qualquer que seja a coluna geológica tem a
dizer sobre a idade, não tem relação com Gênesis 1 e criação. Se milhões de
anos para ser encontrado, eles não devem ser localizados dentro da Semana
da Criação de Gênesis 1 e por isso não há necessidade de tornar os dias sig-
nifica outra coisa senão dias normais.
Se queremos transformar a evidência científica que suporta o prazo
normal do dia, podemos encontrá-lo em aspectos biológicos comosimbiose , a
dependência mútua de uma espécie em outra. Um não pode sobreviver sem
o outro por longos períodos de tempo. Esta observação é feita em todo o
mundo biológico. Você pode propor a sua evolução paralela, mas que clara-
mente não é o que a Bíblia descreve. Eu acredito que se você quiser aceitar a
revelação bíblica sobre a criação especial, você deve aceitar a conseqüência
da necessidade de um curto período de tempo entre os atos criativos.
O conceito de uma criação em seis dias é obviamente anti-
evolucionista. A evolução requer um longo tempo, embora eu disputaria se
qualquer quantidade de tempo poderia ser suficiente para tal cená-
rio. Criação de seis dias também exige design. Não há tempo para processos
de chance. A fauna ea flora teve para estar apto para o ambiente em que eles
foram colocados. Consequentemente, também, tinha que ser construído para
os organismos vivos do potencial de variação futura. Isto é consistente com
as observações de genética.

Conclusão
Se estamos a tomar a Bíblia conta a sério, então temos de reconhecer
que os dias de Gênesis 1 são dias normais, ou seja, o período de rotação da
Terra sobre seu eixo, definido por "a noite e pela manhã." Eu acredito não há
nenhuma razão bíblica para crer o contrário. Não há necessidade científica
relevante para reinterpretar a revelação de Deus. E, para o cristão, acredito
que a Escritura é definitiva e não os pensamentos dos cientistas (ou teólo-
gos).
O autor reconhece comentários úteis feitos por membros da comissão
bíblica Sociedade Criação na preparação deste capítulo.

Referências e notas

328
1. JH John Peet, No princípio criou Deus ... , Grace Confiança Publicação,
Londres, 1994.
2. Isto é reconhecido pelo Professor James Barr em uma carta a David CC
Watson (23 de abril de 1984): "Até onde eu sei, não há nenhum profes-
sor de hebraico ou Velho Testamento ... que não acredita que o escritor
(s) de Gênesis 11/01 pretende transmitir aos seus leitores as ideias que
... criação ocorreu em seis dias, que eram os mesmos que os dias de 24
horas que agora temos. "Citado por Ken Ham, Andrew Snelling, e Carl
Wieland em As Respostas do livro , Master Books, Green Forest, AR,
Inc., p. 90, 1991.
3. O dia é o período de rotação da Terra sobre seu eixo; o mês é definido
pelo período da órbita da Lua em torno da Terra. O ano é descrito pelo
tempo da órbita da Terra em torno do sol.
4. Meredith G. Kline ("Space & Time no Genesis Cosmogonia" na World
Wide Web) argumentou recentemente a partir da analogia (relação de
replicação) que os dias eram parte do registro celestial (E disse Deus ...)
e os resultados na inferior, terrena registrar (e foi feito). A alocação do
dia para o registo superior é arbitrário eo autor não consegue lidar de
forma adequada, se em tudo, com a "tarde e manhã" quadro.
5. Não é meu propósito discutir aqui a questão da idade da Terra. Ela não
afeta a questão da duração do "dia da criação." No entanto, acredito
que a Bíblia implica que a idade para a Terra é medido em milhares de
anos, em vez de milhares de milhões de anos.
6. Acredito que a coluna pode ser entendida em termos de história bíbli-
ca. (Veja, por exemplo, o material publicado pela Sociedade Bíblica Cri-
ação.)
7. Além disso, a ordem dos actos de criação não se correlaciona com o
modo evolutivo. Por exemplo, o sol é criado no quarto dia (não é o pri-
meiro resultado), os peixes são feitos no quinto dia (eles não eram uma
forma anterior de vida terrena), as aves também são criados no quinto
dia, antes do répteis.

329
werner gitt
Ciência da Informação

Um tempo atrás, havia um painel de discussão em Bremen, na Alema-


nha, na criação / evolução. Os participantes convidados eram um geólogo,
paleontólogo, um padre católico, um pastor protestante, e eu como um cien-
tista da informação. Em pouco tempo, o moderador perguntou: "Quanto
tempo durou a criação tomar?" O paleontólogo e geólogo foram rapidamente
unânimes-de milhões de anos. Quando o clero foram convidados, ambos fo-
ram bem claros que, hoje em dia, a teologia não tive nenhum problema com
milhões de anos. Até bilhões de anos poderiam ser facilmente interpretadas
para os dias da criação. Finalmente, o moderador me pediu a minha opini-
ão. Eu respondi da seguinte forma:
Para mim, como um cientista da informação, a questão-chave é a fonte
de informação. Em relação ao comprimento dos dias de criação, existe ape-
nas uma fonte de informação, e que é a Bíblia. Na Bíblia, Deus nos diz que
Ele criou tudo em seis dias.

330
Uma vez que ninguém mais poderia indicar uma fonte para sua opinião,
esta parte da discussão parou em suas trilhas.
A questão da duração dos dias da criação tem despertado muita pai-
xão. Os que aderem a evolução teísta tentar interpretar o relato da criação
para permitir durações longas. Houve muitas tentativas para se chegar a
"criação dias longos." Aqui estão quatro exemplos.
1. A teoria do "dia-era": A expressão "dia" é interpretado como de fato o
que significa um longo período de tempo."Idade", "períodos", ou "épo-
cas" de tempo são referidos. Salmo 90: 4 é freqüentemente usado para
a justificação: " Porque mil anos aos teus olhos são como o de ontem
[ou seja, um dia] quando é passado . "
2. A teoria do "dia-de-revelação": Os dias de Gênesis não são vistos como
dias da criação, mas como dia da revelação. Isso pressupõe que as di-
versas declarações nesta conta foram progressivamente revelado ao es-
critor em seis dias consecutivos. O motivo é claramente para evitar a
idéia de que a criação realmente aconteceu dentro desses períodos de
24 horas.
3. A teoria do "filme": Originário com Hans Rohrbach, este conceito tenta
explicar o relato da criação como se fosse time-lapse cinematografia de
um processo que "na realidade" tomou um longo período de tempo. Ele
escreve que "É como se o profeta está vendo um filme, em que o pode-
roso processo de criação, comprimido usando a fotografia de lapso de
tempo, é exibido em frente a ele. Ele vê o movimento, um acontecimento
e tornando-se, ouve Deus falando; ele observa a terra tornar-se vestido
com o verde da vida vegetal, e vê tudo graficamente, como um filme
moderno widescreen 3-D em som e cor. " 2
4. A teoria da "literários dias": Este sustenta que os dias da criação são
apenas um artifício literário, a fim de estabelecer uma estrutura temá-
tica. De acordo com esse conceito, as individuais "dias de criação" de-
vem ser considerados como os capítulos de um livro.

O comprimento dos dias de criação


Há uma opinião generalizada de que o relato da criação é apenas preo-
cupado com a comunicação "o fato de que Deus realmente criou." No entan-
to, isso é totalmente implausível à luz das inúmeras declarações precisas
contidas no Gênesis. Se Deus só queria nos dizer que Ele estava por trás de
tudo, em seguida, o primeiro versículo do Gênesis seria suficiente. No entan-

331
to, os muitos elementos em conta deixar bem claro que Deus quer nos dar
muito mais informações do que isso. No relato da criação que não só trans-
mitiu a nós interessa relevante para a fé e crença, mas também uma série de
fatos que têm significado científico. Estes fatos são tão fundamentais para
uma verdadeira compreensão deste mundo que eles imediatamente se dis-
tinguem de todas as outras crenças, a partir das cosmologias de povos anti-
gos e das imaginações da filosofia natural de hoje.
O relato da criação da Bíblia está sozinho em suas declarações. Aqui
encontramos nenhum dos antigos imaginações míticas do mundo e sua ori-
gem, mas aqui em vez encontramos a Deus comunicando realidade viva, a
verdade sobre as origens. O curso da exposição bíblica correta ou falsa é
firmemente definido, de acordo com as convicções do expositor, na primeira
página da Bíblia. Separar a "fé" de "ciência" (amplamente praticada no mun-
do ocidental), tem freqüentemente levado cristãos para o gueto de uma pie-
dade interior contemplativa, que não consegue atingir qualquer efeito pene-
trante sobre os seus arredores, enquanto a ciência é conduzida para o terre-
no baldio de ateus ideologias e sistemas filosóficos.
Como resultado, tem sido amplamente pressuposto de que as declara-
ções bíblicas sobre a origem do universo, da vida e, em especial, a humani-
dade (assim como nações e línguas) não são cientificamente confiável. Isto
teve consequências graves. Alexander Evertz lamentou o declínio espiritual
mundial galopante da seguinte forma:
A crença no Criador é agora em grande parte apenas uma peça de exi-
bição na caixa de vidro da dogmática.Assemelha-se os pássaros empalhados
se vê empoleira-se em hastes em um museu. 3

Devemos ser gratos por os detalhes Deus achou por bem revelar-nos em
Gênesis, este breve vislumbre na origem deste mundo e da vida. Assim, no-
ta-se que Deus criou tudo em seis dias. Que eles eram realmente dias de 24
horas, que é dia ou dias de calendário solar, deve ser resolvido por meio de
vários argumentos.

O dia como uma unidade de tempo


Para descrever processos físicos quantitativamente, é necessário um
método de medição e uma unidade correspondente. A Bíblia usa repetida-
mente parâmetros técnicos de medição para descrever o comprimento, área,

332
volume ou de alguma coisa. As unidades são geralmente tomadas a partir da
natureza ou da vida diária, por exemplo, o cúbito representa a distância do
cotovelo à ponta dos dedos. A extensão é a disseminação dos dedos de uma
mão. Um acre é que a área pode ser lavrado com uma junta de bois em um
dia. Uma das unidades mais importantes é que de cada vez. É a primeira
unidade definida na Bíblia. Em Gênesis 1:14 isso acontece ao mesmo tempo
que os outros efeitos dos corpos celestes são registrados. Sua função é como
portadores de luz e dividir o dia da noite. Além disso, para definir o tempo-
unidades "dia", "ano", e "estações" e como sinais apontando para aconteci-
mentos específicos (por exemplo, Matt. 24:29 sobre o fim dos tempos).
Com a definição do dia e do ano, a humanidade é dada unidades repro-
dutíveis. Estes nos permitem quantificar as declarações sobre a idade de al-
guma coisa, a distância pelo qual duas ocorrências são separadas no tempo,
ou a duração de um processo. Assim, a unidade de "dia" é utilizado para nos
informar sobre a duração do trabalho de criação: " Porque em seis dias fez o
Senhor o céu ea terra, o mar e tudo o que neles há "( Êxodo 20:11. ).
Assim, devemos confiar na Palavra de Deus, porque " Deus não é ho-
mem, para que minta "( Num. 23:19 ). Se Deus realmente levou bilhões de
anos, a fim de criar tudo, por que Ele, em seguida, dizer-nos que era apenas
uma questão de dias?

O significado da palavra "dia" na Bíblia


A palavra "dia" aparece na Bíblia 2.182 vezes 4 e é usada predominan-
temente no sentido literal. Assim como em Inglês, Alemão, e muitas outras
línguas, a palavra "dia" (hebraico yom ) pode ter dois significados. O primeiro
é um período de tempo de cerca de (24 horas), o que também inclui a noi-
te. Isto é como dias corridos são medidos. O segundo significado seria a par-
te iluminada de um dia de calendário (por exemplo, Gênesis 1: 5 , 8:22 ; .
Josh 1: 8 ). No relato da criação, a expressão "dia e noite" ( Gn 1: 5 , 14-18 )
ocorrem nove vezes no sentido de se referir apenas à luz ou parte escura de
um dia normal de 24 horas.
Em casos excepcionais, que são sempre claramente identificável pelo
contexto, "dia" não significa uma extensão física ou astronomicamente defi-
nidos de tempo, mas ocorrências como "o dia do Senhor", "o dia do Juízo Fi-
nal", e "especialmente designada . o dia da salvação "Em João 9: 4 : " Impor-

333
ta que façamos as obras daquele que me enviou, enquanto é dia; a noite
vem, quando ninguém pode trabalhar " , a palavra "dia" é imediatamente re-
conhecível a partir do contexto, como referindo-se a um período de tempo
não-físico no qual é possível trabalhar. Em mais de 95 por cento dos casos, a
palavra indica para o dia de 24 horas.
"Dia" com um numeral
A palavra "dia", associado a um numeral, ocorre no Antigo Testamento
mais de 200 vezes. Em todos estes casos, um dia de 24 horas é indicado. No
final da conta relativa a cada um dos seis dias da criação, lemos ( Gn 1:
5 , 8 , 13 , 19 , 23 , 31 ), " E houve tarde e houve manhã, o primeiro [de sex-
ta] dia. "Então, aqui temos sempre a construção gramatical" numeral em co-
nexão com o dia. "
"Tarde e manhã"
O fato de que cada um dos intervalos de criação é delimitada por "tarde
e manhã" é mais uma indicação de que os dias da criação eram comuns dias
de 24 horas. A palavra "noite" ocorre 49 vezes ea palavra "manhã" 187 vezes,
sempre no sentido literal. Se "dia" deveriam significar um longo período de
tempo, que não seria delimitada por tais descrições precisamente com no-
mes de momentos do dia. O Antigo Testamento, invariavelmente, a mesma
sequência desses momentos do dia, ou seja, à noite, seguido de manhã (por
exemplo, Ps 55:17. ;08:14 Dan. , 08:26 ). Um novo dia começa com a noite
(pôr do sol) e termina com o início da noite, no dia seguinte. Com esta defini-
ção de um dia, o fluxo seqüencial desses momentos do dia é "tarde-manhã".
Assim, lemos literalmente (Elberf tradução.): "E tornou-se noite, e tornou-se
de manhã.: Primeiro dia"

Dias da criação e onipotência de Deus


As obras da criação demonstrar a onipotência de Deus e Seu poder
( Rom. 1:20 ), a conseqüência de que não está vinculado a longos períodos de
tempo. Em toda a Bíblia, há inúmeros casos de atos de criação, que aconte-
cem sem qualquer passagem do tempo. Os milagres de criação de Jesus no
Novo Testamento (vinho nas bodas de Caná, pães e dos peixes na alimenta-
ção dos 5000) ocorreu instantaneamente.Salmo 33: 9 também atesta a natu-
reza rápida dos atos criativos de Deus: " Pois ele falou, e tudo se fez; ele
mandou, e logo tudo apareceu."Esta é exatamente a mesma impressão
transmitida pelo próprio relato da criação através do uso repetido das cons-

334
truções:" E disse Deus ... e assim foi "" E disse Deus ... E viu Deus "(. que
tinha acabado de ser criado).
Se fôssemos aqui arbitrariamente inserir o muito citado milhões de
anos, teríamos roubar de Deus a honra que Lhe é devido. O testemunho to-
tal da Bíblia, em todas as maneiras, é o de resultados imediatos em resposta
aos comandos de Deus. Seja qual for a situação, este princípio é válido-a or-
dem do Senhor é suficiente, e espontaneamente a Palavra criado for cumpri-
da: os cegos vêem imediatamente, o mudo falar instantaneamente, os coxos
levar até sua cama e caminhar, os leprosos se tornar limpo, ea mortos res-
suscitam sem demora.

Humanidade: Criado em um determinado dia


A Bíblia enfaticamente atesta que o homem não foi criado por um longo
período de tempo, mas em um dia muito especial: " No dia em que Deus cri-
ou Adão, Ele o fez à semelhança de Deus; macho e fêmea os criou, e Ele os
abençoou e lhes deu o nome de 'humanidade', no dia em que foram cria-
dos "( Gênesis 5: 1-2 .; Elberf tradução).

Resumo
A pergunta sobre a duração dos dias da criação surge com freqüên-
cia. Eu acredito que ele pode ser mostrado a partir de um ponto de vista bí-
blico e científico que se pode ter plena confiança no relato bíblico de uma
criação em seis dias normais.

Referências e notas
1. Werner Gitt , No Princípio Era da Informação , Christliche Literatur-
Vertreitung, Bielefeld, Alemanha, 1997.
2. Hans Rohrbach, Ein neuer Zugang zum Schöpfungsbericht (Uma Nova
Abordagem para a criação de contas) , Schritte, pp. 5-10, 1982.
3. Alexander Evertz, als Martin Luther Cristo, als Mensch und als Deuts-
cher (Martin Luther como cristão, como pessoa e como um alemão) , As-
sendorf de 1982.
4. Annotated Reference Bible de Dake , Zondervan Pub. House, Grand Ra-
pids, MI, 1961.

335
don batten
Ciências Agrícolas

Fui enviado para a escola dominical quando criança. Eu encontrei a


"nossa" igreja terrivelmente seco e chato, mas um homem de Deus me ensi-
nou e colocou algumas verdades bíblicas fundamentais na minha vi-
da. Quando eu ainda estava na escola primária, um pregador de rua visitou
a pequena cidade do interior onde eu estava crescendo. Ouvi e veio a enten-
der a gravidade do meu pecado e suas conseqüências eternas e recebeu o
dom gratuito de Deus da salvação.
Fui para Hurlstone Agrícola da High School, um colégio interno do go-
verno. Esta escola teve um grande, comunhão cristã ativa, através do qual
fui incentivado a crescer na minha caminhada cristã. No entanto, eu estava
na entrada do segundo ano do novo sistema de educação conhecido como o
"Esquema Wyndham." Isto envolveu uma revisão total do sistema de ensino,
de modo que as idéias evolutivas para a primeira vez que permeou o progra-
ma, especialmente o plano de estudos da ciência. Incomodado por isso, eu
fui atraído para ler um livro intituladoCiência retorna a Deus . O autor tinha
dez graduou-cinco em teologia e cinco na ciência. Como um adolescente de

336
15 anos de idade, impetuoso, eu pensei que este homem pode saber mais do
que eu fiz! Em retrospectiva, a sua mensagem, em essência, foi: "A ciência é
uma maneira infalível de saber sobre o passado, por isso temos de fazer a
Bíblia se encaixam o que os cientistas estão dizendo." Em outras palavras,
Deus usou a evolução ao longo de centenas de milhões de anos da morte,
luta pela sobrevivência, a "natureza vermelha em dentes e garras", como os
meios de criar tudo.
Lá no fundo eu sabia que isso prejudicou a Palavra de Deus. Mas como
poderia um homem com tantos graus estar errado? Tentei não pensar nis-
so. Se um não-cristão desafiou-me sobre a "ciência" ea Bíblia, gostaria de
trote fora dos clichês, como "A Bíblia é um livro de religião, não ciência",
"Deus poderia ter usado evolução", "Os dias poderia ter sido longos períodos
de tempo "," para o Senhor um dia é como mil anos ", e assim por diante. No
entanto, eu basicamente tentava não pensar nisso.

Duas caixas
Eu adotei o "duas caixas" abordagem da questão. Em uma caixa que eu
tinha a minha fé cristã. Ele tinha um rótulo nele, que dizia: "Abrir na igreja e
estudos bíblicos, mas mantenha fechada em outros momentos." Na outra
caixa foram minha escola e, em seguida, os estudos universitários. Esta cai-
xa tinha um outro rótulo nele: "Abrir na escola / universidade, mas nunca
na igreja ou estudos bíblicos." Eu tinha compartimentada minha vida para o
sagrado e secular, eo secular estava se tornando cada vez mais dominante.
Nesta fase, eu sabia que nenhum cristão que acreditava que a Bíblia diz
sobre a criação (recente e em seis dias), a Queda eo Dilúvio (global). A teoria
do intervalo "resolvido" o problema para os cristãos mais velhos com quem
conversei (eles não compreender os problemas, porque não tinha sido ensi-
nado evolução, e eu nunca poderia ver que o sentido literal do Gênesis até
mesmo insinuou qualquer lacuna, muito menos Lúcifer outras idéias fanta-
siosas, como os humanos sem alma pré-Adamite) inundação e. Outros "só
acreditava na Bíblia," não ser capaz de dar razões (ao contrário do 1 Ped.
3:15 ). A maioria das pessoas mais jovens pensado muito como eu fiz ("Deus
usou a evolução").
No entanto, deve ter havido alguns cristãos na universidade que acredi-
tavam o relato bíblico e estavam dispostos a desafiar o ensino evolucionista

337
sendo côncavo. Em uma palestra, um dia, o professor de zoologia disse: "Al-
guns de vocês estão preocupados com essa coisa de evolução. Não se preo-
cupe muito com isso, eu não sei se eu acredito nisso. "Em retrospectiva,
acho que ele estava apenas tentando aliviar o problema por algumas" fun-
damentalistas "que realmente acreditavam que a Bíblia diz (ao contrário de
mim ). No entanto, as palavras ficaram presas em minha mente (como nada
mais que ele disse!). Será que ele usa a palavra "acreditar"? Eu refleti. Mas
isso é ciência, ciência não é uma questão de crença! A ciência é fatos! Isso é o
que eu pensei, na minha ingenuidade.

Adão e Eva: Estar em uma pilha de ossos quilômetros de pro-


fundidade?
Esse pensamento me sacudiu a ser mais aberta sobre o paradigma evo-
lutivo. As duas caixas começaram a ser abertas ao mesmo tempo. Comecei a
ser contestada sobre as maneiras em que o cenário evolutivo contradiziam a
teologia da Bíblia, por exemplo, o ensino sobre o caráter de Deus e da reden-
ção não pode ser divorciada da historicidade do relato bíblico da criação e da
queda. Evolution, se fosse verdade, era uma crença totalmente incompatível
com a história do mundo. Quero dizer, como poderia um amor, santo, justo,
onisciente, onipotente Deus-Criador usar um tal cruéis meios, destrutivos da
criação de tudo? Ele descreveu a criação, depois que terminar de criar tudo,
incluindo a humanidade, como muito bom ( Gn 1.31 ). Poderia a criação ser
descrito comomuito bom , se Adão e Eva estavam em pé sobre uma pilha de
ossos quilômetros de profundidade? Isso é o que "Deus usou a evolução" ea
teoria do intervalo, tanto implicava.

Gênesis e do evangelho
E depois havia as implicações para o sentido ea razão para a morte e
ressurreição de Jesus. Se eu tive a chance de falar com alguém sobre a mi-
nha fé, eu evitaria o Antigo Testamento (AT), e tentar direcionar a discussão
sobre a evidência histórica para a ressurreição de Jesus. Eu quase desejei
que o OT não fazia parte da Bíblia! Mas Jesus tinha confirmado a veracidade
das Escrituras do Antigo Testamento. Ele também citou Abraão com aprova-
ção: "Se não ouvem a Moisés e aos Profetas, eles não serão convencidos ain-

338
da que ressuscite alguém dentre os mortos "(Lucas 16:31 ; compare João 5:
46-47 ).
A razão para a morte e ressurreição de Jesus repousa sobre a historici-
dade do que aconteceu lá em Gênesis, que a rebelião de Adão e Eva trouxe a
maldição da morte e do sofrimento no mundo. Cada um de nós tem pecado,
então todos nós merecemos a ira de Deus ( Rom. 5:12 ). Jesus tomou essa
maldição de morte sobre si mesmo na cruz, para que nós, que confiar em
Deus para a salvação estará livre de morte por toda a eternidade ( Rm 5: 12-
19. ; 1 Coríntios 15: 21-22. ). Se a evolução fosse verdade, a morte eo sofri-
mento eram sempre aqui; eles não eram o resultado do pecado. Então, o que
tem significado a morte de Jesus?
Quando eu estava tentando acreditar na evolução, sem pensar muito
sobre isso, eu tentei explicar a maldição sobre Adão co-
mo espiritual morte. Por quê? Porque, se a evolução fosse verdade, a morte já
estava aqui quando Adão pecou. Mas a maldição era fundamentalmente a
morte física (" ao pó retornarás " Gen. 03:19 ) é por isso que Jesus morreu
na cruz do corpo, como nos lembramos na mesa de comunhão ( 1 Cor. 11:
23-26 ). E é por isso que ele ressuscitou corporalmente dentre os mortos,
vencendo o pecado ea morte. Então, nós que estamos em Cristo ansiosos
para uma ressurreição corporal ( 1 Cor. 15 ).
Futhermore, o OT contém a Lei, que o Novo Testamento chama de aio
para nos conduzir a Cristo ( Gl. 3:24 ). Como as pessoas podem responder
ao Salvador , Jesus Cristo, a menos que eles sabem que precisam de
ser salvos ? E como eles podem saber que eles precisam ser salvos, a menos
que eles sabem que eles se rebelaram contra seu Criador em não manter
seus padrões de justiça, que eles estão perdidos, que merecem a condenação
de Deus, e vai sofrer sua ira no Juízo? A lei nos ajuda a ver que estamos
perdidos, sem provisão de salvação de Deus em Cristo Jesus.

Cristianismo-um pacote
Então, eu comecei a ver que a vida cristã é um "pacote". A evolução é,
em essência, uma outra maneira de pensar todo que é projetado para excluir
Deus (lembre-se de que o axioma fundamental da evolução é que as muta-
ções são aleatórias, sem propósito ). "Evolução teísta" é um oxímoro. Se é

339
evolução, então Deus não tem nada a ver com isso. Se ele é Deus, então não
é evolução!
Eu percebi que eu não poderia escolher o que eu achei conveniente
acreditar. Se a Bíblia é a Palavra inspirada de Aquele que estava lá no come-
ço, que nunca comete erros e nunca mente, então ele deve ser a autoridade
final. Não deve ser "re-interpretada" para ajustar as especulações dos ho-
mens falíveis que não estavam lá no começo e certamente cometer erros. Isto
faria com que o homem a autoridade máxima, e não Deus. A Bíblia nos diz
que desde que as pessoas viraram as costas a Deus, tornaram-se corrompi-
do em seu pensamento (Rom. 1:21 ). Portanto, não é muito sensato para der-
rubar a Palavra de Deus por causa de "estudiosos" que contradigam.
Jesus nos chamou para " Amarás o Senhor teu Deus com todo o teu co-
ração e com toda a tua alma e com toda tua mente "( Mat. 22:37 ).Eu tinha
sido excluindo uma grande laje da minha vida a partir de soberania, meu
aprendizado de Deus na universidade.

Colocar as coisas para o teste


Eu tinha sido como uma esponja, absorvendo tudo o que foi ensinado
sem fazer check-out. Agora comecei a colocar as coisas à prova. Será que ele
realmente empilhar? Havia milhares de fósseis de transição que mostram a
transformação de um animal (ou vegetal, ou microorganismo) em outro, co-
mo Darwin previu? Não, não havia apenas um punhado de queridos discutí-
veis. Será que os fósseis mostram uma transformação gradual de uma espé-
cie para outra? Não, os fósseis mostrou estase (isto é, nenhuma mudança de
direcção, mantendo-se, basicamente, a mesma). Muitas criaturas que são
conhecidos como fósseis supostamente centenas de milhões de anos-como
estrelas do mar, água-viva, ainda caramujos estão aqui hoje. Como pode ser
isso, se a evolução pode facilmente mudar de um tipo para outro?

A geração espontânea?
No cenário evolutivo, a vida surgiu espontaneamente a partir de subs-
tâncias químicas simples. Mas isso é impossível com o que já se sabe sobre a
complexidade do mais simples de viver as coisas, até mesmo o celular auto-
reproduzir mais simples concebível incompreensível.Há tantos problemas
com essa idéia, que tornou-se ainda mais insustentável desde que eu era um

340
estudante na universidade. A quiralidade é um problema-a enorme "quirali-
dade" de ácidos e açúcares aminados, por exemplo. Físico-química pode pro-
duzir aminoácidos sob as condições corretas, mas eles estão errados para a
vida, para formar porque são misturas de formas esquerdo e direito, e não os
puros necessários nos seres vivos. Só as enzimas produzem os aminoácidos
puros e os açúcares necessários para a vida, mas o seu fabrico enzima re-
quer uma célula viva. A vida é baseada na vida.
Depois, há o problema insuperável de conseguir sequer uma enzima
funcional por processos aleatórios, mesmo se você pudesse se todos os in-
gredientes reunidos. Vamos considerar apenas uma enzima composta de um
típico 300 aminoácidos. Mesmo se formos generosos para o materialista e
assumir que apenas 150 aminoácidos têm de ser especificadas para a função
da enzima, a probabilidade de obter uma seqüência funcional é menos de 1
em 10 195 . Não podemos imaginar como uma improbabilidade. Há possivel-
mente 10 a 80 átomos no universo. Se fizéssemos cada átomo no universo um
outro universo como o nosso, e cada um desses átomos eram um experimen-
to para cada milissegundo da idade evolutiva presumida de nosso universo,
isso equivaleria a 10 181 experimentos ainda um longo caminho curto do
mesmo a mais remota chance de conseguir uma enzima funcional. Isso é
apenas uma enzima. Esta célula viva mais simples deve ter pelo menos vá-
rias centenas de enzimas / proteínas.
Lembro-me vividamente, em Bioquímica II, uma série de palestras sobre
o operon lactosidase (um grupo de genes que codificam para todos enzimas
envolvidas no metabolismo de lactose) em E. coli . Isso só foi elucidado (os
detalhes de como as enzimas fazer o seu trabalho ainda estão sendo concre-
tizados, mais de 20 anos mais tarde). O mecanismo de controlo ligado intrin-
cado que as enzimas se a lactose estava disponível, e regulada a quantidade
de enzima fabricado, foi superiormente marcado. O palestrante foi obviamen-
te desfrutando nos ensinar sobre essas maravilhas recém-descobertos. No
final da série, em um período de perguntas / discussão, alguém perguntou:
"Como poderia tal sistema de controle integrado evoluir por mutações aleató-
rias e seleção natural?" Para minha surpresa, o professor simplesmente res-
pondeu: "Ele não podia."
Desde então, muitas outras máquinas e mecanismos bioquímicos alta-
mente integrados foram descobertas, máquinas que não funcionará se hou-

341
ver alguma peça única está faltando. Isto significa que eles não podem ser
construído por pequenas mudanças que se acumulam ao longo do tempo,
porque as pequenas alterações não seria funcional para o organismo, pelo
que a selecção natural não pode actuar sobre elas. Apenas o aparelho com-
pleto funciona, por isso todos devem estar presentes para que nenhuma van-
tagem para o organismo e, assim, ser acessível a seleção natural. Tais má-
quinas bioquímicos incluem o flagelo rotativo, utilizados para propulsão em
bactérias, e o sistema de coagulação do sangue nos vertebrados. Estas ca-
racterísticas de design são exemplos de "complexidade irredutível." 1

Sobre este tempo, o Dr. Duane Gish , do Institute for Creation Rese-
arch, nos EUA, fez uma visita oportuna para a Universidade de Sydney, o
encontro promovido pela União Evangélica. Sua apresentação realmente
consolidou as coisas para mim. Curiosamente, foram os estudantes de filo-
sofia que queriam debater o assunto com o Dr. Gish, não os estudantes de
ciência. Isso reforçou para mim que toda esta questão é fundamentalmente
uma questão filosófica / religiosa. Karl Popper, filósofo bem conhecido da
ciência, chegou à conclusão de que "o darwinismo não é uma teoria científica
testável, mas um programa de um possível quadro de pesquisa metafísica
para teorias científicas testáveis." 2

Darwinismo, desde o início, tem sido essencialmente um materialista,


ateísta, estrutura para pensar. É uma visão de mundo, um paradig-
ma. Como Adam Sedgwick, Woodwardian Professor de Geologia na Universi-
dade de Cambridge, escreveu, em 1861, de Darwin Origem das Espécies ", do
primeiro ao último, é um prato do materialismo posto habilmente inventa-
do. ... E por que isso é feito? Não por outra razão, estou certo, a não ser para
nos tornar independentes de um Criador. " 3

Sir Julian Huxley, ateu e primeiro diretor-geral da UNESCO, disse,


"verdadeira conquista de Darwin foi para remover toda a idéia de Deus como
o Criador de organismos da esfera da discussão racional." 4

Aparentemente ninguém na conferência celebrando o centenário da pu-


blicação de Darwin Origem das Espécies contestou a afirmação de
Huxley. Mais recentemente, William Provine, professor de ciências biológicas
na Universidade de Cornell, disse: "Deixe-me resumir a minha opinião sobre
o que a biologia evolutiva moderna nos diz alto e bom som. ... Não há deu-
ses, sem propósitos, sem forças dirigidas a objetivos de qualquer espé-

342
cie. Não há vida após a morte. Quando eu morrer, tenho absoluta certeza de
que eu vou estar morto. Isso é o fim para mim. Não há fundamento último
para a ética, nenhum significado último à vida, e não há livre arbítrio para
os seres humanos, também. " 5

Os teólogos que pensam que eles podem desenhar círculos em torno da


ciência e cristianismo e diz que "a religião" não tem nada a ver com a "ciên-
cia", e vice-versa, seria melhor fazer algum trabalho duro para convencer os
evolucionistas!

Não acidentes criar livros de informação?


Um micróbio típico tem o equivalente informações codificadas em seu
genoma de um livro de cerca de 500 páginas impressas. Um ser humano tem
cerca de 1,000 tais livros de informações codificadas no ADN em cada célu-
la. Vamos supor que a primeira célula fez a si mesmo. Como, então, ele
transformar-se em todas as coisas vivas na Terra? Mutações e seleção natu-
ral são supostamente os heróis da trama evolutiva, de acordo com modernos
profetas darwinistas como Richard Dawkins, que tem sido descrito como "o
apóstolo do ateísmo".
As mutações surgem quando ocorrem erros, como o DNA é copiado para
transmitir aos descendentes nucleico ácido-base "letras" do código são alte-
rados, perdido ou adicionado. Esses erros são supostamente para gerar toda
a nova informação genética e seleção natural separa as melhorias dos efeitos
degenerativos.
Não erros acidentais cópia adicionar a informação genética complexa
necessária para transformar os micróbios em moluscos, ácaros, mangas,
magpies, ea humanidade? Você mudanças aleatórias para informações sem-
pre aumentar a quantidade de informação significativa?Quando um digita-
dor bate na tecla errada, faz o "erro de digitação" sempre adicionar mais sig-
nificado à informação que está sendo digitado? Não alterações aleatórias pa-
ra um programa de computador que nunca aumentar a funcionalidade do
programa?
Intuitivamente, nós nunca esperaria mudanças aleatórias para gerar in-
formações funcionais adicionais, mas isto é suposto ser o material de infor-
mação fantástica-criação no paradigma evolucionário.

343
Mas é a intuição suficiente? Já foram feitos estudos detalhados deste
problema publicada nos últimos anos, que mostram que a geração de novos
complexidade funcional por acidentes é tão improvável que isso nunca iria
acontecer, mesmo em bilhões de anos dos evolucionistas.6 Mutações causar
perda de informações, perda de complexidade não-funcional um aumento,
como a evolução requer.
Às vezes, a perda de complexidade / especificidade pode ser vantajoso,
por exemplo, a perda de asas em besouros descendentes de uma espécie de
besouros voadores soprado em uma ilha com muito vento. Nesta situação, o
vôo é um perigo para a saúde, como os besouros voadores pode ser soprado
para dentro do mar, por isso a perda de asas pode ser uma vantagem. Uma
mutação num dos genes que controlam a formação de asa poderia facilmen-
te causar perda de asas. Assim, uma tal mutação pode ser benéfica, mas é,
no entanto, umaperda de informações, o aumento não requer que a evolu-
ção.
A resistência aos antibióticos podem surgir devido à perda de informa-
ção genética. Por exemplo, o Staphylococcus resistência à penicilina aconte-
ceu por meio da perda de controlo sobre a produção de uma enzima que de-
compõe a penicilina. Isto resulta na sobre-produção da enzima, que é útil na
presença de antibiótico, mas sem esperança um desperdício de recursos
normalmente.
Outro mecanismo para a obtenção de resistência a antibióticos é a
aquisição de parcelas de genes de outros tipos de bactérias através de conju-
gação, um processo de acasalamento em bactérias. No entanto, não há ne-
nhuma nova funcionalidade complexa resultante de qualquer um desses
processos. Todos envolver perda de informações ou aquisição de outra coisa,
nem de que apoia a crença em cima progressão através da evolução.

Fazendo um lucro indo quebrou lentamente


Há também enormes problemas com as taxas de mutação necessária eo
custo de se livrar das mutações predominantes "maus" (que exige "a morte
dos inaptos"). Além disso, para um bom mutação para se fixar numa popu-
lação, todos aqueles indivíduos que não têm o novo traço devem mor-
rer. Quando estas considerações são combinadas com as baixas taxas de
reprodução de muitos animais, torna-se claro que não houve tempo suficien-

344
te (mesmo com escala de tempo dos evolucionistas) para esses animais para
evoluir. JBS Haldane, um dos formuladores da teoria moderna "neo-
darwinista", escreveu sobre estes problemas há muitos anos. Motoo Kimura
tentou resolver o problema com a teoria de mutação neutra, mas isto não
ajuda, porque não se livrar do custo de substituição-no momento em que
uma mutação neutra suposto torna-se benéfico através de uma alteração no
ambiente, os que não têm a mutação ainda tem que morrer para que ele se
torne fixo na população. 7

A seleção natural é um problema, também. Ele foi originalmente pro-


posta como um mecanismo conservador para capina os desajustados, os er-
ros, que ocorrem em um mundo caído. Darwin tentou transformá-la em uma
força criativa para fazer coisas novas. Mas, assim como mutações destruir
complexo, a informação genética codificada, seleção de modo natural tam-
bém elimina informação genética.
Se a população de animais tem indivíduos com vários comprimentos de
cabelo e as mudanças no ambiente de tal forma que fica extremamente frio,
os animais de pêlo curto vai morrer, apenas com a sobrevivência de cabelos
compridos. A população adaptada ao frio, mas perdeu a informação genética
para o cabelo curto.
Perda de informações ocorre com a seleção natural e seleção artificial,
ou criação de animais. Melhoristas de plantas procuram usar tipos selva-
gens em suas áreas de reprodução, porque nossas variedades altamente se-
lecionados faltam informações genéticas presentes em suas contrapartes sel-
vagens. Como alguém envolvido em plantas de reprodução, tais como lichia,
anonas, goiabas e ao longo dos anos, eu estava muito consciente disso.

E sobre semelhanças ("homologia")?


Não homologia mostra que estão relacionadas com os animais em um
"grande cadeia do ser"? Se assumirmos que a evolução deve ter ocorrido,
porque estamos aqui, então pode-se argumentar que as semelhanças são
evidências a favor da evolução.
No entanto, talvez as semelhanças estão lá por um motivo diferen-
te. Talvez eles existem porque existe um Criador comum que fez tudo.Além
disso, talvez o Criador fez as coisas com um padrão que se destina a nos di-
zer alguma coisa, ou seja, que só existe um Deus-Criador.Romanos 1:20 nos

345
diz que os atributos invisíveis de Deus são claramente evidentes no que Ele
tem feito, de modo que ninguém tem desculpa para alegando falta de conhe-
cimento. Se não houvesse semelhanças, e cada organismo foi totalmente di-
ferente de qualquer outro, podemos logicamente concluir que havia muitos
criadores, muitos deuses.
Curiosamente, os padrões de similaridade, na verdade, falar contra a
explicação evolutiva. Por exemplo, a toupeira marsupial ea toupeira da pla-
centa, eo rato marsupial eo mouse placentária, parecem incrivelmente seme-
lhantes. Mas isso não pode ser devido ao parentesco evolutivo porque, no
esquema evolutivo, o plano corporal marsupial eo plano corpo placentário
divergiram antes das toupeiras e ratos supostamente evoluiu. Assim, um ad
hoc "explicação" é oferecido para as semelhanças: eles só passou a se pare-
cem porque evoluíram em ambientes semelhantes - "evolução convergente".
A perna do cavalo é muito diferente da nossa, mas estamos ambos clas-
sificados como mamíferos placentários. Perna de um sapo é muito mais pa-
recido com o nosso, mas é um anfíbio, um longo caminho removida de nós.
Por quê? Bem, aqui é outra história ad hoc: a perna do cavalo evoluiu /
adaptado para uma forma diferente especializada para a execução, etc .; o
sapo e pernas humanos não mudaram muito desde a perna protótipo verte-
brados - é por isso que eles parecem tão similar.
Estes cenários não são ciência; eles são "apenas assim" histórias. A ne-
cessidade de as histórias surge porque os evolucionistas interpretam mal o
sistema de classificação hierárquica como um padrão evolutivo. O biólogo
molecular Dr. Michael Denton, como um não-criacionista, escrito isso em
seu clássico livro Evolution: A Theory in Crisis . 8

Assim, a vida não surgiu por processos naturais, nem poderia a grande
diversidade de vida surgiram através de processos naturais não inteligentes
(evolução). Tipos vivos foram criados por Deus, como diz a Bíblia. As plantas
foram criadas para reproduzir a sua espécie (Gênesis 1: 11-12 ), assim como
outros tipos de seres vivos. Vemos variação, mas é limitado. Cães / lobos /
chacais / coiotes-membros do lobo-tipo nunca vai se transformar em algo
diferente, basicamente, por qualquer processo natural, mais do que os toma-
tes de reprodução irá transformá-las em feijão. Deus criou as coisas com a
capacidade de se adaptar, para variar dentro de limites; caso contrário, não
teria sido capaz de "encher a terra." As mutações e seleção natural ocorrem

346
em nosso mundo decaído, mas eles não criam novos tipos básicos de orga-
nismos. Ultimamente, alguns evolucionistas estão começando a perceber is-
so:
Nós podemos examinar a variação natural em todos os níveis ... bem
como levantando a hipótese sobre os eventos em percevejos, ursos e bra-
quiópodes até que o planeta fique obsoleto, mas ainda só acabar com perce-
vejos, braquiópodes e ursos. Nenhum desses corpos planeja se transformar
em rotíferos, vermes, ou rincocelos. 9

Ciência tem "retornou a Deus" num sentido aqui, porque isso poderia
ser aprendido a partir da leitura Gênesis, capítulo 1.
Deus criou as coisas para mostrar que eles foram criados, para que pu-
déssemos adorá-Lo e não a criação.

Referências e notas
1. Michael J. Behe, A Caixa Preta de Darwin: O Desafio de Bioquímica Evo-
lução , The Free Press, New York, 1996.
2. Karl Popper, inacabada da Quest , Fontana-Collins, Glasgow, p. 151, de
1976.
3. A. Sedgwick, 1861, citado de Ronald W. Clark, The Survival of Charles
Darwin , Random House, New York, p. 139, 1984.
4. Discurso, Darwin Centennial, 1959.
5. William B. Provine, Origins Research, 16 (1/2), p. 9, 1994.
6. Lee Spetner, não por acaso , Judaica Press, Brooklyn, NY, 1997. Para
obter informações sobre conceitos de informação, ver Werner Gitt , No
Princípio Era da Informação , Christliche Literatur-Vertreitung, Biele-
feld, Alemanha, 1997.
7. Walter James ReMine, A Mensagem Biótica , São Paulo Ciência, St. Pa-
ul, MN, p. 208-253, 1993.
8. Michael Denton, Evolution: A Theory in Crisis , Burnett Books, Londres,
1985.
9. GLG Miklos, Surgimento de complexidades organizacionais Durante
Metazoan Evolução: Perspectivas da Biologia Molecular, Paleontologia e
Neo-darwinismo,Mem. Assoc. Australas. Palaeontols 15 , p. 25, 1993.

347
Oramos para que você estava realmente tocado por este livro. Espera-
mos que você possa compartilhar a sabedoria ea convicção desses cientistas
com todo mundo que você conhece.
Por favor ajude-nos a partilhar as suas palavras e seu amor pela Bíblia.

348