Você está na página 1de 5

A separação entre a Matemática e a Física é um fenômeno muito recente na

história da ciência. Tanto a Física como a Matemática andavam juntas em trabalhos de


grandes matemáticos dos séculos XVIII e XIX. Somente nos primórdios do século XX
que a distinção entre matemática pura e ciências físicas ficou mais nítida, e o que hoje
vemos é a existência de dois universos quase que paralelos: De um lado, os matemáticos
trabalham em teorias cada vez mais abstratas, por outro lado, os físicos trabalham a
matemática como uma ferramenta teórica para modelar seus fenômenos, sem muita
preocupação com o rigor e a estrutura lógica da linguagem que eles utilizam.

A Física se desenvolve em função da necessidade do homem de conhecer o mundo


natural e controlar e reproduzir as forças da natureza em seu benefício. Pode-se traçar a
história da Física a partir do momento em que a humanidade começou a ver e analisar os
fenômenos naturais de modo racional, abandonando explicações místicas ou divinas. As
primeiras tentativas racionais de explicação da Natureza vieram com os indianos e com
os gregos antigos. A Filosofia Natural, como era conhecida a Física até tempos mais
modernos, confundia-se com a Química e com certos aspectos da Matemática e Biologia,
e pode ser considerada a disciplina acadêmica mais antiga, se for considerada a sua
presença dentro da Astronomia.

Após ter visto um momento de esplendor na Grécia Antiga, tendo como nome
principal Aristóteles, a Física entrou em declínio na Idade Média, tendo revivido apenas
durante o Renascimento, durante a Revolução Científica. Galileu Galilei é considerado o
primeiro Físico em seu sentido moderno, adotando a Matemática como ferramenta
principal. A Física teve uma notável evolução com Isaac Newton, que realizou a primeira
grande unificação da Física ao unir Céus e Terra sob as mesmas leis da Física, a gravitação
universal.

A física se divide em: Mecânica clássica; Mecânica quântica; Termodinâmica;


Relatividade e Eletromagnetismo.

A Mecânica clássica é a parte da física que analisa o movimento, as variações de


energia e as forças que atuam sobre um corpo. Mecânica quântica quer dizer quantidade,
esta palavra refere-se a uma unidade discreta que a teoria quântica atribui a certas
quantidades físicas, como a energia de um elétron contido num átomo em repouso. A
termodinâmica é o ramo da física que estuda as causas e os efeitos de mudanças na
temperatura, pressão e volume. A Relatividade e a teoria da relatividade surgem em duas
etapas e altera profundamente as noções de espaço e tempo. Enquanto a mecânica
quântica é resultado do trabalho de vários físicos e matemáticos, a Relatividade é fruto
exclusivo das pesquisas de Albert Einstein.

A Física estuda a matéria nos níveis molecular, atômico, nuclear e subnuclear.


Existem três tipos de radiação; alfa, beta e gama. Á radiação alfa é uma partícula formada
por um átomo de hélio com carga positiva. Radiação beta é também uma partícula, de
carga negativa, o elétron. A radiação gama é uma onda eletromagnética. As substâncias
radiativas emitem continuamente calor e têm a capacidade de ionizar o ar e torná-lo
condutor de corrente elétrica.

A "revolução" de Einstein torna popular a fórmula Física E= mc² (energia é igual


a massa vezes o quadrado da velocidade da luz). A equivalência entre massa e energia
permite explicar a combustão das estrelas e dar ao homem maior conhecimento sobre a
matéria. Um raio de luz proveniente de uma estrela distante parece sofrer uma alteração
de sua trajetória ao passar perto do Sol Em função da enorme massa do mesmo, o espaço
a sua volta está deformado. É como se ele estivesse "afundado". O raio apenas acompanha
esta curvatura, mas segue sua rota natural. E se a matéria encurva o espaço, é possível
admitir que todo o Universo é curvo.

A primeira teoria atômica começa na Grécia, no século V a.C. Leucipo, de Mileto,


e seu aluno Demócrito, de Abdera (460 a.C. - 370 a.C.), formulam as primeiras hipóteses
sobre os componentes essenciais da matéria. Segundo eles, o Universo é formado de
átomos e vácuo. Os átomos são infinitos e não podem ser cortados ou divididos. São
sólidos, mas de tamanho tão reduzido que não podem ser vistos, estão sempre se
movimentando no vácuo.

É com Aristóteles que a Física e as demais ciências ganham o maior impulso na


antiguidade. A ideia de Aristóteles sobre o Geocentrismo, descreve o cosmo como um
enorme (porém finito) círculo onde existem nove esferas concêntricas girando em torno
da Terra, que se mantêm imóvel no centro delas. Em 1510 Nicolau Copérnico diz pela
primeira vez que a Terra não é o centro do Universo e sim um entre outros tantos planetas
que giram em torno do Sol. A essa teoria leva o nome de Heliocentrismo - "Onde o centro
da Terra não é o centro do mundo (Universo) e sim o Sol. Essa ideia só se consolida
apenas um século depois com as descobertas telescópicas e a mecânica de Galileu Galilei
e as leis de movimentos dos planetas de Joannes Kepler.
Já a hidrostática, estudo do equilíbrio dos líquidos, é inaugurada por Arquimedes.
Diz a lenda que Hierão, rei de Siracusa, desafia Arquimedes a encontrar uma maneira de
verificar sem danificar o objeto, se era de ouro maciço uma coroa que havia
encomendado. Arquimedes soluciona o problema durante o banho. Percebe que a
quantidade de água deslocada quando entra na banheira é igual ao volume de seu corpo.
No palácio, mede então a quantidade de água que transborda de um recipiente cheio
quando nele mergulha sucessivamente o volume de um peso de ouro igual ao da coroa, o
volume de um peso de prata igual ao da coroa e a própria coroa. Este, sendo intermediário
aos outros dois, permite determinar a proporção de prata que fora misturada ao ouro.

Newton, um dos físicos mais brilhantes de sua época, realizou pesquisas sobre a
natureza da luz. Demonstra que, ao passar por um prisma, a luz branca se decompõe nas
cores básicas do espectro luminoso: vermelho, laranja, amarelo, verde, azul e violeta.
Desenvolveu leis básicas sobre mecânica - onde temos a Primeira lei - É a da inércia. Diz
que um objeto parado e um objeto em movimento tendem a se manter como estão a não
ser que uma força externa atue sobre eles. A Segunda lei - Diz que a força é proporcional
à massa do objeto e sua aceleração. E a Terceira lei - Diz que para toda ação há uma
reação equivalente e contrária. Newton, Também, mostrar estudos sobre a Gravitação
universal - observando uma maçã que cai de uma árvore do jardim de sua casa, ocorre a
ele a ideia de explicar o movimento dos planetas como uma queda. A força de atração
exercida pelo solo sobre a maçã poderia ser a mesma que faz a Lua "cair" continuamente
sobre a Terra.

HISTÓRIA DA MATEMÁTICA

Os pensadores da Grécia Clássica, ao racionalizar a compreensão de quantidades


e formas, estruturaram a matemática como modo de pensar. Ela, ao longo da história, teve
papel central na maneira como o homem entende o mundo o que induziu os gregos a tratá-
la como a essência do conhecimento. Os textos matemáticos mais arcaicos disponíveis
que nos são conhecidos são o Plimpton 322 (matemática babilônica, cerca de 1900 a.C.),
o Papiro Matemático de Rhind (matemática egípcia, cerca de 2000-1800 a.C.) e o Papiro
Matemático de Moscou (matemática egípcia, cerca de 1890 a.C.). Todos estes textos
versam sobre o então chamado Teorema de Pitágoras, que parece ser o progresso
matemático mais amplamente difundido depois da aritmética básica e da geometria.
O estudo da matemática como um tópico em si mesmo começa no século VI a.C.
com os pitagóricos, os quais cunharam o termo "matemática" significando, então, "tema
do esclarecimento". A matemática chinesa fez contribuições já muito cedo, incluindo o
sistema de notação posicional. O sistema numérico indo-arábico e as regras para o uso de
suas operações, atualmente em uso no mundo todo, foi provavelmente desenvolvido em
torno do ano 1000 d.C. Muitos textos gregos e árabes sobre matemática foram então
traduzidos ao latim, o que contribuiu com o desenvolvimento da matemática na Europa
medieval.

Estudos modernos da cognição animal mostraram que tais conceitos matemáticos


não são unicamente humanos. Eles teriam sido parte da vida cotidiana de sociedades de
indivíduos caçadores-coletores. Ademais, que o conceito de número tenha se
desenvolvido paulatinamente ao longo do tempo e datado de aproximadamente 35000
anos a.C. Também egípcios do período pré-dinástico reivindica-se que os monumentos
megalíticos presentes na Inglaterra e na Escócia, datados do terceiro milênio a.C.,
incorporam em suas formas ideias tais como a de círculo, a de elipse e os triplos
pitagóricos. A maioria das tábuas de argila datam de 1800 até 1600 a.C, e cobre tópicos
a quais incluem frações, álgebra, equações quadráticas e equações cúbicas além do
teorema de Pitágoras.

A geometria babilônica se relaciona intimamente com a mensuração pratica, de


exemplos práticos encontrados nas tábuas interfere-se que deviam estar familiarizados
com a área do triângulo retângulo e do triângulo isósceles (talvez a do triângulo genérico),
área do trapézio retângulo, volume do paralelepípedo retângulo e do volume do prisma
reto de base trapezoidal. Por volta de 2000 a.C. a aritmética babilônica já havia evoluído
para uma álgebra bem desenvolvida, já se resolviam equações quadráticas tanto pelo
método de substituição numa formula geral tanto pelo método de completar quadrados.

Muitos acreditam que a Matemática teve seu início com os egípcios e babilônios
a cerca de 2000 a.C., porém há registros matemáticos de mais de 35000 anos na África
Central. Antes da invenção dos números, os primeiros homens tinham que resolver
problemas cotidianos, tais como, medir, quantificar, comparar, classificar, entre outros.
Os povos que habitavam a África Central e que talharam o osso de Ishango podem ter
influenciado a matemática dos egípcios e do Oriente Médio
O Movimento da Matemática Moderna foi um movimento internacional do ensino
de matemática que surgiu na década de 1960 e se baseava na formalidade e no rigor dos
fundamentos da teoria dos conjuntos e da álgebra para o ensino e a aprendizagem de
Matemática. O Movimento da Matemática Moderna, desencadeado no Brasil,
especialmente em 1960 e 1970, provocou mudanças significativas nas práticas escolares.
No entanto, ainda não conhecemos o alcance e as implicações dessas mudanças nas
práticas pedagógicas de Matemática.

No início do século XX, já se percebia em muitos países uma preocupação por


parte de professores com o ensino de Matemática, esse fato se manifestou mais
intensamente durante o IV Congresso Internacional de Matemática, realizado em Roma
no ano de 1908, em que foi criada uma comissão internacional para analisar o ensino de
Matemática desenvolvido em diferentes países. Estava presente nesse congresso o
matemático Felix Klein que era um dos membros dessa comissão. Klein teve a
oportunidade de divulgar a experiência desenvolvida na Alemanha com a .Meraner
Reform., que serviu de referência para desencadear, quase 50 anos depois, o primeiro
projeto de internacionalização do ensino de Matemática, denominado de Movimento da
Matemática Moderna (MMM).

No final da década de 1950 e início de 1960, o ensino de Matemática em muitos


países absorveu o MMM, que pretendia aproximar a Matemática trabalhada na escola
básica com a Matemática produzida pelos pesquisadores da área. Para tanto, grupos de
estudo e de pesquisa foram criados em alguns países, com o objetivo de estudar, divulgar
e implantar a MM nas escolas.