Você está na página 1de 4

Questão Prático-Laboratorial n.º 2 Física e Química A – 11.

° Ano

Escola Data
Nome N.º Turma
Professor Classificação

AL 1.2 Será necessária uma força para que um corpo se mova?

Numa das aulas laboratoriais realizou-se


um trabalho experimental com o objetivo
de responder à seguinte questão: “Será
necessária uma força para que um corpo
se mova?”.
A figura ao lado ilustra um esquema que
simula o equipamento experimental
utilizado.
O carrinho apresentado, de massa mcarrinho = 364 g, parte do repouso e encontra-se ligado a um bloco de massa
mbloco = 50 g, por intermédio de um fio inextensível e de massa desprezável, que passa pela gola de uma roldana
ideal. O fio tem um comprimento tal que permite o embate do bloco no solo quando o carrinho se encontra,
sensivelmente, a meio da calha metálica polida. Consideram-se todos os atritos desprezáveis.

1. Apresente uma explicação para a utilização de uma calha metálica polida e de um fio de comprimento tal
que permita o embate do bloco no solo antes de o carrinho chegar ao fim da superfície horizontal.

A pergunta “Será necessário uma força para que um corpo se mova?” centra-se, essencialmente, na
discussão de ser ou não necessário aplicar constantemente uma força a um corpo para que este se
mantenha em movimento. Na verdade, se se considerar a existência de uma força de atrito, sendo esta
oposta ao movimento, há necessidade de aplicar uma força constante ao corpo para que este se
mantenha em movimento. Contudo, se a força de atrito for desprezável, a resultante das forças que
atuam sobre determinado corpo pode ser nula e este continuar em movimento. Assim, se um corpo se
movimentar por ação de uma força, numa superfície sem atrito – calha metálica polida, e se se deixar de
aplicar a força que o fez mover –, após o embate do bloco no solo, a resultante das forças aplicadas nele é
zero, logo, ele mantém a velocidade imprimida pela força agora inexistente, passando a ter movimento
retilíneo e uniforme (Primeira Lei de Newton).

2. Considere um instante em que o carrinho e o bloco estão em movimento.


Represente os diagramas de forças que atuam sobre o carrinho e sobre o bloco suspenso.
Tenha em atenção o comprimento relativo dos vetores.

RN  Reação normal
T  Tensão do fio
Fg carrinho  Força gravítica que atua no carrinho
Fg bloco  Força gravítica que atua no bloco
Fgbloco  T
Sendo:

3. A força responsável pelo movimento do sistema (carrinho + bloco) é…


(A) … a força que a Terra exerce no carrinho.
(B) … a força que a Terra exerce no bloco.
(C) … a força que o bloco exerce na Terra.
(D) … a força que o fio exerce no bloco.

Pág. 2 de 4
Opção (B).
Considerando o sistema (carrinho + bloco) um só bloco obtém-se:

4. Relativamente à atividade laboratorial realizada pelos alunos é possível afirmar que:


(A) O movimento do carrinho, antes de o bloco atingir o solo, é retilíneo e uniformemente retardado.
(B) O movimento do carrinho, antes de o bloco atingir o solo, ocorre com aceleração crescente.
(C) O carrinho, depois de o bloco atingir o solo, desloca-se com velocidade constante.
(D) O carrinho, antes de o bloco atingir o solo, percorre distâncias iguais em iguais intervalos de tempo.

Opção (C).
Enquanto o carrinho e o bloco suspenso estão em movimento, o carrinho tem movimento retilíneo
uniformemente acelerado (m.r.u.a.), visto que a força resultante aplicada no carrinho é diferente de zero
devido à ação do bloco (considerando apenas o sistema carrinho: FR  T ). Além disso, a aceleração tem a
mesma direção e sentido da velocidade. O bloco suspenso também tem m.r.u.a. pois a força gravítica tem
maior módulo do que a tensão do fio e o corpo acaba por cair por ação da força resultante (considerando
o sistema bloco: FR  Fgbloco  T ). É de referir que também o bloco tem a aceleração e a velocidade com a
mesma direção e sentido. Quando o bloco suspenso atingir o solo e deixar de ter ação no carrinho, a força
resultante sobre o carrinho passará a ser nula e o carrinho deslocar-se-á com velocidade constante.

5. O bloco atingiu o solo no instante…


(A) … 0,50 s
(B) … 1,00 s
(C) … 2,50 s
(D) … 0,85 s

Opção (D).
Quando o bloco suspenso atingir o solo e deixar de ter ação no carrinho, este passará a ser atuado por uma
força resultante nula e o carrinho deslocar-se-á com velocidade constante. Por leitura do gráfico da
velocidade em função do tempo, verifica-se que a partir do instante t  0, 85 s a velocidade é constante.

6. Partindo dos valores obtidos nesta simulação, calcule o módulo da aceleração do carrinho antes do embate
do bloco no solo.
Apresente todas as etapas de resolução.

A partir do gráfico velocidade-tempo (durante os primeiros 0,85 s) obtém-se:


v 0, 95  0
a a  a  1,12 m s 2
t 0, 85  0

Pág. 3 de 4
7. Deduza a expressão que permite calcular o valor da aceleração prevista teoricamente, e compare o valor
teórico com o valor obtido experimentalmente.
Apresente todas as etapas de resolução.

Considerando o sistema (carrinho + bloco) um só bloco obtém-se:

Assim, FR  mbloco  g

Como pela 2ª Lei de Newton: FR  ma conclui-se:

mbloco 50  10 3
(mcarrinho  mbloco ) a  mbloco g  a  g  a   10
mbloco  mcarrinho 50  103  364 10 3

 a  1, 21 m s-2

Cálculo do erro relativo percentual:


aexp  ateórico 1,12  1, 21
Er (%)   100  Er (%)   100  Er (%)  7 , 4%
ateórico 1, 21

8. Considere um momento posterior ao instante em que o bloco atinge o solo.


Houve alguma alteração em relação às forças que representou na resposta ao item 2.? Justifique.

No item 2., como forças há a considerar as tensões, as duas forças gravíticas (sobre o carrinho e sobre bloco
suspenso) e a força de reação normal. No entanto, quando o bloco suspenso atinge o solo, há alteração nas
forças que atuam: as tensões deixam de existir e há a considerar simplesmente a força gravítica e a força
de reação normal, no carrinho e no bloco. Assim, quando o bloco suspenso atinge o solo, deixa de ter ação
no carrinho, passando este a ter uma força resultante nula (igual a zero).

FIM!
Questão 1 2 3 4 5 6 7 8 Total
Cotação 30 30 15 15 15 30 35 30 200

Pág. 4 de 4