Você está na página 1de 33

Comentários aos Títulos de Crédito no Código Civil

Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002

Maria Bernadete Miranda

Mestre em Direito das Relações Sociais, sub-área Direito Empresarial, pela Pontifícia
Universidade Católica de São Paulo, Coordenadora e Professora do Curso de Pós-Graduação da
Faculdade de Direito de Itu e Professora de Direito Empresarial, Direito do Consumidor e
Mediação e Arbitragem da Faculdade de Administração e Ciências Contábeis de São Roque.
Advogada.

TÍTULO VIII
DOS TÍTULOS DE CRÉDITO
CAPÍTULO I
DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 887 – O título de crédito, documento necessário ao exercício do


direito literal e autônomo nele contido, somente produz efeito quando
preencha os requisitos da lei.
Os títulos de crédito são documentos representativos de obrigações
pecuniárias, não se confundindo com a obrigação, mas sim, a representando. O
título de crédito é, antes de tudo, um documento, no qual se materializa e se
incorpora a promessa da prestação futura a ser realizada pelo devedor, em
pagamento da prestação atual realizada pelo credor.
Se devedor e credor estiverem de acordo quanto à existência da obrigação
e também quanto à sua extensão, esta pode ser representada por um título de
crédito (letra de câmbio, nota promissória, cheque, etc), porém nem todo
documento será um título de crédito; mas todo título de crédito é, antes de tudo,
um documento, no qual se consigna a prestação futura prometida pelo devedor.
Na doutrina, a mais completa definição é a de Cesare Vivante,1 “Título de
crédito é o documento necessário para o exercício do direito literal e autônomo,
nele mencionado.”
Partindo desta definição, o nosso legislador inicia o Título VIII do novo
Código Civil, determinando que o título de crédito é um documento necessário ao

1
VIVANTE, Cesare, Trattato di Diritto Commerciale, Casa Editrice Dott. Francesco Vallardi:
Milano, vol.III, 1914, p.163. Julgamos conveniente transcrevermos o original: “Il titolo di credito è
um documento necessário per esercitare il diritto letterale ed autonomo che vi è mencionato”.

Revista Virtual Direito Brasil – Volume 2 – nº 1 - 2008


exercício do direito literal e autônomo nele contido, porém somente produzirá
efeito quando preenchido todos os requisitos legais.
Analisando essa definição, diremos que título de crédito é um documento.
Isso significa que, para termos um título de crédito, será indispensável a
existência de um documento escrito, que poderá ser um papel, um pergaminho,
sempre uma coisa corpórea, material, em que se possa ver inscrita a
manifestação da vontade do declarante.
Esse documento será necessário para que o portador exerça todos os
direitos nele mencionados. Daí o fato de ser o título de crédito um título de
apresentação, pois, no momento em que o possuidor desejar exercer os direitos
mencionados no documento, deverá apresentá-lo ao devedor ou pessoa indicada
para pagar.
Essa é a razão pela qual nosso legislador determina que o título de crédito
é um documento necessário para o exercício dos direitos nele contidos. Esta
definição quer ressaltar que a declaração constante do título deve especificar
quais os direitos que se incorporam no documento. A declaração desses direitos é
indispensável para que haja um limite, por parte do portador, quanto ao seu
exercício de crédito.
Temos ainda nesta definição que o direito a ser exercido é um direito literal
e autônomo.
Por literalidade entende-se que para a determinação da existência,
conteúdo, extensão e modalidades do direito, é decisivo exclusivamente o teor do
título; sendo assim, o título de crédito obedece rigorosamente ao que nele está
contido. Essa literalidade funciona de modo que somente do conteúdo ou teor do
título é que resultam a individuação e a delimitação do direito cartular.
Quanto à autonomia consiste em considerar cada obrigação derivada do
título de crédito como independente (autônoma), em relação às demais
obrigações constantes do título e em relação aos vínculos existentes entre os
possuidores anteriores e o devedor, sendo esta um requisito fundamental para a
circulação dos títulos de crédito. Pela autonomia, seu adquirente passa a ser o
titular do direito autônomo, independente da relação anterior entre os
possuidores.
A obrigação de cada participante no título é autônoma, e o obrigado tem
que cumpri-la, em favor do portador, nascendo daí o princípio da inoponibilidade

Revista Virtual Direito Brasil – Volume 2 – nº 1 - 2008


das exceções, segundo o qual não pode uma pessoa deixar de cumprir sua
obrigação alegando (opondo exceções) suas relações com qualquer obrigado
anterior do título.
Por fim, este artigo determina que somente produzirá efeito como título de
crédito aquele título que preencha os requisitos legais, que em nosso
entendimento dividem-se em intrínsecos e extrínsecos. Os requisitos extrínsecos
referem-se ao título e os intrínsecos, à obrigação contida no título.
Portanto, os requisitos intrínsecos seriam aqueles comuns a todas as
espécies de obrigações, tais como a capacidade e o consentimento, não sendo
matéria cambiária; os requisitos extrínsecos seriam aqueles que a lei cambiária
indicar para formalizar a validade do título, conforme disposto no artigo 889, que
analisaremos à seguir.

Art. 888 – A omissão de qualquer requisito legal, que tire ao escrito a


sua validade como título de crédito, não implica a invalidade do negócio
jurídico que lhe deu origem.
O artigo 81 da Lei nº 3.071, de 01 de janeiro de 1916, antigo Código Civil,
nada mais fez do que definir negócio jurídico, porém nosso legislador preferiu dar
o nome de ato jurídico, que é: “Todo ato lícito, que tenha por fim imediato adquirir,
resguardar, transferir, modificar ou extinguir direitos”.
O negócio jurídico é um ato de vontade , visando a um fim. O indivíduo
através de sua vontade, cria relações e o direito empresta validade, pois uma vez
estabelecida uma relação jurídica entre as pessoas, legalmente constituída, a lei
lhe empresta sua força coercitiva e ela se torna obrigatória.
É através do negócio jurídico que nascem as relações jurídicas tuteladas
pelo direito. Os títulos de crédito são considerados negócios jurídicos abstratos ou
formais, pois a sua existência está desvinculada da causa que lhe deu origem,
portanto produzem efeito independentemente de sua causa, como, por exemplo,
uma letra de câmbio e uma nota promissória.
No artigo 888, o legislador determina que o título de crédito em que faltar
algum dos seus requisitos legais não invalidará o negócio jurídico que lhe deu
origem, mas será considerado um título viciado, e este título perderá a sua
validade como título de crédito e não terá o direito ao uso de uma ação cambial,
porém não irá invalidar o negócio jurídico que lhe deu origem.
Revista Virtual Direito Brasil – Volume 2 – nº 1 - 2008
O título perderá seu caráter cambiário, porém não se torna uma obrigação
inexistente, ou juridicamente ineficaz, pois o documento está viciado, mas
continua valendo como prova de uma obrigação comum escrita anteriormente,
porém destituída de rigor cambiário, estando tutelada pelo direito comum, pois o
negócio jurídico que originou o título não se torna inválido, continua existindo.

Art. 889 – Deve o título de crédito conter a data da emissão, a


indicação precisa dos direitos que confere, e a assinatura do emitente.
§ 1º É à vista o título de crédito que não contenha indicação do
vencimento.
§ 2º Considera-se lugar de emissão e de pagamento, quando não
indicado no título, o domicílio do emitente.
§ 3º O título poderá ser emitido a partir dos caracteres criados em
computador ou meio técnico equivalente e que constem da escrituração do
emitente, observados os requisitos mínimos previstos neste artigo.
Para a sua validade, um título de crédito, deverá conter determinados
requisitos essenciais, tais como:
a) a data da emissão – para determinados títulos típicos, tais como letra
de câmbio, nota promissória, cheque, duplicata, a nossa lei brasileira não
considera a data da emissão como requisito essencial, facultando ao portador
inseri-la a qualquer momento. Porém, este artigo a torna obrigatória aos títulos
atípicos, e esta importância provém do fato de que, somente após o documento
estar revestido dos requisitos legais, é que poderá ser considerado um título que
vale por si mesmo, independente da causa que lhe deu origem. A data em que o
título foi passado serve para verificar se, na época, o emitente era capaz de se
obrigar cambiariamente.
A data consiste em dia, mês e ano, devendo ser o mês escrito por extenso.
b) a indicação precisa dos direitos que confere – Em primeiro lugar
seria o mandato puro e simples de pagar uma quantia determinada. É necessário
que no título esteja especificado o montante da importância a ser paga, de modo
que se saiba exatamente o valor total que o título representa. Não é permitido que
conste no título um valor indeterminado, mas sim o valor exato do montante da
importância que deverá ser paga pelo devedor.

Revista Virtual Direito Brasil – Volume 2 – nº 1 - 2008


Em seguida deverá conter o nome daquele que deve pagar, o devedor, que
poderá ser qualquer pessoa, física ou jurídica.
Trata-se também de um requisito obrigatório o nome da pessoa a quem ou
à ordem de quem o título deverá ser pago, que será o beneficiário ou tomador.
Uma vez lhe entregue o título, investe-se na qualidade de proprietário original dele
e, conseqüentemente, sujeito ativo dos direitos dele emergentes.
Se o beneficiário desejar passar esses direitos, deverá fazê-lo mediante
sua assinatura no título, ou seja, através de endosso.
c) a assinatura do emitente – Emitente é aquele que cria o título e que
necessariamente deverá ser capaz, para poder responder pela obrigação. Porém,
se for incapaz e outra pessoa lançar a sua assinatura no título, ficará esta última
obrigada perante o portador pela obrigação de pagar o respectivo valor constante
do documento.
No § 1º deste artigo encontramos um requisito que não é considerado
essencial, que seria a época do pagamento, pois está determinado que o título
que não contenha a indicação do vencimento será considerado à vista. Portanto,
o título poderá circular sem esta menção expressa. A ressalva para esta validade
figura no § 1º que determina que é à vista o título que não contenha indicação de
vencimento.
No § 2º também encontramos um outro requisito não essencial que seria o
lugar da emissão e o lugar do pagamento do título. O referido parágrafo determina
que considera-se lugar de emissão e de pagamento, quando não indicado no
título, o domicílio do emitente.
Como pudemos observar acima, a data é um requisito essencial, porém,
quanto ao lugar em que o título é passado, a lei admite, na sua ausência, que
será considerado como tendo sido emitido no lugar do domicílio do emitente.
A indicação do lugar da emissão tem por finalidade saber-se qual a lei a
aplicar nas relações internacionais. Assim será considerado inválido um título
indicando um lugar de emissão inexistente.
Quanto ao lugar do pagamento, o legislador também não considera como
requisito essencial, pois, na ausência de um outro expressamente designado, é o
mencionado ao lado do nome do emitente, o lugar do seu domicílio. Porém,
podemos ter diversos emitentes, e conseqüentemente diversos lugares de
pagamento.

Revista Virtual Direito Brasil – Volume 2 – nº 1 - 2008


No § 3º encontramos os títulos eletrônicos ou escriturais, que são aqueles
criados a partir dos caracteres em computador ou outro meio técnico equivalente,
que observem os requisitos mínimos determinados pelo § 1º deste artigo, e que
constem da escrituração do emitente. Citaremos como exemplo a duplicata
escritural e as ações escriturais.
Antigamente para se fazer uma cobrança bancária, deveria-se faturar,
emitir duplicata, preencher um borderô e mandar um mensageiro à instituição
financeira para, assim, dar início ao processo de cobrança. Bons tempos, porém
antigos, muito antigos.
Hoje, todo o serviço é on-line. Os títulos são eletrônicos ou escriturais e
tudo é feito via sistema, com uma rapidez incrível e segurança absoluta. A
empresa fatura, até aí continua igual. Porém não emite papéis. O borderô é
eletrônico, onde os dados do faturamento são importados através de uma
conecção com os computadores do Banco, usando-se um software de
comunicação computador a computador.
Conectada, a empresa envia os arquivos eletrônicos para o banco, que os
recebe diretamente em um centro de processamento, processa-os, emite as
papeletas de cobrança e expede-as para os sacados, tudo muito simples, porém
este título será considerado um título de crédito atípico, também chamado de
inominado e não contará com força executiva para a sua cobrança.
Um título de crédito para valer como tal deve obedecer a determinadas
formalidades previstas na legislação e a esse conjunto de regras legais
denominamos de rigor cambiário.
Conforme ensinamentos de Pontes de Miranda: “O direito cambiário
chegou a tão grande harmonia de técnicas e a técnica tão longe levou o seu
intuito de harmonizar interesses particulares e do público, que o sacrifício de
2
qualquer elemento significa, sempre, erro de justiça.”
Portanto para este rigor cambiário, necessitamos que os títulos de créditos
estejam revestidos de certos requisitos intrínsecos e extrínsecos.
Os requisitos intrínsecos, constituem-se em elementos comuns a todas as
obrigações, ou seja, a capacidade das partes, objeto lícito e consentimento.

2
MIRANDA, Pontes. Tratado de direito cambiário, São Paulo: Max Limonad, 1954, p.11.

Revista Virtual Direito Brasil – Volume 2 – nº 1 - 2008


Os requisitos extrínsecos, são aqueles de natureza formal, previstos em
legislações própria e essenciais à eficácia cambial dos títulos de crédito (força
executiva).
Os bancos, como se sabe, não possuem meios de comprovação
adequados para que o boleto enviado aos sacados possa constituir-se numa
apresentação legal do título ao pagamento. Portanto a inobservância de tais
atributos transformam estes documentos em simples elementos comprobatórios,
totalmente destituídos de rigor cambiário, servindo apenas como prova da
existência de prováveis obrigações que possam motivar a interposição de ações
de cobrança ou monitórias.
Quanto às ações escriturais, são aquelas cujos certificados não são
emitidos e cuja movimentação se faz através de uma conta de depósito, aberta
em nome do acionista, em instituição financeira devidamente autorizada pela
Comissão de Valores Mobiliários, à vista de documentos determinando a sua
transferência.
A adoção de ações escriturais tem estreita correlação com a operação
bancária em que se faz a movimentação de contas, sem utilizar cheque e que é
conhecida por transferência (virement). Essas operações, bastante usuais na
França, têm por finalidade fazer com que funcione a chamada moeda escritural,
isto é, a movimentação de contas apenas por lançamentos contábeis, com a
transferência de créditos de uma conta para outra, sem serem empregadas as
moedas em espécie e sem a necessidade de cheque.3 Aproveitando o mesmo
mecanismo, a ação escritural dispensa a emissão de certificados, ficando o
acionista com as suas ações depositadas na instituição financeira, como a
constituir um saldo resultante das ações por ele adquiridas. Com esse crédito a
seu favor, será feita a movimentação da sua conta que, em vez de se tratar de
uma conta em dinheiro, será em ações.

Art. 890 – Consideram-se não escritas no título a cláusula de juros, a


proibitiva de endosso, a excludente de responsabilidade pelo pagamento ou
por despesas, a que dispense a observância de termos e formalidades

3
Cf. CABRILLAC, Henri. Lê cheque et lê virement. Paris: Librairies Techniques, 1967;
Cavagalda e Stoufflet. Droit de la banque. Paris: Presses Universitaires. 1974, p.342 e segs.

Revista Virtual Direito Brasil – Volume 2 – nº 1 - 2008


prescritas, e a que, além dos limites fixados em lei, exclua ou restrinja
direitos e obrigações.
Não devemos nos esquecer de que estas normas são aplicáveis aos títulos
de crédito atípicos e este artigo contraria totalmente a nossa tradição cambiária
no sentido de que as cláusulas consideradas não escritas no título, assim o eram
apenas para os efeitos cambias, conforme artigo 44, do Decreto nº 2.044, de 31
de dezembro de 1908, que diz: “Para os efeitos cambiais, são consideradas não
escritas:
I - a cláusula de juros;
II – a cláusula proibitiva do endosso ou do protesto da responsabilidade
pelas despesas e qualquer outra, dispensando a observância dos termos ou das
formalidades prescritas por lei;
III – a cláusula proibitiva da apresentação da letra ao aceite do sacado;
IV – a cláusula excludente ou restritiva da responsabilidade e qualquer
outra beneficiando o devedor ou o credor, além dos limites fixados por esta lei.”
Nunca ninguém duvidou de que a cláusula de juros, pactuada na cambial,
pudesse ser cobrada pela via ordinária, porém com esta nova redação,
determinada pelo artigo 890 do novo Código Civil, tudo nos leva a crer que os
títulos atípicos, contendo tais cláusulas não produzirão efeitos de nenhuma
espécie, quer cartulares ou extra-cartulares.
Tal como está redigido, o artigo implica uma curiosa contradição, pois
cláusulas já permitidas, no âmbito dos títulos típicos, seriam destituídas de todos
os efeitos jurídicos, relativamente aos títulos atípicos, aos quais esse Título VIII
efetivamente se destina.

Art. 891 – O título de crédito, incompleto ao tempo de emissão, deve


ser preenchido de conformidade com os ajustes realizados.
Parágrafo único – O descumprimento dos ajustes previstos neste
artigo pelos que deles participaram, não constitui motivo de oposição ao
terceiro portador, salvo se este, ao adquirir o título, tiver agido de má-fé.
Primeiramente devemos fazer alguns esclarecimento sobre a criação e a
emissão de um título de crédito.
Entende-se por criação o ato de dar vida ao título, com a sua feitura
material, cujo momento decisivo é aquele em que o sacador lança sua assinatura,

Revista Virtual Direito Brasil – Volume 2 – nº 1 - 2008


e por emissão ou saque o ato em que o título entra em circulação, com a sua
transferência para o beneficiário.
Em resumo, diremos que criar é dar forma escrita ao título, e emitir é fazer
o título já criado entrar em circulação.
O referido artigo determina que o título de crédito que estiver incompleto ao
tempo de sua emissão, ou seja, no momento em que entra em circulação, deverá
ser preenchido conforme o que foi ajustado na época de sua criação.
Porém, se as pessoas intervenientes no título descumprirem o que foi
ajustado anteriormente, e o título estiver preenchido contrariamente ao que foi
estabelecido entre as partes, não constituirá motivo de oposição ao terceiro
portador , a não ser que este tenha adquirido o título agindo de má-fé.
O terceiro de má-fé será aquele que agiu com maldade, servindo a
interesses ocultos ou que tinha conhecimento de vícios anteriores com relação ao
título.
O terceiro de boa-fé será toda pessoa que, com a qualidade de terceiro,
promova um ato jurídico sem qualquer maldade, ou sem estar servindo a
interesses ocultos e prejudiciais a outrem mancomunado com a outra parte.
Em regra, a boa-fé de terceiro resulta do desconhecimento de fato anterior,
que se atenta, ou se prejudica com o ato, de que participa, posteriormente.
Portanto se o terceiro portador recebeu o título em boa-fé não poderá se
opor ao seu preenchimento.

Art. 892 – Aquele que, sem ter poderes, ou excedendo os que tem,
lança a sua assinatura em título de crédito, como mandatário ou
representante de outrem, fica pessoalmente obrigado, e pagando o título,
tem ele os mesmos direitos que teria o suposto mandante ou representado.
Esse artigo diz respeito a falta ou excesso de poder de alguém que lança a
sua assinatura em um título de crédito, sem ter poderes para isso ou excedendo
os que tiver.
Segundo o novo Código Civil, em seu artigo 653, “Opera-se o mandato
quando alguém recebe de outrem poderes para, em seu nome, praticar atos ou
administrar interesses. A procuração é o instrumento do mandato”.

Revista Virtual Direito Brasil – Volume 2 – nº 1 - 2008


O que caracteriza o mandato é a representação, isto é, o fato de uma
pessoa agir em nome de outra, representando-a e praticando todos os atos como
se eles fossem praticados pelo mandante.
Mandante ou Outorgante é aquele que confere os poderes a outrem para
a prática dos atos em seu nome.
Mandatário ou Procurador é aquele a quem tais poderes são conferidos.
Se o representante de alguém ou o seu mandatário vier a assinar um título
de crédito sem ter poderes, ou exceder os que tiver, ficará pessoalmente
obrigado, e, caso venha a pagar o título, passará a ter os mesmos direitos que
teria o suposto mandante ou representado.

Art. 893 – A transferência do título de crédito implica a de todos os


direitos que lhe são inerentes.
Este artigo se origina do artigo 1.995 do Código Civil Italiano, que diz:
“Transferência dos direitos acessórios. A transferência do título de crédito
4
compreende também os direitos acessórios a ele inerentes.”
A Lei Uniforme de Genebra, Decreto nº 57.663, de 24 de janeiro de 1996,
determina em seu artigo 14 – “O endosso transmite todos os direitos emergentes
da letra.”
A circulação de um título de crédito é um dos fenômenos que mais contribui
para o extraordinário desenvolvimento do crédito nos últimos tempos.
Temos duas maneiras para que um título possa facilmente ser transferido e
circular: pela tradição, que consiste na entrega pura e simples da cambial ao seu
novo proprietário, independentemente de qualquer declaração escrita relativa à
transferência, e pelo endosso translativo seguido da tradição, que se constitui no
meio pelo qual se transfere a propriedade de um título de crédito, revelando-se
num ato típico de circulação cambial.
Tratando-se de uma declaração acessória, o endosso deve ser lançado no
verso do título e, para a sua validade, basta a assinatura de próprio punho do
endossante.
Além de transferir o título de crédito ao endossatário, o endosso também
vincula o endossante, salvo cláusula em contrário, à sua aceitação ou ao seu

4
Código Civil Italiano, artigo 1.995 – “Transferimento dei diritti sccessori. Il transferimento Del titolo
di credito comprende anche i diritti accessori Che ad esso inerent”.

Revista Virtual Direito Brasil – Volume 2 – nº 1 - 2008


pagamento. Podemos dizer que, enquanto o endossatário se torna o novo credor
do título de crédito, o endossante passa a ser um de seus co-devedores.
Assim, ao se transferir um título de crédito estão se transferindo também
todos os direitos nele contido, constituindo, igualmente, uma garantia de
pagamento, já que o endossante se torna responsável pela garantia do
pagamento do título, assumindo a posição de coobrigado da dívida cambiária.

Art. 894 – O portador de título representativo de mercadoria tem o


direito de transferi-lo, de conformidade com as normas que regulam a sua
circulação, ou de receber aquela independente de quaisquer formalidades,
além da entrega do título devidamente quitado.
Este artigo também tem por fonte o disposto no Código Civil italiano, em
seu artigo 1.996, que dispõe: “Títulos representativos. Os títulos representativos
de mercadorias atribuem ao possuidor o direito à entrega das mercadorias neles
especificadas, a posse das mesmas e o poder de dispor delas mediante
transferência do título”. 5
Trata-se de títulos atípicos que poderão livremente surgir no mercado,
tomando como paradigma o conhecimento de depósito e o “warrant”.
São títulos de crédito que representam mercadorias e que poderão circular
normalmente através do endosso. Quanto as mercadorias elas poderão ser
retiradas, independente de quaisquer formalidades, desde que o título seja
apresentado devidamente quitado. Devemos lembrar que o portador do
conhecimento de depósito, cujo “warrant” foi negociado, não poderá receber a
mercadoria sem que deposite, no armazém geral, principal e juros devidos ao
portador do “warrant”.

Art. 895 – Enquanto o título de crédito estiver em circulação, só ele


poderá ser dado em garantia, ou ser objeto de medidas judiciais, e não,
separadamente, os direitos ou mercadorias que representa.
A norma continua inspirada no Código Civil Italiano, em seu artigo 1.997,
entretanto o Código Civil italiano faz a devida distinção entre o “direito

5
Código Civil Italiano, artigo 1.996 – “Títoli rappresentativi. I Titoli rappresentativi di merci
attribuiscono al possessore il diritto allá consegna delle merci Che sono in essi specificate, il
possesso delle medesime e il potere di disporne mediante trasferimento Del titolo”.

Revista Virtual Direito Brasil – Volume 2 – nº 1 - 2008


mencionado” no título e as “mercadorias por este representadas”; isso não ocorre
no nosso Código Civil, pois o legislador se refere neste artigo a “direitos ou
mercadorias que (o título) representa”. 6
Trata-se de um título de crédito causal e que representa o crédito e o valor
de determinadas mercadorias, constituindo uma promessa de pagamento.
O título de crédito será emitido acopladamente àquele que representa as
mercadorias, destinando-se a eventuais operações de crédito cuja garantia seja o
penhor sobre as mercadorias.
O título de crédito é um documento autônomo, pois quando este é
transferido, o que é objeto de transferência é o título e não o direito contido nele.
Como o direito cartular não pertence, em rigor, a pessoa determinada, mas
a sujeito indeterminado, e só determinável pela sua relação real com o título, cada
possuidor é titular do direito autônomo e originário afirmado no título e não de um
direito derivado e a ele transferido pelos seus antecessores na posse do título.
Sendo assim, o direito de cada legítimo possuidor do título se repassa por inteiro
no próprio título, que destinado a circular, se desprende da relação fundamental
que lhe deu origem, que foi a causa de sua emissão. O que circula é
exclusivamente o título, no qual cada possuidor ao adquiri-lo se investe, de modo
originário, autônomo e independente.
A autonomia é a desvinculação da causa do título em relação a todos os
coobrigados.
Se o título de crédito estiver em circulação, somente ele, e não os direitos
ou mercadorias que representa, constituirá objeto de medida judicial e poderá ser
dado em garantia.

Art. 896 – O título de crédito não pode ser reivindicado do portador


que o adquiriu de boa-fé e na conformidade das normas que disciplinam a
sua circulação.
Esse artigo reproduz, aproximadamente o disposto no artigo 1.994 do
Código Civil Italiano, que diz: “Quem adquiriu de boa-fé a posse de um título de

6
Código Civil Italiano, artigo 1.997 – “Efficacia dei vincoli sul credito. Il pegno (2.784), il sequestro
(671 C.P.C.), il pignoramento (491 C.P.C.) e ogni altro vincolo sul diritto menzionato in um titolo di
credito o sulle merci da esso rappresentate non hanno effetto se non si attuano sul titolo”.

Revista Virtual Direito Brasil – Volume 2 – nº 1 - 2008


crédito, de conformidade com as normas que lhe regulam a circulação, não está
7
sujeito a reivindicação.”
O título de crédito adquirido de boa-fé não poderá ser reinvidicado, ou seja,
não se poderá reclamar o título ou o direito, pois o portador teve a boa-fé ao
consegui-lo e agiu conforme as normas que disciplinam a sua circulação.
A boa-fé no sentido de quem, confiantemente, com intenção pura, pratica
por erro o ato que julgava conveniente e lícito, mas cujo resultado pode ser
contrário aos seus interesses.

Art. 897 – O pagamento de título de crédito, que contenha obrigação


de pagar soma determinada, pode ser garantido por aval.
Parágrafo único – É vedado o aval parcial.
Aval é uma forma de garantia do pagamento da cambial. É o ato cambiário
pelo qual terceiro, denominado avalista, garante o pagamento do título de crédito.
Segundo Pontes de Miranda, “Constitui-se numa declaração típica do
8
direito cambiário ou cambiariforme.”
Para Rubens Requião o “Aval é garantia de pagamento, dada por um
terceiro ou mesmo por um de seus signatários.” 9
No dizer de Dylson Dória, o “Aval é uma declaração cambial escrita na
própria cártula ou em seu alongamento, por cujo meio o seu subscritor, seja ou
não um estranho à relação cambiária, assume uma obrigação solidária,
autônoma, direta e pessoal, que tem por finalidade garantir o pagamento integral,
ou parte da obrigação pecuniária, resguardando-a contra os vícios que inquinem a
sua substância.” 10
O pagamento de um título de crédito, que contenha a obrigação de pagar
uma determinada quantia, poderá ser garantido por aval.
O avalista é a pessoa que presta o aval. Para isto, basta a sua assinatura
ou de mandatário especial, no verso ou no anverso do título. Não há, assim, um

7
Código Civil Italiano, artigo 1.994 – “Effetti Del possesso di buona fede – Chi há acquistato in
buona fede (1.147) il possesso di um titolo di credito, in conformità delle norme Che ne disciplinam
ola circolazione, non è soggetto a rivendicazione”.
Código Civil Italiano, artigo 1.147 – “Possesso di buona fede – È possessore di buona fede chi
possiede ignorando di ledere l`altrui diritto. La buona fede non giova se l`ignoranza dipende da
colpa grave. La buona fede è presunta e basta Che vi sai stata al tempo dell´acquisito”.
8
MIRANDA, Pontes de – Tratado de direito privado, vol. XXXVII, p.127
9
REQUIÃO, Rubens, Curso de direito comercial, São Paulo: Saraiva, vol.2, 2000, p.378.
10
DÓRIA, Dylson. Curso de direito comercial, São Paulo: Saraiva, vol2, 2000, p.43.

Revista Virtual Direito Brasil – Volume 2 – nº 1 - 2008


lugar especial para ser lançado no título a assinatura do aval. Devemos destacar
que o avalista assume responsabilidade solidária pelo pagamento da obrigação.
Isso significa que, se o título não for pago no dia do vencimento, o credor poderá
cobrá-lo diretamente do avalista, se assim desejar.
O avalizado é o devedor que se beneficia do aval, tendo sua dívida
garantida perante o credor. Se o avalizado não pagar o título, o avalista terá de
fazê-lo. A lei assegura, entretanto, ao avalista o direito de cobrar, posteriormente,
o avalizado.
O parágrafo único determina que o aval deverá ser total, sendo vedado o
aval parcial, ou seja, o avalista não poderá garantir, apenas, uma parte da
obrigação, devendo garantir o título por inteiro.
O aval parcial deveria ser permitido para esses títulos atípicos, pois o
Decreto nº 57.663, de 24 de janeiro de 1966, Lei Uniforme, em seu artigo 30,
dispõe que “O pagamento de uma letra pode ser no todo ou em parte garantido
por aval.”
O Decreto nº 57.595, de 07 de janeiro de 1966, Lei Uniforme do Cheque,
em seu artigo 25, determina: “O pagamento de um cheque pode ser garantido no
todo ou em parte do seu valor por um aval.”
A Lei nº 5.474, de 18 de julho de 1968, Lei de Duplicatas é omissa a
respeito, e, em seu artigo 12, dispõe que: “O pagamento da duplicata poderá ser
assegurado por aval, sendo o avalista equiparado àquele cujo nome indicar; na
falta da indicação, àquele de cuja firma lançar a sua; fora desses casos, ao
comprador.” Mas o artigo 25 determina que “Aplicam-se à duplicata e à triplicata,
no que couber, os dispositivos da legislação sobre emissão, circulação e
pagamento das Letras de Câmbio.” Sendo o aval uma garantia de pagamento,
poder-se-ia aplicar à duplicata o dispositivo da Lei Uniforme de Genebra, há
pouco indicada. Sendo desta forma permitido o aval parcial para a letra de
câmbio, nota promissória cheque e duplicata. Por que então vedá-los em outros
títulos cujo pagamento será em dinheiro?

Art. 898 – O aval deve ser dado no verso ou no anverso do próprio


título.
§ 1º - Para a validade do aval, dado no anverso do título, é suficiente a
simples assinatura do avalista.

Revista Virtual Direito Brasil – Volume 2 – nº 1 - 2008


§ 2º - Considera-se não escrito o aval cancelado.
O aval pode ser outorgado tanto na face anterior da cártula cambiária,
como no seu verso. Não há, assim, lugar especial no título para ser lançado o
aval.
Produzido no anverso, ele se perfaz somente com a assinatura do avalista.
Aposto no verso, a sua perfeição exige ainda o emprego da locução “bom para
aval” ou o equivalente “avalista” ou “por aval”, junto à subscrição do garantidor.
O aval cancelado é considerado não escrito. Isso quer dizer que se o
avalista pagar a importância do título ao endossatário ou avalista posterior,
poderá riscar do título o seu aval.

Art. 899 – O avalista equipara-se àquele cujo nome indicar; na falta de


indicação, ao emitente ou devedor final.
§ 1º - Pagando o título, tem o avalista ação de regresso contra o seu
avalizado e demais coobrigados anteriores.
§ 2º - Subsiste a responsabilidade do avalista, ainda que nula a
obrigação daquele a quem se equipara, a menos que a nulidade decorra de
vício de forma.
Todas as pessoas, desde que civilmente capazes, podem ser avalistas.
Mas à tal qualidade não se requer que seja uma pessoa estranha à relação
cambial, podendo qualquer dos coobrigados serem avalistas.
O aval poderá indicar o nome da pessoa a quem se está avalizando,
porém, não havendo indicação, entende-se que o aval foi prestado ao emitente ou
ao devedor final.
O § 1º diz respeito a ação de regresso. Pela solidariedade, o avalista se
equipara ao devedor principal e, na hipótese de inadimplência deste, pagará todo
o título. É de se ressaltar que se o avalista pagar o título, subroga-se nos direitos
dele emergentes contra a pessoa do avalizado, assim como em relação aos
obrigados para com ele por virtude da cártula.
Pagando, o avalista adquire os direitos emergentes do título contra o
avalizado e qualquer dos coobrigados regressivos que lhe são anteriores,
podendo reclamar a quantia paga.
O § 2º determina que subsiste a responsabilidade do avalista mesmo que a
obrigação esteja eivada de nulidade. Tendo em vista o princípio da independência

Revista Virtual Direito Brasil – Volume 2 – nº 1 - 2008


das assinaturas e da autonomia das relações cambiárias, o aval não é atingido
pela ineficácia do título que ele garante.
A obrigação do avalista mantém-se, mesmo no caso em que a obrigação
garantida seja nula por qualquer outra razão que não um vício de forma.
Assim, por exemplo, um aval dado a uma assinatura falsa não é atingido
pela nulidade decorrente da falsificação.

Art. 900 – O aval posterior ao vencimento produz os mesmos efeitos


do anteriormente dado.
A lei determina que o aval póstumo, ou seja, aquele prestado mesmo após
o vencimento do título, produzirá os mesmos efeitos do aval prestado
anteriormente.
O avalista estará garantindo o pagamento do título e se responsabilizando
da mesma maneira que a pessoa por ele avalizada, produzindo os mesmos
efeitos como se o aval tivesse sido prestado antes do vencimento da dívida.
Porém deve-se considerar que o aval deverá ser prestado após o
vencimento do título, mas antes do seu protesto, isso porque a lei, com o protesto,
paralisa a circulação do título, não havendo sentido em apor-se o aval em
documento já protestado.

Art. 901 – Fica validamente desonerado o devedor que paga título de


crédito ao legítimo portador, no vencimento, sem oposição, salvo se agiu de
má-fé.
Parágrafo único – Pagando, pode o devedor exigir do credor, além da
entrega do título, quitação regular.
O vencimento de um título consiste no término do prazo estabelecido para
a utilização do crédito. A partir deste momento, o título torna-se exigível, devendo,
portanto, ser satisfeita a obrigação nele contida.
O pagamento de um título representa o cumprimento da obrigação nele
incorporada. Assim sendo, verificando-se normalmente a época do vencimento e
o pagamento efetuado por quem assumiu a obrigação principal, extingue-se a
relação cambial, desaparecendo as obrigações de quantos participaram do título.

Revista Virtual Direito Brasil – Volume 2 – nº 1 - 2008


Em regra, presume-se desonerado da obrigação assumida aquele que
paga o título no vencimento, porém temos como exceção os casos em que houver
por parte do pagante fraude ou culpa grave.
O parágrafo único determina que ao receber a importância mencionada no
título, ou seja, satisfeita a obrigação constante nele, o portador deve entregar o
título, com a quitação regular, àquele que efetuou o pagamento, não podendo
assim o portador dar outra qualquer quitação, em documento separado, pois,
sendo o título um documento que vale por si só, o que significa um documento
completo, quitado devidamente, atesta o recebimento pelo portador da
importância nele mencionada.

Art. 902 – Não é o credor obrigado a receber o pagamento antes do


vencimento do título, e aquele que o paga, antes do vencimento, fica
responsável pela validade do pagamento.
§ 1º - No vencimento, não pode o credor recusar pagamento, ainda
que parcial.
§ 2º - No caso de pagamento parcial, em que se não opera a tradição
do título, além da quitação em separado, outra deverá ser firmada no próprio
título.
O credor de um título de crédito não é obrigado a receber o pagamento
antes do vencimento e aquele que o paga ficará responsável pela validade do
pagamento. Assim, se pagou mal, ou a quem não tinha o direito de receber,
arcará o pagante com o ônus do seu ato, devendo, se for o caso, pagar
novamente.
Aquele que pagar o título poderá exigir que ele lhe seja entregue com a
respectiva quitação.
O § 1º determina que, no vencimento, o credor não poderá recusar o
pagamento, mesmo que seja parcial, devendo neste caso fazer menção no título
e lhe dar a devida quitação parcial.
O § 2º determina que no caso de pagamento parcial, não sendo o título
entregue ao devedor, o credor deverá dar uma quitação em separado e uma outra
firmada no próprio título, consignando a quantia que foi paga.

Revista Virtual Direito Brasil – Volume 2 – nº 1 - 2008


Art. 903 – Salvo disposição diversa em lei especial, regem-se os
títulos de crédito pelo disposto neste Código.
Os novos títulos de crédito serão regidos por esse Código, os demais
deverão seguir a lei especial.

CAPÍTULO II
DO TÍTULO AO PORTADOR

Art. 904 – A transferência de título ao portador se faz por simples


tradição.
A norma tem como base o artigo 2.003 do Código Civil Italiano, que diz: “O
possuidor do título ao portador é legitimado ao exercício do direito neste
mencionado mediante a apresentação do título”. 11
Os títulos ao portador têm inserida a cláusula ao portador ou mantém em
branco o nome do beneficiário. Presume-se seu legítimo proprietário aquele que o
possui e sua transferência se dá pela simples tradição (entrega do título). Assim,
a circulação dos títulos ao portador se faz de maneira simples e rápida, porém
revestida de certo grau de periculosidade, em caso de furto ou extravio do título.
Com o advento da Lei Uniforme de Genebra, Decreto nº 57.663/66, em seu Art.
1º, 6. e 75, 5., ficaram vedadas em nosso direito a Letra de Câmbio e a Nota
Promissória ao portador, permanecendo o cheque ao portador, em razão de
constituir uma simples ordem de pagamento à vista, com emissão autorizada por
lei.
A partir da entrada em vigor da Lei nº 8.021, de 12 de abril de 1.990, temos
uma ressalva a fazer sobre o cheque, pois a referida lei, em seu artigo 2º, III e
parágrafo único, proíbe a emissão de cheque ao portador para valores superiores
a cem Bônus do Tesouro Nacional - BTN, artigo este que foi posteriormente
revogado pela Lei nº 9.069, de 29 de junho de 1.995, que dispõe sobre o Plano
Real, o Sistema Monetário Nacional, estabelecendo as regras e condições de
emissão do Real, e as condições para conversão das obrigações para o Real.

11
Código Civil Italiano, artigo 2.003 – “Transferimento Del titolo e legittimazione del possessore. Il
trasferimento Del titolo al portatore si opera com la consegna Del titolo (1.994, 1.995). Il
possessore Del titolo al portatore è legittimato all`esercizio Del diritto in esso menzionato in base
allá presentazione Del titolo”.

Revista Virtual Direito Brasil – Volume 2 – nº 1 - 2008


Determina também a Lei nº 8.021, de 12 de abril de 1990, em seu artigo 2º,
II, que: “A partir da data de publicação desta Lei fica vedada: II – a emissão de
títulos e a captação de depósitos ou aplicações ao portador ou nominativos-
endossáveis.”
Ante o exposto, diremos que os novos títulos criados a partir da entrada em
vigor deste Código poderão ser emitidos ao portador, o que não ocorrerá com os
títulos típicos, que continuarão sendo regulados por lei especial.

Art. 905 – O possuidor de título ao portador tem direito à prestação


nele indicada, mediante a sua simples apresentação ao devedor.
Parágrafo único – A prestação é devida ainda que o título tenha
entrado em circulação contra a vontade do emitente.
O portador do título tem o direito de receber a quantia nele indicada,
através da simples apresentação dele ao devedor. O emissor não poderá
exonerar-se de pagá-lo a qualquer detentor como também não terá o direito de
verificar a legitimidade do portador, pois o seu dever será simplesmente pagar o
título a quem lhe apresentar.
Determina o parágrafo único que, mesmo que o título tenha entrado em
circulação contra a vontade do emitente, a prestação será devida e ele deverá
pagá-lo.

Art. 906 – O devedor só poderá opor ao portador exceção fundada em


direito pessoal, ou em nulidade de sua obrigação.
O devedor, para não pagar, somente poderá opor as seguintes defesas ao
portador do título: a) direito pessoal do emitente contra o portador, no caso de má-
fé deste (roubo ou furto do título); e b) nulidade da obrigação em razão da
incapacidade do subscritor, prescrição do título, ou falsificação da assinatura do
emissor.

Art. 907 – É nulo o título ao portador emitido sem autorização de lei


especial.
Será considerado nulo o título ao portador emitido sem autorização de lei
especial.

Revista Virtual Direito Brasil – Volume 2 – nº 1 - 2008


É tradicional em nosso direito a proibição de se emitirem títulos de
pagamento em dinheiro, ao portador, sem autorização de lei especial, pois
determina o artigo 1.511 do Código Civil de 1916 que “É nulo o título, em que o
signatário, ou emissor, se obrigue, sem autorização de lei federal, a pagar ao
portador quantia certa em dinheiro.
Parágrafo único – Esta disposição não se aplica às obrigações emitidas
pelos Estados ou pelos Municípios, as quais continuarão a ser regidas por lei
especial.”
Determina também o artigo 292 do Código Penal que “Emitir, sem
permissão legal, nota, bilhete, ficha, vale ou título que contenha promessa de
pagamento em dinheiro ao portador ou a que falte indicação do nome da pessoa
a quem deva ser pago: detenção, de 1 (um) a 6 (seis) meses, ou multa.”
Trata-se de uma norma penal em branco, porque uma lei extra penal
deverá dizer se há ou não permissão legal para o título ser emitido ao portador.
O título ao portador não deixa de ser uma ameaça à moeda, atrapalhando-
lhe a circulação, substituindo-a, sem, muitas vezes, sequer assegurar o efetivo
pagamento, lesando e ofendendo, em qualquer hipótese, a fé pública.
A lei penal não leva em conta a possibilidade ou não do emitente solver o
compromisso ou obrigação. O que a norteia é impedir a concorrência desses
títulos de crédito à moeda.

Art. 908 – O possuidor de título dilacerado, porém identificável, tem


direito a obter do emitente a substituição do anterior, mediante a restituição
do primeiro e o pagamento das despesas.
Aquele que possuir um título dilacerado, ou seja, rasgado, despedaçado,
mas podendo ser identificado, poderá exigir do emitente a sua substituição,
mediante a devolução do título dilacerado e o pagamento das despesas para a
emissão de um novo título.

Art. 909 – O proprietário, que perder ou extraviar título, ou for


injustamente desapossado dele, poderá obter novo título em juízo, bem
como impedir sejam pagos a outrem capital e rendimentos.

Revista Virtual Direito Brasil – Volume 2 – nº 1 - 2008


Parágrafo único – O pagamento, feito antes de ter ciência da ação
referida neste artigo, exonera o devedor, salvo se se provar que ele tinha
conhecimento do fato.
O proprietário que perder ou extraviar um título, ou que for injustamente
desapossado dele, poderá impedir o seu pagamento a outrem e pleitear por um
novo título em juízo.
Segundo o artigo 907 do Código de Processo Civil “Aquele que tiver
perdido título ao portador ou dele houver sido injustamente desapossado poderá: I
– reivindicá-lo da pessoa que o detiver; II – requerer-lhe a anulação e substituição
por outro.”
Dispõe o artigo 36 do Decreto nº 2.044, de 31/12/1908 “Justificando a
propriedade e o extravio ou a destituição total ou parcial da letra, descrita com
clareza e precisão, o proprietário pode requerer ao juiz competente do lugar do
pagamento, na hipótese de extravio, a intimação do sacado ou do aceitante e dos
coobrigados, para não pagarem a aludida letra, e a citação do detentor para
apresentá-la em juízo, dentro do prazo de 3 (três) meses, e, nos casos de extravio
e de destruição, a citação dos coobrigados para, dentro do referido prazo, oporem
contestação firmada em defeito de forma do título ou, na falta de requisito
essencial, ao exercício da ação cambial.”
Este artigo 36 ainda continua em vigor, não se confundindo com a hipótese
prevista no artigo 16, 2ª alínea do Decreto nº 57.663, de 24/11/66, que dispõe ”Se
uma pessoa foi por qualquer maneira desapossada de uma letra, o portador dela,
desde que justifique o seu direito pela maneira indicada na alínea precedente, não
é obrigado a restituí-la, salvo se a adquiriu de má-fé ou se, adquirindo-a, cometeu
uma falta grave.”
A Lei nº 7.357, de 02/09/85, que dispõe sobre o cheque, determina em seu
artigo 24 que: “Desapossado alguém de um cheque, em virtude de qualquer
evento, novo portador legitimado não está obrigado a restituí-lo, se não o adquiriu
de má-fé.
Parágrafo único – Sem prejuízo do disposto neste artigo, serão
observadas, nos casos de perda, extravio, furto, roubo ou apropriação indébita do
cheque, as disposições legais relativas à anulação e substituição de títulos ao
portador, no que for aplicável.”

Revista Virtual Direito Brasil – Volume 2 – nº 1 - 2008


Determina o parágrafo único do referido artigo 909 em análise, que se
alguém pagar um título, sem que tenha conhecimento de que foi pleiteada a ação
pelo proprietário para obter um novo título pelo fato de o anterior ter sido
extraviado ou perdido, estará exonerado, a não ser que seja provado que tinha
conhecimento do fato.

CAPÍTULO III
DO TÍTULO À ORDEM

Art. 910 – O endosso deve ser lançado pelo endossante no verso ou


anverso do próprio título.
§ 1º - Pode o endossante designar o endossatário, e para validade do
endosso, dado no verso do título, é suficiente a simples assinatura do
endossante.
§ 2º - A transferência por endosso completa-se com a tradição do
título.
§ 3º Considera-se não escrito o endosso cancelado, total ou
parcialmente.
Endosso é o ato cambiário que tem por objetivo transferir o direito
documentado pelo título de crédito de um credor para outro. Se dá através da
assinatura do proprietário no verso ou dorso do documento, com o que o
endossador transfere ao endossatário o título e, conseqüentemente, os direitos
nele incorporados. O endosso pode ser em branco ou em preto.
Conforme disposto no § 1º, o endossante pode identificar expressamente o
nome do endossatário; seria o endosso em preto. Quando o endossatário não é
identificado, temos o endosso em branco, sendo suficiente para a sua validade a
simples assinatura do endossante no verso do título.
Determina o § 2º que a transferência do título por endosso se completa
com a tradição do título, ou seja, pela entrega do título ao endossatário.
O § 3º dispõe que será considerado como não escrito o endosso que tiver
sido efetuado e depois vier a ser cancelado, total ou parcialmente, através de
traços passados sobre ele.

Revista Virtual Direito Brasil – Volume 2 – nº 1 - 2008


Art. 911 – Considera-se legítimo possuidor o portador do título à
ordem com série regular e ininterrupta de endossos, ainda que o último seja
em branco.
Parágrafo único – Aquele que paga o título está obrigado a verificar a
regularidade da série de endossos, mas não a autenticidade das
assinaturas.
O dispositivo origina-se do artigo 2.008 do Código Civil italiano, que
determina “Legitimação do possuidor. O possuidor de um título à ordem é
legitimado para o exercício do direito nele mencionado com base em uma série
continua de endossos.” 12
Determina a Lei Uniforme de Genebra, Decreto nº 57.663, de 24/01/1966,
em seu artigo 16 “O detentor de uma letra é considerado portador legítimo se
justifica o seu direito por uma série ininterrupta de endossos, mesmo se o último
for em branco.”
Será considerado o legítimo possuidor do título de crédito à ordem aquele
que o estiver portando, mesmo após uma série regular e ininterrupta de
endossos, ainda que o último tenha sido em branco, ou seja, mesmo que o último
endossante não o tenha identificado.
Os endossos, sendo lançados sucessivamente no título, formam uma
cadeia, pela qual se pode acompanhar a sucessividade dos proprietários do título.
Essa cadeia de endossos tem muita importância para o último proprietário do
título, pois, se desejar reclamar os seus direitos de algum endossante, ele o fará
exercendo o chamado direito regressivo.
Portanto determina o legislador que será legítimo possuidor do título o
último que o estiver portando, mesmo após essa cadeia sucessiva de endossos e
mesmo que o último endosso tenha sido em branco, sem a identificação do
endossatário.
Determina o parágrafo único que aquele que pagar o título estará obrigado
a verificar a regularidade da série de endossos, mas não a autenticidade das
assinaturas, ou seja, a obrigação daquele que paga é verificar a série regular e

12
Código Civil Italiano, artigo 2.008 – “Legittimazione Del possessore. Il possessore di um titolo
all´ordine è legittimato all´esercizio Del diritto in esso menzionato in base a uma serie continua in
girate”.

Revista Virtual Direito Brasil – Volume 2 – nº 1 - 2008


ininterrupta dos endossos e não se as assinaturas são autenticas, verdadeiras ou
legítimas.
O artigo 39 da Lei nº 7.357, de 02/09/1985, dispõe que “O sacado que
paga o cheque “à ordem” é obrigado a verificar a regularidade da série de
endossos, mas não a autenticidade das assinaturas dos endossantes.”
No mesmo sentido, encontramos disposição no artigo 35 do Decreto nº
57.995, de 07/01/1966, que diz “O sacado que paga um cheque endossável é
obrigado a verificar a regularidade da sucessão dos endossos, mas não a
assinatura dos endossantes.”

Art. 912 – Considera-se não escrita no endosso qualquer condição a


que o subordine o endossante.
Parágrafo único – É nulo o endosso parcial.
O endosso no título deve ser puro e simples, considerando não escrita
qualquer condição a que o subordine o endossante.
O endosso consiste em uma simples assinatura do proprietário do título,no
verso ou anverso dele, antecedida ou não de uma declaração indicando a pessoa
a quem a soma deve ser paga. Com essa assinatura a pessoa que endossa o
título chama-se endossante, que transfere a outrem, chamado de endossatário, a
propriedade do título. Nessa condição, o endossatário, ao receber o título, torna-
se o titular dos direitos emergentes do mesmo, podendo, assim, praticar todos os
atos que se fizerem necessários para resguardar a sua propriedade.
O parágrafo único determina que se o endosso for parcial será considerado
nulo. O Decreto nº 57.663, de 24/01/1966, em seu artigo 12, dispõe “O endosso
deve ser puro e simples. Qualquer condição a que ele seja subordinado
considera-se como não escrita. O endosso parcial é nulo.”
A transferência não pode ser parcial, pelo fato de envolver todas as
vantagens relativas ao crédito, ou seja, não se transfere parte do título, mas ele
inteiro, com os direitos que corporifica.

Art. 913 – O endossatário de endosso em branco pode mudá-lo para


endosso em preto, completando-o com o seu nome ou de terceiro; pode
endossar novamente o título, em branco ou em preto; ou pode transferi-lo
sem novo endosso.

Revista Virtual Direito Brasil – Volume 2 – nº 1 - 2008


Aquele que recebeu um título endossado em branco (endossatário) poderá
mudá-lo para endosso em preto, desde que o complete com o seu nome ou de
um terceiro. Poderá também endossar novamente esse título, com endosso em
branco ou em preto, ou, ainda, poderá transferi-lo sem novo endosso, pela
simples tradição.
Endosso em Branco é aquele em que o endossante (pessoa que dá o
endosso) não identifica a pessoa do endossatário (pessoa que recebe o
endosso). O endosso em branco consiste na assinatura do endossante, fazendo
com que o título nominal passe a circular como se fosse título ao portador. Esse
endosso deve ser conferido na parte de trás do título.
Endosso em Preto é aquele em que o endossante identifica expressamente
o nome do endossatário. Esse endosso pode ser conferido na frente (face ou
anverso) ou atrás (dorso ou verso) do título.

Art. 914 – Ressalvada cláusula expressa em contrário, constante do


endosso, não responde o endossante pelo cumprimento da prestação
constante do título.
§ 1º - Assumindo responsabilidade pelo pagamento, o endossante se
torna devedor solidário.
§ 2º Pagando o título, tem o endossante ação de regresso contra os
coobrigados anteriores.
O artigo 15 da Lei Uniforme, Decreto nº 57.663, de 24/01/66, determina
que “O endossante, salvo cláusula em contrário, é garante tanto da aceitação
como do pagamento do título. O endossante pode proibir um novo endosso, e,
neste caso não garante o pagamento às pessoas a quem a letra for
posteriormente endossada.”
Determina o legislador no artigo 914 a irresponsabilidade do endossante,
pois caso conste do endosso clausula expressa em contrário, ele não responderá
pelo cumprimento da prestação constante do título. Existe a desvinculação do
endossante ao pagamento do título.
Dispõe o § 1º que se o endossante assumir a responsabilidade pelo
pagamento do título, tornar-se-á devedor solidário. Nesse caso o endosso, além
de transferir o título de crédito ao endossatário, também vincula o endossante.

Revista Virtual Direito Brasil – Volume 2 – nº 1 - 2008


O § 2º diz respeito ao pagamento do título, pois se o endossante pagar terá
o direito de regresso contra todos os coobrigados.
O direito que assegura o portador de receber, de quaisquer dos obrigados
anteriores a soma cambial vencida e não paga, mediante protesto atestando a
falta ou recusa do aceite ou do pagamento, chama-se direito regressivo, que
poderá ser exercido amigável, judicialmente ou pelo ressaque.
A ação cambial regressiva é aquela que o portador da cambial move contra
um, alguns ou todos os obrigados que lhe são anteriores, para deles haver a
soma do título, acrescida das despesas que realizou para o recebimento.
O ressaque é um meio extrajudicial de cobrança. Consiste na emissão de
um novo título pelo possuidor, vencível à vista contra quaisquer dos coobrigados.

Art. 915 – O devedor, além das exceções fundadas nas relações


pessoais que tiver com o portador, só poderá opor a este as exceções
relativas à forma do título e ao seu conteúdo literal, à falsidade da própria
assinatura, a defeito de capacidade ou de representação no momento da
subscrição, e à falta de requisito necessário ao exercício da ação.
O devedor, além das exceções fundadas nas suas relações pessoais com
o portador do título, poderá alegar em sua defesa outras relativas à forma do título
(formalismo) e ao seu conteúdo literal (literalidade), à falsidade da assinatura, a
falta de incapacidade ou de representação para subscrever o título e também à
falta de algum requisito essencial para o exercício da ação cambial.

Art. 916 – As exceções, fundadas em relação do devedor com os


portadores precedentes, somente poderão ser por ele opostas ao portador,
se este, ao adquirir o título, tiver agido de má-fé.
O devedor somente poderá opor exceções ao portador, baseadas nas suas
relações com os portadores precedentes, se ele (portador) tiver agido de má-fé
ao adquirir o título, ou seja, tiver adquirido o título dolosamente.

Art. 917 – A cláusula constitutiva de mandato, lançada no endosso,


confere ao endossatário o exercício dos direitos inerentes ao título, salvo
restrição expressamente estatuída.

Revista Virtual Direito Brasil – Volume 2 – nº 1 - 2008


§ 1º O endossatário de endosso-mandato só pode endossar
novamente o título na qualidade de procurador, com os mesmos poderes
que recebeu.
§ 2º - Com a morte ou a superveniente incapacidade do endossante,
não perde eficácia o endosso-mandato.
§ 3º Pode o devedor opor ao endossatário de endosso-mandato
somente as exceções que tiver contra o endossante.
Endosso-mandato ou endosso-procuração é aquele que tem por finalidade
exclusiva a constituição do endossatário em um mandatário do endossante.
Assim, o endossatário tem poderes para realizar a cobrança e dar a quitação do
título, sem no entanto dispor do valor do crédito, o qual pertence ao endossante.
O endosso-mandato não é um meio de transferência da propriedade do
título e nem atribui ao endossador a responsabilidade de garantir o seu
pagamento.
O endosso-mandato identifica-se pela inserção da cláusula “por
procuração”, ou expressão equivalente.
Dispõe o artigo 18 da Lei Uniforme de Genebra, Decreto nº 57.663, de
24/01/1966 “Quando o endosso contém a menção “valor a cobrar” (valeur em
recouverment), “para cobrança” (pour encaissement), “por procuração” (por
procuration), ou qualquer outra menção que implique um simples mandato, o
portador pode exercer todos os direitos emergentes da letra, mas só pode
endossá-la na qualidade de procurador.” 13
Determina o § 1º que o endossatário do endosso-mandato somente poderá
endossar novamente o título na qualidade de procurador (mandatário), se tiver os
mesmos poderes que recebeu.
O § 2º faz referência a morte ou incapacidade do endossante-mandante,
dispondo que, se houver o falecimento ou a incapacidade do endossante-

13
Código Civil Italiano, artigo 2.012 – “Obblighi Del girante. Salvo diversa disposizione di legge o
clausola contraria risultante dal titolo, il girante non è obbligatio per l´inadempimento della
prestazione da parte dell´emitente”.
Código Civil Italiano, artigo 2.013 – “Girata per incasso o per procura. Se allá girata à apposta uma
clausola Che importa conferimento di uma procura per incaso, il giratario può esercitare tutti i diritti
inerenti al titolo, ma non può girarei l titolo, furchè, per procura.
L´emittente può opporre al giratario per procura soltanto lê eccezioni opponibili al girante.
L´efficacia della girata per procura non cessa per la morte o per la sopravvenuta incapacita Del
girante”.

Revista Virtual Direito Brasil – Volume 2 – nº 1 - 2008


mandante, o endosso-mandato não se extingue, não perdendo assim a sua
eficácia.
Diz o § 3º que o devedor somente poderá opor ao endossatário-
mandatário as exceções ou defesa que tiver contra o endossante-mandante.
O endossante-mandante não transmite a propriedade do título ao
endossatário-mandatário, mas o investe na sua posse, a fim de que promova, na
condição de mandatário, a sua cobrança e passe a respectiva quitação. O
endosso-mandato não priva o titular dos seus direitos cambiais, mas apenas
transfere ao mandatário ou procurador o exercício e conservação desses direitos.

Art. 918 – A cláusula constitutiva de penhor, lançada no endosso,


confere ao endossatário o exercício dos direitos inerentes ao título.
§ 1º - O endossatário de endosso-penhor só pode endossar
novamente o título na qualidade de procurador.
§ 2º - Não pode o devedor opor ao endossatário de endosso-penhor as
exceções que tinha contra o endossante, salvo se aquele tiver agido de má-
fé.
O título que contenha o endosso-penhor ou a cláusula “valor em penhor” é
aquele em que o endossante transfere a sua posse ao endossatário, que irá
assumir o dever de não deixar perecer o direito nele contido.
Endosso-caução é a garantia dada pelo devedor ao credor quanto ao
cumprimento da obrigação. A caução pode ser real ou fidejussória.
Caução real é a que confere ao credor um direito real de garantia (penhor,
hipoteca ou anticrese) sobre determinado bem do devedor.
Caução fidejussória é a que se firma por meio de aval ou de fiança.
Representa uma garantia pessoal de pagamento da obrigação.
Importa salientar que, na hipótese de oferecimento de um título de crédito
em garantia do cumprimento de uma obrigação, irá se configurar uma caução real
pignoratícia, atribuindo-se ao credor, o penhor do título (endosso-penhor).
O endosso-caução ou endosso-pignoratício não é translativo da
propriedade do título. Pelo endosso-caução, o endossante simplesmente entrega
o título como garantia do pagamento de uma obrigação principal, da qual o
endossatário é credor.

Revista Virtual Direito Brasil – Volume 2 – nº 1 - 2008


O endosso-caução configura-se com a inclusão da cláusula “válido em
garantia”, ou expressão equivalente.
Dispõe o artigo 19 da Lei Uniforme de Genebra, Decreto nº 57.663, de
24/01/1966 “Quando o endosso contém a menção “valor em garantia”, “valor em
penhor” ou qualquer outra menção que implique uma caução, o portador pode
exercer todos os direitos emergentes da letra, mas um endosso feito por ele só
14
vale como endosso a título de procuração.”
Determina o § 1º que o endossatário de endosso-penhor somente poderá
endossar novamente o título na qualidade de procurador.
O § 2º dispõe que o devedor não pode opor ao endossatário de endosso-
penhor as exceções que tinha contra o endossante, a não ser que aquele tenha
agido de má-fé.

Art. 919 – A aquisição de título à ordem, por meio diverso do endosso,


tem efeito de cessão civil.
O texto traduz o artigo 2.015 do Código Civil Italiano, acrescentando o
qualificativo “civil”. 15
Se alguém vier a adquirir um título à ordem, por algum meio diverso do
endosso, essa aquisição terá os mesmos efeitos da cessão civil. A cessão de
crédito de caráter civil é um contrato bilateral, que não exige forma específica
para ser considerado válido. Ocorrendo nulidade de uma cessão de crédito, todas
as demais serão também atingidas. O devedor pode opor exceção tanto contra o
cessionário quanto contra o cedente, a partir do momento em que tomar
conhecimento da cessão.

Art. 920 – O endosso posterior ao vencimento produz os mesmos


efeitos do anterior.
Normalmente, o endosso deve ser dado no título antes do vencimento,
entretanto não é proibido que o endosso seja empregado após o vencimento,
14
Código Civil Italiano, artigo 2.014 – Girata a titolo di égno. Se allá girata è apposta uma clausola
Che importa constituzione di pegno, il giratario può esercitare tutti i diritti inerenti al titolo, ma la
girata da lui fatta vale solo come girata per procura.
L´emitente non può opporre al giratario in garanzia lê eccezioni fondate sui propri rapporti
personali col girante, a meno Che il giratario, ricevendo il titolo, abbia agito intenzionalmente a
danno dell`emittente”.
15
Código Civil Italiano, artigo 2.015 – “Cessione Del titolo all´ordine. L´acquisito di um titolo
all´ordine com um mezzo diverso dalla girata produce gli effetti della cessione”.

Revista Virtual Direito Brasil – Volume 2 – nº 1 - 2008


produzindo os mesmos efeitos que aquele dado anteriormente, tendo esse o
nome de endosso-póstumo, tardio ou impróprio.
O artigo 20 da Lei Uniforme, Decreto nº 57.663, de 24/01/66, dispõe que “O
endosso posterior ao vencimento tem os mesmos efeitos que o endosso anterior.
Todavia, o endosso posterior ao protesto por falta de pagamento, ou feito depois
de expirado o prazo fixado para se fazer o protesto, produz apenas os efeitos de
uma cessão ordinária de créditos.”

CAPÍTULO IV
DO TÍTULO NOMINATIVO

Art. 921 – É título nominativo o emitido em favor de pessoa cujo nome


conste no registro do emitente.
Os títulos nominativos são emitidos em nome de uma pessoa determinada,
e sua transferência só se perfaz quando registrada nos livros da entidade
emissora. Esses títulos sempre trazem no contexto o nome da pessoa indicada
como beneficiária da prestação a ser realizada. Algumas vezes, os nomes dos
beneficiados dos títulos nominativos devem constar de registro da pessoa que os
emitiu, como no caso das ações das sociedades anônimas. Quase sempre esses
títulos são considerados impróprios, isto é, não caracterizam uma verdadeira
operação de crédito, portanto alguns autores negam a eles a natureza de títulos
de crédito. Muitas vezes os títulos nominativos são confundidos com os títulos
nominais à ordem, pois estes trazem também no contexto o nome do beneficiário,
mas podem ser transferidos por simples endosso, constante da assinatura do
beneficiário no verso ou no anverso do título, com a indicação ou não da pessoa a
quem ele é transferido (endosso em preto ou em branco). A circulação dos títulos
nominativos é sempre mais difícil que a dos títulos nominais à ordem, por
necessitar de um termo de transferência, e não ser feita simplesmente por
endosso.

Art. 922 – Transfere-se o título nominativo mediante termo, em


registro do emitente, assinado pelo proprietário e pelo adquirente.

Revista Virtual Direito Brasil – Volume 2 – nº 1 - 2008


A transferência do título nominativo será feita através de termo, lavrado em
livro próprio de registro do emitente, com a assinatura do proprietário e do
adquirente.

Art. 923 – O título nominativo também pode ser transferido por


endosso que contenha o nome do endossatário.
§ 1º - A transferência mediante endosso só tem eficácia perante o
emitente, uma vez feita a competente averbação em seu registro, podendo o
emitente exigir do endossatário que comprove autenticidade da assinatura
do endossante.
§ 2º O endossatário, legitimado por série regular e ininterrupta de
endossos, tem o direito de obter a averbação no registro do emitente,
comprovada a autenticidade das assinaturas de todos os endossantes.
§ 3º - Caso o título original contenha o nome do primitivo proprietário,
tem direito o adquirente a obter do emitente novo título, em seu nome,
devendo a emissão do novo título constar no registro do emitente.
O caput do artigo e o seu § 1º dizem respeito à transferência dos títulos
nominativos atípicos através de endosso, ou seja, aqueles títulos criados a partir
da entrada em vigor do novo Código Civil.
A norma determina que o título nominativo poderá ser transferido por
endosso em preto, que é aquele que contém o nome do endossatário, e que
somente produzirá efeito perante o emitente, após a averbação em seu registro,
facultando ao emitente a exigência de que o endossatário comprove a
autenticidade da assinatura do endossante.
Os títulos nominativos típicos, a partir da entrada em vigor da Lei nº 8.021,
de 12/04/90, somente podem ser transferidos através de termo lavrado no livro de
transferência de títulos nominativos, datado e assinado pelo cedente e pelo
cessionário, ou por seus legítimos representantes, não sendo permitida a sua
transferência por endosso.
O § 2º determina que o endossatário que receber o título por uma série
regular e ininterrupta de endossos terá o direito de fazer a averbação no livro de
registro do emitente, desde que comprovada a autenticidade da assinatura de
todos os endossantes.

Revista Virtual Direito Brasil – Volume 2 – nº 1 - 2008


Dispõe o § 3º que se no título original constar o nome do primitivo
proprietário, o seu adquirente terá o direito de obter do emitente um novo título,
em seu nome, devendo a emissão desse novo título constar do livro de registro do
emitente.

Art. 924 – Ressalvada proibição legal, pode o título nominativo ser


transformado em à ordem ou ao portador, a pedido do proprietário e à sua
custa.
Não havendo proibição legal, o título nominativo poderá ser transformado
em título à ordem ou ao portador, a pedido do proprietário e à sua custa. Porém,
devemos lembrar que existe a proibição dos títulos típicos nominativos-
endossáveis e ao portador determinados pela Lei nº 8.021/90.

Art. 925 – Fica desonerado de responsabilidade o emitente que de


boa-fé fizer a transferência pelos modos indicados nos artigos
antecedentes.
A partir do momento em que o título nominativo entra em circulação, os
sucessivos endossantes tornam-se devedores solidários e são coobrigados pelo
pagamento do título. O emitente que de boa-fé fizer sua transferência pelos
modos indicados nos artigos antecedentes, ficará desonerado de qualquer
responsabilidade.

Art. 926 – Qualquer negócio ou medida judicial, que tenha por objeto o
título, só produz efeito perante o emitente ou terceiros, uma vez feita a
competente averbação no registro do emitente.
Somente produzirá efeito perante o emitente ou terceiros, qualquer negócio
ou medida judicial, que tenha por objeto o título, desde que ele (o título
nominativo) tenha sido averbado no livro de registro do emitente.

Referências Bibliográficas
ALMEIDA, Amador Paes de. Teoria e prática dos títulos de crédito. São Paulo:
Saraiva, 2001.

BULGARELLI, Waldírio. Títulos de crédito. São Paulo: Atlas, 1996.

Revista Virtual Direito Brasil – Volume 2 – nº 1 - 2008


CABRILLAC, Henri. Lê cheque et lê virement. Paris: Librairies Techniques,
1967.

COELHO, Fábio Ulhoa. Curso de direito comercial. São Paulo: Saraiva: 2007.

DORIA, Dylson. Curso de direito comercial. São Paulo: Saraiva. 2006.

MARTINS, Fran. Títulos de crédito. Rio de Janeiro: Forense, 2004.

MIRANDA. Maria Bernadete. Curso teórico e prático dos títulos de crédito. Rio
de Janeiro: Forense, 2006.

MIRANDA, Pontes. Tratado de direito cambiário, São Paulo: Max Limonad,


1954.

REQUIÃO, Rubens. Curso de direito comercial. São Paulo: Saraiva, 2007.

VIVANTE, Cesare, Trattato di diritto commerciale, Casa Editrice Dott.


Francesco Vallardi: Milano, 1914.

Revista Virtual Direito Brasil – Volume 2 – nº 1 - 2008