Você está na página 1de 3

Disciplina: Literatura Espanhola II

Contextualização O ano de 1936 é considerado um marco histórico na


periodização histórica, política e cultural da Espanha, tendo
em vista que reflete um dos mais violentos episódios da
história da humanidade acontecido no século XX: A Guerra
Civil Espanhola.

Após o término desta guerra, em abril de 1939, instala-se na


Espanha o governo do General Franco. Sob o poder
repressivo da ditadura Franquista, os escritores espanhóis
vivem, na produção literária, uma renovação estética. O fato
se dá, tendo em vista o valor negativo que o episódio agregou
à sociedade hispânica. O fazer literário resultante desta época
é chamado pelos críticos de Narrativa do pós-guerra civil. A
obra deste período se caracteriza por expressar o sentimento
de derrota do povo espanhol.

Sendo assim, a abordagem feita nesta disciplina vai desde


a Geração de 1898, com especial atenção para a data de
1936, analisando também os movimentos da vanguarda
hispânica e finalizando com as poesia e prosa do Pós-guerra
Civil.

O conjunto de dados apresentados na disciplina deve


culminar com o incentivo aos alunos para a pesquisa no
âmbito da literatura espanhola.
Ementa A Geração de 98 (1898) e o Modernismo. O marco histórico
da Guerra Civil Espanhola. Os movimentos de vanguarda na
Espanha. A Geração de 27. A literatura do Pós-guerra: o
realismo social e as obras de denúncia. A criação do
?esperpento? de Valle-Inclán. O teatro e a restauração da
tragédia. A prosa a partir dos anos 50.
Objetivos gerais 1. Proporcionar um panorama crítico das correntes literárias
espanholas.

2. Situar o aluno diante das pecualiaridades da literatura


espanhola.

3. Promover a integração das suas manifestações culturais


(Brasil/Espanha).

4. Estudar as manifestações literárias na Espanha nos


contextos histórico, político e social.
Objetivos 1. Discutir as grandes manifestações da arte e da literatura

1
específicos espanholas do pós guerra civil.

2. Exercitar os instrumentos teóricos de crítica literária na


leitura de obras e construção de textos.

3. Relacionar as manifestações literárias da vanguarda


espanhola aos acontecimentos históricos.

4. Estudar o teatro espanhol do século XX.

5. Analisar textos, vídeos e obras capitais da literatura


espanhola referentes as chamadas gerações de 1998 e 1927.

Conteúdos Unidade 1 – O Modernismo e a Geração de 98:

1.1. A Renovação poética modernista: Rúben Darío e Juan


Ramón Jiménez (?Platero y yo?)

1.2. A Geração de 98:

a) Contexto histórico;
b) A poesia de Antonio Machado;
c) O pensamento de Miguel de Unamuno: "Niebla";
d) A novelística da Geração de 98: Pio Baroja e Azorín.

Unidade 2 – Os Movimentos de Vanguarda:

2.1. ?El greguerismo?, metáfora e humor: Ramón Gómez de


la Serna.
2.2. O Ultraísmo de Vicente Huidobro
2.3. O Surrealismo de Salvador Dalí e Luis Buñuel
2.4. A Geração de 27: principais autores (Damaso Alonso,
Pedro Salinas, Luis Cernuda, Manuel Autolaguirre, Rafael
Alberti, Miguel Hernández, Federico García Lorca)

Unidade 3 – Considerações sobre o teatro espanhol


(século XX ):

3.1. Valle-Inclán e a criação do ?esperpento?


3.2. García Lorca: "Bodas de sangre", "Yerma" e "La casa
de Bernalda Alba".

2
Unidade 4 – A Literatura do Pós Guerra Civil:

4.1. A poesia social ou comprometida: Blas de Hotero, José


Hierro, Angel Gonzáles, Claudio Rodríguez.

4.2. A Prosa:

a) La deshumanización del arte: A filosofia de Ortega y


gasset.
b) O realismo existencial: Camilo José Cela , ?La família
de Pascual Duarte?.
c) Ecologia e natureza: Miguel Delibes, ?Las ratas?
d) O teatro de denúncia: Gonzalo Torrente Ballester e
Antonio Buero Vallejo.

Unidade 5 – O Romance/novela a partir dos anos 1950:

5.1. O realismo social e crítico: Juan Goytisolo, ?Juego de


manos? e Luís Martín Santos, ?Tiempos de silencio?.
5.2. A contística de Ignácio Aldecoa.

Unidade 6 – A Literatura espanhola a partir de 1975:

6.1. Paradigmas novelísticos: Gonzalo Torrente Ballester


6.2. Novela social e comprometida: Miguel Delibes: ?El
camino?.
6.3. Novela histórica: Manuel Vázques Montalbán- ?Crónica
del rey pasmado?.