Você está na página 1de 31

0

ETEC JORGE STREET

SÃO CAETANO DO SUL

CURSO TÉCNICO EM ELETROTÉCNICA

O PROCESSO DE AUTOMAÇÃO DE UM COMPACTADOR DE


LATINHAS DE ALUMÍNIO

Marcelo Morais da Silva

Celso Ricardo Segura

Jorge Claudio Fortunato Valle

Leoabes Sival Barros

São Caetano do Sul, novembro de 2015


1

O PROCESSO DE AUTOMAÇÃO DE UM COMPACTADOR DE


LATINHAS DE ALUMÍNIO

Trabalho de Conclusão de Curso


apresentado a Etec Jorge Street, como
requisito parcial para obtenção do título de
Técnico em Eletrotécnica.

Orientador: Aécio

São Caetano do Sul

2015
2

RESUMO

Desde as últimas décadas o meio ambiente e os recursos naturais foram


assuntos envolvidos em Conferências. Nesses encontros, o futuro dos aspectos
naturais do planeta foi colocado em questão já que com o passar dos anos as
pessoas tomaram consciência de que as fontes são inesgotáveis. O projeto envolve
um equipamento desenvolvido para despertar a consciência ecológica dos
indivíduos, é utilizado para compactação de latas, com redução significativa de
volume. Além de proteger e limpar a natureza auxilia a cadeia produtiva do país. O
controle desse processo seria realizado com facilidade, sendo automatizado e
controlado através de equipamentos elétricos como sensores e CLP. A partir de uma
parte mecânicaque seria base para que os esforços pneumáticos sejam realizados
nas latinhas fazendo sua compreensão com facilidade e sem esforços para o
operador facilitando assim industriais de reciclagem, restaurantes e bares
incentivando reciclagem e gerando lucros com a venda de materiais reciclados. Para
o desenvolvimento do projeto foi necessário á consulta de sites relacionados ao
assunto e procedimentos mecânicos e elétricos e muita criatividade.

Palavras-chaves: Meio ambiente. Ecologia. Controle. Reciclagem. Criatividade.


3

LISTA DE FIGURAS

Figura 1 – Disjuntor Bipolar........................................................................................12

Figura 3 –Botão de Emergência................................................................................13


Figura 4 –Chave Seletora..........................................................................................14
Figura 5 –Sinaleiros Monobloco com Led.................................................................15
Figura 6 –Contator Auxiliar........................................................................................16
Figura 7 – Cabos........................................................................................................17
Figura 8 – Cilindro Pneumático..................................................................................18
Figura 9 – Válvula solenoide......................................................................................19
Figura 10 – Regulador de Pressão com Manômetro..................................................20
Figura 11 – Relé Temporizador Analógico.................................................................21
Figura 12 – Sensor Indutivo.......................................................................................22
Figura 14 – Esquema Elétrico....................................................................................23
Figura 15 – Diagrama de Blocos................................................................................24
Figura 16 – Fluxograma.............................................................................................25
4

SUMÁRIO

1 – Introdução.............................................................................................................5
1.1–Tema e delimitação.............................................................................................7
1.2 –Objetivo..............................................................................................................8
1.3 –Desenvolvimentos sustentáveis “a evolução da reciclagem”.............................9
2 – Fundamentações Teóricas.................................................................................11
2.1 – Compactador de Latinhas................................................................................11
3 – Descrições técnica do projeto............................................................................12
3.1 – Disjuntor..........................................................................................................12
3.2 – Botões de Emergência....................................................................................13
3.3– Chaves Seletoras.............................................................................................14
3.4– Sinaleiros Monobloco com Led........................................................................15
3.5– Contator Auxiliar...............................................................................................16
3.6– Cabos...............................................................................................................17
3.7 – Cilindro Pneumático........................................................................................18
3.8 – Válvula Pneumática Direcional........................................................................19
3.9 – Regulador de Pressão com Manômetro..........................................................20
4.0 – Relé Temporizador Analógico.........................................................................21
4.1 – Sensores Indutivos..........................................................................................22
4.2 – Escopo Elétrico................................................................................................23
4.3 – Diagrama de Blocos........................................................................................24
4.4 – Fluxograma.....................................................................................................25
5– Projetos do produtos...........................................................................................26
5.1Parâmetros do projeto.........................................................................................26
6 – Tabela de Custo.................................................................................................28
7 – Conclusão..........................................................................................................29
8 –Referências ........................................................................................................30
5

1 – Introdução

Atualmente muito se fala no meio ambiente. Praticamente generalizando


todas as atividades humanas interferem de certa tudo o que se constrói ou que se
cria, o que se desenvolve, tem relações com a preservação forma no meio ambiente,
desde os setores comerciais até a sua própria subsistência. O uso dos recursos
naturais é um tema que preocupa o mundo todo, já que infelizmente a natureza não
é composta só de fontes inesgotáveis, e isso tudo implica em discussões voltadas a
preservação de todo o meio natural.
Preservar não se restringe a um mundo onde plantar árvores é o suficiente, é
uma educação que deve ser adquirida a cada dia por todos os seres humanos
desde o seu nascimento. No cotidiano vemos áreas verdes sendo substituídas por
grandes cidades, pessoas que fazem um mau uso de água, uma absurda emissão
de poluentes na atmosfera, a não reciclagem dos materiais e recursos utilizados e
todos esses acontecimentos distanciam o homem de um ambiente que deve ser de
seu cuidado.
Pensando nisso, um equipamento que ajudaria nessa questão seria um
compactadorde latas de baixo consumo, projetado pelos alunos do curso técnico de
Eletrotécnica, onde a partir da experiência que vem, e o conhecimento adquirido
desde o início do curso.
O destino do Compactador de latas é ser usado em postos de reciclagem ou
lugares comerciais, ou seja, um grande lugar de consumo de refrigerantes e
cervejas
gerando uma grande quantidade de latas, onde as mesmas, não são descartas de
forma correta, pois são jogadas no lixo e assim misturado- se com outros tipos de
lixos e materiais do local. Quando em outras vezes não são jogadas em vias
públicas após o seu consumo.
Após uma observação deste fato o grupo decidiu projetar um equipamento
voltado para a reciclagem de material que não é reciclado de forma correta.
Analisando o valor que poderá ser gerado, dando possíveis lucros. Evitando assim,
a exploração de mais recursos de matéria prima para sua fabricação e ser realizada
a partir de um processo de reciclagem.
6

Seu funcionamento eletromecânico e pneumático é fácil de ser instalado em


qualquer local, que disponha de energia elétrica e um pequeno compressor. Assim
seu manuseio é bem prático, pois o próprio usuário do equipamento é quem o
abastece, aciona e acompanha a lata sendo compactada.
Contudo, com o lucro gerado pela reciclagem do material o próprio
comerciante ou dono do ponto de reciclagem pode investir em coisas que ainda lhe
proporcione um retorno maior.
7

1.1– Tema e delimitação.

Para o desenvolvimento desse projeto faremos um breve estudo sobre as normas


da ABNT – NBR 5410. Baseado nessas normas irá obter as melhores condições
para aplicação do projeto proposto.

Com os conhecimentos obtidos vamos construir um compactador de latinhas,


para ser montada na escola ETEC Jorge Street, São Caetano do Sul.
8

1.2 Objetivo
Analisar e apresentar fatores para melhoria no processo de preparação de sucata de
latas alumínio.

Existem diversas maneiras de se desenvolver um compactador de latinhas. Então os


objetivos específicos desse projeto são:

-Propor uma máquina com eficiência, segurança e custo benefício.

- Descrever como vai funcionar o sistema de compactação das latinhas.

- Desenvolver a lógica do sistema elétrico e pneumático para o correto


funcionamento.

- Desenvolver e apresentar lógicas de segurança do sistema elétrico.

- Apresentar soluções para situações de emergência.


9

1.3 Desenvolvimentos sustentáveis “a evolução da reciclagem”

Hoje em dia, muito se fala do conceito de sustentabilidade, que significa o uso


sustentável dos recursos naturais devem suprir as necessidades da geração
presente sem afetar a possibilidade das gerações futuras de suprir as suas
necessidades. E assim entra a reciclagem, e quando se fala reciclagem à primeira
coisa que se pensa é na lata de alumínio, pois nos dias de hoje, duas de cada três
são recicladas, até porque é mais economicamente viável reaproveitá-lo, do que o
processo de fabricação do alumínio através da redução do minério de bauxita, sendo
assim o alumínio é o mais reciclado que qualquer outro recipiente de bebidas.O ato
de reciclar latas usadas começou em 1968, na Califórnia. Em meados do ano 2000,
as indústrias pretendiam coletar 75,0% das 50 bilhões de latas jogadas fora por ano,
e nos dias atuais estes números estão próximo dos 98,0%.

Por isso produtos de alumínio são ideais para reciclagem, porque é mais
economicamente viável reaproveitá-lo, do que o processo de fabricação do alumínio.
A reciclagem requer menos de 5% da energia usada para fazer o alumínio. Com isso
reciclando uma lata de alumínio, economizamos uma quantidade de energia que
daria para manter uma lâmpada de 100 W acesa durante três horas e meia ou
deixar a televisão ligada por três horas.

A indústria do alumínio economiza energia equivalente a 7,5 quilowatt/hora de


eletricidade. Além disso, o processo economiza etapas: a matéria é simplesmente
derretida e moldada novamente, eliminando a extração, refino e redução do minério
de bauxita. A reciclagem também poupa tempo e dinheiro, derreter latas usadas de
alumínio demora metade do tempo e tem 1/10 dos custos de mineração e refino do
minério, reduzindo a dependência de importação de bauxita e os impactos ao meio
ambiente.

Além disso, tem um importante papel social. Cria novos empregos em centros
de reciclagem, empresas de alumínio, transporte e empresas que dão suporte á
indústria do alumínio. Fornecendo assim as latas para reciclagem, a população
ajuda a completar o ciclo do alumínio; uma lata reciclada volta ao mercado
consumidor em cerca de 90 dias.
10

O mercado brasileiro de sucata de alumínio teve um crescimento significativo,


devido ao aumento da participação de condomínios, clubes, restaurantes, empresas
e outros programas de coleta seletiva. Em 2004, o Brasil reciclou 9 bilhões de latas
de alumínio, o que representa 121 mil tonelada, vendo assim a atividade de reciclar
assume um papel multiplicador na cadeia econômica, que reúne desde as empresas
produtoras de alumínio e seus parceiros, até recicladores, sucateiros e fornecedores
de insumos e equipamentos para a indústria de reciclagem. Levando em conta que
reciclagem do alumínio cria uma cultura de combate ao desperdício, difunde e
estimula o hábito do reaproveitamento de materiais, com reflexos positivos na
formação da cidadania e no interesse pela melhoria da qualidade de vida da
população, além disso, a perspectiva de reaproveitamento permanente chama a
atenção da sociedade por produtos e processos limpos, criando um comportamento
mais renovável em relação ao meio ambiente no País.

Uma coisa que torna ainda mais animador o projeto e a habilidade do


alumínio de passar pelo processo de reciclagem infinitas vezes, sem perder suas
qualidades no processo de reaproveitamento, ao contrário de outros materiais, o
exemplo mais comum é o da lata de alumínio para bebidas, cuja sucata transforma-
se novamente em lata após a coleta e fusão, sem que haja limites para seu retorno
ao ciclo de produção, a reciclagem de alumínio é feita tanto a partir de sobras do
próprio processo de produção, como de sucata gerada por produtos com vida útil
esgotada.

Isso entra em um setor que tem estimulado o desenvolvimento de


novossegmentos para ambientalistas e gestores das instituições públicas e privadas,
envolvidos no desafio do tratamento e reaproveitamento de resíduos e também
beneficia milhares de pessoas, que retiram da coleta e reciclagem sua renda familiar
não só aqui no Brasil mais também no mundo inteiro.

Contudo, a partir de pesquisas sobre o assunto em questão, através de sites


de pesquisa foi observado esse mercado tão atraente e rentável, identificou-se a
oportunidade de desenvolver um equipamento que facilite o processo de reciclagem,
com o objetivo de tornar o processo mais produtivo e eficiente, foi desenvolvido um
equipamento para compactar latinhas de alumínio, para amassar e armazená-las em
um recipiente para serem coletadas.
11

2 – Fundamentações Teóricas

2.1 Compactador de Latinhas

Este projeto tem como a finalidade mostrar que a reciclagem é um meio de


extrema importância para a preservação ambiental. Incentivar o uso de materiais
reciclados, promover a utilização da coleta seletiva.

Nossa proposta de equipamentos será composta de:

1.1–Disjuntor

1.2–Botão de Emergência

1.3–Chave Seletora

1.4– Sinaleiros Monobloco com Led

1.5–Contator Auxiliar

1.6–Cabos

1.7–Cilindro Pneumático

1.8–Válvula Pneumática Direcional

1.9– Regulador de Pressão com Manômetro

2.0– Relé Temporizador Analógico

2.1– Sensor Indutivo


12

3 – Descrições técnica do projeto

3.1 Disjuntor

Os disjuntores, tem a função de proteger o circuito elétrico contra o contato


físico entre dois condutores carregados, “Curto Circuito”, cortando a passagem da
corrente elétrica no circuito, caso a intensidade da corrente ultrapassar a intensidade
limite que, normalmente, especificada nos próprios disjuntores. Uma boa
característica dos disjuntores, é que, além de proteger a corrente, ele também serve
como dispositivos de manobra.

Para reativar o disjuntor, basta que ligue a chave (dispositivo de manobra)


novamente, enquanto que nos fusíveis queimados precisamos trocá-los por novos,
podendo até tomar choque, quanto que isto não ocorre quando religarmos o
disjuntor.

Figura 1 – Disjuntor Unipolar


13

3.2– Botões de Emergência

Apresentando frontais de operadores com diâmetro de 22 mm com sistema de


trava ou soco, permite o acionamento de até oito contatos em paralelo NA ou NF. No
nosso sistema terá a função de interromper todo o comando, ao ser acionado por
qualquer situação de perigo, poderá ser acionado pelo usuário ou por terceiros.

Figura 3 – Botão de Emergência


14

3.3 – Chaves Seletoras

Iremos usar no nosso painel uma chave seletora fixa plástico com diâmetro de
22 mm e dois contatos NA 1A, um contato Na liga a máquina, e o outro contato Na
aciona a lâmpada de sinalização que indica que a máquina estar energizada.

Figura 4 – Chave Seletora


15

3.4– Sinaleiros Monobloco com Led

Os sinaleiros serão instalados para indicar quando o painel estiver energizado


sinaleiro de cor vermelha, e quando a máquina estiver em funcionamento sinaleiro
de cor verde.

Figura 5– Sinaleiro Monobloco Com Led


16

3.5– Contator Auxiliar

ContatorAuxiliar Siemens 3th2040-0fb4

Contatos 4NA

Tensão da bobina 24VCC.

Com 4 polos para corrente de até 10A

Certificado UL, CUL e CE

De acordo com normas IEC60947-4-1 e IEC60947-5-1

Fabricante

Siemens

Figura 6 – Contator Auxiliar

3.6– Cabos

Utilizaremos cabos de 1,5 mm para fazer toda parte de ligação do comando do


compactador de latinhas.
17

Figura 7 – Cabo

3.7 – Cilindro Pneumático

CILINDRO NORMA ISO 6431

Especificação: Detalhes Técnicos:


Diâmetro do Êmbolo: 32 mm
Fluído: Ar comprimido Filtrado
Pressão de Trabalho: 1 a 10 Bar
Temperatura: -10 à 70º C
Material da Haste e Tubo: Aço 1045 e Tubo em Alumínio
Cabeçotes: Alumínio Injetado
Pórtico de Entrada: Conforme Norma ISO 6431
Diâmetro e Curso: 100mm
Função Dupla Ação Duplo Amortecimento Regulável
18

Fabricante

Mobile ar

Figura 8 – Cilindro Pneumático

3.8 – Válvula solenoide mola 5/2 vias

Características Técnicas

Modelo:Série 3V200, 4V200,4V300,4V400 e 4V500


Vazão (CV):14 mm² (CV=0,78) a 110 mm² (CV=6,0)
Roscas: G1/8" a G1"
Fluído: Ar (deve ser filtrado por um elemento de pelo menos 40 µ)
Mecanismo de Acionamento: Guia Interna
Pressão de Trabalho: 1,5 a 10 Bar
Pressão Máxima de Teste: 12 Bar
Temperatura de Trabalho: -5 a 50ºC
Tensão de Trabalho: 12 e 24 Vcc
Tolerância de Tensão: -10% a +10%
Consumo de Energia: CA=3,6W e CC=4,8W
Isolação: Classe F
Grau de Proteção: IP65
Conector: Plug DIN
19

Frequência Máxima: 5 ciclos/seg.


Tempo de Resposta: 0,05 Seg. (Avanço por Solenoide e Retorno por Mola)

Figura 9 – Válvula solenoide

3.9 – Regulador de Pressão com Manômetro

Especificação Técnica

Entrada rosca macho 1/4 npt.


Saída rosca fêma 1/4 npt.
Mostrador de 40 mm
Escala: 0 - 180 psi
0 - 12 bar

Fabricante

Festo
20

Figura 10 – Regulador de Pressão com Manômetro

4.0 – Relé Temporizador Analógico

Rele Temporizador Analógico RTS - 22,5

Descrição Geral:
Rele Temporizador analógico fundo de painel, fornecido com váriasescalas,
alimentações e modos de funcionamentos.
Equipamento ideal para uso industrial que necessita de alta confiabilidade, baixo
custo, qualidade e robustez.

Características:
Tamanho reduzido 22,5 x 75 mm
Fixação fundo de painel por trilho DIN 46277
21

Baixo consumo
Duas saídas a rele NA-NF

Indicação quando alimentado e o estado da saída via Led frontal

Informações Técnicas:
Alimentação (+/-15%): 12-24Vcc
Escalas: 5-15-30-60seg / 5-15-30-60min / 5-15horas
Contatos de saída: 5A máx. - Carga resistiva
Consumo: 3VA
Precisão da escala (FE): +/-6%
Tempo de retorno: 60ms
Temperatura ambiente: 0 a 50ºC
Umidade relativa: 20 a 95%UR.
Grau de proteção: IP-20

Figura 11 – Relé Temporizador

4.1 – Sensores Indutivos

Sensor Indutivo Jng Lm30-2010a Faceado Na 90~250vca

Características
Sensor Não-faceado

Diâmetro do corpo 30mm

Distância de detecção 15mm

Tensão de alimentação 6~36Vdc


22

Função de saída (Tipo) 1 contato reversível (C/NA NF)

Função de saída (Configuração) PNP

Corrente de saída 200mA

Frequência 25Hz/500Hz

Resistência de isolação ≤50m

Cilíndrico com
Corpo
rosca/Encapsulamento metálico

Grau de proteção IP67

Temperatura de operação -25º~75ºC

Número de fios 4 fios

Frequência 25Hz/500Hz
Resistência de isolação ≤50m
Cilíndrico com
Corpo
rosca/Encapsulamento metálico
Grau de proteção IP67
Temperatura de operação -25º~75ºC
Número de fios 2 fios

Figura 12 – Sensor Indutivo


23

4. 2 – Escopo Elétrico

4 2

Y1
F1 1 5 3
+24V
1

11

S0
12

13

S1
14
2 3 5 6 7

13 15 13 13
13 13
S2 K1 K2 KT1 K3 K3 K3
14 14 18 14 14

11 B 15

S3 KT2

12 16

A 1 A 1 A 1
A 1 A 1 A 1 A 1

K1 K2 KT1 3 K3 KT2 3 Y1 H1 H2
A 2
A 2 A 2 A 2 A 2 A 2
A 2

0V

2 3 5 6 5
7
8
24

4.3– Diagrama de Blocos

Disjuntor

Botão de emergência

Chave seletora

Sensor indutivo

Fim de curso

Contator auxiliar

Relé temporizador

Válvula solenoide

Cilindro pneumático
25

4.4– Fluxograma

Inicio

Lâmpada vermelha

Ligar painel

Desliga painel

Sensor

Atraso 3 segundos

Avanço: Atuador Lâmpada verde

Tempo: 3 segundos

Recuo: Atuador

FIM
26

4. 5 Projetos dos produtos

5.1 Parâmetros do projeto

Situação antes da automação: Sem a automação implantada nos projetos é de se


esperar que elas tenham menos precisão em seus serviços, percam tempo e,
consequentemente, dinheiro.

Proposta de Automação:Visamos melhorar o desempenho dos processos de


reciclagem. Com a automação feita, esperamos que as empresas ganhem em
tempo, comodidade, organização e precisão.

5.2 Como funcionam o compactador de latas?

Utilizando um desenho foi possível esboçar a estrutura mecânica, o local de


colocação do cilindro pneumático, calha retangular (local onde armazenará e
conduzirá as latinhas de alumínio), até o ponto de amassamento, sendo colocadas
para melhorar a rolagem e distribuição das latas sem atravessar ou entalar durante a
descida nas chapas em ângulo. Um dos componentes do esmagador de latas é o
cilindro pneumático queserá impulsionado atravésde um compressor, a partir disso a
válvula solenoide direciona o fluxo de ar. A válvulaé formada por duas partes
principais, que são o corpo, bobina solenoide e o carretel. A bobina é constituída por
um fio enrolado em um cilindro, e passa corrente elétrica neste fio, será gerada uma
força magnética no centro da bobina, o que faz com que o êmbolo da válvula seja
acionado, proporcionando assim o sistema de abertura e fechamento. O corpo
possui orifícios (escape) que permitem a passagem de fluídos, quando o carretel é
acionado pela força da bobina. Esta força fará com que o carretel seja puxado para
o centro da bobina, permitindo o direcionamento do fluído. Já o processo de
fechamento dessa válvula ocorrerá quando abobina perde energia, pois o carretel
exerce uma força com o seu peso e com a mola que se tem instalada. O compressor
fornece ar para impulsionar o carretel do cilindro, sendo o mesmo não controlado
pela placa de controle, devido o fato de não ser de ar direto e sim por intermédio do
reservatório de ar, ou seja, quando este chega a uma determinada pressão interna o
27

mesmo irá interromper o seu trabalho e voltará quando tiver uma oscilação de 6
BAR.

Para o cálculo vai ser utilizado 6 BAR:

Módulo de Young do Alumínio 1050(E) = 70000000000N/m²


Diâmetro do atuador (Ø) = 100 mm=0,012m
Área do (At) = 0,0051 m²
Comprimento das latas (L) = 0,125m
Pressão (P) = 6 Bar

F= P x A (amassador)
F= 600000 x 0,0051
F= 3060 N ou F = 306 kgf

Deformação = F x L / E x At
Deformação = 3060 x 0,125/ 7000000000 x 0,000020405
Deformação = 0,002677 m = 2,678 mm

No local de compressão, existe uma abertura com a largura superior ao


diâmetro das latas e a espessura determinada com a dimensão final.

A parte elétrica do projeto acontece com um contator elétrico e um sensor


indutivo que ficara acionado para verificar a presença da lata dando assim para o
cilindro pneumático avançar evoltar ao ponto de partida dando continuidade ao
processo automatizado. Por um espaço entre a parede e a base de compactação do
cilindro, as latas compactadas cairão em uma rampaonde a partir do processo
descrito anteriormente, ocorrera à compressãoda lata, é em seguida cai através do
rasgo que existe no local de compressão, sendo assim armazenadas as latas para o
recipiente coletor (saco de lixo). O material descartado terá na compactação um
facilitador na troca do recipiente um saco de lixo.
28

6– Tabela de Custo

Descrição: Quantidade: Preço unitário R$:


Cilindro Pneumático Diâmetro Embolo: de 32 mm 1 150,00
Diâmetro e curso: 100mm
Conector Pneumático Ø8mm 4 2,00
Mangueira Pneumática 6m 10,00
Mangueira Pneumática 8m 13,50
Válvula solenoide 5/2 Vias 1/4 1 74,90
Redução Ø8mm para 6m 2 2,70
Chapa de Aço 1 10,00
Regulador de Pressão com Manômetro 1 55,00
Pneumático (1/4)
Chave Seletora NA 1 8,40
Sinaleiros Monobloco com LED (Ø22 mm) 2 10,00
24VCC Cor Vermelha e Verde
Botão de Emergência Tipo Cogumelo com Trava 1 9,30
(1/2 Volta para Retorno) 1NA (Ø22 mm)
Disjuntor Unipolar Din. Curva C 10 A. 1 5,49
Contator Auxiliar, 4NA, 10A, 24VCC 1 34,00
Relé Temporizador, 24VCC 2 45,00
Sensor Indutivo PNP24VCC 4Fios 1 55,27

Botão de pulso 2 10,00


Total 566,00
29

7- Conclusão

Temos como base no projeto, os produtos de alumínio que são ideais para
reciclagem,porque é mais economicamente viável reaproveitá-lo, do que o processo
de fabricação do alumínio através da redução do minério de bauxita.

Observando isso e partir de dados encontrados em sites de busca percebemos


que o mercado brasileiro de sucata de latas de alumínio está em uma crescente
significativa, devido ao aumento da participação de condomínios e clubes .

Através deste projeto, colocamos em prática os nossos conhecimentos


adquiridos ao decorrer do curso.
Para realizar o projeto, pois em também em prática a união e o conhecimento
individual de cada componente do nosso grupo, sendo importante ressaltar a
dedicação de todos os programas de coleta seletiva, sendo o Brasil líder mundial na
reciclagem de alumínio.
Com isso nos proporcionou uma elaboração de um novo produto, o qual é
denominado “COMPACTADOR DE LATINHAS”, o qual foi iniciado pela ideia da
reciclagem e sustentabilidade, tema usual nos dias atuais, o projeto visa
proporcionar maior agilidade na compactação, diminuição da área física e o
armazenamento das latinhas de alumínio.
O grupo de criação se empenhou em gerar um produto inovador e que
proporcione melhorias desde o menor esforço físico feito pelo usuário como um
produto mais eficaz e rápido para o mercado consumidor interno.
Portanto, por se tratar de um produto novo no mercado, enfrentamos vários
desafios tais como, criar um produto para minimizar os impactos que a latinha gera
para o meio ambiente, diminuir o esforço do usuário na sua compactação, produzir
um produto novo no mercado e também utilizar um pouco de cada aprendizado no
nosso projeto.
30

Referências Bibliográficas

ABAL. Alumínio: Infinitamente reciclável. Disponível em:


<http://ambientes.ambientebrasil.com.br/residuos/reciclagem/aluminio%3A_infinitam
ente_reciclavel.html>. Acesso em: 15 Abril 2015.

ABAL. Processos de produção. Disponível em: www.abal.org.br/aluminio/processos-


de-producao/reciclagem/. Acesso em: 08 Abril 2015.

CEMPRE Compromisso Empresarial para a Reciclagem. Disponível em:

<http://www.cempre.org.br>. Acesso: em 10 Abril 2015.

PORTAL BRASIL. Acordos globais. Disponível em:


http://www.brasil.gov.br/sobre/meio-ambiente/iniciativas/acordos-globais. Acesso em:
10 Abril2015.

SILVA, Emilio Carlos Neli. PMR 2481- Sistemas FLUIDOMECANICOS. Disponível


em: <http://sites.poli.usp.br/d/pmr2481/pneumat248.pdf>. Acesso em: 28 Abril 2015.