Você está na página 1de 43

 A ARTE DE profetizando

profetizando
 WILLIAM PERKINS
PERKINS (1558-1602)
(1558-1602)
publicado pela primeira vez em latim 1592 e 1606 em Inglês

marcado por Lance George Marshall


grego e hebraico fontes utilizadas neste documento pode ser baixado em BibleWorks

Prefácio
Introdução
Capítulo 1 - A Arte de Profecia Capítulo 2 - A Palavra de Deus Capítulo 3 - O conteúdo
das Escrituras Capítulo 4 - A interpretação das Escrituras Capítulo 5 - Princípios para
Expondo Escritura Capítulo 6 - Justamente adulterando a palavra de Deus Capítulo 7 -
Use e Aplicação Capítulo 8 - Variedades de Aplicação Capítulo 9 - O uso da memória
Capítulo 10 - A pregação da Palavra Capítulo 11 - Público Oração Resumo
Prefácio

 As páginas que se seguem foram


f oram escritos por ministros fiéis do evangelho e para
todos os que estão preocupados
p reocupados com e buscar o conhecimento
conhecimento de aprendizagem santo.

 A preparação de sermões é uma tarefa cotidiana na igreja, mas ainda é uma


tremenda responsabilidade e de nenhuma maneira fácil. Na verdade, é duvidoso que há
um desafio mais difícil nas disciplinas teológicas do que a homilética. O assunto é
profecia, o que é um "maior presente" na verdade (cf. 1 Cor. 12:31),
Cor. 12:31), se nós pensamos
sobre a sua dignidade ou a sua utilidade.

 A dignidade do dom da pregação é como a de uma senhora ajudou a entrar e


levado junto a um carro, enquanto os outros dons de fala e aprendizagem se por como
servas, consciente de sua superioridade.

De acordo com esta dignidade, a pregação tem um valor duplo: (1) É fundamental
para reunir a igreja e que reúne todos os eleitos, (2) Ela afasta os lobos das dobras do
Senhor. A pregação é o  flexanima 
 flexanima  , o allurer da alma, pelo qual nossas mentes
obstinados são subjugados e mudou de um estilo de vida ímpio e pagão a uma vida de
fé e arrependimento cristão. É também a arma que abalou os alicerces da heresias
antigas, e também, mais recentemente cortado em pedaços os tendões do Anticristo.
Então, se alguém perguntar o que dom espiritual é o "mais excelente", sem dúvida, o
prêmio deve ser dado a profetizar.

 A melhor coisa é, mais que merece ser cuidadosamente apresentado com uma
grande variedade de advogado rico e sábio. Mas essa tarefa diária é frequentemente
descrito de uma forma pouco adequada e até mesmo pobre em comparação com a
atenção de outras disciplinas receber. Tenho, portanto, cuidadosamente estudado os
escritos dos teólogos, composto de uma série de regras e princípios de seu ensino, e
tentou explicá-las de uma forma que vai ser útil e fácil de lembrar.

 Agora estou cometendo estas reflexões sobre a pregação de impressão - a ser


aprovado se eles têm algum valor, a ser criticada e rejeitada se eles têm alguma
inadequações. Se você está convencido de este estilo de pregação, caminhe comigo, se
 você tem algumas dúvidas, informe-se comigo, se você começar a ver os pontos em que
 você se desviaram, volte para o caminho certo pra mim, se você ver que se afastaram,
me chame de volta para a estrada em que está. Sua apreciação de mim vai se tornar
desaprovação em breve se você não gosta de homens piedosos e moderados de espírito!
Mas se alguém tem queixas mesquinhas sobre estas páginas - alguns como eles são - a
Prefácio

 As páginas que se seguem foram


f oram escritos por ministros fiéis do evangelho e para
todos os que estão preocupados
p reocupados com e buscar o conhecimento
conhecimento de aprendizagem santo.

 A preparação de sermões é uma tarefa cotidiana na igreja, mas ainda é uma


tremenda responsabilidade e de nenhuma maneira fácil. Na verdade, é duvidoso que há
um desafio mais difícil nas disciplinas teológicas do que a homilética. O assunto é
profecia, o que é um "maior presente" na verdade (cf. 1 Cor. 12:31),
Cor. 12:31), se nós pensamos
sobre a sua dignidade ou a sua utilidade.

 A dignidade do dom da pregação é como a de uma senhora ajudou a entrar e


levado junto a um carro, enquanto os outros dons de fala e aprendizagem se por como
servas, consciente de sua superioridade.

De acordo com esta dignidade, a pregação tem um valor duplo: (1) É fundamental
para reunir a igreja e que reúne todos os eleitos, (2) Ela afasta os lobos das dobras do
Senhor. A pregação é o  flexanima 
 flexanima  , o allurer da alma, pelo qual nossas mentes
obstinados são subjugados e mudou de um estilo de vida ímpio e pagão a uma vida de
fé e arrependimento cristão. É também a arma que abalou os alicerces da heresias
antigas, e também, mais recentemente cortado em pedaços os tendões do Anticristo.
Então, se alguém perguntar o que dom espiritual é o "mais excelente", sem dúvida, o
prêmio deve ser dado a profetizar.

 A melhor coisa é, mais que merece ser cuidadosamente apresentado com uma
grande variedade de advogado rico e sábio. Mas essa tarefa diária é frequentemente
descrito de uma forma pouco adequada e até mesmo pobre em comparação com a
atenção de outras disciplinas receber. Tenho, portanto, cuidadosamente estudado os
escritos dos teólogos, composto de uma série de regras e princípios de seu ensino, e
tentou explicá-las de uma forma que vai ser útil e fácil de lembrar.

 Agora estou cometendo estas reflexões sobre a pregação de impressão - a ser


aprovado se eles têm algum valor, a ser criticada e rejeitada se eles têm alguma
inadequações. Se você está convencido de este estilo de pregação, caminhe comigo, se
 você tem algumas dúvidas, informe-se comigo, se você começar a ver os pontos em que
 você se desviaram, volte para o caminho certo pra mim, se você ver que se afastaram,
me chame de volta para a estrada em que está. Sua apreciação de mim vai se tornar
desaprovação em breve se você não gosta de homens piedosos e moderados de espírito!
Mas se alguém tem queixas mesquinhas sobre estas páginas - alguns como eles são - a
minha consciência é uma defesa forte o suficiente contra todas as críticas, porque a
minha única preocupação foi a de servir a igreja de Deus. Então, eu os entrego a ele, e
este pequeno livro sobre a arte de profetizar
pr ofetizar para você, assim como para ele.

 WILLIAM PERKINS
PERKINS
12 de dezembro de 1592

INTRODUÇÃO

O estudo da profecia envolve um compromisso da mente para adquirir a capacidade de


exercer a profecia corretamente.
corr etamente. Profecia (ou profetiza) é uma expressão solene pública
pelo profeta, relacionado com a adoração de Deus ea salvação de nossos vizinhos, como
as seguintes passagens indicam: "Mas o que profetiza fala edificação, exortação e
conforto para os homens" ( 1 Cor . 14:3).
. 14:3). 'Mas, se todos profetizarem, e um incrédulo ou
uma pessoa desinformada vem, ele está convencido por todos, ele é condenado por
todos "( 1 Coríntios. 14:24).
Coríntios. 14:24). "Porque Deus é minha testemunha, a quem sirvo em meu
espírito, no evangelho de seu Filho" ( Rom.
( Rom. 1:9).
 1:9).

I. A ARTE DE PROFECIA

Existem duas partes para a profecia: pregar a Palavra e oração pública. Para o
profeta (isto é, o ministro da Palavra) tem apenas duas funções. Uma delas é a pregação
da Palavra, ea outra está orando a Deus em nome do povo: "Tendo ... profecia, vamos
profetizar em proporção à nossa fé "(  Rm   Rm  0:06).; 'Restaurar a esposa do homem,
porque ele é profeta, e ele vai orar por vós e vivereis "( Gn 20:07)..
Gn 20:07).. Observe que nas
Escrituras a palavra "profecia" é usado de oração, bem como da pregação: "Os filhos de
 Asafe, de Hemã, e de Jedutum, para profetizarem com harpas, instrumentos de cordas,
e címbalos" ( 1 Crônicas 25.:
Crônicas 25.: 1); "Os profetas de Baal invocaram o nome de Baal, desde
a manhã até o meio-dia até ... E passado o meio dia, profetizaram eles até a hora de se
oferecer o sacrifício da tarde. . . ( 1 Reis 18:26,
Reis 18:26, 29). Assim, cada profeta [peço é para
falar, em parte, como a voz de Deus (na pregação) e, em parte, como a voz do povo (em
oração): "Se você tirar o precioso do vil, serás como a minha boca ' (  Jer .
 Jer . 15:19); "E
Esdras louvou o Senhor, o grande Deus. Então todo o povo respondeu: "Amém, amém!
'" ( Neemias
( Neemias . . 8:6).

Pregar a Palavra é profetizar em nome e em nome de Cristo. Através da pregação


os que ouvem são postas em estado de graça, e preservado no mesmo. Deus "nos deu o
ministério da reconciliação ... Agora, então, que somos embaixadores da parte de
Cristo, como se Deus estivesse pleiteando através de nós, nós vos suplicamos em nome
de Cristo, reconciliai-vos com Deus "( 2 Coríntios 5:18,
Coríntios 5:18, 20.); 'Deus desde o princípio
 vos escolheu para a salvação, pela santificação do Espírito e fé na verdade, para que Ele
te chamou pelo nosso evangelho '( 2 Tessalonicenses
Tessalonicenses 2:13, 14.); "O evangelho é o poder
de Deus para salvação de todo aquele que crê" (  Rom .
 Rom . 1:16); "Onde não há revelação o
povo se corrompe" ( Pv
(  Pv 29:18);.
 29:18);. "Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? E
como crerão naquele de quem não ouviram falar? E como ouvirão, se não há quem
pregue? " ( Rom
( Rom . . 10:14).

II. A PALAVRA DE DEUS

 A Palavra de Deus deve ser pregado, em sua perfeição e consistência interna.


Escritura é o assunto exclusivo da pregação, o único campo em que o pregador é de
trabalho. 'Eles têm Moisés e os profetas; ouçam-nos "( Lucas
"(  Lucas 16:29);
 16:29); "Os escribas e os
fariseus sentaram-se em Moisés assento [isto é, ensinar a doutrina de Moisés, que eles
confessam] Por isso que eles. dizer-lhe para observar que observar e fazer "(  Matt  .
23:2-3).

 A Palavra de Deus é a sabedoria de Deus que revela do céu a verdade que é


segundo a piedade. "Mas a sabedoria que vem do alto é, primeiramente, pura. . . (
Tiago 3:17);
Tiago 3:17); "Paulo, servo de Deus ... de acordo com a ... o reconhecimento da verdade
que é segundo a piedade "( Tito 1:1).
Tito 1:1). As qualidades excepcionais da Palavra, tanto na
sua natureza e seus efeitos, evocar a nossa admiração.

 A Natureza da Escritura
Escritura

 A excelência da natureza de escritura pode ser descrito em termos de perfeição, ou


pureza, ou a sua
su a eternidade.

Sua perfeição
Sua  perfeição consiste
 consiste quer em sua suficiência ou a sua pureza. Sua suficiência é
tal que, como a Palavra de Deus é tão completa que nada pode ser adicionado a ele ou
ou tomado a partir dele que pertence ao seu objeto próprio: "A lei do Senhor é perfeita e
restaura a alma" ( Sl 
( Sl  19.
 19. : 7); "Tudo o que eu te ordeno, observarás para fazer, você não
deve adicionar a ele, nem tirar dele" (  Dt  12:32);
 12:32); "Porque eu testifico a todo aquele que
ouve as palavras da profecia. deste livro: Se alguém lhes acrescentar alguma coisa, Deus
lhe acrescentará as pragas que estão escritas neste livro, e se alguém tirar qualquer
coisa das palavras do livro desta profecia, Deus tirará a sua parte do livro de Estilo de
 vida, da cidade santa, e das
das coisas que estão escritas neste
neste livro "( Ap
"( Ap . . 22:18-19).

 A pureza
 A pureza das
 das Escrituras reside no fato de que ele está completo em si mesmo, sem
que nenhum engano ou erro: "As palavras do Senhor são palavras puras, como prata
refinada em fornalha de barro, purificada sete vezes" ( Salmo
(  Salmo 12:06.
 12:06. ).

 A eternidade da
eternidade da Palavra é a sua qualidade de permanecer inviolável. Ele não pode
passar até que tudo comanda foi totalmente realizado ( Matt 
( Matt  . . 5:18).

Efeitos da Escritura

O carácter excepcional da influência das Escrituras encontra-se em duas coisas:

1. Seu poder de penetrar no espírito do homem: "Porque a palavra de Deus é viva e


eficaz, e mais cortante do que qualquer espada de dois gumes, e penetra até à divisão da
alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e
intenções do coração "( Heb . 4:12).

2. A sua capacidade de se ligar a consciência, isto é, para restringi-lo diante de


Deus ou para desculpar ou acusar-nos do pecado: "Não é um Legislador, que é capaz de
salvar e destruir" ( James 4:12); "O Senhor é nosso juiz, o Senhor é nosso legislador, o
Senhor é o nosso Rei, e Ele nos salvará "( Isaías 33:22)..

 A Palavra de Deus está nas Sagradas Escrituras. A Escritura é a Palavra de Deus


escrita em uma linguagem apropriada para a igreja por homens que foram
imediatamente chamados para serem os secretários ou secretários do Espírito Santo:
"Porque a profecia nunca foi produzida por vontade de homem algum, mas os homens
santos de Deus falaram como eles foram movidos pelo Espírito Santo "( 2 Pe  . 1:21).
Falamos nisso como canônico Escritura, porque é, por assim dizer, um cânone, isto é
uma regra ou linha utilizada por um operário mestre, com a ajuda de que a verdade é
descoberta pela primeira vez, e em seguida examinados: '. . . e todos quantos andarem
conforme esta regra "( Gal   . 6:16). Consequentemente, o supremo, a decisão final eo
 julgamento de todas as controvérsias na igreja deveria ser feita por ele.

 A soma ea substância da mensagem da Bíblia pode ser resumida em um


argumento (ou silogismo), como este:

 Premissa maior : o verdadeiro Messias deve ser ao mesmo tempo Deus e homem,
a partir da semente de Davi. Ele nascerá de seio de seu Pai celestial. Ele deve cumprir a
lei. Ele deve oferecer-se em sacrifício pelos pecados dos fiéis. Ele deve vencer a morte
pela morte e ressurreição. Ele subirá ao céu. No devido tempo, ele deve retornar para
 julgamento.

 Premissa menor  : Jesus de Nazaré, o filho de Maria, atende a todos esses


requisitos.

Conclusão : Portanto, Jesus é o verdadeiro Messias.

Neste silogismo a premissa maior é o escopo ou o principal fardo de os escritos de


todos os profetas. A premissa menor está contido nos escritos dos evangelistas e
apóstolos.

III. O CONTEÚDO DAS ESCRITURAS

 As Escrituras são divididos em Antigo e Novo Testamentos. O Antigo Testamento


é a primeira parte da Escritura. Escrito pelos profetas em hebraico (com algumas partes
em aramaico), é principalmente se desenrola a "velha aliança" de obras ("Moisés e os
profetas", Lucas 16:29). "E, começando por Moisés e todos os profetas, Ele expôs-lhes
em todas as Escrituras as coisas referentes a si mesmo" (  Lucas 24:27). Ele é dividido
em sessenta e seis livros que são ou histórico, doutrinal, profético ou na natureza.

 ANTIGO TESTAMENTO
Livros Históricos

Os livros históricos histórias recorde de coisas que aconteceram, que ilustram e


confirmam a doutrina que é exposta em outros livros: "Agora todas estas coisas
aconteceram a eles como exemplos e foram escritas para aviso nosso" ( 1 Coríntios
10:11. ); "Por tudo o que foram escritas antes foram escritas para nossa aprendizagem" (
 Rm 15:04).. Há quinze livros históricos:

1. Gênesis é uma história da criação, a queda, a primeira promessa de salvação, e


do estado da igreja preservados e mantidos dentro do contexto das famílias privadas.

2. Êxodo é a história da libertação dos israelitas dos egípcios. Ele descreve o êxodo,
a promulgação da lei, eo tabernáculo.

3. Levítico registra os regulamentos para a adoração cerimonial.

4. Números é uma história de atividade militar do povo na terra de Canaã.

5. Deuteronômio é um comentário que se repete e explica as leis encontradas nos


livros anteriores.

6. Josué descreve a entrada e posse da terra de Canaã sob Josué.

7.  juízes  fornece um histórico da condição corrupta e sem esperança da igreja e


comunidade de Israel desde os dias de Josué, até os de Eli.

8. Ruth dá conta dos casamentos e posteridade de Ruth.

9. I e II Samuel  registram eventos nos dias dos sacerdotes Eli e Samuel, e durante
os reinados de Saul e Davi.

10. I e II Reis narrar o que aconteceu nos dias dos reis de Israel e Judá.

11. I e II Crônicas contêm uma história metódica de início, aumento e da ruína do


povo de Israel, e ajudar a traçar e explicar a linhagem de Cristo.

12. Ezra contém uma história do retorno do povo do cativeiro na Babilônia, e do


início da restauração da cidade de Jerusalém.

13. Neemias descreve a restauração da cidade, que ainda permaneceu inacabado.

14. Esther é uma história da preservação da igreja judaica na Pérsia por meio da


ação de Ester.

15.  Job  é uma história que traça as causas de suas provações e seus diversos
conflitos, com o seu resultado, eventualmente, feliz.

Doutrinárias Livros
Os livros dogmáticos ou doutrinários são aqueles que ensinam e prescrever as
doutrinas da nossa teologia. Há quatro deles no Velho Testamento.

1. Salmos contém canções sagradas adequados para cada condição da igreja e seus


membros individuais, composto para ser cantado com graça no coração ( Col  . 3:16).

2.  Provérbios  serve como um manual de conduta cristã e nos ensina sobre a


piedade para com Deus, ea justiça para com o próximo.

3. Eclesiastes revela a vacuidade de todos os prazeres humanos na medida em que


eles são experientes além do temor de Deus.

4. Cântico dos Cânticos é uma descrição alegórica da relação entre Cristo ea Igreja,
em termos da relação entre um noivo e sua noiva (ou marido e mulher).

Livros proféticos

Os livros proféticos conter previsões, ou de juízos de Deus sobre os pecados do


povo ou da libertação da igreja, que seria finalmente concluída por ocasião da vinda de
Cristo. Estas previsões dos profetas são intercaladas com as chamadas para o
arrependimento. Eles quase sempre apontam para o consolo que seria encontrada em
Cristo por aqueles que se arrependem.

Era característico dos profetas para ajudar a memória ea compreensão de seus


ouvintes através da gravação de resumos de sermões que pregou em muito maior
extensão: "Além disso, o Senhor me disse:" Toma um grande rolo, e escreve nele com
caneta de homem '"(  Isaías 08:01).; 'Escreve a visão e torna bem legível sobre tábuas,
para que possa executar que lê-lo "( Hab 2:02)..

Os livros proféticos são geralmente descritos como 'Major' ou 'menor'. O registro


profetas 'Major' em detalhes as coisas que são preditas, que incluem as profecias de
 Isaías ,  Jeremias ,  Ezequiel e Daniel   . Incluem-se aqui também são  Lamentações de
 Jeremias que exprimem a miséria dos judeus sobre o momento da morte de Josias. Os
profetas do 'menores' lidar mais rapidamente ou com menos detalhes com coisas que
são preditos para o futuro, ou pelo menos com alguns deles. Estes são: Oséias , Joel ,
 Amós , Obadias , Jonas , Miquéias , Naum , Habacuque , Sofonias , Ageu , Zacarias e
 Malaquias .

Tanto é, então, para o Antigo Testamento.

O NOVO TESTAMENTO

O Novo Testamento é a segunda parte da Escritura. Seu conteúdo foi escrito em


grego pelos apóstolos, ou pelo menos foram aprovados por eles (cf. 'edificados sobre o
fundamento dos apóstolos e dos profetas ", Ef   . 2:20). Eles claramente expor o ensino
sobre o novo pacto. Peter aprovou o Evangelho de Marcos, em cuja instigação e
nomeação foi escrito por João Marcos, segundo a tradição da igreja primitiva. E João
Evangelista também aprovou o Evangelho de Lucas. A visão relatada por Eusébio que
dois lugares nas cartas de Paulo ( 2 Tm . 2:08 e  Rom . 02:16) sugerem que ele era o
autor do Evangelho que tem pouco peso. Nestes versos Paulo não está falando do
evangelho como um livro, mas de todo o seu ministério, uma vez que acrescenta, "para
que sofro como um malfeitor, até o ponto de cadeias" ( 2 Tm . 2:9) .

O Novo Testamento contém histórias e letras.

Histórias

1. Os quatro Evangelhos de Mateus ,  Marcos , Lucas e João conter a narrativa da


 vida, ações e ensinamentos que Cristo mostrou para o mundo, a partir do momento de
sua concepção até a sua ascensão ao céu. Destes quatro autores, dois eram ouvintes e
testemunhas, de modo que eles foram capazes de dar maior garantia da verdade da
história.

 A diferença entre os Evangelhos pode ser expressa da seguinte forma: Mateus dá


um relato claro das doutrinas que Cristo entregues. Mark estabelece a história
 brevemente, embora seu Evangelho não é um resumo do Evangelho de Mateus, como
pensava Jerome. Ele começa sua conta, de forma bem diferente, e prossegue em uma
ordem diferente, lidar com algumas coisas de forma mais geral e também entrelaçando
algum material novo. Lucas destinada a fornecer um histórico preciso, e descreve
eventos em uma determinada ordem. John é quase completamente dedicado à exibição
da divindade de Cristo e os benefícios que dela derivam.

Jerome distinguidos evangelistas uma da outra pelas suas diferentes abordagens.


Ele diz que Mateus é semelhante a um homem, porque ele começa com a humanidade
de Cristo, Marcos como um leão, porque ele começa com a pregação de João Batista,
que era como o rugido de um leão. Ele compara Lucas a um boi, porque ele começa com
Zacarias, o sacerdote que oferece o seu sacrifício. Ele compara a John uma águia,
porque ele sobe às alturas, por assim dizer, e começa com a divindade de Cristo.

2. Atos dos Apóstolos é uma história ordenada a gravação do trabalho de Pedro e


Paulo em particular, e ilustrando o governo da igreja primitiva (cf. 2 Tm . 3:10).

3. Apocalipse é uma história profética da condição da igreja a partir da idade em


que o apóstolo João viveu até o fim do mundo.

Cartas

Quanto às cartas, treze deles são de Paulo e abrange os seguintes temas:

1. Romanos: justificação, santificação, e os deveres da vida cristã.

2. I Coríntios: reformar abusos na igreja de Corinto.

3. II Coríntios: defesa de Paulo de si mesmo e de seu apostolado contra os seus


adversários.

4. Gálatas: a justificação pela fé sem as obras da lei.


. 5  Efésios  , 6.  Filipenses  , 7. Colossenses  , 8.  I Tessalonicenses  , 9.  II
Tessalonicenses : confirmar as igrejas na doutrina e nos deveres da vida cristã.

. 10 Timóteo , 11. II Timóteo : prescrever a forma de ordenar o corretamente igreja.

12. Tito : ordenar a igreja em Creta.

. 13 Filemon : a recepção do escravo fugitivo Onésimo.

 Hebreus trata da pessoa e ofícios de Cristo e descreve o caráter da fé que produz


frutos de boas obras.

 James expõe as boas obras que devem acompanhar a fé.

 I e II Pedro lidar com a santificação e as obras da nova obediência.

 João expõe os sinais de comunhão com Deus.

 II João foi escrito para "a senhora eleita" sobre perseverança na verdade.

 III John , dirigido ao Caio, é sobre a hospitalidade e constância no bem.

 Jude enfatiza constância na fé contra a influência dos falsos profetas.

Estes, então, são os livros que pertencem às Escrituras canônicas.

O cânon das Escrituras

Há fortes evidências de que esses livros só, e não outros, constituem a Palavra de
Deus. Um tipo de prova nos permite saber isso, o outro dá expressão a ela. Do primeiro
tipo só há um, ou seja, o testemunho interior do Espírito Santo falando nas Escrituras,
não apenas dizendo um indivíduo dentro de seu coração, mas também efetivamente
convencê-lo de que esses livros da Bíblia são a Palavra de Deus. "Meu Espírito que está
sobre ti, e as minhas palavras, que pus na tua boca, não se desviarão da tua boca ... a
partir deste momento e para sempre "( Isa . 59:21).

 A maneira em que estamos persuadidos é o seguinte. Os eleitos, tendo o Espírito


de Deus, em primeiro lugar discernir a voz de Cristo falando nas Escrituras. Além disso,
eles aprovam a voz que discernir e aprovar o que eles também acreditam. Finalmente,
acreditando que eles são (como se fosse) selados com o selo do Espírito. "Em quem
também, depois de ter crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa" (  Ef .
1:13).

 A igreja pode dar testemunho do cânon das Escrituras, mas não pode
interiormente nos convencer de sua autoridade. Se assim fosse a voz da igreja teria
mais força do que a voz de Deus, e todo o estado de salvação do homem seria
dependentes dos homens. O que poderia ser mais miserável do que isso?
Mais do que uma objeção foi levantada contra este ponto de vista da Igreja
Católica Romana:

Objeção 1 : A Escritura é a Palavra de Deus por si só, mas não é claro para nós que
isto é assim, exceto através do julgamento da igreja.

 Resposta . (I) Trata-se de um contraste irrelevante. Para a primeira parte mostra a


maneira em que a Escritura é a Palavra de Deus (isto é, por si só como soprada por
Deus), a última parte não mostra a maneira como , mas a pessoa a quem ela é a Palavra
de Deus.

(Ii) A própria Escritura atesta-se com o tipo de testemunho que é mais certo do
que todos os juramentos humanos. Pois temos a voz do Espírito Santo falando nas
Escrituras, que também trabalha em nossos corações uma convicção plena de sua
inspiração, quando estamos envolvidos em ouvir, ler e meditar sobre eles. Nós não
acreditamos que alguma coisa, porque a Igreja diz que é para ser acreditado, mas sim
porque acreditamos que o que a igreja diz que tem, antes de tudo foi dito pela Escritura.

Por uma questão de fato, a Igreja não pode ficar, ou a sua existência ser
imaginado, além da fé, e fé não existe para além do Word. Ele sozinho é a regra ou
objeto de fé, não o juízo de meros homens, mesmo dos homens mais santos.

(Iii) A pessoa que duvida das Escrituras também vai duvidar do testemunho da
igreja.

Objeção 2  : A igreja tem um papel próprio a desempenhar no exercício de


 julgamento na determinação tais assuntos. Assim, a carta que foi enviada a partir do
conselho especial de apóstolos e anciãos em Jerusalém foi formulada nos seguintes
termos: "pareceu bem ao Espírito Santo ea nós" ( Atos 15:28).

 Resposta : (i) O juízo soberano ou supremo em matéria de fé é a prerrogativa do


Espírito Santo falando nas Escrituras. O ministério do juízo (ou um julgamento
ministerial) é dado à igreja só porque ela deve julgar de acordo com as Escrituras.
Porque ela nem sempre faz isso, ela às vezes falha.

(Ii) Os apóstolos estavam presentes no Concílio que se realizou em Jerusalém. Eles


eram homens cuja autoridade era para ser acreditado em si. Mas o ministério da igreja
 já não possui essa autoridade imediata.

 Assim, a prova da declaração ou testemunho que a Igreja dá a Escritura não


demonstrar ou persuadir-nos de que é a Palavra de Deus. Isso só comprova a ele e de
 várias maneiras aprova o verdadeiro cânone. No entanto, esta prova é multi-facetada:

Primeiro, há o consentimento perpétua da igreja com as Escrituras. Isso começa


com os crentes em período do Antigo Testamento: a eles foram cometidos "os oráculos
de Deus" ( Rm 3:02).. Ele continua no Novo Testamento e na igreja:

(A) A partir de Cristo e dos apóstolos, que citaram depoimentos de esses livros;
(B) A partir dos Padres: Orígenes, Melito de Sardes, Atanásio, Cirilo, Cipriano,
Rufino, Hilário, Jerônimo, Epifânio, Gregory, e assim por diante.

(C) A partir dos Concílios de Nicéia e Laodicéia.

Em segundo lugar, há o consentimento parcial dos pensadores pagãos e até


mesmo inimigos da fé que dizem as mesmas coisas que são ensinadas nas Sagradas
Escrituras, os homens, como Homero, Platão, Josephus, Lactâncio, Cícero, Virgílio,
Suetônio, Tácito e Plínio podem ser incluídos aqui.

Em terceiro lugar, há a antiguidade do Word. Ele contém um registro da história


humana desde o princípio do mundo. Em contrapartida, as mais antigas histórias
seculares não foram escritos antes da época de Esdras e Neemias, que viveu no século V
antes de Cristo.

Em quarto lugar, a origem da Escritura é confirmado pelo cumprimento de tais


profecias como o chamado dos gentios, do Anticristo e da apostasia dos judeus.

Em quinto lugar, há a substância do ensino da Escritura: o único Deus verdadeiro,


a verdadeira adoração de Deus, a verdade de que Deus é o Salvador.

Em sexto lugar, a harmonia de todas as diferentes partes das Escrituras.

Em sétimo lugar, a maneira notável em que as Escrituras foram preservadas


através de todos os períodos de perigo e os tempos de revolta geral a igreja tem
experimentado.

Em oitavo lugar, o efeito das Escrituras: ele converte as pessoas, e até mesmo,
embora seja completamente contrária ao seu pensamento e os desejos, ganha-los para
si mesmo.

 Agilidade, a simplicidade de suas palavras, que estão cheios da majestade de Deus.

Por fim, os autores sagrados não evitou a gravar sua própria corrupção, ainda
Moisés elogia a si mesmo, dizendo que ele era o mais manso de todos os homens. Que
ele faz as duas coisas é mais um argumento para acreditar que esses escritores foram
guiados pelo Espírito Santo. Cristo, que é descrito nos Evangelhos, afirma claramente a
ser o Filho de Deus, e um com Deus, o Pai. Ele dirige toda glória de Deus para si
mesmo. Se este pedido não estava certo e verdadeiro, Cristo teria sentido a ira de Deus
como Adão e Herodes fez, quando eles tentaram fazer-se semelhante a Deus. Mas o
que, de fato, aconteceu foi que Deus vingou sua morte sobre Herodes e sobre os judeus
e sobre Pilatos, e sobre aqueles imperadores que perseguiram a igreja.

Estes, então, são os sinais da origem divina das Escrituras. À luz dessas
considerações, é evidente que o livro de Tobias, a Oração de Manassés, o Livro de
Judite, o Livro de Baruch, a Epístola de Jeremias, as adições ao Daniel, o terceiro e
quarto livros de Esdras, as adições o Livro de Ester, I e II Macabeus, o Livro da
Sabedoria, e Eclesiástico, não estão a ser considerada parte do cânone, pelas seguintes
razões:
1. Eles não foram escritos pelos profetas.

2. Eles não foram escritos em hebraico.

3. No Novo Testamento, nem Cristo nem os apóstolos apelar para o testemunho


desses livros.

4. Eles incluem os falsos ensinos que é contrário às Escrituras.

IV. A interpretação da Escritura

 Até agora temos discutido o objeto da pregação. Existem duas partes para isso: a
preparação do sermão, ea pregação dele. Aqui as palavras do Senhor são relevantes:
'Então Ele lhes disse: "Por isso, todo escriba, que é instruído acerca do reino dos céus é
semelhante a um pai de família, que tira do seu tesouro coisas novas e velhas"' (  Matt 
13.: 52).

PREPARAÇÃO

Em preparação deve haver estudo particular cuidado. Várias escrituras sublinhar o


seguinte: "Até à minha chegada, aplica-te à leitura, à exortação, ao ensino" ( 1 Tm .
4:13); "É esta salvação os profetas inquiriram e cuidado, que profetizaram da graça que
 viria para vós "( 1 Pe 1:10.); "No primeiro ano do seu reinado, eu, Daniel, entendi pelos
livros que o número de anos" (  Dan  9:02.). Em relação ao estudo da divindade, o
seguinte conselho deve ser seguido.

Em primeiro lugar, fixar claramente em sua mente e memória a soma ea


substância da doutrina bíblica, com suas definições, divisões e explicações.

Em segundo lugar, ler as Escrituras na seguinte ordem. Usando a análise


gramatical, retórica e lógica, e os estudos complementares relevantes, ler a carta de
Paulo aos Romanos, antes de tudo. Depois disso, o Evangelho de João. Estas são as
chaves para o Novo Testamento. Depois disso, os outros livros do Novo Testamento
será mais facilmente compreendido.

Quando tiver concluído este, estudar os livros doutrinários do Antigo Testamento,


especialmente os Salmos; então os livros proféticos, especialmente Isaías. Por fim, os
livros históricos, especialmente Gênesis. É muito provável que os apóstolos e
evangelistas ler Isaías e os Salmos um grande negócio, uma vez que nenhum outro livro
do Antigo Testamento são tão freqüentemente citado no Novo Testamento, uma vez
que estes são (cerca de sessenta passagens tanto Isaías e os Salmos).

Em terceiro lugar, temos de começar a ajuda de escritores cristãos ortodoxos, não


só dos tempos modernos, mas também a partir da antiga igreja. Para Satanás levanta
heresias antigas de entre os mortos, a fim de retardar a restauração da igreja, que
começou em nosso próprio tempo. Os antitrinitarianos simplesmente ter pintado uma
nova camada de verniz sobre as opiniões de Ário e Sabélio. Os radicais anabatistas
repetir as doutrinas dos essênios, cátaros, entusiastas, e donatistas. Os Swenkfeldians
reviver os pontos de vista Eutychians, entusiastas e outros. Menno segue os ebionitas,
eo Catolicismo Romano lembra os fariseus, Encratites, Tatians e pelagianos. The
Libertines repetir os pontos de vista dos gnósticos e carpocracianos. Servet reavivou as
heresias de Paulo de Samósata, Ário, Eutiques, Marcião e Apolinário. Por fim, os
cismáticos que se separam de igrejas evangélicas reviver as opiniões, fatos e modas
atribuídos por Cipriano para Pupianus e dos Audians e donatistas.

Nós não precisamos de olhar para qualquer nova forma de rejeitar e refutar essas
heresias; os antigos encontrados nos Conselhos e os pais são bem testado e ainda
confiável.

Em quarto lugar, qualquer coisa que você se deparar em seus estudos que é
importante e digno de nota deve ser registrada em tabelas ou livros comuns, de modo
que você tem tanto material antigo e novo na mão.

Em quinto lugar, e mais importante de tudo, devemos sinceramente pedir a Deus


em oração para abrir os olhos dos cegos ao significado das Escrituras: "Abra os meus
olhos, para que eu veja as maravilhas da tua lei" ( Salmos 119:18).; "Aconselho-te que
de mim compres ouro refinado no fogo ... e ungir os olhos com colírio, para que vejas "(
 Apocalipse . 3:18).

Livros banais

Em conexão com a compor livros comuns, aqui estão alguns conselhos práticos:

1. Faça uma lista dos títulos mais comuns de todos os pontos de doutrina.

2. Divida as páginas à direita de seu livro em colunas ou partes iguais


longitudinalmente. Chefe de cada uma dessas páginas com um tema importante,
deixando a próxima página em branco, de modo que o espaço extra pode estar
disponível.

3. Não tente gravar tudo o que você leu em um livro, mas apenas coisas que são
memoráveis ou incomum. Não escrever citações, mas apenas os principais pontos com
referências apropriadas. Faça uma nota no próprio livro também, de modo que você
será capaz de encontrar o lugar referido no seu livro de lugar-comum.

4. Algumas coisas podem ser mais difíceis do que outros para catalogar com
precisão. Você deve, portanto, adicionar uma tabela alfabética para ajudar você a
mudar-los facilmente.

5. Não confie demais em seu livro. Não há nenhum ponto em escrever as coisas a
menos que sejam cuidadosamente escondido em sua memória também.

Preparação tem duas partes: a interpretação do significado da passagem, ea


divisão adequada do mesmo para exposição ordenada.

Interpretação
 A interpretação é a abertura das palavras e declarações das Escrituras, a fim de
trazer para fora o seu, sentido pleno e natural único.

Em contraste com esta abordagem, a Igreja de Roma acredita que passagens das
Escrituras têm quatro sentidos: o literal, o alegórico, o tropológico e anagógico. Uma
ilustração disso pode ser encontrada na forma como a figura de Melquisedeque é
compreendido. Ele ofereceu pão e vinho a Abraão ( Gn . 14:18). O sentido literal é que o
rei de Salém, com a comida que ele trouxe, atualizado os soldados de Abraão, que
estava cansado após a sua viagem. O sentido alegórico é que o sacerdote oferece a
Cristo na missa. O sentido tropológico é que estamos a dar aos pobres. O sentido
anagógico é que Cristo que está no céu será o pão da vida para os fiéis.

Este padrão de quatro vezes o significado das Escrituras devem ser rejeitadas e
destruídas. Escritura tem apenas um sentido, o literal. Uma alegoria é apenas uma
maneira diferente de expressar o mesmo significado. O anagogia e tropologia são
formas de aplicar o sentido da passagem.

O principal intérprete das Escrituras é o Espírito Santo. A pessoa que faz a lei é o
melhor eo maior interprete. O meio supremo e absoluto para a interpretação é a
própria Escritura: "Assim leram claramente a partir do livro, na Lei de Deus, e eles
deram o sentido, e ajudou-os a compreender a leitura" ( Neemias 8:08)..

Há, no entanto, três meios subordinados para nos ajudar a interpretar uma
passagem da Escritura: a analogia da fé, as circunstâncias da passagem particular, e
comparação com outras passagens.

 A analogia da fé é um resumo das Escrituras, retirados de suas peças bem


conhecidas e claras. Existem dois elementos na mesma. A primeira está relacionada
com a fé, que é tratado no Credo dos Apóstolos. A segunda preocupação de caridade ou
amor, que é exposta nos Dez Mandamentos. "Mantém o padrão das sãs palavras que
 você ouviu de mim, na fé e no amor que há em Cristo Jesus" ( 2 Tm . 1:13).

 As circunstâncias de uma passagem pode ser esclarecida pelos seguintes perguntas
simples: Quem está falando? Para quem? Em que ocasião? Em que momento? Em que
lugar? Para quê? O que vem antes? O que se segue?

Uma comparação das diferentes passagens envolve comparando-os uns com os


outros de modo a que o seu significado seja claro. "Mas Saul ... confundia os judeus que
habitavam em Damasco, provando [ou seja, comparando uma coisa com outra] que
este Jesus é o Cristo "( Atos 9:22).

Comparando diferentes passagens podem envolver duas coisas:

1. A primeira consiste em comparar uma declaração em um contexto com os


outros lugares onde ele aparece na Escritura. Por exemplo: "Engorda o coração deste
povo sem graça, e com os ouvidos, e fecha-lhe os olhos; Para que não vejam com os
olhos, E ouçam com os ouvidos, e entenda com o coração, e voltar e ser curado" (  Isa .
6:10). Isso é repetido seis vezes no Novo Testamento (  Mateus 13:14;. Marcos 04:12;
 Lucas 08:10; João 0:40; Atos 28:27; Rom . 11:8).
Quando os textos são repetidas como esta que muitas vezes contêm alterações por
 várias razões. Os exemplos incluem:

(I) exegético: para clarificar a sua exposição. Os exemplos incluem:

Salmo 78:2 citado em Mateus 13:35


Salmo 78:24 citado em João 06:31
Isaías 28:16 citado em Romanos 9:33
Salmo 110:1 citado em 1 Coríntios 15:25
Salmo 116:10 citado em 2 Coríntios 4 : 13
Gênesis 13:15 citado em Gálatas 3:16.

(Ii) Diacritical, para distinguir, indicar ou esclarecer lugares, tempos e pessoas,


como por exemplo, na citação de Miquéias 5:2 em Mateus 02:06.

(Iii) Para limitar o sentido de uma passagem para a intenção original e significado
do Espírito Santo. Exemplos podem ser encontrados em:

Deuteronômio 06:13 em Mateus 4:10


Isaías 29:13 em Mateus 15:08
Gênesis 2:24 em Mateus 19:5
Isaías 59:20 em Romanos 11:26.

(Iv) Para a aplicação, de modo que um tipo pode estar relacionado com o seu
cumprimento, do geral para o especial, e vice-versa. Os exemplos incluem:

Jonas 1:17 em Mateus 12:40


Isaías 61:1 em Lucas 4:18
Salmo 22:18 em João 19:28
Êxodo 12:46 em João 19:33
Salmos 69:25 em Atos 01:20.

(V) Por uma questão de brevidade, algumas coisas podem ser omitidos. Omissão
também pode ocorrer porque as palavras não são apropriados para o assunto em mãos.
Um exemplo disso é o uso de Zacarias 9:9 em Mateus 21:05.

2. O segundo tipo de comparação envolve comparar um com outro contexto. Mais


uma vez que estes podem ser iguais ou diferentes. Locais que são semelhantes
concordar um com o outro, em certos aspectos, talvez em sua fraseologia e forma de
expressão, ou em seu sentido.

Locais que concordam com relação a fraseologia incluem:

Gênesis 28:12 e João 1:51


Gênesis 3:15 e Romanos 16:20
Gênesis 08:21 e Efésios 5:02.

Concordâncias grego e hebraico ser muito útil para rastrear exemplos deste tipo.
Locais que concordam em sentido são aqueles que têm o mesmo significado. Sob
este título, devemos notar especialmente a comparação de um princípio geral com uma
ilustração especial dele. Por exemplo:

Provérbios 28:13 e Salmo 32:3, 4


2 Samuel 15:25 e 1 Pedro 5:6.

Tanto para lugares que são semelhantes. Locais que são diferentes uns dos outros,
aparentemente, não concorda com o outro, seja na fraseologia ou significado. Por
exemplo:

Romanos 3:28 e Tiago 2:24


1 Reis 09:28 e 2 Crônicas 8:18
 Atos 7:14 e Gênesis 46:27
 Atos 7:16 e Gênesis 48:22
Zacarias 11:13 e Mateus 27:9.

 V. PRINCÍPIOS DE ESCRITURA expondo

 As Escrituras devem ser interpretadas de acordo com a natureza da passagem que
está sendo manipulado. Estes podem ser classificados como analógico e simples, ou
enigmática e escura.

 Lugares analógicos  são aqueles cujo significado aparente é claramente


consistente com a analogia da fé. Aqui esta regra é para ser seguido: se o sentido
natural das palavras está de acordo com as circunstâncias da passagem, então o
significado natural é o sentido próprio. Por exemplo: "Dele todos os profetas dão
testemunho de que, por meio de seu nome, todo aquele que nele crê receberá a
remissão dos pecados" (  Atos 10:43). O significado deste texto é muito claro, ou seja,
que Jesus Cristo dá a justiça ea vida eterna para aqueles que acreditam nele. Nós
podemos aceitar essa interpretação imediatamente porque ele está de acordo com a
analogia da fé, e com as Escrituras.

Devemos continuar a perceber que cada artigo e doutrina que está relacionada
com a fé ea vida e necessário para a salvação é claramente indicado nas Escrituras.

 Passagens Cryptic ou ocultas são aquelas que são difíceis e obscuras. Para expor-
lhes esta regra e guia deve ser seguido: se o sentido natural das palavras, obviamente,
discorda ou a analogia da fé ou partes muito claras da Escritura, então um outro
significado, um que está de acordo com os lugares tanto semelhantes e diferentes, com
as circunstâncias e palavras da passagem, e com a natureza do que está sendo
discutido, deve ser o caminho certo.

Um exemplo importante deste princípio surge à interpretação das palavras: "Isto é


o meu corpo que é dado por vós" ( 1 Cor . 11:24). Várias interpretações foram dadas a
esta afirmação incluindo: que o pão na comunhão é realmente o corpo de Cristo,
tornando-se por isso, de conversão (a visão católica romana), ou que o corpo de Cristo
está em, sob, ou com o pão ( o ponto de vista luterano). Mas, para expor estas palavras
em qualquer sentido seria a discordar um artigo fundamental da fé: Cristo subiu ao céu
", e também com a natureza do sacramento, como um memorial do corpo ausente de
Cristo. Consequentemente outra interpretação deve ser buscada.

Uma interpretação diferente é que, neste contexto, o pão é um sinal do corpo.


Neste caso, está sendo empregada a figura de linguagem conhecida como metonímia - o
nome de uma coisa é usado para outra coisa que está relacionado a ele. Esta é uma
exposição adequada às seguintes razões:

Primeiro de tudo, ele concorda com a analogia da fé de duas maneiras:

1. "Ele subiu ao céu ', ele foi levado para cima localmente e visivelmente da terra ao
céu. Consequentemente o seu corpo não está a ser recebido com a boca na comunhão,
mas pela fé apreendê-la no céu.

2. Ele foi "nascido da virgem Maria", Cristo tinha um verdadeiro e natural do


corpo, que era longo, largo, grosso e sentado e circunscrito em um lugar particular. Se
isto é assim, o pão na Ceia não pode ser seu corpo real, mas deve ser apenas um sinal
ou promessa dele.

Em segundo lugar, esta interpretação é consistente com as circunstâncias descritas


na passagem ( 1 Cor . 11:23-26).

1. "Ele levou ... Ele quebrou. " É pouco provável que Cristo sentado entre os seus
discípulos tomaram e quebrou o seu próprio corpo, com as mãos! Pão deve, portanto,
ser mais do que um sinal e selo.

2. '. . . quebrado [ou dado] para você. ' O pão não pode ser dito para ser dado para
nós, o corpo de Cristo foi. Portanto, o pão não é propriamente o corpo, mas é tão
simbolicamente ou como um sinal.

3. "O cálice é a nova aliança", não literalmente, mas por metonímia. Como este é o
caso, não há nenhuma razão por que, em seguida, a metonímia não é também usado
nas palavras: "Isto é o meu corpo."

4. O próprio Cristo comeu o pão, mas ele não comer a si mesmo!

5. "Fazei isto em memória de mim. ' Estas palavras assumem que Cristo não é
corporalmente presente na boca, mas espiritualmente presente à fé do coração.

6. 'Até que Ele venha. " Estas palavras assumem que Cristo está ausente quanto ao
seu corpo.

7. Cristo não falou sobre estar sob a forma de pão, ou no pão; '. É o meu corpo, ele
disse,' Isso [que é "este pão] '
Em terceiro lugar, esta interpretação é consistente com a natureza de um
sacramento, no qual deve haver uma relação de semelhança e adequado entre o sinal ea
coisa significada. Mas isso é impossível se o pão é literalmente o corpo.

Em quarto lugar, esta interpretação é consistente com outro uso bíblico (por
exemplo, Gen 17:10, 11;. 1Co . 10:4; Rom . 4:11; Êxodo . 00:11; Atos 22:16; João 6:35; 1
Cor . 10:16).

Em quinto lugar, está de acordo com as leis da lógica. Coisas que são
essencialmente diferentes (como o pão e um corpo) não pode ser identificado, desta
forma, exceto por uma figura de linguagem.

Em sexto lugar, esta interpretação está em sintonia com a fala cotidiana. No


mundo antigo, os fasces (o feixe de varas que foram realizadas antes de magistrados
romanos) foram utilizados como um símbolo para o próprio governo, o cetro para o
reino, o vestido para a paz, a guirlanda de louros para triunfo. Para falar do pão como o
corpo de Cristo é uma figura semelhante de expressão.

Uma série de implicações importantes para interpretar as Escrituras seguir essa


regra de interpretação.

Implicações

1. Na ocasião, é conveniente fornecer palavras que faltam no texto onde isso é


consistente com a analogia da fé e com as circunstâncias e as palavras do contexto.

Exemplos disso podem ser encontrados em Êxodo 04:25, 19:04, 2 Samuel 21:16,
Lucas 13:09, 1 Coríntios 9:25.

2. Se uma explicação alternativa do texto envolve a alteração de um substantivo


(ou nome) para uma outra, esta é uma indicação de que uma figura de linguagem está
sendo empregado. Alguns princípios gerais para a orientação pode ser útil aqui:

(I) O antropomorfismo é um uso metafórico da linguagem, em que o que é


apropriado para o homem é usado para descrever Deus. Assim, por exemplo, a "alma"
de Deus indica a sua vida ou essência: «não me vingarei de uma nação como esta?" (
 Jer . 5:29, Bíblia de Genebra ). 'Head' denota sua superioridade: "a cabeça de Cristo é
Deus" ( 1 Co 11:03).. "Face" de Deus refere-se a seu favor ou a sua raiva: "Você escondeu
seu rosto, e fiquei perturbado" (  Salmos 30:7).; 'A face do Senhor está contra os que
fazem o mal "( Salmo 34:16. ). As referências a seus "olhos" geralmente indicam a sua
graça e providência: "Os olhos do Senhor estão sobre os justos" (  Sl   34:15).. A "menina
dos olhos" significa algo especialmente caro a ele: 'aquele que tocar em vós toca na
menina do seu olho "(  Zc  02:08).. Uma referência para seus ouvidos normalmente
indica a audição de nossas orações. De forma semelhante, as narinas representar a sua
indignação, com as mãos representam o seu poder e proteção, com o braço por sua
força e coragem, a sua mão direita para a sua autoridade suprema, o seu dedo para a
 virtude, seu pé para o governo e pode (por exemplo,  Sl   . 110:1), seu cheiro por sua
aceitação de alguma coisa: 'e que o Senhor sentiu o suave cheiro "( Gn  8:21)..
 Arrependimento é utilizado para a mudança de coisas e ações que Deus executa.
(Ii) língua Sacramental, ou mais propriamente metonímia sacramental, envolve o
sinal a ser utilizado para designar o que ela significa e vice-versa. Assim, por exemplo, a
árvore do conhecimento do bem e do mal significa a árvore que é um sinal destes. Da
mesma forma, a circuncisão é chamado tanto a aliança eo sinal do pacto ( Gen . 17:10,
11). Abraão chamou o lugar no Monte Moriá, onde ele estava prestes a sacrificar Isaque,
quando Deus o parou (eo carneiro ele encontrou preso em um matagal foi sacrificado
em seu lugar) "Jeová-Jiré" significado "O Senhor vai ver ou fornecer." O lugar tornou-
se um sinal de que o Senhor iria fazê-lo ( Gen . 22:14). A pedra que Jacob tinha usado
como travesseiro a noite ele sonhou com a escada que estendeu a mão para o céu é
chamado de Betel, "casa de Deus" ( Gen . 28:22). O sinal é identificado com o que ela
significa. Da mesma forma o cordeiro pascal é a passagem mais (  Êxodo 12.). O altar é
chamado de "O Senhor é o meu padrão ou banner '(  Êx   . 17:15). Jerusalém é chamado
'O Senhor está ali "( Ez  . 48:35). O padre 'faz expiação "( Lv . 16).

No NewTestament Cristo é chamado de cordeiro: 'Eis aqui! O Cordeiro de Deus


que tira o pecado do mundo! " (  João 1:29). O cordeiro pascal é chamado de Cristo:
"Porque Cristo, nossa Páscoa, foi sacrificado por nós" ( 1 Co 5:07).. No mesmo versículo
cristãos estão a ser dito "sem fermento". Cristo é chamado a propiciação ( hilasterion )
ou a tampa da arca da aliança ( Rom . 3:25). Os cristãos estão a ser dito "um pão" ( 1
Coríntios.  10:17), ea rocha se diz ser Cristo (10:4). Da mesma forma, o batismo é a
lavagem do novo nascimento ( Tito 3:5), o copo é chamado de "o novo testamento", eo
pão é dito ser o corpo de Cristo ( 1 Co 11:24-25). . Nesses casos, o sinal é dito ser a coisa
significada, mas com o entendimento de que tal linguagem emprega uma figura de
linguagem em que o signo representa a realidade que ele representa.

(Iii) O que é chamado de comunicação das propriedades em Cristo (quando o que


é apropriado para a sua humanidade é atribuída a sua natureza divina) é uma
sinédoque - a figura de linguagem em que o todo está para a parte, ou vice-versa.
 Através da união do divino e do humano naturezas na única pessoa divina de Cristo, o
que estritamente falando pertence a apenas uma de suas duas naturezas se fala de toda
a pessoa. Os exemplos incluem: "para pastorear a igreja de Deus, que ele resgatou com
seu próprio sangue" (  Atos  20:28). "Ora, ninguém subiu ao céu, senão aquele que
desceu do céu, isto é, o Filho do Homem que está no céu" (  João  3:13). 'Para se
soubessem, não teriam crucificado o Senhor da glória "( 1 Cor . 2:8). "Jesus disse-lhes:"
Em verdade, eu vos digo: antes que Abraão existisse, Eu Sou '"( João 8:58). "E crescia
Jesus em sabedoria, em estatura e em graça diante de Deus e dos homens" (  Lucas
2:52).

Esta comunicação de propriedades aplica-se apenas no concreto, não em abstrato.


Por concreto refiro-me à pessoa como um todo, como Deus, homem, Cristo, por
abstrato, qualquer uma das duas naturezas considerados como divindade ou
masculinidade.

(Iv) Quando algo é dito de Deus, o que implica o seu envolvimento com o mal,
deve ser entendida como referindo-se a sua permissão de trabalho. Isso é comum no
 Antigo Testamento "E ele produz muito aumento para os reis de ter definido sobre nós,
por causa dos nossos pecados; Também eles têm domínio sobre os nossos corpos e os
nossos animais ao seu bel prazer, e estamos em grande angústia" (  Neemias . 9:37); "O
Senhor tem misturado um espírito perverso no meio dela, e eles fizeram errar o Egito
em toda a sua obra" ( Isaías 19:14).. Deus endureceu, assim, o coração de Faraó (  Êx .
11:10). Mais uma vez, "O Senhor teu Deus endurecera o seu espírito e fez o seu coração
obstinado, para que pudesse libertá-lo em sua mão, como se vê neste dia" (  Deut  .
2:30). "Pois foi do Senhor o endurecimento dos seus corações, para que viessem à
guerra contra Israel, para que pudesse destruí-los totalmente, e que eles poderiam
receber nenhuma piedade, mas para que pudesse destruí-los '(  Josh  . 11:20) , "No
entanto, eles não dar ouvidos à voz de seu pai, porque o Senhor queria matá-los" ( 1 Sm
02:25).. "A destruição de Acazias veio de Deus" ( 2 Cr  . 22:07,  Bíblia de Genebra ).
"Virou o coração deles para que odiassem o seu povo, e tratassem astutamente aos seus
servos" ( Sl   . 105:25). "E se o profeta é induzido a falar alguma coisa, eu, o Senhor ter
induzido o profeta, e estenderei a minha mão contra ele e destruí-lo do meio do meu
povo Israel" ( Ez  . 14:9).

Mas também há exemplos desse no Novo Testamento: "Deus os entregou a um


sentimento perverso" (  Rom  1:28.). "Deus lhes enviará a operação do erro, para que
creiam a mentira" ( 2 Ts . 2:11).

(V) Mais uma vez, algumas coisas são descritos como se eles já se acabaram. Se, de
fato, eles ainda não estão acabados, tais declarações indicam que eles já começaram e
estão a caminho de um cumprimento antecipado (por exemplo, Gn 5:32, 11:26;. 1 Reis
6:2, 37;  Salmo  119.: 8). Desta forma, podemos entender os tipos de declarações, por
exemplo, em Lucas 01:06 e Filipenses 3:12, 15.

(Vi) os mandamentos morais ou leis que se refiram a um pecado específico por


nome implica todos os pecados do mesmo tipo, incluindo suas causas e ocasiões, assim
como tudo o que nos tenta a eles. Eles também comandar as virtudes opostas. Isto é
como Cristo expõe as leis morais, no Sermão da Montanha (ver  Matt   . 5:21-48). John
ilustra o mesmo princípio quando ele escreve: "Todo o que odeia a seu irmão é
assassino" ( 1 João 3:15).

(Vii) Ameaças e promessas devem, normalmente, ser entendida como implicando


certas condições. O seu desenrolar depende ou não a fé eo arrependimento estão
presentes em resposta a eles. Isso é verdade especialmente de alguns versos (embora
castigo ea cruz são exceções a essa regra, por exemplo, Ezequiel 33:14, 15; Jonas 3:4,
 Apocalipse 21:18). Pelo que segue os eventos em si torna-se claro que a ameaça ou a
promessa era para ser entendida condicional (por exemplo, Jer . 18:09, 10). Exemplos
semelhantes incluem Isaías 38:1 e Gênesis 20:03. Aqui, claramente, o desenrolar da
 vontade de Deus está envolvido, daí a distinção que foi elaborado pelos teólogos
escolásticos entre a vontade de Deus e que significa a vontade de sua boa vontade. Por
sua vontade de boa vontade  se quer dizer que Deus quer algo absolutamente e
simplesmente, sem quaisquer condições, tais como a criação e de governo do mundo,
ou o envio de seu Filho. Por sua vontade, significando  que significa que ele quer
algumas coisas com vista a alguma outra coisa, e como condição dela. Como a condição
anexa indica a presença da vontade de Deus, somos capazes de dizer que ele faz isso vai.

(Viii) o discurso superlativo ou exclusivo usado por uma pessoa da Divindade não
exclui as outras pessoas. Ela nega únicas criaturas e falsos deuses para que o Deus
 verdadeiro, seja em uma pessoa ou em mais, se opõe. Assim, Jesus chama o Pai, o único
Deus verdadeiro, mas apenas para se opor a ele para todos os deuses falsos (  João
17:03). Outros exemplos podem ser encontrados em Marcos 13:27, Romanos 16:27, 1
Timóteo 1:17. João 10:29 é um exemplo óbvio: "Meu Pai ... é maior do que tudo "não
significa mais do que as outras pessoas da Trindade, mas maior do que todas as
criaturas. Todas as obras exteriores da Trindade, e todos os atributos divinos devem ser
entendidas inclusive, eles aplicam-se sem exceção a qualquer das pessoas.

(Ix) Quando Deus é considerado absolutamente, ou por si mesmo, todas as três


pessoas da Santíssima Trindade são destinadas. Quando a palavra "Deus" é usada
 juntamente com outra pessoa da Trindade, denota o Pai (por exemplo, 2 Coríntios .
13:13).

(X) A palavra geral pode ter um significado particular, e vice-versa. Assim, "todos"
pode significar "muitos" e "muitos" pode significar "todos" (como Agostinho claro).
 Vemos isso com freqüência na Bíblia (por exemplo, Gn 33:11;. Êxodo 9:6;. Dt   28:64;. 1
 Reis  12:18;  Jer 08:06, 26:9;.  Matt   4:23, 21.: 26;  João  14:13; 1 Coríntios  6:12;.  Phil .
2:21). 'Nada' pode significar 'pouco' ou 'pequeno' ( João 18:20; Atos 27:33). 'Nenhum'
pode ser usado para "poucos" (  Jer  08:06;. 1 Cor  . 2:8). "Sempre" pode significar
"muitas vezes" ou "longo" (  Pv 13:10;. Lucas 18:01, 24:53;  João 18:29). 'Eternal' pode
significar 'muito tempo' se que se adapte melhor ao contexto (por exemplo, Gn 17:08;.
 Lev . 25:46; Deut  . 15:17; 1 Cron . 15:02; Isa . 34:6; Dan . 02:04; Jer . 25:9). "Em todos
os lugares" pode significar "aqui e ali" (  Mark 16:20, Atos 17:30). A negativa é muitas
 vezes limitado em seu significado a um assunto em particular (por exemplo, no Salmo
07:04;.  João  9:03). 'Não' pode significar 'raramente', 'pouco' ou 'mal' ( 1 Reis  15:05;
 Lucas 2:37).

3. As propriedades gramaticais e retóricas de palavras indicam suas nuances de


diferença de significado:

 Reticências (quando uma ou mais palavras faltam) indica brevidade, ou pode ser


uma expressão de profunda emoção ( Gen 3:22, 11:04;. Êxodo . 22:20, 23; 1 Cron . 4:10;
 Salmos . 06:03; Atos 5:39).

 A troca do pretérito perfeito, no qual o passado é usado para expressar o que vai
acontecer no futuro indica a certeza do que vai acontecer ( Gen  20:03;.  Isa  . 09:06,
21:09).

 Pleonasmo  (repetição de uma palavra ou palavras), no caso de uma simples


repetição do vocabulário, indica: (i) Força e ênfase, as palavras significam mais do que
seu significado comum ( Salmos 133:2;. Lucas 6:46) . (Ii) A multidão ( Gn 32:16;. Joel 
3:14). (Iii) Distribuição (  Lev  17:03;. 1 Crônicas  26:13;. 2 Crônicas  . 19:05). (Iv) A
diversidade ea variedade ( Sl  12:02;. Prov 20:10.).

Uma forma diferente de pleonasmo ocorre quando um substantivo é regido por


outra. No singular isso é muito significativo e argumenta certeza (  Êxodo 31:15;. Mic .
2:4). No plural, significa excelência, como, por exemplo, no Cântico dos Cânticos; servo
dos servos (cf. também Sl  136:2;. Eccles . 1:2).

Pleonasmo, no caso de um adjetivo (às vezes também de um substantivo) significa


exagero ou aumentar ( Êxodo 34:6;. Prov . 06:10; Isa . 06:03; Jer . 07:04, 22:29, 24:3 ,
 Ez   . 21:28). No caso de um verbo que quer faz o discurso mais enfático e significativa,
ou então indica e expressa veemência, certeza, ou a velocidade ( Gen 2:7, 46:4;. Êxodo .
13:17; 2 Sam . 15:30 , 2 Reis 5:11, 8:10; Salmos 50:21, 109:10;  Prov . 27:23; Isa . 6:9,
50:2, 55:2, 56:3; Jer . 12:16, 33:39).

Pleonasmo, no caso de uma conjunção pode indicar a seriedade ( Ez  . 13:10). Uma
conjunção dobrou aumenta a força da negação (por exemplo,  Êxodo  14:11;.  Matt  .
13:14).

Pleonasmo em uma frase inteira implica em primeiro lugar, de distribuição (  Ez 


46:21)., em segundo lugar, a ênfase (  Êx   . 12:50;  Salmos  124:1, 145:18), em terceiro
lugar, a repetição de uma frase em palavras diferentes é para elucidação ( 2 Reis 20:03;
 Salmos 6:9,10;. Isa . 03:09; João 1:3).

Todas as figuras de linguagem são enfáticos na função. Eles ampliar o sentido do


que é dito. Mas, além de dar prazer literário e estético eles também servem para
alimentar a fé, por exemplo, quando Cristo é colocada para o cristão, ou para a igreja de
Deus (  Mateus  25:35;.  Atos  09:04). Isso certamente traz conforto para a alma fiel, e
alimenta a fé.

 Ironia (quando o que se quer dizer é o oposto do que é realmente dito, às vezes, no


contexto de escárnio), muitas vezes implica uma repreensão para o pecado ( Jz  10:14;. 1
 Reis 18:27, 22:15; Mark 7:09; 1 Coríntios . 4:8).

Figuras de linguagem que envolvem a repetição de uma palavra ou som, são


usados para dar ênfase (  Salmos  67:5, 6;.  Isa  . 48:11;  João  1:51). Há um exemplo
notável deste no Salmo 136, onde a repetição é usado em cada verso.

 A  pergunta  pode indicar várias coisas: uma afirmação forte (por exemplo, Gn
4:07, 37:13;. Josh 1:9;. 1 Reis 20:27; Mark 00:24; João 4:35, 6:07, 10: 13); uma negação
(por exemplo, Gn 18:04;. Matt   . 00:26; Rom . 3:03); proibindo ( 2 Sam 02:22;. Salmos
. 79:10), a presença de emoções como admiração, compaixão , reclamando e detecção
de falhas (  Salmos  8:10, 22:01;  Isa  .. 01:21 A concessão indica uma negação e
repreensão (como em 2 Coríntios . 00:16, 17).

4. Aparentes contradições nas Escrituras muitas vezes pode ser resolvido por
perceber que as passagens de lidar com coisas diferentes, embora o vocabulário pode
ser o mesmo, ou eles podem estar lidando com diferentes aspectos, ou perspectivas, ou
mesmo diferentes prazos.

Exemplos disso incluem o Salmo 07:08 ("Julga-me ... conforme a minha justiça ')
e Isaías 64:6 (" todas as nossas justiças como trapo da imundícia "). A aparente
contradição entre essas duas afirmações é resolvido quando percebemos que eles estão
lidando com preocupações diferentes, a justiça da causa em um caso e que do indivíduo
na outra. Salmo 7 fala da ex, Isaías 64 do segundo.

Mateus 10:09, 10 ("Fornecer nem ouro ... nem sandálias, nem staffs ') e Marcos
06:08, 9 (" tomar nada ... exceto uma equipe ... mas ... usar sandálias') fornecer nós
com outro exemplo. Aqui os textos parecem contradizer-se, a menos que reconhecer
que o relato de Mateus fala de uma equipe como um fardo para seus portadores,
enquanto que Mark está pensando do valor de uma equipe na manutenção e facilitando
a viagem de um viajante - como Jacob utilizado ( Gen  . 32:10). Mais uma vez, os
sapatos que Mateus menciona são novos, cuidadosamente embalados para viagens. Em
contrapartida, as sandálias de Marcos não são novos, mas são do tipo que teria sido
usado diariamente nos pés.

 Várias condições e advertências devem ser observadas CHCR na harmonização


passagens bíblicas.

(I) Os escritores da Bíblia, por vezes, falar de lugares e pessoas do passado em


termos de costumes da época e do lugar em que se escreveu. Um exemplo disso é
encontrado em Gênesis 0:08: "E ele mudou-se de lá para a montanha a leste de Betel".
O lugar foi chamado Betel nos dias de Moisés, mas no tempo de Abraão foi chamado
Luz ( Gen 28:19).. Gênesis 13:01 registra que Abraão subiu do Egito ... para o sul ". A qui
'sul' não significa 'sul do Egito', mas ao sul de onde Moisés foi quando ele escreveu.
Mais uma vez, somos informados de que Cristo em seu Espírito pregou para aqueles na
prisão 1 Ped  . 3:19). Eles estão a ser dito na prisão com respeito ao tempo em que Pedro
escreveu a sua carta, e não o tempo em que Noé viveu. Mais uma vez, no contexto dos
patriarcas, Deus diz no Salmo 105:15: "Não toqueis nos meus ungidos". A experiência
de Abraão, Isaque e Jacó é aqui que está sendo descrito em termos de ritual dos dias em
que David vivia. Os patriarcas não recebeu unção externa.

(Ii) Alegorias ou passagens marcadas pelo simbolismo literário deve ser exposto de
acordo com o escopo ou o foco do contexto. Assim Crisóstomo diz em Mateus 8:
'Parábolas não deve ser exposto de acordo com a carta, a fim de que muitos absurdos
seguir.' Da mesma forma, diz Agostinho em conexão com o Salmo 8: "Em cada alegoria
essa regra deve ser mantida, para que aquele ser considerado de acordo com o objetivo
do presente lugar, que é lá falado sob uma similitude. '

(Iii) Os mesmos lugares e as pessoas nas Escrituras pode ter dois nomes
diferentes. Gideão foi chamado tanto Jerubaal (  Jz   . 06:32) e Jerubesete ( 2 Sam .
11:21). Em seguida, o mesmo nome pode aparecer em diferentes formas. Então, Salmon
(  Ruth  4:21) é chamado Salmah [Salomão] ( 2 Crônicas  . 2:11). Por outro lado, as
pessoas e lugares diferentes podem compartilhar o mesmo nome. Um exemplo disso é
encontrado na genealogia com a qual o Evangelho de Mateus começa assim: "Josias
gerou Jeconias e seus irmãos, sobre o momento em que foram levados para a Babilônia.
E depois que eles foram levados para a Babilônia, Jeconias gerou Salatiel '(  Matt  . 1:11,
12). O nome "Jeconiahs 'termina o segundo dos três grupos de catorze em que a árvore
genealógica é dividido e também começa a terceira. Se este é o mesmo indivíduo, deve
haver apenas treze pessoas ou o segundo ou o terceiro grupo. Mas, se havia dois
homens chamados Jeconias, um pai e filho, o problema é resolvido.

Sucot é o nome de três lugares diferentes na Bíblia. A primeira é no Egito ( Êxodo


00:37.), o segundo está na terra da tribo de Gad (  Josh 13:27.), o terceiro na terra da
tribo de Manassés ( 1 Reis 7:46).

(Iv) Às vezes, nas Escrituras, por causa do estilo de vida pecaminoso de um


governante o seu nome ou o número de anos durante os quais ele reinou perversamente
pode ser omitido. 'Saul reinou dois anos sobre Israel "( 1 Sm 13:01)., isto é, legalmente,
ou como diz Lyra, de jure (de acordo com a lei ou equidade), mas caso contrário, ele
reinou por mais tempo. Temos um outro exemplo, em Mateus 01:08: "Jorão gerou
Uzias". Aqui três reis são simplesmente omitidos por causa de sua maldade, ou seja,
 Acazias, Joás e Amazias.

(V) Os períodos de tempo pode ser indicada na forma completa ou incompleta.


Eles também podem ser contados globalidade ou exclusivamente. Há um exemplo disso
em 1 Reis 15:25 e 1 Reis 15:28. Nadab, que começou a reinar no segundo ano de Asa,
pode-se dizer a reinar dois anos, embora Baasa se diz ter o sucedeu no terceiro ano de
 Asa. Obviamente a final "ano" do reinado de um rei não durou um ano completo, uma
 vez que foi interrompida por sua morte. Na ocasião (como aqui) o último 'ano' pode
apenas durar um mês ou mais. O resto do ano, então, contar como um completo 'year'
do reinado de qualquer sucessor.

Encontramos outro aparente contradição na cronologia, se compararmos Mateus


17:01 com Lucas 9:28. Mas isso é resolvido quando se reconhece que Mateus está
contando apenas dias completos, enquanto Lucas também inclui os dias de peças de
cada lado deles. Assim, apesar das aparências, não há contradição real entre Mateus
"seis dias" e Lucas "cerca de oito dias". Às vezes, um período de tempo é numerada e
inclusive às vezes exclusivamente. Pode haver diversas razões para isso, pode ser
simplesmente uma preferência para a utilização de um número perfeito. Agostinho diz
em Êxodo: "Em um número perfeito oft-tempos que, o que é ou querendo ou
abundante, não é contado." Assim, por exemplo: "Enquanto Israel habitou em Hesbom
e suas vilas, em Aroer e suas aldeias ... por trezentos anos "(  Jz   . 11:26). Estes anos a
partir da saída dos israelitas do Egito, pode ser calculada da seguinte forma:

O errante deserto: 40 anos


 A liderança de Josué: 17 anos
De Otniel: 40 anos
Dos Ehud e Sangar: 80 anos
Do Barak: 40 anos
De Gideão: 40 anos
De Abimeleque: 3 anos
De Tola: 23 anos
De Jair: 22 anos

O total é de 305 anos (e não 300). A razão pela qual o adicional de cinco anos não
são mencionados é simplesmente porque o número redondo é mais fácil de trabalhar.

Mais uma vez, um número redondo pode ser usado simplesmente para brevidade:
"Então todos os que caíram de Benjamim naquele dia foram vinte e cinco mil homens" (
 Jz  20:46).. Aqui (como um olhar para Juízes 20:35 indicará) cem benjamitas não estão
incluídos.
(Vi) Uma outra consideração na interpretação das narrativas de história do Antigo
Testamento é o fato de que, quando um rei foi impedido de exercer o seu papel no seio
da nação, quer pela guerra estrangeira ou idade avançada, ou por causa de alguma
doença, ele pode nomear seu filho, rei em seu lugar, enquanto ele ainda estava vivo. Em
tais co-regências os cálculos do comprimento das rédeas do pai e filho, por vezes,
incluem os anos de reinado conjunto, mas em outras vezes só têm em conta os anos de
reinado do indivíduo.

Isso ajuda a resolver a diferença entre 2 Reis 01:17 e 2 Reis 3:01. No décimo sétimo
ano de seu reinado, Josafá determinado a ajudar o rei Ahab contra os sírios, e nomeou
seu filho Jorão para ser vice-rei. No décimo oitavo ano do reinado de Josafá (o segundo
de seu filho de) Jorão, filho de Acabe, reinou. Em seguida, no quinto ano de Jorão, filho
de Acabe, Josafá, agora definhando na velhice, confirmou o seu reino a Jorão, que é
então dito que reinou oito anos: quatro enquanto seu pai era vivo, e quatro pelo próprio
após a morte de seu pai.

Outra ilustração será encontrado através da comparação 2 Reis 15:30 (o que


implica que Jotão reinou por 20 anos) com 2 Reis 15:33 (o que sugere que reinou por
apenas 16 anos). A dificuldade é facilmente resolvido. Jotão reinou por 16 anos em sua
própria após a morte de seu pai Uzias, mas, além disso, ele reinou por mais quatro
anos, juntamente com seu pai (ou seja, 20 anos no total), uma vez que ele governou o
reino de seu pai, quando este tinha lepra.

(Vii) No antigo Oriente Próximo, o dia foi artificialmente dividido tanto em 12


horas iguais (comumente chamados de horas planetárias, cf.  João  11:9) e em
quadrantes, cada um dos quais foi indicado pelo número da hora, com o qual o período
começou. Isso nos permite harmonizar Marcos 15:25 que diz que Jesus foi crucificado
na "terceira hora", com João 19:14 que diz que ele já era "quase a hora sexta", quando
Pilatos apresentou Jesus aos judeus. Estes dois números pertencem a diferentes
quadros de referência. Diferentes maneiras de contar as horas do dia estão à vista.
 Assim Cristo pode ser dito ter sido crucificado na terceira hora, embora ele ainda não
tinha sido levado ao Gólgota na sexta hora.

(Viii) A menor número é incluído em um número maior e mais completo. "Então a


terra teve sossego por quarenta anos. Em seguida, Otniel, filho de Quenaz, morreu "( Jz 
. 3:11). Este valor inclui os anos, a partir da morte de Josué até a morte de Otoniel, bem
como os oito anos de servidão sob os sírios. 'A terra teve descanso para 80 anos "(  Jz  .
3:30). Aqui a partir da morte de Otoniel estão incluídos os anos de ambos Ehud e
Sangar. Para Ehud não poderia ter sido juiz de 80 anos, que seria mais do que um
tempo de vida. Casos similares ocorrem em Juízes 5:31; 8:28; 9:22; 10:02, 3 e 11:26,
onde os quarenta anos de andanças no deserto estão incluídos na figura de trezentos
anos.

(Ix) Filiação pode ser natural ou jurídica. Filiação natural é por geração, enquanto
é legal por adoção, testemunhado por educação e formação, e por sucessão no reino, e
também, no caso da filiação levitar pela lei da redenção (ver Deut  . 25:5).
5. Quando o senso natural de uma passagem pode ser determinado com a ajuda
desses princípios, o significado que é mais adequado para o contexto deve ser assumido
por qualquer palavra que está aberto a uma gama de significados.

 Assim, por exemplo, a palavra hebraica para 'e', waw , pode ser traduzido em uma
 variedade de maneiras, de acordo com o contexto - como: 'mas', 'uma vez', 'de fato',
'que é', 'para essa razão ',' assim ', e por muitos termos similares.

Mais uma vez, a palavra hebraica barak pode indicar tais idéias opostas como para
abençoar e amaldiçoar ( Jó 1:5; 1 Reis 21:10 e 11:02, 9). E Chalal   em Gênesis 4:26 não
significa "profano" (como às vezes acontece), mas 'começar', por duas razões. (I)
Quando isso significa para o profanarem devem ser unidas com o substantivo que ele
governa, mas aqui ele é seguido imediatamente pelo infinitivo do verbo chamar, qara .
(Ii) Moisés não contar a profanação do culto a Deus como uma das razões para o
dilúvio, mas que, certamente, teria sido notado se tivesse sido predominante entre o
povo de Deus.

6. Em nossas Bíblias inglesas, referências marginais, por vezes, mencionar uma


palavra grega ou hebraica que indica que há alguma variação nos manuscritos
existentes da passagem. A leitura correta é a que (i) concorda com a construção
gramatical, e com outros manuscritos confiáveis. (Ii) faz todo o sentido do contexto e
impulso da passagem e está de acordo com a analogia da fé.

Digo isto como um princípio de interpretação, não porque eu acho que as nossas
cópias do texto hebraico e grego foram corrompidos através da atividade maliciosa dos
 judeus, como Lindanus (seguido pela Igreja Romana) argumenta. Digo isso
simplesmente para que as diversas leituras - que surgiram através de uma falta de
habilidade ou negligência e descuido por parte de quem fez cópias do texto - podem ser
digitalizados e a leitura correta determinado.

Por exemplo, na maioria das cópias do texto hebraico, Salmo 22:16 lê kaari   , que
significa " Como um leão minhas mãos e os meus pés. " Mas, em algumas cópias do
hebraico, a leitura é diferente: kaaru , " cavaram ( ou piercing ) as minhas mãos e os
meus pés. " A regra que adotamos indicaria que a última leitura é para ser seguido, uma
 vez que está de acordo com (i) a construção gramatical, (ii) as circunstâncias do salmo,
(iii) alguns exemplares antigos, como os judeus se reconhecem.

 VI. DEVIDAMENTE adulterando a palavra de DEUS

 Até agora, temos estado a considerar a interpretação das Escrituras. Agora


chegamos a considerar o direito 'corte', ou 'divisão' do mesmo. Corte direito é a maneira
em que a Palavra está habilitado para edificar o povo de Deus: "Procura apresentar-te a
Deus aprovado, como obreiro que não tem de que se envergonhar, que maneja bem [ou
corte] a palavra da verdade '( 2 Tm . 2:15).

 A idéia de corte aqui é linguagem metafórica, possivelmente derivado da atividade


dos levitas, que eram obrigados a cortar as pernas dos animais eles sacrificaram com
muito cuidado. É desse jeito que o Messias fala: 'O Senhor Deus me deu a língua
erudita, para que eu saiba dizer a seu tempo uma boa palavra ao que está cansado "(
 Isaías 50:4)..

Há dois elementos neste: (i) de resolução ou de partição, e (ii) da aplicação.

Resolução

 Resolução  é o desdobramento da passagem em suas diversas doutrinas, como o


afrouxamento untwisting e da web de tecelão. Apolo estava altamente qualificados em
fazer isso: "para ele vigorosamente refutada publicamente os judeus, mostrando pelas
Escrituras que Jesus é o Cristo" ( Atos 18:28).

 Às vezes, a doutrina é explicitamente indicado na passagem. Isso já está ilustrado


na referências do Novo Testamento ao Antigo Testamento: "Nós já cobrados tanto
 judeus como gregos que eles estão todos sob o pecado. Como está escrito: Não há justo,
nem sequer um, não há quem entenda, não há quem busque a Deus. Eles todos se
extraviaram, pois eles têm juntos tornam-se inúteis, não há quem faça o bem, não há
sequer um "( Rm 3.9-11).. Outro exemplo é encontrado em Atos 2:24-27.

Em outras ocasiões, a doutrina não é especificamente declarado corretamente


retirado do texto, porque, em um sentido ou outro, está implícito no que está escrito.
Há muitos exemplos de como isso é feito na própria Escritura. Por exemplo:

Texto bíblico INCIDÊNCIA retirado do texto

João 10:34: Jesus respondeu- João 10:35: Se ele chamou


lhes: "Não está escrito na vossa deuses a quem a palavra de
lei:" Eu disse: Vós sois deuses Deus foi dirigida (ea Escritura
"'? não pode ser anulada): 36:
 Você dizer daquele a quem o
Pai santificou e enviou ao
mundo: 'Vocês estão
 blasfemando ", porque Eu
disse, 'Eu sou o Filho de Deus
"?

1 Coríntios 9:09: Porque está 1 Coríntios 09:04: Será que


escrito na lei de Moisés: 'Você temos o direito de comer e
não deve amordaçar um boi  beber?
enquanto trilha o grão. É bois
Deus está preocupado?

Gálatas 3:10: Porque todos os Gálatas 3:09: Então, aqueles


que são das obras da lei estão que são da fé são abençoados
debaixo da maldição, pois está com o crente Abraão.
escrito: Maldito todo aquele
que não permanece em todas
as coisas que estão escritas no
livro da lei, para fazê-las .

Gálatas 3:11: Para 'o justo Gálatas 3:11: Mas que ninguém
 viverá pela fé ". é justificado pela lei aos olhos
de Deus é evidente.

Hebreus 8:08: Porque Hebreus 08:13: Em que Ele


repreendendo-os, Ele diz: "Eis diz: "A nova aliança", ele fez o
que os dias vêm, diz o Senhor, primeiro obsoleto. Agora, o
em que farei um pacto novo que está se tornando obsoleto
com a casa de Israel e com a e envelhece, perto está de
casa de Judá". desaparecer.

Em elucidar doutrinas devemos ter em mente que um exemplo que é ético,


econômico, político, ordinária ou extraordinária, tem a força de uma regra geral no
âmbito da sua própria esfera. Os exemplos dos pais são padrões para nós, como Paulo
indica: "Agora todas essas coisas ... foram escritas para aviso nosso "( 1 Cor . 10:11). É
um princípio da lógica que o gênero está presente em todas as espécies, assim como é
uma regra na percepção visual que as espécies gerais de coisas são percebidas antes do
particular.

Romanos 9:07: Nem são todos Romanos 9:08: Ou seja,


filhos, porque eles são a aqueles que são os filhos da
semente de Abraão, mas, 'Em carne, estes não são os filhos
Isaque sua semente será de Deus, mas os filhos da
chamado. 10: E não só isso, promessa são contados como
mas também Rebeca, ao semente.
conceber de um só, mesmo
pelo nosso pai Isaque. . .

Romanos 4:23: Ora, não foi


Romanos 4:18: Abraão, ao
escrito só por causa dele que
contrário da esperança, etc 21:
foi imputada a ele. 24: Mas
Ser plenamente convencido de
também para nós. Deve ser
que o que ele tinha prometido
imputada a nós que cremos
também era capaz de realizar.
naquele que ressuscitou a
22: E, portanto, "que lhe foi
Jesus nosso Senhor dentre os
imputado para justiça.
mortos.

Note-se, contudo, que as doutrinas deve ser deduzida a partir de passagens apenas
quando for apropriado e válido para o fazer. Eles devem ser derivado do genuíno
sentido da Escritura. Caso contrário, vai acabar de tirar qualquer doutrina de qualquer
lugar na Bíblia.

Um exemplo de tal erro é a forma em que Provérbios 08:22 tem sido tratado.
Neste sabedoria passagem, que é Cristo, está falando sobre si mesmo. De acordo com a
Septuaginta (a tradução grega do Antigo Testamento), a passagem diz: "O Senhor me
criou." A partir desta tradução os arianos perversamente argumentou que o Filho foi
criado. Mas o texto hebraico diz: "O Senhor possuía me '(o verbo hebraico é qanah ). O
Pai possui  o Filho, porque ele foi gerado do Pai desde a eternidade, e porque o Pai está
no Filho eo Filho no Pai. E assim, quando nasceu um filho de Adão ele disse que
 possuía um homem do Senhor "( Gn 4:01;. novamente o verbo hebraico é qanah ). O
erro aqui, talvez, surgiu por causa de um erro de escriba (acidental ou deliberada) no
texto grego.

Da mesma forma, Agostinho comenta sobre o Salmo 39:10, a leitura do texto: "Eu
segurei minha paz, porque tu me fez: Ele faz a aplicação sutil que é uma maravilha que
ele - que havia sido dada uma boca para capacitá-lo falar - deverá ter sua língua. Mas a
palavra 'eu' é nem o hebraico nem o texto grego. Mais uma vez, em seus comentários
sobre o Salmo 72:14 ele discute a questão do empréstimo de dinheiro a juros e prova
que isso é pecaminoso. Mas não há nada sobre isso no texto! Lê-se: "Ele vai resgatar a
sua vida da opressão e da violência, e precioso será o seu sangue aos Seus olhos."

Também é legítimo para desenvolver analogias ou alegorias. Estes são argumentos


tirados das coisas que são como os outros. Paul usou muitas vezes (por exemplo, 1
Coríntios . 9:9). Mas eles são para ser utilizados, com as seguintes ressalvas:

1. Eles devem ser usados com moderação e sobriedade.

2. Eles não devem ser muito forçado, mas apropriado para o assunto em mãos.

3. Eles devem ser mencionados brevemente.

4. Eles devem ser usados para a instrução prática não para provar um ponto de
doutrina.

Qualquer ponto de doutrina elaborado a partir de um texto de interpretação


adequada deve ser acreditado em sua própria autoridade. Esta é uma base adequada
para acreditar. 'Agora, um certo judeu chamado Apolo, natural de Alexandria, homem
eloqüente e poderoso nas Escrituras, chegou a Éfeso ... para ele vigorosamente refutada
publicamente os judeus, mostrando pelas Escrituras que Jesus é o Cristo "( Atos 18:24,
28). Daqui decorre que:

1. Não devemos descansar a nossa fé em testemunhos humanos, ou dos filósofos,


ou os Padres. Agostinho comenta sobre o Salmo 66, assim: "Se eu falar, o homem não
ouve; se Cristo falar, ai ser-lhe que não ouve." Novamente ele diz: 'Não vamos ouvir ",
essas coisas que eu digo, essas coisas que ele diz":. Mas vamos ouvir: "Estas coisas diz o
Senhor'" No entanto, com uma exceção: "A menos que convencer a consciência do
ouvinte." Foi desta forma que Paulo apelou para o testemunho de Ararus, 'Pois nele
 vivemos, nos movemos e existimos, como também alguns dos vossos poetas disseram:
"Pois somos também sua geração Portanto, uma vez que somos. os filhos de Deus ... '"(
 Atos 17:28, 29). Da mesma forma, ele cita o ditado de Menandro, "Não vos enganeis:"
corrompe empresa maus hábitos bons '"( 1 Co  15:33.). Mais uma vez, ele cita
Epimenides: "Um deles, um profeta de sua própria, disse:" Os cretenses são sempre
mentirosos, bestas ruins, ventres preguiçosos "" ( Tito 1:12).
Mas se esses autores seculares são citados, deve ser com moderação. Na verdade,
os precedentes bíblicos realmente omitir os nomes dos autores, em tais casos.

2. Apenas alguns testemunhos da Escritura deve ser usado para a prova da


doutrina, às vezes não há necessidade de nenhum.

3. Os profetas que expõem o seu ensino, desta forma, não devem ser criticados por
outros profetas (ver 1 Cor . 14:32, 37).

 VII. Uso e aplicação

 Aplicação é a habilidade pela qual a doutrina que foi devidamente elaborado a


partir das Escrituras é tratada de formas que são apropriados às circunstâncias de lugar
e tempo e as pessoas da congregação. Este é o método bíblico para a exposição: "Eu
mesmo apascentarei as minhas ovelhas, e eu vou fazê-los deitar", diz o Senhor Deus.
"Eu vou buscar o que foi perdido e trazer de volta o que foi arrancado, ligar-se a partido
e fortalecer o que estava doente '" (  Ez   . 34:15, 16). "E em alguns têm compaixão,
fazendo uma distinção, mas salvai-os, arrebatando-os do fogo" ( Judas 22, 23).

O princípio básico de aplicação é a de saber se a passagem é uma declaração da lei


ou do evangelho. Para quando a Palavra é pregada, a lei eo evangelho operar de forma
diferente. A lei expõe a doença do pecado, e como efeito colateral estimula e agita-se.
Mas não fornece nenhum remédio para ela. No entanto, o evangelho não só nos ensina
o que deve ser feito, ele também tem o poder do Espírito Santo se juntou a ele. Quando
somos regenerados por ele que recebemos a força que precisamos tanto de crer no
evangelho e fazer o que ele manda. A lei é, portanto, o primeiro na ordem de ensino;
depois vem o evangelho.

Uma declaração da lei indica a necessidade de justiça inerente perfeito, da vida


eterna dado através das obras da lei, dos pecados que são contrários à lei e da maldição
que lhes é devido. "Porque todos os que são das obras da lei estão debaixo da maldição,
pois está escrito:" Maldito todo aquele que não permanece em todas as coisas que estão
escritas no livro da lei, para fazê-las. " Mas que ninguém é justificado pela lei aos olhos
de Deus é evidente, porque o justo viverá pela fé "( Gal  . 3:10). "Raça de víboras! Quem
 vos ensinou a fugir da ira vindoura ... E mesmo agora está posto o machado à raiz das
árvores. Portanto toda árvore que não produz bom fruto é cortada e lançada ao fogo "(
 Matt   . 03:07, 10). Por outro lado, uma declaração do evangelho fala de Cristo e seus
 benefícios, e de fé frutificando em boas obras. Por exemplo, 'Porque Deus amou o
mundo que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça,
mas tenha a vida eterna "( João 3:16).

Por esta razão, muitas declarações que parecem pertencer à lei são, à luz de Cristo,
para ser entendida não legalmente, mas como qualificado pelo evangelho. "Bem-
aventurados são aqueles que ouvem a palavra de Deus ea guardam!" (  Lucas 11:28).
"Porque este mandamento que hoje te ordeno não é muito misterioso para você, nem
está longe de ti ... Mas a palavra está muito perto de ti, na tua boca e no teu coração,
que você pode fazê-lo "( Deut  . 30:11, 14). Esta mesma frase que é legal na personagem
de Moisés, é evangélica na personagem de Paul (  Rom . 10:8). "Bem-aventurados os
imaculada no caminho, que andam na lei do Senhor! Bem-aventurados aqueles que
guardam os seus testemunhos, que o buscam de todo o coração! " (  Sl   . 119:1, 2).
"Aquele que tem os meus mandamentos e os guarda, esse é o que me ama, e aquele que
me ama será amado por meu Pai ... Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e
meu Pai o amará, e viremos para ele e faremos nele morada "( João 14:21, 23). "Noé era
um homem justo, perfeito em suas gerações, Noé andava com Deus" ( Gn . 6:9). 'Eu sou
o Deus Todo-Poderoso, anda em minha presença e sê perfeito "( Gn 17:01)..

Existem basicamente sete maneiras em que devem ser feitos de aplicação, de


acordo com sete condições espirituais diferentes.

Categorias dos Ouvintes

1. Aqueles que são incrédulos e ambos são ignorantes e unteachable. Estes devem,
antes de tudo estar preparado para receber a doutrina da Palavra. Josafá enviou levitas
em toda as cidades de Judá para ensinar o povo, e para afastá-los da idolatria ( 2 Cr .
17:09). Esta preparação deve ser, em parte, por discutir ou argumentar com eles, a fim
de tornar-se consciente de sua atitude e disposição, e em parte por reprovando
qualquer pecado óbvio, de modo que sua consciência pode ser despertada e tocou com
medo e eles podem se tornar ensinável (ver Atos 9:3-5; 16:27-31; 17:17; 17:22-24).

Quando há alguma esperança de que eles se tornaram dóceis e preparado, a


mensagem da Palavra de Deus é para ser dado a eles, geralmente em termos básicos
concentrando-se em pontos gerais (como, por exemplo, Paulo fez em Atenas,  Atos
17:30, 31 ). Se não houver resposta positiva a este tipo de ensino, então ele deve ser
explicado de forma mais detalhada e abrangente. Mas se eles permanecem unteachable
e não há nenhuma esperança real de ganhá-los, eles devem simplesmente ser deixado (
 Pv 09:08;. Matt  . 07:06; Atos 19:09).

2. Aqueles que são dóceis, mas ignorante. Devemos instruir essas pessoas por
meio de um catecismo (cf.  Lucas  1:04;  Atos  18:25, 26). A catequese é uma breve
explicação do ensino fundamental da fé cristã dada sob a forma de perguntas e
respostas. Isso ajuda tanto a compreensão ea memória. O conteúdo de um catecismo,
portanto, devem ser os fundamentos da fé cristã, um resumo dos seus princípios
 básicos ( Heb . 5:12).

Um princípio da fé é uma verdade bíblica que é directa e imediatamente em causa,


tanto com a salvação dos homens e para a glória de Deus. Se for negado e rejeitado não
há motivos para nós a esperança de salvação. Há seis tais princípios: arrependimento,
fé, batismo (isto é, os sacramentos), a imposição das mãos (que é um a sinédoque para o
ministério da Palavra), a ressurreição, eo Juízo Final ( Heb . 06:01 - 3).

 A forma distintiva de um catecismo é a maneira como ele lida com os elementos


ou pontos de fundação claramente por perguntas e respostas ( Atos 08:37; 1 Ped  . 3:21).
Como Tertuliano dizia, 'A alma não é removido com a lavagem, mas com responder.'

 Aqui é importante reconhecer a diferença entre o "leite" e "alimento sólido". Estas


categorias se referem à mesma verdade, a diferença entre eles reside na forma e estilo
do ensino. 'Milk' é uma breve e simples e geral explicação dos princípios da fé: que
devemos acreditar em um Deus, e em três pessoas, Pai, Filho e Espírito Santo, que
devemos contar apenas com a graça de Deus em Cristo , que devemos acreditar no
perdão dos pecados, e quando somos ensinados que devemos arrepender-se, a abster-
se do mal e fazer o bem.

'Carne forte ", por outro lado, é uma manipulação completa, esclarecedora e clara
detalhada da doutrina da fé. Ele inclui exposição cuidadosa e lúcida do ensino bíblico
sobre temas como: a condição do homem antes da queda, a queda, o pecado original e
atual, a culpa humana, o livre-arbítrio, os mistérios da Trindade, as duas naturezas de
Cristo, a sua união em uma só pessoa, o escritório de Cristo como mediador, a
imputação da justiça, a fé, a graça, eo uso da lei. 'Milk' deve ser definida antes de bebês,
que são aqueles que são imaturos ou fraco em conhecimento; alimento sólido deve ser
dada para aqueles que são mais maduros, ou seja, aqueles que são mais instruídos ( 1
Co 3:1, 2.; Heb . 5:13).

3. Há aqueles que têm conhecimento, mas nunca foram humilhados. Aqui temos
de ver o fundamento do arrependimento despertou em que Paulo chama a tristeza
segundo Deus ( 1 Cor  . 7:8-10). A tristeza segundo Deus é tristeza pelo pecado,
simplesmente porque é pecado. Para agitar esse carinho, o ministério da lei é
necessária. Isso pode dar à luz a um verdadeiro sentimento de contrição no coração, ou
terror na consciência. Embora isso não é saudável e rentável por si só, ele fornece um
remédio necessário para subjugar teimosia pecador, e para preparar a mente para
tornar-se dócil.

 A fim de despertar esta tristeza jurídica, é conveniente utilizar alguns seção de


escolha da lei, o que pode reprovar qualquer pecado óbvio para aqueles que ainda não
tenham sido humilhado. Tristeza pelo e arrependimento do mesmo um pecado é, em
substância, tristeza e arrependimento para de todo o pecado (  Salmos 32:5;. Atos 2:23,
8:22).

 Além disso, se alguém que está aflito com a cruz e com tragédias exteriores tem
apenas uma tristeza do mundo - isto é, se ele não se lamentar pelo pecado como
pecado, mas apenas para o castigo do pecado - ele não está a ser dado um conforto
imediato. Essa tristeza deve primeiro ser transformado em tristeza segundo Deus.
Pense sobre a analogia de cura médica. Se a vida de um homem está em perigo por
causa da quantidade de sangue que ele está a perder a partir de um nariz sangrar, seus
médicos podem prescrever que o sangue se soltou de seu braço, ou de algum outro local
adequado, a fim de estancar o fluxo de sangue de seu nariz. Sua motivação, claro, é
salvar alguém que está em perigo de morte.

Então deixe o evangelho seja pregado, de tal forma que o Espírito Santo trabalha
efetivamente a salvação. Para renovar os homens para que eles possam começar a
querer e fazer o que é agradável a Deus, o Espírito realmente e verdadeiramente produz
neles a tristeza segundo Deus e arrependimento para a salvação.

Para o coração duro a lei deve ser estressado, e sua maldição afirmou claramente,
 juntamente com as suas ameaças. A dificuldade de obtenção de libertação até que as
pessoas são picadas no seu coração também deve ser ensinado (  Matt   3:7;. 19:16, 17;
23:13, 33). Mas, quando o início da genuína tristeza parece que eles têm de ser
confortado com o evangelho.

4. Aqueles que já foram humilhados. Aqui devemos considerar cuidadosamente se


a humilhação que já aconteceu é completa e de som ou apenas começou e ainda leve ou
superficial. É importante que as pessoas não recebem conforto mais cedo do que é
apropriado. Se o fizerem, podem mais tarde se tornam endurecidos da mesma forma de
ferro que foi lançado para dentro do forno torna-se excepcionalmente difícil quando
está frio.

 Aqui estão algumas diretrizes para lidar com aqueles que são parcialmente
humilhado. Expor a lei para eles cuidadosamente temperada com o evangelho, de modo
que está sendo aterrorizado por seus pecados e do juízo de Deus eles podem, ao mesmo
tempo encontrar conforto no evangelho ( Gen  3:9-15;. 2 Sam  12;.  Atos  8 :20-23).
Nathan dá-nos um exemplo aqui. Depois de ter sido enviado por Deus, lembrou David
para uma tomada de consciência de sua verdadeira condição por meio de uma
parábola, e em seguida pronunciado lhe perdoado quando o seu arrependimento era
certa.

Desta forma, a fé eo arrependimento e os confortos do evangelho deve ser


ensinado e oferecido para aqueles que foram totalmente humilhado ( Matt  9:13;. Lucas
4:18; Atos 2:37, 38).

5. Aqueles que já acreditam. Devemos ensiná-los:

(I) O evangelho: o ensino bíblico sobre a justificação, santificação e perseverança.

(Ii) A lei, mas que se aplica aos que não estão mais sob sua maldição, para que eles
possam ser ensinados a dar o fruto de uma nova obediência de acordo com o seu
arrependimento ( Rm 8:01;. 1 Tm . 1:9). Aqui o ensino de Paulo em Romanos serve de
modelo.

(Iii) Embora alguém que é justo e santo aos olhos de Deus não devem ser
ameaçados com a maldição da lei, a oposição da lei, para o seu pecado restante ainda
deve ser salientado. Como um pai pode mostrar a seus filhos o que ele vai fazer como
castigo para induzir um sentido próprio medo de fazer errado, então a meditação da
maldição da lei, devem ser frequentemente incentivados em verdadeiros crentes, para
desencorajar a abusar da misericórdia de Deus através de uma vida pecaminosa e para
aumentar a humildade. A nossa santificação é parcial ainda. A fim de que os restos de
pecado pode ser destruída devemos sempre começar com a meditação sobre a lei, e com
um senso de nosso pecado, a fim de ser levado [o resto do evangelho.

6. Aqueles que caíram de volta. Alguns podem ter, em parte, afastou-se do estado
de graça, seja na fé ou no estilo de vida.

Falha na fé é tanto no conhecimento da doutrina do evangelho ou em apreender


Cristo.
 A falha no conhecimento envolve declínio em erro, seja em uma doutrina
secundária ou fundamental.

Nesta situação, a doutrina específica, que neutraliza o seu erro deve ser exposto e
ensinado. Precisamos enfatizar a sua importância para eles, juntamente com a doutrina
do arrependimento. Mas temos de fazer isso com um amor fraternal, como diz Paulo
em Gálatas 6:1 (cf. 2 Tm . 2:25).

Uma queda de apreender Cristo leva ao desespero. A fim de restaurar tal


precisamos diagnosticar sua condição e, em seguida, prescrever o remédio. Temos de
analisar tanto a causa de sua tentação ou de sua condição. O diagnóstico da causa pode
ser feito de forma adequada pela confissão privada (cf.  James 5:17). Mas, para evitar
que tal confissão ser transformado em um instrumento de tortura deve ser regida por
estes princípios:

(I) deve ser feito livremente e não sob qualquer compulsão. A salvação não
depende disso.

(Ii) Não deve ser uma confissão de todos os pecados, mas apenas daqueles que
comem da consciência e pode levar a ainda maior perigo espiritual, se não forem
tratadas.

(Iii) Tal confissão deve ser feita principalmente para os pastores, mas com o
entendimento de que ela pode ser confidencial compartilhado com outros homens de
confiança na igreja.

O diagnóstico do estado espiritual de uma pessoa envolve investigando se eles


estão sob a lei ou sob a graça. Para esclarecer isso, devemos investigar e pergunta para
descobrir com eles se eles estão descontentes consigo mesmos, porque eles têm Deus
descontente. Será que eles odeiam o pecado como pecado? Esse é o fundamento do
arrependimento que traz a salvação. Depois, em segundo lugar, devemos nos perguntar
se eles têm ou sentir em seu coração o desejo de se reconciliar com Deus. Esta é a base
para uma fé viva.

Quando o diagnóstico é concluído, o remédio deve ser prescrito e aplicado a partir


do evangelho. Ele é duplo. Em primeiro lugar, várias verdades do evangelho deve ser
explicado e freqüentemente impressionado com eles, incluindo:

(I) Que o seu pecado é perdoável.

(Ii) Que as promessas de graça são feitas geralmente para todos os que crêem. Eles
não são feitos para pessoas específicas, eles excluem ninguém.

(Iii) Que a vontade de acreditar é a própria fé ( Salmos 145:19;. Rev. 21:06).

(Iv) Que o pecado não abole a graça, mas sim (uma vez que Deus transforma tudo
para o bem daqueles que são dele) pode levar a novas ilustrações do mesmo.
(V) que, neste mundo caído e pecaminoso todas as obras de Deus são feitas por
meios que são contrários a ele!

Em segundo lugar, eles devem ser encorajados, na própria amargura da tentação,


para agitar a fé que tem sido ociosa -, mas coberto por assim dizer. Eles devem
assegurar-se de que os seus pecados estão perdoados. E eles devem ser encorajados a
lutar vigorosamente em oração, sozinho ou com outros, contra o senso carnal e
esperança humana. Eles devem ser exortados com grande seriedade, a fim de capacitá-
los a fazer essas coisas, mesmo aqueles que não estão dispostos deve de alguma forma
ser obrigado a fazê-las (ver Salmos 77:1, 2; 130:1, 2; Rom . 4:18) .

 Assim que esses remédios podem fazer o seu trabalho, o poder ministerial de "ligar
e desligar" é para ser usado na forma prescrita nas Escrituras ( 2 Sam  12:13;. 2
Coríntios . 5:20). Se por acaso problemas melancolia mente do indivíduo, em seguida,
um remédio para ela deve ser buscada em privado.

 A falha no estilo de vida ocorre quando um cristão comete pecado atual, como no
caso da embriaguez de Noé, o adultério de Davi, negação de Pedro e exemplos
semelhantes. A força e disposição de graça habitação podem ser perdidos por um
tempo, em termos de sentido e da experiência do poder dele. A lei deve ser exposto
 juntamente com o evangelho para aqueles que têm, assim, caído. Cada novo ato de
pecado requer um novo ato de fé e arrependimento ( Isaías 01:04., 16, 18).

7. Igrejas com crentes e não crentes. Esta é a situação típica em nossas


congregações. Qualquer doutrina pode ser exposta a eles, a partir da lei ou do
evangelho, desde que suas limitações e circunscrições bíblicos são observados (ver João
7:37). Isso foi o que os profetas fizeram em seus sermões, quando anunciaram o
 julgamento e destruição sobre os ímpios, e prometeu livramento no Messias para
aqueles que se arrependeram.

Mas e se alguém na congregação se desespera, quando o resto são insensíveis? O


que deve ser feito? A resposta é: aqueles que estão endurecidos devem ser feitas para
ouvir a lei circunscrito aos limites das pessoas e os pecados em vista. Mas a consciência
aflita deve ser ajudado a ouvir a voz do evangelho aplicado especialmente para ele.

 VIII. VARIEDADES DE APLICAÇÃO

 A aplicação é de dois tipos, mentais e práticas.

 Aplicação Mental

 Aplicação Mental está preocupado com a mente e envolve tanto a doutrina ou


reprovação ( 2 Tm  . 3:16, 17). Quando se trata de doutrina, o ensino bíblico é usado
para informar a mente que lhe permita chegar a um julgamento correto sobre o que é
para ser acreditado. Reprovação é usar o ensino bíblico, a fim de recuperar o espírito do
erro.
Quando o falso ensino é refutada durante a exposição das Escrituras as seguintes
precauções devem ser observadas.

1. Certifique-se de entender completamente a questão envolvida, ou "o estado da


questão" a ser discutido.

2. Reprovar apenas os erros que atualmente problemas da igreja. Deixe os outros


em paz se eles estão mortos na história passada, ou se eles não são relevantes para as
pessoas, a menos que você sabe que o perigo espiritual ainda podem surgir a partir
deles. Esta foi a situação descrita no Apocalipse capítulo dois, quando a igreja de
Pérgamo foi avisado para ter cuidado com os nicolaítas cujo ensino já tinha
influenciado alguns deles.

3. Se o erro não é fundamental para o evangelho, a refutação deve ser feito não só
de uma forma verdadeiramente cristã (como sempre deve ser o caso), mas também de
uma forma amigável. Desacordo Gentil e fraternal é chamado para aqui.

 Aplicação Prática

 A aplicação prática tem a ver com estilo de vida e comportamento e envolve


instrução e correção.

Instrução é a aplicação da doutrina que nos permita viver bem no contexto da


família, do Estado e da Igreja. Itinvolves tanto encorajamento e exortação (  Rom .
15:04).

Correção é a aplicação da doutrina de uma forma que transforma vidas marcadas


pela impiedade e injustiça. Trata-se de admoestação. Essa advertência deve ser feito
geralmente no início, sem referência a circunstâncias específicas. Este princípio é bem
ilustrado em 2 Samuel 12, onde Nathan primeiro fez David ciente de seu pecado, por
meio de uma parábola em geral. Paul parece ter adotado uma abordagem semelhante
(veja Atos 19:26, 35, 37).

Se este tipo de repreensão não dar frutos, deve ser expressa de forma mais
detalhada (ver 1 Tm . 5:20). Mas nossas expressões de ódio ao pecado deve ser sempre
acompanhada por um amor evidente para a pessoa que pecou. Sempre que possível, o
ministro deve incluir-se em suas reprovações. Desta forma, sua pregação, ensino e
aconselhamento será expressa em um espírito leve e suave (cf.  Dan. 4:16-19;. 1 Cor .
4:6; Gal  . 2:15).

Estes diferentes tipos de aplicação podem ser empregadas em relação a cada frase
da Escritura. Mas pode ser útil para usar um exemplo de desenho sobre o que Matthias
Flacius Illyricus (1520-1575), a Luterana, tem escrito em Mateus 10:28, onde Jesus
exorta os discípulos a não temais os que podem matar apenas o corpo, mas sim a temei
quem pode destruir tanto corpo e alma no inferno.

Seria fácil para provocar uma grande variedade de doutrinas a partir deste texto,
tanto em relação à nossa confissão de fé e providência de Deus.
Doutrina

1. É necessário para que possamos confessar publicamente a doutrina sabemos


sempre que for necessário.

2. Devemos fazer esta confissão, mesmo que isso signifique arriscar a perda dos
nossos bens e nossas vidas.

3. Devemos desprezar o valor de nossas vidas, em comparação com o valor que


damos a Cristo e à sua verdade.

4. Punições eternas que será experimentado, tanto em alma e corpo estão


preparados para aqueles que não têm medo de negar a Cristo e sua verdade.

5. Deus é a intenção e pronto para governar e guiar-nos, para que possamos fazer
o nosso corretamente confissão.

6. A providência de Deus não é apenas geral, mas também particular, e inclui os


mínimos detalhes, até os cabelos da nossa cabeça!

Repreensão

1. É um erro pensar que é suficiente apenas para abraçar no coração da fé e


entendimento correto da religião. É igualmente equivocado imaginar que ela está
dentro do poder humano, entretanto, para conceder ou afirmar qualquer coisa antes
que os homens, como a condição do lugar, tempo e pessoas exige, especialmente
quando a vida parece estar em perigo iminente de acabar.

2. Epicuristas estão em erro quando eles negam a providência divina, achando que
sob a majestade de Deus para cuidar de assuntos humanos.

3. Estóicos estão em erro quando eles imaginar que todas as coisas são governadas
pelo destino (ou por alguma necessidade irresistível e violenta).

4. Aqueles que deslocar a ordenação sábio da providência divina com o acaso e


fortuna também está enganado.

5. Pelagianos estão em erro ao atribuir mais do que se justifica a força do homem,


como se ela estivesse em poder dos homens para abraçar a fé em seu próprio prazer ou
para continuar firmemente nele e destemidamente confessá-lo até o fim.

6. Outros erram quando eles dependem mais de coisas exteriores e riquezas


instáveis do que sobre o poder ea bondade de Deus.

Instrução

1. Você deve, em toda a extensão de seu poder, se esforçam para ter um verdadeiro
temor de Deus em vista, porque você já aprendeu que o único Deus é mais temível do
que todos os homens.
2. Você deve aprender a desprezar as coisas humanas, de tal forma que você
sempre desejo, depois de ter abandonado eles, para deixar este mundo e estar com
Cristo no céu.

3. A consideração da providência especial de Deus deve ensiná-lo a pensar na


presença de Deus como tudo vê e tudo sabe, para buscar a sua ajuda, e também a
acreditar que você é ajudado em todas as coisas, e, finalmente, que não há perigo de
modo terrível, mas ele é capaz e disposto a entregar-lhe a partir dele, quando ele está
apto.

Correção

1. Estas palavras de Cristo corrigir a negligência daqueles que não rezam por amor
sincero, de modo que inflamado com isso eles não se recusam a abrir mão de sua vida
para o seu nome.

2. Há aqui, também, uma crítica à negligência daqueles que não reconhecem ou


 ver a providência de Deus mostrando-se em todas as coisas.

3. Há repreensão aqui para aqueles que não dão graças a Deus por ter prometido
em sua providência para governar e defender-nos em tudo o que nos preocupa.

4. Aqueles que abusam de boa criação de Deus são repreendidos aqui, pois é claro
que Deus cuida de todas as coisas. Qualquer passagem nas Escrituras pode ser tratada
desta forma. Note, entretanto, que não se deve tentar expor toda doutrina em todas as
ocasiões, mas apenas aquelas que podem ser aplicadas de forma adequada para as
atuais experiências e condição da igreja. Estes devem ser cuidadosamente escolhidos, e
limitado a alguns, a fim de que aqueles que ouvem a Palavra de Deus exposta estão
sobrecarregados com o grande número de aplicações.

IX. A UTILIZAÇÃO DE MEMÓRIA

Uma vez que é habitual para pregar directamente a partir do coração (ou de
memória), algo que deve ser dito aqui em ligação com a utilização da memória.

 Auxiliares de memória artificial, como aqueles que dependem de lembrar os


lugares e as imagens podem nos ensinar como cometer sermões a memória facilmente,
mas eles não podem ser aprovados, por várias razões:

1. Auxiliares de memória que envolvem a estimulação de uma imagem para


acionar a memória nos envolver em uma atividade não-espiritual. Esse método requer
um absurdo, indigno e, na verdade, pensamentos monstruosos. Isso é especialmente
 verdadeiro para aqueles que aumentam e inflamar as afeições mais corruptos da carne.

2. Formas artificiais de lembrar entorpecer a mente ea memória. Eles exigem um


triplo em vez de uma única memória: primeiro lembrando os lugares, em seguida, as
imagens e, em seguida, em terceiro lugar o que está realmente a ser dito.
É mais útil se quando se preparava para pregar cuidadosamente marca em nossa
mente - com a ajuda de um axiomático, forma syllogistical ou metódica do pensamento
- as diversas provas e aplicações das doutrinas, as ilustrações das aplicações, bem como
a ordem em que pretendemos expor-los. Não há necessidade de ser excessivamente
preocupados com as palavras exatas que vai usar. Como Horace diz, as palavras 'não irá
seguir a contragosto o assunto que é premeditado.

 A prática de memorizar uma palavra manuscrito sermão por palavra tem muitas
desvantagens. Por um lado, envolve uma quantidade enorme de trabalho. Por outro
lado, se a nossa ansiedade, perdemos o lugar, em seguida, a congregação se encontra
em dificuldades e nossa própria mente acaba em um estado de confusão. Além disso,
essa prática impede a liberdade de pronúncia, a ação eo fluxo dado pelo Espírito de
afetos espirituais, porque nossas mentes estão quase obcecado com o fato de nossa
memória - o que temos sobrecarregado com tanta informação - vai nos deixar.

X. pregando a palavra

Nós discutimos a preparação da substância do sermão. Agora, temos de pensar


sobre a própria pregação real. Aqui duas coisas são essenciais: (i) o esconderijo da
sabedoria humana, e (ii) a demonstração ou manifestação do Espírito. A sabedoria
humana deve ser escondida, tanto no conteúdo do sermão e na linguagem que usamos.
 A pregação da Palavra é o testemunho de Deus e da profissão do conhecimento de
Cristo, e não da habilidade humana. Além disso, os ouvintes não deve atribuir a sua fé
com os dons dos homens, mas para o poder da Palavra de Deus ( 1 Coríntios . 2:1, 2, 5).
Mas isso não significa que púlpitos será marcado por uma falta de conhecimento e
educação. O ministro pode, e de fato tem , faça reservadamente o uso gratuito das artes
em geral e da filosofia, bem como empregar uma grande variedade de leitura, enquanto
ele está preparando seu sermão. Mas, em exposição pública estes devem ser escondido
da congregação, não ostensivamente desfilaram diante deles. Como diz o provérbio
latino diz, Artis etiam CELARE Artem - que também é um ponto de arte para esconder
a arte.

 A "demonstração do Espírito" ( 1 Cor . 02:04) torna-se uma realidade quando, na


pregação, o ministro da Palavra realiza-se de tal maneira que todos - mesmo aqueles
que são ignorantes do evangelho e são incrédulos - reconhecer que não é tanto o
pregador que está falando, mas o Espírito de Deus nele e por ele (  Mic  3:8;. 1 Cor .
02:04; 14:24, 25; 4:19, 20). Isto é o que faz com que o seu ministério viva e eficaz (
 Lucas 11:27).

Tal 'demonstração' virá a expressão quer na fala ou no gesto. O discurso deve ser
espiritual e gracioso. Discurso espiritual é a fala que o Espírito Santo ensina ( 1 Cor .
2:13). É ao mesmo tempo simples e clara, sob medida para a compreensão dos ouvintes
e adequado para expressar a majestade do Espírito (  Atos 17:2, 3; 2 Coríntios 4:2-4;.
Gal   . 3:1). Por esta razão, nenhum dos vocabulário especializado das artes, nem frases
gregas e latinas, nem voltas ímpares de expressão deve ser usado no sermão. Estes
distrair as mentes daqueles ouvintes que não podem ver a conexão entre o que foi dito
eo que se segue. Além disso, as palavras incomuns atrapalhar ao invés de ajudar as
pessoas em seus esforços para compreender o que está sendo dito. E eles também
tendem a atrair a mente longe do assunto na mão de outras coisas. Neste sentido,
também, a mera narração de histórias, bem como declarações vulgares ou tolas deve
ser evitada.

Gracious discurso expressa a graça do coração ( Lucas 4:22; João 7:46). Tal graça


é tanto da pessoa, ou do ministério.

 A graça da pessoa é a santidade do coração e de uma vida irrepreensível. Enquanto


estas não em si mesmos qualificar alguém para ser um ministro, ninguém pode fazer o
trabalho do ministério, sem eles, por várias razões.

1. Porque a doutrina da Palavra é difícil de entender e praticar.


Consequentemente, o ministro deve expressar o que ele ensina com o seu exemplo,
como uma espécie de modelo ou tipo de sua própria mensagem (  Phil   4:08;. 1 Tm .
4:12; 1 Ped  . 5:3).

2. Uma pessoa não é piedoso, por mais que ele pode compreender as Escrituras, se
ele não possuir um senso ea experiência da Palavra em seu coração (interior Gen 18:17-
19;. Salmos 25:8, 9;. Amos 3: 7).

3. Deus abomina discurso piedoso que não está associado com uma vida piedosa (
 Sl   . 50:16, 17). Como Gregório Nazianzeno (c.329-c.389), disse que ele é tão estranho
 ver alguém que é suposto para guiar os outros no caminho andando para fora do
caminho próprio, como é ver um médico com sinais de doença em seu próprio corpo.

4. É um dos segredos do ministério que o ministro deve cobrir suas fraquezas,


para que eles não são óbvias. As pessoas comuns não fazem distinção entre o ministério
eo ministro. Eles não são capazes de ver a importância do ministério, sem antes avaliar
a pessoa do ministro. Herodes ouviu João Batista de boa vontade, e não porque ele era
um bom ministro, mas porque ele era um bom homem (  Mark  6:20). Gregório de
Nazianzo atinge a nota certa vez, quando ele diz: "Aquele que ensina a sã doutrina, e
 vive perversamente, chega com uma mão o que ele bate acabar com o outro." João
Crisóstomo (347-407), comentando sobre Mateus 20, diz: "O doutor da Igreja,
ensinando bem e vivendo bem instrui as pessoas como elas devem viver bem, mas por
 viver mal ele instrui Deus como para condená-lo. ' E ainda: "É uma questão fácil de
mostrar sabedoria nas palavras, ensina-me a viver de acordo com sua vida, este é o
melhor ensino. As palavras não fazem tão grande uma impressão na alma como obras
fazem!

5. Um ministro que é mau, seja aberta ou secretamente, não é digno de estar


diante da face do Deus santíssimo e todo-poderoso ( Lev 10:3;. Isa . 6:6-8; Jer . 15:19).
É por isso que os juízos de Deus permanecem para ministros ímpios a tremer em ( 1
 Sam . 2:17, 25).

Santidade

Santidade envolve os seguintes elementos na medida em que o pregador está em


causa:
1. Uma boa consciência (  Atos 24:16; 2 Coríntios 1:12;. 1 Tm . 1:19). Sem isso, a
 boca do pregador será fechada ( Isa . 56:10).

2. Um sentido para dentro da doutrina que devemos pregar. Madeira, que é capaz
de queimar não está definido acesa quando o fogo é colocado a ele. Da mesma forma
quem iria incentivar afetos piedosos e desejos em outros deve primeiro ter afetos
piedosos si mesmo. Assim, tudo o que as respostas de um sermão especial requer
primeiro deve ser agitada em particular em nossas próprias mentes, para que possamos
acender a mesma chama em nossos ouvintes.

3. O temor de Deus, de modo que, preenchido com um sentimento reverente a


majestade de Deus, vamos falar com sobriedade e com moderação.

4. Um amor para o povo ( 1 Ts . 2:7). Para incentivar esse carinho, o ministro deve
orar fervorosamente a sério e para o povo de Deus ( 1 Sam . 12:23).

5. O ministro também deve ser digno de respeito por sua constância, integridade,
seriedade e veracidade. Ele deve saber como respeitar os outros em privado ou em
público, em consonância com o caráter de sua congregação.

6. Ele deve ser temperado, interiormente restringir quaisquer sentimentos fortes.


Tanto seu estilo exterior de comportamento e os gestos devem ser moderados e direta.
Desta forma, ele será marcado pela dignidade e autoridade. Conseqüentemente, ele não
deve ser nem os avarentos, nem um bebedor pesado, nem litigioso, nem um caráter
combativo, nem dado a explosões de raiva. Aqueles que são os homens mais jovens
devem dedicar-se à piedade, e rejeitar os desejos da juventude ( 1 Tm . 4:7).

Graça

 A graça do ministro é composto pelas seguintes qualidades:

1. Ele deve ser capaz de ensinar ( 1 Tm . 3:2). Paul não significa simplesmente que
é altamente desejável por este presente de estar presente, é tão essencial que não pode
estar ausente. Esta é a razão Gregório de Nazianzo recusou um bispado. Teofilato
comentários sobre esta passagem que 'este dever de ensino está acima de todos os
outros essenciais naqueles que são bispos. " De fato, nos Concílios de Nicéia e Mileto,
este foi imposto em vez de punição, para conter o nome de um ministro, mas não ser
autorizado a pregar o evangelho.

2. Autoridade, pelo qual o pregador fala como o embaixador do grande Jeová (


Tito 2:15; 1 Pe 4:11.).

3. Zeal, de modo que, em seu desejo pela glória de Deus, ele vai procurar através
de seu ministério a cumprir e efetuar o decreto da eleição de homens e mulheres para a
salvação de Deus ( Jó 32:18, 19; Col  . 1:28, 29; 2 Tm . 2:25).

Gestos físicos

Gesto envolve a ação de qualquer um a voz ou o corpo.


 A voz deve ser alto o suficiente para que todos possam ouvir (  Isa  58:1;.  João
07:37;  Atos  2:14). Na exposição da doutrina em um sermão que devemos ser mais
moderado, mas na exortação mais fervorosa e veemente. Não deve haver um peso sobre
os gestos do corpo, que por sua própria maneira graça o mensageiro de Deus. É
conveniente, portanto, que o pregador manter o tronco de seu corpo ereto e imóvel,
enquanto as outras partes, como o braço, a mão, o rosto e os olhos pode expressar e
(por assim dizer) falam as afeições espirituais de seu coração.

Escritura fornece ilustrações do poder comunicativo das ações físicas. O


levantamento acima do olho ea mão significa confiança ( 2 Crônicas  6:13, 14;.  Atos
7:55). O casting para baixo dos olhos indica tristeza e sensação de peso (  Lucas 18:13).
Quanto aos gestos, não podemos estabelecer novos princípios, mas aqui o exemplo de
ministros piedosos amplamente respeitados servirá como um guia.

XI. ORAÇÃO PÚBLICA

Temos vindo a considerar a pregação da Palavra. Agora, finalmente, algo deve ser
dito sobre a liderança na oração pública. Este é o segundo aspecto de profetizar. Nele, o
ministro é a voz do povo em comunhão com Deus ( 1 Sm 14:24;. Lucas 11:1).

Neste contexto, devemos observar os seguintes pontos:

1. O sujeito da oração pública deve ser, em primeiro lugar, as deficiências e


pecados do povo, e então as graças de Deus e as bênçãos que necessitam de ( 1 Tm . 2:1,
2). Tertuliano diz: "Nós todos rezar por todos os imperadores, para que possam obter
uma vida longa, um reinado tranquilo, uma família segura, os exércitos corajosos, um
conselho fiéis, leais súditos, um mundo de paz, e tudo o que é desejado de um homem e
de César. Mais uma vez, "Nós rezamos por imperadores para os seus ministros e
poderes, para o estado do tempo, para a tranquilidade dos seus negócios, e para o
adiamento de sua morte." A Oração do Senhor abrange essas áreas com menos de seis
temas: a glória de Deus, o reino de Deus, e nossa obediência, a preservação da vida, o
perdão dos pecados eo fortalecimento do espírito.

2. A forma de oração deve ser a seguinte: Uma voz, a do ministro só, deveria levar
em oração, a congregação se juntar em silêncio, mas indicando o seu acordo no final,
dizendo: 'Amém' ( Neemias 8:06;. Atos 4 : 24; 1 Co 14:16).. Essa era a prática da igreja
primitiva, como Justin diz: "Quando o presidente terminou suas orações e ações de
graças, todo o povo presente gritar com uma aprovação favorável, dizendo: Amém".

3. Mas a única voz que expressa as orações corporativos da congregação precisa


ser entendido ( 1 Cor . 14:15). Não se deve levar em oração de uma forma irregular e
abrupta, mas com um fluxo constante de petições, de modo que sejam evitadas
repetições vazias ( Matt  . 6:7).

4. Existem três elementos em oração: (i) com cuidado pensando sobre o conteúdo
apropriado para a oração, (ii) Definição dos temas em uma ordem apropriada, (iii)