Você está na página 1de 25

I M AG E

M DA
- 2019

AUSÊN
EIXO . . BNETWORK
MAIS DE 3
BILHÕES DE
IMAGENS SÃO
COMPARTILHA-
DAS POR DIA
INTERNET TRENDS 2016 - CODE CONFERENCE MARY MEEKER
TRIGGER QUESTIONS

Nesse contexto de excesso,


velocidade e repetição, como
surgem as novas linguagens?

O que enxergam as pessoas


que estão traduzindo
o espírito do tempo em
imagens, com suas criações?

02
CONTEXT
Novas possibilidades estéticas não
-Bem Phyna

são mais apontadas exclusivamente


por artistas, veículos ou profissionais
da criatividade

+
Se antes era preciso que um editorial,
um filme, um desfile, uma campanha
ditassem apontassem novas
linguagens, a revolução do acesso
diluiu essa influência

=
Descentralizar o processo
-Estileras criativo, nesse novo território,
-Enrico Moscatelli
virou necessidade

03
X - RAY Começamos a explorar
maneiras de oxigenar
processos -criativos
e estratégicos.

Collabs, parcerias,
feats e outras formas de
co-criação se multiplicam.

A gente busca também


outros modelos de
relacionamento com
esses criadores (estamos
entendendo que aquele
baseado em agrado/
compensação já
não faz sentido)

04 -Mika Safro
Esses questionamentos foram o
ponto de partida do mapeamento
sobre criação visual conduzido
pela

05
< Imagem da Ausência >
6 meses de imersão
40 entrevistas
Mais de 90 nomes mapeados
Webpage do projeto

Filme de 18 min

Finger mag @estudio_eixo

07
< < cinco evidências > >
FLUIDEZ

< meios >

< ferramentas >


1 —
< formatos >
FLUIDEZ
< categorias >

< identidades>

< gênero>

É A LENTE PARA
NAVEGAR PELO MUNDO
DE
FLUIDEZ
“Usando diversos suportes como
“Somos um emaranhado ilustração, maquiagem e figurino
de refs, então ser original para fotografia, performance ou
depende da perspectiva vídeos. Desdobro minhas
de quem olha.” -Estileras
poéticas através desses
suportes sempre trazendo a
atenção para a ressignificação
de símbolos e objetos, usando
conceitos antagônicos como
androginismo, monstruosidade e
delicadeza, ou a manufatura do
corpo.” -Alma Negrot

“Meu trabalho? Acho que é uma


grande poligamia de ferramentas
criativas.” -Felipe Coutinho
-Estileras

“O mundo já se experimentou
em tudo.  Estamos na era
da criatividade. Em que se
pegam as coisas que existem
e as referências que existem
e se busca usá-las de novas
formas.” -Ikaro Kadoshi
-Ikaro Kadoshi -Gabriel Carnerio
AUSÊNCIA

< identificação >


2 — < representatividade >
IMAGEM DA AUSÊNCIA < recursos e ferramentas >

< tempo >

CRIAR A PARTIR
DA ESCASSEZ
DE
IMAGEM DA "Criar fora das grandes
estruturas é um desafio
grande, mas gera muita
AUSÊNCIA inteligência de produção
e experiência por conta
da complexidade de
formatos possíveis”
-Hudson Rodrigues
-Cena BXD

“Meu processo criativo se


baseia na experimentação,
mais por necessidade do que
-Aun Helden

querer, aprendi a ter um olhar


para o mundo de entender
"Creio que não é recomendável,
que tudo pode me atravessar
apesar de um bom material ser e eu posso atravessar tudo.”
fundamental, ter tudo o que
-Aun Helden
precisa em suas mãos antes de
realmente conhecer o seu próprio
processo. Sem improviso eu não
conseguiria descobrir lugares (na
arte de se montar) que são pouco
explorados” -Enrico Moscatelli
ERRO
< reação à assepsia digital
(geração pós-photoshop) >

< consequência da vida em
streaming (estética raw) >
< busca pelo real >
3 —
< poligamia de ferramentas >
ELOGIO AO ERRO
< glitch, vaporware, seapunk >
< lo-fi >
< pós-beleza: informação
para o autocuidado >
< ausência de acabamento >
< autoconhecimento
e autoaceitação >

ERRO
LEMBRETE DO HUMANO
"O desenvolvimento das redes sociais “O processo de criação se inicia em
coincidiu com o surgimento de sistemas uma ideia que posta em prática dá
de vigilância e supervisão. A fotografia muito errado, mas resulta em algo que
glitch reconhece essa mudança vou polindo até chegar a uma série de
AO ERRO paradigmática e entende que as falhas, imagens, vídeos, sons que transmitam
adulterações e subversões desses sistemas unidade." -Nave Mae
são eventos fotográficos no mesmo sentido
ELOGIO
de um momento na vida real.” -Sabato
Visconti

“Tento buscar o mais íntimo,


o real, o que tá dentro de
-Maquiadeira
todo mundo. Minha visão de
beleza é essa.” -Carla Biriba "Aceitando erros e rasgos,
entendendo que os efeitos que busco
não vão sair exatamente como
planejei mas vão resultar em um
novo caminho para mim.” -Estileras
-Sabato Visconti

“Pra mim maquiagem e cabelo é como


você quer se expressar para o mundo,
“O processo tem vários errinhos que
ocasionalmente ficam mais interessantes como você quer dar sua opinião,
do que a intenção original. É importante se posicionar. E acho que essa é uma
olhar pra esses acasos e incorporá-los em coisa muito nova socialmente. Poder criar
meus próximos trabalhos.“ -Pedro Pinho em cima disso.” -Carla Biriba
ESCAPE

< ansiedade crônica >

< #35mm >


4 —
< #filmisnotdead >
ESCAPE ANALÓGICO
< desejo por menos
controle e interferência >

< sem nostalgia:


noção cíclica do tempo >

REPENSAR A
RELAÇÃO COM O TEMPO
ESCAPE
ANALÓGICO
"Toda pesquisa que nasce no
Instagram cai na armadilha dos
algoritmos: aquela imagem foi
escolhida para aparecer para você.
É quase impossível sair do que
ESCAPE
todos estão vendo, escapar das
mesmas estéticas.” -Pedro Pinho

“Tenho repensado toda a forma


de fotografar desde que voltei a
usar também câmeras analógicas,
-Pedro Pinho
como a quantidade de cliques, não
ver as imagens na hora etc. São
“O Instagram é massa, todos exercícios que me fazem
mas revista é mais.” -Say My Name refletir sobre a minha relação com
imagens.” -Caio Ramalho

“Sem grandes teorias da


conspiração, me incomoda ficar
nessa lógica de mercado tão
simplista onde o Facebook e seus
processos vão ditar as minhas
influências. Museus, livros e
conversas são mais importantes.”
-Pedro Pinho
-Amanda Adászz
REF

< Consciência de
suas potências >

< Questionamento dos


formatos de colaboração >
5 —
< Remunerar é legitimar >
"NÃO SOU SUA REF"
< Relações baseadas
em trocas justas >

< Necessidade de
profissionalização
de processos >

EMPODERAMENTO
CRIATIVO
AUTORIA
"Tudo bem que vocês queiram
"Algumas mudanças no sistema vender isso. Mas desde que a
possibilitam que qualquer um possa
"NÃO SOU
gente seja curador, desde que
SUA REF" produzir imagens e apresentá-las
para o mundo. Isso facilita o acesso
e permite que eu veja pontos de
a gente esteja fazendo a
vista diferentes do meu. E é
direção, a produção, a criação
importantíssimo para que minorias disso”
tenham espaço de fala e retratem
suas próprias experiências em -Mika Safro

primeira pessoa.”
-Pedro Pinho

“A tendência a não pagarem o artista


em suas prestações de serviços por
estar começando e precisar de
“visibilidade”. -Enrico Moscatelli
-Beleza de Mika Safro

“O olhar para os corpos "estranhos", corpos LGBTQ+,


tá sendo uma tendência né? Chega a ser engraçado
pensar isso. Como as marcas têm investido mais na
gente, vendo que possivelmente somos geradores de
retorno monetário e criativo.” -Aun Helden
< < final thoughts > >
1. Criar surge não como impulso 4. Criar como resistência
ou “inspiração”, mas como
necessidade. 5. Esquece nicho: são
comportamentos, ideias
e identidades globais

CONVER-
GÊNCIAS
Seis aspectos comuns à maio-
ria das pessoas entrevistadas

2. Ecossistemas afetivos
são a principal fonte de
inspiração.

3. “Não há mais o que criar”:


ressignificação reina 6. O “não” como motor

20
TAKE
Entendê-los como autores de suas
próprias narrativas e encontrar
novas maneiras de criar em
conjunto é potencializar nossas

AWAY
audiências. Num momento em que
o único caminho possível para as
marcas é o posicionamento
transmitido por um diálogo real e
coerente (o silêncio simplesmente
não é mais opção), estar ao lado de
quem já explorou esse caminho é a
Ao retratar as próprias
certeza de estar construindo uma
experiências em primeira pessoa,
nova comunicação.
esses criadores estão contando
também as histórias de seus
pares. De seus e c ossistemas
afetivos, sociais, profissionais.

No fundo, a gente pode até não


concordar. Mas sabemos que não
imp or ta nosso background: o
mundo precisa de mais pontos de
vista e de mais conversas.

21
Image Makers powered by Colaboraram
Alma Negrot

Amanda Aazs Felipe Coutinho


Ana Giza Gabriel Carneiro
Ana Parisi Hudson Rodrigues

About The B Network Andre Dip Kleber Matheus


Andre Dip Laura Peres
A E I XO f a z p a r t e d a T h e B
Net work, re de de negó cios Andre Mattos Luciano Schmitz
in ovadores em c omunic aç ão,
c o n s u l t i n g, d ata , i nte ra ct i ve, Anna Boogie Maquiadeira
insights, UX/UI, mobile, influencers
Aun Helden Mauricio Ianês
e brand content. Sob o guarda-
c h u va d a B & Pa r t n e rs Ve nt u re Bem Phyna Mika Safro
Marketing, a Th e B Net work
também é composta pela Just A Caio Ramalho NVVE MVE
Little Data, consultoria em DDDM
Camila Yahn Pedro Pinho
(data driven decision making).
Sobre Carla Biriba Pedro Rocks
A Eixo atua na combinação de três Clarissa Ribeiro Pixado
abordagens: metodologias ágeis,
mapeamentos comportamentais e Cena BXD Rodrigo Tamassia
conteúdo para marcas purpose- Diego Gama Rude
driven. Por meio de sprints, live
research, curadoria e planejamento Enrico Moscatelli Sabato Visconti
de conteúdo, entre outros
formatos, a EIXO se dedica a ser Concepção e Curadoria Enantios Dromos Say My Name
interme diária entre marcas, Lulie Macedo e Catharina Rocha
Erika Palomino Vanessa Rozan
criadores independentes e
mercado consumidor, envolvendo Estileras Victor Miranda
mais a fundo o cliente nos Reportagem e Pesquisa
processos criativos. Giuliana Mesquita e Lulie Macedo Fat Dog Animations Vinicius Cole

21
Uma marca já foi uma empresa. Não é mais.
Uma marca é hoje catalisadora, emissora e
difusora de ideias. É (ou pode ser) agente de
transformação. Pode promover discussões.
Incentivar mudanças.

Marcas já foram criadas apenas para vender


produtos. Não mais. Espera-se que cumpram
seus objetivos como negócio, claro. Mas que
façam isso sem precisar recorrer a persuasão,
MANIF
convencimento, interrupção ou apropriação.
EIXO E s p e ra - s e c o nve rs a , t r o c a . I nf o r m a ç ã o,
serviço, coerência. Transparência. Sim, um
monte de buzzwords, mas o que é uma
buzzword senão uma palavra que de tanto ser
usada, quebrou?

A conexão entre marcas e pessoas também


está quebrada. E o conserto passa por um
caminho estreito, sem firulas e tão simples
quanto eficaz: verdade. Quais são as suas?
eixo.co

@ estudio_eixo

+ 55 11 97576-4056 

+ 55 11 98144-4445