Você está na página 1de 9

2ª FICHA DE AVALIAÇÃO- 1ºPERÍODO- RESUMO

Expansão e mudança nos séculos XV e XVI

O expansionismo europeu

1- Localiza no tempo e espaço os principais lugares descobertos.

Principais lugares descobertos:

 Ceuta(1415)
 Madeira( 1419) descoberta por João Gonçalves Zarco, Tristão Vaz
Teixeira e Bartolomeu Perestrelo.
 Açores (1427) por Diogo de Silves e Diogo de Teive
 Cabo Bojador(dobrado em 1434 por Gil Eanes)
 Rio do Ouro(1436)
 Cabo Verde(1456)
 Serra Leoa(1460)

!!!!!!!!!Tens de saber localizar estes lugares no mapa que está na


página 17.!!!!!!!!!

2.Identifica as razões da expansão europeia

1.Queriam resolver problemas como:


 A falta de cereais;
 A falta de ouro para cunhar moeda, necessária para o comércio;
 A falta de matérias-primas e de mão-de-obra para a agricultura

2.Queriam controlar as riquezas orientais

3.Os reis procuravam novas terras para expandir a fé cristã

3.Avalia o conhecimento geográfico do mundo antes das descobertas.


4.Explica as condições que possibilitaram o papel pioneiro de Portugal no
movimento expansionista.

Condições geográficas
 proximidade às ilhas atlânticas e ao norte de África
 extensa costa marítima com bons portos naturais

Condições políticas
 vivia-se um período de paz e estabilidade política

Condições históricas, sociais, técnicas e científicas


 existência de marinheiros experientes
 havia conhecimento e instrumentos para navegar em alto
mar: bússola, astrolábio, quadrante e balestilha
 Desenvolvimento da caravela – com velas triangulares e leme na popa,
que permitia bolinar, ou seja, navegar com ventos contrários.

5.Indica as motivações sociais da Expansão Portuguesa

A expansão externa também interessava a Portugal, sendo que cada grupo


social tinha as suas motivações específicas:

 Burguesia:
 pretendia riquezas (ouro, cereais, especiarias, escravos e outras
mercadorias) e novos mercados
 Nobreza:
 também pretendia riquezas, mas também novas terras e títulos
 Clero:
 pretendia converter povos ao cristianismo
 Povo :
 queria melhores condições de vida

6.Indica os meios técnicos utilizados pelos navegadores portugueses nos


inícios do século XV

ASTROLÁBIO QUADRANTE
BÚSSOLA BALESTILHA

CARAVELA

7. Indica os motivos da prioridade da conquista de Ceuta no processo de


expansão e explica as razões do seu fracasso económico.

Razões para a conquista de Ceuta


 região rica em cereais
 ponto de chegada das rotas de caravanas que traziam o ouro do sul de
África
 ponto estratégico por se situar no estreito de Gibraltar, por onde passam
todos os barcos que entram e saem do Mar Mediterrâneo
 forma de atacar o Islão e expandir o cristianismo

Razões do seu fracasso económico:

 devido aos ataques frequentes à cidade, os campos de cultivo foram


abandonados
 as rotas do ouro foram desviadas
 tornou-se cara a defesa desse território
8.Localiza no tempo e no espaço os principais rumos e etapas da
expansão durante o período henriquino.

1ª Fase: exploração da costa africana – De Ceuta a Serra Leoa – Período


Henriquino

Principal responsável pelas primeiras expedições marítimas


 Infante D. Henrique, filho de D. João I.

Datas importantes durante esta fase


 1419 – Redescobrimento* da Madeira
 1427 – Redescobrimento* dos Açores
 1434 – Passagem do cabo Bojador (navegador: Gil Eanes)
 1460 – Chegada a Serra Leoa

9.Relaciona os rumos e a dinâmica da expansão com os interesses dos


vários grupos sociais.

A expansão portuguesa fez-se segundo duas formas:


1. Descoberta
2. Conquista

Nobreza - defendia uma política de conquistas territoriais no Norte de África com:


 A posse de novos territórios;
 O aumento das suas rendas.

Burguesia – defendia o desenvolvimento da atividade comercial através de


descobertas na costa ocidental africana e no atlântico ocidental.

A expansão iniciou-se com D. João I.


O grande responsavel pelo seu desenvolvimento foi o Infante D. Henrique.
10.Compara a política africana de D.Afonso V com a política
expansionista de D.João II.
Reinado de D.Afonso V

As descobertas abrandaram após a morte do Infante D. Henrique e devido ao


facto do rei D. Afonso V se ter interessado mais pelas conquistas no Norte de
África.

Entre 1469 e 1475 a exploração e o comércio da costa africana foram


arrendados a Fernão Gomes, um rico mercador.

Fernão Gomes comprometeu-se a avançar em cada ano, 100 léguas de costa


para sul da Serra Leoa e a pagar uma renda anual de 200 000 reais.

Neste período ficou a conhecer-se todo o Golfo da Guiné até ao Cabo de Santa
Catarina.

Reinado de D.João II

O reinado de D. João II retomou a expansão portuguesa.

O seu principal objetivo era a descoberta de um caminho marítimo para a Índia


que se tornou mais possivel em 1488 quando Bartolomeu Dias dobrou o Cabo
Bojador. Desde então o Cabo Bojador passou a chamar-se Cabo da Boa
Esperança e abriu caminho para chegar à India por mar.

11.Explica o tipo de exploração e admnistração adotados pelos


portugueses em relação aos arquipélagos da Madeira e dos
Açores.(conhecer os principais produtos fornecidos pelos dois
arquipélagos)

Tanto os Açores como a Madeira eram desabitadas quando os Portugueses


chegaram a esses arquipélagos. Era então preciso povoá-los e fazê-los
desenvolver economicamente.
Por isso, as terras foram divididas em capitanias e entregues a capitães-
donatários.

Principais produtos fornecidos pelos arquipélagos:

No arquipélago da Madeira:

 cereais, vinha e cana-de-açuçar

No arquipélago dos Açores:

 cereais, criação de gado e plantas tintureiras


12.Caracteriza os diferentes sistemas de colonização usados por Portugal
nas suas colónias.

????????? perguntar à prof de história

13.Explica o significado da passagem do Cabo da Boa Esperança

A passagem do Cabo da Boa Esperança foi importante porque:


 fez a ligação entre o Atlântico e o Oceano Índico.
● Provou que o monstro Adamastor não existia - era apenas um rochedo numa
área com correntes fortes
● Corrigiu os mapas da época;
● Determinou a forma do continente (parte ocidental);
● Abriu a possibilidade de se chegar à Índia por mar

14.Explica a clarificação operada no reinado de D.João II no que se refere


aos objetivos da expansão.

Já está explicado no objetivo 10

15.Explica o Tratado de Tordesilhas no contexto da rivalidade entre


Portugal e Castela.

A rivalidade entre Portugal e Espanha , já vinha desde o século XV.


Em 1479, foi assinado um Tratado, por causa destas questões que foi o
Tratado de Alcáçovas em que Portugal ficava com os territórios para sul das
Canárias.

Durante o reinado de D. João II as rivalidades ficaram piores quando Cristóvão


Colombo alcançou a América e o rei D.João II usou o Tratado de Alcáçovas para
dizer que a América lhe pertencia.

O conflito só se solucionou com a assinatura de um novo Tratado que foi o Tratado de


Tordesilhas.

16.Explica em que consistiu o Tratado de Tordesilhas.

Este Tratado de Tordesilhas criou a ideia de mare clausum, isto é mar fechado.

Dividia o mundo em duas partes através de um meridiano de polo a polo, situado a


370 léguas a oeste de Cabo Verde.

As terras descobertas a ocidente desse meridiano pertenceriam a Castela e a as


terras situadas a oriente pertenciam a Portugal.
17.Refere o impacto da chegada da armada de Vasco da Gama,em 1498, aos
mares do Oriente.

O rei D. João II preparou a descoberta do caminho marítimo para a Índia, mas esta
só veio a acontecer no reinado de D. Manuel I, em Julho de 1497, com o navegador
Vasco da Gama.

A descoberta do caminho marítimo para a Índia possibilitou:

 Comércio direto das especiarias;


 Comércio direto de produtos de luxo orientais;
 Desenvolvimento da economia à escala mundial.

Mas a presença portuguesa na Índia não era bem vista por:

 Muçulmanos
 Chefes locais

D. Manuel I, então enviou uma armada para impor o seu domínio em terras do oriente.

18.Distingue formas de ocupação e de exploração económica implamentadas


por Portugal na África, no Oriente e no Brasil.

Sistema de exploração do Oriente:

os Portugueses criaram uma rede de feitorias desde a costa ocidental de


África até à China e ao Japão.

Sistema de exploração do Brasil:

Os portugueses criaram capitanias governadas por capitães donatários.

Sistema de exploração de África:

Os Portugueses fixaram-se apenas junto à costa e dedicaram-se sobretudo ao


comércio de ouro, escravos, marfim e de especiarias africanas. Para isso,
foram criadas feitorias que eram um posto comercial dirigido por um
funcionário do rei.

19.Distingue a política dos vice-reis (Francisco de Almeida e Afonso de


Albuquerque)

Política do 1º vice-rei da Índia – D. Francisco de Almeida


 domínio dos mares

Os Portugueses tentaram criar um império comercial. Para isso tiveram que


lutar contra os Muçulmanos que era quem dominava o comércio asiático.

Política 2º do vice-rei da Índia – Afonso de Albuquerque


 domínio dos mares e conquista de cidades importantes
como Ormuz, Goa e Malaca. Através destas cidades foi possível estabelecer
uma importante rede de trocas comerciais pelos mares do Oriente.

20.Mostra a importância da Casa da India como entreposto comercial dos


negócios portugueses.

A Casa da India foi importante porque era controlada pelo Rei e era através
dela que:

 se organizava as armadas
 se controlava o comércio entre Portugal e o Oriente
 se vendiam as mercadorias recebidas.

21.Indica o papel desempenhado na expansão portuguesa pelas


seguintes personagens: Infante D.Henrique; D.Afonso V; Fernão Gomes e
D.João II

Infante D.Henrique: foi o


principal responsavel Afonso V foi o rei de Portugal e
pela Expansão. Algarves de 1438 até sua morte e ficou
conhecido por "o Africano" pelas suas
conquistas na África,

Fernão Gomes: mercador a quem D.Afonso V


arrendou o comércio na Guiné em troca de uma
renda e de ter de descobrir cem léguas de costa
por ano.
D.João II: rei que retomou os
Descobrimentos tendo como principal
objetivo a descoberta do Caminho marítimo
para a India.

22. Diz o que significa navegação astronómica, capitão – donatário,


colonização, feitoria e mare closum.

Navegação astronómica: navegação feita em alto mar através da observação


dos astros

Capitão-donatário: eram membros da pequena nobreza a quem eram doados(pelo


rei) territórios para governar.

Feitoria: lugar ou estabelecimento geralmente situado junto a um porto, e que


funcionava como um local comercial .

Mare closum: significa mar fechado( à navegação estrangeira). Tudo que era
descoberto ou pertencia a Portugal ou a Espanha.