Você está na página 1de 15

Dispositivos Semicondutores

de Potência

1
Classificação
• Tiristor
• Transistor de potência
• Diodos retificadores
• São operados no modo chaveamento com
perdas reduzidas, possui a desvantagem
da geração de harmônicos e da
interferência em freqüência de rádio.

2
Tiristor
• Denota uma família de semicondutores de
potência: SCR, DIAC, TRIAC, GTO, MCT.
• Possui uma estrutura de 4 camadas p-n-p-
n com três terminais: anodo (A), catodo
(K) e gatilho (G).
• Opera em dois estados estáveis: ligado ou
desligado.

3
Característica tensão-corrente
• Com a corrente de gatilho nula, mesmo
com uma tensão direta é aplicada sobre o
dispositivo (i.e. anodo positivo em relação
ao catodo) o mesmo não conduz, ou seja,
a corrente de anodo é apenas a de
dispersão.
• Se a tensão de ruptura é atingida, o
dispositivo entra em condução.

4
Característica tensão-corrente
• Se forem aplicadas correntes de gatilho,
esta tensão é reduzida.
• Para uma corrente de gatilho
suficientemente elevada, o dispositivo
comporta-se como um diodo.
• Quando o dispositivo está conduzindo a
corrente de gatilho pode ser retirada e o
dispositivo permanece ligado.

5
Característica tensão-corrente
• Se a corrente de anodo cai abaixo da
corrente de manutenção, o dispositivo
retorna ao estado de bloqueio.
• Se o dispositivo é polarizado
reversamente,após um nível crítico o
dispositivo entra em condução podendo
até ser danificado.

6
Características de chaveamento
• Após o início da condução o gatilho não
tem controle sobre o dispositivo.
• O tiristor irá desligar se a corrente de
anodo for anulada chamada de
comutação natural, ou se é forçada a se
anular é chamada comutação forçada.

7
Características de chaveamento
• Se uma tensão direta for aplicada
imediatamente após a anulação da
corrente de anodo o dispositivo não
bloqueia, mesmo sem a corrente de
gatilho.
• Para garantir o desligamento uma tensão
reversa deve ser mantida por um certo
tempo, o tempo de desligamento.

8
Características de chaveamento
• Tipicamente a largura do pulso de gatilho
é da ordem de 10 a 50 s e sua amplitude
da ordem de 20 a 200 mA.

9
Proteção
• Se o di/dt é elevado sobre o tiristor, este
pode ser danificado. Um indutor deve ser
colocado em série para limitar o di/dt a um
nível seguro.
• Um tiristor pode conduzir se for submetido
a um elevado dv/dt. Um amaciador RC é
normalmente utilizado para limitar o dv/dt
no dispositivo.

10
Circuito de disparo
• Normalmente utiliza-se uma das duas
formas de isolamento entre o circuito de
disparo e o circuito de potência:
– Transformadores de pulso
– Acoplamento ótico

11
Transformador de pulso
• Respondem apenas
em alta freqüência;
• Utiliza-se portanto um
trem de pulsos
seguido por um filtro
passa-baixas no lado
da saída.

12
Acoplamento ótico
• Tem a vantagem da imunidade a
interferências e eletromagnéticas.
• Podem ser utilizado opto-acopladores ou
fibras óticas (maior isolação).
• A potência de disparo é fornecida por
duas fonte: uma do lado do emissor
(circuito de controle) e outra do lado do
receptor.

13
Acoplamento ótico

14
Resfriamento
• O calor produzido na pastilha deve ser
dissipado, devendo ser transferido da
pastilha para o encapsulamento e daí para
o sistema de refrigeração (ar ou líquido).
• Ao aumento da temperatura corresponde
uma diminuição na capacidade de
suportar tensões no estado de bloqueio.

15